Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04125


This item is only available as the following downloads:


Full Text
t Anno de 1840. Sexta Feir,

ProclamacSo da Assemblea Geral do Brasil.
-?*?-
Sobscreve-sa para esta folha a 3faoo por Ouarlel nan. j- _i
esta Tjpogr.ha ru. d Cruies D.3,YnaTraca W !*,ndiu
cia n. 37 5 38 onde se receben, correspondec ^Vtliidt^'^fn'
PARTIDAS DOS CORRElOS TERRESTRES.
Cidade da Parahiba e Villas de sua pretendi .
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem
.*/'"! Villas dem........ .* [ ]
Cidade de Goianm...................
iriade de Olinda.........i t j
Villa deS. Anto...... ,.............^odos
Dita deGaranhuns ePovoacSo do Bonito '. '. ''......$"m*n. f"iras\
pilas do Cabo, Srinbaem, Rio Formozo, e Porto' Caivo.' "3?' 7"
Cidade das Alagoas e de Mace...... V '\? dlto d to
ViUa de Paia de Flore....................../'" %" ...
2 r>R Ouiuuo. Num. *2I4,
ii nm 11 ii
CAMRIOS. OirTUBto U
Londres......30 d. por Itfooo ced.
Jrisboa ......*-*Sl. por pre,nio P' "' odereeidoJ
' ranea......33 res por Ti anco.
lHiB?J"nSr0/,Ti/ .. ComP- Vendas
CURO- Moedadeb#4oo fels, velhis HJ8oo 15*0.10
Ditas de 4#ooo res. x^ooo 8*ioo
PKATA -- Pataces liasileiros i^(jjo iM6Ln
Pezos Columnarios----r.-iftiio- i6',0
Ditos Mexicanos -.....iJffiO0 ,#20
n Muida.............if<4o |fl6o
Descont de bdbetes da Allande^a i por looan me.
dem de, letras 1 t\ a. i ip por boas firmas oUerecido.
Moeda de cobre 3 a U por too de di.se.
?Seg. e Sextas ferias.* j
PHASES DA LOA NO MEZ DEO'JTOB.
Quart. cresc. a 3 as 3 h. e 17 m; da tard.
La Cheia a 11-as i h. 54 m. da tard.
Quart. ming. a :7 as q h. e 37 m. da tard.
La Nova a i5- as 6 h. e 38 m. da tard.
Man cheia para o dia 1 de Ou'ubro.
As 10 horas 6 minutos da raanhj
As 10 horas e 3o minutos da tard.
DAS da semana.
28 Segunda S. Wenceslao Duque. RelacSo e audiencia do Juiz de Direito
da 1. vara.
Q Terca > S. Miguel Areanjo.
3o Quarla Jernimo Dout. Audiencia do .fuit de Direito da 3. Varaj
i Quinta S. Virissimo, Mximo e Julia Irs. Audiencia do Juiz de Direito
da 1. vara.
1 Serta UsAnjos da Guarda. -- Audiencia do Juiz de Direito da 1. vara.
3 SabhadoS. Cinddj M. Relsco e Audiencia do Juis de Direito da
3. vr,
4 Domingo O SS: Roiario de N. S.
RIO DE .J ANEIRO.
Cmara dos srs. senadores.
Sesso em 18 de agosto de 1840.
Presidencia do Snr. marquez de Paranagu
Approvada a acta, elido o expediente
enlra-se na ordem do dia.
O Snr. ministro dajustica partecipa nao
poder comparecer s sesses por toda a se-
mahssV
Continua a discusso adiada do projecto
das medidas de sep.uranca publica, artigo 9.
O Snr. Mello e Mattos retira a sua emen-
da apresentada em huma das sessoes anterio-
res e offerece outra subslituitiva, que he
apoiada.
Tomlo parte na disc. os Srs. Saturnino,
Mello e Mallos conde de Lages e Vergueiro
Fica a discussoaddiada pela hora.
Continua a discusso do projecto O
artigo g com as emendas, dos Sur. Car-
neiro de Campos e Paula Albuquerque.
O Snr. Carneiro de Campos pede que pri-
meiro se ponha votaco a emenda do Pau-
la Albuquerque e que no caso della nao
pasar ento se ponha a votos a sua e menda.
O Snr. Monleiro de Barros entende. pelo
contrario que se passar a emenda do Snr.
Paula Albuquerque be que deve ter lugar
a emenda do nobre senador pela Baha ; por
quanto se aquella nao for approvada sub-
siste a doutrin do artigo.
O Snr. Carneiro de Campos observa que
huma vez que seja se adopte o principio da sua
emenda, que leude a destruir os inconveni-
entes resultantes do grande numero de pssoas
exgido pelo cdigo do processo para a for-
madlo do primeiro conselho.
O Snr. Lopes Gama nota que a emenda tem
por fino desnaturar a nsluico do jury por
quanto faz com que o grande jury isto be,
o primeiro conselho, sja menos do que o se-
gundo.
O Snr. Carneiro de Campos observa que o
orador cuja opinio combate reduzio anda
mais o grande jury porqu, segundo o pro-
jecto o declarar se h materia para acensa-
to he conferido a huma pessoa e nao a
sete como rsa a emenda. O nobre sena-
dor observa que na Inglaterra o grande ju-
ry tero mais atli ibuices do que o nosso pri-
int'iio consellio dos jurados. Nogosta de
fazer emendas graves em legislaco princi-
palmente quando inda nao existe huma ex-
periencia tal que mostr os seus defeitos
O Snr. Costa Frreira insiste nos seus
principios tobre a legislaco lngleza deze-
jaiido que se nao conferissem as attnbuices
do grande jury ajuizes nomeados pelo go-
verno.
O Snr. Lopes Gama combate o principio de
que, logo que ha jury, est garantida a 1-
kerdade ; mostra que em Inglaterra em va-
rios reinados o jury tem produzido muitos
inconvenientes. Nota que o juiz de direito
tem rouita influencia na deciso dos jurados
inglczes. Observa que essa inslituico he
mais anliga do que se presume, pois ja exis-
tia entre os Ron.anos se bem que com di-'
terto nome eorganisaco. Entende que se
conservo todos os beneficios do juiy con-
servando-se o segundo couselho, que be o
ssencial, aquella em que se trata da.veriG-
0910 do tacto.
V Snr. Costa Frreira nota que a belle-
sa dos jurados consiste na irijparcialidade de
suas decises, queesla nao pode existir quan-
do o julgamento he snhmit tido ajuizes nome-
ados pelo poder, influidos pelo poder. Nao
concorda em que o jury n se conforma cora
aillustracaodo paiz: por quanto, o Brasil
nao est mais atrasado do que a Inglaterra no
seculo IX.
O Snr. Monteiro de Barros declara que nao
he inimigo dos jurados, que o fim do projec-
to nao he abolir essa instituico maisapnli-
cal-a to somente ao caso de julgamento ,
onde ella mais conveniente, onde se trata da
applicaco da peha O nobre senador an%-
lisando o modo porqne seorgar.iso os prn-
cessos mostra que o primeiro cOnselho, em
vez de prestar garantas aos reos empeiora
a sin condico.
Posto a votos he approvado o artigo tal e
qual.
Entra em discusso o artigo ao : Os jui-
zesmunicipaes seio nomeados pelo impera-
dor d'eiiirc os hachareis formados em di-
Entra em discusso o capitulo 5. que se
inscrev os juizes de direito.
Nao se pije votaco o artigo ag por nao
haver casa.
O Snr. presidente d a ordem do dia e le-
vanta a sesso-
No dia iq e ao de agosto, nao houve seiso
no senado por nao haver casa,
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
Sesso em 19 de agosto.
Presidencia do Snr. Xarcelino de Brito.
A's 10 horas e meia faz-se a chamada ; e,
reunido numero sufh'ciente de Snrs. depu-
tados abre-se a sesso.
He lida e approvada a acta da sesso ante-
cedente.
O Snr. primeiro secretario dconta do se-
guinle expediente.
Hm ofTicio do ministro da marinha em
que coiimunica qurt, no liavcndo aihaa a c-
mara dos Snrs deputados revolvido sobre o
reito, que tenho pelo menos hum anno de plano e orcamento que lho foi presente a res-
pratica de (oro, adquerida depois da sua for-.
matura.
O Snr. Vergueiro entande que a provi-
dencia do arligo vai.alem das necessidades do
paiz que posto nao seja seuo a mitaeo dos
juises de lora, nao olistan'.c os juizes de (ora
ero s nomeados para o lugares em que ha-
via necessidade delles quando os juizes muni-
cipaes devem ser nomeados para todos os mu-
nicipios que soem grande numero : havendo
alguus quepo tem mais de quinhentos ha-
bitantes Desejra que se refjrmassem os
defeitos da legislaco", mais nao quer que de
nvolta com esses defleitos reformem disposi-
ces acertadas
Posto a votos he a pro vado o artigo.
Entra em discusso o artigo 5. Fstes jui-
zes serviro por lempo de qnatro annos ,
findos os quaes polero set recondusidos 011
nomeados para outros lugares por outro
tanto tempo com tanto que bem tenho ser-
vido. Durante os ditos qualro annos, s por
sentehea perderoo lugar.
Estes juises vencero ordenados e os emo-
lumentos marcados na le.
Depois de algumas observares do Snr.
Costa Frreira, he approvado o artigo.
Entra em discusso o artigo 3a, 1. Com-
pete aos juises municipaes:
1. Julgar definitivamente todos os cr-
mes de que trata o arligo1 a 7 do cdigo
do processo criminal e bem assim o crime
de contrabando com appellaco para o juiz
de direito.
He approvado sem debate e bem assim o"
pargrafo a. Formar culpa nos crimescom-
metlidos na cabeca do termo ou cinco legoas
em roda e sustentar ou revogar ex-olcio as
pronuncias feitas pelo juizes de paz nos lu-
gares distantes.
3. Verificar os Tactos que fizerem objecto
de queixa contra os juises de direito (tas* co-
marcas em que nao houver relaco, inquirir
sobre isso testemunbas e facilitar s partes
a exlracgo dos documentos que ellas exigi-
eui para bem a inslruirem.
Sao tamhem approvados sem debates os pa-
ragrap'hos 4* 5 7, e 8, e os artigos ai, i\,
a5 e a6.
Entra em discusso o arligo %r) do capitulo
4. que trata dos promotores pblicos.
Sao approvados sem dcasso os artigos 37
peito do melhoramento da barra da Cotingi-
ba na provincia de Sergipe nao llie he pos-
sivel satisfacer ao que se exige ; e quanto ao
que foi destinado para melhoramento da di-a
barra e construecodeduas catraias, nenhuma
qiiantia foi applicada para smelhante obra :
a qem fez a requesico.
Outro, do secretario do senado, parteci-
missso de redaeco.
O Snr- presidente d para ordem do dia
Primeira parte as resolucoes numero 17
de 1838, emendas do senado sob nmeros 73,-
io0 et>4 e o mais j. dado.
Segunda parte discusso do projecto so-
bre colonisaco e do sob numero m deste
anno.
Levanta-so a sesso as duas horas.
PE RNAMttUCO;
GOVRVOV PROVNGIA. '
Expediente do dia lgdo p.p.
Oficio Ao Commandante das Armas,
para ordenar quo se apreste ao Inspector ;lti
Arsenal de Marinha, o Tenenie Jos de Si-
queira Cumpello e o Alferes R iimumi.1
Jos de Souza Loubo nomeados paraforne-
cer o Conselho de investigaco que tem de co-
nhecer da nsubordinaco do Despenseiro d\
Brigue Escuna Eidelidade.
Uo o Inspector da Thesouraria dai
Rendas Frovinciaes. enviando-Ilie a filiaco
de tres cornetas que foro engajados para o
Batalho de Guarda Nacional de Iguarass ,
a fim de que Ibes mande abrir o competente
asen la ment de p'raca.
Dito--Ao Commandante do Bitallio d
Guarda Nacional de Iguarass' cominuuican-
do-lne o conteudo no precedente olfieio, eres-
pondendo-lhe que foi expedida ordem ao
Director do Arsenal de Guerra para receb'er o
pando que o mesmo senado adopt.u e vai dt- correame e armamento desconcertado,
rigir a saneco impern a. resolticao que ap- otQ __ Ao ln )eclor dl Thesouraria das
prova a penso concedida a Cuilhermma Lix: ften(f|S provni;aes enviando-lhe a rel-
fica acamara inteirada LCao dos obiectos comprados pelo Inspector do
Outro, do ministro do imperio, remellen ; Arsena, (,e Mjr|lha ^ a mobilarf h c^
dooaulhograpl.o da resolvcao que approva do Engtnheiro pouco chegado a esta Cidade,
a tenga concedida ao corone Thomaz Auto- afim de 0 mau(le salisf,uer a sut _
nio dabilveira na q.111 i. M. o imperador Uncia CJll|()rmr 0 contracto cellebrado como
consente : para o archivo. I mesmo Eclsei|hei'w
Outro, do ministro da fasenda esclare-, Dil0 .. Ao |nSjiector do Arsenal de Mari-
cendoque lhe foi exig.do acerca das notas n, communicaudo-lho a expedc;o da or-
deaUaaouooo res receidas no tliesouro ; sunra
a quem fez a requisico. d^ Ao mesmo enviando a nomeaco
Outro, do Snf. depurado Lourenco Josc do Conielhode investigaco que deve conhe-
R.beiro, commun.cando que por ineommo- cer da niuWdinaeo do Daspenseira do Bri-
dado nao comparecer por alguna das : sesao e E,cuna Fdelidide e bem assim a par-
da cmara dosdnrs. ueuutauus : tica a cama- ~
ra ioteirada.
Outro, do Snr
teofcial, que deve servir de base, e orde-
nando-the que destino urna silla do mesmo
riocfrigo de A al para reunir-seo dito Conselho.
Souza da Silva POntes fasendo igual cota- ------ 1-
deputado
Portara -Norneando para presidente do
mun.cacao ; fica a cmara inte.rada. Gonsell.o cima mencionado, o primeiro Te-
Ouuo, du ministro da fasenda partee- ne(lleJS8 plttienla e para vogaes o Te-
pando que por incommodado nao pode ass.s- nenUj j go de fa { e 0 Alfarei
t.r a terceira discussad da le do orcamenio da Raimnndo J0j ue S0u/a Lobo,
fazenda para que hontera foi convidado ; t(J _. Ao Commandante do Brigue Escu-
fica a cmara mteirarfa. Fidedade cominuncando-lhe o con-
Ordem do da a::'.- i
;_. ,. leudo no omcio e portara precedentes e
Eftra em terceira discusso a le do orea- .. 1 l
, ordenando-lhe que mande apresentar o rej
ment da lasenda. .' ,,r.
..c ., iw 1 i i .* 1 ao inspector do Arsenal de Marinha.
O anr. Alvares luachaao motiva numa e- ,. ,* ,-.
.... LUto Ao Commandante (b Brigue Ejcu-
menda restabelecendo o artigo da despeza ,. y .
. 111 na Nicleroy laaendo-lhe igual partecipacio a
consignada para parramenlo dos ordenandos 1 ',, r ,r ...
a c m r ordenando-lhe, que mande apresentar osen
aosmestres de S. MI. e suas augustas ir- ,,_,., V1 ,- \
" Immediatoao sobedilo luspcctar
maes.
Est emenda he apoiada bem como muitas
outrasoflerecidas por diversos Snrs. deputa-
dos.
TomO parte na discusso oj Snrs. Alva-
res Machado Carneiro da Cu'nha, Itezeude,
Antunes Correia Castro e Silva Dias de
Carvalbo, Ramiro, Coelho e llego Mon-
teiro.
D-se por concluida a terceira discusso do
orcamento, que he approvado com algumas
das emendas apoiadas, e remelle -se com-
ipec
Dito Ao Director interino do Arsenal de.
Guerra, respondeudo-lhe que ao Director
Uo Liceo foi expediJa orde.n para User ma-
tricular n'Aula de Desenlio os Educandos
do mesmo Arsenal de que faz mensj em seo
olEcio de 18 do corrale mez logo qud lu<
forem mandados apresentar.
l>iversas iieparticOe
ALFANDEGA DAS PAZtiN.U.
O Biigue ngle Mar y Q leen ol Se ot s
lild


-*5S
D 1 IA RO DE PERN4MBDC0
Rl
-rindo dp Liverpool. entrado em3odopas- rao era boa f, porseduccSes do i. Denun-j tabelleciraentos de Caridade 2S de Setembro
lo, cari'ao Wm. Killey consignado a Cra-' ciado em caza do Tabellio 3. Denunciado e
blreeHtjtvortby & G manifestou o seguinte* nao em prsenos da Testadora a cuja caza nao
aoi fardos com fazendas 2^4 caixas com forao, couisso que izera5 perante o Coro-
ditas-63 ditas com linhas 3 barricas com ncl Joaquina Hernando de Figueredo Luiz
erragens 5 caixas com ditas a ditas com da Costa Porto Garreiro Francisco Antonio
ppele litros i embrulho com ditos- i5y Cavalcanti Juiz de Paz do Recife Dr.
caixas cora sabio 56 barricas cora serveia Joo Antonio de Saboia.
333 barris cora manleiga 6 barris com fzes i 6. No depoimento do Tabellia-o Coelho que | F saber aos fa\ Comparochianos que
d'ouro-a ditos cora tintas ,7 gigos com Tora era primeiro lugar procurado pelo i era observancia do Art. 4
louca-4 barricas com dita ao pezos de Denunciado para approvar o Testamento no *-,araara Junicipa i
ferro 5o bigornas 3 caixas com obras de Cartorio. |tadas ,.e fundo.s de su
Na desistencia que tambera fizera o i ^ue t,verem ierrena
de 184o.
J. M. da Cruz.
Escripturario.
ElTAES.
O Fiscal da Fregnezia de S. P. Martyr da
Cidade de Olinda em virtude da Lei etc
. couro 3 ditas com trincal 6 barricas com
7-
Cmara Municipal, mindera alimpar as tes-
is casas; como tambem
que liverem terrenos devolutos no praso
de o dias, e nao cutnprindo se tornar ef-
sal cartatico-5 barris com vinho-5o caixas. Denunciado da Testamentaria, para a qual foi *. U1 ,C1 .**.. ,..
nrn i-, i r~ i fectiva a pena marcada no dito Art.: e para
com dito i carrinho com seus pertences era nomeado e acceitou. I r T
im o >, k t .. que ninguera se chame a ignorancia man-
j volumes 3 barricas com comestiveis 34 A. o J. esta etc. ni f Ih
presuntos 4o queijos aoo gigos com bala- O Promotor Publico Jos Thomaz Nabuco ai publicar por esra toma.
I _i J J1' j -i Olinda a4 de Setemoro de ioo.
tas i manta de touc.nho 6 jarras com tn- de Araujo Jnior. w o ^ ^^
pas lo jarras com passas 3 caixas com per-
fumaras i barrica com tijollos 4 l!'os
-com conservas i caixa com doce i cesto A Cmara Municipal da Cidade do Recife
e seo Termo etc.
Faz saber aos habitantes do seo Municipio
com arreio para cavallo i barril com vinho-
j fardo com roupa feita i cesto com capa-
tos- 5 volumes com ura can ribo ao caixas
com champanha i dita com mostarda i
barrica com serveja a tinas com conservas
de carne-a banheiros i barrica com ta-
ca a ditas com ferragem i lata cora quei-
jo 11 caixas (ignora-se) 5 barricas dito -
i embrulho dito i eixe dito.
P U E F EIJT U R A.
Parte do dia i. de Oulubro de i84o.
Illm. e Exm. Snr, Das partes boje re-
cetadas consta smente pue hontem forao pre-
sos pelo Sub-Prefeito da Freguezia do Reci-
fe Jos de Souza Ribeiro, branco por I he
lerem sido apprehendidos tres chales de seda ,
furtados Arcenio Furtunato da Silva ; foi
detento no Callabouco : e por um soldado do
Corpo Policial o preto Jos escravo de Jos
Pavo por suppol-o fgido -, foi remettido
aoSr.
&PROMOTORIA publica.
Denuncia perante V. S. o Promotor Pu-
blico desta Comarca contra i. Manoel Car-
doso da Fonseca Proprieta rio a. Dr.
Juliao Maria de Carvalho Vasconcellos 3.
Guilherme Patricio Bezerra Cavalcanti Ta-
bellio de Notas, 4. Arcenio Fortunato da
Silva Commerciante 5. Francisco da Sil-
va Lisboa Commerciante 6. Manoel Joa-
qun Flix da Costa Caixeiro do Negocian-
te France Lasserre & C. 7. Antonio Fer-
reira Cecilio Vera Crnz Caixeiro do 1. De-
nunciado, 8. Antonio de Souza Flores ,
Caixeiro do 1. Denunciado.
Consiste a Denuncia em que achando-se
emo mezde Fevereiro pp. D. Margarida Go-
lasso Salgada moradora que foi na ra da
Cruz do Recife gravemente enferma de huma
gastro hepatite aguda em a noite do dia ao
do predito raer, foi accommettida de huma a-
poplexiaque terminou com a morte em a ma-
ulla do dia seguinte (ai) sendo que sempre
tomada da falla nao pode receber 011 tro Sa-
cramento que o da Extrema unco : acontece
porem que sendo ella fallecida appareceo o
Testamento Documento N. 1 escriplo pelo a
Denunciado no dia ai, approvado pelo 3
Denunciado no dia ai assignado pelos ,
5. <-> 7 e8. Denunciados no mismo dia
ai, em que como se disse a Testadora ac-
commettida desde a vespera de huma apo-
plexia nao podia fallar e privada se achava das
faculdades intellectuaes. Seo 2. Denunciado
escreveo, se o 3. approvou, se os demais
servira de Test em nhas para fabricar-se este
Testamento falso foi por mandado e seduc?5es
do 1. Denunciado que sobre o interese da
vintena quiz com prejuizo dos successores le-
gtimos favorecer os herdeiros instituidor com
os quaes tinha intimas reiaces.
Funda-se a denuncia
1. No depoimento do Cirurgio Assistente ,
Francisco Jos da Silva constante do Atles-
tado Documento N. a.
a. No Depoimento do Prioste Interino da
Freguezia de S. Fr. Pedro Goncalves Primo
Feliciano Tavares ; o que consta do Attesta-
doN. 3.
3. Na impossibilidade de que a fallecida
em o estado de apoplexia dedarasse a sua
Tontade e fizesse o Testamento. Requeiro
que seja ouvidos dois facultativos a respei-
to.
4. Na desistencia que 6zera5 os herdeiros
instituidos a favor dos successores legtimos
pela Escriplura Publica Documento N. 1 ,
sendo certo que nao renunciaria a huma he-
ranca to avullada garantida por hum Tes-
tamento revestido de todas as solemnidades
externas se nao lora a conviccio e conheci-
xnenlo da falsidade intrnseca.
5. Na contissio extrajudcial que fizera al-
gunas Tettmunhas declarando que sigua- J
Bento de Barros Falco de Lacerda Fiscal
do Bairro da Boa-vista em virtude da Lei.
Faz saber a quem convier que determi-
nando o i.e a. do Art. i2, Tit. 1 .
que sob approvaco do Exm. Presidente da das Posturas addicioriaes da Policia Sanitaria
Provincia estao classificadas como Ras da Cidade que os vendedores nos mercados ,
principaes dos tres diferentes Bairros desta logistas taverneiros armazens paderias ,
Cidide as que a baixo vo designadas, a refinacoes artistas de qualquer oficios Sa-
fmdequeera nenhuma deltas se possa de cristes de Igrejas ; ou Gapellas j e finalmen-
hora em diante estabelecer cazas, ou arma- te, todos os que tiverem qualquer genero de
zens de carne [vulgo do Cear] e de peixes negocio, ou industria de portas abertas de-
salgados e bem assim de couros e de Bat- vero varrer suas testad is todas as manhles
leiros devendo os que ora se acha5 estabe- at as 6 horas e aguar 3 vezes ao dia as 10
lecidos as referidas ras se transferirem pa- horas da manh a huma hora ~ e as 4 da
ra qualquer das que nao estao comprehendi- tarde.
das na referida classiBcaco. Outro sim os proprietajos dos predios ur-
Bairro do Recife. baos, e rsticos do Municipio tero as tes-
Rua da Cadeia inclusive o beco lago e o tadas dos ditos predios cora alinliamento de-
espaco ou Praca que circula o fundo da I- terminado deserabaracadas e aterradas ,
greja do Corpo Santo, e Ra d'A pollo: as cercas limpas e aparadas, como determina
Caes e Travesa nova d'Alfandega Ra da o Art. 1 do T. 3 da Polica das Ras ; e to-
Madre de Dos, Codorniz Vigario Bar- das aquellas pessoas que nao cumprirem os
beiros e Largo da Praca: Ra da Cruz in- citados Artgos sero punidos com as penas
clusive o Beco da Lingoeta Alfaudega ve- marcadas nos mesmos. E para que chegue ao
lha desde o largo da Praca at o Forte do couhecimento de todos e nao aleguem igno-
Bora Jess : Fora de Portas da Intendencia rancia raandei publicar o presenta pelo Uia-
atoPilar, e Ra de Santo Amaro. rio. Bairro da Boa-vista 3o de Septembro
Bairro de Santo Antonio, de 1840. Bento de Barros Falco de Lacerda.
Caes do Collegio a partir do sul daesqui- MHM^aaH
na do Edificio Nacional, para o Norte ateo
campo de Palacio Velho inclusive : Pateo e
Ra do Collegio era seguimento a da Cadeia ,
e a de S. Francisco : Ra do Crespo Cru-
zas Praca da Independencia, Run do Quei-
mado Pracinba e Ra do Livramento :
Correspondencias
Sil. Redactores.
Como na reunio que fiz das perguntas
dirigidas ao Sr. Ten en te Jos Bernardo Fer-
Rua do Rosario larga da Igreja at o Pateo nandes Gama algumas me escapassera e de
do Hospital do Paraizo inclusive: Ra estrei- novooutras se me aprezentem recorro ao seo
ta do Rosario desde o Pateo do Collegio at o Diario para por elle obter explicaces
entrar para a do Garmo inclusive : Pateo da Desejo-lbes saude e sou .
Matriz, Ra do Cabug Larangeiras, Seu Obrigadissimo
Trincheiras, e Nova ; Ra do Sol a par
do Norte desde o Campo de Palacio Velho
O Curioso
It Si j prepara a sua obra par,a que d'a-
paraoSul al o Jogradouro Publico, e ra qui vinte anuos esteja em ordem do dia ,
da Gamboa do Garmo : Ra do Rangel Pe- porquanto diz que o passein coberto por ar-
nha etodo seo Pateo exclusive a Ribeira vores frondosas eso d'aqui vinte anuos
e Praca do mercado : Ra Direita a partir da que n'esse estado poderlo estar as que l por
esquinada Igreja do Livramentocomprelien- rase achaS.
dendo a Ra das Cinco ponas at o princi- | a. Sitera alguma casa no Poco da Panella
pi do Atierro dos.Afbgados : Ra d'Agoas para alluguer porquanto dizque s com a-
verdes Pateo e Travessa de S. Pedro Ra vultadas sommas que se pode obter l urna
de Hortas at o sabir da Ra Augusta e to- casa muito ordinaria.
da esta al o sabir no Alterro.
Bairro da Boa-Visla.
3. Si as casas muito ordinarias custa a-
vultadas sommas quanto devem custar as
Ra da Aurora, Atierro, Praca da Boa- de palha (mocambos) que na beira do Rio es-
Vista Ra da Cooceigo e do Arago : to.
Ra da Glora em seguimento at a Matriz : 4. Si com effelo est convencido que seja
Ra Velha Pateo, e Ra da Santa Cruz o dinheiroo mais bem gasto oque seda por
exclusive a Praca do mercado. urna casa n'esse lugar.
As cazas pertencentes as Ras principaes i 5. Quantos Paraizos conta em seu roteiro
com frentes para oulras nao principaes sero porquanto, dando o nome de Paraso a's raar-
concideradas todas as frentes como pertencen- gens do Gapibaribe perto do Poco parece
tes aquellas e ns a eslas admittir urna infinidade de Paraizos
E para que chegue a noticia lodos man- j 6 Si a sua Obra urna collecco de me-
lla a Cmara publicar o presenje no.qual : moras sobre Pernambuco ou urna raassante
concede dois mezes improrogave;s para mu- apologia feita aos seus dois amigos da dedica-
danca daquelles armazens sob as penas com- loria ou se suppoem que sao os dous moau-
miuadas no Art. 1. do Tit. 2. das t'ostuias ; mentos os mais notaveis da Provincia.
addieionaes. j. Si foi somenle a liga dos mascates com o
Paco da Cmara Municipal da Cidade do \ Governador Sebastio de Castro Caldas que
Recife a8 de Seplembro de 18^0, leve lugar em vj lo que fez decahir Olinda ou
Joaquim Bernardo de Figueiredo os incendios que na Cidade pozer os Hollan-
P residente.
Fulgencio Infante de Albuquerque e Mello
Secretario.
Administrado dos Estabellecimentos de
Caridade.
Perante a Administraco dos F.stabelec-
mento de Caridade se ho-se arreraattar a
quem mais der no dia a do fucturo mez as
rendas das casas D. a, 3,e 4 na ra da Reda, 8
loj as da casa da Roda, D. 1 e 10 na ru:i a-
traz do Calabouco : as pessoas que se propo-
serem a arrematal-las podero comparecer no
indicado dia no Grande Hospital desta Cida-
de as qualro horas da tarde com os seus fi-
adores.
Salla das sesses da Admidistraco dos Es-
que na ladade pozerao
dezes depois de sua invaso em i63o.
8. Porque fallando em Goiana nao fez
menco dos acontecimentos que l tivera lu-
gar em Agosto d 18a 1 contra o General Re-
g,
9. Si lhe consta que o General Reg (Luis
do) fosse condemnado alguma pena infa-
mante por isso que n'elle fallando diz o ex
genpral -. Si suppoem que o tmulo despe
os morios de suas dignidades.
10. Si fallando nos saes cristalisados de, que
abunda Pernambuco nao deveria dizer de que
metaes ero esses saes cpostos porque podem
ter diversos aspectos e terem as mesmas uase3 ,
excepto si nao sabe que tal um composto de
um oxido metlico e um accido,
11. O que quer duer na sua sobre o Angi-
co porquanto muitos sabem que qumdo a fe-
rida nao interessa algum dos orgos essenciaes
vida deixa de ser mortal.
1 a. Si suppoem que a leso de algum r-
gSo essencial vida seja mmediatamente se-
guida pe la morte.
i3. Si suppoem que toda a le?o de orgos
essenciae* vida seja de necessdade mortal.
14. Quaes sao os orgos essenciaes vida
para poder saber que quando l se acha a
leso a deva consideaar como incuravel pelo
Angico.
i5. Em que ordem de medicamentos ar-
ranj* o Angico porquanto estando todos os
remedios arranjados na Materia Medica de-
baixo de certa ordem seria impossivel servir-
se do An:;ico sen que esteja classificado.
16. Si com effeito foi Martin Behern que
descobrio Pernambuco em i{S4 ou si Vincent
Pinson como diz em Atlas Geograpbico-His-
torico das duas Americas publicado em Phila-
delphia.
ij. Si por supposicoens ou ditos infunda-
dos pode dar a gloria de descobridor um ho-
mem.
18. Como que pensa que amorte do 1.
Bispo do Brasil foi a mais deploravel entre a
de todos os naufragados e comidos pelos Ca-
betes. Si nao sabe que os homens sanctos
lera por maior gloria e beneficio o pissarem
deste mundo de iniquidades para o outro de
bens infinitos.
19. Si suppoem que foi mais deploravel
por ser o primeiro sacrificio ,e si se nao lem-
bra que sendo o 1. do numero em sanclidade
devia dar o exemplo.
ao. Si afrirma que o lugar ficou steril. Si
foi depois da morte do Prelado ou porque o
lugar era por si steril desde que a Ierra sur-
gi das Ondas como diz BufFon.
ai. Si supp5e ser mais deploravel morrer
e ser comido do que enforcado e arrastrado
no rabo do cavallo por pugnar pela Liber-
dade de seu Paiz.
2a. O que lhe parece mais deploravel, si
os Indios defeudendo o seu Paiz e oppondo-
se a aggresso dos Portuguezes ou si os Portu-
guezes commettendo barbaridades para Ibes
tomar o Paiz.
a3. Como combina dizer na pagina 84 "
que por morte de Duarte Coelho primeiro
donatario de Pernambuco succedaem i55
foi elleito chefe da forca armada seu fillio
mais moco Jernimo d'Albuquerque que sal-
yau Pernambuco tendo apenas ao annos de
idade quando todos os Cbronistas da Provin-
cia affirmaS que Duarte Coelho nunca teve fi-
lho desse norae e sim um Cunhado irmo
desua mulber D. Brites que devia ter ento
seus 5o annos pouco mais ou menos.
a4. Como me explica dizer que Duarte
d Albuquerque nao teve de desembainhrr a
espada em Pernambuco contra os indgenas
ja pacificados por seu irmo Jernimo quan-
do os i'P. Jaboato Ayre3 do Casal e outros
historiadores da Provincia dizem que Duarte
d'Albuquerque commandou com seu irmo
Jorge a expedico do Bio S. Francisco e que
foi n'essa poca que o mesrao Jorge nomeado
General das armss secobriu de gloria ni
guerra dos indgenas ento inleirameute su-
blevados.
a5. Si tem consciencia de que a sua com-
posico vale o preco que hoje pede.
Sao por ora as dilhculdades sobre que peco
explicaco; quando os meus affazres me
permiltrera irei apresentando o que me foc
occorrendo.
Snrs. Redactores.
Li na sua folha do 1, de Outubro a Cor-
respondencia -de Mr. Robert, e como nella
nao encontrei interesse Publico mas sim a
emanaco do genio da intriga que tanto im-
pera no cqraco daquelle e de outros Mrs,
queira por obzequio inserir a seguinte carta
da direco do Theatro do Maranho t para
desmascarar a esses intrigantes.
Sou seu venerador.
F. F. Gamboa.
Illm. Snr. Francisco de Freitas Gamboa.
Tendo-nos sido entregue huma carta de V.
S. derigida ao nosso socio [ j defunto ] Joo
Adelo Soares- da Silva na qual nos manda-
va dar parle deque Mr. Luiz Valy por pe-
dido de V. S. eslava detreminado a vir a es-
ta Cidide trabalhar neste Theatro e por cu-
jo motivo nos enviava as condicoens com aa
quaes a elle lhe convinha vir trabalhar \ a
tal respeito temos a dizer a V. S. que o ajus-
te q' nos manda propor para .Vir. Vaiy ,e q' V.
S. costuma fazer no seu Theatro com os dife-
rentes artistas q' aoi aparecen). mullo juslo.e
de vantagem para esse Theatro por uuaulo
ahi se podem fazer tres recitas por semana e
neste nao coslume fazer mais do que urna,
que c nos domiogos e apenas alguma mau.
r
*


'.

!
DIARIO E PBRNAMBUC4
5
guando a algum da santo que cai no meio da
semana : acrece mais que metade que Use
fica do producto da recita, depois de tirada a
despeza diaria reverte toda 'em favor de V.
5. como empresario doTheatro, que so-
niente urna pessoa e aqu neste Theatro a-
Jem da Sociedade nao poder trabalhar se nao
[ como j disse ] nos Domingos e esta ser o-
brigada a dallos ao Artista para seos traba-
lhos metade que llie fica livre depois ,
de tirada a despeza nao reverte em favor de
urna so peisoa ; mas sim de 14 Socios que se
compoem esta Sociedade; por isso que sera-
pre foi aqui costume neste Theatro [ atlie
mesmo no lempododefunto empresario] quan-
do aconteca o'vir aqui algum artista traba-
lhar ,, divedir-se em duas partes iguaes ludo
quanto a caza renda na noite da recita e da
metade que tocava ao Artista que se tira-
va a despesa diaria e tanto que por ser este
j o costume antifjo deste Theatro assim o
praticou esta Sociedade cora Mr. Riam. Po-
rem como esta Sociedade conhece o quanto
devedora a V. S. pelo enterece que tem tan-
to mostrado pelos augmentos a favor d mes-
ma ; edesejando ao mesmo lempo todos os
Socios ter o gasto de conhecer e ver traba-
lhar M"". Valy ensigne e Dignissimo Mestre
de sua arte [ pois assim estamos informados
pelos muitos elogio que em diversas folhas ,
tanto deste Imperio como da Europa, temos
visto, elogiando a Mr. Valy] econhecendo
ta bem ao mesmo tempo o graude dezejo que
M> Publico desta Cidade tem de ver trabalhar
Mr. Valy foro motivos justos, e urgentes
que Gzerao com que lodos os Membros desta
Sociedade, com ura geral voto de unanimi-
dade decedicem asseitar todas a propozicoens
que o dito senhor por sua enterveuco nos en-
viou e por cujo motivo Ihe remetemos dois
papis de trato iguaes em tudo ao que recebe-
mos para copia e dos quaes vai um delles
assignado pela Commisso Directora deste
Theatro e o outro sera assignatura que de-
vera servir para assignar Mr. Valy, e o qual
V. S. se dignar remelermos cora a maior
brevidade possivel a Ora de que a Commis-
so possa deliberar os trabalhos deite Thea-
tro. Igual ofereciraenlo fas a Coramigso
Directora a Mr. e Me. Robert. por estar-mos
informados por diversas pessoas que j tem
visto seos trabalhos que to bem se fazem ere-
dores de toda a consideraco e louvor. Esta
Commisso em nome da Sociedade tem a
honra de saudar a V. S. e a toda a sua res-
peitavel familia enviando-lho ao mesmo tem-
po os mais puros votos de eterno reconheci-
menlo ficando todos desejozos de mostrar a
V. S. u quanto eslimario poder ter occazio-
ens de lhe ser aqui prestaveis os Membros des-
ta Sociedade* Theatro Unio 19 do Julho
de 1840.
Somos de V. S. attentos obzequiadores,
Dionisio Jos Oliveira e Silva,
Joo Jos Ferreira Fonceca.
Joo Van : mey.
N. B. A dispeza diaria do Theatro de Ma-
ranho como se pode mostrar he de reis
iga,ooo e a de Pernambuco para Mr. Ro-
bert era de reis 0,0,000. Aquelle Theatro ,
seu total com toda a sua grandeza he de reis
700,000. O pequeo Theatro de Pernambu-
co leve noites de reis 6 i 1,000 : quem souber
Arithmetica que lhe faca o calculo.
Snrs. Redactores.
L no seo Diario um Communicado debaixo
da apigrapheCaballa-se, e com efleito con-
fesso que bastantemente me ademirei de a-
inda ouvir to bellas mximas de eleico ; de
modo que se isso nao foi ditto por escarneo ,
011 com a intenco de illudir aos inespertos ,
torno a di'.er baslanlemen,e me ademirei de
ouvir to bellas mximas de eleico. Mas ,
Snrs. Redactores apezar disto nao pude
convir com o Senhor Communicante sobre
Caballas no principio imilido por elle no
fira deseo Communicado de que o Povo
nao vive engaado e que sao reaes as pro-
messas que lhe tem sido feitas. Estas pro-
posices bem parecem ser ditadas antes para
se chegar a certo fim [ nao para a eleico
de ninguem ] do que para o conhecimento da
verdade Ora eu quizera Snrs. Redac-
tores queoSnr. Communicante sobre Ca-
ballas me convencesse deque o r"ovo nao
vive engaado e que sao mais as promessas ,
que lhe tem sido feitas Por exemplo ser
engao ao Povo ; ou nao, o vercm-se os Bra-
zileiros delacerando-se una aos outros sem
que o-Governo, que cenlennas de milhes
tera consumido titulo de paciGcaco pos-
ea realizar essa pacificaco ? Ser engao do
ver-se ,
entretanto, que se nao tomo medidas de le-
gi-daco pretesto de economa poltica e
offenca dos tratados extrangeiros ? Muito
mais teria eu dizer a respeito porern fi-
quemos aqui ; e vista destas ideas eu per-
temunhas mencionadas no testamento junt)
porcertido a folhas sette declaran la tir sid >
o mesmi formado por sedase,3o do primiro
denunciado em casa do Tabellio fon di
prevenga da testadora a cuia caza uo fono ,
guntarei ao Snr. Commuuisante sobre Ca-|he completamente rebatido pelo depoimento
hallas, so sao reaes as promessas que se fi-]
zero ao Povo quando se o incitou para a
Independencia de que nao goza se nao dos
encargos : aqui cabe o rifo trabalha o feio
para o bonito comer Em concluso esse
palavriado de que cada ura vote em quem
lhe ditar a sua consciencia, est oje resonhe-
cido como ura meio de Caballar ; miis ,
para mira sendo esse meio um dos mais se-
dissos advirto ao Snr. Communicante 60-
bre Caballas de que se deve desengaar ,
que o Povo em geral nenhuraa conta faz de
Eleico : para o Povo indeferente que saia
este ou aquelle Deputado ou Senador ^
elle tem a experiencia de seo mal em todos os
Partidos que tem montado a deputaco, quan-
do impero ; sim quando impero! quem
disto duvidar que me contradiga : a inllu-
eucia as Caballas est entre os Candidatos ,
e os seos gerentes que se apresento em
campo armados do poder da Naco que ali-
as lhes foraconfiado, nao para o interesse
particular mas para o bem estar da raesma
Naco ; e seja prova disto e exemplo da vo-
taco dos Municipaes e quem nao tiver por
si a proteceo mais ou menos do mando,
meo caro Snr. Commnnicinte nada pesca-
r ; e tudo o mais perder tempo e traba-
das testemunhas de folhas vinte sette athe fo-r
Ibas t?inta sette que nao so nego nteira-
mente o facto argido de ter sido a confisso
extrajudicial pastada em suas prezencis co-
mo tambera nenhuraa inderecro desfavon-
vel offerecem contra a verdade do raesmo tes-
tamento : que o sexto fundamento apontad o
da dezistentencia da testamentaria feita pelo
primeiro Denunciado era couza alguma pode
roborar a Denuncia por ter sido aprezeuta-
do esse acto depois da escriptura de dezisten-
cia a folhas onze e antes do offereciment da
Denuncia em Juizo nao sendo assim se quer
ao menos suspeitozo semelhante acto que
he por si inteiramente indiferente :
o sptimo ,
nenhum por
ment da testemunlia a folhas vinte sette em
que se firmava o mesmo. Por tanto nenhu-
ma prova havendo e nem leve indicio ou
prezurapeo que sirva a auxiliar a Denuncia a
folhas duas julgo a mesma nao provada e
improcedente ajrespeito de todos os Denuncia-
dos. E pague a Municipalidade as custas
Reciffe vinte dous de Septembro de mil oito
SOCIEDADE ARGELINA TUG\TR/\.L.
O Primeiro secretario aviza aos Ulnas. Srs.
Socios que no dia \ de Outubro pelas 3 ho-
ras da tarde ha ver sessao extraordinaria no
forte do Mattos; na ra da Boia caza N. 3ti.
PUIiLICACVO' LI~TTERAR[\
Sabio luz o curso de Philosophia pelo
Snr. Geruze* excelentemente traduzido pe-
lo Reverendsimo Padre Miguel do Sacra-
mento Lopes Gima e acha-se venda ni
lojadelivros Praca da Independencia n. 37 c
38 onde os subscriptores poderao mandar
recdber os seus exemplares em brocliura .pa-
gando a quota j estabelecida de 4U000 rs.
AviSIN DVfiMfM
e ultimo fundamento he
ser repellido pelo depoi-
tI7* Precisa-se de urna preta pira amule
ummenim, ciptiya ijua saiba engomar ,
e lavar a roupa do menina e fazer todo o ser-
vico preciso a urna crianei ou forra e de
bons cotumes, e mosa se n ra desla ; na ru a
do Vigario D. 3o em casa do Tiicnotheo Pin-
to Leal.
7* Quem quiser dar teez contose seisran-
tos rail reis juros, sobre hipoteca de propre-
dades ; aununcie.
C^ Com o Porteiro do Arcenil de Mari-
nha poder enten ler-se a pessa que no Dia-
1 rio de 3o de Septembro do corrente deseja s-
cenlos e quarenta b rancisco Joao Carneiro ber a quem [he ra|la uina ca01 de carrear
da Cunha-Aos vinle dous Septembro delentulhn, por isso que do raesmo Arcn il de-
mil odo ceios e quarenta nesta Cidade do sapareceo dias urna canoa que em seraelhan-
Recife de Pernambuco por parte do Doutor' te servcoSe empregava;
b ranesco Joo rae foro dados estes autos com ^ Quem precisar de ham3 ann com
uexoes,q nao sao lidias senao do dezabao de a bentenca retro havendo por publicada man- bora |etg e n0 leai f[|10 pr0cure
dou se comprisse e guardasse como nella se sobradinhode hum andar dclronte do telheiro
contera fis este termo eu 1-ilippe l5euicio Ca- J3 porto ,ias canoas.
vaLanli de Aibuquerque Escrivo o escrevi. ^^ percS;l_se de um cuzinheiro pira o
Em lempo declaro por parte do Doutor Frac- Unio, quem estiver nestas circunstancia*
cisco Joo Carneiro da Cunha Juiz de Direito dirija-se ao armazem da ra do Vibrio De-
Interino da Primeira Varado Crirae me for cima 6
Thomaz Nabuco de Araujo e Denunciados dados estes autos com a Sentenca retro ha- i ssr prpcSi_se allugar uraa escrava ano
Manoel Cardozo da Fonceca Doutor Julio i vendo-a por publicada raandou que se com- saiba cosinhar para pquena familia no carao:
Mara de Carvalbo o Tabellio Guilherme prisse e guardasse como nella se contera is por tempo de 4 a 6 mezes- annuncie.
Patricio Bizerra Cavalcanli, Arcenio Fortuno- este termo eu Filippe lienicio Cavalcanti de
to da Silva, Francisco da Silva Lisboa, Manoel J Aibuquerque Escrivo o escrevi. Nada mais
Joaquim Felis da Costa, Antonio de Souza Fio-' se continha e nem declarava outra alguma
res, Antonio FerreiraCicilio.e Vera Cruz,nel- cousa era dita Sentenca e termo de publica-
lho. Queira5 Snrs. Redactores, por favor
inserir no seo Jornal estas miabas poucas re-
_ q' nao sao filhas seno do de
tanto engao dos Patricios romanos.
O Engaado.
PUBLICACAO' APEDIDO
Certifico que revendo os autos de Denuncia,
entre Parles o Doutor Promotor Publico Jos
los
Sl^ Precisa-se de sessenta mil reis a pre-
mio dando-se boa firma : quem quizer dar
annuncie.
W Qe>" Ti'ser comprar ps de sapotis ,
les achei o que pede por certidao de cujo seus cao tudo aqu transcripto o qual eu Escn- dirija-se ao atierro da Boa-Vista a fallar na
theores he da lorma modo e maneira seguin- j vo no principio desta declarado bem e fiel- yenda do Sr. Lap>a.
te.Vistos esles autos de Denuncia a folhas J mente fis passar por certido dos proprios au-1 tsT OlIcm precisar de urna boa lavadeiri
duas documentos de folhas cinco the folhas tos a que me reporto e est na verdade sem 'para maiIjar lavar qualruer quintidede de
dezassette defeza de folhas dezanove de poi- cotiza que durida faca e por mira conferido roupa prestando llanca por aquella deque
ment das testemunhas de folhas vinte sette e conertado na forma do estillo subscripta se encarregar dirija-se ao bairro do Recifa
lhe folhas trinta sette auto de exame a folhas, assignada nosta Cidade do Kecife de Per- na rHa diflua D. al,
trintaeoito e interrogaforio de folhas trinta \ nambuco aos vinte oito dias do mes de Sep- I g- Arrenda-so ura sitio na estrada do
nove the folhas quarenta seis de tudo se v tembro do anno do Naacimento de Nosso Se- Mouteiro passando o beco do Alemio ,
que o primeiro fundamento da Denuncia que nhor Jezus Christo de mil oito centos e qua- jrUr,do sitio: quem pretender dirija-se
conciste no attestado a folbas cinco he nenhum; i renta Dcimo nono da Independencia e do mesmo sitio.
por que uo s he a illaco que do mesmo se Imperio do Brazil subscrevi e assigni era f 55^ Precisa-se aludir uraa casa terrea ou
quer de duzir de ter falescido attestadora no de verdaile e concertada Felippe Beaicio Ca- um sobrado de um andar
dia vinte hum contraditada pelo depoimnto valcanti d'Albuquerque concertada Audr modos pan urna familia
se-
ao
prestado a folhas vinte nove verco pelo Ex Pri-
oste se nao tambem infirmado pelo depoi-
mnto dado a folhas trinta e tres pelo proprio
facultativo que o passou quando alfirraar
nao pode hoje lembrar-se do dia e mez a que
110 seu attestado se refere accressendo anda
Achiolis Adeliano de Vascon jilos.
LOTERA DI) SEMINARIO.
O Reitor do Seminario de Olinda convida
os amantes de Loteras a coraprarem os bi-
Ihetes da primeira parte da 17. Loteria do
, que tenha com-
, nao excedendo seu
aluguel a dez mil reis : d se boa fiador ,
ou paga-s* adiantado ; quem tiver annuncie
para se procurar.
EJ- No dia 8 do corrente hindo da Cida-
de de Olinda para o lugar das Candis um
preto de nome Fernando naco Angolla ,
nos qualro
osle que o deu :
tirada a impossibelidadeem que se aciava at- .
testadora de declarar a sua vontade he des- ^os ?es*, '"G11" t^o-se b.lhetes da b ^^
:.I Lotera do Ineatro, e de outras que, saludo ,
inta ... ^ carne de tre
iruido pelo auto de exame a folhas trir
tinado e su;tpoe-se o raesmo ler-se perdido,
rogi-se a qualquer pessoa que delle saiba o
r a ra da Praia
lenha premiados.
podendo
ment aprovado n'esses intervallos ou mesmo
antes das onze horas do dia vinte hum oc-
cazio em que o Facultativo recouheceu a rri-
'.v sendo que esta circunstancia(consta da defe-
za a folhas dezanove e inlrrogatorios de follias
trinta nove the olhas quarenta seis quando
he declarado ter sido o testamento formado,
e approvado as selle horas da manh do da
indicado: que o quarto fundamento deduzido
da escriptura de dezistencia a' follius onze ,
nao pode ser admitido por qua repugna as ro-
gras de Direito c aos principios de Justica o
trazer criminalidade de auto por ssu dado por
si innocente e inteiramente extranho a vontade
dos que figuro como acenzadoi na prezente
L'enunciu podando bem acontecer fosse a es-
criptura a folhas onze arrancada pela pozico
povo o ver-se que os Brazileiros' desvallida das berdeiras instituidas o que
artistas j nao podem trabalhar pelos seos of- mesmo se parece deprehender da (race di re-
gos tendo as suaa obras de concorre-! ferida escripura ; que o quinto fundamento
rem no mercado com as obras extrunjeiras, [ tirado da consso extrajudicial feita peUi Um -
oito em o qual fica demonstrado que
nao podi'ater sido attestadora a commelida
de appplecia e sim de delirio acompanhados
de momentos lucidos mais ou menos espaco-
zos podendo bem acontecer ter sido o testa- c.aJ" TOiU"i,nda "npertenveliueate no da 3
LOTERU DO THEATRO.
Os Uillie'es da a. Parte da \. Loteria,
de Movembro prximo vindouro aclio-se a
venda vo Rairro do Recite ; era as Lojes dos
Snrs Vieira Cambista e Manuel Gousalves
da Silva, e 110 de Sanio Anlonio, as dos Snrs.
Bastos e Costa na Pracinha do Liviamenlo ,
o \i-.noel Alves tjuerra ra jNova.
GABLVETl'E LIT TERA RIO DE PER-
NA vi BUCO.
A Direcco do Gabinette Litlerario de Per-
nambuco manda fazer publica que Domingo
4 do crrente pelas 4 horas da tarde ter
no armazem da
rez portas de Antonio Caldas da
Silva que recompensar generosamente.
tST" Qualquer mulher de idada ou raes-
mo moca que quein estar en ,imi c iza de
pouca familia pa servir lamente de cjupi-
nhia dando-se o sustento e vestuario di-
rija-se a tnvessa do Rosario no primeiro an-*
dar ilsobrado onde man oSr. erali n
S" Rita Alaria da Cunceico viuvi dj
fallecido Joaquim Antonio Ferreira de Va>-
concellos faz sciente aos seos Cred ires pan
quinta feira 8do corrente corapire.:ere 11 a*
10 horas da manhi na caza de sua residencia
para ae lhes fazer ver o estado actual da mes-
ma.
S3T Perante o Sr. Dr. Juiz de Direito da
5. Vara do Civel se hade arrematar no dio.
7 do correniR as f\ horas da tarde ama malata
lugar a abertura solemne do mesmo Gabinelte I escura com as habilidades, seguiutea j cozet
no 1. andar da casa D. ali da ra nova ; e
que a sess j ser publica e a entrad 1 franca
qualquer pessoa (pie queira assistir ao acto.
Recite 1. s de' Outubro de it \ >.
Por ordem da irecjo
O 1. Secretario
Luis da Costa Porto Caireiro
xao
engoma ,
cosinlia foi vanas ijualida-
des le doces e lie recoliiidi.
t^ Deseja-se alujar humi eaaa terrea n>
bairro de S. Antonio pira p-; piein I uuiin
dan lo-se de aluguel por mez at 1 altana rs.-,
lamben se arreada anualmente; i|aama
tiver ooauuTta sua uioradia para sur procu*
rada.


4
DIARIO PR PRRNAMBTCO

er 0 Snr. que pretenda fallar a Justino
Gomes Villar annuncie Ma morada para se
He fallar em razo de o annunciante nao
ter hora ce ra de estar em rasa.
ex Quem precisar de urna parda para to-
rlo o servico de urna casa de porlag dentro ,
menos fogo, diiija-se a ra velha junto al
un sobrado D. i.
ty Joaquim Luiz Vieira faz sciente ao
espeitavel publico, quedeixoude ser caixei-
ro dos Srs J. A. M. Basto & Companhia des
de o da 3o do prximo passado me/,
tsar Joo Maria Seve obleve pelo Juizo da
terceira vara desla Cidade mandado de pre-
cepto contra Antonio Machado Dias por a
quanlia de 5:42*,o46 rs. de principal, juros e
cusas e mandando-o requerer a casa de sua
morad a no lugar de S. Amaro fora decla-
rado ao (Ricial que tinha ido para o serla; ;
o Sr. Machado Dia9 nao he s devedor ao
annundiantedaquella quantia e mais juros
que vo decorrendo como taml.-em da quan-
lia de 10 000,000 que anda nao se acha em
execucSb e porque est informado que o
seu devedor nao loia para oserto e sim se
conserva occnlto em casa de sua residencia em
S. Amaro, o que sendo certo o constilue
pevedor de m fe e neste caso poder passar
a vender os seus bens ou por contratos leg-
timos 011 simulados para evitar quesloes ,
e pleitos judiciaes com lerceiras pessoas faz
o presente annuncio para ninguem contratar
rom o seu devedor o Sr. Machado Dias so-
bre a alienadlo de seu bens, movis ou
de raiz,
SST O Sr. Theodoro de Tal, ou seus her-
deiros assistentes na Provincia do ear ,
que tiverem em seu poder urna obrigaco cor
renle e vencida passada e assignada pelo fal-
lecido Jos Venancio de Benevides, da quan-
tia de 60,000 a queiro apresentar no praso
de t icezes contados da data deste annuncio ,
para receberem a dita quantia da mo do
testamenleiro Joao Manoel de Souza Vianna ,
morador no Urmo da Villa de Campia Gran-
.u >n< :>:. a., n__l:l. j. ivt__._ *? i
tST" Aluga-se um andar d um sobrado .
sendo em ras principaes do Bairro de 3. An-
tonio, que naoexcedit o seu aluguel de 'ia,ooo
e da-se adiantado dous quarteis na ru do
Cabug loja D. 2.
Cf O Sr. Francisco Machado Pereira di
rija se a ra do Crespo loja do Sr. Cunlia.
Avisos Marit i mos.
PARA LOANDA o Patacho S. Jos que
saldr em poucos dias: tratase na ruada
Cruz n. 67 ou com o capilo na prac do
coramercio.
Compras
tsr Escravos de ambos os sexos, tanto
pardos como negros de idade de 10 a i4 an-
nos ; a bordo do Brigue Paquete de Pemam-
buco fundiado defronte do trapiche do algo-
dao a tratar com Leopoldo Jos da Costa A-
raujo.
tssr Urna tisoura grande propria para bo-
tica e pesos de duas arrobas de ferro no-
vos ou uzados ; na ra nova D 29.
tsr Urna carleira pequea para embarque;
qutm liver annuncie.
Vendas
fer CAUTELLAS da Socledade Fortuna
Typografica, da Loleria do SEMINARIO ga-
nhando a vigsima parle dos premios, cabendo
na sorte de 4 000,000 reis dusenlos mil ris a
preco de 36o ; nesta Typografica na praca
da Independencia n. 30 na ra larga do
Rozario loja de miudezas D. 7 na ra do
Collegio loja de relojoeiro, na ra eslreita do
Rozario loja de trastes D. 3i.
Esy Um carrinho Inglez de duas rodas e
do melhor gosto, anda quasi novo por ter tido
ruu i lo pouco uzo ; a tratar com o Coronel
Chuby e querendo o comprador vel-lo ou
oulra qualquer pessoa pode ir ao mondego
de, provincia da Parahiba do Norte, fido'n0 si,0',,e Luiz omes Forreira que ah se
o quul lempo senao responsabesa pois que mostrara
fui entrega da mencionada quanlia ao depo-
sito geral a fim de se desonerar.
Urna escrava moca robusta da ida-
de de a5 anuos cose, engomma sofrivetmen-
tar Jos Nuns Vieira avisa as pessoas que ,e. .e cozinha o diario de urna casa na ra
tem pinliores em seu poder os vio tirar no 'direita casa pegada a Igreja do Livramento no
de i5
Urna molatinha recothiJa, de idade
le 15 annos boa coslureira urna negra ,
praso de oito dias ,'.'passando o dilo praso 'segundo andar por grande precisao. tST INa praca da Independencia loja d e um uegro ; nos Coelhos sobrado da quii
11.10 o forem tirar os vender para o seu em- I C A venda da ra de agoas verdes D 8 Jos Antonio da Silta n. 7 e 8 utn gran-' doSr, Gadaut.
boleo; assim como a quem o annunciante de- com muilo bons coramodos para familia; a de sortimento de calcado de todas as qualida- 1 "* tSJ" Meias de linho de superior qualidade,
ver lhe aprsenle suascontas no mesmo praso tratar na mesma. I des chegados ullimamenle pelo Brigue Ar- e prximamente chegadas do Por lo a 4oo o
pois pretende relirar-se para Europa uestes I tsr Uma negra de nacao betfguella de moriqne como seja b'olins de bezerro bor- masso ; em fora de Portas defronte do beco
multo boa qualidade, de meia polegada u 3
de grossura; no armazen atraz da casa da
opera.
tSB" Urna cabra moca com bonita figura ,
cose, engomma coiinha o diario de urna
!casa faz todas as qualidades de doces, e lava
de sabo, e he fecolhida par precisao ; na
ra direila D. 17 loja d couros.
i^* A posse de um terreno sito no aho-
gados no principio da estrada quo vai para a
varzea lugar dos pocos com duascazinhas de
pedrae cal edificadas na frente duas cacim-
bas ptimo tanque para banho e lavagem
de roupa, dous ps de coqueiros ja dando
fructo e alicerces feitos para mais 3 casas na
frente do mesmo terreno o aforaraento he'
perpetuo ; a tralar na ra da S. Cruz venda
que tem a calcada de pedra no correr da r-
beira.
tt Camas de vento rouito bem feitas a
4,5oo reis ; em caza de J. Banger, na ra da
Florentina.
tsf Um cuxixo por a5 000 canarios de
imperio nascidos no paiz, e dous casaes de
rolas de angola ; na ra direila sobrado D
53, no primeiroan lar das 6 as 8 horas e
Meia da manh, e das a as 5 e meia da tarde.
S3F* Urna escrava moca cozinha, engom-
ma ao comprador Se dir o motivo ; nos
alTogados n'aula publica se dir.
C3" 12 tisouras para l tueiro e funileiro ,
feitas em Guimares ; na ra da cadeia loja
numero 4o
\ST Sapatos de burracha : na ra do Rart-
gel sobrado que tem um retabulo de velias
pintadas na varand*.
tST Urna escrava de nacao boa cozinhei-
ra e lavadeira de varrella e sabio h faz bom
pao he moca e de bonita figura ; na ra
nova n io3.
27* Urna canoa .hera que conduz 4oo ti-
jclos -, e um negro moco canoeiro ; na ra de
S.GonsaloT). 11.
tsr Duas camas com seus colxoens anda
em muito bom uzo urna duzia de cadeiras
com assenio de palhinha, seis quadros a
espellios pequeos proprios para loja de al-
faiate e urna marqueza tambem com assen-
to de palhinha ; na rui estreita do Rozario
lado da Igreja tenda de alfaiate por baixo de
um sobiado de a andares.
tss* INa praca da Independencia loja d
Jos Antonio da Silva n. 7 e 8 um
co de 700 rs. cada urna ; na ra da Cruz lo-
ja de lonca dos Srs. Lopes Jnior e Antonio
Dias Soto, ra da cadeia velha lojas dos
Srs. Joaquim de Soma Pinto Bourgard O
Bairo ; junto ao arco de S. Antonio loja do
Sr. Braga praca da Independencia n. 8, a3,
e a4 ra nova loja do Sr. Chaves D. 5 no
alterra da Boa vista loja do Sr. Guimares D.
6, e nos 4 cantos da mesma na venda da
quina.
CT" Um preto de Idade de 35 annos tra-
balba com toda perfeico em um sitio urna
pardlnha de idade de 16 annos, recolhida ,
perfeita engommadeira e coslureira um mo-
leque de bonita figura duas negriuhas da
idade de 12 annos duas pelas quitandeiras,
e fazem todo o servico de urna casa e urna
dita cozinhera e erlgommadeira ; na ra do
Fogo ao p do Rozario D. a5.
SST Um ravallo com muito bons andares ,
tanto de carrego baixo como esquipado ; na
praciuha do Livramento D. ao.
W Urna venda na quina dos 4 cantos em
Olinda muito coramoda ao comprador |por
s ter a armaco e perlences da mesma venda,
ese far algm abite 5 atraz da Igreja de S.
Pedro Apostlo casa 11. 1 1, ou no sobrado por
cima da mesma.
C^ O Brigue Portuguez Josefa pregado e
forrado de cobre com dous ptimos- masta-
ros de pihho vergame panno e todo o
aprelho em milito bom estado bem como
suas amarras de ferro ; trata-se na ra da
Cruz n. 57 aondese pode ver a qualquer
hora o inventario.
tST Urna escrava de idade de a6 annos ,
de bonita figura cose cha engomma liso ,
faz varias qualidades de doces e he recolhi-
da por preco commodo por haver grande
preciso ; na ra direila I), ao lado do Livra-
mento.
S33* Das mtalas mocas com boas habe-
lidades urna dellas he perita coslureira ,
engommadeira e tem 2 filhos molatinhoi de
idade de a anuos e um preto para o servi-
co de campo; na ra d agoas verdes casa
terrea D. 37
Superiores Bichas chegadas ltima-
mente ; na praca da Independencia n. ao.
dade de 15 annos com ha belidades a vis- reguins de duraque prelo gaspiados de bezer-
Engomma-se vestidos de senhora com ta do comprador se dir o motivo ; no atierro ro de lustro obra muito bem feila e moder-
la dias.
leda perfeico ; na ra de Honas D. 18.
ey Precisa- se de um rapaz portuguez para
da Boa vista 7 J. | na sapatos de bezerro e de couro de lustro ,
S3jr Um pedaco d trra pfopria na quai dilos para senhora, sendo de marroquim se-
tomar conta de urna venda por balanco sen- se pode edificar urna otaria por se offerecer tim e duraque ditos de marroquim para me-
do que tenha pratk-a deste estabelecimenlo \ vantagens aeeessarias para o mesmo estabe- nios de todos os tamanhos. e botins dilos
e d fiador a sua conducta-, no atierro da lecimento ; a tratar na ra da S. Cruz em de duraque para senhora chinelas d mar-
Bca vista D. 34.
-^tsy Furtaro o primeiro volume do Car-
casa de .Antonio Lopes Guimares roqnim para homem meias de seda espar-
tar Urna morada de casa terrea sita na ra tilhos chapeos de sol, mantas de Blocm
so elementar de Hvgina por L Rostan; quem nova D. 8 ; a tratar no sobrado novo que vira 1 fitas e lencos de seda plumas para officiaes ,
o tem querendo restituir dirija-se a loja de para os quarleis > I). 1. I chapeos do chile de aba larga e de copa alta,
livros n. 37 e i8 da praca da Independencia, I tST Todo o mel de urna safra pendente ; [ e oulras muitos couzas por preco mais barato
que se graticarcom o valor porque com- a tratar com o Escrivo I erreira na ra das de que em oulra qualquer parte,
prra. trincheiras D iri que o encaminliar ; as-j tS^ O Corretor Oliveira contina a ven-
ty Precisa-se de urna prela escrava para sim como urna moenda orisontal, ou com o jder ntf seu scriptorio da ra da Concico n.
urna casa de familia ; quem quiser alugar di- administrador do engenho Amparo na Ilha de 34 diversidades de fazendas da india con-
rija-se a ra da senzala velha casa que faz Ilamarac. jsistindoem sedas de. quadros, ditas lisas, mos-
quina para o beco do porto das canoas n. 4
ou annuncie.
tssr Da-se de aluguel pela loja do sobra-
do novo que est l'eixada sita atraz da Ma-
triz de S. Antonio ib 000 para nella se co-
lorar um bilhar, da-se fiador, ou m'ez a
diantado, o prelendenle declara que nao pre-
cisa do quintal.
Senhora D. Francisca Candida de
largo n 21.
ts" Por preco commodo embonos de ca-
noas e barcaoas ; na ra nova loja de Frede-
rico Chaves D 5.
tW O Corretor Oliveira vertde por preco*
muito em conta em barril o meias pipas de-
licise vinho de Tenerife vindo de Inglaterra,
o qual peta sua superioridade e velhice, quast
revalisa com o da madeira tanto em cor como
em paladar os amadores que quiserem brin-
dar os seus amigos com to bca pinga prin-
cipalmente agora pelo lempo de festa diri-
jo-se ao mesmo Corretor.
Escravos Fgidos
CJ-
As verdadeiras pilulas vegetaes uni- quiteiros mantas de pilha ditas de toquim
versaes do Dr. Brandeth
nova botica D 2}.
nicamente na ra
chales de palha riquissimos leques de cha-
ro e de oulras qualidades esleirs da in-
*vt^* Gangas zoes da india, de superior da praliuhos de xaro Casacas ferias de
qualidade e cera branca de angola por paiha proprias para o vero figuras da cbi-
prego commodo ; na ra da sen/ala velha em
casa de Manoel Francisco Pontes
gigos com batatas conservas de todas as qua-
Arroxellas Galvo roi do fallecido Cara pe- lidades latas com sardinha salmo em I
, *i rj_ji i-i
na e de manlilha, urna tlaula quadros e iic.
t^- Camas de angico de bom gosto e
tsr Presuntos inglezes queijos lodrinos, cadeiras j no paleo do Hospital do Paraso
para se
ba queira annunciar sua morada
Ihe entregar urna caria
tsy Piecisa-se de urna escrava que saiba
cozinhar para urna pequea familia por tem-
po de 4 a t meies ; quem tiver annuncie.
t&~ Precisa-se arrendar um sitio. que
(as vinho engarrafado de todas as qualida-
des genebra agoa ardente de franca, linv
ta de todas as cores olio de liulvaca cha .
velias de spermacele e de sebo lona carne
de vacca e porco salgada escovas para sa-
patos vassouns de cabello para varrer salas;
nao seja muito grande e que o seu aluguel na ra da ullande;a velha o. i
nao exteda de 200,000 annunal, e que seja
pwloda praca ; quem tiver annuncie
9ST Roga-se tambem ao Sr. Retratista de
que se tratuu no diario do 3o de retembro n.
tli queira quandotpriuci|)iar alguma obra,
acabar de faze-la eseo mesmo *5r. taz sso
cuando ja lem recebido dinheiios adiantados;
quem acredite as suas falgas choradeira! c,
que em Pf-rn^mbuco tambem authondades ,
que podem obriga-lo a pagar o que deve ou
curoprir o que ha tratado,- Outro que o ob-
serta.
ur* A Senhora Paulina Jos Oliveira ir-
an do (irurgio Sebastio Jos Gomes, quei-
ra annunciar a sua morada, a bem de seu
(-37- Uma ptima escrava que sabe cozi-
nhar, lavar e todo o mais servio de easa ;
na ra da senzala velha em casa d Manoel
Francisco Pontes
tsr Um talho para carne com todos os se-
us pre paros ; a tratar na iravessa de S Pedro
r" Uma cabra bicho de muito boa casta ,
e leiteira ; na ruado Arago D. 87.
tsr* Superior e muito largo panno para al-
catifas de sallas, e de Igreja pelo barato pre-
co de 4oo rs. o covado ; na ra do Crespo lo-
ja de Antonio da Cunha Soares Guimares
tssr Um cavallo muito gordo novo e
de uma linda pelle, e figura ; em fyra de
portas n. *i4
Taboado de pinho da Suecia de
O. 15.
tsr Seis cadeiras de angc com asiento
de palhinha ; na pad'aYia da ra das 5 ponas
D.77.
tsr Urna escrava de nao congo, cozi-
nha o diario de uma casa lava mui bem de
saboe barrella e uma toalha toda aberta
de lavarinto ; na ra dos Martirios D t.
cr Um silio com (joo ps de calle e bas-
tantes arvores de frucio c no casa de teiba ,
no lugar do engenho Monteiro, logo no
principio da estrada que vai do dito enge-
nho para o arraial o qual sitio paga peque-
no foro ao acmal administrador do menciona-
do engenho ; a tralar na dita casa com a sua
proprielaria,
iu~ Receoieroente chegado laxas coadas de
seis e ineio e sele palmos ditas batidas de 5,
5 e meio e O palmos ; em casa d Fox k Slo-
dart ra da senzala nova. *
t/" Polassa da Russia nova em Larris pe-
queos chegados agora ; na ra da Cruz
U. tJ casa de 5f. O. liieber.
tsr Cautellas da Loleria do Seminario
ganhando a decima parte dos premios ca-
bendo na sorte dos 4:<>oo;ooo 400,000 a pre-
tST' Fugio no dia ap do p p. do engenho
Ilha da Liberdade um escravo creoulo de
nome Marcos, baixo', espadaudo, olhos gran-
des falt de denles na frente pouca barda,
pernas finas ps seceos levou camisa da-
chilla calcas de riscado; quem o pegar leve
ao Sr. do dito escravo Joauuim Cavalcanti
Ribetrode Laceada morador no mesmo enge-
nho ou na praciuha do Livramento D. J3,
que ser recompensado
tw No dia 34 do p p. fugio uma negra
de nome Anua de nacao ; baixa cheia do
corpo cor prela beicos grossos tem 3 de-
dos da mo direita encolhidos representa ter
5o annos de idade levou vestido de chita de
assenio cor de call com palmas azues ca-
beco de chita e panno da costa ja relho }
quem a pegar leve a ra do Queimado D 5
que ser recompensado.
Movimento do Porto
No dia 3o do passado fez-se de vella do La-
meiro o Brigue Sueco Decatemburg ,
Cap. Cruz, equip. ti carga dillreuies
gneros.
ERRATAS
O Diario de sabbado em lugar de n. an -'.
leia-se 210- o de segunda I tira ala lea-so
ai 1 -o de quarta feira a 13 leia-se 21a o
de quinta feira a 14-leia-se ai3.
atUFENA AYP.E M. F. EFa-.tb4o


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB6JEORVM_6Y0JTB INGEST_TIME 2013-03-29T18:19:33Z PACKAGE AA00011611_04125
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES