Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03993


This item is only available as the following downloads:


Full Text
alafa
Anno db 1840. Sexta Feiiu
i
Tudo agora depende de nos mesmos; da nossa prudencia, modera-
eo, e energa: continuemos como principiamos seremos aponladai
coa admiracio entre as Maces nas-cultas.
Proclamaco da Asscmblca Geral do BratiL
mo "
Suhscreve-se para esta folha 3ffooo por quartel pagos adianlados
resta Tjpografia, ra das Crines D. 3, enaPraca da Independencia
ns. 'S-] e 08, on.de se recebem coirespondenciaslegalisadas, eannuucios,
iiuiriudo-sa astas gratis, sendo dos proprios assignantes, a vindos assig-
gnados.
%
Partidas dos Correios Terrestres
Cidade da Parahiba e Villas de sua pretencSo..................
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas Idm...................
Dita da Fortaleza e Villas dem..........................[Segundas e Seitas Fe.ras.
Villa ce Goianna.................................
Cidade-dr- Ulindu..................................Todos os das.
V illa deS. Anto..................................Quintas feiras.
Dita de Garanliiins e PovoacSo do Bonito.....................Oas la, e ti, dcada mee.
iasdo Cabo, Serinltaem, Rio Formozo, e Porto Cairo............dem 1 11, a ai dita dito.
Cidade das Alagoas, e Vjlla de Macei.........................dem dem
Villa de Paja de Flores.................................dem 13, dito dito.
Todos os Correios partem ao meto di. ^
17 db Janeiro'. Numero 13J
CAMBIOS.
Jaheiio. l6
Londres...... ba ji i 55 por Ifooo oed. _
ishoa....... So por 0/0 premio, por mcui ouerecido;
ranea....... abris por franco.
nio de Janeiro ao par.
ORO Moedas de 64oo n Velhas i{|8oo a i5j*eo
t Ditas Noras i4|6oo a i4Sw
Ditas de <#ooo rs., foco a 8Jfroe)
PRATA Pataces Bratileiros ------- if54o a i#56o
M Petos Columnarios -------- i#5o a i#56o
Hilos Mexicanos----------------- if5lo a i|54a
Premios das Letras, por mex 1 118 a 1 l|l por loo
Mcala de cabr 3 a 4 por leo. de disc.
Das da Semana*
i3 Segunda-----8. Bilario 8.--*----------------Sesso da Thes. c and. do J. de D. da a. r.
10 Terca------ S. Felis !!----------------.-- Rellaco e and. da J. de D. da 1. r. asan.
15 Quarta------- 3. Amaro Ab.------------------- Sesso da Thexouraria.
16 Quinta------S. Marcelln P: M. *-------Relaco e Aud. do J. de D m a. vara ala. m
tj Sexta---------S. Anto Ab.------------------Ses. da Thet. o aud. do J. de D da 1 Y
>B Sabbado -- ft. Prisca V. M...........Ral. eand. doJ. de D. da 3. T.
iy Dominga O SS. Norae de Jezut *--------
Vknr eheim pura ada 17 de Janeiro.
As 2 horas e 4i minutos da Urde As S horas e 18 minutos da manhS.
wtJk
PEBAMBUCO.
THEZOURARIA PROVINCrAL.
ANNNCIO.
A Thnouraria Provincial paga do dia .17
ao do"correte os ordenados dos Empreados
que percebero emmolntenlos o raez# de No-
rembro ein moeda de prata.
Thezouraria Provincial de Pernambuco 16
de Janeiro de ifljo.
No impedimento do Thezoureiro.
Evaristo Mende da Cunha e Azevedo.
Diversas Reparticoens.
ALFANDEGA das fazendas
--A Pauta he a mesma do numero 26">
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do n. 7.
Nao se tendo conrluido a arrematarlo de
urna porcao de cabo velhode linbo annun-
ciada para o da de hontem, em consequencia
de terem aparecido poucos concorren lea : o
lllm. Snr. Inspector do Arsenal de Marinha
transfefindo por semilhante motivo para
boje 17 do corren le pelas 1 < horas da manha,
convida a todas as pessoas a quem esta arre-
matadlo possa interessar o comparecerera no
indicado dia e hora munidas dos seos fia-
dores.
Inspecco da Arsenal de Marmita de Per-
nambuco 14 de Janeiro de 1840.
Alejandre Rodrigues dos Anjoa.
Secretario.
Terrenos de Marinha.
O lllm. Snr Coronel Inspector Geral das
Obras Publicas manda fazer sciente que a
medido dos terrenos de Marinha continua
as (er as, quintas csabbados da ra Au-
?;usta em direceo ao Atierro das 5 Ponas a
im de que os Possuidores dos ditos terrenos
hajo de comparecer por si, ou seos Procura-
dores logo depois das (i horas at as 9 da
manha na certeza de que sero considerados
devolutos os terrenos desocupados cujos Pos-
suidores nao a presenta rem titulo.
Inspeccao das Obras Publicas 14 de Janeiro
de 1840.
Joo Francisco Bastos.
Encarregado da Escriplurac.o.
CORREIO.
O Brigue Bomfim recebe a mala para o Rio
Grande do Sul no dia ,9 do corrente.
O Brigue Urbana recebe a mala para o
Rio Grande do Norle, e Marauho no dia 19
-do corrente.
Na Administraclo do Correio Geral da
Provincia existem as carias seguras para
Manuel de Macedo de Campos Pessoa e Jo-
aquim A (Tonco dos Reis.
PREFEITURA.
T A TE DO DU 16*
tambem preto, apprescntado n'esta Secreta- tem querido fazer reeonhecer osCothmandantes
ria por um soldado d'Artilheria pedido de dos Cornos ; porem nao esqueceo-se pouco s
Antonio Alves de Moraes Ferreira por o ha-
ver ferido ; Joze Lucas dos Santos pardo ,
pelo Sub-!'refeito da Boa-vista por furto d
um anel d'oiro Bento Joze da Costa e Jo-
ze Correia tambem pardos pelo Sub-Pre-
feilo dos Alfogados par serem desertores de
1. Linda ; e Manoel Jernimo Pitanga tam
bem pardo e Antonio Alves e Joze da Sil-
va de Jezus broncos pelo Sub-Prefeito de
Muribeca pelo mesmo motivo.
Este Snb-Prefeito partecipa mais que no
dia 6 corrente mez foro assassinada por Joze
Dourado a parda Joaquina qne com elle
habtava na mesma casa, cu o assassino a-
inda nao foi pre/.o apesar das diligencias do
mesmo Sub-Prefeito
R' o que consta das Partes hoja recebidas
n'esta Secretaria.
lili
lllm. e Exm. Sr. Forio presos hon-
iem miaba ordera e tivero boje destino
Antonio pelo,
escravo de Francisco de ag
lhe
Dlo Sub Pcefeite de Sanio Antonio po
Sallar o respeilo; Denlo Fernanda Vanos, Ua qu nem ao menwpor formalidade i
Pnblicacfo a podido
m. e Exm Snr. Ero Agosto do anno
prximo passado tive a honra de levar ao co-
nhecimento de V. Exa o estado deploravel a
que lem redusido a desgracade Comarca do Li-
tnoeiro o Prefeito 'oo Mauricio Cavalcanti
da Rocha Wanderler. Em -j5 de Outubro do
mesmo auno ; officiei no mesmo sentido a V.
Ex ed'entao para c me tenho exforcado em
communicara V. Exa. os novos attentados, q1
diariamente ali se repetem os quaes parecem
aggravar-se a propon,o que o referido Pre-
feito vendo-se conserrado no Emprego a-
pezar dos seus horrorosos crimes julga-se
inacessivel a urna dimisso. Agora porem to-
mo a liberdade de submetter a concideraco de
V. Exa. os officios inclusos recibidos lti-
mamente para que V. Exa tomando na de-
vida concideraco possa evitar se for possivel
os males com que a conservaco do Prefeito
do Limoeiro ameaca esta importante Provin-
cia.
Dos Guarde a V. Exa. Becife 11 de Ja-
neiro de 1 ^4 -lllm. e Exm. Sr. Francisco
do Reg Barros, Presidente da Provincia-
Henrique I ereira de Lucena Coronel Che-
fe da Legiio do Municipio do Limoeiro. -
dias antes de Festa fazer notificar parte do
Povo morador na Freguesia de Boto Jardim.
e parte na do Limoeiro para que no caso
de V. S. regresar sua familia reunirem-
se estes e figurando os Cornos amotinada-
mente gritarem foro fora o chefe da Legi-
o ouo assassinarem,
Esta notificarlo houve o que posso asse-
verar V S. e vaga a noticia, que fora pa-
ra o fim indicado, o que nao duvido : pois
queja se insinou o povo a obrar desta manei-
ra, quase em circunstancias idnticas.
Dos Gurrdea V. S. muitos annos. Quar-
lel no Imb a de Janeiro de 1840 lllm.
Snr. Henrique Pereira de Lucena Coronel
Chefe da Legiao desta Comarca do Limoeiro.
Ignacio Correia de Mello Tenente Co-
ronel e Commandante do segundo Batalbo
da mesma Comarca.
isso de suppor fosse mancomonado com
seus amos para mais atterrar o povo e obs-
tar o andamento dos Corpos da Legiao desta
Comarca como tem conseguido, e nao pre-
vejo a me respeito outro motivo seno ler
eu tirado ininha Patente e assim o coneluo ,
por ser nessa mesma occasio desauthorisado
outro odicial : eis o motivo de alguns officiaes
deste Corpo nao quererem tirar suas Patentes,
a fardarem -se e os soldados obedecerem o
servico como muitos de viva voz me t em di-
to que nao esto despostos a sofrarem tron-
co roda de pao, e baila, como publicamen-
te por vexes tem dito o Prefeito naquella Vil-
la.
Eu a dias me acho foragido de minha caza ,
e outros mais por este acontecimento e por
ssojulgo do meu dever partecipar a V. S.,
para que o leve ao conhecimento do lllm. Sr.
Coronel Chefe de Legio e este ao Exm.
Prezidente da Provincia para em sua sabe-
dona dar as providencias e fazer sobresahir
Itlm Sr. A'vista do incluso ofticio que'n'esta Comarca a Lei, onde de presente s
me foi dirigido pelo Tenente daprimeiraC. impera o capricho, e vontade d um Prefeito.
do Esquadro de meu Commando ver V. Dos Guarde a V S. Quartel do meu re-
S. o estado desassocegado e arbitrario em que fugio 4 de Janeiro de 1840. lllm. Sr Jos
se aoba esta Comarca ; j dirigindo-se de pro-1 Rufino Barbosa da Silva Major e Comman-
posito ataques pessoaes aos Srs Officiaes, s dante do Esquadro de Cava lia ria cb Limoei-
por formarem parte da Legio ; a qual o Snr.
Prefeito Joo Mauricio Cavalcanti da Rocha
Wanderley e seus Empregados de Polica ,
nao se tem poupado a innovar todos os meios
de abitrariedadet, e excessos de jurisdieco,
lllm- Snr. Tendo partecipado aos Snrs.
officiaes, que foro approvados para o segun-
do Batalho do meu commando fim de so-
licitar seus Ttulos, e entrarem no goso de
seus postos, suponho, que mor parte d'estes
o deixaro de fazer para evitar assim a indi-
gna o do Snr. Prefeito Joo Mauricio C^-
va lean le da Rocha Wanderley e seus Agen-
tes de Polica que sem respeito a lei nao
cesso, e nem perdem momento de opporem-
se ao andamento da Legio desta Comarca ,
donde tem resultado a insubordinacio total
dos Guardas Nacionaes, para o servico do mes-
ma B. sondo porem alropalados estes no servico
da Polica, ao q' segamente obedecem, temen-
do tronco e roda de pao com que sao ameaca-
dos e possuidos de laes terrores desobede-
cen a seus competentes Chefes de manera,
que me nao foi possivel satsfazer a reqttisi-
Sico uos Garciua MiiciKiidtrs para condcese
dos utencilios do Batalho feta por V. S
o que communico V. S para fazer su ir a
presenta-do Exm. Snr. Presidente, para que
tomando em consideraco e ol ando ao des-
preso em que est nesta Comarca a Lei que
regulla a Guarda Nacional, faca esta sobre-
sabir, e ser espeitada por aquelle chele de.po-
ro Antonio Mendes da Rocha Tenente da
primeira Companbia do mesmo Esquadro
lllm. Sr. Vai-se comprovaiido cada vez
, mais aquelle mesmo boato quetiecorre sobre
fim de atterrar este ou aquelle individuo o Prefeito e seos Agentes quererem obstar o
que compite dita Legio para que ella jamis andamento da G N. por meo de terrores
progrida e se ponha em andamento. Depois isto ameacas de tronco e roda de pao a
desta participadlo soube quo a Villa se acha aquelle Guarda que obedecer a seo Chefe a-
em armas e em movimenlos bellicos o ob- inda mesmo por Officiaes prximamente ap-
jecto principal de ludo isto ao meu ver, so prcados que tirassem suas Patentes e u-
para atterrar os povos ou entlo satisfazer al- zassem de suas insignias estes sero publi-
gum attentado com o pretexto de sonhada re- camente disfeitados; eu que a pouco chegado
aeco : em circunstancias nao se pode chamar d'essa Praca onde fui sollictar o mea diplo
algum soldado nem ao menos para conduc- ma e fardarme, e como se divulgasse este
cao d algum officio, porque ento aquelle Pre- passo qual foi o resultado ? No dia priraeiro
feito dir para reaeco. j do crrente fui avisado publicamente na Villa
Atientas as circunstancias actuaes d'esta Co- do Limoeiro por Manoel Soares que eslava
marca, devocrr, que, ou o Exm. Preii- indgtado pelo Sub-Prefeito, Miguel Joa-
dente da Provincia nao est circunstanciada- quim Velho de Mello, em consequencia de
mente inteirado do estado del la, ou ento j ter lirado Patente e fardado- me e que por
d'uma vez entregou-a ao caprixo e vontade ar- este mesmo motivo seria assassinado ; e como
biraria d um Prefeito despota que montado este aviso fosse publico eu provocado passei
na forca tudo intenta e tudo p5e em pralca a dser, que nao me considerava reo por ter
sem respeitar a Lei, nem a primeira Autho- camuhado legalmente, e combinado o meu
ridade da Prov-ncia de quem devemos re-1 proceder julga\a-me defendido para coma-
clamar providencias nao apparecendo es-. quelle arbitrario Chefe de Polica e seu rau-
tas ento d urna vez deixarei tudo a descri-! xo ; deu isso lugar a um guarda-costa do so-
cio ; pois mais cordato assim obrar; do que bredito Sub Prefeito de Boro. Jardim de no-
ser victima de furores e caprixos. Dos Guar-j me Ignacio Gomes no meio da ra insultar-
de a V. S por muitos annos. Quartel no Im- j me publicamente em altas vozes com es mai-
b 9 de Janeiro de 1840. lllm. Sr. Henri- ores desaforos. Na mesma occasio sefreu i-
que Pereira de Lucena. Coronel Chefe da! gual ataque outro Official de Cavallaria por
Legio. Jos Rufino Barbosa da Silva ter dado semilhantes passos; sendo depois
Major Commandante do EsquadrCo de Caval-
laria.
lllm. Sr Em um dos dias de Festa foi
cercada a casa de minha residencia por urna
Patrulha do Sub Prefeito de Bom Jardim ,
Miguel Joaquim Velho de Mello ; estando eu
e minha Familia na Villa no segundo dia den-
te corrente mez fui insultado publicamente
na mesma Villa por um guarda-costa daquel-
le Sub-Prefeito de itosse Ignacio Gomes e
este montado a cavallo em atlas vozes do
meio da Villa presente s AuthoridanVs ,
ruaabaixo, e ra cima, vocifera va as pala- qne a tudo atrepella quer por este meio
vras mais linsultuosas e atterradoras e nem impor o silencio.
disto avisado que o mesmo facinora fora con-
vidar dous irmos que tem moradores na
Villa com o designio de me fazer outro ata-
que ou assassinar-me e que o mesmo ju-
rara que nao dormira em quanto o nao po-
zesse em pratica : o que tudo levo ao conheci-
mento de V. S., para o levar ao de S. Ex., e
mesme ao prels para que o Publico cada vez
mais se inteire que no Limoeiro nao ha
seguranca individual, nem quaesquer outros
direitos que u garante a nsssa Le Funda-
mental mas que o arbitrario capricho do pri-
meire Agente de Polica, e seus delegados ,
o meaos por este attentado foi preso ; e poi
Peos Guairie a V. S. muitos annos Quarr


f
'
DIARIO
DE
PERNAMBCO
itaj
mm
*
s
). t! i Esperanca do Janeiro de 18^0
Si. Henrique Pc-reira de I urena ,
I I : da Lcgio do Municipio do Li-
'.<>aqinmThec,doro de Yasconcellos
, Tenerte Ruarle I Mestrc da mesma
o.
TIC1AS DE DUEOS AYRES
rcha na estancia de Acost, em os
Grandes, novenfbre i5 de 28*9.
J r iuizdepai e commandante mili-
: Irnos D. iMarianno Ramires. Com
r safislacO envi a V. a cabeca do tra-
do unitario selvagem Pedro
, intitulado general cm cliefe doi su-
. desnatura Usados sem patria, sem
e sem le, o qdtfl loi hoje nioito pelos
scobridores remeti-a para que V
ia ao publico em litim pao no meio
. afini de que os seus consocios vejo
isti*0 que merecem do co os autores
.i w to erozes.
a (leve estar ero bnm pao bem alto,
segura, para q?nio raa e all per-
1 cm qiuuito o superior governo nao
nar otitra" cousa, V. deve transmitlir
gsma nota a S. Ex. o nosso illus-
aurador das leis, para a sua satisfa-
go a Y. por este sucesso to intei
par a nossa sagrada causa federal,
todo o continente americano. Deus
e a V. Prudencio O. Rosas.
Montevideo, 27 de novembro.
t 1 'a batallia de Chescomus pe-
1.in.bem o tenente coronel Ambrosio
er, i rancez de naco naturalisado em
\vres. A fA vida militar faz honra
uhRea Argentina, a qual fez assignala-
serveos no rnnuchil.
Seiscentos dos libertadores do Sul sns-
o-se Das asperezas da serra de Tandil,
ra todas as forcas do tirar.no. O ceo
rs conceda huma brilhante victoria, ou os
is de se porem a salvo. >
(Extracto do Racional.)
-- As circunstancias em que se acl.a a pro-
ocia de Rueos Ayres exigem de nossos ai-
idos os Ftancez.es Iium grande esforco
ra salvar os Comprometidos que pode>cm
apar ao rfrrinO Oi portos do sul devem
% sitados por embarcaces, em que pos-
traslda1*-se essas nohres victimas para
cm que lenhaosegurarjca. Esse medida
'amada pela liiinanidade pela lei dos
,; e pela poltica e esses cruzeiros fre-
5 serviro ao mesmo tempo para impe-
.ontiabatido e fazer efleelivo o blo-
Seria huma calamidade lamentavcl,
Ruenos-Ayres f denovenibrO.
Sabbado, as'dez Horas da manli". ret ni-
ro-se os honrados representantes da provin-
cia, para tmarem ednliecimenlo dos proje-
ctos a presen lados pelarorfimisso especial a
respeilo do feroz motim. dos selvagens unita-
rios em Dolores e Ylonsalvo.
Houve huma importarttedseusso, em que
tizaro da palavra os Snrs. deputados Garr-
{,07. Jrigoyen Lahilte, Saens-Penna, Cot-
zales Pefia Campia MansilTa ; Garca
(D Baldomero) Medrano (I). Pedro) e ou-
tros. Os seus discursos forao vehementes pa-
triticos e dignos dos representantes da pro-
vincia. Forao coberlos de applauz.os pelos
numerosos expeetadores. Os honrados repre-
sentantes sanecionaro, por unnime acclama-
co os importantes prjectos nnresenlados
pela commisso especial. JNa oceasio da
Votaco resoaro eslrondosos vivas honra-
da 'representacao da provincia e ao nosso il-
lustre restaurador das leis ; e morras aos
selvagens unitarios e asquerosos Francezes.
a grati'lo e encomios a
com a Franca, e o vivo desejo de conservar
sem quebra os relares de boa inteligencia
com o Governo de S. M. o Rei dos Francezes.
Este passo porem to obligatorio para o
Cnsul de Franca, nao fez. seno tornal-c
VIr. Roger ero do mesno senume.ilo mas
que huma necessidade imperiosa os obrigava
a commeltel-as : o Governo por sua allianca
natural com o de luenos-Ayies es obrigava a
azerom-se nlliados de Rivera Nao era ne-
niis insolente : ajtoi lando a perfidia;! seo? ] cessario eonfessal-o porque os fados puhli-
tramas insidiosos", elle rom peo logo de huma eos ero assaz cloqueles para convencer, que
maneira escandalosa como o viro todos es os obstculos poslos ;'t sabida dos navios de-
He digno de toda
habitantes de Montevideo. Allribuiltdo ao
ooverno deferencias e ligacues em que elle
nem pensava ; snppondo-lhe condescenden-
cias repellidas pela diguidade e pela hon-
ra nacional ; e accumulando factos inexactos,
forjados por seu espirita astucioso passon
successi va mente as Notas 3 4 5 6, 7, e 8.
He desde ento que dallo as hostilidades a-
bertas dos Agentes da Franca contra a autho-
ridade legal. Comecaro retractando a pala-
vra qjie i,;v,iu dado t citos respitoa, e
fiara cerlos objeclos que.- secundarios quer
de huma ordem mais elevada como: por
exemplo para a captura do navio Loba que
se litibao offerecido a persegu como pirata ,
ponto de pedirem os signaos dessa emhar
eacao. Desde ento os Agentes de huma Na-
manerrar parque se pfonunciaro os honra-Uo tao grande como a Franca nao se enver-
dos representantes da provincia contra hum gnnharo de a[iparecer debaixo de luitn
erinic sem exemplo, e s> reservado aos iui- ponto de vista que ctibria de vergonha
mundos unitarios
a uro simples particular. Se ao mc-
jai.xo do commandodo General Rrown nao
ero tenn hum ataque premeditado, e combi-
nado com a mais revolranle baixeza e perfi-
dia contra o Governo Otienlal.
As prestmpces sobre que os Agentes1
francezes fundavo sua opposieo ; sabida do
General lrwn e (neos obrigava a prolon-
gar os seos navios dimite do porto, eslabelc-
cendo de fuclo hum verdadeiio bloqucio se-
no l'ossem volur.tarias tc-riao cedido as ex-
piCaeues trancas co uutciuu qys iCavaoo
cunho da boa fe appeiando-se tas garantas
rasoaveis e positivas que o Governo Ibes
da va e se essis prevenc'oes ero mais do que
simples bUSpeita's que se tinho concebido ;
se ellas .;c fundavo em documentos authen-
licos e irrecusaveis porque razao nao se
explicavao eodizo? Mas portcstar sen-
t i mentas de benevolencia e ami/ade c fin-
gir ao mesmo tempo huma necessidade impe-
riosa de hostilisar he o mais cobarde embus-
te he o qtiecOnstitue jiuma perfidia negra ,
6 consumada. De mais, que temor podio
da Repblica-Oriental? I emia-se por ven-
tura o crdito do General Rrown que as
commantlava ( ) ?
Os temores vetdadeiros as suspeitas effe-
ctivus que alromenlavo os Agentes da
Tranca, eto-lhes inspiradas pela ideia ta
distruico inevilavel dos piratas de Rivera', e
pela pnuca esperanca de crear hum simulacro
digno de sua ferocidade e inmunda tiatco.
(Gazcla Mercantil )
Ruenos-Ayres, 23 de novenbro.
re
co
beld, que nao tinba hesitado em atlenlar ideaulhoridade que Ibes peimitltsse exer-
mlra as Leis de sua Patria, e que para *r sua sombra, e pela mais vergotibosa
l'artar sua criminosa, e desenfreada ambico, tolerancia, actos que nao se pode olhar seno
havia derramado com fronte serena o sangue 'como a violacoa mais monstruosa e a mais
de seos compatriotas havia-Uies arruinado a chocante dos principios do direito das gentes ;
Obrigue de Sua Magestatade R. Gretiau lorluna e assolado o paiz., que leve a des- como por exemplo o ler huma corveta france-
partion diaal para Montevideo, onde se grata de Ihe dar a existencia. He, em urna ; ** deve demorar atachegada do almirante' Ira 11- palavra. I) Fructuoso Rivera esse gente costas para revistar, e anresionar lodos os
cez Dupotet successor de M. Leblanc. Lo- do mal que sem outra regra de conducta Jfavios que frequento este litoral; sondar o
pelo uutmo paq
mais lison^eiros do almirante Dupotel, e honra de decencia, e de moral
ate
seus esforcos pa
apnre- que nodeixa duvida algttma sobre as dispo-
5 disemq'elle est autorisadoa fazer todos os senla-se coma maior insolencia impr a Jsic8es haB dos Francezes oque justificava
^usesforcos para levar a huma concluso a- dictadura a mais tvranica ao Estado Orien- os sustos do Governo Oriental e o que deve
migavel as desaven as entre a Franca e este tal, e favorecer "os planos sinistros dos A-'', *'r de pro va si tndo oque se acaba de rle-
gover.no Atiento o carcter do almirante-, he gentes da Franca declarando-sehuin tem- j be essa vergonhosu e infame allianca
de esperar que obrar por si mesmo e nao po inimigo da sua Patria, e da Repblica da esquadra Iranceza com os piratas de Rive-
sedeixar guiar por influencia alguma ; e Argentina! | para atacar, e invadir a ill.a de Marlim
confiamos deque nao duvidar vira Rueos Aproveitnro-se da nomeaco do Rr'maderro G>areia. Ja nao era mais possivel en.-ia
i'is perecessem por nao cncontrarem um I em conferencia. Se o tivesse feito he mais Loba, a Eufrazia e o 1 aildint. Debaixo do ; prolecco qu Ibes concedio es seos amigos,
imi(;o. Cbegaraoos momentos de pro- Iqueprovavel que as couzas nao terio ebega- pretexto de q'Brown era um General inimigo os Agentes da 1- ranea que se tinho engaja-
do ao estado em que se achao presentemente, ao mesmo lempo q, protestavo nao estar emjdo irrevogavelmente a prover sua conserva-
guerra contra a Repblica Argentim; afetaudo cao para os fazer servir depois
.isar os sacrificios.
(Nacional).
Paran novembro 8.
Os negocios de aqui aeho-se em huma si-
> muito incerta. Esperamos por hora
(cia de huma batalha entre Lopes e Le-
le, porque, anda que o primeiro per-
ce estacionario acredila-se qu o se-
:> leudo hum exercito suprior acom-
ni a que lie ; cuja forca nao excede a
o liomens inclusos os Santafezinos e os
Je Oribe pois os Entreriarios nao se reuni-
do mais Diz-se que Lavalle tem cerca de
.0 homens incluindo os Corrientinos.
*em islo sao rumores vulgares. O que
sei de eerlo he que Lopes, em suas ultimas
mmunicaeoes ao governo, datadas de Lu-
s.diz que, observando que as forcas inimigas
io to superiores s suas lem determinado
car por ora na defensiva, a Sala, em ses-
-o le 6, resolvi mandar hum enviado a
Buenos-A y res a pedir mais socorro; Dos sa-
be quando efles viro .,......lucas esl
humas 20 legoas das l'ronterras de Corrientes,
aonde se achava I.avalle segundo as ultimas
noticias em hum lugar chamado Ochanar.
Ha hum me/, que nada se sabe aqui do exerci-
to da Banda Oriental
(Extracto do Nacional).
Temos vista entra carta da Yillaguai,
datada le j do rorrvnte pela qual sabemos
qpe G i! e e f upes (que pareiha i ) se ret-
lo para o Patana com apenas j,3oo ho-
ncti0 lugindo ao general Lavalle que ia em
1 delles tiente da sua vanguarda de
!,-0r homens deixand a retaguarda o
c'o exeicito "coi 1 entine, que se desci-
".i com a maior actividad*. (Nacional)
(Brittsb Pacliet.)
a se-
Docurrentos ofticiaes.
tcnierem combinaces e perfidias imaginari-
as logo que esta nomeaco se fez. publica, o
Cnsul Haradre d'acordo com o contra-Al-
Por hum officio datado de Ensenada em mirante Leblanc, eo "-nr. Aim Roger, diri-
l5 do correule e dirigido ao Exm. Sur. go- gir ao Governo as declaracoes c protestas
vernador pelo officia de milicias D. Jos conleudos na ola 11 8. Km vo sfe Ihe res-
Joaquim Arana consta que naquelle distric-
to reinava o maior eulhuziasmo a favor do go-
verno e que as proprins mulheres vinho
ollerecer seus servicos. Nodia.i4 os Fran-
cezes, su pondo que a ensenada se acbava des-
tituida de tropas, fizero huma tentativa
pondeo por escriplo e foi convidado para
huma conferencia verbal na qual o Governo
esorcou-se por Ihe fazer comprchender, que
esta medida nada tinba de extraordinaria ,
eso havia sido dictada pela necessidade Os
Agentes da Franca linho assentado derribar
para entrar no porto com o fim de capturar o Governo e sua figa.o e tratado com R-
as embarcaces al surtas j mas forao repel- vera, os tornava inUc.xiveis Em vo se Ihei
lidos, e a cosa est vigiada de tal modo, e.xigia que cumprissein a promessa de cap-
que S. Ex o governador podeficar certo de tuar a Loba, eos outros navios piratas,-
que as pisadas immundas dos asquerusus p- pois que eslavo bem longe de querer desar-
mar o rebelde Rivera e cntiinclieiravo-se
cm huma neulralidade que desmenlio 0-
ratas Irancezesno bao de manchar as nos-
sas praias.
(Do Despertador.)
Continuado do numero antecedente.
Nesla entrevista o Cnsul de Franca an-
nunciou sera robuco a firme resoluco de
hostilar o Governo ; e era fcil calcular de
antemo o effeito que esta recusa, alias fun-
dada devia produzir sobre hum carcter
lu allanado, e imprudente. Mas redo-
brando de esforcos pan nao se afaslar do
plano adoptado de neutralizar quanlo fosse
possivel estas suas disposicoens que bem se
drevia tomario logo o carcter ie huma hos-
li idade manilesta o Governo insisti sobre
as explicacoes que acaba va dedaF e pro-
vou da maneira mais peremptori os mo-
tivos imperiosos t|ue o ohrigavo recuza
emqucsloj protestando nos termos os mais
os planos ullet ores contra a Repblica Ar-
gentina tendo antes provocado e insultado
com ultraje a diguidade e a soberana do Es-
tado Oriental, 110 seio.da amisude e da boa
inlelligeneia que conservava com a Na$o
franceza ?
A confuzo e desordem que estes acon-
tecimientos produzirao nos Agentes da F'ranga,
sao o melbor teslemunho da justi. com que
o < overno Oriental delendeo sempre a honra,
e diguidade Kacionftl que Ihe eslavo confia-
das Vale intento e pira fizer melbor
1
lhos vistos. Km vo se Ibes otereeia toda a
sorte de garantas ; o cotura-Almirante res-
ponda ao Cnsul de Fran a que nao ad-
mittisse nenhnmas: se os navios sahirem ,
ser por conta e risco del les e se isso acon-
tecer eu bloqucarei immediatamenle Monle
video e far-me-hei alliado de Rivera
Quando o conIra-Almiranle tinha esta lingoa-
gem a allianca ja eslava estipulada 5 por isso
se procuravo pretextos para proteger Bivcr.i,
para tirar ao Governo os seos meio-. de aeco
e rKira rnnirii.ir 2C'livareiite para a suu que-
da violenta. He islo tanto verdade que o
Cnsul l'aradre convindo mnitas vezes- as
hostilidades itilermiiiveis das forcas navaes
Francezas no porto de Montevideo respon-
deo sempre ao Alinistrn d<>* Negocios Estnin-
geiros que elle o senta lauto quntito o Go-
foiniats as suas disposicoens amigaveis para ^verno Orienlal 5 que o contra-Almirante e
sobre-sabir a conducta fa!*a insidiosa e
impudente desses Agentes para com o Gover-
no, importa lazer conlieeer ao publico a res-
posta dada pelo cnsul Baradre ao Ministro
dos Negocios Eslraugeiros qti indo este Ihe
lancou em rosto o ataque da Iba de Marhin
Garca disseelle" |ue nao poda compre-
hender a poltica do coatra-A(mirante ; que
elle cnsul, e Mr. Roger atenavo-se com
ella, e que da sua fiarte elle se anlicipava a
desapproval-a sem tl^ixar por isso de to-
mar as informages huessarias para salisla-
zer ao Governo, Mas que fez para satis-
fa-el-o ? Qual foi a resposla do conlra-Al-
mitanle ao Ministro dos Negocios Estranei-
ros fallando desle negocio em casa do Cn-
sul Baradre ? 1 squeceuJo-se do alio cara-
/,\ <.. ..
deste manifest nao hft
da boa l e da
a da ra/o da Ixaiiqueza
ustiea nao. Silbmosse sobren tena existe
razio, franqueza, boa e uslica Pedimos
nossos compatriotas, aos Americanos em ge-
ral que aUenlem seriamente para esta se-
quencia de factos no Mxico, no Chile, Pe-
As sesscs de 8 e 9 le novembro brilba- ; nos soobessem parar em seos desvos ? Porem
rao com caracteres de gloria em os nossos an- nao: o infame trama eslava formado1, e el les
naes. Honra e reconhecimenlo aos.pais da se tinho proposto roali/al-o sem se impor- j inspirar l'rama tres jiequenas embarca oes
patria! tarem com os meios por mais iniquos e
A parte officia do Snr. general D. Pruden- vergonliosos que fossem. I-ara por o Esta-
do a Rosas que temos a satisfaco de pu- do Oriental abcrlamenle em choque com a
blicar moslra que foi completo oescarmen- Repblica Argentina com esse povo de ir-
lo dos selvagens unitarios amotinados, cscra- mos quem tantas sympalhias naturaes nos
vos dos asquerosos V ran cez.es no da 7, nos "devora unir, convinha-lhes por testa do Go-
campos de Chesconus ; a maior parte dos ca- verno esse hotrem funesto, designado como vil
becilhas unitarios recehero ja castigo con- instrumento dos Agentes da Franca, esse chefe
n*
Montevideo, Bucnos-Ayres Brazii t


**
bI A tt!O DE
PERNAMftl'C
N.
s

V
fcter, que representa desprezando immen-
sa responsahilidade que sobre ella pesa, fal-
tando aos respeilos e consideraces devuhis .
nao somet te ao Povo Oricnlal mas ao Mun-
do inteiro que o jlga respondes que os
navios de Rivera se lioha reunido voluntaria-
mente e sem nrnluima comhinaco aos na-
vios Iraneezes para essa empresa e queelles
nao tinbao desembarcado lium s individuo
para o ataque.
Pode-se fallar ;'t verdade com mais audacia ,
le ostentar maior desca-amentoem negocios p-
blicos de lao alta importancia c respo.nsab-
lidado ? E entretanto que o contra-Almi-
rante se expremia nestes termos Mr. Roger
de seo lado negava que se tivesse dado armas
aos rebeldes para hostlisar Montevideo e
con festiva que s se Ihcshavia dado para a
exped Sode artim Garca. No meiode
tantos ultraje*,,, prodigalissdos a Adminis-
traoaodo Estado Oriental no me o das duras
provas a que o havio ex posto os Agentes
da Franca, decididos a nao ampiar na car-'
reira de. suas hostilidades enfrenarp-se
novos actos io irregulares, quanto crimi-
nosamente escandalosos. O Cnsul Bura.l-
re infatigavel em seo odio 6 (azi-ndo todos
os esforeos para traser lium funesto romp"
mento entre o Uruguay e a Franca* pro-
curan fazer crcr ao Governo que elle c v,r
Aim Rogei desejavao per termo as queslcs
pendentes com a neptnica Argentina ; apio-
lando { que o EstadO Oriental do Uruguay
nao era menos intcressado que ellos cm lium
semelbante arranjo.
O Governo animado do noli re dessejo de
o preparar, lisongcando-se de (pie quando
mesmo nao conseguisse podia contar com o
reconhecimento que seos bous olficios inspi-
rariaoaos Agentes da Franca paraos conter
em seos desvos prestou-se a servir de med
aneiro para fazcrchcgar ao Governo de Bue-
nos-Aviesas proposicoes que o Senador I)
Francisco Xavier Garca de Zuniga eslava in-
cumbido de I be faaef em iinme de Mr. Roger
Mas o Sr. Zuniga nao era anda de volla da
sua misso quando estes Senhores denlo sig-
naos nao equvocos de huma perversidade
refinada.
Redebrarao de vigilanca para prohibir a
sabida dos navios poslos debaixo da direccao
do General Brown estabelecendo-se na en-
trada do porto e pondo bordo dos navios
mercantes da sua Naco que cstavao noan-
coradouro soldados da esquadra que com
signaos e tiros dados continuamente no silen-
cio da noite porduziao como se devia espe-
rar lium etfeito terrivel na Cidadc : porque
os babitanles nao duvindando mais da in-
fame trai(,o e da allian a dos I-raneozes
com os rebeldes perdiab a coragom pen-
sando na impossibilidacle de defender-se con-
tra os esforcos reunidos dcsles dous adversarios
Neste cmenosos France/es tiraran do porto
huma balieira que conduzia cnmmunicacocs
para o Governo (Nota n. 10) dizeodo depos
como jtislificaio < que se tinbao engajado
(Motan, i ) Toma rao tamhem avistado
toda apopulacao, hum grande numero de
navios mercantes : enviarao officiaes a Rivera,
com o pretexto de perguntar se a assignatura
das licencas de descarga dadas pelo emigrado
argentino, l) JetVartinez, eraodealgora
f'unccionario que este tivesse nomeado ; co-
mo se para estas explicaocs ou para outro
qualquer passo, que fosse necessaro dar, se
podessem subtrahir, de huma maneira t;lo
escandalosa, anlhoridode legal, eentreler
debaixo deseos proprios olbos retacos com
hum rebelde, que a atacava. ltimamente
poi cumulo de tantos actos bosli's nao se im-
portando com o paquete la Rosa, o com I'.
Xavier Garcia de Zuniga enea r regado de ne-
gocios do Governo a quero tinbao dado lium
passaport" irregular fi/era-os cabir em pe-
der dos piratas de Rivera ; e quando se con-
seguid resgala-lus vio- se que o paquete t-
nba perdido as suasquatro pecas de artilberia,
me passara a augmentar os meios de ataque
contra o Governo. Acreditar-se-ha isto fora
dottlicatro dos aeontecimentos ? Persuadir-se-
ba alguem que os Agentes da Franca se te-
nhao prostituido com tanta bai.xeza o degra-
darlo ? O que ha de mais notavel em ludo is-
to hequeobravao assim com o Governo do
Estado Oriental do Uruguay prolestando-lbe
com a mais revollante bypociizia que nao ad-
mitlirao outra mediaeo e:iao a sua as ques-
tes tU tinhao com a Repblica Argentina ;
c declarando nao com menos jactancia e des-
ca amento', ao v inislrod.is Negocios Estran-
' reiros que se recusava a modiacao da In-
glaterra era porque esta potencia niio podia ser
i'mparcial |ior causa do seo tratado com a
Repblica Argentina. ( i )
( i ) Em verdade he nauilo zonibar cloGo-
Depois de tantas perfidias empreadas para
alala r a firme/a do Governo depois de o ha-
verem atormentado com tunta baixeza nos em-
barazos ,em que se acbava ; opprimidos clles
mesmos com o pozo enorme de suas responsa-
bilidades ; expostos ; execraco geral, que sua
conduela in ustificavcl e indigna de huma
grande Nado comecava a inspirar ; popula-
cao de Montevideo'; os Agentes Francezes
conceberaG e effectuarao o miseravol e pu-
eril embuste de sedu/.ir o Governo com oller-
tas ridiculas e indignas de seren tomadas em !
consideraeao. Com isto tuha cm vista vexa- j
lo em seos apuros e fazel-o perder de vista
os rebeldes, seos dignos alnados para os
(paos o Governo volt.iva com preferencia a sua
atlencao. Oforercrao-lLe (neta n. i a) neu-
tra lisa r os piratas de Ribera se o Governo se
decid isse a desarmar i inmediata mente os seos
proprios navios no porto ; mas nao seobriga-;
va a lazel-o sonao tanto quanto as forras
Francesas podessem alcanja-os ( ) Co-
nheceo-se o quanto esta proroessa linha de la-
laz porque os navios de guerra Francezes ,
nao pudendo subir pelo rio Uruguay per de-
mandarem muita agoa nunca achariaS orea
siao para neulralisar os piratas Todava o
Governo parecendo deixar-se Iludir por mais
esta intriga, pedio (nota n. iJ) xplicaeoos
sobre o transporto dos effeitos e pe-jso.is de
.Montevideo I aisandit. A rosposta do Cn-
sul JSaradre nao deixou mais duvida ; porque
limitou-se a assegurar que nao garantase
nao as pessops eobjeclos pertencentes ao com-
mercio. A vista disto ousa-se anda negar ,
ou duvidar da prolecco*bwla dada aos rebel-
des .' Era huma guerra de morle huma
guerra traidora e prfida que se tinba de-
clarado ; aulboridade legal. O Cnsul Rara-
drc enviado por seo governo para cultivar
as relaeoes dcamizade, e boa intelligeneia
com O Estado Oriental para obrar junto de
huma Naeao independente sem se suhmeller ;i
outia influencia que a da sua corle renun-
ciando ; sua posico honrosa, havia-se tor-
nado hum vil instrumento da colera do contra-
Almirante e muiUs vezes mesmo elle a exci-
taya por todos os meios que poilia inflma-
la sendo o censor mais inlaligavel dos actos
do Governo. Se se reclama va contra as hosti-
lidades nter m na veis do contra-Almirante ,
limilava-se a dar-lbe parte das queixas do Go-
verno Se so Ibe propunha medidas para res-
tabelccer a confianca c para conservar a ami-
stado o Cnsul Uaradre as suhmetlia livre
vontade do contia-Almiranle que habitual-
mente encerrado na cmara da sua fragata e
sem missao reconhecida para intervir nos nos-
sos negocios dava nsorJens, que bem Ibe
parecido para prebeneber suas vistas hostia ,
e prfidas. Cbefe de huma esquadia franceza,
elle se havia constituido o interprete dos senti-
mentos da Franca para com o Estado Orien-
tal ; interprete, que nao permiltia a menor
discusso, que nao enlrava em nenbum ar-
ran:o e que nao deixava outra alternativa
scnio a submissao, ou a guerra ( t )
Entre as disposicoes da polica do porto ,
estabeleeidas ; muilo lempo e como medida
de seg ranea publica Indspensavel as cir-
cunstancias extremamente criticas em que se
acbava a praca de Montevideo linha-se, en-
tre outras coiisis prohibido aos cscaleres o
ahordarem principalmente depois do sol pos-
to a ponto algum do recinto da Gdade.
verno de hum Estado ao qual alias se pro-
< r.ra como amigo para com elle se fazer trata-
dos Estamos rertos de que a grande maioria
dos bous Francezes a Franca, .desapprovar
altamente semelbante conduela t;To vil e in-
lanie que a nao ser desaprovada deve nim-
io dogradal-u aos olbos das Naces. JNo sao
segu amonte os fraeoj, e onpriniidos que tem
decorar por hum tal proced monto !
( a ) h Que le Gouvernemenl desarme m-
mediatemeut resnavrea (diz a referida Nota)
et Mr. 1 Amiral Lebanc oidonner immcdatc-
ment aussi, que son escadre neulralise toriles
1es opralons de la flollle de I). Fructuoso
Rivera partont o ses navires pourront
ralleindre. ]\a verdade muilo medo me-
liao a esquadra franceza dous ou tres peque-
ros navios do Estado Oriental do Uruguay pa-
ra assim se pedir o seo desar mmenlo oque
vai de indignidad^ em semelhanle proposi-
co !
( 4 ) Submissao be cortamente o que quer
dcsles solvagens da America do Sul o ilustra-
do liberal, e politico Gabinete das luilbe-
hM : aim o contra-Almirante marinluro
obediente mmprio as ordeus do seo (Jover-
no suhmellamo-nos poi< nos mandados do
l.ivan ; mas por cansa das duvidas vamos seni-
pre deixando-nos daasneira de comprar cousa
alguma do commereio desses hossos senhores
muilo altos e poderosos,
Fez-se publica esta disposicao eartixou-se na
Capitana do porto, depois de lar apparecido
no jornal o Universal i Coi tamhem annuncia-
do verbalmenle ao Cnsul alguna das antes de
Ibe ser communicada por eseripto. Ignora se s
elle fe/, di so aviso uo Conlra-Alinirinle ; mis
o que nao heduvido>o beque dissa se/nao Ce-
caso algum, e que as iufraeces repetidas dos
oscalrcs francezes livera o resultado, que e-
ra fcil prever.
( Continuar-se-. )
LOTERA DO SEMINARIO.
Como tem sido grande a venda dos Rilhetes
da segunda parte da i'i. Loteria concedida;!
I eneficio da instrucao pahlioa cm n Semina-
rio Episcopal de Olinda o Reilor do mesmo
-ominario annuneia ao respeif.avel publico ,
que as rodas bao de andar imprelerivelmenle
em o da vnt e sele docorrer.te Janeiro.
Avisos Diversos.
gsjr Prociza-se de alugar hum sobrado de
hum, OU dotS andares ou una casa terrea,
em ras que passem as proccoes e que o seu
alluguer nao exceda de deis a doze mil reis ,
quem a tiver annuncie ou dirija-se a esta
TyPflgrapba.
tST Prcci/.a-se de huma ama de leite sem
filbo forra ou cativa : na ra do Rozario es-
trella D ->.-].
Kt~ Compra-se urna corrente de ouro, que
lenba 35 a 4o oitaves sendo sem fetio; quem ,
a livor o a quizer vender dirija-se a esta Ti- ,
pograpbia que se dir quem quer.
E7* Preeiza-se de huma mulher idoza que
entenda muilo de cozinba para aperl'eieoar um
piolo em huma caza de potrea familia : na
[iraca da Independencia loja N. i.
tf Quem qui/er comprar papel pautado
pava muziea de superior qtialidade dirija-se
a praca da Independencia loja N. a.
----Quem annunciou querer comprar hum
cavallo. bom para carro, dirija-se a esta Ty-
pooraphia que se Ihe dir quem tem hum bom
minio passeiro e novo.
-----Tirou-se dr> Corrcio por engao hu-
ma carta, por ser de nome.i^ual. a qual per-
tence a Sra. Tozefa Mara dos Prazeres,natural
de Lisboa, dirija-se a esta Typographia que
Ihe ser entregue.
-----A pessoa a quem forao entregues dois
rolos de fumo no da i5 do corrente Janeiro
por dois pi otos tenba a bondade de annunciar
I por este diario pois se Ibe entregarao no arma-
zem de Francisco Das Ferrera, comprado o
fumo a Onolre Joze da Costa no mesmo po-
is os tres p-elos bao de apaiecer e depois con-
i fessarao onde ou a quem os ontregaro : quem
; os tiver em seu poder ou delles sober fara o
favor de annunciar ou participar no Atierro
I dt Boa-vista D. r venda de Manoel Fran-
cisco Lagoa que pagar toda a dispeza.
C?- Aluga-se duas canoas abortas, a sa-
ber urna que carrega mil e duzentos tijollos ,
e outra que carrega oitoccnlos ; quem as qui-
zer alugar annuncie
C7" Precisa-se alugar urna preta queseia
fiel e que entenda de todo o servico de urna
caza para servir tanto de portas denlo co-
; mo para comprar na ra : na rita das Cruzes
! D, oito.
L-T A pessoa que pretende o Diccionario
! Magnum Lexicn dirija-se ra do Ew-
guoia I), deseuove lado do sul.
; JBST O Europeo de idade que annunciou
querer se arranjar ou outro qualquer Eu-
ropeo queestiver as circunstancias de ser
caixeiro de huma venda e della livor pratica:
; procure na na das Cruzes loja do sobrado D.
i que dando conbecimento a sua pessoa a-
chai com quem tratar ou na Praqa da In-
dependencia loja de livros n. 3j e 38 que se
Ihe dir quem be.
C- Na noite do dia i5 para Gdodocor-
1 renle aparecen urna negra no sito do Peixinho
muito bucal dizendo que tinba sido furlada e
que fugira aos ladrSes c nao sabe dizer quem
he seu senhor a quem Ibe perttncer dirja-
se a ra das Larangeiras D. 3 qiie dando os
signaes Ihe ser entregue.
tJT O 8nr. Joaquim de Santiago, Mes-
ire Alfaiale ; que morou na ra do Vigario ,
1 c agora se niudou para a Cidade d Olinda ,
ou. ira anunciar sna morada, para ser por-
curado a negocio de seu enteresse.
\ZT Aluga-se hum ou dous escravos ; na
Fabrica de papalfc para servico da me?m
I'ab rica.
S_j" Percza-se de huma caza terrea na ra
da praia anda que precise de alguns con-
eertet, e paga-se maior aluyucl, comanlo
que sirvu para negocio quem a tiver, e quiJ
i.w este negocio ; drija~se a ra do Colegio
botica D. 3.
SEr" O Rjcharcl Ov lio Saraiva de Carva-
Ibo relira-se desta Provincia para a do Rio
de Janeiro levando em sua companhia hum
seu escravo de nomo Manuel
() abaixo assignado tem a honra d
parlex-ipar ao reapetavel publico que sabe
pata a Biirapa a tratar de seus negocios.
Luiz Bruguiere.
%3-"&\\ passagem da Magdalena ha para
vender terrenos para se edificarem casas,
proporcoes de terrenos |iara fornecerem cilios
em beira do Rio Capibaribe, e sem beiradu do
mesmo ro, mas com serventa para elle ;
quem pertender dirija-se a casa da Nev dd
becodo Tbcatro para se ibe indicar cora quem
deve traetar,
1IT A pessoa que annunciou arrendar hum
cilio perto dftSta praca meia legoa ; dirija-se
a ra de S. (ionealo sobrado 1). i^ a fallar
com Manoel Antonio Teixeira.
ZZT Traspassa-se a posse de cem palmos de
terreno alagado com fundo at o rio no at-
terro do Varado'uro na Cidade de Olinda di
parte da inar junto a cambou do piza ; na.
ra do Aragao I). 3q.
0^ pa Padaria franceza da Boa-vista \
prociza-se alugar um pelo escravo: a quem
convier dirija-se a mesn.
cy Quem tiver para alujar urna cas* ter-
rea no BairrO de Santo Anlonio daudo-sa
de aluguer al 10U reis, sendo para pouca fa-
milia annuncie a sua moradia por esla fo-
lha. .
ir?" Compra-se hum Diccionario pottuguer
de Constancio ebuma grammalica france
ce/a de Lomare, que estejao em bom uzo ; an-
nuncie.
CS"Nodia i3 desapareceu de hum tabo-
lciro indo na cabeca de um negro, pela ra.
nova alravessando para da Roda, huma toa-
Iba aborta, e com bico, quem a tiver adiado
sendo queira restituil-a dirija-se a ra daFlo-
reiitina, viudo da mar lado esqnerdo quin-
ta casa, que se recompensar com gerrerosi-
dade.
&2J" O abaixo assignado', testamenieu-odd
finado Joaquim da Silva Regadas annuneia
que no dia dezoito asdez horas da manha se
hade proceder a leilao judicial dos trastes de
caza loicas de meza e cozinha roupa ,
urna 'grande porcao de garrafas vazias um
cavallo e mais objeclos do uzo do fallecido ,
descriptos e avahados no Inventario cu jo
leilao ser fe lo na presenca do Sr. Juiz do
mesmo Inventario na caza onde morava aquel
le fallecido sita na Estrada do Manguind.
Antonio Flix dos Santos.
yrr O accionista das cautellas correspon-
dentes a todas as loteras avisa ao respetavel
publico que a do Seminario corre inuncin
vlemenle no dia wj do corrente segundo o
aviso do Reilor do Seminario, por isso ro-
ga a os apaixonadosdeste jogo queiro con-
correr a compra das mesmas as 5 ponas ven-
da I). () e nos mais logares ja annuticiados.
6$> Antonio Flix dos Santos testaraen-
teiro do finado Joaquim da Silva Regadas avi-
za aos Sis. moradores fra da praca e que
tem letras a vencer e pagar a massa da caza do
mesmo finado que podem dirigr-se ao ar-
mazem de vidros ao lado da ( adeia ; e igual-
mente previne aos que tiverem a receber ha-
ja de justificar as suas-dividas para serem le-
vadas ao Inventaro a que se est procedendo.
tSF" Arremata-se eln hasta publica no di
dezosete do corrente porta do Juiz de DireilO
1 da primeira Vara na ra d'Aurora as se-
' guintes propredades pertencentes ao Cazal do
fallecido Antonio Marques da Costa Soares ,
por estarem lindos os dias da Le. duas ca-
zas de tres andares na rita da Seuzalla Velha
N. dois e tres; urna dita terrea na ruada
Gloria N. ig ; urna dita dita na do Rangel
N. i4.
tr* O abaixo assignado Contra-raestre"
que foi do Sr. Morin Al la a te francez na ra
Nova aviza a todos os seus amigos e conhe-
ridos, que se acha eslabellecido com loja de
Alfaiale na ra das Trincheiras D. 3 lado es-
querdo prometle de servir a todos os Srs.
que o quizerem procurar, com a maior prom-
ptido e bom gosto asseverando que est mu-
nido dos melbores figurins : tamhem tem rou-
pas promptas de todas as qualidades por pie
co cmodo. ManOel 1'ranciscu Cotmbra.
C3- Ferdeu-se na noite de festa hum anet
d'ouro com hum rubim encarnado tendo em
rofh d robim huma c?.rrcira de ped inhas a-
marellas e entre huma e outra hum aljofe :
quem o tiver adiado querendo resliluir diri-
ja-se a ra do Rozario estrella D. 3o q,taf
Iser gratificado*


DIARIO DE
PERNAMBUCO
VST Avisa-se a os Me/arios da Irmandade
de N. S. da Conceico dos Militares que Do-
mingo 19 do corren te pelas lo horas da ma-
lina ter lugar a posse da nova mesa regedora,
to consistorio da -mesma Igreja
VSF Precisa-se aludir urna ama que tenba
bom leite, sem ilho, para acabar de criar urna
menina de 6 a 7 mezes ; na ra do Vigario no
rimeiro andar do sobrado por cima da botica
o Peixoto.
S5S" Traspassa-se urna loja con armaco
nova, e a casa tero commodos para urna gran-
de familia ; na ra nova D 1 i lado do norte.
tsy O Sr Candido Jos da Silveira dirja-
se a ra da-cacimba no armazem de assucar da
casa 11. 5 para receber urna carta viuda do
Rio de Janeiro.
ts?~ Quem quiser dar um cont de ris a
premio de um e meio por cento ao mez com
hypoineca em urna morada de casa no bairro
de S. Antonio pelo lempo de um anno ; an-
jiuhcie.
cyOfferece-se um brasileiro, para caixei-
ro de venda dando fiador a sua conducta ;
SS^* Precisa-se de um caixeiro para venda
e que d fiador a sua conducta ; ais 5 pontas
venda D. y.
t^ Um moco brasileiro de idade de 5
anno se olerece para praticar em um loja
submetendo-se atrabalharde graca at adqui-
rir a precisa habelilaco para esta in lustria ;
quem pretender annuncie ou dirija-se ao
Olinda em casa da viuva do iilmeida
tSf A quem desapareeeo na tarde ido da 3
do correnleum cavallo encangalhado fale a
Joaquim Jos de Mello com lo ja de faze.ida na
ra da cadeia velha, que dando os signaes
lbe ser entregue.
SE?" Precisa-se de um criado nacional, ou
estrangeiro, que tenha todos os requesitos
necessarios ; quem estiver tiestas circunstan-
cias dirija-se ao Mondego a casa de Luiz
Gomes Ferreira de manh at as 8 horas e
de tarde de 4 at as 5.
S*y Precisa-se de um fetor que entenda
bem de ortalica, e saiba tratar de (rucios ;
na loja de chapeos del ionio da Conceico dos
soldados.
Compras
CT Urna negra creoula moca que sai-
ba fazer todo o servico de una casa e que se-
a perita engommadeira e recolhida ; quem
tiver annuncie.
ras da manh em ponte no seu armazem do proprios de sitio, com bastante baixa para
Forte do mallos. capim varios ps de larangeiras antigs ,_ e
4o e tantos ps novos enxertados de varias
qualidades que principioa dar fructo, 5o
e tantos ps de coqueiros de fructo e cento e
tantos que anda nao do muitos ps de ca-
f que do de deseseis a 90 arrobas por anno ,
16 ps de jaqueiras de fructo, e lo e tantos
que ainda nao do -jo e tantos ps de raan-
gueira de fructo e outros tantos prximos a
dar, varios ps de pinheiras romanzeiras,
limes doces limas de ambas as qualidades ,
figueiras jambreiros cajueiros tamarin-
dos abcate eoutrasmuitas fructas que o
comprador ver ; os pretendentes drijo-se
do mesmo Corretor.
835" Charutos da Baha da fabrica de Groz .
Vendas
Avisos Martimos.
PARA TRIESTE o Brigue Ingle* Norlh
Polo Capitao Walt, forrado e encavilhado
de cobre ; quem quiser carregar ou ir de pas-
sagem dirija-se a os consignatarios Me. Cal-
mont Companhia.
FRETA-SE para qualquer porto o supe-
rior Brigue Sueco Caledonia, Capilo Lound;
trala-se com Me. ( almont & Companhia.
FRETA-SE para qualquer porlo o supe-i-
rior e muilo veleiro Brigue Inglez Fanny ,
Capitao Hullett forrado e encavilhado deco-
kre de primeira classe( A I ) ; trata-se eom
Me. Calmont & Companhia.
PARA LIVERPOOL a linda e velleira
Barca Ingleza Columbui, Capilo Dan Greeri,
forrado e encavilhado de cobre e de primei-
ra classe ; quem quiser carregar ou ir de pas-
sagem para oque tem excellentes commodos ,
dirija-se a Me. Calmont & Companhia.
PARA O RIO GRAN UE UO SOL segu
viagem o bem conhecido Brigue Nacional Le-
os Te Guarde, por todo o prsenle mez. quem
quiser carregar ou ir de passagem para o que
tem excellentes commodos dirija-se ao seu
proprielario Jos Luiz Paredes morador no
forte do Mallo.
PARA A BAHA segu viagem com toda
brevidade a Escuna Nacional Emilia Capi-
tao Jos Raimundo da Silva por ter a maior
parte de sua carga prompta ; quem quiser
carregar ou ir de passagem dirija-se ao Ca-
pitao ou a Manoel Francisco Ponte na
ra da senzala velha.
PARA O ASSIT segu impretervelraente
20 da vo do correntc o Brigue Escuna S. Jo-
s j quem quiser carregar ou ir de passagem
dirija-se ao Capitao Ricardo da Silva Neves ,
na praca ou a bordo.
PARA O CEARA'a Sumaca Emilia, Mes-
Ire Jernimo Antonio de Souza ; quenv qui-
ser carregar dirija-se ao mesmo Mestre a
bordo ou a Antonio Joaquim de Souza Ri-
beiro na ra da cadeia
tssr Folhinhas de algibeira contendo
alem do Kalendario &c, a confisso do ma-
rujo e um Dialogo enlre um Algaravio e
sua Mara ; a *4o ris cada urna ; Ditas de
dita, dita, dita com anedoctas, historias, bons
dictos &c a a4o i ditas de porta divididas em
semestres, a ris vintens O anno; ditas Ec-
clesiaslicas a pataca ; na orara' da Indepen-
dencia loja de livros n. 37 e 38 na ra do
cabug loja do Sr. Bandeira no bairro do
Recile na ra da cadeia loja que foi do Snr.
Quaresma ; defronle da Igreja da Madre de
Dos venda da quina do beco do a/.eil de
peixe ; defronte da Matriz da Boa vista
botica do Sr. Joaquim Jos Moreira ; e em
Olinda Botica da ru> do Amparo.
CT Meios Bilhetes da irt parte
da 16. Lotera do Siminario
de Olinda : nesta Typografia.
jsr Bichas de muito.boa qualidade e
por todo preco em condico; na ra do eabu-
ga loja do Sr. Bandeira.
tST Urna boa morada de casa terrea na
ruadoRozario da Boa vista D. ai junto de
Felipe Bandeira ; quem quiser annuncie. -
tST Meios bilhetes da Lotera do Semina-
rio ; na ra larga do Roza rio loja de miude-
zas D. }.
VST Um escravo creoulo de idade de a 4
annos, muito hbil para qualquer servico ,
e principalmente para pagem por ter muila
pratica de montar, e tratar d cavallos; na ru*
do crespo D 9 loja de Santos Neves assim como
urna barcassaquecarrega oilocaixas de assucar
a qual se acha no estaleiro de Joo Thomaz.
de diversos precos P chegados agora ; na ra
da cadeia velha O. 17.
53" Urna prcta que cozinha o diario de
urna casa engomma Uva e he boa qut-
tandeira; na ruado Livramento D. 9.
tsr \* palmos e meio de terreno com 3oo
de fundos, a maior parte do qual ja atterrado,
na ra nova de fora de porlas ; a tratar na ra
dos tanoeires na ultima tenda que l existe
tSF" Bilhetes da lotera do Seminario a oito
mil ris e meios dilos a 4ooo ; na ra do
cabug loja de miude?as junto do Sr. Bandeira
i3" Meios bilhetes da Lotera do Semina-
rio a 584o ; nos 5 pontas venda D. 9.
S3T V'eios Bilhetes da Loteria do Semina-
rio a 3*Uo ; na rui do Crespo loja D 8 do la-
do do su I
tsy >'eios bilhetes da Lotera do Semina-
rio a 36oo ; na ra do Cabug loja de miude-
zas D. 4
ssy Meios bilhetes da Loteria do Semina-
rio a 38.1o ; ao p do arco de S Antonio na
loja de Manoel Gomes de Carvalho.
cy Bilhetes e meios ditos da Loteria do
'eminario, quecorre no dia fj do corren te ;
na ruf< dn Cabug loja do relojoeiro junto do
Sr. Bandeira.
8^> Meios Bilhetes da loteria do Semina-
rio ; na ra do Cabug loja de miudezas De-
cima 3.
Sy Urna negra boa lavadeira, engomma
KST O Brigue Escuna Nacional Aracaty liso cosealgma causa e cozinha o diario
forrado de cobre e prompto para qualquer de urna casa um cordo grosso de prata pro-
viagem de lote de 153 tonelladas funda- I prio para relogio, urna batanea de lalo sem
do defronte da lingoeta ; a tratar com Auto-
nio Joaquim de Souza Ribeiro.
^^> 16 casaes de pombos muito batidores ,
nos Coelhos na penltima casa do Snr Fran-
cisco da Silva.
tfT" Meios bilhetes da Loteria do Semina-
rio ; na praca da Independencia loja de 60-
cadernadorn a6.
braco ludo por preco commodo ; na ra do
Rangel <>. 4> quina que ira para o trem.
S25~ Urna escrava moca de boa presenca ,
perfeita engommadeira e excellente cozi-
nheira de um tudo aprompla um banquete
com toda delicadesa faz todas as qualidades
de doces e massas da-se a contento*, k di-
tas entre ellas urna rom um filho de 4 annos ,
y 5 barricas que foro de farinha de dois moleques de nacao de idade de i3an-
JLei Ja o
^ C5" Que azeui Crablree He) worth & C.
por intervenco do ( orretor Oliveira, de urna
porcao de chitas, meias, gangas azues al-
godosinhos lencos a variados por contade
quem pieteneer edeum bom sortimentode
lazendas iimpas entre eas um caixote de
roupa para rreanca consislindo em toucas ,
e &c. que se vender pop todo o
trigo ; no pateo do Carmo quina que volta
para a camboa venda de garapa.
.SSF" Umoitante, urna fbula de Phedro ,
o i- e 3. tomo de Virgilio oi.ei. tomo de
Horacio um diccionario ingle/ urna canoa
pequea quecarrega urna a duas pessoas ;
na ra do Livramento D ao.
isy Urna escrava cabra boa cozinheira ,
engommadeira, e ensaboadeira na ra da
cadeia velha loja n. '5
SS5" Urna escrava de angola de idade de 22
annos bem vistosa e sem vicio algum; na
ra da Conceico da Boa vista defronte do
rancho do Sr. Rofino.
cy 170 satos vasios proprios para encher
de assucar na ra da cacimba armazem nu-
mero 5.
SO" Gamelas de cera branca de angola de
100 a 200 libras pouco mais ou menos a
praso de a a 3 mezes mesmo cada urna ga-
mela sendo com boa firma no armazem do
Braguez.
%ST Urna loja de couros bem situada com
armaco nova e poucos fundos ; no largo de
N. S do Terco ladodo poente l>. 3.
C3" Um lambique de cobre, que leva 6
caadas na ra da roda D. 15.
C?- Sacas de farinha de mandioca propria
para escravos por ser grossa e trigueira a
i too ; na ra do Livramento venda D. 9.
ssy Balcoens grades e os mais pertences
de um escriplorio ; na ra nova em casa do
marcineiio Iranrez Hypolito Lavenue.
isy O verdadeiro La-Roy prximamen-
te chegado de franca ; na ra larga do Roza-
rlo loja de miudezas D. 7.
cy Ou aluga-se um sitio com viveiro e
casa de taipa com cozinha e estribara para 1
arvores; na
feito > por preco commodo ; na ra de agoas
Verdes por cima do assougue} assim como
urna canoa aberta uzada para carregar en-
tulho por preco baralissimo.
Escravos Fgidos
tsy Fugio no dia \i do correte um escra-
vo de nome Antonio, estatura regular, cor
prela parece creoulo e he de naco, bem
conhecido por ser padeiro ainda se percebe
signaos de duas sicalrzes feitas com junco,
sendo urna no hombro esquerdo c a outra do
lado de um olho ; quem o pegar leve na ra
direita padaria D. \% que sera cecompensado.
ssy* No dia 15 docorrente fugirdoO3 mo-
leques, um de nome Felipe de idade de i3
annos olhos e caneca grande no queixo urna
b roca sobre os denles camisa e calcas de
algodo e suspensorios do mesmo ; o outro
de nome Antonio de idade de 9* annos cara
bstanle bechigosa olhos qequenos camba-
do dos ps, vestido da mesma roupa ; quem
os pegar leve a ra da Palma lado esquerdo
primeira casa que ser recompensado.
c?" No da lodocorrenle (ugio um mo-
leque de nome Antonio de naco angola de
idadade de 16 anuos secco do corpo bem
retinto tem 3 riscos em cima do caxaco, mar-
ca de Sua naco, he bastante ladino falla
manca tem os joel|ios metidos para dentro ,
mas nao muito consta ter sido encontrado
1 indo para Olinda aande talvez esteja por ter ja
i la estado fgido antes dos das santos aon-
de foi preso e metido na cadeia, tem ainda
as costas sicatriz de ter apanhado com chico-
1 te levou dous pares de cal as um de panno
' fino preto e um branco camisa de mada-
polo e urna camisola de llanda o talvcs urna
jaqueta preta pode ser que esleja por Bebi-
ribe ou agoa fria lugares aonde costuma ir
quando andn ltimamente fgido ; quem o
pegar lave a ra da Cruz n. 4* que ser re*
compensado.
Sy Roga-se a os Snrs. Sub-Prefeitos
mais authoridades desta e mais comarcas e
pessoas particulares que souberem 011 virem
urna negra de nome Josefa ( seuo mudou de
nome ) de idade de 34 annos, altura regular,
secca do corpo cor fulla nariz chato com
urna marca de ferro de sua trra em cima ,
um dedo grande alejado em urna das mos, ps
-pequeos costuma inlitular-se por forra;
quem a pegar leve ao atierro da Boa vista n.
4 que receben! 0,000 de gratifica o.
xsr Fugio no da 11 do corrente urna- es-
crava de nome Benedicta, naco reholo de
bonita figura estatura regular ; meia fulla ,
bem feta de corpo cbelo cortado rente,
vestido de chita com palmas panno da rosta
ja uzadocom matamos branco pela ponta ca-
misa de algodozinha vendendo ar.ete de
arrpalo em um (laudes denlrode um caixo
de pinho \ quem a pegar leve a seu Sr Fran-
cisco Jos C. Lial, na ponle de Uchoa estra-
da de Parnameirim ou no pateo de S. Pedro
U i5 que ser gratificado.
SST Fugio no primeiro do corrente Menoel
pardo de idade de 14 annos secco do corpo,
1 beicos grossos vestido com camisa e calcas
brancas chapeo de palha, tem sido visto ga-
i nhado nos bairros de S. Antonio, e Boa vista;
quem o peg ir leve a Olinda ra de Mathias
nos mui lindos duas molecas ecolhidas ,
de naco ja com bons principios para mu-
banda todos estes escravos se do a contento;
na ra de agoas verdes D. 38.
tss~ Ou aluga-se urna casa terrea em ar-
mazem sem repartimenio, travejado com
>oi palmos de fundo e <8 de largo sita na
ra aa praia por detraz da ribeira, com bom
porlo de emBarque ; a tratar na mesma ra
seararia junto ao tanque d'agoa.
\zf J'acas com arroz ltimamente chegadas
da Hahia ; na ra das Cruzes D. q
CT Dous escravos de bonitas figuras 1 ,
ofhcial de capaleiro e o outro de alfaiate e Ferreira D 5 ou no Recife no beco da lin-
ps de
tpa p
vestidos ,
cavallos e cora aiguns
ra das Cruzes D n.
ts&" O Corretor Oliveira vende um sitio
grande perto do rio na estrada da casa forte
para o Monteiro defronle do Snr. Samnaio .
com casa anliga de muitos commodos casa
para pelos cocheira estribara para dous ,
ou Ires cavallos cacimba com muilo boa agoa
wfteo; quarla fera aa do corrente as dez ho-j de beber, ten eno para planlaco de lavouras
urna negra com alguirUs habeltdades ; na ra
do \ gario D. ta.
XSf Na ruado crespo D. oito lado do sul ,
um completo sortimentode fazendas brancas,
e de cores de algodo seda e linho e ca-
semira a 3ao o covado.
5S*" Urna armaco de urna venda sita nos
bairros baixos l). t5 ; trata-se defronte da
praca da farinha I). orne
535" Excellentes" charutos da Baha em
caixase a relalho ; na ra nova loja D. a-.
SST" Um escravo de 'i3 annos robusto e
sem vicios ; no atierro da boa vista loja de
trastes.
XF Um escravo de naco de bonisa fi-
gura sem vicio nem achaque algum o mo-
tivo se dir ao comprador ; na ra direila D-
cima 1.
tsr Um lindo molalnho, que parece bran-
co de idade de 4 annos ptimo para pa-
gem ; na ra do cabug loja U. 4 defronte do
cerieiro.
SST Um moleque de idade de 11 anno,
ptimo para aprender qualquer officio ; e urna
negra ptima para qualquer tservico ; na ra
d'J yEniidli'J i), r.
S^J~ Urna escrava de benita figura, de na-
co engomma liso cose cha cozinha o di-
ario de urna cass ; na ra Direila D. ao iado
do Livramento.
K3?* Urna ola ra em terreno proprio com
barro dentro a margem do rio capibaribe ,
com muito bom porto e com algum tijoloja
goeta venda do Sr. Joaquim Jos Rabello, que
era recompensado.
Movimento do Porto
NAVIOS SABIDOS NO DIA i5.
PORTOS DO SUL ; Barca de Vapor Nac.
Paranhense Commandante o Capilo de
Fragata Viclor L. SoubraI, passageiros 14.
PARAHIBA; Brigue Escuna Nac. e Impe-
rial de Guerra Guararap Commandante
interino o 1. Tenenle Himiuigildo Antonio
Barbosa de Almeida.
LARANGEIRAS; Escuna Nac Flor da La-
rangeira M. Bernardo de Souza carga
varios gneros passageiro o Dr. Alexaudra
Pinto Lobo.
SAHID0S NO DIA 16.
GOIANNA ; Hiate Nac. Concei ao M. Au-
tonio de Souza Loura carga varios gene-
ros
MACEIO' ; Galera Ingleza Driupe Capitao-
Guilherme Ylurry carga assucar.
PARAHIBA Brigue IgltU Emiraid Capw
John Waely em lastro.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F, 11{
o.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5NZZRTDG_HHOVUA INGEST_TIME 2013-03-29T18:13:37Z PACKAGE AA00011611_03993
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES