Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04410


This item is only available as the following downloads:


Full Text


--
Atino XXVm
DIARJO
DA- DA HHiai,
de Fevereirp de 185-2
N. 28.
PER\AIIBI0.
reoo >i goBoairylo.
PlSlHMTO ADURTtDO.
tt trimestre............
por semestre .........
Por ido ..............
PlOODBNTBO DUIlMIlm,
Por quartel............i
votioiai do Mrcmo.
[ir 2deJaneiroiMlnaa... I& deNovbr.
Maranhao 7de dito S.Pauto. 10 dedito.
( ,r.i.. de dito. |R.de/.. l4 deJaneiro
Parahiba. 8edfl dito ,Babia... 17de dito.
4/000
67000
S/UOO
4/>Ool
audiencia*.
2 Seg. u< PurilioaeSol Jm'iod Orvhao
da S. Virgem. 2.e5.s lOborai.
3 Tere.S. Prai. i. varado eivel.
4 Quart.S. Aquillnorn|3. e6. ao meio-dia.
5 Qulnt S. gueda. Fatenda.
de Salea 3. e 6. 10 hora.
IFMIBIDII.
VABTIDAl DOl OOBBKI08.
6 Sfit. S. Uorothea.
7 Sab. S. Romualdo.
8 Doni. daSepltuagc-
aima.
2. vara do civil.
1. e sabadoa ao mcio-d.
Kilacio.
Tercas e sib.dos.
Crescente 28, ai (i horas e .11 minutes da m. iGolanna e Parahiba, ia segundas e sextas-
Chela a .'>, as 5 horas e sfjzninutoa da tarde, feiraa.
Hlngoantea 11, as 7 boHQaQ' minutos dam.|Rlo-Crande-do-norte, toda ai qulntas-felraa
Nova o, a i hora e 2i minutos da m.
IIUM1ISI HOJ
Prlmeira s i horas e 3o minuto, da tarde.
Segunda a 4 horas eJ5t minutos da mantisa.
aomeio dia.
Garanhuns e Bonito, 8 e 23.
Boa-Vlata, e Flores, 13 e 28.
Victoria, i qointaa-felras.
Ollnda, todos oa das.
fOTICIAl BITBAMOEIBAI.
Portugal. 15 de Detb
Hespanha. 8 de dito
Franca ... 7 de dito
Blgica... 3 dedlto
Italia.,.. 2 dedlto
Alemania. 4 de dito
Prussia ... 3 dedito
PARTE OFFICIAL
4CVERNO DA PROVINCIA.
lar.
KXPF.I1IENTE DO DIA 31 DE JANEIRO. I ADpelanles, os herdeiros de Gervasio Pires
< Forma ; appellado, o liariio deSuassuna.
lolo da Silva llego e Mello;
appellado, Francisco Jos Rodrigues Sa-
utilir.'.o ac suas or.leus para que o inspector iiile-l ,_,..,' j. "cila lloon
fi,,o na allande,. de.lacld.de, nos termos Lar-I Appcllante, J0>O di C
||,o I. do Hegulainciito. 11. 633 de 2 i- I, .....sniin no despacito iiento de di ellos del caven).
"ii barricas de .cimente, ni paaia de cabos sor-j Appellanle, Mana Krreira d6 Sa ; appellado,
Jernnymo Joaquim Fiuza deOliveira.
Appellanle, Marcellino Jos Lopes; appella-
do, Guilhcrme Soares Bulelho.
Appellanle, ftlifcuel Jos da Silva; appellado.
Jos Gomes Moreira.
i'assaram do Sr. desembarga lor Lefio ao
lidos e de cem dilas de lirim d > ttussia, que o Ins-
pector do arsenal de inarinlia manJou vir de;
|)ami)urf{0 para usu dos uavios da armada e paia
a obra do mtlboraniento do porto Inlerou*se
10 inspector do mosmoarsenal.
Dito Aiiii.siii.i commuaicandoque por porta-
ra de ?') do correte roncedeo o ih'fct'mltariMdor,,.
da r.l.cio tV.nci.ro Joaqun. Hornea Ribeiro f>r. desembargador Souza as segumles ap-
dous meses de I cene* para ira corie, a qual de-
vara sei contada do na croque elle a apretteutar
Neale scutldo liierio-seas de mail comrauuica-
res.
Uilo A mesma iiilrindo-adehaverdefridn de
ron reunid a de com a sua informaco orequerlmen-
to em que o raplo AntODo Doradlas Cmara
pedia prenissio para consigoar a siiafaniill ces-
ta provincia, contar de i. demarco vindouro.a
quanta de 38^133equivHlente aduna tercas par-
les de seu sold Cominumcou-se ao comandan-
te das armas.
Dito Amesma ditendoque a visti de sualufor-
maro, pode lemelter par o Presido de Fernande
os qustorze conloa derrls que despectivo coman-
d-mie m (jimito ti paraos pagamentos; relativos ao
semestre correle desveijcimcnlosdt'S sentenciado
ii.. i'.i .- em gUMinirao n't>qiitlTe Prtsdio-l.om-
iniinicou se ao referido coiii.nidantc.
Dito Amesma |>aramand*r alionar aoCapi-
tao Allomo de Almeida e Alniqucrque ncmcdo
para < omm ,n ir.n destacamento do Presidio de
criiaudo, cinco mezes de sold. --Communicou
se ao cominandanie das armas.
Dito A inesma iuteirando-a de Uver o juil
municipal do termo do Limoeiro, liachaicl Joo
Francisco Cocllio Hitancurt, entrado no cserciclo
do seo cargo no dia 2l do correntc. Heipon-
deo-seao niesmo juiz.
Dito A inesma approvando cjue sejo com-
prados Ainorlm v. Irmas, JoaquimJos
blas Perelra e a Jos Fluza Prente Vlanna,
pelos precos indicados na relacao que reio
annexo ao seo CMlici. de hootein, os gneros
c mais objectos. requesilados pelo comman-
dante do Presidio de Fernando, cumpriodo
que se adoptem. as garantas, que se excgo
na eitincta pagadorla militar contra a dimi-
nlucao, mo a condiceonainenlo dos gneros,
e mesmo para evitar que estes fossem subs-
tituidos poroutros de inferior qualidade.
Dito Ao commandante nomeado para o
Persidio de Fernando ditendo que, vista de
sua itiformaco, convem na subslituito do
actual escrivo do almojarife daquelle Pre-
sidio, podendo Vmc. indicar a pessa que Ibe
parecer apta para esse emprego.
Dito Ao mesmo diiendo que visto ja
eslarem comprados todos os gneros requesi-
tados pelo actual commandante do Presidio
de Fernando segundo informou o inspector
da thesouraria de fazenda nao pode pnrterlu-
gar pedido, que Vinco, (ct. de remetterse para
u mesmo Ufestdio por conla da i^azendi publi-
ca, os gneros de Ia. nr-cesiidade indicados
na relacao, que enviou, a Hin de serem forne-
cidot aos respectivos sentenciados por conta
de suas diarias, aguardando-se, porcm, esta
deliberaco para depols que Vmc. tomar con-
la do referido Presidio e informar sobre a nc-
cessidade de (aes objectos.
Dito Ao juiz municipal da i1 vara destacida-
de declarando que a aahida do patacho, Pira-
pama para o Presidio Fernando fica transferida
para o dia i de Fevereiro vindouro Neste aerj-
tido fiero-sc as necessarias communicacSes.
Dito = Ao juie de paz do l*. auno da fre-
guezfa do Limoeiro transferindo para o dia
1 de Mar^o prximo viadouro a reunio da
tunta revisora d'aquclla lYeguezia visto nao se
ter ella reunido no dia marcado por le.
TRIBUNAL DA BELACAO.
SESSA DE 31 DE JANEIRO DE 18.
pellac,6osem qucao :
Appellante, o juizo ; appellados, Francisco
Jo-i'Al ves Rodrigues eoutros.
Appellanle, Jos Francisco Gonf/alves; ap-
pellado, Francisco do Miranda Leal Seve
Ao Sr. desembargador Itebello as seguin-
tes appellacOcs em que s3o :
Appellanle, ojuizo; appellado, D. abbade
de S. Bento.
Appellante, a fazenda nacional; appellado,
Jufiol.uiz de Albnquerque.
Appellante, Alejandre Joaquim Satyro ;
appellado, Domingos Barboza Rodrigues.
Appellante, Jos Antonio da Costa; appella-
do, Francisco Manoel de Carrallio Coito.
Passaram do Sr. desembargador Itobello
ao Sr. desembargador Luna Freir as se-
guintes appells^fies em que -fio :
Appellante, o juio; appellado, Marcelino
l.ins lie Almeida.
Appellante, Geraldo Amarante dos Santos;
appellido, Domingos Alfonso Nery Fer-
reira.
Appellanle, Antonio Bernardo Ferreira;
appellado, Joaquim Ribeirade Brito.
Appellante, Jos da Fonseca Blrboza; appel-
lado, Jos Gregorio da Silva.
Appellanle, Alejandre Jos de Sanl'Anna;
appellados, Vicente Ferreira Leal e ou-
tros.
Passaram do Sr. doiombargador Souza ao
Sr. desembargador Rcbello as seguintes ap-
pella(0es em que sSo :
Appellanle, Florencio de Castro e Andrade;
appellado, Joaquim de Souza Jacaranda.
Passaram do Sr. desembargador Luna
Froire ao'Sr. desembargador Telles as se-
guintes appellacOes em queslo :
Appellante, ojuizo ; appellados, os herdei-
ros de Manoel Luiz da Veiga.
Appellanle, o juizo dos Feitos; appellado,
1' asedes da Fonseca Continuo.
Appellante, Filiciano Joaquim dos Santos;
appellado, Joaquim Marinbo Cavalcanti
de Albuquerque.
Ao Sr. desembargador Villares as seguiu-
tesappellacOes em quesSo:
Appellante, .Inflo Amonio Soares de Abreu ;
appellaJo, Manoel tioncalres Valenle.
Passaram do Sr. desembsrgador Telles ao
Sr. desembargador Pereira Mouleiro as se-
guintes appellaOi's em quo so :
Appellanle, o juizo ; appellado, Eufrasio
Jos Duarte.
Appellanle, ojuizo de Ausentes ; appellado,
Ciel.-ino Crrela de Anuir un.
i'a-M-.iin do Sr. desembsrgador Poreira
I Appellante, o juizo ; appellado, Jos Joa- listas, protestara m no voltar ao regimer-
quim de Sanl'Anna. to em quanto nSo lossem delle removidos
Appellanle, o curador da heranjarde Justino' uns tantos soldados que Ihes desobedece-
de Meiroz; appellado, Antonio Comes Vil-iram quando foi a revolta do marechalSal-
Idanha.
O discurso da coroa sempre foi dirigido
pelo deputado Garrett, que he boje o cor-
rector de todos oa papis do governo, o que
Ihes d o polimunto. Foi elle que fez a lei
das misericordias, a da reforma da acade-
mia ilns .ciencias, o ealieclho para a hulla
da cruzada, e en.lim he elle quem d o las-
tro a todos os actos da dictatura. O discur-
so da coroa porm he tSo banal como os
seos predecessores. Arespeitoda revolta
apenas diz como allusBo o seguinte : Do
concurso ( da representacSo nacional) es-
lou certa, para completara grande obrada.
Reforma ( no disse da Regenerando ; que
foi proclamada; que a naeao abra;ou, e a
queeu cordealmente adher.- Sobre a re-
forma da carta, eis-aqul o que diz a falla
do throno, eo que ha da levantar maor dis-
cussSo quando sobre ella ae abrirein os de-
bates :- Os meua ministros estSo encar-
roados de vos apreseotarem a proposla de
mn acto addichnal a carta constitucional
da monarchia, para que o consideris em
vossa aabedoria, e sanecionada por rium li-
quem devidamente reformados aquellos ar-
ngos da nossa constitui^lo que a experi-
encia tem mostrado ser indispensavel cor-
rigir e aperfeicoar para melhor garanta da
neniado, da monarcba representativa, e
dos i imiten; veis piincipios em que a mesma
cunslituifSo a quiz estabolecer. Por eSte
periodo ae v que o governo lie quem ba de
apontar os artigos da carta que hSo de ser
reformados, eu lalvez Me sccreaceoto al-
guna artigse paragraphos, que he o que
parece inculcara expressode acto addi-
clonal. A verdade lie quo o ministro do rei-
no Rodrigo da Fonseca he opposto a que
se modifique a carta, o que at j tem in-
culodono seu jornal, por ironia intitula-
do a Reforma. Com os successos de Franca,
a maioria est mais mansa, eo ministerio
mais tranquillo.
guerras da raz&o contra os preconceitos, da cl-
viii.i, ni, contra a barbarla e o obscurlsmo,
etc. Ilepetirain e repetem, cem veies, mil ve-
zes, asj safadas aesquipadacs palavras su-
persiico, pbanallsmo, credulidade, usurpa9den
das cunas, e outras banalidades seiiiclhantes.
Coi substancia, porin o que he o que tem da-
do occaslio atodaesta febrile maniaca aglta-
Sao que fas lembrar a dos meitng* ou reunides
os protestantes ingleies, no anuo passado, a
proposito da chamada aggrcssao papal? Eia-
ininenios de perto o hrrido phantasina Pa/'ii.
tieo-CaliralUta, Papistico-Saldanhisla, ou como
Ibe queirain chamar. .
VeremoA que asna medonba catadura nao
lie ouiraaVa inaisc|ue urna creabanchlinerica
de linaglfj^o ardente e desvairada ; e o inedo
que elle Inspira he meramente o enTeiio de uuia
irreflectida pussIllanlinidade.aHa perto*de (rea
seculos que os soberanos.da Jlespant'"e de
Poflugal pedlram c obtlvrarii dos suinmos
ponubcea, ( parece-me que o prlineiro destes
foi Gregorio XIII) a concesso decertos indul-
tos, e de certas gracas espirlluaes em benfico
deseus subditos, com a oondicao de f.zercm
estea (bem como tainbem elles soberanos
eeru esinola. Os indultos cousentlam na niiti-
ga;ao do vigor primitivo dos fejuna quares-
naea, dos das tmporas e vigilias, etc. As gra-
tas espirituaes, em certas indulgencias, plena-
riaa, ou parciaes.etc. O mel prallco de dar
esinola e de comprovara sua erogaco, era as-
sentar cada uin ( ou faier asaentar) o seu noine
no papel que coutinbao suluinario da bulla, o
3ual para a competente clareza e garanta de
id aniT.iii.il ...i, trazia em letra de luiprensa a
declaraco da quanta que o impelante entre-
gara aorecebe-lo. Ao actode,reccber este sum-
inario cbamavam alguna abusivamente, com-
prar a bulla, expresso impropria, e que
pesssoas mais avisadas evitaram sempre, subs-
lituiodo-a pela de lomar a Bulla. Emquanto a
sua applica(o primitiva, be notorio, que as
soinmas provenientes da sua distribulcao de-
veno euipregar-sc na conservaco e defeza das
pracas de t,uerra na frica e na Asia, na re-
deiupco dos captivos, na proteccao da chiis-
tandade entre os gentos, na manuten(ao dos
Santos lugares, etc. Nao ae deve porm dissi-
mular, que com o progresso dos lempos in-
troduzlram-sc alguns abusos na arrecadacao e
appllcacao dos rendiinentos da Bulla da Cru-
zada.
O governo constitucional restabelecido em
caamos de iinrintiao
Sobre Londres, a 27 Va <.'p. 'I '
Austria.. SdeDezbrl Paria,
Sueva. .. 2de dito. I Lisboa, 90porcento.
Sin. ii... 28deUutbr| hitiis.
Inglaterra 8de Dezbr. lOuro.Oncaaheananholaa............ 28/MO
aloedasde6/400velhaa........ 16>(X,0
de 67400 novas......... SOO
. de.4/D00................ 9/100
Pra ta.PatacBea brasileiroa........... 1J920
Peaoa columnarios............ l/D'O
Ditoa mejicano............... 1/800
E.-lInidos S3deNnabr.
Meilco... 16 de dito,
California I o de dito
Dinamarca i deOutbrlChlli. |] de dito
Russia... 1 de Dezb,lKuenos-A. 8deNovbr
Turqua.. I de dito Montevideo 31 de Outbr
todas as confrarlas da cidade. a clereaia, opa-; a quinzena que.acaba do passar'contri
marcha, o re. e o duque de Saldanha, que a- buir para augmentar as probabilidades de
cou.panliaramaprocitsaodeba>o de urna eo-, su d esWente pOIna0 3 r,ctog
p.osa chuva, que desde a he at a (iraca nao .,____... ,p ""'" p"'si >"> '"
cessou de cablr. Tem continuado a ebuver, e o ?u0 bm <1 tr lu*r Pvaram aos mais
anuo pro.nette ser prospero.
A actriz Emilia, que tenclonava ir para o
Rio de Janeiro, parece que j nao val, porque
o negoelanteque de l velo, Manoel Pinto da
Fonseca, Ibe ofiereria uin subsidio mensal,
para ella continuar a representar, aqui. Este
novo commendador, alugou o andar nobre do
palacio do duque de Pai.nella, ao Calheiro, faz
grande alarde da sua riqueza, e falla-se e.n que
casa com urna menina rica e lirio.-a desta ca-
pital. Quanto tendes, quanto vales. >
Mu. de 11 de Jamiro de 1152
No da dous houve urna ceremonia banal,
dfstas'que torntil visivrl o systema represen-
latNb. A cmara doa depurados que apenas
iiiilin venlie ni., os poderes de quatru doselel-
tos, foi encerrada por um decreto lido pelo
presidente do conselho, aiirindo-a e.n acto
continuo, pelo menino decreto, como seasao
ordinaria. Entretanto isto nao deiza de ter
suaslgnificaco, no pensamento do actual ga-
binete, e he tirar a estas cortes todo o carc-
ter de constltuintes, para que a caria seja ape-
nas reformada, (se for) e nao renovada ou
Aberta a cmara esleve mais de oito dias; Portugal em 1834, nao pedio a renovacao da
sem se poder constituir, por falta de nume-' Uu'u-
ro, at que a final teodo-se reunido 82 de-, ?, m".elfdos diocea.no. tein supprido, duran-
res. Todas as eleicOes vSo sendo approya- pe|a j^g jj j^ ou m JnM elplicil1.
das, o diz-se que SO 0 nao lerao as de Villa rmenie quasi os mCsuios ou semelbantes indul-
Real, pelos disturbius que l houve. Mendes tos e acuidades ( menos as indulgencias.)
Leal, redactor da /./, e Carlos Bento, ro- Ora, segundo a actual disciplina da igreja
a. .....;,..; i. ..'___ .aj. >nin. Aula ss.uaue ac aor.r semina.ios para a iuslrucc
de constilui-lo he que opde relevar desta do cltn Ju|gou.se que com a'noya pBbUo,JJO
formalidade; e o segundo porque he o 11 i -
cial da secretaria da fazenda, e como tal
no pode acumular estas duas funecOes,
por incompativeis. O mesmo se diz de D.
Francisco do Almeida, de Bartholomeu dos
Martyres. Ha um deputado, Costa Lobo,
eleito por Lamego, que por ser clavicularlo
do contrato do tabaco no Porto aera a sua
eleicBo aonullda.
da Bulla sepoderiam obter fundos sufficieoTtes
para a creacao t sustenlaco de taea cstabelc-
cimentos.
c oi.i tal providencia foi o objecto de um dos
artigos da concordata celebrada entre a S A-
postulica e o governo de Portugal,a qual foi as
aigu Jjdapelo cunde de Thotnar como plenipoten-
ciario nosao, e do qual informe! a Vine, na mi-
nina correspondencia do aono passado. Uuuvc
grandes delongas antes que se culdasse na exc-
substiluida como alguns quercm.
Tem-se continuado a verilicaco dos poderes,
tendo sido ja proclamados todos os deputados
do continente, ezcepco de Mendes Leal c D.
Francisco de Almeida, pelaa raides que indiquei
na iitinha antecedente. A eleico de Villa Real
esia-se discutindo tenazmente, e parece que
seta ell.Tiiv un. me annulada. Costa Lobo,
clavicularlo do contracto do tabaco no Porto,
depois de um reuhido debate, saiu da cmara,
por se vencer por urna maioria de 53 votos con-
tra .10 que nao podia ser deputado, em vista da
lei eleitorai, que torna inelegiveis os contra-
tadores de rendas publicas. Ubservou-se n"
esta votaco que o governo, o qual quera a
approvaco deste deputado,Uvera so treze votos
seus, fazendo a deduccao da gente da esquer-
da e dos cabraliitas que votaram pela vali-
dado da elelcao. Alguns progoosticadores
quizeram n.incluir d'aqui que o ministerio nao
nnlia maioria naquella cmara, ..... en,-, n.ani-
se fundando-se n'uma discussao que foi por
escrutinio secreto, e em uin caso que s por
inulto despejse podia deizar de reconheccr
que o eleito eslava n'uma das exclusca desig-
nadas na lei.
ranibeiu houve questao sobre a validado da
elelcao do cns. Ilartholoincu dos Martyres,
po- ter sido nomeado deputado da junta da
Bulla da Cruzada, ein um decreto publicado
depois de ter sido eleito, por quanto a lei
prohibe aos deputados acccltarem inreos do
governo de pois de eleitos. Depols de grande
contestaciio promovida c sustentada pelo de-
putado lloltrcman, decidiu a cmara que a
merc un.a sido concedida antes da elelcao
posto fosse publicado o decreto multo de-
pois.
Resta pois para se coustltuir a cmara de-
cidir-se a eleico de Villa Real, cujo debate
coinecou honleni; e tem sido principalmente do 18a2, a Franca estara perdida, porque
sustentado pelo ex-ininistro Avila, qoc de- nossa poca as sociedades secretas quo ha-
lende a v litado daquellas eleljoes. jviam dado o snelo, deviam suscitar urna
As discusidea destes ltimos dias tem sido insurreic,3o em todos os pontos da FranQa
alguui tanto desordenadas c enfadouhas, de- ,, rnesrf|o da e na mesma hura. Vmc.
vido nao so ao nacional goslinbj. de J. lar, |COmprehende bem quo a repressao seria
dfCDcil, e mesmo impossivel, quando fosse
incrdulos u que immensos perigos a socie-
dade eslava exposta e quanto era necessario
o acto do vigor de 2 de dezembro,, Em mi-.-
nha ultima caita referi a Vmc. a isurr'f-'ijri '
que leve lugar om Paris no dia iMe'tzern-
bro, a qual foi promptamento supprimTda
pela bravura- de nosfos-soldadds. Oi depar-
tamentos tentaram imitar o mo exemplo
de Paris, e a revolti da capital leve se con
Ira-golpe as provincias, nao em Indas as
parte, mas em varias localidades. (28
departamentos sobre 86).
Iloje ludo est, acabado : por toda a parte
0 excrcito rhamou ordem os robelde, o. .
para isto na**foi preciso seno apre.'enlar-
se. Porm o- exercito nao eslava sempre
muito perto dos lugares em que rebenlava
a iiisiii i eieo e em certas localidades priva-
dos de tropas, os insurgentes Acarara se-
nhores por muitos dias, e entregaram-sa
s mais abominaveis desordena. Por isso
em Clamecy, Nize, Poligoy, Jura e em
mulls localidades dos departamentos do
llerault, do Var, dos Baixos-Alpes( os co-
fres pblicos foram rouhados, os cidadSos
saqueados e tambnm assassinados, as mu-
llieres foram violadas por quadrilbas de
bandidos reunidos nos campos, es quaes
pretextando defender a repblica contra o
presidente, nao cuidavam sonao em satis-
fizo r suas bruties paixllcs e sua cobica.
Dote do nossos departamentos principal-
inoiite foram o theatro destas scenss abomi-
naveis, que s tiveram lugar as pequeas
aldeias que licivam distantes da capital do
departamento enoeram guardadas senao
por urna dezona do gendarmes inca, ./es da
defenderem-se conlra milhares de campo-
noies. Logo que a autoridade foi informa-
da destas desordons, enviou Immedlalamcn-
te tropas, dianle das quaes os insurgentes
em numero superior fugiam como bandos
de passaros vista do calador. Um bom
numero delles foram feitos presioneiros, e
entre elles alguns cheles, os quies sofre-
ram um castigo exemplar, todos os insur-
gentes que foram presos com as armas as
ni,ios, foram immediatameute fuzilados.
Em diversas departamentos as perturba
ces foram menos graves, porque a presen-
ta da tropa permittio supprimi-las imma-
diatamento.
Estas insurreices parciaos nos tem dado
a medida dos perigos, aos quaes acabamos
de escapar. So o presidente n5o tivesse vi-
gorosamente vencido a faceto demaggica,
se tivesse deixado cliegar o mez de maio
Estes trabilhos da cmara por emquanto 'cucao do.mencionado artigo. Agora deu-se al
sSo de tarifa, aem que tenha occorrido cou-1 guin impulso a este importante negocio, lnie
sa notavel. O deputado lloltreman, advo- ene'.
gado mui lial.il desta cidade, tem-se distin-1 Nao he propria deste lugar a deslnvolucao de
guido em atacar todas as irregularidadea >"na controversia^theologia; tao pouco o seria "'"['* 1"
que se hSo notado as eleicO.'S mioiatto-i?_!f.cJ,f5S.0 P0.der d".chaJ,e,',,0,l,;e !L!La*!.
Mon.eiro ao Sr. desembargador lalle as se- ri.es, principalmente, mas s^m poupar a XX&&?&Xb%&
guitites appeliar;Oes em que sao : |dos setembristas, a cujo partido perlence, ecc|esia>licos, etc. Todava nao pude acabar
Appellante, o jnizo de ausentes; appella-; mas com quem ficou desunido por ter'sido comlgoque mo dissesse alguma cousa sobre o
do. M i noel Antonio Rodrigues Machado; riscado da lista progressista do collegio do carcter verdadeiro da questao que boje tras
Appellante, o juizo; appellados, os herdei- Lisboa. Falla com muito desembarazo e aqu a alrorotada a imprensa peridica, e que
ros de Jos da Costa Ferreira. |precisao, mas he argucioso, o no rigorosa- tcmaido tratada por ella, por um lado com a
Appellante, ojuizo; appellados, os herdei-, mente eloquenle. Esperava-se que d'entre ni,r leviandade, e por outro lado com a
ros de llonnque Pedro de Almeida. os noves deputados, em cujo numero se. "ft"^!^?^ doa IM.
Passaram do Sr. desembargador Valle ao contam vinte e dous jorn.list.s o autores,' E^oV^nVmc*-
Sr. desembargador Gomes Ribeiro as seguin- appareccssem alguns talentos oratorios, dos da Hulla da Cruzada ( e fallando ingenua-
SESSAO DE3I DE JANEIRO DE 185!. les appellases em que sao : mas por ora, dos que tem fallado, ainda mete de todas as hullas )tambem ella nao tem
'residencia do Exm Sr. consel/ieiro Azccedo. Appollanie, JcSo Barbosa de Sa ; appellado, que em qnesles de pouca monta, s se achido muitasympathiaem um grande nu.ne-
Jos Bedor de Araujo. tem distinguido Casal Ribeiro, que posto ro de rcall.las, que na sua quasi geoerosidade
Appellanle, Antonio Luiz Goncalvcs For- tenha mui abreviada estatura, tem urna V presara de crentese religiosos, lia quem diga
reir; appellado, Francisco do Reg Bar- voz sonora, agradavel, e falla com estu- (rnai eu nao sou dessa opiuiSo) quenas prov.n-
rosada. d,^ njaterias energa o desembarace, cus'^^^^
O habeas-corpus de Francisco Rodrigues Mendes Leal tambem ja fallou, mas com- ,ec As 10 lloras da manliiTs, estando pr -segles
es Srs. desembargadores Villares, Bastos,
LeSo, Souza, Rebe'lo, Luna Freir, Telles,
Pereira Montciro, Valle o Gomes Kibeiro :
o Sr. presidente declara aborta a sessao.
II InlMI Ins.
Appellpnle, Luiz Jos de Franca; appellado,
da Paixflo, concodeu-see expedio-se ordem quanto nSo seja desagradavel deseouvir, que era appllcada para o subsidio mensal que
aocarcoreiru da cadoi para apresentar o nSo faz impressSo, e tem pouco movimen- seenvia aoSr. D. Miguel de Uraganca. Repito
Manoel Jos Lopes.Julgaram improce- paciente na sessao de 3 de fevereiro asll to o acc3o oratoria. Outros estSo se reser- que tal nao crelo, antes julgo esse boato urna
dente a appella(ao. horas do dia. ivando para a resposla do discurso da coros, mera e malvola invencao dos iniraigosdo au-
Appcllante, Manoel Uro Ild ; appellado, o distbiduicbs. onde tem campo vasto para se espmarem. gusto principe desterrado,
juizo -Mandaram a novojury. Ao Sr. desembargador Rebollo as seguin- Ainda se nflo percebeo qual ser aten-! Oqua be jusiamente censurado por todos
Appellante, o juizo ; appellados, JoSo da tes appellaces em que'lio I denci. da cmara a respei.o do ministerio. \^^"l^i^*^*l?~:
Cosa e seu filho Jos Miquilino.Manda- Appellante, o juizo; appellado, Pedro Anto- No centro, onde costuma sentar-se a maio- ;?"""; Xau.ri.os abs'rveram mais de
rama novojury. DiodaSilva. ," mmislonal, ha uns quarenta e tantos cinco COntos annuaes do'seu produoto. O pre-
Appella .tes, Francisco de Assis de 01iveira| Ao Sr. desembargador Luna Freir as se- deputados, na esquerda, uns vinte e cinco, idente, que hejo arcebispo dePalmyra, Torres;
M.iciel e outros ; appellada, Florioda Ma-'guintes appellaces em que so : c na direita uns quatorze cabralistas, cujo ex-arcebispo de G6a, ter 1:800/, os deputados
ria de Sant'Auua. Confirmaran) a sen- Appellante, o juizo; appellado, Manoel Fi- chefe visivel be o ex-ministro da fazenda, (entre os quaes se contam o conselUciro Bar-
tensa. I i.ppe coliega do conde de Thomar, Avila. tholomeu dos Martyres Das e Souza, o conego
Appellante, o procurador fiscal; appellado, Ao Sr. desembargador Telles as soguiolos Emhonra riaa minbas precenles cartas eacre- da Patrlarchal Ainaral) PV"b"a.0,', "**
Carneiro Ai Ma ia Gonlirmaram a sen-1 ,nn,n,ra,. nm al sin v""!- que a publlcaco da Bulla da Cruza- uro, tresentoa mil ris, ele. N-o terla sido me-
tena Gonlirmaram a ^^M V* ..... da eslava demorada em consequencla da falta'ihorconBar a distribulcao, arrecadacao e ,p-
n,u.i o... o .4 a ,ii Appellanle, O juno; appellado, ilereulano d(, con d(, n^e.^rioa para a plicacao aoa prelados diocesanos, osquaespor
Appellanle,Pelro ernandes da silva ; ap- de Souza Ma.lins, como curador de Mana co "a do papel em que deviam ser irapresaos ineio dos parochos eoutros eccleslasiicos be-
pcllada, Maria de Jess Coulinho Lisboa.! Luizaesua lillla. os Htmmvm que bao de ser distribuidos( e.n nemerltoa, porie.iam conseguir os inesmoa ou
Desprezaram os embargos. Ao Sr. desembargador Gomes Ribeiro as numero passante de dous inllhdes) pelas diffe-! melbores resultados, com multo menor despe-
Appellanle, Benlo Jos da Costa ; appellado, geguinlesappellar;Oesem quesSo.: rentes dloceses do reino e das possessdea ultra- [za t Nao quero abrir maodestc assumpto sem
Jos Joaquim llezerra Cavalcanti.Itefor- Appellante, JoaoTa
porera tambein m direccaTo do prc
sidente, o decano dos eleitos, Leonel
Tavares, icdator do falrioU, velho rabugento,
ieinpaciente e de pouca peispicacia para aquel-
la cargo. Scxta-feira deve-sc ja proceder
eleico do presidente definitivo da cmara, lo-
go que te.-.nincm os trabalbos a junta prepa-
ue se ultimarn de ceno arnaoh .
cui ii.ui-..-,o, Os progressistaa
quercm eleger o conselbeiro Jos Caelaoo de
Lampos, juiz da relacao da Lisboa, queja ful
presidente dos deputados n'outra epocba.c
que tem os necessarios predicados para aquello
lugar ; o governo poremquer o doutor Vicente
rerrer, lente deCoi.nbra; moderado, c que o
ministerio deseja para nao dar A cmara o ca-
rcter septirabrista que Ibe imprimir a eleico
de Campos .
Parece que o duque de Saldanha fra pesso-
alinente a caaa deste cavalbciro, pcdir-lbe que
nao iusistisse na sua eleico presidencia, no
que elle coocordou, e que assim o lizera saber
aos seus correligionarios, aos quaes couvenceu
preciso fazer face a perigos que surgissem
de todos os pontos ao mesmo lempo o quan-
do ooxercito eslivesse quasi todo oceupa-
do em combater a insurreifSo das grandes
ciJades
A sabed.ni e a energa do presidente
conjuraran) esla immensa desgraca. Por
isso todos os homens honestos, o mesmo
aquellos que leriam preferido a monarchia
do conde de Chambor I ou a do Beto de
Luiz Filippe, estilo penetrados de reconhe-
cimento para com Luiz Bonaparte, e decla-
ram-se promidos a votar a favor delle.
Elles sabem boje, sem mais duvidar,
quaes sSo os planos dos demagogos; pois
estes os tem perfeitamente dado a conhecer
asssssinando, saquoando, incendiando e
violando por toda a parle onde foram sen bo-
ros ; elles sabem que entre a demagogia e
di prudencia vantajosa de nao contrariar a ; os bomens do bem de l'iauc, a quosUo
barmonia que existe entre o partido progressis-J que se devia resolver, era social e n3o po-
ta c o inesino duque. tj____*(litiea, o proclamam tioje Luiz Napoloo
Publicou-ac ell'ectlvaincntc o jornal do cns
Ferrao intitulado a Jiislfo. Faz opposicao ao
governo, principalmente pelos seus decretos
linanceiros. Nao se intente isto.Ferrao foi ba
pouco nomeado par do reino pelo actual minis-
terio e agora inaugura um jornal conlra elle!
E' curioso. O peridico porera hefraco de re-
como o salvador e o libertador da socio-
dado.
Com effeito esta execravel faeco est
bem vencida c tSo cedo nSo tornar a le-
vantar a cali a; i.
NSo s porque seus banlos de campone-
maram a sentenija. do, Joaquim Concalves Bellrao
Aggravante, Francisco Jos Barboza; angra- Ao Sr. desembargador Villarw H seguin-
vado, Francisco Custodio de Sampaio.'tesappellsr;Oes em quesao:
il 1 I I' .1 .111 .11.1. ,'llli > U *> 11 1 U 1.1 .11 J I i 1 1 < lili t, I 11 I |--. J J Jlfl. J H >- ,------------------------- ".------" ------....------- ^ ... ,
i Tavares Cordelro; appelll- marinas. Parece ter de.apparecido e.ta diffi- i mencionar o boato que tem corrido estes nlii-
_--_._ .... _. ___. i ... ....... ___I__I... Ma. Am n..a n .. r.. n r *.... a.i i\n nnmi _
Drarn provimento aoaggravo
Apppllaotes, os administradores do palri-
| monio de orphSos; appellado, Filippe Me-
' na Callado da Fousecs.Foiam com vista
ao curador geral e ao desembargador pro-
curador da coma.
Appcllante, o j i?o ; appellado, Manoel Ca-
valcanti de Mello. Mandaram citar as
partes para seguimento da appollac.So por
estar parada ha mais de dez aunos, avur-
bar o imposto da Chancellara e ir com
vista ao desembargador procurador da
coroa
DESICKtCES.
Apnellantc, Msthias Joaquim da Gama ; ap-
/ippellante, Jo3o Baptista Pereira Lobo e
aua mulner; appellados, Joaquim da Sil-
va Pereira e sua mulher.
I/'vanl Hi-se a s'ssnoas 3 horas da tarde.
culdade, a qual na realidad,- provlnha nica-1 nos dias, de que o governo receando encon-
inenie de uina conteslaco entre a secretarla .trar grande npposlco na jnaioriada cmara
da faienda e a dos negocios eccleslasiicos e de ] sobre este ponto da linpetracao da Hulla, a.
pellado, lloitencio Jos Velho. dos condecorados como se DOOTeaag
Apellante, o juizo J-PPriMo. Antonio '^Po'^r^T^L te
Francisco Ribeiro GuimarBes. clonar,'Ue da ,Jlu lei cleitoral, e
Appellante, Francisco Ignacio de Atlbayde;
appellado, Domingos Antonio GomesCui-
mare.
Appellante, o juao; appellado, Francisco
i i nono Leal.
rivises.
EXTERIOR.
CRRESl'UNDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
.iili'ij, 31 de deumbro de 1851.
Verlficou-sc com e'elto a abertdra das cor-
les no dia 15 do correle, com todo o rigor do
ooiiinnni.il. Foi de ceno mais brllhante do
que nosannoa prximos, porque est inulta
tropa em Lisboa, e os officlaes estJo quasi to-
dos condecorados como se bouveisem regrea-
Occorrcrarn
de Ibe ..leu-
de praxe
amiga, Irem oa iernbros de ambas as cmaras,
antes da aessao real, 'a.oovlramissa do Es-
pirito Santo. A inisaa celebrou-ae, mas apenas
assistirarjo a olla um par e um deputado.....
, para amostra! Oa jornaes cartislaa apro-
i veitaram bem este etquecimento para fazo-
iniis a nova cmara,
r do progretio acelera-
'asuram do Sr. desembargador Villares rem alguns epi
aoSr. de-embargador Bastos as seguintes que nistomostr
appellacos om que sSo : <* O ,0"""0 episodio foi estar rormado no
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Ro- quartel o regimeuto do commercio, e nao
drigues Ferreira de Mello. apparecerem os odese, para ^mmandar
Apprllsnte, o promotor publico; appellado, os puloles. Teve que sabir ao.com um capi-
oi de Araujo Lima. o e um alferes, tiiiicoi que.ppareceram
Appellaiite,ojuizo;arpellado,AntonioCor-deixandono quartel urna bandeira,tlindo
roia di Araujo | os sargentos serondo de ofBciaes No da
Passaram do Sr. desembargador Bastos seguinte foram todos presos par* o csstello
ao Sr. desembargador Leo .5 aeguinle. ap-, tob. '-?l^n^^'veum^Jespel
pellarous em que so :
._ vespera
[Natal. ESlesolliciaes, almaeserem cabra-

juaiic ; pertndrndo os miniatros de cada una
dellas, que outra be que perteucla fazer a-
quclle adiaiitaint-iiuj ; o qual em todo o caso
hatla de ser ( e ha de ser ) satlsTeito pelo pro-
ducto da mesma Bulla. Com efleito esie diplo-
ma pontificio aluda nao foi publicado pela au-
toridade competente ( a ecclesiasca ) e regu-
larmente devera te lo sido no comeco do ad-
rento, ou ento dever se-lona prunelra do-
minga da quaresma, ua confonuldade da anti-
ipi.isr. Knirpinnio o Darin j trouieum de-
creto, com forca de le, annuaclando aquella,
jCOncesso apostlica, e creando a junta que de-
Te superlnteoder arrecadajao, administraco
eapplicaco das sommai provenientes das es-
molas que forem dadas pelos fiis desejosos de
se srproveilarem dos indultos e graeas espiri-
tuaes que nella se dispensan.. Conjuactamen-
tacom este decreto se promulgaran) initruc-
edes rrgularmentarcs re ni vas ao mesmo objec-
to, as quaes nao vo aqui transcriptas porque
o seu couhi ciinciiio pouco ou nadalnteressa'
aos leitores desse palz. De que deve dar conta,
be da celeuroa inedonha que se levantou na
Imprensa,e at as palestras acadmicas, e nos
cavacos polticos e seini-pollcos, % com a pu-
blicaco das referidas pecas oliciaes.
Realmente o estrepito que ellas) tem produci-
do s pode ser assemelhado ao Alarido a que
deu causa o ominoso decreto da captallsafo
dos juros edemais dividas passivas do estado.
Logo que a folba do governo fallou ara Bulla
urna especie de terror se espalbou por toda a
superficie do reino, ou para fallar com mais
exaclido, esse terror foi lnfandido s pessoas
menos instruidas, e pouco precitadas, pelos
numerosos adeptos da escola Voltairiana, que
se Inculcam a si mesmos como os nicos verda-
deiramcnU liberaes e pairlotiutas.
Xocou-se a rebate no campo pretendido pbi-I
losopbico, para ta pelejarem nuvamcn.e ai
breestar lnda este anno na suapublicaco
Se tal acontecer ( o que anda nao posso acre-
ditar ) dar insigne prova de fraquea.
Dizla-se que o duque de Saldanha la demlt-
lir-se do commaodo em chefe do exercito, an-
tes da abertura das cmaras, ou que pelo me-
nos renunciarla a g ratifica cao dos 00/ men-
sj.es mas por agora nenhuma destas cuusas se
venficou. O que porm se -Mitin i com certos
erros de verdade, be que se vo fser 1.1 > gran-
des economas no orcamenlo do miniaterto da
guerra, que nao obstante a ultima monstruosa
promoco a despea total como exercito no au-
no que conieca ser menor que a dus antece-
dentes. Guardaremos as aeces de gracas para
depois de vermes operado o mllagre :
Alm deste acto da creacao da junta da Bul-
la, o governo publlcou j depols da abertura
da cmara alguns decretos de dictadura, de
pouca importancia, taescomo a prohibido de
catarem os ofilclaes militares, a creacao de al-
guns lugares de justica e fazenda, etc. O de-
creto da capltulacio vai subslstindo : iguora-se
se o governo reconsidera ou nao.
O conselbeiro Ferrao lera um projecto para
substituir aquell'outro, ejoannunclou na c-
mara dos pares, onde j tomou assento. lz-se
que o publicar no jornal poltico e diarlo de
Jue elle val ser redactor principal, intitulado a
ustifa.
O governo nao tem ainda nomeado novos pa-
res, e as commisides queja ali se tem elegido,
vosabindo cabralistas, que be a maioria que
ainda all predomina. Do condo de Tbomar nao
se sabe se vira cmara. Por ora conaerva-se
em Itruxellas, e a condessa na sua casa em
Thomar.
Em consequencla de ter havldo urna grande
ateca, tem-se felto' preces publicas, e houve
ama grande procissao de penitencia, oom a
Imagen, do Seiibor dos Passos da Graca, Indo
daceo, e mal'esuripto. jrcdatoreai penna- |zes imbec ou velhacos foram por toda a
nentes sao elle Ferrao, e uui doutor Andrade, j parte dSpersos, senSo lanibem porque una
pouco conhecido. medida que o presidente acaba de tomar
Vai porem sair a luz outro jonja que po- jncutjo n| a(ma dQs chefeg q 10|dado8
laudarle, oxenlo Jos Heroardo da Silva Ca- Por um decrelo recente, o presidente de-
bral, nue se iiietleu em caa, c niaguein j se cidiu que todo o individuo reconhecido cri-
Icn.bra delle Este Jornal denoiiilnar-ac-lia a minoso da ter feito parte de ama sociedad-
Imprema; lie da opposicj maia estando a socrela, poder, por medida de seguranco
teata d'elle Rebello da Silva, que poltica wraf geral, ser deprtoado por cinco OU por dea
quanto durar. ? quem o custeara? -.._. [annos para Cayena ou para a Algeria. Esti
Carlos Bento deuou a redJtf d f'raM, dlspoSQlO ter OS mais eDcasos rea
por causa de uns arligosque all se puiiucaram '. v
confia a flcvolucao sem elle ser sabedor. Jo- tillarlos.
"ou conta delta u conego Alve. Martlns, escri-1 Todo o mal entre nos, vem das socie-
tor detestare! e grosseiro, cujosartlgosjate.il dades secretas as quaes tem pervertido o
servido de mola aos collcgas da imprenaa coracio de nossos camponezes, e Ihes do O
llenotavel que ha uns poucos de anuos tenhain 8anct0 e a or.lom de reuni.1". Se se con-
sempre os nosos ministerios um clrigo a redi- segr estirpar estas sociedades, nossos des-
Bir uyirn.il ministerial, mas sempre lastimosa- patosos camponezes tlcarao logo livres do
-II I l 1> l 1.11.UN IUUI1I, ^WH'lf"------- ---------------------------------------------- "
brahstas. Os progresistas puritanos repugna- para Cayena ou para a Algeria lodos os a-
ram ao principio em acceder ao convite, mas Jeptos por que o numero dolles he mmen-
os irmioa Passos (Uram com que fossem to- (0 e ,.|eva-si" a duaenlOS OU tresentos mil,
dos. O duque licou inulto lisonjeado com esta porem deportar-se-llSo os cgfes, que ja tre-
primeira tentativa, e ufano de ver em sua caa |1|em ,)eS(je a c>ue51 at aos ps eos pobres
oa hroes da juma do Porto, e os' B'"" papalvos licarSe entimidados e ousarlo con-
r;5oelde TrreVTedM,6 %Vl .ren'" cC linuar. Onxesino decreto sujeita t.mbem a
ve sacio T.er noli c. Quando porem o pena de deporlaco os criminosos.que se
D^o^xUm%u.BtUtcu!^lt,io subtrahirem vigilancia da P'- *-
... .. .__. .. n. nirt ni ..rain ...,1......!^^ n...l.,r..^i, -c 8,1o COinparaUO^
ue
setes ltimos pr'oeedem com osseuscompa-
nheiros calcetas pela pilnagem e polo assas-
presidente da cmara, os Passos nao quiterain tes separado endurecidos sSo comparad
Ir, e a reunlao esteve pouco concorrida e nada com og faoiosos polticos, e be justo, porq
seresolveu. setes ltimos proeedem com osseus com
Em 17 ultima liora. nheiros calcetas pela pilnagem e polo assi.
Foi a annullada a eleico de_Vllla Real. .:_,,
O governo perdeu a votajao do presidente '"" deva flc,r letra mora o
feita houtetn, Diz-.e que addta a cmara. "*f,f!S2.ma ia tomaram-se medi-
Pari, 20 de detembro de 1851.
urna simples ameaca : ja tomaram-se medi-
das para assegurar sua execur;3o. Um na-
vio aparelbado no porto do Brest vai rece-
Neslo momento vota-se om toda a Fran- berqulnbeotos destes malfeitores, os quaos
ca sobro a questao de saber so o povo pro- 3o?em ser transportados para Cayean. Um
oga por de annos os poderes do presiden- crdito de aeis centos mil francos foi aborto
te, e se Ihe concedo odiroito de por sis para esta despesa. ..... ,
Kaer una constituicao. Paris procede com 0 exercito tem-se condusido admirivel-
a maior calma nesta provacOo decisiva, e mente em nossas ultimas perturbacoes sua
as noticias pelo Ulegrapho annunciam que dedicaefio nSo ro um instante abalada ;
o escrutinio tem lugar em uossas provin- cumpre tambemdizer que elle eslava mara-
cias com a mais perfeita tranquillidade. vilhosamente commondado. O ministro da
Parliciparei a Vmc. o resaltado em minha guerra.o general Saiut-Armand desenvolveu
prosima carta, porm desde j posso asse- urna prosenca de espirito e um vigor quo
verar-lhe que Luiz Bonaparte obter urna poderosamente contribuirn! para o su-
maioria consideravel. Ninguem duvida dis- cesso.
to nom mesmo aquellos que votam contra Para dar a vm. urna idea de sou modo do
elle. obrar citarei a circular que dinglu aos ge-
4
i
__
MUTILADO


w
v*a
nenes commndote da divisos i o
bindos que prtiieim a pilhegem ,o rcmbo r
o incendio, collocm-so fon das lei: com
ellea nSoae enln im justes, nfl M fazen
Sresioneiros : Alicii-os, dlpersi-o. Tu
o o que resistir, de vi ler foiiltdo eo nome
di sooiedade em legitima defeii. > He
curto, porea be vito e iato foi cum-
prido.
Luiz NapoleSo devia muito ao oxercit
para 11S0 apresar-se em reconlierer seus
servico. Elle olevou tiza do p de guer-
ra o sold das tropas em todos os pontos
em qne o exercito tnarcbou contra a inaur-
roieflo. Numerosas promocOes tem tido
lugar e numerosas condecrameles tem sido
deslribuidis. Muitos generaas de brigada
que ci.mtnaadaram em Pars e nos depart-
ventos insurgidos forim promovidos ao
Justo de generaos de dlvlafio; os ofliciaes n-
eriores receberam tambem um legitimo
cesso. 0 exercito vio que se oceupavam delle
. etemesUdo p'ensmeniesitisfeito. Asssem-
bla nito tinha bem looge disto, a mesma o-
licitude eera cordialmenle detestada pelas
. tropas. O presidente creou dousnovos mare-
cbaes. Um delles.o general llarispe, he um
velho soldado do imperio, o ultimo dos bn-
lhantes generaos de dvisBo Horneados por
Napolelo. e he um acto de justica o ter sido
nnmeado, porem elle tem 84 annos e nflo
conserva seoflo provisoriamente o baetflo
do commando, oqual o principe Luiz reser-
ve para aeu hbil ministro da guerra. O
outronovo marechal he um ofllcial de arti-
Iharia do maior ment, o general Vaillant
oqualtevepriocipal parta uas operables do
cerco de Rom.
O presidente oomeando-o quiz ao mesmo
tempo recompensar os servidos, e dar urna
lieflo severa ao general Audinot, quecom-
mandou em chefe a expediclo, e praticou a
iojustica, como meaibro da assemblea,
protestar com oais energa do que ne-
nhum de seus collegas.conlra o acto de 2 de
dezembro.
Luiz Bonaparte no pensou somente nos
soldados que estilo debalxo das bandeiras,
quix tambem pagar a divida da Franca pa-
ra com ds velhosbravos que a serviram no
tempo da repblica e do imperio, os quaes
esto hojeem miseria. Um decreto recen-
te concadeu pequeuas pensiles de 150 a 200
francos a seis mil dostes antigos soldados,
gloriosos restos de nossss immortaes phs-
langes.
A maior parte dos representantes que fo-
ram presos no dia3 de dezembro foram pos-
tos em liberdade.
Existe aumente representantes presos os
moutanheses,os quaes estilo todos mais ou
menos em relscSo com as necessidadess e-
cretas.e alguna cin-f.-s militares da sntiga
minora, os senlioreg generaes Changarnier,
I.a morciere, liedeau e Le Flot. Quaillo ao ge-
neral Cavaignac.elle acaba de ser ltima-
mente posto em liberdade. No momento e
que n rebenlou a ultima revolucc,5o,o hon-
rado general,estava a ponto de cisar-se com
a liiha de um rico banqueiro Mr. James 0-
dinr.
Elle i|oiz desolirign r sua esposa da palavra
que havia dado poreni esta recusou accei-
ta-l-i oulra voz.dousou S dias depoisda sol-
tura do general, oca-/amonto foi celebrado.
Os doua esposos deviam partir logo para a
Molienda : o general tem 49 unios de idade,
esua mullier 18.
Um sd representante no militar, prten-
osme a maioria tem sido conservado preso,
he o ex-questor Mr. Baae.,lie isto certa men-
lo o que elle merece por que ninguem mais
que elle tomou parta as intrigas e nss
conspirarles contra o presidente. O varejo
a que ge procedeo em sus casa, descobno
papis que muito o compromeltem, os
auaoa nada menos dSo a contiecer que a
rme iotencBo de tirar o exercito Bchele
do estado, o de prender este em Vincennes
2

do rei, o as milliores pslavras foram troca-
das entre o gabinete de Borllm e o nosso.
Um inoldente bastante curioso teve lugar
em Vienna : o principe de Schwartzemberg
esta de m iotelligeocls cora lord palmer
ton depols da recepCSo feita a Kossuth.
OOVeceu-ae ao principe urna occaaifio de
manifestar quelle ministro o aeu descon-
tentamente ede pagar um mao procedimen
to com outro. Lord Weatmoreland aesbava
Je ser eniado a Vienna como embaixador
e conformo o ceremonial do costume, devia
entregar aa crednnciaes ao imperador em
pessoa. A ludioncia em que esta entrega
devia ter lugar, foi debaIJe solicitada por
elle durante um mez~ O principe de Sch-
wartzemberg aohava todos os dfta novas
ratoes para differir a seremonia; todava
os jornaes annunciam liojc que a audiencia
acaba de ser concedida.
dem, 7 de ianetro de 1852.
Luiz CUpOlalO Bonaparte acaba de ser re
oloito presidente da repblica por dez an-
nos, e de ser autorissdo pelo povo a fazer
umaconslituicBo. Todos previam estere
aullado, mas ninguem suppunha que o
principe obtivesse urna maioria IBo formi-
davol como levo: eis os algaliamos ofli-
ciaes :
8.116,773 oleitores tomaram parto na vo-
tajAo:
7,439,818 responderam Sim sosppello de
de Luiz Honaparte ;
610,737 respondorsm So ;
36,880 sedulas foram declaradas nullas.
Nests apuracSo que foi feita com solem-
nidade por urna commisslo Je 180 mem-
bros tirados d'entre as notabilidades do
paiz dospreeou-se o departamento dos Bai-
xos-Alpos que nBo tinliam anda volado, o
urna porcBo d'Algeria, cujoa votos imd-
nflo tinham cliegado ; porm esses poucos
milhares de votos que nSo foram tomados
em cunta nda absolutamente podiam m
dar do resultado.
A 31 de dezembro pela tarde a commis-
sdo se apresentou em corpo ao presidente
para entregsr-lhe seu trabalho, e dar-ltio
a conhecer o resultado definitivo do escru-
tinio. Em res n-t i a um discuiso mui no-
tavel que Ihe dirigi o vice-presidenle des-
si commissfio, Mr. Baroche, Luiz Bona-
parte pronunciou as palavras seguintes que
merecen] ser reproJuzdas, porque inau-
gurara de alguma sorte o seu novo poder i
" Senhorcs, a Franca respondeo ao ap-
poilo legal que Ihe fiz. Ella comprolieodeo
que eu nfio salii da legalldade seofio para
reentrar no direito.
Mais de seto milhOes de sufragios me
cabam de absolver justificando um acto
Jue nSo teve outro flm que odepoupar
ranea, e Europ talvez, anuos de per-
lurbaces e do desgrasas.
Agradeco-vos o terdes provado offlcial-
mente quantoesta mainr'StaeSo ora nacio-
nal e espontanea.
Se me felicito desla immensa adhesBo,
n.l i hepororgulhn senBo porque ella me
da a torca de fallar e obrar como convm
ao chele de urna grande nacSo como a nos-
sa. ( Bravos repetidos.)
Comprimiendo toda a grandeza da minha
nota missBo, nSo me illudo sobre suas
graves dilliculdades, porm com meu co-
radlo recto, com o concurso de todos es
homons de bom que, como vos, me escla-
aeceram com suas luies, e me sustentaran)
com seu patriotismo, com a reconhecida
dedicaeflo de nosso valoroso ox-rclo, em-
lim com a protecrjBo que amanhBa rogirei
ao co me conceda (sensacSo prolongada )
espero tornar-me digno da conAanc.i que
o poo continua a depositar em miro. F.s-
pero assegurar os destinos da Franca fun-
dando inslitoicOei que correspondam ao
mesmo tempo aos inslinctos democrticos
da nagSo e a osse desejo universalmonle
exprimido de ter para o futuro um poder
cum a fllgie do presi lento : estas duaa tmenlo completo de ideias entre lord' como na prxima rcvisBo da mesma, talvtz
l'almerston o seus collegas e no lha era este artigo teoha de deaapparecer, julgava.
possivel (loar no poder com alies. Eis co-!se que os promotores do projecto o nBo
mo lord Palmerston foi obrigado a retirar- ipresentariam senBo depoia desto seto con-
se, e porque lord Granvllle foi chamado para sumando.
substltui-lo.. I O ministro da guerra, vonStockhausen,
Este he um homem de estado moito es- dera a aua demissSo, a qnal fora aceita pelo
clarecdo, muito moderado, e que nSo coa- rei no de Janeiro prximo passado, cr-
linuai o olllcio de intriga que praticava'se provavel qiio elle sar substituido pelo
lord l'.ilrr erston. Elle no tem mais de36'general llahii, o qaal dominanlou o corpo
mndidas causaran) alguma admiradlo, po-
rm foram liom acolhidas.
Oulra medida do governo causn urna
satisfaclo geral: urna circular do miniatro
do interior pox as tabernas aob a vigilancia
dos pr faltos de sorto que nenhum desses
e io-sbqBo destes funcclonirioa, os qnaes
podeui fechar as que eiistem se julgarom
que sna existencia aprsenla porigos pan
a paz publica. Convenho que nada he mais
contrario a liberdado industrial ecommer-
cial do que disposices desta nalureza,
porm cum pro que Vmc. saiha quetoda-
as sociedades secretas tem tabernas por
pontos de reuniBo e que no ha melbor
meio de supprimi-las do que supprimir
sses tristes covis onde ellas urdem suas
tramas contra a paz publica.
O presidente perseguea anarchia e o es-
pirito do faccBo com tal energa que con-
guir, se aprouver a Deoa. purgar a Franca
delles. A impreosa he submeltida a urna
c.iii-ui a s ri i, e nBo poden para o futuro
entregar-se a seus goslos do maledicencia,
e calumnia. Os delitos por tia da iropran-
sa lornam-sa pois quasl impossiveis:
quanto aos deliclos por vil da palavra, co
mo os gritos sediciosos as povoa(0as re
volts, as offeosas ao chefe do estado, um
deersto recente acaba de dacidirqu> esses
lidelos do hojeem diante serfio julgidos
pelos tribuuaes eorreccjonies. O jury que ha
muitos annos tinha aiissBo de pronunciar
sobre esse negocio prehencheojjnuito mal
sua tarefa ; por indilfi renga, aj^pcobardiii,
ou mesmo por complicidade com asopi-
niOeadolaccujadores, e era este um delos-
tivel exemplq que gracas ao novo decreto,
nfioanimari mais os maus clJadBos.
Por todi a parte o negocio marcha com una
actlvidade maravilhoia.a aublda doa fundoa pu-
bllooa uao para, ella chegou a 15 franco no
annos, e j deixou excellentes lembranrjas
em Paria onde residi muitos annos.
Falla-sede novas inudancas no gabinete em
conaequencla da retirada de lord Landadvrne,
qual renUDcfl*Vk poder, e de iir Gcorges-
Grey, cuju eatido de doeoca obriga ao re-
pouso, porm nada est alada decidido a eate
respeito.
Una criae industrial ameaca nesle momento
a loglaterra emconsequencla de uina liga doa
obrelros mecnicos que vo rrcusar-ie ao tra-
balbo aeoa ebefes de industria nao se submet-
terein a condicOcs fnaceitavela que Ins pro-
poein. Estes eslao decidldoa a resistir enrgi-
camente a rssas pretencoes.
Allemanha. Os gnvernoa de Vienna e de
Ucrlia aao cada vez mala favoraveia nossare-
volucaoa qual laocou no mais profundo des-
animo os demagogos allemaes.
A retirada de lord Palinerston excllou na
Auatria una alegra universal, o gabinete de
Vienna tem toda a rasio de eaperar que lord
Granville se prestar voluntariamente a todas
aa medidla proprlaa para restabelecer a boa
harmona entre oa dous estados.
O dous ministerios do commerclo, e da fj-
zcoda acabam de aer reuui os em um s que he
cunflado ao Sr. I Assiin como seeaperava o imperador acaba
de dar novos insluicoes no aentido inonarchi-
co a seus eatados bereditario8 ubrogamio coni-
pletainante a constitulcBo de 4 de marco.
Hespanha.k ralnba Isabel pari feliarnente
a 20 de deieiobro pelaa li horas da noite uuia
augusta priuceza que foi levada ao baptlsmb
pelo infante U. Francisco de Paula, pal do re
e pela raiuba mAi, HariaChrislina. A real la-
finta recebeu oa noenes de Mara Iiabel Fran-
ulllino mea, e neate moinealo trala-se serla-' cisca de Asis Chrlina Fraoolsca de Pauoa. As
mente de conrerWr os a por cento que paasa-
ram alm do par eral por cento i maa nio be
ao nal rendas que se opera eate mclhoi amento,
he em todas as transaccOea Industrlaea e fls-
caea: ltimamente tlvemoe eatrondosas pro-
vas da confianca que o goveroo Inspira aos ca-
pitalistas, temos umcamlnhode ferro mu Im-
portante, o de Paria a l.eo, adlanlado ja aos
tres quartoa de aua construccio e que estiva
por acabar. Antea de 2 de deiembro cuatera
muito achar urna companhla que consentisae
ultimas noticias de Madrid annunciam que a
infanta e sua augusta mal gosavam de perfeita
saude. A raiuha coininec.ava a levantar-ae e t-
nba continuado o trabalho daa assignaturaa.
Portugal.As cortes portugueaa foram aber-
las em Laboa a 15 de dezembro pela raiuha
em pessoa. O discurso real prova os poderes
conatituciooaea dado aa novaa cortea, e rinun-
cia que um projecto de acto addicional cons-
tilulcao foi preparado pelo goveroo, e aera
ubuietlido s camaraa. Annuncia tambem que
era acabar o cainioho e comprar a parte acaba-1 o berdelro da coroa tendo chegado idade le-
da mediante urna soinma de cem inlhSes pa-. gal prestar o juramento solemne conili-
gavel em dez aonoa: Felizmente o tratado nao tuico.
tinha aido concluido, hoje acha-sc nao una, tolttim da bolsa do mes dtdeiembio.O fun-
porriu duas coinpanhiaa que para ter a concea-| doa pblicos francezes tiveram todo o inez um
sflo desse cainioho otTerecem urna omina de j movimento continuo de eleva^o que nao pare-
HOmilbes pagavel em qualro annos. Prm cedeverparar ainda porque no momento que
ve Vmc. que be para o estado um beneHcio II-1 me eacrevo ellea cheg.nn a rwi francoa.
quldo de 10 mllnSes. O goveroo aceitou esta, P, S.
oHerla. Els-aqui outro negocio do mesmo ge- Chegou a Pars o Sr. commeodador Marques
J cainlnbo de ferro de I.roa Avlnh.io Lisboa. Elle foi recebido antes de I
be pouco productivo, porm henecessarlo para j presidente da Repblica ao qual ai*
por em coinmunicaco rpida o mar do norte, suas credeociaes, como ministro plenfpolen
cjm o mediterrneo. ciarlo do rirasil.
Antes de 2 de dezembro urna companhlaj Tenho que noticiar a Vmc. um fado multo
se olTerecia para executar este caminho, e honroto para um de aeua Joveua compatriota
disfruta-lo mediante um subsidio do sos- o Sr. Rocha Farla, olTicial da mariaha iuipe-
prussianoem II ilstein no auno de 1849, por
ora he o general von Wangenhein quem
dirige interinamente os negocios desta re-
partifSo.
Urna gazeta de Alione ( Dinamarca ) diz
que a Pruasia ainda nBo entabolara nego-
cufOes propriamento ditas com o duque
de Augustemburgo, que o governo prus-
siano se limitara a pergunlar ao duque sel premo.
a. O nomo dos estados da coroa nBo ser
empregado na liogoagem qjllcial senJa
como designacBo geral: porm as deno
minatOes particulares 6 um estado, riJT
tsr-se-ba sempre seu titulo especial.
8. A extenao dos estados da coroa sen
manlida, reservando-se as mudmeas ou,
devemser operadis no interesse admini
tralivo. *
4.* llavera om cida estado da coroa lia
liados debaixo dis denominacOes usadas ni
paiz, etc.
5.o llivar* autoridadris de circuios no,
baleados, comitalse delogacdes. Esta i0
toridades de circuios sBo subordinad!, i
um chefe superiorr
6.' cima das autoridades de circuios es
tflo collocados o governador e o chefe su"
osla isposlo a entabolar negocia(0es, e
que o duque responder que nBo entrara
em negociacijes senBo depois que o decreto
de banimento de 10 de maio, o qual exili-
n toda a familia ducal, fosse revogado, o
seus berst situados na iiHa de Alaen o no
condado de* Graveosleio Ihe fossem resli-
tuidos.
O ministro da fazenda austraco, o barSo
de Krauss, den a sua demissSo o foi subs-
tituido interinamente pelo civilheiro de
Baumgartner, ministro do commercio e
das obras publicas. O imperador escrevera
ao bario de Krauss urna carta autographa
mui lisongeira, na qual depois de agrade-
cer-lhe os servidos dislinctos que prestara
debaixo de circumstincias de extrema dif-
liculdade, o nomoara membrodo conselho
do imperio e gram cruz da ordem de S. Leo-
poldo.
O Uifyd fallando do successor do barSo
de Krauss, diz o seguinte :
- Todo o mundo se comprsz em reco-
nbecer a energia e sagacidade com que o
Sr. de Baumgartner, usuccesibr.doSr.de
Krauss, tem at aqu idmiuistrado sua re-
parlifSo especial. Em um mmenlo em que
a poltica rommerci.il da Austria forma um
ponto essencial do seu desen volv meo to
poltico geral,ra da mais alta importan-
cia que a administrac,So do cou.merclo e da
fazenda fosse cunfiada provisoriamente
mesma mSo. He urna garanta de que o ca-
rcter da unidade ser impresso a todas as
medidas econmicas e (iscaes que serio
prximamente adoptadas
Varios decretos imperiaes tem sido pu-
blicados em Vienna.
A constituido de 4 de margo de 1819 he
abolida, e os previlegios entBo annuncia-
dos sBo obriga los. Os fundamentos da fu-
tura organisaco social sBo definidos. A
constituicBo ser alterada emum sentido
conservador, e coma devi la considerado
7. Oa municipios existentes, actualmer..
te serlo considerados como municipios lo.
caes.
8 A dislingSo estabelecida onlre os mu
mciiiios urbanos e os municipios rurp< h.
mentida. "*
10. O governo reserva para si a norjs*.
cSooua confirmatfio dos maires dos rT
mcipios. '
11. Os membros dos conselhos munic.
paes serio eleitos pelos habitantes dos mu
nicipins.
14 NBo haver nouhuma publici ladoda
deliberacoes dos conselhos
municipal:. .
e b^g tTmcodo.c?v!l e peTa? s^rTgr.'du":
senta milhOes fornecido pelo estado. Hoje a
mesma companhia acaba de tomar osle ca-
minho com um subsidio reduzido a quareu-
ta e nove milhOes. He ainda para o estado
nal, cuibarcado para completar sua inatruc-
co, a bordo de nossa fragata a vapor Sait. No
combale que nossa esquadro acaba de dar as
eidadea de Kabat e de -sal ( Marrocos ), o Sr.
Rocha distlnguio-ae particularmente commau*
um beneficio liquido de onze milhOes As dando a batera deacoberta da proa. Elle nio
IransaccOes entre os particulares se resecn.- cesaoude fazer fogo durante as sete hora que
___ *_________ r_ll osuiaal. iIu-imi laalnllila a tuvo I maa inm tnm i A o I' -
Todava mo crio que se praliquem actos forte e respeitado (viva adhesBo ). Com
de poraegui(Io contra Mr. Basee seus com- efleilo satisfazer as exigencias do presento
plices, o lia ratoes para suppor-se que logo creando um sistema que reconslitua a au-
depois da proclamacBo do escrutrnio, e da
promulgado da nova constituicBo, urna
amnista geral pora em liberdade todos os
presos polticos que nSo perlencetr a de-
magogia.
Quanto a Mr. Thicrs, elle nSo passou se-
nBo alguns dias na pris&o. Este eminente
orador nBo he perigoo quaodo nito tem
urna assemblea para perturbar com sua pa-
lavia, por que elle nito he popular nem no
paiz, nem no exercito. Todava no ae quiz
permillir-lhe que abrisso seus sales s
intrigas, lutimou-se-lhe a ordem de dei-
xar a Franca e um ofUcial da gendarmera
acompanhouo al a fronleira da Allema-
nha. Neste momento. Mr. Thiers, tem Ovado
sua residencia em BruXellas.
Pars goza da maia perfeita tranquilida-
de; todos os vestigios da insurreicSo de
*desapparecoram, eos negocios voltsram
com urna aclividide prodigiosa. A con-
fianca est oulra vea em lodos os semblan-
tes, os fundos pblicos sobem com rapi-
dez, e falla-Ee ja de convertor os 5 por
cento em 4 por cenlo. Os operarios tem
trabalho abundante e estfio geralmente
diapostos a votar por Luiz Bonaparte. Em
nossos departamentos, hoje tranquillos, os
snesmos bons elfeitos se fazem sentir e
lodosos homi-iis de bem se felicitam de
que a Franca tenha passado de um so salto
pela energa do president->,esta uata terrivel
de 1852: so ha um perigo para nos neste
momento, porem elle be grave, be que o
presdeme srja fondo pela baila de um
aasasaino. Seaconlecesaeeste mal, a Fran-
ca achar-se-hia de novo collocade sobre a
borda do abismo donde elle nos tirou.
Esperamos que o Ceo nos presevar de
urna tal catsstrophe.
Inglaterra. Em Londres oceupam-se to-
dos doa grandes eventos que acabam de ter
lugar em Franca. Lal de fonte carta, que o
gabinete inglez nio hesitoo em applaudir
inmediatamente os actos de 2 de delembro,
e que lord Normanby foi encarregado de ex-
primir ao principe presidente a viva satisfa-
cioque experimentaran) lord Palmerston e
seos collegas. Os jornaes de Londres ap-
plaudiram quasi todos, a nossa revolucBo,
excepto todava o Times, que tem goslo em
sustentar as meses arriscadas e divergir dos
collegas da imprensa. De um outro lado, as
gazeias ultra-radicaes as quaes recebem
inspiracOes dos refugiados estrangeiros vo-
mitaran) irrjuiiis aboniiiiaveis contra o pre-
sidente, porm estas loltias escripias pelo
vulgacho, nfio teem nenhuma auloridade
entre o publicd esclarecido da Grfia-Ure-
tanba.
Allemanha. O gabinete de Viena julgou
imiiie iiiiiameiilo os acontecimentos da
Franca com essa seguranza de perspicacia
que perlence escola do principe de Uelter-
nich. Elle vio que o principe Luiz Bonapar-
te arrancava nfio su a Frauda senBo tambem
a Europa das garras da demagogia, e mos-
trou-se altamente rcconhecilo pelo itnnicn-
ao servico que o principe fez i civillsacfio,
sociedadee autoridad mmiaicuica. Por
easa razflo os jornaes de Vienna nBo hesita-
ran) una instante em applaudir o acto de 2
de dezeatbro, e isto he tanto mais merito-
rio quanto o conde de Chambord he piren-
te do imperador e aa doutnnas legitimistas
sao bem vistas em Vienna.
Em Berlim, o rei nBo decidio-se tfio
promptameate : seu carcter um pooco in-
dicioso fe-lo ao principio lamentar a dimi-
nuicao das probabilidadea em favor de urna
restaura{8o mooarcboa em Pars; porm
o primeiro ministro, o Sr. de Manteulfel,
conseguio fcilmente vencer os oscrupulps
loridade sem lenra igualdade sem fechar
nenhuma via de melhoramento he lanzar
aa verdadeiras bases do nico edidcio capaz
de supportar mais tardo urna liberdado
aabia e benfica.,,
Gritos de viva NspoleSo I viva o presi-
dente accolheram o discurso de l.uiz Bona-
parte, o qua| cnnversou por longo tempo,
e tlTeciuosamente com muitos membros da
CommissSo.
Na mesma tarde, por occaslo da entrada
do anuo o principe recebeo o corpo diplo-
mtico e o clero do Pars, tendo i sua
frente o Sr. arcebiapo. Este prelado dirigi
ao presidente um comprimenlo muito bem
preparado, porm um velho cura, ovene-
ravel defio dos coras de Pars, de idado de
87 annos foi mais bem succedido do que
o seu chefe espiritual. Elle approximou-
se do principe e disse-llie com a expressRo
da mais viva alegra : Folgo, Seohor, de
dizar-vos com o proafieta : A obra de Dos
ser bem succedida apezarde tuJo.Estas
palavras do imm padre foram muito ap-
plaudidas.
No dia seguinte 1.' de Janeiro um le
Deum solemne ful cantado oa greja de Nu-
tre llime, a ceremonia era magnifica, a
cithepral eslava reluzonte de luzos e toda
forrada de pannos de mil cores. O corpo
diplomtico eslava todo presente em urna
tribuna reservada. Todos os corqos cons-
tituidos estavam em seus lugares, e junto
delles se apinhavam todos os maiores das
pruicipaes cidades de Franca em numero
de 400, os quaes assisliam em nome de
Franca a consagradlo religiosa dos pode-
res conferidos pelo povo ao seu esoolhido.
Ini/ Bonaparte ehegou ao meio dia e foi
recebido na porta da cathedral pelo arce-
bispo acompanhado de todo o seu clero.
O prelado depois de ter-lhe apresentado
agoa benla cooduzio o principe ao genufle-
xorio que tinha sido preparado no centro
da nave, e entBo comecaram os cnticos
executados com um compasso admiravel
por duzentos muzjcos e trezentos choristas.
A mu-ica do lo Deum e das outras oracoes
tinha sido composta ha 48 annos para a
sagncBo do imperador. Esta ceremonia
magestosa fez om todas as almas urna im-
pressfio profunda eo principe Luiz Bona-
parte dereo mais que nenhuma outra pes-
soa abstrahir-se na profundeza dos pensa-
men los, e das emo^Oes que tSo grande ace-
a nelle desperlava.
Depois desta homenagem rendida ao Om-
nipotente, Luiz Bonaparte atravessou a
multidBo que o acolheo com acclama;Oes
incessanles, o fez sua entrada no palacio
das Tulnerias, o qual ser pera o futuro a
residencia ofllcial do presidale. Foi ah
que elle rtcebeo oltlcialmeole todos os
grandes corpos do estado, oa delegadua los
departamentos, os ofliciaes do exercito,do
trra e de mar, os ofliciaes da guarda na-
cin M, etc. Esta recepcSo durou multas
horas, e em ludo esse tempo nSo cessaram
os gritos de viva Napottio vina o salvador
da Franca. O principe voltou pelas cinco
horas para o Elyseo. De noite todos os edi-
liciotr pblicos e grande numero de casas
particulares se iliuuiinarain. Assim termi-
uou-se este dia que ser notsdo nos annaes
de Franca como o principio de nova era.
Opreaidente quiz mesmo pordousactoa
significativos ligaros lempos novos ao pe-
riodo imperial. Seu decreto de 31 de de-
zembro suporime o galo gaulez, como em-
blema da Franca, e restabelece a iguia do
imperio as bandeiras enascruzes da le-
le m da mesma influencia e ate as propie-
dades de rali, as trras, as casas, cujo valor
augmentou repentiuamenle perto de um
quarto.
Na reform peridica das funches relati
vas ao quadroda mnrinha o almirante Le-
PrJour foi demittido; he o almirante de
Suin quem toma o commando da cslacBo
naval doPrata e do Brasil.
O Sr. commendador Marques Lisboa che-
gou a dous dias a Pars, o dnve presenta r
hoja ao presidente suas credeociaes como
ministro plenipotenciario de S. M. I. '
Inglaterra. Um acontecimento multo
importante para a poltica de todo o inun-
duron o combate e leve tres inoitos c dez fe
ridos entre os canboeiros, seguudo a parte of-
cial do almirante Dubourdleu, este joven e
brilhante ohcial acaba de ser nomeado caval-
lelro da L?gio de Uoura,
**wmmrmmsamawsgm9
DIARIO E PERNAHBUGO.
I1ECIFE, 4 DE FEVEREIRO DE 1852
Pelo vapor Inglez 7'ay chegado hoje de
Soulhampton via Laboa, Madeira, Tener i (To
e S -Vicente recebemos as cartas de nossos
correspondentes em Lisboa o Pars que II-
do leve lugar em Londres nestes ltimos| cm estampadas em outro lugar dosle Pa-
quinze dias : em cousequencia de'vivsS ex-
plicacOes que houveram entre o primeiro
ministro, lord John Russel e lord Palmers-
ton, este ultimo deu a aua demissSo ; elle
foi immediatamente substituido no Tortign
office por lurd Granville.'
As causas da retirada de lord Palmars-
lun so contadas diversamente, e provarel-j
mente foroecerflo uccasifio de debates aiui
tempestuosos logo que o parlamento foi
reunido. Eis a que me parece mais notavel
entre todas as ver.-es que a imprensa pu-
blica.
rio e tambem varias gazeias inglezas, fran-
cezas e neapanholas que icaucam todas a
8 de Janeiro prximo passado.
Aoque nos communicsm os ditos nossos
correspondentes sobre os paizes em que re-
siden) nada accresrentaremos por ura, e
mesmo sobre os outros pouco temos quo
dizor, pois felizmente continan) todos em
paz esocego.
A rainha de Hespanha achava-se j de to-
do restabellecida dos incommodos do par-
to ; infanta recennascida fora biptlsada
no dia 32 de dezembro com o nome de M-
menle introMzido as ierras da coroa. Os
funcionarios o governoa dos distnctos no-
meaio commissSes de conservatBo esco-
lhidas dentro os membros das classes pro-
pietarias e commerciantes.
Os decretos do imperador foram publica-
dos na gazeta de Vienna do I."de Janeiro,
a qual, diz o Journal del Dbale, toma pela
primeira vez o titulo de Gaiela imperial ale
Auttria, osBo os seguintes I
I.
Nos, Francisco Jos, etc.
Em consequencia de uosso decreto de SO de
agosto passado, nosso conselho de ministros e
nosso conselho do imperio procederam a um
eiame profundo da coustituico de 4 de marco
de 1949; e valo que, como resulta das delibe-
racoes que tiveram lugar, esta constituicBo uao
porm os habitantes poderlo examinan!
resolucOes tomadas.
16. Faz-so-ha segundo estes principio,
reglamentos para os municipios urb.no
e runas. Convir lomar em considerar-jn
os inleresses preponderantes.
17. As (unc-soos judiciarias serito exerci-
das pelaa autoridades e pelos tribuuaes is-
lentes em nome de S. M. o imperador.
18. A reparacBoda autoridado judiciarii
do poder administrativo ser manlida as
relaees e em ultima infancia; enoremo
lombardo-venesiano, ella o ser mesmo ui
primeira instancia ; porm em regra geral
aeguir-se-hs pin os tribuuaes de prim ira
instancia, regra da uniSo dos dous po-
deres.
20. Hiver tres instancias nos nogocios
contenciosos como nos negocios crimimes,
Seguein disposiQiVsdc detalhes)
2j. No que rdspeila aos dolidos e is
cootravonfOcs da competencia dos juizei
de dstrelo, seguir-se-ba o processo sum-
mario para os deliclos.
26. Porm nos deliclos que so di com-
petencia do* tribunaes compostos de mu-
ios membros, seguir-se-ha o principio di
accusacBo e da nomea;Bo de um defensor
para o aecusado, e os debales serSo ores.
27. Os debates nio sorBo pblicos ; po.
rom a pedido do aecusado e com a autor
sacio do presidente, serBo admilltdos ou-
vintos nos dbalos oraes de primeira ins-
tancia o presidente podera limitar seu nu-
mero.
28- A accusacBo ser desenvolvida pelo
ministerio publico.
29. Ojury he supprimido.
30. As siinleiicas nBo serfio dadas seoJo
por juizes.
Pronunciar-se-ha nos processos crim-
naes : criminoso, nao criminoso, roaetti-
do da accusacBo.
31. O processo permite os tribunaes su-
periores e o tribunal supremo nBo se fari
senBo por escripto.
33. O cdigo civel geral para os subditos
austracos ser admetlido as provincias en
que elle nBo tem sido ainda applicado, com
i
c-onvem em aua bases posico do imperio da as precauces necessarias e tendo attencJ
lliln i a il-.'l Minln animifiiiiailii aV^^l^. A ^ l -, .
Ha muito lempo lord John Russel eslava 1 ra Itabel Francisca de AssisChristina Fran-
_.ui descontente cum lord Palmerston, o 'cisca de Paula, sendo pedriuho o infante
qualobravaem todas as occasiOes como se D. Francisco de Paula, pal do rei, e madri-
fosse etiofedo gabinete, ou coovsenBo ti- nha rainha Mana Christina. O arcebiapo
vase collegas. Elle sa queixeva vivamento, oe Toledo Tul quem baptisou a infant.
desse humor turbulento, e intrigante d Depois do nascimenUda princeza real
ministro dos negocios estrangeiros que nBo; Madrid conserva um venladeiro ar de festa.
('lidia a nada menos que a tornar alngla-l Corra que o juramento solemne nBo se-
terra odiosa ao do mundo iuloiro. f prestado ainda princeza das Asturias,
A attitude tomada por lord Palmerston! em virtude da esperanza que a Hespanha
no lempo da viagem do Kossutb, a parte in-, nulre de vor ri,lh* '""1II dar mais lar-
directa que elle tomara as ovacoes decre-l de ao paiz um principe das Asturias,
tadas ao insurgente hngaro, por suas res-l Oort;imento de l852,nfioobstante no ter
postis Indiscretasa certas deputacOes ra-| sidosindi anprovado pelas cortes, foi pu-
dieses rovoltavam lord John Russel, homem blicado na Cocer de 23 de dezembro, visto
de bom gosto e de boa companhia, quenSo que tinha do ser posto em vigor a partir do
quer mancharas mBos com o contacto de l.'de Janeiro.
demagogos. Segundo este orgament as despe-
NBo lheagradava deixsr por mais lempo' zas ordinarias do estado sBo fizadas em
qualquer cierque elle tomara parte, por 1,141,058,456 reales ( 311 milhOes do fran-
pequeire que fosse a essas conspiraedos eos ),e as extraordinarias em 1,115,708,000
aoarchicas que os amigos de lord Palrors- reales (305 milhOes da Trancos), entretanto
Ion urdiam de accordo cornos refugiados que as recoltas publicas sBo apenas valia-
de todas as nicfles. das em 1,188,474,762 reales (322 milhOes de
As quexis cada vez mat viva da Aus-, francos) O governo he autorissdo a abrir
tria, da Pruasia, da Russia faziam a mais obra as receilas de 1853 um crdito limi-
viva impressao na alma do primeiro minia- t'do ao computo do delicit dos orcameutos
tro que nfio poda eximr-se de aeha-la los-! de 1849, de 1850 e de 1*51.
tts, de accordo nisto com sua augusta so-1 Como quer que o governo lulgasse tam-
beranaa qual ha moito tempo detesli cor-' bem conveniente fazer modiIlcscOes ni ta-
dialmenle lord Palmerston. O chefe do ga-l rifa, e conceder caminho de ferro sem a
bnete quera acabar com Isso e aprovettou-, sanecilo das corles, os deputados da oppo-
se da primeira occasiSo de romper, que Ihe fo progressista reuniram-se para deiibe-
foi ouerecida. l r,r sobre o procedimento que deveriim
Foi a Franca que forneceu essa occasilo, ,l'r- ,
eeiscoaao. Coca a primeira noticia dos Tres propostas foram a presentadas ;a pfl
acontecimentos de 2 de dezembro lord meirs que ellea dereriam resignar suas fun-
Palmeiston como consommadopolilico que legislativa, a segunda que deveriam
he, comprehende o alcance delles, e deu-l dirigirum manifest na?Bo hespanhols, a
1 terceira que deveriam apresenlar um me-
morial rainha.
Austria, e nao pode ser executada ao todo de
suas dispoaife, eremos que he de nosso dever
de soberano, depois de ter bem pesado todos
os motivos, abrogar a dita coustituico de i de
marco de 1849.
A Igualdade de lodos oa subditos perant
lei, assim como a lupresiio de toda relacao de
suhmlsso para com os senhores, mediante-urna
jusia iodeuioico, e precuedes que a ella ae
referiam, sao espressaineatc contirmadaa.
Para fuudar iustitulcdes propriaa a aatisfazer
as neccasidades de todo os uossos povos e as-
segurar a prosperidade de todas as classes da
socledade, firmando nosso goveroo no interes-
se da aeguranca interna e cuerna, da uoidade
e do puder do estado, aeguir.se-ho as vas da
experiencia e do eatudo profuodo de todas ai
relaedes para redigir depoia projectos le lela
orgnica oa quaea dirivario dos priuciplos
una vez estabelecidos.
Por eate motiva, depois de ter ouvido aosso
conselho de ministros e nosso conselho do im-
perio, temos estabeiecldo Immedatamente
urna serte de principios as parles da legisla-
co orgnica aa mais importantes e a mais ur-
geaues, e temos dado as ordena oeceasarlas para
que fossin levados ao conheciineoto geral, e
para que auac-ycucao livesse lugar iuamedia-
tainente. Lela especiaea ulleilorea conteroas
disposices de datalhe : at easa poca, seguir-
se-hao as Icis em vigor.
Dado em Vienna, aos 31 de dezembro de
1 -ji, quarto de nosso reinado.
fioMclsco Jos (mane propria.)
Beferendado. Schuarlzembcru (mane propria.)
Por ordem superior. Ransannet, director
da chancellarla do conselho doa uitaistros-
II.
Nos, Francisco Jos, pela graca de Dos, im-
perador da Austria.
As cartas patentes de 4 de marco de f 8*9 es-
tabeleceram dlreitoa polticos determinados
para a archiducado di Aositla cima e abilxo
de l'Knas, para o ducado de Stvria, reiaude
i lij i-i.i, compoato dos ducados de Carinthia e de
Carnlol, para o coudado de GoriU-Gradiska,
para o margraviado d'Isirlae paraacidade de
Trieste com seu territorio, para o condado do
Tj-rul e de Vorarlberg, parao reloode tiohemia,
para o margraviado de Moravia, para o ducado
da alta e baixa silesia, para o reino de Galticia
c de Lodomerie com oa ducados da Auacbwitz
e de Zator, para o gram-ducado de Cracovia e
para o ducado de luUuwiuc ; liualmciite para
o reino de Dalmacla.
Estea direltoa polticos foram submetlidoa a
umezame profundo ao mesmo tempo que a
coastituico de 1849. Conformando-nos com
o parecer de nosso conaelbo de ministros do
imperio, eremos dever abrogar as oarlaa pa-
tenlea de 4 de marco de 1849, assim cosos) os
direitos lundaucutaea eslabelecldos em favor
dos paisea da coroa. No caao de que nao exis-
tam disposices eapeciaea aoore oa ponto par-
llcularea dos direiloa fundaiueotaes, reservamos
s relaces particulires de cada provincia.
O mesmo se fara com o coligo penal.
34. Nos piizes da Coroa estabelecer-se-
li.lo estatutos' particulares sobre a nobren
hereditarias de estados, sobre (vs previle-
gios e snus'deveros, e para facilitir-llie
principalmente a crea^Bo dos morgadose
dos lideicommissos. A respeito dos cid'a-
d.los que teem bens que formem um domi-
nio, seguir-se-bSo as leis em vigor.
35. Us ebefes dos circuios e o governa-
dor serBo assistidos por commissSo consul-
tiva da oobreza hereditaria, di grande
como da pequea propriedade, isstm como
da industria.
Designar-se-hSo os objectos e a extODSJo
de suas atribui(Oes. Exaininar-se-ha se lu
lugar de admittir outros elementos.
36. Nos balliados soberano couvocar-se-
hSo de lempos em lempos us chefes os
municipios e os grandes propietarios, cu
seus procuradores bastante para deliberar
sobre seus negocios.
Sobre a Inglaterra nada temos queac-
crescentar ao que nos communicao nosso
correspondente de l' ni-, senBo que a guer-
ra com os Cafres ainda continua som que
80 pussa pievor q liando ler ruinare.
i.m Londres os consolidados flearam, de
97a97 1|8; os fundos brasileiros a 95; o>
cinco por cenlo russos, de 133 1|4 a 113 ;i,i;
estrs por cenlo hespanhoes, de41 1(4a
41 3|4; os dous e meio por cauto hollanie-
zes, de 59 11s a 59 I{8, e os fundos ssrdui
de 90 a 90 \\.
O vapor Tiv u.lo chegou aqu no dia mal-
eado, n.lo so por ter solTndo um grande
temporal no canal, senao tambem purss
ter demorado mais tempo do qua devia om
Cabo Verdo por falta de gente que Ihe fur-
necesss ocarvSonccessario, em consequen-
cia da epidemia quo grassa naquella illii
a>>>iaHaiiaaiaaBaBBBBBaBBS^_a_.ii>1i>lBBavaa- '**&
COMMERCO.
AI.FAMIEGA.
Rendimento do da 4. 8:437,375
litscarregam hojt 5 de fevereiro.
Barca portogoeza S. Crua mercado:h-.
Barca ngleza Fary Quin assucar.
Barca austraca Grof Apptmes merca-
dorias.
Brigue gardo Dalno i le ni.
Patacho brasileiro S. Joie' Americano -
se pressa sem prevenir os sen collegs em
mandar compnmentarLuIz Bonaparte pelo
embaixador inglez em Pars e mandar asse-
gurar-lhe quo nada mudara as boas rela-
cOes que existem entre os dous governos.
nanlo ao fundo Isto nBo era man, porm
quanto forma o ministro tinha faltado as
tteoedes que de'via a seu collegas, sem
cujo concurso dSo devia tomar a grave re-
solufSode approvar ou censurar a mudan-
za das insiittiniOi.s em um palx vislabo.
Lord John Russel dirigi a este respeito vi-
vaa eiprobac,Oi>a ao seu collega declarando
todava que no fundo elle era da opiniBo de
lord Palmerston sobre necessidade eso-
bre o successo provavel do golpe de estado
de Luiz Bonaparte. Parece, se miohasin-
formacOes sBo exactas, que na conversado
entre os dous ministros, lord John Russel
insisti sobre este ponto que a Inglaterra
devia conservar-se em boa amizade nBo so
com a Franca, porem com as outras poten-
cias continentaes, com a Prussi, com a
Russia, com a Austria.
Lord Palmerston tralou este lado da
qui-siBo mu cavalheirosameote e pretandeu
pelo contrario que com tanto que a Ingla-
terra estivesse bem com a Franca, pouco
importava que suas retacos* fossem mais
giOes de-honra. Oulro decreto diz que a I ou menos fris om o restante da Europa,
moeda franceza ser para o futuro cumiada | Taes declarares estibelleciam um dlssen-
Depoi de urna iicuss3olonga e anima-
da resolvern) enviar urna tnensagem a rai-
nha, ni quil protostiriam contra a adopcSO
pelo ministerio da IBo importantes medi-
das sem previa consulta das cortes.
Tres senadores e tres deputados foram ao
depois escolhidos para levarem esta repre-
eentac.lo raiuha.
Os deputados da opposicBo moderada de-
viam tambem fazer urna reuniBo semeihan-
te, caso os ministros nio convocassem ou-
lra vezasoorte; visto que, segundo cor-
r, era a intenofo destes nBo convoca-las
senBo para se reunirern em setembro ou ou-
tubro, salvse acontecimentos extraordi-
narios os obrigassem a isso.
As cmara prussianas reuniram-se no
dia & de Janeiro pela primeira vez depois das
ferias do natal, seu principal trabalho neste
dia foi a eleicSo dos respectivos presiden-
te. Ni cmara alta sanio reeleito o conde
de AHiberg por 88 votos contri 32, ni baixa
o conde de Schwerio. Eatava para ser apre-
sentado nesla ultima cmara um projecto
de lei delniudo a responsabilidade dos mi-
nistros e marcando o processo da accusa-
cBo contra os mesmosporvotacSo dos de-
idem.
m. m.tiiir aam .* amsianiiavaami! i_ ov V 01 II I -- 1 -
regula-loa por lela particulares porm deca- """bo brasileiro EmulacaS gneros
ramos formalmente pela presentes cartas pa- I do paiz.
M i a te brasileiro Amelia morc.idorias.
tontea que queremos cooservar dos estados da
corda cima meacioaadoa, na Igreja e oa so-
cledade religiosa legalmenie reconhecida, o
direito de que ellagosa de exercer publicamen-
te seu cutio e de administrar llvremente aeua
negocio particulares. Queremos tambem con-
servar- Hie a posse e o gozo doa eitabelecimca-
to, da fondacoes pas e dos fundos destinados
Sara o culto, para a iaetracco e parara bene-
cencia. A este reapeito ella car sujelia s
lela do eataoo.
Dado em Vienna, etc.
Jost,
O Uonlteur prusen publica a carta aeguinte,
dirigida por S. M o imperador ao principe de
Scbwartsemberg:
a Meu charo principe de Scbmarttemberg.--
De conformidade com a cartas patentea pro-
mulgadas hoje, receberei Incluios os princi-
pios seguinte que eatabeleci depoia de ter ou-
vido o meu couaelbo de ministros e meu con-
aelbo do imperio nos negocios oa maia impur-
lautes e os mais urgente daajawisiaco orgnica,
pediodo-vos que ordeae^pEe oa uiioistroa a
quera Isto incumbe, oceupem-ae immediata-
tneotc da execucao, e que me aeja feito um re-
lalorio obre oa reiultado que foram oblidoa.
Vienna, 3i da deaeinbro de 1851.
Alllgnado, Fraucaeolose.
Principios para istituicOts orgnicas nos
estados da coroa. da imperio da Austria.
1. Os estados reunidos ao imperio da
Austria debaixo de ttulos historeos ami-
gos ou novos, formara as partes integrantes
teres de seo cargo, este ptojeoto liefunda-llnseparaveis da monarchu hereditaria in-
do sobre o artigo 61 da conBtituicBo, mas I penal di Austri.
J MUTILADO L
ImportacaO.
Barca austraca Grof Apponyi, vinda de
llamburgo, consignada a N. O Bieber
Companhia, manifestou o seguinte :
26 caixas mudezas, 3 ditas o 10 barricas
ferragens, 2 picotes amostras; a F.F.Tiunie.
30 barucas cimento, 1200 garrafoes va-
sios, 2 barriess cidinlius, 2 ditas peJernei-
ras, lio sacas l'areos, 1 caixiolia espoletas,
4 caixas brinquedos, 1 dita podras de aliar,
2 ditas relogios, 2 .titas tintas, 816 barras de
ferro, 5 caixas couros, 17 ditas armas. I'
ditas vinho, 4 fardas pipelSo, 1 caixa fer-
ragens, 1 dita feixes de espingarda, 300 far-
dos papej de embrulho, 6 ditos e 26 caixM
diversos tecidos, 14 caixas espelhos, 25 di-
tas mudezas, 3 racotes amostras; aos con-
signatarios.
50 barricas genebn; a Kalkmann IrmSos.
1 caixa cadiohos, 150 ditas queijos, 500
barras ferro, 160 caixas traques, 1 dita si-
ames, 4 ditas diversos tecidos, 6 ditas agoa
de Colunia, 3 ditas mudezas, 4 ditas cou-
ros, 1 pacole amostras; a C. J. Aillay *
Companhia.
50 caixas sabBo ; a Me. Calmont Com-
panhia.
1 pacota gazeias ; a A. Schmid.
1 caixa obras de ouro, 2 ditas agoa de Co-
lonia, 9 ditasbrinquedos, 11 ditas phospbo-
ros, 5 ditas espelhos, 4 ditas perfumara, *
ditas obras de pao, 1 dita chapeos desold


T*T


3
aoja. 2 fardos papel0o, 18 caixaa miudezis,
"cainha amostras-; a J. D. WolfhopoW*
Companhia. '.
i ca estampas, i dita salames, 1 dm
nuinquelharias, 151 cestos cerraja, 1 bar-
rica dita, 9 caitas pertences para chapeos,
1 farJo papelSo, 5 caitas couros, 8 dita
niiudezas, I caixiuhs amostras: a ordem
1 caita litis de seda o algodlo j a R.
Deppemann.
0 caixas phosphoros, t dita amostras, 301
barricas cimento, S caixas armas, 8 dits
diversos lecidos, 86 ditas miudezas, 6 dita*
limas, 8 barricas e 1 caixa conservas, 1 pe-
ra de carne, 1 caita queijos, 300 garrafes
oleo de liuhaca, 6 pecaa cabos, 1 pacote
amostras j a Rotbe & Bidoulao.
1 cita pertences para chapeos; a A. L.
Strsuss. "
4 caitas vidros e louc, 13 ditas miude
zas, 2 ditas couros. 1 dita drogas, 3 pacotes
amostras, 10013 botijas vasias ;
Kruger.
1 caita charutos, 1 dita roupa.at latas bo-
lachas. 1 pacoto 1 relogio ; aj. C. Raba.
2 caitas pertences para chapeos, 4 ditas
couros, a barricas conservas, 1 peta de car-
ne ; aChnstiani IrmSos.
Vapor inglez Teviot, vindo dos portos da
Europa, consignado a agencia, manifestou
o seguinte;
icaitalselim el bride; a J. B. de Fi-
gueiredo.
1 dita perfumarla, I embrulho impressos;
a Luiz Antonio de Siqueira.
a embrulhos impressos; a Schafcitlin &
Tobler.
a ditos amostras; a T. K. Gansley.
1 dito ditaa; a C. I. Asiley & Companhia.
1 caiza Impressos; a David Bowmann.
1 dita ditos ; a H. Cbristophera.
1 embrulho amostras ; a J Keller&Com
panbia
1 dito ditas; aSauvage& Companhia.
I dito ditaa; a P. Deanessedc Companhia
1 dito ditas; a Fot Brothers.
1 caita dinheiro ;a Carvalho & Irmflo.
1 dita dito; a A. J. da Silva Ribeiro.
1 sacco dito : a A. T. Bastos.
1 dito dito; a A. Irmlo.
t embrulho 6 relogios de ouro ; a II
Gibson.
Patacho brssileiro Espadarte, vindo do
RiodeJaoeiro, consignado a Amorim & Ir-
mSos, oanifestou oseguinte :
7000 arrobas carne de charque; aoscon
signatarios.
CONSULADO GERAL.
4,200
1,800
8,200
pipa 10,000 4J.<00
" 38,000 38,000
14.000 10,000
alq.
4io 600
440 520
410 480
3H0
ion 310
300
mo 310
340 350
Rendimento do dia 1 a 3
dem do dia 4
4:105,O6a
2:542,348
6:647,410
DIVERSAS PROVINCIAS.
Hendimentodo dial a3. 88.551
dem do dia 4........ 416,458
505,003
Exporta cao.
Buenos Ayres, patacho toicano Romolo,
de 127 tonellades, conduzio o seguinte :
660barricase800meios ditos com5870ar-
robas e3 libras de aasucar, 100 canas cha-
rutos.
KECEBEORIA DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE PEKNAMBUCO.
Hendimento do dia 4..... 442,577
CONSULADO PROVINCIAL.
RoDdimentododiaa.....1:927,210
LISBOA, 13 DE JANEIRO DE 1852.
Precos eorrsntes dos gneros do Brasil.
Per baldtacao'.
Por
Al-od.ic, de Pernambuco lib.
DltodoCear ,.
Dito do Marthio ,,
Dito dito ile machina ,,
Uilo dito da Pahia
Dito dilo do Para ,,
Dito dito de machinas
Barran
Cacao
Caf do Rio 1.a aorte.
Dito dito segunda dita
Dilo dito lerceira dita
Dito dito caiolha boa
Dito dito inferior ,,
Dilo da Dahia
Dito do Para
Cuurossec.emcabeIo28a32 lib.
Ditos ditos 24 a 27
Ditoa ditoa 18a 23 ,,
Dtoa ditoa espichados ,.
Ditoa ditos de Minaa ,,
Ditoaaalg. Babia e Par 28 a32 ,,
Dito dito dito 26 a 10
Dito Pecnainb eCearilSaSl
Hilo dito dito :6a20
Dio dilo do Maranbo 28 a 32
Dito dilo dito 28 a 20
Precos.
130
121
US
115
110
Din n. 3dita
Dita n, 1 para pescarla
Dita para dita fabricada
Vlaho superior
Dito ordinario
Vinagre
Ttlgo do Reino rijo
Dilo dito mote
Dito das ilhaa
'.'evada daa Ilhaa ai
Dita do Reino
Mllho das libas
Dito do Reino
Centelo do Reino >
ESTADO DO MERCADO
Jssuesw. Tem-ae reallaado algumas ven-
das para conaumo, dando-ae a preferencia nea-
la ultima semana ao recentementecbegado.
Algodao. Poucaa vendaa, para conaumo.
Caedo. Empalado.
Cafe'. Paucaa vendaa.
Couro. lloiivrr.i.ii algumas vendaa para
conaumo doa da Mahla e MaranbJo, tendo mala
aabida eslea ltimos. .
Gomma copal, Ht procurada e lia lana
delta.
Ounicn'. Pequeas vendal^fS
Salsa panilha. Pouco procttrtfla.
Navios carga.
Para o Rio de lanrlro o brlgue braaileiro Co-
lonlaador, capilao Manoel Antonio Guerrelro.
Para o dito porto o brlgue porluguez Vlrlalo,
capillo Aodre da Costa Vlanna.
Para o dito porta a galera portuguea Sobe-
rana, capitao Franclaco Cardlo da Cunta.
Para o dito porto o brlgue aueco Solide, ca-
pitao AmOlal, conslgaiarlo Miranda e rilhoa.
Para o dilo pono a eacuna ingina Ida, capi-
tao I. Jarquenscn, conslgnaurio 11. G. beholta.
Para o dito porto o brlgue aueco lluidoo, ca-
pitao C. H. Clase.
Para o dilo porto a barca bamburguea Ous-
Uf Adolph, capitao Goede.
Para o dito porto a barca haraburguea Char-
lea Roas, capitao Fob. > l V
Para o dito porto a barca portuguea Isabel,
capitao Antonio Pires Vlanna Jnior.
Para o Maranhioo pata, bo portuguei Llber-
dade, cafXtao Antonio Manoel de Aguiar.
Para o dito porto o patacho Boa re, capitao
Francisco Goncalves. .
Para o Para o patacho Cautella, capitao Joao
Franco Valenca jnior.
Para o dito porto o brlgue Eliiia, capitao
Narclio Antonio de Ollvelra.
Para a Babia o brlgue Flgueirense, capitao
Luii Pietto liraz.
Para o dito porto a eacuna dinamarquesa Ver-
nus, capitao 1. Oestlmann.
Para o dito porto o brlgue portugus Intr-
pido, capitao Antonio Ferreira das Dores-
Para Pernambuco a galera portuguea Mar-
garlda, capilao Silverio Manoel dos Res.
Para Santos o brlgue sueco Aquilla, capitao
I. P. Nordstron.
Jtawbw viudos do Brasil.
Dcierobro 15 Patacho porluguez Tarujo
II, capitao J. O. Kaneco, do Par ein 65 diaa,
coin varioa gneros.
dem 17. Brigue portuguei Elisa, capitao
N; A. de Ollvelra, do Para era B das, cora va-
"idcraS? Galera portuguera Joven Carila, .. A matricula da aula de latim do eolle-
capltao F. P. Ferreira, do Rio de Janeiro era 48 g0 das artes, est aberta na casa da resi-
das, com varios gneros. dencia do respectivo professor na edade de
dem 20. -Brlgue portugus Flgueirense, '0|jnda na lu, Nova
capitao J. A. de Souaa, da Baha era 4l das,, A,mitricu|a d, c,deira de rhetorica do
"iuemT- BCrlgUurbr..i,.ro Empreza, cap, 'colleglo das artes de, Oliod., "*"*
toG de Sou.a, de Macelo era 49 das, com as- casa do professor de lat m competente-
ucar e madelra. mente oncarregado daquella cadeira.
dein 23 Brigue portugus intrpido, ca-
TlBcla, JoSo 8oum, Hugo Behrea, W. Vre-
demburg. Seguio para os portos do Sul,
conduziodo os seguintes passsgeiros, An-
tonio da Silva CuimSo, Joaquim t. S. d>
Mello, Manoel D. M. Lima, Antonio M. G
Silva, com sua irmSa e 1 criada, A. L. Me-
lanez, D. Mara J. de Oliveira e I criada,
JosiS L. Pereira Babia, com su;, senhora e
4criados, JoSo Mc-HIoll, Jos Aire Perei-
ra, Li Comle Floreitio Roiwadowski com
aua familia.
China -- 92 dias, galera americana Susque-
banoa, capito F. Senayi. Veio refresesr
e seguo par New York. ,
Rio de Janeiro -- 22 das, patacho brssileiro
Espadarte, de 147tonelladas, caplt3oJoao
Casaavecchia, equipagem 10, carga carne
sesea ; a Amorim & IrmSos.
dem-- 81 dias, brigue b'asilero Vencedor,
de ISOtonellarlas, capit&o Cleto Marcelli-
no Comes da Silva, equipagem 11, carga
varios gneros, aNovaes de Companhia.
Rio Grande do Sul 30 dies, brigue portu-
guez S. Domingos, de 158 tonelladas, ca-
pilSo Manoel Goncalves Viaona, equipa-
gem 15, emlasiro; a Joaquim Ferreira
Mandes GuimarSes.
Navios lahidot no mesmo dia.
Liverpool -barca Ingleza RoberlAletanlro
Porke, capilSo;James Me. Watters, carga
Porto barca portugueza Espirito Santo,
capito JoSo Carlos Teixeira. carga assu-
oar. Passageiro, Joaquim AlvesdaSilva
GuimarSes. .....
Lisboa -- brigue porluguez Novo Venceaor,
capitao Antonio Bo'ges Pereira Pestaa,
carga assucar. Passageiros, Jos francis-
co Comes dos Santos, Manoel Antonio de
Carvalho. e Jos Francisco da Silveira
liba de Fernando- transporta brsileiro Pi-
rapama, commandante Camello Lelles da
Fooseca. Conduz o commandante da Una
com sus familia e msia passsgeiros.
EDITAL.
Pela inspectora da Alfaodega se faz pu-
blico que no dia 6 do crrante se hSo de ar-
rematar em hasta publica a porta da mesma
reparlicSo 6 relogios americanos para cima
de mesa com corda para 34 horas, no valor
de 60,000 rs.,apprehendidos pelo ajudaote
do gusrda-mr, Luis Comes Ferreira, a bor-
do do brlgue Sueco Srea, por nSo estarom
manifestados, sendo a arrematacSo livre de
direitos ao arrematante Alfandega de Per-
nambuco 4 de fevereiro de 1852- 0 ins-
pector interino Benlo Jos Fernandes
Barros. _____
Declaragdes.
pllao J. de Mattoa, da Babia era 38 dias, cora
varioa gneros.
Brigue polaca braaileiro Ultrlce, capitao J.
M. Cardoso, da Babia era 38 das, cora assucar,
couros e piassaba.
THEATRO DE SIZ4BEL.
Subtitulo 7 di feveereiro de 1852.
28.' RECITA DA ASSIGNATURA.
Depois que a orchestra tiver execulado
Silveka, continua de hoje em di-
ante no mesmo giro de negocio,
oh a firma social de Joaquim Jos
Silveira & Companhia; reaponsa-
belisando-se esta por todos os tra-
tos selebrados pelo dito finado, os
quaes pelo presente se obrigam
4 cumprir como se seus bssem.
Recife, 3 de fevereiro de i85a.
Joaquim Jos Silveira.
-- D se pequeas quantias a premio, com
penhores de ouro n prata, rebatem-ae sol-
dos dos senhores officiaes da terceiraequar-
ta classes : em a loja de ourives, na ra do
Quoimado n 36, se diraquem d.
-- Aluga-se o segundo andar da casada
ra Nova n. 8, atrs da matriz.
-- Aluga-se um moleque creoulo, com
idade de 14 anuos: na ra do Caldroiro
a. le,
Precjsa-se de urna ama forra, ou'cap-
tiva, para uma casa de pouca familia : na
ra do Pilar m Fra de Portas n. 73, segn
do andar.
Lino Ferreira Pinto, relira-se para fra
do imperio.
-- Alugam-seduascasas nos srrombados
de Olinda, muito frescas, uma dellascom
commodos para grande familia i trata-se
lo aluguel na ra da Cadela do trecife nu-
mero 43.
-- Na ra larga do Rozarlo, loja de miu-
dezas n. 36, se dir quem d de 100,000 a
I do, (ioo Je rs., a juros de 3 por ce uto ao
mez, sobre penhores de ouro, ou prata.
Procisa-sn sabor aonJe moraoSr. JoSo
Joaquim Rebollo, que 'se 1 lio desoja fallar,
sendo possivel; ao mesmo Sr. roga-se quei-
ra dirigir-se a ra larga do Rozario n. 36;
faz-se este annuncio por ignorar-so sus
morada.
-- Manoel Coelbo Cintra, embarca para o
Rio de Janeiro a sua escrava Dellioa ,
creoula.
-- Precisa-se de um rapaz brssileiro, ou
porluguez, de 14 a 16 snnos, que queira ser
caiteiro de venda, dando fiador a sua con-
duela : quem estiver nestas circumstancias,
dirija-se ao pateo doTerQO, vendan. 9.
Procisa-se fallar com o corresponden-
te, ou procurador do seohor lente coro-
nel Jos Cordeiro de Carvalho Loile, nesta
cidade, a negocio do i ulerease do mesmo
senhor; na ra Nova n. 41, primeiro andar.
P;ecisa-se alugat um preto escravo,
para o servico de umacasa : na ra da Au-
rora n. 8, segundo andar.
Precisa-se de um forneiro, que seja pe-
rito e zeloso em suss obriga(bes, d-ss
30,000 rs. por mez : na padarla por baito
do sobrado n. 106, na prarja da Saeta Cruz.
-- No caf francez precisa-se de um cai-
teiro para o mesmo, prefenndo-se pessoa
que entenda o francez.
Tendo sido despedido Adolpho Beran-
ger, do lugar de caiteiro do caf francez,
desde o l. de fevereiro, por isso se faz pu-
co para coohecimento de quem inte-
- Preciss-sa da ama ama forra para o ser-1
vico interno de uma casa de pouca familia ; j
na ra Formoaa, casa do 3. lampiSo confron-
ta o muro.
Quem annunclon precisar de um mes-
tre da ltiro pode dirigir-se a ra do Solo.
SI. segundo andar: o mesmo offerece-m a
.lar liceos de Francez, e em bem pouco lam-
po fasor elle adiantar seus alumnos.
Perlende-se alugar uma cass terrea que
tnnha bons commodos, e born quintal as
russ seguintes ; atierro da Boa Vista, ponte
Velha, Concordia, Palacete, ou S. Rita, da-
se de aluguel 16 a 30,000 rs.: na ra da Prala
serrarla do Cardial.
--A pessoa que no diario de hontem an-
nunciou precisar de 500,000 rs., assim como
deoutros que percisem,sn dirljo-se a ra
do Rangel casa terrea n. 35, das 6 8 as da
manhi i o do 1 as 5 da tarde.
JoSo Daniel Clemente annuncia para a
quem for apresentada umaletra de sessenta
mil rs. do Sr. Jos Valentim Siqueira, nSo
ser aceita, e Tazedla entregar nu engenho
Para.
Precisa-se alugar por mez, um escra-
vo ainda que seja moleque, qoepossacom
um barnl .Pagua, e para o servico ordina-
rio de padaria : na prarja da 8. Cruz, debai-
xo do sobrado n. 106.
-- Dam-se 100,000 rs a juros, sobre pi-
nhores de ouro ou prata : no pateo do Hos-
pital relinafSo.
AttencSo.
Senhores arrematantes dos chafarizes, os
habitantes da freguesiade S. Jos, rogam a
Vs. s>. que se compadecam d'elles, e nSo
cuidem smente em seus interesses. No
fimdomezfoi mudado do chafariz da ra
Imperial, oSr. Mathlas, hornera multo del-
ligenle e cuidadoso em suas obrigafdes,
durante o lempo que vendeu agua o'este
chafariz, fazia gusto beber-se uma gota d'a-
gua, o que nSo acontece com o seu substi-
tuto, que alm de ser muito malcreado pa-
ra com os compradores, nSo da esgolo as
aguas, conservando-as turvas e chcas,cooio
Vs. Ss. poderSo ver, querendo-se darao tra-
balho. Removam este vendedor d'agua, e
mandem-o para lugar onde elle possa man-
terja seu gosto a preguica que tero, e man-
den) para c o Sr. Mathias, isto be se Vs. Ss'
dezejarem tambem o bem do pub ico ele
I Por um habitante.
-- O abaito assigaado declara, que a re-
ta de nome Pastora, que o tinha procurado,
comoannunciot oeste Diaria, no dia 36 de
Janeiro p. p., desappareceu de sua casa, no
da 31 do mesmo mez. O Arco-Verde.
Precisa-se de um pequeo para caitei-
ro de venda, no Recife Uecco Largo taberna
da es i.....i n. I.
ressar.
Domingos Aatoniode Azevedo, embar-
ca para o Rio do Janeiro, as suas escravas,
'Anglica, de 24 annos, e Roza de 32 annos ,
creoulas Felismina, de 30 dnnos, parda.
O abiixo assignado, faz sciente a seus
Arrob. 1,400
2,3502,4"0f.
5,000 5,100
1,700 1,800
r.
2,250
-f.
102
107
112
112
135
97
97
5,100
107
112
117
102
120
92
92
97
97
IU2
102
100
160 500
1,600 2,400
Cravo girofe
Dilodo Maranhao
Cotniu copal arrob.
plcacuanha ,,
Oleo de copabiba br." 24,o0028,000
Ouruc lib. 200 2U
Salsa parrllba superior arrob. l4,600 I..O00
Dita dita mediana 9,6.)0 10,50o
Dita ditaa inferior i, 7,000 8,uoil
Captivos de direitos.
AssucardePern. brauco arrob. 1,500 1,700
Dito do Rio de Janeiro 1,450 l,5ur)
Dito da Babia 1,450 1,700
Dito de Santos F.
Dito das Alagoaa ,,
Dilo do Para bruto ., UOO 1,250
Dito mascavado ,. 1,000 1.300
(.'liili.-. do Brasil grandes mil 70,000 80,000
Ditos ditos pequeos ,, 10,000 i..,uixi
Vaquetas de Pern.eCear au
Dita do Rio
Dila do Maraulo
Dsspickudos.
Ail (>0O 1.200
Arroacarolino Q. 6,400 6,600
DitodeSantoa >. Naoba,
Hilo doM.u.>nbaoe Para ord. ,. 4,800 5.400
Dito dito melbor &.600 6,000
Dilo dito superior 6,200 6,400
Dilo dilo miudo ,,
Dito do Rio de Janeiro
Farinha de pao do i'raail arrob. 600 700
Gomma alcatira 1/ aorte lib. l.i
Dita dita segunda dita ,. -- ~f-
Tapioca arrob. 1,400 1,800
Preeo correrle dos (eros di Portugal.
Captivos de direitos.
Amendoa em milo doce de
Algarve arrob, 3,300
Dita dita da Beira
Ditadita amarga da dita ,,
Dila em casca couca alq.
bita dita mollar ,.
Dila dita duraiiaa
Cera nacional branca lib.
Dita dita ainareUa ,,
Figos do Algrave,comadre arrob.
Ditoa dilo brauco >.
l'resuutos
DespacAarJoa.
Alplau alq.
hacalho nacional aeoco Q
Dito dito fresco n
Feijao branco das lUaaa alq.
Dilo dilo do Porto eFiguelra
Dito rajado ,
Dito fradinho ai
Crio de bieo u
I'aasaa da trra arrob.
Sarro de vlnho tinto la
Dito dilo branco *
Viobo inuscatcl de Setubal cala 0,760
A ralo.
Ago'ardenlc de 30 g. encase, pipa ao.oOO
Aielte alo. 5,050
era 50 dias, cora assucar, cafe, couros e ma-
delra.
dem 11. Vapor Ingles Taj-, capiUo C W.
Chapman, do Rio de J-inMiu, era 26 dias, em
qualidade de paquete.
Larca portuguea Llgeira, capllSo A. I. Ro- aa larca,
drigurs, de Pcrnawbuco.com aasucar, algodao
e couros.
O Envenenamento.
A quem faltar uma rede nova, procu-
mJ re_a na ra Direita, padaria n. 30, quedan-
TerminarA o espelaculocom a nova e gracio-. do Qg gigniBS |(|i ^ enlrague
. Desappareceu no dia primeiro do correte
tolo fingido. m,r/., do sitio da Trempe n. i, a preta Maria
Comeesr* is8 borss. ] Cajueira, de nacBo calabar.com os signaes
dros
Bilgueportuguea Roblo, capitao A. A. Pe- bilhetes acham-isl venda no lugar do I seguintes : baiia do corpo', de liade "de 50
oso. do Para em 43 diaa, com arroi, cacao e co8(ume i annos pouco m,i, ou menos, bracos o per-
'.r8cnpeor"tugue.a Emprea. capllSo J. O. Ne- O administrador empressrlo tea a honra | as foveiras, lem a bocea torta da conli-
vea do Rio de Janeiro em48 dias cora caf, as- de annunciar ao resoeilavel publico, que nuacSo do cachimbo, meia corcunda, mui-
,ucai e couroa. com ,|uniito se ache enfraquacida a sua com-, to falladeua, quando lng.< aaaW sea.pre pe
lirlgue portuguei Mentor, capitao J. P. Xa- pan|,ia dramtica pele lado dedamas-e e#-1 la Casa Forte, Campo i.i-anrrf, e S. Amaro :
vlcr Jnior, do Rio de Janeiro em<7 das, com [g enfraqUecimento devido nicamente a roga-Se a todas as autoridades policiaes que
assucar, cafie couroa.__________ mo improvistas eettraordioarias circumstancias > a encontrar, que a prendara e conduzam au
.. ...Kii/.n .lia j(j0 cima mencionado, que se recompen-
sara com generosiilade.
KTICIAS COMMERCIABS. toaV'^ohMidM "do" mesmo publico elle
Relatarlo d"''da l'anelro a 8 comtudo nSo se poupar jamis a toda a sor-
Algodao?' mercad^eitev. em alma no to de f. ligas e sacnlic.os parai levar a_0 0_m_.
sabbado; unto os posanldorea como os nrgo- sua empresa tanto maisquo corita coma vin-
cianiesinostram-sedeaejososporsabero eflei- d, da artista Manoela Caelana Lucci, no pri-
io que as noticias da Europa do olpe de esta- mejr T,porda Europa.que deve cliegar no
do da Franja podiam acarretar sobre os mer- j_. ,je marr;o futuro.
cados tranaotlanilcoa. Com a cbegada, no aab- ^Q corpenie mez de fevereiro subir
bado pela mantisa, do vapor Nigara, Ju'gou- spBnt 0J gegUjnt8s dramas : Marinheiro
Desappareceu em dias do mez passado,
do nngenbo Cordeiro, o bem conhecido,
creoulo JoSo Mequelino, com os signaes se-
guintes : baito, corpo reforjado, peroas
mcias arqueadas, cor fula, bem fallante, de
idade de 25 aunos pouco maisou menos :
roga-se as auturidadci policiaes, capitSes
decampo, e mais pessoas que o encontrar,
de agarra-lo, e leva-lo no ojosuio engenho
cima, que serao bem recompensados.
Precisa-se de um moijo que lenha pra-
tica de venda, ao qualsedai sociedade ten
do algum capital: na ra do Pilar o. 120
*
conservam ainda oa precoa segulniea. Oade eJt,i em declamac.30 a cantora Carmella
Pernambuco eparahyba 5, 3j4 a S. 7|8. Oa do |_ucc,
Aracall e Cear 5, 5|8 a 5. 3(4r O do Maranbio J, A|gm ,jestos espetaculos haverSo doUS bsi- reQoa(8o.
I|2a5,3i4 A importacao at 31 o<-deiembro m,sc,ados pelo entrudo. O adminis-i --J B. da Fonseca Jnior, remolle para o
do anuo paaaado orcava por i.MW'""' tr,dor empresario nunca dismontira a con-1 Rio de Janeiro, por orJem de seu Sr. Jos
VSt^KttEttZTVSS. n.oS.quo%? illustradopublicodcst. Pedro da Costa Ferreira.de M.r.nhS
mo desde o primeiro d* Janeiro n.-.ii de de-
icinbro de 1851 inoolava ein 1,575,200 aaccaa,
Aeiporla(ao desde o primeiro de Janeiro al
3i de desembro de 1851 constava de 247,100
bella provincia.
Avisos
aaccas.
Gaf. As vendas se limitaran! a 30 barricas
o es-
cravo de nome Jos, e do seu Sr. Zeliiiuo
deSouza Barros, do Sobral, o escravo de
nome Raymundo.
J l da Fonseca Jnior, remeti para
-r. -f. 1,200
1,100
900
500 mm
3o0 3io
572 378
450 __
350 _
2,800
760 820
4,200 4,600
3,200 3,600
540 620
54e _.
380 ..
450 480
0"0 700
1,100 _.
1,400
2,000
?.:&,S^n%i:2 no dia 8 do correte mez,, o bri-
a a 45 por quintal. gue braaileiro Animo, Capitao Llo-
ros. O mercado continua em calma; jb A,VBf|o nnr
de 1,500 salgadoa do Rio da Prata forana miOgOS Antonio de AzeveSO, por
idoa de 3 1|4 d. para oa pequeos a 4 d. fi carregamentO quai COm-
s grandes, c alguna seceos a 4 J|8 d. por O ^ i. ______
pleto, para -
ta Rica a 45 por quintal
Couroa. O mercado
cerca
prererido
para os eran.
libra. pleto, para o reatante da carga ,
Aasucar. Tendo-ae fechado de todo o mer- r -SCravOS a frete, D8-
cado durante oa ulllmoa qoloie das, em con- pa8Sageiroe catiavus a uf9 V
sequencia doa dias santos, as vendas foram li- ra os quaes Icill commodos BUlIlCI-
initadiaaimaa, comprehendendo 150 barricas :.. ramn.
daa poaseaaOea brllainicas, 5.400 sacos de Ben- entes, por O na VIO ter Uma Cama-
^t^XX^&'&J&X^K- grandc onde pJm/r os"-
draa a precoa moderadoa. Estrangeiro: 100 cravoS : para U9II e Otitra COUS9,
Z^^: {jX^^l* irata-ae com o mesmo capillo, ou
de3035 por nuiptal pagos oadlreltoa, e 400 Q consJo;natarO LuiZ Jo de
ciias mascaado ao bom siunenoa e uavana i n 31
de l6|(ia20|6porqintalsobpromessa. 5a AraU)0, na rul da (jrtlZ n. o >.
Amstcrdam. para o Rio de Janeiro.
Caf. O mercado est rnui aocegado em ra- g ( CQm muiU) b^idade, o patacho na-
sao dos das santos o P"fo para o Ionordl- A Mno. quem 0 mesmo
r..u^'!:^^j?Wl"rrtt^^^
ckeria foram vendidas a O. J3 3|4. Kcbnado te; trata com Manoel Aires Guerra Jun|ol>
aein animaco. pa ra da Cruz n. 40, ou com o capilSo Tho-
Arroi. Eat mu dlfficulloaa a venda, e p- mu Pereira do Lago. ___________
de-se considerar laWaa^aaaMalSMat^aaWpa^aBaaaialslaaBlsBMa^^aal
Antuerpia, JLjtlc4J.
Caf. Os precos permanecen! firmes, po-! "-" ^
dades iiuincdiaus. |da ae pasear para a mesma ra casa u. U,
Arroz. Ksteve em procura mais activa da- ftr o ultimo leilo no seu armazem na ra
rante a......un, e venderam-se a precos mais do Trap iche n. 40, gabbado 7 do correte as
altos 4,500 saceos de Aracan. ||o Doras da maol)Sa,de ludo quanlo etis-
Aisucar. O mercado est aera allerafao. jr como seja : trastes oovos e usados, lou-
" ca, vidros, candieiros, lustros, qutdro com
2,100
Laranja doce cala 2,600
Minio m
Sal grosso ra." 1,250 1,300
Dito redondo ,, 1,100 1,200
Dito fino para consumo 1,400 1,500
Dito irigueiro 1,*B0 1,300
l.ortica n. 1 de tres lmannos
de grosaura para rolbas Q. 8/too
Dila n, 2 de trea taruanbos 6,000
NSo se pdde mencionar venda algum* de con
sideracao.
Algodao lia pouco offeiecido para se ven-
der. A eiistencia be Insignificante.
Couros. Ealia em boa procura, e aa ven-
das no decurso da semana inonlain emC.OOS
seceos e l,2U0 salgados de tato Ayres.
namburgo.
Caf. Durante a semana paaiada este ge-
nero eiigio algu.ua altencao, porua o merra-
do est com tudo sem auimacao.
Aiaucar. Eat aem aovldade.
Mov meato do porto.
Navios entrados no di* 4.
Soulliamaloo e porlos interaaedioa 85
dias, vapor inglez reviot, commandante
Revett. Tra a seu bordo: paraeala pra-
marttimos.
n d: Aa lanoim aln "o de Janeiro o seu escravo de nome llo-
. rara o n 10 de Janeiro, sane n0riOi
-- Joaquim Alvos da Silva CuimarSos,
tendo-se retirado no dia t .lo correte mez
para a cidade de GuimarSes, e nSo tendo
podido deapedir-se pessoalmente de todos
os seus amigos por cauza do molestias, o
faz pelo presente, offereceado o seu fraco
prestimo naquella cidade.
Traspassa-se pelo tempo de 3 annos e
meio, a renda do sitio que foi do Dr. Ber-
nardo, com commodos para grande fami-
lia : quem o pretender dirija-se ao mesmo
sitio em Olinda defronte do convento do
Carmo, ou nesta cidade do Recife na ra da
Praia n. 29, segundo andar.
Precisa-se de um ou dous eaoravos,
para trabalbarem n'um sitio muito parto da
pra;a: quem os tiver .para alugar annuu-
cie, ou apparec,a na loja do Sr Duarle, na
ra do Cabuga, aonde se dir quem quer
alugar
-Ufferece.se uma ama para criar da Ieite,
a qual nSo teca filbo : quem precisar diri-
ja-se ao becco das Crioulas, n. 3.
Manoel Jos de AzeveJo Santos, com-
petentemente autorisado por Manoel Fran-
cisco Coimera para receber todas as suas
dividas, convida oa devedo'ea a que ve-
iihiiiii satisfazer no praso de oito dias a
importancia de seus dbitos, na Ra Nova
o. 49, onde se ada todos os dias das 8 ho-
ras da manhS s 4 da tarde.
Austriclino da Csstro S Brrelo em-
barca para o Rio Furmoso o seu escravo de
imca.i ,de nome Miguel com 30 e tantos an-
nos da idade.
Aluga-se o segundo andar e solio da
casa n. 29 da ra do Vigario, assim como
precisa-se um caiteiro para casa de purgar
de um engenbo para Seribaem : a tratar
no armazem da mesma cana
A caaa de 2 andares n. 3, na ra da La-
pa no Recife perteocente ao Sr. Luiz Caela-
no Borges,esta-se em uegoclo com ella e por
isso pede ao que ae alguma pessoa tiver a re
clamar algum direilo o faca no praso de oi-
to diaa a coatar da .lacla deste em diante.
Aluga-se urna preta eaptivaque com-
pre engomme e cosinhe para casa de pouc
familia ; e um sobrado de um andar ou 1.'
estampas, um jogo de bilhar com todos os
pertences, e muslo enconta por ter ricos ta-
cos, eoutros muitosobjectos ; atsim como
ao meio .lia em ponto ir tambem a loiiso
urna porcao de barricas com farioba de
trigo.______________________
mstr. .' i wmammmmtmm
Avisos diversos.
tMmstswimitmtMJ'm^mmua^i^i^s^^swmmiammsai^i^i^'i^^^^'^^^^
O abaixo assignado avisa
ao respeitavel publico, que a casa
de cambio da ra da Uadeia n. 34*
outr'ora de aeu presado irraSo e
amigo, o finado Manoel Joaquini
Mauoel Joaquim Femantes Giras,
Dr. em. medicina pela faculdade do
Rio de Janeiro, adiase no etercicio 9
de sua prolissSo : as pessoss que qui- *B
m zerem honra-lo com a sua eonllanfa, *
podem dirijir-sea ra deS. Francia-
sg co, sobrado apatanado prximo a ma
t* i.' ; .lu consultas e presta-se ana cha
gl mados dos pobres gratuitamente.
* "9#^#'. ,
U abaito assignado, avisa ao respeita-
vel publico, que esta saldo o.i conlas na
praca de l'ernambico, com todas as pes-
soas com quem teve negocio, cso alguem se
achar prejudicado, entenda-se eom os Srs.
Jos Antonio da Costa & IrmSo, na ra da
M.nlrr-iie.-i) m. Rio Formoso 28 de Janeiro
de 1852. Manoel Antonio Stares ds Silva.
O abaito assignado declara ao respei-
tavel publico, quedeitou desercateiro de
Joaquim Jos de Paiva, des Je o dia 3 do cor-
renle, e pede aos seus freguezesdisculpem
algumas faltas durante o lempo'que l es-
tove. J -1111111.i (.ni i.llano dos Prazeres.
Na primeira audiencia do lllm. Sr. Dr
juizdos feitos da fazenda, so bSo de arre-
matar os beos annunciados em os Diarios da
Pernambuco de 17 do passado mez em di-
ante.
- Precisa se de um porluguez doschega-
dos apouco, para um sitio: quem preleoder
dirija-se a praca da Independencia n. 12.
Quem precisar de cocos para embar-
que : dirija-se a praca da lu l.-pendencia n.
12, ou no Giqui defronte do engenho, onde
os encontrara por pre^o commodo.
No dia 29 do passado mez, fugio d
uma gaiola na ra d'Assuuipcjio, um bicu-
do, faltando-lhe uma muda ; quem o pegar
podera entregar na prar;a da ladopendencia
n. 12, que sera generosamente gratificado.
Precisa-so alugar um sitio, peito da
prafa.com boa casa de vi venda para fami-
lia, quo lenha estribara e coebeira, e sen-
zalla para prelos : a tratar no aterro da Boa
Vista n.35.
Troca-se uma Sra. S. Anua, propria pa-
ra alguma igreja ou capella, 2 v. geome-
tra de Lecroit, mi.ichis da creafSo 1 v,
historia natural, l>.niel e os propbetas me-
nores : na ra do Colle^io n-1.
Permula-se a casa da ruado Bom Suc-
cesso n. 3, da cidade de Olinda, por oulra
oa mesma cidade : a fallar na ra do Mun-
do-Novo casa o. 44, ou quem pretender an-
nuncie sua morada.
Ueseja-se alugar um bom cozinheiro,
preferindo-se captivo, para casa esAraDgei-
ra, paga-se bem : na ra do Trapiche Novo
n. 16.
Casa de commissSo de escravos.
Na ra Direita, sobrado de 3 an-
dares, defronte do becco de S. Pe-
dro n. 3, recebem-se escravos de
ambos os sexos, para se venderem
de commrssSo, nao se levando por
esse trabalho, mais do que a por
ceoto, e sem se levar consa alguma
de comedorias> offerecendo-se pa-
ra iato toda a segurancia precisa
para os ditos escravos.
Preolsa-se de um pequen o de 10 a 12
annos para caiteiro de venda : na ra do
Codorniz n. 12.
Na noite do 1.a do crvenle furtsrasn do
sitio dos Torros na Varzea, um quartao cas
tanho com diras e cauda curtas, tendo
pella Jo ha pouco lempo, e de piesente oom
cabellos novos; esia baslaote magro, e he
marcado com a letra 11 ; Quem o pegar,
ou der noticia exacta, aera recompensado,
no mesmo sitio, ou no segundo andar do
sobrado n 22 atrs do thealro velho.
Desoja-se fallar ao Sr. Jos Antonio de
MagalhSes Baatos a negocio de seu nteres-
so : na ra da Cadela do Recife n. 54.
Precisa-sede uma criada, preferindo-
se estrangeira, que saiba entornillar e cosl-
nli.ii para servico de uma casa de pouca
familia: no pateo do Carmo, 11. 20 primeiro
andar.
Pracisa-se de trez compendios de
grsmmalica da lingua nacional, das que
sens*m no Lyceu : na Rua-Nova, casa n
50 segundo -andar.
Precisa-se de uma ama paracosiohar
e oomprar na ra : a tratar na rus larga do
Ruzario, loja n. 48.
O Sr. Joa Domingues Pereira, quoira
annunciar aua morada que ae Ibe precisa
fallar.
Precisa-se a lugar um sobrado sendo
de um andar ou alias primeiro andar de
outro qualquer as ras seguintes ; larga
andar na ras do Rossrio Larga, e eatreita,' do Kozario, ra Direita, Pateo do Terco,ra
Collegio, Agoas-verdes, Terco, ao pateo do do Colleglo, Quemado, ra Nova, ra da
Carmo n. 10. Patina.
- Roga-se s pessoss que se julgar crc-
dorra de Antonio Joaquim da Silva, oom
venda na praca da S. Cruz n. A bajo de
apreienlar auas eontas no prazo de S diaa
para ser pagos.
; Salustiano de Atjuino Fer-
reira, thesoureiro da lotera da
ma'riz da Boa Vista, avisa as pes-
soas, que ainda tiverem bilhetes
di dita lotera para receber, quei-
ram por obsequio dirigirem-se a
ra do Trapiche n, 36, segundo
andar, das 9 horas da manhSa, at
ao meio dia, e que os paga at o
fim deste mez.
Adverte-se ao Sr. R. J. P.
B., que se no praso de 3 dias nfn>
pagar aquelleo 3(),a40 ls- > (1,IC
deve desde i843, ver seu nome
por estenso ueste Uiarie, at que
pague dita quantia.
Preoisa-sede um ai es t re da latim pa-
ra dar licoes a um menino dentro deata
cilabe quem estiver nestas circunstancias
annuucie para ser procurado.
Preciss-se de um caiteiro para venda
dos chenados de prximo- no becoo Largo
do Recife venda que volta para a Beozalla
nova.
-Os frrguezesdeabolatinhasdoces ame-
ricanas as poderSo procurar junto a mesma
padaria em uma venda pnia he o muco de-
posito daa verdadeiras bolatinhas ameri-
canas.
Preciss-se alugar uma escrava que te-
uha capacidade para tomar conta da casa de
um hnmeru solteiro, ssbendo cosinhar, sen-
do limpa e cuidadosa, dispeosando-se o en-
gommado; quem tiver dirija-se a ra Direi-
ta n. 72, ou annuncie.
Manoel Francisco Coimbra, tendo ne-
ceasidade de ir a cobranca, do que se Iha de-
ve, lra desta cidade, e devendo-ae demo-
rar algum lempo nessa diligencia, conatl-
tuio seus bastantes procuradores aos se-
nhores Manoel Jos de Azevedo Santos ,
Francisco Jos Bepliste, e Manoel Maria Ro-
drigues do Nascimeoto, com todos os pode-
res para em sua ausencia tratsrem do todas
equaesquer negocios, que Iha dissorem ros-
peitorcomo se presente fosae.
Aluga-se um bom armazem com a fren-
te para a ra do Encantamento do bairrodo
Recife e entrada e sabida pela ra da Ca-
deia do mesmo bairro : quom delle precisar
dirija-seao largo da Trempe sobrado n. I,
que achara com quem tratar.
-- l'recisa-su aiuKar um preta de meia
idade, que saiba eozinbar eengommar : na
ra do Trapiche n. 32.
Precisa-sede uma ama forra que saiba
om gomar e cosinhar para servico de ama
casa de pouca familia 1 00 Pateo do Carmo
n. 10.
U abaito asignado faz sciente ao publi-
co que leu o comprado a Snr.' D. Maria
Francisca de Souza Ramos, mulher de Jos
Maria Goncalves Ramos uma escrava do gen-
to de nu t Calherina com una lilha menor
de nome Antonia, em Ia de agosto de 1851,
foi o abaito assignado notificado para com-
parecer uo dia 28 do correnle na audienoia
do lllm. Sr. juiz municipal a 2' vara com
a rolen la eserava para deiuci lar dnvida
que o mesmo Jos Maria punha sobre a Men-
tid, inda menor, e logo que foram exami-
nada-, o abaixo asignado man lou as mes-
mas escravas para casa ; e como as mesmas
al a dala deste nSo vollasssem ; por isso
o abaixo assignado protesta desde j contra
a |..-s-...i que Ules der azillo ; assim como
contra quem seduzio a dita escrava para
se subtrahir e a aua lijba do poder do abai-
to assignado : por tanto roga a qualquer
autoridado que a prendase, cuja escrava he
i... 1 xa, de 36 a 40 annos, cor preta, com um
lillio de 3 a 4annos. a qual nanea leve 0
cuslume de fogir : quem a pegar love na
ra osQuarloia esquina do eco do Peite
Frito, que sera gratiQoado. ilecife 89 de Ja-
neiro de 1852.
Henrique Jorge.
AI'iga-sa o terceiro andar e sotSo da
casa da ra da Moe la 11 7 : a tratar na mes-
ma, de meio dia al 2 horas da tarda.
Madama Houtier modista franceza
Rua-iNovan. 58.
Participa ao respeitavel publico e princi-
palmente a seus freguezes que temen sua
loja um lindo sortimenlo de fazendas fran-
cezss e ludo que ha do mais moderno em
Pars; ricos chapeos do seda de todas as
cores, dito de rialha d'ltalia abarlo, muito
bonitos cbapeosiuhos de seda e de pallia re-
dondos para meninos e meninas de um i
seis anuos, com abas Jargas de lindos en-
feitesede todas as cores; um lindo sorti-
menlo de trancase franjas tanto pretas co-
mo de coros; espolias de llores muito ricas
e modernas ; um grande sorlimento da
Qls de todas as qualidades ; muito linios
manteletes de Dio preto; chales, mantas,
manteletes e capotilnos de seda do melbor
gosto ; chamelote preto; (llores finas, uiau-
guitos de bico para aenhoraa o mais mo-
derno gosto, sol un, tal, tas de todas aa co-
rea, plumas de corea o brancas psra enfeite,
atacadores para botina de seohor, ricas lu-
yas de pelica para senhora e senhor, luvas
pretas para senbora, bicos de linho verda-
doiro, ricas rorseiras bordadas, ricos tou-
cados de senhora para bailes ou tbealro,
chapeos de montara, leociuhos de seda, fi-
tasale eludo para punbos e pesclo, de ve-
ludo preto, lentos de Cambraia para senho-
ra. Horas e ramos de flor de laranja; oa
mesma loja ifzem-se vestidos de casamen-
to, de bsptuado, tocas de menino ede se-
nhora, espolinos de todas as qualidades,
com pe.feicSo e prego commodo recebem-
se todos os mezea ligurinos modernos, que -
impresta a seus freguozes.
Nova fabrica de chapeos de sol e
tinturara, no aterro da\Boa Vis-
ta ti. aa.
Nesta nova fabrica o respeitavel publico
achara um completo sorlimento de chapeos
de sol de seda e plninbo tanto para ho-
uiem, como para senhora, o ooncerla igual-
mente, por presos mais commodoa do que
era Wra qualquer parte ; para este mesmo
eatabelocimeiito acacha mudada a tinturara
franceza da ra Vclha n. 74, nngtndo-se to-
da e qualquer fazenda de seda, 13a, algodSo
e linho, tanto em obra, como era peca e
com muito asseio, assim como aealimpam
casacas e oulra qualquer ropa de panno,
que tiver podoas, pondo-ae como novas, e,
uor precos muito commodos.
O cirurgiSo Bernardo Pereira do Carmo
faz sciente as pessoas que a lempos meta-
laran) o mesmoa quem cunver o quizur.pa-
i'a por meio de um ajuste razoavel, os tratar
animalmente das molestias que possam ap-
parecer, que tenham a boodadede virem c
caaa de aua residencia na ra do Rozario
larga u.30,para OS poderlanrjaiemn.de seus
clientes.
Precisa-se de uma ama forra, oa cap-
tiva, que faca todo o servico de uma caaa de
pouca familia : na ra da Cadeia confronte
ao thettro de S. Francisco n. 8.
A pessoa que tiver um moleque para
alugar dirija-se ao hotel Francisco na ra
da alfandega velha, n. 9 que- achara com
quem tratar.



=4
___Precis-se alugar urna escra-
va, qaeseja boacosiaheira e com-
pradeira, : quem a tiver dirija-se
a ra da Assumpcjio ou muro da
Penha o. T&.
0 Paulo Galgnoux, dentista *
francs, offerece seu prest- s>
m nio ao publico para todos os 9
meteles de sua prodssao :
8 pode ser procurado a qual-
quer or* em sua casa, 11a
4 ra larga doRoxarlo, 11. 36,
m ncemulo andn<*-
-- Aluga-so psdaria nova lo Mangui-
ntas, com todo os eus pe/teoces : quem a
pretender, dirija-so a case junio a mesma ,
que achara com quem tratar.
Tinturara franceza, no aterro da
Boa Vista n. .17.
Tinge-se toda e qualqoer fazenda de la,
algodSo, seda e Moho, tanto em obras como
em pecas e com muito asseio ; assim como
se alimpam casacas e outra qualquer ropa ',
de pao, que livor nodoas, pondo-ae como
novas e por presos commodoa.
-- No armazem de Pedro Antonio Teixei-
ra Guimarfiea, na ra da Concordia, exis-
ten) 6 canoas de ama relio, de 30 a 36 pal-
mos, sem defeilos algum, as quaes se ven-
dem por todo preco para acabar: trata se no
dito armazem at o dia 3 do prximo mez,
do contrario serio embarcadas para fura da
provincia.
~ No da 4 do corrente desappareceu da
casa do abaixo assignado o'preto africano
Aurelio de estatura regular, cheio do cor-
po, ps largos, com urna marca em um dos
lados do rosto : quem o capturar ser gra-
tificado.
Rodolfo Soto Barata d'Almolda.
Jos Persira da Cunha, tem contrac-
lado comprar as partes da casa da ra do
Trapiche Novo, e da qual he com-senhor, aos
herdeiroa do fallecido Lino Francisco Xa-
vier: quem tiver objecedes afazerpores-
ciiptura de hypotheca, ou por outro qual-
quer tracto a respeito, queira faze-lo publi-
co por este Diario.
Casa de modas francezas, madama Milochau
Buessard ra do Alterro da Boa Vista
D. 1
Pelo navio o Havre recebeo-se um lindo
sortimento das ultimas modas de Paria
em chapeo do aenhoras, manteletes e en-
feilos decabeca e de vestidos. Ricos cha-
peos ; capolinlios de rede de retros de co-
res,, bordados, ditos de bico, ditos de cam-
braia ; ditos de seda, enfeitos de cabera e
loucados para aenhoras; ricas litas flores e
lovas ; cabecees de blondo e do linbo bor-
dadoa romeirase camisinhas de bico bor-
dado ; mantas de Mundo para noivas ; ricos
bicos e bsbtdos mangas de bico ricas e
simples; lencos de cambraia de linho bor-
dados, bicos, transas e franjas para quares-
ma ; mantas de bico preta para mlssa ; um
sof lmenlo de pulceiras de todas as qua-
lidades ; gravalinhas de fita de veludo e pul-
ceiras com asflvellas ricas de madre do pe-
rola, faz-se sempre* tudo o queemeommen-
darem segundo as modasde Paris por preco
rom modo.
OSr.Brnardo de Albuquer-
que Fernandes Gama, queira man-
dar pagara subscricao des te Diario.
Acha-se farlnha nova de SSSF, (de ra-
minha) pira vendar, nos armazens de Dea-
nS Koulo & Companhia, no becco deGon-
calves.
Flores de gomma,
para cabello e cima de meaa, bonecas, etc. ,
faz se coa perfeicBo, naturalidade e bom
gosto na ra do AragSo n. 12, segundo
andar.
Aluga-se urna escrava, para todo ser-
vico de urna casa : na ra do AragSo n. 40.
Precisa-so alugar umi caaa terrea em
urna daa rdas seguintes: Cruzes, Flores,
Bella Florontina Orlas Agoas-Vardos,
Trincheiras e Direita. Quem tiver annun-
cie, ou dirija-se ao segundo andar do so-
brado n. 20atrazdo Theatro Velho.
Mademoisello Quentin retira-se para
franca.
Compras.
-- Compra-seuma grammatica franceza
usada, por Burgain : na ra do Collegiot
loja de eiicadernacSo n, 8.
^ Compram-se grammaticas extrahidas
deSoares Barbosa, para uso do lycou : na
loja de livros da ra do Crespo.
Compra-se urna morada de casa terrea
com sotSo ou sem elle, que seja grande, e
comlbatanles commodos. as immodicoes
da ra da Penha, at S. Rita : quem a tiver
para venucr dirija-se ao pateo do Carmo
venda da quina, que entra para a Camboa.
Compram-se duas moradas de casas
terreas em boas ras, na freguesia de S. An-
tonio : quem as liver dirlja-se ao adminis-
trador desta typographia, que dir quem as
pretende.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos para engenho, sendo as lumias de 15
at 25 annos, e os machos al 30 : 00 arma-
zem da ra Nova o. 67.
Compram-se escravos rcooulos, ma-
chse feoiiis, de 12 a 20 annos de idade,
com habilidades, ou sem ellas : na ra da
Cadeia no Recifo, casa n. 8
-- Compram-se bracos de balanca grandes o 22 annos do idade.
com seus pertences, conxas, correles e idade, por preco commodo : na ra Direita
Vende se a casa terrea da roa do Ara-
gSo n. 18, para pagamento da quanlia por
que esta hypothecada aoSr. Miguel Ardan-
lo de Figueiredo : na ra do Crespo n. 17,
se achara com quem tratar.
Na cocheira do Forle do Mallo, vnde-
te milhoem saccis, por menos do que em
outra qualquer parte.
Vende-se urna preta de nacSo, de idade
86 annos, que sabe bcmcoainhareengom-
niar; s se vende para o mato ou para fra
da Ierra, o motivo por que se vende se dir
ao comprador: na ra do Amorim, n. 35.
Vendo se o muito superior milhoem
saccas de alqueire pelo diminuto preco de
2000 a sacca : na travessa da Madre de Dos
n. 1. venda.
-- Na ra da Cruz n. 83 armazem deS
Araujo ha superiores saccas com farinha de
8. Cutharioa quo se vendem mais baralo
que em outra qualquer parle, sendo de al-
Siii-ii cada urna e para na is commodidade
os compradores que levarem a sacca para
desgajar S8 descontar.
MEIASDB SKI)A.
Ven le-so finissimas meiasde seda pretas
e brancas para Sra. por oommodo preco : n
ra larga do Rozario 11, 20.
Vende-se caixas com sag muito novo
ha pouco chogado por preco commodo : no
escriptorio da Viuva Caudino & Filho ra
da Cruz n. 66.
Caixaspara rap
Vendem-se as beni conhecidas caixas
de xifre do Aracaty chogadas prximamen-
te : os tomantes que quszerem possuir urna
excelleote raixa imitando as de tartaruga
e por muito mais commodo preco dirijam-
se ra larga do Rozario, n. 20.
~ Vende-se um preto moco, bonita figu-
ra e bom sapateiro, para fura da provincia,
ou para o mato: no paleo do Collegio, casi
do livroazul.
Veodem-se 2 excelentes vaccas de le
te acostumadas no pasto, paridas ha poucos
dias: no sitio do Mascaienhas, no Barbalho,
ou na ra Direita n. 32.
Vendeni-so 3 escravas mocas, de boni-
tas figuras, engotnmam liso e cozinham ;
1 linda mulata, de 22 annos de idade, en-
gomma bem, cozinha, cose cham, faz doces
de todas asqualidades; 2 mulatinhos de 14
e 1 escrava de meia
pezos,no escriptorio do contrato das carnes',
ra las Cruzes n. 30.
Na ra do Vigario n. a, se-
n.3.
Na ra das Cruzes, n 22, vende-se
urna escrava cabro, sem filho, com muito
leito para criar; o com habilidades ; duas
------- 0 leuo para criar; utiiiiitiiuuajtB, uu.d
gundo andar, compram-se escra- pretas de Angolla, muito mocas, quecosi-
, A~. .n,l,n.niiein Ae 1 2 n Ho "llam 1,vam do 8,bao oleera PrinclPio
VOS de ambos OS sexos, de \ a 30 deengommar. e uma preta de meia idade,
annos ae idade, pagam-se bem a- por 320,000, e um preto de_ nacSo, de 40
gradando.
Vendas.
I
FOLHINHAS PARA ,85a.
Vendem-se iolliinlias de porta
nnos ganhador de ra, um dito de nacSo,
catraeiro, de 20 annos, e um preta da Cos-
' ta, de elegante figura, grvida de 7 mezes,
, quitandeira.
- Vende-se uma canoa domilheiro, em
: muito bom uso,por tijolosdealveuariagros-
sa e tenas : na ra das Trincheiras n. 17.
Na ra \ da Cadeia do Recife, n. 49 se-
lle narlrc e Ap altrihpira da trataHi!|W*sO 8nd*r vende-so muito boa cora de
e paare, e de aigibeira de tres dil- irnaub,, 5#000 I9. arroha> SHCC0S de
ferentes qualidades,sendo uma del- gomma, pelles de cobra mui grandes, e
las com oalmanak da cidade e pro- chapeos de pali.a a 10000 rs. o cento vin-
,_ .'_ ;dos ulti mmente do Aracaty.
vincia: vendem-se nicamente na i Vende-se farinha fontana
praca da Independencia n. 6 e 8.[mut0 super01. e n0va no merca-
*' do : a tratar com Manoel da Silva
'-inao de jNanttia
B00 rS. j Santos, na ra do Amorim n. 50 e
Vende-se a historia de Siniflo de Nantua, 58, ou no armazem do Annes no
a800rs. : na livraria da pracada Indepen-' j a|fan(lea
dencian.6e8 caes aa aiianciega.
Frutas de Portugal I Vende-se na ra da Cadeia do Rearo,
Na ra larga do Rozario n. 20, vendom-se 5*. loja do Joaquim Ribeiro Pontes, chi-
frascos grandes com pecegos, damascos, tas multo bonitas pelo diminuto preco de
ttf^ttEXimrSrS. 4.000. .500e 5,000 rs. Pess..ecovdoralgodao para, saceos1 de assucar
1,000 cada um : escusado he teror elogios a de 120 a 160 rs, assim como corles do chita multo superior e b^.atO.
estas excellentesfructas.po.salm deserem eaCa por 2#000 rs., e muilaa mais fazenflas .. Na rua do Vigrio n. 19,1. andar che-
mui bem conhecidas por todos, tornam-se que se venderBo por barato preco. Na mes-, gdu recenlemente e se acha a venda a su-
muito recommendaveis pelo precioso licor mi loja se vende uma porcSo de caixes perjor bolaxinha de Lisboa propria para
a que esl reduzdo o espirito em que veem folh ^ Flandres vindas com f.zandas;
como bemuma por(0o de taooas do ama-
pos de
conservadas.
Vende-sel parda 2de 0annos, cosinha
o diario de uma casa, engomis e coso : na
rua da Concordia quem ven da ponte a es-
querda segunda casa terrea so dir quem
ven le.
-- Vende-se um molequo creoulo, de ida-
de de 15 annos, e bonita figura : a tratar na
111 1 II.1 fila n. 111.
Vcnde-se a taberna da rua da Cruz,
com poucos fuios, e hem acreditis : a
relio e de Muro muito seccas, e
sicupira muilBfem conta.
I'etassa americana.
No antigo deposito da cadeia velha, n.
12 existe uma pequea porcSo de polassa
americana, chegada recentemente que por
superior rvalisa com a da Russia : vande-
se por preco razoavel.
Cobertores de algodo.
Superiores cobertores de algodSo de di-,
fe re otes cores, teci dos a dous fios, muito das para enger lio,
Caligrafa
Na Ba do AragSo, n. i2, se-
gundo andar, copia-se com perfei-
cao qualquer papel em muito boa
eltra e por preco commodo.
Arrendase, e tambem permula-so,
por uma caaa de sobrado de dous andares
no bairro do Recite, S. Antonio, e Boa-Vis-
ta, com commodoseufllcientes para grande
familia, um sitio muito perlo da praca, por
ser logo ao sahir da Soledade para o
Manguind, com u'io poucos arvoredos de
fruclo, chaos proprios, com grande, e de-
cente casa de sobrado, esolSo, toda eim-
dracada, contando 15 guarios, um algrete
na frente, o qual be todo murado, e engre-
dado, com 2 portOes de ferro, e 4 columnas
com 4 leOes, e no fundo outro porlSa, duas
grandes estribarlas para 7 cavallos, e 2 co-
cheiras, casa para pretos, e cozinha, gran-
de poco d'agua de beber, e tanque para ba-| tratar na mesma casa n 32.
nho a quem convir esta pormla ou aiivn- Em casa de James Crabtree & Compa-
dsmentu, dirija-se ao mesmo sitio a qual- nhia, no lenle rua da Cruz n. 43, vendo-
querhorado dia, a tratar como aeu pro- seoseguinte: selins inglezes com porlen-
Iirielario, que neste casa vender um excel- ees, arrcios para carros de 2 c 4 rodas, cor-
ete, e novo carro de 4 rodas, e uma boa rentes de ferro, ancoras de ferro de diversos
parelba de cavallos. lmannos, cobre em folha, lonas inglezas,
A. Ilenriques Willmer, teodo de ven- liuhasem carriteis e novellos, graxa n. 97,
dera grande parte que tem no sobrado de verdadeira.
dous andares sito na rua|lmperial, onde est Vende-se um siliocom uma casa mag-
a fuodicao, d'accordo com o Sr, JoSo Jos ni Pica beira do rio, tendo grande sala adi- '
deCarvallio Moraes, como possuidorde uma a ule. com 2 gabinetes,, e 2 alcovas, sala
parte, roga portaolo a quera for autorisa- igual atraz, com 3 quartos e cozinha, ten- um novo e lindo sortimento de chapeos de
do, por uma pessoa da cidade da Victoria, do ao todo 70 palmos de frente, e90 de fun- Sol dos ltimos gostos, tanto de seda como
que tem tambern uma parte no mesmo so- do com terreno de mais de mil palmos de depaninho para bomens e senhoras, de ar-
brado, haja de apparecer para tratar-so des- comprimento, e grande baixa decapim: a maefo de baleia e de aeso que se vendem
senegocio: na rua doSol por cima do ar- fallar na rua de S. Amaro n. 16. por menos preco quo em outra qualquer par-
mazem decapim. Vende-se ou arrenda-se, o engenho S. te; grande sortimento de chanialote, sedas
Os similores que llcaram a dever, no Rita, moentee corronte, meia legua distan- o paninhosem peca de todas as cores e qua-
armazem de molbados da rua da Cadeia do teda villa de Iguarass, com emporros lidades para as pessoas que quizerem man-
Recilen. I, a lino Jos de Castro Araujo, e para safroijar-se, embarque junto do enge- dar cobrir armagoes servidas. Completo sur-
que com elle nSo tem outras relacdes, s3o nho, alagados, e outras proporedes : quom tmenlo de baleias para vestidos espartilhos
rogados a satisfazerem seus dbitos, coma o pretender, entenda-se com o proprieta rio para senhoras, fazem-se umbellas de igreja e
maior brevidade poasivel : dirigindo-se pa- no mesmo engenho. concerta-se qnalquer qualidade de chapeos
raissoao aeu escriptorio, na praca do Cor- -- Vende-se uma taberna muito bem a- de sol: lodos os objecto* cima mencionados
po Sanio n. 2, ou ao mesmo armazem, ao freguezada para a trra, com muito bons M vendem em porcSo e a retalbo, por preco
Sr. Jos Jorge Pinto, que Ihes dar quitacSo. commodos para familia, e mdico aluguel, Quo agradar aos freguezesa vista da quali-
Aluga-se uma preta escrava para todo a dinheiro ou a prazo, e faz-se-ha todo o dale.
q servico de uma casa de familia: na rua negocio, at permuta-se por algum cscra- Atoalhados de Jinho e de altro-
na rua do AragSo n. 8. ia.
Na Iota do sobrado amarello nos quatro
cantos da rua do (jueimado n. 29, ha para
1; Vendem-se barris com breu,"
por preco commodo, e em lotes a
vontade dos compradores : na rua
do Trapiche n. 36, escriptorio de
Mutlieiis Austin & Companhia.
Vende-se capldEj]a planta por com-
modo preco : no sitiada trempe, u. 1.
Vende-se por preco mnito
commodo, para fechar cotilas, sac-
cas com superior farinha de man-
dioca, muito Ana ealva, nos ar-
mazens de Dias Ferreira e Antonio
Annes no caes da Alfandega: a tra-
tar nos mesmos, ou com ovaes &
Companhia, na rua do Trapiche
n. 34, x,
Vinh de Champagne,
e superior qualidade : vende-se no arma-
em Kalkmauu IrmSos Rua da Cruz, n. 10
Vende-se por preco commo-
do, cal virgem, muito nova, che-
gada pelo ultimo navio, por preco
muito commodo .- no armazem de
Dias Ferreira, no caes da Alfande-
ga, ou com NovaesSc Companhia
na rua do Trapiche n. 34.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Autora, em S. Amaro,
veodem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
DE VE RES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia eocadernacio, a 500 rs.,
cada um : na livraria 11. 6 e 8, da praca da
Independencia.
Superior cha nacional
em caixinhasdea libras, e da melhor qua-
lidade ; vende-se por preco commodo, na
rua do Corpo-Santo n. 2, primeiro andar.
-- Vende-se champagne da marca amiga
e bem conhecida, Comel, em casa de Deaoe
Yulo companhia : na rua da Cadeia.
Vende-se no armazem de Vicente Fer-
reira da Costa na rua da Madre-de-Deus,
loiir.i azul fina avulso, apparelhos de meza
e cha dos melhores modollose qualidades,
por preco commodo.
Moendns superiores.
Na fundicSo de C. Starr& Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
conslruccSo muito superior
-- Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa viuda pelo brigue Novo Vencedor no
passeio publico loja do fazendis n. 15, pro-
co muito commodo.
Vendem-se velas de espermscete, em
caixas, de superior qualidade : om casa de
J. Keller & Companhia: na rua da Cruz nu-
mero 55.
ptimo vinlio branco.
Vendem-se barris de 5 em pi-
pa, com vinlio branco de Lisboa,
da melhor qualidade queapparece:
trata-se na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Vende-se em casa de A-
damson llowic & Companhia, na
rua do Trapiche n. !i panno de
Cazemiras de cr>f-
Na loja do sobrarlo amareHb nos quatro.
cantos ca rua do Queimado o. 89, ha parf
vender um grande sortimento de cazemiras
do cores de-superior qualidade e padroes
muito modernos pelo barstissimo prego de
5,000 rs. e 5,500 cada corte.
MttMMIIMMtWt
a>i Vendem-se e alugam-s bichas, che- at)
$1 gadas ltimamente deHamtiurgo, por m
preco commodo: na rua do S. Amaro fi
U n. 28. tt
rro>: na rua
cha, finis-ina mermelada em latas de li-
bra, e excelleote chocolate de todas as qua-
lidades medicinaos, ondo se vende por
iunlo ou em porcSo.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SEZALLA NOVA N. 42.
Reste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
machinas de
grande, tem todaapplicaco om uma casa de vapor, e taixas de ferro batido e
familia, por servir para meza de engom-, r, 1_____ ,___.i... __
mado e forrar camas e mesmo para escra-' coado, de todos os tamanhos, pa-
vos, pelo diminuto preco de 1,440 rs.: na ra dito.
rua do Crespo n. 6.
Grande fabrica de chapeos de sol,
de J. Falque rua do Collgeio
n. 4.
Neslo novo estabeleeimento recebeu-se
da Alegra, n. 44.
-JoaquimRibeiro Pontcs tendo contaa __ Vende-se superior farinha
'na,
e'Jetras de alguns aenhoras que tem deixa- u ", ,, ,, .
de pagar-lhe, uns por amizade, oulros por ae mandioca de danta t.atlian
relaxarlo tanto da parte do
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior ca nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa:
tambem se vende potassa da Hus
sia, nova e de superior qualidade.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. .'p.
Farinha Fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, ua rua do Amorim n. 35.
Veode-se Orna preta com 40 annoa de
idade pouco mais ou menos, de muito boa
conducta e propria para todo o servico : no
armazem de Vicente Ferreira da Costa na
ruada Madre-de-Ueos.
Cal vilgem de Lisboa.
Vende-se cal de Lisboa, de p-
tima qualidade vinda no ultimo
navio. : trata-se com Augusto C.
de Abrcu, na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48.
Bombas d ferro.
Vendem-se bombas de repuzo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Bruma ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Deposito la fabrica re Todos os
Santos na Habla.
Vende-se, em casa deN. O. Bieber&C.,
aeu cobrador por preco muito commodo, a bor- leodeLio^\\llTuLt.,.lgoddao 91-
como dos devedores, roga pelo presente 1 1 l 1 -i 1 dos os tamanhos e larguras, assim como
aos mesmos Srs. de virem quanlo antes pa, d0 d0 patacho brasileiro Alegra em peca para vender a varas ; e mais um
gar seus dbitos a rua da Cadeia do Recife- fundeado em frente ao caes do Ra- 'nde, sortimento de guardanapos de
n. 54 assegurando toda acontemplacSo nos .._ k_J ,1 .~.,~ Ill,h0 ds v,rlos ,ain,nnos> luu por preco
juros; ese assim o n&o flzerem passarSo mos : a tratar a bordo do me8mo muito commodo.
ser demandados, o que ser uma vergo- patacho, ou no escriptorio de No- Moinhos de vento
melllo" uto ni 'sTonn.*'"180 Cm' va & Companhia, na rua do Tra- om bombas de repucho para regar hortas
mellido, aigunsale ha 15 annos. r d baixas decapim : vendem-sona fundicSo
Altencao. picne n. 04. deBowman&Mc. Callum.na rua do Bruto
Nova fabrica de chapeos de Sol no atierro Vendem-se 2 relogios de prata, sen Jo ns. 6.8 e 10.
da Boa-Vista n. 22, acna-se um grande ur palente e outro suisso, e 2 correles de Vende-se a melhor farinha que existe
sortimento de chapeos de Sol, muita ouro para mesmo.: na ru* '"" do Ro-| no mercado a bordo do brigue Sagitario en-
om conta, tanto para homem.como para se- z,rio 26* loJa do miudezas. 'irado de S. Catherina no da 25 do corrente
nhora, comoaejade sedaou de panninho, e l'ara liquidar ( quem pertenderqualquer porcSo dirija-ae a
grande sortimento de pecas de seda edo pa- raz-so todo o negocio dinheiro. | bordo do mesa,o brigue, ou na rua do col- ni rua da Cruz n. 4, algodSo transado da-
panninho para cubrir oschapos de Sol ja Vendem-se por todo o preco presuntos gio n. 17, 2.*andar, quella fabrica, muito propno para saccosde
usado,tambem concerta os ditloa peol preco hollandezes, proprios para fiambre e tem- Velas de Lsparmacete. assucar o roupa de oscravos, porpregocom-
mas commodo do que em outra qualquer pero : na rua da Cadeia do Recife, n. 23. Vamrlem.se velas re eanarmaiwt moo. "
e parte com toda 1 romptidSo, Vende-se, 11 P r rfp rnmmiiisao de escravus
--Na primeira audiencia do Illm.Sr.Dr: Alm de muitos o superiores gneros, ven-i emeaixinhas de ao Ib, em casa de A1", "*""""""' ',i'-
juiz dos reitos da fazenda,soh8o de arrema- de-se Igualmente os aeguintes: caf do Rio, AugUStoC de Abreu na ni. da Vendem-se escravos e recebem-
tar os seguintes objectos: um engenho de- em poreflo e a retablo, massas Unas, con- p .'...-i-,, n .R se de commissao, tanto para a pro-
nominado Barbalbo na freguesia da comar- servas, o excelleote doce de annanaz em "Jadea do itccire n. 4o. r r
ca do Cabo, com todas as suss trras, mal- frascos de 6 libras, extrait d'absintho, vi-; Na loja do sobrado amarollo dos qua-' VinCia como para lOra della, para
tas e logradores, casas do engenbo.de vi- nho do Rbeno, ditos de Cherry, Porto Ma- tro cantos da rua do Queimado n. 29, ven- oque se offerece mullas garantas
venda e de purgar, com 30 furos e 3 baleos deira eMuscalel de Setubal, sardinhas em de-seas seguintes fazendas finaae de gosto, *_ ,i._ _. a* r;m(
a seus uuuos nu rus uta uaiiiiiuu
11, primeiro andar.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
- Vendem-se amarras de
da Senzalla nova n. 42.
Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo n. 6, armazem de Me. Cal-
mODttc Companhia, acha-se constantemente
bona aortimentos de taia de ferro coado e
balido, tanto raaa como fundas, moendaa la-
tirs todaa de ferro para animaes, agoa, ele,
duas para armar em madelra de todos oa ta-
manhos e madellos o mala moderno, machina
horisotal pa vapor, com forfa de i cava, 1 dJlTorentes e brilhantes cores, para vestuV-
loa, couuulMaaadeiras de ferro eitanhado ris d b,|es do masC8r,Si 0 roupas de
para caaa d*>ulgar, por roenoa pre{o que os .(,,... fh.o.dos nelo ultimo navio ,!
por barato preco. i co de dinheiro se vendem por baralo preco.
l._:4_ .1 __l______*.._ Veode-se rap de Lisboa^em frascos.
IJepoSltO de Cal C pOtaSSa. ebegado pela barc Mgeira, a 4,090 rs. oi
No armazem da rua da Cadeia|Srs.jreguezesquecostumamatomar boa
do Hecifc n.
Be t3o barato,
Que faz animar ;
Quem vir a pechincha
Nao deixar de comprar.
Na rua do Crespo loja da quina que vira
para a cadeia, vende-se panno Uno preto
3,000, 3,500, 4,000 4,500, 5,000 e 5,500 rs.
o covado ; dito francez muito superior, a
6,000 rs. ; dito azul, a 2,600, 3,500, 4,000 e
5,000 rs. ; dito verde, a 2,800, 3,000 e 6,000
rt.; dito cor de rap, a 9,600 rs. ; casemj.
ra preta, a 4,800 6,000, 7,500 8,500e toooo
rs. o corte; sarja preta de seda muito su-
perior, a 2,500 rs. o eovado; merino preto
muito bom, a 2,800 e 3,200 rs. o covado cor-
tes de cassa chita muito bonitos, a 1,920
rs.; e outras muitas fazendas por preco
commodo.
Bailes mascarados.
Na rua da Cadeia do Recife loja n. 50, de
Cunha & Amorim, vende-se villudinhosde
13,
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muilo rasnaveis.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vende-se este compendio, approvado para
IS aulas de primeiras letras, a 480rs.: na
praca da Independencia, livraria o, 6e8.
Vendem-se selins e silhoes
inglezes, de couro de porco, da
primeira qualidade: em casa de A-
damson Howie & Companhia, na
rua do Trapiche n. 4a.
Tnlxus para engenho.
Na fundicSo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptidSo embarcam-se,ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Farinha de mandioca.
-- Vende-se saccas com superior farinha
de mandioca a precos rasoaveis : a tratar
com J. J. Tasso Jnior rua do Amoiim
n. 35.
Deposito de cal virgem.
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
llecile, n. 50, vende-se barris com supe-
rior cal em pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos preco do que
em outra qualquer parte.
rarello a 3,ooo rs.
Na rua da Cruz, armazem n. 13, de J. C.
Augusto da Silva, vende-se farello o mais
novo que ha no mercado, a 3,000 rs. a sacca.
No escriptorio de Manoel Joaquim Ra-
mos e Silva, na rua da Cadeia do Recife,
vende-se por preco commodo cal virgem do
Lisha chegada no ultimo navio, bezerro de
lustro, mercurio, linha de Roriz,retroz, te i -
iha luas do Porto, pannos e casemiras
de ISa.
Ovas do SertSo.
Vendem-se ovas do SertSo muito frescaes;
cheguem freguezek antes que se acaben),
porseestaremvenmndo muito barato : na
rua do Queimado loja n. 14.
Vende-se urna loja de sapateiro muilo
afreguezada, o com commodos para fami-
, pitada, nSo deixaro de mandar buscar, no
lia muito supe- |arg0 d, Assembla o. 4.
lia a fallar na rua Direita n. 55.
grandes, senzalla para pretos, 1 moenda, 4 latas maiores e menores, riquissimas ca-, por precos de agradar ao comprador, corte,
tachase um parol de caldos, ludo de ferro, xinhas de todos os tamanhos com amen- j de vestido de cambraia com barra ebabidos, n
e oulros objectos avaliadosem 38:000,000 rs. doas confeitadas, muito proprias para pre- fazeoda de muito goslo e muilo modernas
e da mesma forma vflo a praca os bns an- ente, presuntos americanos e inglezes para dito de cambraia de seda igual a blonde de
nunciados em o Diario de PernamOuco de 26. fiambre, ditos do Porto e Lisboa, milbo em rico gosto, dito do seda do cores a 20 e 85/
Na loja pernambucana da *
rua do Crespn, n,
D vendem-se ricos vestuarios
4 para bailes de mascaras, lodos de fi-
? no velado, com differentes cores, os
? mais modernos e intoressantesquo se ?
S) tem visto at boje : os precos sSo +
"" medicse o uniformes inteiros, ten- ?
llape Paulo Cordeiro.
recflilemente chegado do Rio de Janeiro,
vende-se na rila da Cadeia do Recife loja n,
50, de Cunha & Amorim.
-- Vende-se queijos dosertSo de superior
qualidade no armasem de Antonio Annes no
caes da Alfandega n. 5.
- No armazem da rua da Mola n. 15 ,
vende-se cal de Lisboa em pedra, a mais no-
va que ha no moceado, chegada no corrente
mez, no brigue Laya ; assim como mercurio
doce em caixinhaa de libra cada uma, tudo
por menos preco do que em outra qualquer
parte.
- Vende-se farinha de S. Matheus e de
Santa Catharina, de ptima qualidade, em
saccas, por menos prego do que em outra
qualquer parte: na rua do Rangel, arma-
zem n. 26.
_-- N praca da Independencia loja n. 2,
a vollar para a dita de livros, vende-se al-
godSo trancado escuro para roupa de aervi-
co, a 160 rs. o covado ; jaquetas, calcas e
camisas, da mesma fazenda, a 800 rs. cada
uma.
~ Vende-se uma mulata costureira, la-
vadeira e ptima engommadeira ; morige-
rada, sadia, o representa ter 24 anuos de
idade : na rua da Roda o. 32.
Vende-se um cavallo aindanovo, an-
dando de balxo ameio: na rua do Apollo
n. 15.
- Veii.le-so ou troci-se por urna casa tor-
rea nesta cidade, um grande sitio com bs-
tanles trras de plantajes, com baixa, em
Ierras propriss, com casa para familia, no
lugar de Bebinbe de Baixo, muilo perto da
povoacSo por ser o ultimo : na ruado Mon-
dego n. 99.
Altencao que he a 2,000 rs.
- No deposito da rua estreila do Rosario
para a do Queimado n. 39 A., vende-se la-
las de bolachiohas de araruts, a 2,000 rs.;
no mesmo ainda continua a vender um res-
t dos hiscoutos viudos da Franca, e bola-
chinbas inglezas, a 220 rs. ; biscoutos, bo-
lachinhas e fatias de todas as qualidades,
castanha e amendoaa de diversas confei-
Oos, o por preco commodo.
iNovos cobertores de tapete a
i,44o ra.
*Na rua do Crespo loja da esquina que
volta para a cadeia, vendem-se cobertores
de tapete, grandes e bonitos, pelo diminuto
preco de 1,440 rs.; em qualidade sSo os me-
lhores quu tem vindo no mercado, por isso,
recommenda-se aos Srs. de engenho que
quizerem comprar da pichincha, nSo ae de-
moren), porque j ha poucos pela estracSo
que tem lido.
- Na travessa da rua do Cano, ven le-se
uma taberna nova, e bem afroguezada, por
preco commodo.
-- Vende-se casemiras na rua do Quei-
mado o. 19, a 4,500 rs o corto, as maia su-
periores que ha no mercado; venbam ver
antes que se acaben). '
Vende-se uma preta de nacSo, com
principio de coxinheira, e propria para qual-
quer servico : quem a pretender dirija-se a
Boa-Vista rua da Gloria n. 100.
Vende-se um sitio pequeo, muilo per-
to da praca, com casa de pedra e cal. com 2
salas, 4 quartos, cozinha fra, estribara e
cacimba : a fallar aoSr. Theophile Kobert,
na rua Nova que dir quem vende,
Vendem-se 4 novilhotes, e vaccas a
parir, tudo muito manco, e filhos do pasto
da Piranga, freguesia dos Afosados, por
preco commodo : na casa daa aferlc/Ses da
rua das Agoas-Verdes n. 25.
Charutos de Havana
De superior qualidade : vendem-se no ar-
mazem de Kalkmann IrmSos, na rua.da
Cruz n. 10.
Escravos fgidos.
Dessppareceu em dias deste mez o mu-
lato JoSo, conhecido por J0S0 grande; he
canoeiro, tem um talho no rosto, magro,
estatura regular, foi oseravo do finado Jos
Joaquim de Mosquita, e hoje pertrncente a
viuva do mesm ; roga-sa as autoridades po-
liciaes, capilSes de campo e mais pessois
que oencontrarem desgrralo e levado a
rua de Santo Amaro, casa n. 6, quesepa-
garSo as despezas que com o mosmo fi-
zercm.
Desspareceu poda 29 de Janeiro p. p ,
o escravo Salvador, creoulo, com os signaes
seguintes : alto, secco do corpo, ps gran-
des, bonita figura, de idade de 17 annos ;
l.'vou vestido camisa de madapolSo, e caifa
de riscado : osaprehensores levem-o no si-
tio da Torre em Belem.
-- Dasapareceu a escrava Mari, perten-
cente a Francisco Jos de Lira, que morou
em Pedra Tapada, a qual tem de idade 20
annos, altura regular, edr fula, pucha algu-
ma cousa pela perna direita, porte-la que-
brado om pequea, mal feila de pe, iom
uma pequea sicatriz em uma das maefles
do rosto, no qual quasi sempre tem algu-
mas espinhas, tem os cilios esbranquica-
dos, he grosseira de fei(0es, e gagueija al-
guma cousa,'quando falla apressada; sup-
pOe-se ter descido para o Recife, e por Isto,
previnc-so aos capitSes de campo que so re-
compensa bem, e no caso de aprehenso,
p le ser entregue no Recife ao Sr. major
Luiz Jos Pereira SimOes, ou no ongenho
Covas, ao proprietario do mesmo. NSo lla-
vera duvida em vender-se por intermedio
dos mesmos Srs. ; assim como protesla-se
usar do rigor da lei, contra quem malicio-
samente a oceultar.
Desspareceu na noitedo dia 30 de Ja-
neiro p. p. a mulata Raymunda, de idade de
20 annos pouco mais ou menos, com os
signacs seguintes : tem os olhos com beli-
des, e uma grande marca de cicatriz sobre
a nuca no pescoco; levou vestido de risca-
do de algodSo de listras azues largas : quem
a encontrar love-a ao seu Sr.Msnoel Dias,na
111 da Senzalla Velha n. 138, primeiro an-
dar, que ser recompensado.
Roga-se as autoridades ou qualquer
particular que encontrar o crioulo Cyriaco,
escravo do llemetorio Jos Velloso da Silvci-
ra, prenda-o, poisacha-se fgido desdao da
26 de Janeiro do corrente anno; para oilo
ser agarrado, tem usado da ardileza do
mostrar uma carta dirigida I). Anna J01-
quina da Silveira, dizendo ir entroga-la.
Levou calca de brim branco, camisa de
madapolSo; de estatura rogular, secco do
corpo, tem uma cicatriz na cal oca. He elle
bem conhecido nesta praca, pois venda
diariamente lenha em cavallos : quem o
pegar ou delle tiver noticia, dirija-so ao
silio do Agus-Fria, em Beberibe, ou a casa
dol-, Francisco Brederode de Aadrade, 110
Hondego.
20,000 rs. de gratificar;:1o.
Dcsapparecou orna preta quo parece cre-
oula, por unir,o Maria, com os signaes se-
guintes : cheia do corpo, estatura regular,
brm parecida, cor hem preta, ropresenta lar
22 a 34 annos, tendo fgido a 17 de Janeiro
p. p., do sitio de Santa-Anua, com uma par-
da ama da mesma casa, voltou a dias dc-
pois apadrinhada, e tendo ajumado toda a
sua roupa dessppareceu na noute de 30 par
31 do mesmo mez, : quem a pegar leve-a a
rus do Trapiche n. 32, que ser recompen-
sado.
-- Desappareceu na larde de 30 dejanei-
ro prximo Ondo, da odl-lna de sapateiro
do Sr. Jos Fernandes Bastos, da rua da Ca-
deia de S, Antonio, o aprendiz escravo, de
nome Amaro, pardo escuro, de lg a 20 an-
nos'Ie idade, e som defeitb algum veslvel ,
levou calca de brim branco velha calcada,
e camisa nova de algodo azul : suppa-se
que elle procurasse embarcar, ou mesmo
seguir por trra para a barra do Rio Formo-
so, de onde he natural e ondo mora seu Sr.;
mais como desse ensejo poder alguem mal
intencionado aproveitar-se, seduziodo-o;
roga-se as auttiondades policiaes a appre-
hencSo delle, e mesmo que se diguem to-
mar em coosideracSo o expendido para que
dado o caso de seducSo nSo passe desaper-
sebnlo ,- e gratifica-ae ao campanha ou pos-
soa do povo, que o levar na referida ollici-
ou na rua das Cruzes n. 30,ou mesmo quem
delle dr noticia certa.
Desappareceo no dia 1.* de fevereiro
do corrente a escrava de nome Rita, de na-
CSo de Angolla. tem um taco de meaos em
urna orelht e uma cioatriz em um braco ;
representa 35 annos : roga-se as autorida-
des policiaes e capitSes de campo que ap-
prehendam-na e levem i rua das Laraogei-
ras n. 2 que se recompensara.
No dia 1. do corrente* auz.enlou-so
um moleque creoulo de nome Francisco
represeola ter 18 annos pouco mais ou me-
nos, bem ladino, com algumas costuras de
landraa em volta do pescoco, lendo uma
daquellas costuras bastante empolada para
fora por cima do hombro esquerdo; por es-
tes signaes pode ser visivelmente conheci-
do; levou calca de brim branco ejaquela
de riscado azul, chapeo de seda preto: Ro-
ga-se a todas as autboridades policiaes e
capitSes de campo o facam apprehen ler e
entregar na rua do Razario Larga, n. IS
que se gratificar generosamente.
r. ir M.r.n-.- F\i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E833BOD7R_WMQAH3 INGEST_TIME 2013-04-12T23:02:45Z PACKAGE AA00011611_04410
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES