Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04074


This item is only available as the following downloads:


Full Text
>--

A
nno de 1810. Terca Fbra
rr
Tildo apon depende de nos rwesmas;, da nossa prudencia,
e'o, a energa continuemos como principiamos e seremos
cara admiraco cnlre as IS'ac'ss mascullas.
i modea-
apuntados
Proclamaco da Assemblea (eral do fratii.
SitUcreve-M para esta folha n 3#doo por niiartcl pairos adlaMadoS
ncsla Typografia, ra dasCrtues 1). 5, ena ['ruca da Independencia
u>. 07 eaR, onde se recebem correspondencias legalisada, e'annuucios,
ns,riudo-se estes fpitis, sendo despfopnos assOantes, e vindosassiu-
gnados.
Partidas dos Crrelos Terrestres.
28 DE A?rL. Nmero
9-L
nmrsasrzi.t*
Cidadeda rarahiha e Villas de sua prelenco. ,
Dita do Rio lirande doNorte, e \'iil..s dem. .
Hita i!a Portal'xa e Villas dem..........
Villa de Goianna..................
Qdade d Olinda.................
Villa de>. Anto.................
Dite de Garaiilitjiis ePovo&oflo rio Benito .
Pila do Caho, Senniaeiij l\io Korn
Ldail *a< Alachas, e Villa de Viaceic......
Vida de Paja de Floros............/...
Todos os Correitn partem ao meta da.
:1
Segundas c Sexta Fciras.
to C
. Todos o* das.
. Quintas reiras.
. I).as lo, e y.i de cada <<.
r Mein i 11, e mi (iito d.i.i.
. dem idem
. Idera lo, dito dito.
CAMni6S.~Ai>Bii a;.
Londres...... 3i i> a 5- 34 Lislioa....... ~,> a 7 > por >./o premio, por inemlouereciro.
""ranea....... >jqj res porlraoco.
'';'' '. j'an ao par.
Oli'.i '.., |a4 ,;. gioo'n Velbas rifa a t^o o
, I)i| j ,, JVovas I4jff5oo a t ...
.. I de ijtooo rs. 8'"' nj I a f-'.Vi.'n
PRATA P ros.....-- Ijfrho a i^tfo,
I --------------- I 02 a i 0
,, ...-----___- jipoo a 'o
N -----------.......-------i.A'Uo iS-io
Descont de Kilhctcs ti II i >* ; X/ y?, |uo ao nif.i
dem deliras __ uta ( i/t ,, firme.
Mocda de cobra 5a 4 uar ioo. de disc.
Das da Semana.
S. dos Praserea.......- Ses'ffo da Thot. e d. do de I), da ?. v
Vital U-----.-___.-.- Re.. e i: I. do J. da i. v. do C. de tv',
Pedro'II. ------------- Sesro da l'hec.
(Jatllarina de Si. i ------- Kelaco, e aud. du i. de D. da 2. y.
S. r'elippe j S. Tiago----------
Athanasio 15. ---- .------. Re. e aud. da J. de 1). da 5. v.
Bom Pastor, Iiircnc. Ja S. C,
Alare clteia para o da aS de Abril.
As 1 horas e :8 minutos da tarde As i horas e 4? minutos da manila.'
->! Secunda - N.
38 Terca - S.
U) Quart. - S.
3o Quinta - s.
i Sexta - *
jt Salihado - .s
.i UoiH. - - - do


lt^s%

RIODK JANEIRO.
O Te^onlp, piti Nome do Imperador o Se-
nil or 11 Pedio Segundo Ha pcm ap-
proyar o Conlraclo para a navefjacS por pa-
<)tieles de Vapor entre- esta (-orle e a Capital
da Pro\incia do Para (ue, em virtnde do
Hecrelo numero uileula e nove de do'se de
Outuhro de mil e oiloreutos etrinla e nove ,
I'g na dala de lioie celebracjo. por MannelAn-
tonioGalvo IN inisiro e Secretario de Esta-
do dos Negocios do Imperio com os Directo*
res da Companhia liasileita de Paquetes-de
Vapor deliaixo das uondi.e's que comed-
te baixo assignadas pelo mesmo Ministro e
Secretario de Eslado dos negocios do Imperio,
que assim o lehli en tendido e laca execu-
tr as ditas CoiidictGes tom os despachos ne-
cessarios.
Palacio do Rio de Janeiro em 3 de Feve-
rirode mil oito ceios' e quarenla dcimo
nono da Independa e do Imperio. -- Pe-
dro de Araujo Lima. Manoel Antonio
Calvo. .
Cndiies relativas.! navegacao dos Paquetes
de Vapor para oN'crte s quaes se refe-
re o Decreto desla data. .
l. A Companliia ?e obriga a faser trans-
portar de viuleem vinle dias osquaesco-
niecaiao a correr do primeiro de Marco fu-
turo nos se us laqueles de Vapor as malas,
e Cilicios do Governo lesta Cidadu do Rio
de Janeiro al a do Pai evicc- versa pa-
gan;lo-llie o Gomtuo por vingem redon-
da, acontar de do/.e de Outuhro deniiloilo-
renlos e trulla e nove em diante, a quanlia
le dvz cotilos de reis. As viagetl feitas pelos
Paquetes da Companhia a contar da lercei-
radellas eindiaue at aodiio dia doze de
Oulubio inclusive d ipil oi tocen los e trinla
t nove, sei pagas a oito contos de reis cada
huma.
j. Os paquetes da Companhia sero obli-
gados a locar t.nito na ida tomo na volla,
nosporiosda l'ahia, Macei; Peruambuco,
Paraiba Rio Grande do Noite Ctar, Mo-
ranhao, ( Para. Em cada hum destes porlos
deuiorar-bc-bo os Paquetes quarenla eoilo
horas, ficando poreinao cuidado do Governo
o expedir as ;,on*eniefdes ordena, para que
demora nos partos de .Vareta, Paratba, llio
Grande do Noife eleai nao exceda, sem
inui podeioso mcliio a viie e guarro ho-
la*.
. fio caso deque ;i Comranha conve-
nha que os seus Paquetes loque/u em mais
algum imrlo alera tos que Bco menciona-
dos, o Governo o peimitir obtendo ella
puta issoprevid uulotitmto.
4- Se 1 or nletesse, ou negligencia da
Cotnpaliba ou dos seus Em pregados ; es
paquetes deixsiem de sahir nos das e horas
estipuladtfr, aComjianhia pagaid ao Governo,
t.iiito multa a quanlia de du/enlos e se-
tenta mil teis, por cada praso de vinleequa-
li botas (lie a t'Uecliva parliti.i to paquete
exceder hua da partida ohIiiiii.1
5. Por oulra parle, se os Paquetes da
Companhia lorein retidos aiem das qtla-
leulu coito boias e deixarem de sabir no
dia e a hora eslahtliciUa por elleilo de
Oidem do Gu\erno 00 RO de Jaueiiu, ou dos
i icsidejiles as i'iviiicias o Governo p-
gala ;i GcOipauhia huma igual quanlia de
tiuzenlus c setenta mil reis laubem porcada
piuio de \inte e qualro botas, que a hora
da partida ordinaria exceder a da par-
tida effPCliva. Pata ina os paquetes
devao demorarde por el'eito da ord^m do
(overno no Rio de Janeiro e dos Presiden-
tes as Provincias, be iiwls:iensavi| : 1. .
que essa seja dirigida por escrilo ao Agentada
Companhia no porto, ou na ausencia ou
impedimento dell ao Commandante do Pa-
quete bordo ; 2, que nunca a demora cau-
sada por motivo dessa ordem se enteitda a-
Icm de outras quarenla e oito horas.
6. Duas horas antes da saida tos Paquetes,
ou a meia noite do dia antecedente, qandoa
partida Inuver de ser dematlrugada os
Commandantes del les iro a Ierra buscaras
malas de cuja entrega passaro recibos:
quando po'rera os Paquetes ehegareni a qual
quer porlo ai mallas, que para elle leva-
rem serao entregue pelos proprios Cora-
mandantes na Adminislracao do Correio em
trra, ou ao Agente da Adminislracao, que
for a bordo recebellas ; levando este hm
recibo da Autboridade competente, para
desencargo da responsabeldade do Comman-
dante
7 Os Paquetes poderao cnndinil1 por conta
da Companhia os passa^eiros c a carga que
acharem : eo Governo os preferia" para o
transporte dos seus passageiros, muuices
de guerra, e arligos bellicos, pagando bum
frete razoav'el. Os reos enviados de bmis a
outros lugares para julgamentn, os degra-
dados e os vagabundos, nunca serio ad-
mitidos a bordo dos Paquetes
H A Companhia Bes abrigada a faser trans-
portar graltiriaroent nos seu's Paquetes al
ao numero quando acn teca nao lerhavido taes passai^ei-
ros em doras viagen sucessivas, hem como
quaesquer somroas de ditdieiro que por or-
d m do (iovern'o se houveretn de retnellcr de
buns para outros porlos.
t) Os Paquetes (ico sbitos ;i fincalsirSo
das Alfandvgas e ao Regulamenlo do porlo.
em quarqiter daquellcs em que tucarem a
sua descarga porem ser feita lo ;o que cb'e-
garem com preferencia ; de qtiafqBer outra
emb.ireaco anda regando. quando ueste ultimo caso nSoseja
possivel fiser a de ambas*sintultnneiente.
lo (.)s Paqtif'tis seriio nac tona usados Uro
sileirt gosari dos pi '\ iegios das embarca-
ir.:. de guerra rom excep So somante <\o
disperto na pri 1 iru parle da | oudico an-
letetlenle; e sarao liipoiados pt4a mesma
un, porque o sao as Einbarcaces ;Naci-
onacs.
'. OGovero podeni'permittir, qu os
Ofliciaes da Marrulla de Guerra Brisileira
roniuiaudcn O Paquetes, so orem reqlli-
sitffdos para'esse fim ao m^snio Governo' pela
Companhia; (icando porem acorgdaata o
lUsviito dasGfalficacoes co-i quescon-
veucioiHir cora oOffieial, o qual perceber
da 1 asenda Publica somente o nseio sold
da sua Patente, como licenciado a cuju das-
sepassar a perleucer durante-aquelle sen;ico,
is. A Companhia sera obligada a rebeber,
e sustentar abordo de cada bum de seus Pa-
quelesde Vapor bum ollicial de Marinba de
Uuerra rlsiteira para apreiider e pracli-
car, quando o Oorvenio assim o determinar ;
nao pudendo a Companlda exigir por coin-
doriasdesse Oftcial, maior somina do qu-. a
eslipulaiia para os Oiliciaes dos mesmos Pa-
quetes.
i. SedoisA ou mais paquetes de vapor
^ o acesmo, lempo se inhubclitarem de nave-
gar em consecuencia de naufragi), un di
otiiro acontecimento. imprevisto, a compa
nbia ser obrgada afretar barcos de vap>r
para suporir a falla dos seus ; e s no caso
inesperado de os nao adiar pela quantii de dea
contos de res por viagem redonda, o que el-
la dever provar se lbe permittir lser o
servico dos referidos Paquetes com embarca-
es de vela, jior espaco de dei meses, re-
du/.indo-se-lbe neste lempo quantia de seis
contos de reis a consiguaco que lbe fica es-
tabelcida por viagem. Se dentro daquel-
le lempo a Companhia nao tiver restabelecido
com toda a regularidade o servico dos seus Pa-
Capiul > 11. Las nomeacoeus.
Art. >. Os E-npreg.idos mencionados nos
piragraphos l. >., 3., 4. .; s. da artigo,
antecedente serq nomeados pelo Ministro a
Secretario d'Estado dos Negocios do Imperio ;
de vendo o Inspector ser escollado OlKdaes superiores do Corpo de Eugenheiros,
qiie ter.hao o curso comyleto da nusm 1 arma ,
eoAjudante da classe das Oili-ins suhaller-
noi ou dos Capitesdo mesmo Corpo.
Art. 3. Todos os Emprega los mencionado i
nos paragrapbos ti. e 7. do art. i, s;;ro di e>-
colna e nomeaco do Inspector, e por elle de-
q leles de Vapor ficar exliuclo o present pedidos, quituli 11I0 cifinna > suis obriga-
Coulracto jcoens, nao desempenheat seas officios ou
4- A Companhia fica obrigada a mostrar, i l^nhio irregular conducta,
dentro dequalro annos contados do dia doze \
Outubru do an'no passado, ter cobrado Capitulo III. Das obrigacoes do inspector
eus socios todo o capital destinado a es- Gerai.
de
dos sei
ta empresa ; assim como a apresentar de
cincoem cinco annos, toda i su 1 escripttracrj
Arl. 4- Ao Inspector Geral compete :
pessoa, ou pessoas, que o Governo nomear | i- Kxecutar as ordens do Ministro e Ss-
1 para examinar aftm de poder o mesmo G, com crelariu d'Eslado dos Negocios do Imperio ,
,0 necessnrio con'hecimento diminuir a con- em tildo o que for concernente Inspeccj
'signado dada pelo Thesouro Publico di'a das Obras Publicas e as de qualquer dos
Companhia, se assim o julgar conveniente, outros ^linislros e Secretarios d Estado noque
i5. O presente contracto' subsist tu por for relativo as Obras Publicas d suas Kepar-,
espaco dedez annos, contados do dia. em qte ticoens
le*e principio-a navegacao dos Paquetes da S Ap'"sentar ao respectivo ^^illisl^o a;
Companhia, quando antes dissr eile nao te- plantas, perfins e oroamentos das obras quo
! nha de ser recendido em consecuencia do se pretenderem fazer ; manda-las executar
I que se echa disposto no fim (fa dcima ter- quando competentemeifle aulorisado. x
! cera oadicsTo. I Dar ao Ministro do Imperio at o
:G A Directora da Companhia he Sol i- dia dez de ca lo me/, lium mappi do pasaoal ,
dariamente nsponsavel pelas c)ndic".e* do material e depe/a acotqpaubtdo de lium
presente contracto e envar ao Governo hu- Helatorio circunstanciado do andamento das
ina Lista das pessoas de qno ella lor com- Obras no decurso "do mez precedente., e o-
posta pura o seo devido conhecmentb todas as novidadei occorridas ; e bum assim a
17. Eingaranlidas condiccijes leste ron- relaea'o das Obras que conlinuij a ter anda-
Irado, conservar-se-ha no Thesouro Publico ment.
a quaotia de dez coutos de reis em A plices S Dar imnaediatamente parte ao.Minis-,
da Divida Publica a qual a Companhia all tro do Imperio de todis as uccurrencs que
deposiiou, e perder, sem dependencia d.-: forem me pjnderacao
Processo judiciario no caso de faltar a dita S f'upor ao Minislro do Imperio ludo
Companhia execueao de lodas, ou de cada quinto for conducenle a cn.servaca ety-
bulna das mesmas Coudicds nomia, fiscalisacaa e roelliorametito ds O-
Palacio do Rio de Janeiro em Iros de Fe- bras Publicss e com toda a particularidode 1
veveiro d mil oito ceios equrenta Ma- respeiU dos Aqueductos e Clnfames
, 0*fl Alvea bfanco i ,S (i- Responder pela sejuranc das Obras ,
sua perfita execu .Eo o pelas taitas de pro-
RegularaenJo Numero 44 de 2 de Mar o de videncia sobre n escaceze impureza das aguis,
",; u Para a Insj.eccao Geral las Obras 7" Tomar *** Bwdl bs n*dM pa>-
Pcblicas do Municipio da i orle. I !>' ceitos dHygieoe a resp tto dos eon-
' duelos edepsitos d is a 511 is; < vel ir pira que
O Re-ente em Nome do Imperador o S?.~ '' nao baja desvios as dos aqueduetbs e uo se.
nitor D.'Pedre Segundo Decreta. fia corta >s o ra itos das di.lerenloi c irudaa. _
I Declarar, especiftcadamente-, nosor-
Capit'ulo 1. Dalnspecrao Gdral das Obras cameiilosdasOhraa projectadas asquantus
inbli'cas. necessarias paral o pessoal material ts o
Artigo 1. Havet huma" In-.perca'o O.T.1I lempo provavel da duraco dalla
das Obi as Publicas, a qual tara par Km pre-I 9 van Jar annuncwr nos pnawtros das
gados, dnfakia da Directo do Ministro e de cada .mez os objwtos iibcessanos p*ra u
Searetaritf de Estado dos Negocios do 1 !-.- mt> provavol no decursdo mesmu mez;
podando porem, sem dependencia de an-
11 unci, mandar proceder compra desses
r. O Inspector Geral das Obras Publicas.
%. O Ajudante d> Inspector.
3. O biscal
4. lluin Escrlvo e dous Escrijilurarios.
5. O Almovarife, e o Fiel do Deposito
t. Hum Guarda para a eonduccao das or-
dens, e'os Guardas'que orem necessarios pa-
ra os dilerentes partidos dos encaiamentos e
para os chalarises.
7. Uos Aiesires geraes os Feilores Con-
tramesties Oiliciaes dos diderento oicio,
a Serventes que forem precisa.
. quando, naoexce.tentlo aeiicjeu-
la mil ris ie toroarem rep-Nuinamente ur-
10 Proceder immeqiMamente a lodoso*
concert! que l'oieu uigentes, aind 1 que ex-
cedi a bum mil rs \ parlecipando-o pj*
reirt ao Ministro respecivo ; esta mesoa uis-
posicio dever ler lugar a res/eito ddS com-
pras de n.tlcriaes
^ I.. Fazer os ajustes visli das Vo
pollas e das informaces dos Ie*re* acer-,
xa das qualidadea e d> Al*""* r^


2
DIARIO DR
PBSNAMBUCO

Jeito dos precos.
la. Nao a justar obra algnma de omprei-
Uda logo que exceda- a cem mil, sera positi-
va menco du respectivo orea ment e ap-
provaco do Gocerno.
Vj 13. Fazer lancar todas arremalacoes que
exccderem de cincoenta mil reis, no livro para
isso propriamente destinado ; devendo os ter-
mos ser assignados pelo Escrivo Inspector
o Almoxarife e pela parle contractante e seu
fiador.
$ i4 Fazer vender en hasta publica rom
assislencia do Fiscal preceilendu partivipa-
ro os objectos que sobraren ou procede-
tlerem de aiguus desmanchos de obras edi-
ficios, &c e que nao tiverem npplicaro'
as Obras Publicas ; de|)endendo porem da
approvaco do Ministro quando o valor des-
ses objectos exceder de cem mil rs.
$ l. 'J'er de prevenido no Deposito osea-
das apparelho eandaime, e os maleriaes
que repentinamente se posso faxer necessa-
rios.
$ 16 Assistir.de vez en quando, mesmo
mandar assislir pelo Ajudante ou pelo lis-
cal aos pagamentos que tier o Almoxarife
$ 17. Mandar ordem por escriplo ao Al-
moxarife para lazer as compras diminutas, que
' icpeu ti amen le ,
necessarns
0 Deposito os Aqueductos e os Chafarizes ,
dando ao Inspector parle das novidades 0-
rftissoens prevarkacoans e faltas qne co-
cn trar.
$ Passar a limpo as plantas e perfins
que o Inspector lhe ordenar ; e bem assim a
escala natural todas as partes dos riscos que
orem necessarias para, depois do approva-
das pelo Inspector serem entregues aos Mes-
tres a fin; de as executarem.
4- Assistiraos Orcamentos e raais tra-
ba llios'da profisso todas as vezesque puder,
a fim de adquirir a pratica necessaria e tor-
nar- se idneo para substituir ao Inspector.
$ 5. Organisar da somma das partes se-
manaes do servico das dilferentes Obras (fulas
pelos Mestres, uma'parte geral, que dev era as-
signar e apresentar impreterivelmenle *i.
odia qualro do mez immcdinlo ao Inspe-
1 tor.
Capitulo V.Daajobrigacoens do Fiscal.
Art. 6. Ao Fiscal compete :
*. Exeeutar as ordens do Inspector
relativas fiscal isaco e substituir ao Aju-
dante nos ser.s impedimentos.
$2. Assistiraos ajustes que fizer o Ins-
e con urgencia se fi/.ereml peclor, para receber as amostras e tomaras
7. Indagar os precos dos gneros ann un- (lhes ser ordenado,
ciados para serem comprados a fim de in-
formar ao Inspector a este, respeilo as oc-
eaaidfti dos ajustes.
8. Dar parle porescripto ao Inspector
logo que receba alguma quanlia quer da
preslaco quer do ajuste di; contas e quer
dos objectos q' tenhn sido arrematados om
hasta publica ; especificando a quanlia de
que proviniente e o dia do sen recebimenlo.
q. Fazer os pagamentos das Ferias pelas
relacoens respetivas as quaes devero ser
organisadas pelo Escrivo ; vista dos pontos;
e terem o-visto- do Ajudante, e o -pague-sc
do Inspector. Nelias notar margen os pa>-
llio ficar servindo
*j 8. Rubricar todas as ordens para se re-
cebeiem do Deposito os objectos precisos para
as obras, ou encauamenlos ; vista porem
dos pedidos dos respectivos Mestres, ou Guar-
das com oexistedo Escrivo.
tj 1 a. Mandar passar as ordens necessarias
ao Almoxarife para effectuar as compras na
forma dos ajustes feitos e marcados no para-
iraplio dcimo piimeiro fazendo especificar
.lias os objectos que devem entrar para o
Deposito e os que devem ir directamente
para as diferentes obras.
ao. Assignar as Folhas, e rubricar os
documentos que as comprovarem depois de
assignadas pelo Escrivo e conferidas re-j
vistas e assignadas pelo Fiscal para as-
sim prepardas serem remellidas Secretaria
d Estado a q* pertencercm as obras.
al Fazer apromptar e escripturar os
seguinteslivros : hum para o registo dosA-
visoa da Secretaria d'Estado dos Negocios do
Imperio ; outro para es das dilferentes Secre-
tarias d'Estado ; dois para os registosdas Fo-
lhas ; hum para os Officios que dirigirs dif-
ferentes Secretarias d'Estado ; hum para lan-
carotulo dos Contractos ; e outro para as or-
dens os quaes todos sero abertos nume-
rados rubicados, e encerrados por elle.
2a. Ouvir aos Mestres sobre as admis-
soens dos Conlramestres e Oiliciaes tanto a
respeilo da idonidade, como dos jornaes,
quando pessoalmenle os nao conhecer.
2 Marcar as horas tanto para se co-
meta rcm os trabalhos das obras como para
se finalisarem.
distrtbuco do servico e economa tanto das
obras como dos Guardas
j a. Assignar os Ttulos dos Embrega-
do da Repartalo que sao da sna nmeai ao,
e passar Resanes aos trabalhadores.
$ a t. Inspeccionar a conducta de todos os
Empreados da Repartico para que cum-
pro prompamente e com exaclidn e leal-
dade ledas obrigacoens inherentes' oo* seus
J*rapiegos, e exerulem ponlualraente suas
ordena concerr.eiiles ao servico advirtindo-
usquando foremomissos e negligentes, eate
siispeiidendo-os quando se (ornarendignos de
maior castigo participando-o porem inme-
diatamente ao Ministro do Imperio.
*j fj. V isilar frequenlemente as Obras,
Aqueductos e Chalni izes para que aquellas
tenho o devido andamento, e estes se con-
servera limpos e un perleito estado.
$28 Comparecer nos incendios com o A-
juuante e fazer ir a bomba das Obras com
a gente que puder obter dirigindo em
quauto nao comparecer o Inspector do Arse-
nal da iVarinha o trabalho que for neces-
sario paraexlingui-los: dando deludo parte
ao Ministro e Secretario d'estado dos Negocios
do Imperio.
29. finalmente, determinar na Repar-
111 ao a u caigo todas as couzas que forem
ntcessarias aos pagamento boa ordem do
seivito e a Lscalisaco ainda mesmo que
nao eslejao consignndas ueste Regulamento;
Ci m lino j.ieni que nao sejo touliaiias as
uiapusiccts tile enuresias*
{jmenlos que n/er para
de documento de descarea.
10 Pagar aos tornecedores a importan-
cia dos objectos comprados e nos Emprega-
dos da Repartico os yencimentos mensaes ;
vista das Folhas exigindo aquel les on reci-
bos em forma e desles as asignaturas no
proprio livro do registo d.is Folhas
il. Agenciar, por meio de annuncios,
as contas de todos os gneros comprados no de-
curso do mez, para as entregar assignadas ao
Escrivo, impretervelmente at o ultimo
do mez.
1. Dar ao Insppelor ateo da quatro
de cada me< huma reluci de todas as alle-
raedes dos objectos do Deposito que tiverem
havido no mez antecedente ; e outra de seis
convenientes notas a fim de poder verificar a
ideiildade dos recebimenios.
3. Conferir com o Escrivo as Ferias se-
manaes e Folhas mensaes bem tomos do- em seis mezes [no dia primeiro de Janeiro e
cnenlos que as acorrpanbo ;a tira de ru-j de Jullio ] dos objectos all existentes,
bricar estes ,eassignar aquellas Art. 1.?. O Almoxarife nao poder entrar
h iscalizar a exacta e fiel execuco das no exercicio deste emprego se ni haver pres-
disposcoeos desle Reulamento e das ordens j tado huma Banca de seis con los de reis.
do Inspector para lhe dar parle das infrac- |
?oe,ns Capitulo VIII.Das obrigacoens do Fiel do
5 Dar ao Fiel do Deposito as amostras | Deposito,
doquetem que receber ou especificar as Art. 11. Ao Fiel do Deposito compete :
6. Conservaren boa inteliigencia, o
harmona com os donos das chcaras por on-
de passa os encanmentos. e nao terem a m-
nima relaco com os seus fmulos ou escra-
vos.
Art. \\. Os Guardas usar5 do uniforme
de aqueta de Polica de panno azul, avivada
de azul claro, e bonet do mesno: tendo o
Guarda i\a condticcao das ordens do Inspector
alguno distinclvo que lhe marcar o mesmo
Inspector.
Art. l5 Os Guardas dos Aqueduclos an-
darao armados de espada c pistolas, e dos
Chafarizes de espada e junco
Capitulo XI Das obrgaces dos Feiores.
Art. ifi Aos Frito res compele;
fi 1. Tomar ron la por 11 m inven'ario t>
assignar carga de lodos os objectos perlencen-
tes a Obra.
a, Passar vales rubricados de tudo
quanlo receberem e ter bum c.iderno de abo-
no dos objectos recebidos e despendidos no tra-
badlo.
Tomar o ponto ao menos tres vezes
ao dia s horase conforme o Inspector Ibes
marcar no Regulamento particular do servico.
4- Dar huma parte semanal ao Ajudan-
te de ludo quauto receberem e entregareni
para consumo ; outra identiea ao Almoxari-
fe.
Captulo XII. Dijposieoes geraes.
1 Fxecular as ordens do Inspector ou
do Almoxarife tanto acerca da boa arreca-
qualidades para que somente receba, quan-
do conferirem ; indo de vez em quando veri- u,
ficar se esle Empregad cumpre suas obriga- { daco dos objectos do Deposito como da boa
coens a este respeito. j ordem da respetiva escripluracao.
_^ 6'. Conferir a parte semanal das altera-| 2. Estar no Deposito s horas do traba-
toes do Deposito dada pelo Fiel para ver se Iho das Obras para satisfazer promptamen-
combina com as ordens expedidas para as te as ordens do Inspector.
compras. # Zelar a boa arrecadaco, sendo res-
. ponsavel nao s pela couservaco dos objectos
Capitulo VI.Das obrigaces do Escrivo e em deposito como pela effecliva existencia
Escriturarios. delles all.
4* Nao receber nem entregar objecto
Art. j. O Escrivo ser responsavol ^ela algumdo Depo>ito sem ser por ordem rubr-
exictidao da contabilidade das Folhas paici- cada pelo Inspector 5 dando disso conta ao Al-
aes e geraes, epela arrecadaco dos livros moxarife.
de regislos e de lodos os papis perlencer tes 5. Dar hura vale rubricado aos conduc-
as Obras Publicas; devendo assignar as I o- tores dos objectos, que pelo Inspector lora
Ibas, i so elle lavrar oa termos dos contra- mandados comprar e entrar para o Deposito,
dos e arremataces. 5 fj Dar ao Fiscal urna parle semanal das
Art. 8. O Escrivo, e os EscriptHrarios altera.5es do Deposito,
faro toda a escripluracao da corresponden-
cia uncial das Ordens do Inspector e das Capitulo IX Das obrigaces dos Mestres.
l'olhas parcaes e geraes : lancaro o regis-
lo nos livros competentes : e em fim tero a Art. 14. Aos Mestres cora pete
sen cargo todos os mais trabalhos de escriptu- 1. Executarem com toda a exactido os
racao conforme Ibes forem distribuidos pelo riscos; e a este respeilo cumprrein somente as
Inspector* I ordens do Inspector quer direclamente quer
por intermedio do Ajudante
Capitulo VII.Dan obrigacoens do Almoxa- a. Fazerem os pedidos dos objectos ne-
Art tj. Os empregados que tem maio-
res vencimentos do que os que se marca na
Tabella a este annexa conlinuarao a perce-
be-Ios em quauto esliverem no servico res-
pectivo.
Art. 18. Fica revogado o Regulamento do
primeiro de Dezembro de mil oitocentos e
trinta c seis
Manoel Antonio Galvo Ministro e Secre-
tario d'Estado dos Negocios do Imperio as-
sim o tenha entendido e faca executar com os
despachos ntcessarios. Palacio do Rio de Ja-
neiro em doze de Marco de mil olocentos e
q na renta dcimo nono da Independencia e
do Imperio. Pedro de Araujo Lima. Ma-
noel Antonio Galvo.
Tabella dos vencimentos dos Empregados da
InspeccoGeral das Obras Publicas do Mu-
nicipio da Corle a que se refere o Decreto
desta data.
O Inspector Geral vencer a gratificaco men-
rile.
Art. p. Ao Almoxarife compete.
cessanos para as dill'ei untes Obras com espe-
(iicaco da quantidade e quaiidade.
i P
rocederem ronscienciosamnfe as
3 1. Lxecular tpdas as ordens do Inspector avaliaces e inormacoes que delles se exigi-
l.hvosao Deposito, as compras, recebi-1 rein.
re
incito
pagamentos earreradaces. 4 Informarcm ao Inspector sobre as
a. Respond! ao Inspector pelos objectos qualidades comparativas de hum mesmo ob-
em deposito e pelas quantias retebidas e jectoera difierenles propostas.
vidos pagamentos ; sendo a respeito dos 5. Vigiaren que os Contranestres ejaS
(nheiros tambem directamente responsavel activos, e que os Operarios trabalhem con
a Secretaria de Estado dos Negocios do Ito-1 hssidoidsde e pereMo
ferio, eaolbesouro Nacional, onde pres-j t. Eutregarem ao Ajudante a parte se-
Caphulo IV.Das obrigacoens do Ajudante.
Ait. 5. Ao Ajudante compele:
^ 1. Fxetulai todas as ordens do Inspector
e substitu-u nos seus impedimentos.
^ a. Visitar om c(m rsiduidodeas Otra ^3 aos 1*ornecedores.
tira tontas deanno em anno e lodasas-ve-
zes que a isso for chamado.
$ i. Receber do Tbezouro as consignaces
semanacs para pagamento das Ferias c a
mensal do ajuste de contas
4- Publicar immediatamente pelos Jor-
naes cada recebimenlo do Tbezouro ; marcan-
do para principio de pagamenlOjO dia subse-
quente til. '
5. Apresentar ao Inspector, cinco das
uteis depois de alelo o pagamento a rela-
co nominal dos Fornecedores a quem sa-
lislez mencionando as respectivas quantias ,
ebem assim outra dos que nao comparece-
ro. Declarar juntamente se pagou a todos
os Empregados e Jornaleiros e quaes (no-
minalmenle) os que nao comparecero : de-
vendo raandar publicar esta mesm parte pe-
los di 1,,1 es.
$ t. Estar na Fagadoria nos cinco dias
mateados desde as nove horas da manh al
as duas da larde ; a fim de promptamenle sa-
lisfaser aos *que compareceiem ; preferndo I
siempre es Jornaleiros aos Empregados e es-
manal dos Irabalbou das differentes Obias ,
impreterivelmenle al a segunda leira da se-
mana immtdiala.
Capitulo X. Das obrigaces geraes dos
Guardas.
Art. 'i. Aos Guardas compete .*
1. Executarem puntualmente o Regu-
lamento que Ibes der o Inspector a respeilo
da ordem do servico ; e bem assim todas as
suas ordens, quer d i recia m 211 le quer por
intermedio do Ajudante.
$ a. Vigiaiem na conservaco dos enca-
rmenlos, seu disinti edas matas couta-
das.
3. Velarem sobre a limpeza e conser-
vaco dos Chafarizes distribuirem as aguas
com imparcalidade ; e cohbirem desordens.
4* Prenderem os infladores dos dous
paragraphos preedenles, ? conduzi-los im-
mediatamenle, coro urna parle, a Guarda
policial mais prxima.
5. Servirem de fe:lores das Obras que
se tizerem dentro dosau districto, no caso de
sal de cento e vinle mil reis.
E ter huma cavalgadura regula-
da pelos vencimentos das do Exer-
cito.
O Ajudante do Inspector vencer a
gratificaco mensal da sessenta mil
reis
E ter huma cavalgadura regulada
pela mesma forma.
Ordenados mensaes.
O Fiscal sessenta mil reis
O Escrivo cincoenta mil reis
O i Escriplurano, quarenla mil rs.
O a" Escripturario, trinta edous mil
reis.
O Almoxarife, setenta mil reis.
O I iel do Deposito, quarenla mil rs.
O Guarda cavallo; para a conduc-
cfo das ordene do Inspector, trin-
e seis mil re*,
Os outrosGualdas cada bum m-
ximo limite do venciniento, vinlc
e (nato n.ii reis.
Os ii ;; res cada hum. mximo li-
li do vpncimeuto trrnta mil reis
1 aollooo
60000
60II000
fofJooo
40II00O
3jUooo
joUooo
40U00O
3CUooo
Uooc
'I
0U000
Secretaria d'fcstado dos iSegoc sdo impe-
rio em 1 u de Marco Ue 1 .0 -
Ionio Galvo.
ianoc
\n-
(CoiTcio 0; cial.)
PER NA M bCO.
Diversas Reparuyuens
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta be a mesma do N. t,o.
PRF.FEITRA.
Farte do dia 26 do corrente.
Illm. e Exm. Snr. Foro hontem presos
e'remettidos a esta Prefeitura pelo Sub-Pre-
leijo dos Aflbgados o pardo Antonio Gomes ,
como desertor do Corpo de Artilheria Ma-
noel Pereira por deixar fugir um preso c
Joze Pereira para recruta : mandei condu-
cir o 1. a presenca do Comraandante das Ar-
mas ; foi 03. recolbido a Cadeia dcsla Cida-


DIARIO DE PKANAMRUCO
5
na
ne ficando a disposicao da Justica para ser tidoem Valenee du Tarn e enchede indig-
processado e remetti o 3 conforme as ordcns
tle V. Ex ao Comroandante Gerat do Cor-
po de Polica,
Dia 37.
Il!m e Exm. Snr Forao liontem presos
pelo Sub-Prefeito d eSta Freguesia os pretos
Germano, escravo de Manoel Cardoso, e Jo-
o He Manoel Jos dos Santos esse em fia
grnnle pelo luitode um sacro com dinheiro ,
pcrtencenle um matulo cujo dinheiro 1 he
foi apprehendido e aquelle por andar fgi-
do ; Ibi o primeiro recolhido a Cadeia desta
Cidade a disposicao da iustica para proceder,
romo he de direilo e o segundo entregue a
seo senlior.
Pelo Suh-Prsfcito da Freguesa da Boa-
vista os pretos Vicente Ferreira de Sou/.a .
Joo esrravo de Joze Lniz Percira .Maria
Francisca do Horario e Joo Joze dos Sanios.
bronco o primeiro por ebrio o segundo por
anda] fgido a terceira pordesputar com sua
visinha e o ultimo dor desobediencia fal-
tando ao servico da Polica foi o primeiro
sollo o segundo entregue a seu senlior ,
sola a terceira e por igual o ullimo.
F' o que consta das partes hoje recebidas
n'esta Secretaria.
EDITA L-
O Juiz de Direito interino da a. Vara do
Crime desta Cidade &c.
. Faz saber que nao podendo ter lugar a t.
Sosso dos Jurados marcada para o dia 2 do
mez de Maio vi.-idourc por se achar a casa
das Sessoens en concert transiere dita Sesso
para tvdia i5 do dito mez.
Recife 17 de Abril de :84o.
Antonio Joaquina de M o raes Silva.
Correspondencias,
O que be isto Srs. Redactores ? accu-
da-nos por quem sao Us principaes ali-
mentos da vida eslo lodos viciados em Per-
nambuco. O assucar refinado carregado de
cal, e farinha de mandioca ; a carne enfezada
<: almiscarada ; o pao azedo e quase sempre
composlode um mixto intrincado : o que me-
nos leva he farinha de trigo o mais be mas-
sa de diversos ligumes, que desapiedada e
cruelmente lhe ajunlao ; a agoa bo hum vo-
mitorio de trtaro combinado com azinhavre
dos iu.mundos tanques onde ella se guarda pa-
ra envenenar o povo. O que he isto, Srs.
Redactores i* como ha quem se admire das
morles repentinas das fehres das inflama-
ees de intestinos e escrotos ? Pobre Per-
nambticoque de lo sadio que era vai-se tor-
nando huma Lounda Srs. Redactores cl-
melo e tornero a clamar por caridade, at
que a nossa polica tome conta dos malvados
especuladores quequerem enriquecer coro o
sacrificio da saude publica.
Seo humilde servo
Hum de gastrle.
Alvicaras alvicaras llluslres e JVobres
Peruambucar.os nossa supplca em favor do
malladado Viajor Manoel Boaventura Ferraz
fui apiezentada ao Throno Imperial no dia 10
do presente mez de Abril por tres lllustres e
Benemritos Deputados nossos os Srs. Ylajor
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca Ve-
nancio Ilenrique de Rezende, e Dr. Joaquini
Rues Maxado e recebida com agrado !..
E corre lama na Coi te do Rio de Janeiro ,
(o que he nimio provuvcl)que o Exm. Regen-
te remelle este negocio a 1 eeiso de nossa So-
berana Assemblf-a respeiladora das Leis,
un cu,as mos esta depositada a Balanca de
uuio em que se pera a Justica e a raso !!.'
Aletiremo-nCS pon 8 coiiiunda-se aqueles,
que lo oocosameute desejad e procurafi i-
nunar a leira com o nos.-o sangue Ho-
n.ens deshumanos e malfazejos, nao ledes o
nosso Cdigo i' Quandoheque no Ira/i I se
bao de reunir \inle mil homens para fazeicm
huma serlicao ? Isto nao be o mesmo que di-
zer debnilivauente que nenbum Cidado Bra-
sileo deve niorrer poi crimes Polticos ? E
que niais queris para vosso desengao r1 ??
> Srs. Redactores queira ter a bondade de
inserir cni hum de seus Liarios estas linhas
pelo que Ibes serei muito obrigado eu que
De Vms.
Multo ltenlo ven. e servo
Joo Cavalcanti de Albuquerquc
Vigario Conlirmado do Cabo.
Vriedade.
naco os habitantes do paz
M. 1 vigario de idade de quasi trinta
anuos, depois de ter sido expulso pelo seu
duro proced ment, de Lavaur e de Villeneu-
ve foi mandado servir na parochia de Va-
lenee. Nesta nova residencia elle se julgoi
inleiramentedesemharacado da vigilancia que
lano o imporlunava e se appl'.cou a ator-
mentar suas novas ovelhas.
Huma del Lis madeinoiselle F. fixou
sua atlenco : era huma rapariga de dezoito
a 11 nos de huma doeura anglica ; elle a v ,
apoderar-se della, e nunca mais a deixa. as
conversaces myslicas que procura ter com
mademoiselle F. persuade-a que ella sci
condemnada se nao tratar de mandar distri-
buir algumas esmolas e fazer fervorosas ora-
r-oes. Espautada de huma tal proposico, ella
lhe responde que he muito infeliz., poisque
nao tem dinheiro. e nao sabe como have-lo ;
o vigario indica-lhe huma velba viuva, de
quero era director assegurando-Ihe que esia
h'o emprestar. No mesmo instante made-
moiselle F. corre a pedir-lh'o e leva
ao seu director todo o que pode ubier. Desde
aquelle momento para a recompensar sem
duvida de sua generosidade, elle a fez.com-
mungar ao menos lodos os domingos.
Hum dia o vigario manda chamar ao seu
quarto a sua joven penitente eneerra-se com
ella
mente sua imaginaco,
e laz mil esforcos para exaltar inleira-
j to (Vaca. Diz-lbe
mez conforme foi declarado pelos Jornaes
naquella mesma data se faz publico que prin-
cipia no dia 1. de Abril prximo futuro, a
substitu ao das Notas da 1. Estampa do novo
padro do valor de dez mil reis por oulra*
de igual valor da nova Estampa; tendo asdf-
ferencas segnintes :
l.* Acord papel be a mesma que tem
as de 5os'ooo reis do 2. Estampa, ltimamen-
te emittidas.
a. As Armas Imperiacs e a Legenda
Decreto doi. de Julbo de 18J3 mud.-
ro de posic-i, passando as Armas para a par-
te direita e a Legenda para a esquerda dj
lado do talo.
5. O Emblema no meio da Nota he igual
ao que tinhoasde 5osooo reis da I. Estam-
pa do novo padrao; slo be do lado direilo
huma Indgena amamentando huma eriahea ,
junto a mesma hum Indgena ea esquerda
deste huma cruz sobre urna base onde esto
gravadas as letras Al) i.5oo.
4. Nao tem a tarja onde se escreve a mi-
meracao os nmeros e series sao mpres-
sos sobre o campo avermclhado, porm 110
mesmo lado em que se puzeraos nmeros das
da actual 1. Estampa que se vio substituir.
Por tanto convida-se aos possuidores das
referid is notas do valor de dez mil reis da 1.
Eslampa hajo de se dirigir a Casa do Troco
nesta Reparticao com as mesmas Notas, pa-
ra serem substituidas por oulras de igual valor
da nova Estampa todos os dias que nao l'o-
rem de Guarda ou Feriados desde as dez
lioras da nianh at a huma da tarde
E para.constar se mandou publicar pelos
que as esmolas eas oraces nao sao bastantes
pira ganhar o eco ; que os maiores santos sof-
firoos maiores tormentos ; qne ella deve
puriQcar seu rorpo fazendo grandes peniten- Peridicos e aflxar nos lugares do cosliime.
cias. Para estenio, celoso de por as mos Gasa da C'aua da Amortisago em 3o de
obra comeca queimando-lhe com hum ferro--Vareo de t,8 10 O Inspector Geral da Cal-
en brasa o extremidade da lingua desta xa d'Amorlisaco. Francisco Gordeiro da
lingua perversa lhe diz elle, que rommel- Silva Torres,
te lanas maledicencias e calumnias ; depois ,
sem respeito nem decencia manda-lhe des-
pir es vestidos hum a hum pega de carves
accesos, ellios fazapertar entre os joelhos at
de todo estarem apagados.
Em quanto a pobre lapariga
no meto de
sou
Ilcitos do fanatismo.
Hum crime horrivel acaba de ser commet-
LOTERIA DO LIVRAMEN'TO.
Acha6-se a venda nos lugares do costume os
billietes da Lotera a favor das obras da L'reja
tormentos to crueis lauca gemidos bero ca- de N. Senhcra do Livramento logo que aca-
pazes de despedacar o coraco omi'vadose bar de correr a do Thealro ser marcado o
embriagava do furor que seu espirito infernal dia em que deven impreterivelinente correr
e seu brutal fanatismo lhe inspiravo. Antes as rodas. Roga-se pois aos amadores deste
de a despedir Hie fez sotlrer anda outro sup- jogo e devotos da Senhora do Livramento
plicio : por hum requinto de ferocidade pos lueirao concorre a compra dos bilhetes a fim
em braza hum Chrislo de broze e applican- de que nao fique grande numero com prejni-
do- Ih'o sobre o seio nelle o grava profunda- zo das obras da Igreja da mesma Senhora.
mente Despede ento sua desgranada victi- 1 -------------
ma depois de Ibe ter feito promelter hum
segredo inyiolavel sobre o que acabava dse' VICE CONSCTLaDO DE S. M. CA-
passa. TlOLiCA.
Alguns dias decorrro : triste e abatida Precisa-se tomar dinheiro arisco sobre o
mademoiselle F. cuja cabeca eslava com carga do Brigue HespanUol Jos Francisco -
toda a probabilidadeinleiramentedesarranja-' chegado a este porto d arribada ,de Marselha e
da apresenta-se de novo em casa do vigario Balavia para Satander : as pessoas que se
este nao tinha perdido o seu lempo 5 fizera propozerem a da-lo se podero dirigir a Chan-
preparar terriveis cilicios todos guarnecidos cellaria do Vice Consulado de Hespauha ra
de bicos agudos lhe ordena que os ponha do Vigario D. 19.
sobre a carne ; a rapariga obedece ento cega- N. M. de Seixas
mente 5 mas ella nao devia sohreviver a esta V. Cnsul,
ultima prova. A infeliz retira- se para casa
de seus pas donde nao lornou a sabir. O Compra-e um Escaler para quatro remos ,
vigario, impaciente de saber em que estado e para boidodo liiigue Hespanhol Joze Fran-
ella se acha decidisse a ir visitil-a e a en- cisco ; quem se propozer vender pdese diri-
conlra s assentada junto do fogo. Ella lhe grr ao \ ice Consulado de Hespanha ra do Vi-
dizque j nao pode supporlar por mais tem- gario D. iS.
1:0 os cilicios A inda nao leus soFrido has- N uno Maria de Seixas.
tanle para ganhar o.ceo lhe disse elle aper- \ ice-C'onsnl.
lando-a, e agilando-a com lorya no lugar do ---------------------
corpoonde csiava os cilicios ; leito slo se re- !
lirn. TAEATRO.
Alguns dias depois mademoi/el.'c F ,
nao lodcndo mais resistir s dores a que o O Director lendo-lhe chegado de Lisboa
malvado vigario a condemnara, metleo-sna todas as Pecas do Archivo Theairal, penen-
caiim iulcirameule vestid*. Seus pas ad- cernes ao auno pp. de itj<), assim como a
mirados disto, a obriga a despr; mas, grande Peca Jote na Pensilvaniu e outras;
iiual loi a sua surpreza quando lhe encoulra- pretende pare as por en scena Ot'gauisar u-
rao os cilicios.soie a pelle Tra-lb'os com ma Socicdade Theairal, para fazer face as
o maior cuidado e observa que seu cor|io dispezas indispensaveis que demandao taes
nao be mais que huma grande cbaga. Tres Cecas. Us Senhores que prelenderem ser
dias depois a infeliz expuou i)% pais sou'ie- socios pudem reunir-se fazer seus Eslatu-
rao de sua propria boca alguns instantes ftn- tos, e dirigir sua commisso ao Thealro a
les da sua morle que .M. .. era quem assim tratar con
a ha va marlyrisado
Sabeudo que elles se dispunhao a accusa-lo,
M. ..se pozem lugida ; porem a justica ,
informada deste crime passou aperladas or-
deus contra elle ; foi preso em Lavaur don-
de hum gendarme (soldado da polica) o con-
duzio para Alby em huma sege mas alterna-
do, (lorreio Ofbcidl.)
Francisco de Freitas Gamboa.
Avisos Diversos*
ANN UNCI.
PelaCaixa da Amorlisaco em observan-
cia da Poriaria do Lxm. Sr. Ministro e Secre-
tario d'Eslado dos Negocios da Fazenda ex-
Sgy Quem precisar de um hbil cozinhei-
10 cstrangeii-o na ra Nova ao peda ponte,
lo|a de quarlinhas e 'a/.eudas se dir aon-
de est.
i^* Quem precisar de seiscentos e cncoen-
la mil res a juros deduis por ecuto ao mez ,
com bypolheea segura, em predios dirja-
se a mesma casa cima.
ssy Aluga-se lre,s armazensdo sobrado de
pedida a csla Reparlico em 11 do correntc tres andares da ra du Cadeia 03 quaes dei-
ta a frente para o paleo do arco ds Santo An-
tonio-, quem os qiser dirija-se ao sobrado
que faz frente para o pateo do Hospital do Pa-
raizo e ra da Roda ; das 7 horas da raa-
nhl as 9 ou das s as \ da tarde.
ty Offerece-se para ama de umi casa de
homem solleiro ou casad) de pequea fa-
milia urna mulher de boa condoea ; na ra
do Livramento D. la primeiro andar.
tsr A Oria (je se oerece pira servir
urna casa diripi-sc a ra da Glora sobrado
novo junto do Sr. Haudeira*
ss" Negocia-se urna divida de pessoa desta
praca de 814,000, di qual ha documento
seguro ; no largo da l'enba.lado qil vira pa-
ra S. Jos D. 5.
3t^ A aula de primeiras letras da ruado
Jardn continua anula a rereber alumhoj pe-
lo diminuto pMee dedous mil res ; Os Srs
pas poderrunf.irmar-se do respectivo Mes-
tre sobre o ad anta nento : na mesma^caza
existe urna Aula de Francs regida por uia
hbil moco e outra de Lalim e Rhetoriea ;
quem as quiser l'requentar pode apparecer
a qualquer hora do da.
t3T Urna mulher branca de bous costuraos,
oflerece-se para ama de casa de homem sollei-
ro 1 quem a pretender dirija-se a ra da.
Guia D. 19.
U7" Precisa-se alugar hum negro, ouroo-
leque que eutenda iiuui pouco de co/inlia :
quem o tiver annuncie.
tSW lJrecisa-se alugar huma casnha pe--
quena ou hum quarto em qual quer dos
bairros desta cidade ; quem a tiver annun-
cie.
XZT Frecisa-se de hum menino forro que
queira se entregar ao orli io de cluruteiro : nx
fabrica de charutos da !.i-vista ao pj da
ponte
jST" A pessoa que proraeteo certo preco pe-
la casa da Ra de S. Vliguel ;i- alogados so
anda esl rezolviao a comprar dita casa ph>
prero que otfcreceo apareca para concluir o
negocio.
ssy Oirerece-se urna crila para ama do
.casa : quem a pretender dirija-se a ra de)
Orlas casa u. a-ib.
tsy Aluga-se urna escrava creoula, que
sabe cozinhur o ordinario de urna casa tanto
para o servido interno como para comprar
etc. : quem precisar dirija-so a ra do Rosa-
rio e'streita botica de Paranjios que sedir*
quem aluga.
SS?" Joaquim Barbosa de Mello faz publico,
que tem justo comprar a Manoel Villar a sin
venda sita em Pora de Porta-/ Pf. 17 e para
conheci-nento das pessoas a (ju ti poSS Inte-
ressar az o presente na ceite/.a a.; ^iic na-
da lhe fien eiu responsabilidade depois de feito,
a compra.
S3T Quem precisar de um caixeiro portu-
tuguezde i5 annosde idade chegado na ulti-
ma embarcaco que veio de Portugal, para
qualquer negocio advertindo qua tem bas-
tante pralica de venda ; dirija-se a ra do
Rangel veuda D. 35, Na mesma casa precisa-
se de urna parda ou creoula que d fiador
sua conducta para fazer o servico interno ,,
e externo de urna casa de pouca familia.
zjr Gaetana Coelba viuva de Pedro JoseT
Gomes roga aos eredores do seu cazal com
especialidade adous que queiracom brevi-
dade dar aodam< 1 mlibellos que encami-
nbao pelo Juizo de auzenles Escrivo Arru-
da, cuulra os bens do mesmo.
lar Precisa-se alugar urna casa terrea cujo
aluguel nao exceda de seis mil reis por mez ,
piclerindo-se no bairro de Santo Antn!;
na ra Nova N. to5 se dir quem a pertende.
Precisa-se de 5oos' reis a premio de do
us por cento ao mez por lempo de um auno ,
e para segranos" dase um grade sitio no ter-
mo de Olinda sobre hjpotheca na ra de A-
guas-verdes no Cartorio da Provedoria.
No segundo andar do sobrado no fundar
ra Lireita D. 67 lingi-se capas de chapeos-
tanto de homem como do Senhora e vo logo
pregadas as mesmas armas, e assim outr t
qualquer faseuda para a cor que se quiser.
O rapaz Porlugucz que di/, entender da
Pharmacia dirija-se a ra da Cadia telha.
Bolica numero cinco.
ss^" Arreuda-se um silio na estrada de Jo-
o de Barros com boa casa de vi venda a
qual alem de bastantes commodos tem um ex-
eellente solo com latadas de parreira a os
lados da mesma e com muiros e ptimos ar-:
voiedus de (rucio, entre os quaes ha urna lin-
da jaqueira propria para recreio ; a tratar
com o Tenenle Coronel Manoel Jos Marlins ,
uo lugar da soledade casa U. .
i_jr Oerece-se um rapaz portujuez par
caixeiro de juabpier arruniac.io, leudo deze-
seiS a dezesete aunes de idade ; quem do sen
prestio se piiser ulilisar queira annuuciar
por eiia folba.


.IM


|
/
I
DIARIO DE PERNAMBl'C
VST Airenda-sc a loja que foi de mude-
mMia travesado Horario para o Quemado
I). 10 ; a Iralar na ra doQueimndo D. 3.
CT O abixoassignado comprot por or-
demdoSr I)r. Amaro Baptista Gumarfes .
Promotor Publico e Preelo interino da
Coman a da Boa vista, ilou meioi bilbetes
,]a i. parte da segunda Lotera do ibeatro ,
den. :>(>-? e 3u'7.
v rPcrde-se um bolao He ouro pira ater-
lttra ron um diamante, desde o arco da
ConceicSo aloCurpo Santo; queco oachou
lev* ao armazem por baxo do sobrado da mo-
ladla do \ igariodo Recite.
rtf \ pessoa que aununciou querer al-
mco, jaMar, e rea; dirija-se a ra das
Cruzes I). ' cy O Sur do uagcnho Bamburral, que
nnnuociou flstar em seu poder um pelo, que
io qm declarar quem bfi seu Sr se for de
y 5 gtlkoide idade pouco maisou menos al-
*ura regular cara lisa, beicos vermelhos,
'ornocn propor i i ios e pv* bem fetos .
apueja um > uro quandu es:.i Miado de
"acaoQui ama oquul fu .. < desde i de Ja-
neiro do corrate auiui i>ode mandar eulre-
u no lente Coronel >. que grati-
ficar toda a* despeza | os portadores ottaj-
nuncie para se n.......i busc
wp (i Si. 'I'!.esur.it 'i >' : lotera do thffn-
tro tanda a bandada de nio pagar oo taso de
sabir premiado im'in bbete de n 6 ib, em
razio dse ter deseneaminbsdo assini como
rga-se a pessoa que o acbou querendo res-
>iaTdirija-pe a.'* ova i* 3'
jto" No primeiro.andar do sobrado da ron
i!o Rangel deftonte <" sobrade que est; cabi-
do ao | J da casa que foi os d> versos reeebi-
pie
pa
to noras da manli no seu armazem nO for-
le do mallos.
C o m p r a s
a vida de um jogador a lorie de Nesle o
Marques do Ponibal drama o camponezli-
dalgo Julia ou os subterrneos do castelio ,
os crimes dos Jesuislas, ditos dos Papas bis-
toria de meninos pan quem nat for enanca,
%SS- Ulna neara moca ; ereoula que sai- e outros nimios folhetos, e toPJ sor~
ha coser e engommar ; na ra do b agut -
les casa do Dr /Vires.
mfV Urna geometra de Lacrois indi que
;e a uzada; nesta Typografia.
V en das
nti engomma-se toda quandad- > rou-
deteda ujialdade com mifa perfeico, e
por preco mais barato de que em outra qual-
quer parle.
i:*r Ai ida-se um silio na estrada de
Reten) coro bastantes arvores de fruto, e
casa para morar terreno para plantar; quera I ","
pretender falle eom Wanoel Bnern Caval- losdeaiimp*
cante de Albanerque," nos das uteis na ?B*e urtm,
6^2?* Para pagamento ou dsobriga de d-
vidas a venda col locada as tojas do s lirado
i| i esquina dos Quiltro cantos da Uoavisla com
os fundos de um cont de res que poderao
'.n augmentados ou diminuidos a vonfade
u
do comprador : ad verle -se que a mesma
venda be excedente para negocio pela su a lo-
cahdade : F pe 'tendentes dirija-se a Ma-
tioel .Toaqtiim remandes na un doCotuvello
ID. i5.
OS* Le t'.ov do verdatleiro, viudo de Tran-
ca ; na ra larga do Rosario, loja I) 7.
ty Queijos londrnhos presuntos ingle-
yes bal*.tas ditas conservas da todas as qui-
Idadosera frascose meios ditos, salmfio em
larasde'ura eduas libras, lalas de sopa de
carne preparada hoioes de tripa em conser-
va vidroscom mnlbo de toda9 as qualidades
para earne e peixe vidres com differentes
fi 'as da efopa em conserva, caixiubas com
poa ik'seidlilz, cb de todas as qualidades.
um cfi'ixas g'rartdes de 3 libias, e caixinlia^
de libras e a reta I lio violtos de todas as
qualidades em g/lrrafado e em buiiz, cestos
de cbampagnbe caixas de clarete serteja
branca e pela agoa arden te de tranca em
quartotase garrafa, geiiebra da Holland* ,
carne de vscca e poico salgada era barr |ie_
tas de lona cabos de Hubo tintas de todaa
as qualidades olio de linbaca azeite de
limeulu de carteiras ; no caes da alfaii:le>a n
prmeiro armaieiU .
BT V'inlio de Bordea di e de'todas qna-
lidadades ein quietlas barris e em ci-
tas por preeo muilo comnodo na ra da c-
llela em casa de A lloscb D. 17.
sr^- Urna partida de couros espichados pa-
r,a 'cobrir bahus; na ra da Cruz n. 07.
ty Taboado de picho tanto da Suecia ,
como Americano desdperor qualidade e
arcos para barricas, chegtdoS ltimamente do
Porto, ludo nr.r preco commodo ; no arma-
zem de Jos Antonio Silva Vianna, no le-
le do mallos.
ttT Um esrravo de na.To de idade de **>
anuo, vende-su por preeiso, Ires escraras
denaco, de boas figuras fazem lodo
vi^o di una casa um caiirinlta de idade de
11 anuos proprio para pagem ora escravo
moco proprio para oservico do campo, urna
escrava de idade de o anuos boa engomma-
deira una dita propria para boceteira en-
gomla co/ini a e cose, todos estes es-
era vos se do a contento, eseaoancaas boas
vendas ; na ra de agoas verdes > 5B.
tT Spe mcete de > e 6 ein libra crav
da india graixi n ^o arro< de casca e
9
'.ominadeuM c la*
pape! ib' peso ; ni ra das Cru7.es 1
tsy urna negra boa ^
todo o ser vico de urna casi; na ra estrella
do toaiio i) q prmeiro andar.
HT Capim de planta a -oo rs a arroba ;
no Recife porto das canoas onde tem car-
roca tortia-se fregilezia, tambera lem ca-
pim secco para embarque ira ando-se na
vespera com Mauoel da Silva Mola na ra da
cadea n 6
IZF Urna negrinba de idade de 10 anuos ,
bonels escoce/es cliapeos de
speio do aigodlo | P""'" c,,ixa.s co.m &*l<*< af* d* Cl,,,,ia'
sly CouslaSdo ao ab.mo asignado que'^vlm, calcado glw, oculos Qeverao
ilfandeca velba armazem n. i
coser
peixe caixas cora vellas de spermacete l'a_
misas brancas finas boies de graixa lij"- bem parecida com principios de coslura por-
os de ulimpar facas camisas de baela e*1- fer andado na escola ; no Recife ra da ca-
te ------- ^
exisleemgi.ro um valle ou fita em sen no- ?nge e outros muitos objeclos ; na ra da
engom-
me. laz ubli.o que elle nao Um valle ic.,.. * ..brigaco ou lelra de sua firma a excepeo U.na molata que sabe
de waa letra, que existe em ,.,:, dus mus 1'r e counbar, om um filbododow au-
iones Kduards, e outra lelra sacada por Gui- ""s i ll Cr"l" ()-.-
deia loja u. -*ti.
iSW Urna pmcao de pedras para moiobos,
por preco commodo ; na rindas Cru/cs U. 7.
S^" A vendada ra Direita l). 4 ; a tra-
tar na mesma.
tSf Bichas prelas muio grandes ebega-
das prximamente: no utlerro da 15oa vila
D
^i^" Gangas ama relias da campanilla a 800
rcis estopa a variada a jarda a 90 lis um
bonito boi decangalbae carioca; na quina
V&- lim arado novp muilo proprio para da prainba do Livramento lujado Burgos.
lavdnras de campo ; na serrara por detrs da! *" Do vallo pedrea muilo novo e de
ra do Fagundes. I bout figura na ra da seruala velba nu-
C^- Cima canoa aberta que carrega 6ool,nert) 3
usporcentoaomc. sobre hypolheca em lijlos nova e bem construida, um cava-I W Un moleque de idade de .6 anuos,
sdea,zneslaCidade; na roa de Hortas lo que carre,;a ba.xo e travos de mangue de Lem parcelo e opt.mo para ser aplicado em
boa ((uafidade .; pranches le louro e se- qualquer servico 5 na rua da praia sobrado do
Sr Antonio Aunes no teicciro andar.
xj~ Petos de cainhraias para camisa de
di
ar.
maraes Ferreira aceita por .Manocl Fran- ^ Um cravo do ,;eolio de angola, moca,
risco Guimares endcada pelo aba xa ass- na r^a do Koaano larga D. 7 no lerceiro an-
guado por tanto be falso aquella valle e o
abaixo assignado protesta proceder contra o ta-
ctor d'elle, como fabricador de firma falsa.
Luiz Gomes Silverio.
lF" Da-se um conlo de res a piemio de
dous
be
D.lS.
C^- Aluga-se um sobrarlo de .i andares e
sotao sito na rua da Cruz do Recife 1) H ,
cora frente para a la dos lanueiros, cboa
. isla para o mar ; a tratar no mesino
pos de pedia de Lisboa a algumas ombrei-
ras 5 nu rua do A mor i m casa jiinlodo sobra-
do do allecido .Mouleiri
boincm com babado de
preg
uinba
lcu-
iif- Por preco commodo um silio no'lu^l Vo" dcgorurode S e ii polegadu ; na lo-.

1 visos Maritiiios.
gar do paleo da casa forte com casa para oj ja Je 0uraasde 4 porlas mies
i.ascenle, e por isso muita fresca, ierras pro- Antonio
do arco de
prias torio plantado de lar.mgeiras e ou -
t2t l. ni 1 casa terrea na rni de S Hila no
PABA LISBOA sahini cora a maor bre- Irasfruclas, q,uu (odas do cercado em tres va i a Halar na rua dellorlas D. id.
parle da lados e parle do oulro lado, a cerca lie
vidade pos-.ivel por !er a manir parle da w" / |.....o o '"uro lauo a cerca lie
carga p rom pa ; o Bcigue Portuguez Socio- dfe limao ; a tratar na rua do ciblereiro so-
dade Capitao Sevariano Josa Vieira ; quera brado L> 5.
\ '4 r,oi sliio com meta lo.'on de
scravos Futidos
14 canas e maislatouras e ptimo para
tap Simio negro que representa l'er ti
anuos de i bule c.ilicil is lodos lemeos ,
uuiserranegar, ou ir de passagem paia o t^ um Miwnm meta legoa ue malla vu-
nue lem excellenles cora modos dirija-fce a r.cra de consirucSo como seja aroarello, lou-
rua da Crux n. 2s a tratar com aiunel Ri- ">". esedro, ihuitoiboas Ierras para mandio-* .0m caloiur,,,n) na testa, os dedos grandes dos
i.ei/o tia silva
fulla muita ladino de idade de .8 annos ,
esle-molequcprrlencea Anlonio Jos Allonso
eesteve a lempos srvindo no oolleglO da S.
Cruz ; quera o pegar leve a rua da Cruz n.
57 que ser recompensado.
BT I*o da %% do correle desapareceo um
oeMiavo anda irolccle dff noaae 3cio.de
nacoS. Tbom, idade de .voannos, boa
figura sera barba altura regular Wltt
grossa levou um gtiltiao no p direito o uu
a o pederia ter tirado tem Biguaes de bubos
nos ps e ao lado do dedo mnimo 1I0 p di-
reito tem urna sicatriz ainda mal curada pro-
cedida la libera de bichos tem ja por varias
vezes dado suas fgidas mas tem sido sem-
pre pegado nesla Cidade ; tuem o pegar le-
ve a rua direita padaria D. i i casi de 3 an-
dares, ou na Boa vista ruado Rozarlo entran-
do para o paleo ;'aS. Cruz sobrado de dous
andares, no segundo, que ser reco npensad .
5y Fogio nd dia o de Viarco um cs,."'a-
va de nome Janoel, de naco uacauge a
Joaquimdo Reg 'treira com os stgnaes
se. denles faltos 111 lenle dd parle de cima,'znu-
bl das pernos meten lo o- oelios para den-
tro uuda pelas otarias e sitios pedin lo que
! lazer e por ssio annunHaule pele a lodos
os senhores que tiverem estes estibelertmen-
los assim como a lo.las as pesSJas que o e.i-
contrarera ou d^lle tiverem noticias, baj o
por abse piio de manda-lo prender, e lva-
lo a casa do ann oficiante lia rua do tiozario
: i) 11 que ser recompensado
i-V No dia 6 do conente fugio um negro
por nome C'igo nco calabar com os sig -
mies seguidles estatura regular, seco do
carpo mais de 5oanuos, cara redonda, beu:
barbado e um pouro fula picado de bexi-
gas nariz ctalo grande tabaquista c al-
guraa cousa calvo lem canella fni-u um joe-
liio pouco mais gro>so que o oulro e os ps
um podco apalheiados: este negro | foi ven-
dedor de pao pelas partes do Rozarinho Ca-
za-Ib re, loco, l Uliuda ; levou carniza e
seroula d'aljjodo e chapeo de palha esto
referido negro uiuito regrista e por isso ro-
g-se a toda e qualquer pessoa que o encon-
trar o roandem pegar ( nao se fiando as
SUAS labias) e o niandem entregar na rua dos
(uarltia, paderia U 5 onde sei genero-
samente compensado du seu trabaibo
tar Na madrugada do dia ib do correnre
fugio do silio do Ur Francisco Xavier erei-
ra.de Brilo umseu escravo creoulo de no-
me Joaquira natural do serlao du Itrejo da
Madre de Dos, o qual foi encontrado na
mesma manda na estrada de S. utao em
com|ianbia de urna peela o otesmo lem de
idade at anuos alio, ebeio do corno pei-
nas ebra,os musculosos semblante alegre,
Lilla um tanto rouca conduzio a roupa du
seu uzo e urna irouxa de roupa ; (uem o
pegar leve ao atierro da Boa vista i>. \ Ao
lado sul que ser generosamente recompen-
sado.
T^Jr lloga-seaos Snrs. Sub-Piefeilo.''^ e
mais aulhuridades desta e mais comarcas 1:
pessoas particulares que souberein OU virem
um negia de nome Josefa de idade de J i
anuos altura regulsr seeca do corpo cor
fulla nariz chalo com una marca de ferro
tle sua tena em cima um dedo grande ale-
jado em urna das tuos ais peq-uenos eos
luma dizer que be loria e mudar de nome;
queiQ a pegar leve ao alieno da ilo.i vista 11.
4 que ser gratificado com ao 000.
1 s tollos para dentro duas (cridas na per-
iro uu 'ii>.i -- 1- 1.....- .1 ... ir
PARAOARACAT1 o Patacho Nacional um engenho; casa de faer farinlta com os iiaetqueida, e carangaigeiro, quando ru-
Maria Luza Capilao Ignacio Marques, seusaviamcnlos.com muita exccllcnte agua
quera quiser carregar en leuda-se cora o dito correntc sTo na freguesa dos ezerros siio
apilan, ou cotnseudono Antonio Joaquira do tumbe de cima ; a fallar com o pro/rie-
dc Suuza Rbeiro. ,li! > ''' ",i :,i Vlarlros l> 10
PARA O CEARA' a Jumaca Emilia,.Mes- VST Lima negfa anda mova de nacaoca
treJeionimo Antonio de Souza j t\w,n qui- cange colinda o diario de urna casa, ensi-
/er carregar enienda-se rom o diio Capitao boa, e vende ua iua; na rua dos Mari ros
ou com Antonio Joaqun, de Souza hilmira/jO- ti lado da Igreja das ti al 9 horas da raa-
nlia i na mesoia casa urna camisa e u'ta loa-
Iba toda a berta de ia\'arinto
,1 l*" Oo lroca-se por escravos do servicode
ity Que f.ucm Russel Mellon &C por campo, 4 casas novas, e glandes, urna na
mata de quem peilencer e ior nteivrnviu rua do Padre Floriauo outra na ruaAugua-
saorai de algo- la eduas as 5 ponas ; a fallar com A-u-
JL e i i a u
dio era rama as quacs Ibra uvariadas d goa
:,atgada
iih CHtasiao que a alvuieuga as cuu-
lii/a paM i 'to >ia buica ingie.a Wlliam
Kusseli : Terca lena at do trrenle :is iu
Utn.isda iiinl.a 110 Irapicbe do algo.l.io no
ioiit' ti. .w.iiios advcrib-se qne as meuco-
nadassaeeas s*uao vendidas cintres loara eu
dlnbeiro vista
- yue Ittzem Crablrae Heyworlb os C. ,
,r inteivencao do Coirelor tivcira, de
um completo sol tmenlo ue lavendas liigtezas,
(,oe>(. venden b'S n.aioies pl ecos que se
jtertrtcm} quarlafcia 9 cwreuie as
Ionio .aulas do llego Soronda na rua do
Cabug
\^j- Urna escrava creoulu de idade de iq
anuos cose engoinmu retina assucar faz
doces de varias qualidades e eozindii com
oerfeico ; na rua direita l). ^o lado do Li-
\ 1.1 ment
u?" Colleces de musa para pianno con-
lendo as mais modernas coulradancS variu-
es siuiboa, caprichos, carias france-
z.as o archivo Ihealral conlendo o mais mo-
dernos dramas orll.ografi.i do. Aladureira ,
Jo-c *. vesitando oscaiceres, o* Jo annos cu
ioaudavu vendendo Carauguejoi, e se inti-
tula forro fugio no dia do correte : os
apreeudedores levem-oa rua do ollegio, aiv
mazem i> 10 onde se dai ioUqoo rs. de
gralic.'.cvo
IS" Fugio no dia a do correne Marce-
lina caba estatura regular de Idade de
ao anuos, e de agradar! preseoca-, terna
canela direita nrquiuda um talbo por baixo
daoarba e mais fcilmente se conhecer por
estar prenha levou vcslido de edita amarla
novo e um panno da costa velbo ; quera a
pegar leve do atierro da i3oa vista >. j que
sera recom iieusado
t-^> iNodu /; do correte fugio um ne-
gro de uome Joio de idade de u unios,
estatura baixa cara redonda fiziiiomia ..le-
gre, sem .leiiie; u 1 hen.e lur.ado o lado
uireilc pouco sencivel jiorcaua de ar ch l. 11
lo os pe's rauco ochados levou vestida ca-
mba de chilla azul, calcas de brm branca ,
jaquela de meiira acul ha descoufianca que
toinou a direyao par 1 o Ro Formozo ; quem
o pegar leve a rua do Livrame.do L). 7 que
ser lecorapensado
tur- aunada dr- Aieluia fugio um moleque
denoiueSebasliio do gento de angola, eor
JIoVHK'lllO lio PotO
NAVOSAHIDO NO USA a5.
PRTOS DO NORTE 5 Paquete de Vapor
JNac Pernambucanii, v oraraaudanle o Ca-
pito de Fragata uicardo liaydem passa-
geros o, a eacravos cadetev e 8 sol-
dados.
ENTRADOS K" DIAa&
CTlMiUlA ; 5 das Patacho Ara II '-
cano Lio df. .0 tonel Cap. Citark ,
eauip. to ; a Schraram.
OBSER-VAgOEiS
Suspendeodo lameiroo lrigue Sueco; ese-
guio o seu deslino.
Deo fundo no lameliao urna Escuna de Guer-
ra menea na.
So dia 77 enlrou para o mosquero a Es-
cuna de Guerra Americana Euterpesi, vem
ueiN'ew Yoik', em 40 das, Commandante'o
1. Tenenie F. Ellerv.
UL.Cll- l. AA VJ f. AC.ULir, Pt, f t *04*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUJ688X3N_3XW4IB INGEST_TIME 2013-03-29T16:40:12Z PACKAGE AA00011611_04074
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES