Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04109


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* ftNo'pR 1840. Sext Fera
i.'.dKg LffSSSBlSSf1^ esere,nosaponlados
Prcclamac".o da Assemblea Geral do Brasil.
Sah^rrve-se par mi* fnlha a 3*000 por onarlpl i%o- j- 1
esta Tvpografia ruada, Cuse, I) 3 V-iaTrari ^ ^
ci. n. 57: f 38, onde se recel.em corres'pondenc^ |e-li-IS;11"! I"'
nuncios, UrjmhMl estes gratis, sendo dos proprios assi-nantes
viudo issanados. r Daiiies,
e .'11-
e
PARTIDAS DOS COR REOS TERRESTRES."
CHade da Parahih e Villas de sua pretencSo \
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem.....)
Dila da Fortaleza e Villas dem.......* >Seg. emesias fe-tas.
Cidxde de Goinnna............... 1
Ciriade de Olinda............ .......'
Villa deS. AntSo......... .........T0 il de Setembro. IV mi. 193,
CAMBIOS. Sf.temb.oio
Londres......->g 111 d. por 1 *ooo ced.
risb"a ......8.) a 83 p .. 0|o e.o por metal oflerecida.
franca......620 re por Irauco.
Rio d- Janeiro ao par. ',.m, \ i.,<
itiu .. j j m. .. l-"n>p- Vemfas
OUKO-- Moeda de f)g\oo ves, vellias i<0,.' i407,
Ditas
novas Iiff30 ug50a
vina mi >'. nuinw /V f ----- X""""
Dita de (Jaranhuns e Povoaco do Bonito.........Quintas lenas. La N
Ditas do Cal, Serinhaem, Rio Formozo, e Porto' Cavo' ,*, **/.* ??*
tidade das Alaeoas, e de Macelo.... ,'j ",! a! d,to dl, *'
17;ii.. j. d.:..-. .1 "i?i.'_ ............Mein dem
Villa de Paja de Flores........... .........,'',em "5m ,
Todos OS Correioi nartem an n,,';JL......ldeiB ,J d,to dito
iodos os Correioi partem ao meto dia.
PHASES DA LOA IVO MEZ DE SETEMB.
Quart. cresc. a 3 as 3 h. e 17 m. d tard.
La Cheia a 11 as 5 h. e 17 10. da ta'd.
Quart nrinv. a :8- as 3 h. e 10 m. da tard.
"ova a i5- as 7 h. e 6m. da tard.
Mare ehcia para o dia 11 de Setembro.
As 3 Horas e 18 minutos d maulla.
As 5 horase l\i minutos da tarde.
n ata of de '00?, re'S' ^O0- 8**'
PHATA Patacn Hrasileirog i06io i^fitio
PetosColumoarloi----------ijft'io i#tio
Ditos Mexicanos.......,^i0 ,,040
., l'i--la............I(j41o _
Descont de billietes da Allandega 1 i|8 p;ir looao met.
Idsm de letras l f i a 1 ija por beas firmas olerccido."
Moeda de cobre i por loo de disc.
DAS DA SEMANA.
7 Segunda S. JoSo M.-- Relanzo e Audiencia do Juii de Direito da a
vara.
8 Terca >Jc Natividade de N. S.
9 Qiwrta S. Sergio P. \umencia do .l.iit de Direito da 3. vara.'
10 Quintis. Nicolao de Tolentin. Audiencia do Jui de Direito da
1 vara
11 Seila S. Th.odora Penitente. Audiencia do Juiz de Direito da
1. vara.
u Sabbado S. Auta V. M. RelacSo e Audiencia do Juiz de Direito da
3. vara,
i3 Doreingu O SS. Notne de Mara.
1UO DE JANEIRO.
CMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
Sesso de 4 de agosto de 1840.
Presidencia do Sur. Marcelino de Rnto.
A's 10 Iiotas e meia faz-se a chamada ; e,
reunido numero sufticienle de Snrs. debu-
tados t hre-se 1 ses>o.
He lida e approvada a acta da sesso ante-
cedente.
O Sur. primeiro secretario d conla do se-
guinte
Expediente,
Huro officio do presidente da provincia de
Pernambuco enviando os actos legislativos
promulgados pela assemblea legislativa da
tnesma provincia neste anuo: a imprimir e
depois a commisso das assembleas provin-
ciaes.
Jlnm requerimento de Joo Coelho de
Carvallio pedindo a graca de Ibe ser conce-
dida huma penso ; commisso de pensoes
e ordenados.
He lida huma felicitacSo da cmara de
Barbacena, pelo fausto acontecimento da ac-
clamato da maioridade de S. M. I. re-
cebida com especial agrado
Entra em discusso a esoluco queconsig- l'0('e bastar essa tjuantia para os gastos que
ao trono, bastaria para pacifiearem-se as pro-
vincias,
O Snr. Alvares Machado declara que na
verdadeellee muitos de seus collegas disse-
ro que os males pblicos cessario ciim a
maioridade de'S. M. I. pori^so que desa-
pareceriao as cau/as deses males : e espera em
Dos que os republicanos do Kio Orande. sa-
bendo da exaltacao de S. M. I virio de-
por aops do tronoe^sa bandeiraque os er-
ros do governo fizero bastear.
Pondera que os Rio-Grandenses tendo
expulsado da provincia o presidente procu-
rarlo desculpar-se em suas representacoes ao
governo e ao corpo legislativo ; mas que es-
sas representacoes da assemblea provincial fo-
ao repellidas, esolhendo-9e huma provin-
cia bellicos, para se fazer nella o exemolo
do que outras tinho platicado impunemente
Espera porem que nossos irmos Rio-Gran-
denses abandonem o caminho do erro; e
quando o nao facao est certo que todos os
Rrasileiros sacrificarao al a ultima camisa
para os reduzir a obediencia legal
Quando propoz 5oo contos, fui na persua-
sao de que log que o estado do pai/ me-
Iborasse se poderia augmentar pssn somma ;
mas vendo que a conslituico nao permitte que
se faca essas modificat;5es e ponderando que
S. M. I. deve tomar estado, e que entao nao
na para a dolado de S. M. o imperador a
quantia de jo ionios de reis annuaes.
O Snr. Coelho Bastos manda a seguinte e-
rnenda. que he apoiada.
Em lugar de 7 -o diga-se 800 contos.
exige oexplendordotrono, vota pe la emenda
que consigna b'oo contos.
O Snr. Presidente declara que a discusso
esl addiada pela hora ; mas o Snr. Rezen-
de pede a urgencia, e sendo esta sem di-
O Snr Montesuma sustenta huma indi- cusso approvada continua a disculir-se
cacao sua propondo a quantia de 600 contos resoluco
para a dotaco atiento o nosso estado finan- j 0 Snr- Coelho Bastos sustenta a sua eroen-
ceiro j e espera que o seo voto nao se]a mal da^ uAmno que em attenco ao nosso
interpretado, pois que se fui ao diversas as ^fo f,nanceiro he que propoz somente 800
circunstancias do paz sena elle orador o COIltoS) pos que se rossetn me||lore9 as cir-
pnmeiro em querer que se assignasse multo coostanciaa do paiz proporia i;noo contos.
niaior dolato. Demais pondera que na Cr que o nosso estado financeiro melbora-
Inglaterra e na Franca a dolacao nao excede r. medida que as insiiluirues do paiz se
a por cei.to da receita geral i e sendo a nos- consolidaren! e, para que isto se consiga ,
sa receita de cerca de i5:ooo contos, pa- julga indispensavel que o trono seia rodeado
rece-lhe rasoavel a sua indicacao pela qual de todo oexplendor.
vola. Respondendo ao Snr. Montesuma advette
O Snr. Carneiro da Cunha vota pela quan- qne 0 exemplo da dotaco dos res da Ingla -
lia de quinhentos contos de res atlendendo ,eiTa e da Franca nao he applicavel, por isso
ao estado do paiz. Esl convencido que qUe asses monarchas ten outroi rendimentos
nao o fausto e ostenlaco e sim a justica e atem da dotaco.
beneficencia he que bao de consolidar o trono, 1 q sr. Clemente Pereira esperava que 03
Uemais, vota |ior esta somma provisoiia- !qe piOp0em men0s de 800 contos demons-
mente porque a banca rola nos bate a porta trassem que esta somma "-a excessiva ; mas
e a guerra civil toiilinua no norte e sul do nai sto o que nao tero sucedido, e antes v
imperio; mas, logo que o paiz se pacifique qUe loos concordo em que he insuftitienle,
e o estado das linancas meihore nao lera e qUe nao volo por maior em attenco ao
duvida em que entio se augmente a dola-
cao.
O Snr. Lopes Gama vota pela emenda que
assigna a quantia de 800 conlos, por que en-
tende que quera quer 09 fins deve qutier os
meios, q' quero quer o imperador deve querer
os n.eios de sustentar o esplendor e dignidade
do trono Tendo-se conctdido ao Sr. U. Pe-
dio 1 a dotaco de mil cont entende que
nao he possivel marcar agora que a moeda he
muito oais Iraca, 600 cotilos para a dotaco I
do Snr. D. Pedro 11. Vola portante pelos
800 contos al uesmo porque o nobre mi-
nistro do imperio indicou essaquantia; e nao
v razan no nobre dcpulado o >nr. Moulesu-
maeoinuercr menor (Juanita
or ansa do
1
iiui riii uuriri ......... -,| -...- j
estado do paiz, quando be certo que oradores
im> stu lado dizjo que a subida de S.M. I
nosso estado financeiro.
O nobre orador reconhece tarobem o roao
estado das finanzas mas por oulro lado ob-
serva que a penso huma vez concedida nao
pode mais a.terar-se e por tanto deve votar-
se huma somma sullicieule.
Faz oulras obse vales e conclue declaran-
do que vota pelos 800 contos, e nao lera du-
vida em volar por maior somma se aparecer
emenda nesle sentido.
O Sor. Carneiro da Cnnha insiste em suas
observaces.
O Snr. Maciel Monlciro vota pelos 800
conlos, porque enleude qne as circunstancias
do paiz sao idnticas aquellas em que vule-
rao-se ijooo coatoa uu-a o augusto p-tideSk
M. 1.
De mais, emende que a queslo se nao de-
vp encarar pelo lado financpiro e sim pelo
lado poltico.
Observa que as rendas ordinarias chegio
apenas para as despesas ordinarias, entretan-
to que S. VI. I he ohrigado a fazer despesas
extraordinarias pnrque nao tem mobillia, e
oulros objectos indisriensavcis.
Nota que o re da Inglaterra aleir. da do-
taco tem outros rendimentns como sao os
do almirantado ; e que o rei dos Franceses
possue huma riqueza collossal circunstan-
cias que se nao do a rps;ieito de S M. I ;
e por estas e outras consideraces vota pelos
800 conlos
O snr. Oliveira sustenta a emenda do Snr.
Coelho Bastos, que consigna a quantia de
800 contos para a dotac.i.
O Snr. Rezemle vola pela indicado do Sr
Montesuma, ou pela resoluco nao votando
pela emenda que eleva a dotaco a Soo con-
tos em attenco ao estado financeiro do paiz ;
e discorrre largamente sobre os males do de-
masiado explendor do trouo e dos luxos dos
corlees
O Snr Coelho Bastos insiste em suas ob-
servaces, e responde as do Snr Rezende.
Snr, Montesuma, depois de algumas re-
flexes, relira a sua emenda, e declara^ que
volar pela resoluco.
O Snr. Harreto Pedroso vota pebs 800
contos e sent que o nobre ministro do Im-
perio nao assislisse discusso, porque Ibe
Consta que o palacio da cidade necesita de
grandes reparos', e talvez que para is*o
conviesse marcar a quantia necessaria, alem
da dotaco.
Nota que as qnantMS destinadas para a do-
taco nao fico enthesouradas e sira tem de
girar, sando empreadas as despesas do mo-
narcha ; e que porlanto. longe de ser no-
civa as classes iudustriaes, a sjmma des-
pendida com a dotaco, ao contrario serve
para alimentar a inJuslria.
Tambem nao acha valiosa a raso tirada do
n.o estado das financas para se decretar me-
nor dolaco ; por isso que, estando S. Al
I. identificado com a naco, sendo o maii
interessado na prosperidade da mesma nacao,
nenliuma duvida lera em ceder e generosa-
mente offerecer para os gastos della parle da
sua dolaco, quando as circunstancial o exi-
girem.
Faz ainda algumas reflexes, e termina vo-
tante pelo Hoo contos.
A discussso ica adiada pela hora.
O Snr. presidente d para ordem do dia
a mesma ; e levauta-se a sesso s % horas e
meia.
PE RiXAMBUCO.
DIVERSAS REPARTICOENS.
ARSENAL DE MARINHA.
Edital.
O Inspector do Arsenal de Marinha em
cumprimento d ordem de S. Ex. o Senhor
Presidente da Provincia publica o Decreto
abaixo declararlo pelo qual S. M. o Impe-
rador por effeitos de Sua Alfa Clemencia
llouve por bem perdoar aos Reos de primeira
e segunda diserco simples da Armada e Cor-
po de Arlilhariu de Alamina condemnados ,
ou em piocesso bem como aos que se acha-
rem ausentes, e se apresentarem dentro de
sessciila dias depois da publicacodo mea-
ron Decreto as Provincias e Estages Mari-
timas do Imperio
DECRETO
Tendo Eu no Memorave! Dia vinte tres
de Julho do correte nnno entrado no pleno
exercicio das Minhas Prerogativas Imperiaes ,
e Qiierendo por to Fausto motivo tizar da im-
portante attrihuico que Me heoulorgidi pe-
lo pargrafo oitavo artigo noventa e oito da
Constituico do Imperio chamando a seos
deveres os Meos fiis Subditos que desvaira-
iIps linha deixado de trilhar o verdaiieiro ca-
minho da honra. Uei por bem e Me Praz
Perdoar aos fieos de primeira e segunda de-
sercao simples da Armada e Corpo de Arti-
Iheria de Marinha condemnados, ou em
proce-so \ bem como aos que se acharen] au-
zentes e se aprezent irem dentro de sessenta
dias depois da publicacao do prezente De-
creto as Provincias e Estaces Vtaritimss
do Imperio. O Conselho Supremo Militar de
Justica o tenha assim cnlendido e Inca execu-
tar com os di'spachos necessarios. Palacio do
Rio de Janeiro em cinco de Agosto de 1840,
dcimo nono da Independencia edo Impe-
rio. Com a rubrica de Sim Magestade O Im-
perador. Antonio Francisco de Paula e
Hollanda Gavalcanli de Albqerque
Cumpra-see registe-sa. Rio la de Agosto
de ib4o. Aloreira. Lima Pantoja
Est conforme Joo Jac'pies da Silva Lisboa.
Conforme Antonio Jos de Oliveira.
Inspecco do Arsenal de Marinha de Per-
nambuco 3 de Selembrode 1840
Manoel de Siqueira e Mello
Inspector
PREFEITURA.
Parle do dia j de Setembro de 1840.
Illm, e Exm. Snr. Partecipo a V, Ex.
q* l'ora honlem presos pelo Sub-Piefeitoda
Freguezia do Becife o pardo Jo i.piim de \Ioi-
ra Ferrcira, por ter ido comprar na loja de
Jos Tavares da 1 a na urna porco de calca-
do em no'me do Tenente Coronel Mamede ,
sem que elle o tnandasse cujo calcado foi
appreliendido apesar detergido vendido
oulrem 5 foi remellido para a Cadeia pela
primeira Patrulha do districto do Corpo San-
io o preto Joo escravo de Joo Calis, por
se tholer apprchenJido urna faca depona,
ficou detento no Callalioueo : por un soldado
da G. N.OS pelos Jos escravo de Nicolao
Rodrigues da Cunha Agostinho de Agos-
tinlio de tal Miguel escravo do Tenente
Coronel Mamede por estarein em desorden?,
e espancando o p re lo Agoslmho \ o 1. leve
igual destino e o a. e i. l'ora re netlidos
seos Srs. : e pelo Sub-Prefeito da Freguezia
da Boa-Visla o Portuguez Antonio Jos Per-
reir da Costa por ter le ida a outrem na
cabeca com urna bengalada.
E' o que consta das partes boje lecebidoe'
neta Secretaria.
Supplemento parte supra.
Illm. e Exm. Sr. Participo mais a V.
Ex. que estando boje pela voll3 de urna ho-
ra da Urde Jos Cas ido de Alraeida e ()li ven.i
Freir blanco desputaudo junto M4M
Parocbial desU Freguecia COU o Capito Pa-
dilha do Corpo Policial ; e liraudo-o pelo'
braco o Sub-Prefeito da mes.na Freguetia ,
para o separar da dita .Meza a lim de mo in-
lerromper os IraDallios : Ihe encoutrou por
debaixo da manga da casaca e apprehondeo'
um puubal pelo que o irendeo immediaU-
inenle e cotidutio uo Cnllabouco.


2
555
DIARIO
mmmmaaimamaBmxm
HE PERNAMBUCO
Parte do dia 8.
Illro. e Exm. 5r. Fora liontem presos Joo Haptista Soares.
Manoel Ferreira Chaves,
| '
pelo Sub-Prefeilo da Freguezia do Recifeos
pardos Guilherme Ferreira da Trindade, e
Francisco travo de Amonio de Faria
Rrando por estarem cm desordem ; fora
sollos- peloSub-Prefpila desta Freguezia,
Antonio Jos de Carvalho e Manoel I liorna?
dos Santos, este para urna averiguaco poli-
cial, eaquelle por estar com indecencias na
platea; fora sollos: por nm Oflcial daG.
N. o Corneta do 3. Corpo de Arlilhcria Jos
Pedio de Andrade por estar Toreando a urna
preta e insultar o mesmo Alleres nao se
querendo entiesar a priso ; foi remedido ao
Com mandan te das Armas : e pelo Sub-Pre-
ieilo da Freguezia da Uoa-Vista o portuguez
Benedicto Pereira da Costa por estar em de-
sordem foi solt.
t' o que consta das partes boje recibidas.
Parte do da 9,
Illm. e Exm. Sr Has partes boje rec-
lalas consta somente que forao hontcm presos
pelo Sub-Prefeilo da !5oa-V isla o prelo VJa-
jiminiano dos Santos e Silva, por estar e-
brio e insultando a visinhanca ; foi solt: e
felo Sub-Prefeito d Oiinda o jardo Antonio
'rancisco Joo de Dos por estar louco ; loi
remedido para o Hospital de Caridude.
Parte do da 10.
Illm. e Exm. Sor. ~ Foro hontem presos
pelo Sub-Preleito da freguezia doReiiieas
pardas Anua Joaquina e Tiiertza de Jezus ,
por estarem ebrias forao solas; e o preto
Caetano escravo de Coslodio Francisco Ra -
inos, por ter mallracUdo um menino iri'-
jando-o sobre a lama e dado urna bofetada
em o soldado da Guarda da Alfandega que
o prendeo ; foi para a Cadea ; pela a Pa-
trulba dodis'rieto das 6 Poutas us pardos \la-
laquias Gomes de Jezus \ ianna e Manoel
Bernardo do INascinienlo por estareiu em
desordem: o 1. foi remedido Salla para re-
. cruta de 1. Linha e o a. foi sollo por ler sido
provocado por aqueile.
Das P-rtes hoje recebidas consta que nao
occorreo mais novidade.
A CMARA MUNICIPAL DA CIBADE
DOREC1FE, ESEO TERMO &c.
Edital.
Fa7..saber, que pelo Dr. Juiz de Direilo
interino da prmeira Vara do Crime desta
Comarca. Francisco Joo Carneiro da Cimba
lhe fora feila a devida nanicipaco, sobre sa-
bir designado o dia a{ do corren te mez por as
dez horas da manb para dar principio
quinta Sesso Ordinaria dos Jurados deste
correte armo na casa de suas sesses ; em
consequencia do que tendo-se feito o sortea-
mente na conformidade do Cod. do Proc. C
fora sorteados os sessenta Jurados, que sao
os seguintes Srs. :
Joo Vieira de Araujo.
Dr. Joo Antonio Cavalcanti.
Joo Lopes Guimares.
Antonip Jos Campello.
Manoel Jos Xa lava,
Tenerife Jos I'edro Velloso da Silveira.
Berr.ardino Pereira de Ikito
Jos Gomes Leal.
Bernardino Jos Serpa.
Manoel da Fonceca e Silva,
Pedro Pinto de Miranda.
Jos Antonio Martins da Cesta.
Franciico das Chagas Salgneiro.
Joaquim Hodrigms deAlmeida.
Francisco Cbavier Lias
Antonio Rufino Cavalcanti.
Manoel Correa Gomes de Almeid*.
Teen te Ju Arsenio Barbosa.
Joaquim Jo:- \ ianna
Jos Pacheco de Cjueiroga,
Juo Baptisia dos Santos
Antonio Jo> da Silva Braga.
Manoti Anlerode Souza liis.
Anienio I uarte I erreira Velloso.
IVlanoel Antonio da Silva Rios.
Francisco Xavier de Carvalhu.
Antonio Jos de Figueiredo.
Manoel Luiz Vires.
Jos Pereira Ramos.
Ignatio Jos Xavier dos Passos,
Antonio Joaquim de Mello.
Vicente Rodrigues Campello,
Joo Francisco Pardellias.
Antonio Jo; Pinto de Souza Jnior.
Jos Ricardo.
J'adie l rancisco Antonio Tenorio,
Manoel Joaquim Hodngues.
Francisco Jos l.odrigues.
Joo dos Sanios JNunes de Oliveira.
Padre Aulunio 'leieao A11 tunes.
Manoel i heodoio liodii:ues.
i'aie Joo da Silva da Fenec,
Felisbeilo Coneu de Mello.
Salvador de Souza Braga.
Manoel Antonio da Assumpgo Cardim.
Jos Soares dos Santos.
Joo Izidro Lopes Lima.
Antonio Jos de Albuquerque.
Jos Pereira da Cunta.
Joo Jos de Carvalbo \loraes.
Manoel Antonio de Souza.
Luiz da Veiga Pessoa.
Antonio tioncalves da Costa.
Joaquim Ignacio de Carvalbo.
Antonio Bolelho Pinto de Mesquita.
Joo Mara Se ve.
Joaquim Jos dp .Santa Anna ,
Jos dos Anjos Rodrigues.
Os quaesso os que devena servir em dita
Sesso, sendo para cu jo fim em irtude do art.
2 >6 do mesmo C, convidados pelo presente ,
bem como lodos os mais interessados a com-
parecerem nodia e hora designada, solas
penas da Le se faltaren) Paco da Cmara
Municipal do Recife rod Setemhro de i40
Joaquim Bernardo de Figueiredo
Presidente.
Fulgencio Infante de Arbuquerque e Mello
Secretario.
Administraco do Patrimonio dos Orfos.
Peranle a Administraco do Pati nonio dos
Orlaos se bao de arremaltar a quem mais der
nos dias, i2,ite igdo torrente mez as rendas
las cazas nmeros 4 no largo do Hospital do
Paraso 10 e 11 na ra de S. Gonralo do
hairro da Boavisla 5o na ra do Codorniz
do bairro do Recife, 55 e 5b na ra do A-
morim 67 58 >q to, 61, e t 4 na
resposta a participaco que lhe dirigimos de ditaco duplicou suas suplicas ao m^smo
ter-se instalado a nossa Assoeiaco e que Exm, Prezidente para que se dignasse por
semelhantemente tem sido aeolhidas nossas termo aos exames que snpporla vamos ; e
partiaipaces por os Coramerciantes das outras finalmente conseguimos a reinoto desses ma-
Provincias. les por isso que definitivamente ficou deci-
Reconhecendo que o primeiro elemento'' dido que essa imposeo seria somante exi-
do Commercio be a lberdade e franqueza ) gida dos vendedores pira o consummo como
e que sem estas duas fontes nenbuma especu-
laco se poderla tentar nem'mma empreza ,
ri' nliuin mellioramenlo se faria : entendeo a
Directora que para completamente observar
os nossos Estatutos, mistar se fazia entrar ni
indagaco dos vexamea eestorvos que nos-
so Coinmercio soffria : e sendo sobre maneira
ve\ilora a desposico do Decreto re 6 de
Maio de i8Jy, nos Arts. 3 $ e 5 em
quinto mandava form lisar Pautas semanaes
para pigamento dos Direitos sobre os liquido*
em geral e a farinba de trigo de produeco
eslrangeira e obrigava a pagarem por laes
pautas esses gneros os Dtreitos na Provincia
importadora qnandoera exportados deou-
tra Provincia por Cahotagem acatamente
representamos sob a in/ervencii do Exm Pre-
sidente desta Provincia ao Imperial Gover-
no para que Revogada fosse aquella ispo-
sico e o mesmo Exm. assentindo aos nossos
votos a re.-peito ass>z coadjuvou pira a de-
sejada eci/o ; resultando de-u'arle a publi-
caco do Decreto de 7 de Janeiro do corrente
armo que revogou aquell'oulro quanfo is
d i las Paulas e ordeuou que a pama para o
p.igamento dos referidos ireitos se organir
zasse na forma do Regula ment das Alfande-
ga do Imperio e por a Commisso nomeada
por Decreto de 27 de Alaio do anuo passado de
O descrdito em que a calundo os miis a-
rua do Azeite de Peixe 66, e 67 na ra da pieciaveis e ren Jo^oj gneros de *ro:lucoo
Cacimba ,08 etjp na ra 1I0 Burgos 71 na de nossa Provincia o assuear e o algodio .
ra do V igario 74, 7e;6 rra ra do En- por a inlroducco do materias elberogeneas
canlamenlo 7c!, 81 a 8a na ra da Senzal- as Caixas e Saccas e por a falsificado nas
la Velba 83 e 84 na ra da Guia 8 na laras fez que nossos Legisladores Provin-
rua do Trapiche 8$ no beco da Lin;oeta ciaes revivessern por bum aelo da Asiemblea
H7e b8 na ra da Cruz 91, g%, gi e 9^ em Legislativa da Provincia os antigos Rispe 'to-
Fore portas : as pessoas que se propuserem a res, aos quaes o Goveroo Provincial deo o
arremallal-as jpodero comparecer nos irrdi- Regulamento de 3o de Setemhro dei8j; e
udos djs as 4 borai d& larde na casadas nao obstante essas providencias, easquecon-
Sesses da raesma Administraco com seos tinlia osoutros Regulamentos da Meza das
fiadores. Rendas, e do Consulado os abuzo, ci-
Salla das Sesses da Administlraco do pa da inspeceo augmentas, ecom taPes-
Patrimonio dos Orlaos 10 de Setembro i^fo. cndalo que rara era a remessa que faziamos
J. M. da Cruz. desses gneros para a Europa e mesmo para
Escriplurario,
I as outras provincias do Imperto que nao ti-
vessem nossos Correspondentes motivos justos
\ de (ueixase reclama oes ; e por laes abu-.os
ASSOCIAgAO' COMMERCIAL. cora petar vamos decrescer d'estim 1, e de
Snrs. Membros da Sociedade O dia de P'^V0 "os mercados Europeos essas duas pro-
hoje primeiro anniversario da nossa Asso- dueces nossas n'oulros lempOs demandad is
ciaco e que na conformidade dos nossos Es- com Inferencia. E.n cumprimento nossa
alulos devemos proceder a eleieo da nova Me- imsso > recorremos ao administrador do Con-
za Directora eu venho aprezentar-vos a re- su'ad,, para que lizesse et'eclivas as medidas
zenha dos trabalhos da directora a que tive Legislativas a'respeito ; mas, Srs he-me
a honra de Vice-Prezdir por a vossa esco- bastante doloroso diter-vos que esse Empre-
lba. Cumpre Snrs. desde j. prevenir-vos, g'do com quautoseja probo e possua qua-
que se por ventura cabalmente nao prehenche- udades apprtciaveis todava nao sei portue
mosa vossa expectaco ; e seno vos legamos mu0 'a(l "^ "nu*IO nossa peltco de ma-
em fina o estahelerimento recheadi de van- Iie'ra tue loicadoi ijinos a levar nossas uuei-
lajozos roelboramentos em emprezas e as- xas a0 Exm. Prezidente da Provincia, queixas
sociacees a prol do Commercio e Agricultura 'lue tornamos a repetir romprovadas com do/e
d*sta Provineia nao lie em verdade porque documentos que em loda a luz e sem replica
em nos nao sobrassem dzejos ardentes e Pa- nioslravaal que ponto esses abuzos seesta-
triolcos anhelando preslarmo-pos aos tra- Vit0 pralicando com perdas consideraveis ao
balhos que tentativas taes leclarnao entregar Commercio. jNo foi em vo que esse traba-
mos-nos em bum paiz onde nada bavia : mas iolivemosj porque o Exm. Prezidente com
porque he consen'aneo com a natureza huma- ^elo com que sh inleressa por a execuco das
na nao avancar irregularmente ., e antes Lew e extirpaco de abuzos, por Portara
marchar lentamente e com gradaces. de a8 de Fevereiro deste anuo dirigida ao
llum grande, e gigantesco passo demos dito administrador, tiraudo-o do estado das
em destruir iniundadas antipatbiis e desar- duvidas em que este eslava solire aexecugao
regar esse com entrado egosmo, que nos izo- dos Arta, 4o o oo do Begulamento da Meza
lava, e punha excluzi ament O Commercio do Consulado mandou impjr as penas de-
dependente das proprias forcas de cada bum cicladas por a Lei aos que lalsificassem ou
e conseguir que OS Commercianles consolli- adullerassem o genero ; e livemos a completa
dassem o espirito de assoeiaco oque vento- satisaco de ver a Portara do Exm. Ministro
Tozamente se verificou ; pois que sassicn da EazeuJa o Sr. Manoel Alves Branco ,J
taremos habilitados pura obter as salutares de i de Marco deste armo, mandando por era*
v.miagcns, que por toda parte, onde este es- inteiro vigor, e impreterivel ezecucio o cita-
piriio se ha uezenvolvido tem dado civili- do art. aom do dito Reulagmento.
aac,ao e industria. | Com estas to sabas quaulo terminantes
Para seno malograrem pois; nossos deze- providencias devemos espirar qa os exe-
jos preciso era, que tivesse-mosa proteceo cutores cumprindo-as religiotameute fa-
das kis sendo nossa assoeiaco approvada 1-o remover os abusos iutroduzidos casli-
por o Governo Imperial : consequenlemenle gando os que os comeierem e os que para el-
como rosso mandatarios, e de conformidade te concorrem. Estando pendente da decizo
cun o ai l y do Cap. 4 dos nossos Estatutos, do E\m. Prezidente da Provineia a repre-
li nosso (iriioeiro empenlio supplicar por sentavao inderessada por todo o Corpo do
intermedio do Exm lie/idenle da Provincia o Commercio, sobre o gravozo e oppressivo
coiisenli.. ento referido que com satisaco meiliodo da exaeco do imposto Provincial de
vos a:-seguio que benign.imente oblivemos 4 iei:> ca caada das bebidas spiriluo/.as
pudendo -issiin requererinos quaesquer gracas rendidas (jara consumo e testera un bando
e juslica a beneficio do Commercio no nouie t5la Direiona o Iranstorno que ao Comercio
Oo .orpo moral da associaeao. falla, a maneira aiIntraiia por que os Con-
INao i.e menos luuiugeiio participar-ves, tratadores desaa tienda a queiro arrecadar
quauun .a Canuta dos Cjouiuieieanies ua mgo uos Begociantes importadores das ditas
Cune Uesie irnpeiio recebemos lt lu lacees jbebidi co^ii (ju.nlo itconli-cesse a traiis-
l alguna eiempiaics (ios seus Lslalutos ,eu Iceudeiicia o objecto ^e que demandava me-
consta das novas condices dadas aos referidos
Contractadores; e nao obstante anda a pou-
co pretenderem estes por urna inlerpretaco
gratuita e descom;assaJ 1 d 1 obvia inlellgen-
cia que apreze itao essas novas condices,
fazer reviver aquella anterior exaeco : acre-
dito que j estar io dissuaddus desse seu in-
tento porque temos os pareceres uniformes
dos advogados a quem consultamos qu
mostro mui claramente qiie tal pretenco
nenttum lugar tem.
A' Illustre Asserablea levamos duas repre-
sent iccs na prxima finda sesso do corrente
auno : na primer 1 pedamos conservaco
de bum s Tahellio para os apontamentos ,
e protestos das Letras mercantis e algumas
garandas pira segurincu dis Letras, que se
fossem protestar e para se e-itajem nulida-
des a respeito dos mesmos protle-tos e suas
intimaCjoes. Na segunda aprezsntimos a
origem do imposto denominado das Palan-
cas que a Cmara vluncipal de Oiinda an-
da por seu contratado!' exige de nos : a falta
de direito para essa exigencia ; e pedamos
que u mesma Illustre Asse;nblea nos izentasse
desse onus muito removido pira outras le-
partices aoudeo satisla/.iamos Estas repre-
zentaces foro aprezent-idas j misno lorio
definitivamente decidid is por nao terem pas-
sado por os transmittes do Regiment da dita
Illusiiissima As'Oinblei. Parece-me pois ;
que sao taes reprezentacoes fundadas em jus-
tioa e que a nova Directora dever continu-
ar sollieitar a sua decizao.
A falla, Srs, de bum Cdigo peculiar pa-
ra o Cpmraercio <\ue dezigne as pessoas ,
que si poden considerar Commercianles 5 a
drianeira porque se deven Ssiabeieuer as so-
ciedades mercantis, e suas garantas as ra-
ers sobre os Contratos cominerciaes sobre o
penbor e toypatueca ; as obrigaces que
delles se derivo o raeio e moio de eom-
pelr osobrigados : as garantas sobre os fal-
lecirnentos', quebras e bancarotas fraudu-
lentas ; sobre n avahas 6"Cc. : a urgente ne-
cessidade de Juizes especiaes para as cauzas
mercantis d um Jury ; de regular-se o meio
dos arbitramentos finalmente Snrs. a ne-
cessidade de termos regris lixas e invarave-*
s que nos guiem com certeza em nossas esps-
culaces para que nao continuemos a ter nos-
sas fortunas dependentes de demandas com io-
certe/.a dejulgadas por a w.disttncta e arbi-
traria applHMcao que se faz das Leis estran-
geiras ; impz-uos odever d elevarmos nossas
supnlLas Augusta Assemb. Geral Legislati-
va para que nouvesse por bem approvar ,
provuoriamente na presente Sesso o i'ro-
jecto do Cod. do Oom uercij, qu j mes na
Asserablea loi aprecentado e esi pendente
de parecer da Commisso a que foi remedido.
Como porem estivessemos convencidas qua
a mesma falta devia-se sentir as oris Pro-
vincias martimas deste Imperio dingima-
nos tambera aos Commerciuites dessas outras
Provincias empeuliiudd-os para que nos
coadjuvassem e Cmara Comnercial da
Corte pedimos que uuisse as suis as nos-
sas suplicas, Posso assegnrar-vos que por via
de bum 1 caza resoeitivel de Commercio da
Babia: lomos informados que OS Co:nra?rci
Hites dilli em numero m'aior de sesseu'a ,
ignal suplica li/.ero a Augusta Assembla
Geral Le, e acredito que semelbintrnente o
lano osNegociantes das outras Provincias.
lie agora de meu de ver decLrar-vos que
com quinto recanuecessemos | nossos Herda-
dosprejuuosainda nao se podlod loio des-
truir um be ora de bum momento desa-
raigilos : ^ todava procuramos ir predispj.ido
o Corpo Commereal desta P. para a tendencia
das. empresas .nercautis por ramo de Compa-
niiias o nos pareceo hura ensaia vautajoso o
de bu na Co upanuia pira o etabeleci.ueato
de alvarengas que estivessera prestes a ser-
vir ao Louiiuercio o earreg i.neulo e desjarre-
gameulo dos navios e astira aeafiasseo mono-
polio que existe nesle ramo.
Persuadio-se a Directora que experimen-
tando todos nos os elleitos desse monopolio ,
que nos taz pagar por mais alto pravo o alu-
gner das alvarengas existentes poi severo
propnelario dellas sem competidor ao mes-
mo passo que somos mudo mal servidos e
por u uiao estado das nresuias alvarengas que
lomo mana agua quauJo recebera a carg. ,
em que sao lolaUas ..t SttpaarUBWS mu.ios
piejuuos; lacd seria realizar u seu psa-
meuto at porque a pretendida Conipauiu,
dvu retirar tueros vantajosus. >jus ^rs. ,


DIARIO DE PU N%
Vf B C
nvaw
S
%into Lem dizervos quo o plano projedndo
para a referida (ompanhia abortn con-
tinuando o Comrnercio a soflrer faquelle mo-
nopolio queainda mais pozado se torna por
o m.'to servico que delle obtemos cora o sa-
crificio d'enorme despeza e que netn sempre
lie feit,o com a necessaria convicco de sua ne-
cessidade.
Eis Srs. a rezumida rezenba dos traha-
Ihos da Directora a que eoube-me a honra
de prezidir algumas vezes por vacancia do
Bem digno e actual Prezdente ; e tenlio para
mim que bum t.into fez ella solada como
se achou nao obstante oart. 11 dos nossos
Estatuios facultara qualquer Socio prooor me-
didas a beneficio do Commerrio : nao me per-
suado que essa falta de coadjuvaco fosse
originada por menos confianca na associacio ,
mas quero antes acreditar que sendo para nos
liuma novidade a mesn-a associaeo anda
nao se ha bem diflundido a ambico de con-
correr para ella e de coaduvala.
Cumpre por tanto que nao dezanimemos ,
com tanto que insistamos e perseveremos ; e
que elhjaes huma Directora mais esclareci-
da para levar a eFeito aquellas das preten-
coens enceladas qne Ihc pareccrem judcfo-
zas e de geral utilidade ao Commercio a
Agricultura e Industria da nossa bella e ame-
na Provincia; e paraenretar e promovers
roais de que havemos mister para que os que
nos succedrem na honroza trela emque nos
oceupamos nao digo com mais razo de nos,
oque hoje di/.emos de nossos antepiss egosmo fui o seu idolo e a cauza de boje
nao esturrnos a par de povos muito roais mo-
dernos na carreia Comercial do que nos, por-
que tendo no nosso paiz todas as vantagens
naturaes riquezas immensas e proporcoens
abundanlisstmas anda os productos que ex-
portamos sao diminutos, mal preparados, a
laborados por bracos que nao pago os avan-
cos despezas enormes e riscos que custo
Em conformidade do Gap. 4. art. i.
o Sr. Thezoureiio vos aprezenlar a Receta e
despezas.
Salla da Associacao Cominercial em Per-
nambuco aos 3 de Agosto de ib4o. Ciau
dio Agostinho de Barios V.CO-Presidente.
Correspondencia
Srs. Redactores.
Constando-me que se tem espalhado por
esta Provincia que eu nao sou Cidado Bra-
sileiros por ter perdido o foro pelo simples
faci de ter resisdido em Portugal durante a
luta elarar que resid em Portugal desde 18 de
Setembro de 1815 at 24 de Abril de 1 Sj( ;
porem logo que se declarou a Independencia
do Brasizil requer licenc.i para aii Bear, aon-
de prendio-me relames commerciaes que
fcilmente nao poda abandonar e avista do
taes motivos S M, o Sur. I). Pedro primei-
ro Imperador Contitucion.il me concedeo por
dous annos, e por mais aquclle tempo. que
necessario me fosse pura liquidado de meus
negocios sendo o Decreto refereudad pelo
Exm. Estevo ilibeiro de Rezende eolio
JMiiiistro do Imperio Logo que o Snr. D Jo-
io ti. aclilicou o tratado de 39 de Agosto de
la5 pelo qual 1 ortugal recoiihecia alude-
pendencia ilo Brasil e <|ue se estaheleceo
em Lisboa o Consulado Br.isileiro, eu lu hum
dos primeiros que ali jurei a Consritui-
cao do Impeii', sendo Cnsul o Doulor Cle-
mente Alvares de Oliveira Mendes e Al-
meida.
(ue em todas as reunies qle ali tive-
ro os Negociantes- Brasileiros, por convite
do Encarregado de Segocios do Urasi!, ou do
Cnsul, eu se id p re fui chamado a ellas co no
Cidado l'rasileiro. fvireguei meos navios
bem passagem gratuita ; muitos Brasileiros
que para aqu iero, (e para outras Provin-
cias do Imperio) cujos nome.s me n recor-
da, satisfasendo-me s com o reconhecimen-
t de gratido que alguns tem tido para comi-
mesmo gue respoo li se e" qu a verdade nao
se lhe tem tornado um no ne vo.
Mas o A: doCommunicado a si mesmo se
tra'nio, quand asseverou que ainli se
-'. .-lijj.g___________gy
qu nutre o A. do Communica 1> de m>-l p
por todas as maneiras a reputacio aliieia bisia
observar, qu um desse* denota los 18 an-
ii is que e-l fofa desta Provincia ; que o ou-
fai sentir as elleiees geraes e provinciaes a < tro Iniz le Direilo e n urna Comarca ni da
Ajudei aos agentes do Brasil a faseri influencia d'essa gente por quanto se ella Pernambuco e que o lerceiro iironretiro
,.......i.i.j.. u.~:i,.:___ _.. 1___ .- 1 _. __1 ___ 1 '
transportar soldados Brasileiros que foro
mandados da Babia, e IVlaranho, para Por-
tugal assim como a operarios que por or-
den) do Governo ditos agentes ali se con-
traclarao para o Brasil, ele ele.
Finalmente invoco otestemunho de militas
pesftoss pie me conhecero em Lisboa e com
quem tie relaces d amsade se me virio pra-
ticar cio alguma pela qual eu merocesse per-
der to precioso e honroso titulo, qml eu re-
pulo o de Cidado Brasileiro
Joaquuo Jos da Cosa,
to despresivel cono quis inculcar ,
como tem po lido lser frente as influencias
dosmandoes arrastrado com as perseguic's ,
e podero do Governo Provincial e seosatv
das-, e conseguido sempre inteiro triunfo:'
Ou o A. do Communica lo ha de conceder ,
quaavancon humi Picilidade, ou entao que a
mai r oria da Provincia forma o Partido d esses
rROVINCIl DAPARAHIBA.
ao enserido
no
dea irdeiros e despre^veis e nesle caso como
nos achumos no timpodis maiorias, ten ha pa-
ciencia, que as Urnas Eiluitoraes liiio fasca-
do Como o A do conomunieado oonfessoa quem
foro os que primeiramente tomario parte 11 is
festejos pela Vlaloridadede S VI. I. torna-
se escurado enumerar esses festejos ; m is ni
se pode pis-ar em silencio as falcas allegacSes
dos que se fizerio no dia 16 d'Agosto, No
lime como diz o A. do Communicedeel-
limini'.-) em toda Cidade pois que apenas
que a existiio algumas cazas iliaminada naruaem
.|iie houveo f>gde vista: tambe-n uoexis-
ti bandas de mmioas precorren lo -,- ruis .
pois que o torno de Cornetas nica msica
.Militar, que ba esta va postada na porta da
caza em quee deo ocopidagoa ofobai-
e no .que aind 1 faltn a verdade o A do
Commuiiicado; pois oohavta instrumental de
quilidade olguma e nem dansa: arerfre-
zeutaco theatral que nesse dia Ivmve
Communicado c-m r sposta
Diario de 2. do corrente.
Que aquclle que sa propoc escrever para c>
publico seja pouco exacto em anarracode um.
ou outro faci inteiraraenle tlesconhecido ,
su posto mcreca sem[re censura ; po
verdade deve ser aotepnsta a todas as concide-
racoes todava nao deve esse procedjmento
ser conciderado to repreliensivel principal-
mente quantlo no contiehuindo a falla de
ezactdio para descooceituar alguem ne-
nlium mal lem c 1 io ; ms que com o mai-
or descaramento se desfigurem lados notori
os, presenciados por centenares de pessis
com o sinistro fim de rebaixar a uns ellevar
e engrandecer a 011 tros sem controversia a I theatro particular do Varadouro nase do- !
maior de todas as velanias e o mais indigno dicouao teatejo.dequefa meneio oCommu-l
rico, nunca perlemleu perturbir o socego
publico, aprestando tolo o espirito de or-
lem ; porem e>nfiui tu lo que for d-; insultos ,
e vituperios nao passir da psssot do Com-
a un cante.
Desengense o A. do Communicado que
Hadamais aprovciti'j esses non?s se li.-s de
desordeiros, anarebistas vis, despresi-
veis ; 0 Govern.) do pilromto fin l>u ; ti di
lulho e outra era agn principia ; os Bri-
sileiros todos tem um mes no pensaoMnto de-
sejao o mes.n 1 fi n quere n a DJ sua ous,
que \onarc'iia 'onsli'.u :ioml ; ouvin-
do-se (o Sul ao Norte um si !>ra I Cons-
tiluico e D. PeJr 1 Segn lo. Pir tant > os
- ie se apressara a dar todas as den mstrices
de contentamento pelo Dia ao de Jnl'10 tinliaOr
e tem pira isso sabeja rasio vendo nelie o
termo de tanto pitr.inaio, tantas tiansicoes
vergonhosss, e despreziveis pir-.eguieoes.
Corri]i-;e pois o V. dj Conmiuicalj soja
m s e\ icio qu indo es rever pira o publico
e resigne-se com a sorte se rier cjuj t^ de
esperar a mu Un !t di actual Pre Unte tjgo
partidista e escollante pescador.
Paraiba 3i de Agosto do llJJo. *
A.visos Hversos
no
dos procedimentos.
Ninguem pensara i mais, que tlepois dos
festejos que tivero lugar nesta Cidade pela
fausta noticia de haver Sua Magestade o Im-
perador tomado conta do Leme do Estado ,
houvt)tse quero se atrevesse a fizer recabir a
;;loiia d'esses festejos em uns, insullando-se
a outros que tam bem, e com mais razio a
merccio O o que mais liberalistndo-se os
injuriosos epittetos de desordeiros anarctiis-
tas. indignos e despresivea a aquelles que
raconhecendo, ou fanlasiando que o Yin-
te Tres de J11II10 ara o signa I do amalhami de
todos os Partidos e o precursor da felicidade
do Brasil nao deixaro de cordialmente de-
monstrarem seu jubilo, e sas iaco; mas des-
gracadamente o Communicado do Diario de
PernambucO de u5 do corrente veio fazer
conbecer, que umitas dificuldades ha pii-
meiramente que vencer para se poder ento
extirpar pela rai essa ominosa e detestavel
sedede governar e que os liomens do poderJ
decabdono se q uerem fratemisar e nada
cedem de seus abominaveis caprisosl !
Praza a Dos, qne o dolo do Brazil o Se-
nbor Dom Pedro a possa conseguir a nossi
felicidade! O A. do Communicado tendo
em vistas smente [ ao que parece ] ellevar os
festejos feilos pelo Exm. Presidente d esta
Provincia em consequencia de haver S M
I. assumHosos Poderes que pela Constitui-
dlo lhe compelem afim tle fa/.er demonstrar
por esse meio sua sdhesio a nossa ordem de
cousas, nao pode deixtr com a sua costu-'
mada niordat-idade de insultar a seos inimigos
polticos, e ibocanhar anda uni.i Admiuis-
iraco que uo mereceo as svmpatbias d'essa
gente que desgraciadamente fas-se com ex-
clusivo direito de dirigir os destinos desta
Provincia s pirque nao se quer sugeitar in-
fluencias improvisadas; e por SSo ftodc-se
mu bem conbecer quern seja o A d'esse ar-
tigo to rexeudo de laicidades e onde se des-
cobre o genio mais insalivo biixo e des-
presivel. Al is como toda Parahiba sabe
que agente mais abastada e independente
conipnem a Partido dos desordeiros do Com-
mullicado que foro eilcs os que sustentara)
meante e um era continuac^io d >s dias 1 r
i 9 ti i tanto que a ella nao asssiio huma
s pnsado Credo do A. do GommtlntCido
para que pois aranoar tantas faltdades ? !
De nuis uo mtparou o A. do Communicado '
na frieza d alguna que assistiro aoCopo'd'a-
goa i1 Ao consir.iiig.nenio de S. Kxc. e
l'alguos se >s amigo, i' Nao reparn que sen- ;
:\1
loo lestin dedicado a Ellevaco de S
uo
in.ru a Parada
, ^~ Ignacio Marqu's di Csti Sjuej, co-
m inventan uitc e liruiditirio conjuacta-
mite com seu ir mo Jos Marques da Cisti
Sones do casal de seu fallecido P i o Snr.
Antonio Marques da Costa Sures, venl>o
annuacio publcalo no Diario de lioje 10 do
correte mez de Agosto em nome de seu dito
irmiu Jos.'; Marques d Cuta Sutes convi-
dindo os herdeiros e ere lores do dito caiat a
reunirem-sa no escriptoria di liquilacio na
rui da Alfandeg velha n*7amaohi a 11
V 'deste mesmo mez pof as 11 horas da minha ;
c i,-. ueste mesmo mez p >r asi
o. LiM- nao sollou um so viva'luindo

M. D...J. fUilJOSe ,or-! previne aos mesmis herdeiros, e aos Snrs.
mou a farada e mu o men >s anule fe > 1 1 1 1 1 .
,. ^..^ ... .e ut-; credores que nao he legal nem pode ter
snrtcquuo Mir. Jiii/de Dtreilo Sant a.m ia 1 j 1
m< ,. ., '""' J' ni iago |a ogirlalconvoeicao em no me da relerulo seu
muilo lude loi que se lembrou de S. AI I. r" ?nin .
Nao ser quem assim obra antes inimi"o di
vionarciiia do que aquelles que precorre-
ro por irez dias successivos as ras di CiJi-
dej, dando vivas com o maior enthuziasmo ao
Augusto Montrcha Brazileiro no obstante
serem constantemente acompanhados,
rinao ; porque, 1. n j he elle somente
Liquidatario do cual, porem ells e o Annun-
ciante, que uo Ib i ouvido, nem deu seu cou-
sentimento pira tal convite nem o di : por
que no annuue a qualqtur acto a este res-
peito i mis quer que em Juizo se apreseutem
omhadeira lirasileira e quaudo sahi de 0 Dellegado do Governo Imperial no auno de
Lisboa fiaia Londres o meu passaporte foi i.SH, quandu outros que se enculco os non
dado pelo eiicarregado dos negocios oExm.lp|us ultra amigos da ordem promoviao as
tes inimigos da Adonarchia aqueles que pro-
hibirosouir a senna a pepa Gomes Freir ,
e que nao apparessa nella o Busto de S I. I.,
s para nao se lhe darem vivas ? !.' N.io se-
ro antes desalectos a Monarohia aquelles ,
que sendo convidados pela Cmara para assis-
lircm ao fe eum feito a expensas de seos
Vltmbros ed'alguns particulares nocom-
liareceroo? i i\o sera" antes desafectos a
Eilevrco do UonarcliaS- Etc., que sendo
tambem couviddo para esse fiui por duas vezes
nao compare eo e nem ao menos miudou
urna gu.-.rda d lionra ao Busto de S. M I. ,
que ealu va col locado na Igreja e pelo contra -
rio quis prohibir a Camera fazer o Te eumpll
i\o ser antes desafelo do .Monarclia S. Exc,
que recbendoa noticia da Ellevacio de S. vi.
1 ao Trono no dia 11 do corrente, nem hu:u
signa! le saptisl'aco deo, conservando seo Pa-
lacio todo as escuras r Confesse por tanto
proseguir por bora em quinto em Jui'.ocom-
petente serio mostrados os abusos praticados
con infracclo do Compromisso e prejuizo
dos credores herdeiros e creJito da ciza.
tzy A firma cotnmercial de Iones & El-
vrtrds, foi extinta en io de Junlio ultimo ,
e suaatransices ontinu > dj 1. le Juliu
em diante dehaixo da firma de Jones Patn
&C.
C2T Precisa-se de um homem que ben
entend do todo de urna astilco>e que alea
disso dt^ fiador a sin capacidaJe quanto ao
enteudimpnto do eslabelecimento mais anda
a sua conducta e cipacidade que he pira sd
encarroar de urna em um Emgeuho dest inte
daqui viiite duas legois ; quem esii*er nes-
tas circunstinciis dirija-se a esta Typografia
quese dir quem perteude e tobeui se pre-
cisa de um oulio lenlia capacida que sai-
ba escrever par caixeiro da caza de purgar
o A. do Communica Jo quepa festejos que do mes noengeiilio dando a referida segu-
se lizero no dia 16 foro nicamente futios
Sergio Teweira.de AUcedo, eode Londres
para aiiui pelo Exm. Manuel Antonio Gai-
desordeus que Hessaepocha tivero lugar na
Villa de Banneiras ; que a petar de dous an-
vo l>jiuislro n aquella Corle. Eu desafio nos de perseguiees sempre aguardaro pira a
a quem roe aponte qualquer acto v pelo qual I AJaioridade do Alonarclia como o termo b
eu tenlia perdido O loio de Cidado Brasilci- I S(..()S males, e do Brazil inteiro, torna-se escu-
ro : pelo contraro, se eu lenlusse lser a jado justificar a esses indignos do Comuiuni-
minha apotogia allegeria alguns servicos esdo que tem em lodos ua lempos dado pro-
preslados n aquelle-Remo meus considados, vasdeserem ni.idamente (amigos da Mnar-
lats como o transporte de alguns Snrs Depu- ,|ua ConStituicional sabe o A doCommu-
lados das Provincias do JNorle, |ue fitarao nicado, q' lodo Cu'podo Comercio desta Pra-
abaudonados pela excluido delles uas Cortes ca mullos Snrs de Engenbo, propriela-
Porluguezas aos unaes del passa;em em o nos e fasendeiios ritos sau ul^nsos a Adini-
nieubngue Especulador, e no BrigUS ln- nistra^odo aclnal Presidente, pelos exces-
lea Joaoe Isabel qne expressa mente lietei So e abu/.os que tem leito do poder que
para esse fim. He verdade que fui pago pe- |1m foi Ooutado e por que arleiramehe os
Isa respectivas Provincias qu pertouciaaoj nplidou dauaicbisU ^ desordeiros? Sera
porem mando o hz nao linfa* essa erteM 9 possivel que o Commercio e Agricultura se
s tive em vista obeindoiuen paiz, Dti Uin lioaduueuicom a desordem 9 auarchia ? Elle
di circunstancias pois que nem elle e nem
os seos liveioa l>em o Glorioso Uia vinte tres
de Juliio ; e lano sto verdade tanta sut
ogerisa a fillevace ao Prono de S. M I ,
que elle proprio coufessa que os liomens
sensatos nao levaro a bem esse faustoso suc-
cesso e quem assim lalla que se quer in
culeav luoiiarcnisia por exeelle 1.11 E'
Umoem admiravel \i maneiri poique o A
do Couimunicado xainou desordeiros anar-
cbistas vis e dcSjdvziveis a tres dignos De-
bulados por eta Provincia pois que ii/.eti-
do que nao sitie seo Governo de 3. AL o
1. levado por talcas iiilormivede 3 Depu-
lados da Provincia a quem nao agrada o es-
tado aciual de coias etn sua Proviuct, demi-
iii o Preiioente delta (< e fazeado parte es-
ses lies LlenulaJos d aquelles por elle xama-
os dasoraWiros, e despretivets por urna
deduftio l.o((i:i us teetn incluido igualasen-
le nesse numero e coin elleilo a ser assun
muitose deve vang oriar o amigo partido ou-
pjiiciouisia da Provincia !! i
Mas para conticuer-se o nelando desejo
ranea e flanea.
-----(Juem quizer comprar duas andilhas
novas jue anda nao serviraS dirija-se
rui do Raugel sobrada St no pcimera
andar.
l3T OfTerecMe bumi raulher para ami da
casa de homem aolteiro ou viuvo ssrvindo
de portas pire dentro 5 quem da mesma per-
cisir queira uirigir-se a ra de S. Jos casa
. 2J.
ty Um Portuguez seo!Terece para caixei-
ro de loja de lerragem ou miud^sii, pois
lem disso bastante pratica ; quem do mesmo
precisar auuuncie a sua mor ada par esta fa-
lla
lo?- Um Estranp"i.o se olTerece para cai-
ro de engenlio, que disto lem bastante pra-
tica j quem do seu piestimo precisar aunan a
ce a sua mora lia por esu lolm.
kr Precisa-se de allugar urna escrava
para o srrvico de ama casa de pequema fa-
milia, quesaba comprar, 'cosiuu- u-
saaai e C'll;jiuai pa^alldo-su liot uiil 13,
meusaes iua das llores caza b ou an-
nr.iu ie para >er procurado.


DIARIO DE PRRNAMBCO
7
JOZF. M ARQUES DA COSTA SOARES,
na qualidade de Liquidatario do casal do fal-
lecido Sr, Antonio Marques da Costa Soares ;
convida os Herdeiros e credores do mesmo
casal a reunirem-se no escriptorio da liquida-
cao na ra da Alfmdega velha n. 7 sexta feira
11 do correnio pelas 11 horas da manh".
KT Precisa se a lugar por tem po dnme-
les urna preta captiva para cozinhar, para
tima pequea familia ; quem tiver annuncie,
CS^ Aluga-se para se passar a esta ou por
anuo una casa na povorcio do Monteiro a
beira do rio cora bastantes commodos para
arranjo de familia, em um pequeo sitio;
quem pretender procure na ra da cadeia do
Recife loja do Sr. Vieira cambista que indi-
car com quem deve tratar.
tST Offerece-se um criado estangeiro tan-
to para a praca como para tora ; quem o
precisar dinja-se a ra das Crimea I). i5.
*sy Antonio Antunes Lobo faz. scier.te ao
Vespeitavel publico que deixou de ser eai-
xeiro dos Snrs. Jos Antonio de Magalhes
Basto & Companhia de-de o dia 9 do cor-
rente
t^k> A quem Ihe convier tomar pao dia-
riamente para o cridar vendendo em rompa-
. nliia de um escravo dirijase a ra da Guia
numero 1.
tsr O Sr. M. L. G. P queira ir pagar 11a
nhia por Jintervenco do Corretor Oliveira,
de grande sor li ment de fazendas Ingieras
limpas e algumas avariadas terca feira 15
docorrente as 10 horas da manh impreteri-
velmente no seu armuem na ruada cadeia.
praca da Boa vista a quantia de 7,000, do
contrario ser publicado o seu nome por es-
ttico,
tST Troca-se a moradia de um sobrado
por oulro mesmo de dous andares, mas que
seja as principues ras do bairrode S. An-
tonio en no atierro da Boa vista ; na ra
nova arma/era de louca fina D. 28.
tjy Precisa-se de leite de jumenta por i5
dias ; ama novan. io5sedir.
tsr A pessoa que quer alugar negra* ou
moleques pagando io 000 mensaes, u (anean-
do bom tratamentoe vestuario querendo do-
us moleques dirijae a ra de S. Rita nova
D. 18 do lado da Igreja.
KST Precisa-se de um forneiro bom for-
ro ou captivo e da-se bom ordenado; na ra
direita I) 33.
MT Quem tiver para alugar um jumenta
ou besla paia dar leite a um doeule an-
nuncie.
1^" Nalrentedo sitio do Snr. Dr. Maciel
Monteiro no lugar do Hospicio existe por
a forarseJ5 3|* palmos de terreno, com
Compras
SST" O Nacional de Lisboa de 2 de Julho 5
quem tiver annuncie,
tsr 2 a 4 libras de tartaruga de fazer pen-
tes ; quem tiver annuncie-
UT Um diccionam Magnum Lexicum em
bom u>o ; na ra da concordia casa em que
mora o Dr. Baptista ou annuncie.
Vendas
do Sr. Jioiinho.
tsr A posse de um terreno sito nos affo-
gados no principio da estrada que vai para
a vanea, logar dos pocos, com duas casinhas
de pedra e cal, e edificadas na (rente, duas
caumb-scom um ptimo tanque para banho,
seu competente fundo na forma dos outros lo- e Mvagem de roupa com alicerces feitos pa-
Caatellasda Sociedade Fortuna Ty-
pografica, da Lotera do Theatro I'ublico ga-
nbando a vigsima parte dos premios- cabendo
na sorte de b 000 000 reis bsenlos mil res a
preco de 4 ""> ; nesta Typografica na praca
da Independencia n. 20 e na ra larga do
Rozario loja de miudezas D. 7, e na ra do
Collegio loja de relojoeiro
tsr Dous pretos mu robustos e ptimos
para todo o ser vico urna preta de idade de
10 anuos cozinha engoruma e lava roupa ,
urna molatinha de idade de i(i annos, cose ,
e engomma ; na ra de agas verdes casa
terrea D. 37.
tsr i escravos de angola de boas figuras e
proprios para o servico de agricultura ; na
na da praia no primeiro andar do sobrado
que foi do Marroquim.
tsr Urna casa de taipa bem construida ,
na ra da casa forte ; a tratar na estrada do
arraial casa de 3 janellas na frente com mu-
ro e porto junto ao curra I
tsr Urna preta de naco de idade de 25
annos cozinha o diario de urna casa e do-
us moleques de naco de idade de 1 i annos .
ptimos para officio, a urna negrinha da mes-
raa idade ; na ra nova n lo3.
Urna preta de angola cora principio de
ra do aljube de pedra e cal com bastan-
tes commodos e quintal 4 Pares \&e po-
ras de prata sera feitio ; na praca da Boa
vista botica D 10.
tsr Urna casa terrea de 3 portas feita a
! moderna indo da trempe para oroondego ,
e urna porco de peixe se^co ; na ra nova
irmazem de louca fina D. 28.
tsr Dous cabrinhas mu lindos, um de
idade de 12 annos e o nutro de i3 ooti-
tos para pajera ; na ra direita D. ao lado
1I0 I. i v ramn lo.
VT Os verdadeiros pos parsinhenses pur-
jantiros bolins de bezerro meios ditos pa-
ra hornera e menino, e ditos de cordavo e
sapatos para meninas de todas as idades, alga-
lias e vellas elsticas de todas as grossuras
meiasde linhoe de algod para meninos e
meninas lucos de diversas .larguras o ver-
dadeiro purgante e vomitorio de le roy ma-
cass facasegarfostudo por preco coromo-
do na ra larga do Rozario loja de miude-
zas D. 7.
tsr Urna padaria em muito boa ra com
muitos commodos e em o forno com distan-
cia de mais de cem palmos, livre da mesraa
propriedade era que est colocada e para
mais de 120 livre de todas as casas da visi-
nhaca nesta freguesia nao se enconlra oulra
com mais distancia ; quera quiser annuncie
tsr Ou troca-se um sitio na Cidade de
Olinda no atierro do varadouro com urna
grande casa para urna grande familia es-
colente banho um grande parreiral um
bom viveiro com muitas arvores de fructa ,
com ago* correnle e terreno snficiente para
capim ; na ra das Cruzes O.
tsr Mongalvy -Analyse do cdigo do co-
mercio, Gaullier geografia 1 historia uni-
versal por Bossuet, e provas selectas; no at-
ierro da Boa vi-,1a I). 16.
8^ Urna escrava de naco de idade de
20 annos cose com perfeico engomma
atraz dos Martirios casa de tres rotulas ver-
des.
tsr Cem varas de lages de Lisboa em per-
feito estado defronte do trapiche novo csa
da quina
tsr Ummolequede idade de |J annos,
creoulo muito bom e fiel da se a contento
com a condico da ser para fora da provincia;
na ra da cadeia do Recite n 6 no segundo
andar.
t^* 35o varas de bom panno de algodo da
trra por atacado a ?40'? na pi'acinha do Livra-
mento D. 23.
tsr Urna cartaira de duas faces propria
para escriptorio para 4 pessoas escrever e
um, guarda livros ; na ra do Vigario n. 14
no primeiro andar.
t3T Urna rica cama de Jacaranda feita na
Babia, aoude cuslou 200,000, mas por cir-
cunstancias vende-se por menos de metade ;
na ra nova armazem do Vil laca.
tsr Umanegia boa cozinheira e lava-
deir i tanto de brrela como de sabo ; na ra
das trincheiras casa terrea junto a urna venda.
SSg" O Tresetiario de S. Francisco de Pau-
la obra utilissima aos devotos do mesmo
Santo a S40 rs. o voluiue ; as lojas de
livros dos Srs. Cardoso Aires na ra da cadeia
de Santos e Companhia no arco da Conreico
de Antonio Jos Pinto pateo do Collegio, e
na praca da Independencia o. 3.9 e iS,
Escravos Futidos
coiinba e borda urna dita de idade de i5
annos ne naco mucambique cora habeiida-
des duas molers de idade de 13 annos do-
costura e hbil para todo o s-rvico ; no be- us moeques de idade de i4 a 18 annos, urna
co do sarapatel no primeiro andar do sobrado escrava de naci benguella de idade de 5 an-
nos co/inha e engomma com perfeico ;
reirns no mesmo terreno os pretendentes di-
ijo-se a ra de ilortas sobrado de um tn-
dar D. 70.
tsr Existe por aforar-se 170 palmos de
terreno no sitio do Sr Dr. Maciel Monteiro,
no logar do manguind e da parte da sole-
dade e 100 palmos de ditos todos de fren-
te da parte da estrada dos afilelos e com o.
fundo de 1 5o palmos sendo todo esse ter-
reno enchuto e beneficiado os pretenden-
tes enleudo-se na casa de sobrado de um an-
dar na ra de Ilortas D. 70.
tsr O Sr. L. L. M F queira ir pagar a
um dos raixeirosda rus do Queimado a quan-
tia de 11,60o isto 110 praso de 3 dios do
contrario ser publicado o seu nome.
tsr Precisa-se de um cont de reis a pre-
mio, por espaco de um anuo, dando-se por
hypotheca piedios ; quem quiser dar an-
nuncie.
na ra de agoas verdes D. 38.
tsr Sement de alface nabo e de couve
hespanhela urna bandeira Nacional, de 4
pannos propria para qualquer embarcaco;
na praca do commercio botequim do Almeida
tsr Urna escrava de idade de 2o annos,
cozinha engomma eensaboa roupa duas
ra mais 3 casas na frente do mesmo terreno ,
o aforamento he perpetuo ; a tratar na ra da bancas de mogoo modernas, as memorias
J>. Cruz na venda que tem cal. ada de pedra. da campanha de D. Pedro I Telemaco em
tsr Urna negra de nacao de bonita fi- portuguez ; na ra do Livramento loja de
hura de idade de 20 annus cozinha o dia- louca D. 3
no de urna esa engomma menos mal e 1 tsr Meias barricas de farinha de trigo,
lavaj-oupa de sabo ; na ra nova D. 14. ancoretas com azeitonas um chapeo armado
tsr Fugio hura preto de nome Manoel do
gento de Angola o qual fugio em Junho de
18J8, o qual tem os signaes seguidles he
bastante ladino Cozinheiro e Alhuate, bat-
xo, cheio do corpo. cor alguma couza fulla,
muito barbado e bastantes cobellos nos pei-
tos e pelos bracos a fula he discancada su-
pem-se ter embarcado par* fora da Provin-
cia ou ento foi para o serlo ; por tanto ro-
ga-se atodas as authordades policiaes ou ca.
pitaes de campo ou oulra qual iuer pessoa que
delle souber o pegue e o traga ou remeto
para esta Cidade do Rerife a intregar a seu
Senhor Joaqun Pereira dWlendoiiga que se
pagar todas as dispezt que se fuerera alera,
do que se dar mais 5o,ooo
tsr Fugio um moleque de nome Jom-e .
de naco niucambique, de idade de 2o anuc
Aphorhmode medecina pelo r An- >m canulo e borlas de ouro um florete e
l'aiva esta obra se torna tam guarnecido de amarello urn par de
de sol de seda do
no rr.appas para
Avisos 3Iartiinos.
PARA LIVERPOOL o bem con herid*
l'rigue lialfour Capito loster, para frete
ou passageiros dirijo-se aos consignatarios
Harrisons Latham i Hibbeit., ra da Al
fandega velha 11. 9.
PARAoARACATy o bem conhecido e
velleiro Patactio ISacional Laurentina Brasi-
leiro forrado de cobie pretende sabir im-
preleri.elmenle at o dia io do correte, por
ja se adiar com a maior paite de seu canega-
menlo promplo anda recebe carga miuUa ;
quem quiser carregar dirija-se ao- seu pro-
piietai 10 Louremo Jos das Neves ra da
Crui n. 3 ou com o Capito do mesmo An-
tonio Germano aas Neses a bordo confion-
le ao trapiche novo.
.Leil o
tsr Sexta feira honze do correte pelas
as 10 horas da manh em ponto, ns credo-
res enearregados da iiquidato da casa de
Francisco A unes Correia ; Adour & C. Le-
noir Puget s*ca, fuz-m a venda publica, paia conclu-
an de algn* uitigcs, por intervenco do
Corretor Omeira e de acoio com o dito
Coima.
Mr Que ftzctn Me. Calnent & Cempa-
muilissima recommendavel a todos os chefes dragonas de ouro chapeos
de lamiha, e nao menos aos facultativos e Porto pecas de panno de li,.u
larmaceulicos os Romances de Voltaire, Ira- nuticos bichas grandes e pequeas tudo
duzdos pelo mesmo erudito Dr. sendo por por preco com modo ; na ra estrena do Ro-
isso muilo enleressante ; na ra do Vigario "rio padaria D 17.
J* tST/\ caixilhos de amarello em ponto gran-
E?" A. Sun: ac Conceico nova de se- de, tudo envidrassado e propiio para ouri-
gunda viagem construida de muito boas Wtj na ra nova loja U. ai.
niadeirasde sicopira com 61 palmos de qui- tSS" Urna morada de casa terrea de tijolo ,
Iha e 22 de boca as madeiras sao todas do- na ra da Conceico d Cidade de Goianna ,
hradas a qual se acha fundibda defronle do que foi de Manoel Francisco Saraiva ; na ra
trapiche novo aonde podero ir examinar ; do Queimado loja D. 12, ou na mesma Ci-
a iratar na mesma ou com Manoel Joaquim dade a fallar com o Reverendo Vigario que
Pedro da Costa, na ra da cadeia. est manido de procuraco para poder ven-
SSr Urna arraaco de venda cora todos os der eassignarescriptu'a
seus utencilios e arroz branco a io,ooooal- tsr Taboado de pinhoamericano de todas
queire da medida velha; no atierro da Boa as grossuras e larguras dito da Suecia de
vista D. 39. urna a tres polegadas de grossura dito de
tsr Camellas da primeira parle da qnar- lorro proprio para fundos de barris de meia
taloleriadolhealrosubuivididas de bilhetes polegada 3(J de grossura tudo de superior
da mesma Loleria era decima e vigsima par- qualidade e por preco commodo ; no foi te do
te ; junto ao arco de S. Antonio loja do Sor. mallo armazem do Vianna
Braga praca da independencia lojas D. 8 tsr Um negro de bouita figura de naco
''6 24 luadoCahugiojasdos Srs. Clan- angola, de idade de jo, annos, o motivo'da
dioe Bandeira ra nova D. 5 loja do Snr. venda se dir ao comprador ; na ra da Cruz
Chaves, e atierro da Boa vista D 16 loja de armazem Bolli i Chavanes Freres ou na
Antonio da Silva Guimares. ra da moeda em casa de Joo Ferreira dos
t&~ Urna flauta com 4 chaves e bomba Santos 110 terceiro andar,
com boas vozes ; na ra da Cruzes das tsr Um terreno no Hospicio defronte do
a lioras da tarde em diante. Sr. Francisco Joaquim com frente para a
r Duas vaccas qUe anda do leite, e ra da Aurora e ouii a para a ra de Luiz do
urna vilella por prego commodo 5 110 atierro Reg, com 134 palmos de frente 4000 e
da Boa vista loja de miudezas D. 29. tantos de fundo viveiro cora muita creaco,
tsr Tres moradas de casas terreas, sen- larangeiras e mais arvo:es plantado de novo'
do urna na ra do Padre Floriano outra na m bum mucambo agrandes canoas e um
ra Augusta, e oulra as 5 ponas; a ira- negio canoeiro ; na praca da Independencia
lar iu loja da quina da ra do Crespo que loja 2o.
vira para a do Queimado. tsr Farellos de trigo superior em sacas ;
Si*- l'aboddo de pinho da suecia de mu- no alieno da boa vista venda que foi de Car-
io ba qualidade, de meia polegada t trts los Jos i.opes.
de grossura, 00 armazem da parte da mar ar Urna negrinha de idade de 1 a annos ,
.Haz do liieaiio. ptima para mubanda por ser recolhida, raer-
te Urna caja terrea sita em Olinda, na gulnos de paieira paia se plantar j ua ra
IOS,
nao tem barba auo grosso do corpo pou-
zadeiras alla.s cor fulla, cara larga, olhos
grandes com urna serrinln na testa at o
nariz, e uns pequeos talhos as fon tes de
sua naco he muito ladino e bem fallante ;
quem o pegar leve a ra da cadeia velha loja
n. ao quesera recompensado.
tsr DoengenhoCamaragibeem Serinha-
em no fin de ezembro do auno passado fu-
gio um escravo do abaxo assignado o qual
tem os signaes seguidles ; de idade de i6 an-
uos ; meio fullo ladino de naco mucam-
bique olhos alguma couza apellados, tem
em urna das pernas marca de queimadura ,
lem um pequeo (jeito no andar que puece
ter urna perna mais curta e de nome Seiillo;
quem o pegar leve ao dilo engenho ou no
Kecife ao ;r. Jos dos Santos iNeves que se-
r generosamente recompensado.-Jos Eu-
genio da Silva Ramos.
ts^- ^odia ai do p p. desapareceo da es-
trada dos amitos um molato escuro de nome
Antonio, alto, espigado do corpo, com mar-
ca de bechigas no rosto nariz afilado foi
escravo do Lr. Flis Peixoto de Brito ; quera
souber leve a seu Senhor no atierro da Boa
vista em casa de Joaquim de Oliveira e Sou-
za quesera gratificado com 100,000, levou
oulro parceiro com elle de nome Felis cre-
oulo ps granJes e apalhetados bem fal-
lante lugnojunio 110 mesmo dia, quero
o levar recebei 5o,000.
tsr Roga-se todas as aullioridades poli-
ciaes e pessoas particulares a aprebenco da
um escravo com os signats seguinles ; Anto-
nio de naco congo de idade de 5o annos ,
secco do corpo estatura regular com tes-
tantes cabellos brancos e barba com sem-
blante anda moco com a mj direita fo-
veira e a esquerda principiando e cora
nma sicatriz na perna direita fugio no dia
i a deMaiodo correnle anuo ; quemo pegar
leve a ra da Guia um casa de Joo da Costa
Lima Jnior.
tsr Fugio a dous annos um preto de no-
me Joo, com os signaes seguinles ; altura
recular magro de idudc do 40 aunos para
mais de naco mucambique tem no rosto
urnas marcas de ierro e entre ellas urna bas-
tante grande na testado feitio de umalerradura
de cavuilo ; quem o pegar leve a ra da ca-
deia a casa de Me. Culiuotit & Compauhia ,
que ser generosamente recompeusado.
U, CIFE NA tP. F. UEM.F. 18*0


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW8543DDK_BI74WN INGEST_TIME 2013-03-29T15:02:34Z PACKAGE AA00011611_04109
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES