Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03930


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1839. Quinta Tetra
Tudo agora depende de nos mesmos; da nossa prudencit, modera tikLdJi Sk\Yw
co, e energa : continuemos cono principiamos e seremos s pon (dos
com admiracao entre as INaces mas cultas.
Proclamaco da Assemblea Gcral do Brazil.
------------------- ii o a i i
Subscreve-ae P"ra Mta flla a 3|ooo por quartel papos adiantados
nesia Typografia, ra das Cruzes D. 3, enaPracada Independencia
6. 3? e 38, onde se recebem correspondencias legalisads, eannuucios;
insirindo-se estes gratis, sendo dos proprios assignantes, e vindosassig- ~^/"
nados. *
Partidas dos Correios Terrestres.
*i 1 M- f*__-l:l_ *tii j_ __ __*------_ \
i^iuaucua ifliouiui iiusuuudputiiuu, !
Dita do Itio Grande do Norte, e Villas dem...................Segundas e Sextas Feiras.
Dita da Fortaleza e Villas dem.................'.........i
Villa ce Goianna................................../
Cidade de linda..................................Todos os das.
Villa deS. Anto.................................Quintas feiras.
Dita deGaranhuns e Povoaciio do Bonito..................... Dias lo, e i de cada me*.
Ditas do Cabo, Serinhaem, Kio Formozo, e Porto Calvo............dem II, 91 dito dito.
Cidade das Alagoas, e Villa de Macei.........................dem dem
Villa de Paja de Flores.................................dem 13, dito dito.
Todot os Correios partem ao meio da.
_. C-___J-
'J 1 OCgUIIUM -
aa Terca-------
a3 Quarta-----
?4 Quinta
a5 Sexta-------
ao" Sabbado -
17 Domingo-
21 de Odtbbo. Numero 233.
CAMBIOS.
OTtlMO. aa.
Londres......33 por t'ooo eed.
Lisboa....... 3o por o/o premio, por metal oflrecido.
Franca.......Soo reis por Iranco nom.
Itio de Janeiro ao par.
OUHO Noedas de 6too rs., Velhas i5fooo a i5fao
Ditas Novas i4?8oo a isgooo
Ditas de 4?ooo rs., P#ioo a 8faoo
PllATA Pataces Rratileiros.......i58o a iffjoo
,, Pezos Columnarios---------------t#5Ho a 1I600
flilos Mexicanos.......... 1J560 a 1J58
Premios das Letras, por mez I 1/8 a 1 111 por loo
Moeda de cobre 3 a 4 por 100.de disc
Das da Semana.
S. LVsl e suas Cip.- Seso da The:, e Aud. o ". de "3. da 4. v. da raj
S. Maria Solme. ----.-----Relaco, e Aud. do J. de D. da 1. vara de manh.
S. Romo B. --------------------SessSo da Tbez. Audiencia do J. de U. da a. v. da
S. Rafael A rea rijo.----------------Re e aud. doJ. de I), da j. v.
S. Crispir e Crispiniano.------Sesso da Tbez e aud. do J. de D. da 1. vara.
S. Evaristo P. M.----------------Re. e aud. do 1. de D. da 3. v.
S. ElesbSo Imperador -
Mare chela para o da 24 de Ouubro.
As 6 horas e 54 minutos da tarde As 7 horas e 18 minutos da minli.
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPED1EMTK DO DA ai.
Officio Ao Inspector da Thesouraria da
Fasenda, parteeipando lhe, que havendo a
Presidencia solicitado do Govrno Imperial
exclarecimentos, se os officiaes que servirlo
na Guerra de Panellas e Jacuipe tinlio di-
reito a ser pagos como requerero alem da
grdtiicaclo de Campauha e de beslas de ba-
gagem Motive por bem o mesmo Governo
Imperial por Aviso de a3 de Setembro do
*(fcorrcnle anuo, declarar, que nao podem ter
lugar tal pagamento, tanto por que a Tabel-
la de 28 de Marco de i8a5 que regulou- os
sidos e mais vencimentos do Exercito nao fez
mcnslo de bestas de bagagem como por nao
liaver Lei posterior que as mande dar.
Dito Ao Prefeo da Comarca, respon-
dendo-lhe que pelo Exm. Vice- Presidente
da l amiba anda nao lorio enviadas as Guias
dos 19 sentenciados vindos d aquella Provin-
cia e que rogo que cheguem Ibe sero re
mettiiias.
Dito Ao Commahdante Geral do Cor
po de Policia respondendo-lhe que os Prets
dos Destacamentos que se acbo em Olinda ,
Poco da Panella, e AHogados, devem ser as-
signados pelos respectivos Commandantes e
rubricados por elle Commandante Geral.
Dito Ao Inspector do Arsenal de Ma-
rihha ordenando-lhe em cumprimente ao
Imperial Aviso de aj de Setembro ultimo,
, que faca organisar com brevidade o ornamen-
to das despezas do mesmo Arsenal para o anno
financeirode 181 a 184, a fim de que pos-
sa estar na Secretaria de Estado dos Ne-
gados da Marinhaat 3 de Janeiro de 1840.
Dito Ao mesmo ordenando-Ibe em cum
primento ao Imperial Aviso de a8 de Setem-
bro prximo passado, queentime ao a. Cirur-
gio do numero da Armada Francisco Mari
anno de Araujo que logo que o seo estado de
Saude Ibe permettir seguir para a Corte ,
dever partir na primeira embarcaco que
largar para aquel le Porto.
Dito Ao mesmo, ordenando-lhe em ob-
servancia do Imperial Aviso de'/o de Setem-
bro do corren te anno, que d'ora-em (liante fa-
ca publicar no 1. da til de cada semana tudo
qanlo houver comprado na anterior para o
mesmo Arsenal declarando-se a quantidade, e
qualidade dos gneros seo preco e nomes das
pessoas a quem se comprarlo se a vista ou
a praso, e se por conbecimento ou letras ,
devendo outrosim fazer aparecer impressos in-
falivelmente de 3:5 5 de cada mez os balan-
etes mensaes do Arsenal.
DitoAo I irector Interino do Curso Ju-
lidico de Olinda, communicandeIbe que o
Regente* em Nome do Imperador tomando em
onsideraclo oque lhe representou o Estu-
cante Manoel Pereira da Silva contra a sen-
tenca pela qual a congregado dos Lentes lhe
impoz a pena de se nao poder matricular por
-dous anuos as aulas do mesmo Curso, Hou-
ve por bem por Aviso de a8 de Setembro ul-
timo expedido pela Secretaria do Imperio de-
terminar que fique de nenhum ellcito a refe-
rida Sen tema e que o mencionado Estudan-
te seja admittido a matricula as Aulas que
tiver de frequentar.
DitoAo Administrador Fiscal das obras
publicas enviando-lhe duas requisices fei-
tas pelo Commandante da Companhia de o-
perarios Engajados, conetando de differentes
livros, de urna pedra de afiar ferramentas, e
roupas para as mulherese filhos dos mesmos
operarios, e ordenando-lhe que satisfaga as
mesmas requisices.
Dito Ao Commandante da Companhia
de operarios engajados communicando-lhe o
conteudo no precedente officio.
COMMANDO DAS ARMAS.
expediente no niA. 16.
Officio Ao Exm. Presidente enviando-
lhe a relaco dos officiaes, oil'ciaes inferiores,
e Cadetes do terceiro Ratalho d'ArtiIberia a
THEZORARIA DA FAZENDA.
EXPEOIEHTE OO DI A. 18.
Officio A o Inspector da Thezouria da
Provincia doCear aecuzando a recepeo do
seu officio de 5 de Julho prximo passado a-
companhando por copia um despacho de reex-
portado feito pela Alfandega do Aracali para
esta Provincia e communicando-lhe que
examinando-se o mesmo e conhecendo-se te-
rem os despachantes pago menos 4U.*>5o re's
foi logo a l'azenda publica indemnisada desta
importancia
Dito Ao Inspector da Thezouraria -da
p, com as expecificaces exigidas em seu of- Provincia das Alagoas, partecipando-lhe ja se
ficio de 4 do corrente, e bem assim outrados terem mandado fazer as desessete cornetas
officiaes avulsos que foro julgados aptos pa- que requisitou para os Ratalboes da Guarda
ra todo o servico de paz, e guerra, e existio Nacional da mesma Provincia e declaran-
na Provincia.
Dia 17.
do-lhe, que offerecendo-se embaracos na
compra das vaquetas encommendadas para o
Officio Ao Exm. Presidente, para que ti- Arsenal de Guerra desta 1 rovincia d as su-
vesse a bondadededar suas determinaces a as ordens para que fique,a mesma encommen-
fim de serem com urgencia caiadas as infer- da sem effeito.
marias do Hospital Ilegimental, por assim Dito Ao Inspector d' Alfandega para re-
couvir a saliioridmhuk'stc Edificio* -. jaclter com toda a iMHbde huma copia da
Dito Ao mesmo Exm. Snr., enviando^*'conta assi;nada atM fcivo da mesma Al-
Ihe competentemente informado o requeri- fandega, do prej fsoffreu a Fazenda
ment do recruta do Deposito Manoel Ilenova- publica por ter I Wb Franca & Compa-
to da Cruz, que supplicava demisso do servi- nhia de pagar Direitos de consumo de oilo
90, allegando ser casado, viver em companhia barris de plvora, que em flBbrco de, 18' 8 des-
de sua mulher e de cinco filhos que alimen- pacharao para o Rio Grande do Noxte.
lava, Dito Ao Inspector do ArsendPde Mari-
Dito Ao Exm. Presidente da Para iba j nha, disendo-lbe, em consequencu da com-
requisitando-ibe a guia, ou os assenta- municacao verbal, que fez em diversos pon-
mentos de praca do soldado do terceiro Rata- tos da Provincia das Alagoas a maior parte das
lhao d'Artilheria l\Tathias Ribeiro Franco, madeiras de coiistrucco Naval que se havi-
o qual requera demisso do servico por ter o encommendado pelo mesmo Arsenal, pa-
acabado oscu lempo como recrutado, mas ra a.construco das Escuna, e otitras 0-
que nao poda serdifirdo por falta de um bras, qu estas madeiras estao por corita
documento que o seo dito comprovasse. da Fazenda ; por ja seacharem pagas por sa-
DitoAo Commandante da Fortalesa do qnesda l'bezouraria da mesma Provincia so-
Drum communicando-lhe que a Thezoura- bre i desta c que por consequencia se hou-
ria tinha ordem para o pagamento da despeza ver demora no seu transporte dando lugar a
feita com o concert da feixadura da porta do que se arruinem, pode a mesma Fazenda ser
callabouco dos presos de Juslica. !prejudicada.
Dito Ao Commandante interino da For- Dia iq.
tale/a de Tamandar y communicando-lhe, Officio Ao Exm. Presidente da Provin-
3ue a requisico dos i5 reparos das Pecas eia informando o requerimento do segundo
semontadas, edeoutros objectos linha si- Kscriplurario da Contadoria da mesp| lhe-
do enviado ao Arsenal de Guerra para ser sa- zouraria .Manoel da Silva Ferreiraj^^or
tisfeila. lito Ao mesmo pedindo, em coi|
Dito Ao Commandante interino do tercei- cia de requisico do Inspector d<
ro Ratalho d Artilheria communicando-ria da Piovincia das Alagoas .""
lhe em resposta ao seo officio de ,( do corren-' suas ordens para que pelo Ara
te que o Arsenal de Guerra tinha ordem pa- se appromptem desessete corneU;
ra receber os objectos notados na relaco que tafhes da Gnarda Nacioi
acompanhara o seo dito officio e forqecer ou-
tros novosao Hospital Regimental. ,
Lito Ao Commandante interino da For-
taleza de Itamarac significando-lhe em res-
posta ao seo officio de 6 do corrente que pela
Frefeitura desta Comarca ficavo dadas as
providencias qne pedia a respeito da condcelo
do barril d azeile que mensalmente enviava
ao Arsenal de Guerra.
Portaria Ao Commandante do Deposito,
mandando, d'ordem do Exm. Snr Presidente
communicada em officio de .(ido corrente, dar
demisso a6 recruta Estevo Francisco das < ha-
gas, por nao eslar as circunstancias de ser-
vir na primeira linha.
Dita Ao Capillo Commandante interino
do terceiro Ratalho de Artilheria mandan-
do considerar pracas do mesmo as a} cons-
tantes de urna relaco que se lhe enviava ,
as quaes devilo ser dividididas pelas Compa-
nhias, e remettidas para o Drum como desta-
cadas
Ra-
ma Pro-
tcia e seja enviada a muta para ser paga
^ Portara Ao Tlie/oureiro da Fazenda
mandando entregar ao I hrzoureiro da Thc-
/osiraria Provincial por conta do Suprimento
mandado abonar pela Lei Geral do orcamen-
lo actualmente em execussao, a quantia de
cinco con los de reis.
Dia 1.
OfficioA o Inspector da Thezouraria da
Provincia da Paraiba expondo-lhe os incon-
venientes que se oflerecem para ser pago dos
vencimentos porcsla Provincia o Juiz de Di-
reito da Comarca do rombal daquella Provin-
cia Manoel Jernimo Guedes Alcanforado,
conforme a requisico que fez em officio de 8
do corrente mez.
I lito Ao Administrador da Meza do Con-
sulado para entregar ao Agente da Provincia
das Alagoas urna certido do quanto rendero
nos mezes de Julho, Agosto e Setembro do
corrente anno os Disimos do assucar, e algo-
em diante no principio de cada mez do quanto
rendero no mez antecedente.
Dito Ao mesmo para informar que quan-
tidade de Pao Rrasil existe apurado, e prom-
pto no respectivo armazem para ser embar-
cado.
Dito Ao Administrador da Recebedoria
de Rendas Internas com duas rea oes remet-
tidas pelo Juiz de Direito interino da segunda
vara do ('.rime das bancas prestadas pelo
mesmo Juizo desde o 1. de Janeiro do cor-
rente anno, para procoder a cobranca dos res-
pectivos Direitos
Dito Ao Juie de Direito interino do Cri-
me aecusando a recepeo das relaces de que
trata o precedente.
Dito Ao Agente da Provincia das Ala-
goas partecipando-lhe a ordem expedida, em
consequencia de requisico do Inspector da
Thezouraria da mesma frovincia ao Admi-
nistrador da Meza do Consulado para entre-
ga da certido do Rendimento dos Disimos
do assucar e algqdo da mesma Provincia.
THEZOURARIA PROVINCIAL.'
EXPEDIEHTE do da i,
Officio Ao Exm. Presidente, remetien-
do o officio do Escrivlo e Administrador da
Meza de Rendas internas datado de 3o de Se-
tembro prximo findo em o qual partecipa,
qne mandando no dia 9 do mesmo mez que
o Thesoureiro fosse a Admimstraclo do Con-
sulado receber o dinheiro' que se houves
se arrecadado da Taxa das caixas e feixos, de
assucar conforme a ordem de V. Ex. de aa
de Agosto do presente anno, em vez de lhe ser
entregue em dinheiro a importancia da arre-
cadaco, se lhe dero diversos documentos de
despesas feitas por aquella Repartico a fim
deque V. Ex. se digne de providenciar a
respeito, conciliando a desposiclo do Artigo
29 do Regulamento de o de Setembro do
1836 em que se funda o Administrador da
Meza do Consulado com a citada ordem de
a a de Agosto.
Dia a.
Officio Ao Exm. Presidente. Mandou
V. Ex. por seu despacho de a o do corrente r
que ouvido o Parecer Fiscal eu informasse
sobre o Officio da Cmara Municipal do 15o-
nito que devolvo a respeito da duvida que
neile se contem a cerca do dizimo das mitin-
eas e cumprindo o preceito-de V. Ex. con-
sultei ao Procurador Fiscal, que deo o voto
incluzo, com o qual me nao conformo, por
que me parece que elle nao comprehendeo a
hypothese que o pretendido officio figurn :
a Cmara nlo est na posse de cobrar a titulo
de subsidio litterario algum imposto sobre as
rezes moras que feitas ao Sol sao vendidas ;
ojque do officio evidentemente se colhe, he
que a Cmara entende que lhe perlence co-
brar o dizimo das mitineas dessas carnes secas
ao Sol que se consomem no seo Municipio ,
fundandose em que sendo ellas objecto ma-
nufacturado se achlo comprehendidos no 4
do Ar. 4a da Lei Provincial de 9 de Junbo
de 1837 mas como entretanto d'ellas se est
cobrando o subsidio literario pretende que
V. Ex. haja de declarar, se ella deve cobrar
od'uimo das miuncas dessas carnes secas ou
se continuaren) os Collectores ou arrematan-
tes na cobranca do subsidio litterario. Sendo
esta a hypothese devo ponderar : que suppri
mido pela Lei Provincial de 8 de Junbo de
18 j6, Art. 3. 9. o imposto de 3ao rs. de ca-

- i
-
i
corrente auno os uisimos uo assucar. e aif-u- iojo, mu j. jy.u imfpuaiu uc j dSo da mesma Provincia, e bem assim d'oraldarez, o qual em razio do seo deslino expecial


2
DIARIO DE PERNAMBCO
6e denominara subsidio litterario assim co-
mo o de 5 reis por arralel de carne em subs-
tituico delles a pretendida Lei estabeleceo o
de-iUooo re. cm cada cabega de gado vacum
que for consumido imposto que ainda vul-
garmente se cliama subsidio litterario c ao
que a Cmara se refere porque tste e nao
o de 3ao rs. J he que os Arrematantes cobroi
he de evidencia pois que vendidas as carnes ,
ou frescas ou secas ao Sor o imposto Provin-
cial de iUooo rs. be devido por qne elle as-
senta sobre o consumo que por qualquer dos
dois meios se pode verificar. Mas se a Cama-
tcm ilireito de cobrar tambem o'dizimo das
retes mortns paia feitas ao Sol sercm vendidas,
he fcil de rezolver pela negativa : se prevale-
cesse a inlelligencia que ella d Le Pro-
vincial de o. de Junbo de 1^37, Ari. 4
4> lodosos objectos raanufaclurados sem dis-
tinco devio pagar dizimo a renda Munici-
pal avultaria mais que Provincial e os im-
postas duplicando : o assucar v. g. que sao
as canas manufacturadas paga trez por cento
para a renda Provincial, e pagaria 5 por Cento
para a Municipal o assucar que paga o dizi-
mo da exportaco pagaria mais 5 por cento pa-
ra o Municipio ; as mercadorias extrangeiras
seriao comprehendidas tambem na absoluta in-
teligencia que a Cmara d : o dizimo das
miuncas be devido dos objectos manufactura-
dos se esses objectos quando nao manufactu-
rados o dessem ; por oulra os meamos objectos
que nao manufacturados esto sujeitos ao di-
zimo sao os que devem paga-lo se forem
vendidos j;i maunfacturados : as mesmas re-
gras as mesmas izempces que a respeito dos
ao manufacturados estabeleceo o Legislador ,
prevalecem a respeito das manufacturados
cotn a difrerenca destes pagarem 5 e aquelles
io por cento. Ora se o gado vacum paga o
dizimimo Provincial nao pode estar suieito
nutro dizimo o das miuncas ; pelo que ou
sejo moras as rezes para se venderem as car-
nes frescas ou feitas ao Sol o dizimo das
miuncas nao he devido. Mas se a hypothese
do Oflicio da ('amara nao he a que n.e parece,
mas a que parece ao Doutor Procurador Fis-
cal semelh anteraen te discord do seo pensar :
a Lei Provincial M. 79 de 4 de Maio do
correnteanno Art ao. 14 e Art. ai au-
torizou a cobranca dos impostos de que esla-
vo de posse as Cmaras dos quacs nao fez
ella menso mas no meu fraco intender ,
ella nao autorizou impozicei indevidas que
a Cmara ou por ignorancia ou por violencia
estivesse cobrando : a posse de que a Lei falla,
he-sem duvida a legitima : como fra possivel
que o Legislador autori/.assc qualquer extorsa
ainda imprevista que sancionasse o crime de
concussao? na hypothese em questocomo
pensar que o Legislador tendo supprimido o
subsidio litterario ou o imposto de ao rs
por cada rez pelo Art. 3. $. 9. da Lei Pro-
vincial de 8 de Junbode iHb, a Cmara
do Bonito o possa cobrar so por que teve a
audacia de rezistir Lei, de comelter o crime
de concussao? de arrogar-se a cobranca de
hum imposto individo, e cuja arrecadacoe
renda lhe nao pertcncio ? Assim tem essa C-
mara hum premio do seo crime entretanto
que as outras perdero essa renda poi serem
obdientes ; Lei. Fora hua injuria ao Legis-
lador pensar por tal modo.
Ditto Ao Illm. Inspector da Thezoura-
ria da Provincia requizitando aotooos reis por
conta da Consignneo marcada pela Lei do Or-
camento Geral para o supprimento do Delicil
Provincial no correte anno financeiro.
Da 3.
Oflicio Ao Exm. Prezidente remettendo
o ponto dos Empregados da mesma Thezoura-
ria e da Meza de Hendas Internas Provincia-
es no mez de Setembro p. p.
Ditto Ao mesmo Exm. Snr. informan-
II _'.-----u!-~*~ J. C ** r*\ mn Irvr.t i\ct
UO SUtlIC O lfl|lll I lllll un ut uiiui/iiviv. -r
Mello Professor substituto das Cddeiras de 1 a
Letras desta Cidade.
Dia 4.
Portara Ao Thezoureiro das Rendas
Provinciaes mandando pagar a Joze Antonio
da Silva Jnior Thezoureiro da Meza do Con-
sulado a quantia de ">-(> (> > reis em moeda de
prata que despendeo ho mez de Setembro pr-
ximo nudo com os Empregados da Inspecco
do Assucar, e Algodo.
ANUNCIO.
Continuad os pagamentos na Thezouraria
Provincial do ordenado vencido em Julho p.
>. daquelics Empregados que percebem
Kmolumentos, no dia 4 the a6 do correute
raer.
Thezouraria Provincial de Pernambuco a3
deOutubro itjg.
Joo Manoel Mendes da Cimba Azcvedo.
Thezoureiro
Diversas Reparticoens.
ALFANDEGa DAS FAZENDAS.
A Paula he a mesma do n. a31.
A Barca Inglesa Manchester vinda* de Ter-
ra Nova entrada em aa do cerrente Ca-
pitam Samuel, consignada a Harrissons
Latham & Hibber,
Manifestou o Seguinte.
1970 Barricas rom bacal ho,
Fora do Manifest,
ao Barricas cora Bacalho 1 Oigo com
conservas 1 Caixinha com arenques 1 Di-
ta com sevadinba 4 Barricas com serveja 1
Fardo com roupa feita 1 Caixa com calcado ,
ti Quei o<.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma.do n. a3-i.
O abaixo assignado, tendo sido em virtude
do art. 4 da Lei Provincial n 78 de 3o de
Abril do Corrente anuo; nomiado pelo Snr.
Administrador da Meza de Rendas Internas
Provinciaes, para na conformidade do Regu-
lamento de 10 de Maio do anno passsdo artigo
6 e 7 proceder o lancamentoda (Jecima Urba-
na e mais Impostos Provinciaes para o anno
financeiro lorrente fiz scient a todos os Se-
nbores proprietarios de Cazas do Bairro de S,
Fr. Pedro Goncalvcs do Recife que no dia ?4
do torrente tem de pr ncipiar o dito Lanca-
mento pelas Seguintes Ras Cadeia Praca do
Corpo Santo, Cruz, Tanoeiros Trapiche,
Vicario Encantamento Cacimba Codor-
nis, Azeite de Peixe, Burgos, Amorim, Mo-
eda, anoel Rodrigues. Lapa, Beco de loze da
t'osta Ra da Madre de Deo Beco do l'a-
dre Alexrandre, Loronha Forte do Mato,
Ra dos Torres Beco da Lingoeta Crilas ,
A breo Tapado, Senzala Velha, Beco do
Campello Monteiro Beco I argo Seala
Nova, Beco do Tocolomb, 'V'iudinhas,
Guia Apolo, Porto das Cano is, e Fora de
Portas e para que conste fez. publicar o pre-
zente. Meza de Rendas Provinciaes aa de
Outubro de 1839.
Joo Ignacio do Reg.
l.
Escripturario.
Administrarn dos Eatabelecimentos de Cari-
Perante a Admira \ dos Estaheleci-
mentos de ( aridadesel Mftcmnttnr a quem
mais der as rendas do sobrado e 8 lujas da
caza que out'onTfoi oceupada pelos expostos ,
e bem assim as de n. 3 na ra de S. Jos 14
nadavirarfio, 11a na do Amorim i3l na
da Gloria f as pessoas que as quiserom arre-
matar podero comparecer no G H. desta
Cidade no dia a5 do corrente mez as 4 boras
da tarde com seos fiadores.
Salla das Sesses d'Administracam dos Es-
tabelecimentos de Caridade a3 de Outubro de
18.39.
J. M. da Cruz.
Escripturario,
PRP.FEITURA.
PARTE DO da a3.
Illm. e Exm. Snr. Foro presos bontem
minha ordem e tiverao boje destino ,
Joo Miguel pelo fon o pelo Direotordas
Obras da Alfandega por lhe ter faltado o
respeito Luiz Caetano Borgcs branco ,
pelo Sub-Prefe^to de S. Antonio em virtu-
de de urna Precaloria vinda da Parahiha .
Escolstica preta por um Soldado de Polica ,
por desordem ; Manoel Antonio do Nasci-
------. 1---------- t-------:_ m------- ..,..
ni' ni.. UIUIII II 1I11111 nuil IIIUIUI |'"i '"^ '
Vicente e Manoel prelos este escraro de
Joaquina do Silva Pereira e aquelle de Cae-
tano Pereira da Costa pelo Sub-Prereito da
Freguezia da Boa vista o e a. por bri-
ga o 3 por ser encontrado tarde da noile ,
eo ultimo por estar fgido.
E' o que consta das Partes hoje recebidas
nesta Secretaria. m>
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
REC1FE,
5. SESSA ORDINARIA DE 20 DE SETEMBRO BE
l83p.
Presidencia do Snr Barros.
Comparecern os Senhores Chaves, Figuei-
redo lotiza e Mamede; faltando com cauza
o? mais Snrs.
Aberta a Sesso e lida a Acta da antece-
dente foi approvada.
OSecretario decarou nao haver expediente,
A Commisso em carregado de etanie das
contas do Procurador, do 3. quarlel do an-
juro de seus capitaes. Effeito quasi semelban-
te havia i produzido odcsassizado procedi-
mento do Gabinete de 19 de Setembro quando,
em vez de contrabir oempreslimo em Apolices,
tratou de supprir ao dficit com emisso de lii-
Ihetes doTbesourot o juro se elevou e esse
Gabinete vio-se na necessidade de arripiar car-
reira. Contrahido o empreslimo, o juro bai-
xou ; a crise que amea ava se dissipou e em
toda esta empresa foi esse Gabinete coadjuvado
pe'os capitalistas que tem lodo o interesseeni
que a Hraca nao lute com difficuldade. Mas
os seguintes Ministerios nao tem sabido apro-
veitar essa dura licio, dada ignorancia a
inexperiencia ou ao desleixo; continnaram na
mesma vereda porm mais afoitos Irans-
pozeram todos os limites e o mal subi ao ga-
larim. Acresce-queos ltimos Ministerios tem
recorrido ao menos bem acjnselliado expediente
de mandar- grossas somas de dinbeiro para as
provincias, abandonando, sem razo, o meio
dos saques, muito preferivel; dabi resultou
tambem mingoa de capitaes na Praca, oque
igualmente tem concorrido para a elevaco do
juro
A este mal vejo juntar-se a subida do cam-
bio em que da mesma sorte teve parle bem
que pequea o Governo Em vez da remet-
ter dinbeiro para pagamento de nossos em ores-
timos em Londres o Governo fez vir algum
dinheiro que tinha iraquella praca pertencen-
te ao ultimo emprestimo. Mas a principal
causa da subida do cambio que tanto tem in-
fluido na crise actual se deriva do papel mo-
eda que circula em nosso mercado. Como nao
tem valor proprio esta rao da sempre que ha
augmento de produc o sobe espantosamente
o cambio. Sabe-se que este um dos annos de
I no financeiro Municipal aprezentou o seu
parecer a cerca das mesmas achando-as con-
forme.
Continuarao as arremaiacesi
Epor ser dada a hora levantou-se Sesso, e
para constar mandou a Cmara fazer a presente
\cta em que assignaro. E eu Francisco An-
tonio Rabello de Carvalbo Secretario interi-
no a escrevi. Barros, Pro-Presidente. Cha-=
ves Figueiredo Souza Mamede. Esta
conforme.
Francisco Antonio Rabello de Carvalbo.
Secretario interino.
Crise financeira e commerciai.
Andam por ai alguns devotos inculcados
amigos do actual Ministerio assoalhando que
o dficit de q'ooo contos provem das dissipa-
ces do Gabinete de 19de Setembro; e jul-
gam estes pobres dairas que assim popularisam
esta Adminislraco. Quem ignora que ha
muito lempo existe um dficit consideravel em
nossas Financas, e que este defict muito se de-
ve ter augmentado com a guerra civil que
nao s cerca as rendas publicas, mas obriga
a grandes armamentos, a avultadisimas des-
pezas extraordinarias.? A nenhum Finan-
ceiro at ao presente foi dado fazer despe-
zas extraordinarias com a receita ordinaria;
essa gloria s a pretendeo o exMinistro da
Fazenda o Sr. Baptisla de Oliveira mas que
resultado obteve ? -Do com os burros n'agoa
como la dizem e veio augmentar o numero
dos incrdulos de sua capacidade 011 sabenca
mathematieo-finaneeira. Lomo pode ser obra
da Administra o de Setembro despeas que
inda ho de ser feitas pelo actual Ministerio ,,
ou que j o foram pelo Ministerio de 15 de A- maior safra de caf e para as remessas de ge-
bril ? Yejam os actuaes ministros que esles eros para a Europa de misler tazar vir ca-
peqtieninos expedientes s Ibes podem apro- pitaes d'ali. Eis pois as causas pnncipaes da
veitar por momentos Verdade nua e crua crise financeira e commercial que tanto tera
Ibes aconselba o 'Instincto'. j affligido esta jn-aca o causado a ruina de al-
Em nosso conceito o dficit palpavcl : ig- gumas familias,
noramos porem sua importancia. O certo [Oo Instinto J
que o Ministerio de 15 de Abril o avaliou em 1_________________________________________
4 700 contos, quando o actual, em idnticas 1 t a
circunstancias, o eleva a 9:ooo-rontos !------ JVotlCiaS CStrailgeiraS
Notem porm os Representantes da Naco, que _________________________________________.
nos arligos da Proposta, o Ministro da Fa-
zenda nao se contenta com 9 000 contos elle Vergaca 3o de Agosto,
pede um crdito indefinido de 9,12,30:000 Do nosso Correspondente,
contose mais !! Ha dons dias quechegamos de Durangoa.
Cpofamduio. a riise finanoaira oonv a o-esta. at-au_anJa-ao -a_Aropu em t'mrtl
meraal procuram os intrigantes que alarde- goneOnate, aonde passou o General em che-
am da privanca dos actuaes governanles fazer fe havia alguns dias que o soldado e o paisa-
acreditar que ella o effeito de urna cons- no estava em exnectaco e suspensos seus a-
pirac tramada por um apostolado de dUin- nimos esperando o resultado de urna transa-
ctos capitalistas desla Praca Para que to cao que podesse dar a paz a esta infeliz, naco ;
liaixa e redicula intriga ? Quem poder per- e pqsto que a nossa sabida de Durango se du-
suadir-se de que tem parte neste trama os op- v'dou muito de qne podesse realizar-se alga-
pulenlos e honrados Srs. Joaquim Antonio ma classe de convenio segundo as voz.es que
Ferreira. Mesquita, Ratton P Jos da Ro- corriao ; com tudo a marcha para esta por
cha, Vabia, Jos Antonio Moreira, Samuel, meio de bosques e posieSes inexpugnaveis sem
Finny c outros que constanlemente tem olTe- disparar um tiro nein tomar precaucio alguma,
recido seus capitaes ao Governo inda em cri- nao deixou de odicar-nos que eslava mui
ses mais medonbas ?!.... Saibam os intiigm- prximo o dia em que se manifestasse o resul-
tes que ninguem acredita em seus tramas; que tado das negociaces enlaboladas para a con-
no crivel que promovam taes crises ca- clusao da guerra e que este resultado seria
pilalislase negociantes; porque, durante el- confrmese desejava ; effeclivamenle noite
las, se difficullnm e impossibilitam muitos pa- s dez cbgou a Ordem que copio em seguida ,
gamentos ; e esses Snrs. socredores de avul- e pela qual podero Vms. ver o feliz evito que
tadas quantias e nao carecem de juizo a pon- ha tido a campanba do vero. E' incrivel a
lo de reduzirem seus devedores circunstanci- rapidez com que circulou a noticia, poucos
as de Ibes nao poderem pagar. Demais como momentos antes tudo se achava no maior silen-
se privaran) estes capitalistas de i4 a 20-000 ci e n'um momento o povo e o soldado se a-
conlos que se diz terem elles retirado da cir- chavaS as casas Iluminadas nao se ouvindo
culaco s para produzirem a actual escassez mais vozes do que as de viva a Rainha viva
de numerario ? Como seriam compensados os a paz ; as bandas de msica sinos e tambo-
prejuizos que, de semtelbante especulaco, resaugmentava consideiavelmenteoestrondo;
tem necessai ament de resullar-lhes p Ora o jubilo reinava em todas as classes e todos
oulra vida Snrs. intrigantes. se dava o parabem pela concluso das hoslili-
A principal cansa da actual crise financei- dades ; Mais tarde se retiraras a suas cazas ,
procede de actos do Governo, sem que se houvesse notado a mais pequea de-
m 111 espera Ge esls rosjih o ^enerai Ma
1
ra e commercial
co uvspropoziuao*; pruuUCt Ue uuio Ce
gueira si nao criminosa mui estranhavel. rolo acbando-se prevenidps os officiacs para
l'V sabido por todos inda pelos que menos co- cumprimenta-lo: a sahida neste momento-do
nherem a Praca do Rio de Janeiro quen'ella correio nao me d mais lempo. P. S. Sao
ha de ordinario 4 a >-ooo contos destinados a onzedamanh, e est entrando Maroto.
emprestimos de curto praso e que por con.se-
guinte logo que apparecam exigencias de di-
nbeiro superiores sobredita soma, sobe in-
lallivelmente o juro : sobre esle resultado es-
lam de acord a observaco e os principios da
Sciencia. Ora, o Governo concorreo na Pra-
ca cora os esprestadores particulares e tem
pedido 3 a 4=ooo contos e mais pediria se di-
nheiro houvesse para lhe ser emprestado a 2
011 3 mezes. Cabe aqui observar que o juro
alteou muito desde que na Cmara dos De-
pulados asseverou solnmne e publicamente o
ex-Ministro da Fazenda o Sr. Candido Bap-
tisla que elle havia de fazer todas as dispezas
daNatocom os Bilhetes do Tliezouro alni
das Hendas Nacionaes '. A Impresso que
devia fazer dos capitalistas lal delibera', o e
visivel ; nao podiam cHcs deixar de elevar o
Ordem geral do Exercito em 29 de Agosto der
i839em Onate.
Circular aos Commandantes generaes das di
visoes de operaces e provincias depeudenle*
do exercito do Norte.
O Exm. Sr. General em chefe de E. M. me
diz hoje o que se segu que acabo de receber
agora que sao dez e um quarto da noite.
Exm. Snr. Ha vendo sido convencionado
entre o nosso Exm. Sr. General em chefe e
com o que comjnanda as forcas inimigas de
Caslella, Vizcaya e Guipzcoa nos meios de
pacificar estas utimas provincias reconhecemlo
o legitimo governo da B't-faa N. S. previno
a V. It. por ordem do dito Exm. Sr. General
em chefe suspenda teda a bostilidade contra^
aquellas forjas para dar logar a o desarma-



DIARIO
D R
PERNAMBUCO
a
ment dos que nao dcverem continuar no ser-1
vi,o militar, inferindo-se desle satisfatorio a-
crnitecimentoque V. Ex deve empregar (odas
as suas forcas cm inculcar aos habitantes os
beneficios da paz e da unio entre todos os Hes-
panhoes acompanhando estas manifestacoes
es elleitos da mais severa disciplina como u-
ma prova das ntencocs benficas que sempre
tim animado os defensores da mais bella das
ausas; oque fago saber a V. Ex. para seu
cmprimenloe satisfa o-
Onate 3o d'Agosto.
N'este momento que sao as dez da manh se
cTeituon o rccoiSiceiment da Rainha por Ma-
rolo Urbistondo D Simn de la Torre e
Iturriaga, com forca de ai batalhoes a sa-
ber oito Vizcanos, oilo Guiposcoanos e
cinco Castellianos. E' provavel que os Navar-
ros e A lavezcs siga oexemplo dos seus com-
panheiros. D. i arlos acha-se em Ozaeta com
cinco batalhoes Guipuzcoanos. Urbistondo e
ra Torre no quarlel general do Duque : muito
breve ficar tudo regulado Concedera-se os
postos e empregos, estipulando ao mesmo tem-
poa conservaco de los Fueros.
Na siluaco desesperada em que se acha D.
Carlos, fez publicar por o seu Ministro da
Guerra a seguinte proclamaco.
Voluntarios m acontecimento to extra-
ordinrro que nao tem exemplo na historia do
vsso paiz viria manchar as glorias que tendes
justamente adquirido nesta heroica lucta se
continuassem aguns de vos oulros na falta a
que boje vos tem induzido. Com o pretexto
da paz se deu entrada ao inimigo no vosso so-
lo e as cadeas da escravido a ignominia de
vencidos vo murchar os oiros de que estaveis
coberlos. A lealdade de muitos foi surpre-
hendida sao indignas do vosso valor as pro-
postas feitas a El-Rei N. S. e nao do vosso
carcter entrega-1 > as mos dos seos inimigo.
S a isto e a atarvos ao carro da revolu o se
reduz a paz com que ha muito vos tem Iludi-
do. Segu El-Rei Voluntarios : recordai o
vosso^heroismo durante seis annos e nao quei-
raes manchu-lo com to feio delkto. Urna
Eaz eui que se exige a abdicado do Rei que
aveis jurado, urna paz convencionada entre
chefes militares sem authorisaco nem garan-
ta alguma que outra cousa pode ser seno
uramgano para apossar-se de um paiz que
nao lem podido dominar -por Armas ? Desen-
ganai-vos que esta a trai ao mais infame que
tem visto os nascidos. Morrer primeiro que
siiccumbir A causa de Dos periga e a de
m Rei emcuja defeza est com promet da a
vossa consciencia c a vossa honra. Sede leaes
por carcter : sois valcnles : sois hroes e na-
da mais lenho a dizer-vos. Voluntarios : Vi-
va a Religio Viva El-Rei. Villafranca 26
de Agosto de 1839 Juan Montenegro.
Antecedentes relativos lis negociaces de paz.
Onate 3o de Agosto. Em urna das minhas
anteriores commnnicaces ihslrui a Vds. da
chegada do Brigadeiro Carlista Martnez se-
cretario de Maroto, ao.qnarlel general do
Conde-! Juque. Poucos dias depois repetiu a
sua viuda e nos emprehendemos a marcha
para Durango sem opposico alguma. D. Si-
mn de la Torre que com 8 batalhoes Vizcai-
nos seachava em Areta abandonou aquelle
ponto retirando-se para Marquina, donde
lez passar om cOmmisso ao nosso General o
.-seu chele de E. M
O resultado que teve esta misso foi o reco-
nbeciroento que fez la Torre do Governo da
Rainlia sob a condicao da conservaco de
Fueros e de patentes. Ao mesmo tempo Ma-
roto que seachava em Elorrio com seis ba-
talhoes comegou as negociaces debaixo das
. mesnis bases e logo se annunciou a entre-
. vis*** ftnirp o? doiss aenerses em ^bofp.
Entretanto D. Carlos receioso de Maroto
se apresentou e arengou aos batalhoes com bas-
tante energa ; mas com tudo nao teve a suf-
ficiente para levar a eeito a medida que havia
accordado com os seus conselheiros ntimos de
l'a/.er fuzilar Maroto. A conferencia d'este
com o Duque da Victoria teve logar no dia se-
guinte. presenlou-se Maroto acompanhado
de Urbistondo, do filho de Infinitado do
Mrquez de Lalande francez, e varios ou-
tros. Quando tudo se julgava definitivamente
regulado, sesuscilara difculdades relativa-
mente aos Fueros em favor dos quaes pare-
cia necessarias grandes garantas para os eau-
dilhos Carlistas. Teve logar nova conferencia
entre o nosso General e La Torre e em resul-
tado d'ella sabio este decidido a conseguir de
, Maroto a prompta concluso do convenio.
D. Carlos furioso porem sem se attrever a
dar um Decreto contra Maroto similbante ao
de Fevereiro, fez com que Montenegro aren-
gasse s tropas nos termos que Vds. verao no
papel incluso. Intil recurso Os Castella-
nos Vizcainhos e Guipuzcoanos abandona-
ras para sempre a causa daquelle Principe, a
quem s resta algn apoio anda que dbil ,
em parte dos batalhoes Navarros e Alavezes.
Os povos deseja a paz, e recebem-nos com
mostras de grande regosijo. O nosso exerciio
tambem a deseja e por a minha parle julgo
que se cumpriro os seus votos e os da naco
i 11 le ira.
Convenio celebrado entre o Capito General
dos ejrcitos nacionaes IV. Baldomero Es-
partero e o Tenente General D. Rafael
Maroto.
Artigo 1. O Capilo General D. Baldomcro
Espartero recommendar com interesseao Go-
vernoo cumprimento de seu ollreciment de
se compromelter formalmente a propr as Cor-
tes a concesso ou modifica-o dos foros.
Art. a. Sero reconhecidos os empregos pos-
tos^ condecora(,oes dos generaes,chefes,oficiaes
e demais individuos dependentes do exercito do
(animando do Tenente General I). Rafael Ma-
roto o qual apresentar as relaeoes com de-
signado das armas a que perlencem ficando
em lberdade de continuar a servir defendendo
a Constituidlo de itii^ o throno de Isabel
segunda, e a regencia de sua Augusta Mi ou
de se retirurem para suas cazas os que nao
quizercm permanecer com as armas na raSp,
Art. i. Os que adoptarem o primeiro caso
de continuaren! a servir, tero eollocago nos
corpos do exercito ja como effectivos j; co-
mo supranumerarios segundo a ordem que
oceuparem na escala das inspeccoes a cuja arma
pertencerem.
Art. 4 Os que preferirem retirar-se para
suas casas sendo generaes e brigadeiros ob-
teroo seu quartel onde o pedirem com o sol-
do que por regulamento Ibes competir : os
chefes e oficiaes oblero licenca Ilimitada ,
ou a sua reforma segundo o reguUmento Se
algum destas classes quizer licenca temporaria,
poder reqnerel-a por va da sua arma respec-
tiva e Ihe ser concedida sem exceptuar osla
licenca para paiz estrangeiro e neste caso fei-
to o requerimento por via do Capilo General
D. Baldomero Espartero esle Ihe dar o pas-
saporte correspondente ao mesmo tempo que
encaminhar os requerimentos recommendan-
do-os approvaco de S. M.
Art. 5 Os que pedirem licenca temporaria
para paiz estrangeiro como io possao per-
ceber o sold at o seu regresso segundo as re-
nes ordens, o Capito General d. Baldomero
Espartero Ihes facilitar os 4 pagamentos em
vriiulp das faculdades que Ihe esto conferi-
das incluindo-se neste artigo todas as clases
desde general at alferes inclusive.
Art. t>. Os artigos precedentes eomprehen-
dem todos os empreados civis, que se apre-
senlarem dentro de doze dias depois de ratifi-
cado este convenio.
Art. 7. Se as divises Navarra e Alaveza se
apresentarem na mesma forma que as divisos
Castelhana Biscainha e Guipuzcoana go-
sar das concessoes que fica espificadas nos
artigos precedentes.
Art. 8. Sero postos disposiedo do Capi-
to General n. Baldomero Espartero os par-
ques de artilheria offirinas depozitos de ar-
mas, de vestuarios e de vveres que esteja
debaixo das ordens do Tenente General d Ra-
fael Maroto.
Art. o- Os prisioneiros pertencentes aos
corpos das provincias de l'iscaya eGuipuscoa ,
e as dos corpos da diviso Castelhana que se
conformaren! em tudo com os artigos do pre-
sente convenio ficar em liberdade desfruc-
lando as vanlagens que no mesmo se desig-
na para os demais. Os que nao se coufor-
marem soffrero a sorle de prisioneiros.
Art. lo. O Capito (,'eneral n Baldomero
Flsnariorn Oir presente ao Governo para que
este o faca s Cortes a consideraco, que
merecerem as vinvas e orfos dos que hou^e-
rem mon do na presente guerra pertencentes
aos corpos a quem comprebenda esti convenio
feilo no quarlel general de Versara aos trinta
e umde Agosto de mil oitocentos trinta e no-
ve. Duque da Victoria Rafael Maroto.
Voluntarios e povos Vascongados : Nin-
guem mais enthusiasta que eu para sustentar
os direitos ao ihrono das Hespanbas a favor do
Senhor D. Carlos Maria Isidro de Borbon
quando me declarei; porem ninguem mais
convencido pela experiencia de multido de a-
conlecimentos de que jamis elle poderia fazer
a feiicidade de minha patria, nico estimulo
para o meu eoraco : por tanto unido ao sen-
timen to dos chefes militares de Biscaya Gui-
pzcoa, Caslelhanos e algunsoutros tran-
sig a fim de conciliar os exiremos de urna
guerra assolodora e alcancar a paz to dese-
jada por lodos, segundo pblica, e reserva-
corrente polas 11 horas da manh. Manoel
Camello Pessoa Secretario.
Convida-se aos JSrs da Compa-
nhia de euiprestimo para as obras
doTl.eatro, que sepertende edifi-
car nesta Cidadeem virlude da Le
Provincial deste anno para com-
parecerem no dia a5 do corrente
pelas '| horas e meta na Salla da
Sociedade Apollinea para se tratar
de negocios tendentes a mesma
Compauliia.
Avisos Diversos.
13* Perdeo-se no dio 1 l do correnle des-
de a ra de S. Rilta S. J Penha at o
(lamente se me tem feilo eonheccr. A falla de
recursos para sustentar a guerra depois de
tantos anuos e a demonslraco pblica de a-
verso marcha dos ministerios me temeom-
promottido ao ultimo passo.
Manifestei a El Rei meus pensamentos e
proposices com a franqueza que me caracteri-
za e quando devia esperar um acolhimenlo
digno de um Principe desde logo se me mos-
trou a resoluco de"sacrificar-me. Em to cri-
tica posicfm meu espirito cobrou novo alent ,
e os 1 raba Ibes para conseguir o termo de nossas
desgracas se multiplicaras. Por ultimo con-
corde! com o General Espartero authorisado
em devtda forma por todos os chefes referi-
dos que neslas provincias se conc a a guer-
ra para sempre ; e que todos nos consideremos
reciprocamente como irmos e llcspanhoes ; o
se as forcas das demais provincias quizerem
seguir nosso exemplo evitando a ruina deseus
pais irmaos e prenles sero considerados (
e admittidos porem para isso enmpre qm Livramenlo, bum habito muito pequeo rom
desde logo se manifeslem abandonando os ^os esmaltes, e cruz em cima : quemo acbar
que Ibes aconselbarem a conlinuaco dafiuer-;leve a Joze Higmo de Mi rauda que dar seo
ra que nem convem nem pode sustentar- \ adiado.
SCt tSS" O Snr. que annunciou precisar de um
Os homens nem sao de bronze, nem como Portuguez que entenda de ortalisse para hit
os camalees para que possa subsistir do nr. trabalbar no dito objecto emhum sitio perto
A miseria toca o su extremo em todo o exerci- desta pra a queira ler abondade de annuneiar
ha tantos mezes sem soccorros 1 os chefes a "* moradia para sor procurado pelo perlen-
lo
e officiaes tractados peor que os soldados pois dente.
a esles se lhes d o seu vestuario ; mas aquel- CT Quem annunciou ter urna casa para
les to smente urna mesquinha raco ven- 'allugar,. na milbor ra do Bauro de S. An-
dn por conseguintemenle marchar desca- <>nio se"ao Hue ain eos sem camisa e soflrendo todas as priva- dinja-se a esta I ynographm.
coes e penalidades de urna guerra to penosa. ^T Hum Braz.leiro Cazado oferece-se
Se alguns fundos tem entrado remeltidos de pai para caixeirode ra ou de fabrica de chapeos
zes estrangeiros vs 01 ha veis visto dissipar ( de que tem bastante praUca ) por ter muito
entre os que os recebia e administrava conhecimento com os log.stas desta nraca por
O paiz. est aoabrunhado pelos excessivos *> nao duvida comprometer-se afumar que
gravames, e ninguem tem com que attender adequerena em breve tempo fregues.a para
s suas necesidades: o militar que antes mesma fabrica quem de seo presumo se quizer
contava com o auxilio de sua casa, sent no utilizar, annuncie a sua morada
dia seguinte as angustias deseus pais, que ^ Aluga-so bum sitio grande propr.o
cbora5 a generosidade de seu pronunciamen.o, P ter-vacas de le.te e com bastantes arvore-
e nao v se nao morte e dosolaco. I'rovin- f" Beb.r.be quem opertender dui,a-se a
cianos: soia eterna em nossos coraces asen- Ra da Aurora lereeira caza de tres andares,
sacode'paz e unio entre os Hespanhes e CT Emgoma-se e lava-se com perfe..-ao e
desterremos para sempre os resentimentos pos- Pr preeo cmodo: na Ra da Larangui.i
soaes : isto vos aconselha o vosso companheiro decima 11 .... e
e general. Quartel general de Villareal de & Huma pessoa de ida.e de 5o annos <
Zumarraga, 3o de Agoslo de .839.-Rafael delK.nscosluu.es se oerece a encinar em casa
" particular Gramtica Porlugueza, rrancesa ,
Peridico dos Pobres no e Latim; quem opurlender dirija-se a ra No-
va decima 1 ,3 andar.
_____ Sjy A pessoa que annunciou no Diario de
AMENTO. honlem al do corrente querer dar dusenlos
didaamaior parte dos mil reis a premio rom pinhores de ouro, ou
bilbetes da Lotera concdala a favor das obras P'a '|ueredo dar com firma segura annun-
dalrreiade N. do Lrvramenlo o The- ce serta a sua morada para ser procurada
zoureiro da mesma partecipa ao respeitavel huma vez qu-annunciou na ra do Rozano
Publico, que as rodas da dita lotera corre- jo D. 6 e nao foi adiado,
rao impreterivelmente no dia .8 do prximo ^ J^ desta C.dade para a do Ma-
rao mpitiu t ^.^ ^ ^^ ^ eira emfiairaeao que oti-
Marolo.
(Supplemenlo
Porto )
L( )TE
Achando-se
\indouro Novembro.
tM DO SEMINARIO.
primeira
ver de sabir para aqelles prtos huma
pessa e oferece-se para tratar de lodo e
rodas para o que con vi
divertmento., que cuiden em acabar de com
prar o resto dos hilhetes ; a fim de se poder
fazer o referido annuncio imprelerivel.
THEaTRO.
Iloje a4 Beneficio de huma Sra. particular
se representa a Peca Joze a Imperador de
Alemanhaem Murinofe-que tanto agradou
Sociedade Tboalral Cantar-se- o I neto-O
Pai Carrasco Farca Remedios para Curar
Dezejos.
EXPECTACULO EXTRAORDINARIO.
Mr. Nicoline vai dar a sua primeira fun> o
9. fera 18 dia Santo de guarda composto
da Comedia Sencibilidade no Crime do Gran-
de Antonio Xavier Pozi oes Acadmicas ,
Lucia dos dois Gladiadores Niconi e Jo-
zeph. As extraordinarias forca.1 da Columna
limpica, O Voode Amorim Triunfo e ou-
lias mais passagens com que espera deixar sap-
tisfeilo o respeitavel publico e medida que
for agradando hir coiilinuandoeom os seus
Exjicctaculos.
CORPO DE POLICA. .
O Conselho de Adminutrcio da cai-
xa de forragens doscavallosda Compauliia de
eavallaria ( Coi pode Polica precisa con-
tratar o fornecimento de mol para os mesmos;
as pessoas a quem convier dito contracto com-
pareco na Secretaria do Corpo no dia a5 do francez se os comprar.
\Z- Quem annunciou querer saber da mo-
radia de Joo Romao de Moura fique ceito
que o dito mora na ra de S. Joze a ca/a que
faz quina com o beco da referida I;reja; pois
quem com elle.quizer fallar so o axar em Ba-
za as 6 horas do manh ; e da 7 horas da noile
endiante por ser ocupado em seus servidos
CT O abaxo a Signado em carregado pelo
seo amigo Joo da Cunba Reis (por esle si axar
Gravemente Emfermo ) de Satisfazcr todas as
Dividas do mesmo seo amigo, aviza por tanto
noscredores do dito Res queiao apresentar-
Ihe suas ennlas legalizadas na loja de miudc-
zasda Ra do Queimado D. q' sendo zalas
sero pagas.-Antonio Joze Femande da Costa.
tr- Joo Duliois Carniceiro Francez par-
ticipa ao respeilavel Publico, e principalmen-
te aos apaixonados da carne gorda, que lio c
a do corrente perlende abiir o seu lalbo
de carne assim como de porco e carneiros, na
ra de S. Francisco n. 5 defronto da cadea ,
no qual havera sempre as molboies rezes que
esliverem no curra I na certeza de que ello as
picar com toda a limpeza e fuledadcde po-
zo e roga aos Consignatarios de navios do-
la piara de os mandaren! com vale, ou com
um liviele para Ihe os fiar al a sabida dos
mismos como fornecer o que he preciso ,
si necessario for. O mesmo annunciante offe-
rece-se a matar rarneiros para os seus donos
sem exigencia de pagamento.
Adverle finalmente aos creadores e mar-
chantes de porros e carneiros que no tullio

zaao respeilavel Publico, que com brevicade delion.e do calaboueo pnnre.ro andar dema-
faro'annuncioimpreteri. el do andamento das nba th as Q horas alaide de .1 as t. bor.s
ida aos amantes desle ah se achara com quem Iratar ou annunc.e.


4
DIARIO DE PERNAMBCO
*S" Da-se ?oo ooo a premio de dois por
cento ao mez sonrio por ponco tempo e so-
na rna
bre pinhores 011 firma a contento
de agoas verdes sobrado I). 4 lado do nascente.
KT" A pessoa que annunciou precisar de
loo.ooo sobre pinhores na ra nova D. 33 ,
se ainda precisar dirija-se a ra de agoas ver-
des D. i.
C?" Na ra do Queimado loja de 3 portas
defronle do becoda congregaco D. 16 exis-
te duas carias para os Snrs. Jos Pereira do
Azevedo Chaves e Jos Francisco de Ate-
tado.
&T7" A pessoa que annunciou ter urna casa
ara alugar com oxcellpntes commodos no
airro de S. Antonio, annuncie sua morada.
i^- O Sr Manoel Jos da Paes dirija-se
a rua dos Quartcis D. 3 a negocio de seu in-
terese.
CT Aluga-se para cscriptorio o i. andar
da casa da rua da Cruz n. 3 i; qiicm o preten-
der dirija-se a loja da mesma.
Q7> Precisa-se de urna ama de leite forra
ou captiva, para urna casa eslrangeira ; na
rua da Cruz do Recit D. 4 no primeiro an-
dar.
r?* Precisa-se tomar a premio a quantia de
dois contos de ris dando-se para seguranca
hypolheca eni bens de raiz; quem quiser dar
annuncie.
SS?" Aluga-se um negro para servente de
qualquer obra : quemo pretender dirija-se a
rua eslreita do Rozario D. i- no terociro an-
dar.
S5j- Precisa-se de urna ama de casa para
servir a v.m homem solloiro de portas a den-
tro e quesaiba cozinbar no atierro da Boa
vista loja de Marcineiro.
tSS" Precisa-se alugar urna casa terrea no
BairrodeS. Antonio da-se mezes adianta-
dos ; as 5 ponas D. a3.
X~3~ Alugo-sc dois andares da casa da rua
da Cruz D. 43 ; a tratar na mesma casa no
primeiro andar.
S?- Quem precisar de roupa lavada, en-
"ommada e costuras com perfeico e pre-
5o commodo dirija-se a rua da senzala nova
onde mora Joo Tavaresdo Nascimento, mes-
trealaiate no terceiro andar
S27" Quem quiser urna negra de meia ida-
de boa cozintieira e Taz todo o mais arranjo
de tima casa dirija-se a rua da moeda n.
i5i na mesma casa se aluga um armazem.
j^y- precisa-se de dois ou tres bomens ro-
bustos para irem para um engcnbo e prele-
re-se sendo natural das Ilhas ou mosmo do masiifrixcimente ; na
Caixoens com pelles de Bezerros fran-
cez e ditos com ditas de carneiras de cores ,
de superior qualidade chegadas recentemente ,
e mesroo as duzias ; no armazem de A. F,.
dos Santos Braga rua da Moeda n. i4
^ Algumas mesas tizadas de amarello ,
duas banquinbas de Jacaranda urna dita de
meio de salla 8 caixes de ninho de flandes
bons para bahus ; no forte do mattos rua do
Amorim em casa de Antonio Jos Francisco
Veiga.
52^- Tres a 4 duzias de taboas de pinbo
americano e um relogio de ouro orisonlal ,
muito bom regulador por preco commodo;
na rua de Hortas tenda de marcineiro de Do-
mingos dos Passos F ranga Ramos.
SST Urna escrava meia bucal de meia da-
de ao comprador se dir as habelidades ; na
praia do collegio armazem de carne secca por
baixo do sobrado do Snr Jos Bento da Costa.
tsr Urna cartoira de um face, com seis
palmos de comprimento ainda nova com
muitos commodos ; e com a-sua competente
cadeira ; na trempe casa de sobrado na quina
que volta para a solidade.
tzJ~ Um pao detipoia; na ruadas trinchei-
ras D i ri.
53" Na rua do Queimado loja D 7 ha pa-
ra vender urna ne<*ra para todo o servico ,
urna negrinba creonla de idadede 10 annos ,
com principios de costura, e um moleque de
angola de idade de > 2 annos
EJ" Tres tomos de economa poltica por
Jomo I'aptisla de Say ; as 5 ponas D. 8
Cr* Um moleque de idadede i* annos ; na
praia do colegio armazem de Manoel de Souza
Guimares.
t3" Um terreno alagado no seguimento
da ruada Aurora com i5o palmos de ren-
tre e i5oo ditos de fundo, pagando 3o rs.
de foro ; e l-'oo lijlos de cacimba por pre o
commodo em razaodc se acharem na solidade ;
na rua de S Gonsalo D. 1 1.
Cf Urna porcao do ornamento para missa ,
tST Um cavallo muito |)oqucno novo e branco com sellaste encamado e roxo com
manco proprio para menino ; na praca da verde, e osllas brancas e roxas para admi-
UniolojalJ.ii. nislraeo do Sacramento e urna opa de gur-
CF Um cavallo ruco de idade de 4 para guroroxo para a Jrmandade dos Passos ; na
5 annos bom carregador ; na estribara jun- solidade sobrado contiguo a Igreja a fallar
toao Mom Jess, com o respectivo sacristao no mesmo se fa-
CT Excellenles bichas pretas chegadas zem Iodos os ornamentos pertencentes a Igreja.
prximamente, de 200 a 4oo ris; no aller- E3~ Um preto de idade a proximada de 34
roda Boa vista D. 10. annos de milito bons costumes o peral pos-
tar Umi escrava moca que cozinha odia- suealem de oulras qualidades o de ter sido
rio do urna casa refina eem assuoar engom- por muitos annos administrador de muitos
nova D. 54 de um apparelho de cha sal-
vas bandejas colheres de soupa indo de
boa praia c alguinas obras ricas de brilhan-
tes um rico aderesso de lilagr para Sonhora,
urna porcao de livros de varios autbores mo-
dernos vidros de cristal constando em gar-,
rafas copoteiras um rico aparelbo doirado
parach, um dito azul para mesa., urna re-
quissima collccao de quadros e outras mui-
las coisas que se far patente nesta occasio 5
assim como se recebe todo e qualquer objecto
tanto novo como em meio uzo para ser vendido
por meiodeste eslabelecimento.
T" Que faz o cor'retor. Oliveira de um
grande sorlimenlo de ferragens scxla feira
'5 do corrente pelas 10 horas da nanha no
armazem terreo da sua casa rua da Concei-
co 11. 3.>
~7-Que far o corretor S. Danils no sabba-
do6do corrente no sitio que foi Martins na (Irada de Joo de Barros, da
mobilia e &c. da casa do Sr Ricardo Reynol-
ds por ler esse Sr. de retirar-se d'esta praca ,
cnconsequencia da morle de seu correspon-
dente em Inglaterra tambem ser vendido
um cavallo com muito bons passos e oulros
objeclos que scro patentes no acto do lcilo
que principiar as 10 da manh.
*~T Que se faz boje 4 do corrente as 10
horas da manh de urna porcao de batatas no-
vas e soblas em costos parle ss e
parle com avaria ao p da escadinha da al-
fandega. _____
casa e um preto bom canoeiro e para todo
o servico; na rua de agoas verdesD. 37.
tST Urna prela creoula moca boa engom-
madeira cosecha, faz Itvarinto ,'refina as-
sucar e boa cozinheira de acados urna mo-
leca de ia annos e um. moleque de 8 ditos ,
urna preta e alguns prelos para todo o servigo;
na rua larga do Rozario D. 7.
(J o 111 p r ii s
ZZF Urna rotula tizada ; na padaria da rua
do Peixolp das 5 ponas
%Sf- Urna selecta e um quinto Curcio uza-
do ; na rua do Livramento D. 7.
V e 11 (i a s
C? Urna venda na rua cstreita do Roza-
rio D. aH ; a tratar na mesma.
Escravos Fgidos
tSF" No dia 18 do corrente pelas 8 horas da
manh desapareceo da casa D. 6 defronte da
Matriz da Boa vista um preto bucal 'que
nao sabe dizer o nome de seo Sr. de nome ,
Joo estatura regular com barba na ponta
doqucixo, cara redonda peilos altos, com
alguns cabellos brancos na cabera e sem
membro por ter sido cortado bem rente a os
escrotos levou vestido camisa e calsa de
al;odo ; quem o pegar leve a casa dita que
ter 5o,ooo de gratificaco
t^- O abaixo assignado roga a os Srs. en-
carregados da I olicia e capites de campo ,
que hajo de prenderem urna negra de nome
Quintina, e urna mo'ata de nome Brisida ,
ambas fgidas na noi te de jo do corrente, a
prela he creoula boa figura tem estado
;,::*
Janlim na ca- prelos em um engenho ; tem sido empregado
Porto, sendo bomens acostumados ao servico sa do mosmo nomo o tem rotulo a porta pcssoalmcnte na factura e dcstilaco de agoa
de campo ; na rua da Cadoia do Recife n, 4
a fallar com Francisco Antonio Pontual.
SST Precisa-sede 130,000 a premio por
collegio de ensinar meninBsT ardente ; he muito fiel e digno de ter nelle
SS3" Um pequeo sitio no caldoreiro com toda a confianca ; podem-se dar as mais sa-
boa casa de sobrado estribara para .{ caval- tisfactorias informaeoens a seu respeilo e os
agoa de beber e um grande tanque ; a tratar sugeitar a fazer alguma reduco no proco ,
na rua do J-,ivrainento I). 11 011 no mesmo com tanto que possadispor delle a outro Sur.
tempo de 8 mezes para no fim desle tempo los. casa para prelos bom posso de agoa de motivos de seu Sr. o querer vender e este se
dar-se 160,000, e da-se fiador; quem c-sle
negocio quiser fazer dirija-se a rua da Ale-
gra quaita casa de 3 janellas urna porta ,
ou annuncie ; na mesma casa prccisa-se de
alugar urna casa terrea que o seu alugUCl nao
exceda de 8000.
y^- Arrendarse um sitio grande com ca-
sa de vivenda e acommodacoens para escra-
vos no lugar da Ponte de Uclna no cami-
nho que vai para a passagem de S. Auna ; a
fallar no mesmo sitio 011 na rua da Cruz n.
6 em (asa de Jos Hamos de Oliveira.
fc^ Quem precisar de urna pessoa para
concluir alguma escripluracTo que estoja por
finalisar promele-se desempenhar com a
maior presteza e por preco commodo ; an-
uncie.
S3* Precisa-se da urna casa torrea ou so-
Irado em boa rua no bairro de S. Antonio,
com commodos e que lenha quintal e cacim-
ba ; quem livor annuncie.
C? Se for ofTerecido a alguma pessoa um
relogio de patente in>lez c de sabonele cha-
to novo, fabrica a immitaco ranceza de
n-W5 a tircjK lilo por Abm Jackeon ,
com corrente de prata e de ouro com um pe-
auenosinele; o queira tomar e levara rua
a Madre de Dos casa n. i5 ou a Manoel
Francisco da Silva Novaes (ue ser grati-
ficado.
quem o pretender dirija-se a rua do trapiche
novo cosa do Sr. Coberlt.
C7" Ou arrenda-se por anno urna gran-
de casa com 6 quarlos estribara muito
porto do hanho na estrada do pinheiro ni
gar do caldereiro e duas canoas abertas
Iicrt
ua
no
sitio junto ao do Pinheiro.
CJ- Os soguintcs livros de modecina ; en-
saio de fsica por Perrault o pharmaceulico
moderno materia medical por Deidier
tratado da virttlde dos mendieamenlos olistr-1
vacoons sobre as febles por Graut tratado
dagranguenna por Quemay tratado das urna de 1H00 tijolos e outra de too muito
agoas minoraes por Monnet novo sistema bom construidas ; a tratar com Josfiginode
das plantas em lalim e francez tratado Miranda.
anatmico por Bordeu tratado das molesli-j tSF* Um moleque com 12 annos de idade,
asd'eilhos por Gucrin disorlaro sobre a com principios de sapateiro ; na trempe por
inulilidade de ampulaco por Bilguez- ob- cima da aula publica.
servacocs anatmicas sobre os ossos mimo- | tSJ' Urna armaco nova construida de ama-
nas sobre diversos tratados de medicina por. relio, envidrassada de muito bom gosto e
Camus-diccionario dos pronsticos trata- a posse de nove annos da loja D. < na rua
do sobre as feridas de fogo na rua da Fio- da cadeia do Recife ou se faz sociedade na
rentina casa ultima junto ao sobrado do Snr. mesma com estiver para isso habelilado ; a
lente de glndulas que lhe sal i rao de um dos
lados dos pescoco das quaes ainda conserva
nma que denota um tumor ps inchados,
com algumas marcas de feridas levou vestido
de chita azu! com flores amarelas panno da
costa com franja da mesma fazenda ; a molata
he alta cheia do corpo nao he muito preta
nem clara da cor cabellos anclados tambem
tem lido glndulas em um dos lados do pes-
coco que esto em feridas bem abertas tem
o dedo da mo direita ao p do polgar sem
unha barba radiada, levou vestido de chila
novo e mais alguma roupa que furtaro;
quem o pegar leve a rua Dirtila sobrado de 5
andares defronte do beco do Serigado. Ber r
nardo Jos de Araujo Soares.
t3* No da 16 do corrente fugio urna negra
adina de naco angola de nome Anna ,
de idade de ?4 annos de bonita figura t es-
tatura indinara corpo meio releito cor
preta, olhos grandes nariz fino beicos gros-
sos no braco esquerdo urna marca de an-
gola pernas e ps grossos levou vestido de
riscadinho desbotado e panno da costa con-
tas no pesco o ; quem a pegar leve a rua no-
a D. a 7 ou 19 por cima do armazem de quar-
inhas que ser gratificado.
Gr" Caelano de naco benguela de idade
de 5o annos alto secco do corpo levou ves-
tido camisa e seroula de algodozinho ja uzado,
fugio no dia 1H do corrente supe- se andar
pelo a arraial onde tem sido encontrado ; quem
o pegar leve a rua da Gloria D. 19 que ser
recompensado.
Moviment do Porto
Eiras.
ey Na pracinba do Livramento loja del
forragens D. 34 tem um completo soifmenlo il
quali-
Avisos Martimos.
PARA O RACATY sahir rom a maior
brevidade possivcl por ter maior parte da
carga prompla a bem conbecida Sumaca
Definir M. Jos Joaquim A Ivs ; quem
na mesma quiser carregar ou ir de passagem
dirija-se ao dito Mostrea bordo ou a Anto-
nio Joaquim de Souza RiLciro na rua da
cudeia
JLc 1 i a o
Xr Sexta eira 15 do corrente as 10 horas
de manh continua oleilo 110 armazem da rua J
de facas de marfim e todas as outras
des, e caivetes para aparar penas, tesouri-
nlia finas e outras militas coisas de boa qua-
lidade por preco commodo.
t?" uas moletas de bonitas figuras de
idadede 5 a e annos com boas habelida-
des ; dois moloques de naco de idade de 1 .
anuos muito linda figuras urna molequi-
nha de idade de 8 annos muilo ladina dois
prelos de meia idade um molalinho de i3
annos j e urna morada de casa terrea no at-
ierro dos offogados, mui bem edificada; na
rua de agoas verdes D. iS.
t^s Na rua cstreita do Rozario tenda de
barbeiro defronle da Igreja dez caixilhos
com \idros ptimos para loja de miudezas.
CJ" Um escravo de naco de idade de
.o annos, cozinbeiro e padeiro e ptimo
para andar embarcado; na rua Lireita defron-
te das catacumbas do Livramento casa de dois
sobrado entre duas casas terreas.
*^" I or preco commodo tres varas e meia
de bico largo para roquete de padre; na rua
da cadeia do Berilo loja U. a6.
tratar na mesma.
U^- Urna rolla de angola em urna gaiola de
as 5 pontas venda D. i.
SS?" Urna porcao de mappas da cosa do Ma-
ranho por preco commodo; na rua do
Fagundes D l.
537" Urna porcao de travs de 3o palmos ,
por preto commodo ; por detraz da rua do
Fagundes casa do Vianna.
C7- Defronte da Igreja do Corpo Santo D.
1, primeiro andar superior rap mossaroca
do Rio de Janeiro recentemente ebegado a
sua qualidade be tal que nao faz dierenca do
ptimo rap mossaroca de Lisboa.
CJ- Urna negra de naco de idadede 35
annos lava bem de varrella cozinha o dia-
rio de urna casa ecose; na rua das Cruzcs
D. Ib.,
tzr Fra moleque de naco de idade de i5
a 16 annos, com linda figura e ptimo para
pagem, ou para qualquer officio : na rua
Direita D. ao lado do Livramento.
C?" 6 escravos duas pretas com boas ha-
belidades cozinho engommo e cosem ; a
ditas doiia 16 annos que fazem todo o ser-
vico de urna casa ; urna molata com boas ba-
belidades e ptima para lomar conta de urna
NAVIOS ENTRADOS NO DIA a a.
BAHA ; la dias Patacho Nac. Vingador
de i43 tonel., M, Jernimo Antonio Si-
moens equip. 10, carga varios gneros ;
a Manoel J P. da Costa; passageiros i bra-
sileiros um portuguez um Inglez, e a
escravos a entregar.
SAH1D0S NO MESMO DIA
RIO Dli JAjNEIbO ; Kscuna Portugueza Es-
peranza M. Jos Correia de Castro, carga
parte dos gneros que trouxe de Loanda ;
passageiros 1 portuguez.es um brasileiro, 'i
marujosinglezes engajados e escravos.
LIS OA ; Brigue Nac. Triumplio America-
no M. Joo de Oliveira Xavier carga as-
sucar passageiro um portuguez.
PEiNEliO ; Escuna Nac. S. Sebaslio M.
Antonio Fernandes, carga diversos gneros;
passageiros 6 brasiieiros e dois escravos.
ENTRAOS NO HA 3
HALIFAX ; 44 dias Brigue Inglez Louiza
de i3 tonel., Cap. William F. Dolby,
equip. 9 carga Bacalho ; a Me. Calmont
& Companhia.
MALAGA; i dias, Polaca Hespanhola
Uniode 101 tonel. Cap. Gabriel Pages ,
equip. 1 < carga vinhos e fructas ; a Jo-
o Pinto de Lemos.
CEITH ; bo dias Brigue Inglez North Pole
de 811 tonel. Cap. James Watt equip.
14 1 carga carvo de pedra ; a Me almont
eComganhia.
BOSTON ; 4a dias, Brigue Americano
Franklin de 186 tonel. ,Cap. John Taylor, I
equip. 11 carga tabuado, carne de porco,
e vacca plvora e varios gneros ; a F.
& Mansfield.

RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F." 183o,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPYD548HA_00AD8U INGEST_TIME 2013-03-29T16:11:10Z PACKAGE AA00011611_03930
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES