Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04431


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Anuo de 184*?. Tei^a Feira _I.de
Tuilo ayora depende di- noi mesront ; da no**a prudencie, moderac.ao, eonercia : con-
tinuemos como principenlo*, e arenme epontadoe con) admirar.jo entre as Naeoea maii
vulias. (I'roclamaco da Aaaemblea Geral do Irasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Gnianna, Paraiba. e Rio jrand do Norte, na aegunda e sena feira.
Romlo e (iaranhun, a lue'2'l. V
Cabo, Serinbnrm, llio Forniot. Pnrlo Cairo, Maceii'i, Alaoas no 1 11, t ti.
l'ajeii 13. Santo Anto, quinta feira, Oiinda todos ua diaa.
DAS DA SEMANA.
31 Se-, s. Pedro Nulasco. Cbanrh And. do Juit de "Direiloda 2. rara
i Tere, a Ignario. Aud.do juide Direito da 4, ara.
2 Qirart. : l'uriti-a*io de N.. Aud. do uia da direilo da 3. rara.
3 Ouint. braz. Aud. do jui de direito de 2. ara.
4 (cal. s. Andii Corsino. Aud. do Jnir. de Direito da 1. rara.
jab. a. A-Mird.1. Re.-Aud. do Juit de Direito da 3, rara.
0 I)oei. a. Dorotheo.
Feverci.o. Auno XVIlll* K. 25.
j^. 0 Diario publica-ae todos os diaa no* nao forra. Santificado*: o ierre, da atai-nature l.e
(tetra* mil rcia porqoartal |>a;oa adiantadoa. Oa anniinrina dos issicnsittes so inserido*
Rratia, eo* dos que o noforam i raijo do 80 re i s por linha. A* rccIaWM \: de\rm f
diri'idaa a esta Irpografia roa da* Crutea D. 3, ou prara da Independencia tojas de litro*
Nmeros 37 3S.
Mesir.anvs
CAMBIOS so u 51 r>r. Jj.sr.mo.
Cambio aobre Londres 2V d. p. 4U. I'*T l'esoa < ol*ia*si*i*j
i> a l'im 320 res p. frailen.
o Lisboa SO a Sj p. 100 de pr.
Ocio-.Moeda dat.400 V. IMOOa 11,I
< i N. li.100ali.4im
o de 4,000 8,100 a S.5a0
PltTl Patace* l.ljO* 1,670
.fiWa 1.678
l.fi'Oa l.Stl
minda l.'i40a l.iOO
Monda d robre S por 100 de diaeontn.
Diavou'o de Inlli. da Alfandega i e J. por 109
ao mes.
dem 4c letras de boas firmas le a 1 r. {.'
'reamar do ,/,u 1 de Feverero.
1," as 9 hola* e 1S m. da tarda.
2. ** hora* e 24 m, da manha.
PIUSE-* IU LOA KO MEZ LK PFVHRF.lRO.
Qnerl. min. S a 10 rae e H ra da a*1'.
I.ua Nora 10-- i* 0 oras f M t*. da manV
Qnart. rese, a \%- as 9 oras e ?? m ila iu.b.
La cheia 23 a 1 o- e ,i i*, da naub.
A 151
DE PEKNAlHBIiCO.
PARTE OFFICIAL.
DECRETO.
Tendo-se reunido a cmara municipal da
c'idado de S. Joo de El-Rei da provincia de
Minas Geraes, para organisar una represen-
Lacio que remetteu a secretaria de estado dos
negocios do imperio seni declaradlo dodia
cm que for frita no crrante mez de dezem-
bro, na qual a mesma cmara, composta dos
voleadores Antonio Fernandos Morena, Jos
Antonio Marinlio Joaqtiim Jos de Oliveira
Marta, Luiz Alves de Magafflaes Francisco
de Assiz de Almcida, Jos Maximianno Bap-
tista Machado, Carlos Joaquim Mximo Pe-
ndra e Domieaiio Leite Ribeiro, sol) a egido
de um mal entendido direito do pcticaoou de
urna mal applicada gaj^itia constitucional,
com esquocimento de suas privativas attrihui-
coos l):'in explcita e precisamente dernidas
nos artigos 107 e I0)da constiluigo e nos
ttulos 2. 3. e i. dalcl do I. de outubro de
I88, assim como das d^teimmacos da
mesma conslituca nos artigos 155, 151 o
155, e da Le de 13 de Sutubro de 1827, que
mui expressa eamplamente tem designado os
casos e os meios de fazer efTectiva a responsa-
bilidade dos ministros de estado, ousou ,
violando abertamente o artigo 78 da citada
li dol. de outubro de 1828, involver-se na
poltica geral do estado, com offensa dos di-
reitosda minlia imperial coroa no ampio e
livre exerccio das attribuicoes que a consti-
t'iiQo meconfere equemecumpre guardar
na mais perfeita iulegridade : e tendo resol-
vdo para manter a ordem c obstar aos ef-
fcHos de tao escandaloso abuso, fazer que os
funecionarios pblicos secontenhuijios limi-
tes de seus rgimen tos, hei por bem sus-
pander os referidos vereadores que assigna-
ro a dita representaco, para quo se Ibes
faga effectiva a responsabilidade em jusj
competente.
Candido Jos de Araujo Vianna do mcu
CDnselho, ministro negocios do imperio, o ten lia assim entendi-
do e faga executar com os despachos neces-
sarios. Palacio do Rio de Janeiro, cm trili-
ta de dezembro de mil e oito ceios equa-
renta o um vigsimo da independencia e
do imperio Com a rubrica de Sua Magosta-
do o Imperador Candido Jos de Araujo Vi-
anna.
reeobidos desde j como moeda pelo valor
que representaren! no da do reeebimento(ca-
pital e juros) em todos os pagamentos dedi-
reitos ou crditos do governo cuja importan-
cia for igual ou superior ao dito valor.
Artigo i. Quando osbilhetes Ib re ni dados
em pagamento de direito ou crditos dogoverno
nasestagOes cima mencionadas o portador
delles devora declarar fto dorso de cada um
0 (lia mez e auno em que odor assignan-
dooseu nome junto ao qual assignar tam-
bem o respectivo thesouroiro com o sen ap-
pellido : o, acabado o despacho do dia, o es-.
e'rivao da respectiva receita verificando com
o thesouroiro os bilheles entrados durante o
mosmo despacho, assignal-os-ba tambera com
b sen appi'llido. Osbilhetes assim recebiilos
na alfandega consulado. v, recebedoria do
municipio s tio no da immediato remedi-
dos impreterivelmente thesourara geral ,
onde sern conferidos com os talos, ese
Ibes pora logo a nota de inutilisados.
Artigo o. Os bilbetes que forem pagos,
conforme o artigo 2. serao tamiiom inuti-
lisados, como os recibidos em pagamento an-
tes de vencido ojiraso da emisso. o guarda-
dos uns e outros para a.conferencia o consu-
mo nos termos do artigo 12 do regulamento
de 25 de margo de 1858.
Artigo 8. Se lindo o< 0 mezes, os bilbe-
tes nio forem apresentados na thesouraria
geral do thesouro publico nacional ou para
serom pagos, ou trocados por outros cessa-
r o juro da data doseu vencimenlo em di-
ante.
Artigo 7. 0 tribunal do thesouro reserva-
seo direito de alterar para maisou para menos
o valor dos bilbetes que houver de emiltir c
o do juro diario, e de resgatar, antes de ven-
cidos todos os bilbetes em circulagSo ou
parte delles quando julgar conveniente
qualquer destas medidas, precediendo edi-
taescom as decarags que forem neeessa-
rias.
Artigo 8. Ser sempre contado a favor do
portador do bilheto o juro' do dia da emisso
do mesmo bilhete eodaquelle cm que for
dado em pagamento.
Artigo 9. A respeilo destes bilbetes guar-
dar-se-ho o processo, escripturago e cau-
telas eslabelecidas na portara de 12 de fe-
verero e regulamento de 25 de margo de
1858.
Rio o de Janeiro do 1812. -Viseondo de
Abran tes.
MINISTERIO DA FAZENDA.
O Visconde de branles, presidente do tri-
bunal do thesouro publico nacional, ordena
que a respeito dos bilbetes do thesouro, cuja
emisso Ibi authorisada pelo artigo 5. do de-
creto numero li>8 de 18 de setombro de 1810,
e pelo paragrapho ;>. do artigo 6. do de 15 de
novembro do corren te anno n. 251, se obser-
ve o seguintc :
Artigo 1. Os bilhetes do thesouro sero do
valor de 600* reis e de 1:200* reis a pra-
zos de 0 mezes. Yencero aquellos o juro de
100 reis e estes o de 200 reis por dia.
Soro estampados, numerados por series de
valores assignados pelo Uiesoureiro geral,
e rubricados pelo inspector geral do thesouro,
sendo porem escriptos os nmeros valor ,
raso do juro diario, ea data da emisso.
Artigo 2. No dia do vencimento pagar-se-
ha na thesouraria geral do thesouro publico
nacional, em moeda corrente ao portador
destes bilhetes, o seu respectivo valor e o dos
juros vencidos. Ter porem o portador a op-
go de trocal-os por outros de igual somma,
quando o thesouro queira emittil-os, receben-
do nesse acto os juros vencidos.
Artigo 5. Na alfandega consulado da cor-
tt, na recebedoria do municipio o thesoura-
ria feral de theseuro serte estes buhte*
O emblema imitando ao renladeio ,' do terreno entre a estrada de Santo Anto, o
quanto a dimengoes e tragos, com todo fiFrof: cesia da Kscada e entre o ongenho do
he desempenhado nom alguma asperesa, so [Socorro, o outros, conforme requisitou em
brotudo a ramagem que combinado com o [seo officio de 27 do corrente.
verdadeiro, torna saliente a sua diTerenga. Portara Ao Commandanto do Brigue
Na tarja, ou cercadura da parte de cima, i Capibaribe ordenando-lho que receba aseo
no canto direito da nota, onde existo a pri-! bordo o segundo Tencnte Joo Demaso de
meira paluvra -cinco entre esta o a tarja j Souza Freir, a fim de servir no dito Bri-
perpendicular, (as verdadeiras) existein dois i gue ato que o contrario seja determinado.
quadradinbos oscuros, entrelazados um com Dita Aovlnsjiector Geral das obras publi-
outro, e na falsa existe um squadrado. cas, para remetter a Secretaria o orcamen-
A palavra -imperio na falsa, acha-so mais
unida a tarja, do que na verdadeira o o mes-
no acontece no outro lado da palavra Brasil
to o condieges com que foi arremedada a o-
hra da estrada de Santo Amaro.
Dta-Ao mesmo, ordenaudo-lhe que re-
-A nota falsa he milito mais. curta ciis es-1 meta a cmara municipal de Goianna a plan-
treita do que a verdadeira : e posto que ueste ta velha da cadeia daquellacidade, conformo
momento ten hamos, vista notas de5j reis requisita a dita cmara.
deduas diversas chapas, todava em ambas O/ficio k Cmara Municipal da cidade de
existem para com a falsa as mesmas dilleren- Goianna, commuiiicaiiJoJlio aoxpcdigoda
gas sendo urna destas chapas aquella, pela
qual suppomb* foi imitada a falsa porisso
que no canto da cercadura de cim a direita,
te sini um s quadrado, o nao dois entre-
lazados mais mesinonssiin com difTerenga do
da falsa ; subsislindo todas as outras diirs
rengas oacurtozada nota: nose podendo
presumir que estas provenho de so molhar
o papel no acto de imprimir, por quanto nun-
ca podo encolher a ponto de encuetar tanto a
gravura da chapa. O ovado amargemonde
diz- Decreto do 1. do Junho de 1855-na
falsa he mais pequeo, o mais estrelle do
-que na verdadeira o he mesmo todo circu-
lado com una linha mais viva o mais forte
do quena verdadeira. (assignados) Fidelis
Honorio da Silva Santos Pereira Paulo dos
Santos For reir Sonto.
Illm. eKxm Snr. Mande Y. I'x. im-
mediatamente proceder a siibslitug.io das
notas de 5j reis, de que iom apparecido de
chapa falsa na circulagSo conforme o exa-
me ah feito cujo resollado mandei impri-
mir e dos quaes remidi 10 ejemplares -ara
distribuir, paticando-se a esta oneragfto da
mesma forma que a das notas de 10 e20j rs.
em consequencla das ordens expedidas a rsse
respeito: icando Y. Ex. na intelligencia de
que nesta data ordeno tambem a substitui-
go as provincias pela mesma forma c con-
vir que se vo apromptando nolas*para se
lhes remetter, quando o exigirem.
Dos guarde a V. Ex. Pago em 21 de de-
zembro de 1811 Visconde de Abrantes.
Snr. conselheiro inspector geral da caixa da
amortisago.
Resultado do exame a que se procedeo pelos
trocadores da caixa d'amorlisago as no-
tas falsas de 5. reis que se remetteio da
Baha.
O papel tem diferenga notavcl do verda-
deiro : aprsenla um lustro cuma superficie
alisada; he fabricado com bastante algodo,
e por isso offerece ao tacto urna impresso,
que ho mais fcil de sentir do qne de expli-
car.
GOVERNO DAPROVINCIA.
FAPKDIKXTE DO D1V 28 DO PlSSADO.
Oflicio Ao Commandanto das Armas,
reniettt'iido-lhe o requerimento de Manoel
Francisco Monteiro Alteres da quarta Com-
panhia do primoiro Batalho da Guarda Na-
cional do Municipio de Oiinda em que se offe-
rece a marchar para oSul a lim de prestar
os seus servigos a bem da integridad* d Im-
perio ; e ordenaudo-lhe que aceite o seo ofe-
reciineuto e o faga seguir o seo destino na
primera occasifioopporluna.
Dito- Ao mesmo, ordenando-lho que man-
de apresen lar ao engenheiro Waulhier um
soldado de cavallaria a fim de o acompanhar
al Santu Anto n'uma coinmisso de quo
se acha cncarregado.
Dto-Ao Engenheiro Waulhier, com-
Diunicando-lbo a expedigo da ordem
ordem supra.
COMMANDO DAS ARMAS.
RXrRDIENTH DO DIA. 25 DO P.VSSAD0.
OdeloAoExm. Presidente, signiflcan-
do-lho que continuaro as faltas da Guarda
Nacional no sorrigo da guarnigo e a nao
se aprsenlar o official superior Horneado para
o dia, c reclamando providencias a respeito,
pedia tambem a cerca dodestacamcnlodo For-
te do Buraco cuja guarnigo desertara, i-
cando somonte reduzida a quatro pragaS.
Dito Ao mesmo tVim. Snr. ponderando-
Ib) a necessidade do desonerar o commando
das Armas da cobranca c pagamento dos
vencimentosda Guarda Nacional chamada ao
servigo da Polica das difieres!ts comarcas,
pagamento que podia ser directamente feito
pela Thesouraria o flsealisado pelo comrais-
sario do Ministerio da Guerra.
Dito Ao Teen te Coronel Commandan-
to do Deposito, exigindo um mappa deto-
das .s pragas, que foro escolhidas a fim do
embarcarem capital do imperio clasifican-
do os recrulas, o pragas pertencentes a diffe-
rentes corpos.
Dito-Ao Prefeito da comarca do Recife,
aecusando o reeebimento do seo officio da
honteni datado e dos recrutas Gaspar Bal-
thasar, e Anacilo Pereira, os quae tivero
conrenionte destino.
PEBFEITL'RA.
Parte do da 51 do passado,
Illm. o Exm. Snr. =3 Das parles hoje rece-
bidas consta sumen te que na nianb do dia
su- 27 do corrente fora ferid a parda Claudina
Malaquias Rosa do Sacramento pelo pardo
Dito Ao Director do ,yceo approvando ^arlinho Antonio de vraujo ambos morado-
a proposta que fez em seo oflicio de 27 do eoiy- res em Oiinda de que se procedeo a compe-
rentc do Baoharel Jos Raimundo daCosta MA lente vestoi ia.
i,..-.. i i i., i....i... .. v. ^:_ tn _
nezes Substituto das caderas de Ingle/, e
Francez, para reger acadeira de Geograpbi
do mesmo Lyceo durante o impedimento do
respectivo professor e do seo substituto.
Dito Ao Inspector Geral das obras publi-
cas ordenando-llie que concinta o Enge-
nheiro Waulhier examinar as sondas existen-
tes noss^rmasensda Repartigo aseo cargo,
(! as ponha a disposicao do mesmo engenheiro
caso elle as ache applicaveis aolim para que
as requisita.
Dito Ao Engenheiro Waulhier com-
miinicando-lhe a expedigo da ordem su-
Ko dia 50 nao occorreo novidade.
EXTERIOR.
REPIIBLICA ARGENTINA.
Bucuos-Ayres, 4 de dezembro.
No dia 2, anniversario do nascimento de
S. M. D. Pedro II, imperador do Brazil, o
patacho de guerra brazilei/o Camaro emban-
deirou-se e deu a salvas do eslylo. A escuna
dos Estados-Huidos Enterprise e a escuna
franceza Eclair salvro com a bandeira bra-
das obras zileira no mastro do traque le. Todos os va-
sos mercantes hrazileiros estiveroembaUsiei-
rados. c urna hora deu o forte urna salr*
em honra do dia.
O secretario da legaco brarijeirsV Antonio
Josc Lisboa dirigi una nota coramssiao di-
pra.
Dito Ao Administrador Fisca
publicas enviando-lhc a conta das despezas
feilas pelo arrematante da estrada de Sanio
Amaro importando na quantia de 2:100 rs.,
a fim de que a mande satisfazer.
Dito Ao Engenheiro Waulhier com-
muncando-lheoconteudo no precedento of- j rectora do hospital par* homens incluindo
ficio. I a quantia do 4,000 pesos mandados por S.
Dito Ao mesmo, remottendo-lbo o map-|Ex. oSr. conselheiro Luiz Meutiuho d Li-
pa faite p*le EHgeuhcire Angele lUrstiag 'ia .Uvajo eSilva. tVvladrt Ttrers^'io -

i


1^"
ministro plenipotenciario do Bra7.il, junto ao
govcrno'-argenlino, dizendo que S. Ex. de-
sojava solemnisar de umu maneira conveni- Na tarde do da 2o' devia o nosso exercito ap-
onte odia 2 de dezembro, annivcrsario nla-
licio (losen soberano, e que por isto padhi
que ueste dia melado da mencionada quantia
fosse distribuida pelos doentes do hospital-,
que nao viveni seao da caridade publica, e
que a outra melada fosse distribuida pelas
enfermas do hospital das mulheres.
(British Packet.)
A TOMADA DO CAGANCHA.
Buenos-Ayres, 18 de dezembro.
Na noite do da i O ehegrao a este porto 4
vasos da esquadra nacional combjiando a pre-
.sa Cagan cha.
Foro-nos communcailos os seguintes por-
menores acerca da aocao ein quefoi capturada
cssa embarcaco:
.uKu dia 9,-ao amanhocer, eslava a es-
de monlanha que a distancia de punco mais
do urna legua corre parallela ao primeiro.
proxmar-ss cautelosamente ao rio para atra-
vessa-lo de noite mas esta operario relar-
dou-se duas horas porque o inimigo ainea-
cou seriamente nesse m^smo dia o passo de
Capitamini ompenhando um combate, forte,
no qual foro iguaes as perdas.
Est inciJento fez-me suspeitar por algum
tempoque o inimigo cansado por im de sua
inic^ao se tinha resolvido a forjar o passo ;
mas ao-anoitecer voltou elle a suas antigs
posicfcs provando-me assim que eslava mu
tange de resol ver-sea nina manobra lao atre-
vida.
Aetivou-se ento nosso moviinonto e
dirigio-se o exercito cm varias columnas so-
bre os pontos maisapparentes para eflecluar
a passagem. A's duas horas da manha ti-
ra que lhe licava na retaguarda entre o estei-
ro e o rio fiara passar a occupar a nossa di-
rcita o completar a derrota da esquerda ini-
miga que eslava destinada a solrer todo o
peso da nossa cavallaria.
Omovimenloda nossa esquerda foi execu-
tadocoin habiliihdce preciso ao tempoque
adireiU initniga se precipita va sobre ella e
o Sr. general .Nunez transportou-se com a
sua visa nossa direita enchcndo de ter-
ror a ala inimiga e coulribuindo para com-
pleraenlo de sua derrota. Na expressada
abertura ou boqueirao tinha-se colocado o
batathao guarda republicana, sendo confiado
aiuellc ponto imprtante ao roronel Chenaul,
chefe do estado maior. A direita inimiga ,
Iludida pela retirada do general Nunez ln-
fou-seaudaciosamente cm sea seguimento ,
leudo ao inesmo lempo de romper a sua for-
matura porque o terreno que diminua
quadra nacional a lo militas SE. de Monte- nha passado a cavallaria o infantaria cm Ca- successivamenle obrigava-a lambem a dimi-
nuir de frente. Em tal eslado receben pri-
meiro pelo sen flanco esqucrdo o fogo do ba-
talhftode caladores que tinha vadeado o es-
timo aeaboudV passar. Acampou ejercit I teiro: mas. sem desistir do ataque, conti-
vido. a esquadra oriental, composta de 4 Guazu mas a arlilharia e parque, nao ch-
velas J sabia do porto c dirigia-se sobre'a nos- tonte ter retiido ajgum'as candas dmorou-
:sa. O vento era N. e o inimigo eslava por is-| se mais lempo cera j diaquando o tal
so a barlavento. A's 7 i|2 mudou o almi-
rante Brown a sua.bandcira para o -General
Rlgrauo;-s 1 1 1 |2 eomecoii o fogo entre as
duas csquadras c ao meio clia caliio um fo-
em um haixio e, com'oiJm de attrahir a
orgulhosa vanguarda do general Gome/ fiz
a;iiantar somonte urna divisao i ordens do
g'uctc de Congreve sobre o navio de Corf, que 1 coronel Vela/.co. Logo qu; esta se fez sentir
loe fez em csiilhas o traquete. Dez minutosde- '
pois do meio dia mudou o vento para o SE. e
a esquadra nacional licoua barlavento. A'mcia
hora depois domeio dia comecou novamcnte o
combate! lluin quarlode hora depois, orcou
a barca oriental Vinte-Cinco -de-Maio, com-
mandada por Bibois, o fez fOrca devela para
barlavento. Desde a i hora at horae mcia,
a escuna nacinalNove-de-Julbo, testa da li-
nha, fez fogo constantemente sobre a Saran-
(i, ConstituQo eCagancha que se reliravo
para leste. A's 5 horas.voltou ao fogo a es-
quadra oriental, menos a barca Mnlo-e-Ginco-
de-Maio, que so coservou sem pro forado al-
cance daartilharia. A's 5 horas e um qnarlo
comecou achover, c a esquadra o iental or-
cou pcssou o fogo. O briguo Cagancba es-
lava ento imiito a sola vento dos outros bar-
cos rivcristas. O almirante Brown metteu
popa sopre ello para eorta-lo e o Cagancha fez
foi recibida por outra a qual embalde pro-
vocou para que 88 afastassa do sen exercito ;
nao O pOJe conseguir contentando-se o ini-
migo em empmhar guerrilhas fortes que du-
rarle- todo o dia as quaes ao anoitecer toma-
ran um carcter to sirio pela muita torca
que carregou sobre a nossa divisao avanca la ,
que leve esta de rctirar-se sustentando va-
lerosamente o ataque dos inimigos.
Era j noite escura e de ambas as partes se
sustenta va o fogo com encarnicam -uto mas
a audacia das guerrilhas inimigas revelava a
proximidade de todo o seu exercito. Poneos
momentos depois ouvio-so tambem o fogo da
nossa esquerda que era recupada pelo ge-
neral Nunez de sorte quo se tornou geral e
mu forte o tiroteio em toda a frente da nos-
sa lioha o a pequea distancia delta. A le-
na'idade dos inimigos tornou necessario retor-
car nossas guerrilhas com o batalho de ca-
for'ca de vela para o Oeste. O resto da esqua-! cadores tendo tollo o mesmo o inimigo.
dra nacional seguio as manobras do almirante' Ento recobrou o fogo huma exlraordina-
Brown. .As Q 1 (2da tarde rompen o Belgra-| ra viveza o qual apresentando umajllu-
no um Cogo vivissimo sobre o Cagancha, ao minaco de nova especie d 11 ron at as 5 ho-
qual este respondeu smente com tiros de fu-
zil e poneos tiros de peca. Os mais navios da
esquadra fazio tamben) fogo sobre oCagancha.
Esle navio *oniinuou a fugir e a defender-se dar descanso aos comba ten les e teiqpo de pre-
nal-t i| k______________-__________ ..___ I t 1 I .. .... I v \ .. I .- I .
ras da manha. A sua actividade e duracAo
foi tal que pode comparar-se a urna balallia
nocturna. A' hora citada parou o fogo para
at as8 112 da noite, em que se separrao os
navios nacionaes, menos o S. Martin, que
continuou a dar-Ihe caca at as 10 horas. So-
brevindo ento ura forte temporal, nlero fun-
do ambos os navios em distancia de duas a-
marras. Quando principiou o temporal perdeu
o S. Martin os mastareos de juanete e o Ca-
gancha ambos os maslros. Ao amanheeer d >
dia 10estavo fundiados a pequea distancia
de S. Martin 3vazos nacionaes, e oCagan-
cha achava-se a 6 milhas ao S. com guindo-
las, navegando ao SE. A's 6 horas suspen-
dro os i vazos nacionaes e foro cm segui-
mento do Cagancha quecortou ento o cepo
do mastro grande para oceultar-se. A's 7 112
pararem-se para a balalha que devia Ipr lu-
gar poucas horas depois. Amanheceu o dia
28 de novemb.-o c appareceu o exercito ini-
migo a duas mil varas ponco mais ou menos
nuou o inimigo a sua marcha at dar com o
halalliao guarda -republicana., que guarne-
ca o estrello o qual o receben com um logo
vivissimo. Tudo foi ento confusao no ini-
migo que retrocedeu espantado soffren-
dopela segunda vez o fogo dos cacadores para
ir formar-se em grande distancia e retirar-
se sobre a sua infantaria.
Ao mesmo tempo que a nossa ala esquerda
executava o movimento que acabo de referir,
carregava bizarramente o general Bamirez
com a nossa direita a ala inimiga que; lhe es-
lava opposla, sendo nao menos bizarramente
sustentada a carga pela reserva s ordens do
coronel Valas o. O combate se travou encar-
ncadamente ueste ponto, conlribuindo a
prolonga-lo a cavallaria do general Gmez,
que, como disse, se tinha retirado sobre o
centro Dar vir tomar parte na luta, o que
coinludo fez mui dbilmente. Poucos mo-
mentos depois ludo era confusao no exercito
inimigo, que s apresen lava nina massa enor-
me edesordenada, circulada pela nossa caval-
laria, excepto pelo lado em que jogava a sua
superior arlilharia contra a nossa c contra as
columnas da nossa infantaria.
Acossado desla forma comeQou a pronun-
cia r-se a sua derrota e separavao-se grandes
grupos de cavallaria que prelendio galibar o
bosque e que ero perseguidos e despedaza-
dos |ielos nossos esquadres., continuando
assim at que ficou s a infantaria e arlilharia
com o seu parque e numerosas bagagens.
Os nossos batalhes pozero-se ento cm mo-
vimento, e a infantaria e arlilharia inimiga co-
mecraa mais desastrosa retirada. Depois de
deiro suspiro em defensa da nobre causa a que
se consagrro.
Os Snrs. Generaes e chefes de divisoes os
chefeS dos corpos e todos os oftciaes condtizi-
ivo-sedo modo mais honroso ; os ofliciaes in-
feriores e soldados correspondro iguahnento
s esperances que a patria nelles tinha. A
heioica provincia de Corrientes deve vanglo-
riar-se de ter to dignos defensores e do con-
tar entre o numero de seus lilhos os valentes
soldados que soubero humilharo orgulhoso
inimigoe faser triumphar ajustica e adignida-
de da Repblica Argentina. A patria lhes
deve ser reconhecida e a sagrada causa da li-
berdade espera muito do seu valor virtudes
e constancia. Dos guarde a V. Ex. muitos
annos. Joze M. Paz.
Lista dos ofliciaes prisioneiros na batalha de
Caaguazu em 28 de novembro de 1841.
Coronis: Panlaleo Alganaras, Antonio
Flix de Menezes, Diogo Lamas. Tenenles-
coroheis : Santiago Pires, Joze M guel Galn,
Gregorio Bergara. mejores: Damasio Arquel-
lo, Antonio Muoz. Marianuo Troncoso,
Joze Mndez Manoel Balbarrey Benito Ro-
drguez Gelidonio Snchez Benito Morosi-
ni e Lourenc'- Gaicano.
Gapitaes : 8.
Teen les: 19.
Altores : 8.
Paisanos : 4.
Ministro general de Ecbague. Joze Francis-
co Benitos.
Apresentados depois da batalha :
Major D. Manoel Alfonso e dous lenles.
Ofliciaes corren l i nos passados.
1 capilo, 5 leen tes e o altores.
Prisioneiros chegados ao campo em 5 de
. dezembm.
Major D. Joo Ignacio Torres 1 teen te o
1 a I fe res.
Nota. Por participacTio recebida boje do ge-
neral Bamirez sabe-se que hontem cahiro
em seu poder na costa do Mirinay 1 che-
fe (! ofliciaes e militas pracas de pret. Na
costa do Pay-ubre lomro-se lamben) boje 1
ollicial e alguns soldados.
Acampamento general em Villanueva ,
de dezembro de 1841. Garda e Castro.
5
TRATADOS
do nosso. O general contrario em p sobro alguni lempo iizerao alto para disparar alguna
' liros de peca ; mas, sendo estes respondidos
pela nossa arlilharia precipilrfto novamen-
le a sua retirada. As suas carretas io Qcan-
do successivamenle, pelo cancasso dos hois ,
c logo depois succeden o mesmo arlilharia.
Gomo a nossa infantaria nao podesse alean -
gil-.is, deslacou-se da cavallaria urna nuvem
de a!ira.lores que sem cessar acossavo a-
uma carreta como eu soube depois procu-
rava emv0 descubrir a silua^o de nossas
forras, as quaes, j pela apparente irregula-
ridade la IWssa linha j pelas pequeas de-
sigualdades do terreno nao podio ser bem
observadas.
Mas era forco=o vir s mos. e cm consc-
quencia.desenvolveu o inimigo a sua linha de
balalha. tendo direita as divisoes de van-
guarda commandadas pelo general Gmez
infantaria e arlilharia
DE ALLIANCA ENTRE OS ESTADOS DK
CORRIENTES E SANTA FB".
O coronel I). Joze Ramn Ruiz Moreno en-
viado extraordinario do Exm. govrrnoda
provincia de Santa V, e o bv. D. Santia-
go Derqui, commissario especial desta pro-
vincia de Corrientes.
Para ajustar urna convenco entre ambos os
governos, afim de derribar o sanguinolento
tyranno de Buenos-Ayres e seus sustentado-
res, reslituindo por este meio a paz e lbenla-
de da repblica debaixo de cujos auspicios
possa constitur-S, segundo o liyc suflragio
dospovos, em virtude de nossos plenos po-
deres que adiamos em boa e devida forma ,
conviemos nos artigos seguintes :
Art.. 1. l'ica estabelecida entre os gover-
nos de Santa Fe c Corrientes urna allianca ,
oll'ensiva e defensiva cuja base he a uuio
icou oS. Martin bandeira parlamentar, a que W>centro 1 sua infantaria e arlilharia ; na responden o Cagancha, icando igual bandei- esquerda a cavallariaeiitro-riana e na reta- nica lorga qui
quelles mutilados restos: o calor era excessi- contra o tyranno usurpador D. Joto Manoel
vo e por im exhaustos de fadiga e de s: Rosas c seu ohjeclo a paz liberdade o or-
d", entregrao-se 200 in lautos,' que era a 11- ganisaro da repblica pelo voto livre dos
sponde
ra, e as 7 i |2 entregou-se. Monlava 1 i pe-
chas, e a sua tripulacao compunh-sc de 105
lhes resta va, Leudo perecido j povos.
guarda o seu parque, bagagens. e reserva.
Nesta forma moveu-se sobre o nosso exerci-
toda a outra durante a retirada depois de ter 2. Em consequencia o governo de Santa
pessoas,das quaes morrraoomarinheirosefo- t<>,
ioferidos,8almde 1 ofllcial.(BritislijPncliel); le.
lo, que eslava organisado da maneira seguin-
A ala direita com mandada pelo Sr. ge-
PARTB OFFICIAL DA VICTORIA DE C\A-CLAa:.
Patria! Liberdade! Cons ituiyo !
Qinrtl-general cm Villanueva, 3de de-
zenibio de 1841-
O general en& cheto ao Exm. Sr. gover-
liador e capilb-generai da provincia.
Ilavia mais de mez e meio que o exercito
e at com deses-
combatido com bravura,
|>era(;o.
Desde o principio da batalha foi asso 1 hrosa
neral Bamirez compunba-seda segunda di- a actividade com que jogro as baleras ni- ; riores da repblica, declarando que D. Joo
visito de cavallaria doseu inmediato entuman- miga;
F relira ao de Buenos-Ayres de facto e dt;
dreto a auiorisaco que por sua parte lhe
linha conferido para dirigir as relaces ex le-
do e da quarta divisao com mandada pelo co-
ronel Fredorco Baez ; o centro com pos-
to (je arlilharia c batalhes cagadores c suar-
da republicana era Com mandado pelo te-
nente-roronel D. Fillippe Lpez ;
disparando seus tiros em todas as di- Manoel Rosas atraicoou a confianza que nellc
rec0es. porcm principalmente sobre a nossa depositrao os puvosa quem boje pretende an-
aitilharia e infantaria; jnas a Providencia I niquilar empregando contra elles tolo o ge-
preservou os nossos valentes e seu effeito foi! ero de atrocidades, para fundar sobre suas
insignificante. A perseguido, da dispersa ca-' ruinas o brbaro syslema de lyrannia que de-
valhria inimiga continuou por muitas leguas,
a esquer-
da com mandada pelo Sr. general Nunez. com-je anda boje me che^o prisineirus dos cx-
invasorpermaneciacomocravadonamargem punba-sc c!a primeira divisao, qu est s trav.dos que icro nos montes. Antes de
mcTidional do Rio Corrientes oque o exer- suas ordens immcdiatas c da quinta que hontem o coinmandante I). Joao Madar.aga,
he commandada pelo coronel Salas ; a reser- que durante a accao operava do oulm lado
va as ordens do coronel D. Faustino Velas .! do Pay-brc cncontrou um grupo de 60 ho-
torinava-se da lerceira divisao e do esquadro 1 mena em A halos, os quaes nao querendo en-
tilo do neu com mando oceupava a margem
opposla. .dbscjrv^ndo^cuidadosamente o mo-
mento emvque o inimigo tentasse atravessar
aquella barrena partiataca-lo sobre a mar-
cha. O rio que lera de 50- a (10 varas de
largura eslavo a nado, e general nimi-
go nao obstante ter mandado construir dous
botes grandes de couro e ter fei.to outros
preparativos 'nao pareca disposto a fran-
quea-lo. As nossas partidas acossavao-o em
varias dirccc.es, e tinharaos oblido repeli-
d is ainda que pequeos triumphos; mascum-
pria por termo a hum tal estado de cousas e
iabir de lao ncerta stuaco.
Para conscgui-lo resolv poupar ao inimi-
go a passagem do rio passando-o eu mes-
mo com o nosso exercito ,
de caco! la.
Mui prximo ao passo de Caa-guazu ha um
esleiro vadeavcl ,
ton de.
5. O modo de obrar offensiva e defensiva-
mente cm virtude desta allianca ser o
que. concertaren) os governos eontraclautes ,
segundo indiquen) as circunstancias.
4. A presente convenco sera ratificada pelo
governo de Corrientes. aos tres das de sua
data c aos trinta pelo "de Santa F devendo
trocar-se as rali Pica ces na villa de Bella Vista.
e reduzir nossas
uperves limitada arca que circumscreve o
petando rio Corrientes o Pi-Src e o ganr-
tregar-se : foro balidos e acuidades.
O resultado da batalha foi pulverisar com-
de forma irregular mas pletamenle o exercito inimigo, tomar-lhe to- Ern f do que, assignamos a presente conven-
cuja exremdado septentrional toca i (a a sua arlilharia ^queerao nove pe?as, o cao ou dous exemplares de um theor, sellando
quasi o rio, deixando smente urna aber- sen parejue bagagens, tres bandeirasque a com nossos sellos respectivos nesta villa de
tura deoitenta varas com inclinaco para a jsero aposentadas a V. Ex. pelo tmente co-
parte superior : este esteiro divida a nossa ronel 4). Joaquim Madariaga grande poroto
linha, deixando a um lado o centro adirei- de armamento e toda a sua cavalhada.
tae a reserva, e aooutro a ala esquerda do
cxeicito. Era de crer que o inimigo atacas-
inortandade do inimigo foi grande, eternos,
at hoje |risioneiros em nosso poder os chefes
se esta ala que pareca mais dbil como ef- constantes da relagao inclusa e mais oi tocen tos
fectivamente aconleceu. Em consequencia soldados. A nossa perda he pequea o com
oSr. "eneral Nunez leve ordein de fazer de- tudo sollremos a mu sensvei dos valentes of-
monstrac;esde receber a carga para malhor
attrahir o inimigo e de retirar-se rapida-
liciaes D. Ambrozio Zarate D. Bruno Gonza-
les D. Joze Cabral e D. Julin. Lemos que
mente no momento preciso, pela abertu- morrro gloriosamente exhalando o derra-
Siladas aos 5 de novembro de 181. Jo-
ze Ramn Ruiz Moreno Santiago Derqui.
(Nacional.)
Montevideo, 10 de dezembro.
Hontem fez-se de vela a nossa esquadra so-
bren esquadra de Rosas e entre as 11 Uftjbs
e meio di travou-se entre ellas um renbiflo
combate que durou at s 4 horas c mcia da
tarde com diversos intervallos.
Ao pr-se n sol, tres vasos da nossa esqua-
dra estavo fundeados dclrontc da ponta do


Kspinillo e a inimiga dava caga ao briguo Ca-
ganeha, que se aterra va. (Nacional.)
Mein i i de dezembro.
KOVAS DEGOLLARES DE ORIBE E DOS ROSISTAS.
No dia 6 do corrente publicou Rosas urna
gazeta de tres l'olhas lecheada de relaces dos
dolidos inais alrozes. Tal vez fosse feila ossa
publioago de sangue para neutralizar a im-
pressao de espanto que lera produzido o es-
plendido triumphodeCaa guaz cm que ti-
ca rao sepultados 4,000 rosistas. Vamos dar
a nossos Icilores alguns extractos Jos mais
notaveis delictos que contem a gazeta" de Ro-
sas para que veudo-se nesse espellio di-
rijao a sua conducta pelo que exige a sua pro-
pria conservado e os interesses da patria.
*'- -Je;?f^ s--
Uj:ii i u.ios Dias.
ro Daniel Rodrigues,
Mariano Maza.
Calamarca-, 4de noveinbro de I8H.
Sor. D. Claudio Arredondo. Vinle chelas
c ollii'iaes a mor parte Cordovezes Ibro
ejecutados. Todos reCeb,;ro o castigo me-
recido. Emfiui, meu amigo a forja desta
selvagem unitario tenaz passou do 'JO ho-
mens-, k e lodos acahtrio, pois linliacu
promettido passal-os a espada. Nao faltei
palavra. Mariano Maza. (Nacional.)
FORQA DAS ESQUADRAS ORIENTAL E ARGENTINA.
Esquadra Oriental.
Crvela Sarandi (capitana), commandante
Coe chele da esquadrilha 18 pegas..
Barca Vinle cinco de Maio, commandante
Fournianlin 2G pegas.
Barra Constituigo commandante Dupuy ,
18 pecas.
Briguu Cagancha 1 i pegas.
BVigue
Belgrano 2 pegas.
Em Tucuuun Ib i uome do governador o
nico traidor dos TuQumanbs o infame Ce-
ledonio Guiierrez ; e, nao havTmdo em toda
a provincia um liomem que soubesse escrev. r
e quizessj servir de secretario foro buscar a
Santiago o assassimo de Cullen Adeodalo
Gondra que ali servia de ministro.
Na Rioja esta (Vilo governador o Boliviano
Joz pre/.ivel chamado Itcrbe.
Ein Salta 1'j Horneado governador o traidor i Brjgue chage 11 pegas
Miguel Otero B secretario Fernando Arias | Brigue-escuna S. Martin 5 pegas,
cmplice de rihuru no plano de anarchisar
Boiivia para apoderar-se Rosas dos sous de-
partamentos liiifttrophcs.
Em S. Juan foi eleito governador interino o
imbcil -Jze Ma::oel Eupbrasio bispo de
Cuyo, O esperamos da santidade do actual
paidos liis que quando cliegue ao seu co-
nhciuiento a conduela irregular deste mo
pastor, que prontn.ciou palavras de extermi-
nio e que se lem banhado cm sangue chris-
to se nao demorar em manter a moral do
sacerdocio castigando exempiarmente lao
mo bispo. Rosas, em um elogio que Ihe di-
rige c que-heum modelo de irona diz-llie :
Buenos-AVres 5 de novembro de 18.il.
Descarregando V. Ex. um anathema contra
os selvage'ns unitarios, olferece um exem- ; Paula Mosquita.
rodc
te a estes ininigos nao se deve dar quartel, eu
venho rogii-lhes em nomo da virlude ultra-
jada a publioago dos arligosque baixo vAo
copiados, e que Sao do peridico do Rio de Ja-
neiro Sentinella da (kfonarchia. Ninguem
lera o despajo de dizer que esse jornal be mi -
nislerial, por qanto lie este o peridico ni-
co daquelja Corte, que sem perlencer aos
maioristas, Conslitucionaes c outros jor-
nallas de exercranda reputa gao' censura
muilas e mudas vezes o governo ainda que
quasi sempre com decencia. Ora si o bene-
mrito BrigadeiroJ. J. Cocino goza de tima
lal reputagao no Rio onde nunca residi de-
pois queseo nome Coi inscripto gloriosamente
nos annaes brasieros qual deve ser o con-
cedo que merece aos Peroambucanos ntreos
quaesvive ha tantos anuos sempre na senda
da honra e da motleraco ? Mas devia Per-
uambuco servir de asilo criminosos que
ousassem atacaras suas mais caras notabilida-
Mal
jhaja aquem protege criminosos quedahi
' vem o maior mal nossa trra: si o Repu-
blico nao livesse sido nomoa lo para um em-
prego que o direito que Ihe assistia era
o desojo dos Fluminenses dse verein livres
de um dos mudos bons que Ibes procu-
rara o Sonto de fulminante memoria nao te-
riamos boj:; de o ver aqui feila correio. An-
da bem que a reslriccfio da sua opposico o
poz suspenso "por ora como elle diz ainda
que todo o mundo saba que o motivo he afalta
de corto cortico bem rechedoque a abelba em
,, ,,,-, -, i nutro lempo achoii e que o correio nanacha
Por (.arta Imperial de 1.) do passado Hotl- ,n.,s
ve Su M. o Imperador por bem Nomear paca Sou &C *
Vice-Prezidontes desta Provincia os Siirs.
1. Dr. Podro Francisco de Paula Cavalcanti Exlrelos da Sentinella da MoRarchia a que
d'Albunuerque. se refere a correspondencia supra.
2.- Conselheiro Thomaz Antonio Macielj Faltava opposigo thema para novasn-
Monteiro. ...', veclivas e calumnias: yeioa morte do Sr. Fa-
Tenr-nte Coronel Izidro Francisco de pundo asMSSnati0 na capital da provincia
os redactores dessas lbllias)como o nume- dita para Aniorim Irmo fdita para Joan
dos estultos lie infinito e como finalmen- na da Coneeico de Grego, 1 dita para Felia
Esquadra Argentina.
Bngue ..General S. Martin.., capdan.a de ,os ,,e r;ila!(iaiJe |li; destino no3s,
Brovvn 18 pegas.
Corveta Vinte cinco de Maio 26 pegas.
Brigue-escuna ..Vigilaide 5 pegas.
Escuna Liberdade, 5 pegas.
(El Comps.)
(Do Jornal do Commercio.)
liARio m nmmm.
po eminente, e manifesta a verdadeira ca-
ridade cbrisla que torna mais sublime para
Ijem dos povos porque desoja o exterminio de
um bando de sacrilegos.
Os segundes oflkios dos generaos cheles
rosistas transcriptos no peridico oflicial de
Rusas dao urna idea exacta da fe rondado
desses Vndalos.
Adurraldc II de outubro.
i.0 Commendador Domingos Malaquias d'A-
quiar Pires Ferroira.
u." oulor Francisco Xavier Poreira de
Brifo.
An
a Provincia.
Augusto Scolo.
O- A matricula da Aula de Parios ser a-
berla no 1. e encerrada no ultimo do crlen-
te : asalumnas se dirijar O i caza do Profes-
sor lodosos dias uleis al as duas horas de-
poisdo meio dia. As ligues principiarn no
da lo do mesino inez.
-w- O Arsenal de guerra compra grande
po.rgao de sola j quem a ti ver aprezenle-se na
salla da Directora do mesmo com as amos-
tras e os com pe ten les procos nos dias 1 e
3 do corrente as 10 horas da manbaa.
t3" OsBillieles da 2.' parte da ii.J Lotria
a favor dasobrasda Igreia de N. S. do Li.ra-
mento nestu Cidade ; achao-se a venda nos
Jugares segundes = Birro do Recito as io-
jas dos Snrs. Vieira cambisla e Joo Joze do
carvadio Moraes = S. Antonio lojas dos Sis.
Joze de llanezas Jnior ra do collegio Pit-
illas ra das i Ponas B%ndeira ra do cabu-
ga Joao Moieira Marques, botica na mes-
illa ra = Boa-vista loja do Snr. Joze Igna-
cio do Monte ; o tamban se vendem na loja do
1 hezoureiro da mesma Loleria ra do crespo
1). !).
C- Os Bilhetes da2.' parte da 8/ Lotera,
do Thealro cujas rodas andao imprelerivel-
ir.'.'iileno dia 15do corrente, acbo-se a venda
no Bairro do Recito em a ra da Cadea as
lojas dos Snrs. Gregorio Antunes, e Vieira
Cambistas, o. Manoel Gongalves da Silva: e no
de ianto Anlonio as dos Snrs. Basto n.i
Pracinha do Livramento,Guerra na ra Nova,
e Menezes na ra do Collegio.
na capital ta
do Cear, dar motivo a diatribes em (|ue o go-
verno atrozmente injuriado e o presidente
d'aquolla provincia brutalmente acensado co-
! mo assassino d'aquelle Sr. A opposico mes-
j ma reconhece quanlo infundada soniolhan-
A nosso ver a nomeago he salisfatoria para te aecusago e ri-se do alarido que, lem le-
vantado n'esta corte: quem ha hi de f t&o ro-
. ..'"'' bnsla que creia que o brioso biigadoiiv Coe-
Aulhor.za-nos obnr. Prezidente da Cama-1 |ho 0 |,nmem qe (aulas vezes ha desembai-
ra Municipal desta Cidade a declarar a quom j Il!lad0 a aspada no campo contra immizos da
Snr. I). Joao Ortiz de Rosas.- Vouwn hnterssp tlver que-atamara ja expedio. lo- Urdemedalei agora sen motivo suflioion te
marcha para Ulamarca: taremos rebecas o dos os Diplomas dos Snrs. siembros da As- rcrorresso ao uso dos cobardes que arman, a
rebeces. Mariano Maza.
Caiamarca 29 de outubro.
D. Manoel Oribe. Comegou a trabaiharo
balalbao da liberdade e o seu bravo coronel,
nodandoqu.irlel aos salvagens unitarios ,
que depois de duas horas de fogo foro des-
baratados. Principiro a cahir cm nosso
semblea Provincial ; mas que si algura desses | mflo do assassino e mandain tirar vidas s es-
In:!5- f ,,a a"!(ia de ,,osse (l S,M,-.'|U(,-1 cornudas ?! O homem que lem dado provas
de valor que lem um passado de servicosao
paiz o que goza de lidiada iTjutago nao
desee lao rpido a escala noral da sociedade
para co!locar-so, no logar inerior.
Nao nos illudeni ; o brigadeiro Coelbo obs-
egaes nao a-
Exm. Sur. presidente do Estado Oriental. ra manifesla-lo afini de que Secn beca si bou-
ve extravio e expedir-se novo diploma.
-H.lt 71
Publicamos boje urna correspondencia a ics-
peito do Snr. Brigadeiro Joze Joaquim Coe! 1)0,
digno Presidente da Provincia do Cear ; e o (a "n0 Cear s resistencias ill
TI1EATR0.
Jos dos Reis artista gymnaslico sua Se-
ntara Emilia amante professora de msi-
ca e Joaquim dos Reis lao bem artista gym-
naslico e mmico, bem condecidos pela ex-
posico de seus trabamos nasprincipaes Cor-
tes da Europa chegados recenlemenle a
esta cidade, pretendem paitilhar da honra
que o benemrito Publico Pernamhucaiio
toin concedido a outros artistas prestando-
Ule sua generosa proteceo que os annun-
ciantes nunca illudir ; e assim comegaro
os seus ejercicios brevemente no Iheatro des-
la cidade ; annunciamlo cada hum dosdiver-
timentos com antecipago por esta folha e
por cartazos ; taparando meiecer do rospei-
tavol publico protecgo justiga imparcial ,
e urlianidade.
Conlinuago da subscripgao a benecio dos
habitantes da Villa da Praia da Victoria, na
i I ha Torce ira.
poder, entregues pela justica do Co pa a fazenms com runde prazer ; por que sabemos i adrnha sedicOea conven pois opposico
ue cora suas vidas servisstin de escarment I que ella sera agradavelmeate acolhida pe* Ural-od'alli Aproveilou por tanto o ensrio
aos salvagens unilanos mudos dos chefes, i malorw de nossos leifores que conbecem a-1 attrbuiu o assossinalo do Sr. Facundo ao pre-
sr
do
a-
-.' So
Tambem licou vingada em alguns deputados | honradez estopeo e coragom como militar, acVbrda "o'govorno oseo iibriga admiliir seu
representantes desta provincia a offensa e finalmente'por seu preslimo e energa como ,i(do";irlo n'aquella provincia.
injuria e traigo que lizoro sua patria com | delegado do Governo : que mportao ossas vo-1 .\"m: lo o Cheto da opposico no Cear de-
a revolugo de maio do anuo passado. Joao ci -renos de homons perdidos no concedo pu- vera nSpirar a sous co-religionarios a mesma
E. Balboa.
Calamaica 29 de outubro de 18I.
Snr. D. Claudio Arredondo. Hoje bale-
mos nesla praga ao selvagem Cubas e .. pas-
blico a urna reputaoo to inabalavol como a
dn Snr. Coelho ? Quem o insulta ? No Ce-
ar aqueiles que avezados ao puuhal mestres
do sistema do assassin.ito levarao o pov Ce-
samos espada toda a iniantaria. He per- j rense a usar de represalias com as quaes i
seguido, e bem depressa estara a sua cabeca por coguoira nao quizero contar: aquellos que
na praga, corno eslao as dos seus intitulados querio matar eom toda a soguranga oque
idea que lazamos da nossa li'gislacocriminal.
traca e impotente para prevenir Crimea o para
castigar criminosos. O bacainarle tanto ma-
la o minislerialista, como oopposicionista!...
o mal geral.
Ainda nao noticiamos a nossos leiloros que
Calamarca i de novembro de f Sil.
isf Una caza torrea na Prara do Jniz do
Civil da 2.' Vara desta Cidade no dia 3 do Cor--
i ente cita na Cidade de Olinda na ra de S.
Francisco, avahada em 140*000 reis ; quem
na mesma quizer langar comparega pelas t
horas da larde no lugar indicado.
VSr- Ccmpra-se um baii, com mais de quft-
tro palmos de eoniprido com fexadura o
que estoja em bom estado ; quem tiver an-
uiincie. A
r^r Precisa-se aliug.ir huma escrava parii
oservicade urna rasada pouca familia, que
saiba comprar casinhar e ensaboar dan-
do-se-lbe o sustento e 10 reis moiisaes : na
ra das Flores casa D. 8 se dir quem a j>rc
tanda.
i::/" Arrenda-se o sitio da otaria em Olinda,
i junto a Igreja de Guadalupe, com caza terrea.
Suri. Rodadores. Aiudaque eu, c com- Carlas seguras existentes no correio geral I ota'ria o lomo excMcato liarro junto a m<"-
niiuistros Gonzalos e Dulce e a de Espeehe. o fazio somlira do poder que ihes caira lias | Pagador da divisao do impe'rfo em Pornam-
Manano Maza.
uartal general no Rio Grande de Tucuman ,
9 de novembro de 18 U.
Exm. Snr. D. Joo Manoel Rosas. 0 in-
titulado governador Joze Cubas fci l'eito pri-
sioneiro por urna partida de infanlana do ba-
talho Liberdade na costa da seria do
Infiernillo e sua cabega foi posla na praga
de Calamarca para escarment do selvagem
bando unitario. Manoel Oribe.
maos. Aqui foragidos desgracados, homons J l!U(, (- n"nca esquecldo cidadao Anloni-
que nosabem como bao de arranjar o-spu|(' '' cuierilo ex-redactor do Republico
modo do vida oque {a volUo contra todas {^et corlo. E inuito provavel que nao soja
as Authoridados como si ellas fossem a causa mais feliz em sua segunda misso do que
de sua inhabilidade o ti habilidade demasiada; u* nrmera.
e por toda a parte em im os que com ol ios o ?-m ,0-"'(l(> ,>s,ar cs5e here em Pernambu-
ouvidos cerrados tudo quanlo ha d'j justo ou c" cscravendo lobra poltica nao tora melbor
rasoavel atirflo-sc opposico OU por seus in- que viosso acorte livrar-se de um crime'quc
lerossseS particulares, cu por necedad.-. Es-' l,>>" (,,n ;,1),,|,to A,(- l'ara (,|l' Tora melhor ,
la pude s dosaciedila a urna Authoridade .I'' loria ouiolivel prazer do fallar com oSr
quando a louva que sempre vnlerao yitupe- Linqo, Oltoni c outros Srs. do igual gentileza
ros os elogios dos inos o dos tollos.
Antonio de Souza Moroira. 2O(X)
Mano. 1 Antonio Gongalves. 2*000
Antonio Joze Bndeira e Mello. J. Mendibor. 2*00/1 a,ooo
J. Joze Pinto Guimarlec. 2*0)
Scasso. 2jO0O
Joze Simbas de Magalhaea. ApOOo
Kez Desliayes. 2j000
Dubois. 2*000
lu Annimo. 2*00
Ubi Dito. 2*000
Cm Dilo. 2*000
Lm Dito. 2*000
Um Dito. 2*000
lm Dito. 2*000
Fin Dito. 2*000
l'm Dilo. 2*000
A V \l. ()S DI VERSOh
CORRESPONDENCIA.
DECLARACES.
Relago nominal dos salvagens unitarios
intitulados chefes c officiaes, que foro exe. li-
tados dopois da acgio do dia 29, Coronel Vi-
cente Mercao; commandanlcs Modesto Vida-
fare, Joo Pedro ^ Ponce Daniasio Arias migo toda a gente que nao nasceo predestina-, desta ciJade para as pessoas abaiio dccla-
MaBJUl Lpez Pedro Rodrigues; majores
Maat*I Rico, Santiago de la Cruz Joze
Thepdoro Fernandez oapites Joo de Dos
Ponce, Joze Salas Pedro Araujo Izidoro
Ponce, Pedro Barros: ajudanles Dmaso Sar-
miento Eugenio Novillo Francisco Quiale-
dafiara o reino dosCos, esteja convencido radas.
que os aloives e calumnias dos jornaes ana--- 1 carta para Ricardo Chrisostomo Rodri-
chistas nao sao acreditados nem por aquellos
gues, 1 dita para Masado Santos, 1 dita
ma ojaria aores de frUCto e terreno |>ara
plantacOes : traiar no mesmo silio com o
seu proprielario.
55?"(uem precisar de um caiteiro Portu-
mesmosqueos proclamo defensores das li para Joo Caprislano Bndeira Mello, 1 dita guez chegado prximamente, para quaquer
berdades publicas ; todava como a calumnia i para Antonio llenriques de Miranda 1 dita arrumago tanto nesta praga como fora della.
sempre lisna, ( e este he o fim que se pro- 'para Joo de Olivaira Sousa Guimaraen, 11 dirija-se a ru: do Rosario larga venda D. 1.



/
4
mm
xSf Quera quiser alugar urna preta para cy t'm mogo Brasileiro prope-soa ensi-
Jimla pagando-se-lho 10* rs, por mez an-' nar com perfeigo as primeirs letras, sendo
nunrie, fora da piuca para o que tsm conhecimentos
Sy~ A 1 i para 15 dias desaparecer do por- exuberantes : a pessoa que de seu prestimo
to da ra Nova urna canoa de 5oo tijolos ; se quiser utilisar annuncie por esla folha pa-
quem deila souber queira por favor parteci-1 ra ser procurado.
par na ra do Rozario eStreita D. 33 que o xsr O Sr. Antonio Joo da Silva que te-
dono pagar toda a despeza. ve cuntas com o Sr. Manuel Joaquim ltibeiro
xT Precisa-se de urna preta ou mole-
nuncie.
xsr Troca-se um negro de nago Angola ,
anda moco e bom canoeiro por urna ne-
gra que se ja tambem moga sem vicios, e
boa lavadcira de varrella : no largo de N. S.
do Terco D. lo ou no cortme das 5 ponas,
das duas horas da tarde em diante a fallar com
o Capibaribe que est authorisado nao s
para fazer este negociu como para comprar
a negra o vender o escravo s por si.
a? No dia 9 do corrente tem a Vencravel
Siabra ( do Para ) lenha a bndade de vir a
(Miada na Terga feira casas das que ficao
fronteirasa ladeira do varodouro para ne-
gocio de seu interesso. v
xsr Qcem precisar de loo a l:5oo,j a ju-
ros dirija-se a fora de portas venda D. 2!.
' tjy OSnr. Nicolle ltimamente chegado
a esta praca tem a honra de avisar ao res-
pe tavel publico que acaba de recebar de
Franca ptimo azeite doce da mais bo qua-
lidade como tambem tem agoa arden te de
franca, absintho e outra.* cou/.as para uzo dos
consumidores ; tudo por prego niuilo rasoa-
iSr iu na u uu cuririiw iuiu a cui:iu>cii cuii.iuiuiuuit-s iuu jj
OnJem Terceira de S. Francisco de expor aos vel: na ra Nova.D. 7.
olhos dos liis um uns dos actos mais tocantes
danossa S. Religio como teja a Proeisso
de Ginza e para isso i oga a todos os mora-
dores das ras por onde tem do passar hajo
de ter a testadas das portas limpas, e as ras
que lem do passar sao as seguintes : da Ca-
deia de S. Antonio dita do Recite, da Cruz,
dos Tanoeiros Alfandega velha do Vigario,
beco do Azeite do peixe ra da Madre de
Dos ra do Colegio pracinha do Livra-
mento ruado Livramento e Direita lar-
go do Terco ra do Agoas verdes beco do
S. Pedro Pateo do Carino ra do Rozario
estreita roa do Queimado o das Cruzes.
SS7* Aluga-se um escravo para trabalhar
em um sitio, ou em algum servido que nao seja
muito pesado ; quem quiser annuncie.
ssy Lachasse carniceiro Francez abre o
seu assougue hoja primeiro de Fevereiro ,
que sempre haver carne fresca e bem gorda ,
dita decarneiro, e todas as quintas feiras e
Domingos ter carne de porco e toda a qua-
Jidade de lingoissas a moda de franca : na ra
das Trincheirasao p da ra Nova.
xsr Desapareceo no dia 3o do p. p. urna
cabrinha bicho do cor amarella desbotada de
ps e mos prelas, com ama pinta preta no fio
do lombo peitos pequeos mouxa de
canga ao pescogo e enrolada na mesma urna
curda de vintem assim como desapareceo
um bodinbo ja com ponas oqual foi capa-
do a pouco tempo e se acha com os talhos an-
da frescos : quem os achar leve ao pateo do
S Pedro sobrado de um andar de varandas de
ferro do lado da ra de Agoas verdes quese-
ra recompensado.
xsr Precisa-se de um menino chegado a
pouco tempo da Europa que saiba 1er e es-
ereror, para caixeiro de urna venda
Boa vista na venda da quina da ra da Ale-
xsr 0 Sr. Jos Francisco de Faria Salles ,
queira anr.unciar a sua morada que se lhe de-
soja fallar.
ver Aluga-se urna preta para o servigo oe
uma casa de pouca familia: na ra estrella
do Rozario D. 53 no segundo andar.
xsr Quem achou 3 tO* rs. em scdulas ,
sendo duas de cem urna do 5o* e o resto
de 2o* e lo* rs., cuja quantia se perdeo des-
de o largo do Colegio at as escadinhas e ra
daCruzno Recite, Tara o favor de entregar
na venda da quina da ra do Colegio junto ao
sobrado que se est edificando que sera gran-
eado. .
tsr Um homem casado de muito bons cos-
tumes e com milite pratica de ensinar pri-
meirs letras se oflerecc com sua mullicr a
ensinar meninos e meninas em algum en-
genho at 12 legoas de distancia desta praca :
naruadoRozarioVga D. 4 primeiro andar.
xsr Aluga-se urna sala com alcova e bom
armario e tem cozinha Tora para homem
solteiro ou pouca familia : a tratar na ra do
Queimado D. 11.
xsr Da-se 3:ooo* rs a premio ficando
O premio pelo o aluguel de urna casa de so-
brado que tentia eonimodos para urna gran-
de familia com quintal e cacimba prefere-
sc no bairro da Boa vista : quem este nego-
cio quiser fazer entenda-se com u Sr.Francisco.
Antonio Vieira da Silva cambista ita ra da
Cadeia do Recite ou annuncie.
\sr Tendo contrariado os herdeiros da mo-
fada de casa da ra da Concn.'ia n. 5 ven-
der a dita casa a Jos de Arago o mes-
roo deseja saber se alguma hypotheca sobre
a dita casa ou mesmo algum einbarasso de
qualquer forma afim de nao haver questes
depois da compra feita.
XT Esta Typografia precisa de 3 ou 4
aprendizes para compositor : os pretendentes
dirijao-se a loja de livros da praga da Inde-
pendencia n. 57 e 38 para trotar das condi-
SE?- Os Sis. Dr. Antonio Henriques do Mi-
randa Tenento Antonio Berna'dino dos
Reis e Jos Pedro Celestino de Mondonga ,
queirodirigir-sca ra da Cadeia do Recite
em casa da vi uva de A. A. de Moraes & Com-
panbia para receberem cartas viudas do
Cear.
ss?- Precisa-se de l:2ooji rs. a juros de um
e meio porcento, da-se toda seguranga; quem
quiser tlar annuncie.
cy Na ultima oitava dos dias Santos de
Festa aparejo urna vacCu en\ um silio da
estrada de Belem denominado da Cavallaria
a qual foi mora por outra va cea que lhe fu-
rou o ventre, em o da de Reis por cuja
causa se mandou aproveitar e porisso quem
ter seu dono dirija-so a Pracinha do Livra-
mento a loja de Jos Estoves Vianna ou no
mesmo sitio que dando os signaos curtos se-
r indemnisado do seu justo valor
isr Leonor Carolina Catanho do Vascon-
celos partecipa ao respeitavel publico que
so acha provida interinamente na cadeira de
primeirs letras de meninas deste bairro de
S. Antonio ; o porisso principiar as fungos
bom andador carrega baiso e pieio, e esqui-
na pouco sellado e enfreado por prego
'commodo : na ra Direita D. 25.
xir 52 a 36 alqueires de milho novo e de
boa (|iialidado : na ra doRangel no primei-
ro andar do sobrado D. 2o.
xsr Excedente taboado de pinho da Suecia
' de polegada a 05oo a duziui, dito d.i forro
rel'orcado a 6 rs., dito do Porto de. 5|i a
ij rs. e 4oo a ooo barricas a dinheiro ou a
troco do assucar : no armazem por detraz do
iheatro da parte do mar.
XST ExceHonte farinha de mandioca em
sacas de alquoire e dita muito fina de Mag ,
arroz pilado em vapor tudo por prego eom-
modo : na ra dos Quarteis padaria D. 5.
xsr .\ dinheiro ou a troco de fazonda, urna
preta que cozinha o diario de upia casa : na
ra Nova ao p da ponte do lado norte pe-
nltima loja se dir quem faz o negocio.
.' Barris com vinho do Porto, ditos com
dito de madeira ditos com moscatel ditos
com cognac sestos do cbampanhe caixas
com vinho do Porto velho, ditas Com Ma-
deira urna porcao de charutos da Havana ;
tudo da melhor qualidade : no armazem do
Sr. Bastos junto aoareodeS. Antonio.
SST Urna negra do gento de Angola de
idade de 15 annos de bonila figura sem
las, caixas grandes com cha, peptes para
marrafas cha prefo de superior qualidade ,
salitre refinado lengos prelos de seda da In-
dia gangas amarellas, toalhas adamascadas,
e olgodao grosso para sacos a prego commo-
do : em casa de Matheus Austin Companliia
na rua do Trapiche novo N. 12.
isr Duas canoas em bruto muito boas
para abrir em barcagas : as 5 potitas loja de
fazendasD 25.
ssy Urna cmoda grande em bom estado ,
por prego com modo na nraga da Boa vista
casa terrea que tem vidragas as janellas.
ES/* Superior rap chegado ltimamente di*
Lisboa, em libras o meias ditas e as oitavas :
na loja de Antonio da Silva Gusmo.
13?? L'ma escrava de nacf;o de boa figu-
ra cose chao faz renda com perteigao co
zinha o diario de UU.it casa e ensahoa bem ,
ao comprador se dir o motivo da venda -. na
rua do Hospicio n. 3.
S2T L'ma prla creoiia cozinha o diario
de una ama lava solVivelmente e he boa
quitandeira : na praga da Boa vista D. 16.
-y- Duas |retas cozinhao lavo roupa ,
do seu magisterio no dia 5 do corrento : as
pessoas que nisto se inleressarem podem di-
rigir-se a rua de Agoas verdes D. 58, isto em
quanto a annunciante nao obtem outra resi-
dencia mais apropriada para o desempenho
deste cargo.
AVISOS MARTIMOS.
S3S" Para o Para com escala pelo Mara-
nho segu viagem al 10 do corrente mez
o Brigue Escuna Laura Capito Luiz Fer-
reira da Silva Santos, de bem conhecida mar-
cha e commodos para passageiros forrado
,na e encavilhado do cobre ainda recebe algu-
ma carga a frote e escravos j os pretenden-
tes dirijo-so ao Capito ou a Firmino Joze
Felis da Roza na rua da Moeda n 141.
tST Para o Rio do Janeiro o Patacho
Nacional Valente sahe impreterivelmente no
dia 5 do corrente ainda recebe alguma car-
ga -, trata-se com Paiva & Manoel, no porto
das canoas no Recite ou a bordo com o Ca-
pito Ignacio Xavier Pinheiro.
isy Para liba de S. Miguel
cuna Amelia Capito Joo Ignacio de Me-
nezes carrega e segu yiagcm com toda bre-
vidade.
o Brigue Es-
LEILOENS.
tsy Leilao que fazem Rozas Braga & Com-
panhjaTIpor intervengan do Corretor Oliveira,
de.um bom sorlimento de ferragens finas e
grossas, e de muilos outros artigos como se-
jao fio de gapateiro tinta de escrever em
fiascos penles de marlim dilos travessas
aimitagode tartaruga, o bandejas muito
ricas osquaesse entregars por baixos pre-
gos attendendo-se a preciso de venderem-se
para liquidacao de coritas ; boje 1." de Feve-
reiro as 10 horas da manh em ponto no
seu armazem defronte do Corpo Santo.
'.COMPRAS.
\ST Cargas de fructas proprias para doce ,
mangaba limo maracuj meirim todas
bem verdes sidras e laranjas da Ierra in-
diadas goiabas inchadas e maduras e pi-
tangas bem maduras, panellase potes de pre-
luxo que cosluma a vir do malto ja feito :
na praga da Independencia loja n. 21 e 22.
VENDAS.
S3T Um chapeo armado para official su-
perior um bonet com gaJo um fiel de
ouro para espada tudo novo : na casa D. 15
da rua do Livramento, de manh at as 9
horas e 'tarde das 2 s 5.
se^ Um cavalio de estribara de cor alazSo,
vicios cozinha o diario de urna casa ao
comprador se dir o motivo da venda : a tra-
tar na rua de Moras casa terrea D. 22 do lado
do poente.
\sr Sacas com arroz de csea era porgo
ou a retadlo rebolos ms e meias ms, pe-
dras para amolar tanto em porgo como a
retalho ; ludo por prego commodo : na rua
do Trapiche novo venda de Joze Verissimo da
Rocha.
S2T Potassa Russiana : na rua do Vigario
casa Decima 15 a tratar com Ignacio An-
tonio Borges.
SST Cera branca em paes farinha de Ma-
g em sacas e barricas na rua da Cadeia do
Recite da parte do beco largo n. 58.
3" ptimos charutos da Havana, Ham-
burgo Caxoeira e fama va : na rua do
Cabuga loja do Sr. Bandeira.
ts?" Bichas pretas de muito boa qualidade ,
troeando-se as que nao pegarem de 100 a
200 rs. o sendo em porgo se vender mais
em conta : na rua estreita do Rozario Yenda
D. 30.
xsr Urna rede superior para tipoia feita
no Maranho seis toalhas arrendadas, su-
periores e feitas no paiz e um oilante por
prego commodo : na rua da Madre de Dos
lojaN. 12.
xsr Um escravo pescador do alto e ma-
nante de idade de 25 annos sem achaque
algum e tambem urna jangada com lodosos
aparelhos e pertences relalho a pescara : na
rua atraz de S. Joze D. lo.
xsr Barris com vinagre tinto : emeasa de
Hermano Mehrtens na rua da Cruz D. 23.
XZf Diveraos passaros bons cantadores, por
prego commodo : na rua do Caldereiro D. 2o.
XW Gello a 12o rs. a libra a bordo do
Brigue Escuna Americano James fundiado
defronte do caes da Alfandega: a tratar no
escriptorio de James Crablreo 6z Companhia
na rua da Cruz D. 43.
cy Urna negra de todo o servigo : as ca-
sas do fallecido Agostinho pratico em fora de
portas.
xsr Sorvetes o vinhos do diversas qua-
lidades : no Pogo da Pancha terceira casa
por detraz da Igreja nos dias 1 e 2 do cor-
rete.
xsr Cadeiras de palhinha Americanas,
marquezas de condur camas de vento com
armago e sem ella moi bem feitas a 4*500 rs.
ditas de pinho a 3*500 ,e mezas de jantar ,
assim como outros muitos trastes, e pinho
da Sueria com 3 polegadas de grossura e
dilo serrado ; tudo por menos do quo em
outra qualquer parte : na rua da Florentina
em casa de J. Beranger.
xsr Cad< iras de olio mui bem feitas e de
ptimo gosto e pellesde lixa ; ludo por pre-
go commodo na praga do Commercioa fal-
lar com o Capito do Brigue Flor de Beiriz.
xsr Na refinagoda ruadas larangeiras se
vende passas de Malaga de superior qualida-
de por prego commodo.
xsr Por prego commodo urna casa de pe-
dra e cal no lugar do Caldereiro com duas
salas 4 quartos cozinha fora e um
grande quintal em roda com alguns arvore-
dos e defronte do rio. a tratar no forte do
matioscom Antn o Joaquim de Oliveira Ba-
duem.
xsr Barricas com farinha de trigo de su-
perior qualidade chegada ltimamente de Be-
ehmont, barricas e sacas com farelo, bar-
ricas com fumo para charutos caixas com
vellas de spermnet ajleiraspara forrar sa-
e fazem todo o mais servigo de una casa o
dous moloques de iihute de 10 a 18 annos : n
rua de Agoas verdes D. 37.
J2?" Bichas pretas grandes e da melhor
qualidade que vem a este paiz ptimo o le-
gitimo vinho de (citoria engarrafado, ein cai-
xas de duas duzias hcelas com marmelada,
caixas com peras seccas ditas comameixas,
amimdoas sag paios, presuntos, chouii-
gos e bons copos lisos e bordados de diver-
os lmannos e proprios para agoa : no atier-
ro da Boa vista D. 19 venda de Manoel de Aze-
vedo Maia.
xsr Potassa de superior qualidade em bar-
ris grandes e pequeos a dinheiro ea, praso
com boas firmas : em casa de Joo Rufino da
Silva Ramos na rua do Hospicio sobrado
de um andar defroute do Coione/ Brilo ln-
glez.
ESCRAVOS FGIDOS.
S27* A 18 para 2o mezes fugio nm preto de
nago Angola de idade de 2o a 5o anuos ,
estatura regular, bem parecido, he bem
preto dentes limados barba nem muita ,
nem pouca quando falla faz um gesto de ri-
so he bem fallante sabe offieio de canoeiro,
he pescador do alio he de supor que anda
pescando em algum lugar de praia a titulo do
forro; quem do dito escravo tiver noticia 0
poder agarrar e condn/.il-o a esta pra-
ga do Recite a seu Snr. que he Manoel Igna-
cio Avila morador na rua de S. Amaro paredo
a melado Sr. Jos Marques Vianna que ro-
ceber looj rs.
Xir Fugio no dia 21 do pa&ao da casa
de Joaquim Gonsalves Vieira Guiuiaraes no
sitio do Cajueiro urna escrava de nome Jo-
anna de nago Baca com os seguintes si-
altura regular gorda beigos gros-
eoin urna cicatriz de um talho por cima
gnaes
os
_.,., ,.,.-. _.^-------- ^-------------- ---------- ----------------- j----------------------------
do olho esquerdo athe a maga do rosto tem
sido encontrada pelo Monteiro ; Boa vista o
S. Amaro anda com vestido de chita saia
preta e panno da costa : qnem a pegar leve
ao dito lugar ou na rua velha D. 11.
MOVIMENT DO P 0 R T Q.
NAVIOS S\HID0S NO DA 29 DO PASSADO.
Baha por Macei ; Barca Hambugueza Man-
an na Cap. H. C. Bock com a mesma
carga quetrouxe de Lisboa.
Philadelphia; Brigue Americano Brandywine,
Cap. Powell Smack carga assucar.
Liverpool pela Parahiba ; Barca Ingleza Gol-
den Fleece Cap. Mathus Hubbuck car-
ga lastro de assucar.
Canai Barca Ingleza Norval Cap. Corbin ,
carga assucar.
Havana ; Patacho Hcspanhol Cagador Cap.
Izidro Maristany com a mesma carga quo
trouxe de Montevideo.
Canal ; Brigue Sueco Edl ; Cap. Mchael
Asender carga assucar.
Para cruzar Patacho de Guerra Brasileiro
Patagonia Commandante o 1." Tenento
Antonio Xavier de Noronha Torrezo.
Rio de Janeiro Brigue Brasiteiro Eugenia,
Cap. Manoel Antonio de Souza Guerra, car^-
ga diversos gneros.
ENTRADOS NO DA 30.
Macei; 2das. Escuna Ingleza Ann de 47ft
tonel, Cap. Edward Seagar, equip. 9, car-
ga assucar: a James Cocksehott & C.
SAUID0S NO MESMO DA.
Barcelona por Porto Rico Polaca H*pe-
nhola Ardiela Cap. Joze Oliver carga
algodo.
RECn-E NA TYP. DE mTf.PE F. m 184JI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL232NK21_V7P07Z INGEST_TIME 2013-04-13T02:34:56Z PACKAGE AA00011611_04431
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES