Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04060


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1840. Quarta Feira
_Tndo agora depende de nos mesmos; da nossa prudencia, modera,
^o, a energa : continuemos como principiamos e seremos apontados
com admiraco entre as Races mascullas.
Proclamacao da Asscmblca Geral do Bratil.
.!
O 0 ----------------------
Subsrreve-se para esto folha a 5/ooo por (piarte! papos adiantados
nesla Tipografa, ra das Cruzcs D. 3. ena Troca da independencia
ns. 37 e*8, onde recebein correspondencias legal isadas, eanitsucos,
1nsirindo-e estes gratis, sendo dos proprios assi-nantes, c vtulos issig-
gnadoa.
Partidas dos Correios Terrestres
Cidadeda Paraliiba e Villas de su pretenro..............
IJila do Hio Grande do Norte, e. Villas dem..............
ita da Fortaleza e Villas Jdcm.....................
Villa de Gonna..............................
Cidade de Olinda.............................
Villa deS. Anto.............................
Dita de Garaiihuns ePovoaco Ditas do Cabo, Kcrintiaem, Tio l'orrnozo, e Porto Calvo........
Cidade das Alagoas, e Villa de Macei....................
Villa de Paja de Flores.............................
Todos os Correioi partein ao meio dia.
ii!
Segundas e Sextas Fciras.
. Todos os dias.
Quintas fciras.
Das lo, e i!\ de cada mei.
MiMii 1 ii, e n dito dito.
dem dem
dem 13, dito dito.
y 8 dr Abril. Numera 80
CAMBIOS,
A BE 11. 7.
Londres...... 3i ia d. per t/ooo ced.
Lislwa....... jo a y por o/o premio, por meta!oerecidnj
"'"tea.......7>jo rcispor lr; Iin de Janeiro ao par.
OLiHO Moedaa de 6?4oo rs Velhas i405io a i<7 l>ils ,, ,, Novan ijfaoo a ijjo.i
r)i' de 4|boO n., # PKATA Pataces Brasiljiros.......I^i> a i^o
\, Peos Columnarios------------- '(}" '#81.
Ditos Mexicanos----.....-- ,<0bou a iGao
Premios das Letras, par mes S i/S a 1 ip yoi lo
Moeda de cobre 5 Dar 100. de Dias da Semana.
6 Segunda-----S. Marcelina M.......- Se5o da The, e and. do I. de L>. d i: ;
7 ]er?*------S. Eptfanen H.-----.......R#|., e aud do J. ja I v d i C. de m.
o d AbrilQuart. i>. Anuncio l!.------------------Sesso <11 TI
9 Quinta-------S.. Demetrio B.......-----RelacSo, e aud. !>.l. de I). da >. v.
10 Sexta-------, As Dores de N. Sra.......Scs. da Tin i. !. do J. de l) da i r
11 Sabbado S. Leo P. Dr da Igr.......Bel. c aud. do J. Je L: .,., ., v.
i a om. de Ramos S. Vctor M.---------
Alare cheia para 3 dia 8 de Abril.
As 9 horas e 18 minutos da Urde As 9 horas e 4a minutos da manli.
PERNAMBUCO.
Diversas lieparticoens
^LFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Galera Ingtez Emily, vinda de Londres,
entrada em 3 do rorrele, Capito Wardde,
consignada a Me. Calmont & Comp.
Manifeslou o seguinte.
39 harria com oleo de linhaca, n barricas
com alvaiade i5 fardos com fasendas d li-
nho, 5 caixascom pianitos, 100 barricas com
graxa 4o3 barris com tinta 6 caixas com
fasendas de linho t ditas com biscoito 78
ditas com armas 1 dita com fasendas de seda,
i3 ditas com chapeos de sol. 1 dita rom re-
logio a ditas com livros & mappas, 1 dita
com camas de ferro il\ \ barricas com serveja,
54 barris com chumbo de munico 5 pi-
pas com vinho, i% meias pipas com vinho, 33
quartolas com dito 600 barris com plvora,
6 barricas com tinta de ese-rever 1 dita com
tinta em p.
Fora do manifest.
98 cestos com batatas a barricas com quei-
jos ni caixas com pos de Seidelitz, 1 volu-
ntes com pennas d'asso, 1 dito ignora-se
- f espingardas decassa j la jarras com tri-
pas, 1 caixa com rotipa e vellas.
O Brigue Inglez Mars, vindo de S. Davids,
entrado em 6 do corrente Capito Johon
Aulhim, consignado a Me. Calmont & Com-
panhin.
Manifcstou o seguinte.
o 51 Tonelladas e 5 quintaes de carvo de
pedras.
MF.ZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do N. 7 {.
CORREIO,
O Brgae N. de Guerra Constsnca recebe
a mala para o Hio de Janeiro boje 8 as 5 ho- '0
las da tarde.
Boa-vista e o a. a requizico de sua Snra.
por dezobediencia
E' o que consta das partes boje recebidas
n'esta Secretaria.
EDITAL.
Francisco Antonio de & Brrelo Prefeito
d'esta Comarca do Recife &c.
Faz saber que na Cadeia d'esta Cidade ex-
iste desde odia ao do corrente em que foi
preso e ella recolhulo um pardo que
disse chamar-se Pedro ser escravo de An-
tonio Francisco branco solteiro morador
na Villa de Campo Maior e ter fgido ha
dois mezes.
E para que chegue noticia do raesmo An-
tonio rancisco ; ou de quem suas vezes fuer;
mandn o dito Prefeito fazer o presente Kdi-
tal, e publicar pelo Diario da mesma Cida-
de
Recife 37 de Marco de 18 {o.
Sa Brrelo.
CONSULADO DE FRANCA EM PER-
NAMBUCO.*
Frela-se um navio at i3o tonelladas para
conduzir da Parahba para o Rio de Janei-
ro, carga salvada do Navio Provence-
naufragado ; os pertendentes poder diri
gir-se a Chancellara do Consulado de Franca.
O Cnsul de Franca
Barrer.
Fellaco das plantas exticas do Jardim Ro-
tan ico da Cidade de Olinda que s tem
da do a diversas pessoas ;.a fm de se propa-
garem tiesta eoutras Provinciaes do Bra-
zil desde o mez de Marco do anno de 1858
a t Marco do armo de 18 Jp.
O Rilo. Fr- Miguel Lopes Gama, 2 pez de
sapo ti se i ros e t de frua pao de massa.
Job Augnsto Gottvea tres ps de canel-
leiras dous de cravo gerofles dous de gro-
selei ras
Marcos Antonio de Macedo dous ps de
pimenta da India dous ditos decacaoeiro ,
dous ditos de crovo gerofle
Manoel Nunes Garapa, 3 ps de fruta pao,
tres de cravo gerofle, tres de grozeleiras dous
de cacaozeiros, dous de amendoeiras da lu-
dia dous de pimenta da India.
Joao Nicolao da Silva dos ps de grose-
dous ditos de amendoeiras, a ditos de
ras
O Inspector Geral das Obras
en a todas as pessoas
ior
Boa-vista
ubii
cas
Juaquim Lopes Machado dous ps de pal-
meira real dous ditos de caneleira dous d-
de cacao hum dito de fruta pao de
massa
Jotjtiim Jos de Carvalho, hum p de
cravo gerofle, hum dito de eanelleira.
(tese incumbiro de Francisco Jos de Maltos, 1 p de cravo da
ponte da India -.. de Libis i de Jambeiro.
Joao Severino dous ps de palmeiras re-
aes dous ditos de cacao dous dilos de pal-
I mei ras dous dilos de fruta pao, 1 dilo de
de Abril de balimbi.
bretidade
que hajo de as conduzir
, a im de nao parar aquella
du tanta necessidade.
Jnspece-uo das Obras Publicas
, ro-
do
com
obra
i84o
Mo
raes A nCora
PREFEITURa.
PARTE DO DIA 7 DE An,tlL.
Padre Vigario Periquito lre s ps de era
in 1? c r. ditos de nogueira, d
Illm. e hxm. Snr.Forrio presos hontem : dez dilos de palmei
a miona ordem e tivero boje destino : Cae-; Cirur,iao Franci
tao Joze, lerreira pardo e Antonio pre-1 ns de fruta pao de
to escravo de Antonio dn ..i r.,i. L_.;:_ j*.. j:.
vo gerofle 1 d frua pao 3 de cha da In-
dia Ires de caneleiras.
Ignacio de Loiola Calado, dous p^s de cra-
vo, gerofle dous ditos de groseleiras, dous
dilos de aogueira, dous ditos de amendoeiras,
ira real.
isco Jos da Silva dous
pre-1 ps de fruta pao de massa dous ditos de aa-
Cunha ,! puttseiros, dous ditos cacaoeiros, dous de a-
ea, dous de palmeira real.
Felippe de Barros dous ps de fruta pao
de caroco, hum p de frua pao de massa.
Joao Francisco Coelho dou* ps de fruc-
ta pao de massa dous de saputiseiros, dous
de cravo da India
Joo Severino do Jom-fin, e Braz, do Dia-
rio tres ps de fruta pao de caroco tres de
ciavo geiofle dous de cha da India dous de
caneleiras, de palmeiras reaes dous de cacao,
lei
pimenta da India dous ditos de coralinas ,
dous pes de ciavo gerofle.
Claudio Berthelod.
Jos Francisco Bellem, dous ps de fruta
pao de massa.
Joo Augusto dous ps de fruta pao seis
ditos de palmeira real.
Joo Augusto Pereira tres ps de cane-
leira, dous de cravo gerofle.
Francisco Ignacio de Sousa Gouvea dous
ps de fruta pao
Silvestre Antonio Laage, dous de cravo ge-
rofle.
Francisco Manoel Carnero da Cunha do-
us de fruta pao de massa.
Joaquim Baptista Moreira, cnsul portu-
guez, pedio plantas a serem remettidas para
Angola dous pes de fruta pao de massa, do-
us de saputiieiro, dous de mangabeiras.
Vicente Thomaz Pires de Figueredo Ca-
margo, seis ps de fruta pao de massa, dous
de saputiseiros
O Padre Vigario Periquito tres ps de
fruta pao de massa.
Joao Antonio Fernande Carvalho.
Ignacio de Almeida e Castro dous ps de
fruta pao de massa. dous ditos de cravo gero-
fle, tres de cha da India dous de cacao, do-
us de caneleira
Para o Cnsul Americano Jos Ravs ,
seis ps de fruta po de massa, oilo ditos' de
saputiseiro
Segunda remessa para Angola pelo cnsul
portuguez, quatro ps de Enzenia jambosa,
seis de mangabeira.
Joo Manoel Mendes da Cunha e Azevcdo,
seis ps de Saputiseiros seis de fruta pao de
massa, dous de cravo gerofle*
Doulor Lourento Trigo de Loureiro, qua-
tro ps de fruti pao de massa. <
Jos Eleuterio Carnero da Cunha, dous
ps de fruta pao de massa, deus de saputisei-
ros.
Jos Antonio Fernandes de Carvalho do-
us ps de fruta pao de masa, dous dilos de
Saputiseiro.
Jos Elenterio Carnero, tres ps efe fruta
tres ditos de amendoeira.
Continua.
escravo de Antonio dos Santos
pelo Sub-Prefeito de S. At.Ionio este par
eslar em desordem com outro de um assogue,
e querer leril-o com urna laca de pnnta e a-
queile por ter comprado uns oculos apare-
jados d ouro e furtadoi pelo preto Dam-
ao, abrancscoGonies de Oliveira ; Anto-
nio e Joo tanibem pretos este escravo de
D. Jozefa da Silva Cuimares e aquelie de
Manoel da Alotta morador no lugar da Ser-
ra-verde destriclo de Naluna por um sol-
kJui?* por estar fgido, e ter dous de groseleiras, dous de amendoeiras,!. Ug^Mrticalar delr^ Othoou ia-
quebrado urna peca das grades da Ponte da d.e nogueira lium de pimenta da ludia, '
O TALENTO E A APTIDA.
Quando se falla da vivaciJade e esperte-
za da juventlele nao ha vocabulo mais Iluso-
rio e at fatal, do que a palavra- talento. -
Dizer a um rapazque tem talento as
mais das vezes cotiverle-loem ignorante e es-
tupido. J se sabe que o defeito nao est na
palavra mas sim na errada intellgencia que
ordinariamente se lhe d. Se nos pedirem a
defini-ao de-talento- diremos que consiste
na aptido dirigida e aperfeicoada pelo estu-
doj-, eestamos'intimamente convencidos que
predade d'eita definico
Militis ha por natUreza dotados de excel-
lentes qualidades e dsposicoes para chegaretn
ao auge da scienca e que ou por negligencia
propria ou pela desfavoravel posicoem que
se acho na Sociedade vivera .ignorantes de
suas faculdades e morrem desconhecidos em
limitada esfn. Noistoque chamamos
-talento- pois se este fnsse simplesmente al-
gum dom orcultoda natureza distinctoe in-
dependenle do estudo deveria dar-se esta
nome simples aptido sem exercicio ; o um
liomam que poderia ter sido poeta ou criti-
co seria to credr da nossa admiraco como
Homero ou Longino. O exercicio da aptido
que descobre e desenvolve o talento ; e a-
quelles a quem a natureza dotou de maior
quinbo decapactdade por dever para com,
o Creador e a Sociedade e para comsigo ,
teem 0H1 igacao restricta de a cultivar com as-
sidua dili;ene-ia : porque faltando-lhe todo
o esforco necessario muitas vezes a habeli-
dade se perde e em vez de produzir flores
odorferas e fructos preciosos gera somente
zizania que lo nociva c n'um terreno pro-
ductivo.
Porm quando os estudos sao bem dirigidlos
ao seu verdadero im e inspirados por no-
livos honestos ndubitavel que nao sti
do incremento ; sotnma dos prazeres e me-
Ihoro a condico social do bomem applicadu,
como tambera o que anda mais impor-
tante, azem que seja este venerado de seus.
concidados e abencoado do Co ; pois que
por elles se dilata c engrandece o enlendimen-
to e o coraco evita o mal para seguir o bem.
Descrever vida de um liomem re-tmenle ap-
plicado ao esludo da Sabedoria ser; o mes-
moque fizera descripeo do coraco huma-
no ebeio de toda a satisla-ao e innocencia da
q' a nossa naureza suscepvel, eaioda qu-
do o estudo nao tive.sse outra parle ilaii lade e
alm deafugentar do espirito os mos pensa-.
metilos, edo coracao os mos desejos, nem por
isso deveria deixar de ser recommendada vida
estudiosa pelos fructos, eue faz ;i Sociedade.
E' porem erlo que a applicaefo nao sendo
bem dirigida nao pode produsir as desejadas
vantagens. Os antigos gymnastas nunca de
improviso e sem preparaco exhibio suas
grandes loicas as solemnidades publicas.
Milon que seguudo affirtno can'ejjava com
mn Touro tiuha-se gradualmente costu-
mado a suster pesos enormes. Quera tem
motivosde julgar acanhada a sua iniellijMncia,
se quizer Bpe fi iea-la si carece de paiic-nca
e perseveranca no estudo a que a sua vocaco
ou nces dai c$ chama^ para chegara adquirir
conheetmeutos.
Talento natural f ccao da imap.inaco hu-
rnana : a aptido natural objecto pouco vul-
gar ; e o motivo porque O verdadero tajento
raras vezes se manilsta porque os que tem
aptido desprezo as aculdades naturaes ; e
presura indo possur o talento nocuro dos*
meios porque se pode globosamente alcancar,
( Do Panorama. )
jignw era scienca ^e arles confarraa a pro-
REFORMAS.
As ideas de abuzo no9 gastos, e de eiceao
nos ordenados trasem comsigo naturalmente
as de reforma Porem releva cofloear. aqu
cim farol, que dlnie esta perigosa reta.
Este farol, o principio de scgo/iica; at-
tcntaudo-se contra elle, convere-se o reme-


3
DIARIO DK NRNAMBUCO



lamer urna causa d'inforrunio ; e esta es-
lava ero suas mos o prevenil-a. '"' Bem sei,
(liria file que o meu superior senhor de
me dispedir ; mais eu promelto nada faser ,
que me exponha legtimamente a perder o
sen favor : es-me pois prvido tictalicia-
menle. Assim a reforma sem indemnisaco
ueste caso um mal tamanho to imprevis-
to, e injusto como no outro.
A esta razo de justica, e de humanidade
acrescs urna consideraco de prudencia. Es-
la indemnisaco conciliando o interesse par-
ticular rom o publico, da a este maior proba-
bildade de bom successp. Traquilisa os in-
teressados ; e elles serao os primeirosa faci-
litar as reformas, quando nao mais temerem
sofrer por ellas.
O homem de estado affastando assim o
grande obstculo dos interresses contrarios,
previa* essas o^otces clandestinas, ou es-
sas solicitaces par cubres que tantas veses
eslorvao os melbores projectos.
Assim procedeo Leopoldo Grao Duque de
Toscana. ,, A pesar da mullido de reformas
feas por Sua Alteza Real depois da elevaco
aolbrono. nao bou ve na Toscana um s in-
dividuo reformado de q i< m se pcdesse diser q'
io em veneno, e o reformador em algoz ser reformados de pancada sem equivalente ?
(i). Nao : ponrue esta differenira meramente
E* iodbpenaavel urna rondicSo, sem a qual verbal i lodosos casos, em que soem ser
toda a reforma maior abuso, do que o que realmente vitalicios esses lugares. De mais,
se pretende corrigir: condico igualmente j o possuidor.su eil o pela duraco do sen car-
pres'-ripta pala julica, prudencia, ehumam- g vonlade doseu superior, s Unba que
dade; e vem a ser dar-se huma compensando
completa quelles eujos salarios se deminue ou
cujos empregos sao suprimidos. O nico be-
neficio legitimo d'uraa operaco til lmia-se
nicamente a converter as rendas Derpeluas
em rendas vitalicias.
Nem se di^a, que a supresso immediala de
semelhantes empregoS de interesse para o
publico ? Fra isso um sofisma. A somma,
de que se trata, seria sem duvida um lucro,
considerada em si mesma, se viesse de mitra
parte se fosse adquerida pelo Commercio
etc ; maisdeixade o ser quando lirada
das mosdalguns individuos, quefasem par-
le do mesmo publico. Seria por ventura mais
ica huma familia iiorisso que opai houves-
re tirado tildo a um dos seus filhos para do-
V meihor os outros ? Bem entendido que
oeste rasso a espoliaco de um (ilho engroca -
ra a heranca de seus irmos o mal nao se-
ria em pura perda produziria um bem al-
gures. Porem quando se trata do publico ,
o lucro d um lugar supprimido reparte-se por
todos, em quanlo que a perda pe/a toda so-
bre um s O proveilo espalbado pela
multidao divide-se em psrtes impalpaveis;
a perda toda sentida por aquelle que a sup-
perta por si s. O resultado da operaco e
de nao enriquecer a parle que ganba e de
empobrecer aqueperde. Km ve/ de .im-
primir um lugar supponde que suppriniies
mil de/, mil cem mil, o prejuisoloial fi.
rara sendo o mesmo. O csbuUio !el<> a,n-
Hiarea Individuos deve Ae repartir-se enlre
milboes. ^ Os vossos empregos pblicos vos a-
presentaro por tocia a parte ridados infeli-
ces, que tere sepultado na indigencia; mal
enjergareis um s Estado que esteja ensivel-
mente mais riceo em virtude d'essis crueis
operaces Os gemidos da dor e os gri-
tos da desesperaco bradar de todas as par-
tes ; OS gritos de alegra, se taes houverem,
nao serao exprsalo da lelicMade mais da
nnlipatbiaque exulta com o mal dassuas vic-
timas. ,,
,. Que fasero taes reformadores para se en-
gaaren a si ou ao povo a respeito desias
grandes injuslicas. ? Recorren* certas m-
ximas pomposas que lera de mistura falsi-
dade, everdade, e que d.io a urna queslo
simples em si um ar de profundeza e de mis-
terio poltico. Uisem, que o interesse dos in-
dividuos deve ceder ao interesse publico Pe-
rem que significa islo aqu? Por ventura ..vi-
da individuo nao faz parte do publico como
outro qualquer ? Esse interesse publico que
personificaes nao mais do que um termo
abstracto que nao reprsenla se nao a ma-
ca dos iiitcresNes ndividuaes. Importa fazel-
os entrar todos emlinha de conta em vez de
considerar a uns como sendo ludo e a outros
como nada. Se booi fosse sacrificar a fortuna
deuin individuo para a a, i as dos ou-
tros, meihor fra uinda sacrificar a de um tor-
een o, ate cem, ale* mil, sem que se |>ossa as-
'imite al ;i!
para dfferentes lugares d'oulras Provincias
ou retirarem-se para terreno Peroambucano ,
e ali de novo s'estabellecerem ? Sim podem .
e ser este seu ultimo recurso pois que muito
presoo titulo de Pernambucanos. Da Pro-jwo Autor do Project o que vimos de dse ?
vincia de Pernambuco e dos seus ltimos j IVao por cerlo porem o meihor, ppro-
vincia adespesa ser sempre superior a recei-
ta P Respondi as Provineles io, Sergipe, Alagos, Parahiba do Norte, e
Rio Grande do Norte. Ignorar por vputu-
Administradores muito interesse colherao e
eslo culliendo os Paiauenses e mximo ago-
ra que (o:n depositado sua inleira confianca
ni marcha sabia e providente d'acrual Ad-
mi.iislraco. Pajauenses acordai e fien
certosquu de Pernambucanos livres, que sois;
passareisao vergon'ioso titulo de Caririzeiros.
e deCaririzeiros colonisados e por quein ?
Eu vo-lo digo ; por buina familia egosta,
vingativa c o que he pior nmiga das. ins-
tituices, que felizmente nos regem e igual-
mente por hum pugilo de Caririzeiros que
jase nao contenta em fabricar suas rapadu-
ras.
Desengane-seo Autor do Project desen-
ganem-se os seus sectarios que os habitan-
tes do Pajaii subrnissos nao sugelar-se-hao a
os seus desvarios enem lio pouco sufi.ca-
ro em seus peilos o bro Pernambucano to
condecido pelos mesmos Caririzeiros. Ajus-
ta defesa dos nossos direitos das regalas,
de que gosamos da traniuilidade que a
muilo desfructamos a sugeieao em fim que
de nos pretende exigir a Villa do Grato,
nao serao objectOS transcedentes e imp r-
tantissimos para [iroHuzir em nossos coraees
a mais renhida opposicao-Q execucao do Pro-
no tinha sido reposto n outro emprego (ja jeclo caso passe por Lei ? Pajauenses to
se sabe sem duvida equivalente ao primeiro), sagrados ttulos sao mais que suficientes pa-
ou que nao consegusse a titulo de penso a ra nos excitara mostrar aos Alencarisla. que
mesma somma ql recebia a titulo de honorario sabemos sustentar os nossos inauferiveis direi-
(3) ,, Com esta condico o prazer da reforma tos e que muilo apreciamos o pertencer-
puro; nao pode lia ver perico ; e anda mos a rica e Patritica Provincia de Per-
va e segu o pior. Conlente-se a alguna
expci taliiues |)ioporeionc-se-l!ies meios de
enriquecerem e pouco importa, que se a-
bisme o Brazil que boje se ve' hitando com
i mais leirivcl iiesle dos Estados qual a cri-
se financeira.
l'ajauepses, nao vos fascine o espirito de
novidade, uSo deixeis esfriar o nobre enlbusi-
asmo, que vos anima, e lemhrai-vos que
sois Pernambucanos*
O ajnense.
LOTERA DO LIVRAMENTO.
Acha-sc a A-enda nos lugares docoslumc os
bilheles da Lotera a favor das obras da Igreja
de N Senhcra do Livramento logo que aca-
bar de correr a do Theatro ser marcado o
da em que devem impreterivelmente corre r
as rodas. Roga-se pois aos amadores desto
jogo edevotos da Senhora do Livramento
(jueira concerre a compra dos bilbetes a fim
de que nao fique grande numero com prejui-
zo das obras da Igreja da mesma Senhora.
LOTERA DO THEATRO.
quando ella nao faca bem algum ao menos
pe em seguranra o objecto principal nao se
en leude com a felici'kide deaiguem.
(Traduzidode Bautham )
Correspondencia,
nambuco
Por tanto cumpre-nos diser que se aproxi-
ma a poca de patentearem os Pajauenses a
sua adbeso a Pernambuco de mostrarem o
enthusiasmo que senlem de serem Pernam-
bucanos e finalmente a total repugnancia de
verem-se perlencentes a nova Provinciado
Cariri Novo.Sao estes os sentimentos dos
Pajauenses be esta a declaraco authenlica
Snrs. Redactores.Rogo-Ibes a insercto, de suas vontades dos seus mais cordeaes de-
no seu jornal dos manuscriplos juntos que sejos c quic a Providencia nos preserve dos
se lem espalbado na V illa d* Flores. males, que se nos ant'olho passaudo o
Seu venerador e criado.
Z.
Senhor Redactor do Peridico Noeturiu)
Bem cerlos de que tererrtos terceira despedida
as lojas dosSrs. Manoel Goncalves da Sil-
va Cardozo A y res e Irmos e Viera Cam-
bista em a ra da Cadea do Bairro do Recife,
e as dos Srs. Antonio AlvesTeixeira Bastos ,
ra do Crespo ,' e Joaquim Claudio Monteiro,
ra do Queimado no Bairro de Santo Anto-
nio acha-se venda os Bilhetes-da primei-
ra parte da segunda Lotera do Theatro cu-
jas rodas andao impreterivelmente no dia 27
do corrente mez.
THEATRO.
O Empre/ario 'do Theatro em consequencia
dos prejuizos que lem soffrido na presente
Project. Quaresma se v as circunstancias (para pa-
gar os seus eropregados) de exigir pela ultima
ve/ dos seus devedores, as quanlias que de-
Bem convencidos estamos de que s pela vem ao Theatro : principalmente daqueiles
jficios em Outubro o
que nao pagarao ,
ro por conta sem
signar niHiie ar.um ; p0 quanlo seja qual
fot o numerados que sacrilicardes, lereis em-
pre amesma razo para ajuutur mais um
ri tima palavra oa o iterc*si primeito
sagrado ou nenhunvo pode ser.
,, Us interesses ndividuues sao os nicos
feavs. Tomai conta com os individuos, nun-
ca os moresteis nem consintaes que alguem
os moleste, etereisfeito oquedeveisdo pu-
.-iia nao ouso chama lo ex-Redactor e an- mais decidida e escandalosa proteceo, se- compradores de Beneficio
tes me animo a pedir-llie o lavar de inserir r approvado pela Asemhla Geral o Projec-, Novembro do auno p. p
em sua coneciluada foiba o seguinte commu- to do Padre Alencar relativamente a criacao "em ao menos deraS ainhei
nicado com o que muito obrigara ao Pajaur- da nova Provincia do Cariri-Aovo ; mas como' se lembrarem que as despez. sao pagas -
ense. ; nosuppomosque as Lamaras temporaria, e mediatamente pelo Emprezario ; e por isso se
Communicado I Vitalicia se deixem arrastar pelas relaees d a- ; Te* nas tristes circunstancias de (pela priineira
Muito se tem fallado acerca do Project do misade proteceo, e particulares alfeicoes VM) recorrer aosTribunaescompetentes bem
Padre Alencar, creando ha nova Provincia confiamos que pela impareialidade que os [ r"nlra sua vontade poisdeseja manier a stia
denominadai arin Novoque comprehen- deve caracterizar farao caducar o Pr)jeclo ,' pdavra e Ira/.er pagos em dia a todos os
dern alcm d'alguns Municipios do Cear e se o bem puldico he o fim a que se dirigem
da Parahiba o de Paja, se nao a meihor os actos do Legislador,
ao menos ba das mais brilhantes estrellas,: Nunca nos passou pela
que adornlo a nossa Provincia do Peruambu- tendo baqueado o partido
s'-us emjirpjj .dos.
Es
imaginadlo que
Al ncirista ou
, que tenhao aquel les que llies bem pela demissao do ex-Pr< ideute Ale
orem a Rectos. Em o Peridico Noctur- (Cliee do partido de que fallamos quella
a> desvanta- Provincia ) Se lembrassu al.-uem d
ico.
bl
Lm urna multidao de orcasasioes homens
que soriao pela operaco de alguma lei nao
dusaro queixar-se ou nao foro atlendidos
]ior causa dsta escura, e falsa noco, de que
,oinieresse particular deve ceder ao publico.
Mas se se trata de generosidade, a quem as-
sen la meihor exercel-a ? A' lodos para com
um ou a un para com todos i' Qual por
entura o peior egosta aquello que dezeja
-conservar o que teni ou o que quer apode-
iar-se at a lorca do que c' de outrem. ,,
',, m mal (|ue se sent e um beneficio,
que noappaiece eis o resultado dessas bel-
las opera,es tui que se sacrifica individuos
ao publico.(a) ,,
L iro: que esta regra ser boa para oscar-
gos e peusoes vitalicias; porem os (pie sao
de pura n;i-i( e que por conseguinle ha
ocmpie Uiieiio de ievcg-se, nao poderao
(1; Vide Tratados de Legislaco Tom.
2. Cap. ). bu Seguranca, Cap. 10. Ana-
lyse dos males que resulto das al ten lados
contra-a propriedade.
(a) Esta passagem e extraida dos Tratados
de Lfgislfo, lom. a, Cap. 15.
apera por lano que os
ditos compradores de beneficios, ouseui fia-
dores vc!iiio remir suas Letras at o dia a
do corrente impreteriv tdnu'iile em que deve
empregados e
mais credores.
co. Sim cu filio d esse celebre Project, chimango na Provincia do Cear, ou que teri-f e'! il-scom todos osseiii
que s lende a lser a felicidade do seu .Autor, do pelo menosdeixado de ser o predominante
de sua parenlelta, e de quantos afilhados ti-.em consequencia nao d;i nova orden de
verem a despeilo dos mais relevantes mere -; cousas, <|ue se ohser vava na Corte, como tam-
1 imentos
nao
no mestrou-se exuberantemente a> desvanta- Provincia
,,mis, que resuttSro se passar semelhanie tar hum Project de Lei, em o qual nao dee
Pi ojelo ; mas cu de novo procuro, nao cubrimos oulra mira, seno a aceommodac
torna-lo odioso aos Pajauenses, pois que o de huma familia descontente e a de lodos a
delesto, porem desengaar aos habitantes do] quedes que se disem emperrados, e'cegos
Crato que | m..i, este ameno e ferlil ter-i partidistas do Credo poltico proffessado.a
reno de Pajau, com seos habitantes far par- muito tempe pelo Cbimanguismo Mais ja
te com 1 onente da nova Provincia Alencana. vimos apprcsentar-se na Cmara dos Sena-
Se as rasoes de conveniencia e de utili- dores a Project do Padre Alencar n'sso senli-
dae sao allendiveis, quando se trata de hum do e presiimindo nos apesar da curta cs-
Projecto; podemos alfirmar que os nossos Le- lera tm que se acho circunscriptas nossas
gsladores faro caducar o Project de que ideas em Legislaco quecahisse tn timi
halamos j por quanto nao deve ser a conve-
niencia eullidadede hum individuo, ou
de huma familia que mereca os esforcos do
Legislador e sim a conveniencia publica e
a ulilidade do maior nunero e sobre ludo os
bons ou maos resultados que se podem es-
perar de qualquer medida Legislativa sao
que devem mover o Legislador a admisso ,
ou rejeico d ella.
A parte s dos habitantes de Paja, parte a
mais numerosa e abastada passando hum tal
Procedo, nao diremos que empunhe as armas
parase oppor execucao d'elle mas estamos
bem convencidos de quesenosugeitar a fa-
zer parte componente da nova, e celebrrima
Provinciado Lariri Novo. Por ventura
nao poderao os habilantes do Paja emigrar
(3) Indicaco summaria dos regulamentos
de Leopoldo, Grao Duque da Toscana Bru-
xeiias, 177*.
me
com magua vimos que Ibi ju'jado materia de
deiiberaco.
U Silencio sera a nossa parlilha, seo refe-
rido Project affetSSSS somente a Provincia
do Cear e quando muito s fariamosaven-
turai algus reflexes a respeito 5 porem co-
mo elle comprometa directcmcnle os interes-
ses dos Pajauenses, nao podemos callar a jus-
ta indignaco que sentimos, ao ver que nos
querem separar de huma Provincia patriti-
ca rica eabnnilante dos recursos deque
haviroos mister para nos aggregarem ao Cia-
to cujas proporces comparativamente as de
Flores sao alem d inferiores ridiculas. Se
a Provincia do Cear como actualmente se
cha composta das ricas Villas de Sobral, e
Ico mendiga como se sabe os auxilios de
Pernambuco o que nao far a futura Pro-
vincia do Coriri j\ovo no caso d'algum dia re-
alisar-se a sua existencia ? Quem por mio-
pe, que seja nao ver que em hu tal Pro-
1 O.MCO-TEATRAL.
Tendo principiado a obra do Theatro de
apollo no dia :o pp., e'tornndo-
se necessario piocedei arrecadaco da segn**
d 1 restacao de vinte |i ir (%nto do emprestimo
de i : 000U rs. com que para a ediieaco do
mesmo Theatro subscrevera voluntaria e
generosamente os Sis. Socios; a Commisso
Administrativa da Sociedade llarmonico-
l'heatral por este osavi/u a que se di."i>em
entregar no prazo de 3o das contados da dala
desle em casa do Thesoureiro Manoel Joo
d'Amorim na ra da Cadeia velha n, >i as
suas respectivas quotai como he expresso nos
arts. 7 e 8 da proposta approvada.
Avisos Diversos.
tsy Perdeo-se desde o-principio da Ponte
do Recife al a ra do Cahug uro alfinete de
peito de Snra. de ouro, do feitio d'uma elipice
com urna flor no meio, e um diamante pe-
queo dentro da mesma flor : quem o achar
querendo restitui-lo : dirija-se a ra do Ro-
zario da Boa-vista casa de dous andares en-
trando para o pateo da S Cruz no 9. andar
que ser recompensado na metade do valor do
dito alfinete
tsg" Offerece-se um rapaz Brazleiro para
Carxeirode ra ou para qualquer occupacyo ;
por estar livre de Guarda Nacional j quem o
pertender annuncie.


DIARIO DE PERNAMBUCO
S
.....ni"irTff-"
i
tZF O ahaixo assignado responden}n an
intempestivo annuncio da Sfirra. Gen
Mara do Sacramento inserido no Di u o de
4 dn crtenle mez em resp^sta aodo abaixo
assignado incerto em o do dia i d dito,
declara nao s mesma Senhora mas lamb :m
a quem eonvier que elle com bastante di-
reiio se oiga para |)or acci^ cono ptenle
iiaver da dita Sora tquaulU de btim cunto
Rereis, e o premio extipulado provenien-
te de huma Letra que sea dfanlo marido
Joze Gomes Leao quando vivo acechara ao
Snr. Joaquim Correia* d A raojo pela com-
pra de escravos que esse fizeia na occasio
que aqnclle Leao tratava de comprar o En-
renbo Jangadinha de cujas negociadas be o
abaixo assignado testemunha ocular de al-
gnmas dellas a qual Letra havendo-a o Sac-
cador dito Snr. Correia d'AraujO dado era
pagamento ao Snr. Francisco do Carvalho Pa-
cs de Andrade como se ve do pertence nella
posto este por nao conhecer a firma do Ac-
ceiinnte (como era resposta o decl'nrou as cos-
tas da Letra ) a nao aceitara reverleudo por
consegninte a mesmaao poder do Snr. Cor-
reia de Araujo que conservando-a a dera a-
gora em pagamento (por lransarcoes)ao abaixo
assignado que para seu embolco de muito
bom grado a aceitara como he praxe na or-
den Commercial; ergo nenbumas tra-
pacas existem ou podem existir neste ne-
gocio e se algumas !:a (o que se nega ) ne-
nbumas esla da parte do abaixo assignado Ces
sionario da Letra como indiscretamente o
di/, a Sra. Gertrudes em seu annuncio de ne-
nbuma valia ; poistjueelle trata e sempre
tratou com muita lisura em todos os seus ne-
gocios como ella muito bem o sabe e se
hade lembrar por o haver presenciado ,
quando em vida de seu marido com o abai-
xo assignado trataro da premulta de duas ca-
zas que tendo de repor-lhes anda este a
quantia de um cont de res, prompla. e com-
petentemente o fuera sem axilar. Jsto lie o
que por ora cabe diser-se a Senhora Gertru-
des a respeilo ; e no Juizo Contencioso ento,
dir-se-ha o mais que para l guardado tica.
Joa Tbomaz t erera.
^ EST" Fox &, Stodart, tem para vender por
prcos mui rasoaveis varias maquinas de va-
por tanto d alta presso como de eondenea-
copara Fngenbos d assucar e serraras ;
te forca de quatro cavallos, para mais; igual-
mente tem receido, famozos assenlamentos de
taxas de Ierro balido e coado tanlo qua-
dradas como circulares bem fornidas e para
Engenbos de assucar moeudas orizonlacs de
todos os tamangos e qualidades, tambores
sollos, e canelas os pn tendentes dirijao-se ao
Recife na ra da Sentada nova casa l> !.
-----O CirrgiS Gal vio residente na ruada
alegria frrguezia da Boavista pomo
chegado a esta Cidade se oflerece ao respei-
lavel publico par.' part :ar nos esos deiliceis
e perigoses : igual soccorro oflerece as Senio-
ras e mulbcres'qupela sua pobroa no do-
vem morrer ao desamparo era sacrificar sua
reprodneao.
is?- Btltrand Gentil Lawerce negociante
subdito Francez relira-se d esta cidade pa-
ra o Hat re.
OJ" A pessoa que annunciou q du-
zenlos mil rs apremio, por-tempo de dous
me/es : dirija-se a ra rio Nogui ira I)
tsy O abaixo assigirado leudo |>n is
ir brevemente Europa, previne aos seus
credores para que al ao do correte mez lite
qneiro appresentar nssuns contas para s
pagos j c aos seus devedores que durante a
sua ausencia se dever'o entender com seu n-
ino o Sur, Fernando Antonio idi que pa-
ra esse IIm icar competentemenle authorisa-
do. Antonio Mara I'idi \.
BT O Sr. Joze Ferreira Nohre, Vigario
do Asm,queira declarar a casa de sua residen
ca tiesta Praca
poi
is deseia-se-lbe fallar.
lay L'ezeja-se deitar um dente havendo
n esta Cidade pessoa qu9 o possa lser quei-
ra annunciar sua morada para ser inoculada.
S2f A pessoa que annunciou querer
comprar a casa da ra do Tambi : dirija-se
a ra do Queimado loja de fazendas defroule
da do Snr Magalhes bastos II.
tsr Precisa-se de 5ooUooo ou 600U000 mil
rs a premio por 6" mezes dando-se por se-
puranca urna casa livre e desembarazada:
quem quiser dar annuncie.
$j- Precisa-se um bomem para adminis-
trador de oiaria que saiba 1er c seja casa-
do com pouca lamilla : na ra da Aurora n. 9.
KS&- Roga-se ao Snr. doengenbo Bambur-
ral se o pelo que annunciou leiu os signaes
segu ules : representa ter a annos nago
angiro, ladino, alto, seco do corpo quan-
do falla um lano yago de nome Mal heos ;
o qual fugio em 10 de Dezembio p. p. do cilio
o grande obzequio annunciar ou re-
ftii tlel-o ao seu Snr. Manoel Antonio da 811-
vi ii no Recife que pagar a despesa.
SS Ven le-s um eko ou banheiro mui-
ind todo oli ido e por preco couimodo :
de ti*as di Igreja dos Marlyrioa casa de Irez
portas "verdes L). 47,
SI7" Adolfo Bernardo Beranger, retira-se
para lora do Imperio.
tsr Na roa d ; Boda casa terrea que tem
soto : em baixo engomma-se roupa muito
bem e por preco commodo : quera se quiser
ulilisar dirija-se a mesma casa.
(t-35 Quem annunciou precisar de um a
dous coqtos de r-.'is a |)jemio sob propriedades
na Koavista : dirija-se ao Atiero da Boavista.
loja do Sr. Abreu.'
i-j" eseia-se saber s'existe n'esla Praca o
Snr. Joze Francisco natural de Portugal,
filbo de Maiioel Joze da Fonceca de Maciei-
ra da Maia : dirija-se a ra da Cadeia do Be-
cife loja de ferragens n. 46 paru se Ib'en-
Iregar urna carta de sua familia.
s^ Aluga-se o arraasem da casa onde
morou o Snr. Arantes na ra do Azeite de
peixe proprio para soccar assucar ou oulro
qualquer estabelecimento : a tractar na ra
da Cadeia do Recife loja de ferragens n 4b.
flP^ Precisa-se por espaco de um mez ,
d'uma pessoa que quiser eslar em urna hor-
la ou jardim e que saiba plantar : quem
quiser dirija-se ra do Jardim e casa do
mesmo nome.
1 tJ" Vende-se a obra completa de Geome-
tra em bom uso : na ruadas Orates L). it.
ISf" t'ompra-se tres casaes de capoles : na
ra do Crespo I). 5 primeiro andar.
S2y Hoje 8 do corren le ha ver sessao da
sociedade Lulerpina na nova casadesuas
reuni, ns s 6 oras da tarde.
C3*" Antonio Francisco do Reg Barros ,
Tutor dos menores Paulo e Manoel fillios
naturaes de seu finado Irmo Francisco de
Paula Mgramonle o primeiro filbo de Cicilia
prela tallecida e o segundo filbo de Joan na
preta ainda^viva tendo re(|iierido o mandado
abaixo transcripto que tem j sido apresentado
a diversos Parocbos e querendo que seu co-
nhecimenlosc faca extensivo aosdemais deste
Rispado manda trauscrevel-o por este Diario
para que em lempo ncnbum aleguera igno-
rancia ; protestando uzar dos meios que Ihe
permiltirem as Leis no caso de obrar-seo con-
trario.
O Dr Manoel do Rosario Tavares Pres-
btero Secular Vigario Geral em Iodo o Bis
pado de femambuco porS Ex Rvm &c.
Faco saber que Antonio Francisco do Reg
Barros, me envin a dizer em sua peticoque
persuade-se com bastante fundamento, que
um seu figadal niraigo seduzira a dous me-
nores de nome Pauto e Manoel, de quem
he o Supplcaute Tutor cujos menores sao
lilbos naturaes de seu finado Irmo Francisco
de 'aula Nigramnnle ; e como o >upplicante
si pella que dito seu inimijo queira cazar os
sobredilos menores com algumas de suas tildas
bastardan, e como s 'jaQ de menor id ide o Su|-
plicante em qualidade de Tutor nsocoosenle
em semelhanles cazaraenlos, e reuuer ^anda-
ios Reverendos Parocbos do Bispado
ei ni em ^lalrimonio os Supplica-
dossui......1 ica. Visto pormim
1 re] no, maude por meu Des-
pacho se ra circular para todOi os
Parocbos do Bispudo aqual he
da forma seguirle : Mando debaixode obe-
dienci 1 ir ual e sb pena de responsabili-
ao rerendes Parocbos deste Rispado,
que sendo-ll.e esta appresenlada indo por
mim assignada e va Iba sem sed) ( x causa ,
nao receba nemeonsintao receberem-se em
1 imonioos dous sobredilos menores Paulo,
e Manoel. fillios naturaes do j;i Calecido Fran-
cisco de Paula iSigrajnonte com quulquer
muliier ijue seja,, sem expressa ordem ueste
Juizo (i assim ocumpra Dada em (Jlinda
sob o meu signal smeute aos 11 de ulubru
de ib3p. E eu o Padre Joaquim d'Assump-
co Escrivoda Cmara Episcopal a sob-es-
cievi.
O Padre Manoel do Rosario Tavares.
SSj" A Meza da Veneravel Ordem de N.
Senhora do Monte do Carino desla Cidade do
Recife tendo de expor s vistas dos Fiis na
larde do dia Sexta leira 10 do correle mez,
os t'assos do INosso Divino Redemptor em so-
lemne acto da Procisso de Triunfo roga en-
carecidamente aos moradores das ras por on-
de tem de transitar a mesma i rocisso que
liajao de as lazer i impar e expurga-las das
lamas e agoas que nellas existem cslagnadas,
certos de que por aquellas ras ,' que forera
adiadas iutransi-Uveis por causa das ditas la-
mas e agoas deixara de passar a menciona-
da Pioeisso; sendo as ras deque se trata
as seguintes ; No Bairro de Santo Aulouio as
ras do Rosario estreita Collegio, Cade 1 ou menos nulo \ngolla (seu nome proprio
travessa deS, Francisco Cruzes Qumam- : Benedicto ) fgido em cinco d'Agosto do an-
do, Pracinha do Livrmento, Livramentj noilc 10', eslava trabalhando em urna pa-
Dreta Largo do Terco, Agoas-verdes deria ; baixo do corpo mas gro.-so e refor-
Pateo de S Pedro Travessa deste para a ra
d Dorias, e principio des'.a. Eno Bairro do
Recife as ras da Concpico Odei-velba
alraz do Corpo Sanio, Cruz, Boco da Lin-
goea ra da Alrandega velba Largo do
Corpo Santo ra do V gario ra do Azeite
de t'eixe, e Madre de Dos. ,
Oulro sim a Meza convida a todos os nos-
sos Carissitnos limaos lerceiros para coinnaro-
cerem com seos baldos as duas horas da tarde
ido referido dia na nossa Igreja para o acom-
pauhamento da Procissa'o cumpriudo assim o
que a lodos restrictamente incumbe o Artigo
8. do Cap. M dos nossps Estatutos. Secreta-
ria da Veueravel Ordem J. do Carmo de Be-
cife 7 de Abril de iSfo,
Pedro Alcxandiino Rodrigues Lins ,
Secretario.
C^ Arrenda-se annualmente urna cas/,
terrea a barracada, sita na ra que vai da es-
trada da solidade para o manguinho repar-
tida segundo o gosto moderno lem corredor
lavado sala de vesira, forrada com Ji pal-
mos em qundro tres anellas de peiloril en- da.
cado, caheagrande olhos pequeos, e a-
rumacadoi, nariz chato, boca larga, rosto
escarnido, barba envoltadosqueixos, bas-
tante cal) I '.1 lo a saber : nos pe i los barri-
ga, e pernas, lem sobre o hombro esquerdo
4 ou 5 signaes de ventosoas talla muito de-
ser.' ... e he bastante prognoatico, ano
partee ser cr'eoulo ; pode riiui bem ter muda-
do ') i:;,:;., e negar a nacao com medo du
t|ue o 1 eguetn a \ i:;ia dos signaes sendo elle,
o ahaix > assignado roga por obsequio a o mes-
mo Sr. bajada Ib'o mandar na Boa-Vista ra
do Kosario > ralo dedois andares confronte
ao pateo de Santa Cruz que alera de pagar
a despesa que o mesmo possa fazer se recom ;
pensar generosamente.
Manoel Joaquim Leraos
JVo annuncio d bontem designando as
ras por onde tem dasCh&gas, em lujar da ra do Amorini ,
10 Recife saiba-se que be a ra da Moe-
vidrassadas 8 quartos sala boa de jantar ,
cozinba fora com assento de fugao inglcz ,
contendo seis fornalhas, eseu respectivo tor-
no quintal murado, com cacimba de agoa de
beber senzalla para seis escravos estribara
para a cavallos com porto para a frente da
ra independente da porta principal e
Indo muito bem pintado e suficientemente
Conlinua-se a receber alumnos n'Aula
de primeiras lettras da ra do Jardim casa
do mesmo nome ; onde os pais dos meninos
podero adiar a qualquer hora o respectivo
Protssor.
O Sr. Jos Joaquim Lima baja de di-
rigir-se a ruado Queimado, na loja D. S. ,
para ser entregue de urna carta vinda do Por-
asseado ; os prelendentes entendao-se com lo.
, o EscfrVO .Mmeida que tem poderes para o tT\ pessoa a quemlbe faltarem 5 tambores
dilo arrendamento ou com Francisco Dias de figos que por engao fora entregues na
I Ferreira no seu arinezcm defroule do caes ra Nova D. 2 pode procuradas na venda do
da Alfandega. | Manoel de Lima.
tsar No dia para 3 do corrente fnrlara i Qualquer hornera de maior idade sem,
um quarto ped re/, escuro candi um tanlo familia, de bous costumes que quiser ir para
comprida orelhas a proporeo de burro com um sitio perlo da praca para tomar conta del
o ferro scguinie U jd bstanle velho e de : le e determinar o ser vico que deve mandar
meias carnes : quem dellc souber ou o ap- fazer dando-se-lbe osusleuto, e a roupa
prehender dirija-se a Manoel de Al'mquer- necessaria para o servido do mesmo sitio, e
que Barros morador na mesma Oiaria de- mais que se puderdar conforme o mereci-
t'rontc das bicas onde as canoas toma agoa i ment da pessoa pode dirigir-se a ra do
que ser recompensado.
KS^ Vende-se uma mulata de -i4 anuos,
Crespo loja D. 4
C7" O abaixo assignado como bastante
cozinba o diario de uma caza ensaboa en- Procurador de Alvaro de Luna Freir c
gomalizo, ecoze chao: na ra do Fogo seu filho Miguel Joaquim Machado Freir,
penltima caza de portas e uma janella do avisa ao respe: ta vel Publico que dito seu
lado esquerdo indo para o pateo de S. Pedro. Conslituinte Miguel Joaquim Machado Frei-
Precisa-se de uma ama para caza de re, acha-se competentemente habilitado le'i-
pequena familia ; na primeira caza passando timo administrador dos bens vinculados da
a Igreja Ingleza na ra Formosa. Capel la de N. S. do Livramento da Comarca
Quem precisar deum bomem para ad- do Sobral da Provincia do Cear desde 18de
ministrar al;uma oiaria, annuncie para ser Fevereiro de 18J1 conforme j se annunciou
procurado, advertindo-se que tem os preci- em o Diario do 1. de Agosto de 1838 ; e que
sos quisilos para dita administravo. por isso e por seren esses bens vinculados ,
Aluga-sc ou engaja-se negros por ninguem contrete sobre elles com seu iutruSD
tempo indeterminado para trabalbar na cora- : administrador ora residente era Portugal Ma-
panliia de Capatazia externa ri'Alfandega 'noel Machado Freir deSftUfa, ou com seu
dando-se de comer aos que se ajustaren) na bastante Procurador nesta Cidade; ao coa-
raza da Nev do beco do Thealro para se Ira- trado protesta o annuhciante reivindical-Oi
lar, e tambera se precisa de um hOmcm que dequera os possuir por qualquer titulo que
saiba trabalbar com crnicas de cavallos seja ; advertindo alera disto o aiiuunci-inic ,
tgf1 Arrenda-se a loia que foi de miudezas que j lem chamado conciliacSb por earu d 1
na travessa do Roza rio par o Queimado D. j Edisoa ao mencionado intruso administrador
10; (nema pretender dirija-se a ra do! para a entrega dos mesmos baos.
Queima<'-J loja 11. 9 ou na ra do Cabug
luj D. .
A pessoa que annunciou em um dos Di-
arios da semana passada querer comprar um 1
Manoel Elias de Moura.
1
Traspaca-se as chaves de um sobrad.1 .
escravo hora coshiheiro com bonita figura de um andar na ra Nova com bom arraa-
dirija-se u ra do l ogo sobrado de um andar /ero e mui' t com modos e tambera se ven
D. it. 'do, c informe convicr: c ;
Qualquer Snr. que precisar d'um !:.-.- |e 1 i< les porl ndirigir-se a mesma fui
bil prolessur, para aprender, ou mandar air.il 1 ino i rreir Lima.
eusinar francez, latim Glosophia rheiori- Vi > n-se Anjos para Procisso de mui
ca epriineiras le i ras gnumnatiealmcnle por to gosto : na ra Nova toja de ferragem O, 1 I
um sistema methodico. claro, e concisa di-1 se dir qnera be.
rija-sea ra da Cruz l\. i\ u. andar dcfronle j Ge irge Henwoi ihj (c m caza de neg
ao Nidio, ou annuncie a sua morada. Ad- ci de haixo da firma de Gi ge KenvfOrthy
verle, que as Suas lices podem ser presen-IC.) e llenry Gibson avsa ao respeitavel p
ciadas por qualquer curioso, e pronu.Ue era I bhco que elles lem fcito uma sociedade il
pouco mostrar o seu desvello. baixo ii sobredita tirina de George Kenw.
Quem annunciou querer comprar um
lerno de pesos de ferro de duas arrollas al li-
ma libra queira dirigir-se a ra da Sen/ada
vetha N. 00.
Arrenda-se uma boa caza nova grande ,
pintada e envidra^ada cora grande quin-
tal com algumas arvores de frucla e porto
a frenle e boa cacimba d'agoa sita na es-
Irada de Joio de Barros ao p da Capella da
Conceico: a fallar para ajuste ua ruado
Rangel ao.
Roga-se ao Illm Sr. Jos Feij de Mel-
lo enhoc (toengeuliO Bamburral que an-
nunciou no Diario de i do crrante ler-llie si-
do entregue era dito seuengeuho um escravo
de nome Antonio que uoquiz declarar quem
be seu similor, que sendo o mesmo lenbaoa
seguintes gnaes ; idudc io anuos pouco mais (pierdo.
thy&C. cujoeslabelccificio leve princi-
pio 110 primeiro do correle rae/..
& V Tinjem-se chapeos de sol de cores p' 1
preto e lainhem roujias deseda para a inasm <
cor ou para outra qualquer cora loda 1
perfeigao, de maneira que nao larg* a cor ,
e faz-se islo por pie,o cora ido ; as i Pona-,
primeiro and.ir na esquina do beco do Lo-
bato por cima ,d.i loja de ferragem D. tj.
V:j" Precisa-se de uma iroa.wrra 011 capti-
va pira criar : na roa Novafi^ade Frederi"
Chaves D. 5.
KS- Offerece-St para ama do casa iinu
crioula forra de bons costumes ; no beco o.
Bomba U. 6.
r Precisase de irma ama d lejteo."
bu captiva na ruada Gloria 1 ,aiio **""



DIARIO DE PERNAMBUCO
m
jy Prec&a-se de un fettor que cnlenda I feila pelo mellior artista do paiz composta I tw Umescravode naco de idade de a5
eplanlacdes, elrabalhede encbada para as pecas seguintes; um grande trem, duasj annos de boa figura ese afiancaa sua con-
bancas dous consolos urna grande banca ducti e boas habelidades um moleque de
depl
um sitio pequeo e porto da praca na ra
direila litia de cera I). o.
t_j- Prccisa-se alagar urna negra para ca-
sa di urna senhora scm familia para teser
todo O servico ; quem a ver annuncie
cr Deseja-se fallar ao Sur. Manuel Jos
Pereira Tavares de Mello a negocio de sen in-
lerease -, na ra do Livramento I i. ao uu
annunciesua morada*
tsr Jacob Mara tfertazi, leudo muda-
do a sua residencia da na da Cruz. par a
Praca do Commercio eai casa de Hoza & Ir-
mo remove osseua offerecimeutos para com
o respeitavel publico desta Cidade. no ex
cilio de ensinar bem afinar piannos como
mesmodesempenho cooi que at o pifenle se
lera prestido as -.'i- que benignamente n
lom oceupado luoslrando-se s-Uisfeilo ilo sen
presumo.
redonda, um sola e i8cadeiras, um rico
naco benguella de idade de t8 a unos de
esteirado'para urna grande salla e um lindo elegante figura cozinha mui bem o diario de
enserado tiara urna sala mais pequea ven- urna casa e tem boa conducta um dito de
Avisos Martimos.
PARA COWES sabe ero 16 do corrate a
barca Fraiiceza e primeira classe Cazimii
Dehwigue ; quero quiser carregar, cu ir de
passageiu para o que tem exce entes rommo-
dos, dirija-se a os seas consigna irios 15. Las-
sene & Lompanhia adverte-se que naquel-
le porto lia lodos es das barca de vapor para o
Havre.
FRETA-SE, ouveode-se o Biigue Es-
cuoa JNaciunal Aracaiy lorrado de cobre e
de lote de o toneladas undiado uejronte
da Lingoeta ; os preteudentes enleriao-se
com Antonio Joa JL C? Que faz J. Elsler por inlerven-
codo Currelur Oliveira, quartafeira 8 do
crlente as 10 huras da manli no seu ar-
masen na ruada cadeia defroate do beco lar-
go dos seguiutes arligos ; caixas para rap ,
cliapeosde pallia para senbora litas mo-
dernas para cinto, cruzes e brincos domados,
litas relas para chapeos ejaquelas ditas pu-
ra relogios ditas de gana caivetes ti-
somas tinas filas brancas atrancadas pa-
Ihinha para chapeos de senbora, cmodas ,
secretarias cadenas de bracos e espaldar ,
dilas para pianno ; pedral para aar toslorus
para tirar logo lacas de supaleiro pemiles
de niurlim iivros ein blanco grvalas, cor-
nelinas cadasso de algodo ,' espelbos de di-
ll'erenles laraanhos e outros objeclos de bom
gosto.
L3- Que pretende fazer Antonio Francisco
dos Sanios de 20 barricas de btalas boas ,
ao pedo arco daCouceico, no dia (Ruarla
eira 8 do crrente as 11 horas do da.
C o ni p r i s
tsf Ummolequede la a 14 anuos, que
entend ilguma cousa de cozinha um diccio-
naiiu porluguez e um realejo pequeo que
tenlia 4 selindros; na pracinba do Livramen-
to D. 3b.
de-se esta mobilia por ser superflua, e nao
ter lido u/.o ; assim como se aluga urna gran-
de I:ija com urna formosa salla na frente, e
dous grandes quartos unoa saleta atraz, 2
guarios, e quintal commodo com bastante
agoa para 03 uzos da casa e maisa vantagem
de ter embarque ni porta | e tambera recebe
seges, e carros para o que tem suficientes
commodol; nesta Typograa se dir,
&_,/ l! na pela moca boa lavadeira e faz
ocio o mais servico de nma casa urna dita
boa cozinheira e engommadeira dous pre-
tos '' o para o servico decampo urna negri-
nha de idade de i /. a i j anuos ptima para
- i educada; na ra de agoas verdes casa ter-
rea D. J7.
C7* Ummolequede idade de 18 annos,
com principios de sapateiro; no cortume das
5 ponas [). 17.
U?* Meias de ludio para homein ; na ra
do Queimado oja D. 7.
t dos de Portugal no ultimo navio ; na ra do
Faguudes L). 6.
^J~ Urna escrava creoula cose engom-
ma e cozinha com perfeico ; na Ponle de
l < lua silio ci D. Mariana Theresa de Jess
Siqueira.
S=y Una quarlo possante, com canga-
lba e dousselius ja uzados e aparelbados ,
laboas de logarylhmos por Callet, tratado de
artilheua ; na ra velba D. a6 no segundo
andar.
t3^ Na pracinba do Livramenlo" loja D.
34 > um completo sortimento de lacas e gar-
los de cabo de marfim ditas de osso finas e
entrefinas bandeijas finas c entre finas ca-
ivetes finos para pennas, lisouras para unbas
e costura folhas pura facas espingardas de
caca.a Javo, compassos com tiraliuhas ca-
rda botoes dourados para guardas da alfan-
dega, ditos para marinba bichas ltima-
mente chegadas e outras muitas miudezas
por preco commodo ; na praca da Indepen-
dencia n 20 na ra dos Quarteis \) i.
BT Sarja prela lisa portugueza de muito
ao annos he carreiro um dito da mesma boa qualidade propria para vestido de se-
nbora, por ser muito larga ; na ra da cadea
loja I) ib.
tr laboado de urna i palmos de largura
ede todas as grossuras e comprimenlos ; no
porto das canoas armacm do fallecido Domin-
gos dos Passos ou a fallar com O caixeiro do
idade muito robusto e por preco commodo ,
um cabrinba de idade de i5 annos proprio pa-
ra para pagem, um moleque de naco de ida-
de de 1'2 anuos, duas escravas de naco de
idade de 2o annos fa/em todo o aranjo de
urna cala todos estes escravos se dao a con-
tento e se afianca as suas vendas ; na ra de
agoas verdes L), 3*.
E2y* Urna cata terrea nos AlTogados. de-
fronte de S. Miguel, e outra no Pateo de
Pedro do ladj da viraco nesta l'yp.
%i^* Dous selins c;n meio uzo i>.i^ um
inglez quasi novo e por preco cmodo ; na
ra nova D. i \.
*^ Algalias velinhas bixas pretas ,
semenles de ortalice, ludo prximamente che-
gado de Lisboa j na praca da Boa vista D-
cima it.
C7 Capim de planta, e se assegura ao
comprador ter muito mais de arroba cada fei-
xe ; na ra nova venda ao p da ponte D. t
Sr Joo Malhcus. Joaquim Lopes de Almei-
da ; assim' como urna porco de relugo.
Of Potassa Americana em Larris peque-
11 os, de melhor qualidade, e por preco com-
modo ; era casa de r!c Caloiohl i (jompa-
. 1,:.,
ui. ,
no armazem de Augusto
&
. nvn iia-
nelas para desenlio eslojos de navallias finas,
ecaili aes de casquinba, ludo por preco com-
modo.
ssr Um lencol de bretanha de franca todo
S3" Um pianno de superior qualidade e
de excedientes vozes ; na ra nova i). 1.
ey Urna carteira de campanha por 8000 ,
um par de brincos com i oitavas de ouro e seis
diamantes por a8ooo um grosso cordo de
prata de lei a aoo rs. a oitava sem feitio e i
redes com varandas de franja por tooo ; na
aua do Rangel U, 18 no primeiro andar.
S^* Cobertores de algodo a 6 pelas de algodo compridas e curtas muito
boa fazenda ; na pracinba do Livramenlo nu-
mero a 9.
^ Sarja preta muito larga, chegada pr-
ximamente de portugal propria para ves-
tido de senhora e coleles para homem ; no
atierro da boa vista D. i5.
&S^ Um pianno forte de muito boas vozes,
e em bom estado ; na ra de Apolo no porlo
libia, na ra do Vigario, e no de Antonio
Aunes caes da allaudega,
tar luchas pretas de superior qualidade,
em condico j na ra do Cabngd loja do Sur.
Bandeira.
Escravos Fgidos
das canoas U. ti, primeiro andar.
^ tSF" Los preto3 superioros ; na loja de
Francisco da Silva na ra da cadeia.
^ tsr VJantas de linho grandes e mui ri-
guarnecido de bordado de susto e bico de cas, los e pescocinhos ditos, bicos pretos
largura de palmo e meio tendo duas varas e e brancos largos e estreilos e lencos de se-
meia de comprmelo estando novo em fo- da 5 na praca da Independencia n. a3 e*$.
Iha ; na ra da Alegra casa de solio com va- ^ Umescravo robusto sem vicios n
randa de ferro; assim como duas cmodas de achaques : na rui novan, oi.
Jacaranda e dous bahus. tE^ Um par de castanholas de zinco ; na
&^ Urna ca.xa com realejo de cordas urna ruado Oueiinado i.
Unten mgica, 4 quartolas 5 barr.s S ^ de mc0 0 de bon_
cem
caugalhas dous selins com arreios um ber-
co de conduru frascos de boca larga caixas
de cha isson de ti libras um caldeiro gran-
de estanhado, urna porco de boa sevada as-
sucareiros e manteigueiras esmaltadas; as
5 ponas D. a3 onde tem lampio
tsj~ Dous moleques, um de 8 annos, e
onlro de 10 urna capella para se dizer mis-
sa com lodos os seus perlences ou qualqUer
ta figura de idade de 20 anuos ; na ra dos
Martirios D. 10.
C^" Excellenle Bichas pretas chegadas pr-
ximamente e por preco commodo no atierro
da Boavisla venda U. ip.
IE^" Azeile doce a ivooa caada; na ra
nova D 2.
l~y Presuntos nglezes. queijos londrinos,
Vendas
v.7* Cautellcs da Sociedade Fortuna Ty-
pografica devididas dos bilheles da 1. Parte
ila t. Lotera do'l'lieairo, ganhando n 20.
parlede lodos os premios e premios inlal-
liveis, a preco do 5ooreis: nesta 'i'ypogra
fia na praca da Independencia loja 11. 10 e
na loja de encadernidor n. i ; na ra larga
do Rosario loja de miudezas I). 7 ; na ra
do Collegio loja de relojoeiro defronti* da re-
particao das obras publicas ; na loja de iVlauo-
(I (ioir.es de Car^aiho ao p arco !e S. Anto-
nio e r.a ra direila venda que foi de Jos
<|a Penha.
KBT Urna casa de pedra ft cal, com \ sal-
las i quartos quintal murado com bom
poco tendo vista paia duas ras lia pOVOQ-
co do lilar na V illa de Itamaracii pdr,pre-
Lco muito commodo ; a fallar na \enda de Jo-
iim do liego nos 1 cantos qu faz na tra-
gad! ra do lo/ario ). 12 aon le e dir
uoia vendd a (nal se ai lia com um embar-
j'o d\piesmo, e vende-se para seu pagamento.
l^/--jSo engenho \ iui-c urna boa be
da inani para carro.
"^tsy N\rua nova loja I). ili, sarjas pretas
. loucinno injle/. conservas de todas as filia-
das coisas em separado, paos de caruahuba Y 1 1 11
_ ,1 r 1 j liclades salmao em latas de urna a 2 libras,
para al^eroz, por ser de imilla dura paos ,
1 ,. r 1 1 sopas c carnes preparadas em lalas, ludo che-
para tipoia urna fcrmacao para loia, touo en- 1 i,- ,
'i -' 1 gado ultimamen e batatas maletas, c 1,1 de
vidrassada e com ca xues para por por baixo u ... u ..
1 i 'j j -i louas asciuaiidades, em norcao e a retal 10 ,
com armarios; no sobrado do palco da nbei- T. ', .. '
I / vinnosuc loiias as qualidades em gnalas e
19- Bichas grandes de superior qualidade, e.,u |,.,u|rris rdenleda franca genebra
nncoictas de azeitonas fa.inha ,le arula f*|^l am a e,n l^l^'.ras e garra oes ti-
um sorlimentode semenles de ortalice de va- ^ a,10,Par li,,as caixas com cTiarutos ,
nas qualidades, pilulas da familia ; assim ca,VnuM (?m l,0'cs (le seidelitz ervilhas
muiio superiores para sopa, camisas brancas
finas, ditas de hacia proprias para pretos,
pecas de lonas cabos de linho barricas de
carne salgada do poico e v.icca tinta de to-
das as qualidades olio de linhac azeite
de peixe e dito doce engarrafado ; ni ra da
ilfandegaarmazem n. 3.
como aluga-seescravos para o servico da pra-
ca dando-se de jantar ; na ra do Vigario
armazem do Alachado n. 14.
i_y Urna escrava de naco de inadede 28,
lava bo.n de varrella e he quitandeira e
urna molalinba de idade de 4 il 5 annos ; na
ra direila bja de couros D. ati.
KST A muito fina, saborosa e subslan-l ^ Jl^'Wr panno fina prelo por preco
cialfarTnhade aramia, a preco de 5uo rs. a |l'on'muo na ra do respo loja de Antonio
libra; lindos botes cobertos de retroz de va- "* *-n' SoaresGuimires;
SS^- No dia iq de Janeiro do corrente fu-
gio um escravo de nome Joo do gento de
angola idade de 3o annos falla como ere
oulo bem barbado e prelo tem um den-
le tirado na frente na face tem urna marca
de ferida ju s de meia estatura o corpo
mediano peinas finas meio apalhetado dos
ps ; quem o pegar leve ao engenho Arandi
freguezia de S. Anto ao Padre Joaquim Jos
de Oliveira ou no engenho Pago a Andr
Gomes Cabral, que gratificar
S2Z" No dia 3i do p p. fugio urna negra de
nome Joanna de idade de u5 anuos esta-
r ra ordinaria cara a bocetada testa gran-
de, com urna sicatriz veslido de chita pan-
no da costa e um lenco amarrado na cabeca;
quem a pegar leve a ruado Livramenlo n. S
casa de Jos Domingues da Ltsla Cardial
ts?" Fugio um cabra de nome Manoel Car-
los de Souza sapateiro creoulo de idade
de 56 annos levou veslido caLas de riscado
escura jaqueta de riscadinho chapeo de
castor branco camisa de algodozinho es-
tatura regular olbos alumacados denles
limados algumas marcas de bechigas no ros -
lo ; quem o pegar leve a ra do Queimado
D. 5 que ser gratificado.
ssy* No dia ii do p. p. fugio um preto de
nome Manoel de naco caeange idade de
20 annos bonita figura, algum tanto zambio
das pernas um signal de lalho no nariz a
denles na frente de menos he muito pacbo-
la principalmente quando bebe de raiis ;
quem o pegar leve a ra eslreila do llozario
D. 12.
S^- Moga-se a lodas as aulboridades Po-
liciaes, e pessoas particulares a inrhencao
de umescravo de nome Joaquim, de idade
de 28 annos alto cheio do corpo denles
limados lem dous dedos na mo direila en-
colhidos, suponhe-se estar em Goianna no
engenho Calu fugio ,110 dia l5 do p. p. do
engenho lurarema de Carlos Frederico da
Silva Pinto ; quem o pegar leve ao Sr. Ma-
noel Consalves da Silva que ser recompen-
sado,
tzr No dia 21 deEetembro de i838 des
apparceco uro negro d idade de Jo a 40 an
nos cora os sitrnaes seiriiintes: estatura re-
com os signaes
segiunles;
com algumas
guiar, nariz cinto, com algumas marcas de
bechigas no rosto, urna pequea nevoa em um
olho tem urnas pequeas glndulas no pes-
coco,quusse conhecem apalpando- con a
mo, de nome Antonio e por alcunlio he co-
uhecidopor Major j quem o pegar leve a seu
Sr. francisco Hodrigues da Cruz morador na
ra dos Quarteis, que gratificar
com cen
mil 1
cis.
ros padroese tamaitos para casaca, e ditos
para larda; na ra do crespo D. 5 lado do sul.
h^f Na loja de Jos Te vares da Gama na
pra a de independencia I). 27 sapatos de
bezerro de duas solas a 2800 ditos de urna
sola a a5co e a aioo ditos de lustro a 3ooo ,
c a a88o botinsde bezerro a 7000 e a 6doo ,
botina de duraque c brim a 5too dilos para
senhora a.ie 3200, chapeos pretos & j e 7:100.
calcado de duraque selim marroquim e
couro de lustro para senhora, e mininos, cha-
para vestidas ricos esto jos com i m os seus pees i'e palhinba para os dilos e para homem
peftencis par* barba sapalosde selim brau-
co de cor es, chabs prclos de seda, luvas
I..!,.:.', ,a...l
de todas as qnshdadcs diales de toqium
p randes e de supeiijr qualidade, prefuma-
ria Hiarroquins em un/..;.;: a retalho ludo
por preco commodo
XSf Una mobilia de Jacaranda do melhor
oslo, e primorosiinente m a bada por ser
a 1 (o dilos de sol a 7500 de barra, di-
tos para meninos e senhoras a 55oo.
L^- Una escrava de naco ,mocambique ,
boa quitandeira lavadeira e cozinha o diario
de Uini cusa ; na ra do Aragao L). i"]
ii/- Urna loa de miudesas por preco com-
t/' Rip rolo Hambu'rguej! em garrafas
de librase meias ditas, ditoareia prela, di-
to do Lima, e Varejo, cha isson de pri-
meara soi le dito perola em libras, e em
caixinhas de duas libras e meia por 4 00, tin-
ta de escreirer prela e encarnada 1 icio o pote
dita azul a .i40, pentes de tartaruga para mar-
raas ditos de massa para cc ricas tisou-
rinhas flnas e ing|eziis |,ara Ull|,a % pentes de
m8rlim de tirar piolhos, ditos de tartaruga
para alisar, eseovinhas para denles e para
escovar pedias um rico sortimento de bicos
largos e eslreilos blancos e pretos superiores
mantas de bico de blom para senhoras e me-
ninas, a 3200 e 4800 lencos de ditos prelos
e brancos a is-o um rico sorlimento de fi-
las degarca largase estreitas ricos aderecos
defilagr pretos ,* di tos de contas lapidadas s
borzeguins para senhora, a 200 galocha,
Ui> o Hurtci
o du 6 nao entrarlo nem saliiro em barca-
c j es,
ERRATAS
Do N. 79 as mais notaveis,
Arligo Diario de Permmbaco pag a co-
lon 1 lin 3i de Odes ou de elogios -
leia-se-de Odes, ou de Elegias. Lin. 4^ Elle
cabio de erro leia-se -Elle cabio de erro em
crio. Lin. 8} leia-se-ao legislador de Israe-
litas. Lin. 97 leia-se educado. Lin. 100 leia-
se -via pintadas. Colun. 2 lin. 8 a voz encan-
tadora dessa poltica leia-se a voz encanta-
dora dessas sereas politicas.
modo sendo o aluguel da casa muito encon- _
ta ; na ra direila \j. 5 ludo do Livramenlo J para tumem a 1600 luvas de camurca ama- RECIFE.VA TYP.'E M. F. DE ^P, 184
w


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5K3TX0F9_SU45DA INGEST_TIME 2013-03-29T16:50:34Z PACKAGE AA00011611_04060
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES