<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/04395
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, January 17, 1842
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:04395

Full Text

4
Anno de 1849. Segunda Fcira 17 de
Taio ijof depn tinuemos como urincipiamos, e seremos apuntarlos com dmirsr.ao mire Nacoes mtis
tul""-
(I'roclamaco di Assembteu Geral du Brasil.)
PARTTDAS DOS COBBEIOS TERRESTRES.
Cnisnna, Parailia, e Rio rancie do Norte, na segunda e aexta feira.
Hnnito e (aranliims, 10 8 24.
Oh Sermhaem, Rio Farmoi... Porto Calvo, Mace.o, e Alagoas no i 11, e 21.
1'ajea 13. Santo Anto, quinta feira. Olinda todos os dias.
DAS da semana.
17 Se*, s. Anliin. ChanchiAud. do Juii de Direito da 2. vara "
lS Tero. a. Prisca. Aud. do jiHzde Direito da l,ra.
O Qua'rt. . Canuto. Aud. do jiiir de iliroit da 3. rara.
2 Quint. t- Sebastio. Aud. do juide direito da 2. vara.
2 sel. s. lnet. Aud. do Jui de Direito da 1. vara.
i? lab. s. Vicente, llel. Aud. do Joil de Direito da 3,
?,4 Dom. Os desposorioi. de N. senbora
Janeiro. Anno XVI1T. N. 1*2.
*.
O Diario publicase lodos os dias qu<-niin forern Santificados Btte.0 da uainalara n
de tres mil res por quartel pagos adianlados. Os aun uncios dos assisnsnles sao inseridos "
gratis, eoi dos que o nao fnrein rar.ao de SU res por liaba. As rrclaaSK ,',r, ,|nnn ,fl
dirigidas a rila Tipografa fu da Cruics D. 3, ou praca da Independencia lujas d* livro
Nmeros 37 e 38.
CAMBIOS m> da 1*1 if. Janeiro.
Cambio sobre Londres 2!' d. p. 11
m > l'ari 320 res p. franco.
h .. Lisboa SU a 85 P. 1U0 de pr.
Oi'no- Moeda de t/iOU V. 44,4001 -14.000
.. N. 14.2011 a 14,400
de4,UU0 8.1U0 8.200
PltAT Tatacles l.liOa 1,070
l'ii.i l'ems l'f.luinnaies 1 ,fif>0 > 1,070
Meiicanos 1 0.1(1 n 1,050
miuda 1,44U a 1,400
Moeda de cobre 3 por 100 de disconto.
Diacont de bilb da AHanilega I e J or 1U0
ao mer.
dem de letras de boas lamas 1 e a 1 e f.
vara.
Pamar do u,a 17 de Janeir.
4." as 9 horas e 4S m. da larde.
2. as U horas e 42 m. da nianh.i.
PHASES DA I.A NO MEZ DE JAISElKO.
Ouart. ming. a 3 s 7 oras e 't m. da tarde.
La Nova a 11 -- s 1 oras e 14 m. da larde.
Quart. creac. l!l--Us oras e 41 m. da tarde. i
La cheia a 20 -- ns 3 oras e 3U m. da tarde.
V.
ARI
PE
SLE
a guerra civil ficava aleada
INa'o mcnos( de Vcm aldeas
TKZOIRARIA DA FAZENIU.
EXPEDIENTE DO DA 3 DO CORENTE.
i
Cilicio-Ao Exm. presidente.da provincia
inl'orniaiido o requer ment de Miguel Felici'o
da Silva em que pedio por aforamento per-
petuo o terreno de niarinha numero !!(,
que lica por detrs da ra do Caldereiro desta
cidade ; e bem assiin o alagado era frente do
inesmo terreno at a directo do caes que tem
de bordar aquella ra.
Dito Ao inspector da alfandega, disendo-
Ihe quepan satisfaser ao que determina o1
Exm. Sur. presidente da provincia no ollicio
que junto se Ihe enviou remettesse com a
maior brevidade as copias a que o mesmo olli-
cio se. refere.
Dito Ao inspector do arsenal de mar-
nha, para faser remoller para a ilha de Fer-
nando no patacho Pirapama os artigosda ul-
tima cncominenda que na viagem passada,
deixaro de ser remettidos.
DEM DO DA Officio-Ao Exm. presidente da provincia,
remettundo-ihe a conta do que se tem dispen-
dido e se deve dispender at o lim do corren-
te anno linanceiro com os instructores da
guarda nacional desta provincia, e quanto
deve restar no lim do mesmo anno da nuan-
tia consignada para esta despesa.
DitoAo mesmo Exm. Sur. expondo que
nao pudendo o commissario fiscal do minis-
terio daguerrra junto thesouraria, dar
conta de todas as incumbencias a seo cargo,
.seni ser cnadjuvado pelo ajudante que Ihe
fui designado, e duvidand este entrar em
exereicio por nao se adiar munido do com-
petente titulo: rogava se dignasse expedir
as ordena necessarias a lim de que este incon-
veniente fosse removido.
Dito- Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, disendo, que em vista do seo
ollicio de 7 do corrente havia authorisado ao
thesoureiro da thesouraria para entregar ao
daquella a quantia de 12:500. reis a que o
mesmo ollicio se refere.
Dito-Ao director do arsenal dejguerra, par-
tecipando-lhe que tendo o Exm. Sur. presi-
dente da provincia por officio de odedezcm-
bro paasado, mandado em cumprimento do
imperial aviso de 15 de novembro precedente,
que se Ihe abonasse a gratificarlo de director
depoisdo da 5 desetembro do corrente anno,
liouvesse de dar as ordens necessarias para
que este pagamento Ihe fosse feito.
Portara Ao segundo escripturario da con-
tadoria encarregado da contabelidade mili-
tar, para remetler com toda a brevidade
mesada thesouraria as guias de lodos osof-
iciaes militares, que nesta provincia deixa-
ro sidos s suas familias para seren envia-
das ao Exm. presidente da provincia, que as
exigi em seo ollicio de 7 do corrente.
EXTERIOR.
LISBOA 6 DE DEZEMBRO.
Berebemos hoje Jornacs de Londres at 27,
e de Pars al 25 do passado.
Os primeiros nada referem de importante
rido s armas, e
em todo o paiz. nao menos1- e tem aldeas
9 I tinham sido saqueadas, c a cidade de Bey-
rout achava-se heia de familias que tinham
all viudo refngai-sc, fngindo do furor dos
cotnbatentes. O coronel Jnglez lise, Selim
Pacha, e Emir Reshr haviain procurado de-
balde alalhar a insurreicao.
Secundo as noticias de Alexandria havia
Mchemet-Alli partido do Cairo no dia 3 do
passado para o Alio Egypto arompaidiado
pelo Copla Ba/lio Bey, escolhida por elle
panno ajmlar aorganisar aquella provincia.
Entretanto todo o iJelta, 8 excepcao de trinla
e oito aldeas pertenecntes aos Xequcs, a quem
se permittia conservar a posse dellas, ficava
declarado propriedade privado do Pacha, e
romo lal dividida pntre os memhros da sua
familia. Os camponezes residentes naquellas
Ierras ficavam sendo considerados escravos do
Pacha A importacao de escravos das mar-
gena do iNiger continuava como d'antes, e
vendiam-se publicamente nos Bazares do E-
.jypto como cabecas de pado. A liberdade de
commercia encontrava as mesmas difticulda-
des c nenhum individu eslava seguro das
compras ou vendas que effectuava, por de-
pender tudo do capricho do Pacha. As mer-
cadorias que j;i haviam pago direilos em A-
lexandria eram outra vez contra toda a jus-
lica, sujeitas a um novo direito de 7 por cen-
tono Cairo Antigo. se se destinavam para o
Mo Nilo, ou para os margens do INiger. O
estado das cousas no Egypto era tu' como se
o Hait Scherific, le Gulhan nunca bou-
vera sido publicado e em prega vam-se todos
osardis tendentes a Iludir o tractado de 16
de Agosto de 1838. Todos estavam descon-
tentes por verem que o paiz se ia arruinando
rpidamente OsMusulmanosacreditam que
o seu imperio ha de acabar no anno de 1270
da Hegira, e como agora corre para elles o de
1257 da mesma, lamentan asna decadencia
antes daquella poca.
Havia-se publicado no Cairo e em Alexan-
dria a seguinte proclamacao :
Adoptou-se em Constantinopla um plano
tendente a dar moeda corrente urna forma
niel horada na Caza da Moeda. Com permis-
so de Dos no prazo de trinta dias contados
da data desta nao correr no Egipto a moeda
de Constanlinopla. Tal a ordem de Sua
Alteza. *' Esta disposicao havia posto termo
a todas as transaccoes commerciaes por uin-
guem se atrever a comprar ou vender.
O Pacha havia relrido a sua desintelli-
gencia com o Cnsul Britnico relativamen-
te faculdade de poderem os barcos de vapor
Ingleses navegar pelo Nilo com a sua bandea-
ra nacional deciso do Sulto O Pacha
consenta que os barcos britnicos subissem pe-
lo Nilo al Sennaar ; porem julgava que o
trafico feito pelas barcas de'via ser s dos ind-
genas.
As correspondencias da Svria aflirmo que
os deslurbis que all occorriao erao sem duvi-
da resultados do antigo systema do Governo
Ottomano que procurava dividir e debilitar
a popu acao indgena, afim de a opprrmr
raais fcilmente 5 e ao passo que o Pacha de
Beyrout furneca armas e municoes aos Dru-
sos eslava sendo os Alaron las auxiliados
pelo de Damasco.
Asearlas de Constantinopla notavao que.
nao obstante a solemnidade do Ramazan re-
ile Outubroos Representantes da Gram-Rre- | guiu-se naquelle cargo ; e foi suceessivamen-
tanha Franca, e Bussia se congregaro no I te Emhaixadorem Pars e em Londres. Beds-
palacio de Bifaat Pacha por convite daquelle
.Ministro o (|ual Ibes expz os aggravos da
Porta contra a Grecia. Subseqnentemente -
quella conferencia dirigiu o Rifaat Pacha
aos tres Emhaixadores urna ola olli al na
qual depois de recopilar aquelles aggrevos ,
manifeslava o desejo de ver por nlervencao
das tres cortes voinpostas amigavelmiMite as
desintelligencias pendentes com aquello Go-
verno. O Ministro ajunlou (pie no caso do
(invern Grego se recusar nao obstante a
mediaco las Potencias protectoras a fazer
justiea.is reclamacus da Turqua se vera o
Divn na necessidade de lancar mao de repre-
zalias. A resp-sta dos Emhaixadores aquella fazer crua guerra s tropas francuzas.
nota nao se havia publicado. Entretanto a
irritaco contra a Grecia havia chegado ao seu
auge em constantinopla e s noticias recei-
das diariamente daquelle paiz nao erao de n<-
tureza a mitigar aquelle espirito. Estava-se
relalivameute a noticias domesticas; porma|nava, havia alguns dias grande actvH->de
mala do Levante referia acontecimentos de na Porta celebrando-se quasi todos os dias
nolavel interesse.
A Svria estava sendo outra vez theatro de
violencias acompanhadas de elTuso de sangue.
No dia 12 de Novembro accommetteram os
aprontando a to-Ta a pressa no arsenal urna
pequea esquadra composta de quatro fraga-
tas com destino pa>a a costa da Grecia
As noticias de Malta recebidasem Inglater-
ra alcancavao at 15 do passado e por ellas
se sabia tercm dalli sabido com Prego duas
naos inglesas.
A Gazela de Londres do dia 24 publica
urna grande promoco tanto no cxerciio, co-
mo na armada por oc-asio lo nasiimenlo
do Principe de Galles-, e pelo mesmo motivo
se dirigao de todos os pontos do Beino-Unido
exposices congratulatorias llainha e ao
Principe Alberto.
Segundo os Jornaes de Pars do dia 20 na
occasiao do Rei voltarde Versailles para Pars,
na tarde do dia 18 arremecou um individuo
urna pedia contra a carroagem e apesar das
diligencias que se fizerao nao foi possivel pren-
dalo
O 4< Monitor do dia 21 publica um decre-
to Real, convocando as Cmaras para 27
dcsle roez.
M. Oemons, ebefe dos Continuos da C-
mara dos Pares notifico! aos dezeseis indi-
viduos indiciados na tentativa de !3deSe-
tembro passado o mandado expedido contra
elles. O mesmo funecionaro communicou
aos aecusados urna ordem do Chanreller, de-
signando a abertura dos debales do processo
para o 1. deste mez
O Monitor Parisin do dia 24 contem
o seguinte :
Se bem que o comeco do prossesso de
Quenisset fosse oflicialmente annunciado para
o I. de De/embro, podemos afirmar que nao
lera logar antes de 5 ou G do mesmo mez. O
motivo desta demora a necessidade em que
se acha M. Hebert, principal Advogado da
Gorda de estudar cabalmente todos os ele-
mentos d'um processo em que se acha ini-
ciado ha tao pouco lempo.
Afirma o mesmo Jornal que a concentra-
go de tropas nos Departamentos do Norte ,
ordenada depois de descoberla a recente cons-
pirac&o em Bruxellas, havia sido contra-man-
dada e que oscorpos que marchavao para
l.ille vinho voltando para as suas antigs
guarnientes.
O Diario dos Debates annuncia haver
chegado a Pars Mustaph Bedschid Pacha ,
Embaxador da Porta junta da Corte de Fran-
ca. O Diarista discorrendo acerca desta per-
sonagem diz o seguinte :
< Redschid Pacha alheio aos prejuizos
chid Pacha autor do systema de reforma in-
trodu/.iilo no Imperio Ottomano e o prime-
10 Estadista Musulniano quecomprehendeu
neccssitlatle/Mii pie estava o seu paiz de aban-
donar o systema asitico, e colloear-se em
harmona com os Estados Occidenlaes da Eu-
ropa. Redschid Pacha tem sido condecorado
por quasi lodosos Soberanos da Europa. Tras
a Gram Cruz da LegiSode Honra. So a Bus-
sia sempre tio prodiga das suas condecora-
;oes a ttulos os nienibios do Divn nunca
julgiiuconveniente incluir a Bedschid na con-
Cess&odos seus favores.
As tribus rabes de Argelia contiuuavo a
Segun-
do as ultimas noticias d'alh recebidas env
dala de I~) do passado, havia o General Chan-
garnier sido atacado perto do bosque das Ol
veiras na sua rolla de Medcah por 5:000
rabes, pie derrotou matando-lhe 500 ho-
niens.
_ O o Constitucional declara que o Mare-
chal Soull Presidente do Conseibo, havia no-
meado urna commssfio para adoptar as medi-
das necessarias aim de se organisar um ser-
vico de barcos de vapor entre a Ilha de Bor-
bon o stbmo de Suez, e os pontos interme-
dios. O Barie Tupinier Director dos pol-
los e menibro da Junta do Almiranlado.
est nomeado Presidenle. O nMUno jornal
publica urna carta estripta le Beyrout por
um ollicial fiiiciz confirmando a noticia
de haverem as tropas britnicas evacuado a;
Svria.
conselhos sob presidencia do Gram-\ isir. At-
tribuia-setodo aquelle movimenloao estado de
cousas na Grecia ,, e ao procedimsnto do seu
Governo que recosava dar satisncSo Tur-
atrocidades commettidas

Dnizos com a mais barbara lerocid..de a po- quia pelas atrocidades commettidas pelos
pulaco chrisl daquelle paiz que se havia Grecos contra subditos Otlomanos em Chai-
reunido para deliberar ccica dos negocios da cis e decidir a queseo da propriedade otto-
Montanha passando : espada velhos, mu- | mana confiscada illcglmeute ha nove annos
lheres. e criancas. Os cluislos haviam cor- j por agentes gregos. E constante que nos fins
Algumas folhas francezas das datas mais;
recentes alirmao haver cessado a marcha do
tropas para a fronteira do Meio da. Assegu-
ro que M. de Salvandy recentemente Hornea-
do Embaixador de Franca em Madriil esta-
va prximo a partir para o seu destino.
Os Jornaes de Alenianha nao annunciao
noticias de grande importancia. A Gazola
de Hanover do dia 16 de Novembro publica
um decreto Beal lixando c dia 2 desto mer.
para a abertura da Sessao daAssembla Gerafc
dos Estados.
A Gazela d'Eslado de Prussia da mesma.
data d publicidade mensagem diriji-da pe-
lo Bei a Dieta das Provincias do Rheno eia
pie S. M. Ihes annuncia que as dilficuldades ,
pie se haviao suscitado entre a Prussia e a
Corte de Boma relativamente administra-
cao da Diocesede Treves e Colonia se acha-
vo compostas definitivamente eque as ne-
gociantes entaboladas acerca desse assumpto
com S. Santidade haviSo produzdo o mais sa-
tisfatorio resultado. 0 Re participou igual-
mente aos Estados que durante a sua estada
as provincias do Rheno residira no castel-
lo de Cohlentz. Quanto suppressao da cen-
sura pedida pela Dicta declaran S. M. ser
sua intencao introduzr na Le de liberdade
de imprensa modileacesquo no fossem op-
postass resoluc")es da Confederago Germ-
nica e que no cntanto ordenara aos censo-
res que fossem moderados na execu<;o do ar-
tigo da Le de 18 de outubro de 1819, re-
lativa censura.
A < (azeta de Augsburgo do da 19 ,
menciona que as carroagens do Rei de aples
haviao sido accommettidas e roubadas as vi-
si n bancas de Palermo porum bando de salte-
adores apesar de irem acompanhadas por u-
ina escolta numerosa. SS MM. indo do
Drepna para Palermo por mar experimen-
dos seus compatriotas. homem da nossa tarao na passagem urna tempestade violenta,
poca j por talento j por educado. A | Annuncia a mesma folha que os Infantes
carreira poltica de Redschid Pacha foi rpida Joao, Urlos el ornando, ldhos de . ta/-
e brilhante. Sendo mui moco craj celebremos erao esperados em Roma onde se fa
m Constantinopla por suas eomposiees poe-l zio preparativos para serem recebidos comas
ticas, as quaes eram mui admiradas pelo honras devidas sua gerarchia. Devio ser

ticas, as q
Sulto Mahmoud e forto orgem da sua for-
tuna c elevatjao. Tendo depois sido nomeado
Ministro dos Negocios Estrangeiros dstin-
aeompanhados por um Jezuita seu mestre , e
um dstncto professor de Mathematic*.
O Courant de Hainbrfrgo,debaixo da ru-


*u#*acimaLtijSL.Mjc
brica di.' ii'il'm a 18 do passado annuncia ,
que se rall;iv.i milito' de mu Cwngrcsso de Mi-
nistros une ja reunir-so para regular os ne
g icios da Haspanha. Dizia-se que o Governo
! ranee/, tomarla a iniciativa, cttavo-se
Londres Vicua, e Fraukfort como logares
onde devia juiilar-sa, o ful uro Congresso. A
masma folha faz menrjilo dos seguintes Dipl-
malas qm haviao do tomar parte as confe-
rencias t pela Franca, o Conde Flahaut, e
M. Fouteuay; p:ila Gram-Brelanha Lerd
Granville Sir David MuntaquiS, e Lord Ers-
kini ; pela Austria 'o Conde de Fiquelmont,
e o (onde de Bourbelles ; pela Priissia, u Bu*
C carcter singular, transladando-sc as provin-
cias ameaeadas o rodusindo t>s amotinado-
resde Barcelona a necessidae. de fugir x-'y
\ando restabelecida a ordem naquclla ca-
pital, eo vre exercirio das aiilhoridade or-
dinarias, sem valer-se da Corea, e s pelo as-
cendente da sua authoridade, O mesqio pe-
riodo conclue dizendo : Se Espartero com a
.sua firme/a restabolocer a ordem nuquolle des-
granado paiz ; se comprimir o espirito revo-
lucionario ; se acost mar lodos os partidos
obediencia ; .se consolidar o Throno.Cnsli-
tucional nao Ihe negaremos a j'isti-
ya (uc merece A energa que a-
ro de_Bulow r o Conde de Rster ; pela caba de desenvolver contra a junta de vigi-
dos em Hehvoestlisluys para sua escolla. A-! anuo novo. S. Ex.", que se bavia retirado
Russia o Barao de Brunow, e o Conde
Paulo de Mcdem.
O lina ID do passado assegura ser mili activa
lancia de Barcelona um bom annuncio : o
sen manifest* contra'as juntas verdadera-
mente digno d'nm Governo. a sua aclivi.la-
do, a sua resolueao nos fazem esperar que por
a passagem de correiosdealgum tempo aquel- ultimse vailevantarum poder em llcspanha.n
la parte, eliaverem transitado por all inul-
tos Diplmalas viudos do Sul e do Occidente.
Os actos do nosss Governo naos lino me-
recido os maioivselogios forado Beino como
Tamben.se julgava digno de atiene"10 o movi- i tambem urna conlsslo to sincera da parle de
ment que havia as diversas cirfnaixadas. Inm dosseus mais decididos adversarios. A
Todas aquellas circunstancias h:i\iao dado or- firmeza o a legalidade que resplandecen! em
geni ao boato de que brevemente se reunira todas as suas delerminacoes teem desarmado
um Congresso para arranjar os negocios de os i ni nitros da causa nacin.I e merecido a
Hespanlia. Corra (fue (odas as Potencias es- osla na Europa as synipathias dos amigos da
la vilo de accordo acerca do assnmpto e ac- : ordem constitucional. Esta feliz situacao,
cresc mtava-se que a Cidade de Frankfbrt es- j unida marcha progressiva dos nossos me-
ia-a designada para l reunido do Congresso. Ihoramentos .interiores, ao constante desen-
GU"fondos portnguezea havfto expermen-1 volvimento da nossa publica prosperidad* e
lado urna subida notavel na Bolea de Londres: ordem que suocessivamentc se va; iiilrodu-
de 3 por cenlo negocia \fio-se a 35; os de zindo na administraoo do Reino, assegu-
ram-nos a consideraeao e o respeitc as Po-
tencias esti-angeiras ; e o Governo do negen-
; tu do ReilO aproveilando o patriotismo c
\ Cazla de Madrid nao publica nenhfi o talento reconhecido dos seus representantes
rio gove-nativo interessante para um leitor as corles estrangeiras nada ter que temer
i ingeiro. I das intrigas e machinaoes al agora des-
0 Patriota do dia 2!) assegura beverem gratadas, dos nimigos da liberdade hespa
chegado Secretaria d'Esdo coramunicaces nbol. ( Gazeta de Madrid.>
nunciamos este lado com o maior desgosto ;
porem Soni iluvida (eremos antes d punco
tempo occasiail do manifestar quaes sejaiii os
nossos sen limen tos sobre este particular.
Manifestou-se no dique de Woolwich um
grande incendio que deslruio inteiramente
una bfllcina. Atribu*u-se desde logo aquel-
lo acontecinwit malevolencia : nas
o Standard al r.lia o contrario. Nao obviante
isso, houv urna tentativa formal de incen-
dios no quartel das guardas a cavado, em (li-
jo pateo cabio una granada a qual se bem
que rebentou com grande estrondo, nao
causn o menor daino.
dem, 25.-0 recobecimento do governo por-
tuguez pela Russia nao lia sido sanecionado
formalmente, mandando-so para lisboa agen-
tes diplomticos. A Russia e a Prussia ainda
ufo nomearain nenlium ; porem a Austria
enviar dentro de mu pouco tempo o barao
marochal naqualidado de enviado extraordi-
nario junto da Bainba de Portugal.
(Morning Herald.)
ENANCA.
Par/22 de novembre.
O marque/ do C.lanricardc e sua esposa,
quo chegrim de IVtersburgo, foram recebi-
dos porSS. M.M. oBei o a Bainba. O mar-
quoz.de Clarincarde apresentou a sua demis-
slo deembaixador da Grfl Bretanlia em Pe-
"< por cenlo a 20 c a 28 os convertidos.
Madrid 50 de novembro.
com I cenca ha alguns mozos., por motivo
[do casa ment de sua lilha com o Duque Mel-
z de Milao, voltou a Pariz baver urna se-
mana.
Segundo as ultimas noticias da Suissa ,
as desordens que eslalarao ullimamente em
Genebra sao obra de urna sociodade popular
denominada Associat;o de 5 de Marco. O
objeclo desta sociedade modificar ou alte-
rar radicalmente a Constiluicao. Estes dis-
turbios determinai-o o Conselbo d'Estado a
cor.VGcar o gram-Conselho a lim de delibe-
rar sobre as reformas que se periem Segun-
do um peridico suisso est-sc tambem pre-
parando una segunda contra-revolu^ao no
Cantao do TesSno.
As cartas de Londres do dia 22 offere-
cem algiini interesse. A politica esl mora ;
porm por oulra parle os incendios e as reu-
nioes dos carlistas olferecem algum alimento
aos peridicos. 0 Governo inglez est adop-
tando segundo parece, medidas estraordi-
narias e do precaucAo e entre oiitras a de
formar urna lisia de lodos os cslrangeiros re-
sidentes em Londres. Vao continuando os
grandes preparativos militares, e diz-se que
esl io destinados para a China.
dem 21.Os fundos activos hespanbocs
sao os nicos que tem ixado a attenco da
Bolsa, e com elleito subirao a 25 l|l, 5|8,
1|2. Diz-se haver-se realisado urna Opera-
gflo fior um total consideravel contado a 25 112.
As Operacea a prazo sao importantissinias.
de Paris o Londres concebidas n'um sentido
fuvoravel ao Governo-, A mesma folha des-
mc-nto alguns boatos que corrio cercado
( Do Diario do Governo.)
Madrid 2 de dezombro.
Ainda se nao havia levantado em Bare.e-
inodilicacm's OU mudanca no Ministerio as- : lona o estado de sitio. as provincias havia
segurando que entre os membros do Gabinete j trabquilidade assim como na capital onde
actual havia a melhor inteUigeneia e que lo- nao circulava noticia alguma interessante.
dos eoutinuavo a merecer a coulianga do lie- GUA'-BBETANHA.
g.'iit.'. LondresN^O de novembro.
OChele poli tico de Barcelona bavia publi- Vm jornal de Birmingham confirma a no^
cadowm bando, mandando restituir aos s.-usj ticia de que o capitao Boldero secretario
empregos todos os individuos da Udicta na- da reparti^o deartilheria e M. Loweil, na-
cional, (pie riel le bouvossem sido esbulfiados ; pedordas armas de logo haviilo chegado a
Dipoem igualmente dita cidade e contralado com varios fabri-
tcrsbu rgo. A marqueza filha do celebre mi-
nistro Inglez Jorge Canning. (CoisL)
0 barao de Bourquenev ministro plcni-,1 Lm geral as ultimas noticias de Hespanha sao
polenciario de Franca em Constantinopla I consideradas como mili boas pelo que diz res-
sabio bontom d Paris para iroecupar oseu | pcl ao reslabeleciment da Iranquiilidade ,
sto. Viio em sua companhia o conde de e como mui favoraveis para a ex.eeucao de
planos de fazenda. Todos os especuladores
que negociao tm fundos hespnboea, eslo
dominados por esta idea.
Segundo mira carta de Beyrout, escrip-
ia a 51 de Oiilubro deven os [ngiezes e os
Auslriacos ter-se j retirado daquella cida-
de e de S. Joo d'Acre com grande satisfa-
Co dos habitantes. A presenta na<|uelles pon-
pos...
Grammont, Par de Franca, e M. T. de Bur-
rpieney seo sohrinho addido a cmhaixada.
M. lis de ruterval, encarregado de nego-
cios desde a part !a .lo embaixador conserva
em Constantinopla as funeces de primeiro
secretario. (dem).
Rpdshcliid Pacha, embaixador da Porta
Oltomana, foi hontem visitado por muilos di-
plmalas e outros grandes dignitarios junto I to8 da esquadra franceza s ordens do Almi-
da corto de Frailea, entre os quaes se achava
M. Guizot ministro dos negocios Extran-
geiros. (dem).
Le-se no Pilote de Calvados, quo badias ha-
via commecado em Cberboug a operago de
desmontar as pecas de artilheria e rocolhe-
las para o arsenal com as carretas o munices
(dem.)
0 exercitoem ohsorvacao do norte dissol-
pela Junta Vigilante.
que todas as pessoas, que houvessem sido cantes para substituir as espingardas, que
desterradas por ordem da referida Junta no- so perderam por occasio do incendio da tor- | veiH
doiiao voltar aos seus respretivos domicilios ,; re. Uiz-so que todas as espingardas novas
sem qu-sauthoridades lcaos fosse [lerruot- serode pe/CUSSo. (Courricr.)
Tunnel do Tamiza.
Pode dizer-so que desde hontem esta mag-
nifica empresa ha chegado ao seo comple-
mento; o escudo ou apparelho j chega
margem do Wappig. Concluido este trabalho
de escavacao, limitar-so-ho as operaces a
preparar uincaminho |>or tena para o com-
mercio em geral. Concluiram-sr quatro pS
Havemos procurado faser ver se bom que e meiode Tunnel na semana anterior pormeio
siiminariamenle, a justica c legalidade Com do escudo. (Standard.)
que ha procedido o governo em consoquencia j OSnn faz urna pintura lastimosa do es-
ranle La Susse havia produzido ptimo el-
feito no animo dos Syrios.
Varios cheles da Monlanha aerroscenta a
carta tinhao-so apresen lado ao Almirante ,
a queni asseguraio que os povos montanhe-
zes nao haviao esriuecido as reiacOes do boa
amiZade (pie sempre oxistirao entre ellos e a
Franca e que se os francezes quizessom dis-
pensar-Ibes a sua proteegao se sublevariao
immediatamente. O Almirante proourou a-
lido molesta-las.
As noticias recebidas das provincias assegu-
ravfio reinar em lo la a Pennsula a mais com-
pleta Lanquillidade.
( Diario do Governo. )
HF.SPAMIA..
jstarao nossos leitores.desaber o effeitoque calmar quanlo Ihe foi possivel aquello ardor
produziram estes preparativos na fronteira guerreiro aquella propensao independen-
Belga. Eis oque escrevem de Menin com ca, c os admoesloii vivamente *
dala de I\) de novembro : 0 movmenlo do
ejercito Vancez as nossas fronteiras operou-
se com grande actividades todos os povos in-
ri ue vives-
sem em boa inteUigeneia tanto com os Tur-
cos como Com os Francos. Aquellos chu-
fes reliraro-s,sobre modo penborados rio re-
mediatos "i Un ha da Flandres occidental es- cebimento que Ibes (zerao o Almirante eos
dos acntecimentos re outubro anterior. A lado das classes operaras de Londres. 0 seo
sua conducta ha sido conforme como que estado espantoso e indispensavel que as
oasta ocasfto dictavam a cdnveniecia publi- pessoas abastadas acudam ao soccor-
ca; urna puiluw bem enlemda e a ucees- rodoipuuica, abriudo-soem todo o i-einu Sp-
Sidade peremptoria de fundar o consolidar um cj'ipcoos para esse lim. Na-cidade de Lon-
rno (brte pelajdfttce, pela opinio, ejdres, e as suas immeraces ha milhares
. is lois. S em nomo destas c pelos tri- : de pessoas impossibilitadas de pagar as coil-
as competentes se bao verificado, posto tnbuices. A raridade publica nao seiimi-
comdor. actos de justa sevHdade, que tara a socorrer, os desbragados polacos. Em
nicamente am t e despeito podem qua- SpHalfields existem familias, cu jos (i I los se
arde Vnganca publica, quando se bao acham Ha mais completa nudez o que apenas
itado, nao por um partido contra ou- podem adquirir sulliciente quantidade de
mas sim em nome d'um governo contra batatas para se alimenlarem. Conhocondo o
. dio eom m;lo armada atacaram a constitu- Lord Maior (oda a ex(ensao do mal, acaba el-
lao guarnecidos de tropas. Esta manhft, ape-
sardo mao (empo veio estabelecer-se um ba-
laibo do regiment il de liona em Halluin,
que sdista um tiro de espingarda da nossa
fronteira havendtf-se collocado tima batera
de artilheria nacabeca da onte, que atraves-
sa oLys,e que separa a Blgica da Franca,
vista do que expediu iinmediatamte o com-
niandanto da nossa praca um cprreio ao mi-
bistro da guerra pedindo-lbe nstrucc/jes al-
iento aquello estado de cotizas; esta noite de-
vera lovanlar-se sentinelas na cabega da
(ion te. Certamen te nao poderia ter-se obra-
rlo de oulra sorle se se tratasse deoccupara
Be I'.: ir a.
Ollciaes da esquadra. Em lodos os pontos
onde se apresentou o Almirante foi colin-
do com iguana demonslracoes de bom rpie-
renca. (dem.)
dem 21. Critica sitliacfio das Antlbas
inglezas.
Eis algumas observagdes cuja exaccao re
conhecer lodo o homcm pralioo. Depoil da
i'nduci|i.ii"io dos negros das colonias ingle-
zas, subi mu Londres o preco do assucar ao
mximo re 52 shelings sem [lagamenlo de d-
reilos. Desde quo se fez a nivelaeao dos di-
reitos as procedencias ras ilhas orientaes e
oocidenlaes e por consoquencia da oppariyao
Lomos no Echo do Nord : A administra-; do assucar de Bengala, sempre em maior quan-
Coda guerra ordenou
(pie
porlos de Dunquerque e rio Calais porces
consideravefftde trigos estrangeirqs e do reino
destinarlos a abastecer os armasens de viveros
da dcima sexta divisao militar. Apressama-
rtoi- isso mcsiiiii a sua reputacau c u
si.......;?......"i;mth%*"*zfm*& ""CSsSKsfr5*' Tl 5EC5.....mu; eS
ta.ito, qiiantonecessitaasitua^ao do paizlde urna delas. (Morning-rosi.) iotbd -> -" *,_' ft MPih
re. ,, :,: mna grande nacao l =Extn.cto.lo British and foreign anl.sla- de Franca na lurqu.a clegou a Ma.sciha ,
,.(irvr,M,i,>r talve/se encontr no eammhocomM.de P.our-
- uso cu lgicamente dpduzjmos dos very reprter.
Sabemos de boa orgem que o Brilannia ,
quoney que vai oceupar O CO logar; porem
tos de ou
tidade nos mercados inglezes esle proco tem
ido baixam/o at trinta e rpiatro shelings o
provavelmenle baixar anda mais.
O colono inglez necessita para os gastos de
producc/io desde a le da emanciparlo dos ne-
gros to. viole e seis shelings ; por conseguin-
te nilo Ihe licao senao oito para pagar o fele
e domis despezas, que BObsm a rpjatorze she-
lings.
Os plantadores das Indias occidenlacs vt)em
vir chegando apressadamente a poca em que
terfio que abandonar as Antilhas raga ne-
gra. E' corto que tem motivos bastantes pa-
ra nao sp illudireni, e prepararem-se d'an-
te-mao para o induvitavel destino a que os1***
vai conduzindo a mfii patria. (Globo.)
O peridico oGlobe indicou um facto a
que se ha supposlo de alguma gra*idade e o
jornal La Presse induzido em erro sobro
este ponto perguntou se verdade como se
disse que o Ministro da Marinha havia con-
cedido aos cruzadores inglezes o direito de
visita dos nossos vasos mercantes sobre as cos-
as de frica dcbaixo do pretexto de repri-
mir o trafico da sera va tura juntando que
s a Franca, entre (odas snaces da Euro-
pa, havia repellido at agora quell direito


.
^
o
humilhante. Nisto ha erro. 0 direilo do vi-
sita reciproco, e' o resultado, do tractado
de 1855, que ligou i Inglaterra ao mosmo
tempo que a Franca a Succia a Dinamar-
ca os I'ai/.es Baixos para a aboltcfto da-
quelle trauco. Desde ossa poca os cruzado-
res francezes exercein aquella polica mart*
tima sobre os vasos inglezes e sobre os das
mais nacrtes, da mesma sorte que os vasos
francezes esto pela sua parte -sujeitos mes-
ma Lei. O Ministro da Murinha deomms-
ses sobre este ponto aos nossos cruzadores
na costa de frica assim como es inglezes as
recebem do seu Governo.
(Moniteur Parisin.)
0 Ministerio fez sondar secretamente as
intcnQoes de M. Dufuure pafcfr saber se accei-
laria a presidencia da Cmara. M. Dufaure
recusou-a. No momento que se soube esta
negativa, varios Deputadosdo partido conser-
vador reuniro-se e resolvero tirar a pre-
sidencia a M. Sauret e offerece-la a M. La-
martine. Neste caso, o Ministerio apoiar o
ultimo. Ao principio tractou-se de M. Salvan-
do mas abaudonou-se esta idea por causa
d. sua nomeaoo de Embaixador junto da
Corto de Madrid.
Hanover 19 de Nbvembro. = Teve logar
nrn incidente' importante n'um negocio do
conselho de assignatura que o Re organisou
para seu filho ceg, conselho composto sem
o consent ment dos agnados da casa de Ha-
nover. Por isso os Duques de Cambridge, e
Snssex mandarao de Londres un protesto con-
tra aquella medida. Este documento foi i-
gualmentc enviado Dieta Germnica, que
o tomar em considerarlo depois das ferias.
As cortes de Berlim de Brunswicb e de
Vienna recobero tambem urna communioa-
co dos dous Principes inglezes com aquelle
objecto. As intrigas eleitoraes continuo no
paiz, e o desconten lamento geral
Ingl. Consol.. .5
89||8 89 1
(Cnmmcrei).
Mgodo
Assucar
Bacalhau
uollanda. = Amsterdam 15 de Nbvembro.
O Re- de Prussia acaba de enviar Hia,
com urna missao particular, o General Luck,
amigo de infancia dos dous Principes. Acre-
dita-se que este agente poder *melhor que
oiitro qualquer aplanar as dilliculdades que lia
suscitado a negativa do Rei de lollanda a ra-
tificar o tractado de cominercio entre o Lu-
xomburgo, e a Unio dasalfandogas. Estas
dilliculdades vo lomando certo carcter de
gravidade, depois (jue lodas as grandes Poten-
cias excepeo da Franca, teem dirigido
represen tacos sobre este assumpto ao Gram
Duque. E' de notar, nao obstante isso que
o Diario de Frankfort, orgao senii-olllcial da
Dieta reconhece que debaixo do ponto de
vista do direito, o Rei Gram Duque est a
coberlo de todo o vituperio por isso que de
::enliiiiii modo eslava compronJeltido com a
Alemanha pelo mero laclo de haver assignado
un tractado um dos seus plenipotenciarios.
(Tenips.)
Lisboa 27 de novembrode 1811.
Estado do mercado.
Os gneros chamados Coloniaes estiveram
pela maior parle empalados: mas alguns sus-
tcntaram ospreeos, cuino o Cha, Couros, Pi-
mentae Vaquetas.
O assucar tambem sustenta firme, e lev >
sabida regular para consumo.
O arroz afroxou, o cacao, o o calo te mi
este ullimo genero diminuta sabida. o
Cera Da de Angela nao ha, e a po uc 0 qu
veioda tena, vendeo-se. e
Gomma copal Falta .
TRIBUNAL DA RELACAO.
Sesso de lo do eorrenle.
Os embargos de Francisco Jos Rodrigues
contra Manoel Jos Lopes Braga na causa delcouros
appellaco civel desta cidade escrivAo Bai\-
deira ; foro recebidos e julgados e refor-
mado o accordo embargado
Os embargos de Mura Candida Pina, con-
tra Manoel I uiz Virans na causa de appella-
co civel desla cidade escrivo I oslbumo :
foro disprezados mandando-se cumprir o ac-
cordo embargado.
Na appellaco civel desta cidade appellan-
teJos Pedro Vellozo da Silveiru eappella-
do Joo Vieira da Cimba escrivo Re bel lo ;
se julgou pelacoulirmaco daseulenca recor-
rida.
Na appellacocrime do juizo de direito des-
ta cidade appellantes o Reverendo Vigario
do Cabo, e o Don tor Promotor Publico, ap-
pellado o Exm. e Reverendissimo Hispo desta
Diocezc se julgou nao lomaren) conbecimenlo
da mesma appellaco.
Na appellaco civel da eommarca do Limo-
eiro appellanle Maria Francisca da Appre-
zentaco appellado Thomaz Gomes de Arau-
jo escrivo Rebello ; se julgou pela conir-
niaco da sen tenga recorrida.
Na appellaco civel desla eidade appellan-
le Maria Candida Pina e appellado Jernimo
Saturnino Mendes Alcanforado escrivo Ban-
deira ; foijulgado pela reforma da sen tenca
recorrida.
Na appellaco civel da eommarca das Ala-
goas, appellanle Antonio Jo Mello e Albuquer-
que por sua m ulher c appellados Francisco
de Borja Acciole Lino Pe re ira Cava lean le e
outros escrivo Ferreira ; foi julgada pela
conlirmaco da sentenga recorrida.
Na appellaco civel do Juizo de Direito des-
la cidade appellanle Nuno Maria de Seixas ,
e appellado o collector do municipio de Olin-
da escrivo Jacome ; se julgou pela refor-
ma da sen tenca appcllada.
Na appellaco civel ('o Juizo de Di rei lo de
Goianna appellanlo Felicianno de S. Jos ,
e Rufino Ferreira da Silva por si, c como tu-
tor de suas filbas appcllada a viuva e herdei-
ros de Antonio Jos escrivo Jacome ; se
julgou pela conlirmaco da sentenca.
sobre Londres ; depois baixou
21), e anda ha pretendentes.
He corrente a 0:201) a @ e as
entradas tem sido muito escas-
886.
Est firme a 600 sobre o ferro
oinascavado e a 550 o branco.
Sao ollerecidos de 125 a 150 rs.
a libra.
Tocaro neste porto dous carre-
gamentos que seguiro para
o-j portosdo sul, eexistem7000
barricas em deposito.
Carne de charque Entrao 11000 arrobas
em duas embarcares ; hOa Viu-
da do ro de Janeiro outra do
Ro Grande do Sul : o deposito
anda por 50:000 arrobas.
Farinha de trigoChejaro2IOO barricas dos
Estados-Unidos que inda nao fo-
ro vendidas.
DECLARACO'ES.
CORREIO. e
O brigue Maria Feliz de que he mestra
Antonio Luiz (jomes sae para oporlo no di
50 do corrente.
OBRAS PUBLICAS.
A repartieo das obras publicas precisa de
dois canoeiros, que sejo livres : os que
quiserem trabalhar pelo jornal de 800 res ,
(osdas uteis) apresen tem-se na dita repar-
1C o as horas do expediente para serem ad
mitdos.
Adniinistraco fiscal das obras publicas* 15
Janeiro de 1812.
Moura
Adminislrador fiscal.
CAMBIOS DE LONDRES
Em 27 de Novenibro.
pracas Tempo Pregos es- Pregos negocia"
tabelecidos dos
Amst. c. f. 5 meses 12 8 12 4 51 i 12 5
Hamb. M. B.-15 15 112 15 10 11 i 15 10 112
PRE FRITURA.
No dia 15 do corrente, nao occorreo" novi-
dade.
EDITAL.
Jos Antonio da Silva Grillo sub prefeilo
da freguezia de S. Fr. Pedro Goncalves do
Recife xc.
k PEDIDO.
Auto de vesloria.
Anuo to Nascimento de nosso Sr>nhor Je-
zus Christo de 1812 a 11 de Janeiro do di-
to auno nesta ra formo/a que lica DOT
detras da ra d'Aurora da Roa-vista desta
cidade onde foi viudo o Donlor Juiz de
Direito interino da 2. vara do civel Mano-
el Jos da Silva Neiva comigo escrivo, para
efeitod-i vesloria requerida por Francisco An-
tonio de Olivera ah comparecendo ocordea-
dor Boultrenn assim como o mestre pedrei-
ro Joo Baptista Femandes e Francisco Ser-
gio de Matos, iouvados que forao nomeados
tanto por parte do dito Olivera, como por
parte da Cmara a este passou oditominis-
tro a deferir-lhe o juramento dos Santos E-
vangelhos, emhum livro delles em que pu-
zero suas mos direitas encarregando-lhes
que bem e verdadeiramente examinassem se
as duas cazas terreas em dito lugar edifica-
das pelo suplicante Francisco Antonio deO-
liveira csto feitas em conformidade do ali-
nhamento : regularidade, e mais preceitos si-
mtricos das Pusluras Municipaes os "quaes
recehendo o dito juramento sob cargo do qnal
assim prometero cumprir, e passando lo-
dos a fazerem os neeessarios exames, que
em taes cazos Ibes he imcumbido respon-
dero e declararo, unnimemente que as ditas
casas se axavona realidade feitas de confor-
midade com o alinhamenlo, regularidade, e
mais preceitos simtricos das Pusturas Muni-
cipaes e estando prezeute o advogado Anto-
nio Joaquim de Mello procurador do suplican-
te requereo ao ministro que ouvesse por bem,
de admiltir que o mesmo cordiador, e
Iouvados examinassem e declaracem se a cor-
diaco e lcenca da Cmara para edificar que
aprczonlou neste acto aquella dada em cinco
de Maio de mil oilo centOs trinta c sote, e es-
ta cm dezacete de Abril do mesmo annocom-
prchendem ou nao a edificaco das duas ca-
zas em questo ; tendo igualmente em vista ,
a outra liecnca dada em dezeceis de maio de
mil oito centos trinta e nove e cordiago ,
de vinle cinco de Janeiro de mil oilo centos c
quarenta ambas as quacs igualmente apre-
zonlo : e sendo assim delirido pelo ministro
passaro os ditos cordiador c Iouvados a c-
xaminarem as ditas I cencas e cordiacoescon-
frontando-as com as cazas vcsluriadas. Dice-
rfio iiiianimemenee que as cordiacoes e liecn-
cas dailas pela Cmara c cordiador compre-
hendem a edificaco das cazas em quesio : e
dizendo nada mais terem a declarar ouve o
ministro a vistoria por concluida e mandn
lavrar este auto que dou f o referido em
que assignou com o di lo cordiador e Iouvados,
aCbao-se venda nos lugares |j anuunciados.
i mi iin ---------
COSMORAMA.
THEATRO PTICO PITORESCO.
Ra do Vigario D. 29, 1. andar.
Participa-se ao respeitave! publico quedo
dia 17 do corrente em diante lica franqueado
aos amadores das bellas artes um bello cosmo-
rama a onde o curiozo expectador ter o
inexplicavel prazer de poder, sem ter viajado,
eonhocer quasi perfeitainente os lugares os
mais famozos do universo de que sem isso
nao poderia ter se nao confuzas ideas histri-
cas ou topographicas.
Ser aberto todos os das das 6 as 9 horas
da imite.
O preco estipulado he de 180 reis cada pes-
soa pagos na entrada e podendo demorar-
se cada espectador na salla o tempo que Ihe for
necessario para satisfazer seus olhos do expec-
taculo encantador que Ihe ho de offerecer
dirf vistas escolhidas as quaes se rao muda-
das em difieren tes pocas.
Nomes das vistas.
Batalha naval das duas osquadrasde D. Mi-
guel e D. Pedro no cabo de S. Vicente.
Vista do passcio de Lisboa.
Vista da barreira d Passy tirada da ponte
d'Jena em Pariz.
Vista do Porto de S. Paulo e do caes dos
Orines em Pariz.
Vista do Rio Neva em S. Petcrsburco na
Russia.
Vista da cidade da Rabia no Imperio do Bra-
zil.
Vista da Ponte Sevres e dojardim de S.
Cloud.
Vista do Jazigo do Imperador^ Akbar at
secundrii na India.
Funeral de Napolio, passagem na praca
da Concordia.
Funeral de Napolio passagem na Ponto
da Concordia.
Funeral de Napolio entrando nos Inv-
lidos em 1840.
Naufragio pintado por Vernet.
Continuaco dos subscritores a beneficio
dos habitantes da Villa da Praia da Jietoria ,
na lllia Terceira.
HcnriqueJBernardes d'Oliveira. 2j
Manoel Jos deMagalhes 2j
Francisco Severino Rebello Jnior 2,
Manoel Jos Martins da Costa 2.
Luiz d'Oliveira Lima 2j
Antonio da Silva_Ferreira 2ji
Manoel Jos Carneiro 2|
Jos Domingues Maia 2ji
Victoriano xVugusto Borges 2ji
Manoel Joaquim daJCosta Jnior 1
Jacinto Elesbo 24
Manoel Goncalves Pereira 2ji
Frei Luiz 2ji
Manoel Antonio d'Azevedo 2j
Jos de Sequeira Mano 2
Joaquim Jos Franco 2>
Jos d'Azevedo d'Andrade 2ji
Manoel Ferreira Gomes 2
Joo Jos da Costa 2ji
Joaquim Soares Barboza 2*
Joaquim Ferreira de S -
A V I Z O S DIVERSOS.
Faco saber a todas as pessoas como, encar- e parle prezentesde|)ois de doj. eu Antonio
regado da polica passo lomar eonhecimonto an
1
ariz
*>." 5o 2o 70 25
7o
1
25 90
2 meses 9 53 10
5 meses 56 56 1
56 56 5
46 -
2o 90 25 72 112 2o 77 1
10 2
365
7A\ I
52 5
55 I
Brdeos.
Trieste .
Madrid ,
Cdiz. .,
Gbraltar
Genova .
Lisboa .niel. 51 51\ 52
Porto. .60 d.v. 52112 55 1|2
Dio de Jan. 27
Babia. 26
New York. 46112
Philadellia 46
FUNDOS km Loxniu s
Era. 27 de novembro.
Porluguezcs de 5 por cenlo 52 I h
5 ' |9 l h
Hespanboes . o 25 112 24
Biasilejrosl82o v .77 1 |2 58 I 2j
sobre osobjectos que sao de fraude e rou-
hos como soja leile com agua agua mal ad-
ministrada em canoas e lauques que muito
prejudicoa saude publica, assougues e todos
os mais objectos que sejo de posturas da C-
mara c Pojiciaes ; conforme a lei.
Todas as pessoas que tiverem caes os nao
devero dcixar transitar pelas ras pois es-
tou ao.Cacto do mal que causo aquem denoi-
te anda pelas ras desla cidade ; assim como
2 sevados esevadas, pass. a fazer serlo que
4 : a qualquer hora que andeni os inundarei af.ra-
4 j rar semipi soja determinada a correico e
proceguir oque manda as posturas. Recife
lo de Janeiro de 1812.
Jos Antonio da Silva Grillo ,
Sub Prefeilo
Magalhaes
escrivo
interino o escrevi.
No i vas.
Boulitreau ,
Cordiador.
Joo Baplista Femandes.
Francisco Sergio de Matos.
Prxedes do Fonceca Coutinho.
Antonio Joaquim de Mello.
Miguel Augusto de Oliveira.
20
l'HA^A 1IO (iOMMERCIO IO DK JANEIRO DE 182.
Revista Mercantil.
Cambios No principio da semana troca-
io-sc algumas somas a 29 1{2
LOTERA DO THEATRO.
Iloje 17 do corrente sao pagos os premios
ohtidos pela extraeco da 1. parte da 8 lote-
ra do theatro em o cscriplorio do respecti-
vo theziireiro na ra da eadeia velha das
dez horas da manda urna da tarde ; conti-
nuando o mesmo pagamento nos das 18 e
19 as mesmas horas deste ultimo dia cm di-
ante s quarlas c sbados de todas as sema-
nas.
Osbilheles da 2. parte da referida 8. lotera,
cujas rodas tem o seo impreterivel andamen-
to no dia 15 de Fevereiro prximo futuro .
= Francisco Jos da Costa segu viagem
para a cidade de Lisboa a tratar de seus ne-
gocios.
s^r Prcciza-so alugar urna casa terrea que
tenha commodos para urna familia e em
qualquer das ras do Bairro de St." Antonio,
nao excedendo o seu aluguel de 14, reis por
mez ; quem a tiver dirija-se a esta Typ.
o- Abrio-se no dia 5 do corrente, e con-
tinua muito bem, por terj urna boa pnr-
Co de alumnos um curso regular de The-
olojia Moral, Dogmtica, e Historia Sagrada
c Ecclesastica ; a matricula continua at o
ultimo de Fevereiro p. futuro : os pretenden-
tes dirijo-se ra de Borlas D. 56 a qualquer
hora.
S^t A abaixo asignada faz srente ao res-
peiiavel publico, que boje 17 do eorrenle
abri aula para receber os seus alumnos, e
alumnas e convida aos Snrs. Pas dfami-
milia, que do seu presumo se quizerem utili-
za r-se ditija-se ao Paleo do Carmo lado do
uasreute no 2. andar U. 4. Tobem se re-
cebe alumnos para assistencia daudo-se-llic
o sustento e o mais necessario, lobero se
recebe pelas para aprehender rozer e engo-
mar. Maria Joaquina de Jezus.
ty Como pedo-se de Cetele noticias
dobr. Tiburtino Pinto d'Almcida, e nao sa-
bendo-se a sua residencia ; porisso fe-se o
annuncio do dia 11 indagauda pelo mesmo Sr.
ILEGIVEL


^
XjT Quem precizar de algumas canoas a-1 tes commodos dirija-se a Paiva & Manoel ,'
bertas |)ura carregar alguns trastes por prego' na ra de Apolo contigua ao porto das canoas
limito commodo a saber tanto he para levar! do Recife, ou a bordo ao Capito Ignacio Xa*
daqui corno trazer de qualquer parte dirija- vier Pinheiro, defroule da Lingoela.
se a na do Hangel l). 57.
tir A pessoa que annunciou no diario de
quilfQi letra querer comprar hum pequeo si-
tio que fique perto de embarque qtiereiido
urna casa de pedra e cal no lugar do Caldereio
com 2 sallas 4 quartos, cozinlia fora, eseo
quintal em roda, e defronte do rio, por prego
c nnmodo, na ra de Manoel coco D. 4, ou no
lorie do Matto a falar com Ar.tonio Joaquim
Oliveira Baduem.
S*y Preciza-se arrendar bum sitio perto
desta praca qne tenha comodo.s para familia ,
arvoredos de fruto, Ierra para plantar; quem
tiver aiiiiuncie.
tST1 Preciza-se alugar huma preta para to-
do o servio de caza erua; quem a tiver di-
rija-se a ra velha venda D. 53.
ssr Perante o Juiz da primeira vara do
Crale se hato de arrematar os servicos de 2
africanos, aprehendidos pelo Prefeito da Com-
inarca e se acho na Cadeia desta Cidade; as
pessoasque os pretenderem dcvem aprezentar
os seus requerimentos em forma dentro de 8
dias contados da dala deste.
Z3~ A pessoa que annunciou hum cont
de reis a premio de dois por cento sobre hi-
potheca; dirija-se a ra do Livramento D. 25
segundo andar ao lado da [groja.
szr OSiir. que na vspero de festa foi em
huma venda na ra da Cruz aira/, do Corpo
Santo e eomprou hum queijo e deo ao cai-
xeiro da mesma huma sed Ola de loa rs. fal-
ca baja de hir trocar por oulra boa, e quan-
do o nao faca no pra/o de 8 dias so lhe decla-
rara o seo nome por estenso e como passa-
dor de sedulas falcas.
S^r Antonio Ramos Povoas, caixeirodo
Snr. Manoel de Azevedo Maia, por ter en-
contrado pessoa de igual nome e para evitar
engaos com as cartas no correio, de boje en-
diente chamar-se-ha Antonio de Azevedo Ra-
mos.
tj- A Senhora D. Roza que do Atierro
se mudou para o lugar do luca na estrada ve-
lha, ou alguem por sua par te se tem alguma
escrava auzente , dirija-se a ra da Gloria so-
brado D. 5 que se lhe dar noticia-.
ssr'Os Snrs. correspondentes do Rrigue
Leopoldina hajo de mandar os seus conhe-
cimentos para serem assignados no escripto-
rio da ra da Cruz n. 57 pois o navio sai
imperterivelmenle -:odia 18 do corrente.
S3T Os Snrs. Bernardo Duarte dos Reis,
e Antonio Jos de Souza, queirao declarar
por esta lolha quaes sejao suas moradias, pois
se lhes preciza fallar a negocio de seu inte-j
resse.
ZZT Aluga-se hum primeiro andar de qual-
quer caza no bairro do Recife, que tenha bas-
tantes cmodos nao duvidando pagar-se at
5oo,> rs. de aluguer por cada anno quem a
tiver annuncie.
C? Aluga-se huma morada de caza terrea
atrs da na nova de Santo Amaro em fora'de
Porlas com cmodos suficientes para grande
familia : dirijao-se a mesma ra -.rimcira ca-
za nova da quina da parte do poente indo do
sul para o norte.
tir Quem quizer 4oo,y rs. a juros de 2
por cento ao mez com pinhores de ouro
ou prata ou boas firmas; dirijo-se a ra da
Praia defronte do sobrado que foi do Marro-
quim.
L E I L O E N S.
SS^" James Crabtree & Companhia conti-
nuarn o seu leiao de fazendas lnglezas bem
surtidas, e proprias deste mercado, Segun-
da filtra 17 do corrente as 1o horas da ma-
nila em ponto no seu armazem da ra da
Cruz.
ty Que faz Antonio Luiz Gomes por
conta de quem perlencer, Segunda feira 17 do
corrente, no largo da Alfandega de 4 pipas
e 7 meias ditas com vinagre no estado em se
acharen).
COMPRAS
tt Hnm selim Inglez em bom uzo, com
arreios ou sem elles : annuncie.
X2T Huma escrava mulata ou preta de
idade de 16 a 18 anuos, que saina cuzer e
engommar com toda prefeico, e que seja sa-
dia e sem vicio algum ; (juem a tiver diri-
ja-se ao AtteiTO da Boa-vista D. 14 ou an-
nuncie.
tsj- Tres mil fijlos de tapamonto: na ra
do Amorim n. 9.
ey Tijolos para 2cassimhas de deis pal-
mos, sendo de bom barro, e estande prompto:
na ra direita padaria do Machado ou an-
nuncie.
337- Um at 2 cavados quer os tiver di-
rija-so a esta Typ. que se dir qnemos quer.
VENDAS.
AVISOS MARTIMOS.
E3" Para o Rio df. Janeiro o Bergantim
Nacional Eugenia Capito Manoel Antonio
de Souza Guerra a sahir com toda brevidade
por ter parte de seu carregamento prompto :
para o resto de carga e escravos a frete a
tratarse rom Joaquim Batista Moreira, em seu na ra da Gloria D. 42, e na mesma loja
s?" As Reformas do Cdigo do Processo
Criminal, com a Sanego Imperial nilida
impresso em papel superior, e cuidadosa-
mente.corrccta : na Praga da Independencia
n. 57 ,e 58 : preco 2(K) reis.
\s~ Folhinhas de porta ditas de algibei-
ra com variedades ditas de dita com alma-
nak mui correcto dita Ecclesiastica ou de
Padre ; todas por preco mais commodo que
em outra qualquer parle impressas em bom
papel e lindo typo : na praca da Indepen-
dencia loja de livros n. 57 e 58 na ra do
Cabug loja do Sr. Bandcira na venda da
quina defronte da Igreja da Madre de Dos ,
na ra da cadeia loja de ferragens do Sr. Mo-
raes e que ja foi do Sr. Quaresma defronte
da Matriz da boa vista na botica do Snr: Mo-
reira e em Olinda na ruad o Amparo boti-
ca do Sr. Rapozo.
S2?' Excedente methodo geral para violo,
com principios de muzica escala arpejos ,
e pretudios para todos os tons que ensino
a acompanhar o canto : seguido de diversas
Arias Valsas Marchas, contradanzas e Ca-
vatinas extrahido de diversos methodos os
mais acreditados, por Manoel Nunes igedo:
na Praca da Independencia loja de livros
n. 57 e58.
s^~ Meias barricas de farinha de trigo su-
perior e nova : no armazem de Joaquim de
Souza Pinto no Recife, e na ra Direita pa-
daria do Machado.
ssr Urna duziade cadeiras e urna mar-
qneza de pao d'olio com muito pouco uzo ,
por prego cmodo : nesta Typ. se dir quem
vende.
VIW 4 toalhas de bretanha de linho muito
finas abertas todas de lavarintos de muito
bom gosto e outra dita de lardado ; na ra
da Senzalla velha n. 41 no segundo andar.
SS~ Para fora da Provincia um escravo
crelo de boa figura de idade de 5o annos :
a fallar com o 2." Commandante Geral, no
Quartel de Polica ou em sua casa na ra do
Fagundes.
szy A loja-do Atierro da Boa-vista D. lo
com a pouca fazenda que tem e armago ;
S23- Sacas eom feijio mulatinho por pre
co commodo : no pateo do hospital do Paraso
venda D. 21
S2y- Bolaxa a 2ji rs. a arroba : no Atierro
da Boa vista padaria de Francisco Gonsalves
Reg D. 5o.
xsar Bichas granpes a 2io rs. responde-se
pelas que nao pegarem e tambem se alugo;
na ra do Cabug n. 4.
tsy Um escrava com urna cria desmama-
da na ra da Gloria da boa-vista segunda
porta com rotula passando a outra grande da
Fabrica do Gervazio.
C5" Urna negra de nago Angolla idade
pouco mais ou menos de 28 annos: muito
boa para servigo de campo lava ensaboa ,
e tambem tem principio de cozinha na ven-
da da quina do Pateo de S. Pedro sobrado de
hum andar.
sr?" Pregos ripaes e reos novos de cas-
tanho em rodas ; no Recife ra do Amorim
armazem n. 118 de Joo Ignacio de Medeiros
Reg.
%Sf Um cavado castnnho bom carregador ,
na ra das Cruzes D. 16 das duas as qualro
horas da tarde.
sT Urna escrava de nago de bonita fi-
gura de idade de 26 annos engomma liso,
faz llores cozinha e lava bem de varrella, ou
troca-sepor outra de idade de llannos. na ra
Direita D. 2o lado do Livramento.
crUma escrava de bonita figura com 2o
annos de idade boa quitandeira., e lavadei-
ra de varrela e sabo, sem vicios, nem acha-
que -, na ra do Padre Floriano na venda da
quina que volta para os acongnir.hos.
XST l'ma venda no Porto das canoas n. 5
com poucos fundos ; dirija-se a mesma que
achara com quem tratar.1
C7" Um cavallo assa bom carregador hai-
xo, bonita figura bastante gordo mui
proprio para carro e por preco cmodo , na
ra da Cadeia velha D. 8.
l^' Urna escrava moca reforsada sabendo
ESCRAVOS FGIDOS
vende-se fazenda por barato prego para Iiqui-
dago de contas.
S*^" Por precizo e preco cmodo hum es-
ter metade de seu carregamento! cravo na ra da praia sobrado de 5 andares
o bem conhecido Brrgue Porluguez ] e soto defronte da senaria.
escriptorio ra de Apollo e para passagerros
com o Capito a bordo.
Para o Porto sahiral o fim do corrente
mez por
a bordo
Mara Feliz, Capitxi Antonio Luiz Gomes:
quem no mesmo quiser carregar, ou ir de
*$ passagem entenda-se com o Capito na
praca, ou com seu Consignatario Antonio
Joaquini de Souza Ribeiro na ra da Cadeia
do Reeife.
Para o Maranhao at o fim do presente mez
Saldr o bem conhecido Brigue Escuna Lau-
ra pregado e forrado de cobre tem gran-
de parte de seu carregamento engajado ; pa-
ra carga c passageiros trata-se com n Capito,
ou com Firmmo Jos Felisda Rosay na ra
da MoedaN. 141.
Para o Rio de Janeiro com toda brevidade
o Patacho Nacional Valente ; quem no mes-
uro quiser carregar ou ir de passagem por fre-
sar ioo varas de pao de algodo da trra
a 2oo rs. cada vara 5 na Pracinha do livra-
mento n. 29.
jgjt lim paliteiro de bom gosto obra nova
por prego cmodo na ra direita loja de fa-
zendas D. 41.
ssj" Sebolas a 12o rs. a resta de vintee
cinco no armazem de couros da ra do azei-
te de peixe do Recife defronte da Igreja da
Madre de Dos.
XZTCarne salgada da rm'lhor qualidade que
ha e recentemente chegada de Inglaterra,
sendo embarricada e muito propria para
embarcago \ na na da Cadeia velha n. 18.
Cf Farinha de mandioca em barris ; na
ra da Aurora n. ').
perfeitamente cozinhar e engommar fa-
zer algumas qualidades de dosse vende-se
por nao querer servir a sua Senhora hum
moleque de 12 a 14 annos, muito bonito ,
huma negrinha e huma molatinha de 12 a 15
annos hnm preto moco bonita figura ,
perfeito carreiro, e muito trabalhador de ma-
chado e fosse *, na ra do Fogo ao p do Ro-
za rio D. 25.
ss?" Farelo a 5000 a saca de 5 arrobas ,
ou 2.)800 sem o saco para engordar cva-
los, os compradores acharaeste farelo mui-
to melhor do que aquello que vem de fora,
|K)is lie fresco e novo, e tambem da mais sus-
tento ao cavallo : na fabrica de farinha do
atterro da Boa vista.
s^- Cera para limas a 800 rs. urna es-
crava de 12a 14 annos: na ra do Rangel
D. 7 *, na mesma casa precisa-se de urna ama
para o servigo de casa de um homem solteiro.
ssr" Urna molatinha recolhida de idade 18
annos bonita figura sem vicio nem acha-
que, sabendo cozer, engommar com perfeicao,
urna escrava de nagu, recolhida, engomma,
cozinha lava com todo o aceio outra que
faz todo o servigo de huma caza ; quatro di-
tas por cmodo prego hum bom escravo ,
hum mulato carpina e quatro escravos pro-
prios para qualquer servigo sao de nagao ,
na ra de Aguas verdes D. 58.
tsr Potassa da Russia de superior qua-
lidade em barris grandes e pequeos a dir
nheiro e a praso com boas firmas : em casa
de Joo Rufino da Silva Ramos ra do Hos-
picio sobrado de um andar defroule do Coro-
nel Brito Inglez.
S2J" Garrafas d'espirito de alfazemr, pro-
prio para limas de cheiro ditas de rap ro-
lao Hamburguez, amenduas coberlas, e con-
feitos de diversas qualidades,. medidas nume-
radas c ilhozcs proprio para alfaiates ; na
ra da Cadeia do Becfe n. 7.
XZT 500 e tantas barricas vasias parte
promptas para assucar e parte com algum
defeito por prego commodo e com algum
praso : no armazem de vender po e bolaxa ,
junto ao arco de S. Antonio.
sF" Farinha de trigo em barricas, e meias
barricas, da bem conhecida marca Gallego
em caza de Henrique Forster e Companhia ,
ra do Trapiche novo n. 17.
S2^" Sement de nabos salga xicoria ,
senoira alface coentro e muslarda tudo
chegado ltimamente de Lislioa : no Atterro
da Boa vista venda por baixo do sobrado do
Sr. Francisco Jos da Costa D. 56.
C** Junco para empalhar cadeiras che-
gado ltimamente do Rio de Janeiro : na ra
da Cadeia nova D. 4.
tj- Urna porgo de chapeos de palha para
pretos a 80 rs. cada um: na travessa do Ro-
aario-D. 12.
zu- No dia 15 do corrente, fugio da fabrica
deJ. B. N'avarre, no Apipucos, um negro de
nago angolla ladino por nome Joo re-
presenta ter 2o a 22 anuos estatura baixa ,
ps pequeos, sem barba seco do corpo, lo-
vou carniza e si rola de algodo da trra e
huma trocha com caiga, jaqueta chapeo de
cabello, roga-se aos Snrs. eommaiidantes do
registo e capito de campo de o aprehender,
desconia-se ter sido seduzido para sabir fora
da Provincia. t
5j- No dia 15 do corrente pelas o horas
da manha fugio huma escrava por nome
Luiza baixa grossa do corpo cor fula ,
ja pinta cara liza falla atravessada den-
tes abertos quem a pegar dirija-se a Solida-
de junto a caza do Snr. Vieira cambista, em
caza do Francez Bulhe que ser recompen-
sado.
S27" Desapareceo no dia 2 de Oulubro p. p.
um preto de nome Manoel, de nago Congo ,
de idade de 2o annos estatura regular de
bonita figura gordo rosto redondo olhos
abugalhados ps pequeos e no direito o
dedo polegar he redondo procedido de um
penadigo ; levou veslido camisa de algodo
Irangado caigas de estopa das libas e bonet
inglez. Jorge, de nago Angola de idade
de 22 annos baixo rosto redondo olhos
grandes urna marca bordada em cada um
dos bragos e he bastante regrista auzen-
tou-se no dia 26 de Nuvcmbro p. p. ; levou
tambem camisa de algodo trangado e cal-
gas de estopa arremendadas e sujas ; julga-
se andar na malla do Pogo em S. Lourengo da
inatta por assim o afirmar um seu compa-
nheiro de fuga que a dias foi ali agarrado :
quem os apprehender leve-os a casa da qui-
na defronte do Trapiche Novo que ser re-
compensado.
= No dia lo do corrente hum moleque
crilo de idade de 16 annos, por nome Tir-
go corpo seco altura regular official de
j.edreiro e faz todo o servigo com a mo es-
querda lem a india do dedo maior da mo
direita arrancada de pouco os aprehende-
dores podem leval-o a loja de Manoel Gomes
Viegas, ra do Crespo D. 8. que ser re-
compensado.
xzf Na tarde do dia 5 do corrente, fugio
urna preta de nome Joaquina com os signa-
es segundes : lem bastantes cabellos bran-
cos nariz chato algum tanto acangulada ,
lem por baixo do queixo da parte esquerda
urna cicatriz ja s de um tumor do tamanho
de urna polegada tem os peilos batidos al-
tura regular : roga-se a pessoa que a appre-
hender de dirigir-se a ra dos Martirios so-
brado junto a torre primeiro andar que
ser gratificado.
MOV I MENT DO PORTO
CONTINLACAO' DAS SAHIDAS DO DIA 14.
Boston ; Patacho Americano Lucy Capm.
S. Jowel carga assucar.
Iweste ; Polaca Austrica, Uladislavo Capm.
Christovo Dabcorech earga assucar.
Macei Escuna lngleza Anne Caprn. E.
Seagu carga lastro de assucar.
ENTRADOS NO DIA 14
Philadelpbia , 48 dias Barca Americana
Hape de 216 tonel. Capm. E. Pshort,
equip. II carga farinha de trigo cha ,
e &c. a Malheus Austin & Comp.
Porto; 51 dias, Barca Portugneza Bella
Pernambucana de 457 tonel. Capm. Ma-
noel Francisco Bamalho equip. 28 car-
ga vinho, ferragens e &c. passageiros 77,
a Thomaz de Aquino Fonceca.
Lisboa; 52 dias, Brigue Portuguez Feliz
Destino de 254 tonel. Capm. Joze Fran-
cisco Lessa equp. 19 carga vinho, vi-
nagre e. mais gneros a Francisco Se-
veriano Babello.
J
SAHIDOS NO DIA 15.
Ass 5 Patacho Brazileiro Laurentina, Capm-
Antonio Germano das Neves carga diver-
sos gneros.
ENTRADOS NO DIA 15.
Falmouth Ilhas da Madira e Canarias,
5o dias Paquete Inglez Magnet, Com-
mandante G re fliths ao Cnsul Inglez.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. 1 8