Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04293


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno de 1843.
Sexta Fera 6
ludo agora depende de no. me.n,0.; d. ,,. pradeo., MaWte.
=o. co.no pnnc.p,., utemot J Cm Z*.'3S&S
____________________( rinclamacjao di Aaseuibleia eral do BbasL.)
PARTIDAS DOS CURHEIOS TERRESTRES
O, Ser.atweu, rt, Kor,n,0 (.., C.|T0, M.ceio, e *!,;..., no i H a 21
oa-r.Ha, Hores i. 2. Santo Ul .o quintas feirt, Qlin.la todo, oi di.,. '
DAS DA SE.VJ&NA.
2 3og J. Leo.le-ro B Aud. do J de 1. da *. .
3 ',.. C.nlido M Re. Aud do J de D. d3. .
4 Vuart. Chnspo M Aud do J. de D. da 1 t.
.-; VuiBt. i. Camina t! Aud do i. de l). da t.
(i ie<. e. Bruno Fundador Aud do J. de 1). da l. y.
7 Bl>. Mares I1. Hal. Aud do J. de D. da i t.
lio.. O Patracinio de S Jote,
de Outubro
Anno XIX. N. 215.
O UitRlo publica-te lodoioi dita que n.m forera Suntifi<"artot: o preao da aitigaalora ba>
fj. de Irea mil reit por quartel pijoi adianladoti Os annuncios dos isijntnWJ sao inaeridoe
j, gratis eos dos qne alo forera raso de s() reit p >r linha. Ai reclamaqoea deTeai aer diri-
gidas a esta Tip., ra das Guiri N. 34, ou apraua da I .dependencia toja delirroa N. oeS.
etaiaiA!.No dia 5 de Outubro. ooaapra
ctaliioiNo dia 5 de Outubro. ooaapra raada.
Caaahio sobre Lond/ae 15. Ouao-Moeda d rj,*u0 V. 16,800 *J ^00
f Pars 3.1(", im por tranco, a N. 16,60J
Lisboa 411) por lUdaprtaio. a H. 4,000 V,-00
PaaTA-Pataca. 1,9*11
Moedadecobie 2 por cento. Paioa Coloatnant ,tfl0
Idees de leiratd boas firaias 1 \ a {. ditos Meaicanoe 1,SI20
P11ASKS UA LA NO HEZ nE OL'TCBRO.
La Cheit aS, ns 8 horAte 1)7 a. da mi,,!, I I.ua ora a 23, ae Shoraeel ( a. a
Qutn. ain. 16, e 111-oraaa 30 a. .1. m. j ijatn. cete.4 311, ut 24 a. da m.
Prtamar dr hoje.
1. a l horas a 5i a. da asnbSa. 3 ,.,., )s da larda.
.6.800
y.400
1,040
i y jo
..U40

Th\souraria da Fazenda.
EXPEDUTE DO DIA 13 DO PA8SADO.
OTcio Ao Exm. Presidente da provincia,
rogando se dignasse mandar dispensar doservico
dasguardasnacionacsaFrminoJosdeOlivera,
guarda da 2. companhia do 2. hatalho desle
municipio por seachar oecupando o lugar de
terceiro escripturario da conladoria da" tlie-
duraria.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informando,
em cumprimento do despacho no cilicio que
acomjiaiiliava do director do arsenal de guerra,
que a despesa do servente de que tractava o mes-
uro director eslava comprehendida na rulirica
arsenal de guerra-, para a qual no corrente
anno financeiro se deu o crdito de 44:3604 rs.,
e que nao sendo os precos dos jornaes dos tra-
halliadores, e serventes marcados em lei esim
a arbitrio dequem estava aulorisado paraos
estabeleccr alterar e mandar abonar segundo
as circunstancias o pareca justo quo o sobredito
director solicitava.
Portara Ao contador da tbesouraria re-
metiendo os documentos que acompanhavao
dos candidatos ao lugar vago de terceiro escrip-
turario da conladoria para em vista dos exa-
nies, quefi.ero. proceder, na conlormidade da
lei proposta do rele ido emprego para ser
submetlida ao tribunal do thesouro publico na-
cional.
II>EM DO DIA 14.
lficio Ao Exm. Presidente da provincia.
logando mu vista do officio, que acompanhava,
do couimissano liscal do ininistei in da guerra,em
que l.i/ia\ei a necessidude de se ajuntarem ,'i al-
guns doeumeiitos de despesas, copia das ordena,
queas uulhorisa.ao, por se lazer esta exigencia
(tela conladoria geral do dito ministerio a quem
taesdocuin.ntos erao lemcttidos. sedtgnasse
expedir as suas ordens ao director do arsenal de
guerra, para qne juntasse ao documento deque
tractava o referido commissario fiscal, e aos que
se achassem as mesmas circunstancias as men-
cionadas copias.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informando
sobre ooflicio do commandanle da fortaleza do
Brum, em que pedio, alim de dar execucSo pela
parle que Ibe toca va aos artigos 18 e 17 do
decieto de '20 de Janeiro do corrente anno re-
lativo as impusieres da sade dos portps que
se Ihe declarasse ; primeiro o lugar doancora-
dourode quarentcna o segundo se na prohi-
bieao da communicacao das embarcaces, antes
da visitada sade comprehendia-seos prcti-
cos da barra. Que quanlo a primeira parte a-
cliava-se satisleita com o artigo 2.doregula-
menlo da polica fiscal do porto de 10 de feve-
rero de 1837 que inarcava para ancoradouro
de quarenlena o das l.aminhas p;>ra a parte de
leste ; mas, que quanlo asegunda nada poda
informar, sem que primeiro o inspector do ar-
senal de marinha o o provedor da sade, de in-
telligencia um com ooutro em vista do local
da costa e po.lo da necesidade dos prcticos
irem procurar as embarrarles em grande dis-
tancia da barra e ancoradouros da permissao ,
que pelo regiilamenlodas alfandegas tinbao os
commandanles das embarcaeoes para dcixar so-
bre a vella, e vrem a Ierra, mesmo antes de rc-
ceberem o practico, appresenlarem as amostras
de seus carregamentos, e inlormarem-se do
mercado, e d'outras circunstancias, pelas quaes
mu tas ve/es era imposivel cuniprir-se aqui
exacti mente o mesmo que se dispunba para o
porto do l\io de Janeiro, informassem circuns-
tanciadamente sobre ludo, emittindo os seus
pareceres.
Dito Ao administrador da mesa do con-
sulado para em vista da tradueco do officio
dos agentes do Brasil em Londres de '2 de agos-
to prximo passado, que acompanhava expe-
dir as suas ordens ao Icitor conlerente daauel-
do do pao existente nos respectivos armazens ,
smente seprame, para ser embarrado o que
fosse de superior qualidade, esenrhasseem to-
ros direitos e redondos, de rasoavel comprimen-
to c grossura ; porque nao rontendo toda* eslas
circunstancias conforme o dito officio perda
todo o merecimento no mercado d aquel la oidade.
Dito Ao commissario fiscal do ministerio
da guerra dizendo em resposta So leu officio
de 13 do corrente em que exigi diversos es-
'larecimentos para a organisaefio doarcamento
da despesa do ministerio da guerra para o an-
uo financeiro de 1845 4C que a despesa dos
corpo de.va ser oreada para o eslado efl'eclvo ;
mas que, arhando-se os desta Provincia quase
no estado completo, e sendo provavel, que bre
veniente a elle fosse elevado, era este, o que de-
va servir de base pare aquello.
Dito Ao contador da tbesouraria, remet-
iendo para sua inlelligencia o cumprimento pe-
la parte que Ihe tocasse as ordens do tribu-
nal do thesouro publico nacional den.01^9 a
131 133 134 136 139 e 141 desle
anno.
dem do da 15.
OficioDo Exm. Presidente da provincia,
informando o requerimento de Genoveva Ma-
ra dos Reys, em que pedio licenca para ven-
der urna rasa em terreno de marinha na ra
dos Gararapesem Fura-de-portas do bairrodo
Recile.
DitoAo contador da tbesouraria envian-
do por copia para sua inlelligencia e cumpri-
mento pela parle que Ihe tocasse as ordens
do tribunal do thesouro publico nacional n.
18 133 e 137 do corrente anno.
fiscal, podindo se dignasse dicidir em vista de ,ha potencia algumn na historia que tenha tdo
ludo, o quejulgasse conveniente.
DiloAo mesmo K\m. Sr. informando o
requerimento de francisco Ribeiro Pires, em
que pedio poraftbramento um terreno de mari-
nha na ra de Apollo do bairro do Mec fe.
DiloAo contador da tbesouraria, remet-
iendo para sua inlelligencia e cumprimento
pela parle, que Ihe pertencesse acopia do
oflicin do Exm. Presidente da provincia,em que
parlicipou a nrorogacSo da licenca pormais3
mezes ao bacharel Joaqun) Nunes Machado
NOTICIAS ESI RANGE1RAS.
Carla de M. Lae Fox ao Times, defoitdodit-
Clirso proferido na cmara dos communi.
Si.Qiiando retire a proposta, de que linha
dado noticia, para rcvngar a omancipaco, dis-
se que o Casia por baver tomado n pulso cma-
ra, e haver adquirido o fonvircSo de que s a
lncela e saperia podiao curar a febre que con-
sojpea Inglaterra eIrlanda, eque era vmdo o
lempo em quejoio liull laruasso n barrete de
tantas formas de enverno dlTerentes como Ro-
ma. Os Romanos livera rea, drcemviro9, dio
ladores, triumviros, imperadores (riso).
Attendei bem a este raciocinio; vou provar
que o imperador dos Frunce/es era a stima ca-
bera da besta, ou di-Roma redobra ori$o.) El-
le adoptou a forma de ifoverno consular e to-
mn a aguia Romana por emblema, e sendo os
nutras res pagflo ez-se Igualmente panao, o
reonlieceu a Marte o dos da guerra [grandes
risadas.) Mas foi em breve levado ao raptlveiri)
por o dos de Israel, e Marte, o Dos que linha
adorado, deuou livrar-se desto embanco como
pdense [explosdoderiso.) Se a cmara mequi-
tif permittirque continu, dirci quo Roma
boje maislerrvol doque por a loba, vellia ama do Romulo e Remo [no-
ras gargalhadas '/< riso.) Chamao-me damnado,
mais ron (arel una ancdota de bom velho re
Jorge Terceiro, a quem os crteseos disiao que
N'elson eia d.imnado. S. M. respindeu: prasa
a Dos que elle morda alguna dos meus almi-
rantes [rito.] Dev icxpor a rninba opiniao acer-
ca do estado fucluro da igreja Aiilicaoa.
Uopniftda IransflKUraeio [comeco as risadas,
que contiudo por amitos minutos) aitendei bom
soque digo, e record i-vos da resposta dada
noite e passasso a obras. Mr. O'Oonnell di/ que ;ms Eicrlbas.- Ella vira logo e restabelecer tu-
n de pa/: pois en, Sr.. dlgo-vos, para do js(o |oi (|j,(, depo,s (li, degolacSo de S. Jo
conhecimemo do povo Ingles, que son bomom a-i Baptista nocas gargalhadas de riso). Esta!
deuucrra, e que em breve omeu .avallo beber I cert( quo Elias nao est longo. Vou diserdon-
;nedos nflela Idehadevii, e romo ha de vlr (rito).
alaunsque isto nao 6 con foi me *'s- opiniSo no mundo, conforme a qual n
i, euporemdigoquesearha em qual- a raca ,i0 igrae| decabio da -ac (or
gina da escriplura. Prove 6 cmara dos gr> disse Mandal-os-hel as libas w
DEM DO DIA 1G.
DiloAo Exm. Presidente da provincia ,
informando sobre o officio do commandanle .las
Armas, que acompanhava em que pedia se
dignaas mandar rollocar as janellas da enfer-
mara do hospital regianental as grades de fer-
ro, que se achavCo promptas afmde evitara
continuacBo da fuga dos soldados, que nao obs
lante o que ponderava o commissario fiscal do
ministerio da guerra na inlormacao que lam-
bem acompanhava julgava a despesa desta o-
bra comprehendida no crdito de 4:000.) rs
|iara as obras militares desta provincia, no cor-
rente anno financeiro.
nosanguedos nflela I de ha de vil, e romo ha de vlr (rito). Ha urna
nizem alguns que isto na8 6 con foi me A i*s- opiniao n.. mundo, conforme a qual nem toda
cnptuia, euporemdigoquesearha em qual- a raca de Israel decabio da -ac [ordem). o
quer pagina da escriplura. Prove cmara dos I gr. diss Mandal-os-hei As libas remotas e
communs que -S escomidos de Israel estavao pr,|amaro met nome As entes [riso).
nesie paiz,-e a elles que perlence Interpretar naa ||has Brltannicas, onde foi plantada a lre-
a palavra de Dos, lia na Inglaterra mifhoes deha protestante, que se acuario es'es Israelitas
leoesinhos prestes a serom gueireros. Ale ao redobra o riso). Quando a abominavao das a-
presente hei-me involvldo no habito da loucura, bominacoes, a emancipacSo catholica foi vota-
e com este disfarce bel sondado a cabrea dos nos-jdaporo parlamento, lord Eldon, guarda da
sos governantes, e nada Ihe achei; acabei com consolencia do re, disseque, se tal medida pas-
a loucura e sou testemunba viva do que diz sasse a |e se eclipsara o sol da Inglaterra. E
S. Paulo: c. Que a loucura de Dos o mais sa-
bia que a sabedoria dos homens.
l'icar-vos-hei obrigado por inserirdes esta
na veidade llevas horronisas esciirecem este sol;
mas, se se revoar a emancipacao, este sol bri-
ar mais gloriosamente que nunca. O poder
iu mesa, emarregaao uo eueuiuiuc uC ]',"'' #"
sil, para que na esculba a que estava proceden-
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando
em cumprimenio do despacho proferido no olli-
co do chefe do Milicia, que acompanhava ,
que o palacio da ridade de Olmda, aonde resi-
diao os antigos governadores, e a casa da guar-
da do mesmo, forao em 16 deSetembrode
1841 arrematados em basta publica aleo fin de
Setembro de 1844 por Vicente Ferreira Mari-
nho pelo prego annual de IOS rs. ; porem que
apesardeste arrematante ter logo recolbido ao
cofre a importancia da renda em letras, s li-
nha pago as vencidas at o ultimo de margo de
1842 por os desta. menlos que all tom exis-
tido haverem desde enlao tomado conla destes
predios desalojando assim o dito arrematante,
o que achando se portanto sem mais efleito esta
arrematacao nada se oppunha a que os mesmos
predios continuassem a servir de quarteis.
DitoAo mesmo Exm. Sr. dizendo que
nao julgando o commissario fiscal do ministe-
rio da guerra comprehendida no officio de 14
do coi rente que decidi as duv das, que oc-
corriao acerca das luzes dos corpns de guarda ,
a despesa da gratificado que s estava pagando
pelo arsenal de guerra ao servente Antonio Joan
de Dos e entrando tambern em duvida se .le
cidindo Ex. qued'ora em oanle as lu/es
do corpo da guarda principal erao gmente a*
que devia ter ocoipo da guarda edoazeite
resignado as instrucies do ministerio da
guerra, devia ter lugar o corrente nos ttulos de
41 e i quariho caadas de a/eiie de roco ,
que se ac bava de comprar com designa, ao
para a guarda de palacio julgava do seu de-
ver submetter a representaran que acompanha-
rarta. Podera confortar mais de hum coraga (]as trevas< m inesc wulo um amgo do orador
honesto. Os loncos podem escandalisar-se; pou- pegou-lhepor acornea, e obrigou-o aassentar-
o importa, que os leve o diabo WJW (a hilaridad? inextinyuird de todos
oslados da cmara.) (I*, dos P. no Porto.)
Discurso de Mr. Lae Fox, a qum V. O Con-
vel chama Lae fox (raposa magra), profe-
rido na sessdo de 'J dejunho na cmara dos
communs,
O motivo que'enho para expor acamara
asininhas opinloes acerca db estado actual da
Irlanda, o eslar firmemente convencido de
que a nossa gloriosa instituir.) protestante, na
qual o acto de 1829 abri tfio grande brecha
tanto lei oo Dos, como a que foi dada aos Is-
raelitas no monte Sina (riso). i minha opiniao,
e appello para as esciiptims. Sou deopinio,
como o iiiimslrodo interior, que esUoesgotados
os meios de conciliacao para com a Irlanda. O
un sino Christo diz que cumpria puchar da es-
pada para defender a igreja, e em mmlia opi-
niao 6 lempo de vir As mas f'rtso^. Christo ais-
se a seus discpulos: O que nao tiver espa-
da venda o sarco para comprar Giegou o
lempo de arrancar da espada. O profeta zalas
diz gargalhadas de riso) Eis-aqui meu servo,
a quem suslenho, meu eleito, em quem se a-
praz minha alma; puz meu espirito sobre elle;
juiso produsir as gentes. Nao clamar, nem
alear sua voz, nem fura ou vr sua voz as pra-
cas. A cana tillhada nao quebrantar, nema-
pagar o pavlo que Humea.
Ora bem; ha nestas libas Rritannicas algum
homem lo ignorante que enten.la que o pro-
I beta lallava dodia em que a Inglaterra havia
de sacudir o jugo de Roma com a revoluco de
1688? [toda a cmara entra as gargalhadas de
riso Sustento que eslas palavras se podem re-
ferir a outra cousa [redobra o riso .Jaque come"-
. ei. cumprc que diga cmara o que pens .le
Roma, e para istodevo chamara atlenco pri-
meira revoluc3 francesa, em que a Tranca in-
leira repudiou a religifio christa, depoisdoque
os soldad is tomar.) por conquistador o gene-
ral. Oeste homeii, laz-se inensn na escriplura,
como sendii urna das cabreas da besta do Apo-
calvpse, isto e. de Roma redobra o rito:. At-
liti.lei bem. Roma era a potencia qual a lia-
ran Israelita estava sujeita no lempo da viuda
do Salvador. [ / cmara ndo $> conlem A es-
INTERIOR.
i | it ti i i \,n. IJUC Vl||tju Kim MIS. no Ihante respeito dirigi o mesmo commissario | lempo da primeira pregaejio do evangelho. No
MARANHlO.
Relatorio que assembla legislativa do Ma-
ranhaoapresentou n dia se e de Setembro
de 1843 o Exm. Sr. Jernimo Martinia-
no Figueira de Mello, Presidente da mes-,
ma provincia.
Senhores Ulemhros da Assembla Legislativa
Provincial.
Cabenclo-me anda a fortuna de abrir vos-
sa segunda sessao legislativa depois do curto
espa.o de dous mezes decorridos do encerra-
mrnto da primeira nosquaes nem me ha si-
do possivel dar plena execuco a todas as lea
n'ella promulgadas poucos sao os tactos, que
possoapresentar ao vosso conhecimento e con-
sideraran. Entretanto obrigado a cumprir a lei,
cheiode ufana por ver-me entre os escolbidos
da provincia para tratnrem dos seus peculiares
nleresses, venho expor-vos o estado da mesma
provincia chamando entretanto a vossa atten-
c8o para o meu anterior relatorio.
Tranquillidaue publica, administracSo da
justifa e forfa publica.
A provincia, enhores, acba-se em perfeita
paz. e tranqiiillidade, gracas Providencia Di-
i na e ao bom senso dos Maranhcnses que
eonbcrem que s no regaco de Uo preciosos
bens pode augmentar-se a industria deaen-
volverHin-se as letras,aperfeicoarem-se as artes,
e firmarem-se os fundamentos do bem estar e
da felicidadepublica. As in.urses dos Indios
selvagens lem quasi iuteramente cessado de-
pois que liz marchar as eompanhi -s de Pedrestes
paia os municipios do (lodo, e Vianna. Pelo
mesmo motivo bao tambern diminuido os qui-
uiiiuv/s ni pi>.twa iu^iuus, fu iifs>es tugares
tem sido mais frequentes e perigosos e be de

i


esperar, que mais activamente si*o persegui-
dos coin a nova lei dos Cuardas Campestres.
A administrado da ustica marcha regular-
mente no cumprimenlo dos scus tao importan-
tes quo difliceis deveres, excepluailas asco-
marcas de PaSlOS Rons o Chapada, onde a falla
de hachareis lormados, (|ucoccupem os lugares
de juizes municipaes o de promotores o at
o de uiz de direito na primeira, nao pode dei-
xar de ter occasinado muitos erros na organi-
sauo dos processos entorpecido a aeco da
ju-lica e causado graves damnos aos particu-
lares que a demando. A distancia e agreste
de taes lugares. a ignorancia e hbitos da po-
puladlo, os diminuios ordenados, ludo cm urna
palavra arreda as pessoas habilitadas de procu-
rar emprego para taes comarcas e fal-as con-
siderar como proprias de desterrados
O corpo policial aclia-se no estado comple-
to, que I he* leo a h i provincial n. 149 de lo
de Jullio desle anno; emprega-'O exclusivamen-
te no ser vico que Ibe be destinado, lano nes-
ta capital como na enmarca do (uiman'es ,
para onde fiz destacar '21 pravas ; e nesse mister
continua a prestar hons servicus, que nao posso
dcixar de render-lhe aqui os devidos elogios
A diminuiao que esta (brea sorou no corren-
te anuo (inanceiro me impellio a diminuir i-
giialmcnle o numero de patrulhas e rondas, que
d antes se ulgaviio nocessarias a bem da segu-
ranca publica, e que, (ornando presenteem to-
dos os lugares a benfica acriio da polica pre-
vena desordens e rimes mais ou menos graves.
Segundo as informaeoes que me deriio o de-
zemhargador ebefe de polica, e o commandan-
te do corpo a forca de 132 praeas decretadas
para o referido anno he muito inferior As neces
sidauesdo servico e (leve ser elevada pelo me-
nos ao numero de 412 da crearlo principal-
mente devendo dar o destacamento da Guima-
res e de outras comarcas lalve/, alimdeque
a tiopa de 1 linha que nellas se achava ve
nhafaier nest* capital servico da guarnido,
que Ihe competo.Paroce-me por tanto da maior
necessid.nle que atlendais s ponderacoes de
taes empregados.
Pelo que respeita s guardas campestres, en-
viei ao ebefe de polica e as competentes au-
Ihwridades a no*a lei, que reformou essa parte
da forca social afim deque Ibedeem a devida
execucio, creando e dirigndo as esquadras em
que elli se divide. A experiencia mostrar se
oio ou nao fundadas as esperrteos que os
poderes provincaes concebero fazendo urna tal
lei ou se as previses do patriotismo nao pa-
sarao de urna triste Muslo por causa de algum
vicio radical, nimia nao investigado econbecido.
A guarda nacional continua a ter o mesmo
numero de corpos referido no meo anterior
relatorio ; mas o de seos officiaes ha diminuido
consideravelmcnle em vrtude de diversas reso-
luics da Presidencia, j redusindo a seis o
numero de companbias nos batalbes que ti-
nhiiooto, depois de estrellados os limites do
seo primeiro dislricto coin a crcacao de novos
corpo e os meios por tanta de terem guardas
.HuUicienles para as preencher, |h acabando com
ilous alteres cm cada coinpanbia quanilo esta
nao tmlia as praeas marcadas na le, a vista dos
mappasoue Ihe lorio presentes Esta dimnui-
cao porm eflecluou se sen. inutilisar as pro-
posias approxadas pelos meos antecessores ,
por quanto todos os individuos nellas contem-
plados omlino a tirar as suas patentes ; mas
ordenando-se que os olTiciaes excedentes passern
a occup.ir os postas vagos actcalmei te ou li-
quem adiados para enirarem as primeiras va-
gas que apparecorem por entender eu que
.era este o melbor meio de la/er sem abalo
nem oftensa dosdireiios adque idos urna das
uteis reformas deque nccesMta a guarda na-
cional oberada de officiaes desneeessarios. As
oraens que expodi a respeito da guarda nacio-
nal o deque tratei no meu relatorio passado,
surtiraoo desojado effeito. Por um lado a maior
parte dos officiaes tirar o as suas patentes ese
bao appruM'ntado com osseus uniformes: e por
outro os coronis chefes de legislo o os rom-
mandantes dos corpos tem feito revistas para se
inteirarem do seo respectivo estado dado maii
attenco ao cumprimenlo dos seos importantes
deveres, e curado satisfacer a expectacSo do go-
verno A Presidencia em lim se aclis um pomo
mais habilitada a acudir a guarda nacional com
adequudas providencias para leval-a ao melbor
p de disciplina e regulardade tirar de la a-
quellas vantagens que as leis tverp em vista
pudendo at appresentar-vos os dnus incluso-;
mappasde sua forca e do armamento que Ibe
tem sido distribuido quando apenas antes o
primeiro se limitou aos municipios da capital ,
Paco, e Vianna, e para o segundo nenhuns da-
dos existiao.
Releva aqui dizer-VOS Srs. que, tendo o
gov rno Imperial revolvido em Aviso de 19de
junho do correte que rom a guarda nacional
se nao li'es-i-m outras de-pesas, alm do ar-
mamento e instruccSes em rasSo de nao terem
outras rubricas, he chegado o lempo de ajudar-
des a Presidencia nos seos justos designios, mar-
cando um quantilativo para os suidos dos corne-
tas e clarins dos batalbes e mais corpos d'essa
patritica milicia como em outras provincias se
lia praticado at que as leis do orcamento ge-
ral ou o governo Imperial, a quem hoi repre-
sentado, bajio aborto o necessaro crdito para
lio importante despesa.
Culto religioso, InstrucQBo, Beneficencia pu-
blica Catheguese e cicilisacilo dos Indios.
Pelo que respeita ao culto publico refiro-me
ao meo anterior relatorio acrescentando que
forao postas concurso 8 freguesias que se
achio vagas, o que jinda assim conlinaro cor
muito lempo em rasiio da carencia de sacerdo-
tes que se moslrem habilitados para bem re-
gel-as resultando da interinidade dos que subs-
tiluem aos parochos nao pequeos males /i gro-
ja e ao estado. Tenho consignado a quanlia de
8:000.) reis para concert das matrises do Gui-
niares, Rosario, Tresidela e outras, a que
j i se havio marcado quantias nos annos ante-
riores.por me parecer conveniente antes conclu-
il-os nessas do que do passar a outros sem ac
bar nenhum.
Acha-se em execucio a lei provincial n. 118
de 11 de julho ultimo que decrelou algumas
alteracoes nocompromisso da Santa Casa da Mi
sericordia e aqu eumpre dizer-vos, que esso
pin eslabelecimento deve solfrer um grande des-
falque aos meios de valer a indigencia, em con-
sequenca de haver a lei do orcamento vigente
supprimido o subsidio destinado ao curativo dos
desgracados lasaros, que todas as anteriores ha-
viao marcado com mais ou menos generosida-
de e que por tanto parece-me de equidade ,
que reslahelecaes desde j essa consignacao e
a determinis para o (aturo anno financeiro.
Digo por equidade, e uo de justica porque es
Ion persuadido que as Casas de Misericordia
lano pelas leis como pelo lim de sua creado
e
isto obrigadas a sustentar e curar entes tao
irifeh/es e que ao governo somonte incumbe
um tal ilever (piando ellas nao exislem ou
nao tem fundos suficientes como agora a-
rontece.
Passando a tractar da vaccina parece-me, e-
nbores, que alguma economa se poderia lazer
suprimndo-so os respectivos lugares do escri-
vo, e agente, eencarregando-se tambem parte
deste servieo ao cirurgio mor do corpo de po
liria pois que o curativo dos educandos, que
Ihe pertence nao me parece bastante para oc-
upal o, o o das pravas d aqnelle corpo est es-
pecialmente encarregado aos facultativos do hos-
pital regiment!.
Reativamcnle a instruedo publica refiro-me
tambem ao anterior relatorio. Nfiomepareie
porm que deva subsistir a disposicio do ar
tiio25 da lei provincial n.' 152, que manda
suspender o provimenlo do todas as cadeirns de
primeiras letras, actualmente nao providas ,
pois alm de ser elle o meio, por que se pdem
divulgar osconbecimenlos primarios, deque
nenhum cidadfo deve carecer e que esl.lo ga
ranlidos pela Constituido do Imperio forao
taes cadi ras exigidas a vista de represen tacoes
dos povos o nao devem ser extinctas sem os
maiores fundamentos principalmente na*
villas epovoai fies principacs como agora est
ncontecendo com as de Pastos-Hons, Passagem
Franca e Riarhiio dignas sem duvida de
lodo o favor do governo provincial.
Nada tem occorrdoacerca da catbequese eci-
vilisacSo dos nossos indgenas alm do que an-
teriormente vos relale, se exceptuarmos a gra-
tifirado concedida ao interprete. Trabalha se
na conclusao da casa mandada construir pelo
meo antecessor para morada do missionaro da
Colonia, lendo-se j gasto com ella a quanlia
de reis 1:200 00(1, c sendo anda precisos uns
q na trocen tos mil res pouco mais ou menos.
' bnts publicas.
Km oulra occasiSo vos deolaroi que toncio-
navn mandar proceder novos exames na estra-
da denominada da Estiva afim de sa-
ber-se, se era possivel diminuir a sua extonsn ,
e a importancia das despesas oreadas pelo ma-
jor de engenbeiros Ferna.ido l.uiz Ferroiraem
1,000:800. reis no caso do ser (oda ella mac-
damisada na actual direcdo. Estes exames es-
tilo presentemente incumbidos ao major gra-
duado do mesmo corpo Jos Joaquim Rodrigues
Lopes que segundo me consta fra outr'ora
encarregado de abrir urna picada em linha rec-
ta desta cidade aquello lugar passando o Ta-
rnanco evisla delles decidiris oppor-
tunamente quai s das dreccoes se deve adoptar ,
e consignan is os fundos precisos para as obras
(b- rada sess.'o, cm que for dividida e quesuc-
cessjvamente se devao lazer.
Os concertos do caminho-grande forao
arrematados pelo ridadao Henrique Rosa Gui-
Ibon pela quantia de3:5788 res, tazendo-se
da provincial resultantes da demora das obras,
devem ser concluidos at o lim do marco do an-
no seguintc.
Na casa de correceo continao-se afazeras
obras, do quo necessita para se concluir a parte
arrematada pele' cidado Joaquim Manoel da
Cunha e que forao oreadas pelnengenheiro
incumbido dessa commisso em porto de res
7 0008000.
O arrematante da cadeia do Rrejo foi manda-
do demandar pelo thesouro publico provincial,
afim de entrar para osle com as quantias ja rece-
bidas, alienta a declarado por ello feita d-. nao
poder continuar essa obra sem novas prestaces;
mas esta minha ordem acha-so suspensa por se
haver o mesmo arrematante offerecido a fazer no-
vo contracto, e serem-mo necessarias n forma-
roes das authoridades d'aquella villa, quo j to-
rillo exigido para resolver se devo ou nao ac-
ccitar a ua proposta.
A cadeia de Alcntara deve continuar cmsua
construccao visto que o arrematante j rrco-
beoa quantia de 16:038.) reis, o n3o 14:000.)
reis como vos declarei no anterior relatorio .
e apenas tem empregado nos alicercesc no poco
a quanlia da 5:0608 reis, al 'm da cantara pa-
ra 25 portadas e do material quo o mesmo ar
rematante tem em deposito conforme as in-
formaces dadas ao erigenbeiro Joo Vito \ ei-
r da "-Iva e por este transmit idas a Presi-
dencia. Ni O sera portanto nocessario applicar
para osla obra os 8 contosde reis. que eonsig-
nastos na lei do orcamento vigente em quan
to se nao mostrar que o dinbeiro recebido se
acha applicado effectivamente em obras ou
pelo menos dous tercos d'ello ficando o res-
tante para os materiaes que se dizem prepa-
rados para ellas. Nestas ideas officiei ao arrema-
tante para continuar a construccao a que se
obrigou o quo tao reclamada he na comarca
de Alcntara, em bem da seguranca dos presos,
0 da administracao judiciaria o policial.
Para so dar principio construedo da cadeia
de Caxias que tambem he da maior urgencia.
onsignei 4:000.) reis no cor'renle anno finan-
ceiro. Esta obra ser continuada com mais ou
menos impulso segundo ossocconos pecunia-
rios que Ihe foiem dados nos annos seguintes.
Nao me descudaroi de principiar igualmente
is cadejos das outras comarcas apenas tenbaes
volado fundos snffi.ientes para as grandes des-
posas que ellas demando o para as quaes
nao pdem ser deslrahidos os consignados no
orcamento vigente atientas as applicacoes .
que Ibes forao dadas ; parecendo-me portanto
muito conveniente que augmentis desde j o
quantilativo votado para obras publicas afim
le que alguma cousa se faca em bem de taes co-
marcas, ( xcepluada a de \ ana. cuja cadeia es
i concluida, como vos annuncioi om outra oc-
casiiio. ( Conlinuar-se-ha. )
necessaria vigilancia que talvez em rasSode
distancia o poucas relacoes linha a cmara do
Ohnda pelo bem dos habitantes d'esta fre-
guezia outr'ora parte do seu municipio, a qual
por fortuna nossa pertence hojo ao municipio do
Recife.
O cuidado, o zelo o interesse e grando
actividade do novo fiscal no desempenho de suas
funecoes nos da toda a esperonca de melhora-
mento, e nos afianca o apret em que elle tem
o bem publico pelo quo te remos de ver em
pouco lempo os melhoramentos de que precisa
esta freguezia tanto mais porque sao estes os
nobres sentimentos dos benemritos vercado-
res da mesma cmara do Recife. Hl, emil
grabas rendamos cmara municipal do Reci-
fe pela acertada esoolha que fez.
Oueiro Srs. Redactores dar publicidade a
estas lindas para estimulo d'.quelles, que por
condeceodencias sempre prejudiciaes ao bem
publico sao negligentes no cumprimenlo do
seus deveres ficando a \ M.* por este avor
agradecido. O seu muito venerador o obrigado
D. C.
Vari criarle.
mmmm
Wl
PERNAMBUCO.
REPARTICAO DA POLICA.
Pela secretaria de polica d'esta provincia se
laz publico para conbecimento de quem con-
vier, que desde ndia27dnmez prximo pas
iado se acha recolhido cadeia d'esta cidade o
"reto de nome Jos escravo de Antonio Pe-
reira marador em Pajah de Flores pco
motivo Tostar fgido. Recife 5 do Outubro de
1843. F. de R. F. Cavalcanti de Albuquer-
que l.c amanuense.
B
iiiAiiio m kwm.
Ante-honleiu 3 do corrente, fo preso
noile em Fra-de-portas por urna patrulha de
ra va liara o Oxal condernnado prisao pelo
attentado commeltido na pessoa do Sr. Uoutor
Coelho i o que em principios do mol passado
se bavia escapado da cadeia d'esta cidade : na
occasio de ser conduzido tetra pois que
pretender fugir em urna canda indo o solda-
do que o perseguir receber a pistola que
dera guardar a um crilo, que all se acha-
va disparou-seesta no barulbo c ferio mor-
talrnenle na regio do peito o mesmo crilo ,
que falleceo no da seguinle. Esse pobre rapa/
era anda moco e bavia pertencdo ao corpo
do polica.
Correspondencia.
*
r
Srs. lledactores.
Morador da freguezia do Poco-da-Panel!a ,
n3o posso deixar do felicitar os meus compa-
rochianos pela boa esculla quo fizero os il-
lustres membros da cmara municipal do Reci-
fe do Sr. Pedro Jos Carneiro Monteiro ,
paia fiscal da mesma Iregueya quede-gra
a (Imnnuicao Ue 8008 res ao primeiro orca-
menlo, e conforme as condicoes offerecidas aos cadamente eslava no maior abandono nao so
licuantes, as quaes procure assegurar a exe- julo muila bonoma e pouca energa de quem
cossigao osito Juunanieniu quantias pdiuj cuvw do coniracto o cvilai' pit-juin fatoii- [cxcrcia o iugar do fiscai, tumo peia i'aila a
TO pontudo
O tio Pontudo j tem os seus cincnen'a o tan-
tos annos s cosas com ludo anda gasta mu
hons humores, Jovial o disidor. Citado iteran-
te a polica correccional poi crimo de mendici-
dade. ei?-aqui a sua resposta :
Sado o respeito a todos em geral e a cada
um em particular. Chamo-me Isodorio Jos Pon-
tudo para servir a VV. SS. Assim se citamava
tambem meu pai que Deas tem; c se eu estiver
vivo para o S. Trime quo ha de vir far enlao
5* annos que uso do mesmo nome o sempro
nao por me ganar) com muita honra conside-
rado e probidade.
O presidente o l'orem aecuso-vos do andar
((lindo e-molas pelas casas.
Pontudo Entrar em quaiquer casa que se-
a, com lano quo seja com pulidez o decencia,
parece-me que nao crimo. So disso quo me
aecusao, declaro quesou culpado: se accrescen-
ifio que o tenho futo para pedir csmola de-
claro que nao sou desses, ( neg todo.
O presidente Entretanto o fado que fus-
tes pedir csmola em Passy, o at no proprio
quartel da gendarmera, dirigindo-vosao com-
mandantc da guarda.
Pontudo Quo tal! Com que, se eu qui-
/esse commetter urna 8Cvao menos decente, ba-
via de ser to tolo que me fosse mettor as mos
dos proprios guardas da moral publica Nada,
nem to calvo quo se me vejo os milos.
O presidente Nao obstante isto, o fado 6
confirmado pelo proprio commandanto da guar-
da que aqui vedes.
Pontudo < Isto porque elle nao tem a hon-
ra de ser pedreiro-livre. Se ello podesse ganar-
se como eu, de ser rneinl.ro. ha 35 annos, da
veneranda loja dos mulos d'Harpocratas, por
certo quo nao teria commeltido tal parvoice.
O presidente Ento que tem que faser a
macollara com o vosso caso?
Puntudo Muito mais do que a primeira
vista pode suppr-se. Sr. presidente, parece
me quo tambem vos nao tendes a honra do fa-
ser parto na maconaria. Se a acacia vos fosso
um poui o condecida, nao ignorarieisque todos
os macoes espalhados pela superficie do univer-
so se devem reciprocamente auxilio, hospitali-
dade e soccorro. O caso que, tendo eu pergun-
lado a um homem de apparencia mui respeita-
vel, que ia passando e que ja tinba correspon-
dido ao signal fraternal que eu Ihe tinha feito,
se havia alguma luja na vlsinhanca, o tal ami-
go cuido que para faser mofa de mim indi-
cou-me o quartel da gendarmera real Entre!,
depois de ter batido as tres pancadas symbolicas,
que todos os vordadeiros filhos da lu conhecem
perfeitamento ; e como sou um pouco curto da
vista, vendo o pennachoamarello do agente da
forca publica enganei-me tomando-o pela deco-
racao d'um veneruvel.cadi sk do trigsimo ter-
coiro grao. Em consequencia disto, apresontei-
Ihe a mad para Ihe faser os toques do nosso ri-
to; porem o homem, quo profano nos ossus,.
nao pode perceber a cou.-a, o assontou quo eu
Ihe ,)cdia csmola! Eis-aqui como esta genio v
crimos em toda a parte.
O sargento da guarda, interrogado, faz urna
deelaraco iriteiramento dillerentedado necusa-
do;porem a expllcacio do to Puntudo tao enge-
nhosa, posto que inverosiml, quo nao ha mais
remedio que absolvel-o, vislo que seu lilhoo re-
dama, oque o tostemunhodo sargento da guar-
da singular.
O relogio de Strasburgo,
Nofim de oulubro deve ficar prompto e aca-
bado o famoso relogio da cathedral de Strashur-
go, especie de milagre da mechanica, em quo
de 4 annos a esta parte tem trahalhado com to-
da assiduidade possivel o macbinista Sihvvil-
gu, que passa em Franca pela primeira nota-
bilidaiieda .mu pro.ssao
Seto figuras devem apparecor successivamen
le no mostrador para indicar os dias da semana;
e a cada hora que for passando deve a figura do
da tomar dilTerente posicio. As quatro idades
do homem, representadas por um menino, uta
MFI MHP FYFMD


fwctn historiador mo
'' aba urna disertav'io sobre
.adolescente, um adultoe um velhi, vir ba-
ler por seu turno os quatro quartos; e o medo-
nho esqueleto da rnorte bater dcpois delles as
tioras
Ao meio dia virSos doze apostlos inclinar-
se succossivamente diante do seu divino mestre,
que depois Ibes lancara a boncao. O. ultimo da
companhia ser S. Pedro, como o mais gra-
duado de todos; porem no momento em que
elle vier diante do Hoinein-Doos, o Rallo collo-
cadonoaltodo zimborio bater tres veres as
azas, o outras tantasfar retiir com o seu can-
to aecusador asabi)badas ia cathedral. E aquel-
es que ouvirem o canto do elegante automato,
so lombraro das terriveis palavras do Releinp-
lor Ante-quam gallas canta ter me negabis.
Sirvo-lhes ellas de aviso, e onsinem-os aserem
firmes na f!
As necessidades dos habitantes de Pariz.
O Parisiense tem ao seu servico 797 sapatei-
ros, 36 fabricantes de buhares, 6 labncantes de
tacos de bilhar, 369 surradores e 29 cabellei-
reiros.
Se appetoce ver-se retratado em carcter de
sargento-morda (i nacional, nodo dos Marte,
no de Jupiter-Tonante; se quer que as delica-
das feic-Oes da sua doce melado sejo repcodusi-
das sob as de Miaa, de urna pastora ou do urna
Andalusa, oPaiisiense pode escolher entre 639
pintores.
Tem 19 cura-calosa seus pos; 1.587 mdicos
para vral-odos trabalhosda vida.
Se precisa refrigerar-se, 541 limonadeiros o
esperto.
Quer edificar urna casa 568 arrbitectos vio
levar-lites seus planos, construose a casa po-.{
voa-so, roas nao incombustivel; vaisel-o; nr 1
existem 19 companhias de seguro contra os ^
rendios?
A capital da Franca possue 8t3 comirn .fA%Q.
tesdevinho por junto, o 1478 vender" i^res d~
vinhnaquaitilhado, 168 toucinheiros cui.
cheiros, s!53 cnldelrefros, 252collegl os de me-
ninas pensionistas, 3 esfoladons f J(? fava|ins
17 fabricantes de cartas de jogar, tos. 41 esa.pinos onde se rece Mm ,unfj()SS().
bie bypolhecas o 40 veudedo- /es do .
lustro.
Nio darei grande import jnc,a fl m
goes; nao mencionare! 600- ^ g *
u ansense desdenhoso res da admimstiacao.
Um da e le aconla
ralista : escre
pena de unirte ou o seu manuscrito t 7i(J liU(Mros % m.n(|Um (|
um real por .lie ||ldS 0 Q(tm) (.sc.,|)lor ,,,
bater porta ,,,, 8( ty,,grapho< que niprimi.
rada obra se t,||e ^UUi.r iberas despesas.
Soadrtr mioando-o pouco a pouco abad
as torcas i l0 Parisiense elle pede que o condu-
zao a ui mas nrJ(, (jUt.r renunciar a gloria va i bater
porta, j0 algumas das 42 sociedades litt ra-
rias.
Pariz contem 726 fabricantes de joias 82
rnercadores de papis pintados 54 pintores de
carruagijns 6 depsitos de turfas ( bolas com-
bustive is que servem de carvSo ) 6 refinadores
de sal tro 4 vendedores de arca 17 fabrican-
tes d e mascara 232 parteires 27 gravadores
sobr e pedras linas 11 vendedores de sanguesu-
gas e 11 labricantesde rebiquo ( carmim ) ,
P ara o rosto.
Temos 31 fabricantes de miudezas de ouro
/also 38li tintureiros 9 fabril antes do al
vaiade 32 ditos de amiilo ( gommu para rou-
pa ) 956 rnercadores de modas.
394armazens de perfumes esto sempre a-
bertos e sntisfazem os mais delicados gostos
nc.te genero.
Sabemos os nomes e as moradas de 1,866
especieiros mas nao nos lisongeamos de co-
nhecer a todos. Nao omittiremos 7o cbocola-
teiros.
Queris apresenlar-vos vestida no ultimo
gosto Sen hora ? A nossa boa cidade possue 633
modistas. Precisis do urna fita de primoroso
valor, para com ella cingir a dclicadiuha cin-
tura ? Aiiui tendes estes carios queensinio as
floradas de 228 rnercadores ou fabricantes de
fitas; 18 fabricantes de graca dispulio a pre-
ferencia de fornecer-vos o vestido que haveis de
levar esta noiteao baile.
E' para o Parisiense que sem sahir do cen
tro da cidade se encontrlo 22 fabricantes de
objectos tecidos com omina elstica 841 lu-
veiros 26 fabricantes de legues, 198 fahri
cantes ile pianos 119 lapidarios 29 talla-
dores do crvslaes 1 fabrica de rouros imper-
meaveis, 416 floristas, 336 fabricantes ou
vendedores do chapeo de chuva que at os tem
capaces de arrotarem os mais rijos tufos e
pancad is d agoa Para o vestir, elle tem 936
alfaiates ; so quer mandar pregar um annuncio
as esquinas da capital tem 11 emprezas a
que se pode dirigir ; se Ihe da na cabeca subir
em um balo e descer con pira-quedas, dousj
aeroporistas Ihe vendern ou alagars aers-
tatos de lodos os feitios de todas as capaci-
dades a ga/ hydrogeneo
m 5
cas e neste numero urna piscina para os
Israelitas. ( Moniteur Parisin. )
[P. dos Pobres no Porto.)
COMMERCJO.
Alfandcga,
correte mez 4 e 11 do futuro para selractar1 Anna Conf.ivina Marinha de Paiva viuva de>
dos ajustes. Sala dassesses da administra! o alanos! do Paiva, sobre urna casa terrea sita
do patrimonio dos orlaos 23 de setembro de em Fura -de-portas, por isso que sendo o dito
1843. J. M. da Cruz escripturario. Manoel de Paiva tcstamenleiro dosogrodoan-
Companhiadefeberib:. nunciante morreu sem dar contas do sua tos-
= Convida-se a todas as pessoas livres o 'lamentara em virtude ilo que pissa a ser
cativas, que quizerem trahalhar por jornal i,: competentemente embargada a referida casa ,
se engajarem nos trahalhos do encanamento das e para que ningucm se chame o engao faz o
ngoas ; os pertendenles se podera entender no ; prsenle.
Rendimento do dia 4.......... 4:69485141 ^ec*"B cot" Sr. Angelo Francisco Carneiro j Aluga-sc urna casa no Montciro na carrei-
Descarregao Kojt 6.
Barca Columbas fazondas, ferragons f
loaca Mblio, e manteiga.
PTI "" STrn frro' e -Ja.
Patacho --Aurora-Mo, azeite,
uvas
passas ,
ma;as, sehollas, e albos.
IXPORTACAO.
er.cuna americana vinda de Bel-
no con ente mez consignada a
Eurotas ,
bit entrada
J. Knvj ma, ,
de glo ,
com cu
no .Montciro com o Sr. Francisco Sergio de I ra que foi do fallecido Domingos Rodrigues do
Mattos.
Avisos marilimos.
P doUboasde pinho, 40 toneladas
10 barra com hunha de porco, 1 caixa
:ur' eirasd algibeira : O^dem.
_f if ovimenlo do Porto.
Navios entrados no dia 4.
Barcelona, por Malaga ; 37 das, sumaca has-
panhola /furora de 6 toneladas, capitn
Gabriel Sanjam, equipagem 9, carga vinho,
azeite doce, e mais gneros : a N. O. Bieber
' Companhia.
Marselha por Genova e Cette com 35 dias do
ultimo porto, brigue sardo Frederico, de
171 toneladas, capilSo Joo Benuit Bodoou,
equipagem 14, carga vinho, azeite doce,
larinha de trigo e mais gneros ; a Manoel
Joaquim Mamse silva.
I.iveipool ; 34 li.is, barca inpleza Columbus ,
de 320 toneladas, capltao Dariel Green, e-
quipagem 20 carga la/ondas : a Me. Cal-
mont&C."
Navios sabidos no mesmo dia.
Para Liverpool seguo viagem a veleira bit-
ca ingle/a Colum/ms capitn Daniel Grun ,
deve sabir nesles lOou \> das, e so recebe pas-
sageiros, para os quaes tem os nielhores com-
modos pnssi\eis.
Para o HaranhO segu viagem con; toda
a brevidade por ter parte de seu carrcganienlo a
bordo o bem conbecido brigue-escuna Caro-
lina ; quem n elle qui/er carregar ou ir de
passagem entenda-se com o oapitio o pratico ,
ou com Manoel Duarto Rodrigues na ra do
Trapiche n. 26.
=Para o Aracatysicat o fim docorrente mez
o bem conbecido veleiro patacho nacional lau-
rentina Prasileira, forradoe pregado de cobre,
quem no mesmo quizer carregar, ou ir de as
sngem, para o que tem excedentescommodos ,
dirija-se ao sen propietario l.ourenco Jos das
Noves na ra da Ou/ doRecife n. 6i ou
ao capilfio Antonio Germano das Noves.
Le loes.
Me. C'lmont&C. ferio leilao, por in-
lerveiK ao do rnrretor Oliveira de tuna por-
rio de carnudos ingle/es, novos de quatro e
de duas rodas nlguns com robera e nutrns
sem ella .- e cabriols com as competentes lan-
ternas, carrejos, podendo-se assegurar, que
BSlescarnudos sao bem construidos e fortes,
e do molas tao elsticas, e superiores, como tal
Liverpool; brigue ingle/. Cicely, capillo W.m v,,z n'esta pracaTiao lenhao sido importados al
Coj car aalgodao e assuear.
\ngola ; brigue bra/ileiro V. Manoel, capitao
Manoel Simoes carga diversos gneros.
noje ; sexta (eir 13 do coi rente es 10 horas dx
manha no seu armazem na praca do Corpo
Sanio n. 11.
Mussill Mellors Jf cnnlinuarao por
intervemao do correlor Oliveira o seu leilao
de blendas ingle/as as mais proprias deste mer-
cado ; sexta feira 6 do correle s 10 horas da
O lllm. Sr- inspector da llu-souraria das ron- manha, no seu armazem na ra da Cfldeif,
EtiHaes.
las provinciaes manila fa/er pulilico que por
nao terern appareciilo licitantes arrematacao
dos reparos da ponte de (Joianna annunciada
para odia 22 docorrente, ir novamente
nraca no dia 10 de Outubro correle pelo
proco e sob as clausulas especiaos ja pu-
blicadas. Secretaria da thesouraria das ren-
das provinciaes de Pernambuco 23 de vetembro
le 18 W. O secretario l.uii da Costa Por-
to-Carreiro.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria das
rendas provinciaes manda fazer publico que
por nao teiem apparecido licitantes a arremata-
cao da reedificacao da estrada de Joao de Marros
no lugar daramha de S. Joao annunciada
para o dia 30 do passado, ir novamente a pra-
ca no dia 10 do corrente, pelo preco e sob as
clausulas especiaos publicadas pelo Otario de
25 de selembro.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes de Pernambuco 2 de outubro de 1843.
O secretario ,
Luiz da Costa Porto-Carreiro.
=: l.eilao. que pertende fazer M Calmont &
C lena-feira 10 do corrente, de 15 barris
com carne de porco muilo superior no caes da
Passo a qual be a 3 '. e lein 2 boas salas 3
quartos grandes. cosinha fura oslribiiria para
2ca\allos. quintal murado e porto he para
o banbo ; quvn aprctender dirija se ao atier-
ro da Moa-*i-la laja de Na venda da esquina da na Imperial n.
2 precisarse de um caxeiro que enlenda da
dita : em a mesma iendem-se una canoa com
mais ile (iO palmos de comprido dous raixoes
envidracadoS'proprios para amostra de venda ,
e uni par da esporas de prata com mais de moia
libra l;ido por barato preco.'
A luga se um casa terrea no fim da ra do
Cotovello junto ao porto da olaria do Cor-
reira (em um sollo duas salas, dous quar-
tos. e coz i n ha lora quintal e cacimba, e pin-
tada He novo ; na ra do Cabug, loja de miu-
de.as junto ao Randoira.
= Eugenia Teixeia de Moura. viuvade
Crispim Gomes de Moura, fazscienle atodos os
oradores de seu marido que est procedendo a
inventario do hen do seu casal, jior o carto-
riodo escrivo de Orfos desta Lidade ; por-
tento os meamos crodores apresentem suas cun-
tas legalisadas no praso de 30 dias cornados da
'lata deste aviso.
j^SOCfEDADE
^Iltt-MAMITICA
alfandega.
Avisos diversos.
giif
Declaracoes.
A'dministraco do patrimonio dos orfos.
Tendo sido decidido pelo tribunal do the-
>ouro publico nacional por aviso de 5 de agosto
ultimo a questao que penda entre a adminis-
trado do patrimonio dos orlaos, e Goncalo Jos
da Costa e S acerca do arrondamento do arma
'om,queo mesmo Costa e fizera construir no
quintal da casa n.23 na ra da Madre de Dos: a
mesma administracao manda fa/er publico, que
peranle ella se bao de arrematar nos dias 27 do
corrento mez. 4, e 11 do luturo a quem mais der
as rendas do dito arma/em : e por isso convida
as pessoas, que so propozerem a arrematar a
mesmas rondas a comparecercm na casa de suas
scsses nos indicados dias as 4 horas da tarde
com seus fiadores. Sala das sessoes da adminis
traco do patrimonio dos orfos 23 de setembro
de 1843. J. M. da Cruz, escripturario.
= A adminislraeao do patrimonio dosorfaos
tendo de mandar proceder a reedificacao da casa
n. i no largo do Hospital lo Paiai/o c da de
nmeros dn.t bilhetes inteiros que fiearSo par
conta da sarfidade de qualorse socios que se
obrigaro aftear />"/ sua conta com ns bilhe-
tes da lotera ilus Memorias Histricas
nao se vendessem,
Bilhetes inteiros 336.
38*, 38.'), 386, .187, 388, 389, 390, 391, 392,
393, 394,395,396, 397,398, 399,400, 3140,
3139,3138,3137,3136, 3135,3134,3133,3132,
3130, 3129, .1Il>7, .-lliii;, 3039, :UM, :t0:t7, 3036i
3035,3034, 3033,3032,3031, 3030, :t()-i!>, :\0-2H,
'1027, :M-2C, 1479, 1529, 1530,733,638,2899,
1526,1525,1524, 1523, 1522, 1521, lS, 1483,
1182, 1181, 1180, 2100, 2399, 2398, 2397, 2396,
2395, 2394, 2392, 2391, 2390,2389, 1900, l),
1898, 1897, 1896, 1895, 1894, 1893, 1892, 1891,
1890, 1889, 287, 2ss, 289, 2(10, 291, 292, 293,
294, 295, 296, 298, 299, 300, 381, 382, 383,
."ilis, :>i7, 566, .')(;.>, ."ilii, .")<:t, 562,561, 630,
627, 626, 1067, IOi.X, 1069, 1071, 216, 215,
212, 1374, 1373, 1372, 1381, 1380, 2685, 2684,
2683, :t !<;.'), 3164, 3163, 3162, 3161, 3160, 3159,
3158, 3157, 3156, 3064, 3063, 3062, 3061,3060,
3059, 3058, 3057,3056, 3055,2786,2785,2784,
O primeiio secretario avisa jos Srs. Socios
la mesma que boje pelas seis o moia horas
da larde haverA sessao da cominissfto adminis-
trativa ; e os Sr*s. que tiverem de sedei suas ca-
deiras para a recita d'amanba hajao de com-
parecer para dar suas proposlas.
=Contnua-se, na ra do Rangel n. 34 a
tirar pasaportes para dentro e lora do Impe-
rio, e lolhas corridas com toda a presteza e a m-
modidade.
Quem precisar de urna mulber de boa con-
duda para ama de casa de bomem solteiro ,
ou de pouca familia djrija-se ra do Cal-
deirciro n. 6.
Aluga-se um segundo andar sotao na
na da Cruz n. 37 com commodos para pe-
quena familia : a tralar na venda por baixo do
mesmo.
Manoel I'erreira Ramos declara ao pu-
blico que os 410.0(10 rs que entrou com
ellos para a thesouria provincial .orno se vA
annunciado no Diario de 5 do corrente fal-
tou-lho declarar, que foi siibscripco volunta-
ria que fizerao aquellos cidados da comarca
do lrejo para odillicaio de una casa de cor-
recSo.
lotera den. s. do uymamento.
As rodas desta loteria aodiio infallivelmente
no dia 9 do noveinbro do corrente armo e os
bilhetes acbSo-se a venda nos lugares docostu-
me.
= Alugao-so 3 moiadas de casas com mui-
lo bons commodos, no sitio do Cajueiro, para
so passara bsta ou por anno com estriba -
ria junto ao rio Capibaribe ; e um sitio na
passagem da Magdalena com sobrado; traa-
se no sitio do Cajueiro.
= Joao Francisco de Vasconcellos retira so
para fra do Impeli levando em sua compa-
nhia sua mulber, o urna sobrinos menor.
== Ouem precisar de urna ama livro ecom
muito boni leile; dirija-se a ra do Collegio n.
16 segundo andar.
Quem preci/ar de um rapa/ brasileiro pa-
2783, 1507, 1506, 1505, 1504, 727, I (>, 1461,,
1159, 1458, 1157, l !56 1155, L154, 1160, 2375,! ra ,onwr ron,n (lt' l8'in,a escriturado de lo|a,
2372, 2371,2370, 2369, 2818, 1051, 1052, 1055, "" ,lt' ulro lualquer negoci e tambeni se
li).")(i, 1057, 1058, 1060, 1064,100:!, 1062, 1043.' propde a cobrar dividas neta praca ; dinja-sca
2802, 2801, 2S07, 2815, 2816, 344, 339, 338,
337,336, 622,624, 623, 574, :.7:t, 572, 571,
570,569, 2736,2738,2739, 2710, 2782, 218,
217, 1385, 1383,1382,2884,1400, 255, 254,
253,252, 251,250, 248, 247 720 721 722 J "como ou,m 1oa, 723,724,308,728,725, 729, 7:t2, I(i2.'|(i..,' w,uJer I or mem -le eslabelccm cnto ; e no
1044, 161, 162, ii, M)\;,, :u:,-2y 3012, 7^' 169, 468, 467, 466, 465, 1")ls, 1511, |.">l(t, i camas e mesas lano de jogo como para meio
1509, 1508, 302, 303, 301. 320, 319," 318, (17, sala commoilas ton dores e duas boas ca-
316, 315,314,313, 312, 311, 22."), 221, 223, deirinhas de ra, urna rica cama com seus col-
rua do Coluvollo n.8j.
= No armazem da ra Nova n. 67 conti-
nua-se a receber movis tantos novos com usa-
n. 38 na ra do Torres do bairro do Recife .
o ar ratificado ; convida as pessoas, que se quizeiein por monos
basta-I ho fallar/ e 106 estabelecimeotos de eocarregar das mesmas reedificaedos a con pare
, ii* ...^ ,-----1 !. nnrmn no *lo Clinc eocenos nn 'I'
ilJQUOS puwuv;w i Cliauaw uds UU uiiwwj mwhw-| v........- ------------..........
2,22, 221, 220, 219, 77.'), 1442, 1289, 692, 579.
580,575,485,2894,559, 634, 180, 583,584,
478, 549, 3119 3124 3022, 306, 305, I04J,
73.'), :lll, 3017, 3018, 3023, 3024, 2781, 277!),
2385,2318,2879,779,499, 1370, 1201,1443,
1036, 1033, 1032. 1030. 1029, 1028.
1037
1027, 1026, 102:., 1024, 184, 1398, 1395, 1392^
1394, 1391, 1389, 1387, 202, 204, 210, 209,
208, 207,20(i, 1038 I")t.
Joaquim Pereira Arantes faz scienle ao
roenoi f 1.1 nu Kl ca
)7 -l .
xes, e outros m ni los objectos que a vista
dos compradores serio patentes, por preco com-
modo.
= Aluga-se um andar da casa n. 1 no be-
co largo : a fallar na venda da esquina da mes-
ma casa.
= L'rn Portugei chogadodo Porto na Marta
Feliz deseja fallar com Antonio Coutinho de
Azevedo natural do Rio-tinto da
mesma
.... [-.., nnv uiuguvKi .v,..,v vviui vi^auo uo lorio aDouucie sua morada,
i ap FMrnMTRAnn


VE1TCH, BRAVO &C"
Vendem na sua botica e armazem de drogas,
na ra da Madre de Dos i> 1.
A prepararlo seguinle por preco jnuilo com
modo e de superior qualidade.
Magnesia Ponderosa de Henry.
Este medicamento gosa das mesrnas vinlu -
tes que a Magnesia calcinada ; porem conhe-
co-se que seus efleilossao muito mais enr-
gicos em raziio do grande estado de pureza
em que se acha porcujo principio he muito
menor a quantidade precisa para produzir os
efleitos descjados.
Na mesma casa tambem se vendem tintas,
e todos os outros objectos de pintura ; vernizes
de superior qualidade entre clles um peri-
tamente branco, e que se pode applicar so-
bre a pintura mais delicada sera que produ-
za altcraco alguma em sua cor primitiva. Ar-
row-Root de Bermuda,Sagt, Sabonetes, -
Saho de Windsor. Agua deSeidlitz, Agua
de Soda,Agua de Seliz,Limonada gasoza ,
'finta superior para ese rever,Tinta para
marcar roupa,Perfumaras ingle/as,Fun-
\, das elsticas do patente,Escovas e pos pata
dentes ,Pastilhas de muriato de moiphinn ,
e ipecacuanha, P.istbas finissimas de hor
tela-pimenta Pastilhas de bicarbonato de
soda egimrjbre. As vrdadeiras pilotas te-
. gctaes universaes do D.r Rrandrelh vindas
de seu author nos Estados-Unidos, &c &c.
= Avisa-seas pessoas, que tem penhores
do ouro ou prata na loja de calcado da praea da
Independencia n. 83 hajode ir resgatar no
praso de 8 das do contrario sera o vendidos ,
e para que se nao chamem a ignorancia se fu/
o presente annuncio; os penhores h jan-so no
atterrro da Boa-vista n. 24, loja de Joaquim
Jos Pe reir.
= A pessoa que annunciou no dia 4 do
passado ter em seu poder urna escrava qucira
ter a bondade de ver se tem os signaes seguin-
tes cabra de nomo Anna, zarolba as (no-
minas dos olbos brancacentas dentes podres ,
o outros arrancados espaduas bracos c cor-
po grossos. peitos pequeos e escorridos es-
qua da barriga tem nos bracos urnas pintas,
que parocem sarampo tem no lornozelo do p
esquerdo da parte de fura urna cicatriz do gom-
ma que repucha o dedo mnimo de 25 an-
nos levou 2 vestidos, um aiul com dores
amarellas e nutro de chita branca com flores
rouxas sendo que tenha estes signaes quei-
ra leval-a a ra do Rangcl n. 34, ou annun-
cie sua morada que ser gratificada.
Aluga-se a casa nova n. 10 sita na ra
da Aurora com escolenles commodos para
duas familias ; as*im como a casa terrea sita na
Estancia com duas salas 4 quartos e cozi-
nha fra ; os pretendentcs dirijo se a ra do
Crespo em casa do Bento Jos da Silva Maga-
Iht-s n. 11.
lloje ((); be a ultima praca a porta do
Sr, Dr. Juiz do Civel da primeira vara das
duas parles da casa do sobrado e sotao, em chaos
propr os sita na ra larga do Ro/ario n. 48 ,
onde mora Joao .Manoel Rodrigues Vaienca ,
no valor de 4:500$ rs a rei|uerimenlo de Jo-
s Caetano Farges, e Martiniano Jos Pascoal
Aluga-se o primeiro e -segundo andar do
sobrado do Braga na ra da Sonzala velha ,
contiguo a destilar.) juntos ou separados ;
a tratar no terceiro andar do mesmo.
Na ra do Queimadon. 6 exislem cartas
para Jos da Silva Matta Manoel Morera da
Silva e Manoel da ilva.
= Precisa-se de dous rapazes Portuguezes ,
ate 10 annos de idade ebegados de pouro ,
que sai bao ler, e contar para caixeiros de lojas,
um no Rio Grande do Norte, outro em Macei,
obrigando-se seus paltes que agora os con-
duzirem a reenvial-os para esta prava a sua
custa sendo que nao se dem bem ; atratar na
ra do Cabug n. 16
OSnr. Antonio dos Santos Siqueira ,
queira annunciar a sua morada para se tra-
tar negocio de seu interesse.
Aluga-so urna casa torrea em S. Anna ,
poranno, ou para se passar a festa por pre-
eo commodo : na ra doCjueim'do, loja n. 4.
Aluga-se por lempo de festa a casa ter
rea no lugar do Montero confronte aooilao
da Capella de S. Panteleo com commodos
suflicientes : na ra do Queimado n. 11.
= Quem annunciou precisar de 6008 rs. a
premio, dirija-se a ra Bella n. 29.
Oflerece-se um rapaz para caixeiro de
loja de fazendas ou miudezas ; quem preci-
sar annuncie.
= Precisa-se alugar um moleque ou oe-
grinha de lOannos para cima, que soja fiel,
para servico maneiro ; no atierro da Boa-vista
oja de Salles & Chaves ou na ra da Cadea,
loja de chapeos n 46.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado da
ra do Quoimado por cima da botica : a fal-
lar na mesma.
bilhete n. 665 da primeira parte da
Pernambuco pertence a Jos Felis da Cma-
ra Pimentel efica em podor do F. da Silva
Lisboa.
Aluga-se urna estribara para 4 cavados:
na ra da Sen/ala velha n. 24 que foi do Dr.
Inglez.
O abaixo assignado, lendo no Diario n.
194 de 9 de Setembro o annuncio que faz o
procurador de Francisco Manoel da Silva Tava-
res acerca do sitio da Torre que Ihe foi hy-
pothecado na forma declarada no mesmo an-
nuncio tem a responder que be verdade
quanto declara o annunciante ; mas ho mister,
que o respcitavel publico tambem saiba, que se
o abaixo assignado fez a sohredita venda foi
porassentimento vocal do hypothecado seu cre-
dor a quem depois dando parte da venda e
querendo entregar-lhe as lettras que Ihe pas-
sou o comprador nao Ih'as quiz receber re-
provando nao ter sido a venda a moeda ; a ven-
da eslava ja celebrada com todas as formalida-
des lgaos eentao pareca improprio ao abai-
xo assignado desfazel a pelos meios compelen
les. O resultado todava reverteo em des-
favor do abaixo assignado que anda hojo es-
t por indemnisar de mais de dous coritos de
rcis do urna lettra que se Ihe deo de Louren-
<-o Cavalcanti de Albuquerque irmao do com-
prador alm do outro pagamento aue nao
fez ale hoje o dito comprador, por cumulo de
males do abaixo assignado que nao exita em
todo tempo quo queira o seu credor su ge i -
tar a mesma hypotheca ou entregar outras
propriedades que tem neste termo de Cim-
bros a sua divida e propriedades de mais va-
lor, posto que distante da capital em com
paraeaoao sitio vendido, que servia tao s
mente de patrimonio de quantos qucro des-
frutal-o, com gados e madeiras para lenha e
creas; alm disto a ruina da casa ja mulo
antiga ofTerecia desmoronamento a nao ser
reparada de prompto quo por esta causa o
de nao havor riuem o arrendasse foi que o sou
rodo o nao quiz accetar em pagamento da
hypotheca. quandoso Ihe ofTereeeo apesarde
estar hypothecado por menos, do quocuslara ao
abaixo assignado que entao ja hava de mais
dado a seu credor algum dinbeiro por conta.
Eisnhi poisa razao quo houve para o pro-
andar de manfaia ot as 9 horas e das 3 da I e cozinho ; urna negrinha de nacSo de H
tarde emdianle. 'annos, com principios de coz.nha ; na ra
= Vendem-scsorvelescom toda a limpesa ; Direta n. 3. primeiro andar,
no patio da 8. Cruz U 14 primeiro andar, Vende-se mante.ga deporeo a 100 a |-
danuo principiosabbado 7 do corrrente das bra ecevada nova por preco commodo; no
4 horas da tardo em diantc. armacem defronte de escad.nha da Alfandega ,
Vende-se urna commoda de mogno com de Das Ferreira. M
estante, 12cadeiras envernisadas tudo com = Vende-se a obra intitulada Diccionario
muito pouco uso c preco commado: no atierro Apostlico de Montargon 15 v. .cabos do
da Boa-vista loja de Salles & Chaves. cairo de di Atan tes hillas, em grandes e po-
= Vende-se um negro crioulo de 30 annos, qaeoas porces: na rufl da >cnzala velha ar-
para fra da provincia : na ra da Cadea, loja mazem n. 1
eeilimento do abaixo assignado, que ohrou
com loda a confianea cboa f om virtudc do
ass.'nlimonlo quo Ihe deo seu credor. Leo-
nardo fezerra de Sequeira Cavalcanlt.
CJuem tiver para alugar um negro ou
negra para f.izer o servico do urna casa dirja-
se a ra de Domingos Piros n. 20.
Sociedade Eu ler pina.
Hojo hatera eunio da commissao admi-
nistrativa pelas 6 horas da tarde.
as Precisa-se de 2 contos de res dando-so
de hypotheca um sobrado novo de um andar .
om chaos proprios, em urna das rnclhoros ras
do barro de S. Antonio; quem qui/.er dar an-
nuncie.
= Precisa-ss de quatro contos de res a
premio d.mdo-se de hypotheca um sobrado
de dous andares o sotao em chaos proprios .
eaja quantia para pagar urna hypotheca, a que
o mesmo sobrado est ohrgado ; ou tamhcm
se vendo; o sobrado ho om urna das molhoros
ras do hairode S. Antonio ; quem quizor dar
annuncio.
Da-se 50$ a premio com firmas ou pe-
nhores ; na ra do Nogueira n. 27.
Compras
as Compra-se o primeiro tomo da recrea-
i.ao philosophica ; na ra do Cabug n. 16.
= Comprao-se e vendem-se escravos de am-
bos os sexos, de 14 a 20 annos; e tambem se
rocobom escravos para se vendorem, pagando
se tao somonte a commissao : na ra velha
n. 111.
Vendas
V-. Vendem-se dous mappas contendo as
costas cabos, ilhas &c. de todo o Globo ,
para uzo dos martimos; tralado de reduecao das
distancias observadas no calculo de longitudo
por F. P. Travasso ; rotero dos mares, costas,
c. do Brasil ; tratado pralico do aparelho dos
navios ; taboas de logarithmos por Callct; e
urnas taboas reque/ilas de Norie : quem preci-
sar procure na loja da viuva do Burgos na ra
do Livramento n. 1 onde tambem se dir
por baixo do corretor Olivera.
Vendem-se sorvetes: no botequim da
ra dos CHiarteis das 5 horas as 9 da tarde.
Vende-se um venda com poucos fundos,
no principio da ra Imperial n. 75, propria
para homem solteiro em ra/.o da casa nao
ter commodos paga de aluguel 4000 rs. men-
saes.e vende 8000 rs. diarios; a tratar na
mesma ra n. 53.
Vende-so urna porcao pequea de rolos
iIj pao d'arco proprios para raios de carrocas,
e mesmo de carrinhos, ou para obras de tor-
neiros : na ra do Coelho n. 11.
Vendem-se liacas de vimes do I'orto para
arcos de pipas c harris a 100 rs. caui urna ;
no Rccilo beco do Concslves n. 8.
ss Vende se Jacaranda superior chegido do
Rio de Janeiro podras de marmore redondas
para mezas de mcio de sala, de muito hom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palhinba camas de vento
com armaco marquesas, so fas mezas de
jantar earnas de vento mui bem feitas a 4500,
ditas de pinbo a 3500, assim como outros inul-
tos trastes ; pinho da Suecia com 3 pollegadas
de grnssura dito serrado dito americano dr
difieren tes larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinho e barriles ; na ra da
Florentina em casa de J. Beranger n. 14.
ss Vende-se urna boa preta muito moca ,
que lava, engomma ecozinha; na ra No-
va armazem n. 07.
= Vendem-se selins inslezM elsticos, mui
frescos, com os perlences modernos chicotes
de cana de esta lo mantas de onca espadas
pratoadas e de ac e todos os perlences do
offiial do guarda nacional galao enlre-fino
de muito boa qualidade dourados muito finos
para barretinas e outros muitos objectos
por proco mais commodo do que em oulra
qualqucr parte ; na ra Nova loja de scleiro
n 5.
= Vende se potassa da Russia em pequeos
barris por proco commodo : na ra da Cruz
o. 5.
Vendem se 250 otavas do prata em dous
pares de esporas novas de correte um par de
ivollas de suspenso ios e o resto em prata
velha ; quem pretender annuncie.
Vende-se urna escrava de meia idade .
de nacSo Costa boa quitandera c faz todo
o servico de urna casa: na ra da Gloria n. 62
- \endo-seuma negrinha de 12 annos,
ptima para todo o servico do urna casa e com
habilidades : em Frarde-portas n. 82.
Vende-se um par de fivellas para padre',
um dito para suspensorios 4 clices para me-
sa duas salvas, urna duzia do colheres de
soupa urna dita grande para tirar soupa um
titulo para o Snr. Cruxificado um resplandor,
urna coroa urna bandoira para Menino Dos ,
um arnlicario para pescoco urna armaco pa-
ra oculos tndode prata, urna caixa de mu-
sica que loca lando-se corda urna campa-
inha de metal branco com figura no cabo urna
balanca de pesar ouro urna dita para d aman-
tes ; as Cmco-ponlas n. 55.
Vende-se nos Arrumbados um grande
sortimento de caibros de muito boas qualidades,
de 30 palmos de comprido encbameis de
20, 30, e 36 palmos maos travessas de 25 e
30 palmos de comprido e reforcadas, tra-
vos de 32 e 34 e palmo e coito tudo madei-
ra superior a preco commodo.
V ende-se panno fino cor do vinho escuro,
e verde invisivel a 2^40 o covado ; na loja da
esquina que vira para a ra do Quoimado.
Vendem-se charutos da Havana de su-
perior qualidade ; em casa de J. O. Elster na
ra do Trapiche n. 19.
Vende-se urna escrava de linda figura ,
de nacao Nagou de 20 annos engomma e
cozinha : na ra do Queimado loja de Anto-
nio Jos Perera.
= Vendem-se 2500 tijolos de alvenaria
grossa ; 68 otavas de prata velha ; duas ca-
mas de condur para homem solteiro ; alguns
a Hiles de ouro com podras de hom gosto, pa-
ra senhora ; oa ra da Cadeia de S. Antonio,
Yende se muito bon? panno de algod3o
da trra em graodes e pequeas porces a
220 rs. a vara : oa ra do Crespo n. s3.
as Vende-se urna veoda em CMiodo, na ra
do Amparo o. 6 com poucos fundos, a casa
he muito barata e tem bons commodos para
familia vende-se por seu dono retirar-so para
fra do Imperio; a tratar na mesma.
= Vende-so macass perola a 400, e de
oleo a 200 rs. rehique a 80 rs. o papel, phos-
[ihoros do ponte a 60 rs. o massinho dito em
caixinhaa40 is. banha em boios a 160,
rucias do todas as qualidades, e pretas para
homem e senhora chapeos de palhinba para
meninos rap do Rio e de Meuron varias
qualidades de espiritos agoa de colonia al-
finelos linos e grossos papel de peso e almaco,
caixinbas de lamparinas para 0 me/es a lOa
caixa, facas de 12 a 16 pollegadas, ditas de
sapateiro chapeos de sol de panninho sus-
pensorios do burracba e outras muitas miu-
Je as por preco commodo ; na ra do Queiina-
do n. 24.
Vende-se por preco commodo a casa ter-
rea n. 22 delronlo da Igreja da Solidado em
chaos proprios com duas salas, duas cuma-
rinhas.tozinhalra, e quintal; na ra da !\ladre
de Dos n. 7.
Vondc-se urna negra do 32 annos co-
zinha lava, c vende na ra: na ra das Cru-
/es n. 41, primeiro andar.
ss Vende-se um terreno com 110 palmos de
largura, e 600 de fundo, que vu ateo rio,
com casa do telha cacimba de pedra e cal, no
lugar denominado Baixa-verde estrada da
Capunga ; na ra da Cruz do Recife o. 28
ss. \endem-se bulos o cafeteiras de metal
para cha bacas de rame, eandictros, es-
crivaninhas e perfumadores de lato espo-
ras de mola para salto de botins, prelas e bran-
cas bridas de para (uzo de camba torta Sur-
tidas chegadas ltimamente do Porto; na
ra Nova loja de erragens n. 41.
= No deposito d'agoa de Antonio Das da
Silva Cardial na ra da Praia por ira/ du Ri-
bera ns. >5 e 17 das 6 horas da manhaa at
as 8 da noute vende se agoa pura da bica do
Monleiro a preeo do 30 rs. o caneco e para
as casas conhecidas se empresta o caneco.
Escravos fugidos.
quem da ledes de escripturacao e contftbeli
dade commercial, de Algebra, e Geometra.
= Vende-se urna carraca nova, com todos{armazem n. 19.
os seus perlences para cavado por preco com-| Vende-se urna escrava de nac5o muilo
modo : na ra Velha n. 111, j Loa co/.iiiheira : na ra Nova n. 4i seguorio
ss Veode-se no botequim ao p do theatro, andar,
muito hom sorvele e com muito aceio das I = Vende-se bolaxa boa para vendas a 3200
4 horas da tarde em diante. a arroba ; na ra Direta padaria n. 38.
ss Vende-se um moleque com Drincinios I : Vendem-se dass sgstifif is 2s?So, iu-
uoica lotera a wm memorias histricas de j de cozinha ; oa ra da Penha n, 5, primeiro I cas, com bonitas figuras, cosem, engomma,
Na noute do dia 28 do passado ugio da
casa de Manoel Duarte Rodrigues, ra do
Trapiche n. 26, um cscravo pardo de nome Sil-
vestre do 28 annos, alio, cabellos corridos,
sem ponta do barba pertencente a Jos Pedro
-Mafra, do Maranhao que o rcmetteo para
est<. cidade para ser vendido ; quem o pegar le-
ve a dita casa que ser recompensado.
Fugio no dia 9 de Setembro do anno
passado um mulatinho de nome Jacob de 13
annos sem ponta de barba cabellos bons o
cachiados cor natural, com urna marca tama-
nho do um botao na maca do rosto reforja-
do do corpo muito esperto quando falla en-
gole algumas palavras suppe-se ter ido para
as partes de Una aonde foi criado (engonh
Morimou Camorim ) ou paiao Cabo engenho
liba do Estevao por quem foi vendido para
esta cidade ; quem o pegar leve a ra do Fogo
ao pedo Roza rio n. 8, que receber 1008 rs.
de gratificar o.
s= No da 4 do corrente desappareceo um
moleque do gento de nome Guilherme al-
to secco do corpo pomas muito finas ps
grandes olhos bastante vivos andava ven-
dendo azoilu levou flandres e medidas, calcas
o camisa de algodao grosso americano, jul-
ga-se ler sido furtado por nao ter vicios
oem vado ; quem o pegar leve a ra do
Crespo a Manoel Comes Viegas, quo ser
recompensado.
Desappareceo no dia 27 do p. p. um
pretode nomo Luiz de naio Cabund de
18 annos cor bem preta. Tost redondo, olhos
um pouco pequeos e amarelacos mais gros-
so que secco altura regular levou vestido
calcas e camisa de estopa, e oulra camisa de
ba(Maoncannd.i a ..!h ; quemo pegar !c-e
a ra da Cadeia n. 51 a seu Sur. Manoel Joa-
quim Seve que ser gratificado.
Ruin: na Typ. dbM. F. db Fama.=1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZPYSVKDC_8QD8BF INGEST_TIME 2013-04-12T21:59:29Z PACKAGE AA00011611_04293
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES