Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03969


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
Anno de 1839. Qurata FeHA
7 '
Tudo n^ora depende de nos tnesmos; d nossa prudencia, modera.
Cao, e energa : continuemos como principiamos e seremos apontados
com admiraco entre a fcaces mascullas.
Pioclamacao da Assemblea Geral do Bratil.
------------'------- IUI
Suhscreve-se para esta fotha a 3ooo por quartel papos adiantados
nesia 'Jypogiafia, ra das Cruzes 5, e na Pracs da Independencia
D. 57 e 38, onde se recebem correspondenciaslei;alisads, eannuucios
tisinndo-se estes g'atis, sendo des proprios auignanles, e vindos assig-
aaados.
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidade da Paran iba e Villas de sua pretenco. ;..............\ 1
Dita do Rio (irande do Norte, e Villas ldm...................( .
Dita da Fortaleza cVillas dem..........................j Segundas Sextas Fc.ras.
Villa e Goiann.................................../
/\.l...l.. .1 /i.:..! m 1.
*.......... ... vini.Mi ..... <.. luum sn uias.
Villa des. Antao..................................Quintas lenas. .
Dita dearaiihuns e Povoac/io do Bonito.....................|) j0> e a decada roer.
Ditas do Cali, Serinbaem, Rio Formozo, e Porto Calvo. ........ dem 1 11, e 21 dito dito.
Culade das Alagoas, e Villa de Alacei .>. A....................dem dem
\ ilU de Paja de Flores.................................dem 13, dito dito.
Todos os Correios partem ao meio dia.
11 -*
11 de Dezembro. Numero 271
KM
Di
CAMBIOS.
JE'.EMBItO. ().
Londres...... ii i\i a 33 por Ifooo ced.
Lisboa....... So. por o/o premio, .por mciu derecid. *
Franca....... sabris por (rauco.
Iiio de Janeiro ao par.
OURO Moedas de 6^00 rs Velhas i<#oo a ligoo
,, D.tai Novas i4#aoo a
Dilas de Mooo rs., 8#>oo a
PRATA Patacoes Braiileiros-------------
.

l^lo _
Peos Columnar'ios ------. -i if5-tn a
Dos .Mexicanos------------------ifSoo
Premios das Letras, por mee 1 1/8 1 i|i por loo
Moeda de cobre 3 por 100. de disc.;
Dias da Semana.
i4#4,.o
.#540
1/329
9 Segunda S. Leocadia V. M. -
to Terca --------S. Malaquias P-M.---------
11 Qurt'a-------S. Uamazo P. --------
fi Quinta-------S. Justino M.------------------
1 j Sexta *------- S. Lucia V. M.------------ -
1 Sabbado-----S. Agnelb Ab. ------------
15 Domingo 3. do Advento 5. Eutebio li. H.-----
Mare cheitt para o dia 1 1 de Dezembro.
As 9 horas e 18 minutos da tnanbS As 9 horas e 42 minutos d tarde.
- Re. e aud. do J. de D. da 1. y. de manhfi.
- Relaco e Aud. do J. de d 1. vara de inanh;
- ieisio da Tbes. Audiencia do J. dej. da a. y. do
- Re e aud do J. de D. da 1. v.
- -.Ses. da The., e aud. do J. de I), da 1. r,
- Re. e aud. do J. de D. da 1. v. de ai.
PERNAM BUCO.
GOVEBNO DAPROMNCIA.
Espediente do dia % docorrente.
Officio Ao Inspector da Thezonraria das
Beudas Provinciaes, respondendo aos quisi-
los tiue fasem o objecto do seu officio de 5 do
torrente : quauto ao primeiro quedeve ser
por semestre o pagamento do pico da arre-
matacodo rcnd:mentoda Taxa das 1'arreiras; obras Puldicas exigindo a remessa do. m*p-
quanloao segundo que o lempo ta arrema- pa dos terrenos de Varinba que tem sido
taeao deve ser pelo anno civil que decorre medidos e demarcados no Bairro do Rceife.
de Janeiio a Dezembro prximo futuro; conforme, foi ordenado em 6* de Junho desle
qu.inloao tereciro qne os Arrematantes devem anno a fim de nf se'o deferidos os reque-
eflectuar o pagamento da mesma arremataco rmenlos dos Cd?dos que p:ele.idem a-
direrlamente na Thezonraria e quanto final- forar os mesmos terrenos,
mente ao quarlo que deve-se prestar aos Ar-
rafas de Lab'arraque de que trata o preceden-
te officio.
I ilo Ao Tenente Coronel Chefe da Le-
giodo Batalbo da Guarda Nacional do l;o
do Albo, communicando-llie em resposla ao
seo officio de > do crtenle, que foro trans-
meltidos a Tnezotiraria das Rendas Proviuci-
ae os'res los Cornetas do mesmo, Batalliao
pcptencentcs aos mezes que decorrero de 'u-
nboa Novembro deste anno.
Dito Ao Inspector Geral Interino das
remallantes a forca publica que as Rarreiras
se acbu actualmente destacada', e q' por conse-
quencia pode ser elevado o preco da arremi-
taco alem da baze estabelecida no officio de
4 do corrente
Dito Ao mesmo para fazer comprar e
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia 6 do corrente.
Officio-Ao Exm. Presidente enviando-
* remelter a Secretaria dozc garrafas de Labar- Ihe competentemente informado o requeri-
F raque a fim de serem remetlidas a Cmara menlo do viajor Jos Carlos Teixeira Di-
Municipal de Sanio Anlo, para seren em- recior do Arsenal de Guerra queaS.M. I.
pregadas em alalhar-se o contagio da pesie da jupplicava a Gtaca de ser Reformado ent con-
testa que se lema desenvolvido mid.idedaLei n 4de o de Setembro do
DiloA o Inspector do Arsenal de Man- anno p p visto achar-se presentemente in-
nba approvando a medida que propoz em capaz do activo servico em consquenria de
seu officio de 5 do corrente de fazer passar molestias crnicas comprovadas pela Junta
para bordo do rigue Escuna Gararapes de Saude.
o encarregado do l'rigue Conslanca com todo Dito-'Ao mesmo Exm. Snr enviando-Ue
o trem de Artilberia a seu cargo recolbcn- para serem satifeitas < reiuisices urna de
do ao mesmo Arsenal os geneos que se acba- ornamento.* que se fasio inixler a Capella
reni inutilisadas. da Fortaleza de Ilamarac, outra de um por-
Officio Ao Prefeilo da Comarca de San- u0. e finalmente outra de urna porla para o
toAnto, respondendo-lbe que tendo a Calabotujo da meima Fortalesa que se a-
Prestdencta ouvido sobre o conteudo em seu cbava arruinada.
officioMe 9 do mez prximo passado ao lou- Dito-Ao mcsaio E\m. Snr. enviando-lbe
tor Jos Eustaquio Gomes jutgou este nao competentemente informado o requerimenlo
ser ultl lodos os socorros pedido pelo Cirur- do recrnla do Deposito Francisco Jos da Cu-
gio da Vaccina d'aquella Villa; e que mais nha que supplicava demi o do servico,
proveiloso sena mandar catar e lavaras casas,, llegando ser maior de 5o anuos e achacado
limpar as ras de todas as emundices; se- de intimidades.
parar os doentes para casas em siluco alas- Pilo-Ao Inspector Geral interino das O-
Uda de maneira q os ventos nao soprem para bras Publicas para que mandasse receber do
a Villa, emprejiando-se no set vico dos mes- Commandanre interino do 3. Batathao d'Arli-
mos doentes pessoas que j tivessem tido be- Iheria, varios utensis e instrumentos perten-
xigas; Ur todo o cuidado que a roupa e u- cenes a Reparti o a seo cargo q'se acbavo
tencihos dos besiguentos na'o sejo vestidas depositados em a das prsries do quartel das 5
nem tocadas por pessoas que nao tenho par- Pontasque convinba desocupar, e instando pe-
tccipacipado do contagio ; que os Cadveres la breve conrluso das obras do quartel da
sejao sepultados em Sesaiterio ora das Companhkd Artices .'que eslav.ao sendo fei-
Igrejns, bavemlo cautella em se nao lavar a tas com grande morosidade pond rando-lhe
rmipa no rin de onie se tira mrna nara n n<> c r,r~r-,J/, j:, r<____i.:- -_k_. .._._.
1 ~C|- r -j"*- *' |' u^..i*... uiiii V.U ii|iul|nlfl M'I'IC taull'lll
uso dom sl.co e pro ibindo-se a abertura alocadas emum armasem particular nao li-
du* Igre,as demadrtigada ; a vista do que lera nbo ali as commodidaJes precisas ao solda-
a Presidencia nesla data recommendado a Ca- do.
mar Municipal respectiva que ponha em Tito-Ao Commaidante, inlerino da Forta-
nratica estas providencias iemetiendo-se- le/a de Ilamarac disendo-lbe que as suas
ll.e, para s^iem deslribuidas pela pobreza, requisictVs linbao sido enviadas ao Exm Snr
a fim de desenfeclar as casas o que he lam- Presidenle a fim das mandar salislascr, e
Lem til segundo o parecer do dilo Doutor. dando-lhe varias providencias, acerca d
Dito ~ A (amara Municipal de Sunlo An- condiiceoro azeite e rossamento dos man<
lao communicHiido-lbe todo o conteudo no gucs que por contiguos a Fortaleza ,embaa-
precedente^ officio e recommendando-lbe o bavo a vista do mar pelo lado do Norte.
THEZORARIA PROVINCIAL."
E ilTAL.
O Inspector da 'l'bezouraria das Rendas
Provinciaes faz publico que perante a mesma
l'bezouraria em o dias 8, 19, e 70do cor-
rente as 1 horas da manha se ha de proceder
imprelerivelmentfe arremalaco dos rendi-
mcnlosdu Taxa das Rarreiras eslabelecidas as
Poples da Magdalena, e Carvalhos, a quem
mais der por ellas.
As pessoas que se propozerem a esla arre-
malaco compare o nos dias .icim.i indicados ,
munidas de Fiadores idneos. E para cons-
tar se mandou affixar o prezenle., e publca-
lo pelo Pelo.
Thezonraria das Rendas Provinciaes de
Pernambuco 5 de Dezembro de 1HJ9.
Joo Baptista Pereira Lobo Jnior.
vers>is Reparh'coens'
TRIBUNAL DA RELLA'A.
Sesio do dia 7 de De/embro.
, Na appellaco Civel do Juizo de Direito
tiesta Cidade. appellante Manoel Luiz da
Veiga e appellado Francisco Gomes I- lores ,
Escrivo Ferreira ; se julgou nao ser com pe-
lente o recurso e por isso nao tomaro co-
nbecimento da appellaco.
Os Embargos de 'oo Francisco dos Santos
Siqueira oppostos ao accordo na cauza de ap-
pellaco Civel do Juizo de Direito dtil I ida-
de em que be embargado o Tenenlc Manoel
Feriiandes da ( ruz Escrivo Ferreira ; foro
recebidos e reformado o accordo embarcado
em vigor oquefora embargado por o dito
Cruz.
Qs Embargos de Francisco Camello Pessoa
de Mello e sua mulber oppostos ao accordo
ni Cauza de appellaco Civel em que be parte
Joze Ignacio Soarcs de \facedo Escrivo He-
bello ; foro disprezados mandando-se cum-
prir o accordo embargado.
Na appellaco Civel do Juizo de'Direilo des-
ta Cidade appellante Joze Fernandes Eiras,
c appellados Joze Pereira de Vlendonca e sua
mulber Escrivo Posthtimo ; se julgou pe-
la confirmaco da sen tenca dppellada.
Os Embargtis de Francisco de Paula Lo-
pes Vianna oppostos ao accordo na t auza de
appella o Civel em que Ihe he parle An
Jernimo Lopes Vianna Escrivo C|m..,
foio recebidos e reformado o accordo em-
bargado.
Dia 10.
Os Embargos de Antonio Tavares de Faria
oppostos ao accordo proferido a favor de A-
ca
e sua mulher na appellaco Civel do Juizo d -
1 ireito desla Cidade contra a viuva e ber-
deiros de Joate Antonio Lopes Escrivo Cha-
ves ; foro despresados mandando-se cmprir*
0 accordo embargado.
Na appellaco Civel do Juiso de Direito
desta Cidade, appellante J:e Cardozo do*
Reis e suas fiilhas e appellada Rita Maria do
Espirito Santo, Escrivo Chaves; foi mi-
gada pela confirmaco da senlenc.
, ALFANDEGADAS FAZENDAS.
A Galera Inglesa Dryope rinda de Liver-
pool entrada em 5 do corrente Capitam W.
Murray consignada a M. Calmont & Comp.
Manifest<>u o seguinte.
31 Fardos, com fasenda de algodao 106
ixas com lilas 1 fardos com ditas de linh ,
1 caixa com dita de linho 18 ditas com f'er-
rrgem ao barricas com dilas, 4 caixascom
selinse pertences 11900 dilas com sabo K
dilas com queijos 6 barricas com serveja ,
00 gigos com louca 60 meios ditos com dita,
" embrulbos oom cordas 176 toneladas de
carvo de pedra 1 pedaco de ferro q caixas
com drogas a dilas com pregos 5 barris
com oleo 5o presuntos 1 barrica com (e.ie-
bra 1 dita com goardenle.
I'ora do manifest.
I Caixa ignora-se 1 livro 1 caixa com
livros.i gigo com amstrasele louca, 100
gigos com batatas.
A Paula he a mesma do numero a65-
MEZA DO CONSULADO. .
A Paula he a mesma do' n. a^O.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DE
OLINDA.
5. Sesso ordinaria de 57 de Agosta.
Presidencia do Snr. Guedes.
Foi abetta a Sesso estando prezehh? os
Snrs. Vcreadores Laage Jnior Maciel \4on-
teiro lerreira, e Albuquerque ; faltando
com cauza os mais Snrs.
J da a acta da anlecedenle foi approvada.
O Secretario dando conta do expedienta
mencionou os seguites officios.
Hum do Presidente da Provincia significan-
Ionio do a Cmara', que se nao tem pago ao Pro-
3; curador da mesma a quantia de 1 ggSfoooque
a Presidencia mandou abonar para a fapa-
gem do atierro do arrombado pela falta de di-
nheiro que soflre a Thezonraria Provincial
segundo informara o Inspector e logo qu
conste haver que esta Cmara mande receber
maro da Costa Rumeo na cauza de appellaco Oulro da amara do Recife remetiendo as re-
Civeldo ...izo Mumcpal da Villa deS. Joo laces dos multados na Sesso do JurV de ,a
da Provincia da l'arah.1.a Escrivo Chaves; de Julbo. uoiurj ae iy
emprego das providencias uelle desc iplas.
Dia 7.
Officio Ao Preleito da Comafc do Re-
Porlaria-Ao ommandanH inlerino do 3
Ralalbo d'Arlilheria mandando em cum-
primento a Lei dar demicn aos soldados Ma-
foro dispresados mandando-se enmprir o ac-
cordo embargado.
la Os Embargos de'Luiz Gomes de Siqueira
- conlra I>nacio Tarares de Faria na appella-
' Brejo da \ adre de Dos Escrivo Pos.humo; nao aparecem resol veo a Ca
forao dispresados mandando-se cumprir o ae- pa ass mandado ao Procurador paa paar '
tile 1 ara la/cr remeller a Cmara \lunici-i noel Corris doNascimento Antonio Gomes
pal de Santo Anlo |oralf,um t argueiro se- de Jezus 'o/eMalheos, e Joze Zefiriiio do
guio o ciixote que se Ihe remelle conlendodo- ascimento os quaes lendo concluido o lem-
ae gnalas de La barraque. po porque ero obrigados a servir como recru-
Lito A Cmara Municipal de Santo An- tados nao querio continuar ao mesmo ser-
ta intelgenciando-a da remessa das gar- V50.
1
Outro do Advogado intellegenciand a C-
mara que mandara tirar a copia dos autos de
lezaoenormissima que se move a Manoel Lu-
iz da Veiga com receio de que leve algn
descaminho como acontece com oulras que
se
cordo embargado.
fra appellaco Civel do Juizo de rireilo
su idade appellante Justino Angelo Ci-
rio
fe edeiros appellados D Catharina
Francisca do Espirilo Santo a oulros Escri-
vo Kandeia se julgou pela reforma da sen-
lenc appellada.
Os Embargos de Antonio Bodrigues Vieira,
Copia de que traa o mesmo Advogado visto
as circunstancias qtie alega.
Nesla mesma Sesso apresentou o Procura-
dor suas conlas do liimeslre findo em lunho
a qnal foi remettida a Commisso dos inrs.
Vereadores Passo e Amaral
respacharo-se rcquerimenlos de partes, a
dada a hora o Presidente lcvantou. a Sesitf
I


DIARIO \|)B PX N A
JiB,U
co
i
De que fiz a prezente eirt que assignaro. Eu
Joze Joaquim de Figueiredo ,' Secretario a es-
crevi. G urdes, Presidente. Laage Jnior.
Maciel Monteiro Ferreira Albuquerque.
'Est conforme.
Joze Joaquina de'Fijueiredo.
Secretario.
PREFEITURA.
r*TE DO DI& -O
Tllm. e Exm. Snr. PaMecipo V. Exc.
que das partes hoje recebidas consta somente
que foro prezos hontem minha ordem .
os prelos esciaros: Jeaquim de Joze Va-
riada Cruz,-e Joaquim de Joaquim Jo/e
Ferreira pelo'Sub-Prefeilo de Santo Anto-
nio este por estar bastante ebrio e insul-
tando a pessoas que por elle passavao e a-
quelle requisicodo raesmo Snr. por deso-
bediencia.
Nada mais consta.
Perante a Administrado dos, Estabeici-
mentos de Cardade se bade arrematar a queni
mais del- as rendas da casa n. t3a na ra da
Gloria do Mairro da Boa-vista : as pessoas que
a qnseren arretamar podero comparecer no
Grande Hospital desla Cidade no da i3 do
corrente me as i. boras da tarde com seos fia-
dores.
Salla das Sessesda Administraran dos Es-
abelecimentos d Caridade ib de Dezembro
de 18J9
afeito-, porque os rebeldes linba j abandona-
do a posicao quando os dous ehefes ali chepa-
rao Os corsarios podera entrar outra vez
na Laguna tendo-os favorecido o lempo O
Sr. Mariath ficou em Imbituba tratando de
reunir as suas forcas para o ataque da I apu-
na e o Sr. lente coronel Fernandes foi to-
mar posicao em Villa Nova.
O marechai foi alli para observar e combi-
nar de mais perlo as operaces de mar e tr-
ra ; aonde reecbeu partecipaces do juiz de
paz da fregiitzia de Imaru''v pedindo snc-
corros ; porque, tendo mais de 'oo homens
reunidos contra os rebeldes Ibes fallavaar
mas e mais anda um official nue os com-
mandasse. O mnreehal adiandoe acnm-
panbadn do Sr. brigadeiro Jos Varia da Ga-
ma que por sua espontanea vontade tinha
vindo do Rio Grande procurar servteo nesta
provincia o fez marchar para aquplle lado com
4 companbias do balalho do Desterro com-
mandndas nelo seu chefe o "r. tenente-cnronel
Zefcrnn Pimenlel Moreira Freir levando
maisoSr major Paulo Alano e alguns of-
ficiaes e pravas de cavallaria que trouxera do
Rio (irande.
Esta forca teve de marchar de noite para
A nossaperda na forca de mar foi conside- do om suas liberalidades, debaixo dequal-
ravel cliegando a 5oenlre morios e feridos quer das referidas denominarSes.
alguns desles gravemente. Entre os feridos j Em-quarto ao meio pratieo de realisar esta
ronla-seoSr. guarda marinha Antonio To/.e '.'institu cao eminentemente meritoria, sab-
Pereira Leal de cujo lanchan morrero nove mos que,, sendo a idea concebida pelo Sr Jos
nracas ; mas o marechjil lem a salisfa o de Marcellino-da Rocha (.'abral para a propor e
ler visto que a sua ferida nao he perigosa
Todos os feridos eslo recolhidos ao hospital
desta cidade aonde se em^rego todos os
desvelos para Ibes acudir com efficacia.
O maiYchal agradece aos Snrs capito de
mar e guerra Frederico Mariath ao Snr le-
nente-roronel oze Fernandes dos Santos Pe-
reir e aos mais Snrs ofhciaes de lodas as
armas, eem (eral aos militares debnixo do
seu commando, a maneira distincta porque tem
servido nesla provincia, cuja restaura cao se
pode julgar completa ajunlando-se a to fe-
Iizes resultados a certeza de estar restaurada a
villa de Lagcs pelos seus mesmos habitantes,
em consequencia das ordens que para ali foro
enviadas em principio do mez passado.
Francisco Joze de Souza Soares de Andrea
J. IW. da Cruz.
Escriturario
Restauracao da Villa da Laguna e de Lages.
Parbens Brasileiros!
Esta salva a Laguna e a villa de Lages.
A ordem do dia do marechal Andrea que
abaixo Iranscrevemos descreve os dctalbes da
arcao da Lactina lages foi restaurada no
mesmo dia em que foi tomada a Laguua.
Quartel general do Desterro, 18 de No-
vembrode 18^9.
Ordem do dia, numero ^4.
O marechal de campo presidente da pro-
vincia e commandanle das forcas empregadas
na defesa della louva ao Snr. major Fran-
cisco Duaite Silva, commandanle do esqua-
drao das guardas nacionaes da Ilha a assi-
duidade e pranlid.io com que se portn a-
pesar de doente, no servido do Campo, fren-
te de seu esquadro, at ser restaurada a vil-
la d'x Laguna e agradece-lhe os bons ser-
vicos que prestou bem como aos guardas
q' com elle regressaro da columna, aos quaes
tendo sido permettido por casados, relirem-
se so o qtiizero fazer depois de concluido
o feito da restauradlo mencionada. O mesmo
Snr. major deixando huma espiada e huma
pistola a cada praca das regressadas, far re-
coliier ao deposito de rticos blicos todo o
mais armamento equipa ment e atreios que
ellas recebero, bem como as municoes que
Ibes reslo. O .Snr casillo JoioGnilherme
de Bruce recem chepado do Rio de Janeiro,
passa a servir no balalho do Desterro
Francisco Jos de Souza Soares de Andrea.
Quartel General do Desterro, igdeNovem-
bro de i85q.
Ordem do dia, N, 85.
O marechal de campo, presidente de$ta
provincia e commandanle da for a empre-
ada na defesa della faz patente a todos os
militares dehaixo das suas ordens as disposi-
ces e movmentos que livero lugar nestes
ultimes dias ,al ser lomado de viva forca o
porto da villa da Laguna.
Tendo o marechal determinado que os re
beldes fossem atacados na Armaco de Garo-
puba aonde constava que existio em nu-
mero de 3oo, cortando-se-lhes ao mesmo
lempo a retirada esta empreza foi muito bem
desempenhada pelo Snr. tecente coron-l
Jos Fernandes dos Santos Percha por mo-
vimetilos principiados no 1. do corrente mez
a noite dos quaes resullou o ataque da En-
cantada na madrugada do dia 3, publicado
j na ordem numero 55 de 5 do corrente
mez.
No mesmo dia 3 enlraro na armaco de
Imbituba dous dos tres corsarios que tiuha
sabido em ao de Oulubro do por o da Laguna.
Quando esta noticia ehegou ainda o mare-
chal nao sabia o resultado do ataque de Cam-
paba e, nao obstante, encarregnu ao Sr
capitode mar e guerra Fredero Mariath de
levar as ordens para o Sr. teen le coronel
Fernandes atacar a posicao de Imbituba por
trra em quantooSr. Mariath o furia pesso-
almenle por mar. Esta empreza nao tevt ef-
levar a efTeilo comoencarrefjado do consula-
do gerai de sua na o nesla corle refleclido o
mesmo Sr Cahral que sendo ao mesmo
lempo presidente da nica sociedade portugue-
/a aqui estabelecida o Gabinete Portuguez
de Leitura devia principiar por propo-la ao
dito Gabinete, a ftm de que os seus membros,
nos (junes reconhecia vehemente patriotismo e
humanidade Ihe preslassem seu ajioio e
formassem o primeiro elemento alias j em
si mesmo to numeroso neficencia Porlugueza,
Foi pois a idea por elle proposta em huma
das ullimas reunies do Gabinete Portuguez ,
e acolhida com o mais pronunciado enthusias-
mo. A assembla do.Gahinete reconhacen-
do que a diversidade d- s fins das ditas socieda-
des nao permitlia que se ideittificassem limi-
t ui-se a deliberar que .0 Gabinete Portuguez
preste todo o seu apoto nova sociedade, e
que, por huma commisso do seuseio, de
que.fizessc parle o mesmo autor da idea or-
panisasse hnm pro eclo de estatutos para a So-
ciedade Portugueza de Beneficencia, para ser
o^erecido ; primeira reunio de seus mem-
bros a fim de facilitar eapressar a organisa-
ro de hum eslabelecimenlo to altamente
honroso e til. O projeclo de estatutos foi ef-
11 11* n i:~l 111 > *i* 1 *w ------------- --^. ^-,--------,__ -. ..---------------------------- ,
s, den parte v'"a da Laguna e seu destricto desde ai de feclivamente organisado e apresenlado na ul-
qnn principia- -."lho al 1 1 de novemhro do corrente anno | tima reunio do Gabinete Portuguez ; e pela
osires. lo-, fi ao seu alcance as qualidades de director do
gabinete le encarregado do consulado de
Portugal e de subdito portuguez commis-
porlanles O marechal voltou a canilal dei- nar<* Joaquim do Mattos
de o-
[De um impresso.]
RIO DE JANEIRO, a DE NO VE VIBRO.
Sociedade Portugueza de Beneficencia.
\ando aos dous chefes toda a li'erdade
perarem segundo as circunstancias.
Os soccorrbs que a forca precisnva fora lo^o
enviados ; mas aquetles chefes estimulados
pelas difficuldades que Ibes apresenlava o ini-
migo, estando alem dislo hum com as snas
embarcac5es fundpadasem hum porto desabri-
do e o outro acampad
leril perdendo cavalh
mensas privaces, resol..
nordeste rijo que soprava e na tarde do dia e 'endendo ;i propria nalurezi e fins dessa nao sera sem interesse para os nossos leitores.
1 roncerara5 entre si o ataque eo poseraS nov0 insliluico vaslido da idea que se A peca que se segu he a ex osico que o
e nao s esle Sr. a aprovou completamente ,
e Ihe assegurou todo o seu apoio mas Ihe fez
ver que cssa mesma concepclo tinla elle j t-
do ; por contacto com a popularlo portugueza convi-
nha emque por elle fossea insliluico promo-
vida .
Julgamos dever informar o publico da ma-
o em hum terreno es- Temosasot'sfacod anunciar q'jevai estbele neira porque foi proposta e porque lem pro-
lada', e soarendo im- cerneslajcorte urna sociedade rom a denomina- gredido a iormaco deste grande eslabeleci-
eso!vera5 aproveilar o cao de Sociedade Portugueza de Beneficencia : ment por eulendermos que esla iuformaco
em pralica no dia 1V
O Sr capillo de mor e guerra Mariath di- "lulos, que adianle publicamos e bem as-
vidiu asembarcdces que'poda5 entrar no sim facilidade dea levar e'eito pela nu-
porto da Laguna em duasdivisiVs a primei- merosa populaco portugueza, qnal com
ra ligeira composla de i lanchoes e huma pequeo sacrificio de cada hum dos indivi-
canhoneira soh o commando do S- 'teen- dos, ser facilimo reunir hum patrimonio
le Manoel Moreira da Silva deslnada a dar suffiriente para lodos os artos benficos a me
a bordagem s emharracoens que fechavaa se prope a sociedade nao hesitamos em Ihe
barra, e a destruir todos osembaracos; ea predizer os futuros mais honrosos, e grande
segunda, das embarcaces de maior porte de- utilidade de sua organisa o para a popu|aco
baixo do seu immediato commando para o portugueza e para o paiz.
fim de bater as embarca.es armadas que de- ^a verdade a idea de soccorrer a indigen-
fendiaS o porto destrui-las e apoderar-se cia he j por si credora das sympathias dos a-
dellas migos da humanidade ; mas, levada essa idea
A forca de trra devia marchar vista da at a facilitaran do trabalho a aquelles que o
esquadrilha e entrar ao mpsmn terrino n.. ,-;i_ nao tem a educacAo moral e industrial da
la. Oinimifo, ufano de suas disposices ,' mocidade desvalida abandonada ea insi-
e nao podendo conceber que houvesse tonta nuaco e prestnco de meics de sahirem do
audacia e tanta coragom da parle da nosa na- Pa'z individuos que por seus procedirnentos ,
rinha contava tambem poder resistir ; forea Pdem prejudicar a moral c perturba* a or-
de trra, nao obstante estar esta sempre na "pm publi a ; a idea da beneficencia dizemos,
manifesla no plano conlido no projeclo dees- Sr. Cabral fez ao Gabinete orluguez de e-
posse de o bater constantemente
A empresa foi cornada do mais glorioso
resultado; o Snr. Mariath forcou a barra nao haver hnm s Krasileiro iiileressado pela
levada a esta applicacio e desenvolvimenlo ,
tem resultados toinfa liveis ello felizes que
debaixo de hum fof.o destruidor de artUheria
e fuzilaria a tiro de pistola ohrigou o ini-
migo a abandonar as suas embarcares a
qurimaroutras e apr-sem completa f-
gida tanto em emharracoens mindas como
a nado do que Ihe resullou grande perda
O rebelde Cana barro, que ja tinha op-
posto pouca resistencia nossa columna de tr-
ra desde o seu acampamento de Jtaperoha a-
tnrdido com a sorte de sua esquadrilha ahnn-
donoua vi la e quanlo nella linha.j e sellou
com huma fgida vergonhosa os assassinios ,
nao provocados, que nella commetteo.
prosperidade da sua patria que nao aben oe os
esf orcos dos benemritos estrangul ros que a
levaren*, a efeito.
E esta benevolencia do paiz para huma 'tal
assocweao estiangeira he tanto mais (lindada ,
quanlo na larga esphera do plano oflerecido.
a populaco brasilea e mesmo a das oulras
nacocs, cstrangeiras. nao sao excluidas de
concorreneni para a formarn desse grande pa-
trimonio de henefi encia debaixo das deno-
minarles de Esmoleres e Bemfeilores neni
de parlcciparem de seus beneficios quando
ebeguem a carecer delles, e lenha contribui-
tuta em seguimento a seu ultimo relalorio
do esladoda sociedade sobre os motivos (|ue
o determinaras crea o do novo estabeleci-
mento e a levar a inicial va ao Gabinete.
F.xposico em seguimento ao ultimo relatorio
apresenlado pelo seu director o Sr J.
Marcelliuoda hocha Cabral assembla
dos accionistas do Gabinete Portuguez de
Leitura no Rio de Janeiro sobre a creaco
de huma sociedade e de hum fundo de be-
neficencia porlugueza.
Srs. nao terminare*! esta exposico sem vos
communicar huma id minha que supjtnsto
esteja lora dos fins especiaes da sociedade,
pode comtudo muito bem ser por vos promo-
vida nao s sem prejuiz do estabelecimento,
mas com grande gloria sua e honra para nossa
patria. -
O lempo que tenbo vivido neste paiz e so-
bre ludo nos ltimos mezes em que minha
posicao official me lem ofTerecido mais nume-
rosos factos. deo-me lugar ohser"a.co de
q up cn lena res de com pa ti olas nossos obr 1-
gados pela deficiencia dos recursos entre a nu-
merosa pepulaco do reino, ou pelas perse-
gu oes polticas ou finalmente, por hm
inconsiderado desejo de melhorar de fortuna ,
a exemplo de oulros que o lem conspguido ,
vem para este paiz e em vez de encontraren!
essa fortuna sondada se acha na indigeneia
e leduzidos meudiciduto
Casos tenbo tambem visto de mulheres que
vem procurar seus maridos e que os arha5
morios ou ausentes e para regresaren
COPIA.
Francisco Jos de Souza Soares de Andrea,
marechal decampo do exercito do Brazil.official
que os rebeldes nao percebessem o movimento. ('a imperial ordem do Cruzeiro presidente
e tendo-se demorado na marcha nao poude i ""j8 Provincia de Santa Catharina, e comman-
soccorrer Imarohv. que nessa mesma noite danle das forcas empregadas na defeza della
foi atafda pelos rebeldes, que a saquearan, ete faz. salter que nao |wdeudo ser reconhe-
lendo feitodispersar a reunio popular que a- c",os pelogoverno de Sua Vageslade o im-
li havia. perador e por seus delegados, os actos prati-
OSr brigadeiro Gama, sendo avisado de cados pelogoverno rebelde que dominou na
que ia ser atacado pelos* rebeldes ,
no dia ti deste incidente e de que
va a retirar-se para melhores posie
rao-lhe logo enviados mais 100 soldados do se*- nunca houvessem existido assim na parte seu presidente (director) o promover a orga-
gundo balalho de caradores, que podessem administrativa civil como na militar e judi- nisaco da nova sociedade por
servir de exemplo aos do Pesterro cia ria nao s tofos equaesquer actos ema-
Nesle estado de cousas concordaras todas nados directamente do dito governo e deau-
as noticias emque os rebeldes linba recehido londades que Ihe obedecessem, mais tambem
hum corpo de infanlaria vindo do Rio Grande, qiIquer convenci ajuste ou avenca entre sao que elle acceilou e se esfor.a por desem-
e que a barra eslava defendida por hum gran- partes que deva ler effeito em juito, o qual penhar. Consta-nos que vai dirigir ^circula-
de numero deembarcaces armadas, prole- > podero ter sendo revalidadas perante as res para a efTettiva e prompta organisacao da
gidas por huma balera em trra de sete autoridades legaes As mesmas autoridades sociedade de que se tracla Levantada a ses-
bocasdefogo. e por huma linba dealiradores e todas aquellas a querri pertencer, exectaro sao do Gabinete todos os membros presentes
postada do mesmo lado achando-se alem e faro execular sob suas responsahelida- e inscrevera como membros da Sociedade
dislo vedada a entrada da barra com urna *'es > o que cima fica ordenado. Palacio do Portugueza de Beneficencia e o mesmo j lem
corrente de ferro com que se amarrava bu- Governo de Santa Catharina em 90 de no- feito grande numero das que nao. eslava pre-
mas embarcaces a's oulras. vembro de iH q. Francisco Jos de Sou- sentes e outras militas pessoas.
Ento lomaran as consas hnm aspecto mais Soares de Andrea. Edital porque. V. E. | Antes de terminar esla rea gao cumpre
duiaouro. Era precisa arlilharia de maior manda firar seme'eito. nullos. e como se declarar que, por informaces que nos fora
calibre tinha-se a peilo o projeclo de fazer nunca houvessem existido os actos pratica- j transmitidas pelo mesmo Sr Cabral, sabe-
passar os lanchoes para dentro da lago* a- l^os Pe' governo relielde que dominava na mos que, antes de elle propor a crea .o deste
travessando pela frente do acampamento e vHa da Laguua-eseu destricto. pela forma benfico eslabelecimento communicra a^ idea f*A
erao precisas algumns oulras disposices im- acima declarada, Para V. Ex. ver Ber- ao ministro residente de Portugal nesta corte ;



DI A H
I 1
PER N A M BUCO
patria passa5 por todas as liumilia oes da po-
breza e com difficuldade enennlra na benefi-
cencia peral meios para o couseguirem ; tam-
bem nao he raro ver meninos e meninas fi-
lhos de l'ortuguezes pobres ou fallecidos, va-
narem sem abrigo sem educado e sem desli-
go em huma orfandade pungente e corre-
rem todos os riscos da infancia e mocidade,
sem dirvccoesem apoio estes Tactos, que
o grande numero de populaco portuguesa
Ueste imperio torna lo Traqueales fizera-
me lembrar a idea de que ora oceupo a vossa
altenco, da crea* o de huma sociedade de
beneficencia portuguesa cujo fin seja o soc-
correr esses miseraveis compatriotas, j para
Ibes facilitar o regresso patria quando ibes
convelida e o mereca ; ja para Ibes dai edu-
caco e oceupacoes quando esliverem nesse
caso *, j, finalmente para soccorrer a sua
miseria, em quanlo noliverem esses desti-
nos ou quando se acbeni impossibilitados
para o trabalho
Huma semelhante inatituico he a obra a
mais meritoria e mais honrosa que podem eni-
preiiender Portugueses nesta parte do mundo ;
e conhecendo eu os sentimenlos patriticos e
de bumanidade que animad a nossa associaco,
pareceo-me que a ella me devia dirigir para
auxiliar este importante prbjecto emdora eu
depoiso prmova na sobiedita qualidade.
Srs huma naeo da Europa, que nao be
aqui nem to rica nem to numerosa como a
naco porlugue/a e que nem ti-m as facilida-
des que offereee este estabelecimento nem nos
excede em patriotismo e hunmiidade deo-
nos o exemplo desta obia meritoria. -Os
Franceses tem nesta capital huma institu,o
semelhante que j tem colindo importantes
resultados de sen empenho para o soccorro de
mu i los patriotas seus indigentes ; e se qs
nao tivemos a honra de dar este louvavel ex-
emplo seguramente por Taita dequem o lem-
brasse e promovesse eufhpre-nos ser os pri-
meiros a segui-lo e excedelo naefficacia dos
esforeos e na grandeza dos resultados.
'.oncidados Srs eu confio no vosso pa-
triotismo e bumanidade e com a maior se-
guranza vos rogo que tomis em considerarlo
esta* nimba idea ; que a assemblea se nao se-
pare sem a ler levado a elleilo.
(Jornal do Commercio)
Noticias strangeiras
RUSTA.
Moscow 1 de setembro.
Acampamento de l'orndiuoInaguracao
do monumento Simptomas de descontenta-
mente!'con Ira o imperador.
i Antes de bonlem se devia verificar junto
ao accamp amento de Borodno a solemne cere-
monia de poro imperador a primeira pedrada
columna de Granito destinada a perpetuar a
memoria da Balalba que ali sedeu em flt'ia
Desde o amandeeer uns lomilhomens entre
officiaes e soldados que tinbam tomado parle
naque'ile combale rodeavam o modello do mo-
numento construido de madeira acbando-se
em armas as outras tropas do acampamento
Pelas nove horas da mauh chegou oimpera-
com a sha familia.
- O programa disia que o modelo seria derri-
bado e que acto continuo o inesmo impera-
dor poria a primeira iredrc fundamental da
eolumna. I orein qual foi a sorpresa de to-
dos os circunstantes quanto ao primeiro golpe
de machado que recebeu o modelo de madei-
ra veio ao chao em mil pedacos como por en-
canto, e apareceu cm seu lugar urna colum-
na de hron/.e muito mais bella do que o mode-
lo que a cubra A aparico do verdadeiro mo-
numento que esta' sobre-earregado de troTeos
em baixo relevo, e que tem esta simples ins-
cripeo -- Ao ex ercito russo de i 811 foi aco-
ldida pelas tropas com os gritos mil vezes re-
petidos de viva o imperador, viva a dinasta
de Romanaw Gloria Russia !
Se esta especie de |ojo de maos, prepara-
do com muila antecipa o pelo lutocrata, cau-
so u urna agradavel suspresa aos militares e
especialmente aos veteranos, o imperador Ni-
colao pela sua |>arlc deveu experimentar urna
sensaeao mui dolorosa: pois que no mesmo
momento em que os olhos de todos rstatam
fixos na columna, urna nrsivel distribua
pelas fileiras uns caroes nos quaes se liara em
cora teres mui roiudos queixas dirigidas con-
tra o Csar em termos moderados anda que
enrgicos sobre o despotismo que exerce com
< povo russo e as crueldades com que o seu
governo opprime os infelices polacos
No mesmo instante o general conde de Ben-
kendor I, ebefe da policia secreta do exerclo,
sedirigiu a Boradiuo coro um destacamento
de gendarmera e mandou fazer naquella pa* |
voaeao e seus coOlnrnoi muilas pesquisas do-1
m < liaras para desrohrir o auctor duqUelle
escriplo porem de I alde. Com ludo nanitas
hoyamos de Moscow que tinho hido ao acam-"
paroeato reteberam ordem de vollar para sin
casas cora prohibico de voltar a Uoradinoem
quanto subsistir o acampamento.
O imperador e sua familia esli alojados
em bairaeasde eampanha Os inlervallos.de
eVolu oes militares se empregaro em fun-
res dramticas bailes e coricertos Toda
a infantera e ai tubera eslo apampadas
porem a cavalleria est aquarlelada parte
nos povos de I. orad i no e .de Galosenneca,
e parle nos povos siluadados na estrada de
Moscow.
(Commerce.)
TURQUA.
Tenedosi8 de Agosto.
As 10 naus inglesas e as 7 francesas con-
tinuara a estar fundeadas defroute da costa de
Troia na.baha de Besika entre Tenedos e
os t ardanellos O almirante SlopTord est a-
iuda emConslantinopla tratando de ver se
asduasesquadras iigleza e Tranceza vo In-
vernar quelle porto.
O I van esl mui inclinado a consentil-o,
porem as dimcublades que suscita a diploma-
cia do norte nos obrigaro | rovavelmenle a
vollar para o Tundeadoro de Onrlac no gol-
lo deSmirna, logo que comece o mau lem-
po.
O 6ulto tinha accedido s perten'es de
Mehemel-Ali. que se limtam a pedir que
seja hereditario na sua familia o goveruo do
Egito e da Syria :>orem nossos diplomticos
disseram a Turqua nao tendes que pensar
dos vossos negocios ; nos ludo arranjamos,
e obrip,aremos o Bach do Egyto a que entre-
gue a esqnadra Sabis o que respondeu
ltimamente ebemet-Ali aos nossos diplo-
mticos ? que no dia em que as nossas esqua-
dras se apresentarem (liante de alexandria,
far irem a pique os vasos da esquadra tur-
ca e dar ordem a seu Tildo para que marche
logo sobre Constantinopla. Querem impe-
dir que os l rem esl escripto que l bao de ebegar: o re-
al isal-o s queslo de lempo
(Corresp. part. do Toulonas.)
AUSTRIA.
Lemberg (Galllzia Austraca) 10 de setembro.
Parece que o governo d'Austria tomou a
firme resol 11 o para o caso em que a Rus-
sia intervesse com mo armada nos negocios
do Oriente, em intervir tainbem pela sua par-
te ou pelo menos fa/er urna demostraco
mu sera contra a Russia.
Em urna das mnbas anteriores annunciei a
V'V. que um corpo de exercito austraco de
Jo 000 homens se tinha escalonado desde
Glocin al 'I schcrnowitz ao longo das fron-
leiasda 1 ussia e da > oldavia Agora 011-
tro cor no de exercito composto de vobatalbes
de inTanteria 5< esquadro de cavalaria e
q baleras de- Arlilheria, acaba de entrar na
nossa provincia vindo da morara e vai a
marchas for adas pela estrada real de Tscher-
nowitx para Bukowine.
De alun lempo a esta parte as autoridades
de Galllzia se n.oslram muito bondadosas
para com os muit s refugiados polacos que lia
aqui ; poiem oque ha com tudo de mais sig-
nificativo que do socorros pecuniarios de
muita consderaco aos lavradores russos que
para escapar ao reciu la ment que manda l-
ser o autcrata, vem buscar asylo nesta pro-
vincia quando anles estas mesmas aulol ida-
des empregavam toda a es|iecie de ardis e al
de violencias para obligar os diserlores russos
a vollar ao seu paiz.
Corre aqui um boato bastante singular de
cuja exaclido me nao atrevo a ficar garante ,
porem que; segundo dizem procede de boa
origem : e que o imperador Nicolu, eo
nosso imperador Fernando lindan mandado
propor I ui/ Bona parle o primeiro a mo de
sua filfa segunda a gr duquesa 01, a-Ni-
roloujeuwna, e o segundo a de urna princesa
aulriace s porem que o principe recusou am-
bas as pro postas. I asem-se mil conjeu;as
sobre o fin que poderiam ler as casas reinan-
nanles| de Austria e de Russia para sollclar
um tal casamento.
(Commerce)
(Comi de Lisboa).
Porto a de Outubr.
O Nacional diz dos peridicos da capital ,
que Tazem esTorcos pro que o partido violen-
to que tantas desgracas tem causado a este
malTadado paiz nos nao involva em novas
calamidades queesto vendidos aos inglezes ;
oulro tanto de nos diz o Alhle'ta.
Nao preciso muita prespicacia para conbe-
cer que lal Toi a ordem do dia do quartel ge-
neral dos boi.nels ronRes ; tctica velha de
todos o te'olncionarios j safada por o
muilo uso que d'ella se tem Teito
A quem'estes vendidos v<>s que para in-
teresse vosso nao duvidais expr a naco a
correr os riscos d'uma guerra desastrosa ? a
quem estis vendidos vos que pretendis en-
capotar os caprichos da vossa gente no respei-
tav I manto do decoro nacional ? Quaes sao os
ttulos porque mostraes que tendes a peito o
decoro nacional mais do que nos ? Ser por
"i que destruisles s para vosso interesse a
lei Tundamenlal que poda competir a to-
dos os respeitos com as que vogam na Franca
e na Inglaterra e que estas nacoes s conse-
gu ram depois dos mais pesados sacrificios ?
Tendes opprimido no Interior os vossos ad-
versarios tendes explorado a revoluco de
setembro s para vosso pmveito ; e vindes a-
gora pretender encubrir com o manto do deco-
ro nacional os vossos attentados como Tazia
o cardeal de bichelieu com a sua sotaina ver-
m Ahi esto publicados os documentos da
queslo que se agita ; qnem nao Tor offuscado
por o espirito de bando, ver que houve
occasio de negociar sem que em nada se
mancbasse o decoro naeional porque nao a
proveitaram os ministros essa occasio' ? Nao
sahiam qual seria o desfecho provavel d'uma
prolongada negocia .ao ? que meios tinbam
qisposto para ciinjurar a tempestade j que
liveram a imprudencia de a provocar ? Nao
conheeiam o estado do interior do paiz ; nao
conbeciam os recursos de que podiam lancar
mo o qu pediam os vwdadeiros interesses.
da naco e as circunstancias ?
1 endes sido feli/es as violencias que pra-
ticastes para com vossos concidadOes assen-
taveis que o vosso procedimento para comas
estrau<;ciros seria igualmente bem succedido ,
nao duvidais sacrificar a naco aos vossos
desatinos E de nos que avisamos o puplico
do laco que llie queris armar dizeis qui
estamos vendidos aos inglezes Vos tendes o
cuidado de o desengaar vos bem mostris
que o que vos punge que a influencia mi-
nisterial sia das mos dos vossos ; vos trazeis
em projeto se bouver mudanca ministerial
apresenlar em publico a vossa procisso e
diser que a naco que pede ou que manda ;
a na o de que vos Tasis um manequim como
vos parece e que at- mandis correr a ccete,
quando vos nao anda Teico Tendes re-
petido taas vezes mas Tarcas que ja vamos
saliendo prognostcar a seu respeilo assim co-
mo as gentes do mar vo conhecendo do lem-
po por a muila practica.
Nao podemos prever o que aconterera : mas
parece-nos que se vai aproximando a epocha
em que lem de cessar o e eto dos vossos em-
bustes : ajuizamos em vista do que se passa
em mis que tendes algum presentimento a
esle respeilo. Quando no rosto de todos os
liberaes trans usa a alegra poros aconteci-
meutos da Hespanda parece que nos vossos
s se divisava palidez; a vossa lingoagem ,
sempre nolavel por a vehemencia. pareca
que tinha alravessado por o gelo da Siberia ,
similhaveis-vos aos lyrannos nos momentos
que precedem a sua queda-
E nao tslranbams que vos mesmo conhe-
cais que o estado violento em que tem esta-
do a Pennsula nao pode durar -, que ao im-
perio dos clubs hade succeder o das leis
esta tendencia das duas nacoes : esta a ten-
dencia das nacoes que por as suas circunstan-
cias esto em estado de influir as outras E
provavel que enlre nos aconte a o mesmo que
na l ranea e outras nacoes, depois de pasta-
ren por as borrascas porque nos passamos,
ora se mais cedoou mais larde temos de en-
trar no eslado que referimos se parece estar
prximo o comeco d esla epocha para que
pretendis retarda-la sem esperanzas de que
o consigis E lo pouco o vosso patriotismo
que nao receeis expora naco a novas cala-
midades s por utilidade vossa e sem pro-
babilidades de que coibais d isso Tructo al-
gum ?
Aprende! a discutir e nao appelleis para
is paixes ; pois que sin s ser ve de vos desa-
creditar anda mais, se possivel : o imperio
dos grandes palavrdes j psssado.
Em setembro de 18 Jb' anda os vossos em-
bustes puderaro produsir tffeiio: porem a
experiencia tero sido dolorosa e tem desen-
gaado muita genle ; airas, de mim vira qnem
bcm me Tara diz o adagio ; vos tendes Teito
boa muila gente.
I Queris Tazer-nos passar por miguelistas ,
e nunca houve pretendi mais ridicula : n'es-
te peridico ninguem eserev* que lenha usado
da real eftgie e quo nao lenha ttulos incon-
teslaveis de affeicoado a' mouarchia constitu-
cional representativa Vos que nos ****-
cois laogrossrira calumnia tendes ou tivesles
entre os vossos collabo^adorw quem miara ,
s para fazer mal, indagando sens maHuidoa
tinbam ido enmprir o degredo feHanJos-d e-
te por serconhecdo como faeanhudo poroue
os outros sao porlugueies que nunca foi Hi-
ten io nosso injuriar.
( P. dos Pobres no Porto ).
Os peridicos de l'ayona ptiblkam certa
correspondencia de Cabrera dirigida uns
commissionados inglezes que se diz terem suio
enviados pelo governo brilannico junto ao che-
Te rebelde no Arago.
Nio reproduzimos o que sobre isto insirem
os peridicos da Tronteira porque nos cons-
ta que o Tacto em que se funda a verso de
pura invenco O governo Inglez nao man
dou taes commissionados a Cabrera nem a-
brio com elle negociacoens de expecie alguma.
Este cont foi produzido pelos leg'rtimistas
Tracezes para diveTlir o mo humor que Ibes
'cauaram os accontecimentos do Norle e pa-
ra exaltar o hroe em quem f andam agora
todas as suas esperancas de que se prolongue
a guerra civil. (i orreio Nacional )
Correiode Lisboa de 8 de Outuhro )
Avisos Diversos.
tsr Vende-se urna canoa propria para ti-
rar entnlbo a qual caTrega selecentos tijollos
de alvenTia : na ra Nova loja de I- erreira e
Hraga ou no armazem de roadeiras de Do-
mingos Jos de Azevedo na mesma roa
tST Joo Hoptista Uiniz Pessoa Taz sc-
enle ao publico que pertende abrir aula das
primeiras letras emeasa de sua residencia no
atterro das Cinco Ponas casa contigua a do
Padre buiz ; que arrancha Sertanejos. Os
Alumnos q' quizerem-se utilisar do seo pres-
umo sero ensinados com a. perleico qu se
requer ; assim a curar a molestia de golta co-
ral asma e outras que se offerecer.
G^ Hum l'ortuguez de idade ao annos
deseja-searranjar em alguma loja de fatendas
do que Wm pratica se alguma pessoa precisar
do mesmo annuneie.
tsr Preciza-se de hum feitor para traba-
lhar em hum sitio perlo desta praca ; quem
esliver nestas circunstancias dir j-se ao For-
te do Mallos a fallar com Ylanoel Antonio R-
beiro.
tsr Aluga-se uina casa para se passar a
Festa no lugar denominadoCasa Forte
defronte da lgreja quem a perlender dir*-
ja-se a ruadas Crus.es na telina de Tanoero
O. 1.
' k?- Urna parda se oflerece a ser ama de
uma casa de porta dentro cuja tem de dar
um restante de sua alTorra que he cento e
dezeeeis mil rv e por isto pede a quem este
negocio queira Taser pagar-lhe ste restante
e receber a sua Carta at pagar-lhe o dinheiro
do emprestimo; noseuservico pelo preco e
tem pn que ajustar bavendo descont ao pre-
mio do dinheiro que occorrer -, dirija-se no
Estaleirode Joo Thomaz ao p do Armazem
do5al.
|. t*r Urna crioula forra, capaz oflerece-
se para cervir em raza dequaiquer Sr sol-
teiro ou mesmo ca/ado com pouca familia
sendo de portas a dentro pois proponhe-se
a cozer em gomar e lavar de sabao quem
deseo presumo se qnizer utilizar derija-se
ao beco da Noronha lado direito loja de
porla, o janella encarnada oride mor a Sra.
Jert rudos.
tsr No Mangoinho defronte do sitio do Sr.
Francisco Antonio deOliveira vende-se um
carro de quatro rodas para um ou dois cavol-
los de duas pessoas com assento atrs para
creado em bom uzo ; e uma parelha de
cava los com os compelerles arreos.
tsr Hoje, 11 do crreme Dezembro pe-
las qaatro horas da tarde na ra dojlagun--
des porta da caza do Sr. Dr. Aires, Juiz da
terceira Vara do Civel tera lugar a ultima
praca e infallvelmente se arrematar a quem
mais iler o terreno do Forte do Mallos, con-
tiguo prensa do Sr. lavares avahado o pal-
mo a dez mil res.
t3T Troca-se um molatinho de idade de
qunze annos com principio ile carpina por
uma negra nova sendo mossa ; quem per-
tender dirija-se a ra de I fiereza U. treze ,
que achata com quem tratar.
tsr Precsa-se de quatro contos de res a
premio com hypotheca em predio nesta praca
de muilo maior valor ; quem quiser dar an-
nuneie.


i n
4
DIARIO DE PERNAMBL'CO
tsy O Baeharel Casseniiro Jos de Moraes
?amiento avisa a quem convier que mu-
douasua residencia para o segundo andar de' ne arribada a este porto, a saber varios
urna casa, que fica defrontc da Igreja de N. quintaes de cobre velbo de forro de navio ,
S. do Hoza i o ; quem eom o mesmo ti ver e pregos do mesino mcame de oilo polegadas,
que tratar o poderur procurar das 8 horas da um leme um maslro grande de polegadas
eporconta de quem prtencer, os scguintesl r Dois patafivos i bicudos e oilo co-
objeclos usados da Barca Ingleza Lord Cocina- ris ; as lojas do sobrado do Costa na tra-
vesa de *. Jos D. -.
or Um sitio grande na estrada da Ponte
manb as 4 da larde.
tsy O abaixo assignado faz sciente ao res-
peitavel publico que pessoa alguma faca ne-
gocio rom duas letras que desaparecero da
casado abaixo asignado, de 45o ooo cada
urna sacadas por Matbeus Auslin & Compa-
nl'ia e acceilas pelo abaixo assignado, aven-
cer urna a i de Mar o e a outra a 4 de Ju-
niio prximo viudo uro de i8/fo as quaes
protesta o abaixo assignado as nao pagar, pois
qne ficao sem eeilo Jos Zacaras de Car-
valho.
tsr O Sr. Reverendo Sacerdote que tem
annunciado querer dizer missas al Fevereiro,
3uerendo dizer em urna Igreja nesla praca ,
iri ja-se as 5 ponas sobrado da quina do lle-
co da lnha \). la.
ssy A Irmandade de N. S. da Estancia ,
faz sciente ao respeitavel publico para que iiin-
gucm contrate negocio algum com a viuva do
fallecido Coronel do Regiment velbo de Hen-
riques Dias, Joiquim Ramos de Alenla ou
com sua ora sobre a venda de urna casa no
lugar da Estancia qne tundo sido illa feita
pelo referido Coronel para N. Sen hora sua
roulher lin-se arrogado o dominio da mesma,
cbegando a pontos de a dar em partilhas a
urna sua ora, e tanto a casa lie de N. Senho-
ra, que para ella concorrero com esmolas de
Joaquim Pereira
prelencer
porcouta e risco de quem
materiaes e dinhciro os'rs Capilo l'ra-
ga morador na estancia Rufino Jos de Al-
jneida Joo Jos Pereira dos Anjos, Jos
Denlo, Vianoel Ferreira. Jos Ferreira,
Luiz Ferreira Campos e oulros ruis cujos
nomessc ignora.
cr Roga-sea toJosos Irmos da Venera- tST Um sof de rondoru' ou angico em
vel Ordera Terceira do S. P. S Franciscano bom uzo ; quem tiver annincie
desta Cidade do Recite que tenho ahnda-
le dimetro em perfeito estado, urna poni
.le cabos de difieren tes bi tolas um mastaro
de 4 ps por ia polegadas urna bujarrona
de 4 ps por onze polegadas e diversas ca-
vilhas de cobre, e de ferro, quarla feira i
do corrente as onze horas da manb no trapi-
che do Vianna na alfandega velha.
tsr Joo Stewart Consignatario da Barca
Ingleza jMary-Charlotte-Ueber arribada a
este porto tendodedisporde parte da carga
da mesma' Barca para oseu casleio e concer-
t que necessariamente tem de fazer neste por-
to faz Leilo por inlervenco do Corretor
Oliveira quinta feira ia do corrente as o
horas da manb em ponto no seu armazem
da ra da Cruz de muitos artigos a saber -
chapeos de seda para homem ditos de palba.
merino fino cobertores de algodio finos co-
lares de ouro requissimos Mlircias, cassas
lavradas ditas de cores chitas, lencos para
Senhora gangas enramadas briol de linlio
escuro pratos de porcelana coi va corno*
de Ucha com casa muito grande toda en-
vidrassada com tres salas grandes Onze
- piarlos ro/.inba fora copiar casa de farr-
nha estribarla para 6 cavallos casa para
l'eitor e negros com muito arvoredo d
rulo de todas as qualidades, e muito caf
duas baixas para capim e muito terreno pa-
ra, plantacoens cu jo sitio se vende melade a
isla e melade a praso a tratar na ra Di-
reita D. > ou no mesmo sitio*
tST Urna molata de o anuos de idnde, Com
bom leile para criar urna enanca cose en-
gomma e faz todo o mais servico de iwna
tasa duas prelcs mocas urna dellas en-
gomma cose e cozinha um preto ptimo
para todo o servico : na ra de agoas verdes
cisa terrea D. 3.
cr Rap de Lisboa em libras e as oitavas
n nliarenta ris e dito roso e cartas fins
francezaj, na ra do Cabug Uva do Sr. Ban-
deira.
X*y Ba prinoeza mu'o nom a Monris,
prximamente rbegado de Lisboa e bichas
de lo los ns tnm.inhns ; na ra do Vigario ven-
linas e cabellos para Senhora e muitos o-da de'Vimotlieo Pinto Leal n Irrnta.
tros objectos cnmprchenlendo urna porco de
tST Meias prelas para senhora lilas para
taboadode pinho existente na all'aniega, on- pnn a ^00 rs 0 pnr < j,,,, abortas nara me-
dc os Srs. prelendenles o podem examinar com ,,;, ono na rlia da raXeia do Recife,
unlieipago. |0a de Joo da Cimba Vagalhes.
y- I e urna porco de ma.iteiga Ingleza | tsr rmn Paula decano nova, com 4
boje 11 do corrente, no caes da al'andega de- r|,3Vp<; de prata por o.oon : na ra do c*-
fronts da escadinba no armazem de Antonio 1,,, |0;a :nntna do Sr. Ferrn.
C o m [) r a s
de de compareceiem no Consistorio da mesma
Ordem no dia Sexta feira ti do corrente as
3 horas da larde para continuar a discusso
yendas
tST Na ra do crespo r*. S do lado do sul
um cava I lo ruo escuro bom rarregador.
tST Ps de pirreira rusralel em eaixnrns
eouve a repolbo a *Pn n cenlo para plantar,
um raxorro preto de filia ; na ra Dirita De-
cima 3{
C7" Tres molers de nacn de idade de ? 1
a iq annos tres m
escrava de nome Atara, de naco cacange ,
representa 17 ahilos de idade estatura baixa,
meia fulla cara redonda dentes de cima li-
mados levou ferro nd pescoco he bem co-
nbecida nosaUogadns ; quetn a" pejjar leve 06
\londego casa junto ao siliodo-Major Costa ,
que ser recompensado.
tjy Fugio nodia primeirO de De/embro,
Feliciano creoulo escravo d Izabel Tbe-
resa de Jess moradora na ra do Amorim ,
representa ler 9o annos de idade he alto ^
magro e bem preto, tem olhos grandes, ros-
to comprido e pon jo' barba no rosto leu!
urna sicatriz nutra no braco esquerdo, ed-
tra no meio dos dedos de um p, golpe de ma-
chado que no trabalbo de cafpina, anda com
camisa e calsa branca muito' sujas e sem
chapeo ; quem o pegar pode leva-lo' ao dito
lugar, que ser recompensado.
fc3* No dia 9 do corrente fugio um preto
de nome Andr estatura recular, rosto com-
prido olho9 vivos seoco do corpo de ida-
de p'iuco mais ou menos --o annos falla com
alguma arrogancia e levou vestido urna cal-
sa de brim de litras e camisa de madapolo ;
quem o pegar leve a ra do Queimado lora de
Novaese Bastos* '
CT Fugio um negro ne dia 8 de Dcem-
bro de i 8 i), de nome Jos do gento de
ongola, deidadede >() anuos, estatura or-
dinaria bem parecido, com algumas ica-
tri/es as cosas e nos bracos ; quem o pe-
gar leve no Recife no I eco do campelo J ,
que ser recompensado.
tsy Vodia^do p. p. fugio do engenho
Marau' ribeira da 1 a rali iba e perlennile ao
Mosleiro de S. Benlo (taquera Provincia o
eseravo creoulo de nome anoel Juauuim ,
official decarpina natural do engenlio caa-
busrii sem baria, levando um caballo ru-
co pedrez bem condecido as freguesias do
Calo, S. Amaro de Jahoalo e lisiada, que
abi aprendeo o ollicio com Manoel de tal Frei-
olonne, denaoo, de ida- ,as l,a,rd l"^11 ^^ixoassignado ler-se au-
s, t,m escravo de naca o de *enU.do pnra ^5''" 0nde lem. m5i 'ama-
ro
t^T" Folbinbas de algibeira ; rontendo
de seus estatutos c se espera de seu cosluma- alem do Kalendario &c a confisso do ma- dianVde um casa, estes esoravos tem mui ln-
dozello queestejo reunidos no dito con- rujo e um Lialojo entre um Algaravio e das figuras e nao lem Vicios, nem achaques;
cistorio a hora marcada, a (m dse adiintar sua Mara -. a j.'o ris cada urna; Ditas de na na dea^oas verdes O, \
quanto l'or possivel aquellc tribalho. dita, dita, dita com anedoclas, historias, bons ur Na venda das 5 pontas D. 5i dois
tST Quem quiser alugar um moleque la- dictos &c aa4o; ditas de porta divididas em cvalos gordos c com bons andares,
dio com principio de cozinha ouparaoutro semestres, a seis vintens o anno ; ditas Ec- ts?-. Dez a 1 caadas de vinho toldado na-
qualquer servico dirija-sea ra da Madre clesiasticas a pataca; na praca da Indepen- ra reslilar afoa-ardentedo reino, e urna ha-
de Ueos defrontc da Igreja n %f, dencia loju de livros n. 3- e 38 na ra do |aCa com mares de .piarla para ourives ; na
tsr OfTerece-se urna parda de meia idade cahuga loja do Sr Bandeira no bairro d> ra de S Tbereza D i3
para ama de casa de familia, ou mesmo de Recife na ra da cadeia loja que foi do Sur. $^- Eseovas e esponjas para lavar carros-
algum Sr. solleiro a qual se sugeita a todo Quaresma ; defronte da Igreja da Madre de. na ra nova loja 11.
oscrvico.de portas a dentro ; quem dola pre- Dos venda da quina do beco do a/.eite de cj- Xaropes de groselhase" outros de u-
cisar pode dirigir-se a loja do sobrado da qui- peixe ; defronle da Matriz da Boa vista perior qualidade ; na rua nova l>. 7e /i.
a do Peixolo confronte a fortaleza. botica d Sr. Joaquim Jos Morara j e em tST Na rua da moeda armazem defronle da
tSf O abaixo assignado precisa fallar com Ulinua Botica da nu do Amparo.
o Sr. Vicente Ferrer Pessoa e como se igno- tsr Urna porco de barrii eom mel de fu
n sua moradia por isso se convida a compa- ro e outra de cocos seceos ; a traz de S Jos bhecide e approvado vinho do' sanguinha
recer no termo de tres das na do abaixo assi- D. 6 lado do sul. como 0 mei|10r quc vom {)e Lisboa r e_
'{nado.-Francisco Ferreira de Mello. 1 tST; Presuntos do Porto muito novos a 5,{o coeommodo, e se declara que os que o com-
nr QualquerSnr. Reverendo Sac-erdole rs. a libra paios e lingoissas, manteiga a 3-o prarem para fora desta Provincia lhe custa
que quiser dizer as missas do Natal, de S rs. dita, e de tempero a i'o. e barris a oito menos sete mil e du/erilos rs. do
Thom al o dia de Reis distante desla pra- mil rs. queijos a 90 vinho do porto a gos a sabida da alfandega.
CB9 leyoas, com boa esmola dirija-se ao it'o a garrafa e caada 1110, c todos os mais ssr Um escravo pardo, mo o de bonita
pateo do Carmo I). 5 no segundo andar.
de de > a i* annos ,
idade de o anuos proprio para todo o servi- ,,er(>sa. ou P",ra as Pa.r do Cabo on-
duas esclavas. enTomma-o e rozinbo o ds ,em Pal fiamnt]o omingos cujos p,es
torao escravos do mesmo Aiosteiro : lamnem
fugio no dia K e do mesmo engenbo o preto
Andr, de idade de i5 annos vestido de
vaqueiro. cu jo emprego tem e levou urna
besla castanha ; quem os pegar leve ao dito
engenbo, 011 em Olinda no Mosleiro de S.
Benlo, que receher de gralificaco 100,000
por cada um. Fr. Gqldinode S. Ignez Ara-
ujo D. Abbade de S. Hento da Paiahiba
S2T No dia 7 para i do corrente as 7 horas
da noiledesapareceo um preto de naco an-
gola de idade de 18 annos pouco "ladino ,
do lugar do atierro dos adogados, da casa d
Jos Moreirada Silva, com os signaes se-
e camisa da mesma com um panno da costa-,
quemo pegar leve a loja de traste na rua es-
treila do Rozafio D. ab ,
sado.
consumo,
pa-
r. gneros por precoeommodo: na rua largado figura sem vicios, e proprio para page
*3s Perdeo-se urna luir da quantia de Rozai 10 defronle da Igreja vendada quina De- na pracinhado Livramcnlo D. 33.
111
Escravos Futidos
qu.itni tentse e ao* sacada por Jos Higino de cima 16.
Miranda nodia jb de Setembro do crrenle tST Urna negra creoula, moca cozinha o
anno a seis mezes ; e asseila pelo Snr. Jos diario de urna casa com principio de costu-
Joaquim Bezerra Cavalcanti, pagavel ao mes- ra faz renda, e excellenlc engommadeira ; t2J* Fugio no dia > do correnle
mosaeador ; quem a achar leve a Jos Hi- na rua eslreita do Rozario^ D. 1 'no segundo horas da noile urna prela de nome F
gino de iV.iranda que recompensara.
Avisos 3artanos.
felas 10
Blinda ,
quesera recompen-
Muviitiento (lo Porto
NAVIOS SAI1ICCS^0 HA
10.
PARA LISBOA o Patacho Portuguez Pa-
Suete da Tercena annunciado para a liba de nada a 200 rs. e outras militas miudesas por
. Miguel transiere a sua viagem para Lis- preso commodo ; na rua do Cabug loa De-
hoa com a carga que ja tem a bordo
an{*ar' I creoula, fulla de idade de >.o annos boi-
W* Fitas de garca lisas e lavradas, eslrei- : ta figura tem um la lio na testa procedido da
tas doo rs. a vara e largas a 400, guarni-| urna queda tem as costas toda alanbadas
toes de todas as cores a tico rs. a. vara
preta de escrever a f-'o rs. o boliio e e :ar-
e reee-
he o restante caixas e barricas a a 5o rs. ,
e sacos a aoo ris a arroba e sahe impreteri-
velmente no di 20 do corrente ; trata-sc cgt.
A. F. dos Santos Braga, rua da moeda nu-
mero lia.
PARA O MARANHA0' sahir at o dia 16
do corrente o hrigue Escuna Carolina forrado
a pregado de cobre ; quem no mesmo quiser
carregar ou ir de passagem para o que tem
excellentes commodos dirija-sea F fti. Ro-
drigues & Irmos na rua dos tanoeiros nu-
mero 1 a.
PAKA O CEARA' o BerganlUn Brasileiro
Boaventura ^aheatodia ao do correnle ;
quem quiser carregar dirija-sea Manoel Jo-,
aquim J edro du Coala ruada cadeia n. 1.
Leilo
> tr Que faz Me Calmon & Coaripanhia
por ntervenco do Correlor Oliveira em
prMeuca do gcnle dos seguradores JJoyds ,
cima 3*
tsy Um sitio na estrada dos afilelos com
boa casa de vivenda porto, cacimba, mui-
tos arvoreus dw fruio em ierras proprias ,
e nma morada de casa terrea no pateo do Car-
mo D 7; a tratar na rua da Conceico da
B>a vista I) 3o.
tST" Um selim em bom nzo aparelhado :
no armazem de vidrosao lado da cadeia.
tST Na venda nova na rua do Kangei D.
4 na quina que volla para o trem sacas com
arroz a 9 e 10,000 e de casca a 4000.
tsr Chitas riscados, e elidas de muito
bom panno e tintas fixas a 1(0 rs. o Cava-
do panno de linho de portugal, sarja dt
seda preti de superior qualidade ; setineta .
luvas e meras de seda para senhora e para
homem meias de algodo de lodos os tama-
itos e outras militas lazendas por muito c-
modo prego ; na rua do Crespo loja U. la d.
Francisco Jos Teixeira Bastos,
tsr F,u ullos em sacas de superior qualida-
de a 3ooo a ca ; Ba rua da-Criu D. fco.
tinta quem a pegar leve a rua do Queimado I), 7
loja de l.uiz Jos de Souza quesera recom-
pensado.
tST" Nodia 3odoj>. p. fugirodo engenbo
la rangei ras don sesera vos sendo um de no-
me Antonio creoulo de idade de a* annos,
l'aixo grosso barln feixada com falla de
algtinsdenles na frente peinas um lauto ar-
quiadas, camisa e seroula de algodo, e ja-
queta de riscado ; a oulra caba clara de nome
Luiza alta e secca com falta de denles na
lente, tundo os dedos grandes dos ps mai-
ores do que devem ser tem em urna das fon-
tus marea de ventoza, cujos escravos linio en-
ronli ados em camiubo para cssa praca ; quem
os pegar leve-os a rua L-ireila D, 4' 1 ou ao
dito engenbo <
tST Au/entou-se no rorrete mez urna es-
crava de naco costa de nome Josefa de
idade de 3o annos altura regular secca do
corno cor fula nariz chalo com urna mar-
ca de ferro de sua Ierra em cima da ponte do
iariz um dudo rande alelado em urna das
iiiot e ps pequeos ; quem a pegar leve ao
(Ierro da Boa vista n }> |We ser recompeii-
ttdo.
13" Fugio no wbbado 8 do correnta urna
LISBOA; Brigue Portuguez Africano Ca-
pilo S verio Manoel dos Reis, carga ge-
nero* do paiz passageiro portuguez o Dr.
Antonio Carlos Coilinho Juiz de Direito
*da provincia de Angola e o seu criad >
BABCK ONA, eom escala pelo Porto Rico;
Brigue Fscuna Hespanbol Fama Capilo
Antonio Colomer carga algodo
BARCELOS \ com escaa pelo porto Rico ,
Mislico Hespanbol Nonentina, Capilo Pa-
blo Alxina carga algodo.
ENTRADOS NO DIA 10
ASSU'-, i5dias, Brigue Nac Matildes de
. ; 00 tonel. Capilo Antonio Jos dos Re-
is equip. '\ carga sal ; a Jos GonsaU
ves ferreira Costa
RIO! E JANEIRO Babia, Maeeio ; .-di-
as Paquete de Va, or ]Nac. Paranhence r
Caplo Bucby tfaz mallas, e passageirns,
de/embai cando estes antes do registo a
bordo.
OBSERVACOENS
Fudiou no lameiro e segu para Santos o>
Bri;,ue]Sac S Maria Bea Surte vindode
Guamar em odias Capilo.Jos o-
aquim I lias dos I ra/eres carga sal e pa--
lias ; passageirns Jos da Silva Porto, r
Joaquim Xavier da Cunha.

'. '" '"< na iiu'i um iu nniM 111 mi 11 unir na t* l'
moradia do Sr. Braga velbo em pipas har-! u.,nles eslatu,1a regular rosto comprido ,
- vis e garrames do" superior e ja muito 00- heieos grossos levou vestido calsa de estopa I
( ,,1,,.,.;.I, > -.n^A,J. ..:..k J' .___:..ui e camisa da mesma com um naimn da nwia.
itEQFESAXYP. DE M.F. DE F. 1M9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHYE0C0T9_9NWG6A INGEST_TIME 2013-03-29T16:29:20Z PACKAGE AA00011611_03969
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES