Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04041


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1840. Sabbado
-~^i_
\
Todo afcora depende de nos mamo*; da noss prudencia, modera-:
*9|o, energa: continuemos cono principiamos e seremos apotitados
oosw admiraco entre ai Naces mascukat.
Proclamaco da Assemblea Getal do Brltxil.
------------' i im n< ,-----------
Subscreve-rt para esta folha a 3fooo por q.mrtel pagos adiantados
->esia rypografia, ra das Crtizes D. 3, enaPracada Independencia
H.57-e38, onde se recebem correspondencias legal sadas, eannuur.ios.
"ns.niido-se estes gratis, sendo dosproprios assignantes, evindosassiel
finados. b
Partidas dos Correios Terrestres*
Jdade da Parahiba e Villas de sua pretencao...............
tDita do Rio Grande do Norte, e Villas dem................ ,
=58rt ?r,,e"e vuias ,dem........................
.?'ii !i Ta................................
Cidade de Olinda......... .
Villa deS. AntSo ..............:-------............
'E0 ? a a bn,ab*Zml; ^.o Formozo, e Porto Caito............dem u, e a. dito dito.
Cidade das Alagoas, e Villade Macelo........... ij._
Villa de Paja de Flores.......................'.', \ \\''
Todos os Correios partem ao meio dia.
4 de Marco! Numero G.
CAMBIOS.
Itfiwco 13.
Londres...... 3 V d. por gooo ced.
8o por o/o prenrio, por mctaioSerecido;
Lisboa
Franca
a9 res por franco.
No vas
hio de Junen o ao par.
OURO i. Moedas de 64oo rs
FU IA PatacSes Rratileiros ----------
p* P^aos'Columriarios --------
Ditos Mexicanos ---------- ,
Premios das Letras, por met 3 1/8 a 1 112 por loo
Moeda de cobre Slj por loo.dedise.
VelHas iSSao a tig'oo
4/3oo a lgboo
8/1 too a 8aor>
I/58o a 1ftoo
i#58o a i^m
i#56e a 1 jSo
Dias da Semana.
Segundas e Sextas Fciras.
. Todos os dias.
Quintas fe iras.
dem
dem
13, dito dito.
9 Segunda S. Frarfcisca Romana Viu> -
k> Ter^a---------S. Mesito e 3oComp. Jim. -
Sesso da Thei. e aud. do J. de l da *
k. Terta S. Mesito SoComp. Mm. Re.. e aud do j. da 1 v do C d ,n
11 Quarta Tem. S. Candido M. -.....Sessi5o da ThewurS. '
11 Quinta-------S. Gregorio P.--------------------Relaco e Aud. 14 habbado -- S. Mvthildes R.........RtL'etiid. doJ.deD da 3 r
1 i Dora. 3. da Quar. S. HeuriqUe Rei F.
Mure cheia para 9 dia 14 de Marco.
As i'horas e 8 minutos da tarde As 1 horas e 3 minutos da manhS.
PERNAMBUCO. -
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVIN-
CIAL DE PERNAMBUCO.
Acta da 7. Sesso ordinaria da Assemblea
Legislativa Provincial de Pernambuco aos
10 de Marco de 1840.
Presidencia do Snr. Paula Cavalcante.
Feita a chamada acharo-se presentes if\
Senhores Deputados, faltando com partecipa-
co os Snrs. De*embargador Maciel Montei-
ro, Manoel Cavalcanti e Manoel Costa, e
sem ella os Snrs. Doutor Urbano e outor
Pedro
Lida a acia da Sesso antecedente, foi ap-
provada.
Expediente O Snr. primeiro Secretario
verno remetiendo de ordem da Presidencia
tres actas das Eleiges, pertencentes aos Co-
legios de Goianna Cabo, e. Santo Autio ;
foi a Commisso de Poderes.
Deoutro do mesmo remettendo huma re-
presentaco dos habitantes do Julgado de Ca-
brob que pedio aelevacodo seo Julgado
Villa e as informaces dadas pelo Prefei-
to, e Juiz de Direito respectivos; Commisso
deEstalistica.
De outro do mesmo acompanhando huma
representaco da Cmara do (.'abo, pedindo
ser elevado a Cathegoria de Comarca o dito
Municipio ; Commisso de Estatifica.
De huma pelico do Paroro da Freguesia
deS. Lourenco de Tejicupapo, de novo re-
querendo esclarecimerttos sobre os limites de
sua Pamchia ; mesma Commisso De urna
representaco dos propietarios da Estrada de
Relem e de outroslugares designados pelo Exm.
Presidente da Provincia, para pagarem de-
cima, pedindo, huma resoluco, que tire aos
executores da Lei numero 02 de a de Maio do
anno lindo todo o pretexlo para a interpreta-
ren! contra os proprietarios : Commisso de
Fasenda e orcamerito,
Lero-se e foro jnlgados objecto de de-
"liberaco os seguintes Projcctos ; hum doSr.
Lopes Gama authorisando o Seminario E-
piscopal de Olinda para adquerir 80 contos
de reis em bens de raiz ; ontro do Snr. Pe-
reira de Brito revogando ; e tornando de
nenhum effeilo a lei numero 68 de i d'Abril
dei83p; outro do Snr. Mavignier, insli-
tuindo hum conselho geral de Salubridade
nesta Cidade.
Ordem dodia.
Entrou em discusso o artigo 18. das Pos-
turas addicionaes da Cmara desta Cidade
sobre arquitectura, regularidade e afor-
mozeamenlo da mesma com as emendas dos
Snrs Reg Monleiro c Mavignier, oereci-
das na Sesso antecedente e adiadas pela
hora ; o Snr Doulor brito mandou a segua-
le emenda de Substituidlo Todas as edtfica-
ces novas sero uniformes, guardadas as
mesmas dimensoes externas ; eos quar'teires,
quer as ras quer as travessis guarne-
cidos de passeios ou passadicos de 10 palmos
de largura sendo estes feilos pelos proprie-
tarios qnando edi.icarem : eos concerlos pelas
rendas da Cmara Municipal. Salva a e^-j
dacao.
Snr. Reg Monteiro mandou segunda -
tnenda, e sob-emenda a do Snr. lirito Su-
jji iimi-ac a ultima parte sobre os concertos se-
ren feitos pela reudas da Cmara ; e ac-
crescente-se os contraventores seto obri-
gados a faser os passeios a sua cusa e pa-
ga rao a multa de 4 reis.
O mesmo Snr. Reg pedio retirar a sua pri-
meira emenda em qae comminava ao con-
traventor a nena de 16U reis etc. o que Ihe
foi concedido.
Posta em primeiro lugar a votaco a ermm -
da do Sur Brito por partes, segundo foi pe-
dido foi approvada a primeira parte at lo
palmos de largura e reheleada a segunda,
assim como a do Snr. Reg Monteiro, e pre-
jndicada a do Snr. Mavignier ; depois de hu-
ma breve questSo de ordem foi posto a vo-
taco o resto do artigo que nao eslava cem-
prehendido na emenda do Snr. Brito \ e
sendo pedido que este resto do artigo fosse a-
inda por partes foi approvada a primeira
parte, que marcava 3oU reis de multa ao con-
traventor, e regeitada a segunda, q' impunha
aos mestres orto dias de priso.
Ao artigo 19 mandou o Sar. Reg Montei-
ro a seguinte emenda em lugar do praso
marcado pelo Fiscal, diga-se no praso de
hum mez a qual ao depois toi retirada a
pedido de seo autor : o Snr. Mavignier olfc-
receo o seguinte em sabstituico ao artigo o
proprietario de edificio muro, muralha, ou
parede, que pelo exame, a que dever proce-
der o Fiscal com dous peritos ao meaos, e tres
teslemunhas, for recouhecido desaprumado
em metade de sua grosura demolir o edi-
ficio no praso que tr marcado por os peritos
na ocasio do exame. Pena multa de io
reis, e demolico a custa do proprietario. S. a
R, O Snr. Tiburtitio Depois da palavra
parede diga-se que amiaco ruina ser
demolida pelo senhorio no espaco de oito
dias precedendo notificaco do Fiscal, so'b
pena de ver demolir a sua custa,, e de sofrer
a multa de aoU reis. S a Reda.o.
Cerrada a discusso foi approvada a do
Sor. Mavigoier e prejudicada a do Snr. Ti-
burtioo.
O artigo ao foi regeitado.
Do artigo 21 seodo pedida a votaco por
partes foi approvada a primeira, segunda, e
terceira at a palavra duplo e regeitada a
quarta.
Foro approvadas as referidas posturas pa-
ra passar a terceira discusso.
Antes de entrar a onlra parle da ordem do
dia o Sor. Reg Mooteiro pedio a palavra pe-
la ordem e mandou o seguinte requerimeo-
to- Requeiro que se peca a Cmara Munici-
pal por intermedio do lioverno que sejo re-
metlidas a esta Assemblea as posturas que fo-
ro approvadas pela Presidencia -o qual posto
a votaco foi approvado.
Entro em terceira discusto as Posturas da
Cmara de Olinda, e suscitada huma questo
de ordem, antes de terminada deo a hora ; em
consequencia do que o Snr. Presidente dando
para ordem do dia Leitura de Projectos in-
dicaees e pareceres de Comraisscs tercei-
ra discusso das Posturas da Cmara de O-
linda. segunda das Posturas das Cmaras de
Goianna, Flores, e Limoeiro, primeira dos
Projectos numero i5 e 44 d anno de
1839, e levantou a sesso asdaas horas da
tarde.
. Thomaz Antonio Maciel Monteiro.
Presidente.
Alvaro Barbalho Uchoa Cavalcanti.
t. Secretario.
O Padre Joaquiu Rafael da Silva.
Secretario Suplente.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da y doorren'e.
Orricio A Commandante das Armas,
respondendo-lhe que a Presidencia convem
na nomeaco do Padre Albino de Carvalho
Lessa pira Capello da Ilha de Fernando,
para o que se ofereceo assim como de An-
tonio Francisco Bezerra para Cirurgio da
mesma Ilha, o que Ibes devera' faser cons-
tar a fim de que soliciten! os seus titulos pe-
la Secretaria da Provincia.
Dito Ao Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes approvando a arrema-
tac da llumiiiaco d;is Cidade do Reci-
te e Olinda, cujo termo por copia acorapanhou
o seu ofncio de 7 do crtenle mez
Dito A Administraco dos Bens dos or-
fos, significando-lle que a Presidencia
conformatido-st com as rases apresenladas
em seo omcio de a6 de Fevereiro ultimo, ap-
prova a nomeaco que a mesma adroinistra-
c4k> fez de Manoel Rodrigues Anjo para Ad-
ministrador das obras do Patrimonio dos or-
laos com a gratificado de aooUooo reis an-
u aes.
Dito Ao Bacharel Formado Manoel Jo-
s da Silva Neiva, Juiz substituto dos do
Crime e do Cvel, nomeando-o para pre-
sidir o andamento das rodas da segunda par-
te da primeira Lotera do Theatro que ter
principio as nove lloras da manh do dia ai
docorreute no Consistorio da greja de N S.
da Conceigo dos Militares.
Dito Do Secretario da Provincia ao da
Assemblea Legislativa Provincial, enviando-
Ihe para ser presente a mesma Assemblea tres
actas da Eleico de seos Membros, pertencen-
tes aos Collegios Eleitoraes de Goianna, San-
to Anto, eCabo, asquaes foro ltimamen-
te remettidas pelas respectivas Cmaras.
Dito Ao mesmo, eaviando-lhe urna re-
presentadlo da Cmara Municipal da Villa
do Cabo pedindo que seja elevado o respecti-
vo Municipio a cathegoria de Comarca.
Dito Ao mesmo enviando a representa-
cao dos habitantes do ex l i neto Julgado de
CaLrobo pedindo que seja eregido em Villa,
acompanliadas informaces que sobreest ob-
jecto dero o Juiz du Direito e o Prefeito da
Comarca da Boa-vista.
dem dodia 10.
Oficio Ao Coronel Chefe da Legio da
Guarda Nacional do Cabo communicando-
lhe que a respectiva Cmara Municipal no-
meou para Promotlor da mesma Guarda Na-
cional Bernardo Ferreira de Barros Cam-
pelo, e para Secretario Manoel Joaquim
da Cesta. |
Portarla Momeando o Bacharel Forma-
do Joo Nepomoceno Xavier de Mendonca
para servir o Lugar de Procurador Fiscal da
Fasenda Publica durante o impedimente do
respectivo Procurador Fiscal Antonio Joa- es
quim de Mello.
Dito 1 Ao Inspector da Thezourari;
Fazenda, commuuicandoIhe a JNouij..
supra.
Dito A Cmara Municipal do Recifo > I
ordenando-llie que remeta quanto antes di-
rectamente a Assemblea Legislativa Provin-
cial a Acta da Eleico de seos Membros per-
tencenle ao colegio Eleitoral de seo desluci,
como ja o dev-ia ter eito em vinude d ar-
tigo i"" da Lei Provincial numero 79.
igu*i oficios forao pedidos as Cma-
ras Municipaesde Itamaraca Pao do Albo
Rio Fdrmoso Tacaratu', e Boa-vista.
THEZOTRARIA PROVINCIAL.
ANNUNCIO.
A Thezoraria ProVirtciai paga aos Emr-
pregades Publiros ProVirJViaes em moc-da fie
prata os ordenados do mei de Janeiro p. p.
dodia 4 <* 7'deatecorrate mee.
Tbezourarn Provincial de Pernambuco ti
de Marco de 18 o.
Joo Manoel Mendos da Cunha e Aevedo.
Thezoureiro.
Diversas Reparrcoen<
--------------------------------1---------------------
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do N. 58.
CORREIO.
O Brigne Portuguez Feliz Destino de qtfs
he meslre Joze Francisco Lessa sai para
! Lisboa no dia % 1 do corren te.
I O Vapor Nacional Paraense recebe as raal-
-Ifls para Parahiba Rio Grande do Norte ,
Cear Maranho e Para boje 14 pelas 4
horas da larde.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
RECIFE.
I. Sesso ordinaria de 9 de Marco de i8.jow
Presidencia do Ser. Barros.
Comparecern os Snrs. Rios Mamede ,
Chaves Oliveira e l'ijjueredo ; faltando
com cauza os mais Snrs*
Aberla Sesso e lida Acta da antece-
dente foi approvada.
O Secretario dando conta do expedienta
raencionou os seguintes officios.
Um do Exm. Presidente da Provincia re-
mettendo dois exemplares do Peridico men-
sal publicado na Corle do Rio de Janeiro pela
Sociedade Auxiliadora da Industria Nacional,
pertencentes aos meses de Setembro e Ou-
tubro do anno p. p. : e juntamente o ndice
do t. volume : intenada.
Outro do mesmb Exm. Presidente parteci-
pando, que tendoj-se de abrir Sesso ordi-
naria da 4ssembWa Legislativa Provincial no
dia 1. de nffl$>, cumpria que Cmara
maudasse preparar greja da Matriz de S.
l'rei Pedro Goncalves para celtebracao da
Mina voliva do Espirito Santo que tem de
ser celebrada pelo Exm. Prelado desta Dio-
cese efazer todo o mais enjerto que for
preciso para semelhanle aclo : nteiraVl*.
Oulro do mesmo Exm. Presidente remet-
tendo um outro officio do Secretario blea Legislativa Provincial em q pedio a Pre-
sidencia Ihe declare es motivos, porq nao foi
incluida na Acta da apuraco geral, feita po.r
esta Camnra authentica do Collepio de Ca-
h o>, a fim de informar com oque se Ihe
jrecer : resolveo Cmara que se inter-
naste com o que occorreo ejse respeito
Outro do ::'fiaiu Exm Presidente da Pro-
,'ineia pnrtecipando ler dado as providencin
para que hum los (ugenheiras em
dos na 1 Ultras I licas s < e,
de org,. usar o 01 carnalo uj niveHanualO
desta Cidade : inleirada.
Oulro d. mesmo Kxm. Presidenta exigioilo
que esta Cmara infrmasse se tem ou nao
dado curoprimento ao art. -6 da Lei Provin-


2
DIARIO J> 15
PRUNA MRU40
laTV. ^fmvydeM.odoarin p ,,. .'.le-- Rm qnanto ao Rio Grande nada hav ce-
clarando ni mes os lerrenos qu tem sido corrido de novo Os com'm andantes da Torca
tambados, e enre-'porados aos proprios \'ti-] de Ierra e mar tinhao partido para Porto-
iticpaes sua extenco e con frentales,
loro, c laudeuiin e mais eiirumslaiicias ,
que Ibes disserem respeito : que se nfrmasse
rom o que lem oicor; ido
Ou-odo i xm. .Sebastiao do Reg Barros
participando u por motivos fie motMIa nao
llie era possivel tomar paite nos trabralhos i1 i
Assembiea Geral ; d" Provincial afim dettti
Cmara dar as ptov idiocias, q' ; l.cidc:-rmi-
na : deliberen i Camal a que 8* icnietlc.se
Diploma ao Suplente.
Oulro da Cmara da VUa ra Roa-vista
f9
filos. Fntazfou-se poreai eonjcclurou-se ,
rahalharaO as imnginaces e tildo cm vo :
os dous generaos tem estalo por milito tempo
juntos, tem conferenciado a sos e alfim o
Sr 'Maciel volta na barca e nenhum profano
linuitvao a reunir gente os cheles rebeldes (a- (ica saliendo o que elle veio c; fazer.
naharro, c Rento VatlOel, O Mari-illi ti- O che le \tarialh para ahi se retira na pri-
meira ein ba reacio deixando ocommando por
ordem do goVer-no. (Id.)
(!)>,Jornal do Commercio.)
Alegre.
Mas inimodi..-"e* dehnt i Catharina. con-
nlia sido exoner.ulo do cumulando das Torcas
naos porordem do Govorno, e vohava pa-
ra a corle O mais so ver dos ofticius, ecar-
1 tas, que iremos copiando.
Mina*, e Baha.
PTas ollias da primeira Provincia, (acal-
ca ocio ate i do p. p nada encontramos que
merec particular atlencao.
participando estar inteirada doofficioque ca-f I AstoHiasua BahU clie-To at 9 do corren-
ta (.'amara lhcderigio com dula lie ij'deA- le.. Ni la reina a Iranmiflidade. \ .\>stv-.i-
'.mgeiiheiros
goslo do anuo p. p. : inleiaibi.
Oulio do Teoente Loronel de
liiniino Iloreulano de Moracs Ancora parte-
cipandn que lem dfcsfc vatio que notles, qu
se esl fusendo na mnrgem esqiierda do rio
Capibaribe cima da pona da Yiagdalena ,
seconstiuem escadas sobressahindo a face ex-
terior do mesmo Cae9, e como o Exm Presi-
i ka Pro-vieta! cneiinuava ifl scustrahaHloi
Poto hrtp"r(aol5in\H9 aasesrs dodra \,p
-j de Fevereiro pelo* dohales acerca "da
mossao duIllustredejHHadoo esembar<>
I aciano Silvestre, e cujo (im foi solicitar dp
poder moderador a commlJco de pena de
morleein favor dos 1 j infelices ella comlom-
lados pela reJacSo do Riode Jeneiro ; c depqis
lente da \ roviucia o la\ ia ca negado da ins- j do urna calorosa dscussao > assou por .i votos
pei.no das cdificaioens as margeos dos rios contra jo ; e \ nonieada una i-s'.j
e enlendendo que tal sislen.a descadas :-o nao 'conquista pira redigir a dita re presen la c5:>.
deve consentir cor altiiar ;'n!ucciaod;s cor-
poi
recles desejava que esta (.amata o uiiormas-
se se hara Sallo lircnca pTfr r-e 1 ifificarem Mis
oseadas e 110 caso contrario se eslava resol vi-
da ; ir.andal-as demolir porque eptfin se
dispensara'de levar aoconhecimeuto i \m
Presidente/d* Provincia os hironvnieules i
queenconlrava na existencia de taes escadas
Cmaro deifcrou que o Fiscal respectivq
quuuto untes paciiiseao lti;,ar da Tiia^dalena
e fuessf dempiir as escadas que vanos pio-
prietarios ali tem edificado, e que se officias-
se ao Kr.genl.eiio liseudo que a Cmara hara
dadu a& providencias t que estavo a seo al
canee
Obliodo Riscal Ja Boa-vista partecipando
le :. it< e>i ridas de bau le nos da 1 de Re-
verciro p p.,e 5, e 7 docorrenl men-
1,' r.. a va mandare passav mandado de quan-
tia de .< "o rtis uue despend n c un enterra-
1 1 1
ment de um corpo apnarccido no lugar dos
SANTA CATlARIiXA.
Desterro i-jde fevereiro.
(v a'ppareefl n'Hum numero do fontal
do Commercio huma caria reisuramio Zefer-
no Pimenlel Preire, respeilo .grando deser-
Cft (\w Hin liavido no haiallio provisorio do
Desterro. O autor di carta imputa estasde-
serres ao rr30 Hato dado aos soldadas da
guarda naciona'
ESCOLIIA DE UUM 'MEDICO.
Nao he sempre fcil acertar com a escolla de
hiin Medico o mais conveniente. Acaso nos
devoremos deixar guiar pela Tama ? Os miis
sahio; mdicos sero por ventura os mais f<;-
lies pra lieos ? A idadedar realmente o sa-
lier e a experiencia ? ,
O caso he queconvem sempre lanear mao
de Imm Medico que corresponda qu-into
Ibr possivel com o carcter do enfermo e
cjue verdadeiro p issuidor da sciencia de Es-
culapio nao se repule por isso infallivel.
Deve ter segurauea no que fr. sem essn te-
meridade que arrasta a nao duvi lar de coli-
sa fii;;'um 1 A modestia he a eonseqnencia lo
verdadeiro meritj. Qyem nao for dislituido
de sfhso commum dincilmeiile se engaar
r im as quarlades de li 11:11 Medico; por isso
de bum auno que elle pode consagrar iulti-
ramenle a esleestudo.
MDICOS CONF1-.RENTES.
He cou/a bastante singular o uzo adoptado
dse nao chamar Vledicos para huma coul'e-
renca se noquando deixa de existir a ne
cessidade de seu ministerio quero diser ,
quando os enfermos lem chegado ultima cx-
treinidade.
Se he ulil ter junio do leilo muilos Mdi-
cos do que se pode duvidar nao he ccrln-
menle e:n os derradeiros periodos da moles-
tia mais sim logo ao principio do sen appa-
recimento a fim de estabeleccr-se o diagnos-
tico o mais seguro postirel e o methodo da
cura que se deve seguir
Se cu cahissedoente deixaria de ser Me-
dico lornar-me-ia ein homem com todas as
su.is fraquezas com toda a sua pusilanimi-
d ule, apressar-me-ia cm chamar outro.
Pensando cerca, desla classe de individuos,
secundo me ex or mi em o artigo precedente,
contara rom poder deseobrir aquello, a quem,
com a mais favo, a\el probabilidadu podesse
prestar toda a miiiha confianca ; porque ,
devo conl'esstl-o nu toni.iri 1 e n:o I1u.11 ,
e i sua discripeo entregaria inleirameiile loda
a minli.i pobre pessoi. Quando muilos lio
mens do mesmo estado se achao reunidos ,
que nao conven) que este ultimo saiba smenle
a sua arle mais que sja igualmente dolado he impossivel, que se enle-.ulao peri ilamei.-
de hum recto juizo pelo tjual possi grangear te. Por oulro lado cada hiim nao quereudo
hum justo mrito e dssse laclo fino e suh- conlentar-se seuociMno que indica pro-
til, que nicamente aleanca o conlieeiinento pora a mudanca de alguma cousa n> prescri-
(!o methodo curativo que conven! empregar. ] pto pelo seo coltega por inelhor que seja a
Conheco o temperamento do meu (lenle ex-; lim de llie nao deixar loda ahorna, se he
clama de continu o. Medico ignorante, que que deve resultar alguma. Mas quando mui-
ipceia deixar passar sua preza para as juafo.de los Mlicos tralSo de um doenle conlao
Esta censura he injusta 'outrem *'; c por esta formula insidiosa, cite- uns com"os uniros ; sendo as alternativas des-
ia poruue nenhum desles guardas ninda foici-1 ga muil.is vives a conservar doenl.es, que, favora veis toleradas em geral, ou nada ab-
- ligado corporalmente. llavindo mui Sutoiloccoiih'qcaO sen pouco saber, temeui solulamenle ner.hum se contempla onera lo
os de primeira linhi 110 haiaihao c 1 '. 111- lodavia entregar-so aos devclos de hum lio- com o pezo da respousahilidade, que he tri-
do o mesmo batalbao sujeito disciplinado iem mTs haTiil si.rri mas que nao lera ideas viar Todo o iuleresse particular, e ali'ei-
regulaniento, os castigas se tem limitado a d'e'seu teiiinermehto." cao que se lem naturalmente aquello que em
es. Espalhoir-se o mesitio ; ito pCl ci-
dade do tsierro quando este official andu'l
Tul'li o prjuizo quecoQyem desarreigar voss.a .confiauja deposita, o q .e teai de mais
ngo ao principio, Seremos breves porque os precioso, diminuem-sc sensivelmeule ou
iie.io's de hum arliiTo-lo inrii.il iww uo n,>r- mesmo desannarceem e a iudillerein;a une.
com as 1 cumpaiihias em marrfia 5 mas por limites de hum afligo de jornal nos nao per- mesmo desapparceem e a ndiliereinja q
ment de um corpo apparecido no lugai dos huma nspeccaio a que se pi n- millcm entrar em longo raciocinios, due po- Ibes succede pode tornar-s<
CoHhos e de urna palmatoria que inaudou seque as dese'rcfles provinha5 das graintes derla 'trazer com sigo objecto. lermo que muitas vezes nec
)a-cr;cm qu; uto a i, paite inteirada; marchas que se zerae das fatigas e daspri- T ntende-se por temperamento o predomi- dirigido que tratado,
cmquanto ; >. passe mandado. vaeues porque se passou e mi ene 1 : do no que exisle^oa economa de tul ou tal He impossivel certamente
-se funesta ao en-
ecassila mais de ser
que
unsso i.'e seo seio para examinar 1 obra
. .1 hueudona ra Nova ; deliberoii .i Cama-
que se nao cho-
lerror que '.rassou que o'balalbag pr'ovis'o- svstenla sanguneo, Lymuhalicoj nervoso que oamor proprio de hum vcdieoassisten-
rio passava a ser de primeira linha .- ia mar- i e"&. ser pois actualmeiile mui diflicil re- le quando for chamado outro |>ara eouforen-
chai para o Rio (lrai.de. Isto nao he novo couhecer cada temperamento? lie obrado te ; inda mesmo quando se empreguem todas
tiesta provincia ; iqui j se organisou timba- hum instante'; hum estudanle de seis me/.es as boas manchas para que o uo leve a
tllelo que para marchar pal a b Sul foi vai di/er com toda a certeza logo ; primeira mal, salvse elle mcsaio o exige por satis-
[ireciso ir escoliado por outro para bordo ; I inspeccao, qu-il o temperamento predominante faco propria. Porem a que lim mandis vir
se Iheojereea. A aquelle conferente ? Ser par,a ccriiliear-\ 1
peramento, bem como algunas deque nula se poupa para acertar com o
olras nao be seno bum instrumento, de mefhor? Se estis seguro de que este novo
que se serve o Charlatanismo para calar a Medico lem pericia e merece muis confianca
confianca. que O vosso assislente ; porque o nao tueste
A caso nos devoremos deixar guiar pela chamar logo ao principio r1 A est que^lao na-
fa ma ? Eu ouvi em alguma parte o que se da ha que responder porque quando se
s*gue 5 e repetil-o-bei da mesma maneira trata da existencia nenhuma eonsideraco
Cutio (lo Fiscal dos Allegados
quantiad G u enterraraento efe um cadver, que a,paie-
cco na porta da Igreja du Hosalio : que se
pacasse mandado.
(Julio do l'i.-cai do Reci fe exig ndo quan-
tiade (iit-.iiors que despende coui o en- pois se nao houvesse esta caulella," todos fiigi- de qualquer peiso ," que s
terramenla de cadveres, 1 animaes, pumo giria5, tanto be o amor dos lilhos esta pro- pala ira U'h per a ment, be
provava do documentos juntos qne se pos- vinciaao lugar em que na-eerao'. .
sasn mandado. (CaU particular.)
A respeilo do requerimento de Chardon pe-
rlo que ('rara nomease urna Com*-
1." de fevereiro.
Depo3 da derrota ilo Teixeira nos Coriliba-
que M' offiti sse ao Engenheiro Moraes I nos abrigada Crur-Altens tomn posicao por isso que ninguem se deva esforzar por se deve por emhilanca com o seu valor. Dei-
1. ra pedindo que bouvcssti de compai*cer ,,,, H0 Canoas, e aquelle, deixando peque- ennunciar-se melhor que os oulros se nao xal-o-ieis de chamar, lalve/. pelo precede
di suaa Sesoc%a maubaa aliraue na guamico em Lngcs oceupa as r quando lia certeza de que fir-se-h; compre- suas visitas ? Se for avuliado deve ser hum
I
I
laente
1
rida i

por
cometa examinar a pele* ,;;, Cavetra3, ao sul desla villa e cuida em hender mais fcilmente. Sabis como exeellente Medico. Waisq^uea hum t-, ,
ireforcar-sfe. Canaliarro ronserva-se pas Tor- cu chegueia adquerir fama ? E 1 bavia cu- lecerloque se nao paga sempre aquello, que
DespacharSo-sc alguns requer montos. IV irse stiasimmediacOesi b lenlo Manoel pe-irado bastantes pobres de eufermidades as ma- eni prega vqrdadeiros desvelos. ,E seocon-
|: 1 mi dada ;. boia levautou*ee a lao < .,- .., Sena 5 lmbos pressuro: is i ai re- graves c inguiii se tinha inda oceupa- lerente pi'opoe ulguipa no.hlicaca 110 trai.i-
p a presente e,w u&dignurao. imircm forcascom que pbssaO dar 0'gol pe de do com o Talle- em niim b acaso me codu- ment, leudes a certeza de quq elipse nao eu-
Lu iultyeiMh! lufanlede Alhuquerquee Vi el- que esl ameacada c-sia provira ro por ultimo babitacao de imrna Bdfga gana? E de mais pode Ue oa pumeia visita,
lo, Sccict..tiu- escrevi. Barros, I'io-I'ji- O iiossJ general presidente por sua parte uaniorada uuese queixava de vapores ella em o curso de liumaenlermidade ler segu-
zideuU; < lar. es Ros, IV amede Oiuei- lambem-nao despreza meio al^nm deque pos- se repuava quasi mora, e a penas tinha ranea do que he, ou ser melhor :'Nao o
v.i
I igueiredo. st coulorme.
(J Secretario,
cutio lufaiile d'AJbttquerque e Mello.
sa laucar mao jmra fa?er-lbp3 '..<: ulliuia-
e '< / nma viagem para o noWed provin-
cia al S Francisco leudo por nm a^ssump
los lauto militan s como administrativos : da-
lideu providencias n hum e n'outro sentido.
que nao deixarao de ser noicuas provincia e
1 ao Brasil na hita em que nos ochamos empe-
lllm. e Exm. Si.r. Eoio presos bontem 1 nhado. Esta viagem foi o general Jorcado a
a runha oruem c lterfio Itojedestino; Tlie [abreviar, saliendo da chegada do vapor la-
jna/. .icaciod'Aquiuo Ramos jirel o. por UBI |,iana
PRFFQTURA.
lAinv; vo ni v li vi: maiko.
urna simples enxaijueci; cura-o e eis (j'imme- pens; e por isso tanibem nunca (|uererei
chamar conferente sem que primeiro des-
\ rubia hum manifest desejp do meu assisten-
Os mais sabios Mdicos serao por ventura le pira Val. i\o que deixo dito leoho expOS-
os mais leljzes pralicos? le p que se nao lo o meu juizo j Cada qual porem laca como
?
.iiao,ente vejo huma mullidlo de genio em chama
meu seguimento.
des mcia Ordenancns por ler dado urna bo-
fetada em outro preto estaodoem desordem;
Antonio Euiz pardos pelo Sub-iieleitoda Boavista, este
jor ler ido casa douliem a amcacal-o c
torear id-ixai a sua casa e aquelle por c-
l.i io t desordeiro ; e Maooi l Gomes de ,'ou-
za preto pelo Suh-1 iclcito de jaboatao
por tstai nas circuiisliicias de servir em 1.
Linh.
1. o que consta das partes buje recebidas
n esta Secretai a.
rv>T!< i \s Pl OVIfCfAfS.
i. 10 (c Jan
lolbas letibidas lia Lorie alcanco al
o piimiiio do conruie, 1 ntllas nada se eti-
que estando
contra ('o i.ol.i' el
> rcvincia.
.1.
q*n ;, i< ,n ite
elle general cm fia paco-
rolljf vio passar para ti norte ; em SOa de-
manda nSo o lenco encontrado na capital
(ji-.ndc foi aqu oalvofco para se saber a
que vinha sta barca lira ut lempo ecoio
Sr. Salvador Jos Maciel Lerdo: nadou-se
no mar immenso das conjecturas: queriao
biins que este Sr. como conliecedor da pro-
vincia do Rio Grande viesse concertar plano
de canipanha com o general presidente, ou-
lros animo a acechar a pasta da guerra (para cujo
lado tambem pend); ontros emfini que o Sr.
Maciel o vinha substituir na presidencia ; c
quem mais propaluu esta idea loi huma re-
ctm-chcg.-.-ua nolabHjdade que conserva anli-
goshbitos, e (L./Jo-se por iniciado ein todos
s nv.v.ms inlroiiii/ efaz hvrar a si/.ania
O i'>ite v na nulhdade u niui-
,;a jior uo ter sido feliz na sua mis-
sSo rss tort i; 0 n"s ahafx assigna-
prescncea antes temos certeza do contrario.
Chamamos sanios auuelles, que, em seu
gabinete, sededicao a hum profundo esludo
d'e Iheorias e que nao medito as in-
feimidades se ria<. para procurar fazel-as
corresponder com as classes, ordens e so-
hidens divisoes melhudicasde scus syste-
mas. O professor Dubois be hum Medico,
hum Ciuirgio hbil ; nao he lodavia hum
sabio Medico na accepco da palavra,
A idade da' realmente o saber e a expe-
riencia ? O saber se adquire com mais ou
menos tempo segundo a capacidade de cada
individuo. Qtiantoi experiencia ella si) o
resultado da observacao frequenle e me-
Ihodica. Aquelle, que a nao liver adquiri-
do po espaco de cinco, ou seis anuos que
devera passar nOS bospilaes no meio de bum
grande numero de enfermidads de todos os
gneros que oDerece loda a facilidade pssi-
vel de esludar nao a conseguir nunca. No
curso da platica a mais longa c a mais exten-
sa hum Medico amis ver lautas doenyas
diiferPnls qanlas ser-lhe-ba lcil observar
em todos os hospUs durante o nuin espaco
eu o (ue e.itender.
Mais dirijamos algumas lalavras a esses q'
se regosijao com 0 ler dianle de si grande nu-
mero de Mdicos aos quaes tambem serve
de satis Cacao esta especie de luxo. IN'esle ca-
zo conveni chamaros Mdicos para junto de
si antes de ei.lrarem cm algum tralamento ,
hal)ilual-os a viver juntos c parlilhar por
cadi bum igualmente as vanlagens e as
bou ras que resultaren] dos curativos (ue el-
les podem lazerem vossa casa. Sobre ludo
evilai a predileccao palpavel huseai quese-
jo chamados ao mesmo lempo que julguem
juntos e em paragem remol 1 longe de ou-
vidos profanos. a lim de (ue alguma paixo
nao possa inlluir sobre o (fue accordarem ; sii
assim ricos e fracos humanos, podereis con-
tar com o serdes quasi to bem zelados co-
mo se nao tivesseis mais que hum Medico. .
Tudo quauto tenho ayancado acerca de
conferencias he s entre Mdicos ; (juaudo
o caso o exige e se faz preciso chamar hum
Cirur"iao vai ludo paia milhor esle nao
exige informadlo do Medico e o ultimo pe-
la sua parle mulo menos do primeiro. 0
.


I
D
RIO DE PERNA
M P. X O
5
i
1

?
<-a&JB>
qucorcupa toda altencodo Cirurgio he o
liom wilda sua opcrcio. Quanlos con-
sequencias.... elle se pe todo de fora.
" Nulla nvijia supra Medicorum invi-
diam. O que Senhorcs vale o mesmo
que di/.crISaolia invej ^ que possa exceder
pera inesino igualar a de lium Medico.
('Jurado do Propagador dassciencias Medicas^)
Variedad e
Amante c iNovn;
meio escondido entre as cortinas e poude
ouvir a conver^i.vio de alguns ''.nenies que
s cliavain .'io p del le, O Futuro espozo nao
e pobre Alija perdido ha multido lu nao sa-
bias a que te apoiar que le nao fizesse cabir:
en te tenho amado m um amor puro e res-
peiloso c ja queeu o podia ser um marido
para ti eu nao lenhq sido seno urrr irmo ,
e todos vendo-nos passar ambos eu moco ,
e altivo de le proteger lu joven bonita, e
meiga como a mulber qne se protege nin-
guem nos compreliendeu, Sim sei islo Eu- parece amavel dzia uro. Di/i'iu que elle lera
genio disse a menina,, enchufando duas la- una amante di/ia um Outro. \ erdaduira-
grimas que humedeciam sua palpebras lmenle! R quem ella ? Una pejuena. nma
opiniao me tem mostrado e designado puhli- ><>sluiei.i. Elle entSo nao a ama. E que se
camente como vossa amante, mas que ira por- ainain nunca cssas pcssOAS disse O Senhor de
la meu amigo continuou ella, querendo iur- Rozay qn** quiu corlaras supposices queso
nr-se eu tenho vossa eslima e vos leudes a podiam la/.er lomam-as em uro dia e no
minha. E ambos nos temos marchado lories segtintes asesquecem e por outra parte Km
funs menmas h.iviam dede/oito annns. [J- ilesta confa nra quedevia arrastar-nos a uma genio Breva! muilo bom partido ser ri-
ma habitando yin pequeo quarto no lerceiro | desgraca ambos mis temos adormecido Resta eo para o foturo e Horlencia nao poda espe-
andar Boulcvard Bcaumarchais modesta eos- alleicao mulla e nao sei verdaderamente a rar melhr. Quanto elledevia snfrer, o pobre
que nos ter couduzido este anuir porque. mancebo quera la/.er o sacrificio do sen a-
quiz ir com pressa pedir Horlencia para a pri correle | cas G horas da [arde para n row
meira eontradanca mas esta eslava ja enga- me.i<-n i mesa de Direccio em ronformi-
jada com o dos mais intrpidos aneantes do I dadq i no as pita tu tos cuja admirirsra-
Maray. !' '"' IRlreTJ principiar do primeiro de "Auil
Elle se sseulou enlo no ngulo da jnnella, i ein diante.
tureira que ganha com olrabalho das suas
nulos com o seu vestido de chita de lodos
os dias ; seu chapeo cor de roza e seu (baile
dos Domingos orla educada pela caridade de
urna mulber do povo sem prenles sem a-
migas lalve/ mas delicada t graciosa crian-
cade cabellos finos cujas trancas c;diem so-
bre suas faces e fecbam como urna lila preta,
o roslo brauco c corado a cujas sobrancclhas ,
largamente arqueadas sobre olhos negro*, dos
nes s.'l.e por momentos um logo vivo como
o relmpago c cuja boca i\ fresca e risoiiba
sem ni'eclacu simples filba do povo emfim .
com lodo o abandono da sua idade e a anle-
cpada raso que d o habito do trabalbo.
A outra llorlense Rosa y mais alta me-
nos ti i'iieira e com olhos azues claros cuja
express; o se escapa lnguidamente encuberta.
Vede-a como esta indolentemente lassontar-
da sobre moa cadeira arninjando com cui-
dado roda de si seu vestido blanco guar-
necido de rendas de que Irme amanolar as
juegas, antes da hora do baile: seos dedos
finos com I o ves, coriem I ge i camente as .te-
cleas do piauno em quonio repele coni voz
suave e pura um romance de lossini ou de
M a ye r-1 leer ; vendo assim e.qialhadn ;i roda
de si um cucanlo uucfaicl lodos ajoelba-
rian (liante der-ta" lada desalan com BHlOI'e
confianra. porque o sirriso brilha entre, seus
ntao !
mor mas ouvir ao pe tte si sem ousar
Pcrdoa Mara, disse Eugenio aproximan- nada, dilacerar esta pobre Mara to amante
de-sedella, eu vou ea*ar-me : Mara (ilou e lacia lastimar. Acontecen enlo, O que aron-
um momento seu olhar immovel sobre Enge- lee militas ve/es quand>a maldade ea li-
nio parase assegurar que elle tinha dito a juslica dos oulios nos decideni fazer ttma
Miclade, depois seus olhos se eueberam lie la- cousa que O senlirviento do dever no.; teria
grimas. Ku vou ca/.ar-me e para lodos se- impedido de fazer.
re o ir.ais feliz dos homrns porque Madcmo- Qaando elle poijd
sele Horlencia Rozay bonita mas nao a a- n'oiva Horlencia lbedi-e atTectando um tom
mo, econitudo vou despo/alla porque esta de ligeireza vos eslaes encantadora esta noi-
Bliranca sta ajustada entre as duas' familias le V's sfiis o ultimo (pie o leudes percebi-
;:orquc a ez anuos o projee!o de meu Pa do I;,u vos peco pe ilao mas sede lio boa
porque ... eu tenho pcometldo, Eu devia como sois boiita necessario (pie en vos lal-
esperar islo, disse Maria, lampando suas la- le. Meu OWJS VOS me la/eis medo como
grimas, cu nao eslou /angada coaivcsco vnsso ar iiivsteiioso mas ros
Qaando elle poude achar-se ao pdasi
tr Alltga-s nnw rasa terrea r.o fiair-
n> da Boa-vista, com commodos para
grande f.im'Jii d (ractr no i.cs.vi> Bairro,
na rn i da Matriz D, i 5.
\ nbaixo assignda futura de su i filb*
Lui/a Umbelina de Aguiar. e Inventaran
dosbeiH que fioario por 'mort do Padre la-
noel Vives d Aguiar avrza a l Sin -
eredon d lado para abr mi ir n sa
contas ;i lili ida.le a fin de sei em se-
os crditos dei [diados no Inventaro, -- er-
trudes p'ram se i dasChag u
huma casa terrea sita
no atierro dos Atogado^ rom commo-
dos par.', una glande familia, contend
cinco quart'js duas salas mividracadi, um
grande tao rom mMotc e seis quarlos, cor-
redor ndependenle sensata para pretos es-
tribara para tu; uu qualro eavallos tend
seu sitio, com oilo pe} de cou iiiair is, e vivei-
ro ; quem o pertender diri i-se a ra ao
Rosarioestreila lojade trastes I). i5
VJ~ l'a-se -'.i', u u re* a uros sobre pe-
ndieres de ouro ou prata ; na i\\d das Cinco
Ponas I). M
:. j' rraspassa-scascheves da laja dama
Nova I), i<; a l.dlai ce n Joao Baptista Clau-
dio Trcssc.
5. /* Lui/ Pezario do Reg, faz eerlo aVt
e dizeis islo Snrs Jos Perreira Dias, e Francisco J. Ri-
dizei
giimas, eu naoesiou /ungaua coaivcsco vosso ar nivsteiioso mas tos me Uizeis islo is J"": '''" tn-a, c- inu.g .-
JNo, euosei, Ins um Anjo de ternura e denois, porque ala ven o Sr. Julio que vem [heifo que cumprou de sociedad,- rom os di-
re>i;;nac'(i mas vundo-le aria parece-me i buscar-me para O galope ; ella dechou Eu- TtisJittr. cinco Bi Mieles e qualro muios df-
ouu osairiiieio cima das miub.is bveos genio e sallou nos bracos do seu par, i0 oTda segunda parte da pri mena Lotaria a
poique lu-q ue eu no Marn, tu paira' som da orquestra. Oh! di>se Eugenio sahin- l'avW'dis obras do Teatro, sendo estes d
bella como a vir/rem de oue icos Onome. e do do sabio, esta mulber ser feliz. Ella i '^'?- -" ,;- ''i)'"-'''"'- ( quellts
I
iclla como a virgein de que Icos onome, c
sjn'u (|iie para \\er comtigo eu abandonara
ludo minha fortuna e ineil futuro. Toea-me
enlao a eluHiiar-vts aonosso dover ed
ill. IV :i II
(lo do salao
nao amara amis
e i
[3o dia seguinle quando acordou oSr.de.1 Uma pessoa que hi official de encader-
inie cula. Senbor. Eu Inador e lainhem sabe frabalhar de impres-
le n'cceitar as miiihas excusas de 'v"'p" ia lrr rabalbado em dito officu, se
e de lies i l'o/av receben a seguinle cu la.
oi.i'r a i'tjis para sempre -- Sepiirai'-uos I vos peeo de arralaras mu has excusas de sur por ja tei iranaim
nao assim Mara-, sem me di/er que tu me nao pritler continuar as mi n has visitas a vossa offerece para trabalhar'por quafquer um dos
leus amado lamhem ; antes de ios separar dei- casa, mas interrogando meus x-niimenios eu'!'111-' '"''' nesmo em outra Provincia : i
xai-nie acreditar na ventura ; elle hincn seus nao irelip nenhuin sympalha com os da vossa : pessoa que delta precisar dirija-se a i'ua ib
Noguera O ff, ouannuncie.
JBT Quem annuncion quere omjtrar bu
oi-.ucs ;i roa da menina commovida e Ir- familia. Nao concebo qu o casamento seia um
....'.......... ai.........................i\ i i i
mente s e seus olims te enconlraram rclleclin- coulraclo de cimmercio comprado ale ao ul-
labios rosados e para aquelle que ama as pa- : do seus pensanienlos ; e Ibi depois uma con- ] limo escudo euiqiie cada um leva na man sui ma serpentina em bom uzo: d'uija-scao Lia
lavras que sabem de urna linda boca que nao vcrsacaodellii il a descrever incoherente ; seu parte de amor, mas sua parle de dnheiro e |xr <-'^i cqmjau)iia
poiicm ser senao palavra:; inspiradas pelo co-j scguimcnlo frazes meias acabadas, de o olhar como pelas uiinbas convicccs bem firmes sem *-" Quera quuei comprar urna negra do
ra ao. I ctmij leiavii o senil lo pulavras i i,m- atrev- duvida, nao se piule compensar a perda da le-i liaco mo'-.i eozinha o diario d huma casa
I-', elle ali est com o semblante gravee pa- das dkaa em .vos baixa que nluguem salier i< idade : eu sil mo desposrci com aquella, a ''""' xo, engoma Uzo; vista se dir nc.au-
lido o olhar meigo e altivo ao mesmo ,teni- ; i ia cpmprehendi r naoa |uell qne as diz 'quem mve o corario e nao o inleresse. Eu- '' J"''!1"'Sl vende quein pertender dii
po OS cabello negros llie cabem era canil- c aquelie que as ouve : hoi > de temor e de so- genio lireval -i'j de l'everciro de iHJ., se ao mesmo irapixe da Compuhia >
dos pelos hombros Eugenio Breva I enllocado! frimento em que a mao t;- m coeoraeSo foj \fara a muber de Eugenio Breva I aira quem tem.
entre las duas nrcuinus (
e que vai desposar a oulra ,
h\zen
sacriflCp do sen amor is exigencias de sua,
posicao. 1 ilho de um Commerciante gosava
pelo seu trabalbo de urna (erla fortuna: li-
jue uma elle ama bate, e.n que os lb .-sia. mulhados dla- e deriiro de alguns dias a pequea freguezia du j Quem uiiuneiou puerer vender hum
grimas; hora .de abandono edeesqueeimen'lo S. Francisco no Marais brilhar' exlraoidi- i sobrado no Bairro de .S.
em que a raso foge, e em que a rogaliva esta naramenle para a celebraco do casamento de
nos labios, c o amor em lodosos sentidos ;'ho- rldrtcnria Rozany com o hornera de negocio
ras de airebalaim-uln e de venlura em que se milito con bebido na be lea e que depois di-
genio era aesperanca de toda uma familia I cria um imindo s p.na sP, quK sequen!- um longo cileulo achou mais vanlajoso de
e erapara agradecer a^euPai, com est o-1 ver um paa O;oulro para solrer-uita parno collocar seus fundos no boiii casamento, que
bedieneia passiva, (p.iesempru tinha' mostra-
do a sua vontade ., que lia sem Kr bem estu-
dado scusscnlimenlos hacerlo sanfi amar
sempfe a primeira, ese olle poder amara
segunda mu dia ; dar sen uome a esta du-
ranleque o eorac|o pertencea outra.
(J dia acaba va da de invern fri e som-
bro, coberlode nuvens sem que um rajo de
gol ltMis!uzis;e na alniosfera escolia e enevoa-
a. Em um quario forrado de papel aeiarello ,
Antonio e que
Jcixaria'a mefade do valor iia rao do com-
prador : dirija-se .10 Trapixe lia cpmpauhia.
a jr Quem annunciuu querer hum cont e
qunenlos rail res a premio dando hum
luido para hipoteca no Bairro do Reci fe ao
ecujosmovisconsisfam em um wiiocom
corlmasda mesma cor (neo papel urna oom-
jnoda de noguera urna mesa e a .juinas ca-
deras, uma menina que vista assim pun-
ca (laridade de urna alampada aecesa que es-
lava sobre uma mesa pareca uma figura de
Ano noquaiiro deires esiuras esembrias ,
trabalhava assenlada ao p da cbaniiu cilio
logo hi I ha va das suas ultimas chamas. Trate
e pensativo primeiro o semblante da menina
se alegrou gradualmente, eclla foi cantar tal
vez sem mc*mo saber una deslas cantigas
(ue n;ostr.im tantas ve/es os dse os de urna
menina
Boa noile Maria disse Eugenio Breval en-
trando e abracando-a : boa nuite Eugenio,
uma venlnra nao vem so, minha alegra me
tinha viudo e eu cantava. Ciianca disse
Eugenio desembala:ando-sc doseucajiote
Parece-me que vos sois esperado em alguma
reunio, para vir assim ver-me to ricamente
vestido rej.licou Mana examinando o ves-
tuario elegante do mancebo. Sim esta noile
vou ao baile icj ondeu este deixando esca-
par ura profundo suspiro Mas (ue leudes
puis ? couio me parecis triste O que te-
nho Maiia, lenlio viudo para tedi/.er, elle
se assenlou e apcrluu i.s mos da menina as
suas; houve um momento de silencio. Mana
esperava. hugenio replicou ha dois an-
uos que le vi pela pi uncir vez ha dois anuos
outro, em quese % ofcituro lo rico-deespe- sdbreas rendas de Hespanhav llenr Mar- ranixeda companbia.
rautas; ate ao momenid em que 2 menina no calle. PT Precisa-sede huma preta para ser a-
(po Nacional de Lisboa.) ma deleite, preferind^-se captiva, equo
_______________ 'I seja de bons coslumes ; e que nao ten ha cn-
LOTERIA DA BOA-VISTA
Sublime e ulliu eslerto se arranca dos lira-
coi qug a aperlao como lez Man ".(ani.indo ,
deixai-mi- Eugenio, leude piedade de miin ,
poique eu vos amo lauto, que nao lenbo a loi-
ca de me defender. As maos de Eugenio un-
iiiivun-sp em signal de rogaliva sua testa ar-I O Thezoureiro da Lotaria a beneficio das
denle se encoslou sobre a testa da menina. obras da Matriz da 'Boa-vista la/ scenle aos
l'erd.io balh'iciuu elle, perdo Maria: mas amantes desle jogo une as rodas andao im-
lei dois anuos amado e nao mais ver-te ,' prelerivclmente nO da seis do prximo mez
loruar-ne lonco. JNesle momento baterain de Abril o os bilheles acho-se a venda nos
porta.
Argumas horas depois Eugenio Breval, en-
Irava em um penueno sala. do.Maray, aonde
era esperado liavia duas horas ; como sua au-
sencia tinha sido niuilo nial considerada ,
lugares
do eoslume.
THFATRO,
Km consequencia do meslre Pintor nao poder
ninguem o desculpou e foi necessario ouvir concluir a V isla nova de canijio fica Iraus'eri-
unias depois das oulras, estas mil pergunlas da peca Sacra Santo Elias para quarla
|' se drigem a quera se la/, esperar em urna so- (tira ly de S Jus,
em fim elle pensava estar ljvre. i
Avisos Di v tirsos.
ciedaue ;
Horlencia Rozay eslava no'pianuo hia cantar,
elle podia dar um livre curso a seus pensa-
uicntus : como lornou a ver Maria s no seu
quarto, molhaudo com as suas lagrimas seu
trabalbo da vespura como se sentio culpado fgy Precsa-se de um feitor que en leuda
para com ella mas elle fui repentinamente de plantaecs de orlalicc para um sitio junto
tirado dos seus pensamentos pela bulba dos da l'r.iea : quem estlver neslas circunstancias
bravos que robram as ultimas notas do ro- pode dirigir-se ao sitie antes dechegar a pon-
mauce ; s:> entre toda a assemblea ele se es- le do inanguinho aonde niara O anunnciante
(jueceu de applaudir. So que pensa pois o o ingle/. Cbristofer a fallar com Manuel l'er-
mcu futuro cimbado disse um mancebo Ion reir rom o qual poder tratar
ro bateudo familiarmente sobre o hombro de
Eugenio.
Eu ? que queris
nao do vosso goslo :'
Perdoai-me cu aeho-a encantadora-.
Enlfo a voz da cantora que nao agrada ao Se-
nhor disse Aiadeiroiselle Horlencia, com ar
de indillcicnca e despeilo. Eugenio procurou
cscusar-se mas llortcncia eslava ja no fundo
i-:
que esta msica
queeu te amo Mara j eu le ame ao principio, do salao junto ao grupo dasSanhoras; elle r
ueia la bomtade e leu ubanupuo porque so i (oiilieceii sua inciMlidade, e para a reparar | e
1
-----Urna parda viuva de idade deslan-
nos de bonscostumes como pode provar com
allestados se necessario for se offerece ao
servico interno de alguma casa de homem sol-
icito eu cazado con pouca familia ; quem a
periender drljarse a ra do Jardira casa
terrea unto au sobrado doRm. Sr, l'i,'..,
lao.
K9T O Secretaria Sociedadc Apolin i .
cnnxiil.i ROS Socios (Ir
ompaicuicm no
<.....i
w -. ..... I
I
lrmidades: quem (ver a dita preta e qui
zor alagar anuuncie
A pessoa que offerecno pelo cavado me-
lado oitenta mil reis : queira bir boscar ,
pelo dito preco.
Joo Goncalves Eianjjclsla visa ao
respeilavel Publico que tena-te eslabelecdo
com toja de alfaate na ra do Cjllcgio i). .
lado de Ierra aonde se acba proinpfo para
executar com toda a exactidfo, eperfeico do
que for capa/ todas as obras que Ihe forera
encommendadas.
1^7* Precisa-se de uma preta fateira para
alugar-se, e que teilha bons cosumes o
tanibem se compra ; a tratar na ra de [lorias
sobrado de um andar I). ^ defropte do beco
que vai para S. redro ; no mfsmo jtende-se
um (ardameilo novo e completo para infe-
rior da G. K. para qualquer balal.ho, por
nao estar numerado o qu.il anda nao -ervio ;
e um corrame de couap de lustro com ferra-
jens douradas, c mais ura refe envermiado de
verde cor de nrrala ludo moderna de
bom goslo. c por pceo cmodo.
Precisa-se de um con lo equM.iheu.t09
mil reis, dando-se porseguranca da iqesma
quaulia por hypolbeca uma propriedade de
sobiado no bairro do Becfe e pelos juros es
rendimenlos do mesmo ; quem quiser fazer
dito negocio di: i a se a ra deHorias sobrado
D. 7 defronte do luco de S Pedro que su
dir quem oquer ou anuuncie para ser pro-
curado.
Um rapaz Braiileiro de bo Humes
se oQereci pata Ca de qualquer oceupa-
ca d fiador a sua conduca i quem det-
. nreci a i u i u >' '''"-'


4
DIARIO n R
PERNAMBCCO
zsiK'WSsnaSBKaBXSBr 'uanBEan
Mki

tsy Precisa-se do uto homem forro ou ca- corrente as 10 horas da manli no seu arma
plivo, que entenda :1c retinar as ucar; iva rua zem da rua da ra da Cruz.
da sen/ahi nova U. -.
UT Quem liver para alug&r m primero
andar, ou secundo, no largo do Li mmenlo ,
annuncie ou dirija-seao dilo lugar D. 19
efronle da Igreja.
^ Da-se 5oo a 600,000 a premio ; no
atierro dos afibgados D. 17.
IS&" O professor de primeiras letras do co-
legio dosorfos da aula particular na casa
de sua residencia na ladeira o varndouro ,
junto aoSr Escrivo Coelho ; os Snrs. Paes
de familia <|ue filhos tanto de um, come de outro sexo,
dirijo-se a referida casa.
Mr Precisa-se de a 5o 000, por lempo de
um auno pagaudo-se raensalmenle os juros
de dous e meio por cento e da-se por hvpo-
tl'eca um escravo-; quem t]uiscr dar annun-
Cic
-3" Em anoite dodia 2 1 de L'everero do
correnle anno roubaro a Igreja Matriz de
Serinhaem r carregando a prata seguinle ;
dous calis dourados quatro patenas um ar-
relicaiio dourado um turibulo de prata com
sua competente naveta, urna costodiade pra-
fadourada com o S Leu lio una chavo do
Sacrario com galo de ouro urna '
de ouro um corda o de ouro, urna
de prata a coroa de N. S. Pudro *a
triz urna dita do IMenino Deo:-
de prata peitencenle a fabrica, uu.
jn*ta um resplandor de S. Antoi.
vernica da bolsa do SS um vaso 1
do lavatorio ; roga-se a todas as aulhot-1 ?.
policiaes que tomando na devi.la con*i< -n-
cao um tao ignominoso proced ment v fa^io
tsr Que fazem N. O. Bieber & Compa-
nhia por intervencodo Corretor Oliveira ,
de um bom sortimento de espingardas Iasari-
nas ditas de caca sovellas brochas co-
Iheres de estanto bezerro, pedrfiaaadrr a,a
dedaes, trinchetes estribos, bridas, missan-
gas caivetes tisouras, e facas de xarque-
ar&c. quarla feira 18 do corrente as 10 da
manha no seu armazemda rua da Cruz.
E2F- Que faz Adolfo Schramm por inter-
vencio do Corretor Oliveira de urna poreo
de trastes novos prximamente chegados ,
consislindo em commodas mesas, e tremes,
secretarias relogios armarios e de muilas
iniudcz&s de prompta extraccao sexta feira
.'(i do correte as 10 horas da manb no seu
annaseni da rua da Cruz.
Compr a s
tsy Pesos de duas arrobas at mcia libra,
ja servidos ; na rua da cadeia velha 35.
C7" Um cavallo forte de bons andares ; na
rua da Cruz D. 4*
|p *^ Um caxorro pellaJo para remedio ; no
trapiche novo.
Vendas
de 10 a 15 a unos ptimos para todo o ser-
vico duas pretas moets de bonitas figuras.
engommo cozinho e fazem todo o mais
servico de urna casa ima molalinha de ida-
de de i6annos de bolita figura cose en-
gomma alguma couza. e he de muito bons
costumes dous pretos mocos muito robus-
tos e ptimos para todo o servico, e um mo-
lato ptimo official de sapateiro ; na rua de
agoas verdes casa terrea 1). 37
O" Urna molata de idade de 5 annos ,
bonita figura, engomma liso cose e cozi-
nha ; nesta Typografia se dir
asr Urna escrava denaco angola, de ida-
de de 18 annos, boa lavadeira, tozinha o di-
ario de urna casa e he quilandeira ; na rui
da Conceico da Moa vista D. 8.
tST MEIOS Billietes da lotera do thea-
tro cCautellas de ditos a quinhentos ris ;
na praca da Independencia loja de eucadei-
nador n. 26.
tSf Na pracinha do Livramento loja D,
34, ha um completo sortimento de facas e gu;
fos de cabos de marfim dilas de osso finas,
compassode lato com lira lnlia ecanet>:
para desenlio bandeijas grandes e pequeas,
finas e entrefinas, caivetes finos para pennas,
tisouras finas paraunha ditas para costuras,
casticaes de casquinba aparelbos de prata
fina folhas de facas finas espingardas de
espoleta a $5 20.
tT Urna negra que sabe fazer perfeila-
mente tijolos e telha e hbil em todo o ser-
vi.o de olaria ; na rua dg Apolo casa de No-
pretas de 15 a aa annos sendo duas perfei-
tas mubandas nao sao viciosas nem achaca-
das o do-se a contento, urna linda pare-
Iha de escravos mui lindos. a parte de um
sobrado na rna de liortas o qua rende 22000
mensaes e urna completa mobilia em muifo
bom uzoe por preco commodo j na rua de
agoas verdes D. 38.
cr Bilheles e meios ditos da lotera do'
theatro ; na rua da Madre de de Dos.
tsy Bichas de muito boa qualidade #
por todo preco, em condico; na rua docabu--
ga loja do Sr. Bandeira.
Escravos Fgidos
i3S" Bilhetes, e meios bilhetes
a 2. parle da 1. Lotera a fa-
or das obras (lo Theatro, e CaU- berlo Joaquim Jos Guedes.
lellasdos (Utos com premios infalli-'. *" Umacmteirea nova, modernaecom
, bons commodos tres quartos, coznha lora,
veis: nesta lypogralia. immediato a casa tem mais 64 palmos de ter-
quanto poderf.m as convenientes pesquisas a *s:-'*< Na rua doQueimado loja nova D 8, reno, que d duas moradas boas, lem de
nm de que nao fique impune um lo vergotilic o seguale sortimento de fazendas ; ricas se- iuiido 3oa a 4oo palmos para mais, vai at
so crime ; roga-se tambem a os Sfc. ourives das brancas para coletes de baile bordadas abaixa mar que d todo o fundo meio sitio ,
caoulras pessoas a quem olTeieeerem por- de fio de ouro e prata sarjas esetim preto a casa tem 90 a 9I palmos de fundo, ludo se
cao de prata que prtaumo ser do dito rou-Wovrados para colele setim de Maeo ditos vende junto com a casa e sita no atierro dos
bo que aprehendo ou demoran o vende- de varias cores sarja laiga hespanhola dita affogados da parte da mar pequea ; a tratar
dor, em quaiito aviso nesta praca ao Advo- Iranceza dita de la de duas larguras chales na rua dos Quarteis 9.
gado Joo Baptsla Soares na rua da Concor- de merino de varias cores e bordados de seda, u&" Um escravode 20annos ; na quinada
dia por delraz do Carmo ; e em Serinhaem ao panno preto fino e de varics cores irlanda pracinha do Livramento loja do Burgos
respectivo Vigario para se proceder como cum- de linho fino challes de fil de linbo bran- 2^* Genebra em frasqueira da mclhor Ta-
pie, do que sero recompensados coro 100,000 eos e bordados ditos pretos bordados de seda, brica dalJollanda ; na rua da Cruz D. 4-
alem do inviolavel se;redo que se Ins pro- cambraias de bom tom brancas e de cores ssf Meios bilhetes da lotera do theatro a
mete. bicos franeczes hrancose de toias as larguras 4600; na quina do beco da Congregaco D.
5 A pessoa que quer comprar o resto da chapeos de sol de seda, lencos de gorgorao ai loja de Jos Esteves Vianna.
salsa pairilha sendo que anda queira pelo fino, ditos de seda de todas as cores, luvas, %SF~ Cautellas correspondentes aos nuwie-
roesmo preco que prometeo pode ir buscar e meias de seda de todas as cores e lamanhos ,. ros dos bilhetes da segunda parte da primei-
na rua nova botica I), 29 assim commo ven- e outras muilas fazendas de bom gosto ludo ra lotera do theatro na rua do Cabug l6a
de-se vercz copal fino alvaiade,'(lintas mui- pelo preco a vontade do comprador. de fazendas junto a de cera, e na rua doQuei-
das a olio verdete azul, preto e branco em t-3*" MEIOS Bilhetes da lotera do theatro, mado loja de ferragens 18,
barrs. e camellas de ditos a quindenios ris; na pra- xsT Meios bilhetes da loleria do theatro a
tSy" Quem annunciou querer vender um ca da Independencia loja n. ao. 4^80 ; na loja de Vlanoel Gomes de Carva-
sobrado de um andar no bairro de S Antonio rfT' Pannos prelos e de cores a 4o c" lho ao p do arco de S. Antonio.
dirijase a rua nova armrzem ao p da ponte vado ; na loja de fazendas na rua do Livra- tSF Duasesrravas de naco com bonitas
onde se vende quai tinbas. I ment junto ao beco d padre D. 1. figuras urna de idade de 20 annos engom-
----------_----------------_--------------------------- SSy Um raoleque ereoulo de idade de ma he cozinbeia a outra de a4 annos
AVISOS 31artlllOS. annos; na rua nova D. 19. de idade meia ladina e ambas da-se a con-
-:----------------------------------- -------j ^* Um preto de idade de a o annos e por tent, na rua direila D. ao lado do Livra-
PARA O CEARA' a Sumaca Delmra M. preco commodo ; na rua da cadeia nova e- ment.
Jos Joaquim Alves, sahir breve por ter par-; tima 4. %r Bilhetes e meios ditos da loteria do
te de seu ca riega ment a bordo ; quem qmser ^" Um terreno na rapunga nova com 6(, theatro; na rua do Cabug loja de mudezas
ca riega r ou ir de passagem enlendo-se palmos de frente e 00 de fundo ; na rua da junto a botica.
rom O dito Alastra ou com seu dono Antonio roda O. -7. g^. Urna casa terrea nos afiogados defron-
Joaquim de Souza Ribeiro. |-**3y* Os seguintes livros Alexina ou a le da Igreja de S. Miguel ; trata-se com
PARA O ABACATYa Sumaca Felicida-, torra velha do castello de boldheim Lau- .Antonio da Costa Lobato, visinho a mesma
de, Mcslfe Jos Rodrigues i inliciro quem remo casamento 1 or vinganca a forca da
quisercarregar ou ir de passagem enlen-; amisade % amor offendido Selico, Iddalina ,
do-se com o dito Meslre ou com seu dono \ ermer Carlota archivo popular e fier-
Antonio Joaquim de Sou/a Ribeiro.
RIO DE JANEIRO segu imprelerivel- das D. 2.
toldo ; na ruado Livramento loja de fazen-
mente al no da 20 do corrente o Brigue Hoza
recebe nicamente passageiros para o que lem
bons cmodos quem quiser r de passage diri-
jase a rua da moeda D. i 1, ou a Firmino J.
Felis da Roza.
PARA TRIESTE o superior Hrigue Inglez
Agnez Capito Charles Cobbe anda tem
Jugar para 100 caixas de assucar; trata-se com
Me. Calmont & Companliia.
PARA OS PuRTUS DO NORTE o Pa-
quete de Vapor Paraobeuce segu boje a
larde, e recebe a mulla no Crrelo ao meio
dia.
.Le i la o
^jfcicy Que faz Joo Mevmrt por inlcrven-
cSo doCorreor Oliveira de pannos case-
miras, sedas, hollandas brina enlranca-
dos escures latas com espirito de trebentina.
lampies de louca dourada para gas machi-
nas para filtrar a',oa papel de peso balaios
relogios de sala rom manga, estampas pito-
rescasda Sicilia, casticars garralaa de vi-
dros copos para vinho e cbampanbn li-
vros em branco perfumaras, marmotas ,
quadros livros impiessos e oulrcs mjuilos
objeclos de difieren les qualidades desembar-
cado* da liana ngleza .\aiy- Lbarlotte-We-
r arribada a esta porto ; icrc.i feira 17 do
mJUT Sarja prela lisa portugueza de mui-
to boa qualidade, propria para vestido de Se-
nliora por ser de boa largura ; na rua da ca-
deia da Conceico loja D. 26.
XSr MEIOS Bilhetes da lotera do Thea-
tro e Cautellas de ditos a quinhentos ris ;
na rua larg do Rozario loja de mudezas De-
cima selle.
SS'" Rap ebegado ltimamente de Lisboa
em libras e meirs ditas e as oitavas ; na lo-
ja de Antonio da Silva Gusmo na quina do
beco da Congregaco.
IST Urna soltirade pedia ja prompla a
pares de caixilbos e urna rebeca que atada
nao foi servida ; no pateo da ribeira junto ao
sobrado I). 5.
Siy Call da melbor qualidade, que se
tem visto nesta praca em saca ou em sacas
no armazem do Braguez junto a Conceico da
punte, e para que os compradores nao julguera
(,ue huns o pago mais caro do que outros ,-e
declara o preco geni para todos, o de 5ooo
por arroba pagos logos em sedlas corros-
les,
- MEIOS Bilhetes da loleria do theatro ,
e Cautellas da ditos a quinhentos ris j, na rua
direila \ inda que foi do iailecido Jos da Pe---
nba.
tsy* Tres molecas de idade de la a l5 an-
casa ou nesta Typografia.
S2J" Bilhetes e meios ditos da loleria do
theatro ; na rua do Cabug loja de relojoei-
junlo do Sr. Bandeira.
537" Umaarmaco para miudezas e seda
a praso na rua direita ; a tralar as 5 pon-
tas D ai.
S35" Quatro moradas de casas terreas, urna
na rua do fagundes com grande quintal, e
duas as 5 pontas defronte da loica, e outra
na rua Augusta ; na rui do Crespo a fallar
com Mauoel Ferreira liamos
27* A obra Recreaco filosfica, e um dic-
cionario de Constancio; em Olinda rua do
ohi fim u. 2
IC^- Duas cirmelas novas ainda -nao ser-
vidas porpieco milito commodo ; quem qui-
S T .HU iu U'
ssr Una taboleita de urna face com o seu
competente vdro um clavinote um foga-
reiro grande propro para all'aiate ou fabrica
de chapeos ; na rua nova loja de Icilo.
3?" Meios bilhetes da loteria do theatro ;
na rua do Quemado loja de fazendas de Ma-
uoel Joaquim Silveira.
ES7* ^leios bilhetes da loteria do Theatro ;
no paleo do Terco venda D. <).
C3^ Muilo superior oliado de pinturas de
diversas cores para capas de mezas grandes
e pequeas ou bancas de sala, eslampado em
baela de aigodo com largura de 1 c meio e
7 e meios palmos e bolius de bezerro para
liomem chegados ltimamente de Lisboa; na
la nova loja de Ferreira & Braca, aa.
nos. boas par- erem educadas, 4 mol tiy Um preto de nome Manoel de aacSo*
angola com urna velida noollio direito, cal-
vo com um talho no meio da cabeca bem
barbudo falla mal a liugoa portugueza le-
vou vestido camisa de aigodo da ierra cal-
cas branca colete de sarja preto ja velho, xa-
peo de pal lia e com urna trouxa de roupa ,
que se julga ser adelle fugio no dia 11 do
correnle pela manda costuma vender fa->
zendascom urna creoula de nome Bibiana;
3uein o pegar leve a rua do Livramento D. 25
efrontedas catacumbas do Livramento, que-
sera recompensado.
cy No dia 18 de Janeiro fugio um preto
do nome Paulo de idade de 4o annos tem
urna velida em um olho pouca barca com
falta de denles da parte de cima falla bas-
tante rouca secco do corpo ha desconfian-
ca que fosse para as partes do sul para o porto
Calvo aonde ja loa escravo ; quem o pegar
leve a rua estreta do Rozario D. 4 j, que ser
recompensado.
ts?- No dia a do p. p. fugio um molato de
nome Jos de idade de 18 annos com olli-
cio de carpina estatura regular cbelos
crespos cara redonda com sardas levou
diversa roupa, com um chapeo de sol de seda
pela e foi em companbia de outro pardo de
nome Joo tambem carpina e levaro toda a
ferramenta ; quem os pegar leve ao atierro da
Boa visla em casa da Seuhora D. Francisca
Anglica da Trindade ou no sitio do mon-
leiro na porla da agoa defronle do Snr. Major
Florencio ou na rua do cabug loja D. o ,
que ser recompensado.
tsw No dia 1 i de Dezembro de i838 des-
appareceo um negro de idade de Jo a 40 an-
uos com os signaes seguintes ; estatura re-
gular nariz cnalo comalgumas marcas de
Lechigas no rosto, urna pequea nevoa em um
olho tem urnas pequeas glndulas no pes-
coco,quosse conbecem apalpando com a
mo, de nome Antonio, e por alcunho he co-
nhecido por Major ; quem o pegar leve a seu
Sr. Francisco Rodrigues da Cruz morador na
rua dos Quarteis, que gratificar com cem
mil ris.
ES- Ko dia 29 de Novembro do p. p. fu-
gio do engenho Gongacari do Termo e Fre-
guesia da Villa de Iguarassu 09 escravos de
nomes e signaes seguintes ; Jos de naco
angola alto secco cor nao muito prela ,
rosto lirado e descarnado, maca es altas ,
olhos avermelhados pouca barba com to-
dos os denles da frente mos, peritas e ps
proporcionados falla um lano alrapalhada,
e estando vechado gagueja ; raulo denaco
cabinda bastante alio, ebeio do corpo rosto-
redondo e carnudo sem barba com lodos-
os denles da frente cor fulla ps e mos
grandes, pe as grossas e urna mais que a
outra e poder ler de idade ..o annos ; An-
tonio de naco Angola de idade de 5o an-
nos ja piula de branco estura ordinaria ,
cor prela rosto descarnado buxeixas chu-
padas, meio curcunda, pouca barba, psgros-
sos e mos ordinal ias, falta-'.he alguns den-
les na frente ; roga-se a todas as pessoas que
se quiserem euca regar de os apprebender le-
vem-os ao dilo engenho do abauo assignado ,
que recompensar generosamente ou no Re-
cite rua da cacimba em casa do Sr. Francisco
Xavier Marlins Bastos.
Francisco Honorio Bezerra de Menezes.
Moviiueiito do lJorto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA i3.
PORTOS DO SUL; 12 das, Paquete de
Vapor Nac. Paranhense Commandante o
Capilo de Fragata V. Subr passageiro
11 Brasileiros um Suisso e 5-esuravos*
LISBOA ; 61 das, Brigue Nac. Triumphe-
Americano de 17.1 toneladas M. Alexan-
dre Jos Alves equip. ao carga vinlicc*
e pedias ; a Jos Antonio- Gomes- Jnior ,
passageiros dous portuguezes.
UEClE NA TYP. DE M. F. DE F.^Tfi^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMXGQZJXC_7LJAKQ INGEST_TIME 2013-03-29T16:28:25Z PACKAGE AA00011611_04041
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES