Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04415


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVHI
Quarta feira 11
DIARIO DE
beijo da OBcnipgio.
PlOlMBNTO Aduntido.
Por trimwlre............ 4/000
Por semestre, ti........... 8/000
Por aimu........i..... i:./ii,hi
PaQODXNTIO DU TniMESTrl.
Por quirtel ............. if<00
NOTICIA! SO 1MFCHII)
Para..... '2 clr J.ineiiu Minas. '|3 de Jmr.
Maranhao 7de di(o |S.Paulo. 10 deNovbr.
Cear... de dilo. R.deJ.. 11 Parahiba. (i de l'evr (labia... 17 de dilo.
DI ARDA iniAafA.
9 Seg. S. Apolonia v.
ni 3. Ansberto.
10 Terc.S. F.scolastlcav
11 l.lii,irc.S 1,1/ tu'.
12 ..iiinii S. Eulalia v
111. S. Mn l.'.lci,
13 Sen. S. Gregorio 2.
14 Sab. S. Valentn m
15 li.Hii. Sexagsima lv
taeode S. Paulo.
AUDIENCIA,.
Jm'iod OrckAa
.! e ,'i. s lOborai.
1. varadociwl.
3. e. ao lucio-dla.
Faxenda.
3. e6.a 10 horaa.
2. vara do civil.
4. e sbados ao melo-d,
Relacao.
Tercas e libados.
iniHIBlllII.
drcente i 28, ai 6 horas e 31 m nulos di m.
Chela a 6 as 6 horas e 46 miamos di larde.
Mlngoante 11, as 7 hora e 44 minutos d*m,
Nora i20, a 1 hora e 24 minutos da ni.
HIAMAH DI BOJI
Prlmein s 3 horas e 42 minutos da manha.
Segunda s 4 horas e 0 minutos da tarde.
de Fevereiro de 1852.
N. 33.
PERMMBKGO.
i-
l-ABTIDAB DOI OOBHKIOf.
ilanna e Parahiba, s segundas e seitas-
felras.
llo-Crande-do-Rorte, todas is qulntas-felras
lmelo dia.
Iinnhuns e Bonito, i 8 e 23.
n-VIsti, e Flores, i3e 28.
ii'inria, ,-is qulntas-fclras.
nda, todos os das.
NOTICIAS TKINCtIBll.
Portugal. 17 de Janr.
Ilespanbi, m de dito
Franca ... tf de dito
Blgica... 3 de dito
Italia.... 4 dedlto
Alemanha. 6 de dito
Prussia ... 5 dedlto
Dinamarca I dedlto
Russia... 30 de Dctb,
Turqua. 29 de dito
Austria.. 5 de Janr,
Suissa.... 3 de dito.
Suecii... 3l de Dezbr.
oglaterra 8 de Janr
E.-Unldos 24 de Dezbr
Mxico... 29 de Novbr
California 20 de dito
Cblll. 2t de dito
Kuenos-A. 8 e Novbr
Montevideo lOdc Jaur.
EXTERIOR.
REVISTA POLTICA DO PI1ATA.
Montevideo, 5 de jaoelro.
que bao de recahir sobre o coauuercio estraa
gelro.
Durante os ltimos qulnzc dias nada velo; Esta campanha comeca sob taes auspicios
perturbar a per(elta trauquillidade de que goza a capital. Na slluacao politica tambcm nao bou-1 poca para a a merica do Sul ; he esta a crise
ve altrraco, e tudo loduza crer que mantera o que devc elaborar o seu futuro. A liumanide
statu quo al rcunio das cmaras. I teri talvez que deplorar males Inevitavels po--
Sea poltica permanece estacionarla, o resul- rcm | que principiou devc receber todo o des-
lado daseleices para a representado nacional envolvimenlo .le que for susceptlveL
produsio urna revolucSo favoravel. Os inlinigo I Se algum palliativo insumcieiite nao vier ler-
da paa, e da fusao dos Orienlaes dimiuueinl mina-la antes de lempo, esta crisc produiidir
progressivamente, c toda a furca mural que de certo, cuino succedeu na Europa, depols dss
aquella opposicuo perde he atrahlda pelo gu-jsua convulsoss do principio do seculo, um p-
lelo ; o papel inm' l.i nao (ein valor, i) deacredl- r,i dispensar em qualquer iiulr.i irregula'i-
lo dote pcincipal recurso governalivo.do dk-.rUile, ou seja da delicio, ou seja de defeito,
Mador he un presagia certo da sua prolima quar publica, quer secreta, ou em quilquer
queda i dcsgra5ad.me.1le prepira desastres ,,., inc,p,c'3lde ou nh.biddede.iui.-
vcriiielhoi, mu ultra-brancos : contenta-ser branceiio s ambifiles particulares, a paz ha de
coui o programma poltico da fuso, ilo lie, [ facr desapparecer o rtloado da_espada,
do partido nacional que se cunstiiuio desde u
J. ti A~ _-...-.-- _?_______________.'J_ lk. .._ .
da 8 de outubro, pori|ue csse partido Ibc pre-
ludie prosperidade uo interior c dignidade no
exterior.
Ella rcvolu[o lavoravel ha de entretanto
esenvolver-se uiais quaodo n luz liver pene-
trado no meiodas masas, quaudoos verdadei-
ros patriotas, as itilelligeocias privilegiadas se
tiverem entendido para formarein un eonjunc-
to de ideas coniiiiuus que possam reaiisar-se ;
quando o amor proprio ou uina va ambico
nao dividirem jos melliores cspiritos nasci-
dos para syinpatisarcm, coucoi'dareiu c reuni-
rciu-sc ; ento haver un centro de aeco, uui
ii,u Icriniuanlcmeatc deliuido c uina marcha
ajustada deque ningucm se apartar. Al ago-
ra Iciuosandado scui norma ; porm ludo pro-
pende parase formar una, e quando ella exis-
tir operar-se-ha rpida c invciicivclineute na
llepuLlica Orieutal una prufuuda rcuovaco
jiela nica furca da opioio.
Compele assembla legislativa, que dentro
em pouco vai reuuir-sc, lazer os pussiveis es-
foigos para que se rcunatu todus os amigos da
paz sobre o terreno da unio. Ento se aconle-
cimeulos ulteriores os cbainareui a defender a
iudepeudeiicia nacional e a manicr as nossas
instilulcdes liberaes, a corroborara sna aeco,
o ebefe do poder executivo e os seus ministros,
para cumprirem a sua inlsso, rlvalisaro ciu
zelo, valor e patriotismo. Garantir a constitui-
co em o nosso paiz lu abalado, crear cun es-
ineronuvos actos politicos, be uina tarefa .rao-
de c ardua que reclama os esfurcos de todos, c
que os nossos deputados se eiupcnharo em
deseuipentiar.
Nessa obra de consclencia e de dever no se
esquecer nunca, sabciuo-lo de certo, que
Oriental. )
'Inrnal do t.ommercio.)
Encyclica do summo pontfice Vio IX a latios t>
pnlriarchas, primazes, a'cebispos, bispos e
de mais ordinarios em communhto com a
Sania S Apostlica
Po IX, Pa,iaVenerareis irmSos, saudoe
bencSo apostlica. Tela oulra nossa ency-
clica desto mesmo dia haveis de tor visto
com quo solicitude tomos appellado para a
vossa esclarecida piedade a fim de que no
rneio de lanas e tilo g'aves cilami lados co-
nloas que alligem a sociedade clinsiaa e a
civil, vos despozesseis a fazer em vossos de-
vores rogaces publicas para implorar a m-
suricor na divina. E havenlo annunciado
na citada encyclica que por este molivo abri-
ramos do novo os celestises Ihesouros da
igreja, pelo mesmo vos dirigimos as presen-
tes letras abriudo ditos triesourns.
Assim pois confiando na misericordia de
Oeos omnipotoute e na autoridade de sous
apostlos os bomaventurados S. Pedro e S
Paulo, e n virtud daquelle poder de atar
o desalar que nao obstante a nossa indigm-
dade, nos concedeo o Sr., pelas presentes
letras concedemos plenissima iniulgoncii
de lodos sous pca los em foriDa de jubil"0,
indulgencia que poler tambem applicar-
se ein sulTragio pelasalmis do purgatorio,
a todos e a cada um dos liis de vossa dio
qtarr modo conlrallida,
Tito pouco he nossa intenglo derrogar de
modo algum pelas prsenlos letras acons-,
tituicllo com suas declaracOes adjuntas dada 1848.
por nosso prodecessor de feliz recordacSo,
Benedicto XIV, a qual comeca Sacramento
Penlenciet cerca da inhabili iadede absolver
o cmplice e a cero da obrigacao da de-
nuncia ; nem intentamos tHo pouco conce-
der a faculdade do absoivor aos que li.sj.1-s
CAHBIOSDE 10 DK riVEDElno
Sobre Londres, a 7 Paris,
> Lisboa, 90 por cento.
META El.
Ouro.Oncas hespanholaa.. ...'..'.t*
Uoedas de lijlii'i velhas.......
a de G400 novas.......
a de4/000..............
Prata.Patacfles braslleiros.........
Pesos coluinnarfos..........
Ditos mexicanos.............. 1/80O
BBBSBBBBBSSBaiBSSSBaaaaaE^ -
28/,'iOn
Voto
lenm
9/100
11920
1/S!0
ublica na Saboia; mas a tranqulllldadc no ida freguezia de San froi Pedro Goncilves do
a sido por Isso perturbada. [h>cfe, os prelos Benedicto, escravo de
Gratas 4s sabias Instiiuiccs que nos regein| Ailulpho de tal, requisic.lo de sou senbor,
os he dado contemplar quasl de bracos cru-|U Luj oscravode Hanoel Francisco de Pan-
os o espectculo que us ollerccc urna nacao No^oiiionto. por suspeito dnanlar fu-
miga, porem que nao pode excitar da nossa I". "*,"''.' r. -___ .
arte senao urna apreclatao cada di. niais viv >io "ru0fn d subdelegado da freguezia
os beneuclii que nos procurou o pacto deN Boa-Visl, Sebastio Jos da Panno,
' Iti-rn.i')iiin Jos de Rosas, Jacintno Augus-
(Presscj jto do Amaral, Jos Casimiro da Luz, e Jos,
fescravo, sam declaracSo do motivo; e a do
[subdelegado da freguozia da Varzea, o pre-
to Filippe, escravo, tambem sem declara-
DA PRXIMA SESSOl DO PARLAMENTO
INGLEZ.
Bill ilc reforma eleiloial.
91 Jo OMina(lt>aexcominuiigados, suspensos! nei prximo he um blll de reforma eleitoral diri|lo o subdelegaili) da freguezia (I
verno quesaber'aurareiu-li iiiiinidi^uma-t'iudy iiileiraineule'oppoaio io que liic prece- x iiilerdilos, ou daciaridoa lQCUisui om ou que lord Jhr. Hensei deve prepor! A imprrn-| Sin Fre Podro Goncalves, se ver que os
te. A Repblica Oriental nao quer nem ultra-'deii; o pcnsaiucnio dobem ge ral ser nelle so- Iras senteucss e Censuras por nOs 6 pela S
Apostlica, ou por algum prelado, ou juiz
ccclesiaslico, salvo se dentro do dilo inez s<-
tislizerouia sua obrigacSo.
E so a juizo do confessor no poderem si-
tisfaser dentro do dilo prazo concedemos
s appoiara o seu um. m, ruduzr a escravidilo pessoa livre,
I, e pOr um teriiiu pe|a denuncia que dra contra ello Luiz An-
XuS*ss$ rio '"s ,:ena.'e .qu"1.10 Bo, crir
1 ,1. ,,,,,. rw.lj. 1.1 I C .1 I.ir 1 i ., i I ,', 1 ,
Copia a (/ue se re/eie a parte cinu.
Illa. Sr. Cumpre-me commiinicar a
V. S. que liavendo denunciado ne.-ta subdo-
legacia l.uiz Antonio Goncalves Pena, .....-
cezo, liomens o mulheios, quo dentro do
prazo do um mez que cada qual lio vos mir-
umeabase do ediiicio socialrcsidc no comple-lcar, ei contir desde o dil que Clda qual
xo das douuinas moraes que se apolain noi Je v0s lixar, conressando Seus pecadas nu-
pri..c,piosreliglusus. tslas sao as inais e evadas |i|t deteslaeao
garantas da ordem, da paz, as que se liarino-l __ """" "j" ________ .
ms.... mclhor com um reKiiem de inslituicoei 0*P'Hos com a absolvicno sacremeulal
veidadeiramentc cousliluciouaes, com a dit-| receborom com revereucia O SantiSSimo Sa-
mdade humana, ijuanto uials um poro pro-, cremento da Eucarista e visitarem tres
gride na carreira da liberdade, tanto mais iui-l igrejas que designardes, ou urna dallas por
porta corroborar nos nimos o inipciio dos f ires vezes e lili por algum espado de lempo
sentinirntus patriticos, religiosos c de contra- dirigirem a Dos piedosas preces pela exal-
teroidade. | tacSo e prosperidade da sania madre igrej
Esta pul lea sublime, generosa, patritica J s apostlica, pela extirpado das lle-
ulle acaba de uroclaroar-se uas elelcuei encun-1 "k n"" r _____
tiara numerosos adberentes na nacao c defen- res"s- PelJ Mz e Concordia entre OS prinCI-
sores na imprcusa. pes cluisiSo e pela paz e uiuao de todo o
Pela nussa parte defcnile-la-heinos com a in-!povo clinsto ; o que deuiais durante o ja
deprurlencla que nos compete, com a inde-1 mencionado espaco de tempo jejuarem urna
pendencia que acoiisclha, illustra, adverte c [ vez e derom alguma esmola Bus pobres e
iu insulta, com a Independencia que compre- alguma olTrenda .segundo Ibes dictar SUa
bende e honra as iniencocs, anida quando jul- :evoc3 para a religloSISSina'Obia da pro-
gaterquedesappruvarum.ctuouaponiarun. ()aKaJ;,u d, f,, (ubra que roCommendamos
sa se oceupa inuito ja cun estagrandcqueslau.! motivos por que filra preso Manuel Josquim
Cada dia se fazein mcctiugs as tavernas. cada' Marques Vianna, de quo traa a parte-de 7
orador faz leu discurso, e declara a lord John Jo crrente, so verilicaram quanto ao cri-
Russelcomquecondices appoiara o leu blll. |m, Ul! rjzr a escravidilo pessoa livre,
Ampliar a base eleitoral, -
escaodalos de corrupeo
que so como o apndice *
quo possao ser absulvi Jos, porem somente tal lie o lim da nova le, da morlo pelu fado desolar desenterrad!)
para que possSo ganbar as indulgencias des-j A reforma, a que lord Grey ligou seu oomc le jubileo, impoudo-lhas a obrigacSo de si- ha vinte asnos, devia tambem pelu crescimen- de um motior, que, segundo consta, fra
tisfasor logo que o podurem. '" numero dos votantes, c pela destrulco por elle assassiuado ha dous annos pouco
Outorgamos e concedemos lulo o que ii- dc ce.rl0' busos, ata ar nessaa funtcs esta cor- mais ou menos,
ca dito, nao obstsnto qu.esquor constitu-, ru.p,f" ,ccuUr- Consigui ella Isso?
coos e orJen?5oas apostlicas que naja, e, Jt^^SS IwS! f.V.,?ame*rVm
contrario, todas o ea la urna das quaes anda as pei^es, as queixas, as dcvas.as e as expul-
mesmoaquelles de que e de cujo theor todo siesqueha viole anuos tciu seguido todas as
so deva fszer especial, expeCiOc, expressa, eleicdci. As fuliias radicaee, que tcm recia- rJ'>r e estabelecido com negocio ncsla fre-
Individuaelextuarmonctlo o naodo um mo- 'nado con mais alta voz a reforma, nos dlieuiguazia; a compra que fizera em6dejulho
do goral, ou que eiij3o a observancia de nene momento que os factus de corrupfo (i/ie de 1819, Manuel Joaquim Mirques Vianna,
quilquer oulra esquisita forma, tojas ellas. '"'<"<">' tendo por sufllcie itemente expressado seu ?? y"J"''"icrosos eque o mal temido
tlieor ePpor guardada qualquer M ^^^,=1":%
requorerem.por esta vez e par o efXeito dito gi, parece pois pouco coucludente em favor
is derrogamos especial, nominal e expressa-, de uma nova experiencia, se nao se ach'ar para
monto; assim como ludo o mais que em acabarcoin acorrupcao outro remedio que a
contrario houver. | exieusao do direito eleitoral; porque a ultima
Poitiltimo, em toslcnunliode nossa par- "leno nao teve outro resultado que alargar
ticular benevolencia para cutn vosco.damos- fl^1', De,na'0 I"* be que se nao lemex-
vos com o maior amor a bencio apostlica, *t,T.T, 10nuPr.0''0Sl0 como ncmei>0' pu-
HSi TerT'3 ""<5. ''.'" obre esta materia, ou sem que Se pr.po.ha
Clrigos COtno leigOS COIlliadOS ao VOSSO CUI- algum nielo maisou menos ingenuo, algum es-
""lO. i pecifleo mais ou menos novo para atacar este
Dida emS. Pedro de Roma aos 21 diis do mil Indgena c constitucional, que nenhuuia
mez de novembro do anuo do 1851. Sexto medicina politica tem podido curar.
Ue nosso pontificado.
Po IX PdPl.
(Do Heraldo.)
sobre modo io vosso zelo episcopal.
E para quo esta indulgencia possam ga
nliar as religiosas, ou outras pessoas que
perpetuamente moram no claustro, assim
como tambem os encarcerados e os quo por
eufermida le ou por qualquer oulra cousa
se acbarum empedidos de modo que n3o
erro.
O facto mais notavel dos acontecimentos lo-
cacs he a modilicaco ministerial que leve lugar
na ultima quinzeua. O honrado curuuel Brito
del l'uiu substituio o Sr. Batli no iniuisierio da
gueria. Este ultimo passou para o da fascmta,
mas parece que nao ha de permanecer limito
lempo naquelle ministerio, porque, seguudo as
aceitn, i uadus, concedamos laculdade aos confesso-
Mencionaremos outro facto igualmeute In- 'es que eiegerem, segundo abaixo uiromos,
teressante para a Franca e Italia : u desarma- para quo possao) diminu a-las cu outras
niciKo da legio frauceza, vasca c Italiana, obras pas ou proroga-las para outro tem-
l.sta ..pe .i. .IU leve lugar a semana passada na p0 prximo, com faculdade tambem de des-
presenfados coinmissarios nomeados a,l Aor uens,r a respeito da communliao, os me-
pelo goveruo, com urna orden com um soce- Dlnosqua aillJa ao ha sjJo admitlid0S
go, e com uma dignidade que liouram as legio- "*.. _, _iSH i
i.iiu. a pruneni C0uioiunh9o. Do mesmo modo
Oguverno oriental j nao tem soldados es- ,os liels Ue vossas dioceses, tanto leigos co-
trsogeiros sob suas baudcirai ; mas conservar mo ecclesiasticos seculares o regulares, e de
sempre profuuda recerdacao dus servreos que qunlquer lllstilulo, anida que seja dos que
prestaraui os legionarios; c os Oricutacs anre- hajam de noinear-so especialuienle, llies
tiaui devidameuteo coinpoiiainento desinle- 'concedemos licenca e faculJade para que
ressado daquelles horneas que su einpunbaram,pur ej,a c,us. ps3atn eloger qu,|quer
w"d"dPari deeoder ,M vldaC *U" pr" presbtero confessor, secular ou regular
Peluaia rpida revista da sllusco da Re- deliros quMomo mus idneos para esto
publica Oriental, vamos dar unir, breve no- etleito houverdes por bem designar (Je cuja
ticia dos aconteciineiiios que occorreram i.n'ul.i.i ic poder3o usar tambem as religio-
i ni uina semana na margena occidental do'sas, anida as iseutasda lurildlcSo do ordi-
Prata, nano, e as demais mullieres que moram
A 24 do passado o excrcito que vai derribar dentro do claustro, com tanto que o confos-
o dictador Rusas passou o Paran e salvo al- sorseja anprovado para religiosas), quo no
m^u8^^^^ conscienci.ePore!l.6
condu/iaui as tropas, essa passagem realisot-se .' absolver da excumunbao, suspensao
a completa sitisrro du general Urquisa e do e interdicto e das demais sentancas e 000-
aliniraiiie Greufell.' suris ecclesiasticas a inre vet ab nomine, seja
Logo que o governador de Entre Ros pisou o qual I ir a Causa purque se houverem da m,
olu da Cuufederaco Argentina, as populacoes menos as abiixo excopluadis, assim como
precipilaram-se em masa ao seu encontr ura-' iambem de todos OS peCCidos, excessos.cri*
.landu; Vlv. a liberdade, viva a organisacao mM dehcl0.t por graves e enormes quo
"o'geerai libertador, n.l ao seu systema dc "jm, a.ndi quando estejam resorv.Josao
Ilustrar os poro, .obre os seas projetus e vis-. o.dinario ou a esta Santa Se, e anda que o
tas polticas, publicou proclamaces c bole- |seja em forma especial e cuja absolvicSo, a
tius que foram recebidos cun indisivel eniliu-, nao expressa-lo assim, nao se enlenderia
lliimo, Rosas pelu contrario faz-se de mortu.; concedida por este goral indulto.
Mas pode allirmar-se que se nu publica bole-
tuis be poniue oo tcm uenhuin triumpbo que
aununciar sobre o exercilo libertador ; o silen-
cio dus generacs de llosas pode considerar-se
cuino a conrmicao das vaolagcusalcaocadas
pelas tropas orieutaes, brasileiras e cutre-
rianas.
No momento em que a coalico invada a
provincia de Santa F, chegavaa buenos-Ayres
o vapor ioglez i-oruj ofl'ereceodo a Rosas a me-
iii.n.ju iugleza para ajuitar as suas desavcDfas
com o general Urquiza. Sabemos de inulto boa
fonle que se desbarataran! as novas lulrigasdos
ors. Palinerston e Southern.
Apczar de ludo quanto tem dilo os escripto-
res roslslas, das forcas respeitaveis que Bosas
pode oppr aos seus contrarios, podemos asse-
gmar a sua nsumclencla Ao abrlr-se urna
campanha que se dirige nicamente contra o
bouiein que be o nico obstculo a. paz e pros-
perldade dos Estados do Prata, nao pode duvi-
dar-se que tropas como as do Brasil, da Rep-
blica Oriental, de Entre Klos, de Corrientes e
do Paraguay, cos'lumadas obediencia e vic-
toria, rpidas nos seus inovlineotos, e ebeias de
coolianca nos seus ebefes, nao teubam urna van-
tageiu iininensa sobre esses ancies e adules-
t, n es que Rosas recrula para colloca-los no
theatro da guerra. O exercilo alliado nao tem
que fazer upieudizagem ; trlumphou j em
inuilus combates.
No dia seguinle em que se loube da paisa-
ncm do r,ii,iii,i. o coinmerclo de liuenos-Ayres,
queja desde multa se achava em urna sltua9o
desastrosa, licou completamente paralysadu.
Km seguida, a nulicia chegada a Buenos-Ay-
res, dous dlaa depois, de que a provincia de
fianta F se tlnha pronunciado contra llosas, e
que reunlri is suas forcas cun al da coalic-io,
produzio no dictador e nos leus satlites um
abaiiuienlo absoluto.
Em Uueooi-Ayrc desappareceu o nego-
AI o in uisso, com o lim do aplainar e faci-
litar mais a toJos ao caminlio da salvaQSo,
concedemos aos mesmos confessores duran-
te o meocionado prazo do dilo mez a facul-
dade de absolver a todos os que desgracads-
menle liaju pe 'le neldo a alguma seita ou
algumas seitas e so ebegarem verdadeira-
menle penitentes ao sicramento dareconci-
liacSo, u quo oss.io lis i nsa-lns da obrigi-
c9u de denunciar os cmplices a lim de que
possao ganhar dita inlulgencia plenaria,
precedendo as condicOes do costume e ex-
ceptuados os casos em que para evitar maio-
res e mais graves damoos sa julgar mleira-
iin-iil necesaria a denuncia.
Coocedeiios mais que os mesmos confes-
sores possao dispensando cun -untar eui ou-
tras ulnas pis (porem impondo em todos os
cisos uma penitencia siudavel e o mais que
por direito deve impor-se), quaesquer votos
anulaos conlirmidos com juramento e os
reservados santa siprjsloiici exceptuin-
do-se sempre os de oslidade, religiao e o-
brigafo que luja sido cceila por tercairo,
ou aquellas emquese trate de prejuizo de
tercairo; assim como tambem os penses.que
se chamSo preservativos de peccidos, a n3o
ser que a futura commutac3o se reputa tal
que nao aparta meos de commetter o peca-
do que a anlorfor materia do voto.)
Tambem concedemos a faculdade de dis-
pensar a cerca da irregularidade causada po-
la violic.30 das censuras com tanto que n3o
baja aido deduzida nem seja fcilmente de-
duzlvol ao foro externo ; porem fra desti
faculdade nenhuma oulra terfio ditos cun-
fessores em virtude das prezeules letras, pa-
PIEMONTE.
A lenao de 9 na cmara dos deputados fol
abena pelo seguate discurso do mialstro da
fazenda :
Seuhores, meu collega o presidente do con-
selho dos ministros encarregou-mc de testemu-
nhar a esta cmara o pezar que Ihe causa o nao
poder vir tomar parte uesta discusso em ra-
so da molestia que ha multo o alUigc, e que
talvez ainda o obrlgar multo tempo
necer em caa.
Uina folba radical o aily-Sews, em uina se-
rle de Carlas dirigidas por um descus escrlpto-
res a lord Russcll, aprsenla urna relafao clr-
cuinslanciada de todos os casos de simona elei-
toral, que tem sido denunciados regularmente
as ultimas sesses do parlamento. Depois das
eliicdea de 1837, 207 nomcacei deram lugar
Jieticues ou a devassas pur faclos de corrup-
eo, em consequencla das quaes sele membros
do parlamento foiam eipulsos dos seus" asseu-
t"Sr "*' ele'foes geraes de IS4I contaram-se
lb7 eleicdei coatestadas, e houveram dezasete
expulses.
As eleledes de 1847 d'ondc sabio a cmara ac-
perma- tua| oU'ereceram ainda alguma cousa melliur :
... i Irtnla e dous casus de corrupcu coulesaada, a
dados" d ""al"e,i Conl'ad0 ,eu' cul" Talb'eobalancodaprobidadeeleiloral cdos
r>.._> a uu i, cosluiues polticos nesse palz de gabada liber-
",? "o a parte poltica, elle rogou a seus dauc Todava uestes dezannu, ltimos se tem
".lg."q-U!.v,?.,d J'?eu?,*,-C?.n.h!r.!,pou_ca' feilo numerosas moces para acabar cornos
mercados eleltoraes.
palavras a politica do gabinete que preside, po-
litica, que em sua i| ii i id ule de ministro dos
negocios cstrangelrus elle tem a misso espe-
cial de dirigir.
O mialstro er que a slluacao actual da Eu-
ropa, aluda que grave, nao he de naturesa pro
Fol em i84i que o primeiro bil folapresen-
. lado por lord Juha Russell; ao aano legulatc
adoptou-se um segundo por prupusta du mes-
| ino personagem. Era diflicll esperar muilu de
um uieio como csse uue elle liuatrinou. Para
Cb!WmZdTa\Za'nd t"ta"? rCC9a'>,,U,! aC"Uar s co""ni"u" da cmara dos coin-
cantlnuar a dlHaUla nela mnma'Vainlin' mUuS a dl!seoberla dos casos de fraude elcito- exn
a diplomacia .cr^ apreseotassc.n ao mullier em vista mesmo d'elle os ciufes- /.oforino Dias Barrlo, Podro Ignacio Bap-
, I llar .Ulll'lllll ,1111*1 ll,,|,IMl,.| 1 .'lirm..,. Illllll. 1U _..... -..,..... .... .1__.~._..-_ II1..I. D-A..I.__l1...,!. ,1,. I,n. V,.Kill
do una inulstinha de noine Juanna, do ida-
de da quatro anuos, pelo pre-co do imisiiiiii
ris, de que pagara a respectiva meia siza,
como tudo provou pelo papal do venda e
bilbole de siza; mas que constando-lhe
igora ser essa molilinlia livro, e lillu do pro-
prio vendedor, me requera a punlcao des
te, alim de arrelar de si toda e qualquer
responsabilidada que por ventura Iba po-
desse vir; o dando eu as providencias que
o caso exige, flz prender o culpado dito
Manoei Jjaquim para responder ao processo
quo np.ioit niainciilo instaurei. Logo do-
pois da pris3o do delinquenle constou-mi
que ello, cerca do dous innos, quando mo-
rou tiesta freguezia, em Fra de Portas, na
ra do Pliarol, furtou um crioulinho lilho
de JoSo de Araujo, morador no lugar da
Enseada, no Rio-Doce, para o vender, e
que n3o podeudj eftectuar por circumstan-
cias, e mesmo porque o pai o prenles do
crioulinho o procuravara com instancia,
o matara e o enterrara no quintal; caso
que por sua natureza mo liorrorisou, o u.i
obstante a duvj la em que eslava, tratei do
verificar o facto, e com effeito sixlu-foira,
6 do corronte, dirigi-mc Fra 1o Portis,
ra do Pbarul, casa n. 33, em quo ha m lis
de um auno havia morado o dellnquentc
Manocl Joaquim, o peante testemunhas
mandei cavar o quintal, e edectivamenti
fui encontrada a ossada do crioulinho que
sendo lirada e observada por dous faculli-
tivos, os Dra. Cosme de S Pereira e Jo3o
Pedro Maduro da Fonceca, allirm ram estes
quo os ossos eram ducrealura humana, quo
i i' tarta miis doquitro aciuca annos d)
idade, o que fra enterrado lia mais de
um anno.
Fiz vir inuilia prosenca o delinquen!1,
suino e ovelhunj, arrecadado no mez tledo-
zembro ultimo.inteirada.
Oitro do administrador do cemiterio, re-
metiendo a relcelo das pessoas sepultadas
no cemiterio do l. ilc juluu 31 de dezem-
bro prximo lindo.Inteirada e mandou-se
rometter a presidencia, que a exigi.
Outro do vigario do Hecife, remettendo o
mappa dos hapiisados feitosem dita fregue-
zia no sem.estro de jullio a dezombro ulti-
mo.Que se archivasse.
Outro do juiz do paz do Curado do l.oro-
to, i i- ii-niul i a llermenegil-lo Eduardo lle-
go Monleirii para esciivao do mesmo juizo.
--Quo se olliciasse ao subdoiegad'o da fre-
guezia do Mu ili.va pedindo-se-lbe infor-
ii.icin a raspeito da idoucidade do pro-
posto,
lima inl'.irin ii; ju da conlaJoria, dizendo
que o escrivSo Francisco Ignacio de Atbiy lo
eslava no caso de receber as cusas que re-
quercra, por n3o constar que tivessem sido
pagas ; mas qua a quo'a para des despezas
eslava extinrta.Neste sentido deferio-se
ao dito eserivilo.
Sendo iiia uma informarlo do fiscal do
S. Jos, relativa peticJo dus cunlractido-
res do fornecimenlo do carnes verdes, a res-
i cil'i do mercatlo de farinha, na ribeira,
iiomeou-so o Sr. voreador Fianca para en-
lendr-se com os mesmos a respeito do
commoilo necessario para dito morcado.
Mandou-se ofllciir aos juizes de paz do
lirnnoiro segundo dislrictos da freguezia
dos Afogados, pedindo informac3o a les-
peito do requorimento, que se Ibes man lou
remett-r por copia, do Manuel Jos Mauri-
cio do Sena, solicitando Ululo de escriv3o
de ambos os juizos, allegando o tor deixa-
duado fazer, quando lora approvado por es-
ta cmara para dilo cargo,
O Sr. vareador Carnairo Montclro i(lr-
iiiiiu por escripia liaver Frederico iloop,
como feitorda cxlincla companbia, do r-
lii-irnilu-, o da obra do aqueducto do pa-
teo do Cirmo, desempenhado comactivi-
dado e zelo n3d vulgar, as suas obrigace*.
avista do quo a cmara altastou favoravol-
monlo au dito Kuop.
_ Assignoii-se uma informac3o para o
Exm. presidenta da provincia sobre a pe-
tico do fiiguoiteiro Miguel Teixein Lima.
Passan lu-sa a procodor a nomeac3o de
empregados para os lugares vagos, da con-
tador e ajudaoto do porleiro, tu i nomeado
contador, o ajudanU que oexcrcia iuteri-
nanento, Joaquim Tavaros Itolovalho, com
cinco votos, oblando Eduardo Firmino da
Silva um voto ; o ajiiilanla do purtairo, ou
amanuense, Francisco Gniiuto ila Boa Via-
gam com sois votos, e Hiplito Cassiano de
Vasconcellos Albuquerqua M ir.mh "m com
tres, obteudo Manoei Maria Rolrigucs do
Nascimento, dous e Antonio Melquades da
Silva um.
Os pretendcnlos a osles ltimos lugares,
piMirao p ir um ex uno da loJacco, a quo
os subji'itou i cmara.
l)espacliarain-so as p.:li(;es de Antonio
Melquades da Silva, Caetano Pinto de Ve-
ras, FroJcrico Koop, Joaquiui Milil.lo do
\ui.nal, Jos Tiburcio da Silva Guimar3os,
Joaquim Tavares llodovallio, Jos Francisco
Toives. Manoei Miria Rodrigues do Nasci-
ecer nos outros palies, (4/>oiados.) A poltica se
guida at ao presente nem tem sido poltica de
occaslo, nem poltica de expediente ; ella tcm
sido dictada por uossas convlcces, por nossos
deveres,por nossos juramentos. Ugo verno, pois,
tem crido de seu de ver persistir ne lia com firme-
za,mas tambem com a prudencia ordenada pelos
acontecimentos, prudencia, cuja necessidade
lodos fcilmente reconhecero.
parlamento urna denuncia exiglo-sc tambem
que elles deposltassem previamente urna cau-
cao de 25,000, llcaudo rcsponsavels pelas cus-
as dos actos judlciaes, no caso de que a aecuj
sac.au decahisse. liso oao era de nalurea pro-
prla para estimular-lhes o zelo.
Eolrctanlo, como se vio, as petiedes foram
aiada muito oumerosas nestes ltimos annos.
Mal o temor de pagar as despeas da guerra pa
e ioterrogando-o, ludo ngou, isto lio, a meato, Manoei Jus de Alhuquerquee Mello,
existencia dus dous criines ; porm qun a Minool Antonio Simos do Amaral, Manoei
i- Zoforino Dias Dar
sou ; o priuiuiro com todas as circumslan-, lista, Francisco Canuto da Roa .Viagoni,
cas, o o segundo, quo o crioulinho estivo-, Francolino lluliu u-s Sello, Eduardo Fir-
raemsuacasn, que moriera e foi enterra-i mino da Silva, Manocl Iguacio de Albu-
uintal, suppundo que os ossos acba- quorquo Maranlitlo, llipoliti Cassiano do
do no q
dos eram do dita crioulinho.
Daos guari a V. S. Subdelegacia ,1o He-
cife, 9 de f-ivereiro do 1852.lllm. Sr. do-
sembargador Jernimo M ii ii .ia ui Figueira
do Mello, cicle do polica desla provincia.
subdelegado, Jos Joaquim de Oliieira.
Vasconcellos Albuquorquj M.i.auna >, o I--
vanlou-sa a scssiio,
Eu Jo3o Jos Fcireira da Aguiar, secreta-
lio a suuscrovi.Oliveira, presidente, -Ma-
mado.Caruciro Mouleiro. -Figueirado.
Franca.
eoveruo, aalla saoedurii du 11..... ,
ment, ao b8u. seos',, da nacu, e ll.ld.de l "i!"'u a""""8 Ce"fSU"S- SS212
todos os poderes do Estado pederemos perseve- ao,oulri" ",,es!nos facl0?- e "'" ,acw' sa0
rar no caminho que temos ala) hoje seguido, mulU notorios porem como so o p.r-
OISBlabO que nostemconduzido.no nielo de l'do vencido he que tem Interesseem fazer ces-
dimcels e dolorosas circumstanclas, i uma con- ,ar elel"- oe ,e-"nr.e ellc 1ue",' '" S,uv'
nViu-cflo dos cidadaos que foram qualificados
pela junta rcviiora. pura servirn de/uizes
de faeto, neste corrente anno de 1832.
r'ConlinuacSo do n. 31.)
estima e a symp.lhia de outr.i ii.n.ucs
da Europa."
(Itlsorgiinenlo 10 de dezeinbro.)
_________ ( Preise. )
L-se no fesorgimenlo a respeito dos negocios
da Franca:
ii He sempre dltucil aos mais estados garan-
lir-se lntclramentc dos contra golpes das oscll-
lacdcs que vem de Franca, principalmente -
quelles, que por sua situaco geographica, e
outras circuinslanciis tem com ella poulos de
contacto numerosos e approximados. Donde
segue-se que quando os lempos se tornam dif-
llcois para a Franca, devemos velar e redobrar
de nossa prudeacla e energa, se queremos a
CMARA MUNICIPAL.
SESSA'O KXTK ORDINARIA, DE lti DE
JANEIRO DE 1852.
Presidencia do Sr. Ulivtira.
Presentes os Sr<. Barros. Mamedo. Fran- ''* ^'"} er* '"
ca, Carnero Montoir-i e Figueiro lo, faltan- Joiqu.ui Jos I^0C|I.
do com causa participad* u Sr. Di*. Moraes,
e sem ella os mais Srs., abrio-sa a sess-o, c
5-"i'"*!!l? .1" il!-ai.r!l2!!!?L-Ua\ mcl"-r? foi W* approvada a acta d'aiiteceiiente.
Km iidn .i seguinle
EXPEDIENTE
Um oIIpo do Exm. presidente da provin-
cia, concordando na alteraQio, proposia
por a earoar.i, !
ao alinhament)
lado do sul."Inteirada c mandou-so co.n-
iii'ini .ir ao 'ii-i'iiT'ii' i cordiador.
Outro do juiz de oaz mais volado do pri-
ilu'i cominuDS, sir Joba Pakingtoa, narrava em
urna dis ultiman sesses os facto* seguintea :
a Em uma villa que cotila 1,000 a 2,000 elei-
tores (eviio, disse elle, o ser inals precisoj lodos
os elcitores foram accessiveis a corrifpao a ex-
cepeodo iniuistro, e de alguus advogados. A
iix.i inedia do vol foi de 4 a 3 libras esterlinas
(100 a 25 francos.) Tenho em mcu poder urna
carta dos eleitores ao nn l. J .: <, na qual llie
Peroira Vianna.
Jos Joajuim Borges do Castro.
Jo3o Cbrisostomo FernaiUes Vianua.
Jos Joronymo Corroa.
Dr. Jos Soares de Azevedo.
Jos Ignacio de Abreu e Lima.
Francisco da Silva.
a plantada cidade, quanto ;Jacome C.eral lo Mana Limachi do Mello.
da ra da Concordia, pelo J-*'0 Ignacio do llego. -
Eerguntam abertamente i/uaes scro seas precos.
eia a eleicao, todos os votantes se trausporia-
ram a um lugar designado e receberain publi-
camente a so in in a ajustada. Depois deste es-
crutinio o hospital licou e iiulhado deferidos,
de contusos e de pessoas cuja embriagues che-
gava Bo furor. O mesmo orador cita outros
saltado des*is Inslltui^des bvres, que Inlrodu- 1 lugares em que se tiiiham produido as mesmos
zidas entre nos apenas ha alguns annos, se tem cousas. Votos compra Jos ein alta vo tiuham
de tal modo arraigado as convienes, e na af-! sido pagos com 100 libras esterlmas (>,500 fr.J
('i; -in de todos os cidadaos, que p irecem o i ni
lo de antigs tradices, ou de hbitos tiuiuemo-
riae*.
- Fazemos votos para que, efuaesquer que
sejam os acconteciineutos, qualquer que seja a
lorma de governo que prevaleca ein Franca,
quem quer que seja o individuo que concentre
o poder em suas maos, os principios de uma
sabia liberdade aejaui sempreinantldos. Espe-
ramos que o houiem, e o partido que trium-
pharem quercrao sempre recoabece-Ios ; pois
eremos que nao ha pessoa alguma] que se possa
lisoDgear de couservar em Franca autoridade e
crdito sem os respeitar. Mas em todo o caso
nao poderiiinos, pela nossa parte repellir vic-
toriosamente toda a influencia perniciosa, se-
nao unindo a firmeza prudencia: a firmeta
para nao nos delaarmos arraslar aos mos ex-
emptos, de qualquer naiureiaque sejam, nem
asiustar pelo perigo, de qualquer parte que
venha; aprudencia para nao auginenta-los,
multiplica-los sem necessidade, e sobre tudo
para tirar todo o pretexto inveja e hoatilida-
de de outrem.
Temos a (irme coolianca de que o povo e o
governo, o parlamento e o ministerio aabero
mostrar hoje que sao dolados dessai virtudes,
como j souberam faze-lo em outras circums-
tanclas nao menos dillicels, e de cerio mais pe-
ulveis, raais ameacadoras para as nouaa liber-
dades.
A Blgica em 1848 nos ensioou como um
governo liberal, e uma populafo sabia podetn
tranquillos e lirmes desaliar as commoces po-
lticas dos estados visinhos.
Em 1851 ou l&2o presidente nao ser me-
nos Urie, nem sabio, do que o fol a Uelglca ciu
1848.
I.n-se na im-tta OJficial do ducado de Sabola
de 8 de dezembro:
< Ua graves accontecimeotos que tiveram lu-
gar em Paris a S de dezembro e nos dlaa se-
guales icm preoocupado vivamente a atieucao
Joso Innoceiicio Pi?reira da Costa.
v Dias de Mjraos.
Cuedes Salgueiro.
meiro districto da freguezia deMuriboca, o ioflo Itjptista de Oliveira.
no encerramento do /">!', negociantes, homtMis
de prolisso liberal tlnham es(endido a inlo
como os outros. Todos estes factos, cujas pro-
vas authenticas o orador apresenlava, n.i > de-
ram entretanto, disse elle, lugar .reclamac >o
alguma.
Existia nos amigos estatutos contra a corrup-
eo (legiilago que sempre foi mnliin mort,
como se pJe julgar por seus ellcitos} uma pe-
nahdade quasl dracoiiiaua que vida aual a
por toda a Inglaterra fura da le.... eleitoral,
se sua appllcaco fosse rigorosa, tata dispo-
314,: i" conslstia em impar o Interdicto a una ci-
dade ou a um districto inteiro, cujos eleilures
fosse.n no todo ou em parte couvencidos de
corrupeo. Esta penalidade fol restaurada na
leide lord Joba Russel em 1842, e nao recuou-
se diaute de alguns exemplos. Assim a cidade
de Yarmoutb toda perdeuseus privilegios, por
que urna parte de seus eleitores foi convencida
de ter traficado com seu voto. A villa de Sud-
burry no condado de Sulk'olk foi condemuada
ao mesmo castigo exemplar. Porm forcoso foi
parar, os exemplos iam-sc tornar multo nume-
rosos. A excomuiunbo poltica atueacava ga-
ohar tanto terreno que multas queixas foram
retiradas por esta coualderaco. Taes sao os
grandes melos a que nao se temeu lecorrer pa-
ra purilicar os costumes eleitoraes dos incor-
reglveis lhua de Albion. Agora trata-se de
nova reforma, veremos logo se o remedio que
lord John Uussell prepara ser mais eficaz que
os precedentes,
(JtUm.)
PERNAMBUCO
Kepartico da Polica.
PARTE DO DIA 9 DE FEVEIlEIRO.
Foram presos: a ordem do subJelegiJo
Joaquim Rodrigues de Almeida.
, Carilozo Ayros
Jos Joaquim da Cunta.
> doOlivoira.
JoBo Xivier da Silva.
Jos Ujiningucs CoJeceira.
Juaquim l'eruira Bastos.
Antonio do Castro Nunes.
Jos i.-niiv.li; i Bastos.
Joaquim Jus de Souza Sorrano.
Jolu Rodrigues da Silva.
* .do Moura.
a Manoei Ribeiro de Couto.
Joaquim Francisco de Mello Santos.
coronel Agostinho lii-/. -r, ,i da Silva Caval-
r mil, padicipairJo n3o poder, por encotn-
iii i i.i l,i, presidir i revisto da <|ualificac3o
dosvoUnta.no dia IS--Quo se olliciasso
ao iiiim ii i'ii para substitui-lo.
Outro do presidente do conselho do salu-
bridide, reinellendo cinco mippas, con-
tendo os mi i--. de 157 p.'ssoas, que, vacci-
ns las em 1851, no ompareceram na re-
partiQ.lo da vacciua nos dias designados.
ijue se responlesse, e se remet -ssom os
ni i|i|)is au procurador para promover a co-
branga das mullas dns infractores.
111 um do rocurador, presentando o ba-
lando iliii-i- i' s e drspea municipal no Jos dos Santos L'ges.
mei de dezeinbro ultimo, e o mappa de- Mareellino da Roz.
monstrativo dis iiibuma-s Teitas no ce- Fernandes da Cruz.
n.i -i i i no mesmo mez.A' commissSo de I Lopes Roz.
polica. i Joaqoim Clemente dosSantos.
Outro do mes no, pedindo ser abonado Jos Coalbo da Silva Araujo.
da quintil de 416.000 rs., que despender I Brasilino da Silva,
como sello de *t livros para o registro de JoSo da Silva Loureiro.
nascimentos e oblos do municipio. Ap- | Jos Conca^es da Silva Bastos,
provou-so a despeza, o mandou-so ordem Joo Joaquim de FigueireJo.
ao contador para lova-Ia a quota do even- Joaquim Teixeira Peixoto.
tuaes. Jo8o Rodrigues de Mirandi.
Outro do fiscal da Boa-Vista, participan- .Joaquim Jos Viinna.
do ser i importancia das mulls do mez de < dos Santos,
dezembro ultimo, de 8S.000 rs, e oedindo Jos Estoves Viinni.
se mandasse pigar ao Dr. Igoacio Firmo Xa- Josquim Lucio Monteiro da Franca,
vier a quantia de 3,'i00rs., de um exime Jos ...
santario que fez no dia do corrente na car- Jenuino Jos Tavares.
noexposla venda no ocougueda mefma Jo3o Francisco llegis dos Aojos,
freguezia.--Mandou-se passar mandado de Diniz e Silva,
pagamento. 1 Moreira de Mendontja.
Outro do fiscal |de S. Jos, romottendo o Jos Francisco dos Santos,
mippi do gado morlo para consumo, no Maria de Albuquerque Mannhao.
matadouro publico, de 15 de dezembro a JoSo dos Santos Porto,
de Janeiro corrente (l,Z3H.-- Inteirada. Vilenlim Vilella.
Outro docontidor, participando achsr-jJoa AlexindreRibeiro.
so exlinctn a quota de cusas cu mi mies, e : Goncalves de Albuquerque.
de infnccOes de posturas.Inteirada. [{JoSo Francisco de Albayde.
Outro do list-al da Boa-Vista, commuoi-l Jos Joaquim da Costa Leite.
cando liaver enlrog.do ao procurador, al Ignacio Farreira Dias.
quantia de i-i.tiiwrs., do imposto de gado i JoSo Francisco Regis Quintella.


p
I"' '
'
=a
los Ignacio Xavier.
Julin l'orlella i Silva.
(ir. Joto Ferreira da SilV. .
Joaquim Jos do.Mirandi.
loto Muioa! >l.'Castro.
Jo Mara da Trindade,
iii.in Manoel Miguis.
Arceoio Barbla.
Jos Bernardo Ventura.
iiiin Jos de Faria
Joaquim Izidoro Srr.Oes.
Jos Valeotim da Silva.
Ferreira da Penha.
JoBo da Gusta M"nleiro.
Joaquim Miloto Mario.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
Jii.ln Policarpio dos Santus Campos.
jote AiToimo Kern'lra.
Joto Facundo da Silva GuimarSea.
Jos Kilippe Nery da Silva.
Joaquim Xavier Sobreira.
Joto Jos Lopes.
Juvi lirio Augusto deAlhayde.
Jos Alfonso dos Santos Bastos.
Joto (laricio ..ornes da Silva.
Xavier Carneiro da Cuaba,
a do Reg Barros Faleto.
tu. Joilu D.imingoeS dd Silva.
Jos Victoiino de Lentos.
Dr. Jos alameda Alves Ferreira.
Jo-c M chalo l'orlella.
a Xavier Ka u-ti no llamos.
Cavalcanti de Albuquerque.
Joaquim Ignacio de Barros l.ima.
Jos Marta Cezar do Ainarnl.
Joaquim Jos Ferreira da l'cuha.
Joto Gigorio dus Sanies.
I i i I ,i n II j- de M ni i
Jos Antonio da Silva c Mello.
de Barios Corroa Selle.
Joaquim Ignacio do Carvalbo Meiidonga.
Jnse da Cruz dos Santos.
Joaquim Jos Murcira.
JosMaria Freir Gimeiro.
Dr. tu : i Jos Innocencia Pogge.
Joflo Antonio 'I i Silva GfilO.
Jos Cuelmo Vi. ir Ja Silva.
ii u Je MeJeiros.
Francisco de Souza Lima.
a Tliomaz de Campos Quaresma.
Joaquim Correia da Cosa.
Joto Antonio da Veiga.
Joaquim Antonio de Santiago l.essa.
Joto da Cosa Dourado.
Jos Ferreira Costa.
> Joaquim de Miranda.
Joto Baptisla Acciuli.
Jos Jouquim do llega Barros.
Aulouio do Bato Bastos.
Joto Anl )ii;ii Pereira du Unto.
Pacheco de Uueiruga.
Jos Baplista llibeiro de Faria. *
Joto Francisco Reges Coelho.
Jos Lourenco da Silva Jnior.
Marques da Costa Soares.
Jo iiiui o Bulellio.
Carueiro da Cunha.
Joaquim Carneiro Machado Idos.
Jos Pires Ferreira.
Joaquim Galdino Alves da Silva.
Joso Candi lo de Carvalho Medeiros.
JoSo do Sa Leitto. ,/"">
a Vieira Lima.
Jos dos Santos Mues de Oliveir.
Joflo do i'inlio Borges.
Pmt i do Lomoi Jnior.
Doutor JoBo Jos P nlo.
Jim i i i 1.11 1.1'. .1.1 Silv.i.
>. Juveuniu iio llego Rallgel.
Joaquim Elverio de Moraea Carvalbo.
ii loso dos Santos Nunes itoOliveira.
i JoSo Vicente a Silva Costa.
Jos Joaquim Autuii.s.
Antonio Vieira de Souza.
Joaquioi Ant"ni'i CarneirOt
lo 6 Mari ino do Albuquerque.
j ifiu d.i Silvei -i borges Tmara.
Coro le JoSo r.....cisco de Ctiahy.
I ir. J i.iqu u: de Oliveir e Souza,
Joaquim Juvenoio da Silva.
Dr, Jos Eustaquio Gomes,
Jos pereira Teixeira.
Joaquim Francisco lio irle.
Jos Francisco Piros.
Jeronynio Ceztr M irinlioFalcflo.
Jos Joaguim Bez.Tra Cavalcanti.
i Pacheco- de Queiroga.
Alves Guerra.
a l.uiz Innocencio Pogge.
- Joaquim da Silva Cuimnrtes.
JOBO. Venancio Machado da Paz.
Joaquim Jos de A no: un
Jos Francisco Pe es.
ii Francisco Carneiro Monleiro.
Antonio Connives de Mello.
Tseodoro de Sena.
Joaquim Correia da Silva.
Jos Camelo do liego Barros.
Antonio Correia Jnior.
Joto Luiz Vctor Leutier
-11 llodovalbo.
Jos Lopes GiiimarSes.
Joaquim Tavares llulovalho.
Jos Alfonso do llego Hircos.
a lleinardino l'ercra de Drito.
Jezulno Augusto Theotonio Peixoto.
Doutor Jos Anlomo Pereira Ibiapina.
Joto Anlunes Correia L. Wanderley.
Jos Jauuano de Carvalb.i l'aes de Audrado
a Jua'qiiim da Cusa Gui nartos.
Paulino de Almeida Catando.
Lino Uozerta.
a lluaite llangel.
Joaquim Canuto de Figueiredo.
Jos Thooioteo Pereira Bastos.
Joto Francisco do Carvalho P. de And. uJe.
Jos Francisco do llego Barios Jnior.
Joaquim Jos Bello.
Jos ilo Fioilas II .i m/ i.
J i .: I .ii.. .ni i ,l. \ 111 .i n l.i.
Joto Baplista de Souza Lenins.
Jos Joaquim de Sani'Aiina Frazto.
Alves de Souia Itaugel.
Joaquim Cocllio Cintra.
Joto Forreira dos Sautos.
Joaquim Viegas.
Joto Francisco J, s Santos.
v Anaslacio Camelo Pessoa.
JosMaria Giraldes.
Joto llibeiro Pessoa dr> Licorda.
Jos Rodrigues du Oliveir Lima.
Joio Jos de Miranda.
Carneiro Roliigues Campelo.
Jos Conexivos dos Santos Ferreira Lima.
Maiia de Carvalbo.
Marcelino Alves da Fonseca.
a Paulino de Almeida.
Justiniano Antonio da Fonseca. .'
Jos Forra/. Daltro.
- Francisco do Reg Barros.
Joaquim Correia deAraujo.
Jos Bernardo da Bocha Faleto.
Joaquim Bernardo da Bocha Falcto.
Jos Francisco Pereira da Silva.
Dr. J.i.Vi Augusto do Souza Lefio.
Jos Francisco de Souza Leto.
Joaquim de Souza LeSo.
Joto Filguoira de Araujo Lira.
Jus Ignacio dnl.ira.
Joto Coelho da Sda.
Filippo Civ l'.inii.
Jos Joaquim das Cbagaa.
. Fernandos Monleiro.
Joto Luiz Hiberno de Faria.
Vieira Paes.
Joaquim Joto de Souza.
Joto Ferreira Gavalcanti.
Jos tiendes Carneiro da Cunha.
< Barbozada Silva.
Caetano Cavalcanti.
Maxi.oiano Pereira Vianna.
joto Luiz de Abreu Peixolo.
jo.-e DamasioFerreira.
joBo Hermenegildo das Cindeiss. .
a Sergio Cezar de Andrado.
. a Rodrigues l'aes.
Jote Tliomaz Pires Maehado Poitells.
a Cailos Teixeira.
Joaquim Itibeiro de Aguiar Montarroio.
JoSo Carneiro Rodrigues Campelo.
Jos Roberto de Moras e Silva.
Joaquim Jos Pereira de Sant'Anoa.
Jos Mara de Albuquerque Lacerda.
Joaquim Tbeodoro de Oliveir.
Louronco Rodrigues das Neves.
Luiz de Franca e Mello Jnior.
Lino loi' il.i Costa Araujo.
Luiz Antonio Vieira.
Ludgero Teixeira Lopes.
Luiz Antonio Goncalves Penna.
Ladislao Jos Ferreira.
Lucio Candido Pereira de Carvalho.
luz Borges de Siqueira.
Gonzaga de Sena.
a Manoel liod'igues Va lenca.
Doutor Luiz do i...... Muniz Tavares.
a a Duarte Pereira.
Luiz Francisco Barbalbo.
Antonio dos Santos.
Leandro Ferreira da Cunha.
Luiz Epifanio Mauri. lo Wanderley.
Antonio Alves Mascareiibas.
Goncalves Agr.
Jos Rodrigues de Souza
Comes Ferreira Jnior.
da l'inho Borges.
Doutor Lourenco Trigo de Loureiro.
-LuzSallazar Moscoso da Veiga Pessoa.
Ludger(*Gon;alvos da Silva.
Luiz da, Veiga Pessoa.
a Gomes Ferreira.
de Maraes Gomes Ferreira.
Jos Nunes de Castro.
Lourenco Jos de Moraes Carvalho.
Luiz do Azevedo Souza.
Francisco de Carvalho P. de Audrade.
Candido I ei reir.
a do llego Barros,
> Gomes Silveira.
a de Franca de Oliveir Lima.
Lourenco Justiniano du Siqueira.
Luiz Francisco Vieira dLuna
Jeronymo de Albuquerque.
D;. Luiz uo Carvalbo Paes de Audrade.
Luiz Carlos da Costa Campelo.
Mai i|u 's da Silva.
Alvos Cavalcanti.
a Pereira de Mullo.
Francisco de Barros Reg.
Manoel da Silvi Ferreira.
Antonio Goncalves.
> Alves Guerra Jnior.
Joaquim Pascoal Ramos.
Miguel Fiiicio da Silva.
Jos de Almeida Pernimbuco.
Mauocl Germano do Amaral.
.. Fraucisco Coimbra.
Ferreira Kainua.
a Ignacio de Oliveir Lobo.
m.imiiii mu de Oliveir Muiiurepe.
Melehiades Auiunes de Almeida.
Manoel Francisco da Silva.
Ferreira Autuue8 Villaca.
Dr, Manoel uarte de Parla.
Manoel Antonio de Jeaus Jnior.
do \n| o .. Caj,
JuoquimPaes arinento,
Jos de Sanl'Auna Araujo.
11 r. Manuel Jos Pereira de Mello.
u de Soiua Garca.
Mauocl Amonio Virgaa.
Joaquim Gomes.
a da Silva Neves.
a I oho dcMirauda llenrlqucs.
Pereira Caldas.
h Aulero de simia llcii.
Lu/. Goncalves.
Jus Correia.
m Joaipiiiii Seve.
I i |.lu llamos e Silva.
,, Amonio da Silveira latunet.
Duarte K, ,, Ignacio de Oliveir. '
,, Ignacio de Uhveira Jnior.
,, Francisco Marques.
,, Amonio Ferreira Gomes.
, Piulo dus Sjulos.
Antonio da Silva Sanios.
Malinas itlanoel do Jess.
Miguel Amonio da Costa c Silva.
Manuel Ferreira Aciole.
Malillas Muniz Tavares.
Dr. Manuel Jos DouiingucsC.odeceira.
Mauoel de Almeida Lima.
Joaquim Ferreira listeras.
Eugenio da Silva.
,, Coelho de Lemns.
,, Camello Pessoa.
,, Elcoierio do llego Barros.
Miguel Pereira Geraldes.
Manuel Jos TeUelra Uastos.
,, Antonio ue Alcntara.
,, Carneiro Leal.
;, Fernandcs da Cruz.
Dr. Manoel llenequrs Crdhu.
Manoel de Luna Freir.
,. Francisco Coelho.
Miguel Alfonso Ferreira.
Mauocl Jnai|uiiu Pereira.
Aulouio \1 o mis Pereira.
Anlouio Simcs do Amaral.
,, Coelho Cinlra-
Uailinlano Francisco Duarte,
Mauoel Paulo Quintctla.
Aulouio Monleiro de Andrade.
Jos M.irtins llibeiro.
,, Luis Virans.
M Cusiodio l'eisoto Soares.
M '.. i j ii-i,i Paes Harreto.
Flurrucio Alves de Moraes.
,, Antonio de Santiago Lessa.
i, Cardoso da Fonseca.
,, Joaquim Ferreira Jnior.
ii Cardoso Ayres.
Miguel Martina Cosa Ribciro.
Manoel Joaquini de Miranda.
,, Jos da Silva Gnlo.
dos Santos Nuues de Oliveir.
Marcelino Jos Lupes.
Manuel Elias de Meura.
(VonlinHar-te-ha.)
ment viril e honrado quo aniraava anda 0
'povorouiajio. -
Esta corrupsBo, ou so menos, este desvio
fez-se logo sentir as classes mais ciclar*'
cidas, eCicaro.com a avidez natural a mu
espirito fcil vasto assenhou-si depresal
de toda essa ballologia brilhante que huvia
substituido gradualmente as ideas de Platlo
e a severa analyse de Arislotoles. F'iitV
acadmico Plnlon quem llio franqueo p
prtico da philosopbia, e fui Mucio Scevola
quem Ihe abri os arcanos da urisprudeo
cia romana
Poeta e j chcio de conhecimenlo geraes,
Cicero miiiiou algum lempo sob o comineo*
do de Sylla na guerra contra os Marsss;
mas qusndo a rivalidade de Sylla c do Mario
vcioensangueulara repblica, elle ugi-
ou-so no asylo das letras, e uto sahio delle
sent no mumento ein que a dictsdura per-
manente do vencedor, suifocaudo todas ss
resitencias, assegurnu A Italia a apparen-
cia, sent a rcalidaJc do repouso. Elle tl-
iii.. perto devinto sote annos. Seus prl-
iii.: ii s eosaios na arle da palavra datam
desta poca. Seu arrazoado a favor de Bos-
ciolllho conlra Chrysogono liberto de Syl-
la, foi ao mesmo tomdu um acto de talento
e de coragem. Ahi ja se eucontrava esta
sciencia do desenlio, este estylo elegante e
sobre ludo esta pratica dos usos oratorios
que nenhum oulro talvez possuio cm uo
grao tn.> eminente.
Dous annos depois, quer fusso para so fs
zer esquectdo por Sylla quo pouco esquecia,
quer fosse verdaderamente pan reslabelo-
cer sua saude eufraquecida pelo estudo, Ci-
cero tiansporlou-se a Grecia. Hoja he os
Italia ou no Oriente onde as grandes intel-
ligonciaavto procurar repouso ou objectos
do esludo.
A pliilosophia do novo tomou to lo o tcm-
pode Cicero, e por urna inclinatto quo se
Cicero, que elle fol quasi o onico quo) DIVERSAS PROVINCIAS
teve bastsote corsgem em si mesmo para jRendimentodo dia 3 a9, t:083,'.'9i
lutar coajtra est.s proposl^Oes revoluciona-1 dem do dls 10 t...... S6t,268
ras e anli-sociaes. O* homens honrados, I aaT5
tos homens do bein, como se dizia entBo, I 1:4*7,5^8
se occullavarn ou se calavam. E o que -*~-
augmenta singularmente a gloria de Cicero RECEBEDORIA DF. RENDAS INTERNAS GE-
li que elle nao teve parle na viuda deste
estado de cousss e que as fraqUezas de quo
se i ola confessar culpavel, tambem nBo
tinliam sihilo do dominio do sua intelli-
goncia
Elle neutralisou, ou antes compensou os
injos ins'iuclos do C. Antonio, oltenccnJo
i sua ainli i; i o rico governo da Macedonia,
o qual liavia cabido por sorto a elle mesmo.
Depois, atacando do frenlo os quoqueriam
inlroduzir to monstruosas innovarles na
repblica, reduzio-os impotencia uto s
no senado, como, victoria muito mais dif-
ficil e muito mais glorioss, ni propria as-
sembla do povo. Edeslo modo provou-so,
como leve lugar entre nos cm circumstan-
cias aindi rcciintei, que a mullidto anda
inculta Cede muito mais'depressa aceto
da verdade, do que os suphislss, cuja pala-
vra sabia dcstilla a mentira.
Cicero tinha que vencer um adversario
muilo mais perignso, Calilina. Acabar com
esto grando criminoso sem violar as lais
uo era urna obra fcil, p nto se sabe o
que se deve admirar mais nesta occasiXo,
se a persistente firmeza do Ilustra cnsul,
so a manoira pela qual constrangeo Calilina
a tirar por si mesmo a mascara, e a por-se
em i e..i II .i abulta com a repblica. Sua
vanli le habitual uto veio de nanbuma sor-
te obscurecer a pureza de seu luizo. Elle
comprehendeu que nto tinba quo tratar
eorn um outro Antonio, e que as -clueco s
da palavra ou do um ganho detnrminado
uto leriam poder algum sobro a olma orgu-
lliosa profundamcnle viciada de Calilina.
RAES HE PERNAMBUCO.
Rendimiento dn da lo..... fi?3,U3
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimentododia 10.....1:818,1 fita]
Movimentodu porto.
accommodava bstanle com a natureza de Elle nto persuadioso do nenhum molo de
VAltiiDADE.
CICERO.
Quando Cicero nasceu, a rcpubliea ro-
mana olferecia alguns tragos de semelhan-
os ltimos mezes do auno de 1790. Ja a-
balada pela luta recente que havia lido lu-
gar entro os grrgos e os patricios, as anti-
gs bases da cidada do Romulo, hiam ser
inteirainenle descobertas pelas contendas
muilo mais lerriveis de Mario e de Sylla. A
nica ilill'.-ivne.i veriladeiramonte profunda
quo separar as duas pucas no seu desinvol
vimento be que em Franca, foi o represen-
tante da soberania popular quem prevale-
ceu, em quanto que em Roma foi o repre-
sentante da utoriil .do dos patricios quem
venceu. Julio Cezar o Octavio se encarre-
u ir.nri da desforra de Mario.
A mti de Cicero chamava-sollelvia. Reu-
nindo-se s vanlagens de umanobreori-
gem o Ibesouro muilo mais precioso de
urna vida sem mancha e de um espirito ele-
vado, ella nto contribuio pouco por seu
iu millo para formar o corelo de seu II-
iho.
A poesa teve as premiciasdo futuroora-
ilnr. Na i.l.iilc quasi de quatorze sanos,
ellecompoz em versos le!.rametros um pe-
querTo poema Intitulads fonlinos Glaucas.
Alguns annos depois traduzioem vorso os
i'/iinvmenoi a"Aralus, e cantou na lyra pica
! as grandes actes de Mario ; roas cedo bia-
se declarar nelle esso movimenlo, o qual o
fez sent aborrecer, ao menos despiosar
a poesa pela arle oratoria, e que mesmo
mais tarde, o levoa a collorar seu titulo
de litterato muito cima do seu titulo de
, pin oso; lio.
A philosophis grega tinba invadido a iu-
telligencia dos vo'leedores da Grecia, e pe-
las subtlezas em que se envolva cada vez
mais, tenda a alfastar-se e enervar o senti-
seu espirito, ello nto tardou a passar do
dogmatismo da anliga acadomii aosspte-
cismumitigidoda nova academia. A tibie-
za da probabilida lesuccedia no sau espiri-
to ao fugo da certeza, a assim se fropsrsva
para aquellas tristes fluctuares, as quaes
nos ltimos anuos da repblica ocoudem-
naram a urna immobilidado estril, quando
n nao impellirain de um partido pira o par-
tido opposto.
Por urna contradicho que se aclia em mais
do um grande espirito do nosso touipo^ella
fez-se iniciar nos myslerios d'Elcusis, mis-
turando assim as doutriuss positivas o as
pralicas religiosas com Iheorias e cora hy-
potheses do pensamento individual. Nos o
| veremos tanibem em Roma recebar o bastfio
,angural, e interrogar seriamente o vo e o
.cantu dus passaroa.
I Entretanto Silla acabara de morrer, uo
como o conquistador dos lempos modernos,
debsixo dos destrozos do seu poder, o nos
lagos .do captireiro, mas livre e no seu
leilo.
| Aillos de tomar o ciminho de Roma, Ci-
cero foi consultar o orculo de Delphos (nos
noscos das encontrara olguma lady Sta-
ii .upe a qual Iho annunciaria o futuro. J
O glorioso papel que elle deris fazer nos
negocios da repblica Iho foi revelado; pu-
i e :n quando pcrgunlou de quo uio lo o pre-
en. hei 11 incln.,.' -- Soguiudo tuas proprias
inspirafOcse uto a opiniio [do povo, res-
pndeos Pyllna.
Consellii profundo, cu jo olvido lio muito
frcquenle, mas cuja applica^to exige prin-
cipios e urna vontadi lirme. Sobre que ter-
reno solido poda Ciciro apoiar-so com esto
espirito flexivel e condescendeute que o
fazia adularos systemas mais contradicto-
rios ?
Du volta a Roma, ouvio darom-lhe os no-
mos ent.iu injuriosos de grogo e de esludan-
te, como ntrenos, no teuipo da Restaura-
i;o, so cliamava a qualquer liheral ou je-
zuita, sigundosc considerava nolle o iui-
cisdo ou o plnlosopho, o escritor religioso
ou livre pensador, l'orin a lnr.;a de genio,
elle consoguiu mudar estas injurias cm elo-
gios. Feliz se a sedo dos louvoros nto u
tornasse jamis surdo voz da sua propria
razSol
Mas se esta sede lhehecommumcom anu
(os de Oonol oradores polticos e de uossos
homens de Estado, elle be superior a uns
pelo desinteiessn, eos oulros pelo conheci-
meulu dos negocios. Era em urna palavra,
un eicelleme suministrador, em quem os
^tu los puramente luteranos e especulati-
vos nto 11 rio lomado lodo o lugar, e quo
em caso de necessidade, sabia depor a lyra
do poeta o o maulo do philosupbo.
Sua queslura ua Sicilia e seu proconsu-
lado em Cicihii aiii'.-iiiu c-i i qualidadebem
rara um um orador. Quantus e nossos mais
iiniii ntes homens de tribuna, quantos de
uossos escriplores mais espirituosos seriam
capazos nto digo de ser prefeito du depar-
tauenlo do Sena, mas de ser sonientc o>ai-
ro do urna cidado de lercoira ordem ? Ne-
iilinm talvez.
Cicero lovava mesmo o cuidado dosdeta-
llles alo a puorilidade. Cesare Nauoletosa-
l.i.ini, segundo so diz, os nomes de urna
grando paite de seus soldados. Cicero nBo
s dou-ae ao trabalbo de reler os nomes dos
cidadSos maisconsideraveis, senil desiber
.linda a sua morada, quer na cidade, quer
no camplo o nomo do seus amigos e vi/i
ih.is; ile 111 modo que nto la em nenhum
lugar da Italia que nto podess^ nouiearfa-
cilinoute, e inosuar mes no as trras e as
casas dos principies personageus da rep-
blica, llalli veio o nonio dj cicerone que se
da aos guias em cerlos paizes.
l'orin aproximemu-nos da mais bella
poca da vida de Cicero. Na accusa(3oquo
so bavia encarregado de intentar contra o
mui celebre Vene-, arrebatou decididamen-
te a 11. o le u -1 o o soepro da eloquencia, e poz
em pratica esta uobro mxima que repatia
frequenlemenle a seu lilho. O mais curto
cumulo para chegar gloria e a ie inac.i,
be defender a> innocencia, principalmente
poder iiinmj ni.-'o Tomou desde logo a
resoiueu inabslavel de tirar do estado
aqutlle man cidadto. Ello fol mesmo mais
longc e oxcedou os limites de sua pru li ncia
ordinaria. Por causa de sua eloquente pa-
lavra, Calilina havia sabido de Roma para
ir ten 111 a fortua das armas. Porm n
sua ausencia haviam ficado muitns dos seus
cumplices, os quaes tinliam por missto as
sassinar Cicero o incendiar a cidade porque
o iiuiiii.il o o Tacho ato as armas habituaes
das causas desesperadas). Entro e>t. -c
o linii Conidio Lentulo, homem do mais
alto nascimento a quem suas ilcvassiddr
o s infamia do sua conducta tinham feito
expellir do senado, o quo vendse repclli-
do por seus i nos, tinha entrado no ser-
vido, uo do povo o povo he a naci) mas
sim da canalha. Preso com outros conju-
rados, elle ve'o a ser o objerto de urna gra-
ve discussto nosenaJo. Seria ello punido
com o ultimo supplicio, cum a prlsflu ou
com o exilio? A tese da nlniheo da pena
do mo le em materia polica nto era mis-
ino ainla urna utopia n'aquella poca, e
rases puramente politices ou cxccpcio'iaes
podism sos arraucar os culpidos a macha-
dinha do lictor. Cicero, som mostrar, to-
dava, a preclsto corajosa de Cato, deixou
ver mui claramente quo opinava peni de
mort", e a calma com qui fozexecular o
docreto do sonado prova, quesa elle previa
represalias, ao nv-nos nto as tema. Que
populariJa lo, pelo contrario, nto loria
adquerido ello pronuciando-so com Cesar
pela pristo Mas tamben! quo valor mos-
taiiihojc peranle a historia, se a condue-
la que teve durante o anuo do seu consula-
do, uo compousasse de alguma suite, as
Yotioi entrados no di 10.
Baha 8 das, escuna brasileira Tentado-
ra, de 116 tonelladas, caultBo Ignacio da
Fonseca Marques, equipagem 10, carga
varios gneros ; a Antonio Alves de Mi-
randa GuimarSos. Passageiro, Jos da
Boa Ventura M nena.
Buenos Ayres 25 das, escuna hospanho-
la Priscs, capito Pinto Antonio Millet ,
carga carne; a JoBo Paulo de Lomos & Fi-
Ihos. Seguio para llavana.
Navios taidos no mesmo dia
Camaragibe hiate hrasileiro Novo Desti-
no, mestre EslevBo llibeiro, carga varios
gneros. Passageiros, Valentim Jos Cor-
ris, Jos Germano de Lira e S. do Sena
Jorge.
Rio de Janeiro o mais portos -- vapor brasi-
leiro S. Sebsslito, commanlauto o pri-
meiro teneute TorrezBo. Conduz a seu
bordo, dests provincia. Estevto Caval-
canti da Albuquerque e I escravo, Joto
de Souza Santos, desembargador Fran-
cisco Joaquim Gomes llibeiro e I escravo,
S cadetes, JoBo Jos dos Santos Jnior,
Francisco Congalves Meirelles, Dr. Maxi-
miano Inopes Machado e I esoravo, Joa-
quim de Carvalho Castro, Pedro Aulran
da Mitta Albuquerque Jnior, Leonardo
Seliulor e II escravos sentregar!______
E1TAL.
O lin. Sr, inspector da thesouraria
da f.izeiida provincial; em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, manda fazer publico, que no da 19 do
correte vae novamente a pra^a para ser
arrematado, peranto o tribunal administra-
tivo da mesma Iherouraria, a quem por
monos flzer a obra dos concertos da cdeia
velha da cidado de Goianna, avahada em
63JJI86 res, lomando-so por base d'arre
timatacto o oltuTcciment de tres porcento
de abalo no respectivo orcamento feito por
Victorino Moreira de Souza.
a ariem.-ii.-ieii sera feita na forma dos
artigos 2+ o 27 da le provincial n. 268, de
17 de Maiodede 1851.
As pessoas que se propozerem a esla ar-
rematacSc comparecerSo na salla dasses-
sOes do mesmo trjbunal, no dia cima
mencionado pelo meio dia, competente-
monte habilitadas. E para constar se man-
dou aflxar o presenta e publicar pelo
Diario. Secretaria da thesouraiia da fa-
zonda provincial del'ernambuco, 10 de fe-
vereiro de 1852. O Secretario, Antonio
Ferr ira d'Annuneac,So.
Clausulas eipeciaes da arrematadlo.
1.a Serto fcitas todas as obrs necessa-
rias, para que esto elificio liquo cm bom
estado c nelio poder rc-idir o destacamen-
to, conformo o orcarnciitoa|>,>rovado pelo
Exm. Sr. presidenta da provincia, na im-
portancia do 636, tos.
2." Todas as obras serio principiadas no
prazo do u-u moz, o concluidas no do tres
mezes, contados do conformidado com os
indicisOes que causaran) sua perda sem no- arMBs 3' 32 da le provincial n. 2B6.
nliii'ii i utilidado para a repblica 1 ,3'" pagamento da importancia desta
No primeiro momento que seguio-se aolobra. sora leitu c,n ua"' E0 Preslat3*>>quaii-
supplicio de Lentulo e niurlp doCatilin
lo ella estivor conecluida e em estado de
demonstrarles quasi unnimes de admira- l ser recebida deliiiilivamente.
ctoedereconhocmentoforam prodigalisa-l *".' ludop mais que nto rsliver de-
das a Cicero, e a repblica pareceu voltar- tern,nad,? nas Presentes clausulas, seguir-
se para elle como para o nico homem que 8e-h-a- dispuslo na rehrida le provincial
podia acabar de salva-la. Por urna propos-
ta de Catto, e apesar das resistencias de
Cesar, cinl'ciiose-lh o bello titulo depai
da patria. (Jue Iba fallou para cumprir a
missBo quo Ihe impunba a conllanga publi-
ca. ,s -na minio tarde para firmar sobre sua
baso o estado abalado?
Para fallar com franqueza muilos inimi-
gos ciimbatiam as volhas mslituigOes roma-
nas, muila corrup;to infestava todas as
classes o inuitas profundas opposic,0es se
levantavam entre os plobnoa e os patricios
p raque un accor.lo dura louro os podesso
uni. Ao-c i'ainvi mais de entendor-so,
IratBva-se de excuir-se e de suplantar-se.
li ii I o um instante pelos Scpies, por
Scylla, e, debaixo do urna forma mais le-
gal, or Cicero, o plebeismo ia a tomar sua
marcha sob a conducta de Cosar, at que
elle chegou ao imperio o cscravidto apoz
de s o ultimo tribuno, Octavio Augusto.
Os historiadores teera insistido sobre a
yaiJade iusupportavel de Cicero e sobre a
ingrattdSo dos patricios, para quem este
graoJe orador nto era sent um homem
novo, una espftie, como se dizia boje.
Oulros tem allegado a ignorancia de Cicero
na arle militar e o genio quasi univorsal
de Cesar, e destos fados diversos so tem ti-
rado a conclusto quo Cisar mesmo nto
poderla resistir a Cesar uem Ihe tirar das
ni is a repblica.
Nto somos tBo fatalistas pars aceitar as-
sim os acontecimentos como a expressao
uccessaria de piincipios immutaveis: po-
rm o que eremos tirmem"nte be que Cice-
ro, para sosublrahir ao eifeito das anteabas
do tribuno (.ludio, podia procurar um
meio mais honroso do que u apoio equivo-
co de Cesar, e quo, logo quo se vio aecusa-
do do tur feito suopliciar illegalmenle os
cumplices de Calilina, podia maia digna-
mente defender-se do que tomando o vesti-
lo do luto e indo, com os cabellos o a barba
em dosordem, supplicsr pelas ruas popu-
laba romana.
Porm deixemo-!o partir para o exilio a
n. 268. Conl'oi m -. O seerclario A. F.
d.Annuncagto.
TIIEATIIOI1E S- iZAKEL.
Cuarta /eVt> 11 rf t'evereiro ae 1852.
i.HAMIE ESPETACULO EM BBNIFIO DOS
AIVTISTAS
Luis Antonio Monleiro, e Mara Amaba
Monleiro.
Depois que liver locado urna excellenle
ouverlura, a coinpanhia dramtica repre-
sentara pela primoira vez a muito nteres-
santo opera cmica em 3 actos,*
O REMENDAD DESMYRNA ,
oo
Um dia de Soberania.
Msica de composifto do Sr. Tbeodoro o-
restes : em seguida repreaentar-so-ha, a ex-
cellenle coajodia ornada de msica cm j
actos.
O Cara linda.
OD
O I'regador de cartazes,
Msica decomposIcBo duSr. Pedro Car-
ola.
Terminara o espectculo com a graciosa
comedia em 1 acto.
O DILETTANTE.
Os beneficia dos sendo esta a primeira vez
que recorren) protercto publica, espeiam
merece-la, pelo que se confessarBo sempre
gratos.
Os bilhetes achBo-se a venda na ra II il-
la n. 18, e no da do espectculo uo
theatro. ____________
Publicacdes Iliterarias.
ELEMENTOS
DE
Bomasopathia.
Sahio a luz a segunda parte desta obra
composta pelo professor homoeopalha Gos-
set Hioiont. Recebem-se assignaturas pa-a
a obia inteira a 5,000 rs., no consultorio
homceopsthico da ra das Cruzes n. 28. De-
pois da publicarlo da terceira parle, o |i -
Coser elevado a 8,000 rs. para aquellas
que iio tiverem asignado. No mesmo con-
sultorio, acha-se a venda tudo quanto he
necessarin para o estudoea pratica da bo-
mceopathia, como seja : livros impressns
para historias de doenles, regimens ap.o-
priados para a provincia de PernaiDbuco.e
encarrega-s e de mandar fornecer qualquer
;ncommenda de medicamentos hnm.....i
thicos, tanto avulsus como em caixas, em
glbulos como cm tinturas.
No prelo : Palhogenesia dos medicamen-
tos brasileiros.
Elementos de anatoma e phitiologia com es-
tampas, paraos curiosos em homceopathia.
Roga-se aos senhores assignsntes o ob-
sequio de mandar rereber seus exempla-
res no consullrv-io bomoeopatbico da rui
das Cruzes n. 28.
TRATA MENT 110MEO-
l'ATHICO.
DAS MOLESTIAS VESEKE1S,
e conselhos aos doenles para se curarema
si mesmo, sem precisarcm de medico;
polo professor honioeopatba
Gosset-Bimont.
Sahio a luz e acba-se a venda no consul-
torio huinceopathico da ra das Cruzesn.
ift. pelo proco de 1,000 rs. ____
Avisos martimos.
Declarares.
quando h > opprimida pelos grandes. Ele- que Clodio o fez condemnar. Dezassete ao-
vado pouco depois a edilidade curul, ella nos depois o cliamam com acclamacto.
achou-se erfiui ua entrada verdadoira das
grandes magistraturas. At ahi, liavia pare-
cido inclinarse antes para o partidu popu-
lar do que para o partido aristcrata. O de-
sejo du chegar ao consulado, e talvez a es-
peranza de fazer urna reconciliactu entre as
duasordens, o aproxiuiam dos patricios, e
sobre tudo de Pompeo, cuja modera(3o de-
via agradar-llie.
Eliu foi nomeado cnsul e, como para tor-
nar a obra do seu consulado mais laboriosa
e por conseguinie mais meritoria, dereoi-
Hi i para collega C. Antonio, isto he, nm
auxiliar prximo, seriam um amigo de Ca-
lilina, um partidista secreto desses tribu-
nos que uto q ueri i ni licitar nada oru p do
governo fundado por Sylla, anda que para
isso Ibes fosso ncca.su n euvolver ua mes-
ma rena a propria sociedade: e que nBo
contentes de restabelecer os Minos dos pros-
critos em suss posi(des, pediam que Toasen)
extinctas todas as dividas e que as trras
publicas fossem distriuuidss polus cidadtos
pobres, em oulros termus que sa proclamas-
so a bancarrota e a guerra civil.
He s isto ? nto. A osla dictadura de Syl-
la, conlra a lembraiifa da qual se levaula-
vam com tanta violencia, projeclavam fazer
suecuder urna dictadura muito mais terrivel
pois que ella deria ter dea caberas o as con -
ilii,ocs devtam ser alianitadis. NBo seria mas
justo, com eifeito, que fosse i anarenia
a quem secontiassa o cuidado de decretar
0 chaos ?
He preciso dizer, para eterno elogio e
Parece, quo a repblica, sentindo a aprosi-
marjflo do senhor que vaeencadea-la lonea
O arsenal de guerra tem de comprar os
objeclosseguintes: serrotes de lizas, ditos
do mto de o meio palmos, euchs do luz I,
formOes surtidos, goiras curvas o direitas
surtidas, esquadros, i<-'li Taco, martillos
surt ios, tulla de sorra de 6 a 7 palmos, di-
tas de 3 a 2 o meio, ditas surtidas, arco do
pa com os ferros pertencontes, grozas cha
tas o meiis canas surtidas, verrumas surti-
das, limas triangulas mu^as surtidas, ferros
de capa e sem capa surt Jus, ferro dejun-
teira a esquerda, compassos de 6 a 8 polega-
.i-, badames surtidos, podra para amolar,
limis dalas, dilas meias cunas, e ditas mu-
tas das mesmas qualidades, e todas ellas
surtidas, limas triangulas surtidas, e hua-
lo s surtidos, nina safra com 327 libras :
quem n. iieiici niaiio. objeclos quizer for-
necer comprela com sua proposta acompa-
nhada das amostras, no da 12 do corrente
mez.
O Arsenal de Guerra compra taboas de
assoalho de pinho :]quem taes tnboasquizer
fornecer compare; com sua proposta no
dia II do crlenle mez. Arsenal de Guer-
ra, 9 dn fevereiro do 1852 -Oescripturario,
t. Seralico doAssis Curvslbo.
Por o le i do Exm. Sr. presidente da
provincia, se faz publico para conhecimen-
to dus nleressados, que fica prorogado o
praso da matricula lias diversas aulas do
Lyco, at o dia I do crrente, nto puden-
do mais ser adinilli Jos aquellcs que se nto
u'i.ili icnln mu at i nio, seja qual fr o mo-
tivo, porque tenham deixaOo de fize-lo.
Lyco, 9 de fevereiro de 1852.--O ama-
nuense Hermenegildo Msrcellino de Mi
randa.
O conselho d'administra(Bo naval tem de
contratar por arrematiicto, no dia II do
corrente, o fornecimonto dos gneros se-
. 11 i 1111 s, para os navios armados, pelo lam-
po quedecoirer al o fim de juulio futuro -
agoardenlo do 19 a 20 graos, azeite de car-
rapato, e lenha de mangue em ochas se-
Y, r r .:,, X, :: V '"'" '"*" 1ue sera presente, sendo a
o ultimo grito para o lionum que ja a sal- _. ims. .,' .. dol J!.!-. ,',- i,.,,..
vara urna vez. Cicero volta, mas seu ca-
rcter, longo do se ter Tonillo de no exilio,
havia enfraquecdo. Du um lado o vemos
obter do senadu que urna prolongacto de
poderes seja concedida a Cesar nas Galiis,
e de outro lado, para agradar a Pompen,
ello cobre com o manto de sua elequencia
os vergonbosos definios dos Vetulios e dus
Gabinios. E com tudo elle havia recusado
acceder liga secreta que uuia Cesar,
Pompeo o Crassu.
(llluslralion.)
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
I'.endimento do dia 10. 11:230,444
Oescarregam hoie 11 de fevereiro.
Barca ingleza Serafina mercado rias.
barca ingleza Beraa dem.
Barca americana tfnry-- farinha de trigo.
Brigue iugloz -- Hargarelh Hed bacalhao,
Brigue inglez -- Lady Falkland idem.
Escuna brasileira Laura mercadorias.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 3 a 9
idem do dia 10.....
12:719,466
. 1:233,368
13:952,834
iiiosmu posta a bordo dos navios que a hou
verriii de recebor; polo que sto convida-
dos os que se interessarom em dito forneci-
mento a comparecercm as 12 horas do in-
dicado die, na salla de suas sessfies comas
propostas, declarando o ultimo prefo e
quem os Dadores. Salla das sessOes do con-
selho de administrarlo naval 6 de fevereiro
de 1852.Chrslovto Sant-lago de Oliveir,
secretario do conselho.
POIa delegacia lo primeiro dislricto.se
faz publico, que fura aprehendido um qnar-
la.i castanbo com urna cangalba : quem
se Julgar com direito, irija-se a mesma de-
legada, quo provando o dominio Ihe sora
entregue. Delegada do primeiro districlo,
6 de fevereiro de 1852. O delegado de po-
lica. Francisco de Assis Oliveir Maciel.
Em additamenlo ao annunciojeito pela
aegunda secuto da meza do consulado pro-
vincial, se faz publico que tambem se rece-
be do dia 3 de fevereiro corrente em disnte
o imposto de 20 porcento de.agoa-ardeote
consumida na provincia.
Pela segunda secuto da meza do con-
sulado provincial aonuticia-se aos colleta-
dos no imposto de 3 por cenlo, e bem assim
aos de-casas em que se vendom bilhetes de
loteras de outras provinciss, e bijas de mu-
das,que a cobranza dos mencionados impos-
tos deve principiar no dia 3 de fevereiro
vindouro.
O patacho conlianga segu impreten-
velmente para o Rio de Janeiro na quinta-
feira 12 do corrente, os senhores quo tem
escravos a embarcar queirarn mandar os
cunliucimcntos no escriplorio dos consigna-
tarios Novaos & Companhia, na ra do Tra-
picho n. 34.
Para o Ass
Sai com muita brevida le o briguo nacio-
nal ci.nc ieo. capitto Joaquim Ferreira
dos Sanios, quem no mesmo quizer carre-
gar, diriji-si! ao escriptorio de Manoel Al-
ves Guerra Jnior: na ra da Cruz n. 40.
Para o iode Janeiro
Sai com muita brevidade o patacho nacio-
nal S. Jos Americano, quem no mesmo
quizer carregar, ou embarcar escravos a
frele.trate com Manoel Alves Guerra Jnior:
na ra da Cruz n.40,ou com o capitBo Tlio-
maz Poreira dn Lago.
'.u,i Lisboa.
O brigue portuguez S. Domingos forrado
o progado de cobre deque he capitto Ma-
noel Goncalves Vianna, recebe carga e pas-
sageiros aosqua-'s offerece bons commodos:
a tratar com o referido capitto da Praca, ou
com o coiisignalaiio Joaquim Ferreira Men-
des GuimarBes ua ra da Cruz n. 57 segun-
do andar.
Ce ara e Alaranliiio.
Segu em nucos das o brigue escuna
nacional Laura, para carga e passageiros,
Iraia-secomo consignatario J B. da Fon-
seca Jnior: ra do Vigario n. 23 segunJo
un ai; ou rom o capitBo na Pra;a.
Para o Rio de Janeiro
Seguo impretorivelmenle o hiato Ang-
lica al o dia 14 do crrente, por ter loda a
sua carga prompta, e s recebe escravos a
Troteo passageiros; irata-se com o mesmo
capitBo Alevn,he Jos Alves ou com An-
tonio Joaquim Seve, na ra da Cadeia do
Recifo n. 49 segundo andar.
Para a Baha.
S"gueem poucos das, por ter grande
parte da carga prompta,o hiate Novo Olinila,
para carga e passageiros, trata-se com Ma-
noel Das, na ra do Vigario n. 13, lerceim
yodar.
' Para o Kio de Janeiro, salie
com a maior brevidade postsivcl,
porler paite do sen carrcgamenlo,
o brigue brasileiro Vencedor, ca-
pito Cleto Marcellino Coins da
Silva: quem no mesmo quizer car-
regar, ir de passagem, ou embar
car escravos a frete, entenda-se
c ni o mesmo capito, na praca do
i-Commercio, ou com os consigna-
tarios Novaes $c Companhia na
ra do Trapiche n. 3i,.
Para a Babia, sabe em pou-
cos das, o hiate brasileiro Ame-
lia : para o resto da carga e passa-
geiros, trata-se com os consigna-
tarios Novaes & Companhia, na
ra do Trapiche n. 3'i.
-- Para o Cear, sabe a qualquer dia o
blate Angelice : quem nelle quizer carre-
gar, ou ir de passagem, dinja-se a ruada
Cadeia do Recifo n. 49, segundo andar.
i i iiamaiiiaaiaiiaiau inrrr"
Leil&.
-- Jos Rodrigues Pereira, far leilto, bo-
je, II do corrente, de 31 caitas com quei-
os recentemente chegados:
Alfandega, as 10 horas do da.
Avisos diversos.
no caes da
Na ra do Hospicio n. 5i prectsa-tc
de urna ama que engomuie bem .


...
-
'"" .;-
"r ^
- O Sr Antonio Jos do Medeiros Cabral, I COI.LET.IO DE S. FRANCISCO XAVIER. Ffindico de P.uli CMiicinli depi-
len) uma Ctit"indi da Ubi do S. Miguel > Dirigido porlFrmcisco de Frailas Gamboa; buquerquo, embarca para o Rio de !<'""
narua dal'rVia'arrnaicia n. 1 de Cuilher. no seu sitio na Cipunga, onde emina ma-, o seu escravo pardo, de nome Joo, de 28
ni -- Hoga- ii autoridades policiaes de Be- IruccSo elementar, na conrormi.lade do re- -- OSr. Jos Marcos Taveiros, temurna
bcribe Pao Amirello e Caa Forte, e dil- gulatnentu de I2de mato de 1851.-Recebe cuta, na ra do Queimado, ion de m.ude-
trictos'visinhos que lendo noticia de urna atis pensionistas 25,000 rs. moftsaes, zia
3
reta do nomo Maria Coquoira de Idaiie 50 obrigando-se a dir-lhesalem do sustento,
annojjbaix do corpo, um tanto magra, roupa lavada, concertada o engommeda.--
nernas meias arquiadas, bracos foveiros, e Recebo maioa pensiomllas, que sAoos que
bocc
da
deira.etambem vende dilTerentes iructoi e saea .--O que pretenderen! aprender lalim,
orlalice por aer bulante esperta; pode-se friiicez ou msica, para o quetem piano
todas spassoas que a encontrar aprendan no mesmo cullegio, jPg Pri os r"-
o fac.m onduiir o largo da Trempe, sobra- pectivoa mesucs 5,000 rs neniae A i man-
do n. I que ie pagara com generosidad o saudades sao pagas a.llioUdaa.--0 dreor
ap,iresenta om leu abono Blem da iniorma-
ernas meias arquiadas, bracos foveiros, e Recetio meus pensiomllas, que sao os que
occa meia torta do ciximbo ; meia catcun- vito Idear em sua* casal iem peneflei domis
a, muito fillidoira, coma andar vndenlo que enaino a sustento, a 15,000 rs.-lamliom
arisco por estei lugares, por ser mirisc- recebe alumnos externoi i 5,000 rs men-
.25.
O cautelista Salustiano de
Aquino Ferreira, paga pelo Jornal
do Commercio de a5 de Janeiro do
correte auno, o bilhetes premia-
dos e cautelas da 4- lotera a bene-
ficio da freguezia de S. Jos, os
quas forana vendidos na praca da
Independencia n. i3e 15, loja de
calcado do Arantes, e na rua da
(jffdcia do Hecife n. 46, loja de
miudezas, a saber: n36 bilhe-
tc inteiro |IOOO,000 ders., 5a5y
ein quartos4oo,ooo rs., 3^3(5 meto
billiete io ,ooo rs 4433 em quar-
tos ioo,ooo rs., 34*4 em oitavos
100,000 rs., Q90 em quartos e vi-
gsimos aoo,ooo rs.
Gabinete portuguez de lcitu.ra.
A directora de-te estabeleci-
"'--\".;^ men,. manda f*ir p,,l,lic?, que
pro....
legio n. 7, ou a rua da Cadeia do Recue n.
50 A, a negocio que S. S. nio ignora
denle, sendo examinadores o Rvm. (aire
mestro Manoel Thomaz da Silva, e Jos An-
Mello,
Nova fabrica de chapeos do sol e
tinturara, no aterro da Boa Vis-
ta n. a a.
Resta nov fabrica o reapeitivel publio
achara um completo sorlimento de chapeos
de sol do seda e paninho tanto para lio-
mem, como para senhora, e concerla igual-
mente, por procos maii commodos do que
em outra qualquor parte ; para este mesmo
eatabalecimentoseacha mudada a tinturara
frinceza da rua Vclha n. 7*, tingindo-se to-
da e qualquer fazenda de seda, lila, ulgoddo
e linho, tanto eoi obra, como om peca e
com muito asseio, assim como se alimpam
casacas o outn quilquer ropa de panno,
que tiver nodoas, pondoso como novis, e,
por probos muito commodos.
-- Precisa-se lugar por moz, u.-a cscra-
vii anula que seja mol'quo, que possa com
um buril d'agua, e para o servico ordina-
rio de pala ria : ni praca da S Cu/, debai-
xo du subrado n. 106.
para Sra, meninas e meninos, da ultima'
mola; ricos cipotinhoi, manteletes, pali-|
tos, de seda lurti-cores e pretos; ricos ro-
meiroi, cabecoas de blondo e de linho bor-
dado, camisinhas bordadas,ricas local do
fil de linho para Sra.; maulas de blonde e
girca pura noivas, capellas, ricas guarnientes
de flores, ricos cortes de seda branca lavra-
da ; luvis de pelma enfoitadas, e meias Je
seda branca, o que ha >lo mclrtor em gosio e
qualnlido; blcos de blonde e imi'.acflo do
a largura de 12 polegadas al urna; gros
de aples preto para vestido, mantas pro-
las de blonde, ricos cabecOea de blonde jus-
to, transas de seda branca e do cores, para
enfeitar vestidos; umsortimeoto de groa-
de napoles de cores eicolhidas, para vellido
ecapotinho, quesevende a vontade ; fran-
jas o transas de cores, e preta, para os mes-
mos; flores, penachiuhos pira locas de
meninos, loques para Sra., luvas, de pelica
e ilo si la preta para Sra. e meninas ; meias
deeoJa de crianga, ricos chapeos de palha
. ,ia un ,ioin,lade da quaea loram approvauus uieiiBiucmo, "ouuu -.
|oadousprimeiros no segundo grao.^o os pelo ultimo naviochegado de LlS-
um variado serti-
is litterarias, quevi-
dgmentar a colcccSo que
ciado6dooutubio de 1851 con as meda- B clinn|..
Ibas correspondentes ios graos. E para, possue, e que 019a por OO VOlu-
constar se maniou passar o presente om mes e Sendo talvez ignora la ge-
ca
que
coaducti: quom p._
-- Tirim-M passapoiles, t-nto para del-
iro, como para fra .lo imperio, follias cor-
r las. ttulos de residencia edespacham-se
....._- I. .... ... nitlrl
para pagar 6 q.-
obngnu, baja de declarar se onlende-se com
Jos Franrisco P.res.
-- Aluga-se a loja da casa da rua larga do
Rozarlo n. 16, proptia para qualquer csta-
belecimcnto, pelo bom local, ou inosno pa-
ra marcineiro por ser minio grjindo 1 a tra-
tar na rua do Queimado n. M-
Alolfo schalheillin, embarca para o
Rio de Janeiro, oseu escravo de nac5o, por
nome Benedicto.
OSr. capitilo.Malhiis Fernundes UoSa,
mrrador em Cuianni, e 1 senhora I). Mana
de UM prolissflo : as possoasquequi-
zorem honra-Jo com a mi 1 confianza,
9 podoiii diiijir-su a rua de S Francis-
co, sobrado cinzenlo numero lis A ; o
% da consultas e presla-se ana chama-
dos dos pobres gratuitamente. ?
,**sr
AOS UESTES.
J. A. S. Jane dentista, tem a honra de
avisar ao reapeitavel publico, que se acha
rezi lindo na rua Nova n. 19 primeiro an-
dar, aonde estar! senipro prompto a qual-
quer chamado, desdo Ss 9 horas da mauha i
at as 4 da tarde; o annunciante encherta
de una todos o denles, q'jo porissolem
um completo sorlimento do denles artili-
ciaes, incorruliveis e do porcnlair.mui de-
licados e do ultimo gusto ; e lo los os niais
ccessonos tendentes a sua profiri, "ase-
verando a to las as pessoas quo se quizerem
utilizar do sou presumo que n!Jo exige pa-
Antoiiia de Barros, no engenlio S. Andr
aquim
ra & Companhia, na rua Nova, loja n
tem cartas, em casa de Jo Joiquim More
Arrela-se um sitio, contando porQo
de coqueiros muilas arvores de frutos,
com casa de vivenda o muito proprio para
so plantar capim, por ser a margem do rio :
os pretendentes. pdem dirigir se ao pas-
soio publico loja n. II.
Desappareceu de ca*a o africano, de
nomo Manoel, no dia 30 de Janeiro do mez
prximo passado, levando vostido camisa
de 111 a lapolHo ecalsa decasi'nira do listras
ja usaua, consta quo anda pola Copunga :
guem oapprehendcr, leve-o a rua larga do
Hozario, no segundo andar do sobrado n. ,
qud sera recompensado.
-- Precisa-se de urna ama, para casa de
horneo! solleiro: no aterro da Roa Vista ,
venia 11. ao, si dir qu'in precisa.
O bacharel Augusto l.emenha Lins, ad-
voga no ciinio n civel, na cidade do Itio For-
mozo, ot.do podo ser procurado.
osappareceu nu dia 9 do corrento ,
uma parda escura, de nome Francisca, re-
pn unta ler de idade 35 annos, com os Big-
uaes seguidles : --estatura r"g"ular olho>
grandes c bastante encaruica los cabello
grande, muito eia do cara, quan lo indi pa-
rece ser cambada, levou vestido de chita
encarnado j sujo, panno da costa azul o
um nutro vellido brancu por cima do oulro
lingiudu avental; ruga-se is aulori iades po
liciaes ecapitaes de ca.npo a captura da
iiiesiua, o 11 entregar na rua do Crespo n.10,
que sera generosamente rcconipensado.
Aluj-so umsilio bem lolfrlvel, com
un grande parrdral, psdosipoli, pinhas,
10mies, bauaneirai, baila para capim, ca-
cimba, o casa, que apezar de no ser muito
lioa, tem seus commodos : na rua do Seye,
junto a moiadia do Sr. Francisco Xavi-r
.'lartins Bastos, a tratar na rua ,1o S. Fran-
1 isco, casa 11. 10, coulronte ao theatro.
Quem precisar de um rapaz forro para
servil de creado o qu 1 ira se tor prbeiso pa-
ra o Rio : dinja-sea rua da Concordia, 11. 1.
Francisco Pereira da Silva, subdito
poituguez retira-.-e para o Itio de Janeiro
levando em sua couipanhia sua mulher Ma-
riana i/ijn da Silva, e suas (Unas, Maria
da l.uzo Josepl'ina da'Luz.
O Sr. Marcolino de llorja Geraldesdei-
xou de ser caixeiro de Jones Patn & Com-
panhia, desde 29 de Janeiro?, p.
Manoel de Aliueida Lopes embarca para
0 Itio de Janeiro os escruvoa de nome Fran-
cisco e Aulouio, crcoulos; Zacaras, Joa-
quiii.l'iae Loiza, pardos,
J aoMartiusde Barros embarca para o
Itio de Janeiro o esclavo creoulo do nome
Antonio I.uurencu.
Manoel do Almeida Lopes embarca
para o'Hio de Janeiro o escravo Antonio pa-
ra ser (iiliegue a seu senhor Bernardo Jos
Pinto.
I). Auna Profiri do Sacramento reli-
ra-se para u Granja, levando em sua com-
panhia oscscravoscreoulos segulntes -. An-
tonio, Candido, Julio, e Mauoel ; l.ui/.a,
1 n. 1..- Thomazia, e um uiolequo de nome
Francisco.
Nosabaixosasslgna los dcc'aramos que
do uossa livre vonla lo temos de-apartada
a locieilade do rommcrciofloe linbamo Ce-
loorado na ci.lnde de Porto-Alegr em 10 de
set'unbrode 1851, firaiidoo Sr. Francisco
Maesiralliobrigadoa toJaa liqiida?iio acti-
va e passiva pertencoiite a dita casa em Per-
namlioco, por ter oSr. Francisco Maestralli
comprado a mesma casa; excei toando aen-
roa.menda que foi feta em nome da socie-
ilade em Janeiro dos Srs. Falque & IrmSos no K10 do Janeiro,
o que quandochegar a dita encommonda,
sera dividida pela melade, pagando cada
um sua parte: em f do que mandamos pas-
sar o prsenle em que nos nos assignamos
comastestemunbas. Reeife 6 de fevereiro
de 1852. Francisco Maestralli.
J. -. Massena.
Atierro da Boa-Vista n. 16.
Pommalcou culileiro to n a honrt de pro-
venir ao respeilavel publico que vai fazer
urna viagem Franca e por- este motivo re-
solveu vender a prego do cusi todas as f.i-
zendas da sua loja, iato a ilinlieiro a vista
al.amando a qualidade das fazendas que Iho
comprarem.
___ l'recisa-se alugar uma pre-
ta, que sjiba coznhar e engom-
niar ; bem como um moleque : na
rua da Cadeia de S. Antonio n. 7
-- Precia-ae ilugir nm escravo, ou qual-
quer um homem forro, para o lervijo de
uma casa eitrangeira : na rua da Cruz nu-
a,e' 38- -.-.J.
Precisare de um rapaz, para fetore
um cnirenho na freguezia deSerinhem, ao
qual so ds bom ordenado : ni Camboa do
Carmo n. 33.
J.
tario o alumno Jos Vellozoda Silvelra. c3o je {.uem pertender BSSOCiar-se
Eslava roconhecido. F .. iml,0m (",
--o caf franeez precisa de um caixeiro, para tao nobre lun, lamDem iaz
que seja diligente o cnten la o francez. publico que tem na sua biblioteca
--.Apessua que llip faltar um carneiro,
ple o procurar na venda da esquina da rua
dos Quarlcis, que dan lo os signacs Ihe ser
entregue, pagando as despezas feitas com o
mesmo.
iVobotequim da Covadi Onea da rua
OS
el
s liv os que pertencem a seguinte
las.silicacao; iogr.iplii, Cbroni-
cas, Commercio, Uiccionario.s, E-
conomia l'olitica, Filologa, Geo-
larga do Roza'rio precisa-se de 2 muleques, ranna Historia, por Alexandre
ou pretos para o serviqo do mesmo. o 1 _, r._,_
- Parante o Sr. juiz municipal da segun-V lierculano, I biers, Laluente e va-
f ,la vara do civel, depois da udjenc|e_dO ros. Jljstora \ I mil, Liltcratll-
Grunja levando om sua compaubia um es-
cravo creoulo do nomo Carlos.
AJolpho Bornard Braoger, francez,
retira-se para fora da provincia.
Predia-se alugar um molequo para o
servido iuterno de uma casi estrangeira
que soja liel osadio : quom o livor dinja-se
a rua do Trapicho n. 8.
s># ^e*9a' ;"*i>3;
li) PillllO GiiUiKiux. ilrntlsl *
($ francez, offcrccc sen prctl- #
mono publica pura todos os 9
mtsterea 'ottssao:
9 podeeer iirocnrMl.o a qiiul- 9
iticr hora em siiu casa, nu 9
st roalrg*doRo!arlo, n. :j:>,
I legando nda<*.
Flores de gomma,
para cabello o cima do mes 1, boiiecas, ele.
juiz municipa
do civel, depois da audiencia 1
dia II o 14, scha do arrematar por execu- ',, Dw!l.'*i.kio l,..
^aoa parte de uma casa,dcima 29, na ra, Mithologia, lMlilObOphia, I OL-
rua da Gloria do bairro da Ba Vista, a Jos sa Poltica, llbetorica e Lloquen-
da S.lva Moreira, ponhorada pelo abano |(0manses nrncioalmenle de
assignado como se diss no annuncio an- ca, riomanses, prinsifaitwaM
tenor.-Francisco Jos de Mello. ISue, Uumas, Souliee Gcorgoand;
- Desappareceo 110 dia 7 do corrente da rn u__a_|,s, Tlu>atrn ibeoloeia
estriba.ia de Manoel Ignacio Avell.a, no iu.: laciilgiaplua, llaatro, I neo.og
gar dos Remodios um civailo rugo peirez, e Culto, Virtgens. He pertnittiaa
grando col, com o peseoQO o cabeca um 1 sa|,j,ja Je | vros para leitura ex-
tanto pellada do sanguo que teve, e ha *"'" ;* I ,
bstanlo velho : roga-se a quem o pegar terna a exccpc-io los ODras au cou-
que levo-o ao Remedio no sitiode Manoel lsu|tJj contorme determina o regu-
Ignacio Avelha, ou rua de S. Amaro n. 8
que ser bem recompensado.
-- Disappareceratn da porta da alfande-
ga dous barris com mantoiga, sendo um de
inglcza o outro de franceza : roga-se as
pessoas a quem ditos barris fore n olloreci-
dos o participen) a Joaqun) da Silva Lopes,
que da a melade do valor dos ditos barris
do gralilicac.lo.
Aluga-se por 1S0" rs. mansaes urna
boa casa loirea em Uiiuda najua dalliqui-
deS. Pedro, 11.1 muito prupria para inora-
dla alo do quatro Srs. acadmicos por ter
osscguintts commodos ; ties sallas, quatro
quarlos grandes, cuzuilia, quintal todo mu-
rado, cacimba e estribarla para quatro ca-
vallos codi porlilo para a rua : Urija-se
rua do uuerna 111 no Recifo, loja de ferra-
gain d. 37 A.
Offerece-se uma mulher de meia idado
para ama do casa de homem soltelro: na rua
da Guia n, 7.
Iiseja-se ajustar com oSr. Agrimensor
que demarcou a pouco o dngonho Tapicura,
para urna oulra demarca^o de engenho : nu
palco da Penha confronte ao couvenlo 110 so-
brado de solio.
Dcsappareccu no dia 3 do corrate uma
negra de nome Minervina as vez s rnuda-o
para Felicidado.lem falla decabello no cau-
to esquerdo da cabera, rosto pequeo com
tallios pouco viziVi'is, ptruas muit) linas
levou vestido du Lanziuha vordu ja desuiaia-
du, e o traz com o curpo descido feilo saia.
e panno da cosa. Taubem conduzio umaca-
neca toda pintada do azul com que vendia
agua : quem a pegar leve-a a rua da Sonzai-
la Velba n. 22 primeiro andar ou a fun Jicao
da rua djj lirum au caixeiru da un-siu...
Perdeu-se na noitodo dia 7 do corren-
te 110 lugar do remedio na casa em que bou-
ve represonloco uma clarinela toda do ma-
deira com aueis preto, a pessoa que achou
querendo restituir pode levar na ru> do
(jueimado n, 16, que sera n.con,pensado.
Alcm dos li-
tcm os se-
lamento de leilura.
vros eopecificados
guia tea-:
Jornes lilterarios,polticos e com-
merciaes.
Imprensa, Di trio de Pernambu-
co, Jornal do Commercio lo Rio
de Janeiro, Mercantil da Babia ,
Diario do Governo de Portugal ,
libtahdarte, Hevolii9ao de Setem-
bro, Na^o, Peridico dos Pobres
do Porto, Semana, Atlieneu, Re-
vista Uuiversal Lisbonense, Revis-
ta Popular, Revista Militar, Se-
manario Pittoreaco de Madrid, 11-
lustracao HespanboU, Illustracao
Francza. Estes peridicos sao re-
ceidos regularmente no gabinete,
pelos vapores da Europa e do Sul
do imperio. Recifc, 7 de fcverei
ro de i85i. Joao Quirino de
Aguilar secretario.
Altencao.
Nova fabrica de chapeos de Sol no allerro
da Bua-Vista n. 22, acha-se um grande
sorlimento de chapeus de Sol muita
em couta, tinto para homein.como para se-
nhora, como seja de seda ou de panninho, e
grau le sorlimento de poci de seda edo pa-
panninho para cubrir os chapos de Sol ja
usado.tambem concerla os dittos peol preco
mas commo lo do quo em oulra qualquer
o parte com toda iTomptiddo,
Precisa-se alugar duus moleques : na
rua da Cadeia n. 13.
Precisa-so do uma ama forra, ou cap-
tiva, para uma casa da pouca familia : na
rua do Pilar em Fra de Portas 11. 72, segun-
do andar.
Alugam-so duas casas nos arroi bados
do O.inda, muito frescas, urna dellas com
.commodos para grande familia : trata-se
Fraucisco Mathias Pereira da Costa ex- do aluguel na rua da Cadeia do Becife nu-
pnrta para o Rio de Janeiro os seu eacravos mero 43.
Severino, Sabino, Felippe, Iteginardo, Joflo Acha-se farinba nova de SSSF, (de ra-
da Mola e Anetela todos crioulos, Jollo minha; para vender, nos armazons de Dea-
llezija- se que o Sr. Marcelino II n- ^
', rique Pereira declare sua residencia
? para ser prucurado para negocio, e
!$ tspera-se que declaro por este mes- 1
9 mo jornal.
ga alguma, n.1o llcandu os denles bem pus- fax S1 Co:n perfeicfio, naturali'dade e bom
tos que nuse possa dcftronar dos proprios| gusto : na rua do Arago n. 12, segundo
naturaes, o podendo-se maslijar com os andar.
mesinos lo la a qualquer comida som s-ilir ^. llenriques Willmer, ten lo do ven
a rnonor dor nem tor recalo de os quebrar; I der a grande' parla que tem no sobrado do
tambera chumbaos denles naluraos fura-1 dous andares sito na rua Imperial, un le esi.i
dos da caria com ouro, prala e metal hran- a fundiflo, d'accordo con o Sr, Joilo Jos
ro, praveninlo lilm a conlinuaf9o da ci- je Carvalho Moraes, como possuidorde uma
ria, oros e mesmo evitando por isso a for- parle, roga portanto a quem for autorisa-
mi do passar a caria dos denles Turados para jo, pgr uma pessoa da cidade da Victoria,
os outrus s3os ; tambem tira pedras ou ca- qUa loin (ambem urna parto no mesmo so-
rias dos denles em geni, que tinto os dam- brado, bi]l do apparecer para tralar-ae des-
a lira e coopera para o mao alito da bocea, 8e negocio : na rua do Sol por cima do ar-
11.") soudo tirado : o ennunciantea 10 an- mazem de capim.
nosqueexerce a sua profiiffio Delta cida- --O abjixo assignado, nico encarrega-
de, eos muitos exemplos que tem dado do de recebar os foros das casas da fregu-
nesse longo lempo, ser quantn basta para 2ia do S. Jos, perlencentes aoSr. Francis-
se garantir. cu de Paula Correa de Arauju, faz ver aos
Precisa-sede um fornairo, que seja pe- mesmos foreiros, principalmente quelles
rito e reluso em suss obrigac,';s, d-se quo nrlosabema sua moradia, de.dirigireni-
20,000rs. por mez : na padaria por baixo se rua das Cruzas, n. 41 cun os compe-
do sobrado n. 106, na praca di Santa Cruz tontos recibos, ahi pagarein o quo estivo-
Traspassa-se polo lampo de 3 annos e rom devendo al esta dala, llecifa 9 do
ineio, a ronda du sitio qua foi do llr. Ber- fevereiro de 1852.
nardo, com cominolOs para grande l'ami- Antonio Alves Teixera Bastos,
lia: quem o pretin ler diriji-seao mesmo ~ Aluga-se o silio doSr. yueiroz Fonse-
silio em (Nimia defronte do contento do ca, sito 110 lugar dos Remedios, plantado ilo
Carmo, ou ncsla cidado 1I0 Recita na rua du arvoredo, com boa casi do vivenda para
1'rai.i n. 29,-segundo andar. grande familia, senzala para escravos, ns-
Aluga-se a padaria nova do Mangui- uihuia pira civallos, caclioeira 3 um opti-
nhi, com todos os scus perlcnccs : qu-m a m0 vivoiro de pelxe : na rua da Cruz 11. 1.
pretender, dinja-se a cisa juulo a mesma .. No dia aabhado3l do Janeiro p. p., par-
que achara com quem tratar. lio do engcnlio Muasupe, un regresso para
Tinturara francza, no aterro da o engenho liento Velho, na eomaic* do S.
llOturariU 1 *nUo,do bucliuol Pedro Beierra Pereira
loa Vistan. 17- do Arauju B. Ilrilo, o seu cabra Luiz. creou-
Tinge-so toda o qualquer fazenda de lia, (0i do jdado da 20 anuos, lecco, sera barba,
algodSo, seda o linho, tanto om obras cuino en) UIM cavalln castanho castrado, com nina
nm pecas e com muito asseio ; assnnconio p..qUo:ia blido em um 0II10, conduzindo
su aliinpam casacas o oulra qualquer loja carga do cacoaes com urna duzia de ca-
de pao, que livor no loas, poudo-se como p(^cj| um ij,|,j0 chalo de roupa do liom mi,
novas e por presos commodos. conlendo 6 camisas, 4 i alcas, 3 p lils, e
O cirurgio Bernardo Pereira do Carmo nutras roupas, o um methodo de piano, cae-
faz scicntn as pessoas quo a teo)|:os Iho fa- (as ect ( 0 ,t presan nao ho aparecido,
laram e mesmoa quom convier o quiz> r,pa- devendo-se suppor ou quo fugio, (o que
ra por rneio de um ajuste razoavel, ostratar- nuncafoz) ou queo robaivm ou mataran,
annualmeiue das molestias que possam ap ou a|guom tomnu-lhe o cavallo 0,11 Po d'A-
parecer, que tenliam a bondado do virem a ||10i e ,,||e 0 >0gU,, j, .1 que quer ^jue seja
casada sua residencia na rua do. Rozano que tenflo pude allirmar uo ceilo : roga se
larga n.30^-a os poder la ncaromn.de seus p0js> as ,utoridod,is ou qualquer pessoa do
clientes. povo que o encontrar fgido ou suuber nuli
Salustiano de Aquino Per- ca dcite, o facam ebegar ao seu gerente
:. .1 Uirla ,it uesla praca, Paulino llazerra de Mello An-
reira, tbesoureiro da lotera a ,|ra,,e| imi)(na rua d0 Aragn. i,ou a seu
uia'riz da Roa Vista, avisa as pes- sr. o referido bacharel, quo sor devida-
... ... n;..,li ilBPwm tullirle-, menta recu upensado ; o cabra foi compra-
soas, que anda tiverem nnneics (loaol)r Joaquim Gonca|ves Lima, de Pa-
d 1 dita lotera para receber, quei- je do Flores.
ram por obsequio dirigirem-se a
rua do Trapiche n. 36, segu.do
andar, das 9 horas da manliaa, ale
no ineio dia, e que 08 paga at o
litn deste mez.
Casa de modas francazas, madama Milocliau
Buessard rua du Altoiru da Boa Vuta
uuessaru .u { 0WMAN & Mc ckLLm, engenhein
Pelo navio o Havre rocebeo-so um lindo ros macbinistas e fundidores de ferro mui
sorlimento das ullimas modas do Paris ; respeitosamente annunciam aos Senboros
em cliapo d.i senhoras, manteletes o en- proprietanns de engenbos, fazendeiros, mi-
feitos de cabeca e de vestidos. Ricos cha- noiros, negociantes, fabricantes e ao rps-
pos;capolinliosderede de retrus de co- peilavel publico, que o seu eslabelecimento
bordados, ditos de bico, ditos de cam- de ferro movido por machina de vapor con-
braia : ditoa de seda, enfeilos de cabe?a e tina em elTeclivo oxercicio, ese acha com-
loucados para senhoras; ricas lilas llores o plelamento montado com apparelhos da pn-
lu'vas ; cabecOes de blondo o do linio bor- meira qualidade para a perfeita confoccao
dados romeiras e camisinhas de bico bor- das maiores pecas do macbinismo
dado ; mantas de blonde para noivas ; ricos Jlabilitados para emprehender quaesquer
bicus e habidos mangas de bico ricas o obras da sua arte, Bowman c Mc. Callum
simples; lentos de camhraia de linho bor- dosejam mais pBrlicularmenlo chamar
dados, bicus, transase frahjas para quares- attoneflo publica para a sseguintes, por
ma ; mantas de bico prola para mlssa ; um erem dellas grande sorlimento j prompta,
soitim'oiilo de pulceiras de todas as un- ,-,s qu ;l ,.s enn.slniiilas na sua fabrica pdem
li Iades gravalinhasde fita de veludo o pul- competir com as fabricadas cm paiz es-
ceiras com aslivollas licas de madre do pe- trangeiro, tanto em preco como em qua-
tudo o quoemcommen- dade da materias primas e mo d'obn
(j Starr & (.'mpanbia,
Respeitosamente annunciam que 110 seu ex-
tonco cstahclociinento em Santo Amaro,
continua a fabricar, com a malor ferfeic3o
e prouipti ISo, toda qualidade do macbinis-
mo para o uso da agricultura, navegn;noe
manufactura, e que para malor comroodo
da seus numerosos freguezes e do publico
em geral, leui aberio em um dus grandes
armazons do Sr. Mosquita na rua do Brum,
nii/. do ais nal de marinha, um
Deposito de machinas,
abelecimento.
ores um coinpie-
canna, com
una ilclles 00-
vos e originaos) de quo a experiencia de
muitos anuos tom mostrado uecessidade.
Machinas do vapor do baixa e alia pros-
silo, tachas do to lo tamanho, tanto batidas,
como fundidas, carros de mo, e dilos para
couduzr formas do assucar, machinas para
moer mandioca, pronsas para dito, fornos
de ferro balido para familia, arados do fer-
ro da mais approvada construc^ilo, fundos
para alambiques, crivos e portis para for-
uattias, e uma inlinidade de obras de ferro,
quo ser infidonho enumerar.
No mesmo deposito existe uma pessoa iu-
l-dlig uto o habilitada para rocobor todas as
enea amendif, etc. etc., quo os aiiiiuucian-
Ul,Contando com 1 capacidado do suas of"-
IIras o uiactiinisino, e pericia de seus olli-
olaea, se compromcllem a fazer cxecular,
eon a uiaior presteza, perfeitilo, e exacla
onformidado com os modelos, ou dese-
nlies, e iuslruc^Oes quo Ihe forem forne-
cidas.
CiOmpras.
nardo claro. ne Foulo & Comianhia, no boceo de Con-rola, faz-so sempre .-.,,.
P.-Precisa-se fallar al). Jos da Acunha a'calves. darem segundo as modas de I ar.s por proco ,b,,
negocio do seu intresse, o qual lem na rua I .. primnjra u tiencia dolllm. Sr. I)r. commodo.^
do Tiapiche 11. 6, urna carta vlnda no vapor | juiz dos feitos da fazenda.se hOo do arrema-
Teviot- tarosseguiolosobje-ctos: um engenho de-
precisa-se lugar uma preta captiva, nominado llarbalho na freguesia da comar-
que faca cum perfeico o servico diario do ca do Cabo, com todas as suas trras, mal-
las e logradures, casas do ongenho, do vi-
venda o do purgar, com 30 furtis e 3 balcoea
grandes, senzafla para proios, 1 moen.la, 4
uma casa : na rua Direita n. 63.
Jos Luis Pereira, roga a bous devedores,
principalmente aquellos que seus dbitos
so d* mais de anuo queiram salisfazer-lho uchas e um parol de caldos, tu lo de ferro,
ateo dia20do correnle, poisest resolvido eoutrosobject,.savaliadosem38.000,000rs.
fbeo) a seu pesar) a chamar a juizo aos que e da mesma forma vSo a praca os b iqi an-
nSopagarem. nunciados em o Diario de Pemambuco Uo 26,
Jos Luis Pereira embarca para o Rio 27 e 28, de novembro do anno p. passado,
do Janeiro a sua escrava crioula de nomo B excepeSo de alguol que j foram arremi-
Miria. Itados.
Precisa-se alugar um sobrado de I an-
dar, ou primeiro andar as ras das Trinxei-,
ras, Queimado, Itozario larga, a estrena,1
(ollegio, Diretta, Terco.llortas, e Agoas-ver-
des ; e uma prela para comprar, cozinhar, e
engommar para uma pessoa uo paleo do Car-
mo n. 10. .
__ Avis-se a quem Ihe laltar
uma trouxa de ropa lavada : an-
nuncie, ou dirija-se a rua do Tra-
piche n. 36, primeiro andar.
Embarca-se para a Baha, para ser en-
tregue a seu senhor, o escravo Fiel, Africa-
no, he maior do 40 annos, portencenle ao
Sr. Jos Egidio deOliveira Mendes.
-- No dia 12 do corrento, pelas horas
da tarde, a portado lllm. Sr.Dr. juiz deor-
phos. vai a pra<; para ser arrematado, a
quem mais der, o escravo Francisco, de na-
ci Angola, da 40 aonos de idade, avallado
por 180,000 ra. perleocente aos herdeiros
do finido pidre mestre Jos Gon(alvea.
Cnli^rtifia
Na Rua do Aragao, n. i2, se-
gundo andar, copia-se com perfei-
c5o qualquer papel em muito boa
ltro e por preco commodo.
Precisa-se alugar uma escra-
va, que seja boa cosinheira e com-
pradeira, : quem a tiver dirija-se
a rua da Aasumpclo ou muro da
Penha o. 16.
Precia-se fallar com a Sra. D. Ray-
munda Maria Carneiro da Cunha, ou com
quem for seu procurador; a nea-^io do seu
nleresse, para o que queira annuncur a
sua morada.
II lili,MU.
0 Sr. Bernardo de Albuquer-
pe FcinundesGama, queira man-
dar pagara subscrcao deste Diario.
No pateo da riheira de S. Jos n. 15,
lava-seeengomma-secomperfeicio e ac-
cein.
- JoiquimRibeiro Pontes lendo coritas
j lelras de alguna senhores que tem deixa-
de pagar-lhe, uns pur aroizader outrospor
rolaxacilu tanto da parte do seu cobrador
como dos devedores, roga pelo presente
sos mesmos Srs. do virem quanlo antes pa,
sar seus dbitos 1 rua da Cadeia do Becire-
54 assegurando toda acontemplico nos
juros ; e so nssim o nlo llzorem passarflo
a ser Jemandados, o que sera uma vergo-
nha para os devedores alem do abuso com-
metlido, algunsate ha 15 annos.
-- Precisase de um administrador para
um engenho, que alm da pralica, e habe-
lacO: s necessarias a um tal emprego, seja
casado, o tenha pequena familia: quem
taes qualidados possuir, podera entender-
se com o teoente coronel Manoel Joaquim,
no Afogadoou no seu engenho Peres.
Madama Rosa Uardy, modista
brasileira 11a rua Nova n. 34-
Peto navio Havre recebau um lido sorli-
mento das ullimas modas de Pars, como
semm : chapos de seda de lodas as cores
para Sra. e para meninas de 7 a 12 annos ;
chapousinhos redondos franxidos com ca-
nallas de flores e pcuachinhos, para meni-
hos, e moninas de 6 mezes a 6 annos; um
sorlimento completo de chapos de palha
Machinasdevaporda melhorconstrucc.3o
Moendas de canna para engenbos de lo-
dos ostamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa,moinbos de'vento e serraas
Manejos independenles para cavados.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzesechumaceiras.
CavilhOos e parafusos de todos os tama-
nhos.
Tai xas,paros,crivos e boceas de for n all a.
Moinhos de mandioca, movidos a mo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas do f o gil o e frnos de farinba.
Canos de ferro, torneiras de forro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a mi, por animaes 011' vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prensas bydraulicas e de parafuso.
Ferragons para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grdese portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mi e arados de ferros
ole etc.
Alcm da superioridade das suas obras, ja
gcralmente reconbecida, Bowman & Mc.
Callum garantem a mais oxacta conrormi-
dade com os moldes e dezenhos remoilidos
pelos senhores que se dignartm de fazero
Ihesencommendas, aproveilandoa occasiae
para agradecerem aos seus uunierososami-
eos e freguezes a preferencia com quo leem
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nio poupario esforcos e diligencia
para conlinuarem a merecer sua conanca.
Compram-so duas mora las de casas
terreas em boas ras, na freguesia de S. An-
tonio : q uem as liver dirija-se ao adminis-
trador desta lypographia, quo dir quem as
pretende.
-- Compram-se escravos rceoulos, ma-
chse feniss, de 12 a 20 annos de idade,
com habilidades, ou sem ellas1-: na rua da
Cadeia no Reeife, casa n. 8.
- Compram-se para nma encommenda
do Rio do Janeiro duas escravis crioulas
ou pardas, de 12 a 2o annos, que tenham
boas figuras, eum moleque da 14 a 18 an-
uos : na llua-Nova n. 16 se dir quem
compar,
Compra-se um pao do rede com Dirros,
ou sem elles: Comprase tambom uma li-
poia nova) ou em bom estado : no piteo da
l'enha sobrado do sotao delTronto do con-
venio. / i.
-Com^a-se uma laverns, qnoestej 1 bem
afreguezada para a praca, sendo nu bairro
Jo Reeife : quem tiver, auuuncio.
- Compra-se urna casi terrea pequena,
que seja 110 bairro do S. Antonio, quo esle-
jal'vreedesombaiacada : na rua du Quet-
mido n. 39. .
Compra-sa um moloqua creoulo, uo
15 a 18 de idaJe, pouco mais, ou menos,
pan nma naeatnngalra, que scji muito
h>l, bonita figura, sem vicios o nem acha-
ques : na rua do Collegio n. 4, so dir
quem he.
tOLHINHAS PARA 185..
Vendcm-se folbinlus d* porta ,
de padre, e de algibeira de tres dif-
iranles qualidades,sendo uma del-
las com o almanak da cidade e pro-
vincia: vendem-se nicamente na
praca da Independencia n. 6 e 8.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da
Independencia 11 4 vendem-se bi-
lhetes inleiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos,
a beneficio das
Cusas de Caridadc ; epera-se a
lista no primeiro vapor.
Vende-se doce fino de goiaba cm ca-
xinhas de quatro libras em poquonas o gran-
des purces o pre?u commodo: na rua das
Cinco Puntas n. 82 ,
- Vende-so um sitio com casa da podra o
cal, com bastante arvoredos o boa agua para
beber, na estrada de Joao de Barros, chaos
propros : a tratar na rua da (.ade.a do Re-
Cl ."."vende-se a barcica Feliz Doslino.nov,
de 33 caixas, muilo bem construida, e bem
apparelhada, pur preco commodo: quem
pretender a podo examinar no caes do Ra-
mos a tratar na rua da Cadeia do llecfa
n 30.
. Vende-se touciuho emjica-
zcs: na travess da 31adrc-de-
Ueos n. 4e 6-
- Vend.'-se paia fra da provincia, um
escravo oreoolo, do 18 a 20 annos -
do Itozario da Ba Visla n 14.
Vende-so um bom cabnolet,
na rua
com to-
dos os seus pertenec, o igualmente oseu
excelleiue cavallo: a tratar na rua,laU-
deia du Recie, com Joso Pires de Moraes.
- Vende-so um mulalinho de 14 anuos ,
muito alvo, sem vicios, nem **"'>
to boiiilii'ho e ptimo para pagem : na pra
ca da Boa Vista n. 32, primeiro andar.
Uolachinhas de ararut.
Na Iravessa da Madre de Dos, armazem
n. 5, chegou uma porcio de lalas com bu-
lachinhas8 deirarut. muito novas infe-
riores, que se vendara multo em, conla.
- Vende-se um bonito molecio, por pre-
co commodo : na rua d.s T.incheiraa n. 17.
Negocio vantajoso.
Vende-se o hotel commercio sito na roa
da Cadeia n. 13, com os t'
comprador quizar 1 a tratar no mesmo.
- Vende-se um forno para padaria, no
centro da cidade, lendo lugar para moraJa
eannazen. par. lenb, com desembarque
na porta: o protendente anounc.e sua mo-
rada. ,. .
Vende-se
Cha preto e verde, de superior
qualidade em caixas pequeas ;
Vedas de espermacete de superior
qualidade em ditas ditas,
Fio de sapatero, de diversas co-
res :
Tudo em conta, no armazem de
Adamson fioivve & Coappanhia,
na rua do Trapiche, n. 4a.
amaaaaaaaH
aaH


"***''-".
^T
Loteria do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 b 10:000,000 de rs.
O cautelista Salustiano de Aui-
no Ferreira avisa ao resp.'itavel
publico, que no da 19 do corren-
te mez, dcve chegar do Sul o va-
por da companhia brasileira, e no
dia aoovapor inglez Teviot, con-
ductores das 'listas da 14* Iberia
a beneficio das Casas de Caridade,
que correu no dia 4 dcste mez, e
paga inmediatamente logo que re-
ceber as listas, sem ganancia al-
guma, todos e quacsquer premios
que sahirem nos bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos, ven-
didos na praca da Independencia
n. i3 e i5, loja de calcado do A-
rantes, e ua ra da Cudeia do l\e-
cife n. 46, loja de miudezas.
Bilhetes 22,000
Meios 11 ooo
Quartos 5,5oo
Oitavos a,8oo
Vigsimos i,3oo
Loteria de N. S. do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo ders.
Na loja de miudezas da praca
da Independencia n. 4> vendem-
se bilhetes inteiros, meios, quar-
tos, decimos e vigsimos, a bene-
ficio da loteria de N. 8. do Livra-
mento que corre impreterivel-
mente no dia 28 do corrente.
Bilhetes inteiros 10,000
Meios 5,ooo
Quartos 3,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
O cautelista Faria Barboza ,
recebeu bilhetes da 14. loteria das
Casas de Caridade, cuja lista vem
110 primeiro vapor, e os vende no
pateo do Collegio, casa do livro
azul, pelos seguintes precos :
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos a,800
Vigsimos i,3oo
O cautelista contina a pagar os
bilhetes do theatro de S. l'edro ,
que vendidos na mesma casa sahi-
rara premiados.
Vende-se um pardo moco bonito lgu-
ra,proprio para pagem, ou qualquer oflicio :
na ra larga do lloiario n. 35 luja ; e urna
preta de boa conducta e com alguinas la-
bilidades.
Na ra do Crespo n. existe um ca-
vallo lazSo novo, carregador, blixo, sem
acliaqucs para vender-se.
Vende-se um bom larreoo para edificar
urna casa em chaos proprios, o por commo-
do preco : nesta typographia se dir quem o
vende.
Vende-se um bom e pequeo sitio em
cbSo proprios ecom excellenle agua de be-
ber, na estrada do corredor do Uispo: nesta
typographia se dir qnam o vende.
Vende-se um sitio com urna casa mag-
nifica beira do rio, tendo grande sala a-
dianle, com 2 gabinetes, e 2 alcovas, sala
igual traz com 3 quartos e cosinha, tendo
un todo 70 palmos de frente, e 90 de fundo,
com terreno de mais de mil palmos de com-
primenlo e grande baila de capim adiante
da ponte de Uchoa, a fallar na ra de S. Ama-
ro D. 1S.
Veude-se a casa n. 25, da ra do Ale-
crim : a tratar na ra Direita n. 6, segundo.
andar.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro a
seguinle e importanto obra: Curso de llirei-
to Cambial hrazllciro, ou primeiras linhas
sobre as letras de cambio, o da trra. No-
tas promissorias e crditos mercantis, se-
gundo o novissimo cdigo commercial, por
Jos Marii Frederico de Souza Pinto, baclia-
rel formado em sciencias jurdicas esociaes,
1 volunie encadernado por 6,000. No pateo
do Collegio loja do livro azul. He tSo co-
nbecido o nomo do autor desla obra soja co-
rno advogado consummado, seja por seus
Irabalhos literarios, que nos dispensa de
qnalquer outra recommeodacSo tiesta pu-
blicacSo indisqensevol ao jurisconsulto, ao
magistrados assim como a todo o corpo do
comuiercio.
Na porta da Alfandega e no
armazem do baraleiro Joaquim da
Silva Lopes, vende-se furinha fon-
tona SSSF e de Philadelphia, l-
timamente chegada.
1 Avisa-se as casas, que se
costumao sortir de charutos finos,
que acabam de chegar da Baha ,
as seguintes qualidades :
Deputados.
Deputados imperiaes.
Baionetas imperiaes.
Fama va.
Regala.
Trabucos.
Vendem-se na travessa da Madre
de Dos, armazem ns. 4 e 6
A o barato.
A venda novada, estrella na praca di Boa
Vista n. 5, esta vendendo tudo mais barato
do q'ie em outra qualquer parte assim co-
mo viulio 160, 240 e 280 rs. a garrafa, cha 1
1,600 e 2,000 rs. a libra, qneijosa 1,200 rs.O
mantciga franceza a 520 rs.dili iogleza a 720
rs., o resto s avista do comprador.
Vende-se um bom cavallo do cabrio-
le! : na ra Nova n. 21, segando andar.
Gheguem os amantes da boa
pitada.
Pelo ultimo vapor chegado do
Rio, veio nova fornada do supe-
rior rap princeza do Rio de Ja-
neiro, em libras e meias ditas: na
ra do Queimado, loja de miude-
zas n. a5.
Vende-se urna preta creoula, com urna
fillia de um mez de iJde, muilo linda e
com omito bom lelte: n > aterro da Boa Vis-
ta, sobrado de 3 andares n. 51. ,
Vende-se urna Upla, cm todos osseus'
pertences e em muito born estado : na ra
do Queimado n. 39.
Loteria do l'.io de Janeiro.
AOS 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000 ,
2:000,000 e 1.000,000 de rs.
Na loja da Viuva Vieira icFilhos, na ra
da Cadeia do Becife n. 24 receberam pelo
vapor Carense, entrado em 6 do correte ,
a lista da 20. loteris i beneficio do theatro
de Sr. Pedro, e o resumo da extracc3o da
quart lotera a beneficio da freguezia do
S. Jos, que se achim patentes n mesma
loja, e juntamente receberam e acham-se a
venda os mui afortunados bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos da 14 lotera a
beneficio das Casas de Caridade, e trocam-se
por bilhetes premiados das loteras do Ido
de Janeiro e desta provincia.
SALSA IMIIIIILIl.l
DE
As numerosas experiencias feitas como
uso da salsa pardilla em todas as enfermi-
dades, originadas pila impuieza dosangue,
e o bom xito obtido na corle pelo lllm.
Sr. I)r. Sigaud, presidente da academia im-
perial do medicina, pelo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Coixoto om sua clnica, eem
sua afamada casadosaude a Camboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino do Oliveiri, me-
dico do exercito e por varios outros mdi-
cos, permillem hoje de proclamar altamente
as virludes'cllicaies da
SALSA PARRILIIA
DE
H ac M *a ^X* O) WL -
Nota. --Cida garrafa contem duas libras
de liquido, o a salsa parrilha do Bnstol be
garantid!, puramonlo vegetal som mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-se i 5/000 rs. o vidro ns botica do
Sr. Jos Mara Gonc.alvcs Bamos : ra dos
Quarteis pegada ao auarlol do polica.
Padaria antiga.
Apadaria debiixo do sobrado da esquinal
da ra Velha n. 106, com a frente para o
largo da praca da Santa Cruz, continuada-,
mente fabrica tudo quinto he proprio des-,
tes estabelecimentos, c*prichaudo sempre!
em pregaras melhores farinhas que ha no1
mercado, fizando todo o possivel de obser-l
var a limpeza e asseio interno o externo, '
nSo desmerecer o conceito que t-m adqui-
rido no espato de 38 annos ; fazendo sem-
pre a deligencia de adotar o melhor nesta
arte, tanto antigo como rtio Jeino, sem que
admita em seu lubrico, alguma especie pre-
judicial a saude e smente a melhor farinha
de trigo, e boa manteiga, e assucar para
a bolaxinhi, biscoutinho, e fatias, intitula-
das regala, tendo sempro um bom sorti-
mento de torrauas ; observando o antigo
uzo da boina furada, que se parte vm duas
melades iguaes sendo de quatro en libra,
al i menor bolaxinha de 30, a 40 em libra
ludo proprio para quum gosta de abobe'ar
em leite, ou ago para o cha, e cafle, e mui-
to principalmente para auem lio tallo de
denles. Igualmente vende na mesma pada-
ria, muilo bom cha hrazileiro, o da ludia,
cafe muido, som a menor mistura, e orn
grao sevada torrada, assucar refinado
e eni caroco ; nssiai como manila le-
var o pilo aus freguezes que quizeiem utili-
zar-se, sendo logo separado a porcao que
diariamente quizeteui: tudo avunlade dos
freguezes.
SGantois Paillietck Companhia.jg
J Conlinua-se a vender no deposito jj
geni da ra da Cruz n. 52, o excel-
g tintee bem conceiluado rap arcii
* preta da fabrica de Cantois l'ailhct& V
li Companhia da Baha, em grandes e ijj
t poquetas porces pelo preco estaba- B
jj lecido.
Vendcm-so duas canoas aberlis, de
carga de 1,81)0 tijollos, em bom uso, e por
preco commodo: no Caes do liamos arma-
zem n. 2.
Queijos do Sertao.
Vendem-se queijos grandes e frescaes,
vindos do Serillo, e por preco comino lo :
na ra do Queimado loja n. 14.
Veodom-se enxidas calcadas com iqo,
panollas, frigideiras, cassarollss e chalein
de ferro forradas de porcellans, bocetas de
faia para doce, carretilhas, grelhas para
torrar pao, almofarizcs, faces com garlo,
muilo linos, colheres do metal do prncipe
e outris muitas ferragens por precos com-
mdos: na Bua-Nova. loja de ferragens
n. 16, de Jos Luiz Pereirs.
I'ara bailes malcarados.
Mascaras de cera o de pao por preco com-
modo: ua ra do Bosario larga loja de miu-
dezas n. 44.
Leite sem mistura.
Contracla-se vend diariamente de 30 a
40 garrafas de leite sem mislun nlgurr.a,
com quem o queira irreceberno Mangui-.
nbo, ultimo sitio antes da ponte, do lado:
ilireito, e da-sepor ser em porcSo, i menos I
de 200 rs. garrafa : tritar no mesmo si-
tio ou na rui di Cruz do Becife irmizem
n. 13.
Ni travessa da Madre de Dos armazem
n. 5 vende-se batatas boas a 600 rs a arroba.
Attcncao ao barateiro da ra do
Crespo n. 14, loja de Jos fran-
cisco Dias, chitas cabocolas, a
aoo ris o covado.
-- Vendem-so chitas escuras cores de vi-
nh'i e de caf, fazenda inteiramente-de pa-
drees novos e cores muito fixas, a 200 rs. o
covado; ditas frincezas muito superiores,
s 240 rs. ocovsdo : ditas de quadros pa-
drOes oscuros e ioleiramente moderuos,
200 rs, O covado ; superior itoalhado ada-
mascado de puro lindo e com 8 palmos de
Isrgun, pelo muito barato preco, de 1,600
rs. a vain; tpica preta muito fina, a 640 rs.
o covado ; cassas francezas de cores as miis
fins que tem ippirecido, a 640 rs a vin ;
cassas chitas muito largas e cores fixas, pelo
bantissimo preco de 200 rs. o covado ; di-
tas em cortes com 6 1|2 varas, a 2,000 rs. o
corte ; cortes de cambraia de soda cor de
cirnee de rosa, fazendi do ultimo gosto,
pelo birillssimo preco, de 8,500 rs. o corle;
dem do sedi pura, todos brincos, pelo ba-
rato 'preco de 12,000 rs. o corte; superio-
res bros de puro linlio trincado, de ricas
cores, e novus padrOes, a 1,200 rs. a vari;
assim como outris muitas fazendasde agra-
darlos Srs. compradores, tintnos precos
como as qualidades-.
Para liquidar
Faz-se todo o negocio dinhoiro.
Vendem-se por todo o preco presuntos
hollandezes, proprios para fiambre e tem-
pero : na ra da Cadoia do Recite, n. 23.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na ra
da Senzo.Ha Nova n. 4.
Casa de commissSo de cscravrs.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para (ora della, para
o que se offerece muitas garantas
a seus donos na ra da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambao de sicupira e bracos
da ferro : na fundicao da ra* do
Brum ns. 6, 8 e io..
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na rui do Amorim n. 35.
Agencia de hdwin Maw.
Na ra <1e Apollo n. 6, armazem de-Mc Cal-
mout& Companhia, acha-se constantemente
bona lortiinenioi de Uim de ferro coado e
balido, tanto ras i como fundas, moendas lu-
cirs todas de ferro para animaei, agoa, etc ,
diiispna armar em madeira de todoa os la-
manhoa e inadcllos o mais moderno, machina
horlsontal para vapor, com forfa de 4 caval-
los, coucoi, passadeiras de ferro eatanhado
para caaa de pulgar, por menos preco que 01
de cobre, escovens para navios, ferro inglez
tanto cin barras como em arcos folbas.'e ludo
por barato pre;o.
Deposito de cal e potnssa.
No armazem da ra da Cadeia
doHecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedia, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
TiliXftg para eilRCllllO.
Ni fundic3o de ferro da ra do Brum,
icaba-se de receber um completo sortlmen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por preco com-
nh'ao KheordioVdo Cberry.'lVrlo'Ma-! modo, e com promptidao embircim-se.ou
deira eMuscalol de Setubil, sardinhas em ,carregsm-se em carrossem dospezis no
latas miiores o menores, riquissimas cii-1 comprador. _
Xinhas do todos os lamaiihos com amen- I* arinha de mandioca,
doiscooreitidis, muito propriis paia pre-' .. Vende-se siccas com superior farinha
sent, presuntos americanos o inglezcs para de. mindioca precos rasoaveis: a tratar
fiambre, ditos do Corto e Lisboa, roilhoemjcom i_ j_ jasj0 iunior rua do Amoiim
saccas, sebo do Corto em caixas de I arro-. 35,
ba, cha preto solt e em missinhos de 3 em nBftln Ip ral virrpm
libra, latas com muito fino biscoito ikV ,P? f ?i -. a
glez ludo islo vende-se por menos do que i Cunha & Amorim, na rua da Cadera do
em outra qaalquer parte: na rua da Cadoia Uacile, n. 50, veude-se birria com supe-
do Becife h. 23, rmazem de molliados. nor cal em pedra, chegada pelo ultimo
c^" Vendem-se escravos bara-
tos, moco e de bonitas figuras,
como sejam : moleques moleco-
tes, molalinhos, negrinhas, ne-
gras mocas e doir. pretos de meia
idade, por pre^o muilo emeonta :
na rua das Larangeiras n. i4, se-
gundo andar.
*_ No escriptorio de Novaes &
Companhia, na rua do Trapiche
n. 34, tem para vender, por pre commodo, carneiras de cores; cha-
peos de palha di Chile, empor-
res-, linhas de roriz e de Cuima-
raes; ti.ita para escrever e graxa
de lustro.
Superior oleo de linhaca.
Chegou mui recentemeute da
Uollanda oleo de linha? em boti-
jas, de qualidade muito superior :
vende-se na rua do Trapiche No-
vo n. 16.
Vende-se superior farinha
de mandioca de Santa Calharina,
por preco muito commodo, a bor-
do do patachobrasileiro Alegra ,
fundeado em frente uo caes do Ha-
mos : a tratar a bordo do mesmo
patacho, ou no e-criptorio de No-
vaes & Companhia, na rua do Tra-
piche n. .'i.'i.
Vende-se milho muito novo i 2,560 rs.
o alqueire : no trapiche do 1:111.ha, no lim
da rua da Moeda.
Vende-se,
Alm de muitos e superiores gneros, ven-
de-se igualmente os seguintes : caf do Hio,
em porcao o a rctalho, raassas Unas, con-
servas, o excelleute doce de annanaz em
frascos de 6 libras, exlrait d'absinthe, vi-
SALSA PARRILHA DE
SANDS.
Este oxcellento remedio curi todas as en-
ormidades as quaes s3o originidis pel
mpuresa do sanguo ou do systema ; a sa-
ber : escrfulas, rheumitismo, erupcOes
cutsneas, brebulhas ni cara, ilmoroidas,
doencas chronicas, brebulhis, bortoeiji,
tinlia, enchi(0e9, e dores nos ossos, e jun-
tas, ulcar, doencas venerias, ciatici, enfer-
midsdes quo iltscao pelo grande uso do
mercurio, hidropesa, exposlosi urna vida
extrivaginle. Assim como, chronicas de-
sordens da coostituicao, sero curadas por
esta in til, e approvada medicina.
A adminstric3o desle helo remedio, nos
ataques mais estraordinirios tem sido sem-
pro seguidos pelos mais felices resultados
as smis cipenicfi s; porm, o seu principal
objecto he de purificir o singue, e limpar o
systema de quilquer influencii de mercu-
No seu modus oprrandi, ho direcls-
--Nirua da Cadeii do Becife, n. 49 se-
gundo sndir vende-so muito boa cera de
carnauba a 5/000 is. 1 arroba, saceos de
gouima, pellos de cobra mui grandes, e
chapeos do palha a 10000 rs. o cont vin-
dos ulti mmente do Aracaty.
Moinhos de vento
com bombas de repudio para regar hortas
d baixas de capim : vendem-sena lundicao
deJiowmau& Me. Callum,na rua do Brum
ns. 6, 8 e 10.
Viuho de Champagne,
e superior qualidade : vende-se no arn.a-
em Kslkminu Irmaus Bui di Cruz, n. jo
Vende-se por preco comino-
' do, cal virgem, muito nova, che-
gada pelo ultimo navio, por preco
muito commodo ; no armazem de
Di>8 Ferreira, no caes da Alfande-
ga, ou com NovaesSc Companhia
na rua do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
Na fundido da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro do diversos mo-
delos.
DEVEKES DOS IIOMENS,
a 5oo rs. 9
Vende-se este compendio iprovadopin
as aulas, em meia encadernar;3o, a 500 rs.,
cada um: na liviana n. t e 8, da praca da
Independencia.
Superior cha nacional
em caixinhas de 2 libras, e da melhor qaa-
lidado ; vende-se por preco commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 2, primeiro ailar.
Oprimo viudo branco.
Vendem-se barris de 5 em pi-
pa, com vinho branco de Lisboa,
da melhor qualidade que a(,parece:
j trata-se na rua da Cadeia do Ke-
cife n. 48.
Moendas superiores.
Na fundicao de C. Slarr & Companhia,
| em S.-Amaro, acham-se a venda moendas
I de i auna, todas de ferro, de um modelo e
conslruccBo muito superior
Vende-se farinha de mandioca superior
om qualidade da precedencia dePorto-Ale-
gre o a proco rasoavel: a bordo do patacho
Kelicidade fndenlo em frente do caes do Bi-
mos, ou na rua da Cadeia, casa n. 39. l "
andar.
AGElNCIA
da fundicao Low-IUoor.
BA DA SEZAI.LA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a Imvcr um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ierro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da luis
sia-, novae de superior qualidade.
Cal vi I geni de Lisbo 1.
Vende-se cal de Lisboa, de p-
tima qualidade vinda no ultimo
navio : trata-se com Augusto C
de Abrtu, na rua da Cadeia do Ue-
cife n. 48.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro. *
Deposito da rubrica tle Todos os
Sanios 11a Hnhla.
Vende-se, em casi deN. O. Bieberi C.,
ni rua di Cruz n. 4, ilgodSo transado di-
qucllu rabrici, muilo proprio pin siccosde
ssucsr oroupa de escravos, porprecocom
modo.
navio de Lisboa, por menos preco do que
em outra qualquer pirte.
-- No escriptorio de Manuel Joaquim Ba-
mos e Silva, na rua di Cadeii do Becife,
vende-so por preco commodo cal virgem de
Lisboa chegada no ultimo navio, bozerro de
lustro, mercurio, linha de Boriz.relroz, fei-
1 lia linas do PoltO, pannos o o iseinn as
de loo.
Ovas do Sertao.
Vendem-sa ovas do Sertao muito frescaes;
cheguem freguezes antes que se acabem,
por se eslarem vendando muilo barato : na
rua do Queimado loja n. 14.
liap Paulo Cordeiro.
recentemenle chegado do Bio de Janeiro .
vende-se ua rua da Cadoia do Becife loja n,
50, de Cunha & Amorim.
-- No armizem da rua da Motan. 15,
vende-se cal de Llsboa'em pedra, a mais no-
va que ha no mercado, chegada no corrente
mez, no brigue Laya ; assim como mercurio
doce em caixinhis de libra cida um, tudo
por menos preco do que em outra quilquer
parto.
Bailes mascaradds.
Na rui di Cadeia do Becife loja n. 50, de
Cunha & Amorim, vende-se villudinhos de
differentes e bnlhantes cores, para vestua-
rios de bailes de mascaras, o roupas de
theatro : chegados pelo ultimo navio de
Franca; assim como'calcas de meia; 1 tro-
co de dinheiro se vendem por barato pre?o.
Novos cobertores de tapete a
i,44 ls-
Na rua do Crespo loja da esquina que
volts pan 1 cadoia, vendem-se cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
preco de 1,440 rs.; em qualidade sSo os me-
lhores quo tem viudo no mercado, por isso,
recommeuda-se ios Srs. de engenbo que
quizerem comprar da pichincha, no se de-
inorem, porque ja ha poucos pola estricSo
quelem lido.
He tao barato,
Que 11/. animar ;
Quem vir a pechincha
Nao deixar de comprar.
Na rua do Crespo loja da quina que vira
pata 1 cadeii, vende-se- panno lino preto, s
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 e 5,500 rs.
o covido ; dito francez muito superior, i
6,000 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dito verde, a 2,800, 3,000 e 6,000
rs. ; dito cor de raro, a 2,600rs. ; casumi-
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500e 10.000
rs. o corte; sarja preta de seda muilo su-
perior, a 2,500 rs. o covado; merino preto
muilo bom, a 2,800 e 3,200 rs. o covado cor-
tes de cassa chita muito bonitos, a 1,920
rs.; e outras muitas fazendis por preco
commodo.
- Ven Jo-so rap de Lisboa em frascos,
chegsdo pola harc i Ligein, 4,000 rs.; os
Srs. freguezes que coslumam i lomar a boa
pitada, nodeixarSo de man Jai buscar, no
largo da Assemblea n. 4.
Vendem-se 4 novilhotes, e vaccas a
parir, ludo muito manco, e lilhos do pisto
da 1'nani.a, freguesia dos Afogados, por
preco commodo : na casa dis ai'ei cues da
rua das Agoas-Verdes n. 25.
I.iyros em branco.
Vende-se em casa deKalkaann lrmSos ,
ni rua di Cruz n. 10, livros em brando che-
gidos pelo ultimo navio.
Atteiii-ao.
Na rui do Encintimento comfronte a loja
do Sr. Siqueira vendem-se tamancos, e fa-
zem-se os mesmos tanto'a retalho como em
porfOesiaspessoasqueforemimintesdetra-
zer os ps seaipre quentes e enxulos podem
correr a dita osa que icharfio sempre
prompto -o nmonlo, e no ciso de nSo achar
se farSo logo que os queiram da mineiri
quo os compradores emcommenJarem.
Veodem-se lats com bolaxinhas de ira-
ruta do Bio do Janeiro, novus curlos es-
pruncoseBegisdeS. Kelix, ditos de Casta-
nho ccKilho.e maia de diversas qualidades
por precos commodos para fexar corita; ta-
pioca, saccas com milno novo, urna porc9o
de quartlnhis douradss pira enfeiles de
tullas vindis da Baha : no armasem di tra-
vessa di aladre de Dos n. 16.
-- Vende-se urna excellenle, bircica cons-
truida de multo boas madeiras com tojos
os seus pe loncos em bom esta lo aqual peg ]
em 30 caixas e he muito boa de volls : a tn-,
^ lar na rua do Vigirio escriplorio de Joao da
Bocha Vanilorley Lins.
Molduras delirada
de lodis os lirguris : vendem-Se no arma-1
zemdeKaiikminn Irmflos.ruada Cruz n. lo. 1
mente como um remeoio alterativo, anda
que, indirectamente serve ao systema como
um verdadeiro tnico. Dooncas nos ossos
c no systema grantlular; assim como as
juntas, e ligamentos, s3o inleiramente cu-
radas pelo uso desto remedio, sem que o
doente faca resguardo algum, quando usar
este remedio. A opperacSo desta remedio
consisto em remover i desordem do syste-
ma, e em breve tempo o doente ganhira a
sui saude.
A Salsa Parilha lem gsnhado por muitos
snnos urna alta reputaco, de ter curado
docnces mui difllcullosis, quo nonhum ou-
Iro artigo de vilor em materia medica tem
curado. He de saber que Salsa Parilha he
um dos mais valerosas remedios que os
doctores usSo em toda parte do mundo ;
com vistas de gauharoin a cura pelo uso de
til remedio vegetal. I'oim, deve-so de
notar, que nem todas as i essoas sabem pre-
parar esto remedio, assim como espo-
Iherem a melhor parte que se deve usar em
tal preparacSo. Um celebre Medico escrip
tor, que residi por muitos annos no lugar
non,lo ha a melhor pioli cc.oi da Salsa Pi-
rula disse : Seis ou oilo especies dostas
raizesque crescera uestes bosques, admia-
mo que no podesso achar, so uSo urna,
com o gosto, e propredado da verdadeira
Salsa l'irilla, que se lossa recommendar
para medicina ; poisas mais eram inspi-
das o inertes. PorYJm, como os mdicos
nao se i!n i io Iraballio de fazerem as
suis propriis medicinas, mas sim conliam
nos seus habois boticarios, pan i prepira-
rem, e comporem differentes drogas. Po-
rm de todas as prepararles de Salsa Pari-
lha devia de ser da genuina, para que o fa-
cultativo e o publico ficassem bem dados
as preparacOes de Salsa Parrilha a ser d
melhor qualidade. Pois he este o genuino
vegestavel, que se offerece ao publico ; nes-
te se ve combinados o ulile cum dulce ; pois
em infinitos casos em que o doente espe-
rances algumas tinha de viver, e grandes
quanlidades de remedios experimentados,
mas sem resultados de meliioras ; mas com
esta pura Salsa Parilha, suas curas lom sido
infalivois, pois os coi 11 lira los que temos
recebido de pessoas quo tem usado deste
puro remedio, aHirmam da sus boa cllioa-
cia ; estes cerlilicados lomos a honra de
aprensenlar ao respeitavel publico, para
que fiquein cortos, o quo cima so diz, h
verdadeiro. Os proprietarios desle reme-
dio tem por minio.-, annos empregado todos
os meios pare prepararem este 13o til, e
es-ene. a l remedio da raz da Salsa Parilla,
qne por Orn, conseguiram as suas vistas, em
prepararoiii um I3u valuoso remedio, e seus
t.io lindos resultados tem enchido os pro-
pietarios de gloria, e triumpho de terem
preparado urna linda composicSo contra
' doencas, que o seu lim he destruir o corpo
humano. Esta composgSo ho qumica e
nova. Esta Salsa Parilha be combinada com
outros engredientes que todos ellcs perten-
, rom a classe. vegetal, e todos com o poder
: de purificarem o sangue. O doente que usar
| desta composifo, pode contar que lem o
. miis eflicsz remedio, para a sua eofermi-
dadeusa. O nico agente nesta cidade he
Vicente Jos de Brito, na rua di Cadeia do
Beeife botici n. 61.
-- Vende-se um osera vo da naciTo do ida-
de 25 annos pouco miis ou menos, cujo he
. de bonita figura, para lodo e qualquer ser-
I vico, o que se vende por n3o querer scvir
f mus ao Sr. que tem no engenbo : a tratar
na rua do Viganodas 10 horas en diante,
( escriptorio do mesmo cima.
Vende-se a armacSo, perlence3 e al-
gnus gneros exislinles, para se rateiar com
os credores, todo no valor de 130,000 rs.
rexislentes nula liorna sita na rua de JoSo Fer-
nuii ios Vieira, n. 28, a tratar na iih.mh rua
r ii Manoel Antonio Ferreira, ou na rua do
I Amorim n. 41 armasem, ou na rua da Son-
I zalla Velha n. 110, adverle-se que a dita ti-
! henil tem quintal, cacimba, e moradia pa-
ra pouca familia: quem a dita perteoder se
fara algum rebate.
Vende-se na rua da Cadeia
do Becife, loja de fazendas n. 3a
caifas de meias de seda de todas
as cores; de iSa e de algodao, com
ps, por preco commodo.
i'lANOS.
Vendem-se em casa de Kalk-
mann Irmaos, na rua da Cruz n.
io, ricos pianos de Jacaranda, com
excellentes vozes chegados ha
pouco tempo.
Charutos de llavana
De superior qualidade : vendem-so no sr-
mazeni de Kalkmaun lrmSos, na rua da
Cruz n.lO.
Vende-se farinha fontana
muito superior e nova no merca-
do : a tratar com Alanoel da Silva
Santos, na rua do Amorim n. 5C e
58, ou no armazem o A noel no
caes da alfandega,
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vcnde-seeste compendio, approvido para
ss iuIis de prinTeiris letras, a 480rs.: na
prici di Independencia, livrarii n. 6 e 8.
Em casa de J. Keller & Com-
panhia, acha-se a venda vinagre
branco, superior de Nantes, em
barris de 36 medidas.
Vendem-se barris com breu,
por preco commodo, eem lotes a
rontade dos compradores : na rua
do Trapiche n. 3G, escriptorio de
M itliens Austin & Companhia,
Cobertores de algodao.
'Superiores cobertores de algodSo de di-
ferentes cores, tecdos a dous flos, muito
grande, tem tudaipplicacao em urna casa de
familia, porservir pin meza de engom-
ando eforrir cimas e mesmo pan escra-
vos, pelo diminuto preco da 1,410 rs.: na
rua do Crespo n, 6.
$ima.o de Nantua a '
800 rs.
Vende-se a historia de SimSo de Nantu
a 800 rs.": ni livraria di prici da Imlepen-
delicia n. 6 e 8.
Grande lubrica de chapeos de sol,
de J. Falque la do Collgeio
n. 4-
Neste novo estabeleeimento receben-.,.
um novo e lindo sortimento de chapeos da
Sol dos ltimos gostos, tanto de aedi como
de pai alio par homens e aenhoris, de ar-
maciio de bileii e de asso que se vendem
per menos preco quo om outra qualquer par-
le; grande sortlmento de chamelote, sedis
e pan i n hos em peca do todas as cores qua-
hdides pin as pessoas que quizerem man-
jar cohrir armueos servidas. Completo sor-
limento de bilelis pira vestidos espartiihos
pan senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
concerta-se qnalquer qualidade de abipoi
do sol: todos osobjectosacims mencionados
se vendem em porcao e a retilho, por praca
que igradiriios freguezes vista da quaij.
dide.
Velas de Esparmacete.
Vendem-se velas de esparmacete
cm caixinhas de ao Ib, em casa de
Augusto C, de Abreu .na rua da
Cauca do Mecife n. 48.
Vende-so champagne di marca antigi
e bem condecida, Come!, em casa de Deaue
Yule& compinhia ni rua di Cidcia.
Vende-se alrmac3oe pertencesde urna
loja de couros muito afregucsada cosiendo
a casi commodos para familia : quem aprc-
lender falle na rua Dircit* n. 55.
I'otassa americana.
--No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe urna pequea porc3o de potas-u
americana, chegida recontemente que por
superior rivuh-u com a da Bussia: viuJe-
se por preco razoavcl.
-- Vende-so um eteravo, moco-o do bo-
nita figura : na rua da Cruz do Becife n. 38,
-Vendo-sopor preco commodo de mi-
Iheiro para cima, exccllenles charutos da
llaira chegidos ultimimenle : ua rua da
Cruz n.1.
Vende-se vinho de champa-
nhe legitimo e de superior quali-
dade : em casa de J. Keller &
Companhia, na rua da Cruz n. 55.
Sobrado em Goiamia.
a^ Vende-se, muito em conta ,
Jim bonito sobrado sito na rua
do 31eio, n. 58 avaliado em
>.: oons'ooo em o qual tem parte
rsula Alaria das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alves de Faiva na
importancia de io7,473 rs. quem
pretender dirija se a caza de Kal-
kni mu Irmaos,rua da Cruz,n. io.
MOBILIAS DE FEURO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como cinaps, mesas, cadeiras
com braco e sem elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Ivilkiiinn Irmaos, ni rua
da Cruz n. io.
Vende-se ni rua dos Pires, ultimo sitio
voiiaiiJo para o Corredor do Bispo, os se-
guintes objectos: i guarda ropa dobrado,
1 guirdrliv'ros, 2 pares de visos de porce-
lini osmiltados doma los e grandes 2
apirelhos de porcelana branca pan mesa,
1 guarda louc, 4 cadeiras de balanco, ar-
reios novos para um cavallo do Cabriolct, t
carro de 4 rodas, I prensa de patente para
espremer caj, 1 cama de ferro e 1 sof.
Escravos fgidos.
-- Na noits de 3 para 4 do corrente me:
de fevereiro das 7 paraos 8 horasdesoppa-
receu ums preta africana de nome Mana,
que tert de 23 para 24 annos de idade, da
baija estatura, corpo reforjado, cor entro
preta e fula, olhos meios espantados, beicu>
groros, dentes podres com Taita de alguns,
orelhas pequeas e sem brincos, caben
jjrande, ecom urna marca na tonle esquer-
da, tem nos bracos alguns calombos lim mis,
P"eito pequeos, cadeiras elevadas, e ps
seceos, levou vestido de chita de asiento
branco com flores encarnada*, e panno da
costa ji velho: quema pegar leve-a ao Man-
go inho em caa de M*noel Pereira Teixeira,
ou aos Apipucos na casa de fronto da por-
teira do engenho do Sr. lente coronel
Antonio Lins Caldas, onde sera reconpen-
cido.
-- Desippareceo no mez de oovembro de
1851 o preto Goncalo crioulo querepreaenli
ter 40 e tantos annos, altura e corpo regu-
lar e harbido, tem falta de denles, o beico
superior virado para cima ano meio tem
urna pequen io: catriz, este he o signal mais
cliro que elle tem quando filia, he rir-se e
rreginhir os beicos, he muito Is'dino e
muijo desembaracado he carreiro e tem
muitas habilidades : quando fugio procu-
rou o Sr. Dr. JoSo Antonio Cavalcanto de
Ibuquerquepm o comprar e dthi lornou
a fugir: quem o pegar pode leva-lo
mesmo Dr. morador em Iguariss, e no
Becife ni luja do mijor FirminoJos Bo-
drigues Farreiri, no Pasieio publico, que
sen rriuito bem recompensido.
No dii 3 do corrente mez desappreceo,
indo p*n o Por,o conduzindo um bilaio
com garrafas c outros objectos, o negro
Beneeito de nae.no, de idade de 25 annos
com os signaes seguintes : baixo, cor! o re-
forjado, rosto largo e redondo, e olhos
avermelhados, faltando-lhe dous denles na
frente da pirte superior: levou camisa d'al-
godSo e duas calcas, urna de panno pretu
com urna fivcla atrs, e outra d'alj{od3o
azul,e bonot de panno uzado o qual fui
comprado a senhora do Sr. Dr. Arruda om
2 de dezembro p. p.; consta andar na Boa
Visla procurando fret->, e no dia 7 ter perdi-
do um bilhete de protocolo em urna venda
defronte da Soledade (Igreja) o qual Iho foi
negado : quem o pegar leve-o a botica de
JoSo Morona na rua do Cibug n. II, que
ser gratdeado.
Iu0;000 de gntiflcicSo.
Bogi-sS as autoridades policiars que
cipturein oescrivo Manoel, pertencentei
SebisliSo Marques do Nascimento, fgido
desdo o dii 8 do mez de Setembro de 1851.
Foi elle esenvo do Sr. Gibriel Alfonso Bi-
gueira, quem foi comprado ultimimenle :
lem 28 annos de idide pouco mais ou me-
nos, cor fula, com falta de dous denles na
frente, e de cibellos do lado esquerdo da
cabera, quo se torm bem visivel por pare-
cer urna cora, lem olhos pequeos, beicos
grossos, sem barba, biixo, corpo regular,
e be ofllciil de funileiro. Trijava jaque-
ti de riscidoizul, calca brinca, camisa do
midipol.lo, e levou umi trouxi.'conlendo
cilcise jiquetis: quem o apprehender *
levar rua da Aurora n. 62, receben cm-
--Vendem i i.. tihcacSo promeltida. Suspeita-se que fisso
caixis des^i^u .u. 8,Perm,Cete' 8!D!8eJ"Iido- e Por iiso "eide ji protest.se
Kalt^Brlrnmn^iS" T,C'st >nlra quem o consarvir em seu poder.
J. Keller otcompauhn: na rui di Cruz nu- ------------------
mero 55.
v. v rvtor: ^t K>.r i'm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9CGEBIV0_GB209T INGEST_TIME 2013-04-13T00:36:00Z PACKAGE AA00011611_04415
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES