<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/04310
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Thursday, October 26, 1843
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:04310

Full Text
V
T
Anno de 1843.
Quinta Fera 26
'ludo sgora depende de nos nesmoi; di doih prudencia, aioderagio, e enerfic con-
tinuemos como priacipiiiaoi| Mremoi apontarloa com idmirai.u mire ig Nigwi nuil
ciUii. ( Froclamago da Auambleia Geral do Bbail.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, e Parahyba, segundas e sexlig fcirai. B-io Grande do Norte, quintal feirai.
Bonito Garcnhuna, a 4l> e 24.
Cabo, Serinh.iem, Rio Formoio. Vorto Cairo, Macei, e Alagoai no 1 11, M.
Boa-visl Floreaa l3 e 21 Santo AntAo quintal feirai. Olindi todoi os diu.
DAS DA SEMANA.
23 Seg. i. Joo Cipriglrg.no F. Aod. do J de D. da Z. .
24 I'erg. a. Fortnalo M el. Aud do J. de D. da 3. t.
35 Vuau. g Crisp.m e Crispiniano Ira. Mu, Aud do J. da D. da 1. t.
26 Ou'nt. g. Egnsto P M. Aud do J. de D. da i. r.
17 Se, jejun e. Elenbao lmp, Aod do J. de D. da 2, T.
25 S-n. 4 Simo e g. Judas Thadeo App.
J9 D->. Feliciano M_
de Outubro 3(Anno XIX. N. tS&
O Huno pnblica-ie todoi og din que nao forem Sanlifi>idos: o preoo di ,!,KV,"*V,i
de treg mil reig por quirtel pazos idiinlidoi Os innuncioi dos signantes aio i
treg mil reig por quartel pagos
gratis eoa dos que sao foreaj > rasao ne nv res por unna. untHwgr' "'
gidaa a eata Tip., ra dig Cruieg N. 34, ou ipraqi di Independencii loja delirtof *.
TS)d.
17.700
10,600
ciMiiotNo dia 6 de Outubro. oompra
Caao sobra Londres l i . Ouio-Moeda di 6,400 V. <6,500
Paria37J reiapor franco,
a Litba 110 por 100 de premio.
N. 16,300
j * ? i la
\
^W'"
da 4,000 ,000
P4TA-Pauc5eg 1,800
Moeda de cobre 2 por cento Petoe Columnareg 1,800
dem de letruda boas firma* 1 1 1|4 |. ditos Mexicanos 1,800
PHASES DA LA NO MEZ DE OUTUBRO.
La Cbeia 4 8, a 8 dorase 57 . da ma0h I La ora 2 3, 4e Sboras el 0 a da m.
Qaart. ming. 16, a i! horas 30 m. dam. | Quarl. creso. 4 30, 4oi 2 i dau.
Preamar de hoje.
1. a 7 horas e 42 m. da manb.la. | t. a S borit 6 . da larde:
9,200
1,820
820
1,820
PARTE OFFJCIAL.
Governo da Provincia.
EXPEDIENTB DE H DO CORRENTE.
Offlcio Aocommandantc das armas, remet-
iendo os documentos das despesas, fetas no pri-
mein semestre do correte anno flnanceirocom
a casa que serve do quarlel ao destacamento
do termo do Brejo, e com luz, e agoa, forneci-
da a cadeia respectiva, para que na conformi-
dado das ultimas ordens respeito mando re-
ceber a sua importancia na thesouraria da fa-
senda, e entregal-a Manoel Bi/.erra Cavalcan-
ti de Mbuqucrque.l)eterminou-se ao inspec-
tor da thesouraria das rendas provinciaes, que
mandasse entregar ao mencionado Bizerra a
quantiade 138560 rs, que com o sustento dos
presos pobres de jostica despendeo nos meses do
julho setembro o Delegado do referido termo;
quem participou-sea expediccaS destas ordens.
Dito Ao coinmandante das armas, scienti-
ficando-o de ter concedido dous meses de licen-
$a para ir ao Rio Grande do Norto arrecadar
urna heranca ao primeiro cadete do segundo ba-
talha de artilharia p Francisco de Sales Du-
tra Andrade; e signihcando-lho, que a dita li-
cenca ser revistada na conformidade de sua in-
orinacao de 9 deste mez.
dem oo da 16.
OfflcioAo inspector da thesouraria das re-
idas provinciaes, ordenando, que mande pagar
o que su dever da prestacao dos estabelecirnentos
de aridade al o fim de setembro prximo pas-
Barjo. Co nmunicou-se respectiva adminis-
trabas.
Dito irmandado de N. S. do Guadelupe,
approvando a nomeacao, que flserao, do cida-
daO Manoel Lopes Machado pora thesouroiro do
lotera favor das obras da igreja respectiva.
Portara Resolvendo, de conlormidado com
o que informou a cmara municipal do Brejo,
que se crie naquelle municipio um novo bata-
lha de guardas nacionaes com a denominacao
de segundo, cujas companhias fortnar-se-hao
da maneira seguinte; a piimeirados guardas re-
sidentes na villa, a segunda dos moradores no
lugar, denominado Serra, a terecira dos do Po-
ro uaquarta dos de Coropolhos: e determi-
nando, que o batalha existente fique com ou-
trasquao companhias, compostas, a primei-
rados guardas da Santa Cruz, a segunda dos de
Jacarar. a terceira dos de Jureina, ea qua.ta
dos de Taboca.Nomeou-se para tenenle-coro-
nel do novo batalha Thomas Alves Maciel. e
para major Francisco Alves Oavalcanti Cam-
buim: e omciou-se a respeito cmara muni-
cipal, e ao chele de legia do Brejo, e bein as-
sim aos nomeados.
dem do da 17.
OfTicioAo inspector do arsenal de marinha,
anprovnndoo contracto, o lebradocom Francis-
co Xavier da Fonseca Coutinho, pelo qual este
se obnga fornecer carne verde s embarcacoes
d'armada at o fim de desembro prximo futuro
peloprecode3^00aar.oba.
Dito Ao coinmandante geral do corpo de
nolicia, autorisando-o .1 demiltir do mesmo cor-
o em consequencia do acto escandaloso, que
acaba de praticar, o soldado Miguel Joaquina do
Nascimento.
Dito Do secretario da provincia ao dontor
Urbano Sabino Pessoa de Mello, aecusando re-
cebido o seu offlcio, em que participa ter entra-
do no exercicio das funeces de juiz de direito
da primeira varado civel; ehaver interinamen-
te tomado conta da dos feitos da fasenda em vir-
tudo do artigo 4. da lei de 29 de novembro de
1841.
FOLHETIM
O BRAZEIRO.C)
3.
O tempo passa;disse framente Fr. Am-
brosio-i ha multo tempo que derao as ave
marias V. M. digna-se ajoelhar? aqu esta o
genufl-xori. - Ajudai-me, reverendi.si.no...
Lfilrei com o soccorro do monge, postoque com
custo havia ajoelhado na alinofada de velludo,
eo monge Ihe perguntou se dev.a co.necar as
oracOe*.- Abr o vosso breviario ao acaso,
qualuuer reza agradavel a leus me di. o meu
Jonfetsor.- um pHn.: eu lere, o prime-
ro verso, V. M. ud repetil-o.-bnlao princi-
piou o monge com voz solemne o primeiro ver-
so do psalmo 50 :
H Mde Diario n.0'229,230, e 231.
Com mando das-Armas.
EXPEDIENTE DO DIA 16 DO CORRENTE.
Oilicio Ao Exm. Presidente, remettendo-
Ihe em dupplicata a conta do que se eslava de-
ver de fardamento aos sargentos Francisco Po,
e Antonio Jos.de S, ao artfice de fogo Joa-
quim Jos Gomes, e sida los Jos Antonio da
Silva, Joaquim Gregorio dos Passos, Joa Das,
Felis JosFelicio, e Antonio Jos Monteiro, to-
dos demittidos por terom finalisado o tempo de
servico; e rogando-lhea expedic?a do suas or-
dens a thesouraria, afim de ser aconta satis-
feita.
DitoAo mesmo Exm. Sr., informando o re-
querimento do ex-soldado doextincto regimen-
t Vicente Ferreira de Santiago, que pedia ser
addido a um dos corpos do linha, para por el-
le perceber o sold, at que obtivesse a reforma,
que solicitara ao governo imperial em novem-
bro do anno p. p.
Dito Ao inspector da thesouraria, envian-
do-lho a conta da despesa feita com agoa. luz, e
casa, que serve de quartel ao destacamento do
Brejo, no primeiro trimestre do corrente anno
flnanceiro, afim de ser paga, e a impoi tancia en-
tregue Manoel Bizerra Cavalcanti de Albu-
querque, conformo requisitou 0 delegado res-
pectivo.
Dito Ao delegado do termo desta cidade,
disendo-lhe, que a soltura do recruta Manoel de
Abreo, sollicitada em seu ofllcio desta data, de-
va ser feita direclamente aoKnm. Sr. Presiden-
te, a vista do disposto no regulamento de 8 de
maio deste anuo, certo que o recruta se achava
em custodia desde o dia 14, por ter alegado as
zonfes moncionadas no seu dito odelo.
Dito Ao juiz municipal da cidade de Goi-
anna, dlsendo-lhe, que em consequencia de suj
requisicafeita em offlcio de 10 havia passado
ordem para ser-lhe remettido o soldado Jos
Borges lo batalha de infantaria de guardas na-
cionaes destacado, que tinha de sor julgado na
prxima reunia do |urj\
Dito Ao coinmandante do batalha de in-
fantaria de guardas nacionaes destacado, orde-
nando-lhe, que fizessecoma devida seguranza,
remoller ao juiz municipal da cidade de Goian-
na, para ser all julgado no jury, o soldado pro-
nunciado Jos Borges.
Portara Mandando dar baixa ao soldado
da companhia de artfices Ignacio Corroa de
Mello, por ter como voluntario finalisado o tem-
po a que eslava obrigado a servir, o nao que-
rer continuar.
dem do da 17.
Offlcio Ao Exm. Presidente, informando o
requerimentodo major reformado Fernando da
Costa, que poda a S M. o Imperador a greca
de Iheannullar a reforma (por a julgar imme-
recida), com as devidas indemnisaces.
Dito Ao mesmo Exm. Sr enviando-Ihe,
Miserere mei Deas, secundum magnam mi-
sericordiam luam. Elre olhou para o monge
com ar espavoiido, mas repetiu as palavras sa-
gradas com voz trmula. O monge leu o seguin-
te verso anda com mais expressa:
El secundum multiludinem miseralionum
uarum dele iniquilalem meam,
Masintarrompeu elreieste psalmo um
dos sete penitenciaos, que se resa cabeceira
dos moribundos.
Senhorrespondeu Fr. Ambrosioexecu-
tei as ordens de V. M.; abr o meu breviario ao
acaso. Se nisto pequei, mere?o desculpa; por-
que os monges da nossa ordem nao esta cos-
tumados estar diante dos reis vivos, mas s
de reis morios ou moribundos.
Bem;disse seccamenle Filippe 3. seja
como for, as minhas pernas anda nao ostao
bstanle foites para poder eslar muito tempo
nest posicao. Ajudai-me a levantar; quero tor-
nar a sentar-me.
Seguiu-se um momento de silencio. Emquan-
to elrei se tornava a assentar nao pode deixar de
olhar com pavor para o ancia, que Ihe dava a
para ser pago o ajuste de contas de fardamento
(eito ao ex-ioldado d'artiflces, Ignacio Correia
de Mello.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., Informando o
requerimento de Jos fluarte Guimaraos, que ao
Soberano pedia a demissao de seu fllho Joa
Jos Duarte Guimaraes, alegando ter sido im-
propriamente recrutado.
Dito Ao director do arsenal de guerra, pa-
ra que Ihe remettesse com urgencia, dous map-
pas, um do fardamento pequeo (ornecido ao
batalha de infantaria de guardas nacionaes des-
tacado, com declaracada respectiva importan-
cia, eoutro do fardamento grande na mesma
conformidade visto conter inexactides nos
mappas. e notas de n. 1 4, que Ihe remeltia
relativos ao mesmo (ardamento.
Portara Mandando dar baixa por ter fina-
lisado o tempo de seivico como voluntario, e
nao querer continuar, ao soldado da quinta
companhia d'artilharia Jos Das do Souza.
Thesouraria da Fazcnda.
EXPEDIENTE DE 10 DO CORRENTE.
Oficio Ao Exm. Presidento da provin-
cia, podindo.se dignasse communicar.so appro-
vava, que passasse para a meza do ConsulaJo o
guarda vlaximiano do Oliveira Mussurepe ou
Caetano Aureliano de Carvalho Couto como
o inspector da.allandega propunha: bem como,
seaquelle.em quem recahisso apassagem.devia
solicitar novo titulo ou servir com o que actu-
almente tinha.
Dito Ao cantador da thesouraria parti-
cipando para sua intelligencia ter S. M. o I.
concedido 3 mezes delicenca com o vencimen-
to do respectivo ordenado ao "hachare! Joo
Paulo de Carvalho juiz do direito do crime da
comarca do Brejo.
Portara Ao collector de diversas rendas
do municipio de Goianna recommendando, que
em vista dos lancamontos, que existissem em
seu poder pa-a a cohranca da divida em atraso,
informasse que numero de escravos foro col-
ectados para a respectiva laxa nosannos finan
ceirosdo 1S39 a 1841.
EXTERIOR.
PORTUGAL
Ceremonia da imposicao do barrete cardinalicio
S. fim' o Cardeal Patriarcha de Lisboa
D. Francisco de S. Luix Saraiva que teve
logar na Real Capella e paco das Necessida-
des no da 20 de julho de 1843 pelas dez
horas da manhd.
Havendo o governo de Sua Magostado Fi-
delissima a Rainha a Senhora D. Maria II.
pedido Santa S Apostlica o barrote de Car-
deal para o Sr. D. Francisco de S. Luiz Sarai-
va Patriarcha confirmado de Lisboa o Santo
Padre Gregorio XVI, annuindo de boa vonta-
de aos votos de SuaMagestadeFidelissima, cre-
ou Cardeal Presbytero o mesmo Ilustre prela-
do no consistorio, que teve em Boma no dia 19
ajuda do seu braco, procurando na physiono-
mia do monge urna recordaca remota, um sig-
nal (ugitivo de coohocimento, que vislumbrava
diante da sua imaginaga.
Assentado elrei, o monge inclinou-se com a
mais profunda submissa, o dispunha-se sair.
Ficaidisse elrei com vivacidado; para
onde ides ?
Senhor, permitti quoeu me retire da vossa
presenca: bem ten lio notado que Uve a desdita
de Ihe desagradar.
Ficai; j ha muito tempo que estis no con-
vento de S. Lourenco ?Sim, mou senhor, j
ha muito tempo. Conhocostos por ventura o
condado Pennacerrada ? eris sou amigoou seu
prente ?
Senhor, o conde do Pennacerrada era um
inimigo d'elrei, um despresador ousado das lei
da etiqueta. Deus me defenda de todo o contra-
to com os inimigos d'elrei, que menoscabad as
leis sagradas da etiqueta.
Filippe 3. passou a mao pela testa como
quem accorda de um sonho terrivel, eacha que
s foi sonho; e disse com afabilidade, quasi ti-
lle junho e por letras apostlicas da mesma
data, dirigidas S. Em.a, e que comeco
Pergalam sane Sua Santidaiie so dignou de
ihe participar a sua nomeaco e elevacao dig-
nidade cardinalicia Por outras letras apostli-
cas da mosma data dirigidas ao Em."10 prela-
do e que comeco Gravissimas inter,
o quo forao presentes Sua Magestade Fidel-
sima o governo pontificio faz a participacio
offcial da clevacjio do Sr. Patriarcha de Lis-
boa dignidade cardinalicia, acredita mon-
senhor Vizardelli peranle o governo de Portu-
gal ablegado de Sua Santidade para apresen-
tar o barrete de purpura que Sua Santidade
mandou pelo cavallieiro Borgia guarda nobre
do Santo Padre. De ordem de Sua Santidade
monsenhor Vizardelli pedio ser appresentado
Sua Magestade Fidelissima, e sondo-lhe con-
cedida audiencia pedio a Sua Magestade a
Rainha em nome do Sanio Padre, que se di-
gnasse de pflr o barrete cardinalicio ao Sr. Pa-
triarcha o que houvessc por bem dosignar dia
o hora para esta ceremonia.
Sua Magestado Fidelissima designou o dia 20
de Julho, e bem assim as dez horas da manha.
I1], querendo Sua Magestade Fidelissima dar um
testemunho, publico do alto apreco em que tem
a pessoa de Sua Santidade e a graca feita ao
Ilustre e digno prelado, cujas virtudes Sua Ma-
gestade tem em muita conta, ordenou aosseus
ministros, e especialmente ao ministro e secre-
tario d'estado dos negocios ecclesiasticos e de
justica quo de accordo entre si se fzesse esta
ceremonia com a maior pompa e publicidade
possivel. ordenando, que se mandsm os co-
ches f estado da sua Real casa, para que o no-
vo Cardeal e o ablegado de Sua Santidade fos-
sem conduzidos capella Real e ao paco com a
maior dignidade e pompa.
A Real capella se armou ricamente, foi con-
vidado o corpo diplomtico, os grandes do rei-
no, os ministros e conselheiros d'estado, os bis
pos os principies da extincta patriarchal os
camaristas ajudantes decampo de El-Rei os
ofiiciaes mores da casa, e toda a corle. Um es-
quadrao de cavallaria foi posto de guarda de
honra para acompanhar o Em.'Cardeal eo
Exm.0 ablegado. Urna guarda de honra com
lian de ira foi col Inca da porta do paco O um
forte destacamento porta da Real capella. Os
soldados da guarda Real dos archeiros guarne-
creo o atrio c escadaria do paco Real, assim
como a capella ; aqui eslava levantado o thro-
no de sua Magestade Fidelissima e junto del
le urna credencia ricamente armada com duas
salvas de ouro cobertas de um rico veo carme-
zim semeado de estrellas de ouro, e defronte do
throno urna rica cadeira de veludo caime/rm
agaloada deouro e almofadada enllocada so-
bre estrado para o Em.mo Cardeal. e um ge-
nuflexorio. Sua Magestade Fidelissima convi-
dou para assistir k ceremonia e tornal-a mais
pomposa a sua augusta Tia, a Serenissima Se-
nhora Infanta D. Izabel Maria.
morato; Reverendissimo, crdes quo o Juiz
Supremo algum dia me pedir conta do sangue
dos dous jovens ?
Senhor, a solucaS desse escrpulo perten-
cesao padre Aliago, vosso confessor. Per-
guntar-lho-hei: e depois o re continuou :
Eu estranho-me; o breve espaco para o ora-
torio deve-me ter caneado, porque anda agora
estava todogelado, e agora sinto-rife abrasado.
Vede como o fogo arde no brazeiro ; nao adiis
a casa insuportavelmenle quente?
Senhor, cu estou velho ; nos meus annos o
sangue j est pelado ; o nao sinto, o que V. M.
diz.
Isto extraordinario disse elrei em voz
baixa e inclinou a cabeca, como se se sentisse
adormecer.
Entretanto cada vez mais se incendiava o bra-
zeiro e pareca mudado em forno. J o calor
e a exhalaco do fogo tinhao absorvido o ar vital
da casa e as vellas no oratorio davSo um cla-
ran incerto. Fra a la se tinha levantado
do traz dos jardins de Buen-Retiro e pelas vi-


1_1____11_______ I.. II. 11___
As dez horas da manha" chegou S. Em.* eo
monsenhor ablegado em um coche da casa Real
puchado a oito o nelle o barrete cardinalicio.
, S. Em.* fo recebido com as honras militares
devidas sua alta crarchia*. e com repiques de
sinos. Apoz deste coche vinha um coche d'es-
tado da Km mi mitra ; seguia-se ouvro coche da
ca-ia Real puchado a seis, com o mordomo e es-
trbelo de S. Um."; apoz este outro" coche da
casa Real puchado a seis com o secretorio e gen-
tls-homens de S. Km.*, eemfim o secreta-
rio da cmara ecclesiastica em urna carruago de
S. Km.* Aestetcmpoestavo as tribunas mon-
senhor Capaccini, internuncio deSuaSanlidade;
o cava I le i ro Drumond, ministro do imperio do
Brasil, o ministro da Prussia, e o oncarregado
de negocios dos Estados-Unidos, secretario da
legacao de Austria encarregado de negocios
de Dinamarca, o de Sardenha etc.
S. Em.* oi recebido k porta da capella pelo
Exm. Duque de Palmella capito da guarda
Real dos anheiros, e outros grandes do reino,
e pelo conselheiro esmoller-mr, acompanh.ido
dos capelles de Sua Magestade Fidelissima.
S. Em.* receueo o hysope da mo doesmoller
mor e fe* a asperso. Foi conduzido a capella
do Santissimo Sacramento onde fi/.ero urna
breve oraco. Subiro capella-mr e ahi
monsenhor Vizardelli depositou n'uma salva
deouro o barreto cardinalicio e n'outra as le-
tras pontificias e estes objetos foro cober-
tos com o veo de seda carmjzim. Logo S. Em.*
o Exm." ablegado foro conduzidos pela es-
cada interior do palacio s salas Reaes onde
comprmentaro a Suas Majestades e a Suas
Altezas Reaes o Principe Real o Senhor In-
fante D. Luiz e a Senhora Infanta D. lzabel
Mara.
Tendo o esmoller-mr participado a Sua Ma-
gestade Fidelissima que tudo eslava pr implo
na Real :apella para come.ar-se a missa e a
ceremonia, a mes.na Augusta Senhora deu or-
dem ao Exm.' Duque da Tereeira mordomo-
mr, para que pozesse o prestito em ordem, e
caminh.issein para a Real capella o queso fez
indo Suas Altezas o Principe Real, o Sr. Infan-
to, e a -enliora Infanta D. babel Mara, para
a tribuna Real da capIT. No (iin do prestito fio
Suas Vla^estdes, levando junto a si o Cardeal
Patriarcha e monsenhor Vizardelli. Sua Ma-
gostado a Rainba ia acompanha la da Duqueza
camareira-mr, ede mais oilo damas eff.xtias
e honorarias Chegados cape la-mr S. Em "
dcu a Ma benta a Suas Majestades e foro a
capella do ^antissimo Sacramento ondo de
joelhos com coila a de.oeao lzerao orac-o bre-
ve, o tornando capella mor, Suas Majesta-
des subirn ao throno, e S. Em." seaproximuu
dogonuflexorio, comee >u a missa resada pelo
reverendo beneficia lo Joaquim Eleutherio de
Souza Negro capellothesoureiro-mrda Real
capella. No fim do uvangelho o esmoller-mr
apresentou a Suas Magestades o livro dos evan-
gelhos, e o beneficiado Henrique mestre de
ceremonias de S. Em *, lhodeua bejar. Rec-
benlo Sua* Majestades o pax, beijando o por-
a-pax, eS. Em.* fez o rnesmo. Antes da ben-
co o celebrante pedio licenca a S. Em.* para
abenfcoar os circunstantes oque Ihe foi con-
cedido e lancou a benco para a parte oppos-
ta a S Em.'segundo a lithurgia. Acabada a
missa o celebrante retirou-so para a sachiistia.
Suas Majestades sentaro-se e o Cardeal Pa-
triarcha tambem.
Logo monsenhor Vizardelli tirou da salva de
ouroo breve pontificio, que comeca gravissimas
inter e o entregou ao rev mo parocho do Lo-
reto servindode notario apostlico, que o leu
em voz alta na Augusta Prsenes de Suas Ma-
gestade* de S. Em.*, c da rrte. Concluida a
leitura do breve, monsenhor ablegado chegou
defronte do throno feita reverencia a Sua Ma-
gestade, a Rainha.recitou um pequeo discur-
so em lalim o qual traduzido em porluguez
oseguinte :
H
Senhora! O Santissimo Padre, o Pepa e
Seuhor Gregorio decimo-sexto, deseja que
V Magestade Fidelissima, com as suas Reaes
mos, ponha sobre a cabeca do Em.mo D.
Francisco de S. Luiz Saraiva Patriarcha de
Lisboa o barrete de purpura insignia da
dignidadecardinalicia. O Santo Padre,tendo
em vista a grande sabedoria deste prelado ,
nao fallando agora nos seus outros muitos
merecimentos, julgou-o digno de ser inclui-
do no collegiodos cardeaes da Santa Igreja
Romana, o qual foi constituido Senhora,
exemplo do Moyss, a quem o Senhor man-
dou congregar setenta vares dos ancios de
Israel, que reconbecesse por volhos e mestres
do povo; sobre estes, conduzidos s portas do
tabernculo, fallou o Sen'uor, edescancouo
seu santo espirito. Fazei, Senhora, quoseja
feliz, fausto e afortunado este dia e que
Vossa Vlagestade Fidolissima annuindo aos
votos do romano Pontfice, expostos por mim,
seu ablegado, Vossa Magestade se digne
adornar com o barrete de purpura, posto por
suas augustas mos a cabeca deste illustre ,
insigne, e emnentissimo Cardeal.
Ento chegou S. Em.* diante do throno Real,
e Sua Magestade Fidelissima a Rainha, rece-
hendo das mos do Ex.mo ablegado de Sua San-
lidade o barrete de purpura, o poz sobre a cabe-
ca doErn.1"9 Cardeal. Logo S.Em.* se levantou,
o tirando o barreto feita Suas Magostados
profunda reverencia fallou com emoco So-
berana eda maneira a mais respeitosa e gra-
ve disse assim :
Senhora! Os grandes, e solomncs testemu-
nliosde R -al grandeza, e munificencia com que
Vossa Magestade se tem dignado de honrar-me
B engrandecerme, recebem o seu complemen-
to no dia de hoje, em que eu debaixo da mui-
to alta, o muito poderosa proteceo de Vo>sa
Vlagestade sou elevado pelo Santissimo Padre
Gregorio 16 a eminente digdidade de Cardeal
da Santa Igreja Romana.
Por esta dignidado Senhora, adquire a
metropolitana Igreja do Lisboa um novo roalco
le lustre, e de gloria ; estreito-se mais os sa-
grados vnculos entre ella, e a Santa S Apos-
tlica ; e accresce ao feliz governo de Vossa
Vlagestade um augmento de esplendor religio-
so, digno das soberanas virtudes, que em todos
os lempos tem assistido ao throno dos Monar-
cbas portuguesa8..
A Providencia doCeo nSo hadepermttir,
que to prsperos efieitos to gratas, e lison-
eiras es,.erjncas venino sor frustradas pela
minha indignidade.
Com profunda submissao rendo a Vossa
Vlagestade hs devidas gracas, por tantas, e to
singulares demonstracoes de sua Real benevo-
lencia, e com gosto renov em sua augusta pre-
senca os solemnes protestos da minha perpetua
gratido amor, e tidelidade a Vossa Magesta-
de a El-Rei, e a toda a Real Familia.
Logo Suas Magestades descerio do throno ,
e foro ao altar do Santissimo Sacramento on-
do com S. Em.*, e a corte fizerlo devotamente
breve orago e voltaro s salas do pac,o da
rnesma maneira, porque tinho vindo.
S. Em.'seretirou a urna sala em quantoo
tiuque Mordomo-mr fez por em ordem na sala
ilo throno os grandes, os ofilciaes mores, da-
mas, os Ministros, e Conselheiros d'Estado, os
Prelados, e to la a corte. Ento Sua Magestade
a Rainha com El-Roi seu Esposo o Principe
Real o serenissimo Infante D. Luiz Sua Al-
teza Real a serenissima Infanta D. Isabel Ma-
ra subiio ao throno e logo o Duque, ca-
ito da guarda Real e o Conde da Ribeira
Grande, servindo de mestre-sala, introduzirSo
na sala o Cardeal Patriarcha a Rainha man-
dou pelo Duque Mordomo mor cubrir a corte .
El-Rei cubriu-sc, e os grandes do Reino. 5.
Km.* fez as tres cortezias, a que Suas Magesta-
des o Altezas, e a corle correspondero tirando
os chapeos, Suas Magestades e Altezas sentaro-
se e a Rainha mandou sentar o Cardeal Pa-
triarcha e depois de breves palavras se levan-
tarlo, e assim acabou a ceremonia, e a audien-
cia publica, e solemne, dada por Sua Magesta-
de Fidelissima ao Em."10 Cardeal Patriarcha D.
Francisco de S. Luiz Saraiva.
Sua Magestade se dignou convidar a um es-
plendido almoco o Cardeal Patriarcha, o mon-
senhor ablegado as damas, os grandes digna-
tarios da casa, e Reino, officiaes mores, cama-
ristas, ajudantes de campo de El-Rei, minis-
tros, e conselheiros d'Estado.Pela bora e
meia da tarde S Em.* voltou para o seu palacio
de S. Vicente no mesmo cortejo, pompa, e es-
tado como havia vindo.
O INFANTECIDIO.
dracas da cmara real se via claramente a esta-
tua equestre de Ca los 5." oum o seu arnez, que
com olhar sombro pareca contemplar a lula
mortal de seu neto. Havia neste momento algu-
ma cnusa do simblico no aspecto destas duas
figuras reaes ; urna de bronze e ferro, oulra de
carne e osso ; urna direita e altiva iluminada
pelo nobre astro da noite, reflexo do sol de Pa-
va ede ("crisole ; a outra dormitando suflbeada
pelo calor aiticfal do seu sol, um brazeiro.
Sbitamente elrei pereceo accordar de um le-
tharico endireilou-sc, enxugou as grossas ba-
gas da testa, c disse quasi impercep'ivelmente :
Mandai tirar o brazeiro. Senhor respon-
den o mongeeu vou avisar osolTiciaes a quem
compete osle olllcio. Fr. Ambrosio sahio e
voltou em meio minuto. Klrei mal pedid ja ar-
ticular. Senhor o otTli al competente ausen-
tou-se mandaro-nn chamar, e nao podo tar-
dar. Elroi nao responden, mas pouro depois
disse : Sinto-me morrer, padre, desabotoai-me
o fato. Senhor, nao merecn tanta honra. A|,
etiqueta nao penniltea um uobre fradre jeronj- mo tocar no futo d'elrei: este oftlcio compele peona... Estis Icmbrado, que j). Fernando de
ao nobre duque de Medina Cali...
Meu Dos, isso verdade mas eu morro.
Ar, ar, padre, abri a janella. Senhor nao
me poso atrever a isso ; nao posso aspirar
tanto. absolutamente prohibido todos excep-
to ao mordomo-mr, ou ao monleiro-mr, a-
brir qualquor janella na cmara d'elrei, estando
presente. Fallando assim Fr. Ambrosio mal
podia respirar, eos olhos quasi su Ihe turvavo.
Elrei animou-se fez urna tentativa para se
levantar da eadeira, mas cabio para traz. Ah !
disse quasi sem voz isto um tormento
horrivel. Monge, monge, nao vfis, que moiro
se me nao das ar, se me nao tlr isesle brazeiro,
este brazeiro, que me suffoca e mata.
Ento Fr, Ambrosio inclinou-so ao ouvido
d'el-rei, e disse com voz sepulchral, que pene-
trou o moribundo rei com arripiosgeladns, que
juntou aos marlyrios do corpo os mais terriveis
martyrios da alma : Estis lembrado, Senhor,
que D. Sancho moneo s mos do carrasco ,
porque nao estava presente o presidente do con-
ppr"
Tudo qnanto a boa razo e os sentimentos
de humanidade podem dictar para infundir
nos nimos um profundo horror contra o crime
do nfantisidio est dito ; e tem-se escrpto
tantas vezes e por homens de to abalisado
engenho que nada falta para accrescentar so-
bre este assumpto:
J assim no, se o considerarem debaixo
do ponto de vista que respeila aos jurisconsul-
tos e aos legisladores.
Encontro-s sem duvida nos escritos dos
primeiros muitas e mu acertadas observarles
sobro os motivos e a qualificacSo. destes actos ,
que as mais das vezes sao resultado de um com-
bate entre varios sentimentos inherentes ao co-
raco humano. Mas contentes eom estaappre-
ciaco theorica appnas e muito superficial-
mente descem a considerar porque mpios se
poderia diminuir j que impossivel atalhar
nteiramente, que. se perpetren) horrorosos
crimes.
O mais que os legisladores pouco Ilustra-
dos pelos escriptos dos jurisconsultos tem a-
diantado na reforma desta parte da legislaco ,
redu/.-se a minorar as penas, que em seus cdi-
gos draconicos haviao fulnvnndo os antigos.
Remnnlemos s origens deste crime : ellas
nos indicars os meios mais adequados para a
sua reprosso.
Tres sao que nos saihamos, os motivos,
por que as mis sacrificio as innocentes creatu-
ras que acabo de dar luz, a saber: o pojo,
o odio e a devassidao.
Um remedio applicavel a todas estas tres cau-
sas e sem o qual nenhum outro pode ter
resultado algum til a educacao da moni -
dade e particularmente das pessoas do ou-
tro sexo; pois evidente que urna donzella
hem educada estar menos exposta a car em
faltas de que tenha de envergonhar-se do
que aquellas que. destituidas de principios
moraes vivem habitualmento no meio das se-
ducedes e dos perigos.
Mas alem deste meio preventivo universal,
ha para diminuir os casos de infanticidio por
motivo de pelo outras providencias, que de-
pendem da legislarlo do par/.
Urnas vezes a paixao outras vetes o simpes
desejode sairem do estado de solteirasou viuvas,
so dous motivos, que induzem as mulberes a
eommettcrem faltas de que depois mais j
tarte, se arrependem.
A especie de certeza que as engaosas pro-
messas dos amantes ou seductores Ihes inspiran
de que os indissoluveis vnculos do matrimonio
seguiro de perto a sua condescendencia , pela
maior parte, o motivo que as determina a subs-
creverem sua deshonra Logo 6 evidente ,
que se aquelles vnculos nao fossem indissolu-
veis pprderia toda a sua forca a promessp do
casamento.
Assim, urna legislacSo que dsse ao desquite
todas as formalidades compativeis com a moral
publica; e com os direitos dos filhos e dos ter-
eeiros interetsados seria o meio mais eflicnz
que se poderia empregar para impedir os ef-
)
feitos da sedueco e da fragilidade (
Outra providencia que reputamos nao monos
efficaz sera a da se declarar que o simples
fado da unio entre duas pessoas solteiras ou
viuvas conferira mulher todos os direitos
de casada ; salvo ao marido o direito de des-
quite eom as condicSes e encargos marcados
na lei, que relugar taes separaces.
O odio que dissemos sor urna das causas do
infanticidio tem urnas vezes por o'bjecto o pai
da innocente victima outras vezes a propria
crianca.
O odio ao pai costuma derivar de ciumes ou
de indignacSo por a Tnai se ver delle abando--
nada. Em ambas estas hypotbeses entendemos,
queatalharia muitos malesa lei, que declarasse
a donzella ou viuva seduzida ou simplcsmente
frgil os direitos de casada.
O odio contra a propria crianca tfto mons-
truoso que felizmente poucas vezes se veri-
fica : e esse urnas vezes efieito da desespera-
cSo pela falta de meios de prover sua criaco,
outras vezes provem do estorvo,que as mis pre-
vem que elles opporao a vida dissoluta,que in-
lento continuar. No primeiro destes dous ca-
sos aproveitaria anda a lei, que acabamos de
mencionar; mas sobre tudo as providencias,
dejque logo tractaremos, destinadas a assegurar a
orle de todos us recem-nascidos, desencarregan-
do desse onus aquelles de quem recehoroo ser.
Para o caso, em que o odio a innocente cri-
anza provem da mi ter j chegado a tao deplo-
ravel corrupeo de costumes nao resta ao le-
gislador outro recurso seno o recommendar
esses entes desnaturados vigilancia das auto-
ridades a quem incumbe velar pela manu-
tenco da moral publica a fim de submettol-
osao tractamento da correceo nos estabelec-
mentos a esse fim destinados.
Qualquer porem que seja dos tres mencio-
dos motivos o que determino as mis os pas ,
ou outras lerceiras pessoas ao horrivel procedi-
mento de dar a morte aquelles innocentes,e na-
turalmente interessanto creaturas ; todos e ca-
da um desses motivos perdero a sua forca ou
cessaro mesmo de existir, so todo o recem-
nassido osse s por este facto considerado
mais como filho da naco do que daquellos de
quem recebeu a existencia.
Os estabelecimenlos,que nos denominaramos
casas de malemidade longe de serem como
hojo sao oucasio de oppmhrio para aquelles,
que all tvessem sido criados deverio ser t-
tulos legaes para a sua promoco na carreira da
successiva educaco custa do Estado como
o costumo ser as escolas e os collegios milita-
res, ondeas mais elevadas patentes do exerci-
toeda marinha solicito a admisso para seus
filhos ; e com razo pois que o ter sido cra-
do e educado em taes estahelecimentos um a-
bono da presumo e bom comportamento dos a-
lumnos aspirantes aos diversos empregos do
publico servico ou da industria privada.
Nao ignoramos que muito se tem escrpto
contra os estahelecimentos dos expostos ; e con-
vimos cm que muitas das razes alegadas pelos
homens conspicuos, que tem sustentado aquel-
las opiniSes sao irrefragavois.
Mas entendemos que elles se equivocaro ,
confundndoas instiluices com os abusos nel-
las introduzdos, as mais das vezes desde o
principio da sua creacao. Por isso parece-nos
Pennacerrada morreo s mos doalgoz, porter
ousado tocar na rainha, quando se tratava de
Ihe salvar u vida...
Pennacerradas Pennacerradas I excla-
mou elrei, e de terror se Ihe arripiou o cabello,
sempre Pennacerradas !... E olhou para o*
monge, que estava i mmovel ao p da eadeira,
rom a cabeca mettida no capuz om attitude de
reflexao e de attenco.
Misericordia, monge, no esperes, at que
venha o official do paco para tirar o brazeiro.
Eu te dou a minha palavra real, que por este
crime nao has de sor castigado. Monge, eu farei
mais, o pri neiro bispado que vagar ser teu.
Reverendo padre fallai-me; que pretendis
mais ? Oh Misericordia, misericordia... Meu
Dos, meu Dos...
Mas Fr. Ambrosio lcou mmovel. Tambem
nao linha havido misericordia para D. Sancho
de Pennacerrada nem para seu irmao D. Fer-
nando.
Neste momento se ouvio um grito d'elrei, um
iliino grito grito de dr e de desesperaco :
Ah! monge, monge, agora te reconheso;
( ) Sobre este mesmo pensamento parece
ser fundada a lei,que declara screm nicamente
valiosas em direito as promessas de casamento
feitas a don/ellas menores de dezeseis annos.
Mas esta lei immoral. A ninguem nem
mesmo ao legislador permiltido desligar
aquello que por urna promessa livre e volun-
tara seobrgou prestar urna aeco licita;
sobre tudo quando do a nocumprir deve re-
sultar para a pessoa a quem essa promessa foi
.eita um damno irreparavel, como acontece
nos casos de que tractamos.
s o volho Pennacerrada... E sem sentidos ca-
hio sobre o braco da eadeira. A porta da cmara
real abrio-se no mesmo momento, e entraro o
official do brazeiro, e o medico d'elrei.
Vindes a tempo, Sonhores disse o mon-
ge. Sua Magestade dosmaiou por nao poder
supportar mars o calor do brazeiro. Tirou-se
este ; o medico acudi immediatamente a elici,
observando-o com signaes da maior inquietaco.
Em quanto durava este exame, cujo resultado
Fr. Ambrasioesperava com inalteravel placidez,
abrio-se do novo a porta e um Oicial annun-
ciou :
Sua alteza o principo das Asturias, pede
licenca para tributar os -eus respeitos a elrei.
Fr. Ambrosio deitou olhos escrutadores ao me-
dico, e diringindo-se ao ofRefal disse :
J nao ha principe das Asturias. Annuncia
S. M. D. Filippe 4." rei das Ilespanhas e do am-
bas as Indias. A etiqueta manda, que antes de
principiar o seu reinado, o novo rei seja o pri-
fnpirn <.! nl*lfn fw*i *- '
--"- 1v iwim *ft U.IUOLIU.
FIM.


que desde o momento era que so evitarem a-
quelles abusos similhantes cstabelecimentos
presta r5o grandes serviros ao estado.
Os limites deste artigo nao nos permittem
entrar nos pormenores,que seria preciso expen-
der para darmos ao leitor urna idea clara de
comoellesse poderiao evitar. Remettol-o-he-
mos para o nosso projecto de cdigo poltico
bem como para um projecto de associaco das
classes industriosas, ondo bavemos tractado
deste assumpto debaixo dos seus diversos pon-
tos de vista.
Aqui limitar-nos-hemosa fazer observar,que,
quando fosse enro o que nao que o nu-
moro dos lilhos illegitimos cresce sempre sem-
pre, e muito, des lo o momento em que se Bri-
gn similhantes estabelecimentos ; os seus ad-
versarios nao podem negar que o numero
dos infanticidios muito menor ondo taes
casas existem do que onde ellas faltan.
Nao hesitamos pois em propr a multipli-
caba^ de similhantes estabelecimentos como
um dos meios mais eficazes para se diminuirem
muito os infanticidios ainda quando secor-
resse o perigo do dar lugar a que haja um cor-
to numero de filhos illegitimos do mais.Sil-
vestre Pinheiru Ferreira.
( Diario do Governo.)
Editaos.
Correspondencia.
Srs. Redactores.No Diario d'hontem pu
plicou-se pedido urna insinuacao do Procura-
dor Fiscal daThesouaria ao Desembargador
Procurador da Fazenda o Soberana Nacional,
fim de que esto embargasse o Accordo que
constava ter a Relacao proferido na causa de se-
questro do Engenho Novo deGoianna. Sup-
prehendeo-nos o inleresse com que o Sr. Fis-
cal se pronuncia neste sequestro que at hoje
s redunda em proveito do rendeiro. o deposi-
tario, que ainda nao deo contas Thesouraria
nem das rendas, que devia a Santa Casa de Mi-
sericordia do Lisboa nem das que se tem ven-
cido depois deste celebre sequestro e parece
extranho que oSr. Fiscal ainda antes de ser
Janeado nos autos e publicado o Accordo ,
insinuasse logoao Magistrado da Superior Ins-
tancia o embargo do mesmo na Chancellara ,
sem ter visto os fundamentos do Tribunal so
ero ou nao jurdicos, eextranho sobrema-
eira que se insinuasso ao Procurador da Co-
rda aviolacao da Ord. L. 3. T. 87 que pro-
hibe embargos sem in.itoriu.il> nullidodo mani-
festa. Os documentos que o Sr. Fiscal pro-
meti existiao nos carinos, desde que se fez
o sequestro ; ese elles faziao bem da causa ,
porque S. S.aos naojuntou, e guardou-se pa-
ra indcal-os ao Procurador da Cora ? J se
sabe : para que com embargos fiquem retidos
por mais tempo em mao do rendeiro o predio ,
e suas rendas. Com estes meios nao he que
so fiscaliso os interesses da Fazenda. Os Pro-
curadores da Cora nao costumao embargar os
A eco rd ii os da Relacao nao h .vendo nullidado
manifesta: deixa-seesta chieana algumas par-
tes desarrazoadas. Duvidarnos por tanto que
o integerrimo Desembargos Ponoe presto-se a
similhante insinuacao. O Demcrata.
O Illm. Sr. Inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes manda fazer publico que em
cumprimento do officio do Exm. Sr. Presiden-
te da provincia de 11 do corrente, ir nova-
mente a praca no da 10 de Novembro prxi-
mo vindouro ao meio dia para sor arrema-
tada a quem por menos fi/.er a segunda parte
do oitavo lanco da estrada do Pao-do-alho or-
eada em 20:4134669 reis sob as clausulas es-
peciaos publicadas pelo Diario de 19 d'Agosto
prximo pausado.
Os licitantes deverao apresentar as suas pro-
poslas, conforme o regulamento de 11 de Julbo
deste anno no dia e hora indicados, &c.
O Illm. Sr. Inspector da thesouraria das
rendas provinciaes manda fazer publico que
em cumprimento do officio do Exm. Sr. Presi-
dente da provincia de 11 do corrente, sezundo
o regulamento das arremalacoes o sob as clau-
sulas especiaos abaixo transcriptas, no Dia-
rio numero 25 de 18 do corrente se arrema-
tara a quem por menos fizer no dia 10 de No-
vembro prximo vindouro ao me.o dia peran-
te a mesma thesouraria a prmeira parte do de-
deoimo lanco da estrada da Victoria, oreada
em 19:9998 V68 reis.
O* licitantes deverao apresentar as suas pro-
postas conforme o dito regulamento no dia
e hora indicados.
O fiscal da freguezia de S. Pedro Martyr da
Cidade de OUda, tfc.
Faz saber a quem convier, que todos os que
tiraran bilhetcs de autorisaco para poderem
musca te ir, venhiio tirar outros novos sob as pe-
nas das posturas municipaes pois est (indo o
anno da validado dos primeiros. E para que
no se chamem a ignorancia manda publicar
peda imprensa. Olinda 23 de Outubro de 1843.
sfntonio Manoel Lobo.
Dezeja-se fallar ao Sr. EstevSo do tal | ninguem concorreo com o importe do preparo,
que foi escreventc do Reverendo Antonio da para andamento da mesma.
Trindade Antunes Mera e como se nao saiba Aluga-se o segundo andar da casa n. 4 da
de sua inorada selheroga queira apparecer ruada Cacimba ; e vende-se urna canoa de a-
em a ruado Cabug no 2. anda',que volta para marello de 40 a 50 palmos de comprimento,
a ra das Larangeiras. propria para abrir-se : a tratar no primeiro an-
Declaracoes.
Companhia de Beberibe.
=0 caixa da Companhia do Beberibe avisa
aos Srs. accionistas, que elle tem de apresen-
tar as suas contas na reunio de 10 de Novem-
bro prximo e que portento se ver na rigo-
rosa ohrigaco de declarar os noines d'aquelles
Srs. quo at esse dia nao tiverom realisido as
entradas de 16 p. / exigidas at o presente.
Alfandega.
Rendimento do dia 25......... 5:7138452
Descarregao boje 26.
Briguc Fanny bacalho.
Brigue IVorval bacalho.
Brigue Conceicao de Mara diflerontes
mercadorias.
Patacho Golfinho ferro.
IMPORTACA.
Fanny brigue inglez vindo de Terra-
Nova entrado no corrente mez consignado a
F. Robilliard maniestou o seguinte :
2000 barricas com bacalho.
Movimento do Porto.
Avisos martimos.
=Para o Aracaty segu viagem o brigue
escuna Deliberaco, at o dia 18 de Novembro,
porseachar compromettido por trato assigna-
ilo com os carregadores : recebe ainda alguma
carga assim como para o Ass ; quem neIJe
quizer carregar ou ir depassagem dirija-se ra
da Cruz n. 51.
= Para o Cear segu viagem com brevidade
o patacho nacional Murentina Brazileira ;
quem no mesmo quizer ir de passagem dirija-se
ra da Cruz n. 6i ou ao capitao do mesmo
Antonio Germano das Neves.
Leudes.
Joao Keller continuar o seu leilao, por
intervencao do corretor Oliveira de grande
sortimento dea/endas francezas suissas, e al-
lemes tanto de seda nho e la como
do algodao recentemente chegadas pelo na-
vio Ortense : quinta feira 26 do corrente s 10
horas da manha, no seu armazem na ra da
Cruz.
Soctedade Philo-Thalia.
= O thezoureiro avi/.a aos Srs. socios que
faz hoje e amanha a destribuicao dos bilhetes
pata a recita do dia 21 do corrento, o que ni-
camente tem a receheramensalidadedestemez;
na ra do Crespo n.23 1. andar.
Quem precizar de urna ama do leite o
quizer dar para criar em sua propria casa ; di-
rija-se a ra da Aboboda-da-Penha n. 33, que
achara com quem tratar.
= Ad Lauprecht retira-se para fra do Im-
perio.
- Aluga-se urna preta cativa para ama de
casa de homem solteiro ou de pou-a familia ,
para fazer lodo o servico do portas a dentro ;
quom precizar dirija-se a ra Imperial n. 61.
Aluga-se urna casa em Santa Anna par*
se passar a festa peito do banho e por preco
commodo na ra do CHieimado n. 4.
O abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavcl publico que Marcolino Ferreira da Costa
deixou de ser seu caixeiro desde o dia 25 de
Outubro. Ferreira tf Braga.
= Urna senhora moradora em Santa An-
na j chegando ra da Casa-forte, no si-
tio do portao de ferro aviza as senhoras, qu
passao a lesta, e mais algumas ditas, que |
tem mandado fazer obras, que seacha prompla
a azer vestidos do ultimo gosto o moda muito
bem leitos, e por mdico preco; assim con o
toda o qualquor qualidade de costuras, quo diz
respeito urna senhora : e os srs. ,quo quizerem
calcas de pe e meio p, feitas com perfeicao e
presteza dirijo-se ao mesmo sitio cima. A
annnncianlo hr sciente aquella senhora que
no anno passado mandou fa/er um vestido e
at o presento nao tem mandado buscar, tendo
a mesma annuncianto declarado algumas mes
pelo Diario: torna por tanto a advertir a mes-
ma senhora, que quanto antes mande buscar
dito vestido, pois a annuncianto nao o quer
para si, e nom o valor delle d para seo paga-
mento.
Avisos diversos.
Navios sabidos no dia 21
Rio de Janeiro ; brigue sardo tiebe capitao
Jos Morice carga a mesma que trouce.
Dito ; brigue inglez Rabecca Jane capitao
John Valrent com a mesma carga que
trouce da liba de Maio.
Navios entrados no dia 25.
Val-Paraiso ; 60 dias, galera americana Sea-
man de 240 toneladas capitao Joseph
Harvey equipagem 13 carga chapeos de
chilli pelles cacau.ecaf: ao capitao.
Otehite ; 93 dias, galera americana Cotumbus,
de 313 toneladas, capitao Instan D. Peaso,
equipagem 23 carga azeite de peixe : ao
capitao.
A commisso administrativa da Sociedad*'
Apolnea, attendendo a alguns inconvenientes
occorridos julgou acertado mudar a partida,
annunciada para o dia 4 de Novembro prximo
futuro para o dia 18 do rnesmo mez ; adver-
tidlo aos Srs. socios, que a commisso admit-
to propostas para convidados at o dia 7 do refe
rido mez de Novembro.
Dc/eja-se saber as residencias dos Srs.
Joo A Ivs Praga na Manoel Francisco Rodri-
gues Manoel Bernardo Monteiro o Manoel
Jos Mascarenhas da Cunha para negocio de
interesso ou queiro mandar a casa de Gaudi-
no Agoslinhode Barros, na pracinha do Corpo
Santo casa n. 66.
Da-se 160* reis a premio sobro penfcores
de ouro; quem quizer annuncie.
Quem precizar de urna ama para casa de
homem solteiro ; dirija-se a ra do Livramen
to n. 30.
Quem precizar de um mestre distalador ;
annuncie.
Domingos Pires ferreira uezeja tallar ao
Sr. Luiz Carlos da Costa Caro pello.
VEITCH, BRAVO &Ca
Vendem na sua botica e armazem de drogas ,
na ra da Madre de Dos n 1.
A preparacao seguinte por preco muito com-
iiiuJo e de superior qualidade.
Colirio ante-ophlhalmico.
Este medicamento (em as mais enrgicas vir-
tudes para destruir com os bons e folizes re-
sultados que a longa experiencia tem mostra-
do tudo quanto sao nevoas. belidas infla-
inacoes e oulras dooncas d'olbos em que n8o
he preciso para seu curativo radical usar dos
meios operatorios que a arte em taes casos
indica, o a quo o doente necessariamente re-
corre. Um sem numero de pessoas podem at-
festarcom verdado os salutares effeitos d'appli-
cacao deste remedio prodigioso ; tai.to em dif-
erentes partes do Imperio donde tem sid pro-
curado como em algumas partes da Europa
onde seu uso he ha mais tempo condecido.
Na mesma casa tambem se vendem tintas,
e todos os outros ohjectos de pintura ; vernizes
de superior qualidade entre elles um perfei-
tamente branco e que se porte applicar so-
bre a pintura mais delicada sem que produ-
za alteracao alguma em sua cor primitiva. Ar-
row-Root de Mor muda,Sag, Sahonefes, -
Sabio de Windsor,ASde guaBnSy- eidlitz,
de Soda,Agua de Seltz,Limonada gasoza ,
Tinta superior para escrever,Tinta para
marcar roupa.Perfumarlas inglezas,Fun-
das elsticas de patente,Escovas e pos para
dentes ,Paslilhas de muriato de morphina ,
e ipecacuanha, Paslilhas inissimas de hor-
tel-pimenta Paslilhas de bi-carbonato de
soda egingibre. As verdadeiras pilulasve-
getaes universaes do D.r Rrandreth viudas
de seu author nos Estados-Unidos, c\c &c.
= Aluga-se um primeiro andar da casa de
dous andares em Fra-de-portas prxima da se-
gunda venda do lado direito : a tratar na mes-
ma.
loSportsmenAfew Cannisters containing
one pound each of Mes." John Stau & Sous
fine glass hondn Gunpowder may stiu he had
on application to A. S. Corbett n. 46 Ra
da Cadeia doRecife.
No escriptorio de Cosbett n.
dar da mesma casa cima.
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
129 na ra Direita do lado da igreja do Terco :
a tratar no segundo andar da mesma casa.
A pessoa,que no Diario de terea-feira 17 do
corrente annunciou querer vender duas vaoas
rrioulas, boas leiteiras e prximas a parirem ;
declare asua morada para se rom vistas e ajus-
tar-se.
Aluga se urna casa em Olinda, bastante
grande com cacimba e banho para o mar : a
tratar na ra Nova n. 42.
Aluga-so urna casa terrea na ra da Soli-
dado muito larga, com seis quartos, duas
salas corredor ao lado cozinha fra um
grande quintal murado e outrosercado e ca-
cimba com muito boa agoade beber ; quem a
pretender dirija-se ra da Am ora n. 58.
3 Constando ao abaixo assignado que no
lugar do Motocolomb, onde o mesmo abaixo
assignado requerera ao Exm. Presidente desta
provincia 400 bracas de trra de aforamento
de terreno de marinha acha-se edificada urna
casa de taipa na mesma trra do Sr. Jos No-
borlo tendo o Exm. Presidente j mandado
demarcar para ser entregue ao m?smo abaixo
assignado e por oceupacao do Sr engenheiro
ainda nao pode o azer por isso roga ao Exm.
Presiden lepara que tome esse negocio em con-
s'deracao a fim de mandar embargar a dita o-
bra para evitar questoes com o abaixo assig-
nado para o futuro visto nao competir aquel-
lo terreno a dito Jos Noberto e sim ao an-
nuncianto. Jos Ignacio l'ereira Dutra.
= Furtarao no dia 22 para 23 do corrente ,
de urna gaveta na ra da Conceicao da Boa-
vista n. 26 urnas poucas de letras a favor da
viuva Francisca Felizarda Peal de Barros a
qual previne aosdevedores do nao pagaren se-
noaella, ou a seos filhos com procuraco
bastante ; assim como a pessoa que por malicia,
ou por poca as tenha roubado queira resti-
tuir as ditas letras que se perdoar os trinta mil
reis que com ellas forao roubados e se grati-
ficara com mais cincoenta mil reis : se por
pojo nao qui'-er fazer, cntao poder deitar por
baixo da porta o ainda sendo conhocida a pes-
soa se protesta um segredo eterno o n3o o
lazendo poder flear ccrlo que a todo o lempo
que forem apresentadas para o seo pagamento
ser a pessoa que as possuir processada como
merece.
LOTERA DE S. PEDRO MARTYR.
w No dia 30 do
46 Ra da
Cadeia n46 acha-sea venda umhom sortimen-
to de charutos da Babia da celebre fabrica Rega-
la chegado agora no patacho Golfinho.
Sexta-feira 27 do corrento palas quatro
horas da tarde em casa da residencia de A-
delo Jos de Mendonca & C. haver arremata-
cao dos fatos das matancas diarias da nova
companhia.
- A appellacSo civel entre partes, Francisco
Poiner e Lehmam c C., que foi destribuida
ao escrivao Bandeira est parada porque
corren-
te ando as rodas desta lo-*
teria, fiquem ou nao bilhe-
tes por vender.
Arrenda-so um grande sitio na estrada dos
All icios, com urna excellentecasu terrea eso-
to que admitte urna numerosa familia, tem
cocheira estribara c casa para pretos, com
aquelies commodos necessarios cntendo em
si um grande pomar de larangeiras das melho-
res qualidades, que ha, jaqueras, mangueiras,
e oulras muitas (rucias csirangeiras, advertin-
do, que tem um grande tanque com bomba e
tanques para depsitos d'agua, urna boa cacim-
ba com excedente agua de beher, tendo na
frente um lindo jardim com diversas flores ,
sendo todo murado na frente : os pretendentes
podem dirigir-so ao seu proprietario Silvestre
Goncalves dos Santos ou a seu filho na ra
da Cadeia-velha.por baixo do corretor Oliveira.
LOTERA DA MATRIZ DA
BOA-VISTA.
As rodas desta lotera corren impreterivel-
mente no dia 21 de Novembro prximo futuro,
e os bilhetes achao-se venda as lojas dos Se-
nhores Vieira e Cunha, cambistas, oo Recife ,
Sanios Neves na ra do Crespo Luiz Antonio
Pe re ira & C* na ra do Queimado n. 17, Mo-
reira Marques na ra do Gabug <, eSaraiva na
Boa vista.
OSr. Francisco Alves Cavalcanti Cambo-
im annuncie a sua morada ou dirija-se ao
atierro dos Affogados a casa de Silvestre Joa-
quim do Nascimento, para se Ibe entregar urna
carta de seu mano.
=Precisa-se para um engenho perto desta
cidade de um homem quo sirva para caixei-
ro ; na ra estreita do Rozario no terceiro an-
dar do sobrado n. 31.
=Quem quizer arrendar urna casa terrea,
na ra Velha do bairro da Boa-vista por tem-
po dos 3 me/es da (esta, ou mais, com 6 quar-
tos incluidas duas alcovas envidracadas sala
adiante, e atraz muito grandes cozinha fora ,
quintal miir;,di>. r carimba. q.! 6 d !BUS-
to em conta dirija-se ra Nova loja Trance-
za n. 8.


= Precisa-se alugar urna casa terrea que
tenha quintal, e cacimba, as ras seguin-
tes : Flores, Hortas S. Thereza, AgoasTver-
des, Trincbekas, e pateo do Carmo ; preci-
sa-se tamben) de um primeiro andar as mes-
mas ras : na ra do Cabug* n. 4.
= Precisa-se de um menino de 10 a 11 an-
nos para caixeiro preferindo-se dos chega-
dos agora de Portugal ; na ra da'Cadeia-ve-
Iha na primeira foja ao p do arco da Con-
ceicio.
sa Umdos meios bilbetes n. 1876 em
que sabio a sorte de 6 contos de reis na lotera
do tbeatro, assim como o n. 1826, em que sa-
bio a de 1:5004 rs e outros, que sahirio
outros muitos premios soflriveis, lorio vendi-
dos na casa de cambio do Vieira no Recife ,
ra da Cadeia n. 24; onde esta a venda os
bilbetes e meios ditos da lotera le S. Pedro, que
correno dia3Qdo correte; assm como de todas
as mais loteras desta provincia os quees se
tiocao por outros premiados.
= A fabrica de machinismo da ra Aurora
acha-se sortida de moendas de cana dos model-
los mas approvados ; machinas de vapor de
for?a verdaderamente de 6 cavallos tendo os
cilindros 16 pollegadas de dimetro interior;
ditas de (orea de 4 ditos com dimetro de IV
pollegadas dito de alto pressao com diamotro
de 8 ditas e torga de 6 cavallos, a boa exe-
cucio de todas he garantida ; taxas de forro
em uso crivos e mas ferragens para assen-
tamento tudo foito na mesma fabrica onde
tamliem se recebe encomondas de toda a qua-
lidade de machinismo.
be Johnston Patr & Companhia avisSo aos
Srs. de engenhosecorrespondentesdos mesmos
nesta praca que se acha completo o seu esta-
belecimento de machinismo para engenhos ,
constando de moendas de diversos tamanhos ,
machinas de vapor, de condesaco e de alta
presso da forca de quatro e de seis cavallos in-
glezes e taxas batidas e coadas e prumettem
agradar aosseus freguezes tanto em preco como
emqualidade, visto serem todos estes objoctos
fcitos n'uma das principaes fundices de Ingla-
terra : ra da Madre de Dos n. 5.
Anda em praca do Juizo do Givel, para ser
vendida, a casa de dous andares e sotao sita na
ra da Scntala-vulha do bairrodo Recifen. 76,
pagando o comprador a sisa.
Quem precisar de urna ama para o servi-
co diario de urna caa, que cozinba bem, e en-
gomma dirija-se a ra doQuartel da policia
n. 9.
No beco da PR n 14 existo urna carta
para Antonio Clemente Esleves de Larras, vin-
da da provincia de S. Paulo.
Precisa-se de urna ama para casa de pou-
ca familia que seja capa/., sendo o servico de
porta adentro esabendo cozinhar lavar e
engommar ; no deposito de furinha da ra da
Cadeia de S. Antonio n. 19.
Nodia 27docorrente se arrematar em
praca do Sr. Juiz interino dos feitosda fazenda,
Dr. Urbano >abino Pessoa de Mello, em a ra
do Rangel os seguintes bens ; dous escravos
mocos e sadios varias erragens e alguns
objvctosdc botica que forao penborados p r
execucao da raesma fazenda contra seus de-
vedores Antonio Rodrigues Samico Jacintho
JosCabral eJoo Perereira da Silveira, o a
arrematacio ter lugar pelas 4 horas da tarde.
Troca-se um relogio horisontal de ou-
ro bom regulador por outro patente ingle*,
que tenha as mesmas qualidades tornando-se
o que for justo : na ra do Cahug loja de
relojoeiro que tem taboletas de ouro na porta.
= A pessoa que por esquecimento ou
por engao levou um chapeo de sol de seda pre-
ta ainda em hom uso bordado em toda beira.
com uns calomb nhos pelo cabo, esem o r-tttln
da ponta do dito que desappareceo no dia 10
do correte de casa do Sr l)r. Delegado, quei-
ra mandar nasCinco-pontas n. 26, se nao qui-
zer ver o seu nome publicado.
= Comprase o terceiro tomo das obras de
Filinto Elisio ainda que velho seja ou em
broxura : na ra estreita do Rosario n. 27.
Vendas.
= Vende-se por preco commodo urna parte
de um sitio em Bebiribe que foi do Capitao
Souto ; na ra estreita do Rozario n. 27 ; na
mesma casa precisa-se alugar um preto para o
servico de um sitio, dando-se o sustentoe
10,000 rs. mensaes.
ss Vende-se urna casa terrea em ch5os pro-
prios com dous quartos, quintal murado e
cacimba na ra de S. Miguel nos Alfogados;
na Boa-vista ra da S. Cruz n 38 ou nos
Affogados a fallar como Manoel Jos Goncalves
da Luz.
Vendem-se bules o cafeteiras de metal pa-
ra cha bacas de rame sortidas, candieiros ,
escrivanhinhas o perfumadores de latao ; na
ra Nova n. 41.
"\ Vendem-se os seguintes livros : Nova
Rloiza 4 v. ; Espiio do campo neutral, 4 v. ;
Pilho viajante 4 v ; Joven Ciciliano 4 v. ;
Piloto; 4 v. ; Mies rivaes, 2 v. ; Heloisa e
Mieilard, 2 v. ; na ra do Queimado lo-
ja n. 6.
Vende-se urna preta moca de bonita figu-
ra lava, ecozinha, e propria para mucam-
ba : na ra larga do Rozario loja de miude-
zas n. 35.
Vendem-se bichas francezas, chegadas
prximamente, e tambem se alugio : na ra
das Cruzesdo bairro de S. Antonio n. 39.
Rita Maria da Concdico Vasconsellos ,
viuva do fallecido Joaquim Antonio Ferreira de
Vasconsellos, vende, para pagamento .de seus
credores um sitio na Passagcm-da-Magdalena
com dous sobrados de um andar e sotao, acban-
do-se um delles prompio para se morar e o
outro tio smente travejado: tratase com a
mesma, ou na ra da Senzala-velba n. 138.
= Vendem-se 42 linhas de pao d'arco e
sapocaia : na ra do Queimado loja n. 44.
^ Vende-se merino preto infestado de boa
qualidade a 3600 o covado, casinetas para cal-
cas a 720, lidelistras para ditas a 640, as
mais modernas lan'inhasabertas para vestido a
480 ditas em cortes a 4a, cortes de cassa pin-
tada a 22i0 e 2400 e em covados a 200 rs. ,
cortes de chita patente a 2400 pecas de ma-
dapolio a 2880, 3000 3200 e 4500 hrim
escuro de puro linho a 4io a vara, e outros su-
periores por mdico preco guardanapos de
li i lio, os melhores em qualidade < em tamanho
a 400 lencos de seda verdadeiros da India a
1280, as bem conhecidas bretanhas de rolo
com 10 varas a 2000 bicos e rendas de to-
das as larguras algodiozinho dobrado ameri-
cano o outras militas fazendasbaratas: na ra
do Crespo loja n. 12 de Antonio da Cunha
Soares Gu i maraes,
^ Vendem-se chapeos francezes superfinos
da ultima moda ditos de sol de seda lu-
vas de pellica cor de canna e brancas a 1000 e
1280, ditas de seda e algodio para homern e
senhora ditas de algodio, brancas e de cores
para meninas e meninos casimiras de cores ,
ditas elsticas sem pello pannos finos do va-
rias cores, cambraiasdo bom tom de (lores
brancas e cor de rosa ditas lisas finas cortes
de chitas finas palatilhas de linho, pecas.com
30 varas, superfinas, e inferiores bramante
fino bretanba de 6 varas, madapolio infes-
tado pecinhas de fil de linho, mantas de gar-
Compras
Compra-se o livro Horas Marianas tra-
ducido om latim : no beco da Lingoeta n. 8.
= Comp.io-se dous bois mancos de carro-
ca ou de cambio que seja grandes e novos;
pagao-se bem; no Atierro dos Affogados n. 67.
= Compra-se o livro Horas Marianas em
latim : na ruadoCabuga loja n. 9, defron
te da matriz.
. Compra-se urna ovelha parida eque te-
nha cria e de bastante leite; na ra de
das as cores, e outras muitas fazendas por pre-
co commodo : na ra do Queimado, esquina da
do Colegio, loja n. 27 de Manoel Jos Goncalves
= Vendem-se chapeos francezes chegados
pelo ultimo navio ditos de sol com barra e
sem ella com muito bonitos cabos, brinspara
calcas de padroes modernos, casimiras ditas,
lencos desetim pretos e de cores para pescoco,
tudo por preco em conta ; na ra do Quei-
mado loja n. 11 de A. L. G. Vianna.
Vende-se urna nova e boa armacio pro-
pria para qualquer estabelecimento de negocio,
situada em urna casa no pateo da Penba n. 6 ,
com quintal cacimba e commodos para fa-
milia e igualmente se vendem todos os gene-
ros de venda, que existem na mesma casa, to-
dos bons e por preco muito commodo; a tra-
tartar na mesma.
Vende-se rap de Lisboa ltimamente
negado em libras, e as oitavas a 50 rs. dito
princeza do Rio e Meuron muito bons cha-
rutos da Havana e da Bahia; na ra do Gabu-
g loja do Bandeira.
Vende-se cassa de quadros a 200 rs. o
covado ditas pintadas a 160 e 180 cambraia
dita a 400 rs. a vara e outras muitas fazendas
por preco commodo ; na ra do Cabug loja
de Antonio Rodrigues da Cruz.
= Vendem-se bandas de seda e de la por
preco commodo ; na ra dos Quarteis, loja de
Victorino de Castro Moura n. 24.
=s Vende-se um cavallo rodado novo, car-
regador baixo e passeiro por 60,000 rs. : na
ra Direita n. 66.
= Vende-so urna venda na ra de S. Rita-
nova n. 93 com poneos fundos, e com bons
commodos para familia, independente d ven
da, com duas entradas pela frente, e por de traz;
a tratar na mesma.
Vende-so um cavallo muito novo bom
carregador baixo at meio e carnudo ; na ra
dasTrincheiras n. 26.
asa Vende-se um moleque de naci de 14
annos de bonita figura e faz todo o servico
de urna casa : na ruadoCabuga loja n. 9 ,
defronte da matriz.
Kissel, relojoeiro junto ao arco de S. An-
tonio contina a vender relogios patentes e
horisontaes, tantos novos, como de segunda
mi por preco commodo.
Vendem-se duas camas de armacio sen-
do urna de Jacaranda e outra de angico no-
vas e com cpula ; na ra da Cadeia do Reci-
fe n. 37.
Vende-se um balance com 13 arrobas de
pesos, propria para arma/em de assucar por
preco commodo : na ra da Cadeia do Recife
n. 37.
= Vendem-se dous moloques de naci de
15 annos ptimos para ofiicio ou pagem ;
duas escravas boas cozinheiras e engomma-
deiras ; urna negrinha de naci de 18 an-
nos engomma ecozinha ; urna mulata es-
cura com boas habilidades todas dio-se
a contento ; na ra Direita n. 3.
se Vende-se um pianno com pouco uso, e
por preco commodo: na ra de S. Amaro n. 30.
Vendem-se dous carros de quatro rodas,
ede bonito modelo ; em casa de J. O. Elster ,
na ra do Trapiche n 19.
Vende-se sal de Lisboa a bordo do
brigue Portuguez ConceicSo de Maria.
= Vende-se um Tito Livio em 6 volumes,
em bom estado, e por preco commodo; no
Mondego n. 44.
Vendem-se 6 cadeiras de palhinha usa-
das um tocador com 3 gavetas por 7$ na ra
estreita do Rozario n 32.
na da Senzala-velha n. 138, acha-se a venda
farello de muito boa qualidade em saccas de 3
arrobas; assim como vinho de Bordeaux em
caixas de duzia por preco commodo
Vendem-se madeiras para construccao de
casas, travs, enchams, mios travessas e
caibros, assim como madeira de sucopira para
obras de carpinteiro tudo por prego cotnmo-
bo ; na ra da Concordia venda n. 4.
Vende-se urna casa terrea na Capunga
na estrada do rio do lado direito junto a ven-
da feita a moderna e faltando acabar algu-
ma obra do pedreiro em cbios proprios, quin-
tal sofrivel com alguns arvoredos pequeos: na
ra do Calahouco n. 9.
as Vende se Jacaranda superior ebegado do
Rio de Janeiro pedras de marmore redondas
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palhinha camas de vento
com armacio marque/as, sofs mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500
ditas de pinbo a 3500, assim como outros mui-
tos trastes ; pinho da Suecia com 3 pollegadas
de grossura dito serrado dito americano de
di Arenles larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinho e barrates ; na ra da
Florentina em casa de J. Beranger n. 14.
= Vende-se por preco commodo um pian-
no de armario duas boas camas francezas pa-
ra solteiro de colxes de molas muito fofos
o bastantes frescos de mogno, e outras mui-
tas camas cadeiras bancas commodas e
selins novos e outros muitos objectos, que a
vista dos compradores serio plentes; assim
como se continua a receber todo e qualquer
objecto, tanto novos corno usados para se-
rem vendidos por meio deste estabelecimento *
na ra Nova armazem n. 67.
Escravos fgidos.
ca, sarja hespanhola de superior qualidade, se-
as para vestido, brins trancados brancos dei Vende-se urna mulata de elegante figu-
, e outras muitas fazendas fi-
commodo preco; na ra do
2 de Manoel Jos Goncalves
listras e de cores
as e gorros por
Crespo loja n.
Braga.
X Vemlem-se ricos chapeos de seda para
senhora chegados pelo ultimo navio de Fran-
ca cortes de li para vestido de muito lindos
padroes, chapeos pretos para homern ditos
provincia mulatas, negras e moleques de
12 a 20annos, sendo bonitos pagao-se bem :
na ra Nova loja de ferragens n 16.
Compra-se urna ca*a terrea que seja
larga as principaes ras da Boa-vista que
tenha quintal murado cacimba : na ra da
S. Cruz n. 38.
de palhinha para senhora e meninas, corles de
u-Miilos de cassa, borzeguins para homern ,
senhora e meninas, ricas mantas de seda ,
chales dito, chapeos de sol de seda para ho-
mern e senhora cortes de chitas escuras de
muito bom gosto merino preto muito fino ,
chapeos pretos para meninos, e um grande sor-
timento de calcado de todas as qualidades ri-
cas bandejas finas grandese pequeas, e ou-
tras muitas fazendas de gosto : na ra Nova ,
loja franceza n. 8de Amarais Pinbeiro.
Vendem-se bilhetes e meios ditos da lo-
tera de S. Pedro Mrtir de Olinda : na ra do
Cabug loja franee a n. 6.
Hortas n. 36.
__ Comprio se eflectivamente para fora da S Vendem-se ricas mantas de setim lavra-
do de cores chales de seda e de seda e al-
godio de bonitos padroes, lencos finos de seda ,
cortes de vestidos de chitas finas ditos de cam-
braia adamascada, lencos adamascados proprios
para mi ditos bordados de todas as quali-
dades hrim branco de linho trancado dito
de cores de urna largura pannos linos de to-
ga de 20 annos, engomma e cose; duas pre-
ta s mogas de todo o servico; urna mulati-
nha e urna negrinha de 12 annos, proprias
para mucambas de alguma menina ; urna ca-
deirinha com muito pouco uso, muito bem
pintada dourada e com muito boa seda por
preco commodo; na ra do Fogo ao p do
Rozario n. 8.
Vende-se superior vinho do Porto, en-
garrafado a 720 e da Figueira a 240, cha is-
son a 2560, manleiga ingleza a 760 e franceza
a 600 espermacete americano a 720, azeite
doce a 440 a garrafa toucinho de Santos a
200 rs. ; na venda de Victorino Teixeira Leite.
= Vendem-se dous casaes de patoriz novos;
na esquina da ra do Rozario da Boa-vista ,
confronte a igreja n. 2.
= Vendem-se dous milhoiros de telhas ve-
Ihas; e taobem trocio-se ou vendem-se pian nos
verticaes: no Atterro da Boa-vista n. 6.
= Vende-se excellente rap de Lisboa a
4000 rs. a libra ; na ra da Cadeia do Recife ,
loja n. 24.
= Vende-se urna venda com poneos fundos,
ou s a armacio a dinheiro ou a praso : na
ra Velha n. 65.
= Vendem-se saccas com farinba de man-
dioca a 1600 e 2000 ; na ra da Cadeia-velha
n. 35.
= Em casa de B. Lasserro & Companhia ,
= Fugionodial7 do correte, ou anda
pela parte das Cinco-pontas o negro Noberto,
crioulo do 30 annos estatura mediana cor
fula olhos grandes com barba mas sem
suissas falla desembalada levou urna trouxa
de roupa ; quem o pegar leve u ra da Cruz n.
15 que ser recompensado.
=s Fugio em 21 do correte um cabra do
nome Jos de 24 annos, alto reforcado ,
com urna costura de golpe na testa e outra no
pescoco com 3 dentes de menos na parte su-
perior rosto redondo noriz chato , e fal-
la muito descancada he canoeiro e pescador ;
levou calcas de estopa, ou algodiozinho, ca-
misa de madapolio ou chila azul de quadri-
nhos, cahpeo de palba branca, e bata cor de
cravo ; foi comprado nesta praca a Jos Fran-
cisco da Silva o qual foi rernettido do Araca-
ty pelo seu mano Antonio Francisco da Silva ,
o qual o houve por compra a Joio Chrisosto-
mo de Oliveira, morador na dita villa ; quem o
pegar leve a ra Nova loja n. 47 que ser
gratificado.
Nodia3do p. p. fugio urna preta de
nome Benedicta crioula baixa grossa do
corpo, rosto largo nariz chato pernas al-
gum tanto arquiadas ps rolicos de 20 an-
nos levou vestido de chita escuro, panno da
Losta bandado de matames brancos consta
que anda de trajes mudados foi vista pata as
bandas dos Affogados com urna trouxa na ca-
beca; esta preta vendia fazendas com outra par-
ceira de nome Thereza e agora de prximo
vendia frutas ecalcado para senhora em um
flandres ; julga-se estar acoitada em alguma
casa; quem a pegar leve a ra do Livramento
delronte das catacumbas da mesma igreja, ou
na estrada de Joio do Barros, delronte da igre-
ja da Conceicio quo sera recompensado.
Manoel, de naci Cabund alto, ros-
to comprdoe feio, falla muito devagar, dizera
que fora visto em Rio-do-peixe e ja esleve
all na cadeia por nio querer servir a quem
est do posse delle declarando nessa occasiio
portenceraoabaixo assignado. Antonio, da
Costa muito alto, magro olhos vermelhos
e meios vesgos e he coxo tem andado em-
barcado ; quem os entregar, tere de cada um
150,000 rs. e trazciido smente a justifica-
Cio do ladrio que os furtou lera do cada um
40,000 rs. = Manoel Altes Guerra.
= Fugio no dia 16 do correte o moleque
Joio crioulo de 17 annos algum tanto
secco do corpo rosto redondo nariz e ca be-
ca chatos com faltas de cabellos no meio da
cabeca decarregar peso em ambas as orelhas
tem um calombinho imitando a urna verruga ,
ps grandes e apalhetados pernas finas cor
fula o mios curtas levou calcas de algodio
grosso de dous fios camisa de algodaozinbo ja
usado, e chapeo de pal ha grossa ; quem o pe-
gar leve ti ra do Collegio n 12, que ser
recompensado. SebuslioJos Gomes Penna.
Rkui: na Typ. db i. F. db Fabia. =1843.