Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04177


This item is only available as the following downloads:


Full Text
g? Dp- {8*0- Sexta Fehu
ProdamacSo da As.en.blea Geral doBros;
"*Tyr^Hfia^e3;/i;*bo por^quartel .daBtll!orf
> 07, e 38, onde se recebem rl 5a P^a da Independen-
"do., .nsin'ndo.^ te, aTs ^SCS"8* ,e8"'d ,
?indo ainado. m***i sendo dos proprio, assignantes, i
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES,
D___t!l_. .....
I>i do R,o Grande do Norte, e Villas dem-------
D,t, da Fortaleza e Villas dem .... *
Cidade de Goianna..... ..........
Cidade de Olinda_____..............
VjHa deS. AntSo .* .* ,* J #* ^.....
Dita deGaranliuns e Povoaco *d*o Bonito.....'
I), as do Cabo, Serinbaem, Kio Formo, e PortYcai* H de C"d* m"
VUA DdB.'.AJU,P. de Macelo. TO* 5 "',1a' dito dlto
Villa de Paia de Flores. ............ldem Wem
TWwoiC^ibi 'pa'rt'em'r^'io'dUl.....""" 13' dit0 dto
jSeg. eSSetUferie*;
. Todos os dias
. Quintas feiras.
lo, e a4 de cada met
UVA a.
PHASES DA LOA NO 1EZ DE DEZ
Quart.ereec. a a ai i b. e 58 m da maa.
La Cheia a q-.s i h.e 56 m. da man.
Quart. ming. a :5- as 6 h. e <3 m. da tard.
La Nova a al as a h. e 5? m. da mau.
Afare eheia para o dia { de Dezembro.
As
As
horas e 18
horas c 4>
linutos da aaanhS.
utos da tarde.
4 rr Dkzembro. Nm. 865.
CABRIOS. Dbibxbio 3.
tf?res......8> d. por Ifooo ced.
bfsbo.......* 85 Pr !o premio por metal offereeido.
*ra"? .....3*5 Por franco.
nnn nroJTOJp'I;. Co,aP- Vendas
UUKO- Moeda de b^oo reis, velhas itfSAo ,5^00O
" iv,"" a .;' novas '4*6o >8oo
PHAT* d"; 1*. r-eis' K'Jl0- 8#3oo
Mi Ai A Patacoes BraSileiros i. i^O'jo |W0
" PeosCob.mnarios......iffiao iko
Ditos Mexicanos.......#fioo ,^ao
,, Miu.ia. ------__... ,i//0 |*iR0
Descont de bilhetes da Alfandeqa ,8 por looao met.
Meai de letras 1i|{n Ma por bcas firmas offereeido.
Moeda de cobre 3 por 100 de disc.
DAS da semana.
5o Segunda S. Andr Ap. Audiencia do Juii da Direito da al
vara. *
i Terca S. Ebi B. Relaco e audiencia do Juia de Direito da I.
a Qu.ru S. /Tibianna V. M. Aud. do J. de D. da 3. vara.
O Quinta S. lrancisco Xavier Ap. das Indias. ~ Audiencia do Jola de D
da a. vara. "*
i sfiSL: J5a,],,or,y'M--Audcn., do Juiz de ircieo da I. rara
5 Sabbado S. Geraldo Are. ~ Relac.1. Audiencia do Jui, de Dj
da o. vara. ""
6 Domingo >. do Advento S. Nicolao B.
PERNA MBUCO
COMMAjVDO DAS ARMAS,
expediente do dia a? do crreme.
; ao expediente, eservico da raesma Fortalesa,
a fin de ser convenientemente despachada.
Dito Ao Commandante Superior da
rda Nacional, cotnmunicando-lhe, que
--, ...u u^^se ae souza Wedeiros, nc
podendo por semelhante motivo faser efor i ~r--------- i-.~%*.
vooseu despacho de ai d'corrtniJ l" a* "T" P"adf P"aseren a mo condun-
qui o mandava demit, r l,Pne -^ PC'0S S, dados' do qlel da, Cinco Pon-
que Iheconstava achar-s^\Lraca d-Bo.-vi.la e desta para a
"... iut .----r"" ,,u entretanto
que Iheconstava achar-se noservico da Ma-
rinha. v
l,!I::A!..^moExm-..s-.vSi,nfi-
ra do Collegio havia ordenado que pelas
dez horas e meia da manho do referido dia,
tomasseoBatalhao posico no largo de Pa-
ndo-lhe, que com a publincio d-T L 1""" "^ f POS^o n0 '"8 de ?"
s6 de Setemra do anno finio 1 ^ J esperando al.i q0fi S S. cmo Co:-
iHcidadasasduvirs7eot!oVaSsee 2S "&** V CM d*P"d* ^ *th
raop,ra pagamento da consignaca'0 de 4iU
rets mensaes, que 0 Cirurgio Ajudante J.
1>.K.P. detxaraasua famil.a nesta Cidade,
do pr.me.ro de Marco deste ann0 em diante
e quetendo ordenado o pagamento deseme-
Ilianleconsignayo desde o refe rido di., hou-
^edemiel,genc.aroEx.n. Presidente da
Prov.nmdo K.o-GrandedoSul. para man-
dar dedusir dos vccimentos que por ali per-
cebe o d.toCrurgio Ajudante a^ qua,iFa j
mencionada. J
DitoAo Inspector da Thesouraria, com-
mun.cando-lhe, que em vista da Lei de a6
de Setembro de i8?9, inh. ordenado, que
pela respecttva folba das prestaces se cobras-
be deste mezem diante a de 4aU reis que o
Cirurg,ao Ajudante J. D. R. P. deixara a sua
lamiha nesta Capital, e o excesso de oooo
quetemoeixado de receher desde o primeiro
de Marco ale o ultimo de outubro e que
le senhdo pesesse de accordo a Contabeli-
dade Militar.
,0;Dllu"i",|A-0 ?oramandante interino do ter-
ceirobatalhaodeAnheria ordenando-lhe,
na linba o lugar que devia d'occupar.
DitoAo Commandante do terceiro Ba-
lalnao de Artilheria communicando-lhe o
ex posto no precedente officio.
Dito -- Ao Commandante do Forte do Bu-
raco ordenando-lhe, que ao Doutor Juiz
de Direito substituto das Varas do Civel, e
cr.me desta Cidade mandan apresentar com
a devidaseguranca o Calceta Pedro Jos da
ron ceca.
L>ito .. Ao Doutor Cassimiro Jos de Ma-
raes Sarment communicando-lbe o expos-
to no precedente offioio, com o que ficava res-
pondido o seu da data de hoje.
Dito Ao Commandante da Fortaleza do
brum, respondendo o seu officio desta data,
que tratava de objectos perf>;,centes ao rgi-
men da Enferoiaria ali estal-i-cid.
DitoAo Commandante interino do ter-
ceiro Batalho de Artilheria dando-lhe va-
rias desposices acerca da enfermara esta-
belecida na Fortalesa do Brn a, e mandando
investigar da conducta do Soldado Nascimen-
to durante o lempo que 3ervio de enerineiro.
Dito Ao Major Commandante interino
'rao commumcando-liie em res-
ALFANDEA DAS FAZENDEGA.
EDI TAL.
Vicente Tilomas Pires de Figueredo Ca-
margo Inspector d'Alfandega faz saber que
acliando-se nos Armazens os voluuies abaixo
descripto alem do termo pcrmitt.do pelo art.
y* do Regulamentode %t de Jnnho de i8i6,
devem os seus dor.os fazel-os despachar no
perhxo praso de ti ota dias contados de hoje ,
hndoosquaes se proceder sua venda em
basta publica por conta e a cusa dos mes-
mos Joos sera que Ibes fique competindo
allegar coua alguma contra o eOeito da mes-
ma venda como be expresso no Art. a;4.
E para que chegue inticia dos interessa-
dosse afixou o presente Edital na porta d'Al-
fandega e ser lambem pulvlicdo pela im-
prensa. Alfandega i de Dezembro de i3o.
Vicente i'homas Pires de Fi;ueredo Ca-
que deste mez em diante cohrasse da Thesou- p "a -
rana, e pagasse a0 procurador do firuwiSn do bs1"a,lraa ? cpmmumcando-le em res-
Ajudante J. 1). R p a consip a | Posta ao eu officio de al do rorr. que o Ar-
de 4aU reis, e o excesso de Oni? Umbllml'*1 ** ?ann nl" 0rde ,,a" mai,<,ar
margo
J. S. C. N. ya a 75 4 Caixes com
armamento Aos Surs. Cbristorphes &
Roop.
R. S. n., S. N. aoo barricas com po-
laca Ao Snr. Th. d'Aquino Fonceca.
B. C. N. 31 1 Caixa A' Ordem.
F. C. L. r 1 Dita Ao Snr. Anto-
nio Joze Pereira de S.
Rendimento da Alfandega de Pemambuco ao
mez de Novembropp.
Direitos de 5 por cento io4:485Uoi5
Ditos de 4e ija de bebidas
espirituosas i5:4i8Uiio
Ditos de 5o p. c. da plvora 3 048U705
Ditos de 5o p. o. do ch; 3:ioiDtoo
Reexportac'i a por cento i43U5i
Haldeajo a por cento ia5U4go
Expediente de 1 ija p. c. llljoUijd
Ar.Tiazeiiuj;em de i|4 p. c. ao mez ao5U3^
Inspecco do Arsenal de Marinha de Per-
hambuco i.de Dezembro de i8o,
Joio MarioL'l Miguis*
Relaca dos objecto precisos para fornecimen-
tos dos Navios da Armada e Arsenal da
Marinha. A saber.
Azeite doce, vinagre, Feijo, toncinho,
Arroz e hacalha'o.
Inspecco do Arsenal de Marinha de Per-
nambuco em o 1. de Desembro de 1840,
Joo Manoel .Miguis.
PREFEITURA.
pre-
! V oAo Exm* Drtor interino do Ar-
senal de Guerra communicando-lhe, que
por falta de canoa, o Commandante do For-
te Caibu, tinha fretadoum cavallo pela qaan-
tia de a rs. para conduzi, do mesmo Arse-
nal os objetos requisados para as salvas de a
de Desembro vindouro, eq'lr tanto houves-
se de mandar pagar o mesmo frete ao dono do
Larln rTe6and,S obJec,os reqoilados
-o Cabo 1-ehc.ano da Silva Porlella.
1 ,!' lanUn !? Tenen,e /Joronel Comman-
dante do Deposito, mandando d'ordem da
1 residencia, communicada em officio de a.
do "ente da, demico ao Cabo Joaquim
Pedro de Mello, por ler sido julgado pela
Junta deSaude incapaz do servi9o Militar,
dem do dia a8.
Officio ao Exm. Presidente, remetindo-
me urna requisicao do terceiro Batalho d'ar-
liiliena relativa a metaes e corrame do
Sargento Quartel Mestre, e asendo algumas
leilexoes acerca dos motivos em que sefun-
dava para apresentar semclhcuc requesicao.
iixuibem remettid outra requesico da For-
taleza do Brum, conleiido objctos uecessarsio l
Diversas Reparti(;es
EDITAL.
O Illm, Snr. Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes de Pemambuco manda
faser Publico que m virtude do 16 do ar-
tigo 37 da Lei Provincial numero 87 e Officio
do Exm. Sr. Presidente da Provincia de 5 do
correnle, se bao de arrematar perante a mes-
ma Thesourajia nos dias 18, 19, e aa de De-
zembro prximo vindouro ; e por tempo de
annoemeioacon'ar do 1. de Janeiro de i4i
3o de Juuho de 1842 as laxas das puntes ua
Magdalena Carvalho, e Geqni.
As pessoas que se proposerem a esta arre-
matagao comparet-am pelas 11 horas da ma-
nila dos dias cima indicados 110 Tribunal da
mesma Thesouraria munidas de fiadores ido-
neos. E para constar se mandn aixar o pre-
sente e publicar pela imprensa.
Thesouraria das Rendas Provinciaes de
Pemambuco -] iNoveaibro de 1840.
O Secretario
Luii da Cosa Portocarreiro,
Dita addiccional de 3 |rj p. c.
Premio de ia p. c. ao mez
Emolumentos de certides
Multas avulsas
6' 3i5
a:3JifJi9i
1(17:07 Jlaig
6U48o
aiifjooo
Parte do dia a de Dezembro.
Illm. e Etm. Snr. Foro hontam
sos pelo sub-Prefeito desta Freguesia o pardo
Antonio, escravo de Joo Jos Lipes, por es-
tar ebrio 5 foi solt ; e Manoel Iziddrd dos
Passos, branco por ter aberto a porta de urna
taberna sera licenca de seo dono, e Curiado
de urna gaveta quinte mil e tantos reis ; foi
detento no Callabouco
Nada roas consta das partes hoje recebidas
nesta Secretan 1.
Parte do dia 3.
Illm. e Exm. Sr. Foro hontem pre-
sos pelo Sub-Prefeito da Freguezia do Recife
o preto Jos Antonio Marques, por ser des-
ertor de Marinha ; remettido Sala para
ter o de?do deslino ; e pelo Sub-Prefeito
desta Freguesia Joaquim Jos dos Santos Vi-
tal, branco, por estar ebrio, e querendo en-
trar forca na caixa do Theitro ; foi deten*
lo no Callabougo ; o preto Gonsalves, es-
cravo de Sebaslio dos Ocios Arco Verde' Per-
namhuco, por estar em desordem j foi remet-
tido ao Senhor,
E'o que consta das psrtes hoje recebidaS
nes'a Secretaria.
167.1980699
Alfandega 3 de Dezembro de ib"4o.
O Escrivo da Alfandega
Jacome Gerardo Mara Lumachi de Mello.
O Arsenal de Guerra compra mantas de
la; quem pertender.fornecer este genero com-
pareca as 10 horas do dia 4 do correnle para
tratar do ajuste.
O Direclor Coelho.
ARSENAL DE MARINHA.
O Illm. Snr. Inspector do Arser.al de Ma-
rinha manda faser publico que se lera de
por em arrematadlo o forneciraento dos ob-
jectos abaixo declarados para s embarcayes
da Armada, e Arsenal pelo tempo deseis
mgzes contados do primeiro de Janeiro ao lim
de Junho do corrente anno. O mesmo Illm
Sur. Inspector convida as pessoas a quem
ue* lornecimentos possa convir o comparc-
cerem com suas proposlas em carta feixada at
o di) 15 do presente mez-, e as quaes se de-
elarem os fiadores aGm de que se possa effe-
ctuar a arremataco cora as que por menos
preco os mesmos fornecimentos izerem ; pre-
venindo-se que a condieefo e*oecial he dos
gneros ser*m da melhor qualidade na falta
uo que sero recambiados, e comprados oulros
a cusa dos mesmos l'oruecedorii.
EDITAL.
Luiz Frr.ncisco de Mello Cavalcanto Escri-
vo, e Administrador da Mesa de Rendas
Internas Proviaciaes desta Cidadn etc.
Pelo presente Edital faz saber a qupm con-
vier que no ultimo deste corrente mez, ter-
mina o prazo prorogado pelo artigo 41 da
Lei Provincial numero 87 de 6 de Vlaio deste
auno, para pagamento da Meia siza dos es-
cravos e fiado o qual proceder-e-ha na
conformidade do Alvar de 3 de Junho de
1809 contra aquelles que nao tiverem pago:
para que o dito conste mandei a fixar o pre-
sente e puhlical-o pela imprensa.
Meza de Rendas Internas Provinciaes 3 da
Novembrode 1840.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante.
Paragraphog do Alvar a que se refere o
Edital cima Na mesraa peni de nullida-
de mcorrero as vendas dos escraaos ladinos
que se fizerem sera o pagamento da meia si-
za, sero alem disto multados os vendedores,
e compradores em igual parte na perda do
valor do escravo sendo metade para o de-
nunciante, se o houver, e outra, ou toda, nao
o havendo p-ira miuha Real Fazenda etc.
ANNUNCIO.
O Collector da Decima e mais Impastos di
Municipio de Olinda, manda faser publico,
queein virludeda Lei, de %7 de Agosto da
18J0 lera designado o mez de Desembro pr-
ximo vindoujo para a arrecadaeo passiva do
Laucaraento da Dcima Urbana do primeiro
simesire do concite auno fiuanceiro de l.^o
a it4i na casi da Caara respectiva sendo
enclusive a divida de todas as mais iraposi-.


.
lAftio 1)8 PBBNAMfiOC
O
devendo ficarem o seus i do havido n'um e n'oulro grande divergencia
eoUectados na intelligencia de que se nao de opinioes, deeidiu o Governo reunir im-
comuareeerem dentro do praso marcado se mediatamente as Cmaras. O da S do cor-
rrnceder exerulivamente contra os omissos, rente foi designado para a sua convocarlo.
4 para que chegue a noticia Jodos e nao Este acto do Gabinete prova que el e nao ou
possa allegar ignorancia mandnu que fiaos*
s constar palo presente.
, Collecloria de Oiiada ao de Novembro de
O Esenvo
Joo Goncalves Rodiigue Franca.
Administrara dos Estabellecimentos de
Caridade.
Parante a Administraco dos Estabeleci-
meulos de Caridade se hae arrematar a quem
maisdernodia 4 do correnle mez as rendas
da casan. 39 D. 16 na ra de Dorias : as
pessoas que se proposerem a arrematal-as
imdem comparecer no indicado dia no Grande
Hospital de Caridade as 4 horas da Urde com
saos fiadores.
Salla Jas Sesses d Administraco dos Es-
labclecimealosde Caridade em 01. de L)e-
zembro de 1840.
J. FVf da Cruz ,
Escripturario.
C o r respoiulencia.
Srs. Redactores.
Como nao desejo perder o meo lempo an-
tes de dirigir-me ao Sur. Administrador ro-
go-'lhes o lavor de roediseremse os d"ze pe-
dreiros e trinta Carpinas que annunciou no
seu Diario irurr.ero a5i serem precisos para
ns obras d'Alfandega d'esla cidade, deem
.ser liddos Urasileiros, ou estrangeiros na-
turasados, que nao estando comprehendidos
das rvcpces do artigo g? da Constituico,
lorem domiciliados na Freguesia de Santo
Antonio do Recife ; e finalmente se tambem
teao empujados as ditas obras, aquelles,
que, como tu, U-ndo as qualidades men-
riunsdas i.o se poderem appresentar ao Sr.
i) hedor antes do da 1 3 do correnle mez,
O Pedreiro engajado.
Noticias Estrangciras.
Lisboa, 18 de Outubro
Pelo paquete t'llegado boje recebemos fa-
llas de Londres ate 10, e de Paris at 8 do
rorrente.
A geral expectacao de grate eontecimen-
tos, que parece deviso comecar a desenvol-
veT-se em con 'hostilidades na Syvia, pelas quatro Potencias
desvanece-se quasi inteiramente a vista do
estado das cou'ss depois da lomada de Bey-
routh, A noticia deste aronlecimento causn
em Paris urna profunda impressao. Todos
os iornaes franceses clamam que a lianca foi
altamente r-ffendida e o Conslitucionel, fa-
lla ministerial declarando que nao quer de
nenhum modo por urna linguagem opaixoua-
da aggravar uma situaco que reputa j so-
bremaneira grave acusa de rr> l e dupli-
cidide as quatro Potencias, e di que quando
a Fianca fazia proposices de paz, ese lhe
irjinettia toma- las vta consideraca, se
be resj onde pelo boiubardeamento de Bey-
rouib.
A imprpnsa francesa e principalmente a
ir.inisteiial, reft rindo os pormenores do ata-
que contra Beymulb, arge de escndaloso e
karbaro o preced ment dos aliados, expro-
tiia-ll.es bavertm incendiado o Hospital pe-
sar de se ter arroiado sabr elle a bandeia
n^grc, para o designar, f pedir a contero-
jilacao que em lavor da liumanidade enfer-
ma prescreve odircito das gentes ; ahuma que
o pavilhio francez erguido sobre a casa do
t onsul de Franca, em vez de protegel-a, ser-
\ 11 n i,e alvo aoa l i 10=- da esquadra.
Cftjoroaes franceses tal lo com enthusias-
tro OoCapio da Corveta Bullante, Mr.
tomar sobre si a responsabilitl'ide da declara-
cao da guerra posto que pareca que a opj- j
nio peral a pede, e que se tenha desenvolvi-
do urna exaltaco nos espiritas que ser dif-
ficil de conter 6 dirigir. As ideas guerrei-
ras tinbam excitado em Ig-umas partes o en- '
tbusiasmo poltico dos republicanos ero mais
d'um Tbeatro se bavia tora do e cantado a
marselbfsa. Parece que o Gabinete chegara
a deliberar sobre alguoaas med'das da mais
grave i'oportancia que se tractara da oceu-
paciode Can o bloqueio de Alexandria condu/iudo ajli
30,000 bomens e de atacar a esquadra Rus-
sa no caso de ella se aproximar do Bosplio-
ro. Traclou-se tambem de um protesto e
de um ultimtum em que se daria como
caso inevitavel de guerra a expulsao de Me-
bemet-AlidoEgypto iienbuma porem des-
las ideas produtio elfeito algum.
Osjornaes ministeriaes de Londres veem
na resoluco do Governo Francez de convocar
as Cmaras urna seguranza de par ; porque
dizeio elles que o Governo .nada far err.
quantoas Cmaras noesliverem reunidas e
que ao lempo da sua reunio i deve adiar-
se decidida a queslo do Oriente ; porque nao
be provavel que o Parlni insista n'uma obs-
tinada resistencia, que s pode prejudscar
aos seo> interetsea que as quatro Potencias
desejam contemplar assegurando- Ibe a pos-
te do Kgypto. Accrescentam que se o Pavb,
como de crer acceilr as condicoes propos-
tas depois da grave demonstraco que se
Ibe fez se daro a Franja todas as salisla-
es que a sua dignidade rasoavelroeute exi-
gir. -No dia t a Camaiados l'ares p'oferiu
a senlenca centra l.uiz 15onaparle e quinze
de seus compaubeiros sendo quatro absol-
vidos O Principe condemnado a priso
perpetua n'uma das foitalezas conlinentaes
da Franja,
O porto d'Alexandria achava-se bloqueado
por duasnausinglezas duas Iragalas austri
acta e alguna oulros pequeos vasos. A-
peaar do bloqueio alguns navios mercantes
linbam entrado e entre estes um navio bel-
ga levando ?oroon armas e algumas pecas
de artilberia de grosso calibre. As noticias
deConstanlin'pa nada dizem de positivo so-
bre o estado das cousas
Fallava-se da prxima ebegada d'um exer-
eito de qo mil russos a Odiosa para se opno-
rem a linabim no caso deste passar o Tauro ,
e arr.eacar Constanlinopl i
Tinha-se publicado o processo de Kosrew
Pacb que tora condemnado a tres anuos de
desterro julgado incapaz de servir qualquer
logar do Imperio e loteado a pagar grandes
sommas por se 1 lie ter provado ocumtde
concusso; e peculalo.
Os peridicos de llollanda confirmam a no-
ticia da abdicegao do Rei
(Uiario do Governo de Lisboa.)
porm nao podendo eu acceder a algumas das
exigencias dos povos que devem ser cnsul-
tadas segundo a opinie dos mesmos conse-
Mieiros para acalmar os nimos elerminar
a actual situaco para roim absolutamen-
te impossivelcontinuar a exerr-la, e creio
obrar como exige o interesse da Navio rasi;;-
nando-av Espero que as Curtes nomearo
pessoas para toalto e elevado jeneargo que
contribuam para fazez lo feliz esta Naco ,
como ella merece por suas virtudes. A' mes-
ma deixo recomme.ndadas minbas augustas fi-
Ibas ; e os ministros que devem, conforma a
espirito da Constituico goveanar o Reino
at que se reunam as Cortes teem-me dado
sobejas provas de lealdade para que eu Ibes
ceniecom gosto deposito lo sagrado. Para
que produza pois os effeitOS correspondentes ,
assigno esle documento autgrafo de renuncia,
que em presentadas auluoridades ecarpora-
ces desta cidade entrego ao Presidente, do
meu Consellio, para que o aprsente em lem-
po s Cortes. ( Assiguada ) Mana Cliris-
lilia. Valencia la de Outubro de
1840
reconberida aptido para o coadjuvar;
1. Batalban de Cacadores Alferes o Al-
feres do 3. Jos Luiz Correa de Mello.
Arsenal de Ga.
Despeza di anuo econmico findo desde o 1
deJulbo de 189 at o fim ds Junho de
lfi4o (onze mezes do qnal crrera sub ^
administrado do Intendente da Marinlia
Jos Joaquim Lopas de LiinaJ.
Despeza do material.
Desdeo i.dejulboate o fim
d xeral t. rs.
Dezembro de
1839.....J58:aia,3,39 i\*
Desdeo 1. de
Janeiro al
o 6m de Ju-
nho de 1840 i4 9">",4a^
(1) Despeza
de ferias a
operarios.
Do 1. de Ju-
Ibo a fin de
73:i4o,3,a ty%
Uiegoua Madrid no dia i5 a nolicii ofH- Deiembro
cial deste imporlanle acmtecimento j o dia i5
anniversario do acto de generosa poltica,
com que a Rainha Governadora abriu as por-
tal da patria aos liberaos que a tyrannia linlia
perseguido e desterrada,
Ijaviam embregado os ministros a mais
empenbada deligeocia para fazer que S. Ma-
geslade tnudasse de esolucSo porem nio
poderam conseguil-o. Fizaram um manifes-
t datado de i3, expondo as circunstancias
da renuncia e os principios geraes da sua
poltico '
Per Decreto de to tinbam sido dissolvidas
as ( orles e convocadas outras.
Por Decreto da meoaa dala foi nomeado
Ministro interine da Fazenda oSr Fener ,
durante o impedimento do Sr. Gatobi.
de 1839. a5:55a,o9
Do 1. de Ja-
neiro at
fim de Ju-
nbode 1840 17.80^,0,3a
Total
43:i6o,i,?i
1 i6:3oo,4,93 i|
N. B. Nos seis mezes ltimos da adminis-
traco an'j'ri >r-de Janeiro a Jm.bo de iHq
- a despeza do material foi de 96 i63 xera-
fins 1 langas, u 5 reis isto lie a despeza
de seis mezes excedeo em mais de 11 000 xe-
rafins despeza de um anuo da actual admi-
nistra c >. A despeza Ujs ferias dai,uelle se-
mestre excedeo em t 000 xerafins despeza das
As Juntas proceguiam tomando medidas de | ferias do semestre correspondente da atujl ad-
diflerentes naturesas entre estas algumas da j ministraco.
primeira importancia acerca ce trilu,os'i 0|,ras que se fij-eram no Arsenal de Goa no
Coiilinuavam todas dsmiiiindo e nomeando
empregados das diversas classes Entre al-
gumas Juntas lima conflictos que podero
ter graves consequencias.
G General O'Donnell safa no dia 8 de Bar-
celona para Franca, DizU-se que a viuva
'do peneral .Mina seria encarregada da educa- bricou-se por dentro e por lora de quilha -
[coda joren Raioba e SUS IrmS, na ausencia i borda ; apaaelbou e pintn, e seguio para
I 1 t ___. J_ *_ _! .>.,,! ai 1 :i 1 i 1 1, K:\: *:tii Al UK'iiM'tt Linl sr i 11 t-ti i' 1.1 ri T i.< a
auno econmico de 1 tiig 4o, nos onze me-
zes que correram sob a administraco Ao
In'eudeute da Marinba J. J. Lopes de Li-
ma.
Virou-sede crena a fragata D. Pedro ; fi-
desua (VJii,, que devia partir para a llalla ,
e segundo outras para Franca.
(7 ministerio ter a regencia at reunio
das Cortes que devem nomeal-a t nao tar-
dar em voltar Car.ital onde esperado
Lisboa com os respectivos sobreceleutes a
mantimeotos para .{oo pracas t
Fafcricaram-se os a Culters e Galia-do
Araenal. Fizeram-se quasi de novo 3 Lan-
chas e 7 Escaleras <|ii se ucbavam no mais
liara OH Vdiiai a ^amiui v,n..w w ^|---------- -.._-, t ------- ., '------------------- .......
com impaciencia e onde o chaman os inte- ruinoso estado alora os conestios de todas as
resses da orderq publica e do paiz entregue outras embarcaces miudas.
Lisboa ai de Outubro.
Pelo correio de boje recebemos Folbas do
Madrid t 1 t do correnle.
Urna das m iis graves qurslesquo se agitam
na llespanha a da regencia ~ est decidi-
da em lim na parle relativa Rainba Gover-
nadora. S. Magestade resignou-a voluntaiia-
mcn'e.
Cbegados a Valencia o Duque da Victoria
e seus collegas tlepois da primeira conferen-
cia ron a Rainba e lendo prestado o jura-
reento epreseiilaram-lbe o seu pro^ramma ,
que S. Mageslade em peial acolbeu beuig-
i>anienle poim bavendo nelle urna parte a
que repugnavam casuas convicces resol-
veu sacrificar sua cousciemia e a sua dig-
nidade pessoal a posico niais brilbante e ao
mesmo lempo a n-ais cara ao seu coraco o
aoseu cuidado e desvelos n'uma das siluaces
mais dilbceis em que elle se tem adiado.
(dem )
INDIA.
Extracto da Orden do Exercito N. I o
de a8 de Julho.
Fizeram-se 4 grandes Telgrafos de tabii-
nhas para a Liuba Telegrfica.
Concorlaram-se duas vezes a Nora e ca-
lilas d'agoa da Fortaleza d'Aguada.
Apromptou -se duas vezes de fabrico apa-
rellio, pintura, maiitnnentos esobreceleu-
tes a Corveta luanla Begente sendo uma
de ao de Julho. Dara a viagem a Bombaim em que conduzio a
Primeiro Regiment d Infantera Aja- L8,e Porto o Exin. e mu chorado Baro to
dame o Ajudame do 3 Batalhlo^de Cacado- Can(|ai % eoulra para a malograda viagem a
res Constantino da Silva. -. 'Regiment Mata0< Xom-se, lem disto, fornecido
i'Inlauleria Ajudanle o Ajudanle do ljU CorveU de totlo 0 nocessario dentro do
Regiment d Infantera Joao Ignacio da Silva \ por(0
Neve. a. Batalho de Cacadores Aja-I luUriim.se a9 duas Galeotas d;Governo,
dame, o Ajudante lo a. Begimento .1 Inan- I e lQ(Jas as 0UtrM emkarcac5es na Rbeira que
teria Agostinbo Leal Garca. 3. Batalliao de 1____1.....:____:...._
ITi iHn.i'i.i.ji) ua v-rvem uiiiiiaiuc, ur. uinwu ii| .... ^-.-----------------------
enand, que t-ro presenta da esquadra de esplendor de Baiuba e o logar de Wi !
Cotcniodoro ^apiel i.o censenlio que se de- As almas nebes laio juslica a esse esforco
Cacadores Ajudanle, o Ajudanle do a Uo-
talbao de Cacadores Francisco Xavier de Sou-
6 Malaquias.
Extracto da Orde:n do ExorcitO W. 11
de 8 de A;osto
Trani-creve a Portara do Conselho do Go-
verno de t de Agoto que eslabelece em rc-
gra que dora em dianle osOmcion que sa
i.irein em sei vico extraordinario lora lio Cor-
po por ordem superior encaro uma rupia
nos dias de maicba que !be ser paga na
Tbesouraiia d.is Tropas avista do couipe-
beni o bavidin misler.
Trouxe-se do Forte de S Tbiago ese
iiiaugurou como tro^beo no Arsenal u grande
Peca de Diu a qual a potada com o seu repa-
ro novo sobre urna boa plataforma de made-
ra (jue lepousa sobre outra de pedra preUi
est cubera com um corucho de madeira,
Jorrado de lona pintada oqual csustenlado
por quatro columnas da mesina pedra prela.
Fornecera.n-se ferrameulas uos oper.irios
que foram servir na Provincia de Viocaaibi-
tivesse ua navio luexanle Iranccz, e estova
disposo aioniero fogo contra a esquadra,
le 1 o se amtse a sua reclaccaco disen-
t,o que antes queiia ser meltido a pique que
UVt ir,ui;bar uma allrcnta feila ao pavilbo
Irautil Al pailecipaccesolliciaes publicadas
ras tcltias inglesas cenveuccm de exagerada,
tqotlll i.anms.
'i 11 i.a-.sc t ;p,.l|.iitlo a noticia de que as
ti ^ .au felo tccnrrelidas por urna torga tom-
1: ti.dhda per Ibiabim Pacb, e que seie-i
de viilude beroica. O atguiule dccumenloe
o auto da sua desistencia :
Renuncia aulograla de S. Mageslade a Rai-
nba Regente.
Prmeira Secretaua do despacho do Es-
lado A's Coiles. O actual estado da
Naci, eodaniinha stude medecidiram a
renuncia i Urgencia do Reino,que durante a
menor dada do luiuba excelsa Filha D isa-
bel 2. me ii conferida pelas Corles cons-
tituintes ua JNaio reunidas em iBJt a pesar
de meus renselieuos com a honiadez e pa-
que.
,Vp. c-1 Fez-se lodo de novo o Balo do IlospiU
tente itinerario laucado na guia de marcha I Militar. Salisfes-Se uma re uisijo t>aleai
drpois de visbdo na Secretan* do Governo i d'oulras anleiiores) de centenares de movis
nviiu.ln ..r. t.a^r. Aa m..li'irum u^iLl- ....- ..n.. Iliil A A nH'kmn 11 ,^ill il .. l.u.-n 'js.m CU til la
I-------------------------------T
fxce/.io no caso da marcharen] unidos aos res-
pectivos Corpos porque enlo s se abonar
para o mesmo Hospital e bem assim niuia*
outras rei|Uisicues do Trem Geral do Exercito,
|Uatoo paia es navio da eniudia tem gran- Iriolismo que usdislingue me baverem ro-
gado encarecidamente u;u econsenasse ai.a
leuciioda piuxin.as Lrtts jelojulgaiem
saaim i.on\ miente o ptU e a causa publica j
--- i-----------1 u
ci |ntii. Esta noticia nao se conursDou.
i epcis ce duus cunstlbos um dos quar
\'i pnsiuiuujilo Hei, nas Tuli.ehas, leu-
a dita quantia para uma cavalgadura dos Of- Lem C|**iitO existi] ; do Palacio do Governj
ficiaes de cada lompauliia na forma do Re- da Academia Militar da Typografia Njcij-
gulamenlo do Commissariado. nal; do Correio Geral ele etc. Isto alen
Por Porlaria de 6 de Agosto foi exonerado, das continua* requisices da Fabrica da P-
pelo requerer, d'EscnpturariO do Hospital vora.
Militar. oTenentC do Forte de llcis Magos
Joo Miguel Constancio de INa/. i eili.
O Conseibo do Governo dele: minou que em
cada Curpo do Exercito haja urna Escola de
primeiras letras o triga ti va para as procos
do Corpoque precisaren d'eusiuo e publica
e gratuita para os Jovens que della se uuie-
lemaproveilar. Esta Escola sei regida pe-
lo Capellio do Cvrpo ; leudo um inleJNi'e
Fi?eram- se grandes concertos no Forte der
Sanqueliin : e saluii/.eaiu se mui'.as requ'"
(i) A despeza das ferias tem ido sallVen^
ana diminuico gradual, como campre
taes reformas e apezar do augmenta ds
balbopelo aonexsfia do Trem, esto neje
importando menos um terco aproxiiuadaoieo^
te do que d'anies imposta\aui~


D Alt 10 DE
r-il-^< BSSBBSSSB
5
f7j7o(las asoutras Fortalezas do Esta- que sao capazes de cancorrer para nossa feliei- os mais ntimos. Os parentes antes dest
-"rfonram-senestsoitoijosdeBandei- dade interessadas na nossa prosperidade ,' estimarem devem se reciar de ouendar e d<
' vos. em troca d'outros velhos com ns proraptos a tomar parte nos nossos prazeres e quebrar desordenadamente a boa uniao mu
su
d
ras nv0S
us competentes aparelhos ,
fos ns quaes se formaram
de se
e
i
aos mesmos ingratas.
M
gra
afora os Tele- I nossas penas a soccorrer-nos na adversida- ; para reinar entre elle*,
os competen- de a ajudar-nos a evitar os golpes da sorle. Por falta de simples reflexaa os parentes se na le
Todas essas considerarles basto para nos fa- julgo repetidas vezes authorisados a moles- ui
Sneca diz Devemos considerar-noi co n >
raerabros d'urn grandecorpo ; a natureza oM
lia formado todosd.i mesma maca e d'alu nos
ba feito parentes buns dos outros. *
cero se exprime assim ** Nascemo? huns
inmensa palha que o cobria ; atulhando-se
c5 barrancos que havia por toda u parte ; ni-
ielaodo-se os terrenos ; conceitr.ndo os ca-
os dos desaguadouros ; -abrirani-se oeste
terrenoantea agreste oito iuas de serventa ,
u'stIinliarum,aiiuaram,earborisaram -re-
coiistruio-se o porapeitoda balera do arsenal;
.. ftz-se lodo de novo o telhado da Cordoaria.
que eslava a vir trra apeou-se e se fez
de novo, aparededa frente da Serralberia
que eslava especada, e o seu telhado se fez
tambera todo de novo; -fez-se urna Taima-
ra novaem 5. Boaventura ; fez-se u/na pri-
o nova bem segura sobradada, earejada
V
i
cara OS Gabis, que estacara distribuidos em pessoas honestas deve ter hum
ires Iotas doenias e sen. seguranca alguna ; io se P0,le encontrar as que vi,
construio-aeumcorpo decosinhas'geraes tuina guerra pois queemdispu
lambem prova que devemos aos nossos pr-
ximos a afeiro os beneficios a conipatxo
e o soccorro que exigiramos d'elles se ti ves -
sernos a mesma nccessidade. I'arentes sao
aquellas pessoas que independenteraente
dos ii >z de sangunidade reputamos {anda
pelo ligamento di costume da Iamiliaridade
da communicago ; conhessem nossa setuaco,
sao depoiitaroi de parle as nossos segredos .
nos nossos intentos, e interesses, e alem
d'isso sao mais capazes de n coiiicllio de favorecer-nos nos projectos ,
que passamos formar. Huma familia bas-
tante unida por assim dizer composta de
deve ter huma torga que
vem em can-
l.is sao como
novas, para evitar o cosnbar-se por iodo o estrangeiros
mis aos uniros.
Arsenal em barracas de ramos como dantes ;
- uzeraro-sudiiiislcinas novas [urna pira
Os parentes que a sorle os favoresse na-
turalmente devora ser os bnmfeilores d'aquel-
persuacao q
successo opulenta elles se ulgocoin dire-
to de tratar com urna tirana que o efeilo
necessaria he occnltar al o principio do re-
eonhec.nenlo. Nada mais cruel sobre ludo
que o Imperio dcsses novos posssuidores que
a fortuna os cega e que julga ludo justo
relativamente dos pobres ptrentes que vi-
vero nt sua dependencia nao julgues outro
por rnim i'ji hum proverbio em liorna ; e
que pode ser adoptado em todo paiz Os pa-
rentes (leste carcter jamis deem esperar que
Mas cultas sejo mutiladas de lagrimas bem
sinceras : sua morte iie para seus irmos o
fim d um malvado escravo. O recanhecircen-
to dexa de existir quando he annquilado por
huma continua lirania. Sinceramente fal-
lando ser beneficente aquello por que dexa
.i qual quer seos bens por nao poder lev-los
consigo sol) sen tmulo ? O homem beneici-
cente fazg.izar e mesmo goza deliciosamente
,.,., _- Piniurpe nasian-! les iiue a fortuna esqueceo-se ; aquelles que
u servil de Oficina para Pedreiros, e Ole- trahem as vistas dos outros e devem ser os
ros 1 no local de dous pantanos mias.ma- proletores e o apoio dos pobre* j aquelles que
ticos abriu-se urna especie de doca com i se dislinguem por seos conhecimentos e pru-
porta'p-ra o liio leudo 134 | s de largo so- <'eca devem ser os iconselheiros d'aquelles
hrea de coinpriuo e^a 5 ps de agua que acceilo suas opimoes ; elles podem ,
lias grandes nia.es, onde esto inverr.audo razio das anlageos que alcancao sobre os
todas as embarcacoea do Arsenal (entrndoos outros, exercer urna especie d uthor.dsde .
dousCutlers, Galia e Barcaca] e cabein que se ha fetn reconhecer as familias
nimias aiaismiudas ; reedificou-se umAr-lcomo em toda outra sondade os homens ,
ntarern ablido liztn.m-se grandes concerlcs qe pode fazer o maior bem devem mes-
uaCapella; nabal das Armas*, no arma-inio por commum n.leresse gozar d urna le-
roerece hum reconliecimento eterno e que
se pode lisongear de que seu nome ser esti-
mado por seos se.nelhantes.
vaidozo fecha frequentemenle o coraca
as desgracas de seos parentes. O opolento ,
umpre altivo, envergonha-se ter pirenles
por-nos para seos interesses.
E' hum dever qtta a natureza nosimpoeo
entregar-nos as ruares emprezas para soc-
correr e conservar e for possivel lodos o
mentes imitando aquelle Hercules que a
fama encmegadi de recompensar as gran-
des acces o ha collocado a par dos oses *
Con lucio perguntando-se-lhe o que deze-
java r1 Hespondo o fbilosapho que o ob-
jecto de seos desejos era todo o genero huma-
no e seus iuieiesses ero os d'elles.
Scrates seado pergunlado donde era1 Res-
ponder que do maulo, e nao d Athents.
Montaigne estando ciliado a respasti dese-
cratesapplicou eila rellexo Este Philoso-
pbo que tinba a iflMgioeciu alem de cliea,
Xtenca estimara o Universo como seu pat
natal esteodia seos c^ubecimentos sua so*
uiedada seos liados a todo genero human i;
nao fazia cj:no olguiis denos; que nao o-
lliamos se nao p%ra o nossos conlarraneos.
Burlamaque Felice e outros dizem em subs-
tancia Nao be bastante cumprir com os
deveres que nos impe a justica civil ( ou
dimito publico ) a justica naturtl, esta jiii-
li-^i que forma o liomem honrado e virtuozo ,
tem limites muilo mais remotos que a civil ,
2em grande e na Oficina de Arlilheria : no
Amiazeni do Veigame e no das Carnes : e
'todos os Arniaznis Oficinas e Casas fo-
ram retelbados, -reparados deportas eja-
nellas caiadas O pintadas pot dentro e por
gitima sperionJado.
Nao obstante as granJes vantagens proprias
na unio das familias nada mais raro do que
ver prenles muito unidos Os mesraos ir-
mos do-nos guanas vezes indicios d urna
pobres e desafortunados, elle nao se liongeia quer dizer aquella qxa nfci ibrm mais d
se nao era perlencer a parentes illus'res pois
er estpidamente que a gloria recabe sobre
aquelles que o rodea.). Deste modo os paren-
que o bu.n cidad .
Em qual quer clima que o hemen tenba
nascid deve ser o objecta di nossa tema soli-
iram-se tres dos sete pocos que discordia extremamente rergo.iliosa ( i). Por
bavi. no Arsenal e os quatro restantes a- laita de refkxo os homens perder Continua-
hmparam-se aliearam-se-lhe as guardas ou idamente de vista o fim a que se deverio pro-
IiocIm e cubriram-.e com eugiadaineiilc de por ; os interesses pessoaes os senarao do inte-
J.un.liH concluiu-se em Ue/embro de i b Jo resse geral pois nao alcanco d urna mane.r.i
o luvcn.atio ger.l do Arenal da Manaba ; muito delicada as p.s,oas qu.ndo a alma nao
ficaodo lodos os gneros divididos r.as suus se ba acoslumado a Philosopktr. O orgolho
Cincoclasses e arrumados em logares crtos vaidade a colera, egio-seua que a Uinili-
ue Armazens numerado, ludo com tablelas ; aridadts inlrodiu maltas veses a contento so
v lembrete e com cox.as safas e aceadas as liequentes calizas da desunido dos prenlos
o interior dos Arm-ze.ks. qn se chao algumas vezes mais separados
buns dos outros do que os ex ranlios
Na verdade a mu grande iamiliaridade ,
Em virtudeda Portara de 7 de Abril de
i8/{0 annexou-se de novo no arsenal o Trem
do Exerciio. liansportando-se de Pangim que parece, prime.ra vuta apartar mais os
todas asArlilberias proiectis petrecbos, laco das familias, conlribue as ma.s das
ai... amentos, e gneros respetivos oque vezes a se malqu.starem d um modo irrevoga-
ludo se aceomniudou com rnuita ordem nos
log?re con.plenles e se lala de limpar o
que eslava sujo. Desde essa dala j se remon-
taram em reparos novos, ou erfeitamente
concertados todas as Pecas das Fortalezas
dos liis .Usgos e iMormugo e se forncea
aos respectivos Commaiidaotes lila parase
piutai os reparos e verniz para envernizar
as l'icas ; bem como todas as palamentas ,
petrecbos, e ferramentas que por elles tem
sido requisitadosi Desde a mesma data ateo
iim deJunbo, so apruniplaiaiu seis reqimi-
cts'de Corpus oo Exercto e duas requisi-
cii das Forialezas do Tiracol Aogediva,
iem das cima mencionada*. -Naxano Dj-
Co im deWorenha EscrvSo da Intenden-
ta, (liolelim do Governo lN. aa.)
(Idem.J
Deveres dos Parentes ou Meaabros d'uma
mesma familia.
Toda familia he huma suciedade que seos
meobros podem ser comparados aos dilferen-
tes ramos il'i.m Iromo commum e que por
pioprio inteiesse devem contribuir para sus-
lenlar entre elles a uuio necessaiia .ara cou-
rvacao e eiuioade d'aquelles que azem
.arta. Os (.aienles ou consanguneos
liarle. us preM uu ivua.|, sao os
amigos dados pela natureza que nos recordo
urna origem commum que represenlo no
liesso espirito os nossos antepagados cuja
lecorda^ao nos deve inspirar a amisade e rts-
(fue fuzcm lembrar que he o mesma
;ue que circula em nonas veas; finat-
n.eiite no* faaem lentif que nosao bem estar
Ut^ que cuaservemos Uuldrt com sqoeUw W*aWUli
vel ; poem os prenles no estado de se molfs-
tarem pelo seos mutuos defeitos que por fim
acabao com o appreseutar em publico discor-
dias inortaes.
l/abi na.-cena esses odios implacaveis que
subsliluem a armona uecessaria as familias,
e que lodavia v-se algumas vezes accender o
lacho entre irmos e consanguneos o mais
prximos.
A familiaridado diz-se produz despre-
zo ; ao que se pode accrescentar que o despre-
za preduz odio. O desprezo cauzado pela ia-
miliaridade nao vem do que se approxima
dos homens pouco razoaveis ella pe seus
mudaveis vicios em eslado de fermentar a de
produzir um perigoso veneno.
Isto sabido os prenles devio nao s
augmeular os respeitos buns para os outros
mas anda nounirem-se d urna paciencia j e
de indulgencia mais solida afim de preve-
nir as desavencas que a niui grande famlia-
rniade pode occasionar. A Iamiliaridade he
indi=pensavel para as pessoas quesecom-
n.onico com o maior dos respeitos que se de-
vem; ella mesma os ensina a fugircom gran-
de cuidado das accasies de se olleuder. Pa-
rece p>ira bem de todos, q' a frequenle amiza-
de t a familiaride deve-lhes dar o direito de
attender aquelles de quem se julgio a.nigus
les mais dignos d compaxo sao. exactamente j citude sem distinguir Exropeo Americano ,
aquelles que a soberba recus mostrar Nao Asitico ou Africano : o direito das Gon'es
ser violar a le a mais sagrada que a mtiue- rene o Gregj ao Brbaro, o ChnsUo ao Ma-
ta prescreveo aos membros d'nma mesma fa- | hometano.&c Se esta pequea porco de ma-
milia o deixir de prestar soccorros e apoio a terU que chamaaaoi nosso corp se be d -
aquelles que tem urgentsima necessidade ? hur so paiz nosso espirito dve ser compi-
Flnulmente O srdido interesse be a causa, triota em tolas asparte: tolos os homens
mais constante das (requentes discordias, que de bem sao parentes s os malvados ( cama
separo os consanguneos. dizia Alexandre ) sao extranbos.
Os homens vidos nao conhecem nada mais E' muito justo ter um affecta preferente
no mundo de compara ral ao ouro. Vede-ospara o marida mu'.her ; pai e mi ; poriia
sacrificar, a tojo momento a unio das fa- ha ontra especie de aifetos que devemos a
millas e respeito que devem a seu proprio todos os homens, como sendo todos me.ubro
san'ue. Sob pretexto da justica de seus di-' d'esta grande familia do genero humano. .
reitos os acharis inUexivies a ponto de jamis Esle sentmenlo gravado era nasso coracoc
accreditar em huraanidade. Ve-se algumas um seguro garantd das de mais irtudes so-
vezes hum prenle rico prevale.rer-se da le cies e as supe tambera impressas nelle ; o
para des>ojar sem remorsos seos consangui-I homem que ama a outro aiirlj que llieseja
uios que os deixio na indigencia e miseria. : exlrauho, nicamente por que homem; cor
Ouaes qutr nue sejao as causas ou pretex-i muita mais razo devemos amar aquelles qua
tos que desunas as familias sao sempre mais ; esto unidos pelos vnculos mais sagrados e
nu menos ignonimiozas e infmenles, Huma \ que a qualidade de-hornera nue a de amiga
familia muito unida raastra ser com posta de prenle e prximo,
pessoas doceis honestas e genarozas esque-
cidas ao inesmo temi>o do vil iateresse : huma
familia pelo contrario desunida annunca
almas iiileresseiras insociars injustas e sem
compsixio.
Huma familia composta de pessnas deste
carcter nao adquire de nenliuma sorie a pu-
blica esli iarjo.
tas
moslro almas vis e dig
( Traduzido lirremente. )
LOTERlA DO THEATRO.
Os Bilheles d i.-parle da 5. Lotera,'
cujas rodas audo mpreterivelmeiitw na did
i i de Dezembro prximo futuro ach:Io-se a
venda as lojas dos 5urs. Manoel Goncalvec
Os encarnicados demandis- j da Silva e Vieira Cambista na ra ds cadeia
sempre em questes buns com os outros ( no Bairro du lleciie e no de S Antonia as
itro almas vis e dignas da desprezo. Fi- : dos Snrs. Bastos na pracinba do Livrameuto r
nalmenle huma familia que seus membros es- o Mauoel Alvez Guerra na ra nova.
to'continuadamente em guerra, nao pade
gozar da utilidade da consanguitiida la ; ella
acha-*e privada dos mutuos soccorros que
deverio-sa prestar pessoas ligadas pelas vn-
culos do mesmo sangue.
llefletin\lo-se sobra a natureza humana ,
SOCIKDADE APOLNEA.
O Secretaria da socieitde Apalinei convi-
da aos Snrs. .Vlembros da Commissia Ad-
ministrativa da mesma a se reunirera pelas
5 horas da tarde no da Sabbado 5 do corren-
___'__________________"__Z_______~__ I tambera as delles nada o contenta senao tom
"(l7"piutarco refere que dois irmos apar- paaor, ou por que ju^a sua liberdado coar-
lanos eslando em questo j
irados nomeados juizes cont
por i-'' deixaud >j les
achar-se- independenlemanle das causas le ; ua ra da Aurora 4* a sbralo na i.
que lemos referido a origem das dissences andar para se tratar de objeclas interessan-
e inimizades que ve-se Irequenleraente rei- lissiraos a mesma sociedads.
nar entre prenles pois fazem que muitai
vezes se recusem prestar aquelles soccorros,
que concedem algumas rezes spoutaneamenle
aos mesmos exlranhos,
hornera condece ser lvra era suas acces;
seus prenles nao sao mais do que pessoas da
sua escolha ; os servigos que es.es Ibes pres-
lo sao dividas as suas proprias vistas
como
Avisos Diversos.
\^r Apareceudo um annuncio acerca da
um retratista a J de novembro que ina
comprometi por me entregar as mesmas fun-
ccoes ; o annuncianle far-me expecial favoc
declarar se se calende cora o abaixo assiguado.
Joaquina. Jos de Carvalia.
tST A pessoa que quiser comprar urna
judicial osmagis- lad, ou porque pense que seus beneficios negra moca da bonita igura cozechau, en-
'ondemnaro o naylnioaer recouhecios. Mas a jusiica o Igomalizo cosmlia o diario de uraa casa; ou-
iiifin-ii I benitnidado do coroca i h-.unauo devem des-I Ira boa cosinbeira ac de lomo, faz toda?
i.pj......[fnr ns ii'tin'l i iirri"iiiuaiirt nn tuiuu i < ww-. I ------------------- -------
.erdadeiNSMoaiMutos Piuts uot. aoi h- truir obaolacUmonte cssas supputacoes; e ajas qual.dudesdo daco relina assucar,ee,,o-
, Uiandea dilua noi ordena lazer benehci* l,wa ; ua una dt liarlas j U. Ji,


DIAftIODK PERNA MBVCO
*rXT**x*rtT>.,a
'>'-i:immmm9'
x-
OSnr. Machado, OM navea par,, i MI. Cidade d Goianna para as iztfbcar,
15as veres fi.er dirija-seao e para o ajuste das ditas airijo-ie ao Rrctt*
Miar rom Guilherme dos ao Recife ao su propritttru no mhrltfo U.
si (Hito a torre da Igreja do Liaratnento ,
I v Pora fora da provincia IKB ^craroj grande saa., 4 qnarlos cozinha bra, qui,
"
forte do m m< s a
Santos Sazes.
sr U Snr. Pedro Antonio Teiseira Goj- por runa da botica do lirane,
maSTs dirijan a lo, de iivros na praca d. I T Sal de Setub.1 gro.-so e alvo a prrc.
Independencia n. ^7 e 3-i.
SST Prscisa-se de urna ama para o servico
interno de urna casa de pouca Tamil" pre-
fere-se escrava ; na cambia do Carino D. no
secundo andar.
tsr A casa D. na ra de S. Rita Nova
com porto para o mar do lado esquerdo ,
pcrtencente ao Snr. Joaqnim Ferreira da Pe-
nha acha-se hypothecada.
tsy A luga-se una ca^a terrea na roa do
calabouce ; a tratar no atteiro da Boa vista na
primeira loja de fazendas.
ES" A commisso administrativa da socie-
dade pastoril visa aos socios da mema, que
boje 1 do coi rente as orase meia da larde M
seiSiO.
tgr Offereca-se um rapas portugus le
idade de 17 annos para caixeiro de venda, do
c,ue tera bacante pratica ; quera precis.r d
rija-se a ra direita venda I). *c>.
commodo cuja a mostra se acSa no arm.azem, ra torro doBra;ueZ junto a ConceicSo ; a rratar com tros de |Hni
Leopoldo Jos da Con. Araujo. Ia?!!.1*
tsy Urna escrava creoula de meta idade
propria para campo cozinha faz renda ,
engomma e lava ; no atterro da Boa vista
lpja 16. ,.
B0* A praso ou trora-se por lijlos de al-
fenaria um bom cavallo de eslnbaria, bas-
tante gordo e eom bons andares; na ra no-
va armazem I). 34-
tsy Um moeque de idade do i3 annos,
ptimo pera qualquer oilicio nma escrava
obtUna eosinbeifS lava bem de sahao e var-
rela outra dita da idade de 18 annos, en-
totuma bem liso e do-se a contento ; na
ra direita D. ao lado do Livramento.
2^~ Mesaos de meias abertas pura senho-
ra
rreonlo deidad de 2S annos sapate.ro e ta com cacimba ,, com porto para a ruad
SU, (Wri**o. prego; a liatar na, Ab,;r,a e u-n quarto que se pode alugar
no e velha tPm o Sr. Cati.-' dependente da Cft om proporcao p,ra M
tO- Tatnvlo (fe tx*b assoalbo dm tuer urna coxe.ra j a tratar na ra velha De-
de 11a pole^daa n rfeffrossan proprio pa-: cuna *7 .
7TSmm|JS barrica .8- ^ Urna ne,ra creoula d .dade de
*T Precisa-sealugar uma casa terrea no "
baitrodeS- Antonio ou Recife que Umha
rommodos |>ara grande i'.,milia ; qUCm tiver
uiriia-se a ra da Guia U. aij.
d*
na i,
Ki-W Dous paos para tipoi sendo um no-
"ptimos escravos IW out. o em bom Uto par preco commo-
pela quanri. de too,ooo dando-se para pa- I
yamento do premio desta quantta (> seri.o
da don
van
tiuiser daraiiiiuneip.
t^y Um negro creoulo de bonita ngafa ,
a ne;ra de
,us d.tosque ranluo 6V, por dia quena ptimo para todo o serv.co e urna nejra de.
a ser 4 or cen.o de premio ao ae<; quem icio angola paia lodo o serv.co j na ra ;
lo Vi'aiio I). r
bo da Sue/ia de tnnito superior
!o por preco com modo; no forte
do mattos arnrnem do Vianna.
fc<^- Ricos da linbo, tilas de ^etirn selins
in;;lezes Ipato* de bc/erro francpi para l.o-
mem de utIW e daas solas e ditaa ro de lustro botius f'rauceze, e outras mili-
tas co.itas por preco commodo ; na praca da
ndeiiendencia n. 5ie. '
XST Champagnhe burfeaax tinto mc-
doc St. Julien cha^au lalBtte lalour ,
parse roarjjeaux bardeaux branco sau-
t'ina barsae, baat brei^nae muilo vallio ,
burgOffna tinto e branco chambertim vi*
nb<> do rbeno bcckbeimer, lielfraneumilch,
Porto cheres maUga licores de todas a
qual idade cognac, abainthe, kirsah, ai.i-
!xade 11
con-
mus-
nica
de Grot ditos de mai.ilha cbocolate muito
fino copos do cristal de muito bom gasto ,
aparelbos de prorelana para cb ludo por
preco muito em emita ; na ra da cadeia cisa
de A. Hnsch f). 17 no primeiro andar.
er Tliermomelros, e Sacliarometros a-
'queiles para recular o colmenlo do assucar ,
e estes para pesar ocaldoeru da na e es-
ma nerjra creoula da idade de 16
annos cose cha n tem principio de engom-
ma r ; no beco.do peixe frito .\,
tscravi>s F1 i>*(!a
Avisos MaritHios.
PARA O MARANHAO* K PARA', sair
a:.; o da 10 do c;>rrenteo >ii;ue Utoana Car -
lina (^apitao e l'rauco Francisco liernandoj
Je Maltos : quem no u.tsmo quiser 12T 10 milbeiros de tijolos de alvenaria pintos ludo conforme indica a este resneito
grossa, trabalbadosdeagdadocee de muito a obra de agricullurado Kxm. Sr. Consclliei-
bombaaro: na olara que foi do portu?uei|roCalmon ; e polassa americana em barns
Jos Uuarle Guimariea no alterno dos alio- pequeos ; no wriptoro do Coronel Mene-
r.uJos zcs n W*r com lijnwio Antonio iior.jcs
ou ir de pasvagea
i~y l m terreno alagado no ^eguimento da
ra da Aurora com io palme de lente,
lien- e ,;>0 d* fundo pagando o detninuto preco
tT For ira o coiMnoda duas mezas pe-
quenas novas e Sdur.ias de formas de fa-
set veilas ; no paleo da S. Cruz loja do Sr.
para o que tem excellen- ~
U.-W M lt,ulrijues uft .>o is. o naliijo todo ou em-parles; quem Lureio
&. Imita, qu..i da rw a Vttumir ^ Tl|ot,ffc>i p,u,nti c. Jli Ce. ,, ., m fora de porui dtMii-
. fe, o i. SL. i^a. *r *-ei 'e""|,ara cr"e,ras!"' S-mT.^MS; Z, "&
r' MT Chapeos de seda de cabo de osso re- >ma escrava moca com boas babelidades
troz de primeira sorie aiul ferrete e preto d*M pw pre.;o commodo aztm todo o sei-
boloens de retroz do ultimo goslo pra casa v'co de urna casa, urna molequiuha de da-
CT ue fazem G. A'. Brandez a Rrandis <:a ^0508 pretos de gorgtiri. muilo grandes da de 9 aonos e um bonito moleque de ida-
r intervenco do Correlor Olivei.a de um P*" avatas ditos de setim demacau, di- | ^ 'le 12 annos J n.rua de agoas verdes Ue-
LeiJ o
por
6
I
grande sortimento de ferragens e miudezas los de seda p
que se vendero para liquidaco de certas con- abado u lo
los de seda pela e rouxo panno de linlio ,' cima J8.
ho
para lencoes e
toalhas, meias ; tZT Na praqa da Independencia loja n. ao
por
SS^ Que fa/em Lehmann & Corot.anhia des a. ra omciavs do estado ma.or, betins de Lisboa,
r intervenco do Corrctor Oliveira, Quar-I aar* Urna escrava de boa figura de Ua-bulee sapatos para homem ditos de dora-
ta feira do crrente as 10 horas da m u armazem la ru.i da Cruz D. 9 das se- engenhu por ser muilo vadia, na ra de Mor- | neos aderfecOS de filagri preto ditos de can-
se ven- hS f 55. ; lis lapidadas brincos 6 rosetis do msmo
lio sei
guiles fazendas e miudezas, que 3<= icu- ---------.....- ,
eos baixos, a tim de conclu-, -j* Vende-se,, permuta-se OQ arten- i Pre#BfoS par* guarda nacimnd a i'^a cada
la-se um sitio pequeo muito perto por ser ; u,n "indos d>J Rio de Janeiro botoei
chapeos de sol de seda para homem, e logoaosair da Soledade para o ianguinho, letra-A-para gtiardes da alfenSteg
dero por pre.
rem-se contas no Gai do correnle auno a sa- d
botoens com a
a a loo
Com nao poneos arvoredos de f'ructo chaos Ci,<^a um penles de marfim linos feitos em
pcoprios coui grande ; e decente casa de so- Lislioi par.t tirar piolhos ditos de alisar de
lir;id.i toja eiividracada cnnteinio nuainr/e tarWrol escovi.i para denles, ditas nara
ber
senbora sarjas pretas grvalas pretas de
btlim gorguro e talet merm e lapins
pretos, sus|iensoiiisde bunacha meias de tirado toda enviJracada couteudo quatoiv.e tTtaiuga, escovas para nenies, unas para
Seda brancas e pvetse 1 dilas de fio da escocia, quaiios, um algrele na trente com dois j hmpar piala, snacass perola dito de oo,
bonels de veluuo para meninos ca tetras de poiies de ferro, e no fundo outro porto peutw de coco, ditos travesa de tartaruga,
ii m sorttAKnta dbitos, a rendas de linho
e de litis de garca de todas as larguras e de
lindas cores hlas para s:nieiros de mecinos
algibeira araoie, tordao de aigodo bo-j grande co heira, casa para pretos e cosi-
toes de osso Unas para homem e sen hora | nlia poco da^oa capaz de beber, e tanque
\eludo preto cassas bordadas de cores los : p.ua hanho : na ra do muro da IVnha so- ',"/l
de linho bordados penles de alisar papel I breda D. i das as horas da manhaa iwu de primeira sorte dito perol a, pi-
de lieba garralas compoteras copos eje d* 3 da turde r.m diante. I '"'as ^* familia em frascos de 5o com o CO!-
calis de cristal globos de dito livros en r Unw barretina de pello, urna farda i i'ele,lle tolhete e ptimas bichas Chegldas
branco, e muitas oulras lazundas cbegsdas | e U!a sobrecasaca de panno mimo fino para ltimamente, ludo por preco commoilo.
nllimamenle que lamhem ae vendero para 0ucm por pceo commodo j im ra de S. t3y" Uous hbitos de Christo do ultimo
gosio por preco commodo, na ra do Quei-
leixar coni.is.
C o mpfaS
Rita nova U. iti.
%&~ b'ugoens e fogareros de ferro pane- ooado D 11.
zer chai utos; annuucie.
V e i (i a *
las e chalenas de dilo ferrageni e quin-
quilherias de diversas quididades, chales
Fumo de folhas que seja bom para la- riooi de louquim da india leques de dito ,
man, olio de lia haca eu botijits e vinho da
Figueira em barra de quarlo ; na ra do Vi-
gano D. 1 a*
ajar Penles para coco ciiegados nllimamen-
le do Rio de Janeiro : na ra das Cruzes D-
cima 4-
isr Um sobrado de um andar e solio em
xos proprio com quintal e cacimba ; na
ra do logo IJ. 1 is
t&r Ijaiaudes san estarem queimados a
1600, e recreaco filosfica do Padre Theo-
doaode Almeida ; na ra da senzala velha
n. uti.
tsr Uma preta e urna molata mocas, com
babelidades dous pretos mocos bons para
lodo o traba!ho a moieques de idade de 12
annos, bons paia servir a uma casa ; na ra
de 6goas verdes casa terrea D i;.
139- CATELLAS da Sociedade Fortuna
Tvpogralica, da Lotera da l'UKATRO g-
nliando a vigsima parle dos premios, caando
na sorle de o 000,000 reis tresenlos mil ris a
preco de 400 ; nesla TypOgratia na pttoa
da tftdeaeudWflctl o na ra
do
Rozano loja de miudezas D. 7 na ra do
Coilegio loja de relojoeiro, e no largo do Li-
vrtmento loja do Snr. Gabriel que fica no
principio do beco do Padre.
tsr Seis moradas de casas de pedra e cal
na Cidade de Goiauna urna de sobiado e 5
ieireas, as mtlnoies 1 ua* ; os pretendentes
lirijao-se a Vanoel de Almeida Ferreira n
OST Urna negra de bonita figura de ida-
de 20 annos coznha bem o diario de uma
casa engomma liso e eulende de costura: na
ra da cadeia do Recife botica l). 5.
BbT* Um molatK.ho de idade de i i annos :
na ra da (.uuceicao da Boa vista n. ti.
fSS" Um negro de iddde de 2o anuos, de
bonita figura, ptimo para todo o Bnrvico ;
na ra direita D. di.
isy- Conservas do l'orto muito boas a 4800
a duzia de frascos ; no caes da alfandega ar-
mazem de Antonio Aunes.
SST Urna venda na ra do Padre Floria-
no L). 17 com poneos fundos e com com-
modos para lamina a tratar na mesma.
AP>> Um escravo de naci angola, de ida-
de de 25 anuos bom cozinheiro e urna ne-
grinha de idade de 1 a anuos com principio de
costura ; na ra alraz dos Martirios urj.
S27" Uma casa terrea sita na ra veUia da
Roa vista grande, nova euvidrassada, com
tsar Roga-se as authoridades policiaes
pessoas particulares e capites de campo a
aprehenco de um moleque que fugio na imi-
te do dia 11 do p. p. de nome Jacinto, cre-
oulo de idade de 16 aunes baixo grosso
do corno nariz grande e chato leio da cara,
ps grandes e apalhetados com falla do c-
belo na coroa da cabeca tem varias sicatrizes
na mesma levou vestido camisa e seroula da
al;o lo da trra a seroula he camoriJa a
imitacode calcas descoufia-se qu" ten ha se-
guido a estrada d S. Antio por ser filliode
Paja de Flores ; quem o pegar leve as 5
ponas padaria 20 que receber 5o,000de
gratificado
t?- Da Cidade do Recife de Pernambuca
no mezde Marco de iS-id fugiru i escravoj
um de nome Francisco bom oficial de s-
pateiro alto pouca barba, tem o oes gros-
aos, em um delieso dedo mnimo pegido ao
outro por defleito representava a5 a io anuos de idade nimio
amigo de sigarro e deagoa ardeute o outro
de nome Antonio baixo, refrito, sem bar-
ba, olhos brancos falla clara pore.u per-
cel>e-se ser de angola tem os dedos dos ps
abortos para dentro representava 3o anuos
de idade ; uto molequ* de nome Francisco de
angola muilo vivo e gagueija representa
1S annos de idade. iNo anuo de itfftti fugio
um negro de nome Francisco, de angola,
representava 3o a io annos de id ana estatura denles limados pes carnudis,
ifrnas a proporco, muito ladino, tem t:m
ara dos bracos uma facada que a traves^ou
o outro lado, outra na barriga uma das
or el lias furada tem um signal na testa de
cabellos brancos muito bom lerreiro e
aonde elle se aeha que he na Villa de Propria
estii trabalhando de lerreiro e latueiro, e mu-
doct o nome para Pernambuco. A 17 de A-
gos'.o de loJrf ugio un negro de nome Gre-
[Jiiio creoulo espadaudu de boa estatu-
ra representa do a i5 anuos de idade na-
riz g rande a orell.a direita furada e tinha
uma argolinha ernn buco de birb ; em
lt5() tirou um pass*porte falco diseudo que
bia para o serto do Ass u.iiiulando-se
forro e com eile foce por tarra e he muuo
lativiel ler Picado em qualqusr fazenda ou ser-
ta tem oilicio de caiieiro e camiceiro ; ro -
ga-si! a todas as authoridadis policiaes e pes-
soas particulares que sabendu dos ditos es-
cravo* os facao aprehender manda-Ios as
engeniso das matas, que se pagar tola a
despe-a.
^r Roga-se a qualquer auhoridade po-
licial c.impanha e pejMMS particulares de
apreneoderem um moleque de nacj'ben-
guela 3 de nome Jos de idade de 10 tnnos,
bt-iii pelo e parecido, espigado do corpo ,
cuiu o beico debaixo co;ii:;nao auzentou-se
a j pra 6 mezes com caalisa e aeroula de
estopj u camisa lentes mangas cartas; ijuein
o pegar leve a ra de 6. Rita tww casa com
rotulas verdes detrontedo sobrado do fallecido
Rossado
w^r Fugio a 21 de Agosto do pretrito cor-
rete auno um escravo b'etippe cabra, de
idade de J anuos jiouco mais ou menos al-
to sueco do corpo espadando, rosto cora-
prido barbado suissas puchadas para bai-
xo nariz afilado boca e oliios pequeos ,
rosto tullo, caneludo, comilos os dentes,
he alegre e cariiihoso, quem o pegar au-
ouncie.
lj- Fugio no dia primeiro de Outubrodo
p. p. da casa de Jos Alexandre Ferreir, 11 m
escravo de nome Mariimio creoulo cano-
eiro mo cor bastante (ireta pouca bar-
ba relorcado do corpo, quaudo andi leu
geilo no pi por cauza de ler inlltado quem o
pegar leve a ra larga do iotario D. 7 que
ser recompensado.
Moviuiciio Uo i>ort<>
MAV1US SAUDS JNODIA a
SAN'I*U> i Sumaca Nac. li un Sucesso t&*
Ijjuacio da Fonceca .Viarques carga sal.
RlU GRAjNDE DU SUL ; tingue iNac Pa-
quete de Pernambuco Cap. .vianoel Jos
de Azeved, carga varios gneros : passa-
geiros nm cadete uma sen hora e 10 es-
cravos a entregar.
kfilVB XA TP. DE m7F. DE F. i84


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYUU6WO8B_WBVQQS INGEST_TIME 2013-03-29T18:29:39Z PACKAGE AA00011611_04177
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES