Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04016


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
Anno de 1840. Quinta Feika

Tudo agora depende de nos inesmos; da nossa prudencia, modera-
cao, e energa : continuemos como principiamos e seremos apontados
com admiraco entre as Gares mascullas.
Proclamaco da Assemblea Geral do Brazil.
----------------- T------^>^|-0- I
Suhscreve-w para esta folln a 3j?ooo por quarlcl pagos a H a rilados
ncsla 'i'ypogralia, ra das Cru/es D. 5, e na Praca da Independencia
ns. 07 co8," onde se recfbcm correspondencias legalisadat, e.mnuucios,
iiuirindo-se estes 'atis, sendo dos propriosauignantes, evindosassig-
gnados.
Partidas dosCorreios Terreslres.
Cidadeda Parnliil>a e Villas de sua pretencSo...................
Dita do Mi Grande do ISorte, e Villas dem...........;.......1,
DUa da Fortaleza eVdas Idei.............
Villa de Goiaiina.........
Cidade de Olinda...................,..............Toaos os dios.
Villa ileS. Anio......^............................Quintas reiras,
Dita deGaranlitins ePovoaco ilo Bonito.......... ..........Das lo, c 34 de cada mez.
Dilasdo Cabo, Serinhacm, Hio Formozo, e i'orto Calvo............dem 1 11, e 1\ dito dito
Cidade das Alagoas, e Villa de SJacei.........................dem dem
\illa de Pajeo de Flores .*................................dem 1"<, dito dito.
Todas os Corraos partem ao meo da.
13 me Fi viiumo. Numero 36.
CAMBIOS.
Fbverbiro l.
Londres...... ;ii i|i 3> por Ifooo ccd. __
Lisboa....... So por o/o premio, por mctai oicccido,
branca.......iq!i rci por tranco.
bio do Janeiro ao par.
ioo rs Vclbas lillSoo a ijjfo-o
,, ,, Novas tiffioo a l4f6oo
,, Hilas ilc 4, PKATA Patacoes Rraiileiros....... Ijfto a
,, Pczos Columnarii s--------------- i:o a
Ditos Mexicanos-------------------i puto a
Premios las Le ras, por mes I i/K a 1 l|3 por ioo
Mocda de cobre 'Ja 1 por ioo de r
OljJt'J ... Modas le
, Ditas
tf.6
4 por ioo ile disc.
Das da Semana.
10 Segunda-----S. Ecolasca V.-------...... Sessfa da Thet. c and. do .1. de 1). da >. y.
11 Terca -------S. Lzaro (i.---------------------- Reilaclo e and. lo .1. de D. da i. v. man.
ia Qtiaria-------S. Fiilalia V M--------------- Sesso da Tliexouraria.
i':> Quinta ---- S. Gregorio 3. P.------------- KelacSo e Aud do J. de D. da i vare da ..
ii Sevia---------Sr. Vaenlim M.------------------Sea. da Thez. p and. rio J de D '.,
Sabbado -- S. Panttino Jovita Mm. L\el.eaud. doJ.deD. da 5 \.
i Domingo da SeptuagessnM S. Porfirio Al.
Marc chela fiara s da 13 de I''enereiro.
As 13 horas e 30 minutos da tarde As 12 horas c 04 minutos da manfla.

^&msa*^
PEBNAMBUCO.
GGVERNO DA PROVINCIA.
Expediento, do dia l do corren te.
OTirio A jtra rcmeitcr a Secretara uma copia da Ta-
bella ou ordens que regul&oosupprimento
dos objectos necessarios as Fortatesas e Quar
leis desta Provincia, informando qual o lem-
po marcado para a -sua duragao e quacs os
meios de fiscalisaco que sobre elles lem sido
adoptado.
Dito Ao mesmo, respondendo-lhe, que
a vista do que represenlou em seu officio de y
do corrente a Presidencia tem expedido or-
dem ao Coronel Cbefe da l.egio de Oliuda
para faser render o destacamento de Guardas
Nacionaes existentes no Forte do Buraco com
a possivel brevidade e continuar a mudal-o
no primeiro de cada mez, afimdeque o ser-
vico seja repartido por todos os Guardas da
mesma Legio.
Dito Ao Prefeito da Comarca de Gara-
nbuns, enviando-llie, seis laminas de puz
vaccinieo.
Dito Ao Commandante Geral do Cor-
pa de Policia, respondendo ao seu oflicio de 8
do corrente me/, em que partecipa terem sido
pagos pela Col lectora da Comarca de Goian-
na conforme as ordens da Presidencia os
prets do Destacamento da Guarda Nacional
daqueila Comarca relativos aos mezes de De-
zembro do anno passado c Janeiro do corren-
te ; que deve remelter a Tbezouraria as re-
laces das pracas do referido Destacamento a-
batlendo no pret da Guarda Nacional a im-
portancia recetada por aquella Collccloria ,
a fim de por este modo facilitar-sc a confe-
rencia c fiscalisaco na mesma Thesourlria.
DitoAo Administrador da -Mesa do
Consulado, respondcndo-llic que em quatilo
durar a licenca que da Presidencia obteve sem
vencimento de ordenado o Inspector do As-
sucar Ignacio Alves da Silva Santos devo-
ra fazer abonar ao Cidado Manoel Lopes V-
an na que interinamente se aclia exercendo o
referido lugar., o ordenado, que deixa aquel-
lo de pereeber em consequnncia da menciona-
da licenca.
Dito A Cmara Municipal do Cabo, or-
dcnando-llie que tm cumprimento do Ar-
tigo 4* da Ledo i deulubro de iKaS faca
repor no seu anligo estado o camnbo publi-
co de que sempre se servirn os Viandantes
para o Sul pelo engenlio Massangano, nao
consenlindo de maneira algtima que o ta-
pe eslreiic, ou mude a seu arbitrio o pro-
pietario d aquclle engenho, em despeito do
citado artigo /ji da Lei.
Dito A Cmara Municipal do Rio For-
mozo significando-lbc que nao tendo acom-
panliado ao lialanco da Heceita c Dcsneza da
mesma Cmara \ no anno findo que reu-
nieltco com o seu officio de a9 de Novem-
bro ultimo boje recebido os documentos que
Jegalislo a mesma despeza como be expresso
noartigo \. daResohlcao de 3: de Outu-
brode 18J1, eo recomenda o artigo 3o da
l.ci Provincial numero 795 lbcordena, que
remella quanto antes uiu uOCUmcotOS,
dtclarando-lbe que a falla delles nos sub-
bequunte'anuos, quanto iui ventura^ lenna
Jugar, ser bastante para que a Prcidcnein
isidere a Cmara incnrsa na pena pecu-
nia imposta pelo sobredito artigo 3.
. COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia j do corrente
Officio Ao Prefeito da Comarca de Goi-
nna, sigiiificando-lbe em resposla ao seu of-
ficio de 3 do correte, que Joaquim i'edro
Barbosa nSo era desertor dos aetuae9 Cor-
pos de primeira Linha da Provincia a que
dificil era boje saber-se se o dos Corpos
anteriores ao aono de litai, pebjs vicicitudes
polticas por que linliao elles passado, trans-
tornos, c desarranjo de seus archivos.
Dito Ao mesmo, disendo-lbc em res-
posla ao seu officio de *5 de Janeiro ultimo,
que no lerceiro Hatalliao de Arlilbcria existi-
rao dous soldados de nomes Jos Francisco
da Conccico um natural de Olinda que
fez passagem para o selimo Batalbao de Cas-
sadores (boje sexto), e acba-se jircsentemente
em Fernando cumprindo a sentenca que lhe
foi imposta pelo Jury, pelo crime de mor-
te dada na pessoa de bum estudantc d'Aca-
demia de Olinda e ontro natural de Carirs
Novos, que embarcou para o Maranliao em
Junlio do anno findo; pelo'que llie pa-
recia nao ser o individuo queseacliava pre-
7.0, desertor, a menos que ten lia desertado
do Maranho, o que para ah embarcou em
Julbo.
Dito Ao Inspector da Alfandega, de-
precando-I be a expedico de suas ordens, pa-
ra que boje mesmo, ou amanb sedo fosse ao
Forte do buraco assistir a contagem dos barris
de plvora dos particulares que devio ser
entregues ao novo Commandante do Forte ,
a pessoa qne por parte da mesma Alfandega
tinlia em seu poder uma das chavea do pay-
ul.
Dito *- Ao Commandante interino do For-
te do Huraco communirarido-ibe em ies-
posia ao seu officio desta dala ', o conteudo
no precedente*
Dito Ao Major Commandante do Depo-
sito, mandando abrir assetilo de praca volun-
taria no mesmo, ao Paisano Leocadio d'A-
quino Cavalcantc.
Dito Ao Commandante inlirinoda For-
talesa de Ilamarac., disendo-lbe. que o Ca-
bo Urbano Gomes lbc entregarla a quanlia de
i5iU67oreis. importancia dos vencimcnlos
do destacamento no prsenle mez, envian-
do-llic a cautela do mez prximo passado ,
assegurava-lhe, que suas contas com a Tbc-
souraria al o fim do refe ido mez, se acba-
vo saldadas,
Portara Ao Major Commandante do De-
posito remettendo-lbe o Consclbo de Direc -
iao feilo ai soldado Joao Carlos Cavalcantc
de Albuquerquc e ordcnando-lbe que o
fizesse reconbecer primeiro Cadete com as for-
malidades da Lei.
Officio Ao i'xm. Prndente communi-
cando-lhe em observancia ao seu officio de 16
de Dezembro ultimo, (pie as obras do Forte
do Huraco, incombidas ao Capitao Anaci-
lo Lopes de Santa Anna 5 baviao conclu-
ido, sobrando nicamente dos maleriaes com-
prados dous caibros e trcsentas lelbas, que
licaro recolbidas no mesmo Forte,
dem do dia 8.
r)t0 Ao mesmo Ezm. Snr. remellen-
do-lbe favoravelmenle informado o requeri-
mento do iccrula do Leposito viudo das A-
lafroas Gonsalo Jos do Ainorim que pedia
bata allegando ser casado, ter t'iiiio>, no
Damero dos quacs um j soldado, e contar
sobre ludo o anuos de idade.
T'ilo Ao mesmo F\m Snr. remetten-
do-lbe favoravelmenle informado o reqne-
rimento do reeruta viudo das Alagoas em
Marco de 1 S3"Y Francisco Jos da Cimba,
0 qual pedia demico, allegando ter mais de
fio annos, e molestias cbroicas, rraeoim-
posilieliao decontinnar na vida Militar
Dito Ao Inspector da Thesouraria, de-
precandcIlie nlgnnseselarecimentos, acer-
ca da guia que se pissou ao segundo Teen te
da Guarnicfn das lagas Jos Antonio Bar-
bosa que embarcou para o Maranb.oein A-
goslo do anno findo.
Dito Ao Administrador Fiscal das obras
publicas, communicando-lbe, que pelo Com-
mandanle doterceiro Ratalbo de Artilberia,
1 be seria mandado aprcscnlaro soldado Ma-
noel Andr Tiburcio, a fim de cumplir as
obras publicas a sentenca que llie foi impos-
ta pela Junta de Justica pela culpa de se-
gunda diserco aggravada, ficando certo ,
qne o mestllU Soldado seria pelos dito Ha-
talbo fornecido dos vencimentos que lhe
marcava a Carla Regia de ipde Fevereiro
de 1807, e Aviso de a5 do mesmo mez, e an-
no.
Portara Ao Director interino do Arse-
nal de Guerra mandando em cumprimen-
to a Lei, dar baixa ao soldado da Companbia
de Artfices Antonio Jos do Sacramento por
ter fina Usado sem nota o seu engajamenlo
como voluntario.
Dita Ao Major Commandante do Depo-
sito mandando d'ordem do Kxm. Senlior
Presidente, communicada em Portara de 7
do corrcnle dar Laixa aos remitas Antonio
Gonsalves da Silva, e Severino Jos Mendos,
por nao se acharen as circunstancias de servir
na primoira linha.
|))a Ao. mesmo mandando na mesma
conformidade, e por igual motivo, dar de-
misso ao reeruta FclisCorreia de Sou/.a.
TrlEZOURARIA DA FAZENDA.
Expediente do dia 5 do crrenle,
Officio Ao Contador da mesma The-
souraria partecicando-lhe ter o Regente em
JNome do Imperador por Aviso de aa de. No-
vembro findo, concedido ao Descmbargador da
Helacao desta Provincia Francisco de Pau-
la de Almeida e Albuquerque, seis meses
de licenca com os seus respectivos vencimcn-
los para traclar de sua saude
Dito Ao mesmo remellendo-lbe por co-
pia as ordens do Tribunal doTbesouro Publi-
co Nacional. sob numeres 1, 3, e 5 do cor-
rate anno ; a primeira aulorisando a 'I be-
sourana a despender por conla do Ministe-
rio do Imperio no corrente anno finaiieeiru
a quantia de .v2:o<;8U5oo reis : sendo com o
ordenado do Presidente 4 000U reis ; com o
Curso Joridico37.i57o8oreis; cornosEm-
pregados dj. Viztta da Saude 3;5iaU reis,
ccom o Correio Geral J\i:9lJ rcis ; asegun-
da declarando, que neAuma nova provi-
dencia se fas necessaria a respeito da des-
pasa com a arrematacSo dos Disimos Provin-
rkes sendo bastante positiva, c eficaz a que
deu o artigo jo do Regulameoto de 3o de
Maiode l6, e que deve oli-ervar-sc nes-
te e em tollos.:s casos semelbanles aa 3. or-
denando 1. que facaemedtatamente anic.'.-
eao dos lenos de Marinba, e qualqucr des-
uesa coui u Empreados nesse trabalbo, oW-
vendo nicamente medir-se edemarcar-se
fuelle terreno que for pedido por aforamento,
-3f-
n^
paga as despezas pola pessoa que o requerer;
e -o4 qne informe com brevidade quacs oMer-
renos que tem sido medidos, quaes ns afo-
rados qual a despeza feita com esta operaco;
e quanto rendem annualmente
Dito Ao Inspector das Obras Publicas
partecipando-lbe, para seu governo, e ex-
pedir as ordens, que julgar convenientes, a
delerminacSo do Tribunal do Thsoujo Pu-
blico Nacional pelaordem de i3 de Janeiro
p. |>. para cessar a medican dos terrenos de
Marinba c qualqucr despeza com os l'.mpre-
gados nesse trabalbo ; e pcdindo-lhc os escla-
recimenlos necessavtos a respeito nao s dos
terrenos que lem sido medidos, como a res-
peito do mais de que liada a referida ordena ,
a fim de ser dada a informaco que por ella
he exigida.
Dito Ao Inspector d'Alfandega parteci-
pando-lbe para sua inteligencia e cumpri-
mento que o I'xm. Presidente do Tribunal
dauThoaouro Pebtco Nacional, constando-
lbc. que em abrumas Alfandegas do Imperio
se nao tem entendido o disposto no .<., arl qS
do Regulamento de 22 de Junho de i83t, de-
clarou pela ordem de 18 de Jan. ultimo, q'sao
isentos do i 1/1 por corito do expediente, os
gneros de produccao e manufactura nacio-
nal importados de bum para oulro porto do
Imperio ainda qne a malcra empregada na
manufactura seja estrangeira.
Dito Ao Administrador da Meza do Con-
sulado para informar que quantidaue de pao
Brasil existe nos respectivos Armazens, decla-
rando o numero de quintacs de boa qualidade,
o os de refugo.
TBEZOURARIA PRVINCIAL.
ANNNCIO.
yV Tbezouraria Provincial paga em moeda
de prata aos Empreados que percebem emo-
lumentos o mez de Dezembro do dia |}a 8
deste concite mez.
Thesouraria Provincial 1a de Fevereiro
de i8.-|0.
No impedimento do Tbozoureiro.
Evaristo Mendes da Cuoha e Azevcdo.
I>i versas lieparticoeus
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Paula be a mesma do numero 21
MEZA DO CONSULADO.
A Paula be a mesma do n. i.
Em virlude da ordem do Exm. Sur, Pre-
zidente da Provincia vai de novo praca pa-
ra ser arrematada obra da ponte do Anjo
sobre o rio Serinliaem oreada em (:5i8,o.o
rs. Os licitantes poder.o comparecer muni-
dos de fiadores habilitados-nos dios 17,
e H de Fevereiro ao meio dia na Rcpartico
das Obras Publicas aonde esl o respectivo
orcamento e ondicoena iodos os dias uleis
s hotirs do expediente.
Inspccco das Obras Publicas 6 de Feve-
reiro de 1*40.
Moraes Ancora.
O alnivo asi-Titadr nrerisi rfcp torra liara o
atierro dos Arrrombados e convida os pro-
prielai ios de. canoas que a quizerein fortie-
cer, a procural-o na caza da Inspeccfo das U-
I bras Publicas das 10 al s a horas de todos

1


DIARIO
D n
PERNAMBCO
grwmWCT
mi iiliililiwiinil -'-r-T'.MWWHiaEsew-x;
iWtW^""tTj er-*t.^f:.---ypg-ir--^^BmEm

ordinaria dos Jurados para o da I? de Feve-
101 ro
)roximo vindourol que so ofliciasse ao
Dr, Promotor para vir lser o sorliamonlo das
sedulas no da a5 do corrOttl
Outro do Fiscal dcslc liairro evigindo a
s dias Uleis, afim do. tratar do ajuste.
Jiispecrao das < )bras Publicas 7 de Feverci-
to de 1810.
Momos Ancora.
U Inspector das Obras Publicas convida as
ssoaslivresque quizerem trabalhar do ser-
ventos, a apivscutarcm-se-lhe para surem
admillidos.
lnspeco das Obras Publicas 7 de Fevereiro
de i><40
Muaos Ancora.
Fm virtude do art. 4fi da Le Provincial n.
(jj de 3o de Abril p, p pola Administracffo
l'isral das Obras Publicas se bade comprar
a quem por menos vender os gneros so^uin-
tes : esteios deemberiba pela de 4<* palmos
deromprido e 14 polegadas de face 10 le-
nhas de macaranduba verdedetra, sapqcaia queso officte ao Prcfeito dcsta Comarca., pe
que os cbamem indcpendenlcs. os subditos
das JVaces fortes qualquer que soja a sua
conducta, devem ser consideradas como sc-
mi-deiwes nos quacs senao pode tocar, nem
mesmo pela iniprcnsa Rrre, sem correr o m-
quantia de 8 i'rs. importancia de oito enterra- alenle risco fe entrar em contestaefles com
montos de cadveres acbdos as ruis desta iium Cnsul, que protr.ova logo um hloqueio
Cidade : quesepacasse mandado.
Outro do Fiscal dos Aflojados, pftrteetpan-
doscr ndispcnsivel uin atierro na ruado
Ouiabo daquella Povoacao por isso ino lii;
nlranzitavel cm os plenilunios, o que entran-
do a mar probibia inleiramentc passagem :
p ; sendo urna ra bailante povoada : intei-
rada.
O Snr. Vereador Barros fez o segniulcrc-
querimento que bi approvado Roqueo
H guando** impronsa livre quaritlo os 110-
Mens Ilustrados patntelo as torpezas e
(yrannas dos Governos desses Cnsules e pro-
movem osmeios de Ibes oppor barreiras, os
estrangeiros nao todos) os denomtnfio de im-
migos da civilisacao eos insullo e amea-
cao). Era appoio desta doutrina muito re-
cente est a qucs'o dos Franceses em Bue-
nos-Ayres.,.sendo lyjrg dosjoo^vos a pnso
do France/. Pedro Lavie, que era bum ladrlo
de pilo peo d'arco Irarab secopira ver-
dadeira de (i palmos de comprido m po-
bladas de lace 3 i ditas de 3a palmos de
comprido en polegadas de lace 10 : as pes-
soas que ti verm taes gneros ; o quizerem
vendei cbmparecao nesta Reparticio era o da
i5 do correlo as horas do expediente para se
Halar os respectivos ajusles.
Administraran i' iseal das Obras Publicas
11 do Fevereiro de c.fo.
Castro.
A. 1\ interino.
CMARA MUNICIPAL DA CIDAUEDU
REC1FE.
Sesso de j3 de Janeiro de i8.|o.
Presidencia do *Snr. Barros.
dindo a o6 coadjuvaco e dos seus Em pre-
gados Guardas &c. para que faco igual-
mente cumprir as I'cataras desta Cmara .
visto que os Fiscaea encarregados do cumpri-
mento dolas nao sao suficientes para pre-
boneber os dcveres.de que sao encarroados ,
por serem muilo estticos os Bairros desta
Praca.
l)espacharao-se alguna requermentos. E
por ser dada a hora iovantou-so .1'Sesso ; e
mandaran I'azer a premile em rpio assignaro,
E eu Fulgencio infante de Albuquerque e
Mello Secretario a escrevi. Barros Pro-
Piesidunte. Rios Pcssoa Mamede Oii-
Comparoccio os Snrs, Idos Pessoa Ma-
mede Oiiveira e \ ianna ; fallando com
cauza os oais Surs,
Aberla ; Sesso c lida Acia ca antece-
dente foi approvada.
O Secretario dando conla do expediente
mencionou os seguinles officios,
Cm do Exm. Presidente da Provincia remet-
iendo dois exemplares do Peridico mensa!
publicado na Corle do llio de Janeiro pela
-viciodade Auxiliadora da Industria JNacional .
nos mezesde Julho c Agosto do auno p. p
dim de serem archivados nesta Cmara: iu-
leirada.
Outro do mesmo Exm. Presidente parteci-
I ando em resposta ao oficio desta Cmara de
ti do correte que ;i Sesso dos Jurados po-
do celebrar-se na propria caza do Jury pois
que lora della ; que se fasem as obras da
.asa da Rellaco, acbando-se tao somonte
jombaracada entrada da galera segundo
informa o Inspector Geral das Obras Publi-
cas : Cmara resol veo que islo mesmo se
oarlecipasse ao Juiz Substituto doCrime a
un de marcar outro dia para se lser o sorle-
.. ment das lio sedulas dos Jurados que dc-
um comporai. Sesso ordinaria.
Outro do mesmo Exm Presidente da Pro-
lincia partecipando quetendo de fazer-se
II m Caes desde o Forte 'do Mallos at defronte
no Pico cuja diiecco mandn marcar por
t -tacas : ordenava esta Cmara que dora em
liante nao concedesse licenca para edificar-se
nos lugares prximos ao dito Caes sem que
; irneiro fosse ouvidoo Engenheiro Julio lio -
ver, encarregado desle tiaballio e do me-
. i.oranienlo do Corto desta Cidade: inteirada.
Outro do mesmo Exm. Presidente da Pro-
v incia, segnificando para o conhecimento des-
!] Cmara que em consequencia de nao ter ;i
Presidencia destino ;\ dar ao edificio da Cadeia
la Cidade linlia nesta data expedido or-
dem ao Inspector Geral das Obras Publicas
para que eutregasse mesma Cmara as cha-
ves do segundo andar do mesmo edilicio : in-
leirada*
Outro do Tenente Coronel Firmino Her-
culano de Moraes Ancora agradecendo a re-
nessa das Costuras addicionaes da arcbiletu-
ra regularidade c formosiamento da Ci-
dade, que acompanharo o oficio desta Ca-
marade 11 do correnle c exigindo', para o
deseibjienho da Commisso de que foi en-
arregado pelo Exm. Presidente da Provincia ,
js Posturas que disem respeito Polica das
estradas: resolveo a Cmara que se remelles-
sem s Posturas respectivas.
Outro do PrefeitO remetiendo rellacao das
pessoas qualilicadas Jurados 110 presente auno
ea rtliacao daqucllas pessoas que perdere es-
tas quadades : Cmara ficou inteirada e
resolvi que se Riessem as sedulas e se
pubiicasstin pela lmprensa os nomes das
ecos qualilicadas Jurados, e aquellas que
perdern cssodireito atim de serem recomidas
na urna respecti
Uutro do Jai/. Substilulo Francisco Joso
veira Vianna,
PREFEITRA.
PARTE DO DIA 13 DE KEVERCIH.O.
Illm e Exm, Snr.Forao presos hontem
confesso
(Patarras do Times
eveja-se tambera
con v mete e
de 31 de Julbo ultimo
correspondencia oficial de Rosas Le-Blanc).
I'.m ins de Oe/.onilno do 18,17, resisti o
Cortsnl Francs era Valparazo ; que Mon-
sieur Pedro Huliert cumpris3e comaordem
do Governador d'aquella praca para reti-
rar-so. por algum lempo para bum novo do
interior, por lor litio parte na salda de bum
navio daquelle porto sem licenca das Auto-
1 linios Se bum simples Juiz de Polica '"--
sus Naces que lera navios com c.uiboes .
dissiso bum Americano Saia Vm, do
Haudentro de tantas horas haveria Cn-
sul, que se altrevesse oppor-se sem que o
zessera logo ir passear? lio claro que nfo
E fizerao ir passear o do Chile ? Nao : e pelo
contrario, Mousieur liubert nao se moveo de
Valparaso. Logo be claro que na America
ha deveres e uo direitos (a).
arrojo-os em huma praia que ellos nao tem
minha ordera e tivero boje destino ; Sil-' escolbido onde militas voses se achilo sem re-
vianno Theotonio Jorge e Luiz Gomes curso luoi Tal he o Iraetnmente qde as
Sub-i'reeito de S. Antonio, leis vigentes ha i5 annos permiltom aos mi-
brancos pelo
este para averiguaeo sobre urna queixa e lustros que posso fazer petar sobre todo
aquelle (Pordem de V Exc. para oservico da o bomem que nao be inglez he preciso ob-
Marinha por se nao querer corregir-, An- servar, que estas leis se applicao Bf" nffO SO -
ionio preto escravo de Francisco Ferrei- mente as pesso.ls que chegao Inglaterra,
ra pelo Sub-Prefeitodos Affogados por estar mais tambera vinle mil individnos que es-
fu gi do ; Joo da Costa Cavalcanle branco tao domiciliados, que tem residido ali por es-
e J0J0 Jo/e Francisco, pardo, pelo Sub-Pre- pao de m hilos annos com familia e indns-
feilo de'l'e'icupapo para o servicoda 1. li- tria ; que tem transportado para ali toda a
n|,a, sua prosperidade-, que se achao casados com
E1 o que consta das Parles boje recebidas lndezas ; e que em (im tem feitoda Inglatcr-
nesla Secretaria. ,u u sua residencia constante e a sua l'a-
EDITAL. tria nica ^55 A juslica me obriga a reconbe-
cer que estas Cois lorriveis raras veses se ap-
O Prefoito da Comarca faz saber que na Ca- plica ; porem algumas veses tem elfeito ,
deia d'esta Cidade se achao recoliiidos lera- e sera examc previo, com a particu-
po os esclavos abaixo declarados. laridade de qne os Ministros nao tem obriga-
Antonio escravode Joo da Costa, iro- eao nem urna de assiguar a cauza, quando
rador no Ccrto Espinhars. dellas fasem applicacao. Colza terrivel e
Francisco, de Malinas Cabra 1 morador muilo mais quando se considera, que os seus
no Certo do Ass. ell'cilos tem sido tao fitaes que mais de hu-
Jo/e ouJoo, de Jozc da Silva Santiago na vez lem eauzadoa morle aos estrangeiros
morador para o lado de >erinhacm. .....
Luiza de Joze Mara cuja moradia se j Curso de Polit eonst.por B. Constant.
.rnora* i Compare-scesta Legislaco e a da Franca
Romualdo, de M a noel da Silva Noves, com a que existe na .Americana, e com o que
morador cm Fora de Portas. a bi se pralica a respeito dos Estrangeiros.
E para que ebegue ao conhecimento de, (2) Como pelo que temos publicado* ja
todas as pessoas que se julgaremcom direi- nossos leitorcs eslo ao laclo dos f'uteis moti-
lo aos ditos escravos, e possao eslas appresentar vos das reclamacoes do Almirante Francei
na respectiva Secretaria dentro do tempo, que Le-Blanc em Bucuos-Ayres sobre os cslran-
a Le marca, os seos papis em forma; maudou geiros Hade Lavie e Jusson sentenciados
passar e imprimir o presente Edilal de-
vendo ficar cerlas as ditas pessoas que pas-
sado o referido tempo da Lei sera us su-
praditos escravos postos disposico do com-
petente Ju izo para sobre elles proceder como
de diretto for.
Recite 1 a de Fevereiro deo.
S; Brrelo.
Continuado do n. anlecedcr.le.
5. Os Governos das Naces civilisadas
tem direilo illimitado sbreos Estrangeiros
( i ) ; porem nos Estados. Americanos, ainda
(i)Para prova dcsla asserco copiaremos
aqu o seguinte- trecho do elogio do Snr. Sa-
muel Romilly pronunciado no Ateneo de Pa-
riz a vil i de Dczembro de i83q Acaba de
diser (diz- ah ) que em nenhum Paiz do
Mundo (fallava de Inglaterra ) existem para
os Estrangeiros regtdanientos lo rigorosos
como o chamado Allien ifill 5 c devo acres-
cenlaj, que he impissivel, qneein parle a 1-
guma se estrelo as leis com mais severidad'.-
agarro-s.e as pssoas sem Ibes iazeroia ne-
uiima advertencia previa : apodeo-se des
seus papis semlhes permelir, que osreco-
nbeco, pe-se-hes guardas vista sem
deixar multas vezes qne entre pessoa al^uma
para iiies fallar : pocin-nos cm huma seje de
Carneiro la Cha pmiecipando em virtude I posta c d'ali os passao para urna pnso mo-
do ol! la (Jamara ter mudado a Sesso I vd abordo de huma embarcaco : eem lim J
pelas leis do Paiz por se acbarem nelle cri-
minosos de conspiraco roubo e assassina-
to ; nao be fora de proposito publiearmosa-
qui huma nota do Ministro Francez Mr. Si-
basliani ao nosso Ministro Plenipotenciario em
Paris por onde se v quaes sao os prineipi-
pios do Governo francez em tbeoria res-
peito dos estrangeiros principios contraria-
dos pelo dito Almirante na pratica. A' vista
de taes reclamacoes pode-se bera por nesta
peca di[i|omatica do Conde Sebastiani a se-
gunde ola.salvo quando os estrangeiros
orem Franceses cstiverem na America e
forem condemnados por crimes de roubo, as-
fassinato e conspiraco 5 porque nesses ca-
sos ainda que os estrangeiros sejo de baixa
classe como marinheiros vivandeiros &c. ,
o Governo da Franca por va dos seos Almi-
rantes frente de navios de guerra intervi-
r para/|iie fiquem millas as leis do tai/.
Abi vai anota diplomtica :Snr. Cavallei-
ro Rochalccebi a nota que vos me fizes-
les a honra de enderecar a o de Junho pas-
sado eque tem por olqeeto fazer me conhe-
cer que do 1. de Janeiro de i833 em dian-
teo Governo Braseiro nao admitlir a de-
zembarcar nem a ficar no lirazil a Es-
geiro algum que nao appresente certi-
ficados d sua moralidade relorendados pelos
ules assim como do genero de indns-
Iria, ou de commcrcio que cada hura se
a. O VOSSO Governo, Snr. Cavaihei-
ro, ceriameiiio nao ignora, que he bum prin-
cipio eslabelecido que entre as Potencias a-
G. As setneos dos .Tu /os Hispano
Americanos, que digo respeito ; subditos,
on inleressos de naefies lories sao millas sem
a apprbvacio dcstas: os processos devem ser
entregues algum Consol. on coramaudau-
lo de esquadra para qile os approve ou a-
iiule. Ser porem reputado demente todo o
riuese atrever a duvidar nao ja de huma
;enlenca do La Cour de Cassalion ou The Cour
of Common Pleas. porem mesmo do mais su-
balterno Tribunal. E.xrmplo. Os sucesst s
do Panam, do Mxico e recent<'menlc de
l'nenos-Ayrcs nos quaes tomos visto os fortes
classificarem le injusto, e arbitral ios os pro-
cedinieulos, e sentencas dos tribuimos Ame-
ricanos, saoccionSo este principios.
7. Os Estados Americanos fracos, e
barbaros nao lom direilo nem lo queixar-
se ne.Ti de manifestar a mais pequea sus-
pcila : porque isso ser reputado tanto pelos
Governos lories orno pelos subditos del les
residentes na America ( onde vom enri(|ue-
eor-se encontrando-so a mais ampia hospi-
tal idade boa.f, eamezade sincera) como
bum grave insulto aos dilos Governos c a el-
los. ( O direilo he soffrer e nao piar,
([liando ir -o la !'ranee la Frtice est Iros
pui-sante elle rteudrH apprende ees negros
co (neo'est que la Frange oh! larance I
i o la b iaii'i' j ....)
Y 37 de Marco de 1837 cortos Enviados,
Enearregados de nejocios e Vic-Consules,
residendes em Bogla (i-or.To huma seria
reclamaco s porque o Ministro Granadiano
disse em huma memoria ao Congresso. Que
a Europa pareca estar arrepfemidd dos bene-
ficios, effeitos produ/.idos pela colonisaco ,
civilisacao da America ; pois que exereia para
com ella huma poltica t que a inexperiencia
Americana impeda penetrar; e que os Gover-
nos da Europa para acbarem uestes tai/os
amizade sincera e constante, nao precisa-
vo mais do que faser-lbe sempre in|iistica. ,l
Os referidos Agentes queixaro-se lestas pa-
lavras, pelo moeffeilo, que ( dissero el-
les ) podiaQ produzir no animo dos Granadia-
nos : exigiro ,e obtivero d aquelle Gover-
no, quedsse no seo peridico oficial huma
comp!e a salisl'aoo de jue ellos cbamaro bum
aggravoO).
migas o accesso aos respectivos Pai/.es deve ser
franco todo o viajante pertencente bum ou
outro reciprocamente, lugo que se appresen-
te munido de pass*porte regular emanado
da Authoridade Nacional que pertenee.
Chegado. ao lugar do seo destino lodo o Es-
trangeirose torna naturalmente sujeitoiu-
risdieco territorial cm toda a sua lalitude ,
que o Direilo das Gentes reconheee ( foi ver-
gonba que o Governo Braseiro fosse pedir
eslalico ao Sur. Sebastiani) sdvos os li-
mites que tiverem sido imposlos por convon-
ces especiaes. He assim que ( salvas as <;.sl-
pulaces em contrario ) pertenee lodo o
Governo punir conforme a sua Legislaco,
o estrangeiro que so torna Reo de bum
crinte ou de bum del ido e exigir ou
ordenar a sua sabida por cauza notoria de va-
eabundaee o de m conduela. Parece-
me, Snr. Cavalbeiro que esh-s principios ,
quesoivom 0111 Franca le nica regia ao
Governo do Rei, devem ser igual, clnica-
mente os da vossa Corte ; e sem contestar que
o Brasil possa oslar alguns espeitos (vis-
las cerlas circunstancias ) no caso de exercer
acerca dos estrangeiros huma vigilancia mais
rigorosa r.o acredito que sua siluacao se-
ja tal que nao possa adiar na s apphcacao
deslos principios todas as garantas ; que re-
clama. Tenbo a honra de sor com mu dis-
tinctaconsidera9S0, Snr. Cavalbeiro. vosso
muilo obediente e humilde criadoII. Se-
bastianiSr Cavalbeiro da Rocha. Par2
ii de Julbo de IH.H3. Tivemcs hum Minis-
tro Rrasileiro o Sur, Aureliano de Sou/a e
Oiiveira Coutinho que sustentou ; ponta
da espada csses principios seguidos na Euro-
pa mas ate ento contestados no Brazil ,
onde elle os firmou. Ainda lemos com pra-
zer as suas notas entao publicadas esse res-
peito : honra lhe soja leita por esse e ou-
tros servicos muilo importantes ao seo Paiz.
Como pois vista de taes principios se-
guidos pelo Govemo Francez se fi/orao a-
quellas reclamagdes em Uuenos-Ayres sobre
Reos sentenciados convii I a e conlessns de
ciimos vergonhosos ? como .' ah porque....
porqu.... adevinbem os Americanos.
(s) Nl se admiren ; tambera aqni no Rio
de Janeiro liuns poueos de I J plmalas alias
respeitaveis xigiro e oblivero que hum
Ministro Braseiro despedisse de huta bai
em sua casa a bum l'.ia/iloiio que pOHO
dias antes havia publicado em bum Jornal
huma carta hum poueo -desagradavel ahorra
desses Senhores, No nosso humilde concei-
I.


DIARIO DE PE il N A M V. V C i*
HBM
Como o poder da Europa vai- em augmen-
lo ao mesura lempo que estes povos barba-
ros-vao etn decadencia por Irusa das shas dis-
-..nefies intestinas promovidas por algucm ,
he consequente que dentro em pouco lempo
se impedir a lirtguagem da queixa tanto
verbal como pela imprensados particula-
res ; porque para seren conscquenlcs devora
fazer esle rncciocioiiio: se o que diz hum Mi-
nistro Americano, q' semprc o lora com a mo-
derars propria de hum alto funceionario ,
pode indispor os nimos como a* o que dis-
se.' hum particular que nao est tao ligado
pela sua posicao c pode fazer com mais li-
berdade, indispor como 8 \ o por consequen-
cia o direrto de se oppsr ao segund sera em
rclacao ao que se leve para exigir do primeiro
aquella salisscao como de 8 para 2.
(Continua.)
CbffesptrKlencii,
scelerado para resgalar innocentes-, hum] da sua'dictada ; tropa-; e desde entao nao ees-
nmnslro feroz para restituir api/, ao meu sou de partilliar com toda a eficacia do a-
paiz. Eu j;i era republicana antes da re'volu- ; mor as ladinas e os pericos fiesta nova condi-
cao e nunca me l'altou a energa. (Vide Mig- cao. Ella havia repeltido com juslo honor os
ncl, Histoirede la rcvol. tom. a* cap. 8) rendraentos de Guisardi. Este possuia, a-
No obstante a sua confisso o tribunal al- Icni disto hum importante segredo.....
(celando imparciadadc llie assignou defen-l Os salteadores seretirrao i sua caverna-,
sor, e mandou seguir todas s formalidades do forao enlregar-se a hum repouso necessario,
processo. He notavel o discurso do seu advo- e contar anda huma vez Mas riquezas antes de
irado. Cordav nem tinba negado o aclo adorniecereni. O capitao ficou so : desviou-
i'iom forcejado pelo allenuar 5 pelo contrario, se, e Coi procurar segundo o seu ooslume .
reconheceo que deba muito o tra/.ia premedi- hum passeiu solitario as portellas da monta-
lado, l'lla ludo confesfou (disse o advoga- nha.
do), e nao procura meios alguns de justifica-. Guisardi Ihc seguio delongcas pisadas ; de
cao: esta be cidad.os juizes a sua plena repente tomou hum rodeio ,# e foi siuar-se na
del'e/.a : esta inalteravel tranquillidade dees- curvadora de hum (Jestiladcro ; espern o ca-
pirilo esta total ahnegaco de si *sts su- pilao o assim que o vio unto a si o estn-
1 1- *___ *___ ...... ,,1.1 >... .,..<.-<.-><* A..-. ...,-*!.\ -k LMiiJ ni'u tutm h:"'i ini.i!i .1 1 1
MMaoMMO s?w mu ai hiiihh "
sim como ama negra forra on captiva onal-
gunvi panla para servir e la/.cr rompen lita a
urna Senhora \ n quem convier ahnunrie.
As pessoas que tem annnmiado que-
rerem sercaixeiros de Escri piones leudo boa
'escripia appnrecaS no Trapiche eComp
i w o dia '>8 'io Janeiro dcsappireceo um
molcquc de nome DomiugoS de id.ule de no-
ve anuos nacao Rebollo bem pela olllos
pequeos, sabe bem dizer quem he seu se-
nhur, e aoude mora ; levou carniza de algo-
dao&inhn ralea do riscado azul jaquela ,.
desb l id.1, di ipe 1 di; palha n'ea n un
co levando un !.i lio eiifia lo 110 braco com
o qual ia comprar 1 na ra do l ingid foi qti
se pcrdeii : >upp 1 loriad i qualqiier
p 'S ip lenuncirt ni le eslivtr occullo,
blimes senliincnios que al na presenca deo inorto a
da multe nao mostra indicio ffa re- Cortn
Sis. Redactores,
Corto SUgitO, que mora l para pert. do
Mangurnlio, depois que leo a primeira veza
Charada que vinba no Diario d'hontem a
tornou com atlticta a 1er, c Ibi ao mesmii lom-
r.o duendo-Jaz-mim- Assim lhc parece .
pie adecifrou- e ueste caso he pena, que
nao ganhasse alguinas lvicats.
Mais justificado senlimenlo tem elle de nao
tor meio algum de exterminar a bestial ihdig-
nidade d chamado Bmb-meu-boi, liem de
remediar os pavissimos Males, que em um
indicioso c mui bem escrito Communicado se
lamentas lia mesma olba.
A cre lera, Sis. Redactores, asallenooes do
seu Obligado servo
uto aseus ps com huma punhalada. ou o legaran l'rapclie ('ompaidiia sorii bem
inorli nao mostrao uraicio rm re- 1 .onou-lho a cabeca metteo-a 11 hum cofre recompensado.
mono, nao sao rtaturaes. Cdmpute-ros, oi- V ierro, e poz-sa a cunuiho para a cidade 011- '^-' Qucniquise comprar rins parles da
dadaosjuiz.es, (i\ai o pozo moral desla consi- de resida ogvernador. propriedadesila no barro da HoaviMa na ra
deracao na escala da juStica.M Corday, vol- Chegouao palacio deste principe : ludo alli da Gloria 011 jicrmulai poralgum tioond
lando-se enlao para o orador, llie disse s respirara alegra 5 era hum dia de funecao; haja rio crrenle de agua ilocc na qual pro-
Tocastes o verdadeiro ponto da questfio ; era o gvernador casava huma desuas filhas. pnedade ha urna grande otaria duas mora-
o nico melhodo de delega que me convinba. Quemes tu? perguntrao ao salteador as pas de casas terreas, < alguns aryoie-
Ouvio depois a sentones oom absoluta seren- guardas do palacio. Elle se deo a conhecer ; dos fructferos ; dirija e ao mesnin harroe
dade que manleve al o ultimo instante *\i pronunciou o^eu nome, terror daquella co- ra a fallar 1 1 n o< insenfior lgu..... Vives dj
vida.' Era dolada de grande belleza realca- marca ; disee que ia gosar da amnista e que Silva Santos que unesino tai o seu ujus-
da pela tranquil lidade do semblante e a ah- levara a caheca de seu capitao ola- tl!
vez do porte, circunstancias que, juntas : moso Paolo, rujo nome nSo era menos cele- *&" Quera quwer eomprar um prelo jadfl
mocidade e ao vigor d'alma inspiravao no bre. Introdonrao-jio na salla onde o gover- idade propno para tratar de um ailio hem
seu transito para o sopplicio vivssimo inicies- nador eslava ;i mesa rodeado.de seus corlezaqs com. "ous cnva"os com andares sen lo a di-
se l'oi Miilholinadaaos 17 dejulbo de .yyi e de sua familia. O salteador expoz. o objeclo nheiro ou a prazo dinja-se a ra Nora .
contando apenas S anuos daauachegada..... As filhas do governa- *'
Corday Coi victima do fanatismo poltico: dor, assustadas, quizerao deixar a salla 5 seu ^'' Aluga-se um prelo, ou preta para
seria!) nobres assuas internos, seria osen pai se oppoz a isso: lie hum culpado que servir una ca/a pagaudo-se mensalraeule :
designio generoso, mas, posto cm obra foi se arrepende disse elle e que vingou por si quem a tiver annuncie.
intil, porque a tyraunia nao proceda de s a sociedade. Conservai-vos no vosso lugar, vrr "ende-se urna cinoa aberta por preco
hum hornera s, rancia de hum partido e da minhas filhas, c doraai essa fraqueza !____rouUocommodo, propria para tirarentulho ;
situacao violenta da repblica. Vos, disse elle aos creados, fazei assentar este quem pertender annuncie.
_______I_________1_ \ .. 11 1- ...__ 'i' ~. _,' ().>'. 0M' ICI II 11:1(1 I'i>iii.-Iii> >nii>l'.H
MISCELLANEA.
Cariota Corh.w.
Descendente de familia nohre, que em o
numero de seus antepagados conlavao o gran-
de poeta trgico Comedie nasceo Mana An-
ua Carlota Cordav d'Armas mais geralmente
chamada Ca Iota Corday em S Saturnino,
juntoaSeez, em Normandia no anuo (le
17G8 Os principios dos pnmetros revolucio-
narios republicanos, |ue proessou comen-
tbusiasmo em lenra dade, exalla.ab-se por
occasiao do predomiio do partido jacobino
quedaeproscripcSo dos girondinos era i de
maio de 7q3 e presenca e conversacao dos
Drlncinaescabecasdestesltimos, que se re-
tu-iarao em Normandia com o intuito de su-
blevar o povo a seu favor Hcsolveo-se etllao
Corday a servir a causa que lomara a peilo por
ahuma aeco extraordinaria; parti para Pa-
rs e leudo assislido a algumas ses6es da
con'vcncao anda mais se xallou ouvmdo as
invertrvas vomitadas contia os corifeos deseo
bando e opinian poltica. Efta violenta com
mocao de espirito a deierminou a assassmar
hum dos printipaes da faeco dominante ou
para infundir terror t ou por acto denngan-
ca ou para cxemplo do que ella rcpulava jus-
tca publica : cscolheo por tanto para victima
jMarat, o mais fogoso e sanguinario dos jaco-
binos. Depois lo duas tenlalivas iiilructuosas.
obteve entrada onde Marat iazia doenle, aos
j5 de junho sol) prelexto de Ihe communicar
importantes noticias chegadas de Caen s mus
a confirmouem seu proposito a declara?o que
Ihefez.aquelle, deque os girondinos fgidos
para ali dentro em poneos das serian guilloti-
nados em Paris earrtmcou subilamcnle do
punhal escondido e o cravou no cnica > 1
delestavel republicano, que apenas BOttOi
hum gemido e expirou, Immedialan.enle pr: -
/a econduzida peanle o tribunal revoluciona-
rio conlessou e justiicou o aclo : En ma-
tei hum bomeni (exclamou ella levantando
nmito a voz) para salvar muitos mil; hum
O SALTEADOR VINGAT1V0.
O gvernador de huma cidade da Italia
novo hospede c dar-lhe refrescos .... Te- *" .S' ''.-.- I.e.i, arlo Pe-,..'l,e que fui,
nenie Guisardi descanca hum instante e be- ou ,,e ,invi's ,'l!, ,!a Vldade d" Porw ca"
hei Guando me levantar da mesa abr- /,b nesla Uq**e 1ueira '""'"o'iar a sua
remos o vosso cofre: tenho curiosidade de ver >. (m di.igu-se ao (orle do Maltes,
1. ii.i'i, : l'll'l (I 1 I 9IU < ni I n> >, ...,., .....,.
to os respeitaveis iJiplomalas se mostrro
muilo pequeos e o Ministro murto fraco.
Na verdade exigir de hum dono da casa e de
hum Ministro 'Estado que despega da sua
partidas hum individuo que nella nao po-
da estar sem ler sido por elle convidado ,
0 governauor de Huma ciuade o 1 nana no remos o vosgjo eolre ; leniio cunosiaane ue ver '.' *~ reino de Napolei, querendo reprimir as de- a cabeca do famoso capillo que lanos sustos me quinada ra da Lapa -.andar, a negocio,
preda Oes de hum numeroso bando de malfei- causou cm troca deste present! recebe- M1"' ",0 J*u WSpeitO.
lores que assolava os campos ciicu.r.visinhos, reis a libe, bule o a recompensa promellida. ,rv J" x\ u",,mas Laulcl.,as correspondentes
publico.! buindeerelo, pelo qual promdlia a O leste o conlinunn no meio dos cnticos e n Lotera dol bealro a o lcenlos res o ,.
[iberdade e huma boa somwa ao salteador que dos rejosijos Em lun o gvernador se le- Preu,l ()oU "' ~ '- ooU ~ ,ioh '
viesse entre--it-lhe hum de seus camarades vantou da mesa ; chegou-se ao salteador que os mais veja-se o plano estando no verso das
morlo ou vivo. clava sentado soccgadamentc unto do seu co- nCSl"s- airro do Recite -- beco deporto
Esla ordem chegou aos salteadores reunidos fre; o gvernador o abri. "Que vio elle? u canoas ca/a n. 4 ra da Cadera lojas .
no seucovil, 110 m.-iodas ino.uauhas. Aea- a eabeca de seu filho '. de seu filho cuja f ouca oa S,x-. & u.,;" (' de lra9les '"> V'
havao de fazer huma rica pieza e dividir tempestuosa juveniude e indomavnis paixes uoUrpo&anlo \eudas dosm. t urlunato ,
cutre si os numerosos despojos que devia N causraS longo lempo a desesperaco da sua e Vellozo.--Hairro de Santo Antonio--lojas
sua audacia e sobieludo 'coragem de seu familia C que a final havia hum anuo li- f Uiudezas ao. do arco ra do Ubug -I
oven e intrpido capitao. Mas este sentado uha fgido da casa paternal, sem deixar ves &. Claudio relojoeiro, e Hamleira Junioi .
i narle sombrio c pensativo nao partecipa- ii.io da su fuga. e no momento de conlractar ''u, ",' (i'' ar' l'mkTR" ^aves, do One.-
1 .' 1 1 1 -li li* i -. m:iil.i fl-i .Se. h.'KliN.
va do alvoroco commum. Levemente leudo huma brante amanea que tena salislcilo,
____.....!...._ J. ..... Iiun. huiIh .:...........1-----:. .,, ......1.....^ .....I'..:..
va do alvoroco commum. L.eveaieme icuuo inuna lininanie amanea que tena sausicilo, .
na escaramuca que acabava de ter logar contra nao os seus desejos, mas os votos e a ambicio *f U Assioms a das Lantellaa desm-
alas viandantes armados, que liiibaS ven- de seu pai. diadas de bi I heles das Loteras ondeen,;, par-
,llo caras suas vidas e sua fortuna apceo- Este pai infeliz moderou a sua tan o braco ahuma linda rapariga que Ihe eco ao salteador a somma que merecer. tambera ';''!' fu*e,las PB"'"j;J a quarw
Mtancava osaniiue daleiida: elle a mirava ., Guardai o vosso ouro, disse este com lercza. parle dos bi Mieles da Lolena do Ihealio, era
cora amor ereconhecimento, ediriga algu- Eu quiz punjr-vosde nos terdes julgadocapa- '"1'* '.:,!,;i'l,:". ,!1''^ l*m' hei:5oors.
ns czespara os seus caraaradas humoliai da mais infame cobarda. O mal que ten- il 'I"''1 '"'" ""." 'tenvelmente a de#<
eroquesemostrava pintada a ce.a eodes- des querido causar recabe sobre vos Estou corrente : vend na Boavisla
Sr Saraiva e na do aun uncan le as C
orei. Junto delle eslava a mascara negra vingado son livre ... adeos ^' """"" l "" "'"-unan,. wW .-
que puzera de parte, c que Ihe servia as suas () traidor sumio-se e o gvernador |usti- ponas U nove, e-noa mais lugares ja aiinun-
,!ei'osas exped Oes. ceiro deo gratas, apesar dos laeos da nalurc- ciados.
A' Icituiado decreto, os salteadores estro- za de se haver terminado, cora amorte do ."--' A lssoa que annunciou trocar hum
mecer, aalraS suas armas, eindijnarao- deseufilho hura dos cancros roedores doso- sobrado na ra do Rangel por miro nomes-
""" 1. 1 mu li.uno /e *i. A11l.11.1-. Himi.-ii. n im.i .
GOLLEGIO SANTA-CRUZ.
(No b orle-do-Mallos;
mu Bairro de ft, Antonio : dinja-sca ruad
Rozai io e ilreil 1 i), .i no pgundu and 11
U-.7" S'a ruado Queiraado luja I) 7 lia pa-
ra vend r- ic hura (avallo de Lora laraanho o
cpm 1 I s os andares.
ty '- Vlaria I/abel de Albuqucrque que
viuvou de Antonio l'inlu ue Alhuquerqi
residente na 1 r< u -11 da Escada conslou-the
que os herdeiros l 1 (ale* ido Dr. Joaquim A-
notnario Wayer nassao a fazer parl.lhas nos
S o capillo nao lestemuubnva a menor i..- )s prelcndenles dirjam-se ao sobredilo Col- en qu lorto do dilo talecido e para esse fin
ipnaco a menor colera ouvio-se-lhe mes- egio onde achara,, cpressas as condi96cs UJ ." '". &[ "" ''.anbo. .! silo na
Continuara a ser adrailtidoa n'este C "
assm internos como externos.
se de pa/esde comprar sua liberdade e hum poueo (l)>) Dcsperladoi.)
de ouro I preeo da traicoeda infamia. Seu
lenlesobretndomto ptjMe refrear o impetuo-
so furor que ella Ihe caueara : posto que en-
canecido no crn, possuta de algum modo
esta qualidade de honra que se revolla coma
deade huma baixeia. Jurou que punira o Pe-se a Concurso a Cadeira di Escbola
r.ovci nador de os ler avahado com seinelhanle Primaria de,te Eslabelecimenlo com o orden 1
do animal Je Jl o 000 i>.
li*7 1
mo murmurar estas palavras : O gvernador
faz o seii dever Nao merecemos mis o des-
piezo dos homens assim como o seu odio :'....
tNffo sao acaso dignos de lodas as aifrontas c de
todos os genero, de supplicios aquelles (pie ul-
trajad a cada inslante do dia todas as leu divi-
nas c humanas.:'
alumnos
lotera do toeatro.
Os Bilheles da primeira parle da primnira
Lotera do Fbeatro cujas rodas audao m-
Guisardi tera o nome do lente) nutria I pretervelmente no dia dezesete no Consistorio
contra o capitao hum odio violento. Este man- da groja de N. S. da Concico dos Milita-
cebo Ihe havia disputado o commando devido
a seus antigos servaos eo tnba obtido. Ao-
los de inlelligeafcia, de sangue fri, debr-
1 1-dar cm ier siuu i'"' v.-n.- iwi.iU.uu ...- -.....-.-u-~ ...
o nao sabemos como classificarj annuir Ibante valor; huma sorte de wpenondade
HL.....",lu ""- ,' ___1 _____ .,.-0.... 1, iiap ^1 mi"iai.i se
isso'porcomprazer foicertamente demasiada
fraque. Flgure-se o caso acontecido em
I ran.a, OQ U.l Ierra c estamos ce. tos .
,ue nem o diplmala ra/ileira onsaria pedir
moral que sem cessar e por si mesma se
manifestara, c cate ar de autoridade que im-
poea boiiens feroces, mas smptces, Ihga-
ubrad era pouco tempe o titulo de capitao a
confianca e a cega alleico da tropa Este mo-
tivo de odio era ] bem poderoso sobre a alma
tal indigndade ape/.ar de nao sordos civi 1-
, naque la mesma noi.e nao o Un Ira UMonw ^o obf d chf|-u
E^XSSZ SS 1 KS. aUmpanbava este encobo ao lempo
res. acha5-Sea venda as lojas dos Sis. Mu
noel i.o,calves da Silva, Amonio Gome-.
Pcssoa Cardoz Aires Vicira Cambista ,
na ra da-Cada do bairro do Recife, e n s
dosSrs. Antonio AlvesTeixira Bastos na ra
do Crespo, e Joaquim Claudio Monteiro na
do Qucimado no bairro de Santo Antonio.
Avisos I*1 versos.
* *. --..-" ^... ....
dita Fregiiezia a referida cima faz publico
queodito biigenho Iheesuihypothecadu pela
(uantia de du/.entos mil rs resto da preceda
venda feila aodefunlo i)r. Joaquim Apolina-
rio a dita quantia. protesta haver dos herdei-
ros delle ou de qualqiier'comprador o pan
nu em lempo algum sung alegue ignoran-
cia faz esle avizo.
Precisa-se de um cont de reis a juros,
pelo lempo de seis me/es, daudo-ae de premio
dous por cenlo ao mez com boa firma quera
os quiserdar anuuucie por esle Diario radia.
^ 7" Quem quizer alugar huma carraca
para conduzir nialeria.es dirija-se a ra no-
va loja n ou no Cilio di Capelinha
do Mondego
cy Quem precisar de huno raosso Estran-
geiro para servente de huma casa particular
lauto na Praca como fora, diriji-se a rus da*
l;- Alaga-sc um primeiro andar de qual- Crazes D ::;.
quer sobrado ou mesmo segundo no bairro de SS9" festa Typografia deseia-sc fallar ag
Santo Anlouio ou algum 1 1 u 1 '.:;rea as Sai. Capitao do \ alacho ~ l'*ancelina.


mmm

DIARIO DE
PRRNAMBCl'O
*3ttsmr&*.i** -:^yr--- "*" .."!*?."1 *?
W No da6do corrente ("i pegado ara
escra/vo preto que nao di* quera lie seu Snr. :
quero Ibe altar o ditoesa rja-scaoen-
genho Genipapo de t'erinhacm quedando
quasi completo e nevera sabir al jodocor-
::le i os excellentes commodos que olferece
esta Barca para passageiros lena sido jlisamen-
os signaes Ihe ser entregue.
B?" A senli
fazer duza e
atro a 5oo rs. ; na praca'da Independencia
loja de encadernador n. 26
tj'Licores de diversas nalidades, prom-
11a
Hora qiu; quisc
mein de camisas de bompm an
Preci- a ;e de una ana de leite
ra do Araguo i), .i-.
: 11 menino para
ro de venda em lora d< 1 !)
iisMn como \ iide-s '"
t I :.:'. E
A ni mo fos ei reir da G la C
mar indo o lugar de primeiro
Neiro 1.1 lo Sr. Lui
>!'/,! ;.- ;. 1 ron do Oupimarin al o da
4 do reule, nao quiz mai conlin
servi ilo Sur por lhe nao 1 '
i) ssou-se para loja mnv di Ja D. 8 -; 1 Snr.
Francisco Raimundo dos oceu-
i ;
:,..: Jos meifeo ou-
?a dirija i ruu legio 3, [ue se

m de urna
; turna es<
le elogiados por quanlas pessoaslera hido a seu po para erabarricar para tora da provincia ,
bordo pan inicio admirando lodas o seu pelo proco de 1H0 a garrafa, e sendo cm mai-
complel ommodidades e os predi- or porcao se dar mais enconta espirito de
sivel encontrarenirse parti-
rte em um navio mercante (pie em tu-
1 1 I o igual '.o muilo superior a os mc-
lliores PaquclPs da carreira do Brasil, e por
.demente pode assegurar os
a os se us passageiros ac-
eres estas vantagens a multo atiendi-
i ircunsl incia de se.r seu capilao pessoa de
brlidade e grande estima pela
litante docilidade c ihaneza le suas ma-
: quem quiser hir de passagem, uti-
do-se le umr ocrasiao to favoravol co-
gs aparece dirija-so a seuscon-
' Lalmont 6V Companbia.
(1 '. H \!IA segu viagem o Brigue O-
1 brevidade por ter toda carga
uem quiser earfegar 011 liir de
n falle com Joaquim Gonsalves Fer-
i ua ra da cadeia ou com o Capillo a
I 1
airas .
m'o tambem para < |
Iras1
Na 1 un ; jj no
i lera u 1 1 n ira di 1 < la, que
r moni er.
contar 1 portujn -/a roser bur-
il '' de I 1 idade c lai 1 relie pe-
istas ; c reel 1 al un ;' i- e |i -
dinhas para apn ,.. 1 mm ir e
er di ees e i olnl a pre
modo.
X3F I rou -se 1 lo C in 1
carta viuda di ]'
Carvalbo quem foi cu d no dirija-se a ra
direita I). 1 .. no primeiro mi lar,
1 le a ra da Cruz at as
atas indo por detraz dos Mrtires urna
i n leir 1 de mai roquim rouxo co 11 algu
as de 10,000 ti les da Lotera do
Semii irioco pri mi de 800 il ':i
dil ''i 1 ln itro um de n 1720 e o
ignora duascanlell "17a liis 1
: le\ indo a
de Joaquim V iegas receber ao eoo.
. t'pde-se a lUm, Cominissao adminis-
1 rali va da Socie lade Apolnea tran ifira para o
iiia 7 de Marro a funrao da abertura, por
mconviera muitos, e ser esta a vonlade
de um grande 11 de socios. Um Socio
tST Arrendase o cngenhoDhaquinha na
freguezia de Serinli em a tratar na ra dos
Ou arlis I) 1.
. Quem annunciou querer comprar um
violao, dirita-se a rua nova sobrado I), si
deThomazde Aquino Fonseca
XEff" Alugo-se pretas ou moleque9 pira
venderem na ra, pagando-se mensalmente
10,000 ; a tratar na ruado Livramento i), ao
1:0 primeiro andar.
ty (.)Si- Manoel Corrpia Lima estudan-
! do curse jiu idico dirija se a ra do Quei-
lo loja l), .i para negocio de seu inte
Hoga-se ao Sr. Tbesoureiro da Lote-
ra do Theatro nao pague o que por sorle sa-
bijhele n :"'' 1 pois foi des-
minha lo no di 1 1 1 do 1 orrente.
I ..-" Koga-seaoSr (pte.no anuo (le
prou urna espada de roca nacas'que foi
onta cinco patacoens no valor de 144 ''',l'''
. impoi I .' 1 la em iti ooo, p favor
de entregara restante na loja de livros n. Sj <
>S da pi ac d 1 rlenca
jueira icr a bondade
ha que re-
1 na \ Ha d .1 para e '" jar no
fe ao Sr J P '!.. que devendo fielmen-
te dai conla assim na 1 lem obrado,
he\\ a o
^ Ipwait consi-nalario da Barca
1 11 -Charlotle-Weber continua a
ior inlervenco do Corretor Oli-
. i Petra >4 do corrente as dez lloras
da manh no seu arraazem na ra da Cruz
lites arlgos que se venderao para
suprir as despezasdocosteo da mesma Barca .
er clnpeos de.sed.i de castor e sem
pello dil is de seda pira sol agua de co-
lonlia uvas de pellica curtas e compridas
homem c senhora guarda joias rin-
itirados. dispensaveis boleas para al-
lieira suspensorios ligas lilas develu-
(i > grav las de.setim, perfumaras diOe-
s palos e muitos outros objeelos de
P
vinlio engarrafado a 3*o agoa ardente do
reino e de aniz ; na ra da roda D. r5.
SZT Capim de planta muilo bom ; no por-
to das canoas 110 llecife onde tcm carracas, a
00 ris a arroba c no sitio da agoazinha ao
p de Bebiribe e tambem se toma freguezia
e trata-se com Manoel Antonio da Silva Mo-
ta na ra da cadeia do Recife n (i
Cf Urna canoa de muito boa conslruccao e
com pouco Qzo de carga de Goo lijlos de al-
venaria; a tratar com Jos Higino de Miranda
Leite puro sem agoa ; na ra dos
Quartcis na porta dobotequimdo Sor. Brau-
dao das (i boras da manh em dianfe.
%^f Champagnhe Ay vinbo de Bordeaus
ede diversas qualidades; na ra da cadeia
velha casa de A losch n. 17.
S^T" Ira sobrado de dois andares na ra
do Bangel I) 1 na quina dobecoquevai para
o Uceo ; a tratar com Antonio da Silva Gua-
rni na ra do Quemado.
iZT Um pelo de dade de 18 anuos pro-
prio para o servco de campo ; no atierro das
5 ponas fabrica Je tabaco.
f Bilbeles n meios ditos da lotera do
Theatro ; na na do Crespp D. fi lado do sul.
B.U* ilheles da lotera do theatro ; no at-
terroda Boa vista tojas D. q, >5 c 55;
S J~ Meios bilbeles da lotera do theatro a
46co ; na pracnbado Livrame
ja de fajeadas.
./ Meios Bilbeles da Lotera do Theatro,
e una carteira de eseriplorio propria para lo-
ja ; na ra do 1 abuga n. \.
5-7- Urna cscrava de nacao com bonita fi-
gura com boas habelidades para fora da
provincia ; na ra direita lado do Terco D-
cima oito. r
O" Bezerrcs francezes a ao,ooo a duzia ,
earctalhoa 2000 a pello ; na rua direila l>.
18 na rua do Livramento loja de couros jun-
to da botica do Sr. Manoel llomao.
/
c
C(
hscnivos
Fgidos
n
D
ii
R1
I.01T1 gOSlO
S-y Da-sc o premio do 40,000 a quem ap-
preheuder um escravo preto de nomo Antn i >
bem conhecido por fortuna bern parecido ,
estatura regular y e bem fallante, l'ugio da
Magdalena, e consta andar ueste mesmo lu-
ftar o seus suburbios, conduz&o a rua dj
Vicario D. onze ou mesmo na Magdalena,
siti de Vliguel Correiade Miranda.
su Desapareceo de bordo do Brigue Boa
ventura nodia ai de ezembro p p un es
cravo de nome Francisco de nacao cabnda ,
altura regular cheiodo corpo ollios meios
encarnados um talhocm um braco pordma
da raunheca, urna bawuga no meio das costas
logoabaixodo pescoco quem o pegar leve a
seu Sr. Jos Gonsalves L'err.ira que receta-
r 00 000.
tsf" No dia-S do corrente desapircceo urna
negra de nome Izabel, viuda de Bebiribe pa-
ra o Hecife estatura regular, rosto bechigo-
zo ecomprido, de nacao angola, de ida-
de de 18 anuos, levou vestido de chita azul
ja uzado e panno da costa consta ter sido
vista na venda grande junio a cruz de almas;
1 ]l), ,l,(-alro!l iilo Je|ouca, 66. quesera recompensado.
- Fugirao duas pretas urna de nome
Joanna fugioem ezembro de iH38 esta-
tura baixa cheia do corpo, idade de 4o anuos,
'
cara comprtda, com falta d alguna denles,
C/ Meios hilbelesda Lotera do i liealro ,
- Que faz John Stewart, por interven-
c do Corretor Oliveira do cobre do forro
Barca Ingleza Mary-Charlotte-Weber,
da qual be consignatario quinta feira i3 do
corrente as 11 botas da inanhS no seu ar-
maren da rua da Cruz ,' adverle-se que o co-
be ipiasi novo po
iia''em.
a 46oo : as 5 ponas I), p.
i^T Um cavalto rusoo bom equinador ,
carrega baxo e de meio ; na fwi novo J). 3a,
das duas horas da lardeas 6.
-*fcC7* Bicos pretos de linho ditos hrancos
lisos e bordados rendas e bios cstreitos para
enfeitesde vestidos, meins lisas c bordadas
pira senhora ; na praca da Independencia n.
2 i e a i
U7~ Urna armacao para venda sita na rua
r ler servido somonte urna | de Manoel Coco a tratar na rua das laran-
geiras casa junto ao sobrado do Peixolo.
C o ni j> r a s
SSF* Ps de coqueiros para plantar 5 no si-
lio do pvisivel ou na rua da Aurora em
casa de Antonio Jos Comes do Correio
Y e ti el i s
]C7* Una cscrva meia bucal de idade de
l4 anuos ptima para todo o servico ; as 5
ponas venda I). 5i.
C5" Urna loja de miudezas com urnas obras
decpalos, e formas e com commodos para
familia, e o aluguel bode 85oo ; na rua di-
reita L). 5.
com o biaodircilo alejado que o nao pode le-
var a boca mas faz todo o servico com elle ,
falla-Ibe urna unha em um dos dedos dos pes,
a qual foi vista em S. Jos de Ipojuca a mi-
tra de nome Yicloria fgida a 7 do p p. .
alia, secca do corpo cara com prida feices
regulares, de idade de 5o qnnos, ja pinta
cbelos brancos levou vestido de chita preta,
baca azul ferrete e venda azeite decarrapa-
to para as bandas do atierro dos a (Togados j
quem as pegar leve a rua do Livramento D.
20 1. andar, quesera recompensado.
5C7" Ao amarillecer do dia torea feira 4 do
correnle fugio um molcque do nome Anas-
lacio de idade de it annos secco do corno ,
lem o dedo polcgar da mo direita alejado e
com isto desleia toda a mao e urna reladura
em cima da sombranceilha esquerda de urna
pedrada c duas feridas as candas, be mui-
^:jr Meios Bilhetcs da Lotera
do Theatro, e cantellas correspon- cima 4.
to esperto e quando se falla com elle respon-
so i res molecas ptimas para todo o ser- -, .^-lj. aJnM
, de muito espantado levou seroula de estopa
vico, e dous moloques para aprender qual- i~ 1 ,c.,. ..
n- n', 1'tv, c 1 r,, r ecamisa de ab'odao/.inho muilo su a ; quemo
quer ollicio ; no Pateo de IN. S. do Ter.o Ue- ,, .....' r> '
pegar leve a l-rancisco de Araujo Cczar na
nassa;em da Magdalena sobrade do Snr. Ol
' l I -____ TT I ." 1 I I t IISS .CU llil lili UaiUlll 3UD1UUU IIU Jim <-"i-
rln.ino j mAna 1 rti/>fi nrtiitoinln ^^ Um molatinno de idade pouco mais ou ___ _- t:r.o,i
tliMlu'S a niCStna JjOlCIa COlllCnUO i. Veira no primeiro andar que sera gratilicado.
. g. ... rr menos de 11 anuos muilo nroprio para iia- ; .,' ,, -1, i ,i- ,.....
ni'i |)i( unos iiiiain\ ci u caa ijpu gem pois sabe arrear um cavallo c tratar, c ... u ,..,,
/ i ir i pitaes de campo appreliencao ue un escraio
ornlin. com nrincinins de al aia \p no or n das ca .' Il ....,,
ralia.
.:
Bilbeles e meios ditos da
i liealro : na rua do Ca'mg loja de
junto do Sr. Bandeira.
Na loja (i oiica alraz do Corpo Santo
i, I' gigos com aparelhos para meza, e para
cha azues, pardos, c rouxos conlendo ca-
jo o segunle : i duzas de palos, du-
as terrinas completas para soupa duas ditas
paramolho, 4 pratos com lampa, 4 ditos
para pudim duas sel 16 pralos tra-
is um aparelho com iparacbe ca-
Ri duas bacas dous orn,es
igelas por ; 0,000
'Papel prelado para msica, de su
r qual idade; na praca da Independen-
ra n.
Lm par de esporas, e urna picadeira
a prata 3 vollffde cordo de bom ou-
i, um alfinele de diamantes rosas, 4 sens
ti com arreios um berco de condur ,
urna I interna mgica umacaixade msica ,
e um jugo de mangas de vidro ; as 5 ponas
i), -i'. onde tem lampiao.
Icios bilbeles da Loleiia do Tbeatro ,
com principios deal aiale : no porto das ca- hit i i_____.:.,
nn, 'ron ,ln A nr.U H fi OVCldl ^ sapalOl.O ,
olera do noas rua do Apolo D 6.
reloioeiro
PARA O MAK \rH '<>' sahir anle
| q] J corr ntc u I i un Carolina .
, ;,.. i maioi carregamenlo
, mpto ? quem no mesmo quisor carregar ou e cautelias corr
hir de | m,dinja-sea F. ..-. o.-iii Direita venda que foi de Jos da Penha.
.ues & Irmos a rua dos tanueiros n.
c cautellas correspondentes a os ditos na na
PARA OPRTOo Brigue l rasileiro Sao
Joao Baptista Capilo Jesuino J:jsi; Sim es
sabir com brevidade por ler pal te da sua car-
ga prompla ; quem irregar ou ir de
passagem dirija-seaodhb Capito, 00
i,,.,' rlnncaltrl < a--.i'' n.'i na da cadi i i do
Recife n. ").
PARA INGLATERRA a linda, nova v<-
Icira e bem construida larca Ingleza C
bus qoe acaba de fazerasua primeira
em de Londres a este porto no
ffe

*S29" Um Conidio em latim com aigum uzo
e por preco com modo \ na rua de agoas ver-
des 36.

*ooa4<>oalqueiresde sal de Cdiz,
uito superior qual idade ; na rua da Cruz
o, i 5 eseriplorio de V. O. Bieber
- Veios bilbeles da lotera do theatro.
> rautcllasdos mesmos; na praca da Indepen-
. viole.
ravo de napo de bonita G-
i c ptimo para todo o servico 5 na pa-
aria da rua dovPeixotodas 5 ponas I) 17.
' Ihetcs da lotera do the-
. alio secco rosto comprido anda por cst.i
iZT Laulellas da lotera do liealro a 000 ,-,. X,. < '. <
... D -ii Cidadee pela >Jc Olinda inculcando-sede for-
ris ; na rua estrella do Bozano loia de miu- \i i t. '^,
i i J ro ; quemo pe:,ar leve a Manoel Jos Con-
dezas l) 7. I ,, 1 C i
^-r=m m 1 11 1 1 i ,1 salves Braga imito ao arco de. Antonio ou
. y" -Meios hHieles da lotera o ibcatro a c y, ,. ,. ,,},
/ro.. :..:...- .o. i s\ .... a seu Sr. Caetano r rancisco de barros \V an-
do loja ue oaqi
e^Qr. r. : i,:.,._ 1 t\ seu 01. v.ueuiiiu i'um:isi,ui;iiaiiu3 tt.ui
poo e uitetros a go^o: na rua doOueima- 1 c 1 __
Li j0i i t c-i der lev no en:;enb cacboeira do Sermnacn ,
(o lo a de Manoel Joaquim Sdveira .". ,-r
-4 n -. 1 i-ii que recebera ao,ooo de u'alilicacao.
i^j L na cscrava de 20 annos de idade, '
sem vicio alguna ; na rua da Aurora em casa
de Antonio los Gomes do Correio.
r Um molecode idade de (O annoj de
bonita figura tem principios de manijo por
ja ter 6 viagens umroolatnbo de idade de
1 anuos tambem da-se a praso sendo com
boa firma ; na rua da moeda n. 111.
Urna muala de idade de v4 anuos, com
habelidades, com um filho de seis mezes ao
comprador se dir; na rua das Trincheiras
sobrado iioao de dons andares.
-v" Oito escravos urna rela de nacao ,
moca engomla cose cozinha urna nio-
latinha de idade de i b annos, com boas ba-
belidades e ptima para mubanda por ser de
bous costumes, tres moleques de idade de 10
a i5 anuos ptimos para qualquerollieio >.
pretos ptimos para lodo o servico lauto da
prca como de campo um molato ptimo of-
ficial de sapateiro e bonito pagem 5 ni rua
de agoas verdes casa lenca \ ij,
fgr Lina c-crava de 20 u 25 anuos de ida-
de com bonita figura, engomma liso, co-
zinha o diario de urna casa lava de sabio, c
berecolhidaj na rua direita lado do Livra-
ic !J. u.
z~<- Meios biliietcs da Lotera do Theatro
.....
.n
r1 -1.a.
f--# I/, .. mu.'
do
- Cera em vellas, do mellior sonimenio
ebetadoltimamente de Lisboa-, na na do
Vi bario !). j5 1

01i
lento (Jo Porto
NAVIOS ENTRADS NO DIA 12.
RIO DE JANEIRO* 5 29 dias, Patacho Nac.
Espadarle de 25 tonel. M. Joao dos San-
tos Braga equip 8 carga varios gneros;
a Manoel Ignacio de Oliveira.
LISBOA ; i dias Patacho Portugus Bes- .
taurjco de 1 drigues Tarujo dos.Santos, epuip. 10, car-
ga varios gneros ; a Mondes & Oliveira ,
passageiro 1.
TRIESTE, 5; dias Brigue Hamburguez Ca-
moes de -2 loncl. Capilao J. J. I ose-
naner equip. 13 carga farinba ; aCal-
monl & Companbia.
SAliDS NO MESMO DIA
LI\ ERPOOL; Barca Ingleza Campion, Cap.
Guilherme Wrght. carga assucarc al-
godo.
RIO'DE JANEIRO; Brigue Escuna Nac.
Anisado M. Joaquim Gonsalves Maia ,
rarga varios gneros, passageiros 2.
A LEM ; Brigue Escuna Americano T'air .
Mestre 11. Sielle carga cornos.
B.ECI I F.- 11


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3YYIRHNE_19IHB9 INGEST_TIME 2013-03-29T16:46:33Z PACKAGE AA00011611_04016
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES