Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04285


This item is only available as the following downloads:


Full Text


^
m^*-
Anno pe 1841. Sabbado
. Tudo agora depende da nos mtsmoi; da doki prudencia, modera-
ai, tanga : continuemos como principiamos, seremos apontadoi
coa admiracao entre ai Waec miis cuitas;
Prodamaeio da Assemblea Gtral do Brasil|
'MI
Sobscrcvc M para esta folba a 3Jooo por cuartel pagos adiantado
acata Typografia roa das Grases D.3, a na Praca da Independen-
cia, n. yj c 38, onde ac reeebem correspondencias' legalisadas e an-
nnncios, nsinndo-se estes gratis; sendo dos proprios assignantcs, e
yido assgnados.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES,
Ciclada da Parabiba c Villas de sna pretcneo .....>>
?* a ui0^nad'vn N,rie' V"'" ltm......* Sg- St *
Dita da Fortaleza c Villas dem.............. I "
Cidade da Goianna ........... ...../
Cidade da linda......................Todos os das)
Villa deS. Anio...................... Quintas feiras.
Dita de Garanbuns e Povoaeio do Bonito ......... lo, e 3 de cada mes
Ditasdo Cabo, Scrinhaem, Rio Formozo, c Porto Calvo, i, II, e 21 dito dito
Cidade das Alagoas, e de Maeei............dem dem
Villa da Paja de Flores..................... dem 15, dito dito
Todos os Correio partera no meio dia.
PHASES DA LOA NO MEZ DE SETEU;
Quart. ming. a 8 as 11 h. 55 m. da man.
La Nova a i5 as 3 h. c 11 m. da man.
Quart. creso, a ?> 1 asi 1 h. e ,17 m. da tard.
La Ckea a 3o as 1 b. c 3i) m. da man.
liare eheia para o dia de 15 Setembro.
As 1 horas e 3o minutos da tarde.
As l2 horas e 54 minutos da manh.
25 de Setembro. Nom. 909-
_
CAMBIOS. Setembro ar.
Londres.;.... ic, ipa 3o d. por ifoooced.
Lisboa......8o a 85 por ojo premio por metal offerecidoi
Franca......3ao res por franco. Comp. Venda.
C-CKO- Moedad6f{oo rcia, vainas U/oo I&I700
Dius I*00 lite
Dius de efeoo rea, 8/100 8#3oo
PRATA ~ Pataces Brasilciros I#6ao lf64.0
, Pesos Columnaries----------- iffiao i/fiqo
m Ditos Mexicanos ------- 1/600 1/620
Miujla. ..--.. ,.---- i|4ao i#/io
Disc. debilb. da Alfandega 1 i|8 ppr loo ao mea. I 0|o
dem de letras de boas firmas lipa i|4
fMoeda de cobre 3 por 100 de disc-
DAS da SEMANA.
10 Segunda S. Eustaquio M. Audiencia do Jais de Direto do *
vara.
31 Terca >< S.Matheus Ap. Evaug. Re. e aud. do Juiz de Dircito do
1. vara,
a* Quarta S. Mauricio M. Aud. do Juiz da D. da 3. vara.*
a3 Quinta S. Lino P. A, Audieucia do Juiz de Direito da 3*(
vara,
ai Sexta S. N. S. das Merec. Audiencia do Juil de D. da 1; v;
a5 Sabbado S. Firmino B. M.-Relaco e audiencia do Juit de D. da 5J
vara.
36 Domingo S. Cyrianno e Justina Mm.
RIO DE JANEIRO.
*> ''...... 1
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS SNRS. SENADORES.
Sesso de 14 de agosto de i64i*
Presidencia do Snr. conde de Valenca;
Reunido numero suficiente de Snrs. tena-
dores, abre-se a sesso, e lida a acia da an-
terior approvada,
O Snr. primeiro secretario d conla do se-
gaiote expediente.
Um offirio do ministro do imperio remet-
iendo nm dos aalhograpbos sancionados da
resol uco da assemblea geral que a pro va a
penso de 3ooUooo res concedida a D. Cons-
tanza Carneiro da Fontoura e suas duas
filhas.
Fica o senado inteirado, e manda-se com-
niunirar a cmara dos Snrs dep utados.
Outro do primeiro secretario da sobredita
cmara acompanbando urna proposico ap*
provando a penso de doo* res rcoocedida a
Gabriel Jos de Oliveira. E reme tt ido a
rommisso de mariuha e guerra.
Sao eleitos a sorte para' a deputago que
tem de receber o ministro dajuslica os Snrs,
visconde de Olmda Costa Ferreira e Sa-
turnino.
Ordem do dia.
M. I. Em 14 de julho de 1841 Francisco
de Paula Cavalcante de Albuquerque.
Ao que S. VI. o imperador se dignou res-
ponder t Aprecio era muito os senlimentos
do senado, e nf o perderei occasiio de mostrar
a minba imperial benevolencia para com os
Snrs. representantes da naci.
E' recebida a resposta com muito especial
agrado.
Acbando-se .na ante-cmara o ministro
dajuslica introdusido com as formali-
dades do estilo e toma ssento na mesa.
Continua a discusso, adiada pela hora ni
ultima sesso, do projecto de le R e e-
mendas X deste anno reformando o c-
digo do processo, conjuntamente com as e-
mendas dos Snrs. senadores, apoiadas em di-
versas sessdes.
O Snr. Paraiso, por conseotimento do se-
nado relira a sua emenda ao artigo 89, e
o'erece est'outra emenda.
Emenda addiliva ao artigo 89 Depois
das palavras ou gales perpetuas accres-
cente-se e para outro jury no sesmo lugar
ou no lugar mais visinbo quando baja im-
possibelidade naquelle. Paraso*
E' apoiada.
Dando a hora fica addiada a discusso.
Retirando-se o Sor. ministro, o Sur. pre-
sidente d para ordem do dia a primeira e
segunda discusso da resoluco que aitoula a
lei dos prefeitos de Pernambuco continua-
vo da lerceira discusso da resal uco sobre
_ He approvadas em primeira e segunda
discusso a 6m de passar a terceira, a resolu- I a nomeaco dos vic-presidente* de provm-
co que approva a penso concedida a D. j cias, terceira discuso do projecto S crean-
IVIaria Josefa Ctementina ; e em terceira di$- do um conselho de estado j e logo que chegue
cusso para ser remeltida cmara dos Srs. 0 ministro da justica, a conlinuaco da ma-
deputodos a resoluco que permitte ao bos- teria adiada boje, sobre reforma do cdigo do
pilal de Santa Catharina possuir bens de processo*
raa al o valor ue dei cont de reis.
Entra em terceira discusso a resjluco que
aulborisa ogoverno a nomear os vice-presi-
dentes de provincias.
E' apoiado o seguinte requerimento :
Requeiro o adiamento do projecto sobre os
vite- presidentes, al que se ultime a discus-
so de ouiro semelliante ofierecido na ca-
ntara dosSnra debutados.-Ferreira de Mello.
A's 11 horas e lies quartos, o Snr. presi-
Levanta-se
minutos.
a sesso as duas horas e ao
PERNAMBUCO.
DIVERSAS REPARTigOENS.
LYCSO DESTA CIDADE.
Achando-se vaga a cadeira de primeiras
dente declara addiada a discusso e conv-' |elrasje Fesqueira ; manda o Exsx. Sr. bia,io
da adesemf.enl.arsuam8soadeputa5oen- drector o\a d congrio da data deste a a
carregada de ir agradecer aS M. I. a6raa"diaf, emeonsequencia de assim o ha ver de-
que te dignou conceder aos membros do sena-
do de excellencia.
A' mua hora da larde voltando a depu-
taio, o Snr. baio de Suassuna, como ora-
dor della, dizque, chegando ao paco da ci-
dade lora inlrodusidoa presenca de S. M.
o Imperador com o ceiemonial do estylo e
que elle orador recitara o aeguiole dis-
curso t
Senhor O senado nos envia em deputa-
cao para agradecer a V. M. 1. a cvusidera-
cao que, pelo seo imperial decreto de iR de
julbo, dia da aogusta sagrafo de V. RI I.
ae dignou de annexar ao lugar de senador o
iriilamento de excellencia*
terminado o Exm. Snr. presidente da provin-
cia. Os candidatos que se quiserem oppor ,
se habelitaro na forma da lei.
Secretaria do lyceo a2 de setembro de r84*
O secretario
Joo Facundo da dilvd Guimares.
PREFEiTRA.
No dia a3 nao occorreo novidade.
Corr*3spo ndeuciawe
Snrs. Redactores.
Tendo sabido em la estitnavel folba um
officio do Exm. Snr* presidente, dirigido ao
E si estas dislincces nao sao dadas seno juit de direito da primeira vara do crine,
em recompensa de ser vicos feilos ao estado, ordena ndo-lbe que a vista de um outro ol-
ioa quanlo maior lecoohecimeuto nao deve ci do inspector da tbesouraria provincial e
o senado patenlear seus agradecimentos a V. de urna iuformaco da cmara municipal da
Id. 1. por este acto magnnimo em que sao. villa do Bouilo, procedesse a sumeurio con-
considerados todos os membros presntese fu-1 tra Jos Caetano de Moraes professor pu-
lulos que com pem e houverem de compor blico de piimeiras leltras daquella villa, pelo
cmara dos senadores. crime de falsidade por ter apreseniado na redactores, que partenfoa grei dos philoso-
Senhor o senado reitera seus fiis votos mesma thesouraria um atiestado do pro-pre- phos intolerantes, que reprobo absoluta-
pela glotia e prosLeridade do Uono do V. sidcnie, da cmara daquella mesma riiia, |mente as associaces religiosa. N*\>: a taov.
por elle falsificado ; pasmei Snrs. redacto-
res porque conheci at que ponto chega o
desejo de faser mal a outrera e mais ainda,
porque via que se pretenda inputar ao mes-
mo Moraes toda 9 qualidade de crines : na-
da fasendo-se sem raso suficiente tratei
de indagar, o descobrir qual a raso por-
que o mesmo Moraes vinha de coomeller es
e crime ; que se Ihe atribua julgando que
elle na verdado nao tinha direit ao orde-
nado que tinha vencido segundo constava
da referida attestcio falsificada unicj caso
que o podia mover a assim obrar caso fosse
elle capae de praticar tal aeco ; recorrendo
a informacoda cmara do Bouilo, nico dj-
cumento, em que se podiabaser a pronun-
cia do mesmodoutor juude direito e dalla
vi que o referida Moraes, tendo obtido do
Exm. presidente da provincit dous meses da
licenfa, com seu respectivo ordenado prio-
cipiou agoiala nodia aode abril deste anno,
findando-se por conseguiute a ig de juulio
tendo ja oblido daquella cmara 8 das, dos
quaes gosou tambem no mes deabril, viudo
dest'arte a necessitar de attestadj daquslle
mes de abril t por alguna das, e ser pos-
sivel qce um professor, que sempre go-
sou de boa reputaco, e estima geral,
falstficasse o attestado do mea de abril, e por
poucos dias ? Um alte lado reconhecid) por
tabelio publico em cujo reconhecimento sa
disse sera letra do pro-presidente, destru-
ido por urna informado da ca n-ara 1 En fim
Snrs. redactores, creio que os inimijjs del-
le vendo o con jeito que elle gos e sua
familia, em Alagoas e a estima geral em
que lhe tem pezar mesmo da impulaco da
morte, que foi-lhe feita, traiaro de inven-
tar mais este crime j elle porem protesta de -
fender-se desse novo crime no respectivo tri-
bunal depois que juslificar-se do assassinio
teitoem Calderes provincit de Aiajoas ;
e ento peco ao resucitavel publico, e expe-
d luiente as pessoas que o coobecem como
eu, que sou amigo delie, que suspendi seu
juiso a este respeito al que definitivamente
s decida nos 11 iunaes coapnenles, e pro-
ve-sea innocencia do mesmo que leai si-
do victima da viogme, e perseguido } no
que l'isem a ello justica, e a mim um
parii.ular obsequio. Racife 17 da aeteaibro
de i8ii.
- De Vms.
Muito attencioso criado*
F. M. F.
Snrs. redactores.
J vivo enjoado de tanto diza tu direi en,
que apparece em o seu diario relativamente
aos choristas ou eollegiaes franciscanos que
ora jogo as cristas com o seo padre guar-
uio. Volveramos a aquelles bellos lempos,
em que se poz em alarma toda a igreja e
quasi o mundo inteiro para ae decidir que
teitio Uvera o capuz de S. Francisco ?
Depois de haver lido todo es*e araniel,
que por veses tem apparecido, j em defesa
desses fradinhos, j a favor do guardia, ti-
re i esta consequencia t que o oosso secuto
repugna com a existencia da vida claustral,
a se nao dar huma reforma em viriude da
qual s sejo admitlidos nos conventos ho-
mens desengaados do mundo e que sejo
maiores de 40 aonos. Nao imagiuem, Srs.
to nao chega o meu modernismo ; p mine so
se tolerio associscSes secretas se boje a ca-
da canto surge huma sociedada para Uto e pa-
ra aquilb, hunasde msica outrasdedan-
sa, e outras at meramente gtstronomas ; por
que reprovarei, que tambem as baja para
cultivar os concelhis evanglicos? Porqua
nao respeitarei esses azilos di arrependimanto
ou do deseogim d mundo ?
Mas o que he que ordinariamente obser-
vamos ? Ningueo boje quar ser frada a ex-
cepcio d'algum misaravel, que uj podaeu-
contrar causa alguna de que subsista. Al-
guns pais vendo que o curso jurdico j
pouco ou nada aproveita ; porque a multi-
plicidade dos bachireis tem feito decrescer
cousideravelmante a procura deste genaro
volto os olhos para 01 claustros, e oeles bus-
cao arrumar os filhos nao porque nestes
descubri a devida vccac&o *, sim por descar-
ta, ou por modo de vida.
A prsenle e quase universal educacio da
nossa mocidade he a aeim anda psssivel
para o estado religioso. O espirito de ioie-
pendencia, e de in-u'iordinici vai calando
em todos oscoraces des dos mais teoros an-
uos. Qjal he hoja o rapaz, que nao trom-
beja a seo proprios pais mais leve, q
branda reprehendo ? Qual o sobrinbo qUa
respeitoaseo lio ? Qual o joven, que faca o
menor caso de hum ancio, cono se prati-
ca va em lempos aatigos ? os meninos de bo-
je medidos as casacas de asas de barata
e armados de en ir mes charutos, na dio sa-
tisfacoes a ninjuem j sao polticos, ja sio
estadistas, j sao cidadios livres, e toda a
sua gloria consiste em mosirar-se arro^intes,
assomados, e insolentes e a toias eitas
prendas chamo o seo uobre orgulbo ; finil-
mente hoja a hunildada viriude tao ex:el
sa, e recomendada no evangeiho he tidt
por baixeza, por vilauia, e deradagio de es-
pirito.
A' vista disto como ou porque rnifa^re
sa pretenda qo3 de t es joveua se formen
boas filhos de S. Bento, de Santo Elias, e
do humilis>ino S. Francisco de Assis ? Por
issu vemos em continuos pissdioi por essaa
ras, capuxinhoa de burel, objectos uio mais
da antigt veneraco, porem do mais resivel
ridiculo ; por que em verdada hun frada,
e mais se franciscano, querendo campar por
petimetre, egameuho he o ultimo apuro da
humana loucura. Meus caros redactores eu
lastimo cordealmenle o estado de relaxicao,
a que vejo redusidos muilos dos nossos reg-
lales. Huma couta a queelles l chamo
licenca na mang, he huma especie de car-
ta branca para o frade entregar-se a todo o
genero de devassidio de andar por ah tan-
to peraUilbo enfiado nos hbitos da peni-
tencia e desapego do mundi. Esses frades
tem claustro, e vivem en suas casas e de
ordinario nao esto sosinbos ; porem co as
competentes compsobeirag, e numerosi pro-
le. Ah se eu fora bispo havia de faser
cantar a todos esses o frade convento frada -
e acabara com as taes licencas de manga oti
maogis de licenca. A morada do frada de va
ser o seo convenio i finalmente ou frades re-
gulares, e morigerados, coma devem ser, ou
acabar com taes associaces. A religio ap-
prova muito que hajo boas frades e nao
bonelrates. Taes sao os puros sutiaieatas
do
Cordato.


9
felXBI de Permbco
Noticias Estrangeiras
nenhum delles de tal soube. O encarregadoe
da execuco i horas que o amante coslu-
mava sabir poz-se a passear por p da p >r-
O Peridico dos Pobres no Porto que re* ta o que sendo visto pelos irmlos que est-
cele mes pela Barca Tentador apenas adian- ; tavo em casa, canjee!urrao que era o aman-
ta um di* a ais do que as folbas de Lisboa le yji v que teria des:oberlo alguraa cou-
( o Nacional e o Diario do Governo) das quaes
i xtractames ss notirias publicadas em O nosso
n. de sabbado papsado sa do corrente. To
davia transcrevemos d'aqnelle Peridico re-
lem ebegado alguns artigos mais interessan-
tebe curio: i, certoa de que nao desagrada-
r< aos nossos leitores que os acharo us lu-
g.reicompetentef!
PORTO, 9 D'AGOSTO.
Carta do enxota-caes do palacio das cortes
ao Barbeiro.
Mestre. Temos tido urna quincena de af-
fiu cao e de terror cujos effeitos sao ditfieeis
df se expl-ar. Depois que a natureza se a-
paston na Villa da Praia tivemos um incen-
dii ct Costa de Caparica acgoiu-se depois
o tremendo assassinato de urna familia inteira,
pelo Mattos Lobo l depois varios suicidios e
cnvpnenamenlos E por firo um terrivel in-
fn-.'iono i. do corrente, que consumiu o
vasto difiri do ihesouro velbo, e que e=te-
u(D termos de consumir meia Lisboa por
Cfusa do vento pesar da activa diligencia
dos empregdos. Diz-se que quem sedrera
n aior prejuizofora a Casa de Braganca.o Lou-
leiio e Futsther cujas fabricas ardeio.
O robre Franca do Arsenal, que eslava ba
lene pos escondido no thes^uro velho viu-se
entre a cruz e agua benta. Elle conseguiu
salraralgumas senboras por urna escada de
n o ; mas por causa d'uns maldictos papis
que trazia, aolarcar-se do lelbado para a
escada de mo, cahiu, e ficou muito mal-
tractado 1 porece ler quebrado um braco urna
peina e cffendido a cabeca As tripulaces
des navios de guerra Laneezese ingleses tra-
balbrSo muito. Tor um triz esteve a arder
o hospedara do Isidro e o Theatro de S.
i m loa nio deixou de esusar cuidado. O
tresouro novo ardeu l agora ardeu o tbesouro
velho l Ora se nfio ba dinheiro de que ser-
Ttm ibesouros velbos ou tbesouros novos 1
Fktes incendioss estupendos sao sempre cor-
seios de mudancas polticas.
No meio destas calamidades os Agiotas nao
recebem o governo nao paga que nao tem
diiibeiro I os em pregados pblicos morrena a
lope! e todas as nciles se encontro bandos
d bomens e de mulheres assaltando os passa-
geii os a pedir pao l Tal o estado a que nos
icduziro os bomens do movimento rpido !
Este espectculo borrorisanle foi angmeutado
pela incerteza de se declarar ou nao a banca-
rola que boje tem o nome modesto de ponto
oa de salto. O governo se viu na necessida-
decepor lempo a ebte e*tado ametcador d
Bitciedade publica.
6S. MM. e AA. passo bem e no da
es ennos da Imperalriz a foto> cumplimen-
tar com as suas damas e camaristas. A du-
nurza da Bragaoca teudo recebido o corpo
liilomaiico, e muitos fidalgos da corte que
Uni de Lisboa cumprii euta-la, janlou no
Javo. Ojantar foi esplendido e se compoz
de 5o pessoas. A lmperatriz depois da mor-
te de sen marido e de seu irmo so se occu-
a .am o ensino de sua filLa a princesa Ame-
qne muito linda.
Consta que a titulo de se evitar O contra-
bardo se reuuem tropas bespanbolas em fren-
te de Braganca i como o numero naais que
0 i ecewaria parece que os visiubos tracio
d'ilgum coidosanitario centra a poltica da
Santa Allianca que ellea desconfio veo fa-
sei o ninbo no paiz da Opposicio Carlista ,
cur cao acba diilticnca tunea tarta e a cons-
tituido I
Seo criado ,
O Enxota-cest
dem n d'Agosio.
Qui Pro Quo.
Ha em Coimbiaum Lente que na quali-
daiie de iVliguelisla foi expulso da Uuiversi-
ui>de. Este Lcrxem acha-be ceg, casa-
do e tem 4fi'!;S Sua esposa, com uns
40 e tantos anuos era liequen teniente visi-
tada per um individuo doqual os filhos tu-
cs liactio de te deafazer porque os iLe-
lhcies pelitres da ras lo parar ao tai sugei-
lo. Liles c*.u Liu.io entre si o meio de hit
carcaLo da ptkie e o lili.o que morieu fot
t- que ttti.carn^ou dae.ecucao.
i lie vate a sfcus iimaon que fiugia ir
1 ara a quima e que quando o tal amigo sa-
1 stde t*!>-tlle u aviaiid, JNtssu itoile o
vt lo no veio segundo o teu costuiue po-
'cMiaiiji Oisconfisva alguma couta dos
iLi os i-tlus vtr aj*dar a cocbkbar mas
sa e que alli esperava o rapaz que o devia
assassinar ; e isto junto falta que elle liaba
leito contra o costume s aquella noite fez
que os rapaies accrediussem o que nao era
realidade 1
L'm pega em um bicamarle carregdo para
o ir recenheoer e o que anda va na ruaou-
vindo mexer na porta approxima-se e o
que sabia vend que uno vulto se llie appro-
ximava para o acomra< Cer julga que o a-
mante de sua mi desfecha o bacamarte e
mala involuntariameniu o irmo que %o re-
conhecequando elle li.o cabe moribunda boj
pea l! Tal o modo pur que os nossos corres-
pondentes de Coimbra uj contio este infeliz
successooccoriido na noile de 5 para ati de
Julho.
dem 1 a d*Agosto.
Carta do enxota-ce> do lJa acio djS Corles ao
Barbeiro.
Meu querido Vlestre. Pouco Ihe poderei
accrescentar minha ultima porque poaso
ba que aguce oappetilej marchamos no mea-
mo terrena isto a olbar ao signal. As
a n&turezas tanto a pbysica como a maral es-
to muilo desinquietas, e se eu tivesse encon-
trado por ahi algum jumento que zurrassu
lalim, nao tinha duvidade me persuadir que
eslavamos em vesperas de ver escangalliar o
universo e seu termo. Roubos atsassiob ,
tremores de trra ligrimas e miserid eis
alii a nossa bistrh.
A Corle contiii a estar em Cintra e
SS. MM. que gjzo perfeila saude vo
Sabbado 4a Malra e vollo de la no dia o
Na Sessio de 5 do corrente decidiro 65 Pais
da Patria que ni) bou/esse ponto ou salto, e
itidisserc que houvesse sillo e que houves-
se ponto < Bastantes salios, Mestre te-
mos i.s dado 1 e bastantes pontos d por abi
moita gente ; mas na boca 1
Desta vez ainda o Ministerio se susleve as
suas l'mancas apesar da estrategiad; Tri-
buno do grillo e da conscieaciosa Opposi |
cao. ista decisao fez que os recibos dos lm- ,
|)reg8dos subissem dobrado do valor que li-31
nho ua vespera conforme asseverou o Mi-
nistro da f-'azenda. Meslro quando as mo- ^
le.siias Sa0 incuraveis a ba)ilidade do Me-
dico consiste em dilatar a vida ao dueute ,
porque diz o dictado de hora em hora Dos
meliiora e em quanto o pau vai e vem ,
folgo as costas.
ja
lia
A segunda parle da desordem do dia for)
os Foraes ; porem no fita ji nao havia gente ,
pois os Pais da Patria se lio esgueirando 1 1
A Cmara dos Senadores est p-r-lytica l
muitos dos seus membros l 1 l lem diz
o dictado tal paga, tal servido Fallemos
a verdade urna cousa assim nunca se viu !
ao mtnos se estivesse presente o Manoel Pas-
sos esse enlrelinba falla va tres horas a -
lio, e nao se conbecia a falta l porem chegou,
fallou e foi-se l !
No meio desta esterilidade temos para nos
divertir os dous jornaes o Correio e Constitu-
cional ; ando ambos desahados nao a soco |
ou a pistola mas a chufas e arrieiradas. Os 1
bomens do Correio descompe os bomens do
Constitucional e os bomens do Constilucio.
nal descompeos homens doConeio l 1 Sao
duas regateirasda Ribeira nova ; ralho le-
vanlo as saias urna outra do-lbe capa-
tadas e depois de publicarem os seus pode-
res retiro-se al o outro dia 1 1 Este pe-
tisco est sendo muito iuleressante /
A semana passada entrou grande numero
de doudos nos hospital real de S, Jozei mas
de diversas opinies polticas I Tu 1 bem se
notou a semana passada grande esterilidade de
Comedies eDramas, originaes e traduzidas,
o que se altribue ausencia do ebefe do Con-
servatorio. O que nos vale continar abero
o Tivoli alias que seria de nos l Tam-
bera se la;ro tres bomens dos Arcos das
Agoas livres abaixo e morrroi abeD^oads
elles sejao { tstavo no seu direito; Abriu-
se urna sub:cripco a iavor do Franca que
me dizeiu estar muito mal
No dia S1 do passado ebegou a El vas o ex-
Minislro da Guerra Conde do BoinSm i o
Cbapuzet o obsequiou u.uito. Nao sei que
diabo se me metteu na cabera que desconfo
deste Conde do BomQm. A gente as vetes tem
uns palpites 1 mas istu de palpites sao
lotices. AL stre nao entremos a desconfiar
uns dos oulros que asueira. O qus for
soar, Coma-lhe e btba-lhe se tem que
seuo deiie-se as 18 bracas iiamorialue-se ,
d um alegr a essa^Cidade. Tenba-me
no entanto ua sua graca, e nos caracoes do seu
cabello;
Seu criado.
O Enxota-caes.
dem 14 d'Agosto. ,
Como o Atbleta foiabiolrida pareca-rae
que obrava com mas prudencia, se se calara,
e se deixra de rans jactancias ; nem ludo
que lm ourj nem palavroes sao argu-
mentos.
Assento que o jury, que absolveu o nume-
ro 61 do Allilela obro 1 conscienciosamente;
mas deploro que a consciauci* desse jury fos-
se lo pouco Ilustrada.
A questo que se traclava era simples, e
sobre tudo para gente Calholici ; na pre-
ciso mais do que recorrer ao CathecismJ de
Montepellier para a comprehenier cabal-
mente.
Todas as creancas sabem que somos obli-
gados a saoctificar os dimin^oi 5 o terceiro
dos raandamentoj da le de Den; ora a I're-
ja Catholica entende por sanclieir os d jmii -
gas no fazer obras servs ueste dia e em-
preg-lo em obras religiosis : a Igreji pjr
obras servs entende as que se facera com o
Qra de receber salario. Como e:'e inurli-
nento nio se cumpre com rijor, o Bispo elei -
ta na sua Pastoral exlnrtava o povo da su*
Diocese a que seconformassa cora o preceito
do declogo segundjj oenleuid a I.ji'aj'i. A-
in la que a Pastoral dj llisp) eleitj) psecassa n a
forma mereca respeito era attenoo nn-
leria e nio sao taes djcumentos que se de-
ven tornar objeclo de mofa e escarneo da ira -
prensa peridica. Nao o julgou assim o Ailita -
la e ridiculisou o lispj eleito d'envolta
com a dou'.i ina da Igreja nio pois a qass-
io entre o Atblela e o Bispo eleito raais en-
tre o Atblela e a raaior Autlurilile que se
conbece ; quera lr sera prevencaj a Pasto-
ral eo artigo fcilmente conhecer que este
o verdadeiro estado da quest}.
41 V. Exc, ( dit o Atblela no numero c
tado ) quer que tenhauoos um domingo soli-
tario triste e sem sabora.
Nao o Bispo eleito quera quer isto, o Bii-
po eleito nao fez mais que exhortar o povo a
cumpriro maudaraento e essa tristeza e sem-
saboria se existe, existe no mandimento $
e o Athleta nao mofa do Bispo eleito, ua >fa do
domingo triste e semsaboro do decalo o-, nem
ainda a interpretaco da doutrina do Bispo ,
da Igreja.
*' V. Exc. nao quer que mestre Cbrispim
faga cpalos ao domingo e acho isto muito
justo "ora todos sabem que nao o Bispo
quem quer isto o mandamento segundo
o entende a igreja ; e 'zer o Bispo eleito au-
thor do mandamento um subterfugio mi-
seravel que s pode illudir a quem o qui-
zer ser.
Assento que estes dous trechos mostrar
claramente qual era a verdadeira questo ,
mas quem comparar a p3stoi*al c n o artigo ,
achara muitos outros argumentos que nao
comporta a extensa o ordinaria d'um artigo de
peridico.
Agora queira que as pessoas imparciaes me
dissessem o que se deve ajuisar d'ura paiz ,
emque os Ministros da Religio exhortando
o povo a cumprir os mandamentos da lei de
Dos ,so escarnecidos e vilipendiados : em
que as duutrinas religiosas que merecen
maior respeito sao tracladas desemsaboriasl
querera que me dissessem qual ser a sorle
d'um paiz, emque as leis sao impotentes para
impedir taes escndalos r e se devero cau-
sar estranheza os Horrorosos crimes que lo
frequentemente se commeltem entre nos, ou
se estes nao sao os corollarios necessarios das
doutrinas que se propalo e da impotencia
das leis para reprimir os crimes, Veritas.
( Correspondencia do Peridico dos Pobres do
Porto. )
Lisboa 4 de Agosto.
'- Ao assassino Matlos Lobo foi intimado a.
feira o despacho de pronuncia achanio-se o
libelle prumpto. Deutro em 5 dias ha de
inlerpor aggravo e tem i5 para contrariar
o libello ndos os quaes ser julgado, o que
ter lugar a ad ou a4 de Agosto. Se na Re-
lacio e uoSupiemo Tribunal de Justica hou-
ver igual diligencia de suppor que era bre-
ve se execate a senteuca de morte sobre esse
moostro.
- Mallos Lobo que tenciouoa suicidar-se
recusando alimento ja se deixou desse expe-
diente : resolveu-ae a comer e lem toma-
do nao s caldos mas al copiosas dses de
mo de vacca. Ha pouco pediu a um guar-
da papel declarando que ia faer versosl
E' pois evidente, que recobrou o seu sa li-
gue trio ,e que o tetemos sao e vigoroso al
final decislo do proresso se a vigilancia e
cautella dos guardas for tai severa comala
nqui. ( Rev. de Setembro.)
Noticias do Paquete.
Chegaro folbas in^lezas at 3( de Julrn ,'
e frsncezas at a'9; fiva che^ado a Liver-
pool em nove das de fialifax ( Estados Uni-
dos ) o vapir Kritannia : o Supremo tribu-
nal da Nova Yorck uo recebeu a appellaco
de M'Leod assim tem este de ser julgado
por o jury de Niagira. A sentenca muito
extensa, e explica miudamente os seus fun-
damentas. A imprensa americana achtva-sa
muito dividida acerca de qual seria o dj?!'e:ha
deste complicado negecio ; uns dizio qua
M'Leod recorrera ao tribunal de cassagai ,
outros que se sujeitaria ao jury mas o qus
era o principal objeclo de controversia ert
o rumo que seguiria a Inglaterra que tinhi
tomado sobre si a respnnsibilidade d> prooe-
dimento de M'Leod. Na Caraira dos depu-
tndos linba-ae lidj ura relatorij sibre a ne-
cessidade de augmentar os barcos de vapor
americanos, de mid) que pulesiem hombre -
ar cim os da marinha n^leza.
iiavio noticias de Bombaim de g de Tu-
nli>, mas que nada dizem de nova da Cbi-
na o que tin'ia causado pauca satisfaca ao
commercia, tinbao embarcad,) em Clcala
reforcas para a Cbina.
Segundo o Gazeta d'Augsburg'j \fahem3t-.
Ali havia mandada cinco mil hamsns Por-
ta por cotila do tributo ; meia miiba de pre-
sente ao sulla j outro tanto i sultana mi;
igual quanlia aos ministros n a ra?i ua ao
olBciaes do Pago, Di msis que se linhlo
mandado marchar para ConstiutinopU as
milicias da Anatoa e R>melii que sepre-^
tende ajuntar n'aquella capital urna f )r?a d3
SoUooo bomens de que se n,io s^be o destina.
Segunda o Morniog-CrouLle e Te ras qua
P'Ssa por confidente di commissla Candiota ,
confessa que os insurgentes de Can lia se sub-
metterlo mas em consequen da d< pracla-
macao de Tahir Bach, qua prometiera guar-'
dar-Ibes todos os privilegios e liberdaies de-
cretadas no edicto de GulUan Outras noti-
cias dio os insurgentes como senbores d'ura
grande depasito d'armas era Poros; dizem
que os Cnsules europeas iuslo com o Divn
para remover Tahir IWh qua so sem fri-
to notavel por as suas crueldades.
As ceremonias fnebres dos das de Jullio
tinlio-se feto era Tolosa cora sooego nao
obstante poder recear-se alguna crise par l-
timos disturbios tere n figurado os Carlistas
unidos cora os republicanos,
A Gazeta d'Agram representa como tornan-!
do-se mu seria a insurreisj da Bosnia Diz-
se que urna brigada russnna aa pissar o Saba
para a Sircassia fora completamente derro-
tada.
A i4de Ju'bo havia jantadocora o Re da
Prussa Mr. Meyerbeer. Mr. Tbiers havia
ebegado a Leipsic na sua viagem por a Alema-
una. O Principe Miloscb tinha ebegado a
Pesh ( Hungra ). A Gazeta d'Ausburgo d
concluidas as disposices entre as potencia,
par.* fornecerem a D. Carlos urna pensao an-
nual de 800 lib. ; aples recusa contribuir
com mas mas dizem que Sardeuba preen-
eber o que fallar por este motivo, L'ami da
la Constitucin diz q ue o Grao Conselho d1 Ar-
gan adoptara por 1 08 contra 65 votos a se-
grate resoloco t Serio supprimidos os con-
venios de religiosos e religiosas de ILumets-
cbwill que ti vero parte activa na revolta j
serio reslabeleoidos os de Religiosas cora as re-
formas indispensaveis os bens dos conven-
tos supprimidos serlo exclusivamente desti-
nados para o culto, escholas catbolicas a
pobres.
O Nort-Eond encootrou em altura 3o 3a' da
Lal. e 17. da Lang. restos d'um navioqueimado,
q' por a sua contguraco conjeclurava o capi-
tn ser o vapor President; e do modo porque
estiva pareca que o incendio tinha procedido
de explosao de plvora ou vapor.
O l'ems diz que o protesto da Rainha Ma-
ra Christioa obra de Zea Bermudes : o E-
veuing-Vlail diz que a sua correspondencia
particular Ihe assevera ser obra commum da
Mr. Guizol e Luiz Felippe^ aerrescenta raais
que o governo francs prevendo novas com-
moc5es na Hespanha est resollido a inter-
ferir s quando nio poasa obler a concorren-
cia das outras potencias. Os Ingleses ainda
oceupo Byroutti e S. Joo d'Acre,
A esquadra de Uu,;on de 11 naus havia sa-.
hido de Toa Ion no dia ai ; cavo ainda no
porto outras (j, Jos Luis e Jernimo ,
os tres irmos de Bonap>rle que anda vi-
vera estavo era Genova.
Os fundos hespanboes fico de 19 3|4 *
19 71, os portugueses de 5 por |o de 391
a o j|4.
I


IAK10
[i E NNUll C
Chegaro folhas inglesas al 7 de Agosto,
Um correspondente do Morning-Croniele es-
creve-lhe de Constantnopla desculpaado as
atrocidades praticadas por Tahir Bach em
Cannia ; diz que todas as parles di ilha se li-
nlio subraettido menos as moutanhosas de
Sfb)>ki. Reschid Bach havia sido nomea-1
do Embaixador da Porta em Pariz. Estavo-
se fazendo grandes preparativos pira receber
a Said Bey o mais novo dos filhosde Mehe-
tnet-Ali: o Sulto tirtha mandado apromptar
grandes presentes para o Vice-Rei, e fazer
condecorarles de bullanles para a sua fami -
lia ; diz-se que Said Bey casar com urna ir-
n. Sulto. O Vice-Rei diz que a nica ma-
neira de resistir s potencias que perlendem
retalbar a Turqua formando Turcos e
Egyptos urna sincera e estrella allianca. Es-
tavo-se rscrutando viute mil Albanezes para
Rleheccet : noticias de Alexandria de di-
7rnj que Carlos Napier era mal visto no Favo.
As testas de Jullio em Pariz passro-se em
toigo; prendeio-se dedia em um botequim
tres editores de petiodicos da opposico sem
que o povo Gzesse algum motim : a munici-
palidade foi dissolvda. Dizia-se que foro
presos alguus soldados da gu. riz. Tinho-se concluido as reclamacSes ei
Us repblica Argentina por a Franc.1, con-
cordando-se na quanlia que a ie publica havia
de pagar.
O Grao Ducado de Badn tinha levantado
a prohbalo de exportar caballos para a Fran-
ca e a mesma 1 robibico se liuha levantado
em toda a fronteira alema,
Segundo o Evening-Maii todas as pessoas,
que ihcgavo de Paria trazio novas pivas
do desvelo com o que Governo irancz ug-
meniii e conserva as (oreas de mar e ierra en
estado incompativel tom assuas inleo^es ou
apprehenses pacificas.
Segundo a Gazela d'Agaburgo a projec-
tada uuio d-s Allandegas belgas e francezas
deve-se mais considerar como um projeclo de
Cngrandecimenlo poltico ao que de mtti es-
ses commerciaes j e por Uso neubuma das
cinco grandes potencias deve consentir nella
seno depois de madura refle&ao.
Havio novas noticias de Bombaim onde
havia grande descoutentamenlo por se nao sa-
ber o estado das cousas na China. O Puu-
jaub lootinuava eu> desorden ; no Afghaois-
tan havia socego porem as noticias do Scin-
de e de A pal nao ero favor*veis.
A Gazela d'Ausburgo refere urna gran le
tempestado em Roma accompanhada de vento
sul que arrancou muilas arvores pera ra'.,
e de nuvens de locustas que cabiro as
9
Apenas posso diser ajzora que a Hb. m
ancezes e toda a sua Ret fami- Pars.;..,
lista exarta.
Rainhados France
lia concorrerlo ; que entre os Franceses de
distineco notei o Conde Mathieu de La Re-
dorte, ultimo Embaixador dt Franca em He**
panha e entre os Hespanhoes o Conde e a
Coodessa de Toreno o Conde de Oaato o
Duque Monteraor o Sr. Zea Bermudes, os
Generaes D. Francisco e D. Ramn Narvacz
o General Cruz o joven e bizarro Brigadei-
ro Shelly o Sr. Agueirre Solarle o Sr.
Durana e oulros muitos nao menos digno*
certa ir. en te de serem mencionados; poi n que
me perdoar5 o esj.uBcimento pela precipita,
cloe vivissima commoco com que escrevo.
E quem nao se commoveria contemplando as
circunstancias presentes, no dia de boje da
excelsa emigrada ? Sabedora de que a familia
Real devia visita-la julgou necessario vestir-
se cotn alguma gala...... ; galas por fora, luc-
io por dentro 1 como saltava a vista esse do-
loroso contraste l.....Vds. sabemquao bella ,
quo brilhanle nos pareceu sempre em taes
occasioes ..... Bella lodavia bella sempre ,
assim a vimos hoje verdade; porem mui-
to magra muito plida e muito abatida.*,.
Quao eloquente era a nobre respeitavel
tristeza d'essa Regia fisionoma desmentindo
com mudo protesto o que sgalas em vaoau-
nunciavo!..... Kslorcavu-se para se sorrir ,
como para consolar os circnistautes ; porem os
seus olh'is vagavo horneados em torno de si ,
os seus olhos lodos o conocamos busca-
vo as caras prendas da* sua alma..... e as
prendas da sua alma nao estavo e as pren-
das da sua alma gemio presas sin. entre
estran'ios que para as loJearem liveiio de
mintir e calumniar tiverao de Ibes diier que
a sua mi ja na j quera estar com ellas !.......
Isto nao tem perJaS de Dos nem o lera.
Concluo .... as lagrima me embarazo de
acrescentar nem ma.s uuna palavra.
( Correspondencia do Cor. N )
NOTICIAS COMMERCIAES.
MACA DB U BOA.
Estado do Mercado.
O nosso mercado nesta semana leve mu
pouca auimaca e na5 nos consta de transa-
ces para reexportacaS quasi todos os gne-
ros estiveram em paralizaca.
Arroz- Confina 1 a faltar do Brazil, sus-
tenta os precos colados e procurado.
Assucar Muito frouxo. Tem sido ofTe-
recido, mas tem poneos compradores pira o
consumo nicamente.
Cacao Pouco ha ; e por isso se sustenta
Brdeos.,-----
Trieste., a ra.
Madrid.. 3 m.
Cdiz....
Gibralt.-----
Genova.. -
Lisboa... metal.'5a
Porto..;. 60 d v. 5a
i3
25
a5
9
36
36
46
%%
R. de J.
Ualiia... -
New york
Philad..
27
afj
46
4<
,6
ia
75
8j
58
M
I
85
i|.
I
\%
3 8 3[4 i3
a5 60] 5
i|4
6*
9 54
36 1 p
36 3i4
aS 70
5a3|
52 718
q 56
36 S|8
3i>7|8
a5 7a 11.
5a 7(8
5a 5,4
CAMBIOS DA PRiCA DO PORTO.
Pracas. Porto 9 Lisboa.'
d'Agosto.
Londr. 54 i|4 5)3|4 54 p. i| rs. 3o d. vt.
5\ 54 i|a ,, 90 ., d.
- 4^14 4^ >|L> 41. 3 n. d.

Ymst.
liambt
Trieste
Genova
Leorae
Parii..
48 l|a e
45o D
5*7 d 58 l
53o l

>i i|
11 ir i n
,, 3 f n.
I LF.
3 Ir.
n
d
d.
d.
d.
d.
ras, da chegado a Vienua Conde Sardo Sau firme nos precos das nossas cotaces, assim
Bui, q val u ciar do caaamento d'uma hlka do como Couros.
Archiduque Remero com um Principe de | Call- Falta de boa qualidade, e teve
Saidenba. Em Vienna tem 1-ihuo muilas poucas vendas para consummo.
casas de Commercio respeitaveis entre as
quaes a a ais consideravel a de Geymuller ,
cuja alleucia se avaha em 8 mitiids de
tlorins.
Em a do passado bouve um grande tumul-
to em Roma. Lstavo-se executido os cha-
mados Ritozzi, iruo irm e sobrinbo ,
culpados de roubarem na Piazza Collona um
rico Relogeiro matandu-lhe a muluer e i-
lha j como as execu(et> nesta Cidid j ao ca-
ras
Cera Falta.
Earinba de pu Nao ha.
Gomma copal Falla e procurada.
Salsa parrilha Falta de boa qualidade ,
e lem sido procurada.
Tapioca Nao ha.
Urzella Abunda da de Angola e da
de Cabo Verde pouca ba. As vendas tem si-
do poucas.
Cereaes Conservam-seos precos actuaes
havia grande concorrencia, Passou-se ainda que ba pouca sahida no mercado em
ludo em sotego com os dous primeiros mas jcoutequencia da colheiu uad produzir como
ao subir o teiceiro ao cadal'also disse era^ voz se esperava.
Objectos.
Pecas de 7U500 rs
5o era- Soberanos
._ O uro ce r ce a lo.

>

alta t que Ihe pesava de peider a vida so por
se nao poder adiar no meiod'aqutlla mulu-
do e castiga-la come mereca. Foi tal o
rebolco que d'aqui se origiuou, que no Cas-
telIodeS. Ant-tlo se carregro as pecas e rev T*""",'"
tiesteve de norrio aceso ; conla-se .a pes- Ooc Hespanholas
soas moitas e aoo feridas e destas
vemenle. Explica-se variadamente este acn
tecitueiito sendo urna das explicages que
lora suscitado de proposito para roubar,
( Peiiodico dos P. no P.)
Paris %4 deJulho.
( A' ultima hora.)
Venbo muito satisfeito do beijt-mio que
S. M. cedendo aos rogos de muitos bespa-
nhoesle.es, se dignou couceder-lhes boje
das a Ib s 4 da tarde no Palays RoyaL Gs
coches linho nuiu difficuldade em ebega-
rem a porta onde devo apear-se os concor-
f entes j em primeiro logar, porque elles euo
muitos mais do que o permittia a eslretesa da
ruade Wontpensier e em segundo logar ,, Brazileiros .
Valor dos metaes e papis de crdito.
em barra
Patacas Hespanholas
lirazileiras ,
Mexicanas
Prata em barra
Papel moeda a
Acedes do Banco do Porto
si n de L"b*
,, dos Vapores do Porto
compra.
7:733
i^:4oo
44ao
1',92 o
a5
9ao
I 9>5
905
28 a a8 i|4
33
ai7
63oU
80U
venda.
7:750
l45oo
4 46o
i>935
2
9*5
9a0
910
"34
2i9U
63o
85U
/HDJS EM LOKORKSt
Em 3i de Julho.
Portuguezes de 5 por cento ag 3|4 5o i|4
3 18 i8M4

Hespanboes '
porque havia n'aquellas visinhanjas muitis- logl.
suma gente atrabida por a nordade de tal es-
Deciaculo em hora desusada e no local do
ese
palacio tamben desusado,
E^unerosa e brlibante era a concotrencia
iue seenconlrava na Cmara deS. M. : lal-
Tracas. Tenpo. ^dS! Pre' ^^
avlele^ *2 ? ia3 3i4za 4
>>
1
i*
i93|4 19 ?|o
6; b
89 i\% 89 6|8
CAMBIOS DE LOHDREi,
m 31 de Julbo.
ESTADO DO MERCADO.
No nosso mercado durante a semana pas-
sada nao houveram alteraces dignas de men-
cionar-se conservan Jj-se todos os gneros
em grande apatliia.
Assucar O deposito muito grande as
poucas vendas que houveram limitaram-se
ao consummo peloj precos que cuban,
Arroz- Sustenta-se e o genero que tem
boje mais prompta sahila.
Algoda- Contin no mesmo estado.
t Ccao A existencia deste genero muito
diminuta e nao procurado,
Calle Llleciuaram-se algumas vendas
para reexportaca e para consummo pelos
precos cotados.
Couros \ existencia grande 1 houve-
ram algunas vendas para reexportaban e para
consummo porem de pequeas porcSes,
(Uo Commercio de 9 de Agosto,)
VAR1EDADE.
Os Homens bestas,
Na5 accredite Vms. Ta lichaela que
sao best-is todas as beslas ; a superior intel-
ligencia de cerros animaes tal vez a conven ca
de .uo muito etacto o systcma de metemp-
sicose. Com effeito os caracteres de certas
bestas tem urna analoga ta5 particular com
a de cerlos bomens que estou quasi persua-
dido que ha almas de bomens em certas bes-
tas e almas de bestas em certos homens
Meslre com sua licenca : parece me que a-
h anda besta de mais o assumpto que Vn.
hoje escolheu para o nossos divertimentos
philosopbicos nao me parece l que tal 5 com
ludo j agora *' paratus sum ad martirium ,,
como dizia o meu Martyr S. Sebastio es-
tou prompta para o que der e vier. Conti-
nu e vejamos o que sahe.
Por exemplo Ta Michaela um corteso
adulador que est sempre a incensar o Poder,
seja qual for a sua forma nao se parece coai
(erios caes que lambem as mos de todos os
donos que os compro ? Essa sua observa-
cao Mestre, nao deixa de me parecer exac-
ta. C assento no meu canbenho.
Aquelle escravo insolente Ta Michaela,
resplandecente de hbitos e de medalbas,
que capaz de varrer as escadas do Paco ,
que engrossa a voz quando imagina que sao
seus interiores aquellos com quem falla pa-
ra se dar importancia e fazer arruido nao
Ihe parece Vm., Ta Michaela que tema
mesma alma que aquelle cj de horu que
iraz a colheira da escravido e que ladra
com furor s gentes honradas ao mesmo
nisso que deixa entrar os ladres ? Tam
bem essa Mestre, nio deixa de me fazer
peso c carrego.
Ora diga-me f Tia Michaela : esses guer-
reros machinas que nao lem opioio poltica,
e que boje derramo sangue por urna cous ,
ammtb por ouira nao se assemelha aquelle
cavallo que segundo as occoareucias da guer-
ra galopava com igual ardor levando Cesar
como levardo Pompeo ? .. Apoudo Mestre ,
apoiado ; essa nio me esquece.
Aquelles oradores estacionarios que esli
repimpados nos bancos das Cortes e que
nunca abrro o bico seno para dizer apou-
do ordem requeiro se a materia esta
discutida ; nao Ihe parecem Tia Michaela,
com aquelles papagaios que depois de vasai
o bebedouro, s die.n papagaio real para
Portugal quem passa El-Re que vai u
c muito bem, Sor. Ms>tre], essa nao caba
em cesto roto.
Esses Depatadoi ministeriaes que todos o
dias e a horas certas se afadigisem defender
qaem governa sempre com a maior cfiuei-
ra e oue assim trabalhio p>r fortiScar a
Poder : nio se pirecem Tia Michaela. coaa
una burros de ora que com os olhos tapa^
dos mirchio sempre no mesmo terreno ern
clien i 1 e vazando alcitruzes, e regando oa
can.pos de seu Senhor ? Nio deixo, Mes^
(r<; de concordar com asemetbaoca. Essa
taiilien c vai para o livrinho. Ora dga-
me Tia Michaela nao Ihe parece que es-:
es Deputadosda opposico conscenciosa que)
lo ios os dias esto abanando a arvore do !\H
der se parecem com a raposa da fbula qV
na i.oleiidj chegar s uvas dizii que ellas
eri verd*"* e que Ihe fazo mal ao esto-
mgo ? Tem razio Mestre lem raiioj
Ta A (ueiles homens ingratos e perSdos qua a,
gente por compaixo recolhe em sua caza o
que depois nos rouho e nos ass tssini 1 nij
tem elles a alma dessa cobra que a gente a-
gatalba no seio por causa do (rio e q*id de-4
nois de quente nos morde e nos devora ?
Tamben, Mestre, estou por isso. Vmj
est farendo muito boas ejoaparacds !
Aquelles entes insignificantes e inatis
que sem msis mrito qua una chave, urna
buida, urna posico social, esconden sua.
nuliiil 'de dobaixo de uas vestidos bordados
e se le-^.nta se inclinio se corcovio se-
guillo o prescreve o orgulho a etiqueta
ambiyo; nao teem elles a mesma alma
que esses ce* ensinados que costumio sihic.
nos theatros, que se appreseutad com seus)
tragos e cere&ionia que b filio que ajoi-
lo e que se f icem morios ao menor aceno
do Pelotiqueiro que os governa ? Pambem;
me nao desagrada esse Sor. Msstre. Con
etfeiio Vm boje est muito ratasana l
Esses Prenles comiljes eises pipijant-,
res que ando pelas casas alheiis euch^nlo
b irriga de bons petiscos, e qua para esto
fia poem a neza trinchio a fazem o sern
vico de escudeiros que dfforenga late a. doa
burros que obadecem com mais ou menov
promptidio segundo a m'ior ou menor por^j
cao d6 pesi que se lhes deit ? I *"* i
Meare a semelhanca bem aohada,
Em fim Tia Michaela ha muitos ho-?
mens lebres muitos bomens mochos mui-
tos bomens cobras, muitos homens cameloes*
muitos homens lobos, e muitos bomens pe-
gar, a figura nao fax ao caso, porem ai
suas viciosas iaclinaces ; e tenho d 1 lo o mea
recado. Muito bem, Mestre, muito bem.
Or com sua licenca que boje noite da Vi.
Sacra, At a man ha porem venha mais
cedo. ( Do Peridico dos Pobres no P. )t
THEATRO.
A torre de mbslb beneficio da 1. Da m
Joanna Mara de Freitas Gamboa amanba
6 do correle. Peraonageus da peca, Se
nhoras. Margarida de Borgouha a i
Dama (Beneficiada) A sua confidente, Lui-
sa da Couceico. Carlota I. Aya Joiefa
Candida de Mello. Senhores. Conde do
Savoisy Antonio Lopes Ribeiro. Eaguer-
rand 1. Ministro Joo Joze Lopes. Fe-i
lippe de ulney, Eleuterio Dmeles, Gaal-
ler d'Aulney Joze Mximo Cabrtl. Lan-
dri assassino Joaquim Joze da Gama. O
Rei Luiz X. Antonio Caetano dos Santos.
Orsini Taverneiro, Modesto Francisco das
Chavas. Capito Rundan Francisco de
Freitas Gamboa.
N. B. Os oulros pequeos e insignifi-
cantes papis, sao executados palos actoreo
que se nao encontrio eul>e si, Esta grand.
Peca composta em 5 actos e 9 quairos r
motivo justissimo porque uo pode admittia
mais diverlimento algum. A Beneficiada
aprezentar com lodo o luxo e pompa taai
lo nos vestuarios ao carcter do Secuto i3oo ,'
em que se figura a acolo como no mais a-^
prxima lo das decora?es ; e como nao Iba
seja posvel poder ir pessoalmente repartiros
Camarotes e Bilbetes espera dos seus be-
niguos protectores o manden buscar ao^
Tneatro as horas do costume.
Priuciptar iufallivelmente as 8 b,Qr/iS
SOCIfiDAUE PASTORIL.
A Commissa Administrativa convida aos
Sii.-s. Socios para reuniao boje s 6 hora'
e meia da larde.
Avisos Diversos*
Preciza-se de urna ama de lene se -
iillio i na ra N ia ultima caa ao pe* di po.i
M do lado es^ueido s'-unio auiar,


DIARIO DE PEENAMBOCO

:
55T Pranle o Snr Dr. Juit do Civel da
- terceira vara se bao de arrematar boje a5
do corrf nte um casal de escravos uma car-
rota com rodas de ferro um boi n ango uro
burro dous carrinbos e um grande sitia
cero megestosos edificios todo murado a
Irtulee os iodos, coro menso numero de
aivcredos de fruto em fim he escudado |in
la-lo porque be muito elogiado por todos
aquelles que ja o viio, e sobero o que se
gMtcu para se tornar ueste estado enconiador
i.eiienceiile ao casal do fall cido Joo Carlos
] ereirade Burgos os quaes vo a praca pa-
ta pagamento dos credores requenmento
ta viuva inventariante D. Francisca d* Cu-
uha Bmdeia de Mello.
tss~ A.luga-se na campia da casa forte ,
casas com muUosbons coromodoa para se pas-
sarafesla, cu annualmenle j trata-se na ra
do vigario D. la*
tgr Aluga-se um armazero para o esUbe-
leciagento de assucar uu couros, na ra da
Madre de De. s no sobrado de 4 andares de-
fronte do ferreiro Caclano ; a tratar na ra
do Vigario D. 12.
9 A quero I he faltar urna escrava cre-
oula que diz chamar-se Gregorio e perlen-
cereo Sr. Luii Ignacio morador ero llanhen-
g. queiradiiigir-seao sitio do janibreirq
junto uo Botario onde apareceo a mesia
escrava procurando comprador nao se res-
ponsabelisando o annuuciante pela fuga.
BT Precisa-se de uma cas grande que
tenha bom quintal para cocha sendo as
mas seguiotes; paleo do Carmo, hortas ,
Padre Floriano direita agoas verdes, e
pateo da libeira nao excedendo o seu alu-
guel de 1 a a i4 000 ; quem ti Ver annuncia ,
' cu dirija-se a ra direita O. ai.
tr O abaixo assignado fai sciente ao res-
f eitavel publico que desde o dia aj do cor-
rente deizou de ser seo caixeiro Jcs de S e
Souza sabindo de minba casa por sua livre
vonUdee sem nota. Jos Antonio Al vea
Basto.
tar Quem acbou no dia 19 do correte de
S. Tberesa at a ra de S. Jos uos corazes
de bracos dirija-se a ra de S Jos D. 2 ,
qne ser recompensado
r A pessoa que annunciou precisar de
3ao,ooo sobre uma escrava annuucie sua
iterada.
tsr Quem precisar de um caixeiro por-
tugus para ra ou para tomar coota de uma
venda por balanco, difija-sea ra direita D.
10 lado do Livramento.
tar* A!uga-se a ioja do sobrado de dous
andates e mirante sito no pateo do Hospital
do Paraso ; quem a pretender jrija-se a
1 ua nova no segundo andar do sobrado De-
cima 16.
tsr AlugSo-seduas casas na ra do cjio-
vello, que foro do finado Quaresma as
quaes tem muitcs commodos e um peque-
o sitio com diversos arvoredos tero seu-
zala para escravos e lugar espacoso para or-
ttlite boas cacimbas e tanques, finalmente
com rio torrente ; os pielendenles dinjo-se
a la nova D. urj no segundo andar.
tsr I retira se de abo,0110 a juros, por
tempode b roezes dando-te boa liico, quem
ijuiser dai aunuucie.
tsr Rebaiem-se billetes da alfrndega a
uro por tent ao mes, utaimcoroo do-se a
juros de um e meio por cento ao 11 er quauli-
as de 5o,000 para cima sobre pmborts de cu-
rocuprala,ou firmas a conteni 3 ua ra
da cstia loja e tbaf eos n. 4 .
tr iVaOoOie Lombard anuuncia pela se-
gunda vez que itlira-se oe.-te Imperio at o
um da st ruana piuxima j as pessoas que ti-
veitm piuboits tro nao da uiinuiKuwiie os
\o itliiar quanio antes, stim como vende
uiua negra moca muito sndia e bom pare-
< l.i ; ni palto da Ylaliizde S. Antonio De-
'tima 8.
tsr Precisa-se de um noto de idade de
4 annos tara anclar entregando pao com um
esciavo prtlenndo se aquelle que ja tive
pirtica e dando fiador a sua conducta j na
padaiia do poleo da S. Cruz tefronle da
*gej*
CsV* O abaixo assignado comprou por ron-
la do Sr Antonio Jos t'tieira 'oite Jnior da
Villa da Laran^eira t'rovincia de Sergipe o
i.nljtie da pnutia paite da */. Lolena do
'll.talio de u. igt. JosTtiX na basto.
tsr liecisa-sc tallar com o Sur. Manoel
GotuaUts l'cneira para se lhe euliegai
urna caria viuda de poilugal, e ao me su. o
tmpo a negocio de seu miei esse ua ma Ua
prau aruuztai de Luiz Jos de Magalbaes ,
cu annuncie sua morada.
W Da segunda para terca ieira furtaiu
ou desapartceo uma canoinba de sarreira de
J)"D pao se kf ida < oui J casas de ca\tr
as com om paneiro maior e outro menor
para assento 1 a bancos para o mesen? e lu-
gar para outro correte de ferro guarne-
cida pelas bordas de tainas de pinho e co-
mo se tenha procurado e nao se tenha obtido
n ticia de lia por i>so se faz publico que qual-
quar pessoa que a tenha annunrie por e>t
f.Jha ou a le 'e a fabricu de sabio d con
traiio protesta proceder con'ra a ppsso> que
a liver, nao entregando da dcta de>te a S
dias.
S3T" Offerece-se uroaama parda de roaijr
idade para casa de uro hornero solteiro ; no
beco da Lobato achara com quem tratar.
tsr" O Sr. Joo Tavares de Mello queira
dirruir--* a ra do Livramento loja de louca
tsr Du^s pretas com boas babelidadei,
engommo oozinho e cosem uma dita
por 35o 000 cozinba lava roupa, e he boa
vendedeira de ra doas moleques de idade
de la a 14 auno uma negrinh 1 de idade de
lo annos e um preto bom cozinheiro e
compra lor ; na ra de A;oas verdes D. 3 ] Barros ; a tratar 00 aterro da boa vista 17
%sy" Farelo da fabrica de farinba do atier-
ro da boa vista a 3ojo a saca i na ra da
senzala relha padaria do Machado, en* roa
nova pad ira de beulj ^n'onio Domiugues
SST Urna morada de casa terrea sita na
rus de agoas verdes 5 a Iratar na camboa do
Carmo loja de odrives L), 8.
Vcsr 18 duzias de penles de mass.i lisos e
grandes que serven para desmanchar e so
. S para receber urna carta viada do Porto, faterem da moda, a|caixilhos para loja de sa-
i pateiro por lerero os vidros inteiros tudo
por prego comroodo ; na praca da boa vista
ao voliar para a ra da C'onceL'o casa De-
Avisos Uaritiaos.
PAPiA O ARACATY segu iaipreterivel- a 2.
mente o Brigue Maibilde no dia 10 de Ou-1 tS" Moinhos de moer caf a 1000 e a naoi
tubro porterp e estar dito navio comprometido a sabir com *ST Uma meia agoa na ra da praia atrax
a carga que liver a seu bordo poucaou mii- de Jos j na ra do Nogueira D 19
ta neste dia pir ler trato feixado com os car-
atierro da boa vista loja de alfaiite de Mano-
el Joaquina Venancio D. 17
tsr Umi loja com armaco toda envidra-
cada propria para allaiate chapeleiro ou
miudezas, sita n* praca da boa vista por
baixo do sobrado onde mora o Sor. Capitj
Cadeiras americanas con assento de
palninha ditas c > de vento de amareb rouito hetx feilas a 45oo,
ditas de pinhj a 35oo e piaba da Sue i 1
com > paletadas de grossura e dito serra-
do tudo mais eco conta do que en outra
parte; na ra da Florentina e;u casa de J.
Beranger.
ssr* Uma pequea porco de madeira da
condur propria para construir uma cama *
ou outra quilquer obra ; na ra da (Joacei-
cj da boa vista D 8.
Escravos Fgidos
No dia primeiro do corrente fagio una
negra d njme Joiquina levando vestid > d ;
riscadinho miudo cor de roja com folhos no
tsr Uma taberna com pouco fundos, sita tallio e mangas, p>nno da costa con rretames,
regadores recebe ainda a'gunaa car,-;a; quem na ra de S. Amaro a tratar na ra do Ro- he baixa fula oP:os e boca grandes la-
quiser carregar dirija sea Joaquim Gonsal- zaiio com Jos Joaquim ias Fernn les. bios grossos, desdentada, pescoco fundo e
ves Ferreira na ra da cadeia D. 14 no se- wT" sleirasde carnauba, propriis para com uma jicatris de um talho ,' est grvida ,
gundo andar delronie do Sur. Luiz Gome9 sala e maiquezas ; na ra do Livramento pas cambados e ieia quem a po^ar leve a
Ferreira. D. ia. sua senbora D' Antonio que roorou na caput
PARA O RIO DE JANEIRO a Barca VBT Penuas de emma para penacho na ga e boje existe na solidade defroute da
Brasileira Firmeza ja bem couhecide nao s ra da moeda n. 4i. lgwja q ser gratificado,
pela velocidade de suas viagens como pelos e^a> Feijo branco e molatinho preco or No dia 17 do correte fugio da Villa
superiores commoJjs e bom tratamento aos commodo na ra da moeda n. 14 de Iguarass uma escrava do gento, com
passegeiros pretende sabir at o fim do cor- or Para fora da provincia ou para en- dods anuos de trra, he muito bruta, de ida*
reute por ttr a maior parte de sua carga, e genho uma escrava de naci, de idade de do de 45 a 5o annos, alta, rosto descarna-
para o restante e passageiros trata-se com An- a a a i\ annos de boa estatura, muito sa- do ecomprido com poucas marcas de be-
Ionio Francisco dos Sautos Braga na ra da dia e robu> a ptima para o trabalbo de cara- chig*8 de nome Luiz com sai* e camisa
Moeda n. i4a ou com o Capilo Narciso Jos po tambero lem algumas habelidades que de chi'a e panno dt costa perlencente a
de S. Anna. se diro ao comprador assim como o motivo Joaquim Francisco do Reg morador na mes-
PARA LISBOA o Patacho Portuguex Pa- da venda e o preco pelo qual seoo deixa- aa Vida que recompeasir a quem a levar,
quete da Terceira para carga e passabeiros r de ajustar } na fu da penba lado do as- ssr Fugio no dia 19 do correte um ne-
trata-se com o Capilo ou com o Consigna- tente U. 7. gro de nome Domingos de naco congo de
tarioThomaz de Aquino Fonseca. i3r* ^ timo arroz de vapor em sacas e ar- idade de o annos ladino baixo cara re-
_ ______________________________ robas a a3oo e a libra 80 rsi tinta verde e djnda pouca barba, com alguns cabellos
C O Ql D T o 'eo de ''onaC* ^4 ''D,a azeite de coco braocos olhos grandes e papudos pello um
a a88o a caada paios liogoissas touci- tanto grossa ps doentes de fondas incha^
3 copos na praca da Independencia n. a.
Uma
sua morada.
pavos quem tiver anouncie
Uma salva de prala aem feitio para nho de Lisboa e lodo* os mais gneros de dos e com mallus brancas j* foi do erige-
venda j no largo do Terco D. 4* nno do finado Gusmo be de suaor que le-
ar Potasa Au.ericaoa de primeira sorta vsaae orna irouxa baeta encarnada e pao
muito nova em b-rris pequeos ; na ra na mo a moda de mendigo ditera que 10-
da Cruz n. a e 3. mou a estrada do sul ; quem o pegar leve a
tsr Um escravo d idade de ao annos ; ra nova ao p da ponte lado do norte loja
na quina da pracinha do Livramento a fallar de Luis da Costa Leite que gratificar,
com Manoel Luiz Vieira. | er No da i5 de Juuho p. p. desapare-
ar* Salea parrilha de muito bs qualida- ceo um negro de nome Joo, do gentio de
de ; na ra njva fabrica de chapeos D. 3. angola um tamo bucal estatura regular ,
tar* Excedente farinha de trigo para pao e luto olhos pequeos com principio de bir-
bolaxa, pelo modi.-o preco de 8, 10, 11 e i4# bi cabello ralo bastante magro de iiade
Vendas
tsr Um violo bom e com pouco uzo ; na
roa nova D. 16 no segundo andar.
tar Por preco commodo bypolbeca-aeoa
arrenda-se uma casa de pedra e cal no lugar
do caldei eiro propria para passar a festa por
ficar rouito peno do banho com duas salas, a dioheiro ou praso no armasem de ta- idade de 2a annos, levju vestido calcas e ca-
4 quartos cozinba fora e um grande quin- boado de pmho por delraz do Theatro. misas de coila grossa, um lenco amarrada
tal com alguns arvoredos, e rouiso frescas; *w Um escravo de nacoangola parato- pela sintura e sem chapeo-, quemo peglr
a tratar na ra de Manoel Coco 4 ou no doo servido; na pracinha do Livramento L)e- leve a praca da Independencia n. 4j que re-
forte do matos com Antonio Joaquim de Oli- cirua ** cebera 100 000de gratific.cao.
veira Baduem. ^ Por preco commodo una duna de ca-, or Do abaixo assignado e de sua fazen-
tsr Por preco comuodo sevada nova de deiras ameriemas com assento de palhiuha da da .Vlacambira termo di Villa da Pes-
Lisboa em barris e as arrobas, barrisinbos om pouco uzo ; na ra do Manoel coco De- queira Comarca do Brejo da Madre de De-
de conserva*, sacas com arioz de caca cai- cima 4. : os ludio era dias de Seiembro p. p o cra-
zas coro sebo do Porto barris com p ixe sal- cr Uma canoa aberta, em muito bom es- vo Joaquim creonlo, filho do mesmo sertj ,
gado ,e louciobo em caias e arrobas ; no do de carga de oo tyjollos d'alvenaria : jo qual o houve por beraua do seu sogro o
armazemde Antonio Joaquim Pereira de- no estaleiro de Manoel da Silva Mariz de- : fiuado Jos Cordjiro Muuu Falco os stgna-
f ron te das tscadinbas da alfande .
fronte de S. Francisco.
tsr Meias barricas de faiinha de trigo su- *&" lD liudo relo d,J parede de repi-
perior no arro^^em do Sr. Joaquim de Sou- tiyi e Por V,eo comroodo na ra do Ca-
za Pinto na iua da senzala
tsr Una pela de naco de meia idade ,
la lavtdeira-e sem vicio; na ra do No-
gutira D. I9
tsr Um moleque de idade de 17 annos,
cozinba o diario de orna casa e proprio pa-
ra pajero por ter muito linda figura; na pia-
fa da boa vista D. 15.
tar Rap princesa da fabrica de Li-boa ,
da melbor qualidade que ha rio mercado, a
preco de 3400a libra na ra da Cruz D 67,
tar Uma escrava cabra es ura de idade
de 1 (j annos, cose, e be lavadeira de var-
rela j na ruada Cruz n. 5j.
tsr Caixas de cb grandes e pequeas ,
bariicas e sacos com iarello barucas com
fumo para charutos, tudo muito novo e de
muito boas quahdades e a precio commoao ;
um cuimibo de 4 rodas para dous cavalLs ,
com pouco uzo ou quaai novo ; a ver o car-
liubo em casa ao segeiro Miguel no principio
do atierro da boa vista e a l de ludo em casa de Malbeus Auslin & Com-
panbia na ra do trapiche novo n. 1a.
tar Ricas fraojaa brancas para guarni-
jjoens de cama e janellas e damasco de la a
immilat-o de seda, pioprios para coeiros ,
colx-s de cama e forros ue cadeiras na ra
do Crespo U. 6 lado do sul.
tsr Uma uma para deposito de ossos ,
ainda por acabar ; ua ra das Cruies \J, ly
es do escravo sao os seguintes \ alto, ciieu dj
co^po cor bem prela pernas bastantemen-
te grossas, falla algum lauto rouca tem o
vicio de embriaguez e be bastante praticj
as estradas do serto poise.n outras frgi-
das lem-se dirigido pira o> seilesda i'.-
rabipa, Tem sido visto na povoacao de S.
liento e Cacimba. termo de Garariiiujs e
ltimamente que lomara para panellas de
Miranda ; quemo pegar levo ao atierro d*
Boa vista que ter 100,000 de gi-aticaco.
Fianciseo Xivier Pereird de Brito*
tuga loja do Sr. Claudio.
tSST Potassa da Kussia em barris de 4 ar-
robas ebegada agora de iiamburgj ; em casa
de Hermauo viebrlens 1 ua da Cruz D. a3.
tsr Colheres de prala para sou ja e cb ,
vindas do Porto ; ua iua da cadeia casa de
Jos Pereira da Cuaba, D. 9
-xtsr Repoitoiico das leis extravagantes por
Manoel FeruandesTbomas a pratica ju-
uicial de Vanguerve ; e meia dutiade meio
de linbo finas em Olinda ua ra d S. lien-
to venda junto a guarda principal.
*-s> Um negro da costa de bonita (ijura ,
de ididede a(i anuos, e outro de naco con-
go de idade ao anuos e uma uegra creoula
ue idade de a na ra larga do Rozario
venda D. 4.
tsr Uma linda molalinba de idade de sa
ani.os cose e faz lavar lulo e uma prela
de idade de ao annos eugommadeira e co-
zinbtira, uma dita lavadeira de sabo e var-
ela e be quitaudeira uma dita muito re-
lorcdda de idade de ai annos cozmheira, e
quiiaudtira uma dita boceteira um preto
de linda figura cozinheiro de torno e logo ,
um dito para todo o servico-, euma cabrinba;
ua ra do logo ao p do Rozario D. a5.
tsr Sobitcasacas de panno preto e verde
a a8,000 catacas de dito a ab 000 e todas
aa mais obras por preco commodo nos seus
teitioa, e se tatem com toda a brevidade D0 REQFE NA TTP. Dt^ M. F, DE F. -18 4 i
ERRATAS
Na Pastoral de S. Ex. Reven, destribuida,
como Diario N. aoa de 16 do cerreuto pag.
a. lio. 10 de nosso- ieia-ae do vosso pag. .,
lin. i escuto lea-se estarlo lio. ib" cons^
lilue- lea-se constituio pag 5* lin. a (i Ju-;
iz leia-se Juizo- pag.6 lin. ai para- lea-
se por pag. j, lin. 6 remdente leia-se ef-
luiente uu. aa do Evangelno leia-se a< >
Evangelho lin a3 consellio lei-se cani-
nbo pag. 8. lin> 11 mu leia se muito*
Do original da resposta ao Dr. Sarment.
Na liona la depois dapalavra Relacio leia-
se seria destruido o que afirmara; o cr i-
me foi de responsabelidade*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5S2SE9R0_Q1ZE10 INGEST_TIME 2013-04-13T00:58:59Z PACKAGE AA00011611_04285
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES