Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04120


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**m> r>E 1840. Sexta Feira
t ---------
^T*pa-;ora depende de ns wcsmns; da nossa prudencia, modora-
o, e en-r;.w : conlBuropj como principiamos, e seremos aponudos
con admirar entre as Naces mais caltas. r
Proclamaco da Assrablea Geral do Brasil;
MI
Subscreve-s* pura esta folha a 3fooo por quartel p8(ros adiantud*
nesta Typografw ra da, Cm. 0.3, e naVraca da^Independen-
eian. 07, e38, He w recebem correspondencias" le-aliadas e an
huimos (|iiuiri.ido-ae stes gratis sendo dos proprios assi-na'ntes
vindo assgnadov. r
PARTIDAS DOS COR REOS TERRESTRES.- .
Cidade da Parahiha e Villas de sua preteneSo ...
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem \
Dita Ha Fortaleza e Villas dem........, \
Cidade de Goianna................#
Cidade de linda..................
Villa deS. AntSo..................
Dita de Garanhuns e Povoaro do Bonito ',
Ditas do Cabo, berinbaem, Ilio Formozo, e Porto
Cidnde das Alagoas, e de Macei.....
Villa de Paja de Flores, f........,,.....
Toios os Correioi partera ao meio dio.
Seg. e Sextas f/i
Calvo
as.
Todos os das;
. Quintas fe i ras.
1 "*i de cada met
'. 11, e ai ditod.to
dem dem
dem 13, dito dito
PHASES DA LA NO MEZJDEJSETEMP.
Quarl. cresc. a 3 as 3 b. e 17 m. da tard.
La Cheta a 11-as 5 li. e 17 iu. da tard.
Quart. ming. a 8- as o b. e 10 m. da tard.
La Nova a?5-as 7 h. e 6 Mare ehcia para o da a5 de Sembro.
As 4 horas e ao minutos d mnb5
As 4 Morase 34 minutos da tarde.
25 f>i: Setkmbro. N'tm. SOft.
i CA MUIOS. SiiTsxnioat
Lcndret......30 d. por 1 ooo ced.
Lisboa ......K.a 8i P "l" i-re ),io por metal nfferecido
rranrx...... 3i5 rei per banco.
!U.',,V,an?n\f,0rV C'mP- Vafeas
(JL'KO Moedadet^oo reis, vclbas 1^7.0 i4fa.,o
II "."as ., novas 14^30.1-1^700
II Una de ooo res, ^000 titano
PilATA -- Paiace* Braatleiros iA(i5o i*->
l'ezo Conmnanos-----------,(fHi0 ,*bbt
Ditos Mexicanos -.....i/fio lto
. Miuda.......------------ij^oo i#iao
Descont de bilbetes da A Ifandega 1 por loo ao mex.
dem de letras l |4 a 1 ip por boas lirmas oflerecido.
Sloecla de cobre 3 a U por 100 de disc.
DAS da semana.
al Serrada >(< S. Mathrus Ap. e F.vaag.
a2 Terca 5. Mauricio AL- lUUcio e audiencia do Juix de Direito'da 1.
vara. .
a3 Quarta S. Lino P. Anuencia do Juix de Direito da 3. tara.
ai Quinta Nossa Senliora das Mercez. Audiencia do Juu de Direito da
a vara.
a5 Sexta S. t-inninoH. -- Audiencia do Juiz de Direito da 1. vara.
a5 SabhadoS. Lliziario f. Relaco e Audiencia do Juii de Direito da
3. vara.
v nmingo S. ( osmes e Di#m" > Ir>. Mm.
11IO DE JANEIRO.
CMARA DOS SRS. DEBUTADOS.
Sessao em 3 de agosto.
rresidencia do Snr. Marcelino de Bnto.
A's 10 horas e meia faz-se a chamada : e,
retiido numero sufticiente de Snrs. depu-
tados abre-se a sessao.
He lida e approvaJa a acta da sessao ante-
cedente.
O Snr. primeiro secretario dconta do se-
gninte expediente.
Um ofBcio do ministro da jtistica devol-
verlo o rcquerimrnto do Guardio do con-
vento da cidade do ReciTe com as informa-
ces exigidas; a qnem fez a reqnisic&o
Ilum requerimenlo de Joo Antonio de A-
zevedo pedindo que ilie sejo admitlidas
ao troco quatro cdulas de 100U000 reis que
deixaro de ser trocadas no praso demarca-
do : a commisso do orcamento da fazenda.
do, constando de .jo.ooo pessoas livres e
a,a56 escravos : he remetlida a commissso
de estatislica.
He apnrovadoo seguate requerimento,
Requeiroque se peco ao ;;overno ejem-
plares dos regulamentos consular <; diplom-
tico com as alteraces que tem havido.
Montesuma.
He introduzido com as formalidades do es
tylo o Snr. ministro da Fazenda, e le o pro-
posta sobre o crdito que se ve impressa em
outr.i lu;ar desta folha.
Concluidas leilura ,%S. Ex. se retira, e
he de novo admitiido para assislir discussao
do orcamento da rece ta.
O Snr. IU>3ende motiva e manda meza
huma emenda que he ap.iiaja augmenian-
dofpilo di respectivo regulamento, podendo
ali:s tender 80 ou loo contos de reis.
Concorda com o Snr. \Joura Magalhes na
conveniencia de supiirimir-se o imposto s^-
l>re armazens alfandegados suhstituindo
lorem. a disposico de ser neressaria a li-
cenca do thesouro para se estabelecerem taes
armasuns e porisso convida o nohre depu-
tadp a retirar a emenda querevoga essa dis-
posico.
Pronuncia-se contra a emenda do Snr.
Rezende sibre calcado, roupa, etc. parque
til emenda s seria proveitosa aos in,;lezes ,
com quem aiuda temos tratado, que lu aca-
ba em \ 1 ; e como o nobre orador est per-
suadido que concluida o tratada uenhuiu
miiiHteri) far novos sobre o conmercio,
Ilum parecer da commisso de marinha e liberado a nao votar por augmento algum de
puerra, sobre a pretenco do capitao tenente
trtr^a Hitlii -- 0- -J- -,--------,.vv/ llllUllllu-
doaimposico sobre o calcado e outros ob->cuida que cnto convir tratar desse e outros
eclos qne se fabiico no piiz.
Leem-se e sao appoiadas diversas outras e-
mendas.
O.Snr. Souza Franco vista da proposta
ero que se pede hum novo crdito esta de-
coes ao governo : he a-pprovado.
Otitro da commisso de commercio, in-
dustria e artes sobre a pretenco da cmara
municipal da villa de Paraty exigindo que
se peco esclarecimenlos ao goveruo : he ap-
provdo.
A assemblea geral legislativa resol ve :
Artigo 1. Nao devem ser sanecicnados os
se;uinles projectos ofl'erccidos sango do
respectivo preaidente pela assemblea legislati-
va doCear.
I. O projerto de 6 de selembro de tS'g
designado sobnumero i e que he rela-
tivo a iioiEi.'aeo de Officiaes da guarda nacio-
nal.
II. O projecto de 11 desetembro de i83g,
soh numero ig, pelo qual o presidente da
provincia be nutorisado a recrutar parii pre-
Jiepcher a (brea policial.
IJI. O projecto de jg desetembro de 83g
sob n. ai, que manda restituir vencimentos
percebidos.
IV. O projecto de 16 de selembro de i83g,
sob numero a^, que versa sobre asumplo 1-
dentico.
V. O projecto de 16 desetembro de I8J9,
que se designa sob numero a8 e que tam-
hem versa sobre ussumpto idntico.
VI. O projecto i\, 5 de rde agosto de 18 '9
que interpreta o artigo 1. c da le de 3o de a-
Iril de 1835.
VII. O projecto de 37 desetembro de i8.?g
designado sob numero 3a, que comprehende
empregados pblicos a cujo respeito nao po-
it-m legislar as asserobleas provinciaes como
despesa ou redueco da recoita e fe/, al-
guno^a rdlo.Cc sobro os emendas apresen-
tadas.
O Snr Carneiro da Cunha apresenta di-
versos artigosadditivos que sao apoialos, e
entre e?tes hum estabelecendo o imprsto de
objeclos deimposi o.
Faz ainda diversas reflexes sobre outras
emendas.
O Snr. Moura Magalhes relira a emen-
da que se re" 1 ira o precedente orador.
O Snr. Caslro e Silva laz diversas o'jjrva-
cesque nao onvmo.
O Snr Montezunia falla contra os impos-
tus da decima e cisa que julga sobre mo-
do vexalorios e iuiquos. Daseja que o "nobre
ministro informe em que estado s a'c ta
to concedido pelo Decreto de 6 de Agosto ul-
timo.
Dito Ao Gommandante Interina da For-
talesa do Brum dando varias providencias
acerca do arrinjo, e bom tratamento dos in-
ferios hexi^uentos
Dito Ao misni respinden 1 ao sa.t of-
ficiode a do crrente que pedia providen-
cias para vedar a sihili das embarcagies
mercante?, que usando de llinuJi se pri.:ii-
ravo eximir com este disfarce do cum>ri-
mento de doveres a que estav stigeilas para
com a Fortales.
Dito Ao Gommandante do terceiroHi-
talho de Artilheria, man lu la queoCinir-
(io encarregado do Hospital se entandene
com o Gommandandante da Fortales do
Brum, edecommuai acsudo iironave^sem o
meios que mais apropriados acns;em para o
bom arranjo e tratamento dos bexiguenlas
ali existentes.
Dito Ao rhesmo mandand.a-llie apresen-
sentar os soldados J. S A L. e D. I*. ,
que tendo sido presos na Comarca do Limo-
eiro antes de completarem demrcio deviao
segundo a Le ser castigados a sen arbitrio.
Dito Ao l'rcfeito da Comare do Cabo,
cieritificanda-o que de ordem da Presiden-
cia selhe appr.esentaria urna escolta de 10 fio-
mens de Cavallaria Cimmandada par um
Inferior, para o effeito de con luzir ao recru-
tas ; esta Capital
Portara Ao CapitaJ Comman liu'e da.
u demarcaco dos terrenos de marinha e
4ooU reis sobre casas de negocio a retalhos es- julga que com alguma providencia do go-
trangeiras e outra deduzindo 5 por cento i verno se podem collier vaniangens dessi de-
dos ordenados dos empregados geraes e pro- marca o. Deseja lambem que ."> Ev emita
vinciaes para se aplicarem ao esgate do papel ; sua opinio acerca da iutelligencia que s Comnanhia ile Artfices, maudmd ) em cum-
moda. d ao-, ar igos que trato da baldeaafa e re- primeiuoa lei dar demigj- ao sold 1 lo Lon-
O Snr. Moura Magalhes sustenta huma exportado dos geii.'ros que se deslindo pa-;reucode Kara por ter sem nota conclui-
emenda que isenta de direitos a .pedra de : ra a costa d' A frica. Adverte que o paiz a-! do o lempo a que eraobrigido a servir como
sa de cari- heneo ara o ministerio que melliorar o sys- recrutado.
cardiaria, destinada para huma casa
dade da provincia da Rabia, e igualmente temadas imposice,
e faz uuiitas observa-
delendea emeir'a que extingue o imposto es-
tablecido sobre armasen? alfandegados,
terminando com algums relexes contra a
disposicoes do artigo 196 do regulamento das'
alfandegas. j mesma e
O Snr. Alvares Machado nao pode de m.i- 1 ras e ineia.
neira alguma prestar o seu voto em favor! jj. _
do artigo do Sr Carneiro da Cunha que im-
pe 400U000 reis sobre as lojas estrangeiras
Julga que esta imposico he impoltica e
anti-economica porque fechada a porta a i
csses estrangeiros industriosos, elles deixa- |
cues sobre as emendas e artigos aditlivos apoi-
ados.
A discusso fica adiada pela hora.
Snr. Presidente d para oidem do dia a
levanta-se a sessao s a lio-
PE RNAMCO,
CO viMAiVJ DAS AP..1AS.
Expedient da da i.\ do corrente.
dem do da i5.
OlEcio Ao Exm Presidente, para que
houvesse de mandar pelo Arcenal de Guerra
por na porta do Calabouco da Companhia
de Artfices urna feixadura com forrolho de
correr ,, o que muito importava seguranca
da prso ,
Dito Ao mesmo Exm. Snr., propondo
para demico os sidos da Companhia de.
Artfices Francisco f'elis de Jess s Joje
Joaquim do Naciment ; assim como n
! Deposito Prudencio Prolfessor, por tere.n si-,
1 do inspeccionados pela Junta de Saude em
sessao de lioje, ej.ligados absolutamente in-
ro o paiz, e se retiraruo com seus capitaes e
industria, ao mesmo passo que a cmara, Olficio Ao. Exm. Ppesidente transmt- capazesdo servico.
tem facultado lodosos meios para facilitar a tindo-lbe competentemente informado o re- Dito Ao Tenente coronel Commandan-
emigrato para o noso pare dos Europeos querimentodo Capello Fre Jos de S. JaV'te do Deposito remettendo-lhe os papis da
industroses. cuitho MaTgier, que pedia hum inez de conlabelidade dos vencimentos do destaca-
Alem desta e outras reilexe3 nota que a licenca de favor para hir a Provincia das A- monto da Guarda Nacional de Nasareth ,
imposico aria desaparecer a gualda de co- lagoas Hadar de negocios de seu particu- cuja importancia devia entregar ao portador
mercio entre os nacionaes e os estrangeiros lar interesse. deste.
com quem temos tratados que garantem essa Dito Ao Exm. Presidente e Comman- Dito Ao Prefelto da Comarca de Nasa-
"ualdade danle das Armas da Provincia do Maranbo, ret communicando-lhs o exposto no pre-
foi declarado no artigo 3."da interprelaco i Pronuncia-se tambem contra a imposigo remettendo-lbe a guia que pela Thesoura- cednite olci, e respondendo ao sau qaea-
i!o acto addicional
ficando desde j.i revo-1 sobre os ordenados dos empregados pblicos, ria se passou ao Capitn de Artilheria Ser- compantiou.os papis da co;it.belidaJe do des-
gadaalei provincial d 3o de abril de i8J5 -e justifica a emenda que diminue a enhori- go Tertulianna Caslel-branco, na qual taeamennlo relativos ao mez de Agoslo ul-
lia parte em que dispoe acerca do mesmo ob- agemdas moedas de prata e ouro. se expeciico os ventiineiitos que por aqu timo.
jeclo
O Snr. Carneiro da Cunha sustenta as se tein abonado.
Art. a. Fico revogadas tedas as les e suas emendas ; e, quanto a offensa dos ira- Dito Ao Exm. Presidente da Provincia
disposicoes em contrario Paco da cmara dos lados, observa que pedio j ao nobie mi- de Santa Catbarina. deprecando-lhe a guia,
depulados, aa dejulho de 1840. Tosa nistro que ouvesse de declarar a sua opinio do falescido Alferes Secielario Felis Gomes
Silva lentes, com rstrccJo. Ferreira I en- arrtpeilo Coimbra, atm da que a Viuva posaem;
na, rom restriccoes O Snr. Vanna deseja saber se o nobre mi- vista della cobrar o que se Gcou a dever de '
Juka-se oproifcloohjectode delberacao e nistro aceita as emendas da commisso
vencimenlos a seu Onado marido.
Diversas Repartiles
ALFANDEGA DAS FAZCNAS.
EU1T.L. t-
Yicente Tiiomiz Pires de Figueireda Car
Dito Ao Capitao Gommandante da Com- margo Inspector da Alfandega faz saber
nbia de Artfices mandando por em li- qUe ,10 dia sahbado a6 do corrate se IxiCf,
vai a imprimir com o parecer. O Snr. ministro da fasenda faz signal aflir-
Sur. Coelho Bastos aprsenla hum map- malivo. panilla ue Ai-unces manuaouu ym ou u- qi
pa estalistico da comarca do Pombal da pro-1 O Snr. Vanna (contunando) lembra a S.#berdade o Gornuta Francisso dasChagas, por arrematar era hasta publica e na port^ j,
vincha da I araiba do Norte exlrahido do ar- Ex. que muito conven attender ahuma im- se verificar ser simples a desercj que com- mes na ao meio da huma caixa cor 5j
rolar.enio que se" lez no anno prximo passa-^ posico que nao rende hum cont de reis por melera, e gosar por coiisegniule do indul- j pessas de lencos de palUa no vafcsr de 4j
S.


2
DIARIO DE PERNAMBCO
e
jril leis, impugnada pelo FeitOr Conferente va i em direitura at o Rio Capibaribe que execaco augura malea e calamidades nerita-J tem derramado a consternacio e a magna no
Joaqun Bernardo de Figwiredo no Des- serve de Diviso ao Municipio desta Cmara veis a esta Provincia. seio de seos pacifica habitantes.
pacho por fariura <'e Lu Gomes Ferreira &
Mans6eld send.&' Arrematante suscito ao
pegamento dos Direitos. ,
Alfandega 24 de Setembro de 1840,
V. T. P. de F. Camargo.
PREFEITURA.
Parte do dia i\ de Setembro de 1840.
Illm. e Exm. Sr. For5 hontem presos
pelo Sub-Prefeito da Fregue/ia do Recife a
reqtierimento do respectivo Cnsul o maiujo
jnglez Tbomaz por desobediencia ao seo
Capilo ; foi remettido para a Cadeia ; e Jo-
aquina Jos dos Santos Vital, branco por
estar era desordem cora urna mulher j foi de-
tento no Callaboujo.
E' o que consta das Partes boje receb-
das nesta Secretaria.
CAMAM MUNICIPAL DA CID A DE DO
RECIFE.
iniCipi
cora a de Olinda como lhe foi ordenado e Nin^uem no Cear ignora Snr. que o
dando principio abertura do niesmo Cami- Vice Presidente Joo Facundo de Castro e
nbo e cfcegando ao sitio de Joo Evangelis- Menezeso chefe de ana partido poltico de
observou que continuando adianle hia extrema exaltaco nue no temoo dos tres ul-
ta
EditAes
A Cmara Municipal desta Cidade do Recife
e seo Teoio &c.
Faz saber que em \irtude do Art. jo da
Le do l.deOutubro de iSart tem marcado
o dia 37 do presente mez de Setembro para
ter principio a ultima e geral apuivco dos
?otos pertencentes a Eleicu dos novos Verea-
dores que tem de substituir os actuaes no
principio do prximo vindouro anno de 1841
E para que chegueao conhecimento de todos
roandou Cmara publicar o presente pela1
imprensa.
Paco da Cmara Municipal da Cidade do
Recite a3 de Setembro de 184o.
Joaquim'-Hernardo de Figueredo
Prezidente.
Fulgencio Infante de Atbuguerque e Mello
Secretario.
A Cmara Municipal desta Cidade do Recife
e seo Termo &c.
Faz saber que no dia ifi do correte raez
ter principio aarremataco annual de todos
os predios do seo Patrimonio sendo elles os
dasPracas da Independencia do mercado
deste Bairro e do da Boa-Vista os da Ri-
beira do Peixe e casa da Plvora ; e bem
assim lera tambera principio a arrematapo ,
pelo mesmo lempo de todos os contractos
pertencentes ao mesmo seu patrimonio, q' sao
os das medidas, das aferices, e rev-
zes em todo o Municipio e o do repezo nos
Assougues, Igualmente lera principio a ar-
rematado de lodos os taibos dos assougues
deste Bairro, e do da Boa-Vista e do su-
primeuto do azeite para as :"> luzes da Cadeia
desta Cidade ; e que ser por quem menos o
fizer ; os pertendentes devero comparecer na
casa de suus Sessoeus habilitados com fiado-
res c,;eos na lorma da Le.
E para que ebegue ao conhecimento de to-
dos se mandou publicar o presente
Paio da Cmara Munuipal da Cidade do
Recife 23 de Setembro de 1840.
Joaqun Bernardo de Fgueredo
Presidente.
Fulgencio Infante de Albuquerqe e Mello
Secretario.
6. *Sesso Ordinaria de 1. de Julbo
de 184c.
Presidencia do Sr. Ros.
Comparecers os Srs. Souza Oliveira ,
Vanna Mamede e Bastos, faltando com
causa os maivSrs.
Aberta a Sessao e lida a Acta da antece-
dente fui approvnda.
O Secretario dando conta do expediente
roencioncu os seguintes oanos.
Un do Fiscal do Bairro do Recife pedindo
o pagamento da quanla de 7U600 reis que
despendeo com o enterra ment de 4 cada-
veres : que se passasse mandado.
Outro do Cidado Ignacio de Barios Bar-
reto parlecipando que nao podia compare-
cer para prestar juramento e tomar posse de
Juiz de Paz Supplente da Freguezia de Santo
Amaro de Jaboalo por causa de molestia,
mas que bavia Horneado a Guilbeime dos
Santos por seo Procurador, e dado a compe-
tente Psocuraco para prestar o referido ju-
ramento e lomai posse do dito caigo em seo
lugar.
JJi libcrou a Cmara que se responda ,
que nao tem lugar o juramento e posse por
procuraco por ser contra a Le, e que se
cbamasse o immediaio.
Outro do Srcielario desta Cmara partici-
pando estar molestado e por isso nao poda
compaieier a sesses. Inleirada.
Cutio do Fiscal do Bairro da Boavsta par-
ticipando que leudo ido ao lugar da Lapuu-
P. a V. M. Imperial Sirva-se at-
tender Paternalmente ao que hu-
mildemente implorad E R. M.
Cear 10 de Setembro de 18^0.
cortar hura grande pedaeo do sitio dj Dr. timos presidentes desta provincia fez urna (Seguia5-se as assignaturas dos negociantes
Jacobina para levar o caminho em linha recta guerra descomedida e facciosa a administran;!) e logistas nacionaes residentes no Cear.)
ao Rio Capibaribe e tendo-llies representa- delles, j excitando os Deputados da Assem-
do alguns Propretarios dos outros sitios j bla Provincial a discursos injuriosos e viru-
abertose halisados que esta Cmara ia fa- lentos contra o presidente j dirigindo ao
zerhummal a todos os Propretarios coma Governo que ento regia o Paiz em nome de
abatura do mesmo caminho por ser um foco V. M Imperial representaces violentas e ca-
de ladros e assassinos quesempre costu- luminosas, ej finalmente enviando mensa-
mava a vir no lempo em que elle eslava a- gens insolente a um dos referidos presideu-
berto por isso pareceo-lbe mais justo nao j tes como para o insultar e provocar a sedi-
contnuar com a mesma abertura, e que dan- 1 cao na Provincia em desobediencia as suas
do esta Cmara 6 marros de pedra para se- onlens; e nao pode porcerto um homem re-
rm fincados desde o principio do beco at o conbecido por taes precedentes dirigir a ad-
-ftio Capibaribe fezia-se desnecessario o res- I miuistraco da Provincia com aquella impar-
to da abertura ficando assim a diviso desta cialidade e inteireza que convem aos subditos
Cmara feita com a de Olinda. fiis de V. V). I. porque elle tem autgos re-
Delberou a Cmara que fosse balizadoo sentimentos a vingare grandes favores a con-
caminho com 6 marco; de pedra al o Rio ceder aos corifeos do seu partido oque sem
Capibari.be para ficar servindo de Diviso a quebra da justica e dos direilos das partes nao
esta Cmara a de Olinda conforme determi -
na o j 1, da Divzo das Comarcas e Termos
desta-Provincia, e que se aulhorize ao Procu-
rador para dar ao Fiscal respectivo os sobre-
ditos marcos.
A Cmara deliberan a requerimento do Sr
Vereador Maraede ir ao logar da ra de A-
pollo para verificar a direceo que deve ter
a saida da mesma ra para o beco largo.
Mandou-se pagar a Joiquim Jos Bello,
Fiscel da Freguezia dos Affogados a quantia
de 5oUooo reis de seo ordenado desde o 1 de
Abril ao ultimo de Junho das sobras do di-
nheiro existente no cofre desta Cmara.
A Jos Joaquim Ferreira. Rabello ;U455 ,
cusas em que decahio o Promotor Publico.
Aos Empregados desta Cmara os seos orde-
nados do segundo quartel, vencido no ullimo
de Junho.
Despachara-se alguns requerimenlos e
por ser dada a hora atevantou-se a Sessao e
mandara fazer a presente em que assigna-
ra. Eu Francisca Antonio (tabello de Cr-
valho Secretario interino a escrevi
Rio Pro P. Souza Oliveira Van-
na Mamcde e Bastos.
Ebitl.
Manoel Jos Ferreira do iNascimento Fiscal
da Freguezia da S em virtade da Le
etc.
F'az saber aos seos comparochianos que
em observancia ao Art. \S das Posturas da
Cmara Municipal mandem iimpar os testa-
das e fundos de suas casas como tambeiu os
propretarios dos sitios terrenos, "por onde
passarem as estradas publicas Art /p das
mesmas Posturas e nao cumprndo as Tele-
ndos Artigoa rio prasode quinze das, se tor-
nar efiectiva a pena marcada nos mencio-
nados ai tigos. E para que nao baja discul-
pa ou ignorancia mandei publicar o pre-
sente por esta tbliia e ixar nos logares mais
pblicos desta Freguezia.
Olinda 18 de Setembro de 1840.
Manoel Jos Ferreira do Nascimento.
partes
se praticar-se na conducta ordinaria dos bo-
mens. Fsta inesperada mudanca da admi-
nislraco Provincial encheo de susto aos em-
pregados pblicos, que se concdera na ves-
pera de perder os seos em prego* e o.* nego-
ciantes e mercadores receiosos de comocoes po-
lticas na Provincia em raso do descontenta-
ment que geralmente se manifesta nao dei-
xadeconceber serias aprelieuses acercada
seguranca de suas propriedades e pessoas. Fs-
ta inquietaco e receios Sr. inda se eleva
a mais subido grao pela noticia de que no
prximo paquete deve aqu chegar o Senador
Alencar na qualidade de Presidente da Pro-
vi
Senhor. Os Vereadores da Cmara Mu-
nicipal da Cidade da Fortaleza do Cear ven-
do com magoa passar o llover no da Provincia
das mos do Benemrito Cidado Francisco
de Souza Martns ao Vice Presidente Joo
Facundo de Castro e Menezes vem leal e
francamente expor a V. M. I, os sentimentos
que anima aos habitantes do Municipio e
do receio que tem de ver transtornada a or-
dena publica no caso de ser conservad i na ad-
ministraco da Provincia hum homem que
nao rene as simpathias do raaor numero do *
Povo, hum homem, que he odiado por tres
partes da Provincia hum homem emfira quw
tem sido e he considerado elude de hum par-
tido e que por isso para desforco de vin-
gancas vexar os seo contrarios com injusti-
cas; hum tal individuo nao he ..quem ha
de m.nter a seguranca e promover o beo
estar dos Cearenses que anciosos esperad
que V. \1. por sua natural cle.nena se dig-
nar attender as circunstancias melindrosas ,
em que se acha esta porgo de seus fiis sub-
ditos. Os Vereadores Senlror observaoo
est ido de gitago e o que vive o sej Muni-
cipio observa que se nao fora a inuenci
de militas Autoridades locaes delle o actual
Vice P. deixaria de tomar posse do Governo
no dia 9 de Selembro corren te observad mais
que tudo annuuca as {tristes consecuencias
ncia ; porquanto a lembcanga da ominosat de reages futuras e nao psdem a V. >I. ^e
administraco Ao mesmo Senador inda est
mu fresca na memoria das habitantes do n-
leliz Cear que o vi rao pcir quasi Ires anuos
sistbemaiicamente elevar aos cargos pblicos
o> individuos de urna minora facciosa, e em-
penhar todos os recursos e meios do Governo
a fim de fazer triumfar as eleicoes com es-
cndalo da justica os candidatos dsta faeco ,
pro.no vendo accintosas perseguipes con Ira
todos aquelles que nao se sugeitava as ideias
do seo partido. Enlo se erguera na Pro-
vincia vozes patriticas que fizera chegar ao
Governo Imperial e at no mesmo recinto
Administraco dos Eslabelecmeutos de Can
dade.
das Cmaras Legislativas os clamores contra a
sua adtninistraco ; e alguns Ministros que
agora compe o Gabinete de V, M. I. fora
dos que mais enrgicamente a reprovara ea
estigmstisara solemnemente nos seos discur-
sos, quecoirem impresso* e sao lidos na
Provincia e por todo o Imperio : e custa a
crer que estes mesmos ministros concorressem
agora com o seo voto para reconduzir a Ca-
deira presidencial aquelle mesmo que outr'o-
ra loi ubjeclo de suas vehementes censuras
Senhor a corporaco dos abaixo asigna-
das tem por luubre a mais sincera adl.eso a
l'essoa de V. M le a Constiluico da Mo-
narebia que lodos deseja cordialmenle ver
mautida e consolidada na paz e com a plena
coufienca de que o seo trafico ordinario e suas
relaces commerciaes nosero interrompidas
- 1 por commoces intestinas. Todos desert que
Perante a Administraco dos Eslabeleci-
nu utos de Caridade se bao de arrematar a
quem mais der nodia a5 do rorrenle mezas
rendas das cazas U. S na Travessa de S. Jos,
13 e 6 na ra de Sao Jos i ij puc
detraz da dita ra, '6, 18
19 na ra
na ra das Cinco po
las u e 4 na ra de Santa Tliereza : as
por
o trono de V. M. 1. se arraigue na trra de
S uta Cruz, como em seos coraces se acha
arraigado o amor a sagrada Pessoa de V iVl
I. Alas, Sen or sombras desconfiancas se
ergueni siios espii ilos quando no momento
lausto, em que V M, com applauso geral
no exercicio das alias ailri-
da iNaco entra
la dita ra, 13, O, 10, e .' ., .-...
a de Manoel 0*0 35 49 e 5q ^ W da Coroa o Gabinete nomea p.ra es-
as Cinco ponas 16 na ra de flor- f.'j"1 u.:n F^.dente suspe.lo de des.l-
f..co aos piincipios monarchicos ; que em
1817 loi mrtir da Repblica queem *4 el-
nessoasque se propuserem a aneuialtal-as
_!Ice lodos de sua lamilla proclamaran a de-
podero comparecer no indicado da as 4 no
ras da tarde no G. H. desta Cidade com
seos fiadores.
Salla das Sesses da Admnisttraco dos
Estdbelecimeulos de Caridade 21 de fcelembro
de i 840.
J. M. da Cruz,
Escriplurario.
CEARA'.
Senhor. A corporaco dos negociantes e
mercadores desta Cidade da Fortaleza do Ce-
ar abaixo assignados extremamente pesa-
rosa de have" presenciado bou lera a posse do
Vire-presidente desta Provimia Joo Facundo
de Castro Menezes que por ordem do Go-
verno de V. M. I. substituio o mui digno Ue-
pulado Francisco de Souza Martns, o qual
um geral tisfaco da Provincia diriga a
sua administraco, nao pode se escusar ao
penoso dever de raanileslar aos ps do Throuo
a no dia 1 t d Junho p. p< a lira de mandar de V.M l a sua viva inquittaco por este acto
luir o cattinhv \iJJjo do iasiuo iwite, que i admiuiblratYodo Gabiuele de V. M. I., cuja -j
magogia na Provincia de que seo irmo era
chele e que finalmente inda no auno de
18 .3 no discurso que como presidente dirigi
a Assemblea Provincial se congratulara de
ver realisadas as as ideas por elle proclama-
das em 18.7! 1
Os abaixo a.-signados laslma qne os mi-
nistros de V. M. 1. se illuda a ponto de con-
fiar a administraco desta Provincia a perso-
nagens de semelbantes opinies polticas em
uin momento em que o trono combalido em
urna e outra extremidade do Imperio ; e as-
sustadescom lo ominota noticia e humilde-
mente proslradus aos ps do throno excelso de
V. M. 1. wnplord a Graca de ser enviado pa-
ra esta Provincia outro presidente eatranho s
lacces que a dividera e nao suspeilo a cau-
sa da monaichia e do Trono Impenal.
Digne-se V.M. 1. acolher benignamente
as humildes supplicas dos seus fiis Subditos
do Ceai e h*rar a Provincia dos males jm-
pendentea, que parecein ameayar 110 caso de
se vei lucarna as negras apreheuses, qu
nao que em sua alta sabedoria resol va confiar
os destinos do Ceara a qualqoer outro indi-
viduo que nosejao actuil Vice Presiden-
te, ou o Senador Alencar queto tidos como
Directores d'um partido na meina Provincia,
partido que a forca de vociferares calum-
niosas a respeito dos Ires ltimos Prerideutes
tem conseguido persuadir aos que vivera Ion-
ge de nos e tai vez a V. posto da parle s e da maioria da Provincia,
abusando assim prfidamente da Imperial
boudade de V \1. H despida de circumbquios, e altanos de elo-
quencia que a Cmara vem submissa e
res|eitosamente pedir a V. .vi. anreue ue nos
as calamidades que nos aguarda a nao vir
para a gerencia da Adniiuistfaco da Pro-
vincia hum Cidadioalheio ao funesto espirito
de partido : hum Cidado que assegure a paz
oscillante do Cear O Ceo dilate por longos
anuos a Preciosa existencia de Vossa Mages-
tade como nos e todo o Brasil ha raister para
nossa lelicidade. Cidade da Fortaleza 10 de
Setembro de 1840 -- Jos Theollo Rabello -
Miguel Joaquim Fernandes Barros Anto-
nio Rodrigues Ferreira Jos Po Machado-
Pedro Jos fruta Lima-
_____ IH
corres poiiueucius..
Srs Redactores.
Pessoas mal intencionadas tem acintemeute
espalhado queoExm. Sr. Presiden leja re-
cebera ordem do Governo Supremo para,
mandar proceder as Eleicoeus e que esta
ordem para certos ins lora occuiameute
expedida i Comarcas do interior da Provin-
cia e comoquer que cu eie>t do contrario
informado e deleste a calumnia v.mha ella
do Governo ou do Povo ; convido a essas
pessoas a' provarem de urna mjueir-t salisfalo-
ria a existencia de semelhante ordem certas
que nao o faeudo as leiei em conta de calum-
niadores.
Muito agradecido lhes ficir pela publica-
co desta* tinlias
O Amigo da Verdade.
Snrs. Redactores*
Posto que railhor acolha aquellas das su-
as publicaces j que inmediatamente inleres-
so ao Publico e leulia por sso leito propo-
sito d o-nao incommodar com coisas evlrantus
ao eu interesse ; todava vejo-me obrigado a.
di*islr deste rigor para patente >r a verdade
maliciosamente alterada na correspondencia do
intitulado Cidado inserta no seu Dia-
rio N. 191. He cortamente para admirar
a ousadia edm que o auctor daquella corres-
pondencia asseverou Cactos de to notoria lal-
sdade .raormene accarrelaudo elles desar
Cidados probos e a urna corporaco respei-
lavel, Pasmeicoin elfeilo de ver oSr. Cida-
do aecusar de falta de exaco no compriineu-
lo de seus deveres Illma. Cmara d'Otinda ,
e ao seu Piscul, por conseulirem Anselmo
Jos Ferreira levantar vallados coiislilu-
ir sitio, tapar urna camboa, e cortarla estrada


DIARIO D H PRRNAMBCO
J*
%
4t Luis do Reffo Pasmei sim por seren se-
xnelhantes recriminacoes to falsas que nem
tima s d entre ellas he elle nao digo j ca-
pas de trovar mas nem aindu d'opresentar o
menor vislumbre de prava. Para desmasca-
r*r tanto invento e convencer-w qual quer
da falsidade das asserces do Snr. Cidado
basta ir ao Arrombado por que ah ver clara-
mente que Anselmo Jos Ferreira nenhum
vallado abria e que no seu sitio naria mais
fez que urna cerca deitando a p della urna
porcao de trra era forma de Ir i rao para evi-
tar que a mare continu a infructificar o seu
terreno ha mais d'um seculo aforado a San-
ta casa da Misericordia ; e que em vez de abrir
vallados como se affirmou pelo contrario
entulhou o lugar baixo para nao continuar a
mar a inutilizar o seu solo. Nao sei como po-
der sustentar-se que constituir sitio o ac-
to de cercar o que est na posse de seu dono ,
ba muito9 anuos, com casa muro e arvores
frucliferab? Por tal descoberta de certo deve o
Snr. Cidado requerer premio. H to noto-
rio estar aberta a caniba que do arrombado
comino nica-se com a de Santa Theresa que
milhor nao responder eso direi acerca
disto que existindo aquella cambi ha pouco
mais de trinta annos como athrmo pessoas
antigs e de muito crdito ou o Sur. Ci-
dado ignora a siguificaco da palavra ira-
mcnori.ll ou tambem faltou a verdade neste
poni. Niuguem descouhece que nao existe
realmente a denominada estrada de Luir do
Reg, cujo projeclo nao tendo ate hoje sido
posto em execuco por authoridada alguma .
e nem transitando pelo logar indigitado para
ella, pessoa alguma, se nao podediserde
boa le que e servido publica e por conse-
guinte falsissima li a increpaco de ter An-
selmo Jos Fe reir cortado urna estrada, que
iio existe no lugar da sua propriedade : ora
nao se tendo at hoja feito patente aquele
propietario que o bem publico exige algu-
ma porcao do seu terreno Uro que neile
fasendo cerca excreto o direito que em to.U
a sua plenilude lhe garante a Lei tundamen
tal. H certaroente em virlude destes prin-
cipios que tenuo os Snrs. Texeira Lopes e
Carvallio Siqueira i'eilo nos seus sitios [ que
pela parte do Sul cobrem toda a exlenco do
siiio do Anselmo ] cercas e vallas j nao ferio
al agora argidos de corlar a estrada de Luiz
do Reo. Avista doexposlo pede-se ao 2mr
Cidado que nao incommode ao Publico
com tuusascujaexisiencia m tem logar na sua
imagiuaco. Sou Snrs. Redactores, seu cons-
ume leilor e assignaule.
O inimigo de calumnias.
VARIEDADE
ROSTftATO
Satyra quasi Poema Coohecido de
pantos lem leves nocoes da litteratura antiga
o fatto do louco rematado de Epheso, que
nam leudo ttulos a immorlalidade e revol-
ando no seu cerebro mrbido, acbou que o
incendio do bello templo dedicado a casta Hie-
na n'aquella Cidade, e reputado urna das sel-
le maravilhas do Mundo era a mais segura
estrada a trilhar para alcancar o que tam ar-
dentemenle almeja, Passemos por alio as pe-
culiaridade do successo e ixemos nossa bl-
tenca'm sobre o intento do poeta moderno que
escolbeo esse antigo texto para commeter e
poelisar. Translz em lodo e*se formoso
quadroa intencam de ferir de morte aquelles
que dotados de mediocres talentos ambi-
cionara um logar distiuclo na repblica das
letlras, toriiaudo-se singulares por sonhos
exlravagariles {syslemalicos e imaioraes
paites de urna cabeca desraiolada : eis o que
perleramente syrabolisa o assumpto de Eros-
uaiu incendiando o templo de Diana em E~
pheso manejado pela penna d% ac do insig-
ne A guste liarbier e de ora olerecemos ao
publico urna lesea versara.
LLroslraioapproxima-se do templo com un
faciio acceso e uoite. ]
ta tiez das que meditabundo e quedo co-
mo ura Millo a margem de ruidosas ondas e
nos escuros bosques vagueio, procurando de-
balde de ineu coraoara acalmar a fatal inclina -
cara. L)m deus invisivel de continuo me leva
a parar ante o moimenlo da tria deidade n'al-
ma sempre assomando o negro desejo de velo
ardendo preso entre os bracos do veneraudo
V ulcauo. lramovel ilo que brilhe e me con-
temple e o contemplo os olhos iuilama-
dos e para do templo o ciino sempre voltados.
A madeira resinosa que n:e arde uas raaos ca-
da vez mais fulgurante o caminbo me indica.
O visara cierna pensamento nunca ausente !
qual ser peale era ionio me agrilho a alma ,
auraca-a e a ella se liga mais eslreilamente
do que o pecouheato liubo da fuuesia vesti-
wenla, que o utr'ora de Hercules os hom-
silvacaro 'inexoravel alejara ao |w,oun I n
os mais fop noso* cor pos auto maus olhos lin-
damente amostrados.
? MK30M v
E eu sou a grande \Inemosyna do mo-
narcha das deuses a amante, mudas nove,
musas Pbeba companheiras no meu vasto
peito gravados trago os grandes critnes e as
grandes verludes Insensato a quem o mil ar-
rasta arrebatado corres pira inavitavel an-
niquilacam a infamia a deshonra ; e bem
que o inferno inteiro senhoreole o coracam ,
eis de teu orgulho o reflexo assorabroso que
o tempo perpetuar no volver dos annos. fltt.
ouvir leu nome horrivel as naces atterradas
cubrirn a cabeca como quando apptrece
ardente cometa ou retine de alguna desastre
a noticia lamentosa ; teu nome ser o symbo-
lo inflado de tod&s as ruinas ; o echo das pes-
tes e das lomes ; o espanto do genero humano;
e axecraces e o azuragne as maldicoes e seu
irm un o ultraje te flagellaram de geracam em
geranio de seculo em seculo
eeostrato
Erabora a deosa seja raen nome por ca-
deias eterna ligtdo aos dos famigerados crimi-
nosos Embora seja eu numerado na grey
iufrme dos mais desainados faciuoras e des-
tructores de imperios Vivirei, e isso me
basta A morte a mesquinlm morte nam
mergulhar-me-ha de todo as regios tartre-
as : alguma lem branca de mira ao menos ,
certa e tiraivel. para sempre vivera na mo-
rada dos humanos ; tu mesmo o Memoria ,
m'o revovelaste Eia pois tenues sombros ,
vapores e nuvens negras que o astro lumiuoso
do dia dispersa dissipai-vos a vista d'este
ramo triumphl E tu Morte tragadora e
sempre esfaimada lea sem piedade e nunca
desarmada deixi de cercar-me pulando e
cessa |de] perseguir-me com os teus horriveis
caminhemos para o sacnticio 1 ven- gritos !- Para te enternecer, vou fazer um sa-
i bros cubrir O veneno de meu coracam .'
pegouha que mais me queima e escalda do que
ao robusto corpo da estime dos deoses. Para
j unis nunca extinguir-te os peniveis embates
um ieito de chamas vou preparar-te e quica
] ento de minha alma deixes a morada ? E
| quem me oppor obstculos ? fioraens e ani-
raaes esquecidos de seus males nos bracos
jjasem de raorpheu; e at os deoses em seus
[ureos embalsemados thalamos respiram as
papoulas da noite pavorosa. A la na alhmos-
phera tempestueza e abrasada, jwr-sem lindos
j alvos touros puxada, ainda nam resplandece ,
reina profundo silencio na Ierra e aguas; e em
redor de mim as densas trevas tornara o solo
undoso e as arvores e releva mais escuras do
qua os bosques dos jardins de Plutom. Nem
um astro nos ceos brilha e me contempla; a
porta do templo est isempta de importunos
mortaes aqui s elle e eu prestes qual
des omnipotente a fulmnalo com o lume
de minhas mos Que momento sublime !
Que immensa protestada Eu humana ere-
atura e de Iragil existencia com um simples
acceso carvam, e com leve movimeulo de meu
braco, passo com um s golpe derrubar urna
maravilha accordar os deuses como o sido
do trovam a trra espavorir at no intimo da
suas entranhas e na eternidade como no
alto de um frontespicio em brouse perdura-
val gravar meu grande nome E he i de te-
mer o rumor...... Eu da humana vil raul-
tidam do incerto clamor dos povos ignoran-
tes das maldicoes de embusteiros Sacerdotes
hei de me arrecear e do vam estripito que
aos destructores accompanha..... Ah lodos
esses rumores nada mais sam do que pallido
fumo, s capaz de conter alma mal apresta-
da ; mas a minha nimiamente forte e de
mais perciso acabar com esses terrores que
me infunde a ideia da morte, Est lancada
GABINETE LITrtlVRlO DEPERNAvl-
BUCO.
Devendo i'rir-^ ama o dii i. flVOn-
tubro prximo v'mdouro a Bibltateca di Gu-
ete Litterario de Pennmhuoa por | te-
frem chegado os livros encomendados pela Da-
ecco e esUrem quwe concluidas as ultimis
estantes o Thezoureiro da S -ciedade convida
os Snrs. Socios creadores do Estabelecimento,
e os que se lhe lera associado depois e que
ainda nin pagaro a oia de entrada a fazel-
lo com a possivol brtvidade, a fim de queso
posso saplisfazer desbezas iudisoensaveis.
P ,, Manoel Alves Guerra.
Joo .Vives de Souza.
a a
sorte
los accordai : com vosso balito propicio aju-
dai do incendio os furores ; que este ramo de
pinho que prendera meus trmulos dedos ,
e fasta lentamente o seu resinoso involucro ,
vai\ qual a ave do raio qual a guia de bico
ignivo.no e unhas ardentes calur sobre c
templo c inundal-o de fogo.
[No momento em que elle franquea os fn-
meiros degrsos do templo trez mulheres des-
cera e o forcatn a recuaa ].
Mas que vejo? grandes deuses! crer-se-hia
3ue trez estatuas repenliaamenle descendo
e seus pedestaes searremessain da sagrado
lecinto eparecem querer evictar a calami-
dade que ameaca engullios.
A PIKDADK
Ainda tempo o joven temerario para ,
nam subas, lauca a teus ps a de isoladra to-
cha, apague-i!ie o vento o u.dando clarara. O
cri/ne que assumbra do teu rosto, negro que a
ave nocturna, pode inda occullar-se nas
densas trevas volver ao inferno sem cau.ar
estroncio. Para para infame ainda 4
tempo nem obrigues urna Cidade, anies
que Phebo aclare o dia a ver sanguinosa au-
rora lusir-1 lie sobre a front agitada. Nam
facas por onde em seus muros medooho arrai-
te o terror suas sandalias de brouse e com
vistas larvas toda a multidam humana pro-
cure debalde a man lia o le-i. po dos seus
deuses. Urna Cidade sera templo urna sol-
dara ura deserto inmenso odioso : nada
lam disgracado como um povo orpho de alia-
res e de deuses.
BIMTOATO
O mulher j tarde para obstar a chama;
fugio-rae d'alma o co inteiro e minha alma
hoje s cuida era ebrir-se estrada luminosa
aos campos do futuro.
A 1F.LLESA.
Ah Si a Piedade Snela com seus gemidos
nam pode vencer- te; si os lirados do respeito e
do temor te ferem o coracam como si fora du-
ro penda, presta ao menos ouvidos a Bellesa,
fillia da tarmonia Tem piedade de ura de
seus filhos a quem, dos altos ceos iriumpian-
les prolejeo o olho divino de Venus-Urania!
Piedade pela alma d'esies logares Piedade
por aquella <)ue respira nos nobres contornos
e aos sagradas marmoles d este bello templo
admiracdin de lodo o Urbe Respeile a tocha,
que arde e faisca em tuas mos estas podero-
sas formas Nam queiras que seu fronslespi-
cio de ouro suas tsenles columnas sejam
pasto do vors Vulcano Ah Si no teu de-
lirio lhe decretaste a ruina cora elle sbito
morrerei do mesmo modo que nos ares ex-
pira O leve SOin quando quebrada a lyra
desprende-se-lhe o que incerrado liuha no
concavo seio,
Eu sou qual piloto assoilado de procellas ,
otoracajo hei endurecido, e, pura uuniu
cr i lino i ni menso que excede em grandes* e
magtiihcencia a quantos nos altares de Jpi-
ter e das deosas immorlaes se liara otFertado !
Ati gorgoaa Sancia o que ouso immolar
vale mais do q Vera touros de dourados cornos!
O que meu faeno lem de queimar mais pre-
cioso do que o sangue dos homen* e corpos
amoutoados ; um templo e&plendido com
suas riquesas todas o throno sagrado de urna
grande deusa primor niaravilimso dos ho-
raens e dos seculos ; vasos ebeios de ouro ,
nilidos tillares, Capiteis de brouse sublimes
columnas ; ao menos uma hetcomba sam
victimas de mira O Morte acceita-as e
tu auligo cabos feixa-me para sempra o teu
bai .Ulero sorvedor.
[JUesaparecem us trez mulheres e elle pe-
netra o interior do templo ]
os GEJlOS do ooo
Filhos do Phlegelonlo, habitantes de Tr-
taro nas azas dos corramos, voeraos para on-
de o homem nos prepara um vasto estrago ,
um banquete espacoso!
os VEHTOS
Dragues, espirilos do fogo, desenvolvai vossa
esperaes acudimos-vos com os nossos sopros,
eis ura templo que se otferece aos vossos abra-
eos abri-lhe vossas fauees inferuaes !
TELCHINAS

Sob a pesada trra animo irm gyremos!
O bomera vinga emfira nossas antigs injurias.
EROSTRATJ
[ Sabe do templo, e descendo encosta-se
a uma arvore fronleira. J
Nobremente de sempenharam a tarefa as mi-
nhas mos : est consumado o sacrificio. A-
chama presa no monumento muge, lavra ,
e brevesubindo ao Ceo levar seu calor at
ao alcagar dos deuses. Ah! desassombra-se-me
o'corasam ah vivo respiro como bomera
ha muito vclima de negro delirio e sobre
quera pousa por um instante o descanja.
l)ir-se liia que largo jorro de sangue traos-
valsando-se alivia o plethora de minhas veias.
Ah! quaPquer que seja a sorte que me aguar-
de minha alma ao menos est livredeaQiccam!
Qul Ajax achei em outro Ilion a mortalha
gloriosa que tem de trajar meu nome.
A. P. C, L.
THEATRO.
Sabhado a'i dj correte ; a beneficio da
Francisco das Chagas de Oliveira sabir a
scena o Expetaculo seguinle. Depois que o
Professores da Orchestra tiverem dezempenlu-
loa belessima Overtura CARACrERIS-
CA HESPANHOLA se reprezentara' a be-
lissima Peca denomiuadi G\BR!ELLA
DE VERGl, OUFUELMAKIUOZELO-
ZO No fim do t, acto o Snr. Antonio
Francisco de Sautiag cantar huma linda,
Civatina. O grande espapo de tempo que ha
decorrido desde a ultirav vez que foi a Sjen*
esta Peca o seu grande mrito, e as synapa-
thias que encontrou nos habitantes desu Ca-
pital sio os mais forte* motivos que obriga-
ro o Beneficiado a laucar mo delta para a
prezenta-la aos seus benignos Protectores. No>
fim da Peca a Joven Carolina dancar A
CAXUXA Rematando todo o Expeclacula
com a Jocossima Farca intitulad t OS
DOIS LIBJRIOS, OU LOGRO DA C-
MARA PTICA Eis o Expectaculo que o
Beneficiado escolho para otTerecer a sdus be-
nemritos Patricios de quo.-u espera toda a
prolecco e amparo.
THE.VTRO DEOLINDA
Dia do Ponto, no I. de Oulubro, Be-
neficio geral da Companhia de actores : Peca
~ A HEROINA DE TOLEDO ~ Parca--,
O Par de Franca Entrvalos Sollo Injles ,
eCaxuxa.
PUBLICAgAO LITERARIA.
APrimeira Pane do i.* Tomo das Me-
morias Histricas de Peruambuco vende-so
na Pracada Independencia Loje N. Sj t
38. Preco de hoje em diante para os que com-
praren! avulco quatro rail reis, por cada vo-
lunte ; os Assiguantes porem tero o mesmo
volume pordois mil reis. A extracto que a
obra vai leudo depoem bem contra os seus de-
tractaras.
A.Visos Diversos
KST Aluga-se uma preta captira para a-
ma com muito bom leite, parida de pouco
tempo eest sera filho : quem a pretender
dirija-so a ra Direita a. andar do sobrado
D.a.
X3T Quem annunciou querer vender uma
lo;a de miudezas .* dirija-se a ra Nova a
p da ponte lado do norte penltima
caza.
sar Quem possuir huma escrava moca ou
mulata que saiba bem coser e engomar
e a queira vender dirija-se ao Corrector O-
liveira Ra da Conceico no Recife.
tsr Quem precisar de huma ama cora
bom leite, e nao tem filho procure no
sobradinho de hum andar detronte do telheiru
do porto das canoas.
isr Vende-se huma escrava de aJ annos,
(bonita figura) cose, cosinha, lava de sabio,
e faz dece de varias qualidades ; note-se quo
a cauza desia venda he, precisao de dinheiro ;
quera a pretender v a ra Direita D. ao la-
do do Livraraento.
W Da-se de cem mil reis at a quan-
tia de dois contos a premio de dois por cento
pelo espaco de seis me*as sob ponhores ou
firmas a contento nestaTyp. se dir quem
os d.
LOTERA do seminario.
O Reitor do Seminario de Olinda convida
os amantes de Loterias a comprareis os bi-
Ihetesda primeira parte da 17." Lotera do
mesmo Seminario, (cujas rodas andaimprete-
rivelmenle no dia ti de Oulubro.)que se acha
a venda no 15.uno do Recife, ra da Cadeia, na
loja de cambio do Sr. Vieira ; em S. Antonio
na ra do Cabug, loja do Sr. Bandeira ; na
Boa-Vista delronte da Matriz botica do Sr.
Joaquina Jos Moreira era Olinda venda de {
Joz Manoel dos Sanios nos quatro cantos.
Precisa-se alugar uma casa terrea ou-
urna loja que tenba commodos para familia,
nas seguintes ras do Rangel, dos Quar-
teis, pateo do Carmo principio da ra d' a
liorlas e d-se um anno adiantado : que- A
a tiver annuncie.
SW Quem annunciou no Diario, de a f a
corrente querer vender uma loje de mdr,.eias
com 4 a 5 contos de reis : dirija-se, a ra
Direita D. 33.
e~ A rifa do sitio da Ponle d'Cxoa nc*
corre? as pessoas que compraro bilhetes
vo os entregar e receber o seo dinneiro *
nos lugares aonde foro comprados j para se-
r ra arrecadados os bil>iet?st
C^ Preca-se de um caxeiro que eoteu-
[da alguma coiza de coiaa j n* cas* da Nev
btco doTneatro, ^


DIARIO f)F. PRRNAMBCCO
tur ,:recisa-se de urna ama de leite ; na
ra das Crmes secundo andar da casa D 7.
tsy Tbeodoro Augusto de Azevedo e Silva,
faz publico que se despedio da casa do Snr.
Gaudino Agcstinho de Barros em 24 do
corrente.
CST Ado deOliveira de Carvalho reti-
ra-se para fora do Imperio.
g^ Mr. K issel relojoeiro no atterro da
Boa vista compra relogios de algibeira em
segunda mao e tambem troca e vende em
conta e afianca aos compradores.
ssr Quem precisar mandar lavar porco
de roupa e engommar dirija-se a ra da
t^ Cabos de linbo da Russi em pecas de
l at 5 |* polegadas; em casa de Hermano
Mehrtens ra da Cruz D. i3.
1ZT Cantaria da trra de muito boa qua-
lidade e ja lavrada ; a tratar rom o Juiz ,
PARA LOAND,\ o Brigue Portuguez O- Escrivo e Thesoureiro da Irmandade do SS,
rija-4e aruade'S. Rita nota lado da Igreja
t. 18.
Avisos Martimos.
liveira at 1 5 de Outubro prximo por ter
a maior parle de sua carga prompta ; quem
quiser carregar ou ir de passagem, para o que
tem bons commodos dirija-se a Mendes & O-
liveira na ra do Vicario O- i5.
PARA O ARACATY com Irevidade a
Sumaca Conceico Flor do Mar ; quem qui-
ser Aregar a frete commodo 011 ir de pas-
ordero terceira de S. Francisco para o lado do sagem dirija-se a Antonio Rodrigues Li-
mundo novo casa D. 1.5 ; assegura-se muito
asseio e exaclidao.
tg- Perdeo-se desde a ra do Cabug at
o armazem do Rufino 700,000 em sedulas ,
sendo urna de 5oo,ooo e outra de aoo.ooo;
ropa-se ai quem as acbou se compadeca de
um pobre sertanejo entrcgando-as na mes-
ma ra do Cabug loja defronte da Matriz
que se gratificar cora 00,000.
igr Precisarse de um bomem portuguez
ou brasileiro que entenda de carrear e tratar
de boi ; na ra do Rangel D. 1a
ma na prac* do Corpo Santo ou ao Mes-
tre Rntonio Jos Vianna a bordo da mesma
Sumaca fundiada dfronte do trapiche novo.
JLeil o
c/iirrampiito da Boa vista.
t^" Um pedaco de ierra propria com as
proporgoen mais vantajosas possiveis para se
edificar urna olaria e com barro para toda
qualidade de obra; a tratar na na da S. Cruz
com Antonio Lopes Guimares.
B^ Urna porco de milbo velho ja Turado;
na ra de Hortas D. 17.
52?" Urna negra da coila muito robusto ,
boa lavadaiaa equitandeira ou trnca-sepor
um negro que seja bom a trepador de coquei-
ro ; em S. Amaro na estrada de Belem sitio
de Joao llaptisla Claudio Tresse.
t&" Um diccionario Vtagnum Lexicum e
utro portuguez e latir por Pedro Jos da
Fonseca ; na travessado Rozario loja D. 7.
f^ Urna negrinha de naco de idade de
1 3 ninios, bastante ladina cose cha lava
Boa vista loja de Antonio da Silva Guimare*
D. 16.
E2T Um terreno alagado no seguiroento da
ra da Aurora tendo 15o palmos de frente
e i5oode fundo pagando o diminuto foro de
3o rs. o palmo todo ou a retalho ; na ra
de S. Gonsalo D. 11.
cy Taboado de pinho americano de todag
as grssuras e larguras dito da Suecia de
urna a tres polegadas de grossura dito de
forro proprio para fundos de barris, de meia
polegada 3|4 de grossura ,'ludo de superior
qualidade e per prejo commodo ; no forte do
mallo armazem do Vianna
SSS" Urna escrava sem acbaques eozi-
nba e lava de sabo ; na ra de-agoa ver-
des D. 19.
Escravos Jb agidos
ao por 6 mezes dirija-se a pracinba do Livra-
mento loja D. 5 que se dir.
KST Alupa-se para se passar a festa e
por preco commodo nma morada de casa de
dolado da sombra; a tratar no mesmo lugr
com Jos Rodrigues de Mello ou na ra
do Queimado D. 7.
ssy Precisa se de 3 officiaes charuteiros ,
No dia 17 do corrente mez das duas
boras da tarde ei.n diante deiapareceo bum
moleque muito ladino baixo, mui reforcado,
com falta de um dente e marca chave no
peilo de naci Inbambane recomenda-se
a lodosos ca pitaes de campa e mais auto-
ridades pira que no caso que opegjrem o
hajo de conduzir ao aterro dos affogados casa
de Vicente Tho.naz dos Santos no sitio do
Brito que lisera bem recompensado; su-
pe-se ter sido por alguem seduzido e por
isso tambem se previne a qualquc pessoa.
fSS" Fugio no dia .< ou 4 do corrente urna
escrava da norae Mara de naco cabinda ,
levou vestido de chita prela desdentada ,
velha cem os dedos dos ps junto aos mni-
mos mais curtos que o natural e cavalgados
tST Que fazem Me. Calmont & Compa-
nhia de varios u>ncilios pertencPnles ao Bri-
gue Inglez Orion naufragado as Garsas ,
por corita de qcm prctencer e por interven- de ssbo cozinhao diario de urna casa, e
cao do Corretor Oliveira: sendo ferros, amar- ptima para mubanda por ser recolhida ; na
ras de ferro cabos velbme mastareos ru.i direita D. 20 lado do Livramenta.
t&~ A pessoa que annunciou precisar de &e. sexta feira a5 do corrente as 11 boras da i t&" Urna cabra mota com bonita figura ,
manb na praca do Commercio. cose, engmma cozinha o diario de urna
tsy Que faz o Corretor Oliveira debixo casa, faz todas as qualidades de doces, e lava
da direccSo do Cnsul de S. M. Hrilanica de sabo, e be recolhida por preciso ; na
de urna porco de sacas com call a varia- ra direila D. 17 loja de couros,
{yedra e cal, no lugar do monleiro no largo das do Brigue Inglez Orion naufragado,1 tsf" 3 pretos mocos muito fortes para todo
da ra com commodos para grande familia ;as Garcas, por conta de quem perlencer, sab- o servio e um delles be bom canoeiro e c-
cora sala a diante e atraz i> quartod estri-jbado 26 do corrente as 11 horas da manba na zinheiro ; na ra d agoas verdes casa terrea
baria para dous cvalos cozinha fora e be prensa de Augusto & Mendoi^a no forte do Decima 37.
Mallos. tK> Um escrat-o pardo de idade de 90 an-
tsy Que fazem H' Cfislopbers & C Roope nos a sua conducta se afianca dous lindos 8brf estes;- quem a pegar leve a ra do run-
por nter venco do Corretor O.liveira, da mo- moleques de idade de i annos 3 molecas 'ge'a entregar uo Capilo Anaclelo Lopes de
biliaaoSr Roope, que ltimamente se re- proprias para mubandas por serem recolhidas i ^ Anna,
que trabalbem elfectivo endo estraugeiros tirou desla provincia con'sistindo em mezas, urna ptima escrava por 36o,000 e duas di-| ssf~ Um moleque creoul, de nome Fran-
melhor; na'casa do Tenente Coronel Va-banquinhas armarios para livros, cmodas, tas para todo o servico ; na ra de agas ver- cisco de idade de 1a a 4 anuos, com urna
reio na ra atraz d% Matriz da Boa vista. kadeiras leitos relo;;io de parede um pi- des D. 38. jsicatriz por cuia da, mao direila e duas ditas
t^> Precisa-se arrendar por lempos um !nno e &c. segunda feira b do corrente as tss" Uout cavallo3 cliegados do mitto, um inda frescas no m#smo braco, levou vestido
silio perlo da praca que lenha urna boa casa i' 'loras da manb no escriplorio dos mes- dos quaes est muito gordo e be ptimo nao calcas de minn nova camisa de algodoi-
de vivenda para urna grande familia cm ;mos ua rua dos barbeiros s pela cor preta como por outras boas qua- "''> alguna tanto suja ja:jueta nova de brim
Iructeifas e proporces para leralgumas va- C^" Crabtree Heyworth & C. faro leilo lideles eoutrono eit to gordo, e nao pardo, e chapeo de seda ; quemo pegar le-
cas de leite ; na rua d
annuncie.
er Arrenda-seum
Toque, com boa casa de vivenda aenzala e de diversas qualidades para feixar contas tsr Urna bonita meza de angico de meio me Josefa y atatura regular cor fulla, cara
poco de agoa com tanque a follar com o Dr. quarta feira 3o docurrenteas 10 horas da ma- de sala e um berco de Jacaranda; na rua chala, ebeia do corpo, de idade de b annos;
Francisco Xavier Pereira de Brito 110 alier- hhem ponto noseu armazem no forte da do Crespo D. iq. qem a pegar leve a Olinda na- rua do Atu-
ro da Uoa visla oucom o Snr. Antvniu da '"altos.
Silva Gusmo na rua do (^ueimado.
>es para leralgumas va- s5* craDiree iieyworin la to gordo, e nao parao e cnapeo ae sea ; quemo pegar le-
lo \ gario n. 16, ou por intervencao do Corretor Oliveira, e em he tnnito inferior, e troca-se tambem o ultimo ve a rua da Florentina velha lado do muro de
'continuaco do principiado no dia ai do cor- por1 f.izendas ; na rua da Conceica da Boa S. Fiancisco primera crsa.
1 silio junto a olaria do rente de grande porJio de fazendas inglezas vista armazem do Rufino. t&" A a5 do p p fugio urna prela de no-
sy O Director da Sociedade Lubentina de
Bibiribe convida aos socios da mesma para no
C o 111 [) r a s
tsy Urna porco decasaes de pombos, to- Fa, n b|7 nue se,"8 'ccompensado.
(Iwj)oi isso se dar mais ein conta; na rua *-* l>o Uia it uo cunctuu uesapaico^u a
sebo l). la. Cidade de Olinda urna preta inda bujpal ,
^S3T Panno de linbo muito superior a 600 a de nome Rosa, de naco quicam com a
da a7 do corrente pelas 9 horas da toanb se tss". ous metljodoS de flauta ; na rua do vara, lencos de seda preto e de cores a aooo, orelha esquerda furada estatura regular,
reunirem para sesso. collegio loja de traste n 9 massos de mtias de linho a 45oa, canarios de grossa do corpo levou cbeca de cassa de
----------- Impeli a 1000 ; na rua do Fagundes l). 5. quadro vestido de chita, e missanga no
para
tST Airenda-se um sitio em S. Amaro na
estrada que vai para Belem com casa de pe-
draecal bastantes arvoredos boa agoa de
Vendas
K" Terrenos com arvores de fructo e pescoco ; quem a pegar leve a mesma Uidade
pert do embarque na camboa da pontesinha d rua do Amparo sobrado que tem por baixo
bbeT e'porto na estrada ; trata-se com O *S^ CAUTELLAS da Sociedade Fortuna ua passagem da Magdalena tambem se afo- padaria que sei recompensado,
proprietario oo Baptista Claudio Tresse. JTypografica, da Lotera do StiMliNARIO ga- ra perpetuamente ; a fallar com o seu pro- *&" JNo dia 19 do torrente fugio urna es-
t29~ precisa-se alugar urna casa terrea ou nhndo a vigsima parle dos premios, cabendo prietario Jos Joaquim Bezerra Cavalcante. crava de nome Rila baixa cheia do corpo ,
um 6obradinbode um andar que o seu alu- ;a sorle de 4 000,000 reis dusenlos mil reis a S3F" A melade do engenho sito do meio da cor fulla zarolha do olho direilo ps pe-
dous por cento ao mez con bypotheca em al-j *&" Urna escrava boa lavadeira e moca; & Ifilhos.
lugar de a encontrar be atraz dos Martirios ;
p omar propriedade ; na rua'direa lado da na ua do fagundes em casa de Antonio Jos S^" Cma morada de casa principiada e quera a pegar leve a rua do Queimado D. 5 ,
Lrejado Terco loja de ourives 5i, de Fgueiredoa fallar com Jos Loiz de Mel- ja no respaldo para receber o travejamento que ser recompensado
j- QuaIquer mulher ja de idade ou mes- 'o Brrelo. j com oilbes dobrados para um formidavel so- tur fS'odiaio do corrente fugio um es-
mo moca que queira servir a urna casa de!# *3?~ Urna preta do gento de angola, de brado por ser em bom local eexcellente vis- cravo de nome Joo creoulo grosso do
pouca familia, dando-se-lhe .0 sustento e idade de jo annos, tem urna cria, lava d
vestuario dirija-se a travessa do Rozario no 6abao cozinha o diario de urna casa e faz
primeiro andar o sobrado onde mora o Snr. todo o mais servico e tem bonita figura; no
largo do Livramento por cima da loja de cera
JjT" For seu sr. retirar-se para fora do I m -
pe 10, um moleque de bonita figura, do geu-
quim Pereirdos Santos, Antonio Jos de ; l' de angola de idade de to anuos ; quem
S. Anna Jos Bernardino de bena e An-
tonio Jos de Aibuquerque queirao mandar
ou ir receberem cartas vindas da piovincia do
Sarafim.
isy Os Srs. Ur. Miguel Joaquim Aires do
Tascimenlo iVianoelda ilva Aeves Joa-
quiser annuncie
*3> Oengenho Mumbuca sito na fre-
guesa deCamaragibecom umalegoa em qua- com f portas com vidrassas, corredor ao lado1,
Cear na rua da cadeia do Recit loja de jdro lda de malta, moente., e corrente je mal resca indo da trempe para o raon-
Joo Cerdoso Aires Jnior. com lodos os prepaios necessaiios ; a tiatai no ^t0 lado Esquerdo D. 6 ; na rua nova loja
sitio do btco o pombal eom Jos Jorg^e Ro-
drigues.
s#~ Doce de mangaba pitanga limo e
ta em urna das principaes ras da Boa vista corpo, falto de deules na frente, ps apa-
vende-se por nao se poder acabar e para Ihelados bem fallante esle preto desapa-
comodidade do comprador s recebe-se meta- receo viudo de Ti(;ipi para esta praca, jul\
de do seu valor ficando o resto vencendo O ga-se que o dito preto como tem conhecfmento
pie.nio de um por cento ao nrez pelo lempo no bairrodo Recit supe-se que alu esteja
queconvier ao comprador, e a vista do preten- oceulto ; quem o pegar leve a rua do'ftangei
ente o motivo da venda ; trala-se na rua de D. 11 que ser bem recompensado.
S. Gonsalo casa junto ao oito da Igreja.
tis~ Urna casa terrea com chaos proprios ,
O Sr. Manuel Gomes de Mello que-
rendo receber urna carta do serto dirija-se
a rua do Crespo L>. 5 110 primeiro andar.
1U o vi 111 (tito do Porto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA a3.
Paecisa-sede urna ama de leite, que outras mullas qualidades ; na rua direita so-j4ors > ditos da outras qualidades, e muito
seja captiva 5 na,rua do cabug loja de miu- brado.de um andar L). aop de dous so- bom soitmenlo de lilas de garca e a seti-
desas junio a botica. brados de varanda douradas. nada, e cartas francezas e porluguezas finas ;
BT O Sr. que mandou da Boa vista a se- *&~ A venda por baixo do sobrado da qui- na rua do Cabug loja do Bandeia.
na dos 4 cantos da Cidade de Olinda *que{ ar ^h isson e Imperial de superior qua-
tem o lampio ; esta venda est na meliior \ dade emearxasdetie 13 libras; em casa
posico possivel para negocio, e he muito cu- 'de Vialheus Austim & Companhia rua do
mana passada buscar por um pardo seu ca-
ptivo urnas amostras de bicos da praca da In-
dependencia loja n ao baja de as mandar
entregar', pois muito se caresse.
Sf. A pessoa que annunciou querer nlu-
gar nn moleque, pagando .0,000 por me/.,
dirija-se a rua de S. lta nova lado da Igre-
ja i), ib
Arrenda-se urna caa para se passar
a fcfctf coro 4 quarlos cozmiia lora, estri-
bara quintal chimba com ortalice, e com
principio de um jaidim, e perlo do banbo ,
pejoprooB de 00,000 ; quem a pretender di-
moda ao comprador por so ter a armacao e! trapiche novo.
os pretences para uzo da mesma ; a tratar por r"",*ar 2>apatos de couto de lustro para senho-
poi delraz da Igreja de S. Pedro A postlo ca- ra ditos de uiarroquim a .a3o, ditos de
sr u. 11 ou ao sobrado por cima da mesma selim a ijtio dos de duraque a 1 lao di-
venda. I los de marroquim preto a 900 rs. ditos de co-
WT Urna porco de barris vasios que serve re8 a ^8o ditos para senhora a 5bo ditos
para bomem a uo ditos para meninas, bo-
lina gspiados para senhora sapalos fraiice-
zes de urna ola a aauo ditos blancos de
para ancorelinbas de duas caadas ; na rua
da Conceico da Boa vista D. la.
BT Urna vacca com cria ; na rua da Flo-
de louca fina \) a6.
JS" Rap de Lisboa ltimamente chegado,
em libras meias ditas c as oitavas a 3o e MACEIO' 5 a dias Brigue de Guerra In-
glez Patrich Commaudante o Tenente
ftloorece.
S. MIGUEL das Alagoas ; 6 das, Lanxo
S. Joaquim de 4'i tonel. Mestre Antonio
Francisco da Silva equip. 5 carga ma-
deirae J couros ; a Luiz Jos da Silva,
SAHIfK) NO MESMO DIA
T1NGUIBA ; Sumaca Nac. Provinciana,
M. Manoel Antonio Coilinbo carga va-
nos gneros passageiros a brasileiros, a
hamburguezes e um escravo.
GE.NOVA por Macer ; Brigue Sardo dous
deJulbo, Capito Paulo bolaire carga
ierro velho.
rtmlinataaa de i\icolao Rodiiguesda Cunba. Lisboa, e meios bollos ditos: no atterro da
iil UFE JN A 1 P. DE M. F. DE F it4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN57S7HQP_LC2WMS INGEST_TIME 2013-03-29T14:53:43Z PACKAGE AA00011611_04120
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES