Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04151


This item is only available as the following downloads:


Full Text
J!*kb de 1840. Terca FeW
1 -' -' *m ~:_r___________;_--- *___,_
c5'?0df1tg^^adepen',e.f,, ""S"'; nos prudencia, modera.
'>, .i eoe^a : continuemos como principiamos, e seremos acontado*
tom ad rmracMO entre as iNaces mais cultas. F onuooa
Proclamaclo da Assemblea Geral do Brasil.
/-I
~9-0--
Subscreve-sa para esta folha a 3?ooo por aiiari-l ,<,. 11 j
ncsti.Typogn.fia, ra das Cuses O. 5 .TnaTrara SI* 1Jd'an,"*,*
Cia 57f 1-58 onde se receben, eorres'pondenc aT letli ias^'e a"n"
naticm, msinndo-se estes gratis ...../- j
? indo asegundes.
sendo dos proprioj assignantes,'
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES,
Cidadeda Parahiba e Villas de sua pretenco ....
Dita do Kio Grande do Norte, e Villas Id'em
Oita da Fortaleza c Villas dem.......t*
dade de Goianna...............",*
Cidade de Olinda ...............W. *.*.'.*
Vla dcS. Anto.................
Dita deGanmhuns e PovoacAo do Bonito ....
Ditas do Cabo, Serinl.acm, io Fonnozo, c Porto*Calvo'
Cidade das Alaeoas e de Macei.......".
Villa de Paja de Flores...............
Tcdos os Correioi parten ao meto dia.
3 DE JVVEMBRO. JVV. 240.
|
jiuiji
CAMBIOS. Novembo a.
J/ondres......31 d.por i$ooo ced.
r!'3h'a ......*a 83 por 0|o premio por metal ofleracidsr
r"?"......3a5 rei* por franco.
DURO Moeda de b^oo reis, velhas .^.lo .5#ooo
" iv."" a .1' noV8S '4#6oo -14#8oo
PKATA -- Patacoes Hrasileiros ----- i|6,0 1*6*0
{*> 'olumnariot......,f6jo i#f>6o
Ditos Mexicanos -.....,|6oo ,*fcao
Muida. --._..... iffo iXifio
Descont de b.ll.etes da Alfandega por loo ao mea.
dem de letras 1 h{ a i ip por boas firmas offerecido.
Moeda de cobra 3 por 100 de disc.

M
t
|Seg. e Sextas ferias;
Todos os dia;
Quimas (iras.
1, e 24 de cada mes
. "i e ai dito dito
dem dem
^e 13* dito dto;|
PHASES DA LA NO MEZ DE NOVP.
Quart. crege. a a as .o h. e 45 m. da tard.
La Lheia a q as 3 h. e 4a m. da man.
Quart.ming. a :6- as 6 b. e ao m. da tard.
La Nova a a3- asu h. e 5? m. da man.
Man ehcia para o dia 3 de Novembro.
As la horss t 3o minutos da mar-h.
As u dorase 54 minutos tia tarde.
das da semana.
de Juit de Direito
1 Segunda Commemoraclo dos Defuntos. Audiencia
ca 2. vara.
3 Terca j. Malaquias B. Relace e audiencia do Juis de ireitoda
i. vara.
i Quarta S. Carlos Birromeo B. Card. Aun. do J. de D. da 3. yara.
J Quinta >. Zacaras e S. Izabel. Audiencia do Jais de Direito da i
vara.
6 lell" f' oev5.ro B* M> Auf,ienc'" do Juis de Direito da i. vara.
7 Sabbado S. Florencio li. Relaco e Audiencia do Juis de Direito
da .1. vara.
8 Domingo S. Severiano e sens Comp. Mm.
KIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERaL LEGISLATIVA,
CMARA DOS SUS. SENADORES.
Sessao de ia de Selemhro de i84o.
Presidencia do Snr. Mrquez de Paranapn.
Reunido numero sufHcienle de Snrs. se-
nadores nbre-sea Bsalo ; elida a acta da
antecedente, lie approvada.
Expediente.
OSnr. primeiro secretario l hum officio
do ministro do imperio, remetindoos aulo-
jfnphoa sanecionados das resol cao da as-
Jscm fieral que autorisa ao governo para con-
ilffc-der carta de naluralisacao a Joo Mamede
Zeferino e a Joao Estevo Seraine ; fica o se-
i <' do inteirado, e manda-se participar a C-
mara dos Snrs. deputados.
O Snr. Paraizo aprsenla a redacao da le
do orcamenlo ; fica sobre a mesa.
Ordem do dia.
Sa-o approvados era terceira discnsso a
hm de serem remeltidas a commissa-u de reda-
cao, as emendas dacamarra dos Snrs. de-
putados a proposicao do senado relativa ao
casamento e doptaco de S A. I,
Entra emteiceira discusso a proposta do
governo rom as emendas da outra cmara so-
bre o dficit e meios de o supprtr.
O Sur. Augusto Monteiro faz alf'-
mas observafes sobre a emissao do papel
ccSo .mper.al, a> resoluces das Leisdo
U. smenlo, e do casamento e dotacao da
puncesa Imperial assim como da resolucao
sobre o crdito supplementar.
O Snr. presidente declara es-otada a or-
dem do d,a e marra para a rfa sessio ,-
RU.nte a terceira diacussio da resolacio que
eoncc.eluim predio para a casa de Cari-
dadeda C.dade d. Serr e aontinuacao
da segunda discnsso (|0 projeclo O__de
189 emendando os cdigos
Levanta-se a sesso is 11 horas e tres
qu arlos.
Officio--AoComroandante da Companhiaj mesmo dia verificou sua praca nodeposito e
de operarios engajados, commut.icandj-lbe no 1. deste mez pasj-igem para oesquadrio
P E 11 N A M l V C O,
GOVERNO DA PROVIfC \
Miuislerio da Justica,
moeda.
Julgando-se discutida a materia he appro-
vada a fim de ser remetde eommisso de
redaeco.
Enlra em terceira discussaa a resolucao
que concede ao governo hum crdito da
Illm. e Exm. Snr. Sendo conforme
aos principios de Servico publico c convin-
do alem disto a regularidade e proraptido
quedeve haver na marcha, e expediente dos
negocios, que todos os objeclos de iuteresse
particular antes de serem submettidos ao
conbecimenlo e decisao do Governo Impe-
rial, venbo instruidos eom informco dos
Presidentes das respectivas Provincias : as-
simo communico a V. Ex. para sua inteli-
gencia devendo dar a esle Aviso tida a pu-
blicidade na provincia a qae preside a fin
deque as pessoas comprehendidus na sua r
desposico posso satisfazer ao que nelle ; dt-nte otlicio.
se determina
Dos Guarde a V. Ex Palacio do Rio de
Jaueiroera i4 de Setembro de i{o An-
tonio Paulino Limpode Abreo, Sur. Pre-
sidente da Provincia de Pernambuco.
aexpedicefio daoidem tupra
dem do dia p.
Olfirio A Cmara Municipal do Ronito,
signicando-ihe em resposta ao seo officio de
i5 de Setembro ultimo, que em lempo op-
pnrtunn ser provida a Cadeira de Latim de
sua Comarca,
dem do dia 10.
Officio Ao Tenente Coronel Comman-
dante do Batalho da Guarda Nacional do
Municipio de Iguarassu', responJendo aoseu
officio de qc) de Junlio prximo p.issado em
que pede autborisaro para organisar mais
nina, ou duas companhias com os habitan-
tes das povoaces da Cara boa Ramalbo ,
Tapecima Pasmado, e seus suburbios,
que em virtude da lei provincial numero 6
licaro pertencemlo ao referido Municipio ;
que proceda a qualificaco dos Cidados mo-
radores nos ditos lugares, que estiverern no
caso de ser Guarda K^ciorj^l e forme de-
pois urna ou duas Companhias e faca a pro-
posla dos respectivos olfixiae; ; fic:inJo na in-
telligeucia de que nesta data se officiou a
Cmara Mnnicipal daquella Villa para
nao s marcar as paradas das Companhias
que se criarem como para alterar as das
que existem da maneira que for mais cetn-
moda aosG. N.
Dito A Cmara Municipal de Iguaras-
su commiwiicando-lhe o conteudo iiopre-;
COVI MANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia 4 do p, p.
OfficioAo Exm. Vice-Presidente da
, Provincia, apresenlRiido Ibe favoravelmente
quanlia de mil conos para oVoMmento das* C',mPr*-"; '0 do Governo de Per- informado o lequorimento da viuva Mara
redamaces dos subditos portupuezes e Bra-'Si" -C ^ Oalubro de tjo Maciel das Virgen que empetrava demico para
subiros liniiidalc ..., 1......____ Montfiro, seu filho Jos dos Anios. soldado do denn-
Expediente do dia 8 do mez panado.
Officio Ao Inspector da Tbesouraria das
e por isso acreditava ser este o mesmo indivi-
duo mencionado no requerimento qne de-
volva pois que os corpos nao coiitavo com
praca alguma de nome Joao AI ves da
Cruz.
Dito Ao Exm. Commandante das Ar-
mas da Corte disendo-lhe em resposta ao
seu officio de 15 de Setembro prximo passa-
do, que os reerntas Bernardo Rodrigues, e
Manoel Alberto Luduvico seguiro elTec-
livamente para a Capital do Imperio na Cr-
veU Regeueraco no dia aS'de Julho, pois
que nenhuro accidente houve que raotivasse
virem para trra depois deestarem abordo.
Conclua pedindo-lhe que houvesse de infor-
mar-lhese tinha re.ebido o seu officio de
-a de Jnlho acompanhado d'outro para o
Exm. Presidente do Rio Grente do Sul, den-
tro do qual se i he remeta urna determinada
quantid em notas.
JjJij.-s-Ao.iaspeclor da Thosouraria, para
que entregasse a desposica'o de Major Com-
mandante do Esquadro numero 4 de Caval-
lara Ligeira a quanlia de tiioUooo reis
para compra de selle cavallosa 90U000 cada
um, segundo determinava as portaras de 3o
de Desembro de i8it, e 18 de Marco de 1817
os quaes ficaro sendo pracag dos officiaes ac-
tualmente existentes no mesmo Esquadra'o.
Dilo Ao Commandante do Deposito,
pedindo-lhe esclarecimenlos acerca das con-
signacoes que algumas pracas das AUgoas ,
que embarcaro para Maranho em Jnlho do
auno prximo passado deixaro emsoccor-
ro de suas familias naquella Provincia, ese
estas consignarles foro mencionadas emsuas
guias,
Dilo Ao Major Commandante interino
do Esquadro communicando-lhe que p-
sito alegando ser o nico varo que evida-
va de sua subsistencia e de suas duas fihas
solleiras.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enviando-
Brazl compra fielmeVp"aa'7;"n"Tr",ui,w "V?" ,e.da pelo Prefeito da Comarca lbe na mesma conlbrmidade o requerimento
d.sposico dos de Pao do Albo para servir de artel aoj de ftlaooel Tayares tle Lira que pedia bai-
da mesma Comarca. I xa para seu lillio Joao Baptsta Tavares ,
_ ..Qu_ ,,u^ ,...,.^.., uvu..uu .^.,4 Uv ""r"1""" *-"'"iuuiiicaiiuo-iue que po-
sen filho Jos dos Anjos, soldado do depo- dia receber da Tbesouraria a quanlia de
SHn ;ilee .tul \ cpr n miinn varn nnp si'iila. H.c! I ivi n.ir.i a onmnrs ,1^.. ... ,_.!!__
sileiros, liquidadas e que se'houverem de,
liquidar, na ronformidade dos tratados ex-
islentes entre as respectivas naces.
tiatados. Ped a palavra somei.le para rater de^ticamento Policial d
lium reparo sobre o que disse hum dudo- i "iy, \ D "" .- | j-a. .uu -uau uuKl,3,a j.a.a.cs, v.vMU iwamau nruinana manaanao
n:atla portuguez, o Snr. Wapalbes parece-An e da (j0raarcJ do Pao do; soldado do deposito por ser esse seu filho cobrar da Tbesouraria os vencimentos que
nequeesle dinlnmaia *,'flrLa.. *____j~1 coramun'ca',do-lhe a expedieco da juico, e elle impossibelitado de promover I se estava*o a dever a Francisco Xavier da
os meios de sua sustenlaco por contar 65' Conceicao e Franciieo Xavier, durante o
KrtnilA '...,.!. < I ; i i 4 -'i.i I i M I -* i i >-i < -. (!' 4 llIlU rir\ mii,i nnrrir .-. --. ..ti- .1^ 1 > .. a 1 1. _
bJoU reis para a compra dos selle cavallos ,
que ficavo sendo pracas dos offi.'iaes actual-
mente existentes de coniormidade com as
portaras de 3o de Desembro de 1816, e i8de
Margo de 1817.
Portara Ao Comnundaute interino do
terceiro Batalho de Artilheria mandando .
me que este diploma la se engauou quando crdem SUl)ra
'M-r^r^ disse i" os brasileiros \ Dilo J A'Cafnara Mnncipa| do ,Jonto
cusBio (nhro ... ^------".....-" uno/-.mamara ivinnicipal do IJontto ,
I".hoS> llZr 1 6T8 5 .P Sfir. ',Ue envnd-,h 0^ rtoa Legislativos de nume^
lsaibode ni?" Lasiltiros.,e''^ Igum ro 65 a 75 e o indece respectivo, bem
Zeto '",MSM PO'tugueza.'corooo regulamento numero 36, eocom-
Ga. i^l,qr KTe a'0nleCe, qUand I)elPnten,e "dce, e significando'lhe, que
rorTm 1 ? Tkra drXa, de SL'r ; 'ixi0 de ,iie ser remel.idos os nmeros ,44
SloBr;rilTlTS l0d0SllcS^0?Ue 46 das decaes do Governo como pede eni
lenlo a. "G'.'o existaoutroobs- seu officio de ,5 de Setembro prximo pas-
ados.) Senao 00teano 1ue os separa. (Apoi- Mdoi poros na'o haver presentemx-11 le na se-
Ti'l A jeretaria.
movad Se.a mater'a d'SCUtda hea^ Dito Ao Juiz Substituto dos Juizes do
aoim erial USaPara ser enFada a sa"- Crime e Civel desta Comarca nomeando-
0 para presidir ao rodas daprimeira parle da
17, Lotera do Seminario.
Dilo Ao Thesoureiro da Lotera do Se-
- miliario, communicando-lhe a nomeaco su-
uizes, e a capella de Santo Amonio dos P- pra.
res; eemprimeira e segunda discusso pa- j Portara Ao Administrador Fiscal das
se vi A t,erCe,ra a res0,ur5 Pela I"31 Obras Publicas para mandar pagar ao Com
tasa "J rpa.? es,aueltc"nc"to de huma mandante da Cumpanhia de Operarios a via-
_ de Laridade a que servio de resi- ta da conla que se lbe remelle, a quanlia de
A*A* l08 Ult.enden,es do OUfo^ a Ci- 4ioUi2oreis, em que importaran as obras
oaaed}serr ,1a Provincia de Minas Ge-de ferro que pela olicina da mesma Com-
cao imperial.
Sao approvarias em terceira*"dscusso pa-
ra serem enviadas a sancro imperial, a re-
solucao concedendendo loteras a varias ma-
annos de idade tundo a seo cargo duas fi-
Ibus solleiras.
Dito Ao Major Commandante interino
do Esquadro numero 4 de litihta envian-
do lbe para seo conbecimenlo copias das
loriaras de 3o de Dezembro de iBit, e 18
de Marco de 1817, que regulava o forne-
cimcuo dos Cavados dos olficiaes dos Cor-
pos Montados e procurando saber se aos
officiaes actualmente existentes convinba to-
maictn como suas pracas, uiguns 'dos Cava-
loa j comprados para o Esquadro.
Portara Ao Tenente Coronel Comman-
daiito do depozito, mandando d'ordem da
Presidencia, rommuuicada em olficio desta
dala dar demisso ao remita Alexandre
Jos Antonio, por nao e-lar as rrcunslan-
ds de servir na Tropa de linha.
dem do dia 26.
Officio Ao Exm. Vice-Presidenle sig-
iikaudo-lbe em cumplimento ao seu Des-
p.xo de 16 do correute que no dia ig de
selembro ultimo lbe tora remettido pela Sal-
, T -------- -----------*-------
lempo que servirlo no extincto Batalho ai
de Capadores da Provincia do Bio Grande do
Norte para o que lhe remettia o olficio do
Inspector da Tbesouraria requerimentos e
guias que disio respeto a cobranca.
Dila Ao mesmo mandando cobrar os
vencimentos, que se e3lo a dever a Mano-
el Ignacio Guarda Nacional de Una p '
lo lempo que fez a guerra de Paoellas e Ja-
cuipe, e remett<;ndo-lhe os respectivos p- *
Peis
THEZORABI \ DA FAZEXDA,
V. panhia foiao eitas pura as Uieaiiias oblas pu- la das uidcuscom desliiio de servir 110 Ex- lezas, e da liba de Fernaudo.
-aoapn^ovadaf para -erem enriadas lvu, jucho o rccrula Joao da Cruz, que nesse Utto Ao Commandante das Ary u ea-
4 tur
Expediente do dia i\ de Oulubro<
OHcto Ao Exm, Vice Prezidenle da
Provincia pedindo-lhe para se dignar escla-
recer se o art ). da Carla de Lei de aS do
Setembro de rrjjjcoucedeudo aos Capel lies ,
c Ciiiirgies do Exercto a gratificaco addt-
rional de 4G res por mea, esta gratificis
compete somente aos Cirurgies mores, e Ca-
pelles dos Corpos ou tambem aos Cirur-
;ioes Ajudantes, e aos Capelles das Forta-
lezas, e da lllia de Fernaudo.

MUTILADO



a
$indo-lhe 08 Tequerimentos dos Soldados
Francisco Xavier da ConceicSo, e Francisco
Xavier a., a fim de se dignar expedir as suas
ordena para serem tirados os venciraentos de
que os roesmos pedem o pagamento, tendo
em vista qoe se deve mostrar em coutas se-
paradas o qne pertence at o fim de Dczera-
bro de i8a6, edessa poca em diante, por
isso que urna deve ser paga em moeda con en-
te e a outra em presta qes conforme o ar-
tigo gS da Carta de Lei de ?4 de Oulubro de
l83a.
Dito A o Contador da Thesonraria re-
tnettendo-lhe por copia para sua intelligencia
as ordens do Tribunal do Thesouro Publico
Racional sub ns. 98, 099 do corren te anno ;
a primeira ordenando que se continu a abo-
nar a gratificaco de aooU reis por anno ,
concedida pela Ordem de 6 de Agosto de
i838ao a. Escriturario da Contadoria Jos
Lopes Roza em quanto esliver encarregado da
Contabilidad* Militar; e para se informar
mais circunstanciadamente acerca do paga"
ment da gratificaco requerida pelo mesmo
9, Escripturario pelu servico feito as tardes,
e lora das horas ordinarias do trabalbo da Re-
partico enviando-se o calculo e arbitra-
mento feito segundo as respectivas Instruc-
ces : e a segunda ordenando que na falta de
Renda dos exercicios (indos em pregue no pa-
gamento das despezas do anno financeiro pas-
eado e anteriores as do conente.
Portara Mandando debitar ao Thesou-
reiro da Fazenda na conta da Receita Geral
do Eiercicio corrente ppla quanlia de cem
coutos de reis vindos do Tribunal do The-
souro em Notas de loUrs. da 1. F.stampa 4 *
Cerie N. 1 10:000, para serem applicadas
substiluicodas Notas de igual quantta da
J. Estampa.
Dita -- A Jos Felis da Rocha Falco ,
Col lector nomeado para o Municipio do Ca-
to tecommendaudo-lhe que com toda a
brevidade, venha", ou mande algum seu
procurador solicitar o titulo de sua nomeaco,
prestar a necessaria Banca e receber os Li-
aros para a escripturago da respectiva arre-
edaco.
Diversas Ileparticoes
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
Rendimento d'Afandega de i'ernambuco no
mez de Outubro p. p.
Tireitos de i5 por cento ioJ:465793
Ditos de 48 i| p. c. de habidas j 1.-354U.il 2
Ditos de 5o p. c. da plvora 3; 101 U?5o
Ditos de 5o p. c. do cb a.8Joaoo
Reexportaco a p. c. 5.jIJ27'*
Expediente de 1 111 p. c. w:.\7 U53a
Arroazenagem de 114 P> c ao mez 20i(J5?3
Dita addicioiial de 3 ija p. c. a5:()iU 09
Premio de ip p. c. ao mez a: JaU44D
Multas calculadas nos despachos 3oiUt>i8
Multas avulsas 565U875
Emolumentos de certid5es 10U080
i6i:3;7o38
AKandega 1 de Novemfcro de 18^0.
O Escrivo
Ja come Gerardo Mara Lumachi de Mello.
CORREIO.
A Sumaca Delmira sabe para o Cear no
dia 10 do corrente.
Autos existentes na Administrabas do Cor-
re io Geral.
Autos entre partes a Fazenda Publica com
Joaquim Goncalves Meirelles.
Ditos dito Francisco Pereira Pinto Cavalcan-
_te e o Promotor Publico.
Ditos dito Manoel Pereira da Silva Lordeilo ,
a Justica.
Ditos dito Felippe Justiniano da Costa Fer-
reira, com Luiz Francisco Pacheco e cu-
tros.
Ditos dito Maria Lopes Trigo e Antonio
Jos da Silva,
Ditos dito Bento Fernandes Rosas Garapa e o
Juiz de Paz do Aracaty Joaquim Liberato
Barroso.
Ditos dito Francisco de Paula Noberto d'An-
drade e Luiza Saraiva da Silva.
Ditos dito Manoel de Car va I lio Paes de An-
drade e o Dezembargador Thomaz Anto-
nio Maciel Monteiro.
Dito dito a Justica e o Collector Antonio
Jos de Castro Jnior.
Ditos dito Antonio Borges da Fonceca e a
Cmara Municipal da Parahiba.
Ditos dito Benedicto Jos Mattos Lima.
Ditos dito Bento Luiz da Gama Maia, e D.
Anna Joaquina de Vasconcellos e outra.
Ditos dito Antonio Jos da Silveira e Lucio
Antonio da Silva com a Justica.
Ditos dito Maria dos Santos Moraes, e Ma- beiro Antonio Rodrigues Lima, Antonio
noel Joaquim Alves. Jos da tosla Araujo Bento Gomes Pereira ,
Ditos dito Joo Baptist Reg Cavalcanti, e C nstancio da Silva Neves Caetano da Sil-
Bras da Costa de Medeiros. va Azevedo Francisco Xavier Vlarlins Ras -
Ditos dito Ignacia Maria da Conceico e ou- tos Rodolfo Joo Barata de Almeid a Ber-
tros cm Francisco Rodrigues Correia e nirdo Jos Martins Pereira Manoel Joa-
Outros# quim Pedro da Costa Jos Goncalves Tor-
Ditos dito Lourenco Alves Lima e sua mu- res, Joo Francisco Regis Quintella Joo
lher com Reinaldo da Costa Lima e sua Hermenegildo Borges Diniz Jos da Silva
mulher. Guimarea Jnior Jos Bernardo de Souza ,
Ditos dito Thereza de Jerus Bandeira Mello, Jos A U es de Souza Rangel Jos Carneiro
e Francisco de Olanda Chacn Rodrigues Campello, Antonio Felis dos San-
Ditos dito a Fazenda Nacional, com Nicolao tos, Ignacio dos liis Campello Mejor Ma-
O Bicber. noel Bezerra do Valle Vicente Antonio do
Ditos dito Antonio Podro de Mendonca Cor- Espirito Santo Prxedes da Foncec* Couti-
te Real e Joaquim de Bastos. j nho Luiz Jo> da Silva Guimares Caeta-
Continua. no Pinto de Veras Manoel Jos Lopes Bra-
r fia Isnac' ^'eg39 Antonio Joo da Res-
Rendimento da Recebedoria das Rendas le- surrej)js0 f Joaquim Correia da Costa ,
raes internas no mez de Outubro p. p. Joaquim de Oliveira e Souza, Anto-
nio Luiz de Sonsa, Jos Ignacio d'As-
Direitos de Chancellara
Novos e velhos Direitos
Dizima de Chancellara
Impostos de letras
Ditos de Caixeiros Estrangeiros
Dito de Lojas abenas
Emolumentos de Certides
Vendas de Carlas de Bichareis
Sizados Bens de Raz
0U780
Fermiiio Herculano de Moraes
Laudemios de Terrenos de Marinha a25Uaoo
Matriculas do Curso Jurdico
Sello do papel
Taxa de af rs por F.scravo
Dita de 1 s rs por dito
Decima de mo morta
Dita Urbana
44Uao sumpCao,
1.SU466 Ancora, Nicolao Rodrigues da Cunha Pe-
a3oUi85 dro Ignacio Baptista Pedro Jos Nunes,
4S0U000 Thomaz d'Aquino Fonceca Tbomaz Jos
da Silva Gusmo e de conformidad rom o
Art. 3i6doCod do Processo por este Edital
convida aos ditos Srs. Juizes de Facto pan
que comparecaS no dia 4 do mez prximo
vinilouroas dez boras do dia que deve prin-
cipiar os trabalbos do Jury. E para que cne-
gue a noticia de todos manda publicar o pre-
sente pelo Diario. Recife 3o de Oulubro de
1840. Jos Alfonso Guedes Alcanforado Es-
3:74Uq'<>
iUoo
108U000
3:p/i8LTooo
i:J3F38o
26U000
3oUooo
8aJU5a4 ,
45U900
l6:83FUu2
Moraes Silva.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DE OLINDA.
3ESSA EM 16 di: SEtBMBUO,
Recrbedoria'das Pendas internas Geraes 1 Presidencia do Sr. Passo.
deNovembrode i84o. F01 iberia a Sessao estando prezentes os
No impedimento do Administrador Srs- Ve/,,ad.r"/ Laage Jnior Padre I e-
Estai/.slo Pereira d'Oliveira. reira Maciel ^onU"o e Cardim faltan-
PREFEITURA.
Parte du dia 3i do Outubro.
Illm. e Exm, Snr. Foro hontem
presos Sub-Prefeito desta Fregueza o pardo
Jos Francisco Ferreira,
, e lida a Acta da
O Secretario nj
do ::om cauza os mais Snrs.
antecedente foi approvuda
mencionou oBcios por nao os baver recebido.
Nesla Setso continuou a a arremataco dos
Contractos do Patrimonio desta Cmara ; ioi
transferida 3* praca dos Contractos do Pa-
por se achar j trimonio desta Cmara para o dia aa- do cor-
pronunciado prisao, e ivramnto pe-*, rente. Ouverlo requerimentos departes e
lo Juiso da a; Vara do Crime ; Getrudes Se- foro despachados e dada a hora o Sr. Pre-
bastiana Leal, branca por queixa de uro sitente levantou a Sesso De qut iz a pre-
sugeito de ter sido por ella chamado sua 'sent Acta em que assignarao. Eu Joo Pau-
casa ; onde se acbava oceultos alguns indiv lo Ferreira Secretario a escrevi Passos ,
dos, que, armados, e cora ameacas de o | Maciel Monteiro Padre Pereira, Laage Ju-
assassinarem se resistisse o castgara com nior t Cardim.
al palmatoadas ; fora recolliidos Cadeia 5
e o pardo Silvestre do Livramento Veiri ,
por queixa de sua mulher de a ter por ve/es
espantado pe (endeudo at assassinal-a ; foi
detento no Callabouco : e pelo Sub-Prefeito
da Freguexia da Boavista os pretos Joaquim ,
e Antonio, escravos de Manoel Elias de Moi- conv,er Hue n0 dia ull,mo de
Edital.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante Escri-
vo e Administrador da Meza de Rendas
Internas Provinciae3de Pernambuco.
Pelo prezenle Edital faz publico a quem
Dezembro do
Meia Siza dos escravos ; que anda esto por
findo o qual proceder-se-b na
ra os devedores E
ra, para urna averguaco da polica ; fora frente anno termina o prazo prorrogado
sollos; Jos da Silva Costa branco por gel?aW 4'^ Le. Provmcal n. 87 de
desobediencia ao mesmo Sub-Prefeito, que o ?.?e ??M0. **** >BI>0 Para ff"11 da
bavia chamado para examinar o cadver de
..ro pardo, que fora morto por um preto, PB5" J'10.0 f .1ual
foi recolliido Cadeia; e Luiz da Rocha Jar- ^formidade da Le. conl
dim, tambembranco, por queixa de urnas P"a que o relendo conste mandei a Bxar o
mulheres de ter elle com oulro seu compa- P^nte e publ.calo pela imprensa.
nheiro pernoitado em sua casa e desappare- AJeza de Re,,d" in,er,,as ^'viuciaes a de
cido deposdella varias pecas doiro ; foi sol- Novembro de 1840. ..,_. .
,_ r "* Luu l rancisco de Mello Cavalcanti.
10
O mesmo Sub-Prefeito da Boa-Vista par-
ticipa que hoje pelas duas e meia boras da NOTICIA SIENTIFICA.
manli foi morto com um tiro de clavinote Descobertas de J. Herschell sobre a luz.
pelo preto Joaquim escravo de Manoel Elias Novos meios Photograpliicos. Gravura
de Moira morador na ra de S. Uoncallo ; sobre Vidro por meio da Luz.
o pardo J> cinto escravo de Marcelino Jos Mr. Daguerre obrigra a luz a pintar e
Lopes, por ter sido presentido pelo dito pre- imprimir, Mr. John Hersehell acaba de a-
to no (ciliado daeosinhada casa de seo Sr. char o meio de obrigala a gravar sem buril
ejulgal-o ladro, como declarou o mesmo Em huma memoria que elle acabou de ler em
Moira; cujo preto, logo depois deste aconte- 5 de marco deste anno, na Sociedade Real
cimento edaapparico da patrulba pede de Londres, e cujo filo principal he demons-
escapar-se e livrar-se assim de ser preso : trar hum numero de tactos e observaces so-
assim romo que no lugar dos Coelhos appare- bre as relaces que lia enire a luz branca os
cera outro cadver; que se suppoem ser de raios dillerenemente refrangiveis a os va-
pessoa que fallecer affogada. rios agentes chimicos, elle indica hum me
Nada mais consta das parles boje recebidas thodo para formar sobra o vidro huma cama-
nesta Secretaria. da dotada de propriedades photographicas ,
P capaz de dar huma gravura sobre o vidro por
O Doutor Antonio Joaquim de Moraes Silva ,
meio da luz como se obtm a pintura com o
daguerrolypo e prope para este fim o flno-
Juiz de Direito Interino da a. Vara do Cri-jrelo de prata o qual sendo decomposto
me da Cidade de Pernambuco. 'pela luz poder, deixando em liberdade o
Faz saber que tendo marcado odia trinta lluor produzir sobre o vidro huma verda-
do corrente para a sexta Sesso dos Jurados deira gravura, pela p.opriedade que tem de
apenas comparecerad a terca parle dos Juizes comer promptameiite o v.dro nos pontos a cu*
de Facto sorteados e para que se Gzesse ef- jo contacto chega como faz a agua forte as
I lectiva a dita Sesso propoz aos Juizes de Fac- I chapas de cobre. Mr. Herscliell refere mui-
to presentes a escolha de Juizes que preen- lias expeiiencias feilas com os chloruretos e
i cbessein o numero legal, e que nao lera ser- ioduittos de ouro de platina e prau todos
decomponiveis pela Inz ; e assignala e ipeei
almente huma propriedade mui nolav el dos
bydriodotos que, applicados em certa; 1 con-
dices, augmento e delermino a acci des
exydanteda luz. Estas observaces de.'h'n
chell tendem a fazer sahir do empirismo a
photographia e o uso do daguerrolypo, e a
faze-los entrar sob as leis das sciencias pliisi
co-ebimicas. O mesmo autor descobrio no
spectro solar visivel na extremidade do raio>
vilete, raios luminosos que ainda nao linL >
sido notados e aos quaes denomina gris de
lavande (pardo de aifazema ) os quaes
tem huma propriedade desoxygenanle muit
forte. Notou tambem que o maior grao da
aeco chimica do spectro solar sobre o papel
photographico da compo9co mais simples [ o
que he preparado com o sal commum) se
exerce quasi no fim do raio azul e verde e o
seu mnimo debaixo do raio vilele visivel ,
que parece cortarem pelo meio a imagem
photograpbca dexada sobre o papel. Quasi
todo o raio vermelho parece sem aeco ; oa
raios cor de laranja communicad ao papel hu-
ma tinta vermelha cor de tijollo passando ao
verde e azul carregado. Esie resultado faz-
llie esperar de poder obter imagens photo-
graphicas com todas as cores primitivas. Os
raios da extremidade vermelha do sceptro tem
huma aeco inteiramente oppoata dos raios
da extremidade azul vilete e alfazema.
thiando os raios vermelbos obrao sobre o pa-
pel photographico ao mesmo lempo que a luz
dillu>a a influencia desta fica suspensa e o
papel fica branco; mas se o papel foi colora-
do antes pela luz difTusa os raios vermelbos.
rauda esta cor em verraell.o brilhanle. Mr.
Herschell n' tou huma dilferanca mui pro-
nunciada entre a aeco chimica dos raius to-
mados no centro do disco solare a dos tomados
as bordas do mesmo disco e explica iste*
suppondo que tendo estes raios devido ias--
sar par huma massa atroospheuca maior, "
huma parle delles fica absurvida ; e desta
supposu'io Mr. Herschell passa a outra ,
moslrando-se inclinado a crerque existe em
roda do sol huma athmosphera absorvenU
mais extensa que a sua atmospliera lumiuo-a.
(Revue Scient.fique el Industrielle)
(Do Jornal do Commercio) f j
VArUEDADE.
A montanha fu rada.
Escusado dizer-vos donde colhi os pro-
menores desta historia sabei somente que a-
quelles que macontaram a sonberam a bordo
do Prinds Gustav barco de vapor que anda na
carreira de Dronthein para iiamtnerfest. Dos
sabe como elles ebegaram a Dronthein poique
ter ri veis cousas I lie foi necesario passar para
faser a corajosa visita das cascatas de Leerfoss,
caminlios estragados clin va quecahia a can-
tados pinheiros derribados que pareciam mas-
tros de navios atravessando o camiubo r-
chenos escarpados que era necessario subir ,
por toda a parte a fadiga por toda a parte o
luror dos ventos e das tempestades. Certa-
mente que receberain uma magnifica recom-
pensa por tanloi trabalbos porque a cscala
de Leefoss nao nada mais que um rio que se
despenda de uma altura immensa no prin-
cipia de um abysmo terrivel e medonbo. Ali
se despedaca a torrente de agoa lasendo um
estrendo horroroso
Meia legoa mais adiante est uma segunda
cscala maior ainda e inais leirivel. Apesar
da cln.va iro visital-a os doi.s viajantes ? O
artista tinha vonlade de continuar a viagem ,
mas olbava par sua mulher cujo roslo de-
licado e branco era acolitado pelo vento da
tentpestade e soltava um suspiro que bem
indica va a pena que tinha de nao poder vera
outra cscala Mas a delicada mulher apesar
das solicitaces de seu marido deu o exemplo
e continuou a andar. Nao quer que o livro
das viagens passe sem esla visia pittoresca.
Adiante meu caro. Adiante disseella, deu-
Ihe um beijo e foram andando para a cas- I
cala.
Principiamos a caminhar diz esta Se- j
i'bora no seu Jornal por um pequeo cami-
nho mnrgem do rio. .Vas medida que nos
achanta* ainos o camitiho se ia tomando cada
vez mais difcil, suba cima da agoa em al- -
guns sitios e n'outros descia rpidamente. A
chuva que lornava a comecar impedio-n.is o .
andar. No fim de algum "lempo o cannh I
eslava to escorregadio que seno podia a. gen- 1
lesusler. Os mcus vestidos causa\am-me i
niuilo incommodo porque eslava. todo*,
molhados, e apesar dos cuidados c'te rueu ma- I
rido cah.i redondamente, violbe i-me algu- 1
ma cousa mas o caucinho ia sei ido cada vcf I
peor e todas as caulellas do meiu exce'.'.snl* I
coropunht-iro nao poderam evil? c que fabi*-'!
mais duas leaes. Fiquei iuie uran' mI ,D(r i
Ihada e iheia dt huno c and* ,a a ,1^ di^ I


DIARIO D R PRUNA M B C C
5t

descalca, porque os meus cpalos estarn) de
todo estragados. O caminho esta va i n trac.si-
tivel era muitos silios. Era necessaffo ar,.dar
cono os ps e coro as inos. A todo o moni en -
lo nos expandamos ao perigo de cahir ur.i de
nos no precipicio e afogar-se.
vimos asegunda eastata.
Julgai pois como estaraoi elles no da se-
gunte a bordo do Hrinds Gustare com ves-
,lidos sercps e qnenies nao tendo outros pe-
rigos mais que os bancos de rea os cacho-
. pos, e a conversa dos passageiroa .. dos
passageiros Ha no Jornal desta Seuho-
ra urna passagem gallante que se refere a u-
ma velha de cpalos encarnados rom salto al-
to qual a astuta Parisiense musir man a-
verso do que aos perigosos camiulios de Le-
erfoss. Perdo. muitas vezes a esteso terem-
na feito cahir tres veses na bcira do precipi-
cio mas mostra-se inexoravel com a pobre
velha de continuo em movimento de um lado
para o outro incommodando todos com o Tn-
ger dos cpalos. Na companhia de semilban-
te creatura passaram os nossos viajantes s
ciuatro horas da lardeo circulo polar, e sau-
dam antes a montanha Turada que se chama
Sorg Hallen.
E' urna massa enorme sombra pela ra-
ridade do sol n'aquellos paizes mil variados
cores apresentava esle inontlo de roohedos e
de meio sabia por hum grande boraco um raio
de luz bullanle e forte. J o artista come-
-cava a tirar os pinceis para pintar este quadro
rnagestoso quando urna barca se desligou
dapiaia eapoitou rpidamente ao barco de
vapor. Sabio deste barco um homem alto ,
com calcas muito aperladas de panno azul
claro, com botas muilo justas, e com um
colele aperlado e curto que deixava ver parte
da cintura pela qual sabia urna porcao da ca-
rniza. Trazia ao pesceco um lenco de cor a-
lado com um n e na cabeca um birrete
de l vermelha do qual sahiaro longos e a-tj
hndanles cabellos que chegavam at aoM
hombros deste homem extraordinario j alem
disso o vestuario que trajava era em tudo i-
A gual aquelle de que usava o actor que repre-
>C sentava o papel de novo Werther. Trazia
este homem uma amostra de lodos os vestua-
rios que se Um usado o barrete vermelho
denota va a repblica os cabellos compridos
a revoluco de 183o, a pera que trazia na
barba referia-se ao seculo iti a casaca com-
prida ao tempo do Directorio, o coleta e a
camisa epocha de Luiz iS os calcSes' de
Luiz 15 e as botas aperladas do Imperio.
Fora disto nao havia nelle cousa mais me-
lanclica e solemne do que o seu rosto. Su-
bi para bordo e v'eio offerecer aos passagei-
ros uns puubaes pequeos veode-os e nao
consentio que ninguem regnteasse deceu
para abarca, e dirigio-se para a montanha
urada de Sorg-Hatten.
Ali vive o selvtico filho da Noruega em
mais do que um pequeo raio de luz para a- favor do ladro porque o rei Ihe nao quera
presentar toda a sua virtude e intelligencia. 1 perdoar finalmente instado jor Hielan da-
lia cinco annos hia eu a cavallo para Dron- \ sobrigou-o da palavra e mandou conslrur a
theim. Acompanhado pelo meu creado ti- priso mais >egura que se pode imaginar pa-
tilla j feto a metade do caminho. quando ; ra o encerrar nella.
Mas eit.bora I de repente encontrei um desconhecido que se I Um noite estava eu n'um biile de maa-
ioz adiante de mim. Com urna pislolla na 1 caras quando se chegou a mim um domino
moe naoutra um punhal ordenou-me que I preto e rae mostrou a hainha do punhal ;
parasse Imprudentemente embrulhado no ] puchei logo do punhal e do diuhoiro que tra-
zia contigo e entreguei-o ao desconhecido.
meu capote e na irapossbilidade de tancar
mo das mi ribas armas condec que toda a
resistencia era nutil e lome o partido de o-
bedecer. Parei.
O desconhecido dirigio-se ento a mime
me pediua mnha bolea.
Sois rico disse elle bem o sei por
que vos conheco Com elfeito disse-me o
meu nome la na montanha muitos des -
gracados que morrem de fro e vou-lhe dis-
tribuir os vossos auxilios.
De boa vo x i-me a quanlia necessaria para ir d'aqu a
Drontheim.
-- E* uma conpesso que sempre fico aos
viajantes.
Durante essa eonversaco entre! a procurar
a miuha bolea. Tinha-a deixado em casa de
meu pai antes de me por a caminho. Nao
pude deixar de ir desie esqueciraeuto O la-
dro a quem contei a miuha aventura rio
lambem. Propuz-lhe que me apalpasse pa-
ra se certificar da nimba verdade ao que el-
le se recusou e ofereceu-me a sua bolea pa-
ra cu continuar o meu caminho.
E como eu hesitasse em acceitar si mediante
ollera tirou do cinto um punhal como esse e
deu-me duendo.
Aqui tendes uma arma extran;eira veio
da montanha furada de Sorg Hatleu O seu
feitio particular vos servir designal de re-
cunhecimento para me embolo ardes com se-
guranza do empreslimo que tenho a honra de
vos fazer ; trazei-o sempre por toda a parle
comvosco com a somma (|ue agora vos entre-
go. Apenas vos apiesentarem esta hainha eo-
tregai ludo ouro e punhal.
Acabando d proferir estas palavras deu-
me a bol ja e a faca picou as esporas e de-
sappareceu.
Continuei a miuha vagem que se prolon-
gou por mais dois raezes, gracas ao empres-
limo do ladro e o crdito que meu pai ti-
nha para com um banqneirode Drontheitt.
Quando voltei para Cbristiannia achei a
cidade toda em movimento ; andavam fortes
patrulhas pelas ras e povo corra aos
mangotes para a eutrada da cidade ; perguo-
tei o que era e responderam-me que estavam
espera da Oulie Hielan que vinha preso.
Recordei-me ento que assim se nomeava
um famoso ladro de estrada e para ver se
era aquelle que eu tiuha encontrado havia al-
gum tempo fi juei esperando que elle passas-
se para o ver. Com effeito era elle vinha
uma gruta feita n'um rochedo e donde nun- carregado de cadeias e como passou muito
ca sabio seno para vir vender as suas facas : perlo de mim creio que me conheceu tambem
aos passageiros do barco de vapor. Esta gru- porque olhou para mim como quera queria
ti a sua patria o seu mundo. Ali se en- I dizer lembrai-vos.
No outro dia estavam edilaes pelas esqui-
nas prometiendo um grande premio a quem
prendesse o bandido Olio-Hielan que tinha
tugido da priso.
Ninguem deu noticia delle apenas uma po-
bre velha veio dizer que sahindo da cidade
pela manli muito cedo para ir pedir esmol-
la a Christiarisand encontrara um homem que
Ihe dera al^uus pesos de ouro e ihe dissera.
E'neeessario comecar o dia por uma
necao boa Aqui leus, pobre velha eucomen-
da-me as las oracoes pede a Deas por O-
lie-Hielau [o Nacional de Lisboa.]
lotera do seminario.
Concorrendo mui pequeo numero de por-
tadores de bilhetei premiados o Thezourei-
ro transiere o pagamento para as segundas e
quintas feiras de manh das oito horas ao meio
da na praca di Independencia laja de
N. J;e iS.
livros
lotera dothetro.
II je imprelerivelmenle andio as rodas da
1. prte da 4. Lotera do Theatro as 9
horas da inarih no Consistorio da Concei-
co dos .Militares. U restante dos bilheles
acho-se a venda albe a esta ora nos lugares
do co-tume.
Os Snrs. que apartarlo e assignaro Bi-
lheles da Lotera do Theatro na loja de Ma-
noel Alez Guerra na ra nova D. ti quei-
ro fazer o favor de os ir buscar antes* que
principie a correr a dila Loleria e nao fasendo
em lempo compleme sero vendidos ou
entregues ao Thesourero e para que uo
baja du vidas se faz o presente,
LOTERA D.V BOA-VISTA.
A Meza regedora da Irmadade do Sants-
simo Sacramento da Boa-vista tem determi-
nado que as rodas da i." parle da 5. Lo-
leria concedida a favor das obras da mes/na
Igreja corro imprelerivelmenle no dia a5
do mez de Novembro vindouro ; para o que
convido aos amantes das Loteras bajo de
comprarem os bilheles que se acbo a venda
nos lugares do cosluine.
terrou seu pai, seus filhos ali nasceram e
ella dar ali o ultimo suspiro. Sem outras
lices mais do que as tradices da familia
passava a vida a fazer punhaes dos denles de
alguns animaos e dos paos de renes. O fer-
ro ache-o elle na montanha ; desenterra-o da
rocha que habita e quando noite os echos
repelem ao longe as marlelladas qua ido as
ondas luminosas reflecten! o logo das torios ,
os pescadores fazem forca de temos e se a-
pressam em ganhar praia porque as veihas
contam que em Sorg-Hulten hora da nieia
noite se execulam os misterios do sabit e que
os espirilos inlernaes vera ali fabiicar pu-
nhaes e se debateni no meio das chamas des-
ta habilaco reprovada.
Um desles punhaes comprados no mez de
Junho veio da collecco que estes extran-
geiros trouxeram do Norte parar minba mo.
Ali est entre um busto de bronze encontrado
debaixo da pedra sepulerar de um procnsul
Humano e uma estatua feita pela Duqueza
tu C. que se i:o losse uma ienhora 110-
bre fora uma grande arliita. A hainha e o
punho sao leiius de deutes de cavallo mari-
nho islo o do martim mais bilhante e
mais puro que lia.
Um desles das veio um poeta da Noruega
d i 11 tenor desie paiz gelado olerecer mo
fraternal aquelle que 70a rl fallando, e pe-
gando no punhal revolveu em lodos os senti-
dos pareca que seno cansava de o ver e
observar.
iJesiulpai a minba iudiscrico me diz elle,
mas esle punhal 3ie traz lembranca uma a-
* entina singular e qua vos dar uma ideia
exacta dos costumes da Noruega, (guando a
souberdes, conheccreis a grandeza d'alma
deates pobres aeivageus aos quaes uo talla
Appareceu ento ali o governador da praca
e disse-lheSei que nunca faltaste a tua pa-
lavra, e sn promelles nao f'ugir, livrar-te-liei
desses lrros e leras este caattlio por home-
nagem.
--Consinto reepondeu Hielan e tralai-ma
como um covarde um mentiroso se eu fal-
tar mas sede em ludo generoso liberta!
lambem es meus companheiros.
lsso nao posso eu, pjrque nao posso con-
sentir tanta (,ente sola dentro de urna for-
taleza lo pequea,
Tendes muita razo responicu Hielan j
e acceito o vosso obsequio.
No dia ?eguinle pela manh ebegava o la-
dro sentinella do carcere, e Ihe uizia:
Abri-me a porla que quero entrar; pro-
melli ao governador que uo fugia mas uo
Ihe proibelli de nao deixar fugir os meus com-
panheiros; eslo todoi salvos, pela minha as-
lucia Ihes arranquei os ferros, e agora para
que o governador nem por momentos suspei-
ce miuha lealdade aqui mt vtnho entregar
priso.
O governador maravilbado com esta acon-
tecimeulo nao retiiou a bomeuagem que linba
concedido a Hielan.
Um dia appareceu Hielan em casa do go-
vernador e Ihe disse5enhor stou eutaslia-
do da miiiha priso ha um mez que ando por
este castello niuiidei pedir o meu perds a
ELREI e anda me nao chegou ; desorigai-
aie da minba palavra, e tomai todas as pre-
caucoe que julgtrdes conveuiciiles para aie
segurar, poique tenho lenco de fugir
Governador
SOCIEDADE HAR MONICO-THEATRAL
Estando a chrg ir a esta Cidade vnda da
Parahiha a madeira necessaria para a co-
berla do Theatro particular de Apollo e fi-
ssndo-se por isso preciso pagar a sua impor-
tancia assim como outras despezas inheren-
test a Commisso Administrativa por este
avisa aos Snrs Socio) para que impreleri-
velmenle no pravo de do das contados da
dala deste na forma do art. b. da propos-
tn approvada se diguero entregar ao The-
zoureiro iManoel Joo d'Amorira na ra da
cada velha n. a quarta prestaco de ao por
cenlo das quanlias que generosa, e volunta-
riamente sobscreveraiu para a odiicaco do
mesmo Theatro.
Recite 29 de Outubro de 184o.
THEATRO.
Na peca 3 das de ~ Oratorio Domingo
8 do curente far a parle do Desembirga^ior
o Snr. Aiito do Theatro do Porto chegado a esta na
Barca Tentad.ua.
Avisos Diversos.
fc^-Arrends-se o cilio do Cirurgio Peixoto
no priucipio da esliadi dos affliclos com mui-
to boa caa para grande familia, coxeira ,
cavallarice e varios quartos para criados ou
escravos tem um ellegante jardim e bastan-
tes fruleiaa! na ra do Crespo D. ti.
S7* Um Estudanle, que oestes poucos
das se hade formar em Direitos pela Acade-
mia d'Olinda ofiferece-se para eusiuar par-
ticularmente os preparatorios seguinies ,
Franeez Filosofa Rethorica a Geome-
tra pelo preco de trez mil rs mencaes pa-
U Go\eroador pediu-lhe que esperasse ,
r r eos adianlados; que.11 de seu ores tuno se mi -
mais um mez, poniue nesse lempo la apuiar ',' r;. 1 upiwinwseijui-
- r r K zer servir diriia-se a ra de Hurlas !!<_
seu requeruBeuto jieranla ogoverno. cima 11 '" nonas ue-
Acabou-se o prao e uada 1 ie aicaocar a l ^P.L.;.. .. -------- ,
r Y w^1 reiaa-se de pretas para veaderem doce.
pagando-se a vendaje que se ajustar quem
as tiver annuncie ficando a Snra. ouSnr
respousavel por alguna falta.
tsr Quem aununciou vender raadeirasds
mangue, querendo a troco de lijlos de alvena-
ria : asi ni como da-se um rnilieiro de lijlos
alvenaria por 20 taboas de louro ou pind t
sendo amarelo dois. anda que seja servidas :
annuncie.
sar O Professor de Philosophia do Col-
legio das Artes contina a dar liedes de
Philosophia no Collegio Pernamhiicano : a
nova matricula acha-se aberla desde o l. do
corrente Novembro. Para a necessaria ins-
cripgo dirigir-se ao roesrao Collegio a
qualquer hora
Id' Rebalem-se letras com boas fir-
mas : nesta Typographia se dir quero faa
o negocio.
isr-Quem precisar de alugar 2 negros para
todo o servico e juntamente ropa lavada ,
e engomada ; drija-se a ra nova loja do
quartinhas ao peda ponte.
%sr Precisa-se de um homem de idade que)
saiha ier e escrever, ajustando-se a seco, para
tomar coma de um armazem de vender roa-
deir-ts airas do theatro ; a fallar com Joaquina
Lopes d'Almeida caixeiro do Snr. Joo Yla-
iheos.
tSF" Luiza Xavier de Barros participa a
todas as pessoas que dero trastes a concertar
ao seu falescido filho Clemente Xiverde Bar*
ros de se dirigirera a casa do mesmo finado r
a fim de os receberem.
tsr O Caix da Sociedade de Olinda fas
publico aos Socios da mesrai que das bheles
que comprarlo da 1. parte da 17, Lotera
do Siminario de Olinda ouve o premio do
ati'iU que se compra rao mais da 2. parte da
4. "Lotera do Theatro os nmeros abaixo
endicados e o restante da quelle premio foi
repartido pelos ditos Socios somo consta do
recibo que fk-a em poder do dito caixa de-
clara que os nmeros comprados sao os se-
guintes ; bilheles interos 145, 3i$6, 3io3,
1589, 159i; 154, i53i,raeios hilbetes
osseguintes 3ao8, 204. 3ao5t 3*o(j, 32gg,
jgtt, 3287 i,it 2218, 246J 2if
2ajg 224a 57.
tssr Paecsa-se de ama ama de leite as-;
la que nao tenha filhos forra ou catira ,
na ra das Agoas-verdes venda D. 8.
BT Roga-se aa Snr. que com instancia
mandou exirair a Sentenrii proSerida a favor
de Francisco Job de Barros cuntra Juier
Theodoro Camello que a mande receber p
pos que est pro.npta desde 29 de Julho do>
corrente anuo e esta demora contraria aos
interesses do Excnvam respectivo.
tsr Joo de Carvalbo Rapozo faz sienta
ao publico que no dia 4 do correte pertenda
relirar-se para a Cidade de Angola a negocia
de seu inleresse
tST" Um Brasileiro se offerece para feitor-
/.ar qualquer sitio e presta Cauca a sua con-
ducta, quem quiser procure-o na casa de Jo-
ze Mara Placido iMagalbes, na ra Au-
gusta.
tsr Da-se dinheiro a premio com pinho*
res de ouio mesmo em piquenas quantia
nj pracinha do Livramentn D. 2 5.
t&~ O abaixo assignado faz sciente as pes-
soas do seu conhecimento eamisade, qua
mudou a sua residencia da ra Direita para
as C inco Ponas D. 18 sobrado ao p do
be eco do Marisco.
Francisco Jos dos Prazeres Camboim.
tsr Perdeo-se no dia 2 de Novembro cor'
rente viudo da ra do Rosario da Boa vista ,
al ao arco de Santo Antonio a quantia da
trinta e um mil res seudo uma sedula da
viole mil res uma da dez e uma de mil
res : quem os pedeo he um caixeiro prin-
cipiante a quem faz immensa falta e ta
quantia e por isso sendo que a pessoa qu a
achou a queira restituir ; dinja-se a ra da
Cadeia D. 29, quesera recompensado, ou
annuncie.
t^ Alugo-sa casas para passar a festa na
propriedade de Santa Anna.pertencente a Se-
nhora D. Maanita } quem as pretender di-
rija-sea Jos Carneiro Kodrignes Campello,
eu a Francisco Xarier da Frnceca Couti-
nbo.
say Arrenda-se por tempo de festa fauna
cilio muito perlo da praca, no rio Capifaa-
ribe ; quem o pretender dinja-se a rna da
(Jueiraado D. 11.
- Precisa-sede um europeo para feitor da
nm tngenho distante desta praca 16 legoas ;
110 aturro da Boa vista vcoda D. 190 u a An-
tonio Germano Regueira Pinto de Svnza no
engenho Rozario de Serinbaam.
ssr O Sr. Joaqun Jos Luiz da Souza ,
morador na ra do Hospicio tem para ven-
der uma escrava ladina
engommadeira ,
todo o ivrvico.
races ; readeira ,
laraJeire opttna pac%
, MUTILADO


^-*-
DIARIO DB PERN A M V C O
......IIIIIIIMH....... I II -|-^r-----------......,L. M1H..L.MBB
!
Uffl.I'kVtfrSH
*3- O .wnr que tircu una enra do corroa
vinda do Porto para Antonio Peixoto de Car-
valho queira nztr o favor de entregar na ra
nova loja de ferragens D. 10.
de
A pessoa que annuneiou no diario de. idade de vi annos para criado de urna casa
a do corrente querer 3oo.ooo a juros cora liy- particular e mcsmo para fora da praca ou
par i botar sentido
born cozinheiro
a un sitio, e um
polhcca em urna casa livre dirija-se a ra
das Cruzes defronte da vend casa de There-
ga de Jess.
SS7* Qum ll faltar urna cabra dirija-se
ao sitio invisivel ou filie cora o Gomes do
Correio.
tST Quem quiser alujar urna preta para
servir a uma casa de pouca familia dirija-se
a ra dos Quarteis D. 11 no secundo indar.
para casa de ne
ci.
im dado coritas e nosse algantivo, botlnsde hexijrb raeio ditos para dojis moleque de idade de la annos, m,,;.,
,isde3annoslforaelleila hmeme menino, ditosds cordivSi, sapa- ky^n,?JJ JJJ *.;& b y,
linhos pora meninos de todas as i.la Je;, alga
lias e vellas elstica* de tod ra curar carnusidads e dor de pedra, meia?
de nbo e de algodff bara meninas e meni-
^ocio ; quem precisar auuuu- f uas bicos de diversas largaras os ver 11 .m -
ros purgantes e vomitorios de la rey
livo poique sean tepi
nova mesa que a m
Um lrmo Curioso
13S~ Oflerece-se um rapaz porluguez
Avisos Martimos.
PARA O RIO GRANDE DO SUL sa-
hir; com brevidade o Bergmiim Nacional
Paquete de Pernambuco, pafa carga e pas-
sageiros [ para os quaes tem os millioies
Francisco de Paula Sales & Compa- nhia fazsciente que Antonio Pinto de Sou- r,a Leopoldo Joze da Costa Araujo abordo ,
micis-
zu deixou de ser seu caixeiio desde o dia 1)
do prximo passado.
5S^" Deseja-se saberse existen] nesla pra-
ca os Srs. Antonio Guimaies de Ofivcira na-
tural do Para viudo da Cidade do Porto pa-
a esta provincia em 1838 e Joaquim da
'ocha que tinba loja de I tzendas no Para ,
e boje dizenj estar estabelttcido nesta praca,
.iiijo-sea ra da cadeia do Recife n. :.5 ,
ou aonuurie suas moradas.
C^Traspassa-se o estabelecimento de uma
oja arinazenada com ulencilios de venda, que
pela commodidade e local pode servir nao
SO para este estabelecimento como para mi-
tro qualquer de industria e olhcina ; a tratar
a quina du ra das Cruzes no pi metro an-
r junio a prara da Independencia.
ta^ Precisa-sede um bornea) [iara feilor
um terreno que te est allerrando to-
r conla de 3 canoas e duus prelos na
praca da Independencia loja n. ig
'ou no forte do matto casi da esquina da ra
da Lapa 2. andar.
JL e i 1 & o
Que fasem Russell Mellors & C. terca fe-
ra 3 de Navembro as casis da sua residen-
cia por intervencio do Corrector Olveira ,
um explendido sortnenlo de fasendas de al-
s, ftcis'e garios de cabo de thtrfi a botui-
duras do bom lom estojo, de navalhas mui -
lo fins, e vellas de carnahuba ludo por
preco commodb ; na ra larg da Rotarlo lo-
ja de miudezas D. 7.
Gj- Uma maquina de ferro da serrar ma-
dera movida por agoa, porem est por
montar, os pretndanles podem examini-!a
na casa doantigo engenha do Monteiro aonde
seachadita maquina, butra ma juina mais
pequea propria pira qnaliuer engenho, e
pode serrar com 6 folias lamben est des-
manchada no lugar a cima aonde poda ser
examinada ; a tratar na ra nova !) Jo
63T Camisas de l proprias para eslavos a
8oo pecas tic algodaoznho de ai varas a
jjoo pecas de cassade quadro e de listra a
a-ioo ditas de chilla de 00 covadrs a 1 ao o
A
c olicial de sapateiro ; na
ra de agoas verdes casa terrea D. 3j.
15" Urna preta de nacao angola de idade
de -!> annos cozinba com perfeico o diario
de uma casa e lava roupa o motivo d*
venda be por se querer comprar um ne<*n>
de carrejar palan ;i>i:n ; na ruada cadeia do
Recife n. 1 a no secundo andar.
i^"U ma escrava de naco de idade de
i5 anuos engomma liso, cozinba o diario
le u ma casa e lava de sabo c varrella : na
rui direita U. ao lado do Livramento.
62F" Por precio uma preta moya ; na ra
de Ilortas D. 7.
1X7" Um ne,-;ro padeiro por preco coaimo-
do ; na ra de ilortas 33.
Eseravos Fgido
3P3* b'ugio em Janeiro do anno passado ,
um negro de naco congo de nome Joze ,
cor meia fula baixti e barregude pez
pepenas por alcunio Joze barregado :
quem o pegar leve-6 iia Iojc de chapeos jui-
gudo incluido os melhores padrSes de chitas I covado cassas pintadas e lisas a 32o avara, tj a Cadeia, que ser lCo.upeiieaJa com
cor de rosas (ne at boje tem aparecido neste
mercado, e mais qualidades muito vendaveis.
C o m [> r ; s
Vt9* O primeiro voliirne de Cunba Mallos ;
na ra do Rangel D. iJ ou annuncie.
Venda
tsr CAUTELLAS da Sociedade Furiuna
^f"_ Quinta feira 5 do corrente a porta do |Typografica, da Lotera do TflEATRO ga-
rap de Lisboa da melhor qualidade e mui GoUooo rs,
fresco a a8oo a libra e as oilavas a 4 rs. I tr 0 abaixo asslgnado roja a todas as au -
cbias de cores seguras a ito,i8o,e abo tbOridades policiaes que aben da humani-
rs. riscados largos' a 180 o covado, len- dude .enda-juem e faco sprebeuefio e:n um
eos para mo bordados naspoalas a i$o, mei- molejue de 110.113 enedicto creoulj da
as de seda de todas as cores curtas e compri- idade de pannos, con uma perna m*ia
das, e oulias muitas 'azendas por preijo com- torta, e um si;nal de quaimadara de fogo
modo ; na ra da cadeia do lecife \. 55. perto do ollio esquerdoj e a liogoa mei per-
tSf
Biiheles inteiros a 9000 e meios ditos ra fugio em ifevereiro p
a 4000 da lotera do Tbeatro ; na roa do Ca-
bu; loja de niudezas junto a botica.
Um preto moco reforjado sendo per-
Sr. JuizdoCivel da segunda vara 'ir pela uhando a vigsima pane dos premios, cabendo itoofficial de pedreiro umdito carniceiro ,
primeiro ve/ em praca por arrendamento, I na sorte de 6 000,000 reis tresenlos rail ris, a um,a Prela t, iJi,Jt5 (i'! annos, cozinhi
um sobrado de 5 andares onde mora o Sr. prego de .\0o ; nesla Typografica na praca
ente Coronel Mamede., na praca do Cor- da Independencia n. ao na ra larga do
jioSante, cujo arrendameulo lie por 3 an- Rosario loja de miudezas D. 7 na ra do
5 assim como um sitio no (iiqui deno- ICollcgio loja de relojoeiro, e no largo do Li-
p e remetie-Io
a seu >r. no vara lauro di CiJile de O duda, ,
ju pager toda as despezas,
r Fugio no dia rt do p. p. um preta da
ua ne Francisco, de naco benguela altu-
'evou 'vestido cil
ra regular, ievou vestido cillas de brim
branca, camisa de algoioiinho ja rota as
cos'.as cornos tornoisloj incbados', o com
toma ferida e:u um dell
minado instancia cujo arrendamento be sti vramento loja do Sur. Gabriel que ica no
um auno ; os jirelcndentes se pedero en ten- principio do beco do Padre.
dor com Jos Antonio Crrela Jnior nal t&" 'fijlos de alvenaria posto no porlo
ti
ju
coens.
poste
las flores la para saberem dis condi- m-is immedialo da obra por preco
Sea/* Os Snrs Jos Antonio das Neves e
intooio Ferreira Anlunes diriio-se a pia-
porl
muito
em conla a vista da sua qualidade ; na piaca
da Independencia U. 10.
I 9" Hum cilio na estrada do Rosarinbo
jada lioa vista I). 11. rom boa
- Prerisa-se fallar a um pasageiro vin- 'de fruta
do o Porto ueste ultimo navio, filbo de quem o pretender dirija-se a esta Typog
Joaquim da Rocha de 5. Alaria para ne-jba.
oc;j1 de seu interesse; na iua do Queima-! t^" Huma boa casa nova com porto e
do loja D. II. i boa agoa de cacimba ; 110 bairo da Boa-vista
SS/" Aluga-se uma preta ou moleque, que na ra vellia, tambem se precisa alagar hum
del e da-se loooo mensaes; quem li- pequeo sitio com alguns arvoredos, perto
inuncie. j tiesta praca; quem quiser faser este negocio
r A abaixo assignada faz scicnte ao Sur, v a ra neva D. 5.
muito bem e be lavadeira, urna dita qni-
tandeira boa cosubeU' e z lodo o ser-
vico de urna casa uma pardiobl de idade do (lima ferida e;u um delles e ten umi espi-
18 anuos, engomma cosa muito bem, e co- n ha no rosto ; 1p1e.no pegar leva a ra do
zirtlia dous mole.jues e uma negrinia de Fagundes em casa do ferreteo que ser recom-
idade de 13 anuos j na ruado fogo ao p da pensado
Rozario D. 'J.5. D)F No dia 27 do p. p. fugio uma escra-
tsy U.11 bonito escravo de idido de 26 an- va de nome Luua benedicta creoula de
nos bom tiubalbador de enchada urn mo- dade de 35 anuos estatura regular, cheia*
lato perito sapateiro e bom pagem,'rj mo- do corpo, bei^uda coai marcas de beclu-
leques de naco, de idade de lia \\ anuos gas e uns signas de landras no pescQCO be
casa de vivenda bastantes arvores 3 molecas boas para utubandas duas escra- muito regrista e se intitula forra; quem a
, multa boa baixa para capia; vas de idade de ao a u5 anuos, cozinbio, pegar levea ra do Jardim O, ai que ser
relender dirija-se a esta Typo;;ra- engommo elavo roupa; na ra de agoas recompensado.
vert-es D. 38. 63*" Da-se ao,ooo de gratificaco a guar-
E3- Duas travs de 4o palmos de compri- da da passage ji da Magdalena, e da ponte
do, e duas de 3i dilos por preco com.nodo ; do Manguiuno para pegarem um prelo da
a fallar no paleo do Carmo venia da quina da nome Jos ja de idade ladino cheo do
camboa, corpo barrigudo com aita de cbelos no
KT U,u moleque de idade de la annos, meioda cabet-a de carrregar peso, tem nJS
de bonita figura ; na ra da cadeia vellia D. costas muitas marcas de chicote ji velbas le-
J. C. M. que baja no praso de ao dias ir! T Fumada do porto em caixa ou du- 17 no primeiro andar. ^ vou vestido camisa de chila azul e cabs da
tirar os seus pinbores do contrario sero sia a 4 5 na Sanzalla Velba Sobrado nu- S5^ Uma loja de miu '
malados para seu em boleo.- Rila Ala- mero 43.
lo Sacramento.
3r* O Sur. que annuneiou no diario n.
haver no engenlio Aguiar um creoulo
sejulga ser captivo, queira por obse-
1 declarar sua moradia poique Antonio
ario daquelle engenbo esle respondeo-
II18 que tal crioulo nao exeslio em seu en-
fuudos em ra principal e da-se com o
dezas com poucos mesma fazenda ja velbas coslumi andar to-
SST Cadinbos em porcoens para fora em- praso de 18 raezes com firmas a contento ; a
bariicados ; no beco de S. Pedro casa De- tratar com Antonio da Silva GusmSo.
cima 3. Q^> Uma preta de naco de idade de 14
S3ST Cabes de liuho para troco e estopa; annos engomma e coziuia sofrivelmente ;
em fora de portas n, 104 a fallar com Joa- na ra do llangcl D 8.
aula Souza Lio faltando-lbe um escra- iquim Lopes de A'raeida. S/- PorquinllOS da China mui galantes,
vo que pelos signaes supe ser o seu, dirigi* I IW Uma porco de pinbo da Suecia em e por preco comraodo ; na ra da moeda nu-
se co 5r. Amador de Araujo Cavalcanti pro- igrossura de costado na ra nova armazem mi'roi5i.
de irasle D. 3o. 5^- Um braco de batanea grande com seus
do
,1
10.
cT" Rebate-se uma letra da quanlia de
A pessoa que quer vender urna flauta
de f.-jano de 4 chaves dirija-se a ruj do
Queimado i3.
- Precisa-se de um caixeiro que tenha
pralica de negocio, para ir para a Villa do
aty ; do beco da liuguela venda de Joa-
quim Jos Labello.
Mr Um rapaz que tem frequentado as
suts de gtummalica latiua a francs, e lo-
fiiea, prelende-se arrumar em urna casa de
i:egocio ; quem delle piecisar dirija-se a ra
da: Cruzes casa do ir. Sanios Neves.
say O Sr. Tboniaz de Carvalbo teuba a
Londade do dirigir-se a ra do fogo D. la.
SST Quem precisar de um administrador
paiaengt.ho dirija-se a praca da Indepen-
dencia n. 7 e 8.
Sf A pessoa que annuneiou trocar uma
rasa grande for outia mus pequeua e que u
aiuguel nao exceda de t) a 7,000 sendo que
quena uma que paga oito mil rs. dirija-se a
praca da independencia foja de fuuileiro.
/- Ofleroce-se para caixeiro de ra, um
rapaz porluguez de idade de i5 anuos, quem
precisar anuuucie.
Xzjr 3 eicellentes casas terreas actbadas do perlences ; na ra da cadeia veuda n. 1
novo com grande quintal murado sendo Fttomba.
duas uuidas na ra du S. Hila, e uma na ss/* Os perlences de um armazem de as
380,000 1 acceita por Jos Carlos Alves de ra da piaia, com o fundo para a mar, com sucir coulendo um braco de balanca grande
Souza residente na Villa do Brejo da Aja- grande caes de pedra e um sohradiuho airas, e couxas 12 arrobas de pesos do ferro, 4
ute de Dos ; quem quiser annuncie uma esiaava moca cozinba o diario de uma caixes para deposito de assucar e mais al-
ca sa e engomma sofrivol ; um cavallo ala- guns ureucilios perteucenles ao armazem tu-
ao de muilo bous andar* ; nu ra do Quei- do por preco commodo ; assim como uma co-
ntado loja de (errageiis D. 5. moda uma marqueza (j cadeiras de coi-
cy Um cabra bom cauoeiro : na ra di- dur cem assenio de paliiiuha duas bancas,
reila D. a7 e uma mesa de jantar ; a tratar no beco do
S.ST Sets colberes de sopa, 6 gaifos de Campello D. 3 no primeiro andar,
prata um relogio de saboueie rom segundos $.~ Vasos para lampasiuas de nova in ven*-
e caixa de prata e grilbo de ouro ingles cao mui proprios para as casas de familia ,
um al fine te de peito de diamanles com seu tanto pelo seu asseio como pela sua commo-
cordode ouio, o rtteio de Pimcntel parajdidade, j>or preco commodo;; na praciuha 1
qualquer oticial de navio ; na ra da cadeia do Livramento loja de azendas D 36.
velba armazem de molliados de Jos Alves i^r Charutos da avana de superior qua-
Xavier, iidade dilos de ebeiros de varidi qualidades
ioj- Urca carroca em bom estado um par e dilos sem clieiros era porco e a retalbo .
de rodas novas caugaiuas, cucambas ou-
tros arranjos de sitio ; na casa do Sr. Gadaut
nos Coelbos.
SST Cupim diariamente a quem quiser to-
mar a quantia que se tratar poslo no porlo da
ra nova ; a fallur na ra nova ao p da pon-
te loja que tem lasendas e quartinbaa.
.c^ Um moleque de naco com 3 anuos
de idade; uaruadas Irinchetras U. 5.
L a4ooda lotera do theatio ; na ra do Ca-
das as noiles pasear ora no manguind ora na
Magdalena com capim ou leulia para a Boa-
vista e retira-se as vezes de madrugada foi
escravo de Jouquimdos '5auios Azevedo com
sitio no Rozariuho e cosluma dizer que anda
gaubando sendo que seja pegado leve a ra
da senzala velba reliuaco D. 3o
53^ No dia a8 do corrente pelas 7 horas da
raanh ausenlou-se da casa do abaixo assigna-
do uma preta creoula de nome Eugenia, es-
crava do Reverendo Sr. Feliciano Pereira de
Lira Vigariodo Limoeiro que o mesmoSc.
linba detxado em poder do abaixo assignado
para curar-se quando se retirou desta Cida-
de para a sua leguesiu em Aaio do corrale
anuo a qual lem os signaes seguiutei : alta,
cor meia tulla bastante magra levou ves-
tido azul de chila e oulra de reserva de chi-
ta branca com llores encarnadas ; roga o abai-
xo assignado a qualquer dos amigos do Snr,
Vigaiioem cuja casa ella possa aparecer de a
mandar a gairar e manda-la ao abaixo as-
signado e igualmente aos capitea de campo
sendo a peguem levem a casa contigua a Igreja
viatriz da Uoa vista. Alunoei FutacUco Ro-
txr Pei?uiita-se a Mesa da Irmandade de bug loja de relojoeiro junto ao Sr. Handeira.
|s;S, do Roiano do Corpo Santo qual o mo-j ur Os nidadeiros pos parisiense pur-ldecasa, engomniu e eoxta inulto bem
e cera em vellas de todas as qualidades; no
alieno dj Boa vista D. 7 j,
ur Um escravo de nacao calabar com
olicio de caruiteiro e uma casa terrea no
largo do Amparo em Olmda ; na ra da
Camboa do Carino D. 12,
lv Duas pretas de idade de ^o annos de
boas figuras boas engommadeiras. cozinbet-
ras lavadeiras e de muito boa conduela,
Uma molulu de idade de ao anuos de bonita
figura com as mesmaa habeii'/ides uma
Uiu
Moviiueiito i o Pctrto
NAVIOS SA11ID0S NO DIA 1
dita de idide de .--o ar!,,r>s optim para
BARCELONA com escala Porlo Rico; Pata-
cho ilespmlioi Vera-Ci uzauo, Cap. Jayine
carga aigodao.
DITO ; Mstico Ilcspanhol S. Joto Cap.
Matbeuj Betirany carga ulgodau.
OBSEBVACOES
eofundo no l'ofo pioinptJ a seguir viagem
nmu Sumaca
do
sen
dir
d'oj
o a
1
ped
das
ML
\faii
pass
L
RECIFE NA TYP. DE VI. I\ DE F, 180


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWHLSWJAE_SI3760 INGEST_TIME 2013-03-29T17:01:02Z PACKAGE AA00011611_04151
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES