Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04198


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A no de 1841. Quinta Feiba
Twdo eaera depeade de os aseseos; da mm prudencia, niodera-
o e energa : eontinueaio como principiamos, e serano* aponust*
adasirare entre as JNace tais cuitas.
Proclamaco da Assesablea Geral do Brasil.
cao

Subscrore-so para esta folha a 3ooo por quartel pagos ediantadw
esta 'l ypoeraa "" das Gruzes D.5 e na Praca da Independen-
cia n. 07, e 38, onde se receber correspondencias legalisadas e an-
d une jos, inairindo-se este gratis, sendo dos proprios assignantes,
?indo aasgnadot.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Cidade da Parahiba e Villas de sna preteneo ; .' .. .
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem.......
Dita da Fortaleza e Villas dem ...
Cidade de Goianna > <
Cidade de Olinda .......... #
Villa deS. Antuo ....
Dita de Garanhuns e Povoaco do Bonito ........
Ditas do Cabo, Serinbaem, tio Formozo, e Porto Calvo.
Cidade das Alabos, e de llacei............
Villa de Paja de" Flores.....................
Todos os Correioi partem ao meio dio.
7 de Janeiro. Num. 4.


n
Seg. e Sextas ferias.
Todos os dasj
i Quintas l'eiras.
lo, e ?4 de cada mes
i, n, e ai dito dito
dem dem
dem 13, dito dito
PHASES DA LOA NO MEZ DE JAN.
La Ckeia a 7-as o h. e 35 m. da tard.
Quart. ming. a : a as lob.e 18 m. da mm.
I.na Nova a la as t h. e U m. da man.
Quart. cese, a 5o .as 8 li. e 7 ra. da man.
Afare chela para o dia j de Janeiro.
As 5 horas e 6 minutos da annhi.
As 3 horas e 3o minutos da Urde.
CAMBIOS. JiKEimo 5.
Podras......30 a 3| d. por Ijfooa ced.
J-,sboa ......80 por o|o premio por metal ofierecide.
'"nca......31o reie por franco.
miu?J"nro .aD P"'* Co"P- Vend-
UUKO-- IWoeda de 6#4oo res, velhas 14^800 iSooo
J),,a .. novas MGoo ia#8oo
ti\ Ai A Pataces Hrasileiros ; i#68o 1^700
Pezos Columnarios-------------i/fiHo ijjfyoa
Ditos Mexicanos------------- i58o i^to
Muida. -----------------------i#44o ikbo
Descont de bilhetes da Alfandega 1 1,8 por loo ao mes.
dem de letras 1 i|4 s p por boas firmas offtrecido.
Aloeda de cobre a a 3 por 100 de disc.
das da semana.
4 Segaada S. Tito Discpulo de S. Pauto Audisncia de Juix de nireite
da 1 vara.
5 Terna a. SinseSo Kjlellita. RalapSa e audiencia do JnisMe Diretta da
1. vara.
6 Quarta >Jt Dia dos Re Magos.
7 Quinta S. Tbeodaro Monge. -- Audiencia do Jte de Drsita da 3.
vara.
8 Sexta 8. Eugennno V.. Au iencia d3 Juit de Direito da 1 vara.
9 Sabbado S. Juliio M. Rellacio e audiencia de Juii de Di.mo da 3.
vara.
10 Dominga S Paul 1. Ermita.
PER NA MBUGO
COMMAJVDO DAS ARMAS.
Expediente do dia a4 do passado.
r Cilicio Ao Exm. Presidente da Provin-
cia do Rio Grande do Sul, communicaado-
Ihe que na Barca Portuguesa Tentadora -
segua um contingente de Tropa, cuja forca
encontraiia no mappa incluso e suas gaias
uimesas ao officio que a Presidencia lhe in-
deressava ; que'as duas pracas de Cav.tlUria
incluidas no mappa so tinho oferecido para
servir ero qualquer dos Corpos d'operaces
da mesn arma noexercito ; que as de Arti-
llera, deverio ser incorporadas ao destaca-
mento respectivo desta Provincia, ero servido
na Campanha, e q' as de msis S. Ex. as ein-
pregasee onde Ih'approuvesse, e mais conveni-
ente oss* ao mesmo servigo ; que as pracas
de Artilberia tinho ajusltdo coutas de far-
damentoai o fim do atino eque do 1. de
Janeiro vindouroem diante passario a ttr es-
te vencimrnto palo exerritn ; por quanto dep-
ile esse da se deixava de tirar pelo hatalbo
o quautitativo marcado para fardamento; con-
forme se praticara com as de mais pravas ali
destacadas.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., disendo-
llie, que o segundo Tenente Francisco de As-
apresentada uraa guarda da Companliia de
Artfices, composta de nove soldados, um
Cabo ou inferior, que faria o servico com as
de mais pragas existentes na guarnico
-Dito Ao Commandante do Forte do
Buraco commnnicando-lhe a remessa das
oitos pracas mencionadas no olEcio prece-
dente.
Dito Ao Major Commandante interino
do terceiro Batalho de Arlilheria disendo-
Ibe, que mandasse receber do Commandan-
te da Escuna de Guerra Fidelidade o Corne-
ta Luis de Moura Correia, que se disia des-
ertor do Bstalho do seu Commando assira
como receber tambero o soldado Joaquim Jos
de Sants Anua, que por doente nao palia
marchar para o Rio Grande.
Portara Ao Tenente Coronel Comman-
dante do Deposito mandando d'ordem da
Presidencia communicada en otario de bontem dar demicio o recruta Jos Fran-
cisco Cilasee.
Manifestou o seguinte,
I sent Edital.
168 Quintaea de carne secca, li couros'
seceos, 1 barris com sebo.
O litigue Portuguez vinle e quatro de
Julho viudo de IVoute-Video consignado
a Vicente Thomaz dos Santos
Manifesteu o seguinte.
109 moyos de Sai, 1400 raolhos de sebolas,
BISADO DE PERNAMBUCO:
Totalidade da quantia que
S Ex. Rroa. dispendeo na for-
ma abaixo declarada desde
Outubro de ie'33 a' Ji de
esembro de 1S9, como cons-
ta dos recibos Rs. 8o;237Uo55
Quantia distribuida no an-
sia j Mullo pertencente a guarnicao da Provin-
cia da Paraiba, eque segua no contingente no de 1840 palos pobres das
de tropa para o exercito em operaves, dei-j,,res Freguesias do Recife, da
xari naquela Provincia desde o da 1. de \ S. e S. Pedro Martyr pelos
Fevereiro do anuo ucturo ero diante era so- : recolbiroentos de Olinda, Boa-
corro de sua familia, a consigua^-o tnensal de v,sla > Iguirassu, e Goisnua :
22U teis que ele eus vencimenlos deviaser I"'" Seminario para a obra
discoulada. ^trizda Villa le douza era
_, 1 t dispensas malrimoniaesgratui-
Dito Ao Inspector do Arsen-tl de Man- tag> e para oCullo Divino nes-
nba para que ordenasse o recebimento da ,a c ta, e ora de|la R
familia do aeguodo Tenente Jos de Almei- E>moIas artculare$ OQ
da Pinto Proenca na Barca Tentadora, que'meS1B0 aleni da8 eguU_
se diriga o Rio Grande do Sul, e na qual iecdas roensalroente distnbui-
kta o mesmo segundo Tenente, em qua ida- dS s> Ex R|na#
de de Lomaiaiidante do contingente de J ro-
pa destinado ao trrico da guerra.
ite Ao Inspector da Thesouraria, para
que bouvesse de mandar fornecer i meses de
sidos e gratificico addicional ao segundo
Tenente de Artilberia Jos de A. P- Proenca,
60 das de comedorias a elle e aos Cadetes
de primeira Classe que embarcavo para o
Sul, e So dias tambera de comedorias ao se-
gundo Tenente Francisco de Assis e Mello,
ir*eao Cadete T nii Vicente da Mello Medeiros ,
q'[ 1 la Provincia lia Paraiba, aaviao son.ente
recebido ju uua, devendo receberem fio, con-
forme a lei.
Recife 5 de Janeiro de 1841
S Brrelo,
CLLECTGRIA DO MUNICIPIO DE 0-
LINDA.
AWNNCIO.
O Collector da Decima e mais Imposto do
Municipio da Olinda, manda faser publico u
3o barris tro peixc salgado, 4 cantstras com todos os seus Collectados que d' ora ero diante
batatas 1 caixota com jornaes. f va i proceder o lancamento da Decima dos
Fora do manifest. J predios urbanos para o anno corrente de
1 Vaca com cria, 1 cabra com dita, i4 bar- ,1841 em virtude da Lei de 27 de Agosto de
re com arvores a didos com vides, i ditos i83o. Artigo 6. e Decreto de 7 de Outubn
rom vinho, 5 canastras com frutas, 6 bocetas de i83i. Artigo 7., derendo os pnprieta-
eom doce ceceo, a latas com dito 1 caixo com ros darem os esclareeimentos preciios para
alfasema, 1 dito com eraios 5o moluo do se- que se proceda o dito lancamento com as clau-
bollas. ^ .nasexigidas as leisem vigor, lendoprin-
O Pataxo Brasileiro Maria da Gloria -- cipio as ras seguintes : de S. Pedrr Mar-
vindo de Monte-video, consignado a Amorim tyr, de S. Beato do Porto Seguro, de S.
& Irmos 1 Pedro Apostulo beco do meaaao, dito de S.
Manifestou o seguinte. | Pedro Martyr do Varadouro da Bica de
i5a5Quiutaes lespanbas de carne secca.; S. Pedro, 'das Mangueiras da Boa-hora,
jdoJogoda Bolla da Bica do Quatro Can-
tos, do Aljube, do Cabral, do Coixo do
Amparo, dos Gatos, do Luppe, da Flores-
; ta, de S. Joo, dos Quarteis do Bom Suc-
cesso, da Estrada de Sebastio do Reg, do
PREFEITRA.
Parte do dia 4 do corrate.
llm. o Exm. Sor. Das partes boje
bidas consta' aue foro bontem
SubPrefeit
Rs.
i3:qS6U-ijo
4;o34Uooo
9S;ao7U3a5
Palacio da Soledade 4 de Janeiro de 1841.
Antonio Teixeira.
Mordomo de S. Ex. Ruia.
THESOURARIA PROVINCIAL.
EDITAL,

Dito Ao Tenente Coronel Commandan-
te do Deposito mandando desembarcar, e
recolher ao Deposito o Soldado Joo Bernar-
do da Silva notando na guia, que deixa ds
seguir para o Sul por ordem superior.
DitoAo Commandante da Escuna de(
Guerra Fidelidade, para que entregasse al
disposico do Comaiandanle do terceiro Buta-
lbo de Artilberia o Gmela desertor vin-
do da Paraiba, Luiz de Moura Correia que
eslava abordo da Barca Tentadora -; e bem
assim o soldado Joaquim Joso de Saata Au-
na doente de urna cbaga na psrna direita.
Dilo Ao Commandante interino da For-
ialesa da brum, para que na manb do Dia
Nao se tendo eSecttiado a arrematago do
fornecimento das madeiras precisas para a
ponte de Santo Amaro, no dia 94 de Desem-
bro do auno prxima fndo, conforme os Edi-
taes desta Tliesouraria de la e ai do mesmo
mez : olilm. Snr. Inspector mauda faser
publico que no dia note do corre--.te pelas
11 horas da manb hir novamente a praca.
Secretaria da Tbcsouraria das Rendas Pro-
vinciaes de Peruaubuco 4 de Janeiro de
1841,
O Secretario.
Luiz da Costa Poilocarreiro.
|.< que torao bontem presos 1 oed Largo do Amparo do Amparo da Udeir.
,10 da Fre^nesta do Recife o, m.. da ?>JMrcor|^ Nova, de Matbias Fer-
riljus Amertcanos W.l.an Rdol ^ Charles reir,, do Bom-Gm, deX.vier Santa An-
Cutten.eW.ll.am Wilheri, a requls,co de ., R()M ^ Fren|#deS# tVailcisco do Car-
seu respeet.ro cnsul, por ter ero desobedec- mo de S. Francisco, da Pr.ia de S. Frau-
do a seo Cp.tao e fgido de bordo nado cisc0t do AunrQ dQ Varadouro da SeQial_
forao remeltidos a Cade., al qu. me ,eja re- U do Desterro, e dos Arrombadot deve.ido
qumiada a sua soltura; e o prelo Jorg8 fic.rera ditos proprielarios na inteligencia de
cravo de K. Feotn, por ter dado um golpe quese n|o instruirem as pescas que oceupa-
r.o rosto do Guarda Nacional Joao Domingos rero Seus predios no acto do lancamento
el. Silva Porto, brancodeoua resultou ficar (qulndo J0 eslejo presentes) se proeedera
bstanle endo no labio inferior, tendo antes por indagacOes que puder-sa obler eticar
.tirado mais algumas facadas em dous estran- sem vigor quaI ^uer ele geiros, comosquaes lutava ero a escada da assim como se far publico a continuaco do
caw,em que habita Ihomai Stuart onde Uncameuto pelas estradas e ras que falli
foi preso em fl.grante com bastante cuito e aneunciar-se logo que se aproxime odia de
a diligencias dos Comm,Jsarios de Polica iua continuaco, e para que chegue a noli-
de que se procedeo nos termos da le ; teve 1- ett todos se avisi pelo presente,
gual deti,o. Collectoria de Olinda a de Janeiro de
Parte do dia 5. 1841.
Dina, e Exm. Snr. Foro hontero preso* Q Eserivo
pelo Sub -Prefeito da Freguesia de Santo An- j00 Gonsalves Rodrigues Franca.
ton5 o preto Jos escravo de Maria Luiza
daConceiclo, por ter furtado urna porSo EI.EITORES da CO.HARGA o GOIANNA
"e dinbeiro no assougue d outro preto ; loi
detento no Calabouco; pelas ordenancas do Freguezia do Itamb,
Exm. Commandantes das Armas o preto Da- Os Srs.__
vid escravo do Doutor Ulisses por briga ;
teve igual destino, e pelo Sub-Prefeito dos Mariano Ramos de Mendoaja 45
Afjgados outro "preto da noae Joo Alves da Manoel Tesaotheo Pereira .... 4o j
Silva por ser de pessima conducta ; foi re- Philipne Neri de Mendouca. 4o3
meiidoparaaCadeia. Luiz Aires de Carvalho.....319
Diversas iepartices
ALFANDEGA DASFAZENDAS
O Brigue Oriental adi vindo de
a5 lemellesse para o Forte do Buraco a en- Monte-video, cam escala pelo Rio de Ja-
firocar ali o destacamento, 8 soldados, e que ; neiro consignado Gaudino Agoslinbo de
pura bupiir esta falla diariameaic lbe seria Bartol
E' o que consta das Partes boje recebidaa Jos Pedro Celestino de Mendonca
nesta Secretaria. Jes Venancio da Costa Aleciim. .
L'ditai.. Joaiuim Guedes Goudim .
Franciico Antonio de > Brrelo Prefeito Manoel Guedes Gondioa
desta Comarca, por S. M. I. C. que Dos Cosme Ignacio de Araujo e Lima .
Guarde ele. Joaquim Manoel Correia de Oliveira e
_ ,. Andrade.........a5
Faz saber aos habitantas da mesma, que Dr#FlaT0 ciementina Freir da Silva, a,t
devendo-se proceder em conlormidade da Henr Luiz da Cunha e Mello .
Le, aformacaodaLisladosCidadaos.que joo jos de Souza Goaies ,
estiverero as circunstancias de ser Jnrados; pedrodeWeUo eSlTa # # # (
devem os interessados em lempo convenan- Jos da s,ya M.aleri) ....
le dirigir aos seus bub-Preeitos as suas re- Francisco Jos perera C.valcaoti .
clamacues em aroia, para subirem a mtnba
presenca acoiupanhadas da necessarias in- Freguezia de S.Lourenca de Tejucupapo.
formaces ; afim de serem lomadas na devida q o
consideravao.
E para que se nao chamara ignorancia, Francisco de Paula Cavalcanti d'Albu-
mandou lser, imprimir, e pubicar o pre- buquerqm Lacarda. <
309
5*94
abo
a 80
47
2i3
r83
107


9
DIAR5 DB PGhNKMBCCi
H
EttMCMai
I
fl
I
1
\
fco de Se Alboqnerque..... 4^8
.cu renco de Si Albuqucgcc Jnior 45
Iran cisco Xavier d'Albuquerque Mello 4^4
os Cavalcanti d'Albuquerque. /\*>i
Sstiro Cleruentirio Coelae Otanbo. 44a
Manoel Tertuliano de Soasa da Costa 4 i3
Vajeo Marinbo Falco ..... .7
Antonio de Albuquerque e Mello /,.'?}
Joo Tavtres da Rocha i 434
AntonioGoncalv'es de Azevedo 4'9
Jos Antonio IJartins da Cotia J85
Antonio dos Santos de Medeiros. 3jt>
Antonio Juliao Rngerio ..... 3Jci
Correspondencia.
Sr*. Redactores, Audi alterara partera.
A pesar da apparente 'modestia do Goian-
iita a quera falletem os conhecimentos
dos tropos e figuras oratorios bem se per-
cebe que elle nao lo roode'o cemo pertende
inculcar nem tso amigo da verdade como a-
larda. Elle tppella para o Tribunal do res-
j.etavel publiro nico, que, escoimado das
verligens proprios de raes lempos pode rom
jstica pesar era Bel balacea os fados accon-
terics em sua cara Patri Goianna i
i.i itobem appell?rros prua esse imparcial
Tribunal, estreme des sentimeoos de rencor
* de odio per coase^uinte nico capaz de
y.roferir rrrta cntenra sobre a causa que ora
jicTaute elle se agita, U Goiannista para-
ra suppor que os crdmcimentos dos tropos e
figuras oratorias sao sus necessnrics na pre-
sente questio e ri esteraos persusd; io? de
que a verdade eir teda a sua pureza e nudez,
despida de atavies e loucanias s proprias de
ten r.niipoda a mentira a nica arma que
imcessiiamos empregar para alcancar decidi-
da victeris;
Si qu7cssemos eombaler o nosio antagonis-
ta segundo o? principios da sua propria slra-
tegin, isto aventurando assrces sem
inovss } em n:epo:.fabo da verdade do senso
comisura al memo das leys ohysicas,
bastara enunciar a seguinte proposicao : sua
correspondencia um lechfo de falsidades;
iim libello famoso suggendo pela perversida-
de coro o intuito de macular a reoutaco de
aeus adversarios as eleices : roas nao ; su-
scitemos c cadinbo da decomposieo e da a-
mlyse a notavcl e cerebrina lucubracao do
Goiannista ; e reduzamos a triste realidade os
domados senhos de sua iecunda imaginaco.
Logo no 1. pargrafo da epistola do Goi-
annista depois do precioso exordio transu-
da a parcihliiir.de o espirito de partido ,
que lhe presidirn aotabrieo. Cora effeito,
o Sr. Goiannista que a ser bornes recto e
o patriota accrisc lado deque se jecta devia
limilar-se a lastimar osexcessos que infeliz-
mente em taes cirennstancias aeccrapanha a
i archa dos partidos sem attenco aos prin-
cipios politices que osdivigem pelo con-
trario arroja-se cootra os seus adversarios ex-
clusivamente e os cobre cora todo o desar que
resulta da imputaco ainda que falsa, de
fados reprehensi veis e at criminosos; fallo
da desregrada opiniao de aiguns seus palri-
i ios coreo se por ventura a sua ira a mais
rtccrcmendarel verdaderamente moderada,
cu iufallivel o seu juizo, em verdade mal
preparado acerca da apreciaco de nossos ne-
gocios polticos levando-o a sua lcoca pre-
suoipcao a couveacer-se de que so elle se di-
rige segundo os dictaoies da honra e da ver-
dade e que apagado o farol da raso nos
remais honens esquecida a Paliia, decore-
sades os principios do decoro e da decencia es-
ses destratados lascinadns camu.iao a passos
agigantados para u abismo que t>o elle v e
nuqual compasivo quer slvalos Mas o
- Goiannista nao tmente enxerga mais do
qua os outros como al lem a rara babilidade
rlt dascobrir cousas que nao existen: seno em
fantasmagoria. Quaes sao etclivamcntc as
jumijt-5 "de uceulto gabinete" que ti-
hao de ser desempenbadas ? (ue factos re-
vela6 a existencia '? desse gabiuete foco de
borrores J'ondc Caluma concebe e pla-
l'.a a suina do pai/, a anuiquiiaco das pa-
titas Inslituices e decreta a morle dos 4 Ca-
les edos Ciceros' redivivos, que liniao
de ostentar o seu valor esforcado e seu amor
de patria sublimado em os comicios --la es-
druxulaefBgie da Cidade eterna? E si, de
um lado, bouve quem collomsse pequetes as
avenidas da Cidade natal do Goiannista ,
do outro nao bouve baltedores que percor-
ret&tm as iiubas t visilassein as ponas como
generara na vespera de urna acfio J\o I
Ibuve iguaidade de aranas de parle aparte?'
fauttit ocasupe franco para os partidos'
exeiceim igualikeiile e a sua voulade tudas as
iLutucia ricites e se disputaram paimo ei
paliuo campo da victoria ? s osinntandau- l
tes dos corpos da G. N. araeaearao os seos su-
bordinados cora recrutaraento, e prises !
e os Srs. de Engenho nao alterrara os seus
moradores e oreiros cora expulses e incen-
dios?! Os vassaios de diversos bares feu-
daes nao se conservaran tambera era (drraa ,
enfileirados como soldados cora seus respec-
tivos cbofesa testa nao tinba de ser g> -
ejos more pecud-u para a Vleza a fim
pistolas na Sacrista assim como' os.punhacs
de que ia5 arreados outros de seu lado se-
gundo confessa M. Ji ; entretanto alise con-
servara por alguno terapo, e para algara fim,
os Corypheos da caballa e os seus sicarios :
tanlcene auimisccelestibus irial E o Corneta
armado de punhal ? quera vio esse hornera -
viseira baixa sayo negro cora ar de agou-
reiro -, queengetta ataca de vinho e ex-
de entregaren! listas que violentadas recebe- i clama que s bebe sangue ? I Oh? fecun-
ra ? Ainda mais ; j nao se tornara em i da perversidade I onde est a prova a de-
parte effectivas essas aroeacas no caso por e- j monstraco de se-nelbante facto ? Noseen-
xempiu de urn lavrador J. P. cujas cannss | ganara o Goiannista nao o confunden com
o seu Sr. de Engeulio recusa moer por nao! os varios ggreg idos de seus amigos? Cora
lhe ter querido neceitar a chapa ? Para que I um especialmente que media todo o curto es-
pois atirar com todo o odioso sobre os adver- I paco da discusso aa Sr. c que declarou
sarios a sanctificar endeosar assm os ami- que seu quiuho quera em sangue ? Como
go3 quando se ha culpa a estes cabe ella I quer que seja ne meio dos estrondosos apoi-
mais do qu>; aquelles ? Porque se nao confes- ados do tal Corneta desee o Anjo Tutelar de
sa abertamente que o desejo da victoria em Goiauna e inspira ao Juiz de Paa e ao Vi-
todoe foi igualmente ardenle e impetuoso? gario a folia ideia dedissolrer a assemblea e
Seja juslo Sr. Goiannista-; releve os erros j assim dcixara de ser exenutadas as ordens
atiieios que sao tambera os seus ; respeite a-! recebidas que sum duvida era da natureza
lheias convieces ; fique cerlo de urna vez i das da noite de S. Bartholomeo ou das Ves-
que aquelles que mais falla em direitos in-
aulerives em liberdade, e em outras pala-
peras Scicilianas. Notem Srs. Redactares ,
que era quasi irapossivel que as victimas ,
vras que taes de ordinario sao os mais impla- que em hecatombe deviarn ser immolaViiis ao
cavis e ecceirimos inimigos, e lerobr-se que
ha mais de mil annos o poeta roantuano es-
creveo a mxima que a dura experiencia ht
feitO decorar aos povos limeo Daaos et
dona ferentes.
Acerca do Captulo, que encerra ades-
cripefio dos symptomas precursores do accesso
fabril do dia i3 muito teriamos que diser ;
ptrem receamos cancar o publico com a cir-
cunstanciada exposicao dos desatinos pratica-
Idolo escapassera ; porque dentro da Igreja
ha vi* os punhaes dos Sicarios assalaaiados e
fura as bayonetas e as bailas [ bollas de ar ? ]
dos 15 soldados municiados que, nao obs-
tante as restrictas ordens do Prefeito consen-
tirs .que passassem inclumes todos quintos
quizera : a Cidade estava reduzida a una ca-
bida de armas; as suas ras estava coaha-
das de assassines e por ellas andava em
viagem dedescoberla, as espadas procurando
dos, e dos meios iniaraea que recorrera os bracos que as manejassene ou corpos por onde
amigos do Goiannista para aluciar votan- axpontanearaente sa entranhassem : os olhos
tes : sem embargo porem d'esse bem fundado faiscava de raiva aos olliciaes da G. N,$
receio sempre nos^ammaremos a mencionar
trez ou quatro factos que por serem pblicos
nao precisa de provas, nem os nossos ad-
versarios se atrevero n negar. Sabbadoia1
do correte, vespera do memorando dia ii-}[
andava um dos trez Hercules que carrega-
f.io cora o Alias da Caballa predilecta do -
Goiannista ora a p ora a avallo com
dous satelliles a pequea distancia de si, fei-
" Arma arma Tudo toa ; ludo guer-
ra ....'
Sa o mar Guerra Guerra I A trra
soa,...
Dos valles repulsando nos outeiros ,
Responden Guerra os eccos darra-
deiros.
Entretanto nesse dia luctuoso oaziago nao
to um demagogo furibundo um e-nergume- liouve um arranho se quer 1 Foi ainda o
no pregando a cruzada contra os inflis a- anjo Tutelar de Goianna que susteve o braco
meacandoa uns, insultando a oulios, e at i levantado do mercenario matador: que
comprando votos 1 Nessa noite, hoove lauts embotou o fio das espadas ; que amainou em-
e oppara (a que assUlirao varas notabili- fim a temoestade Que de miligres a um
dades sentadas a mesa apar dos msicos do lempo! Como se muiliplica os prodigios,
Batalbao n. i. e a mais intima rel d'esta Ci- quando frtil e ardenle imaginadlo more unta
dade ; ahi fizera-se loucos 2 atrevidos brin- penna de gango .
des, e ajustarao-se volos a iooo reiscada Esquecendo algumas trivialidades e nexac-
um Depois da ceia as mesmas nolabili- tides como por exemplo as qne se referem ao
dades peregrinara por estas ras ja alta pobre Padre levado a forga ederoldo, edo
noite batendo de porta em porta esmolando Pro-Paroirho Sub-Prefeito casado em to-
suragiosa laia dos pobres de Gil-lira* l Co anniuha e chele de-Illustre familia-, pa-
mo justificar o -Goiannista semelbantes sernos agora aos pormenores, que s>: lora
actos practicados a face de Deus e do mundo ? divulgando pelo correr do dia l de Dezem-
Coaoo nao sei elle rspido Censor d"esias Irfu- hro de triste recordago na historia goiaanen-
curas, quando tomou-se. da tao sancta colera se .
s de ouvir os boatos atterradores de adrede Temos antes de tudo a 6. Conspanhia do i,
espalbados pelos sens contrarios > Batalho provida de maciuho> de cartuxos as
E que diremos, Srs. Redactores da accu- al;ibeiras ou tal vez nos boleos de relogio
saeo leila a Preeito de baver collocado na por serem os mais ampios e accomnaodados
porta da Matriz ib homens municiados alem cm maior numero. Esta.mesma Companbia
| da guarda requisitda pelo Juiz de Paz e guardou publicamente as armas em a cas*
desuados a voltar (pro re nata) as armas que serve de Quartel do Destacamento ; e isto
contra os seus Concidados ? Para convencer com vistas mu sinistras,e nao pra respeitar a
da falsidade de tal asstrso basta lembrar santidade do acto a que ia aisistir. Que cri-
que, alem de ser isso incompativel com o ge- me horroroso Est provada a coaejo eos
uio e principios daquelle sizudo Fuucciona- malignos intentos dos caballistas rivaes do gni, eaoSnrs. cnsules Baradre e Ror.
rio, elle nao o ppderia azer cora apenas; Goiannista Os demais guardas por or- Em segeida o Snr. Desbrosses com vot
tacao da horrorosa proposito qo se aba-
lancoua emittir.
Varaos agora ao resto que incluiremos em
um paralello que pedimos licenoa para es-
tabelecer, eo qual n5o est muito fra da
proposito. O -Goiannsla- que sem duvida
algam chefe da caballa vencida revolven-
do em seu espirito tudo quanto nelle havia ac-
cumulado para por em pratica resalveo at
tribuir aos vencedores um plano anlogo s-
no idntico aoque elle houvera realisado,
si no tivesse fgido o animo aos stui amicroi
quando alia Ihea era mais necessario : e de
faeto a guarda de 25 homens embullados do
Prefeito a raesma que dzera estava em
certa paragem para era tempo ae>partnno re-
presentar importante papel no trgico e en-
sanguentado dr.ma forjado era tenebroso
club ; o punhal do Corneta o mesmo qua
certo figuro saccon do peito em huma caza ,
qnando se vio sao e salvo na salla das Sessas,
edosensaios do drama cima mencionado*
as nove victimas da correspondencia represen-
tad outras tantas que o dedo dos conspiradores
pretenda destinar ao ctelo de amestrados v.
lenles ; o os chapos de sedulas que se des-
pejarad no balaio ad hoc' sao os raesmoj
que viera de Carc ( Freguezia do Itamb )
os quaes voltara cheios como viera ; por-
que assim o deterrainou o Sr. a quem perten.
cia os a homens litres que amedrantados
as trouxera por sui ordem. Em concluso ,
permitla-me Srs. Redactores que per-
gunte ao Goiannista qual a mi hbil a
quera se devem os nossos infortunios e qual
o chefe desse sonhado Gabinete d'onde parti-
ra5 as encomiendas qua tanto lamenta, e
com a sua resposta voitaremos ulteriormente
ao assumpto.
A vista desta expozigo que mui fcil nos
ser tornar mais .intelligivel, e lucida nb-
meando as pessoas e descrevendo os caracte-
res que liverao activa parte nos acontecimentos
do dia i i do mez passadj e nos arranjos e
manobras, que precedera ao acto di eleigo,
decida o Publico imparcial e Ilustrado de que
lado exislira a honeslidadu a decencia e a
legaliuade. Sm o Publico resolva a couleii-
l e diga se por ventora o procedimento io
Juiz de Paz, e do Vigario di Fregu/da da
Goianna nao foi sobre parcial mesquinho e
despeitoso mesmo aitentatorio dos direitos
dos habitantes desta Cidade aos quaes a-
quelles dous Funccionarios pretendera pri-
var do exercicio de hura direito sagrado qual
o de interne na cleigo dos Mandatarios do
Povo Brasilero nicamente pela circunstan-
cia de se verem derrotados na lula eleiloral.
O Triouual he mui recio e a sentenga nao
pode deixar de ser favoravel a causa qua
nesla occasio defonde o .
Caballophila.
----------------------------------------------------------------- "-m
Noticias Estraageiras.
EXTRACTOS DAS FOLIIAS DE MON-
TEVIDEO.
Montevideo i -i de novetnbro.
Segunda /euoio dos Francezes aqu resi-
dentes.
Teva ella lugar Koiitem. Lero-se varios
votos de graca populaco franceza de Mon-
tevideo aos Snrs, contra almirante Leblanc,
ao encarregado de negocios Bucbet de Marti-
36 pracas de que consta o Destacamento dem de seus chefes levaran os bons rechea-
sua disposijo dado ocaso que todos eiti- dos de pedras e lijlos Onde 5r. Goian-
vessera promplos sem q.iu fieasse a segura nista em que paitedesses espacosos capace-
Cdeia desta Cidade desprovida de guaruicao tes estavaS alojadas as pedras os lijlos ; co-
e abandonado o quartel, onde se actia teco-! mo se conservava elles as cabecas dos solda-
lliiia grande poico de armamento e mu-
an ; o que seria o supra summum da ira-
dos ; de que tainanho era elles ? 1 Que
verosimiltianga Era, Srs. Redactores,
prudencia em dia de tanta atUuencia de povo os taes lijlos, e as pedras de proporces ato-
e de tanta eUervescencia ; salvo o que se j micas e por isso tanto mais leiniveis por-
no peder provar si reforgo houvesie sido que cegava instantneamente os inimigos, e
pedido para remediar a eises inconvenientes.
E quem rioiamaii prestar-se urna guarda de
6 homens para pohciar o local de taen reu-
ai5es, ende s as entradas a tomar sao era
numero Je 4 ou 5 ? O facto he que o Goi-
uo enxergando os miseraveis toruava-se
mais iacile certa presa dos crueis cannibaes ,
que linha a mui agradavel incumbencia de
os devorar '.
Em segundo lugar temos as nove victimas ,
aimista vio em sonho os taes ma5 homens; offerecidas em holocausto ao furor daquelles
| embullados, ruja real piesenca ser elle | que tossem vencidos na organisacao da Meza .'
.' para nos o magnus Apollo- se por ventura U Sr. Goiannista acredita realmente e de boa
conseguir ccraprovar com exuberantes e cou- na existencia de to horrendo plano ? JNn ;
vintenies documentos de que se diz munido : o vaina a verdade intercalado na oraco
* ai> uno c'isre omnes !
begue-se um-|)enodo cm o qual, no meio
de alguma exactido, avulu enom es e py-
ramiuaes ialtidades i:oi-:nuo-t-e principal-
meme a aateniodeestareai os comraandaates
dos corpos IO p da meza coia suas espadas
do vespera amoladas que s ieram vistas
| eio aatbor da correspou>ieucu o qual tal -
prova desta vez ao menos um raio ainda que
delgado de daridade conseguio dissipar-lhe
o denso nevoeiro quo nao le permillia al uli
entrever a verdade ; sua consciencia bradou-
Ibe falso; atienua se quer a gravidade
da aecusago ; a calumnia lem limites que
nao lhe ado ullrapassar. A mo do Goi-
anoista tremeo e bcaiUudo iuscreveo o va-
vez_dei.\u3c de jar a terio hroe' corvar la a verdade que sjperj si couleu a rtiu-
eloquenle sentimental e eminentemente
franceza lo o projecto de pelico e de pro-
testo dirigido cmara das deputados de
Franga. Este documento, escripto com
muita veracdade e eloquencia foi acolhido
e approvado unanimente entre numerosos ap-
plausos. Immediatamente o Snr. Desbros-
ses pronunciou huma curta allocucao em que
agradeca assemblea pela benevolencia com
que recebera os trabalhos da commisso. A
assemblea respondeo-lhe entre eatrendosos
applausos. ''JN's vos agradecemos Nos so-
mos que vos devenios agradecimenloe. Em
seguida o Sur. Bellemeae despedlo-se da as-
semblea cem hum discurso clieio de semsibi-
lidade,emqua prometteo trabalhar com ainco
para o bom xito da petico e protesto contra
a ignominiosa convenco de ** deoutubro.
Depois os Francezes procedero a asaignar a
pettico com a meibor ordem e levanlou-se
a sesso.
MINISTERIO DA FAZENDA.
Consultando quanto he possivel as maiores
vantagens em favor do commercio da repbli-
ca que podera conciliar-se com oesiadoa-
clual do erario publico o presidente da na-
co lesoiveo e decreta
Art. 1. Por lempo d dous mezes conta-
dos desta dula o eiieiios de imperUeo ma-
'
1


Y
niaj O pg p.crwambbcq


ritima que se despacharen! para consumo
Br 8 por cento de recargo estabelecido pe-
la lei de subsidio era bilhetes adroissiveis na
tolle-toria por conta de din-itos exceptuan-
do farinba e trigos que coutmuarao a pagar
odireito em metal.
Art. a. O protector do recargo espe-
cificado no art anterior centinuar a enlre-
par-st pela coiletoria aos prestamistas a quem
s( affecto e carregando-se-lbes em corita
de psgos os bilhetes por metade do seu valor
tacripto como est convencionado.
Art. 3. Coiamunique-se publique-se
d-se aoregisto.
FRUCTUOSO RIVERA.
Alejandre Chucarro.
Montevideo 13 de novembro.
S. Ex. oSr. presidente da replubica rece-
beo iniereisantes communicaces de S. Ex.
e Sr. general eaa chefe do exercito libertador
D. Joo Lavalle. Chego at a9 do passado ,
e gao acoapanhadas de documentos cuja pu-
blicaco comecamos boje.
O estado do exercito libertador he brlhan-
te nao he menos o das provincias do inte-
rior confiadas aos generaes La Madrid e
Brizuela.
As communicaces interceptadas aos teen-
tes de Rosss, que publicamos, comproro a
sua miseria e repelidas derrotas.
Corda va e Santa F esto livres de seus ty-
rannos e o patriotismo cordovez e santalez-
no coroeca teraivel a lidar pela liberdade e a
inclinar a balance da guerra com o peso de
suas armas.
Oito provincias das principaes, que fazera
a maioria estados da Confederaco Argentina,
lancao o grito tremendo daMorra Rosas !
Viva a liberdade argentina I
Nao a legalidad* seno nellas : todos os
qne nao esto concordes o:n ellas sao rebel-
des naco argentina.
A 2* de autubroo S. D- Riphael Lavalle
rechacou os lanches que harta armado o ty-
ranno em Santa F para interceptar o com-
pa- :niosa convenci ornada de seu nome e quse
be o opprobrio de toda a gente de ben. Cora
tudo esses indecentes e desusadas abracos ,
prodigalisados a hum feroz assassino, nao
podio vir prescciptos em suas instrucces ,
com que se escuda porque sao contrarios aos
usos das naces civilisadas.
Eis ah o chefe da decantada expedico con-
tra Rosas repousando a cabeca sobre o hom-
bro do matador das Franeexes acle, Doubue,
Wenzal, Varangot e de tantos outro* Eis
ah hum novo meio de defeza para os advoga-
dosdeParis, quando tratarem de salvar da
guillotina a assassinos famosos : podero el-
les citar os abracos dos Srs. Mackau e Ddpo-
tet ao assassino Rosas como hum exemplo de
que o governo rancez costuma capitular e
fraternisar com assassinos !
Porque se nao reliro quanto antes Sr, Ma-
ckau e seu Mentor o Sr. Dupotet? Que fa-
zem por c ? Porque nao voo a receber as
bences da Franca ? Porque nao desoceupa
esse quartel que tem em Montevideo cbeio de
tropa ? Porque nao pedem ao seu amigo Ro-
sas hum se he que o ntcessilo ? Porque
nao reembarco essa disforme montauba de
rarvo de pedra que ubslrue o transito m
nossa praia e que parece o monumento ne-
gro e tisnador da convenci de 39 de outubro?
Nao estarlo anda caneados de desesperar-
nos ? A inda nao se julgar assaz satisfeitos
cora ter-nos engaado com terem pago com
a mais negra ingratido os mais assignalados
beneficios seno que ainda querera con-
summar a nossa ruina? Porque nos na dei-
xo i* Quando cessaremos de ouvir os nounes
dos Srs. Mackau e Dupotet ?
Quando se aiinuuciou a viuda de vapores
de guerra franeezes todos julgamosque se-
rio destiuados a augmentar a actividade das
operaedes contra Rosas e em favor dos adia-
dos da Franca, Como nos engaamos! Hum
delles hoje navega o Paran conduzindo Man-
silba cunbado de Rosas para o fim de se -
duzir o governo de Corrientes semeando
aaaai
gue foi preciso derramar para to grand*
conquista,
A victoria fot completa e fecuoda. Os
Cordovezes opprimidat por hura mesra > in-
os,carrea raentos d'alem mar estjo ahi sem
havar quem offereca alguma cousa por ellas
S huma mud inga inmediata, s a renaci
do governo delestavel de Rasis pader li-
vrar aquello omero aovo da anmqu.laraent. j fortunio S8 $e(lle,n hoje olvidos de h.,m
dustrul e commercial que o araeaca. sentimento unnime. O entusiasmo a d^
dicaco nova ordena de cousas, he univer-
sal e ardente. Huno governo dsslracaiu dei-
xa seare reliquias de poder no solo era qu
existi : a tranquilidade nao se restabelece la
alnente depois de semeliaute eoramacao ;
porem hoje a provincia de Cord iva olerece a
este respeitn hum espectculo singular. Aqu
todos peraso do mesmo modo se movem no
mesmo sentido t e se diapaenl aos mais he-
roicos sacrificios a prol da repub'ica nacional.
Deutra de tres dias provavelmente mi
porai em marcha pira essa ,- frente de hura
exercito respeitavel e das tres armas.
A deserco dos inimigos dure ser escanda-
losa. Aqui j se me tein apresentado muitoi
soldados de Lpez Mascarilla e espero que
se Ihe disperse toda a gente loga qaa me ap-
provinaea esses lugares.
Emfim creio que aotes de miti pouco tera
po noscommuiiicaremo* mai de perto e nos
felicitaremos pelo completo trinmpho de nos-
sas armas sobre o tyranuu e seus vis essravos.
Em el Racional de 19 de novembro encon-
tramos o seguinte r
Gloria heroica provincia de Cordova !
Gloria aos vencedores de Sharra e Aldio!
Os segnintes importantissi nos ocios con-
firmio as victorias dos Ilustres generaes Bri-
zuela e La-Madrid e o levantamento das
provincias do interior contra o iyranno Rosas
Ha isto huma enrgica prolestaco contra
a convenciMacA:au e pe ^> sello sua
ullidade. En poacos dias o general La-
valle frente de dez mil soldudos, estar s
portas de Buenos-*yres, e 03 sudrisnentos
d'esta Jej^ra9ada cidide ler cessado.
Felicitemo-nos por nos ter abandonado o
olmirante Mackau. A queda de Rosas ser
obra exclussiva do Ainerieunos e nao ser
dosluzida pela ntervecio strangeira.
riodico offici-il da administra^o de Santa F ,
adiarnos detalhes mu preciosos que iremos
oommuaicando a nossos leitores.
O espirito da mais perieita unio abrasa to-
dos os coracoes patriotas ede lodss as par-
tes os geueraes dos exercilos libertadar saudo
o Estado Oriental e seu digno abefe como o
grande foco de libordade a de victoria.
16 da novembro.
Somos informados que huma parte dos
passageiros eslrangeiros viudo nos vapores
franeezes e nue cotnruetlra" a imprudencia
de regressar a Bnenos-Ayres foro presos
por ordem do lyrauno liosas logo ao desem-
barque eeoiiduzidos ao sen campo dis San-
tos Lugares. Qualndo se convence! o os bo-
mens de que de maior fortuna comer hum
simples pedaco de pao em um paiz livre do
que esplendidos manjares, regidos com la-
grimas em trra deescrarido i
- 17 de novembra.
Ha dous dias que u estado do commercio da
iraca de Buenos-Ayres era o mais deploravele
Nonbuma transaccao de importancit se podi-
realisar porque nao ha seguranca capilaes,
iieui bracos estando todas' oceupados em sus-
tentar o trono em deauxo do grao marecbal
A 7 houve hum jaular dado pelo assassiao
de Bade e Varaugot, ao qne tiveio a honra
de assistir o negociador de 'tg de outubro e o
mui amado Sr. Dupotet. O ue horror !
Comer sobre tmulos nao vingados do Fran-
ceses l Proparava-se outra oria para lo :
porcm noticias de novas triunphos do exerci-
to libertador obrigrrao Rosas a transportar-se
precipitadamente a sou campo des Santos La-
gares, 'lalos cancordo eaa que a situaco
de Posas am nada tem melbnrado depois do
levantamento da bloqueio,
A liba de Martin Garca havia sido resti-
tuida a Rosas. Est ocoupada por huma gar-
nico do lynmno.
ao de noveabro.
O Sr. Mackau nos bracos de tyranno Rosas
e hum vaj.or francez levando a discordia e a
ignominia aos adiados da Franca.
Cada dia se tornar mais funesta honra
da Franca a permanencia dos Srs. Mackau e
Dupotet no lio da Prata. Em nosso numero
de hontem copiamos huma relaco onicial da
extraordinaria visita diplomtica que fez ,
conjuntamente coraVo contra-almirante Doud-
tet e hum numeroa estajo maior o pleni-
poleuciatio trancez ao sanguinolento tyranno
que tem exliuguido tantos mtloares de vidas ,
ao chele de assassinos que iez decrubar as
mais respeitaveis cibecas trancecas e que se
tem tornado o escandoio da bumanidade. He
justo que o Sr. Makau cumpra com o sen pa-
boi que sabio daqui. Todo os vasos entraro em sen transito germens de discordia e revo-
na capital de Santa F. No Libertador, pe- luto entre as patriotas que hastea o estan-
darte da liverdade. Va lambem nesse vapor
huma commissae para o exercito do general
Lavalle. A este deve offerecer-se huma vali-
osa penso se desgracado escravo, sabir
do paiz que jurou libertar e for acabar o
resto de seus dias em Paris. Aos virtuoso
soldados ser olferecid dla commisso a cle-
mencia do carnivoro Rosas (em cujos bra-
cos se lanceu o Sr. Mackau ) se curvaren! a
cerviaaojugo da mais detestavel escravido ,
depondo as armas, Eis o uso que fez a almi-
rante Mackau dos vapores franeezes ? Eis o
presente d'amizade que envia a Corrientes e
ao exercito libertador I Oxal que o general
Lavalle com prebenda seus deveres, e d hum
escarment exemplar imprudente traico.
Somos ou nao alijados da Franca? Se o so-
mos poique se nos trata de to vil maneira ?
Se o nao somos para que se entremelteo e
Sr. Mackau em os nossos negocios ? Para qu?
nos iuclue de to vil maneira em seus pactos o
Para qu vem enlrepr-se entre nos e Rosas
Se nao somos alliados se nao somos nada
para com a Franca, he indubiravel que tam-
bera nao somos seus amigos Com que direita
pois o Sr. almirante nos hostilisa ? Cora que
direilo enva agentes para desorganizarem
nossa s'nta ullanca seduzirem nossos celes
e soldadosdesmoralisar nossa causa ? Ser
esta a retribuico de nossa hospedagem aos
Franeezes E nao haver em Franaa quem
castigue tantas to inauditasulo to negra
)o horriveisperfidias
Oulro beneficio de qus vamos gozar he hu-
ma estaco no Rio da Prata ao mando do Sr.
Dupotet. Aconselhava a poltica que se man-
dasse para longe de nossas plagas este amigo
de Rosas seu salvador e que precipitou o
Sr, Mackau na convenco de 29 de outubro
Bera longe disso -, fica entre nos ; e se iavo-
receo a Rosas quando este estava em guerra
cora a Franca que nao far em favor del'e ,
agora que j feila a paz R quantas hostilida-
des oceultas e publicas nao devenios esperar
Ogovernador provisorio da pravincia da
Santa l; ao Exm, Snr. presidente do Estado
Oriental D. Fructuoso Rivera.
Santa F, 4 de novembro de li/o
O abaixo assignado se apressa a participir
a S. Ex. os importantissimos acontecimentos
que tem tido lugar na provincia de Cordova ,
em 10 e la de outubro passado, como vera
S. Ex, pelos impressos juntos. Perdeo o ty-
ranno de Buenos-Ayres n'essa poderosa
provincia toda a sua influencia a coa ella
suas maores esperancas; e este successo irn-
portantissimo servio de imprimir causa da
liberdade as provincias argentinas hum im-
pulso decisivo, D.'ti li i j est Exm. Snr, ,
que aquelle famoso tyranno que em sen de-
lirio se attreveo a insultar o Estado Orien-
tal desapprecer para sempre e cessar
de dar escndalo America e ao mundo ; e
be tarobem ebegado o momento de os governos
livres tornarem a unir os vinculo de sincera
ami/ade que o despota de Buenos-Avias havia
conseguido romper por meio de buma poltica
arteira esuspetosa.
O governo de Santa F decidido partida-
rio da liberdade assra o espera,
Teos noticias do miseravel estado do ex-
ercito qiiH coramandaa Pacheeo e o presump-
coso Oribe. Apenas podem contar com lium
resto [de cobardes escravos que se debando
COLLEGIO SANTA-CRUZ.
Hoje 7 do corren te dudara as Ferias ,
devem por tanto os Srs. Pensionistas recalber-
se ao Collegio at este da para comecareid
os seus esludos erapueluados e uo perds-
rem o precioso tempe.
Os Estatutos do Estabelecmento acliam-se
patentes a todas as peisoas de probidade que
all os queiram ir ler.
A matricula d'alumuos externos para Pri-
meiras Letras e para as Lingoas fica abena
por todo auno -, para as demais aulas durar
smente at fins de Fevereiro. A admissao
de Pensionistas ter logar em qualquer dia ds
auno.
\visos Diversos.
Offerece-se urna ama para reger
urna cazado hornera solteiro; nao saindo a rda,
quera a pretender annuncie.
VJ" O abaixo assignado tea de levar ad
conhecimento do respeitavel publico qun
tem determinadofrifar urna lara >za casa tenia.
na ra do cebo, da Boa-vista, e 80 parimos da
teroa,de frante pronto a recaber edeficio ,
diariamente e be ceo que o exercito lber- n0 lf,uSar do9. coelhos onde devdio M
Gadt, quazi a margeos do cdpiba-
ribe, e varios premios ea diubeiro |a
3aoo cada bilbefe a qual rifa teiciona qun
tenba fim com a ?.. a pirte da 5. lotera do
Tlieatro visto que com esta qne be a ulti-
ma lotera quu corre ptrtida por onde tem
andamento o plano da rifa do an-
do comensal da Acleon do velho amigo de
Rosas i-'
As noticias de Bueuas-Ayres recebidas pelo
paquete iuglet, nos pinto aquella msera
cidade como a' manso da tristeza a miseria
e do luto.
Os odiosos confiscos ou com mais propre-
dade os escandalosos robos progridem
com furia, Sao sem numero os honrados mo-
radores que tem sido despojados at dos ber-
90S de seus temos filhos. Basta possuir
qualquer cousa para ser classficado de unita-
rio e despojados de seus haveres pela forca
publica. Tem isto produzido huma paraly-
pel de diplomtico j que ujutlou a iguo;ai (sac,o total ao commercio; ninguem compra :
tador s com sua presenca os far desap-
parecr para sempre.
Rodrigues Del Freno.
Em buma carta de Jo de outubro La-
valle participa a Rodrigues del Freno que a
provincia de Cordova se sublevou toda ao ap-
parecer o general La-Madrid na sua frontei-
ra que so annuncia ter sido o commandante
Sosa preso por sua mesma gente; que Manuel
Lpez |havia j fgido para o departamento
del Rosario ; que todos os caudilhos que sus-
tentavo tinho sido abandonados pelas forcas I enli! nnunciado o impretert vel
que estavo debaixo do seu comraando ; que "
na capital lora huma verdadeira ex-
ploso de plvora e tinba j o novo governo
quatro mil voluntarios.
Outra carta de Araoz de La-Madrid ,
ao mesmo D. Pedro Rodrigues del Freno ,
datada de Cordova em m de outubro diz o annunciar tres vezes o impretenvel ; enaa
valera qualquer annuacio encontrarlo a este ,
e desta forma mostrar o verdadeiro se > an-
nunciante ; apezar do annunciante co -
nhecer a potica influencia ; ja disgostoro
do que aconleceo com a rifa dos Snrs. Siquoi-
ra e Bandeira qua tendo contnnuada-
nova-
s annun-
ciou o contrario ; o annunciante aviza o res-
peitavel publico que nentiuma aparencia tera
a rifa do annunciante com as ditas ; por
quanto he de menos proco os ees bilhetes;
e afirma o andamento da mesma logo qua
seguinte :
Quando cheguei Rioja marebei imme-
diaumente sobra Aldo, que se achava io
leguas distantente da capital. O meu pri-
meiroencontr foi urna victoria ; verificoa-se
cora as melhores forcas do inimigo o a der-
rota que sotreo o obrigou a huma retirada.
Collocados em 09 Llanos, fronteira daquella
pravincia eslivemos algum tempo indecisos,
eu e o generel BrizueU a respeito da direc-
co que de va mas dar a nossas forcas. Era
da maior importancia perseguir efhcazmente
os escravos do tyranno e assenborear-nos
das provincias de Cuyo. Porem eu consi-
derava sempre de huma necessid^de vital in-
vadirmos Cordova e unirmos os nossos ex -
forcos ao do general Lavalle. Finalmente ,
acordamos que o general Brizuela ficaria com
bum lorie exercito na Rioja, prestes a mar-
char.para Cuyo entretanto que eu trente
de meus valentes soldados me laucara so-
bre este paiz conciliaudo assim as vantagens
que desejavamos obter.
MinlittS marchas foro rpidas e imprevis-
tas ej me achava s portas da capital,
quando se soube de invaso. Aoairavessaf a
provincia da Cordova nao encoutrei hum s
inimigo que baler ; atravessamo-la uo uieio
das acclamages de todos os seus habitantes ;
b quando nos approxnumos a cidade, o povo,
nuncio roga por tanto ao respeitavel publico
hajo de concorre para compra de seas bi-
lhetes 5 visto o que o annunciante alega em
seo auuuncio, e como tambem o auuunciaale,,
nao se voleo da piesente rifa para dar hum
extraordinario preco nos seos predios pois os
rifa na confbrratdade do plana apresentado
livres de ctza e todas mais disocias e poda
qualquer pessoa hir ver a propriedada onde
mora Snr. Joze Victorino de Lemas e o ter-
reno dtto espera por tanto que seja aleuii-,
do o seo annuncia pira com lirmeza mostrar
sua verdade receben.la da respeitavel publico
a protegi e vai abaixo declarado os lujare*
onde se vende dittos bilhetes.
Venda dos bilhetesDetras do Corpo Santa
os Suis. Joze Pereira raa da cdeia valha
Vierra cambista Souza Pinta Dias da Cu-
nba e na loja que foi do Quaresma Santo
Antonio praca da ludepeuueacia Joxe Teva;
res da Gama loja de Relojooiro Claudio ,
Boa-vista atierro Lemos loje de miodea ,
ditta Rapuzo ditta Caetano Luis Ferreira ,
e Joze Ignacio do Moute e ua venda dos 4
cantos debaixo do sobrado.
BJoze Frauciseo de Souta Limav
fcV A pessoa de meia idade que no Diaria
de ontem se otferece para servir em caz* do
protegido por nossa presenca opero a mais jl-m em solteiro } procuro na ra. das larcnV
honro ruiureivo. Bem huma gota de san_ ^\s P, 7 t segundo andar.
I


DIARIO DE PERNAMHC
r
t .

mmpMwi !!
BattMKAilliftTilTl'jIlMlMIfJTy-
C?~'!" Quena precisar de um menino porta*eontrns peisoas grama*ic.i portuguesa pela
p\iCi de dado de la aunes para caixeiro de manh e peometria pralica a tarde em pou*
]0ja defatendss OU rniudeza annuncie. eos mezes suieitando s enancas a eximes
125 O ubaixo assignado l?m un re
resto de
Jubetes da rifa do 5r. Siqueira que vende
a preco de 6,000 cuja rifa tem asegunda parte da quinta Lotera do Thea-
troim0 primeiro de Fevereiro do correte ,
ecomotsUs biliielessio vendidos nicamente
por cenia do annunciante, o meamo garante
o andamento da rifa i-m o referido dia ou
o mesmo dinhe'no porque vende ns bilbetesse
por qualquer-incidente acontece1 o contrario,
e para firmeza diito va estes bilhetes rutiri-
cados pelo annuuciante na rua da cadeia casa
de cambio n. 4'^- ~ Gregorio Aniones de
Oliveira.
C mi deon.ra qualquer oecupaeo um rapaz
bradleiro tb.dor a siu conducta. ; quera precisar an-
j nncie.
---
para fundos de barricas vergontas de pinh3
da Suecia tudo de muito superior quilidj.
de e por preco comraodo ; no forte do mato?
anuncio poder.io comparecer na dita casa em
todo dectirco do anuo para se sertiicarem.
tT Alugi-se o segundo andar da casa da
roa nova rom grandes commodos para um 1
familia; quem preter ler dirija-se a ra dd
cadeia na toja do sobrado da moradia do Cor-
retor Oliveira.
Bt" Na ro direita venda D. 3i precisa-se
de um forneiro e um a roassador para pa-
daria, e de pessoas forros e captivas para veu-
derem pao na ra.
V.J" (^uem tiver e quizer fretar um navio
capuz de levar 12o a abo caixus de lasucar ,
para um porto no Mediterrneo e que seja
da nagu Brasileira Portugueza Sueca ,
CT Aluga-se nm sobrado de um anl.tr e Diuaraarqueza ou Noruega dirija-se ao
solao e com grande quiut.d com poria pifa i escritorio de Jolinston Pater & (Jompaltia ,
a la de S. Tuerwia, Bsito na ra de i'iortis; 'na rua da Madre de Dos.
qualidade posto na obra a ni ,0.1o e na
otaria a 18,000; na ra da Queimada D-
cima 11.
Para alumnos de primeiras letras recebe o* j tST Farinha de mandioca o alqueire a armazem do Vianna ; assim coma uma)bi-
que quiserera de morada em sui c isa "como ja6p">o; na me d* S. Jo O. la. lanca grande com correntes de ferro propria
se pr.ilicou nos anuos de 184H e i84q. *2F A dinheiro ou a prasa ora boas fir- para armazem de assucar.
As pessoas, que duVidarena do presente t mas, cem palmos de trra, com 3 no de fun-'' S3?~ Um moleco de elefante figura da
lo na ra Imperial do atierro do alfogados,
junto a ultima casa da plvora que nca da
parle do nascente ; a tratar na ra nova loja
lian aza U. 7 e 8.
ssy Cadeiras americanas tanto de assento
de p;io cama de piliiinln ditos de bala rujo,
camas de vento, de amarelo ditas de pinho ,
taboado de pinga da Sueci 1 cara 3 polegadas
de grossura sendo tudo di melbor qualida-
de : na ra da Florentina en casa de J. Be-
ranger.
SSS" Um preto mocarabique de idade de 18
anuos, bastante robusto ptima para todo o
servico ; na ra da S Cruz I) 17.
tSF" Estopa ; em casa de Hermano Mehr-
lens na ru ladede ao annos para todo o servico, um
preto moco perfeito canoeiro sabe fazer te-
Iba e lijlo por ter estada em Olaria dous
molequesde idade de 14 armas e um par-
dinlio de idadede 4 annos, sabe tratar de
cavallos montar, e servir a urna mesa; na
ra do fogo ao p do Hozarlo D. 25.
$31" Rielas curtas de linbo chapees da
sol de seda de cabo de osso panno de ludio
babados de linbo de todas as larguras para
loalhaslencese camisa de senhora len-
cos de seda para grvate ditos de todas a
cores para algibeira linha para' bordar em
caixinlias bo:es de retroz para casaca re-
troz de priraeira sorte azul ferreile e preto ,
toallias de linbo alcoxoadas challes de seda
furta cores da ultima moda sapatos de du-
quem pretender dirija->e ao pateo de S. Jj
V. ti.
%S3" Aluga-se o armazem da casa da ra do
encantaoaento confronte ao beco que a para
a rua do Vigario pera qualquer estaheleci-
m*nto; qut-m pietender diria-se a ra da
Cadeia loja do sobrado da moradia do Corretor
Oliveira,
Bpjr Qualquer rasa lora dpsta praca que
precisar de um homem solteiro leudo mais
de io annos de idkde eqiese obliga pres-
tar fiadores de >t.a ronducta e doriimentos
ssr Farinha de mandioca de S. Catharim
.de boa qualidade, a bordo do Urigue Yliner- I.raque branco e de couro de lustro para se-
ti" A pessoa que annunciou no dia a da i va ancorado na praia doCollegio, e em por- nhora, ludo por preco com modo ; na ra do
correte le perdido um anclo esmaltado : cues trata-secora A. F. dos Santos Braga, fagnndes D. 5.
dirija-se a passagem da Magdalena, na venda ra da moeda 11. 14 -
contigua a olaria do Sr J>aquim que dau-l fc3" Ura meleque de idade de ia annos;
do os Biguaes lb ser entregue. ; ua praca da Independencia n. 7 e 8.
----------------------------t ..... tT Sapatos france/es de urna sola aa4o .
AVSOS JarilOS, dilode duas solas a5rJo ditos a botinados
aapo ditos ingle/es 2720, ditos alnerica-
PAltA O RIO DE JANEIIO o Brigue j nos a botinados ijio bolins de Lisboa jitia,
Rraseiro S. Mara B01 Soria Capillo Jos sapatos do porto para sen hora 4 chiquitos
Joaquina Das dos Prazpres a s^hir com bre- do lJorlo 3tio almufacas |iara cava I lo a du-
vidade f recebe passageiros, para o que z>" 800 rs. ; no liedle ra da cadvia loja de
de sua probidade para se oceupar no ensino lratase com Jos Gonsalves Casco na ra da miudezas D 4.
de prisoeias letras, lingoa portugueza, lian- cadeia do Recife n 45 ou cora o Capito na IsT" As pilulas vegetaes do r. Brandetb ;
reza grammaticalmente, elementos da lingoa praca do commercio na rua "0',a O. 29
latina, alia ingles bespanhol italiano, HAR IlAMBUliGOo Brigue Dinamar-I z^ Alera de muito mais, qualdades de
msica, locar bam pianno e afinar, para tu- quez Alfonso de Albuquerqnc pretende sa- louca fina por preco com ni oda, vende-se bar-
do se responsabelisa ao om deseinpenbo do
que saine encarregar ; nnuncie.
es? Cirurgio Jos Francisco Pinto Gui-
mares unnuncia ;i quero convier que mu-
tiuu a su.i reaidciicia para a mi nava lado da
Ajatri' segundoanu.ar d 1 sobrada ). 7
szr Aluga-se urna casa de 3 andares na
rua ra ni uc Becife n. ai ; quem p;elen-
der dirija-sea Jos Benio Ferreira Hallar
sr Urna vacca de leile; no sitio do arraial
de Joo Carlos Pereira de Burgos.
tST Bichas pretas prximamente chega-
das; na praca dr Boa vista D. 16.
Escmvos Fiiridos
P> No dia i4deNovembro pelas 7 ho-
ras dodia fligio um escravo creoulo da casa do
abaixo assignado de nome Marcelino com
os sigoaes seguintes ; representa ler para maii
de 3o annos, estatura ordinaria corpo bem
tirado, quando anda deita os peitos um tan-
to para fora bem feito um tanto espadau-
do bem falto de pernas pe t e mos, i-.-
dos compridos tanto dos ps com das
un
lircoai a noisivel brevidade ; quera quiser r'ta* coa aparelhos completos para mesa con- : mos barbsdo nao muito surado nao uza
arregar falle ao Capito na praca. ou ora lendo o seguinte j duas terrinas para soupa I de suissai poras trazer sempre raspadas,
eu consignatario Tbomaz de Aquiuo Pon- j*0"ipflo e colher 4 ditas para molbo, duas | dentas alguma couza limados bem fetos e
teca seladeiras, 18^ palmos travessas 8 palos alvos, orelha pequeas bem fallante le-
PARA SANTOS rom escala pelo Rio de co lampas 4 dunas de pratos fundos, 8 vou restidoeamisa e ceroulas de algodozinbo,
Janeiro sabe o Brigue Maii.de no da 7 do ditos rasos, 4 ditas para fructas, 4 ditas pa- e sera chapeo ; esle escravo andava fgido a
rorrele, recebe passagei ros ; a iralar com o "dore, ludo por preco de 73,000, e um gannos; e morava no engenbo Aguiar como
Capito a bordo cu na praca do commercio. opiimo sortiiuento de vidros de cristal; na forro e casado com filhos conhecido pelo
PIRA MACEI)' a Lanxa S. Jo3 Mes- '"Ja de louca airas do corpo Santo n. 06. nome de Joaquim duendo ser fiiho do ser-
%3r Avi a-se aos Paese Mead ito Mestre a bordo nnos sem dclfeilo algum e com hnbeli- *dos e o mesmo susleutou depois de preso :
_ itregara nesta praca
mos de civilidade ler, escrever, ivmtar, dou- carregamento prompto; quem quiser carre- contento; na rua de agoas verdes D. 38. lcete a Antonia Brasilino de Hollanda Ca-
trina emissa, dos ir matricular na dita Rar ou ir de passagem dirija-se ao Capito, ^^ Urna eacrava de idade de 1; annos, valcanli.
ou a seu consignatario ilanoel Franrisao Pon- engomma coznha e cose, e outra de ida- c?y Fugio ou furtaro na Boa vista dia de
tes na rua d* senzala velna. de de
PARA LISBOA o Urigue Brasiieii
MMiHH f ./" lili 11c 11,1 l 1I.1 /.., I.,. r.___i_
rpo pt
u'o a cima e ns aiumuas coser eosluia cb ,
fazer Uvarintode todas as^qualidades mar-
car ce 6 qualdades e bordar de niarc a
ler, escrever e contar ; recebe se peusiouis- te lunado de coure e de boa 1
tas ue oicLos os :e.ws lauto da praca como bous con)modos
de fura e Jj-se o maior trato e esmero posii-
vel alias para asauliieui toda a semana na
aula e iieai 110 ibbno, ou esperas de diiis
yan:os e ludo islo st ajustar por piuco mui-
to eummodo c sendo que s queiro pagar os
mezes los alumnos e almonas aera oiuitomais
coi couta de que en outra qualquer p.irle ,
quem quiser utilisar-se da luda quahlo lic.i
dito* (UrijtO-se a mesrua aula por deliaa f
S. Jos do \. do Sul t
%z?~ Un:a moca oflerece-se para coser com
breidade ; quem
icssao ron- -"o"**"* c tuse, e ouira de ua- ssy i< ugio ou lurtarao na boa vista dia de
> de de 10 annos, ptima para mubmda ; na S. Thom um negra ;. i oda bucal, de nome
iro Alian- ,ua m* LK ao lddd o Livramento Felicia de naco mocambique (em o bei-
rcha, tem f Bilbetes da Rifa do forte pianno ; no co furado batxa secca da carpo, peitos
, pretende sabir com a maior .ecile na toja do ar, Jos Antonio Vieira de atacadas, e pequeos, e os ps la m bem pe-
ra quiser (anegar assucar a *OUa a do 5r. Vieira cambista na rua quenos ; quem a pegar lev aos Aflictos no
ido por arroba e por cada couru ou ir de Ud ?*ae,a t,,a a Antonio naS tojas doi Srs. I sitio de alanoel de -oraes ou uj forte d
passagem dirija-se ao Capito a prava ou B"deira na ru^i do Cabug Victorino rua'brum ou airas do Corpa Santa em casa d
a seu consignatario Tbomaz de Aquiuo Fon- dos Ouarleis na botica do ir. Bartboiomeo Joi Evangelista da Co5la, que sera be
rua ua Rozano larga enavefcda U. ai as compensado
a ponas na Boa usa botica do Si. Riorera I tST No dia I. de Janei
e luja do Sr.Joe Ignacio do .Vlotue, atierro ,'gra de Olinda do ge:iti3
3
de
re-
ro fugio urna ne-
Veil il Jl S Bjuu..auMSjgnacwoo.lonfe1 atierro, gra de Olinda do ge:iti3 de
. eetOIindanacasado Sur. Jos Holicarpo tura regular muito picada das bechi ;as por
- FOLIIINHASde Algibeira Porta ,!! Wa* l^eirado Varadouro j esta ri- as ter udn a muito pouco lempo, com bas-
e Padre impressas nesta Trpografia e bem l* '"Ulageio deaers 730 blihetes, ten- tintes sarnas meia fulla levou vestido de
conhecidas pela exaclido do calculo; na pra- dj nmeros meada bilhetes dous mil rs r chita rouxa., camisa branca bastiuta suja ,
muita perfeico e iiseio qualquer qualidade | a da Independencia loja de livros n 3? e 58, | c ntste mea ae undarem todos correr infa- as orelhas urnas arralas de ouro cortadas s
de costura tanto em iaj-'S itantezas como em
sua propria caaa nos bairros baixos i.j
t=5" Ko dia primeiro de Fevereiro do cr-
reme Jriniiatio Aiexandiino da il>a liabello
Caneca ni sua osa fu lio J.Mmenlo IJ
r3pela terceira vez abre aula ue primeiras
letras na quaI por um itietbodo abreviadissi-
ino ensina a lar e, escrever contar as 4
na tua doiabuga* loja do r. Bandeira na belmente no primeiro de Fevereiro quem a pegar leve a'rui nova loja D. 16 da
rua da cadeia do baira do Recife loja que lai &^" Cadena* e nm canap de Jacaranda Joi lavares da Cama que recompensar'
do >r. Quaresma na tua da Madre de I eos com assentude palfaina tudo em bom uzo;
na venda da quina rielVonte da Igrajl no q,,t;m quiser ariuuuciu.
Miteiroda Boa vista loja do Sur. Moreira Uias ^?~ ^u "oca-se duas negras de dade de
O. 10 e na botica do Sur Moreira. delron- I *a i(j a""OS por um negro que sej mo-
te da Matiiz ; e em Olnda bolica da rua do Su i ,ia luu dl> Queimado 7.
Amparo fc-^" Por prer^o commodo u
Muvitii^iuo do Porto
NAVIO SAIIID0 NO DIA 4
ANTILIiAS ; Brigue de Guerra Francez Le
pequea Alonette, Comaiandante Leintenant de
Vaisseaiix Ceilet.
operatoea arimelicas pcildun.ei.te, e dou- ^5- CAUTE1.LAS da Sociedade Fortuna porco de tenas de vdro ; epotassa Russia-
111118 crislan no prelixo lempo um anuo Typografica, da Lotera do THfc,ATROga uaoi barra pequeos; ern casa de N. O i ENTR
l fumado por um liado expretso, e terminan- nhapdo a vigsima parte dos premios, cabendo i Buber & Compauhia, ua rua de Gru D. 6J.
te j criancas de ambos <-s sexos de G annos "a sorte den 000,000 res tresentos mil rcis a ^jf Peinas de vidro chegudas pioxima-
jjaia cima nao leudo < las menor inslrucca ; preco de 40 ; nesta Tyjiograia na praca mente de amburgo, na rua da Cruz 11 ou' lo-
0 ejercicio desia aula he smenle de a oras de I da Independencia n. -ao na rua lar^a do ija de louca.
nanb e o, de tarde os alumnos sao ca>ti- I Rozarlo loja de miude/as D. 7 na rua do
adoscom aumoeslacc-s repreeiues, e com Collegio loja de relojoeiro, e no largo do Li
lodos tai u tenra mocidada c iiurdiF-iue em- I principio do beco do Padre,
laclo e senil u son.entese uza ue palmatoria^com muita
ssideacao J quando estes meloa se loruaiem
inlr i.cluozos
]Nu bni do dilo auno os alumnos faro e\a-
ir.es lgotosos ea dsa dos quaes reieber. de liavana liambur^jo, e Caxueira ; na rua
Mtio do Rijor Rlayer no ronedor do Rispo.
i_i" Una r.tgiinJia creoula de dade de n
annos ; na rua de borlas sobradinbo L). 10.
ar Lma pi enea de arroxar algido com
OS seus uleucilios sentada e prumpia para
quetu quiaei uzar com luzos de mais para
supr ir qualquer falta uma baluuca prompU
com pesos., e os armazens sao no lorie do
diaitua na rua da boia e com outra frente
para amada lapa, ptimos para assucar,
l e eouros ; a tratar na rua direita cam
tmr ptimas bixas do Porto, e charutos Antonio Jo de Albuquerque.
O que ttvci toiilt'ada com seus pas, naja
recbela si os Ir IQ'&H naosuhuem apiuvados
e prontos.
JNa mesina aula e as mesmas oras ensi-
lla a enanca ja r tontas em primeiras letras ,
do Cabuga Jo,* do Sr. Bandeira
l_*~ Um negro de naio de idade de So
a 11 nus ; entende de rclinaco de assuctr ; na
rua de S. Rita nova D. ib lado do uasceole.
PSk 'Fijlos de alveaaria grossa de boa
k_f Uuia venJa na Boa vista cm muilo
bom lugar ; a lallarna venda ao lado da n-
beira Ba vista que.tem calcada de pedra.
l_jr iaboadu de puiho de costado coila-
dinbo aiaoalho de uma a 3 polegadas de
grossura, dito de forro para casa e proprio
TERRA NOVA; 3a das, Brigue Ingles *
Junam de 170 tonel., Cap. John Gwaas ,
equip. 11 carga bacalbj j a C. & Com-
panbia.
MARANHAO'j 19 das Brigue Escuna
Nac. Laura de it>4 tonel. Cap. Luiz
Ferreira da Silva equip. 12 caiga varios
gneros ; a F. J. Felis da Rosa passagei-
ros i'i escravos a entregar.
SAHIDO NO MESMO DIA
GUAMARE ; Patacho Nac Laurentina Bra-
sileira M. Antonio Germauo das Neves,
carga lastro.
OB3ERVAC0ENS
Fizero-se de vella do lameiro urna Barca
e uma Galera Americana e um Patacha
inglez.
REClroflf A TYP, IJB U, E. DE F9 lMl
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJGICN3HB_I64VPG INGEST_TIME 2013-03-29T16:04:13Z PACKAGE AA00011611_04198
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES