Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04271


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
iAnk de 1841. Tfl*gA Feira
Tdo agen depende d nos intimo! ; da oosta prndanei modera -
o, oargia : continuemos tomo principiamos, t strtrnoi neniados
- adznracM tntrt aa Naets maii tulUi.
ProtlamaeSo da Autmblta Gtral do Brasil;
wiil
Sohserova h para tata folba a 3^ooo por qu artel pagos adiantado
^oetta Typografia roa das Cruzas 0.3, i na Praca da Indepcndtn-
ia, n. ijm 38, onde se reeebem eorrtspondencifis' legalisadas t art-
auneioa, fnsirindo-se estes gratis; sendo dos proprios assianante,
I* indo asignado.
PARTIDAS DOS GORREIOS TERRESTRES;
i Cidadtda Parahiba c Villas de sna prcteneo ...... ,'\
f DiU do ftio Grande do Norte, c Villas dem.......,. ,, ..,.
Y Dita da ForUlexa t ViUas dem.............. S,K' 8"lM Wt**<
| Cidade de Goianna ........... ........../
Cidade de Olinda..................... Todos os diasl
1 Villa deS. Anto...................... Quintas feiras;
\ DiU de Garanhuns t Povoaco do Bonito......... lo, e ?4 de cada mci
Ditas do Cabo, Serinhaem, Rio Formozo, t Porto Calvo, i, if, a ai dito dito
Cidadt das Alagoas, a dt Macei ............dem dem
Villa dt Paia de Flores.....................idtm 13, dito dito
Todos os Correiot partem ao meto dia.
7 de Setembuo. NM 195,
PHASES 1)4 LA MO ME'A DE SETEH.
Quart. ming. a -8 as 11 h. t 55 m. da man.'
La Nova a i5 s 3 h. t 11 mi da man.
Quart. cese, a a t asi I h. e 5j m. da tard.
La C;-.ei a 3o-as 1 a. 3j m. daman.
Mare thcia para O dia 7 de Setembro
As 10 horas e 6 minutos da tarde.
As 10 horas e 3o minutos da manh.
CAMBIOS. Sktembro 6
Londres....... og >p* 3 d- P01" '*0 c,a' ,
Lisboa......8t a 83 por oro premio ^r mota I offerecdof
Franca......3ao rtis por franeo. Comp. Venda.
OUKO Moeda dt 6f4o rtis, vtlhas I<5oo I1700
DitM no'" '44oo <*<*>
Ditas dei^oooreis, HJ100 8f3oo
PRATA Pataces Brasiltiros ----- 1/6*0 ifbio
Pazos Coluranariot-----------i/Tio ifCGo
Dito Mexicanos -------------1/600 ifGo
Eliu:a. ------------------------i# Djsc. debilh. da Aliandega r i|8 por loo ao raes. 1 ojo
dem de letras de boas firmas 1 I|3 a I i|4
Moeda de cobre 3 por 100 de disc.- ao par
DAS DA SEMANA;
G Segund S. Liberna V. -- Audiencia do Jais da Direito di ,"
vara.
7 Terca jejam 3. Jo M. llcl.ir.io e suJ. do Juis de Direito da
1. var.
8 Quarta >J< 3. Naliridade do N. 8. Aud. do Juizdt D. da 3. vara.'
Q Quinta B. Sergio P. Audiencia do Juiz de Direito da 3
vara.
10 Sexta S. JarJer B. M. Audiencia do Juiz de D. da i." v;
1 Sabbado S. Proto M. KelacSo e audiencia do Juiz de D. da 3.1
vara.
12 Domingo G SS. ?ome de Mara.
RIO DE JANEIRO.
MINISTERIO DO IMPERIO.

Illm. e Exm. Sor. Tendo chegado ao co-
nhecimento de Sua Magestade o Imperador o
abaso con que etn correspondencias offiriaes
e al em crdens expedidas pelas Secretarias
das presidencias se dio Iratameotos indevi-
dos ; econvindo por termo a semelhante a-
buso: Ha o Mesmo Augusto Senhor por
bem ordenar que seja como cumpre religi-
osamente observada a Lei, que estabelece
os tratamientos. O que communico a V, Ex.
para seo nnhecimonto e execusso.
Dos Guarde a V. Ex. Palacio do Rio de
Janeiro em ai de Agosto de 1841 Candido
lose de Araujo Vianna Sur., Presidente da
Provincia de Pernambuco.
Cumpra se. Palacio do Governo de Per-
nambuco 6 de Setembro de 1841. Sousa.
ASSEMBLEA fiRRAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
Sesso de 37 dejulhode i84'
Presidencia do Snr. vice-presidente Henri-
quesde Resende.
A's 10 horas e meia da manhl faz-se a
chamada e reunidos os Snrs. deputados em
numero legal, abre-se a sesso le-se e ap-
prova-se a acta da antecedente.
O Snr, primeiro secretario d conta do ex--
podiente lendo os seguintes oficios :
Do ministro da guerra, que em resposta ao
offirioque Ibe dirigi esta cmara em data de
21 do correrte requesitando-ihe todos os
papis que dero lugar a expedieco do de-
creto de a de maio de 18J4, pelo qual fui
demittidodo posto de tenente coronel que oc-
cupava no exercicio do Brasil Jos Ricardo
da Costa declara que na copia junta do of-
icio que um de seus antecessores dirigi a
esta augusta calcara com data de 34 de agosto
do dito anno de 18J4 se enjontra os funda-
mentos que dero lugar a expedirco da
quelle decreto.
A' quem fex a requisico.
Do ministro da fasenda comtranteando
que os errematantes do contracto das capataz-
as da aliandega nao eslo sugeitos a multa
per abandonaren) o servico antes de expir r
o praso contrabato; que as inclusas copias au-
tenticas das artas das sesses do tribunal do
ibesouro celebradas em aa e 3ode junuo pr-
ximo passado fornecem as mlu. macej ex-
igidas j e que a copia uthenlica tambera,
junta do parecer fiscal de j4 do corrente exa-
rada sobre requerimen'o de Maooel Jos Al-
ves de Miranda, mcslra os fundamentos ens
que se baseou o despacho | elo qual o suppli-
cante foi indiferido.
A' quem fez a requesicfo,
Do meamo ministo partecipando que a-
cbando-se em estado de ruina a grande pon-
te da aliandega desta corte e sendo de mai-
or urgencia providenciar a tal respeito, trans-
miti a planta e crcamento da despesa em
que deve importar o reparo ou a reedifica-
do da mesma ponte a tm de que na lei c*o
orcamento passe urna disposico que habelite
o governo a maudar prioeipiar a tbra mes-
ao este anno qualquer que sejn o arbi-
trio que b corpo legislativo julgue conteni-
ente piolerir.
T A' commissio do orcamento.
Vae a commisso do orcamento o mappa
demonstrativo da substiluico e assignatura
do papel moeda.
Vae a ommisso de constituico o requer
ment de Jos Maria Xavier da Cuaba, sub-
dito portugus.
Julga-se objecto de deliberaco e vae a
imprimir o projecto da terceira commisso
de fa&enda que autborisa o governo a en-
contrar no alcance adiado a Cundid > Jos
Fernandes, que foi almojarife dos ar;nr-
sens nacienaes da provincia de Santa Citha-
rina, o valor dos objectos que do mais se a-
cbaro us ditos armasens.
Primeira parte da orden do dia.
Continua a discusso do requeriraento de
addiamento proposto pelo Snr. Nunes /Via
cbado para que os artigo addivos ao pro-
jecto sobre os sidos doi militares se separem
da lei j votada a fim de serem tractados em
lei separada remetendo-se no entanto para
o senado a materia vencida.
Nao havendo quem peca a palavra e ce-
dendo delta o Snr. Marinho julga-se dis-
cutida a materia e o requerimeuto de .id ii -
ment posto a voto e approvado.
O projecto da commisso de niariuhi e
guerra adoptado e remedido a commis-
so de reJacco com as emendas appro-
vadas,
Continua portanto a discusso dos artijus
additivos.
E' apoiado e entra em discusso o seguinte
re.queiimento.
Requeiro que se remetto a commisso de
marinba e guerra os artigos addittivos a
fim de que vista delles organise um pro-
jecto de lei. S.ilva a ledaccu J J. de Ol*
veira.
Depois de urna calorosa discusso sobre a
malcra, apuroveUj o requivi nenio do ii-
lustre deputado menos ni parle de ir n os
artigos additivos a commisso de marinha e
guerra.
Decide-se que os artigos additivos vu a
commisso de redaeco.
O Snr. Clemente Perreira (ministro di
guerra ) obten a palavra pela ordem e ru-
ga ao Snr. presidente que baja de dir na
primeira paite da ordem do dia de amanii
o projecto sobre a crearo de um juiso pri-
vativo dos fertos da fasenda demonstra a
grande necessidade que ha do estabeilecioteu*
lo de um semelhante tribunal.
Acbando-se na sala immediatao Etx. Sr.
ministro da justica recebido com as
formalidades do estilo, e oceupa o competente
lugar.
Segunda parte da ordem do dia.
Continua a discusso do orcamento da mi-
nisterio da justica com as emendas apou-
das.
Tomo porte na discusso os Snrs Casa lo
e Marinho.
Julg-sedS'ulida a materia.
S. iz.oSr. ministro da jusii relira-se
com a mesma formalidade com que lora re-
cebido.
s artigas da Pro-i osla sao approvados e
bem assim as emendas dt commisso excep-
to aquella que diminue na panella lellali-
va aos guardas muuicipaes permanente a
quautia e J9;aoU res que regeilada e
approvado o paragrapho da proposta.
E'approvadaa emenda do Snr. D. Jos
de Assis Mascarenhus quo cousi^ua desde
j para o bispo de Cbrisopolis a congrua de
i;aooU reis.
E' approvada a emenda d> Snr, arccbisDo
da Babia em que se declara que os desem-
bargadores de rellaco metropolitana recebe-
rao o seo ordenado por inleiio embara pos-
suo benefitios.
E' aporovada a emend 1 do Snr* Gonsal-
ves Martins que u pira a polica, em vee de
5o;6'oi>U reis, a quautia de 8o;oooU passan-
do para as d?spesas geraes di repartico di
justica, edeixando de pertencer exclusiva-
mente a polica da corte.
E' regeilada a ernendi do Sur. Peixote de
Alenear que delerminiva queosjuis?* de
direito e os parocbos fossem p gos pelos co
fres geraes
Tendo dado a hora o Snr. presidente da
a edem do da na primeira parte a ter-
ceira discuso do projecto sobre o juiso pri-
vativo dos feitos da fasenda ao meto da a
discusso do orcameu'.o do ministerio dos ne-
gocios eslraugeirus, e levavanta a sesso pelas
duas lloras e ij \ da tarde.
No dia 8 por se uo reunir n. saquete,
de dars, deyuUdo*, nao houve sess j.
p E R N A M B O.
TIIEZOR/xRIA DA FAZGNDA.
EDITA L.
Perante a Thesoura'ria de Fasenda desta
Provincia se ha de arramatar 1 quem maior
preco offerecer, a renda da Fortaleta e Quar-
tel do Bom Jess das r'orlas a da Teilieiro
que servio de cavallarica doeslincto Regi-
ment de Arlilheria de Oind e a da caza
contigua ao mesmo Peliieiro pelo tempo de
trez annos.
As pessoas que se propozerem estas arre-
mataejes devem comparecer na Salla das
Sesses da mesma Tbesouraria nosdias ii ,
i5, e ii de Setembro prximo vindouro.
Serretaria da Tuesouraria de Fasenda de
Pernambuco 18 de Agosta de 1841.
Joaquim Francisco Bastos ,
Oihcial Alaior.
versas iepaftics
TRIBUNAL DA RELAC \'.
Sesso de 6 do crreme.
No processo de revista crime recurrente
Luis Antonio Vieira e recorrida a justica,
esinvao l'ostiiuu ; foi julgada a favor doro-
dos de sigo lo 1 model'o.
O Brigue Brasilcira Jnpiter vindo do
Monte-video entrado no crrante mes con-
signado a Manoel Alves Guerra, manifes-
ti u o segniute t
Jooo quintaes de carne s?cca 5o couros
seceos.
ANNUNCIO.
D'ordem do lllm. Seolior Inspector se fas
publico que o fretamenlo d: urna ou duas
embarcaco-is que transparte n recrutas pa
ra a corte annunciado para a manhi fica
trauferid pira quinta feira g da correntj ag
mesmas horas indi 1 das.
Secretaria da Inspecjo do Arsenal de Ma-
rinha de Pernambuco em 6 de Setembro de
10-41.
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Secretario.
O arsenal de guerra precisa comprar huma
canoa nova de carreira que leve hum ou dois
toaeis d'agua p-us he para conduzir agua ,
quvma ti ver compareca com o seu ultimo pre-
co na salla da directora do mesmo arsenal no
dia 8 do corrente as 11 horas da manh.
iiurlamaque
Director Interino*
PREFEITOrtA.
Nosdias, 5 e 6 nao occo-reo niviJado.'
OBRAS PUBLIC\S.
Em virtude das ordens Jo Exm, Snr.
Presidente da provincia, expedidas em olficio
de 31 do lindo mes de Agosto, pe-se em pra-
ca para ser adjudicado a quem par menos o
fuer, o milhorameiita de i'5 bracas da es-
Irada de Santo Amaro (con'aecida por estra-
da de Luia do Reg), oreada em i5;7a8U itio
reis.
As pessoas a qum convier este contracto
comparecero devidamenta habilitadas com
fiadores idneos em os dt?s l5, l(j e 17 do
corrente mes de Setembro nesta Reparti-
co tonde esto patentes ao exame em todos
OS das uteis as horas do expediente, a plan-
ta, per e descripcio das obras, bem como
as condiccoesda Arreraatajo.
aspeeo das obrjs publicas 1. de Sotena-
de111.
IVloraes Ancora.
EITAES.
A Cmara Munioip.il da Cidado do Recife a
seo Termo etc.
Fas saber que nos diis 9 e lo do corrente
terprincipio a arremitavj, por espaco da
lin n anua contado do primeira de (Jamuro
do corrente anuo, ao ultimo de Sotembro do
184a de todos os predios do seo Patrimonio
CONanappellacociveldoiui) de Direito da sendo estes os d, Praca da ludspandeaeia e
commarca das A da mercado (osle burro, o da da Bot-vista,
os da Ribeira da pL'ix'e a o d* plvora, ior
ALFaNDEGA das fazesdas.
A barca A encana Navarro vinda de
tina da Cosa Subiinlio e appelladus Mana- 7 r-----1 """"- -
elunsalvesdosAr.joseoutros.esenvoban- c,u,,va ,trei J6* le numero l..eJ,
deira foi julgada pela confirm.cio da sen- slUs D,0 ,a*r. d? ^^io e bem assim le-
Uo'-a appcllada. ra Ua,eal ^ pi arro nalago pelo mes-
mo leapo de todos os contractos perteuceni
les ao mesmo seo patrimonio, que soosdo
medidas alTerices, e revises em todo o
Philadelphia, entrada no corrente mei ,.cou- j Mnuicipio e o do repeso noi assougues:. s
signada a L. G, Ferreir e Manseld, ma : oreleudeiitea deveraa canpirecsr .nos diaa
mfestou o setluiule : j cima mencionadas na casa de su 19 aessos ,*
1400 barricas co.n farinba de triga, 3o di- habellados de fiadores idoueas. E para quo
tas com dita de u.illio 19 ditas com bolaxi, chegue a noticia a lodos se manlou publicar
loo meia barricas con pi&e, nburis com o pretenle pela laapreusa. Uecite de Sj-
putjca,j barricas salitre loo sacas com pi- lembro deo^i.
menta, 16 cadeins de biilanco, 1 caixa com
laxas i robra 4 ditas com chapeos depa>
lha,xj'|5 barricas abatidas, loo ditas com
lampos, ao ditas vasias, o fardos com tiseu-
Josu de Barras Falcao do Licerda*
Pio-iJreaideiile. *
Manoel Ferreira Acciole.
Secular 11-9 iuteruio.
MUTILADO


9
blAilo & B P E &f B t C O
NK9M

-*.


Lral coeepanhero do dito estndante que sa-
bed sem duvida onde elle se acba por
ser quem informa a sua retirada para Logoa
funda.
Dos Guarde a V. S. Prefeilura da Com-
marca do Recife 3 de Setembro de iftyt*
[Ilm. Sr. Doutor Casemiro Jos de Moraes
A Careara Municipal da Cidade do Recife e
seo Termo etc.
Faz saber que no dia 4 do roez de Outu-
bro prximo vindouro, ter principio a ven-
da rio edificio que serve de Cadeia nes-
ta Cidade, e o terrenos adjacenles. Os pre-
teudentes deverSo comparecer no da cima
treucionado, na casa de suo sesuos mondos! Sarment Juii de Dcreito interino da
de fiadores idneos.
E para que chogue o eonheeimeTito de to-
dcs so irandou publicar o presente pela im-
prenMti
Reeife 4 de Setembrode i84'
Jos de Rorros lale:"o de Lacerda,
Pro-Presidente.
Manoel Fer reir Acciolc,
^Secretario interino.
A Cmara Municipal fai sciente que o Juit
de Direito Interino da primeira vara do cri-
n-e marcou o dia ao do eorrente pelas no-
ve boias da manir para ter principio a 5.
ccsso oadinarias des Jurados e nao pelas
ii horas, cuino dis engaosamente ocdilal.
O Scrretario inteiino
Manoel Fem-ira Acciolo.
Piimeira Vara do Crime.
lllm. Sr. Ccnstando-me que nos fns
deanes ultimo hura sugeito cbamado Pe-
aje xa p juntamente a sua familia na cidade
d'Olinda com a mais Tefinada aleivozo ebar-
1 aiidade esfaqueado ao bum infeliz estu-
daule de preparatorios, dero-lhe hum cristel
de agua forte com pimenta e lbe fizerao outras
firavissiniBs injurias e ofiensus do que tudo
lbe tem multado ciuelissimo encommodo de
saude e segundo me dizem immenenle perigo
de vida julgo do meu regorozo dever proce-
der contra os supradtos delenquentes na for-
ma da lei e para isso derijo-me a V. S. a
im de que se digne transmetir-me todos os
papis que por ventura possa ter a similbante
respeiio e de por en tem medio do Sub-
l'reeito da mencionada cidade endicar-me as
pessoas que estejo habilitadas para depor so-
bre o fado;
Espero que V. S. me prestar toda a coa-
ejuvado, e soccorro para efleito de que a
iusliaa a sotiedade e a humanidade ( se be
verdode o que tem chegado ao meu conheci-
fxecleeEe assoalbado em toda esta cidede )
sejao desaggravadas com a punido dos reffe-
ndos indiciados criminozos, osquaes segundo
a narrado que me Czero mais parecem fetas
que bomens. Dos Guarde a V. S. Reci-
fe a de Setembro de 1841.
lllm, ar. Major Manoel do Racmenlo da
Costa Monteiro Prefeito da Commarca.
Doutor Casemiio Jos de Moraes Sarmen-
t, Juiz de Dimito interino da 1. vara do
crime.
lllm. Sr Acenso o officio de V. S, em
queme dizconstar-lhe que bum sugeito por
1 on e Pexinxa e sua familia esfaquearo um
fneiiz estudanle de preparatorios de sorte
que lbe tem rtzultado gravissimo encommo-
do de saude e inminente perigo de vida e
dejar V, S. proceder contra cssas pessoas
que lbe parecem mais feras do que bomens.
Devo responder a V. S. que das endaga-
etes feitas pela polica vim no conbecimento
de que o estudante Miguel Alves Feitoza do-
miciliario da Lagoa lunda da provincia das
AJegoas penetrara as n horas da uoitede
17 d'Agosto a caza de Joo Martins Pexioxa da
cidede d'Olinda rom o (ni de seduzir urna de
vos illas denzelas e que presentido pela
iimilia tm hum dos quartos da caza fui obri-
jjcdoa cortar os cbelos da barba ea tomar
bum clistel de pernelas de que se retirou
envergonbado para sua caza que he na La-
goa funda.
Ko podendo capacitarme de que estivesse
giave e cruelmente ftido e em perigo de
vida um sugeito que se retira voluntariamen-
te para entra provincia sem denunciar os
pe tendidos efiensores e depois de ter viudo
ao Recife receber no dia 18, 53 reis de
1'1 ene sir da Silva de que as>siguou huma le-
tra a fagar em cincoenla dias nena se po-
dendo crer na existencia de hum crime per-
1. vara
do critae.
Manoel do Nascitnento da Costa Monteiro
Prefeito.
O DIA 7 DESMEMBRO.
Ero j passados mais de trez seculos, quan-
do os Brazileiros enteegues ao pesado jugo
colonial, espreitavo urna occasio opportli-
na para fazer a sua emancipado, queja loes
era econselbada pelo exemplo de seus vezi-
nlios ,por sua grandeza e civilisaco ; roas ,
se aliberdade Ibes dizia tl ja a prudencia
Ibes dizia lo;o ; pois o exemplo d'algu-
mas tentativas mal succedidas os desengana-
va de que eia imprudencia o querer ver os
estragos da guerra civil e o negro despotis-
mo sempre victorioso firmar com raaiora-
trevimento a sua vara de ferro. Arevoluco
de Minas Geraes em 1789, e a desta Provin-
vincia em 18:7 foro lices mestras paraos
amantes da patria.
Amestrados assim pela experiencia espe-
ravo os Brasileiros como j dissemos oc-
casio opportuna a qual nos foi dada pela
provindencia no'tempo em que eramos mais
apurados. Os liberaos de Portugal que nos
lapresentavo com a esquerda o doce pomo da
liberdade com a mo direita nos sacudio o
fachoda discordia. Que nos importa, que
os Brazileiros se degolem ? taes ero as pa-
lavras que se ouviro no recinto das Cortes ,
cujo echo repe culindo at os nossos ouvidos,
foi de certo a sentenca de nossa emancipa-
do. Os Brazileiros, que obravo sempre de
boa l ,
dessas Cortes um futuro medonbo e desas-
com moderaco. e com juizo j de outro modo
as immensas riquezas serio causa de nossos
males nevitaveis. Assim a liberdade. Nao
livre o pavo que corre a pe de seiu dese-
jos desordenados mas aquello que dirige
as suas acedas pelas leis que o regem ; nao
livre o pavo que quer depor, por meio dj
geral subverso da ur.lom publica a quem
tinha dado o poder, mas o povo que, como
nos tem a felicidade de ser governado por
um hornera do sua uaco e por suas pcopri-
as leis; nao livre o povo que tem o seu
governo republicano, mas o povo, que o teai
conformo a seus costuraos e inclinacoes. A
liberdade di: Monteaquicu o direito de
fazer tudo o que as leis permitira ; pois se
um cidado poder fazer o que cllis prohiban,
nao baver liberdade por que os oulros to-
Ali Brasileiros,
doutriaa dcste s 1-
dos tero o roesmo poder;
o temos ni sido doceis
bio ? !
Quando Lucio Junio Bruto prostou a ty-
rami de Tarquinio deo verdadairrmen'e a
liberdade sua patria ; mas poderemos nos
dizer o mesmo de Lucio Catiliua quando
pretenda o supremo governo de Roma ? A
liberdade es' mais longe da ambico da que
o rtico du antartico. En quinto os Roma-
nos se contentado com o que tinbo ,
foro
livres quando poren quizero conquistar o
mundo todo, foro conquistados pela sua mes-
raa riqueza. A liberdade to semilhante i
licenca, quinto o dia se assimilha noite. A.
liberdade (11 lia da raso a licenca o da
ignorancia e do crime ; a liberdade o esta-
do da oalureza, a licenca a sua aniquilado;
a liberdade dadiva de Deus a licenca o ve-
neno que nos propina o inimigo do gene-
ro humano ; com a liberdade reverdecen, os
campos crescem as lavouras erguem-se os
edificios, florece o commercio com a liceo -
9a talo-se os campes incendeo-se as casas,
desfalece o negocio ; pela liberdade seremos
descobrindo por entre os movimentos Brasileiros ; mas pela licenca* ouviremos di-
mmKfrmmKmmammmmmmmmmmmMmmmmmmBGF
a este respeito ero at ento inexactas, nao
s porque nao fui testenuaha da revoluco
( em cuja poca nao cuita va anda um anuo )
seno porque ouvia dizer por encontrados
modos muitas cousas, que cerca d'ella sa-
bia ; sim devendo o meu espirito citada
historia o cabal eonhetimento da famosa re-
voluco de 1817 e doS bravos, que n'ella fi-
gura rao conbecimento este, que sempre
anbelei adquirir pede a justica que eu ,'
oceultando o meu nome para provar a minlia
sitieeridade tone a liberdade de offerecer ao
mesmo Exm. Snr. Dr. Francisco Muniz Ta-
vares o dito Soneto por mn leito aos hroes ,
cujos noraes imnortalisou ni sua historia ,
os ques com quanto seja dbil a rcinha va
e desharmonioso o meu canto todavia com
alfoutesa inlaioado palo fogo da patrio-
tismo ,
,, Cantando espalharei por toda a parte ,'
1, Se tanto me ajudar engeulio e arte.
AO DIA 7 DEjSETEMBRO.:
Eu te s&do odia mxgestozo 9
O' Sete de Setembro excelso dia ,
Em que vio o Orisonte o Sol mais bello
Brilbar co'a liberdade, Patria dada ,
Quando l no lpyranga solt ogrito
De Independencia ou morte-, que retumba
" que o som do trova o que corre, voa
igeiro que o raio soube Lisia
o Brasil caro ,
m Imperio ,
Imperio independente Imperio livre ,
Mais
Mais
iroso unem-se a Pedro 1,
proclamo a
manen te, sem exame do foto ou como se
dii en direito corpo de delicio ; e vendo por
cutro Jado que a polica com quaiquel pro-
ttemeigio contra humo familia honesta sem
fundamentos para isso iiia por-lbe huma
iidamia ; entend que nao devia prender ao
dito Pexinxa e seus falbos Jos e Manoe, nem
denuncales acs tribuuaes.
Como rortm censta a V. S. que o dito es-
tudanle est Eoflicndo grave emeororcedo de
sude e em pgo de vida vou recom-
ncnt'ar te Sub-Prtieito d'Olinda para des-
ctiii-lo en andar proceder a corpo de de-
licio es ollei.c.88 que se -(harem, e para
aeniai i ] ittnca de ,V, S, Jco Vasco Ca-
independencia no campo do Ipyranga j e o
que a outras naces tem custado tantos anuos
de assoladora guerra no Brasil nao foi
mais que a obra d'um momento : Essas m-
gicas palavras Independencia ou Morle
com orca igual do raio abrazado os corac-
es de iodos os Brazileiros e zero recuar de
susto a ousadia da faeco Porlugueza. Diga
o Madeira o que se passou na Babia o U.
Alvaro em Monte Video; digo as tropas Por-
tuguezas, espalhadas pelo Brazil quanto
Ibes custou a fatua obediencia s Cortes fac-
ciosas de Portugal. Mas o demonio da am-
bico que ensinou a os gigantes amontoar
montes sobre montes para escalaren] o ceo ,
nos nao tem deixado at boje gozar, com
descanco, os doces frutos dessa milagrosa In-
dependencia,
Se estamos independentes de Portugal, nao
o estamos das paixes as mais desordenadas ;
se estamos livres do despotismo colonial nao
o estamos da guerra civil que de norte a
sul nos tem ceifado milbes e milbes de
Brasileiros. Is'tda nos ha contendudo ; tudo
nos parece pouco que remos que seja obra
d'um dia o que s pode ser o resultado de an-
uos e de seculos ; e presos nesta cadeia, cu-
jos fusis sao a ambicio a imprudencia e a
precipitaco, vivemos qual Tntalo sem
pdennos gozar dagua c dos frutos que de
nos fogem quanto mais os desojamos,
Em quanto nao prannos nesta precipita-
da carreira que levamos em nossos negoeios
polticos em quanto nao atlendermos a voz
da raso que nos brada, embora nos a dea-
prezemos a nossa Independencia nao ser
p&ra nos mais do que um sonho; e, tarde co-
nheceremos bem a nosso pozar, que o me-
lbor dos be ns tem sido para nos o maior dos
males por causa de nossos erros.
Quando consideramos nos males que te-
mos padecido as desgracas quo a tantos
annos sofrena os nossos venhos iiespanhoes ,
as desordens de Portugal e de oulros povos,
que trabalhao por alcancsr a liberdade, temos
vontade de avanzar ou que os homens nas-
cero para a cscravido ou que a liberdade
um ente imaginario.
Mas Eioj elle real. A liberdade o me-
Ihor bem que nos legou a Diriudada. Di-
gao-no aquelles povos,q'sem seren fascinados
por esse desejo iusaciavel do logares, de ttu-
los e de riquezas tem gozado dola com mode-
rado e com sabedoria.
Todas as cousas humanas tem um termo ,
alem do qual nos prohibido passar se qui-
zei mos ver os seus bons e salulares efeilos. do
numero das quaes a liberdade. Mo rico
aquello que amoutoa o ouro e a prata mas
o que ;aLe usar ainda do pouco que possue,
zer de nos o que dizia dos Traanos o cantor
Latino :
.'.. Fuimus Troes, 'uit Ilium etingens
Gloria Teuern. ..........
A licenca esse enorme cavallo, qne esma-
gou Troia e a ambico o falso Sinon; que
nos aconselba que com as nossas proprias
mos puxemos para dentro do Brasil a machi-
na fatal que nos hado destruir a gluria da
nossa Independencia. Brasileiros aojamos
prudentes sejamos virtuosos; de outro mo-
do o dia j de Setembro deixar de ser para o
Brasil o primeiro de seus dias nacionaes.
Coiiununicado.
Eis chechado hoje o aniversario da regene-
rado do Brasil: foi no dia 7 de Setembro de!
18a, que o ^rito elctrico de--Indepen-
dencia ou morle solt no Ipyranga pelo
Fundador do Imperio, retumbando en to-
dos os ngulos do Solo Brasilero nos fez
livres e independentes formou de ns urna
Naco forte rica e civiles ida que son-
bra de urna Monarqua Constitucional e de
benficas leis regulamentares oceupa actu-
almente um dos primeiros lugares entre as
Naces do Globo ; foi no dia 7 de Stembro ,
o'este dia memorando lio glorioso para nos,
que appareceu completa a obra sublime pa-
ra que tanto trabalhavo os Ilustres Patrio-
tas de 1817, que, nao podendo ultimal-a ,
apesardos seus ardentes desejos e eminentes
esforcos, ceder adversa estrella, e ven-
cidos pela lorca bruta do despolisno foro
martyres da Patria, sofrendo uns mil cala-
midades e mesmo a morte em hediondas mas-
morras
A nova de que a Patria 1
J_ nao era colonia era ui
Imperio independente I
Regido por leis proprias, leis dictadas
Pela voz da justica da equidade.
Sim n'esse dio foi, Brasileiros t
Que nena grande Nae;o constituimos f
A despeito das f oreas que manda va
Ao nosso littoral Lisia raivosa
Por cahir o poder com que opprimia
De Santa-Cruz os flaos generosos,
Que sofrer nao podendo mais o peso
Dos ferros^, que seus pulsos roxavo
Gritado liberdade independencia,
Tivero independencia e liberdade :
D'esse dia que da'o os bens todos"
De que a sombra das leis e do goverio
Do nosso Imperador hoje gosamos.
Kia pois Brasileiros, demos hoja
Ao Arbitro do Mundo immensas pracas "
Aos Cos uymnos sonoros enviemos *
Adorando esse braco omnipotente '
Que dirige dos Pvos os destinos,'
Que c'roando os esforcos por nos fet09 *
P'ra dos Lusos nao sernos vis escravos I
Nos tez hvres nos fez independemos.
Soneto aos Patriotas do 1817 offerecido ao
Exm. Snr. Dr. Francisco Muir Tavaresc?
Quantos filhos Patria Liberdade i
Succumbindo ao rigor da tyranoia ,
Tens perdido entre as garras da agona
E o pranto que inda verles da saudade l
Que hroes, de viver dignos na urea idadej
Deixro de existir quando existia
De um Marcos de Noronha (1) na Bahia ,'
De um Reg (ileio Pernambuco a potestaee!
D'estes monstros sofrrj cruel morte
En desesete (!>) os bravos, to honrados ,
Que aos dspotas faziio guerra forte :
Morraro mas seus nomes ilustrados
Nao tero sobre a trra a mesna sorta ,
Sero ua clara historia (4) eternisado.
Por um Patriota Peraarabucano.1
. Gorrespoudeacias,
Srs. Redactores. Quaudo incontrei no
, caminhando oulros aos cadatalsos seu Diario de quarta feira n. 191, acorres-
onde exhalando o derradeiro suspiro reg- | pondencia do Sr. Luiz da Silva Guimares ,
rao com seu sangue a propria trra por
cujo bem pugnavo. Nao pois sen funda-
mento, que eu saudando com lodosos Bra-
sileiros este dia eterno, e publicando hoje em
seu louvor os versos a baixo ecriptos, que
vem de me inspirar a mais iraca das .Musas ,
publique tamben o Soneto que dando es-
panso aos senlimentos do meu peito com-
puz em memoria dos Patriotas acabados pa-
ra a Patria n'aquella era malfadada 1 nos
versos d'este Soneto assim coco nos mais
de que trato nao brlhar j as galas da poe-
sa mas n'elles ver-se-ha urilhar o logo
puro do patriotismo, o q' Ibes basta para me-
recerem desculpa, e sahirem lqz nesta ben
couceiluada folha, E cono os meus patrio-
ticos senlimentos sobremaneira se exaltado
com a leitura da historia da revcludo de
1817 escripta pela sabia pauna do Exm. Sr.
Dr. Francisco Munii Tavares, vndo eu ter
ahi urna psrfeita noticia d'aquella revolado o
de seus aulbores, visto que as miabas idjs
eu pensei de incontrar abi a reulaco dos
prencpios jurdicos que desinvtvi para
mostrar ao respeitavel publico as pen as en
que tinbo incorrido os Reverendissimos, qua
devio ser julgados sem poJerem ser julgaJa-
res dos dez collegiaes reclusos em o convento
de S. Francisco ; mas en lugar d'isso ( Ben
dito Dos! ) incontrei outros tactos que eu por
desencia nao quiz toccar e que o Sr. Gui-
mares fazendo a detTea dos Reverendissi-
mos sepulla-os em proffunda cova Qua
digo eu l Nao os sepulta s ; mas pespeji-
ilio o soquette nos ossos desapiedadamente l,.
(1) D. Marr-33 do Noronha Conda d'Ar-
cos Capito General di Bahia en 1817.
(a) Luiz do Reg Birreto Cipito G. -
neral de Pernambu.o aa masno auno,
(3) No anuo de 1817.
(4J Na b:storia sabiamente pscrip'.a pala
panua do Exn. Sor. De, Francisca Mu''
Tavtii > um dos Patriotas de 181;.
i .;


/
s
.r.
n i a K i o Se raNAiMic9
ps aqu Srs. Redactores o que se chama
hier urna styra em louvor !.. O Sr. Gui-
mares convem que os dois companherot
dos coegiaes comnaetterao nao simplesmen-
te faltas ; porem crimes ; e devia accrescen-
tnr, que a estes crimes j se aviio imposto
penas, e que estas for'o remettidas nao aven -
do poder para isso.
OSr. Guimares, com a maior sem sere-
tnonia do mundo"attribue-me mais o Ili-
mitado amor de pa que o justo acatamen-
to pela obediencia e justica Nao lem razo
o meo 11 lustre colega ( pa como eu ) a quem
em boa consciencia e em segredo que nim-
guem nos oussa digo que a obediencia tio-
bem tem lemittes ; e em cazos de consciencia
( Santo Nome de Jess ) nao ah ponta por
onde se lbe pegue. Se ura pa por exem-
plo quisesse que seu ilho acompanhasse
com Lamellase Raffaeis f e este nobremente
se opposse segnihc3ndo-Ihe mesmo que
n tanto nao cbegava o seu poder ; o Rlustre
colega convira comigo que nao s o ilbo ti-
nlia mais juizo que o pa, como que este pa
devia ser queimdo viro como nos conta o
bom Lessage succedera aos dois hroes que re-
fer. Ora applirando o eiemplo ao nosso ca-
zo en digo que leudo os dois companhei-
ros dos collegiaes commettido ciimes, que nao
desconfaece o Sr. Guimares alem da quel-
lcs que o mseos Sr. lhes descobrio de cpa-
los de couro de lustro relojo &c,; cujos
crimes estavo para ser punidos e nao forfo,
com manifesta infracto de suas proprias leis,
tornendo-se por ellas os Reverendsimos
ipso tacto crannosos e assim creminosos o-
brigarem os dez colegiaes a ter por compar.hei-
ros pessoas igualmente criminosas ; creio ,
deziaeu, que a relecutancia foi justa, assim
coreo illegal e iniqua a recluso. Eu creio
pois, que quem quer ser obedecido nao
desee da degnidade que lbe inherente e
tem muito em conta os justos lemittes da obe-
diencia. Se, porexemplo, oebefe da re-
repartico do Sr. Guimares lbe prohibisse ,
que nao ouvisse missa, ou d'esse esmollas ,
eu estou convencido que o meu filustre cole-
ga resesteria com toda aa tuas forjar, u to
injusto mandado. Nao precisara tanto. A-
(era em quanlo a relaxago do convento que
o Sr. Guimares mostra to justamente sentir,
n'isso tem decedidarnente o meu votto. O
nao gostario d'essa sua quartada que cm<
porta o mesmo que ser peor a emenda que
o soneto ... Mas tal o triste destino gUs
cousas ms, que os proprios advogados, dan-
do com os clientes em pantanas ainda em cima
Ibes cacto o subvenite...
Son Srs. Redactores igualmente, seu
Patricio e Venerador
Manoel Lopes Machado.
que prove o direito que tem o nosso illus- ,
tre correspondente de cobrar o imposto sobre
as bataneas de pezar assucar (mais do que a
j cabalmente dadi em sua mesma correspon-
dencias Os Redactores.
st
del levador Rosas n > dia
dar imrcensos resultados
Noticias Estrang>eira*;f
REPBLICA ORIENTAL;
Monte vdeo, 4 de agosto;
|Segunda victoria Naval.
Csperamos c>m anxiedade os pormenores
sobre a segundt victoria que a esquadra des-
ta repblica alcancou sobre a dos escravos do
3 do torrente. Ella
e justifica a con-
fianca que tinhamos no coronel Coe. No seu
combate de 24 de naio apezar da inferori-
dade dos navios que com manda va compara-
dos com os de Browd; bumiliou a altivez des-
te apostata ecclipsou completamente a sua
fama ; moralisou es tripulacC.es dos nossos
vasos e mostrou repblica qu9 tinba huma
esquadra capaz de ornar cem r.ovos laureis o
escudo de suas armaj.
O triumpho do dia 3 comprado cora in-
significante perda foi huta golpe mortal pa-
ra Brown i sendo esta a primeira vez que se-
as navios fogem a todo o panno para nao ca-
lirem em mos de seus inimigos.
Segundo as noticias que temos podido re-
colfcer ao terminar o combate arriou a
bandeira c brigue escuna rosista Entreriano ;
e como sahiro de sec berdo multas lanchas
cheias de gente cuppDz-se que foi a pique.
O brigue Belgrano capitana de Brown
cessou repentinamente o fogo e depois que
atracarlo a seu bordo algumas lanchas de ou-
tres navios de Rosas fez-se vela sendo
perseguido pela nossa esquadra at o banco
deOrtriz nao tendo sido capturado nao s
pela noblina que ento havia eno tambem
por ur-seavariado o leme da corveta Vente
incelo Maio e pela desjraca occorrida
Luisa*
Assegurou-se-nos a perja da nossa esqua-
dra be e ff morios da tropa e outros tantos
parecendo o rico retrato que ora possue o
Theatro ; e cantando-se o Hvaano do Snr.
DOM PEDRO PRI.MEIRO. No interva-
lo do Dramn para a Peca, duas Jovens exe-
cutaro Utaa Danca ~ Represeutando-se
a magestoza Comedia A Aldean Duqueza em urna caiza verde j usada; qi
de Franca,: quereodo restituir ,(} dirija -te a
DIA 8; guasverdes D. 36, Jque ser ge
Em contnuaco ao festejo da In3;*n
Srs. Redactores. Manoel Elias de Mou-
ra tendo arrematado cmara municipal da
ridade de Olinda o contracto do imposto sobre
as balanzas de pezar assucar nos trapiches
desta cidade, e dezejando de huma maneira
clara e desenteressada dessuadir a reluctan-
cia de alguns contribuintes que pretenden
subtrahir-se ao pagamento desta contribuico
pelo falso supposlo de estar esta derrogada pe-
la lei do orcamento provincial: e querendo
tobem evitar os continuados executivos, de
qne se v inpellido a uzar para tal anecada-
cos lembra-se de recorrer aS. S. para lbe
f'azer o obzequitzo servi^ de responder a se-
guinte questo.
Tendo o artigo 3,9 da lei do orcamenlo pro-
vincial do correute anno abolido o direito, que
ebreo imposto das balances desde tempos
immemoriaes tinba acamara d'Olinda : per-
gunta-se ," se a dis| isico desta lei isenta do
pagamento lobam aquelles, que exporta-
ro assucar antes da sua promulgado -e em
tempo em que eslava vigente a lei > que
eslabelfceo o impoio ?
F'ta pergunta com efeito h ocioza f e del-
la bem me podia esquivar por que a res-
\ :sta parece bem obvia e saliente a vista do
comezinho principio de direito Lex non res-
picit retro instaurado iiobem pela noss
lonstiiuico no $3. do artigo 1791 porem
taltando-mea necessaria esuffitiente capa-
cid, de para desenvolver a questo e sobre ludo
dezeiaudo que elle seja esmerilhada e sol-
vida por pessoas imparciaes, e judiciozas, por
ho a S. S. ieio.ro esperando, que qual
quer, que seja a prudente decizo deserte
cesstm numeras, e lutei questoens judicia-
ts aguadas por aquelles que, ou jor hum
1ou.j tapnxo ou por lluso se querem
lurt^r a huma contribuico que os obriga a
U1 : ti'..i.do eu por isso a urna e eleruarneu
te giato a sua | essoa. Mane el Elias de Moura.
Nenhuma outra raso nos occorre a / ,
feridos da mesma classe dosq'uess hum
gravemente.
Hontea s 3 horas da tarde desembarcou o
victorioso coronel Coe, e esquivando-se
modestamente ao applauso popular, desem-
barcou na praia do Bao de los padres e
d'ali se dirigi paro sua casa.
Desejmos que brevemente se possa fazar de
vela e que v annunciar aos opprimidos
argentinos com huma salva de ai tiros no
porto de Buenos-Ayres a sua esplendida vic-
toria do dia 3. (Nacional).
Parte oficial.
Sr. D. Henriques Martnez. -Sudo a V.
com todo o bllecto pela vergouhosa fuga eiu
qne pozemos hontem o inimig > que por ha-
ver huma neblina mui forte nao podemos
exterminar. A nossa perda he nenhuma em
comparaco a do inimigo.
Detalladamente levarei tuda ao seu conhe-
ciminto na primeira occasio. Dos guarde ,
&c. J. II. Coe.
A bordo da Sar andi vela 4 de agosto de
1841. (dem).
Montevideo 5 Je agos.
A esquadra de Brown fui batida no dia 3 ,
e fugio para Buenos-Ayres. A escuna Luiza,
de 6 pepas pertenc ente esquadra oriental,
foi a pique na mesm a noite em que ebegou a
esse porto. Acredita -e aqui geralmente que
Brown pereceu no cmbate.
( Carta particular. )
(Do Jornal do Cimmercio.)
Lotera do sevinario.
Reitor do Seminario de Oliada convida
03 amantes destJ jogo a cjmpra dos bilheles
da a. parte da 17. Lotera cujo plano
j foi publicado e as 1 jilas andaro impre-
terivelmente no da 18 do correute: Os bilhe-
tes acho- se as casas segunles ecfe ra
daCadbia loja de Cambio dq Snr. Vieira S.
Antonio ra do Cabula loja do Snr. Uandeiaj
ra do Collegio loja do Snr. Manezes Jnior ,
Boa-vista botica defronle da Matriz do Snr.
Moreira em Olinda nos quatro cantos venda
do Sur. Josa Manoel dos Santos.
dencia, se representar outro bellisaimo
Drama intitulado ,- O i'ocr da imoiepbkdek-
cia. O qual ser ornrdo da o^radavel msi-
ca da composico fdo Ser. Ignacio de FreiUs
Lisboa apparecndo o Retrato de S, \1. I
x C, o SE.NHOil D. PEDRO SEGUNDO,
E de suas alteAs impruli No fina do
Drama se representar a Peca nova intitu-
lada O Sino do Castelo ou a Destruico
dos Subterrneos de Vlodena. O Snr. Gam-
boa para mais abrilhantar o Expectaculo de
to grande dia ir coin o seu pouco talento
Dramtico coadjuvar a representado ; o
far todos os exforpos para que estes Expec-
lacalos satisfacao a publica expectativa em a-
pli'izo a IndepenJeucia desle rico Imperio
A Peca ornada de dancas, ejecutadas por
duas Jovens particulares. Camarotes de 1. or-
dem 4| de 2. dita, 5j' rs., e de 3. dita, Sjf rs.
COSMORAMA.
Mudancas do vistas para o dia 6 do correte.
Vista da Cscala do Rbin e;u Suis:.
Dita da Ponta Lima cm Portugal.
Dita do Canil da Fontank em Rnisia
Dita do Jardim do S. Cloud, perto de Pariz.
Dita da llia da Cidade em Pariz.
Dita dos Arabas campados em frica.
Dita da Caza dos TAzeageroi em Verstiles.
Dita-do Templo da Concordia em Roma.
Dita d'uma caza de Paslo no campo em Mea-
Dita d'um passeio sobre o rio Seina. (don.
Dita d'uns paineis tirados do museo cm Pariz.
Dita do Caes St. Bernardo em Pariz.
Avisos Diversos.
THEATRO.
Grande Galla Dia 7 de Setembro.
A-
presentor-se-ha utn insigne e muito brilban-
te Espectculo. Representar-sr-ha um Dra-
ma alegrico iniitulado A IftDEPEMDE'VClA
recophecda pelas Potencias fiurorca*. Ap-
Ignacio Marques da Costa Soares ,
tendo muito que responder ao Annuncio de
om Credor da casa l l publicado no Diario
n. I91 nao o faz por qual esse supposlo
Credor talvez seja algum devedor que assig-
nou a declarago junta ao Compromisso a
favor do Snr. Joo Mara Seve ou Credor
que entra no rol dos Presentes feitos
diversos !! '' como consta o lvro do Caixa
de que elle anonymo tracta ," e quizer mais
claro ento tire a mascara e apparecs : no
mais resnonderei no Tribunal competente ,
quando for tempo.
t&" Arrenda-se um sitio no milhor local
doCachang com caza j diferentes pez de
arveresde fruto muito boi Ierra para plan-
taces bihho muito perto do rio Capibaribe,
a tratar na praeinha do Livramento a, 29,
tsr Os Srs. assinante do Universo Pitbo-
reeco podem hir receber o N. 6, na ra da
Cruz n. 22 caza de Manoel Ribeiro da Silva
cr A Santa C*St de mzericordia da cida-
de d'Olinda aviza por meio do prezente an-
nuncio a todos os devedores de foros e ju-
ros dentro de trinta das datado deste ha-
jo de pagar dito* faros e juros sob peua de
serem cobrados judicialmente.
tsr Precisa-se de um menino portuguez
que nao exceda a idade de 16 anuos, para
companhia de pessoa capaz no serlo e pro-
mele-se-lhe bom trato com tanto que nao
tenha vicios ; a (aliar com o Padre Brgdo
na Madre de Dos ou aunando.
C7* Aluga-se um prmero andar com
bastantes commodos para grande familia ,
na ra nova; a tratar na mesma ra D. 9.
tsr Precisa-se de um feitor para um sitio
perto da prapa ; na ra da cadeia velba casa
de Jos Anlu'nes de Oliveira n. 8 assim
como de urna ama de leite.
C^ Quem annunciou precisar de um pe-
queo sitio rerto da praca para passar a
fesla, dirija-se a ra do colovello para a
trempecasada quina.
try Aluga-se um sobradinho de um an-
dar no atterro dos alogados defronte da fa-
brica de rap ; a tratar no mesmo.
sy Quem perdeo urna picadt ira de prata
de butar em treio de cavallo procure na
ra da Ponte velba na seguuda casa logo
ao entrar da ra do lado do lanqua d'agua
do Sr. Cato que dando os signaes certos
lbe ser entregue.
C9> A pessoa que annunciou precisar de
dois conloa de reis com hipotheca em um so-
brado de dois andares querendo dirija-se
a ra da cadeia veina i4i leiceiro an-
dar.
tsr Precisa-se al,;uma pretas para se ala-
gar para o lervico do Collegio de Ei,iiritj
Santo, e mesmo algumvs pessiu forras; di-,
rijo-se ao Coelho, no mesmo Colfo{io.
tsr Perdeu-se um aculo szul d; .^ros ,'
quemo achou
ra i\fls A-
gaas^eraes u. jo, quo sera entrosamenti
recompensados
tsr Se o preto que se acba preso na Cj
deia do Vila de Santo Antao, livor os signaea
seguintas : chama-se Fnncisco, ladino ,
naco benguella boa estatura tem bonJ
dentes, barbado, reprsenla 3odnn>s,ji
foi surrado mas, nao mostra sicatrizes, da-
sapareceu desde 3 de Meio p. p. Outro dos
mesmos signaos ', e nome com diffurefica da
ser fulla tem a cara bexigosa sendo coau*
rao estes signaes, roga-se ao liba. Sr. Pre-
feito da dita Villa que por especial obsequio
queira remetter seguro com as despezas pi-
ra o cito da Capellnba 00 Moudego desta
Freguesia da Boivist., Comm-irca do Reci--
f6 que se Ocar agradecido e o porlaioc
com ordem leva dinheiro para tola a despssi.
tsr Joze Jtcome Tasso, tm scieate que
passou urna I'rocuraco bastante a seu albo
do mesmo nome e mais Jnior esta em 29
de Abril p. p., em consequeneia de moles-
tias com que grapas ao Aitissiiuo s acba
restabellecido ficando aeii elleito dita Pro-;
curafo.
tsr Vende-seo treienirio de S. Francisco
de Paula a jjo reis o volume $ as lojas de li-
vros dos Srs. Cardozo A y res, na ra di Cideiu.
do liedle de Santos & Companhia no arco
da Conccicao em S. Antonio na de Pinto y
Patio do Colegio, e na Praca da Independen*
cia nmeros 37 e 38.
tS" Precisa-se de um official de carpira ,'
para trabalbar na Villa do sobral Provincia
do Cear na ra do Queimdo loja de ler-
rugens D. 5.
tsr Precisa-se alugar um a. andar de so-,
brado senda em boa ra e nao excedenda
de 2ooU rs. annuses: na ra de Ortas D. 8 ,
se dir quem pretende.
tsr Da-se i5o mil rs.; a quem queirn
sentar praca, por outra pessoa : quem quir
ser este negocio dirija-se ao beco da Vira--
ci, D. 11, que achara com quem tratar.
tsr Precisa-se de um tapas que tenha pra*
tica de Botica, ou que emenda da mesma ar-;
te ; no patio da Penha casa ao p do deposito
do rap que achara com quem tratar,
tsir Da-se um cont de reis a jaros de doie
por cento ao mez, sobre bypolbeca eai casa ;
quem pertender dirija-se a Cidade d'Olin-
da nos 4 cantos casa q' tem cornija defrontet
do sobrado de dois andares no principio dar
ra do Coxo ou annuncie a sua morada pa(
ra ser procurado x na mesma caza compra-so
urna casa terrea e vende-se 3o alqaeiros da
cal a 64o reis em porc s pequeas e todo
da- se por menor preco.
tsr No Botequim cova da onca haver
mo de vacca boje e amanh ; no mesmo
vende-se urna pipa vasia e duas quartola
em muito bom estado.
tsr Joze da Silva Das Jnior encarre-
gado por meu pai da liquidaco de sua loja;
na ra Nova D. 3 administrada pelo fa
lescido Jernimo Francisco Gomes, roga as
pessoas que se julgo credores da dita loje de
aprezentarem suas con tas ou letras;
tsr A pessoa que precizar de um caxero
para qualquer casa de negocio ou escriptu-
raco o qual d fiador a sua conducta ; di-
rija-se a ra doCabug loja Franccza._
s^^ Perdeo-se no dia a de Agosto do cor^
rente anno desde o atterro da Boi-vista at
a ra da Alegra uns colares siuis engrazado
de ouro ; a pessoa que os acbou o os quizer
restituir, dirija-se a ra da Gloria lado di-
reito indo da ponte velba, U* 18 que ser
bem recompensado.
tsr Previoe-se ao respeicavel publico que
as duas Joveus de que trata o Cartaz, que pir-
tecipa os festejos do dia 7 e 8 do corrente ,
sao merciuarias, e nao mandadas pela Sode-
dade Natallnce como parece querer encul-
car aquella Noticia.
tsr Urna crioula propoem-se a ser ama de
urna cata irndo as qualidades seguiutes ;
sabe cosiubar, cozer engomar tado oom pec<
leisio j quem a pretender dirija-se aruq
do Assogue velho da Boa-vista e.n caaa d
parda Rita Mara de Mercez.
i^r Arreuda-se um grande armarem pro-
prio para soccar assucar, sito no hairro da
Boa-vista rom porto de embarque } a fal-3
lar na ra do Vigario D. 35.
tsr A pessoa que annunciou ter urna tao4
Utioba para educar dirija-se a ra da Cou-
ceico da Boa-vista a casa da lloiino oic i
, que achara com quem tratar. __,


-o.
4
DIARIO, 98 PERNAMBDCO
m

tsr Aluga- se um prmeiro and ir com
Urna casa terrea en qualquer dos bair
seus suburbios que nao exceda de 5o0,000
era S Amaro na estrada de Belem no sitio de
Joo Baplista Claudio Tresse se dir.
Avisos Martimos.
Vendas
bastantes commodos para grande familia, coro ros inda que seja na trempe soledade e
grande quintal e cacimba atsim como lam-
bem nm grande armazem todo iadrilhado de
pedra proprio para assucar por ter o embar-
que na porta a qualquer hora ; quem pre-
tender diriji-se a ra da praia sobrado de
Joaquim Pereira de Mendonca.
W Alug-se urna raa terrea sita na ra
dosQuarteis D. 6 a hilar en S. Amaro na
estrada de Belem com Joo Baplista Claudio
Tresse.
tsr Quem precisar para o matto para
edocaco de seus filbos ter em casa urna
pessoa cbonada e de conhecmenlos scientifi-
cos procure na rna do Vjgario n. 35
=?* Na loja de Irnos da travessa da ra
to Rosario as seguintes novellas \ Claudios ,
Leocadia Celestina lsauza Pedro Car-
lota ou os amantes esposos o amor offen -
didoe Tingado Janny Lille ou os amantes
desgracados Laurenio ou a torca de urna
paiifo, o engao fatal, Zsira, Selico, Wer-
ner Galatea Camir, fdahna Mana do
jogo a forca da amisade, testamento de Ma-
noelUraz, Marujada poesas ternas e amo-
rosas o Herosmo das Sen horas 160 reis,
cada urna.
W" Na loja de Carioca & Sete na ra do
QueimadoD. i3, corteada chitas superiores
e de novos padroeos a 3,ooo panno da cos-
ta de a varas de largura a 400 rj. o covado ,
reetins escaros e riscadinhos a aoors. o co-
vado casemiras de todas as cores a 1600 ,
panos finos merinos setins e seda de to-
das as qualidades e mdico preco tanto a
diuheiro como apreso.
v" Camisas de la em ponto de meia pro.
prias para escravos a 800 cada umt,e sendo
em duzia a 9100, meias de algodo cruas pro-
prias para bolins por serem moito encornadas
a 4oco o maco, ditHS para meninas de a
fios e ditas para senhora muito finas, ve-
ros pecas a 53oo e 6U rs. covados i4 e
160 5 ditas superfinas de novos padrees em
pecas 10U rs., e a covado 29o rs.; pecas de
cambraias de listras de 6 varas a 3aoo rs., fi-
nas de io varas 6U400 ; ditas adamascadas a
melhor fasenda que tem vindo a este merca-
do com 7 varas a 85oo rs. ; cortes de la e se-
da rom 11 ip covados 3 4 rs.; Lencos bra-
cos de cambraia fina a 3io ; ditos de fil de
lindo de 3 ponas a 1123-, ditos de chales de
muito bom gosto a 1foo ; chales de laozinha
a 1760 I de I i n ho branco a 6e 7000 brins
trancados a 800 rs. a vara e do mais supe-
rior a 1000 meias de algodo brancas e
p re tas, cassa lisa a melhor possivel a 64o e
730 a vara panos pret03 e de cores de todas
as qualidades casemiras pratas e de cores o
melhor possivel a 22^0 o covado madapo-
loens finos a 4000 e superfino a 5ooo e ou-
tras muitas lateadas por barato preco ; na
ra do Queimado O. 1 viudo da ra do Cres-
po primeira loja de Francisco Jos Teixeira
Bastos & Companhia.
^" U bonito molatinho para pagem ,
de idade de 1S a t6annos sem vicios nem
achaques ; na ra nova loja n. 11.
KW Um pianno forte com armario do ja-
caranda um armario para guardar roupa ,
e urna commoda de ama relio por prego com-
_____"g|
da i:o33,333, e outrade 733,333 a quaf
rende presentemente annual i:?5o,ooo ; di-
rijao-se a ra nova D. 26 no segundo an-
dar.
Urna escrava de idade de* ao annos t
engomma coiinba e lava na ra direita
O. ao lado do Livramento.
Escravos Fuaridos
PARA O RIO DE JANEIRO a Barca
B-asiUira Firmeza ja bem conbeci la nao
pela velocidade de suas tingeos como pelos
superiores commodos e bom tratamento aos
passageiros ; pretende sabir a ao do corren te
por ter a maior parte de sua carga para o
restante e passageiros trata-se com Antonio
Francisco dos Santos Braga, na ra da moe-
da n, lt\i ou o Capito Narciso Jos de S.
Amia.
PV.RAO RIO DE JANEIRO o muito
velleiro Brigue Americana Catharine se-
gu seo demora e tem excelientes commo-
dos para passageiros ; quem quiser ir de pas-
sagem dirija-se ao escriptorio dos Consigna -
tarios L. G. Fui reir & C.
PARA O RIO DE JANEIRO segu com ludo preto de superior quadade a 38oo o co-
brevidade o Brigue Bom fim por ter ja par-1 vado lencos de seda pretos d) grodenapole
te da carga ; quem quiser carregar ou em- feiios no porto a 3oao ditos em ponto de
baicar algum escravo para o que tem bons sarja a igl0 brins de listras brancas a 480 a
commodos pode entender-se com Amonm vara e Jilo muito escuro a 5tio chitas para a a "su a 5000 a saca ; detronle da m
Irmo na ra da cadaia do Recife D. ai ou coberta dos melhores padrnens que tem vindo na padaria de Francisco Gonsalves Reg,
com o Capito a bordo. e de cores muito fixas e 3 pecas de fita de no Recife ra da senzala padaria do Macha-
PARA MACEIO', BAHA, E RIO DE seda preta vindas do Porto, proprias para do, e na ra nova padaria de Banto Antonio
JANEIRO o Paq. de vapor "Parahense farda na piaca da Independencia n. 1.
Commandante Berriso deve chegar da Pa cp- Urna preta de nado de meia idade,
rahiba nestes 4 das; os Srs, que quiserem ir boa Javadeira e sem vicio ; na ra do No-
de passagem ditijo-se ao agentes vlc. Cal- gueira D. 10,
**- Um moleque e urna negrinha de ida-
de idade de 9 a 10 anuos de naca ; na ra
da Penha no segundo andar do sobrado do Sr.
Quintella.
BT Familia de mandioca de superior qua- *6 capateiro sabe bem cozinhar o ordinario
hdade e i4 stcaa do gomma de engommar d'huma casa de lamilia e desempenhar com
de variado sortimento de Ferragens finas e de primeira qualidade, e urna porco de bar- habididade qualquer servido do que se Ihe
grossas de muitas miudezas e outras mer- batanas de baleia ludo por preyo ommo- incumbe, eterna grande vantagem de ser
cadoiias de prompta extraeco ; e mais urna do j na ra do Queimado loja de Ferragens muit(> sadio. A quem o quiser comprar se
factura d'alfinetes de peito brincos aneis D. 5, dir o motivo porque su o vende. Na ra
com pedras finas e cordoens de ouro yindos tsfr O sitio denominado Maracaipe coro ,arga do Roiario botica de Bartholomeo &
de Lisboa cujos objectos se venderlo infal- excelientes pesqneras bastantes ps de co- Ranos
livelmente pelo msior preco que seoflerecer queiros com urna boa cpela e muito bom I *~ m terreno com trinta palmos de fren-
visto ser para liquidaco de conlas; Sexta lugar para qualquer estabelecimento e por- te, e 3oo de fundo, demarcando pela cans-
o do corrente s 10 horas da manh, no to muito manco onde se recolhem pequeas boa no logar da baixa verde no sitio da Ca-
rmajem daruadaC'ruz^ ^ ^ embarcacoeos a tratar no mesmo sitio com punga ptimo logar para se edificar urna
casa y a tratar na praca da boa vista no se-
gundo andar do ultimo sobrado &o p da
Igrcja da Conceieo a aliar com Manoel Ne-
to de Souza Bandeira.
moni & C., na ra da Cadeia 63.
______JLeiia o______
Ksr Que fazem Lenoir Puget & Compa-
nhia por interveocJio do conetor Oliveira,
modo ; na ra nova casa de Hiplito Lavetiu
consertador e finador de piannos.
ssy Sacas com superior fariaha dita de
Mag e de Sorui, chegada recentemente
do Rio de Janeiro ; no armaiem de Antonio
Francisco dos Santos Braga na ra da moe-
dan. 14 a.
9* Varias vaccas Je leite ; em Olinda na
venda defronte do antigo palacio.
ssv* Farelo da fabrica de trigo do atierro
da bci vista a 35oo a saca ; defronle da mes-
Domingues a recebara-se as sacas vazias
a4o res.
sr Farinha ja peneirada para cbapeleiro
a 1600 a arroba a bolaxa para escravos a
1920; na padaria da ra da amala velha De-
cima 3o.
tsr Hum moleque crelo de idade de 16
a 18 annos, ptima figura con principios
de contas
feira
seu arma
tsr Que faz Antonio Joz Godinho da Cruz, Joo Lucio.
por intervenco do conetor Oliveira e por 1 tsr Seis bois mancos muito gordos, e
conta de quem pertencer, da excellente e bem bonitos, por pre$o commodo ; na ra do
construida Summaca Circulante lote de Queimado n. a
cerca dez mil arrobas e de todos os seus a-
iarelhos e perten.es em um lote, ou em
otes separados vontade dos pertendenles :
Sabbado 11 do corrente s 10 horas da ma-
nbS a bordo da mesma Sumaca ancorada
defronte do Trapixe do algodo onde tudo
----------- ---1- -o" -w ai, uiau p. pode ser examinado antes ou no dio da arre- guitarra de boas vozes com seus inieites e
matacSo, em cuja occasio ha ver um esca- mui fornida por ,00o ludo uzado e sam de-
' para condujo de ditos per- lcito ; na tua de S. Rita nova D. 18 lado da
tsr Urna banca de abrir com p de colum- | s3*" Dma canoa aberta de amarelo, mui bem
na por 14,000 ti cadeiras americanas de cor construida que carreja auoo a a3oo lijlos
preta por 10.003, urna cadeirinba ii para- de al venara gr.ssi a dinheiro ou apraso
lu. o para costura com coxim por ti ooi>, um com ')oas orinas ; no a.-mazen de carne de-
stlim coldrts de couro da lustro, estribos de haixodo sobrado de varan la de j vindo
lalo, e mais pertcnces por 16,000, urna
ler prompio
tendentes.
tsr Quinta feira 9 do corrente de urna
porco ue bom I uu?o em lotes pequeos a
poita do armazem de Fernando Jos Bra-
guez na ra da cadeia do Recife.
C omp r a 8
$sr Escravos de ambos os sexos de i da-
da de iy a 25 annos, para fora da provin-
cia ) defronte do trapiche novo em casa de
Joaquim Jos de Amonta.
r Escravos de ambos os lexos, de ida-
de de 12 a ao annos pagio-se bem na ra
nova D. 3 no segundo andar.
HT EacravoB de ambos os sexos com ba-
belidades ou sem ellas nao sendo velhos ,
para fora da provincia ; em casa de Antonio
Francisco des Santos Braga na ra da moe-
dan. 14a.
ttr Etcravos de ambos os sexos com vicios
ou sem elles e p ineipalmente com cnicio de
pedreiro e carpina ^ na praca da Indepen-
dencia D. 1.
B- Lm espada de bainha dourada coro
pnubo de roca para cfileial do estado mai.r :
na ra da cadeia do Recife loja n. a8.
asr Urna venda qna tenha pouros fundos
e tenha commodos para urna pequea fani-
ia j quem tiver aucuntie.
Igreja.
&sa<- Dous cvalos de estribara } defronte
do Quartel de Polica loja de sapaieiro.
4&r Sapatos inglezes de muito boa quali-
de e ouiros mullos calcadas
homem
, uimi uuuui i-aiiiiujs para nomem e
stnbora por preco commodo na praca da
com boas firmas ;
baixo do sobrado
da ribeira.
tsr Ervilha muito nova chegada prxi-
mamente de Angola azeit* doce de superior
qualidade a ti jo a garrafa alpisli a tioo rs. o
quarleiro paiuco a 400 rs. -, na ra direi-
a venda D. 8 por briso da morad i 1 do Sur.
Juiz de Paz assim commo se precisa de um
caixeiro.
tsr Os utent ilios para
iudepeLdeticia toja do Arantes n. 57.
tsr Um si'.io na estrada do pombai com
cesa grande e todo coberto de atvoredos de
trucio j a fallar na praca da boa vista botica
D. 3 ou as 5 poulas U, ai oude tem lam-
pio.
ssr Um metbodo de fliuta por Vieuui; na
ra do CrespoCi a.
tsr Urna oiaria de pedra e cal no lugar do
-Vioniciru lom bastante barro, e pode-se
estender booo lij. Ijs com forno
cozinha oito mitbeiros e gasta tu uno pouca
tenha, ten na mesma uima urna pequea
casa de pedra e cal, e casas para pretor boa
baixa para capim ja plantada a tratar na
ra nova D. no segundo andar*
cr Ttxas de Ierro batido a aao e cuado a
too rs. a libra para ver no caes da alfande-
ga, e para ajuslarcom o despachante Fereira.
tsr Exu litutc tarinha de tiigode pao e
bolaxa pelo mdico preco de 9 10 e laooo
a dinheiro ou a praso j no aimazem de la
boado do pinho por detrs do Theatro.
k Cuitad tit bous panos a asenlos escu>
dous armazens de
assucar conteudo bataneas
res, caixoens
, pesos socado-
, vmtvcui marcas, e de I9 pipas va-
zifs e 4 oaslaijs para navio y na ra da
senzala velha D. ai.
tsr Novas caixinbas proprias para nava-
Ihas por prego rasoavel ; na ra do Crespo
D. 8 lado do bul,
sssr Sil parriiha chegada ltimamente do
Maranuo ; na ra nova botict D. 39.
tsr Umaescrivade naco de idade de
a5 anuos lavadeira da varrella e sabo ,
novo que cozinha o diaria de urna casa e he quitan
dtira e dous moleques creoulos de idade do I
o a 1 a anuos, prbprios para aprender al-
gu:n olhcio y na ra da Conceicao da boa
iota D. 8.
tar Barticas com sardiohas novas tendo
3 milheiros c.da barra peto mdico p:eco
de 4000 cada urna j na ra da senzala velha
no araieztu. di finado beuto Jos da Costa.
isr Alguna tu rdtiros da casa de 3 anda-
res na ra da cadt ia da Recife n. 41, a qual
fot do tinado Quaiesma pretendem dispor
d.ssuas parte, que ll.u couherj na dita
casa,sendo una parte dti a.u^ooo, outra
tsr Desspareceo no dia 5 do crrante um
escravo da nome Antonio de nielo cabiuda,
ter de idade 3a annos, levou vestido cal-
cas e camisa de riscado he bastante serrado
da barba trabalha de sapateiro, e por isso
pode estar em qualquer tenda a titulo da ter
licenca para trahalhar i recomenda-se aos
capillos de mstto e qualquer outra pessoa ,
que levando o dito escravo em casa de seu
Sr. na roa do Apolo em frente ao fqnileiro ,
ou em casa do Srs. Amoros Irmo que seria
recompensado.
car* Desapareceo de bordo do Brigue Com-
ante ua noute do dia 5 para 6 do corrente ,
um negro mojo, de nica j moca.ubique, com
os signaos da naco e com principio de bar-
ba a ponta de urna orelha lirada na parte
inferior : quem o pegar leve a ra larg 1 da
RozarioD. ia ou a bordo do dito Brigue,
que ser gratificado.
car* Pelas 7 horas da manh do dia ?5 d
mez passado desapareceo da casa de Adour
& C., na ra da Cruz D. 11 um negro de
nome Pedro de naco mogaaobiqne da ida-
de de 28 annos alto bem espigado cor
nao muito preta pouca barba, olbos um
tanto af umacados naris chato e algumas
marcas de becbiga na testa quando sabio de
casa tinha vestido caigas de brim pardo velha,
camisa de riscado azul, chapeo de castor ve-
lbo, sabe-se que elle Iev9u cotnsigo outra
roupa em urna trouxa foi visto no dta %7 na
casa forte, e no dia 39 as 5 pontss, gosta de
jugar dado por isso os seus camarauas lhe
pozero o apelido de a5 ; quem o pegar late
a dita casa que ser recompensado.
tsr Paulo do gentio de angola de boa
estatura carpo regular mos e ps peque-
nos bracos e pernas finas anda alguma
couza bucal de idade de aa a a 5 annos ao
que representa ugio no dia 19 do corrente,
levou calcas de algodo americano ou ioglet
a imitaco do da trra, camisa de xilla azul,
suspensorios de orello azul ou prdto cha-
peo de palha grossa e muito pequeo ; quem
o pegar leve ao beco do Veras na boa vista so-
brado de um andar que ser gratificado.
C9> Fugio r.o dia a do correte, uma ne-
gra do gento, de nome Theresa de na-
co congo, m>ca tem seis dedos en cada
umamo, os ps incbados da izirpela bai-
xa levou saia e panno da costa ja usado e
camisa de estopa amas rozetasde pedras as
orelhas, sabe dizer a casa onde mora sua
senhora que he no Monteiro donde fugio ;
quem a pegar leve a ra do Crespo eo Snr.
Jos Joaquim da Silva Maia ou ao Mon-
teiro no sitio de D. Cftthariua Francisca do
Espirito Santo que sei grrtificado.
ar iNodiaitido p. p, fugio ttoa negro
de nome Paulo de naco cougo cor fulla ,
de idade de 40 annos corpo grosso altura
ordinaria olhos empapujados pernas fl-
naa ps pequeos dedos das raa curtos ,
a dos ps torados ; quem o pegar leve ao
'feriente Coronel Joaqun da Aununciaco
Siqueira Varejo na ra velha que ser gra-
t i litado.
xviuviuieiito do ^irto
*(*
NAVIOS SAHIDOSNODIA 4
Angola; Brigue Escuna Brasileiro Aracaiy,
Cap, Manoel Jos Fernairies carga varios,
gneros;
Terra Nova j Brigue Iaglez Braziliam C<
Toy carga lastro.
ENTRADO NO DIA 5
.Ylacei ; a4 horas, Brigue Brasileiro Feria
Americano de i85 tonel, Gap. Joo An-
tonio Gomes, equip. 8 carra lastro ; a
Manoel Joaquim Pedrada Costa.
B ihia- 5 dias Brigue Brasileiro Feliz datti-
no de a5o tonel,, Csp. Jase Joaquim da
Souza equip. i4 carga carne secca ; aa
proprieta rio Pedro Dias.
SAHIDOS NO MES VIO DI \.
Rio de Janeiro; Brigue Amerieano Catharine
Gap, Wiogale carga parte da que trouxe.
Angola; Barca Brasileira F'tar do Teja Cap ',
Joo Heuriqua Kagel Jnior carga di-
versos gneros.
REC1F* NA iYP. DE M. F.
DE F.t,8*i-
tJ-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKCYH7XOZ_VSOXAZ INGEST_TIME 2013-04-12T23:53:08Z PACKAGE AA00011611_04271
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES