Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04215


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN* W -1=841. /?U4'T\ '^HHH.
- -.-." ~r\
-' fJ'-'-rWrffv V----SSTT-V-I-*"
TdJz'aip#a*J 51 ps,*ev,ttw ; da ,n.mad*ri-
5i ji/i' : c -'-.i i e.'BJ* wno principiamos, e serebos .apotrtadp
con ad'/Biraco tre a Naces maiscultas.
*
proclanJicSo da Assemblaa (ieral'do Jraail.
afrce*-* para .estacha a 5*000 por quartel pagos Hiantad?.
neSt. Ty p^ratia ra das Cruzes D. 3 i e na Praca da Inrfy"-
.7 n ii e 38, onde se wcebem correspondencias legausadas e an-
nincios/jnsinndoese Kes.gras, .stndo das propnos ajSaaas, a
vmd Mjnadaa.
PARTIDAS DOS COBREIOS TERRESTRES.
7 0*> JA-tVlilaO, l, ,vj;

>>
C^de da P*>,bjb> Villas d ff"te.^ '
Dita do Ra Grande do Norte, e Villas Idea .
Dtt da'Fortalw* e'VUlas ldtm.........
Cidade Cidade d* Oiinda..................
DrtaVdo Cano, Sehrrf.aem, (Uo-Forwno.it Porto Calvo. ., ll,,e dito dito
Odario das Ataos ; a de MaceM............dem dem
VJiado.Pja ds Worcs............. .....* *>" 13 Tadoe o Correioi partem ao meio da.
' >Se. e Se-UJ ferial.
. Todas os diS.
. Quintas feras.
PHASES DA LOA NO MEZ OK JAN.
La Cheja a 7 as O h. e 35 ro. da.tard.
Qu-rt. n-.uff. :o- as 10 h. e 18 m. da man.
La Nova *ii- s *" *<1 '". "a mn.
Quart. rese. a-3o as 8"b. e 3; m. da man.
More *lu.ia para o da 27 de Janeiro.
As S horas t ro minutos d BMrftiL
As -B ttains e 5J minutos i tarda.
CADMIOS. -J*ieIbo ab\
fxxidres......30 a Si d. por Ijoco ced.
l.nboa ......80 por ojo pre-cio por metal ou"erseidot
traite...... 31o reis por franco.
lato de Janeiro ao par. Corep. Venda*
CURO- 'loedadeCJ'oo res, velhas i4#8,>o ityoao
1 Ditas .. >, novas i$600 tij&to
tt "'''" ^e 4#ooo res, H0ioo 8>3oo
PHATA Patacoes Krasiieiros ----- ijti8j i|7ao
Pezos Columnarios----------1/6S0 1^700
Ditos Mexicanos ------- 1 *5So r^fcoa
Miada. -------......- iJ44o 1^460
D?neontodeJ>i!hetes da Alfaide;;) 1 i|8 por looab me*,
dem de letras 1 i|4 a 1 i|j por bossfiwoas otfereeido
R/t*da de cobre 1 a 5 por 100 de disc.
DAS da semana.
ao SflBnda C 'uver^io de S Paul) A;>. AuJitua de Juiz de Direito da
7 v.ira.
a(> Tere Pocarp> B >-Relaev) audiencia do Jui da Oireto da
1. van.
37 QuartB S. JSo Crisoslc iij P.- Audiencia do Juiz d Direito da 3. vara.
28 (Quinta S. CyriUo M. Auaiencia do Juii de Direito da i.
vara
99 Sexta S. Fnnciso de Sal s R Au icncia do Juit de Direito da 1. v
3o Sab>a'ln S. Mrdnh V. M. I\IIhc'u e audiencia dj Juiz dt O. da 1
vara.
3i Domingu S. Ps Iro N-di-'o.
P E R N A M B U C O .

COMMAjVDO das armas
.Expeiiieute doiiia 19 do corrale.
Offitio Ao CommanJante d Efcuna de
Guerra Fidelidade, coinmunicando-llie que
nesta data navio mand'.do exciuirdj E>qua-
dro de Linii o soldado desertor do mesmo
Brlge Maobel Alexandre oue Iiie seria
eniipi'ue pelo Convalidante do referido Es uj-
dio.
Dito Ao Coronel do Imperial Corpo de
EtiHenheiros Firmino Herculano de Rlorae*
Ancora, disendo-llie que em vista de sua
requisiode 17 deKvembro ultimo lidia
nomeado o Capilo Anacleto Lopes de Sanli
An'na para o coadjuvar na Coaiaussao de
inspe Dito Ao Cuoiinandanle da Kscuua de
.Guerra JNrien y cominunicanJo-llie que
pelo 3 Hatailio de Artilheria IJie seria apre-
sentwlo uto inferior para ser lempoiaiia-
menle encairegado d' Artilheria da inesma
[Escu* durante o impedimento do Furri-
el .encarregadi' da r.'eriJa Artilheria.
Kilo Ao Major Commandanle interino
do lerreiro Raiallio de Artilheria ordenan-
do-lhe que roand'ASsse apresentar ao Cain-
nvand-nle da Escuna de Guerra N.clheroy ,
uci inferior para ser provisoriamente n-
carrepado d'Arii'heria da niesma Eseutiadu-
ran.le o impedimento do Furriel Ignicidd
Miranda Amaiul que hia responder a COa-
spIIio, dovendo considerar o inieriar en di-
ligenra e lirai -llie pelo Batalho somente
0 sold. ,
l'or'aria Ao Major Commandanle inte-
rino d" Esquadro numero 4 de UavalUria
Ligeira mandando dado Manuel A!.x indre e nitregal-o ao Co-
mandarde da Escuna de Guerra Fidel id ae ,
lor ser della deseilor dvhtiudo que o
1 tiendo soldado se ochava no lMjuadio uoin
o lime de .Manoel Francheo.
t)ia__Ao Teneiile Coronel Comman-
danle do Deposito, ordenaiido-lhe a dtsmis-j
sao do pardo cravb Exequiel que no mes- j
mo deposito se achava coin o nume de josa
Fraofiisr Soaies devendo enUejjulo-o a seu
stnlior Luiz Rodrigue Sette.
dem do da ao
Officio Aofcxm. Presidente, devolvendo-
Ihe o requeiimenlo do Ciiuigiao l'ranoisco
de l'aula Dutra Malvinas e coiu elle e sua ;
il d'offi'cio, e folha coriida documentos ex
gidos pelo Cousellio supremo Alililar em
dtsptxo de de ulubro do anuo findo ,
filando assim cumplido o disposto no seu ol-
rio deudo mez scgumte.
iJito Ao lnsptctor da Thesooraria, re-
quisitando-lhe os assentaineutos de praca do
Aleles do quinto ISaUlho de Caeadores de
Liuha Jos Albairo Wanderley que oul ora I
servio nos ex lindos Corpus desta i'ioviiicia ,
leudo sua primeira praca no segundo batatlio
de Caeadores em Julho de iba i,
Dilo Ao Teneute Coronel Commandan-
de do Deposito, exigindo uirnt rel-cao uas
Placas viudas do Njaranlio por invalidas ,
que nao trouxero suas guias.
Lito Ao \iajur Lommandanle interino'
do terieiro balalhao de Artilheltiia exigiu-1
Jo nina relacj das Frats expeicionaiio ao
^laranho, que deixaro pieslacots a suas
tamilia nesta Capital devendo nella deca -
''"'a importancia de taes prestares.
jj(0__AoPefeitn da Comarca do Brejo que he Ctpilo Antonio Franciso d. s Sin- veira /J Dr. Francisco Eli
coromunicandu-lhe em resposta ao seu oi- lo sac f.ara o Porto no dia 3i do cornete. tos 4 Major Antn)) Go-i
ci do 1. docorrente, que a Pedro Francis-| OBRVS PUBLI .'AS.
co de Mello se tinha e*lrftgue a quantia de j ^.q tQnAj havdo (jae 38oUi6o,.im.)oilancia dos veiiciroentos do rem!, r separadamente os 'ornecimmitos dos
destacamento no mez de DeZihro, certo qu j |B(lle,.aes de Carpira <
39 do Re^o Dan
res Lial i De
zemharg.idor Jos Lihanio deSoua3- Ur
Felis Peixoto de Brito e Ylello a Dr. A n-
selmo Faancuco Pirrete t Dr. A.ostiribo
1 da Silva \eves a Dr. J jse Francisco de Ar-
e le Pedieiro, e os ser- _,,
ruda Cmara a.
licavao saldadas as suas oonlas com o msino venles necessa,ios para a renovaco d raes d
destacamento al o fim do auno. 'entrada do norte di ponte dos Carvalhos ,
Portara Ao Major Commandanle inte- ^ obf|anle terem andado p*jr ail maa em
rinodotereeiro lUalho de Artilheria, man- i |>raja ^ g-Q a^ora p0.,os em pra?a os mtttm(n
dando de ordem da Presidencia, excluir do lorn4Cimenlos para sur)>m airematidos en
mesmo o Cornelia Benedicto Gomes, passan- jb() CJn execuc5o das ott|ens fo Eib, Sor.
do^he guia que devi* ser entregue con o cor- ^^^ Q arhgj ab-is.) copiad) que he mus urna
neta na ecretaiia Militar as .0 horas dama- abaixo assi do C()!iVl]a )J5 as jjt;ii01s a ; P'ova do J;,m q.i, Lavemos feto sobre as
quemconvi.r este contracto a comoarererem el^oe* ,s,0.,,e lue esle mementos ^o-
ral nenie pralicad;s por todis as provincus,
com maior ou menor escndalo sao effei-
ELEC0EN3 D\ BAfIA.
Do n 7"ji do Constitucional exlraliimos o
nh.i do da ai.
em
Dita Ao mesmo mandando demiUir na casa dil IupeccSo competenlemenie hibe-
citmprmenlo a Le o saldado da quarla |ladasde f,adl,res Joneos nosdias 1 e
Companhia Jos Joaquim Raimundo for 5 du prximo futuro mez de Fevereiro afim
ter fiualisado oseo engajament. de ser concluid i esta anemalaco.
,______.________________________________-- lnspeoco das Obras Publicas 18 de Jauei-*
\ rod 1841.
iMoraes Ancora.
A Cmara Municip.l desta Cidade faz
sesso Extraordiuarii no da 8 de Fcvereirj
I pruxtmu ii.'uro,
Seta rio inte mo
Carvaltio
Diversas iie.partices
tos de planos ,' organisndo* por ambiciosos
iuimigos da (lcidade da Brasil, e patria-
das da Consliluico que nos ha dado a nos-
sa existencia politio.
Aseleices lem sido piuco mais ou rae-
nos laes quaes geralmente se havia previsto,
isto he, tumultuarias ede mu desagradaveis
consecuencias
JN'esla freguesii da Se, onde ellas se tem
feiio con menos es'anda/os pouco ha laltado
p^ra q ic deixasse de roanter-se a or.lem. As
TRIBUNAL DA RELLACAO'.
Sessa em 26 do corbbhtz
Na appeHago Civel do Juiso de Alsenles
desta Cidade, appellante o Doutor Promotor oblivero votos para Ueputadoi Gsraes no (juestoes que sempre se agilo em iguaes oc-
Publico appellado Manoel Rodrigues de Cvll-gio do Rio Formoso, os Suri. bastos" lem sido tractidas com a maior vehe-
Albuquerque, Escrivo Ferreira, loijulgada Mc ... raencia e calor a ponto de, por veses, ha-
a coulirma .So da sentenca recorrida. Dr. 1-rancuco do Reg Barros o^ Dr. ^ $ de ser segui Jos de vias
Os Embarcos de Jos Bento da Costa j Alvaro IJarbaluo Uxoa Cavalcantt 59 .Jr. 1-^ ^
Sebisliaodo Kegu Barros 7* Dr. Antonio ^ ao nomear-se
gos aejose nenio ua Vjostan
appellaco que disputa com Joo de Aie nao
Cisne.'ro doJuizo de Dinito desta Ctda le ,
Escrivo Chaves ; fofo reccbiJos.
Naappelaco crime do Juiso de Direito
desta Cidade ppellante Joanua Ra nuuda
de Castro, a*>:ellado Manoel Jos Vicente ;
Escrivo Poslhmo, se nao lomou conhe-
ineni.) |.'or nao paiteucer a esli; ribun--
a mesa, appareceo o
Percrino Mdciet LWouleiro Dr. Luiz de 1 r\
*, o ,. 1A- uj- desacord entre o Juiz de paz o 5nr. Dou-
CarvalliJ i'aes de A mirad.! oo-L/r. Fedro
^ ,or j 15S joaiIultn d4 Santos e o reverendo
franjeo de Paula Cavaicanl. de Albu- :. 00 ^ >Q ^^ ^ ^
que,.,JeD.-^se.nbarg,d-..r ,ianucl !*- % ^ ^f Q Juz d ,
doCavalcante de L ,ce.u, id Dr. Au.unio hem .^ suffi .^ ^ je ,ir eiorejl
Aviaso frerrmb aO Dr. ^':l;^* J si:.oS 1, f)01ICJ duras e dejabri Jas do mesrao
bou. a Lao 4 i ui. f.auoo Joao Ur.ni-j I.C(,rendo oar.,c|l0> ()0|. ^,,5, j, ,ljmel,.a,
M A DO CONSULADO.
Fu.TAL.
Mi,;uel Arcanjo unteiro de Andrad;', ca-
valeiroda ordem de CbrislO e Administrador
da Mesa do Consulado ele Faz saber que se
ba-de arrematar na porta da mesma, lo ci-
0 Jos o Guata ^a-iVr. Fianttoco JJo.mii- da tu (- |le e,iJenle pinjad,, eques.
'iies da bilva a Vutonio Carneiio Jiajia-
fljRios<-Dr Jerunimo iViaruniauo P'i-
gueua de MeDo il Uv. Manoel .viendes da
Cuir.ia Aeveuo *i ut. Joao de Caivalliu
t'aesda Andra.de ao Dr. fadte ..uiuz la-
vares 19 Vicario joaquim Jos de .-i/.eveuj
lo Joaquim Jos tl ieve:enJisiaia nao se fizia excntrico aos
partidos elriloraes [ apreseiitanlo-se munido
dasui ariil.'.erii] de urna lista de votantes
ou das pessoas di freguesia que 113 opiuto
de sua revereodissima derio ser admimidis
ou ejlavo as circunstiucias de votar poli
como su reve.-ondissim ali o disse era a-
xas de assucar aprehendidas ijelos respe,.:liv:.'S
.mpregadosde u.versos rapixes, pir inex- &^ ^ le,Ati",| ^ \** *""' !qell- II* nao o rol geraldos seus fregu-
querque 10 BrigaUeiro Jos Jo^unn Cod- ^ de tdaj8 ag iJddes e de aajb3S os StX)i f
atido das taras
Gui-
A sabe* No dia So do correle i c.ixa 15 '7 "r. Cbalo AJanoel Ua niva
julio curenle a .uvi u-------1 ., ...-------------- ------ ----- a
I 110 l. de Feveieiro niaiacs .b ^ocuraor fiscal uitonio aoa- camen!e das pessoas do sexo masculino coaa a
Lngenlio Roncador, em capas di is linda j-sj 4 ,, .. ^,.CJ ,.,,,..,.. f>jj
,' t.t*..nii MMi.in 'Dr. liei.iaido K.oeilo Ua H\* te.eiiay- para um dos es:: uladores. A esta nonsacao
os piasos mana Jos no riegutaiuenlo stnuu ___ .,..., .. t-
* 1 Ac ,i5p,-. ,,,ein- Ur, Jo iuom-a fabuco de Aiaujo o ettttba-se oSf. Parodio, e dissaqaa nao
a aneir.alacao hvre d espeza aoar-reuai- ,, .- M ------1 1 c > u.
Ur. Jos i'iti.tpe de Joua lj Me
nrnn-..l.dn>i1 o J l'ran.isco de F.irns 3 .tlajor Vlauoel Igm- uilthante procedimento nao era mu digno
CORiREIO, c,j de Carvaiuo alendonc* a.- Dr. Fmppe da conL-ordancia que dissera-lhe querer e-
O Brigue'Porlug.uez Ventura Feliz, de Lopes Netto 4 Ma,or Antonio Jos de" Oa- com elle : e oulras coisas mais que reba.xar


'. -
Q
diarIo de pernambuco
a nao j'oufo a qualquer pessoa que no lu-
jar de juiz de paz estivesse.
Lepis do parocho pedlu a palavaa o Sr.
Jc Marcelino dos Santos Brrelo o qual
sttaccu inda mais o juiz de paz dizendo-lbe-
qu se elle he'hum ambicioso e se ten algn
Testo ou alguma conseiencia pedia-lhe que
depuzesse porum momento a sua ambicio ; e
oulras expresares de igual docura e amenida-
de e disse tambem que o Sr. Joaquim Tor-
qualo Carneiro de Campos era pessoa mu
digna de ser norr.eada para lugar para o
tjual tii.ba sido nomeado o Sr. Rebotigas
pessoa alias que tambem era roui di;;na. Don-
de geralmente se conhacen q' o Sr. Jos Mar-
eellrr.o j sabia qual era O membro da meza
que mais Hgiadaria ao Sr. reverendo paro-
dio o qual foi obrigado a declarar que
como elle fallara ( ou pedir ) ao juiz de paz
paTa nomiar una ( determinada ) pesssoa ,
talvez o Sr. Jos Marceliino entendesse que
era o Sf. Torquato.
Ota, certo nao era de esperar, que o nos-
so rspeilavel parocho em semilbante cen-
sura se deixasse cahir mostrando ser da sua
inleira confianca urna pessoa proposta pelo
juiz de paz. porem qu quera que fosse urna
determinada pessoa a qual o juiz de paz llie
lluvia promeldo nomiar I E a que vinba se-
milbante reprimenda fcita ao mesmo juiz ,
quando s. rcerendissma nao se quera op-
pr ncmeaco do Sr. Reboucas ? Que ti-
nha a asseroblea provincial con aquella tran-
sato feita por s. reverendsima cdm o Sr.
Juiz de paz? Por Gp o Sr. Dr. Jos Joa-
quina dos Santos, depois de ouvir aquellas
dmissimasexproLaices, ainda cabiu em no
mear o sr. Jaaquim Torquato ^cuja capaci-
dade rao contestaramos, mas que so por
semelbahte mprnho e [ or tues oflensas, nos
ero seu lugar porcerto nao noneariamos mai-
ormenle depeis de haver dito, como disse o Sr
Dr. Santos, (mesmo antes do Sr. Jos Marcel-
iino revelar o noroe do Sr. Torquato ) que
havia mudado de accordo por ser a pessoa
lembrada pelo reverendo vigario "muito
oc las ccias todas seposso assim face de De-
es e dos boraens !
L'tna ccise potm rr.ui digna de notar-se
obseivou-se em a assemblsa paroebial da S,
e foi que nem um s grilo de fra houve
per occasio da ncmeaco dos membros da
meza apesar das desaffeices polticas que
necessaiiamente havio dos ditlerentes parti-
dos ellcitoiats isia ctm os nonuadns.
Varias questSfS depois foro apparecendo ,
as quaes a meta decidi muilas vezes sem
undar-se nena em le alguma nem na prac-
tica al ento seguida as quaes n'esta oc-
casio nao nos be possivel apre^entar.
Ate o da m que islo escrevemos( ai do
cnente ) havio se somenle recebido as lis-
tas ou adulas fe so temos noticias e estas
moisou menos vagas do que ha occorrdo
em oatras Ireguezis.
Ejn S. Pedro, consta-nos que ebegou-se as
vias de lado, e que l.ouveio punhaladasentre
osSnrs brs. Jos Vieira Rodrigese Anto-
nio Pe eir de Albuquerque par occasio de
insultos de parte aparte diiigidos. Em San-
to Antonio, oSnr. Jos Vicente de S Frei-
r, disem- nos, recebei a urna pedrada na ra-
bees.
Fm Santa Annadisem-nos que como na S,
se conservara a ordena,
Liz-se que a villa de S. Francisco eslava
armas, talvez tambem por occasio da
posse, que ali tomara decommandante supe-
rior das G. N. o si. coronel Antonio Diogode
i Brrelo.
Na Cacboeira, consta com certeza que
andavo pela cidade varios grupos armados
e que as vesporas das tleices havi-se com-
Oietiido um homicidio. Consta-nos que o
juiz de diieito requesitara forca de polica ,
e que para ali foro enviadas cerca de ao pra-
Sas*
Ka Feira de Santa Anna diz-se que
bou vera al um tiroleiro, de que ainda se
nao sabe o esullado. lim S. Goncalo dos
Campos ealavo tambem ss partidos quusi a
se atucarem e delacerarem.
No Jguape tanbem diz-se, que havio
dois partidas promptos a irem s mos e
dirigidos por dois cheles.
Esmrenos uelicias de outros lugares,
que cieos queira nao sejo ainda mais desa-
giadaveis do queas que se do de lodos os
cima ickridos.
Consta-nos tercbera que as eleices nao se
podiao lazer em Sanio Antonio, por que
u nn.tt otrazio de Larulho thegara-se
Btm uai individuo coa um chapeo cheio
ce listase a IWaia deniio da una duendo
tu f.iJi tomo se laz
sua a
lma
mas
elle linba soilrido muito,
sem nunca murmurar.
Com tudo a loria', que sustenta o horneo
na adversidade nao vale o senlimenlu ,
que o consola. Lourenco tinha supporlado
a desgrana ; mas elle anda a nao india ap-
pi ovado ainda a nao tinha amado. Cde-
gou poiem a este estado de docura vivendo
na solido e esludando a natureza.
Tudo quanto elle tinha podido recobrar de
iposicSo
de perceher suas retaques o unidade l'.ii su
guia ; ella o dirigi a o exame do que ha de
commum-entre todo.: 03 factos parcalares ;
ella o coaduno por roeio desle estudo at-
iento adeseol)rir a le nica instituida pe-
lo creador .p ira a formaco e movimenlo
dos entes. Elle recebeo de todos os entes e
de todas as relaedes que os unen, a de-
raonstraco inteirs daste pensamiento: una
Potencia suprema eterm conduz o uni-
verso a ordem a mus perfeita, a mais sim-
ples reina na composiso desta grande obra.
O hornera o objecio ultimo desta ordem ,
desta sublime composico.
4 Lourenco viva em paz ; elle eslava pe-
netrado d admiracu pelo Seulur do mundo ;
bem dizia o estado que havia recebido de
sua bondade ...; mas com tuJo o seu cora-
cao nao eslava salisfeito.
A primeir* das pungentes prvas que ti-
nlio composto em outro lempo o circulo de
suas infelicidades era a perda d'uma esposa
adorada. Elle tinha recebido dellu um uai-
mo fruto ; urna filhinba que havia de ser
todas as grapas toda a bondide de sua me,
porem elle tambem a perdeo. Loureicj' j;o
seu retiro viva s ... com suas virtudes sem
duvida com sua raso seus conhecimeutos
suas aecupaces com a natureza e sobre
ludo com o supremo auctor da natureza ...
mas tambem com sua dor e com seus cui-
dados. Que felicidade to encantadora se
elle tivesseconservado su espoza esua flha !
' Linrencoas chorara imitas vezes ; e as re-
coruendava a Dos mesmo e Deus Ibe res-
ponda no fundo de seu coraco : *' Ellas Ih
sero entregues se tu continuares a viver
sabiamente ; a felicidade de encontral-as fa-
i;i a melhor pvrte de las recompensas ; e
ento eu te nao separarei j mais della s '.
JSusta voz consoladora Lourenco encon-
trava este contentamento to doce que se
compe da esperauca do amor e da tristeza.
Mas o coraco de Lourenco tinha sobre
aterra, necessidade d'um objecto de affei-
co. Elle tinha amado os pareutes de Ame-
do.' Klledesgiap idamente nao tinha podido
cuidar na sua infancia nem dirigir a sua
mocidade. Em todo este espago de lempo
eslava elle mesmo acabrunhado comopezo
da desgrasa, Amedo tinha desde seus
primeiros annos errado sobre um mar tem-
pestoso nao leudo por guias no meio de
lautos cachopos e tempestades mais que
seus pensameutos inserios, e suas ardentes
paixes.
Logo .me Lourenco recobran um pou-
co de cal na e de bem-ser poz lodo o seu
cuidado em ganhar o coraco de 'Araedo.'
hile se nao deizou descorcoar por seu carc-
ter, ai0is vexes indmito ; pois nao con-
siderava nelie seno ao feiizes qualidades ,
indicadas por sua vivacidade e por sua fra-
queza. 'Lorenco' se ligou com 'Amedo' ,
como um pae aliento, e indulgente que ,
sem desacordoameuto, sem precipitago tra-
balhaussiduamenle na felecidade de seu flho
Elle espeiava a occasio em que a impttuo-
sidade 'cl'Amedj' o arrastasse a ;accpameller
tallas ; elle o escutava e o consolava lo-
go que sua sensibilidade o condutia ao arre-
pendimeiilo. Elle nao era sumeente a sua
tranquillidade muilos movimeutos min-
ia agitaco mesmo ero uecessarias es-
te ai dente Joven. Mas elle o tatia amara
vida, e ni posico realmente desgranada
(d'Amedo', isto era obier muilas circuns-
tancidS imperiosas lioho muilas vezes alia-
nado a 'Amedo', mas a vigilancia de Lo-
renco nao o deixava obter. Exposlo a to-
dos os tormentos que suscilo pauues aba-
ladas prompto a nlergar-se na sua dor
insensata aos movimenlos mais desordena-
dos 'Amedo era retido por a carta po-
rem a palavra de seu amigo. Elle se aqui-
e.tava logo que seu coraco se dizia ; '' Kes-
U-me a amizade.'-'
E' assim que 'Lorenco' concorrendo com
as lices da desgraca e com as progressos
da idade irabdihava com constancia iu le-
As compensac5es nos deslinos humanos i la oceupacao e da calma assim coni'o da
por AzaL fo'rga dadas pelo retiro a seu esperito para ap-
Temos de coslume fazer Amargas qoeixas plicar-se a os esludos os mais importantes
contra a desgraca, nao nos le u brando que Elle tinha visto os horneas elle os ,tinha
Deus, que, em sua sabedori a espalda con hecido. Elle reflectio sobre seu carcter,
sobre os homens. E" ncessario que tenha- I e sobre as condieces de seu destino. Suas
reos um eoraco generoso e um bom espirito j ideias se elevarlo al a o exame das rela^as,
para n-conhecermos esta verdade. Mas oseo- que unem a composico do hornera com a
raides generosos sSo mui sensiveis. Os bo- coroposicSo do universo. Teve a felicidade
mens sensiveis experimentad na sua moci-
dade violentas afBicces. Suaimaginaco ,
vivamentedescontendadica inventa a ven-
tura a que o lempo, e a experiencia nao
podem conceder algfia realidade. Dahi d-
correm esses annos cheios de desalent de
desespero essas queixas amargas contra a
Providencia contra a snciedade contra a
natureza. Tudo um mal tudo insup-
portavek aos olhos d'um joven sensivel pot
islo que ludo nao vae como elle deseja. El-
le exige a raso do seu destino do Ente sobe-
rano que o regula elle se torna injusto,
insensato blasphemo pelo excesso de calor,
e desordem de sensibilidade.
Mas com a idade as paixes se acalma ,
a equidade apparece ; ujh raso serena suc-
cede a um ardor violento. A alma generosa
reconhece que ella nao est so no mundo.
Com o soccorro de suas reflexes tranquillas ,
lodosos homens entrad em seus diieilos; el-
les tem todos a mesma origem -, e se a a'ma ,
assim esclarecida nao pode duvidar do poder
maravilboso que d vida a lodos os homens,
ella nao pdeconiestar-lhe esta juslica im-
parcial, queseoecupa igualmente de todos
Amedo era um desses homens sensiveis.
que comprad a tranquillidade e a raso
custa de molestas afflicces. Elle tinha imita
annos; esla a idade, em que se tem ap-
prendido grande parle do que se de em que se tem sentido a maior parle das cou-
sas que estamos destinados a coubecer. O
corago ainda est animado tanto quanto
preciso para laucar um doce calor sobre lodos
os pens&mentos pois tem deixado de ser um
brazeiro devorante.
1 Amedo tinha fortemente desejado todo
os prazeres cuja pintura lhe havia desenlia-
do a sua imaginado. Mas nascido sem for-
tuna e extremamente timido tio impeluo
sos desejos nao lindad sido para elle mais ,
que urna fonte de cruelissimos tormentos
Elle senta a vivacidade das faculdades que
havia recebido da natureza e urnas vezes
com urna trisleza oppressiva outras com de-
sespero laoienlava asuasorle por estar el-
la em grande opposico com suas faculdades
Contrariado em todos os seus desejos demo-
rado as suas mais honestas nelinaedes mui
seosivel honra para perder-se por caminhos
vergonhosos potm mui pouco firme em seus
principios para ser sempre sabio e para ser
feliz peU^abedoria ainda mesmo quando a
praticava elle viva continuamente agitado
por movimenlos oppostos e por violeucia
extrema bmaldicoava a essa existencia e
invucava a moite.
' Amedo tinha menos de trez annos,
quando hcou orso de pae. Esta foi a pri-
meira e a maior de suas desgratas Sua mae
sobieviveo pouco tempo a um espozo que
amava lernamente. A inlancia e a moii-
dade d' Amedo se passarad enlie o soll-
menlo e o infortunio.
Nao quero contar a historia dos primeiros
trinla anuos de sua idade. Meu provecto
contar nao o que elle foi al esta epocha ,
mas o que veio a ser depois.
Foi a amizade quem estituio Ameio '
raso juslica e a elle mesmo.
Lourenco' loi esle amigo do joven A-
n edn '. Elle niesmo tinha tambem expe-
rimentado muilas infelicidades ; tinha co-
nhteido a humiliaco depois da gloria, o
retiro depois do amor. Seus inlortunios ,
e seus peiares nao linho podido abaler a sua
coragem paren mais d urna vez a li-
nho abalado. Filizmenle o pensamento
d'um Deus justo nao tinha j mais sahido de
sua enliga opulencia era una propriedade ., j lecidade d'Amedo.' Caladameute prepa-
de pouco valor situada em urna agradave | u obra delinada a instruir e a es-
posijjo', na visinnac* dos Pyieueos. Ali Ubelecer com sulideza paz em seu coraco.
elle conheceo o repouso e logo a sua alma Porem para que esta obra hzesse impres-
se tirio a prolundas emoedes. mo duravel, espreitava que ?Amedo'
Elle pnncipiou por enliegar-se aos cui- commeyasse 8 escapar dos ei ios da mocidade,
dados da agticullura. Approveitou-se do qu forya de ter solrida enlregando-
dtscano, que, lhe provinha desta tranquil- i se togoM imagiuaco, elle lea appiad.iao
* desconfiar della. Ella se propunha a nao
confiar seus peosamentos a 'Ameio', se alo
quando este joven podesse nao s suppor-
tar a solidez mas tirar os prove tos que
ella rende as almas, matronalmente vivas
quauJo ellas tem recebiJo as luzes da experi-
encia sem que se tenho despedido di
honra.
Presume-se que o amor liada muilas ve-
tes oceupado a alma 'd'Amedo'. Esta alma
de fogo linda credo para si un id.do e to-
das as mullieres linho alguns visos, dessa
idolo. Consumido de desejos mas tremen-
do no instante mesmo de dar o mais innocen-
te passo, elle difftria d'um da para outro
sua ousadia ; elle se coasummia considerando
solitariamente cada innagem a siia vonlade.
Na queda de cada Qi de suas paixes el-
le enconlrava bstanle raso pira xaminar
o objecto que a havia inspirada. Fallavjo-
Ihe sempre i ou multas qual.da des essen-t
ciaes ; e, prompto a proseguir de novo urna
edimera inconsederada 'Ameio'reconbe
cia todo o erro daquella que elle accaba-
va de deixar. Sui imaginacio ajuJada pe-
los romances que elle tinha devorado lite
pintavo com ludo urna mulber adaravel.
Ella exislia em seu coraco em seus violen-
to! desejos algu.nas vezes em sua coufusa ,
e terna eiperanc j mas elle nunca a eueoo-
trava ou mellior outros a possuilo.
E neste e lado de impiciencia fo,;o da
delirio sem objecto de tristeza, melancola,
desespero e d commo;des qus o jovau
Amedo' havia passado ate completar tra-
la annos, a mor parle de seus das. Enfra-
que'do por seus combitas interiores haba-
lido pela humiliaco pela iiijusii;a quase
a sucumhir pelo sentimento maro de suas
privaedes, e de suis peuas ; elle tindi voi-
tado para junto de seu amigo e na sua
languidez ; elle nao senta mais as consola-
edes da amizade. Elle nio foi tocado das
temas caricies de 'Ljreuco', elle nao quera
mais que morer. 'Loreiuo' amava-o por sua
condtita e por sua trisleza e por isio cou
be a alUict > de o ver cabido em lo rido as-
tado mas nao perdeo as estrancts de te-
val-o ao estado em que podesse seolir a-
mor, e sotrer
Descancai, meu bom amigo Ide diz ello;
a vida vos serve de carga, eu ajudir-vos-e
asuportal-a. Exponde as vossas queixas,
' AmoJo'; deponde vossos pezaras no coraco
compassivo de vosso pae. Sim meu Sitio ,
queixai-vos ; tendea mu i tos motivos de quei-
xas \ a desgrac-a ros persegue desde o b<*ico ;
todas as dores parecem ter composto a vossa
sorle. Alinda sorle vos o sabis se tem ,
em grande parte composto da vjss i eu
sou pois desgranado, como vos, Uventai-
me tambem.
' doce e encantadora astucia 1 Que gra-
bas que tem a amizade que espirno que
bondade! 'Amodo', neslas pala vras locan-
tes tem encontrado suas lagrimas, sus raso
escutar logo a sabedoru pois seu coraco
seeuteriieceo.
'Lorenc-o' entreteve por algum tempo suas
disposiedes trisleza e ao praulo Sua
grande arle se reduzia a faiel-o chorar muito,
tallar mu i lo E* por estas duas effusdes, que se
ecoava sentiinenU) de seus pezaies.
'Lorenco' o conJuza de lempos em lempos
sobre a margem d'um rio que agradave
profundamente corra entre as nbaaceiras,
que bordavo a sua habitaco. Ali leudo
porassenlo a relva por lestemunua os bos-
ques por pouto de vista o .curso majeatoso
d'uma agua tranquilla t 'Lorenco' Lite ado-
cava os seas desejos e suas desgracas. El-
le lhe approvava os seus desgosio e enea-
raja va-o, quanio sua alma ulcerada dava
priucipio a suas queixas calaudo-se logo
que 'Amedo' vivamente movido por sua
propria narraco a termina va como silencio,
e com as lagrimas.
Amedo' havia encontrado o gosto da vilti
no doce prazer de formar queixas contra ella.
Seu amigo linha feilo con* que urna tristeza
deuodada succedesse a aridez da desespero ,
islo era ter oblido u na preciosa, vaalageoa.
Lorenvo', que se inleressava teruamenle na
cura de sua alaaa sabia as gradaedes quo
era necessario seguir e os manejos quo
devia obrar. Amedo, que se liaba des-
go>lado de si mesmo se havia desgoslado da
ualureta era por tanto uecessario tazer coa
que elle de aovo se umsse a ella. 'Lorenco
ciiegou a vencer ditculdade. *
A poz destes entren mea tos, em que am-
bos se havio mutuamente salisteilo 'Lo-
renco'esculando-o, Amedo' laz^udo amar-
gas queixas 'Lorenco approveilaudo-so
dessa doce ternura, que succede s dore*
d'uma alma aliviada deixava escapar algu-
mais palavras d'admiaaco a do recoub^i-


DIARIO I>E PERKAMBUCO
R
ochIo sobre anatureza e sobre o seu nuctor. di* vosso to assassinada pelos Frisos rio
Elle exieia cora destreza a explicaco d'utn (icaria impune.
interfssante pfcenomeno ; fingia tel-a es- I A Chronica affirma que essa forle licio
querido ; 'Amedo', cahindo cora satisfaca leve seu desejado effeito. (dem)
ueste feliz laco redzia a seu amigo o que I ---------
elle bafia encontrado lio tocante tao su- Potes das esmolas Era5 Una grandes va -
bnae em outro tempo. InSensivelmente sos d'um metal, mais ou menos superior se-
tlle sedeixava levar pelo prazer que con-
ceba de queslionar sobre os maiores objecto;
jiiflamava-se; ideas brilhautes prodtio
ideas fortes e todas ellas fazio nascer sen-
timentos virtuosos e conidadores.
Que delicioso prazer nio sentia Lorenco'
bom rfJeito deaua obra Sin, dlzia pile in-
ternamente tenho dado a ?Amedo' um novo
nascimenlo ; lenho-o intregue de novo aos
bracos da natureza, da amizade ; elle
realmente meu filbo.
Mas era preciso consolidar e coroar essas
felices dsposiees ; era preciso guiar para
sempre a Amedo* posse da rasio, e da sa-
brdoria. Alem de que Qa nova circunstancia
fjzia com que 'Lorenco' fosse instado pelo
tempo a acabar o bera que elle quera fazer
a seu joven amigo*
Lorenzo' escollieo a manh d'um bailo dia.
Meu caro filbo, diaia elle a'Amedo,' con-
duzindo-o para a bella margem do rio estou
mui contente de ver-vos pacifico e tranquil-
lo ; nws se pu ten lio sabido adocar vossos pe-
zares uecessario que vos tambera me
consolis.
O Deus! esclamou vivamente Ame-
do.' E que cuidado vos aflige ? Que pre-
ciso que se faca ? Anda persegu --vos-io
dovos perigos ? E' necessario que eu exp-
sita a aiiii lia vida?... Hoje que vos ma
haveis tornado to cara eu ousarei otfere-
eer-vos.
Nao nio amigo ; faz-se necessario ,
que deixemos logo o retiro e lalvez depois
que vos seoarardes de mim. Es a minba af-
flieco e s vos a podis enfraquecer.
~ Eu nao resisto diz 'Amedo' com do-
cura t tristeza. E' preciso que esta separa-
cio seja necessaria pois que vos rao orde-
naes. Com ludo meu coraco linha outras
esperances. Eu vos via cada vez mais ligado
a mim linbeis mudado minba alma com-
inecaveis a dar-rae a vossa ; eu mesmo favo-
recia a vossa obra afina de que podesseis a-
cabal-a ; nao vos expremia os meus desejos ,
por que ciia quesera intil .. ..
Era bera intil respondeo 'Lorenco '
Vosso silencio era delicado elle era o sig-
Dl de vossa confianca. Eu teria fallado
primeiro se o bem que tenho tido o
prazer de fazer-vos me nao desse o di-
reitode crer que sei um pouco raelbor ,
que vos o que ,conem vossa alma e o
que e necessario a vosso bem.
s Minba felicidade diz 'Ameda,' con-
sistira em passareu os meus dias junto a vos.
Isto nao deveria nem poderia baslar-
vos meu caro 'Amedo.*
Pois que 1 O senlimento de gratido nao
poderia ser-me sutbciente ? A minba la i
justa to profunda Teria eu ueoessidade
d'oulro aenlimenlo ?
Sim y meu amigo ; e ento se a Pro-
videncia separar-nos ; deixareis vos de ter
para comigo ailei-, > e recouheciroeuto ?
Oh 1 nao nao meu pae ; ?a& eu
serei desgracado 1 Eu o leu lio sido at o mo-
mento em que vim assisr com vosco ; dei-
xaudo-vos t eu coinoiecarei a sel-o.
Espero que nao meu caro 'Amedo.'
Escutai o que teuho a dtzer-vos,
(Continua.)
Antigos uzos dos Francezes.
Comer na mesma tigela.' Quando
qualquer pessoa convidara a seus amigos para
honral-o m um leslim dtvia arranjar de
tal modo a seus convidados que cada um
bomem ficasse ao ladod'uma dama. Um su
talber era destinado a cada um par dos con-
vidados; copo e pralo tudo era commum.
lslo se chamava naquelie tempo comer na
mesma tigela.- ( Magasin Pitloresque.J
4 Cortar a toalha Cortar um pedaco da
toalba em um festina face d'alguem ., era
fazer-lhe urna atFronta equivalente a um de-
safio para um combate desesperado.
Citarlos VI, no dia da Epiptiania se-
gundo o seu costume da va um lesura a muitos
dos seus magnates quando de repente uro
barauto se aproxima ao logar em que esta-
va sentado Guitherme de llainaut Conde de
Ostievant, e corta a toalha que Iheficava
em trente. Um principe ajunla elle que
nao traz armas nao deve comer com o re.
Que responde o Conde indignado nio te-
Mo eu o capaeete a lauca e o eseudo ?
kassimfosse, replica barauto, mora)
gundo a fortuna do dono da casa postos em
urna das cibeceras da meza ,' onde por vezes
se lancava pecas de carne ou outros qu es-
quera lmenlos destinados para os pobres ,
que attrahidas pelo cheiro das festins con-
corriad em multido porta da casa.
(dem )
* Alimentos particulares. Certos gostos
ecertas dlas dos antigos francezes di lean
muito dos de hojj. El les considera va um
manjar goloso a carne da baleia que presen-
temente repugna aos mesmos tnariubeiros
A lingoa deste animal era olerecida em pom-
pa as igrejas e mosteiros. En Cbampier
nio s se falla da salada do lpulo como da
de ortigas. As frutas reputadas alimentos
fros comia-se antes do jantar que fina-
lizava-se com o uso de especiaras ans e
outras composices as mais quemes,
(dem.
Publraces pedida.
Ao Illm. Exm. Snr. Francisco de Paula
Cavaluante de Albuquerque muito Digno
e Honrado Ministro e Secretario d'Estada
dos Negocios da Gue-ra.
SONETO.
No jen los vermes lvidas harpas ,
Impedidos da inveja qu'as consom ,
Polluir intentas teu alto renorae
E o Brilhante porvir qu'ao Brasil crias :
A's plantas las hoje v-las-hias
Alem dos astros elevar teu nome
Se Ibes cavasses d'oiro essa atra fonae ,
Que'outr'ora can vigor tu combatas
Nem temas PAUL V excelso arm-potente
As furias de huu dragio turpisanhudo.
Que' Virtudee Razo faz guerra ingente.
N j patrio ninho te respeita tudo ;
O Cea guarda teu Ser com z'o ardente ;
Brasil te abentja eu te saudo.
( Por hura seu amigo )
(DoiJ.de Julho.)
Tendo sido qualificado em vertuie da Lai
o G. N. da i. Companhia do seu comrain-
do Manoel AlexanJrino de Aibuquerque
fitta un i. companhia do Bitalhia da
meu commando por se adiar de prezente mi-
rando no destricto da mesma; sou a comu-
nicar a V. S. a fina de mandar passar-lhe a
competente guia f Deas Guirde a V. S.
Quartel do Commando do i. Batalho da
G. N. d'Olinda 18 de Janeiro de i8ti.-
lllm. Snr. Damingos A'ju>o Neri Eerrei
ro Major e Chefe intecino do 2. Batalho
da Cidade do Recife Francisco de Paula
de Sauta Leo Tenente Coronel Chefe do
Balalo. Manoel Alexandnna de Aibu-
querque Pitia.
LOTERA DA BOA-VISTA.
Acbo-se a venda os bilhetes da a. parte
da 5. "Lotera da Matriz da Boa-vista ; no
recit loja de cambio do Sr. Francisco Au-
tonio Vieira da Silva ; em S. Antonio na
botica do Snr. Joo Moreira Marque; na
Hoa-vista a na loja do Snr. Joze Iguacio do
Monte no atierro.
LOTERA DO SEMINARIO
Acbo-se venda os Bilhetes da a. par-
te da ij." Lotera no; Recite ra da
Cadea luja do Snr. Vieira cambista era
S. Antonio na ra do Cabug loja do
Snr. Bandeira e na Boa-vista botica
do Snr. uoi en a defronte da Matriz } e bre-
ve se auuuuciar o dia do audamento das
rodas.
Avisos Diversos
Precisa-se de ama escra*a que saiba
cosinhar e engomar para servir a um ho-
rnero solteiro : nesta Typografia se dir.
tsr Aluga-se urna canoa ou vuide-se ,
a qual prga nove ceios lijlos de alvenaria :
no atterro do atfogado casa da quina da ra
do ouro, onde achara com quem tratar.
tsr Preciza-se arrendar um sitio/que pos-
sa ter vacas de leite quem o tivr anuun-
cie para ser procurado.
tST Precisa-se d alugar urna escrava para
lodo o servico de urna casa de pouca familia ,
e que saiba comprar cosinabar e ensabo-
ar dando-se-he o sustento, e laU rs, men-
saes na rus das Flores asa D, 8.
K>- Tend de correr no da t. m de Fe-
verero vin.l .Uro cju h.' parte'da 5. *
Lotera do Theatro a rifa da cni\ de Hihiri -
be e dos terrenos da ra da Concordia e
da Capuja e outros premios en dinheiro ;
o Thezouretro da mesms Joio Leite de Ateta-
do convida aos amantes deste j'o a concor-
rerm a compra d'um resto de Bilhetes nos
lugsres abaixo indicados,
Bairrodo Recife ; Praca do Commercio ,
armaren de cabos do Tliezoureiro Porto das
Cmots, lojas doi Snrs. Candido Thomsz
Pemrs & Companhia ; ra da Cadeia loja
dos Snrs. Joo Cardo Ayres Vieira cam-
bista Gre^oro Antunes de Oliveira e Joo
Dias da Silva no beca da Cassimba venda
do Snr. Joaquina Jos Gomes.
Santo Antonio; ra do Collegio loja dos
Snrs. Joio Jacinto de Sauza e Jos de Vle-
nezes Jnior; ra do Crespo lojas dos Snrs.
Ftancisco Joze Teixeira Bastos e Manoel
Camillo Peres ; praca da Independencia ,
bajas dos Snrs. Henrique Jorge, Fortunato
Pereira da FonCeca Bastos Jos Antonio da
Silva e Joaqun de Oliveira Maia ? ra do
Queimado lojas dos Snrs. Maciel & Viaja-
do Novis & Bastos, e Annunciacio ; pra-
cinha do Livramento, loja do Snr. Jos Anto-
nio Alve* Bastos; ra do Livramento, loja do
Snr. Joaquina Goncalves doCtba. e Botica
do Snr. Francisco Antonio das Chagas ; patio
do Carmo venda do Snr. Manoel Jos de Cas-
tro Guimares; ra do Rozario, lojas dos Snrs.
Joiquim Jos Lody Antouio Muniz Perera,
e Jos Antonio Maia e Botica do Snr. Ma-
noel Felippe da Fonceca ; ra do Cabug ,
lojas dos Snrs. Antonio Jos Perera Anto-
nio Jos Bandeira Joaquina Jos da Costa ,
e Botica do Snr. Joio Moreira Marques ; ra
Nova lojas dos Frederico Chaves Manoel
Alves Guerra Jos Luis Perera, e Domin-
gos Antunes Villaca.
Boa-vista : praca, Botica do Snr. Jos Ma-
ra Freir Gameira.
ar Os abaixo assignados previnem ao Sr.
Maya dono da rifa de urna casa em Beberi
be, que o bilhele n. a8o da mesma rifa ,
pertencente aos mesmos abaixo assignados
desencaroinhou-se e podenda ser que dito
bilhele saia premiado rogam ao Sor. Maya
que o nio pague se nao aos annunciantes ,
adverando que o bilhete est por ambos as-
signado.
M. C, Pessos.
A. J.deA. I. Alcanforado.
tST Na rus direita do ledo do Lina men-
t caza D 33 aonde tem venda conti-
nua o estabelecimento da antiga pideria ,
por estar comprebendida na excepeo das
Posturas da Cmara Municipal, sendo assim
julgada pslo respectivo Fiscal e facultativo :
ella se acha bem montada e munida de lo-
do os ulencies, e bons fabricantes e tem
ptima farinba de trigo capas de fabricar
pi bolava biscouto rosca & ludo cora
muiloaceio e perfeico e por isso canvi-
da-se a os antigos freguezes; e a todas as
pessoas que se quizerem utilizar da mesma
para mandarem a caza cima referida.
jjs- Vende-se um sitio na Povoaco dos
Aflojados com grande caza e outras mili-
tas vautagens para inleresse cu jo sitio foi do
falescido Anacleto Antonia de Moraes ; para
tratar do ajuste no Recife em casa da viuva
de A. A de Moraes & C. e querendo ver, no
mesnao sitio.
^> Oferece-se par ama de casa de al-
gosa bomem solteiro ou viuvo, urna Mulher
a qual sabe emgomar coziubar; e quem a
pretender anuncie para ser procurado.
i3f Da-se dinheiro sobre penhores de ou-
ro, prata brilliantes ou mesmo sobre hipo-
tlieca de casa ; no sobrado da ra das Trin-
xeiras, D. 9
isr Pergunta-se ao Snr. Bandeira se a
sua rifa corre no l. de Fevereiro prximo
vindouro com a Lotera do Theatro se pela
afirmativa muito ssiimar o publico e pela
negativa ser mais urna forquilua com que
opabre poo ter de carregar.
13" Ofierece-se urna mulher de meia ida-
de para ama de caza de humem solteiro ou
de pouca familia ; quem a pretender an-
Duncie.
137* Vende-se um cabra de bonita figura, de
Jade de ao annos muito bom carreiro, pti-
mo mestre de fazer assucar e he oleiro ;
e urna negra de naco bonita figura e muito,
moga cozinha sotrivet e lava de sabo ;
quem os pretender; dirij-searua do Fagun-
des, D. 18.
S3"r Quem annuncion precisar de um ra-
paz portugez para caixeiro de venda ; queira
annunciar sua inorada pira ser procurado.
Kfi" A pessoa que annunciou no Diario de
hontem querer comprar um seliin uzado ,
querendo um com todos os seu arroios, por
preco 'ommodo dirija-se ra da Cadeia
no Rpcile, venda D. 5ov
tsr* Quem annandou querer r m r\r e
sel:m uzadi, dirija-se as P ontas D ii, n
c*y A pessoa que annunciou no Otario n-
a? do C irrente precisar de urna ama seca psrp
1 crear um menino de i$ metes, dirija-se ao
hwo de Joio Francisco entrando neja rus do
Arago da lado esquerda casa D. 4 que
ahi se dir quem querese negocio
tay* Rebate-se urna letra de *5oU res a
uro e meio por rento, de muito baaGi.ua;
na I >ja d > Sr. Garr* ra do Caoug.
-----Comr>ra5-se 54 ecas de6Joo sendo
do cunlio antigo a i;^" : annuncie.
-----Quero quijar comprar quUrequadros
grandes dorados de boro uza, Uro esoelho
grande de columnas douradas urna cmoda
nova de angico ; com columnas na frente
moderna com feixaduras feitas na provincia.
urna de lati com segredo e urna duzia de
cadeira de angics feitas tambero moderna,
annuncie a sua morada para ser procurado
pelo vendedor
-----Sendo infrmalo que um Boticario de
Pernambuco vende charooe. d Espargo de
sua composicio ero garrafas com o meu nome,
e minba firma, engaando a confianza do pu-
blico ; e concorrendo com esta falificaco pa-
ra o descrdito do charope de minba com m-
co ; declaro que de tres annos para c eu
nao tenho outro correspondente ero Pernam-
buco sena) o Sr. Burtholomeo Francis o de
Soura e peco ao publico que nao d con'i-
anca a nosso charope, seuo quando liver
comparado e reconhecido verjadeiras as fir-
mas indicadas sobre cada uro rotulo, cujo
modello se segu, (segua o rotulo)
Assi<-nado Johnson-
Eslava reconhecido pelo Cnsul Brazileiro
em Pariz e sellado com o sello do Consu-
lado.
- Compra-se uro cao atravessado pe-
queo na ra das Trincheiras 13. 18.
Compra5-se cento e cincoenta telhas .
no assougue defronte da cadeia; no mesmo
tambero se campa um taxo de lati gran-
de.
-----Perdeu-se na noite do dia ai do cor-
rente desde a ra das Florea seguindo
pelo pateo do Carmo ra de Hartas vlar-
lyrios at o Palacete urna chave grande
de broca ; quem a tiver acludo leve-a a tra*
vessa de S. Jos 0. 108.
-----Prersa-se de alugar urna casa terrea
que tenha quinta/ e caridba e que o seu a-
luguel nao exceda de oito a dez mil res raen-
sa-'s : quem a tiver para alugar dirija-se a
esta Ty.i. que se dir quem a pertende.
- Uro rapaz brazileiro de .5 annos de i-
dade de muito boa conducta o que altes-1
tai treseja enopregar se de caxeiro em urna
casa deconmercio nesta Praca ; tem boa le-
tra escreve correctamente, e sabe bem contar
as quatro primeiras especies de conta : quem
de seu prestimu precisar annuncie para ser"
procurado. O mesmo advtuie que s quer
casa eslraugeira.
-----Precisa se de alugar um sobradinbo
pequeo pira pouca familia : quem o tiver;
annnncie.
, Um pardo capaz offerece-se para fazer
vagens ao centro : annuncie.
-----Alguma parda ou preta idosa e forra ,
sendo de boa conducta e que esteja desar-
rapada querendo servir a urna casa.. dan-
do-te-Ihe o sustento ,e mais alguna inleres-
se annuncie.
tar Quem tiver para lugar urna casa ter-
rea no bairr-j de Santo Antonio, daudo-se
peloaluguer t dez mil reis, para pequea
familia annuncie por esta tuina sua mora-
da.
sar Urna senhora parda e de boas coi-
tumes se olforece para ama de alguma casa
de hornero saiteiro ou casado de pouca fa-
milia ; quem do seo presuma se queira u-
liiisar annuncie a sua raoradia por esta to-
lda.
tsf Preciza te alugar um sobrado de uol
andar ou um primeiro andar que tenha
coromodos para urna familia sendo uo Uairro
de S, Antonio em boa ra e que seu alit-
guel nao exceda de 16U000 meusas e dan-
do-se seis meses a Juntados ; quem tiver
annuncie.
SSf Quem pertende urna ama seca para
criar uro menino de 14 mezes procure no
paleo do Hospital do Paraizo caz1 de Mara
Francisca junto da porta da Igreja que
achara com queu tratar U. 35.
-----O abatxo assignado avisa ao respeita-
vel publico que pretende abrir a sua Aula de
primeiras letras no primeiro de Fevereiro ,
em caza de sua residencia na ra da Cadeia
tulla D. 49*
Padre Joio Josa da Costa Ribeiro* .



w
nwi
mBumumirSM*
fr I A ft-t tT D 12 PllNAHB-CO
un ni wmii i iihiiiiiii jr^nr-j
HP
*sr Medime Theard na ra nova I) it ,
m a honra <} participar a o respeitavel pu-
hln i e phrlirulartm'ut'* as enhocas qii aca-
ba (i reebet ie franca uro rico sortiraento
de nhap- de sanfenra de ptilia e de seda
do s pa'lroen* os mais modernos e de lindad
cores fiares de tolas as quididades muil > i-
ns e de lilas ores filas largase st reir*
para uarnicoens de vestidos p e.apeos, ves-
tidinhos d cambraia para meninas, nava-
anaa mui finas cora afia lores e ura grande
sorlimenlo di peni''-, de todas is nualidade*
i ~ Antonio Martina Guato Vianoa faz
publico oare tero associadoms suas loja* de
iazendas sitas as ras da Madre de Dos e
no atierro de Couto Viaoni o qual Ge authorisado a,
dirigir as Iransacopns das luis hijas debaixo
da firn* de Coo4o Vianna Pilho.
caviihado de cobie, de que be Capilar Igna-
clb Jos de Araujo 5 quena quiser carrejar ovi
ir de passaf.ern para o que tetn eso* 11 ni
cmara arraniada com tod asseio e bous oin-
pilo de m/trmor, que pisa 30 libras de m.as-
sa ; as 5 puntas D t5.
da cadeia em S. Antonio as lojaa das Sr^,
Baudeira na ra d Cibu,,! Victoriuo t,al
Um par de casi caes, un>a salva gran- dos Quarteis na botica do Sx. Bajtbola/aeo
de, ludo de boa prata e sera feitio ; oa ra J ra de. Rozar io larga e na venda P. .j n^
modos dii ia-scao en consi unitario Fian- das laran;;eras no primeiro .andar defronte j $ ponas na Moa vista botica dp Si". Mureira,
cisco Ssvertaitn Rabelo so forte do mallos, 011 do nim-ho.
i y Urna balan' armada de cabos e
nove arrobas de persas, ssndo o maior de duas
arrollas proprio para armazera de aisurar;
na ra da penda yobrado I) fj.
isy Nejas de Imito vellas de carnauba
com o dito Capito na praca do Coinmercio.
Le \ i *>
y De urna porclo de fumo viaad > par-
ximamente do Rio quinta Peina do cor
reate a porta do asmezean iba Antonio Joa-
itiuii rere ira.
C i) lia i i* 11 8
a 4lu a ibra rap roblo Hamburgus o
vi'i dadeiro purgante e ronailorio de le roy ,
vellas elsticas de loPis as grossuras para cu-
rar carnosidade e dor de pedra meias de
algodo para meninas botn* de bezerro pa-
ra bomem e oie/tiuo sapatos de marroquim
para menino e menina facasJ> garlos de ca-
6sy Urna maquina oriental para engealn
das baratas d todas as larguras os verda- tle assucar ja servido mas ero boro sudoj
e loja do Sr. Jus Ignacio do Monte >t-ei-ro '
eem Olinda na casa do jinr. Jos Policarpo
de FrUas bidetra do Vajjidouro ; e>la r..
a tem a vantagem de ser g ^5o bilbele>, tan.
do 5 nmeros ero cada uilbetesdous mil
e e neste mez se findareai todvs correr infa-
livelmente no prirneiro de Fevereirii
SSy Sacas com 'arinba de mandioca fina
clie,;adas do Rio de Janeiro e pelo .miudn 4
aoj na ra.do collegio venda D gj.
t&" Urna venda na ra estreita do Roxario
com poneos fundos a.pnusQ com boa$ firmas;
a tratar na mesma D. ai.
> Ob.ras velbas de 011 ro sendo bom ,
; e brincos de minas novas nao sendo grandes ; : bo de marm lequesda china biecs e rnn-
y Preeisa-sp de urna senhara de niaior "a rua o cabng loja de faitiidas I), a. j dag baratas de todas as larguras os verda-
idade branca 011 >arda dse m pedida, que ^^ Um taclia de cobre grande, e outro deiros pos parisienses purganlivos e nutras i "O eugenho Amparo de Ua marac ; ou aa
nJto fenha fillios e'de bous coslumes que pfiq*eoO; na rua das larangeirai no primei-1 muilas muide/.as baratas; na rua larga do rua das tmiobeiras D 18.
queira i. para un en-enl.o perto da ,.ra,a ro andar b IV9nle do ntncbo. | Roza.io loja D. j d Ln:ly. t" 'anos lnlees e IJimhu
para pnsinar a coser bordar, f-eer I avarimo, *-*" ^'broe laboas .jue tp.ibao serv lo BT Urna ne.'.ra bucal ,. de idade d o an-
ler escrever e contar; na rua d a-oas em and.imes e inda sirvo para 0 mesmo j nos ou troca->e por um roole^u^ 011 aaoleca,
verdes I) 38.
tsy )a-sealguin ilinbeiio a (>rp:3'io ein
da mesmo em pequeas quantias robhe pi-
noips de oui'o <;u prata 1 no largo do l.i-
vrurnertto loja de la.endas 1) f> junto ao al-
faite.
na rua dirt'itn padaiia do iJacbado.
V e m ; i* *
rgurz (J3
ptimas vv/xs e iumo da Babia de vaiias
qualidades para cbarulos; na rua d Cruz
U. 60.
S3y Os r>.elhores cobertor.es da aroerica ,
por sereip e&curos e rouito alu/ativos a hoo
' u ipttsrao negro, embora saja com acondi-
gSo de saiir para lora da provincia 5 nopa-
l o do Tci. o 0. 4<
r Um cavallo uisso cnai todos os anda- i rs. cada u,ma .: na rua Jo Cres,ia l/ja de Au-
tzy l-IUNHAS d^ \l;.;ibeira Porta res, ptimo para menino por ser pequeo } tonip da Cun-Ua Soares Guimajaies,
Padre, im;.if~*is nesli Typograa e bem na rua da pai armazem de Manoel da bilva
SST Prcisa-se de um caiseiro de da,!e '" ili"'l* \*\l ^tiao 00 calculo -, na pro- buimares.
de i.Ha loannaa. eituetenha boa conducta; ?a da Independencia loja de livros n e os, Urna loja de louca da trra a casa
na rua da Cruz 11 a8 venda do Snr. Pedro na rua (io, abu""^_'?la f*J**- ,udelra ? tem comrhodo para grande familia ; na rua
jy^^j,,., rua da cartela j bauo do liecile lo|a ue loi do Rangel 3.
iKy Precisa-sp de ura nortu^uc. ou bra- Uo xr- sidfirode idade de i a a annos .ara ca- "J vt'l,(11, ( a tIul,,ii ;ietr^lf, da 'ja no p"a carnngo ; na quina da pracinba do L-
xeiro de um venda dislanle desta praca um Wa*.* V^W <** MoreirrUlM vramento loja do Hurgo.
legoa, n travesea de S. Jo5 ca-a terrea l)' ,0 e na botica ao Snr, More.ra. uefron-
i>. i..
fcy Queui precisar u na ama le leie ,
parda estar cora bom fe-tr dirija-se a rua
da ttdeja n 4'
tsy O bomem veterano que annuuciou
propor-se a ensinar primeirM letras com sua
sen!.ora quiira dii i -se a csla Tyj)o;rafla
Si-
fiador
Escravos Futidos
CT Antonio joaquiro Consalves de Mo-
raas roa a qualquer autoridade policial,
pesspas particulares ecapitaesds campo de
apretieoderem um moleque de nome Joze ,
de uaca bengiiela de idade de i>i annos ,
.a!eias bar icas de farinba de trigo su- bem preto espigado do corpo p e moj
t da Matriz ; e era Oiinda botica da rua do perior ; no ormazem atraz do tbealro e no compradas e teve urna molestia em uro de-
Au.paro, ^ doSnr. Joaquim de Souza Pinto na ruada do da mo esqiierda do qual Liie cabio a uuli*.
19a CAUTELLAS da Smiedade Fonuna senzala. lefa o beico debaixo comprido bem parec-
Tvyugraiica, da Lotera do 'l'H'.-.A l'RO ,1 ksr Urna venda no pateo do Terco I). 6 d % tem osignal que trouxe de sua trra que
n'.ando a vigsima parte dos premios, cabendo com os iundosque convier ao comprador ; a oe uma ancora e navio pela parte oeculta di
na syrle !e ti 000,000 reis tresenlos mil rtis, a tratar na mesma* braco esquerdo quero o pegar leve a rua
ureco de ,\iio ; nesta Typograia na .-raca T Sag de primeira sor le as libras e em de S. Rila nova casa de rollas verdes defron-
Vrecrsa-sV'di^uma "lavTd-'ra'uue "J di Independencia n, ao na rua iarga do porco e sevadinba de franca de superior te do sobrado do fallecido Rossado que lera
asna conducta i.a rua 1 3 liincliel- i;"/uri la ,le niiudezas U. -j na rua do qualidade ludo por prego commodo ; na 5o,ooo de gratificacap
atoado n al. Collegio luja de relojoeiro, enolaigodo Li- rua das Cures venda D 7. y 5o dia 14 de Novembro fujio da Vil-
ty O'l.iece-.e" um mo-o portuguez de viamenlo loja do Sor GaJmel idade de a<9 annos para caaaeiro de rua ou | in^pio do beco do Padre na la diieita e animaes de varios tamairlios tambores de nome Lucas bem preto alio, espaudo,
armazem de assucar quera precisar a-.nun- vt-nda que ioi de Josc vle H r vi tula do Sr. Manuel Joaquim Tinto Viacbado por de lorca de i, 4, e 6 cavjllo* por pre- geiro inoco e casado levando uma rede,
Guimars D 10. co commodo laxas e ferro batido e cua- e Cafieitof de panno da costa; quemo pegar
4y Bitbiis do l'crto milito Boas, e cha- do de lodos os lamanbos um 1 prensa bydrau- ieVe ao mesmo lu"ir ao seu Sar, o Vi rulos d i Haraa># de su^eiiur quaiidade de licapua emprensar algido, e bombas e J,^> Jvapgelista Leal Periquito assi.n coroo
Hambuigo e Cacboeira j na rua do cabu- senas comprimas para engenbo : em casa de na duvida vende-lo.
g loa do Ikndeira. Fox & Stodart na rua da senzala nova 1. tss- Desapareceo uo dia so do correle um
rey Urna neg.'inba e um moleaue -de ida-
tsy Qnem quiser ser feilor de um s:tio na
estrada 'Je S. A da soiirodo u'a iuina U. a.< no misino em-t-
i.a-se meninas a lar escrever coser tola
ija.lnladc de costura ta.nbeni se nieebem
crias.
ioy Da-se 00,000 a jures sobre pin dores
de o uro ; na rua do niuciio do Livramento
casa n. 4*
iy ^a rua do Vicario ocba-se para lu-
gar um primeiro andar piopno
plwrio trala-se iia mesma rua arma/ero nu-
do de "j a caiiius j na rua de liarlas soln a
ijinio i). i Sjgr ia porclo de lian iras va/ias pro-
p.ias para a>sucar na venda da quina que
e;,;;;_ viu vr? w f-iei?.
^r 5 iOJ- Uma pserava coiinbeia engo-ama prplodacosli, de idad: de 40 annos SC
deira erendeira ; no beco da viraco De-
cima 24.
U- Um jogo de mallas de couro cru em
dis amado do resto diidentado, pouca bar-
ba os ps p.iecem estarem incbados levou
para Seu hora euitniuas, ditos de infrio- rezo i). l4 por um tonto de reis, e rende
quii paiu andar por casa bj'.ius para lion.em e iapaz s.ipaios lie l>ezerro e quartos Sfla aditnte cozioba dentro, quin-
orda\ao para ditos ludo viudo de Lisboa, .'a- t*l e cacimba a Ira lar na uesma rua venda
vestido camisa de chilla, cap-as de estopa,
bom uzo na pracintia do Li.raraento Ue- ^etade risesdo e chapeo de pilha ; quero
cima 2J.
tetr Uma casa meia ugoa na rui de S Tite-
rero i?.
tsy A capalazia externa da aliaudaga ain-
da precisa al^utis pretos para o se?vi.o da
n-wesiue j lia(a-se cuiu Arcenio Portando da
__' X 1 / .,... r,,r, raouc para homeio e aonhra saoatQS dj lo de Ooeiroz.
S3y Ouem iinnunciou dar ,oo 000 paia si v a, u (il ', ,. (,';. manoquiui U-nca-z para seuuora uin aran- tw Cera para limas de coeiro a o"jo rs
recener o priucioal e turas e:u litlos uiiia-, 1 il i. i____..i.. ... r.,> ,i
. /', J de si.riui.cnlo ue luJo qu t-.il p&rleuVC a mi- a libra e iapalcs de hurracna 5 na nudo
litar sellos logices de ;,iciU- fcixas e Rau^el sobiado uue tem ura tetbalo de ve-
0 pegar le^e a rua d > f gandes sobrado n 8
ajue ser recompensado!
a)^> Desapareceo uma prelado nome Mi-
ria de naffo 'beo;;uelIa cor prea alta ,
corpo regular m i^ra uro tallio ni testa ,
uma marca no beico de cima, levou vestid i
ia^- it.iebe-M? alumnos {>aia pi uncirs le-
tras e latim pd# um pcecu Q utto ras 11 vcl ,
elamhem, cecaJheoa-se aiguus gratis; quem
quiser mniui.: ie
if Ani,. no Sur Siqueira corre imo
pinuci'o de bverdeo do i'orri-nlM como c:>li
paiosuelustiopaia iiom.-m bolins d>-"du- P- i3^, ou na rua do Colk-gio cora Joo Fin- (je chila panno da costa peritas finas uro
p mais inehadp do que o outro desconfia-se
tr bido para o pao do aliio eu para a ma-
ihadiiiba por de l ter viudo, lem de idade'
40 annos ; quemap-gir leve a rua direita
D. te que ser recompensado
litVlmtiiUi (i i*MU)
aliados {miados de uiuilo bo;:i {;oslo l.udo las pinta-Jo na varanda.
or preeo coa:modo ; i.-a rua nova lojas da ^r Parinha de man Jioca a meihor que ha
Ahumo iniciada Costa ,iu;a n ii, no po.lo, pela sua qqajidade p ciiegoda
L, ; ltimamente de Calharina ; a Huido do
tv:y Um moleque QKOitJfl de idide de l" prigue inerva ancorado na [iiaia do i. olegio,
trata-se com A P. dos Sanios
nnunuad, pejo r. 1 hcsou.eiiu, e co.ui....- nnos -i, b.uUa Ggra B com prioapifl de jera porcto
reco de s-paieiro opliaui par, p.;;cu e uma ne- Uro a rua da Moeda, w. l-|l
NAVIO ENTRADO NO DlAa4
Sea vtiiec o ic-Ij dos biil.eles ao pn
bempiite de coenwoaVteeesra neva, a
a t'.airaa na ilita de Joauua be-
ooof tm a casa de i.oc.i,,-, a.. MU oa -adeia i;1"'^ ^ ia^ ^ J ** i P*f > W
n. >, conforme ja se tem annunciado. oa V|ta em casa de Uaac.Mo ignaaio de b^o rs
- Athahide. z.-na
sjy Superior se veja por pie.M commodo ; Urna negra de gento di angola, de
lio porto da* canoas armozem do iNavairo.
i'ARALlS.OAcom toda brevid,de por, VT Um Juiio Ce.ar e um 1 Uo Livio ,
Avisos MaJfkMHw.
teramaipruaiieda car* prumpia a muiio em bom,uzp e pejp p.ecode aooo ; no pa-
veleira Escuna Portuguesa ftovo Congresse 4 Uco loja de MSW.S-. o.
dft4u^1tia.Ca|,tao t,a,mtJo3 Rato.; traara bacas de fawJia da ii. Caihar.ua. por
idade de 1 a anuos: na rua dos CJuarieis D
1 1 no primeiro andar.
isr Lima cairo;a quasi nova, um pr de
rodas uma pipa flandras e medidas para
az..ilc um sel11 c;u boai uzo nos Colinos
o Sr. Gadault.
ir de pasaagem dirija se ao L.:|illo a bor-
do uu u luiisiyiuiaiio Tbouaaz UsJ /iquiuo
Ponceca.
J'aRA LIVEIiPCOLa Uaica iuglcza Lli-
zu Juhnston (tilia somanta '"O satas daal-
&4q i'icm quue-L.sianeg> daiija-seao^
gflnMairVtfi"! Jidinslan Baiai ^ C^wpaaiuia ,
aiive/linuo qut o fete Ue de |b por iLia coa.
mte MJjajn.
FARA LI-doA o minio vcUeiro Ungu-
Pt^ug,ut* Eu.pieiieudtdor lrr.-ilo e en-
lr Lima bunila CM-rav.-i hast'Mite posssnte,
faz ludo o tervico de uma casa ; na OAmsiOd do
La. oa i> 9.
*tV Uoaamuialade idade de ifj anuos,
as o pomas l). 10.
jr Liua esclava Citoula de idade i!e a5
anuos, urta para o sxivieo decampo por le sido seu
tUHUeau ; BO beco do peixe lino l, l\.
m Uma ba esclava, co..iiua o diapo
de uma sa tngomuia e be -laiadcira um bouza e no do Sr,
so'ivehnenie com piimipio de allaiale ,
e a vista do comprador se uit o uioiivo por
que se aende : nesta Typograia.
Bu^s. U01 1 ico te no de n.aiieles eitos de
denles de cavallo u.uiinho, ulna delicada a
suujeiiie prupna para algum ollic. Alae. nen-
ia 1 ypo.jiaha jc dl'.
Va/- mneles da Rila do forle pianno j no
liedle na loja do ar. Jos Antonio Y letra de
Vteit cambuta na rua
GKJNOVA 45 dias Hrigne Sardo Sulto
de a;o tonal. Cap. J >ho Arar' fot-celia ,
equip. i- cu;;a ;;/.eiie e mus gneros;
a Joo Pinto de Lemas.
SAiJDU INU MESMO DIA
GENOVA ; Polaca Sarda AbUul Cap. Jo-
ao Rosacuta carga assucar.
Dlfv>-, PolayaSard Boa Inteligeeria, Cap.
Jo?o Haptisla Gaiero Carga *ssucar.
ENTRADOS NO DA s5
LIVERPOOL; 35 das, Barca Ingleza Gal-
den Ilaece de iii tonel Cap. Hibboi-k ,
equip 1 t carga fazendas ; a Russell .!.
& Companlda.
\ NORFOLK : 4<> dia Briue In.-jlez Andes
de aiy tonel. Cap. Divii iirocklebsnk ,
equip. carga lariirba de trigo; a Hir-
rssoii Latham uudiou no laiudiro,
ObSERVAgQENS
No dia 24 fnndiuu no larneiro oro Brigue
Juglez e lez-se de vella do mesmo a ta-
lera ea Baica Amei:aua,
RECIPE NA TP. U& M. E. DE P. lojt


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E93X4KMDM_R9UONU INGEST_TIME 2013-03-29T16:28:18Z PACKAGE AA00011611_04215
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES