Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04015


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1810. Qu arta Feiaa
Tildo agota depende de nos tnesmos; da nosr.n prudencia, modera,
co, e energa : conlinuemos como principiamos e seremos apuntados
coin adrniacrto entre u r^aces mas cultas.
Proclamacjio da Asscmbkti Geral do Brasil.
Snlxrrcve-sc para esta folha a ."ono por quartel pagos ?dhnt.i i-,;
nesta'i rpografia, ra das Cruzes D. 3, cnaPracada ludepi i ,
r>s. 07 c 58, onde se rcrclu-i correspondenci ,
insirindo-te tes gratis, tendo dos prop
los.
Paralas dosCorreios Terrestres,
Cidade da Parabiba e Villas de sua pretencSo............ .'
Dita lo liio Grande do Norte, c Villas Idm. ...."." .'.*.*
12 dk Vt *. Numero 3'>,
-L-L- liu;;. j,
CAMBIOS. '
l'rvnuiRO ll.
Londres......u i\it'SS por l/ooo cc.l.
I-ishoa....... So por < ,.;'
Fnci........ agiris por Ira nc .
bio <> Janeiro ao par.
OUJVJ Moedas de Sfioo ri VeHias i<8oo a
, Ditas ,, ,*, Wo as i
M I''"i de 4
l'li \TA Pataces II I< ros.......
,, Pea -; Cot <--------------- i igi .' o
Ditos Me --------------------- j^jo a l6o
Premios das Letras, poi mei i ij8 I i|J |K)r loo
por i.j. dt disCi
Mofila de cobre a a
Das da Senumn.
Dia da Fortaleza c\ illas dem.
\ illa ce Goianna....................' #
Cidade de Ulinda...................
Vla O ^J. Alitao.....................
Dita deGaranbuns ePovoacao do Bonito........
Ditas do Cabo, .Scritihaem. Rio Forroozo, e 'orlo Calvo. .
Cidade das Ala<;oas, e Villa de Macei................... t |(|c
Se gundaa c Sextas Fciras.
Villa d
. TndoS nc u!99.
. Quintas eiras.
Das lo, e 'i dcada mci.
dem i ii, c ai dito dito.
m dem
Secunda
'I orea------- -
Quarla-------
(Quinta-------
Sexta---------
Sabhado -
Domingo-----
S. Ecolesca V...........SessSod ,....,:.!).
b. Lzaro B.-----------------. Reliaco e l.deD. da i. i
S. Eulalia V. M---------------Sessio da I
S. Gregorio a. V.-------------RelacSo o itui doJ.de l'.Ai vara
S. Valenlim M.------------------Ses. daThez. ,,
S. Faustino e JovitaMm.-,-- Bel.eaud. do J. de D. da \.
da Scpluaycssima S. Porrio M.
man.
'le ni.
V.
e Pajau de 1- lores........... ...................,(|p,n jj dtQ d
1 otlos os tormos unilem ao meto da.
Vare chela para 3 da 12 de Fevcreiro.
As II horas c 13 minutos da tarde As 12 horas c C minutos da nanh
lhe em respostaao seu officio dcsu dita, que ris rom vinlin fio meias pipas com dito, i;
m- ao Commandante interRO do terceiro Batalhol pipas ro;n vinapro i caixole rom drogas, >.
p|;To Mnnorl Jo/e do Sotiza consignado a
Alendes & Olveira.
Manifestou o sefuinte
171 La^cs de pedia jZ pedias decanta-
ra, 1 caixole com pedias piqueuas 6? bar
PERNAMBUCO. Ido qual rirta, que o Boticario Victorino
Ferfetra de Carvalho ficara encarrepado dos
CO.M.MAA'OO DA AR JAS. fomecer, sob ascondicies exaradas no mes-
rao termo
Expediente do dia 5 do crtenlo. Dito Ao Prefcilo da Comarca, disendo-
Ihe
Officio Ao Exm. Pre/.idenle conimu
carfdo-lhe, que lionlem se bayia eFectnado I de Artilherta se ii,,|,a Rasado ordem para' "a, barricas m' ditas ', \\ jo mois" 'dp's-bnlias"
peranteoConselhoextraordinanodequetra- manhS sedo mandar guarnecer o lu-ar daJ ia ancoreras com azetonas, i5 ditas com con-
ctava o artigo a do Regulamento de 19 de execuefio, que se hia faser no Reo Antonio'senas, r oaixote com calda de tomates, 6
l evereno de ib..a a arrematacSo dos me- DOge, por urna patrulba de 2o homens com- ditas com obras de latao 8 caixas com cl.a-
mandadapor t offidal, a fim de evitar qual-
disposico do Pcefeito da Comarca.
Dito Ao mesmo, para mandar avisar ao
Alferes Francisco de Barros Reg Falco a
est promptoa partir pira o Maranhao, fjuan-
do s;> Ibe indicasse, |ior assim o deter-
minar o Regente em Nome do Impe-
rador por A v.iso de 3 de Janeiro do cor rente
anno, e officio da Presidencia datado de
honlem.
Dito Ao Capito Anacleto Lopes de San-
ta Anna, 1 i indo saber dellc em quanto ti-
nha etn portado a obra do Forte do Buraco ,
e se ,i eslava sua importancia pa o
Portara Ao Commandante ntirino do|i
terceiro Bataibao de Arlilberia, mandando
d'ordom do I !xm. Sur Presi -ni,
la em desnacbo de : crrente dat
demico ao sotdado Joo Antonio lacob por
nao pstar as circunstancias de servir na pr-
meira linba.
dicamentos precisos ao Hospital Regimenlal
no presente anno, c que leudo o Boticario \ ic-
torino Ferreira-de Carvalbo estabelecido na
Piara da Boa vista offerecido dar todos os
remedios com o abale de ;j por cem sobre os
precos manados no Formulario, a elle se ti-
nba encarregado o fornecimento nao s por-
que o seu offerecimento era o or vantagem para a Fascnda como por ser
asna Botica a mais conlingua doquartel, on-
de o Hospital seacba estabelecido. Que ha-
vendo-se o mesmo Boticario sugeitado in-
tetramente ascondieces a que ia fico sugei-
to no anno de i-3;< e parte de 1618, convi-
nha expedir ordens a Thesourana para que
fosse pago da importancia dos remedios tri-
mensalmenle, sendo el!o obrigado a aviar as
receitas ordinarias, c exlraordidanias, a
qual quer hora do dia e r.oile, o a mandar
os remedios a sua insta ao Hospital sendo
este da melhcr qualidade entretanto que
aquellas receitas, nao -prescriHas no Formu-
lario serio pagas em vista de; val.m
dos pordousarbitros, sendo um de sua no-
meacao e outto da Fazenda.
DitoAo Major Commandante do Depo-
sito enviandolhe a sua d'officio para que
a fizesse averbar no Livro de Registro do
estabelccimenl > a seo ca 1
Dito Ao mesmo, mandando considerar
pracas do Deposito desde o dia de seus as-
senlamenlos constantes da relacao que se lhe
cu ion no dia 3o do prximo passadomez, a
cito individuos, que forao pelo Prefeitoda
Comarca de Sanio Anlo recrutados, e orde-
nando-llie que cobrando (\.\ Thesi 11. aria os
vencimentos que a estes reerntas pertenciao,
endemnisasse ai mesmo Prefeit da quanlia
de a4U20 res, que por conta Ibes abo-
nou. ().. Embargos de Antonio da ("osla T.nbaiio
'Dito Ao Commandante intirino da For- ao Accordao contra elle proferido na Appel-
talesa deltamarac, respondendo ao seu of- laco Civel do Jttizo da Provedoria de Cap-
pellas destaComarca em une foi Appelladoo
mesmo Juizo EscrivSo Ferreira ; l'oro re-
tel,idos e julgados provados reformado o Ac-
cordao Embargado, e despresados os Embar-
gos de Joanna Joaquina da Silva
Na Appella So Civel i\o Juizo de Direito
da Cidade do Natal, Appellaote Francisco
da Silva e Appellado Francisco Maxado do
Bego Barros EscrivSo Postbumo se |ul-
gou pela confirmai.ao (la sentenca appcllada
Na Appella.ao Civel do Juizo de Direito
desta Cidade Appeilanle Joze da Silva Men-
danba e Appellado Jo/e da Silva l crcira ,
Escrivao Rebello ; se juljou pela reformada
sentenca
Na Appellacao Civel do Juizo de Direilo
desta < idade Appellante Joo Peinlo de
\ asconcellos c Appellado Ilenrique 'oze Pa-
checo Arago Escrivao Chaves 5 li confir-
mada a sentenja appellada.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
O Briguc Porluguez S. Joao Baptista, viu-
do de Lisboa cnliadocm iodo crrente Ca-
quer disturbio
DitoAo Commandante interino do ter-
ceiro BatalhW Arlilberia, ordenando-lhe
que um pouco antes da ora destinada nara a
ucao, que se tinha amanh de faser, no
leo Antonio Diogo mandasse por urna pa-
Irulba de >o homens, commandada por um
offical, guarnecer o lugar da forca afim
de evitar qualquer desordem, e que duran-
te a execucio a mesma patrulba (icaria a I com urna Imagem 1 barril com tomates sal-
ter urna > das I! aicpiej :
resolvi C ........n as
Posturas.
Ou'.r 1 do Snr. \ ereadar
pando i; i > poder comp 11
ter do dar au li n ia a 1 parles ; inteii id 1
A respeiladorequerim al 1 de .!. Cbardon
pedindo licunca para cdifcir outra cea no
mesmo terreno da sus casa n. 12 cita na
ra Aova na quina do becoda Camboa do
Carm >, que lem dedemolir ; o Snr. Verea-
dor .'.1 tmede re [u "- que a nao consedesse
: licen que primeiro fosse a (amara
em < rnmiss o a fim de ver se deve ou nao
peos 1 caixote com livros, 3? pessas de cai-
ro, 114 pipas com vinho 1 bah com cal-
sado >/{ caixoes com ontros dentro abatidos,
1 caixote com marmelada, 1 dito com bus I conceder a licenca requerida,
losdegco, 1 dim com impressos, 1 dito '
com imagem < ditos com rape 1?. albardas, !""' -" l :
i >. seiroes 1 embrulho cora silbas e retran-
cas, 1 cai xpte com calcado, 36moios desal,
Fora do Manifeslo.
a .Sacos cora dinheiro deprata, 1 caixote
>. ditos com ervas salgadas,
lata
com orchata 3 gaolas com tre cochiebos ,
\ barrilinbos com sardinhas.
A Paula be a mesma do numero ai
:
mam) ti 1 ; 1 q
E en F uc e
Well 1 11 1 Barros Pro-
l'u doni Sonta lame Pessoo,
PrtEFJ
1
MEZA DO CONSULADO.
A Paula he a mesma do n. 3.
JHm c 1"N te n
minl n 1, e tiverau hoje destino ; Joao
\ Sabin Alvea Lima pai 1 Antonio da
Silva v. I otiren. o J I irle prelos Ja-
! cinl leiros Gah i > branco Cordoli-
Em virlude da ordem do Etm Snr. Pre- no Gomes da Si 1 pardo, Jernimo
zidente da Provincia vai de novo praca pa- Can inhol, Aut-mh de Souza
'.{, obra da ponte do V.nj 1 Mwjnio, 11 >, Joanna Fram ;ca, o rio Serinhncm oreada em 6:518,0 o renca Mora;, tambe rdas p 1 Sub-P.
Os licitantes po mparecer muni- ''-'^- iio,-o 1. para
le S. ... do ,0 1. par 1 linba 2. e i.
es habilitados nos'dias 17, Por quererem entroduzir viole lamente em
e fTde Fevereiro ao meio dia na ReparticSo sa m lendydo barbeiro ttmi mulher;
TRIBUNAL DA RELLACAO.
Si 5so do dia 11 de Fevcreiro
licio do
I.
carregar no
ticsle mez e autborisando-oa
Mappa numero (i a medida de
cobre que enconlrou dentro do caixo da
plvora destinada para o nzO da Forlalesa
dem dodia .
Officio Ao Exm. Presidente, commu-
nicando-lbe, que o destacamento da Guarda
Nacional do Forte do Buraco ali se achava
desde o primeiro de Dezembro do auno pr-
ximo passudo mostrando a conveniencia de
ser dito destacamento rendido mensalmente,
e parlecipando a ausencia de um dos Guar-
das
ito~ Ao mesma Exm Sur. rcmelten-
do-ll lemente informado o reque-
uina do Sacramento,
. 1 Lie em sen socorro dei
1 do si gundo Bata-
ro ao Maranhao,
tito A r J 1 rh liara, c-
tvnd'j-lhe ter iuado no dia 4 do
1 orreuce 1 ari imentos ne-
I losj-ii ueutal, e remet-
I |C0(
/ '
eos, aonde est o respi i ivo e 6 portel- i encontrado com to-
nto e -iodos os dias uleis ques de vi las larde da 1 le pelas fuas o
do expediente. por ter occullado em sua casa n'uma
nspeccao das Obras Publicas 6 de Feve- umaescravaalheia^a qual bi aprehendida 5
rciro de 180. ea8. eg. par se le n cntroduzido occulta-
Moraes Ancora. mente em nma casa duzidas por hum
criado da.....t ca 1 ui 11 Joze de B in 1,
O abaixo asignado nreeisa de torra para o pelo, por un 1 de Polica por ter in-
ajlejrodos Vrrrombados, econvida 03 pro- jnriadoasgu vizinhocom palavrai Manuel,
prietarios de canoas que a quizerem forne- pardo, escravo de Fi 1 Cazado Lima
cer, a procural-o na caza da nspeccao das O- peloSnb-Prel :>!' ta, por lhe ser
bras Publicas das 10 at as a horas de lodos apprebendidouoi estoque, e loa uim lar-
os das uteis, afim de tratar do ajuste. boza, preto pelo Sub-Prefeitodos Affoga-
rnspecco das Obras Publicas 7 de Fevcrci- dos por ser radio,
rodo :8o. E'o que consta das Partes boje rece!.da?
Moraes Ancora. nesta Secretaria,
() Inspector das Obras Publicas convida as ------------
nessoas livres que quizerem trahalhar de ser-
ventes a apresentarcm-se-lbe para serem PBINCIHOS DE DIBEITO DAS GENTES,
admitlidos. REAL, E IOSIT1V0.
Inspeco das Obras Publicas 7 de Fevcreiro
de 1H40.
Moraes Ancora.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
RECIFE.
Sesso de 11 de Janeiro de i8.|o
Presidencia do Snr. IJarros.
Comparcrerao os Snrs. Ros, Sotiza M-
male, e Pessoa 5 faltando com cau/.a os mais
Snrs
A berta ; Sessio e lida ; Acta da antece-
dente foi approvada
O Secretario dando conta do expediente
mencionou os seguintes ollieios.
Um do Tenente Coronel de Engenheiros
rogando que esta Cmara luja de lhe remet-
Penvres montos, oh, vous aurez beau la re
Toujour on vous londra.
1'KHANGI.U,
Santiago de Chile, IniprcnsadaOpiniao, 1889.
INTRODUCCA.
O nosso sabio compatriota D. Andr Bello,
para comporos seos Principios de Direito das
tientes, leve que se tncOmmodar muitissmp,
folheand o\umes onde se achara
esparzida : m teria que Be propunba tratar,
A.ui nli niii.ro ,
aqtri di um Almirantado, ali n
de um Tribunal de Justica ; aqn n que bata
isposl hum Ce acia o que tinha
assentado hum Ci o, urna
convencao, ou Tr s jorem semafo-



2
DIARIO
D E
PRRNAMBUCO
i
bear hum s livro em lin^ua grega, ou
arcamana ( s os nomes de Potlendorf, W-
qnefort Bynkerschoek nos arranho os tym-
panos ) sem outro estudo mais que os notorios
arontecimenlos entre os estados Hispana-Ame-
icani-s eas Potencias marilimasda Europa,
cujos navios Irequento os nossos portos va-
mos compor lmm Tratado sobre o mesmo as-
minpto reduzido lmm curtissimo numero
de Principios incomparavelmente superior ao
doSnr. Bello. Este nao be mais do que bum
conjuncto de tbeorias que nao temo apoio
-nem de bum navio de guerra nem de bum
pezo duro nem de huma grande popnlaco:
o nossotem por antemural lormidaveis esqua-
dras milhes de francos c libras stei linas
* huma inmensa populacho. Estamos por
tanto beui cellos de que apenas sabir luz u
nossa obrinba nao baver alma que pense
com solidez que nao lance ao fogo a obra
do Sr. Bello e todas quautas bouver sobre
esta materia antigs ou modernas o nao
adopte a nossa como o vademcum de todo o
Publicista e a llor e nata da Jurispruden-
cia internacianal.
Hum Praticanle de Direito.
Principios de Direito das Gentes real, e
positivo.
I. Os bloqueios postos pelas Naces
baiI hars Americanas seuo respectados sem-
br que o seu objeclo convier as Potencias for-
tes Europeas ; porem no caso contrario be li-
cito debaixo de qualqucr pretexto por ftil ,
e ridiculo queseja oppor-se ; elles enlor-
pecel-os, dilatar a sna execuco ou mesmo
tornal-os nlciramente imitis. Exemplo.
Respeitara-se os bloqueios postos nos anuos
de i8o i8a4 pelas forcas navaes Chilenas ,
O Colombianas aos pollos do Per oceupados
pelos respanhoes (posto que ento nao estava
ainda reconbecida a independencia das Naces
bloqueadoras) pon,* nessapocha tratava-se de
destruir o svslema colonial da flcspanba que
negava o commercio aos estrangeiros : e boje
Hpe-se obstculos aos actuaes e fazem-se Ilu-
sorios, porque tem por objecto acabar coma
dominaco de Sania Cruz do qual se poderia,
se chegasse a consolidar a sua conquista tirar
a mais'directa intervenan da Europa na poli-
tica da conlederaco e de*sa se passaria ao
suspirado objeclo de sanecionar privilegios,
que deixassem a independencia Americana
muito mais nominal do que j be ; porque hu-
ma to rica e interessanle porco do globo
pode com o lempo ebegar a ser alguma cousa ,
e be conveniente apoderar-se quanto antes de
seos destinos e poltica para lbe dar a direc-
co conveniente. Se forao frustradas as ten-
tativas de outra poca no be justo que Na-
ces que conlao tantos recursos na sua astu-
ta e destra diplomacia, abandonen huma
empreza, cujo xito tanto as interesan ( i )
"i. Os Governosdas barbaras Naces
Americanas para decretaren hum bloqueio
portos nimigos precisao nao s prehencher
todos requisitos prescriptos pelo Direito das
Ib armasem o officio nfra transcripto do Sr.
Gama Ajudante d'Ordens que o recebi a-
berto. Vim immcdialamente para o Arsenal
e nel le permanec toda a tarde a espera da
Gentes da Europa, mas lamben consultar ao requisico do Snr. I'residente da Cmara, cu-
ultimo dos Cnsules das Naces cultas, e for- as intences louvaveis nao me era dadoadi-
tes. Porem as Potencias fortes nao tem neces-
sidade na America de stijeitar-se a semelhante
trabalho ; basta-Ibes a vontade d'um ebefe das
suas esquadras para declarar em estado de
bloqueio, ainda mesmo as Naces amigas .
com quem esto e protestad estar em paz v
Exemplo. fco notorios os passos que se dera
em Santiago antes de se declarar o bloqueio
ile Calbo no anno prximo passado para se
obter o reconhecimenlo delle pelos Agentes das
INages fortes ; e ainda depois disso fizera el-
les o que Ibes veio acabeca: o Cnsul di-
Franca, por exemplo, pedio, que se amar-
cassehum prazo rasoavel para os navios, que
se eslivessem preparando nos portos de Franca
para virem ao Pacifico. Porem estava-se ties-
ta discussao quando chegou a noticia de que
o contra Almirante Le-Blanc havia bloquea-
do o Rio da Prata sem decreto especial do
seu Governo e sem conceder prazo algum
nem aos prximos nem aos remolos
i. Os Cnsules residentes as barba-
ras Naces Americanas gozad dos mesmos pri-
vilegios e inmunidades, que os Embaja-
dores ou Ministros de primeira classe : podem
exigir dos Governos dos Paizes, em que resi-
den, que se prestem a entabolar com ellas
negociaces do mais alto nteresse poltico ,
sob pena de reputaren a negativa como bum
insulto aos seos Governos. Podem oulro-sim
inlrometter-se activa e descaradamente as
conlcndas civis internas do Paiz en que resi-
dem. E se em consecuencia disso sotlreren ,
por algum movimento popular algum dai-
no em suas pessoas ou bens podem os Go-
vernos que pertencem exigir indemnisa-
J
vinbar: no da seguintc as seis horas da ma-
nila lornei para a tninha oceupaco como be
de men dever, e s asoilo e tneia recebi bum
recado do Sr Prefeito da Comarca para man-
car preparar a forca por qnanto se achava s
por este motivo parada a execuco, ao que res-
pond nao saber oqueeia necessario para se-
melhante acto ; mas recebendo segundo em
que dizia ser o concert das escadas mandei
ento sabir quatro officiaes Carpinteiros com
o precizo para tal concert os quaes voltaro
depois disendo-me nao terem rcerto as escadas
existentes debaixo da forc, visto estarem iu-
teiramente podres por cauza do tempo ; e
vendo eu ento j ser tarde mandei a toda
pressa os mesmos ofliciaes com duas escadas
novas deste Arsenal que ainda assim nao
leve bom effelo por serem pequeas, voltan-
do outra vez ditos officiaci com esta noticia,
sendo por fin necessario mandar qnatro sem
perda de tempo que ordenei aos oiheiacs a-
tassem por mero de cordas, que para isso
mandei, duas a duas podendo finalmente des-
ta maneira faser-se a execu o ao meio dia.
He claro pois Snrs Redactores, que obrei
a este res| eilo como me cum>ria e o Snr.
('residenteda Cmara mesmo se se acbasse
as ni i ii tas circunstancias nao faria mais,
apesar de mostrar-se tozeloso no desempe-
ndo dos scus deveres ; e se ludo deixou de ser
providenciado a lempo a culpa nao Ib i certa-
mente minda visto que nada me disse o Sr
Presidente da Cmara que teno-me procu-
rado no Arsenal em occasio em que nel le
nao devia estar nao se dignou ao menos de
transmilir-me as suas respeitaveis requisices
( i ) O peridico Liberal que se publi-
cavaem Santiago de i hile no auno de ib* 5.
reimprimi em seo N. 43 copiando o Mor-
ning Chronicle do ide Sctembro de *8 *4 ,
o segninte extracto das instrucees dadas pelo
Duque de Bawzan Mr. Cbasseriau enviado
;i Colombia ein huma commisso secreta cu-
jas pai es mais octavis Bao : Pela communi-
caco ultima do Coronel Galubert se v, que
o espirito publico no Mxico est mu disposlo
em livor de bum movimento realista e lie
para desojar que tucceda o mesmo em Colum-
bia .... Observe V. o sentido das coisas, e
procure adquirir alguma influencia a que
poder estabtlcce: S'-in perigocom o auxilio do
seo carcter diplomtico timi-official. Nao te-
ma V. ofierecer demasiado, nem adiantar mui-
to. le essencial dar o gol; e ao mesmo tempo
em todas as parles .... Esta expressamentc
determinado que em nenia urna circunstancia
iiroponli V. reCJdhecer a independencia etc.
Ten havido nosso respeito varias oulras ten-
tativas na Luropa, sendo a mais notavel a coa-
liso cbamada Santa-Allianca do anuo de
i8-4 cujos planos destruio o Ilustrado, e
poltico Ministerio de Mr Canning. De eolio
para c os successos de Vi alvinas Panam e
oulros (e os recentes do Mxico Buenos Ay-
Montevideo etc.) bem claro falla
nos que sejamos to estupidos que encare-
mos esses actos como signaes de malevolencia ,
sendo elles de pura amizadc e considerato.
(JNola do Aulhor.)
A constante resistencia da America taes
planos de dominaco os triunfos parciaes del-
ta entra elles o espirito geial do seculo ,
caes em seo favor para cujo montante nao se na casa de minba residencia, onde me deve-
dever terem consideracao o valor da coisa ria suppor aquellas doras,
perdida, ainda que este seja nolorio mas! He lamben de lastimar que a Cmara
sim o que for do desejo do Cnsul, oqualpo- Municipal procurasse providenciar sobre o
der reputar o assalto de sua casa ou o alta- caso quando nao se poda tomar medida al-
que i-ua pessoa como huma descoberta de guma a tempo, lembrando-se alias que a
boma rica mina de caroco. Exemplo. As desgracada victima ou infeliz padecen te fo-
questes com o Cnsul Barrot em Cartagena ra condemnado em Novcmbro (segundo me
com Koger em Buenos-Ayres e a indemnisa- record) prximo passado e constando a to-
co paga Mr Lalorest reos successos do auno dos que a inuitos dias ebegara o Uecreto que
de 18 ^4. Qualquer t onsul civilisado resi- inda q rrais me v; ja na dura nocessidade de me
dente em algum dos Estados barbaros nao s defender de faltas llieias, imputadas ao Arse-
pode ser dscolo de m conducta e faltar ao nal de Guerra, e a mim com sensuravel fa-
respeitoaoscidados, e Magistrados do Paiz cilidade.
porem tambem lbe de utilissima semelhante Sirva5-se, Senhores Redactores, depubli-
conducta porque os seos manejos tarde, ou car esta exposico eofhcio junto que muito
cedo farocabir no laco os Governos barbaros, obrgarao
a quem tacs Cnsules, ou os seos Gabinetes Seu venerador
se lulgao com faculdade de subjugar e enta- j Joo Arsenio Barbosa,
bolado o juico aindo que ao dilo Cnsul nao
se baja tirado nem huma bolelha de room ,' Illm. Sr. S. Ex o Sr. Presidente de-
nem se lhe lenha pizado as soleiras da casa termina que V. S. mande boje mesmo aprom-
exgr-se-hao em seo favor mil libras como piar quanto o I residente da Cmara Munici-
m i 'graos de moslarda Exemplo O que pal requiz'iUr para se ctfectiiar a cxccuco ,
strondiiso do Cnsul que amanh devora ter lugar Picando V. S.
cerloque a mencionada Cmara pagar ludo o
(Contina.) que de orden do mesmo Fxm Sr. tenbo a
honra de communicar a V. S. para sua scien-
------------------cia. Leos Guarde a V. S. Secretaria das Or-
dens do Governo 6 de Fevereiro de 4 -
J lllm. Sr. Jos Joaquim Coelbo Hrigadeiro Di-
rector do Arsenal de Guerra Jos Bernardo
; Fernandes Gama Ajudante de Ordens de Se-
mana.
surcleo no negocio tao estr
Ilussel em Panam.
que a notasse para meo Sobrinho Caetano Jo-
quim a escrever, dando eu sentido para a
minba Carta de que eu senta os seus
incmodos dos quaes nao tinba culpa que v
esse logo para tractar de entregar as trras do
meo prejuiso- com a demarca o que linda-
mos ajustado, e se alguma couza foi de mais na
dita Carta fora deste sentido declaro ejuro
que o nao concenti principalmente se foi de
mal contra alguma pessoa po3 neste caso foi
acaso, fo abuzo da minba ignorancia por en
nao saber 1er nem escrever. Por ser a pu-
ra verdade o quanto tenbo dito e assim mo
ser pedido o afirmo em f da minba religio
peranle as testemunbas abaixo assignadas os
Senhores Commandanles Manoel Biseirado
Vale de Araujo Pereira, Marcelino Correia
d' Amorim, e l'cdro de Alcntara Pedrosa ,
por cu nao saber escrever pedi a Adriano Jo-
s Ferreira que este por mim fizesse eaose-
nhor Commandante Jos do Canto de Vas-
concellos Jnior que em meu lugar assignas-
se. Brejo de Ortigas ir de Dezembro de tiiq.
Como testemunba que esle fiz a rogo do Snr.
Antonio Luiz de Lima, Adriano Jos Ferrei-
r1 Assignoarogo de Antonio Luiz de Li-
ma ~-Jos do Canto de Vasconcellos innior
Como teslemunha que presenciemos o
Snr. Antonio Luiz de Lima mandar escre-
ver o que se achava declarado neste papel
Manoel Ueserra do Vale Araujo Pereira
Marcelino Correia de -Amorim -- Pedro de
Alcntara l'edrosa. Estavo reconbecidas
as assignaturas cima pelo Tabelio Notario
de Ojueimadas.
Correspondencia,
Senhores Redactores Como o Snr. Pre-
sidente da Cmara Municipal, no officio hon-
lem publicado imputa ao Arsenal de blicado no Diario numero Ja, sobolilulo de
Guerra a demora de execuco do infeliz An-
tonio Dic.io, protestando haver feito de sua
parte quanto era possivel para q'esta se fizesse
com a regularidade do coscume ; he uslo
- Documento a que se refere o officio pu-
icado no Diario numero
- Publicacao pedido. -
N. 5.
Attesto aos Santos Evanrrelbos
e provo em
qualquer Tribunal em como o Snr. Coronel
res
roen
que cu, como Ajudante que sou do sobredito
Arsenal, me deferida desla increpaco refe-
rindo exclamente o succedido. Henrique l ereira de Luccna, me escreveo do
Tendo concluido o ponto dos trabalhadores ; Becife no primeiro de Novembro prximo
da minba Repartico as duas horas da tarde | passado para que lbe respondesse ao p da
do dia 6 do corrente fui em consequencia mesma Carta a maneira porque ellecluemos o.
MISCELLANEA.
O PRIORADO DE S. CHRISTOVA. ,
No alto de hum monte junto aldea de
Thornemburgo a trez leguas de Vienna da
Austria existen ainda en veneraco para a
pupulaca as ruinas do celebre prioiado de S.
Christovo conbecido tambem pelo n une de
Igrejft do monte de pedias.
V'ai pordous seculos que hum incendio dc-
vorou iuteirainente este edificio e os religi-
osos que o habilavo desamparando as ruinas
e o silio forao levantar em outra parle ha-
bitaco mais cominoda e mais vsla.
Era este priorado o objecto de mu pas e
devolas recordaces por todos aquelles con-
tornos ; e nao obstante que boje estoja mani-
esta a fahidade destas ridiculas crencas a-
inda assim nao tem so possivel desirraga-las
completamente do animo dos povos. Referi-
remos o que, segundo a mais constante tra-
dico elles ainda conto e acredilo a tal
respeito.
Em lempos mui remolos era o cume da
quclla montan ha o centro da reunio de todas
as brasas e Feillceiras do districto e o lugar
onde ellas fazio suas execraveis ceremonias
e sortilegios, lodos os sabbados. Horriveis
sacrificios de crancas em honra de Satana/.,
eoutros enormes crimes havia sido consuin-
mados sobre bum grande monte de pedras ,
que o espirito das trvas alli amontora pa-
ra servir de altar onde fosse derramado o san-
gue das innocentes victimas Assim, nenhum
viandante passava junto daquellas pedras mal-
ditas sem se muir do signal da cruz e in-
vocar qs santos de sua devoco contra os male-
ficios do inferno : a todos que desprezavo ou
esquecio estes exorcismos sobrevinho gran-
des desastres se nao morte repentina.
Hum dia dous pobres crmites foro esta-
belecer-sc no alto da montanba de Thornem-
burgo e construirlo suas pequeas celias
junto ao monte de pedras tclvez para com
suas oraces atristaren d'alli o espirito malig-
no e purg.irem aquelles lug.ues das sepnas
impias de que por tanto lempo havio sido
teslemunhas. A victoria sobre Satana foi
completa ; desapparecero os genios inferna-
tantar a casa
como
Ju,rJ
metido por nao residir no Arsenal, a fin de
vollar as 3, como he do meu costume. Nes-
se entretanto me foi levar o Guarda doquin-
me ser per- negocio da demarcaco e curnprio como Ira-
(
ie feze'
prevalecer ainda na Europa os
principios de huma justa liberdade dos Povos
contra a prepolencia do homens, devra ter
ei'l'o'coiii'ecei a superoriUade da poltica doj
Ilustrado, e profundo Canning.
iNotado Il'.aaaor.
) He este Mr Laforest a quem o Go-
verno France/ depois desses successos achou
muilo proprio para nomear Cnsul em Buenos-
Ayres e que o esclarecido e prudente Gene-
ral Rosas recusou com tanta dignidade, e pro-
videncia 5 bem certode que tendo elle escota-
do a mina do Chile vinha procurar outra na
Repblica Argentina. Eis mais huma prova
de quu liosas he hum l y ramio como dizem os
|>apes franaves e afrancezados e o brasilei-
10 Jornal de Coramercio.
tou ao p da mesma carta que nunca tinba
tratado a seu desabono e que estima va viesse
para findarmos a demarcaco j o q' eu disse na
minba resposta por ter o Snr. Coronel Hen-
rique me dito pouco antes do mez de Agos-
to prximo passado, que nesse tempo vinha
demarcar o resto das trras para me entregar
as cem bracas o que como me nao faca coo-
ta por isso que o meu prejuiso he de mil seis
ceios e tantos estou desposto a demandal-o
Esta minha resposta me foi revertida pelo
Snr. Coronel Henrique por via do Snr. seu
Cunhado Henrique Luiz Pereira Freir que
m a cntregou vindo pessoalmente a minha
casa e me pedindo outra Carla eu lbe disse
es e nunca mais se ouvio fallar de feilicei-
ros por aquellas vsinhancas.
Muilos bomens piedosos edificados pelos
bons exemplos dos dous ermiles foro u-
nir-se a elles e ajuda-los en suas obras de
santidade. Edificarlo primeiramente huma
capella ; ecomo o numero dos monges cresca
todos os dias foi precizo construir hum con-
vento para os recolber.
JJesfez-se o monte das pedras, para se ap-
plicarem nova construeco ; e quando no
terreno que elle oceupava se abrio alicerces ,
encontraro-se algunsossos humanos huma
armadura romana e huma cabeca de pedia
primorosamente esculpida.
Como o novo mosleiro devia ser dedicado a
S. Christovo e havia difficuldade naquel-
les tem pos en que as artes estavo em aban-
dono, dealcangar huma imagem pereita do
sanio a piedosa credulidade dos monges jul-


DIARIO DE
ERNA M 8 U
gou ver hura prsenle do co nestc aconteci-
mento inesperado. O milagro foi feralmen-
te celebrado. I'endurou-sc a armadura na
capella mor da igreja como reliquia de hura
sanio marlyr e a cabcca de marmore uda-
ptada a huma grosscira imagem da mesma
materia ficou sendo hum S. Chrstovao. que
bem depressa se lornou o objeclo da devoijo
e da piedosa liberdadc de lodos os povos da-
queles districlos
Tal (o a origem deste convenio que em
poucos anuos veio a ser huma da3 mais ricas
communidadcs dos arrcdorcs de Vienna.
Hum dos ltimos abbades do mosleiro de S.
Christovo homcm instruido e Ilustrado,
reconheceo na cabera milagrosa o estylo e a-
purado trabalhode hum artista da anliga Gre-
cia ; mas, expendendo suas observa.oes em
huma memoria, que depois foi adiada nos
archivos do convento julgou prudente c
com ra/.o nao derramar no publico a SUS
descoberta para nao ahtigir a piedade dos fi-
is e tal vez. tambera que para nao estancar
a fonte das devotas olfi endas que aluiao ;
sua igreja.
Era 1680 hum incendio como debamos
' dito consumi o [>riorado de S. Christovo
e a imagem do santo foi feita em pedamos pe-
la violencia do logo. Hum sabio anliquaro
visitou alguns anuos depois estas ruinas e ,
allrahido pelos vestigios de perfeicao que an-
da se notavao na cabeca de marmore a ob-
servou altentamenlc c na sua parte inferior
descobrio hum lelreiro em caracteres gregos ,
que attestavo a sua ori;em. Era a cabcca
de hum Jpiter Olimpyco.
Algumas indagaces mais e o encontr da
armadura, viero dar peso as supposices Scm
duvida que o antigo monte de pedras que a
supersticiosa ignorancia acreditara obra infer-
nal nao era oulra cousa seno o tmulo de
algum general romano.
CLF.RO E NOBREZA DA SICILIA.
O pobre Portugal e a pobre hespanha que
sao huma especie de despejadouros pblicos da
Europa, ondeos periodiqueiros buhos lil-
terarios, viajantes, caturras da imprensa,
economistas trues da praca publica polti-
cos e mais escrevedores c estragadores le
papel, tinta e typo vasao epigrammas cho-
chos philosophias sebelas exageraces as-
salvajadas e philautropias hypocrlas 5 es-
tes dous paizes dizemos foro sempre li-
dos em conla de tena classica do clero e da
nobreza. A idea de hum frade ou de hura i-
dalgo associa-se logo por esse mundo de
Portugal 011 de Hespanha. Nao veris hum
quadro que represente paisagem costumes ,
edificio oumonumeulo portuguezou hespanhol
que nao traga como adminiculo indspensa-
vel hum frade ; nao lereis novcllu france/a
ou inglesa cujo accab seja peninsular em
que nao surja hum fidalgo l.esage 5 por
que a sciencia das naces civilisadas acerca da
Pennsula nao passa a quem desses tempos
E todava a llemanha a Russia a Po-
lonia a Italia e o que mais he a franca
e a lglaterra lem frades ; e na Pennsula nao
ha boje hum s : boje entre nos a nobreza
em nada se distingue do commum dos cidad-
os e na Inglaterra ha senhores feudaes que
mando os servos. da gleba para a Austra-
lia e povoao as suas trras de novos colonos
(*) a llemanha tem os seus altos baroes ;
a Franca vinte aristocracias, cada qual mais
orgulhosa, a.... mas nao era islo que n ramos dizer : o que queramos era dar huma
noticia do clero e nobreza da Sicilia Iba que
as cartas geographcas nao vem arrumada
as costas de Portugal era Hespanha ; toda-
va o que est escripto est escripto e ser
como hum aviso ao leilor de que hum da
levantaremos hum bradode verdade, para de-
saggravaresla trisla uaeao portuguesa sobre
a qual nao contentes de seus niales e atraza-
mentos escriplores vilssimos esemelhan-
tes ao asno da fbula que escoureava o leao
moribundo, entralo calumnias c vituperios,
como se nao bastassem nossos erros e desven-
turas e a memoria do que (bonos c do que
somos para nos cubrir o coracao de amar-
Orcava a populacao da Sicilia em 18 Ja ,
por milho e meio de habitantes. Neste nu-
mero havia9000freirs iooo frades, (ios
clrigos, O4 duques, 2tJ principes, a34
marquezes 3o8 condes c 4101 baroes. A-
lem destes cheles de familia cada filho de
fidalgo toma o nome feudal de sen pal com
hum diminutivo como ducbesino principi-
110 baroncinoi Enlrc tantas augustas per-
sonagens ha hum duque de Anjou que
di/, ser o herdeiro legitimo da familia franci-za
que dco res Sicilia. Em sua casa os p-
renles amigos e criados lhe do o titulo de
senhor e de magestade.
E repetimo-lo outra vez a Hespanha c
Portugal sao a trra classica da fidalguia c do
clero ... Ainda boje esta sandice se repe-
le por toda a Europa.
HUM MARECHAL GRAMMaTICQ.
O marechal Massena era exlrcmamcnte ava-
ro e amigo de dinbeiro e para o haver nao
da va de mo meio algum levava parle com os
conlractadores no fornecimento de suas tropas ,
tinha rebatedores por sua conla saqueavaos
col res eas preciosidades dos povos onde entra-
va e nem por isso era muilo exacto na adrai-
nistracao das contribuieoes e dinbeiros recibi-
dos por conla do estado. Napoleao, a quem
tal (irocedimenlo muilo custava a pesar de es-
timar o marechal pelos seus talentos militares
e extremo valor nao p le conter-sc um dia ,
sendo ainda primeiro cnsul e dianle de
todos os geneiaes republicanos, liie chamoul
ladrao : Sim meu general, Ibe replicn 1
Dramas de grande espectculo j annunciados.
precisa para manteras despezas indispensaveis,
de sessenta Socios (pois tanto- sio os Camaro-
tes) a quarenta mil reis cada um para a for-
maco de urna Sociedade Tbeatral. Os Se-
pontas ). nove, e nos m;iis lugares j annun-
ciados.
$?f O Sr- V>:.. )cl Tavares de Medeiros
procure una caria viuda de S Miguel, na
ra das Cruzes em casa doSr. I ni/. Pereira de
macao ue urna cui-itiiau<: *.<<<.. v ^^ iukwuuiuh .......................----------
nitores que pretenderen! ser socios podeni di- Paras D. (J ; e na mesma ha oulra para o Sr.
gir-se ao Srs. Luiz Moreira de Mondones
Jos Peres da Cruz loja na ra do Cabug .
e Hcrculano Jos de Freitas isto al odia
vinte e dois do correte a ftm de se dar prin-
cipio aos trabalhos Thealraes.
Avisos Diversos.
OF O Sr J. C. L* queira fizer o favor de
mandar entregar a Joaquina Rodrigues Pi-
nheiro a tipoia no estado em que a pedio no
dia 1 de Abril de iS'xf ou o sen importe ,
visto que foi fallar ao dito Pinheiro pira a
comprar e como dito Sr. L. nem quer rece-
ber Is cartas nem responder as que se lite lem
mandado por isso Ibe roga de o fazei
loo Jos Pereira.
izr Precisa-se de urna mulher estrangera,
que techa mais de trinta anuos de idade pa-
ra companbia de urna senbora em 11111 engenhr
perto do Rio Formse : quem estvef nessas
circustancias annuncie ou dirijase ama No-
ta ao p da ponte loja que vende quarlinbas e
fazendasi
ft^> O Secretario da Sociedade Terpsirore
aviza aos S>s. Membros da Com. Adm. que no
dia 14 do correte ha Sesso extraordinaria.
s^t" Precisa-sede um feilor para um sitio
perto da piara que eutenda do servico d
campo ; na ra da Cadera velba loja de fazen-
das U. 'i.\ sedim ]'i-': precisa.
-----Pa ruada ( adi a do Recife >'. 5p ,
vnda de Francisco Ferreica Baltbar & C. tem
para vender garufas vacias em gr vas.
5-^7" Os proprielarios do deposito de geloof
-.* \*\j \* ium,i por
meio deste Diario. v-/ w* piupi nf riu> u uEpwiw w ris""""
ser Antonio Vieirade Souza, natural e re- ferecem a suprir qnalquer jtessoa ou familia ,
idenle no lugar de Jaguaribe termo de lia- [ cora oilo libras ,;.!- di iriaruenle ao preco
, marac Pro\ incia de Pernambuco lem des- ; de doze mil reis por mez.
Massena pausadamente 5 eu sou ladrao tu s coberlo o meio de p .durcm-se la/.er cngenl.os iST Maoel Joaquim Venancio de Souza ,
copeiros tanto de moer canas como de serra- com loja de allaiate no atierro da Boavista na
rias ainda que nao baja multa agoa no logar, esquina do beco faz cazacas de bom panno
nem com altura suficiente. Has'aquesepos- prelo pelo preco de vinte e seis mil res e
sa fazer um assude que tenba agoa perenne calcas de dito a doze mil res bem como todas
al no verao ; pois trazeudo agoa por urna le- as mais obras cora a brevidade que seos do-
tada at o lugar do engenlio onde se far um nos pedirem cerios de que sero sel v idos com
poco de pedraecal, laz-se em cima um al- omelhor gosto e perfeico possivel ; tarabem
ero/, com porta d'agon, e por meio de bombas tem bonitos cortes de coletea de seda proprios
em numero de oilo far levar agoa cima para para partidas de Sociedades*
, por meio d'uma bica mover a roda, quebasta var Precisa-sede urna ama, que tenba
O abaixo assignado (--.imprimi a disposi- & *ms palmos mais alta que o poco. Para bom leite : na ra do Padre Eloriano sobra lo
Cao do art. 3 idos Estatutos do Gabinete Lit- comecar o movunentodo engeubo em cada sa- U. S.
lerario de Pernambuco faz publico que o fra apenas gasla-se o Irabalho de duas pessoas, XZT Pre si-se tlugar um 1 casa para pe
Revm Sr. adre Mestre J0S0 llodrigues de <\ toque as bombas al encl.er o algeroz quena familia, no excedeiido aoitomilreui
Arauio offereceo a libliotbeca do mesmo Ga- agoa depois disso more-se a roda scm mais mensacs o s u alugueI anula que seja em a.
bnete as obras constantes da relacao abaixo irabalho ou forca de bracos, em consequcnc.a grima roa menos publica, com tonto quete-
iranscripta, em signal do quanto pieza hum de gigantes, ededousmos, que servemao nha quntale cacimba j da-s
----------!---- ......._ .............
ladrao elle be ladrao nos somos ladroes ,
vos sois ladroes elles* todos sao ladroes.
Napoleao anda enlao precisava do apoio de
todos os seus geneiaes 5 mas de cerlo que al-
guns anuos depois Massena se nao tera atrevi-
do a dar-lbe semelbante resposla.
(lio Uisperlador )
GABINETE LIT l ERARIO.
transen pa em signal do .luanto pieza lium ae gigantes bw wwu >u Huu ^,,c,.. ..u ..>.,,..,.,..,............., > .,,,.,
to til Es.abelecimenlo. Kecife .0 de Fe ve- movimenlo. Faz publ.CO para que se possa ga-se adiantado J quem l.ver pata aluat an
reiro de 18 o. 1,,em qilistl' Ultbsar de seo prestmo e para 1
L. da C. Portocarrero poder alcancar doCoverno a garanta que
1. Secretario. a e d aos descobndores
py () abaixo assignado comprou desocie-
Relacao das Obras a que se refere o annun- dadecom o Sr Dominflos Jos Correia -i meios
Co cima.
vJontarjon Diccionario Apostlico ,
em Francs vol. in 8. gr. .
J. 15. Siy. Calliccismo d'Kconoma
Poltica, dito, voI.i118.gr. .
Riogcaphia moderna dito, vol. in 4*
Padre Monte. Tbeologia Moral, era
vol iu 4.....
bilhelo* da orimeita pul* l* prmim* Lote-
ra a favor das obras do Tbealro Publico desta
D-se Jos rs. a juros de dous por
cento ao mez com piuhores de ouro 5 ou prata:
nonrmasem de madeiras de Domingos Jote
Rodrigues de \7.eved0 na ra Nava detronte
1".
1
a
a t.-w,''|uiiu' Agoa que dir quem OS d.
Itullulu-. u.. tar A pessoaque annunciou trocar hum
Cidade, cu jos nmeros sao mil setecenlos v sobrado na ra do Rangel por outro nomes-
quarenlae sete emil durentos oitenta eoito mo Bairro de S. Antonio : dirija-se a ra do
Antonio Felis Pereira, Rozario estrella D. 3-4 no segundo andar.
Precisa-se de quatrocentOS mil reis a &^~ Na ra do Queimado loja I). 7 bapa-
Portuguez ,
20
(' ; Yea-se os 'extractos tirados da obra
d'lnghs to segundo volunte dos etudoi de
economa poltica de Sismondi.
premio de dois e meio por cento ao mez dan- ra vender-se hum cavao de bom tamaito e
o do-se boa firma por seguranca ; quem quiser com todos os andares.
onn.,r. &~J~ Precisa-se de um padeiro que seja bom
*?? As ultimas Cautellas correspondentes lorneire: as 5 l'outi- U. u).
a I otaria do Tbealro, a oilocentos res, 01. i~r Na ra da Cadeia n. rt no 1. an lar
premio (ooli rs. o 1. .100U o i. i5oU e loja de all'aile se vende um alfinete de peito
os mais veia-se o plano exarado no verso das com um bom biilbanle l'eito a moderna,
roesmas -Bairro do Recife -beco do porto r Arrenda-se un cilio na Vada'ena.com
das canoas, caza 11. ra da Cadeia lojas. casa de pedra e cal, a qual tem duas sallas.
de louca dos Srs. Souto e de trastes ao p sais quartos cosmba lora casa para estriba-
do Corpo Santo Vendas dos Srs. Furtunato ria, senzala para pretos duas calimbas, leu-
c Vellozo Rairro de Santo Antonio lojas do huma muilo boa ago 1 batxa para capm,
Lmiudezasaou* do arco, ra do Cabug dos um pomal de larangeiras com cento e tanto
Lotera do I beatro cujas rodas andao tm- g* WS" reoioeiro e Randeira Jnior pes alguns coquelros c mais arvoredos j
prelenvelmenle no da dezesele no Consistorio ^^ s Frederic0 Xavea, do Quei- e lambem huma olaria coberta de tena com
dalfrejade N. S. daConcsico dos Milita- ,ua1J>01vaj. .,. ..L dousfornos, sendo hum paratelha e outro
pira lijlo, qual leva de oilo a nove milbet-
ros, e tema rantagera sabir o lijlo do lomo para a canoa com amai-
or presteza possivel ; os pcrlendentes dirijSo-
sea ruado V gario armasem I). 11 00 no mes-
, mosiUoa tractor com Miguel Coma de Mi-
do Queimado no bairro de Santo Antonio. oT^T P"u distribuicao dos convites
para a partida dequatrode Marco pelas u ho-
ras da larde mprelerivelmenle o que laz pu-
blico para os mesmos Srs. fazerem seus pedidos
visto nao haver oulra rcunio para este lim.
l^T Aluga-se uma loja com duas sallas e
Somma.
Portocarrero ,
1. Secretario*
lotera do theatro.
OsJ3lbetesda prmeira parte da prmmra
Lotera do Theatro cujas rodas andao im-
rivelmenle no dia dezesele no Consistorio
reja de N. S. da Conc-icao dos Milita-
res aebao-sea venda as lojas dos Srs. Ma- ^^ ^^llamenle uma porcio de
noel uoncalves da Silva Antonio Comes UT l>* g D. 8 nVrua Ui-
Pessoa Canlo/.o Aires, Vieira Cambista, cnluiito noquuuai
a ra daCada do bairro do Recife, en rea. ^ Socie(lade Aoolineaa-
dosSrt Antonio Alves letxetra Bastos na ra ^ -' a.wre"' coxnm\Siio
Jc_P.,..jo.,uim aauo **. a 33^*s:r^Ki^
COLLEGIO SANTA-CRUZ.
(No Forle-do-Mallos;
O CClegio San,a-Cruz, cuja installf o ^^^^tST
leve logar no da de Janeiro do corrento an- rento, u ^ ^
no, conlina a admitUr em seu recinto Alum- nr^AKJ^ F,1.,.eil.a de Mracsse.
nos Pensionistas meio-P.ms.on.stas e exter- la 1 raca o 3<-. dP;a>.e a Praca
os,naeonformidadedoRegul.mento-geral, ^J^XutoSE ieB?
queseada, todos os das, patente no mes- dalmlepeiui --^^^ d, loja
"toSSJLmim seensnam n'esle Col.e- demiudezasda travessa ***^
gio, saoasmesn,asqueseexigem como Pre- o Quetmado D. ,0 cora ^ ^^ a
aratorio nao s as Academias do Imperto envidrados : que" a pr^er
mas anda as Universidades da Europa j lra HM do Quemado loja n. 9 ua.ua
,1o desenlio, IMuzica vocal e instrumental, ^g.0^^^^ (|a3 Cautellas desmn-
^r^ptuT'para a matricuh de qua.quer citadas de bilbeles das ^^-^
alumno so dirigidas ao Director do Collegio le Santa-Cruz no Korte do Mallos delronle do tata l- JtK&K
i uias cautellas o maior premio bei:5oo-
* a 111 1 nnhf o (li./n.olo
Palacio d'Assembla.
randa*
(p^. Mr. Kissel relojoeiro no alterro da
Roa vista compra reldgios de tdgibeira em
segunda mo, elambem iroca e vende em
conta, eafiacca-se aos compradores,
i^- Dezeja-se aliugar uma casa terrea pa-
ra pequea familia, que lenha dous quartos,
sil o bairro de Sanio Antonio^ preferindo-
sf as ras por onde passera porcicoes dando-
sede aluguer al 1 illooo ieis, quem a ti ver
queira annunciar a moradia or esla lolba,iaz-
se tambem qualquer negocio com algum 1-
bradode um andar ou primeiro andar de ou-
tro, que tenba nias de um quem o tiver
annuncie.
IS" Troca-se por venia um sobradnho
de dous andares no Bairro de Santo Antonio
ruado Rangel por outro que seja de um an-
dar no mesuto bairro R que sirva para (raudo
familia 5 quenl pretender este negocio queira
annunciar ou
driia-se a ra da Cacimba
J
armasem de assucar numero 5, que se dir
jretende fazer esle negocio vollando-
1
quem |
se aquUlo que for justo.
11111 cautellas o ttiaiui nuu.u ..^^^^ .0 ^ ...,..... ., -^ .. j--------
I i^ Cl,e impreterivelmente a dezesele do dfe^ompra-se um prcto ou moleaue rO-
E VTIU) I -ncute vendem-se na Uoavhta na caza do zinhoiro na Prac, da .nb^ndenca loja N.
O Director rara aprestar em Scena ot.Sr. Saraiva, e na do .uunciante ..as Cinco-I; e .


I
DIARIO DE
sst- Aluya-se urna grande casa terrea no rata oitavas de ouro era obras,
trro dos aogados com commodos para sendo bom< na rua do Cabug lora de faxen-
P E R N A M B C U O
tKaaaron.....piimii
ama grande familia cont ido nos,
sallas, todas cni vidras um gj
lao rom mirante e seis quarl
independen le com senzalla para pi los i
tniaria para \ a j cavall >s, i nial rom
opsde coqueiros e viveiro ; a tratar na
ra estrella d tes O. ?5
' Quem precisar d
pe idade de -i annos ......a ca
quer occupa ao .a
C7" O r. Jo i ":'- aro de :ou-
?n diri|
que se deseja fallar s m ode
uumi deso
da preta p .
Iin'.i r
valhoi ptal querc
i-se ao i rado
,!"" da mar, que s= .. i
sado
las I), ,,.
V e ii d i s
s^p Meios Bilhetes da Lotera
lo Theatro, c en nidias correspon-
dentes mesma Lotera contendo
ios Infaliiveis: n'esta Typo-
heles r meios ditos da lotera do
na ra di Cabug loja de relojoeiro
lo Sr. Bandeira
m crucifixo de eaixSo. amdito cor
3 redomas enriadas um colar grosso ,
iGfe de braco a dez patacas a oitava.
1
canoas pelo proco que se ajastar ; nn at-
tono aBogados casi de Francisco Xavier
d is ( ';! as.
m molatode idade de 8 annos ,. de
'7 r'J; ("' Hgara e ptimo para naem : no be-
saque I liver- ce do peixe frito I). /{.
s.:,'"'''"'!'' l" ,: macasadepedraecaleraOIioda na
He re roupa rom muilo afeen promptid o, ra do aljube com grande quintal: n ira -
e preco rommodo P na ruado Cal
S3P (ucm lo Sr Bandeira.
: '' '. ; mc
n laSueca, ornis limpo e alvo que i-
. "> ......' i I m aparecido e de todas as hillas de
legada at tres de grossura edequa-
le romprido, por pwcos rommodcs*.
' : r b ne armazem novo por dtraz do Theatro la
q'iem pi i-se a ra usa casa arte da mar.
"' oi 0UJ oos bilhel da Loleria doTheatra,
lar na ruado Cabug loja" de mtu lezas junio
' Um completo sortimenlo de lahoado de
tundo com bstanles arvores de fruclo ser-'de um cabra captivo do Sr Francisco YTartins
cano de madeira e preprial para se edificar de Lemos que iugto lambem no mesmo da ,
\ iiS um cavallp huio novo hora carrega-
dor um selim aparelhado urna msxqueza
deangic, 6cadeirasde jacarand novas, urna
cmoda duas banquinhas urna meza de
antar, um tocador, urna cima, um carro
de/ipao muito Corle, oplimo paia padaria ;
na roa nova fabrica de chapeos D. ti defronte
d i Igrejada ConceicS .
z r Bilhetes e meios dilos da loleria do
Theatro ; i ra do Crespo i) 6 lado do sal.
T Bilhetes da loleria do ibcairo noat-
terroda Boa vista lojas I), o, '5 e 55.
%zr Meios bilhetes da loleria do theatro a
6o > 5 na pracihha do Livramento D. a6 lo-
ja de l'a/.endas.
139" Meios Bilhetes da Lotera do Theatro,
c una carteira de esa torio propria para lo-
ja ; na ra do (Tronga n. \.
r Molos Bi linios da Loleria do Theatro ,
a tw Umrooieque de idade de 18 annos,
de bonita Ggura cozinha alguma couza e
oplimo para a qualquer officio ; na ra
nova da trempe casa terrea que tem solio cora
va randa do ferro.
-----------, .j ._._-------------- ------------ ,
ser fcil dcscohrir o dilo cscravo Antonio por
que fiirtou a seu Senhor algumas pecas de
roupa branca e um par de botins de dura-
que prolo ; quem o pegar leve a ra da cadeia
I I I ^ II. I I jUU I I i UU I WLUII'I ,
Um nm I ulellasrorrespendentesaosditos, na roa
idade, com boa Direita venda que foi de Jos da Penha.
caixeirodeescriptur < lias de bilhetes da lotera do the-
' da atlu as q ,,-. precisar an- atro a 5 > i ; na pra a da Independencia
",Jn"!' deencademaddr n.a6.
tsr Aluja-sedu s que pe- r m bonito eacravo de idade de 5an-
.5oo tirlos de alvenaria e outra qui ,. muii0 bom eanoeiro, eavistado con-
Pfa 8o? ; na rua A u8U9la caia '' pr idor se dir o motivo : na ra do calderr-
ro D. a6.
, =* ": ; ,: MartM Novo de r amanegrade idade de i5 snos, co- ,
1 ba, lava, e hequitandeira na rua di- ^ohld e c
Antonio la padaria de faetano de Souza Pereira le n -tfi "
mi : i0 ) ( T1 i ,
um escravo do gento de angola, opii-
, i........... *------- ---------- ii--", !>" I""- ; .---------'
um locador urna cama, um carro a casa de Me. Calraont & Companhia que
ser generosamente recompensado.
Fugionodiaai do p. p um.moh-
tinbode.ome Felippe, bem clara, cabello
castanho e corrido |H?s grandes cojn '(
annos de idade lcvon vestido camisa de ma-
dapolo Jjrosso calcas do algodozinho tran-
cado azul com suspensorios de burracha en-
carnadas, cbonctde la, ludo anda novo .
mas he fatirel, quemudassede trago ape-
car de nao levar outra roupa. le natural do
Maranho e veio para aqui do Cear no pa-
quete de vapor chegado em >.\ de iJezemhro
do anno lindo ; roga-se a todas as autliorida-
dos policiaes eanilaesde campo, ou qual-
quer pessoa que dclletiver noticia de par-,
tecipar ou Icva-lo na na do Cabug loja de
fazendas D. 4 defronte do Cerieiro que ser
recompensado (jcnerosamenle.
No da a do corrente fujjio um molo-
quecreoulode nome Kslevao levou vestida
de ciscado cor de cinza, camisa de madapolo
com pregas na abertura jaqueta branca de
setineta. chapeo prelo de seda de idade de
5annos, temos heicos bstanlos ;-;rossos e
denles compridos osolhos pouco vermelhoR,
pi iios poneos estufados para (ora e as iinlins
das maos com noduas brancas ; que o pegar
leve a raa direita loja de chapeos Di n que
ier.i recompensado.
B7* Aioito horas da noile do dia dous do
corrale, entrando a creoula Mara Vicloria-
ua da Conceioao na Igrcja de N. S da Saude ,
da porta da mesmaIgreja lhe fupo urnaes-
crava de nome Francisca de idade de 16 an -
nos, com vestido do chita roueba com flores
amarella e panno da cosa ; quem a pegar
leve a rua Direita na loja do sobrado U. i ,
que ser recompensado.
tST Paulo, denacao, de idade de 39 an-
nos estatura regular seeeo do corpo cara
bar-
- Um eavnllo nhr.So rozilho, inloira-
mente sao em todo3os ponlos gordo, e ar-
digo ; na nui da Alfandega velha n. 9.
cy uilo bons piannos do melhor author
Inglez Broadwood& Sons } em casa de Me.
Calmont & Companlna.
S^ Um molatinho de dado pouco mais ou
menos de 14 annos muito proprio paca pa-
gem pois sabe arrear um cavallo e tratar, e
com principios dealfaiate; no porto das ca-
imas rua do Apolo O 6.
S2F" Cautellas da lotera do theatro a 5oo
ris; na rua estreita do Rozario loja demiu-
dezas I) 7.
SSy Dois cscravos de nacao, do idade de
20 anuos, ptimas guras, para palanquim,
nio sao viciosos c da- se a conteni ; tres
moleques dp naco de idade de 1 Ja i5 an-
s e dnus escravas mocas en^ommao co-
verdes
ajoas
noyi
i-..
"-mae: ,!.. Compendios.de arithmelica geom- n ^ra "cTSJ LST .IT di ^l
-\; ** I ; > na tria tignomet.a^alfel ra P rMr Lacrois, SenEd d. ^' P
ia e os segundos tomos das leis Militares pelo G-1 rn,,,.. j, l,, ., .
deuroa coz nbe ra naca- neral Cunha Mallos n. do fal! iefcr) ua ^ ..(..d^unl.a Manos, na rua do Cabug Ite- U 80 o mteiros a 0080; naruadoQueima-
drt erro da tina viMu. | ^'vr:,,,;^ ,,, ,otrrini!u ;:. ".'.. aM Silveira
estran- e cautellas dos mesmos; na ra-al:. imh-,,:, \T ,,. .'!1"' d,! d? XareJao' !l
geiro, tanto para n 1 10 para fora, di- dan. vinte UoLima, cha isson de primera sorte, dito
I- H que se Dm alambique da folha com o Ulo SS^tS'SSS^L^lFi ^ ?"
t!":'- decobre, en bom o, leva 18 caadas^ 1111,1 I30^ encarnada a
K. cas (\, pos-,, fran. za da praca da medido velha ; na rua da Florentina na ra- de masst 1T\ 1 ""T V*
loav,sta, pr, m d roirada, casas de Joo Zurrick, rindo L tesTmSl ? 6 v' "f""
ribnir commer pelas casas d* es; mar na oitava casa. peniesdi marhm de tirar piolho, filas
ssimcomoseoffereceaensi m le- faboado de pin lio de Suecia r i,- SSJ flS,! S. ,a[8uras' e qualida-
parior qualidade e dedifferentes bit'o.as, L ost'fitg ^ SST e
precocommodo; no armazem de ranear de zetasdita ,.., ';;,. S i c j-'
Jos Antunis Silva Vianna no for.edomat, HiS^btSb.f?- f 0r"
napren?a de algoda'o de Pedro Francfco ,^ ^SS^SSL ^35^
couro de lustro com ivclla lilas para sintei-
comprida nariz afilado tem bastante
lia
i
tribuir commer pelas <
im como se offerece a en !nai ai
que a enzinhar fazer p e.
Avisos
:., Urna balance para rap caf XmeniW "na" 2SS1 iBt? ^
eemearosso, frascos'deboc!, larga, e. umeiTa *****
. rmi la Inlne Aa H,..l.., ~------:.......".... i'Uinciuao
1
i- rou ta latas de flandrespropras para
'" 1 d arroz pilado e de casca, paios a
cada un tapioca do MaranhSo, azel
'muito ..ovas, c boa sevada : naso p
D. al onde tem lampio.
r- Um relogiodeouro, e um trancelim
i quem quiser carrea r ou i. de de dito; na praca da Independencia loia do
un m .. n. -8 c ?(). '
!;s' '' Jiaruaia cadeia Mo Urna ncrara de ao a a5 ounos'de d-
iKloncia
:..
rte
com bo.'iila fitrn
IM
engomma Io to-
<>
zinha o diario de urna casa 'lava de sabio o
h recol uda; na rua direita lado do Livra-
0 Corred '
cod'alj
Ir,;i ,. unlo a de cera
Con, em vellas, do melhor sortimenlo
!!!."!"- Im ^poalgri- chegado ltimamente do Lisb a: na "ua do
: '. Vil,
,' thma negra moca, de naco, con, ,
cria de tres mezes cozinha lava roen, e
hequitandeira ; amado Cabud loia
^f Bolms de I isboa e francezes sna-
los de urna e duas solas meios botins, 1
boizegums de lustro com o peito do p de brim
e do duraque pi elo sapatos de couro de lus-
tro para homem e senhofa ditos ih duraque,
selim e marroquim de todas as cores, chi-
nellas para homem, botins para meninos,
sapatos para dilos, luvasde pelica para homem
esenhora chapeos deso de soda bicos nbo loncos de seda lilas de jarea chapeo
do chile de copa alta e aba larga; na praca
la Independencia loja de Jos Antonio da Sil-
mas aval ,. (ojo n pre_
10; qusrta-fei ;(V 10rns
da mar,.'..: no sen armazem a rua da Con-
. i' cao N. J 1. andar
^uefaxJ <.. irl por inlerwn-
cao dn Correl n 1 )liveira do .
da llana [ngleza Mary-Cl irl -\\,
da q.ial he consign it ro quinta feira
corrente, as 11 horas da inanh 1 u ; ar_
mazcmda ruada Cruz adverte-se aue o co-
bro i.e quasi novo por ler servido somente urna
riaeem.
C o ni p r
1:
E7" Um violo om amas
modinas brasiieii
li-nas ; quem tivrr annum ii .
- bario D. i5 casa de Mendos & Ql.
tsr Urna escrava de naco com bonita i-
gura, com boas habilidades para fora da
iucia na rua direita lado do Terco
a o lo
IST Lina porcao r gigps com batatas ca-
da um com o libras por ,coo ; na rua nova
tsr Urna carreca feita de muilo boas ma*
donas, e ferrag na e com muito pouco ato
'"in apparelhos por baixopara carregar por
precocommodo;-na Magdalena no sitio di
riuvade ManoelIzidrode, Miranda.
K Bezerrcs francezes a ao,ooo a duzia ,
earetalhoa oooa pello 5 na rm direita
,s nruadoLi; iloja de courosjun-
bolicadoSr tuffo.
iv
va n. 7

Jos
No da dous do corrente fngio da casa
deseuSnr. oTenenle Coronel Joo Baplista
raujo. um seu escravo de nome Lou-
renco pardo, nao muilo claro de idade de
, estatura regular chelo do corpo, tem
noroslo nina pequea Mcatriz que nial se
ve e as cosas algumas chcoladas de fresco
lcvon chapeo de pello branco dito do palhi-
nha. camisa de riscado edita branca, ja-
queta branca calcas de casemira oscura gros-
sa consta andaraindanesu praca, porque
costnma trabalbar de srvenle em obras e he
muito fcil ser pegado pordetraz da rua nova,
' :: : ponte da Loa vista ; nuera
Soleve a pa aboado Carmo
sera recompensado
- no dia a do corrente um escra-
0lo, de nome, Manoel cor retinta .
, e com alguns signaes de bec ii-
, e muilo fallante lera no braco direilo
nmas sicairizes de fogo, este he o maior si-
gnalque tem levou rostido camisa de chile
azul e calcas de algodo ; quem o pegar le-
ve a rua do Rangel em casa da Sen hora /).
MaraTbeodora Vianna, que ser generosa-
mente recompensado.
Of Nodia itdeOutubro de 18Ij) fugo
urna escrava do nomo Anua ladina, de na-
co angola de bonita figura estatura re-
gular, cor preta, rosto puchado, olhos gran-
p 19 nariz (ino beicos meios gTOSSOS tem
urna mal ha mais preta do que a cor natural
no rosto do lado esquerdo, e no braco esquer-
do urnas letras deangola tem as costas mul-
los lalinhos de navalha raaos pequeas <;
pos {jrossos porem mal feitos tntitula-se
creoula levou vestido de riscado ja desbota-
do e panno da costa, foi comprada a Ca-
milio de Lellis da Fonseca piloto de urna daa
embarcacoes de Joaquim Ribelro de Brito ;
quem pegar leve a rua da Gloria caza de um
andarde grade de ferrodefronte do convenio
a fallar cm o Tenente Coronel T.Ce/.ar Bur-
lamaque, que gratificar com 5 ,00o
Roga-se a os Sars. Sub-Prefeitos, o
mais uthoridades desla e mais comarcas, o
as particulares quesouberem ou virem
una negra de nomo Josefa ( seno mudou de
nome ) (o idade de fcj annos, altura regular,
secca da corpo cor fulla nariz chato com
ama marca de ferro de sua Ierra em cima ,
um dedo gi ir.de al< jado em urna das maos, ps
pequeos costuma intilular-se por forra .
quem a pegar leye ao atierro da Boa vista n;
t que receberao,ooode gratifica.o.
I lo 01
NAVIOS ENTRADOS NO DIA ir.
LISBOA; 4Jdias, Talacho Sueco Swalau
<.o ;5 tonel CapitSo i. S. Buman, equip.
.') carga sa|; Me Calmont & Companlna;
lundiou no lameiro.
SAIIIDOS NO MESMO DIA
' ENEDO; HiateNac, S. Sebastio M. Ma-
noel Jos dos Santos, carga varios gneros,
passageiros dous Brasileiros e tres portu-
guezes.
LONDRES; BrigUe Inglez Fanny, CapitSo
J- II c irga assuc r.
Brigue Inglz Norte Pole, Ca-
p lao James Watt carga assnar,
odParahibare8ue- "-.^---r._______
'terrug,do para aquelle lugar na companhialRECIFENATYP, F.DEF,- t9im
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E64AQ1BSN_DZNQLM INGEST_TIME 2013-03-29T17:32:23Z PACKAGE AA00011611_04015
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES