Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03966


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno DE 839- SABB4Dd
i
Tudo agora depende de nos roesmos; da nossa prudencia, moderad
cao, e energa : continuemos como principiamos e seremos apontadot
con admiracoentre as IWoes mascullas.
Proclamaco da Assemblea Geral do Brazil.
Subscreve-aepara esta fo I ha tlfooo por qnartel pagos adiantadoi
ncsia lyj.ograia, ra das Cruzes 5, enaL'racada Independencia
D. 37 e 58, onde se recebem correspondencias legalisadus, eannuucios
nsirindo-se estes siatis, sendo disproprios assignantes, e vindosassig-
raados.
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidadeda Parablba e Villas de sua pretenco................*')
E ?0. Hila da Fortaleza c Villas dem.........,................\
Villa Cidade dt- Olinda...............j ....... .'....... Todos os dial.
Villa deS. Antiio............. ...................Quintas Cairas.
Dita de Garanliiins e Povoaciio do Bonito.................... Das lo, e ai de cada mez.
Dilasdo Cabo, Serinhaeni, 11 io Formozo, e Porto Cairo ...........dem 1 11, e 21 dito dito
Cidade das Alagoas, e Villa de Maceid............ a........ dem Idein
Villa de Paja de Plores..............................; dem 13, dito dito.
Todos os Correios pc.rtem ao meto dia.
r' I
7 dk Dezempbo. Numf.ro 2C&
caMhios.
De/.embro. 6.
Londres......33 por Ifooo ced.
Lisboa....... So por 0/0 premio, por mcmi oerecido.
Fianca....... seris por1 franco.
hio de Janeiro ao par.
URO Moedas de 6j4oo r Vellias ilftoo a tfiod
n t)xla IV o vas ti/loo a i<<*>
" Ditas de PKATAPatace Rraxileiros ----------ifiao a t#5io
|Peios Columnarios -.......i#5ae a i|5 a Ditos Mexicanos------------------\jtoo a i fiza
Premios das Letras, |>or mez I i;8 a 1 ijl.por loo
Mocda de cobr 3 por ioo.de disc.
Dias da Semana.
i Segunda S. Bibiana V. M. -------- Nio lia despacbo.
3 Terca--------S. Francisco Xavier Ap------ Heladio e Aud. do J. de D. da 1. rara de manbj
4 Qtinrta-------S. Barboia V. M.------------- Csalo da Thei. Audiencia do J. de da a. i
5 Quinta-------S. Geraldo Are.-----------Re., aud do J. de D. da a. v. '
6 Sexta---------S. Nicolao B.-------------------- Ses. da Tliez. a"ud. do J. del), oa i, .
7 Sabbaiio S. Ambrosio B.------------------ Re. a audt do J. de D. da 1 v. da mt. '
8 Domingo a. do Advento Conceico de N. S. --
Alare cheia para o dia 6 de Dezembro.
As G horas e 6 minutos da manhS As 8 horas e .10 minutos da tarde."
' I
PEKNAMBUCO.
roMMANDO DA* ARMAS.
Expediente do dia i do coi rente.
Officio-Ao Exm. Presidente propondo pa-
ra demica os soldados do Deposito Daniel das
JNeves e Pedro Jo.iquim Maxado os qunes
tendo sido inspeccionada pela Junta de Mude
em sessao de Itoje forao julgados inhabilita-
dos para o serv,o das armas.
Dito-Ao Exm. Commaudante das Armas da
Bahia aecusando recehido o seoofficio de la
de Ouluhro ultimo. que aeomnanhou a gua
do soldado invalido Joaquim Antonio ( do i.
Batalho d'Artilheria ) o qual nesla data
havia feilo MU a presen* a cao.
Dito-Ao Director interino do Arsenal de ,
Guerra communicando-llie em resposta io
seo ollicio de 7o de Novembro ultimo, que por
falla de Cornetas dei-a va de fazer passagem
para a Companhia d'Artifices m dos d'Ar-
tilheria; maisqueem attenoo a necessida-
de que de tal piuca trato* esta Companhia ,
havia ordenado ao Commaudante do 3 Ba-
talho Ihe mandasse aprc-enlar o Corneta
Antonio Surhona Gomes que devena fazer
0 servico da Companhia. ubrigado todavia a
comparec ment do ensinb dos Cometas do
Batalho.
Dito-Ao Commaudante interino da Forta-
leza de Tamandar aecuzando o recehimento
doi seos officios de 90 e -6 do p. p. mez e
1. do corrente e disendo-lbeque o Almoxa-
rife Damiao Jos d'Albuqucrque conduzia os
vencimentos do destacamento no trrenle mez,
com o que ficava remediado o inconveniente ,
queapoulavaem seo diloofficio.
Dilo-Ao Prefeito da Comarca deprecan-
do-llie a prisao de um desertor do i l'alalho
d Artilberia cujo nome e siguaes lbe Irans-
mitlia em urna nota.
Dito-AoCommandanle interino do 3. Pala-
Ihd d'Arlilheria ordenando-lhe, que pelo
Almoxaril'e da Fortaleza de Tamandar Da-
miao Jos d AIhuquerque fzesse remessa ao
Commandanle da nirsma dos veneuieulot
do destacamento do liatalhao do seo 1. oui -
mando no presente mi/..
Dito-Ao mesmo reincllendo-lhe a guiado
soldado invalido Joaquim Antonio que se
lhe apresenlaria.
Dilo-Ao mesmo ordenando-lhe que man-
dasse apresenlar ao Director interino do Ar-
senal de (ucrra o Corneta Antonio >urbona
Gomes, que ficaria fasendo o tarrico na Com-
panhia d Ar tifices sendo obrigado com tudo
a comparecer no eusino do Batalbo.
Porlaria-Ao Commaudante do Deposito ,
mandando dar demiro ao soldado Francisco
l'ernrdo por haver completado o seo enga-
janmento sem nota, e nao querer continuar
110 servico.
Dila-Ao Commandanle do 3. Ralalho de
Artilberia, mandando escuzar do servico ao
toldado Emilio Xavier Sobrcira por h\er
terminado o seo engajamenlo.
THEZOURARlA PROVLXCIAL.
EDITAL.
O' Inspector da Thezouraria das Rendas
Provnciaes faz publico que perante a mesma
Thezouraria em os dias 18 19 e ao do cor-
rente as 11 horas da manha se ha de proceder
imprelerivelmente anemalaco dos rendi-
mentos da Taxa das Barreiras estabelectdas as
1 onte. da< Magdalena; e Carvaluo, a queol
mais der por ellas
As pessas que se propozerem a osla arre-
matarlo compnreco nos dias cima indicados ,
munidas de Fiadores idneos. E para cons-
tar se mandou atfixar o prezente e publca-
lo pelo Prelo.
Thezouraria das Rendas Provinciaes de
Pcrnambut.'o 5 de Dezembro de '"3p.
Joo Baptista Pereira Lobo Jnior.
Diversas Reparficoeus.
ALFANDEGA das fzendas
A Paula be a mesma do numero a6>.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do n. a65.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
RECIPE.
3. Sessao ordinaria de G da Novambro de
Presidencia do Snr. Barros.
^argo
^ompareceraO os
corridas de saude sendo vencidos os Snrs.
Vereadores PessOa e Oliveira.
Comparccerao os Snrs. Joao Francisco Bas-
tos e Dr. Antonio Joze Pereira que pres-
taro juramento e tomaro posse ao C
de de Nereadcrcs Supplentes.
A Cmara nomeou urna Commissao com-
posta dos Snrs. Bastos | e Doutor Pereira pa-
ra apresenlar Relatorio e Orcamento da
receita c despesado anno futuro que decor-
redo 1. de Outubrode i84o 3o de Selem-
brode 18^1 para ser presente Assemblea
Legislativa Provincial.
O Snr Vereador Pessoa pedio 3o dias de
licenca e Ibes forao consedidoi.
Uespacliarao-scalgtins requerimentos. E
por ser dada ; hora levanlou-se ; Sessao ; e
mandarao fnzef a pre;ente em que assignaro.
E eu Fulgencio Infante d'Albuquerque e
Mello Secretario a escrev.
Nao he porem exacto que taes fossm os firis
para que o Ilustre estadista inglez deu tanto
desen-olvimenlo ao systema dos emprestimos
obi gado a defender Inglaterra eru todos os
pontos da Enrona e mesmo alm elle cqm-
prehendeu aliladamente qanlo rnporlava
fundar huma poltica uniforme, organisar
huma resistencia commum. Foi pois dbaixo
de taes vistas, que o governo inglez pz em
aeco todos os recursos do seu crdito para en-
viar subsidios quantiosos a todos os goiernos
da Europa contribirido assim para librta-
los do terrivel e magifcd jugo da Franca que
havia conseguido bastear o pavilho tricolor
em Vienna em Berbm em aples em
Madrid, em I isboa e at mesmo em Moscow.
Alem disso a Franca tentn hura desembarque
as costas da Gr-Bretanha que pTojectava
e entSo preciso foi defender A inde
Presdente. Souza Pessoa Oliveira ,
gueredo, Bastos.
PREFETTTJRA.
PitlTE DO DIA 6
Snrs. Pessoa Souza ,
Oliveira ; Figueiredo e Haslos ; faltando
com catiza os irais Snrs.
A berta a Sessao e lula a Acta da antece-
dente foi approvada.
O Secretario dando conta do expediente
mencionou os seguinles officios.
Um do Exm. Ministro e Secretario de
Estado dos Negocios do Imperio remetiendo
copia do Decrelo dactado de i 2 de Outubro
determinando orde.'i numrica das pessoas
nomeadas pela Assemblea Legislativa desla
Provincia para evercer o Cargo de \ ice-Pre-
sidente : inleirada e que se registasse no li-
vro com pelen le
Otilio do Exm. Presidente da Provincia or-
denando que esta (Jamara mande lom ur-
gencia proceder .1 neeessaria vsloria no sobra-
do ein que ora exisle Peparlicao das 0-
luas Publicas que esl.i com o desaprumo de
dois palmes, como (c ver o Inspector da-
quella 1 eparliao c (ue por isso oilerece
eminente pe igo tanto aos Em pregados da
dita Reparlicao como ao Publico.
Outro sim mandasse esta Cmara retirar
da Caza tios Jurados todos os movis e mais
pe tences para andam.i nto e conclusMO da
Obra que se esl faendo naquelle Edificio;
em quanto ; 1. parte resol veo (amara, que
o Fiscal do Bairro do Recife pacasse quanto
antes la/.er com Peritos os exames oecessa-
ios no sobrado em que existe I eparlieo
das Obras Publicas e partecipasse esta C-
mara o seo resultado ; em quanlo a parle
que se oficiasse ao Exm. Presidente para que
houvesse de ordenar ao Inspeelor Oas Obras
Publicas para que rnlregasse a Chave da Sal-
la da Cadeia em que anli/nmente se cilrlr.i-
va as Sesses desta Lainara. jwra nella
guardarem os movis, e
cazados Jurados, visto esta
oulra ncm huma casa ena |ue possa accom-
modar os referidos movis.
Outro do Sur. Vereador Carneiro nartec-
Eando achar-se doente por isso impossi-
iltado de poder comparecers Sesses desta
Caara ; inteirada.
Entrou em discusso o olicio do Exm. Pre-
sidente da Provincia, que eslava ddiado
desde SessSo de a5 do zolvco Cmara que se continuasse fazer as guaes resultados.
invadir
Rarros Pro pendencia nacional e embargar a dissoluco
Fi- de que eslava ameacado o vasto e opulento im-
ierio de Albion. Os emprestimos' pois contra-
tidos pelo governo britaunico durante a luda
da Franca tiveraS, geralmente fallando', na
s hum fim legitimo se n5o tanibem sagra-
do ; pois que habilitarais o governo a defender
Illm.e Exm. Snr.Forao prezos hontem o seu proprio paiz e a consolidar as iiutitui-
minha ordem e tiverao hoje destino : John ceS naciones'.
Boker inglez e Jos Matioel, pardo per-l O Sr Presidente : Attenro.
tencente a mpsma nacao pelo >ub-Prefeito O Sr. Maciel Monteiro: Eu sei que a ma-
de Santo Antonio, requizico do respetivo teria he rida, mas devd ustentar o nreu pro-
cnsul por de/obediencia ; Francisco Bazilio, | jecto.
pardo por um Soldado de Polieia por ter' O nobre deputado pelo Rio de Janeiro re-
dado urna bofetada em urna preta ; Manoel lalor da commissao descreveu com habilidade a
Migues da Silva branco pelo Sub-Prefcito exaclidao o estado actual da praca e mu bem
da Cidade de Olintja por nao ter o cupacao me parece haver deslindado as causas que lhe
ullil, e nem se querer ella aplicar 5 Manoel deraorigem; mas permilta-me o nobre de-
Antonio Jacobina tambera branco e Seve- i no Jos do Espirito Sanio pardo, pelo sequenlcquando de hum lado considera taes
Sub- Piefeilo do Poco por denuncia de lerem causas como extraordinarias accidentaes 0
em seo poder escravos furlados para os levar transitorias i e de outro lado rejeta a ideia de
para o eerto os quaes nao forao adiados; hum emprestimo em altenco a o mesmo esta-
porem como septo de m nota os dilos Jacobi- do, que ao depois figura permanente. Para
na e sen companheiro os prendeo. que pois Srs. o' governo tenha de ser Tic-
Nada mais consta das 'artes hoje por mim lima desses ards da agiotagem e se veja for-
recebidas d esta Secretaria. cado a receber a lei da casa que lh'a q'uiser di-
ctar he 1 reciso que se nao eslabeleca as
circunstancias naturaes das cousas : pelo con-
DISCURSO trario eu estou persuadido que nao ser difficil
j de contrahir hum emprestimo ao prego de 70
Pronunciado na Cmara dos Srs. Reputados, e talvez mafs huma vez que se dissrpem com-
na sessao de a de Outubro pelo Sr. Maciel nieta mente as causas que prodtzira a clise.
Monteiro. Lembre-se bem a cmara qoe tal estado de
Continuado do N anlecedente.
rincipinre, sennores
cousas leve origem na coincidencia das tristes
e exageradas noticias do Maranhd de Santa
Catliarina na demora que houve em organi-
observando que sar-seo novo gabinete ena presentaco da
esta propositar/he inexacta financia! e histo- proposta do governo pedindo hum crdito'de
ricamente Tallando. Em primeiio lugar, dez mil cotilos e que cessndo taes mpres-
qwando mesmo fosse verdade r|tie os cmpresli- ses os cap taes empatados procurars huta
mos conlrabidos durante a guerra do eonti- fcil emprego Demais a faculdade dada ao
nenie livesse os ominosos cfeifos que o nobre governo na minba emenda para elle contrahir
deputado figurn, Corroso lie confessar que hum emprestimo aonde mais convier aos inic-
ial mcio teve grande poder, prestando ao go- resses pblicos remo'vendo toda sorte de di-
cr no britaunico, ou antes ao celebre Pilt, ficuldade, habilitara o governo a fafzer huma
se todos es recurso* necessavio* ao desenvolv- vantajoa^ operacao de crdito ; pois acamara
mais periclites da .ment da sua poltica, tjue alias se pretende j tem sido informada deque, conlrahindo-
la Cmara nao ter stigrqatisar, e mesmo 'grande forra leve, a- se o ultimo emprestimo de Londres a jb em
\ t do, por a.-sim d/er, toda a Europa'apolicesde 5 por rento em ultimo esultado
ao svslejaa eao podero hrilnnurro : o em | veio elle a ser negociado amis de 90. Em
verdade, a nao ser o natural horror qtu
lodos divem 1er
a oppresso e a U ranina,
qnaui! > mesaoo exercidaa pela pfopria na-
(;:() solne os oulros povos ras5o u-ria al-
guem (a ser rerdadeira a proposicd que cm-
balo) em manifestar algumas velleidades de
ver qne entre nos os emprestimos produzia
fim', Srs. historia dos nossos em prest moa
prova a grande cenfianca que os capitalista*
lem no governo pois que ella mosira que de
cerlo lempo para r a pesar tas circilnslancia*
criticas dopaz, al boje temos acl.do di-
nbeifo dentro e lora do imperio a 70 atoe
a gp,
'Quando pois Srs. > so posja afBrmar que
r\\


r
^ --
3
DIARIO DE P fe UNA M BUCO

l
SMS
o governo tem aqu de receber a le em tal o-
peraro nunca tal objecco poder;! ser appli-
cada a hum emprestlmo externo Alem de
que a providencia contida no ultimo artigo da
mirilla emenda autorisandoo governo a emit-
tir bilhetes para anticipar a venda de apolices
com os prasos de < 6 e 9 mezes, em grnnde
parte deve contribuir" para desagrilhoa-lo e
iabilitalo para aguardar oensejomais pros-
pero e adequado de faser huma boa venda.
emsedga, senbores que no descont dos
bilheles lera o governo de pagar indefeetivel-
menle o jurode trcze por cento por que lti-
mamente descontou-o. Srs. eu nao sei se
be muitn lgico argumentar de tal maneira :
persuado-me antes que os nobres deputados
que assim opina faltu as regras do raciocinio
quandoconfundem aexiep3c>com a regra ge-
ral. O que observ.ei be que o. governo
descontou sempreseus bilhetes e em avulta-
das sommas ,ai/i,a5,6.7e8.e que
s em huma crise deploravcl foi obrigado a
descontar ddenlos contos a tre/.e por cento
Ora o que supponbo he que tal phenomeno
nao ser de mu fcil reprodcco por quan-
to pelas informaroes que tenho soa levado
a acredilar que tal descont se poVria effec-
tuar mesmo agora talvez a o. l-igo mais que
me nao atierro com a alia do juro des bilhe-
tes e nem suoponho que hum ou dois por
rento que se lenbude pagar de mais seja fun-
dada raso para se rejeitar tal expediente.
Nao, nesta parte eu nao rjarlilho o terror que
alguns senhores tem manifestado ; porque en-
tendo que 5o ou ejo conloe de reis que se pa-
guem mais de juro mo podem faser desmere-
cer o srslema dos emprestimos em relaclo aps
de mais arbitrios suggcridos.
Sem ser enthusiasla sou com tudo mui ca-
lido sectario das economas ; milito desejo pou-
par os dinheiros dos conlribuintes ; mas nao
possodeixar de eeconhecer que quandoos im-
postns o subsidios sao applicados extinc-
eo da guerra consol id ac o da ordem pu-
blica manutenco das nosas instituirnos
salvadoras e ; conservavo da integridade do
imperio todos os sacrificios sao legtimos to-
dos serio prestados do melhor grado pela po-
jmiacao brazilcira que nada perder em dar
huma pequea parte do seus haveres para
salver a quasi lolalidade exposta rapacidade
da novos Vndalos como os que infesla al-
guns pontos do imperio ou da anarebia que
ameaca tudo subverter e anniquiar. Como
contribuinte senhores, eu me nao recuso a
qualquer sacrificio desla ordem e ueste caso
cilio todos os brazileiros.
Sr. presidente, a hora est dada e por
tanto cumpre-me terminar o meu discurso :
nao tendo porem desenvolvido suficientemen-
te alguns pontos ei me reservarei para o fa-
zer em oulra occasio.
Concluo votando pela minha emenda e
rejeitaudo todas as mais.
Noticias Estrangeiras
HESPANHA.
Madrid S de outubroi
O eongresso appresentou hontem tina espe-
ctculo novo e grandioso como o nao pode-
rlo assazjulgar os que o nao presenciaram :
Trata va-se das srguinles emendas ;
Ao artigo 1. Ficando inalteravel a uni-
dade poltica da monarebia confirmam-se
os foros e franquas que as provincias Vascon-
gadas e Navarra disfruclavam no fim do ul-
timo reinado.
Ao artigo a. O governo tendo sempre
por norte em suas deliberaces o bem estar
daquelles naturaes, e particularmente a con-
serva o da paz obtida em virtudc do con-
venio de Vergara aprrsentar as cortes em
te/npo oportuno e ouvindo as provincias a
modificaco daquelles foros que noeslive-
rcm em harmona com o espirito da le fun-
dTiciiial da monarebia. (Assignado) Epi-
faiio Eslabn.
Sub-emenda ao artigo 1.
Confirman.-se os foros das provincias vas-
congadas e navarra salvo a unidade poltica
da monarchia. {Assignado) Benavides Aya-
la Caldern Collantes.
Estas duas emendas e a sub-emenda eram
feitas emenda apresentada pelos Snr. Ol-
zaga Sanchos, Cabaero, I oda Ccrtirea,
D. Joaquim Lopes e Calatrava aos projeelos
de foros.
Ao principiar a sesso era mui geral nos
bancos a idea de um accordo com o minis-
terio e os signatarios da emenda que re-
presentaran] a moioria : o Sur- Corla.aroc-
tupou por muito lempo a alinelo do congr s-
ao fallando dos joros, e clamando por sua
oncessao*
O Snr. Sancho fallou da constituido e da hemencia interrompe o orador disendo : e a-
necessidade de a conservar integra e pura, crdito a S. S.
Preslou-sea retirar a emenda com tanto que) O Sur. Olzaga (com calor) : E de boa l.
o ministro adoptasse outra que podessecon-j O Sur. ministro dn guerra se levantou com
ciliar todos os pareceres. mpecto para querer filiar. (O Snr. presiden-
O Snr ministro de, graca e justica nao dei- te o chama a ordem. Sur. ministro de est
xou contente com a sua resposta o Sur. San-
cho porque segundo vimos depois havia ne-
gocia cues pendentes ; e cada parle nigumen-
lava com a sua razo e lancava a culpa a con-
traria.
]\'otou-se desde aquelle momento em que
tocuo a palavra ao >nr. Quinto grandes dis-
trac ao nos Snrs. deputados, e rumor confu-
so producido pelos que fallavam com callor na
salla das columnas. O Snr. Quinto foi mui
breve, co Snr Olzaga, que tinha pedido a
palavra, a obteve e chaman desde o princi-
pio a atlenco dos que estavam na salla en-
trando nella precipitadamente os que se a-
cliavam fora. Pediro a palavra a pro da
emenda os que estarlo rotados contra, e
muilos outros mais depulados da maioria
O Snr. Olzaga proferiu um discurso aca-
lorado trasendo a memoria a administraco
do governo actual desde que oceupou as ea-
fleiras Queixando-se da conduela do mesmo
em varios dos seus aclos e manifestando os
seus receios de que nafl conservassem i I lesa a
conslituico a nao admillir a idea consig-
nada pelo Snr. Sancho de inserir no artigo
do e mais ministros qtterem conte-lo; e S. S.
com muito calor e manifestando a maior an-
gustia e anciedade no seu coraco exclama :
se me nao posso conter.....se sinto no meu
coraco...
A estas cspress5es o Snr Olzaga sahiu do
seu assenlo com os bracos aberlos, e o Snr.
ministro sahindo-lhe ao encontr, se abra-
cam no meio da sulla junto aos degraos do
trono : os deputados c as galeras prorom-
pem em vivas eaccaniSCOes paz e a unio ,
e seus coracoes alienados se entregaram mais
cordial e franca alegra.
Abracam-se todos os deputados ; ahrara-
vam os ministros, e estes aqmiles ; chama-
rn nossa atlenco os que mutuamente se de-
ram os Snrs. ministro da guerra, e Arguel-
les ; o Snr Olzaga e ministro de graca e
justica o Snr. Olzaga e o Snr Egana dan-
do por conchudas dillerencasqae linhao pen-
dentes desde a sesso anterior, o Snr. Ma-
doz e o Snr. ministro de graca e justica e
mil outros que sera prolixo referir OsSnrs.
deputados chora vam, eos Snrs. ministros tam-
ben e o publico applaudia urna scena to
1. do seu projecto a idea de que se conserva- terna, com os vivas ptt, unio aos foros ,
r a unidade nacional. I 'or este motivo disseje a conslituico
S S que para dar urna paz duradoura a na-
ci conciliavel como os foros que se ho-de
conceder s provincias se allem 1: emenda
que e discute, e regeita com todas as suas tor-
cas o projecto do governo.
Dizer quanlo disse o Snr. Olzaga e do
O Snr presidente mal podendo articular
palavra por llio embargaren! as lagrimas e
os affeclos que o soffocaram fasemlo um vi-
olento eslorco disse 5 Senhores, este dia pe-
mela o annos de solrimentos e d8 Irabalbos
que tenho padecido ; boje mais que nunca me
modo porque o disse seria inuilo extenco, mais felicito de ser hespanhol .. (aqui o prantoo
do que oque nos propomos neste artigo, a fez parar e eslbreando-se novamente, con-
saber, dar urna pincelada sobre o feliz des- tnuou ) ; o abraco que boje nos teaios dados
enlace que leve o complicado assumpto dos no eongresso, o maior sacrificio que pode-
foros. Grande barrasca preludio lalve/ de riamos fa/er e das maiores transcendencias
nutras maiores, comecou a descarregar com para o bem da patria; elle premeia i|uanto te-
furia no eongresso : questes incidentaes pro- nho padecido, e esta ser.i urna li ao pura a
movidas: pedirem acaloradamente a palavra Europa e para os estrangeiros que nos jul-
muito a um lempo; violentas recomenda- gavo incapa?es de gosar a liberdade ou nao
ces, gritos de ordem e queslo rumor preparados para ella
na galera publica, que mais que em entras ve- j Repetidos e mui vivos aplauzos ressoam pe-
zes lomara parle noque se discutia, tornavam la salla e tribunas depois do que
o eongresso um campo de Agrmente difficil
de acalmar em taes circunstancias. Urna fe-
liz casualidade pos termo a to angustiada si-
tuacao.
O Snr. Olzaga serre-se da palavra para
urna allusao pessoal .e principia certifi-
cando que as observacoes do Snr. ministro da
guerra o nao faria mudar de conducta par-
lamentar : que oseu ataque ao governo lhe nao
causa o ressentimento de nao gozar de seus fa-
vores que tinba sabido nao depreciar porem
sim desdenhar porque os nao carece, e que
para engranclecer-se tinha tido outros meios
O Snr ministro de graca e justica apresen-
ta o projecto novamente redigido, acrescen-
tandoao artigo 1, as palavras sem prejuiso
da unidade constitucional.
Terminada a sua leitura se repetirm osa-
plauzos e vivas, manifestando que esta idea
tinba satisfeilo os desejos de todos os Srs. de-
putados.
O Snr Oliaga declarou que os autbores
da emenda a reliravam visla da, nova redac-
co do pro jacto.
O Snr Aguelles pedio que os memhros da
commisso fossem considerados comq simples
de que nao tinha querido valer-se, maiores depulados para como taes poderem tomar
do que os que lhe atlribuia o tenhor ministro parle na discusso.
da guerra, e assim que nao podia ter ressen-
timento, por o terem prirado de urna peque-
a parte.
Repeli, que a sua conducta parlamenta-
ria era bem conhecida e que nella procedeu
sempre com a maior nobreza e boa f e que
seadiantou aecusaces a que chamo infun-
dadas i porque julgou em perigo a cons-
lituico do estado, e que assim se os resillados
da questo sao desagradaveis, nao o atribuam a
elle mas a quem tem a culpa.
Disse que como ja outras vezes tem annun-
ciado nao perlence ao ministerio a obra da
pacificaco, mas, como todos conhecem ao
invicto duque da victoria, e protestando nao
querer ceder por generoso disse, acerca do
ministerio da guerra, que cumpriu no seu ra-
mo, como era possivel as actuaes circuns-
tancias ese pode lesongearda parle que a S.
S. cabe, lendo-sc esmerado sem cessarem pro-
porcionar recursos pensando s em cavallos,
municoes armas vveres, cquanto era nc-
cessario para a guerra.
Quanlo 3 expressao de ministro turco re-
petida pelo Snr. ministro da guerra, obser-
va que nao foi proferida por S. S.
O Snr. ministro da guerra declara que es-
ta expressao prop iamenle sua e que a re-
peli porque um ministro que s quer paz,
e queso por ella Irabalha nao merece ser
acensado de desptico nem de outras qualida-
des que equivalem acbamar-lhe turco.
O Snr Olzaga continuou dizndo :
Fu tamhem quero a paz e huirle de eslai
animado de reseulimenlos contra o ministe-
rio, eslava disposto a ajuda-Io. se carecesse de
mim, Aqui o orador se exforea e conliua
QDO| muito calor) a a:uda-lo se 10 exige o
bem da patria e sacrificar-me para conser-
var a, liberdade.
Leram-se os artigos 1. e >. do projecto, e
foram approvados unnimemente em votaco
nominal.
Eram presentes 12^ senhores.
Eis o fim que leve o projecto de lei sobre
os foros resultado impossivelde advinbar ;
prora do carcter hespanhol, e sello origi-
nal que levam as nossas couzas ; a outras re-
flexes nos entregaramos agora mais viva to-
dava a impresssao que recebemos por to faus-
to acontecimento nao queremos dislrabir
os nossos leilores da que devem receber e
deixaremos para outro dia os que nalualmen-
te devem ocorrer ao considerar o novo estado
de couzas.
[El Correio Nacional].
(Correio de I isboade i5 deOulubro).
Sabida do duque da Victoria de Zaragora.
0 duque da Victoria sahiu desla cidade no
dia 8 pelas 8 horas da manila, acompanhado
por todas as suas divises.
1 arece que tomou a seguinle di recelo :
brigada da vanguarda, e 1. div'so as ordens
do conde de I clascoain marchou para Alca-
niz com o general em chefe duque da Victoria.
A a. s ordens do general 1 uig Samper
para o comum de Huesa.
A J. e } para Doroca.
O general O iJonell devia achar-se para o
o lado de Teruel com todas as foreas.
Frcclamaco do duque de Victoria.
3uepo<6annostem eubertode luto milhares
e familias. As provincias do norte onde o
I fanatismo exerceu a maior influencia ; onde a
escabrosidade do terreno permittiu organisar
um exercilo numeroso as faeres parciaes; e
onde o pretendente conseguiu estabelecer o
seu governo j esto em paz ja disfrutam
os beneficios da unio, j os pais tem o a-
poio de seus filhos e. estes a consola o de
terem sobrevivido a to encarnizada luta para
gosar no seio da sua familia da tranquilidade
que todos a andelavam. Nao ha all um s
que combata por D. Carlos. ,
A diviso ( astelhana a diviso Riscainba
a diviso Guipuscoana foram as primeiras
que reconheceram o erro de servirem ao que
tarlava de usurpar o throno do S. Hernando
innocente Izabel.
A minha voz de reconciliaco foi escutada ,
voz que nao podia deixar de fazer eco nos co-
racoes de irmaos extraviados Eram hespa-
hboescomo nos, havia muito lempo ipie vi-
am com horror correr o sangue hespanhol por
urna e oulra parte e anciosos voaram a seguir
a causa justa que delende o exercilo do meu
(Mamando. Versara povoaeo de Guipuscoa
foi o theatro glorioso onde teve logar a grande
e sensivel scena de se abracarem os que pele-
jaram debaixo de handeiras diversas. All
se eonfundiram todos e um senlimento
unnime fez desapparecer a causa que tanta
ruina causou subslitundo-a a confraternidade
sincera que hade fazer a ventura desla heroi-
ca naeo. As forras Alavesas e Navarras
que teriam seguido o mesmo exemplo foram
; arrastadas por D Carlos e seus ambiciosos a-
! Rentes que fecundos em engaos e perfidias ,
I hes fiseram crer que um exercilo de framrzes
vinha em seu auxilio Esta illuso duroit
potteo tempo pois marchando sobre o pre-
tendente o bali em l'rdax vendo-se obrigado
a tomar asilo em Franca depois de terem sido
desarmados na fronleira todos os que se refu-
giaran com elle pondo as aulboridades fran-
cezas ; minha disposicao armas e cavallos.
Ahi tendes Aragoneses, Valencianos e Mur-
cianos urna fiel resonha dos ltimos aconte-
cimentos do norte. I). Carlos foi internado
na ''ranea e sua pessoa esto segura para que
nao torne a promover desordens. O aguerri-
do rirtuoso e desciplinado exercilo que deu
all a paz est j tiestas provincias para as
fazer participantes do mesmo heneficio. Por
elle suspiram todos os povos. Elles nos rece
beram em todo o transito com aclamaces que
sem ditvida partiam do intimo do seu cora-
co porque tem a cerlesa de que brevemente
ser pacificada loda esta naco invicta. E co-
mo nao se-lo quando esse o desejo desde a
cidade a mais povoada al mais humilde
choupana i' So a monslros sempre sdenlos de
sangue se querem oppor. Porem vos os que
seguis forca suas bandeiras manchadas de
crimes alroses nao acreditis mais suas pala-
vras engaadoras apressai-vos em vosapre-
sentardes ar> indulto que vos olVere o em nomo
de governo de S. VI. Abandonai esses I10-
mens ; vinde aos meus bracos ; elles vos a-
parlaro com o impulso do amor fraternal
' nem se quer recordaces haver de passados
erros ; seremos todos mis e como os filhos
das provincias do norte marchareis tranquillos
para vossas casas debaixo da protecqo que
ofTerece o exercilo que me glorio commandar.
Eu nao duviclo que confiareis na palavra
de um soldado que poem todo o seu orgulho
, na honradez cuja nica ambicio a de con-
tribuir para a felecidade da su 1 patria po-
meioda unio de todos os hespanhoes e que
preferiu e preferir a gloria de pacificador
de guerreiro triunfante porque sangue de
irmaos o qu lem de se verter e este sangne
de muito preco para o seu coraco
Vinde vos repilo: deponde as armas para
empunhardes a rabil a do arado que fructi-
ficar es ridos campos restituindo a alegria
I s vossas angustiada? familias Aqu tenues
a meu lado o vosso antigo caudillo I) Joo
('abanero: elle por humano foi persiguido
pelo feroz Cabrera : elle testemunha de
quanto vos digo ; vossos prenles o ver e
elles nao podendo ser de suspeila vos aplana-
rlo o caminho para vos salvardes Trema o
que o naofizer porque a salvaran da patria e a
necessidade de dar depressa a paz a estas pro-
vincias me (ara inexoravel. Quartel general
de Zaragoza :> de Outtibro de 1H <<)
O Duque de Victoria.
( dem de a de Oulubio )
Ocapito generalD. Baldomcro Fsparlero
aos habitantes de Arao Valencia e ftiunia
t.hi'gou para htm da lkspi.nha a poca
O*nr, ministro da guerra com muita re- te 1 iz em que termine a guerra sanguinolenta
Correspondencia
flfl
Srs redactores.
He preciso ier um'aima to fra con o o gelo,
para aao: tomar de indignaco vendo o meio


DIARIO
D E
PBRNAMBUCO
S
meaos decoroso pelo qual se tem pretendido,
mas era vo manchar a sempre honesta e
mu louvavel conducta do Sr. Dr. Joo Mau-
ricio ( a va lean ti da Rocha Wanderley Pre-
feitoda Comarca doLimoeiro! Fallo, Srs.
Redactores das correspondencias annimas ,
impressas na Paralaba e aqui deslribuidas.
i esta questo nao fosse mais particular do
que publica ; si o crdito do Snr. Dr. Joao
Mauricio nao estivesse to firme como a rucha;
si pm Gm e principalmente nao fosse pu-
blico que essas correspondencias avulsas, que
Vms. nao tcm louvavelmenlc querido impri-
mir ; sao agenciadas pelo Sr. Coronel Heuri-
que Pe eir de Lucena publico, e declarado
inmigo do Sr r. Joao Mauricio ; en dar-
me-hia ao tiabullio de pulverizar esses iibellos
famosos ; mas paia que f Nao depoem elles
conlra seus mesrnos autbores? Nao foram ser
impressas na Parahiba por um vr. Henrique ,
que nao lhe doeu a consciencia de prestar a sua
OrBcina para ser calumniado um Empreado
Publico honradissimo sem lhe garantir o
desagravo legal; porquanto essas pegas tra-
zem com sigo a irrespousabilidade j norque
sen author oceulta ardilosamente o nome d'a-
quelle a quem offende e j porque com a as-
tuciosa evasiva de dizem he fama &c.
&c. pode como tem succedido evitar a
pena de calumniador ? Sim sim.
Nao me darei pois ao trabalho de demons-
trar que he calumnia o que por si est de-
monstrado ; notarei apenas de passagem e
com isto me contentare! : que o Sr. Dr. Joo
Mauricio foi o aggredido ; que com aquella
dignidade propria do homem de bem o (jue ,
por mui provocado publicou contra o Sr. Co-
ronel Lucena firmn com seu proprio nome,
e que est; promplo e promplissimo para pro-
var quinto tem dicto pela imprensa o ponto
est que queira chama-lo a Jurados. Hoc
opus bic labor est.
Agora lambem devo fallar de mim. Tal vez
me per*guntem que tenho eu com isto. Res-
ponderei em poucas palavras : nem urna rela-
go tenho nem tive com o Sr. Coronel Lu-
cena apenas o respeito como deve o homem
que vive em sociedade ; mas sou amigo do Sr.
Dr Joao Mauricio e entre nos ha relajees
de muita inlimidade.
Cumpro pois um de meus deveres rogan-
do ios Srs. Redactores que deem um canti-
nho no seu Diario a estas linhas como espera
.d Seu Venerador
Um dos Amigos do Dr. Wanderley.
Como sao differentes as opinies dos ho-
mens O nosso Correspondente louva-nos
por nao termos querido dar logar em nosso
Jornal a tantas diatribes indignas tanto dos
quedizem como daquelles contra quem
se diz; e o Habitante do Umoeiro' injus-
tamente aggravado por nao termos querido
dar publicidade a a correspondencia de igual
jaez mandn impnmil-a na Parahiba com
o seguinte Prembulo.
Tendo-se os Redactores do Diario de Per-
nambuco negado a publicaco da carta que
abaixo segu ainda mesmo fora do Diario ,
recorreo o abaixo assignado a esta da Parabi-
ha para a sua publicaco afim de que os ci-
dados e respectivo governo tenho conheci-
nento dos fados e estado do Limoeiro e sua
Frefeitura e em nenhum tempo se diga que
os ignoraro e nao Iheschegaroa noticia.
Ainda ficio rezervados oulros que sero
igualmente publicados.
Recife ai de Selembro de i&3p.
O llahitante do Limoeiro.
E' verdade que fugimos com o corpo a
publicar a Correspondencia de que trata o
Sr Habitante doLimoeiro' tanto no corpo
do nosso Jornal romo em avulso pelas ra-
EOens, que passamos a expender.
As paginas do nosso Jornal sao destinadas
moral, ;i instrueco e politica e por
isto nao podem nem poder ja mais dar
tapar a escriptos que se opponbo a esses trez
fins a que tendem todas as folbas publicas.
Nao quizemos publical-a em avulso 5 porque
nao deste modo, que a Lei permilte a os ag-
ravados o poderem publicar os erros dos em-
bregados pblicos. E' sobre lacios certos ,
e susceptiveis de prova cujos documentos
existo 011 ao menos que o Corresponden-
te se comprometa aprovar em juizo ; e por
isto os afhrme em sua Corresdondencia e no
pela maneira com que o Sur. 'Habitante do
Limoeiro' pretende evadir-se a qualquer fu-
turo com os es> apatorios do cistumo como
abi fallo como se Talla di/em os fallado-
res como se v da mesma Correspondencia.
Dezenganc-se o Snr. 'Habitante do limoeiro ,
edezenganem-se todos 01 que partilbarem a
sua opinio, que seremos inhabalaveis ra
nosso sistema tanto mais porque se elle fir-
ma na lei e na moral publica-
Os Redactores.
Avisos Diversos.
tsr Todas pessoas que se acha a dever os
Impostos de lojas abertas do corrente anno fi-
nanceiro relativos aos Pairros do Recife e
Santo Antonio assim como a laxa dos escra- mo andar.
do ente desgranado a quem menoscaba, por
culpas da natureza enferma seesse pergun-
tador algum dia partilhar dessa desgraca por
si ou por seus filhos desejar que por cari-
dade misericordia ou economia o accolha ?
por certo que sim ; entao caridade a
compaixao com os nossos similhantes isto lhe
aconselha Um, que tem tratado com tsi-
cos e goza saude perfeita.
CS- Aluga-se um andar para escritorio na
ra da Cadeia velba do Recife N. 67 ; quem
o pertender dirija-se a loja por bixo do mes-
vos reUtivos aos tres Hairros de Santo Anto- tsr Precisa-se ajustar um Sacerdote para
nio Recife e Roavisla queira comparecer servir deCapello em umengenho pertoda
na Repartido das Rendas Geraes internas no Cidade eao mesmo lempo para educar me-
corrente mez a fim de satisfazerem oque de- nios : oque estiver nestas circunstancias
verem pois quede Janeiro p. futuro princi- \ queira procurar a Gaudino Agostinbode 13ar-
pia a executar-se a todos que deixarem de ros Pracinha do Corpo Santo D* 67.
satisfazer os seus debilos. Recebedoria das! tsr Aluga-se um segundo andar de um so-
Rendas Geraes internas 4 ('e Dczembro de brado com bastautes cmodos ; quem o per-
i85q, tender dirija-se a ra do Rangel venda D. a ,
O Administrador quasi confronte ao beco do Liceo.
Antonio Ferreira Duarte Vellozo. SST Deseja-se fallar ao Sr Pedro Riqueira
cy Traspassa-se a hvpotheca de urna boa de Brito vindo ha pouco de Lisboa, para
morada de ca/.a na ra da Roda cuja hipothe- negocio de seo interesse
ca foi por a quautia de seiscentos mil reis por j *^ Quem annunciou no Diario n. a6o
um anno vencendo o juro de dois por cento querer fallar na rna da Senzalla Nova com
ao mez e j tem oilo mezes vencidos ; vence- Domingos Alves Rarbosa a negocio de inte-
se a mesma hypotheca em Marco do anno de resse quena fazer o obzequio de repetir seu
1840; o juro tem acondico de ser pago a mencionado annuncio em consequencia da De-
quarteis mas nao se tem procurado receber cima do primeiro achar-se um tanto apagada c
a quarteis para se receber todo com o princi- inintelligivel.
pal Na rna de Hortes D. quatorze | tsr Miguel Jos Taveira aviza ao respei-
523" OfTerece-se dois contos de reis e alem tavel Publico que perdeo urna Letra do va-
disto urna gratificaco a quem se propozer a lor de cento e cincoenla mil reis saccada
contra o Reverendo Padre Vicente Ferrer de
Albuquerque da Villa de Santo Antao e pa-
ra que pessoa alguma faca tranac o com dita
Letra faz o prsenle aviso de que o accei-
tante esl entendido e passou outra de igual
quantia
tsr Precisa-se de alugar um andar de um
sobrado sito na ra da Madre de Dos, ou ra
da Cadeia velha ; quem tiver annuncie ou
loia^de fer
fazer ou advogar urna causa e suas dependen-
cias sobre, bens perteucentes a orlaos cujos
sonegados e legitimas nao fora pagas por um
pessimo Testamentero queja boje he mor
to deixou propredades boas e poneos her-
deiros ; tudo hemuito perto da Cidade do Re-
cife e emporta a quantia pedida em mais de
quinze contos de res ; mas s se paga a offer-
ta ullimando-seexecucodesentenga final. A
parle da todos os documeutos precisos, e faz as diriia-se ao atierro da Roavista ,
despezas delles e do Procurador assignante | ragem junto a Matriz que l se dir quem
e protesta guardar inviolavel segredo no caso o pertende. Na mesma casa vende-se um
de haver quem em particular queira lazer to- negro de naco de idade de vinte e cinco an-
dos os artigos razes e requerimentos pre- nos trabalba de enxada e he servente de
cisos porem nao havendo sentenca a favor do pedreiro ; urna ne^ra tambem de naco da
A. perder smente essas despezas ; e nada I mesma idade ptima lavadeira de varrella ,
pagar do que ora oTerece nao duvidando edesabo-, todos estes dois escraTOS tem bo-
passar obn^aao particular dao ofTorttko n*> ni la figura on% ioo iom ftcViocjwcs.
caso de ultima execu o havendo quem tsr Na ra da Senzalla Nova loja do so-
queira este negocio falle na ra Nova ao p da brado onde mora Joo Tavares de Nascimento
ponte na loja onde vendem quartinhas com mestre alfaiate, se oflerecem duas Senhoras
Luiz da Costa Leite que dir alguma cousa para lavarem engomarem, e fazerem costu-
a respeito de quem pertende. j ras com toda a perfeico, e por preco commo-
tsr Vende-se farinha superior da estima- do.
da marca S S S F de Trieste chegada agora ; tST Roga-se a pessoa que annunciou no
em Casa de N O Bieber & C. ra da Cruz Diario de hontem trocar a moradia de um so-
N. 63. I brado de dois andar*. na ra I lireita ; diri-
ssy Na loja da Praca da Independencia D I ja-se a ra do Fagundes sobrado D oito no
17 de Jos" Tavares da Gama, se acha a primeiro andar para se tratar o negocio con-
venda por prego commodo o seguinle sorti-, forme convier.
menlo de calcado e outros objectos da me- j \SS" Nao se podendo effectuar a arremata-
Ihor qualidade e gosto : a saber ; calcado de cao por renda do sitio do Arraial do finado
bezetro francez botins e sapatos de Lisboa Joo Dutra Garcia em consequencia de se
para homem calcado de marroquim dura- noachar presente o fiador do arrematante ,
que cordavo setim couro de lustro e ficou por isso transferida a dita arremataco
botinas de duraque para Senhora ; calcado de para o dia segunda feira nove do corrente pe-
duraque marroquim, setim e couro de lus- las quatro horas da tarde, na praca do Sr.
Iro para meninos e meninas chapeos pre- Dr. Juiz de Direito da segunda Vara em a ra
tos e brancos para homens e meninos : cha-, Nova.
peos de sol, de seda para homens e Senhoras ,! c?" Amanh sele do corrente Dezembro
sapatos de lustro echinellas de marroquim pelas quatro horas da tarde na ra do Fagun-
para homem, e bengalas de diversas qual ida-; des porta da caza do Sr. Dr Aires, Juiz da
des, edemuitobom gosto. Adverte-se que terceira Varado Civel se arrematar porven-
com a pessoa que em d ta loja se afreguezar da em praga publica o terreno contiguo ;
haver toda a conlemplaco j Prensa do Sr. Tavares no Forte do Mattos
ssy Allugueres para os Theatros particu- avahado o palmo a dez mil reis.
lares O Emprezario aviza a todas as pessoas | 8> Precisa-se de alugar um preto que
que lhe pretenda alugar utencilios de Thea- entenda de trabalhar em paderia : na ra Di-
tro que elle estar promplo para esse fim em reita D. doze.
o mesmo Theatro as quartas quintas e sex- C5 Roga-se por favor a pessoa que nesta
tas de todas as semanas: fora destes dias nao praca he procurador do Sr. Francisco Zum-
esl na Cidade : os alugueres sao os seguin- j Lian de Almeida Pires hoje assistente no Ic ,
tes cada vista composla de dois pannos e seis; annunciar a moradia ou dirigir-se a Fora de
bastidores dez mil reis ; cada vestuario he-, portas N. cento e quatro
casas perto da povoacVde Varze fio banbo
denominado da pedra ; os pretendentas diri-
jo-se a ra de agoas verdes D. 3 J.
CT Aluga-se um sobrado pelo tempo da
Festa ou por todo o anno com excedentes
commodos na Cidade de Olinda na ra de S.
Bento D. 3o ; quem o pertender dirija-sa a
ra das Agoas-verdes decima 38 segundo
andar.
i^> A pessoa que tiver direito na pret de
nado que du chamar-se Maria com vesti-
do braco muito sujo alta e seca e intitn-
tula-se forra e anda com tlande de azeite e traz
ti4o em dinheiro, e nao diz nada em seo alio-
no e por isso annuncia-se a quem pertencer:
dirija-se ao Jos Ignacio Pcreira, Capitn*
do Campo em Belem.
\^j~ Quem precisar de 4^ harris de 4 e 5
em pipa Torrados e promptos para se encherem
d'agoa-ardente : dirija-se na ra da Senzalla
Velha no assougue por baixo de Joze Benlo
Ferreira Hallar onde se achao a venda.
tS3* Perdeo-se um anelo lavrado de ouro
com as letras J. B. C. pexando trez a quatro
oitavas da ra Nova at a ra da Cruza pes-
soa que tiver achadoe queira restituir poder
levar na ra Nova loja de Frederico Chaves
D. 5 que ser recompensado.
VST" O abaixo assignado com venda na ra
da Cruz D. 47 foi collectadoem Junho do cor-
rente anno em 6oi' rs. por ter mais de hura
caixeiro estrangeiro, e como do i de De-
zembro s se acha com hum caixeiro que he
Jos Caelano Ferreira da Silva/por quem o
abaixo assignado foi collectado previne ao Sr.
Collector ou a quem o conhecimento do pro-
zente competir para que fique na inteiligencia.
Manuel Figueirada Silva.
CT Aluga-se ero bra de portes um so-
l ado de dous andaes esolao, terracoparao
lado do mar, com haaUntes commodos para
huma familia
ra nova D.
, quem o pertender dirija-se a
aa segundo andar para o a-
roico quatro mil reis ; cada vestuario de meio
carcter tres mil reis ; cada vestuario de com-
parce dez tustes por cada um Domingo ou
Dia Santo ; pagos achantados e dando-se pes-
C3" Offerece-se para Caixeiro de qualquer
oceuparo hum rapaz de 14 annos dando
algum lempo gratis : no Patio do Terco D. 4"
S37- Quem precizar de hum hnmeaa_ para
soa conhecida que se obrigue restiluico encinar primeiras letras no mato em Enfa-
dos utencilios alugados ;, o mesmo se entende; nho ou Certo; e por preco cmodo: dirija-se a
com as Pecas e Fargas, cujo valor est de-
clarado na tabella j impressa.
s-y Ao Sr. Escrupuloso responde um que
nao tem bolequim que urna semelhante per-
punte s pode ser filha da mais apurada mal-
vade/a ; pois poda bem acabar o* seus escr-
pulos com dcixar de frecuentar o tal hotequim,
e nunca chamar a attenco do Publico contra
objectos que por taes circunstancias tem di-
reito piedaue dos humanos : se ao perguu-
tador assistissem as qualidades, e virtudes
ra Lireita D. 35 que se dir quem per-
tende.
tsr Da-se duzentos ou trezentos mil rs.
sobre huma escrava ou escravo que nao te-
nho vicios a quem convier este negocio : pre-
cure na ra do Rozario larga a Francisco An-
tonio d*1 Carvalho Siqueira.
cy Prerua-se de alugar hum preto que
saiha trabalhar em padaria na ra Direita
D. 11
tsr Aluga-e para ie passar a festa duas
juste.
%& Aluga-se um grande armazem as S
ponas, deronte do Vivero do Snr. Munis $
quem o pertender dirija-se a ra nova D. 12
segundo andar.
tsr Aluga-se urna casa terrea coaa bastan-
tes commodos para grande sMnilia cite na
ra por detras da Boa-vista trata na Boti-
ca do Pateo da Santa Cr.
S2T Precisa-ae de huw criado, que seja
moceo o lonUa principios de cozinha,
e boa conducta ; quem estiter nestas circuns-
tancias dirija-se a casa de pasto da ra dos
Quarteis D. 8 a tractar.
tsr Francisco Radic& compran por cante da
Snra. D. Anna Jos Goaiesda Silva daCidada
do Natal, umBilhete da segunda parte da 16.
Loteria do Seminario de Oiiuda numero
aia9.
tsr Aluga-se urna casa para se passar a
festa na Cidade de Olinda dearonte de S. Pe-
dro novo com muitos boas conunodos ; quem
a pertender dirija-se a ra do Queimado Bo-
tica D. 8
C5- Adver-sc ao Sur. J. C. C. para quo
baja de mandar pagar no praio de dez dias os
1 aU70 que ficou reatanto por dinheiros adi-
antados que recebeu quando esleve aensinar
a tocar violo a cerU pessoa do Atierro dos
Aogados para o que se poder dirigir ao en-
carregado desta cobransa defronte do Beco do
ferreiro no At trro da Boa-vista; o que nao
fazendo se publicar o seu nome por estenco
e boraprocedimentoquetem tido neste nego-
cio.
tsr No Rio de Janeiro, na rna do Rosario
n. 5< existe um deposito de chocolate onda
se acha um grande sortisaento de todas as qua-
lidades como amargo para opeito (chamad
na Enropa Santa) superfino, uzual, amar-
go do musgo, pastilias finas tanto a4li-
bras como eu porcea.
O chocolate de musgo he procurado por to-
da a enropa, e palos primeiros mdicos da
corte do Imperio do Brasil, (aonde seu autor
a tem wtroduiido por mais da ao annoa ) tem
a virtude de dar tom ao estomago, tira o fas-
tio, conserva as goagvas, e o bom alito ,
malta as lombrigas a experiencia mostrou o
seu bom efiesL aaa crinabas, e as pessoas da
mtior idade ; tambera he applicado aos tizicod
ueste corta, e na Haba, tem tido a approva-
dodas peaaoaa que delie tem feito uzo, e para
que nao baja (alsiucacab, leva a rubrica do
seo autor lguacio Gonsalves de Castro t a
pessoas que nao quiserem tomar em bebida,
este excelente cbocolate o acharSb feito em
pastilha, para roastigar em jejum. enos in-
tervalos da comida. Jnnto ao mesmo cho co-
late vai huma recela que explica a maneira
como se deve tomar conforme a, idades; eneas,
ta praca na ra da Cadeia n. 1, aonde tam-
bem se vende oeiaU chocolate Marques a
i,44o re*.
r
\
<
<


4
DIARIO DK PERNAMBUCO

Jyfo Francisco Sanios de Siqueira ,
a Sr JofcquimPedro Brrelodo Reg ,
toga ao Sr JoSq
a,ue sendo a escrava que o procurou tenha os
tignaes seguintra ; crcoula, mui bem lallan-
te alta e corpolenta nao muilo mossa cos-
luma rissar ,o pichaim toma de vez em
quanlo sua mona levou vestido de lila preta
c una trocha com outras roupas, de Ihe man-
dar entregar ou avisar por portador, que
se pagar ao mesmo.
jjy O aliaixu assigrrado convida e roga
encarecidamente a todos os Irmaos da Irman-
dade do SS Sacramento da Freguezia de S
Pedro Martyr da Cidade d Olinda que ha-
jao por bem da mesma e do servico de Dos,
eomparecerem em o dia 8 do corrcnle pelas 9
horas da manh no consistorio da Matriz para
e procpderens novas ceKoeS, visto os Irmaos
Ueitos a aode Maio nao podem ser mais im-
ftotsados por se ter passado o lempo. Espera
pois o abuixo assignado do zello dos Irmaos
que nao faltem a um acto indispcnsavel a
existencia legal da dila Irmandade e islo
anda a custa de algum sacrificio Joao Gon-
Rodrigues Franca, Pro Juiz.
sy Um Sacerdote se offerece para dizer as
missa do JVatal inda na distancia de 5 ou
61egoasdesta praca; quem precisar dirja-
se a esta Typografia que se dir
ty Aluga-se urna casa na Cruz de Almas
com commodos para grande familia coxeira ,
e sitio com baixa de capim por lesla ou por
nno ; a tratar na Capunga com o Majar Jos
Carlos Teixeira.
tST" Arrenda-se ou aluga-se r primeiro
andar do sobrado U. trinta e um da rna do
Rangel, com commodos para familia ; tra-
tar no segundo andar do mesmo.
tSf O Major Jos Carlos Teixeira faz por
relogio de hronze para cima de meza diffe-
rentes obras bem impressas e soberbamente
encadernadas manteiga em garrafas pre-
zunlos seceos e Bnumeraveis ontros artigos.
Compras
tsr Doze cadeiras de po'de olio com as-
sento de palhinha. em bom uzo e 3 a 5 ca-
bra* paridas Be um mez e que dem bastante
leite, quem liver annuncie.
l&- Tres libras de tartaruga ou mesmo
maior quantidade : quem tiver annuncie.
U- Pe les de pennas encamadas para flo-
res ; quem tiver annuncie.
Vendas
ty Folhinhai de algibeira; rontendo
alem do Kalendario, &c, a confisso do ma-
nilo e nm Dialogo entre um Algaravio e
sua Maris ; a a4o ris cada urna -, Ditas de
dita, dita, dita com anedoclas, historias bous
di.ct.os &c aao; ditas de porta divididas em
semestres a seis vintens o anuo dilas Ec-
clesiastieasa pataca; na praca da Indepen-
dencia loja de livros n37 e 38. na ra do
cabug loja do Sr Baudeira no bairro do
Recit defronte da Igreja da Madre de Dos,
venda da quina do becodo azeitedo peixe ; na
ra da cadeia loja que foido Sr. Chiaresma ;
defronte da Matriz da Boa vista botica do Sr.
Joaquim Jos Morcira ; e ein Olinda Botica
da rui do Amparo,
tsr O orrelor Oliveira est encarregado
e tem poderes para contratar a venda do ex-
ten.o sitio e magnifica casa situada no alto
esteannuncioscienteaosSrs. Coliflores da do oute.ro no Montero, .pie ltimamente
Cidadeds Olinda, queos seusdois sitios da | possuio o Coronel Marlins eque neje per-
Cruz de Almas ficiro este anno por singar : tence ao Reverendo Sacerdote Ingles prximo
e para-que se nao chametn a ignorancia quan- relirar-se dcsla praca, o grande augmento
dofizeremo seus lansamentos faz o piesenle que se fias nesla casa os seus bous commo-
dos e completo asseio bem como le sua bella
e encantadora situatjo pela magnifica e recre-
ativa atongada vista que abrange do lindo
paiz de seus con lomos a torno a. mais agra-
armuncio.
Avisos Martimos.
FRETA-SE para qualquer porto s Galera davel habitaba para qualquer pessoach spu-
Dinamarqueza Crele muitovelleira e for- ; rado bom goslo ; quem pretender dito sitio
rada de cobre-, qaero a pretender dirija-se a e casa dirija -se ao mesmo Corretor.
os seus consignatarios N. O. Bieber a roaj tS" Urna molala mo a engomma cose ,
da Cruz n. G* ensaboa e coziuha com perleigao e urna
PARA LIVERPOOL com tofo itwmfl*} MW* m"M iwimwsi U"a
o superior Brigue Inglez Worth Pol Capi- andar.
lo Wat! da primeira clasie forrado e en- & lentes de tartaruga de toda qual.dade
csviUisdo de cobre quem quiser carregar ou e para marrafa 5 assim como se conserla toda
ir de passarem dirija-se a Me. Calmonte & obra de tartaruga ; no paleo do Carmo I). 1.
f nanhia *2*" Uma canoa de carrcira ; no porto das
'RETA-SE para qualquer porto o muito a0" *arua no armzem de capim a tratar
velleiro Brigue Uinamarquez Odin forrado com Jos Sever.no Lopes,
^.hr. a tratar com seus consip.natarios W* Um negro de bonita figura e oplimo
onkial de sapaleiro para lorra da ierra, pi-
lulas vegetaes de Brandrelh ; na ra nova bo-
tica D. c>.
SST" Vnho de Champagne Ay ; em casa
tzgr Bagatellas uzadas e tacos superiores
para bilhar na casa de nev do beco do Thea-
tro.
C7 Calsadode todas as qualidades as-
sim como botins e sapatos franeczes ditos de
Lisboa sapalos de couro de luslro para ho-
mem e senbora ditos de marroquim du-
raque e cordavo para senbora e meninos ,
lensos de seda da india chapeo de sol de seda
para senhora e para homem do Chille lu-
vasdepelica dilas brancas de algodo, pel-
los de periquito para camisas bicos de linho
efila sa sitinadas, dilas de garca e miule-
zas de todas as /|iialidades por preco commodo;
na praca da Independencia n. j e 8.
cy 'fijlos de alvenaria de grande marca,
e grossura muilo bem cozidos por preco
commodo ; na ra de agoas verdes por cima
doassougue, para ajustar.
jy Um pardo official de alfaiate de ida-
de ao a a5 annos muito claro, e pode ser-
vir para pagem nao tem vicios, nem acha-
ques ; no atierro da Boa vista sobrado
!>. 14 no primeiro andar, das 6 as 9 horas
da manlia, e das r> as 6da tarde.
d- Urna escrava de nacao de idade de 20
annos bonita figura cozinlia o diario de
urna casa lava roupa engomma liso e
quilandeira ; na ra da Hortas D. 17.
ssy O f alacho Nacional Relia Carlota
es- Urna escrava de haco de idade de *4
annos cozinha bem o diario de urna casa
lavadesabo, e ptima engommadeira, se a
flanea nao ter vicios na raa Direita D. ao
lado do Livramento.
SS?*- Urna molatinhade idade de i3 annos,
bem parecida muilo hahe'idosa com prin-
cipio de engommar e coser ; na ra do Ca-
bug por cima da loja do Sr. S. Martin pri-
meiro andar.
%Z?~ Um bonito palileiro de prata ; por
prego rasoavel ; nesla Typografia.
ET Um relogio de sala com caixa envi-
drassada tem espertador e dias do mez mui
bom regulador e um di lo de cima de mesa ,
de repelico e espertador um laminador de
puchar chapa le todo metal, tem 7 rodase
duas maiiivelias ludo bem construido e
alguns relogios de algibira tudo por preco
commodo ; no beco do Abren defronle da casa
de pasto do Sr. Jos Caetauo.
Eseraras Fngdos
cr No lia 5 de Dezembro do crlente an-
no dosencaminliou-se um molalinlio de idade
de 9 annos pouco mais 011 menos de nom
Joo todo cheio de marcas de bobas com
camisa dealgodao junto com um cavallo ro-
dado com uma baiida de ctfbegs mais clara
que a outra cuio molalinho c cavallo vierao
deconstruciao Brasileira loriada clecobie, .1 .,*. _____.
. ;oL T.tiImnniA i 1 unl em u,n comblo de assicar; quem o des-
e prompta a seguir viagem iguaimenie 4 .1 .'*,!_ 1
esLvol marinheiros ; a tratar com Gaudino, br.r- podera entregar nesla praca a Manoel
A-ostinho de Barros detraz do Corpo Santo. Jose da Silva Braga con, prensa de algodao ou
D" enCenho Barra em Nazarclh
'tjr Bichas prctsi grandes e pequeas de ^ No dia psra 3 do jrrenles. 7 horas
superior o ua I idade, alcatro em Larris ou em da no.te desapareceo um pre o de nacao an:;o-
canadas. condecas grandes e pequeas, ba- 1 de id.de de 18 annos lad.no do lugar
ricas de farinl.a de trigo tudo por preco com- do atierro dos affogados da casa le Jos Mo-
modo; na ra estrella do Roza'rio pdaria De- reir da Silva como, gn.es scgu.ntcs; es-
lalura regular, rosto oonlpndo beicosgros-
im Superiores bichas prelas ao Hambur- levou vestido calsa de estopa camisa do
go grandes e pequeas ; na ra Direila pa- >"|oo com um panno da costa ; quem o pe-
!', 'r ;ar leve a loia de trastes D. ab que sera re-
dara D 4. j
ssy Um escravo de meia idade ptimo con^nsJdo'
XSW Em'dias de Novcmbro p. p furio da
fazendados trapiaes ribeira de capibaribe,
um preto de nome Jacintho, alto grosso,
de cobre a tratar com seus consignatario
N. 0. Bieber, ra da Cruz n. 63.
Leilo
tsr Que faz Me Calmont & Companhia ,
sr int
presenc
de A. Aosch na ra di Ladeia velha D. 17 no
or interven o do Corretor Oliveira em primeiro annos. .
presenca do Agente dos seguradores Lloyds | tST Um sobradinho sitio na riia velha da
porconlade quem perlencer os seguintes Boa vista em chaos piopnos bom quintal
efectos uzados da Barca Ingleza Lord 0-1 e cacimba com sabida para tras ; a tratar
chrane, arribado a este porto, a saber vari- i na ra da senzala velha padana de Antonio
os quintaes de cobre veiho de forro de navio, I Jos Gomes.
e pregos do mesmo ma.ame de 8 polegadas | CS" titas de garca largas 36o a vara e es-
bolieiro e cozinheiro ; no largo do Corpo
Santo armazcm de molhados a fallar com o
WyDss redes de pescar, uma de trinta cara" redonda ponca barba, testa "grande
e tres bracas, e a outra de 18 ditas : no al- com ca,lls rellias pequeas be.goigros-
trro los abogados passando o sobrado do Bri- sos ? ^7 pegar leve a dita fazenda 011
to primeira casa que lem lampio. Mlf ^dade em lora de portas junio ao so-
Or Urna preta de naqo la costa, de ida- brado do Adelino que sera recompensado,
do do 4 .L, corinh., com perfeicao o ** No da dois do corren te fugio do pogo
diario de urna casa, engomma, liso, e he da panella de casa de Jos Alexandre ter-
boa quilandeira ; na ra do L.vramenlo D. reir um moleque de nome i'erme/iras, com
10 no segundo andar. ldh, de annos 5 nue" o pegar leve a
jy Psdeparreirabraneimuscatel opli- ra do Fagundes D. 7 ( que sera recompeu-
mas para plantar por estarem em caixes sacl0*
olhos de repoll.os para plantar a 4.o o cenlo-, ^ No da a do correnle fugio um preto
I na rus lreila padaria do Machado. creoulo de bonita figura olhos grandes de
tsr Urna escrava que sabe fazer todo o ser- ome Antonio estatura ordinaria giosso do
vico de uma casa, urna blanca com pesos, corP idade de 1 ti a 1H anuos, levou calsa
medidas de folha e pao, pipas, e barris de panno preto, camisa de nscado azul e bran-
vasios 5 as5 ponas Di a3. i00 eaqueta de bnm 5 quem o pegar leve a
*33. Um completo sortimento de taboado ra nova na loja do sobrado da viuva do Snr.
de pinho da Succia omelbor que aqui tem Thomaz Lins que sera recompensado.
Legado tanloemalvura como em quali- *&" Desapareceo da fabrica de rap do at-
dade, tem .4 ps de comprimenlo e um de trro dos aHogados um preto de nome Ramiro
largura, c de meia al 3 polegadas de gros- de naco angola, anda muito bucal, que
sura; no armazem atraz do iheatro da parle pouco ou nada se entende d estatura ordi-
nm letne um mastro grande de aa polegadas
de dimetro em perfeitff estado uma por-
cio de cabos de ditferentes hitlas um mas-
taro ds 49 ps por 1a polegadas, urna bu-
jarronade <4 ps .por onze uolegadas e di-
versas cavilhas de cobre, e de ferro sabbado
7 do correnle as onze horas da manhi no tra-
piche do Vianna na alfandega velha.
\&- Que lazm Me. Calmont & Compa-
nhia por intervencSo do Correlor Oliveira ,
de um completo sortimento de Fazendas in-
glezas, terca feira 10 do correnle as dez ho-
ras da manh em ponto noseu armazem dama
da Cadeia.
C3* Joo Stewart consignatario da Barca
Ingleza Mary-Gharlotle-Ueber, arribada a
tenorio tendo de dispor de parle de sua
earg para o eosteio e concert que necessa-
riamente tem de fazer n este porto ; faz lerlo
por intervencao do Corretor Oliveira-, segun-
da larra 9 do corrente no seu armazem da
ruaTa'Cruz as 10 horas da manh dos se-
forfnt'es artigos; chapeos Je seda para hotnem
bous ^ e avariados chamines e globos de vi-
dro para camiiairos ^ requssimas eslampas de familia 5 a tratar na praca da Boa vista venda
cores', papef para msica-, e pintado lio- D. 5.
toens escomilbas gravatasr de- suda cha- t&~ Toalha9 de Guimares para mesa de
neos 'sapatos meias do algodao para sendo-' duas e meia ei varas; na loja la quina da
rn garp anlili.as de ourofino de lindos pa- quinada ra do Collegio junto ao Passo.
dr5es cordas para ieba(.o t'igcllas azues de1 s2r Uma* negra cose bem, engomma,
vidro copos para vinho quadros com mol- ozinha o diario de uma casa, boa doceira ;
dliras onnes de procelana fina escreva- na ruido Cabug D 4, ou r.a ra por detraz
nin'iai cixas com ebreia,, uui eplmdido da do Fagundes casa do Vianna.
treitas a 240 guarnicoens de bom goslo a too
a vara luvas compridas de seda a 100 di-
tas curias a iox> ditas de lgodo compridas a
8e ligas de seda a 120 o par liula prela
a to rs o bol bao e encarnada a voo rs j)a-
pel almasso a 4''00 a e de peso a/ul a .5000 ,
pentes de alisar muito bons a *oo, meias de
laia pretas compridas e curtas por pre o com-
modos : na ruado Cabug D. 3.
K3T Na ra do Rozario larga loja de miu-
dezas I). ) pedacos de msica de Igreja dos
mclbores aulhores, novamenle chegadas de
Italia.
ET Uma linda Cidade fcita toda de ma-
deira obra elegante para prezepio ; em lora
de portas tnda de marcineiro
tW Uma escrava moca com muilo boas ha-
belidades sem vicios nem achaques urna
dita de meia idade com todas as habilidades
precisas para uma casa ; na ra nos Martirios
na segunda casa do beco que vai para a ra do
caldereiro.
tg" Uma venda com poucos fundos na Boa
vista no beco do Veras tem commodos pars
do mar ; assim como larinha de trigo.
tSS" Duas prclcs mocas uma dellas en-
gomma cose e cozinha um inolato de a5
annos de idade bom olhcial de sapaleiro e
oplimo para pagem um moleque de n an-
nos muilo bonlo T uma negrinha de to an-
uos de idade, ja cose bem ; edoisprelos mo-
cos ptimos para lodo o servico ; uma mola-
la com bom leite para criar urna cianea, cose,
e engomma: na ra de agoas verdes casa
terrea D. I7.
13" Uma escravo pardo de idade de aa au-
no > proprio para pagem ou para servico
le casa chegadoa pouco de fora; na ra dos
Quarteis padaria de AJanoel-Antonio de Jess
se dir.
527" Na ra lo Vigario D. ia quatro rs-
cravos ladinos um negro sapaleiro. um dito
allaiale um dito canoeiro e trabalhador de
roca e uma escrava coslureira e bordadei-
ra de bonita figura.
ti? Bichas prelas de todos os tamanhos e
por preco commodo ; no atierro da Boa vista
junto ao beco do ferro D. 19.
SSF* Um negro de 18 annos de idade, de
bonita figura sem vicios nem achaques; no
paleo da S Cruz em casa de Joao Sebastio
Peretlr se dir o motivo;
C?* Uma negra de nacao de idade de a5
annos com atgumas habelidades ; na ra
Direila sobrado junto a Igreja do Terco D. J
55, no mesmo precisa alugar dois pretas que
saibao vender na ra.
tf Um aparelho de porcelena branca de
muito bom goslo para 5o pessoas ; em cas
d A. oscb ra da cadeia velha D. 17.
nana, rosto um tanto redondo olhos fuma-
ceios, denles aberlos pouca barba, ore-
Ihas pequeas pemas grossas ps curios ,
comas mos aleijadas e alguns dedos um
pouco intrincados e defeilno/.os falla fina ,
I ugio no dia 23dop. p. levou camisa de al-
godozinho calsa de dilo transado, chapeo
de palha e baela azul ; paga-se genoresa-
mente a quem o descobrir e pro leste-se con-
tra quem o occullar ; ssm como roga-se a
todas as aulhoridades policiaes lomem por favor
a seo cargo o dcscobruueutu do mesmo.
lVIoviniento o Porto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 6.
BAHA ; 8 lias, Bi igue Nac. S. Jos de 156
tonel. Capilo Antonio liodriguesTabor-
da equip. 11 carga areia ; a Caudino
Agostinho de Barros ; esegue para o As-
su.
RIO DE JANEIRO j i dias fumaca Nac,
Nova Sociedadede 5 a tonel., M. Manoel
Antonio dos Santos equip. 7 carga' va-
rios gneros' ; passageiro um brasileo..
AMSTEROAM : 4a dias, GaJiota Holande-
zaHendrika de 175 tonel. Capilo 1'.
H. Plukker, equip. oilo carga qoeijos,.
genebra, e batatas ; a Scbramm
SAHIDO NO MESMO DIA
LIVERPOOL v Briguernglez Vesper Cap.
John Black carga assucar e algodo.
KECiFE SATYP. DE M. F. DE F. ib^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E524F87AI_CI8LJY INGEST_TIME 2013-03-29T17:53:11Z PACKAGE AA00011611_03966
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES