Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04212


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno df 1841. iSAttiuno
~r-
Tudo o' 't*d* '"&;'noi ; d> noin prudencia, wc'lant-
e- iMfvia : contnueraoj como principiamos, sc-reinoa ar.or.udoi!
o" Vad/niracio intre' a* Naces naia cultas.
ProclanaftcSo da Ajaeaableo Gerl do Brssil.
>*u
Suborrere-aa para eata folha a Sjooo por qi artel pagos amntalo
__.. Typoqralia ra da* Ornes l).3,,M l'iSca ta Independen-
n S7 a W, onde te recerna orrespoBdentias le^alisades fe an-
uncios inairindtf-ae estes gratis, setid dos propris assignahtei,
Viado iais^dbt.
PARfiDAS DOS COfcRElOS tERRSTftESe
Ctdadtd. ParabW VUs do prt.aco.......
Dita do Rio branda deporta, e ......[%. ** *
Dita da Fortalet Vlas dem..............i
Cidad da Goiarttta ........... .../
Clride de OtMa..................... Todoa o diai.
Villa doS. Aoto.............. ........ (Quintas feraa.
Dita de Garanhun* a PovoacSo do Bonito ,........lo, e ni de cada met
Dita* do Cabo, Serinuaea, Rio Forrante, a Porto Calvo, i, m* 11 dito dito
cidade das lagoaa, a de Mcelo............dem dem
Villa da Paa' d Flora*. .-<
Todo* os Correioi partem ao meio dia.
23 or .axe.o, Nu, f8.
PHATA
?
n
n
dem li, dito dito
PHASES DA LA NO MEZ, DE JAN.
Lua Cheia a 7 as o h. a 3> m. da tard.
Quart.iaing. a i4 *< to h. e 18 na. da nan.
Lua Nova 1 11 < "> H. e i\ Quai l. cese, a 5o as 8 b. e 7 in. da man.
Marx tfuia para o dic todt J ate ero.
As 5 boras a 18 minutos da roano!.
As b toras e 4J ""utos da Urde.
C A MUIOS. Jahbiio ai.
acendres...... 30 a li d. por I Jooo ced.
J-iahoa ......80 por o|o premio por metal oflerecido.
rranr......3lo reta por franco.
R,'.,?.Ja,ieiro a0 P*2 Crr.n. Venda -
OURO-- Yiofeda de 6^00 res, velhas i'8>o iSjooO
'w ,, novas I46oo iafX.->o
U.tas de 4J000 res, Xfioo ojona
- Palices Hrajileiros ----- iJfbBj ifaio
PeioColumnarios ...... 1/680- i#?o
Ditos Mexicanos---------. 1MS0 loo
MiudB. .---........#44o i#6#
Descont de bil heles da A llandaga t 118 por j 00 ao naca,
dem da letras 1 11< 1 jjft por boa*araaas oorecido.
Meeda de cobre 1 a 3 por 100 de disc.
DAS DA SEMANA.
iS Segunda S. Prisca V. M. Auduucia de Ju8 de Diieito da j
vara.
19 Tarca a Cttrat) Re M. Retaceo a audiencia do Juii de Direito da
1. vara.
q Quarta S. abatilSb M. Au lien:a do Jz d< Direito d.i 3. vara,
al Quinta S. Iguet V. Audiencia do Jais de Lirulo da ...
vaia
11 Sexta S. Gaiidcicio B Au (enca do J.17, de Direito da 1. vara.
a3 abbado S. llJclo/ir.o Are. -- Rl-IIkoo e audiencia do Juix de O. da 3
>ra.
4 Do>iiingo S. S. da Paz,
P
PERNAMBDCO.
COMMAif DO DAS ARMAS
Fxpedtenle do dia 16 do correute,
OBcio^Ao Ext. Presidente, enderes-
sattdo-lhe o requrjmnto em d,ue Fran-
risrn lde Paula Cavalca'rile de Albiiquer-jue,
Cirurffio mor do 011 ivo Batalho de Cacado-
les de Lnha d< Provincia do Para sappli-
rava o Governo de S. M. O Imperador prd-
rogacaoda liriica que leve para vir a esli
Provincia ira lar" Je sin saude por maisoi-
Iti mc-ps, llegando acbar-se anda nao res-
tabelecido, e cjwprovando fesle s*u dilo, coro
oro alte'stado do Facultativo assistenle.
Dito Ao'msmVi'tn. Snr. rmetten-
do-lhe informado favoravelmente a peti^o
de Antonio Joarjuinr, Rodrigues, que a S M.
I supplicava a Graca do confirmar no posto
de Atieres de prlmeira linlia com o respecti-
vo sold, por se julgar comprehndiJo as
dispsices do Decreto de 1J de Setembro de
/83i, e Le'de i6 A* Agosto de i8Jd j
applicadas em outros cOJ >s circunstancias e-
i'p idnticas as suas.
Dito Ao mesmo Extn. Snr., significan-
do-ibe etn rumprimento ao seo des J.icliO d&
II docorrenle, que o soldado Ma'noel Alu-
xandre do Esquadro 'nun.'erj 4 de Cavalla-
ria de linia desertara a ai de Desembro ul-
timo roas que sendo informado 'pelo Com -
mandante da Escuua de Guerra Fidelidade ,
que o tira a pucos dias de sntnella Co-
ila proceder a rspetto S iudagacs ne-
cesarias, e > ira no c. nhecin.cn to de que o
Manoel Alexandr desorlor de que Iradava o
quido 57 arrobas e i libras no valor se-I Senhores ReJ ict res
gundo o preco da Paula do dia em R* Ofcndid), e ultrajado iiiju-li nenie por
loCJyo aprehendida por inexatido da 11 n \il inuni; >, o lmIi r le ed'bivxli P ...
tara, pelo Guarda canlerehte do Trapixe de \ar(u Joaquim C-mnto de l'iguere'Jo,
da Compauhia Jcse Raimundo F rrena por alguns momentos vacilei sobre o diifor-
sendo a anemataco vre de despeza ao .ir- c>> que devera tomar de hum ataque lio rtisi-
rematatite tivo; militares se rae aprsentarii ao meu
E para que chegue a noticia a quem con- bem enlf-ndi Jo furor pore.ai a ii tira, q rjresi
vier mandei affxar o presente tdital na ter, e o desoro que devo s .ic'edide me'pr.i-
porla desta Administradlo, e publicar pe- bioem de adolar o(itf3 m-iii, q.ie niu-it
la imprens aquelle mesmo pelo qiitl ft a^gc-Jil).
Me/a do Consulado j de Janeiro de 18/1.I Rastmte siutj ttr ociui) de ferir tfioti-
Miguel Arcan jo Vlonteiro d Andrade. vid d.) pilbl), e biter.ne c.m unta) vil
OliR VS PURLICAS. iniraigij ; sa lieliurna elocaci, s:mh m-.>
Nao tetidp havido quem se propozesse a ar- principias, su 1 vi la deprarad. un cuMpata
rematar separadamente os foruecimentos dos era fim de maldades, e debd..:lies, a infinta
mterlaesde Carpina e de Pedreiro, eos ser- di ehapa. do pirlido coutrarii, tiiiicarac-
venteS necessrios pira a renovico dicaes da tisa a pessja de>sa P.. inftme.
entrada do ndrle da ponte dos Curvalho*, i'or > justamente 03 dous CC.q'Invii rit
noobttantd terem andado pjr das vces em cbapa oposla que aiula a pJUJj j isi 1 na
pra.-a sao agora pontos em praca os msmos Umacal dis l.DUndices, (Juj prtertderd cora
forn?cimenlos para seren arrematados era seu alilo veiien-aso btfej ir-me pj'n q uto-
globo em execuco das ordens do Eira. Silr. dos osjoutros os ju'gi in ligrt> .1 i.jpeij ndeJ
Presidente da Provincia de lo do correrite. O nos asslm o pens.
abaixo assi;n&do convida pois as pessoas a Supostodigaesse infame M de Iftricta
iJ>d<
na casa da Inspecjo competentemenle liabe- e litadas de fiadores idneos nos dias 1 i, e e que'nebntj prt lor ten'io, lodivii sei con
o do prximo fuUrnrmee de Feverelro afim l"do publicar OS seus crimes.seiii (IjIdc'i-.
Je ser concluid 1 esta anemalaco ,e ss palif.rias. e presettal-O ao pub'.i-
Inspecco das Obras Publicas 18 de Janei-, ro ,aI 1Uj' e"e ne defacto, e de direito.
ro de 1841 ^3J SB engae o publico com aquella pfes-
I\'oraes Ancora. pecliva inrperjnle cora ipi se aprsenla e
., ;._ _________._ ___ .. _. ,t falla aquille Vi.. de Vlaricla : aqUelle*
VCE CONSULADO CE S VI. CII'HU- beCOSj 4e iqueHe cora,a, seiU|Me ]0ltlrt
L1CA EV1 PERNAMliUCO | ajco um Cj outro, s|j o imperio das mal-
En esta encellara de Espaa en esta jailes a,|Uelles grossos bei.-os que bem re-
Ceudad, se tiecessita sabfcr se vivo o. Ti,0 Sui casia nao se movem sena"o pi-
nuerto el Subdito EftpanoT D. Feli Lu-
bi*is, que a decencia me f.iz callar c -ste a-
n'a unlad > nos ai^ites do Farol ; deijtem-Se
por larno dssa ofijuln e nao se ulgnara f
os aptas 1 ara Klleit.ires pois que entre nl
lemiu gente oara dins ou mis chipas su-
periores a mor pirte d'esie denomiu ido par-
tido cullossai.
I.iin Srs. Ri'ditores eu aclav mi-
Hior une aw Vl:..... de Mari'a beicos
re trorabnie (*j venl-seo Eng-inlio de S.
Francisco e se eraltreuluce en nutro ld;ar ,
(iir.iue nesle eU. be.n conhe ido e unto
rBo qilq ten na > .> le levemente to-ar ent
peuaa de probidide e reputa,j conhe-
cidi.
Soa Sur? Red*!- seu aig-uute.
Manoel Joaquim do llego Albujuerque.
Noticias EstiMi:eiras
refei ido Commndanie no officib que devolva ."^erto, ei oununo uspanoi-- u. reiut.u- N me,,.,,, e baso fiar, c ofender o pu-
acba-se o EsqadrJ eom o suposto nome de |a,le. nalral de Alteante En su consecu | dor de muius donielliis e Sural. Mons-
Manoel Fr.n isco oqual ficava recluso ale, en?a 'ufoa-s' por e*U Cancellera, a j ,ro (ja maledicencia, (Jue nem ao menos s.be
que sobre seo destino se deliLerasse. 11uei^ j|j tenga noticia de ello de a dar acalar a honra .iaquell.s casas onde lera silo
Dilo -- Ao Tenente Coiohel Commandan- e" U Calle del \ Ig.rio U 13.
fe do Deposito mandando addir ao mesado o
soldado do P.atalho Provisoiio Joaquim Jo:6
da Costa que leudo aiompanliado ao Major
A G. Leal em qualidade de seo empedido a
Capital do Imperio adoecera e nao poda
continuar sua viagetb ao Maranho, para on-
de est a partir dilo Major.
Dito Ao Dirtctor do Arsenal de Guerra,
disendo- lbe < m respu&ta o seo rficio de 1 do
N. M. de S xas
V. Cnsul.
CONSULADO PRTrANMCO.
Faz-se saber aos Subditos R.i:anleos resi-
dentes em Pernamhuio que no dia quarta Ici-
ra 47 docorrenle Janeiro ter lugar no Con-
sulado de Sua vlagestade a Ratnlla da Giaui
lretanha ra do Trapiche novo O auuia-
conenle q' neila havia ordenado a soltura do'"" prorogatlo dos ditos Subditos 1
soldado d
da Cohipnliia de Artifices .Vlanoel dia em pento daquelie da.
arvalho, continuando pieso at o' Consulado Britnico em
l,l,,l Francisca de Sales uor ser Jaieiro de 1841.
Lino de Car
dia a8 o toldudo Francisco de Sal por ser
"utorda biiga de que iraclava o dilo seo
tofEcio.
Dilo A o Core mahdan le Geral do Corpo
de Polica, para que niafidaSSe | r em li-
berdade a -Sebastio Nunei recitrtado pelo
Major F. J. C. 51. coi.oime deieruiinava
a Piesidencia emdespa Pernambuco 19 de
J. Uoring
Vice Cnsul.
Corrcftipoiiiienciits
Snrs Redactores
No furto da urna da villa de Santo Anio
comensal, victimas de sua lingoi viperina !
Ab que aquella grossi coi rente de ourj,
que Iraz ao pecoco devia ser de ferro se u-
lUdis pulidos e moraes respeitassemos a vir-
tude.
Qual juer pessoa que se der ao trabalho
de cuiiliJulir a rainbi p irle o'.licial a o Prc-
ftilo desla cjmarca ver ale rj'te ponto he
cipa;, urna .. Ima hiixt vil, infame, indigna,
horrorosa, e madiiaelica.
Sun Srs, Redactores, se a decencia me nao
prohiuissem se eu nao quizesse ser enfado-
abo i.tu dis< revera os criraes as malva.le
zas e os debx sdesse injusto agressor e en-
lao vms e seus chores se encheiiao de hor-
ror mas o Sur. Canuto que me chame <>
Jurados que eu cora documentos, e tes-
tetnunhas lieide castigar a audacia com que
elle quer competir comigo as etleicoens pon-
do se a meu par ou speiior a mira
lomo a audacia dtss.sSis. tacha a iiiii!a
chapa de | ca e vil eu lhes lassoceito
sbone huttaroorte; e he falsj dir-els"" s chapas 9o iguaes temi a Datad* a-
JLliYersis Hepai tiroes que 0Teneilla JSo Anlon0 deiVllrada i""uava de,,j CJ"lar uti Unul' el,uro
do ca seguimeulo de doug dos ro'nbadores, os
MTZA DO CONSULADO. matn; po/que esl. s eslo em su is casas line-
Fd tal menle e so sollfero ferimemos sem risco
Miguel Arcanio .onteirode Andrade, ca- 110 fjgo qu iiouve qUando fugio Kog
VeleirodaordemdeChristo e Administrador pois a Vms. queir.o dai ao p.elo eslas linl.as
HiMesadolohsladoelc Faz saber que no fbtm con heneen lo do Publico.
(lia a8 do correute n ez se bade arrematar O seu tonstanle l.ilir
tmpra9aaomtiodianapo1ladamesma.hu- Amtnte da verdade. ()
nicaixa do Enetnbo deiio\aiinado Dous Rios, '--- -- -
Veacha no res.eclivo armasem, de nu ..ero () As noln-tas. que temos dado do a-
' com assucar B quarta sorle, psindo ii- contado na Vrlla de Santo Auto poroc-
la/igel ; aquello anda a pouco saliilo da
dasse a mais iiilima da'sociedade e e.tvado
ao estado em que se chu pela inj u'st 1 ,' e ca
priel <)' a uiluna, e pelos meios o mais iguo-
jaiii do Mubo da urna, lorao firmadas so-
bre o que nos commumcou pesSoa que nos
merece todo o conceilo e que, de certo, por
ser Un. bem mal informado lo i cauzi d > er
ro q-te no:a o nosso illuslre correspjndenle.
Us lledaclores
Das olas do Rnco ingez era cao de
Guerra.
crdito lera- seus perigos l-ln cuino
suis vsilageni, um e outros sao inmensos
e auorra, si roraoer hnct' sobre esu ques-
tio. talvei a maii iraportanie da economa
poliiica a!ii de tima experiencia qtie an-
da nos fdlece Fui pelo crplilo que a Ingla-
terra su-tentoil durante vate cinco anuo -
o choque da Franca ; foi pelo crdito que el<
la vencen N .p.ilelo e se colocou lio alte entr
asnices civilisalas. Mas paJora eli no
fucluro oque pile nu pissid? Nao se im-
botou e n suas inos a arma que nos teria
feridomortalmente si a Fru a podesse mor-
rer? Eiso que irnos examinar.
O banco de Inglaterra o grande quicio da
crdito inglez ; suas notas giro com) nurae -
can.) em 1 ol< a exlen;o da G an-Hreteiiha,
eos msanos bancos provinciae s viverii des-
saS ilots, as q'naeS como n sao emillidas
>inio em troca d elfeito descomidos ou sobre
depuailo quer de ttulos de dutra natdresa ,
juer de barras sao apresenlada iia carieira
do I) neo ou em sai s caixs por valores iguasj
e por consiguinle nao teriio os emprestado-
res risco algn) que correr, se consentisseid
en esperar que ellas lossera relisadas para,
serem embolsados. E' o que acontece tod*
as vesfes que elles nao le n preciso de dioiiei-
10 em moeda, islo quanlo aos negocios Ira-
lados em Inglaterra, quetoJos sao feitos era
pap.l, nao sendo a moeda de ouro ou d
prata em pregada sin^o para se pagaren os
trucos, ou em oulros termos, as som.nas mais
pequeriis que a menor nota do banco em cir-
-.ulacfto. Nao succede porem o mes no quan-
dooi negociantes em su -s rela,. s com o es-
nai.geiro, descobrem que ha lucro era deso-
l.ngar-se por pagamentoa u escudos. Eiili
se.n que porissj conceba a mais leve des.on-
fianc qnanto a solvaliidade do banco, apre-
s'enlo-ilie suas u.t-s e exige a era volia so-
beranos O banco bgoob igado a astrin-
gir os seus descont e a procurar numerario
a todo O custo. Os devedores, que corttavo
com a reiiovaco desd.s letras, sao lorcados
{*) Dizeudo-se ao Uapiiu mor Jo3< Al
foncj RigUeira, que u Canuto era bastantes
abelidoso, di se que > seivia para ser Si-
crisla e tocar tromboue pois que liuia o
beicos amulado.
(ola d correspondente /
I



9
DIARIO DE pENAMBUGO
dcseropenhnr-se pora rom elle: muUipli-Itemas foro propost is. Poda-secora effei
"o-se as vendas com prejuiso a producco |to pas que era preciso novo ctinho de mo-
ptivada dos capilaes que alimentario ; eo dis, cunhar pecas com b antigo titulo e com
urna palavia ha crise commercial Ora. o antigo Ipeso isto libras sterlinas de
i evidente que estas desastrosas consequencias que 3 3i4 pouco mais ou menos coolivessem
tero igualmente lugar e era muilo maior urna onca de ouro ; ou etlo cunhar pecas,
escalla se o governo se aehar na necessidade quer de titulo menos elevado quer de peso
de enlrcier ao longe escuadras consideraveu,
corpos expedicionarios, poisque Ihe n> ser
posssivel colorir com papel os enormes gastos
que elles acarreto. Oito roilhes sierlinos ,
Crner idos por Londres para a compra de
Irigo, bastavo no anno passado para cons-
Irangerem o banco de Inglaterra a pedir 5o
nilhues de francos emprestados ao banco de
Franca. Foi o seu Water loo finsneeiro. Que
ser quando, cada anno (e sem esperance de
Tolta antes do fin das he stiltdades), for pre-
ciso para fra s por contu do estado urna
somata talvez to forte ? Os embaracos desta
grande corporaco financeira sero tanto mais
serios.poisao que ella nao dispie, sino de urna
iraca parte de seu capital. Dos orne roilh&is
sierlinos, pouco mais ou menos de que elle
se cempe, nove eslao immohisados iis rcaos
do governo, o qual nao c obrigado a reembol-
sar-lli'o sino quando expirar a sua car-
ta. E' per tanto realcente com dous mi-
lhccs, quando muito, que elle deve lser fa-
ce aos desoilos niilhSes de notas lancadas na
circulago.
As touses que acabamos de indicar tinho
obrado cem tal forca durante os primeiros
aunes das guerras da nossa revoluco que
em 1797, n'um sabbado do mez de fevereiro,
o banco s possuia em dinheiro ou em bar-
ras urna soromade i,aoo,oo libras sterlinasg
somma muilo inferior ao que tile devia so
dos deposites que ihe havio sido confiados.
D'abia dois diasteria sido obrigado a apre-
sentaroseu batane, e o crdito da Ingla-
terra teiia ficado perdido para sempre se
M. Pili nao tivesse viudo em seu soccorro
coro urna ordensnea ( proclamaco ) queo
deslgala da oi:rgac,o de pg*r o seu pa-
pel em numerario metlico e deu curso le-
gal a tste papel. O parlamento ratificou es-
ta medida to audaz, e tomou eo mesrno
tem po o ero pen ho solemne de tornar do sys-
tema dos p*gamenlos em numerario sem
redueco no titulo cu peso ; seis roezes depo-
. is da par geral. Desde ento pode o banco
emitir notaa por assim dizer discripeo
pois queno era m*is lolhido pelo receio de
um embolso inmediato e o emprstanos
foraocoritrahidcs com maravilhosa facilida-
de. Nas ao mesrno lempo eis-aqui o que
aronieteo : era preciso dinheiro para as es-
quadras que se provio ero paiz estrangeiro ,
para os exercilos que combalio lorge da pa-
tria rara os principios estrangeiros que re-
cebio subsidios. As notas do La neo naoe-
ro rtrtnidas nos logares onde se fdZioesla
especies de despesas e a Inglaterra hcou em
breve to exhausta de numerario ; que o
banco foi reduzidoa fazer urna emisso pn-
nieiran ente de notas ,de 25 fr., e de pois
de acedas de prla ( Hunk Jckens ) cujo va-
lor ncn.inal teria excedido o valor intrnseco
de 4o por cp pouco mais, ou menos si o
papel uo tivesse sefrido urna baixa quasi
igual. t .
1 Muito teropo a imprensa o ministerio e
ascmaras ;e tnterdeio para negarem a e-
xislenca d'esta baixa ; infelizmente dois
faclcs estaLelcuo a lealidade d'ella de urna
nancira ao evidente que o mais atrevido
fazedor de parr.doxos se neo atrevera boje a
pol-a em duvida. Em piimeiro logar se-
gundo o systema monetario inglez 5 a onc,a
de orno entiegue rr.cda salie ero pecas
que va lena juntas 3 libros sterlinas i5 she-
l'n.s e teis pences ou em outros termos
lib. si., iSshtl. e rj p. em dinheiro con-
ten urna orea de curo e por conseguinte
as notas do banco nao etto ao par sino eni-
quanto o preco da onca de ouro em notas nao
txtede a son na que acabamos de indicar.
Ora era, i8i3 1814 e 18i5 quando
0 havio rotas do banco na cirtulaco
cuca de nuio ero baira vala 5 lib. st. 10 ,
d'cr.de se segu que o papel do banco peidia
33 por (o. tro segundo iogar o cam-
bio attesUTa de urna" maneia nao menos
clara esta baba poisque a libra sterlina
na piara de l'aiiz por extrtplo tinha
desudo entre es banqutiros a i fr., em
quanto que ao par vale a5 Ir. ao. E' que
em i ariz os saques sobie Londres tro fetos
numeaiio metalito para seren reembolsa-
dos tro lcglatena cora numerario ficticio ,
o qual nao valia ii.stiinsecau.enle siuo os
dois Urces do stu valor nominal.
JUeroisda paz de 181 >, lu de mister tor-
uar-ie acs pagamentos ero dinheiro e fabri-
eaiem-se novas mcuas porque desde 1597
tiuLo ttesappuiecido as antigs ,^e dois sys-
dores e seu* devedores estrangeiros na se ^
Iludirs a esse respeito ; e, era quan'.o uns:
se apressarS a tirar seus fundos d ete paiz |
a fira de perdercm rnenos possivol os ou-
tros mesmoos mais solvaveis diferirs,
seus pagamentos quanto poderem a fin de
ganbarem o mais possivel. O cambio de
em o mais possive
menos lorie d tal sorte que urna 009a de j Pariz sobre Londres estava ha desoito roe-
ouro teria bastado para a fabricarjo de 5 1/1' res a 15 fr; 65 c e por conseguinte o
soberanos ou libras sterlinas. l) pelo primeiro partido permaneca-se fiel aos' st. que Ihe era devida, em quanto queo,
empenhos contrahidos em 17^9, roasaug- deveJor francee pagava 5 fr. 65 c. por lib. j
menta-se subiamente un terco, principi-
ando pela divida publica o valor real de
todas as dividas pois que o devedor que ,
quando tnba pedido emprestadas 5 lib. st.
st. que devia. Si ambos livessem espera-'
do at ter o cambio descida aafr. teria '
havido urna perd para o primeiro de 1 fr.
6>c. ura lucro para o segando de 1 fr. 65
10 11 So tinha recebido o equivalente de uaia1 c., isto o por o/) piuco ma3 ou menos
onca de ouro nao podia para o futuro re-! sobre seu capital. Rompa a guerra, e a ma-
mir-se sino dando o equivalente de urna ; is leve demora assegurar a un urna perda
onca e uro terco. O segundo partido teria igual ao beneficio que colber o outro. Se-
poupado aos devedores e especialmemte a-a r necessario dizer como elles obrars equan-
estailo esta perda enorme ; e si n'essa -
|)x 3 houvesse a queslo ido tSo bem eon-
prehendida como hoja nao ha duvida nen-
huroa que elle teria prevalecido nos conse-
to seu proceder apressar a suspensao dos
pagamentos em dinheiro?
Suva hesitar pois ousamas a'firmir que
a Ia.'.lalerr.i apesar de sua pro ligios) ri-
Ihosda Gran-Bretanba, Desprezaro-o e quez* nao encontrar mais no seu crdito
as bancarrotas que se Ihe seguiro o emba^- oj immensos recursos que elle llie deu prece-
raco financeiro que resultou nao permitiera dent;mente. E' urna forca gista em giande
suppor-se um s momenlo que as roesmas parle, e da qual devemas ter mii pou:o
circunstancias o mesmo erro seja jamis re- receio. Si a liga formida coatra ni preci-
petido. A este respeito a opiniu unani- sar de subsidias, predizemos nfoitamente
me, as bellas promessas aio podem raa- que a nlaterra ao Ui'os hade foruecer.
( L' UnUers.
( Diario do Rio.)
Alexandria, a5 de iNovembro.
i engaar a mnguem.
Ora si commecarem as hostilidades
Inglaterra ser quasi inmediatamente {orea-
da a recorrer grande medida de M. l'ilt ,
e como elle dar s notas do banco um cor- Eis os acontecimentos que occorrerao n es-
so'legal ou foryado. Sem guerra aps a
m clheita do anno passado pouco faltou
para que ella Tos reduiida a este meio ex-
tremo e os predig oos armamentos que se-
r obrigada a faier implicars exigencias !>em
diversamente extensas. Ella mesma tem des-
de muito tempa presen'.iJo esta necessidide
Nao se sabe bem que pelos termo* d* n0va
Carta dada ao b*nco em 18JJ os bilhetes
emiltidos por esta iuslituico tem j um cur-
so legal em Inglaterra excepto no baco ,
que nico i.o pode constranger seus credo-
res e por conseguinte os portadores de seu
papel a receberem outro papel em troco do
que elle deve. Esta disposico e os hbitos
d'ahi nascidos diminuirs evidentemente no
grau ero que for isso possivel a anarchia fi-
nanceira que produzira suspenco dos pa-
gamentos em dinheiro Mas, encuja o
dissemos todos aquelles que se occupiio um
pouco com estas mateiias sabem s mil ma-
ravillas que lomando-se mais tarde aoem-
prego do numerario melallico o governo se-
ria forgado pelas rerordaces d.s catastrophes
de 1818 e 18:9 a nao dars novas moedas
ino um valor intrnseco fazendo equaco
com o valor necessariamente muilo desapre-
ciado das notas do banca. Si ento sao pre-
cisas seis libras sterlinas em papel para se
comprar urna onca de ouro com urna onca
de ouro se fabricai seis soberanos em peyas
de urna lib. st.
Agora perguntamos : com a certeza dese-
mejante peda diante de si com que con-
dicoes emprcsU'o os I3aringsc os Rotschilds
Inglaterra o dinheiro de que ella lera to
urgente necessidade? Evidentemente tirars
o maior proveilo de urna circunstancia que ,
nao o esquejamos nao podia entrar em se-
us clculos antes de l8l5, porque ento nin-
guem tinha o pensamento de urna alteraco
lutura das moedas Sabendo de antemo que a
medida q' o papel, tornando-se nica rooeda da
Gran-13rctanha, se lr desapreciando, elles ex-
primentaro urna redueco correspoudeute no
valor intiinseco de seus dividendos; resta-
felecer o equilibrio j relendo sobre ocapi-
tal por elles ofierecido um forte premio de
seguranza, ou em outros termos olerece-
i5 nos empiestimosdeque se faro adjudi-
catarios 10 s& por /. menos do que teri-
o ofierecido estn o todas as cousas iguaes
quando as notas do banco nao tinho ou uo
les dous ltimos dias e esta manh. Podis
por elles faier idea da anciedade que produ-
zio n'esla cidade a chegada do Com inodoro
Napier que cornmanda agora o cruzeiro de
Alexandria, o qual compoe-se del i navios
de guerra, O Comraodoro essrevj a Me-
hemet-Ali sob pretexto de Ihe propor troca de
certo nu ero de presioneiros ; piren com o
intento da indiui -lo a restituir frota ulti-
mara e evacuar promptarnente a Syria ,
asseverando-lhe que seria esse um nvMa eE-
cai de obter o favor das pontencias. Elle con-
cille a sua carta por urna especie de amuaca
debaixo da lorma de conselho, cansistinda
em alErmar que acidadede Alexandria seria
tomada to depressa c .mi a de S Joo d'Acie
Estacarla loi aqu trardn por um Capilo
de navio Inglez que se a presen tou duas ve-
zes ao Vice Rei com a esperanya d'obter d'el-
le nina res pasta satalactoria. Mas parece
que aexpeclaco do olcial Inglez foi enga-
ada. Vleberaet-Ali conservoa-se em re-
serva e respondeo que inleressts taes s po-
dio ser tratados oficialmente e em nome das
potencias e do sulto. Esta rsposta e.xci-
tou sustos na cidad8 ; temeo-se o bomborde-
amento, se bem que as foiliicacSes estejo
em bom estado e que tenba mais officiaes
europeos de talento capazes d'empregar util-
mente o material de guerra de que Alexan-
dria est provida, e de tirar partido da sua
forte posiio. O que faltou aos Egypcos
na Syiia foi nao ha ver a II i absoluta renle
uficites d'esta arma.
O Vice-Rei acaba de mandar construir um
pavillio no cuino do forte do Imperador ,
posto d'oude elle quer presidir defeza do
paiz. Todava recebemos um grande mo-
tivo d'esperanfa, O bloqucio deste porto est
levantado por ordem do Almirante Stopford.
E' de notar que os commandanles do cruzeiro
se tem mostrado sempre benvolos ero sti'S
relaccs com o governo. Podo julgar-ae pela
carta dirigida aos Cnsules da (recia e Sar-
denba os que Ibes tinho escripia para pe-
direm esclarecimentos a respeito da sabida dos
navios. Tudo depender da rsposta que da-
r Mehemel-Ali de viva voz ao Commodoro.
Se ella nao for favoravel acs Inglezes estes
conceders 4$ horas aos habitantes para se
j rem a salvo. Esta noticia nugmentou os
sustos da populaco e do commercio. Ella
prudutio um efieito tanto mais doloroso ,
tstavoem vesperas de ter um curso orcado quanlo chega depois do levantamento do blo-
nesmo no banco. E como o preco corrente queo, que tinha feilo conceber com justo
de toda renda depende do preco em que eslo titulo as mais plausiveis esperanzas de paz.
de toda renda depende do preco em q
collutadcs es novos emprestimos os fundos
inglezes baixar primeiramente por causa da
guerra depois por causa da posico excep-
cional que acabamos de indicar. Quem ou-
saria dizer a pioluudidade d'este duplo abys-
mo ?
Todava outra causa de ncommodo bra-
la no mesmo sentido e de urna maneira qua-
si lo poderosa. A' medida que o papel do
banco lr perdendo o seu valor isto,
medida que lr sendo preciso dar mais papel
em troca de urna quantia dada de ouro em
barras, ocanbio se ira (ornando cada vez
mais desavoravel Inglaterra. Seus cie-
Se as hostilidades liverem lugar agora que se
acabo de fazer compras considera vis, haver
n'esla conducta urna traico verdadeira para
com o commercio. Tambera, se iccusa cic-
lo apezar da linguagem billicosa dos olh-
ciaes da frota cruzante.
A a5 veio a ierra o Commodoro Napier e
teve urna entrevista com o Vice-Rei. Nao se
sabe da rsposta ofticial ; purera cr-se em
palacio que o Vice-Rei cede.
Nao ha noticias do inleiior da Syria. Se
o Vice-Rei as tem, sooccullas. Espalhou-
se o boato d'uma levolta em Damasco porm
nada continua esta noticia. Reina em todo o
Egypto a mais perfeila tranquilidade e a
saude publict boa.
Emir-Bey official da esquadra Ottomana '
lendo ficado a servico do Vice-Rei desertou.
com trinta horneas estando de guarda cora
urna chalupa canbnneira, entrada do parto.
Parece ter ido para bordo dos navio Inglezes.
(Le Coaamerce.)
Urna carta de Malta de 3o de Novembro
contera esta noticia importante que a pus-
sagem do bistmo de Suez reconhecida lirre
era favor dos Inglezes tanto pelo Sulto como
pelo Pacha do E;ypto. ,, O Pacha (acrescenta
esta carta), veuda-se abandonado pela Eran.
ca lancau-se nos bracos da Inglaterra. Elle
al havia lomado a iniciativa mandando
propr a accom noJi.'r a Lord Palinerstori
ou pjr va do Governador de Malta; mas
quera conservaros seus punhorss isto,
a escuadra Turca e um exercito na Syria at o
momento em que a Inglaterra fizesse cora que
a Porta ralificasse o consentimento sua ma-
nuten ;o no governo hereditario do Egypto,
Era isto o que a Iuglalerra nao quera : ti-
nha-SK resolvido que .vlebeinet fosse obrigado
a sui.uelter-se ti discriyj ,- e foi o que se
execulou pois est bem entendido que a
Porta a nada obriga la para com Aleliemet ,
equfe aquiilo que este obtiver o dever
geuerosidade do Sulla.), enerosidade que
todava alguem se coraproracilo a sollicitar ;
e porque o nao faria a Inglaterra ? No estado
actual das causas uo ser VJehemel-Ali o
melhor givernador que ella pader escollier
para o Egypto ? (dem.)
Outra carta de Canstanlinapla de 18 de
Novembro diz que o Sulto pareca pouco dis -
pasto a urna aca>;umodaeo ora o Pacha do
Egyplo. Ora sabe-3e que segundo os di-
versos actos e auados quer do governo In-
glez quer das qualro Potencias depois do
ira elido de i5 de Julho e especialmente se-
gundo a nota de 14 de Novembro as Poten-
cias nao pretendem de sorte alguraa constrau-
gir a Porta a tratar com Mehemet-Ati, de
maneira que por ora nao ha sano ura laclo
completo, que submisso de Mehemet-Ali
a Porta ; mas a perda de direito pronunciada
P'da Porta contra o Vice-Rei subsiste e an-
da nao est provado que elle deva ser relevado
d'ella. Era todos os casos se Meheroel con-er-
var qualquer sombra de poder sobre o Egyp-
to haver o cuidado de Ihe dar a conueper
que o nao deve Eranca.
Parece diiBcil que VI. Cochelet possa per-
manecer era Vluxandria. Depois de ter feito
a papel d encarragado de negocios junto de
um hamem que a Eranca considerava cono
soberano do paiz, ella nao pide rebaixar-se
posico de simples agente cotninercial junto
de um Pacha, (dem )
Nota-se n'outra carta d'Alexandria de 25
de Novembro publicada no Sud de Marse-
Iba as seguinlas linhas r
,, Um commandante de navio Inglez nos
assegurou hontera que na Syia os alliados
nao li-m tropas para, rem bter Ibrahiin-
Pach j que elles s as lera para as guarni-
eses mas que nem por isso conio meaos na
sua causa, descreces que a sua pre/.euea opera
todos os dias no exercito egypciaco, Aqu,
diz este commandante seremos anda muilo
mais auxiliados pelos indgenas. Nos somos
sperados ; nao sao necessarias grandes Jorcas
de ataque ; a resistencia pouco valer,
,, Em apoo d'este rar.iociuio teaios aiuda
de acrescentar boje urna nova especie dede-
serco 1 destobrio-se esta manh que os Tur-?
eos que estavo de guarda s bateras colloaa-
das na ponta do Serralho procuravo encra-
var as pecas que devio servir no caso de ata-
que. J estavo encravadas muilas peca* ,
quando se dea f d'esta trabico.
,, Uutra correspondencia do Sud.de a6,
fallando da convenuao assignadaenlre o Com-
modoro Napier e i\lehemei-Ali, diz:Hau-
ve urna diiculdade a respeito da evacuaco
immediata da Syria que o Vice-Rei quera
operar por trra mas o Commodoro oble
em fin que ella tivesse lugar pelos navio
Inglezes. lbrahim Pacha e a sua escolla vol-
laro'ss ior Ierra. A esquadra ingle**
cruzante est para entrar no porto de Ale",
xandria.--,,
As noticias de Alexandria publicadas pe
Gazela do Yieio-dia dizern que o Commodoro
Napier do a Meheraet-Ali aulhorisaco para
reir a esquadra Turca at a latificacao do
tiatado pelas quatro potencias.
r r (IdeP.)
VARlEUALES;
O herdeiro de Liune c Joo das Escalas,
O velo Sur. de Liune quando morreo


'
DA1U0 DE P ERNA M RUCO
deixou todos seos bens seo ouro, seos cam- I um dia ehegou em que foi precizo aluda fazer ,
pos, seos tanques, seos bogues, seo bello alto. Nesta vez o herdeiro de Linne ficou
Casiello seo filho nico. Tanto o pai era
econmico e prudente quanto o fillio, co-
inteiramenle arruinado ; seus
mesmo lempo que elle conhacero
amigos ,
isto
ao

aio ordinariamfnt acontece, era imprevi- urna tvde se separarlo, e voltario a
dente, e prodigo. Nao tratava seno dos casas sem lbe dzer A dos o sem Ibe aper-
prazeres. Dia e noute jegava as carta,
eos dados ; Lebia cautiva, corra a Caval-
lo jurava e se queixava. Logo que elle
toniou posse da sua bt ranea entregou-se
com maior extravagancia anda s suas incli-
navo. Para se consolar e annunciar-se
mais depressa procurou o socorro de seos
amigos, e sua repuiacio de fenerozidade os
adquero de todos os lados. Ero bem bous
companbeiros que amavo as Testas o vi-
ril o e a alegra. Ao modo de vida que o
Herdeiro de Linne se guia com seos compa-
nheiros nio baveiio thezouros d uro Re ,
que elle os nao esgolasse. Alguns mezes de-
pois da morte de seo Pai seos cotfres eslavo
ja espurios. Teve um bem procurarlo en to-
dos os quartos abrir todas as gavetas re-
volver todas as algibeiras da roupa do velbo
Snr., baler em lodos os forros, e nada acbou,
era burea s peca de ouro nem bum Escu-
do nem bum sold de cobre. Se elle ti va-
se um pouco de raciocinio, era este o momen-
to em que poda relectir serbiamente e
emendar-se ; roas a bora da Sabedoria nao
era ainda ouvida por elle. Lembra-se do aM-
tgo Intendente de seo Pai, Joo das Esca-
las e foi fazer-lhe urna visita.
Joo das Escalas era um bomem gordo ,
de semblante jovial, de nariz vermelho, e
ebeio de borbulbas. Euriqueceo-se no sri-
co do velbo Snr. de Linne, presentemente
tinba o ar de um Sor.
Bem vindo sejais Herdeiro de Linne
bem vindo sejais dice elle vendo entrar o
Joven. Certifica-se que vos nao tendes me-
lancola esois sempre um oigazo. Tanto
melbor, meo Caro filho, tanto melbor.
Liverii-vos; proprio de vessa idade: be
misler que assim se passe a mocdade Guan-
do vos follar dnheiro espero que vos lera-
breis de Juo das Escalas vosso velbo servo,
~ Sem duvida meo bom Joa das Esca-
las responden o Herdeiro de Linne ; eare-
comendaca nao era necessaria ; vos vedes,
que lembiei-me de vos. Todo meo dnhei-
ro meo caro amigo o Diabo deo firn !
-- Que me dizeis, meo excellente amigo ?
tois dnheiro E tereis tabem vendido ja
vossas Ierras, e vossas florestas ?
Anda nao Joa das Escalas. Mas
que queris que eu faca de minhas ierras,
e minhas florestas se nao tenho dnheiro ?
Vos sabis que na tenho vontade de me
fazer rendeiro ou maleiro.
Eis o que se chama um raciocinio,
exclamou Joo das Escalas. Seria bello ver
um gentil-hornera do vosso porte bem feito,
e galante apegr-se como um caponez, a
una arado, Deslazei-vos dessas Ierras meo
caro filho, eo mais cedo possivel. He uaa
louca pro'priedade embarrananto e onero-
za. Por muilid conta nao tenho aena bens
de raz seenlrelanto vos leudes com que vos
obrigar e para reconhecimenio da memoria
de vosso Pai, nos nos arraigaremos.
Acabai, bravo Joa5, e o mais cedo
possivel, como diieis. Toma i o casiello,
as ierras os bosques os tanques. Dai-me
vosso dnheiro e tomai a heranca de Linne
para sempre.
O mercado foi logoocoutracto concluido,
Joa daSjEscallas nao deo ao iouco Joven se-
na o terco do que valia o seu patrimonio*
Assiguou-se logo, o contracto e |ihe contou
era Escudos somante o preco da venda, e se-
pararo-se mu amigos,
'' O dnheiro vosso, a heranca mi-
rilla, e sou eu agora o herdeiro e Snr. de
Linne.
Entretanto o Joven antes d'assignar ti-
ha-se lembrado d'uma recomsudaca que
seo Pai Ihe fizera antes de dar o ultimo suspi-
ro, O ansiad o chamou junto a seo leito e
lbe dice com urna voz balbuciente : Meo
filho, sealgum dia estiverdes as tristes cir-
cunstancias de vender todos os vossos bens ,
reservai somente a cazinha izolada que est
no bosque junto a Rocha Branca. Este po-
bre retiro ser um vosso amigo seguro, e fiel."
E sem dar alguma importancia a esta
lembranca, em respeito somente da vonta-
de de seo Pai o herdeiro de Linne exi -
gio de Joa das Escalas que lhe deixasse
a pequea cazinha izolada.
Depois foi procurar seus amigos e reno-
vou suas prodigalidades. Os passeios,
as cacas as daocas os feslins seguiro-
e sem enterrupeo j todo o Paiz pareca es-
tar em lesta. Mas como a bolsa por mais
chea, que seja t esgota-se em fim se nao
be a de Fortunato ou a doJudeo erraule,
lar a mo.
O herdeiro de Linne pissou urna trisle nou-
te," Pensou no dia seguinte que lir.ha re-
curso daquelles que vi verlo durante tan-
tos dias a sua cusa. Foi vezitar seus melhores
carneradas ; mas por todos foi mal recebido.
um pretexto um negocio e nlo lhe deo lem-
po a que proferice um s palavra ; urna ou-
tro lbe raandou dzer por seu domestico que
nao eslava em casa ; este eslava afflicto, e
encomodado ; aquelle o olbou com despreso ,
lancou lhe em rosto sua dissipaco, e o pz pe-
la porte (ora.
Vergon lioso indignada, o herdeiro de
Linne Jeliberou sobfe o partid<> que tinha
a tomar. Lancou longe de si com desgosto
a idea de mendigar seo pao, Sua conducta ,
lo condenavel que oi nao alterou sua
prubidade, e nao lbe poda vir imaginado
meio algum indecente de ganbar a vida : mas
em fim nio estiva em evado de satisfazer as
suas necescidades por qualquer trabalbo. Na-
da bavia aprender, seos membros delica-
dos enfraquecidosalem dsso pelo abuso dos
prazeres nao poderio suppartar as fadigas
d'uma prosso manual. Que fazer ?
Durante que elle caminbava a grandes pas-
sos, agitando estes tristes pensamentos no
seo espirito, acbou-se pertoda Rocha Branca ,
a pauca distancia da casinha soUda,*' Ora
be-n, disse elle, pois que o acaso me conduzio
aqu, he para que eu obedeca ao ultimo dever
de iroo pai ; eu nao devo hir nuis longe."
Aporta da cazinha eslava carcomida ; deo
com o p ella foi ao chao. O ioterior es-
lava hmido e obscuro : enlrou com o cu-
rado lechado. Urna nica jmella deitava pa-
ra o bosque e nao se abria desde alguns an-
uos. Hamos de Hera e de Koseira brava a
cobrio por fora como para emoedir d'entrar
os raios do sol ou de vir a brisa murmurar
docemenle nos vidros. As muralhas estavo
nuas e arrumadas. Mo havia um so mo-
vel, urna so cadeira um so leito. O her-
deiro de Linno lancou um golpe de visla al-
ela nesta miseravel habitarn ; a nica cou-
za que elle vio depois d alguns instantes ,
foi urna corda que penda em cima de sua
cabera Ah ex laraou elle exaqui o ami-
go seguro e fiel deque me falln meu Pai.''
Era ja una (enlacio bem ferie para um bo-
mem desesperado a vista desU corda que
pareca o esperar ; mas co:ao e te nao era suf-
lieute ainda para o decedir, o velbo Senhor
escreveo na muralha algumas linhas trmu-
las em que reprehenda seo filho de se ter
reduzido a pobresa por sua propria culpa e
o conselhava de buscar nesta corda o fim ,
e o esquecimento de seos males. Depois de
ler iido estas palavras o desgracado Joven
nao hesitou mais. Icou-se na altura do n
da corda e passou a cabera .. Mas ape-
nas suspendeo-se, cahio pesadamente ao
chao. Recobrando os sintidos elle vio com
surpresa aseus ps u chave presa a urna corda,
e um papel que lhe indicava um lugar da
muralha onde elle cavando asara urna
soturna assas grande para revindicar seos
bens. Esla feliz advertencia se terminava
pela ameaca da corda por unid e ultima
soluco, se elle toruasse a vender segunda
vez os seos bens.
O herdeiro de Linne cavou a muralha no
lugar indicado e achou com effeilo dois
deiro da Linne desejava e que es?
>"s, dice elle, todas as mulberes sio ordi-
nariamente compasivas quando tem adan-
1 de si ana bule desgracado : Seiihora ,
>e piedade de mim em ame da Snela
te
len
rdncaia os fotos que ell
Este, entumas*di Iviniava-S efasia
um juramento, extender!, a mao sabr o
pralo de merecer mahres elogios ou p'.an.
lando
Ella
Ei
nimigi o pnmeiro gibe de lanca ; &c.
se serva desta f.rmula sacramental '
voto a Deus, Virgem Sanssma s di-
mas ea o pavo" de fazer lal ou tal
cousa.
Depois cada um dos assistentes naoccasi-
o de receber o seu quiVio, fazs o sen 'Vo-
to d> Pavo<( peni de, i,j
servr-lhe esta falta de manclia
va sobre o seu escudo.
o comprima,
> que se nola-
Magasin Piltoresque; ;,
LOTMIA DO LIVR4MENTO.
OThesourpiro da Latera faz sciente aa
respeitavel publico [aue como -ai a venda das
bilheles com grande afluencia] que deseja nu>
s amantes deste jogo concorro para a com-
pra para o mais breve annunciar mora-,
terivel dia.
atirou urna peca
LOTERA DO THEATRO.
Os Bilbetes da a. parte da 5. Lotera
cujas rodas andio impreterivelmente u0 dia
I, de Fevereiro prximo futuro, acbao-sa
a renda no Bairro do Recife uas Loges do
Snrs. Vlanoel Goncalvez da Silva e"veira
Cambista ; e no de S. Antonh as dos
Snrj. Joz Antonij Alves Bastos na Praci-
nha do Livramenlo e Manoel Alves Guerra
na ra nova.
re:reio
cotes que os abri com a chave ; um es-
lava ebeio de bolsas de prata e o outro de
bolsas de ouro. Meu Daos disse elle ,
com voz alta aqu faco juramento de jamis
cahir em minhas faltas pabsadas.
Depois tomou urna parte do ouro e diri-
giae para o Casiello de Linne prometien-
do uzar de multa prudencia : porque elle
conbecia o carcter do novo Senhor.
Era um dia de regozjo no Casiello. Joo
das Escalas dava um jantar a seos vizinhos.
Os frascos eos copos circulavo as mezas.
Joo manifestava sua boa dispozico na meza :
sua imilher tuda orgulhoza do titulo de
Castelleira eslava sentada a esquerda e
nos lugares inferiores os coavivas parecia-lhes
render homenagens
Joo das Escallas dice o Joven entrando
com ar de humildade v euestou pobre, ve-
nho rogar-vos me emprestis algumas moedas.
O que pede este doudo este prodigo, este
mendigo ? dice Joo das Escallas volcndo-
se para seos domsticos. Porque o deixaro
entrar aqu ? Emprestai dnheiro a este ex-
travagante. Fora d'aqui, fora daqui mediata-
mente. A meo despeito tu uo leras um sold.
Hera justamente a resposta que o Her-
nhum melhor .jue tu sabe que temos direi-
to de alta, e baua ustija epormeosan-
tepassados se nos condemnassemos a chicote
os prdigos e os bucos era por ti que eu
querena comecar 1
Um conviva que tinha ouvido com peo-
na esta recuza njuroza tomou a palavra.
, Herde.ro de Linne v tendes obrado com
imprudencia e vossa conducta tem merecido
acensara dos bomenssabios ; roas nunca o-
brastes com malvadeza. Servi outr'ora vossa
lamilla e anda que.eu naisejarico, ac-
ceitai demim os socorros, que peds, Quan-
do liverdes acabado vde me procurar e
arel ludo oque puder. Evos, Joo das
tocatas liao sejais tao severo eu vos rogo.
Deixai este Joven sentar-se em urna pona
desta meza- Em fim este patrimonio que
passuis lhe perlenceo e fizestes um bom
mercado quando o comprastes.
Um bom mercado grltou Joo das Escalas,
cujo semblante fez se vermelho como um bra-
seiro. Vos chamis a isto um bom mercado !
Vos fallis Senhor como hornera, que na-
da emende dos negocios e nao me admiro se
nao estis rico. Seja eu maldito e conden-
nado se nao perd pelo contrario na compra.
Prara aos Ceos, que nao tivesse pensado nes-
ta m acijuizigo. He urna ruina meos vi-
zinhos urna ruina e isto be lo.verdade ,
que se este mendigo nao tivesse jj^do e be-
bido ate o ultimo sold digo altamente,
juro aa minha honra, jurara na Imsgem de
Christo entregar-lhe-ia Ierras bosques
tanques e Casiello perdendo metade !
MeosSenhores eu vos tomo por testemu-
nbas das palavras, que este hornera acaba
de pronunciar dice com urna voz forte e
grave o Herdeiro de Linne.
E levantando a cabera ,
d ouro sobre a meza :
Joj das Escalas eu torno a comprar mi-
nba heranca. Eis o meo dnheiro perante
Dos.
Toda a reunio Gcou estupefacta. Nao se
ouvia o menor sunsurro na Salla.
Sim dice o Joven torno a comprar mi-
nha heranca restituidlo a este bomem todo o
dllbellu yao d ol rooobl.
Tirou as bolsas ebeias d'ouro que Irania
escondidas na cinlnra, e as derramou na pre-
senta do a ti ti 5 > Intendente e sua raulner ;
depois rogou ao conviva, quesemostrou para
com elle benevolente de ser para sempre o
guarda de seos bosques.
Joo das Escalas e sua mnlher parecero
hesitar um momento ; mas urna murrauraco
geral o ad verti que nao Ibes era mais pos
sivel conservar o Senhorio de Linne. Foi
tr.isler assignar o acto de restiluico, e largar
a posse. Era urna grande perda e a mulber
de Joo das Escallas sobre ludo tinha urna
grande ruma : ella nao sabia que posico >o-
masse e onde pozesse suas vistas ; tinha no
coraco urna colera surda que guardou
provavelmente o prazer de fazer apparecer
mais tarde na cabeca de seo marido,.
Depois deste dia o herdeiro de Linne foi
um bomem sabio regulado Irabalbador ,
benevolente JN'o quiz que se demolisse a
oacinba. Quando por ella passava entrava,
e tecolliia-se alguns instantes dirigiudo
su'alma a seo Pai, e a Dos,
Fim
SO'JIEADE TIiUTitVL ,
E L\S l'RUg iO\
O segunda Secretario avisa aos Ilustres
socios a reunirem-se Dominjo a 4do correle
as quatro horas d* larde na casa da mesraa
Sociedade.
A.visos Diversos,
A justica o pao do povo e della sempre
ellevire efaimado,
Chateaubriand.
Amigos usos entre os Francezes,'
" Voto do Pavo u O pavao considera-
do na idade media como a ave nobre e
como a iguaria delicada era servida na me-
sa dos grandes titulares com requintado luxo,
e aprimoradas ceremonias que attestavoo
alto preco, que desta aveselaza. Uas ve-
zes ella apareca na mesa coberta de flores ,
nutras laucando pelo bico a chama brilhan-
te } e o cuidado de apresenlala sendo lira-
do a os creados era s reservado a dona do
casiello que a apre^ntava diaitle do dono da
casa ou d um dos convidados o mais nobre
pela sua diguidade ou mais afamado pelo
seu valor.
O convidado que recebia tal honra de-
via trinchar a ave cora tanta destreza que
deila partecipassem todos os assislenies. Es-
ta operaco bndava com immensos applausos ,
elouvores, dirigidos ao trinchante, e em
' Prerisa-se alugar huma escrava para
o tervco de huma casa de pouca familia, aue
saiba comprar aa ra, cosinhar e ensaboar,
dando-se-lhe o sustento e i aUooo res men-
saes ; quemeste negocio qniser faser dirja-
se n ra das Flores, casa D. 8, q' se dir quem
a precisa.
tSf Vende-se um cabra de bonita figura ,
de idade de ao annos muilo bom carreiro
e urna negra de naco bonita figura e muit;
moga cozinha soirivel e lava de sabio ;
quera os pretender dirija se a ra do Fa-
gundes, D. 18
ar Do Vlanguinbo ate* o pateo do Colle-
gio perdeo-se metade de huma correte de
ouro para relo;o com a competente chava
no fundo da qual tem afirma seguinte JJSM;
quera a achar e quiser restituir dirija-so a
Secretaria da Presidencia a fallar cora Jos
Lgnaeio Soares de .Vlacedo, que generosa-
mente dar o adiado.
\ r Huma pessoa muilo hbil em conta e
de boa letra, se olf?rece para caixeii'o de es-
critorio ou ra, nesia iraca e d fiador de
sua conducta ; quera do seu preslimo se qui-
ser ulilisar, anauncie sua moradia por esta
foi ha,
tsr Arrendo-se tinas' moradas de cazas
terreas abarracadas no logar do .Vlanguinbo,
sendo urna del las a em que rezidio o Exm
Snr. Hispo D. Thomaz de Noronha as
quaes permiten) um commodo para grande?
laminas por conlerem cada una oito quar-
tos senzalla para pelos sallas de vezitas
forradas estribaras foges nglezes
muitoba agoa de beber : as pessoas queso
propozerem a arrendar dirijo-se a ra da
Hortas sobrado D. 70 } e adverte-se qua
o arrendamento, he por prefo bastante ra-
saavel.
A pessoa que perdeo urna letra de nu-
mero grande declarando a quantidade della,
dirija-se a ra de Hortas caza D 5 j que
se dir quem a achou, dando -se-ltie oseo
tobado
ssrCompra-se porcoens de chiire de boi at*
5;ooo j quera os tiver annuucie por esla fa-
ina.
wsr Na ra Dreita do lado do Livramen-
lo na casa D. 33 anude tem venda adia-
se uovamente estabellecida urna paderia a
qual est bem montada e bem munida de
todos os utensilios e bons Irabalhadores ,
e tem oplima farinha de trigo capaz de fabri-
car pao bollaxa biscouto, rosca &c.
ludo com muilo aceio e perfeico ; pela
que convida-sc aos antigos freguezes, ea
todas as pessoas que se quzerem ulilisar ,
para maudarem comprar na casa cima re-
ferida.

uaa


.'"--:.-
DIARIO DE PERNAMBUC
i
cr ANiga-se un sobrada era Olinda na gelo Cust< dio que untes de hontera iodo
ra (!e S. Beu'o fetroi le da ladeira do vara- coirente apenas bom das lechigas se evad -
domo, ron bastantes omroodos; quera o ra levand vomsigo a pouca roupa que ti-
pretender dirija-se a ra de agoas verdes D.
38 no secundo andar
nlia e um. saco cora sabao ; perianto cqmo o
raeia idade ptimo para sitio ; na ra do
fogo ao p do Rosario I). 5.
tST Esencias verdadeiras de limao, ver-
gamotla cravo e a ni/. g >a de fljr de
*^> O abaixo ossif-nado avisa ao Sr. Ma- dito bechiguente fizesse pede ao mermo
nol Mariano mor.rlor no RMio no lu ) Sr. Rann s que baja de mandar embobar.
fiar denominado carrapato que existe em importancia do iratamento visto que o dei
seu cpder um uudequeque diz ser do dito Sr.
pulanlo sendo o dito Sur ci poi si on seu
procurador os signaes certos e pagindo as
despeiM lite sei entregue, e pede-se que
nao baja demora porque nenhuma respon -
bel idade se loma Luit Antonio Prata
tsr Frecisa-se de 5oo,oooa premia dan
do se para seguranca uno sitio pequeo con.
rasa de pedra e cal e coro o le reno nroprio
por lempo de dous annos ; quera quiser dar
annuncie
W Offerere-se un) rapaz brasileiro para
Platicar pharmacia alguns mezes gratis an-
nuncie.
ET Quem annuuciou querer comprar urna
venda com poneos Tunds ilirija-se a venda
ao lado da ribeira da Boa vista que tem calca
da de pedra.
SSS- Prervsa- se de uro rapaz que tenba boa
letra para caixeiro de escripia e ra, sen-
do deligente e que d fiador a sua conducta;
na ra nova D. al luja de alfoiale
SST O Uacbarel formado F. J. Carneiro da
Cunbaavisaa quem coiivier que bavendo
sido nomeado pelo Fxro. Presidente Juiz de
Direito interino da primeira van do civel ,
despacha em a casa de sua residencia na ra
da praia das 8 horas da manli as 3 da tarde,
e d audiencia nos das e boras ja annuncia-
das.
annunciante fierra de fiadoras despetas que lar-, aja solalo, quinii) em videos de urna
onca ludo da raelh>r n, mudada e por pre-
o com modo j n* nn direiia s incalo D 51,
no egundo .ni 11-- le miohS al as 8 hora,
e das i as 5 da larde
tsr Um m deque de angola de iladede
as
xou como seu escravo.
tsr Francisca Joaquina Luna constan -
do-lbequeo pardo Francisco da Peiiha, a-
ila calumniosamente illudindo com mullirs a
pessoas que ludo kgno'So que elle taro de
lirar de seo poder escravos e casis e al
oferecendo para vender ditos rscravos; a an-
nunciante declara ao publico, para que nin-
i-uem se cbaroe a ignorancia, que os juera
vjs que a annunciante possue sao seus, que
os tem por legtimos ttulos como tarabem
urna morada de rasa no lugar da casa forte ,
e que ludo quanto dito Penba diz he falsissi -
roo e se alguem querdar-seao trabalho v
a casa da anuunciante que de boro grado mos-
trar todas os ttulos porque possue os estra-
dos e casa t se alguem houver to falto de
senco que faca negocio com dito Penba como
consta a annunciante que algn se prope
l6 annos tem don pequeas chgas
pernos : quero o quiser annuncie.
CT Urna purcio de pipis vazias na ra
da sen/ala veiha ) 36
tsr Rabad >s de'inhode todas as largura*
para toalbase len-is pino de linho infes-
tado lencos de se la oara grvala t de rnart,
toalbas de linbo a eulxuadq clwpeos d sol
de seda e de cabo de oss>, linbas de linbo
poro pira boruVir em caixinhas in6tadas ,
mui delicadas meiasde linho curtas cha-
les de seda fudaoores retroz preto e azul
ferrete de primeira sorle botnens de retroz
para cuaca pequeos e grandes por preco
commo lo na ra di fagundes O. 5.
SST Cera para li.-is de chairo a 8oo rs
a libra e sapalos de burracha ; na ra do
de que em outra qualquer parte ; atraz da
casada opera armizem de 3 portas unto ao
sobrado do Sr. Manoel A. de jess, ou a fallar
com Joaquim Lopes de AlmeiJa caixeiro do
Sr Joo Matheus.
cy- Batatas vindas da liba de S Miguel ,
a 6|o a arroba ; na prtnca do Brito.
Uscravos 'Fiiririos
a faze-lo, a annunciante declra que per- Raijgel sobrado que tem um retabillo de ve-
der o seu dinhtiro jipr isso que o dito Pe- las pintaio na varanda.
nha nada possue e para que nuiguera se
chame a ignorancia se taz o presente.
%ST Quem annuuciou precisar de 5oo.ooo
a juros com hypolheca em um silio dirja-
se a praca da boa vista D. 3.
Avisos Martimos.
K> Tr*s pares de mangas de vidrov, 3
di t >s de casticaes de dito e um candieiro de
roeio de salla ; na ra do Fagan les lado d-
reito D 4.
tsar Bilbetes da Rifa do forte pianno ; no
Rerife na loja do Sr. Jos Antonio Vieira de
Souza enadoSr. Vieira cambista na ra
da cadeia em S. Antonio as lujas dos Srs.
Bandeira-na ra do Cabug Victoti -i ra
Conceicao.
tSr Quem prrcuar de urna ama capsz para
o servi< o interno de urna cas* de um l.omem
solteiro dirija-se a ma da Gloiia D. 33.
Fligio no dia 4 do cor rente um es-
cravo ladino de nome Paulo de idade de io
annos naci da costa levando camisa a
calcas de brim liso e chapeo de palha es-
tatura recular reforcado do corpo tem ai
bucheix is rugados para dentro e roostru
queja sofrero fisiuias pjr caitza dos denles ,
he aeijado dos doUs dedos grandes de ambas
as mos que os nao pode estetidar .estes sao
os maiores signaes que se pode dar e fulp-
se que lomaria a estrada d > L'uuoeiro' a on le
ja f>i acravo ; quem o pegar leva a nn es-
trellado Rozario a casado Cirurgio Alve-,
od em seu sitio na Magdalena.
tzr No dia 9b do p. p fugi > ou furtarfio
uroa negra angica de noiite IVluria corpo 'e
estalara regular cor preta .bfeos grossos ,
mos e ps grossos com urna Varea na test i
de urna queda, em cima do peito do p uroa,
marca branca como de impingim leVou ves*
tidasaia branca con llores encarnadas ca-
misa de alodozinho e pinna da Coda ja
velbo ; quema pegir leve a rui do Collegio
botica O. i de Cipriano Luis da Paz que
gratificar
wr No lo do frrente fugio ama preta nome Perpetua, dd naca) ben ;ueU alta ,
secca do corpo meia fulla devou "vestido
de chita de qmdros miudosde varias cores,
siii de princesa preta de << au lava ven-
do calcado de dura |ue de senh ira tem
o encontrada no popo e em S Anu ; quro
PARA O PORTO a Barca Porlugueza Bel-
5- A pessoa que annunciou precisar alu- la Pernambucana ; quero quiser carrejar ou dos. Quarlets, na botica do Sr Jartholomeo __
Par urna casa era Olinda para 5 pessoas di- ir de passagem dirija-se ao Capilo a bor- ra d.s Rozarlo larga e na vendi D. q ^ -as S1|,
iiia-se a Solidade a fallar com IVanoel Jote da do ou ao consignatario Thomaa de Aquino 5 ponas na Uo-i visla botica do Si. Morelra, den
r'i..:-.a~ Fonceca. e loja do Sr. Jos Ignacio do VIonte atierro ,'sd
PARA LIVERPOOL a Barca ugleza Eli- e em Olinda na casa do Snr Jos Policarpo j a pegar leve a ra da praia no 'priitteiro an-
z Jobnstou falta soraente oo sacas de al- de Freitas ladeira do Varadouro ; esta ri~ dardo sobrado do Constaoticio quessrre-
'sodo ; ancm quize i^s rarregar dirija-se aoi la tem a vantagem de ser s 730 bdhetes, ten- compensado.
Wo dia odop. p. Pugio um pret. de
Jos Roberto de'uico congo de ida-
45 annos altura regular secco do
. calvo bastante e com 'alguns cabemos
busiar oumesmo comprar em seu nome, ter a mai >r paite da carga proropta a multo de ptimas vozes, e p ir preco commodo ; na branC0s tem no p es^uerdo um do por
&em queeiles a presentero eseriplo seu ou de veleira F.scuna Porlugueza Novo Congresso ,, ra da Cruz U 60. cima do outro sabio oo-m jaqufcta e Calrtt
seufilbos .isdocntrariono se espon- de que he Ca,.i/30 vjanoel Jo> Rato; quero KST V.uho de charapignhee de Borde;aux aiu e chapeo de couro |a velho costutirava
sabehsa por qualquer duuda que h..ja. quiser carregar ou ir de passagem dirja-se lintoe beanco em atxis ; na ra da Cruz j ,fabal!,ar p(ir, as bandas'deS. Amaroa h-
crAP'-oa que annunCQU precisar de o seu Consignatario Francisco Sevenano D bo. 2er entulho ; quem o peg*r leve a fui d A-
J.r,. i..h rs de ouro di- RahHlIn no foite do mattos ou com o CPt-o tsr Fumo da Babia de ranas qualldades j |e{,ria aentregar a Luiz onzaga da Ru.-ha ,
que ser recompensado,
tsr Desapareceo do lugar de 'Pimbauba
de moros comarca de Goiana no dia ti do
C ni pras
i on too a ji-ins nlirp />
rija-se ao largo do Livatutnlo D. 5 loja jun- na prac,a do Commercio
lo ao aifaiate.
tsy Precisa-sede um cont de reis em fa-
zendas dand-i-se para seguranca i escravos ;
quem quiser anjuiftcie,
tsr Aluga-se um segundo andar na ma
estudiado liozario ; a tratar no primairo an-
dar do meamo
CT Precisa-se de urna pela lorra ou es-
crava jara urna rjna de pouca hmilia, e de eos; nesta Typografia.
um ofhtiai de manineiro ; na ra nova loja
de Diarcineiru junto a Igreja da Couteiso
tsr A pessoa que ainiuiiiicu querer cem
mil rs.3 juros, querendo al a quantia
700 000 dando boa firma 1 dirija-se a ra di- e Padre iropressas nesta Typografia e bem
reila loja de faxandas L). /, 1 conhec.das pela exactidao do calculo ; na pra-
tsr Quem quiser alugar u.na casa terrea ;a da Independencia loja de livros n 3? e 58,
foi
eos
na ra da Cruz D (io.
tsr Urna escrava moca boa engomrna-
deira cos reir ecozinha o diario de urna
casa ; na ra augusta casa terrea defronte do corrente um casal de escravos ainda bucaes ,
V3~ Alguns pa9snros dfl angola chamados sobrado de um andar. 1 o negro de uoare Felippa de i i-a de de j6
bicode lacre quem tiver annuncie. | SS" Por 16,000 um fardameoto para goar- tf|nes | he a|,uaia ro'ua baixo e uaotauito
tsr Umselim em bom uzo ; quem tiver da nacional, a barretina tem aparelho do grosso do corpo com mareas de becnigasain-
annuncie. K.o > nesta lypografia. I da frescas tem aro talho grande e outro pe-
i^,- Um 011 dou saguins que sejo man- tsr Farinba de mandioca a raelhor que ha qUeil0 da parteesquerda do vazio da barriga,
no porto, pela sua qudidade e ebegada |eTOU camisa de chila azul, reioulas de al-
uluroamenlede S. Cathartna ; a Bordo do! godo ? c|,apeodefrade ja velbo coberto
Brigue Vtinerva ancorado na praia do Colegio,
Vendas
de tsr FOLHINHAS de Algibeira Porta ,
diiija-se"a ruada FInienlina no sobrado no- /ja ra do < abug loja do
\o ao L da mai das 7 as 9 horas da ma- ra da cadeia do bairo do Recife loja que
nh, edasduasas 5 da larde. ,do r. Quaresma na ra da Madre de I
VST Aluga -fe urea casa terrea no princi- na venda da quina defronte da Igreja nB
pi do atierro dos allegados cora couin.odos ullerroda Boa vista loja do Sqr. Moreira Das
para grande lamilla duas sallas com alcova I). 10 e na botica do Snr. Moreira. deron-
tnvidrassada boro quintal plantado ; a ira- le da Matriz ; e em Olinda botica da ra do
lar na ruada praia ai mazem 1a confronte Amparo.
tsr CAUTELLAS da Sociedade Fortuna
tsr Na venda e padnria da ra direita Tyj-ograiica, da Lotera do THEATRO ga
P. 33 precisa-se de 1 raas e pelos para ven- libando a vigsima parle dos premios, cabendo
derem' pao pagando-se a vendagem do eos- na sorle de b 000,000 reis tresentos mil ris a
tunje preco de 460 ; nesta Typografia na praca
te.^ A uessoa que quer comprar urna ven- da Independencia n. ao na ra larga do umdellesc;
dacompoucos fundo*, diiija-sea praca da Rozario loja de miudeza 7 na ra do i dos oulr
ba vista venda D. 4 ,. I Collegio loja de reloj0eiro, e no largo do Li- '
tsr MadaueLombard faz sriente a quem | vramenlo loja do Snr Gabriel que hca no
o prsenle ai.nunno inieiessar que i.esies principio do beco do Padre na ra dneita
lias pretende relirar-se desle Imperio e ( venda que foi de Jos da I enha, as 5 ponas
sollamo as pessoas que era suas mus liverem venda do Sr. Manoel Joaquim Pinto alachado
alt-uus piuboiea que lenhao a Imndade de Guimaies 10.
os ir'rtSjjatar no j-ateo da >iali7. de > Au-
tonio U. .
tsr Precisa-se de urna ama de late forra
CU captiva, tue tenba basiante Icile e sem
dia na rUa nova loja de caldeieiro l.
tsr Prtiisa-se de um por'.u(;uez ou bra-
Mltiro de idade de >i a ii anuos, pai cai-
itiro de urna euda distante itetlt | raca urna
boca ; na tiatssi de S Jote casa terrea Le-
wn- 15.
ST Aho^s nt-Ma lin lazscitnteao
Sr. Fr*n co Antonio Itanir n.t-rador em
turuiipe, .n< oc.rouoJoi, que elle dei-
xou.e cura
car Oltados pintados para mesas cru-
dos ero cores, de n>uilo boro goslo, bicha* pe-
las de lodos os tamaitos na ra nova lija
de Antonio Teixeira da Costa Braga Ueiiro
i3 e i4-
tsr Um venda em fura no largo do Pilar
n. 147 con pouecs fundos e tem coramodos
para familia ; a tratar na mesma.
tsr Uro pardinbo de idade de 11 annos,
n.uilo espe lo e desembarassado no seineo de
urna casa e ptimo page.n urna negrinbi
de idade de la anuos cose bem urna pe-
la de elegante figura dous moleques, e um
ndo de lex-ga-em tusado Sr An-jitoUca de idade de a(i anuos, um pelo de
e em porc,o lrata-se coro A F. dos Santos
Braga ra da Wueda, n. 1ji.
li> Um rico temo de malbetes feitos de
dentes de c .vallo mariubo obra delicada 0
smeme propria para algum olfic. Mac. ne-
ta Typo,-rafia se dir
-v5- Polassa de primeira sorte em barris
pequeos por commodo preco ; no arma-
0111 dj A F.dos 'untos Braga na ra da
rooedj 11 1 j 1.
tsr" oaspretas mocas, urna dellas be
boa cozinheira engora nadeira e coslureira ,
urna molaia de idade de ao anuos com au
mes as iiabelidades dous pretos para todo
o servico e um delles he bom canoeiro a
moleques de idade de 11 annos j na ra de
agoas verdes casa terrea D. 37.
UV Tres portaes completos para coxeira ,
um delles coro dous portaes medianos para os.
ro co n duas janelas e o ultimo
so, todos coro o seu co 1 ptente cordo 6
sacadjsde 10 palmos de coroprimento todis
esls pedrus sao de superior gianito da Nor-
maudia a/nl e sizeuto superiormente la-
vradas seguindo as proporcoens das nostu-
ras da Cd.naia .Municipal na ra da Cruz
n. 56 no segundo andar aonde acharad com
quein tratar e se poder vera planta (estas
itiesmas nedrus Umbem sa encarregaro de
maniiar executir e *er toda qualquer enco-
n.tiiiia que se Gz-r desla mesma pedra dan-
do-se as dimeiKoens rigorosameule exactas,
tsr Uiui negiiiiha com principios Ue costura -, e cozinba ; na ru .
da Lruz n 46 110 segundo andar.
tiT Baricas para embarricar assucar; as
p.'tilas U, 19
UT* Faboadode pinho da Suecia de cos-
tado cosladinbo, assoalbo foiro, e para
fundos de barricas a preco raais commodo L
de panno da costa negra de nome Calba-
rina de idade de io anuos de boa altuca ,
cheia do corpo tem um-VI-sobre o peito
esquerdo urna maia raais preta sobre o na-
riz um ramo no braco signal da mea > re-
vou saia de chila camisa de algodoziuhoe
panno da costa ; quera os pegar eve-os ao
dito lugar a Joaquiai Jos Raposa ou nesta
praca na ra da Madre de Dos a Antonio'
uarte de Oliveira Reg que ser recom-
pensado.
.tluviiiicuto (io I'orla
NAVIO ENTRADO NO DIA ai
ASSU'; 17 dios, Brigue Nac Pasaos e Victo-'
lia de a j tonel., Cap. Manoel Joo Ri-
beiro equfp. it, carga sal a Jos Ra-
mos de Oliveira e Benio Jos Al ves.
SAI1D0S NO MESMO DIA
BOSTON } Patacho Americano Wm. Davis,
Cap. Thoiaaz C. Carnuel carga assucar,
GENOVA pela Parahiba ; Brigue Sardo N.
S. da Misericordia Capilo G. Roccala-
gliata \ carga lastro.
LISBOA ; Brigue Nac. Boro Jess, Cap.
Francisco Ferreirs Marques earga assu-
car e oais gneros.
STHOCKOLM ; Brigue Sueco Suca Ca-
pilo C. G. Sagererll, caiga assucar e cou-
ros.
PH1LADELPHIA ; Brigue Americano Le-
xington Capilo Win. F. Nortb carga*
assucar.
KECIFE NA TYP. DE M; DE F. -liM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1GR58TV2_3MI1P0 INGEST_TIME 2013-03-29T15:52:23Z PACKAGE AA00011611_04212
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES