Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03986


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\t : ***mm^
Anno de 1840. Quinta Feira
Tudo agora depende de nos rnesmo; da nossa prudencia, mndera-
c5o, e energa : couiinuerno como principiamos e seiemos apuntados
con) admiraco entre as ^aces mascullas.
Proclamacao da Assemblea Geral do Brazit.
Suhsrrevc-se para es! follia a 3ooo por quartel paces adiantados
tiesta 'J y pog alia, rUB das Cru/cs D. 3, era Iraca da- independencia
tis. 7 e'a8, onde se recebem coirespondtnciastegatisadhg, etfnnuucJoR,
iibirmdo-se estes -oatis, sendo dispropios assignantes. evnidosasis-
gnados.
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidadeda Pandidis e VilUs de sna pretendi...................\
Dita do Rio (irande do Mofle, e Villas Idrn...................f
9 de Janeiro. Numero 6.
CAMP.TOS.
Jahf.iko. 7.
Londres......!v> ira a 31 por Ifooo crd.
i.slioa....... So por o/o premio, por mciai oiiei ecido.
Fi anca....... ^0 res por I raneo.
hia ile .laneiro .10 par.
Ol.fi O Mcelas de 6#4oo rs VeTfiai lf-io a tMGoa
y Dirs ,, ,, Novas lif/ico a i4oo
hitas de Scioo rs., ti II oo a
PilATA Patacoes liraiileiros--------------- i^ioua
,, l'ezos Coluninarios ------------- iffj-io a
Diios Mexicano!--------------------- ijP^Sr a
Premios das Letras, por mez 1 11H a 1 ip por loo
4 por 100. Je disc.
Waoo
i#5oo
K9a
t f*Jow
Moeda de cobre b a
, Secundas e Sextas Fciras.
..............Todo os das.
Quintas "
Dita da Kortaliza e Villas dem.
VIIh .e Goiann.
Ci(!ade d 01 inda
Villa deN. Anlao..................................yuinlas eiras.
Olla dedaraiitiims eP0V0ac0 do Rrnilo...... .-............}ag 0i e 9jj Je cada mez.
linas (io Ca'iio. ieriiitiacin. Ilio Normse, e Porto Calvo............Idein i n, e O dito dito.
Cariare das Alaoas, e Villa de Macei.........................|,lem Idea
Y di- de Paja de Fiorcs.................................lllein ^ jlo jl0#
Todos os Corraos milcm no meio da.
Das da Semana.
(> Seyunda >f< Da dos Reis Magos ------
n Toca----------S Tlieo o Oh >rla--------S. I.onrciiro Justiniano --- >Sess."io da Thetouiaria,
0
lo
11
i a
VI.------.----------------Kelaco e And do I Quinta--------S Jnllfte
Sexta ---------S. Pan'o i. Ei emita --------------Scs
Sahliailo------S. Ilv.;i>- Pi M.- -........fie
Domingo S. Satyi o Al.---------------------- -
a i
da Tlicz. e .ni i. do J. de l). da
. Miiri tin i |~ r m.. x _
c aun U'J Ub a^. i ^, a .
rara de m.
i. v.
Alare cheia para da 9 de Janeiro.
As II horas e 42 minutos da tarde As 12 horas e6 minutos da manliS.
I
T1EZ0URARIA DA FAZENDA.
Expediente d da 19 de Dozcmhrop. p.
Officio-A o Contador da mesma Thezooraria
acampan liando por copla a felaco qoe a-
rompntiliou o officio do Cnmmandanic da I-
Iha de Fviibandde 9 do corrente dos m-
n'ifciinenios cm Forma de dnheiros recollii-
dos ao Cofre da mesma Ilha
D(o-Ao Inspecl.ir da I liczntiraria da Pro-
vincia das Alacias parteuipando-lW 0 itcp-
biinenlo iloseti ulficio em ipie communicou
ter o AHen-s de Oaradorea Antonio Faustino]
de Miranda reeehidona mesma Provincia hura
mes de sold ape/.ar de nao se adiar munido
da competente Gak
Dilo-Ao Director do Arsenal de C.uerra di-
zcndo-llu: em resposta ao sin officio de n do
Tiiesmo mez que acMando-se ; s'ua disposi-
co ;;radamento d>; Ierro da epirli j de
Jier.d.is Internas pode eleiluara venda do ms-
mo se assini julgar nia>s conveniente.
IJito-Ao Admiiiislrador da Meza do Consu-
lado pirteeipariilo-lttB a raauiaU'go ..feit ao
inspelordo rsenal de ''arinlia em coiiSe-
|iiencia de ter ullinnmenle apparorido m:i-
ior numero de conductores de Pao Btnr.il, e
de ja nao seiem suiHcienles os rmaseos des-
tinados para gtlarda do msmo a fim de for-
necer himi novo Araia'em ijue exisla defron-
1e d a(|tielles exiffindo a importancia das
desperas que se (isereni comas ol>ras e ar-
ranjos ftecWsftrios
DitoAos Administradores do Grande Hos-
pital de (aiidade jara mandaren) enlre;ar
to Inspector do Arsenal da Vfarnnfa indos os
iiien''ilos, e mu5 ob ectos da Enfermara p
Marinlia que forem pertencenles ; F-scnda
l'uulrca visto a liaver no mesmo Arsenal
lugar ontle sejo tintados os doenles ta mes-
ma eparlico enviando as emitas do (pese
tem despendido uto ao present para final li-
quida-ao
Oito-Ao Inspector do Arsenal da x'arinlia ,
partecipando-llie o conteudu do precedente,
e a recoimenda fo feit ao Medico do ex-
tinclo ll'spilal V. Hilar Juze Eustaquio Gomes.
e ao -. l'iancisco Xavier l'eieia de Hiito
para conlinuarem a prestar os sens servicos no
curativo dos (Lenles da \ nrinha, appare-
cendo no mesmo Arsenal quando para al;uma
conreiencia ott pua algm caso exlraor-
hito-Aos Doutores Jo/.e Eustaquio Gomes,
e l'iancisco Xavier Pereir.1 do lirito fasen-
do-llies a recdmmendaco de que trata o pre-
ceden le olHcio.
TIirZOUHARIA PROVINCIAL.
Expediente dodia 5 de Dc/crnbro do anno p
paseado.
f'flirio-Ao Exm Presidente. Parleripo
fine cumprindo a ordem de V F.xc de i do
conenle ne<1a nusma data aniiueciei por
Ediiaes a arrenrataco do rendmeulo da Taxa
das liarieiras eslahclecidas as Pontea dos
Carvallms e Ma;;ilaleia para dever e ecUi-
ar-se ini/releii\elmeiile no da o do corren-
leas 1 horas da mania mas he lo meo
dever anrzeufai a p0aiuerac& oe *. Ene
rlgumas duvidas que me reSlosobre as con-
Miiccoes da predita arremuiac^ \M'- que a
ua solueJo sirva de governo a esta Tieou-
rariaeaos Arrematantes i.se os Arrema-
rantes devem de fazer o pagamento do proco
(h arrematacSo mensalmenle se ror semes-
tre ou como ? > qual o lempo da arrrma-
tacao se la somonte pelo semestre que de-
corre de Janeiro a Jnnbn do anno prximo
emolumentos e oulras despezas nao os iz-
emptou nem os podia i/emptar de tal im-
poslo ; afim deque Hiede a devida execucao
nao son seo respeito romo a respeilo dos
futuro ou se (luanle o anno Civil de Janei- de mais Em pregados que Ibe sao sugeitos
roa Dezembro >. seos Arrematantes de
vem e'Vrluar o pagamento da arremala- ao di-
Dia -
Officio-Ao P.xm residente da Provincia
reciamente riPst 1 Tber.ourara ou na Meza de' informando sobre o requer ment que devyl-
Rendas Internas Proviuciaes : 4 &0 P'"es- veo do Tenente reformado oaquim Ignucio
tar-so-lia ao Arrematante a forca publica que de Barros Lima I'ncarregadoda direejao da
as barre-ras est actualmente destacada
quando pela afirmativa se esta circunstancia
estrado do Pao d'Albo.
' ito-Ao mesmo Exm Snr partecipando
ue infiue paca maior garanta da colira oca que rom esle officio remelle para a Secretaria
nno deve ter al;oiiri consideraao afim do as 3 garrafas de Licor de Labarraque que S
elevar-seo preio da arre-nata ai alem da Ivi j Ex mandou que se comprassem para que
rn oite V Ex es'a'ieleceo tanto quinlo pos- fossem remeltidas Cmara a unicipal de a.
sa indemnizar as despezas que faz a Fazenda Anlo.
''uldica com a, predita fr a. Digne-se V
Dilo-Ao Contador da Tlicz'iuraria. Ten-
Fit de dar aslu ao das duvidas que pro- do era vistas o seo officio de (i do conenle em
pon lio para que a .isla dolas organizo as
cbudtcSes da arrematacfo
Da G.
qoe po miera, que mandando a Lei Provincial
de ((d'Abril do anno p p arl. (i da fixacao
da Forca 'oficial, que venca a gratifica.co
rcmelto a V. Ex pelo qa! se cscuza o so
bredito Insncctoi'l'iindanilo-se na ordem d
Tribunal do Tbezouro de 10 de Novetnbro d
aun. p p que prohibe qualquer pagamen-
to por conta da predita consigna ao sem or-
dem especial ; mas como as disposi oes das
Leis do orcamenlo sejo annuies, bata pas-
sado o 1 semestre sem que ellas tenbo
sido eumpridas e posso builar-se por
' virtude daqtulla ordem indefinita dirijo-me
'a V. Ex a fm deque tomando' expendido
na devida considera o se digne de impetrar
do Governo Supremo alguma providencia a
respeito.
Da o
Officio-Ao Fxm. Presidente da Provincia .
transmiitiiido-lhe nrtusa a demonstracio do
saldo existente no Cofre da Tbe/.ouraria em o
ultimo do p. p. raer.
Poraria-0 Inspector da Tbezouraria das de os' reis mensaes o official que Commandar
Rendas, Proviuciaes en respota do officio do cada oinpanbia a folha dos ufficiaes relati-
Oivcrsis i<'f>Mrriooeis.
*>nr ('oUecior do Municipio do Bonito de 7
de Selembro do correte em que nartecioa ,
qiie fallecer sem berdeiros Jo/e Pedro Snr
da prnpriedade Rapoza hornera rico e que
va ao mez de Novembro tira a gratificacao
para.o 1 Comraandante Joze fiebello Padilba,
que est destacado em Pajai de Flores ao
mesmo lempo que, a Companhia be Comman-
ALFANDEGA DAS FAZENDAS
A Paula he a mesma do nuniio a(j5.
MEZA CO CONSULADO.
estando situada essa prnpriedade no termo do I dada por oulro official a quem de -tlireilo per-
Hrejo aonde Ibe consta nao liaver C-dlector a j tcnce a gratificacao, e para quem tanibem
(ni de que se evite qualquer prejuizo pede
que se;a elle aulo-isado pin promover a ava-
liaca e arrecadarao da Dcima que compe-
te a Fasendi Publica Ibe significa Innvando
o seo 'ello (pie no predi lo Municipio do
Brcjo existe bum ollector ao qual costa da-
se tira dando-se por tanto huma don! i cata
Ilegal cumpre-nie responder-lbe que he
bem fundada a sna represenlacao e que de-
ve reverter a predita folha, a fim de que se nao
contem lea >rilri jo do oficial (|ue nao Assncar branco novo
est no ('ominando da (vmninbia e se acba
Pauta do preco conenle do assucar, e algadao
que se despacharab na .Moza do Cousuiado
de Pernanibuco na semana de Jo de t-e-
zembrode ib5y a 5 de Janeiro de 8^0
la se v/o ex-ieir as necess-n ias ordeus para destacado ao qual nenbuma gratifica .o a
cuidar da referida artecadncSo
Offnio-\o Collect ir do Municipio do Bre-
joConstando-pie por oic'O do Culleclor do
Municipio do ''opilo que fallecer oze I edro
Snr da prnpriedade R a poza home m rico o
sem herdeiros necessarins e que essa Pro-
Lei concedo
Dia 9.
Officio- Yo E m Presidente remetiendo o
ponto dos Einoreg idos desla Reparliio e da
Meza de Rendas Internas rovineiaes relativo a
o mez de Nmenibro prximo lindo.
Dilo-Ao rector do Liceo desla idade
priedade pertence 10 Termo do Breio fela Le
n 8 de 1 .'M que supprimio a Comarca di! para que inrormesobre o incluso re(|uerimen-
Ponito urge e ordena (pie V. Vl.' empre- lo do Prol'essor da'<-adeita da I.11311a l rali-
gue todo o e lo eevfonos para evitar qual
quer prejuiso da senla Publica promo-
vendo como lite cum re a avaliacao eanc-
cada ao da Decima que compele a mesma Fa-
zenda, partccipa-ido-mc quanto occorrer a
respeito tudo sol) sna responsabelidade
Portara -Mahdaiido enregar em Peceita ao
Thesqureiro das Rendas Proviuciaes a quan-
lia de r> >. 05000 rs que nesta dala recebeo pop
inileninisacao do Cofre da I bezouraria da
Provincia importancia do que esla f bezou-
rra havia pago nos ltimosdias do anno fi-
nansero prximo findo por diversos arligos
de armamento fornecidos pelo Arsenal de
G'uerra ao Corpo Policial ,, visto ser canside-
rado o mesmo fornecimento como mpresfimo
Olficio-Ao Exm Presidente da Provinca
remetiendo incluso o BjI.iiico especificado da
Receita de cada bum dos Jmnos los Pro.incii-
es quese orrecdou no mez de Oulubrq p p
assim como das despezas que livero lugar no
ce/a Felippe Lopes .Neto 'unior.
Portaria-Ao Thezourero das Rendas Pro-
viuciaes determinando lhe em virtude da or-
dem do Exm Presidente que pague a Bartho-
meu & Hamos a quanlia de a$tfoo rs im-
portancia do caixole com n garrafas de Licor
de I.abarraque que vendeo para serem remet-
tidas a Cmara Municipal de S. Anlo a fim
atalhar-se o contagio da peste denominada be-
xiga que se ali tem desenvolvido.
Officio-Ao Exm Presidente. Como a Lei
Geral n. 6o de ao de Outubro de ik38 arl.
q determinaste que o Governo mandasse
salisfaser s Provinr/ias os saldos que tivessem
deixado de receber por somas consignadas
para suas despezas saldos que segundo a
conU a presentada a Assemblea Provincial pe-
la 1 he/oiiraria desla Provincia importan na
quaniia de S< o i 75074 rs e torno appli-
cados e.xclusinamente pi-la Lei Provincial' n
;.{ do ccrrenle anno ai l .j para as estradas
lsooo,
Dito mascavado novo
1000............
Dilo branco velho
700.......
Dito mascavado. ve! ho
i'oo..............
Algodo em pluma
1.
2.
i.

5.
ti
1.
a
1.
a.
X
4-
.
ti,
Sorle
a
-.(



a


a
a

a
a


a3oo
a; 00
'*ioo
ijpo
1 ^oo
1 eco
1 000
i4oo
5 000
1900
8oo
i65o
i5oo
i35o
800
700
7600
11600
5 600
pieditomez con; a nota da importancia dos] de S Anlio e ao do Aiho, e constnieco
naga mcnlos mandados salisfaser e anda n..o' tic huma casi de coire.ao nesta Capital, e
rcali-aiios j por ,'ie sendo quazi pisi ido o semestre do
Olficio-Ao Kscriv'o e Administrador rl;i I anno da; pi-eeii.i'iai Leis iiehufni quantia !
Meza de I enJs Internas iraiisniitlindo-lhe bouvesse recolhido a esta The/onraria por
por copia o officio do Exm Presidente de 5 cinta da referida consigna cao, em dala de
do curenle, em o qual ordena que os F.m- 5 do correte oftciei ao -Tllm Tnsnorior da
pregados iiessa ie/a a excepcSo do Amanuen -
se Jos Viclor Ferrelra Lopes hajo de hir
Tbezouraria da Provincia exigindo que -desse
cumplimento a Lei mandando entregar no (o-
pagar o sello pelos seos Ttulos visto que ;, do ou parle a importancia daquelles saldos.
Lei Provincial n. 77 aliviando-os de uovos'i cera resposta recebi oficio que por copia
1. Sorte .
a. .
3. .
Joze Mara Cezar do Amaral.
Freocisco Joze Maiinbo.
Feitores e Conferenles.
CORRFIO.
O Brigue de Guerra Pavana recebe a mala
para o i de Janeiro no dia 10 do carrete
as 5 horas da larde.
O Arsenal de Guerra compra 900 meios
de sola huma arroba de fio de ve!la e 4ao
pares de sapa tos i quem estiver no caso de
fofnecer estes gneros podo comparecer nesta
Benailicoas 11 horas do da lo do crrente
para tratar do ajuste.
Joze loaquim Coelho.
A Companhia d'Ariifices tem duas vagas
de CoFudK e jliu ue soiiiados : quem se
quizer alistar vluiiadinenle comparecu nes-
ta Repartico.
A1 ena ue Guerra P ue Janeiro de iu4o.
Joze Joaquim Coelho.
. t
Pela ReparticSe do Arsenal de Marinha sa
pon era arrematacSo no dia i3 do correute



'
BARIO
DE

anea pelas i horas da manha tima pon o
de cabo veiho delinlio. O respectivo Inspe-
ctor convida portante a aquellas pessas a quem
possau convir a compra de tal objecto a com-
]>arccerem no indicado da e hora municia-
dos dos seos competentes fiadores
Inspecco do Arsenal de Marinha de Per-
nambuco 7 de Janeiro de -fl.fa
Manoeldc Niqueira Campello.
Iiis[)eclor.
PREFEITURA.
TA1TK DO DA 8
Illm. cExm Snr Foro prezos hontem
miiiha ordem e tivero boje deslino : Jo?e
Bento de Souza panlo pelo Sub-Prefeilo
daHoa-vista |K>r se nSb querer prestara o
serv.o da Polica; e Feiippe Miguel dos
Anjos preto 'ra a do Deposito, e Ber-
nardino Bras dos Santos pardo pelo Sub-
Prefeilo de Oliivla este por ter furtado
duas prelas um pouco de dinheiro de cobre
e aquello por andar ali vagando sem licenca
de seo respectivo Commasdante.
O mesmo Sb-refeilo pnlecipa que na
tarde do da U > de e/.embro p p lugar
do ragoso Pora gravemente ferido ro.-n urna
facada o indio Manuel Silxcstre. pelo crioulo
Joze de tal de cujo fcrimenio fa Descera na
tarde do da i. do frrente mz .- c que de lu-
do se proredera nos termos da Lei o as>ass-
no deiXou de ser preso por nao estar en'o pre-
sante o respectivo Cninmjssaro de Polica ;
mas fica-se na diligencia de o capturar
E o que consta das partes boje iccebidas.
.Noticias istrangdhts,
REFORMA ELEITORAL
Ern Fmi'ca.
F.' t importante a questifo da reforma que
actualmente se ven lilla em Franca, que oi-
gamos nao dever orcullar a nossos teitores
ludo quanto a esle respeito se escrve naquel-
le paiz por ser este o meio de melbor se poder
fazer urna idea das prelencoe* dosdifFerentes
partidos. O Jornal donde extractamos o ar-
tigo que abanse?,ne decididamente Napo-
leala *, e porisso nao deixa de ser inleressanle
o conhecimento do modo como este partido
encara urna mudanca que lalvez venha a
tnnttornaf a a< tuu'i potica ua Europa nao
liaduvida que a Franca nao lem lido parle
as decisdes que tem tomado a (amara dos
depulados porque a Franca nao era repre-
sentada ; nao Coi a Franca que consentid que
ogoverno ahandonasse a Italia depois dea
liaver incitadla revolta a Fian a houvera
arrancado o culello das impuras mos (locar
rasco de Modena ; nao foi a Fran a que dei-
xou a Polonia en I regu aos furores do aut-
crata nao foi a Franca que deu lagrimas a
(l
a
PERNAMBCO
'enfades polticas! Desle modo um hornero que
rssue urna propriedadede/>oo;noo francos e
que deve 5a,ooo, e militas veres mais do
que o valor da propredade," eleitor e elegi-
vel, como se foi a rirt> quando na realidade
pobre. Para servir de contraste o rendei-
to oo capitalista que possuem *oo ooo frn-
eos e as veses mais, eslo col locados no Ilo-
tismo1 politico como pobres com quauto sejam
ricos. .
A guarda nocional esssa nao engana nin-
gnem com a sua capacidade. Paga um im-
posto enorme de lempo de dinheiro de
pericos ,-e defende sempre o governo ; ver-
dade que defenendendo-o o aconselha ao
mesmo lempo e no i apoia a lorio e a di-
reilo. O seu apoio pelo contrario tem cer-
liscondices N'uma palavra a favor do
governo se o governo a favor da na< o.
Pois ben a pesar de lo grandes serv-
eos o poder pelos seus jornaes declara que
nao quer urna reforma baseada na guarda
nacional. A* folbas que apoiam esle syste-
ma repelem todo* os dias que a guarda s
nos pode levar a anarqua e repblica. Mas
vos que creasles a anarqua, porque vos
que semeasles a deviso e esperaes tirar pro-
veilo della.
Este fingido amor da boa ordem e da esta-
ARTIGOS D'OFFICIO-
Tllm e Exm Snr Apro citando a occas-
5o da partida do Juiz de i ireilo d esta Comar-
ca para essa Capital que agora pelo lempo
das Ferias vai tratar de seus particulares ne-
gocios nao posso deixar avista dos extraordi-
narios aconlccimentos que a cada da aparecen)
de instar a que com toda a urgencia V. Exc.
faca partir para aqu urna Forra Militar con-
sideravel, que sufoque o espirito anrquico,
que d ella parta para a Capella e que
se desenvolvem lodos os seus Deslrictos,
nao ha mais um pc-so que parta desles para
a cabe.a da Comarca que a ella chegue ou
que nao seja tomado em caminbo, anda hon-
tem. tomaro sete retru las ,ue vinho de
Boique no lugar Mi mozo ; e se sao exactas as
informacoens que tenbo ha dedo que
promove esta ruina publica e conciinU o
opovoa huma insubordina :o geral ; s V
Esc. como salvador da Provincia e protector
anda das extranhas acodir aos pacficos ha-
bitantes d esta Comarca com as suas sabas,
rpidas e enrgicas medidas as quaes eu
confio, e fico na esperanca de obtel-a, se mais
tempo qui/.er continuar nesta [tezada Prefe-
tura.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitura da Co-
marca deGaranhuns a4 de Pezembrode 1 s.S9
lllro. e Exm. ^nr. Francisco do Reg Marros ,
Piesidenteda Provincia. A poli na ro Floren-
tino d Alhuquerque Varanho.
Illm. Snr.Tenho presente o omcio que
V. S. me derigio em t do corrente expondo
as circunstancias da Comarca em que he'uiz
de Direilo que o obrigaro a dar o extraor-
dinario passo de vir a esla Praga sem a neces-
aria e legal licenca ; e em resposta devo sig-
nificarll>e que o seo procedimento a vista
das nossas 1 eis bem que tivesse lugar em
tempo de ferias, he milito reprebensivel .
por quanto a circunstancia de nao querer al-
guns faocinorosos da mesma Comarca obede-
cers Leis e ordens das Auctoridades nao
pode de nenhuma maneira justificar o aban-
dono que V. S fez do sen posto sendo ali-
as V. S nomeadoJuiz para punir taes indi-
viduos pelos meios competentes, leudo em
sua deeza e apoio a Forca olida l que se a-
cha destacada em sua dita Comarca e nao
constando das parlccipa des do respective
Prefeito ltimamente rcu-lidas que nella
tivessem occorrdo tactos taes que motivassem
a sna viuda a esta Cidade pelo que nao pos-
so deixar de extranhar-lh'o muilo se-
veranientfi e esperando que se corrigir de
ter d'ora emdiaote, procedimento tal or-
dem a O S. que a manha parla impreleri-
velmente para a sua Comarca e exerca nel- ira exclne' a naioria
la como muilo he msler as funecoens do seu nacional, q
Sargo com a ccrgsa zek, e inleiiigencia j a que mis se aproxima da vtrdadeira ex-
necessaiias a boa adminislracaoda Justina | pressodo paiz
Pees !>-iiuc a V S. Palacio do Governo O que quer diser o censo? Seja elle d<
>: Pen:iin:l uto 7 de Janeiro de 18 o. Fian- ?oo, de .00, ou de 100 fiamos a riqueza qm
CM.0 do liego barros. >nr- Juiz de Direilo sempre o ha de representar e todava quan
deoaiunliuns Henrique Felis de lacia. J tai illusoes aparecen! nestaschamada capa-
iiiem por ella dera n'oulro lempo o sangue, j hflidade faz-nos lembrar da dor mais real de
Fran a ove a votado em auxilio da Polonia; Luiz i.{ a res|M-ito dos dissidenles eclesias-
no lu a Franca que deixou perecer nos Pyri- (icos Cincoenta e cinco li-pos estn confor-
nosos maisexforcadoscavalleiros Hespanho- mes s c;nco secbsiinam contra nos; como
es e ali;uns Porlugue/es a Franca hoinera bavemos de fazer pira obstar a um si isma ? A
obligado Fernando 7 a ser grato a tima Duquesa de Rurgonha atoiibclliou ore que
naco que por elle se sacrificara ; mas a rail- ordeiiHSse aos cinoenla e cinco bispos, d >s
ca como dissemos nao eslava representada quaes a corle poda dispar que prnsassem
e esses priyilegiidos que tinlio o rime de como os cinco dissidenles. Esle conselbo a-
representantes sao os nicos culpados das Insimulo eiigenhoso era o unic que poda
degracas dos povos que se levantaran) lo- aU'ugemar oscisma que tanto asaustava* Luir
dos para servir ite barreira s prelences do 14 o que todava nao aronlccru
despotismo contra a mesma Franca ; nao loi Obrando pelo modo contrario ao conselho
a Franca que gritn em (leo paibnenlo da Duqueza o ".misterio poda representar
__nao queremos patriotismo nmadafoi um papel milito mais fcil ordenando a mi-
tin) dos taes representantes prviJ|>r;ados noria, da qual dispoem que cedesse mao-
invistido de grande poder nusconsellios do rei ria S d.lle drpe idia evitar o cisma po-
cidado a Franca pois ini.ocen'e das des- litico que celtas Jornaes deploro comanla
gracas dos seusnaturaes amigos ; mas a Fran- perfidia.
ca levanta-ae hoje e (jner ser devidumente re- Mas(nt5o era neeessario renunciar o go-
presenlada porisso nao du vida mos aseverar venn chamado parlamentar, fundado na
nue a concluso desla reforma vai reparar nlrg-1 de alguns ain- eciosos, afioiad-j por
milites males vai levantar esla nielo da una m rensn avarenla pie os exalta boje
ponido degradante em que a col locara m os rara o*-dominar a inanh U budgel um
Doutrinariosles grands ne sont grands bollo que deve>er repartido e todos querem
que parce que nous sommes gf-nnoiix le- a|.anhar o melbor bocadoaqui esta o se-
vons nous e desaparecerlo da Europa as gredo le tvrtos (Mililicos aqu esl por-
pretences de retrogradario que laudo illudem que uoquerem nada com a guarda nacional,
e tem illudido as Camarilhas que sendo eminentemente conservadora, nao
firmes nestas ideas que contituem o con- consentira que a fomant-constitucional e 011-
celo que fa/emos da generosa Nico Fran- ti-constilucional devorrasse o que de direito
cesa temos lomado e continuaremos a tomar perlence a nato.
parte nesta questao como se foramos France-
zes certos queaotriumpho dos principios li-
beraes ueste paiz se ha de seguir o trumpho
dos roesmos principios nos pnizes que hoje
gemem oppressos "J temos transcripto al-
guns artigos do Nacional do Capitolio e ou-
tros Jornaes e*prometemos continuar nesta
tarefa at a final decisao da mais justa das
prelences que jamis apresentou povo l-
5um'
E* pois do Capiloli o seguinle artigo ;
Nao nos percamos em abslrnces, em pre-
lences mais ou menos mitigadas em pro-
vectos mais ou menos liberaes ; sejainos positi-
vos tanto quanto fer pOsaivel, esle o nico
meio denos podermosentender.
o reconbecemos mais que duas ha zea pa-
ra estabeleccr a reforma eleiloral ; os cidados
ou o dinheiro.
Sea na o se julga mais hem defendida en-
viando aoscollegios eletoraes o pequeo nu-
mero daquelles que possuem suBiciente r-
quesa. esculla o censo e ento quanto mais
elevado for esle censo mais bem represen-
tada ser a capacidade financera e proprie'
taria a qual qutrem entregar os destinos da
Saco.
Se pelo contrario a Franca est persuadida
que sao os homens islo osciilados, e nao
os campos as casas os castellos e os pa-
lacios que neeessario que se o represen-
tados deve fazer pouca attcnco ao censo,
e conceder por consequencia o direilo deelei-
co aos cidados que formam a parle activa da
naco, isto a guarda-nacional
Aqui estamos pois em presenca dos tnicos
poderes reae da sociedade De um lado a
riqueza que um privilegio e por ronsequen
O I O a k
huma lomada de presos no lugar de Jacar em
que ella foi culpada demandante no respecti-
vo sumario ; ea prova de nue esla Sen hora
nao he iri aseada; he ter de boa mente tolera-
do a pronuncia sugeilando-se aos mandado*
da justi a e at muilo civil na formacSoda
rupa ; ecomo as provas contra a dita Senho-
ra ero fracas o Jury as absolveo no pi imero
conselbo.. Todos hem sabem quem sao 03
desordeirs seos nomes por mais de huma
ve/lem viudo as mos do Governo. Eu em
Garaiii.unsnada tenho a temer, pois que a
minha conduda me lem grangeado a eslima
da flor da 1 omarca e respondan por mitn os
Srs. Coronel 1 urenco Bezeua Cavaltanti de
Alhuquerque Jos d'Albuquerque Caval-
canti, Antonio Caralcanti d Alhuquerque
Mello, o Prefeito seos rmos o Major
Antonio Teixeira de Macedo, e ouiros mu i ios
amigos que ali tenho meos defensores e or
consequencia da ordem e da mparcaldade 5
I minha conducta he patente c o pelo existe
para os que della dimdarem : os poucos ini-
mgos que ali tenho sao blhos do meo Em-
prego e suas inimisadcs muilo me acreditad ,
pois que com migo nao contad para apoio de
desoidens. e quando a coaeco muilo mea-
perlar prefiro se o Govorno me nao acudir,
o demitlir-me do Em prego aira coa lio. Fi-
nilnieiitecoiicluoesle meo mani'Slo por loa-
varo Exm Sr. Presidente das suas eni-igicas ,
e aceitadas medidas pois elidiendo de con-
fine, bs Em pregados da 'rooucia, os en-
coraja no cun)primento deseos develes ; se S.
x.'sempre obtar desla maneira nao lall.ua
Empregados houiaduS que com pra/er al
pertai) a vidaem di-l'e/.a da Lei e do Gover-
11 ; ese o Governo quer contar com os seos
subalternos, estes lamben devein contar com
elle.
Suu Srs. redactores ,
De ms Ven e Cr.
11. F. de Lacia.
..1.
j- lili I 14 .1
ue nao repelle ningueio e '"c
[ Lo Nacional de Lisboa ]
Correspondencia
Srs. Redactores.
Como de minha repentina apari o nesta
Cidade se pnsso tirar coiuequencias desfavo-
raves nao s contia mim, como contra o Pre-
feito da Comarca de Garanbuns e con-
tra alguns dos seus habitantes que
sempre tem trilhado o caminbo da hon-
ra do dever rogo-Ibes dem pul li-
cid-ide ; eslas pequea reflexes O estado
da Coma 1 ca deGaranhuns consta do meo of-
fcio inserto no seu Diario ; jior tanto a tal
respeilo nao direi mais palavra vou sim de-
fender a honra do meu illuslre amigo o Snr
Jos, de Alhuquerque Cavalcanle a quem a
voz publica considera conivente nos allenla-
dos d'aquella infeliz Comarca ; e outros atri-
buem aoprocesso, que se fez a Sra, D. Jo-
zefa de >. loa\entura Cavbante. Nem uns,
nem outros fallo a verd.tde, por que o meu
illuslre amigo be lio legitimo do Prefeito d'a-
quella Comarca e seu muilo tslreito e es-
pecial araixonado eeusou les'emuuha ocu-
lar do seu comporlamento que he e sempre
li defensor da ordem, e amigo fiel d'aquel-
les com quem se liga ; eu tenho observado
as correspondencias particulares do Sur. Al-
bu|ueruue com o Sur Preleito, e veo a a-
crimenia ,? com que elle se exprime contra
os perturbadores da ordem publica; e agora
ac.ba de confirmar o seu inahalavcl sysienta
de honradez reunido centoe tantos homenos
em defe/a da lei doPreft'ilo edas de mais
Auiuiiu.idcs, que se achavo coacias. A Sih.
I). o/eCa de S. Koaventnra Cavalcanle be
liuma Senbora respetavel | elas suas \iitudcs
i- pela estima, que gorfo seos filhos o irmos
m toda .1 Lomara, depoi* que ali sou Jui/. ,
.lunca lira o.c;isio de conhecer dos seos feilos
.liminalmenU", e nem mismo me consta, que
ella teja perturbadora j exceptuado porem
Temperalura da trra.
E nepavel que o calor solar modifica a 'em-
peratura da superficie da lena ; e muitos phi-
sicos lia queosuppoem sua causa nica as
estaies. os climas, sao. sem duvida, ef-
feiloda situaco do sol, relativamente aosi si-
tios cu.a temperaluia aliiiosphenca se observa
-- E' tambero urna verdude geralmenle reco-
nhecida que a lemperalura dimutuc desde os
ti-picos aos polos e SI Humbuldt cot.signou
as ohservaces em que se apoia esta lei na
celebre obra em que appresenla os pon los dj
Globo que se coriespoudein enlie si, pelo que
respeita ao calor e vegelaco. Acham-se
igualmente muilo apreciaveis tabellas sobre
esle obj telo ero urna ulna intitulada Lliemen-
tos de (jengrapliia l'bisica ele que acaba de
ser publicada [ior M. Lacog de Ciermoul e
em quanto aos extremos de temperatura que
experimenta o nosso globo, M Alago, enire
Cutas, fez as segundes ohservaces : tin
nenhum poni do continente qualquer que
seja a eslaco marca o termo metro centgra-
do mais de 4*i graos ou mesmo 3; gr;os de
Reaumur conservando-se a alguns ps de e-
leva o. Ao mar alto nunca a temperalura
doar|ws*a de 3 graos lentigrados e a da
agoa do mar qualquer que seja a estaco,
nunca excede de o giaos. O maior fri que
se lein observado na Ierra tem fiito descero
termomelio ceiiligrado a o graos a l.auo de
zero. Eslas sao verdades comprobadas p lo
que respeita temperatura da Ierra desde
que comecaram a consignar-se o!i>e> \ atoes ex-
actas na historia scienlifica. Porem, paiece
iidubitavel que a lempeattira de nosso c.loio
foi em uiro lempo, milito mais elevada :
pelo menos assim o inditam oscolossau les-
tos orgnicos em que os Sis Cavier e I re-
! uiarl, fundaram suas coujecturas sobre os
(irimeiros lempos do mundo. E a ha ver
descido a temperatura do globo qual poder
ler sido a causa ? lera mudado de posico o
eixo da Ierra ? Ter-se-ha separado o nosso
planeta, por efeilo de algunia calastiopbe,
do sol que a virifica? Ou ter-se-ha leitoa
lena mais espberica perdendo a forma elip-
lica que leve ao principio orno suppoem AL
Heiscbeil ? u aiazo o mar aproximando se a
postas tenas tei arrefecido o nosso clima?
Todra estas opiues lem mais parlidaiius do
que provas Porem alen do calor que pio-
vm iiici s apiernen le do sol lem os saldos ad-
miilidodesie a mal. remota antiguidade uni
calor central cu,o uve ada no imsiii ocio
da Ierra eesla opinio com a qual se,coiifoi-
mam muilos pbisics r. di-mo, se apoia nos
xolcoes nos inanaiu iaes iberniaes e na lem
peratora do* subterrneos profundos e das
minas ; mas puece exlraordinano que espa-
Ihaudo se este calor central pouco a pouco na-
o^D


li
"TTVTiii
DIARIO DE PERNAM3UCO
. ,

atmosfera por es paco de 6o seculos e rece-
beiido alein disso o augmento de calor que
produzem lodos os corpos vivos que se movem,
e esj.iram ta supeifice do globo nao esleja a
temperatura do ar atmosjherico pelo menos ,
to t* I levada como etn oulro lempo.
Fui, semduvida, esse calor central que
elabora e fomenta as crup es vnlcanicas o
que nos primitivos lempos condu/.iu s ele-
vadissimas monlanhas cijo nome se acha
sempie cuberto de neves e gelos a ori;em dos
rios que airavessam os continentes, porin,
leremos ac.isn observa oes directas i|ue prvem
a existencia ilesse calor no seio da Ierra ? Logo
parece ora de duvida que os mananciaes que
nao proven-, de maior profundidade que de 7
a 00 p's lem com muito pequea difleren-
9a a temperatura media do p.z emque nas-
ceu ; poiui se a ua o geni mais profunda,
a temperatura mais elevada e mus igual -
E' desle modo qne em Par que se ada a
a Jo ps de elevaeao sobre o nivel do mar a
temperatura dos mananciaes de 1 e meio
graos sendo a media da almospbera de
graos ou alguma cous menos e em Edin-
ta capa "superficial que aconsejamos queie
exrlua varia de grossura nos dfTerentes s-
sitios, esta circunstancia torna mais compli-
cado o problema eduvidosa a resoluco. Ana-
logas observaces se lem feito a respeito dos
pocos artificiaes e tem comprovado que quan-
to mais profundos sao estes 1 mais quenie a
agoa que delles se lira ; de modo que j um
faci demonstrado urna verdad? irrecusavel <
segundo as muilas e diversas observaces em
que se funda que o calor da Ierra augmenta a
medida que se penetre a urna maior distancia
da siia superficie.
Porem a exacta a precia cao da temperatura
Dominico Que Senhor eas perdizes tam- I F.' responsavel por toda a correspondencia,
bem ? O roi, tendo rastreado o pe usa ment bem como pelo andamento dos procesaos re-
do comediante respondeo : E as perdizes
tambein. Ento Dominico por esta facecia (i-
cou senhor nao s das perdizes como do pra-
to que era de ouro.
Lisimaco, querendo divertir-se a cusa
d'ura narasilo que se cbamava Biths, man-
il )ii por sobre osen vestido um scorpio de
madeira to proprio que pareca verdadei-
ramente um animal. O parsita, apenas
percebeo o scorpio deo um grande grito ,
de'modo que causn riso a todos os convida
. I dos Mas Bthis sem se desconcertar disse
das minas dos mananciaes temais dos po
eos e das cavernas tem-ipresenlado sempre a Lisimaco : Principe, grande medo me cau-
g-andes dilficuldades em razio das mnitas sastes ; mas juro que me baveis de pagal-o-
Vejamoscomo disse o rei Bem : replicou o
burgo ao nivel do mar ea 5 i graos de li-
tiludc a temperatura dos mananciaes edo
ar sao exactamente iguaes islo de e
meio graos. I. de notar que a propon o que
seavauca paraoi\orle, diininue o calor nos
mananciaes e da albmospbera com a el LI
tertica, porem, que esta ultima so re um
a rreieci metilo muilu maior i,ue os primeiros
E K.isen porexemplo, a'56 graos de Lili
tildo e a o ps de elevado s >l>re o nivel do
mar a tem pera tura media do ar de (res graos,
em quanlo que a dos mananciaes sempre de
6 iLi por lauto na Ierra una causa de ca-
lor disliucla do sol e provavelmenle este ca-
lor central la-, que no Murta dos montes ti-
ris, ppezar do ignroso clima flores am cer-
tas arvures que laucara profundas rai/.es na
qu.-ilas moiilanbas Pelo que respailo sa-
guus termais, a maior parle das do meio dia
da Europa marcan) de a.i a o graos com lu-
do adelette, no Rossellon marca 08
graos, e e de Cbaudesaigues no Cantal,
que a mais quente que se conhece na Euro-
pa marca 70. graos centgrados, de modo
que os habitantes de Chaudes ligues alend-
le deta agua quasi ferrando economisam
grande <|uantidade de coinbusliveis. Ueve-se
ta.nbem notar como um laclo inaudito e qoa-
st inacredilavel, que um general Fraucez ,
encontruu ltimamente na Bilbinia urna
fon te termal, chamada o banho Kukiirli .
que marca i j grao ; mas o que verdadera-
mente pasmoso, ter vislo homens banhando-
se nella
Muitos sabios attribuem este to elevado ca-
lor das aguas ter mais as profundas rochas ou
s cavernas volcnicas que tem lido que atra-
vessar, 1 eloque respe.ta aos volcoes parece
indubilavel que os geyser* de Islamlia espe-
cie doontes ascendentes cuja temperatura
de J. graos cenligrados conimunicam direc-
tamente com os volcoes daquelle paiz ; porro,
como muilissimas aguas termais se acham a
grande dislanciade toda a crtera e asna
composico, nao permilte que se supponba ba-
verem atraveesado vo coes, mais natural ac-
creditar que estes mananciaes devem sua ele-
vada temperatura ao calor das profundidades
da tena por onde tem panado. Todava nao
deve ttegar-se que, aquella temperatura i-
guuliuenle poderu provir de combina oes qu-
micas verificadas uu ceio da Ierra : sabemos
que humando acido sulfrico em a,;na fra,
este adquire immedialamenle um calor bas-
tante consideravel logo porque raso nao
puder o calor das aguas hei mais proceder de
urna semelhanlccausa? Em tal perplexidade ,
era iudispensavel lazer invesligaces directas
pelo que respeila lem pe atura das minas
profundas para comprovar-se q'electivamente
u globo terrestre goza dt um calor central.
i robra em Clieumitz )Saxonaj Fox as
minas de Carnonailles I) Aubuisson des
Voiarna as imtnedij.es de Harlz e M. de
liumboldt no nexico tem tratado de fixar o
causas d erro que nao podem deixar de in-
voiver-se as observaces. Se se procede di-'
rectamente
papa-iantares dai-me mil escudos. Lisi-
isto se se leva a mo um inaco e,a 5 e "uua ,1C lo caPaz de **
termmetro e se desee a urna mina ou a f }*"le> a cor do rosto a o avalento como
um poco, o calor intrnseco do observador vem pedii-se-lbe duiheiro.
complicar o problema pois est demonstrado!
que um s bomem desprende snIBcienle calo- Um philosopbo explicava empbaticamente
A 1,, fa/er su- a u,n auditorio muitos plieuomeiios celestes
rico p ira no espato (l'ttm'i hora ,
bir um grao eentigrado a urna massa dar de Dogenes que eslava presente llie lez a se-
mais de 1. mil ps cbicos baranda alem gl,i"le pergUllla : Que lempo laz o homein
disso, o calor produsido pela linterna, que aoftravel, quechegastesdo ote i
bastante puis M Cordier tem comprova-
do que 4 linternas produzem lauto calor como ym dia em que o povo, se alropellava ao ,
( homens. Sea invest ;acao se faz em dis- entrar do ihealro, este p^ilosopbo repelliaa l- r ou porto perto, e se paa adiantado de
tanca deixamiu cihir o termmetro ao fundo mullido e fazia todi O eslorco por aparla-la, seis em seis mezes quem tiver annuncie : e
de uo subterrneo ou inlroduzindo-o na o- ('e si k'Qiw lazes lu % Diojjeues, pei;;unlou- na falta serve um sobrado de um andar com
rigen) de lima bnt* termal, novos obstculos lheum ds que entrava.~ Eu Jaco, res-
querimentos ele o dito B. P. de Vasconcellos,
Presidente da Associaco : toda a correspon-
dencia entre a jissociaeo eos constiluintcs ,
ser feita pelo Presidente e a elle dirigida
O l'.sn-iptoi o da Associaco estabellecido
na roa do Areal numero 27, Travessa da Ra
Formosa.
Toda a correspondencia sera' franca de por-
te ; iicudo na intelligencia os que quserem
incumbir qualuuer negocio associaco que
as cartas que assim lbe nao forem dirigidas se
nao liraro do correio. Acompanbaro as
cartas que fizerem qnalquer incumben-
cia os meios necessarios ao menos, para o
sen piincipio ou ordem a pessoa aqu abo-
nada.
Z>~ Quem precisar de um Portu idade para Caixeiro dcqualquer arrumaco ,
oquald fiador a sua conduela ; annuncie
para 3e procurar. *
S27" Quem precisar de um Caixeiro Portu-
guez de 20 a % annos de idade para armazem,
cobrancas padaria ou venda e mesmo pa-
ra fora da Provincia ; annuncie sua morada
para ser procurado
C?" trecisa-se alujar urna casa terrea com
soto as prncipaes ras da Boa-V ista pre-
ferndo-se as que tem quintal beira da ma-
se apresenlam sendo o primeiro, eo maior
de todos que o termmetro ao sabir torna a
adquirir successivantente a temperatura do es-
paco intermedio nese lbe fax atravessar, de
modo (pie ao cliegar superficie da trra j
nao indica a temperatura do ponto a que pene-
trou Para obviar esles inconvenientes se
lem inventado difiranles especies de term-
metros dos quaes at ago a o mellior o
de W Wlfaldin qu? se secompe de urna
cubetila unida a um tubo cujo extremo
summamenle delgado e disposto de modo que
possa deixar sabir urna muito pequea gotfc
de mercurio que cabe em- UM ampulbeta
collocada na parle superior do instrumento ,
logo que o excesso do calor fiz sabir o mercu-
quintal e cacimba
pondeoelle, o que dse jo fazer toda a miulurj ssy O Procurador da Cmara Municipal
vida Um verdideiro sabio se obstina contra desta Cidade acba-se encarregado de alujar
a torrente dos prejuizos e se nao deixa arras- urna caza onde a mesma Cmara possa traba-
trarcom a multidao. lbar em suasSesses e por isso roga a quem
a ter com os commodos necessarios queira
Perguntando-lbe um pbysico porque o annunciar para ser procurado, ou dirigir-sea
ouro era amarello: E', porque elle teme Praca da loavista D. i.
E' porque elle teme
i-espondeo o phosopbo, de ser abarrado por
tanta gente queapozelle auciosainente cor-
re.
(Traduzido.)
LOTERA DO SEMINARIO.
C5" Quem precisar de urna ama parda pa-
ra caza de bomem solleiro dirija-se a Gam-
boa do I anuo D. l3
tsr Precisa-se arrendar um Engenho que
seja moente e corrente com fabrica ou sem
ella e que seja em boas Ierras de planlaces ,
sendo distante desta praca para as partes do
S11I; quem o quizer arrendar annuncie para
Como tem sido grande a venda dos Bilbetes ser procurado,
rio dos I i 11 i les do tubo griduido Torna de- da secunda parle da ni. Lotera concedida tsar- Precisa-sede um sobrado nobairrodo
pois a introduzr-se este mercurio pelo extremo i beneficio da inslruc.-o publica em o Semina- Recife, ou Santo Antonio j quem o tiver pa-
que ai neta q
que urna escalla de *i graos pode servir para
medir com a maior exactido um augmento de
calor de 60 ou mais graos. Concluiremos di-
zendo que esles uovos instrumentos parecera
que toruuma por em duvida as grandes llieo-
rias da gravita, o e da rapiluridade que se
Avisos Diversos.
cy Convida-se os assignantes da Com-
panbia de alvarengas a reunirem-se na Sa-
la d'Associaco Commercial na sexta lra
110 do corrente ss ouze horas para traclar a- .
cerca deste objecto.
V3'" Mara Angela Custodia do Carmo ,
tST" Urna associaco de ad^ogados presidida
suppunba que estavam fixas para sempre, e por bernardo Pereira de Vasconcellos oerece moradora defronte da Igreja dos Martyrios as
que sto tem dado muito que pensar a M. o sen prestmo na Corle, aos habitantes das lojas do sobrado D. duas pertende abrir Aula
biot.
(Eco del Commercio.)
Variedade.
Provinciasdo Imperio para as seguintes in- de primeras Letras costuras xaens bordar,
ctimbencas i lavarinlo e marcar, no dia quinze de Ke-
1. Tratar de Appellaces, e quaesquer vereiro prximo futuro ; quem de seu pres-
i oulros Recursos que forem interpostos das Au- timo precisar dirija-se mesma caza a qual
toridades eslabelecidas as Provincias para quer liora do da.
Faceras.
Um bom diclo urna res costa com agudeza
a Relaco Tribunal Supremo de Justica e
oulros.
t&~ Quem precisar de nm caixeiro para to-
mar conta de huma loja de fazendds por ha-
i. Reqnerimentos, Represen taces e Re- lanco, o qual lem bastante pratica desle nego-
clamoces ao Governo Imperial, Assem- gocio, e da fiador de sua conducta annun-
Llea Geral, &c |cia amoradia.
Obriga-se a mencionada Associaco a pro- tu- Despacbo-se navios e tiro-se pas-
vale multas ve/es mais a os que req
uerein al- mover as referidas incumbencias tanto na soportes e guias de escravos, com presteza
;raca, que as mais fortes sollicitaces. parle da Adyogacia como nade Procurado- ( e promplido ; na ra do Vigario venda D.
" avia conce- ras Agencias etc. quando os constituintes 39 se dir. _
Pbelippe II, rei de Hespanbi lu.
dido urna mdica penso a um de seus sida- nao preJerrem oulros, aos procuradores e | *ST Precisa-se de alugar huma preta capti-
dos Esleguerreiro apprasentou-se segn- Agenles da Associaco a qnal s lem em ya para todo o servico de huma pequea
da vez ao monarrlia pedindo-lbe oulra gra- vista facilitar o andamento das dependencias lamilla, que saiba cozmbar e ensaboar ,
. J vos nao tenbo concedido urna recom- dos moradores fora da orle. Ornis iuvio- ; e comprar na ra e que seja fiel dando se
a
a
nensa a vossos serv os ? dz-ll.e o rei -- Sim, lavel s(;redo ser guardado quando os cons- | laUooo mensaes : quem a Uver dinja-se
Senhor respondeo o soldado vossa mages- tluinles o recommendem ou o exija o bom ra das Horas 8, ou annuncie a moradi
lade me deo de comer ; agora necessaro xito da prelenco ; quando porem, por algum por esta lolha.
queme d de beber. O monareba rio, e motivo pondeoso nao possa a Associaco! ssrQuem precisar de um menino portugus
concedco-lhc urna nova gratificaco. i enearregar-se de alguma incumbencia nao para caixeiro de huma Iota de lazendas o qual
deixar por isso de assegurar o direilo do tem bastante pratica, de idade* de Ua 4
Sendo ministro o cardeal de Fleuri, conce- consliluinte procurando al Advogado do annos, sabe bem 1er e escrever, annuncie
dera-se recompensas a rarto regiment sen- mlhor' concedo que tome a seu cargo o
do dellas exceptuado ocavalleiio de Ferigou- cuidado do pleito ou preten oes
se lenle do mesmo regiment. Esle ca- Tres carUs receber o consttuute; pr-
valleiro era Gasconez. Um dia appresentou- meira acuzando o recebimenlo dos Autos,
se em audiencia a o ministro: Nao sei, Documentos, Proeuracao ou Cartas que a As-
Mon-Senbor, di/elle por que falalidade SOCacio forem dirigidas; segunda commu-
aebei-me eu debao d um gnarda-cliuva nicando o despacho ou trabalbo definitivo ,
quando vossa eminencia la/ia' cbover gracas que tiver leito a bem da prelenco; terceira
sobra todo o reg menta Esta expressio sin- avisando o defer ment ou senienca final A-
gular agraden a o ministro que, pouco de- lem denles avisos se la rao os que forem neces-
pois. lile coiicvdeo a recompensa que pedia salios; por exemplo para pedir alguna do-
cumentos ou iiiustraces que se jignieui in-
dispensavei ou conveneuies. Esta < artas sc-
O celebre Dominico arlcqnim da comedia rao dirigidas pelos rorreios aos lugares que
tilos resultados secada obser- 1 Iialiaiiim acbando-se meza de Luiz XIV forem disignados pelos cuiisiumie quau-
vador illinuiii.sse de seu> clculos, a parle j liuba filos os olbos so: re um pralo d perd- do nao baja corraios seapproveitara a oppor-
*oi tical do globo, cuta lempualura se iguala zes O monarca que operceheo, disse a o tunidade de proprios e s em falta d'estes
lemperatura media da almosphera ; como es- oficial, que o servia: l' aquelle prato a deixarao deserfeitos os sobreditos avisos.
prcigresso com que augmenta o calor lerreslre
medida que seaproluuda no globo ; e fVj
Cordier com mais alguma exaclido que seus
iinlecessores, lem igualmente feito observa-
l6rt em dillerenles sitios e principalmente
as millas de cui vo de pedia de Decise J_.it
Iry e Carnicaux Reiiuindo varios dos dados
que Citas observaies lem piopmClonada pois
lodos \ariam entre si e lomando un termo
icilio resulta que a temperatura da ierra se
leva um .rao lo lermo metro centgrado por !o Tenante,
cad.i 7 ps de pro.uudidade. talvez que
iiitiirutncntc dcsauMrceni as dfferenca qae
sua moradia por esta lolha para ser procura-
da.
t:^ Padaria Fanceza Atterro da Boa-
Vista D >. > lado do norte.Esta padaria j
annunciada por esle I iario acha-se diffiuiti-
vamente estabellecida na Boa-Visla on-
de se continua a fabricar o pao por um meio
mechanco que o torna melbor e mais lim-
po pois que be amacade por urna machina.
- esla paderia acha-se tumben) estabelleci-
da urna pastelaria onde se fazem doces bo-
los pastis - e chas leudo sembr um bom sor! i ment de
ludo o que perence a um pastelleiro, e nia-
neira da Europa. Recebem-e tambem en-
commendas destes objectos para extraordina-
rias ao modo e salisfaco da pessoa que en-
comendar.
?


I* l A K
i O u K t KR NAM~B LT C O
m
tsy O accionista das cautellas correspon-
dentes a todas as loteras avisa ao rapeijavel
publico que a do Seminario ron-e unnrelcri-
vlcmente no dia ->~ do corren te .-secundo o
aviso do Reilor do Seminario, por isso ro-
ga a os apaixonadosdesle jogo queirao con-
se para a na da endeia do Recife n. 19 junto
a loa de Wanoel Gonsalves da Silva.
C" A Ferreira chegado prximamente a
CT Urna das melhore* vendas da Roa vista,
oom os lundos de dois cotilos de ris e tem
commodos para familia quintal murado, boa
esta Cidade rontinua a concertar ea finar cacimba, estribara para dois cavallos a di-
irgos de Igrcja realeijos ecaixas de mu-
sicas ludo por preco commodo em razio de es-
correr a compra das mesmas as 5 ponas ven- tar breve a retirar-s ; quera precisar diriji-
da D. 9 e nos mais logares ja annunrados j se a ra nova ao peda ponte pegado ao mar-
SS" Traspassa-se o Miendaniento de un cineiro.
sitio ao entrar-da estrada do Cordeiro, com 5^- Na ruado Qucimado D. 3 deseja-se
lamosa casa envidrassada estribara, lodo 'fallar ao Snr. Joaquim Pinto Brasil a negocio
coreado, com bons arvoredos, alguma orla- de interesse.
Roa e flores o qual paga 160 000 annual ; 533- O Sr, Caetano Anreliano de Car val h,
o se entregar as chaves logo que se fi/er o toba abondade de ir a rua do Qneimado D-
traspasso annuncie, ou dirija-se ao mes- { a negocio que milito Ihe interessa
mo sitio.
SU- Maria Amalia Costa e sua irm re-
Bdenles na ra da nceicao da Boa vista n
a8 prope-sc a tomar meninas ensinando-as
a 1er escrever costura cha bordar de ma-
li'. de ouro e todas as qualulades bem co-
CJ- Aluga-se pelos captivos 011 livres
pagando-se 4 o rs. por dia e de comer ; no
trapiche riovo a Tallar com o Snr. Francisco
Augusto.
tST Precisa-sede um cozinheiro que seja
hbil e de boa conduela livreou escravo ;
mo marcar de todas as formas-, tambem ac~ dirija-se ao Collego Pernambicino na Boa
ccil.io, eapromplao qualquer obra de mo-! vista raFormosa,
dista, como loucados vestidos, chapeos, e $f Precisa-se de um cozinheiro para uma
&c. ludo com o tnelhor gusto, e na ultima
moda.
SST O Procurador da Santa Casa da Mise-
senzalla nova
casa eslrangeira na rua da
D. -.
t^J" Os caixeiros que no diario de 7 do cor-
ricordia dcsta Cidade fai saber a quem con- rente annnnciarao ser caixeiro, e da bao fiado-
vier que por deliberaco da respectiva mesa,
se bao de alugnr no dia 1 > do correnlc mez por
ineio de arrenialacfio feila perante a mesa, al-
guns dos predios que a niesma Sania (lasa
possue nesla Cidade o.-> quaesso os soguin-
lee um sjbrado na rua nova por 5.000 urna
casa terrea nos f\ cantes por i!\oo ; nina dita
na rua de S Bcnto por ? 000 oulra dila na
mesma rua por Looo outra dila nos arrom-
liados por 1 j.00 todas as pesabas a quem con
vieralugar por um ou mais anuos, alguns
dos referidos predios compareci na dita
S. i asa no dia a cima declarado as nove ho-
ras da manlii comes seus com plenles fia-
dores.
Lr" Cbiem quiser alagar duns canoas de
nheiro ou a praso com boas firmas ou pa-
ra se desonerar dos credores vende-se por-
3ue o dono se retira para fora e nada quer ficar
evendo ; a tratar na rua do Cotovello com
Francisco elislino.
tSF" \leios bilbetesda Loieria do Semina-
rio a 58 fo ; nns 5 pontas venda T) q
SST A posse de um terreno no heeo do qui-
abo nos afi'ogados junio a rua do Carneiro.
com 3 cr.zinlias no me?mo sendo duas das
quaes novas urna ja d 3 000 mensaes e
lem a frente de lijlo, e as duas urna velbas.
esd -fio, e oulra so est. armada noiem
em rabrada e tem "portas feilas e alguma
madeira para se acabar tem no terreno al-
guns arvoredos de fructo a tratar na rua por
detraz de S. Jos I), iq.
cr Um palanquim em hom uzo no pa-
teo do Hospital sobrado de um andar com va-
randa de pao piulado de encarnado.
U~ Olio millieiros de lijlos de alienara
grossa na otaria a 'o.ooo posto na obra a
a mo ; na rua do Qucimado ao p dos 4 au-
tos loja D 11 se dir.
ilf Veios bilhrtes da Lotera do Semina-
rio ; na praca d Independencia loja de en-
cadernadorn v6.
s~y Champagnhe Ay saulerne claisette
raloisoii ciateau laffilte, chaleau margeaux,
P.\RA O ARACATY segu viagemaSu- St Julien medoc cbamlertin cognac, coli-
mara Conceico Flor do Mar; quem quiscr servas de vinagre ditas de fruetas da euro-
earregar. 011 ir de passagem diriji-se a Ma- ptt ervillias sardinbas musanla fian-
noel Antonio Jos Vianna a bordo da mesma ceza t ni (fes vinbo do Porto de Xerres
defronte do trapiche novo ou a Antonio R- a/eiiedoce de superior qualidade ropos de
cingues Lima no largo do Corpo Sanio cristal, apparelhos de porcelana para cb tu-
ario Je urna casa ; na rua Direita D. 90, lad0
do Livramenlo.
a^> Um cavalln russo carregador baixo e
esquipador ; no atierro dos aflogados sobrado
do Lima, assim como it barricas de quarto
com mel.
\zr TJma casa terrea sila na Boa vista, rua
do colovello l> 3 bem construida sala for-
rada e chaos proprios ; a tratar na rua do
caldereiro por detrazdos .Martirios casa Dci-
ma Jo.
Eserjivos P^fidos
res as suas conductas diiijao-seas 5 pontas
venda D. 9.
Avisos Muritirnos.
FRETA-SE para qualquer porto a Ha rea
Americana J. S Waln, nova e da prmeira
classe quem pretender dirija-se a os consi-
gnatarios I.. G Ferreira & UansHeld.
PARA WARANHAO sepue viagemdentro zaS h
conduzir agoa enlenda-se com Pedro Auto- de poneos (lias o riguc Rseuna Laura for- g:^ Um nepro de naca^i de idade de "*5
nio junto ao lanijue no porto das "canoas da rado e encavilhado de cobre c de superior anr.os tem um pequeodelTeito na mao es-
do a preco btalo : na rua da eadeia velhtt D
7 no primeiro andar casa de A Hoseh.
tsy ; eios bilbeles da Lotera do Semina-
rio ; na rua larga do Rosario lo;a de miude-
Um negro de nacSe
rua nova.
XSr" Precisa-se de um caixeiro entendido
para lomar eonla de urna loja na Cidade da
Paralaba eque de fiador a stia conducta ;
no Recil"'! rua da eadeia n. 44 a fallar com
Francisco da Silva.
SZJ- O Snr. Jos Ferreira Pomingos Fra-
delles baja de ir no praso de qualro (lias cm
marcha, e commodos; quem qniser carregar, (pierda, tem proporcao para o servi o do ma-
011 ir de passaem dirija-se 10 Capillo, ou a p, 0ii paia ferreiro ; na ruadas trincheiras
rua da moeda a Firmino Jos Felis da Roza, i casa 11 6
casal). i4. $-? Um cavallo pedrez o com carregos
PaRAOASSU'o Brigue Brasileiro Pa- a, meio por pre o commodo; na rua do
quete de Pernambuco sabe impreteri^el- Cal:u;; I) t
mente no dia i5 do concille; quem qniser i tS" Tres sepos lons para assougue ; na
carregar. ou ir de passagem dirija-se a bor- canihoa do Carmo f). %.
casa de IManoel de Sou/a Guimaraes receber j do. fundiadodefronte do Trapiche novo, 011 ao 1 ^- f Bilhcles da loieria do Seminario a oilo
^5 000 importe de um quarlel do armazem | Cnpilo Manoel Joe de Azevcdo Santos ; na mil u-is e inri s dos a 000; na rua do
e na falta se botar cm deposito geral.
tzw O escravo Jcao da Senhora Maria Be-
nedicta Torres que linba fgido, procurou
rua da Cruz n 8. cahug loja de miuderas untodo Sr l.andeira
PARA A BAHA segu com toda brevida- ; jy Urna loja de vai'ias formas, sapatos,
deoBrigae Escuna Nacional Conslancia Fe- ; c miudezas com armacao toda envidrassada e
o abaixo assignado para o comprar, dizendo liz ; quem qniser carregar, ou ir de passa- be'm elegante } na ru 1 direita D 1.
que nao voltava para a casa da senhora para gem dirija-se a Gaudino Agosluiho (le barros, ^^- Um viado e uma paca milito mancos;
nao sofrer alguma barbaridade c que desc- na pracinba do Corpo Santo I) 67 .-ou ao na rua dr S Gonsalo do lado esciuerdo pri-
i- 1 p 1 _-.,. j />__:.?,. vi...!.:.. ir..^.;^ v......... 1___u
ja ser vendido fosse a quem fosSB a vista do
que se II.e faz o presente aviso, par que mande
dispor do seu escravo como bem I be parecer
nao ficando o annuneiante em nada responsa-
\el jor elle. Antonio Manoel de \ oraes da: consignatarios Harrisons I albam & Hibbert ,
Mesquita Pimentel na rua daalandega velba n. nove.
S^T >Alu,,a-se nicnsalmente uma casa ter- -;- -
c 1 i a o
Capilao Malinas Ferreira Braga a bordo mena casa
PARA LIVERPOOL, a Barca Ingleza! SST 5opao3de mangue de 3o palmos e
Irt tendo a melade doseu rarregamento prom- dpis e n.elo de grossura ou troca-se por lijo
pto ; quem quiser carregar dirija-se a os |
13?" Quefazem Alexandre Maekay iV Com-
panhia por intervenan do Comlr Olive-
i-a de uma por c fio de bae'aa pannos,, e
madapolesa\ ariados, por con I a de quem pre-
rea no Iu,;ar de -. Theresa em Olinda com
4 aliarlos grandes cozinha fora c um (uar-
to com tarimba contiguo a dita ^ae serve
para esetavos (juintal grande com algunS
arvoredos de fructo com desembarque e
hanbo no fundo do dito quintal ; a halar na
rua de agoas verdes lado da Igreja de N. S. ,ie,M*,' c (Je romnWo sommentode la/en-
do Terco cisa terrea de duas ianellas e urna! Ias linlias q'!,la ,t/"a do coi-rente asdez
porta que tem lampiao horas da malina em ponto, no seu armazem da
S3T Precisa-sc de uma mulhcr prcla para ]
os arranjos de urna casa de familia no paleo
do Hospital do Paraso na casa do Dr. Pe reir ,
Ad vagado.
tST O Padre Joffo Jos da Costa Ribeiro 1 ^ A plices de exmela Companhia de
avisa a os Sis p.is de familia, que abre a T.''iam!,u(o e Parah.ba nalo;adoSr. I ran-
sna aula de primeirs letras no dia". 5 do cor- csco JS,: Peie,ra Bre8a Junl a Brefl (l S
rrnle ; no lorie do mallos casa de sua residen-
C o id f> r a s
cia rua do cordorniz, dejronte da rua da Lapa
C^' Quem annuncicu trr nm menino par-
do de idade de 12 anuos para caixeiro diri-
ja-scaruadeS Theresa D. 3.
g^ Quem precisar de um caixeiro porlu-
guez para venda do que tem alguma pratica ,
dirija-se a rua do Livramenlo U iu,
SF" I a-se .00 000 a premio de dois por
cenlo ao mez sohe pinborcsde ouro ou hypO-
tbeca e predios desembaassado ; na rua da
Cruz n 81.
Zlf O Sr. Capilao Manoel Florencio Al- anuos boa vendedeira de rua, lavadiir
ves de Voraes queira mandar receber duas enleude alguma cousa de cozinlta ; na rua d
cartas viudas do serlao : na rua rua nova loja eadeia do Recife n ti.
Antonio I). 5.
V e 11 (I a s
G3P" Meios Iliieles da ? a parle
da 16. u Loieria *io Simitiario
de Olinda : nesla Typog afn .
C5" Urna canoa que ca rega 1 00 lijlos de
al vena ra bem construida e feita a dous
anuos ; na rua da eadeia a tratar com Manoel
Antonioda Silva Molla.
E?" Una negra de nacao de idade de >
(
de ferragens L). ai.
t-T Um escravo hom canoeiro e oleiro
l
j- Precisa-sede um caixejio porluguez ,| de idade de o annos boa figura'; na praci-
ara uma taberna para tomar por balanco i riba do Livramenlo !> iJ
ando fiador a sua conducta; as 5 ponas lilheies e meios ditos da Loieria d.
i). DI.
XU' Jos Antoniode Lima meslrc alfaia-
tf uarlecJpa a o %ens freguezes que mudou- r, Bandeira
' em i na 1 o, que coi re no dia ij do corren te :
na rud doCabug. loja do relojociro junto du
os, por serem muilo proprios para levantar
olaria ; na rua da praia ca a do Vianna.
Cf* um rico apareTbo domado para rh; .
com < chicaras para c':; e 2,j para cal, *
palos para bolos um bulis una cafeteira,
assucureiro mantegeira leileira e lije-
la parr lavar : quem quiser annuiuie.
tsf Lalas de duas e libras de lahaco em
p da Cachoeira de muilo boa qualidade, e
por pre o commodo ; na rua da Cruz venda
ile!ionle,(la undiodoSr Mesquita.
szr lu negro da cosa de booita figura,
carre;a(|pr de cadeira ; na rua do \ igario nu-
mero j-,
IL3' Milho moido fino pira pao e lamh?m
se troca o n.csmo por milho eni grao; na fa-
brica de.farnhus na ponle velha ou na rua
da senzala nova n um.
^v Urna venda com poucos fundos com
commodos para famili.i eoaluguel he muilo
commodo sita defronte da ribtira da Boa
\isla; a tratar na praca da Boa visla venda
51^* Veios"bitheles da Loieria do Semina-
ro a 3H,o ; ao p do arco de S Antonio na
loja de Manoel Gimes de Carvalho.
l^r- Ma rua da \ oeda I). 141 ou Fir-
mino Jos Felis da Rosa superiores bichas
em cenlo a ioors meio cenlo a 10, e em
pequeas poreoens a Mocada urna, e se tro-
ca o as que nao pegaiem
sz?' sioi biluctes da Loieria do Semina-
rio a ;- o; na ruido Crespo Loja D 8 do L-
i do sul
Um silio cm S. Amaro, com chao
proprios, com portfio, casa de pedra e cal .
om 1 qu.irlos. duas .salas cozinha bu<
igoa de beber mullos ps de lirangeiras (
1 utas de (odai as nuahdadcK : a tratar na ru
tova l). l com Joo Baptista 1 laudio Tresse
I-" Lina esesava de bonita figura, de na-
io eiijjomoia li$o cosecha cozinha o di-
SJ7- No dia : do corren le fugio um negro
de nome Anlonio de naco benguclla alto,
chelo do corpo representa ter 'o a 35 anuos
de idade lem bstanles marcas de bechigis ,
e lie alguma coisa calvo lem em uma perna
um signal grande de (erida he bastante bar-
bado la-iia minio alrapaliada que parece
Divo ; e desconfiar ter sido desencaminba-
do pois desapareceo no inesmo da de urna
canea que seacha va nos Remedios carregada
de tipos levou vestido calcas de brim c.i-
I misa de riscado e cli.ipeo de palba ; quem o
pegar leve a rua de S Amaro em casa de Jos
arques anua quesera recompensado.
3- 1 esapareceo e julga-se fgido nm
preto d nome Francisco de nacao angola ,
de idade de -5 anuos a lo cor prela seco
e bem feilo com lodos os denles na frente,
bem parecido, levou calcas e colele branco,
chapeo de pal'"* 1 ladino ; os aprehendedores
o levm a casa fifi spbrudo de um andar no pa-
leo do Carmo com a esead.i para a lainboi
l j- l'iigioem o lo mez pissido 11111 prelo
de idade peuco nia s ou menos o annos tem
os denles limados pernas anpiiadas de no-
me Joao levou.vestido camisa verde bonet
de la he maruo consta andar n> pocoda
pancha ; qiieai o pcgai le e a Eirinino Jos
Felis da Rol na ll,a da Moe.la I) 111.
C^- Grei.orio creoulo de idade de 'ia ou
4 annos, eslalura baixa ebrio do corpo ,
corliilla, rosto comprido e picado de be-
xio-as lem as costas bstanles signaes de
chicote, levou vestido camisa de biim. e cal-
cas dila adverle-se que gosla de musicis e
soldado ; quemo pcgir leve a ru 1 das Cru-
ces D. 'ti quesera recompensado
SST Manoel, de n.uao congo, de idade de
1'< annos, secco do corpo nariz chalo lem
os dois denles da fr. n'.e abi-rlos e um poiico
acanulades falla dscans id 1 leou vestido
cal as branca e camisa de madipolao grosso,
fujHO a 6* do conente ; (|uem o pegar leve a
rua nova loja de lerrage.is L). o, que ser
recompensado.
tSt o dia 10 do p p fugio do sitio agoa-
zinba em Bebiribe um pelo de nome Malh e
us de acp angico alto secco do corpo T
representa ler o anuos de idade muilo la-
dino (piando talla he alguma cousa gag > ,
lcvoi'vcs! ida calcas de panno da cosa de lis-
tras a/ues e brancas camisa de algodao |-
pona azul forrada de baela amarella c .apeo
fino le pello dizein que levou urna Irudii-
n!ia de roupi i|ue firlouem Bebiiihe lalvez
ten a mudado de roupa ; lem por olBcio fa-
zer crlenles e cordociis de arane ; quem o
pe ,ar leve ao mismo silio ou no Recife a seu
Sr. Manoel da Silva Molla que gratificar.
82^" No da 1 do cnenle as 7 horas da uoi-
le desaparecen da Boa i ;oin Immi prela da
nome Joanna, iNaco Bengueila a qual pouco
falla l'oitigutv.com os signaos seguidles ; al-
ta e seca nariz afiliado ps c mos secas,
tendo algumass.irnas e lian hum pequeo
signal ile carne no queixo, tem dous denles
de cima edcbaixo aberloj pela parle >le den-
tro levou veslido de cliila con assenlo cor
decai e humas palmas encarnadas, e rou-
| xas e panno da costa ; quem a pegar eve-a
a rua dueila venda >. y, ou na Boa-V'ia-
gem a entregar a lose leruundesda Cruz que
recebei ,10,000de graliicaeao
Hj- Roga-seaos Snrs. Sub-Prefeilos e
mais aulhoridailcs desla e mais comarcas, o
pessoas pailicuiares ipie souberem ou \irein
una negra de nome Josefa ( sen 10 mudou de
nome ) de idade de *4 annos, altura regular,
gecca do corpo cor fulla nariz chato com
nina marca i\c Ierro ile sua Ierra em cima ,
um dedo gratada alejado em urna das mos. ps
pequeos, rosluma ulilulur-se por forra;
quem a pegar leve ao alieno da Boa vista n.
que receben) 0,000 de gratifica fio.
Jo i filio do i"**r:i
PAT I< iS E v 1 TiAi")S i>0 DIA o
RIO EJAM.1RU ,e Babia ; 4a (has. o-
do ultimo porto 1 dias, Brigue de buerrai
Inglez Cameleon, Commandante o lente
Hunler; fundiou no mosqueiro.______^
LCI I LiN A TYP. DE M. F. li F. l j.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZJ400T7C_M70OG3 INGEST_TIME 2013-03-29T18:01:50Z PACKAGE AA00011611_03986
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES