<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/04303
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, October 18, 1843
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:04303

Full Text
Anno de 1843.
Quarta Feira 18
Tudo apora depende de ro meamos; da nossa prudencia, moiieragao, e energa: con-
tinuemos como principiamos, e aeremos apuntados coui dmirai.Ao enire aa Narjes maii
cultas. ( 1'rorUmac.io da Aasembleia Os ral do Bbasil,)
PARTIDAS DOS CORRfclOS TERRESTRES.
tioianna, e Parahyba, aegundas e sexlaa fciras. Kio Grande do Norle, quintas feiraa.
iJomii e Gareiiliuns, i 1" e 24.
Caba -lerinlueui Rio b'onnoso. Porto Calvo, Maeein, e AlaROaa no 1 U 21.
Boa visiti Floreas >S e 2\ Santo Antio quintas feiras, Olinda todos os din.
das da semana.
46 veft s. MartinianoM. Aud. do J de L. da 2.
47 Ittg. a Florentino t lid. And. do J. de 1). da 3 t.
4S Ouart. s Iryfoina ,\I ud do J de D. da i
49 '>- t. a l'adrode \lcantara F. Aud do J. de U. da!. T.
2l) ex a. Aurelii M au<1 do J. de D. da Z. t.
ti wH. a. rsula V M. Re. Aud do J. de . da 4- t.
22 on-, Santa Maria Salome'
de Outubro
Anno XIX. N. 225.
X*
pgaj^BJBajBjnBKBBnSBBEBlBBKBlBBBESSISSH^W^HHHi^^M^H-*. ----
O Huno publica-se todos os diasque nao forera Santificadoa: o preoo da assiRnstnra e
de tres mil res por quartel pa;os adiantados Os annuncios .los assignioleS sao inser aa
gratis eos dos que n.o forem ., relo de Miris pul linda As reclamares desem aer -
gidas a tata Tip-, ra daa Potes N. .sa., ou apra,:. da Independencia loja de litros K. oeo.
CambiosNo da 17 de Outubro.
compra
Cambio aohra Londres 2> } a 2o d.
a ( Paria 37 J tais pur tranco i
a Liaba 11U por ldeprsmio.
Moedadacobia 2 por canto.
Ida* de leuaa da boa firman 1 a 1 1)1 g
PHASES UA LLANO MEZ. DE OUTUBRO.
Ooao-Moedada,400V. 46,5->U
a N. i6,30J
da 4,000 V.0J0
PllTA-Pataces i .80
a Petos Columnatas 1,100
a ditos Metirsnnt 1,600
renda.
17 70
10 500
0 200
1 20
i SO
iSil)
Loa Cheia 8, a 8 horas e 57 m !
Quart. aiag. 16, ..a 11 ooraao 30 i
4. a 0 boraa a 30 ai. da aeenbe
"Ur'i
la iu
La ora a ;3, ae bborasel C m da m.
uan creso, i 30, os 2 da ni.
Preamar fie hoje.
I 2 0 boraa a M da tarda:
Sfiassi
PASTORAL.
Dom Joio da Purificaco Marques Perdgao.Co-
nego Regrante de S. Agostinho por Grata
de cos o da Santa S Apostlica Bispo de
Pernambuco.do Ctinselho de .M.l.tv .,&<.
Sade, paz, e benco em IS'ome de Jess Chris-
to a todos os nossos Diocesanos.
Quando a experiencia duramente faz. ver, que
niuilos pertendentes au estado conjugal inten-
to conseguir a uniao indissoluvcl sein as for-
mas e regras pres> ripias pelas Icis que uns
ignoro, e ou tros directa ou indirectamente
projecto Iludir, pretextando motivo*, ou cau-
sas com as quaes emprehendem cohonestar a
carencia d'u uiella sinceridade, que deve ser co-
mo inseparavcl de taes pertencoes julgamos
conveniente lembrar os meios legaes estabcleci-
doscm favor de tao importante objocto para
id'est'arte prevenirmos os considera\eis abusos
em pratica persuudindo a decencia que as
leis recommendo e que deve presidir aquel-
la* pertencoes, dignas da mais seria rellexao
Segundo S. l'bom. [quart sentent. di*t. 34
quci'st. I urt. 1 ) devenios considerar o matri
monio estahelccido por direito natural, civil, e
divino. Por direito natural ordenado por
eos, quando o determinou, para a geracio
da Prole. Por civil, quando as leis ci\is com
o fim de itopjovct e manter o bem da com-
munidade deerdo as formalidades, que de-
vem preceder, e aeompanhor o acto da ceremo-
nia significativa da entrega e mutua posse
los cor pos. Por divino, quando elevado a Sa-
cram jntw por Jess (..hristo como defini o
Sa-jjr. Conc. Trid. Ses 24 Can. primeiro.Con-
v indo fallar n'csta occasio do matrimunio como
Sacramento da nova lei exporemos succinta-
atiente sua excelleacia e alia importancia, i a-
ra que seja dignamente recebido, queremos di-
zer un estado de (iraca Sanctilicante qual
os Sacramentos extgem para devidamenle, o em
tempo oppoituno produsirem seos maravilbosos
efleilos. a cojo respeito referiremos sement os
sentimenios de Tertuliano, convencidos, deque
sao suflicientes, para persuadir a magnitude
d'este Sacramento e quanto este sobrepuja ao
matrimonio celebrado como contracto to s-
mente. Diz pois no liv. aduxor. cap. 3. -
Quem podara explicar as prerogatvas do ma-
trimonio que a Santa Igreja Catholica appro-
va a oblncao do incruento sacrificio confirma,
a hencao sanctifica os anjos apregoao no Ceo ,
e o Padre Eterno ratifica ?
Para que mais consideracoes quando estas
esto conformes com os sentimentos de todos os
FOLHETI
MODAS l)E LISBOA EM AGOSTO DO COMIENTE
ANNO.
Toilette de passeio.Chapeo de palhade arroz
enfunado de plumas e titas cor de ganga Vesti-
do de tartalana azul e cor de castanha, guarne-
cido em roda da saia, as mangas e no corpo de
dous rufos encanudados. Punhos, c cabeca de
rendas. Luvas cor de canario. Botinhus prelas.
Dita. Chapeo franz ornado de flores e titas da mesmaordo tecido.
Houpao de gios-dr.-napies cor dcima guarne-
cido e o frente da saia, no corpo c mangas de
dous ruf.is. Corpo liso, o decote guarnecido de
tenda branca. Mangas justas. Punhos de cassa
bordada. Lenco de cambraia guarnecido de run-
da. Manta de setim verde, guarnecida de fran-
ja, uvas cor de cana. Rotinhas prelas.
Dfa.lihapo de Italia, ornado de lilares e
veo bianco. Roupao de setim verde guarnecido
as mangas, saia e no corpo tres folhiuhos Jei-
tos em preKUinhus. Corpo liso. Mangas perdi-
das. Luvas cor de cana. Bolinhas piolas.
Dita.Chapeo de palfta arrenoada ornado
de Uta* amartillas. Mantelete de tetiUI azul claro,
guarnecido de um follio do mesmo setim. \ 68-
t:;:: i sCJ c f la cores, jrdc Cv ^' g2rg2.
Corpo liso, mangas justas. Cabero de cassa
SS. PP. a respeito ? Para que outras reflexes,
quando o Apostlo o denomina grande Sacra-
mento ? Se estas nao sao cfficazes para os Ca-
tholicos apreciarem a digna recepcao d'este Sa-
cramento nenbumas outras que Ihes possao
aproveitar terio em considerafiio, por quan-
o', a incrdulo, testemunlio algum hesuffi-
eiente.
Como porm acontece que a maior parte
doscontrahentes celebrao o acto de sua uniao
conjugal sem que previamente recorro (pelo
menos) ao Sacramento da Penitencia,cariciosa-
mente recomendado pela Maicommuin dos fiis,
para que seos filhos se disponbao a ser partici-
pantes dos auxilios, e gratas, que o Sacramen-
to do matrimonio confero aos esposos, para se
amarem pnra.e santamente, como Jess Chris-
lo ama a sua Esposa (a Santa Igreja) cuja eter-
na uniao he significada no perpetuo vinculo do
matrimonio? Como poderao os conjugados
guardar inviolavelmente a le promeltida edu-
rar seos filhos religiosa c civilmente, gosar
tranquillidadee concordia entre suas lamilias ,
o ser isentos de rixas, e conlendas, que origi
nao a desordem entre aquellcs, que intimamen-
te devem promover e conservar a domestica
harmona ? Intentar a fruicao dos bens que
ora mencionamos sem o soccorro e favor ce-
leste, que se obtem pela digna recepcao do Sa-
cramento do matrimonio, he indicio nao equi-
voco da maior temeridade o da mais ousada
presumpeo verificada quando a esperanca de
conseguir o fim he destituida dos meios do o
alcancar.
Sao aquelles os suaves fructos que gosao os
esposos religiosa e civilmente dispostos para a-
bracar um estado que s a morto pode dissol
ver, quanto ao vinculo. Os matrimonios ce-
lebrados smentc como contracto natura! ou
civil, jjamis pdein atlrahir aqu> lies benses-
pirituaes inseparaveis do matrimonio como Sa-
cramento nao recebido em culpa mortal. Se-
rao porm excusaveis, os que com a maior ma-
lignidade se attrevem a celebrar um acto que
de sua naturesa exige a melhor disposicao ca
maior santilicuiao? He necessario nao acredi-
tar dependentes da graca e pratica da virtu-
do para nos detorminarmos abandonar actos,
que nossubministrio os meios do cumpriros
proprios deveres quando nicamente por nos
somos insuficientes para os praticar.
Ninguem ignora esta doutrina. Quaes sao
porm os que considerao digna do inestimavel
apreco que ella em si contcm Nos com lu-
do d'zemos urna verdade quando asseveramos,
quo os reos de culpa mortfera, no acto da re-
cepcao d'este Sacramento querem posto que
silenciosa e indirectamente, a ruina de suas fa-
bordada. Punhos de renda. Lenco de assoar de
cambraeta bordada, guarnecido de renda. Luvas
crJr de cana. Botinhas pretas
Dita. Chapeo de palha de Italia ornado de
fitas brancas. Vestido de gros-de-naples cor de
flor de alccrim. Corpo liso c decotado Mangas
justas. Mantelete de renda prcta. Chapeo de sol
cor de rosa. Luvas cor de cana. Punhos de ren-
da. Sapatos prelos
Dita.Chapeo de crpe branco. ornado de fi-
tas e flores roxas. Vistido do seda do furia cores,
dominando a verde ecinzenta. Mantelete de tar-
talana branca, guarnecido deum folho do mes-
mo tecido. Punhos e lenco do assoar de cassa
bordada. Chapeo de sol de seda verde. Luvas
cor de cana. Bolinhas prcta;-.
Dita Chapeo de crp-? branco ornado de fi-
tas cor de cana, e um raminho de lilases. Ves-
tido de cambraia branca, listrada de ro\o. Cor-
po frauzidoe decotado. Mangas curtas guarne-
cidas de um folho do mesmo tecido. Manta de
tartalana branca, guarnecida de franja. Luvas
cor de cana. Chapeo deso de renda branca. Bo-
linhas pretas.
Dita.Chapeo do setim verde-gaio ornado de
plumas brancas. Roupao de gros-de-naples cor
de tirou/e bordado de lcete, em frente da saia,
as mangase no corpo. Corpo liso e affogado.
.Mangas largas apanhadas no centro e junto dos
plivia. PtMsiiu ue iciida. Luvas orticas, uia-
po ue sol cor de lilax. Sapatos prelos.
milas, qual devem esperar de um matrimonio
rontrahido com a maldico de Dos pela in-
juria, que Ihn irrogao, podendo, e devendo a-
fastar as terriveis consequencias provenientes da
jndigna recepcao d'este Sacramento.
Devemos fallar com o maior sentimento so-
bros concubinatos de 20 e mais annos quo
nos tem sido referidos quando alguna concu-
binatos em artigo de morte nos supplico a me
rficina que a taes enfermdades julgao sera-
plicavel nao lendo (odavia em vista a necessa-
ra prudencia ccirctinspeccao. He verdade ,
que publicamente temos demonstrado sincera
vontado d'occorrer a estes males at onde p6-
dechegara jurisdieco Episcopal. Estamos po-
rm convencidos, que o abuso d'csta podo f-
cilmente anullar seo exercicio o nos designar
cumplices nos deudos alheios
Alientos a vigilancia e cautela que nos he
recomendada a cerca de tiio delicado objecto e
firmes no dever de naoconstiluir legtimos con-
juges aqueles, cuja aplidao para contralor ma
trimonio nos nao fr certificada, nao dellerire-
mos a similhantes supplicas som que precedao
os requisitos em direito exigidos, c sem aquel-
la discricao que o caso'demandar, uinda que
todo o Infernse conspire contra nosso Minis-
terio, ou pessoa e vomite os maiores impro-
perios, com o designio de favorecer a libertina-
gem sob algum especioso pretexto c intento
philantropico (como dizem) quando estamos
scientes deque os firmes na fr eos preveni-
dos contra osassaltos dos pregoeiros de falsas
doutrinas desordeiros por propria convenien-
cia jamis ser o sedusidos pela deteslavol im-
postura evitando quanto seja possivel a peri-
{.'osa comrnunicaeo com os que a praticao, co-
mo nos admoesla c determina o Discpulo a-
mado de Jess Chrislo. Ep 2.* cap. un. v. 10,
e segundo a sentenca do Apostlo, 1.a ad cor.
cap. 5.v. 11 nein com ellos devemos comer,
para que nosejamossuprehendidos rio laco, e
a nossa repulsa Ibes sirva de correccao, se d'es-
la forein susceptiveis A divina Esiriptura igual-
mente nos i\h, que seremos perversos, se nos a-
coiiipanharuios com os perversos bem como
santos, se d'estes apreciarmos a companhia. A
virlude nao pode ter parte com o vicio, ncm es-
te com aquella.
E para quo os colocados em illicto commer-
cio ( que censuramos com a maior acrimonia ,
como pessimo de sua naturesa ) estejo con-
vencidos de nossos sentimentos, quaes devem
prevenir a lempo, declaramos, que jamis dis-
pensaremos as denunciaces obrigatorias sob
culpa grave sem que nos conste verdicamen-
te que os perlendentes sao naturaes e mora-
Dita.Chap6o de palha de arroz enfuitado de
plumas brancas. Roupao de sOda de furia cores
', cor de flor do alecrim e cor de rosa, aberto adi-
ante e forrado de selim cor de rosa. Corpo liso.
Mangas justas, guarnecidas assim como o rou-
pao de passamanes. Cabeco c punhos de renda
bordada. Luvascr de cana. Sapatos pretos.
Dita.Chapeo de palha de Italia enleitadn de
rosas o fitas brancas. Vestido do cambraia ver-
de, com raminhos cor de liro, guarnecido com
t-uia de tres ordens de folho recortado. Corpo
franzido. Mangas justas guarnecidas de dous
folhos da mesma cambraia. Cinto do fita verde
o cor de rosa. Punhos de renda. Luvas brancas.
Sapatos pretos.
Dita.Chapeo de crpe verde, ornado do
urna pluma da mesma cor. Mantelete do tilo
branco bordado. Vestido de soda de furta-co-
res, sobresahindo entre ellas a roxa e a cor de
ganga guarnecido em roda da saia no corpo
o mangas do duas oidens de franja da mesma
cor. Corpo liso a decotado. Mangas justas. Pu-
nhos de renda. Luvas cor do cana. Sapatos
pretos.
Dita.Chapeo de setim "rde rosa, coberto
de renda, enfeitado de rosase litas da mesma
cdr. Vestido bareje branco listiado de amarcllo
guarnecido em roda da saia de dous folhos mui
largos. Corpo liso e decotado. .Mangas justas
",ane/.u de cassa bordada guarnecido de renda.
Lenco de assoar de cambraeta guarnecido du
dores da mesma freguesia para fcilmente co-
nhecermos, seso ou nao livres, e isentos do
qualquer impedimento dirimento om impedi-
ente e sendo viuvos deverao apresentar cert-
dao d bito do conjugo fallecido, demonstrando
ao mesmo tempo, se existe ou nao o impedi-
mento de crime que consiste no illicto Gom-
mercio com promessa do casamento e se in-
terveio maquinaco para o assassinio d'umdos
conjugues, com o intento d'esposar o sobre-
vi ven te.
Nao julgamos suficiente o nico lestemunho
do qualquer pretendenle posto que gose pre-
sumpeo a seu favor, se houver algum caso ,
que Ih'a conceda, pois que a pratica nos tem
demonstrado seren urgentes oulros quecom-
provem a verdade para que o matrimonio nao
seja por nos exposto ao perigo de nullidade ;
nao sendo possivel,que se uno em um dous
corpos, cuja liberdade, e isencao d'impedmen-
tos se ignora. A proximidade da morte nao nos
conlere 0 poder de transgredir as leis em vigor,
particularmente quando a Santa Igreja consi-
dera menos dignos d'attenc-u), os (pie durante
sua existencia, jamis se recordrao de cumprir
seos deveres entregues ao dominio diablico
pela culpa em que existirn obstinados.
Nos hesitamos soi,r'a utilidade da dispensa
das denunciaces, para reparar em artigo da
morte o Ilcito e inveterado com ercio. per-
suadidos que os concubinarios muribundos sao
violentados aretractar-sedos excessoscommetti-
dos, de maneira que se a grave molestia os
nao despertasse nenhum abalo Ibes causara o
concubinato.
Por esta ocrasiso recomendamos aos filhos
menores anda nao emancipados legalmcnte ,
que nao intentem contrahir matrimonio sem o
consenso paterno, ou suprido este pela respec-
tiva auctorida le se for injustamente negada,
s RR. Parochos nao podein consentir na ca-
rencia dcsta formalidade prescripta pelo 4.'
prect-to do Declogo, Nem estes nem aquel-
lcs sao ese usos do crime e quando sejo insta-
dos, lacio ver a obediencia, que os filhos devem
a seos pues, certificando, que a transgressaS des-
te preceito attrahe sobro os esposos a divina in-
dignacao como infelizmente exporimenlao os
que Ilcitamente se esposa.
Esperamos que os nossos diocesanos pres-
tem a devida attencao doutrina, pela qual sao
por nos exhortados para que outra nao acre-
diten), anda quando insinuada por algum anjo
celeste, se possivel fosse, como o Apostlo nos
determina. Palacio da Solidado 10 de Outubro
do 1843.
JoSo Bispo Diocesano.
renda. Luvas oOr do cinsa. Chapeo de sol de se-
da branca. Sapatos pretos.
Dita.Chapeo de gase branca ornado de Stas
c flores verdes e brancas. Roupao de fusto
Constantino cor de rosa, com bandas do mesmo
tecido, bordadas de laceta. Camiseta de cam-
braieta do linho Punhos de renda. Lenco de
assoar de cambraia, guarnecido de renda. Lu-
vas cor de flor de aHasema. Botinhas pretas.
Dita de Visita.Touca de blondo enfeilada
de flores, e filas cor de rosa. Vestido de seda
de lurta-cores, dominando a roxa ecinzenta, o
guarnecido em roda da saia de duas ordens de
folho. Corpo liso enfeitado no aecote com um
cabecosinho da mesma seda. Mangas justas.
Punhos de renda. Luvas cor de cana. Sapatos
de setim preto. ,
Dita.Touca de renda de Franca, ornada de
flores e fita azul-clara. Vestido de gros-de-na-
ple verde bordado de laceta, nao s em frente
da saia, mas tambem as mangas. Cabeco de
cassa bordada. Punhos de renda. Luvas bran-
cas. Lenco de assoar de cassa bordada. Sapatos
de setim preto.
Dita.Touca de blonde ornada de flores, o
fita cor do rosa. Vestido de s da de cordaosi-
nno. Manga curta e corpo decotado. Fich de
cassa da India guarnecido de duas ordens H
renda. Luvas pelas arrendadas. Sapatos de se-
tim preto. (tialtornta de Lisboa.)


EXTERIOR.
HESPANHA.
Madrid 26 de agosto^
Foi nomea lo governador da praca de Carlha-
gena o marechal de campo I). Brai Requena.
Para commandante eral da provincia de San-
tander o marech.tl de campo !). Jlo Baptisla
Amatler ; para commandante ge ral da provin-
cia de lava o brigadeiro I. Ramn Bornechea.
Os mf-tnbrosdacommlssioencarregadada fei-
tura de novot coditos renunciarn gratifica-
ran de 60:000 reales, que Ihes destinava o o-
verno.
A Gazeta de Madrid declara que Barcelona o-
hedece as ordens do governo; que a junta con-
tina com o carcter de auxiliar ; eque as au-
toridades nao encontrad obstculo no desempe-
rno de sitas respectivas fuicos. No dia 20 00-
carreimu-sodocommandoda praca o brigadei-
ro ,'rim o ordenou-se aos postes militaros que
nao obdecessem senao assuas di-posices. Km
partir para Madrid urna com nissao encarrega-
-da de apresentarao governo una reverente ex-
poseo n tal respeilo.
As noticias que das provincias chegavo a
Barcelona desanimara os anar. histas, e influ-
irlo para que a intitulada junta suprema cedes-
secm parte, segundo correspondencias dessa ci-
dade. Insislein com Indo na remuelo do gene-
ral Arbuthnot, a quem dovem o malogro de leus
planos
A sabida do crrelo os centralistas ainda es-
ta So em Alarasan.se prac.i de S. James. As
tropas e o general Arbuin.it na cidadulla. Prim
em conferencias coma junta o :or ionceos o-
lectivas. Julga-so que o conde de Rets porten -
de ga.ihar temp.. para iue cheguem os cinco
batalhoes de tropa de Unhu destinados para re-
forc da guarnlcio, que apenas chegio a 2:000
hmeos. Logu que enlrem em Barcelona essas
Aireas poder obrar com mais energa.
Alguns jomaos afltrmlo que o gabinete ingles
se resolveu a rconhcccr o governo provisorio,
e que esta decisio se tomou logo que chogou i
Londres a circular diplomtica do ministro
Fras.
0 Corresponsal diz que no (iin de agosto ou ao
mais lardar no principio de setembro sair de
Madrid para Londres o cavalh.dro Arlbur As-
ton, ministro de S. M. B., deixando como en-
carroado de neg cios o primeiro secretario da
legacjko inglesa inr. Jerningbam.
Na Gallisa o em todas as provincias, exce-
pto a Catalunha reinava a maior tranquli-
dade. ^
Achava-sej em Madrid os generaos Figue-
ras e Domnguez, que taoto se distinguirn em
bcvilha na delesa dessa cidade contra os ata-
ques de V'an-Hallen o Espartero.
[Diario do Governo.)
sagrar-se exclusivamente aos negocios da Gre-
cia.
RETKoSHECTO POLITITO.
Na America as pequeas repblicas. () governo oriental
apresentou assemlilea legislativa um projecln
dele}, para que se concedi vinte legoas de
trra, que seja propria para se cultivar, o
25000 ca llecas de gados aos prancezes c Italianos,
que tem pegado em armas em defesa da rep-
blica sem prejuizo de outras iecompcn fin da guerra. A eommissio da cmara dos
deputadosapprovou o prnjecto eeloiou o nu-
mero das caberas a 50.000.
A legiao fran e/a recebeu n proprias iiiios da mullier do Presidente Rivera,
que lli'.i deu em nome das damas orientaos. O
coronel Thiehaut commandante da legiao ,
dirigiu eos seus soldados nesta oecasifio as se-
guinles palavr8 : oldados juremos to-
dos vencer ou morrer sobie este esta rula re :
ao que responder o todos : Sim nos o ju-
ramos a victoria ou inorle.
No Brasil huuve urna pequea modificaco
ministerial, em arregando-so do Ministerio
dos negocios estrangeiros Paulino Jo. Soares
e Sousa. O contracto do casamento da Princc-
za l). Francisca com o Principe de humille ,
tiriba sido examinado polo senado, eapprnva-
do em todas as suas partes.
Na merma do Norte continuav&o as desor-
dens no Canad tendo so publicado om Kins-
gton.a lei marcial.
No Htico proclamou-se solemnemente a 13
de Junlio a nova con^tiluicao. Tm t,.va-se de
organisar o congresso. que, apenas estoja cons-
tituido, rlegor um Presidente. (< pai/eslava
tranquillo c tinba-se terminado a gueira com
o Yucatn.
Na Turqua doscnbrti-se urna conspiraciio ,
sendo os individuos, que se prendern garro-
teados a bordo da n.io Mahm udi o laucados
ao mar. As formasdesta terrivol exeoueo ins-
pirvoum horror tSo grande tripulacio do
navio, que alguns rn rinheirns tractario de
laucar Ule rogo c omos atterrados atirario-
sc ao mar o allogro-se. A polica de Cons-
tantinopla procurara desfigurar estes tartos ,
relcriqdo urna dosordem entre os marinbeiros
Egypeios e Turcos.
ABrina-se, que a Porta Ottomana nao se
rnoslr sniuisds yyrm in.inin r> regular ami-
gavelmcute os negocios da Pcrsia; mas a con-
Confirma-se a partida dacsquada Turca para
o .Med Ierra neo e diz.-se que a dita esquadra
leva tropas de desembarque. A lem disso a
Porta envia ao acampamento de Adrianoplo .
nao so grande numero de tropas mas tambem
grande quantidade de munices. Isto chamava
a attencao dos embajadores das potencias es
t rango i ras.
Na Bosnia h >uve urna nova sublevacao em
Priedow e seus arrodores, insurgindo-se o po-
vo contra o Pacha quo reside a< tualmente no
forte da Banjaluka. Os sublevados exigirlo-
be a entrega dos tributos que lem cobrado
illegalmente ealem disso o afastamento dos
A Iba netos do pacbalilo. Ainda que o visir ti-
vesse inlcnco de satisfacer similhanle exigen-
cia diz um jornal alemao nao o poda fazer,
porque devo muitns mozos de sold a dita mi-
licia e nao tem meios para Ibe pagar.
Na Servia ainda os negocios nao estavio de-
finitivamente ultidiados O Rarode Liovcn,
enviado Russo, exigiu formalmente do senado
da Belgrado a separaran* de Wutstich e Pc-
lioniowich, Ministros do Principe Alexandre ,
ameacando no caso do resistencia com nao
sanecionar a Russia a reeleicadn dito Principe.
O Ramo ajuntou que 25.000 Russosse acha-
va na froriteira promptos a entrar na Servia ;
para executar as ordens do Imperador. Parece
queem vista disto os ditos tlois inistros se
decidiro a abandonar o territorio da Servia .
afim determinar a questao, so a Russia nao
presentar alguina nova exigencia.
Na Prussia o Rei Frederico Guilherme ha-
via dirigido Dieta de Dusseldoifuma rnaniles-
tacao desapprovando as scenas. (jue tiverao
logar n'uui banquete, quo so all deu depoisds
rejeicao do cdigo penal, e probibindo aos
empregaJos pblicos o assistirem a tucs lian
qinles
Na Alemanhadi ia-se, que o logar de pri-
meiro burgrave ( governador ) da bohemia .
seria concedido a um arqiiiduque em attencao
a que as maiorcs possessOeS do imperio de Aus-
tria a saber, a llangria a Italia e a Ga-
lizia, tem atoa renle. Principes da casa do
buslria o a Bohemia nao cedo a nenbuma
uestes provincias.
O duque lo Brdeos tinlia chegado a Vienna
a toda a pressa dirigindo-se a Goritz a fim
de se acbar ao pe de sou tio o duque de An-
goulemo cuja saudo se debilita visivelmento.
em consequencia da enfermidadede entranbas
que padece. So este principe molhorar o du-
que de Brdeos tenciona fazer urna viagem
Inglaterra a fim de se instruir as instituicSes
daquelle miz. Esta viagem parece nao agra-
dar muitoa corte de Franca.
Na Italia reinava alguma agilacao e em
Roma tinho-se verifeado algurnas prisoes ,
motivadas, segundo se diz por complicidade
em sociedades secretas. A polica desenvolva
a maior actividade o vigilancia.
Km Inglaterra nao ohstunte o parlamento
estar prximo a encerrar-se eontinuava a dis-
CUSSO sobre diversos assumptos. sondo os mais
principaos a lei dos pobres para n Irlanda a
relativa as corporr0es munripaes do mesmo
paiza da ovportaco das machinas e a que
iliz rospeito aos negocios religiosos da Es-
cocia.
Na cmara dos lords apresontou-se urna pe-
licioassignada por 5000 individuos, pedindo
que o governo adopte medidas enrgicas para
su librar a agilacio dos que suslento a revoga-
cao ila unio e pedem tambem que se esta' e-
lecio as procissOes dos protestantes. Outras pe-
lices em sentido contrario e sollicitando da
Riinba a revogacao das medidas de repressao e
violentas, como pouco conciliadoras para ana-
siguar o descontentamente da Irlanda tinhao
sido apresentados em ambas as cmaras por va-
rios membros.
Sir Roberto Peel tinha proposto na cmara
dos communs urna sessao solemne toda rela-
tiva Irlanda reservando para ento definiti-
vas explicacoes; mas faltando no da aprasado
0 membros. o parlamento nao poude lunceio-
nar O motivo dote inciden te d A lugar a mil in-
terprotacesdinVrentes.O corto , que os torios e
wbigs nao comprebendem o futuro da questao
da Irlanda. Os ltimos penso, que u tempo-
risacao da parte do gabinete o perdo e lem
evitado cuidadosamente um debate quo pode
ria decidir os seus adversarios a entrar na
acf.io.
Os principaos membros opposiconislas co-
mo Rustell Palmerston Macaulay e outros .
estao nersuadidos, que os Irlandeses arao
Satisfeitos. so Ibes concederem a applicacao do
superfluodbS renoas da igreja protestante, pa-
ra a oducacao nacional um melhor rcgulamen-
to ; pam o propietarios erendeiros: a revi-
san da lei dos pobres e o augmento no nume-
ro doseJeitorcs. Estas coueessdes seriio sufli-
c:;:.., !;:: :::: ::..",:, m,is boje a irlanda esta ,
na rosolufo de exigir mais. O cloro catbolico
nSoquerser pago pelo governo o pertende
ser igualado ao protestante. Os Irlandozes nao
querem ja s o augmento dos eleilores, mas
pedem o escrutinio secreto e cento e cincoen-
la em vez de cento o cinco deputados nos com-
muns.
As reunios continuavo all com a mesma
deeisao e energa. A ultima, de que allao os
jornaes inglozes teve logar em Ulster onde
os nimos se mostraran muito irritados por cau-
sa do bil de armas.
No principado de Galles n5o se contcntSo j
os partidistas de febecca com as devastacoes
que eommettem e intentan fundar urna vasta
associacSo que Ibes permita luctar contra a
aristocracia. Os referidos partidistas liverSo l-
timamente urna grande reunio nocturna em
Penlaw pequea aldea as montanhas entre
Llanguedock. e Uandillo. Os magistrados da-
quelle paiz tom;. vio enrgicas medidas para obs-
tar ao progressodo mal; mas a pris3o, quo ti-
nhao imposto a alauns dos implicados, havia
exacerbado os nimos e novas devastacoes ti-
verao logar nos arredores d'Caumarthen e S-
wansca.
Os jornaes inglozes oceupavao-se com o re-
sultado dos acontecimentos do Hespanha o
com o embarque de Esparter a bordo de um
.navio inglez. Etde assumplo tinha tambem
dade logar a varias interpellaooos. foitas ao
governo no parlamento ao que lord Ahcrdeon
recpomlou : quo a Inglaterra n?So fizora so
nao cumprir com o devordo hospital ida.le.
Em Franca pouco tinha acontecido de im-
portante.
A familia real, h excepcao do duque edii-
quoza de Nemours que viajan na Normandia.
achava-M" no castello de Eu. <) conde de Pariz..
herdeiro lo Ibrono, que o Rei levava pela mi
quando se apeou a pona daquelle reste lio, era
o objoctodas sympathiasdo povo daquolloscon
tornos.
O governo tinha convooado os conselhos go-
rao.s para a Blia sessao annual ; a fim de delibo-
rarem sobre alguns assumptos importantes.
Ogeneral Rugeaud actual governador de
*rael foi elevado ao posto do marechal de
Franca
Os negocios de Hespanha continuavo a oc-
eupar a attencao da imprensa Iranceza. O ca-
samento da Rainha Isabel 2.' tornava a serob-
jecto dodscussao. Segundo alguns jornalis-
t..s, parece, que so pretende contratar o matri-
monio da Rainha com o filho de D.Carlos, bus
cando para isto o apoio da Austria. Na opinio
de outros o duque de Aumale o destinado es
poso visto que a Rainha Christina leva em
gosto este enlace.
Promovio-se, com a maior actividade em
Franca subscripoes a favor dos Irlandezes.
As noticias recobidas de Hespanha esta sema-
na continuo a ser importantes.
As eleicoes parlamentares o assumpto, que
mais oceupa os nimos em Madrid. Para este
objecto se lem formado duas reuniSes ou com-
missocs contraes ; urna composta dos membros
notavois dosantigos partidos moderado e pro-
gresista ; outra a que pertenecen os membros
das juntas de varias provincias, compoe-se do
partidos republicano progressista, exaltado, e
partidistas do infante D. Francbco.
A's reunios da primeira destas commissoes
tem comparecido uns mil individuos; s da se-
gunda uns tresentos. Ambas ellas j* publica-
ro o seus programmas : a primeira propoe-se
pugnar pela roconciliacao dos Hespanhes
declaraco da maioridado da Rainhae conso
lidacao da constituifo ; a segunda vai mais
alcm quer altcracoes na constiluifo e ou-
tras medidas progrossivas.
O Eco del Comercio que foi o primeiro
jemal de Madrid que promoveu a colligncao ,
separou-sc desta e . orgo dos eloitores repu
blicanos e exaltadosos outros sao apoiados
por os jomaos moderados.
Dous prograromas elcitoracs se oflcrecem pois
escolba dos Ilospanlnes; o do esperar da
sensato/da sua maioria a preferencia para a-
quelle.quo Ihe apresentar mais garantiasde pro
gresso o liberdado.
As noticias das provincias ero mais satisfa
lorias. A maior parte das |untas dissidentes
haviao renunciado ao carcter de governativas .
e lomado o do auxiliares ; contando-se entre
ellas as muito influentes de Barcelona, Lrida ,
Igualada Lugo e todas as da Galliza e de
oulros pontos.
Entretanto a de Sarauoca insista em nan so
submetter, om quantosn naoformasseurna jun-
ta central em Madrid; porem ora do esperar ,
que a linal tambem cedera como a de Barce-
lona.
A junta de Granada e de Alnieria quiserao
lambem.insistir na nomeaco difunta central;
mas tondo-se o povo e a milicia nacional ma-
nifestado contra, cederao e constituirao-se em I
auxiliares.
Parece one em Cidiz Ounvnn. on!..i ..:__ I
daos partidistas de Espartero le tavio fumen-
tar a discordia dando gritos subversivos, pon- !
--------'i------------- ... i "x-
do pasquns e dirgindo insultos ; porem a
energia das autoridades sufTocava oslas tentati-
vas as quaes nao tinhao progreniao. Em C-
diz ordonnu o capitarj coneral que se formas-
se urna commissao militar para julgar os cons-
piradores contra o novo governo. romo traido-
res patria podendo at iinpdr a pona do
morle.
( governo de Madrid tinha privado de todos
os ttulos, empregos, honras o condi-coracoes
ao general Espartero, o o todos os quo assigna-
ro o protesto feito a bordo do vapor Belis, con-
tra a nova ordom de cousas estabelerida, cujo
documento j publicamos no numero antece-
dente.
O triumphodo pronunciamonto foi festejado
em Madrid com urna solemne funecao religiosa
na apella real, e um sumptuoso banquete no
paco; assistndo a ambas as funecoes nao s a
rainha e sua augusta irma; mas tambem um
grande numero do generaos e outras persona-
nena. Nesse da de tardo pralrcou a rainha no
real sitio do Prado um rasgo de mognanimida-
de. Repois de passear pela fronte do algurnas tro-
pas all postadas, ordenou ao ministro da guer-
ra que premiasse um lente quo havia per-
dido um braco no campo da balalha, e um sol-
dado apuntado como muito valeroso oniro og
seus carneradas. 0 ministro da guerra exocu-
lou logo as ordens da soberana.
O general loncha, possuido do maior dos-
inleresse nao tinha querido arrollar as recom-
pensas, que Ihe den o governo de Madrid; mas
instado por oslo cedou, ora esperado naquella
apilal, afim de se encarroar do emprego de
inspector eral de infantera para que foi no-
meado. Oeeneral foi mult.i bem receido om
Sevilha pelos habitantes dessa cidade, na qual
honve parada serenatas ole, por oicasiao da
sua rhogada.
O governo do Madrid conlnuava a lomar va-
rias providencias. Kxtimnn'n o conselho nu jun-
ta do almirante t o resinhelereo a antiya tlirec-
rai da armadaliconciou as [iracas do reernta-
eento da 18:18 o ndoptou outras medidas
'nenos importantes. Rlz-se que mandara cha-
mar a Madrid o Bispfl das Ganarlas, para ou-
ir os seus conselhos respeilo das nogo-
lacOes, que se propo entabolar com a Santa
Tinhao rhesadoa Madrid o Barao do Moer, e
o conde do Clonard.
As tropas quo se achavao as immediacoos do
Madrid, marcharan para dilTcrentos dislriclose
capilaes da provincia, entrando na capital s
assufhVicntcs para faser a guarntcafl
O filho mais velho do infante I). Francisco do
Paula, foi nomoado commandante do esqua-
dra spranumerario do regiment de Tala vera.
Em Portugal, toma o governo medids co-
mo um dictador, legisla como se fosse o pai la-
mento tirando s classos inactivas inctade do
que Ibes pertenco como o f< z com o decreto que
publicou esta semana edesculpa-se de tomar
estas medidas com o parlamento nao tor lem-
po deas resolver, o parlamento que elle apres-
sadamente encerrou, por puro modo.
Por i;Utro lado o governo queiendo dar a ar-
remataca das seto casas aos seus ailbados ,
rojeilou o maior lanco que Ihe ofleieceu urna
companhia que nao ora a dos compadres. So-
bre isto tem havido mil trafkancias as quaes
quem tem ficado lezado o thosuuro e a na-
cao.
Eis-aqui o bom governo que temosos como
estamos sondo'governados (O Patriota.)
I
Tribunal da licLuao.
SESSAO DE 17 CE OL'TBBO DE 1843.
Na appollaco crime da vila do (lascavel co-
marca doCear appellante a jusliea appol-
lados N cente Forreira do Nascimonto Gana ,
e Francisco Freir Rela escrivo Forreira ;
foi julgado procedente o recurso e mand. rao
que o processo fosse submetlido a novo julga-
menlo.
Do aggravo do potico do juiso dosorfos.les-
te cidade aggravante Jiaquim I' rancisco de
Paula Estevcs Clemente ; uo temaro eonbo-
cimento.
O aggravo de pelicao do uiso do civel da 2.'
varad sta cidade. aggratante Manocl do Bar-
ros Passos, conlra Francisco Ignacio Ferreira
ias ; nao teve provirnenlo.
PARTE DA POLICA l0 DIA 17.
For o presos a ordem do Subdelegado desta
freguezia o proo Antonio Sutorio, por sor on-
conlrado perpetrando desoruom o um menor
por nome Manoel que pelo mesmo Subde-
legado foi sollo : igual destino tiveio os pre-
sos homngos da Silva I ulra o Leandro de
Suiza. Contmuo a oslar presos os individuos
Louronco Rabosa Franco, Manool Abes,
Francisco Xavier de Olivnira Manoel prolo
esrravo e Miguel Joaquim de Curvalho men-
cionado na parlo do hontem.
nnstou ao oflb'htl de otado maior, que
lontem pelo meiodia na ra da Gloria sedera
um tiro em um Alemao eque havia sido
prese e m'i-uimu d caooia u assassiuo.Nada
mais occorroo.


-~
JjWjlfl DE PETOBl'Cfl.
O Diario noio.que.ha muitos dias.se lmitava
i copiar o Racional e outros peridicos da !
opposicao, publicados na corle calgiins dis-
cursos dos Membros mais pposicionistas das
duas (.amaras; o Diario novo, que ndanos
dava >.e casa contra o Governo da provincia ,
talu'Z por se achar muilo corrido o seo Redac-
tor, ou Ediclorcom a publicaco das suas ma -
zellas com o desmentido solemne, que se deo
cor.com quo ello pertendiu cohonestar sua in-
fame sede do ouro suas vergonhosas propos-
tas para obter mesadas sabio hontcm com o
niais insolente dos nrtigos no seu post scrip-
tut. Depois da chogada do Paraense ja nos
tardava o Editor da opposicao da praia, ante-
riormente alimentado pelo crdito da polica
secreta, com tamurias, ou desaforos acerca e
eleices.
Nao tendo merecido a menor attenco do
publico a peta da lista de 22 proscriptos rece
bendo o desprezo de todos os habitantes da pro-
vincia a falsidade, de que se movio forcas e des-
tacamentos para conslrangerern os eleitores ,
ao passo que na epocba das elcicScs o Governo
at retirou a maior parte das pequeas guar-
das que haviao us comarcas para coadjuva-
rem a polica nao havendo linaltnente a me-
nor irregularidad, que se podesse imputar,
6em mullo despejo, urna eleicao em que os
Pernambucanos mostrara) livrc e pacificamente
sua adhesao ao Governo seo desprezo a sucia
da opposicao da imprensa da praia, eonessa
rao os corifeos desla que abandonarlo a elei-
cao. Era urna resiunacSo forcada porque os
cleitores os tinhao reciprocamente abandonado
ao olvido
Infiel, como sempre, tio solemne promos-
sa despeitoso da nuidadc, que vio reducida
a opposicao, o Diario noro, depois do letrgico
torpor, queseguiose manifestacao de suas
protervias, recorre ao expediente de calumniar; e
sein advenir, que he orgao official dos actos da
Cmara municipal (testa cidade, lingese exlra-
nhoa esses actos.e (lil quena Cmara foi.ou ti-
nha de ser substituida por instrumentos do go-
verno a verdadeira authentica do coilerio do I-
gurass, e conclue, quo nao assevera esta no-
ticia.
Nestc modo de hincar o ferrete sobro o Gover-
no da provincia mostra o Diav'o-novo a manha
do calumniador, que para nao ser evidentemen-
te responsavel porseus aleives cbrese como
manto das noticias vagas. Oorgiio official da
Cmara municipal ignorara por ventura, que
eila recebeo directamente di Socretario da
Cmara de Iguarass a authentica a 6 do cor-
rento, e que os votos desse collegio no segundo
dia da apuraco linhao sido contados pela pro-
pria authentica, eque comecando a apuraco
8 do correte, e tendo-se 9 contado os votos
de Iguarass jamis podia-se tirar proveito de
urna substiluicao, que o Diario-novo anrruncia
8 dias depois, tan vaga, o incertamente no pas-
sado, ou no futuro? Os trabalhos da Cmara
se redu-em todos os dias a urna acta, della de-
ve ter noticia o Diario-novo, que o seu orgao
official; sabia pois oopposiciooista.que,eslan 8 dias laucados na acta da Cmara desta cida-
de os votos do cullegio de Iguarass,nao podio
agora ser emendados ; eslava pois certo, quee-
ra falsa ossa noticia, so alguem Iha communi-
casso. Ve-se claramente, que elle 6 o mesmo ,
quo sem tino a levanta, pois tao miseravel
essa pandilha. que nao atiendo inverosimi-
Ihanca de seus embustes.
verdade. que a sucia que na legislatura
passadaapoderou-se das chaves da Matriz de
baoto Antonio e depois de arrumbar a urna, c
substituirs listas, mandou-lhe dar una qu -
da para desculpar a rotura dos selbs c Ilu-
dir o Juiz de Paz, a sucia digo, que nunca al-
cancou maioria desuflragios sem tel-os rouba
do desta ou daquella lorma nao pode ver os
amigos do Governo com grande maioria de
votos com o apoio da Piovincia inteira sem
altrihuir-llie as mesmas infamias quo ella
praticou sempre. para empoleirar-se.
Diario novo tem tanto fundamento para
fazer crer este deive. quanto leve para asseve
rar que o Di rm de Pernambuco disse que
tinha feito apuraco geral vista das authenti-
cas. Quoin mente a respeito do que cata
escrito e pu ilicado como nao calumniar a
torio e a direito? Esta follia publicando o
resumo dos votos de alguns cdlegios, declarnu.
que nao atteslava a exaclidao do taes votos, por
se referir a listas incompletas o informadlos
pouco exactas.
So a authentica do Rrejo foi remolda pela
Cmara a 7 do corrente Oulubr so a G foi ,
(ueella iccobeo a de Iguarass so nisse dia
que foi entregue na secretaria da Presidencia
a copia que I lie devera ser rcmoltida. e se at
a do collegio desta Cidade foi remellla a se-
cretaria do Governo polo Secretario da Cmara a
30 de Setembro como poderio as apuradles
feitas e p rblicadas a 28 de Selembro e an
tos dioso referir-w as authentiraa de todos os
collcgios ? Nao estar solemnemente desmen-
tido o Diario-novo ? Ser possivel, que elle,
eapandilha que representa, se corrao de ver-
gonha, o urripiema carreira, Iridiada, de falsi-
dades, insultos acompanhados do mais im-
moral dos cinismos econlra auem soberana-
mente os despreso ? Duvidamos. Tanta a sua
impudencia.
Luiz de Franca e Mello Jnior, secretario Inte-
rino da Cmara municipal da cidade do Reci-
te e seu termo ote.
Certifico que as aulhenticas de todos os col-
legios eleitoraes desta provincia, para a legisla-
tura provincial de 18ii 1845, forao entregues
nesta cmara urnas pelo correio e outias por
differentes portadores das cmaras municipaes.
Certifico mais, que nenhuma das ditas aulhen-
ticas foi vinda pela Presidencia, eque nodia 8
do correte, em que se den principio a apura-
cao gera I existiao todas ellas intactas. Outio
sim certifico mais, que os votos do collegio
de Iguarass forao contados no dia 9 do andan-
te me* segundo dia da mesma apuraca. E pa-
ra que o referido conste, mandei passar a pre-
sente, que me l>i pedida, nesta cidade do Koci-
fe de Pernambuco aos 17 do mer. deutubro de
1843: subscrevi e assignei. Em f do verdade.
O Secretario interino, Luiz de Franga e Mel-
lo Jnior.
Vierao-nos ornaos franceses que alcancao
somonte a 20d'Agosto prximo passado osquaes
por isso nada adiantaoaos ingle/es, que vimos
al a data de 6 de Setembro e de quo exliahi-
mos as noticias ja publicadas; eos de Lisboa que
recebemos pelo brigue ( oncrigSo de Maria e
que chogo a 2 de Setembro lambem piuco
adiantio aquellos, asim como ao Peridico dos
Pobres no Porto (lia poucos dias recedido)
excepdo d'algumas noticias mais, relativamen-
te Ilespanha asquaes transcrevemos em lu-
gar com peten lo.
Alfandega.
?cndimento do dia 16......... 9:052S825
Descarregdo hoje 18.
Escuna Laura o resto.
1!ovimonto do Porto.
4.* As obras devero ser concluidas no praso
de quinze mezes contado da mesma pocha, do
que a precedente.
5.* Em quanto ao pagamento, o importe da
arrcmataeao ser dividido em duas quantias
iguaes una para ser paga em quatro presta-
dles do modo o as pochas determinadas no ar-
tigo 15 do regulamenlo para as arrematadles
de 11 de Julho de I S! ea oulra (cara cons-
tituida divida da provincia, vencendo os juros
de seis p. /o ao anno it real embolco. na for-
ma do artigo 2 da lei piovin ial n. 115 ae 8
de maio de 1843 sendo devido tanto o juro,
como o respectivo capital da dala do termo de
recebimento provisorio, em que falla o artigo
14. do regulamenlo do 11 de Julho de 1843
6.* Para tudo ornis que nao est determina-
do pelas presentes clausulas seguir-se-ha intoi-
r.miente o que dispoe o regulamenlo para as
arrcmatacoes.de 11 de Julho de 1843
Ronart cao das obras publicas 28 de Selem-
bro de 1843. s
Oengenbeiro em ebefe ,
L. L. Waulhter.
Deca racoos.
Naviot sahdos no dia i7
Liverpool ; barca ingle/a Colutnbus capito
I'aniel Grun carga algodiio.
Vracaly ; hiate nacional Flor da Larangeira ,
capito Bernardo de Souza, carga varios g-
neros.
Maroim ; hiato nacional Especulador, capito
Jos Mauricio da Silva carga varios gne-
ros.
Editacs.
O Illm. Sr. Inspector da Ihesouraria das
rendas provinciaes manda fazer publico que
'm cumprimento do offieio no Exm. Sr. Prasi-
ilente da provincia de 11 do corrente se.undo
o regulamenlo das arremalaccs c sol) as clau-
sulas especiaes abaixo transcriptas se arrema-
tar a quem por menos fizer no dia 10 do No-
vembro prximo vindouro ao meio dia peran-
te a mesma ihesouraria a primeira parto do de-
decimo hinco da estrada da Victoria, oreada
em 199998108 reis.
Os licitantes deverao apresentar as suas pro-
postas conforme o dito regulamenlo no dia
e hora indicados. Secretaria da Ihesouraria das
rendas provinciaes do Pernambuco 14 de Oulu-
br de 1843.
O secretario,
l.uiz da Cosa Porto-Carreiro.
ESTRADA DA CIDADE A VICTORIA.
1.a parle do dcimo lanco.
Clausulas especiaes da arremalago.
1.a Os trabaIhos e obras desta porcao de es-
trada serao feitos pela lorma e sob ascondi
oes e modo indicado no orcmicnlo e as
plantas geraes o particulares, peifiz longitudi-
nal^ e transvorsaes, com eslase nesla data ap
presentados ao Exm. Sr. Presidente, pelo precn
de desenove contos nove ceios noventa e nove
mil quatro contos o sessonta e oito reis....
I9:999.468.
2.a Em lodos os ponlos onde a estrada nova
coincide ou encontra-se com o caminho actual,
levera o arrematante, durante todo o lempo das
obras dirigir o servico de modo tal que baja
iempre um transito fcil seja na estrada nova
jeja no caminho acta
vinte palmos.
3 a O arrematante comecar as obras nopra^n
le dois mezes contado em conformla le do arti-
go 10 do regulamento para as arrematacocs,
(le 11 de Julho de 1843.
= 0 administrador da meza de recebedoria
de rendas geraes internas tendo esgotado to-
dos os meios de brandara para corn os mora-
dores dosbairrosdo Recife, Santo Antonio. Bo.i-
vista e Allogados, para virem pagar o que d -
vem delg reis da taxa de escravos. o imposto
de lojas, e tabernas do 1843 a 1814, muito
poucas pessoas tem comparecido o por esta
omissao annuncia pela ultima vez que espera
at o fin do corrente mez pena le remoller
para juizo a relaeao de todos os devedores sem
excepcao. Recebedoria 17 de Oulubro do 1813
Francisco Xavier Cavalcanti d' -Jlbuqucnjue
Agencia da companhia das barcas de vapor
n'esle por lo.
= A agencia da companhia das barcas de va-
por precisa contratar o servico do carvo para as
mesmas barcas do modo seguinte :
Con traa o servico do carvao com qualquer
pessoa ou pessoas ; obrigando se estas a tirar
o carvo do deposito da companhia embarcal-
o leval-o a bordo, e mettel-o dentro das bar-
cas sobre a ba/o de um lano por tonelada
de 70 arrobas que so medir a bordo e de
ijueoscoiomanilaot.es das referidas barcas pas-
sarom recibo.
Quem cstiver as circunstancias de pretender
este contrato podor dirigir-se ao agente da
companhia na ra de Apollo onde so poderd
obter quaesquer outras explicaedes a respeito.
Recife 5 de Oulubro do. 1843. O agente ,
/. B. Moreira.
Avisos martimos.
Para o Rio Grande do Sul partir coma
maior brevidade possivel o brigue Fiel, forra-
do o encavilhado de cobre de quo he capito
Manoel .Maiciaiino Ferreira ; para carga ou
escravos a (rete trata-se com Firmino Jos Fe-
lis da Roza ou com o capito.
Para o Maranho partir com a maior
brevidade possivel o brgue-escuna5. Malheus,
capito e pratico Joo de l'eos Pereira ; para
carga e passageiros, para o que tem excor-
enles cnrnmodos trata-se com Firmino Jos
Felis da Ro/a.
O patacho Flor de Maroim, capito JoSo
Jos da Nlva Papalina, sai improterivclmentc
no dia 21 do corrente para mn restinho de
carga, e pasageiros, dirijad-se a Gaudino A-
go-itinho de Barros na pracinha do Corpo->an-
to n. G6 ou ao capito.
por intervenco do correlor Oliveira, no seu ar-
mazem por de tras do theatro no dia sexta
feira 20 do corrente pelas 11 horas da manha ,
do 120 barricas com farinha de trigo excel-
lente para bolaxa em lotes do 10 barricas.
Avisos diversos.
Quem livor noticia ou achar um bodo
verrnelho bstanle grande gordo e cap. do,
o qual levou no pescoco um peaco de corda de
imbira ouio bode desapparereo no dia 17 do
correte baja de o levar na travesssa do Arse-
nal armazem de carne n. 5.
LOTERA 1)0 THEATRO.
Os bilhetes da 1.a parle da 15.a lotera, cu-
jas rodas ando impreteriveliiienle no da 19
do corrente Oulubro, acbao-se venda nos lu-
gares do coslume.
= OSr. Naleriode Sou*a Lima, que foi
empregado nocorpo do polica, queira diri-
gir-se a ma de S Rita-novan. 91 para ne-
gocio de seu inleresse, ou annunciar a sua mo-
rada.
No dia 15 do corrente desencaminhou-so
urna letra saccada em 6 do Setembro prximo
passado por Manoel Joaquim da Silva a dous
mezes precisos. e acceita por Manoel Antonio
do Azevedo : previne-so por tanto ao publico,
que nao laca transaeco alguma com a referida
letra nao obstante nao ter endosse para se po-
der negociar.
-MCIEMDE
R'AMATICA
*0B
LcilCM'S.
em urna largura de
Georgo Kenworlhy & C.a (cm liquidacao)
f< rao I ilo por intervenco do corret. veira, de variado sorliinento de fa/end.s ingle-
/as todas proprias d'estc mercado e as ouaes
sero vendidas sem reser.a : (|uarti fe ira 18 do
corrente as 10 horas da manb em pomo no
seu armazem la ruada Cruz.
Quinta feira 19 do corrente no armazem
de Fernando Jos Rraguez as II horas da ma-
nha se far leilo do 30 gigos do vinho cham-
panhe.
Bolli AChavannes faro lelaS por in-
0 primoiro secretario convida aos Srs. Socios
em geral para se reunirem (em sesso extra-
ordinaria) hoje pelas seis horas e meia da tar-
de no lugar do costume, e espera nao faltem.
pois tem de se tratar de negocios urgentes.
.=^0 bilhete n. 17(i8 da primeira parte da
dcima-quinta lotera a favor des obras do the-
atro publico desta cidade, pertcnce ao irmo do
Sr. Padre Meira da cidade da Parabiba, e fi-
ca em poder de Felippe Lopes Neto.
Amanh pelas novo horas do dia estar
na praea da Independencia, para screm vendi-
dos urna porcao do quartos em boas carnes,
e novos.
Aluga-se um sobrado de um andar com
solo, o qual lem varanda, altse baixos, sito
na ra do Sinta Rita Nova; os prelendentes di-
njao-se praea do Commercio a fallar com Jos
Manoel Fiuza.
Aluga*-se o segundo, e terceiro andar da
casa n. G do Atierro da Roa-vista, forradas de
papel no maior asseio possivel urna casa ter-
rea nova com duas sallas cinco quartos, cozi-
nha lora quintal e cacimba na ra do Se-
ve por tras da ra da Aurora duas ditas de
13$ reis na ra da Solidado urna dita de lo*
reis na ra do Sebo, um sobradinho no man-
guind Papalerra a margem do rio. muito pro-
prio para se passar a festa; a tratar com Manoel
Joaquim da >ilva caixeiro de Francisco Anto-
nio do Oliveira na ra da Aurora n 26.
Prrcizase para 2 engenhos de 2 eilores,
que entendo do servico decampo, sendo sa-
dios robustos, c sem familia; quem so achar
neslas circunstancias dirija-so a ra da Cruz
n. 43.
Engomma-se roupa tanto do bomem.co-
mo de sr.a, e lambem se lava de sabao ludo
om perleicio e por mdico preco; na ra do
Sol casa n. 17.
= Precisa-se de um pequeo portuguez para
caixeiro lora desla edado dando fiador sua
conducta, o aflianca-se bom ordenado ; na ra
do Livramcnto n. 10.
as Achou-seo bilhete n. 2503 da lotera a
favor das obras da matri da Boa vista; quem
forseu lono dando os signaos Ihe ser* entregue,
na ra do Crespo toja da viuva de A Hunco &
Companhia. No domingo prinMiro do corrente
penleo- se nina medalha de ouro no meio de
um lado tem urna cora e do outro lado urna
estrella; quem a tiver adiarlo e a qui er resti-
tuir, dirja-sea mesma luja que ser re-
compensado.
=^ Johnston Pater & Companhia avisio aos
Srs. de engentiose correspondentes dos mesmos
nesta praea que se acha completo o seu esta-
belecimento de machinisn.o para engenhos ,
constando de moendas do diversos tamanhos ,
machinas de vapor, de condesaco e de alta.
tervencao do corretor Oliveira de grande e
variado surtimento de fazendas francuzas, suis- pressao da forca de quatro e de seis cavados in-
sas, e alemas de seda, la, lnho e dalgo- ^.lezes e taxas batidas ecoadas e prumeltetn
do muitas das quaes To recenternentc che- agradar aos seus reguezes tanto em preco como
izadas: quinta feira 19 do crrenle is 10 horas em qualidade visto serem todos estes objeclos
da manha, no seu arma'cm na ra da Cruz. feitos n'uma das principacs fundicesde lngla-
Quinta feira 19 do corrente se f.ir leilao, trra : rua da Madre de Dos n. 5.
em lotes de 3 saccas, de muito bom er'jafl mu- olera da Matriz de S. Pedro Mrtir
hitinho. por eonta de ouens nertenfer: defrss de' iinda.


leda escadinha do Caes-d'alfandega.
=Leilo, que faz Joaquim Lopes d'Almcida,
No dia .'10 de outubro prximo futuro
cotrem impretcrivt'imvute as rodas desta lotera.


4
Alugao-so dous negros para vendercm
fazcndaspelo matto pouco distante dcsta pra-
ca ; as Cinco- pontas n. 56.
= Na pad.iria da ru.. Direita n. 40 preci-
sa-se ulugar un preto que entenda do mes-
mo servico.
Aluga-se metadcdeuma sala muito fres-
ca coro duas ras para a praca da Indepen-
dencia e para a ra eslreila do Rozario a
um homem solteiro ou al duas pessoas; a
tratar no eco do Peixe-frito venda n 7; na
ir.esina venda precisa-se (aliar a Antonio Jos
da Castro Guimaraes, a negocio do seu inte-
resse.
- Quem precisar de um criado para urna
casa de pouca familia dirija-se a ra do Praia
n. 33.
-^ No dia 15 do corrente furtarao da loja
de ferragens da ra Nova n. 25 um braco de
batanea ainda novo de 5 a 6 palmos de com-
prido o qual estava na porta do amostra; por
i?so roga-se a qualquer pessoa que dellesou-
ber ou Ihe for offerecido para comprar, que
tenho a bondade de o tomar e participar na
niesma loja que al m do ser gratificado se
1 Ibe fican agradecido.
Roga-se ao Sr. thesoureiro da loteria do
theatro que no caso de sahir premiado o
meio bilbele n. 3714 da mesma lotera que
corro no dia 19 o favor de o nao pagar seno
ao seu respectivo dono pois foi perdido.
Arremata-se urna morada do casa d pe-
draocal, sita no Atierro dos Affogados; no
dia quarta feira 18 do corrente, na porta do
Sr. r. Juiz de Direito do Civel, Rodrigues
Selle no atterro da Boa-vista.
Chiem precisar de um rapaz Portuguez
de 14 annos para caixeiro do venda por ja
ter pratica: dirija-se a ra Bella, sobrado novo
prximo a maro
Contina-so a dar dinheiro a premio de
um e meio por cenlo ao mez com pon boros de
ouro, ou prata ; na ra Bella n. 37 primeiro
andar.
O Tenente-Coronel Ignacio Antonio de
Barros Falco comprou, por conta do Reveren-
do Conego Joo Rodrigues de Araujo os b-
lbetes inteirosde ns. 179, e80l este da pri-
meira parte da segunda loteria da matriz do
S. Pedro Mrtir da cidade do Olinda, e aquel-
lo da primeira parte da decima-quinla lotera
do theatro publico do Recile.
esappareceo ou furtarao da olaria
do l tterro uina canoa de oarreira de um sft pao,
pequea, com dous paneiros forro na proa.
com 3, ou 4 cavernas, o una correte quebra-
da ; quem della tiver noticia dirija-se a ra
Imperial, sobrado de 2 andares n. 167 que
ser recompensado.
Joaqu m Ribeiro Pontos faz sciente ao
publico, aue deisarifo de ser sous caxeiios
Antonio Jos Eme Braga e Miguel Antonio
Moreira Salvador desde o dia 15 do corrente.
Jos \ntonio de Souza Machado reco-
Iheem seu armazem na ra de Apollo n. 20,
com embarque e desembarque do lado do po-
ente, na mar pequea todos os voluuios de
gneros de qualquer nature/a e tamanho que
forem tanto para sahirem logo como para
se demoraren), pelo que se convencionar com
as pessoas, a quem convier. por um preco mui-
rasoavel, tanto pelo desembarque, como em-
barque e armazenagem o qu muito con-
ven) por nSo.te' carrotos fra do armazem.
No dia 19 do correnle conervar-se-ha
aherto at as 9 horas da noute o Hospital dn
Caridade, aonde lorio ingresso todas as pessoas,
que o quizerem visitar.
Aluga-se um sobrado de 2 andares e so-
tao stto na ra do Codorniz n. 18 e um se
gundo andar na travessa da Madre do Dos n
3 ; na praca da Independencia n. 28
O Sr. Antonio Clemente do Larras ha-
ja de procurar urna carta viuda da provincia de
S. Paulo na travessa dasCruzes, venda n. 14.
Deseja-se fallar a Jos Antonio da Silva
Braga a negocio de seu interesse ; na ra da
Praia n. 7.
O secretario da irmandade de N S. das
Fronteirus na Estancia convida aos irm-os
da niesma irmandade para se reunirem no dia
28 do corrente para tratar-se do concert da
cobortada Igreja, queameaca perigo.
OfTerece-se um rapaz para cobrador de
asseuguo ou para qualquer emprago d fia-
dor a sua conducta ; na ra de Agoas-verdos
n. 37.
=; Precisa-se do um caixeiro para tomar
conta por bataneo de urna labe na e que d
fiador a suu conducta ; na ra das Cinco-pon-
tas n. 27.
Precisa-se de nm caixeiro Portuguez ,
para tomar conta de urna venda que entenda
do inesmo negocio, o d dador a sua conducta;
na praca da Independencia n. (i.
= Aluga-se urna escrava para todo o ser-
vico que soja fiel e sern vicios ; na ra dos
dos Pescadores n. 19.
Precisa- nlnaar nmn nrfll* nnrn
... w 4
der na ra, e fazer o mais servico de uma casa:
na ra da S. Cruz venda n. 56.
Se he, que so pretende vender a casa
da ra do Vigino do finado Miguel Fcrre-ira de
Mello, ninguem a compre para se livrarde
questoes porque o mosino fallecido ho deve-
dor a difiranles pessoas e a partilha dos bens
da viuva anda se nao concluio.
as Precisa-se de tOIU ruin menino para se
onsinar o oficio de hapeleiro dando-so 0
sustento ealguma roukua ; atraz da matriz, da
Boa-vista n. 29.
Compras
=Comprao-se diariamente couros seceos de
animal cavallar, a 2560 a arroba ; na ra do
Rangel n. 52.
Compra-se uma negrinba crioula, ou
nao lenha vicios e sai ha engommar, coser,
fa/er ronda e la\arinto co.ii perfeicao ou com
algumas destas habilidades, paga-so liem agra-
dando ; no pateo do Carm o sobrado n. 13.
Compra-se urna morada de casa terrea
no bairro da Boa-vista, as seguintes ras:
\ Cruz Aragao Gloria e Velha, o que nao
seja eslreita o tenha pelos menos 3 quartos ,
o lioiii quintal ra ra da S. Cruz D, 38.
Compra-se uma poroSo-de cera do car-
nahuba o dita amarella do paiz ; na ra es -
licitado Rozario loja de cera n. 3.
Comprao-se eflectivam ente para fora da
provincia escravos de ambos im sexos de 12 a
20 annos, sendo do bonitas (guras pagao-se
liem ; na ra da Cadeia de .3. Antonio, so-
brado do um andar de varanda de pao n. 20.
novos, e, querendo, juntamente dous famosos
cavallos njssosja ensinados para o mosmo car-
rinbo: na estribara ingleza atraz da ra No-
va di ,s 9 horas da manha at as 4 da tarde
para ver e para tratar na ra da Cruz n. 7 ,
prir.ieiro andar as mesmas horas; na mesma
<''.>a tambero vende-so um cavallo russo para
faiontar.
^ Xa ra do Rozario, padaria n 13, ven-
dom-se massos de meias curtas de linho bi-
chas grandes e pequeas chapeos de sol do
Porto toalbas e guardanapos do panno de li-
nho adamascado pilulas de lamilia fecha-
duras de broca para porta de armazem penei-
Vende-se uma venda em um dos bons lu-
gares do bairro de S. Antonio, com poucos g-
neros e de prompta extraceao com utenci-
lios e armacao novos e commodos para fami-
lia ; no Atierro da Boa-vista loja da esquina
do beco n. 40.
= Vendem-se meios qilbetes da loteria do
theatro a 4300 ; na ra da Cadeia do Recife,
loja nova de calcado n. 35.
Vende-se sabo muito bom a 100 rs. :
no pateo do Hospital vendan. 14.
Vendem se canarios em viveiro chega-
dos prximamente do Porto nobrigue Importa-
dor, imuito canladores ; cordas de embira
ras de rame, barricas de superior farinha de branca para andames de obras a 48 rs. o cento ,
Trieste ditase meias ditas Americana temos
de condeca do Porto gal oes de palheta tu-
do por preco commodo.
Vende-se ladrilho de marmoro ; na ra
da Cadeia do Recile ns. 12, e 14.
Vende-se uma casa na Casa- forte na ra
do Assougue, com 32 palmos de frente e
fundo a demarcar com trras do Poco, em
chaos proprios: na ra da Solidado n. 3.
= Vende-se uma venda com poucos fundos,
em bom lugar, muito afreguesada e com
muito bons commodos prra urna familia ; na
ra ireita n. 127.
Vendem se taxas de ferro fundido com
e a retalho a 50 rs. a peca ; chocolate da Ba-
bia a lOOrs. o pao, e meio dito a 50 rs., abanos
a 1200 o cento: na ra estreita do Rozario,
venda n. 8.
= J. Jacquesson participa qu tem pa-
ra vender diversas qualidades de lindissimos
adornos de senhora bem como : pentes do
tartaruga e de bululo ao ultimo gosto de Pa-
r/, riquissimos loques brincos, argolas,
voltas para poscoco braceletes alfinotcs do
cabello fixos e de balanco correntes de se-
guranza para relogio allinetes de peito para
homem o senhora com retratos os mais deli-
cados ; snicos de mesas colhcres, facas e
heicos virados e fundo chato ; este modelo ho garios do 12, 6 0 uma pessoa para jantares ,
Vendas
v,
ENDEM-se meios bil'netes da loteria
do theatro; na loja da esquina 'Jo arco de S An-
tonio que vita para a cadeia.
Vende se uma m .rada de casa terrea em
chaos proprios com dous quartos quintal
murado, e cacimba sita nos Affogados na
ra de S. Miguel; na Boa-vista ra da S.
Cruz n. 38.
Vende-se uma negrinha de nacao An-
;ola sem vicio algum ; no pateo da \ Cruz ,
enda delronte da botica de Jos Mura Freir
Gameiro, ou no Corredor d > Bispo sitio do
Exm. Senador Manoel de Carvalho.
Vende-se urna vitella gorda ; na Solida-
do n 20.
Vendem-se mergulhos de parreiras de
qualidade moscatel branca ; na ra do Rozario
da Boa-vista n. 2.
Vende-se por 5S rs. um Atlas gcogra-
ph co por Simeni ourt tendo 47 cartas ou-
tro porC. Piquetpor :i$ rs o uma gramma-
lica Italiana por 640 todos esles livros em
bom estado ; na travessa das Cruzcs n. 8.
Vendem-se 6 jarros pintados e plantados
de cravei os ; na ra do Oucimado n. 41
Vende-se um escravo para fra da provin-
cia ; na ra da Guia n. 10.
=. \ endorn-se bahus e jogos de malas, por
preco commodo : na ra do Collegio loja de
bahu/eiro n 15.
= \ endem-se cortes de chal de l e seda ,
de novos e belissimos padres fazenda que ha
presentemente do melhor gosto para vestido ,
havendo maior capricho em ter nao s esta,
corno outras ; na ra do Cabug.i n. 16.
Vendem-se queijos do sertao da melhor
qualidade por seren feitos no Sendo ; na praca
da Boa vista n. 14.
N ende-se a casa de dous andares e sotao,
sita na ra da Sen/ala-velha n. 76 em chios
proprios vende-se a dinheiro ou com algum
praso dando lirnia a contento ; na mesma ra
n. 144 a fallar com Joo Vuz de Oliveira.
se Vendem-se chapeos francezes ebegados
pelo ultimo navio a 7000 ; na ra do Quei-
mado n 11
Vende-se uma preta de nacao Anogla ,
de 18 annos com algumas habilidades e
com uma lilha de um mez ; na ra da Guia
n. 36.
Firmino Jos Felis da Roza vende por
preco commodo farinha de trigo nova, assim
como meias barricas esaccascom farinha de
mandioca.
Em casa de B. Lasserre & Companhia ,
ruada enzala-velha n 138 acha sea venda;
fundi de muito boa qualidade em saccas de 3
arrobas, assim como vjnho do Bordeaux em !do Hannos: na ra do Cahuga n. 16.
caixas de duzia por proco commodo. j = Vendem-se superiores e lindissimos cor-
Vende-se salsa parnlha muito nova, e tes de lan/inha como nao ha em loia algiima.
chegada ullimaineiitedo Para; na ra da .Moe- a cujo desengao se convidad aos comprador s
da n. 7.
o mais approvado e o que se usa para todos
os assentamentos modernos pelo seu bom resul
tado : na fundico de ferro da ra da Aurora.
Vende-so uma canoa com 44 palmos de
comprido e 3 do boca muito grossa e propria
para abrir; no estaleiro da ra da Praia jun-
to ao sobrado do Mendonca.
Vendem-se duas caadas de leite sem
mistura diariamente, para qualquer bote-
quim ; na ra Nova armazem n. 67.
Vende-se uma balanca com 13 arrobas
em peso propria para armazem do assucar ;
na ra na Cadeia do Recife n. 37.
Vende-se um moleque de 13 annos ,
uma preta de 16 ; e um preto de 24 annos .
bom socador de assucar todos de nacao e de
bonitas figuras; na ra da Cruz n. 29 pri-
meiro andar.
Vende-se uma commoda propria para
homem solteiro a qual tem dous segredos has
tanto dilicies do serem descobertos uma mar-
que/a do assento de palhinh em bom uso, uma
poita nova de louro com 12 palmos do com-
primento o 5e meio de largura uma poreao
de madeira rolica de boa qualidade propria
pera casa de taipa ou estacada e algumas
portas usadas para o mesmo ; na ra ircila
dos Affogados n. 17.
V= Vendem se pecas de brotan lia de linho
com 15 varas a 5000 ditas do cambraia ada-
mascadas brancase de cores com 6 varas, a
5500 pei;as de cambraia bordada com 6 va-
riis a 5000 ditas do bom tom de listras a
2880, bis de linho grandes mu finos a 6100
e mais inferior a 4500 lencos hrancos com
silva de cor para mao a 300 rs. ditos bordados
a 320 cortes de cassa de cor a 2240 e outras
muitas fazendaspor barato proco; na ruado
Crespo, loja nova de antos Braga.
Vendem-se superiores e lindissimos cor-
tes do lanzinha, como nao os ha em outras lojas,
a cujo desengao se convidao nos compradores
de bom gosto ; na ra do Cahug loja n. 10
defronte do cerieiro.
v =. Na na Nova loja de alfaite n. 32 de
Manoel do Amparo Caj ha para vender casa-
cas de todas as cores e qualidades calcas ja-
quetas e collrtes chapeos francezes de bom
gosto com beira forrada de veludo e de me-
rino e ditos sem elle camisas tanto a duzias
i orno a retalho a 38 rs. mui bem foitas bo-
lins francezes borzeguins gaspiados, sapatos
de palla e de orelha ditos de couro de luslro.
supeiioies lencos do gorgurao e do tafeta ,
suspensorios sapatos de todas as qualidades
para senhora o meninas uma chamarra para
pessoa haixa e secca ludo por proco commodo.
53 Vendem-se dous escravos de nacao, mo-
cos e de bonitasliguras; um moleque de nacao.
de 14 annos ptimo para todo o servico, uma
escrava de 24 annos, engomma cozinha e
faz rendas e doces ; na ra Direita n. 3
= Vende se um preto de nacao meio bu-
cal de 18 annos ; o tamben) se aluga um pre-
to para todo o servico: as Cnco-pontas n. 71.
= Venle-seum Ierrenj com 110 palmos
de frente e 600 ditos de fundo no lugar da
Baixa-verde estrada da Capunga com casa
de tellia e cacimba de podra e cal; na ra da
Cruz no Recife n. 28
= Vende-se um moleque de bonita figura,
al mocos, e pora cha e cale em metal fino
( Melchior ) superiormente dourados ; estojos
para cscriptorio e para sonhora ricamente
esmaltados e outros uiuitos objectos p-rfei-
tamente dourados e da ultima moda. Jacques-
son roga aos amadores do bom gosto que nao
hajude confundirs suasfazendas perfeitamen-
te conleico das e de cujo dourado elle garan-
to o brilho e aduracao com inultos objectos
mal dourados ou tao smente envernisados ,
de que esto recheados muitos armazens de
miudezas e canquelherias, eternos alcaiades ,
tao somante proprios a oinar as partileras das
lojas. Em lim a vista he que ellos poder
jnlgar da grande dilferenca se quizerem tero
trabulho dedirigirem-se em casa do annuncian-
te no hotel da Uniao ruada Cadeia do Re-
cife, ondeacbao-se tambem a venda as ver-
daderas medalhas do casamento do Senhor D.
Pedro Segundo. As pessoas que comprarem
para cima de 100$ ter uma remessa de 10
por cento.
= Vende-se uma venda com muito poucos
fundos c com commodos para familia, na ruu
dos Pescadores n. 7; a tratar na mesma.
Vende-se urna escrava de Angola de 20
annos engomma cozinha la\a e faz to-
do o mais seivico de una cusa: na ra do Ran-
gel n. 26 primeiro andar. '
= \endem-so duas vaccas crioulas boas
leileiras e prxima a parirem ; quem as pre-
tender annuncie.
= Vende se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro podras de marmoie redondas
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palhinba camas *de vento
com armacao marque as, solas mezas de
j.mtar camas de vento mu bem fetas a 4500,
ditas de pinho a 3500, assim como outros mui-
tos trastes ; pinho da Suei ia com A pollegadas
de grossura dito serrado dito americano do
dillerentes larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinho e barrates ; na ra da
Florentina em cusa de J. Beranger n. 14.
Escravos fgidos.
M Vende-se um elegante carrinbo de 4 ro-
das com capole solt, assento para 4 pessoas,
ven- qug ssrtc psrs ss ea des cavaiJos, mw i iiwinv svm u. o
de bom gosto ; na ra do Cahuga n 16.
= Vendem-se meios b i I heles da loteria do
theatro : na ra do Qucimado loja de Gui-
= No dia 16 do corrente fugio um negro
de nacao Congo, bucal, de 18 annos, com
ponta de barba de 7 palmos de altura ma-
gro bem feito de corpo cor natural tem o
beieo inferior cabido; levou calcas de algodao-
/iibo do frangir e camisa de estopa ; quem
o pegar leve a venda do l.ofier na ra da Cruz,
que recebera 50i rs. de gratificacao.
esappareceo no dia 17 do corrente um
preto de nome Matbeus estando trabalhando
de servente na obra da Ordcm torco ira de S.
Francisco e trabalhou at as 9 horas da ma-
nha em que desapparecco levando cal-
cas de brim preto e camisa do brim de forro ,
do meias mangas, alto, olhos encamisados,
barbado de 25 a 30 annos ; quem o pegar
leve a ra das Cruzcs n. 6 que ser gratifi-
cado.
sr No dia 13 do corrente fugio' um mole-
que de nome Anastacio do 10 annos le-
vou camisa de algodao trancado e calcas de
brim escuro ja velhas desconfia-se andar pela
(lovoacao de Bezerros por ser deste lugar natu-
ral o tei parantes ; quem o pegar leve a ra da
Penba n. 5 primeiro andar, que sera giali-
I icado.
Rbcifb: na Ttp. de M. F. de Fama. =1843
met uad fy