Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04008


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1840. Tebca Feira
^Tudo npora de-pende de nos mesmos; da nossa prudencia, modera-
cSo, e energa : continuemos como principiamos e seremos apontados
com admiraco entre as Naces mascullas.
Proclamaco da Assemblca (eral do Brazil.
-----------------------------i^- i i ii --------------------------
Subscreve-se para esta folha a 3?ooo por quartel pnuos ad'antadt*
rtcsta Typografia, na das Crines D. 5. na Praca da Independencia *
ns. 57 e:>8, onde se rrcebem correspondencias lega'ladaa, eannuucioa. ^P^\
nsirindo-se estes gratis, sendo drs projirios asignantes, e vindosass--
gnados.
Parldas dos Correios Terrestres,
Cidade da Paraliiba e Villas de sua pretenc...................\
Ditajdo (to Grande do Norte, e Villas dem....... .....f0
DifJda Fortaleza e\ illas Jdem..........................|Segundas e Sextas Fe i ras
Villa ce (ioiamia................................../
Cidade de Olinda..................................Todos os das.
trilla de. .."!::o....... ....... ...,,,....... Ouintas feras.
Dita deC.aranlums e Povoaco do Bonito.....................|)jas 1_0i e 24 de rada mez.
Ditas do Cabo, Serinhaem, Hio Forroozo, e Porto Calvo............dem 1 n, e ai dito dito,
t.;ilaile dea Alagoas, e V.lia de Alacei.........................dem dem
Villa de Paja de Flores.................................ljein j^ c|t0 (jjto-
'J'odos os Correios partan ao meio da.

i de Fevkriro. Numero 28
CAMBIOS.
Ff.vf.rp.iro 3.
Londres......h? ipSI por Ifooo ced.
Lisboa....... Ko por o;o premio, por mciaioutrrodo,
Franca.......aqf> res por /raneo.
Fio de Janeiro ao par. *
OUflO Moedas de .'foo rs Velhas 1^700 a 'j '". o
, Ditas ,, ,, Novas tifSoo a 1 (/'-/"
Ditas de 4,*ooo i.s., Stfooo a
PIIATA Patacoes Brarileiroa......i l5 ., IPexosColumnarios--------------- i^5o a
Di. ,-------------------.'.'"" a
Premios das Letras, por mes i 1/8 a 1 ijipor loo
g|900
igytn
1
Mueda de cobre ta j poi loo.dedisc.
Das da Semana.
- Sessfio da Thes. eaud: do J. de D, da v.
- Rellacfio c aud. doJ. de I), da 1. v. man.
- Sessio da Thetourar.
5 Segunda------S. Brai R. M..........-
i Tei^a--------- S. Andr Corsioo li. ----- -
5 Quarta-------S. gueda V M-------------
6 Quinta-------As Cliagas de Cliristo.-----------Helarlo e Aud. do J. de O. da 1. vara
7 Sexta-----------S. Ftamualdo Ab----------------Ses. da Thes. eaud. do J. de D. VI 1, v.
8 Sabliado------S. Joo da Matta Fuudador- lid. e aud. do .1. i!l- D. 9 Domingo-----S. Apollonia V. M.--------------
Mar?, cheia para a da 4 de Fevereiro.
As 5 lioras e 18 minutos da tardo ~ As > horas e i2 minutos da manli.
>'e m.
t"
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do da p/do prximo p.
OfTiHo Ao Commandante das Armas,
respondendo-lhe que nao declarando o Exm.
Presidente da Provincia das A la roas na re
qnisicao que fez acerca dos venrimcnlos dos
segundos Tenenles Antonio Jos de Mello,
e Manoel Fer reir de Alnaeida ate* qtiando
estavio ellos pagos dever mandar aqtii pa-
gar no respectivo Procurador os sodos c
gratifioacao addicional d'aquelles ofikiacs .
do coi-rente mez em (liante.
T);to Ao Chefe da Legio da Guarda
Nacional de Sanio Antao, respondendo ao
sen oQicio de ao do concille ; acompanhado
das rcprcscntacocs ; que Ihc dirigi o (lom-
mandanfe do Esquadro de Cavallaria cm
que pede providencias para que nao fique im-
pune pelas desobediencias que commeltera o
'.n iiu:il dr> mesmo fianwiUta l-'ron-
cisco de Assis de Oliveira e Silva visto ter-
se acolicrlado com a nomeacao de Commissa-
rio de Policia ; que esta nomeacao nao obs-
ta', que elle seja devidamente punido pelas
faltas que ale^a o seu Commandante for-
mando-se-llic o competente conselho de De3-
ciplina na forma da Lei.
Dito A Cmara Municipal de Igoarassu'
para m-ndar enviar com urgencia a Secreta-
ria urna copia da autlientica da Acta da a-
puracao dos votos para Deputldos Provinciacs
na prxima Legislatura teudo em vista o
Artigo 38 da Lei Provincial de 4 de INIaio do
atino passado.
Dito A (amara Municipal do Cali, sig-
nificando-lhe que nao tendo a mesma C-
mara remeltido al o presento a Secretaria as
copias das Actas das Eleices que se pro-
cederSo no anno passado para un Senador .
e os Deputados Provineiaes na prxima futu-
ra Legislatura cumpre que faca quanlo an-
tes dita renessa leudo em vista o arti-
go 3tt da Lei Provincial de 4 Maio do mesmo
anuo.
Igual comlnunicacao (oi dirigida a Cma-
ra Municipal i\ lonito.
dem do (lia 3o.
Officio Ao Commandante das Armas,
enviundo-llic m confofmidade do Imperial
Aviso de 10 de Dozombro do anno prximo
passado as copias das relacoes nmeros 1, a,
e 5 dos* officiaes deata Provincia que forao
promovidos por Jccrelos de >. do mesmo mez,
a fin de que as mande publicar, e laca en-
trar logos agraciados no exeicicio dos pos-
tes a que forao elevados e no gozo das Iton-
ras c dos sidos que por ellos Ibes cmpe-
tirem iudepeudente da apresentaco das res-
pectivas patentes, como dispoe o Decreto de
jti de \aio de f8l.
Dito Ao Inspector da Tbesouraria da
Fazenda, communicando-lhe o contetido'no
precedente ollicio.
Dito Ao Commandante das Armas, res-
pr.dendo-lbe que nao obstante as ras5< s ap-
piesenladas em scu officio de '-; dn enrrenle,
convera que effectuc apassagem do Sargento
Pedro Nolasco da SU va para a Companhia
Provisoria duCacadorcs creada na Provincia
disAlagoas, porisso que sendo elle requisi-
;..io j;,.ra ter ali o cxereieio de Instructor,
to:Tia-sn mais til o scu servico naquella
Provincia alienta a ua falla de recursos, .do
qu nesla, onde mais fcilmente pode 1er
lislituido.
THEZOftABI V PROVINCIAL.
EDITAL,
O Inspector da The/.otcaria das Rendas
Provini iaes, f.i/. publico, que peraote a mes- !
ma Thezourara cm os dias % 4, e6de|
Mar.o prximo futuro s onze horas da ma- i
nliSa se ba de proceder a arretuataco em ,
hasta publica aquem por menos i/er do
Contracto da Illumina.cSo da (dado do Recife|
por tempode anuo e meio e da Cidade d Olinda
por lempo de tro/, annos contados do pfimei-
rodeJulbodo prsenle anno.
As nessoas que se propozerem a osla arre-
nalacao comparecinos dias cima indicados
munidos de fiadores idneos. E para constar
semaudou abxar o presente e publical-o pe-
lo Prelo.
Tbezouraria das Rendas Provineiaes de
Pemambuco 99 de Janeiro de 18 lo.
Joao Raptista Percira Lobo Jnior.
ANNUNCIO.
A Tbezouraria Provincial paga do dia 4 a
7 do do correte os Ordenados do me/ de De-
zembro do anno p. p. em moeda de prata a
os I Imprecados que nao tiverem emolumen-
tos.
Thczouraria Provincial i de Fevereiro de
1840.
Evaristo Mondes da Cunba Azevedo.
Fiel.
Joao Fernandos Vianna.
Francisco Goncalves do Reg.
Joze da Silva Coimbra.
O Palaxo Bom-fim recebo a mala para Ma-
cen > boje as 4 lloras da tarde.
} >vi vctsms Ro pa r coens.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS
A Pauta be a mesma do numero ai
MEZA DO CONSULADO.
Pauta do preeo corrente do assucar algodao .
o mais gneros do Paiz que se despaclip
na Me/.i do Consulado de Pornambuco na
semana de j g do mez de Fevereiro de
184o.
Assucar braneo novo 1. Sorle ar. 9 700
'X. > < 1 l OO
;. 900 4. 1 ( i85o 1700
(i. n i i55o
Dito mascavado novo 1. Sorte i. 1400
fjOO "> >( i3oo
Dito braneo velho l. Seto ii a 000
a. ti 1 (JOO
3. u H 1 1 0
700 4. 5. t i6;''0
1 i < )5oo
(i. (1 : .10
Dito mascavado vello 1. Sorle t c 00
3oo 2- 1 i 700
Algodoem pluma i. 9. Sorle (( 7000 (:00o
i < 5coo
Anionio liento croes
1 rancisco Jozd aun 10.
Feitores e Conferentes,
COP.REIO.
Existe 110 Correiu Gcral > i C3 1 tuo 5 gura.
geg-uintes: l t
Rendimento da Mc/a de Rendas
arrecadado no mez de Janeiro
Dcima Urbana do anno de
|833 a aH *4
Pita dita dila de lB34 a 8LS
Dila dita ditade i835 a i8J;
I la dita dita de i836a 187
Dita dila dila de 18 7 a 1818
Dito dita dita de 1838 a t^3f)
Dito dila dila de 18.39a 1840
imposto sobre otaria
Dito dito serrara
I lo dito casa de modas
Meia si/.ados esclavos ladinos
Despaxos dos navios para lora,
do Imperio
Novos e volbos direitos
Matricula das Aulas *
F.uiolomentos petos ttulos dos
Officiaes da Guarda Nacional
5s' rs. por escravo exportado
Pasca portes de Polica
Sello do Ilerancas o Legados
Taxa do assucar
Dila do algodo
Dila das Pontos, resto do
mez de Dezembro
Provin'i tes
de t 8 {o
3is<;p
3o '010
117/880
ios;o>.
3 ; 1 s'o>o
1^47^18
(i:()0,)soo()
1 s'8oj
a 5 s Goo
80*000
564#85o
f t>" O
20 1 salo
/i8'so8o
70^00
a 7 fita
45s'ooo
1 o 800
2oos'ooo
1 o^5s(Jao
5)s'72o
85.700
11 :a 19^907
Meza de Rendas Provineiaes 1. do Feverei-
ro de 184o.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante.
Eserivoe Administrador.
Relacao dos gneros comprados para o Almo-
xarifado do Arsenal da ^lrnha na sema-
na docori ida. de ali do Janeiro alea dala
desta
V Miguel Antonio da Costa c Silva 1 ar-
roba o 1 3 libras de cabo de linho a 58;5 arro-
ba 1 pecado lona da Russia por 3o| reis ,
1 ditade brim dito por lsrs.
A Marcelino Daniel de Carvalbo 55 paos
de construeco por 3a5s res.
A diversas pessoas 1 corneta de loque por
os reis. 55o ac.has do lenha a 900 reis o con-
t'j 8 -j'>. dlas a 1 'reis o cento 48f>o ditas
a nao reis dito 900ditas a laPors. diio,
950 ditas a 14:0 rs. dito 6 varas pira Cro-
ques por 1200 rs 1 bandeira Imperial de
4 panos por as'8oo rs., 1 globo de vidro por
(is' rs. -a5 pennas de escreve por 2880 r.. a
libras de cola de peame por 64o rs 1 pin-
sel do cai;y por 900 rs. libras de /arcan
por 3jo meia oiK a de fulor de ail por 160
reis lapes por l5ors. ai paos de olireas
por 3.o rs v4folbas do papel marea grande
pira mapas o desenlio a ufo rs. -' res-
mas de papel almaco a j8o 100 p-nn;:s de
(-crever por I rao, 74 duzias do ripas a no
rs a du/.ia 600 palhas de coqueiro por 9G00
reis, 8:00 lijlos de al venara a af W o
milbeiro 3ooo ditos de dito aa# rs 44 lo-|
ros de Sicupira por 5oi'rs., 4o lraves de "l5
palmos por l4o reis
A Jo/o .upes do Ovoira a6 Miras de a- |
goa-raz por Hjfaors 14 libra- de secante;
por 4*fo rs aiibras de vernis copal por
[ broxas surtidas por uoors.. urna
quarta de rame do ferio por 300 rs 1 ma-
;c brfVnzeeom 8 i/j libras a 1 s reis a li-
bra boo pregos grandes de cobro OHXados
por o!3 rs. 4 balaustre! de bro/i/ecom u
libra e meia a i.'rei* a libra, '. vertedou-
ros por 1910 reis, 4 Croipio- por loan,
5'i libras de tinta branca a aoo reis 1 libra Btj
caadas novas de agurdenle a %ro reis, 10
arrolla;, e 3 libra de assuc.ir a (i.l reis ,1 libra.
Arsenal da Marinha i. de Fevereiro de
. 8 Jo.
Luiz de Franca o Mello.
Escrivo.
Em virtudeda ordem do FJxm. Snr. Pre-
zidente da Provincia vai de novo ; praca pa-
ra ser arrematada obra da ponte do Anjo
sobre o rio Serinhaem oreada em i:5a5,3iO
rs. Os licitantes poder comparecer mugi-
dos de fiadores habilitados nos dias if, 17,
c 18 de Fevereiro ao meio dia na Rcparlicao
das Obras Publicas, aonde est o respectivo
orcamento o condicoens todos os dias uteis
;is horas do cvpodente.
Inspoccao das Obras Publicas ji de Janei-
ro de 1840.
Mor oes Ancora.
Pola Inspoccao do Arsenal de Marinlia sh
vender em basta publica no dia 5 do cor-
rente huma porcao de madoirns velhas ti-
radas, da Sumaca S. Jos Viajante as pes-
soas aquem a compra possa convir, compa-
recao no indicado da petas 10 horas da manli
com pelen temen te babcllados.
lns|ieccao i.de Fevereiro de iR^o
Luiz de I'ranea e Mello.
Escrivo.
PRKFEITRA.
PARTE DO DJA I. Ol KrcvKur.iuo.
Illm e Exm. Snr ~Partecido \. Fxc ,
quedas par tes'hoje recebitlas consta somonte
que forao presos hontem minha ordem os
individuos seguintes : Gregorio, e Goncalo ,
pretos esie escravo do Reverendo I). Abbad,e
deS Rento da Purabiba o aquello de Joa-
quim de Souza Pinto polo Sub-Prefeito de
S. Intonio requerimenlo desos Snrs. por
ditTerentes motivos ; e Florencio Das Lima, .
pardo, pelo Commandante da Guarda da
Passagem i 1 Magdalena por Ihe ser a >pre-
bendida urna faca cujos presos liverae
tino*
Dia 7.
lllm.e Exm. Snr.l'oro presos hontem
minha ordem e i verlo hoie destino : Jo/o
Vicente, o Vicente Ferreir., pardos, pela
1. piiiulba dotarmo por serem encontra-
dos jogandoem a taberna; Antonio Joze ,
Francisco, e francisco menor, prelos, o
1. escravo do Major Jo/e Mara Ildefonso, e
02. de Jo/oda Rocn pelo Sub-Proloilo Aa
Boa-vista, 03 dous primeiros por estarem ru-
gidos e o ultimo para o servigo da Marinba ;
ipe Santiago de S. Anua o Joaquim
Silvcrio pirdos, pelo Suh-Prefeito de O-
linda por serem desordeiroa do socego da vi-
sinhanca.
() Sub-Prefeito de S Antonio a pprehendeo
hontem por detraz do Palacio vetbo quaiorze
barras de plvora, os (puaes forao reculhidos
: A11ec.1d.1c.io !o Corno de Policia pira terem
o competente destino.
A ao occorreo mais novidade.
CONSULADO BRITNICO.
i-az-se saber aos Subditos Bnlankes resi-


\-
2
DIARIO
D F
PERNAMBUCO

denles ?ni Pernambuco que no tlia secunda
feira .o do enrente me/, de Fcvereiro lera
lugar no Consulado de S. M. a Ilainlta de
(ram-brelanha rna di Trapixo novo, o
untamenio dos Subscriptores para os Has
desgnanos no Acto Geo : IV. Cap. 87 a urna
l.oiy daqmlledia.
Consulado Britnico em Pernambuco 1. de
Fevcicirode i^40
NOTICIAS PROVUVCIAES.
Santa Calharina 2S de dezembro s 11 lio-
ras da noile.
O aspecto lisonjeiro que o resultado de bem
combinadas operacoes militares lia pouro ofle-
recia neata provincia atgum tanto trstonbo
se loriiou por causa de bum revez sotrido em
Santa \ doria pela vanguarda da divi/.o da
Sena ao mando do brigadeiro Cunba.
Logo que o general Andrea soube que o
brigadero Cimba avaucava para Lages Ihe
iiidiceu que se lirailasse a guarnecer edefen-
der a linba do rio Pelotas al que 'reunidas
e organizadas todas as for,cas com que devia
contar se achasse habilitados para tomara
ofensiva; pois-bem era de prever que OS re-
beldes se nao censervario espectadores tran-
quillos da reaeco e (loque por aqutile la-
do contri riles se preparara ; porm o briga-
dero Cunba era demasa confiado as infor-
.luacocs dadas por hum expresso que mandou
ao caudho Aranba convidando a que se
passasse para a legalidade e que lhe asseve-
rou que o inimigo eslava a seis leguas de dis-
tancia e em fraco numero julgou que se
nao devia cingir nem s recommendaces do
general Andrea, nem mesmo necessidade
de conferenciar com elle anles de operar e
quepodi" proseguir e tentar oulras empresas.
Com effeito na tarde de 13 do corren te pz-
se em marcha com pouco mais de 15o homens
decavallaria e infantaria ; sendo esta do ba-
lalbo 10 e aquella da guarda nacional de S.
Pualo da de emigrados do Rio Grande e de
legalislas de l.ages commandados estes pelo
major Souza e 110 dia 4 ao amanhecer alra-
vessou o Pellas segtiio com a infantera at
lugar denominado-t hapada Bonita e reu-
nindo-se-lbe ali a cavallaria marchou para
a guarda de Sania Victoria.
A tres quartoa de legua desle ponto eslava
a lona rebelde que logo comecou a guerri-
Ihar com a cavallaria Rio-Grandense : avan-
COU em prinieiro lugar bum esquadro inimi-
go que conseguindo alravessar bum lageadp
que estava entre ambas as lonas, seguiro-
nooreslo das del le, e> podero postar-se no
dime de huma coeuflji'a quasi na lenle dos
legaes.
O brigadero eslava com a sua tropa forma-
da em linba de batalha e fa/.ia enlreler hum
ogo vivissimo ; mas vendo (ue o inimigo lhe
era superior e o tinha volteado e que a in-
fanleria ao abrigo de huma mala, rao vis-se
pan o atacar de flanco fez rccolher a sua gen-
te a huma taipa de pedia cu mar.gueira, e
nao obstante a rigorosa defesa que ahi procu-
rou fazer assallado pela infantera e por
esquadroes SUCCessros que a final consegui-
rn entrar o porto da mangueira, leve de
redor e oeste ponto de&gracadamenle oi q na-
ca minho para esta cidade. j hecer devem estar no paco do Trombud,
Conto-se salvos o major Candido Alano que he conhfceidamente a posicao mais for-
os capites llippolilo e Raimundo Facundos*,
o lente Thomiz Jos Muniz, (ue servia de
major de brigadas ( e que lionlem aqui ebe-
gou ) algHiis 0111 ros oficiaes de guardas na-
eionaes e /(o e tantas praeas do 10. batalhao
Logo que em l.ages se soube o desastre agran-
de lbi a desolaco e geral o susto ; tndo.se p/.
em fuga edesta vez a emigrarlo he espanto-
sa porque quasi todos os habitantes se acho
bstanles comprometlidos em razaoda reacijao
ha pouco feita.
As disposiees e providencias que se tem
dado, ea celeridade com que Andrea as faz
executar tem scegado o espirito publico des-
les habitantes : a infausta noticia aqu chegou
( ainda que nao ollicialmeute ) no dia u< ,
as 8 horas da manh : ts 1 j eslavo na vil
la de S Jos ein marcha pela estrada de
Lages fio cae adores de primeira I i 11 ha ; o
batalhao do Desierro, acampado na enseada
de Brilo marcha accelerada veio ficar na
madrugada seguinte em S. Jos: ao tenenle
coronel Cypriano, que vinha cm retirada ,
foi orderu terminante para que, como resto
do balalhao acouipdiiidvao, e emigrados fosse tomar po-
sicao aquem do passo do Trombud, nos
campos de Boa-Vista e suslcn'.a-la a ledo
o custo fazendo ali hum poni de minian
para se organisar a fi rea Iloje marebon o tenenle coronel Queiroz Car-
reira para substituir Cypriano que"he quasi
intil e amanha segu o major Tola para
cuidar da instrueco da cavallaria ; esla me-
dida a que a energa do Andrea dar a precisa
eflicacia deve reanimar os Lageanos alen-
tar o resto das forjas de S Paulo oara que se
pone de maneira que em tempo oppoi limo se
nos possa reunir operar-se com espectaliva
de bom xito, e frustarse os intentos da re-
belda que com o esforoo que fez parareu-
nir tamanba forja as fronteiras de Lages,
debilitando as que siiiao Porto .Alegre de
certo que nao leve ein mira smente reganhar
aquelle municipio ainda que muito precisa
lhe seja a sua posse : oulro sem duvida era o
alvo a que alifavo : o porto da Laguna be o
que elles anbelo.
( Carta particular.)
te de toda a estrada e donde convir talvez
laz.er huma nova reunio pira avancarmos em
forcaquando for tempo.
No mesmo dia fiz marchar da Enseada de
Hrito para S. Jos o balalhao do Desterro ,
que a pezar dus molestias da quadra apr-
senla sobre parada mais de $00 -liomeos e
'ste batalhao peder entrar na estrada de La-
ges se for preciso.
Tenho dado ordem para se eslabelecerem
depsitos de mantimentos em toda a estra-
da e estou em ajuste com os tropeiros que
devem faz.er a condcela regular dclles.
O lenle coronel Neves, das guardas na-
cionaes de S Jos be o encarregado (testas
diligencias e confio muilo no zelo com que
serve.
No mesmo dia ^1 exped avisos pelo Rio
deS. Francisco Paranagu para por em
advertencia o resto das forjas da columna do
Sur. Cunba recommendando-llies que nao
desamparassem as margeos do Rio Negro.
Todas estas providencias sao as que lembra-
" A conspiraco era verdadeiramente for-
midavel. Alem dos restos da sociedade das
aisons, que fizera a insurreico de <* do
maio comprehendia novos adlierenles e
homens perlencenles a partidos que al agora
diverciS nos seus principios e as suas vis-
tas. A sua organisacao era perfeila. O nu-
mero das pessoas
igadas a esta nova laceo
revolucionaria que tomava o litlo de So-
cii Naciouale nao est exactamente conhe-
cido : mus oque se pode aflBrinar he que he
consideravel, ese com;)".' d gente pouCO lis
tinelo mas mu determinada e mui cap*a do
pegar em armas. Os meios de accao desta no-
va sociedade tiiibo sido preparados lo rpi-
damente que ainsurreico devia rebentar
antes da abertura das cmaras.
-- O Moniteur de quarta lena conlem hum
decreto convocando a cmara dos deputa-
dos e a cmara dos Pares para o dia aj de
dezembro
As folhas (b'paris annunctao a morte
dos gencraes Bernard el/imv, e de M. lia-
ro no momento e Vm. pode faz.e-las nu german bum dos priineiros banqueros de
micas, se entender que esta publicidade con- Franca.
vem assim como que eu nao preciso di-
minu!'em nada as (breas que tenho na La-! Varios fabricantes de assucar de beler-
guna. raba acab.To de recusar o pagamento da laxa de
Peos Guarde a Vm. Palacio do governo i5fr. porcada 100 ki logran mas estalicle-
94 d dezembro de iv"b) Francisco Josa eida porordinan a real, e elles fnnddao o
de Souza Soarcs de Andrea Sur. Thoniaz. seu procediineuto no principio de que a co-
Jose Muniz Coelho, mujor de brigada da di- roa nao pode eslabelecer impostos, sem se-
viso daSerra. rem previamente volados pelas cmaras.
- Illm. e Exm. Snr. Ein retirada da
Villa- de Lages para essa capital por ter sido
batida naVaccaria pelo Canadarro a nossa
divisiio da Seria a mando do Snr. brigadero senlado, e com quem estiverem servindo.
Os Jornaes liberaes acceitao o profjram-
Quarlel General no Desterro, 27 de De- ma polilico ullimamente publicado no Mo-
zembro de i8j;j niteur. pelo ministerio, e proteslao que lu-
do quanlo desepo he que o gabinete .Soult
Ordem do dia N. ia8 pon ha em pralira as mximas e principias cun-
tidos na sua declaraco ; mas. ao mes'mo lem-
O ma recital de campo presidente da Pro- po, attirmao qi vincia e commandante das Coreas emprega- generalidade dos actos do ministerio o inver-
das na defesa della ordena que a todos os so do que diz na sua profisso de f.
olliciaes e mais pracas qne por qualqiier ti-
tul tenbo servido nadevisao da S<:rra ao De Montevideo s recebemos cartas, as
mando do Snr. brigadeiro Francisco Xavi- quaes informao que nenhuma oceurrencia Mo-
er da Cimba ,e que se tenhao apresentado, tavel Uvera lugar, e que a disnoiicao dos do-
qupr nesla capital quer as Torcas reunidas us partidos belligeranles era sempre a mes-
no Trombud, sejo pagos os vencimentos na.
do mez de dezembro brrente, os primeiros por --------------
folhas processadas pelo Snr. lenle coronel
commandante do deposite, e osoulros pelas dos Chegou ante-honlem a este porto (do Rio
Snrs. commandantes a quem se liverem apre- de Janeiro) a crvela Orintate, que parti
francisco Xavier da Cimba lenho o dissa-
bor de participar a V Ex que a mesma d-
viso foi denotada completamente por noti-
cias dadas por ofEciaes extraviados eemeon
sequeneia do serijo que se vem emigrar precisando de al-1
de Franca para huma viagem scieuliica em
Francisco Jos de Souza Soares de Andrea, lomo do globo. A Orintale traz. a bordo
-------------- cerca de sessnta jovens Francezes e Belgas,
1 de familias gradas assim como varios pro-
Desierro, 26 de dezembro de l$jta* fessoresem diversos ramos, e que tem por
fin nesla expediccao estudar o estado docom-
Saben que as noticias que acabao de che- mercio agricultura, artes, scieneias e pivi-
guns soccoros. lie quanlo tenho parleci- I gar de Lages Iraustornaro lodos os planos. lisaco dos paizes que vo visitar, e ao mes-
par a V. Ex. do que baorcorrido. O brigadeiro Cunha qiw parleci para estar nio passo (irocurar eslender entre elles ea
Peos guarde a V. Ex rouitos aunos. Trom- com huma forc de 2,000 homens, appareceu Franca as rea oes de coinmercio e amisade.
budo 17 de dezembro de l/q. Illm. e |m Lages apenas com lito e tantos, e com No eulanto acha-se no interior mesmo da
Exm Snr. Francisco Jos de Souz Soares de' esta ingnifiaule forca correu a reunir-se ao cunta organisado hum s >lcma complet de
Andrea, marccl.al de campo e presidente da, Candido Alano que tinha aperas huns 200 ensino para os sessenla mancebos, qu aili
provincia Antonio Saturnino de Souza e cavalleiros, eandava guerrilbando na Vacca- frequento cursos de matbcmaticas astron-
jria Com enfilo reuuirao-sa no.dia *4 do mia bj r>grabiu historia, geognphia,
correnle porem nesae mesmo dia forao inlei- linguas estiangeiras, e emfuo i.da a lnsi.ru-
Illm. Snr. Parlici
Olive
arlicipo a V. S. queem mente des baratados, junto no registo de Nin- c^o uecessaria para torna-os per.ei 109 nave-
ebegou a esta fregucsia ta Victoria por mais de 500 (arrapos ao man-, gadores e. coinmerciantes Esta exredicco,
larde, o capi'o Jos do de 6a navarro e de hum tal Aranha per-i que deve durar dous ou tr^z anuos Coi fei-
had de seis camaradas dendo a vida o mesmo Cunba e quasi todos la sob os auspicios e crolecco lio co'erno
o dia -i- do crrenle
as qualro horas da
si totalmente anniquiladu a vanguarda da d.i- I Marcellino acompanbado de seis camaiadas! liendc a vida o mesmo Cunba e quasi
y s9o da serra viudos de Lages extraviados das forcas legaes, quanlos o acpmpanhai ao.
Calcula-se a forra rebelde atarante em 700 (dando por noticia q o major Cundido e o bri-
a 800 homens, parle (a (nal tirada dos que I gadeiro for*o batidos e destrocados pelos rebel-
sitiao Porto- -Alegre e commandada por hum j d*a q morneu bastante gente d parte a parte, Trombud, tendo ju aqu che
Aranha, pelo lacinora Valenca e porbr.in jileando O brigadeiro Cunba e o major Candi- fgidos. O la ira pos enlraio cni Lagc-s as-
do gravemente flidos, e morrero da parte I solando tudo Da tal columna dos 2,000 bo-
Anunal ferrador qje durante ac.vi grit
Os pobres L igeauos abandonarSo logoa vil-
la de Lages(ecora Cypriano se retir.:' ao para o
ido alguns
Coubccao agora o Anjaral ferrador-Ha quem
hssevere que David Canauarro lambem se
acbou no combale; affirmo cutres qu elle
anda se conserva p,iri o lado das Torres no
que ha probabilidade: quem de certo esleve
do inimigo lies coronis ; cqn a e>las horas
j lerioentrado em Lages oque vinillo por
es le
este
do ;
caminho multas lamillas
refu
gmr-se a
e o mesmo linba l'eilo Trombu-
e vto estas noticias, rqgo a V. S. de
lugar
no cmbale foi hum tai Teixeira tenante-I mandar algunas torcas para este lugar para
coronel que eommandou os, poslos avancados
aquem da laguna. Consta que osnossosse
o que poder acontecer
Dos Guard a V. S por inuilosanocs. I-
bali'rol'eiu : quemis podio elles faer en- I maruhy 2 j de dezembro de iSjp. Illm
curra lados e to inferiores em r.umero' ao'Snr. Coronel Commaudanlc da lirigada.
111 mugo.'
>ao se sabe ainda ao certo que movment
fez o inimiao depois da aeco e qual a sor-
te da \ illa de Lagrs ( cmhora ho e ouvisse di-
?.er (|ue est cumniandada pelo IjI lenent-CO
ronell eixeira ) nem qual fosse a nossa per-j dia 21 desle mez
da no pessoal ; c pela precipilacao cun que a
villa foi abandonada deveria ali ter (icado
numeroso armamento e niuuico de guerra
Francisco da Silva Lessa, juiz de paz,
Acabo de receber o seu o'Iicio que me
nao sorprebendeu porqu eu tenho coiihe-
cimento da derrolu do Snr, Cunba, desde 0
mas lardava-me huma
de quem
partecipaco official fosse ella
fosse.
Vm. pode e deve vir a esta capital, por-
iiie a(omi)anhavu o brigadeiro Cunba : a res- j que sua qualdade de major de brigada mes-
p?ilo desle official general a opinio mais cor--i mo o habelila para me dar a
pe
rent lu'que perecer afogado airavessando o
Pelotas ; O mesmo se suppe |er acontecido ao
major V aniel Rodrigues de Souza hum dos
principies nror>rielarKs de Lag.es ruja fa-
milia cm deudo ajo pessoas, adia-se ein
as noticias que eu
preciso
Pelo que loca seguranca da estrada de
Santa Calharina cumpre-me artccipar-lheque
m> mesmo dia 21 fi/. porem marcha 80 uo-
nciis de primeira linba que boje ao ama-
mens nada se sabe, e ludo creio que crac im-
posturas do lonco e desgravado Cunba. Ago-
ra estao daqiii marchando forcas que An-
drea manda em socorro dos Lageanos com-
111amiadas pelo Neves de S. Jos.
O Andrea nao \ai nem quer ir para o Rio
Giande.
(Carla particular.)
(T01 nal do Commercio.)
NOTlC.iS ESTRANGEIRAS.
FRANCA.
Londres, ode novemnro.
Todas as autoridades eslo oceupadas com
a descobe 1 la de huma nova conspiraco ,
minio mais formidavel que todas as que tem
al agora ameacado a monarchia de Julbo.
Os pormenores a este resprilo serao publica-
dos logo que. for terminado o interrogatorio
dos principaes cheles da conspiraco oilo
dos qnaes eslo j prezos. Entretanto eis a-
qui o que diz o correspondente do Wornin;
Chroaicle
ta sob os auspicios e prq'ecco do gobern
fraiicez, possuidu da grandeza e impinlancia
dos resultados que ella ti-ara1 ao paiz. pu-
blico tem acolJii i cam lod s as noslras de
euriosidade a ebegada dcaia u^demiu viaj-
la 5 esem duvida alguma o governo Ibea-
fClilara1 os meios e esclarccimanlOs que pos-
sa de/e jar para suas pesquisas e esludos na
nobsa capital.
(Do Despertador.)
Correspondencia,
Snrs. Redactores.Leudo o n, 7 do 'Ins-
linpio' que s. gundo a voz '! ea re-
dimido na Corte por un borne '. saber, e
de representaco eitcouirei
la.ria lageque pi i cipi 1 1
d iioss >s Ns i- ,: ini! 1'.us a
qu il 1. Reg ule (111 ume
etc e no rn do tal pelzii ho ,, ; li-
le Errata.Ntsie mesiuo n njg, 1. |inbj<
da 1. columna ondt se l 'poicara', lei-se
portara*
Ora deve notar-se ( o que l.em peder-se-ia
despensar ) que a Errata vm na quarta pa-
gina e a decantada 'porcaria' na primeira-
que estas duas paginas entrao untas r-o pelo,
e por conseguinte nao se poda emendar na
quarta o erro da primeira ; e assim a todas as
Unes se manifest o ataque dirigido con-


DIARIO DE PEINAMDCO
5
tra a pessoa 'lo Exm Recente sendo o erro
em potitica o nao em grammatica.
Se esla (ollia fosse escripia por um desses
escrevedores qtis privados de luzes sao ri-
cos de inmoralidades ; por esses ma I crea dos ,
que anda no pulseo rjereni provar a educa-
cao particular, quclivero-, por esses mos
enlacaos que espalo nbrollios onde s se
devem plantnr flores daria de baValo 'por-
caria' tal ; pois nao propriodo ignorante e
vil o que se tez para o sabio, c virtuoso -, mas
que assim cscreva uno F.xm. em quera nao
falla saljer e abunda liySo do grande mundo,
que assim escreva um ulico, que, por pro-
pria experiencia, deve ter sentido o gr.o de
dor quetaes escribios causao que ensine
a abusar da liberdade da imprensa e a ..'vi-
tar ( inda que mal) a responsabelidaac, quera
deve dar o ext mplo de moderaco em seus
escriptos, fazendo destaarl'e, que se malo-
grera as intences dos legisladores na execu-
co das penas, impostas contra o abuso na
expresso dospensamentos, cousa certa men-
te que me sangra o coracao nSosei sede
dor ou sede raiva,
Supponbamos, que o Fxm Red.aclor do
;Inslincto' era boje eleito j nao digo Be-
bente porem mesmo Ministro d Estado .
por ventura levara a bem que se Ibe disses-
sem ainda verdades masd'um modo que
desdourassem a sua alta dignidad? : que a ira.
prensa ab;>tesse aquello que a Naco havai
exaltado ? De cerlo que nao. Pois como o
Exm Redactor do Inslincto, esquecendo mes-
mo aquelle axioma lo usado em moral
Quod tib non vis fieri, alter ne facas-
lauca mao de meios to indianos, e nada cons-
tilueionaes, para encor.trar io Exm. ingenie ?
Se o Exm. Redactor do 'Inslinclo' quer ,
que o leiao com atlenco use d'a frase mais
digna da imprensa mais digna de sua pes-
soa mais prov losa aos seus leitores. Cbo-
carrices e doestos desparados contra as au-
toridades e n'a poca de desordem e de
oscila<;o fazem-nas perder a torga moral a
primeira das forxas em uno governo livre. E
ao depois ? desce os bous esooem os mos.
Eu sou
O Ex.
Sis. Redactores Tenhau paciencia comi-
no. Imprima-mc esle Commnnicado que
nos oflerece O n. i < da Liga Americana. E por
este favor Ibes beija asomaos
O Reeijense.
Os nossos legisladores tendo bebido sua
inslruccao nos liaros franec/cs adoptara.' cer-
tas tiieorias resultado da meditaco de \ arios
sabios d-iquella naci bem romo de alguns
escriplores nglezes que tambera vogaci entre
nos. Libados assim ao espirito deju-tica,
qiienn geral transpira das obras de grandes
horneas, sem atlcnderem ao estado bum tanto
excepcional em que se acba o Brasil, promul-
garas suas leis conforma' os principios abstrac-
tos dascienciasera se ibes dar da pralica das
naces adianladas e di-so lera viudo males
compromellbneotos, de que s urna hbil
mao nos (todera tirar. A meo ver, nao be
pelo que di/.em Say c Maltbus que devenios
ivfmlar nossas relacoes coMinercaes com os
eslrangeiros 5 (*) e sim pelas circunstancias
em que estaraos e era que ainda esto para
qomnos.ro as naces'transatlnticas
Se bonvessa huma que quizesse fazer com
esle imperio hura bora tratado egundo as fa-
mosas iieoii, dos ecconooislas polticos, ba-
. 1 em vt-rdadeira e nao Ilusoria retproci-
dade, dina eu que o abra .assemos logo;
certamen le poooas palavras bastawo para elle
ser completo. Supponhamos que essa naci
era a >ardenta: era de sobra determina!-se
em hura artigo qua osaubdito3#da Sardenha
gosariuo no Brasil de tedas as regabas e isen-
c5esdos Brasileos, e estes na Sardenha da
niesma maneir ; que lodos os productos e
mercadorias de bum pah seriaS admitldoa no
oulrocoiH um direitode trf tos porcento, ou
ero (I real 1 rlgum Has com 1 n
baver lo cedo naci que s ponhaei
ti, co n l "''' ':"; '.,
em cousa que o deixe preso e captivo por lon-
go tempo esperando que venha restauraros
nossos.negocios o futuro desenvolvmento in-
telleclual damoeidnde, que nos loma o passo ,
e se prepara para emendar nossos erros se
cerlo egosmo e espirito mercantil, que esvoa-
ca por cima de tudo nao cortarem asmis
bem fundadas esperancas
L'esde que se fez bum tratado com Inglater-
ra o qual cbeirou a qualro contos de res e a
huma bocela de ouro para os negociadores, os
ministros de D. Pedro Primeiro oindu/iraa
entabolar outros com todo o mundo e taes vi-
mos nos celebrarem-se em que da parte da
nacffoestrangeira havia bum negociador, e
da parte do Brasil tres ministros e foi bum
objecto de ganancia o ser tratante porque,
emboia se sacrificassem os interesses do paiz ,
vinbao os quatro contos de res e o apndice
da bocela.
Todos os tratados que enebemas nossas col-
lecces de leis sao outros tantos monumentos de
incuria, e nao sei deque mais.
A Franca, porexemplo, admiltio norgra-
ca espacial rec.hcr o algodo do Maranho co-
mo de lia curta nico producto do Brasil
rasoavelmentcadmitlidocm seosportosj eos
negociadores brasileiros desfalcando osiote-
lesses dos agricultores de caf de assucar ,
de tabaco de arroz de tapioca e os dos ou-
tros nossos productores, COmoseja5 cortadores
d<' madeiras et cestera cohsenlirso na ad-
missao das macaquices e frangalhos (** 1 que
nos impingem sem exceptuar nada com o
nico direito de 15 por cento E o peior a-
inda be que fmdo esse tratado, tanto os le-
gisladores como o governo consentem que esse
eslado de cousas continu. Ainda lia poucoa
Cmara Municipal da Corte, revogando para
esse fun smenle huma das suas melbores pos-
turas deolicenca aos Francezes para trcm
loja aberta ; e minios pensao que ISSO nao a-
conlecera a nao inlervir b governo poralgum
profundo calculo poltico vedado aos profanos:
ao menos custa a assignar outra causal da con-
Iradieco e violucau de huma lei municipal por
aquelle mesmo 1 ispeilavel Corpo que, ob-
servando as suas posturas devera dar ao pu-
blico o exemplo da obediencia aellas Pas
nacoes com quem conimerciamos, a Fram-a be
bnina que menos conipensacao nojoercce.
'.lia ve sacrificados muitos capitaes em fabri-
cas de assucar de beterrava ; |ua nao se po-
dendo obler scuo [ior alto preio az-se ne-
cessario que os direilos do nosso assucar e dos
out'os paizes eslrangeiros sejau lo pezados,
que aliganlando-o dos seos mercados dei-
xem folgar os seos fabricantes ; e esses pezados
direilos sobre o nosso assucar equivale a urna
prohibirlo absoluta. Alotn dsso como tam-
bero grandes capitaes da metrpoli' eslo em-
pregados as colonias, a franca nao pode,
sem arrscar-se a exp.iosdes e disturbios aba-
xar a laxa das allndegas nos gneros de pio-
duccao biasileira. iguaes aos das colonias Ir.in-
cezas O allivi.tr os direilos das nossas pro-
duc Sesera o mesmo fpie acabar com as suas
colonias, e com as suas fabricas de assucar de
betterrava. JNo pudendo pois aFran.a al-
l -jliir-nos pro via de coucesso e recetando
que a Inglaterra eterno alvo de seus ciumes ,
a pesar de quantas Russias houver) se antecipe
a refaaer com o brasil bum tratado, era que
r>os: a levar a m Iborsobr lodas as n& oes eu-
ropeas, a Franca, digo loma o espediente !'
nosamea^ar, comecaudo por tomar huma
orcodo nosso territorio 5 a qual nio pres-
tando por ora para ella, nem para nos, ser-
ve todava a sua oceupaco de offender ana-
conajidade, dealierrar os cobaides pan ao
depois envolver-seen: hum tratado de limite
oulioilecommercio fim principal de tantas
bravatas caso nao possa conseguir o gabinete
das Tuilherias outro anda raaior, que lenta,
mas nao esliera obler com tanta confianca. Pa-
ra eni'.o o nossos grandes homens seguardaQ
para cnloarem bum bvnino de victoria quan-
do emcoipensaca*o. do sacrificio dos nossos
mais can e vtas interesses, elles alcancarem
cupacaodo y -' ae Iwm podemos
, rcs comas rnws
I .
uo I
lipjj
busca mercados ; e nao os adiando por bem fpacnar rptalquer requeiimento, que so Ibe
tenta olitel-os forca e com intrigas. A guer-
ra pois ante commercial be a maior |ue a A-
mei-iea do Sul Ibe pode fazer ; o insigne de
Pradl (***) <' os inha dito que a mais forte
arma que podia empregar a America em re-
nressSodosnjustioas da Europa, era huma
dencacao: basta va que por bum ou dous an-
no1 nos eos nossos vzinhos deixasseraos d>
comprar aos Francezes os seus gneros e ma-
nufacturas, para o seo governo temer seria-
mente pelo socego publico em consequencia
dos queixumcs que levanlariao os seos mesmos
subditos que vivemda industria de suas mos:
esta trra de selvagens be buma grande con-
summidorados seos gneros cuja maior par-
to nao sao da primeira necessidide.
J; nos partos de mar se tem feito ao governo
France/. reiuesentacoes contra os enormes di-
reilos de entrada do assucar e caf eslrangei-
ros pois nao lia francez que ignore que pode
tomar caf e comprar assucar do Brasil a dez
sidos eque em proveito dos emprebendedo-
res o paga a vinte nao ba francez que ignore,
que na Suissa pair central se consomem es-
tes generosa i5 sidos, depois de lerem a-
travessadj a 1*"rauca por espaco de cem a cento
e cincoenla lcgois. Entretanto, aquelle go-
verno para favorecer os seos fabricantes,
nao atiende as representacoes dos seos mercado-
res de borda d'agua inimigos natos do systo-
raa probibilivo nem faz caso da caresta des
gneros coloniaes a que at os mais misera-
appresente.
Nao entra em duvda que, onlendo
o requerimento materia que, esteja dentro do
circulo de sua junsci/ceao deve o Prefeito
despaclial-0 cora toda a prompiidio e lega -
bdade pena de ser expulso ao lugar rom >
nao funecionario. h RR.
i^r \ f'rofessora particular que ensina
110 segundo andar do sobrado f). 10 defronte
doTjieatvo, avizaaos Pais de suas alumnas,
e a quem convier, que se acba no ejercicio de
>eu Magisterio,
9^"^ O bote(|um e caza de pasto da ra dos
Quai teis I), oito precisa de um creado hbil ,
e se tiver principios de cosinha nielbor ser.
C*" O Assionista !;., Caidellus desuia
diadas de blbetes das Loteras em dcima par-
te faz scientc aos apaixonados deste Ogoque
tambem lem camelias pertepcentes a qiiana
parte dos blbetes da Lotera doTheatro, em
cujas cautellas o maior premio bei'5ooUrs.
a qual corre impreterivelraeete a derete do
corrente : vendem-se na Boavista na caza do
Sr. Saraiva e na do unnunciante as Cinco
pontae L). nove e nos mais lugares j antiuu-
ciados.
tsy A pessoa que tiver urna camarinba pa-
ra alugar no baino do Recife que seja em
qualquer das ras ; sendo pessoa capaz an-
nuncie sua morada.
SS5" Quem tiver um sitio para alugar an-
nualmenle, que lenba boa caza de. vivenda ,
veis estacH muilo acoslumados ; e nos c. de- e bastantes arvoredos de fructo e baixa para
vemos admittir o sen cammercio sem restric-
cesalgumas, nao bavendo a menor recpro-
eidade !
Se o governo do Brasil j de longo tempo,
capim sendo poto da Praca annuncic |>oi
esta folba.
8^> O Sr. Jos Igino de'Miruida quean-
n 11 ncioii urna caza na ra da Alegra para alu-t
era lugar decudar exclusivamente em se man- gar annuncie sua morada jiara ser procurado.
ter no poleiro lancasse olbos de piedade so- ^J" Quem quizer comprar um pouco do
breo Brasil ; se o governo, longe de intimi-
dar-se pelas bravatas esangeiras se servisse
galo proprio para bou dirija-se ao beco da
Ordena lerceira em um sobrndinbo D. si ;
de todos os meios que tem ao seo dispor ele- tambem ah existe urna Sen': ia idosa para ser
varia a 5o por cento ou mais os direilos das mer ama de caza de bomem sol lei ro a qual co-
cadorias francezas e de todos os eslrangeiros zinba o diario de urna caza e he muilo ca-
q' nos maliratassem ; buscando por outra parte paz.
fomentar a industria d paiz para nao con- t^" O abaixo assignado arrematante da *
licuara haver eutre nos gente to vil, que aflerieSes e revzo dos pezos c medidas do
pela privacSo de um espelbo de humas cal- municipio da Cidade de Olnda laz scienlea
cas golpeadas e de hura esparllho, mullienl, | todos que afferera pezos e medidas, que no
nao "se importe com a honra nacional. (****) ldia ^u.e Fevereiro deste prsenle auno d
_______ principio a suas aUerices no lugar do Vara-
douro caza U. i.
' LOTERA DO TII'.ATRO. JoolariodeBaraos.
Os Bilbelei da primeira parte da primeira
Lotera' do Thealro cuias rodas andaS im- ^7" O abaixo assignado relira-sc para a
preterivelmenle no dia dezesete no Consistorio villa do Aracaty Jos da Silva Porto.
da Igrejade N. S. daCencjwgp dos .Milita-i c^" P Advogado Madureira parlecipa ao
res. acba-se^ynd3^r1Js"dos Sis. Ala- Sr. Marcelbno da Fonceca e Silva que pelos
noel UOncalves da Silva, Antonio (lomes diarios de 7 e 10 de Janeiro annunciou querer
Pessoa, Canlozo Aires, Vieira Cambista failar-lbe e a quem mais convier, que elle
na roa da Cada do bairro do Recife e as j se recolhcu a esta Cidade c pode serjiro-
dosSrs Antonia A Ivs Teixeira Bastos na ra curado em casa de sua residencia na ra das
do Crespo, eoaqum Claudio Mouleiro na Trnxciras D. q4 das oito horas da manh ate
do Quemado no bairro de Sanio Amonio. as 4 da larde dos das uleis
________ tST O Padre Jos .Joaquim da Silva Guer-
reiro faz publico que seacha abortas as suas
SOCIEDADP: THEATRAL. auUs de Lgica, elramez; na casa de sua
O Pirector do Theatro para facilitar a reo- residencia, ra dos Quartew u. 7 1. au-
no dos Socios se lembrou camarotes que a I Ilustre Sociedade Pastoril Ibe
codeo, feitos na frente da lerceira ordena, os
quaes reunidos a sete camarotes de arco do
: Tbeatro (t s quaes sao por multas pessoas pie-
dar.
tS" Joo Bap.lisla Claudio Tresse avisa ao
respeitavel Publico, que elle contina ejer-
cer o seu oflicio de fabricante dorgos de I-
greja ; assim como concerta e faz reale-
etc. ; to
' annunciados Os Senhoresque pretetideramser dinheiro, porapolices da extracta Corapanhw
socios, se podars dirigir aoSr. LuUMorei- dePernambot, eParaiba: queinasw e
ra de Mendoma na ra do Rangel. O Di- quizer dispor dinja-se a luja do Sur. Fran-
rector lem asatisfaco de annunciar queja cisco JozeFereira Braga, no Arco de Santo
tem oilo meninas faltando apenas qualro ,
;s quaes oflerece soUooo rs. por cada urna que
quser entrar no Drama.
Avisos O i versos.
ac o mi ha es aunos cora
' !i-r'i-
i .
.....
enci
< ,.
me.
ta
ervira aprendermos a ecoiu.mia :" -''
Antonio D. 3.
tSST Cohceria>-8e caxas de tartaruga es-
sos efazem-sc chapas para marcar bolaxas
evendem>se pentcs de tartaruga poi preo
commodo ; na ra Dneila I). a-j,
I ..' Troca-so urna caza lenca no paleo
do ('armo por outra no mesnio baino, e
que nao seja em beco ; advertindo-.se que
S3T- Pergunla-se aos Srs. Redactores se I lenha commodos suficientes para grande fa-
Uin i itfeiode Comarca pode negar-se a des- Oijla e que seu aluguel nao exceda a do/e
mitris: quem quizer dito negocio derja-se
ao mesmo pateo I). 7
SlT" Aluga-se una caza 011 um andar, sen-
do as ras da Cadeia Quemado Cruces ,
Rozario Nova Enrmenlo Dreila Coi-
legio Alieno da Boavista e Arago e tam-
bem se tro:a por qualquer destas inoradlas ou -
tra tambem em boa ra c'ujo aluguer lio de
ioU rs i or anuo ; e quem quizer arrendar ,
011 trocar annuncie.
i^y .los Fernandes Fradique >ie dade
de i5anoos, retra-se para a Provincia Alagoas; quem com o mesmo liver con tas rom -
pareca na ra linita na loja de om\:/'
Goncalves do Cabo.
(***) Nao me fallera era de Pradt Esse
... nenvera um maluco Pois ha quem diga ,
ierra uili-commercial til aos inte-
merca i'
*** Alijo benlo Que bnmem to mal-
vaco esse autliordo Comuuinicado Sem es-
ses espetos como veremos se o passa-piolbos
est bem penleado ; sem essas calcas golpeadas
como airosamente faremos un tour de prome-
nade ; sem um espartilbo mulbeiil como
repelliremos as bervadas setas do deus do a-
mor :' De cerlo que quem tai communiiado
escreveo um refinado carcunda Abreimn -
lio. (Notas do Correspondente.)


4
DIARIO DE
PERNAMBCCO
rasaran
^M ;"
r Quem annunciou querer irocar uma
asa na Bou vista por outia no bairro |!
Antonio, dirij-searudo Nogulro D ;-
S2^" O obaixo assignado comprou por or-
den) do Sur. Antonio francisco das Santos
da Cdade do Mranhao nm meio bilbele da
Lotera do Theatro n. aai?. Francisco .Mo-
re: ra Das.
C7" Aluga-se oaengaja-se jvv lempo de
nm anuo escravos sendo mocos e robustos,
dando-se sustento e boa paga para o servico
de dentro da praca, e indo estes dormirem
a casa deseus Srs trata-seno trapiche da
'Companhia flasj horas as onze dodia.
Siy Precisa-se de amas de le te para a (asa
dos eXpostos ; a tratar na mesma casa.
(> Reverendo Sacerdote que se rijjio
oo illerroda Boa vista ao primeiro 'indar do
sobrado D offeiecendo um galega para
ido lucir ter a bondade de comparecer no
roesmo sabraio jw dio 5 do crrente das io
horas da manh" as 6 da larde
: Precisa-se fallar com o Sur. Manoel
Epifanio de Salles para ce lonogocio; na rua
do Queimado luja i), n ou annuucie na
morada.
diuidaem portu,u, verso por verso, pelo i IST Bilhetes da Lotera do Theatro;na urna escrava de norae Auna- 'adl"a< na-
l>r. ManoS Ooorico McndeL com o- texto rna Uireila yenda qne fui de Jos da Pean. ; ao angola .. de bonla Jgra es atura re-
rancez ao lado, obra uliissimaaos que apron- assim como cautelas correspondentes aos mes- girkr cor preta, rosl
dem a lingoa franceza ; na praca da Indepen- mos. .
dencia lojadclivros n. 3S2T Um lencol de brelanha de linho de
- as moradas de casas terreas na cam- franca novo ainda era folha de mais de oraste do lado esquo "O tra^
des nariz fino be.iros meios grossos tem
ma mil ha mais prota do que a cor natural
J>oa do Carmoera muilo bom estado e pelo | duas varas de comprimenlo e vara e meia e
Seo justo valor ; na rua do Collegio no segn- largura todo guarnecida de bordado de sus-
do andar por cima da botica 1). 6 \ to de mais de palmo de largura e oulro tan-
&* Calle muido de superior qualidade e to de rendada trra ; na rua da
sem mistura por proco com modo em porcSo e terrea com sotSo d* varanda de ferro,
a relalho dito em {rao a 5ooo arroba seva-
da torrada e molda para caff a U;o a libra c
recebe-se exn {rao para torrar na venda de
Antonia Vaz de Oliveira naruado Amorim
n. io3
tST Linhsssa milito nova ,' c louca da Ra- loja de fazendas n. 17.
bia de todas as qualidades ; na rua da senza-,
1.. r>
alegra casa
v- Um mulato do idade de 'o annos, tra-
balHa de machado e cuchada, c faz todo o ser-
vico de camp'), e dous cscravas cosem, cn-
gomrao cozinbaq e fazem lodo o mais sor-
vico de uma casa : na rua da cadeia do Becife
tST Uma esclava' muito sadia boa qui-
landeira cozinha o diario de urna casa, e la-
7- Camellas correspondentes a lotera lo va rupa de sabSo e varrela 5 na rua da Ho-
lir-itro, a (too r3. na rua nova loja de rantina D. 9.
fertagens do lado da Matriz D. 10 S^ Um moleqe que vende caada e meia
T Um par de brincos de brilbantes de de azeite de carrapato e um hanheiro de vi-
muito bom goslo por 600,000 5 na loja do Sor. nhaco com arcos de ferro; no atierro dos a-
Mcroz.
r Uma bonita escrava de naci muilo
Togados )r 1
X3T JooDuboia faz saherao rcspeltavel r">bla e sera vicio .
publico, acuelles Snrs. que deseja comprar f), 'ft.
a larde carn fresca, e carne de carnei- Um propriedade no lugar dos Reme-
ro fresco para Ipv.i fura oy para en dios defronledaIgreja comease '.ova de
que de hojem da nte se prestar sendo a de o lenta palmos de fundo, e com com modos
boi do peso da meta para cima ; e ain- suficientes* com otaria Corno e duas ca-
*gy Dous negros marinheiro3 ,-sSo de go-
na rua de S. Thereza verno, e cosem panno, de idade de 10 a a4
anuos; na I.jja de cabos defronlu do Corpo
da recele alguma
iregnezia
por i: 1 c.'.
sendo zinbasde taipa terreno proprio com du-
casa capaz. zentos ecincoenla palmos defrente e mais de
vzr Precisa-se de um bomom para servir 1000 de fundo, lugar para um grande vive-
de feitor em um ngenho distante desta pra a ro ; a tratar na rua do Collegio bolica de Cy-
scle leroas
na .ua do igari armazem u
1.
sir Aluga-se o terceiro andar do sobrado
da rua da Guia ; quem pretender dirija-s a
rua da Cruz armazem O 5 .
tS9" Quem quiserser ama de uma casa de
11 m homcm solleiro para comprar ecozinhar
priano Luir.da Paz; assim como um cavado
ala/Jo.
53P" Bichas de muito boa qualidade c
por todo preco em condicSo; na rua de cabu-
ga loja do Sr. -Bandeira.
i~T Uma negra de bonita figura de idade
dirija-sea rua dos Barbeiros D. 16 andar, di- 17 annos; na rua Augusta casa de Fran-
tsy O abaixo assignado fascente ao pu- cisco Gonsalves do Cabo
blieoquese acha abeila a sua aula de pri-
meiras tetras no forte do mallos, rua do co-
dorniz, primeiro andar defronte da rua da
Lapa. Padre Joo Jos da Costa Ribeiro.
visos Mananos.
l^ Urna negra lavadeira e quilandeira,
por -100,000 ; na rua do Uungel D. 4'-
C?" t m quarto muito novo e bom pas-
selro : na pracinba do Livramenlo I), .'o
/ Seis cscravos i molcques d \O a \.\
anuos de idade. ptimos para aprender qual-
querofficio, uma molatinlia de idade d l ja; naruado al
............__- ..>, r.........,:........:.....n ..r.. ^^._ --.. m,.;,.. n:n,
Santos n. 5.
SST Uma molala moca de bonita figura ,
com algumas habelidades coni um filbo pti-
mo para aprender qualquev ofucio e uma fi-
1 lia de aunes de idade ; .na pracinba do Li-
vramenlo 1). 1 casa de lleivulano Jos de
.'- reias.
\ g" Na rua da Alfandega velba em casado
Pina, um'realejo muilo bom com eis sclin-
dros, o qual pode servir para alguma capel la
leda-se muitoenconta em razio de seu dono
se retirar para fora.
I ma escrava de idade de i \ annos ,
1 im muito boas habelidades ; na rua de S.
Gonsalo sobrado de um andar > i\.
f" Rap areia prela a 8 'o e ro?o a libra,
chapeos di; castor hranco a 6 ,00', c obras ci-
tas de todas as qualidades ; na rua do Quei-
mado defronte do. Snr. Magalbes Bastos .
onze.
OS" Meios Bilhetes da Loteria do Theatro.
e uma cariara de escriptorio propria paia lo-
innos core o la/, o ipau ser> ico >e urna ca-
sa uma preta moca com uma cria tic -H pie-
PARAO CEARA' p A carac' a umaca
Feliz Americana Meslre Joo Antonio Go-
mes : quem quiser carregar ; dirija-se a Mar zes faz iodo o servico de un.a casa,.e boa
noel Joaq vira Pedro da Cosa, quilandeira, um molto ptimo official dsa-
PARA O MARAKHAO'o Brigue Kscnna pateirode toda obra, e opiimo pagem; a
Laura, sabe no da 7 do correle: os Srs rua de agoas verdes casa terrea D 57.
que no mismo carregiao queiro levar os 3" Uma tartaruga de pcnlc muito gran-
eonhecimentos na rua da moeda l). i j de ; no eslaleiro de Jo So Thomaz Pereira,
,--------------- __ o" A dinlieiroou'5piaso com boas firmas,
.i L' I I il 5 urna morada de ca*a nova em armazem trave-
jado em bom lugar para embarque edezem-
!C*r Hue fazem Rfc. Clmont & Companhia barque sita na rua da praia da ribeira ; a
Mio; Bilhetes da l.oteriado Theatro ,
a !oo as 5 ponas I), (j.
i_^J Urna escrava parda ainda moca cose,
lava ,' cm'omfna (cozinha o diario de urna
do'umas letras de angola tem as costas mul-
los talinbos de navaha mos pequeas, e
;-.s grossos porem mal fuitos intitula-se
crdula levou vestido de nseado ja desbota-
do., e panno di cosa foi comprada a Ca-
milio de Lelsda Fou-cci piloto de uma das
embarcaces de Joaqui'm Ribeiro do Brilo 5
quem a pegar leve a rua da Gloria caza de um
andar de grade de ferro defronte do convento
a fallar com o Tenente Coronel T. Cezar Bur-
lamaque que gratificar com 5>,ooo.
S27- No dia x'j do p. p. fugio uma prota
de nome Victoria deniicao angola de ida-
de de 5o-annos, alta, secca do corpo, fei-
coeus regulares, e bem conbcida nesta prac
por vender hanha c azeite de carrapato le-
vou vestido de -hila preta panno de baca
azul; eum.prato com baiiba julga-se ter
lomado para o atierro dos allegados, que he
para onde elle tomava semprede manh; quem
pegar leve a ruado Livramenlo I) .0 no pri-
meiro andar, quesera recompensado,
icy As oilo oras da noitedo dia dous do
: i'ule, entrando a civoula forra Mara Vi-
ctoriana da Conceicao na Igreja de JNT. S. da
Saude da mesma portada Igreja Ihe fugio
um.i escrava creoula de nome Francisca de
idade de i t annos com vestido de chita no-
va de assenlo rouxo e llores amarellas com
panno da esta ; quem a pegar leve a rua Di-
reita 1). ai a sua sen hora, que recompensar.
$:*/' No dia primeiro do corrente fugio um
molatinbo de nome Fiel, de idade de o a
1 annos seccodo corpo sem lc/.ao algu-
ma trigueiro cabello carapinhado levou
calcas e camisa de algodozkibosujas cha-
peo de pal ha pequeo com laco de fita meia
branca; quem o pegar leva a rua do- agoas
verdes tenda de marcineiro de Francisco de
Paula Cavalcante ou a oongcnho de Maco-
acii a seu Sr crlarmino de Anuda Cmara ,
onde ser recompensad).
3CJ~ Roga-se a os Snrs. Sub-Prefeitos e
mais authoridades desta e mais comarcas, e
pessoas parliculures que souherem ou virem
uma.negra de nome Josefa ( seno mudou de
nome ) de idade de 3 annos, altura regular,
topea do corpo-, mt> fulla-, bavix chata mm
urna marca de ferro de sua (erra em cima ,'
por interienro do C.orrelor Olivci.a de um
completo sortimenlode fazendasingieras lim-
pas e algumas avariadas quarla eira :') do
corrente as dea horas da manh no sen
armazem na rua da cadeia.
tratar na mesma rua serrara do Cardial.
C9" l.ma (lauta de 4 chaves de nrala e
um melhodo e um livro conlendo muito bo-
as msicas ; no tanque d'agoa ao p da casa da
casa da opera.
O abaixo assignado faz leilSo por con-! tS" i tnoleques capnzes para todo o servi-
r do Sr. Manuel da ('.osla INunes da Villa do co e um prelo ja de idade canoeiro ; na
Propia, de a ou rebolas que Ihe remelo no ruado Vigario armazem n 10
rliJif.S Sebastio, no dia 7 do corrente. V'J- Uma preta, avista do comp ador se
Manocl Joaquina i'edro da Costa. dir as habelidades e vende-se por precisao;
sry Que faz o Corretor Olivcira de en-' na praia do Collegio armazem de Guilherme
'..idas, machados; meias ditas, ditas de Soares Olelho se dir.
ana fcixos com ac com uvaria por conla ; tSF Caulellas correspondentes a hleria do
ilequm pre,tencer ede caivetes de ledas Theatro5oors ; na rua larga do Ro/.ario
as qualidade afiadores uayalhas para bar- lojn de roiudezas D. 7.
ha, c de marnbeiro tezouras lancetas ssr Uma escrava parda de elegante figura
pira cirurgiao", facas e garfos de cabos de'de idade dc.vo annos, engomma com toda
marP.m ede osso, caxinhasdemogno con-j pcrfeico be ptima costurcira e eoziuba
tendo cada uma To gerfos e facas de supe-1 bem j afianca-se a sua boa conducta e da-sc
ror qualidade cabo de pralalavrada e mu i- a contento, uma dita moca de bonita fi{u-
los outros artigos desta natureza em perfeitolra engomma liso, ecozinha_odiario de uma
1 stado quinta fi ra seis do c 11 rente ; no seu i casa duas molecas de idadede i. a t annos
rmazcm da ru 1 da ConceicSo D. pfoprias para mubanda, dous moteques de
______________Ule idade de na 15 annos; na rua de agous
verdes D 38.
3" Caulellas da Lotera do Theatro a
quientos ris; na praca da Independencia lo-
ja de encadernador n (3.
I .;- Champaguhe A y viohos do Borde-
aux de todas as qualidades, dilo do Porto,
Xcrres aticanlbc muscatel conservas de
c
f) m p r i s
tSF" I m diccionario latino magnum lexicn
que esteja em bom uzo ; na rua do* Cabug
loja de mudezaa n. 4
Um escravo forneiro, e que saiba de
to ciozo e nao ^0 olha preco : na rua Uireila
pdarado Machado, ou annun
e 1 das
%ZJ" Listas Geraes da Lotera do Semi
na pracada Independencia loja de livrps i.
3? o 38.
%r~- C'cuas correspondentes a Lotera do
7 heairo tonlendo premios infaliveis, a pu-
co de quientos ris cada uma : nesta Typo-
g rafia
tSF' Tanrcrcdo, lragediade Ira-
vinagre, ervilbas, fruclasda Europa apa-
relhos de porcelana branca para cha. bolaxa
lianibuigue/a azeite doce vinho de Boiir-
, copos para vinho e muilas outras
cou as i em casa A, Hoscb, ruu da cadeia ve-
lba.I). 7-
SU" Uma negrinha de iilade de i3 anuos,
boa rendeira cozinha o tem principios de
costura ; na rua de borlas rasa terrea defronte
do hecp de S. Pedro D~ 10.
Na estrada de Joo de Barros no sillo
do Calecido guarda mor 5 vaccas oplmasde
hite j com crias novas.,
casa; narua larga do Rosario i no se- j um dedo grande alejado em urna das raaos, ps
r indo andar. | pequeos cosluma inlitulir-se por forra.
' tw Vellas Elsticas, e algaidas, tanto a quera a pegar leve ao atierro da Boa vista n;
os ceios como a relalho por preco comino- que receber ;o,ooo de gratifica ao.
do ; r.a praca da Boa visla D. it. .C7" Roga-se as authordades policiaes e ca-
5^- Urna escrava de nacao rebolo, de. bo- pitSes de campo apprebencSo de um escravo
nila figura ; na ruada praia sobrado de An- ', de nome Pedro Lauque official de sapaleiro ,
Ionio Aunes. jallo, secco rosto comprido, anda por esla
CT Uma preta da costa boa quilandeira, Cidade e pela de Olinda inculcando-sede for-
lava beme sabio e faz todo o mais servico ro ; quemo pegar leve a Manuel Jos Con-
de nm cusa ; naruado Livramenlo I). .0. salves Braga junto ao arco de S. Antonio ou
C5" Um pelo proprio para irahalhar em : a seu Sr. Caetano Francisco de Barros Wan-
um sitio ou para servente de uma casa uma derley noengenbo cachoeir de Serinhaem .
porcSo de gnalas de vinho feitoria, e os per- ; qe receber 5o,ooo de gratificaco.
tencas de uma venda; as j ponas I). -a.i en- "^" No da 99 do mez p p. ru;ro um
detem lampiSo. molecole de nome Joaquim anda um tanto
tgr Capim no porto das canoas do Reci- hucl, levoq vestido calcas de cazemira par-
fe onde tem boise carracas, a x ra. a arro-I da camisa de madapolo cora um remend
ba, tambemse toma freguezia mental, ou as costas, be alto secco do corpo a ponta
anniial ; a tratar na rua da cadeia do Becife do nariz chalo, no cachaco tem urnas sicalri-
com Manoel Anlonio da Silva Vlotta. es c sar,ias ja hem seccas levou um bala-
tS" Cinco cscravos de naci, um mole- inhonamao; quem o pegar le.e a rua do se-
que de idade de 11 annos, uma negra de i5 j boa 1). ignacia Jacomc Bezerra que pagar lo-
rinos, perita lavadeira, oulra dita de 27 das as despezas e recompensar generosa-
annos cozirina engomma lava de sabfio ,
e he quilandeira outradiladc 5o anuos e
um negro de i5 annos estes ullimos por
3 joooo cada uma : na rua do Collegio lado
do passo I) 9 no segjUndo andar.
ZSj' Um escravo de nacao, padeiro e bs-
tanle hbil cozinha o diario de uma casa ;
ta rua I) 5.5.
%Zf Bezerro francez a ifooo a duzia e a
mente, e protesta contra toda e.'qualquer pes-
soa que o tiver oceulto em sua cisa.
ovijKiut) NA MOS SAHIDOS NO DIA 2
relalho a 1 00 a pello ; na rua Uireila loja de LIVERPOOL ; Barca Ingleza Irt Mtslre II
couros i>. 18.
_ Uma escrava de n.vb com bonita figu-
ra, engoma I izo coze chao cozinha odia-
ro de uma caza lava de varrelli e de sabao;
d-se a contento ao comprador sendo conheci-
do; na ra Uireila D 20 lado di Livramenlo
t^r Superiores chandulos da Cachi eir
chegados ullimente no Patacho Ubis Amigos,
ditos pequeos chamados de senhora dilos
de Uamburgo c ditos de Havana em ca-
xas de :oo, por IS e >5,000 e caixas peque-
as de 5oB nove rail rs. c a relalho a 40
c 60 rs. os mais como ja he s*abido ; na rua
do Cahii loja do Sr. Bandeira.
Landman carga assucar, couros, e al-
godo.
Estnjvofi Futidos
COTl.^(jUII^ V ; Brigue Americano Grao
Turco Meslre J. Heygirs carga lastro.
TRIEVTE; Brigue Inglfez Williams, M.
Chentes Selly carga assucar.
.ENTRADOSNO DIA 3.
PH1LADELPAIA ; fi dias. Polaca Auslri-
ca Victoria Principe iMcilernicbc de ijS
tonel., Meslre F Tournich equip. ii ,
em lastro ; a Crhtree & eyworth.
WARANHAO'; '2i dias, Brigue Escuna*
Carolina de la tonel., M. Francisco Ber-
nardo de '-'altos equtp. t, carga va
mitos passageiros 3.
a F. M. Rodrigues k ir-

- No dia i5 deOutubro de 18 -G fugio! BECIFE N \ TYP. DE \, P. DEF,- ift^a'
"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2HRRUFQX_JY3VQO INGEST_TIME 2013-03-29T17:13:26Z PACKAGE AA00011611_04008
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2HRRUFQX_JY3VQO INGEST_TIME 2013-03-29T17:13:26Z PACKAGE AA00011611_04008
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES