Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04416


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXVllI
Quinta feira 12
-/
DIARIO DE
rasgo a auaoairolo.
Paoimnto Aduntido.
Por trimestre...........,
Por semeitre -.#
Por auno ........->....
P0O DINTIO DU T1IMEITRI.
Por quartel.........
MOTIOIAS DO IMPERIO .
Para..... 2deJanelro'MInas... 13 de Janr.
Maranhfo 7de dito S.Paulo. 10 deNovbr.
Ceari... Hdedito. 'R. de I.. l4de Janeiro
Parahlbi. IIMe l'evr 'Baha... 17 de dito.
4/000
Hfilut)
16/1)00
4/500
DIASDA IIHlHi.
Stg. S. Apolonla v.
m a. Ansberto.
10 Tere. S. Bicolaitlcav
11 Quarl.S. Lzaro.
13 Qulnt. S. Eulalia t.
m. S. Modeito,
13 Sexl S. Gregorio2.
II Sab. S. Valemim m
15 I) nn. Sexagsima E-
tacode S. Paulo.
AUDIENCIA.
Jwitoilr OraAdo
2.e5. a lOhorat.
1. vara do civtL
3. c6, ao meio-dla.
Fatenia.
3. c6.ii 10 lior.n.
2. i"ir do civil.
4. e sbados ao meto-d,
Aaloro.
Tercas e aibadofl.
Creicente 28, ai 6 horas e 31 mloulca da m.
Chela a 5 ai 5 horas e 6 minutoa da Urde.
Mingoante 11, ai ; hora e 41 minuto* da m.
Nova 2o, a i hora e 24 minutoa da m.
nuun ds boj
Prlmelra i 10 horas e 0 minutoa da manba.
Segunda ai 10 horaa e 0 minutoa da tarde.
de Fevereiro de 1852.
N.'34.
PUR YMBICO.
rlBTISH SOS OOBBEIOa.
anna e Parablba, ai aeguoda e lextis-
Iraa.
-Ciande-do-Horte.toda ai qulntai-felrai
o mel da.
anbuna e Bonito, 8 e 23.
i-Vlata, e Florea, 13 28.
\Jctoria, qulntai-felrai.
nda, todoa o* dlat.
PARTE OFFICI AL.
MINISTERIO DO IMPERIO.
'mperio. Declara que as possoas condeco-
rada! rom o titulo doconsclho so goztm
.di precedencia de que traa calvar de
20de novembro de 1786, quinto lei pos-
terior nSo determina o contrario.
-'. Sec^Bo.Rio de Janeiro.Ministerio
dos negocios do imperio em 14 de novem-
bro de 1851.
Illm. e Exm. Sr.Foram presentes a sua
magestade o imperador, rom o oIIIci de V.
Ex. de 8 do corrente, as copias do que em
6 do mesmo mez Ibe dirigir o conselhoiro
I)r. Joaquim Vicente Torres liomem. lente
de chlmica desss escola, e de que V. Exc. ex
pedir aolenle de anatoma Dr.Jos Mauricio
Nuncs Garca, e aos domis lentes da escola
sobre a precedencia que em todos os actos
acadmicos entende competir ao lente con-
decorado com o tiiulo do conselho; como
tambem a representadlo que em dala de 7
Ihe dirigir o referido lente de malomia,
e o protesto que nesse mesmo dia fizera
contra aqeulla deliberarlo de V. Exc, visto
?ue ella o esbulha do direito que Ine con-
ure o artigo 91 dos estatutos de presidir aos
exames escolares, quando a sorte para isso
o designar: e inteirado o mesmo augusto
.-iiti-ir de ludo quanto se expende a tal res-
peito, manda declarar a V. Exc. que, sup-
posto pelo airar de 20 de novembro de
1786precedim nos tribunaese juntas os que
gozam iin hiiii" do conselho aquellos que o
u.i'i l"111, todava s he applicavel a disposi-
cjtoo mesmo alvar nos casosem que lei pos.
terior no tenha expressamente determina-'1
do as precedencias ; mas que no caso oc-
corrente, sendo como he expressa a dispo-
sirjSo do artigo 91 dos estatutos organisados
em virtude da autorisac3o conferida no
artigo 34 da lei de 3 de outubro de 1832, e
man lados executar pelo aviso de 26 de
outubro de 18(2, a qual confere ao lente
que a sorte designar, seja ou nSo conselhei-
ro, a presidencia dos exames escolares no
auno respectioo, cumpre que em quanto
pelo poder competente nSo forem revoga-
dos os mesmos estatutos, se contine como
al aqu a observar aquella disposigo, sem
embargo do disposto no citado Ivara.quo
nSo be applicavel especie vertente, sendo-
o ainda menos o aviso de 20 de fevereiro de
1832, a que V. Exc. se refere, por isso que
quando fui expedido nfio exista a le de
3 do outubro do oic*smo anno, nem os esta-
tutos em virlnde della promulgados, eque
tanto estes, como a mesma lei se devem
rrspeitar e cumprr om quanto expressi-
raenle u3o forem revogados. O que com-
mumeo a V. Exc. para seu conheciment e
poniual execuefio ; cumprttido Que nesta
couformidade declare de neuhum effeilo a
i deliberarlo que lomara.
Ueus guarde a V. Exc Visconde lo Mon-
to Alegre.Sr. 11 r. Jos Matins da Cruz
Jobim, director da escola do medicinada
Corto.
IMPERIO.--EM 29 DE NoVEMBRO DE 1851.
Declara ao presidente da provincia de S.
Paulo, que bem resolver a questao sus-
r llana entre os cididilosjuizos de paz elei-
tos de Coritiba Francisco de Paula Souza
eAnlonioJos Pereira Tinoco Jnior, na
persuado de que o.0 havia aceitado e
exercido o cargo de supplente de juiz
municipal, mas que provando-se que el-
lo nunca exercera o referido cargo, cum-
pro que srja reformada aquella delibera-
rlo, e admillido o dito Paula Souza ao
exercicio de juiz de paz.
I." Seccao.ltio de Janeiro. -Ministerio
dos negocios do imperio, em 29 de novem-
bro de 1851.
Illm. e Exm. Sr. Foi presente a S. M. o
Imperador oollcial de 15 do corrente, em
que V. Ex. expOe que suscitando-se duvida
enire o cidadBo Francisco de Paula Souza e
AnlonioJos Pereira Tinoco Jnior, juiz de
paz de Curiliba, por querer aquello mais
votado reassumir o logar dopois de haver
oblido escusa do cargo de juiz municipal
supplente, que o impedia de exercer o de
juiz de paz, resolver V. Ex. a favor do 2.
por ler sido informado que o 1." exercera o
dito cargo de juit municipal; mas que al-
legando depms Francisco de Paula Souza
que nunca exercera aquello cargo, posto
que prestasse juramento na iguoraucia de
incompatilidaue, posto que logo pe-iiu de-
roisso para eoulinuar a exercer o de juiz
de paz, parece a V. Ex. que no lem n'esie
cssoapplicacSo o aviso de 6 do outubro de
1847, em que firmara a sua resol uqSo, mas
entende com ludo que as expressOes d'elle
d9o logar duvilas, porque no 2 se re-
ferem ao exercicio e noU a aceitacjo, a
por isso pede se Iho declare se o referido
aviso comprenhende tambem o caso figura-
do de haver o individuo aceitado, mas ii.1i)
exercido o cargo de juiz municipal. E intei-
ra lo o mesmo augusto Sr. de todo o expen-
dido liniivi' por bem declarar, que bem re-
solver V. Ex. a questao suscitada entre os
mencionados cidadSosJuizes de paz eleitos
de Coritiba, na persuacSo deque Francisco
de Paula Souza havia aceitado e exercido
o cargo de supplente de juiz municipal;
mas que no caso contrario, isto he quando
concludentemente se prova que elle nunca
exercera o referijo cargo, cumpre que seja
reformada a deliberado de V. Ex. mandan-
do admlltir o dito Paula Souza ao exercicio
do cargo de juiz do paz; pur quanto mui
clara terminantemente Dio i no aviso da
6 de oitubro de 1817, catiro de 8 de margo
do mesmo anno, e no do 21 de dezembro de
1816 se exige slm da aceitado do cargo
de supplente do juiz municipal a essencia-
lissima circunstancia do o ler efleclivamen-
te oxercido para dar-se deste entilo a inha-
bililar,Ho de exercer o de juiz de paz para
que anteriormente houvesso sido eloilo. O
que tU'lo commumeo a V. Ex. para seu co-
nhecimenloe dovid eXMUClO,
Dos guarde a V. Ex. Visconde de Moni
Alegre.- Sr. presidente da proviucia de S.
Paulo. _________________
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 5 DE FEVEREIRO
Ofllcio."Ao commando das armas, dizen-
do que visto nSo haver inconveniente em
ser substituido por outra prar;a da compa-
nhia do artfices o anspefida JoSo Cualber-
to da Molla, que se aclis em diligencia no
residi de Fernando, expeci suisordens
este sentido.
Dito.Ao desembargador chefe de poli-
ca.Constando do seu odela de 4 do cor-
rente dirigido ao inspector da thesouraria
provincial, que durante o mez da Janeiro
liado nenhuma parta policial houvera so-
bre fallas ou defeitos encontrados na illu-
minacSo desta criado e parecendo impos-
sivel se terem observado as disposiciJes
dos artigos 1., 2.* e 8. do regulamento
provincial de 12 de dezembro do anno pas-
sado n3o se enconlrasse em nenhuma das
ulules do mesmo mez um s dos novecen-
tos lampioes, que furmam aquella illumi-
iiafSo apagado, ou com m luz, ou pouco
asseado, cumpre que V. S. exigindo as ne-
cesssrias explicares das autoridades poli-
ciaes, que se refare o artigo 3.* daquelle
regulambnlo me informe sobre quaesquer
fallas, em qui tenham incorndo as palru-
lii i-, para sorem nslas punidas pela visivel
culpa, que aquelle fado denuncia.
Dito.A' thesouraria de fazenda, devol-
vendo os documentos que acompanharam
ao aeu olllcio d S do corrente, e declaran-
do que a recommenacSo que aquella the-
souraria fezao administrador da mesa do
consulado, ceres das fallas commeltidas
poralguns dos respectivos empregados de-
ve esfcnder-se todos os cliefes de eslaces
tim de que de urna vez so acabo com os
abusos praticados pelos empregados pouco
assiduos, decujo comportamento cumpre
que se u conla ao governo imperial para
serem elles demittidos.
Dito.Aos membros da di recebo do ban-
co desta ciJade, remetiendo urna carta em
que os fabricantes de papel, Ruvve Kentisb
t Companhia, de Londres so offerecem a
fornecer o papel de que precisar o banco
desta provincia para as suas notas e letras,
e li.-ni H--HII quatro amostras de papel de
sua manufactura, afm de que Ss. Ss. lomem
na consi Irraco que enleuderem a sua pro-
posta.
Dito.Ao diroctor do arsenal de guerra,
aecusando recebida a conla do equipamen-
lo e msis objeclos que so apromptaram na-
quelle arsenal, de couformidade com o avi-
so do ministerio da guerra de 17 de outu-
bro do anno passado', afim de serena envia-
dos para a provincia das Alagoas.
Dito,Ao primero subslilulo do juiz mu-
nicipal da primeira vara desta ciJade, di-
zendo que avista do que expde o marechal
commamiante das armase n ommandan-
te do dcimo balalbSo de infinitara nos of-
licios quo remelle por copia, nSo poJe por
ora ter lugar a remuc.u'o que pede do preso
poltico Dr. Pilippe Lopes Netlo da fortale-
za do Hrum para o quariel do hospicio.
Dilo.A' thesouraria da fazenda prov n-
cial, inteirando-a de haver concedido a
prorogacSo e um mez que pedio o afr-
ntateme dos bancos de honra das aulas pu-
blican para conclus3odos mesmos.
Portara. Ao commandanle do brigue
escuna Ulmda para mandar passarumufll-
cial de sua guarui(Su para burdo do brigue
Legulidade aflm de que nesta possa seguir
ih'i" mesmo para o presiuio de F>srnan-io.
Neste sentido flzeram-se as necesiiriis eom-
municacoes.
DEM DO DIA 6.
Ofllcio.Ao commando daa armas, intei- i
rando-o de haver enviado ao Exm. ministro
da guerra, conforme fo exigido por aviso
de 30 de dezembro ultimo, a nota demons-
trativa da artilharia de campinha existente
nesta provineia.
Dito.A' thesouraria de fazendi, com-
municmdo para os fins convenientes que,
de conformidade com a sua informat;So, I eparlicSo da guerra erh solucJo ao que
concedeu dous mezes de licen;a ao amanu-
ense da recebedoria de rendas internas ge- < 29 de dezembro do anno passado cetc>
raes, Joaquim Jos de Souza Serrano.
NOTICIA! BSTBAMOEIBAS.
Portugal. 17 de Janr. i Austria.. 5 de Janr,
Hespanba. gdedllo Solsia... Sdedlto.
Franca ... de dito Suecla... 31 de Dezbr.
Blgica... 3 de dito Inglaterra 8 de Janr
Italia.... 4 dedito E.-nldoa 24 de Dezbr
aIciiiiii.i .i. .'..le iliin Mxico... SO de Novbr
Prussia ... -i de dito California 20 de dito
Dinamarca I drdlto Chlll. 2< de dito
Ruasla...20 de Dezb, "uenoi-A. 8eNovbr
Tarqula. 29dedito [Montevideo lOde Jaur.
CAMBIO! DE II DS rlVIBIlBO
Sobre Londre, a 27 J/i d. p. I /
Parla,
Lisboa, 90 por cento.
METAES.
Ouro.Onca* beapanholaa....... .7. 28/500
loedas dr 6/400 velbas......... U>f" 0
. de fiMOO noraa..;......l/OUO
de4/DP0............... 9/IO0
Prata.PatacOeabrasilelroi........... 1'920
Peaoa columnailoa............ 1/ivO
Hilos mexicanos............. 1/b'OO
al, nao s se communica, que t despa-
ldo para o corpo de guarni(So fita de
[yaz, por decreio de 12 de fevereiro do
no passado o alferes Jo Baptista dos Pas-
l, que no 9. baUlnSo de infantera, ain-
he conai lerado como sargento, mas
ribero se exige cerlidSo do que constar
I assentameutos do referido alfares no
ncionado batalhSo.
Dito. Ao mesmo enviando copia do
so expedido em 13 de Janeiro ultimo pe-
lesmo coronando represenlou em ofllcio
primeiro cadete, segundo sargento Lau-
I JUDO UC OUU1I OCMBIIU. ,..,.^1. v b-uw.b, ^^n -0~~._-------
Dlo.-' mesma, para que, avista dore- retino Antonio Moreira de Carvalno, que
cibo que remette, mande aJiantar ao coro- je passagem para o primeiro balalhao^de
el commandanle do nono nnta'nSu de) in- infantera.
fantaria a qnantia de 1:500,000 rs para pa- Dito. Ao mesmo remetiendo por copia
gamento das pravas do mesmo balalhSo o aviso do ministerio da guerra de 15 de
destacadas ao sul da provincia e das que Janeiro ultimo, mandando entregar ao ba-
le m de sabir em diligencia sob ocomman- chirel Herculano Connives da Rocha, com
do do alferes los Francisco de Moris Vas- bailado tarrifo, o sen escravo Bernardo,
concellos, devendo essa quantia ser desean- que com o nome de Bernardo Gomes de
teda opportunamenle nos respectivos prets. Seni assenlira pra*ra no dcimo balalho de
Communicou-se ao marechal commin- infantera devendo porm o referido ha-
dante das armas, charol indemnisar p oviamente a fazenda
Dilo. A' mesma, dizendo ficar sciente das aainliaf, queindevidamente recebeu o
de ter sido remettido ao commandanle do dito escravo. Cummunicou-se a thesou-
presidio de Fernn lo pelo patacho Pimpa- rariade fazenda.
mu 14:000,060 rs. para as despezas do mes- Dito. Ao mesmo remetiendo cooia do
mo presidio, 120,000 rs. para pagamento do aviso da repartirlo da guerra de 22 de ja-
ordeoado do respectivo escrivSo, e bem as- neiro ullimo, communicaudo haver-se con-
sim os gneros e objeclos mencionados na cedido licenc.a para vir risidir nesta provin-
rela(So que enviou. cia ao alferes da.tercoira cUssedo exercilo
Dito.-Ao director geral da instrucoSo pu- Joaquim Pereira Xavier d'Oliveira, que sera
blica, comrounicando que, avista de sua in- empregado quindo e como for convouieu-
formafSo, conceden um mez de licen;a le ao servido. Igual copia remelteu-se a
sem vencimento so professor publico do thesouraria de fazenda.
insii ucefo elementar de Cruangi Neste Dilo. Ao desembargador chefe de po-
seotido flzeram-se as convenientes com mu- lina dizendo Mor expedida a ordem, que
njcacoes. solicitou para ser postada no lugar deSan-
Dilo.Ao director do arsenal de guerra, lo Amaro desde as 8 horas do dia da uia-
declarando, que vai ser trsnsmittido ao nhSa at a noute do seguinte, urna guarda
Exm. Sr. ministro da guerrs, conforme foi de 20 pracas, flrr de all manter a drdem,
exigido em aviso de 30 de dezembro ulti- vislo a concurrencia de povo que costuma
mo, o rotatorio do estado da artilharia de haver na festa daquelle Santo. Neste sen-
campanba, existente naquelle arsenal. tido ofllciou-se ao coromaodante das ar-
Dilo. A' administrado do patrimonio mas.
dos orpbSos, remetleodo dous relatnos do Dito. A thesouraria de fazenda com-
direclor interino do collegio dos orphSos, municando que, segundo constou do aviso,
lim de que, appreciando devidamente to- que remette por cupia, do ministerio da
das as exigeuciase reclamarles do mesmo guerra de 21 de Janeiro ultimo, se conce-
director, va sutisfazendo de preferencia, se- deu reforma cumosoldo, por inteiro.que
gundo as forjas dos rendimentos, aquellas percebiam a Manuel Jos Santiago, Francia
que se mosirarem oais urgentes, e menos co Anlouio, e Joaquim Jos de Sala-Auna,
dispendiosas, devendo communicar pre- estos soldados do exmelo corpo de volun-
sidencia tudo o que esse respeito for re- tarios, e aquello primeiru sirgento di gusr-
solvendo eelTectuando a bem do Iratamen- da nacional delta provincia, por se acha-
to e oiliirarilp dos menores recolhidos ao rem comprehendidos as uisposicOas du ar-
mesmo collegio.Communicou-se ao inen- ligo tereuirodu plano de M de detembrode
Clonado director. 1815, visto terem silo leudos e linpnssibi-
Uito.Ao juiz de paz da freguezia de Ta- litados em m-ciu do sorviqo nacional ; e
quarilinga, dizendo licar sciente de se n3o bemassim, que as domis pravas da guir-
ter organisado no dia marcado por lei a da nacional, incicadas na relacdo qu lam-
junta de qu*liflc*c,8o pira rever a itsti dos bem 'melle por cojia, aa naoactumoas
votantes daquella freguezia, e declarando, circunstancias de obler reforma por nSu
que dovem ser novamente convocados os terem em seu favor nenhum dosartigos do
eleitores e suppleutes para o dia 7 de mar- referido plano,
(o prximo vindouro, aflm deque nesse
dia tenham principio os trabalhos de revi^ Helacto a aune refere oof/icio a cima
s.'i" da qualiflcacSo.
Dito.-A' cmara municipal de Cimbres, Herm,n0 llygino dos Martyres.
dizendo que opportunamenle sera levada R_ernar,i0 de Mattos.
ao conhecimenlo da asseiublea legislativa V,\lly .ariins.
provincial a representado que mesm'AnlonJ0 ja sl|v, cmara.
FOLHTIHI.
iyie mo ras DE(H HIDO.C*)
roa. nanio bui.j
XXIX.
Eil-aqui II cartas de Albina I
Albina a Hcrmancia.
Rlballire, em ouiubro de 184S.
Acbel flnalmenle o meio de eacrever-te. E-
inu aiiiiii 111,1o.... Meu pobre corajao vai desar-
fdgar-ae.
A uliiina vez que le apertei a mao e beijel-le
a face, foi na larde em que deliel eaae mortal
jamar de boda* para Ir com mioba mi para
caaa de meu marido.
Hermnela, ha couias que cu nao poderia di-
xer, meaino a li, aein inorrer de vergooba....
ousarei escrcvcr-Tas?
Vou eiperlmenur.
o, nao pude continuar.... Anda ha pouco
a penna cahio-me da mao vinte veaea a apa-
nbel, porm de balde.
K quando pens que minha mal.... ceniura-
va-me com* una Iminodeatia o querer eu tra-
er mangaa curtas.... e que na vespera me ha-
via dito
Albina, l por acato, conversando comti-
go, Mr. Fernando quizer lomar-te a mao, nao o
continua.. Etlaa iiberdadet ti o maridoi po-
dem tl-atcoin tuaa mulheres....
Nao coinpreheiidi o que minha mal queria
diter, Peniei liuenie coinigo menno que etta
(lFWoDiarion.30.
rL'ciiiiiuieiHlava era mull, cuuiu l'o eicrevi,
eu nao tiulia mais de^rjo que Mr, upleatn me
tomaste a mao, do que liuha de o abracar.....
Agora, Ueriuancia, vas crer-iue louca ou ei-
tupidi, vitto que no dia tcguinle a esU noitc...
parli com meu maride para eate castello donde
te escrevo ?
Que fazer? Nao be elle meu senhor t amo, co-
mo in'o dlite minha mi Nao sou eu aua inu-
Iher? Nao devo sotl'rer todas as cooiequencia;
du casamento, que uve a detgrafada Iraqueta
de aceitar ?
Devea leinbrar-te do que te cscrevi: cancida
de iiiiu-, contenli neiu uuio, apezar doa meui
pretsenlimentoi, apelar da nimba ignorancia
do carcter de Mr. Fernn lo j aeria por tamo
loucura minha au procurar tirar o meihor
partido de una coudicao, ao cabo de ludo, II-
v iiiiii ii i" .iii-iii por iiiiin....
Pon bem! cootinuo ainda as ineamaa dia-
posices; acalmados o raeui primeirotreasen-
ii.ni 1.101 ( aabeodo por minha mi que meu
marido linha usado de uindireilo.diaie cmnigo,
nao vollemos mais ao pataado, he preciso poli
procurar arraDJar-me o menos detagradavel-
mente posiivel neste casamento, attun como
ae laz em una caaa incoinmoda, que ae leve a
inhabilidade decomprar.
Ella retignaco he o nico partido que me
reita, euotomo; apezar delta reslgoafao, he
urna couta que nunca veocerci, he a i.nprettao
de Uto, de repultio loveocivel que me toaplra
o coulacto apenat da mo de Mr. Uuple.tit.
quando cada noile, conduziodo-me ao. meu
uarto, apname ot dedoi a moda Ingleza, em
Lina de adeoae de boas nollea. Be.u ve. que
o meu pouco deiejo de abracar meu marido, le
tem convertido em uma repugnancia inven-
clvel.... ,
Peosari que he ciageracaoi
Nao, porque vou tentar explicar-te um doi
motivot de minha repugnancia; tu a compre-
hender! por flin.
Lembrat-te da inettra lubstituta das mtiunas,
no collegio, com luasclueius de folhas ae ne-
camara dirigir o respectivo secretario pe
dinloaugmento de ordemdo.
Dito.A' camira municipal da Villa Bella.
Com o ofllcio que me dingiram Vmcs. em
6 de novembro mi uno recebi as contis des-
si cmara ilumino municipal Ando, para
serem lvalas ao conhecimentoda assem-
bla legislativa provincial o que sera feilo
oppoitunamente, cumpriodo porm obser-
var a Vmcs., que u3o vleram as ditas cun-
tas documentadas, neiu trahalho ilgum re-
gular, pelo que exijo informarlo a esse
resuello.
DEM DO DIA 7.
Ofllcio. Ao Exm. conselhciro presiden-
te do supremo tribunal de justici devolven-
doas portaras que de envolta com oulras
remelteu S. Exc. paaa serem entregues ao
juiz de direito de Goianni, Manoel dos Pas-
sos Baplisti, vislo ter este migestndo tal-
lecido.
Dito. Ao commando das armas remet-
iendo copia do aviso da reparlicSo da guer-
ra de 16 de Janeiro ultimo e bem assiin do
decreto, que elle se refere, pelo qual foi
perdoado a Manoel Antonio da Silva, ex sol-
dado do quarto batalliSo d'arlilheria ap.o
restodo lempo, que Ine falla para, cumplir
a pena de lOannos de prisSo com trabalhos,
i que fora coudemnado por sentenfa di
junta de justita militar .desta proviucia de
3 de juntto de 1818, devendo voltar para o
servico do exercilo.
Dilo. Ao mesmo transmittindo por co-
pia o avian de 16da Janeiro ullimo. em O

durante otilnos patseiut no bosque Ue .Vln-
nues? Apage! Que horror!.... val tu bra-
dar. Poia teu marido tambem.. neceaita de
folhas de hera? Ah iasu Indignara o coracao,.
Que queres, Hermancia : elle chama a it-
o um excilorio, e pretende que he a sua laude.
Tudo he fortuna e deagraca netle mundo,
miiiha pobre amiga; lembras-te do que te di*
ala eu deaaea maridot e dessas mulherea, que
aeg'indo a ideia que tioha formado do cail-
inenlo, nao me paieciam casadlas 1
hoit bem, tou deaae numero.
Ah! pira inim como para tintai outrat, o
casamento nao foi a/ef.'a de minha mocidade,
featejadacom um compauheiro segundo o ineu
coracao, mloba idade e meui gustos. Mr. Du-
pletsis he e ser aem duvida aempre para mfin
urna aorte de tutor, com quein nao estarei nno-
ca em conlianca. Elle cre-me e dev acreditar-
me mil vezei mala tola do que aou; pouco Im-
porta. Demais, elle he por uatureza bastante
lli.ino e acominodado, em quanto ae faz o que
elle quer; nao tenho o aoaino nem o deiejo ue
I ni 11 ; aubmetto.ine s auaa vontadei, pedindo-
Ihe lmenle que nao me reprehenda duramen-
te ae me apartar da linba que me lem tracado.
Est convenciooado entre nos que voltaremoa
i Paria no li m do auno, itlo me faz sorTrer com
pacieoclao enojo mortal de minha morada nea-
te lugar; todava devo coofeaiar-le que he au-
mente enojo que esperimenlo, o que he j um
progreato, porque ao principio Ibi terror....
oo eiagero: julga diaio pela narra;o de mi-
oba ciiegadaaqm.
Nene dia, cania uma chuva miuda, p lempo
ciiava sombro; nos liobainot seguido urna ui-
terminavel avenida de caatauheiroi de fulbas
jamarellaa; einfim deacobri um grande cat-
tello de lijlo* vcrmclhot, de telhados de ar-
doziaa, flanqueado de grotiai torrinhai de po-
dra branca; noata carruagem pastou lobre
Itnool Cietano Ferreira.
Antonio Aoecleto Suriano.
FranciscoClaudino d.Umeida Ferreira.
Francisco Antonio Baptista.
Audr Perein de Santa Anna.
Manoel Correa Riboiro.
luleirou-se ao commaudante superior da
guarda nacional deste municipio.
DitoA mesma para nian lar entregar ao
coronel commandanle do 9. baUlbiio de
infantina, I vista dos documentos que ro-
mette quantia de 17/rs. para pigameuto
das dospezas feilis pelo capito do mesmo
baiMli. i Gregorio Antonio da Silveira com
o iluguel de urna cavalgadura. que condu-
zio a sua bagagem desta capital para a co-
lonia de Pimenteiras, e com o fretee con-
ducho de -dous ru.ib -I -s de cartuxamo
desta cidade villa d'Agui Preti.Com-
municou-se ao commando das armas.
DitoA mesma recommendando a ex-
pediento de suas ordens pin que o inspec-
tor interino da ilfanddgi nos termos do
3 artigo 1.a do regulimentu da 28 de Agosto
de 1819, consinia no despacho isenlo de
direilos de cero botijas com qualrocantos
galo -s de oleo de liuhafa vindos de Hain-
ourgo no brigue austraco Grof Apponije,
por encommeuda do inspector do arsenal
de mantilla para uso do mesmo arsenal.
Communicou-se ao referidu inspector.
Dilo.A mesma declarando que o viga-
rio da froguezia de Goianua, Domingos Al-
ves Vieira, parlicipou, que conlinuava no
exercicio ib- suas i iiu\n -s par icuians por
estar finalisada a he un,'* de tres mezes que
obbieve do Exm. bispo diocesano.
Diio. A mesmi remetlnndo copii do s-
, viso do minate'io da guerra de 17 de ja-
| nelro ultimo, determinando quedol.'de
marco futuro em dianle cesse a consigna-
c.lo de 10/ rs. mensaes, que de seu sold
sold deixou ao seu procurador nesta pro-
vincia o l.o tenente de artilharia Hermes
Ernettoda Fonceca.
DitoA mesma para que ordene a Tir-
Bino Silvio ni de Souza MagalhSes, que pro-
cure na secretaria da presidencia o seu ti-
tulo, qu" foi onviado com aviso da reparti-
dlo da fazenda de 21 de janeito ultimo, de
continuo daquella thesouraria,
DitoA mesma cummunicando, para que
teca conslir io inspector interino na altan-
degs, que, segundo constou do iviso do mi-
nisterio di fazenda de 14 de Janeiro ullimo,
foi agprovada a nomearau de Jos Candido
de Souza para guarda da alfandega desta
provincia.
Dito.A mesma trinsmittndo por cnpii
o rviso do ministerio do imperio de 19 de
Janeiro ultimo, communicaudo haver-se
expedido aviso ao ministerio da fazenda
para mtndar por a disposi;3o da presiden-
cia a quantia de 3000/rs para as despezas
da colonia militar desti provincia no cor-
rente exorcicio.
Dito, Ao inspector do arsenal de mari-
nha remetiendo copia do aviso do ministe-
rio, do imperio de 17 de japeiro ultimo,
exigindo um outro ornamento da despeza
com a construccSo de um novo escaler para
o aervico da'repartico dasaude desla pro-
vincia, visto naosaiisfazer, por imcompleto,
o queja foi enviado.
Dilo. Ao inspector inlerino da alfande-
ga inleiraudo-o de haver deferido, de con-
formidade com a .-in nformasSo, o reque-
rimenlo em que Luiz Augusto Fernandos
Vioira pedia o despacho de uma espingarda
de cr,a, que para seu usu trouxo do Porto
Dito. Ao juiz de direilo da vara civel
desta cidade Gusto lio Manoel da Silva Gui-
mar.ii-s Iransmettindo urna portaiia.que,
cara Ihe ser.'entregue, veio a.nnexi ao ofll-
cio do Exm. presidente do supremo tribu-
nal de justita. Nesie sentido ofliciou-se
aos jqizes de direito do Brejo Antonio Bap-
tisli Gitirma, do Bonito Caetauo Vicente
d'Almeida jnior, do Cabo francisco Eliis
do Reg Danlas.
Dito. A thesouraria da fazenda provin-
cial ulonsando-a de couformidade com o
seu oflicio de liiinl 'in, cerca do requeri-
mentoemque Victorino Marcirade Souza
s" nil'.-iiTi: para fazer a obra dos coocertos
do quartel da cidade de Goia ina com o aba-
le du 3 por canto do respectivo orcamnlo,
a por invini......mu hasia publica a referi-
da obra, servindo do base para a arremata-
i.-.i" o olferecimenlo do peticionario.
Dilo. Ao director do lyceu dcndo <]UO,
vista de sua mi .i n n.-fln sobre os requeri-
meotos de Pretxtalo lleraclio d'Araujo Per-
nambuco e Agndlo lloradlo de Araujol'er-
na,iiliu.ro, resulveu prorogaraio dia 14 do
corrente o praso marcado para a matricula
das diversas aulas do mesmo lyceu, o que
Smc. fara publicar para conhecimento dus
ioteressados, declarando que aquellos, que
se nSo matricularen) lio enlSo, nSu serflu
mais admillidos, seja qual for o molivo,
porque tenham deixado do faze-lo.
Dito. Ao director das obras publicas
exigindo que informe porque maneira pro-
varam as molestias, pelas quaes deixram
de comparecer "O servico daquella reparli-
r'io i.o, dias 26 e 27 do ni / passado, os a-
genles pagadores Itaymundo da Silva Maia
e Manoel Antoaiu Rodrigues S mico, os de-
senlnstas Minuel Antonio de Souza e JoSo
Fiaucisco do Amuriiu Lima ; o porleiro
J i o Vicente Ferreira Passos; e o guarda
dos arm izeos And. i- Avellino do Barros.
Portara. Au agente da companhia das
barcas de vapor para fazer transportar por
conla da .'ni- o mi para a provincia da Baha
a Joaquim de Carvalno Castro, que obleve
baixa do servico dooxercito. Communi-
cou-se ao commando das aunas.
Iho Ue uaoellot Oaiicus (o adnilultlradurl uos
eaperava einbaiio do poial; depoli de o ler su-
bido, atravetiainot um vestbulo de pedra, de-
pon tre ou quatro aalat iiiiuieiisas, inobilba-
dat no gusto amigo ; ahi corra um ar hmido
atrio como cm umaigreja; chegmos a urna
sala menor e redouda, onde havia um fogo cx-
celleme, e urna mesa preparada para o jaurar,
poli Mr. Duplestii tiuha enviado adlame o aeu
cotlnheiro c outroi criado!.
Emquaolo eiperamot que nol ponham a me-
sa, diste elle, vai aquecendo oa pea, minha
chara Albina, depoii eu te levarel a ver a bella
vista do parque aobre a outra face do cailello ;
quanto ao Interior, devea reconbecer j que
eu imlii i-.is.io de dizer-le que era precito mo-
bilbir tudo de novo. Apenaiaouber qual o leu
gotlo, maodarei por maos obra ; em dous
ueiea a transformado ser completa. Vem
agora, chara amiga, has de confesiarso menos
que o parque lie magnfico.
O primeiro aspecto desla habitaco me cali-
saya to sombra alicco, eu tioha o coraco
lo cerrado, que apenaa respond a meu mari-
do por monotyllaboi. Depoi* de ter atravessa-
do urna aegunda serie de quarloi, deinoi tobre
um largo terrado de balaustres de pedra cerca-
do de agoa como o cattello. Urna ponte que la
terminar neate terrado conduzia a um taOolci-
rode relva lemeado aqui e acola de butque-
liuhosde arvores enonnei. Elleie eitendla a
perder Ue villa, e era alravessado pelas curvas
de um regato, cujas agoai vinham cercar o ter-
rado c baubar o muros do cattello. Na extre-
ma do burilme detcobriam-ie tollinas c gran-
de* bosques. Esta vista era aein duvida gran-
diosa, maa pareceu-me borriveimenie trine.
Cabla a noite, e tudo me apparecia atiavet de
um nevaelro de outomno.
Vleram annunclar-uol o jantar. Vi Mr. Du-
pleaia aomer, depoi* pretexte! n ladiga do ca-
ntono para retirar-mc para o meu aposento.
DL-
i ponte, porque a habitaco he cercada de Meu muido conduzio-me ao quarto outr ora
urat- entramos em um paleo, cujo pavimento icccupad, dliie-me elle, por aua avo. U aeu
dcsai'ipartcia quail debalxo da relva um ve- I quarto oo he lepando do mcusenao por uma
gregados estiveem epnsiderados nos mes-
mos enrpos, eslao comprehen lidos aquel-
las inferiores que por onlons isperiaes do
governo obtem pissauens para rorpns de-
signados, ni" i'xisl'ii I" vagas ; segundo
constou dosviso de 13 de Janeiro ullimo,
quo por copia Ihe foi transntjltido pelo
Exm. Sr. presidente desta provincia em da-
lla de 7 do corrente ; e em observancia de
lu ili.|i"-ic;" mandou hontem rrbtixardo
! posto de segundo sargento aggregado n se-
gundo cadete Thomaz Pompeo Lms Wan-
. derley, que por aviso da rnparliQo da
i guerra de 17 de setemhro do anno pretrito
leve passagem no referido posto para a
i companhia fixa de cavallaria desta guar-
nirlo.
Antonio Correia Sera.
INTERIOR.
Commando das armas.
Quartel general na cidade do Recife, 10 de leve-
reiro de 1852.
iii.up.m DO DU K. 68-
O marechal de campo graduado comman-
danle das armas, declara para conhecimen-
to da guarnirlo, e devido effoilo.ique na
'lis|iosica i do aviso circular do ministerio
da guerra de 28 de junho de )850, publica-
do na ordem do dia do quarlel-general de
31 de julho do mesmo anno, sob o numero
65, a qual ni m la que nSo bajam inferiores
excedentes ao estado cmplelo dos corpos
ilo exercilo. rebaixau lo-s os quo como g
OCENERAL RIVERA.
Transcrevamos hontem das columnas do
Mercantil a p> Ik,\1o que a S. M. o Imperador
dingiu o general Fructuoso Rivera por mito
de seu (ilho.
vii lomos o minimo desejo de que con-
linuem ou se pggnvein os iucommodos
de.-se militar, que lanos malrs nos causou
em oulras ers ; defendemos o arto do ga-
llineto quanto sua recluso, por ser flibo
da necessidade, inspirando Isse personageru
serias suspeitas, na luta que governo impe-
rial com os seus alliados mu encelar no
Rio da Prata, em que todas as camellas de-
viam ser rigorosamente altendidas.
Se os motivos quo deram lugar prisSo
do general oriental cessarem, appliudlre-
mososeu liberiamentn, a que o gabinete
impeiisl s ii. esquivara. Estamos mesmo
persuadidos que iunge nao esia o da deste
aconiecimenlo.
Na sua peticalo forliflca-so o gonersl na
illegalidade da sua pris3o, argumenlaQSo
intil, porquo ella nlo foi maisqueuma mo-
dida de alta seguranca, reclamada pelas
cireuiiist nielas, e |i)r accordo dos adiados
na guerra contra a fra de Buenos.-Ayres :
he um acto tora da alfada das lea oidina-
rias. O governo nesta parte ost plenamen-
te juslihcado.
Motamos na pelir\"o do general, no meio
dos pomposos elogios que a si propno tec,
quo para altrahir em seu apoto a compai-
x~io imperial, se qualifica de cx-soberano ;
e por mais que lorturesseaios a nossa me-
moria, o.io podemos aliar rom o paiz om
que por ventura houvesse reinado o i-ono-
lal Rivera, sera hespauliolada, ou lombran-
< do redactor da peca que procurou*para-
phrasear algumas das memorias de Ahdel-
Kader ao govaino francez ? E romludo Ri-
v.-ra nao esta as circutnstuncias do Emir
africano.
Provavelmentr- reputou-se tal, porque j
foi presidente, indi que iilegsl da repblica
do Uruguay, que i;Su passa de chefo do po-
der executivo, o que disla muilo da oppo-
sic3o de um monarcria.
Arrogar-sesemelhanle titulo sem havo-Io
possuido pode dar cabida illar;0es pouco
la v.iimvi.-, e lisongeiras ao hom senso e ca-
rcter do pretendente, por quanto ou prova
o seu pouco ciso, ou que nenhuma venera-
ran lem pelas leis do seu paiz, onde no so
cotihece outro soberano alm da iur, m, ou
lu.ilmcnio que procurou faltar a devidi
consideracu e coriezia pura com a augusta
personageiu, cujo apoio implora, e com
quem Itiveraeni nomiuina das mais bnlhan-
tcs phases da sua vida estove cm parallelo.
Queremos fazer juslica ao general que
provavelinenlo non leu a pelicao, e se leu
pouco me iiiuir no valor das ex.>resses quo
iiii.o u.iu Itemenle empregou, impressionado
coiiiO deve ch ir-se pela sua reelus. Es-
tamos coiiveuciJos do que nunca tentuu
ue n procuroj fallar a curlezia a quem o
mesmo Rivera reconheca possuidor de gran-
des virtudes, uflVndcudo desl'ario os bros
de um pui/. a.i,.i in, amia uiesmo que cs-
livesso persuadido de haver sido em algum
lempo soberano,
Fizemos estas rcflexOes para que nSo pas-
semdesapercebidas corlas expreSsOcs mal
cabidas, o que po lem, passan Jo sem reparo,
concorrer para ir perdendo-se no espirito da
popo'acjo a venerar;So e prestigio de que
deve .--Mil,,re andar rodeado o Soberano pur
excellancia. lie misler que o povo faca o
comprehenda hem a dislinccSo que ha en-
tre um moiiarclia, e o presi lenta temporario
ou vitalicio de uma repblica, entre o che-
le irrespousavel de um paiz, e o dependente
dos seus tnbunaes, entre o deposilaiio de
tudos os po lores, inda quo algumas vezes
cumulativamente com oulios depositarios,
e o simples chefe do poder executivo, exe-
culur de ordens das assemblas legislati-
vas.
Ilem sabemos que algumas autoridades
sala Ue entrada ,......ihkii ; un salan precede a
minha cmara de dormir, fcsla d sobre um
gabiuetc de toucador que communica com um
quarto rciervado para a minha criada. Eu me
leutia opprimid.1; linha quasi medo ; todava
sent a necetsidade de estar *. Mandri que
iniulia creada fosse jantar, sentei-mc a um cau-
to do fogo e il, iio.lii-i-iiie em lagrimas.
Iiepols de ler chorado bastante, olhei ao re-
dor de inim com urna curioiidade machinal;
esta vana cmara, fracaiuente alluiniada por
.luis velas, era forrada de urna chita de atien-
to branca com desenhos carmes*, que repre-
lenlavain chnete* oceupadot na pesca, ou pat-
seiando em palanqun*; a obreceo do leito.
t*cortinas da* duas grandes janella* de vidra-
cas, craiu do mesmo estofo ; um tapete da Tur-
qua cabria o soalho, c para completar etta mo-
liiiiu do tempo amigo, via-se cima do pequeo
etpelno di chaino, urna pintura verde, cor
de io, i e axul, figurando um paalur locando
Sanas diaule de duas pastoral e de cordeiros
rilados.
Hoje, estou acoitumada com rainha cmara ;
ella aprai-me menno em ralo de aeu carcter
auligo; maa quando a habllel pela primeira
vez, nao poaaocontar-te a impresio de triste-
la glacial da que fui analtada ; parecia-me es-
tar to fra daa pensainentos, das neces*idades,
dos gostos de minha idade, quanto eatei velhot
uioveii eslavam looge dat modal e dot uso* de
hoje.
Eu me aenta opprimlda, ardia-me a cabeca :
abri uma da* jancllas ; ella dava aobre o par-
que ; o vcoto ae liuna levantado, elle expellia
eapesia* nuren* pluviosa* que pattavam diau-
le do paludo creiceote da loa ; eu nao va do
parque teno o grandes botque de arvore*
que ae desenbavam em negro obre o eco par-
do, c o curio eibranqulcadodo regalo que aira
veasava o prado.
Ulier-te, Hermnela, ai Ideai pungente*
que me vieram ao eipirito, durante uma
hora que pastel como cotovelo appoiado sobre
lunilla jaueila, coai a lace acornada pela chuva,
dizer-teisso ser-inc-liia iinpossivel.
Vla-me para lempre isolada do inundo e dot
meus, perdida nesta solido ; filialmente tor-
nou-se tal o meu terror, que resulvi-me a de-
clarar no O, se. oiiiii- i Mr. Duplessisque nada
DO mundo me forjara a habitar este cattello,
que eu nelle moma de enojo e de medo, que
queria voltar para a casa de minha mal, e rom-
per o meu iasamento te uecetarlo fotie.
A volta de minha criada grave obrigou-mc
a deiaara janella ; deipi-iue prena, tu correr
o I, irnllio .li-uiiiilii polla, c acularan do fogo
-que se exiinguia lentamente na cbimin, cu-
treguei-me aoi maiiioiiibrioi peniimcoioi.ai
ao momento em que adormec, caneada de cho-
rar e de desesperar-me.
fal foi, minlia pobre amia, a primeira noitc
que panel nene caitello.
No dia seguale, quando acordel, o* raio* do
tol atraveasaram a* fcnd.t das porta*. Oun dar
dez horas ; o repouio, o aomno tioham acalma-
do minha agilaco da ve*pcra. Encare! minha
po*ifo man fraueote, e, lembrando-ine de
meu* medo* e de meut projectos, ccniura-me
severamente de ler tldo a impralicavel idela de
d.-iai o caitello e leparar-me de meu marido,
te me recu*a.te levar a Parla Einhin loroc a
diter coiiiigomeima(eette he o meu achillej)
que me era predio tirar o inclhor partido pos-
iivel da minha policio, e que ao cabo de ludo,
em doui ou tre inezei, voluriamo* a Paris, on-
de eu achana minha familia e miuli i* amigat ;
minba aiulgat.. deverei dlier isioati ? Lcvan-
tei-ine mullo niait rasoanel tjji que na vcpe-
ra ; lomel o meu roupn, Tul abrir inhibas
porta* Interioiei, alim de gozar, atravez de mi-
nha* geloilai, da vista do parque por esta bel-
la mauliia do outono ; porque o lempo cilava
entao to bello como na veipera lora ioiu-
brio.
Entretanto, Ilermaocia, o que he um pouco
de ol no co.e um pouco de esperanca no co-
raco Elle parque me pareceu coinplelamcii-
le mudado desde a larde precedente ; o tabo-


..
r

existeni em pro da xprf6g3o empregada relcelo abaixo transcripta dol commerci-
pelo general urienla.1, sob o fundamento de unios, firmas e traplcneiros que se matri-
ml onlendida analoga, pois a vala do que cularam no me do jaoeiro do corrento
tomos expendido as diflerencas entre as anno.
las funcc,0es silo extremas.
NAO obstante to radicado se acha o cr-
dito do gabinete imperial quanto a sua ino-
ralldade, e animo juslicoao, que taos con-
i i -1 iii;i iis nao pezarnm no sen espirito, o
general Rivera ertatlendido, se as circuns-
tancias o a conveniencia puhlica o permit-
tirem. Lastimamos profundamente que na
enumeracSo de suas queixas tjulgue cul-
pado o nosso guverno, quando assim o
acreditamos, a sua recluso fui o resultado
de ii mu medula ajustada pelos alliados E
mella o general oriental a m.Vi em sua cons-
ciencia e ver que os alliados tinhatn boas
razOespara asaim obrarem, bem que podes-
sem estar Iludido*.________^_
A QUESTA DO ItIO DA PRATA.
A lula quo os alliados travaram cnm a
fora dos Pampas est para tor o sau solemne
desfecho, e se a victoria n.lo fr inliol ao
cliefo do exoicilo liborlador, so os homens
nem os elementos conspiraren! contra elle,
breve, seuo esta hora, lera baquoado o
ministro, que tilo grandes damnos tem cau-
sado a e-l i parte da America meridional.
Al milicias de quo fui portador o brlgue
nrasileiro t'enu, inda que parausas, silo
mu lisongeiras causa da juslic. e da hu-
manidaJe.
tem quo so ignoro o estado das opora-
qOVs do esercilo ao mundo do Ilustre ge-
neral Uiquiza. depoil do pronuncismento
do llozano, sabase em Montevideo da al-
tuacAo .1;...ni- mil- de IIO'M. lluvia falleci-
do 0 general Mancilla, seu cunbailo, om
conseiiuenria de um feriniento quo Ibe fez
um soldado da sua torga m Tonelero, onde
ello per loo os seus louros, disputando a
pauagem do Paran noss.i esquadra, que
gluriusimeiiti) furcnti-a. Alm deste liel
comiianh-iro d'armas, o plano do guerra
em que Rosas fundava por ventura todas
as osperancas uaufragou. Era um plano
Rottopeclln ; consislia em incendiar lies
ta poca us campos ao uurle do Buenos-Ay-
res, destruindo pastos, cavalhada, gados,
etc., oii.liiii anniquillar todos os recursos
indispensaveis marcha e vida de um exer
cilo. Por fortuna impedio a Providencia
este enorme atilintado, que momcnlanea-
menlc cili-1 iva a qucJa do tYranno. Copio
sas chuvas havia nenies ltimos quinze dias
innundado a campanha de lliieoos-Ayres,
e assim fui inulilisido talvez o nico plano
estratgico de Rosas. Em ez do cinzas,
secca e cadveres, tem ao contrario encon-
trado Urguiza gajo e aguas em abundancia,
e boles paslos, todos us presagios da mais
afortunada campanlia.
Esle presagios tem crescido por extremo
em Montevideo, e veio duplicar-lhcs a ro-
bustez Mimiin ni" das forjas navaes iu-
Rlezas, sardas e oulras iibcOos na direc^flo
de Uuenus-Ayres, com o lim de protege-
rem os seus nariorfies. Parece, pois, tSo
desesperada a siluaco do grande americano,
que supp-se que o vapor de guerra ingle?
Locvil fui'por seu podido posto sua dltpo-
sicSo.
Elle j conlava rom eslo resultado, por-
que fez com l" l,i seguianca pastar pitu-
co lomi o i arn a Inglaterra o mellior do 60
mil libras* c-lolni s, com quo i ole em Lun-
ar (< oh em Paria malar coifoftavclmente
ts itudadei do poder, c ts reminiscencia.
i!o Pabjrmu.
Foi acertado o diagnostico, diz o Cont-
inente ilcl l'lala, que Re formou sobre a gr-
vido lo i'o mal que alacava o systein
liosas desde ouo u general Urquia fez o seu
pronunciamenlo, o fcil veio a ser o pro-
noitico ciiiiili lo acerca do seu resultado
ii ninrle.
bis-noi j.i nos momentos do criso; a
perlurbacSo que se nota nas funcr/oVa vi-
taes d'aqu'lle ser informo j a excitadlo fe-
bril que Ni solire-veio a frialdad') mortal
ilas extremidades que, lunge de aoguircm
os impulsos da cab'ca, ronlrahom-so ere*
bellam-se rnnira ella, causando a toda a
economa dores agudssimas c tlesfalloci-
iiientos continuos; ludo sto silo signaos
evidentes do prximo pereciincnlo.
Os hnniens da arto andaram, pois, acer-
tados quando vaticinaram esta eatatrophe
eapresumiram prxima. Honra aos Hi-
pcrates polticos, cuja sciencia ficou Uini-
lieai estabelecida.
Applaudimos estas expressOes do peri-
dico orienta
I
Sao apreaenladoa pelo Sr. juli municipal o
irgiiinies prnccHoi para aertm julgaadoi aa
preeente lenSo.
Pretos,
Joao lfranri.cn Hegl..
Leonardo Lourenco Beterra.
I Lula da Costa.
Lu Francisco Crrala Gomei de Alinelda.
M.iiiiii 1 J.aquim.
Antonio de Farlaa Brando Cordflro.
Manoel Hento de Santa-*nna.
Mauoel Perelra da Konieca.
Ignacio Joi Gornei.
Kllseii Ferreira.
tilippc Antonio Servlo.
AJfiancado.
Uanoel da Cunta Otimn. .
O Sr. Presidente encerra a ansio convidan-
do oa Sra. preaenlea a reunlrem-ie a inanhaa
pelaa 10 horas.
i
RepartQo da Polica.
EXPEDIENTE DO DA 2t DE DEZEUBRO
DE 1851.
Ao Exm. presidenta da provincia. N.
197. Transmittindo a V. Exc, para leu
2
3osi Sironymo Monteiro.
Secretario,
N. SI. Joso Vellozo Suares, oidadfio bra-
silelro, domiciliado nesia prac, depois de
ter assignado tormo do fiel depositario dos
gneros que houvesse de receber no trapi-
che denominado Angelo sito no porto des-
ta cidade, foi admeltido a matricula na
qualdade de trapicheirodo mesmo trapi-
che em 8 de Janeiro de-te anno por despa-
cho do tribunal de 31 do jolho de 1851.
N. 95 Jos Smitii do Vascoueellos, cida-
dffo portuguez, domiciliado na cidado do
Cear com caga de commercio de grosso
(rato fui nessa qualidade admeltido a ma-
tricula a 9 do Janeiro deate annd>por despa-
cho do tribunal do 8 do dito mez.
N. 96 A Firma Social franceza Roio &II
de l.a ll.icque, domiciliada na ciJa le do
llelem provincia do Crilo Para, com casa de
commercio de grosso trato, foi nessa qua-
lidade admettina a matricula em 21 deja- .conliecimenlo, o odicio por copia iiclusu
neirodestoanno, por despacho do tribunal e documento a que elle se refere, sol a da-
do 12 do dito mez. do huntem, em que o deloR_s*lo iipplmi-
Secreiaria, 9 de fevereiro de 1852.
Est conforme
1/1 "" i'tu Fronriieo Dunrte,
UllicUI ni o,ir interino.
RESULTADO D\ APUllACA'O DOS VOTOS
PARA DEPUTADOS PHOVINC.IAES, FEI-
TA PELA CMARA MUNICIPAL DESTA
CIDADE.
Os sas. votos.
Dr. I'. F. de Paula C. do Albuquerque 713
Desembargador J. M. Figneira de Mello 69
Tenente-coronel J. do R- Barros FalcSo t
Padre Joaquim Pinto de Campos
Dr. M. Joaquim Carnoiro da Cunta
Dr. Joaquim Pir.es Machado Poit-lla
Conselheiro A. P. Maciel Monteiro
Dr. JoSo Jos Ferroira de Aguiar
Engenheiro F. do R. Barro? Brrelo
Dr. Joaquim 'Aquino Fonseca
Empregado publico U. Guedes de Mello
llr. Caetano Estellita Cavalcanti Pessoa
Tenento F. Raphael de Mello Reg
Dr. F. de Assis de Oliveira Maciel
Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo
llr. Domingos doSouza L*3o
Inspector Jos Pedro da Silva
Dr. F. JoSo Carneiro da Cunha
Dr. Francisco de Paula Baptista
Dr. A. Barbalho Uchoa Cavalcanti
llr. J. Manoel Vieira de Mello
Dr. Augusto "rederico de Oliveira
llr. Ignacio Joaquim do Souza Leo
Padre V. Ferreira do Siqueira VarejSo
Dr. Jos Filippe de Souza LeSo
Majur loo Valentim Villela
572
550
526
511
508
502
499
477
459
458
458
4t9
449
418
447
436
420
419
406
41)5
400
399
397
391
381
381
373
3G5
360
353
353
VOTOS.
351
319
311
332
3J1
328
327
Major Florencio Jos Carneiro Monteiro 393
!)r. Cosme do Sa Pereira
Coronel J. Pedro Vellozo da Silveira
Anlonio Jd>c de Oliveira
Dr. Francisco Alves da Silva
Dr. Jos Quinlino de Castro LeSo
Dr. Manuel Firmiuo do Mello
llor"" de Capibaribe
Dr. Antonio Francisco P. deCarvalho
CapitSo M. Antonio Martina Pereira
Su//penles.
Os Sus.
Dr. Jos Francisco da Costa Comes
EaCrivSo Flor ano Correa do llritlo
Dr. M F. de Paula C. de Albuquerque
Dr. II. C. de Albuqueriiue Maranhao
llr. Manoel de Souza Garca
lar. Victoriano de Sa e Albuquerque
llr. Antonio Eoaminomlas do Mello
ti". Joaquim Coricalves Lima
llr. Francisco Carlos HrandSo
llr. Joaquim do Souza Reis
llr. Jos Rodrigues los l'assos
llr. Francisco Rodrigues Solt
IK. JoSo Francisco du Silva Braga
Commeodador I). M de A. P. Fdircira
II.'. Amonio Baptista Gitirana
llr. L. Francisru de Almeida Catanho
.\ g.ii-iniil,' A. Marques de Amorim
ir. U. Jos Vellozu da Silveira
Dr. D. Augusto C. de Albuquerque
lio lata ni lano superior F. J. Pereira
Vigano geral L. A. Meira llenrique
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brilo
Padre A. F Goucalves Magallifies
Dr. Manuel Jos a Silva N.:iva
Dr. JoSo Francisco de Arruda Falc3o
Dr. Simplicio Antonio Mavigmer
Dr. A. Jusliniano da Silva Guimar3es
teem exorcicio do tormo de Pao d'AIno me
participou a resistencia que se manifestara
n quelle termo contra a execucSo do de-
creto de 18 de jiinlio deste anno; rogo a
V. Exc. que se digne dar-me as suas ordens
asomelhanto resp.-ito; devendo acrescen-
lar que essa mesma indisiiosicilo vai cncon
trando o referido decreto em outros pontos
da provincia, segundo eslou informado por
pessoss dignas de todo o crdito.
Secretaria da polica de Pernambuco, 2
de dezembro de 1851.
Documento a que se refere o officlo sufra.
Illiii. SrScientilicoa V. 8. a sublevado
da plebe deste tormo relativamente a lei
novissiaia dos nascimentos e bitos, que
revertida da inveni;,o malvada (que aem-
pre suscitam ), de que esta lei lio par os
captivar, como V. S. ver das copias inclu-
sas, sendo a do subdelegado supplente des-
ta froguezla, Jos do Araujo Nunes, datada
de honlem, por eu exigir delle, qual o in-
sulto dos moradores doRozario de Cima,
que tive nolicra Ibe haverem feito. Esle
mesmo subdelegado tem desprexado a or-
dem que Ihe dirig para mandar a seut ins-
pectores botem piquetes nos seus distric-
tos, de 31 do corrente at dia de Reis.
Rogo a V. S. queira levar aoconhecimento
do Exm. Sr. presidente da provincia a exe-
cranda indispositSo destes individuos para
resolver como adiar justo. Nao tenho
obrado contra elles, porque pJe resultar
algum disturbio, e a polioia, quem s
confio, he diminua para repeli-los.
Dos guarde a V. S. Delogacia do termo
de Pao d'Allio. 23 de dezembro do 1851.
II.m. Sr. desembargador Jernimo Martinia-
no "Figueira d>i Mello, chefa de polica da
provincia de Peroambuco.O delegado sup-
plente depolicia, Par/trio da Silva Tavaret
Coutinho.
Illm. Sr.-Levo ao conhecimento de V. S.
as simstras oceurrencias que tem havido
zonda provincial de Pernambuco, 10 de f.
vereiro de 1852. U Secretario, Anleoio
Ferreira d'AnnunciacSo. t
Clausulas eipecines da arrematado.
1.a SerSo fettas todas as obras necessi-
flcam guardadas ditas armas, queira V. S.- Iho, aempre prejudicial aos que delle vivem,
responder-me o que hei de fazer a tal res- como os pobres. O traballio ho para o ho-
peito, pois a gente baixa estilo muito au- mem a fonle da su verdadeira felicldade, e
dazes, e dizem que quem primeiro morre quando elle prende o bomem este no cuida
he 0 vigario o o escrivio. -senSo em augmentar os seus bens, alim de
Dos guarde a V. S. felizmente por mu- satisfazer suas precisOea, e seguir satisfao- rias, para que esta edifieio fique em bon
loa annos. Goil, 19 de dezembro de 1851. itoriamente o curso da sua vida. Verdade estado e nene poderjesidir, odestacamen-
Illm. Sr. alfares Porfirio da Silva Tavares Ibe, que urna nac,3o laboriosa he sempre fe- to, conforme o orcamentoapprovado pelo
Coutinho, dignisslmo delegado supplente I Hx. tranquilla e civilisadn. |Exm. Sr. presidenta da provincia, na im-
do termo de Pao d'Alho. O subdelegado de Mas urna nagilo que nio lie industrio- portancia de 6364168.
Polica, Antonio Pinto de Mallos. |sa, fallam-lhe os meios de subsislencia, lie, 9.' Tudas as obras serio principiadas no
Estconforme. Subscrevi eassignei, era sempro miseravel, e por eonseguinle tur- praxo de um mez, e concluidas no de tres
fodeverdade, Ignacio Gimes de Souza. I blenla, e entregue a discordia. matea, contados de conformidad cornos
DEM DO DIA 30. Seuhures, se sSo verdades o que vos spre- arligos 31 e 32 da lei provincial n. 'w.
Ao Exm. presidenta da provincia.N." sent, reflecli ao monos sobre a nossa sita- 3.a O pagamento da importancia desta
204.Participando a V. Ex. qun nesta data : (So, eauas neceasidades, no nosso estado obra ser feito om urna s prestarlo quan-
ordeno a todos os delegados do polica da interno, principalmente nos noasoa cerlfles, do ella estiver conecluida e em estado do
provincia, que empreguem todos os meios que obscuramoate vegUam, e cujo estado serrecebida definitivamente,
suasorios ao seu alcance para fazor desva-' deploravel, ndo pode deixar de se agravar, 4.a Para ludo o mais que nSo eativer de-
necor na popularjao ignorante e irreflectida se por acaso o amor a ordem nSo fdr im- terminado nas presentes clausulas,seguir-
s mprcsses desfavuraveis quo contra o plantado, e n3o medrar no onimudouosso se-h o disposto na refirida lei provincial
decretodo18d"junhodesto anuo Ihe tem j po"- NSo he porventura illustrando-o, e n. 268. Conforme. O seerelario A. F.
procurado incutir pessas mal intenciona- moiigerando-o quo Ihes podis fazer conha-^.AnnunciaQSo.
das, assim oomo para fazerem procjssir aos cer distinguir o bam do mal, e tracar-lhes
que amotinando a referida popularjao, pro-'0 caminho da virlule? Euvidai pois para
curam leva-la ao crime de resistir aos ftinc-! ojae Um todos os vossos exforcos, fazendo-
cionarios pblicos, que tem por dever exe- Ih9s ver que a obediencia a lei e a autori-
cutar o referido decreto, como tudo V. Ex IdaJe legitima be o verdaJeiro caminho para ~ cartas seguras, existentes na adminis-
me recommendou por seu ofllcio de horitem; libardade, e que a sujeicSo a lei he pnfo- Iracam do Crralo geral para os Srs. Anlo-
julgo do meu dever levar aoconhecimento rivel a lyrannia das paixOes aquoohomem nio Joso ueLarvainos. I lago, fcstevao Caval-
de V. Ex. o incluso oflicio por copia do de- vive subjugado, quando sacode o jugo suave nle Albuquerque, Joaquim Jos Gomes,
legado de Nazarelh soba data do 26 do cor. da lei, que he o a razio. Illustrai o vosso Dr. Jos Francisco de Paira, Jos Joaquim
povo, tao baldo dos conhocunentos mais Rodrigues Lopes.Dr. Manuel Raymundo Tel-
Declaraipdes.
357 no lugar doRozario de Cima, nos dias 19,
20 o 21 do crrente, apparecondo em dito
lugar- um boato de quo bonlem se dara ao
pudo um papel, que o sou cunteudo he a de-
claradlo da esi'iiivid.ii, e quo eu como
aulondade policial era quem o diriga,
o chegaudo eu na occasiflo em que se trata-
va de lu nolavel illusSo, iostaram-me
para quo declarasse se havia tal papel, res-
pondi-llies o quodevia, ompregando lodo o
exforco para despersuadi-los.que lal nflo ha-
via : emlim cootinuaram arrogantes Jos lli-
:i|,i beiro Aranha, tanoeiro,eLuiz, porappellido,
319 Bata, carpiu i, a extremo de me dizerem
3lg que eu mo era capaz de ler tal papel, com
312 oulras insolantes meac*** o quo ilisalmu-
312'lei por obervar quo cuncorriam para dito
304 lim outros muitos da mesma facrjilu, e apr-
rente, em que elle parece mostrar, que nflo
confia mullnos meios suasurios, e requi-
sita forca para comer os grupos, que so
apresentarein dispostos a se opporom a exe-
cncon do suproiii n -a.l i il-'cre i. Socretaria
da polica de Pernamhuco 3 Je dezembro
de 1851.
Illm.Sr.Quanlo tive de chegar a esta
commarca liquei inteirado. que o socego
publico nSo deixava de soffror suas nter-
rupQes, como tenho de expora V. S.
Na povoaco de Tacunhem, e em outros
pontos desta commarca parto, sendo a malo-
ria, do povo igooranta, e crdulo est con-
vencida, que a lei do registro dos nascimen -
tus, e bitos creada pelo decreto n. 798 de
ih lo jouii i desta anno tem por ob|ectu
o .o i vaco i da liberdrde do........o dos
recem-nascidos, que tiverem de ser bapti-
zidos segundo as formalidades prescriptas
por aquella le, da maneira que muitos in-
dividuos, surdos a vuz da persuacSo, e es-
qneciJos talvez das penaas da loi, tom for-
mado grupos, e ameaQido com morle a
qualquer juiz, ou escrivao de paz, que se
atrever dar publictdadeao edital, o oxe-
cuc3o da quolla decreto, de sorte quo .e
essa idea 13o absurda, e lerrivul como he,
nSo for xlincta convenientejionte, podem
apparacer attontados contra a vida de cor-
las, e determinadas pessoas.
A pessuacSo, ou exphca;3o da quclla lei
ao povu, e a furca militar postada em al-
guns pontos desta commarca parece que
serSo os umeos meios para sufocar ossus
principios sediciosas manifestados pela pu-
pulacao mas ignorante. O primeiro tem si-
do por mim empregado, porcm o segundo
n3o deixa desarmis diflicil, purquecum-
pundu-se o destacamento desta cidado de
vinle e tantas pracas, e sendo necessirio
suhdvidi-lo por dillerentes pontos, sor in-
sullioietite esso numero para repcllir qual-
quer rompimontu, ou excesso, que livor de
apparecer nosses lugares, onde ja so tem
reuuido mais de quarenta individuos com
o designio no delacerareTi o odilal, ou a
quom so atrever a publicar similhante le.
Esses absurdos inlroduzi Jos oa populaba
tam sido combatidos pela polica, e por in-
dividuos, que desojara a tran^uillidade pu-
blica : com tudo a vista da convicr;3o. em
que est a populaca julguei conveniente
communicar a V. S. para sub ministrar-mo
OUlrOS lllciis, mi rsourooa quo ..II'cr,-i.itii
milhores resultados a trariquillidado desta
commarca. Daos guarde a V. S. delegada
o tormo do Nasaretli 26 de dezembro de
necessarios. u liomein oscurecido pela sci- les de Menezes. Correoll do fevereiro de
encia que he um vivo raiu da suprema in- 1852. O administrador, A. J Gomas doCor-
tolligeucia, marcha mais alto a lesla de rel0'
todas as creaturas, de quom elle so reco- De ordem do Illm. Sr. director geral
nhecerei: despreza as accoos ignobeisque da instrucc3u publica, faco saber a quem
o poderiam envelecer a seus propiios olhos; conviar, quo o concurso a nova cadeira de
e sua alma gloriosa dos lliesouros da sabe- natrucsio elementar do segundo grao do
doria sasenlo muito magnnima para n3o bairrode S. Amonio do Recito, he no dia 14
moslrarasua nobreza em lodos o* proco- do corrento, na sala do lyco, pelas 9 horas
dioicnlos da sua existencia. Flix qul po- da mantisa.
luit rerum cognosceres causas. Sau cunstan- Directora geral, 11 de fevereiro do 1852.
lo respeitador,Joaquim Jos de Carvallio :"yinJ!dotru.*,(,ul0 Cezar de Me" "ma-
Siqueira Varejo.
I'ul)lcat,-;t a pedido.

nueuse archivisla.
A matricula d'aula de philosophia do
collegio das artes est aberta, em asa do
respectivo profossor em Olioda, at o fim
de Jfarogp.
O profossor de philosophia do collegio
das artes esta encarregado da matricula
Ul Oll.Url U. ,'1111,1 IOS ,la-l_ l f._ .------------------
.. vst STBft *9*a~SsE.:"'""
Appcllaco chcl n. 2134.
Appollantes Mauool Alves de Oliveira, e
outros hordeisos da hu-.d-i D. Mara dos
Santos Ferreira.
reir do Macedo. Foi juiz u
i>aIlt0a O capilSo do porto uesta provincia, em
JulKoii-se nullo o nrocasso afi 269 em virlude das orieao da presidencia faz cons-
quem passou o foilo, ja por no ser motiva- r';,.'-, j.. n u ,
da ou jurada a suspeicSo, do quo delle cu- f.3"i* SB* u \*F$K l d,e
^w?ifefxSiaPSLt2^
fe do vorda- *'f'J ** pharot das Salinas, na pro-
municipal, e n3o
do 3." Est conforme.
l n
do.Manoel Caetano Suares.
( Gazeta nova dos t ribnnats do Rio n. 9
de 9 de agosto 1818.)
COMMERCIO.
fineid do Para, sua puii'cdo, carcter e al-
cance de sua luz.
Charol das Salinas na Ponto da Atalaja,
em lalitudo Sul de zero de graos, trinta a
quatro minutos, e longitudeoriental da lllia
do Ferro de trczenlose trinla graos, trinta
e dons minutos. Apparelbo lenticular do
ALFANDEGA. systema de Fremel e Arago. Sua luz alcan-
Itendimnnto do dia 11. 19:166,231 ca dozesele milhas; he variada, eappre-
Desearregam hoie 12 de fevereiro. senta as pilases seguinles :
Barca ingleza Serafina mercaduras. Luz clara e igual, durante 70 segundos,
barca ingleza Beraza idem e ferro. Um eclypse, ou obscu-
Brigue ingle! l.a-h Falkland bacalho. ridade, 16 <
Birca austraca -- Graf Appony ferro. I Luzcressante, mui bri-
Patacho brasileiro -- Kafenfa gneros do; Ihante, o que diminue
3ui tando-me dodito Rib-iro; pois seos man-, 1851. Illm. Sr. desembargador Joronymo
'dasse prender n3o tinha por quem, e tuJo Martiniano Figueira de Mello, ctiefe do po-
era obstado e solt, o quo olles meamos me iicia da provincia, o delega lo de Nazareth
301
291
280
275
274
271
273
Guilhermmo Clcuentino Marqeus Bacalht.
PARTE ii DIA 10.
Foram presos: ordem do sub lelegado
da freguezia de San Frei Pedro Goncalves
Dr. M. Carneiro Lins de Albuquerque
. s3o harmnicas rom o nosso' Empregado publico A. C. M. Ros
pensamonlo; ellas signilicam para o Brasil Dr. L. Ilezerra Carneiro da Cunta
o seu governo immansa honra e gloria, por- I'r. C. Fenolon Guedes Alcofurado
que fui hbil direct-o do Ilustre ministro Tenante-coronel J. F. Lopes Lima
de cslrangeiros, o principal Hippocratas po- l>r. Marcos Correa da C. Tamarindo
lilico nesln qucslSo, quo se dnvem os fruc- l"". Jos Carduzo de Queiroz Funseca
tos que o Imporador e as repblicas do Pra- "r. G. Cleuienliou Marques Bacalho
t:i v3o colbeiido. Sabia poltica, cujos mag- Dr. J. Villela de Castro Tavares
nilicns icsullados scru fruidos e mellior lr. P. Gaudiano do Ralis e Silva
apreciados pela postendade, e lorSo epuca c L. Avelino de Albuquerque e Mello 225
nesl interessauto porc.lo do Universo Dr. Jo3u Francisco Duarle 223
Esses tratados que bflu de formar abaso Joso Joaquim do llego Barros 209
e 0 fundamento do nosso direito interna- Dr. Joaquim Eduardo Pina 209
cioi.al nesta parte da America, o quo o es- llr- Flix Tbeotonio da Silva CusmSo 201
pirito mesquinho e acanhado de urna bir- Dr. L. Jusliniano Uezorra Cavalcanti 201
rema o ipmxonada opposigao abucanha, Jos Joaquim Soaiesde Mondonca 203
dar.to inmenso renome au nosso governo, Dr. JoSo da S-ouza Heis 199
lorquo seiilo ovivo desmentido de taas Dr. A. Peres de Albuquerquj Maranhilo 198
o too ratultaa aggreaaOea, e cujas lgicas BveatM Antonio de oliveira Mello 19J
concluscs consliluir3o o mais c-, cr,iiu;,i.-o
diziam, e que honlem o leilor do papel
murria.
Passado isto, hontem vindo missa na
c m Un Bata, Manoel Mara, Thomiz Cabrito e seu do Recito, o portuguez Agostinho Flore,
2(S ini) io Antonio, quo om tempo exporei, isem declaracHo do motivo; ordem do
263 deixando de vir o Ribeiro, que com JoSo .subdelegado da freguezia de Santo Anlo-
2S8 Sabino e influencia do respectivo inspector, I nio, o preto escrauo Manoel, tambem sem
Flix Jos do Oliveira e Mello, e Manoel da declaracSo do motivo, o o preto livre JoSo,
Custa Oliveira, e mais outros comoprin-je Juaquim, escravo, por embriaguez e in-
cipaes autores, ficaram fra a obsrrvar o sultos; o a ordem do subdelegado da fro-
resultado: Manoel Maria, em frento do su- guozir da Boa-Vista, o portuguez Jos Fer-
Llevado grupo, tocando viola, percorre- reir da Silva, por desohe liencia, a preta
ram as ras todos armados e em ord un de Mariana, escruva de Jos Ignacio da Mace-
marcha, e as casas dos taos caberas, onde do, a requisico do seu seulior, e o pretu
recebnram applausos : tudo pru lenciei por j Alexandre, escravo, sem declararlo do nio-
ni" ter recursos, pois alm dosles estoualivo.
prrsuadiJo que m3o oceulta manoja esta'
paiz.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 3 a 10
dem do dia 11......
13:952,834
1:507,397
aldesapparecer.
Outro eclypse.
12 a
32
Un segundos
Estas phases se reptenTem cada periodo
15:460,231 de 2 minutos, ou 120 segundos.
-------_ Secretarla do governo da provincia do Pa-
D1VERSAS PROVINCIAS. r, 16 de dezembro de 1851. Miguel An-
Rendimentodo dia3a!0.. 1:147,518 Ionio Nobre secretario do governo. Coa-
5U9.072 formo.Franeiseo Xavier Uomtotnpu. Cuu-
'------ forme. O ollicial maior. Juaquim Pires
1:956,630 Micliado Portella. Conforme. O secretarlo.
ThomFernands Madera de Castro.
dem do dia 11
256
253
250
217
239
239
235
231
232
229
229
227
226
Correspondencia.
Srs. Redactores. Parece-me que um
o lisongeiro porvir.'
( Correio da Tarde.)
PERNAMBUCO
Tribunal Do ordem do tribunal do ooinui-ivio da acuri
provincia da Pernambuco, so faz publico a escusa li'ga'l.
JUKY RECIPE.
1." SESSAO ORDINARIA EM II DE FEVEREI-
RO DE 1852.
Presidencia do Sr. Heit e Sil. a.
K't nui.' lluros da iiianha.i, Celia a chamada
achani-sc pii ni, i" >i ,. jurados.
O Sr. Presidente Abre a scsaiio, multando aoi
jue d, i\u tul de comparecer aem
m
leiru de rclvacra deui verde de esmeralda,as Toquei, pulsa campauhia ; madama Claudia,
arvorrs tiuii.iiu rssas bcll.s crea arruivaac-idas crcmlu-mc adormecida, uo nuda ouaado en-
e pardas du llm do (iiitiuiu ; o rrgitodoqual se trar nn ninlia cmara; Mi*, liuplcasis tioba
k'vaulava um li^ciio vapor, brilliava ao sol cu- vludu j inuitas vesea tomar iolurmacdea mi-
mo prata, dciiauo de uuia garca ; o vento fres- nbas ; vcsti-inc com a maiur prstela possivel,
coda maobia me traiia o odur suaviisimo das c dcsci para almiicar. Antea de clirgar sala
inadresilvas selvagrns. toncadas brotadas aem de Jamar, pcrdi-me oestes iinmeaaos quartos.
duvida por accasu cm algum cantu ; cmlim ao Vistos de da e cin pleno sol, parecerain-iue
longce pastando no prado, vi um rebanho de menos sombros do que na vespera ; por toda a
aoberbas vaccas brancas e alaranjadas ; ji te parle viam-se grandes calulios de carvalhv na-
disse, o lempo era magnlrlco, eu ouvia o su- lural, ou pintados de pardo e branco, quecou-
surro de urna mullido de abrlhas, que vinham tinham-pauoeis de tapecaria com peraooageus,
sulilevacSo,
Exijo do V. S. baja de coadjuvar-me afino-
de fazer apparecer n'aquelle lugar a tran-
quillidado publica, que outr'ora all havia,
a ho mister, e se resolver, que me cumpre Remo malfase|o forceja contra esta malfada-
participar aulllm. Sr. Dr. chefo de polica da provincia, ou urna maldiQ3o nos pers^-
esta insurreic3o o farei- I Ru para que vivamos sempre asiuslados.
leos guarde a V. S. Subdelegacia da Est lolizmenle restabelecida a Iranquillida-
freguezia do Divino Espirito-Santo, 22 de de publica, que fui perturbada em alguns
dezembrn de 1851.O subdelegado sup- ngulos da provincia.
Pente, Jos de Araujo Nunes.-\l\m. Sr. al- O Exm. Sr. presidencia da provincia em
feres Porfirio da Silva Tavares Coulinbo, o sabia e prudente administrarlo, din-
delegado supplente do termo de Pao d"Alho. gida polo amor da sua patria e no meio de
Est conformo. Subscrevi e assignei em tantas o vanadas adigas, que coolinuada-
fe do verdade, Ignacio Gomet de Souta. monte oceupam de noite e da, ompregou
Illm. Sr.-Chegando-me ao conhecimen- loda a sua energa para a paciucacilj da pro-
to quo nesta povoarjJo romperam um edital vincia, que Iha foi confiada, o leve a satis-
quo foi mandado lixar pelo juiz de paz, facSo do ver cornado o seu ompenliu. I.sses
e conslando-me mais, por denuncia, quo homens quaporsua acanha la civilisacao
( ha dous sabbados ) vem porsSo do gente nao besilam abalar a ordem publica, igno-
annadaedeixam as armas guardadas para rain quanlo mal a si fazem, pois que loda
olistareni outro eJilal, quaditemsoha de alterar;3o do publicu sucego ho semore
lii.r- e coiuu se saiba de-tas cnas^uii lo acompanliada de urna inlerrupco de traba-
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO. .
Rendimento do dia II.....1:141,889
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento dodia 11.....1:197.519
M vuiicitio d'j puno.
navios entrados no da II.
Rio de Janeiro |8 dias, patacho nacional Va-
lente, de 130 toneladas, capilao Francisco Ni-
colao de Araujo. equipagem 12, carga fari-
nha e mais gneros j a Novaes oc C Passa-
;, inis, os portugueies Ignacio Jos dos San-
tos e dous Africanos livres.
dem II dias, brigue ingle Queenof theTy-
ne de 192 toneladas, capilao Alexandre Clara.,
cquipagcui 9, em lastro; a damson Hovvie
SiC,
EU1TAL.
----!------
afastada_do"Timlloliiliof|uafto"driegoa"5e^ carlina posl. sem teslemuuba ludiacreu.
no presbiterio que era contiguo Mullo contente pe a miaba dcscoberta, reco-
liii-iin-, por V"lta das seis horas, com Mr. Du-
O Illm. Sr, inspector da tnesouraria
da f.zonda provincial; em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidenle da provin-
cia, manda fazer publico, que no da 19 do
correle vae novamente a pr.n; i para aer
i, i ni it.nl", perante o tribunal administra-
tivo da mesma therouraria, a quom por
menos fizer a obra dos concertos da cadeia
veltia da cidado de Goianna, avahada em
6361/486 reis, tomandn-se por base d'arre-
lo in,il,n;o" o offerecnnenlo da tres por cont
da abale no respecvo ornamento feito por
Victorino lloreira de Souza.
A in rciiiolocoo sera falta na forma dos
artigos 24 e 27 da lei provincial n. 268, do
17 de Malo de do 1851.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematado comparecarilo na silla dass's-
sOes do ni nit tribunal, no dia cima
mencionado pelo meio dia, competente-
mente habilitadas. E para constar se inau-
dou afixar o presenta o publicar polo
Diario. Secretaria da Ihesouraria da fa-
nioiaino-oo
greja ; o cura tinha Ido visilar um enfermo.
J le disse, chara Uennaucia, que oo me re-
vuttel mullo contra essa ideia de missa resida
. oa diaa, to cara a meu marido; sabe ago-
como est, reverteremos sbreos incus CHrracs
as despesas que eu quera fazer aqui voss ve-
r isso, aera real. Quero pelo meu eiemplo re-
volucionar o rlerrjr.
Durante o jantnr, Mr. Duplessis contiuuuu
pleasls; "elle ful, segundo me disse, dar una
vista de olhos aocurral das vaccas, que tinha
todos ,< di.., Ii00.ra.meu marido; sabe ago. W| '^"U',"0n,Pen,adS ** "'""'* 'abm""a 2""ue par. o J.ular. .oda, a, Tarde., &, minha ignorancia ue.s.s .....leVi... pouco me
eis aqu como. i .. ci..ic toilette. I liiteressavain. Para dl.trair-mc, com; o r
a .groja e o presbiterio .. acha.n ao meio da urna Ir ca legan^'a h I ylv0 do e eio me (,, dau0 bas.
aldeia | uds .Ir.ve.savamos par. g.nhar o cas- ** "\ZC,",ves do c'u. goslo Sabia Una appell'te; e convm confos,a-lo,o uos.o co-
t! un t I mili.i in- ter mullo dcdixut'a :* ntiiz, Uc acciiienies, uus cocrlos de til sto t : as cor- nonos criados le acotnpaii.ial para levar o o gyro quede, coiu _
m.smo por logo e lugo cu prov, sua dedicato! Ble. d'agoa sao numerosa., rpida. ; l.a Un. leu llv.o de Ho.as, e em viole m.uu.os estir, do. mala iotercaale. | he um bomem precio- u ^ pirafa llar con. frannue... Uta nao me
cncarirgandu-a de l'aier chegar accreuiuenle grande uuiueru de nioiutios, o que da uiuita
i ti ino as miiiuas cariai ; mas deteve-me oimaco a pauagem. Temos percorrido iuji-
tuii.i falsa vergouha. > id i, seiu duvida, mais la ueidades eiu muiio idio estado, meta d
jiiuocenic do que a uifiiha correspondencia ver es habilanles, (o miieiavels pareciatn ; es-
todava hesite! em pdr-uie um pouco discrl- Uvaiaos euvcairlnho descoberto. Mr, Oupleisls
(ho de ua mulber que ua i.'io pnuco lempo es- o diriga, 0 00 assepto de detrae la o seu ad-
t comigo. Nao Lmenlo o uieu escrpulo inlulstrador ; elles conversaraui quaii constaa-
chelo mel de fazer que ininhas cartas leche- teweate de agricultura, cu quanto eu eiami-
guem s inaos sem iriglr-uie a uinguem ; re- na cslc V*L novo para inlin. Nosso passeio du*
jas logo como. rou tres ouquairohorai. Vollmos pela aldeia,
o estuu ceno que cotn os coaselhos de sua cauaou indiguacao, porque sem ler posiliva-
Esie.-um denostas criados desarranjava veba experieocU e uw esmda profundo das n"l 0"tade 'f*ormlrI eu K11'?. PHalpe:
terrivelmente os meu projectos. 4o principio elbores obras agroQo.nicas, ao cabo de u.11 br Pd. e ter-me-h.a sido desagradavcl
Oquel alterada. Umcndo vendo-me mullas anuo comecarei dirigir por wUn oiesmo as ter que fa lar do estado de doce somnoleue.a
Dodia estraiabar minhas larras : quero criar muitoi auimaes. em que eslava inergulbada. Eu uo dormi.i,
' ____J.._i______1 .. ..il.ti.ila. a >-i ma..* mima O liidtivljl n.n nannu nn aiilni n n.on ..,,;.,,.
fiq
zzt'Lz: "^'...'.'.kj-: ."r w**.. m..>.i.. ^wsa, *....!. P.n,v..... .
aliogoa nos deaie. Reneti logo qaellmlun- r.f.a de Inglaterra i f.rei construir ourrae. pen.nneu o era que me acbava maiaviluoia-
do-.ne a c.crever-.a r.r.s vexes, mas etleu.a- laaal". Eaorevl boje tiaeu arebitecto de Pa-1 mente assl.
mate, poderla, de lempo e.n lempo, partir rla.e vlslc-que a eceptao de algn, arranjoa ao .ei quanto lempo durou uto ma. come-
aem esperar um de meu. criado., ep6r a minha interiore., o caatello Ibe aprai, rotaba amiga, I cava, creio, a adormecer aeriamenle, qnando
TRADUCCOA.
Noticia oficial.
Tendo o 1 0010 n 1,n e Brewe, comnian
danta em chele das forcas nuvaes de A' SI.
Ilnimir 1 na cesta uccideutal d'Africa, noti-
licado illcialmente a este governo a sua in-
len?Io de 111 (Mu.11 mi,lo jo das ordens do
overno de S. M. para esseeffeito, oslabele-
eer um rigoroso bloqueio de iodos os por-
tse lugares, (excepto Uadagry) na Costi
de Bonin. 0 seerelario Colonial recebeu
ordem dogovernador .Macdonald, para pu-
blicar, e para ufurmacSu e governo dos ha-
hitantes desta colonia, de tudas as outras
a que diga respeitu, a seguinte noticia olli-
cial, ti ,i us ni i Lt i la a S. Exc. pelo Cummodu-
ro Brewe.
Secretaria em Treelown, Sarra Lea, 8 do
detembro de 1841. Pur ordem J. F. Smylli,
secretario colonial.
totificatfSo dobloqueio
Vapor de S. M. Britnica,
Peniiope. Serra Ltoa 6 bro de 2851.
Em cumpriment as instruccoes do go-
verno do S. M. annunciu que um bloqueio
de lodosos portse lugares, (excepto Bada-
gry) na Costa de Benin, desdo a longitude
l.alo 4" 30'a ente do Greenwich, ser des-
de ja e.-tabelecido por mim com todo o ri-
gor ; e a nen huma nuil arroi;ou mercanlo
ser pcrmittidu ter communica(3o alguma
ciim os portos e lugares interdictos tinada o
I dr j i iho i o prximo futuro (assignado) II.
W. Itrewo Commodore e cum mandante em
chefe das forcas navaes de S. SI. Britnica
na Costa occidental d'Africa. Conforme.
Francisco Xavier Bomlempo. Conforme. O
"ical maior. Joaquim PiresMacliado Por-
lella. Conforme. O secretario. Thom
Forii.ui les Sladeira de Castro.
-- Pula inspectora da Alfandega se faz pu-
blicu que no dia 14 do corrente depois do
meio da. i hade srram,tsr arn nauta pu-
fuidci.pcrt.nl. pida Imllia que Ii;. um criad.,,
ao abrir a porta. Mr. Duplessis e.fregou o.
olhos, e.lirou-.e, c linalmenle levantou-.e di-
xeudo :
- Minha chara Albina, o chd e.ti prompto
no tull ir ie quiterea atsim. jogaremos una
pequeua partid lomando o cb, cate eiercicio.
una hora i epoi. do j,nitor, he mullo laudavel
c me he mullo recoimneodado.
Como, Ihe di.se eu, ac nao lei logar o bi-
Ihar ? B
O jogo nao be sendo o pretetlo de.aa es-
pecie de passeio ; com lauto que vo.se .alba
atirir uina bola, h< tudo o que faz preciso,
eu Ihe cusinaret.
Entramo, em urna sala de bilhar, mullo
grande, perfeitamente aqu'cida, bem allumia-
d.i e aquicida de um espes.o tapete.
10/ o que roe pedia M r, Ouples.l.. O meu ca-
alo, ne.iejogo, nao foi inulto dezazado, de
etpaco aesptoo aproiim.va-ine de um velidor
pira tomar abi urna taca de cha misturado de
creuie eiquislto... oh e para comer, he pre-
ciso cunfessar-te anda, os delicioso, bollohos,
que sahlam do forno. Ao loque da. dez horas,
Air. Iluple.il. pedio os nosso. ca.lices c acoin;
danhou-inc al minha porta. De.pl-me i
prca, e foi ciin praier verdadclro que atirel-
me no kilo, onde adoi mec Idgo alegre claii-
dade do brateiro que encina miaba cba-
niuii'.
Que diilornif a, dlr-me-baa tu, cbara Herman-
la, (iiim o primeiro e o segundo da de miaba
cbrgida aqu i*
lie verdade ; maa lu o aabta, e.crevo-tc como
pea.o, como sinto.
Suspendo esta carta para contlnua-la mas
tarde,
l (mlinsMr-ff-a J


7
.-.,
blica a porta da mesma repartlgSouma por-
gSo dejcobre com 69 arrobas e 31 libras, do
forro da escu, i Lindora i endo a arrema-
tado I ivro de direilos ao arrematanle. Al-
fandega de Pernambuco l| de fevereiro de
1853.O inspector interino, lenlo Jos Fer-
nandea Barroa.
- O arsenal de guerra tem de comprar oa
objectos seguintes : aerrotea de fixas, ditna
de mo de e meio palmos, eucha de fuzl,
forma >s surtidos, goivas curvas e direilaa
surtidaa, esquadros, folha d'ago, martillos
surtidos, folha de serra de C a 7 palmos, di-
tas de 3 a 3 e meio, ditas aurtidas, arco de
pa com os ferros pertencentes, grozas cha-
tas e meias canas aurtidas, vei rumas surti-
das, limas triangulas mugas surtidas, ferros
do capa e sem capa surtidos, ferro de jun-
teira a esquerda, compaasos de a 8 polega-
las, hadantes surtidos, pedra pira amolar,
limas chalaa, dilas meiaa canas, e ditas mu-
fas das mermas qualidades, e todas ellas
surtidas, limas triangulas surtidas, i- Minu-
to os surtidos, urna safra com 337 libras:
quem os mencionado* objectos quizer for-
necer comprela com sua proposta acompa-
nhada das amostras, no da 13 do crrente
mez.
Por ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, so faz publico para cunhecimen-
to dos ioleressaos, que Tica prorogado o
praso da matricula as diversas aulas do
Lyco, at o dia 14 do corrente, nao poden-
do ni.ns ser mi mi i Mis aquellos que se nSo
matriculaiem at enlSo, seja qual fr o mo-
tivo, porque lenliam deixado de fze-lo.
Lyco, 9 de fevereiro de 1853. O ama-
nuense Hermenegildo Marcelliao de Mi-
randa.
Pela segunda secgSo da meza do con-
sulado provincial annuncia-se aos colleta-
dos no imposto de 3..... cento, e bem assim
lica at o dia 14 do corrente, por ter toda a
sua carga prompta, e s recebe escravoa a
frele e passageiros Irata-se com o mesmo
capilBo Alexandre Jos Alvos ou com An-
tonio Joaquim Ssve, na ruM da Cadeia do
Recife n. 49 segundo andar.
O brigue brasileiro Animo ,
nao sahio no dia 8 para o Rio de
Janeiro, por causa do lempo, o
que far impr'eterivelmcnte no dia
i a do corrente, os senhores que
trataran) embarcar escravos no
mesmo brigue, queiram apresen-
tar os conhecimentos em casa do
consignatario Luiz Jos de S A-
raujo, na ra da Cruz n. 33.
Para o lio de Janeiro, sahe
com a maior brevidade possivel,
por ter parte doseu carrgamento,
o brigue brasileiro Vencedor, ca-
pitao Gleto Marcellino Gomes da
Silva: quem no mesmo quizer car-
regar, ir de passagem, ou embar-
car escravos a frete, entenda-se
com o mesmo capitao, na praca do
Commercio'ou com os consigna-
tarios Novaes & Companhia na
ra (fo Trapiche n. 34-
Para a Babia, sabe em pou-
Maia Ramos & Companbia
na ra Nova n. 6, tendo de liqui-
dar nestes dias sua loja, roga a
seus devedores tenbam a bondade
de satisfazer seus dbitos o mais
breve possivel, do contrario serao
(bem a seu pezar) obrigados judi-
cialmente.
A casa de educarlo que par
tictilarmente dirige na cidade de
Olinda, o bachaiel Jos Louren-
co Meira de Vasconcellos, tem ter-
minado as suas feria3, e est func-
cionando regularmente, comosem-
prc; ainda admitle alumnos inter-
nos, para o que tem as desejaveis
commodidades.
O Sr. Concalo Augusto da Craca o Mel-
lo, tem urna' carta vinda de Portugal: na
ra da Praia, armazem n, 3.
-- Prccisa-se alugar um-primoiro andar
de urna casa no bairro ue S. Antonio, ou
Boa Vista : quemo tiver, dirija-se a ra do
Crespo n. 4, para o ajuste.
-- Engomma-se com perfeicSo e por pre-
co commodo, ropa, tanto de homem, como
desenhora : na ra da oda, loja do sobra
do n. 17.
Findo os dias da lei, se ha do arrema-
tar por venda, a propriedade do armazem
alfandegado, silo na ra do Brum, ponhora-
do a Luiz Antonio Rodrigues de Almeida,
3
-- Desappareceu de casa o africano, de I quem for seu procurador; a negocio de seu
aos de casas em que se vendom bilhetes de| geiros, trata-se com OS consigna-
loterias de outras provincias, elojas de mo- v (V Comnanhia na
das.quo a cobranga dos mencionados impos- 'anos >ovaes COS dias, O hiato brasileiro Ame-]porexecug3o de Antonio Ignacio do Reg
'a : para o resto da carga e P"M-|crWoTunPhi iU, d' **"*" ""' "*"
Precisa-se alugar um preto escravo :
das.quo a cobran;
tos ueve principiar no dia 3 de fevereiro
vindouro.
THEITHODES ZIBEL.
38. RECITA DA ASSIGNATURA.
Sabbado, 1 i de Fevereiro aa 1852.
Subir scena, depois da execug.1o de
urna das melhores ouverturas.a muito aplau-
dida opera cmica em 3 actos,
O REMENiiaO DE8MTKNA ,
ou
Um dia de Soberana.
Km S'guida ropresenlarse-ha, o gracioso
Vaudcville um -' actos.
O Cara linda
ou
O Fregador de cartazes,
ra do Trapiche n. 34-
Lcilao.
AdamsoH lloivie & Companhia, farSo
leilSo por intervengao do correctorOlivei-
m, de vaiiedada de lazendas inglezas, urnas
culi defeito, e outras romanescentes para fe-
char conlas : sexla-feira 13 do corrente as
10 horas da mauhia, no seu armasen), ra
do Trapiche.

B*
Avisos diversos.
S.'GonC/tllo cm Santo Amaro.
Quinta-foira 13 do corrente, pelas 8 horas
da noite sahira a bamlcira de um das ca-
sas da esla la de Santo Amaro do milagroso
o sempre ap.dsu inlo S Confallo, especial e
Terminando o espectculo com a nova e ,oMml uomilagre de casar a rapasiada
graciosa farga
O TOLO FINGIDO.
Pcrsonagent.
Pitorra, velho Antonio Jos Alves.
Fagote, poeta Germano.
I i'ni lio Silvestre.
Espalda, seu criado Monteiro.
Topa, soldado Coimbra.
Lambisca, tolo Raymundo.
Gacilla Emilia.
Suzaua Amalia Monteiro.
Comecara s 8 horas.
Os bilhotes achlo-se a venda no lugar do
coslume. ^^^^^^^^
Fublicacoes litterarias.
ELEMENTOS
aspirante, porlamo, aproveilem o ensejoo
metaoi seus requenmeiilos na caixiulia,
dando urna estnola como que para mais
adiantamento do negocio, assim tamhem
convida-se ao bello madamisso para tomar
parte na bemaventurada banduira aconpa-
nhandu com barandOes. em alas, visto que
na frente val a bem afinada e harmnica
msica dos Srs. jovens boavislanos, que ex-
pontancameiile se olfiTeceraui para com
suas possoas coadjuviremeo taoapplaudidu
acto: e ua retaguarda das alias irSo doze
deidades coroadas de candidas capellas, en-
toando os festivos tona do revulsivo esem-
pre apreciavol S. Cangallo de Am ranlo, em
Ctylo campestre, sendo acoaipanliado pela
msica do nono de mi.mi ti a; em seguida
llavera bailado do mesmo santo: em os noi-
tes de sena e sabbado liaverSo novenas
cantadas pelas niesmas devolas, para assim
Homaopathia. melhor serviremuo excelso Amarante, can-
Sanio a luz a segunda parle dcsta obra tando e dangaudo seuiire que houverem de
composta pelo professor homreopatha Cos- ir voltar; linjlmenle amarillece o da de
setllimont. Recebem-se signaturas para domingo. Oh! noste d a ouUo nao ha mo-
obra iuteira a 5,000 rs., no consultorio uicnto perdido ; porquo alo II horas cue-
homcDiipathicoda ra das Cruzea n. 28. He- gam uns, veslem-se outros, dangam outros
poisdapublicacaodaterceiraparte.o pro- oem gi ral lodos vam ao lemplo ouvirom a
goser elevado a 8,000 rs. para aquelles consonante orchestra.ver a dilicadaarmacao
que n3o tiverem astignado. No mesmo con- sabia oraQ3o, em summi a Testa do que-
sullono, acha-soa venda ludo quanto lio rulo S. Gougallo pelas 4 horas da larde ele-
n cssario parao esluloea pralica da lio- gantes e buin car tos galvOes deseinpenha-
iiiH-. I .itliw, Como seja : ivros impressos '3o as dilllcullosas e arriscadas lamas, e em
para historias de doentes/. rgimen* apro- seguida coineijarao a tirar as argolas se:n-
priadns para a provincia de Pernambuco, e preacompanhadas de bellas marchas, as 8
onearrega-s e do mandar fornecer iualquer horas da misma uoito lirar-se-ha a bandei-
eiicommeiida de modicamontos homceopa-
thicos, tanto avulsos como em caixas, em
glbulos como em tinturas.
Ao prelo : Vathogeneiia dos medicamen-
tos brasileiros.
ra com o mesmo prestito, e apparato deco-
roso ao mesmo sauto, emflin as 10 horas
priiicipia'3 os fandangos, divertimento
poim extenso, mas agr lavel e dilectame,
os portanlo o que ha disposlo para o festejo
TRATANENTO liOMEO-
I'ATHICO.
DAS HOLBSTIkS VKMHI.IS
e conselhos aos doenles para so curarem a
si mesmo, sem precisarem de medico;
pelo professor homceopatha
Gosct-llimont.
Sahio a luz eacha-se a venda no consul-
torio hoinceopalinco da ra das Cruzes n.
28. pelo preCO do 1,000 ra.______________
Elementos (le anatoma ephiitologia com es-\des. Gungallo se algum contratompo nao
tampas, para os curiosos em homceopalhia. houver.
Roga-se aos senhores assignanleso ob- _
sequo de mandar recebor seus exempla- Festa pompoza do gloria S, Gon-
res no rniisiiliii'i boniosopathico da ra ., r. .._:t.. A.
das cruzes n. 28. Sal' protector das santinhas da
trra.
0 dono da confeitariada ra eslreita do
Rozano faz tciente a toda a rapasiada, que
amanha ter lugar a bandeira do mes no
com lodo o aparato de grandeza seguiu- S.
do-sa at sahhado novenas, e domingo a
fostaja lardo cavalhadas e mais diverii mon-
tos; o mesmo lazscieute aos amantes do boi
e da bui nnba, quo lo Jas as noules as II ho-
ras llavera esta hrincadeira defronte de sua
casa preheiichendo algumas horas de prazor
com alguma musica de Polica quo nlo do
desempenhar varias quadrilhas novas o ex-
cellentes. o mesmo adverle a rapasia la, qu para mais commodidade da sua algibeira
asseulou de vender osseus sorvetes a 210.
-- Precisa-so de um forneiro para fura
dosla praca para urna padtfria pequea, pa-
visos maritimos.
- Para o Assu' por estes dez dias o briguo
nacional Le3o, recebe carga a frete para
aquello porto : a tratar no escriptorio do viu-
va G.udino & Filho ra da Cruz n. 60. u bt na rua j.Vlorenti'na'n. 6.'
-Segueviagem para o Acaracu para on- __ 011erecu.se um ,,ortuguez para cozi-
de lem carga, e continua areceher, o pala- I, Qu fe|lor i|o a, sjliu pertoda
cl.oEmulac.3o bem conhec.do nesla. carre- ., .' om precijar Jlfl.so a rua dll
raje recebe alguma carga para o Cear 10 |b5q1II 12
houver porcHo que conventia al. tocar Os j 8 Mapu|eun Gabriel Bez rotira-se para o
pretndante* dirljam-m ao capitBo a bordo -, a lMro, levando em sua companhia
do patacho, ou a fallar com Manoel Gon-
c.alvcs da Silva na rua da Cadeia do Recife.
Para o Assu
Sai com muila brevidaJe o brigue nacio-
nal conceicflo, capitao Joaquim Ferreira
dos Santos, quem no mesmo quizer cirre-
gar, dirija.se ao escriptorio de Manoel Al-
ves Guerra Jnior: na rua daCiuzn.40.
Para o Kiode Janeiro
Sai com muita brevidade o patacho nacio-
nal S. Jos Americano, quem no mesmo
quizer carregar, ou embarcar escravos
frele.trato com Manoel Alves Guerra Jnior :
na rua da Cruz n.40,ou com o capitao Tho-
maz Percia do Lago.
Fara Lisboa.
O brigue portuguez S. Domingos forrado
o pregado decobie deque he caiilSo Ma-
noel Concalves Vlanna, recebe carga e pas-
sageiros aosquaisofferece bonscommodo*:
a tratar com o referido capitao da Praca, ou
rom o consignalaiio Joaquim Ferreira Meu-
ces CuimarSes na rua da Cruz n. 57 segun-
do andar.
Cear e Naranh3o.
Segu em poucos dias o briguo escuna
nacional Lauro, para carga e passageiros,
tiaia-socom o consignatario J da Fori-
sca Jnior: rua do Vigario n. 23 segundo
andar; ou com o capitao na Praja.
-- Para o Cear, sahe a qualquer da o
biate Anglica : quem nelle quizer carre-
gar, ou ir de passagem, dinja-se rua da
Cadeia do Recife u. 49, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro
Segu impreterivelmenle o hiato Ange-
os seus escravos Andr, pardo, e Nortada
creoula.
-- Ouem precisar do urna ama captiva,
capaz de li/i-i com perfeicao todo b servico
do urna casa, alm de outras habilidades
que com a vista se dir, dirija-so a rua do
Hospicio n. 19 que achara com qnem tratar.
Gralificaco.
Acha-se fgido desde o dia 30 de Janeiro
pp. o negro Aiitonio de idade 30 e tantos an-
uos muito regrisla, e cosiuma intitular-se
de liberto ; lorua-se muito conln cido por
ter o segundo dedo de cada p mais curto,
o urna giaude cliaga no regeito do pe direi-
lo, e bastante preto de corpo e altura regu-
lar a pessoa quo o aprehender leve-o ao aler-
ru da Roa- Vista sobrado n. 17, quesera ge-
nerosamente gratificado.
Antonio Feneira da Costa Draga,tenlo
conlas, e letras de alguna Srs. que lem dei-
xado de pagar, uns por amsade, e outros
por relaxacOes, tanto pela parle dos seus
cobradores, cmodos devedores, roga pelo
prezente, aos meamos Srs. de virem quanto
antes pagarcm seus dbitos, na rua Nova n,
38, asegurando t 1 a coutcmplacao nos
juros; ese assim o n3o lizeren passarao.a se
rom demandados, o que sera urna vergouha
para os senhores devedores, alein dos abu-
sos cometidos alguns al 15 anuos.
AllugSo-se os 2 andares da casa da rua da
Madre de Daos n. 25, defronte da igreja : a
tratar na rua da Cadeia do Reeil'o n, 42, I.
andar.
na rua larga du llozario, loja n. 48.
-- Precsa-sode um caixeiro para venda :
na rua da Aurora n. 34.
-- OSr. Jiili.lii da Costa Monteiro, lom
urna carta do importancia : na venda da rua
do Collegio n. 5.
- Bernardo Cavalcanti de Albuquerque ,
retira-se para fura da provincia.
Oannuncianto do Diario dehontem.ll
do corrente, que chama o Sr. Adolpho Ber-
nardo Beranger, a*rua do Collegio n. 7, ea
rua da Cadeia do Recife n. 50 A, a negocio
quo o mesmo n3o ignora ; declara quo lica
sem i-lli.' lo algum, visto ter sido engao.
Ao respeitavel publico.
Conce'ta-se todo o qualquer rologio, por
mais difllc.l quo fr o concert : no pateo
da Matriz doS.Anlonio n.l8,o aflansanJo-se
o conceito por 6 mores.
-- Des-jpiiareceu no dia 9 do corrento ,
tendo sabido com um taboleiro a vender
Joce decada, a prela da nac3o Rebolo, de
nome Luiza, moca, haixinha e magra, espor
la e diligente, talvezdiga que.auda procu-
rando sennor, por ter pedido para ser ven-
dida, levou vestido de urna fazenda ja dos-
botada, panno de listras com matamese
franjas : quem a pegar e a conduzir a rua
da Seuzala Nova n. 4, ser recompensado.
O abaixo aisgaado, faz pu-
blico que ninguem receba por
qualquer frmaxjue seja,-urna let-
tra paseada, daqu-Trriia de55o,ooo
rs. a favor de Severino Caval-
canti de Laccrda, e vencivel em
todo o corrente mez, visto o mes-
mo abaixo assiguado 1er de res-
cindir o negocio donde emanou es-
sa letro, c que por isso desde j
pr testa nao paga-la. Engcnho
Bello Nonte 8 de fever-:iro de
i85a.Virginio Barboza da Silva1
A cniiiiii s- ji dos eslabelecimontos de
Caridade immla continuar com a obia do
hospital Pedro 2.', segunda-feira 16 du cor-
rente, os servontes forros e captivos d iver3o
comparecer impreterivelmenle nesle dia.o os
que o ii3o (izerem seus lugares ser3o preon-
chidos por outros.
-- Antonio llomom Ledo retise-se para fo
ra da provincia, lovando em sua companhia
sua senhora. seu sogro, e seu inauo, es
ti de nome Jo3o llonem Camello, e aquelle
Vicente Siraiva deAraujo Pimentel..
Na segn la-feira 9 do corrente, lndo
-,1'iilo a vender pelas ras desta cidade a
prela Joaquina de idde pouco mais ou me-
nos de 40 annos, n3o mais vollou a casa,
pelo que se julga fugiJa : levou vestido de
chita rocha, e pao da costa velho ; quem
dellasouber noticias ou aprenhendela leve
a sua souhora' na rua Augusta casa o. 33,
que ser recompensado.
Roga-so encarecidamente ao lllm Sr.
Cavalhei/o Germano Fraucsco do Ollveira o
favor especial de levara scena o Marinheiro
de S. /Tiop/,-em que tem dobrilhara insi-
gne alriz a lllm. Sra. D. Emilia Mathilde Va-
lones no papel da Ortenca. N3o recae o em-
presario no meio das dilllculdados que o cer-
c.1 ,ii ver por propria experiencia que o po-
vo Pernambucano nunca deixar de o prole
ger. islo Iheacooselha.
l ni Pernambucano.
Na ru do Hospicio n. 52 precisa-sc
de urna ama que engomino bom .
>"0 esorivKo Silva llego acha-sa rosi- ?
>. dindona ruado Cabug no segundo
i., andar do sobrado n. 7.
nome Manoel, no da 30 de Janeiro do mez
prximo passado, levando vestido camisa
de ma lapolflo e calsa de casimira de listras
ja usada, consta que anda pela Capunga :
quem o apprehender, leve-o a rua larga do
Rozario, no segundo andar do sobrado n.23,
que sera recompensado.
-- Precisa-se de urna arca, para casa do
homem soluiro: no aterro da Boa Vista ,
venda n. 80, se dir quem precisa.
0 bacharel Augusto Lomenha Lins, ad-
voga no i-lime o clvel, na cidade do Rio For-
mozo, oode poda ser procurado.
Aluga-se o ni mi 11 i bem suhTrivel, com
um grando parreiral, ps de sapoti, pinhas,
roinSes, bsuaneiras, baixa para capia), ca-
cimba, e casa, que apezar de n3o ser muito
boa, tem seus commodos : na rua do Seve,
junio a moradia do Sr. Francisco Xavier
Martina Bastos, a tratar na rua de S. Fran-
cisco, casa n. 10, confronto ao theatro.
-- Francisco Pereira da Silva, subdito
portuguez retira-se para o Rio do Janeiro
levando em sua companhia sua mulher Ma-
riana Izabel da Silva, o suas Albas, Maria
da Luz o Jusepbina da Luz.
0 Sr. Marcolino de llorja Geraldesdoi-
xou de ser caixoiro de Jones Patn & l'.om-
pinliia, desde 29 de janeirop. p.
Atierro da Boa-Vista n. 16.
Pooimateou cutileiro to o a honra de pro-
venir ao respeitavel publico que vai fazer
urna viagem Franca e por este motivo re-
solveu vender a proco do cusi toJas as fa-
zendas da sua loja, isto a dinheiro a vista
afiancando a qualidade das fazendas que Ihe
comprarem.
Precisa-se alugar urna pre-
la, que saiba cozinhar e engom-
mir ; bem como nm moleque : na
rua da Cadeia de S. Antonio n. 7.
- Precisa-se alugar nm escravo, ou qual-
quer um homem forro, para o servido de
urna casa estraogeira na rua da Cruz nu-
mero 38.
Precisa-sede um rapaz, para feitorde
um encenlio na freguezia deSerinh3em,ao
qual sa d lom ordeuado : na Gamboa do
Carmo n. 33.
-- O caf francez precisa de um caixeiro,
que seja diligente e unten la o francez.
-- A pessoa que Ihe faltar um cirneiro,
p le o procurar na venda da esqqjna da rua
dos Quarleis, que dando os sigoaes Mi ser
entregue, pagando as despezas feitas com o
mesmo.
Desappareceram da porta da alfande-
ga dous barris com manteiga, sendo um de
ingloza e outro do francaza : roga-se as
pessoasa quem ditos barris forem offoreci-
dos o participen! a Joaquim da Silva Lopes,
que d a melado do valor dos ditos barris
de gratificarlo.
Aluga-so por I4g000 rs. mensaes urna
boa esa torrea em Oinida na Jua di Ilqui-
dos. Pedro, n. I muito propria para mora-
dia ate do quatro Srs. acadmicos por ter
os seguiuttis commodos ; lies sallas, qualru
quarlos grandes, cozuihi, quintal lodo mu-
rado, cacimba o estribara para quatro ca-
vallos com portSo para a rua : irija-se
rua do (jueimado no Recito, loja de forra-
gem d. 37 A.
t'ffereco-se urna mullicrde meia idade
para aoia du casa de homom solteiro; na rua
da Guia n, 7.
Perdeu-se na noito do dia 7 do corren-
interesse, para o que queira annunciar a
sua morada^
Precisa-se alugar urna escra-
va, que seja boa cosiuheira e com-
pradeira, : quem a liver dirija-se
a rua da Assumpc3o ou muro da
Penha n. 16.
Nova fabrica de chapeos do sol e
tinturara, no aterro da Boa Vis-
ta n. aa. .
Nesta nova fabrica o respeitavel publico
achara um completo sortimonto de chapeos
de sol de seda e psuinho tanto para ho-
mom, como para senhora, e concerta igual-
mente, por procos mais commodos do que
cm nutra qualquer parte ; para este mesmo
osla be l nci nienin so e clin mudada a tinturara
franceza da rua Velha n. 74, tingmdo-se to-
da e qualquer fazenda de seda, I3a, algodao
e linho, tanto om obra, como empeca e
com muito asseio, assim como sa alimpam
casacas e outra qualquer ropa de panno,
que t ver aodoas, pondo-sc como novas, e,
por prerjos muito commolos.
Manool Joaquim Femantes Eiras,
99 Dr. em medicina pela faculdade do
Rio do Janeiro, acha-sn no oxercicio
9 de sua prolissao : as possoas que qui- 08
# zorom honra-lo com a sua conflanes,
9 podom dirijir-sea rua deS. Francia- j
9 co, sobrado Olazenlo numero r.s ,\ ; '-'
9 da consultas e presta-sc aos chama- 9
dos dos pobres gratuitamente^
ou sem ellos: Compra-se tambem urna ti-
poia nova, ou em bom estado: no pateo da
Penha sobrado de sotSo deffronle do con-
vento.
Compra-so urna (averna, quocsteja bem
afreguezada para a praca, sendo no bairro
do Recife : quem tiver, annuncio.
Compra-se urna casa terrea pequea,
que seja no bairro de S. Antonio, quo este-
ja livree desembarazada : na rua do Quei-
111 do n. 39.
Compra-se um moleque creoulo, de
15 a 18 do idade, pouco milis, cu menos,
para urna casa estrang*ra, que seja muito
del, bonita figura, sem vicios o nom acha-
ques : na rua do Collegio n. 4, so dir
quom he.
#?
fr*
Vendas.
Precisa-se de um forneiro, que seja pe-
rito e zeloso em suos obriga^des, d-so
20,000 rs. por mez : na padarla por baixo
do sobrado n. 106, na praca da Santa Cruz.
Traspassa-se pelo lampo de 3 annos e
meio, a ronda do sitio que fui do Dr. Ber-
nardo, com commodos para grande fami-
lia : quem o pretender dirija-se ao mesmo
sitio em Olinda defronte do convento do
Carmo, ou nesta cidade do Recife na rua da
Praia n. 29, segundo andar.
Tinturara ranceza, no aterro da
Boa Vista n. 17.
Tinge-se toda e qualquer fazenda de 13a,
algodSo, seda e linho, tanto em obras como
em peQas e com muito asseio ; assim como
sa alimpam casacas e outra qualquer ropa
do pao, que livor nodoas, pondo-se como
novas e por prreos commodos.
OcirurgiSo Bernardo Pereira do Carmo
faz sciente as pessoas que a tempos Ihe fa-
laram e mesmoa quem convier o quizer.pa-
ra por meio de um ajuste razoavel, ostralar
annualmente das molestias que possam ap
parecer, que tenham a bondade do virem a
casa de sua residencia na rua do Rotarlo
larga 11.30,para os p0derlan5aremn.de seus
clientes.
Gasa de modas francezas, madama Milochau
Bucssard rua do Alterro da Boa Vista
n. 1
Pelo navio o Havre recebeo-so um lindo
sni lmenlo das ultimas modas de Paris ;
em chapeos d'-senhoras, manteletes e en-
feitos de cabera e de vestidos. Ricos cha-
peos ; capoiinlios de rede de retros de co-
res, bordados, ditos de bico, ditos de eam-
braia ; ditos de seda, enfeito* de cabega e
toucados para senhoras; ricas fitas flores o
da e do linho bor-
. luvas ; cabocas do blo
to no logar do remedio na casa em qui hou- lts r0uioiras e camisinhas do luco bor-
ra representadlo urna clarineta toda do rna-| ()aJo inanl.s j0 t,|iide para noivas ; ricos
deira com aneis preto, a pessoa que achou 1 0jC0Se buhados ; mangas do bico ricas e
quorendo restituir pode levar na rui ^u 1 simi>len ; loncos camt>raD (Jueima.lo n, 16, que so'a recompensado. j ,iaJ0S> blCuS( transas e franjas par quares-
**^T***<****^* 1 ,,.,- mantas de Mico preto para niissa; um
ozeja-se que o Sr. Marcelino lien- sortl|Uiilo do pulceiras do todas as qn.i-
# nque Pereira declaro sua residencia |jaJes gravatinhasde lita de veludo o pul-
*> para aor procurado para negocio, e ceiras com aslivellas ricas de madre do pe-
Q espera-so que declaro por este mes- !ro|a( faz.e sempre ludo o queemcoannen-
m" jornal.______ ____________ldarem secundo as molas de Paris por prego
3T )**',v*
Jos Luis Pereira, ruga a seus devedores,
principalmento aquerles quo seus dehitos
s3o de mais do anuo queiram satisfazer-lno
commodo.
- Joaquim R ibeiro Pontes tendo contas
o letras de alguns senhores que tom deixa-
dii pagar-lho.'uns por amizado, outros por
__Roga-se as autoridades policiaes de Mo-
l -i lie-, Pao Amarello e Casa Forte, e dis-
trictos visinhos que tendo noticia de urna
preta do nomo Maria Goqueira de idade 50
annos; baixa do corpo, um tanto magra,
peritas moias arquiadas, brarjos foveiros,e
bocea meia torta do calimbo ; meia carcun-
da, muito falladoira, consta andar veudendo
marisco por estes lugares, por ser marisca-
deira, e tambem vende dilTorentes Iructose
urtalico pur ser bastante esperta ; pede-so a
todas as pessoas quo a encontrar apren iam
e facam conduzir o largo da Trompe, sobra-
do n. I que se pagar com generosidad* o
seu trabalho.
Offerece-se um mo?o portuguez para
caixeiro de qualquer casa de neitocio, de
que lem bastante pralica e da fiador de sua
conducta : quem procisar annuncie.
Tiram-se passapoiles, tanlo para den-
tro, como para tura do imperio, folhas cor-
ridas, ttulos de residencia edespacham-se
escravos, ludo por menos do que em outra
qualquer parte: quem quizer, dirija-so a
rua iNuva n 50, que achara cun quem tratar.
- Aluua-se a luja da casa da rua larga do
Rozarlo n. 16, propria para qaalquor esta-
belecimento, pelo bom local, ou mesmo pa-
ra marcineiro por ser muito grande : a tra-
tar na rua do Queimado n. 44.
Adolfo bchatlieitlin, embarpa.para o
Rio de Janeiro, o seu escravo de uaQ3o, por
nomo Benadieto.
Arrenda-se um sitio, contendo porcao
de coqueiros e mullas arvores de frutos,
com casa de rivenda e muito proprio para
se pl.iiar capim, por ser a inargem do rio :
os preteBdeutes, pdem dirigirse ao pas-
selo publico loja n. II.
eseja-se ajustar com oSr. Agrimensor
que demarcou a pouco o engenho Tapicur,
- Ofterce-se um rapaz portuguez, para para urna outra demarcaao de engenho ; no
caixeiro de venda, ou outro qualquer esta-1 pateo da Peulu confronte ao Convento no so-
belecimento : quom' precisar, anuncie.
brado desotio.
atcodia20du corrente, poisesl resollido 1 roliisac.ln tanto da'parto do seu cobrador
fheai a seu pesar) a chamar a juizo aos quo como dos devedores, roga polo presente
n3o 1 -.ue o.
Jos Luis Pereira embarca para o Rio
de Janeiro a sua escrava crioula do nomo
Maria.
-- Precisa-se alugar um sobrado de 1 an-
dar, ou pnmeiro andar as ras das Trinxei-
ras, i.uic in.-rlo, Rozario larga, n estrella,
Collegio, Uireita, Terco.llorlas, e Agoas-ver-
des ; e una preta para comprar, cozinhar, e
er..;omiii:ir para urna pessoauo paleo do Car-
mo n. 10.
Avisa-se a quem Ihe faltar
urna trouxa de ropa lavada : an-
nuncie, ou drija-se a rua do Tra-
piche n. 36, primeiro andar.
Embarca-so para a Babia, para ser en-
tregue a seu senhor, o escravo Fiel, Africa-
no, he maior do 40 anuos, portencente ao
Sr. Jos Fgidio ilotiMv ir. Mendes.
No dia 12 do corrento, pelas 4 horas
da tardo, a porta do lllm. Sr. Dr. juiz de or-
phaos, vai a praca para sor arrematado, a
quem mais der, o escravo Francisco, do na-
c.io Angola, de 40 annos do idade, avaliado
por 180,000 rs. pertencente aos herdeiros
do finado padre mestro Jos Conexivos.
-- O Sr. Antonio Jos de Medeiros Calmil,
lem urna carta vinda da ilha de S. Miguel:
na rua da Praia, armazem n. 1 de Guilher-
meSoares Botelho.
-- Francisco de Paula Cavalcanti do Al-
buquerquo, embarca para o Rio de Janeiro,
o seu escravo pardo, do nomo Jo3o, de 28
aonos do dado.
-r OSr. Jos Marcos Taveiros, tem urna
carta, ua rua do Queimado, loja do miude-
zas 11. 25.
Altencao.
Nova fabrica de chapeos de Sol no atierro
Boa-Vista n. 22 acha-sa um grande
-ultmenlo da chapeos de Sol muita
em cunta, tanto para homem.como para se-
nil ir 1, como seja de seda ou de panuinho, e
grande sortimento de pee, de seda ede pa-
panninho para cubrir os chapeos de Sol ja
usa 1.1,1 ni.iieiii concerla os ditlos peol preco
oas comino lo do quo em oulra qualquer
e parle com loda >>romptidSo,
Precisa-so alugar dous moloques : oa
rua da Cadeia n. 13.
-- P/ecisa-se de urna ama forra, nu cap-
tiva, para urna casa de pouca familia : na
ruado Pilar em Fra de Portas n. 72, segun-
do andar.
-- Acha-se farlnha nova de SSSF, (de ra-
iiiinii.i, para vender, nos armazens de Dea-
ne l'oulo & Cumj aiilua, no becco deGon-
calves.
Na primeira audiencia do lllm. Sr. Dr.
juiz dos feilos da fazenda,se bao de arrema-
tar oa seguidles objeclos : un engonho de-
nominado 11 H Malln na freguesia da comar-
do Cabo, com lodas as suas Ierras, mal-
ta e logradores, casas do engenho, de vi-
veuda e de purgar, com 30 furus e 3 balcOes
grandes, seuzalla para preos, 1 moeuda, 4
lachas e um parol de caldqs, ludo de ferro,
e outro objectos avallados em 38.000,000 rs.
e da mesma forma v3o a praca os bms ao-
ounciadus em o Diario de ernambueo de 26,
7 e 28, do oovembro do anno p. passado,
a oxcepco de alguns queja foram arrema-
tado.
Precisa-se fallar com a Sra. D. Ray-
munda- Maria Carneiro da Cunha, ou com
aos mcsinos Srs. do virem quinto antes pa,
gar seus dohitus a.rua da Cadeia do Rocife-
n. 54 assegurando toda acontemplacAo nos
juros ; e su assim o n3o lizorem passar3o
a ser demandados, oque sora urna vergo-
uha para os devedores alem do abuso com.-
metlido, alguns ate ha 15 annos.
OSr.Bernardo de Albuquer-
que Fernandes Gama, queira man-
dar pagara subscrico deste Diario.
No pateo da ribeira da S. Jos n. 15,
lava-so e engomma-se com perfeicao e ac-
ceio.
--Precisa-se alugar um molequo para o
sorvico interno do urna casa estrangeira
que seja liel o sadio : quem o tiver dirija-se
a rua do Trapiche n. 8.
s# S4i*v* f te^
4 Puulo Oalgnonx, iliuH^a "*
riuiice/..ffcrccc m IMMa 9
9 mo o poblleo par tixlos os
m mlateres > -v prottssaoi
4 pode ser procurado a qual- I
* qiicr lior em MU easa, 11a
>at rimIaisiiloRozario, u. *?
sefnndo timiai-- ^.
-- A. Ilenriques Willmor, teodo do ven-
der a grande parle quo tem no sobrado de
dous mu 11 es silo na rua Imporial, ondo osla
a fundig3o, d'accordo com o Sr, Jo3o Jos
de Carvalho Moraes. como possuidor do urna
parte, roga portanto a quem for autori.sa-
do, por urna pessoa da cidade da Victoria,
que lem lamborn urna parto no mesmo so-
brado, ha ja do appar. cor para tratar-so des-
so uogocio : na rua do Sol por cima do ar-
mazem docapim.
t abaixo assignado, nico oncarrega-
do da recebar os foros das casas da fregue-
zia do S. Jos, pertoncenles aoSr. Francis-
co do Paula Correa de Araujo, faz ver aos
meamos foreiros, princialiiieiilo aquelles
quo n.io sabem a sua moradia, do.dirigireai-
se rua das Cruzes, n. 41 com os compe-
tentes recibos, ahi pagarem oque estive-
iom devendu at esla data. Recife 9 de
fevereiro de 1852.
AuloiiKi Alves Toixera Balos.
MMI
(Jompras.
-- Compram-se escravos rceoulos, ma-
eiios femias, de 12 a 20 annos de idade,
com habilidades, ou sem ellas : na rua da
Cadeia no Recife, casa n. 8.
Compram-se para nma encommonda
do Rio de Janeiro duas escravas crioulas
ou pardas, de 12 a 2o annos, que tenham
boas figuras, e um muleque da 14 a 18 an-
nos : na Rua-Nova n. 16 se dir quem
compar,
__Compram-ae escravos crooulos'de am-
bos os sexos de 10 a 20 annos, epagam-se
bem : na rua da Cruz n. 40 primeiru andar.
Comprase urna venda bem afrenoe-
zada as ras soguintes: Gru, Lingo-la,
praca do commercio, Vigario : quem quizer
fazer dita venda dirija-se a Ru- "
Nova 11. 28.
FOLI11NI1AS .'ARA i85a.
Vendem-se folhinhas de porta ,
de padre, e de algibeira de tres dif-
ferenles qualidades,sendo urna del-
tas com o almanak da cidade e pro-
vincia: vendetn-sc uniciimente na
praca da Independencia n. 6 e 8j
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na loja de niimlezas da praca di
Independencia n. 4, vendem-se bi-
lhetes inteiros, meiiis, quurtos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio das
Casas de Caridade ; espera-sc a
lista no primeiro vapor.
Vendom-so amarras do ferro : na rua
da Senzalla Nova n. 42.
Vendo-se a loja de calcado da rua da
Penha 11 5, com poneos fundos, o ptima
armacflo; cuja loja, fice unida as outras
tambem do caljado, da rua du Livraroento,
e por coDseguiute, o milhor lugar para ne-
gociar com couros e calcado quem a poder*
ter sortida ; vende-se cum ludo que tiver
dentro ou s a armac3o, conforme convier
ao comprador; a tratar em Fora de Portas 11.
142.
Vcnilem-se saceos com fari-
iilia multo fina de Magc, a 3,600
rs. : no caes da alfandega, arma-
zem de Dias Ferreira ou na rua
da Cruz n. 4> primeiro andar.
Vende-se um ophicleide de si bemol
ainda em bom uso : um methodo para o
mesmo instrumento do bem conhecido au-
tor Cornelte e tambem um methodo
para Piano porRertiny, ludo pelo mdi-
co preco da 50,000 rs. : na rua de Santa
Cecilia n. 14.
Vende-so um vestuario, proprio para
tfile de mascaras por mui diminuto pre-
eo : na rua do Brum n. 28.
-- Vende-so na nm du (Jueimado n. 19,
ganga aniarella.para palitos o jaqueles, a
200 rs. ocova lo ; cambraia lisa com 8 1|2
varas cada prca, aa.)00 rs.
Vende-se urna obra da historia do Cori-
ua e outra da [i mliiiia Gb'isliU I na rua de
S. Tlicreza n. 201.
Vende-so urna escrava moija e robusta,
de mui boa conducta c sadia, a qual san
engommar perfeitamente, o mais 2 filhos ,
11111 niulutinlio do 2 anuos c urna pielinlia
do um anuo : na cidade do Olinda, ruada
Misericordia ao subir ao lado direito, casa
immediata ao sobradrinho domes-no lado,
que lica com ooitao para a rua do Rom Fin.
Na rua das Cruzes 11. 22, segundo andar
vende-se urna escrava cabra sem lilho com
muito bom luile para criar, e urna elegante
escrava da Cosa, bonita figura, grvida do 7
inezos o duas ditas anguila quo cozinhaoe
lavflo do sabao, o um escravo do 11.1...1 > de
40 annos ganhador de rua e nina crioula do
20 anuos com habelnladcs.
Vende-so 011 iirronda-so o Engenho S.
Rita nioontc o correte meia legoa (listante
da villa de Iguarailu'C001 proporcoes para
safrejar-so, embarque, junto ao engenho; ala-
gados, o outras proporcoes : quem o preten-
der entenda-se com o proprietario no mesmo
engenho.
Um terreno barato.
Vonde-se por preco muito commodo um
terreno com 30 palmos do frente, o 500 de
fundo na rua linpeiial do atterro dos Affo-
gados, pouco adianto do Viveiro do Muniz :
a tratar na mesma rua com o Sr. Manoel
Carnoiro Leal, na sua fabrica do Caldei-
roiro.
Vendem-se 5 escravas sendo urna linda
molata da idade do 22 anuos, ongomma, co-
se cham cozinha o faz doces de todas as
qualidados, 1 molato de idado do 22 a 23
annos, 2 escravas de idade 20 annos cooi va-
rias habelidades una dila do meia idada :
aa rua direita u. 3.
Vende-so um sobrado do 2 andarese
sollo, por prego muito commodo, no Reci-
o becco dos Burgos 11. 1! a tratar na rua da
Praia, armazem 11. 2, ou na rua do Collegio
n. 17, terceiro andar.
-- Vcude-so urna mulalinlia da 7 annos
do Miado, e do multo bonita figura : no silio
do Hospicio da senlm Viuva Cunta, para ver
o ajustar. ,
Vendo-so por prego commodo, ou alu-
ga-so urna canoa grando do 1000 a 1500 li-
jlos do alvenana grossa.quasi nova o mui-
to bem construida : a tratar no Hospicio ,
silio da sonnora Viuva Cunha.
Vendem-se saccas com arroz de casca,
pelo pceo de 2,400 rs. a sacca : no aterro
da Boa Vista, vonda n. 2.
Vendem-so cortos do cambraia de seda
do ultimo gosto, e requisslmos padrOes, a
8,000 rs. : na rua do Crespo n. 23.
Fara mascarados.
Na rua doCabog, loja do Andrade &A-
iiih 1 .il, lia para vender linissimas mascaras
de cera, com molas, para lodo o carcter,
por baralissimo prego.
. Liqutdacao.
Maia Ramos & Companhia, esto resol-
vidos definitivamente a liquidar sua loja,
na rua Nova n. 6, e por isso vendam a di-
nheiro a vista as fazendas que estarSo pa-
tentes aos compradores na dita loja: em
quanto aos prego ellescouvilam, aprovei-
lem ao oceasiao de comprar por metade do
seu justo valor.
LiquidacSo.
Vende-se na loja de Maia Ramos & Com-
panhia, a dinheiro avista, paoel para forro
desalas, o mais barato possivel; assim como
2 salas do Paizagera a tomada deRoma, ou
batalha de My peloi francezes.
- Na rua Nova n. 8, loja do barateiro, ven-
dem-se encordoagdes para raboc3o,dilas para
violos selli; muito bas cirmelas om La e
Si do 8 e 10 chave; pelo melnor auctor
fra'ncci;ophicleides do 10 chaves por An-
tonio C.jurlois; obreias do colla a 210 rs. a
caixmha ; mascaras de cera para homem e
senhora e outras fasendas mais por prego
rasoaveis.
A bordo da escona Maria Firtr.ina, ron-
diada defronte do caes do Collegio.ha supe-
Compram-se esclavos do ambos os sexos, I rior Farlnha de mandioca|de S. Malheus, que
comprendes ou sem ella, com tanlo que j so vende mais barata do que em qualquer
sejm mogos': na rq. do Vigario n. 29, se- outra perletMU-Mt.borfocomoeap.l.^
gundo andar. lean
Compra-se um pao de rede com birros, (Araujo
1 na rua da Cruz n. 33, com Luiz Jos de s.
MUTILADO
tr-




4
Lotera do Rio de .Janeiro.
aos 30:000,000 e 10:000,000 de rs.
O cautelista Salustianode Aqui-
no Ferreira avisa ao respsitavel
publico, que no dia 19 do corren-
te mez, deve chegar do Sul o va-
por da companhia brasileira, e no
dia aoo vapor inglez Teviot, con-
ductores das listas da 14. lotera
a beneficio das Casas de Caridade,
que correu no dia 4 desle mei, e
paga immediatamente logo que re-
ceber as listas, sem ganancia al-
guma, todos e quesquer premios
que sahirem nos bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos, ven-
didos na praca da Independencia
n. 13 e id, loja de calcado do A-
rantes, e na ra da Cadeia do Re-
cie n. 46, loja de miudezas.
Bilhetes aa,p
Meios 11 .o
Quartos 5,5oo
Oitavos 3,800
Vigsimos l,3oo
Lotera de N. S. do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo ders.
Na loja de miudezas da praca
da Independencia n. 4? vendem-
se bilhetes inteiros, meios, quar-
tos, decimos e vigsimos, a bene-
ficio da lotera de N. 8. do Livra-
mento que corre impretervel-
mente no dia a8 do corrente.
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,ooo
Quartos 3,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se um bom terreno para edificar
urna casa emchSos proprios, e por commo-
do prego nesta typograpbia se dir quem o
vende.
--Vende-se um bom e pequeo sitio cm
chSo proprios ccom excellente agua de be-
ber, na estrada do corredor do Hispo: nesta
typographia se dir qnem o vende.
Vende-se um sitio com uma casa mag-
niflea beira do rio, lendo grande sala a-
diante, com 2 gabinetes, e 2 alcovas, sala
igual atraz com 3 quartos e cosinha, tendo
ao todo 70 palmos de frente, e 90 de fundo,
com terreno de mais de mil palmos de com-
primeolo e grande baixa de capim adiante
da ponte de choa, a fallar na ra de S. Ama-
ron. 16. .
-- Vende-se a casa n. 25, da ra do Ale-
crim : a tratar na ra Dimita n. tu, segundo
andar.
Acaba de cliegar do Rio de Janeiro a
scguinle e importante obra: Curso de Direi-
to Cambial brazlleiro, ou primeiras linhas
sobre as letras de cambio, c da trra. No-
tas promissorias e crditos mercantis, se-
gundo o novissimo cdigo commercial, por
Jos Maria FredericodeSouza Pinto, hacha-
re! forma-Jo em scieucias jurdicas e sociaes,
1 volumeencadnrnado por 6,000. No pateo
do Collegio loja do livro azul. Be 13o co-
nhecidoo nome do autor desla obra seje co-
mo advogado consummado, seja por seus
trabalhus literarios, que nos dispensa de
qnalquer oulra recommendagSo desta pu-
blicarlo ndisqensevel ao jurisconsulto, ao
magistrados assim como a lodo o corpo do
cominercio.
Na porta da Alfandega e no
arrunzan do baraleiro Joaquim Ja
Silva Lopes, vende-se funnha ion-
tona SSSP e de Philadelphia, l-
timamente chegada.
Avsa-se as casas, que se
costumaosortir de charutos finos,
que acabam de chegar da Baha ,
as seguintesqualidades :
Deputddos.
Dcputados imperiaes.
Baionetas imperiaes.
Fama vda.
Regala.
Trabucos.
Vendem-se na travessa da Madre
de Dos, armazem ns. 4 <: (i.
Ao barato.
A venda nova da estrella na prega da Boa
Vista n. 5, esta vendendo tudo mais barato
do 1 ] <- em outra qualquer parte assim co-
mo vinho 160, 2(0 e 280 rs. a garrafa, cha a
1,600 e 2,000 rs. a libra, qneijosa 1,200 rs.O
manteiga franceza a 520 rs.dita logleza a 720
Tt., o resto s avista do comprador.
Gheguem os amantes da boa
pitada.
Pelo ultimo vapor chegado do
Ro, veio nova fornada do supe-
rior rap princeza do Rio de Ja-
neiro, em libras e meias ditas: na
ra do Queimado, loja de miude-
zas n. s5.
Vende-se uma prela creoula, com uma
illba de um mez de idade, muito linda e
com muito bom leite: n :> aterro da Boa Vis-
ta, sobrado de 3 andares n. 51.
Padaria antiga.
Apadaria debaixo do sobrado da esquina
da ra Velha n. 106, com a frente para, o
largo da praga da Santa Cruz, continuada-
mente fabrica tudo quanto he proprio des-
tea eitabeleciaienlos, capnchaudo sempre
em pregaras melhores familias que ha no
mercado, fazendo toda o possivel de obser-
var a limpeza e asaeio interno e externo,
nSo desmerecer o conceito que Um adqui-
rido no espagode 48 anuos; fazendo sem-
pre a deligencia de adotar o melbor nesta
arte, tanto anligo como moderno, sem que
admita em seu fabrico, alguna especie pre-
judicial a saude e somonte a melhor farinha
de trigo, e boa manteiga, e assucar para
a bolaxioha, biscoutioho, e fatiss, intitula-
das regala, tendo sempre um bom aorti-
mento de torraaas; observando o antigo
uzo da bolaxa Turada, que se parle em duas
melades iguaeasendo dequatro em libra,
at a menor bolaxinha de 30, a 40 em libra,
tudo prof rio para quem gosta de aboberar
em leite, ou agoa para o cha, e calle, e mui-
to principalmente para quem he falto de
denles. Igualmente' vende na mesma pada-
ria, muito bom cha brazileiro, e da India,
caf muido, aem a menor mistura, e em
grao ;sevada torrada, assucar refinado
e om carolo ; ussim como manda le-
var o pSo aosfreguezes que quizaren! utili-
zar-se, sendo logo separado a porgSo que
diariamente quizerem: tudo avoniado dos
freguezes. -
^ra(y]0!MH I 8GJJP
DA
SALSA PARRJLHA DEBRISTOL
SAlSAl'Aiimiii'lnAlS.
Cal vilgem de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, de p-
tima qualidade vinda no ultimo
navio: trata-se com Augusto C.
de Abreu, na ra da Cadeia do Ke-
cife n. 48.'
AGENCIA
da fundicSo Low-Moor.
RA DA SENZAIXA NOVA M. 2.
Nc.ste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendaso meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. I7, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se Vende potassa da llus-
sia, nova e de superior qualidade.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
. pndulas e picota para cacimba :
1 .xattiguidade da salsa parmnaae onsioi, he claramente provada, pois que ella r c r
data desde 1832. e que a de Sands s appareceu em 1842, poca na qual este droguis- : na ra do Brum ns. 6, 8 10,
la nao pode obter a agencia do Dr. Briatol. fiinlicao de Ierro.
2. A suporioridade da salsa parrilha de Bristol heincontcstavel, pois que nHoons- Deoglto da fabrica de Todos os
tinte a concorrencia da de Sands, e de uma porgad de outras preraragoos, ella tem man-1 r santos na Baha.
tidoa sua reputarlo emquasi toda a America. .,,Ih. ._ ,, .. intmiA. i Vende-se,em casa deN. O. Bieber&C.,
As numerosas experiencias felas com o usojas'lsaparilha em todas as mfermida- nt fui drfc;uz ,|godg0 transado da-
ibrica, muito proprio para saccosde
eroupadeescravos, por pregocom-
A salla parrilha deBristol data desde 1832, e lem constantemente manlido sua reputa-
cao sem necessidade de recorrer a pomposos annuncios de que as proparagOes do m-
rito podem despenser-se. Osucesso dol.r. Br.slol tem provocado infinitas ,ovejas, e
entre outras, aa dos Srs. A. R. D. Sands, de New-York, preparadores e proprielar.oa da
falsa parrilha conhecida pelo nome de Sands. j.,.,
EsteasenhoressolicilrSoernlSia a agencia de Salsa parrilha deBristol, ecomo n8o
o pudessem obter, fabrierHo uta a ImilagBo de Brisloi. oh..k.ii
Eis-aqui a carta que os Srs. A. R. D. Sands escreveram ao Dr. Briatol, no dia 20 de abril
de 18*2, e que aeacba em nosso poder :
Sr. Dr. C. C. Briatol.
Bfalo, etc.
Nosso apreciavel senhor.
Em todo o auno passado temos vendilo quantiades coderaveis do extracto de
salsaparrilhadevm. o pelo que ouvimosdizer de auaa virtudes aquelles queatemusa-
do iulganioa que a venda da dita medicinase augmentar multisaimo. Se Vm. quizer
faz'er um convenio comnosco eremos que nos resultara multa vantugem, tanloa nos
como a Vm Temoa muito prazer que Vm. eos responda sobre este assumpto, e se Vm.
vier a esta cidade daqui a um mez, ou cousasemelhanle, teriamos muito prazer om o
verem nossa botica, ra do Fulton n. 79.
Ficflo sordens de Vm. seus seguros servidores.
(Assignados) A. R. D. Sands.
C01TCLUSA5.
'Aantiguidade da salsa parrilha de Bristol,
dea originadas pela impureza do sangue,e o bom xito pb ido nesta corte pelo lllm. Sr. ra SBCCOsde
Dr. Sigaud, presidente da academia impeiial de medicina, pelo lllustrado Sr. DrAn- Jue"'"D
Ionio Jos l'eixotoom sua clinica, e em sua afamada casa de saude na Gamboa.pelo lllm.
Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, mlico do exercito, e por vanos outroa mdicos, per- relnfios de OU-
mittemhoje de proclamar altamente as virtudes elllcazes da salsa parrilha deBristol.; Vendem-se reiogios ae ou
Venie-se a 5.000 rs. o vidro; na botica deSr. Jos Maria Gongalves Ramos, ra r0 e pinta, patente inglez : na ra
dos Quarteis pegado ao Quartel dePolicia.
Lotera do Riode Janeiro.
Aos 20:000,000, 10 000,000, 4:000,000 ,
2:000,000 e 1:000,000 de rs.
Na loja da Viuva Vioira &Filhos, na ra
da Cadeia do Recife n. 24, receberam pelo
vapor Parense, entrado em 6 do corrente ,
a lisia da 20. lotoria a benefieio do theatro
de Sr. Pedro, e o resumo da extracgo da
quaita loteria a beneficio da freguezia de
S. Jos, que se acham patentes na mesma
loja, e juntamente receberam e acham-se a
venda os mui afortunados bilhetes, meios,
quartos, oitBvos e vigsimos da li loteria a
beneficio das Casas de Caridade, e trocam-se
por bilhetes premiados das loteras do Ido
do Janeiro e desta provincia.
Vende-se um pardo mogo bonita figu-
ra,proprio para pagem, ou qualquer ofiicio :
na ra larga do Rozario n. 35 loja.; e uma
preta do boa conJucta e comalgumas ha-
bilidades.
-- Na ra do Crespo n. 4 existo um ca-
vallo lazSo novo, carregado', baixo, sem
achaques para vender-se.
*VVv v>'Vv,V,^lf '# V^f *v\> v1?^ *
S Deposito de tecidos da fabri- 5
ca de Todos os Suntos,
* na Baha. i
a> Vende-se em casa de Domingos Al- *
^ ves Matheus, na ra da Cruz do lie- 4*
^ cifen. 52, primeiro andar, algodSo <
transado daquella fabrica, mutopro-
de escra-
<
^ prio para saceos e roupa ao istia- ^
? vos, assim como lio proprio para re- ^
la. des de pescar e pavios para vallas, por prego muito commodo. 4g
Queijos do Sertao.
Vendem-se queijos grandes e fres caes,
vndos do SertSo, e por prego commodo :
na ra do Queimado loja 11. 14.
Vendem-se enxadas calcadas com ac,
panellas, frigideiras, cassarollas e chaleira
de ferro frralas de porcellana, bocetas de
faia para doce, carretilhas, grelhas para
torrar pSo, almofarizes, facas com garfo,
muito linos, Collieres de metal do principe
e outras mullas ferragens por prec.os cooi-
modos: na Rua-Nova. loja de ferragena
n. 16, de Jos Luiz Pereira.
Para bailes mascarados.
Mascaras de cera e de pao por pre;o com-
modo: na ra do Rosario larga loja de miu-
dezas n. 44.
Leite sem mistura.
Contracta-ae a venda diariamente de 30 a
40 garrafas de leite sem mistura alguma,
com quem o queira ir receber no Mangui-
nho, ultimo sitio antes da ponte, do lado
direito, e da-sepor ser em por;3o, a menos
de 200 rs. a garrafa : a tratar no mesmo si-
tio ou na ra da Cruz do Recife armazem
n. 13.
Attcncao ao baraleiro da ra do
Crespo n. 14, loja de Jos fran-
cisco Dias, chitas cabocol.as, a
aoo rcis o covado.
- Ven lem-se chitas escuras cores de vi-
nh'i o da caf, lazonda inteiramento de pa-
ilnii'- novos e cores muito fixas, a 200 rs. o
Covado; ditas francezas muito superiores,
a 210 rs. o covado; ditas de quadro8 pa-
drOes oscuros e inteiramente molernos, a
200 rs, o covado ; superior atoalhado ada-
mascado de puro linho e com 8 palmos de
largura,jielo muilo barato prc;o, de 1,600
rs. a vara; alpaca preta muito lina, a 640 rs.
o covado ; cassas francezas de coros as mais
finia que tem apparecido, a 640 rs a vara ;
cassas chitas muito largas e cores fixas, pelo
baralissimo prego de 200ra. ocovado; di-
tas em cortes com 6 i|2 varas, a 2,090 ra. o
corte; cortes de cambra ia de seda cor de
carnee de roaa, fazenda do ultimo gosto,
pelo baralissimo prego, de 8,500 rs. o corte ;
idem de seda pura, lodos brancos, pelo ba-
rato prego de 12,000 ra. o corte; superio-
res brins de puro linho trancado, de ricas
cores, e novos padrdes, a 1,200 rs. a vara;
assim como outras muitas fazeodas de agra-
dar aos Srs. compradores, tanto nos pregos
como as qualidades.
Para liquidar
Faz-so lodo o negocio dioheiro.
Vendem-se por lodo o prego presuntos
bollan.le/es, proprios para fiambro o tem-
pero : na ra da Cadeia do Recife, n. 23.
Ida Senzalla Nova n. l{i
tos, mocos e de bonitas figuras,
como sejam : moleques moleco-
tes, molalinhos, negrinhas, ne-
gras mocas e dois prctos de meia
idade, por pre5o muito emeonta :
na ra das Larangeiras n. i'i, se-
gundo andar.
No escrptoro de Novaes &
Companhia, na ra do Trapiche
n. 34, tem para vender, por pre;o
commodo, carneiras de cores; cha-
peos de palha do Chile, em por-
ces; linhas de rorz edeCuma-
raes; tinta para escrever e graxa
de lustro.
Superior oleo de linhaca.
Chegou mui recentemente da
Hollanda oleo de linhaca cm boti-
jas, de qualidade muito superior :
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se offerece muitas garantas
a seusdonos ; narua da Cacimba
n. li, primeiro andar.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com camb3o de sicupira e bracos
da ferro :* na fundic3o da ra do
Rrum ns. 6, 8 e 10.
Farinha Pontana,
chegada ltimamente: em casa de J, J. Tas-
so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
Agencia de Ldwin Maw.
Na ra de Apollo n. 6, armazem de Uc. Cal-
mont&t Companhia, acha-ae constantemente
bous aortimeotoa de taixa de ferro coado e
balido, tanto raa como fundas, moendaa la-
eiras todas de ferro para animaes, agoa, etc ,
j ditas para armar em madeira de todos os ta-
venue-se na ra do trapiche DIO mannos m...i.'im um..........,,.. machn
vo n. 16.
Vende-se superior farinha
de mandioca de Santa Catharina,
por pirro muito commodo, a bor-
do do patacho brasileiro Alegra ,
Tundeado em frente ao caes do ata-
mos : a tratar a bordo do mesmo
horiMini.il para vapor, com forca de 4 caril-
los, coucos, passadelras de ferro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco que os
de cobre, escovens para navioa, ferro loglez
(auto rni barras como em arcos folhas, e tudo
por barato preco.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doltecife n. 13, Va muito supe-
patacho, ou no escriplorio de No- ror cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
Farinha de mandioca.
Vende-se saccas com superior farinha
do mandioca a presos rasoaveis : a tratar
com J. J. Tasso Jnior ra do Amoiim
0.35.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
frascos de"rii7as7extr7it~d\"l'i's'ithe, vi" ,"cite, n. 50, vende-se barris com supe-
nhodo Rheno, ditos de Cherry, Porto Ha- ,rlor. c*' em pedra, chegada pelo ultimo
deira eMuscalel de Setubal, sardinhas em n,vl de l-iaboa, por menos preco do que
latas msiores e menores, riquissimas ca- em oulra qualqner parle,
xinhas de todos os tamanhos com amen- No escriplorio de Manoel Joaquim Ra-
doasconfeitadas, muilo proprias para pre- 'wos e Sllv,> na rua da Cadeia do Itecife,
sent, presuntos americanos o inglezes para vende-se por preco commodo cal virgem
fiambre, uilos do Porto e Lisboa, milho em -lshoa chegada no ultimo navio, bezerro
IllL ( 1. ,:.-.,!.,., 1.1 k... 4. 11... -..I,-. I
vaes & Companhia, na rua do Tra-
piche n. .'.'1.
-- Vende-se milho muilo novo'^SSOrs.
o alqueire : no trapiche do Cunha) no fim
da rua da Moeda.
Vende-se,
Alm de muitos e superiores gneros,' ven-
de-se igualmente os seguidles : caf do Rio,
em pi.i (,,'ih e a relallio, massas linas, con-
servas, o excellente doce de annanaz em
Siniao de Nantua a
800 rs.
Vende-se a historia de SlmSo de Nantua,
a 800 ra. : na livraria da prafa da Indepen-
dencia n. 6e8.
Vendem-se lataa com bolaxinhaa de ara-
ruta do Rio de Jani-iro,'novos charutos es-
pruncos e Regas de S. Flix, ditos de Casta-
nho & Filho, e maia de diversas qualidades
por presos commodos para fexar conta; ta-
pioca, saccas com milho novo, uma porffio
de quartlnhaa douradas para enfeites de
sallas vindas da Babia : no srmasem da tra-
vessa da Madre de Dos n. 16.
Vende-se farinha fontana
muito superior e nova no merca-
do : a tratar com Manoel da Silva
Santos, na rua do Amorim n. 5C e
58, ou no armazem do Aunes no
caes da alfandega.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vendo-so esto compendio, approvado para
as aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
prafa da Independencia, livraria n. 6e8.
SALSA PAHRILHA DE
SANDS.
Este excellente remedio cura todas as en-
ormidades as quaes silo originadaa pela
mpuresa do sangue ou do systema ; a sa-
ber : escrfulas, rheumatisino, erup(6es
cutneas, brebuthas na cara, almoroidas,
doenfaa chronicaa, brebulhas, bortoeija,
tinba, cnohaces, e dores nos ossos, e jun-
tas, ulcar, doenfas veneriaa, citica, enfer-
midades que atlagao pelo grande uso do
mercurio, hidropesa, expostosa uma vida
extravagante. Assim como, chronicas de-
sordena da c inslituiriio, serSo curadas por
esta t0o til, e approvada medicina.
A administrarlo desle belo remedio, nos
ataques mais eslraordinarius tem sido sem-
pre seguidos pelos mais felices resultadoa
as suaa operares ; porm, o seu principal
objecto he de purificar o sangue, e limpar o
svslema de qualquer influencia de mercu-
rio. No seu modus operandi, he directa-
mente como um remedio alterativo, anda
que, indirectamenle serve ao systema como
um verdadeiro tnico. Docngas nos ossos
Sobrado ein Goianna.
Vende-ae, muito %m conta
um bonito sobrado sito na rua
do Meio, n. 58 avallado em
2:00oooo, em o qual tem parte
rsula Maria das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alves de Pava na
importancia de io7,4y3 rs. quem
pretender dirija se a caza de KaU
kmann lrm9os,ruada Cruz,n. 10,
Velas de Fsparmacete.
Vendem-se velas de esparmacete
em caxinhas de 30 Ib, em casa de
AugustoC, de Abren :na rua da
Cadea do Recife n. 48.
-- Vende-se champagne da'marca aouga
e bem conhecida, Comet, em casa de Deaoe
Yulo & uompaohia : na rua da Cadeia.
l'ctassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe uma pequea porr3o de potassa
americana, chegada recentemente que por
superior rivalisa cora a da Russia: vande-
se por preco razoavel.
-- Vende-se um escravo, moco e de bo-
nita figura : na rua da Cruz do Recife n. 38,
Vende-se na rua dos Pires, ultimo sitio
voltsndo para o Corredor do Bispo, os se-
guintesobjectos:-- 1 guarda ropa dobrado,
1 guardrlivros, 2 pares de vasos de porce-
lana esmaltados dourados e grandes 2
aparelhoa de porcelana branca para mesa,
1 guarda louce, 4 cadeiraa de bataneo, ar-
reoa novos para um cavallo de cabriolet, I
carro de 4 rodas, 1 prensa de patente para
espremer caj, 1 cama do ferro e 1 sof.
-- Vende-se doce fino de goiaba em ca-
xinhas de quatro libras em pequeas e gran-
des porgues e prego commodo : na rua das
Cinco Pontas n. 82.
Vende-se toucinho em jaca-
zes: na travessa da Madre-de-
Deos n. 4 e 6.
Vende-se para fra da provincia, um
escravo creoulo, de 18 a 20 annos : na rua
do Rozario da Boa Vista n, 14.
Vende-se um bom cabriolet, com to-
cno systema grandular; assim como as dos os seus perlences, e igualmente o seu
saccas, sebo do Porto em caixas de I arro-
ba, cha prelo solt e em massinhos de 3 em
libra, lataa com muito fino biscoito in-
fiel ; tuuo isto vende-se por menoa- do que
em outra qualquer parte : na rua da Cadeia
do Recife, n. 23, armazem de molnados.
Moinhos de vento
lustro, mercurio, linha de Roriz.retroz, fet-
chaduras do Poito, pannos e casemias
de Illa.
Ovas do SertSo.
Vendem-se ovas do SorUo muito frescaes;
cheguem freguezes antes que se acabem,
por se eplarem vendendo muito barato : na
juntas, e ligamentos, so inteiramente cu-
radas pelo uso desto remedio, sem que o
doente faca resguardo algum, quando usar
este remedio. A oppersc3o deste remedio
consiste em remover a desordem do syste-
ma, e era breve tempo o doente ganhara a
sua saude.
A Salsa Parilha tem ganhado por muitos
annoa una alta reputag3o, de ter curado
doencas mui difllcultosas, que nenhum ou
tro artigo de valor em materia medica tem
curado. He de saber que a Salsa Parilha he
um dos mais valerosas remedios que os
doctores uso em toda a parte do mundo ;
com vistas de gaoharem a cura pelo uso de
tal remedio vegetal. Porm, deve-se de
notar, que nem todas as pessoas sabara pre-
parar esto remedio, assim como esco-
Iherem a melhor parle que se deve usar em
tal preparacSo. L'm celebre Medico escrip
tor, que residi por muitos annos no lugar
aondehaa melhor produccSo da Salsa Pa-
rida disse : Seis ou oilo especies dostaa
raizes que crescem nestes bosques, admra-
me que n.io podesse amar, se nSo uma,
com o gosto, e propriedade da verdadeira
Salsa Carilla, que se t>ossa recommendar
para medicina ; poisas mais eram inspi-
das e inertes. Porm, como os mdicos
nao se do ao trabalho de fazerem a
suas proprias medicinas, mas sim confiara
nos seus habis boticarios, para a prepara-
ren^ e comporem differenles drogas. Po
11-ni de todas as preparagOes de Salsa Pari-
lha deva de ser da genuina, para que o fa-
cultativo e o publico ficassem bem fiados
as preparagOesde Salsa Parrilha a ser da
melhor qualidade. Pois he estn genuino
vegestavel, que se ofTerece ao publico; nes-
te se v combinados o ulile cum dulce ; pois
em infinitos casos em que o doente espe-
rangasalgumas linha ue viver,e grandea
quantidades de remedios experimentados,
mas sem resultado) de melhoras; mas com
esta pura Salsa Parilha, suas curas tem sido
infaliveis, pois os certificados que temos
excellente cavallo : a tratar na rua da Ca-
deia do Recife, com Jos Pires deMoraes.
Vende-se um mulatinho de 14 annos,
muito alvo, sem vicios, nem achaques, uiui-
to bonitinho e ptimo para pagem : na Pra-
ga da Boa Vista n. 32, primeiro andar.
Holachinhas de araruta.
Na travessa da Madre de Dos, armazem
n. 5, chegou uma porgo de latas com 1> .-
lachinhas de araruta muito novas e supe-
riores, que se vendem muito em conta.
Vende-se um bonito molecSo, por pre-
go commodo : na rua das Trincheiras o. 17.
Negocio vantajoso.
Vende-seo hotel commercio sito na rua
da Cadeia n. 13, com oa ulencilio; que o
comprador quizer: a tratar no mesmo.
Vende-se um forno para'padarii, no
centro da> cidade, tendo lugar para mora la
e armazem para lenba, com desembarque
na porta : o prctendonte aonuocie sua mo-
rada. -
Vende-se
Cha preto e verde, de superior
qualidade em caixas pequeas .
Veilas de espermacete de superior
qualidade em ditas ditas,
Fio desapateiro, de diversas co-
res :
Tudo em conta, no armazem de
Adamson Hoiwe & Companhia,
na rua do Trapiche, n. l\i.
Livros em branco.
Vende-se em casa de Kalkmann IrmSos ,
na rua da Cruz n. 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio.
Em casa de J. Kellr & Com-
panhia, acha-se a venda vinagre
branco", superior de Nantes, em
eom bombas de repuebo para regar bortas ,ru* do Q"e'm"l|o loja a. 14.
d baixas decapim : vendem-sena fumligo
de Bowman & Me. Callum, na rua do Brum
ns. 6.8 10.
Vinho de Champagne,
e superior qualidade : vende-se no arrea-
era Kalkmanu Irm3os Rua da Cruz, n. su
Vende-se por preco commo-
liap Paulo Cordeiro.
recentemente chegado do Rio de Janeiro .
vende-se na rua da Cadeia do Recife loja n,
50, de Cunha & Amorim.
No armazem da rua da Moda n. 15 ,
vende-se cal de Llfboa em pedra, a mais no-
va que ha no mercado, chegada no corithte
mez, no brigue Laya ; assim como mercurio
do, cal virgem, muito nova, che- &co em "'i"11"*, de'" cada uma, tudo
.o..' 'por menos preco doque em outra qualquer
gada pelo ultimo navio, por prego parte.
muito commodo : no armazem de
Diiis Ferreira, no caes di Alfande-
ga, ou com Novaes & Companhia,
na rua do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
Na f.indig.'io da Aurora, em s. Amaro,
veodem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
DE VERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia oncadernagUo, a 500 ra.,
cada um : na livraria 11. 6 e 8, da praca da
Independencia.
Superior cha nacional
em caixinhasdo2 libras, e da melhor qua-
lidade ; vende-se por prego commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
ptimo vinho branco.
Vendem-se barris de 5 em pi-
pa, com vinho branco de Lisboa,
da melhor qualidade queapparece:
trata-se na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Mor mas superiores.
Na fundigo de C. Marr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgBo muito superior
Tal xas |iara engenho.
Na fur.digo do ferro da rua do Brum,
Vende-se farinha de mandioca superior acba-se de receber um completo sortimen-
em qualidade da precedencia doPorto-Ale- to de taixas de 3a8 palmos de bocea, aa
greo a prego rasoavel: abordo do patacho: quaes acham-se a venda por prego com-
Kelicidadefundeadoem frente do caes doRa-[ modo, e com promplido embarcam-se,ou
moa, ou na rua da Cadeia, casa n. 39. i.o,carregam-se em carros sem despezaa ao
andar. i comprador.
Bailes mascarados.
Na rua da Cadeia do Recife loja o. 50, de
Cunha & Amorim, vende-se villudinhos de
diflerentes e bnlhsntes cores, para vestua-
rios de baile.-, de mascaras, e roupas de
theatro : chegados pelo ultimo navio de
Franca; assim como caigas de nina; a tro-
co de dinheiro se vendem por barato preco.
Novos cobertores de tapete a
1,44 rs.
Na rua do Crespo loja da esquina que
volta para a cadeia, vendem-se cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
preco de 1,440 rs.; em qualidade aSo oa me-
mores que tem viudo no mercado, por isso,
recommonda-ge aos Srs. de engenho que
quizerem comprar da pichincha, nSoae de-
moren), porque jaba poucos pela cslragu
que tem tido.
He tSo barato,
Que faz animar ;
Quem vir a pechincha
Nao deixar de comprar.
Na rua do Crespo loja da quina que vira
para a cadeia, vende-se panno fino preto, a
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 e 5,500 rs.
o covado; dito francez muito superior, a
6.000 rs. ; dilo azul, a 2.S00, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dilo verde, a 2,800, 3,000 e 6,000
rs. ; dito cor de rap, a 2,600 rs. ; casemi-
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500 e 10.000
ra. o corle; sarja preta de seda muito su-
perior, a 2,500 rs. o covado ; merino preto
muito bom, a 2,800 e 3,200 rs. o cojado cor-
tes de cassa dula muito bonitos, a 1,920
muitas fazendas
receido'de pessoas que tem usado destej barris de 36 medidas,
puro remedio, aflirmam da sua boa ellica- Vcnde-sc vinho de champu-
da ; pslcs certificados temos a honra de 1 ... '1;
aprensentar ao respeitavel publico, para- nhe legitimo e de superior quall-
que flquem certos, oque cima se diz, heJdade : em casa de J. Kellcr &
verdadeiro. Os proprielarios deste reme-' n____^_l:. _.... 4, p_... n K^
dio tem por muitos annos empregado lodo.,iComP,n,hllIa' n* PaDd'0
os meios pare prepararem este tSo til, e. MBlLIrxS DE rbUrt.
essencial remedio da raiz da Salsa p.riila, Vendem-se ricas mobilias de fer-
qne por fim, consegu ram aa suas vistas, em
prepararem um ISu valuoso remedio, e seus
tan lindos resultados tem enchido os pro-
pietarios de gloria, e triumpho de terem
preparado uma linda composic3o contra
doengas, que o seu-fim he destruir o corpo
humano. Esta composic9o he qumica e
nova. Esta Salsa Parilha be combinada com
ouiros engredientes que lodos elles perteo-
cem classe vegetal, e todos com o poder
de purificarem o sangue. O doente que usar
desta composigo, pode contar que tem o
mais ellicaz remedio, para a sua enferrai-
dadeusa. O nico agente nesta cidade he
Vicente Jos de Brito, oa rua da Cadeia do
Recife botica n. 61.
Vendem-se barris com breu,
por preco commodo, e cm lotes a
vontade dos compradores : na rua
do Trapiche n. 36, cscriptorio de
Matheus Austin &c Companhia.
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com braco e sem elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann Irmaos, na rua
da Cruz n. 10.
Molduras douradas
de (odas os larguras : vendem-se no arma-
piii de Kallkmann IrmScis.ruada Cruz n. 10
Cobertores de algodao.
Superiores cobertores de algodao de di-
ferentes corea, tecidos a dous fios, muito
grande, tem todaapplicacao era urna casa de
familia, por servir para meza de engora-
mado c forrar camas e mesmo para escra-
vos, pelo diminuto preco de 1,410 rs.: na
rua do Crespo n. 6.
Grande fabrica de chapeos de sol,
de J. Falque la do Collgeio
n. 4.
Nesle novo estabeleeimento recebeu-se
um novo e lindo sortimentode chapeos de
Sol dos ltimos gostos, tanto de seda como
de paninho para homens e senhoras, de ar-
magilo de baleia e de asso que se vendem
per menos preco quo em outra qualquer par-
le ; grande anrlimento de chanialole, sedas
c paninboa em pega de todas as cores e qua-
lidades para as pessoas que quizerem man-
dar cobrir armages servidas. Completo sor-
limenlo de balelaa para vestidos espartillar
para senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
concerta-se qnalquer qualidade de chapeos
de sol: todos os objectos cima mencionados
se vendem em porgan e a retalho, por preco
quo agradara aos freguezes a vista da quali-
dade.
Vende-se um sitio com casa de pedra e
cal, com bstanle arvoredos e boa agoa para
beber, na estrada de Joo de Barros, chaos
proprios: a tratar na rua da Cadeia do Re-
cife n. 30.
Escravos frgidos.
Desappareceo no mez de novembro do
1851 o prelo Gongalo crioulo que representa
ter 40 e tanloa annoa, altura e corpo rotu-
lar e barbado, tem falla de denles, o beigo
superior virado para cima eno meio tem
uma pequenaci catriz, este he o algnal mais
claro que elle tem quando falla, he rir-ae e
rreganhar os heigos, he muito ladino e
muito desembarcado he carrero e tem
muitas habilidades : quando fugio procu-
rou o Sr. Dr. J0S0 Antonio Cavalcanle de
Ibuquerque para o comprar e dahi lornuu
a fugir: quem o pegar pode leva-lo so
mesmo Dr. morador em Igoarass, e no
Recife na loja do major Kirmino Jos Ro-
drigues Farreira, no Passeio publico, que
ser muito bem recompensado.
-- No dia 3 do corrente mez dessppreceo,
indo pura o Poco conduzindo um balsio
com garrafas o utros objectos, o negro
Beneeito de nagn, de idade de 25 annos
com os signaea seguintes : baixo, cor, o re-
Toreado, rosto largo e redondo, e olhos
avermelhados, faltando-Ihe dous denles ni
frente da parle superior; levou camisa d'al-
godSo e duas caigas, uma de panno preto
com uma (vela atrs, e oulra d'algodio
zul,e bonet de panno uzado : o qual foi
comprado a senhora do Sr. Dr. Arruda em
2 de dezembro p. p.; consta andar na Boa
Vista procurando frete, e no dia 7 ter perdi-
do um bilhete de prolecgo em orna venda
defronte da Soledade (Igreja) o qual lite lo
negado : quem o pegar leve-o a botica da
J0S0 Moreira na rua do Cabug n. 11. qu*
era gratificado.
Uesappareceu no dia 3 do correle uma
negra de nome Minervioa as vezes rouda-o
para Felicidado.tem falta decabello no can-
to esquerdo da cabega, rosto pequeo com
Malhos pouco vizivea, pe'rnas muito linas'
levou vestido de Lanzinha verdeja desniaia-
do, eotraz com o corpo descido feito sais-
o panno da coala. Tambem conduzio umaca-
rs. ; e outras mullas fazendas por prego Vendo-se a barcaca Feliz Destino.nova, [ eca toda pintada de azul com que venda
commodo. I de 35 caixas, muito bem construida, e bem agua : quem apegar leve-a a ruada Senzal-
-- Vendem-se velas deespermscete, em| apparelhada, por preco commodo: quem a na Velba n. 22 primeiro andar ou a fundigo
caixas, de superior qualidade: cm casa del pretender podo examinar no -caes do Ha-, da ruado Brum ao caixeiro da mesma.
J.Keller& Companhia: na rua da Cruz nu-[ mos: a tratar narua da Cadeia do Recife
mero 55. 1 n 30.
\t v
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETB2435FJ_3NUM85 INGEST_TIME 2013-04-12T23:38:51Z PACKAGE AA00011611_04416
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES