Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03933


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1839. Ter$a. Feira
Tudorora depende de nsmesmos; da ossa prudencia, <>**;
Co, aenwyu: continuemos como.principamos e seremos aponlados
od admirado entre as^ares mas cultas.
Proclamado da Assemblea Geral do Brazil.
' v
______________ 'HM i------------------------
ShrrPvc-se para'esta folha 5,*00 Por <*UBr,cl pasrcs adiantados
Be2. iSafia. ra das Crines ". 5, ena Frac, da Independencia
iiS onde se receben, correspondencias le-alisadas, eaniiuucios;
;rU.do- estes antis, sendo dosproprios assignantes. e vuidosass.g-
nados.
Partidas dos Crrelos Terrestres.
Cidadeda Parahiba e Villas de sua pretendo..............> )
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas Idero..........'.,'.'.'.'.'.'.'. \^andu e bexl" Fc,raS'
Pila da Fortaleza o Villas dem....................* *}
Villa ce (ioianna.....................'.'.'.!'.!.".'.'..'.. Todos os das.
Ciilade d Olinda ................' ^...........Quintas feinis.
Villa deS. Anlo .'." ......... ....... Das lo, e ai dcada me*.
.la de Garanhuns e Povoac..o do Bonito ........ ,,, e ui di-o drto.
Ditas do Cal, Serinhaen. lliotormo, e Porto Caivo......... ^^ ^
Cidade das Alanoas, e V.llade Maceio..................... ldein j- dl0 dUo#
ViH- de Paja de Flores........... ................
Todos os Corretos partcni ao meto da.
20 DK OUTUBRO. WUMKHO 23(1
CAMBIOS.
Ootubro. ots.
Londres......b3 por Ifooo ced. *
Lisboa....... 8o por o/o premio, por metal oflereciclo.
Franca.......19b reis por franco.
hio de Janeiro ao par.
UIIO Moeda s de 6*oo rs., Velbat iSSooo a i5faiH>
Hilas ,, Novas lil/Hoo a i5g(yof*
Hilas de $#000 rs., Hgtoo a Sgioo
PRATA Palaces Braiileiros--------------l#J_4o a l/f-0
, Pezos Coliimnarios --------------- lfjfij a l|5*o
flilos Mexicanos-------------------- i#jo a i#35o
Premios das Letras, por mes I i/S a i ip por loo
Moeda de cobre 3 a 4 por 100. de disc.
Das da Semana.
08 Secunda-----* S. StmSo e Judas Tbadeo. ,
or Te 1 c______S. Feliciano M.____________-llelacao, e And. doJ.re D. da 1. vara de mbnn.
fe QOMPta-------S". SeropiSo B. C......"- Se** ,! T,,ez- Audiencia do J. de t. da 1. v. di
3. Quinta--------S. Quintil M........-.-Rol., eaud.doJ. de D. da 7. v.
1 Sexta.....^ Festa de todas os Santos-----
2 Subbado------Coro aemoracSo dos efuntos. Uel. e aud. do J. de U. da J. v.
3 Domingo------S. Malaquias ti.------T. ... -
Man chela para o dia 29 de Outubr.
As 10 horase 5t minutos da tarde ~ As 10 horas e 18 minuto da manl.
11 1 11
,
PERNAMB-UCO.
TIlEZOUaARlA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA f>-
Officio-Ao Contador da mesma Thcconraria
j-omcllendo-lbe por copia a ordem do Tribu-
nal do I hc/ouro Publico Nacional n. >o.lo
concite anuo, qu acompaphoit aconta dos
olcelus fornecidos pelo Arsenal Be Guerra da
Coi te aodesfa Provincia, na importancia de
jsi-ti rs
1 Uo-Ao Administrador da Meza do Consit-
ldo nat'4 mandar entregar ao Capilao da Ga-
lera Ihglei EooUift, que se destina para o
n ild'e Londres com escalla pela Provincia da
Parahiba o 1 o Brasil, que se aclia no res-
pectivo A rma/.em, apurado e em esUdo de
ser remedido ao dito porto.
Dilo-Ao Inspector do Arsenal de ^ amiba .
icmetlendo-ll.e por copia aconta dos peeras
enviados da Corte pela Bri.-ue l'avuna para p
mesmo Arsenal a Sm de mandar reeolber o
Tfaezourara a importancia respectiva de res
8a$f'436, pela consignaego marcada para as
despesas do mesmo Arsenal.
I ortaria-Ao Colleclor de Tiversas Rendas
do Hio Tormoxo remelleiulo-llie por copia .
como pedio em ofhcio de .^o do mez passado ,
o A vi/ de t de >ovembro de 18J a fin) de
responder ao Libello proposto -por Joze Caval-
cante para levantar as*! elras da Sua do En-
genlio Reg, e prevenindo-o de que; baven-
do senteiica na 1 instancia contra a Fa/enda ,
deve appellar para a RellacSo pois que sem
aionliimacodesta nao se considero tais
sciitencas iegaes, para screm exequiveis contra
a Fa/.enda Publica.
Di* **
Officio-Ao I xm. Presidente da Provincia ,
remetiendo com oficio do Inspector d'Alfan-
dega da i orle o resultado do exainc a que se
procedeu nos 7 despachos constantes das copias
que do acompanbaro. t
uia. 94.
Oibcio-Ao mesmo informando o reqneri-
mento de Manoel Francisco soldado invalido
addido ao lialalbo d'artilheria. i

TI1EZ0UHARIA PROVINCIAL.
EXrlDU'HTE DO DIA 9.
Oficio Ao Exm. Presidente requisi-
1......_-.l A -.<>..-.I .1 iluprra se anromn-
lunuu ijuc p*-" .....------; .
tem cinco marcas de ferro para as sacas el al-
jTodap que dointerior da Provincia se transpor-
lo para-asoulias, tndemnisadas as despe/.as
por esta provincia, ,
Dito Aolllm. Inspector da Theiouraria
da provincia dcvolvendo-llie O.oficio do Col-
leclor do Rio Formato em que pede esclare-
cimentos sobre a arremataco dos bens dos
deUintos eauzcnlcs porque sendo este im-
posto geral, nao be competo a solucao res-
neito. ~, 1-.
Portara O Inspector da Tiie/ouraria ua
Rendas Provinciaes em res posta ao oficio do
Sr Colleclor. lo Municipio do R.o tormo*),
Sai o voto Fiscal lhe significa ; quanto ao
,, mero datad de ,;, de Setembro prximo
Lsdo, que deve de proceder ao lancamen-
1. dcima da villa pela den.a.caeao dos
mitesqueoa.r ora b, a Cmara Munu ,;a ;
e-aanlooExm. Presidente --
(.i)nll.a|.()) lU,si,Iial. eu.ios *-*
para exlranhar que o mesmo Sr. Colleclo. .,
101,, que :is Cmaras ja nao .Hirlenjc a al
tribuicaUc maicar os hnutw das Cidadc, e
villas para o lancameulo da decima, a qnal
fot devolvida ao I'.xm. Presidente pelo artigo
5. das Desposices Ceraes da Li Provinc'al
mero fr< de de Maio de 1 8JS ; qre nonbii-
mas providencias po:le a Tbe/.ourai ia dar para
a ellectiva arrecadacao da dcima alem d a-
qucllasquea Le tem tslabele iilo. e incum
Indo aos Colleelores, e que consislem em pro-
cederem executvamente contra os que e sub-
trairem ao pagamento dos imposlos nao sen-
do possivel como quero mesmo Sur. Colleclor
que a arrecadacao da decima seja feita pelos
Juizes de Oireito, porque deve saber que a
da?, eanudle por ter insultado ahuma pa- Manoel Ferreira por crime de acbada de urna
Irull.adePoliciaV e Caetano Rodrigues da cboupa ; o Jury nao acbou materia para a-
Tbc/.ournria nao tem -o poder de derogar as
Leis. Quanto ao segundo datado,em a5 Se-
tembro lie partecipa que versando elle so-
bre a arrecadacao dos benS dos do finitos c
au/entes imposto eral se deve o Sur. Col-
leclor dirigir ao Inspector respectivo, ao qual
nesla dala se devolve o predito oficio.'
ANNCNCIO.
No dia 29 do eorrenlc paga-se aos Empre-
gadosda Tbe'.ouririaos seos ordenados ven-
cidos no mez de Jullio p p visto nao apa-
reccrem o* das outras Classes ja annunciadas,
que prefirino anda a receber com interrupcao
daonellesem cumplimento das ordena do Exm.
Presidente, e do lllm Inspector.
Tbezotiraria Provincial de Pernamb'uco a6
de Outulirode SU).
Joo Mnoel Mendes da Cunba Aze.-edo.
Tbczoureiro.
Costa |iardo pelo Sub-Prcfeito de Jaboa-
tio por ser de m conducta, e estar as cir-
cunstancias de ser rocrutado ; assim como que
no dia 7 do oorrenle me/, fallecer no sitio
Tob', trras do Eofjenbo Ca']abuc gue/ia do (abo Mara Joze de .To7tis de varios
ferimentos que cruelmente l|ie fiscra pelas \
horls da tarde do dia 1 r> do dilo me com urna
enxada e faca de pona o facinoroso loze Cos-
seiro estando ella em sita propria casa co-
mo tudo COnfessou antes d expirar em presen-
ca de testemunlias 5 o no dia 9v do mesmo
' mez lora tambom brbaramente assassinada
1 com faca de pona no sitio do, Raratio do En-
! cenbo*Alfodoaes Francisca-Waria de Jezus,
por seo marido Francisco Goncalves de 5>ou-
'za, segundo confessou um irmao do mesmo as-
sassin'o tendo deixado de serem presos semi-
Ibantes malvados por se lerem cuidadosamen-
te occiilladoas pe^uuas da Polica e que de
tudo se proeedeo nos termos da l.ei.
TRIBUNAL DOS JURADO?.
Sessaodo dia a5 de Outubro de i83).
Jury de Accuzaccao.
Sumario ex offieio contra os prelbl Cipriano
e Lui/. aquelle esclavo de Rtissell Mellors ,
e este de Manoel Francisco Pontos pelo rou-
bo feito a Francisco Xavier Martina lastos 5 o
Jury achou materia para accuzaccao.
Jury de Sonleiica.
Denuncia do Doulor Promotor contra Ma-
ximiano Correia de Lima prto forro, pela
.morte de tinas enancas filbas de Antonio Joze
de Carvalbo ; foi condemnado em 7 annos.de
nrizao.
Camarca de Naza-
Tribnnal dos Jurados da
reth.
Trabalbos dosdias i3 21 de Ajosto.
Juryd'Accuzacco.
Sumario a ex oficio contra Joo Francisco
por a morle dado i Manoel de Mello d Albtt-
querqtie Montenegro ; o Jury acliou materia
para accuzaccao.;
Dito dito contra Amaro Vieira da Rocha pe-
la morte feita em Joo Raptisla do Nascimen-
to.no luar do Mufumbo l'regjicsia da
('.loria ; o Jury aciou materia para accuzac-
cao.
) vcr^as Re 5>a r 1 i^oeiis.
AIFANDJ5GA DAS FAZENDAS.
___A Paula be a mesma do n. a31.
MEZA CO CONSULADO.
__A Paula lie a mesma do n. a3a.
PREFEITURA.
PAUTE DO DIA 9.'
Illm. e E\m. Sur.Partecipo a V. Eft
que foro presos bontem minba ordem e
Iivet\o boje destino: FeliciaI1D0 Das da
Silva e Rclmiro Francisco da Silva par-
ilna Aninnln nrelo cscravo de I elebior t
da, Ho.Sub-P^.eao^.regu^tie^n- ^ ^^^%$ faClo Je fe-
,ln/ii oe.avido a btim (ilbo de Berloleza de
tal o Jury achou materia para aceu/.aeca >.
Dilo dito contra o reo Antonio lo/e Pires,
por u/o d'arma defeca j o Jury nao aebou ma-
teria para accuzaccao.
i enuncia dada por Jo/e Francisco de I'aula
contra Flix Joze por o Furto d um cavallo ; o
Jurv acbou materia para accuzaccao.
Sumario a ex oficio contra o Alferes Luiz
Sfcverino Marques e os soblados Severino Pc-
reira dos Aojos 'oo (iomesde Sou/.a Pau-
lino Jo/.edo Espirito Santo, Carlos Joze, e
Manoel t.uiz Macbado por crime de resisten-
cia; o Jury nao acbou materia para accuzac-
cao.
Sumario a ex offieio contra Augusto l.oz.ar
Colaco de Menees por sime d'arma defeza 5 b
ui v nao achou materia para accusaccio.
Dito dito conlra'L'iancMo <\>- Paula ('.uedes
por crime d'arma. defeca; o Jury nao acbou
materia para aei u/.aecao.
Dilo dito contra o pelo Manoel cscravo de
cu/.accao.
Lito dito contra JozC Ronifacio Gomes por
crimed arma defeza ; o Jury nao acbou mate-
ria para aecuzac o. ~
DilQ dilo contra Francisco da Gama por
crime d'arma defesa ; o Jury nao acbou malc-
ria para accuzaccao.
Dilo dito contra Antonio Luiz Pcreira por
crime d'arma defeca ; o Jury nao achou malea-
ra para accuzaccao. *
renuncia dada pelo Poutor Promotor Pu-
blico Rento Joze de Souza contra l.uiz Fran-
cisco Tarares pt* o crime de ferimeulos cin
sua mulber Francisca de tal ; O Jury nao a-
cbou materia para aecuzac lo
Denuncia dada pelo Doulor Promotor Pu-
-blico Fernando Allonso de N!elIo contra Do-
mingos Pereira de Santa Anua e seos filhcs
Joo Ferreira do Espirito Santo e Severino
Joze de Santa Auna moradores no Junco ; o
.111 r\ nao acbou materia para accuzaccao,
Jury de Sentenca.
Denuncia dada pelo Cnsul Rritanico Joze
Gorings contra Joo oze do Carmo O qual
reccorreo do Tribunal da Comarca do Rectiu
com a pena de 7 anuos e 1 mezes de prieto ;
foi confirmada a sentenca.
Denunciado Promotor Publico contra o reo
ClaudinoTeixeira dos Santos, aecuzado em
tentativa de morte ;i Francisco Lindozo ; e
que reccorreo do Jury da Comarca do Retilo
ao dcsta Comarca com a pena de gaitas perpe-
tuas ; foi condemnado em 6 mezes de prizo ,
e i5s rs de mulla.
Sumario ex offieio contra Manoel Francisco
de Souza por o crime de morte reccorreo do
Jjtrv da Comarra do Recife com gales perpe-
tuas ; e foi condemnado em 23 annos e 4
n.ezes de prisao.
Dito dito contra Manoel Alves da Fonceca ,
por a morle de Lourenca de tal moradora na
1 idade de Olinda reccorreo do Jury da Co-
marca do Recife com tJ anuos e 4 mezes de
prizao 5 c foi condemnado em gales perpetuas.
Dito dito contra o reo Amaro Vieira da Ro-
cba por a morte dada ;i Joo Raptisla do Nas-
cimento no lugar do Mufumbo Freguesia da
, e-i por lerem brigad
dentro e fora do Tbealro o 1 por estar
fazer grande alarido no mesmo 'I beatro ,
e a ultima por ter furtado 5o res di; um por-
tuguez, cuja quantia fica em seguranca para
ser entregue asco dono. Januano, nrelo,
cscravo de Joo Va/. pela Patrulha de Po-
lica do dislriclo da Santa Cruz por suppl-o
fgido 5 e I elfina tambem preta escrava
de um tal Machado .porum boldado^de l'o-
lieia p
ior o
, ter insultado; e que nada mal,
constadas i arles boje rccebidas nesla Secre-
taria. ,,/--
Parle do lia 90.
lllm. e Exm Sr Das parleshoje recebi-
das nesta Secretaria consta que foro presos
bontem minba ordem os individuos segua-
les osquaes liverto o competente destino :
Joaquim Gregorio los Passos pardo, e In-
nocencia Mana preta eescrara petoSub-
PrefeitO de Santo Antonio esta por se ter a-
conladi) em una casa na ra de Manuel Coro .
pela volia do una liora da manb eestor lu-


I

Gloria ; foi co"ndemnado em 23 anuos c 4 me-
zes d: prizo.
I'enuncia dada pelo Promotor Publico In-
terino Amaro Joze Lopes Coilinbo contra
Francisco DAS por querer mluzir escravido
ao pequeo Antonio Marlins Hlbo de Viclo-
rina Berloleza ; loi abaotvidO
Sumario ex cilicio contra Joo Fraucisco
pardo casado pela morte dada em Manoe!
de Mello d'Albuquerque Montenegro ; foi
condemnado em i\ anuos de priso grao me-
dio do artigo ig3 do Cdigo Criminal.
I
O Sur. Escrivo c Administrador la Me-
za de Rendas Provinciaes manda fazer publico
a fim de ebegar ao conbecimenlo de quem />os-
sa aproveitar a seguinte disposiio da Le
Provincial n. 73 de .'o de Abril lo crrenle
anno edo Alvardc 3 de Junbodc 1*09.
Art. ,{> da Lei Provincial. b'o da da pu-
br.cacodesla'l.eiascis me/es mprorogaveis
serio pagas as meisa si/as dos Escrayos, que
se estiverem a devei-efiodo esle pra o nm a
Meca de Rendas Internas Provincia*- e ipm
os tollcclores podorao receber siza quj atwU
do papel de venda se queira pagar ^o diai
posteriores a sua dada.
$ ; Do Al vara cima mencionado. Ha
mesma peuna de nuUidade incurra o as ven-
II
-r


9,
DIARIO DE PERNAMB
CO
matmmmam
das ilos Escravos ladinos que se fizerem sem
o pagamento da meia siza e sero alem disto
multados., os vendedores, e compradores em
igual parle na perda do vallor do escravo ,
sendo a metade para o denunciante se o bou-
ver o a onlra ou loda uo o havendo pa-
ra a Minhu i ir.i I Fazenda.
O i. Escriptu.iario.
Joze Guedes Salgueiro.
NOTICIAS PROVINUAES.
Rio de Janeiro As folhas recebidas da
Corte, cuja dala cliega al la do corrente ,
nos instrue sobre a tranquilliilade de que go-
za esta capital do Imperio, Estas folhas in-
cinero as x'sscs da Assemblea desde a conli-
ruiaco do tlia 4, ja noticiada em o nosso pu-
ntero a dia 11.
Tinha passado na Cmara dos Deputados o
Crdito nao de 9 000, como liavia pedido o
Ministro actual, mas de v.,'ioo e tantos cori-
tos autoriraiido-sc o Governo a emitlir \m-
])cl moeda at 6,113 tontos. O Governo fi
con autorizado para despende! no crrenle an-
uo fnmiceiru alero do j;i decretado na lei do
orcamento vigente, mais r,5b.:73oUo4?, e
auclorisado para haver pelos meios que Ihe
foro concedidos, t, 1 i'i;j3oUoJa res que
cora a sorotnade 4-l>ocontos de saldos das pro-
vincias que foro considerados como receita,
prefazem a quantia snpra de t,56j,7-toL'o4'J.
Continuarn os Iraballios da Cantan ate a
Sesso do dia 11 alem da discusso acerca da
Companbia de Mineraco hrasileira de Gongo
Soco sobre a proposta do Governo de ticarent
em vigor por mais iim auno os decretos de 9
e fi de Outtibro de 18J7 rom as sguintes
emendas; da commisso; com a declaraco
de que a suspenso de garantas s peder ter
logar na Provincia do Rio Grande do Sul. "
Do Sur. Carneiro Leo : Kica o governo
autorizado a linar a medida Ir faser sair da
Provincia Je Santa Catbarina e Maranho as
pessoas peri osas paz publica durando a
auiori&acio por lempo de 11 m auno. Sao de-
claradas illicilas na Provincia do Para todas
as sociedades secretas, e as publicas nao sen-
do autorisadas pelo presidente da provincia ,
durante o lempo do roesmo auno. Do Sur.
Coclho : Ojuaiilo aulorisaeo para depor-
tar no Maranho, eem Santa Catbarina a-
crescentarei as seguintes condices ; 1. Pro-
cedendo iuformates por escripto e marcan-
dose um prao rasoavel que nunca ser
menos de o\ boras ; a Remetiendo o presi-
dente regularmente ao governo em cada mez ,
a rellacao nominal des deportados especifi-
cando circunstanciadamente o< motivos, q' pari
isto leve ; 3. SO poder ter logar" a deporta o
porordem assignada pelo presidenle da Provin-
cia. Com um artigo additivo do Snr. Lm-
pod'Abreo; Formar-se- culpa dentro em
seis me/.es s pessoas a quem se suspender o
exercicio de sua liberdade e seguranca indi-
vidual em vi ilude dos arligos antecedentes,
e todas aquellas contra as quaes nao resul-
tar culpa sero postas em liberdade findo
aquel le prazo.
O Senado no mesmo curso do lempo ci-
ma notado otenpou-se com os seguintes tra-
balhos: Representa ao da Rabia sobre a or-
dem e tranquilidade publica ; o caminho ,
quecommuuique a.ra do Sacco do AlFeres
com a do Imperador em S -Chrislovo ; a re-
present ico dos moradores do Cear em que
pedem providencias sobre o melhoramento do
porto de sua capital ; creaco da nova Pro-
vincia rom a denomico de Cavriri Novo j
approvada em 3. discusso a fim de ser re-
meltida saneco, a resolucao, que autorisa
o governo para alterar o contracto celebrado
com a companbia brasileira dos paquetes de
vapor discusso sobre a despeza e receita
do Imperio ealgas loteras concedidas a ir-
mandade doSS. .Sacramento casa de cari-
dade de S. Joojde El-Rei e mais a algas
iieguczias.
CcUcgio de Pedro II.
Nao se tendo realizado o bom efleilo que
se esperava na creaco do Collegio de Pedro
II., foi eleila pelo Regente a commisso
composta dos reverendos bispos de Ancmuria,
e bispo eieito ue Ria, ussint cmodo Senador
Joze Saturnino du Costa Pereira a fim de ex-
amiuarem os acluaescslalutosdo mesmo Col-
legio tendo era vista os inconvenientes de-
monstrados pela experiencia na sua execuco.
'Roubo doTbezouro.
Na madrugada do dia a do corrente foi ul-
gado o processo a resjeto do roubo do thezou
10 sendo condcmiiados em 8 annos de priso,
mximo das penas do art. atg do Cdigo- Pe-
uaJ os reos presos Francisco Xavier Viei-
ra i Joao Antonio da Cunha Pedro
chi e Rufino Francisco GoncaIvs.
Santa Calharina. Das iblhas recebidas s
consto as noticias que transcrevemos do n.
i-\i do Jornal de Commercio.
Temos noticias e carias de Santa Catbarina
al a data de a6 do passado. Dellas consta que
o presidente contiuuava com o apoio da con-
fianca geral, e com a energa que I be be co-
nhecida a dar as precisas providencias para
salvar essa provincia das garras da rebollio.
Temos 700 e tantos bomens no movi dos
Cavallos di/ buma carta particular que rece-
bemos todos multo animados e s se espera
pela promplificato das necessarias embrca-
teles de guerra para dar o ataque Laguna ,
devendo eslas estar promptas al o fim do cor-
rele mez.
A guarda nacional exercila-se quotidiana-
menlc 110 servico das armas e mostra-se acti-
va e del gen le.
O que de mais importante bouve foi a su
blcvaco da fortaleza da Rarra do Sul, cujos
pormenores aqui narramos, certificando-os
eom buma informacoofficial que temosa vis-
ta.
No dia 11 do corrente pelas 7 boras da
nota
com
e
liao
provo-ado pelo exrcssivo e
que
evollou-seaguamicacidessafoitale/a, cadas em varios pontos oceupa a margem a-
jmposta pela mor parte de recrutas do Norte, quem do Iy F.screve-nos o general com rta-
influida poralguns tos involvidos na retiel- ta de lionlem: O imm.go acba-se comple-
ao da Rabia. Ksse altenlado parece ter sido lamente desmoralisado c ac bando com as
pa
injusto rigor com
o commandante da fortaleza, o lente
Jos Joaquim Pereira (iiimares, tralava aos os casos asseguro
seus subordinados excessos a que frequente-
mente era levado pelo vicio da embriaguez a
que se en liega va. .
Alemorisado esse misero escondeu-se e
a soldadesca infrene, bavendo-lbe escapado
essa victima subsliluio-a em seu furor pelo
alferes Pedro Fernandes a quem assassinbu.
No dia seguinle foi descoberto otenenle, e
posto ao tronco.
De posse enlao da fortaleza escreveu bum
sargento, por r, orne Regio, que havia tomado
o commando delta e que tamliem era dos re-
voltosos da Rabia buma caria aos rebeldes da
Laguna convidando-osa que viessem tomar
conla da fortaleza : mandaran esles bum lan-
as.
Par-lhe-hei balalba
Slias poucascava
-onde quizer e comoqui/.er;- mas em todos
os casos asseguro-lhes queoinimigo ser em
breve destruido de bum modoexemplar. Vms ,
para me ajudarem as nimbas corobinaces ,
guardem-me bem a cidade.
Temos tratado por tanto de fortificar a cida-
de. Oengenbeiro francez Mr. d'Astres ex-
tendea o plano das fortificantes, e o governo
tem formulo os seguintes corpos:
Polica- ----- 800 homens.
Voluntarios da liberdade 5oo
Corpo de auxiliares i5j
Ralalbo de infantera- 100
de defensores- loo
Guarda nacional 3oo
Outra medida de que lancamos mao foi les
embarcaren! com consenlimenlo do almirante
chlo e buma canoa de voga com alguma forca. c agentes francezes 5oo bomens daquella na-
Recehendo a fortaleza e conbecendo que con- to O motivo dessa medida be obvio Acba-
serval-a era impossivel, passarao a inutilisar se a confederado argentina em guerra com a
toda a arlilbaria encravando-a e a arreca- Franca. A repblica oriental est em paz e
dar todas as munices entre as quaes por allian a com a Franca, eem guerra coma
mais importantes, notaremos 2, 00 cartuxos conlderacao argentina. Humexercilo argen-
embalados do adarme 17, e mais 19 arrohas lino amcaga a capital da repblica oriental,
de plvora meltendo-as em sjas embarcaces centro e quartel general das forgas francezas ;
com toda a guarnicao e entre ella o comman- se se perde esla capital a Franca alm de
dante que apreso, e que suppe-se ha ver si- jierder buma posico vantajosa vera buma
do ao Ficrao na fortaleza algumas mulheres e pollos que 1 be seria necessario bloquear. He
bum velbo, soldado do 5." balalbo de arti- islo lo evidente que, suppondo-se mesmo a
Iberia. repblica oriental neutra na lula entre a Fran-
A penas recebeu o presidenle a primeira 110- ca e a conlderacao se esta fizesse entrar bum
ticia desla triste oceurrencia tleu logo as ne- exercilo no seu territorio tera.P'Fraiica tam-
cessarias providencias, mandando a escuna bem direilo para fazer*enlrar bum exercilo que
Piraj levar nova guarnicao fortaleza e observasseos movimentos dos seus iuimigos e
dando ordem para desenclavar a arlilbaria : oceupasse os pontos dominantes do paiz at
tudo hoje se acba felizmente remediado. ver removido o perigo. ou receber garantas
Foi remetlido para o Ro Grande a fim de de que a marcha do inimgo nao era em dam-
ab responder a conseibo de guerra o teen- no seu. No caso presente esle direto lie in-
te coronel Villas Roas, negavel; pois que o invasor confessa franea-
j mente que o seu fim be a conquista do paiz in-
Minas.Das folhas recebidas at a8 de vadido em proveito da sua poltica.
Selembro consta que continua atranquili-1 O desembarque dos nossos litados foi mu
dade. bem recebido, e os marinheiros francezes fo-
S. PauloO 2. batalbao o(Tereceo-se para rao sauilados pela populaco com os mais en-
o destacamento do Hio Negro para o mesmo thusiasticos vivas. O fim do desembarque es-
fim se offereceio o Commandante do 1 Rata- t bem determinado,.. he a consequencia de
ihao, e um consideravel numero de veteranos hum direilo, e he innocente. Tem por ob-
de modo que nao fallar gente para a guarni- jeclo assegurar nossa independencia dd con-
co da frontera. quista estrangeira. Quinbentos marinbeiros
Rabia.Das folhas recebidas desta Provin- francezes, dislantes. duas mil lesnas do seu
cia al iq do corrente, nada consta de interes-
sante salvo a satisfactoria noticia de gozar el-
la de tranquilidade.
Sergipe.Ncsta Provincia continua sem al-
paiz no meio de hum povo entbusiasta por
sua lihcrdade, e que tem hunvexercito de seis
mil bomens, nao podem inspirar receios a ne-
nhu
teraco o gozo da paz e tranquilidade se- j dem
gundo nos consta das folhas recebidas al a5
do corrente.
Corresp. do Jornal do Commercio
Montevideo, 31 de Selembro.
Depois da derrota da gtierrilha de Velez, fi-
cou a campanha livre de montoneros excep-
co de huma pequea partida de 5o homens
que se refugiou as asperezas de S. Jos ao
mando de bum bandolero chamado El Anda-
luz.
Depois desta victoria e com a noticia das
operaces do inimigoque passou o Rio Negro ,
prenderaf>-se os caberas de huma revoluco
que se tramavana capital para a entregar a E-
chague. Os principara conspiradores era Er-
rasquim Pinilla Reyes Rrito del Pino ,
m poder europeo nem americano. Nao po-
eles tomar huma posico nem conquistar
um continente. Se esta queslao nao fosse de
Rosas, nella nao semetteria; se Lavalleja
e Garzn e os outros chefes orientaes fizessem a
guerra por sua propria conta com elementos
orientaes; se esta losse huma guerra entre o-
nenlaes os Francc/cs nao tomara nella par-
le dlguma. Mas sendo Rosas quem invade
com sua bandeira e em nome da confederadlo ,
a lei da propria seguranca impunha ;i Franja
esla medida que durar somenle em quauto
os soldados de Rosas pisarem o lerrilorio ori-
enlal.
Estas rascs que vms. verao extensamente
deseiivolvidasnos peridicos que remeti sao
lo poderosas que soeegarao completamente o
Sr. Lisboa'encarregado.dos negocios do Rrasil,
assim como o cnsul inglez Hood os quaes
ambos pedirao, expUcaces. Alera disto, o
Pellu-I Platero Yupes, Turreiro, Al varado ou-
! tros de menor importancia. Havia procurado
aluciar huma parle do batalbao de negros que
guarnecia a capital, mas as suas seduccoes nao
podera vencer a fidelidade acrisolada da iroi
Teria podido o governo firmando-se as leis
de todas as naces fazer morrer os conjura-
dos ; porem fiel ao seu systema de longani-
midade, conlentou-se em embarcal-os em
hum paquete com boas accommodacesj e,
com licenca do almirante francez forao des-
embarcar em Ruenos-Ayres nesse malfadado
paiz onde governa oJiomem de sangue porque
suspirava, Assegurao os peridicos desla ci-
dade que a loja que era o foco desses movimen-
tos est relacionada com huma soffiedade ma .0-
nica do Rio.
Ora veja VV a dilcrenca desse governo e
do de Rueos Ayres. Ali casliga-se com a
morle a menor sspeta de instirreco ; aqu
mandamos para o seo dos seus amigos polticos
os criminosos convencidos do delicio de sedico
e connivencia com o estrangeiro !....
O presidente Rivea, segundo o seu syste-
ma de guerra deixou que os seus iuimigos
passassem aquem do Rio Negro, e com hum
exercilo forte de mais de 4 mil homens sem
contar com as divisoes que se acba desla-
desembarque dos marinheiros francezes d hu-
ma garanta s ricas propiedades extrangeiras
que existem nesta capital, eque nO caso de
hum assalto e de huma victoria seriad ex-
postas huma devastacao dos Indios e bando-
leiros que seguem Echague ; pois que em to-
llas as povoaces em que entraran esles bandi-
dos tudo tem sido roubado tudo destruido.
O general Lavalle com a sua legio forte
de mil homens fez-se vela no da 1 do cor-1
rente da Liberdade No momento em que se
embarcava tres ilbas do Paran anparecera
envoltas em chamas. Era o signal dos agentes
de-Rosas, dando-lhe parte desle movmen lo,
Rosas tomn varias precaucoes porem Laval-
le se dirigi a Entre Ros, de combinadlo cont
os seus amigo6 de Rueos Ayres. Desembar-
cou em Guaieguaichu e se apoderou desle
lugar, assim como do de Lauda ; havendo-sc
as guarnices declarado era seu favor. Seguio
ento urna direc o que Vms. vero da caria
que junto remelto.
A" posico do exercilo de Echague he espan-
tosa em consequencia desta operaco que el-
le ignorava completamente por haverem sido
morios os correios que lbe traziao esta noliciaa
f'iiitre-Rios est oceupado, e o Uruguay cui-
dadosamcnle guarnecido por huma esquadra
fninceza de modo que he impossivel o re-
gresso. Rosas nao pode mandar Coreas a En-
tre-Rios nao smente por sua impotencia ,
como por estar o Paran guardado por oulra
esquadrilba da mesma naco Se experimen-
tar o menor re vez nem elle nem hm s de
seus soldados escapar com vida. Se ganhar
dez balalhas ganbar outras tantas posices
e alguns cadveres sim ; porm nada mais ;
porque o paiz lbe be hostil e considera a sua
empre/a como huma conquista. Em troca
dessas victorias diminuir lodos os dias a sua
forca at suceumbir miseravelmentc.
De Rueos Ayres nada sabemos ; continua-
vao as loucuras sanguinolentas de Rosas e as
adoraces'de seu retrato.- ,
P S. Espera-se mais -'oo Francezes que
vem de Maldonado. As lanchas e escaleres dos
navios francezes eslo na praia de Aguada. A
genle que desembarcou esl aquartellada na al-
fa ndega.
Sr. I. Fructuoso Rivera :
Gualaguaychu ,, 11 de Selembro de ia3p. -
Gencl recebi a sua caria de yj do passado;
agradeco a V. s suas boas disposices para
com a nossa empreza, e espero que ligndo-
nos com franqueza conseguiremos destruir o
inimgo commum. V. nao duvide que Os
meusdesejosso sempre de marchar de accordo
c que o xito de nossa empreza depende da u-
nio dos dous exercilos oriental e argentino. -
Desembarque-! sem obstculo. A legio est
montada. Vlarcbo amanb com direceo a
Villaguay aonde reuniei .^oo Entre Ranos,
e com elles apoiarei o restabelecimento do go-
verno legal de Corrientes e proraoverei a re-
voluco dessa provincia qu> se levantar po-
derosa e sem temer oulio Pago largo. -
Esla provincia apresenta as boas disposi^es
que esperavamos ; procuro atlrahir os seus
habitantes pelos meios brandos da persuaco ,
sem allentar de modo algum contra a sua li-
berdade nem suas propriedades e esta con-
ducta nos conquista todas as sympathias. A
medida que V. me annuncia ser de huma in-
fluencia poderosa para o levanlamento comple-
to desta provincia contra os seus despotas E-r
chage e rquiza e huma vez obtido islo o
exercilo invasor esl destruido sem remedio. -
Interessa que V. me avise de suas operaces
para meu governo. Eu ofarei pela minha
parte. Nao esquejamos meu amigo que os
destinos das duas repblicas dependem dos
resultados desta guerra e se desla vez nao
triumphar a liberdade dos dous povos se per-
derla para sempre e como V diz esta em-
preza far a feliridade de muitas geraces. -
Son sempre de V. servidor e amigo -Joo La-
valle. '
Montevideo aR de selembro.
Continua Rueos-Aires as suas orgias p
adoraces do retrato de Rosas. Zomba este do
respeilo divino e humano e manda expulsar
de Ruenss-Ayres os ]esuitas que se negaro
a adorar o seo retrato nos templos da compa-
nbia. Rosas assentado n'hum carro triunfal,
foi puchado por algumas senhoras de Buenos
Ayres e entre ellas a esposa do general Al-
vear. Foi tambem puchado ao depois pelos
generaes e magistfados ; e a hum de seus be-
tas fez dar o titulo de principe. Escusado lie*
diser a Vms. que eslas homeuagens sao 9i
Ibas da violencia, no Nacional acharo Vms^
muitos artigos de cartas de Ruenos-Ayres qinr
dfio pormenores roui curiosos sobre o estado'
desla infeliz provincia. O mais importante be-
o que sereferre ao Sur. Mandeville Minis-
tro inglez, a quem Rosas faz moer milho em


I
DIARIO
D R
PERNAMBUCO
lium piko, do mo:lo o mais astuto que se
pode imaginar. Collocou sua filha_, na ante-
cmara por onde devia passar o Snr, Mande-
ville para visilal-o Ella eslava moendo mi-
Iho etn hura almofaris de pedra 5 ofereceu-se
t> polido cavaleiro a fazer o trabalho que fa-
tigava a senhola ; esta obediente as ordens
do seu pai consentio e o Snr Mandeville
poz-se a moer o millio distinado ao jantar de
Rosas. A' noite, o dictador convidou alguns
amigos aviremcomer hum guisado prepa-
rrdo pelas mos do representante da naco
ingleza Este Tacto lie positivo e respondo
per pela sua veracidade.
As violencias, as prises, as barbaridade de
loda A especie continalo em Bnenos-Ayres
cora novo requinte. Na Gaceta Mercantil ve-
ro Vms que se ordenou que todos usassem
bigodes. Publicou huma proclamaco na qual
se convida a pojmiaca ; acolitar todos os mer-
cadores e negociantes, porque diz Rosas que
csto tiranisando o povo. Couclue a proclama-
cao com hum morra o commercio
Depois que a mulher de Alvear e outras
puxaro o carro de Rosas, recebero huma
caixinha com esta inscripco-Paraas bestasque
puxo o meu carro.
O estado financeiro de Buenos Aa y res he cada
vez mais espantoso. Ordenou Rosas que se
lizesse urna nova emisso de bilhetes raso de
hum dcimo por cento. sobre a quaiitidade de
papel moeda que est j em circulaco econ-
liscou algumas quanlias que pertencio aos
accionistas do extincto banco nacional. He
indiibilavelque este estado nao pode durar
por muilo lempo e que ameaca 1iuma crise
que acabar com Rosas e coro seu brbaro
syslcma.
Orille acha-se em Buenos Ayres segundo
algumas cartas e segundo outras, parti para
Sania F com cem homens Prohibio-lhe
Rosas que obrasse por si, e ordenou-lhe que
marchasse sob a direcco de Echague
Depois da derrota e morte de Velez, o ge-
neral presidente Rivera reconcentrou as suas
(oreas em Oroya em numero de 4 000 ho-
mens. Na capital 3 000 soldados guarnecer
as forlificaces 1,00o eslo na campanlia, o
que prefaz hum total de 8,000 homens He es-
te o exercito mais niimerozo que tem existido
na repulilica, composto de Orienlaes. O int
mi;o acha-se entre os rios Yi e Negro ; a sua
forca nao passa de 3,000 homens muilo mal
montados. Todoopaiz est contra elles, de-
preda At esta dula 'uzilaro ou degolaro a sangue
fri matede 100 habitantes;e proprielarlos.
Esta poltica alienou-lhes todo os coracoes, e
ainda que tivessem ganho huma victoria, nao
terio melhorado de posico. Por isso nao
temos aqu o menor cuidado ; e contamos ven-
cer sem a menor dilliculdade. Escusado he
dizer-lhes que a sua deslruico he o signal da
queda de Rosas
Do general Lavella nao temos noticia ha al-
guns dias : sabemos pelas ultimas cartas ,
que entrou com a sua legio em iMontiel, vil-
la de Enlre-Bios na fronleira de Corrientes.
Noduvido de que esteja boje senhor de toda
a provincia de Corrientes e EntreRios.
Os rios Uruguay, e Paran eslo perita-
mente guardados pelas esqu dras oriental e
Iranceza para impedir que alguma divisan d
Echague ou de Rosas moleste ,as*operaces de
Lavallc.
O governo prohibi toda a especie de com-
mercio ntreos portos da repblica, para pri-
var os invasores de todos os recursos que
recebio.
Buen s-Ayres 1 { de setembrOi
Aniversario da Independencia do Brasil.
Sabbado 7 do corrnte aniversario da in-
dependencia do Brasil, a escuna de guerra bra-
rileira Lcbrc erabandeimu e sulvoude madru-
gada a huma hora da tarde e ao por do
sol.
Os navios de guerra inglezes Caliope e Ac-
lervn eos navios (rancezes Sapho, Camillc c
Perle -, linho a bandeira brazileira cada nC
niaslro do traquete, e huma hora da tarde sal-
\aiao todos com ai tiros.
(British Pachel).
- a-i de setembro.
O actual estado de consas neste paiz he de
summo interesse, e todos os dias elevemos es-
perar noticias importantes tanto a respeito
do exercito argentino que oceupa o Estado O-
riental, como acerca da invaso de D.Joo
Lavelle e seus anherentes na provincia d r.n-
Uc-Hios. No entretanto reina a mais perfei-
la tranquilidade nesta capital e em toda a
piovincia enaverdade nao ha excepcao ao
estado de tranquilidade que existe em toda a
repblica pondo de parle a invisto de que
fallamos.

Montevideo, a3 de setembro.
Exercito Nacional.
Extracto de huma carta de hum chefedo
exercito em campanha.
Costa do MacieL, 19 de setembro.
Ja estamos todos reunidos, e respondo-lhe
que a cousa he como se desejava. Formaro-se
3. 5oo homens na cuchilla de Orona : fallo a-
inda cousa de 3oo do general Medina joo da
diviso de Pola neos oesquadrode Dura/no,
e a diviso de Canelones. A forca do inimigo
foi perfeitamente reconhecida pelo coronel
Blanco, e he a seguinte : i,5oo que passaro
ern Baigorri 700 em Quinteros e a diviso
de Lavalleja que pnssou cima ter 800
homens, de modo que loda a forca nao exce-
de de 3,000 homens.
d'alma tcm alga cousa de real : dlfficil dei- falta a pagar-se se faz as quartas leiras em
,- 1----->m ., Un'.n. caza do EscrivSo da Lotera Rufino Jos Cor-
rea d* Almeida, morador na ra da Santa Cruz
Exercito da repblica."
Quarlel general nos Moyos, a5 de selem-
. bro de i83q.
O exercito sahio de Orona no dia ao, e foi
acampar as margene do Yi, em frente de Te-
jera em cujo arroio se achavo os inimigos.
No dia a 1 mandei por o exercito cm mar-
cha em direcco o passo de Durazno, com
o fim de chamar a altenco dos inimigos 0-
brigando-os a mostrarem as suas forcas.
Este movimento produzio o resultado que
me havia proposto ; as 11 horas da manh toda
a forca inimiga eslava em linha, ereetadeem
alas e a outra em balalhs. Permanecero assim
at as 4 horas da tarde, momento em que a
diviso ondeseaehava a artilheria e infante-
ra se poz em retirada com alguns oulros cor-
pos.
Mandei ento a hum meu ajudanle que ob-
servasse a direcco que tomavo e ao por do
sol tive partecipaco de que esta^o acampa-
dos em Tejera. Fiz ento um movimento vi-
olento com a artilheria infanteria e toda a
cavalaria sobre o passo, e, ao mesmo lempo ,
fiz quehumesquadro ameassasse passar por
huma picada que se acha a direita daquelle
passo.
A diviso de Lavalleja, que se achava prxi-
ma volveo ao trote para occupar a posico
que tvera antes ; mas ento a nossa artilheria
disparou dous tiros que foro bastantes para
que se relirassem precipitadamente sobreo cor-
po que Ihe fcava mais immediato.
Chegando a noite, fiz passar alguns attira-
dores com alguns infantes pelo passo e pala
picada para engajar humtiroteio o que se
verificou. Pelas 7 horas e meia da noite o
meo exercito se retirou havendo novamente
conseguido que as forcas que tinho chegado
a Tejera ^e posessem em marcha e se conser-
vassem na mesma posico que havio oceupa-
do de manha.
No dia aa, vendo-se hurlado os iuimigos
fizero huma tentativa sobre o passo com too
homens, que o nossocorpo avancado deixou
passar. Adiantaro a sua marcha a: a villa
de Durazno, mas huma hora depois, repas-
saro o rio, e boje acho-se no campo de Te-
era ,
No que respeita aos inimigos tenho sonrien-
te a diser V. Ex. que o grupo de individu-
os que se apresenlaro na nossa frente nao pas-
sa dea.5oo : deve-se jnlgar do seu estado de
disciplina pelo modo com q'se movio os cornos
pois que o fasio por /i .<, e 8 homens com
distancias immensas. Oesladodos seus caval-
los he cada dia peior.
O exercito da repblica continua a organisar-
se. Hoje tenha j 8 devisoes de 4*oo homens
cada huma, commandadas por cheles de
crdito, como sao o brigadeiro general Medi-
dina, os coronis Nune^, Silva, Nuna, Blan-
co etc. Alem disto existe o coronel D. I?e-
nancio Flores testa de urna forca respeitavel,
encarregado de vigiar toda a parte povoada
dos departamentos de Soria no at a nigen-
tas. As nossas ca val hadas de marcha sao bo-
as, e as de reserva ainda mcmoies, Sdfil em-
bargo tenho muito que fazer em outras cou-
sas, especialmente acerca das immensas e des-
granadas familias que, fugindoda barbaridade
dos invasores viero buscar hum asilo nes-
te exercito.
Concluindo Snr. Ministro, hedomeude-
ver recommendar ao governo todos os cheles
eosofficiaesdo exercito, pois que todos con-
tribuiroda maneira a mais positiva a manter
nelle adisciplina, a ordem, e a moralidade.
Dos guarde a V. Ex. mullosannos.
Fructuozo Rivera.
Henrique Martinez.
Ao Snr. ministro da guerra, e marinha,
brigadeiro general D. Jos Roudeau.
(Constitucional.)
(Do Jornal do Commercio.)
VARIEDAE.
Grandeza d'a|ma.
Nao necessario piovar que a grandeza
xarde sentir-se no horaem, que domina a
sua fortuna e que por meios poderosos,
chega a fins elevados que subjuda a os an-
tros homens por sua aclividade por sua paci-
encia ou por profundos conselhos diffi-
cil digo eu deixar de reconhecer-se em
um genio desta ordem fia nobre dignidade :
com ludo nada h no mundo por mais puro
que seja de que nos nao abusemos.
A grandeza d'alma um inslincto elevado
que conduz os homens agrandes cousas, de
qual quer natureza quesejo ; mas q,ue se in-
clina para o bem 011 para o mal segundo
suas paixoes suas lezes sua fortuna &c.
Igual a ludo quanto ha de mais elevado sobre
a trra as vezes procura a submetter a
si por toda a sorte de esforcos e arteficios ,
as cousas humanas ; e outras ve/.es desprezan-
do estas mesmas causas snbmelter-se a si
mesma sem que a sua submisso diminua o
seu merecim'ento : cheia de sua propria gran-
deza ella secrelamente descanca satisfeita de
ser senhorade suas paixoes. Quanto bella ,
quando a virtude dirige todos os seus movi-
mentos; mas quo perigosa logo que se
aparta dos preceitos da mesma virtude I Repre-
sentemnos Catilina cima de todos os prejui-
zos de seu nascimento meditando mudar a
face da trra e destruir o nome romano :
concebamos este genio audaz, ameacando o
mundo no seio dos prazeres e formando d
a tropa de voluptuosos, e de ladres dm
corpo lerrivel s armas, e sabedoria de Ro-
ma. Que herosmos, teria praticado este ho-
mem se a grandeza de sua alma se inclinas-
se para o hem Mas circunstancias dcs;raca-
das impelliro-no para o crime. Catilina ti-
nha nascido com um amor ardente pelos pra-
zeres que mais se irritavo pela severidade
da Boa-visla
meio dia.
das nove horas da manhfi at ao
LOTERA DO LIVRAMENTO.
Achando-se ja vendida a mlor parte dos
bilhetes da Loteria concedida a favor das obras
dalgrejade N. S. do Livramento, o The-
zoureiro da mesma parlecipa ao respeitavel
Publico, que as rodas da dita loteria corre-
rao imprcterivelmente no dia 18 do prximo
vindouro Novembro.
das lcis ; sua prodigalidade
e seus deboches
projectos
THEATRO PUBLICO.
Quinta fe ra 3i do corrnte em beneficio
do Actor Pedro Baptista de Santa Roza ha-
ver o seguinte grande Expectaculo Depois
deexeculada a primeira Overtura [Fradiavo-
lo] principiar o divertimento com o primeiro
Acto do Drama em 3 actos inteiramenle libe-
ral que se intitula a Reslauraco de.Per-
nambuco A nova composico de 1837. He
assaz bfclla esta composico do insigne e
immortal Gaspar Jos de Mattos nmentel; e
com o nome do seu Autor tem-se-lhe dado to~
do o elogio c merecimento sobre a sua deli-
cada marcha e o respeitavel Publico ainda
mais far-lhc- justicacom as suas respeitaveis
presencas ; ella nao obstante ser complicada
em scena o Beneficiado nao se poupar a tra-
balhos e fadigas para a apresentar com a-
quelle seguimenlo que pede seo Autor tro-
pa muzica &c.
A reslauraco de fernambuco he um as-
sumpto qui deve ser eternamente cjiaro e
de nobre enthusiasmo para os Brasileiros es-
pecialmente para os Pernambucanos. Devemos
estimar, e dar o devido apreco e primazia as
nossas cousas mormenle quando ellas sao to
relevantes e dignas de memoria como aquella
impl.carao-no pouco a pouco em pecio, ResUuriSSo pela qual os Pernam-
cr.minosos: arrumado desacred.t do der- P Si ^ Je
rotado elle se encontrou em um eslado om apontados em todo o Mundo com
que lhe era mais dimcultoso governar a repu- r
blica, que destruil-a ; nao priendo ser o ^Beneficiado espera dos seus Benemritos
hroe de sua patria med.tava sua conqu.s- p rf honrem 0 Expectaculo ,
ta. Assim os homens sao mullas vezes cr.mi- bri|hantismo do qual nao poupar es-
nosos por acasos rataes.ou por suas.tuacao: dilgencia9.
assim sua virtude depende de sua fortuna Que ^ ^ d& f q Beneficiado rom a Actriz
faltava a Cesar se nao o ter nascido soberano i ^^ j ;na3caiUaro um dos melhores Du-
Era bom magnnimo generoso bravo rematando o Expectaculo com a repeti-
clemente n.nguem era mais capaz de gover- muto iaudida Fa a representada
nar o mundo e de fazel-o feliz : se elle ti- _------------- u~.fi_
yesse tido a fortuna igual a seu genio ,
sua vida teria sido sem mancha ; mas como
Cesar nao tinha nascido rei nao passou de ser
tyranno
Do que temos dito segue-se que ha vici-
os que nao excluem as grandes qualidades ,
e por consequencia ha grandes qualidades ,
que se apai to da virtude, Berna meu pe-
zar recouhe.o esta vrdade triste que a
bondade nao seja sempre companheira da for-
ca que o amor do justo nao prevaleca sem-
pre sobre todo o outra amor em todos os ho-
mens e em todo o curso de sua vida ; mas
nao s os grandes homens se deixo arrastar ao
vicio, tam bem os mesmos virtusos se des- gonos
mentem e sao inconstantes no bem. Com
tudo o que j: saudavel saudavel; o que
pela primeira vez nesta empresa em benefi-
cio de Mr. Gonet, a qual se intitula-Gato
por Lcbre ou urna por outra -
He este o divertimento que tem escolhido
o Beneficiado para apresentar perante todos a-
quelles que se dignarem concorrer com as
suas proteeses, pois que confessa que ser
eterno o seo reconhecimento : o Theatro esta-
r armado como costuma para a Sociedade.
Avisos Diversos.
SS? O abaixo assignado faz publico, que
Theofilo Jos de Lemos nao esta mais debaixo
de seu dominio, e nem derige mais seus ne-
cr
Jos Francisco Pomingues Fradellos.
Quem quizer dar hum cont e ceis
feilos inseparaveis de nossa natureza to ma- novo de dous andares: que s. d.ra quem
nifes.amente misturados de ^deza e d. q* Qmmmmuoa n0 d.r0 de ,6 do
pepunez, nao destroem as suas perle. oes .!- V ambos os setos para
dado bem. Nada ha perfeito sobre a trra .'
tudo ah mesclado e finito : as minas nao
nos do o ouro puro.
, ( Traduzido de Mr. Tormey. )
CAMBIOS.
Rio de Janeiro ia de Outtibro.
Londres-------------------------33 3/4
Paris----------------------------a9o
Hamburgo----------------------
Ouro cm barras---------------
Dobres hespanhoes--------
da patria---------------a^Uooo
Pezos hespanhoes---------------
da Patria-----"---------
Moedas de 6U400 velhas -
novas -
i) de 4U000------------
Praia----------------------------
A plices de t por cento juro
a?Uooo
1U6 o
1 51 1 IDO
7U700 a 7U800
73
nom.
-
(Jornal do Commercio )
LOTERA da boa-vista.
OThczoureiro da Lolenada Boa-vista a-
uuncia que o pagamento dos bilheles premia-
dos da segunda parte da terceira Loteria que
CJ- Arenda-se a caza de sobraao aonne
morou Antonio Luiz Ribeiro de Brito no
Atierro dos Afogados assim como o cilio que
tem o mesmo sobrado com viveirode peixe :
capim para a cavallos todo anno as milho-
res frutas com estribara para 8 Cavallos
cu.\eia para 2 Carros rara ra feitor ; e
para escravos: quintal e caza para galinhas
indepcndente do citio e banho; adverte-se.
que lie o cilio todo amurado e a renda-sc
por prei,o cmodo; quem perlender procure na
caza cima a Antonio LuizRibeiiode Brito.
*TT A crioula que se oflerece no Diario n.
a35 para ama de caza deportas a dentro,
querendo vir para casa de una viuvacom pou-
ca familia dirija-se a ra do Cotuvelo casa
D. a?.
fcr Na Refinaco da roa Direita D. 3 con-
tinua-se a vender assucar refinado de superior
qualidade e assucar cande feito com toda a
perfei o tudo por preco muito commodo.
UT A creoula forra dedezeseis annos de i-
dade que annunciou no I ario de Sabbado
n. a?5 querer ser ama de casa de portas den-
tro, pelo simples pagamento des lhe dar de
comer e.vestir, dirija-se a ra dai Flore*
caza D- 3.
<]
I
I
J


DIARIO

DE PRRNAMRCO
nal
tf Quem precisar de un rapaz poiiuguez
{>ara cozinheiro de casa de pasto ou parlicu-
ar dirija-se ao botequim da cova da onca.
tsy Aluga-se um eseravo servente nesta
r. Antonio Marques da Costa Soarcs ven-I douradas pentes de chifre de r
em os en;;enho Trapiche e Ago? fra silu-1 qualidades lcqucs de seda ditos (
Sr
I
de differeotes
e papel,
C o m p r a s
3- Dois ofFiciaes de pedreiros com tanto
que nao sejo mus ; na ra Direita sobrado
D. 14 no prmeiro andar defronte da botica ,
que oi de Ignacio Neri.
Vendas
adosna freguesia de Serinhacm juntos oq e de pellica., sabooctes cspelhos para salla ,
separados com seus utencilios e escrava- 4 eaixas de agoa Viehey missangas chico-
praca muito ligeiro e forcoso 5 na ra de I tura respectiva, a propriedade denominada I tes cabecadas, e redeas de lustro cartoens
agoas verdes por cima do assougUe na mes-: Gamela, e partes nos engenbos campia, ejde flores arleficiaes bandeijas ; escovas para
Bea vista, e liba do Lamenba na mesma frc-| fatoe cabello botins para senbora vidros
guesia ; bem como nesta praca urna casa terrea {de cristal e outras qualidades movis di-
na ra das Trincbeiras n. % urna dita na versos, e pandr jas grandes e pequeas e ta-
de Hurtas n. 53 urna dita na do Rangel n. boleirosde piala fina..
3 e outra na Boa vista com frente para, o
cemiterio da Igreja Matriz; as pessoas que
pretendem comprar quacs quer dos bens a
cima mencionados sirvo-se apprcsentar suas
propostas no escriptorio da Liquidacd da dita
casa na ra di alfandega vcllia n, 7 at i5
do prximo mez dia em que principia a ar-
remata^ o em basta publica.
0^> O Secretario da Socicdade Apolnea
pela segunda vez convida aos socios da miasma
para se rcunirem nodia 99 do cor,rento pelas
6 boras da tarde na sitia de suas sesscs a
(m de se proceder clleicao da nova com-
misso administrativa, na certeza deque urna
hora depois da marcada se principala a cllei-
cao com os socios que esliverem prsenles
vj~ Roga-se encarecidamente as anthori-
dades policas de Catuama, liba e ponta de
pedras, laricem suas vistas sobre certas janga-
das de pescara quevo buscar bordo neslas
costas nSocoricinto saltaren) em trra pa-
ra evitar desoldeos que sempre todos os an-
uos costuna liaver -Islopedcum jangadeiro
sg- A creoula forra que anuncou que-
rer servir de criada de portas dentro visto
jamis o dara ; por sso faz ver, que trate I Sil|,er |ai,er lavarinto c cozinliar o diario de
ma casa da-se oo 000 a premio.
SST Quem annunciou no liario de 26 do
correte querer comprar urna obra de Virgilio
em latim quercodo-a em bom uzo e por
preco commodo, dirija-se ao terceiro andar
do sobrado D. 7 na ra das Cruces
SS- O 1-dictor do almanak roga a os Snrs.
Profcssorcs de medecina cirurgia e phar
macia, advogados, e procuradores, de que nSo
se faz meneo no mesmo almanak do correle
anuo queiro fazer o obsequio de lindar
seus nomes e moradias na loja de livros da
praca da Independencia n. 57 c 18,
XU' Algum menino dos ebegadosdo Porto ,
que quena ser caixeiro cin una loa, dirja-
se a Hoa vista ra da Cooceicio em casa do Sr.
Mendonca que dir quem pretende.
fcqs o escriptorio de Joo Pinto de Lo-
mos existe urna carta viuda de Macei para
o Sur. Antonio Jos dos Res mas sendo de
importan ia, e nao pertenceudo a mitro do
mesmo nome oais mohecido nesta Cidade ,
a quem ja oi entregue se faz o presente an-
nuncio.
yry Adver-se anda segunda vez ao Sr G.
A. C. A. a cerca do caderno de valsa de lau-
ta prestado em i-j pois seu dono nao joi-
go u que fosse rom tal condicao isto be de
nunca mais o ver porque se tal adivinhasse,
ijy Folbinbas de Porta asis vintens de
algilieira a doze e de reza a pataca todas
paraoannode 18o 5 na praga da Indopon-
cia loja de livros 11. 'n c i, na ra do Ca-
linga loja do Sr Bandeira na ra da Cadea
do bairro do Rccifo loja que (oi do Sur Qua-
resma na ra da Madre de Dos na venda
da quina delronte da Igreja ; na Hoa vista de-
lronte da Matriz botica doSr. Moreira ; e em
Olinda botica da ra do Amparo
\3g" 31(.'ios btl leles da Lotera do
Livramento a 3.sooo; nesta Typo-
ET Meios Bilbetes da Lotera do Livra-
mento ; na ra nova loja de ferragens- I) 10.
ST Meios bilbetes e cautelas da Lotera
do Livramento estes a .ooo c aquellas, a 600
ris ; na praca da Boa vista venda do Sr. Jos
da Silva Saraiva.
SST Meios Bilbetes da Lotera do Livra-
mento a 3ooo mil s ; no atierro da Boa vista
junto ao beco do lerreiro venda D. 10.
tSF"- Cobertores de algodao' proprios paral
osera vos a t>4o ris ; na pracinba do Livra-
mento n. 2Q.
tSf Meios Bilbetes da Lotera do I.ivra-
mento a ilooo res ; no Palco de S Pedro loja
ile Livros.
SSF Meios Bilhctes da Loleira do Livra-
mento a looo ; na ra de Horlas venda D.
trinta e upi.
S?" Bilbetes e meios ditos'da loleria do
Livramento ; na ra do Cabug loja de relo-
joeiro junto do Sr. Bandeira.
3C5" Um caixao com o resma de superior
papel de peso; na ra do Rozario bolica de
iiai tholomeo 1S1 liamos.
irafia.
de restituir o sobredito caderno, quando nao
passar pelodesgoslo de ver o seu nome por
externo nesta lollia.
Aluga-se para escritorio o primeiro an-
1.-?"
nina casa dirija-se a ra nova ira 5. c andar
do sobrado onde mora o advogado Francisco
de Paula (lomes dos Sanios
IZF A creoula forra que no Diario de 6
dar da casa da ra da Cruz n. ; quem o d0 corrente se o "erece para ser criada pelo
simples pagamento de comer e vestir dirja-
se a ra nova I). 4 segundo andar dcfronle do
oilao da Matriz,
Avisos Martimos
pretender dirija-se a loja do mesmo
52^- Arreoda-se urna casa 110 Poco da pa-
nela para se passar a festu com ptimos coro-
modos para urna grande familia ; quem a
pretender dirija-se a ra do Fagundes *De-
-cima 7.
lT O Sr. que ficou de pagar um letra de
111, 00, a um allaiale em linda. queira fazer
irompto pagamento e nao fazendo
liicado o seu nome por exlenco
wr
forros ou captivos para o servico de campo;
a tratar no sitio dos afflii los denominado sitio
da tamarineira.
XJj" Aluga-se para passar a testa, c mea-
ano por anuo una boa casa mu lo fresca e
com bous commodos com grande sitio da
117" Urna mol;>l.i de iilade de q5 annos ,
bonita figura e bastante robusta, en#omma,
cose cli e cozinba ; na praca da Indepen-
dencia n. 37 e .; se dir.
f se ni vos JKtit-.dos
19* jNodiaa'ado corrente fligio urna es-
clava de nome Mara Antonia de naeao Ba-
meia bucal, queixo comprido, ps pe-
queos mal feitos levou vestido camina de
algodaozinboja suja saiadocilita encarna-
da coritas encarnadas e dourpejas no pesoocoy
e panno preto, quem a pegar leve a ra de S.
Bom Jess das creoulas, que ser recompensado
SZF No da 27 de Maio do crlenle anuo ,
desapareceo um molequecreoirlode nomo JNi-
colo cor um lano preta. oliios aljruma coi
PARA O ARCATYeom brevidade a Su-
maca Conceico Flor do Mar;
sera pu-|carregar por lete commodo,
'Mostr Antonio Jos \ ianna a
Z..j- Lina non fio de marfim muitq bom ,
azei.ede palma, dito de medol.im e cera sa vermrl ios lo, seduzulo por um caboclo de
Inania ; roa da cadea velha n. 6 j ,,",,ra J""^ nome Lino e consta ter
I Deis cbaproenS de amarello os qnaes PP""* "s Apipucos 0 Barbalho ; quem
existem na serrana de Francisco \ cenle \ a- Pf6"p ,eve rw do ^ ,"'"1' "' '' ""
lim; a tratar atrada Ribejra da Boa vista ;Iar que sera recompensado-.
D.4.
E Cinco travs de .^ palmos de compr
do, c palmo c coito de grossura ; na ra da
I Nanoitede >+ do corrente pelas 7
horas poce mais ou-menos, desaparejo urna
cadea
o;a de An'oniGumes Pssoa.
isdo 'orto prximamente
Bichas
quem quiser clHgadas ; na praca da Bou vista I). 10
i^r Potassa em barris graneles e pequeos ,
bordo da
cosos de sede urelosda india, pecas de brim
Precisa-se alugar dois irabalnauorcs me9ma delronte do Trapiche novo ou a An- ,a 1 Ug9a f c pentes de marrafa ;
.......-,-,.....- ...........-, na ra
a do Corpo Cruz n. 6t casa de Malheus Auslin&
Santo por cima da loja de cabos do Sr. MaJu-
lonio Rodrigues Luna nn p.
,1
v:i
Cj"
escrava de na cao ladina', de nome Josefa,
bjiixa seccado corpo, muito moca, peitos
atacados e pequeos nariz olhos boca ,
s. dedos, eps tambero pequeos, (ei-
coens miudas e bonita com todos 08 denlos
da frente miudos, alvos cabellos pouco
crecidos cabeca pequea e pouco redonda ,
formando alraz un coco c com algumas f-
tidas de sarnas na mesma cabea as macas
do rosto alias, equoixo fino, ur.a de lunar
Duas escravas mocas de boa figura ,
com boas babelidades para o serv o de una
PARA O MAMAMIAO* salle com toda a'sa barris de manloi-a :;;uito enconta pi- ,a,,a(" v lem um dos .revidadea Lem conbecida Kscr.ua Jovina ; L barricas que forSo de farinba do remo >"*ufdo;de pouco levou vestido camisa
pus Harneas que torao (e ariniia do remo
quem qmscr carregar ou ir de passaaem j 1 utra aPma So proptia para qualquer esfa-
partedono. e no lugar do Monteiro 5 a tra- plPa 0 qe tt.m excellentes commodos, diri- | o!, cimento na ra'cstroila do Rozario l). -(;
rija- a F. Marques Rodrigues i Irm&o na U ini[;ir IS 5 ponas I) ti onde lem lampSo.
ni dos Tan'ieiros n -i cy Urna negra do enlo de angola,'de
PARA IVERPOOLo l'riguc Westnore- ya.,. (](, a0 annos com bonita figura a vis-
la do comprador se dir as babelidades; na
ra Direita padaria I) 4-
tSf A creoula de idadede 16 annos que se
offerece para criada sement pelo sustento
evistuano, querendoir para umsittona so- ,,,,,; ;..>e ., ,1,... n)m a maor brevidade por
Kds.de dirija-se a pracinha do Livramento Ui purtede sd!l carga engajada eserdeme-
e cera 1). ><). or tote de qualquer presentemente destinada
- A creoula que no Diario de 96 do cor- para o dito porto: quem quiscr carregar di-
se ofierece para oservi o interno de urna rija-s a os mus consienalarios H arrisos 1.a-
PARA O MARANHAO o Rrigue Mrquez quintal murado, e caciml
loja de cera 1). ->o. or lote de qualquer presentemente
S_^'
jen te se ollerece para o serv o nueiuu ic uum 1 ni
casa, dirija-se a ra das Cruzes no segundo tbam & Hibbert, na ra da alfandega vellia
andar do sobrado pertenccnleao Sr. l'rancis- a. q.
cisco Consalvesda Rocha.
OT Precisa-so 'de offlciaes de alfaiatc, e'dePombal, sabe empreterivelnieote al odia
um DSOCD ou moleque que queira aprender
o oficio j na ra Direita del lonte do beco de
&'Pedro no segundo andar por cima de um
barbeiro.
S_j- i) beneficiado do dia 31 do corrente ,
I'raucisco da Rocha Preto avisa a todos os
e protectores, que lhe izeraoa
de algodaozinbo e vestido de riscado que pa-
rece estar sujo ; quem a pegar leve a lora de
portas casa n. .1 quasi confronte ao Arsenal
uemarinha quesera gratificado com 3o 000.
V_^" JNodia 20 do concille (ligio de hun
silio da estrada de l.elem um escravo cieoulo ,
d nome Casiano official de allaiale de es-
tatura mediana cor retinta olhos grandes ,
1 y Medobim de Angola de superior qua-
lidade, em barris ou a relalho ; na ra da, ros>o comprido o secco, exou jaguela de ris-
Cruz n. Si cado amarlo calsa de bnm camisa de al-
CT Urna casa terrea, sita no beco da Bom- (H40"000 e chapeo de palba de carnauba;
lia com bom solao para o mesmo beco \). 5,
1 com boa agoa
seus amigos
honra aceitar bilhele* de platea e camarotes,
que lem mudado o dito beneficio para o dia 5
de jVovembro de sociedade com o ponto do
mesmo Thcatro.
Oahaixoassignado tendo comprado a
Joaquim Luzebio de Barros urna loja de nn-
ude/ascom lodosos seus fundos, na ra do
,...i...~/. 11 t. ipm rnnlralado como S:r.
Jos lves da Silva Guimaraes propo-lo de
caixeiro ein dita loja, dando-llie por ordena-
do a terca parle dos lucros da mesma, e por
que o mesmo Guimares se acba em quebra
com o seu |)i imeiro negocio tendo manifesta-
do a os seus ci odores todos os seus bens por
este motivo faz o aonuncianle o prsenle an-
I nuncio para manileslar a lodos que a loja e
fundos delta perlence ao abaixo assignado e
,.ue o dito Guimares be somcnle caixeiro com
g ordenado na terca parte dos lucros.
Jos de Souza Garca.
r^7' Boga-te ao Sur. que achou una carta
din, la a,Snr. I r. Joo Jos Ferreira de
iRUiar, (lu.irafazero obsequio.de entregar
o paleo de S.Pedo loja de vios.
SSr A creoula de anuos de idadequese
:o de JNovembro e recebe assucar a frele de
200 is arroba; quem qiser carregar dii i.a-se
B ra da Cruz casa de Jos Ramos de Olivei-
ra ou com o Capilo Fernando Jos de Al-
meida.
LeiUo
po
ollerece para servir a urna casa de portas den-
tm s lelo &u:,tculo e vestuario, dinja-sea
tro so 1
1 nados Pires D.
117" Qucfuzem Lenoir Puget & Companbia
r iotervencaodo cndor Olivera em li-
quidacao de todas s fazendas miudezas, e
movis da extincla firma de enoir Besiicbet
Puget 110 seu arma/em da roa da Cruz h). 5
e como seio muilos os objeclos venda prin-
cipiara o IciUo qumu oira o do corrente as
dez horas da manha do seguinte sorlimento
de fazendas bretanas, luvas para mulher
e bomem camisas de cbila cambraias de
linbo grvalas de seda rendas de seda pe-
la sedas diversas para toletes chales de fi-
l de seda dilos de la c de seda de todos os
tamaitos e de cassa adamascadas lencos
de seda e sarja preta para o pescoco dilos
de cassa bordados e 011 Iros de {jarea, cassas sor-
qiiom a pretender dirija-se ao Atierre dos AI-
tpgados confronte ao vivero do MonU e ao
p d'umanova paderia.
t? Meios biiliolis'da lotera do Livra-
menlo a tres mil reis ; na ra larga do Roza-
rio loja de miudezas D. sete.
quem o pegar leve a pracinha do Livramento
n ?<) que sera recompensado.
!./ No dia i3 para i do correle, au-
zentou-se de bordo do Patacho baciodal Oli--
voira l'iindiado na praia docollego um escra-
vo de nome Jos Rebollo alio sem barba ,
e sem a caica de um dedo do p esquerdo ;
quem o pegar leve ao dito Patacho ou a ca-
s^- $00 garrafas va/ias muito lmpas, a 5? e (JBud,np Agostinl de Bersos detraz do
orodcMois. cada urna, e meas ditas a CrPoS*nto bJ que sera recompensado.
< o rs cada urna no furtexdo malos ra do A- *?" .*** ,ai(l(' (!ia '3 do com'"11' le Ti-
m rini n. .oj vendado Antonio Vaz de Gli- <'''"!' esencaminbeurse ou lugio de um
veii;(, eomboi que na para o Brejo da Madre de
l~7- maparelho de porcelano muito rico eos um moloquode nome Cacemro de 10
com;-,. casares de chicares e pires urna cu- P'dlH '* a""os roca para un. bo sendo feta na tena una 5*M > e "'e'eos grossas, nariz compri-
tapella para se dizer missa, com todo o seu ornamento; no pateo da rbeira sobrado i), t. P'e'ia lenda nos escrotos com camisa e se-
lj- Urna negra de naci congo de
ta (ura boa qi '
s \i. -jC).
Duas pretas
'). .
boni-
rouja de
1110 de algododa lona
e el
uilandeira ; na ra de S. Jo- ?c Rtt," i 'll,em *&V* leve a, l>a ^mr.
Carlos (.oelboda Silva morador 110 liieio da
tas de naca-o de idado de li a 'ad."!de P* l,a '."1'",''1'. do ,'oco1' U 'J,,s,';
ib de annos coziobo lato roupa urna (.or(leirc
preta de :o annos, por ',00,00o. boa para '
lidas vestidos de cassa dilos de fil, cam-
isas, escomilha encarnada, meas de
braias
seda para mulher e hoaiem tpeles de sala
eic.
JNodia Quinta feira 31 do corrente e 00
imioediato as mesmas horas, continuar a
venda dos soguinles ai tigos- espadas e flore-
tes, lacas e garlos cabos de chano e de mar-
fim raquearos de u {.duzias de tacase gar-
los abo de marfim com trinchantes tesoura
prcia oe :o annos por
trabalbar em um sitio e
pai
vende fructas por
.0
grandes c pequeas fivras c fitas para
"V'3 Liquidatuiios da casa do fallecido J cinto neis ordinarios, pulceiras cotilas
a tsso estar a costumada urna molata de
annos, cozinba engomma, c cose um pre-
to bom caooeiro e trabalbador de todo o servi-
co e um otoleque de 19 annos ptimo para
o servido de una t-asa ; na ra de Agoas ver-
dos casa terrea D. 5?.
&C3" Meios bilbetes da lotera do Livrameo-
lo a 000 ; na ra do Cabug loia do miude-
zas ). i.
i-v- Meios Bilbetes da lotera do Livra-
mento a ooo ; as 5 ponas L).*r).
UT Meios Bilbetes da Lotera do Livra-
monio a 000 ; na ra do Crespo loja de niiu-
tlezas D. 5.
Moviineiio do 'oio
iNAVIOSERTUAUOS NO DIA 26.
RIO UE JANEIRO por Babia e Macei,
li dias \apor Urasilero Hernambucano ,
Commandante F. A", l obe, e seguio hon-
teinpara Ceor Maranbio, e Para.
SAll 1 OS JNO 1 IA 27.
RIO DE JAN LIBO ; firigue 4Iespanhol O-
rienlal M. Florencio Arela, carga vi-
nhos
RIO GRANDE DO NORTE ; Brigue >ac.
Matilde, M. Antonio Jos dos Reis car-
ga varios gneros.
RKUFE NA TVP. DL M. F. DE F. 18J9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAP92LD9D_7W9SV8 INGEST_TIME 2013-03-29T16:51:38Z PACKAGE AA00011611_03933
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES