Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04391


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de .SI*. Quinta Feiia 12 de
Turto jora depende de nos mesmos ; dn nossa prudenria, moderaciio, eener?ia: con-
l iiliemos couio piincipiamos, e seremos apuntados com aiimiraco entre as Kacies mais
, U||M. (Proclamaco da Assemblea Geral do Brasil.)
PARTIDAS DOS COR REOS TERRESTRES.
Goianria, Familia, e Kio grande do Norte, na segunda e sexta feira.
Itmiitii e Garanhun*. a 10 c 24.
Cabo, Serinhiwm, Rio tormoi, Porto Calvo, Mar-eo, e Alasoas no 1 14, e 21.
Fajad 13. >atiti> Anlao, quinta fera, Olinda todos os dias.
das da semana.
1N Se*, s. Panln-1. Ermita. Chlnch All), do Juix rjc Direi'o da 2. rara
II Tero., llvsinu. Aiil. d juizile Direito da l.varu.
42 linar!, a. Saliro Aud. do juu de rlirrilo 15 Ouint. Hilarlo, Aud. do ni' di direito da 2. vara.
11 Setal. '. Fall. And, d.. Jan de Direito rl.i 1. rara.
l sati. a. Amaron. Hel. And. do Juii de Direito da 3. rara.
K l)om. O si. i\ome de Jeins.
aneiro. Anuo XVIII. N.8.
fiiiHiiiir.-nrTUl
fL. O Diario puMica-5r todos os dias riiir n.'io forem Sntir>aiW o prern da as.ii^natiin \< _
'^ delresmil leis por nuartel pasos adiantados. Oa annuncios dos aasi'an tes s.io ilu-ndo
gratis, eos dos que o n.'io forem ii ratita de SU reis por linha. As ictWaW.t>a etreas sel
ilirieidaa a i-ata Troograa ra das CtaeS D. 3, ou prtfa da Independencia lujas dt litros
CARJBIOS k da II de Janeiro.
Csmbio sobre Londres 2!) d. p, 1U.
n Paria 320 res p. finnco.
i) Lisboa .Ni) a S.5 p. 100 de pr.
Omo-iMoedade/lOO \ 4,400 a 1'i.tiOU
,, N. 14.200a 14,100
v .. de 4,000 8.90 a.8,300
Pr. An PsticCes 1,030a 1,070
I.MjOa i.r.70
lino ii. o
1,140 a 1.40U
PhTa Peos < (illimnntes
Menanos
o mutila
Moeda da enhia 3 por 100 de disranto.
Disronlu de hilli. dn AlfaiolcRi I < j por IM
no nier.
dem do letras do-boas lirnias 1 e
al e {.
P reamar
1. as ;;
2. as ii
da ttia 12 de Taneiro.
horas a 1S ,. da tarde,
lloras e 42 01, dn nianhX,
PH4SES oa l.t'A NO MF.'A CE JAsfelRt).
Oiisrt, min^. a 3 -- s 7 is e 9 ni. il%J*rdr,
l.ii Nora a 11 -- I ora e i'i m. da larda.
Quart. riese, a 10 ii (i orna e1l m. da tarde.
30
PARTE '** FICIAL. <*ue P?e Prestar agnafdfdehopra, pedida
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE 0 DA 10 DO CRREME.
OilicioAo comandante das armas, re-
metlendo-lhe copia dn proviso do consollio
supremo militar de 10 de novenibro do an-
uo prximo passado, sobre a mam-ira de ap-
plicar-se a resolligao de 7 de agoste} de 1837
as pracas de piel, (ue por seos crmos civis
t'oreril condenados penas temporarias.
Dito-Ao inspector da Ihesnuraria das ren-
das provinciaes remctterid-lhe a liliaciiodo
corneta Antonio Estcvao engajado desde 19
de novombro do auno prximo passado na
segunda companiia do secundo batalho da
guarda nacional deste municipio, lim de
mandar abrir compettentc assenlatrientd de
praca.
Dito Ao Cuiiuii.'.d.ite superior da guar-
da nacional do Recife, communicando-lhe o
contemlo no precedente oilicio
Dito- Ao inspector da thesourria. da fa-
zenda, ordedenand-lhe, que laca eleclivo o
pagamento da1 preslco diaria de qitarenta
e cinco reis deixda pelo soldado Victorino dos
Santos asna madrinha Anua I.ui/a Ferreira,
acontar de 21 dsetembro do anno prximo
passado.
Pito Ao commandante das armas, com-
municaudo-lhe expedigo da ordem su-
pra.
Dilo Ao director secretario do monte pi
peral dos servidores do estado parlecipand-
me ter ordenado ao inspector da thesourria
da la/.enda que abra o assenta monto com-
pettente docohtribuinte, coronel Joaquim
.lose Luiz de ScillZa ; e proceda ao descont
de suas qdotisac;0es.
Dito Ao juiz de direito interino (ase-
gunda vara do clvel para por soldada na
conlbrinidade da le contratando com algum
mestre de msica de reconhecida probidade,
os educandos do collegio dos orlaos constan-
tes da relaeao que se envia e que lhe
serao rcmeltidos pelo respectivo director.
Dito Ao inspector da thesourria da fa-
zenda, ordenaudo-lhe, que do l.de dezeiri-
bro ultimo em diante faga cessar o pagamento
de qual(|Uorgrtificago addicional, que por
ventura possa pflgar-se a algum oflicial mi-
litar que nao esteja em servico ellectivo do ex-
ercito ; e igualmento todo e qialquer ven-
cimento, que alem do sold posso perceber,
alpiins militares que vengao ordenado oi
gratilicag marcada em lei: e exigindo a
conta dadespesa que houver de cessar em
virtude desta determinagao.
Dito Ao mesmo, communicando-lhe, ter
S. M. o Imperador determinado que dopri-
meir de dezembro ultimo em diante se abo-
ne'a familia do capifao commandante interi-
no do terciro hatalhao de aitilberia a pe, A-
iaclcto Lopes de Santa-Auna, a quantia men-
sal de cincoenta mil reis, correspondente ao
. respectivo sido segundo a tabella que
acompanliao-dcreo nmero 260 do i." do
supracitado mez.
Dito Ao com mandan le das armas sobre
o" objecto deque s*e trata rio oilicio supra.
Dito Ao" iispetor da thesoUraria da fa-
zenda, ordenando-ll, que mande pagar aos
procuradores do coronel Joaquim Jos Luiz
de Sou/.a as vantagens, a que emdirelto pela
coi.'uuisso de que se aclia enea negado pelo
gQver.no imperial, c remettendo-lhe a guia do
inesnio oftleial.
Dito-Ao director do collegio dos orfos,
iuctorisand-o para admillir no mesmo col-
legio o menor de nome Francisco, fillio de
Francisca Iza bel Qfzrra.
Dito Ao coronel chefe da legifio da guar-
da nacional de Santo Anto, dizendo-lhe em
resposta ao seu oficio do quatro db corrate.
presen lava.
pelo juiz da testa d orago da freguesi da- laveudo-se creado nesta provincia d'or-
(piella comai-ra. dei dogovern jmperiat, urna repartigaofl-
Dito Ao inspector do arsenal de niarinha, cal do ministerio da guerra relativa as dispe-
disendo-Ihe que pode cdntractr o forneci-lsas militares, da qual commissario e clie-
nientd dos gneros, constantes da re icao .
que aeompanliou oseo oilicio de 7 do corren-
te pelos precos nella mencionados.
fe o coronel reformado Jos de Bfito Iftglez;
assiiii o coininuiiico a V. S. para seo conlie-
| ciment-, ordenando-lhe de oonforminade
com 0 artigo 7. das instrucgoes reguamenta-
resdetal reparticao publicadas lioje em or-
dem do dia que todos os papis de contabl-
lidade pertencentes a fortaleza do seo com-
uiaiiilo. e no destacamento da mesma com
excepeto dos recibos dos ofileiaes. devem ser
remellitioseni duplcala no principio de Caita
Biez, eiiliMilcndo-sea disposiciio cima com
OS que disein resppilo ao mez de de/einbro ul-
limo, advertndo que liavendo o cemissario
sal de lser suas verbas a margem dos di-
tos papis deve no,ttulo delies deixar um
espago em branc para esse fin.- Devo tam-
beui scientilicar-lhe que o mesmo commis-
sario, c pelo artigo 0 das inslruccoes autlio-
risado a Gscalisar os precos dos maleriaes das
obras militares, que se lizerem as fortalesas
e Hu ros pontos exigindo que os mestres ta-
cto comparecer nasua presenca todos os o-
perarios.
Dos guardea V. S. Qnartel do com man-
do das armas de Peraanibuco S de Janeiro d
1842- Antenjo Pedro de S Brrelo Illm.
Sffl'. Anlnnio domes Leal, commandante da
forlale/a do Rrum.
No mesmo sentido edala se o Ilicin aos
deinais commandantes de fortalesas e pre-
feitOS de comarcas, onde existem destaca-
mentos da guarda nacional.
Dito Ao prel'eito da comarca da Rio
Formoso, devolvendo-lhe os papis de con-
tabilidade do destacamento, pertencentes ao
raer, de dezembro ultimo, aim de.serem re-
formados no sentido da circular que juntse
lhe remetia.
Na mesma contormidadeseolliciou ao pre-
feitoda comarca do Bonito. devo|vcndo os
papis decontabilidadedo destacamento re-
lativos ao mez de dezembro.
Portara* Ao tenente coronel comman-
danle dodeposilo, mandando admillir com
praca naqiralidade de primeiro cadete, a
'oao Carlos Cavaleante de Albuquerque
COM MANDO DAS AR MAS.
EXPEDIENTE 1)0 DIA 7 DO C0UREN.T&.
OlRcioAo Exm. presidente, signiQcando-
Ihe que em resposta ao seo oilicio de 2i de
dezembro ultimo, que na provincia nflo ex-
ista nenbiim capello de corpo dispon i vel .
quepodesse.destacarpara a fhade Fernando
deNoronha.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., commu-
nicndo-llie. que tendo-se vendido a canoa
velha pertericeote a forta lesa de Itamarac,
pela quantia de lOyreis, c bavendo-se ties-
ta importancia deduzido de iv^i-O, do con-
cert da oriva, canoa do barril e jarras qe
madeira que ali se achavadarruinadas, reS-
tavo o,760 reis, que lhe enviava para que
tivesse a bondade de mandar recdlher the-
sourria.
Dito- Ao tenente coronel commandante do
deposito mandando rehaixar nara soldado
o cabo Manoel Gomos Teixeira,' e punil-o,
com priso ecarregamenlo d'armas por*
se haver provado no conselho de invesliga-
cca que se procedeo a parte que contra
elle, foi dada.
Dito Ao commandante da fortalesa do
Brum, ordenando-lhe que fzesse rehaixar
para soldado, tirando-lhes as divisas em
frente do,destacamento, o cabo de artilheria
Manoel Antonio do Espirito Santo, conser-
vando-o preso por espaco de quatro dias. du-
rante os quaesdeveria estar por duas horas
carregado com oito armas na guarda doqnar-
tel.
Dito Ao capitao commandante interino da
companhia de artfices., communicando-lhe o
exposto no antecedente oilicio.
Dito Ao Exm,.. commandante das armas
da provincia do Maranho, acusando o rece-
biinento do seo oilicio de 11 de dezembro ul-
timo, esignilicaudo-lhe qiejulgando ser contando-se-lhe. a antiguidade de sua primei-
da competencia do governo imperial, a pas- ra praca de 16 de setembro de 18o), a Ode
sagem de pracas de urnas para outras pro- oulubro do anno passado, e desta data em
vncas, nao podia mandar excluir desta diante tildo de conformidade com a resolu-
guarnigo e passa'r guia ao primeiro cade- cuo de 9 de dezembro de 182o, mandada ex-
'te do terciro batalho' de artilheria Domin- cutar pela imperial provisao de 7 de dezem-
bro 1 &">.').
Dita- Ao mesmo mandando contar a an-
ticuidade do soldado Jos Ermenegdo Leal
Fereira do I. de Janeiro de 1856, a "1 de
Irapixe da Companhia por inexaclido das
taras; em cojo dia se lindao os pra/ns mar-
cados no regulainenlo. sendo a arreuialagao
livre de despesas a> arrematante.
E para que bogue a noticia a quem con-
vier iiaulei alixar o presente edilal na tor-
ta tiesta admiuistrgao, e publicar pela im-
prensa.
Meza do consulado de Pemambuco 8 de
Janeiro de 18-Vi.
Miguel Arbhanjo Moriteiro de Andrade.
ARSENAL 1)F. GlUliRV.
O arsenal de guerra precisa de dous sur-
radorea, que sejao bqmens livres ganhandq
o jornal de mil dusefltos e oitenta rea, quem
quiscr compareea na direcloria do mesmo ar-
senal das! toras em (liante.
Arsenal de guerra 10 de Janeiro ISi'2
Vri^a 'essoa.
Director
p r. E i" r i T i a .
Faite do dia II do enrente.
llin. e Exm. Sur. =0 sub-prefei Lo de <*
linda reinelto-nii honlein o corpo de delic-
io, a que inand.'.ra proceder contra Jos Pe-
dro de Moraes, e seo irmao l.uiz de tal pelos
le imenlos por elles l'citos em .lose Gome*
do Naseimeiito na tarde do dia 27 de de/cn;-
bro proxhria psjssadd e no lugar do Rio
Doce; eujo corpo de delicio rhielti aojiso
criminal.
Fi boje preso no lugar do stlmio, entre o
Briini e o Buraco por una escolla de polica o
criulo Aleixo Ferreira, cosinheiro do Ihi-
gue Leopoldina por lhe ser apprehendido
um puihal, de (luc se procedeo nos termos da
lei. .
Das partes boje recebidas consta que bou
tein nao occorreo n.-vidade.
gos Jos Marlins, que pela presidencia da-
quelf provincia fora a i de novembro do
anno passado nomead alferes para a tercei-
ra companhia do batalho provisorio de caga-
doresde linha ali organisado. esperando que julho de 1838, e do I. de dezembro do mes-
compartindo a mesma opinio, solicitara [^qo anno em diante de conformidade coma
do governo de S. M. o. o competente aviso
pata excluso do referido cadete. .
Dito Ao prefeto da comarca do Recife,
dsendo-lhe em resposla ao seu oilicio de _5,
que lhe fprAo apresentados os remitas Jos
Filippe-, Manoel Francisco JoSo J'ose. Jo-
lohoms, e Joaquim Jos; que aos dows
prmeiros tinba mandado assentar praga ins-
peccionar o quinto por lhe parecer que nao
go'sava saude, por eni liberdade o terciro por
ter sido ja escso do servigo' em conseqiiencia
de isempeoes fundadas em lei ,. que ainda
subsista e em custodia o quarto por alegar
ser lilbo depaes decrpitos, e er a seo caigo
quatro irmssolteiras. j
DEM DO DIA 8. V
Officio AoExm. presidente, rogando-Ihc'
a expetlieeo de suas ordens, para que fosse
recebido no vapor viudo do Norte e trans-
portado para a Babia, o primeiro cadete da-
quella guarnicao Lniz Jos Ribeiro Sanche,
conforme elle pedia no requeriiueuio que a-
ino
resoUioflode !> de dezembro de 182". 8 pro-
visao imperial de 7 de dezembro de 18o'>.
TlUBINALDARKi.ACAO.
Sessso de 11 do corren le.
Os embargos de Antonio Ribeiro de Mou-
ra contra o reverendo Yigario Joaquim Jo-
s Dpmligues .la Silva na apjlac0 civeL
da comarca d;:s Alagoas escrivao Ferreira
forao despresados, niandando-se CUinprfr o ac-
cordo embargado.
WEZA DO CONSULADO. r> ,
Migutd A'rchanjo Monteiro de Andrade, Cn-
valieiroda Ordem deChrislo, e adminis-
trador dn M'/a do Consulado de l'ei nam-
bnco por S. M. I. eC.
Faz saberque no dia i do corrcnle se ha-
de arrematar na porta da mesma administra-
cao huma caixa de assucar branco numer I,
aprehendida pelos icspeclivoa eiUp8Udo
O abaixo assignado 1. escrip'.urario da Me-
za dade em virtude da portara do Senhor escri-
vao, e administrador da mesma Meza datada
de o docorrente faz publico a quem convier
que no dia 12 do corrcnle mez dai principio
atylanamento da dcima dos predios urbanos
do barfo de Santo Antonio desta cidade se-
gundo o lancamento pelos predios das ras a-
baixo declaradas a saber : ra da Cadeia do
Collegio', do Crespo, das Cruzos do Quei-
mado doCabUff, Nova, do So| das Trin-
xeiras das l.aranireiras do Rozario beco
do Peime Frito da Pot ra dos Quarteis,
pateo do Hospital b.-co do Ouvidor ruada
Ordem T. de S. Francisco, da Florentina ,
beco da Florentina, ra da Boda, caes do
Machado beco do Hospital ruado Lalabou-
ce, beco confronte ao Hospital Tapado',
largo da Matriz ra do Qarfel beco do
Quarfel de Sanio Amaro do- Callaboiice ,
porto dos '.aitoeiios, ra das Flores da Faz,
Lambo do Como .1, 2,, 3, e becos (hi
Camboa frente do CarmO lados direito o
esquerdo do Cuino beco do Sarapatel da
Bomba do Fos;o do Padre, ra do Livra-
ni, uto da Penba, Dircit, beco de S; Pedro*,
largo de S. Pedro, ru da Vi:aco beco dos
Pecados, ra de Ai:uas-Verdes, de Hortas, dos
Martirios, beco dos Martirios, ra Augusta, de
Suata TherwrJ, do Padre Lobato da Palma ,
da Loneor.lfa, do Pocinlio, praia do Pocinho ,
ra do Caldereiro. do Alecrim praia do Cal-
de reiro. becado Caldereiro, ra das8 ponas,
atraz das .'i Ponas, beco do Maiisco ruado
Adique, do Bangel, beco do Carcereiro, cori-
fron te u> Carcereiro. doVirgino, |>raia do Rau-
gel, aral da lVnha, muro da Penba. beco do
Inferno, roa da Calcada, rua do Padre Flflri-
anno. beco da Carvalha.rua dos Lupiaes, Dalr-
ros BaxoS ra dos Assoguinbos, beco do-
Loubalo. rua doNogueia. do Nixo do l.ivi;a-
nienlo, do Fugundes, de S. Rita, praia do Fa-
k-cu do Laica rut'd S. !v, ira-,
glUIMVO,
\AF\ HnR FVFMPI AR FN^ONTRADO



1i
vessa de S. Jos, ariai do lurte das 5 ponas ijiciio mas amargo da vida humana e os oO-COrrente por causa da chuva, avisado fui para
becodo arial, lado do forte; Cortumo, beco me ns srst Mices porque nao so sabeiu o dia 9 se-nao chuvesse mas como chuvesse
antes do Aterro, porta d'Agoa. Aterro o A- ooarctar ao momento presente. Elles se an^ bastante por a.lalogia conclu uo haver, ex
porta d'Ag
fogados, Cabanga, praca da Independencia, e 'tecipao as suas penas 5 eos seus suspiros ; 1
do Mercado. F pura constar fiz este cin que
me assigno.
KociJ'e 11 de Janeiro de I8W.
Joo Ignacio do Reg.
) abaixo assignado 1. oscrplurario da Meza
de Rendas Internas Provinoiaes d'esta cidade
ni virtude da portada do Senhor escrivoe
administrador da dita Mesa; pelo pVezente. faz
publico quem convier que no dia 12 do cor-
rente dar principio ao laucamente da dci-
ma dos predios urbanos do botero da Boa-vista
.d'esta cidade seguindo o lancamento pelos pre-
dios das ras abaixo declaradas, saber : ras
do Atierro, da Praca, da Conceic.ao, do Ara-
gao, atrazda Matriz, do Tanibi, da Gloria,
Velba, Frente da Sauta Cruz, ra da Santa
Cruz.de S. Gonzalo, do Jasmim, do Prazer ,
atraz de S. Concalo, do Hoza rio atraz do As-
sogue, do Pires, d'Aurora, da Yracao, beco*
do Atierro, ra atraz do Atierro, do Hospicio,
d'Alegria, beco da Gloria, ra da campia ,
beco das Barreiras, beco do Veras, do Quiab,
de Joao Francisco, do Sebo, Trompe para o
Monde
Rombal
travessa
Estancia, Mondego a ponte do Mauguinho.
vo procurar no futuro as suas desgranas co-
mo se a presente nao foru bastante para as suas
iii(|uiela;os. Fingem-se quimeras para se
fazerem o mal a si mesmos como se llies fal-
lassem afflices verdadeiras. Nao tem mais
luzes do que os oulros se nao para se i'dea-
rem mais inquetaces. Nao olhe para mais
longe, se nao para melbor verem a su* des-
grana. Nao sao mais sabios se nao para vi-
verem mais inquietos e mas tmidos. N'Ao
sao mais providentes se nao para seren me-
nos tranquillos e de peior condicao do que
os imprudentes e os insensatos.
Tudo passa tudodeiapparece, e tudo foge
aes nossos olhos : bum novo mundo'se levan-
ta insensivelmente sobre os despojos d'aquel-
le que nos vimos qnando aqu entramos.
Huma nova corte torna a apparecer no mesmo
lugar d'aquella (ru os nossos primeiros anuos
viro : novas personagens sobeni para o lliea-
pois o motivo por que bouve essa falta ines-
perada como ja fiz ver a mesma seictade e
tambem que estou prompto para toda, c qual
uer recita que bouver, e do meu prestimo se
quizeTin utilizar.
Inocencio da Cruz
----------------f f;"^TJ rr~ -
Cordeiro.
L"M LADRA MESTRE.
Huma tarde ( be hmn viajante que conta,,
n'uma folha de Londres esta aventura a-
contecida na India) eslava o meo criado na
minha linda com o meo cava I lo quando en-
trou luiin eslrangeiro e lhe disse : Amigo ,
toma sentido noten cavado porque tenbo
teuco de t'o roubar esta noite. Ditas estas
palavras retirou-se couza de una vinte passs
para traz e agachou-se mesmo defronte do
criado que eslava estupefacto com tanta p'u-
ca vergonba, acom pan hada de tanta simpli-
cidades Foi-se fasendo escuro e o errado,
collocado chante do cavallo nao tira va oso-
tro scenas tambem novas ocenpto lodosos IhOS do ladrao que eslava sempre defronte
das o Universo. os nos adiamos quase sos. dello como um estafermoe sem fascr o rnini-
e estranhos no meio do mondo e ntreos1 ">o movimento. De
e seremos breves para nao abuzar da parien-
enria dos nossos leilores A successao in stir-
pes e re'Jicula porcentagem que se agar-
rn o Tesiamenieiro Azevdo para collorar a
iccuzaco justissma de que s elle, e elles
foi o ulhr do falso Testamento de seo To .
fico bera compensados rom o dinheiro que
exista dentro de huma malla de pregara e
que se levou a cabeca de certo preto para
huma taza que dito Teslamenie.ro betn abe ,
e que nisto seguu a risea o Axioma de Di-
reito He melhor a condicao do que possue
Venho os toiiliilios de res para a algibeira ,
e la seavenho as successoes i .1 siirpes. c por-
centage'is Se hove ou nao houve a uccul-
tacao da supposta herdeira Perpetua na caza
do Testamenteiro c tudo por sua direceo ,
dga-o, eeonfesse-o este mesmo quando de
sua mesma caza por ordem sua sabio bum
furiozo filh da uella com huma pistolla inga-
tilhada que a poz as peilos do sollicitador
da titacao de sua mai. e as vias de laclo se
rcalizaAo se o mesmo soUii ilador com sua
bem conhecida i:oragem nao fi/.esse arrepen-
er-se e vcltar costas aquel le mesmo furioso.
A inda diremos que no lagar de Catuama esse
repente porem ouve a-j Testatnenleiro he huhi Bacn de trez caudas ,
\oil;i-ii! e o nruvaria-mos com huma caria de
; Joao Francisco, do Sebo, Trompe para o homw,s ,,. vmos nascer separados d'aqnd- ti? de si as ferraduras do cavallo. Voltaje e o provaria-mos; son. buma caria de cena
ondego, ra da Solidado,, estrada de Belem ,wcom m ||0 principio tahiimos vivido, no mesmo instante; mas ja o cvalo tinlia Peraonageni a elle dirigida se ja estivease
ombal, corredor do Rispo, ra do cotovello, >y0 osescapa ludo curre rapidameuta, ilsapar'ecido tao completamente no meio do em nossas m.ios, mas aguardamo-nos para ou-
avessa do Mondego a Passagom. Travessa da j Q va ru.,ndopara se precipitar no nada. A-' escuro que nao II10 poude ser bom. i tra occa/o lembrando a esseSinr que di-
para se precip
inda nos agarramos a ruina de huiu mundo.
Nio importa dsse consigo : o ladraw est- la carta que iuulo o dever confundir, nao
----- ------ ........inda nos jarramos a ruina ue rim uiuuuu, rv.., ........ '............, .., -r* 1
Meza de Rendas Internas Provmciaes 11 de mp0 escapado d'enlre as nossas sempro lirmo no seo po^lo e elle pagar o ha .le ter a mesma sorle que leve o 1 esta-
Janeiro de 1.818. m4< Cpntint.amente fozemos revive.- os, mme do eompanhe.ro. com quem certamen- memo d- seo To, que para nao se ev.d utua-
0 1 Kscripturario. 0ssosdias passados pelo que .miles houve le eslava de intelligencia. Isto pensando, at- as fals.dades r.ella conthedas butou
Jos Guedes Salgueiro. d ,, v!vemo3 d.ias vezes para o : ra-se sobre o eslrangeiro como bum leao e i voz de lama que lhe o linhao lurtado t si-
Di AGTALO F. IKCONSTANCIA DA vida
III.MANA.
Qlie vem a ser a vida humana se nao hum
mar procelloso e agitado, ein que nos adia-
mos a discripQio das- ondas sempre pavidos ,
e em (|ue a nossa situac-o a cada instante ,
se muda e nos deixa novas conslernacos ?
Quem vem a ser os homens mesmos, se
nao os tristes ludribios das suas loucas paixoes.
crime
nao tendo atilda vivido nem huma clama ao niWIHfl tempe por socorro em altos
s para a virtude. No pretrito s vemos re- gritos. Imagine, rada hum o espanto em que
voluces humanas nao passamosd'aqui para o pobre rapaz licou quando em Jugar do la-
cima e vivemos como se o acaso conduzisse o drao. que julgava ter seguro, nao aChouseriao
universo eco.no se nao houvera outra raso hum pao crarado lio chao conl um liirbaiite
acontec- em cima e vestido com tnica branca do es-
do que acontece, se nao o mesmo
ment.
Repassemos pela memoria repetidas vezes
quantose lem passado aos nossos olhos ira cor-
te principalmente, que he como o theatro
trangeiro. O tratante miado pelo escuro
linlia feito aquelle espantadlo sem que o cri-
ado desse por isso. Quando I lie parece rao
hoias escuou-se rente como ehaocomd urna
made la mega, quando .bu Csl bem guar-
dado ou lalvez qeirnado Agora pascare-
mos a fallar com essa supost herdeira Anua
Pe pelua Dantas Sinhorinha a quem pai-
sanos a scienlifiear de que a uda exitem na
Parahi'a c-ertos autos que podem fume er u
ptova de que ella nao he fi ha do fingido Testa-
dor Bzerra e gueioul os UocUmeiitos tam-
bem temos contra a filiaco do Senhqr
Vledeiros que a seo lempo apparecero O
que se ha diio basta para confu/o dos fallados
adore t igueai-s pois Sius
e"7a successaolosaconlecmenios ? Atierra- das" revoiucoes humanas ,-tanlas mudancas : 'rpente e collocou-si! delraz do criado que
dos pela corrnpcso do sen coraco a todas as repentinas mortes tAo ***>*+ j ^"^^atleS Te v! 1 Cmlo 1 a m" el.serir estas linhas em o seo Da-
cousas prsenles ellas estao com elles em co esperadas accidentes tao lunestos e 11,10 si, nao ava aiitu(..u ao cvj 110. wirwu u nhriaara m m!an-
giro perpetuo a mane.ra daquellas figuras Ij.revis.os as prosperidades ou a degraca do entao a corda con, queo animal eslava pro- no. com que muito obr.ga.ao ao seo cons.an
que a roda veloz arrebata e nunca tem su b- Estado a elevaco ou a decadencia d'aquel- so, e tscapou-se._________(J. do Comm.)
sistencia. Cada momento he para elles hu-j les que occupfloos primeiros lugares : tantas |
masituacao nova ; Huctuao a vontade da In- varacoes no favjr as fortunas no erttr COLLEGIO PERNAMBICANO.
constancia das cousas humanas desejando to na cabida ou no augmento das familias:
sempre lirniar-se as creaturas e obligados! nos alli veremos a sabedoria que continua- j ateiwo da boa vista, N. b.
sempre a apartar-se d ellas : julgando sempre mente zon.ba das paixoes humanas, e que le- As aulas do Colleg.o Pernambucano aclram-
vanta ou revoita em hum instante para nos se abortas desde o da 7 do correte Janeiro.
ter adiado o lugar do seu repouso e sempre
forcados a prineipiar a sua carreira de novo.
Fatigados da sua agitacao e com tudo arre-
batados pelo turb.lhao nao achao cousa que
fazer sentir a fragilidade de tudo quanto pas-! Todos os preparatorios que a le exige para as
sa e cnsinar-nos que toda a sabedoria huma-1 Academias de Direito e de Medicina do Impe-
le le lor
O Pescador.
DOCUMENTO
F\*o merecendo Vm mais d'esta Piefeilu-
ra aquella confiaiiea que ella em V n depo/.i-
lava quando o noincou Notario de Tijucupapo,
por ter prati ado Vm alem de o.ilios lacios
repreheiisives o ele approvar hum teslameu-
na nao poderia salvar-nos do menor contra- i perio, assim como para as possoas que se des- jo depois de mono o'Pelador como ha pu-
lirme e que os consol que Ihes suavi- lempo e que nao ha consell.o contra os con- tinam ao commercio sao ahi ensillados ,! 2
se as suas penas e que lhes adce a amargo- | seibos de Dos
ra dos acoutecimentos ; nem o mundo por
que Iba causa nem a sua consciencia por
que Ih'a faz mais amargoza. Elles bebem ,
at as fezes toda a amargura do seu calix ,
desde primeiras letras. Os professores das i1"'* des'lt J;t ,,m,P1' ueoietiido do lugar
de No ario ,
e gosto de a derramar de hum vaso para OU-
tro c de se consolar de huma paixo por
outra paixao nova de huma perda por hum
novo apego de huma desgraca por novas es-
peranzas : a amargura os segu por toda par-
te ; podero mudar de sitio, mas nao de tor-
mento.
1 ,u-.-^,i..,.;,,i;,vcc.-, i ...ni .11 linniii iu_ uu 'o ario o que 1 i>c communica para sua,
Nos nao recordamos os acontec mentes diversas disciplinas sao de mni disimilo me-1 .' nn. ml!ir,i1<, i 1
da nossa vida se nao com rellexoes amar- mo. |r... ,,_ A o( ., ...
feitura de Goianua 8- de Judio de IS-l
que Ibes depravao a lembranca. Os Para conl.eciment da regularrdade dos es- l"\ ue ""nQ; *UB Jv
1 V T. ..:...!.. .-.,... I.U H ,.omw... ,.l,.,..w. ,.|.,_o nu_ JOau AlllOlllO M Ola J lilil*
elidas que delles nos poderiao livrar. Fle-
quen temen te uos reprehendemos por haver-
mos sido nos mesmos os autbores da nossa
desgraca.. Eternamente nos estamos disendo:
que huma tal cautela lomada nos pouparia
murtas lagrimas e angustias : augmentamos
A inconstancia he o verdadeiro carcter do as nossas tfesgracas attribuindo-as as nossas
nosso corac,o. Cada instante, e cada ob- imprudencias, topo do-gupenos represen-
jecto, ve as mais das vezes nascer em nos p.o- j tamos os meios facilimos de o evitar ; e ^ isto
vas mpressoes. Se por um instante nos per-
nossos prejuisos passados, anda nosa*or-}tudos, edo rgimen interno, acliam-se pa-
mento por invalidas rellexoes sobre as me- tentes ao publico os estatuios do estabeieci-
meifto.
Sao-admiltidos alumnos interno
pensionistas e externos.
A V I Z O S DIVERSOS.
Labeleci-
< meio
Prefeito Inte-
rino Sur Notario de Tijucupapo
Sor. Redactor. Pelojuiso do crime forao
I aguns propretarios condemnados a demolir
as obras que ediicatao sem lici-nca e Corda-
cao'dc. e en ir estes os Srs. Alagalhaes Bas-
tos e Francisco Antonio dOveira: foro ao
mesmo lempo (salvo o engao ) passados os
respectivos mandados ; fo ja tteniolida a obra
do i, entretanto que a do 2. anda se acha
cm p e oSr. procurador da Cmara, a (juem
demos de vista ja uos io eonhecemos. For-
ina-se dentro em nos huma successao tao con-
tinua e tao rpida de desejos de emulages,
nao seguimos continuamente estes caminhos
tao diversos e secretos das nossas paixoes
ja lhes nao vemos neni os principios nem
os fin
lie, para mais vivamente senlirmos o- desa-
grado' de solfreF.
Snrs Redactores
Lorelo neis em seo Diario de 6 do frrente deve ler aproveitado- a I9A0 que a pouCu lhe
Dezembro, as Crrespondencai dos Senhoresjdoa mesma Cmara,.quando o qiusdemet-
Frandsc Soates de Mederos, Auluo'Gon-flir, anda se conserva quieto. Cusa a crer
Na nossa vida quase nunca nos 8UCCte ^^ e Aievedo,-f e Alllia Perpetua Damas! Sr. Redactor como se passao os relos ueste
lisa conforme ao nosso des. jo. O que nos j .Sjn,K)rlll)a? liSo ,10S pud'emos (orv;^ a0 lr.lb1. cidadC) oIjra' (lc Ma^alhaes fo promptamen-
de temores, de esperancas de alegra de estimamos escapa-nos ; oque desejamos., ll0 de rt.SJ,onder_i|ies cn, f;|0b0, ,,or que o te demolida a deOliveira nao o foi anda ,
angustias, de odio o de amores que se foge-nos ; o que leceamos chega-nos. i>un-|0hccto he Um s e os trez escrevnhadores es- sendo alem disto o Sr. 01 i ve ra Ve reador "
ca somos felices de todo. Se a fortuna nos to mancomunadl)3 para huina mesma eouza, e
prospera a saude nos abandona 5 se temos I principiinfemos com o segu'mte verso da Arle
saude a'fortuna nos deixa; se o favor dojpoelCa db Horac o -*- Parturient montes ,
fins. Eiles seconfundem para assim di- j Soberano nos eleva a inyeja dos corlezos 1 nasl.lur ridic'uloii mus, que em bom Pbrtn-
na sua mesma multiplidda le ,' e o nosso \ nos murcha e nos degrada; se a inveja nos uz adapt(|0 ao n0^0 ,.as0 qUer ,|i,
sei ,
coragao torna-se ein hum abismo, qua nos j poupa ou se temos pela nossa parte os votos
nao podemos investigar ede que s vemos ido publieo-, o Soberano nos despresa ; e o
a superficie.
Os homens ja mais se assemelhao. de hnm
mais affliclivo para o homem he, que huma
so angustia o transporta sobre mil prazeres ;
izer
que
instante para nutro elles nao tem vereda li- I e que aqu lio que lhe falta por muilo leve po(Ja ^^ |u]m jaIO Sl.|ce
a- queseja, basta p:ra envenenar quanto elle ; correS|)0{1(jen,.us ^ cu0 rat0 0
possue
Traducido Lvremcnte.
a'pew.do.
sa nem segura ; se discrepao na -seus ca
miiilios lodos os das somarcados por mu-
danca e desigualdades der de vista. O seu curso assemelha^se ao de
bum estullo que vai e vem volla e re-
voita torna a hir e retrocede sem saber
para onde os seus panos o dcvem.guiar :
cansao-se eggoHo-se, c nunca ebeyao ao
fin A sua mesma nconsUncia lhes |>e v.o-1 d 9 do conefle pois cora a sua resp0.s-
lenta e nunca podeiu rmalla. Ella se lor- 1 _.......... .i^ia .. n nMu>.h.
na hum jiezadejo que osopprime, e de que
se nao podem desembaracar. Ella faz lodo o
seu crime e lamben, toda sua desgraca e
o seu tormento nas cruel.
As inquielarOci sobre o futuro formo o vc-
o monte da demora cjue levaro esses escre-
vnhadores de muilo mais de dois mzes
para respondrem a nossa Correspondencia de
27 de Outubro do corren te anuo d 1841 so
icet ,. as citadas
correspondencias c:ujo rato esmagarmos
pea pela maneira e forma sguinte Pri
meiraiDente digne-e o Publico de Iriro Doeu
inenlo abaixo transcripto (
;:.k oza de hum Belgiiim
nao be attestacao
mas huma Certi-
salvar o crdito da sociedad Panence lab d^ F.serivb de banca) para enxergar a
1 quem pertenoo, rogo ao Sr. Innocencio faca : venenoxa cobra que est escondida ndes-
1 lacado ca/.al do finado Antonio Jos Ui/erra
de cpiem tambem h: po le di/.er o cpie disse o
Evangelista na morlw do Supremo Arquitecto
da Natureza DivUernnl veslmcntam uieam,
t super eam miserunt soriem Esse Docu-
mento por si s he a melfior resposla das falla-
das duas Correspondencias porem. urge .
que digamos asis alguma couu sobre estas t
1 ver o motivo por que dcxou dehaver Prese-
la apagar alguma m idea que o povo baja
feito a tal respeito.
tum Socio.
\"isto me ser pedido: respondo que nao ten-
do havido Presepio no dia antetedei)|. 8 do
Oh! miseria das miserias !! infernal parcia-
lidade !! HonleiUaUa Cmara o Sr. Oliveira
csbravejaiido contra os que sem Ucenca' c
cordeaco cdificavAo pedindo providencias
contra o Fiscal dd Recite, votando para se-
ren deiniltidos lodos os empregados por nao
cumprirem e executarem as posturas &c. boje
o Si1. Oliveira Vereador infringindo as mesmas
posturas sem querer demolir a sua obra e
sabe Dos se j nao tem pedido ao procura-
dor que espere que demore cSc. &c. Mise-
ravl condicao da especie humana!! Que dir
agora csie vereador tao amigo da lei e da boa
ordem das cousas Municipacs : lera anda a-
nimo de ir a Cmara gritar contra edilicaces
irregulares ? ltenle bem o Sr. Prxedes so-
bre o caso e iembre-se que esses homens pe-
dem cliorao e se abaixao quando precisao,
e apenas se achao servidos apresentao-sc al-
tivose sf.o os primeiros algozes que teem a-
queles, de quem recebero os obzequios : ro-
corde-se do que se passou com o Sr. Barata
e o Sr. Carneiro Monteiro com as casas da ra
nova e fuja de acreditar as labias de gente
ingrata e dcsconhecida. EupoderaSr. R|


-
y-
. i
dactor dizer muito mais sobre o caso; porem o
Sr. Oliveira heasss conhecido por um capi-
talista da primeira ordem.
0 Vigilante.
O meio bilhete da I. parle da 8 a
Lotera do Thealro que Joo da Cunha Ma-
gdhes comnrou por conta do Snr. Joo Vi-
cente Lio de n. 1073
- Por seguida e ultima vez, se roga ao
S ir. D A. B queira ter a bondacle na -
car em bolear o piqueno sa'.do qu> de Lisboa
por avizo de Selembro de 1839 llie foi orde-
nado pagar ueste lenle na mesma casa em
que o mesmo Senbor j pagou huma outra
tjiianlia.
Quem annunciou querer dar 600 ff 000
reis a juros dirija-se ao muro da Penlia da
par e do nixo casa 13
Ofterece se um moco Porlugue/. para
caixeiro de armazem de asssucar venda ou
padaria dando fiador : sua condu'a : quem
o pertender dirija-se a ra Uireila venda
D. 29.
Roga-se encarecidamente aos eredores
da casa da, Viuva Annunciaco e filbos que
pelo amor de ''eos e do prximo haj.o de
rente, e no dia 17 do mesmo aula r se -
bre liri de continuaren nos seus exercicios.
E convida-se. todos os mais chefes de fami-
lia que dezejo ver todos os adicn lamen tos
de seos filhos em 1er, escrever., econtar,
e ludo o mais. E as alunas lr escreyer ,
e contar, csturar chnii, lavarintos bor-i menie s t horas da manha meia garrafa,
dardemarca e marcar ije 5 qualidade. IV ou mesmo cohtra-metade de leite de-cabra :
is ensina-se com toda prefeic/Jo os termos! annuncie.
d poltica esevilidade; deos.Jiir majeticu-j S& Quem pretender urna loja de alfaiatc ,
lar na dita aula abaixo declarada. K laui com varias lazendas pertencente ao mesm
dependencia loja D. 2 para traclur do a- quer pessoa que tiver cenias contra o dito fin
Juste-,. R'ie qe as aprsente at o dia 15 do corren
= yuem precizar de roupa engommada te para seren pagas, elindo este temno nao
dirija-se a loja do sobrado D. o 1, na ra dos ; lico mais responsaveis por dualquer conta
Martvnos que aehar com quem tratar. i que apareca contra o dito Navio
tSr Quem tiver e quiser vender diaria- Me. Calmont & C.
ac A pessoa que annunciou no Diario do
II do crrante querer Dallar com a viuva de
Manuel Martina de Sou/a. Snr. que fui das
tenas do oamaiio na ribcira de Una tre-
..no | gue/ia do dgo predi, derija-se ao prineimu
bem.rccebe-se meninos, pendonistas de am-! olde.o dirija-se ao arco, de S. Antonio de- do Atierro dos Allegados delronle doviveio
bOS os xexos e das-se o maior trato e es- fronte da caza nova do Sr. Magalhes Basto, do Muniz no sobrado rio Lima.
mero pssivel ; alias para a sislirem na aula ,
toda semana e bircm para caza no sabbado,
ou vespera de dias Santos; tudo isto se ajunta-
r muito commodo, dirija-se a rua de Sania
Therez D. 2o.
as recisa-se de ddis con tos de reis a pre-
mio por hipotheca, quem quizer este nego-
cio aun inicie.
Quem tiver m sitio em que se possa
ter vaccas de leite e queira arrendar annun-
cie.
Aluga-se um solo na n/a do Livramen-
cr Quem precisar de ()U0,)(M)0 rs. a juros; =Aluga-se una loja para qualquer esta-
de 2 porcento ao me/., daudo penbores de betecimento, ou mesmo para moradia na roa
ouro ou piala: annuncie.. Direita : quem a pertender dirija-se a rua do
3~ Pertende-se comprar, una casa terrea ; Crespo I), (i, lado do Norte;
sita na rua de S; Joz I), t a qual querern j =, Preciza-se de urna casa de sobrado den-
vender os seos propietarios Joz Antonio Gil' tro do Becife ; quem tiver para alujar en ten
da Silveira e sua mulher moradores em Ma- j da-se com L. (i. Ferrara & C.
eei ; cuja casa he de sua pos.se e dominio por .= Offerece-se urna pardo de bous coslunies
horanea de Joo Goncalves Muniz como cons- para ser ama de casa de portas adentro quem,
la de urna sentenca de formal de parlilhas a quizer annuncie por esta l'ollia para ser pro^
curadoi
tratar de reccb r quanto ante* as sua9 coritas
para ver se bum bgirimo berde ro tambem o pretender dirija-se a esta Typogralia
recebe a sua Itseilima e nao continuar a es- Leonor Cr
tar como
do os
f yor do mesmo Gil e sua mulher; e. como
se ignora a quem ho forma dita casa, ou i =^ Aluga-se urna canoa aberta que carre-
te eoni trez quartos e duas salas muito pro- .chaos onde ella exisle convida-se a quem com- i ga 8(H) lijlos; a traz dos Martirios casado
pno para caxeiro ou honieni solteiro, quem | petir que annuncie sua morada no prazo de trez portas verdes.
:oito dias alim de recebero eoinpelente loro e fcj- Alluga-se uma excelle te casa oitanu
a sua legitima e nao continuar a es- Leonor Carolina Catan ho de Vascensel- laudemio sob pena de recollier-se a deposi-1 Cartume.dos Odulhos na Boa-vista, e junto a
io tem e.-.iado a mais ile um anuo ven-, los professora particular de primeiras. letras to 9 importe do mesmo foro c laudemio pa olaria do Snr. Miguel Carneiro tendo
outros espalifando e botando lora. e aviza aos pis de suas allu'muas, e a quem ra ser recebido por quem pertencor: I bum grande so'tao Commdos para f.mii-
ello f>em remedio eniorquilliado
Preciza-so de alugar uma escrava fiel ,
para o servico de uma casa de pequea familia
e que saiba comprar coz nbar e ensalmar ,
dando-se-lbe o sustento, e 10 1 000 rs meu-
saes ; na Solidade 2 tf casa nova do lado es-
querdo junto das do Snr Herculano.
JNo primeiro do correte foi aprehendi-
do no Eiigenho Covas ^ da ex freguezia da
Luz um escravy atravessado que diz cha-
inar-se seo >enlior Ignacio Correia porem
nao se pode perceber o lugar da morad a e
por isto quem se julgar rom direilo a elle ,
procure-o uo mesmo Engenbo que daudo sig-
naes serlos Ibe s"er entregue por seo l'roprie-
lario adevertrn o que este nao se responsa
belka pela fuga do menc nado escravo
52^" A Sra. D. Roza que do atierro para
outro lugar passpu a sua rezidencia ou a(-
guem por sua parte se leni una eserava u-
zenle dirija-se a rua da lloda: sobrado D.
50 que se llie dar noticia.
= O director da obra da caza da reliadlo
preeiza de alguns ol'Iiciaes de pedreiros e car-
pinas nacionaes na mesma obra podero
mais eonvier que ja deo principio aoexercicio i^- Bogamos encarecidamente ao Autor
de sua proHsso, que consta de 1er, escrever, Ido annncio inserido no Diario de 7 do cor-
gnurimatica da liiigua materna, c as mais' rente anuo que declare por letras iniciaos
esseqsiaes operages d'arilbnielica, doutri- qual a pessoa das 5 Pontas que tem critica-
na cozer, bordar, marcar &c; em cujo en-do de sua pessua liave/ido j precizado de seus
sinoemprega a annuncianteos ineios mais la- favores, pura conliecimenlo de alguns igno-
ceis, e brandes que esto ao seo a|canse alim rantes que S desejSo menoscabar a repu-
de facilitar oadiantanientode suas alluninas: tacfto d'aquelles que anda nao precizaro de
(juein do seo prest mo se quizer Utilizar po- favores de, pessoa.desta rua : eternamente llie
derdirigir-se a rua d'agoas verdes D. 08. sero gratos so assim o lzer
Quem quiser comprar um terreno com
alicerce cito no calderero, que foi de Joa-
()s dois moradores da mesma rua.
K3" Preciza-se alugar uma casa terrea que
quim Ucdrigues Pnhero e boje de Francisco 1 tenlia comniodps para uma familia, e em
Manoel da Silva Tavares dirija-se ao forte do
matto .preen de Carneiro Monteiro.
qualquer das ras do Barro de St. Antonio,
nao excedendo o seu aluguel de I ij reis [ior
comparecer para, tratarem de seos ajustes :
albquarta feira 12 do corrente.
OsSrs. que assignaro e apartaro bi-
Ihetes da lotera do thealro na loja do Guer-
ra na rua nova D. t ;, hajo de fazer o fa-
vor deosbir buscar antes que principenla
correr as rodas alias sero vendidos.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
novo na rua do Rango! I>. i' '> quem dele
preci/.ar dirija-se ao inesino sobrado a Iraclar em diversas qiianlias, apremio
com Lu/. Jos Marques."
==Quem quiser comprar um negro de mera mez ; quem a tiver dirija-se a esta Typogra-
dade botn cozinbeiro, por preco cmodo; di- pbia.
Ur~ 0 Snr. Francisco Pcreira de Brto di-
rija-se casa em que allugou um cavallo no
dia ."i do corrente.
tf Alugarse urna escrirva cuzinheira en-
gomadeira; lava e he buceteira tudo com per-
rij-sc a praca do comercio botequim do Al-
meida. ,
0 Sr. Manoel Antonio d'Almeida ,
queira auiittnciar a sua morada. 011 fazer o
favor de virein casa de Joo Tliomaz Perei-
ra na rua da pria a negocio de seu iuteresse. i feco 5 na rua do Fagundes D. i, sobrado de
Aluga-se o 5. andar da caza f). i um andar.
lia, e. porto de embarque no fundo, c bas-
tante terreno para (pial quer estabellec
ment- como seja [tara estaleirodeconstru-
<;ao. ou armasciu de rv.aib-iras, fallar com
Marcelino Jos Lopes
Precisa-sede urna casa terrea com quin-
tal e cacimba com commodoS para urna
grande familia, dando-se 11111 auno adianta-
da, sendo na rua direita al.O principio do
Atierro dos Ahogados. Orlas, OU Agoas-
i verdes, quem a tiver drija-se ao porto dai
canoas 11. 2"
C7- No da ido p. p. .frigio una escrava de
nome Joanna de nayo costa, de dado de
oannos, um lauto barriguda, (em um s-
gnal na tesla ja tornando para um 0II10; quem
I a pegar leve a rua direita loja de couros D.
2o que ser gratificado.
t~T Frigio urna negra de nome Anua, de
idade de 5oanuos de uaco congo baixa ,
fula com beico debaixo grosso olbos fun-
dos foi captiva das pinboas, levou vestido
branco saia pela e panno da costa, fu-
da ruado queimado defronte da botica : na
loge do mesmo.
t? Aluga-se urna canoa de carreira beni
s.v Perctza-se de um padeiro quecntenda;'
io no da 5) do corrente quem a pegar leve
beni de inaceira e de corlar pao ; quem esti-
ver tiestas sirconstancias drija-se ao Forte do
construida, que carrega o a t pessoas, por pie- i Mallo a tratar com Joaquiui Francisco de A-
<;o commodo ; na rua nova, armazem 1). 51. lem.
Aluga-se urna prela ou moleque para o
servf.o de caza e rua quem a tiver dirija-se
a rua da larangeira : sobrado de duas varandas
de ferro. ,
Pnx-isa-se de um meslre refinador de
assucar e das-se bom ordenado na rua do
Aragao: caza4, D." 3l.
Aviza-se ao Sr. M" U. para
que no prazo de oilo das queira dirigr-'se a
ruado ni'nxo do Livraienlo buscar um pi-
nhor (|ue l tem e levar seu importe e nao o
fazendo perder todo direit. .,, _
O bitixo'assignado faz ciente ao Sr. ar-
rematante das agurdente d produco Bra-
sileira que desde o dia'8 do corrente deixou
de vender o efeito na sua venda er lora de
portas N. 22.
Qualquer pesso' que precisar d um
caxeiro que sabe 1er escrever, e contar;' de
idade de 14 annos brasileiro f bem proce-
dido; dirija-se a rua de hurtas D. 10.
Quem quiser comprar uma' vetida', na
ra larga do Bozario, D. 8 com poeos
fundos ; dirija-se a mesma venda Iraclar
cm Jos Joaquim Das.
. Deseja-se saber quem embarcou para o
Itio de Janeiro no brigue Constante em Ko-
vembro do anno p. p., quatro barricas com
barrilinhos de doce.
Olferece-se uma pessoa de boa condu-
S^/" No armazem de Joo Carroll & Filho,
exisle urna carta para o Snr. Joz da Costa
Nunes.
EF* Preciza-se de um rapaz para caixeiro ;
na praca da Boa-Vjsta venda 1). 7.
l^" O autbor do annuncio de 7 docorren-
firmas-ou ))inh >res de ouro 4apnuncie. te, declara que elle se nao. con tem com pes-
r Compra-se um trancilip lino que seja soa alguma moradora do Beco do Marisco al
de bom ouro, quem tiver annuncie. o Largo de N. S. do Terco. ,
cr Quem quizer comprar um bo mango
para curro ou carroca esl bastante gordo ,
por prego commodo dirija-se a rua nova ar-
mazem D. o.
tar Das-se um cont de reis por junto ou
com boas
ZJr" Quem tiver e queira alugar duas cano-
as de carregar annu::eie, ou. dirijarse a rua do
calderero, I). 45, venda da quina que ahi se
dir quem as pretende, na mesma caza preci-
sa-se de um canoeiro : pagando-se mensal-
mente. ,,
3_j" I m rapaz solteiro'com 2,1 a 22annos ,
ofierece-se para caxeiro de escrita ou co-
braAcas : da liadores probos a sua conducta ;
quem de seu prestirno precizar annuncie ,
ou dirija-se a rua da prai acaz de Francisco
Jos Pinto Vianna. Tobem vende-se um
barqunbo com 4 palmos de quillia a parelha-
do a brigue : quem o pertender dirija-se a ca-
sa do mesmo Sr. ssima. ...
tsr Perdeo-se uma iyella de metal dou-
rado desde o atierro da Boa-vista alhe o pa-
tio do Carino quem a.achou e quizer entre-
gar dirija-se a praca da Independencia, loja de
livros,D. 57 e 58.
== Perciza-se de alugar uma preta que sai-
ba cozer engomar., e ensaboar ; a traz dos
VT 0 arrematante do imposto de20 p. c.
sobre q consumo da.agoardenle de produeco
Brazilera aviza aos Snrs. que anda nao pa-
garn dilo consumo, venho fazel-o nos dias
11, 12, 15, .1-4, e lo do correte no Largo
deN. S. do.Terco p. t, lindos os (|uaes se
proceder na forma da Lei contra os que dei-
xareni de pagar.
, tST Bezeja-se fallar e-icacccidameule com
o Snr. Joz Carlos de Mendonca a negocio de
seo inleresse.
JLty Aluga-se urna casa terrea no Bairro
de St,* Antonio que tenha bom quintal e ca-
cimba, e que seu aluguel nao exceda de 1\> rs.'
=3 A,pessoa que.se quizer propor.a ser, fei-
tqr t campo de. um Engeuho dictante desla
praca dez leguas dirija-se a rua da Praia na
casa de Joz Higino de Miranda D. 11 que
achar vcom quem tratar.
=3 Dezapareceo um cachorro cabeludo de
nome cupido,.. coffl.qma malha verntelba as
a praca da Independencia n. 11 que ser gra-
tificado.
-'
ssr Despareoeo na ultima oitava de festa
do natal do engenbo Congassari bum preto
de nome Joaquim naco rebollo, estatura
baixa, cor fula, poc barba, eopeito bem
cabeludo; com camisa de algodaO calsa de
gngaazul e chapeo de pa.lha, quem 0 pegar
leve-o ao dito engenbo ounesta praca Fran-
cisco"X. M. Bastos, na rua lo F.ucanlamcnr
lo do Bucife, onde ser recompensado do seo
Irabalho.
tp No da 17 do' mez p. ,p- fugio do sitio
de Joze nernardino Lial em Parnamerim bum
escravo anda buijal por.,nome Joaquim le-
vou carniza e calca de algodo olhos grandes,
e bigode bstanle cressido he muito gurdo ,
e grosso do corpo, lia noticia que anda por
aga fra 011 para Estrada do Arrala!; cos-
tunia tiazer I111111 saquinboacinla com casla-
nhas de caj as quaes cosluma assar a noitfi:
quem o pegar leve-o a rua da Cade.a do Re-
cille N. .'i. a Joo Antonio Soares d'Abreu.
vsr Os trastes da loja da roa estreita do
Rozario D. 51 passaro-se para a rua da
Florentina para 1 casa de J. Beranger, aonde
os freguezes da dita loja se podero dirigir que
sero sempre muito bem servidos tanto em
obra como em preco ; assim como se vende
cadeirasde palhinbas americanas, camas do
vento de armaco c seni ella muito bem feitas
aioOt, ditas de pinho a 5ono piuho da
Suecia com 5 polegadas d grossur c dilo
serrado marqueza de condur mezas de
Martirios casa de trez portas verdes.
=3 Olferece-se una ama para o servico de
uma casa de portas para dentro lava en- logo casa D. 20 que ser generosamente re-
goma ecozinha;.na rua estreila do Boza- oampen cosas, euma e^foladura no lado d.re.lo da c muilos ...ais trastes ,ue se vendem
cabeca ,. e. orelhas pardas e um cascavel, ^ (,pm ^ ua, n
no pescoco ; quem o akhar d.r.ja-se a r-ua do ^ 0 ^ Aust|.jaco j^J^ % \:.d[
to Dabcevich arribado a este porto com
rio D. 2o,
= Preciza-se de um rapaz Portuguez pa-
D-se um cont e qiiinhcntos mil reis
agoa aberta na sua sabida para o Laineira
para acabar o san carregamento de assucar .
ta a osSrs. paisde familia para lecionar Ja- ra caixeiro de urna venda,, e que tenha al-
tim e primeiras letras, em cai>as particulares, j grima luz do mesmo negocio ; e por um prego muito razoavel; quem qui-
zer annuncie.
Compra-se escravos de ambos os sexos ,
com vicios ou seni elles, e cm babelidades,
ou sem ellas para lora da provincia; na pra-
Ca da Independencia D. i.
Aviza-se aos pais dos alumnos, e alumnas
nu as ferias Gnde-ee !6 do cof-
ra trabalhar em um sitio perto da Prai;a e
vender capim na rua ; na ven.la confronte dar.
Matriz da Boa-Vista as casas da frente a-
marella se dir quem preeiza.
ss Preciza-se de um homem que entenda
de campo sendo cazado sem filhos melhor ,
para tomar conta de om-pqueno sitio muito
perto desta Cidade procure na Praca da In-
quiser razer este negocio po
as D-se aquantia de duzenlos mil reis a \ J?m (f !,ita" ^ -^..Caimor.t 4
emio de dous po cento ao uicz com |)e. Xompanh.a na rua da cade.a ... 0,>.
Qu.un quizer comprar pixas piezas da
muito boa qualidade e por preco commodo
dirija-se a rua dasCruzes luja do barbeir*;
pre
nhores de ouro D. 58 se dir que n os d.
Os abaixo as agnados, consignatarios
do Brigue austraco
Wadislavo rog4o a qual Dcima 2.


-
nnWi"Jiiii ni-fti nTixAsZ---i-, ,
nnmxa ir- jtaxiaxnot
4
.tronjn iiiim^u
D. Una Joaquina .los Santos, na-Inoras da raauh noseuarmazem
turala Cidade do Angola ( lioje residente no Cruz.
Rio de Janeiro) faz publico que de boje ein
diant se assjgnai l>. Auna Joaquina dos
Santos Silva.
_ --' Tendo caegado esta Cidade Jos Ma-
rinaugeli Romano profssor retratista dis-
cpulo da cademia de S. lucas de Roma .
avisa* ao respeitavel publico, que deseja dar
pro vas de sua eapacidade na composicao de
pinturas em quadros, tanto da historia antr-
ga, como la moderna, nada alterando os
verdadeiros coslumes ou feieoes na exccucao.
Omesmo tira retratos grandes inui parecidos,
e retoca os que estiverem cora as pinturas
apagadas sem prejydiear os obj ctos represen-
tados nos inesmos quadros fazendo revi ver
Mas verdadeiras cores, segredo, pie elle
tem particularmente sem uzar preparacao
COMPRAS.
0 tractad\d molestia d'olhos em
portuguez : quem tiver annuncie.
' l!m resto de sacos do frihha, muito
cm cunta para liquidar a venda de niaior
porco : na na da Cadeia n. i ti.
s^=" Farelo a r.>000 a saca de 5 arrobas ,
OU 800 sem O saco, para engordar cava-
Ios, os compradores acharSoeste Trelo mu-
s^" I m moleque de nacao, de dado de I to melhor do que aquelle que vem de fdra,
12 a t anuos, que sai ba cozinhar o diario pois he fresco e novo, e tamljem da mais sus-
de urna Casa: na ra do Crespo lla do Snr. lento ao cavallo : na fabrica de farinha do
Viegas D. 8.
V E X D A S.
tst Folhinhas de porta ditas de algibei-
ra com variedades, ditas de dita com alma*
tiak nuil correcto .' dita Ecclesiastica ou de
Padre : todas por proco mais commodo que
em outra qualquer parte impressas em bom
lapel e lindo typo: na praca da I'ndepen-
alguma corrosiva, lambem se offerecea dar dencialojadelivrosn.57 e 38, ha ra do
hC0es.de pintura e desenlio; quem de seu Cantigalja do Sr. Bandeira, na venda da
presumo se qmserulilisar dirija-se a ra DO* | quina defronte da grejada Madre de Dos,
na ra da cadeia luja de ferragens do Sr. '>-
raes. e que ja foi do Sr. Quaresma defronte
da Matriz da boa vista na botica do Sur. Mo-
rena eem 01 inda na ra do Ampar boti-
ca do Sr. Rapozo.
i.- 5 a 6 arrobas de. 18 de trecha, e ma
porcao de taboas de armaeo de toja, ludo por
proco commodo : no bairro baixo casa do
va n. o, no segundo andar.
USf Precisa-se alugar uma casa com com-
Modos suficientes para urna familia e que o
seu prego nao exceda a 500,1 risannuaes :
quem tiver dirija-se a ra da Clona sobrado
de uni andar defronte do convento*; adver-
le-se que a casa quer-se no bairro de S. An-
tonio.
S2S- !la para se alugar nielad,' Je mna casa I jv.me Manoel do n
terrea com bous com modos quintal e ce- | L'ma venda
cimba n, unilia qu
a pretender annunci ou
che do Su.-. Alucio, a fallar eom Manoel
Francisco de Jess Veras, que dir quem tem.
SE Preciza-so de urna ama de leite na roa
da cadeia veiha n." 51.
que vende tanto pava a
quem mora; qem I trra homo para o mallo, cm poneos fundos, i). no primeiro andar das 0
dirija-se ao trapi- ; ;i dir.beiro, ou a praso com boas urinas, ven- duasda tarde.
atierro da Boa vista.
SSJ" Cera branca empaos farinha de Ma-
go em sacas e barricas amada Cadeia do
Recife da parte do beco largo, N. 88.
SS l ni pret de naco de idade de 2o a
22 anuos, proprio para lodo o servico : na
ra do Rozario larga venda 1). -J.
V7" Uma casa terrea cita nos Coelhos-, em
chaos proprios e acabada de pouco lempo :
a tratar na rtia do AragaO, lado direite Ds 16.
K3" Farinha de Si Catharina de superior
qualidade: a bordo do Brigue 8. Manoel
Augtsfo a tratar com 0 Capito do mesmo,
Manoel Simes ou com Manoel Ignacio de
Olivcira na Praca do Commercio, N. 2S.
5^" i macabra con; dous cabritos peque-
os, milito boa de leite : no Pateo da Penda
casa terrea ao p do ferreiro.
m peso de meia arroba : na ra da
Roda venda D. 8.
Uma casa terrea na Soledade, com
um silio plantado de larangeiras coqueirs ,
6 caneleiras : a tratar na trvessa do Rozario,
loras as
AVISOS M A R IT IMOS.
Para I isboa safc no dia 21 do correte o
Brigue Portugucz Josefina & Emilia anda
recebe algiima carga a frote e passageiros ;
a fallar com o sen consignatario Tiiomaz de
A. 21 ou
com o Captiao Francisco .loaquim Duarte un
praca do Commercio.
Para o Rio de Janeiro o Bergantn) Nal
cional Eugenia ; Capi'lfio Manoel Antonio de
Souza Guerra a sabir com toda brevidade
por ter ja parle de seu carregamento prom-
pto: para o resto de carga eescravosa fre-
te trata-se com Joaquim Baptista Moreira ,
no seu escr i p torio na ra de Apolo, e para
passageiros com o Capito a bordo.
de-Mi por motivo de molestia na ra do Ro-
zario Kslriita I). 50 : a tratar na ra do Ga-
bug teja I). 5.
JE9" l.alinbas com i libras de chocolate ca-
da mna de superior qualidade e che
ltimamente de Lisboa : na ra da Cruz no
Retife vendan 2o, ao p da Botica do Snr.
Luiz Pedro das .\c\'es.
I y Bichas pidas agrandes, da melhor
qualidade que vem a esl Paiz sag, amen-
dons pa os ChOU ricos, presuntos, e pti-
mo vinlio do Porto engarrafado: no Attrro
da Moa vista junio ao beco do ferreiro, ). 19.
i.- 0 verdadeiro vinbo verde, em cana-
maduzi de cadciras, um canap,
ludod'olio, eduas bancas de angico, ludo
?m bom uzoe por preeo commodo: na ra
do Rozario estrefla, Ioja de marcinro, 1). 2!>.
Uma venda com poucos fundos, li-
vre de alcaides, e tem commods para morar
familia, a dirriioiro ou a praso com linas fir-
mas, na ruado PadreFloriano; assim como
urnaescr&va d bonita ligura de idade de
2.' anuos sem vicios nem achaques : a Ira-
lar na me ana.
s;j" Cm esravo do gntkr-de angola inda
bucal de idade de It! a l que aigum e he escravo para todo o servico:
na na do Livramento I>. "i.
:> Ano es d" Tcito Rogron, Cdigo do
da de trio novo do ultimo Carregamento das
marcas XXXF e Xa'X que vende-sc por piv-
co barato: na fabrica de Ihrinha do atierro
da boa vista.
K< Borzeguiusde diiraque a f^000res:
ne Atierro da Bovistalo>'a l. H.
ESC U A VOS F'i; idos.
da e garrafa por proco commodo : na ra
Nova venda I). .",">.
i.?- Presutitos quejos londrihos chega-1 Commercio Francez ea obra de
dos ltimamente vmho de chamrranhe. rii i <-m ir,. ,> m un m* Nova ioja >.
todo Porto, dito da Madeira dito de Se-
res agoa ardente de Franca genebra de
llollanda salames salmao soupas pr-
Para o C:mu- a bem conhecida Sumaca Paraila.s c,m ,olas.' aren?uesd3, l,imo em d"
Delmira Meslre Jos Joaquim AI ves sahe
- :
ira
breve por ter parle de seu carregamento prom-
pto ; quem qmser earregar ou ir de passngem
para o que tem bous com modos dirija-s i ao
dito Mestre on a Antonio Joaquim de Souza
Ribeiro.
Para o Mauanha sahir em poitcos dias o
Patacho Brasileiro Mara Luiza, forrado e
pregado de cobre tendo a bordo mais da ter-
Ca parte da carga para carga e passageiros
trata-se com osee proprietarioAntonio Joa-
quim de S.iuza Ribeiro, ou com F. M. Ro-
drigues i\ Irmos.
Para o Rio de Janeiro com toda brevidade
o Patacho Paquete do Rio : quem quiser car-
regar ou ir de passagem dirija-se a Caudino
Agostinbo de Rorros na pracinlia do Corpo
Santo 1). (i7 ou a bordo ao Capito Mano-
el Francisco da Silva.
Para Lisboa o Brigue Portuguez Concei-
C50 Flor de Lisboa forrado de cobre e de
superior marcha sahir com muita brevi-
dade por ter a maior parle de seu carrega-
mento promplo : quem quiser earregar 00 ir
de passagem para o que offerece os melboros
cemmodos e tratamento, dirija-se a Mendos
A Olivcira na na do Vigario D. 13, ou ao
Capito do dito Vicente Amistado Rodrigues.
i. El LO ENS.
|y Ornarla feira i2 do correute de uma
pon,ao de batatas, o serveja na porta do
annazcm do Rraguez pelas lo horas da ma-
nfla.
v~s" Que faz o Corfetor Oliveira, quinta
feira i do corrate as lo horas da manba .
no arma/.uu de assucar dos Srs. Crvaiho *S
Ferreira no forte do mattos quasi defronte
da prensa do Sr. Brito de grande por(;ao de
mobiiia novarecem-chegada-do Porto, con-
sistindoem cadeiras canaps, c sofs fei-
tas lijlos de limpar facas, bonets escoce-
zes charutos da Rabia e de lia vana 5 ludo
por preco commodo no armazem da ra da
Alfandega velba n. .".
SU* Uma secretaria de amarete uma c-
moda de ang'co urna carteira de amarete,
urna banca de Jacaranda para ni"io de sala .
urna cama de angico e oulras obras novas ,
tQdo por preco commodo : na ra das Laran-
geiras I). I~>.
!E7" l ma armacao de venda com seus can-
teiros : na ra de S. Amaro ao entrar no be-
co da ra Nova as lojas do sobrado da quina
D. 19.
cy- Sabo em porcocs de 5o caixas para
cima a 10!) reis a libra taxas coadas para
engenbo a 100 rs. a libra batidas a 200 rs. .
uma maquina de vapor do forga deti Cavallos,
com a competente moenda para engenho : no
armazem de ferragens de Johnston Pater A
Companhia.
"*SSf" I na batanea com eorrente de latao ,
e braco de ferro Romao & C. um temo de
pesos de meia arroba al meia quarla medi-
das de folha e de pea e dous caixoes que
servem |>ara mostradores de taverna : na ra
da Roda venda 1). 8.
tff Cm escravo bom serrador : na serra-
ra de Joio Baptista Muniz junto a ribeira.
tsr Uma prelado gento de bonita ligu-
ra de idade de 20 a 22 anuos propria pa-
ra todo o servido : na ra do Rozario larga .
botequim de Antonio de Albuquerque Mello.
X3* Lma venda cm muito bom lugar, com
uma Ioja para charetos, no fundo: a tratar na
ra da Cadeia na quina do beco do Ouvidor ,
das 0 horas em diane e ao comprador e
dir o motivo da venda.
S^- L'ma escrava de idade de 12 a 14 an-
uos e cera para limas a 880 rs. : na ra do
Rangel D. 7.
SU* Lma casaca de ptnno preto fino em
muito bom uzo : no Paleo do Hospital, venda
tos primorosamente de pao de olio c de ja- .
caranda, e uiuitosoutros arfigos qua estaro por baixo do sobrado de Francisco dos San-
tos.
plenles ; adverte-se que tUdo sera vendido
rasoavelmente por uiotivos de preciso de li-
quidar con tas.
E5" Que la/em .lames a-ablrce mpa-
nhia por iiterVenco do Gorretor Oliveira .
!( um c-plemliiio sorlimenlo de lazendas In-; ra atraz da Matriz, 10 sobrado junto ao
li do corrale M lolCollegioi
iv L'ma molata de dado 2o annos, sa-
bem'o bem coser e en.'ommar advertindo
que s se vende para fon da Provincia e um
molato de idade de 22 aun os : na Coa vista .
Virgilio ,
r;.
No armazem de Antonio Joaquim Pe-
reira defronte da- escadin ha" da Alfandega.
vende-se por preco con,modo, sacas com bom
milito dilas com arroz de casca fumo 0111
folha muito bom para charutos, sag a 180
a libra : a tratar com Marques & Veiga na
ra do Amorim.
I m realejo com boas vozes urna ca-
noa aborta de carrira e mergulhos de par-
reira : a traz dos Martirios casa de 3 portas
verdes; ftssim como duas pedias de moer mi-
lllo.
32^" Conlinua-sea vender o bem aCredi-
tapo vmho do Porto, chamado de Ramo, a
i.j.'iOO rs. a cauada, e a 200 rs. a garrafa :
no armazem da ruado Rozario estreita, 1). 2S
** tsr Osseguintes livros: (Juintiliano Te-
rencio, Selecta, Diccionario Francez-Portu-
giic/., vice versa, o Novo Testamento de
J.C. como lambem boas rautas, carias.
e tabeadas por preco (0111 modo : na ra i)i-
reita Ioja de couros D. 36;
cy lu oitante para piloto ^ e algnns li-
vros da mesma arle ; e mna escrava de meia
idade, para lodo o servico de urna casa : na
ra do Fagundes. D. 1,'i, no primeiroandar.
5^?" Uma pela vistosa coziha o diario
de urna casa lavadeira de varrella, e engom-
ma liso propria para o servico de uma casa :
na ra do Colovelo lado esqoerdo pssando
o beco das Rarreiras D. 57 ; assim como
aluga-se uma Ioja na Praca da Moa vista .
D: 4, para venda ou oulro qualquer eslabe-
leci ment.
3^" Uma negra de idade por 200$000
rcis sabe lavar tanto de varrella como de
sabo : na ra da Conceigo da Boa vista, D-
cima 9.
i^r Cm palanquim acabado de novo e
uma casa de sobrado na ra das Trincheiras ,
com grande quintal murado cacimba, c
chaos proprios a tratar na ra da Cadeia
N. 12.
**tsy 0 Diccionario clasico histrico, geo-
gralico e m\ tbologico, para uzo geral c
particularmente para os Seminarios, Colegios,
e Aulas : na ra da Cadeia n. 12.
nzr Lina ferramenla de carpina cm bom
u/o com a sua competente caixa : na l'ra-
cinha do Livramento D. 25.
1.- l'ma porco de laboas de costado de
szr FugirSona Labia em o anuo de 1833
a 1830, do bordo do Patacho Novo Acord,
dous esefaros marinheiros sendo um don-
me Pedro, oulro .loao mbOS de nac.'io, es-
llura regular, sendo um bem retinto eou-
tr fula sem maissignaes algns : quera os
ppreherider i\ os levav a bordo do Brigtie Ma-
cielao Capito Francisco Jos de Medeiros",
recebar 200<'000i%; de gratifi'ca'co.
l^j Fgio nodifl do correte um es-
cravo de ome BefledictO, de nacao Angola ,
baixo, c.beio (lo corpo cOr Bem prela olhos
regularos sobrancelhas grossas cara reJ
donda, hi'icos groiM^, nariz regalar, per-
as pouco arqlads ps chatos represen-
ta 20 anuos de idade ; levou barrete azul ,
camisa deriscadO azul jdqlietde panno ver-
de escuro, e calcas de biim branco : quem >
pegar leve a ra da Cruz no Bairrodo Recife ,
n. 53, qde ser gratificado.
S f Na larde do dia do enrente, fugio
uma prela de nonle Joaquina com os signa-
es seguinles : tem bastantes cabellos bru-
es nariz chato algmn tanto acangulada ,
tem por.baixo do qucixo da parle esquerda
urna cicatriz ja sS de Um tumor do tamanbo
de una 01,legada tem os peilos balidos, al-
tura reg i lar : roga-se a pessoa qne a appre-
hender de dirigir-se a ra dos Martirios so-
brado junto a torre primeiro andar que
ser gratificado.
S Desle o auno de 1834 fugio um escra-
vo com os signes sguinles: alto seccodo
corpo cor natural cbelo comprido testa
larga, zauolbo nariz pequeo, boca gran-
de boleos grossd e vermelhos, denles
grandes e Iriguoiros pesroco comprido ga-
go alto, bracos comprdds maos seccas ,
ps grandes com 'os dedos polegares um
tanto abortos tem de costume andar ssmpre
com a beca de banda para qlquerdos lados,
de nomo Francisco, crelo: quem deile
soubereolevar a senaria de Jofio Baptista
Muniz junto a ribeira. ser gratificado.
vsr Um mulato de nomo Aiexandre, meio
acabocoladd baixo grosso cabello sollo ,
com uma cicatriz junto ao cabello levou ves-
tido camisa decidla calcas de brim riscado,
muito suja e ja rota : qoeni o pegar leve-o a
ra do Livramento botica D.21
I. / No dia" do eorrente pea madrugada,
do sitio de Ignacio da Cimba em bebiribe ,
urna nem:: creoula de nome Veiissima le-
vando comsigo uma cria de idade de 7 me-
Z'\s. a negra tem os signaes seguintes: baixa,
cheia do eorpo tem os ps cambados e bola-
dos para forii tem urnas marcas de ralbadas
pelas cosas qde tevdu a pouco lempo, repre-
senta ter de idade 24 anuos, ha noticias de
ter bldo |iara os affogados ; quem a pegar le-
ve rto dito sitio ou na ra do Rangel toja de
cera ). 57.
lOVIMEN O DO POR'fo.
amarete vinhatico sendo em pranches par;;
serrar tendo 5o palmos de compriment: na i
Pracinha do Livramento 1). 55.
NAVIOSENTRDOS.RO biA 10.
Maraniio; 14 as, Brigue Escuna Brasi-
leiro Laura de 163 tonel. Cap. i.m'z Fer-
reira da Silva Santos, equip. li, carga
gneros do Paiz : a Fumino Jos Felis da
Roza.
Sanios ; i>i dias Drigue Sueco Folla de 252
tonei. Cap. Michael Asender equip. 12.
carga lastro : a A. Schramm.
SABIDOS K0 MESMO DIA
Montevideo por Sai.los j Brigue Braz. Jpi-
ter, Cap. Jos Ignacio Pimenta carga a
mesma que trouxe.
Portes do Sul Vapor Brasileiro S. Sbastifio ,
Commandante Bernardino Dias Pinheiro.
Marselha ; Barca Franceza Antonnil Cap.
S. Doyrun carga assucar.
SABIDOS NO I)l\ 11
Rio de Janeiro pela Rabia: R. ttrasileiro Nova
SoCiedade Cap. Manoel Ignacio Concia ,
Conduz O resto dos passageiros que trouxe
da liba.
Rio (raudo do Sul Biigne Brasileiro Pa-
M'''i;' de Pernambuco Cap. Leopoldo Jos
da Costa Araujo carga sal e assucar.


.

.

*-.
cr Farinha muito superior sendo moi-; RECIFE NA TYP. DE 51. F. DE F. \S~2


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERJZWGY4H_NZE05X INGEST_TIME 2013-04-13T01:01:23Z PACKAGE AA00011611_04391
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES