<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/04385
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, January 04, 1842
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:04385

Full Text

Atino de 184-?.
Terca Tolva 4 de
Todo ajora depende de mis iheamo ; di nos prudencia, moderaciio, e energa: cnn-
lin liemos como principiamos, e aeremos apuntados com ailmirac.'io entre as ftacfiea maig
,01 .as. (Proclamado da Aaseiiiblea Geral do Brasil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna.-Paraiba, elliorande do Norte, na segunda e e*ia feira.
Bonito e Garanhilns, l0 tt.
Cabo Serinhaem, Hio FoTaBAtn, Torio Cairo, Maocio, e Ala;oas no \ H, e 21.
1' aie 13. Santo Anto, quinta feira, Olinda todos os das.
DAS DA SEMANA.
3 Se. Aprieio
4 Tere, a Tilo
i (Inart. s. acmeto.
C Quii. 4- Di de Re.
7 sexl. a. Theodoro. Aud. do Jnir. de Direito da 1. *M.
5 sab. a. Lourenro. Re. Aud. do .luir, de Direito da 3, rara,
y Diim. s. JuIho.
Janero. Anuo XVI!T. N. ?.
rus
O Diario publicase lodo os diasque n.'in forem SinAffeadns o preo dn (tuifalnArra le
d* tres mil itn por quartel |ii>os jdiantailoS. Os anniim-im b.s imigiaftlea sao HmthIiX
pralia. eo dosi|iie o nrlo forem mt.'i-. de Sil re* por liona. As rei-laiar.(Vs Heirm ser
, dirigidas n rita Tvpograa -ua das Clines 1). 3, r.u p.-ara da Imi |.. ,l.nfi. |, ,le |,,r,
' Nmeros 37 e 3S.
CUIBIOS RO M 21 HE thtttE-UtlA.
Cambio obre Londres 2JI il f. II .
i. l'nris 320 rea p. fianro,
ii Lisboa Sil a 88 p. lUt de pr.
Oino-Moeila ileMUU V. H.lHIa IV*/0(l
l'uvr.i 1'eins ('uliitnnaiM
" > Memcaaol
niiinl.n
Motila de ruine .'! pnr tilii ,]r
tmTk Tatacoes
N, l'i.'tIU 1'i.tilKli Discoiilode bilb. d"Aliad>
de 4,000 S.lOOa 8,00| laam,
IO'iO. 1,r.f,IJ
.* I i, o
M40a 1 '.. .o
dis.-onto.
:i !r jor liHj
i ,li'l0 a \ .(itiW | dem le lrlra* de boas firftlM 1 a al e J,
Preamnr do ,i.a 4 de Janirit.
i." as JO horas e 54 ni. da larde.
2." aa 1-I luirs c IS m, dn man Vi,
PIU.M'.s da LOA NO Mi"/, LE JANEIRO.
Qnart. min-. a 3 - s 7 ara* e :>U m dn larde.
I.na Nova ai II - lis I nrns e i'i m. da laf.le
Ounrl. cresc. a 19 -- 0 ora e4l m. da larde.
Lua eheia a 2U s 3 oras e 31 m. ila larde.
PEllNAMBUC.
MEZA DO CONSULADO.
Paula dos procos corren tes to assucar
algo-
dfto e mais gneros to paiz qu se des-
pachao na mesa do consulado de Pernam-
buco na semana de 3 a 9 de Janeiro de
1812.
Assuear b. n. 1. sorle um
2. 1*700 1. q. 1700
5. 1,000
i. 1*480
5. 1*500 2. q. 1300
6. uwo
Dito dito velbo 1. 1# a. 1*300 1. q. 1300
m 5. 1*400
i. 1)230
o. 1*100 2. q. 1100
o. 930
Dito mase. n. i. b030
2. 930^1. q. 1030
Dito dito vclhe 1. 930
2. 830 t.q.'ftSO
AluodAocm i)l 1. 6*200
** 2. 3*200
5. 4*200
Jos Atlonso Ferreira.
Francisco Jos Marinho.
FciUres e conferentos.
Miguel Arcanjo Monlciro de Alidrade Caval-
leiroda ordem de Christo e administrador
da meza do consulado por Sua Mageslade
Imperial e Constitucional etc.
Faz saber que no dia 8 do corren te se hdd-
dearrematar na porta da mesma administra-
ban tres caixas de assucar hranco aprehen-
didas [Kilosrespectivos etnpregadosdo Trapixe
Novo, por enexactido tas taras, em cujo dia
se lindao os [trazos marcados no regulamenlo.
sendo a arrematado Jivre de despesas ao ar-
rematante.
E par que chegue a noticia a quem con-
vier mandei alisar o presente edital na por-
ta desta adminislracao, e publicar pela im-
prensa.
Meza do consulado de Pernambuco 3 de
Janeiro de 1812.
Miguel Arcanjo Monteiro^de^Andrade.
Miguel Arcanjo Monteiro de Andrade, Ca-
valleiro da Ordem de Cliristo e adminis-
trador da Meza do Consulado de Pernam-
buco por S. M. I. e C.
Faz saber que no dia 3 de Janeiro de 1812
se bao de arrematar na porla da mesma ad-
niinistracao trez arrobas de fumo aprehendi-
das sem despacho a b'>rdo da barcaca Auria .
que segua viagem para o Rio Formozo ; c no
dia 7 do mesmo oito caixes de doce de goia-
ba pezando vinte qualro libras, aprehendi-
dos sem despacho em hum bote que os con-
dusia para bordo de um navio Hespanhol;
em cujos dias se indo os prasos marcados no
regulamento sendo a arremataejao hvre de
despezas ao arrematante. E para que che-
gue a noticia a quem convier mandei a ixar
o presente edital na porla desta administra-
gao e publicar pela Imprenta. Meza do
Consulado de Pernambuco 23 de Dczembro de
1811.
Miguel Arcanjo Monteiro d'Andrade.
ARSENAL DE GL'EIIRA.
O arsenal de guerra compra nove ou 10
quintaos de ferro com diferentes vitolas.
Arsenal de guerra 5 de Janeiro 1812.
Veiga Pessoa.
Direitor.
PREFEITURA.
Parte do dia 31 do passado.
Illm. cExm. Sr.-Das parles boje recebi-
das consta somentc que no dia 28 do corren-
te Tora assassin.nlo lacadas no lugar tle Ti-
gipi o |)ardo Marcos .lose saintlo feridas
outras pessoas sendo urna dellasgiavemen-
le, por occasiao de tima rolgancil de toques
c (Janeas, qile infelismente terminou em se-'
melhante desordem, pudendo escapar-se sal-
vo osaulhores desle Crime, os qaes nao
tem sitioain Ja presos, apesar das diligencias
da policial
Parte dos .lias I, 8 3 do Corren te. )
Partecipo a V, Ex. que nos dias 31 dede-
zcinbro prximo passado el e2 do corren-
te nao occorreo noVdUde< "
A cmara municipal desta cidatlc faz ses-
sao extraordinaria no dia 7 do corrente. e
nesse dia serao impreterivelmente arremata-
das duas casas na pfa(;a da Independencia de
n. 23 e2i.
Recife 3 de Janeiro de 1812.
Francisco Antonio RabellodeCarValllOi
Secretario interino.
Hcndiniitnto da rec^hedoi'ia (Jas rendas gd-
raes internas no niez de dSzembfo prximo
passado.
Novos c vclhos dircilos 270.t380
Direitos de chancellara 4*830
Verbas da mesma 4*530
Disima da mesma 883*Y04
Imposto de letras 38<5i9
Carlas de hachareis 4ij000
Emolumentos de certidoeSi .>320
Foros de terrenos de marinlia 1 *68t
Latidemios 55*009
2.;l dcima de mao-niorta 7038o
Sisa dos bens de raiz 3;l 7^t*812
Sello do papel l;Ot*380
Imposto de lojas ahertas 2;577*f00
Taxa de I* reis por escravos IjOOO
Dito de barcos do interior. 233)201)
Rs, ):33l.>922
Rocebedoria das rendas geraes internas 3
de Janeiro de IS12.
No impedimenta da escrjvaa
O prmeiro escriptUrario
Manoel Antonio Simos do Auiarali
l'R.VfA DO C0MMEUCI0 30 DE DKZF.MIUtO I8ll.
Revista Mercantil.
Cambio Sem tranzaces a 29 d.
Algofhlo ) Poucas vendas ; e continuo pelos
Assucar ) ullimos presos.
Carne secca Sem entradas ; c o mercado
est suprido.
Bacalho Chegarao dous carregamenlos :
um de 2010 Barricas, que foi ven-
dido a 7*800 ; e outro de 2000,
que seguio para a Babia,
Os dias festivos tem paralizado as tran-
zac/>es.
NOTICIAS ESTRAX.EIRAS. T
Deciso do conselho de ministros para a a-
bertura das Cortea em
HE9PANHA,
SercnissimoSenhor. Grandes, de sm-^
ma importancia e de immensos resultados sao
semduvida as diversas leisque com Ilustrado
zeloC sabedoria decretaram as cortes na ulti-
ma legislatura proposla do governo. De
desojar haveria sido que livessem podido con-*
liiiuar seus interessantes trabalhos alsalisfa-
zer inteirameuleasnecessidades dqs povos e
desenvolver os principios consignados nacons-
liluic/io ; portn a legislatura dedicada aob-
jectos lao grandiosos ter-se-hia prolongado
mais alm de que o promelliam a estacao e
as atleiKjoes particulares dos senadoras e de-
pillados que nao era justo descuidar absolu-
tamente. Por eslas considerabas hoUve Vos-
sa \iie/a de se resignar com a imperiosa nc-
cessidade que aquellas Ihe prescreverem de dar
algum descanso proporcionado s indicadas
iittenoes ede deferir os ardenles desejos de1 Se em lugar do dia -1! do mez proximti fn-
com pletar seus vastos dcsiguea era benClicio turo as curtes se tivessem.nbrido lio!, dt; .No-
da naoSo magnnima que eonliod a Vossd Al- vembroouse adata do decrete em lugar de sol-
loza a direeoao de s-.'iis destinos (luanle a me- de 17 desle me/ l'oss- dn de Oulubra lalve/.
or idatle de Sua Magostado a Rain ha I). Isa- que iatilivossoinos hoje a lamentara desgra-
ne! 11. SolTocada felizmente na sUa origem cada situaeao da capital da Catalunba, produ-
a rovolueao de Oul libro e restituido o paiz /.idas J pelos repelidos e trisUssimos oseaine-
ao oslado normal ; dado o neCossario desean- Cimentos, j pelo exaggcrado ardor, palriolico
50 aos representahles da naoao e terido podi- dealguns, pela obslinavArtde oulros o em
do tambeih desta maneira attender nos seus summa ptdo fatal motivo que lera sempretfe
nssuniptos particulares cbogada a poca em vii ascodsos a osle paiz de viciludes poiiticas
que possain tornar a oceupr-se da causa pu- enoideadas urnas com onlras desde laoiargoM
bttea na ipial ha tanto que fa/er para qlio a latinos.
consliluiean fique completamente realisadaj J quamlopela impronsa se disculia sobre a
pora n.tcao no canutillo da priHperidade e 1 reUnio das corles exjKrzemos a idea que, ago-
grandeza o n que por tantos ttulos se faz ere- Ira lorflamos a repctU' de que a demora poda,
dora. (.ocasionar mili graves eompliraros pola for-
At aqui os orcamentosou nao lein sido dos- ca de Circunstancias mu que so adia-va o paiz.
cutidos, ou o lora m tao lardiameiite que s Jcm'se quefao menos bou ve n discripco do
poderam reger em um curto lempo do anuo a atrauticia-h nolcmneinnte que em breve
uiiiriain as corles, e por desgrana vemo
confirmados em nao pei|ueiia parlo nossoa
qiie perlenoiani. Ogbverno prometleu a pre-
sentar dentro deste aquello que pertence ao
anuo prximo futuro e ter-lo-hia foilo Com prosentimentos e imiilo estimaremos '-tiiio <>
lempo sulliciento para tpie dentro drllc podes- de esperar que liao passe a mais b que j
sem ser descutidos s os ltimos successos notamos.
e as- snas relativas atiencrtes nao o tivessem Vamosouvlr asnnporlnntesexplMHjoesqu
impedido. As Jis orgnicas, o otltras que sO deraoaos mandatarios do powi aceicatla
o governo apresen tara todas de to grande | provisao dos gobernantes. para conhecer
importancia como ellas o bao de manifestar .
exigen] a cooperando das cortes e sua promp-
la reuuiaoi
Por IssooconstMho de Inilistro do qttaKsoii
presidente penetrado da importancia o neces-
lelipo a vasta oonspirat-ao que contra a lii'or-
tlatle a indt'pen lenoia o a pessoa da rainita
so liiham tramado havia ja bstanle lempo ,
veronioso tpiedispoz o governo para prevenir
os Infaustos successos de Pamplona tos 011-
sidadoj manifestadas tem a honra de pro- {troS pontos em pica Irairao desonroloii a su.i
por a Vossa Alteza se sirva tlpprovar o decre- horrenda bandeira. Sabcrcmos < premio, ou
lo (pie aprsenla para a coiivocagao das cortes
ordinarias, Saraaoca I (i de Nove'mhro do
castigo que se ha dado aos agentes do governo
qile nada fizeran [tara evitar a espinlo d*
1811. Serenissno Senhor,= Facundo In- | mina poii que ate hoje mais lomos visto pre-
fante. I mi que castigo : o finalmente conheceremo*
nivcr.KTO. so o poder (piando sr servio dos mcios para
Dona Isabel II |torgraoa de Doo-i e da eons- tornar Hulosos loncos in leu tos dos rebelde
tiluieao da monarchia Raiilhu das llospa- fez ludo o pie prescreve a l>oa poli tica o lu-
idlas", c em son real nome e dliranlo sua me- do aquillo qtM marea o nohre lint de segurar
or idjide I). Baldomcro Espartero, Duque da para sempre contra novos pergos os caros oh-
Virtoria Regente da Reino a todos os (pie oljectos qU se bao visto amoacados da morto
presente virem sabei. Que desojando ardoii- por causas que em nossos dias j reccbian to-
temente se copolidem as in.stitiiicf.es liberar ; da a luz que de desojar,
es que a nacao ha dado por meo das sahi- i Para cnlao reservamos dar o uosso parecer
ase convenientes leis c que alm disto se sobre pontos lao interessantes 5 mas ja qut
proponhain disculam e approvom qlianlas por incidencia tomos fallado de Barcelona .
forem conducentes para fomentar a prosperi- ' ej (pieos assnmplos daquella importante ca-
dade do paiz e conduzi' a nacao ao alto gru | pilal sao o olljecto da ciiriosidade e da polomi-
de esplendor e grandeza a que por tantos ti- ca como os mais inleressuntese mais arduo*
lulos chamada, usando da faculdado que tos que hoje em dia occorrem nao podemos dei-
compelc pola conslituicao promulgada em 18 xa de fineer algum** amig.iveis atlvertenei
de Jutihode 1857 e ouvido o conselho de m-lao ministerio conformes com o que ja em
nislros temos rosolvdo convoear como pe- j varios arligos temos apon lado sobre a face qun
lo presente convocamos cortes ordinarias apresentava esta delicada queslao que dev-
conforme a mesma ConstituiQflO para o da i r ter o prinioiro logar nos debates parlamon-
20 de Dezembro. Por tanto mandamos que tarios por muilns ponderosas razos : -Nao
no citado dia 20 de Dezembro se acliem ret- nos surpreiiendeii o desenlace que acabamos
nidos mata capital para celebrar as cortes ex- de observar na mais forte crise poia os tuiba-
Iraordinarias os senadores e depnlados. Te- mos previsto ; porque segundo ojuMo racio-
lo-heis assim entendido e disporeis o no-!enio nao era possivel que oulra cousa acon-
cossario para o sou cumprimenlo lazemlo-o
imprimir publicar e Correr. O Duque da
Victoria,Dado em Saragoca a 17 de Novem-
brodolHil.A D. Facundo Infante. \
dem,Em fim o regente do reino cecre-
tou a desejada e solicitada rcuniao das cortes ,
que foi ha alguna dias a esta parle o objecto
da viva polmica na quid nao nos cabe pe-
quea |)arte. Os que a todos trances sustn-
tame applaudem os actos do poder conlam
uma '-pecio de triunfo porque se ha dado o
lecesse.
Malor sorpresa nos produziu o giro que co-
mecoii a dar a cousas o capito general do
destricto da Catalunba depois dos aconteci-
mentos que tiveramlogar nos dias prximos
sua entrada em Barcelona.
A dedaracao do estado de silio um fado
oflicial do que nao podendo duvidar como o>
sao os domis bandos publicados em Barce-
lona o dissolucao da dopulago provincial da
finii na ede trez batalhes ^. milicia naoio-
imjiortante passo da convocaco das corles1 nal est sement annunciada nos peridicos,
dentro do mez de Dezembro o pial de al-je nao a temos anda visto conformada ohcial-
guin modo deixaem bom lugar a patarra que mente.
sabiu da boca do Sr. presidente do Conselho
de ministro. 1'/ verdade qu inda este au-
no se ajuntavam de novo os representantes da
na;O, porn no da 20 do Dezembro isto
011 no Um do auno e por tanto nao lao
prompte como em nosso entender ede mni-
tos outros amantes do bem publico linham
dos-jado.
O estado do silio as circunstancias era
que so achava Barcelona Ilegal, contrario
s recentesdisposices e domis iu_util em lo-
do o sentido.
Sobre a illognldade nada temos que dizor
peio milito (pie ja dissonios m-sta ma.^na ,
mandando amigos o adversarios polticos,
em diversos e mu NipcfM circunateBcias ;
1


s
I-
i- 50
fJAKaiEUak ^i-Ot>
O
ci.^tjg'Tfr"^ riy-T>yrrTr^.~
r tamben) porque a Hegalidadcde similhantes
declaraces nao necessila explicar-* paraos
qucsabem a eoustituicaQ e as leis do reino.
Olanlo ap acto do senhor Van-llalen se op-
pe as reeentfis disposieoesdo governo, o faz ver
o decrelu expedido em 14 de Janeiro ultimo
pela regencia i)rovisoria no qual, reconhecendo
o* abusos de authoridade. e os excesos que
sem causa de severidade nern de atilidade se
dencus que coniplicam a stuagfio, o governo
deve meditar muilo ueste negocio, deve pro-
curar-que se repare o mal causado e que de
nenhuma maneira v em augmento-, porque
sobre elle pesaro cousequeneias, porque
elle solVrera as inculpagoes que as cortes le
li/'Mvm, e porque entreoutros danno* pode
este oecasionar o gravissimo de que se abram
as cortes no meio de choques de opposico,
tinham cometido eui lempos anteriores q' lis- que mudo convida evilar ou diminuir em
pozque s em casos em que rea! e verdadei-
ramenle se achasse sitiado um novo pelos ini-
migos exteriores, en interiores poderiamas
aulhoridades militares declarar o estado do si-
momentos em que, se bem que ha cessailo
o recelo da tempestade, e de maior monta,
que mchem completamente unidos os po-
deres do estado para consolidar a situacao
no sos leitores as seguimos noticias histricas theatro do seu valor : as mesmas ras se con-
sabr Barcelona as quaes explican at corto verteram em campo de batalha e os combate*
ponto os sucesos de boje o o apaixonado I se multiplicaran!. Batidos por loicas supe-
.i... - -:..-...3 ..u/iiKnmm mna nirn toi'Iiavam
emoenho com que se promove a demolicaoda riores recuavam ...- ^
I a ;s seus postos e nelles se defendan! com no-
Ioo
cortina interior da sua cidadela. j seus postos e nelkv
Barcelona urna praca de guerra de muda vo ardor. Berwiek ofiforeceo-lhe a vida, mas
cousideracao. Inatacavl pela frente do mar nao quiseram recebel-a pelo prego de se en-
tregarem. A noite cubri com as suas trovas
muilos feitos heroicos, que a historia nos te-
ria Iransmeltido.
Amanheceo odia seguinte, o sangue cor-
ra por todas as partes as ras achavam-se
juncadas de cadveres e com tudo os brcelo-
tio, licando absolutamente prohibido faze-lo constilucinal e para fazer de lodo impossveis
m quaesquer oclras circunstancias, debaixo
jdas penas (pie eslabelecem as leis.
Barcelona nao se aehava exleriorinonle s-
novos motivos de oonvulgao e transtornos.
Os que lem observado a nossa marchacomo
escriplores, durante o actual ministerio, eos
tiada (piando o nao lora pelo mesmo capillo que conhecem nossos principios e nossas m-
general que se colocou em suas immediaco.vs lenees apreciirao q* i>.o;dediquemosaacons -
eom toreas respeilaveis. No son interior ion-i mar o ministerio: eos que sinistramenle no;,|
fje de se notar resistencia, nao se vio cousa uuizeram julgar, verao por experiencia rten-
alguifia desla natureza, nio se fegharem as tro em pouco tempo se temo; razao para nos
portas ao chele militar, nao se le/, onda con-! expressarmos da maneira que hoje o faze-
sa mais que sanar qualquer inconveniente que ms.
podesse apresentar-se por mais ligeiro que
fosse, para o que dictaram as authoridades lo- O nosso cerrespondente particular de Ma-
caos (Odasasdisposiedesconvenientes e man-'drid nosdizem dala de 2o de novembro o
dou-se uma coinmissao ao geueral para que jn- seguinte: -
trasse quando bem Ihe a prouvesse. Por con- | Madrid 23. Continua segundo as ulti-
seguinte a declararlo que elle fez depois de j mas noticias em estado de sitio, esugeila ao
ter ocupado a cidade.sem encontrar na raesma arbitrio do general Van Halen, a capital da
embarazo algum, e depois re ter ascorpora- Catalunha 5 e contra os seos actos j se tem
cees, segu-anea e ordem publica, nio po- pronunciado nfio s a imprensa da dita cida-
dia fundar em motivo algum urgente, e mu-de e adesta corte, mas tambera a muni-
lo menos nos que prefixa o decreto de i 1 de cipaldade e milicia nacional de Tarragona,
Janeiro. que dirigiro representages ao regente ,
Ao governo que os dictan pertence ver co- queixando-se dos actos daquell general,
ino os tem eomprido nesta ocasifio o genera!, a quera chamara o novo tirano de Barce-
daCatalunha. lona.
Que o estado de sitio sob todas as vistas j Parece que se-procedera a nova orgamsa-
inutil. tambem fcil demostra-lo. loman- cao dos batalhoes da milicia nacional que fo-
do a recordar o estado pacifico de Barcelona rain dissolvidos, pois que os inenbros da 110-
quando entrarain as tropas, e notando que va cmara municipal sao os mesmos, que
para dictar todas as disposicoes coHvinientes foram eleitos por occasiao da gloriosa revo-
cm nada se necessilava da llega! declarado luco de setembro de 1840.
que anathematisamos. Consta terein chegado a Perpignan os
otaveise recentes exempos podemos ci- membros da dissolvida junta de Barcelo-
ar paiarummovar a no.ssaasserc,uo; maspa- a e secundo o passaporte que levavam
ra isto bastara sinenk lembrar a Madrid, desta cidade lencionam dingir-se a logla-
donde se pode dizer, estando sitiado o povot trra.
por inimigosinternos, sem estado de sitio I Continuam aentregar-se em Barcelona as
lriumpbou completamente sem estado de quotas aos que foram collectados dlegal-
sitio se reslabeleceo a ordem em mili poucas mente,
horas depois de se ler alterado sem estado I Hnha entrado no dia 18 do passado na di-
porque seo pouco fundo impede a aproxima- tregarem.
cao de navios de guerra est defendida pela
parte da trra com multiplica-dos baluartes e
obra avancalas, principalmente por urna
magnifica cidadela situada naextremidade do
lado do nordeste e pelo forte de Monjuich e-
diicado no cume de un monte ao sudueste.
Muitos sao os sitios memoraveis que es-
ta cidade e seos belicosos habitantes tem sus-
ne/.es ainda se batiam. As mulheres lanca-
vam das janellas pedras e mat -riaes ardendo
sobre os assaltantes. Berwick tornou a oll'e-
lentdo. dando provas de intrepidez e he- recer as vidas, masnflo foiestu ado, porque
roismo de que se acham cheias todas as his-
torias.
Sob o dominio dosmouros oppoz Barcelo-
s queria continuar to desigual lucta. At
que a final mandando incendiar as casas nao
tiveram os bareelonezes mais remedio que
ais tenaz resistencia aos sene- renderem-se, o que fizerAo no da W de ^e-
na em 802 a mt
raes
di
ti I ti 11
saltos Destruidos os edificios derribada as das pela mo do al^oz perdera seus foros e
muralhas degollados ou morios de fome me- | privilegios. Sujeitos a novas leis nunca per
aes de Luiz reide Aquitania sustentando-se tembro de 17li. i\'ao obstante esta degraca
lurant desasseis mezes nos quaes em as conservaran toda a sua altivez e odio para com
.Rimas semanas foram quasi continuos os as- i os vencedores vira suas bandeiras qucima-
Em 98o tomona ser sitiada pelos moa-
ros, e depois de seis dias de assalto tomada oupa uma (
pelas tropas de Amansor re de Cordova.
Nesta occasiao soffreo tambem o incendio,equa-
zi todos os seos habitantes foram reduzdos
escravido. O conde Borel a reconquistou
pouco depois e se assegurou na posse della.
No secuto 1o foi Barcelona o foco da re-
cada por Kelippe 5. depois da conquista.
filustre da nobreza france-
za. Os sitiados tornaram carga e o recupe-
ra raram e apesar de se acbarem distradas
asmu:alhasosbarcelone/esincapazesdesentiro
medo suiten taram-se na brechacom tanta impa-
videz e sangue fri como se estivessem cuber-
as porem accommettidos pela multido se
bellio da Catalunha contra Joo segundo, retirara com ordem para a cidade que exten-
rei de Arago, seu soberano. Suslentoucaode terreno no qual se destruram como
um cerco contra o mesmo rei e conseguio fa-
de sitio se deram muita-- e ini|)ortantes provi-
dencias que a situado reclamava e final-
mente sem estado de sitio s^ applicou a lei aos
inimigos da liberdade e do socego publico. E
ta cidade o general Serrano, com alguma
forca de avallara e infantera.
Disem que se diriga tambem de Guadix pa-
ra o mesmo ponto o regiment de infante-
julgamos que nao haver quem diga que om \ ra 23, e que o hatalhao de Vergara marcha-
Madrid tinham os perturbadores menos ele-1 va para a Valencia.
mentos que aquellos com que podfttn cantar j O governo acabava de publicar uma cuch-
os inquietos deBarcelona quando contra torios : ar, com instruecnes sobre a conservacao e
x> principise contra ludo p que era de es- melhoramenlo dos montes, defesas eplan-
perar se declaro o estado de sitio em uma tacoes; e recommendndo aos cheles que
cidade onde nao havia sitiador nem sitiado. I promovam nos seos discnctos, todo o bem dos
A inutilidade realca por a improcedencia pavos tanto nte como em lodos os assump-
dlegalidade da declaraeau. Veremos o que tos.
faz o governo tendo presente o detreto que a- Esperava-se com a maior brevidade a che-
cabmos de citar e a conducta que observen o gada a Bilbao dogeneral Alcal, pelo qual a-
masmo governo em Madrid ainda ha to pon- nbelam all, a ihnde se verem hvres de Zur-
ro tempo e finalmente veremos o queso de- bao.
dem as cartas quando se llie fayam estas c A deputacao provincial de Madrid repre-
outras observaQOes. sentn tambem ao regente contra os exces-
Aqui o general Yan-Ilalcn delerminou sobre sos couimettidos pelas dissolvidas juntas de
os ou tros pontos nao 6 menos Ilegal se vigilancia.
eerto que referem os peridicos de bontam ; I As noticia do AragSo, CastelJa, e Anda-
porqne de ivenhurn modo tem fac.ildades o luza sao as mais salislalorias, e nellas rema
chefe militar donde regem leis em Catalunha atranqnilidade. S em Pontevedra que
para dissolver deputagoes provincia.vs.. muni- houveram algumas pequeas desordens que
ipalidade e milicia Anda queslao se i;;- loo se apasguaram.
lo o pode fazer o supremo governo ; porem Aqui tem havido multas festas pela chega-
fodossabem pie o chefe militar nao est au- da do regente. A municipalidadedirgio-lhe
Ihorisado para assim pralicar. Ao demais urna eloquente felicitaQao em que Ihe Chama
visto o que antecipadamente linliam feito as ; esse soldado e valente Espartero que nos
rorporaedes populares de Barcelona para o tem dado a paz a telicidadi?.A olhciahdade
reslabeleeimenlo do estado normal nao se da milicia naeionalda guftrniCfiO depois de des-
concebe como pode O general arrojai-se a filarem no diada sua ehegada, re un ram-se em
dissojve-la do efficaz apoio que necessariamen- varias hospedarlas, onde jantaramr.e brmdaram
te |he leriam dado. : saude da constitmc/io Bamba babel, e lie-
Pelos ltimos actos das feas corpoi-aces o \ gente : assim como a outros mitosobjectos
general nao tinha seno dar-lhf agradecimen- patriticos.
tos, | e os primeros de mo lo ajgum podia con- A imprensa continua a oceupar-se da prtv
,'emna-los, porque se dellas nasceo a creacao xima reunio das cortes dos sucessos dp
a junta, tambem do senhor Van-flalen ftwcelofia, e das especuIaQes da bolsa, de q'
tambem do obefe poltico e tambem do go- j Hie fallei e sobre o que cada um opina ,
vernp ereceo a approvaco. o estaboleci- S'gunlo Ihe parece. Em quanlo a ininba o-
ruentoda dit coi por;u;ao era virtude das pinino nadadigo, sem ver o resultado,
nirunstancias que rebelio poz o esta ircunstancias q' exisiam provideueias extra-1 zas fronteira e que s de eavallana se or-
ordinarias ediia.u-.-lo por uma vez eir- ' ganisaroem p de guerra 1 esquadrocs. l)i-
, imstancias ,.as quaes aquella e nutras juntas zernque se recebera em Bayona ordem pelo
zel-o levantar no auno de 1402. Igual resis-
tencia opozem 1482, mas sitiada por forgas
superiores, rendeo-se linalmente nessemes-
mo armo depois de um assedio de seis me-
ses. --------\
Em 1G 40 tornou a ser foco de uma nova
SUblevaCftO da Catalunha resisti pelo gran-
de espago de do/e anuos a todos os eslrcos de
seo re Filippe 4., al que por fim se entre-
bou depois de tersoffrido umbloqueio e sitio
de dez meses. Besislio tambem a Carlos se-
gundo em 1089, mais foi submellida pela
loica.
Em 1007 sucumbi aos ataques do exerci-
tofrancez, cpmmandado pelo duque de Ven-
dme. Os habitantes eslavao bem armados,
tiiihouma guarnigao de 12 000 bomens e
e.iam defendidos pelo principe de Darmstadt,
alem disto um grande exercito commandade
por 1). Francisco Velasco corra a
socrrelos mas endo sido este derrotado ,
Barcelona capitulou depois de 52 dias de
trincheira aberta.
Em 1700 sublevou-se contra Filippe ."." ,
e foi sitala por este proprio principe, po-
rem a aproximacaode uma frota inglesa 00-
brigOU a levantar o sitio.
Esta cidade via-se abandonada pelo archi-
doque a quem chamavam seu rei : as pro-
vincias limtrofes obedeciam a Felippc 5*., e
as de maiscidades da Catalunha jase Ibes
haviam submetido, mais nao obstante islo
Barcelona resisti. Suslentou um sitio me-
moravel contra as forgas reunidas de Fran-
ca e Mespanha. Extraordinarios, foram os
rasgos de valor e herosmo que all se plati-
caran].
Os habitantes redrjzidos a seus proprios re-
cursos, s'fii tropas, sem guarnicoatreverao-
se a fazer frente a exercilos numerosos e
aguerridos e commandados por generaos de
grande fama: nao temerao a desgraga, s fo-
me e a mOrte. Os paisanos portaram-se como
os mais auueiridos soldados, os estudanlesda
tmiversidade fomaram batalhoes q' foram por
muto lempo nveneiveis cuTas e frade rom
cruxifixo na mao e urna espada na outra per-
corriam as tropas e animavam o: guerreiros
exiitando-os a coud>ater em nomc da> divin-
dade cuja imagem Ihe a presen la vam : all se
viam alguna religiosos eapuchinhos com os
abites suspensos., e a barba sugeita com'urna
cinta, benzer, (arrogar edisparar as pegas
eooi o ma-ior acerlo : mniheres entimsiasma-
jdissemos em outro lugar, mais de
casas, 5 convenios e uma parecida.
000
firestaram servicos rfificeis ile premiar
J.i que iiieoiisidcriv.'lmenti- ce comegou a
tractarcwntante desacert o assumpto de fer-
t-elona desde a firoclamago do regente, ja que
,,'ffKiis se bao eoiniiieiiido as recentes impru-
telegrapbo-para se faserem 6 milhoes de car-
tuxos.
Sitios que tem soffrido Barcelona.
Julgamos que muito deviam interessar aos
Madrid 24 de Novembro. Entrada do
regente. Hontem s duas horas da tarde ,
como anleciparlamente se tinha prevenido .
entrou nesta capital o regente do reino re-
gressando da sua triunfante marcha na qual
precorreo varias provincias da monarchia,
recebendo em todas ellas as mais distinctos
homenagens e o maior airelo dos povos.
Felizmente bastou s a sua fama guerreira e
o enlbusiasmo pela causa da liberdade para
terminar em poucos dias urna guerra que
primeira vista nao dcixava de apresentar sym-
ptomas deduragao. Se acontecesse de outro
modo seguros estaramos de que o chefe da
naco teria visto realisados os grandes e es-
pontneos oflerecimentos que os povos Ihe
lem feito.
Antes de hontem linham sabido desta cor-
te o chefe politice e a deputagao provincial de
Madrid a fim de receberem a S. A. em ven-
da de Meco desta provincia e-da de Cuadala-
jara ; e hontem sabio a cmara municipal al
ao confm da jurisdiego desta cidade, onde
edecusamente recebeo o regente a quem a-
companharam as referidas aulhoridades a
cujo encontr tambem tinham sabido na ven-
da do Espirito Santo um batalhao e um es-
quadrfto da milicia nacional.
Apezar do fri e hmido que eslava o dia
muilas pessoasde todas as jerarchias tinham
sabido al aos suburbios da capital a espe-
rar o regente e em todo o transito deste a
por a de Alcal al ao palacio assim como
as janellas dos edificios do dito transito se via
um immenso concurso compasto de toda a
classe de povo que fazia muito dilficil po-
desse circular por aquellas paragens.
Os primeiros que compunham o cortejo
erara os timbaleiros maceiros e olliciaes
inferiores de justiga, depois seguia-se aca-
mara deste auno acompanhada da do anuo
passado.
Vinha cnto o regente em um soberbo car-
ro tirado por lindos e briosos cavados com vo-
lantes a p.
Fechava o cortejo a brilhante escolla de
S. A. o quinto batalhao de uacionaes e um.
esquadro da dita milicia.
Com esta mesma ordem foi o cortejo at
ao palacio e da mesma maneira voltou ale-
das fasendo preparativos de defensa, cor- acasa do regente, cuja pessoa foi cordealmen-
rendo abrocha mist:irando-se entre os com- te applaudida por todo o povo-que se aehava)
blenles, e fasendo tiros la o-seguros como
os mesmos soldados com quem se confundan!,
Indomaveis pareciam os bareelonezes ,
suas mesmas pardas e aJcavam tanto valor e
obstinaco. Por Um Bervick redobrando seus
esforgos apoderou-se do baluarte de Santa
as ras e janellas.
Todas as casas das ras por onde passou o
regente esta vam vistosamente armadas e na
parte mais inminente dama do duque da Vi-
ctoria se tinha erigido pela cmara um arco
singelo pela brevidade com que foi disposlo ,
Clara* (I) bem regado com o sangue foi novo masque nao deixava de ser vistoso. Com-
punha-se de urna armago toda bordada e-
coberta de laureis e pedras e esta armagSo
(i) Occupava aparte dn terreno onde de-
pois se construio a cidadella.
.^ra cingida por grinaidas de flores. O are*



estava sustentado por 28 columnas. Entre
as 46 do centro havi quatro estatuas : na
parte mais alta, do fronlespicio da porta de
Alcal viam-se o Genio Nacional e a Fama
sustentado urna especie de targeta na qual se
lia.esta legenda: Ao pacificador de Hespa-
nha a villa de Madrid e no reverso lia-se
Ao invicto duque da Victoria Regente do
Reino. .
A' noite illuminou-se toda a superficie do
ara por urna multido de vidros de diferentes
cores, o que formava a mais linda vista a
pezardo forte vento que nodeixava conser-
var completamente accesas todas as luzes.
0 Regente fez urna entrada verdaderamen-
te triumphal, oque, sem duvida", haver
desconsolado muito aquelles que aparentam
crerese eslorcam para que os mais creiam
que a causa de Espartero, unida estreita-
mente do progresso nao tem muitos par-
tidistas em Hespanha.
Mas sobre isto nos s quizeramos que esti-
vessem ontem muitos dos estrangeiros que
se acham Iludidos para que vista se desen-
ganassem pois que aos de casa nao fcil
convence-los porque jamis se convence ao
que est convencido mas que renitente re-
Cusa confessa-lo.
0 povo de Madrid e a naco na sua gran-
de maioria estao bein satisfeitos do accerto e
do patriotismo com que maneja as redeas do
estado o duque da Victoria e s deseja
que todos os que tem a obrigago de auxili-
ar-lo nesla tilo ardua empresa sejam o eco
verdadeiro e os sinceros e exactissimos exe-
culores de seus bespanlioes e constitucionaes
sen limen tos.
Nos sempre mui escassos em queimar n-
senco as aras do poder nos que accerrimos
sustentamos a regencia triple por julgarmos
que assim convinha aos principios que segui-
mos ; e a publica felecidade. que tanto appe-
tecemos somos os primeiros em confessar ,
sem que por isso julguemos ollendido nosso
amor proprio que o Regente desde que oc-
cupou este eminente lugar ', tem sabido sus-
tentar com grande sabedoria e vezivel libe-
ralismo o defflcil cargo que as cortes Ihe con-
iram e que se durante sua regencia se tem
visto algumas faltas que temos censurado e
continuamos a censurar no meio de muitos
ouvaveis actos governativos cuja cordial ap-
provaco llie temos votado estas faltas sao
dos conselbeiros responsaveis e nao daquel-
le queoceupa elevado lugar de Regente nen
sobre aspecto algum he podem ser impu-
tadas.
Sirva isto de cathegorica e terminante res-
posta aos que sonhando novos transtornos ,
uniCo caminho de salvado para sua desespe-
rada causa se Ihe figura ou afiectam tal
abertura tima luta encarnizada que ha de pro-
vocar partido nacional progressista contra a
regencia do duque da Victoria. Para assim
pensar preciso grande delirio; mas breve-
mente vira um novo desengao poz de tan-
tos outros, e.j na prxima legislatura, j
as que se lb,e segu'irem verse*ho como na
passada confundidas todas as opinioes relati-
vas morta questao da regencia que com
insano e louco intento querem resuscitar os
inimigos; e as nicas questes que talvez
posso suscitar-sc serio as de governo > as
de ministerio e as que podero ter suggeri-
do os ltimos acntecimentos, cujos prece-
dentes e cujas consequencias talvez sejao con-
sideradas sob diflerentes aspectos pelos corpos
lsgisladores como j o tem sido pela imprensa.
(Eco del Commercio.)
Da fronleira. 16 de Novembro. Dezeceis
mil homens a forga que o governo francez
tracta de acantonar na.liitha dos Pyrinos ,
com tudo nao ha por ora indicios que aquella
forca se destine a hostilisar a Hespanha, pois
que nao se notam os preparativos proprios de
taes invasoes, oque posso assegurar porque
vi partir no dia 23 parte da dita forca e a-
quella que se preparava para marchar a 30 ,
e por conseguinte estas tropas nao podem ler
outro obejeclo mais que formar um corpo de
Obscrvacio.
O nosso correspondente particular de Madritl
nos dizem data de 27 de Novembro o se-
guinte :
Madrid 27. Pouco tenho a dlzer-lhe por
que vamos passando ao estado normal de que
sahimos por occasie da revolta de Outubro.
Consta que a deputaco provincial da Na-
varra protestara Contra a ordem do chefe po-
ltico cerca da suspenso e substituido dos
ajuntamentos de Estella e Puente la Reina.
tella Velha ; porque parece que se vai for-
mar cauza e at alguns ja dizem que se a-
cbam presos, os generaes Rivero e Sania
Cruz.
Nos peridicos que ah deve receber vera
ocontheudo da carta de S. M. a Rainha de
Portugal, a S. M. a Rainha D. Izabel II. fe-
licitando* pelo desfecho da revolta de 7 de
Odtubro, e por a Divina Providencia a livrar
dos planos dos anarchistas.
Tambem ver o prembulo que precede-se
a dita carta.
Pelas ultimas noticias sabe-se que ainda
se conserva em estado de sitio a capital de Ca-
talunha que se tinha mandado fazer o orna-
mento para a reediccaco da cidadella ; assim
como tornaram-se a mandar cobrar as contri-
bu ices que a junta tinha abolido e reintc-
graram-se varios empregados que havim sido
demittidos.
A Commisso militar de Madrid condem-
nou morte o brigadeiro I). Joo Pezuela ,
que dizem se acha nesse reino, sem prejuiso
com tudo de ser ouvido cm sua defeza no
caso de se apresentar.
Comegavam a voltar aos'seus lares os indi-
viduos que tinham sido desterrados de
Pontevedra.
Dizem que lornam a apparecer na Mancha
algumas quadrilhas de ladroes de alguma im-
portancia,
0 moviment eleitoral progride com a mai-
or actividade e conlinuam a sahir eleitos
depulados ou senadores, para supprir os lo-
gares que faltam os amigos da actual ordem
de cousas.
Segundo escrevem de Tudella tinham all
occorrido algumas desordens entre a tropa e os
paysanos pelo que foi mandado sahir da-
quclle ponto um balalho de provinciaes.
O conselho supremo militar absolveu os
officiaes de infauteria e cavallaria da guarda
real ltimamente condemnados porque dis-
se, que elles, nao tinham leito seno obe-
decer aos chefes que os commandavam.
Hontem pela manh apresentaram-se ao
Duque Regente o Inspector geral, comman-
daiiles e ociaes da mrticia nacional, para o
felicitar pela sua chegada e offerecer-lhe u-
ma cruz, como condecorado pelos aconteci-
mentos de 7 de Outubro.
J se nota urna grande baixa nos fundos
de cinco porcento que tanto tinham subido
ha dias e de que Ihe fallei as minhas an-
teriores.
Nenhum aconteciinento nolavel se sabe que
occorresse as provincias as quaes estao
tranquillas.
(Do Nacional de Lisboa.)
se verificar se a casa em questao estava no
ulinhamento da casado Exm. Senador Manoel
de Carvalho tirado pela frente, que desta pa-
ra o caes e que segundo confessa o Reo em
sua defeza a ti. 5 verso he o ponto mais sali-
ente pela prai doCollegio, achou-se que a
casa em questao est fora do dito alinhamento
dous palmos e meio, compreliendido ocu-
nhal; pelo que e pelo mais que dos autos
consta, condemno o Reo a multa de 6^000
re. e demolido da obra edificada na con-
funnidade do Til. 7. 2. das Posturas Muii-
cipaes, combinado com o Tit. 3. $ -i., e
justamente as cusas. Recife 22 de Dezem-
bro de 1811. Antonio Joaquim de Moraes
Silva.
LOTERA do theatro.
As rodas da 1 parte da 8. Lote-
ra correm inipreterivelniente no
da 11 do corrente ; e o resto dos
respectivos b i I hetes acho-se a ven-
da nos lugares annunciados.
Continuac.o da subscripeo a favor dos ha-
bitantes da villa da Praia da vitoria na 1-
Iha Terceira.
Bernardo Duarte dos Reis
Jos Rodrigues Pereira
V. A. de Suiza Carvalho
Manoel Feliciano Gomes de Figueredo
Joaquim Gonc,alves Casco
Antonio Alves Rarboza
Antonio d'Azevedo Villarouco
Luiz Antonio da Cunha
Pedro Jos Ribeiro Alves
Antonio Maia da Silva
Rento Jos da Silva Magalhes
Joo Jacinto de Souza
Thiago de Barros
Jos Antonio de Magalhes Basto
Antonio Jos Vieira d'Araujo
Jos Joaquim da Silva Maia
Antonio Francisco Pereira Jnior
Antonio d'Oliveira Maia
Joo Texeira de Souza
Joo Jacinto Moreira
molestias com um feliz successo.
ssy- Quem precizar de um rapaz porluguez,
com idade de 22 anuos o qual sabe bem ler ,
eserever eom perfeico e tem todos os es-
darecimentosde todos os negocios mercanti,
nesla praga pode procurar no arco do Rom
Jezus na venda de Domingos Jos Ma-
chado.
Roga-se a pessoa que apanhou um cordo
de ouro de vara e meia, grosso, que cabio da
janella do sobrado por cima da loja que foi de
Herculano Jos de Fre tas, haja de o levar ou
mandar, ao dito sobrado, pois h indicios da
pessoa que o appanhou.
szr \endo-seuma venda em muito bom
lugar a dinheiro ou a praso a vjsla, do compra-
dor se dir o motiio da venda ; tractar na
da Cdeia venda da quina que volta para o l>e-
co doOuvidor.
= Vende-se costados de ama relio sem de-
feito, com tres palmos de largo e 5o de com
prido StfOOU di los de dous e meio a 12j
e ditos de dous ib ; quem os pretender an-
nuocie.
ssr Quem quizer mandar fazer limas do
xeiro: dando todos os apareilhos; pagando de
tai Moa 3 por um vintem, fazem-sa muito bem
feilas e grossas das-se prontas a qualqitr
estante que queira : na ra direita D. 23\
e na mesmacaza alug/- se urna ama de leite .
forra, com muito bom leite.
Bf Arrenda-se um bom sitio muito perlo
da praca com caza de vivenda que tem c-
modos suficientes para qualquer familia .
com arvoredos de fructos, duas exceden tes
baixas huma com plantado de capim e ou-
tra propria para qualquer qualidade de orla
lice duas cacimbas : sendo una d'agua de
beber, e outra de gasto : tem alem de tu-
oUO do isto no fundo porto de embarque ; quem
ojOOO o pretender dinja-se a ra velha, caza D. 21.
oOOO
5>00,>
5*900
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
S*000
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
6*000
A" PEDIDO.
Vistos estes autos, termo de adiada, ves-
turia defeza do Reo Antonio Joze de Maga-
lhes Bastos e mais pecas do proeesso, pro-
va-se que o Reo edilicou huma caza terrea
ao p do arco de Sanio Antonio, sem ter para
isso a respectiva licenca contra o disposto
no Til. 7. 2. das Posturas Municipaes,
sendo que a Jicenqa concedida em dala de 15
de Dezembro de 1850, foi cacada pelo Edital
da Cmara de 51 de Oulubro de 1859 (a 11.
56 ) ; e nao podio exbulhal-a desse direito as
decisoes dadas pelo poder judiciario na espe-
cie sjeita ; pois quecompetindo pela l,ei do
1. de Outubro de 1828 nica e exclusiva-
mente as Cmaras Municipaes deliberar sobre
as ras e edificios &c.; e tendo a Cmara
Municipal adoptado em 1839 hum novo plano
de edilicaco uzou de seudireito quando cas-
sou todas as licen^as anteriores a publicac.o
COLLF.G10 PERNAMBICANO.
ATERRO DA BOA-VISTA, N. 6.
As aulas do Collegio Pernambucano abrem-
se de novo no dia 7 do correnle Janeiro. To-
dos os preparatorios que a lei exige para as
Academias de Direito e de Medicina do Inipe-
perio, sao ali ensillados. Os professores das
diversas diciplinas sao de mui distinclo m-
rito.
Para conhecimento da reguiaridade dos
estudos, e do rgimen interno acham-se
patentes ao publico os estatuios do eslabe-
leci monto.
Sao admi'.tidos alumnos internos meios-
pensionistas e externos.
= Compra-se escravos de ambos os sexos ,
com ollicio ou sem elles atea idado de 20
annos ; quem os liver dirija-se a ra do Yi-
gario N. 21.
Preciza-se de hum preto canoeiro par.i
Irabalhar em huma canoa que carrosa 500 tv-
jolJos i e alvenana ; quem o tiver procure no
beco da Matriz de S. Antonio D. 6 para tra-
tar do ajuste.
- O Sur Joaquim Gonealves de Faria ,
queira annuuciar a sua morada para se Ihe en-
tregar huma carta de sua lam lia
O abaixo assignado, aviza ao respeita-
vel publico que ninguem iioa negocio com
Joo Machado Fe mandes Lima sobre huma
escrava de naco por uome Rila pois ella
nao Ihe pertence
Joaquim Pereira dos Santos Piulo.
Qualquer dono de obra que precizar de
algumas canoas de areia tanto para obra .
como mesmo para aterrar algum terreno por
preco cmodo ; dirija-se a ra do Rangel i).
1T adeverle-se mais que lano faz dentro
da Cidade como fora
Preciza-se de hutnj ama forra ou capli-
AVIZOS DIVERSOS
iSS" Joaquim Jos de Santa Anua Barros,
professor particular das aulas de primeiras le-
tras e Fiancez, faz sciente aos pais de seus
alumnos ; que abre as ditas aulas no dia 10 do
corrente ; assim como scienlilica a todos os
maisSnrs., que desejoo zelo, prosperidade,
e aptido de seus lilhos, e que do seu presu-
mo se queiro utilizar para cujo fim se tem
das Posturas addcionaes concedidas para "o- esmerado como publico, e continuar seni-
bras .'.'ijoc propietarios ainda nao tivessem
pre em quanto desta trela estiyer sobre car-
dado principio a edificaco das mesmas, cm regado; hajfto de dirijir-se na ra nova de
cuja clusse se achava o leo o qual nao podia Santo Amaro, em fora deportas casa, D.-i.
ficar excluido da generalidade do Edital su- | = Mr. Kissel reiojoeiro francez que
pra mencionado sem dar-se o absurdo de se j n'outro lempo trabalhou em Pariz para Caza
poder por deeiso do'poder judiciario levantar
hum edificio talvez no mero de huma ra ,
marcada pela. Cmara Municipal: alem disso,
quando o Reo se podesse prevalecer da licenca
oblida antes do mencionado Edital faifava-
Hie a cordeaco que Ihe nao foi dada pela
Cmara, a qual nao poda ser suprida por
ser huma das suas peculiares attribui^oes ,
sendo indispensavel a vista do art. 12 das Pos-
turas addcionaes, que a Cmara marcasse o
predio que devia regular o alinhamento dos
Real reinado de Luiz XV'II aviza ao res-
peitavel publico, que elle concerta qualquer
relojo que Ihe seja confiado patentes ,
horizontaes, virgulas, gronometres e em
geral todas as obras tocante a mecanisma; na
ra das Crilzes junto a Typographia ; as-
sim como 5 vende-se retejos horizontaes em \ rela |0jadc touros L) -20
ouro e em prata. ^ Aluga-seiiuma escraa
sgr Em Pernambuco ra Nova D. 15a-|je| ) a q;l| ^^a
caba de estabelocer-se um dejiosito de choco- /lr,har taz todo se
va que saiba cozinhar e eugommar ; no bo-
tequim do Theatro se dir quem a pretende
Dasse dois con los de reis a premio de
dois por cento ao mez sobre pinhores de ouro ,
ou hypoteca em alguma caza 5 nesta Typogra-
tia se dir.
Precza-se alugar hum preto que emen-
da de cozinhar o diario de huma caza cstran-
geira ; na ra do Hospicio sobradinho do meio
da parte do rscente
Aluga-ae huma exeellento caza citano
Cortme dos Coelhos na Bua-visia e junio a
olaria do Sur. Miguel Carneiro tundo hum
grande soto commodos para lamilla, e por-
to de emhaiquc no fundo e bastante terreno
para qualquer estabelecimeuto como seja ,'
para estaleiro d conslrucco ou armazem de
madeira ; a talar com Marcelino Joze Lopes.
Hum liomeiii solteiro propoem-se a eusi-
nai as primeiras letras nesta Praca ou fora del-
la a pessoa que de seo presiono se quiz<-r
ntilizai-.se dirija-se a Praca do Commercio ar-
mazem de assucar de Joo Antunes Gllhna-
raens.
CJuem precizar de huma Senhora capaz
para ama de caza de homem solteiro a qual
; sabe bem eugommar e cozinhar ; na ra t)i-
late onde se encontrardo diversas quaiidades
engommat
de
moca e muito
, lavar e co-
huma caza : 110
novos o qual devia ser o mais conforme com i (taes como chocolate frreo dito chamado de
o determinado para as novas ras : linalmen- saude e dito de Buunilha &c. &c), venda
te ainda admittida a hypothese de ter o Reo li-
cencia e cordiago e de dever rogular-se na
edificaco pela visloria a fl. 18 elle tinha
contravindo as Posturas Municipaes por se ter
Y !h T?- ,qUe P8880," .POr Tna ^"g'nao-se a desviado do alinhamento, do que faz menco
Valhadohd o general Inarlc, qu dizem vai a dita visteria ; poisque procedendo-se a hu- ,
ser encarregauo da capitana geral da Caj, ] ma nbya vistoria a requerimento do Reo para pregado pelos principis mdicos cm varias
tanto em porco como por relalho.
As virtudes e e delicioso sabor de qualquer
desses chocolates os fazem muito recomen-
dareis ; porem o chocolate frreo sobre ludo ,
possue propriedades que Ihe tem feito alcan-
zar grande reputac,o na Europa onde em-
At erro da Bou-vis ua labrica de charutos L).
13 que se dir quem a tem.
Compra-se porco de cal>o veiho e hu-
ma escrava que seja boa engommadeiru s
sem vicios paga-se bem ; na ra de Agua*
verdes I). 38.
t^f" OSr. que annunciou no Diario de on_
tem 5 do corrente, precisar de oOj rs. a ju_
ros de 2 por cento dando penboies d'ouio .
dirija-se ao paleo de S. Pedro \emla t). -2.
.


-A
%r
A pessoa que qiiiser encarregar-se de gagao he preferivcl ao assucar fabricado
nina enanca para Oial-a de leitc em sua casa
dirija-se a fu da Aurora [erceira casa de 5
andares.
tJ" Aluga-se una boa casa terrea cora
quintalecacimba, ao pe do manguind no
principio da estrada dos aducios : a tratar na
rila da i'uleia do Recife n. 12.
X-~ Precisa-sc de ura europeo para feitor
fora pesia braga pagando-se bem sendo o
mesmo natural dasllhase xegadode prximo
na torra que saibeler escrever e contar,
de idade media e nao crianga e nem velho e
solteiro : na ra da alegra da boa vista i.*
casa terrea de soto de varanda de ferro e
na mesma casa da-se boas luvas a quera der as
chaves de urna boa casa terrea ou sobrado pa-
ra urna, grande familia, sendo no raesrao
bairro.
tSF" Aluga-se urna ptima e grande loja
com urna grande sala e dous quartos sita no
pateo de S. Pedro, quina da ra do fogo ;
quem a pretender dirija-se ao sitio do Rom-
bal a tratar cora sua dona.
SST Ouem precisar de um caixciro para
venda ou outro qnalquer negocio dirija-se a
venda da quina do beco do ouvidor delioute
do theatro.'
C^~ O abaixo assignado faz sciente ao res-
nesla provincia sendo por islo mui provavel
(pie soja mais estimado que elle nos mercados
naeionaes e estrangeiros.
Lourengo de S e Albuquerque.
A VISO S MARI T I M 0 S
Para o R. G. no Norte a Lanxa r lor do Da
com toda brevidade por ler ja parte da car-
ga prompta ; quem quiser carregar dirija-se
ao p do trapiche do algodo a tratar com o
meslre da raesina.
Parvo Aracaty sahe athe o da lo de Ja-
neiro obetn condecido Hiato Flor das laran-
goiras forrado de cobre e de primeira mar-
cha ja tem moia carga prompta: quem qui-
ser carregar ou ir de passagem para o que tem
bons commodos dirija-se a ra da cadeia loja
de fa/eudasn. 17.
Para o Maramia segu
dentro em
poucos dias o Rrigue Rrasileiro Tenlacao, for-
rado e em cavilhadode cobre, e de superior
! marcha commodos para passageiros, de que
lie Capilo Patricio Joaquin Gonsalves Maia ,
e ja tem prompta a maior parte de sna carga ;
os prelendenles dirijao-se a na da raoeda n.
I l a Firmino .lose P'elis da Rosa.
Para o Rio ut; Jamriro o Bergantn) Nacio-
Manoel Antonio de
con toda brevidade
a fete trata-so
nal Eugenia
peitavcl publico que para liquidago de con las ; jjouza ("ueiTa
pede a todos os seus credores que hajao de e eslavos TtWriZilm
E2?3E T?* v ^ Pa,a ^ Joaquim Raplista Moreira no sen escriptorio ,
rau pagas no praso de L> das. ;.,... i * i
1 i> i ,- c na 'ua (, Apolo e para passageiros com o
Re-nardo Gomes de Souza. r -,- h. '
Capilo
a sabir
para carga e escravos
vcy No dia 31 de Dezembro passado das i
para as 8 horas da noute ronharo da casa
do abaixo assignado os objeclos seguintcs :
urna correte de ouro para sen hora com 4o
aneis, urna dita pequea fina c quebrada ,
um par de brincos de ouro lavrado como jogo
de damas sendo os quadros azues dous aneis
tendo um delles urna pedra azul, e outro li-
so ura bolao de abertura com um brilhante,
dous chales de seda 61 -i, um de toquim blan-
co bordado e outro de sarja preto lavrado ,
dous corles de Vestidos de cassa estando ja
alinhavados sendo um liso e o outro com
ninas palomillas cor de rosa um vestido cor
de ganga de chita de ramagens urna duzia
de meias de seda brancas lavradas 2 pares
de luvas compridas de seda preta e outras
brancas curtas, um pega de bico de linho
francez urna casaca de panno verde escuro
com botes pretos e gola de veludo urnas
caigas de merino preto ; t coletes de seda de
diversas cores 5 lengos de seda para grava-
ta e outros de cores e roupa branca tan-
to de homem como de senhora
sedulas
de os
_ 'Capilo a bordo.
Para Liverpool a bem eonhecida Rarca
. Ingleza Colurabus deve sabir at o dia lo
do corren te ; quera quiser ir de passagem di-
; rija-se aos consignatarios Me. Calmont & C.
Para Lisboa cora brevidade o bem concei-
tuado e veleiro Rrigue Portuguez Conceigo
de Mara forrado de cobre ; quem quiser
canegarou ir de passagem para o que tem
milito bons commodos e arranjos com todo o
asseio, a fallar com o seu consignatario Fran-
cisco Severiano Rabelo ou com o Capitao Ma-
noel da Costa Neves na praga do Commercio.
, e dinheiro
cm sedlas miudas ; roga-se as pessoas a
quem for ollerecido estes objectos haja
tomar e aprehender a pessoa que os offerecer,
e levar na ra do Oliveira que vai do mondego
para a Magdalena ouem casa do Snr. Jos
Joaquin de Oliveira que ser recompensado
Mauvernay.
xzr Quem precisar de um cozinheiro ou
padeiro que sabe fornear pao e bolaxa an-
nuncie.
tsr O abaixo assignado declara que ten-
do a sodado Carlos Monleiro Teixcira a sua
venda sita na rua da S. Cruz defronte da ri-
lii'ira da boa vista que girava em seu nome
particular tica desde o dia 5 do corren te a
mesina venda girando sobre a firma de Soares
Pinto & Teixeira ficando a giranga da mes-
roa e o uzo desta firma" s a cargo do annun-
ciante juntamente avisa aos credores da sua
firma particular hajo de apresenlar suas con-
tas correntes para serem pagas.
Jos Soares Pinto Correia.
ss?- Mr. Reguaire agricultor francez avisa
ao respeitavel publico que tendo empregado
com notoria vantagem no engenho Gararapes
desta provincia o seu methodo de fabricar
assucar sempre da melhor qualidade e in-
COMPRAS
C3~ Todos os nmeros da Abelha Pernam-
bucana o Republico Federativo caixa de
guerra de n. 4- a seguir o Mesquita de capo-
te o n. le de 8 em diante, a ponte da boa
vista de n. t a seguir o Indgena de u. o em
diante o Diado de n. 2 a seguir o garaenho
politico de n. 2 a seguir, o anle-regressista
on. 1 e de 6 em diante ; quem liver annun-
cie.
* S33" L'm curso de La Croix : na ra da
Florentina sobrado novo ao peda mar.
ssr Escravos de idade de lo a 2o annos :
na ra do Colegio D. o.
SST Para fora da provincia escravos pe-
dreiros carpinas ferreiros, bons cozinhei-
ros e boas costureiras engommadeiras e
cozinheiras e molequesde idadede loa 20
annos paga-sc bem a gradando a figura e as
prendas : na praga da boa vista D. 3.
ss^- 2o libras de tartaruga nenies velhos
e quebrados e conserta-se e fazem-se pentes
de tartaruga : na ra do Arago D. 5i.
fcar* Unas eseravas perfeitas engommadei-
ras e costureiras duas molatinhas de idade
de lia 2o annos e dous moleques e negri-
nhas de idade de 12 a 2o annos : na ra do
fogo loja de alfaiate na quina do beco do Padre
C7" L'm piano uzado por prego commodo :
na ra de agoas verdes D. 37.
VENDAS
ss?- Folhinhas de porta ditas de algibei-
ra com variedades ditas de dita com alma-
nak mui correcto dita Ecclesiastica ou de
Padre ; todas por prego mais commodo que
em outra qualquer,parte impressas em bom
dependente do auxilio da potassa que an-j papel c lindo typo : na praca da Indepen-
nualmente absorve mais de 150 contos de rs. \ dencia loja de livros n. 57 e 38 na ra do
aos agricultores de Pernambuco depositou
na loja dosSrs. Santos Neves & Companhia ,
na ra do Crespo diversas es|>ecs de assucar
por elle ltimamente feitas no sobredito en-
genho como consta do ducumentojunto, pa-
ra serem examinadas pelos entendedores da
materia e um exemplar das condigoens cora
que se obriga a coraraunicar aos referidos
agricultores o mencionado methodo e assen-
tar as taxas dos engenhos da maneira propria
para fazer 250 libra de assucar da melhor
qnulidade por hora a fin de serem subscri-
ptos por quem se quiser aproveitar de lo.im-
jwrtantes vantagens.
S*j- Eu abaixo assignado attesto que o Sr.
Pedro Reguaire agricultor francez, fez lti-
mamente no engenho gararapes da minhapro-
priedade varias q calidades de assucar que
pela simplicidade e economa do methodo em-
Cabug loja do Sr. Randeira na Yenda da
quina defronte da Igreja da Madre de Dos
na ra da cadeia loja de ferragens do Sr. Mo-
racs e que ja fui do Sr. Quaresma defronte
da Matriz da boa vista na botica do Snr. Mo-
reira e em Olinda na ra do Amparo boti-
ca do Sr. Rapozo.
nj' Muito boa fazenda de palha para ja-
quela por ser mudo fresca e caixas com vi-
dro por prego commodo : na ra do Crespo
D.12.
sf^* Um bom quartu : na ra Direita lo-
ja de couros D. 2o.
c? Dous prelos para o servigo de campo ,
e duas negras para o servigo de casa : na ra
de agoas verdes D. 37.
S27- Urna porgo de lagedo de muito boa
qualidade e ltimamente chegado de Lisboa ,
por prego commodo : na ra do Vigario D.
o Capilo do Rrigue Conceigo Flor de Lisboa
Vicente Anastasio Rodrigues.
zsr Urna creoulinha de idade de 1i a lo
anuos de mui linda figura ; por necessidade :
na ruada Florentina velha lado do muro de
S. Francisco casa junto a fabrica de papelo.
xsr Urna escrava da costa cozinha en-
goinina lava e he boceteira : na loja de fa-
zendasda quina do beco da Congregaco,.D-
cima 21.
vzf Urna preta de idade de It annos com
principios de costura e engommado a fallar
na roa da Florentina na ultima casa do lado
do nascente.
se?" Superiores cadeiras de Jacaranda di-
tas de olio canaps irmsdas mesmas por
prego commodo por seu dono ler de retirar-
se : iioarmazemdc Curvadlo e Ferreira no
forte do matos a tratar com Rodrigo da
Costa Carvalho.
c? lima escrava de idade de 2o a 23 an-
nos cozinha bem : na ra da Conceigo
D. 2t.
Mj- Potassa da Russia da pjrjmeira quali-
dade em barra pequeos e grandes por
prego commodo a dinheiro ou a praso com
boas tirinas : em casa de JoAo Rufino da Silva
Ramos na l>oa vista ra do hospicio casa de
sobrado defronle do Coronel Rrito Ingle/..
ssy Rarricas e sacas com trelo barricas
com fumo para charutos, meias barricas com
farinha de trigo caixas com velas de sper-
macetc salitre refinado lencos prelos de
sedada india gangas amaretes toalhas ada-
mascadas, pentes travessas pira marrafas ,
algodo grosso para sacos, cha preto de su-
perior qualidade ludo preco commodo : era
casa de Matheus Austin & Companhia na ra
do trapiche novo n. 12.
s^f" Urna escrava de naco boa cozinheira,
reria'assucar, faz varias qualidades de doces,
engomma liso e lava roupa : na ra Direita
D. 20 lado do Livramento.
tf t cadeiras de Jacaranda com assento
de palhinha por prego commodo : na ra
das Flores D. 8.
Wf Os verdadeiros paios de Lisboa por se-
rem somonte fritos de carne de poreo, e 11A0
dealguma outra: no armazem do Rraguez
junto ao arco da Conceigo e ali haver bar-
ril aberto para se vender meia duzia delles
que sirva para amostra afim de quem Com-
prar nao ser engaado com os feitos de carnes
de outras qualidades.
Siy Urna canoa que carrega 5oo lijlos de
alvenaria grossa acabada de ser construida :
a fallar com Marcelino Jse Lopes.
\if Dous bonitos escravos de idade de 2o
a 22 annos sendo um perfeito alfaiate, eo
outro carreiro e mestrede assucar um di-
to hora trabaldador de enchada e de lodo o
servigo, ura dito cozinheiro de fornoe fogo,
urna preta de bonita figura cozinha e he la-
vadeira duas ditas quitandeiras que do
80 por dia urna negrinlia e urna molatinha
de idade de 12 annos cosem mui bem : na
ra do fogo ao 1 do Rozario D. 2o.
= Huma escrava de nagao, cosinha engo-
ma faz doce rifina assucar lava de sabo
e varrela e he quitandeira , na ra dos Mar-
tirios!), t.
ESCRAVOS F 11G 1 D O S .
G7" Do abaixo assignado fugio no dia 2J
do p. p. um negro de nome Manoel de na-
go angico bem ladino secco do corpo, ca-
ra comprida e talhada levou caigas brancas
de setineta camisa f de madapolo jaqueta
de riscadinho encarnado, e chapeo preto ;
quem o pegar leve a ra da Cruz junto ao Sr.
Rom Jess das Portas n. 90 que ser grati-
ficado.
Joo Le te Pita Ortigueira.
ssr No dia 2 do correte fugio do abaixo
assignado, um escravo de nome Antonio por
anathomasia Cauela de nago benguela de
idade de 22 annos de bonita figura de
ponta de barba, cara redonda beigos um
tanto vermclhos odios esbugalhados cbelo
grande falla um pouco grossa tem pelo;;
peitos dos psalgumas pequeas sicatrizes ja
seccas levou camisa e caigas de algodo de
fora e chapeo de palha da trra ; quem o
pegar leve a ra dos Quarteis D. 5 que ser
gratificado.
Manoel Antonio de Jess.
tr- Tendo fgido do engenho S. Braz da
Villa de Serinhaem do abaixo assignado no
da 16 de Setembro p. p. ura seu escravo
de nome Thomaz do gento da costa de
mina alto magro, picados das bechigas ,
levou urna argola de ferro no brago esquerdo,
este escravo dirigio-se #ao engenho novo
de porto calvo do Sr. Jos Ignacio de Men-
dito escravo e que segundo as circuntancias'
que corria desejava comprur igualmente a
mulher do dito escravo por ser casado e a mu-
lher estar em meu poder e filhos respon-
d que de forma alguma o venda para nao
dar mo exemplo aos outros e que me des-
se licenca para o mandar conduzir como de
factoo iz no dia 18 de Novembro porein
chegando os meos portadores nao me foi en-
tregue em razodo dito meo escravo ter agra-
dado muito ao dito Snr. Mendonga e ludo
quanto mais houve a este respeito Manoel de
Siqueira, homem bem conhecido na Villa do
Rio Formoso poder informar, e de outras
couzas mais pois foi um dos meus portado-
res que nandei, e porque suponho o meo
escravo perdido porem nao vendido ,?e tai-
vez para melhor poder coroborar o negacio ,
mandem porein praga e arrematar em alguma
cabega de Comarca das Villa do Sul, desde
ja protesto perante todas as aulhoridades que
por nenhiima arremataco estou e protesto
haver a mim o que divido por qualquer meio
que poder conseguir perdas e danos 5 assim
como don i(H),>00a a quem o trazer.
Francisco Gonsalves da Rocha.
7- Fugio no dia 29 do p. p. urna preta
velha, de nome Domingas de naco cagan-
ga estatura regular nariz chato olhos
pequeos secca do corpo tem a perna di-
reita indiada os dedos dos ps de forquilha ,
cor fula,, levou camisa de algodozinho com
lavarito as hombreiras vestido de chita
blanco uzado e panno da costa ja velho ;
quem a pegar leve a rua direita padaria de
Ponciano Lourengo da Silva, que ser gra-
tificado.
tzf Fugio no dia 28 do p. p. da Cidade de
Olinda da casa de Julio de tal morador no
Lupe urna preta de nome Graca do gentio
de angola de nago angica de idade de
lo aiinos estatura regular cara pequea ,
feicoens tristes cheia do corpo peitos pe-
qucnos os dedos dos ps abortos signal
visvel, levou saia de chita cor de rosa
com palminhas panno da costa ja uzado e
mais roupa branca e de cor nao falla anda
claramente, a qualveioda Parahiha vender-
se aqui pelo Sf. Antonio Jos Lopes de Al-
buquerque, julga-se estar acoitada nesta pra-
ga cm casa de pessoa que a possa conduzir pa-
ra a Parahiha ; quem a pegar leve a rua do
Colegio venda D 8 que ser gratificado.
sar Fugiro do engenho Tabatinga na fre-
guezia de Ipojuca dous escravos Loorengo
preto de nago angola alto grosso fei-
goens grossas ; e sua mulher Emidia cre-
oula baixa gorda fula estes escravos
desaparecerlo na madrugada de 28 do corren-
te quem os pegar leve-OS ao dito engenho ,
OU nesta praga a Manoel Ignacio de Oliveira ,
que receber otbOOO de gratificaco por cada
um ou urna gratificaco a quem der noticia
onde os mesmos existem.
S27" Em o dia 17 do passado fugio una
preta pertencente ao Major Leal de nome
Mara de nago rebolo baixa secca do
corpo bastante fula com um signal de 5
marcas de ferida junto das orelhas represen-
la ter 3o annos de dado ; quem a pegar leve
a fortaleza do Rrum qne ser gratificado.
MOVIMENTO DO PORTO.
NAVIOS ENTRADOS NO DI\ 30. DO P.
Halfax : 83 dias Rrigue Ingle/. S. Lourence
de 135 tonel. Cap. John P. Geach, equip.
12, carga bacalho : a Charles Roope.
MaranhAo, e Cear ; trasendo do ultimo
porto 24 dias Brigue Brasileiro Tentago
de 142 tonel. Cap. J. G. Maia, equip.
15, carga arroz farinha e mais gneros :
a F. J. F. da Rosa.
Ass ; lo dias Rrigue Brasileiro Jpiter de
248 tonel., Cap. A. J. Rodrigues, equip.
15 carga sal : a Manoel Alves Guerra.
Acarac ; 29 das Hinte Brasileiro S. Anto-
nio de i2 tonel. Cap. Henrique Jos Vi-
eira equip. 6 carga sola : ao Capitao.
Entrados no da 51.
Lisboa; 25 dias Brigue Portuguez Concei-
go Flor de Lisboa de 54o tonel. Cap.
VicenteAnastacie Rodrigues equip. 2o ,
carga pedra e mais gneros : a Mendes &
Oliveira.
Parahiba ; 2 dias Brigue Brasileiro Temera-
rio d" 511 tonel. Cap. Jezuino Jos S-
moens equip. 8, carga lastro : a Antonio
Carneiro Lisboa.
SAHIDOS NO MKSMO DIA
Boston ; Brigue- Americano Levant, Cap.
Gadeon S. Holms carga a mesma que
trouxe.
Havana ; Brigue Inglez S. Lourence Cap.
Johu S. Geach carga a mesma que trouxe

donga no dia 9 de Outubro recebi cartas do _
pregado pela faciHdade e prompUd*) da pur- j 15 a tratar com Meodes & OYclra, ou com | mesmo Sr. dando parte que ali se acna> o ^REGIffi NA T\'P. BE-H. F. DE F. 1842.

Lm