Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04420


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXVllI
Terga feira 17
DIARIO
de Feverero de 1852.
N. 38.
PERMIBIM
mrpo a suBcniPOlo.
PlOlMINTO AOIINT.DO.
f r trimestre...........
Por semestre .:.
Por DDO........i....
PiOO SINTI DU TIIMKTII.
Por qnartel......._'
woTici*! so imperio.
Par....: 2dc Janeiro Minas... 13 de Janr.
Maraubo 7de dito '.S.Paulo. 10 deNovbr.
Ceir... de dito. H.deJ.. M de Janeiro
Paraliiba. 9 de Ferr Babia... 17 de dito.
4/000
8/O
a/uoo
4/500
DI*.DA IIM1N1
16 Seg. Ss. Porfirio, S.
muel, Jeremas,
II Terc.S. Poiycronlo
8 Quarl.S.Theolonlo.
1 Quii. S. Conrado f.
a. Alvaro. 1, Gbino.
10 oext. S. Eleuterio.
21 Sab. S. Malimiano,
22 liiiin. Quioquagesi
un I. (ifo S. Pedro.
ADvinroiAg.
Juioii OrfSao
2.e5. s 10 horas.
1. varado civel.
3. ((i. ao meio-dia.
Faunia.
3. e6.ii 10 horas.
2. tura do civil.
4. e sbados ao melo-
KilaeSo.
Terfas e sbados.
KrauaiBlDEi.
Crescente 28, a (i hora s e31 minutes da
Chela a i as i horas a 46 minutos da tarde
Mlngoante 11, as 7 hora e 44 minutos da w
Nova i 2o, a 1 hora e 21 minutos da 111.
fiuuiDi eOJ
Prlmelra 2 bor* e 6 minutos da laide.
Segunda 2 hora e 3') minutos da maobaa.
ab.tiiJas noi connzios.
olanna e Parahlba, s segundas c seitas-
feirai.
Rio-Crande-do-Norte, todas as quintaj-felras
ao mel da.
Oaranhunse Bonito, i 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, a 1 .'1 e 28.
Victoria, s qulnlas-feiras.
Ollnda, todos os diat.
PARTE OFFICIAL.
TH1BUNAL DA KELAQlO.
SESSAODE i i DE FEVERERO DE 1852.
Presu/ccia do Exm Sr. eonselMro Asevtdo.
As 10 liona da manilla, estando prsenles
es Srs. desembargadores Villares, Leo,
Souza, Rebollo, Luna Freir, Pereira Mon-
toiro, e Valle, fallando com causa os Srs.
desembargadors Talles e Bastos: o Sr. pre-
sidente declara abena a sessSo.
Foi lido em mesa um ofllcio da presiden-
cia, communicando haver concedido mais
viole diaa de liconca ao juiz municipal da
primeira rara desia cldade o bacbarel Ha-
noel Glomeutuio Carneiro da Cuoha.
J0I.O.MBST0S.
Recrrante, o juizo ; recorrido, Francisco
Ignacio Peixoto Flores.Confirmaran, a
seotenca de queserecorreu.
Appellanle, o juizo; appellados, Francisco
Juaquim Alvos Rodrigues eoulro. Manda-
rama novo jury.
disigmcOes.
Appellanle, a justica ; appellado, Jos de
AranjD Lima.
Appellanle, a justica ; appellado, Jos Joa-
qun) de Sant'Anna
les appellacoes em que sSo :
Appellanle, o curador da preta Mara o ba-
cbarel Juaquim Jos da Fouseea; appella-
do, Manoel da Silva Neves.
Ao Sr. desetnbargador Luna Freir os se-
guintes aggravos em que sSo :
Aggravanle, Manoel Rozendo do Reg Bar-
ros; aggravado, J0S0 Rodrigues Piuheiro.
Appellanles, D. Anna Izabel de Souza LeSo
por si e seus filbos; appellado, Manoel
Josquim Ramos e Silva.
Nao oram Julgados os de mais feilot com
dia assignailo por haver faltado a (aislo os
Srs. desembargadors cima mencionados.
Levanlou-se a sessSo ao meio da.
EXTERIOR.
O hlorninq Chroniele que lah* at aqu obser-
vado tnii silencio quasi absoluto sobre a retira-
da de lord Palmerston ae eiprluie assiin do seu
Quinero de 29 de dezembro :
Quaoloao inioisiero dos negocios estran-
geiros eremos que o gabinete preslou um ser-
vico mu importaote ao paiz pela rcsolucoque
tomou. Elle deseinbaracou-se de um obstculo
Appellaote, Ceraldo Amarante dos Sanios ; i iosuperavel renovaco de aossas relaces ami-
aupellado, Do mi oos AlTooso Nery Fer- gaveis comas grandes poteocias da Europa, e
1 .. J_ _-.__as. anuas tp^n^a* t > i i- ...iii.i.li" 'ir r>ninil
reir como tutor
Appellanle, o juizo ; appellado, Prxedes da
FonsecaCoitinho.
Appellanle, o juizo j appellado, Caetano
Crrela de A non cu.
Appellanle, Joo da Silva Reg e Mello;
appellado, Francisco Jos Rodrigues Sa-
cavtD.
App'llante, Miguel Jos da Silva; appellado,
Jos Gomes Moreira.
Appellaote, Diogo Jos Leite GuimarSes;
appellado, Joao da Silva Braga.
UVISES.
nada vemos que poasa fazer considerar como
uina prova de tnvonlade para com a Franca,
ou para com quein a governa a despedida de
um ministro que sem consultar seus collegas
obrara por si mcsino em una circuinsiaocia
critica, Mas he urna queslo iiileiramenlc'dif-
ferente a de saber, se obrando assiin o gabinete
afaalou realmente as probabilidades de disso-
lufo que o ameacavam. tile perdeu seu bra-
co direito, seu principal apoio, a chave da abo-
bada do seu edilicio mal cimenlado, a linha de
umo, queic ligava certoselementos de eiis-
tencia. Qualquer que seja a tintura de lorys-
uio.ou de scutiuieutus conservadores que lord
Palmerston guarda, ha mais de vinle cinco an-
te ; mas temo talento (orinidavel de altacar, I
opprimir um miolsterio heterogneo. CrKicoj
vigilante, minucioso, desapiedado, seu conbe-
ciinento daa particularidades pratlcas dos ne-
gocios o tornar um perigoso adveasano sobre
os bancos da opposico.
m Seus antecedentes autorlsarn-nos a pensar
que uina vez lora das funccr.es publicas elle
nio sera escrupuloso na esoolba de auas armas.
Aluda estamos lembrados da sanha pouco pa-
tritica com que elle procurou atravessar, eera-
baracar negoclaces em consequeocladas quaes
lord Asbburton ebegou a por um termo a essa
eocoinnioda e longa controversia que tivemos
com os Eitados-Uoldot, controversia que lord
Palmerston mesmo achava to complicada, tac
ameacadora, e que aggravou ainda mais ; elle
nao dava a estas oegociaedes outro uome que o
de desalllaoca sem Am, ou capitular o Asbbur-
ton, ou outros epithetos bosUf.
a Lord Palmerston nao lera provavelinente
i falta de partidarios, auas maneiras agradaveis,
esua sa.acldade em fazer os homeus crerein,
que elle lea elo por uina causa, sem todava
comprometter-se de um modo positivo, tornain
proprio para vir a ser o ponto de reuniao dos
descontentamentos mais disparatados, e menos
BJOTrCIAS IITB1NBIIBAI,
Portugal. .17 de Janr.
Hespanha. 9 de dito
Franca
Blgica
Italia..
Alemn
Prussia
Dinamarca
M de dito
3 de dito
4 de dito
5 de dito
. de dito
r,dedllo
Russia... 30 de-aDaab,
Turqua.. 29de dito
Austria.. 5 de Janr,
Saiasa.... 3 de dito.
Suecia... 31 de Dezbr.
Inglaterra 8 de Janr
E.-Unidos 24 de Dezbr
Mxico... 29 deNovbr
California 2o de dito
Chlll. 2 de dito
Huenoa-A. 8deNo,vbr
Montevideo lOde Jaur.
CAMBIOIDE 16 DI rtVIBIlao.
Sobre Londres, a 27 a 27; Vi <> P- >l
Pars,
> Lisboa, 90 por cento.
StKTAXa.
Ouro.ODcaihespinholaa...;r.~;T;. IpJDOO
Moedas de 6/400 velha.......... Hi/iKiO
. deGHOOnovas......... 16^0110
de 4/000..............v 9/100
Prata.PatacSes brasileiro............ 1'92o
Pesos i-n 1 um 11.ii i os............ l/'i.n
Ditos mexicanos.............. 1/800
te desterrar para a vida privada ; ellcheemi- que he lempo de ser varrido do continente
nentemente flotado das qualldades necessarial americano todo o vestiglo do poder brltannico ;
para ser um gladiador parlamentar. Nao har- que he preciso obrlgar pela fbrea os navios
Oes para crer, que elle tem o talento de (rafal1 loglezes a renunciar esta pretenfo ridicula de
urna lioba til de polldca, de crear um part* tomar sob seu protectorado esse negro inisera-
do para apoia-la, e de formar um goveroo for- vel (brccchcsleis negro) que a Impudencia bri-
i>assaram do Sr. desembarga ior Leuo ao ,_ e I1U.S111U u, pouco mais que passou as
Sr. desembargador Souza as seguinles p-
pellacOesem quesSo:
Appellaotes, os herdeiros de Gervasio Pires
Ferreira ; appellado, o Eim. bario de
Suassuna.
Appellanles, Antonio Luiz Gont;alves Fer-
reira e sua mulher; appellado, Francisco
do Reg Barros de Lacdrda.
Appellanle, o curador a heranca de Justino
Meroz; appellado, Aotooio Gomes Villar.
Appellautes, Jos Maria Ramos GurjSoe ou-
tros ; appellados, Joaquim Francisco
i) 1 ni' e outros.
Appellanle, o juizo; appellados, os admi-
nistradores do Hospital do caridade dest
ci lado
Appellanle, Francisco Pedro Baodein
Mello j appellads. a lazenda nacional.
Passaram do Sr. desembargador Souza ao
Sr. desembargador Uebello as seguimos ap-
apelhcOes em sUo:
Appellante, Jacinlho FlisbSo ; appellado,
Caetano Pinto de Varas.
Appellaote, Maria Francisca da Silva ; ap-
pellado, Jeronymo Joaquim Fiuza de Oli-
veira.
Appellaotes, Manoel Antonio Das, sua mu-
lher e outros; appellado, Jos Francisco
Beltn. ..
passaram do Sr. desembargsdor Rebollo
ao Sr. desembargador Luna Freir as se-
guinles appellaces em que sSo :
Appellaote, Joaquina Mana do Espirito San-
to; appellado, Manoel Claudio de Quei-
roz.
Passaram do Sr. Jesembargador Luna
Freir aoSr. desembargador Pereira Mon-
teiro as seguinles appellacOes emquesSo:
Appellanle, ojuizo; apjellado, Pedro Auto-
nio da Silva.
Appellanle, o juizo; appellado, Manoel Jos
da Costa Re^o.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Fran-
cisco da Silva Aoiaral.
Appellaote, o juizo; appellada, Anna Maria
da Concei$9o.
Passaram do Sr. desembirgador Pereira
Mooleiro ao Sr. desembargador Valle as se-
guiutes appellacOes om que s3o :
Appellante, a fazenda ; appellados, os her-
deiros de Manoel Luiz da Veiga.
Appellaote, o cnsul francez ; appellado,
Dioo Baplista Feroaodes.
Passaram do Sr. desembargador Valle ao
Sr. desembargador Villares as seguinles
appellacOes em quesSo:
Appellante, o juizo; appellados, os herdei-
ros de Heurique Pedio de Almeida.
Appellante, o juizo ; appellados, Joaquim
Francisco de Alm por si e seu lllho.______
fileirasdos wbigs, elle louba todava arraojar
se de modo proprio a concentrar Isobre si a a(-
(eofo de um bando formldavel de ul(ra-llbe-
raea que ealu ioteiramenle promptos a reco-
nhece-lo por ebefe, e be cerlo que se elle ae de-
cidir a levantar um estandarte iodependenle, a
mor parle dessa gente vira reunr-ee em torno
dclle. Os proteccionistas (auibem tinbam cui-
dado multo < ni pedir a sua coadjuvafo, c al-
guns dentre ell a pensain que Mr. Disracl e
elle nao sendo peasoas mullo escrupulosas, po-
deram entender-se ; mais infelizmente o dis-
curso de Tivcrton acaba de ser esposio aos
olhos do publico, e. o que be alada mais grave
tann.cn com o ti ni mais vil procamou rei dos
Mosquitos, a He preciso, dia elle, que o gover-
nn iogle coofesse publicamente o seu delicio.
A autoridade oglea nunca fol ree.ouheclda em
nenhuin ponto da costa dos Mosquitos, ou do
Nicaragua. He lempo de appllcar eiiiHin a dou-
(rlna nacional do presidente aloroe, isio he nao
tolerar que nenbum governo europeu venha en*
trometter-se em nenbum dos negocios do con-
tlaeate da America, c fundar novos eslabeleci-
men(os neste continente.
OJVesv-Ft/ri-rriftune denomina o caso do Pro-
methtut a um infame eodioso lasulto ao pavl-
Ibao aiuerlcaoo. 0 Herald qurque os navios
loglezes sejam expellldoa de San-Joo de Ni-
caragua pela forfa. O Philadelphia-Ledgtr dis
qae a Insolencia britannica tem aido por mui-
(o lempo tolerada, e que be chegado o momeo*
lo de repilini-la. Um oulro, iVew -York-Advert-
aarcooclut emfm, que he impossive! vlver em
boas termos com um povo que so sabe aerrar
os puohos e mostrar oa deates .1 ineaor oc-
casio.
O orgulho americano est, como se pode ver
por essas inoslras, consideraveimente magoado.
A questo he saber se o goveroo loglez lera
lempo de preveuir um conflicto. A conducta
Appellamos pa?a o povo ; a vos compe-, hqihem bem estabelecdo, deiorle qoe esta
le dizerseesta poltica merece vossa appro- tsrnbm foi preso. Procedeu-se busca no
v.irj'i, Se responlerdes alTlrmativsmente, da 89 em ni .a dos negociantes Antonio
nos inclinaremos diaote de vossa decisSo, e Monteiro dos Santos Nngueira & C, e dizem
continuiremos ilutar contra obstculos, que pelo mesmo motivo : nada se encontrou
que nos parecem quai insuperaveis. Po-.ao qoe iHirmam.
remse, como temos lugar de temer, o nosso Ha dous das o juiz Furtsdo pronunciou
descontentamento partilhado he compart- o mandn conduzir prosos, cercados de nu-
Ihado pelos nossos compatrioiat de totas as merosa escolla, seta empregalos da rece-
clasjes convidamo-vos a exprimir lviemen- bedoria e thesooraria provincial: o rpa-
lo a vossa opiuiilo por todos os meios, em rato pro luzio compaixSo em favor dos pro-
fundos. Elle be o que se pode chamar o bomtin que elle tem lido nestes ltimos lempos para
do turbilbao, o director da (empeilade de urna com os Estados Unidos, o habito ein que est
agitacao sem Hm.
Le-sc no Examiner :
" A nnmeafo de ior 1 Graoville para o mi-
nisterio dos uegocios eslranheros be urna ga-
ranta para os amigos de uiua poltica exterior
liberal.
Lord Graoville s he conhecldo ha poueo
lempo, purcn tem j sabido fazer grandes pro-
gresaosem o favor do publico, nao por quall-
dades brllbantes, mas por urna conducta pru-
dente, e conveniente nos negocios. Elle (em
feito bem (udo o que ha fei(o e em algumas
circunstancias, desenvolveu lntelligencia, um
juizo ao e um cerlo talento de lnterprtta-
fo.
(Journal des Debis )
CONFLICTO EMIIE OS ESTADOS-UNIDOS
E A NGLATEIIKA.
A darmos crdito aos peridicos americanos,
os Estados-Unidos ea Inglaterra esli a ponto
de romperein em hostilidades. A emo-ao be
de abaixar o lora al ao diapasam mais brando
dianle desses proprletarloa do algodo nos fa-
aem presumir que o goveroo inglet desappro-
var a cabef ada do orhcial do Exureis, e nao
l.ira esperar milito ai reparatOes que Ibe sao
eligidas sobre este ponto, l'or.-in reouaciar
elle ao seu protectorado, se os Estados U odos
pcrsistircu! ? Abandonar elle a entrada do
grande canal, que as coinpanbias .americanas
projeclam atravez da America ? Deixar esta
bella poilfo de San-Joo de Nicaruagua,
qual lord Palineralon declarou que nunca re-
nunciarla .' Abandonar tau protegido, o mi-
seravel rei dos Mosquitos ? Admitlir sobre
(udo a doutrina nacional do presidenie Monroc ?
Isio poderla conduzir longe e ac (ornara
serlo.
_____ Preise.)
Le-se no Morning-Uerald de 20 de dezem-
bro o seguinte:
Os membros rlandezes pertencontes a
extrema com efl'elto do oulro lado do Atlanti- .,."..;.. a. -u
co, todos sabemqualo aconteclmento que deu cmara dos communs I associacSo da de-
lugar a laso. '"* da fo catholica publicaram um mani-
IIin vapor americano o PromHhtm. o qual fasto ao povo da Irlanda. Depois de terem
o nobre viscoude est perfeilainenle conven*.- quera, segundo se dis, subtralr-se ao pagamen- lembrado o fim da instilui'; <) desta SOCle-
do i|ue lodo o governu composto de elementos m dos direiios no porto de Grev-Totvn, ou San dada, a ideolidade da causa da Irlanda rflin
I...!, a. ..~_...(^ J.. ^.__.....n. I...U.. 1.-.- a- !_____ _:.. .. _4..._....J. ...4. .*.... n *_:_
tirados do partido dos proprletarios territo-
. riles he uina cousa inipossivel e absurda. He
de p0ig provavelmente o campo liberal que leva-
r su cmbale contra os aeus noiisjo* collegas,
aese decidir a atiaca-los, e pela nossa parle
nao vt'iM '-> raso para que elle o nao fafa. nena
[sobre que alguem se possa fuudar para crer
I que limitar aua opposifo a allaca-los s-
I mente no terreno de sua poltica eslraugera
! por ser essa poltica dillereule da sua. E111 to-
do o caso as occasdes, que a incapacidade del-
les oflerecerii ccrlaiiieiiie para atlaca-los aero
jrresistivelmeiile tentadoras para um hoinem
do temperamento, de lord Palmerston, e de um antes que o gver'no inglez tiveise lempo de
Seria "
Joao de Nicaragua, viu-se admoeslado rude- a o citholecismoem todo o Reino-Unido,
mente pelo brigue ingles Exprese, o qual fea lleeossidade de urna defesa no manos na-
uT!f&TMnG5&G ci0"*1 ffiP"L*.T,,das q:era"9n"'
dos, o Wasgion-Republic, nos diz que ao receber reditanaa dos Irlandezes, e em um momen-
a noticia dessa aggressao, o governo america- to, em que alies correm mesmo o perigo
no ordenara a mullos navios de guerra que se de jorem expulsos do seu paz natal, os au-
dlrlglssem a esses lugares, e interviessein em torea da proclamacflo pro-oguem nesles ler-
caso de novo a tuque. 001: NSo podemos todava dissmular a
Olzcm qiie de sua parle o ofBcialque com- nos mesmos, nilo podemos dissmular por
manda o Expnu pedir um reforco ao com- mals temoo ,,arle d0 pv0 |r|tndei que
mandante das Torcas brtaonicas as Indias deposJtou em nos sua confi.nca, que a do-
1 ru-iuir-, e que poderla trarar-se urna luta -f>-; "* _.,. .._.!
.,.. ..; .., .t., 11..... i..no h. cisSo que foi agora tomada pela ommissao
FOLHTim.
ffiERIO RAS DE"'um WIARIDO.r)
POB EOINIO 8UI.)
XXXII.
Coniinuacu do diario. Abrilde 1829.
Ter-iuc-bia eu acaso engaado no oieu modo
de encarar o caaamenlo, especlalmeote no pon-
to de vista de uina vida retirada como a que
passo, e de que estou cada vez mais sallsfeito ?
Em vea de procurar entorpecer o espirito e o
corpo de ininba mulber as pratlcas da devo-
fo, em vez d me mostrar para com ella de
uina frieza glacial, nao deveria antes tr.-it.a-11
como uina amante ? estimular sua imaginafo,
seu espirito....
Siin.aim; e eolio, na hora em que escrevo
isto, emvezde experimentar para com mlnha
mulher velleidades de desejo que me sorpre-
hendem, e aqueaaberei resistir, eaperimenu-
ria cer lmeme aaciedade. Ora, urna vez dea-
perlados o coraf ao e oa sentidos em urna mu-
lber.... de quanlo nao be ella capaz, quando
percebe que estamos enfastiados delta.... Nao,
nao, lie mil vetes melhor que Albina seja co-
mo he.
As meihores cousas leem seus inconvenien-
tes, nao ha felicidad!- igual e perfelU; demals,
0 que sao os pequeos despeitos, aa levea im-
paciencias que me causa o lorpor de Albina em
1 uiiipar.-ic.iu dessas terrlveis scenas de familia,
de que taas vezes fui teneinunha ou cauaa
durante a mlnha vida de rapas? Albina he uina
creatura eicelleole, e por Hm de conus, o etro
de tuinha pobre mulber he ler-ine obedecido
demasiadamente, e ler cedido dcinais as influen-
cias de que eu a rodeava.
Oh! o mal nao he para desesperar, perten-
ce-me tira-la um pouco do seu eolorpecnnenio,
despertar ievemen(e o seu esplrllo, e iraze-ia
(jrta.ioD.arioii.37.
carcter lio viugaitvo como o seu. Sena engir
muio da pobre uaturezabumaua querer nter-
diier-lhc lodo o coimueolaro hostil sobre os
orfanicntos de Slr Charles Wood ou sobre aad-
unlstraf o colonial de lord Grey.
a Lord Johu Russel empregar sem duvida
o pouco lempo, que nos separa da aberlura da
sesso, em procurar recrutar para o crdito
ministerial. Todava a concluso geral, a que
somos conduzidoa pelo esludo linparcial da si-
tuajo, he que a menos que lord John Russel
nao desenvolva immediatainenle urna ferlilda-
de de recursos quasi milagrosa o sea goveroo
he desloado a perecer como o paciente que de-
ferio uina anipulaf o al ao momele, em que
as proprias partes vilaea sao altacadas, e que
depois de ler sollrido corajozamenle a operaf o
enflaquece, lauguece e espira.
bin oulra passagem do mesmo peridica
le-se o seguinte :
* Diz-se confidencialmente em circuios bem
informados que em cousequeocia de impruden-
cias precedentes se bavla convencionado em
que lord Palmerston nunca maia couiprome-
(eria o governo em uina linha de poltica, ou
em uina via de acfo ames de se ter entendi-
do com seus collegas, e que as cominuoicaf des
que tiveram lugar entre elle e b St. Walewskl,
postoque verbacs, segundo diicm seus amigos,
e nu' deveodo ser referidas como olhciaes, fo-
ram todava julgadas que contlnham o delicio
de iofracfo diia conveofio. Dabi resultaran!
queiaas e recrimioaf des naa quaes S. S. julgan-
do-se indispensavel fallou com um lom dema-
siadamenie altivo, a
* Le-se nn Speclalor
m A retirada do secretario de estado dos ne-
cniriiu ao ponto em que eslava autos de ler, as-
smi como o disse anda ha pouco, exagerado as
suas qualidades negativas; e depois obrlga-la-
hei lambeni a andar muito, e ibe farel observar
um rgimen maia sobrio.
Quaulu he mil escrever os proprlos pensa-
mentosl v-los, por assim dlzer, dcsenoive-
rem-se materialmente sobos bicos da peona!
Parece que tiles se esclarecera ento, que to-
111 mi mais preciso, e que a gente distingue
mais lucidamente o verdadeiro do falso. As-
sim comefaudo esta pagina, eu eslava Irritado,
quasi desanimado, agora porm a termino
com profundo sentimeulo de esperanfa.
"Yod< abilde 1821.
Apetar das minbas esolufdea de friera, ce-
decdo esta noite a nao sel que fatal pendor
causado sem duvida por esse maldito velho vi-
nho de Burgonha, recooduti emprimeiro lugar
Albina ao seu aposento, e relirel-me por um
instante depois voltando sua porta, bat, ella
abrlo-in'a com toda a conlianf a depois de al-
guna instantes de colloquio. eu quit auraf a-la;
ento ella sabiodo de sua oegligencia habitual,
vivamente apariou-se de mim; eu quiz appro-
liuiar-me, porm ella gritou com ar indignado,
agarrando no curd.'.u da cainpanbia:
Noae approxime! .,. do contrario chamo
madama Claudia....
Depois accresccotou, com um accento de
amarga censura, e toda trmula de colera:
Assim cuinpre as suas promessaal Saia,
aenbor, aaia do meu aposento.... E lome lento,
oo me record jamis leuibraufaa que me la-
mn lomar-lbe averao ...
To siocero era o accento de Albina, sua phl-
sioooinia ordinariamente de urna timidez lio
apaiblca testemunhava tal resolucao, que te-
niendo uin escaodalo ridiculo, vis(o como ella
nao largava o cordo da campanhia, deixei o
seu quarlo.
Esta llf o me aera proveltosa. A repugnancia
de Albina me aalvar a meu pesar, se eu for
lio insensato que ceda ainda urna vez seine-
Ibante etferveacencia.
E todava quanto Albina me pareceu fonnosa
esta noite.... quando ella ae iudireitou altiva,
encolerisada, d'olhos scintilaotes, venias aber-
laa, lacea tinta de purpura.... seio palpitante.
aiii : nao he ella mlnha mulber!.,.. Tenho
uieus direltos, sinto-inc remnead, i, medida
intervir.
Com effeltoo vapor em questo, o PromefAeut,
Jne fazia um ser vi cu regular em Grey-Town,
evia voltar para ah com poucademora o que
pude dar lugar novas violencias, se se per-
sistir de ambos 01 lados na attiiude que to-
mara.
Oeve-se presumir qne o ofBcial ingles nao
obrousem inslrucfdes do alralrantado, ou de
aeua superiores, e que o capitio do Pronethem
de sua parte nao recusou pagar os direiios se
nao por ordem de seus proprletarios.
Se periistlrem de parte a parte, be provavel
que dabi se seguir um conflicto multo pr-
ximo.
Esta parte do eitado de Nicaragua que cha-
ma ni o paiz dos Mosquitos tem ja dado occasio
a conlestafdes inui tempestuosas entre a In-
glaterra e os Estados Unidos. A Inglaterra pnz
esta costa sob o soeptro de certo ebefe indio, o
rei dos Mosquitos; depois ella pozo reino sob
sua protecfo, e apoderou-se de San-Joo de
Nicaragua, o porto de entrada do rio, que per-
lencera a Hespanha,c depois ao Estado de Nica-
ragua. He eala cidade de San-Joo, que os In-
glezes baptizaram para chama-la Grey-Town,
do nome do governador da Jamaica, que fes
tomar posse della. Em vlrtude deste direito
que se arrogou, a Inglaterra se encarrega de ex-
ercer uina poltica em nome do seu protegido
e de fazerentrar na raso os uavios que Ib* re-
cusain tributo. Poam os Estados-Uoidos con-
testam esta autoridade; ellea nao tem querido
reconbecer o protectorado brltannico.
Em um tratado que foi asaigoado entre as
duas potencias a este respeito evitarara-se to-
dos os termos, que podiam implicar ou o reco-
que a regularidade de ratafia vida fortalece mi
obasaude...- Ao cabo de tudo, bem tolo aou
em conler-mc diante da reaiateocia de Albioa...
Sini ; mas admittindo que eu consiga vencer
a repugnancia de miaba mulher, quein me as-
segura que em breve a sacleilade nio auocede-
ra ao meu capricho aatisfelto?
Quera, me dii que depois de ter at aqu mul-
to alin de minbas esperanfas, conseguido ge-
lar o sangue de Albina, nao aahir ella ioteira-
menle nova dessa lelargia de que (o impru-
dentemente eu a (iver (irado?
Quein me dii que ella nao tomar averso a
esta vida calma e solitaria, que meapraa lano,
e que coosegui que acceilasse?
.->t 111 duvida, usando do meu poder conjugal,
conservarei miaba mulher ao p de mlm; po-
rm tambera quintas discussdes, quanlas in-
trigas, quanlas lulas; euifin que luferno com-
paradu cora o repouso, cora a seguridade que
al aqu lenho gozado?
Nao, oo, o insiinctu de mlnha mulber me
tem servido superiormente ; talvez livessem so
breviodo grandes desgraf as, ae ella parlilbasse
a miaba iuclioafo.
Repito, se o diabo rae tentar de mais, tenho
uina fasendinba desocupada nos coosfios de
Chambly, que me podera servir inaiavilhosa-
tnenie de hospital.
Slrva-me de llf o o que me acconteceu hon-
tcui, e eu nao tere! que lamentar um Instante
da Iuncu 1 a ; pelo contrario laso me servir pa-
ra fortalecer mlnha raso, mostrando-me o pe-
rlgo.
Todava estou bastante inquieto por saber
qual ser, loaobaa, o acolbiraento que me
lar* Albina.
31 de abril de 1829.
Soube esta manba, por madama Claudia,
que Albina nao fra missa, e que parecer
agitada durante a nolle ; todava levantou-se
s horas do costuine, mas em vez de lomar o
caininho da Igreja, dirigio-se para o parque,
onde passeiou por muito lempo ; quando vol-
lou, eutruu 00 salao, oude eu a esperava antes
do almncu sua pbysionomia lioba urna ani-
mafo desacosturaada; raiuba vista, Albina
ealreineceu, urna eipresso penosa contrahio-
Ibe as le i cues; ful ao seu encontr eslendendo-
Ibe cordialmenle a ino.
Dou-lhe a miaba patarra de boineiu de
que foi agora lomada pe
la i-s inara 1 calholca nos inspira vivas, a
profundas inquietafOes sobre a tnaneira por-
que ser a poltica do paiz dirigida para o
futuro.
a Em contrariedada aos votos dos cinco
prelados reunidos em opposicSo directa com
a opinSo unnime dos representantes do
povo, que defenderam a causa catholica sem
repouso, nem tregoa duraniea sessJo pas-
sads, um iniiniMii totalmente estranho ao
paiz, homem na verdade de um carcter
muito resjeilavel.a de urna posicio social
muito elevada, porm que ignora completa-
mente oscostumes, os senttmentos, a pol-
tica do povo irlandez, fui nncarregado de
funcfi) -s que exigiam primeiro que ludo
um perfeito conhecimenlo do nossj carc-
ter nacional, dos nossos gostos, e das nos-
sas disposigOes. (Trata-ae do Sr. Wilberfor-
ce eleilo secretario dacommissSo; elle he
inglez, e raoentamenle convertido ao catho-
lecismo.)
> Estamos em vesperas de elei^Oes geraes,
as quaes tudo depender da boa organisa-
c,Vi dos dous paizes ; a, convencidos como
estamos da que esta escolha he funesta a
causa nacional, e por cooseguiole catholi-
ca, eraramos faltar missSo que nossos
constituintes nos denso, ao povo, que nos
concede sua eslima, propria causa posla
am niissas milos, senSo piolestassemos al-
[ameuiup. sem temor contra estes actos de
igoobil loucura, e de degradado nacional.
TT 'AL
bem, que nao lera mala que queixar-se de
mlm..,.
O Sr. j me havla dado esla palavra....
He verdade.;.. miaba chara Albina.....;
porm juro-lhe
Eaoute-me dlssc-mc ella interrompen-
do-me euo conjuro a isso, mas no seu inte-
resse que no meu; nao renov mals nunca a
cena de bontein noite 1 eis-aqui porque : re-
signei-ine a viver aqu, a fazer todas as suas
vootades, a existir, para assim diter, sem pen-
sar, sera refleclir. Esta existencia quasi
mal he estupida, mas gracas ao Sr. talvez, he-
cahido era um estado tal de torpor, que uo tcl
nii.1 se qur mais a lu o 1 de querer outra cou-
sa seno oque he. Minbas palavras o espan-
tara e a mlm tambera; porquanto ae nao fra
a violenta e dolorosa commoco de honlem
mine, por certo que eu nao teria cuidado em
fallar-lhe desta maneira. Uina palavra mais.
Convem-lhe qae eu durma tempre, n-lo he aisimf
Pois bim I Tome sentido en nao me diipertar I
Porque, repare bem oisto, senbor.com o des-
pertar nu volia a reflexo, a comparafo, a
coasciencia de nossa digndade, oaeotiinento
de nossos direiios. Ao aniquilamento succede
einflin a vida.... Emendo, senhor, vida....
com (odas aa suas paixoes, suas vontadea, auas
rerollas contra o que be injusto, cruel ou sira-
plesinenle muito enfadonbo.... Dito isto por
mirae comprebendido pelo senhor; consinto
emesquecer o psssado, mas conjuro-o a que
nao o esqueja.
Fiquei confundido com as palavras de Al-
bina,
Estas poucas palavras ditas com vos clara e
Arme, forana para mira como urna revelaco;
nunca eu acreditarla que ininha mulher fosse
capaz de ae exprimir com esla preciso, cora
esta autoridade; eslava principalmente inulto
'onge de pensar que ella tivesse consciencia
do torpor em que vivia, e que aceitava apezar
disto.
Devo portanto lamentar duplicadamente o
meu estpido capricho de bontein noite. Elle
desperiou talvez Albina, como ella o disse to
Justamente.
Praza a Dos que ella adormeca agora.
cada localidada pelo orgdo das folhas pu
blicas, por intermedio do vosso clero,
e dlrigindo-vos sobre isso propria asso-
ciaco.
Temos a honra de ser, charos compatrio-
tas, vossos deis servos-
Wiloiam Keogh representante de Atb-
luiiu ;
G. II. Moore representante de Mayo ;
Anthony Biabe represenlsntede Galwsy ;
F. Scully representante de Tipperary ;
usley Higgins representante de Mayo ;
J. O' Unen representante de Cashal ;
( Presse.)
nunciados, e nSo sei qua, contra o juiz.
D'entra os passageiros de um navio h.im-
burguez, chegado ha qoinze dias, falleceu
de ruino amanilla um rapaz mircinero que
viera engajado; a tripolac,3o por ora nada
tem sentido.
Parahyba 13 de feverero de 1852.
Com quanlo digam por ah os mal disen-
tes, qua eusou um fsllador de quilate tSo
subido, que at Ihe cont quaes os sinos
mais chocalheiros, e encommodalivos, e
qual o cambado mais sensivel dos pesinhos,
as vezes meescapam cousas bem importan
, tes, e qu- muilo valiam a pena serem refe-
Pelo Cherokee chegado 'le-*"'k.r,8C beram-a noticias de Sin-Krano seo do 1. dtd ocoeSeu na ultima que
denovembro. O Cherokeeper lindo de1 Cha- l6escrevi qu ao con,ej, quasS.
grasa 20 denovembro linha a bordo 300 Ex j tomou "f d, proV6lloria d,HMise.
passageiros, e mais de dous in.lhOes de doi- rJCUJr(lil(> que ^or |ei p^vmcial, lho pertpn-
larseuiouroem p. ___|ce_ N3o sej 8e 9,Der, que o patrimonio
As noiiciasde San-Francisco sSo opt"n>s-ld'aquelleestabelecimento de caridade n'es-
Restabeleceu-se a ordem por toda a parte, ta provincia, e de longa dats, era adminis-
a sociedade se esla organisaodo. e regulan- trirlode acurdocorn 0 estabelecmento, qua-
sando. AscommissOes oxlraordinanss ro- ro Jlzeri em proveilo dos necessitados, que
ramdissolvidas. milhorsabiacn aplicaros meios de tra-lo:
Le-saa este respeito no tormo dos E$la- [jl0 oio ue n0viJade, nem mesmo para
aos-lnidos: essa provincia, ondeo patrimonio da snela
Gracas a seguranca quo roma no E do- ct de Olin* lem >>o o refugian peccalo-
rado.granJe numero de pessoas que tinliam rMm e nem depOe contra as transidas ad-
ido .sos procursr ah fortuna,, nflo hesltam minilfas0M que a meu Ver, cumpriam
em levar comstgo suas ramillas : a o aug- exactamente seu dever, visto que o compro-
memo da populacSo feminina, diz um dos n|js30 nao jn,iic nominalmente quaes os
nossos socios de Sao-Francisco, he sens- p0Dres que devem receber os soccorros de
vol, e a mor parte dos que vem visitaros carjdade, a estou convencido que ellas nSo
Estados Allaoticos voltam com suas mulhe- destrbuiram o pitrimono com os rico3.
res e seus filbos para ostabelecer-se dtrio- Mas, tornan lo ao nosso assumpto, as pessi-
radanas margensdo Pacico He um pro- mas. ou boas administracOes tnnsactas con-
gresso consideravel. senliram que a mor parle do terreno de que
a Os resultados agrcolas so dos mais si- S8 conipUnua 0 patrimonio d'aquelle pi es-
tisractorios: excedein mesmo as esperan- tabelecimento fosse usurpado pelos pni-
cas que haviam; o solo provou a sua recua- ou|aroSi qu ou 0 tinham aforado por vidas,
didade de um modo victorioso, a a Caliror- 0u eram senhoresdo terrenos conllnantes,
na nada tem que invejar a este respeito aos e ainda lizeram mais dexaram sumir o li-
estados mais favorecidos das margeos do vro do lombo.de sorte que hojeo estabele-
Attanlico. Os differentes gneros de cultu-. cjment0 na0 [em ijtulos do que possue,
ra tem cada dia novos desenvolvmenlos, o e n.1o n0SSU9 qusn[u unha, e nem oppro-
os campos se cobrem com rapidez de umi vejla quani0 p0ssue. Agora com a nova.
popularan activa e inlelligeoto. Assim se pf0,ea-orja veremos so o negocio loma
reali
os
ll.Ml .
quezas que valam mais, que as liradas das, 0 ej.provedor fel pomposa entrega ao
minas. F.xm. provedor, e em um relatoro referio-
Estas aflnal parecem verdaderamente ||,e o estado do estabelecmento, e de seus
nexgotaveis ; asqualidades do ouro em pO e|{uCIOl#
que nos vem por cada vapor c' l,ro^ j^| Eu estou contonte, ecom osperancas no
.,'......,.., vai.-b ....^...0-------- -- t e. ....-nii 1 1 ..Me mis 00 v 11...... ,..,,
islsa umade nossas primeiras previsoes ; camho, e se o estabelecimenlo poda con-
1 emigrados californios, oscreviamos ni seguir seu m, favorecendo aos pobres do
ous aonos, pedirlo ao solo mesmo is n- Eyjngelho, a nSo aos ricos de eslrategias.
____.__________I___-___L....... ... I ....,1 1. ,lll ...-..._
III
CIOS
o lo mais coovincente; e um de nossus so- ( n Ja jdlj quanJu os duus bracos me n3o
os da California nio parece cahr era exa- p0,jerell) gaanir 0 alimento, de achar n'a-
gera^So, quando avalia emmiisdo 60 mi- que||, cas, um jescango para osapouquen-
lliOus dedollarso produelo qun ellas dardo ijos diaj( e .esi, esueranca bem digo des-
lieos dous trimestes de que de,a a mao e aievinlar da misoia em
andarobalanco comalgu-,au : _
... ...n.l.tnl,. ........ III A J
esleanno. Duran
elle na.) poude m
ra exictidSo, esse producto se eleva ja a
perto da 33 milbOes.
Do 1." de abril de 18*9 a 31 de dezembro
de 1350 a California linha dado 68,587,591
piastras ; ve-se pois que ella segua urna pro-
gressSo crescenle ; porque apresenlar este
anno um resultado igual ao dos viole e um
pnmeiros mezes de escavacSo
> Em resumo somos um pouco tentados a
crer q'je o ouro existe por toda a parta ;
oorque assignalam-se a cada instante novos
depsitos. Desta vez he na ilha da Rainha
Carlota que se desobriratn mu ricas, ,e
mui abundantes. Esta ilha be possessSo in-
gleza situada ao norte do Oregon ; e seus
proprietarios saberlo tirar della bom par-
tidor
____________ (dem.)
INTERIOR.
Ale aqu estamos desassombrados da febre
amarella que anda se homisia pelo porto,
mais vamos luctando com as caimbras, e
bexigss, n.iu fallando om outras morrnhas
fruclos do bissesto, que lera querido mos-
trar o que be.
Os thuggs vilos^m novilade, e qussi me
vou esquocendo d'elles ; talvez que n.'i 1 le-
nham estado emoxercicio pela probibicSo
dos despachos de plvora, materia prima
de sua industria.
Nada mais me tem contado o Ramalho a
respeito dos desordeiros do conso ; s sei
que 00 centro 1 le causou, como era ra-
sosvelmeoie de esperar, seus desgoslos, mas
n.10 produzio os pronunciamenlos dos nos-
sos matulos amantes de sua liberdade de in-
dustria.
Talvez que por l nSo chegassem os apos-
tlos da propaganda da resistencia armada.
Disse-me um amigo que os sertaoejos
..-tan admirados, e 0S0 podem compre-
hender como os tapa-cacimbas (assim cha-
mam elles aos matulos de sorras abaixo em
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Par I de feveieiro de 1852.
As noticias que Ihedei pelo vapor ante- relribuicSo de corumai com que por ca sao
cadente apenas tenbO que accrescentar quelconhecidos ) estejam nos a?os por causa de
no da 29 do passado foi capturado Manoel semelhaote lei, sendo aquellos, ou preten-
Goncalves Gil, que havia escapado ao sol-dem se-lo, mais ctvilisados e espenos.
dado no dia 29 da achada das sedulas falsas :Acho-lhes rasao.
este individuo girava sob a firma Manoel
Concalves Gil & C, a qual companhia por
ello foi declara la ser Jos Nunes Longra,
Eslava lo feliz, lo calmo, tao cbeio de segu-
raufa....
30 de abril de 1829.
E rugindo passou a tempestade.
Que com grande fragor me ameacava.
Asaira uisseo poeta.... Eu digo como o poe-
ta : Albina tomou a adormecer completa, sin-
ceramente.
Oh! a ininha penetrafo nao falbou ; por-
que durante dous ou tres dias mais, observei
ncila urna vaga agitafo, algumas impacien-
cias, algumas vetea al uina aspereza de lin-
goagein, ultimo echo de seus resentiuientos
depois, e. 11 aglaf o se apaiiguou pouco a pou-
co ; seus olhos ha pouco irritados, scintillaole
se occultarain debalxo de auas palpebras pe-
sadas ; esse sorriso amargo e cuulrahido deu
lugar a uin sorriso de indolente beatilude ; es-
se seio que ba pouco saltan de cinue.au, pa
ce agora to iininovel como o mariuore, cuja
dureza lem ; era uina palavra, esse implacavel
ly .111110, o habito, recobrou o seu imperio so-
bre Albina ; ella tornou-se oque era ba quinte
dias..... e eu o bomem felia e tranquillo que
era nesse mesmo lempo.
Duplicadamente feliz, porque julguci-ineum
nstame auieacado em ininha lelicidade e em
meu repouso.
Maiode 1829.
Pobre Albina, se tivesse cahido naa mos de
um dlssipador, quo taeil I lie fura arruina-la!
Ella be verdaderamente de umi ignorancia,
de uina innocencia era negocios de interesses
que excede todos os limites l
Hontem precisei de sua assignatura para ven-
der ii.ii.i parle dos valorea de seu dote ; assig-
nou sem perguntar sequer de que se iratava.
Por aua felicidade nao sou nem uin prodigo,
nem uin louco.* O (rabalho de dar valor s mi-
abas (erraa, a cousuucfo de uieus redis, de
minbas es(ribarlas-modelos, miabas compras
de gados, ininuas liui.ieusas lavras, liualineale
meus melborameoios de toda naturesa cus-
Por aqu j muito se rosna sobre as elei-
cOes geraes, e aparecen! (valha a verdade )
vinte e poucos candidatos. Eu, em vista do
nelle olienlaPou cen mil francos. Isio Tende-
rla vinte e cinco ou trala por cenio, e as.iiu
eu cobriria, de um lado, com os ganbos, as
despezas de produefo que fafo para melhorar
uiinha ierra. Examino o negocio, e se for tal
como me dizem, conclui-io-bei,
O meu diario foi por algum lempo interrum-
pido, em virlude de accouiecluieulos impor-
tantes a que ao principio Albina foi ahsolula-
meule catranba.
Esses aconlecimentoa nao me dexaram bas-
tante liberdade de espirito para continuar sem
interrupfo a larefa que me tina Imposto,
supprlrel pois esla ladina pela uarraco dos lac-
ios de que leoho fallado.
Urna manha, pelos priineiroi dias de maio,
na volta de uin passeio fello s iniuhas fazen-
das, recebl um bllbete concebido nestes ter-
mos)
Senhor.
A. pouca distancia de vossa pousada e a um
quarlo de legoa daaldeiadc Chambly, acba-sc
urna casa em ruinas, e abandonada.
> Tende a boodade de ir abi s dentro de
tres ou quatro horas, pola tem-se que couimu-
nicar-ros alguma cobsa importante da parte de
am amigo velho, e tilvez se (enba um grande
obsequio que pedir-vos.
Cooha-se bastante em vosso coraf ao; por
isso Bca-se cerlo que viris. ____
A lettra deste bllbete me era desconhecida,
percunlel donde vlnha esla caria, responde-
ram-me que um pequeo camponet a ti-
nba tratido, c ae linha ido embora, tendo-lhe
sido naga de aolemo a sua eu11111111.au. -
A especie de misterio de que era cercada a
entrevista a que me canvidavatn, espantou-me
e excitou a mlnha curiosidade. Debalde es-
forcel-me para adirlnbar quera poda aer o au-
tor desta carta e qual o objecto de seraelbante
entrevista.
Uccorreu-me era uin momento queCesarina,
da qual eu nao linha ouvldo fallar ba mais de
Um-ine bastante dinbeiro; confesso masrao _
que estas deapezas excedein as miabas previ- I dous annos, nao era lalvea estraoba a este ue-
ses, eacbo-tne momentneamente indlvidado; igocio; para diter tudo, espere cora bastante
mas a tudo isto dou um excelleute emprego, e impaciencia a larde. Na hora apratada, enca-
por serem Urdios, os beneficios oo sero nem miubei-me para urna enliga fatenJa arruinada
meu.nes, nem menos certos. Deraais o meu que se achava cora cuello pouco maisouiiie-
Praaa a Dos especialmente, o qu seria bem' administrador acaba de fallar-me de um esta- I nos a mel caintaho entre a aldeia de Chambly
perigoso, que ella nao finia adormecer. beleciraento ventajoso aberto recntenteme e Kiballiere.
Ah uiaidia, maldita seja a miaba loucura I.' na vialnoanf a, e acomelha-me que empregue I (00lmmr-n-a.
.


m

certug candidatos que gn presenta), vouj Camello Pessoa.
timar de entrar n'aquelle numero, e para I Pedro Borges deSiquelri.
iiio breve he encommendarel un boniJDr. Pedro Autran da Mtla Albuquerque.
illa minenos de caitas impressis para de-lPedro Ignacio Bapilsta.
Iribui-las os prximos futuroseleitores, ai l'orlirio da Cunha Moreira Alvs.
guiza de irmandade, que eamola para festa j Pedro de Alcntara Faria Abreu Lima.
da Padrneira ; mas ai caulelam nSo aproa); Joi Caroeiio Monleiro.
leascartinhassem Ihe remoller oauthogra-lDr Pedro Franciaco de Paula C. de A.
pho, porque as quoro lirm cantadinhas, Pedro Cavalcanti de Albuquerque Un
2
como as de certo 111050, e o Andrade anda
me 1180 quiz mandar o original de urna del-
le, que pussueent muita estima.
As chovas ti'cui continuado 00111 muito
boa economa, e os senhores de engenho
eslam saltando de contentes com a esperan-
za da prxima fulura safra, e de zangados
com o prero de 1/600 ris que aqu se Inea
ol it ose pelu asaucar. Nao sei do estado dos
negocios de Ha*ana, mas a julga-lo pelo
preco doi asiucares nesta provincia esta
mudo o ai.
Anda contina, e com mais foi\'a o plie-
noineno do transtorno na gravitarlo dos
solidos pela Itnha da ponte do Sanhau. Ha
poucos iiias riim com um malulo, ao qual
em um sarco de 5 arrobas de asaucar ali-
aba chupou-ltie meia arroba 1
Opinava que viesse urna commissJo de
labios destacados dealguma dessaa acade-
mias scieulificas esludar tSo estupendo pro-
digio; ou na falla outra composta de um
da polica com o Qscal da cmara, e me
duzia de prafas do corpo policial, munidos
do um bom tamo de peaos e a competente
balanza ; nilo romana ) para a gravitado de
cario solidos. Basta por hoje._______^^
"" PERNAMBUCO
JURY UECIfE.
I.'SESSaHDI.NAHIAGM isde feverei.
RO DE 1852.
Presidencia do Sr. Reis e Silva.
A'a orne Uuraa da inanliaa, feita a chamada
acham-ae presente 42 Sra. jurados.
O Sr. Presidente abre a eao.
Sortea-ae o oocclho que lem de julgar ao
reo Mauoel Pereira Ja Fonaeca. Wanderley, ac-
cusado pelo crline de perjurio.
Prestado o juiamenlu da eatjlo.
Or. Presidente fazao lo o seguate
INrERHOGATORk.
Juit: Como ae chama ?
Reo 1 Mauoel Pereira da Fonaeca W an-
del ley.
luu: Donde he natural ?
Reo 1 Da cldade de Goianna.
Juia : Uo que vive ?
Uto : De u Ij.i 1 ti.n- em sitios.
Jar. : Jurou na causa entre partes Joaqulm
Machado de Albuquerque Lina e Manoel Anto-
nio de Azevedo 1
lito ; Sun, aenhor.
Juia : a Coinpareceu na delegaca e declarou
abl, que o juramento que bata dado neaaa cau-
a era falso e o fuera a pedido de Una ?
feo : Ciio me leinbro porque eslava mullo
embrlrgado.
Juia -- Lios o convldou por algumai vezes
para Jurar nesaa causa ?
Rio : > me fallou urna vez.
Juia : Recebeu dlubeiro para depor neaaa
oauaa ?
Reo : -- Nao, aenhor, nem era capas disso.
Jais :Mauuel Antonio de Aievedo, pedio
lbe para o senhor ir fazer esaa dedaracao pe-
rante o delegado?
l-co ; .- Nao, aenhor; elle nao me pedio,con-
vlduu-me por diversa vezea para irein aua
casa ver una aua pequea ; um da ful la e el-
le me deu urna garrala de viiihocoin o qual me
emiiileguei, depois fumoa a casa de um aeu
compadre e de l para casa do delegado.
Ja.- :-- Na utcaalu eui que lu embrlegar-se
lie que Aievedo o levou para casa do dele-
gado ?
R.o : Levou-me para casa de uin seu com-
padre e de l eulautomua caaa do dele-
gado.
.1.-..-.-: Lembra-ae do da em que iaso teve
lugir ?
Uto : Nho me l.-nibro.
Juh : Aaevrdo Ihe deu ou prometteu di-
ubeiro para fazer essa deelaracao ?
Rio : --Nao, aniiiior, apenas ful cin aua casa
para elle me mostrar una sua pequeua, beb o
Tlnho e elle me deu algn charutos.
Jmii : -- A que hora teve lugar isto I
Reo : Erain II horas.
Jar. : Sabe ler .'
Reo : Si ni, senhor.
Lidaa aa pecaa do processo e liodaa as allega-
ron pro e contra,
OSr. Vresidente faz o relalorio da caua c en-
trega aocouselbo osquesllu, aos quaea leo-
do este respondido negativamente
ro.___________
Rllagat doi cidadaoi qve foram qualifcaioi
pila junta revisara, para servirem di juim
di fado, neite crranla mino de 1852.
(XonlinuacSo do u. 83.)
Manoel Gomes Viegas.
siarcolmo Goncalves da Silva.
Manoel Joaquim Caroeiro i.ial.
Maximiano Francisco Duaite Rigueira.
Mauoel
Pereira Teixeira.
Caelano Suares Carneiro Montairo,
1 Peregrino da Silva.
Dr, Miguel Archaojo da Silva Costa.
Manoel Luiz da Veiga.
Carneiro de Souza I.acerda.
> Caetano de Medeiros.
Jos Lopes Braga.
* dos Sanios de Azevedo.
Peieira Lemos.
* Figueira de Faria.
a Goncalves dos Santos Barros.
Ferreira da Silva.
> Pereira MagalhSes.
Bautista de Souza.
J i-r de Alniuid 1 Soares.
Marcolino Jeronymo Concalves.
Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
> Filippe do Carino Nunes.
Miguel Serafim de Castro
Marcolino Antonio Pereira.
Manuel da Silva Mendonce.
a Franciaco de Moura.
Miguel Carneiro da Cunha.
Manoel Luiz Goncalves Jnior.
los das Neves.
Estanislao da Cosa.
Malinas do Albuquerque Mello.
Manoel Joaquim du Reg Albuquerque
de Moraes Carneiro da Cunha.
Joaquim Comes,
a Voltio de Mello.
Cavalcanti Wanderley.
de Carvalho Soarea BrandSo.
Capillo de Mar e Guerra Ro Irigo T. de F.
Rodolfo Joilo B>rata de Almelda.
Rufino Jos Coneia a >
1 Comes da Fon soca.
> Jos Fernande de.Figueiredo.
Kom3 1 de Souza Lisboa.
a Antunes da Silva Alcntara.
Dr. Sabino Olegario Ludgero l'intio.
Salusliano de Aquino Ferreira.
S'veriano Pinto.
Dr. Sebastian Goncalves da Silva.
Dr. Simplicio Antonio Mavignier.
Simplicio Jos de Mello.
siiverm Julo Nepomuceno Bastos.
SeverinoHenrique de Castro Pimentel.
Seralim da Silva Pereira Monleiro.
Simulo Crrela Cavalcanti Macambira.
Simplicio Rodrigues Campello.
Capitao SebastiSo Antonio do Reg Barros.
Themotio Pinto Lial.
Thomaz de Aquino Fooseca Jnior.
Dr. Tnom Fernandos de Cailro Madein.
Thomaz Pereira Pinto.
Tiburcio Valeriano Raptiita.
Torquato llenriquas da Silva.
Thomaz de Carvalho Soares BrandSo.
a Jos da Silva Gosm3o Jnior.
Antonio Miciel Monleiro.
de Aquino Carvalho.
Tiburcio Antones de Olneira.
riiuniaz de Aquino Fonseca.
do Carvalho Paes de Andrade.
Tbeodoro Machado Freir Pereira da Silva.
a de Almeida da Costa.
Teophilo de Souza Jardn.
Umbelioo Guedes de Mello.
Dr. Vicente Peroira do Reg,
a Ferreira Gomes,
a Lima,
a Je'onymo Wanderley.
Victorino Jos de Souza Travasso.
Vicente Cardozo Ayres.
a Anlonio'do Espirito Santo.
Victorino Francisco dos Saulos.
Vicente Ferreira Rodrigues Selle,
a a da Paz.
. de Araujo Pioheiro.
Virgilio Rodrigue! Cu jipello.
Vicente Ferreia.
Zifinno de Lima Cavalcanti.
Recife, 27 de Janeiro de 1852. -- Eu Joa-
quim Francisco de Paula Esleves Clemente,
escivo o escrevi.
1 quaea 11 providencias porvm. adoplidol
para fazer disiuadir o povo das falsas ideal,,
em que loache ou ja apreientando-se oa
povoac8o,ou mandando llxar editaes em que
isso meslo le Ihe mostr; segundo quaea ai
pesioas que vinham capitanlindoesse gru-
po e o que explcitamente ellesexigiflo, e
terceiro le por ventura eram as pessoasquf
o [compunham movidas lomante de Mo
preconcello*, ou de instigacOei dos iniml-
gos do governo actual, que por todos 01
meioa traillo du suscitar desconflancis no
povo contra o mesmo governo. Cumprepor-
tanto, que vm. de a este respelte as informa
ci3"s supiaindlcadas.
IDEmUODIA ? DE JANEIRO DE 1852.
Ao Exm. presidente da provincia. N.
216.Kmadditamento doa mus anteriores.
ofDclos passo as mUos de V. Ex", por copia
os que icabo de recebar do delegado de
Iguarassu' e subdelegadodo prlmeiro dai-
tricto di fregueiia da eacida em dan de
hontem, lolire o espirito sedicioso d popu-
larlo ignorante e illudida contra o decreto
de 18 de joiiho do anuo passado, e rogo a
V.Ex. se digne dsr 1 elle reipeito ai provi-
dencias, que entender convenientes, entre
as quaes suponhoser muito importante a ro
messa do destacamento que pelo mou olllcio
de hontem sob n. 213, pedi para a freguesia
da oseada, e do carluxame e municSo sufli-
ciente para que o mesmo destacamento pos-
ta obrar no caso de necessldade.
E porque V. Exc. em aeus oiTlcios de 30 do
psssado, e de.boniem me declarou, que se
me daiialoda a forca que eu pedase rara
manler a segu-anca e tranqullidade publica,
rogo a V. Ex. que hja de expedir as conve-
nientes ordens, para que se reforcem os des-
taoimentos de S. Anlao.Pau d'Albo.Iguiras-
su', Goianna, Serinhaem, Nezaroth, e Rio
Formosocom mais trila praeaa oada um.'n-
viando-se na mesma occasiflo o cirluiime
neceisano.
Polo meu ofllcio de 3 do correte sob n.
312 ja commumqueia V. Ex. qies as orden
que dei a varios delegados no caso de ap-
parecerem grupos armados em sua fregue-
sia sob pretexto de se opporem a execuejo
do decreto de 18 de junho do anno prximo
passado, que a populacio ignorante denomi-
na do capliveiro. Todos ollas tendem a evi-
tar o empregn da Torc malonel contra es-
ses grupos sediciosos, em quanlo se no
exgotarem os meios brandns e suasorios,
que V. Ex. me rerommeadou por seu ofllcio
de 20 do msz prximo Iludo. Nos meos of-
flcioa tenho expressamente declarado aos
absolve o
/ liiinii de Calro Pimeutal.
a Jeronymo Barreiros Raogel.
Claudio de Queiroz.
Jos de 011 v. i a Lima.
> Clemente de Almeida Cataobo.
a Joaquim Antunes Crrela.
Jos dos Santos.
Bizerra Cavalcanti de Albuquerque.
Dr. a F. de P. a a
a Crrela Gomes de Almeida.
a deSamiiaio Barros.
Joaqulm Mauricio Wanderley.
Miguel Angosto daOlivelra.
Manoel Pires Ferreira.
a Mendel Carneiro Lelo.
> a RodrigueiCampallo.
a Carneiro di Jess.
Mathiaa alen lea Rodrigues Campello.
Manoel da Souz Lelo.
V"z de Souza LeSo.
a Thom da Silva.
a da Silva Barros.
a Gregoiio Pinto de Andrade.
a Eluvigea das Candelas.
a dos Santos de Olivaira Gonfilvei.
Miguel Nunes Correia.
Manoel Carneiro Rodrigues Campello.
Miguel alendes da Silva.
Mariano de SI Albuquerque.
Manoel Ignacio de Jess.
Piicolao folenlino de Carvalbo.
Nerio de S Albuquerque.
Octiviano de Souza Franco.
Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva.
a Durnellaa Pessoa.
a a de Attuyde Lobo Moscoso.
Repart.Qo da Polica.
Ao Exm. preiidciUe da provirv iaJi.' 213.
Como o director geni dos indios, no ufli-
cio que por copia acompanhou ao de V.
Exc a mu dirigido em data de hontem,
declara que os anarchistas da freguezia da
Escada procuram mentir na populaca 1 idea
deque o decrelo de 18 do junho do anno
prolimo pss cimenlos e bitos, lem por fim reduzir
escravidao a gente de cor; como he pro-
vavel que na mosmi freguezia apparecero
os mesmos grupos armados que se tom
presentado em otilros lugares, emhnra al
u presente nada me conle a este respeito;
como enleniln conveniente nao deixar as
nutoridades inteiramenle inermes, mas dar-
Ihes a necessarit forc.a para se fazerem pelo
menos respeilar detses grupos emquanto
se nUo d'svanecem as impreas-'S que elles
ii'il'i'in ; como flnalmenle o delegado de
Santo Aniso por vezos me ha representado
sobre a influnncia do deacamenlo, deque
dispOe actualmente; julgo do meu dever
pedir V. Exc. a expeuic.3o de soas ordens
-li n de que siga para a freguezia da Escada
mu destacamento de polica 011 primeira li-
lil 1 com 30 pravas pouco mais ou menos
sob o commsndo de um ofllcial, (cando all
A disposiflo do re Approveilo a oecasiflo para dizizer a V.
Exc que ao entrar na villa de Po d'Alho o
r leii.nra que remelti com olllcios para o
respectivo delegado e para o de Nazareth,
como dase a V. Exc em meu ofllcio de hoja,
foram-lhe lomados e rasgados ditos ofJQcioa
por um grupo de 20 a 30 desordeiro9 arma-
dos que Ihe sahiram ao encontr, estando
ocoullos na estrada. Vito ser agora mesmo
eoviado9 segunda va dos ditos ufficios.
Ao misma Bxm. Sr.N. 21*. Em addi-
tamenlo ao meu offlc'0 de hoje, sob nume-
ro 212, passo s mSos de V. Exc. o ofllcio
por copla do subdelegado da freguezia de
Muribeca, bontem datado e agora mesmo
recudido, participando que a povoacSo d'a-
quelle nome fra invadida no dia 1 do cor-
rente por grande numero de pessoas sima-
das do lugar com o pretexto de nSo con-
sentirn) na leilura do decreto imperial,
que estabelece o registro dos obilos e nas-
i'iini'iiioi porque tem por fim escravisaras
crianzas nascidas d'aquelle dia por diante.
U mesmo subdelegado entende convenieu-
Le-sa no l'tdro II de 7 do corrate:
Foram preaos no termo do Ip, J080 da
ftl asiaiiino de seu ounhado Floriano de
Tal, a Cosme Jos Pereira, pronunciado pela
turra que deu em Maria Jos Pedrosi/
No do inhamuin Vicente, escravo de Jos
d* Olivelra, e Mara eioriva do infeliz Ma-
noel Martina, autores dt morte do mesmo
Martina.
1 No do Sobral Manoel da Silva, pronuncia-
do pelo crime do assassioalo perpetrado na
pessoa de Domingos Fernandas.
No Rio-Gran ledo none foi insinuada
no dia :i .lo crreme a primeira sessSo ordi-
naria daassembla provincial, eleila para o
anno de 1852 a 1853
Da Parahiba referimo-nos a carta do nos-
so correspondente, que em outro logar dei-
Xamos estampada.
Corudiumcado.
AOS SUS. AGRICULTORES DA CANA.
A moonda de nova consirucc.So para a ex-
prsalo do caldo das cumas de Alfredo e
K luyanlo .lo Mornay ; previlgiado por pa-
lete no Imperio do Brazil, na Inglaterra e
no continente da Europa.
Ha mutlo lem jo se tem reconhecido que
a niiji-ii l.t de lie/, cilindros, usada hoje para
expremer o caldo das cannas, conlem de-
fetlus importantes, e que todas as novas in-
ventes aliin de dominuir estes defeitos tem
falnado uo seu resultado : poil le alguma
modificacSo melhorava a maquina em um
sentido fui esta vantigem coulrabalancada
por um maior mal em oulro. Muitas in-
ven-idos tem-se experimentado s depois
abandonado, e al o presente a moenda de
te/, cilindros continua em geral uso com
todas as duas imperfeicOcs, sendo as mais
importantes as seguiutes :
As canas que paaso pela moenda de trez
cilindros s3o duas vezas exprimidas, porm
a pressSo feita pelos oilindros que as rece-
bem he quaai intil, porque as canas mui
pouco quebradas descem com o caldo, e
por isso lornam a receber grande parle d'el-
le; u'esle estado passam para o outro lado
da moenda aonde ellas licam oulra vez ex-
preinidas e mais proveilosamente, porm
por causa da posicSo relativa dos dous ci-
lindros i]OD ilfciuam a pressSo, e pila ma-
neira obrigada e irregular porquo passSo as
c ni s, muuis vezes dobradas pela virola,
levam comsigo urna por;3o consideravel do
caldo; e pelu pequeo dimetro dos cilin-
dros, em conseguencia da velocidade das
delega do-, que seos amotinados so 11S0 dis- rcvului;i3es, o cilindro inferior lio lado do
solverem depois da terceira iatimar,3o orde-. vira-bagafo leva oulra poreSo do oaldo es-
nada pelo art. 290 do cdigo criminal,elle.I atibado a sua suparflcie que llca tambem
nSo empregassem a forja sem da ruin parle absorvido pelo bagaco antes que largue a
a esta reuarlicflo, e como seodo talvz che-
gado eniso o momento de obrar contra 01
moenda.
A viroli
uzada oa moenda ordinaria lio
tilo e Hidoujac n. U na mesma ra onde se
pode veros dezenhos damoi-nda. .
Pblicago a pedido.
Hecebi do Sr. Jos Maria Gon-
calves Ramos a quantia de 18
rs,, por saldo de coritas do Xaro-
pe do Bosque, e juntamente todo
o mais xarope que exista em ser
nesta data; icando assim saldadas
todas as contas que ti vemos, poro
mesmo senhor nSo querer conti-
nuar a ter o dito para vender em
sua botica'. Recife, 9 de fevereiro
de i85a.Por o mesmo Sr.Guer-
ra Jnior, Joaquim Ignacio Gomes
Ferreira,
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 16. 16:501,788
Desear rega hie 17 dt (eveniro.
Brigueauatriaco Emrne-- fannba de trigo.
lmnortaca.
Vapor braiileiro S.Salvador, vin lo dos
portos do Norte, consignado a agencia, ma-
nifestou o seguinte :
5 rolos salsa ; a Domingos Ferreira Maia.
19 ditos Jila ; a Jos Baplista da Fonseca
Jnior.
1 caixote encommendas ; a Minoel Hilar-
te Rodrigues.
1 dito ditas ; a SebastiSo Jos da Silva
Braga.
1 laia ditas ; a Manoel Aloxandre Gomes
de Mello.
Barca bnsileira Firmeza, vin la do Rio de
S. Francisco, consignada a Mano -I Francia
co da Silva, manifestou oseguinte:
43V5 alqueiros farinha de mandioca, 68
banicas vaaiis e 1 porefio de lenni; 10 con
signatario.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 8 a 14
11I0111 do da ni......
23:516,107
10:326,259
33842,366
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimento do dia 3 a 14..
dem dodi 16.
2:647,962
90,991
2:668,893
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 16.....1:024,633
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento diilia 16.....5:354.971
Muvuneiito do puno.
seiiciosos ede realabelcecer-se efirmar-ia rauito prejudicial, pois as canas parcialmen-
o respailo as leis, e as aulhoridades nSo do- te quebradas achSo resistencia oella sido
va eu fazel-o sem orden) exdressa de V. E(. tilingadas repentinamente a tomar urna ou-
tanto pela imporlanci de.lo acontecimenlo n-, rjireccfio cousumindo assim parte da for-
efuturas consequenctas, como porque pelo ct motrix, e quebrando o bagaco A virola
arl. 5 $ 4 da le de 3 de outubro de 1834, a tambem ajuma muitos bagacinhos di re-
V. Ex. compete diipor da torea a bent dase- dordeila que alem de em pouco lempo aze- navioi iniraaoi M 11.
guranca a Iranquilidade publica tomar, darn damnificando o caldo, cauzSo muita B\h,a JI.?.?1";.!!''" u!,^'..., "L^i
cooseguintemenie para a manler todas aa |cr;3o tomando assim a moenda pelada, al-
medidas de prevencSo ecau ellas authonsa- gumas vezea a ponto de faze-la parar,
das pelas leis, n3o posso deixar de s ilcita! moenda ordinaria por lanonecessita
de V. Ex at para resguardar-mo de tola a um, |'iie< demaziada para tranger-la; que-
respousabilidade, se na hypolhese de tenaz bra muito o bagadocria az do por causa
iesi-t uuia as iiiliiiiai;-'s pacificas das bu- dos bagacinhos que sernpre existem mais
thoridades dever-se-ha einpregsr a torc 0u menos ao redor da virola. Dilllculta a la-
contra os sediciosos e Tazer-lnes togo. vagem por causa da mesma virola que deve
ser lirada do sea lugar para ser bem lavada.
11 ,1 vi'nin iifi'i.irv I li'MM'/ mn. um vmi i(ir rara ir una iiiiui,
^a5JmwiPAi1 ni? imr m1 MEZ Eit' pe* ha l"vbem multu ""J"'1 09lra-
MARA MUNICIPAL DO llKi.lrf. ME u,r.e A resistencia farra ,la me- ),
DE DEZEMBUO PRXIMO F.NDU. ^%l7o,7">Z>o^ eVJ.mol
"'"'.'______ -., ... laniburaa, lis am arando parta aguontada
flcril
Saldo em 80 de novembro p. p
Imposto de mscales 12
dem de cordiacOeS e liceo^as
40 a 50
dem de nlinc.lo 2
dem d* medidas de farinha 3
1 lem 500 rs. por cabera de ga-
do 1
I lem de togo arlificiil 21 a 34
lii/.imo do capim de planta 1
Alugueis da prafa da Indepeddea-
cia 1 a 4
dem das caainbas da ribeira di
Boa-Visla 2
dem ditas de S. Jos 2
I lem ditas ditas 3
Multas pelo fiscal do Recife 12
llem ile Santo Antonio 31 a 83
dem de S. Jos de 1850 a 1851 15$
Ideo de 1851 a 1852 1 a 17
dem da Boa-Vista de 1850 a 1851
149
Ideo dita de 1851 a 1852 4
dem do Poco de 1850 a 1851 11
Foros de terrenos municipios 1
quo deve ser nos paraluaoa que aegu
. tambora, h au> grando parta aguontada
'"ii'uiio Pe'os vtrgens, que emhnra mui bem feilos,
' e de 111 nal grosso, mullas vezes, 080 podo n
50 920 restitirao grande aporto que he neceisario
......'751, dar a cana para exlrahir-se o seu caldo, e
226,000
quobram-se, partindo g-ramenle em baixo
toneladas, capitSo II. Hedquist. equipa-
gem 11, em laalro; i C. J. Astley & Com-
panhia.
Parahiba -- 3 dias, hiate brasilejro Tres lr-
mSos, de 30 toneladas, m-Slre Jos Duar-
te de Souza, equi->agm 5 carga loros.
Passageirus, Antonio Joaquim Alvos Tei-
xeira, Manoel Luiz Barboza Mesquita, Mi-
guel da Silva Nevos, Jorge Adulfo Caoux,
OlimpioSabino de Ancheta.
Buenos Ayres, t-ndo tocado na Babia 30
dias, polaca hespanhola Madronna,de 136
toneladas, c.i imn Roaue Alsina. eauiua-
gein 10, carga carne seeca: a ordem. Veio
refiescir e segu para llavana.
Rio de S .Francisco do Sul 24 dias, barca
ln-H.sil.-ini Firmozs, de 224 toneladas, ca-
pitSo JoSo Piolo Madeira, equipagem 13 ,
carga falloha ; a Manoel Francisco da Sil-
va. I'assageiro, Antonio Vieira de Miran-
da Evora e1 escravo.
iVr.ci'i saltillos no malino dia.
do eixu do lado do apeno principal.
n.920 000 Para remediar estes dafeitos, A. eE.de
Vouo *'"'"".v ''"" inventado um* maquina muito
.iMi'-inn deiiua 10 realizar o Um desejado, pelo ,
a50'JM,queelleslem oblido um pre.ilegio V. -ucom eso. a pelos porloa intermedios--
lee oulros paizea, e ae a sua myeuda rea- br.gue b'astleiro Conce.c3o, eapitlo Joa-
lizar lauto quanto elles esperam, em pouco
lempo ha de substituir em lodos os euge-
nlios, as moendas hoje uzadas.
A sua moenda ompOe-se de dous cilin-
dros de diamelru igual, e al muilo maior
que os cilindro das rnaioies moendas ordi-
narias. Estes cilindros a3o pollos em urna
posi(3o conveniente, que lica mais ao nivel
que os duus cilindros correspondentes na
314,060
150,000
200,250
513, 250
8,000
57,000
4.000
122,000
quim Ferreira dos Santos, em lastra. Pas-
ssgeiros, Antonio Horneo Ledo, com sua
familia, Bernardioo Cavalcaute de'Albu-
querque
S. Mat'ieus. sumaca brasileira Nova Espe-
culadora, meslre Jos Joaquim da Silva
cirga varios gneros.
Parahiba galera ingleza Berma, capitSo
Jamea Campbell, carga assucar.
vereiro de 1852. O Secretario, Antenio
Fdtreira d'Annunciacfio.
Clausulas npieiail da arremataba.
1.a SerAo fetaa todas as obras neceill-
rias, para que ale edificio Oque em bom
estado e nelie poder residir odeatioamen-
lo, conforme o orcameoloaporovado pelo
Kxm. Sr. presidenta da provincia, aa im-
porla ncia de 6361468.
3.* Todaa as obras ser3o principiadas no
prazo de um nio/, n concluidas no de tres
mezei, cohtadoa de conformldade com os
artigos 31 e 32 da le provincial a. 286.
3.' O pagamento da importancia drsla
obra sor! feito om urna s presticSo quin-
de ella estiver conecluida e em estado de
ser recebida definitivamente.
4.a Para tu lo o mais que n.lo eitiver de-
terminado nai presentes clauaolas, seguir-
se-ha o disposto na relinda Ici provincial
n. 268. Conforme. O seeretario A. F.
il AnnoriciHivlo.
- O Hlm. Sr inipector da tbesourana de
fazenda, manda fazer publico, quepennle
a mesma Ihesouraria h8o de aer arremata-
dos de venda 83 cavallos da companhia (isa
decavallaria desta provincia, que exoedem
ao seo estado completo; pelo que as pe|-
soasquequizerem licitar, deverflo compa-
recer na sala dasaeesoes da dita repartido
as 11 horas do da 17 do crrante. Secreta-
ria da th souraria de fazenda de Pernam-
buco, 14 de fevereiro de 1852. OoDlcial
maior iulerino, Emilio Xavier Sobreira do
Mello.
Declara9e8.______
CORIIEIO GICRAL.
As malas que deve ronJ.s r o vapor S.
Salvador para os portos do Sul. prlncioiam-
se a fechar hoje fI7^ ao meio dia, a depois
dessa bora at o momento de fechar, recbe-
se correspondencias com o porte duplo.
REAL COMPANHIA DE PAQUETES 1NGLE-
ZES A VAPOR.
No da 20 do correte me/ ,
esperase o vapor inglez Te-
viot, commandante Rivett,
dos portos do Sul, o qual se-
guir no dia seguinte para os portos da Eu-
ropa 1 para passaiieiros, trala-se na agencia
na ra do Trapiche Novo n.42.
O capitSo do porto desta provincia, em
virlude das ordeno da presidencia faz cons-
tar para ponbecimento de lodos, o ibaixo
inscripto.
Capitania do porlo de Pernamboco, 10 de
fevereiro de 1852. Rodrigo Tbeodoro de
Freitas, capitSo do porto.
Indicarles sobre o pharoldas Salinat, na pro.
vincia do Para, sua policio, toractir e al-
cance de sua luz.
Pharol das Salinas na Ponta da Atalajo,
em lalitude Sul de zero de graos, trinta a
quatro minutos, e longilude oriental da lina
do Ferro de trezenlose trinta graos, trila
e'dous minutos. Apparelbo lenticular do
systema de Fremel e Arago. Sua luz alcan-
ce dezesele milhasj he variada, eappre-
senta as pilases seguintes :
Luz clara e igual, durante 70segundos.
Umeclypse, ou obscu-
ridade, <
Luz cressante, mui bri-
Ihaote, oque diminue
a le lesa aparecer.
Outro eclypse.
16
12
22
30,000
4.000
47.000
1.9S0
i ui U3UUU3 t iiiunrn iu c.iuuui/iitB na n i, **.
moenda de Irez tambores, para deix.rcor- TriesU pela Par.h.ba brigue inglez L.dy
rer o caldo em um. directo descendente "-"a P'W C J"n.ein "lro-
em quanto as canas eslSo passando eulre
llestituices
Dipia
Expediente 3 a 4
Folha dos empregadoi do mez de
novembro p. \>. 3
Jury e eleifOes 3 a 7
Cusas criminaes 17 a 22
Luzes para a cadeia da cidade 3
Limpeza de ruis 26 a 40
Kventuaes14 a 19
12.092,964
35,500
Balan(o a favor dareoellaeiu 3l de
deieubro p. p.
1:000,000
388.340
3:428,083
:264.88l
gado
te que se destaque al turna torca na povoa-i Extraordinaria (5.a prestac3o pag
(3o indicada para evitar desrdeos futuras, I a Ihesouraria provincial por
o eu por isso requisito a V. Exc. um desti-! cotila dos 8.000,000)3
camento de dez pravas sol o commando de Matadouro publico 1 a 6
um inferior, oqu>l dever iicar disposl-
c.lu da autondade policial do districlo.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria de po-
lica da provincia de Prnambuco, 2 de Ja-
neiro de 1852. Jernimo Marlimano Figuei-
ra de Helio, chefe de polica da mesma pro-
vincia.
Hlm. Sr.Participo a V. S. que hontem
fra invadida a povoacSo desta freguezia
por granue numero de pessoas armadas,
riel I moradora, com o pretexto de nao
consenlirem a leitura de um tal papel que
segundo dizem elles tem por fim reduilr
escravidSo as crianzas que nascerem d pri-
meiro do correle anno em diante. Este
papel, Illm. Sr., he a lei que manda aos RECIFE 16 DE FEVEREIRO DE 1858.
eicrivSea fazerem acanta memo e derem. car- Entrou bojedos portos do norte o vapor
tldJo do dia em que nasceu acriance. 1*'\s.-Salndor, trazando nos gazelas do Para
lizmeotedo todoesteajunt'mento nSore- com diU, ,i31 do passado, do Maran'io
suliou fenmenlo algum. Teobo de fazer-i tl< t j0 correte, do Cearat7e do Rio-
ver a V S. que nSo sera mo mandar para Grande do norte at 14.
19:692.964
Cmara municipal do Recife, 2 de Janeiro
de l8>.
O Contador,
Joaquim Tavares Rodovalho.
O procurador,
Jorge Vieor Ferreira Lopes.
elles em urna directo maii vertical >=>S3u
estes doua cilindros, que fazem o trabalbo
12-876 964 pnocipal de separar lulo o caldo das canas)
181000 eI>i3upara facilitar o trabalho de sevar a
moenda com aa canas, um dous, ou mais ci-
lindros mui pequeos s3o enlucidos en
baixu do cilindro superior, ou para melhor
dizer, por baixo do cilindro que fies no la-
do da boca da moaoda, de mo lo que as c-
979.856 as em lugar de desearem com uina incli-
87 320. "'('O de pe lo de 45 graos al encontrar
691 227 c0,a "'"* vrola que as obliga a doDrar para
27 000 "Uo passar enlre os cilindros para recebar
16i'a80 a pressSo elllcaz, sSu levada gradualmente
57560 sum Sl!r Preciso a virola, da poai(3u em que
-i.io na moenda, para oa doua cilindros
grandes, entre os quaes poasam aem ser do-
bradas e mais igualmente espalha las, e por
Uni em melhor ealido para ser privadas
de lodo o seu caldo. O bagaco nao lica t3o
quebrado eaai mais enxulo. O aparto que
se di as caoas quando passam entre oa dous
cilindros grandes he regulado por meio de
quatro paiafusos fortes poslos oa direcefio
exacta da forfa da pressSo do modo que to-
da a resistencia easa torca be sustentada
somante pelos paratoaoa o oada pelos vir-
gaos, e por maiur que seja o a per, os vir-
gens; o3o corren,risco algum de se quebrar.
Eta moenda nBo se estraga tanto como a
DIARIO DE PERNAMBUCO.
este lugar urna torc para evitar algum bi-
rulho que por ventura posaa apparecer.
lieos guarde a V. S. Subdelegada, de
Muribeca, 9 de Janeiro de 1852. Hlm Sr.
desembargador Je onimo Marlimano Figuei-
rr de Mello, diguiasimo Cheto de polica da
provincia.Francisco Pedro Soara rundi.
Todas as provincias permanecen) no mais
inaltenvel eocego.
Quinto 10 Para nada temos que aceres-
cantar ao que se 16 om a carta do nosso cor-
responden le exarada em outra parte.
No MarauhSo reunio-ae, no dia 2 do
correnle o eollegio eleiloral da eapital para
Ao subdelegadosupplente de Muribeca.! proceder a elelcSo dos depulados proviu-
Illm. Sr.Accusando a recepco do ofllcio' ciaes.
de hontem em que vm. me communici, que Trativa-se all com ardor acerca dos can
grande numero de pessoas armadas e mo
radeiras nessa freguesia invadirSo a povua-
c3o de Muribeca para o fim de nSo consenti-
ris na leilura do decreto, que manda fa-
zer pelos escrivSes de paz o registro dos
nascimentoi e obilos, por se persuadir 1,
ellas que dito decrelo tende a re lusir a es-
cravidSo as criaofas nascidas do I. do cr-
reme em dionle, signillcu-lheque dito seu
ofllcio foi levado ao coohecimento do Exm.
presidente da provincia para que tomado na
consideracSo merecida hija o mesmo presi-
dente de resolver, se deve ou nSo ter logar
remessa do destacamento, que vm.
pede.
NSo posso entretanto deixar de fazer ob-
servar a vm. que de seo ofllcio nio consta
didatos senatoria, que hSo de ser votados
na prxima eleicSo do da 7 de abril, lando
sido aprsenla i. pela oommiaafio central do
partidu benteoi a respectiva chapa, cumpos-
la dos Srs. desembargador Jos Marianl ;
coronel Jeronymo Jos de Viveiros, e JJr.
Joilo Caelano Lisboa.
No dia 31 do passado tomou posse do bis-
pado da mesma provincia por procurado o
Exm. e ltevdui. D. Manoel Joaquim da Sil-
vena. '
No Cear continuava a lavnr a febre
amarella nos lugares de Biturite e Ico, fa-
zendo nio pequeo numero de victimas,
A capturados criminosos vil sendo pro-
movida, ao que parece, com louvavel actl-
vidade em todaa provincia.
Navios entrados no dia 16,
Para e porlos inlarmadios15 dias e 4 ho-
ras, e do ultimo por 9 horas, vapor lira-
zileiro S. Salvador, da 350 lonailadas,
commandante o primeiro lente Anto-
nio Carlos de Azeredo Coitinho, eguipa-
gem 29. Traz a seu bordo : para esta pro-
vine.a, o Dr, Jos Ma'iino Alves SerrSo,
D.Maria Felicia Marlinsde linio Inglez.
com sua familia, Francisco Fideles Bar-
rozo e um escravo, padre Antonio Alves
de Carvalho, Jo- Nunaa de M lio, Augus-
to Carlos de-Amon 111 Grela, Jo3o Huber-
to, com sua familia e 2 riadas, Wliam
Gatcombe Diz, e I escravo a entregar, Dr.
Amaro Bizerra Cavaloanle, Jus Severlno
de Moura, coronel J0S0 Co -llio Bastos,
C3m 1 lilho 1 criado e 1 escravo, liento
Jos da Costa : para a D.lua, Luiz Miguel
(juadroa Jnior e 1 escravo: para o Rio de
Janeiro, capitSo Manoel Ignacio Bricio,
lente Antonio Joaquim da Silva Tam-
born), com su. familia, Exequial Jus Xa
vier, Manoel Fernandas Alves, 9 cadetes,
11 pregas para o exercilo, 32 recrulaa pa-
ra u dito, 5 ditaa pira a mantilla a 13 es-
cravoa a entregar.
Rio de Janeiro 16 diaa, patacho hollandez
Bernardea, de 913 toneladas, capilSo B.
II. Engelsmm, equipagem 7, em lastro;
A11101 ni Irinaos.
tsla moeiioa nao ae estraga taino oaama a -- .,,:., hutt inole lleather Bell
motemooaue aendo gmente dous clin- A^nii;*de l0ffe,,,,.,, c,pitgoA. Nery
da Silva, eqiipagein 16, carga sal ; a Jos
Pereira da Canha. P.ssageros, Ftlippe
Lopes da Silva, Joiquim Jos de Santa
Anua, e Ganijalo Pereira de Araujo.
mo lempo que
drus grandes, podem ser maiores que 01
Cilindros da moenda de trez tambores sem
a moenda pezar lauto cumopeza esta.'Aper.j
lando os cilindros para expramer tanto co-
mo oxpremem as moendas ordinarias nSo
demanda lauta torca para tangei-la, e aug-
mentando a torga motriz he capaz de fazer
as caoas rendar mais dez por cenio de cal-
do que posea extrahir a moenda de trez
tambores. Esta vantagem he por si s Uo
importante, boje que appareca tanta oon-
eurreuca eio outroa paizea no fab'ico do as-
socar e que a plantado da Beterraba ni
Europa para o mesmo II m tem augmentado
d'uma niiiieira 18o espantosa, que hedtsui-
cessario enumerar as oulras vanlagens que
silo iutroduzidas o'eata nova moonda
para recommenda-la aos sentiores u'euge-
uho que quuerem, por meio de economas
bem entend las (sendo amis importante
de todaa a economa do caldo da cana.) pro-
duair o assucar po' um preco anda monor
do que se pode produzrem oulro qualquer
poiz, e assim receber um lucro proporcio-
nado ao seu pezado trabalbo e seu grande
eapital empregado.
A moenda patente, lamben) cusa menos
que a Moenda de trez cilindros ae estes to-
rea leitos com igual dimeofSo das de dous
tambores.
Para mais pjrticulare iQtormacOeg pro-
curaren) os inventores 00 Recife, ra do
Trapixe u. 19, ou ni sua auzencia os Sr. Ro-
IfilTAES.
O Illm. 8r, inspector di thesouraria
da fazendi provincial; emeumprimento da
ordem do Exm. Sr. preaidenta da provin-
cia, manda fazer publioo, que no dia 19 do
corrente vae novamente a praca para aer
arrematado, peraote o tribunal administra-
tivo da mesma iherourarta, a quem por
menos flzer a obra doa concertog da cadeia
velha da oidada de Goiaona, avaliada em
63HJ186 res, lomando-aa por base d'arre-
lamaiiicilo o offereeimeulo da trea por cenlo
de abale no reipeelivo ornamento feito por
Victorino Moreira de Souza.
A arrematado sera feita na forma dos
artigos 24 e 27 da lei provincial n. 268, de
17 de Manido de 18l.
As pessoas que se propozerera a esla ar-
remalacSo eomparecerSo na silla daases-
sOaa do meamo tribunal, no dia cima
mencionado pelo meio dia, competente-
mente habilitadas. E para constar so man-
dou aSxar o presenta e publicar peto
120 segundos
Estas phases se reptem'em cada periodo
de 2 minutos, ou 120 segundos.
Secretaria do governo da provincia do Pa-
ra, 16 dedezembro de 1851. Miguel An-
tonio Nohre secretario do governo. Con-
forme.Francisco Xavier Bomtempo. Con-
forme. O ofllcial maior. Joaquim Pires
Machado Porteila. Conforme. O secretarlo.
Thom Fernanda Mader* de Castro.
TRADUtCA.
Noticia officiat.
Tendo o Commodore Brewe, comman-
dante em chefe das torcas noves de S M.
Brilsnica na costa occidental d'Africa, noti-
ficado officialmente a este governo a soa in-
lenc3o de na confu lindado das ordens do
governo de S. M. para esseeiTeito, esiabele-
c-r um rigoroso bloqueio de todos os por-
los e logares, (excepto Badagry)na Costa
de Bmo. O secretario Colonial recebeu
ordem do governador Macdonald, para pu-
blicar, e para iuformcSo e governo dos ha-
bitantes desla colunia, de todas as oulras
a que diga resoeito, a seguinte noticia ofll-
cial, transmiltiJa aS. Exc. pelo Commodo-
re Brewe.
Secretaria em Treetown, Serra Leda, 8 de
dezembro de 1851. Por ordem J. F. Smylh,
secretario colonial.
Notificado do bloqueio
Vapor de S. V. drianlca,
feniope Sirra 10a 6 de desem-
bro de 2851.
Em cumprimento aa instrueces do go-
verno de S. M. aonuncio que um bloqueio
de todos os portos e lugares, ('excepto Bsda-
gry) na Coala de Benin, desde a longitude
1." ale 4o 30'a este do Greenwich, ser des-
de ja estabelecido por Q)im com todo O ri-
gor ; e a nenhuma embarcarlo overeante
aei permittido ter communicacSo alguma
com os porlos e logares interdictos desde o
t, dnjaueiro prximo futuro (assignado) II.
W. Brewe Commudore e commandante em
chefe das torces navaes de S. M. Britnica
na Costa occidental d'Africi. Conforme.
Francisco Xavier Bomletnpo. Conforme. O
ufllcial maior. Joaquim Pires Machado Por-
leila. Conforme. O aecretario. Tbom
Fernandos Madeira de C.stro.
Por esta subdelegada de S. Fr. Pedro
Concalves do Rtcife, fui aprehendido no dia
12 do oarrente, um eavalio que foi encon-
trado na ra : quem direito tiver, pode
apresentar-se para Ine aer entregue, pro-
van 10 a vala dos sigoaes.
TUBATKODBS IZ\BEL.
29' RECITA DA ASSIGNATURA.
Quartn [eir, 18 de Ftvcritro ae 1852.
Estrd, em ilecUma^o da cantora
Carmela Luce,
Depois que a orchestra tiver execuiao -
urna eacolnida ouverlura, subir i icena a
linda eomedia em 2 actus, ornada de mu-
zica 1 *
COS1MO ,
ou
O Priucipe Gaiador
Personagens e acloris.
O l'nncipe|H mirique Germino.
Cosimo calador Monleiro.
O Mrquez de Farambolo Reil.
O Conde de B dmonle -- Pinto.
Matheus, niordoino docislelo Colmbra.
i-.l/i.i. sobriuha do mirquez Amalia
Monteiro.
Angela, coatureira Carmela.
Nobres, oamponezas, criadoi, pigens, etc.
Em seguida repreaenler-ae-ba o muilo ip-
plaudldo Vaudeville em 9 actos !
U Cara liada ,
00
O Fregador de cartazes.
Terminando o espectculo com a muilo
graciosi farca.
O TOLO FINGIDO.
Comefarl s 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
u
* r
-.t
<
Diario. Secretarla da Ihesouraria da' fa-1 costme.
zenda provincial dePernimbuco, lOdefe-j O administrador emprezario tem honra
^
H


.- .... J_
de annunciar ao respeitivel publico, que hi-, Precisi-se do ofllciaei de charuteiro
3
es
1

voram dous bailes mascarados nug diis
23 e 24 do correata mez, cujos programmas
serio ciroumstanciadamente annunciados
pelos jomaos. ______ _
TIIMT80 HE APOLLO.
t.' RECITA DA AS81GNATURA.
(Jaura tira, 18 di ftvirem de 1859.
Subir Aseen* pela primeisa vez em Per-
nambuao o famoso drama em 8 quadros que
tem por titulo
IDIOTA.
00
O Subterrneo de Heilberg.
Pinonagem i aoloru.
0 IdiotaOs Sra. GuimarSea.
Frederico Amoado.
Athanasio-Seona.
Tuny Jorge.
Henrique-Saota Roza.
O.carCosa.
RantzanTollos.
1 ii magistradoHelio'
UmoUloial N. N.
Aduqueza-AsSras. D. Soledlde.
uilherminaLeopoldina.
AmeliaCarolina.
alartba(VVoifrug)-Luiza.
Coovidados, creados &. &.
O espetaculo comecar s 8 horas, e os b-
Ihetea eslarfio a ven Ja tarja e quarta-feira
no theatrn.
Avisos martimos.
Para a Baha, sahe em pou-
cos dias, a veleira escuna Tenta-
dora : para o resto di carga e pas-
aageiros, trata-se enm o capitao ,
na praca d Commercio, ou com
Novacs & Companhia na ra do
Trapiche n. 34-
Para o Porto
Seguir com muita brevidado a baroa por-
tugueza Boa-ViHgem, capito Antonio Fer-
reira Leite Jnior, lem boos comino Jos para
passageirose carga: trata-se oa ra do Vi-
gario o. 11, ou com o capitao na praca.
Para Lisboa.
O brigue portuguez 8. Domingos Torrado
e pregado de cobie de qoe he cieilSo Ma-
noel Goncalves Vianna, recebe carga e pas-
(agenos aosqua'-solTerece bons commodos:
a tratar com o referido capitao da Praca, ou
com o consgnala'io Joaquim Ferreira Men-
des GuimarSea na ra da Gru n. 57 segun-
do andar.
Para o Rio de Janeiro.
Sahe impreterivelmente no da 21 do cr-
reme, o patacho brasileiro S. Jos America-
no, ainda recebe alguma carga miuda e es-
cravos a frete: a tratar com o consignatario
Manuel Alves Guerra Jnior, na ra da Cruz
n. 40, ou com o capitao i'liomaz Pereira
Lagos.
- O brigue Vencedor sai para o Rio de Ja-
neiro no da 18 do corrento quem tiver es-
cravos a embarcar entenda-se com os coa-
signatarios Vivaos & Compauhia : na ra
do Trapixe n. 34.
Gear e Alaranho.
Segu em toucos dias o brigue escuna
nacional Laura, para carga e passageiros,
li.ii,i--o omn n consignatario J B. da Fon-
soca Jnior : ra ilo Vigario n. 23 segunJo
au lar; o i ron o rapitfio na Prnc.ii.
-Para o Rio de Janeiro o palacno nacional
ValeiilA sai no lini da presente semana, para
o resto de ca'ga, escravos a frete, e passa-
geiros )iara os quaes tem bons commndus:
trata-se com o capitn Francisco Nicolao de
Araujo na '.iraca do commercio ou com os
consignatario Novaes & Companhia na ra
do Trapixe n. 14.

Leu
oes.
~ O corretnr Oliveira, fara leilSo, por
ordemdoSr. Dr. juiz Ou commercio, a re-
quehmeuto de Oliveira, liosos & Compa-
noia, e en, presenta de Gstate ||. Praeger,
curador fiscal da massa fallida Ua Leopoldo
Jos da Costa Araujo, de um carie,,tur de
lamilla de mandioca, de muito boa q&alida-
de, cnegaila ha' poucos dias de Santa Cama-
rina, pelo navio Destino: og preiendenu-s
podem iiUcip idamente examina-lo aborde
do dito navio, assim como no da do leilo,
que se patentear a amostra ; quarla-feira,
18 do correle, aa 10 horas da mangSa, na
porta da assossiacSo commercial.
.M.i 1 II ni os & Companhia, como nSo
podessem liualitar o seu leilao de lodos oa
objeclos de sua ioja, na ra Nova n. 6, con-
tmuam a fazor por intervencSo do corretor
Miguel Carueiro, nos das 18 e 20 do corren-
te, as II horas da tnanhSa.
Avisos diversos.
A violceo de um direito.
A limeiis que estendem ou tem praser
em fazer do direito torio. Tendo hontem
se procediJo a eleicSo da meza que tem de
festejar a S. Gmalo em S. Amaro subirm
eleilos juizes por oleicSo a lllm Exm Sra
li.......o meu amigo o Sr. Franklin
Americo Eustaquio 1 .om ;,nnrea>|os Srg. An-
lumo heanlo Quinleiioe Miguel Uernardo
Quinteiro e mus Sis. que nomearSo por
urna juila quenemao menos foi por devocSu
enteuderAoque a eaaa Sra. be a que devino
mandar levara bandeira do Santo, fazendo
assim do dirrilo torio; ora logo que despare-
ce aordem ou a harmonia em qualquer aclo
entendu que lodo o homem honesto deve se
retirar, e por isso entendo que 11B0 s o rom
amigo, como us demais eleitos devem pedir
a mu eiclusflo; para que BejSo Horneadas
pessuas todas da devbcSo do Sr. Antonio Ber-
nardo Quimeiro, poia aasim pensa um seu
amigo que nSo quer ver fazer cortetias com
chapeo alheio. A. A.
Um seu amigo. *
O sentior autor do aunuocio deste
Diario, de hontem que laxa ao arrematante
do fornecimento dos carros fnebres para o
Cemileriu publico, de relaiado.oalumnian-
do-o esc lo anuncio,ou Me de sorte queseja o res pon-
aavil parase poder chamal-o a responsabi-
lidade, e nBo diga, que conata, que se vio,
rorque isso he linguagem de espoleta de
quem so acha sem teta.
Aluga-se o segundo un Jar e solo, da
casa da ra da Peona, com o* fundos para a
ra Direita, com 4 salas e 9 quartos : a tra-
tar na rrca da Independencia n. 12.
OSr. J. C. T., queira dirigir-se a ra
Nava n. 53*, a negocio que nOu iguora.
-- O Sr. Vicente Ferreira de Souza, quei-
ra dingir-se a ra Nova n. 55, a negocio que
nao ignora.
Aluga-se para o servido interno de urna
casa, urna escrava boa oozinheira, e muito
lie! : na ra das 5 Pontas n. 59.
Precisa-se de um caixeiro, que teoha
pralica de Ioja de miudezaa, e que tenha
boa letra : a tratar oa ra da Cadeia do Re-
cita, Ioja de miujezas n. 7.
Precisa-se alugar ana escrava, que seja
diligente e fiel, para o servico externo de
urna cata, seu seohor responsabilisando-se
pela conducta : na ra das 5 pontas n, 5*.
oa ra da Gloria n. 37.
George Patchelt, faz constar que a sua
senhora Mary-ann Patchett, subdita ingle-
za, faz urna viagem a Europs, levando urna
criada em sua companhia de.nomo Elisa -
I betli Cauwell,
1 J0B0 Boyle, subdito inglez, faz urna
viagem as provincias do Norte d'esle im-
perio.
J0B0 Jos da Cruz, embarca para fra
da provincia, a sua escrava de nome Marco-
lina, creoula.
Roga-ae a pessoa queachou urna carta
do remessa, vinda do t-ngenho Garana, o
favor de a levar a ra da Cruz n. 46, que se
Ihe Acara asss agradecido.
O Sr. Joi Harcellino da Fonseca, tenha
a bonJada de vir ou maridar,roo -I)'!- o im-
porte dos materiaes que man Ion air da fa-
brica de Antonio Carneiro da Cunha.
A casa terrea n. 37, cita na ra do Fa-
gundes, boje Santa Rita, perlence a Case-
ni'rn dos Reis Gomes, est justa por venda :
quem a mesma se julgar com algum direito
annuncie no prazo de tres das.
-- Aluga-se urna escrava bem moca, re-
colhiJa, que faz todo o servido interno de
una casa, e propria para an lar com crian-
fas, que para isso tem muito uso: Da-so
por preco mais commodo a quem li mear
tnici a mandar ra : no terceiro andar da
casa n. 16, na ra do Collegio.
-- No da 19 do correle, vo ser arrema-
tados por um anuo, a porta do lllm. Sr. Dr.
juiz 'lu ir lln-, os predios seguintvs : a casa
terrea no becco dos Quarleis 11. 29, avaha-
da em 48,000 rs. annuaes ; outra na ra do
AragBo n. 9, avallada 0111 96.000 rs. ; outra
na iravessa do Quisdo o. I, avaha!* em 81/
rs. ; mil ni na ra Real n 33, avahada om
120,000 rs. : as pessoas que pretenierem,
di ijam-se ao lugar indicado, com os com-
pelemos liadoros, os ditos predios perlen-
cem aos herdnirus do tinado padre Jos Con-
cillo ; adverte-se que a arrematado lem
20 dias na furma da lei.
Precisa-se de um amassidor, opag>-se
bem : a tratar nos Apipucos, padaria do lin-
io, ou na ra ircita 11. 96.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra do Apollo 11. 16, com sotfio etiapei-
ra, para grande familia : na ra Direita nu-
mero 25.
Napolen Gabriel Un, roga a todas as
pessoas que Ihe devem, por leltra, ou por
conla de vir 1 no pagar, sa uSo quereni pas-
sar pela vergonha de serem chamados a jui-
zo, dentro 0o praso de 8 dias.
Precisa-se alugar urna ama forra
captiva, quo seiba cosinhar e engo
para urna easa do familia de 3 pessoas
se bem : na ruado Pillar em Fra de Por- Jvende-se na mes.na
las, Ioja do fazenJas.
Precisa-se de unta pessoa que queira
tomar o ma de um sitio para plantar de
meia, tendo o mesmo urna grande baixae
muito porto da 01 nulo; assim lambem um
f iior para lomar conla de algumas vaccas
de leite : no aterro da Boa-Vista, sobrado
n. 17.
Aluga-se um sobrado na ra Imperial
n. 39, de um andar, e dous sot3os, com com-
modos para grande familia; lerrafo, quintal
e cacimba, os pretenJentes dirijam-so a ra
das Cruzes n. 28, terceiro andar, junto a
padaria.
D-sea juros, sobre penhores, at a
quanlia de 100.UOO rs.; sendo de 100/paia
cima : qnem precisar dinja-se a ra lumia
11. 17 que l se dir quem os da.
Francisco de Paula Carneiro LeBo, re-
side no aterro da lloa-Vista n. 16, onde of-
forece-so para cuiar homeopticamente as
-- O Sr. Luiz dFranca de oliveira Lima Ainda est fgido o preto J0B0 Goian-
lem urna carta na ra das Cruzes n 63. (os, afio congo, de altura regular, pernas
Precisa-se alugar urna escrava para o,arqueadas, denles limados, pouca barba
servico de urna casa de pouaa familia: na.e conserva-a grande no queizo inferior:
Iraressa du Sarapatel n, 1 segundo andar.'quem o aprehender love-o a fundicSo da
O abalxo assignadu morador em seu Aurora, ou ao deposito da mesma, na ra
engenho Verlente da commarca do Bonito
avisa aujMiblico, para que pessoa alguma
comore ou contrate negocio algum com Joa
quim Jos Franca, relativamente aos tres
escravossegulntes: SemiBo.crioulo, de Ida-
de 35 annos, baixo, reforjado do cupo, ca-
ra larga, nariz chalo, de pouca barba, e falla
descansado, Mara, crioula, da mesma ida-
de e falla fanhosa, mulhor do dito ; e outra
negra, de nome Mara de idade de 30 anuos,
de cor fulla, carpo secco, crioula, e lem as
mios foveiras,sendo esta de um n'.eu prente,
os quaes escravos o dito Franca carrgoude
meu ingenuo na nnitede 13 dejaentrodo
correte auno de 1852, e junlamonle um
quartlo castanho capado comate ferro M ,
e com canga.li i,D qual he de um meu
lilho; por tanto poco a qualquer pessoa,
que souber dos-ditos escravos a aprehen-
sBo dos 1110111101, niaiiiian in-ns levar ao
meu engenho que ser bem recompensa-
do. Antonio Correa Pessoa de Mello.
-- B-se de 5/ a 50/ rs. a premio com
penhores de ouro e prata, rebatem-se sol-
dos dos senhores ofliciaes da terceira e
quarta classe somonte : em a Ioja de ouri-
ves da ra do Queimado n, 26 se dir quem
faz este negocio.
No dia 23 do corrente, pelas qualro'
boros da lardea purla da casa da residencia
do Sr. Dr. juiz de orfos aera arremata la
por venda a casa da Ra Nova n. 46, perten-
cente ao casal do finado Jos Ramos do Oli-
veira, para pagamento dos respectivos lega-
do Bruin.
Antonio Ferreira da Costa Braga,tendo
cotilas, e letras de alguna Srs. que lem dei-
sado de pagar, uns por amisale, e outros
por relaxarles, tanto pela parle dos aeua
colira lores, como dos devedores, roga pelo
prezente, aos masmosSrs. de vi rom quanlo
antes pagarem seus dbitos, na ra Nova n,
38. asseguraiilo toda a cootemplacBo nos
juros; e se assim o 11S0 fizerem passarSo.a se
rem demandados, o quesera urna vergonha
para os senhores devedores, alem dos abu-
sos cometidos alguna at 15 annos.
A casa de educarlo que par-
ticularmente dirige na cidade de
Olinda, o bachurel Jos Louren-
50 Rleira de Vasconcellos, tem ter-
minado as Mas feria, e est l'unc-
cionando regularmente, comosem-
pre; ainda admiti alumnos inter-
nos, para o que tem as desejaveis
commodidades.
- Engornma-se com perfoic.So e por pre-
co commodo, ropa, tanto de homem, como
de senhora: na ra da Roda, Ioja do sobra-
Jo n. 17.
Na primelra au liencia do lllm. Sr. Dr.
juiz dos feitos da fszende,se hfio de arrema-
tar oa seguintes objeclos : um engenho de-
nominado Uarbalho na freguesia da comar-
Casa de commissio de escravos.
Na ra Direita, sobrado de 3
andares, defronte do becco de S.
Pedro n. 3, recebem-9e escravos
de ambos os sexos, para sevende-
rcm de comminsao, nao se levan-
do por esse trabalho mais do que
3 por cento, esem se levar cousa
alguma de commissao, offerecen-
do-se para isto toda a seguranca
precisa para os ditos escravos.
Precisa-se alugar dous moloques : na
ra da Cadeia n. 13.
No paleo da ribeira de S. Jos n. 15,
lava-se eeRgomma-se com ptrfsjfjo e ac-
dos. He a ultima prar;a e a legataria, a favor, ca do Cabo, com todas as suas Ierras, mat-
da qual pezava aobre a mencionada casa tas e lagradores, casaado engenho, de vi-
um ouus, ja concordou, juntamente com o venda o de purgar, com 30 furos e 3 baloOes
tutor dua orfos daquelle casal e com o'gran les, aenzalla para pretos, 1 moenJa, 4
doutor cnradorgeral, que ssuielbante onus tachas e um parol de caldos, ludo de ferro,
passasso para outro predio da massa in-'e outros objeclos avahados em 38.000,000 rs.
venial u da e pan litada. Est poia o predio e da mesma forma vSo a praca os buis mi-
li vi o e desembarazado, e pela aua localida-'nunoiadng em o Diario de Ptirnambuco de 26,
de deve de excitar a voula le dos licitantes.'37 e 28, de novembro do anno p. possado,
Gouveia &. Leite, exporta para o Rio a eicepfBo de alguus que ja foram arrema-
de Janeiro, o escravo boa ventura, cabra.de tados.
18 anuos de idade, por ordem de seu pro-: -- Acha-se farlnha nova de SSSF, (dora-
prielario Manoel da Multa Silveira, morador minha) para vender, nos armazens de Dea-
er Nazareth. ne Foule & Comoanhia, no becco de Gon-
Na ra Nova, Ioja n. 60 precisa-se de calves.
ofliciaes de alfaiate, para obras rniudas. Altencao.
Offerece-se urna ama para a casa de ho-.
ve iue.se na mes.na occ-s.ao e,n que s^,,- p,ni|Ilho pBr, cubrir oich.pos de Sol ja
ri.u ?" .nWnl9.' 'tSFVXmVSl fC uMdo,tambe. concertaos diUoipeolpree
criada, bolada muito b., carros etc. e to- commolo do que em outra qualquer
dos os mais utencilios inherentes, a necossa
nos para acontioua(Bo do meimo estabe-
lociinenlii : a tratar uo pnuieno andar do
atierro da Boa-Vista n. 43.
-- JoBo Boyle, audito britannico faz urna
viagem as provincias do Norte deste Im-
perio.
. .,..,, ,, ... I UI pros r. DVHJ laiUBDV "a.'" "o."" m*>.v
Asubstitutadagcadelrasdelprimelrasle- j,,^ c,3acase outra qua|quer rp,
tras desta cida le, faz sciente ao respeitavel j ,"; qutiver nodoas, pondo-se como
publico, que so acha on exorcicio na cadei-jnovK O'por procos commodos.
e parta com toda iromptidBo,
Tinturan francesa, no aterro da
Moa Vista n. 17.
Tinge-se toda e qualquer fazenda de ISa,
algodSo, seda e linho, tanto em obras como
em peo i-, e eom muito asseio ; assim como
1 1 1I0 s Antonio, e pri lo ser procurada n
casada respectiva professsora.
Furtaram da casa n. 1. da ra da Cruz,
um relogio grande de algibeire, gnslo Miti-
go, patente inglez, com duas caixas de ou-
ro da fabrica do Lilherlana I) 1 v s & Compa-
nhia, de Liverpool n. 10882, correle e cha-
ve tambem de ouro : roga-se aos sonhores
relojueiros, ou a qualquer outra pessoa, a
seguidles eiiformidades, e nao curando n.1o| quem lr ulferecido para comprar, o obse
lem disolto a nenliu 11 pagamento, sendo iquio de apprehende-lo eleva-lo a dita casa,
chamado logo no principio da molestia, e_ que sergenerosamento gratificado.
iij tomando o doetito noiihum meJicamen-
lo allopalhico e mesmo caseiro. Ferimcntos
de bala, ou de quaesquer outros instrumen-
tos; grandrs quedas uu pancadas por miri-
res que sojam, respirando ainda o paciente;
pienses, us mais agudus e violentos; febre
amarella, desenteria sangunea, bexigas,
sarampo, e sarnas inda as mais intensase
rebeldes; erisypellas, toda molestia vene-
rea e syphlytica ; boDas, srja de que crac-
ler loiiin ; iheumatismos agudos, e om ge-
ral todas as mais enormidades em lempo
que pussam ser curadas.
-- Pegou-se no lugar Jundi um pretr
cicotilo de nome Jolo, e diz queosenhur
mora as Cinco Pontas : appardea o senlior
ou pessoa em aeu lugar com ducumeulos.
Quem quizer comprar diversas obras
de prata de lunii goslo dinj i-so ra de S.
Cecilia, venda n. 18.
A pessoa que precisar de um moco bra-
uleun lilho de fra,de boas qualilades, de
-o a 21 annos de idade para cacheiro de
ra, ou armazem de assuacr, ou mesmo
para adminislraijSo do um engenho do que
ja tem bastante pralica, o qual da fiador a
sua conducta: eotenda-se na rna de S.
ilion /i n. 34.
-- Precisa-se dequatro a seis pretos cap-
tivos para Irabalbsr em um sitio perlo da
praca, danJo-sc osustenloe roupa propria
para o servico de campo : os preleodentes
dinjam-se ao Passeio publico, Ioja n. 13.
-- Jos da Silva l.oyo embarca para o
Rio de Janeiro a sua escrava de nome Ma-
riana, creoula.
itoga-se ao sr. F. S. C. C. o favor de
mandar pagar a quanlia dj3 21,680 rs. que
Sao. deve ao seu sapaleiro ha mais de sois
100.0-, e senSo quizer ver o seu honrado
nome por extenso nesta fulha, ser melhor
que mande |logo pagar pelo que se Ibeflcar
obligado.
Pede-se ao Sr. GuimarBes, emprezario
do Iheatro de Apollo, que nBo deixe por
modo nenbum de levar a scena quarta fel-
ra o Idiuta, pois pode contar com ludo que
he calcanhar redondo.
-- Joaquim Jos Guedes Pinlo exporta
para o Rio de Janeiro os seus escravoa, Po-
licari ia Filippe, Sabino, Regenardo, JoBo
da Molla, Anecleta, todos crias, e [oSo
pardo.
Jernimo Scasso remelle para o Rio
de Janeiro os aeua escravos de nome Filip-
pe e Miguel.
~ Manoel Francisco de Arruda embarca
para o Rio de Jaueiro o seu escravo de ne-
nio Pedro.
J. B. da Fonceca Jnior embarca para
o Rio de Janeiro por ordem de aua senhora
Jiilo Francisco Florencio, de Carusi, es-
cravo de neme Filippe.
Desappareceo da ra do atierro da
Boa Vista nma bu.la alazn, pequea, de
frente berta, as clinaa um pouco mais cla-
ras que a cauda, aa poutas daa oielhaa cor-
ladas, teudo de um lado da anca o ferro X,
eo mesmo na pa do oulro lado, e tambem
este oulro MB as partes oppoltas, as qne
tem o primeiro eslava com cangalhaa, eui
oujo enhoclo uniiaui duas CordaS Servlodo
de estribo : quem o pegar queira leva-lo
ao engeiiho Foruo de Gal, ou annuncie por
eale Diario que alem dse pagarem lodau
as despezas, se recompensara.
o bacharel Ignacio Joaguim de Souza
LeBo, embarca para o Uto uo Janeiro sua
eacrava de nome Luia.
OSr. Exequiel Jos de Carvalbo, com-
prela na ruada Madre de Daos n. I, par
se Ihe entregar urna carta vinda de fra.
-- Precisa-se de urna ama de leita : na
ra da Praia n. 49.
Aluga-se a casa do sobrado de um an-
dar com solio e Ira pena da ra de Santa
Rita n. 14 : quem pictender fall na ra Di-
reita n. 25.
' U. Catarina Francisca do
Espirito Santo, declara compa-
nhia das carnes verdes, que por
motivos deixou de nliancur desde
o. 1 i de dezembro p. p. a Filicia
Engracia, e exigindo do agente da
dita companhia a carta de Manca,
nao Ihe foi eatregue e continuam
a dar fatos a mesma Engratia; por-
tanto, fdi sciente que lica sem vi-
gor a sua llanca.
-- Precisa-se alugar urna preta de meia
idade, que un lia cozinhar a engomnar : na
ra do Trapiche, esquina da Lingoeta n. 32
Arrenda-se um sitio em olinda, no lu-
gar denominado Floresta, com um sobrado
grande, em muito bom esta lo, una casa de
rancho coberla detelha, muito terreno pro-
prio para capm, vorduras, rorjas e qualquer
lavoura, commodo para um pequeo car
cado, tem alguus coqueiros, anangueiraa
laraogeiras : quem o pielender, dirija-se ao
mesmo sitio, a tratar com a proprielaria D.
Maiia Comes do Amparo.
Aluga-se para qualquer estabelecimen-
to, a Ioja do aterro da Boa Vista 11 38
Precisa-ae de um oIIcuI de charuteiro:
travessa da Lingoeta n. 6.
Precisa-ae alugar urna preta escrava,
para todo aervifo de urna casa de pouca fa-
milia : na ra larga do Kozario 11. 32.
Precisa-se alugar urna preta, que sai-
ha cozinhar e engoinrnar, para urna casa de
pouca familia : na ra Direita n. 53, se dir
quem precisa.
No dia 17 do corrente as horas do cos 11-
me se hade arrematar no valor de 350,000
rs.,o escravo l.lias pescador boa ligura,para
pagamento da exucuc,Bodel).alaria Jos Lina
Sonaoo, e outros, que pela I.* vara do civel,
corre, escrivSo Baptiata, conlra a viuva 0
iieiiieirn de Jos de Albuquerque Ma-
ranham.
Alugam-se por todo e qualquer proco,o.
rmaseos que servirBo, para a venda do ca-
[iini em liento da praqa, nSo se olha a preco,
dando o alugador seguranca, aos alugueis,
ir m.i -.--o com o Sr. Pimeulel em um dos
meamos armazena.
--Audio Nauser.com padaria no atierro da
Boa Vista, declara que nBo Ihe perlence o
aviso publicado neste diario de relirar-se
para lora da provincia ; pois nao fez tal avi-
so, 11.-ni o mandou fazer; e muito deseja
conhecer quem o fez para Ihe dar os devidos
agradecimenlos.
Na imprensa de msica
da Ra Bella n.28sim-
primiram aa duas valsas
para pianoA Madrugada
e o salto, bullanle valsa
para fraula, Luziada
para violdo urna linda val-
sa com nittoduecu I pre-
go por cada urna 320.
Aluga-se um escravo, e urna muala
que cozinha, lava faz ronda e cose: na
ra do Collegio n. 16 terceiro andar.
O. G. Adamson, subdito inglez, rali
ri-ae para Inglaterra.
Paquete inglez.
Papel paquete proprio para cartas, no va-
por inglez, e obreiaa proprtas para o
mesmo oa ra da Cadeia do Recife n. 52.
Aluga-se urna ama de leite forra ou
captiva, brauca ou parda: paga-se bm e
da-se bom tratamento : na ra da Soleda-
deao voltar para eaatrada nova do Man-
guioho confronte a padaiia.
Precisa-se alugar um moleque para o
servico interno de urna casa eatrangeira
que soja fiel e sadio : quem o liver dirija-se
rus do Trapiche n. 8.
_ por proco
O cirorgiBo Bernardo Pereira do Carmo
faz setante as pessoas que a lempos Ihe fa-
laram o masmoa quem convier e quizer.pa-
ra por moto de um ajuste razoavel, ostratar
annualmente das molestias que possam ap
parecer, que tenham a bondadede virem a
casa de sua residencia na ra do Rozario
larga u.30,pai'a os poderlanijaremn.de seus
clientes.
AOS liKNTES.
~ J. A. S. Jane dentista, tem a honra de
avisar ao j-espeilavel publico, que se ach
rezi lindo na ra Nova n. 19 primeiro su-
dar, aonde estar sempre prompto a qual-
quer chamado, desde as 9 horada manhia
al as 4 da larde; o anuuncianle encherta
de um a todos os denles, que por isso tem
um completo sm tmenlo de denles mili
ciaes, incorrutivois e de porcelana,mui de-
licados e do ultimo goslo ; e loJos os mais
accesaonos tendentes a sua proficBo, asse-
verando a to tas as pessoas que se quizerem
utilizar do seu presumo que nSo exige pa-
ga alguma, mo fioando oa denles bem pos-
tos que nflose possa deferensar uos proprios
naluraes, e podendo-se mastigar com os
meamos lo la 9 qualquer comida sem sentir
a menor dor nom ter receiodo os quebrar,
tambem chumbaos denles naturaes fura-
dos da caria com ouro, prata e metal hran-
ro, prevenm lo assim a conliuuac,So da ca-
ria, dores e mesmo evitando por isso a for-
ma da pas'sara caria dos denles Turados para
oa outros sSos ; tambem tira pedraa ou ca-
rias dos denles em geral, que tanto os dam-
neflca e coopera para omoahtoda bocea,
nao sendo tirado : oannuncianlea 10 an-
uos que exerce a sua profiscBo oesta cida-
de, e os inuil is exemplos que tem dado
nesse longo lempo, sera quanto basta para
se garantir.
tiiliciua de eneadernacSo na ra do
Collegio o. 20, primeiro andar. O padre
Francisco Coelho do Lemos e Silva faz scien-
lo ao respeilavel publico que tem mudado
a sua residencia para a ra do Collegio n.
20, primeiro andar, onde continua a enea-
tornar, e espera a mesma couaideracBo e
favor que sempre tem recebido. Ahi vende
ivr.11 lano dedireito como de bellas letiras
e linguas, mxime a latina de que ten um
completo so'timenlo,troca e compra lodoe
qualquer livro com lano que nBo Ihe falte
folhas e (em para ven ter lano em porco
como a retalho cartas de A. H. C tabuadas,
camillas cathecismosde differentes edices
e pnces, verdade aos meninos, einopses,
Fleury, deveres dos humens, apudautas,
procurarlas bastantes, rotlos para garra-
fas deviuno, e livros, letras, conhecunen-
tos, folhnhas de lembrancas, edicto de Pa-
rs, traslados, livros em branco ele.
Madama Hosa llardy, modista
brasileira na ra Nova n. .>.'|.
Pelo navio Havre rochen um lido sorli-
mento das ultimas mudas de Paria, coaao
sejam: chapeos de seda do todas as cores
para Sra. e para meninas de 7 a 12 annos ;
chapeosinhos redondos frauzidos com ca-
lichas de flores e penachinhos, para moni-
uos, e meninas de 6 mezes a 6 annoa ; um
sorlimenlo completo de chapeos de palha
para Sra., raeuiiaa e meninos, da ultima
moja ; ricoa capotinhos, manteletes, pali-
tos, de seda furta-cores e prelos; ricos ro-
inoiros, cabeces de blonde e da linho bor-
dado, camisinhas bordadas, ricas locas de
fil de linho para Sra.; maotas de blonde e
garca para noivas, ca pellas, ricas guarnices
flores, ticos corles de seda branca lana-
da ; luvaade pclica enfeitadas, e meiaa de
seda branca, o que ha de melhur em gusto e
'| 11 'li lado ; bicus de blondo < iililUi.au do
da largura de 12 polegadas at urna ; groa
de na polea preto para vestido, mantas pro-
tas de blunde, ricos cabecees de hlonde pre-
to, transas de seda branca e de cores, para
enfeitar vestidos ; um sorlimenlo de gros-
de aplos de corea escolhidss, para vestido
a cipoiinho, quese vende a vontade; fran-
jas e transas de cores, e preta, para os uie.i-
11101 ; flores, penachinhos para, tocas de
meninos, loques para Sra., I uvas, de pelic
AllugBo-se os 2 sndsres di casa da ra da
aladro de Daos n. 25, defronte da igreja : a
tratar na ra da Cadeia do Reeife o, 42, 1.
andar.
Joaquim Ribeiro Pontes tendo contaa
e letras de alguns senhores que lem deixa-
de pagar-lhe, uns por amizade, outros por
rolaxacflo lauto da parte do seu cobrador
como dos devedores, roga pelo presente
aos mesmos Sn, de virem quanlo antes pa,
gar seus dbitos 1 ra da Cadeia do Recifo-
n. 54 assogurando toda acontemplacBo nos
juros ; e se assim o nflo fizerem passarBo
a ser demandados, oque ser uma.vergu-
nli 1 para os devedores alem do abuso com
met ido, alguna ate ha 15 annos.
Gabinete portuguez de leitura.
A directora de te estabeleci-
tnento, manda fazer publico, que
pelo ultimo navio chegado de Lis-
boa, recebeu um variado sorli-
menlo de obras Iliterarias, que vi-
eram augmentar a colcc^ao que
possue, e que orea por Goo volu-
ntes ; e sendo tal vez ignora Ja ge-
ralmente a existencia de urna ins-
tituicao 15o til, e que necessaria-
mente produzir proficuos resul-
tados para a civilisacao c illustra-
co de quem pertender associar-se
para t3o nobre lint, tambem faz
publico que tem na sua biblioteca
es liv os que pertencem a seguinte
classificacSoj fiiographia, (..'irni-
cas, Commercio, Diccionarios, E-
conomia Poltica, Fitologa, Geo-
grapbia, Historia, por Alexandre
llerculano, Thiers, Lafuente e va-
rios; Historia Natural, Literatu-
ra, Mithologia, Fhilosophia, Poe-
sa, Poltica, Rhetorica e Eloquen-
cia, Romanses, principalmente de
Sue, Dumas, Sonlie GeorgSand;
Tachigrapliia, Theatro, Theologia
e Cullo, Viagens. He permittida
a sabida de I, vi os para leitura ex-
terna excepc3o das obras de con-
sulta, conforme determina o regu-
lamento de leitura. Alm dos li-
vros especificados tem os se-
guintes :
He bom negocio.
Vende-se a dinheiro, ou pra-
so a padaria do largo das Cinco
Pontas, tambem se aluga, n3o se
podendo effectuar a venda nestes
dias ; assim como se fornece as fa-
rinhaspara trabalhar, offerecendo
o comprador para tudo garantas :
a tratar com J. J. Tasso Jnior,
na ra do Amorim n. 35.
Vendem se 2 relogios de prata, sendo
um patente eonlro juisso ; 2 correutes de
ouro para os ditos : na ra larga do Roza-
rio, Ioja de uiiudezas n. 26.
Jornaes luteranos,polticos e com-
merciaes.
Imprensa, Diario de Pernambu-
co, Jornal do Commercio do Kio
le Janeiro, Mercantil da Baha ,
Diario do Governo de Portugal ,
estandarte, I'icvolurao de Setem-
lito, Marfil), Peridico dos Pobres
do Porto, Semana, Atheneu, He-
vista Universal Lisbonense, lcvis-
ta Popular, Revista Militar, Se-
manario Pittoresco de Madrid, 11-
lustrar/ao Hespanhola, lllustracao
Franceza. Estes peridicos sao re-
cbidos regularmente no gabinete,
pelos- vapores di Europa e do Sul
do imperio. Recife, 7 de feverei-
ro de 185la Joo Quirino de
Aguilar secretario.
Compras.
-- Compram se para urna encommenda
do Rio le Janeiro, 2 escravas creoulas, ou
pardas, que tenham de 12 a 20 annoa, el
moleque que soja bonito: na ra Nova n. 16,
se dir quem compra.
-- Compram-se escravos rceoulos, ma-
chse feiiias, de ii a 20 annos de idade,
o.mi habilidades, ou sem ellas : na ra da
Vende-se, sexccllentissimas se-
nhoras do bom gosto, para baile
e theatro.
Ricos ailo'ii s de fleles de rede, para ca-
rioca, o mais moderno que tem vm lo de l'a-
rli, com crespos o anz dourados : narua
do Crospo, Ioja amarella n 4.
Vende-se um (lei.o grande, em bom
estado, proprio para miudezas: na ra do
Caldcreiro n. 56.
Chapeos francezes a 5,5oo rs.
\. o loins" liiiissiinos chapeos trelos,fran-
zes, da ultima moda a 5,500 rs.: oa ra do
Crespo, Ioja amarella n. 4.
Pecas de algodaozinho trancado
branco, com toque de cupim a
3,000 e a,5oors.
Na ra do Crespo, Ioja da osquina que vi-
ra para a Cadeia, ven lom-se algodilo/inliof
trancado branco, eom pequeo toque de cu-
pim, a 2,000 e -',."'io rs. a peca.
Cortes de casimira a 5,000 rs.
Vendem-se cortes de casimira de crese
de superior ISa a 5,000 rs. : na ra do Cres-
po, Ioja amarella n. 4.
Clieguem freguezes ao barato.
Vendem-se suspensorios de seda a 1,000
rs., par nenios; oculos de a'uiaco para
todas as idades aSOOrs. o par; capachos a
500 rs.; couro de lustro a 1,280 rs. a pello ;
luvaa para meninos a 160 rs. o par ; cami-
sas de meia a 1,000 rs ; ricas Otas lavrada*
para chapelinhas. por muito barato pre(o :
na ra larga do Rozario n. 26, Ioja de miu-
dezas da Jo3o Francisco Maia.
Manteletes a i5,ooo rs.
Vendem-se manteletes de nobreaa preta e
furia cores,, com ricas guarnlcOss a 15,000
rs.: na ra do Crespo, Ioja amarella n. 4.
Mermelada superior de Lisboa.
Na ra farga do Rozario n. 22, vende-se
mermelada em latinhas de 2 libras, a 400 rs.
a libra; pessego e marmelo em cal Ja pelo
mesmo preco ; pois esta se acabando.
Aos senhores de engenho.
Vende-se algodo grosso da fabrica da
Babia, com 30 pollegadas de largura, pro-
prio para camisas de escravos, a 320 rs. a
vara : na ra do Crespo, Ioja amarella n. 4.
-- Vende-se a armacao ua Ioja do caiga-
dos da ra lumia n. 65, com ion los a con-
tento do comprador, leudo cnmmoJos para
familia, e em mu boa localidado, a dnmei-
10, oua praso : irala-se DO pateo do Colle-
gio n. zo, Margajita anor, a qualquer hora
do da.
^ff3T**^ a)>*J3^*JJ'5!
9 l'ara i.agens.
w
a) Vendem-se chapeos envernlzados, **)
% galdes de ouro, e prala, botos de y
I) metal branco e arnarello :*na lojide fr)
aK sirgueiro no pateo la Mal u, n. '}. a)
Fructas novas.
Vendem-se na ra eslreila do Rosario n.
II,damascos em caixinhas de vi 1ro.o caixi-
nhas de 1 anonas e deameixaa,ebolachiuhas
le ai arla 1* na m 'srna se lira quem vende
100 espanadores bem foilos.
Para militar.
Vendem-se luvas de retroz preto de
? superior qualiJade, para uniforme de
> amillona e cacador: na Ioja de sir-
gueiio no paleo da Main/, n. 2.
ti
Vende-so nina parda escura de 20 an-
noa pouco mais ou menoa, que engomla
soffnvel, cose alguma coisa, e cozinria o
diario de urna casa bem ; n9o tem vicios
nem achaques: na ra da Concordia quem
vem da pontea esiiuerda, segunda casa ter-
rea se dir quem vende.
.- Vendem-se no lio da ra das Flores, o
porlo da ra Nova, no dia terca ou quarta-
feira, 3 ou 4 ca vahos vindos dosertSo, bons
para carga.
Vendem-se charutos de lia-
vana, das fabricas acreditadas Pa-
netela, e Rio Hondo, chegados l-
timamente e por pre50 commodo :
Cadeia no Itecifo, casa n. 8.
-Compram-se escravoscrooulos de arn-T fSova'n, i a fallar com
los os sexos de 10 a 10 annos, epagam-se na rUl* nl"* "'"" *""
bem : na ra da Cruz n. 40 primeiro andar. NabuCO.
Logo quecheguo o vapor S. Salvador j Mascarddo.
dospo'tos do nnrlo, o coinmandaiile Coi-] .... ,
linho, compra escravos creoulos : quem oa I Vende-so um vestuario par baile de mas-
liver para vender, podo dtrigir-se a ra do carado : na ra da Cadeia do Reoife, Ioja
Crespo, Ioja n. 3. n--
Compra-se um escravo n ionio ou de
Angola, de idadede 16 a 30 annos, que faca
o servico de urna casa, o que emenda algu-
ma cousa de cosinha : na praca da ludepen-
c a ns. 21,26, e28.
Conip a-sn urna preta, que tenha 30 a
40 annos de idade, sem vicios nem acha-
ques : ni ra larga do Rosario n. 26, Ioja de
miudezas.
Compra-se urna negra robusta de 30a
40 annos, que saiba cozinhar e eogommar:
na prac da Indnppiiiteneie n. 17.
V eiidas.
FOLHINHAS PARA i85a.
Vendem-se folhinhas de porta ,
de padre, e de algibeira de tres dif-
ferentes qualidades,sendo urna del-
tas com o almanak da cidade e pro-
vincia: vendem-se nicamente na
[iraca da Independencia n. 6 e 8
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 30.000,000 de rs.
Na Ioja de miudezas da praca da
Independencia n 4j vendem-se bi-
Ihetes inteiros, meios, quartos, oi
e de seda prelYpa'ra Sni.e' meninas; melas tavos e Vigsimos, a beneficio das
de seda de chanca, ricos chapeos de palha|fjasas ,]e (Jaridade : espera-se a
de montaria, e eaparlilhos : na mesma ca-' .;m~:J-
aa faz-se vestidos de casamento, vestidinhus hsta no primeiro vapor.
de baptlsado e manteletes de encommenda, Vende-se um burro de Horatio: ua pra-
por pre{o commodo. ca da Independencia n. 12.
Vendem-se a mulatos mo-
cos, de aa annos deidade, sendo
um bom bolieiro e nlLiate, e um
ptimo mullicle da mesma idade:
na ra Direita n. 3.
C^ Vendeti-se excelleotes exemplares
francezes de desenho,. em muito bom esta-
do, proprios para quem fOr prineipiaole.por
serem impressos, e de estampa muilo lina :
na praca da Independencia, toja de eneader-
nacSo.
Vende-se um sitio eom magnifica o
excellente casa beira do rio, tendo gran-
de sala adiante com 2 gabinetes e 2 alcofas;
sala igual atrazcom 3 quartos eoosinba,teu-
do ao lado 70 palmos de frente e 90 de fun-
do, com terreno de maia de mil palmos de
com pri monto e grande baila decaplai, adi-
ante da ponte de Ucbua: fallar o* ra de
Santo Amaro 0. 16.
-- Venle-se urna negra de naci Costa,
de idade de 25 annos. boa quitanJeira: ao
aterro da Roa-Vista, sobrado o. 17.
Ainda existe um resto de milho na
venda na iravessa da Madre de Deosn. 1 :
que se vende pelo diminuto preco de 2,000
sacca.
-- Vende-se um ca vallo castanho, novo,
gordo, e bom carregador baixo : oa ra
da Aurora n. 44, das qualro lloras da tarde
em dlanle se dir quem vande.
Panno preto.
Vende-se panno linop reto, boa fazeuda a
,000 rs. o covodo, sarja prata a 2,200, cor-
tes de casimira de cor a 4.500, e outras
muitas fazondas por prerjo commoJo : na
ra da Cadeia Velha n. 33.


fPM
Cal vilgem de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, de p-
tima qualidade vinda no ultimo
navio : trata-se com A aguato C.
de Abrtu, na ra da Gadeia do Re-
cite n. 48.
AGENCIA
da fundicSo Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA N. 8.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Rus-
sia, nova e de superior qualidade.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de Ierro.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na llallis.
Vende-se, emcisi deN. O. Bieber&C.,
na ra da Cruz n. *, slgodao transado da-
quellaribrici, muilo propnopara saccosde
assucar e roupa de escravos, por pregocom-
molu. _
Vendem-se relogios de ou-
ro e prata, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. {a.
Gasa de commisso de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commisso, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
DEVERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Veode-ae este compendio aprovado para
as aulas, em meia eocidernagSo. a 500 rs.,
clda um: ni livrirla n. 8 e 8, da pngr di
Independencia.
Arados de ferro.
Na fundicdo da Aurora, em S. Amaro,
Teodem-ae arados de ferro de diversos mo-
delos.
Taixas para engenno.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receberum completo sortlmeo-
to de taixas de 3 a 8 palmoa de bocea, a
quies acham-se a vend por prego com-
modo, e com promptidao embarcem-se.ou
carregam-se em cirros sem. despezis ao
comprador.
Vende-se farinha fontana
muito superior e nova no merca-
do : a tratar com Manoel da Silva
Santos, na ra do Ainorim n. 5C e
58, ouno armazem do Annes no
caes da alfandega.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vende-se este compendio, approvado para
is aulas de primeira* letras, *80rs.: na
pra^a da Independencia, livrana n. 6 e 8.
Cobertores de algodo.
Superiores cobertorea de algodSo de di-
ferentes cores,- tecidos a "dous os, muito
grande, tem todaepplicacSo em urna casa de
familia, por aervir para meia de engom-
ando* forrar camal e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto preco de 1,440 ra.: na
ra do Crespo n. 6.
Velas de Esparmacete.
Vendem-se velas de esparmacete
em caixinhas de ao Ib, em casa de
Augusto C, de Abreu .-na ra da
Gadea do Recife n. 48.
Grande fabrica de chapeos de sol,
de J. Falque ra do Collgeio
n. 4-
Neste novo estabeleeimento recebeu-se
um novo e lindo sortimento de chapos de
Sol dos ltimos gostos, tanto de seda como
de paninho para homens e senhoras, de ar-
macSo de baleia e de asso que se
4.=
DA
SALSA PARRILHA DE BRISTOL
sE A,
SALSA PAKKILIIA DE SAIS.
vendem
^^ I MI O y"** SUSP 1 1 i" w ww ...... T -----
O que se ollerece multas garantas por menug prego que em oulr qualquer par-
aseusdonos narua da Cacimba; te; grande aortimento dechamalole, sedss
aseusuonos nurua ua e paninhosem pega de tod.sas corrs equa-
n. 11, pnmeiro andar. lidades Dir as pessoas que quizerem man-
lidades para as pessoas que quizerem man-
dar cobrirarmagoes servidas. Completo sor-
ll, primeiro andar.
Arados de ferro.
it j _j- J ,i;..,.t tmenlo de baleas pan vestidos espartilhos
Vendem-se arados de diversos piri 8enhorf r,zem-sei>mbeliasdegrejae
cooceita-se qnalquer qualidade de chapeo
de sol: todos os objectos cima mencionados
se vendem em porgao e a retalho, por prego
modelos, ossim como americanos
com camba o de sicupira.e bracos
da ferro ; na fundicSo da ra do que agradaraos freguezes avista da quali-
Brum ns. 6, 8 e 10.
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra (le Apollo n. 6, armazem de He. Cal-
montSc Companhia, acha-se coDiianlemeole
boas sorlimenios de t&ixa de ferro coado e
batido, taolo rasa como fundas, moendas in-
eiraa todas de ferro para animaes, agoa, etc ,
ditas para armar em madeira de todos os ta-
manhos e inadelloa o mais moderno, machina
horlaonlal para vapor, com forja de 4 caval-
ls>, uuucoi, pasiadelra de ferro estanhado
para casa de pulgar, por rtenos preco que os
de cobre, escoren, para n.'l.ii ftuo luglez
tanto em barras como em arcos folbas, eludo
por barato preco.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Gadeia
do Recife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Farinha de mandioca.
-- Vende-se saccas com superior farinha
de mandioca a precos rasoaveis: a tratar
com J. J. Tasso Jnior ra do Amorim
n. 35.
Deposito de cal virgem.
Cunta & Amorim, na ruada Cadeia flo
Recite, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos proco do que a nonio ua oscuna aria ririusisa, iuu-i
em outra qualqner parte.
No escriplorio de Manoel Joaquim Ra
dade.
I'ctassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porcao de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisa com a da Russia : vande-
se por preco razoavel.
Vende-se um bom cabriole!, com to-
dos os seus perlences, o igualmente oseu
excellentecavallo : a tratar na ra da Ca-
deia do Recife, com Jos Pires de Moraes.
Vende-se um bonito molecSo,' por pre-
go commodo : na ra das Trincheiras n. 17.
Negocio vantajoso.
Vende-seo hotel commercio sito na ra
da Cadeia n. 13, cornos ulencilios que o
comprador quizer : a tratar no mesmo.
Vonde-se um forno para padaria, no
centro da cidade, tendo lugar para morada
e armazem para lenha, com desembarque
na porta : o pretndeme anounciesua mo-
rada.
Vende-se
Cha preto e verde, de superior
qualidade em caixas pequeas ;
Veilas de espermacete de superior
qualidade em ditas ditas
Fio de sapateiro, de diversas co-
res :
Tudo em conta, no armazem de
Adamson lloiwe & Companhia,
na ra do Trapiche,- n. l\i.
A bordo da escuna Mara Firrr.ina, fun-
diada defronle do caes do Collegio.ha supe-
rior farinha de mandioca|de S. Matheus, que
A salsa parrilha deBristol dala desde 1832, e lem constantemente manlido sua reputa-
cSo sem necessidade de recorrer a pomposos annuncios de que as preparagfies de m-
rito'podem despensar-se. O sucesso do l)r. Rrislol tem provooado infinitas invejas, e
entre outraa, as dos Srs. A. 11.1). Sands, de New-York, preparadores e proprielinos di
salsa parrilha condecida pelo nome de Sands.
Estessenboressolicilroem 1812 1 agencia de Salsa parrilha de Bristol, e como nSo
o pudessem obter, fibricarSo urna imilsgfio de Bristol.
Eis-aqui 1 carta que os Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Bristol, no dia 20 de abril
de 1842, e que so ada em noaso poder :
Sr. Dr. C. C. Bristol.
Bfalo, etc.
Nossoapreciavel senhor.
Emtodooaono paasado temos vendido quantidades consideraveis do extracto de
salsaparrilhadevm. e pelo que ouvimosdizer de suas virtudes quellei quo a tem usa-
do, julgamos que 1 venda da dita medicinase augmentar multissimo. Se Vm. quizer
fazer um convenio comoosco eremos que nos resultara multa vantagem, tanto a nos
como a Vm. Temos muito prazer que Vm. nos respond sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, oucousasemelbanle, teimos muito prazer em o
ver em nossa botica, ra do Fulton n. 79.
FicSo asrdeos de Vm. seus seguros servidores.
(As8gnados) A. R. D. Sinds.
C01TCLTJSA5.
11,000
11,000
5,5oo
1,800
i,3oo
mos e Silva, na ra da Cadeia do Recife, 1 se vende mais barata do que em qualquer francezes, para homem a 5,800 rs., prego
vende-se por prego commodo cal virgem de outra parte trata-se a bordo com o capitSo; porque anda nao se vemlcu em outra par-
Lisha chegada no ultimo navio, bezerro de o na ra di Cruz n. 33, com Luiz Jos de Sa te; ditos para menores a 4,500 rs., sao de
lustro, mercurio, linha de Roriz.relroz, fe- Araujo. I >vo 0*10 echegados ltimamente : no a-
.-'__' _. __1__ 1_____1 1 nrei\ da liria Vi^ta lu. > CD 1. n t(\ n .- ,1
chaJuras do Porto, pannos e casemias
de Ifia.
Ovas do SertSo.
Vendem-se ovas do SortSo muito frscaos;
ebeguem freguezes antes que se acabem,
porseestaremvendeodo muilo barato : na
rui do Queimado luja n. 14.
Rap Paulo Cordeiro.
recentemente chegado do Rio de Janeiro ,
vende-se oa ra da Cadeia do Recife loja n.
50, de Cunha & Amorim.
No armazem da ra da Momia 11.1 j
rs.a barrica,
no caos
1.'A antiguidade da salsa parrilha de Bristol, he clarameute provada, pois que olla
data desde 1832, e que a de Sands so appareceu em 1842, poca na qual este droguis-
ta uo pode obter a agencia do Dr. Bristol.
A suporioridade da salsa parrilha de Bristol heincontestavel, pois que nSo obs-
tante a concurrencia da de Sands, e de urna porgao de outras proparagoes, ella tem min-
lido 1 su reputagoem quasi toda a America.
As numerosas experiencias feitas com o uso da salsa parilha em todas as informida-
dea originadas pela Impureza do sangue, e o bom xito obtido nesta corte pelo Ilion. Sr.
Dr. Sigaud, presidente da academia impeiial de medicina, pelo Illustrado Sr. Dr. An-
tonio Jos Peixotoem sua clnica, e era sua afamada casa desaudena Gambos,pelo lllm.
Sr. D"r. Saturnino de*Uliveira, medico do exercito, e por varios oulros mdicos, per-
mittem hoje de proclamar altamente as virludes efllcazes da salsa parrilha deBristol.
Vende-se a 5,000 rs. o vidro; na botica do Sr.-Jos Mara Gongalves Ramos, ra
dos Quarteis pegado ao Quirtel de Polica.
Vende-se duas partes
herdeiros do sitio denomina
no lugar de Belem : quem pretender dirja-
se a ra estreita do Rosario, n. 28, seguudo
andar, que achara com quem tratar.
Vende-se urna meza de meiode sala,
urna cama de ar.nag.ln, tudo de jicaiand
nsaJo por diminuta quantia : na ra do Li-
vramento n. 38.
Vende-se ovas do cortan, por commodo
prego : na ra larga do llozario n. 39.
No pateo do Carino, venda n. 1, vende-
se azeite de carrapato, muilo claro e excede
em alvura ao de coco, he muilo recommen-
davel por sua qualidade, deicellente luz,
he proprio, tanto para candieiros de meio
desala, como lamparina, pelo barato prego
de 400 rs. a garrafa.
AltengSo.
Vende-se urna taberna nova e muito bem
afreguezada para a praga, a qual se vende
por o dono ter outra occupagSo: a tratar na
ruado Cano o. 2.
Vende-se um mulato mogo, de boa fi-
gura, sem achaques, nein vicio algum, pro-
priopara psgem, ou oulro qualquer servi-
go por estar feto a todo o trabalho : na ra
do Queimado, loja n. 10.
Antonio Jos Rodrigues de
Souza Jnior, faz sciente ao pu-
blico que presto u flanea na forma
da liri, para dividir em cautela
bilhetes de loteras ; e por isso
tem exposto a venda as suas cau-
telas, bilhetes e meios ditos da 1 \
oteria a beneficio das Casas de Ca-
ridade do Rio de Janeiro, devendo
chegar a lista no dia 19 ou ao, e
os vende pelos muito baratos pre-
cos abaixo : na ra do Queimado,
loja n. 37 A.
Bilhetes inteiros-
Meios ditos
Quartos
Oitavos
Vigsimos
Sapates francezes de couro de lus-
tro, a 5,8oo rs-, o par.
Vendem-se sapatOes de couro de lustro
de ierra, dos Cemento novo a 7,000
?._ VSmm^I No armazem de Antonio Annes,
da Allandega.
Vendom-se amarras de ferro : na ra
da Senzslla Nova n. 42.
Lotera do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 e 10:000,000 de rs.
U cautelista Salustiano de A qui-
no Ferreira avisa ao respeitavel
publico, que no dia 19 do corren-
te mez, deve chegar do Sul o va-
por da companhia brasileira, e no
dia 200 vapor inglez Teviot, con-
ductores das listas da 14* lotera
a beneficio das Casas de Caridade,
que correu no dia 4 deste mez,
paga inmediatamente logo que re-
cclier as listas, sem ganancia al-
gum 1, todos e quaesquer premios
que sahirem nos bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos, ven
didos na piara da Independencia
n. i3 e 15, loja de calcado do A-
rantes, e na ra da Cadeia do Re-
cife n. 46, loja de mudezas.
Bilhetes 22,0.00
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos a,800
Vigsimos i,3oo
Attcncao ao barateiro da ra do
Crespo n. 1 loja de Jos Fran-
cisco Dias, chitas cabocolas, a
aoo ris o covado.
Vendem-se chitas escuras cores de vi-
nhn ede caf, fazenda inteiramente de pa-
drOes novos e cores muito lias, a 200 rs. o
covado; ditas francezas muito superiores,;
240 rs. o covado; ditas de quadros pa-
I.olera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000 ,
2:000.000 e 1.000,000 de rs.
Na loja da VioVa Vieira & Futios, na rui
da Cadeia do Recife n. 24 receberam pelo
vapor Paraense, entrado em 6 do correte ,
a lisia da 20. lotera beneficio do theitro
de Sr. Pedro, e o resumo di extricgAo da
quarta lotera beneficio da freguezii de
S. Jos, que se acham patentes na mesma
loja, e juntamente receberam e acbam-se
venda os mui afortunados bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos da 14 lotera a
oeneficio das Casas de Caridade, e trocam-se
por bilhetes premiados das loteras do Rio
de Janeiro e desta provincia.
Moendas superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muito superior
Veade-se,
Alm de muitos e superiores gneros, ven-
de-se Igualmente os seguintes : caf do Rio,
em porgSo e a retalho, massas finas, con-
aervaa, o excellente doce de anninaz em
frascos d 6 libras, exlrait d'abaintbe, vi-
nho do Rheno, ditos de Cherry, Porto Ma-
deira c Moscatel de Setubal, sardinhas em
latas maiores e nieno-e*, riquissimas csi-
xinhas de todos os tamanhos com amen-
doasconfeitadas, muilo propriis pan pre-
sento, presuntos americanoa e inglezes para
fiambre, ditos do Porto e Lisboa, milho em
saccas, sebo do Porto em caixas de 1 arro-
ba, cha preto solt e em massinhos de 3 em
libra, latas com muito fino biscoito in-
glez ; tudo isto vende-se por menos do que
em outra qualquer parte: na ruada Cadeia
do Recife, n. 23, armazem de molhados.
% A 40,000 rs., g
Q na loja pernambucana, da q
ruadoCrespon.11, O
O vendem-se ricos vestuarios, o
<|jj com todos os pertences, pa-
q ra bailes mascarados por g
O 4 Vende-se por preco commo-
do, cal virgem, muito nova, che-
gada pelo ultimo navio, por preco
muito commodo ; no armazem de
Das Ferreira, no caes da Alfande-
ga, ou com Novaes & Companhia,
na {na do Trapiche n. 34.
Vende-se urna parda clara, que cose,
engomma, cozinha, faz renda e he sadia, e
um pardo escuro, proprio para bolieiro, ou
qualquer officio, por ser mogo : na ra larga
do llozario, loja n. 35.
A LINDA CONSTANZA.
Na ra do Queimado, loja nova
n. 21, recebeu-se pelo ultimo na-
vio chegado de Franca, os lindos
cortes de cambraia com barra de
cor, do melhorgosto que at hoje
tem apparecido ; os quaes se ven-
dem pelo baratissimo preco de
3,aoo a 5,ooo rs. o corte.
-- Vende-se urna preta engommadeira ,
que cozinha o diario de urna casa, e tem
mais algumas habilidades, que 1 vista do
comprador se dir o motivo: na ra d'Agoas
Verdes, casa n. 14.
Oleo de mamona.
Vendem-se cortes de cambraia de seda trro da Boa Visla, loja n. 58, junto losa-
do ultimo goslo, e requissimos pidrOes leiro.
8,000 rs.
na ra do Crespo n. 23.
l'ara mascarados.
Milho a a,5oo rs. a sacia.
No armazem de Dias Ferreira, no caes da
Nirui doCabug, loja de Andrade & A-, Alfandega.
maral, ha pan vender finissimas mascaras Azeite de carrapato da fabrica de
prba'r.iissTmT'p'rV"*10110 """"'I Araujo & Filho, no Penedo.
--Vende-se ou arrenda-se o Engenho S.1 AcDi de chegar mais deste j contiendo
Rita moeotee crrante meia legoa distante azeite, o mais propno e econmico, para
da villa de Igmrassu' com proporgoes para uso de candieiros de sala, tanto pela sua du-
safreiar-se, embarque junto io engenho; ala- ragao, como limpeza, econtinuar a haver
. .... samnril lim ill-mmla na*a. nimimarlAanivii.
'i sidos, o outras proporgfles : quem o preten- sempre um depozito para suprmanlo regu-
^a?^^^%Si^^^i^ ^l-.^Srp^ea,toDO^o ^T^IV.gu^z oo .rowM^.1. r.T.-
1 animho so Jnior: narua do Amorim n. 35.
SE SSSfirU "b^r umTtd'oi ~ VenJe-e urna escr.v. moga e robusta, ( Cha imperial.
tormenes preco doque em outra qualquer de boa StfiLVStfi18 Z* Dep0sil do che nacional e hisiou loja de
engotnmarperfeitamente, e mais 2 filhos ferragem ra da Cadeia do Resife.n. 56 A
ummulalinho ile2annos e una pretinha de Antonio Joaquim Vidal, caixaa grandes
de um anno 1 na cidade de Olinda, ra da e pequeas, por pregos commodos.
Misericordia ao subir ao lado direito, casa aua nra Ha \ ll-nulru 1 s nn
immediata ao aobradrinbo domeamo lado. Wa Por'a da Allanega e no
que Dea com ooitSo para a ra do BomFim. armazem do barateiro Joaquim da
Vendem-se aaccos com fari- Silva Lopes, vende-se farinha fon-
nha muito fina de Mag, a 3,6oo tona SSSF e de Philadelpha, ul-
rs. : no caes da alfandega. arma- tunamente chegada.
zemde Dias Ferreira ou narua Lotera de N. S. do Livramento.
}arte.
Bailes mascarados.
Ni rui di Cideii do Recife loja n. 50, de
Cunha & Amorim, vende-se villudinhos de
diQereotes e brilhantes cores, para vestua-
rios de bailes de mascaras, e roupsi de
tbeitro : chegados pelo ultimo navio de
Franca; assim como caigas de meia; a tro-
co de dinheiro se vendem por barato prego.
Novos cobertores de tapete a
1,44 rs-
Ni rui do Crespo loj da esquina que
volta para cadeia, vendem-se cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
rego de 1,440 rs.; em qualidade afio os me-
nores que lem vindo no mercado, por isso,
recoaimenda-se aos Srs. de engenho que
quizerem comprar da pichincha, ofio se de-
moren], porque ja ha poucos pela eslrago
que tem tido.
He to barato,
Que faz animar ;
Quem vir a pechincha
Nao deixar de comprar.
Ni rui do Crespo loja da quina que vira
pira a cadeia, vende-se panno fino preto, a
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 e 5,500 rs.
o covado ; dito fnncez muito superior,
6,000 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dilo verde, 2,800, 3,000 e 6,000
rs.; dito cor de rap, a 2,600 rs. ; caaemi-
n preta, a4,8006,000, 7,500 8,500e 10.000
rs. o corle; sarja preta de seda muilo su-
perior, 1 2,500 rs. o covado; merm preto
muilo bom, 2,800e 3,200 rs. o covadecor-
tes de caaaa chila muito bonitos, a 1,920
rs.; e outru' muitas fazendas por prego
commodo.
-- Vende-se champagne da marca muga
e bem condecida, Comet, em casa de Deane
Yule & companhia ; ni ra di Cadeii.
da Cruz n. 4o) primeiro andar. Aos 5.000,000 ders.
--Vende-se urna mesa de amarello, com *Na ]0ja de mudezas da praca
7 palmos de compnmento e 4 de largura : ',. 1
na ra Bella n. 16. j da Independencia n. 4, vendem-
.- Vende-so um carro de quatro rodas 8e bilhetes inicuos, meios, quar-
muito levi e seguro, por muito pouco di- ',
nheiro: na praga da Boa Vista, cocheira > decimos e vigsimos, a bene-
do frangois.
Xurope do Bosque.
O depozito do Xarope do Bos-
que, foi transferido da botica do
Sr. Jos Mara Goncalves liamos ,
para a do Sr. Bartholomeo Fran-
cisco de Souza, na ra larga do Ro-
zarlo n. 36. He falsificado oque
nao for vendido nesta casa; garra-
fas grandes a 5,5oo rs., e peque-
as a 3,ooo rs.
Msica para piano.
Vende-se 1 nova mazurka, polkas e lindas
valaas: na pregada Independencia, loja de
miudezas n. 3. Na mesma loja ha muilo su-
perior tinla de escrever em garrafas.
Engenho perto da praca.
Vende-se ou arrenda-ae um engenho
moenle ecorrente muito perto da praga com
boas proporgoes, quem quiser annuncie.
ficio da lotera de N. S. do Livra-
mento que corre mpreterivel-
mente no dia a8 do corrente.
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,ooo
Quartos a,6oo
Decimos 1,100
Vigsimos 600
$im&o de Nantua a
800 rs.
Vende-se a historia de SimSo de Nantua,
a 800 rs. : na livnria da pregada Indepen-
dencia 11. Ge 8.
-- Vende-se um escravo, mogo e de bo-
nita figura : na ra da Cruz do Recife o. 38.
Farinha de mandioca a 2,000
rs. a sacca.
No armazem de Dias Ferreira, defrontedas
escadinbas da Alfandega.
Este excellente oleo, que d luz mais bri-
Ihanto que o de coco, ou doce, tambem he
drOes oscuros e inteiramente modernos, a mais claro e de mais duragSo, e acommada-
200 rs, o covado; superior atoalhado idl-ltea qualquer canaieiro cunsorvando-o sem-
mascado de puro linho e com 8 palmos de pru |in,|i(i; tambem serve para purgantes,
por ser o mesmo oleo que usa muita gente,:
vende-se a 400 rs. cada garrafa, na veeda da
ra estreita do Kozaiio, junto a nov leja
de charutos.
Pechincha.
No aterro da Boa Vista, loja de 4 portas n.
60, vendem-se riscadinhos miudiohos para
caigas e jaquetas, de bonitos padrOes a 120
rs. o covado; camisolas de meia a 800 rs. ;
chitas de cores finas a 160 e 200 rs o cova-
do ; midapoloes muito finos a 4,000 rs. 1
pega; cortes do cassa a 2,000 rs. ; chales de
lila a 1,140 rs,; cortes desetineta para cai-
gas a 800 rs., e outras muitas fazendas por
prego commodo.
Vende-se um pardo de 18 annos sadio e
possante proprio para bolieiro, sua boa
couducta faz com que noseja vendido para
o Rio de Janeiro : na ra larga do Bozario
11. 35 loja.
Vende-sena taberna da ra do Hospi-
cio no 1, feijSo mulatinbo a macasso a 10/
rs. o alqueire.
Acha-se a venda na ra do Sol, no ar-
maaem da rasa 11. 25,os seguintes ulencillos,
caibros, telhas, potes, jarras, fugareiros, e
maisobjectoa de bairrodo lugar do Apipu-
co ; por prego mais commodo do que em
oulra qnalquer paite.
Vende-se a casa n. 66, na Paasagem da
Magdalena, por prego muito commodo : a
trata ni ra da Roda n. 64.
I -ivros em branco.
Vende-se em casa de Kalkmann lrmSos ,
na ra da Cruz n. 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio.
Vende-se farinha de mandioc nova e
de excellente qualidade, a 2,000 rs. a sacca ;
milho, a 1,600 ts. a sacca ; charutos, sabao
do Rio e da Ierra ; ancoretas com azeilo-
nas, azeite doce em pequeos barris, de
Lisbs, vinho do porto em barris de sete em
pipa, mais gneros que por sua boa qua-
lidade e diminuto prego, a todos ha de agra-
dar : no armazem de Campello & Filbo, tra-
vesa da Madre-de-Deos n, 7.
argura, pelo muilo barato prego, de 1,600
rs. a vara; alpaca prela muilo fina, 640 rs.
o covado ; cassas francezas de cores as mais
finas que tem apparecido, a 640 rs a vara ;
cassaa chitas muilo largas e cores fixas, pelo
baralissimo pregu de 200 rs. o covado ; di-
tas em cortes com 6 1|2 varas, a 2,000 rs. o
corte ; cortes de cambraia de seda cor de
carne e de rosa, fazenda do ultimo goslo,
pelo baratissimo prego, de 8,500 rs. o corte;
idem de seda pura, todos brancos, pelo ba-
rato prego de 12,000 rs. o corte; superio-
res bros do puro linho Irangado, de ricas
cores, e novos padrOes, 11,200 rs. 1 vin;
assim como outras muitas fazendas de agra-
dar aoa Srs. compradores, tanto nos pregos
como as qualidades.
l'ara liquidar
Faz-se todo o negocio i dinheiro.
Vendem-se por todo o prego prsenlos
hollandezes, proprios para fiambre e tem-
pero : oa "ra da Cadeia do Recife, n. 23.
-- Vende-se farinha de mandioca superior
em qualidade da precedencia dePorto-Ale-
Rre e a prego rasoavel: a bordo do patacho
Felicidade fundeado em frente do caes do Ra-
mos, ou na ra di Cadeia, casa 11. 39. 1."
andar.
Superior cha nacional
em caixinhas de 2 libras, e da melhor qua-
lidade ; vende-se por prego commodo, na
ra do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
Vendem-se velas de espermacete, em
caixas, de superior qualidade : em casa de
J. Keller & Companhia: ni rui di Cruz nu-
mero 55.
Vende-se superior farinha
de mandioca de Santa Gatharina,
por preco muito commodo, a bor-
do do patachobrasleiro Alegra ,
fundeado em frente ao caes do ha-
mos : a tratar a bordo do mesmo
patacho, ou no escriptorio de No-
vaes & Companhia, na ra do Tra-
piche n. 34>
Oprimo viiilio branco.
Vendem-se barris de 5 em pi-
pa, com vinlio branco de Lisboa,
da melhor qualidade queapparece:
trata-se na ra da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Moinhos de vento
eom bombis de repuebo pin regir bortis
d baixasdecapim : vendem-se na fundigSo
de Bowman& Me. Callum, na ra do Brum
os. 6.8 e 10.
Vinho de Champagne,
e superior qualidade : veade-se no irmi-
etn Kalkmanu Irmaos Rui di Cruz, n. 10
SALSA PAURILHA DE
SANDS.
Este excellente remedio cura todas as en-
ermidades ll quaes sSo originadas pela
mpuresi do sangue ou dosyatema ; a sa-
ber : escrfulas, rheumatismo, erupcOes
cutneas, brebuthas na cara, ilmoroidas,
doengas chronieas, brebulhis, borrneija,
linba, enchagOei, e dores nos ossos, e jun-
tas, ulcar, doengaa venerias, citica, eufsr-
midades que attagilo pelo grande uso do
mercurio, hidropesa, exposlosa urna vida
extravagante. Assim como, chronieas de-
aordens da constituicSo, serlo curadas por
esta tilo til, e apprvada medicina.
A administragSo deste belo remedio, nos
laquea mais estraordinarios tem sido sem-
pre seguidos pelos mais felices resultados
as suas operago>s ; porm, o seu prineipit
objecto be de purificar o singue, e limpar o
systema do qualquer influencia de mercu-
rio. No aeu modus operandi, he directa-
mente como um remedio alterativo, anda
que, indirectamente servo ao systema como
um verdadeiro tnico. Doengas nos ossos
e no systema grandular; assim como nss
juntas, e ligamentos, s5o inteiramente cu-
radas pelo uso deste remedio, sem qne o
doente faga resguardo algum, quindo usar
esle remedio. .A opperago deste remedio
consiste em remover desordem do syste-
ma, e em breve tempo o doente ganhar a
aua aaude.
A Salsa Parilba lem ganhado por muitos
annos urna illa rerutagBo, de ter curado
doengas mui diflicultosas, que nenhum ou-
lro artigo de valor em materia medica tem
curado. He de saber que 1 Salsa Parilha he
um dos mais valerosas remedios que os
doctores usdo em toda parte do mundo ;
com vistas de gaoharem a cura pelo uso de
tal remedio vegetal. Porm, deve-se de
notar, que nem todas.as pessoas sabem pre-
parar esto remedio, assim como esco-
Iherem a melhor parte que se deve usar em
tal preparacSo. Um celebr Medico escrip-
tor, que residi por muitos annos no lugar
aondeha melhor producgto da Salsa Pa-
rilla disse : Sois ou oito especies destas
raizes que crescem nestes bosques, admra-
me que nito podesse adiar, se nSo urna,
comogosto, e propriedade da verdadeira
Salsa Perilla, que se possa recommeodar
para medicina ; poiaas maia eram inspi-
das e-inertes. Porm, como os mdicos
uo se, dSo ao trabalho de fazerem as
suas proprias medicinas, mss sim confiam
nos seus habis boticarios, para a prepara-
ren!, e comporem differenles drogas. Po-
rm de todas ss proparagOes de Salsa Pari-
lha devia de ser di genuina, para que o fa-
cultativo e o publico ficassem bem fiados
as preparagOes de Salsa Parrilha 1 ser da
melhor qualidade. Pois he este o genuino
vegestavel, que se oOerece ao publico; nes-
te se v combinidos o utile cum dulc ; pois
em infinitos casos em que o doente espe-
rangas algumas tinna de viver, o grandes
quantidades de remedios experimentados,
mas sem resultados demelhoras ; mas com
esta pura Salsa Parilha, suas curas tem sido
infaliveis, pois os cerliflcidos que temos
recebido de pessoas que tem usado desta
puro remedio, affirmara da sui boa elllca-
cia ; estes certificados temos honra da
aprensentar ao respeitavel publico, para
que fiquem certos, o que cima se diz, ha
verdadeiro. Os proprielarios deste reme-
dio tem por muitos annos empregado todos
os meios para prepararem este tSo til, e
essencial remedio da raz da Salss Parilla,
qne por flu, conseguirn as suas vistas, em
prepararem um tSo valuoso remedio, e seus
1 fio lindos resudados tem eochido os pro-
prietarios de gloria, e triumpho de terem
preparado urna linda composiclo contri
doengas, que o seu Om he destruir o corpo
humano. Esla composigSo be qumica e
nova. Esla Sala Parilha be combinada com
oulros engredienles que todos elle* perten-
cem classe vegetal, e todos com o poder
de purilicarem o sangue. O domle que usar
desta composigSo, pode contar que tem o
mais efDcaz remedio, para' sua enfermi-
dadeusi. O nico igep,t4 nesti cidade he
Vicente Jos de Brilo, na ra da Cadeia do
Recife botica n. 61.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller &
Companhia, na ra da Cruz n. 55.
Sobrado em Goianna.
Vende-se, muito em conta ,
nm bonito sobrado sito na ra
do Meio, n. 58 avaliado em
sioooiooo, em o qual tem parte
rsula Mara das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alves de l'aiva na
importancia de io7,473 rs. quem
pretender dirija-se a caza de Kal-
kmann Irmaos,ra da Cruz.n. 10.
Escravos fgidos.
Desappareceu no dia 9 do corrente
tendo sabido com um taboleiro vender
doce decada, 1 preti de nagSo Rebolo, de
nome Luiza, moga, baixinba e magra, esper-
te e diligente, talvezdigs que anda procu-
rando sennor, por ler pedido para aer ven-
dida, levou vestido de umi fazenda ja des-
botada, panno de listras com matames e
franjas : quem pegar e 1 conduzir 1 iui
da Senzali Nov o. 4, seri recompensado.
r ARADOS AMERICANOS.
Vendem-se arados ame- $
9 ricanos, chegados dos Esta- j|
0 dos Unidos, pelo barato pre- 9
t> co de 40,000 rs. cadaum: na
9 ra do Trapiche n. 8.
MOB1L1AS DE fliRRO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com braco e sem elle, e muitos ou-
lros objectos de ferro
zemde Kalkmann Irmaos, na ruaf "" "" Au8ua" 83
da Gruz n. 10.
-- Acna-se fgida desde o dio II do
corrente mez umi mulata de idade w
Jsj de 18 a 20 annos e alguma cousa fala-
s) deiri, e vesgi dosolhos, estatura re-
9 gular,magra,tem marcas debechigas 9
peitos pouco ou nada volumosos,e foi 0
vestida com vestido preto de pintas
sj brancas e bico de esparliliios, cabel- 9
? lo cortado e rente/e de nome Clau- 0
? dina : a pessoa que a pegar leve-a i
ra do Vigario o. 9 i Carneiro & Ra- T>
t mos que ser bem recompensado. A
tes
Desapparecdu desde o da 9 do corren-
te, o escravo preto do nomo Harcellino, com
os signaes seguinles : allura regular, anula
mogo, cabellos carapiohados, olhos casta-
nbos, bocea regular, nariz chato, pouca
barba, Irabalbou de carniceiro nos acou-
gues das cisinhis di praga da orteliga, e
ra do Itaiigel. e presentemente serrava na
serrara de Antonio Dias di Silva Cardeal,
consti andar por perto d'esta prag do Re-
cife: roga-ae portento s autoridades poli-
ciaes, e 1 qualquer pessoa particular, na-
ja ni de o prender eleva-lo, ni rui do Ran-
gel, casa terrea n. 39,1 seu Sr. Manoel Joa-
quim Ferreira, que ser gratificado gene-
rosa mente. .-
Continua estar fgida preta Joaqui
ni de AO annos, magra e de estatura peque-
a, muito feii de can e mesmo de corpo,
q uando anda parece que est cahiodo e an-
da muilo de vagar, tem cbelos brancos e
he coroada, levou voslido de xita fnncezi
roxi e panno da costa vellio, todo azul,
desconfia-ae que foi furtadi pois nunca fu-
gio e nem ae embriaga, por isao se faz scien-

te que se proceder com loq0 o rigor da le
no arma-,' contra quema ti ver se Juz ido oui leuliaacoi-
v v,Ti <' ': M.J .r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMZRLTRPI_9CLDXN INGEST_TIME 2013-04-13T01:55:51Z PACKAGE AA00011611_04420
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES