Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04371


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1841.
Sabbado 11 de
Todo .sor Pernio de nAs mmo. i nos,, prW.,nu.der.cT., eenergia: ron-
Iomm. como vti-cifUmo., eaorcr.ua ^t!,,, ru,n a m.r.cao rntre ., N..;.*! m...
' r r (l'roclamnciio da AssenibleaGernl du crwO
culiis.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERR! STRES.
Goianna, Paraiba, $U,f** du Norte' na seEunda e feiri-
Ronuo e Garanhun, a 4e 24. .,
Cabo 'ennbaem, Rio Formom, I orlo Cairo, Macen., e Alagoas no 1 il, Zt.
Paie 13. Sanio Anuo, quinta frira, Olirula toiloa os dias.
*
DAS da semana.
6 See. Nicolo. chanfli. Aad. do Juit de Direilo da 2. rara.'
7 Tero. Ambrotio. Bel, Aud. do Juii de Direilo da 1. ara.
8 Quarl. Concilio do N. Snra. s. Romnico.
9 Quint. s. Leocadia, cbancdi. Aad. do Juii de Diieilo da 2. ara,
10 Seat, a. Melquades. Aud. do Jim de Direilo da i. Tara.
41 sab. i. l>maio. Re. And do Jaii de Direito da 3, rara.
4> llo-n. 3. do drenlo, s. Juslino.
Ifezeinhi-o. Anno XVI N. 270.
mi' "-"
O Diario publica-sa lodos os diss que nao forero Santifir.-iiW. o pf*fS da aasignalara he
re tres mil res por quarlcl pa'O adianlailoj. O annunrios dos asaltantes sao inaeridaa
gratn, eos dos que o kro fnrem traiaodo SO ris por liaba. As rrflamaciV9 derein ser
dirigidsM a esta Typografia na das Cmr.cs D. '>, ou 6 praoa da Indepemknoia luja* do li.lft*
Nmeros 37 a 38.
CAMBIOS ho da 10 de Dezembbo.
Cambio sobre Londres 3 )d. p. 11000
Paria 320 reis p. franco.
Lisboa 8J a So p. 100 de pr.
OoBo-Moedade6,i0 V. M.OOa 14.700
> .. .. N. l'i/iOOal'i.OOO
. de 4,000 8,100 a 8,200
P*TA-Palac6ea i.CM a 1,660
.C4I)
1.4G
PlATA l'eio < olumnaiea I,CIO a
u u Mviicjnos I,(..,! a
>. miuda 1.440
Moeda da cobre 3 por 100 de disromo.
Discontu de bilh. da Alfandega 1 o | por IOS
io mez, g,
Wem de Ierra de boas firmas la a t e J.
Preamar do da
1. a 2 bora e
2. a 3 hora e
de H Dczcmb.
ii'i m. da larde.
1S m, da mauhi.
PIUSKS DA LOA NO MEZ DE DEZEMilRO.
Qoart, ming. 5--a 9 oraa 53 m. da manbS.
La Nova a 12-- s 7 oras e 11 m, da larde.
Quart. cresa, a 20--ka 0 oras e 12 m. da larde.
La ebeia a 27 lis 4 oras c 12 m. da larde.
IIIA II
BUC,
pi ti N A M B U C O .
COMMANDODAS ARMAS
EXPEDIENTE BO DA 4 DO COR RENTE.
OicioAo Exm. presidente rogando-
lhe a expediego de suas ordens para que
fosem recebidos e transportados no pri-
meiio vapor vindodosul, o segundo tenen-
te Joao MarinhoCavalcante de Aibuquerque
e o soldado Antonio Jos de Brito seo empe-
dido a provincia do Maranhao e o soldado
Vicenta Furtado provincia do Cear a cu-
ja guarnico licou pertencendo. Semclhan-
tcmente peda houvesse de mandar abonar ao
dito segundo lente as oomedorias Je desem-
barque e aa vanlagens de ajudante d'ordens
al o lim de novembro, vantagons a que ti-
nha direito, por vi r nesta qualidade condu-
sindo un contingente de recrutas.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., para que li-
vesse a bondade de mandar que por a thesou-
raria desla provincia se pagasse a prestaco
de o reis diarios que em socorro desua fa-
milia deixou o soldado Victorino dos Santos ,
quando embarcou para a corte devendo a
prestaco ser cobrada mensalmente pela res-
pectiva tbitia desde 21 de setembro do cor-
rente anno em diante.
Dito Ao mesmo Exjn. Sr. signicando-
lhe em vista do seu despacho do primeiro des-
te mez que o reeruta da Paraiba do Norte
Munoil dos Alijos embarcara para a capital
do imperio na charra Amphitrite no dia 6
de novembro ultimo, tornando-se por isso
impossivel a sua remessa para acuella pro-
vincia, conforme requesita o respectivo Exm.
presidente.
PortaraEncarrcgando ao major ajudan-
te d'ordens Manoel Joaquim de Oliveira de
urna commissao, que tinha de ser prehenchi-
da no forte deCaibu', e povoaco de Nasa-
re Ih do Cabo.
DitaAo tenente coronel commandante do
deposito mandando de orden da presiden-
cia eominunieada em ollicio desta data, dar
baixa ao soldado do quinto batalho de Cava-
laria provisorio ; addido ao deposito, Jo.se
das Virgens da Costa, que tora recrutado con-
tra a le fasendo-se por esta forma eflectfvo
o despacho da presidencia de 17 de agosto de
183'J que o mandara dimiltir o nao leve
execucao por haver o referido Costa marcha-
do para acampanha do Maranhao.
dem do da 6
CTicioAto Exm. presidente, remettendo-
lhe em duplcala omappa da Torca effecti-
va de linlia existente na provincia durante
o mez de novembro ultimo e da guarda na-
cional destacada em servigo da polica em dif-
ferentes comarcas.
DiloAo Ao Exm. commandante das ar-
mas da provincia do Maranhao, communican-
dj-lhe que no vappor S. Sobastiao, seguido.
conforme sua etfg sncia o ajudante de ordens
Joao Marinho Cavalcanle de Albuqnerque c
o soldado Antonio Jos de Brito seo cmara-
da cuja guia deixava de ser-lhe enviada ago-
ra pela rapidez coni que saina o vapor ; mas
que lhe seria remettida em ontrfl occasio.
Dito -Ao commandante Supe io;1 da guarda
nacional do municipio, passando preso a sua
disposisoo guarda nacional do terceiro bata-
lhao, Manoel do Livramenlo pela culpa de
haver abandonado a guarda do consulado ,
e ccmmett.-r a insubordiiiacio de que trata-
va o olicial suppcrior do dia na parte que
cm proprio original lhe Iransmelia a fim de
proceder contra o guarda como fosso de
le.
DitoAo tenente coronel commandante do
DitoAo prefeilo da comarca do- Rio For-
moso crtrnunicando-lhe o exposto no prece-
dente offlcio.
DitoAo juiz di? direito do civel, e interi-
no do crim da comarca do Limociro acen-
sando recebido o seo oVio no qual com-
municava odifinitivo julgameoto do soldado
Agoctinbo Servlo Advocado.
Dito- Ao major comandante da fortaleza do
Brum. ordenando-Ihe, desse urna salva de 19
tiros no acto em que tomasse posse da presi-
dencia desta provincia o Exm. Snr. barao da
Boa-vista presidenta nomea lo
Dito AoMaj:>r commandante da fortale-
za de Tamandar disendo-lhe que foro ru-
bricados e entregues ao portador para serem
cobrados, os papis Je contabelidade invol-
vidos no seo oTicio de 3 do corren te ; qur cm
oftlcio de 21 de novembro ultimo bavia dado
SUlUQfiO de outro seo officio que tractava da
rcmoco dos presos de justca para a Cadeia
de Serinhaem e finalmente. que tendo o
major M. I. de C. Mendonca sido encarrega-
dopelo governo imperial de examinar as for-
tificacOes da provincia s depois deste exa-
me se tractaria dos consocios que requesi-
ta va.
Dito- Aooommand. do deposito, mandando
excluir do mesmo, passando guia, qu: deve
ri;i enviar ao prefeito da comarca o sol-
dado Agostinho Servlo Advogado que fora
condemnado pelo Jury da comarca do Limo-
eiroa setfeannos de pristo simples.
Dito ~ Ao prefeilo da comarca passando a
sna disposicao o soldarlo AgoHinho Servlo
Advogado que se acha pr^so na fortaleza do
Brum; portersido deinitvamente condem-
nado a sette annos de priso simples p:1o ju-
ry da comarca do Limoeiro no dia 13 de no-
vembro doanno prximo pascado confor-
me Ine communicara o juiz de direito do ci-
vel e interino do crime da comarca por officio
de 2p, do mez transado.
DitoAo capitn commandante interino da
companhia de artfices mandando agora mes-
mo apresettar ao segundo tenente Joao Ma-
rinho Cavalcant''de Albuquerque o soldado
Antonio Jos de Brito seo em pedido, que o de-
via acompanhar provincia do Maranhao ,
corlo que sua guia deveria ser enviada a se-
cretaria militar para lhe dar a direccao do co:-
turne. .
Dito Ao mesmo- mandando render do
destacamento do Brum c substituir por ou-
tro o soldado Jos Mara Das que tinha de
acompanhar ao major Manoel Ignacio de Car-
valho Mendonca na inspecQao que tinha de la-
ser s forlificacoes da provincia devendo ser
considerado em diligencia cm quanlo estives-
se empregado ueste servico.
TESOURARIA DA FAZEND V.
EXPF.DIENTE DO Dl.V') DO CORRKNTE .
OflicioAo Exm. Snr. presidente da pro-
vincia informando o requcrimenlo de Jos da
Silva Neves em que pedio o titulo de afora-
mento do terreno ja medido e avahado sob-
numero 8Dno lugar de Fora de Pbrtas.
DitoAo mesmo Exm. Snr. sobre o d
Gaspar Jos dos Beis dilo sob o numero 87 no
dito lugar.
DEM DO OTA 6.
Officio-Ao mesmo Exm. Sr. idem de Josi
deCarvalho da Costa, idem do terreno qm
pOSSue na ra do Apolo.
Dilo Ao mesmo Exm. Sur. d'to do te-
nente Joo Marinho Cavalcanle de Albuquer-
que, sobre o abono dos vencimeatos par
se poder transportara provincia ilo.Maranliao
Dito Ao mesmo Exm. Snr. dito do lli
que nao existe ordem alguma, que aulhori-
se o fornecmento das pecas de fardamenlo ,
de que trata o oflTeio do Exm. presidente do
Cear ; mas como este se fundasso em or-
dena* recebidas da corte do imperio, pareca
que a sua requesie/ao poda ser sasfeta.
DitoAo inspector da thesouraria do 51a-
ranho remettendo a letra de3:010j093 reis
saccada por Paiva & Manoel a favor daquella
thesouraria.
Dito Ao dito das AlagoaS aecusando a ro-
cepe^o do officio de 20 de setembro Ultimo,
que acounanhou diversos documentos rela-
tivos as diligencias que tem embregado aquel-
la thesouraria para encorporar aos proprios
Naeionaes o sitio de ierras denomina lo Trin-
da le. que perleneeo a extincta Keligiao assim
denominada.
DitoAo inspector da alfandega communi-
cando ter o Exm. presidente da provincia ex-
pedido as necessarias ordens para ser remo-
vida a suarda da mesma renartigo na con-
formidade da requesico feita no 1. do cor-
rente.
DitoAo contador da thesouraria coinmn-
nicando a Ticenca de seis meses concedida ao
dezembargador desta provincia Franci co
de Paula Cerqueira Leite com osseus res-
pectivos vencimetos.
DitoAo inspector da Alfandega convi-
dando-o cara assistir no dia 7 do correnle a
posse do Exm. Snr. Barao da Boa-vista, pre-
sidente Romeado para esta provincia.
Iguaes convites foro feitos aos administra-
doras do correio, da reecbedoria de rendas ge-
raes c da meza do consulado.
IDEM DO DIA 7.
Officio-Ao Exm. Snr. presidente da pro-
vincia com a representacao que o procurador
fiscal interino da fasenda dirigi -.thesoura-
ria, relativa a obra que Antonio Jos de Mi-
galhes Baslos est edificando junto ao arco
de Santo Antonio.
Dito Ao administrador da recebedoria de
rendas Geraes internas para em execnssio do
^ 1. do artigo 6 do decreto numero 231 de 13
de novembro precedente cobrar o imposto
addieional de mais quarenta reis, que foi
estabelecdo sobre ataxa doselo a que estilo
sugeitos pelosalvars de 2i de Janeiro de 1801
c 17. do junho de 1809 os papis de qualquer
naturesa, e denominaco especificados nes-
tasles.
r.i>iT\i..
A thesouraria de fasenda desta provincia .
tem de faser algumis remessas cm letras para
Londres; e por isso os Srs. negociantes que
asquiseremdar hajo de comparecer na
mesma thesouraria nos dias do seo expedi-
enl !.
S rretarii da thesouraria do fazenda da
oroviucia de Pernambueo 10 de dezembro de
1811.
Jo'io Francisco Bastos.
Olicial maior.
d> po ito remettendo-lhe os papis de conta- soureiro das loteras epncecedidas a favor da
belidadedo Rio Formlo, pertencente ao mez obras do" groja deNossa Seoh'ora do Bosarii
de novembro ultimo, e maridando que a da fregucsia da Boa-vista sobre o novo plan
respectiva .importancia fosse entregue ao por- por aquello thosoiuoiro appresentado.
tdor deste-, J Dito Ao mesmo Exm. Snr. informando .
C0RUET0.
O Briguo imperial Pedro recebe a mala para
i Bio de Janeiro a manjil (12) as i b >U
:o dia.
ARSK>\L DF.MARIMIA.
0 Im. Sr. Inspector do Arsenal de Mari-
da manda faser publico que no dia 2o d(
inte pelas 11 horas da manha se po-
em anvmalai.ao o fornecimento dos objee
os abaixo declarados para as embarcae(Je
r^rmada pelo tempo de trez mezes a eoatai
jo dia 7 de Janeiro prximo em dianle o
i'.' o !m de Junho lam'>'ni prximo si
os presos dos referidos objectos a islo cunvi-
la .
As pessoas aquem convenba faser somr-
hante fornecimento B&O convidadas pelo me:
no lilm. Sr. Inspector a comparecer n'esl.
secretara cm dito dia e bora munidas.
(fas competentes propostas; certas de quo o?
Ibrnocimenlo ser entregue a quera por me-
nos o fiscr com os objectos da nielbor qua-r
lidade.
Secretarla da inspeccao do arsenal de raa-
rinha de Pernambueo 6 de Dezembro de 1841.
Alexandre Ro.lriues dos AjuC ,
Secretario.
Objectos postas em arrematocs, cao*
quaes se refere o airnuneio supra.
Carne verde farinha agurdente as-
sucar, vinagre toucinho bacalho azei-
te doce, fejao azeitedecco, sabfio, sper-
maceti seboem vedas arroz tintas bran-
ca o preta agua-rz acocante taixas de
cobre ditas de ferro arcos de tonel di-
tos de pipas jollos ingleses era vos de pi-
pa arcos de ferro de huma polegada a huma
e um quarto papel almaco penas o Unt-
ta d'escrever.
Alexandre Rodrigues dos AujoW
p R r, r KITURA,
Parte do dia 6 do corrente.
Illm.'c Exm. Sur. Partccipo a V. Ex
que das partea boje recebidas consta nao to
oeeorrido novidade.
dem do da 7.
Illm. Exm. Sr. Consta lao somonte das
Partes boje recebidas que foro pre203 por
um Soldado do Corno Policial o prcto Francis-
co escravo do Exm. Barao de Suassuna ,.
por estar em desorden); nada mais occorreo.
dem do dia o.
Illm. eExm. Sr; Das partos recebidas n'es-
la Prefeitura bou tem ehoje, consta so-
mente que torno presos Antonio dos Santos ,.
Jo/e Moeanibiq ue por andarem na ra fo-
ra d'horas o se tornarem susnoitos ; Fran-
cisco Jo/.e Dias c o escravo Pedro e Elias
Marinho Faleao c Umbellino Ferreira Dias
por cstarem cm dezordem a noite ; todos ti
vero o Competente destino na forma da Le.
Aproveito esta occasio para declarar a V. Ex.
me apparecerfto dous cadveres um atraz
do muro da Penha o oulro por detras da ca-
za do Negociante Cuiiha ; e que esta Pltfetr
tura providonciou a respeito como lhe
eumpria.
Nada mais occorreo dipno de referir-se.
dem do dia lo.
illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc. que
T|oe pola manha aconlegeo caJlrem os anda-
mes da caza que estedtGoando na ruado
Hospicio de Joaquim Elias de Moura so-
bre um preto menor apprendiz de carp na ,
;scravo de Antonio Dias, o qual faleseeo inir-
iitdialamente, segundo me foi communica-
pdo mesmo Moma.
o que consta das Partos boje recebidas.
C0I.I.ECT0R1 V DO MINIC.IPIO DE 0I.IND.V.
Ocol'cclor da decima c mais impostas de
)irda manda lembrar a lodos os seos col-
ectados, que o presente mez be o marcado
la le para a cobranca passiva a boca do-
Sjflr, do primeiro simestre do corrente anno
mancebo de 1811 a 1812. e que findo esto
>raso se proceder oxecutivament*^ contra os
unissos ; e para nao alegaiem ignorancia faz
inblico polo presente o por editaes eUxa-
!o nos lugaras mais pubtios do municipio.
Colleetoria de Olkida i." de dezembro d
1841.
O escrivao
Joao Gonsalves Rodrigues Frauda.
Tivemos o Nacional de Lisboa e o Diario,
lo Governo ate 2 de Novembro p. p. Em
Iuanto aos negocios internos de Portugal pou-
> ounadaadianta..
Continuavo as Cortes em ssua (rahalho*
uislativos ; tinha sido apresi-ntiulo no Sr*-
\ lo o parecer da commissao do lcidaco -


privando o projeeto a cerca da congrua dos
Paroehos remcttido da ('amara dos eputados;
e n'esla disculia-se outro projecto tendente a
melhorar a situado das classes inactivas.
Progredio as accusagoes e pronuncias con-
tra os jomase npposieionistas ; porni estes
obtinho na relaco provimento a os seus ag-
gravos.
A Imprensa peridica em Portugal conti-
nuara a occupar-se da potica e dos recentes
successosda llesuanha cujas noticias alcan*-
goate2ti d'Otub.-o p. p. ; c d'ellas apTe-
sen taremos aos nossos leilores os extractos
mais intercssahles. As noticias de Londres
chegavoa 25e as de Pariz a21 d'aquellemes-
mo mez.
;S
2
C6RR ESPON'DENCIA
Snrs. Redactores Para que o respeitavel
publico nao faca de nos abaixo assignados,
um juiso diverso daquellc que justamente
merecemos em consequenca da priso que
soluemos-as nove horas e meia da noite do
dia 7 do corrente no arco da Conceigao da
Ponte ; somos a rogar-lhes, em abono da
verdade, a publicado cm sua eslimavel folha
do motivo real c verdadeiro da nossa injusta
priso, naquea noite.
Bem como numeras pessoas a'i se acba-
vo observando os festejos que se fasiao a
Senhora (la Coneeigo estavamos nos tambem,
Srs. Redactores, com-a precisa decencia que
exiga aquello acto solemne e respeitavel.
Andavo entretanto pprentfe o povoali a-
pinhado varios e dispersos soldados de poli-
ca, como em observacao do que polesse oceor-
rer e socedendo (pie um de nos livesse leva-
do urna pequea bengalla Como outros mui-
tosus tinlio, por ser oseo usolcitoe permet-
tidOjaccOnteceoq'pT fhtalidade um daquelles
soldados nao pouco embriagado quisesse tomar
adita bengalla por cacte e com effeito res-
pendendo com estpidas grosserias s modera-
das rasos com que o dono da bengalla re-
clamava delle a sua conservado vae a que-
rer arrebatal-a. quando, um dos espectado-
res, bem como todos os mais, irritado
da insolencia daquellc borracho, presen-
la-lhe urna bengalla, que trasia muito mais
grossa e volumosa e diz-Ihe veja l se tam
bem quer tomar esta e vendo que o soldado
lhe ia por os gadanhos pucha arrebatada-
mente por ella e d com elle soldado por
trra, que mal sepodiater em p. Levanta-
se este do eho, e adiando ainda ali o primei-
ro a quem tinha insultado d-lhe a voz de pre-
60, e o vai condusndo como a um faeinoroso,
agarrando-lhe nofacto pelas costas: eis que
nisto apparece o outro de nos dous, quede na-
da ento sabia e tendo-se informado do
acontecido sobremaneira escandalisa-
do de facto to revoltante, vai ter com o
pas de Piquero, mas tambem o pov e a Mi-
licia nacional ; queem Bilbao acontecer ou-
tro tanto, e at accressentava que alguns
pontos importantes da costa de Cantabria ha-
viam tomado parto activa no movimento^
Tambem se diziaqu? a Rainha viuva sir de
Paris no dia 4, e se diriga a Bilho. Da ca-
pital j tinham sado alguraas tropas arti-
Ihara, que deviam formar a vanguarda do
exercito de oper'ages que ha de commandar
o Mrquez de Rodil na supposigo de que
o Regente nao se poria testa das tropas se*-
nao em caso urgsnte.
O Conselho de guerra permanente havia-se
reunido no dia 14 para julgar a causa do Te-
nente Coronel D Diogo Len Conde de Bc-
lasean. O aecusado tinha comparecido pe-
ranto os seift juzes em grande uniforme de
hasar e trazertdo pendentes todas as efuzes e
condecoraras nacionacs e estrangeiras que
lhe foram conferidas por seus grandes feitos
de armas durante a ultima guerra.
O General Roncali, sen amigo particular ,
a quem elle escolhera para seu defensor, e
que o bava acompanhado na carruagem des-
de a priso at sala do Conselho leu a de-
feza por escrpto que parece impressionra
profundamente o auditorio. O defensor sen-
tiu-se to vivamente commovido ao l-la ,
que por vezes as lagrimas e a oppresso que
experimentaVa lhe embargaram a voz c de-
ram um testemunho do interesse com que ad-
vogava a causa de um amigo em lance to
doloroso.
Afl-ma-se que mutas pessoas rspeitaveis
interpunham com zle cffieacia os seus bons
officos a favor do infeliz General e que ou-
tras que gosam actualmente de grande popu-
laridade havinl dirigido um representgo
aogoverno com o mesmo fim generoso, e que
se pediam as ssignaturas da Milicia nacio-
nal.
Alguns jornaes secundavam nobremente -
quellas diligencias e espraiando-se em con-
sideraces de grande importancia a rcspCito da
justica poltica recordavam os relevantes
servieos do general Len e reclamavam a
favor delle a gradido da sUa patria.Tam-
bem algumas (billas de 14 j o docondem-
nodo morte e no Oratorio ou Cpella ,
onde os reos recebem os ltimos soccorros da
Religio antes de serem etecutados. O go-
verno recebia de differentes provincias parti-
cipages satisfactorias assegurando-lhe fir-
me obediencia sua authoridade. xal que
a ordem se restabelega sem sacrificios e qhc
se dissipem as pesadas nUvehs que parece.m
ameagar de novo a malfadada Hespnha on-
de a liberdade s pope consolidar-se pela unio
e pela paz.
dem 16 d'Outubro.
Ainda hara cm Madrid mesma falta de
noticias das provipcias do Norte ; entretanto ,
segundo as correspondencias d'alguns pontos
alferes, q'estava de ronda, e q' a!i tambem se
achava na oceasio, a solicitar delle a soltura prximos daquellas provincias nao consta-
de seo amigo e companheiro que arbitraria-
mente ia condusido preso para o quartel da
polica e aquella hora -, mas o alferes nao quiz
attender, e disse sem uiais nem mais callease,
e acompanhe tambem o preso, para me n
vir aqui dar regras.
Eis aqui Snrs. Redactores, a cauza da nossa
prisao. O que se passou he fielmente o que
acabamos de narrar que foi bastante publi-
co, e nos appellamos para aimparcialidade das
pessoas que testemunharo o succedido, que nera| Conde de Belascoan.
va que a recolta tivesse feito progressos.
O General Lcon havia sido fusilado no dia
15 apesar dos csfofgos qu se fizeram para
que Ihes fosse commutada a pena.
No Correio Nacional d da 16 l-se se-
guinte :
Apesr do poderoso influxo de S. M. e
Alteza e dos rogos de ou tras pessoas e cor-
poraces fesolve-se a execugo da senlen-
ga de morte proferida no dia 14 contra Ge-
bemconvencidos estamos deque nos nao con-
tradictar em nada do que havemos dito.
, Temos-no justificado para com o Respei-
tavel publico, resta-nos agora agradecer-mos j se" qnartel
cordialmcnte aos Snrs. Redactores a inser-
eno destas linhas, por cujoobzequio sempre
eeremos
Muto obrigados veneradores.
Umbelno Ferreira Dias.
Elias Marinho Falco de Albuquerquerque
Maranho.
NOTICIAS ESTRANGEIRAS.
ti-t i .,
HESPANHA.
Madrid 14 d'Outubro.
Havia na capital urna falla absoluta de no-
ticias fidedignas da Navarra, e provincias Vas-
congadas. Durante os ltimos seis dias nao
se tinham recebido correspondencias daquel-
les pontos, o que conservava o nimos na
maior incerteza. Entretanto corriam alguns
boatos, e at urna das Folhas peridicas di-
2ia que o General O'Donnell estabelecra o seu
Quartel General em Cirauaui e Maneru 4 onde ahraco com o Gerteral Roncali, e nesta ati-
estava organi^aiiuo em baulOes alguns paisa- tude. esteve alguns minutos. Dirigiu-se de-
nos navarros ; que o General Piquero tomara pois ao logar da execco aonde den um a-
posse d*s Aniezcuas e que rcunia all os braco a um soldado da sua escolta ; despe-
jnanoelwM dos povos inmediatos-, que em |diu-se delle e dos mais companheiros o al
Vtork* o s se haviam alevanuio as tro- nos ptreosu que Uie entrecava alguma cousa,
Pela mnh sedo se rertirarh milicia
nacional e as tropas da giiarnico. A pri-
meira se formou desde S. Thms, aonde tem
e no qual estava no Oratorio
o General Len segnindo pela praga de Santa
Cruz Arco e ra de Toledo at saida da
porta dcste nome, onde est destinado o cam-
po para as execuces no qual se formou o
quadrado de todos os piquetes da guarnicAo
que commahddva o Majr do provincial de Al-
cazar de S. JoO D. Jos de Arias.
Pela urna hora em ponto saiu o General
do Oratorio acompanhado do Padre Carasa ,
do General Roncali seu defensor e de ou-
tro milita!*, que naturalmente estara encar-
regado de sua custodia.
O seu traje era o mesmo de huzar que le-
vou ao conselho de guerra adornado com
todas as suas cruzes e condecorages ', e eo-
berta a cabega com a barretina de ordnanca.
O reu porte era grave pdrm to sereno e
desembaragado que mais pareca que a sua
maecba era um passeio do que o transito
para o siipplcio. Chegou em fim ao quadro ,
onde fallou com o seu coufessor e logo se
pedindo se lhe permittisse commandar elle
mesmo a descarga e que nao se lhe vendas-
sem os olhos accrescentando em alta voz
que nao era traidor. Em seguida algou a roz
e gritou : viva Isabel Segunda viva a Gons-
tilnigao, apontar, fogo : e no mesmo instan-
te deixo de existir!!!!
Abstemo-nos de toda a refl'exao e nos
limitamos a dizer que foi morto o Conde de
Beslascoain.
Parece que sua familia havia solicitado
que se lhe cntregasse o cadver, para ser de-
positado no cemiterio d porta de Bilbao pa-
rr Onde foi conduzido n'um carro funttbre ,
ainda que decente sem oslentago
dem 19 d'Outubro.
A Gazeta de Madrid do dia 18 publica um
Decreto pelo qual se declara em estado de
bloqueio a costa d Cantabria desde Castroar-
diales at Fuenterrabi com excluso des-
tes dous portos e dos de Guetaria S. Se-
bastio, eParages ; e se ordena outrosim ao
Ministro da Marnha ,. que tome todas as me-
didas tendentes xecugo daquelle Decret.
A mesma folha diz que continuavam a rece-
ber-se communicagoes dos Chefes Polticos das
Provincias limtrofes das sublevadas asseg-
rando que os povosd sua jurisdiego estavam
animados do melhor espirito e decididos a
sustentar custa dos maiores sacrificios as
inslituiges vigentes e a repelir qualquer
tentativa dos fautores da revolta. De Cata-
lunha erago marchavam forgas consider-
veis com destino s Provincias sublevadas.
A mesma folha do dia 19 contem un Decre-
to do Regente ordenando que durante a sua
ausencia da capital o acompanharo os Minis-
tros d Guerra e do Reino ficando os outros
encarregados do expediente dos negocios. Sua
Alteza havia partido de Madrid no dia 19. A
milicia nacional havia pegado em armas para
se despedir delle e com igual ohjecto se lhe
apresen tou o chefe Poltico atesta das com-
misses da DputagAo Provincial e d C-
mara Municipal. O Regente certo de que
sudo terminar a revolta as Provincias Vas-
congadas logo que alli chegue o Exercito
numeroso qile commanda hvia publicado
antes de partir o Manifest que passamos a
trnscreYer:
Manifest..
Hespanhocs : vivis ha poucos dias ns
doguras de urna paz que conquistastes com o
vosso sangue e a vossa valenta ; gosaveis to-
dos dos beneficios da Constituigo cujo tri-
umph assegurasles do modo mais firm ; sob
os auspicios de um Governozeloso observan-
te das leis veris fecharem-se pouco a pouco
as chags abertas por urna guerra devastado-
ra renascer a indusfria fomefitarem-se a
agricultura as artes eo commercio ; abri-
renl-se em fim mil mananciaes de prosperida-
d recompensa devida a to nobres sacrifi-
cios.
De repente se cobrio de negras nvens ho-
risonte to magnifico ; de repente resa em
nossos ouvidos o brado de um nova guerra ,
provocada pelos inimigos de vosso bom nome ,
edasvossos liberdades. Nao querem hes-
panhoes que sejaes livres que prosperis
jamis, os que com tal sanha renovam os se-
us furores. Nao poderam fazer-vos retroce-
der poca dos abusos, e privilegios que
prendiam urna nago inteir ao jug de certas
classes que a devoravam e isto excita a sua
viringa. Feristes o orgulo dos que com ar-
tes vis queriam atropellar as vossas leis pri-
var-vos do vosso direito de hmens livres. e por
isso se arvora de novo o estandarte de vingan-
ga e sangue ; por isso se afiam os punhaes com
que os hespanhoes vo atravessar outra Vezo
peito de seus irmos.
k O attentdo commettido na noite do dia
7 no recinto do proprio Pago Real, um ul-
traje nago humanidade civilisago ,
e aos thronos. Os homens generosos de to-
das as nages que se acham interessadas na
Causa da Liberdade que defendemos, pedi-
ro conta aos instigadores e perpetradores de
urna aggresso ; em que poderm ter pereci-
do as ten ras descendentes de cem Reis. Co-
nheceroMundo os nomos dos traidores, se-
ja qual fr o manto que os cubra. Cessou o
tempo das contemplages pagas com a mais
negra ingratido. Exige a salvago de Hes-
pnha que se rasgue o veo, eapparega toda
a verdade por mais terrivel que seja.
Hespanhoes : soldado desde a minha in-
fancia, nunca hei aspirado seno a esse bello
titulo. Servir a minha patria derramar o
meu sangue pelo seu bem estar seus din i-
tos e suas liberdades ; guiar pela senda do
patriotismo e da gloria os valentes que ella me
havia confiado era toda a minha ambigo ;
ambigao que estava nobremente satisfeita. Se
as circunstancias me eialtaram a outra es-
phera nao foram obra minha.
Vos me devastes: pela vontade da nago
inteini regem as minhas mos as redeas do
Estado. Jamis se contiou um cargo publico
por um modo mais solemne-. No seio das cor-
tes da mo dos vossos legtimos represen-
tantes recebi a investidura de Regente des-
te Reino. Alli pronunciei o juramento dego-
vernar segundo a Constituigo e as leis. Alli
prometli ante Dos e os homens caminhar pela
vereda da justiga consagrar-me inteiro fe-
licidade s liberdades ao bom nome da mi-
nha patria. Dizei vos mesmos se hei cumpri-
do a minha promessa.
Com os mesmos assentos de conviego
profunda que ento animaram minhas pala-
vras, as repilo agora. Hespanhoes: nestes
momentos de crise quando os nossos inimi-
gos nos provocam guerra ni-vos a este sol-
dado que de hespanhol se aprecia e de hes-
panhol livre. Formai-vos em falange a roda
do Throno de Isabel Segunda e das institui-
coes que de base e de escudo serven joven
Rainha que nelle est sentada. Dizei aos
inimigos de vossas liberdades, da vossa pros-
peridade de vossa fama to nobremente ad-
quirida; dizei Europa ao mundo inteiro,
que estaes resoividos a reger-vos por leis que
vos mesmos vos dstes, a nao deixar-vos ar-
rancar os fructos de tanto sangue e de lma-
nnos sacrificios. Vos rasgastes a mascara aos
que provocam sediges, invocando direitos j
por elles mesmos desmentidos. Vos cobrireis
de confuso e de ignominia os que acendem
este faxo de discordia j invocando foros que
at agora s tem servido de pretexto para co-
brir d'orrores vosso solo. Nao pode ser duvi-
doza a victoria para os que defendem a Liber-
dade e algam com orgulho os pendes de
Castella. Diante dellcs iro os vis q'.cava um
abysmo debaixo dos psde Maria Chrislina.
No seu impotente despetto faltam honra ,
esquecem-se dos seus juramentos quebran-
tan! as paiavras dadas, e offendem o decoro
nacional, para sacirem lo somonte a sido
da sua vinganga:
A's armas, hespanhoes : rese j que
assim o querem em toda a Pennsula o gri-
to da guerra. Arme-se e aprompte-se a mi-
licia nacional, e mantenha a tranquillidade e
a ordem publica em quanto nao for neces-
sario chamal-a o campo da honra e unida
com o valen te Exercito dispute as palmas do
combate. Ouvi agora mais que nunca a vos
dos vossos Chefes, dos vossos magistrados.
Vivei mais que nunca submissos sleis. cor-
tos de que ha ebegado a hora da vossa regene-
rago completa, de oceupar entre os povos
livres entre as Potencias civilisadas da Eu-
ropa o lugar que marcam o vosso poder o
vosso valor e a vossa gloria.
A vos heroicos milicianos de Madrid,
exemplo de todas as virtudes cvicas a vos
confio a custodia d nossa Augusta Rainha e
de sua excelsa IrmS ; a vos to dignos de ve-
lar por objectos iao sagrados. Tambem fica
confiada a ordem e o socego publico desta
Capital ao,vosso patriotismo.
Ao separar-me de vos me desvanego de di-
zer-vos que cada dia haveis adquirido uovos
ttulos minha gratidao minha amizade ,
ao meu carinho. Aattiiude, a decisao o
cnthusiasmo que moslrastes na noite de 7 pa-
ra 8 do corrente nunca se desvanecero da
minha memoria. Merecestes bem da patria,
milicianos de Madrid ; 6 que haveis feito o e-
mittaro todos os demais do Reino ; j o fize-
ram os vossos esforgados companheiros de A-
rago e Pamplona. Mas a vos c a elles vos
coube a fortuna de concorrer primeiro para
castigar a rebellio.
Minha ausencia ser curta. A' frento
dos meus companheiros d'armas levarei a re-
cordago das suas glorias no meio do povo
vascongado que nao pode tomar parte nos
interesses exclusivos de urna aristocracia, que
nao sao os seus. Com paiavras de paz pou-
parci quanto for possivel os horrores dos com-
bates, que, entre os filhos da mesma patria
em vez de cnticos de triumpho s arran-
cam lagrimas de sangue.
Hespanhoes todos confiemos na justiga
de urna causa por tantos leacs e valentes de-
fendida ; descancai no zelo de um homem ,
que do posto a que o exaltastes, s aspira a
lomar a confuudir-se entre vos, apoiado nos
sentimentos do seu coiago na eonscicncia
de haver cumprido bem com os seus deveres.
Que dia to formoso e tao brilhante para a
Hespnha, aquelle cm que depois de allian-
gado o Throno, de asseguiada a nossa liberda-
de e as nossas instituicocs, entregannosa Isa-
bel II. o Estado floresecnte poderoso, c res-
peitado digno do Scelro de urna Rainha de
Hespnha e lhe dissermos : Senhora esta,
a obra dos bons e leaps Hespanhocs
Madrid 18 dCHubro de 181. -- O Duque d


5
Victoria, Regente do Reino. Ant. Gonzales.
A RebelliSo que rebentou em algns pontos
da Costa de Cantabria os auxilios que os
rebeldes podem receber por mar. a defensa
e seguranca que exigem outros logares que
at1 agora se conservam tranquillos e livres do
contagio, rpcIamSo medidas que ponham a
coberto a ordem e a segurapga do resto do
territorio. Authorisado o Governo pela
pratica das Na$des e pelo direito da propria
conservado, para adoptar todas as providen-
cias convenientes e que tendam a cortar os
males da rebellio, e achando-se urna parte
da Provincia d Biscya dominada pela forga
dos criminosos que se levantaran) contra o
Governo legitimo establecido pela vonlade da
Nagao ; Hei por bem, como Regente do Rei-
no durante ihonoridad da S. M. a Ra-
nha D. batel Segunda e de accrdo com o
parecer do Cnselho de Ministros Decretar o
seguinte :
Art. 1. Dclara-S3 eni estado de liloq'ueio
a Costa de Cantabria desde Castro Urdales
at Fuenterrabia com cxcluso destes dous
portos e dos de Quetaria S. Sebastio e
Pasages.
Art. 2. Os Navios que contraverem esta
disposigao incorrero as penas que estabele-
cjm o Direito Martimo umversalmente reco-
nhecido para similhantes casos e as disposi-
cOes vigentes a tal respeito.
Art. 5. Para levar a effeito o presente De-
creto acham-se destinados para aquella Cos-
ta os Navios de guerra necesarios para impe-
dir rigorosamente toda a communieagao com
os rebeldes.
Art. 4." O Ministro d'Estado dos Negocios
Estrangeiros communicara este Decreto aos
Agentes Diplomticos e Consulares de S. M.
para que dand-lhe a conveniente pqblici-
dade ninguem possa allegar ignorancia ;
prevenindo-os deque comga a vigorar do da
24 deste mez em diante.
Art. 5. 0 Ministro da tarinha expedir
as ordens e instruegoes neeessarias a m de
que este Decreto tenlia exacto e devido cum-
primenlo. Assimo tereis en tendido e com-
munkareis a quem competir. = (( O Duque
da Victoria. = Madrid 17 de Oulubrode
1841. = A. D. Antonio Gonzales Presi-
dente do Cnselho de Ministros.
dem 21 d'outlbro.
AGazeta Extraordinaria de Madrid do dia
21 publica um ollicio do Mrquez de Rodil .
General em chefe do exercito de operages' do
Norte em que d parte que no dia 18 pela
volta da meia noite liavia o General Piquero
abandonado Vitoria com todas as forcas que a
guarniciam indo em sua companhia a deno-
minada Regencia e demais funecionarios ,
que haviam tomado parte na revolta. \ mu-
nicipalidade linhaiogo officiado ao General A-
leson, que se achava mais prximo, para
queviesseoccuparacidade, hiivendo-se an-
teriormente apresentado ao General Rodil
dous esquadres decavallaria dos revoltosos ,
e em seguida cinco companhias do regiment
de Infantera de Borbon. O mesmo General
Kodil n outro ollicio transcripto n'uma se-
gunda Gazeta Lxtraordinana de Madrid: tam-
ben! do da 21 .participa que o mencionado
General Aleson lhe ollicira de Vitoria dan-
do-lhc parte que acabava dalli sercondu/ido
preso por algunscavalidrosD. Manoel Mon-
tes d Oca um dos principaes cablas da su-
blevado o qual devia ser fusilado no dia se-
guinte accrescentando que os outros iam
em precep.tada fuga. O General Rodil diz
STrvUmndS Seus officios < Ge-
neral O Donell se havia retirado de Pam-
piona.
.n?,!'8!!116,' a f"ereber Primeiras parti-
cipacOes destes acontecimentos havia logo
rZrtlfhy TfcomPai^ado dos Ministros da
Guerra e do Remo deixando atrs a sua es-
r,n-' .qUC a marChas regulares se lhe devia
reun.r logo que elle lizesse alto.
hm Madrid nao havia cessado de reinar a
mais completa tranquillidade.
DEM 24 D'OUTUBRO.
A t.azeta extraordinaria de Madrid do dia
24 conten um ofhcio do General Alcal dan-
oo parte, qne oceupando a pesigo de An-
aoa,n, por lhe constar que os sublevados
Sh^'Y ataCa-10 i soubera que havendo
tir.m S J uma'egoa daquelle ponto, se
unamos soldados amotinado contra os seus
wftrtk r immeii'atamente reunir-se ao '
u cao a r"6^ Al0a,a victoriando a Consti-
tu,Cao aRamha, e0 Regente do Reino.
m *alTeSf revo,toss que commanda-
olraTnaS/rCaS a,uns Datados que
}?manT ?arl6Jna rebelli8 e alguns Che-
fcseOffiaaes do convenio de Vergra que
e achan, amella parte das proveas e to-
dos os demais individuos haviam 0 fgido pre-
cipitadamente na direcgo de Pamplona com
intengao ao que parece de se acoitarem em
Franga.
Segundo outros officios publicados na mes-
ma Gazet extraordinaria consta que Bilbao
se havia submettido ao Governo assim como
tres Batalhes que all haviam seguido a re-
volta. O Chefe Munagorri havia sido fusila-
do e accresccntavam que igual sortetinham
tido o Coronel Rizo v o General Lu Hera e
outros individuos que os acompanhavam.
Sabia-se que O'DonelI havia sido da cida-
della de Pamplona anteriormente a estes a-
contecimentos para se reunir a Ortigosa ; po-
rm depis do que cima deixams referido ,
deve elle ter procurado evadr-se com os ou-
tros compromettidos Picando desla sorte ter-
minada a tentativa de insurreico.
DEM 26 O'OL'TL'BRO.
A Gazet extraordinaria de Madrid daquel-
le dia diz. que o Regente permaneca em Vic-
toria a 21, e que rto dia antecedente havia
d'alli marchado com dirceco a Pamplona ,
o General em Chef do Exercito de Operages
Mrquez 8e Rodil com sete Batalhes e al-
guns Esqudrs.
Os Batalhes de Estremadra e Saragoga,
que haviam seguido o General O'Donell quan-
do sara da Cidadella de Pamplona tinham-
se dispersado no Val de Bastan abandona-
dos por seus Chefes eOfllciaes que poderam
refugiar-se em Franca. Varios magotes dos
que anda vagavam pelos montes tinhani-se
j apresentado ao Brigadeiro Olloqui. Espe- dade.
nha. Est terminada Senhores a minha
tarefa : resta agora a cumprir o vsso dever.
E este um dos mais solemnes depsitos que
jamis so pode confiar ao eidado. Vos (le-
vis tomar o caso na maior consideracao ;
deveis ponderl-o bem e decidir sobre todas
assuas parles e particularidades ; deveis por
em actividade as mais nobres faculdades do
vosso entendimento, sem vos importar-dos
dos boatos que por ventura tenho chegado
aosvossos ouvidos-- sem attenderdes acon-
sideragao alguma que nao parta do principio
regulador da justiga e imparcialidade ; e
quando houverdes lomado a vossa resolucao e
declarado onde existe a verdade eiUfio pro-
nuncia! a vossa decis.lo com una independen-
cia que vos ha de honrar e com aquella no-
bre inteireza que a vossa patria espera que
haveis de mostrar. Enlao conlio que licar
satisl'oitos todos aquellos que t,eem tejtenlu-
nhado o processo a habelidade com que teni
sido dirigido e a vossa paciencia em atten-
der a elle. Se porm a evidencia vos induzir
a dcc!aral-o criminoso ainda mesmo que a
vossa decisao envolvesse o voso paiz ras cha-
mas d guerra profer-a intrpidos. Por
outra parte se elle innocente declarai-o
tal, sem vos embaragardes com ameacas .
boatos ou medo de repioxc ~ e possa o Dos
da verdade inspirar-vos para decidrdes se-
gundo os principios de verdade cequidade
que sao os fundamentos da eterna Dniao.
No decurso de meia hora voltou o jury
ao tribunal com a decisao de inculpabili-
rava-se a todo o momento a noticia de haver
se entregado a Cidadella de Pamplona com a
pequea guarnigo qu hella se hvia en-
cerrado.
No dia 23 haviam a D.4pthco Provincial ,
e a Cmara Municipal de Madrid dado um
sumptuoso banquete aos valen tes alabardeirbs,
que na noite do dia 7 defenderam o Real Pa-
go contra os ataques da tropa sublevada. De-
pis de jantarcm dirigiram-se os convidados
aos theatros otlde foram acolhidos pelo pu-
blico com todas as demtistragoes de applauso
pelo seu brioso comporta ment.
Dizem os peridicos que temos vista, que
alguns Senadores e Deputados existentes na
capital solicitavam do Governo a prompta
reunido dos corpos co-Legisladores ; entre
tanto a Imprensa peridica rlostrava-se diver-
gente quant oppdrtuhidad d medida:
CAMBIOS EM LISBOA.
Em 2o de Outiibro.
Londres o3 3|4a54 p. l^rs. 50d. v;
54a341i4 p. .90d. d.
Amst. 43 3i4 E. p. 400 rs. 3 m d.
Hamb. 481 [4 E. p. Ijrs. . d.
Triest. 4o2 D. p. florim d.
Genov. 516 L. p. 5 L. n. d.
Leorne p. i L. F. d.
aples p. 1 Dd. d;
Pariz.. 527 L. p. 3fr. 100 d. d.
Madrid 2,>700 L. p. 1 p. de C. 15 d.
Cdiz . ; i d.
Vienna 452 D. ...
Nao tendo esperado a densa multido que
enchia o tribuual ao lempo em que o jury
se retrou que elle voltasse tao depressa
c>in a sua deciso a naior parle della se ha-
via dispersado, de sorte que na occasiao de
ler-sc a decisfm do jury nao se achavo pre-
sentes 50 pessoas. 0 reo acompanhado do
Xerife saho solt e livre e. quasi sem ser
visto para o seu aposento no Braggs Hotel;
A's ultimas noticias eslava Mac-Leol cm
Ulica onde reinara a maior tranquillidade.
Na sua residencia em o Hotel de tica tem el-
le continuado a receber o< seus amigos. Tan-
to indica tudo diz o Times de Boston a
pacifica conclusao d'um negocio que apresen-
tava ha pouco um aspecto bem ameaga-
dor.
( Extrahidodo SuppIemen;o ao Star Offi-
ce de 23 d'Outubro.)
VALOR DOS METAES E PAPIS DE CRDITO.
Objeclos. Compra. Venda.
Pegas de 7*500 rs. 7*700 7*730
Ongas Hespanholas 14*400 14*600
Soberanos.....4., 400 4*420
Ourocerceado .... 1*910 1*930
em barra ... 25 26
Patacas Hespanholas 91o 925
> Brazileiras 915 920
.. Mexicanas 905 910
Prata em barra 28a281i4
(Diario do Governo de Lisboa.)
ESTADOS UNIDOS.
Noticia importante Absolvigo de Mac-
Leod.
Achando-se reunido Tribunal o hon-
rado Juiz Grdly passou a instruir o jury, o q'
fez largamente empregando o espago de duas
horas ; e sendo o seu discurso em resumo o
seguinte :
Depois de tudo, Snrs. embora o reo
nao tenha podido na vossa opinio, provar
. completamente um alib se todava tem '
TZt^^Li^y^r, !',icms;sciiado \f&n{Q duvi(i& quanto ao siu
enme, devc-lhe aproveitar plenamente essa
duvida. A lef nunca hesita entre a vida e a
morte nunca condemna um individuo ao
tmulo sem o superabundante pozo da evi-
dencia para provar o crime do aecusado. A-
nimados d'este espirito ides agora meditar as
provas de que fiz perante vos succinta rese^
PUBLICAQA A PEDIDO.
Ao Illm. Snr. Doutor Joze Joaquirri de
Mo'raes Sarniento.
Soneto.
Dos antros pavorosos do Profundo
A vesga Inveja surge enfurecida ,
E de serpente na cabega erguida ,
Incute suslo torra ao mar ao mundo !
Vaga medonha e seo prazer jucundo
He detrahir a fama ennobrecida ;
Maz se a presa lhe escapa por temida ,
Geme de raiva em lodacal inmundo.
O verdadeiro sabio celebrado ,
Dos grandes Sabios iomens de talonto,
Nao teme o monslro de furor armado :
Tranquilisa-te pois grande Sarment ,
0 cao nao morde o astro prateado ,
.Maz s ladrar ladrar he seu tormento.
LOTERA DA MATRIZ DA BOA-VISTA.
No dia 13 do corente corre imprctervel-
menie al.* parle da 6." Loteria ; o resto
dos bilhetes acho-se venda no Recife ra
da Cadeia loja do Snr. Vieira ; em S. Anto-
nio ra do Collegio loja do Snr. Menezes ,
ra do Cabug botica do Snr. Moreira Mar-
ques e no Livramento, botica do Snr. Cha-
gas : c na Boa-vista defronte da Matriz ,
botica do Snr. Joaquim Joze Moreira ; uo
principio do atterro lado esquerdo loja do
Snr. Joze Ignacio da Assumpgo praga da
Boa-vista botica do Snr. Victorino Ferrei-
ra de Carvalho.
COLLEGIO PERNAMBL'CANO.
ATTERO DA BOA-VISTA, N. 0.
A dcsribuico dos premios do Collegio Per-
nambucano ter lugar hoje, 11 do corren te
Dozomlno e commegar a ceremonia pelas
10 horas da niania. O collegio he franco
nesse dia a todas as pessoas decentes que qui-
serem assistir a esta solemnidade.
A VIZOS DIVERSOS
t= A Direcgo da SocieJade Anizade nn.-
Une em conformidade com o Tlt 7do Vrt I? "a l qU0 po'(
19, convida aos Srs. Socios a reunirem-se 'a l'w'ixlml0 da Si'^
caza de suw scssOes na ra da praia ma-
nha 12 do corrente |>e!as 5 horas da larde.'
= 0 1. Secretario da Sociedade Fortuna-
Auxiliadora aviza aos Srs. Socios que a-
manh as 6 horas da tarde h aessao da com-
missao administrativa.
V = Formulario, ou Guia medica do Brazil,
que conten a descripgo do lodos os medica-
mentos suas propriedades, os casos oni quo
se empregio { suas doses egundo as idadea ,
sexos, &c. ; as substancias incompativol
com ellos ; a indic'c.'io das plaas modiciaos
indigonas e dos agos mineraes do Brazil ; a
arte do formular ; a escollia das melhoies
formulas c das mais frequeoteniente empre-
adas ; um memorial Iherapeutieo ou indica-
gao dos meios usados no IraJaniento das mo-
lestias conhocidas na Europa e proprias s
ao Brazil; dos soccoros que se devem dar aos
asphyxiados, afolados, envenenados, as pes-
soas q' se achao no estado de morte aparento
&c; um ndice alphabotico francez- porluguez
das subslancias medicinaos simples &c. Um
volume em 18 de 600 paginas pelo Doutor
Chernoviz membro da Academia Imperal
de Medicina do Rio de Janeiro correspon-
dente da Sociedade Medica-Cirurgica de Mont-
pellier, antigo Chefe interno dos hospilae
de Franga honrado com modalhas &e. Ven-
de-so em casa de Bolii & Chavannes ra do
Trapixe novo, D. 13, e pelo prego de en-
cada um exemplar.
= Quem tiver para alugar um primeiro
andar, sendo na roa do Rozario larga, Quei-
mado ou na do Collegio ; dirija-so a praga
da Indepondoncia D. 17.
=S Quem precizar de um portuguez para
caxeiro de engonlio o qual tem pratica do
sorvigo de casa de purgar ; dirija-se a ra
Nova lado do norte penltima loja se dir
quem.
= Avisa-se para que ninguem fassa nego-
cio com o Consenhor e herdeiros do enge-
nho Mussumb, Commarca de Goianna serfl
final decisao do um pleito que traz em Juizo ,
contra os possuidores do dito engenho 5 o Sr!
doengenho das Pedrciras sobre demarcago^
e revendicagao das torras do que so achava de
posse o fallescido Sr. do engenho Mussumb,
cujos pleitos ja obteve a seu favor Accordo da
Bellagao o mencionado Sr. do engenho Pe-
drciras, e que do presente se acha afiectoao
Supremo Tribunal do Justiga.
=a Aluga-se urna grande caza terrea no
bairro da Boa-vista na ra Vellia D. 23
edm 3 qartos inn grande quintal', com ar-
voredos ; quem o pertender dirija-se a ra
d'Agoas verdes D. 56.
= Quem tiver para vender a historia da
Grecia em portuguez e a Comeda o Filho
Natural; annuncie.
= A pessoa que no Diario de terca fera 7
do corrente amiuiiciou querer um caxeiro.
para escripia e cobrangas ; queira dirigir-so
a ra da Conceigao da Boa-vista D. 34 ou
annuncie : adverte-se quo tem os meios per-
cizos para o lim annunciado o qual d fia-
dores a sua conducta.
C3" Vendo-so una caza de taip, na ru*
de Motocolomb: nos Aflbgados, tem como-
dos para pouca familia, tem casiba 5 quem,
a pertender dirija-se a ra deS. Miguel na
loja do sobrado que lica junto a Igreja.
S27- O Beverendiscimo Senbor Padre Joa-
quim Antonio de Olivoira ou quem suas ve-
zesfizer, queira ter a boridade de procurar
na botica da rua da Cruz do Recife D .
34i urna carta viuda do Rio de Janeiro"
cuja he de alguma recomendago.
= Quem precizar de urna Snra. capaz pa-
ra ama rifi caza de homem solteiro a qual
sabe cozer engomar e cozinhar 5 dirija-so
a rua Direita loja de couros D. 20.
= Troca-se a moradia de urna caza gran-
de com soto na rua do Arago por outra
que seja na rua d'Ortas ou patio do Carmo
quem este negocio quizer annuncie.
aa Acha-se nesta Cidade dous Mestres Pe-
dreiros que sabem estocar sallas com toda
a perfeigo e lambom envertem frentes
com suas semalhas ricas e na mesma fren-
te abre-se os ornatos ; quem do seo prestirao
se quizer utilizar dirija-se aobeco da Lin-
gueta D. 2.
= Aluga-se urna caza para se passar a fes-
ta na Boa-viagem ; quem a pertender di-
rija-seas 5 Pon tas, D. 22, junto ao lampiao
= Uaa>xoassignadoprope-seapromDtar
jan lares para fora. com todo o asseo e promn-
tido, eavontadodosassignanlos; qem do
seo presumo S0j quizer utilizar dirija-se a
rua do Qucimado D. 5 5." andar *
Joze <;oroalv..s de Faria.
= lartoc.pa-s,- aos Snrs. que tem fallado
pura aluga-om pretos para -. ^apafazia externa
- quepo.Knir tratar com Arce-
da Silva na porta da mesma
UUMidega das 8 horas em diante q^e m-
rao admittidos desde hoje.


w
^s^i-t.
sr Qnalquer Sr. d hoque precisar
de um hbil e \> dde 'jrreiro diri-
ja-se. a rna de nangel 0.
i^/- irremia-se pelo tempe de festa urna
casa a margen) do rio capibaribe, cora 5
quartos co/inha tora e copia tambem se
aluga por auno; a tratar com Joaquim Gtt-
neiro Machado ilios, em S. Jos do Man-
gumho.
iy Aluga-seniotadede una casa em boa
ra e muito fresca que mora nella mn
bomem solteiro sera familia j quem a pre-
tender sendo urna senhora de idade sem fa-
milia podedirigir-se a ra do Rangel venda
D. 18 lado do nasoente.
qsr O dono da fabrica franceza de charutos
avisa ao respeitavel publico e particular-
mente aos Snrs. boticarios que pela Galera
franceza Casimir Delavigne recebeo nina
porcau de acido moniatieo de boa qualidade ,
o qual elle vende por preyo commodo ; quem
oonvier dirija-se a dita fabrica.
ss* Precisa-se de ama ama ama de leite
forra ou captiva : na na da moeda n. 111 un
a fallar com Firmino .los Felisda Roza.
ss?" Precisa-se de urna senhora de idade ,
sondo capaz-para servir a una sculiora vi uva ,
dando-se-lhe de comer e vestuario : na ra
da raoeda n. 181
ts|- Pede-se ao Sr. Dr. Bernardo Jos Fer-
reira de Si, queira ter a bondadade de diri-
gir-se a casa de ovaes & Bastos a negocio de
seu inleresse ou annuncie a sua morada
nesa praca.
52?- Qualquer pai de familia que qneira
una pessoa para licionar em casas particula-
res- de primen-as letras e latim, mostrando
muito zeJo e actividad? e por preco rasoavel
annuncie.
zs' l m solo independente com muito
bons commodos: na ra Ja Florentina sobra-
do novo ao pe da inar.
iS.r- Aluga-se una casa para pequea fa-
milia no lugar da capunga junto ao rio ca-
pibaribe acabada de novo e muito boa pa-
ra se passar a testa tem boa vista com
quintal e cacimba com muito boa agoa; quem
a pretender dirija-se a dita estrada defronte
do oilao da casa pintada de amarelo.
aja- O Sr. Miguel Jos Barbosa e Silva ,
dirija-se a roa do Queimado defronte da con-
gregat-o para receber urna carta viuda do
Porto"
s^r Offereee-se um rapaz de idade de 18
minos solteiro e natural (leste paiz para
caixeiro de senaria do que tem praica, e d
fiador a sua conducta ; quem precisar an-
nuncie.
55?' Precisao-se de alguna meninos de
idade de 1^2 a 14 anuos, particularmente por-
tuguezes para una fabrica de charutos con-
serva e outros objectqs ; tambem de officiaes
d charutos que os fago com perfeicao ; no
armazem de madeiras atraz do Carino ra
da palma.
Aluga-se urna canoa aberta queearre-
ga 8tK) lijlos : atraz dos Martirios casa de 5
rotulas verdes.
t^r Aluga-se o tereeiro andar da casa da
ra nova : a tratar na inesma.
sr Arrenda-se para se :>assar a Testa urna
rasa sita no Mo com commodo para
grande familia tem duas salas com alcova
onvidracada 5- quartos fugo inglez cor-
redor lavado, quintal murado, com boa ca-
rimba d'agoa de beber : a tratar na praca da
boa vista b itica D. lo'.
oy Precisa-se aldgai .a casa com com-
modos suficientes no bairro da boa vista,
(ireferifldo-se as ras da S. Cruz velha ou
Rozario dirija-se aos 4 cantos segunda casa
passado o sobrado.
SSr a loja que foi de A. Saint Martin na
quina da ra do cabug lia um sorlimento
dbandeijasmuito finas, solios elsticos fi-
nos e mais ordinarios snalos de marroquim
para senhora, cassas pintadas muito finas e
debomgosto, chapeos de sol para senhora
e homeiis e outros mudos objectos e tudo
por mdico pree,o.
O* Gratifica-se a quem aprehender urna
escrava bucal de i ana fgida na
noute de 1 de c .cute do sitio do Remedio
mial perlence a Simeo Corrcia Cavalcanti
acambira ella lom boa altura sceca do
rorpo bom preta oihos papudos repre-
senta l."> anno de i lade foi vestida de azul,
altada, cora bastantes marcas de sarnas pelos
curac/js e pemas nal meas evidente he
o o dedo imediato an grande nn ambos os
. na curl que o natural.
Bjr Na ra ZalaveH)a>. 50, preci-
sa-te de nm caixeiro da nm tra ir de
masseira e u lia '> senrajo de
.isa i' v,s-
j-y- ts da lardo so hado
r remata ) Dr, IVo^ed Juia da
5/ vara urna venda sita no porto das canoas ,
sequeslrada por esteJuizo de auzentes ao fi-
nado abintestado Jernimo Luiz Fernandos ;
os licitantes que a pretenderem podem com-
pareccrem at as horas.
AV I SOS MARTIMOS.
Para o Porto segu viagem com iiiuita b're-
vidade'o bemconhecido Bergantn) Portuguez
Flor de Bciris, Capitao Jos- Thomaz de Lima;
quem quiser carregar ou ir de passagem para
oque tem excedentes commodos, dirija-se
ao Capitao ou a Manoel Francisco Pon tes.
Para Marakhao' sabe com tona a brevida-
deo' Patacho Brasileiro S. Joo, Capitao e
pratico Felippe Rodrigues dos Santos Moura ,
por ter parte de sua carga prompla $ quem
quiser carregar ou ir de passagem dirija-se a
F. M. Rodrigues & Irmos na ra do Trapi-
che n. 2.
Para o Rio of. Janeiro segu com toda bre-
vidade o Pataxe Nacional Josephina Capitao
Francisco Jos Ribeiro ; quem quiser carregar
ca ir de passagem dirjanse a Gaudino A/os-
tinho de Barros atraz do Carpo Santo D. t".
L E I L O E N S .
ssr Que fa/em Jones Patn & Companhia
por intcrvencfto do Corretor Oliveira e por
conta de quera prctencer de cerca do 400
sacas de caf em bom oslado desembarcadas
de bordo do Brigue Inglez Margareis arriba-
do pela segunda vez a este porto na sua re-
cente viagem do Rio de .lanareiro com destino
ao-de Venera : adverle-s que serflo vendidas
em um ou mais lotes vontade dos compra-
dores Segunda foira lo do corrente s 10
horas da manha no armazem defronte do
trapiche novo.
IST Os mesmos Jones Patn & Companhia
farao loilao do cobre velho do forro do Bri-
gue Margareis, o qual pr.de ser examinado a
seu bordo ou pela amostra na occasio da
venda que lera lugar no eseriptorio dos
mesmos na ra do trapiche novo Segunda
feira 15 do corrente ao moio da em poni.
3- Que faz o Corretor Oliveira Terca
feira 14 do corrente as 10 horas da manha,
no 1." andar da casa de sua residencia, do
muitas tezends Ingle/es. Francezs, e Suis-
sas as qnaes se venderSo para fexar coritas,
e por isso sem limites, e consistem as mes-
mas em veudos pronrios para a quaresma..
fitas de muilas quafidades, luvas de pelica ,
grvalas de setim cruzes e coraces de ouro,
globos e estrelas de dito para guarda nacional,
brincos de varias qualidades elidas largas
o estreitas, chitas, cambraias bordadas,
gangas a/ues, risoados para calcas, duraque -
franklin vestidos brancos e de cores borda-
dos e estampados chales bordados brancos ,
chaly e etc.
VJF Doseffeitos e armac/lo que existe na
venda D. 4 na praca da boa vista no dia II
\'o corrente as 3 horas da tarde e se arre-
matar mpreterivelmeiite a iim de nao Cor-
rer mais aluguel.
*W Que lazom Kalkmann & Rosomnund.
por inorvoneao do Corretor Oliveira Quarta
feira 18 do do corrente as 10 horas da manha.
no seu armazem da ra da Cruz das seguirt-
tesfazendas e miudezs, a saber: lita
seda lavradas com Ifstras douradas dita de
setim e de retro/, peonas para escrever, mei-
aseluvas de algodflo, bioos mui sus-
pensorios deburracha ordinariose linos, col-
setes, marroqinsd cores, bezerros fran-
9, botesde osso poiidos., brinvos e ro-
zlas envernisadas espoletas, thesouras ,
flores artificiaos e outras muitas miu
francezs e hamburguzas chegadas nos ultimas
navios.
COMPRAS. '
5Cr Para o Rio de Janeiro, escravQsoficia-
es de carpina, pedreiros, frreiros, e per-
ritos co/.inheiros e pretas ou pardas reco-
hidas boas cosfuroiras e engommadeiras, e
moloques do fiado do loa 2o anuos. pa'gSO-
sebem ; na praca da Boa vista sobrado D. .
IZF- Um transclim de ouro sem feitio ;
quem tiver annunci".
ktr Obras de curo sem feitio ; quem tiver
annuncie.
C7* Algumas arrobas fie sebo ou tam-
bem se ajusta por freguesia, o um pilan de
Ierro : no armazem de madeiras na ra da
palma atraz do Carme'
Moloques e negrinhasde idade 12 a 18:
na ra do Vigario n. 21.
VEN DAS.
Barricas com farelodc muito boa qua-
lidadoa 4j000esem a barrica a SjiOOO : no
armazem de Joaquim Gonsalves Viera Gui-
maracF. junto ao arco da Conceirao.
xsr Potassa nova da primeira qualidade ,
besada dos Estados Cuidos no da O do cor-
chesfav
rente: em casa de L. G. Ferrreira & Um
panhia. i^,^
ss?- macscravado gento de angola, bem
parecida, de idade de 2o anuos, prxima
aparir cose cozinha com perfeieao : a tra-
tar no primeiro sobrado a esquerda passado
a ponte na estrada de Luiz do Reg, das b
horas at as 8 da manha e das o as-b da
('irtl*1
t- lo vacas com crias, por preco muito
commodo as quaes existem nos arrombados
nositiodo Sr. Antonio Teixeira Lopes; oi
meiosde sola e 130 couros miudos, tudo por
preco commodo : a tratar na ra da cruz D.
47 com Manoel Figueira da Silva.
tsr Vm sitio no lugar do Barbalho perto
do rio capibaribe, com 160 ps de larangeiras
algumas limeiras, e moeiros doces e outras
arvores de fructo, casa de vivenda com duas
salas 4quartos, coiinha fora e quarto pa-
ra esoravos : a tratar no mesmo com ,,nt >n o
Pedro Rodrigues GuimarSes oa annuncie
sua morada.
SST ma cmoda de columna UTl guarda
roupa de pinho por menos de seu valor : na
ra das cruzes i). 19.
SET No atierro da boa vista toja de fazen-
dasD. o, continua a ter suprior rap de
Lisboa sempre do mais fresco em libras e
asoitavas, edito areia preta da fabrica de
Meuron A Comnanhia.
tT Ou hypothcca-se urna casa de podra e
cal, m> lugar do caldereiro, antreo poco da
panela e o monteiro, com 4 quartos, duas
salas, cozinha fora e quintil soVivel : a tra-
tar na ra de Manoel coco D. 4 ou no forte
do mallos pionca de algodo com Antonio
Joaquim de Oveira Baduem.
r Imagens de S. Anna S. Joaquim .
o o Sr. crucificado de pedra da Babia, mui
ricas: nadasenzala velha em casa de Manoel
Francisco Pon les.
r Ou troca-sa urna negra da costa., d<
idade de30 annos, boa lavadeira e quitan-
deira e muito liol, por um negro mogo acos-
tumadoaoservico de campo : em S. Amaro
na estrada de Belem no sitio de Joo Bapt.st;;
Claudio Tresse.
S3T Urna escrava de idade de 19 annos ;
ensaboa o faz todo o mais servico de urna casa:
na ra da Lapa no 1." andar por cima do ni-
cho.
S T Urna canoa aberta de carreira quasi
nova e por proco muito commodo para ver
na escadinha junto a ponte da boa vista e
para tratar no atierro da mesma loja de te-
zends 1). 4.
s^r Urna escrava de nic/io de idade de 2o
annos perfeita engomma leira cozinheira .
e lavadeira duas ditas e duas molecas de
dadede 12a20annos, tezem todo o servico
de uma casa, urna escrava recolhida de ida-
de de 29 anuos, perfeita costureira, e en-
imadeira, dous escravos pecas um bom
canoeiro um pardo moco com principio de
carpina, um lindo molatinho de idade de 11
annos, e 6 escravos mocos para lodo o ser-
vico : na ra de agoas verdes.D. 58.
SST Uma canoa i^ carregar agoa, uma
carioca com sua pipa e um bol da mesma car-
a a alia com Francisco Ribeiro PavSo no
tlter iffogados ou no trem.
ptimas bichas, e charutos de toda
as qualidades : na ra do Cabug loja do Snr.
Bandeira.
SST Salitre refinado pimenta carne de
porco pi v em barrts de 4 arrobas e cadei-
ras de balando siqieriores : na ra da eadeia
do Recite casa de L. G. Ferreira & Compa-
nhia.
, Estopa de algodo gfossa muito pro-
pria para em sacar assucar: em casa de L. G.
Ferreira & Companhia.
tar Um sobrade na ra direita com os
fundos para a Penha com chaos proprios ,
livre e desembarassado ou troca-se por sitio
com torras proprias : a tratar na ra do No-
gueira 1). 10.
Caixotinhos com uma arroba de pera
secca de superior quaii ad '. assalates grandes
e pequeos dados para jogar e novos map-
pas Topogrficos da nova planta ba i xa da Ci-
clado do Porto : na ra dos Quarteis loja D. 3.
s^r Esleirs de carnauba proprias para
sala e marqnezas chegadas prximamente
e por preco commodo : no palco do Hospital
venda D. '
lv Cm paianquim forrado ,e pintado to-
do de novo, um banheiro ile madeira novo
eja nielado : na ra da senzala nova en
do Sr. Antonio Ribeiro, mestre pintor, no 2."
andar i), lo.
l.ma escrava de bonita figura de da-
do. 2o annos, cozinha, rose, e aojftamUHi li-
so : na ra diieita D. 20 lado do Livramento. .
tSJ- Capim d planta Terde mult bem pe-
sado a 240 a arroba indo se cortar no sitio
do Major Mayor na estrada d corredor-do*
Rispo.
ESCRAVOS FGIDOS.
tr No dia 9 do corrente desapareceo vin-
dodo trabalhoao meio dia, um escravo de
nome porem conhecido pelo nome de Padre
Monleiro representa ter de idade 5o annos ,
de altura ordinaria magro sem denles na
frente da parte de cima por se terem quebra-
dos de uma queda e pela parte debaixo falta
algnns c falla muito mal levon camisa o
caigas de algodo trancado, sendo a camisa de
mangas curtas quem o pegar leve a seu
Sr. Antonio da Silva Gu.- mo morador ua ra
no Queimado.
Ej- Desapareceo um preto de nome Anto-
nio, da costa alto magro coxo de uma
perna tem os olhos um tanto vermelhos ,
levou camisa e calcas de brim : quem o pegar
leve a casa de Manoel Al ves Guerra na ra do
Vigario que gratificar.
ss?" Fugioa o diasdo armazem de assucar
da ra do Vigario u. 7 um preto de nome Ma-
noel denaco cabund alto e feio de ros-
to levoU'Calcas de brim ja suja., c camisa de
baeta encarnada cosluma emb.'b^dar-se, e an-
dar pelas o ponas ou p)lo atierro da boa vis-
ta ; quem o pegar leve ao dilo armazem que
ser gratificado.
sry* Desapareceo na noute do dia 2 do cor-
rente um negro baixo grosso bem bar-
bado de nome Paulo meio bucal tem um
dedo da mflo corlado pela unha, e em m
dedo grande do p a unha levantada para ci-
ma e com feridas nos pus demaueiras que
nao pode andar ; levou vestido camisa de al-
godaozinho e calcas de estopa arremendada
as entres pernas ; rogarse as authoridades
policiacs, e capitales de campo hajao de a'p-
prehendel-o e levar a padaria da cambea do
Carmo que ser gratificado.
A abaixo assignada rega ao Perfeilo e
mais pessoas que tendo desaparecido na noute
do dia 3 do corrente um seu escravo de no-
me Anastacio o qual tentara assassinar ao li-
Iho da annunciante hajSode prendel-o e le-
var a ra larga do Rozario D. 7 por cima da
loja do Sr. Lody.
D. Micaella de Jess Mara Brainor.
MOVM ENTO DO PORTO.
CONTlXl'AQAO' DAS ENTRADAS DO DIA 8.
Aracaty e Ass ; 2odias, Brigue Brasilei-
ro Malhildos de 200 tonel. Cap. Joaquim
Pedro de S e Faria, equip. 15. carga sai, e
couros : a proprielaria Viuva de Gonsalves
Ferreira & Filh
Marseilles; 45dias, Brigue Sueco Sophia de
200 tonel. Cap. O. Fornsteio, cquip. 15,
carga farinha de trigo : passeiro 1 : a N.
O. Bieber.
Hamburgo; 42 dias Brigue Dinamarquez
^micitia de 240 tone!. "Cap Jacob 1!. Ja-
cobson, equip; II, carga fazendas : a Lul-
tckons & Companhia.
Lisboa ; 4a dias Brigue Sueco Frihetem do
184 tonel. Cap. Cari Brunkman cquip.
10, carga sal : a Ordem.
Bal ti more ; 44 dias, Barca Americana Co-
ronel Howard de 533 tonel. Cap. Samuel
11. G. Fren iss, equip 1 car a tabeado, fa-
rinha de trigo mobiiia e mais gneros : a
L. G. Ferrreira & Companhia.
ENTRADAS NO DIA 9.
Rio de Janeiro'; 16dias, Brigue BrasiJeiro
Confianeade 109 tonel., Cap. Virissimo
Marques, equip. 14, carga farinha do
mandioca ; ao Capitao.
Amsterdam ; 42 dias, Galiofa Hollandeza
Anna Cap. Siba B. de Jong equip. lo ,
carga quoijos c algum lastro": a Me Cal-
mont & Companhia.
Lisboa 5 "i.'i dias Brigue Brasileiro Paquete
de Pernambuco de 189 tonel. Cap. Leo-
poldo Jos da Cosa Araujo, equip. 29, car-
ga sal : ao Capilo.
Riodfi Jaueiro ; 29 dias, Patacho Brasileiro
Jos-iihii'.a de 12o lorel. cap. Francisco
Jos Ribeiro equip. U carga farinha de
mandioca ; ao capitao.
SAIUDOS NO MESMO DIA
Rio de Janeiro com escala pela Babia ; Pa-
quete Inglez Svveft, Coratnandanta Donlas.
lejpbia ; Barca Americana Amelia,Cap.
Eftock Brwks carga assucar.
REC1FE NA TYP. DE M. F. DE F. 1841.'
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWEAP53PY_6NX6NQ INGEST_TIME 2013-04-13T01:33:01Z PACKAGE AA00011611_04371
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES