Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04292


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A lino Je 1845.
Quinta Fera 5
e energa: con-
ate*. ^ ""*"' *""* o* .d-ir.,.a.. entre .. N.cW, ..
-----^1_____________( frocUB^ao d. Aiseablei. O.r.1 do Buni.)
*. P.f.RI?4S DOS CORREIS TERRESTRES.
CU,, -,inlu.,n K, For.u,,,,; yrln C.W, M.e.io, Al.-os, no i>
Bos >iMi. t lores i le 2*.
Santo \nlio quintas fer Olfnda lodos os di.
2 es. .. L*0.le..rio B Aud. do J de D. d. 2 ,
3 laaj, s. Cni.do M Re. Aud do J de d 3 t.
4 Vutrl. (Ampo M. Aud do J. de I), d. 1. *.
D V.nt. Ciritini *. Aad do J. de D. d i>. T.
6 -> .. Bruno Fundidor Aud do J de ti da 2 r
7 <'. .Maros P. K.l. And do J. de D. di 1 .'
8 M.. O Palrocinio d= S Jote.
21.
le O itubro
Anno XIX. IV. 214.
CmiioN. da 4 de Oulubro.
CaaibioaobraLondraa ?5.
Jr Pim3r<3 seis por franoo.
v' LisWilOporlOd.prssiio.
ooapri
Ouso-Afued. d. ,400 y. 46.WU
N. 16,60j
d. 4,000 *,-m
, PlATA-Plt.o.,1 1,9.0
M.,edi d. oobi. 2 por cenlo. Potos CjBSUSHI 1,'Jl
I PHASES DA LUAlxfj MEZ DE OUTUBRO.
mira i,!.ii 5oorM el C m. di m
srt cic, 4 30, .<"> da m.
Preamat de hale,
| '.' mu 31 ;b f!a tar.V
renda,
I700
i6,800
9,40t,
'.,940
i,l'4o
1,S4(|
Lu Cheis i 8, a 8 huras e 57 da manh II.ua
Quirt. ming. u 16, lis II orase 30 e. d> m. I oar
1. i 2 boris s fl rs. di msnhas.
PARTE
overno da Provincia.
EXPEDIENTE I)E 27 DO PASSADO.
Oficio Aoeommandanie das arma, ordo-
rundo, que mande desliar do balalhaCdestara-
do, depois de substituidos po, oulros dos cor-
pos da guarda nacional, que per lencero, o se-
gundo sargento Manoel Ignai io Bizerra. e os -sol-
dados Manuel dos Santos, e Joaquim Lopes da
Silva.
Dito Ao mesmo declarando em respos-
ta aoseu olTicio de trinta e uin de agosto ulti-
mo e para que o faca constar ao i-omman-
dante interino da torta lesa do Brum, 1. que, se-
gundo se acha determinado no artigo 2. do'rc-
guiainento da polica do porto de 10 do fovorei-
ro de 1837, o ancoradouro da qiiaiontena he o
das Lamiiihas para a paile do leste; segundo
que O artigo 17 do regulainenlo das inspoecdos
-desade pode ser convenientemei.te executaao,
sem todava se obstar, que os pralieos da barra
vaflbotdo dos navios, que entraren), prohi-
bindo-os de vir a tetra antes de ser a embatca-
cao visitada pela r-ade, e declarada em livre
pratica Offieiou-se respeito ao inspector do
arsenal oe iiidrinha, ao da lliesouraria da la-
senda, e ao proveaorda sade.
Circular Do secretario da provincia s c-
maras munitipaesdo Retire, Goiaflfia, Bto-tor-
moso, cridado da Victoria, remetiendo ejem-
plares do peridico mensal publicado na corte
pela Mciedade Auxiliadora da industria nacci i-
nal, perioticenles aus muzos de maio ejunho
deste anuo.
da sua nobresa perante o o auditor de zuerra, o
paisano ChristovaGuilherme Brenckfler Jni-
or que pretende servir no exercilo como ca-
dete.
Dilo __ Ao mesmo, remettendo-lhe urna rela-
caodas pravas, que passarao a elTectivas do ba-
lalnao provisorio de S. Paulo, para que exami-
narse, se ellas perlencera ao seu batalhao. o
ao terceiro, que Ihe servio de casco, devendo no
caso de alTirmativa passar-lhes guias.e remllel-
as a secretaria militar.
Dito Aocommandanto do batalhao desta-
cado, mandando excluir do mesmo na datado
I. deste mei (seembro), o guarda Joo Pache-
co, que por doente, tora mandado, na cotnar-
>a de Nazaret. onde eslava destacado para a
cusa (le seus puentes com o fim de traclar-se.
Dito Ao rom mandante do Forte do flal-
b. disendo-lhe que nao convinha a desriplina
do batalhao, que-0 soldado seo impedido 80
ronservasso etTectivamenti destacado, e nesta
tnlelligenciu devia pscolbor mensalmenle no
destacamento um soldado para tal inister.
Cinular Aoscornmandantes de lortalesas,
ordenaitdo-lhes, queomappa dosartigos bel-
licos devia, a contar do 1. de outubro (presen-
fe ser enviado nos das 1. de Janeiro, abril,
jullio, e outubro de cada anno.
participando-lhe, quo parta render o desta-
camento da polica, um outm do batalhao de
infantariu de guardas nacionaes destacado, e
que a esto destacamento houvesse de juntar I
corneta que ficava ad.lido ao dito balalhaS,
e por elle perceberia osseus vencimentos.
titos Aos subdelegados das fregueslai dos
AITogados, e Poco da Panetla, dlsendo-lhes, que
des'acamentos de igual torca aos retirados para
agrando parada do dia 7 de setembro. iad ser-
Ihes apresentados.com o fim defaserem oservi-
co da polica.
Dito Ao commandante do batalhao de in-
tantarla de guardas nacionaes destacado, dan-
do-Ideas convenientes ordens, para faser par-
tir a BOUS deslinos os destacamentos cima men-
cionados, e prevenindo que cada umdellesse
abonarla nicamente uma luz, quesera tirada
do arsenal pelo batalhao.
Portara Mandando excluir com guia para
o corpo a quedantes perlenria, o guara Joafl
riburcio Nuncs Soaro-, do batalhao de infanta-
ria do guardas naehmaes destacado, por ser o
animo de sua indigente familia, e haver servi-
do por malfl de um anno.
dem do da 18.
Olicio Ao Btm. Presidente, participando-
quadrn Manoel foaqum de Deos.e sollado Ma-
noel Vicente, ambos d i batdlhad de infanlaria
de guard is nacionaes destacado.
Dita Mandando dar baita aos cabos de es-
quadra do balalhad segund > d artilbaria a p6
Manoel Antonio da ConcoicaO Selmstia > Jos
do Espirito Santo, e soldados Ignacio Ferrein,
e Mi noel Jos por toiein linallsado o lempo a
que erad abrigados a servir como recrulados o
I., 2., e4 o voluntario o 3.
E/
XTEtloa.
Com malicio an Armas.
EXPEDIEME DE 13 DO PASSADO.
Officfo Ao K\m. Prosidenle, enviando Ihe
os mappasde numero I a 3. que em virtude de
ordena fuiperiaos devem de ser inonsalmente re-
mtttidos a secretaria de estado dos negocios da
guerra.
Dito Aocommandanto do batalhao de in-
fanlaria de guardas nacionaes destacado, doler'
minundo-lheom Bolucofi aoseu ollicio de l,
que conservasso preso a disposicnd da respecti-
tiva autoriuado civil, o guarda Manoel Quures-
ma, que eslava em processo na delegatura dos-
ta cidade.
Dito Ao commandante do batalhao do arti-
lharia, remettendo-lhe os assentamentos do pra-
cado invalido Amonio da Cruz, extrahidos pe-
la contabilidad militar, aiim de que a vista del-
les, edosqueexislissem no batalhao, Iho pas-
susse com urgencia a f u'oilicio, que devia sor
eocauinliadu aoconselho supremo militar.
Portara Mandando dar baixa ao soldado
da le.ceira companlna do segundo batalhao de
rtilliaria Luis Kerreira de l'aiva, por ter lina-
Usado o seu engajamento.
Dita Mandando parigual motivo dar baixa
aos cabos de eaquadra 1'edro de Alcntara, Jos
Themotoo de Mallos, e JoaO Damasio Cacalcan-
i, da companlna de ai tilicos.
DEM DO DIA 14.
Oficio Ao Exm. Presidente, acerca dos
destacamentos, que o batalhao de infantaifa do
guardas nacionaes destacado tem de dar para as
coman as, e que lora r lirados pi roccasiaoda
grande parada do aoniversario da independen-
cia.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., enviando-lhe
dous recrutas recebidosdo chele de polica inte-
rino, para quo Ihes desse conveniente destino,
a vista das ailegacoeS de isompcao que em seu
favor apiescntarao, e que fu rao mencitiiaaas.
DitoAo chele do polica interino, disen-
do-lhe, que os desertores mencionados no seu
ollicio de 12, f>rao rectlhidos ao batalia de
artilbaria a que peitenciao.
Dito Ao mesmo, procurando saber o resul-
tado do processo a quo se procedeu pela fuga do
preso O.xala, o so o soldado Francisco (ionios
da Silva eslava implicado, se b ni que nenhuma
culpabilidade ihe poda caber, por nao catar en-
tregue do preso, e ser a pnsa aborta per uibein
do carceroiro.
ISlo Ao commandante do balalhad de arti-
lbaria, tommunicando-lho, quio tinlia Hornea-
do, ao major fiscal Sergio leituliano Castello-
branco, e aos capilaes bastos, e Sant'Anna, pa-
ra vogaes do conselho do direccao, que no dia
lo, tinba decouhecer ua juslilkacu quo deu
--------------------. .ww.w, tu, idilio ij/inniu-
Dito Ao director do^arsenal de guerra, pa- (,ue as ruin',s (|a casa de residencia do aju-
ra que normossc sobr as pretenyoos de' Do- ,,,l(' d'' rur,a,,'su do brum augmentarlo CoB-
ntingos Gomes HfM, e de Francisca Joaquina Sl,,'ruvel,"ui'-' no invern deste anuo, a ponto
Candida de Paula, ouvindoaos meslres das of- ,,,f.(ll,ii,bi"1" porte do Lelo, e ameacar o res-
ciiins respectivos,emquanbi a rapacidade pro- imminente peiigo a qunm neila houvcr dj
eccionaldo primeiro, e do tlho da segunda. Pwmanecer, aloiii do grande prejuiso, que sof
Portara Momeando o conselho de direccao 'a,." f',:,en<,a publica, e o servicoc.im a perda
que tinha de tomar conhocimento da justifica- ded,flc,e eoirsoguinlomente de tres rmaseos
cao de nobresa do paisano B enckfier, que per- co,,ocados Por baixodo mesmo, visto qujaa a-
tende assentar praca docadoie no batalhao de ?U?? Pa8san(l> o soalbo va dopositar-se 008 re-
tende assentar praya do cadeie no batalhao de f" passanuoo soallio va dopoa
artilbaria. lerioos annasens, um delles oceupado com ar-
Dita Mandando dar haixa ao soldado da l.'""s b,'lll,uS> (; ponaerando-lho a necessidade
quaita eompanhia do batalhao de artilbaria Va-
'*........"rrdr" "a Si"d-"'"............Iu,d0' r < ^^XZSJSZSZZ
ESTADnS-UMDoS.
Mminit r,ir,, rfu justica criminal.
Tan-fa mu triste por ceno a de ser obriga-
,0i,,rul,',r"m.....ultra oi sobre a ineificacia
aaadininislravaodas no ra a suppressad e prevencao de urimea quo es-
candalisio os melbores sentiineatos da nossa na-
lorcsa. De todas as paites da Un iad recebemos
diariamente noticias da perpetrado de olTensas
que iippnliao da maneira a mnis poder.sa para
os n. ssos sentimenlos de uslica e lodignaCao,
guase todas as f.lhas quo Im vemos por troca
" elerein sed iludes, vioiencias, m res, assassi-
jiatos perpetrados com circuinstanciasaggravan-
bMi de naturesa partieu'ar. Cm chammejanlo
rubor as fcces aciesrenlamos que a noticia da
absdvicado criminoso vom quaso sompre a
par da per|>eliacad do dlieto.
Triste cmdico 6 esta, na verdade. Repeti-
di,s w'sl's b......s n.s tocado o alarmo nos ouvl-
dos d.: todos os que leem ak-uma venoraca pa-
ra com o seu pait, ou pela observancia d'uma
justa, c recta adminstraca da nossa legislacad
criminal; mas parece que so alguma terrivele
t.'inpoa que eslava obrlgado a si rvir pelo ,.,
tu Manoel Carneiro de Albuquerque La
DitaMandando dar baixa a ,s so; |
dbiosao d psito, Ignacio Manoel, o Can
Thomaz de Aquino, por terem c
segunda vei os seu engajamentos.
a. lunontodoseudever. Temos aqu do dia em

imenlo
DEM do da 15.
.' Ro
que trouxe.....ranhac
liinaniente, 'o logando-1

i
I Vi
re liu ra ul-J
houvesse de passar
othcio Aochefode polica inleiino. rein- uasordoiis Iliesourarid para sor aconta satis- .i.,-, .,.,.,
indn-lhf>fi rHr.nitii LuisThon.iri.wi.. tiK..n.... faita jusii^d i terna.
-'....,.v txr im >" til. |"'l" MI IM-'-'iiiIf, I(;||| --1.IU.I
viando-lheorecruta LuisThenorio de Albuquer- fjita.
que Mello, porque a vista dos pareceres que Ihe Dito Ao mesmo Exm. Sr., communican-
enviavados facultativos que o inspeccionaras, do-lhe que a sua ordein de 13 do corren te (se-
ad estava habilitado para o servico do exercito,! tembro;, mandando que a guarda principal
e ponderando-lhe, que pelo regulamonto de 8 tosse a do palacio, eaque assim so denomina-
de maio desto anno as remessas dos recrutas j va, a da tltosouraria, ficava cumprida.
deviao ser foitas directamente a Presidencia, a DitoAo director do arsenal de guerra, com-
quem llcava compctmdo o conhecimento das "unicando-lne o exposto no ollicio cima, o
isenpcdes. disendo-lhe que s devia l'ornecer urna luz pa-
Dito Ao commandante do balalhad do ar- ra a guarda principal outr'ora do palacio do go-
lilharia, dando-lhe o esclarecimento que pedia veruo.
em seu ollicio desta data, acerca do novo enga- Dito Ao chefe de polica interino, partici-
jamento do cabo do esquadra Vicente Alberto pando-lhe em resposla ao seu ollicio de 14, que
l'oxoto. os recrutas Domingos Fernandos Vianna Jnior,
DEM do da 16. e Alexandre Cosme Damiad, lorad enviados ao
OlBcio AoExm. Presidente, dando-lhe as Exm. Sr. Presidente, para Ibes dar conveiien-
inlormavoes exigidas pelo conselho supremo mi-I le destino, visto ser o primeiro menor de 17 an-
idar em portara de o de julho ultimo, a respei- DOS, o 0 segundo por ser o nico arrimo do sua
(o do invalido Antonio da Cruz, o cabo de 08- n' viuva o de urna irmaa, Dad Obstante ter
quadra Juvenal tiualberto, proposto ao govor-' mais qualro irmaos, desies dous cazados, un
no imperial para reforma. com praca no corpo do polica, c outro no exer-
DitoAo mesmo Exm. Sr instando por cito do Sul.
urna providencia qualquer sobre o lornecimen- | DitoAo delegado do tormo do Nazareth, ac-
to d'agoa, e vassouras as foililicacdes aim de cusando o recebimeiito do desertor do balalhad
evilarem-se as l'requentes duvidas suscitadas, el de uiliilaria de guardas nacionaes destacado
. lo biulaes violadores da innocencia e vir-
nilabsolvidos, lepis do sentencas de
inif io de crueis seductores da illba-
e;.lleicio utra v,z com a socljdade hu-
mana < nein um brado, notn um grito univer-
sal de lastima ede horror sobe al os ouvidos da
SK
que tem redundado na morosidade do pagamen-
to das quanlias, quo os respectivos co ntnan-
rJanlestein por sua cunta despendido com simi- i-'do, scientilicando-o do valor do algumas pe-
Bernardo Jos Alvo.
Dito Ao commandante do balalhad desta-
llantes tornecime dos.
DiloAo director do arsenal de guerra, com-
munii ando-ldequeo majipa dos attigos belli-
cos devia do ser enviado no 1. dos meses Janei-
ro, abril, julho, e outubro de cala anno, sen-
do a primeira remossa f'eta no I. do viudouro
mez oulubro).
Dilo Ao inspector da thesouraria, acensan-
do o rocebimento dos assentamentos de praca do
invalido Antonio da Cruz; rospondendo as ob-
jcci.des feitas pelo commissario Wscal do minis-
terioda guerta sobre o passamento de taes as-
senlos, esfgindo as les d'oihoit s dos oliciacs
reloimados pedidas pela reparlicao da guerra
no anno passado; assnn como a do mojor VI-
anna,queiinha de substituir a que se Ihe passou.
e loi remellida a aquella reparlicao contendo
inoxactiddes.
Dito Ao delegado do termo de Nazareth,
llavera anda justca entro nos? Ou estar
para sempreemmudecidaa vindicta remunera-
tiva da injuriada e alTrontada humanidade? Te-
r ella com effeito chegado a tal ponto que a
repblica favorita dos lempos modernos seja
destinada a apresentar ultrajada humanidade
o medonho espectculo de crimes da mais ne-ra
edr impenitentes o impunes? Havemos anda
de augmentar inlelicdade pecuniaria, o ru-
bro o eterno pojo da infamia moral com toda a
maldictasublimdadc de satnica degradacad!
Nado permita Dos! "
Nao, nos depositamos mais coniancana hu-
manidade. Ainda nad desesperamos da ultima
regeneracj.0 da nossa especie. Anda nao esta-
mos disposlos faser o pa, el ,ie vis blasfemas
da nossa naturesa, de eriardo divina o impri-
mir ocumio da cierna imia sobre o sonso
COmmumdo genero liuin
Por toda a estancad da nossa trra se manl-
esta u ni espirito de indigoacad e de v inganca que
brevemente restaurar a supremaca da justica
o das leis. N"S nad consentiremos mais que os
nossos honestos o clamorosos concidados se-
jao morios tiro como caes as nossas ras pu-
blicas. Nao consentiremos mais que as nossas
i,ms, flihas eesposas dos nossos coiacdesse-
jao sacrificadas no aliar da concupiscencia,
lem-se ja despertado entro nsum espirito de
vingaddiajusitca que percorrer lodos os au-
gulos da letra e lar recahir a elBcacia e mages-
tade das nossas insittuicdes livtes sooro as ca-
bocas de todos aquelles que ousarem auieacar-
nos pelos seus iuiquos feitos do violencia e
sanguc.
(Do Wtkly Herald do Io de julho )
? FMrnixiTRAnn
cas do Tardamente fabricadas pelo arsenal de
guerra, alim de quepodessea.untar acontado
que Hcara a dover o soldado Pacheco.
Portara Ao commandante da eompanhia
decavallarta, mandando desligar com guia do
passagom para o batalhao do arltlharia, o sol-
dado Augusto Jos Leopoldo.
Dita Aocominandaiiledo batalhao do arli-
Ibaria, auiorisando-o a recebor o soldado acuna
ineiii ioiiaao.
Uitis- Mandando excluir com guiado passa-
gom paia a companlna do artille*, o cabo de es-
JUadra^do balatha ao a.l,.b-rl- Vicente A,b,r- .Secrtlogia de Amm Curaeiro df Cm,
Dita Ao commandante da eompanhia de MerguIkOo.
artlleos, aulorisando o recebimonio do cabo de Onde quer quo appareca a virtude, ella me-
esquadra cima mencionado. rere os nossos applausos os nossos raaOtflM
^- ..muuno exciutr com guia^ para os toda a nossa veneraco. 1 ilha do Leo "a vtr-
corpos a que dantos perloucia o cabo de es-1 lude nao carece das d.st.nccdes socaos, wm ^


mister do bolico do mundo para cxercitar a
sua benfica influencia o umitas ve/es tem o
seu tlieatro no mesmo retiro no scio da fami-
lia na vula privada. Tal era a mulhcr forte ,
a (]iiein tantos louvores IriUutflo as sagradas pa-
ginas: tal loi sein mais prembulos D. Auna
Conleiro de Caryalho Mergulho! Naseeo no
Biejo da Madre de lieos em o mez de Junho du
1801, era lilha legitima dejoo Alvcs Mer-
gulho e del). rsula Mara dos Pra/ercs.
Foi educada nesta cidade do Recito e casou
coin o lente roronel Antonio francisco Cor-
deiro de Carvalho de qoem tova nove fillios,
o faileceu a 11) do Ouluhro do 1812.
Nunca houve espo/.a mais Gel, mai mais ter-
na e carinlio/.a amiga mais constante ncm
jmilher mais piedo/a e cheia de ruiidnde. A
sui molestia o ImnestnUde a la/.iao respeitar
races de quantos a freqnentaviio ; a sua henefi-
cencia llii- grangeava a nflt'iojlti de todos os ne-
cesitados e a sun sincera devocfjo a constitua
um,. senhora verdaderamente chri-t. Qual foi
o pobre, que sahisso desvalido e descontente
da rasa de D Auna Conleiro? Qual o aflicto,
que nio encontraste nella palavras Je consola-
co e de paciencia corista" ? Qual de ous que-
ridos flhos achou nella desabr ment, e im-
prudencias ? Qual a amiga, que nella nao de-
arassn rom um semillante rsonhn e agueiro .
Uto coraco sincero, franco, e delicadamente
genero/o? Qual a possoa de seu prximo que
nao livisse n'ella um esjielho de piedi d, e fer-
vor religio'n, e um excmplar de tola- as vir-
tudes enralas ? Anda na flor e liril 10 de seus
annos era admiravel o seu despre/o I ihih
pas, e va dadas do mundo; e, sendo ab atada
de bens da fortuna quando ia casa de Dos ,
appresentava se coin tanto simnlicidade e cha-
neca de vestuario, que u todos espantara e
edifiMva. Os pobres, os nre/os. todos os infe-
11zes er.io os seus segundos nlbos, a quem aor-
corria rom man l'beral e sempre cnm goslo.
Que ternura e n sins nflcicoet Que nll'ibilida-
de em sua< palivras; que chanega em seu trato ;
que lnne/a em suas amizadcs !
Masall! parece, que a trra nao era a Iia-
bilacao propria du una alma ifio pura tan e-
levada e lao pomo mundana O < eo a con
vidavu ; o < o a quera para si; o ('en final-
mente arrancou-a do mein dos vvenles e na
inelTavel mancan dos justos fui ser galardonla
de tantas virtudes! A -na unirle parecen lima
calamulide publica. Os pobres gemino e ex-
clamaban : Ja nao temos mais mai. Os pre-
so* chorao duendo : Perdemos a valedor*
besen* a que nos mit.va a fume. As amigas
soluuiviin rom a infausta pepla da melhor ami -
ga. Os filliis ab quem pnder exprimir a
fui dor na perda da mellior dns mais? Quem
poden signlirar a intensa maitoa de seu espo-
so que perder para sempre tiio amavel lao
benigna lao fiel, e extremosa coinponheir i ? !
A religiiio santa vem em nosso soccorro Rila
nos diz que essa alma tao cheia de virtudes, go'a
dos inelTaveis pra/eres da visfto benfica e la
existe aroubada na contemplaran do Summo
Bem para cuja acquisieao tanto fizera neste
mundo passageiro : mas quem poder delir de
nossos corseos a saudade quem apagar de
nossa memoria a lembranea de D. Anna Cor-
deiro de Carvalho MergulbSo /
Caras cimas de 18o amavel senliora. receliei
um* lacrima sentida c o- derradeiro adeos de
qua..tos vos ronbecOrao o aniro, como a vossa
Baudosa c fiel amiga
l). (lura Caralcanti d'AIuquerque.
Vari od a do.
AUDIENCIA COlUlF.r.MN L I) > DU 9 DE
JUKU0.
SettBo de julgamenlo do remend Malheiu
//niotio
Muili' antes da boia da ses-ao eslava a sala
da Hoa Hora cheia de experta ores que atr.dt ra
a grande reputarlo do rev rendo padre mestre
Malheu*. O Sr. Res t VasronceUo ocrunava
acadeira deuis eo Sr. bouta Alrima de
delegado. E defensor do reo o Sr. Ferreira du
Cunha.
Todas as alten,Oes se concentran na figura
que all entra nem alto nem baixo ta-
bello ('eclesisticamente rapado sua apparen-
cia de frade excepto o normal rubor; qu m
tantos papis tem representado so Ihe fallava o
de macha-lemea ; vinha de casaca preta mas
capole de mulher.
Extrairo-se os nomes dos dore jurados ;
leu-sn o proeesH) e passou-se BO interrogato-
rio das lerteuiiinhas.
1." Antonio Ferreira da Si Ira Eu r vi
aquellesenhor mais de carriohentai veces pre-
gar dizer missa e confessar na Encarnacao.
Kra um gosto ver como sua reverendissima ia
2.a Augusto Feliciano da Silva. Saliera
V. S. que eu sou sancrista de N S da En-
carnadlo para servir V. S. o perianto em
virtudc do meu mister conheco o melro desde
que veiu nossa igreja pela primeira vez. O
maganao vinha de batina c barrete de clrigo,
e coin urna cara que nem que fora um verda-
deiro patriareba. Foi lerc'o padre prior, e 101-
butiu-lheque era um frade ou um pmgresso,
ou como riles ah Ihe cbamo e que entilo
vinha ajudal-0 na quaresnia por ser lempo tor-
mentoso. O homein dizia missa como quulquer,
roufessava ia ao sarrario buscar quantas hos-
tias Ihe pareca e'dava de coinnungar. C
estou eu que Ibe ajudei missa sera dar nunca
pela cousa ; s me queria parecer (|ue o latim
d "este reverendo era a modo que arrevesado e
urna vez por eu andar desconfiado ao virar o
inissal puz-lh'o de pernas para o ar c o ho-
mein nao teve arde dar pela cousa.
3 Antonio Jos I erreira. Eu nao sei
nula senao que vi no da 13 de Abril esse padre
irao tbronn buscar o sacramento c tirar do
sarrario a sacratssina hostia Ainda que me
inforquem nao posso dizer nada.
4.a Joaquim Francisco Barreto.Poiseu
posso e muito que conheco o magarefe de
ion so dala. Saber V S. que nos nmos ca-
ntaradas em milicias de Bio .Maior c patusc-
uios juntos que loi um regalar A final de
untas ca o cantarada prefenu a vida mais n-
lepL'ndenlo assentou que aqui'lo do regimen-
t era nina bistoiia e poi-seao Iresco. Desde
queobomem desertou do corpo nunca mais
I lie puz ollto emrima at-queem 1833 vm dar
v m elle nns hatalhocs provisorios. Muita fes-
ta para a festa ; ca aque tutos muito das nossas
antigs rapaziadas at que um dia nunca mais
i trnela ver. L forao correntio os annos .
eis senao quando agora itltiinairiento vem ter
comiso o tbesoureiro da Encarnarn e pergun-
la me, nioslnndo-mo se eu conheco o ra-
t:"to. Podara arranjamos unta Iramoa para
pan'tar o eainarala rom a boca na boiijt, e
n'n'tt dia qu indo sua re erendissimt eslava
nrnniptn de vesles rlericaes, na sacrista da Kn-
carnaco salto-lhc em rima e grito : E'
elle !
5. Jos t/aria da Silva.Quem dir Sr
itti/ para que um bomeni nasee ? Estes Ilus-
tres preopinantes viran o meu amigo Sr. iMa-
ihetis 'ntnnio, ora direndo missa ora mar-
rhando coin as indicias Itontem pregando ,
boje metiendo suardas cnm os provisorios, untas
ver.estirando hostias de sagrarios, oulrasfa-
/endosita lisura em Rio Maior.. Pois Sr eu
conheco a criatura desde criancinha desteta
mnnbo medindo um palmo.) Gratas a Dos
que ni" lembro le sen pai e do sua mique
lieos baja, e podia contar historias muito rom-
prdas. S o que Ibe dir e que o Sr tem
urna profissao.que a de -ontbreireiro. Vcrdade
si ja que ale 1826 foi soldado de milicias do Rio
Maior mas isso la nao tira ; a sua propria
natnreza de sombreirero.
fi Antonio Joaquim de Figueiredo.
( Otiando se ouviu este nome poz se toda a
ente a olhar mas afinal nao saiu mais do que
um sncrslao de w'ancta Isabel ). Muita vez a-
judei o Sr. i missa porsignal que cada urna
'be renda o seu cru io.
7 Francisca Cijriaco Aires da Silra.
En Ihe contn. Por Janeiro do anuo passado .
fnltou-nos l, pin Santa Isabel o padre capellao:
claro est que havia do vir oulro, mas nao veiu
Lemhrou-nos entao nina boa; declaramos n um
papel que quem qui/esse ser padre de Sancta
Isabel, faser e acontecer apparecesse. Pre
smi-se o annuncio na porta e nppareceu lo-
_-o este ('eclesistico. Para oque nos (pieria
(nos lodos eran o mesm tomamos o homcm
e pisuei-lhe a pinto mais de 0 mezes.
8 Fuqem'o Wagalde Pois Sr. snua-
crislo do l.ourelo e pelo que eu vou vendo ,
beira-ine a cine ou eu quem vi nascrr a voca-
rr, ('eclesistica d'este amigo. Apresentou-se-
nos l a eontar-nos muita lria porque ver-
di'di-, labia de Irade tem elle e se foi mais
algunia n.iisa foi por engao Disse que era
egresoda Boa Hora, cmiao boa hora nos
apanhou a nos todos que ensulimos quantos ca
rapetes nosa-rumoit : que dissera missa mais
de 3 me/rs nn convento que nao disse para
liaiffl de 167 ; que Ih'as pagavio a 6 vintens .
rm fim metteu-as gordas Nos c n'esta rar-
reira de sacrista tomamos amor ao culto divi-
no sobretodo as visinhancas, e festa de isre-
ja de visinhn |a nos tem ainda |tie mais nao
soja para \(tT nuem as faz melhor ; e \. S."
confessaro que qttemqui er verem I.isl.oa urna
funcran bem acondicionada ha de ir ao Lou-
reto : lodo o servico n 11 i e perfeilo ; missa
mais tarde que ein paite nenbuma : nimios...
f O ui/. chamo'.i ordem a testemunha que
i;, divagando alem de lodos as marcas.) Tem
ra7o Sr juis. Ocaso tpte ouvi o homen
pregar na Fncarnacao e mtiilissimo bem So
lamneiro ao ihrono buscar o Santissimo ev- ,
nba para l.atvo que puiccia que trazia Ei-ltei jo que me poz de pe aira/ loi que o padre pe-
na barriga. I dia que Ihe traduzssem os textos, porque an-
dava muito esquecido do latim : admirou-me.
mas em rigor nao me paieceu impossivel. To-
mei-lheminhaamizade.eumdiaquemeencom
uier.darao da utra Banda um sermao logo.logo,
conferencie! "rom vario collegas sobre o eccle-
siastico que 'honrara com a minha escolha.
Fallou-se neste n'aquelle n'aquell'outro ,
porque queria se um padre de fama por pouco
dinheiro. I.embramo-nos do padre Matheus,
pouco condecido vcrdade, mas que mere-
ca a minha approvaco. Fui ter linear
naco com elle e acheio-o noconfissionario
Sr. padre Matheus, quer V. S. ganbar 4:800
r,.js ? Nem eu quero oulra cousa Pis
entao ha de ir pregar boje inesmo a outra Ban-
da, E>t dito. Olhe que pude lazer a sua
fortuna se agradar.Vonha voc se que vero
<|ue eloq jencia. Mas tome V. S. conta que
a eloquencia da Outra Banda nao como a de
Lisboa.Entao diga l meu amigo como
que elles goslao. Gosto que o prgador
meza muito e falle mqito e herr muito ,
e>... eixn estar que voc ouvir noticias
uiinhas. E partiu. Com elcito dous das de-
pois vem o meu amigo arrebentar-me com a-
hracos, dizendo que nunca l se tinba visto
um prgador como aquillo ; que podia contar
com todos os sermes da Outra Banda; que sem-
pre era o padre mestre mais extraordinario que
tinba apparecido desde o Barreiro at a Costa ;
que tinba feito mais dequalrocentas novida es;
por exemplo quando ia a entrar a procisso
pela igre|a dentro elle que ia atraz do andor ,
laz parar ludo e poe-se a conversar coma Mag-
dalena que era menino unta suspensao. D'on-
de vena Magdalena ? Magdalena para onde
vais? E urna quantdade tle cousas assim que
nunca I se tinbao visto.Em fim a historia
sempre me rendeu unta canastra de boa laran-
ja em paga do acert da escolha.
9.* Manoel da Silra.- C eu em S. Se-
bastio onde tainbem sacristo ajudei muita
vez o senhor missa u vi-lhe dar a commu-
nbao.
10 Agostinho Jos. Eu sacristo cm S.
Nirolau ondeo vi pregar.
II.* Antonio Xavier da Costa.Eu oque
sei que o Sr. Matheus fui soldado de Bio
ttior em 1826 porsignal que tinha a alcu-
nha doTenente; depois loi desertor, e por
ni appareceu frade.
12.* Itodriqo Antonio d' 4taide.Eu ouvi-
Ihe misa muita vez, porsignal que agora het
lo ii.andar perguntar aoCapaccini como isto
ha de ser O hroe esteve na Colega aonde
baptisava, ca-ova, confessava como um padre de
carne e d'osso.
Passou-se entao ao interrogatorio.
Como se chama ?
Mathias *.ntono.
Donde natural ?
De Lisboa.
Estado ?
Casado.
De que vivia ltimamente ?
Da minha agencia
Mas que agencia ?
Isto de cobres andava tanto em baixo, que
era ludo quanto topava.
Ja foi preso mais vetes ?
Outra vez la por causa de urnas cortinas,
mas fui absolvido. ( As mas linguas dizem que
loi indultado )
E'vcrdade que fazia oliciosclericaes?
Para que Ihe hc de eu dicer que nao ? a
fome negra, e custa a arranjar a vida Ap-
parece una cousa que rende entao melhni
estirar? E a consttuiclo nao diz que cada
um pode viver do que quizer ? Eu entiei n'is-
lo porque m'o aconcelbou um padre to meu
(onhecimento. Oro agora paiece-me que nun
ri nllemli a Dos porque fazia as cerimonias
com toda a reverencia e sempre respeitei os
dogmas. Porem aSm mesnio peco boje casti-
go a N S. e p> rdao ao Eterno.
Disse missa na Colega ?
Na Colega disse missa. confessei, pregue i
e nada mais. Ora agora tambem os sensores me
bao de levar em conta que em quanto lui sol-
dado e pude trabalbar, nunca fi/ de padre. Ti-
ve sempre un horror invencivel s aecumu-
lacoes.
E disse missa por todas essas igr jas ?
Disse, sim senhor disse mas nao me
laciio mais crin inoso do que por meus pecrados
cu sou; foi s nos dias de semana o, nunca mais
tle unta cada dia. Ingratos! Saliera V. S oue
preguei na Encarnacao de graca de grara cm
S. Nicolao....
E como nao tremia da respcnsabilidade
que assumia ?
N'issoqtic eu nunca pensei. Sempre es-
tivo convencido.de que praticava urna obra itie-
rit ra porque nunca os meus labios proferi-
rn senao mximas evanglicas, nem dei on-
selhos senao para o bem das almas. Mas tam-
liein essa asneira na est uta ; que queran os
senbores? llova cu niesmu uissitiar-me. pon-
do duvidas em dar a communbao ou cm ir bus-
car as partculas ao sacraro para todos conde-
ceremiqueeu nao era padre. Ora essa !
Em que anno loi para Santarcm n um
*I- No regiment de infantera n.8 no
exercito de I). Miguel.
Ent3o porque casou all sendo j rasado?
Porque me dissero Seis pessoas, que mi-
nda mulder tinha passado para melhor vida ;
mas nao me lemhra quem ero as lae* pessoas.
E que lez a essa segunda mulher .
_ Ao menos n'isso me portel eu como ho-
mem de bem. Cbrgando a Lisboa e vendo, que
a primeira era viva desempare a segunda.
__ E agora a respeito da lerreira ?
A terceira? eu Ihe digo. A primeira mi-
se, morreu. Com a segunda nao me reputava
eu bem casado. Coitseguintemento eslava no
meudireito de pausar a terreims nupcias E
de mais d'isso tambein fot por meus escrpulos
legaes; V. N/sabe, que ha algumas leis, quo
prohibem a bigamia e bigamia ser casado
duas vezes assim que cu nolei por nimba des-
graca achar-me coinprehendido involuntaria-
mente na disposicao da lei quiz pr-me re-
cular e casei outra vez porque sempre que-
ra, que me mostrassem em que paite da oidc-
nacao se impoitou ningucm com quem casa tres
\ez.s ? l duas isso e ouira cousa.
Foi extraordinariamente bnlhanlo a delesa
lo reo, porm segue-sc a sulucao dada aos que
sitos e a sentcnca.
^MfSlOS.
O crime de que o reo aecusado de terexer-
. ido sacrilegamente lunecoes do ministerio sa-
rerdotal, est ou no provado? Provado,
uiianimemenle.
2. Que o reo commetlrsse este t rime ser-
tindo no anno de 1841 de coadjutor na igreja
narot hial ta villa da Colega, exercendo no im-
pedimento cent adjutorio do respectivo paro
cito funcres saierdotaes est, ou nao pro-
vado > Provado unanimemei.te.
3. Que o reo commetk^se o mesmo crime
no anno de 1842 lazendo as vezes de capelina
la hora do meloda na igreja de Santa Isabel ,
i> fa/eudoalli asapparencias da re ebrai ao do sa-
. riliro da missa est ou nao provado ?
Provado unnimemente.
4. Que o reo rominettesse esse mrsmo cri-
me de lazerapparencia de celebrar osarrilicioda
missa na igreja de Barcarena, est, ou nao pro-
vatio? S> quanto igreja do Loieto.
5. Que o reo coininettesse o crime aflectan-
do o carcter sacerdotal de subir ao pulpito e
pregar sermes na igreja deS. Nicol-o, na En-
carnacao e na villa de Alntatla.esl. ou nopro-
vado ? Provado unat menienlc
6. Que oro similbantemente commettesse
o crime de ouvir de conlissao a varias pessoas na
igreja da Encarnacao est ou nao provado?
Provado unnimemente.
7.* Que o reo commettesse o crimo na mes-
ma igreja da Encarnacao de ministrara sagrada
communbao do sacrario e de encerrar" o sacra-
mento est ou nao provado ? Provado
unanimente.
8.* Que o reo em 23 d'abril do corrente an-
no fosse preso na igreja de S. Sebastian da Pe-
dreira quando acabava de afleclar a ceremonia
da celebraco do sacrificio da missa, esta, ou
nan provado ? Provado unnimemente.
9*0 crime de qi e o mesmo reo aecusado
de haver em remum-racan dos serviros que pres-
in, na aflectada qualidadc sacerdotal que fi-
i o indicados nos anlecetienles qncsilo, indus-
rosamente furtadn mais de 16<800 osla, ou
nao pro\ado ? Nao. por maioiia.
10 O crime de que n misino reo arrusa-
do de baver dolosamente rasado com Maria das
Dores, na villa de Santurem cm 17 tic leve-
reiro de 1834 quando na legtimamente casa-
do rom iVarianna Antonia do Sousa, afilndo-
se esta viva est ou nao provado ? Nao ,
por maiuria.
11. O crime tle que o reo aecusado de .ha-
ver em II tle maiude 1837 ; sendo viva aquel-
la Maria das Dores contrahulo terceiro con-
sorcio no oratorio da c idea do Limoeiro, com
Josepha Mar a est, ou nao provado? Pro-
vado unnimemente.
12.* Que i reo noexercicio das fupcees sa-
cerdotes, nao oslentasse de>preso para com es-
tas nata, ou nao provado ? Provado una-
nimemente,
13 Que o reo conlrabisse o segundo matri-
monio mencionado no quesitn 10." por es-
tar na persuado de que a esse lempo era falle-
cida a primeira mulher est, ou nao provado?
Est prnvatlo por inaioria.
\\." Que o reo conlrabisse o terceiro ron-
Mtrco mencionado no artmo l|.*, na per
UBSao de que era ntilln o segundo e que lito
era pcmiittido conlrahir o terceiro est ou
nao provado ? Nao, por inaioria.
C ... .--------
tjt fCICfy ..
Em conformidade do artigo 1162 da novis-


cT ton, C'ar,a eUSand ^attnhui-
cus>7 ; ,W /,U0 *** lu*a< nova 1S-
cus.ao ejiug^mmitu no din l-> i
Ltta. I0.ijuh.,d 18 i .,0.7rrc,,t0-
\ ReslauraQo
[l. dosP obres 0/>oro.j
COMMEP.CIO.
Alfaitcl ega#
Bendimento do dia 4......... 11:1198979
0" Jo hoje 5.
BarCa 2" r,7Cnd;,s fe"gn .
m.udezas c sa|)5o
Rr.guo W ferr e 0 rcslo
Brigue-/liana fW,_oregU)<
llovin jenlo do Porto.
*'"'" enlra(os no dia 3.
Conf.dcn ; 6n <)8S ( muM au,.ncna uru_
tas, de 1()o lone|a(jas, capi,flu g l||)
equipa' g,., 5 ( carga P|0 manle j
P<> : a Jos Hay.
Baha ; u das> |)ngue |)raz|ero paauele
"a" tana, de 195 toneladas, capitao Lou-
r'n eo d'Arauju Cuimares, equipagem 13,
<* rga diversos gneros: aMt-iu.es & (Jli-
*'ira.
A'ttWO sahido no mesmodia.
Furto* d'.. bul; vapor brutileiro Imperado ,
oitoiu andante Jos Mara Falco.
GcIiIjics.
<-* 1-IIii. Sr. inspector da th souraria das ren-
" provincias manda fa/er publico que poi
"n o tcrein apparvuido licitantes arrematact.
usivpaios da punte de Goianna anntinciada
'^ara odia 22 do coi rente, ir novaiueolo
piaea no din 10 ile Ouluhro trrenle pelo
j>rec- e sol as clausulas especiaos j.. u
eticadas. Secretaria da (liesouraria das ren-
cas provinciaes de Pernanibuco 23 de -etemhrn
de 1843. O secretario / miz da Cosa Por-
Jo-Curreiro.
O lllui. Sr. inspector da thesouraria das
rendas proviuciacs manda fazer publico que
por nao leiein npparecido licitantes a arremata
cao da reedificacao da estrada de Joao de Barros
no lugar dacamha de S. Joii annunciada
.para o da 30 do pastado, ira novamenle a pra-
ca no da 10 do torrente pelo preco e sol> a>
clausulas especiaos publicadas pelo t'iariov
25 de se teml.tr o.
.Vcrctar'.a da thesouraria das rendas provin-
cjaea de Peroambuco 2 de ootuhro de 18 W.
O secretario,
Luiz da Costa Porto-Carreiro.
A cmara municipal da cidade da V do-
ria 5c. &.c. Faz saber, que desejando aug-
mentar o commcrcio desta cidade, resolte, que
da data da publicaco deste a trinta dias, lera
principio a feira dos gados desde o dia quarta
feira al saltado de cada una remana pndendo
os interessados neste genero de negocio concor-
rer a fazerem suas compras e vendas nos pre-
aitos dias depois (Je completo o referido prafo
E para que cliegue a noticia a todos se man
dou passar o presente, que sor aTixado, e pu-
blicado pelo Diario. Paco da cmara municipal
da eidade da \ doria 19 de Setcmbro de 183
Eu Joao Carlos Cavalcanti l'Alhuqueniuc. se-
cretario o escrevi. Viburlino l'into d'Al-
meida presidente.*Joao Carlos Cavalcanti
d' ,/lbuquerque, secretario
Pela administacao da me/a do consulado
se faz saber que no (lia 9d( eorrente mez se
bao de arrematar porta da mesma adminis-
tracio cinco caitas com charutos dois rollos
do fumo doze botijas de ago'ardente, e qua-
tro ditas de geuebra ; ludo aprehendido sem
despacho pelo cominandante da primeira baa
do viga; sendo a arremalaclo livre do despe-
zasao arrematante. Mea do consulado de l'er
nambijco 3 de utuhro de 1813. Miguel
jfrch-injo Monteiio d' ,-lndrade.
mesma administracio manda fazer publico, que
peranle ella se h3o de arrematar nos dias 27 do
correlo mez,4,e 11 do luturoatiuemmaisder
as rendas do dito arrhazem : e por isso convida
aspessoas. que so propozercm a arrematar as
mesmas rendas a compareccrcm na casa de suas
sossoes nos indicados dias as 4 horas da tarde
com seus fiadores. Sala das sessoes da adminis
tracao do patrimonio dos orfQos 23 de setcmbro
de 1843. J. 31. da Cruz, escripturario.
== A administracio do patrimonio dosorfaos
tendo de mandar proceder a reedificacao da casa
n. i no largo do Hospital do Parai/o e da de
n. 38 na run do Torres do bairro do Recife ,
convida as pessoas. queso quizerein por menos
encarregar das mesmas reedificaccs a con, pare
cerem na casa de suas sessoes nos dias 27 do
eorrente me/., 4 e 11 do uturo para se traclar
dos ajustes. Sala das sessoes da administracio
do patrimonio dos orfaos 23 de setembro de
1813.J. M. da Cruz escriplurario.
Companhia de felerik.
== Convida-se a todas aspessoas livre, c
cativas, que quizerem trahalhar por jornal, .
se engajarem nos trahalhos doencanamentodas
agoas ; os perlendenles se podem entender no
Hecife rom o Sr. Angelo Francisco Carnciro ,
no Monleiro com o Sr. Francisco Seraio de
.Mitos. 8
Aviso, m.'iritimns.
Para o Rio de Janeiro segu viagem o o-
ate 5. Jos, c.-piiio Jos.- Ignacio Pntenla, for-
rado de cobre com excedentes commodos
para passageiros ; quem nVlle qui/er carregar,
oit ir de passagent dirija-se a (laudino Agosti-
iilio de Barros
Para Liverpool segu viagem a veleira har-
ea inyle/a ( vlitmhus capilao Daniel Griin .
I< \e sahir nestes lOou 12 das, e so recebe pas-
a'geiros, para os quacs lem os melliores com
modos pos>i\eis.
Para o MaranbO segu viagem ron; toda
ii breviOade por ter parle de seti rarregamenlo a
bordo a bem conhecido brigue-escuna Caro-
Una ; quem n'elle quizer carregnr ou ir de
passagem enlenda-se com o capitao e pratico ,
ou com Manoi-I Duarte Rodrigues na ra do
Trapiche n. 2(J.
Para o Aracatys cat o fim do eorrente mez
o bem mohecido veloiro patacho nacional Iau-
renlina frasileira, forrado e pregado de cobre,
quem no mismo <|uizer carregar, ou ir de pas
ngem, para oque tem cxcellentes commodos ,
dinia-seao seu proprietario l.oureneo Jos das
Neves na ra da Cruz do Hecife n. 61- ou
ao capitao Antonio Germano das Neves.
vender, e o restante acha*
se venda nos lugares j an-
uunciados at ao meio dia ,
hora depois da qual se reco-
Iber os que fiearem por
vender por conta de urna so-
cedade,que se organisou pa-
ra esse im.
O thesoureiro ,
Jos Antonio Bailo.
D-so 3O0S00Oreis a premio sobre penho-
res d ouro e pr.ita o tamliem se d I menores j
quantias; na ra Bella, outr'ora Florentina ,
n. 37 primeiro andar.
LICLOR DA CHINA
ou
BS8ERCIA DV FORMOZCKA.
Este precioso comesttico que pelo seu a-
gradavcl, suave e doce aroma, se loma digno
de figurar nos ntais elegantes toucadores toillet
les) goza de propiedades mui notaves que
experiencias repelidas e milito variadas, tanto
neste como em outros paizes tem confirmado,
como sao : primeiro amaeiar. limpar, clarear,
e refrescar perfeilan.enle apelle, tirar as sar-
das pannos. espiadas, e toda a especie de no-
doas ou manchas que tulla nosso apparecer .
sem alterar sua frescura e brilho naluraes : se
gundo deslruir as rugas causadas pela secura da
pello, ahorloeja, empingons O nutras inten-
sas a!TcccSes cutneas: 3o tirar o mi hlito ta
boca coniinu cando a esta un ebeiro mui a-
gradavel fortificar as gongivas preveyir as
dores dos denles, &c. &C. Km todos estes casos
a experiencia tem mostrado o quanlo justa a
alia repulai ,io de que goza este romposto no
Oriente onde seus elleilos sao todos como in
falliveis ; cada garralinha cu-la 1 S'200 ifis; um
impresso explicar, em detalhe seu U0 o virlu
des : vemie-se Mmente qui casi- de Novaes (-.*, na ra da (anilina do Carmn n. 19.
= A pessoa. que pre izar de urfa ama. que
lem milito houi le le; dirjase a la eslreila do
Hoza rio n. l.
-- A luga-se unta casa terrea na ra da Trem
pe com i quartos, duas salas corredor ao
lado co i o ha lora quintal e cacimba ", n.
ra da Cadeia de S Antonio n 19; na mes
ma casa precisa-se de um preto' i>ara todo u
seriio de una casa, pagando-so 108 es. men-
saes e dando-se-lhe boin tralainenlo.
dias das 4 horas da tarde por diante sorvetes do
fruta.
O abaixo assignado declara ao respeitavel
publico que no dia 2 de utuhro entrou com a
quantia de quatroecntos e do/, mil para a the-
souraria provincial, recehidos do Sr. Dr. Lou-
renco Francisco do Almeida (2atanho da comar-
ca do Brejo, que o me varios cidadaos cujos nomes ahaixose vero.
Os Senhores :
Hm. Vigario Pedro Marinho Falcio 20S
Major Joaquim Severianno Leite 30$
Proprietario Thoiuaz do Araujo e Albu-
querque 25$
Dito Antonio Cordeiro Velloso 30
Dito Manoel Coideiro dos Santos 50g
Rscrivfio Antonio Alvos Campos 20^
los Vallcntim Vioira Je Mello 20ft
Colleclor Joao Jos Vellto 20g
Joao Nunes de Menear Brasil 25g
Jos Pedro da Silva 25$
Capilao Jos Francisco I.o'te lOg
Escrivlo l.ui.' Jos da Exportado 10$
Capitai Jos Pedro do viiranda llenriques lOg
Negociante (ielano de Oli\eira .Mello
Jos Joaquim lotics
Antonio Joaquim de Mello
Jos Corris de \raup
Custodio de Obveira Lodo
I ouren.o Francisco de Imeida Catanho
208
10g
IOS
IOS
10$
33$
Somma.... 410jt
Leifoos.
Cbristovao Diestel far letlo. por inter-
vencao do corretor Oliveira, de una porcao de
cobra de forro piegos de cobre, e de bronze ,
de urna vlla nova, cavilbas curvas, escovens,
ano de fogao cantos d cscotilhao chapas, o
pessas de bolinete; salvados do patacho na-
cional Santa Anna naufragado no Rio de S.
Francisco: quinta feira 5 de Oolubro ao
s> 10 horas da manha na prensa do Sr. Men-
donfa no Porte do Mallos.
VMe Calmont & C far.io leiliio, por in-
lervenco do corretor Oliveira de una por-
cao de enrrinhos inglezes, novos de qualro e
d duas rodar. alguns com coberta c oulros
sem ella ; ('cabriols com as competentes lan-
lernas, earreios, podendo-se assegurar que
esles carrinhos sao liem construidos e fortes ,
e de molas to elsticas, e superiores, como tai-
vez n'esta praea nao lenhao sido importados al
hoje ; sexta feira 13 do coi rente 8S 10 horas da*
manha no seu armazcm na praca do Corpo
Sanio n. 11.
Hussell Mellon $"C.' continuado por
inlerveneao do corretor Oliveira o seu leilao
di- fazendas ingle/as as ntais proprias deste mer-
cado ; fexta feira 6 do correnles 10 horas da
manha no seu armazcm na ra da Cadeia.
TICA
cclciraco* s.
Aviaos diversos.
()uem annuneiou querer comprar urna
rhelnriea com a potica pode dtrigir-se
rita do I'angel n. 52.
LOTEC1A DAS MEMORIAS III TORICAS
DE PKHNAMBLCO.
As rodas desla lotera, cu-
j) maior premio he 8:000/
rea, na furiTia do piano, an-
do mpreleriveiiiiente luje
5 do coii'tile oulubro ii-
quuta'dacaSam2Jna''ruadaM-d.c^Uo*:aUH,tll OU DO blillClCS pur
- A barca Firmeza recebe a mala para o
Rio de Janeiro hoje (8) as 10 horas do da.
s/dministracao do patrimonio dos or/oi.
Tendo sido d.....lido pelo tribunal do tbe-
louro publico nacional pir aviso de 5 de agosto
ultimo a que.slao que penda entre a adminis-
traran do patrimonio dos rleos, e Gonzalo Jos
da Costa c S .cerca do arrendamento do ama-!
...................i <
.'i l ...r-. i
'tll idlfliniTiTiYlMin
O primeiro secretario avisa a os Srs, Socio-
da mesma que os bi I heles ara a recita do dia
7 do eorrente prineipiao a ser distribuidos ho
je do meio dia em dtanle na casa do thesou-
reiro.
=Precisa-se alugaruma canda de condu-
zir aRoa que seja bem constuida paga-se
bom aluguel ; nasCinco-pontas a fallar com
Amorim Jnior.
= Roga-se ao Sr. Jos Rodrigues de Sena,
e a Senhora D. Thorza Pereira Itahello Maya .
o obsequio de declararen) as suas moradas ou
dirigirem-se a casa de Jos Francisco Ribeiro
de Sou/a na ra da Senzala Nova n. 40 poi-
muito se Ibes desoja fal ar a negocio de grande
inleresse.
Quem precisar de roupa engommada com
perfeii ao dirija-se h ra dos Martirios n. 6.
= Mara da Gloria N ieira retira-se para
a ll,iliia.
=r Joiio Francisco de Vaseoncellos retira se
para fra do Impeli leva mo em sua compa-
nhia sita mulher, cuma sohrinha menor.
= Preciza-se alugar urna casa terrea com
bom quintal e carimba em quah|uerdasscgun-
les ru*s : das Flores de Hurtas Pungid A-
goas verdes paleo do Carino de S. Pedro
(la l'enha ou por estas immedtai oes ; quem
tiver annoncie ou dirija-se a ra doCabug
n. 4.
= Furt;'iriio da loja de fazendas da viuva do
Burgos, urna caixa de prata. obra do Porto de
qiiadrinhos prolongados, com um quadro maior,
e em claro dos lados ; a quem for oflcrecida ba-
ja de a levar k mesma loja que se Ihe dar o
importe ou aprebendel-a da mftn do ladrao.
O Sr Innocencio Xavier Vianna queira
fazer o favor de ir a ra Nova loja n 11 para
negocio de seu intorcs?e.
= Quem precisar do urna ama livre ccom
muito liom iele; dirija-se a ra do (.'ollegio n.
1G segundo andar.
es Quem precizar de um rapaz hrasileiro pa-
ra lomar conta de alguma escriturai ao de loja,
oudeoulro qualqoer negocio, e tamben, se
prope a cobrar dividas nesta praca ; dirtja-sea
iu.i liu \.ihii>io n.*85.
No botequtm da Estrella baver lodosos
Manoel Ferreira Ramos Thesoureiro.
Ahiga-se mi) sobrado Je um andar esotao,
sillo no Hecife ra da Moeda n. 21 ; tambem
aluga-se urna casa terrea com sotao, duas
salas, duasalcovas envidracadas coinha f >-
ra quintal amurado o cacimba silla na Hoa-
>isti iua da Gloria; veude-se um braco de
balanca porluitiiv con pes de duas arro-
bas tanto de Ierro como de bion'e : os pro-
lcndenle,(|ueuui/ereiii.diiijao se na ra da Ma-
dre de Dos con I ron te a ign-ja no segundo an-
d.ir das (i horas as 8 da munliaa o das 2 as
'l ua tarde.
>erren, bbavo&c*
Vendem na sua botica e armnzem de drogas ,
na ra da ade de Dos i 1
A prepara"ao seguinte por preeo muito com-
mulo e ile superior qualidado.
Magnesia calcinada ptima.
Os sahilares efleilos lote medicamento co-
mo purgante mu suave capaz, de se applicar
a todas as pessoas de qualquer sexo ou idade ,
absorvendo ao niesiuo lempo lodos os cidos
existentes em nosso estomago e que tanlo
perturban' nossas fu necees digestivas, tornam
seu uso recommendave!, e muito neeessario.
A experiencia tem nio.s.rado a um sem numero
de Mdicos sabios e verdadeiros observado-
res do clleito tlierapeutieo dos medicamentos ,
que lano maior he a sua accao purgativa ,
quanto maior he a (jitantidade de cidos, que
o maior parle das ve/Oa desenvolvem nossas do-
ancas do estomago. L'ma ou duas colberes de
soupa misturado com agoa durante o dia he
qnantidade sufliciente para prouzir bom
efleilo.
Na mesma casa tambem se vendem tintas,
e todos os outros objedos de pintura ; vcrnizcs
le superior qualidado entre elles um perfei-
tameole branco o que so pode applicar so-
bre a pintura oais delicada sem que produ-
za alleraeao alguma em sua cor primitiva. Ar-
rovv-Hooi de Bermuda,Sag, Sabonetes, -
Sabio de Windsor, Agua de Scidlitz, Agua
de Soda,Agua de Scli/.,1.monada gasoza ,
Tinta superior para escrever,linta para
marcar roupa.Per fumarias inglozas,Fun-
das elsticas de patento,Escotas, e pos para
denles ,Paslilhas de muralo de morphina ,
e ipecacuanba, Paslilhas linissimas de hor-
tela-pimcnta Paslilhas de bi-carbonato de
soda egingibre, As verdadeiras pilulasve-
gilaes univeisaes do D.r Hrandreih vindas
de seu author nos Estados-Unidos, &c &c
= Offerece-se tuna crioula de bons costu-
ines para anu le casa de pouca familia ou de
lioinein solleiro de portas para dentro a
qual sabe bem engommar, co/inhar e faz
linios os mais arranjos de unta casa ; na ra da
Cadeia do llecile n. 13.
= Aloga se um casa terrea no fim da ra do
Cotovcllo, junto ao porto da olaria do Cor-
reira lem un solao duas salas dous quar-
los, e cozinba fra quntale cacimba, e pin-
tada oe novo ; na ra do Cahug, loja de iniu-
de/as junto ao Uandeira.
Precisa-so de um escravo canoeiro, para
oservico de canoas; no atierro dos Affogados
n. 120
= Arrcriini-so um sitio junio so riacho de
Agoa-lria estrada de Bebiribe com boa casa
devivenila, estribara, padaria baixas plan-
tadas de capim banheiro no mesmo riacho
aores de (rulo e ou tras plan taces <'e inif-
resse ao lendeiro os prctemientes diriiao-se a
ra do Caldcreiro sobrado n. 2.


4
=s Aluga-se o segundo ailar da casa da ra
Nova com bstanles commodos para urna fa-
milia ; na ra da Cadeia velha loja por bai-
xo do sobrado do correlor Oliveira.
Precisa sede 4:(00S de rs. a premio de
Uin e rneio por centoao me/., com hvpotheca
em ilu.i1* moradiis de casas por um anno ; na
ra Direita n. I 19. se din i|Uem tal negocio
pretende, e us casas sao sitas no atierro dos
A (Togados
migo-so 3 morada de casas com mu*
to bons rnnimii'los no sitio do Cajueiro, para
se pascara Pesia oii por auno rom estriba
ra junto ao no Capiharihe ; e um sitio na
passagem da Magdalena com sobrado ; trata-
se no sitio do Cajueiro.
Troca-se um cordo fino, ou mais gros-
so de bom ouro de lei, por um Iranselim ; na
ra Direita esquina de S. Pedro n. 16.
Da-so dinbeiro a premio mesmo em pe-
quenas quantias com penbores do ouro : na
ra Nova n. 55.
= Auna Joaquina do Sacramento avisa a<
pessoas que leni pelillosos de ouro e prata em
Bou poder liajao de os ir tirar no praso do 8
dias, na rua'"ireita n. 98 do contrario se-
rao vendidos para pagamento pois que alguns
delles ja nao cbegfto,
= A pessoa que annunciou no dia 4 do
passado ter em seu poder urna escrava queira
tera bondade de ver se tem os signaos seguin-
tes cabra, denomcAnna, zarolba asme-
minas dos olhos brancacentas denles podres.
c outros arrancados espaduas bracos c cor-
po grossos, peitos pequeos e escorridos es-
qua da barriga tem nos bracos urnas pintas,
que parecem sarampo tem no tornozelo do p
esquerdoda parle de fra urna cicatriz de gom-
na, que repucha o dedo minimo de 25 an-
nos levou 2 vestidos, um a/ul com dores
amarellas, o outrode chita branca com flores
rouxas sendo que tenha estes signaos quei-
ra leval-a a ra do Rangel n. 34, ou annun-
cie sua morada que ser sratilicada.
es No armazem da ra Nova n. G7 conti
nua-se a recetor movis tantos novos com usa-
dos iissim corno o'.ilro qualquer objeclo para
vender por rneio dexte oslabelecio ento ; e no
mesmo vendem se boas cadeiras de Jacaranda .
camas e mesas tanto de jogo como para rneio
sala, commodas toe; dores e dtias boas ca-
deirinhas de ra, urna rica cama com seus col-
toen, o outros minios ol'ji'iios que a vista
dos compradores serao patentes, por proco corn-
il) od o.
A pessoa da ra Direita n. 3 que lem
orna negrinha de nacao, de 14 annos que
cosesoffrivel, queira leval-a ao patio do Car-
ino n. 13, para se justar.
ns Um Porlugcz cnegatlodo Porto na Mara
Feliz desoja fallar com Antonio Coulinho de
Azevedo natural do Rio-trato da mesma
Cidade do Porto; annuncie sua morada.
= Aluga-se um andar da casa n. 1 no bc-
co largo : a fallar na venda da esquina da mes-
ma casa.
l^ucm precisar de entulho, pode mandar
buscar na ra do Livramento n. 14 que da-
se gratis.
Aluga-se por proco commodo um gran-
de arma em na ra estreita do Rozario com
bons commodos: na ra do l.ivramonto n. IV
Traspassa-se a chave da loja n. 74 do
atierro da Boa-vista com armacfm propria pa-
ra calcado ou miude/.as a qual o florece van-
tagem poroalugucl ser commodo a tralai no
mismo lugar loja de miudezas n. 78.
Prccisa-se fallar a negocio do inleresso
com a senhora do Snr. Antonio Cordeiro Mu
niz Falcao ; por este Diario annuncie sua mo-
rada.
Da-sc 200,000 rs. a premio com firmas
a contento ; na praca da Independencia n. 5.
CJuem annunciou querer comprar UOI
braco de balanca o pesos do duas arrobas, di-
rija-sc a pracinha do IJ\runenlo, loja de ft-
zendas n 5i.
Procisa-se de 2 Portuguezes, dando-so
prelerencia. aos que ohegaro a pouro sendo
um para caixeiro de casa de pur ar de um en-
genho distante desla praca 3 legoas para uto
deve saber escrever o contar ; e oonlro, que
rnlenda do servico de campo para leilor do
outro engenho distante desla piaca 6 legoas.
paga-se bem se desemponharom os seus lugares;
no arma/em da ra .Nova n. 67.
= Avisa-seas pessoas, que tem penhoros
de ouro ou prata na loja de altado da praca da
Independencia n. 83 liajao de ir rosgalar no
praso de 8 dias do contrario serao vendidos ,
c para que se nao chamcm a ignorancia se faz
o presente annuncio; os penhoros b jo-se no
atterrro da Boa-vista n. 24, loja de Joaquim
Jos Poreira.
Aluga-se o torcoiro andar c aguas-fur
tadas na ra estrella do Rozario n. 30 tendo
o terceiro andar duas salas, calimete. Sallar-
los cozinha fora e as aguas-furtadas urna
sala grande 5 quartos e coziuba com com-
modos tudo para grande familia por preco
commodo; na ra do Queimado lojadefer-
ragens n. 13. jj
ss Eugenia Teixeira de Moura. viuva de
Crispir* Gomes de Moura, faz sciente a todos os
credures de seu marido que est procedendoa
inventario do bons do seu casal, por o car to-
rio do esorivBo de Orfos desla Cidude ; por-
tento os mesinoH credores a presen tem suas con-
tas legalizadas no praso do 30 dias contados da
ata des te aviso.
Comprad
=x Compra-seo compendio de Rhethorica e
Potica traducao de Soares ainda que seja
usado ; quem tiver annuncie.
ss Comprao-se escravos pretos de ambos os
sexos, com oTicios ou sem olles ; na ra da
Cru' n. 45 casa de Manoel do Nascimento
Pereira.
= Compra-se o primeiro tomo da recrea-
cao philosophica ; na ra do Cabug n. 16
Compra-se urna macaca de Angola, gran-
de e um chech 'o cantador : na ra do Quei
mado loja de lazend&S n. 26.
Compra-se um cadeira de rebuco : na
na do Crespo n. 2 loja da viuva de Aflonco
& Companhia.
Comprao-se eflectivamente para fora da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos, sendo de bonitas figuras pago-se
bem; na ra da Cadeia de S. Antonio, so-
brado de um andar de varanda de pao n. 20.
Vendas
= Vcnde-se 28 oitavas de ouro em diffe-
rentcs obras ; na ra Nova n. 55
ss Vendem-se dous moloques de 14 a 15
annos ; na ra do Livr.nnento loja n. 31.
= \cnde-seuma negra de 14 annos; na
ra de Hurtas n. 116.
= Vende-se um negra crioula de 38 an-
nos para lodo o servico ; na ra ra Nova n.
5 segundo andar.
ss Vondom-se porquinbos da India por
proco commodo ; na ra Nova n. 5, segundo
andar.
;= Vende-se um quartao russo escuro em
boas carnes, prnprio para viagem ; na ruado
Livramento venda junto ao l.iinpiao n. 38.
= Veildem-80 hienas do Porlo chegadas
ltimamente, a 120cada urna e tamben? de
llamliurgo ; na ra da Cruz n. 43 defronte
do porto das candas.
ss Vendern-se 96 palmos de terreno na ra
Augusta ; na ra da Cadeia n. 14 segundo
andar defronte do theatro.
= Vende pina : na ra do Crespo n. 4.
= Vende-se urna p ola moca engomma ,
0 co/inha ; e um mulato bom trabalbador do
22 annos: na ra do Cabug n. 16.
= Vendem-se bairicascom superior cerve-
ja lauto branca como preta por preco com-
modo ; em casa de Latham & Hibbert, ra do
Trapiche n. 32.
= Vendom-se cortes de chali dos melhores
que ha fa/enda que est mais em moda para
vestidos : na ra do Cabug n. 16.
Vende se um escravo pardo de 18 an-
nos ; e urna prela de nacao de 20 annos vin-
dos do Araculy ; a fallar(-001 Antonio Rodri-
gues Lima no largo do Corpo Santo.
\ ende-se um cvalo preto, novo mui-
to corredor, proprio para correr parelbas, car-
rogador e proprio para carro ; na ra das La-
ranjeiras casa de Claudio Dul/ux se dir quem
lem.
- Vendem-se queijos do sorlo, rapaduras,
urna porcio de cascos de tartaruga aruana ,
proprios para cubrir babuzinhos alguns al-
lueiros de foijao c de gomma para en-
gommar c mais vinle e tantos barris vasios,
que forao de farinha ; na ra do Livramento
n. 17.
Vende-se ou aluga-sc um escravo de
idade ; na ra do Nogueira n. 27.
Vende-se urna escra\a mucamba recolhi-
da do 18 annos ; um dita do nacao Mozam-
bique, do 20 annos, boa engommadeira ; nina
negrinha de nacao Angola, de 13 annos ; 4
oscravos para todo o servico ; um escravo bom
canociro de 25 annos ; um molcquo ; 6 es-
cravos para lodo o servico ; o um bonito mu-
laluihodo 13 annos. proprio para pagom ; na
ra de Agoas-verdes n 46.
\endom-sc bico largos de linho le dif-
forenlos parimos para roquete de padre : na
ra do Cabug loja nova Irance/an. 6.
Na na Direita sobrado de um andar ao
pede 2 de varandas douradas n. 33 vende-so
doce oe caj seeeo c de calda de mangaba e'
do outras qualidades por preco commodo ; j
assim commo se fazem bolinhos do todas as qua
1 dados e se preparan bandejas, tudo muito .
bem Icilo.
Vende se umselim ainda n8o servido ,
com todos os seus pertences, por preco muito
commodo : na ra de Agoas-verdes n. 55
Vendem-se duas negrinhas de 14 a 15
annos, de bonitas figuras, com muito bons
principios dos arranjos de urna casa ; duas pre-
tas lavadeiras e quitandoiras ; urna dita co-
zinbeira ; e outra para todo o servico e mesmo
para o campo por estar a isto acost waria ; um
moleque de 14 annos serve muito bem a urna
casa trata de cavallos e he bom pagem ; 2
negros de 30 annos bons trabajadores de en-
filada ; na ra do Fogo ao p do Rozario n. 8.
Vende-sc um mulatinho de li annos,
bonito e com bom corpo perito montador de
cavallo epor isso muito proprio para pagem ,
ou bolieiro; em casa de Antonio da Silva Gus-
mo na ra do Oueimado.
- Vende-se urna escrava de 22 annos, bo-
nita figura engomma e cose ; urna preta
crioula de 40 annos, com um filho de 6annos ;
um preto de 40 annos: na Iravessa do Carmo
n. 1 segundo andar.
Vende-se urna preta crioula de 23 an-
nos ; na rua Augusta n. 22.
Vendem-se barricas com farellos pelo
mdico proco de 3000. e sem a barrica a 2560;
no armazem de l'ias Ferreira & Companhia.
X Vendem-se riscados franeezei finos dos
melhoresgostosedelicados padrees: para ves-
tidos de senhora eropes de meninos a 320o
cmado cortes do vestidos de la de bom gosto a
7000 casemiras do la oara calcas a 480 di-
tas de algodo a 2V0 chitas muito finas e do
cores fixas a 200. 220 e 240, e outras mu tas
fazendas por proco commodo ; no atierro da
Moa-vista, primeira loja indo da ponte n. 10.
\ ende-se urna carroca com cavallo ar-
reios cassambas e um solim usado tiid"
por preco commodo ; na rua Direita n 52 .
ou na rua dos Piros na Roa-vista n 30.
Vendem-se meios bilheles da lotera das
memorias histricas de Pernambuco ; na es-
quina da rua do Rangel loja de allaiate do
Bernardo Goncalves do Nasc.ment.
\ ende-se urna escrava Moeambique do
'0 annos ; na rua da Cadeia velha segundo
liceo a esquerda e ultimo sobrado a direita.
Vendem-se 4 escravas mocas cozinhao,
engommo e lavan ; duas mulatas urna boa
na de casa engomma cocinha e faz o mais
servico de urna casa ; um preto bom carreiro ,
e de todo o servico de campo ; um moleque de
18 annos bom canoeiro ; um dito cozinhei-
ro; um dito de 12 annos; urna preta pijada
por300,000 rs. co/inhae lava; na rua de
Agoas-verdes n. 44.
v = Vende-se um elegante carrinho inglez do
duas todas, de sol da construcco muito li-
vreede excellenlcs molas, com arreios com-
petentes e com cavallo do mesmo carrinho ;
na rua de Apollo armazem n. 20 de Jos An-
tonio de Souza Machado,
s. Vende-se por 5> um Atlas, que con-
tem 47 cartas 36 modernas, e 11 antigs;
outro de 10por3S ; urna grammatica italiana
por 610 ; um Telemaco por 640 todos estes
livros csto em bom estado ; na travessa das
Cruzes n. 8.
= Vende-se urna ptima escrava de 18 an-
nos com algumas habilidades; na rua estrei-
ta do Ro/ario n. 34 primeiro andar.
=. \ ende-se um sitio na Capunga a mar-
iem do rio Capibaribe com urna boa casa to
da envidra" ada e um bom sotao que servo
para acommodar urna numerosa familia ; na
Iravessa da Madre de Dos n. 13.
s= Vende-sc agua de fingir os cabellos e su-
issas acompanha dita ajjoa o methodo de ap-
plicar ; no patio do Collegio loja de chapeos
n. 6 c na rua do Queimado luja de ferra-
gens n. 31.
^ Vendom-se pecas de bretanha de linho
com 15 varas por 5S rs- i riscados encorpados
para calcas a 240 o covado e ter idos a 160 ,
pocas de cambraia de bom tom de lislras com
6 '/ varas a 28 0, cortos de cassa-chita a 22M),
loncos no cambraia bordados para mao a 320 ,
e do cassa pintada a 300 rs. e outras militas
fazendas por preco commodo : na rua do Cres-
po loja n. 21.
= \ ende-se o engenho denominado Sacro ,
na froguesia de Ipojuca moenle e frrente ,
com muito bons portillos laviadios porto de
embarque e nutras commudidades recomen-
davais ; a tratar no mesmo engenho, ou na
rua Direita n. 100, segundo andar.
Vende-se para fora da provincia um ne-
gro crioulo de30onnos: na rua da Cadeia
do Rocife lo|, por baixo do sobrado do cor-
relor Oliveira.
:= Vendem-se ostojos de navalhas de cabo do
marfim de superior qualidade peilumarias
papel do peso e diversas miudezas ; na praca
da Independencia n. 5.
= Vendo se um mulatinho de 15 annos,
proprio para pagem e um moleque de 12 an-
uos ; na la do Queimado o. k', segundo
andar.
ss Vende-se um bonito mulato de 22 an-
nos de boa conducta e trabalbador : na rua
do Cabug n. 16.
ss Vende-se urna porc3o de pennas do pe-
lucia de diversas cores; as Cinco-pontas A
allarcoma Amorm Jnior.
m Vende-se um escravo carreiro e bom
trabalbador de cuchada ; na rua do Queimado,.
tasa de Antonio da Silva Gusmao. .
__ Vendem se 37 travs de boa madeira e
de diversos tamanhos, na rua do Crespo n. 11.
= Vende-se urna toalha de lavarinto de
chadrez de panno de esquio muito fino ; na
rua do Caldereiro n. 56.
= Vcnde-se uin bom terreno no corredor do
Rispo, murado, com bastantes arvoros de
fruto boa agoa de beber, com 600 al 800
palmos de fundo e oulro tanto de Ironte; Um-
bem se vende a letalho por preco commodo;
a fallar com o Major Mayor.
=; Vende-se um bonito cavallo bom cerr-
gador, passeiro est muitngoido ho novo,
e serve para carro : na rua Nova n. 52 ter-
ceiro andar.
= \ ende-se taboado de pinho da Suecia
costado costad i nho pol legada e forro pro-
prio para fundo de barricas e lorro de casas;
dito Americano de differentes larguras e com-
primenlo vergonlas de pinho da Suecia de
! differentes hitlas e comprimenlos de superior
qualidade ludo por preco com modo ; no Forte
do Mattos arma/em do N ianna.
= Vende-se um preto proprio para todo o
servico, ou troca-se por urna negiinba, ou
mulatinha que sirva para mucamba : no at-
ierro da Boa-vista n. 68.
\ = Ven lem-se corles de vestidos de cnssa
hila france/a de tintas mui seguras. e lili
lissiinos padroes embuilhados em papis, do
mus apurado gosloe ila ultima moda, loncos
le seda de quadrinhos para grvalas ou para
lesmancharem mantas a 4000, ditos para pes-
i-oco de senhora com franjas ditos adamas-
fados o pintados para r-enhora e para algi-
iieiraa 1280, 1440, e 1600. pannos finos de
cores a 3000, 3200 e 4500 dito preto supe-
ri r de orla brunca a 7500 e 8500 o covado,
madapulo de gallo lislra dourada a 5760 a
peca, eoulras mais jV/cndas por barato preco;
na esquina do Livramento loja da viuva do
Burgos.
Vendem-se meios bilbetes da lotera das
memorias histricas de Pernambuco: na rua
do Collegio, loja do chapeos n. 8.
= ^ endem-se meios bilhetes da lotera das
memorias histricas ; na rua do Cabug loja
de miude/as junto da do Ban.leira
a \ ende-se um mulato moco bom ofli-
cial de ferreiro e ptimo pagem : na rua do
(Queimado, loja n. 18.
= Vendem-se dous moloques de 15 annos,
bons pagens e fa/em todo o servico de urna ca-
sa ; na rua do Cabug loja n. 9, defronte da
matriz.
ss Vende-se nova arlo Potica para conhe-
cimento dos principios elementales da ver&ifi-
cacao dividida em duas partes tratando das
regras mtricas dramticas e esemplos po-
ticos por J. J. Valle preco 1280 ; na rua do
Oueimado n. 25, loja deGuilberme Selle.
= Cadeiras americanas com assento de pa-
Ibinha camas de vento com armaco com-
modas de angico, ditas de amarello marque-
zas de condur camas de vento de amarello
muito bem feitas a 4500, ditas de pinho a 3500
assim como outros mui tos trastes ; pinho da
Suecia com 3 polegadas de grossura dito
serrado dito americano com differentes largu-
ras e comprimenlos travs de pinho e bar-
rotes com diferentes grossuras e comprimen-
tos ; tudo se vendo mais em conta que outra
qualqucr parte: na rua da Florentina, em
casa de J Berangcr n. 14
es Vendem-se chapeos francezes da ultima
moda a 7000 ditos de casi rbrancoa5, 7, e
7500 rs. : na rua do Queimado, loja n. 11, do
Vianna.
Escravos fgidos.
Desapparoceo da villa do Pombal co-
marca da provincia da Parahiba um preto os-
tTavode ntonio Jacome de Araujo. o qual
he crioulo, de 25a 30 annos, baixa esta-
tura tem uin.i cicatriz, n'urn dos cantos da
boca, levos vestigios de talhos de faca no ros-
to marca de fogo n'um dos bracos, [tornas
um tanto arquiadas o p s pequeos ; anda
fgido a 6 annos o fa/ pomo ti mpo que foi
encontrado nosta cidade do lenle ; quem O
pegar levo ao advogado Joo Baplisla Soares,
ru a Jos Jacome de lraujo, residente na rua
da Concordia por traz do Carino n. 1, quesera
recompensado.
RftCiPB-. na Typ. db M. F. db Fama. = 1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDOFEQL6D_T20X2F INGEST_TIME 2013-04-13T00:02:47Z PACKAGE AA00011611_04292
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES