Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03965


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1839. Sexta FeiU
Tudo ffor depende de nos mesmoj; da nossa prudencia, modera- fir ^t^kKIwV
to, e energa : continuemos como principiamos e seremos spontado*
Con adiuircco entre as ISaroes mascullas.
Proclamaco da Assttnbka Geral do Braiil.
---------------- lisas >aUl
Subscrve-se para esta folha a 3jooo por quarlel papos adiantados
DeSta 'lypografia, ra das Crines D. 3, enaPracada Independencia
D. 37 c 58, onde se receliem correspondencias legalizadas, eannuucios
1 Hsiriiido-se estes spalis, sendo des proprios assignanles, e vindosassig-
taados.
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidade da Parahiha e Villas de sua pretcclo...................\
I)lta do Rio Grande do Norte, e Villas dem...................Segundas c Sextas Feirts.
Dita di Fortaleza e villas dem........t k ....... t.......\
Villa ae Gianna. ................>.............../
Cidade dr lnula............... -...............Todos os dias.
Villa deS. AiUmo..................................Quintas feiras.
Dita deGaranhims e Povoaco do Bonito.................. IJias io, e a4 decida mu."
Ditasdo Cabo, Sefinlisein, Hio Formlo, e Porto Calvo. ... 1.......dem 1 11, e ai dito dito;
Cidade das Alagoas, e Villa de Macci.........................dem dem
Villa de Paja de Flores.................................dem 13, dito dito;
Todos os Correios partem ao meio dia.
6 de DezembUo. NtMKlto 26?.
*.....' 1. 1 aaa
CAMBIOS.
Dezembuo. 5.
Londres......3^ por tfooo ced.
I.'sboa....... Ho por Oj0 premio, por mciaiouerecifJaV
Franca....... u^j res por I raneo.
hio de Janeiro ao par.
DURO Moedas de 6ioo rs Veteas i ai Dto* Novas i4#cJoo a i<8o
.. Hitas de 4*000 rs., #.00 a 8ino
PRATA Pataccs Riaiileiros....... 1 |56o a i#58e
Pezos Columnarios--------------- 1 *56o a lf 58
Dilos Mexicanos-------......i|5,0 a 1/540
Premios das Letras, por mes 1 i/B a 1 1 |i por lea
Moeda de cobre 3*4 Por loo. de disc.
Das da Semana.
a Segunda S. Bibiana V. M. -.------. Ko lia despacho.
3 Terca---------S. Francisco Xavier Ap. ----- Relaco e Aud. do J. da D. da 1. vara de manb
4 Qiwrta--------S. Rarboi-.i V. M.----------------- Sesso da Thez. Audiencia do i. dejl). da 1. V. $
5 Quinta--------S. Geraldo Are.------------------- Re. eud doJ. de D. da 1. v.
6 Sexta----------S. Nicolao B.----------------------Ses. da Thez. e aud. do J. de D. 4a I. v.
- Sabbado 8. Ambrosio B.^-------------- Re. e aud. do J. de D. da 1. v. de as.
8 Oumingo 2. do Advento Cunceico de N. S. --
Mart chela para o da 8 de Deiembn.
As S horas e 18 minutos da manhS As 5 horas e 42 minutos da tarde*
'".....i .
PERNAMBUCO.
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia ic) do jiassado.
Officio-Ao Exm. Presidente, remettendo-
Ihe e informando o requerimento do Major
d'Artilheria Joze Gabriel de Moraes Mayer,
que supplicava o abono das gratificaees como
Major de Brigada do Exercitodo Sul at o
dia em que a esta Provincia se recolbeo a-
bono que se Ihe fez somente Pi o dia em que
naquelle Exercilodeixoude exercer este Em-
preo.
Dito-Ao mesmo Exm Snr., remettendo-
lhe e informando o requerimento do Alteres
de 1, Linba Miguel Alfonso h'erreira rque ao
Governo de S. VI. O Imperador supplicava a
sua Reforma de conformidade com a Le n.
41 de'O de Setembrodo annop. p., allegan-
do tersido julgado pela Commisso qualifca-
dora dos Otficiaes do Exerctio hesta Provin-
cia incapaz do servico activo em conse-
quencia de infertilidades crnicas aue padece.
Dilo-Ao Juiz de Direito da i. Vara do Cri-
xrte Joaquina Nunes Maxado acensando rece-
lado o seo offic. desta data e significando-liteq'
ficava scienle de baver elle entrado no exefei-
cio de suas funcces desde o dia 36 do cor-
rente ; e por conseguinle as d'Auditoria da
Gente de (iuerra.
Dito-Ao Director interino do Arsenal de
Guerra para que houvesse de mandar apre
sentar um Mestre C arpia ao 1. 'lente A-
nacteto Lopes de S. Anua no atterro dos Af-
fogads em una casa que se eslava construin-
do junio ao viveiro do Muniz as g horas da
manha do dia 3 do mez vindouro a fim de se
proceder a exame da madeira que se Iiia
.comprar para as obras do Forte do Buraco.
Lito-Ao 1. Tenenle Anaclelo Lopes de S.
Anna communicando-lhe o exposto no an-
tecedente officio.
A^NUNCIO.
fendo-se de proceder em hasta celebrada
peanle o Conselio extraordinario de que
tracla o art. -ti do Reglamento de 17 de Fe-
vereiro de i83a a arrematacao dos medica-
mentos precizos ao Hospital Regimenlal no
futuro auno de 180 ; o Commandante das
Armas em exntelo as dlsposices do citado
art. convida aos Snrs. Pharmiceuticos esta-
belecidos na Capital comparecerem na Se-
cretaria Militar as dez horas da manha do dia
ib do correnle a fim de ceiebrar-se o con-
traclo do fornecimento de taes medicamentos
em vista do Formulario das receitas, e precos
no mesmo estipulados.
THEZOURARIA DA FAZENDA.
Expedienle do dia 28 do p p.
Oflicio-Ao Contador da mesma Thezoura-
ria para mandar vista da con la qup o a-
companhou e do officio do Exm. Presidente
da Provincia de a3 do corrente que por co-
pia tambem o acompanbou abonar a 'I he-
zouraria Provincial a quanlia de g-.o'i-tjlird
fi, por constar do mesmo officio ter o Gover-
no Imperial approvado a despesa feita no anno
financeiro p. p. com O caes do Collegio al a
Oina de ili*S|n5 rs. devendo a mesma
Thczouraria Provincial por conta da qttal
se continuarlo a faser as despesas ser tndem-
hisada da differenca por so se haver pago
pelo Ministerio da Marinha a quantta de
ja;8o6s'439 n.
ca ao.
Dito-Ao Procurador Fiscal acompanhander
a conta assihada pe'o Escrivam d'Alfandega .
da quantia de q Comp. deixaro de satisfaser pelos Direitos de
consumo de varios barris de plvora que reex-
portarlo dcsta para a Provincia do Rio Gran-
de do Norte a fim de proceder como for de
Direito para ser a mesma quantia com brevi-
pade recolhida ao Cofre.
mk 3do corrente.
Officio-Ao Exm. Presidente da Provincia
informando o requerimento de Fr. Manuel do
Santos Sepulchro.
Dito-Ao mesniO informando o requerimen-
to do Capitam de Mar e Guerra Bartholo-
meu Havden.
Dilo-Ao mesmo informando sobre o officio
do Exm. Vice Presidente da Provincia da
Paralaba que acornpanhou o requerimento
de Joaquina Jos Ferrcira constructor das
Madetras da mesma Provincia
Dito-Ao mesmo partecipando-lhe em con-
sequencia de comunicaco do Administrador
da Recebedoria de Rendas Internas que os
Empreados da RpartHro das Rendas Inter-
nas Provinciaes (a excepcaodo Aroanuen-e lo-
s Victor Ferretra Lopes ) deixaro de sellar
osseus Provimentos tal ves por entenderem
que a Lci Provincial aliviando-os de novos
emolumentos e outras despesas pelos seus
ttulos, tambem os dispensou daquelle im-
posto quando este tendo huma applicaco
especial e de etteresse geral deve em todos
os casos e conforme as ordens ser pago ou
seja pelos particulares ou pela Fasenda Pu-
blica e pedindo a respeilo a expedico das
ordens que julgar convenientes.
Dito-Ao mesmo com o officio do Prefeilo da
Comarca do Limoeiro e a conta que o a-
companbou da quantia de 5$88ors de despe-
sas feitas com diversos Recrutas vindos para
esta Cidade a fim de comunicar se pode ,
ou nao ter lugar este pagamento.
Dilo-Ao Inspector da Thezouraria da Pro-
vincia das Alagoas partecipando-lhe que ten-
do sido recebido o seu officio de 5 de Setem-
bro p. p. que acompanbou o saque de 38:ooo.f
rs. 3o dias precisos sobre o Ihezour da
Fazenda desta Provincia a favor da Caixa das
Rendas applicadas a amortisaco do papel ,
fica o mesmo saque acceito para ser pago no
dia do seu vencimento.
Dito-Ao Inspector da Thezouraria da Pro-
vincia da Parahiba disendo-lhe em vista do
seu olficio de 17 de Outuhro p. p. que a-
L-oiiipaimuu por copia a oruern uo 1 riOUQ&i u
Thesouro Publico Nacional de 9 de Setembro
antecedente sobre o pagamento das Compa-
nhias Provisorias de 1. Linba existentes em
diversas Provincias quesetem mandado le-
var o crdito da mesma I hezouraria a quan-
tia de 1 70^^60 rs de gneros que se bavio
remedido para a Companbia Provisoria da
Provincia do Rio Grande e que pelo saque
da respectiva Thezouraria eutrou fio Cofre
desta.
THEZOURARIA PROVINCIAL.
EulTAL.
O Inspector da Thezouraria das Rendas
Provinciaes faz publico que perante a mesma
Thezouraria em os dias 8 19 e ao do cor-
rente as 1 boras da manhal se ha de proceder
impreterivelmente arrematacao dos renat-
1 nentos da Taxa das Barreiras estabelecidas as
l'ontes da Magdalena" e Carvalho, a qufim
mais der por ellas*
Ai pessas que se propozerera a esta arre-
matacao compareci nos das cima indicados ,
munidas de Fiadores idneos. E para cons-
tar se mandou affixar o prezente e publica-
lo pelo Prelo.
Thezouraria das Rendas Provinciaes de
Pernambuco 5 de Dezembro de iR3q.
Joo Baptista Pereira Lobo Jnior.
Diversas Reparticoens
TRIBUNAL DA RELLACAO.
SKSSA OO DIA 5 DO CORREMTE.
Na appellacao Crime do Tribunal dos Ju-
rados desta Cidada appellanle Elias Martins
soldado da Polica apnellado o Juizo Es-
crivo Posthumo ; julgaro improcedente o
recurso por nao existir algum dos casos mar-
cados no artigo 3o 1 do Lodigo do Processo
Criminal.
Na anpellaeorivel do Juizo de Direito
desta Cidade appellanle D. ( alharina Fran-
cisco do Espirito Santo appellada I). Lean-
dra Alejandrina Lopes Luna EscrivoCha-
*es; se julgou pela contirmaca da 'sentenca
appellada.
Os Embargos de Joo Carlos da Silva Gui-
mares oppostos ao accordao na cauza de ap-
pellacao Civel da ( omarca do Rio Formoso
em que he parte Antonio Francisco do Reg
l'arros Esctivao Bandeira ; foro recebidos e
reformado o accordao embargado.
Na appellai,o de Francisco de Carvalho
Paes de Andrade appellanle e appellado
Estanislao Pereira de 01 iveira do Juizo de
Direito da 1 Vara desta Cidade Escrtvo Ban-
deira foi julgado pela confirmadlo da sen-
tenca appellada.
Na appellacao Civel do Juizo de Direito da
Comarca deS. Anto appellante o Vigario
Joze Camello de S Garateante e appel-
lado Manoel Camello Cavalcanle de Albu-
querque Fscrivo Bebello ; Se julgou pela
reforma da sentenca appellada.
ALFANDEGADAS FAZEIDAS.
Hoje continua a praca das obras incomple-
tas amiunciada, e comecada hontem.
A PaUta he a mesma do n. a65.
MEZA DO CONSULADO.
Rendimento arrecadado na Meza do Consula-
do desta Cidade no mez de Novembro pp.
Direitos de 7 por centod'Ex-
porlaco 28:383,f3;g
Dilos de l por cento de dita 57.'44o
Ditos de Ancorapem 4:&b5$i6j
I tos de Depsitos que ex-
cederlo de anno 6;^'8ao
Siza de 5 por cenlo da venda
de Embarcaces ioo'000
Emolumentos de Certides i/p -o
Pdpel dos Passaportes I."nperiaes ,i5oo
T <~m -
33:466|aaG
"dndimentos das Provincias.
Dizimo do assucardas Alagoas aoos'?a5
l'itodoalgododedila 44^''*'7
Dito de dito da Patahiba 3oaj'575
Dito de dito do Rio Grande
do Norte rity
Dito d]algodio desta rroTn-
cta
Dito do assucar de dita
Dito do Caf
I i lo do Fumo
Disconto de 16 por cento dos
Ordenado de Outubro
Taxa de 40 rs. por sarco da
algodo Inspectada
Dita de 160 rs. por caixa do
assucar dito
Dita de 4o r< is por Fecho da
dito dito
Dita de 00 rs. por barrica
sacca de dito
4:577*8}
4:8531748
8jfa3
9#34
85/985
i64'oo
ao3'aoo
5'8o
198/066
44543/643
Meza do Consulado de Pernambuco 3 da
Dezembro de 18'jj.
O Administrador.
Miguel Arcanjo Montciro de Andrade.
A Pauta he a mesma do numero a65.
Arsenal de Guerra compra chumbo eni
barra prata fina de jalao cobertores de la,
capa tos para Tropa ac de correa, madei-
ra de construco quatro duzias de taboas da
assoalho de louro e daas de forro de ama-
relio : as pessoas que taes objectos tiverem
compareci no mesmo Arsenal as 10 horas da
manha para se ajustar preferindo-se a
quein por menos vender.
Arsenal de Guerra 4 de Dezembro de i8?cj:
Joo Arcn o Bar boza.
Vice-Director.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
RECIPE.
a. Sesso ordinaria de a5 de Novembro d
i83o.
Presidencia do Snr. Barros;
Comparecero os Snrs. Pessoa Souza \
Oliveira ; e Figueiredo ; faltando com oauza
os mais Snrs. ,
A berta a Sesso e I ida a Acta da antece-
dente foi approvada.
O Secretario dando conta do expediente
mencionou os segjiintes oficios.
Um do Exm. Presidente da Provincia par-
tpcinsndo que nao obstante a Lei Provincial
de 4 de Maio do corrente anno n. 79 nao
ter marcado quota preciza para pagamento das
corridas de saude tadayia ellas devio ser
feitas como al agora o lem sido por conta
dos rendimentos desta Cmara e sob sua
responsabilidade como he expressamenle de-
terminado no titulo 3. cap. ao art. a5 da ci-
tada Lei; addiado.
Outro do Snr. Vereador Maciel Vianna
partecipando estar doente de um unheiro no
p e por isso impossibilitado de poder com-
paracer as Sessoes ordinarias : iuteirada*
Outro do Fiscal Barros exigindo que se
mande sattsfaswr ao Dr. Felippe Neri quan-
tia de 3aoo rs, de urna corrida de saude, qu>-
com o mesmo fez uo dia 2o do corrente : ad-
diado .
Outro do Fiscal leilo partecipando ter fi-
cado liquido quantia de3s/a4ors. de urna
corrida de porcos que fez no Bairro do Rc-
cife, e que ia eslava cargo do Procurador
Prxedes : Cmara ficou inteirada e rp_
solveo que se ordenasse ao Procurador plr.


2
DIARIO
D E
PRNAMBUCO
entregar i Administrado do Hospital de Ca-
ridade referida quantia.
A Cmara deliberou que se chamaste os
Vereadores Supplentes Joao Francisco l'as-
tw, eDr. Antonio Joze Pereira para-servirem
no empedimento dos Yereadorcs ft'adiado
Bios e Maciel Vianna.
Despacharlo-se alguns requcrimentos. E
por ser dada hora levantou-se Sessao e
mandarlo fazer a pre/enle em (]ue assignarlo.
E eu Fulgencio Infante d'Albuquerque e
Mello Secretario a escrevi. Barros Pro
Presidente. Souza Pessoa Oliveira e
Figueiredo.
PRF.FEITURA. -
parte no n\\ 5.
[Um. e Exm. Sor.Forio prczos hontem
minha ordem e tiwero hoje destino ; An-
tonio Victorino Guimaraens pardo, e Sera-
pilo Francisco, preto por ura Commissario
de Polica da Freguezia do Recife por esta-
rem em desordem ; Joo Ignacio d Oliveira ,
pardo pelo Sub-Prefeito de Santo Antonio ,
por ter sedusido para oaos fins a urna menina
da casados Esposlos; Jos Francisco taro-
bem pardo pela o. Patrulha do districtodo
Carmo, por estar bastante ebrio Joaquim
Lelo erreira de Moura, tambem pardo .
pelo Sub-Prefeilo da Boa-vista por ter ferido
na cabera a um menino, seo discpulo ; e
Antonio Jos Henrique branco, pela i. Pa-
trulha da Santa Cruz por suspeita de ser de-
sertor.
E' o que consta das partes boje reccbidas
n esta Secretaria.
DISCURSO
Pronunciado na Cmara dos Sis. Reputados,
na sesslo de a de Ontubro pelo Sr. Maciel
Montciro.
Continuado do N. antecedente.
Eu dezejarei qne discutamos o orcamenlo
com mais conbecimento de cauza e que or-
ganisemos o nosso estado finaneiro ; porque,
lendo nos attenco aos recursos que temos,
nao tardar lalve/. muito tempo que o gover-
no tenha os necessanos fundos para fazer as
despesas sem se ver na necessidade de tan-
car Hilo de lucios extraordinarios c quasi
sempre onerosos. Nlodezejo, como o nobre
deputado o Sur. Montezuma que o estado
ordinario da renda possa ser bastante para
as despezas extraordinarias, eu nao quero
que imitemos Sully, que, segundo elle re-
fere em suas interessantes memorias quan-
do morreu deixou nos subterrneos da basti-
Iba l'i milhes de libras. Eu quero que os
dinheiro pblicos, longe de ficarem nos co-
fres do governo como capitaes improducti-
vos sejao applicados ao desenvolvimento da
industria, e quando as circunstancias do paiz
exigirein sacrificios extraordinarios, a naci
nao deixar de se prestar a elles
Hum dos recursos por mim apontados e
tambem poroutros para suprir o dficit con-
siste na suspenslo da amortisaclo do papel
circulante. Eniendo que a distracelo des-
t;i renda tem inconvenientes mais sustento
que este majo be preferivel a lodos os outros.
Segundo o calculo do tbesouro que admitto,
esta renda pode produzir i ,fc'oo contos em um
auno, huma vez que nao haja calamidades e
commoces polticas. Hum nobre deputado
propozdistrahir-sea nietade desta renda pa-
ra piehenchimento do dficit emostrou que
convinha que a amortisaclo do papel nao a-
cahasse de todo. Eu concordara com o no-
bre deputado se elle ndicasse hum meio de
se prebencherem os >ao contos que applica a
amortisaclo do papel : mais como nlo indicou
recurso extraordinario para !sl fim, rJc ad-
miti a sua idea.
Sigo o principio geral deque quando se
trata da amortisaclo do papel moeda nlo
convem que seja feito de subdito, pois que
ceste modo aflecta os interesses pblicos e par-
ticulares e todos os contractos, vindo o cre-
dor a feceber pela sua divida tanto mais ,
qiianio mais apreciado estiver o meio circulan-
te em reiaco ao tempo em qne o contracto
foi celebrado, (guando na Inglaterra o ban-
co de accordo com o governo tirou da cir-
culado consideravel massa de papel, o re-
sallado foi a appariclo de grandes crises.
Applico tambem ao dficit a differenca so-
bre odireilo dos vinbos. Enteodo que esla
medida (o tomada sem muita meditado e
quea fdps traclados nlo fpi ueste respeitada
em todos os seus pontos; mas a medida est
lomada, e urna vez q'o governo nlo consinta q1
outras paguern pela iniportacio dos vinhos
dortuguezes i5 por cen^ em quanto os por-
tuguezespagao 5o entendo que este imposte
poder produ/ir alguma cousa. Alem desles
meios nlo eslarei longe de admitir alguns
artigos dereceita do projecto do nobre depu-
tado o Sur. Castro e Silva ; como porexem-
plo autorisar o governo para lan armao
dos dinbeiros existentes nos cofTres pblicos
Isto poder diminuir alguma cousa o algans-
mo do dficit, e dar recursos ao governo.
Alem disto eu trato no artigo So do meu
projecto de hum imposto addicional de anco-
ragem (l o artigo) esta imposiclo nem he
onerosa nem pode deixar de produ/ir algum
augmento de receita. No orcamenlo do tbesou-
ro vem esla receita eslimada em 5oo contos ,
ficando ejla elevada na forma do meu proje-
clo, poder' produzir 1,00o contos pouco mais
ou menos e no espaco de 6 meses vem a a-
presentar por tanto hum augumento de recei-
ta de a, 5 contos O nobre deputado o Snr
Montezuma prope tambem huma ..Iterado
nosdireitos de ancoragem, maisd a e-
ta imposiclo huma latitudc, que eu
nlo lhe posso admiltir tendo em vista os inte-
resses do paiz porque o seo projeclo, longe
de favorecer a construcelo naval no imperio,
vai-lhedar hum corte de morte. O nobre de-
putado prope 5o rs prrtdia por cada tonelada,
e apenas admitte a distinc a entre navios de
contrucelo estrangeira, e de construcelo bra-
zileira Pondo de parte as duvdas que se p-
denlo suscitar, pois que nlo sei se esta im-
posiclo at certo ponto eslaria em harmona
com os tratados, em vez de favorecer a cons-
trucelo naval no imperio 5 produziria o effei-
to contrario Eu considero o seu projecto a
este respeito anti constitucional, injusto e o-
neroso. Perguntarei se hum individuo que
tem 100 contos empregados em hum vaso de
construcelo estrangeira eoutro que tem 1-
gual somma empregada emhum vaso de cons-
trucelo nacional, tem de pagar o mesmo im-
posto nos dous casos ? Eu entendo que nlo.
Ora a constituido diz que todos devem con-
tribuir para as despezas do estado segundo os
seus haveres ; he pois claro que este artigo
ataca a constitu co. Entendo que be injus-
to porque sendo a constituido fundada em
justica esta medida viola tambem os princi-
pios de ustica ; he onerosa porque este d-
reito vai pezar consideravelmenle sobre a na-
vegado hrasileira; pois que sabemos que hu-
ma grande parte das embarcares brasileiras
empreadas na navegacSo do cabota^em e lon-
gocurso slo de construcelo estrangeira. Pe
mais esta medida aprsenla anda a desvan-
tagem de se nao poder proceder a um calculo
exato acerca de sua renda ou importancia ;
inconveniente que eu evito pelo meu sysle-
ma.
Agora passarei aos effeitos desta imposi-
clo
He ncontestavel, Snr. presidente que os
direitos de importado no Brasil slo muito
diminutos : em todas as outras naces estes
direitos slo elevados a 25, 3o, 4o, 5o e at
60 por cento e at ha pai/.es onde se cobrlo
700 por cento sobre certos genaros Para au-
gmentarmos a nossa renda publica he neces-
sario que esperemos que acabe o tratado com
a Inglalterra ; ora, se eu poder provar que
por meio do direito de ancoragem, podemos
inlireclamente augmentar os direitos de im-
portado creio que terei provado a prefe-
rencia do meu projecto Tigurarei duas hy-
potheses primeira hum especulador ajus-
ta com o dono do navio o frele de um carre-
gamento obiigando-se a lomar sobre si o di-
reito de ancoragem 5 segunda, o especulador
obriga-se somentc a pagar o frete ficando a
cargo do dono do navio o pagamento da anco-
ragem. No primeiro caso, o especulador pa-
gar menos frete, mais ter huma despeza
addicional no pagamento da ancoragem no
a caso o dono do navio pagar ancoragem,mas
corlando com esta despega, ^Q^sr^ **iam Fre-
te. Em qualquer dos casos pois, o especu-
lador contando com este accrescimo de des-
peza, exigir mais pela sua mercadoria que
valendo mais na praca pagar tambem di-
reitos na proporclo deste mair valor. Ora,
se a cmara toda conhece que osdireiros de
importado slo deminutas como recusar este
augmente de direito na ancoragem, que ten-
de a augmentar indirectamente os direito de
importado ? Desta demonstrado concluo que
os effeitos e as incidencias do direito de anco-
ragem slo os efleilos e as incidencias do direi-
to de importado e qne se seadmilte que as
taxas eslabelecidas sobre a importado nlo slo
exageradas e antes diminutas, necessariamen-
te se deve admiltir tambem que o imposto ad-
dicional de ancoragem como en proponho,
em nada poder* ser damnoso importacao ,
fortuna publica eao paiz.
Fazendo a somma de todas as quanlias que
miaistro ao gorerno para fazer face ao dficit
no corrente anno financeiro dou l,boo
contos das rendas applicadas 900 contos dos
vinhos 100 contos do projecto do Snr. Cas-
tro eSilva, a5o contos de direito de an-
coragem o que tudo monta a quasi 3,ooo
contos, que he no que calculo o dficit noanno
corrente Tratarei agora prebencher o dfi-
cit do anno findo.
Tendo mostrado os incovenientes da emis-
sJo do papel e adesvantagem da misslo de
bilhetes do tbesouro eu nlo podia lancar
mo de otro meio que nlo fosse o do em-
preslimo Nao pens que este meio seja li-
vre inteiramente de al^um inconveniente
mas entendo q' quem quiser resolver aquesto
de hum modo rcspeilador de todos ns interes-
ses e opinies seguramente andarar aira/
de huma cbimera ; pois que, as circunstan-
cias nctuaes das nossas finaneas nlo he pos-
si vel prebencher hum dficit sem que alguns
interesses se molestem e alguns inconvenientes
aupare lo. Entendo que he hum mal mas
entendo tambem que o legislador brasileiro se-
acba na posico de escolher entre males, e
por tando deve escolher o menor. Tem-se
combatido a idea de imorestimo em these ge-
ral e em bvpoihese. Em these peral por-
que seentende que be sempre hum meio rui-
noso de que lauca mo hum governo ; em bv-
poihese, porque se entende que o estado da
praca he tal, que nao se pode levar a effeito
linin emprestimo sem grave onus para o
paiz.
Hum nobre deputado impugnando este
meio para dar mais forca aos seus argumen-
tos disse que Saint Len reprova os em pres-
timos que nlo slo conlrahidos para alguma es-
peculado.
O nobre deputado nlo referi porem exacta-
mente a opinio do escritor citado ; pois que
Saint Len diz positivamente que os empres-
timos p^dem ter duas origens legitimas : a
primeira he a especula ao ea segunda a ne-
cessidade. He verdane que os emprestimos fei-
tos para huma especulado em ''eral slo vanta-
josos em quanto que os conlrahidos pore'lei-
tode huma necessidade se alguma vanlagem
tem, be toda negativa. Todava he hem sa-
bido que tomar emprestado para realisar tran-
saccSes temerarias e imprudentes be a maior
de todas as loucuras e cegueiras. Pelo que
respe!ta aos emprestimos que sao filhos de hu-
ma necessidade huma unir considerado se
deve ter em vista segundo Dufresne e vem a
ser o cuidado que se deve guardar em nao fa-
zer recahir sobre as geraces futuras os effei-
tos de hum emprestimo feito para remover
causa de hum mal momentneo. Quanto a
guerra, ella he sempre huma causa justado
emprestimo ; e quando elle he feito para re-
chassar huma invasao estrangeira oudebellar
os inimigosdas Inslituices naconaes enllo
elle he smente legitimo he indispensavel
tem hum fim mesmo santo, fisse-se na casa
que grandes e repetidos emprestimos era com-
pativeis com a prosperidade nacicnal : be isso
huma verdade de fado observada na Grl Bre-
tanba Nlo direi senhores como alguns ,
que a Inglaterra prospera por causa da sua e-
norme divida; direi si m que prospera a pesar
della Mas be foradeduvida que as dividas
publicas como todos os males tem hum la-
do vanlajoso consiste senhores a vanta-
gem das dividas publicas em ter oeslado hum
grande numero de capitalistas que lhe sejaS
adbesos e que se interessem na conserva lo
do goveruo e da ordem. O mesmo nobre de-
putado a quem cima me refer pretendeu
mostrar que os emprestimos tinha feito gran-
de mal Inglaterra e que s havia5 servido
para rscravisar a Europa e impedir que as
outras naces se conslituissem segundo a sua
vontade.
(Continua.)
Correspondencia
Srs. Redactores.
Rogo-lhes o obsequio de imprimirem no
seu interessante Diario a seguinte traduc.io
das virtudes do Creosoto rlillard e do modo
de uzar delle Este remedio elTicacissimo con-
tra a dor e caria dos denles males de que
sao to adiados os Pernmhueanos Por
este favor muito obrigar ao seu constante
leitoro
Adiado de dor de dentes.
Creosoto Rillard.
nico especifico approvado contra a Caria e as
Dores de entes.
O Creosoto Rillard tira de repente a mais
desatinada dor de denles eciua acacia.
Osagradeciroenlos que a Academia Real
de Medicina no seu relalorio sobre o Creosoto,
me tem dado os elogios que esta substan-
cia tem feito todos os Jornaes e a to;;a ver-
daderamente extraordinaria que o Creosoto
Billard tem tido desde o pouco lempo que he
conhecido sao ttulos mai que muitos suffi-
cientes a confianca publica.
Depois d'esta preciosa descoberta muitos
dentistas sedispensade arrancar dentes caria-
dos por isso que o em prego do Creosoto so-
mente Ibes evita estas dolorosas operaces A
este respeito eu poderia citar huma immensi-
dade de mdicos, e de dentistas recommenda-
veis lauto da Franca como dos paizes es-
Irangeiros : mas contenlo-me com citar apenas
Mr. Refnare, hum dos mais celebres dentis-
tas de Pariz Mr. Rroussais primeiro medi- ,
ca do Hospital de Val de Grace Professor da '
Escola de Medicina mernbro da Academia
Real de medicina &c &c., e Mr. Le Her ,
medico dos condemuados e da Faculdade de
medicina de Pariz os quaes depois de o ha-
verem experimentado e usado em si mesmos,
e sempre com o melhor successo o acconse-
lha aos seus doenles.
O mrito evidente e a reputado quasi eu-
ropea dos nomes que acabo de citar devem de
convencer as pessoas anda as mais incrdulas ,
de que o Creosoto Billard gosa nao s das pro-
piedades cima enumeradas msate deque
o podemos empregar sem temor do menor in-
conveniente.
A maneira de usar delle he a seguinte
Emhebe-se hum pedacinho de algodo e in-
trodaz-se com hum alfinete no buraco do den-
te, que est doendo A dor desvanece-se
inmediatamente ; mas como pede reappare-
cerao depois, he de mister si quisermos des-
truir a caria e assegurarmo-nos de que a dor
nlo tornar a apparecer renovar a applica-
cao do Creosoto huma s vez todos os das ou
mais frequentemente si o mal o requerer e
isto pelo espaco deoilo ou quinze dias (sem
int rrupclo: segundo estiver o denle mais ou
! menos cariado o ervo do denle ficar enllo
' completamente cauterisado e por cnsequen-
cia perder a sua sensihilidade.
Para curar a caria-dot denles que nodoem,
em prega se o Creosoto Billord da mesma
maneira.
Oi'servacoes Si a primeira applicaco
nlo tirar absolutamente a dor, convem i."
fa/.er segunda com alguns minutos de inter-
vallo t." tomar cuidado na occasiao de ap-
plicar o Creosoto que elle nao loque as gen-
givas a fim de prevenir a ligeira (jueimadu-
ra que poderia produzir queimadura que
alias apenas durar hum instante e nao trai
o menor perigo.
3.* Si a dor atacar a muitos dentes ao mes-
mo tempo sem que elles tenha a caria ap-
parenle ; convem lavar a boca com huma co-
iberd'agoa lepida ue contenha oito ou dez
gotas de Creosoto Billard. Emoregado desta
u'lima maneira huma VM por dia al veja os
denles de hum modo notavel, sem que lhes
altere o esmalte, e prohibe que os denles saos
nlo a podre a, -
4 Quando o Creosoto Billard nlo miliga a
dor sendo applicado pela quinta ou sexla
vez he porque a dor nao tem seu assento no
mesmo e he produzida entao pela inflamado
da membrana que involve a raiz desse dente.
Neste caso que he mu taro, convem uzar de I
pedeluviosde moslarda e melter no buraco .
do den'e hum algodao embebido em Ludano.
5. Si quisermos impedir, que o cheiro
deste liquidse nloespalhe pelo quurto onde
querque o conservamos basta ter o frasco-
sebaixo de hum vdro O cheiio de alcatrlo
que elle deixa na boca he mu sao e quem o
quiser faser desvanecer basta mascar huma
paslilha de cachund substancia que se
acha em todas as farmacias.
De' e-se ter o vdro do Creosoto sempre bem
arrolhado.
Aviso importantssimo Fara evitar as fal-
sificaces advirta-se que o Creosoto s se
vende em frascos, e cada hum accompanhado
desle relalorio. no qual est mpressa a meda-
Iha que me foi decretada.
Noticias fTstrangciras
Os disturbios de Zurich.
Os pormenores que temos dado acerca do*
disturbios de Zurich, descobrem um carcter
digno de ser atlenlamente observado.
E' sabido que a Suissa tem seguido com
bstanle regular ida de desde os fins do secnlo
pastado as vicissiludcs polticas da branca.
\ revoluco de 79< ensanguenlon o solo hel-
vtico. A reado do consulado tambem re
tumbou naquella repblica O imperio or-
ganisou-a franceza, e sugeitou-a ao grande
i


DIARIO
D E
P E R N A
prolectorato de Napoleo. Era i8i5 A
Suissa seguindo o exemplo da restauraco,
reslabeleceu o governo da aristocracia, sugei-
tou as aldeias as cidades poz-se em estreita
harmona cora a Europa monarciiica.
A revolu.ode Julho veio perturbar este
estado. Os liberaes agitaram-se nos 8 can-
tees da confederaco. e em qitasi todos elles
se mudaro as constituices aristocrticas. A
democracia apoderou-se dos negocios, e consti-
tui-se em governo Em Zuricb ero Berne,
e em Lausanne tem governado sem opposico,
desde 18Jo para oh os homens considerados
como os representantes da classe media cujas
ideas polticas, administrativas e religiosas
crao totalmente conformes com as do liberalis-
mo francez.
Mas o povo dos canles calbolicos olhava
com prevenco o mando dos incrdulos. l-
timamente o governo do cauto de Zuricb
lundou urna universidade, e chamou para a
cadeira de tbeologia o doutor Strauss, cele-
bre como aulhor de urna vida de Jezu Chris-
to, emque pretendeu provar que nao exis-
ti o Salvador. Os catholicos indignados por
esta nomeaco, que olharo como ura insulto
leito sua eren a obi igaro o governo a re-
\ogal-a e nao contentes com este trium-
pbo, organisaro Urna associaco publica a
cuja frente se collocou um commit deno-
minado da f Este comit foi o que diri-
gi a revoluco de Zurich, c derribou o seu
governo.
J sao tres os povos em que as massas se roo-
vemdebaixoda bandeira nica do catholicis-
mo e da Liberdade 5Blgica, a Irlanda e
aSuissa.
(Nacional de I isboa de ?o de Setembro )
GABINETE LITTERARIO.
O abaixo asgnado em cumprimento a
disposico do art 3a dos Estatutos do Gabine-
te i itlerario de Pernambuco faz publico os
otncios e rebices de livros que os acompanha-
ra oHerecidos a Bibliotheca do mesmo Gabi-
nete pelos Illms Srs. 1-rancisco Cavalcanti do
Mello e Jos Gomes Leal accrescendo nao
ser este Sr. Socio do Gabinete por isso mais
recommendavel se torna a sua offerta.
Recife a de Dezembro de \Wg.
Luiz da Costa Portqcarreiro ,
i." Secretario.
Deseiando a prosperidade do Gabinete Lit-
terario do qual V. S. mui digno Secreta-
rio e de que eu tenho a honra de ser mem -
hro 5 e devendo concorrer para o engrandeci-
mento de urna to til nslituico, com as mi-
nhas debis forcas eu faco presente ao mesmo
Gabinete dos livros constantes da nota inclusa.
Sirva-se V S. receber a minha pequea dadi -
va e aceitar a prolestaco da mais cordeal a-
mizade que consagro a pessoa de V. S. que
Dos Guarde.
Recife -o* de Novembro de i83o. Illrn.
Sr. Capillo Luiz da Costa Portocarreiro Se^-
cretano do Gabinete Litterario de Pernambu-
co __Francisco Cavalcanti de Mello
Vols.
Obras completas de Filinto Elysio i
Historia do descobriment dos Portugue-
zes no novo Mundo ----- 4
Dita da Reforma Protestante por Cobbert i
Observa.oes sobre a Carla Constitucional
de Portugal, e a onstituico do Brasil i
Vigilias de Torqualo Tasso traduzidas
na lingua Portugueza-
Essai philosophique sur les maeurs de di-
vers animaux trangers i
L* Kducalion progressive par Mdm.
Necker de Saussure -
Elemens d'histoire genrale par VJillot -
Hcautes de lliisloire d'Italie m
LetlresPersanes par Monlesquieu -
Voyage d'un Jeune trancis en Augiet
terre et Ecorrepeudant l'aulomne de
i8a3. --------- "
Elemens d'Economie politique par Mili i
Recife 16 de Novembro de i83g 38
Francisco Cavalcanti de Vello.
__lllm. Sr. Luiz da Costa Poitocarrero-
Desejoso do augmento e prosperidade do Ga-
binete Litterario a pouco creado nesta Oda-
de ; rogo a V. S. queira aceitar a pequea of-
ferta que faco para o mesmo do livros cons-
tantes da minuta inclusa. Dos Guarde a V.
S como Ihe deseja quera com eslima be &c.
'Recife sq de No- Jos Gomes Leal,
vemhrode i8q.
Nota dos livros que offereco para o Gabinete
Litlerano.
Say Economa poltica em 4. 3
Gmeineri Direilo Publico Ecclesiaslico
Vatlel--Direilo das Gentes- g
Martens Manual Diplomtico- -
Marrut Grammatica Ingleza 8. -
Diccionario da Biblia
Dito Potico latino e francez 4-
Elogios dos Reis de I ortugal em latim
e porluguez Ilustrados de notas his-
tricas e criticas por Figueiredo -
Recife. ?9 de Novembro
Gomes Leal.
de 1839. Jos
D. 35 que se dirJ quem per
zinheiro para casa de homem solteiro dirija-1 ra Direita
se ao atteruo da Boavista D. 3 \. tende.
fc^. O abaixo assigr.ado pelo presente faz cy Aluga-se um sobrado pelo lempo d
constar aos Srs. propietarios de predios Ur-
banos s tos no Bairro da Boavista que hoje 3
do crrente principia a contar-se os trinta dias
Festa ou por todo o anuo com excellente
commodos na Cidadede Olinda na na de S.
Bento D. 3o ; quem o pertender dirija-se
LOTERA DO SEMINARIO.
Deoendendo nicamente do respeitavel pu-
blico o andamento das rodas da segunda pirte
da 16 Lotera concedida beneficio da ins-
trueco publica em o Seminario Episcopal de
Olinda o Reitor do mesmo Seminario convi-
da aos amantes deste divertimeuto que de to
grande ulilidade tem sen ido multas pessoas ,
fim de comprar os bilhetes que ainda res-
tao para que se pos rivel, que muitos desejos tem de que as ro-
das corra dentro deste mez.
Avisos Diverso*.
tsr Precisa-se encarecidamente allugar u-
ma salla ou sotaS em qualquer casa parti-
cular para um homem solteiro ; ou mesmo
paga-se metade de urna casa a quem ceder urna
salla ; annuncie.
tsy O Sr. que comprou na ra Nova loja
de ferragem D. 10, um meio bilhete da Lo-
tera do Livramento que acabou de correr ,
e que deixou um anel de penhor ; queira
quanto antes vir remir dito penhor, pois
quem o vendeo quer dar contas.
3~F Amanh sete do corrente Dezembro
pelas quatro horas da tarde na ra do Fagun-
des porta da caza do Sr. Dr Aires, Juiz da
terceira Vara do Civel se arrematar por ven-
da em praca publica o terreno contiguo a
Prensa do Sr. Tavares no Forte do Mattos ,
avahado o palmo a dez mil reis
tsy Todas pessoas que se achao a dever os
Impostos de lojas abertas do corrente anno fi-
nanceiro relativos aos Bairros do Recife, e
Santo Antonio assim como a laxa dos escra-
vos rehtivos aos tres Bairros de Santo Anto-
nio Recife e Boavista queiraS comparecer
na Beparti :o das Rendas Geraes internas no
corrente mez, a fim de satisfazerem o que de- M
verem, pois que de Janeiro p. futuro princi- pergunta.O Escrupuloso,
pia a executar-se a todos que deixarem de
satisfazer os seus dbitos. Recebedoria das
Rendas Geraes internas 4 de Dezembro de
i83q.
O Administrador
Antonio Ferreira Duarte Vellozo.
ey A Meza actual que rege a Devogao de
N. Senhora da Conceicao erecta na Matriz da
Boavista tendo de festejar a sua Padroeira ,
com explendor e brilhantismo no da oito de
Dezembro e por a mesma^Senhora em Pro-
cissao com o SS Sacramento vista dos fi-
is pelas 3 horas da tarde ; roga ao Snr
Fiscal do mesmo Bairro que para melhor
brilhantismo do acto se digne mandar lim-
par as ras que tem de passar a Procissao, que
sao as seguintes-Atterro atraz da Matriz ,
ra da Gloria ra da Santa Cruz pateo da
Santa 'ruz, ruaVelha
z de Veras Praca
, beco de Joaquim Jo-
, ra do Arago ruado
Rosario ra da Conceicao Matriz ; assim
como a Veza pede aos moradores das mencio-
nadas ras queira ornar suas portas e va-
randas com colxas para melhor brilho, as-
sim como na vespera e no dia haja de por a
Illuminaso que lhes for possivel par cuja
graca a mesma Senhora Ibes dar a devida re-
compensa.
XSf Mr. Kissel relojoeiro francez no atier-
ro da oasia compra relegics dealgibeira em
segunda mo, tambera vende, eos afinca
aos compradores.
___Precisa-se de alugar um andar de um
sobrado sito na ra da Madre de Dos, ou ra
da Cadeia velha ; quem tiver annuncie ou
diri a-se ao atterro da Boavista lqj* de fer
rapem junto a Matriz que l se dir quem
o pertende. Na mesma casa vende-se um
negro de naco de idade de vinle e cinco an-
nos trabalha de enxada e he servente de
pedreiro ; urna negra tambem de naco da
mesma idade ptima lavadeira de varrella ,
e de sabo ; todos estes dois escravos tem bo-
nita figura sem vicios nem achaques.
___Na ra da Senzalla Nova loja do so-
brado onde mora Jlo Tavares de Nascimento
mestre alfaiate se offerecem duas Senhoras
para lavarem engomarem, e fazerera costu-
ras com toda a perfeico, e por preco commo-
do.
Quera annunciou precisar de um co-
do corrente principia a comar-se j mina uia ucmu u. ju ,|U....iw v^. .....v... -j- --
para a cobranca a boca do cofre da respec- ra das Agoas-verdes decima 38, segundo
tiva L'ecima do primeiro semestre do corren- andar. '
te anno financeiro findos os qiiaes se proce- 1 CTO Bacharel Antonio d Assumpcao Cabral
der executivamenle contra os devedores : bu- !cha-seresidindo na ra do Queimado lado
tro sim faz publico aos possuidores de estabe- do poente primeiro andar do sobrado D. 8.
lecimentos que nesta Cidade paga impostos ; 8^ A pessoa que tivr direitd n preti de
Provinciaes, taes como serrana, olri naco que diz chamar-se Mana com vesti-
cazas de leilo de cambio de modas fa- do branco muito sujo alta e seca e intitu-
brica de tabaco que no mesmo p'razo cima tula-se forra e anda cora flande de azeitee traz
marcado deve o satisfazer os impostos corres- | tifo em dinheiro, e nao diz nada em seo abo-
pondentes ao corrente anno financeiro proce- 'no, e por isso anuncia-se a quem pertencer :
dendo-se na forma da lei contra os omissos. dirija-se ao Jos Ignacio Pereira Capitam
Meza de Rendas Provinciaes de Pernambuco i do Campo em Belem.
de Dezembro de i<3q. r V*-x duzentos ou trezentos mil rs.
Luiz Francisco de Mello Cavalcanti sobre huma escrava ou escravo que nao te- .
Escrivo e Administrador. | nho vicios a quem convier este negocio : pre-
CT Traspassa-se a hypotheca de urna boa cure na ra do Rozario.
morada de ca/.a na ra da Roda cuja hipothe- OT Didier Roberto & Comp ra nova ,
ca foi por a quantia de seiscentos mil reis por pedem por favor a pessoa que levou da sua lo-
um anno vencendo o juro de dois por cento ja hura livro de amostras de bicos de linho,
ao mez e j tem oito rezes vencidos ; vence- querer mandal-o entregar pois que as ditas
se a mesma hypolheca em Marco do anno de amostras lhe lazem muita lalta.
i84o; o juro tem a cmdico de ser pago aj SST Ua-se tresentos mil res apremio de <
quarteis, mas nao se tem procurado receber por cento com penhores de prafa, ou fir-
aquarteis para se receber todo com o princi- mas a contento : quem os pe tender dmia-s
pal Na rua de Hortas D. quatorze a ra do Caldeireiro D. a6 casa que faz fren-
d- Precisa-se de duas pessoas forras, ou te com a Igreja dos Martirios,
captivas que entenda5 do servico de pada- | SST Nos das 6 e .0 d Desembro do
ria: a quem convier dirija-se a rua da La- corrente auno se hade arremattar em pra-
rangeira na padaria junto" ao Sr. Dr. Gran- ca publica do Juiz do Civel da primeira vera
i na rua da Aurora hura grande citio com
* OSr. Jos da Costa Albuquerque e'"mitas arvores de f.ucto excellente trra
Mello queira por favor ir ou mandar a Fora para borlas e meles, e sobre ludo boa fren-
de portas casa N. cento e quatro, sobre ne-, te para se edificar casas, na estrada de San-
c^0# 1 to Amaro perto do Pombal ; avahado em
1 ES" Roga-se por favor a pessoa que nesta ; Rs. 6;6ooUooo.
praca he procurador do Sr. Francisco Zum-| CT Traspassa-se d arrendamento da lojn
blan de Almeida Pires boje assistente no Ico da travessa da rua do Iosario D. 10 com
annunciaramoradiaoudirigir-se a Fora de armaco de fiteiros env.dra.ados, quera a
portas N cenlo e quatro. i pertender va a rua do Queimado loja D 9.
Vende-se farmha superior da estima- tsr Quem precisar de hum Por uguez sol-
da marca S S S F de Trieste chegada agora ; teiro para criado, ou fe.tor de algum sitio,
emCasadeN OBieber&C, rua da Cruz do que tem bastante conhetimento queira
m g-j annunciar.
'o Per8unu-se certo dono de Bolo- cr Ahm-j um casa para se ,ss,t a
qui^se M por eccooonm o por otra de fesla oa Cid.de de Ol.od.defront. de S^Pe-
Lericordia que tem hum Caxeiro timo dro novo ,eom mouos boos .omm^os ; qqem
rSir a os figne.es sem se eaulelar o a penender d,r,ja-se a ma do Qne,m.do Bo-
'"lh;.r;r.^"' ^ "^'Qr,iveH',,r,alTr1*l,oumdo"
*r2Zt\^f' f^moradL pr es,a WU.V se ,r.,ar
discussodos seus Estatutos, todava se faz mesina- Portufuez de
0 presente annuncio tanto para oonhec.men- CT Offerece-se m raoc^^ Fortu^uez de
u/dos IrmosTerceirosquenocomparecerao, 35 fnno 'sfJf ^ 0 parafaze
"WtoMtf^ZZZSLZ KSd.^SE ti"e'annlc^
feznapr,me.rareu.,.aoemq ^mP^e"0_^ aS ^ J0 sele via'gen, redonda, (isto na
formidade do eSo^Terrao. V^o que do 0^ de annunciar ,u.
r Como se perdeo hum meio bilbele do "y"^^ ama de raul0 boM
coac^e^;^TsrrlZ: eorme^uesai^a perfeitament;.cozinhar :
coacaDouaeco.re. B lhe na rua Dfeita D. doze segundo andar do so-
,To'.eq,r.oTxo as,T6 X M.nl Erado eonlron.ea bo.ic, de k.^f-
sanio .e nao au ai.* o ^^ Precisa-se duzentos e cineoenta riiil rs.
Ca^Anupa-se'nmcosnheiro: na rua da a juros dando-se para hypolheca urna escra-
c *^l S n va mossa propria pra todo o servico e acos-
rfe^i:^ metUcrava perjuros:
da Gloria para onde fez viagem a mais de nuneje^ ^.^^ d(j brjguc ^^^
"mnAlura-se para se passar a festa duas Africa-.o atraaos Srs cargadores epas-
cas^nodapvoacodearzea. edobanho sageiros dod.lo bngue que a sua sah.d. para
SroTnado dTpedra } os pretendentes diri- Lisboa heno da oito do corrente e nao treze
?-se a ua deagoas verdes D. 33. como fo. annunc.ada por falta de agoas.
1 e Precisa-se6 de um caixeiro para urna SS- O Snr Francisco d Ass.s natura de
vend-dirija-se a Fora de portas detraz do Portugal, qneiraira rua do Collegio bo.ca
rvi A de Cvpnano Luiz da Paz receber duas cartas
^TrTseTo Snr. de Engenho de S. de importancia vindasdaquelle Reino com da-
Josde IpLca quetenha a bondade de de- tad'Agosto, e forao tiradas do corre.o por
clarar se aescrava que se acha em seu puder pessoa do mesmo nome. ...
m osSgna" seguintes: d. nome Joanna cre- & Precisa-se do pnme.ro .*'*>'
ha baixagrocadocorpotemo braco d.re.lo sobrado em qualquer dos seguintes lugares ~
aleiiado que o nao vade levar a boca com falta Rua do Quemado do Rosario larga do
ddentesqcaracompnda falta-lhe huma unha Crespo, da rac.nha do L.vramen.o das
no dedo de hum J Cruzes da Cadeia do Cabuga dos Quar-
tsr OlTerece-se para Caixero de qualquer teis ou rua da Cadeia ; quem a tiver, e oceupaco, hum rapaz de 4 annos dando ser alugar annuncie para ser procurado : no
alrum lempo gratis: no Patio do Terco I). 4- se requer casa minio grande basta que tenha
ES- Ouem precizarde hum homem para commodo para pouca familia -que nao seja
encinar primeiras letras no mato, em Enge- mal avisinhada -e paga-se mais alguma cou-
ho ou Cerla-o; e por preco cmodo: dirija-se a sa do que justamente a ca sa val,.

*
i


3
DtARlO D12 PERNAMBCCO

tSf
Troca-se a mcradia de un sobrado chrane arribado a este porto, a saber-vari-
Jp dous andares na ra Direita bastante are-
lado rom huta quintal pogo e decommo-
o aluguel por outro tamuem de dois anda-
res qesc'a cm urna das principaes ras do
lwirro de S? Antonio; a quem convier an-
nuncie.
C?- Na ra da Cdeia do Pieeife na loja
que foi do Sr. Quaresma existe urna carta
viuda da Cidade do Porto para o Snr. Joo
Pereira Rebello Braga.
jgf K recisa-se de aoo,oOo a juros de tres
por tent ao me/. dando-se para seguranca
un escravo por hypothca ; a quem conrier
aniiuucie.
XX' O "abaixo assignado convida e roga
entarecidamente a todos os Irmos da lrman-
dapedoSS Sacramento da Freguezia de S.
Pedro Marlyr da Cidade de Olinda que ha-
jo por bem da mesma edoservicode Dos,
omparece.rem em o dia R do torrente pelas 9
horas da manh 110 consistorio da Matriz para
se proti'dcrem novas elleices, visto os IrmSos
licito- a 20 de Maio nao podem ser mais im-
postados por se ttr passado o tempo. Espera
pois o abaixo assignado do zello dos Irmos
que nao fallem a um acto iudispensavel a
xisteucia legal da dita Irmaudade e isto
anda a cusa de algum sacrificio Joo Gon-
Rodrigues
Franca, Pro Juiz
\jf Perdeu-se no dia 3 do corrente desde
a ra do Rangel ale a pracinha do Livramento
o,oco em sedulas sendo duas de ?o,ooo e
urna de 10,000 ; quem athou e qui~errcsl-
tuir dirija-se a ra do rangel sobrado que tem
Um retbalo de cera D- 9 que ser gratifi-
cado.
XW Remate- se no dia 6 do torrente urna
prensa de imprentar algodo com seus ulen-
rjlios pelas 4 lioras da tarde na ra do Que- Jos d* Carvalbo Moiaes.
mado na porta do Juiz lassemiro de Voraes! SS" Duas moradas de casas no atierro da
.varmenlo. ) Roa visla n. 35 e 3o de lado da Matriz com
5y Arrenila-se ou aluga-se o primeiro bastante terreno para os fundos proprios pa-
andar do sobrado da ruado Rangel D. trinta e ra se faze.i um bom predio; a tratar com Sim-
n) tora comniodos para pequea familia; a plicio Xavier da Fonseca ra da Madre de
tratar no >cgundo andar do mesmo. | Dos primeira I oja de fazendas
os quintaes de cobre vellio de forro de riviO,
e pregos do mesmo ma ame de 8 polegadas ,
um fem um masito grande de aa polegadas
de diataetro em perfeito estado urna por-
caode cabos de differentes bitolas um mas-
taro de 49 Ps por ia polegadas urna bu-
iarrona de 44 Ps Por onze polegadas
prompta a seguir viagem igualmente 4
escravts marinhelros ; a tratar com Gaudino
Agostinbo de Barros detraz do Corp3 Santo
O. 67. I ",a *Sg~ Carteiraspara guardar charutos, to-j lijlos ja coz-dos, de bom barro do mesmo ter-
fcadores para guardar costura, ditos para bar-' reno promplo* para fazer o tasa de va pada ,
do remedio para o lado da passagem com 100
bracas de fundo c 'o de largo com sabida
Sara a estrada cujo terreno tem olaria de te-
a qiiasi acabada : com cinco milh
di-
versas cavilbas de cobre, e de ferro, sabbado
7 do corrente as onze horas da manh no tra-
piche do Vianna na alfandega velha.
Sy Que fazem Me. Calmont & Compa-
nh a por intervenco do Corretor Oliveira ,
de um completo sorlimento de Fazendas in-
glezis terca feira 10 do corrente as dez ho-
ras da manh em ponto noseu armazem da na
da Cadeia.
C o 111 p r ;i s
ET Um moinho com todos os seus prepa-
res ; nesla Typo;;rafia se dir.
tsr Doze cadeiras de pao de olio com as-
senlo de pathinha, em bom uzo e 3 a 5 ca-
bra* paridas de um mez eque dem bastante
leite quem liver annuncie.
V e ilcI a s
Ssy Primeira Scsso da nova Pauta das
Alfandegas do Imperio a pataca ; na praca
da Independencia loja de livros n. H 38
tsy Urna armarlo de una venda nos bair-
ros baixos I). iS ; a tratar na mesma
\g?~ Polaca em barris grandes e peque-
os briris da Russia charutos da Havana ,
e lensos da india ; na ra da Cruz n. 56.
fc*T" Um escravo com principios de eanoei-
ro ; na ra da cadeia do Recife loja de Joo
ba sapalos de marroquim ppra meninos a
56o ditos de duraqne a 800 rs agoa de co-
lonia caixas de lamparillas escovas para la-
clo cabello e chapeo e outras muitas coisas
por pre,o commodo ; noatterro da Boa vista
D. 16.
SSF" Rarrisinhos de biscoto do Porto de mu
boa qualidade ; de 3o a 3a libras A 6$oo
cada um ; no arma.em defronte da escadinba
da alfandega que foi do Penna.
tW Tadoado de pinho da idclhor qdali-
dadapossivel e a prego muito enconta ; no
armazem do porto das canoas por detraz da to-
sa que foi do fallecido Domingos dos Passos.
lf- Uma escrava de naco de idade de a
nnnos cozinba bem o diario de urna casa
lavadesabo, c ptima engommadeira, sea
fiantn nao ter vicios ; na ra Direita D. 20
lado do Livramento.
C?* 'fijlos dealvenaria de grande marca,
e grossura muito bem cozidos por preco
tommodo ; na ra de agoas verdes por cima
doassougue, para ajustar.
C3" Um pardo oilitial de alfaiate de ida-
de .0 a a5 anuos imiilo claro, e pode ser-
vir para pagem nao tem vicios, nem acha-
ques ; no atierro d Roa visla sobrado
D. 14 no primeiro andar, das 6889 horas
da manli, e das as 6 da tarde
SS7" Bichas pretas chegadas ltimamente a
10,000 o rento earelalboa 80 e'taors. ,e
sementes deortalice chegadas de Lisboa por
preco commodo ; na ra da Cadeia venda de
Jos Gonsalves da Fonle.
C3" Presuntos paios lingoissas touci-
e para 1SI0 tem ja multa metralha junta para o
alicerce pedra de soleira areia junta tra-
vs de coberta madeiras d raparlimento ,
enxameis e portas do interior promplas,
assim como grades portas e caxhos das
portas exteriores. O terreno tem alguns co-
queiros que jdo C por lodos mais 5o ps ,
lem agoa de beber, e vende-s com todos
estes preparas pelopr o mais commodo pos-
sivel ; na ra de agoas verdes por cima do
Urna escrava de naco co ta opiima
para todo o servicio de nina casa ; no atierro
da Boa vista n. 4 ao p d.1 ponte.
XT Urna molalinhade idade de i3 anuos
bem parecida tu (i i lo habe'idosa com prin-
cipio de engommer e coser ; na ra do Ca-
linga por cima da loja do Sr. S. Martin pri-
meiro andar.
tST superior rap massaroca do Rio de Ja-
neiro, ebegado. ltimamente : na Prac'i do
Commerciodefronte da Igr'eja do Corpo auto
. a primeiro andar.
C7- Una bonito palileiro de prata ; por
prego rasoavel s nesta Typografia.
SST Urna negrinba de idade de ii anuos ,
sem vicio nem achaque ; na ra ca cadeia
n i.
Escravoa Fgidos
tsy Ncdia 98 dop. p.
Jos Alexandre Ferreira
fugio
nhode sboa queijos. vinbo do Porto, ma- um ffe,t0 em um P por causa
carrao bolarhinlia biscotos passas p- lhadur 5 qem o pegar leve a
lulas da familia e outras muitas coisas por 6undes l>. 7 que ser recomj
preco commodo; no largo de N. S. do Terco cy" YTc''a l,llimo do p
venda ao p de um funileiro D. 4. 1 de casa de Joo da Silva
da casa de
, um prcto creoulo,
de nome Martinbp alio, reforcado do corpo,
bem preto pouca liarba e quando anda tem
de urna lr-
a ra do Fa-
pcnsado.
No dia ultimo do pissado desapareceo
' veira um escra-
B
zer ca
se com
u. <5
l'AR A
lioaventura sabe at o dia 16 do corrente; urna casa, duas ditas de naco, fazem todo terreno para plantacao bastante baixa para '^ Desapareceo da fabrica de rap do at-
quem quiser carregar dirija-se a Manoel Joa- o servico de urna casa urna linda raoleca de,capim, varios ps de larangeiras antigs e tcrro dos allogados um preto de nome Ramiro
quim Pedrada Costa, ruada Cadeia ni. idade de 1 annos mui linda e de naco ba-| 400 e tantos ps novos enxertados de varias de naVao adgola aincla muito bucal, que
PARA AILHA DE S. MIGUEL o Brigue ca ; na ra de agoas verdes D. 38. jqualidades. que principio a dar fruto 5o po^oou nada se enlende de estatura ordi-
Portuguez Valeroso sabe com milita brevi- VST Sapalos francezes de duas solas c de ; e tantos ps de coqueirosde fruto e ooe tan- nana > rosto um tan lo redondo olhos 'uma-
dade acha-sccom metade de seu carrega- urna, e de couro de lustro e bolins ludo : tos novos que ainda nodo muitos ps de renlos > denles abortos pouca barba, ore-
menlo a bordo e ainda pode receber alguma de superior qualidade por pre o commodo ;; cafl -|uedo 16 a 10 arrobas por anuo, 17 Ibas pequeas pernas grossas ps curtos
rarga a frete c passageiros para o que lem na ra da Cruz arma/em de trastes n 3i. I ps de jaqueiras de fructo e lo c tantos no- com as mos aleijadas e alguns dedos
excedentes tommodos ; Irata-se rom los A n- S?" Um mol eque creoulo muito lindo, e vos que ainda nodo 30 ps de mangueiras Pouco intrincados e defeituozos falla fi
Ionio Gomes Jnior ra da Cruz D la jou sadio de idade de l5 annos ; em casa do de- de fructo e outras tantas prximas a darem e ,ug'o nodia-3 do p p. levoucamlsad
ao Capito do mesmo Joaquim Jos de Oli- positario gera'
_."__ t Ifj- Tlmn 1
Tina. tSS" Urna prosodia latina retrato dos Jc-
PARAOHAVREo BrigUe Francez Ar- zuitas feito ao natural historiado Brasil em
moriqtie Capito Fenouf, recebe carga e lavolumes, dita de Napoleo em francez;
passageiros e pretende sabir a ao do corren- no atierro da Boa vista loja de fazendas junto
te prximo ; tratase com o consignatario do oun ves francez lado Direito.
L. A. Dubourcq ra do Vgario n. 16. tsr Mamantes sollos ; na loja de fazendas
PARA LISBOA o Patacho Portuguez Pa- de Jos Esteves Vianna quina do beco da
Suele da Terceira annunciado para a liba de Congregarlo.
. Miguel transiere a sua viagem para Lis- ssy Una mnlata de idade de a3 annos de
boa com a carga queja tem a bordo e rece- idade cose engomma e tozinha com per-
be o restante caixas, e barricas a a5o rs. feico o diario de urna casa ; na ruado cal-
e sacos a aoo ris a arroba e sabe impreteri-
velroente no dia 20 do corrente ; trata-se com
A. F. dos Sanios Braga, ra da moeda nu-
mero i4a.
PARA O CEARA' a bem conhecida Escu-
na Bom Jess de Camaragibe aleo dia i5 do
corrente por ter meia carga prmpla ; quem
quiser carregar ou ir de passagem, dirija-se
a ra da cadeia a fallar com Souza Bastos.
dereiro D. 26.
tT Um moleque
de naco de idade de
L e i I o
E9~ Que faz o Corretor Oliveira, de gran-
de sorlimento de ferragens consistindo em ser-
rotes navalhas para barba em caixinhas ,
caivetes em carloens, lancetas, limas, fa-
cas de mesa martelos, aramos dedaes ,
hotoens blancos pretos envernisdos ditos
de vidro de madre-perola e de mell fo-
parciros de ferro dohradicas, esporas es-
Iribos paz de ferro folhasde ferro sorfidas.
espingardas Iones facas para sapateiro, <
rauilos outios obji'clos ; sexta feira bdo cor-
rente as o lioras d a manta no armazem ler-
1 r-oda ra da Conceijao n. 34<
%rr Que faz M< C d.nont & Companhia ,
ror interu-n o pi. senca do Agente dos prjrrudorrs Lloyds
15 annos, de bonita figura e nd tem vieios;
na ra da cadeia velha loja de Joaquim Jos
de Mello
tST Um sitio na estrada dos afflicios em
trras propriis com boa casa de vivenda de
pedra e cal eacimba e maltas arvores de
liuclo. e mais urna casa terrea no pateo do
Carmo D. 7 duas pipas vasias urna manta
e uns goldes ; na ra da Conceicfo da Boa
vista .'o.
S2y" Urna negrinba de idade de 10 annos
cozinba o di ifo de urna casa cose, faz ren-
da ; ro beco dos Burgos casa de dois andares
de \ arela de pao.
cy Urna obra de geometra por Lacroix ,
urna dita de Virgilio um Cornelio Nepote ,
um compendio de filosofa por Ponele um
dito de geografa Universal, um pope um
diccionario Magnum Lexicn um dito fran-
re2 uin Telemaco em francez e um mes tre
dilu ; ia ra da agoas verdes D. 37.
txy Urna canoa que carrega ^00 lijlos de
alvenaria ja em mcio uzo e por isso se d
l>or preco commodo ; no porto da ra nova
armazem de madeiras de Domingos Jos de
4zevedb.
O Patacho Nacional Bella Carlota ,
r
um
na ,
e al-
romo ropa-se a
todas as autboridades policiaes lome por favor
a seo cargo o descobriment do mesmo.
iMovitneiio outros muilos ps de fructeiras; a tratar no fjod'oziiiho calsa de dito transado, chapeo
mesmo sitio. depalha, e baeta azul 5 paga-se genorosa-
SSr Um moleque de idade de 11 annos de meil,c a Hliera descobrir e pro testa-se con-
na o angola ; na ra do Queimado loja De- ,r"lu oceultar ; a'sim
cima 7.
VST 4o alqueires de farinha de boa quali-
dade e por preto commodo ; na ra da Cruz
n. 3i.
tar* Calsas jaquetas, e camisas de todas
as qualidades tildo muito bem feito ; ra ra
do Queimado 11.
tsrRap princeza muito bom a libra a 3Ido
chegado prximamente de Lisboa ; na ra do
Vigario n. Jo.
513" Urna casa terrea sita no pateo de S.
Pedro lado da Vira o ; quem a pretender
duija-se a os quatro cantos da ra do Queim 1-
do loja de Manoel Joaquim da Silva que Ihe
dir com quem se deve tratar a esse respeifo.
CS- Ou aluga-se urna casa no Monteiro ,
com quintal, e commodos para familia; a
tratar no mesmo lugar venda da quina ao en-
trar para o beco do quiabo.
CT Por preco commodo mcias de linbo
bordadas para Sen hora de mui boa quali-
dade ,na ra da Cadeia D. 26.
CS- Urna canoa de carregar agoa ; na ra
do Arago D. 3a na mesma casa se precisa
de um canoeiro forro ou captivo.
HT Urna loja de couros com poucos fun-
dos e em bom lugar urna cama de angico,
urna mesa peejuena de antar meia duzia de
cadeiras americanas e um globo de vidro ;
no paleo do Terco D. 4.
tsr 2000 e tantas telhas por preco com-
modo 5 lias 5.ponas a tratar com Miguel" Jo-
aquim de Menezes.
tss*- Bichas grandes e quenas d muito boa
qualidade por preco commodo ; na venda do
Cardial.
f por corr de quem pertenec";, os segunde; CT O Patacho JNacional Bella Carlota, r Um terteno proprio a margem do rio
objitlos iKacfos da lian Ir.gleza Lord Co-t It tonstruteo Brasileira fonada de cobre fl^P'^ribe com portor de banho ao lugar '
NAVIOS ENTRADO NO DIA 5.
CAOS ; 38 dias Galera Americana Nepo-
1,0,1 de *70 tonel.. Capito H. Licak, ecjuip.
19 em lastro ; ao Capito veio refrescar
e segu para Balavia
PHILAl;EI>HIA; 35 dias. Barca Ameri-
cana Naval de a4o tonel. Cap James V-
equip. 1, carga varios gneros; a Joo
Gomes Ferreira.
OBSERVACOENS
Fundiou no ameiro a Gaiera ^ac. Flor do
hio Grande vinda da Babia em6dias-,
Cap Francisco Jos de Medeiro equip.
10 em lastro a Jos Ferreira passagei-
ro 11ra portuguez.
Fundiou no lameiiio um Brigue Nacional.
ERRATAS.
Mais notaves do requerimento de Antonio
Diogo
Pag.'a. coum. 4-un. 38 em vez d mais
que leia-se mas que dita pag e coum. n.
5 \ em vez de special leia-se essencial dita
pag. ecolum. |in. 73 em vez de em Diogo ,
leia-se em que Diogo.
J
RECIFE NA TYP" DE M. F. D F. i83

Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMXOQVPDK_JCGCET INGEST_TIME 2013-03-29T16:24:13Z PACKAGE AA00011611_03965
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES