Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03928


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^X-
Anno de 83D. TcRgA FbirA

Tudo agora depende de nos mesmos; da nossa prudencia, modera-
cao, e energa continuemos como principiamos e seremos apontados
com admiracflo entre as Nares mascullas.
Proclamaco da Assemblea Geral do Srazil.
-?-<
Stihscreve-s* pata esta folha a 3#ooo por qoartel papos adianlados
nrsla '1 ypografia, ra das Cruzrs L). 3, e na Traca da Independencia
!>. 37 e 38, onde se recebem coirespoudencias legajadas, eannuucios;
insirindo-se estes gratis, sendo desproprios assignatites, e viudos assig-
ndos.
Partidas dos Correios Terrestres.
22 dk Otoro. Numer 231.
CAMBIOS.
"Outtjibo. a.
Londres......?.3 por i'om ce.l. jn.i
Lisboa....... So por o/o premio, por metal oTerecido.
Franca....... 3i>o reis por Irauco nom.
hio de Janeiro ao pat\
OLRO Moedas de 6#4oo rs., Velhaa 15J000 a i5.fadO
'" ,, Navas i4#foo a i5,foed
,. Hitas de 4|fooo rs., Ffioo a
PKATA Pataces Rraxileiros.......ij8o a
,, Petos Columnarios--------------- >#5*o *
Ditos Mexicanos-------------------- ifj6o a
V&ir
Premios das Letras, por mez I 1/8 a 1
Moeda de cobre 3 4 por ido.de disc.
Das da Semana.
i|i uor loo
80oo
i#6oo
.....
. .
CfriaVrfa Parahib e Villa* de soa pretenoo........
i)ila lio Rio Grande do Norte, e Vas dem........
Dita da Fortaleza e Villas dem...............
Villa ce Goianna........................
Cidade d linda......................
Villa deS. Anlo......................
Dita de Garautitins e f'ovoacio do Bonito.........
Duasdo Ca!>o, Serinbaem, Ltio Formozo, e Porto Caivo .
Cidade das Alagos, e Villa de Macei.........................
Villa de Paja "de Flores.................................
Todos os Correios parlan ao meio dia.
' [ Segundas e Sextas Fciras.
. Todos os dias.
Quintas feras.
Das lo, e q de cada mez.
dem i ii, e ai ito dito,
dem dem
dem 13, dito dito.
al Segunda------S. Crsula e suas Comp.- SessSn da Thez. e Aud. rio I. de D.daa. v. de ro
a j Terca---------S. Mara Solme. ---- Itelaco, e Auu. no i. de D. da i. vara de manli.
a.i Ouarta--------S. Iloraio B. -.-------- t'esso da Tliex. Audiencia do J. de I), da a. v. U
a{ Quinta--------S. Rafael Arcanjo.-------------Re eaud doJ. de D da i. v.
i:> Sexta---------S. Crispim e Crispiniano.- Sesao da Thez e aud. do J. de la 1. rara.
26 Snbbado------S. Evaristo P. M. ------ Re. e aud. do J. de D. da 3. .
f] Domingo------S. Elejbo Imperador -
Alare cheia para o dia 22 de Oaiubro.
As 5 horas e iS minutos da tarde As 5 horas e 42 minutos da manli.

I
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA it).
OfFicio Ao Commandanle das Armas,
ordenando- lie que mande dar baixa aos re-
crulas Eslevo Francisco das diadas e Jos
Severo das Neves, visto nao cslarem no caso
de servir na primeira Linha
I lo Ao mesmo ordenando-lhe, que
mande receber dos Lommandantes do Brizne
Conslanca, e do rigue EsoDM Nictheroy
afini de seren empreados no servico do ex-
ercilo os n\ rccrulas de Marn! a constantes
da relaco que acompanliou o seo oficio de 14
do correnlc.
I ito Ao Comniandante Superior da
Guarda Nacional do Recite respondendo-
llie que Ib i transmillida ao Inspector da The-
zouraria das Rendas Provinciaes a nota da fi-
lial o dos dous Cornetas pertenccnles ao 4
Batallio ani de Bies mandar abrir o com-
' percute assenlamento"de Praca secundo re-
questou em seu officio de 4 do corrente.
Dito Ao Inspector da Thczouraria d
Proviuca, envando-lhe aconta da despeza
leita com o concert da feixadura da porta
(h !'i sao dos Presos de Jnstica na Fortaleza
do Brum importando em 4U7 o re's a"m
de que a mande pagar a quem competlir.
DiloAo Commandanle das Armas par-
tecipando-llie o conteudo no precedente offi-
cio
Jilo Ao Inspector da Thesouraria Pendas Provinciaes approvando a arremata-
cofeita peranle a mesma The/ouraria dos
a5 avallo da Companbia montada doCorpo
de Pulida (cita pelo Cidado Joze Candido
de Barros pela qnanlia de acoUooo reis.
Dito Ao mesmo, para avista do docu-
mento que se llie remelle mandar pagar o a-
ln;nel de dous Cavallos que coiiduzir odil-
lerenles objeclos da Comarca de Flores para
a da 1 oavisla.
I ito Ao Inspector do Arsenal de Ma-
rinlia approvando o Iretamento do lirijue
Jpiter para ir a Illia de lernando
Dito Ao Ju/. de Direilo do Civel da Co-
marca da Boavisla acensando a recepeo do
seu otficio aconi pan liado da certido do dia
em que Corno publicados os Decretos Repu-
lamenlos e l ecises do Governo, qu Ihe
i'oiao enviados em otficio de 8 de Ajjostodes
teanno.
Pbrtsris Ao Director Interino do AfMUftl
de Guerra para receber diflerentcs (.hjeclos
que nao podem mais ter serventa no Hospi-
tal Re;imental e fornecer outros novos cons-
tantes ( relaco que se Ihe remcltc
Dita Ao mesmo para fornecer ao terceiro
Batallio de Artiihera o granadeiras pron-.
tas do adarme 7 recebendo do Com man- j
te interino do dito latalho 217 do adarme
1S sendo 97 arruinadas e 28 espadas em
mo estado,
UlliciosAo Commandante das Armas,
communtcando-lhe a expedico das ordens su-
pras 1
Portara Ao Director interino do Arsenal
te Guerra para fornecer ao Commandanle Ge-
ral do Corpo de Polica um Caixo para a fa-
senlar ao Commandante da Compnnfiia de 0-
1 erarios Encajados o soldado da primeira
Companbia do "orpo de seu commando Rai-
mun Nonato Chilque afim de ser emprea-
do no servico de Escripturario.
Dito Ao Inspector Geral das ohras publi-
cas, para mandar examinar o estado da pon-
te que da' entrada para a Fortaleza do Brum,
e fazr o orcamento, da despeza do concert
que precisar.
COMMANDO DAS ARMAS.
FXFEniFNTE no ni* n.'
Officio Ao E\m Presidente da Provin-
cia das Alapoas requisitando-llie a prsao de
um desertor do Depozito cu o nome -filia-
cao e signaes se lhes transmita em urna
nota.
Dito Ao Director interino do arsenal de
Guerra disendo-lbe que achando-se desocu-
pada a casa que em Palacio vello servio de
L-nhorario. liouvesse de eutrejjar as cha\es
o Inspector Geral das obras ,11
nella recolher temporariamente a mobilia, e
outros movis da casa da Rea ao, que hia ser
concertada,
Porlaria AoCapitb Commandante inte-
rino do terceiro Batalbao de Arlilbcria re-
mettendo-lbe o Conselbo d'Averptuarao fei-
lo ao primeiro Saigento da segunda Compa-
nbia Antonio Caetano Tavares, e mandando-
0 reconhecer Cadete da terceira Classe com
as formalidades proscriptas pela Le. 1
THEZORARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE n0 DIA 17.
OflHo AoP.xm Ministro do Brazl em
1 ondres acusando a receicodo odicio em
que commnnicou eslarem desvanecidas as du-
vidas que tivero os Negociantes da mes-
ma Cidade, \'c. ( almont Irmos & C. no
pagamento de huma letra de i,3oo I ibras
Merlinas
Dito Ao Exm. Presidente da Provincia ,'
informando sobre a maneira porque a ( aixa
do Corpo d'Arlilbcria deve liquidar asua con-
ta com a Compapanbia de Artfices
Dito Ao Inspector d'Alfandcga, authori-
7ando-o a vista do seu officio de '"] do corren-
te para mandar abonar mensalmente ao Sle-
reometra da mesma Alfandega Manoel Co-
elho inlra pelo trahalho di direccao e ad-
ministraco das obras do edificio da dita Al-
t-wln
partee!pando-lhe acbar-se fretada liuma cm-
Iiarcaeo para se;uir viagem para a liba de
Fernando, a fim de fazer embarcar na mesma
os paos de Janearla, ououtro qualquer gene-
ro que pelo mesmo Arsenal tenba de s^r re-
me! I ido
Porlario AoTbezoureiro dos ordenados
mandando pagar ; V cenca Mara da ("on-
ceico, viuva do Ajudanle reformado das
extintas Milicias foaqum N unes da Silva, a
quuntia de ^Ufa'td reis, melade do sold que
o mesmo dexot vencido do i. a 11 de Ju-
nbo prximo passado, a razao de 20U000 reis
mensacs.
l'-iiidoirn
-----11- I
l ri 11 or I ir

*li m% I
rrif.
que priucipiou a
brtca do dito orpo
am de serem nelle
I
guardadas as paaaat de faldamento.
Officio Ao Commandante Geral do Cor-
po de Polica communicarftlo-lhe a expedico
da ordem supra
Porlaria -? A o mesmo, para mandar apre-
principio desde o da
servir.
Dito Ao Thezoureiro da Lotera ; favor
do Seminario de Olinda com o requerim]
de Francisco Joaquim Salles I imenlel ,
de examinar seobilbete, que o acompl
confere com o respectivo Talo.
I ia ifi.
Officio Ao Commandante das Armas,
informando quaes sao os vencimentos,qu p
cebe o segundo Teen te reformado Joo Ar-
ceeio Barbosa, pelo exercicio de Vice Director
do Arsenal de Guerra,
Dito Ao mesmo rom o requerimento de
Manoel do Naseiniento para ser pago pela
maneira estabelecida dos vencimentos mili-
lares, que Ihe forem devidos.
Dito Ao rocurador Fiscal com o reque-
rimento de Manoel Francisco, afim de sa-
lisfazer pelasua parte ao despacho do l.\ni.
Presidnle da Provincia sobre elle prolerido.
Dilo --Ao Director do Arsenal de Guerra,
HivcrsJis Keparticoens.
TRIBUNAL DA RELLACa.
sessa no da h de outubro.
Os Embargos de Antonio Comes Pessa ,
i 10 eoiitra elle proferido e
a ftvor de Manoel Joze Soares e sua mulher,
na causa da Appellaco Civel do Jtuzo de l'e-
reito dessa Cidade Escrivao Chaves: se jul
gou pelo desprezo delles.
0 Recurso do Reverendo Tigario Joao Ca-
valcante de Albuquerque do Rm. Delegado de
sua Exa- Rm EscrivSo Ferreira; foiiulgado
pela denegacode provmetliloao recurso.
Appellaco < Ivel do Juizo de Direilo da
Comarca do Xalal da Provincia do Rio Gran-
de 1! > Norte, ppellaritc Manoel Goncahcs
da Silva e sua mulber e Appellados loz
Joaquim do Nacmentos, e sua mulber ; Es-
crvSo lostliumo foi julgada a favor dos Ap-
pclantes reformando-se a Sentcnca embargada.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
Pauta para a Semana de m a 16 de Outubro
deif-'3do valor dos Vinbo3 bebidas es-
pirituosas lquidos e farinha de trigo ,
sobre o qual devem ser calculados os respec-
tivos direitos na Alfandega desla Cidade.
Agoardente Fian a em cascos vinho-
sa Cognac da primeira classe pipa de 180
caadas, toro va al .'o Cartier 178U000 rs
lila, qualquer outra em cascos sendo
011 nao vinliosa ; e anisada 'pipa de 1P0 ca-
adas prova al o. < arlier toUooo res.
Dila, Franca, engarrafada, vin liosa,
Toanac da primeira classe duzia de cana-
iti-Qva 2'.". ':\ Cartier (_>Uoo rpis.
Dita qualquer Outra engarrafada du-
zia de 3 caadas prova al ao. Carlicr ,
4L'oooreis. f^_
lila, qiialquriv outra embotijas, du/ia
de tres caadas, prova at ^o. Cartier,
4U000 res
Dita qualquer outra em garrafes pi-
rVe :Po ranadas, prova at o. Cartier ,
tjol.ooo res.
Alcohol qualquer quaesquer vasilbas ,
flna de i(i nucas prova ifi. Cartier para
mais Poo reis
Azeite qualquer em cascos ou botijas ,
doce pipa de i1 o caadas, laSUooorcis.
Dilo J qualquer engarrafado, doce, du-
zia de i caadas .'iL'ooo reis.
1 it qualquer em casco3 mendobim ,
kinguba. pipa de ifo caadas ia5Uooo reis.
lito, qualquer em cascos, peMe baba
commum pipa de 180 caadas, goUooo
reis.
Dilo, qualquer, etn casoeB| loboinati-;
'/; '----- ""-------tr- rn
nbo, pipa de 1 fo caadas tr>6(Joo^ res
Dito qualquer em cascos peixe balea
espermaecte pipa de 180 caadas yollooo
res.
Lito, qualquer, de 1 Po caadas ootlnoo reis
Cervea qualquer em cascos, branca
ou pela, pipa de 180 caadas 1 niL'ooo is.
Dita, qualquer, engarrafada, ou em bo-
tija, branca ou preta duzia de i caadas,
iLBoo reis.
Cidra qualquer em cascos de tuacu
ou pera pipa de 1 bocanadas jioUooo fvfs,
Dita, qualquer. engarrafada, ou eni
botijas, macaa ou pera duzia de i caadas,
>Utoo reis.
I- arinba qualquer de trigo por ti ar-
robas ni! 00 reis.
Lila, qualquer, de cehteo por 6 arro-
bas 7Uooo res.
Dita qualquer de millio por G arrobas,
6U000 res
1''enebro, quabpiei em cascos, pipa du
""TSo caadas prova al ao.c Cartier ,
116U000 reis
Dita, qualquer, engarrafada, embotija-;
ou fiascos duzia de S caadas prova al-
ao. Carlier 2U000 reis.
Dita qualquer ?m garrafes pipa do
180 caadas, prova at.o Cartier, ijoLij.
Licores qualquer quaes juer vasilbas ,
sacarinos compOstos du/ia i caadas (trova
l ;H = Cartier, tuoo rs.
I tos qualquer quaesquer vasilbas ,'
espirituosos compostos duzia de 3 caadas ,
prova al 18. Cartier fjUooo reis.
\ inagre qualquer em cascos commum,'
pipa de iro caadas 3Uooo rs
Dito qualquer em cascos dobrado .
pipa de 180 caadas 40U000 reis.
Dto qualquer engarrafado acido pyro-
gnioso duia de 3 caadas 9U000 reis.
Vinbo Bordeaux em cascos commum ,
pipa de 180 caadas fc'oUooo reis.
Dito dito, em cascos superior, pipa
de i8ocanadas, iooL'ooo.
Dito Cabo de Boa Espcranca em cascos ,
commum pipa de 180 aadas 5 jUooo rs.
Dilo Celte e Marselha em cascos y
commum pipa de >fo caadas, 45 L'000 reis.
Lito Fayal, e Acores em cascos com-
mum pipa de 1 fo caadas ^Cooo reis.
Lito, Figueira cm cascos, commum,
pipa de if>canadas 7 ^L'ooo reis.
Dito Hispanba em cascos commum ,
pipa de 9ocnadas 4-51.OOO reis.
Dito Tener i I fe cm cascos commum ,
pipa de 180 caadas. b;Loooreis.
Dilo dito em cascos superior pipa
de 1 'o caadas 11 aL'000 reis.
Dito Xers em cascos commum pi-
pa de 180 caadas 140U000 reis.
Dto Lisboa em cascos tintos, 1. rt Clas-
se pipa de un cauadas 07U000 reis.
I iio dito em cascas linio, e bronco
a. Classe pipa de ito cauadas 4'Looo is.
Dito., dito, cm cascos, bronco e Mun: .
las i.-classe pipa de iro caadas, >S,)U r.
I ito dilo em cascos muscilcl pipa de itii
cauadas looooo reis.
Dilo Madeia em cascos commum pipa de
1! o cauadas tioUooo rs
Dilo dilo em cascos superior pipa do .Cu
caadas ooUooors.
Dito P01I0 (in (..aos verde pifia de lSo ca-
adas 'il
Dito dilo cm cascos ranw pipa de :Bo caa-
da; 1 "Loju ra.
..>



2
DIARIO DE PERNU1BUCO
f
Dito dito em cascos fci tocia pipa de 180 cana-
das 149U000 rs.
Dito Sicilia em cascos commum pipa de 180
caadas 5oUooo rs.
Dito dito em cascos imitaco de Madeira pi-
pa de 180 canadas 74U000 rs.
Dito ditoem cascos Marsla pipa de 180 ca-
rnadas 1laUooo rs.
Dito dito Vianna em cascos, commum, pipa
de 180 canadas 45Uooo rs.
Dito Portugal em cascos jurupiga pipa de
180 canadas 90U000 rs.
Dito Bordeaux engarrafado Chaleaux-Mar-
gaux, Lafille Latour, Haut-Brien, Burgonha,
Haut-Barsac Preignac Beaumes Darisle Er-
raitag* dasia de i catadas 8U000 rea.
Dito dito engarrafado Queyries, Montefer-
rand Brassans Palus, Chablis, Smterne duzia
de 3 canadas U {00 reis.
Dito qualquer engarrafado Chanpagne ou
sua imitaco duzia de 3 canadas laoooreis.
Dito 1 abo de Boa Fs|ieranca. engarrafado ,
Constancia, duzia de ,i canadas 4II000 rs
Dito Portugal engarrafado Lisboa 'branco
Lcelas, ou tiuto duzia de 3 canadas 4U400 rs.
Dito dito engarrafado Lisboa mscale! du~
zie de 3 canadas HUooo rs.
Dito dito engarrafado Madeira duzia de 3
canadas 9L000 reis,"
Oit. qualquer, engarrafado, Mtiscalel Fron-
tignau duzia de canadas all ,00 reis,
Dito Portugal, engarrafado, Porto duzia de
3 canadas 9U000 rs.
Uito......engarrafado Rheno bran-
co ou tinto duzia de < cunadas 8U000 rs*
, Dito l(es|iaulia engarrafado Xers duzia
de i canadas 8U000 rs.
Dito Portugal engarrafado jurupiga dnzia
de i canadas bU4oors.
N. B Qn.mto verificaco da capacidade
das vasilbas abatimento para ateslos e q>ie-
bras e veslorias, neo huma alterado soffre-
r o systema al agora seguido
as avaluacoes dos lquidos em case gar-
rafas frascos, ou botijas esto incluidas as
vasilbas.
Alfandega iG de Outubrode i83i).
Vicente Tbomaz Pires de Figueredo Cimargo.
Inspector.
Caetano da Silva Azevcdo.
Luis Pereira do Faria.
O Arcenal de Guerra compra i5oo varas de
briin 5 Caldeins de ferro 6 ('.acralas do
dito, 1 Frigideinis do dito,'a Cbocolatriras
do dito a G re lias do mesmo 4 Chocola-
teiras de cobre 1 Coco de dito e 16 Estei-
Scntenca.
Denuncia de Maria do Carmo contra Jore
Amerco dos Santos Forte, por contuzoes ;
tomada a acuza o por parle da Juslica ; foi
absolvido.
Recurvo do Jury de Paia de Flores a re-
querimentodo Reo Raruab de Souza Barco ,
por crime de mortc, por que foi sancionado a
gales perpetuas; foi condenado a 2 J annos de
prizo.
Peranle a Administraco dos Estabeeimen-
tosde Caridade se hade arrematar a quem
niais der as rendas do sobrado e 8 lojas da
caza que oulr'ora foi oceupada pelos expostos
e i>em assim as de n. 3 na ra de S. Joze 14
nada Viracao 11? nado Amortm e i3a
na da Gloria : 8S pessoas que asquiscrem ar-
remaltar poder. comparecer no Grande Hos-
pital dcsta Cidade no dia aa do corrente mez
as 4 horas da tarde com seos fiadores.
Salla das Sesscs da Adminitraco dos Es-
tahelecimentos de Caridade 19 de Outubro de
18J9. T. M. da~Cruz.
Escripturario.
OsCredores do fallecido subdito Portu-
guez Antonio Jote Passosda Silva sao nova-
mente convidados a comparecer na Chancella-
ra deste Consulalo no dia a 3 do correle pe-
las 10 horas do dia para deliherarem o que
mais justo e conveniente for o espolio do mes-
mo finado.
Consulado de Portugal em Pernambuco aos
91 de Outubro de 18J9.
O Cnsul
Joaquim Baptisla Moreira.
NOTICIAS PROVINCIAES.
Rio de Janeiro. As foi has recehidas da
Corle chego at 5 do corrente, e dellas cons-
ta, que continua a existir a Innquildade. Os
trabalhos da Assemblea desde o dia -jo de Se-
tembro al 4 do correle, segundo o que cons-
ta das Tullas recebidas, versarlo sobre os ob-
jeetos, que damos em resumo.
No dia 20 no liouve sesso no Sesso por
sp nao ter ret ni lo numero sttffii ente de Sena-
dores. Na ("amara tralon-se, em lerceira ds-
cussao, sobre o or amento; esobre a (alsificaco
de notas fetas em New-York pelos Figuei-
ras. No dia ai mnlinuou a discussao sob/e
o ornamento que findou calorosa e confusa-
mente ; e sobre as loteras concedidas para a
Santa rasa. No dia i< continuou no Senado
ras de Angola-; quem pretender fornecer di-! a primeira discussao do proieclo de l.ei estabe-
tos gneros compareca no dia a a as 11 oras da lecenlo medidas para o r eslabeleciracnto da or-
maah.
Arcenal de Guerra iq de Outubro de 18 '9.
i Joze Joaquim Coelho.
PREFEITURA.
TkUTZ DO 014 l8.
Illm. e Exm. Snr.Consta das partes ho-
je recebidas n'esta Secretaria que fora pre-
so minha ordem e tivero boje destino ,
os individuos seguintes : Joz de Souza Coti-
lo branco pela primeira Patrulha do dis^-
tricto da Madre de Dos por infrac-
co das Posturas Municpaes; Joanua jire-
ta escrava de Thereza de tal peb S
111 a pre-
ub-Pre-
feilode Santo Antonio, por estar fgida, e
Joaquim Malaquias de Brilo, pardo por hum
Inferior do Corpo Policial por ter mallracla-
do a um soldado do mesmo Corpo ; cujos prc-
r.os tivero o competente destino assim como
dem e tranquilidadc* publica : e na Cmara
encerron-se a discussao do orcamenlo. No dia
2 no Senado passa a segunda discussao do
parecer da commsso sobre a represen lacio da
Provincia da Babia em que pedem-se pro-
videncias, que posso garantir a paz publica.
Occupo a cmara os trabalhos sobre o crdi-
to de q 000 contos. No d"
guio urprehender nos campos, de Dona
Rita huma partida de farrapos commanda-
da pelo famigerado Juca Leao morrendo no
ataque o mesmo Juca bum seu irmo e va-
le e tantos rebeldes. A nossa gente recolheu-
s a Porto Alegre sem a perda de um s lio
mem e com 4 prisioneiros e mais de cem
cavallos.
O valente brigadeiro Caldern tinha chega-
do no dia ai do mez passado aocurral Alto ,
distante i5 leguas da cidade do Rio Grande ,
com 45o homens e 3.000 cavallos e era espe-
rado no quartel general 110 dia aS. Alm
desta forca mais 3oo homens eommandados
por Jernimo Jacintho, tinho vindo engros-
sar as tilcuas legaes.
O chefe das Jorcas navaes mandn suspen-
der o cutter Maruby que tinha ido a pique
no baixo de Dona Mara. Por se adiar com a
praabertae terem-lhe sabido muitas laboas
do costado nao foi possivel es ',ota-lo e por
isso o abandonaras salvando porm seis ba-
ts com dinheiro e roupa e granle parte do
armamento e aprestos do cutter.
As folbasde Porto Alegre das quaes da-
mos alguns extrarlos interessautes referem
que Bento Manoel se avistara com Rento Gon-
calves em S. Gabriel e que consegu! que
este abandonasse a causa da rebellio, acres-
cenlando p irem que por datas mais recentes
constava que Be'ito Manoel prendera a Ben-
toGoncalvcs. Parece cerlo que esteeaudilbo
e Nettoscacho desavindos e que o i ititu-
lado ministerio de cassapava rassnra t>'as.i
ordens expedidas em nome le Bento Go ical-
ves
A desunio dos xefesrelieldes um dos miiores
r iuniplios i|' o lia alean ara causa da lega" da-
de. As cartas que vimos de Porto Alegr.; al-
trhuem este successo ; poltica do actual presi-
dente e acrescenta que os legalistas deposi-
to nelle a maior confanca e tem bem funda-
das esperancas de que salvar elle a provincia.
No dia aa do mez passado chegou de Santa
Calharinaao Ro Grande a barca de vapor Pa-
quete do Sul, eseguio no dia a3 para o Por-
to Alegre disa-seqne iaemlarcar o segun-
do batalbo para transporla-lo liba. At
o dia a5 ao meio dia nao tinha entrado o vapor
S. Sebastio. sabido deste porto no da -5
A legalidade possue hoje hum exercito
numeroso, e que vai sendo sempre augmenta-
do com os soccorros que nos enva o governo
central disciplinado e bem commandado : e
os legalistas com o lempo e a reflexo tem
alliislado dentre si as divergencias, arrefecido
suas paixes, quealgum embarac oiipiinhio
ao boin andamento da causa que te n defendido
e por isso acha-sc ella lio e em estado de na oc-
casio opporluna supplanlar a rebellio. id
Artigo de Ohcio
Illm. e Exm. Sr.O regente em nome
do imperador ha por bem determinar que a
os desertores dos rebeldes que se passarem pa-
ra as for as da legalidade se pague pelos co-
fres pblicos dessa provincia o armamcuto e e-
Iquipamenlo com que se apresentarem sendo
1a a d oecupou-se o
senado com objectos particulares; e a cama- calculados os arligos pelo valor del rminadonas
ra sobre o dito crdito; e emissao de notas ;; tabellas segundo o valor que abi si arbitrar,
empreslimos ; e bilheles do thesouro Em a6 j ? a V Ex parecer justo. O que parlecipo a
S. PEDRO DO SUL.
Porto Alegre 18 de Setembro.
Julgamcsdever dar con la aos nossos leitores
f
os trabalhos do senado versarlo sobre objectos V. Ex para sua intelligencia execu o e afim
particulares; e os da Cmara sbreos mesmos de que mande fazer publica esta determinaco
obyectos do da antecedente ; e sobre as lolerias do modo que melhor convier e de intelligeu-
para a Santa casa No dia "j versaro os Irapa- cia com o com mandan le em chefe do exercito
Ihos do Senado sobre as medidas para a Irn- em opera oes. Dos guarde a V. Ex. Palacio
quilidade publica; e os da Cmara sobre a do Rio de Janeiro, em 3 de Agosto de 8 *p.-
materia da ultima e penltima sesso, e lo- conde de ages Sr presidente do Rio Gran-
terias da Santa casa. No dia 38 discute-se dedoSul. Cumpra-se e regist-se. Palacio
que bontem pela vafea de huma orada tarde no Senado a resolugao que auctorisa o go-.do governo em Porto Alegre b de setembro de
succedeo que Otando o preto Marca I escra- 1 verno a conceder privilegio exclusivo compa- 1839.Oliveira [ O Imperialista. )
to e marujo dafjjeuna Izabel, pintando a proa nhia formada na corte para a construeco do
da mesma escuna queseacha fundeada de- caminho de trra, qne atravessando o mar,
fronte da Lingoeta fra esmagado por huma communique a ra daUnio, no saco do Al-
alvarenga que passa va ento t viada rebocada feres, com a do Imperador, em S. Chrislovo ;
por um escaler inglez de cojo encontr pouco e na Cmara ainda continua a discussao do de algumas noticias que tem circulado ha dias
depa%*piroo. (creditO No dia 3o continuo no Senado, e r.a esta cidade. 'essi* vinuits de Cassapava as-
Camara as mesmas discussesdo dias a8. jsegiira que Benlo Goncalves tivera huma cn-
TniRUNAL DOS JURADOS. Desde oi. at f de Outubro continua- irevisla com Benlo Manoel em S.Gabriel, e
Sesso do dia 19 fe'Oulubro de i83g. rao na Cmara, os trabalbos sobre o crdito I que depois disto ignorava-se que destino se-
Jurr d'Accusaoco. e o Senado sobre ncgacM|Jrlk-ulares. gira aqm lie ha vendo quem affirmasse que
Nos daremos por exlenio esses 1 rabalbos na elle se retirara do partido rebelde lalve em
neatmeia do Dr. Promotor contra Francis- forma do nosso cos ti me. vr\ude de reflexOes que lhe fizera Bento Ma-
ca de Souza Freir, Joao Ferreira Maximia-| MinasAs tblhas recebidas dest Proyin- noel. Com data mais recente se dk que Benlo
no da Silva, e Joao Bento pela morle feit* ciachegaSat a| de Setembro pp. e notician, Manoel ret vera Bento Goncalves.
a Francisco de Lira : O Jury achou materia
para acusacSo.
Denuncia Ha Dito contra Antonio dos San- -
ms pela mortede sua mulher : o Jury achou NOTICIAS DO RIO GBANDE. le portara que havio sido expedid em nome
materia para acnsaco. Pelas embarcaces entradas bontem do Rio de BtmtoConeaK-es o que faz crer ser antes
Denuncia de Joao Manoel Francisco Franco, Grande recebemos folhas e curtas de Porto A- exacta a noticia de se haver elle retirado As
contra Zacarias Lopes Machado, Joaquim Lo- legre at 19, e do Rio Grande at 34 Ojp pas- mesmas pessoas eoulras entradas do lado de
ptM e Bariholonieti I opes, porcrmede ame- sado. A noticias que conlem sao summa- Viama di/.em que Nelto se aeba deshavido
caai o.Jurv achou mnteria para acuzaco. mente favoraveis causa da legalidade. com Bento Gougalves em consequencia de este
Sumario x-o?fico contra o pardo Luiz, es- j Em Porto Alegre aleanca'ro as armas im- haver estranhado que aquelle se arrof'asse o
ecivo de Antonio Teixeira d'Avilla, pelo ron- periaesLum novo Iriumpbo. O denodado le- direito de esta bel wer impostos chgando
th felo a Andr Altes Rio* j o Jury achou gal isla rancisco Pedro, frente dfc 1000 e Nettoadizer que Benlo Goncalves poda re-
maleria para acuzaco. [tan tos-soldados fez huma sortid e conse- colher-se s fortalezas do Rio de Janeiro- ou
ella goza de Iranquillidade. I Masocrrlo be que outra pessoa chegada tnm-
Rio GrandeExtrahimos do numero a35 bem da campanba assegura que o ministerio
do Jornal do Commercio as seguinte noticia: jde Cassapava mandara cassir toilas as ordens
Babia, onde tivera pois que sem diese
havia stislenlado a causa da rebellio. Cons-
ta lamlicm que o bravo legalisla Juca Cvpria-
no bem conhecido pelos seus bous feitos ,
surprehendera e tomara as cavalhadas perten-
centes forcade Joao Antonio da Silveira Ma-
noel Macedo passou ha das no Triumpho pa-*
a margem esijuerda de Jacuhy com alguma
forca por ordem de Nello,e sabe-se que a mai-
or parle della fugio por nao querer passar pa-
ra este lado do rio mas que repassra no
dia 14* Diz-se finalmente que Canavarro ou
alguma gente sua vem em caminho com por-
co de carretas canegadas com o produelo
do saaue c!?. lagftna ecue Netto envt*ra pa-
ra as l'orres alguma lorca le proteceo Pa-
gouassim a innocente maioria dos habitantes
da Laguna a loucura e maldade de alguns seus
conterrneos que champvoos rebeldes para os
apoiar e a cobarda se 011 tro nome nao me-
rece do oncial que ali commandava as forcas
imperiaes. 1'e.m lisongeiras sao para a legali-
dade as noticias chegadas da campanha e que
acabamos de ranscrever efazem is ardentes
votos para que ellas se realis -m Parece que
ludo se vai dispondo para o prximo triumpho
da le e da juslica (O Imprialista )
(Jornal do Commercio 5 de Outubro )
MARANHAO'.
De urna communicaco official do Exm Pre-
sidente da Provincia do Cear datada de H do
corrente mez extrahimos os pormenores da to-
mada da Cidade de Caxias pelas For'as da Le-
galidade Raimundo Gomes havia descido com
1 ropas para a Villa de llapicur; Balaio li-
nlia-se dirigido para o Brejo ; Labareda para
um lugar chamado Eugenho do ferro ; o Al-
feres Livio marchava com coo homens a fm
de passar o Rio 110 lugar chamado Estanha-
do-vnle e tantas legoas de Caxias, com
pretendi de seguir para ampo maior tiran-
do um F Couto a testa da guarn oda I ida-
de. O Major Clemenlino procurou Caxias ,
(iuando conhecendo o Couto a sua aproximaco
poz-se em fuga para o Estanbado para onde
tamliem seguio o Clemenlino A forca de li-
nda sediciosa comecou logo a passar-se para a
Legalidade, sendo o seu exemplo imitado pe-
la restante. Livio conseguio fazer passar para
o mitro lado do Rio 00 homens ncando oo.
o quaes se entregaru as for as legaes c >m ex-
cepeode i5, ou lt, que lambem consegtri-
rao passar. Livio anda pretendeo ganharo
lado que havia dei.xado a lim de voltar para
Caxias cornos 5oo homens mas nessa occasio
foi encontrado e lwtido pela tropa do Puti ,
coiiseguindo salvar-se ; purem o Major Cle-
menlino poz-se logo em marcha, afim de o
prenderem, alguns Umcias e Soldados. O
Balaio em meio de sua marcha s tinha 80
homens por haver desertado urna grande parte
da gente com que sabio de Caxias onde se aeba
j urna For a da Legalidade as ordens do Co-
ronel Joo Paulo. He de crer que igual sorle
coubesse a quadrlba de Raimundo Gomes.
Successos igualmente interessanles se observao
no Municipio da Parnahba e a Oste do
Cear. O Vlajor Joaquim Ribero omman-
dante do Esquadro da G. N. de Sobral que
Ibi mandado em soccorro da Parnahiba sahio
d'ali com 5i pracas de primeira Linha com-
mandadas pelo Alferes de Commsso Jos ta-
noel Rraga que ltimamente havia sido man-
dado pora aquella Villa e mais 11 pracas de
segunda Linba a fim de soccorrer a Villa de
Piracuruca amea ada pedos sediciosos de Mat-
ines aos quaes se haviao reunido : o indivi-
duos perlericentes ao ('ear. Os guerrilhas
quasi om numero de 3oo aehavao-se bem en-
(rincheirados no lugar bebedor 8 legoas d a-
quella Villa e sendo convidados pelo referido
Major a largaren as armas, respondern o*
Cheles I euro Celestino e Pedro da Cosa
Uezcrra que era Cheles de orcas da Heli-
gio Calholica de Jezus Chnslo e que leria
muito goslo em cruzar as-armas com o dilo Ma-
jor. Este levando a su forca ao numero de
170, por se lhe haverem reunido alguns offi-
ciaese Guardas de Piracuruca por. oin sitio
os guerrilhas. Forao amarrados *06 e mor
rera i inclusive aquelle dous Chefes fi-
cando feridos dous dos sitiantes.
Aehao-se completamente dfesafron lados o* li-
mites da rovinca do Cear conservando-se
tranquilla toda a Comarca do Sobral e as ter-
cas legaes conlinuao a persefwr o pequeo
grupo de fugitivos a fim de os capturar.
A libfrtaco de Caxias e os interessanles
successos que temos relatado, annunciao nao
s a prxima anniquillaco dos sed^tososdo
I Maranho mas tambem que os rebeldes desa-
parecero de todos os pontos do Imperio da
Santa Guz.




DIARIO
D F.
P E R N A M R U C O
5

Carapucero
A soberana das Senhoras.
A que tempes me nao dirijo o bello sexo !
Bem boas tregoas lhe leu lio dado, do une
limitas segundo me consta j biao murmu-
rando e dizia. Carapuceiro lia huns
poucos de Ni. que est sem graca ; porque
s falla em Polticas e em cousas lo sirias ,
qo parece ter composto sermes de Quares-
nia : j nao talla da gente*, j nao toca as
modas j se nao importa c:im os gamenhos ,
occ. ce. Nao nuero no gas nao d sejo incorrer no desagrado das mi-
nhas I Ilustres Leitoras e por isso tratare! bo-
je da Soberana das Senhoras.
Longa e mui porfiada tem sido em todos
os lempos a queslo da Soberana. Os adula-
dores dos reis procura-os endeosar susten-
tando que elles receba todo o poder imme-
diatamente da Uivindade, pelo que erad ab-
solutamente independentes de seus povus nao
ha vendo caso algum em que estes os devessem
depor os aduladores do povo querem que
este seja a fon te de lodos os poderes, e que ludo
lbe he permilldo ; porque nao se conhece ju~
risdieco cima da sua : mas quer em huns ,
quer em outros parece-me haver venale, e
haver erro. A Soberana he hum dreito e
he hum facto considerada do primero modo
ella nao pode ser se nao huma delegago da
Dvindade-, porque sendo todos os homens i-
guacs em natureza quem poda dar a liuns
poder sobre outros se nao o Supremo Auctor
da Sociedde que quer que esta subsista ,
e prospere i" Do segundo modo considerada nao
ha duvida, q' a Soberana sempre nerlenceo, e
pertencei; as Naces-, para prova do q' aesto
os Fastos do genero humano sem exceptuar-
mos a mesma Historia do i ovo de Dos. Senpre
as Naces escolhera os seas Imperantes, sem-
pre mudra de Dinastas sempre mudra
as formas de Governo segundo as neces-
sidades as conquistas, e outras innu-
meraveis circunstancias : pelo que he diguo de
desprezo, ou de rizo o syslema de hum tal
Abbade Torel, que se propoz a sustentar hu-
ma embrulhada de Pais universaes de poyos ,
e que lodos os Governos receben > auctor ida-
de dos Instituidores dos Poyos, &c engri-
mun.o, que nem omesmo auctor pode enten-
der a estar de boa f
Tomada a soberana como hum di re lo he,
que a Esrriplnra Sagrada diz Omnis poleslas
a Deo &e &c sem ser preciso recorrer a
subtilezas methafizicas. Mas dcixemos esta
materia j sedica e vamos ao meu assumrjto ,
que be a Soberana das Senhoras. Queixa-
se eslas amargamente da sua sorle por se.verem
privadas dos direitos polticos attribuindo islo
injustica dos homens; porque com que di-
reito (dizem ellas) fora excluidas as mulheres
de ser Eleitoras Deputadas Senadoras, &c
&c ? Acaso uo falla ellas, e muilo e por
qualquer eousa ? Algumas nao lera tanta pers-
picacia tanta nenetraco, tanto talento f
Quem be capaz de fazer lo delicados e ema-
rauhados lavarintos nao poder discutir hum
poni entrincado de Dreito ? Quem urde to
lindas rendas nao saber formar a teia de
huma caballa ? Quem he lo destra em arru-
mar hum baln nao arranjar hum projeelo
Quem se moslra lo iulelligenle em acalcnlar,
e eiigolozinar enancas nao servir para con-
tentar c embar os povo* ?
listas,e outras muitas rases alega as senhoras
emseu favor mas allenda-me, evero,que
ellas de laclo sao mais bem aquinboadas que
os homens. He triste sem duvida a condico
da mnllier entre os sel vagens, a ponte de que
em alguns paizes quando a mulher da a.luz ,
o marido he que se melle na cama receb*
as vizilas &c e a misera companheira car-
reg com todo o ser vico e traballio. A os
homens sao huns raadracos em lano que as
pobres mulheres sao reduzidas a o mais aper-
lado captiveiro. Anles da vinda de Jezu
Chrislo antes que o Evangelho derramasse a
Sua Luz regeneradora pelas Naces que jaza
tas sombras da niorle o que era as mulhe-
res ainda entre os povos mais cultos da Eu-
ropa ? Enlre os Gregos os maores Phloso-
phos dizia que a mulher era mero instru-
mento de prazer meiode perpetuar a popu-
laco e nada mais. Aristteles tracla-as, com
o ullimo desprezo, e chega a louvar a He-
sodo por haver dicto que a primeira fami-
lia foi composta da- mullier, e do boi ,
animacs proprios para a lavoura. Platb s
as tinha por aptas para a concupiscencia para
a propagaco da especie e por isso em sua
Repblica eslalieleceq a communidade del-
las. Sfocles e Antislbenes como poetas ,
enchera-as dos mais desprenveis apodos.
Quem ignora o que era as mulheres entre
os Hrnanos? Basta dizer que por algum
lempo as leis as i-onsiderra cousas e nao
pessoas de maneira que qualquer sujeilo ,
quando enumerava os seus bens di/.ia : te-
n lio por ex. tantas casas tantos bois, tantos
porcos, taas galinhas.e tantas mulheres (forte
desaforo !) Mas depois que o Verbo increado
dignou-se de encarnar no venlre purissimo de
Mara, parece, que regenerou a mullier,
que a lirou da ignominia e lbe resliluio os
perdidos foros. Ainda mais este titulo lem as
mulheres para serem Clirisls e nem de bal-
de a Sania Igreja lbe chama o devoto sexo
feminino.
Com o Cliristianismo liliertara-se as se-
nhoras e o secuto da cavallaria cliegou a en-
deozallas. As Historias esto cheias das fine-
zas que se faz'a ao bello sexo. De huns'pa-
ra oulros Reinos divagava i mu meros Quixo-
tes desagravando injurias provocando desa-
fios em defeza da formosura da sua dama que
alguns s vezes nunca vira nem oonhec-
ra as justas, e trnelos era as senhoras,
que destribua a glora e oflender a huma
senhora era crime capital no cdigo da Caval-
laria ndante. Os Trovadores invidava to-
dos os esforcos da Musa por elogiar as suas a-
madas. Para amostra do pao hasla as se-
guintes eslrofes huma da Ganco de Egas
Moniz Coelho despedindo-se de D. Violante ,
Dama d'honorda Rainha D. Mafalda.
c Fincaredcs los em bora
Tam coilada,
Que ei boy-me por ah fora
De tongada.
Sai-se o tullo de mei corpo
Mas ei non ,
C os cocos vos fica morlo
O' coracom.....
Se me bos a n leixardes ,
Deis me gante ,
Non as meys vos de queimardes
Islo que arde.
Hora non lexedes non
C sois garrida ,
E se non Crisleleison
Per minha vida.
No Reinado de D. Sancho i.* pelos auno?
de lali Gon alio Hermiguezassimgalanleava
a sua esposa Ouroana
Tiuhe rabos non tinhe rabos
Tal a tal ca monle ?
Tinharesdeme non linharesdeme ,
De l vinherasdes, de canillantes ,
C amaina ludo em soma.
Per mil govvos trebelbando
Em vetdade quem h de animo to diaman-
tino que possa resistir a os reiterados pedi-
dos d'huma senhora cheia d'encantos, e
ternuras ? Como lia de hum Depntado mais
namondo que o Viadas, que Petrarca ou
Joo Xavier de Matos dar hum nao escabroso
i ha yvznha por quem o misero pee-
cante se desvive e que lhe pede lo meiga-
menle o seu voto em favor de ta ou d a-
quella prelenco? Eadvirta-se, (,ue as senho-
ras ordinariamente quando pedem nao ad-
mittem desculpas nao esto por argumentos,
nao querem salier de rases :, bao de ser ser-
vidas para logo, ou do contrai io agasto-se,
e nao ii evaso que as accomode. Istohe,
que he soberania in-esislivel!
Sao innumeraveis os negocios pblicos ,
que sendo de da tractados em os Trihuuaes ,
Repai lices e Assemhleas vem a ter o seu
ultimtum ; noile no doce remanso das fami-
casad'um ex-tmissario morador ni ra ims
re'erida partecpar-Ihe que urna mu her ,
que na mesma ra morava acabava de as ass-
nar una sua afilhada que a tres dias e-pnn-
i-ava poisa tinba visto prostrada sem alia,
e toda eiisangueutada. Foia immedi.ilamente
o dito ex-commissario e outros visinl.os todoi
armados, a casa da denunciada, e achara
a referida ahlhada nao morta como se di/a ,
mas cruelmente e-pancada : em consequencia
guardara & casa at que se fosse 'chamar a
Polica que promptamcnlc acudi com todo
os seus Jigenles Snb-1'refcito Notario, Ca-
missarios e Guardas-, e por c usa deste apa-
rato tambem concorreo alfum povo e lodos o
moradores da ra procuraran indagar e pre-
senciar o facto. Fez a Polica as suas indaga
cues y e mandn depois a infeliz victima a rasa
doSr. l)r. Serpa para se far.er a competente
visloria. IV essa occaaiao pude ver, queain-
Oy oy vos lombrego
Alp
gorem se cada folganca
Asmev cu : per que do lerrenho
Non h hi tal parchego.
Ouroana Ouroana oytem per certo
Que inha vida do viver &c.
Itons lempos Hoje mal percehemos o sen-
tido d'huma ou d'outra palavra destas trovas ;
mas elles, e ellas l se enlendio muilo bem ,
e lalvez fossem amantes mais derretidos do
que os iiossos d hoje que amo por equaces,
por calculo integral e diferencial.
Que importa que as senhoras nao gover-
nem a Repblica, se governo os coraces
dos homens ? Que imporla nao mandem
ostencivamcnle se o seu imperio se a sua
soberania eslas assentados na vontade dos que
adminislro o Estado ? Ab quantos e
quam importantes negocios nao sao decididos
pelo c vol, sic jubeo de huma beldade ,
que nao admitte replica Quantas sedutoras
Leis quantas Aspazias ePhrynes nao tem
despachado Embaixadores, Ministros, Go
vernadores Gcneraes e at Bispos Quan-
tas ten as quantas penses cahirio no Cor-
po Legislativo, se nao fora o serem apadri-
nhadas por taes e taes senhoras a quem
hum pobre Legislador nao pode resistir por
maiores, que sejo as suas fumaradas de Ca-
tn i smo !
Os Representantes da Naco e dos Agentes
do Poder Execulivo ou sao casados ou sol-
teiros ou Padres. Se sao casados muitas
vezes se veem na duia necessidade de ceder
a os rogos labiosos das esposas em favor desle ,
ou d'aquelle negocio deste ou d'aquelle
afilhadosb pena de jejuns e oulras mortifi-
ca oes que devem affligir muilo : se sao sol-
teiros ,.muitas vezes sao gamenbos professo-
naes damejo, e requebro a esta, oa a-
quella Ninfa e hum asseno da vontade deste
he huma lei para o pobre padecente que nao
esl.i pars sofrer hum redondo desengao ou
o venda vil desfeito il huns arrufos, que s
vezes lirao eouro e cabello. Se sao finalmen-
te Padres, tem de ceder a rogativa de huma
mi d huma irm ; e se sao mais ma\iosos
de coraco l apparece certa afilhada ou
comadre certa cujos pedidos sao para os hons
Ministros do Senhor AI varas com forca de
Lei*
lias. As esposas entro acontas com os es-! feliz era urna caboeda de rannos, pouro
posos ; e taes cousas Ibes di/em de taes ar- j mais on menos ; e que tinha as mos to in-
timanhas eservem, que os homens embran- : diadas que duvidei nao estivessem arreben-
1 decem como a cera e ellas levao ao cabo :s tadas ; e coiisegiiinlenienle os dedos aebava-
suas prelences. O que ha de fazer hum Pre- se triplicadamente mais grosss do que sem
Mente hum Deeembargador hum Juiz de duvida erao e as mos e pulsos haslapte-
Direito humChefe de qualquer Repart- mente roxos ; e pareceo-me que a iricha io
cao se quem lhe pede o despacho o pro- exlendia-se por todo o braco. A figura tol*
vimento a informa o a sentenca be D. infeliz era digna de compaixo pois hiades-
Mariquinhas, D. Felicinha D. Cbiqui- calca, e smenle com hum velho e sujo: vea-
nha, D Felismina R. Clarinha I). tdo sobre a pelle ; e alem de ter o semblante
lAninha, &C. &c. e com hum ar to cari- humilhule e abatido, eslava com aeabeca
nhoso que pe tudo doido 7 quase rapada ; e affirma-me (poisen nao pu-
Huma mulher (a Sra. Helena) foi causa de ver ludo ao mesmo tem po) que esta\acom
da famosa guerra de Troia que duriu bons o rosto e corpo lodo contuzo c cortado de
dez annos e poz campo os maiores valentcs chicle, ou chbala. Entretanto que o estado,
do seu tempo como fossem ; Agami-mnon miseravel desta vctima da mais cruel barhari-
o velho Nstor Ulysses Aja\ Domedes, dade a lodos arrancava expressoes de compai-
Achules, &c. para vingarem a lionra do bas- xo hum Estudanle seminarista, quena
baque Menelao. O Scisma da Inglaterra casa da denunciada madriiiba se chava, e que
que a separouda communho Cathoca correo no crime, muito asangue fri, e
leve a sua origen! na cega paixo do Rei Hen- como alardeando do seo delicio responda a
rique8.# pela celebre Anna Bolena, final- quantos lhe,>gunlava quem tinha sido o
mente a liga da perna de huma dama lugleza auclor de lauta crueldade -fui eu que lili-
quea descuido lhe cabio, foi apanbada pelo dei meia duzia de bolos!! Acabada a visto-
Rei que poz em sua farda dizendo o ria vi sabir prezo o Estudanle icando em
celebre distico para tapar a bocea a murmu- em plena liberdade a madriuha ; diem-me
radores- Hony soilqui mal y pense- infama- que por compaixo, que leve o Senhor
do seja quem nisto pensar mal: e o mais he Sub-Prefeilo dos filhos I'oi quanto pude
que ll foi a origem da celebre e mui hono- presenciar 5 e posto que uada agradasse a ar-
rifica ordem da Jarreleira. Quem ignora o biliaria parcialidade pratieada pelo Sr Sub-
que fez D Petlro pela sua D, Ignez de Cas- Prefelo com tudo es|ierou-se que o Estu-
tro a ponte de por ella armar-se contra El- dante jamis escapasse a bem merecida puni-
Rei seu pai e por lodo o Reino em combos- epo e ssim ficasse em parle desagrayada a
' ifo 1 sociedde. Mas (qual nao foi a admrraco
Por toda a parte se observa a soberania das de todos!) nao aconteceo assim, no dia se-
Senhoras. Em qual quer adjunto n'huma guinle foi o Estudanle sollo ; e al lioje nao se
companbia n'hum Baile todas as altences tem mencionado na parte do Governo o acon-
todas as finezas a ellas se dirigem e at nao falla lecido ; do que presumo que se deo o frito por
Figurao que se daria por honrado e mi nao feto.
feliz se obtivesse o privilegio de ir calcara Srs. Redactores nao sei porque mgica foi
Sra. D. F. a quem arrebentro os nVlica- sollo o innocente Esludante e por isso e
dos sapatinhos no exercicio das quadrilhas. por amor da Juslisa e da humanidade ,
J nao fallo das muitas e muitas senhoras queira publicar eslas lindas croe parlicular-
que Roverno os maridos e os trazem de- mente Ibes ficar obligado
baixo do freio, e algumas at lhes vo S| Hum Olmdense.
ventas para seu ensino. Conculirei dizendo,
que as senhoras ( concideradas em peral )
d-se bastante poreo de soberania de facto ,
com quanto nao a exerco de direto.

i
VARIEDADE.
Copia fiel de huns Banhos que foro apre-
sados em certa Igreja do interior.
Com o favor de Dos e por am das ms
lnguas querem cazarem na facia da Igreja os
THEATRO PUBLICO.
Hoje aa beneficio de Antonio Lopes Ri-
beiro represenla-se a inleressanle leca-0<
SeisDegros do crime- O duelo dos l'ombi-
nhos ea Farca O Chapeo Panlo. .
Avisos Diversos.
tsr Compra-se urna caza trra sendo na
dous upTicantes oradores maeio-, e"femia ra dasCruzes ra Direite e que traba
que i andavo desencaminbados Cosme da cmodos para huma famila. e hom quintal e
pin-uella. e Terezada mata que os cujos cacimba; na escada de mmdesas na ra do
sao filhos de Joanna sem marido e do Sai- Quemado O. 5 que l se d.ra quem quer.
Kenlo Guierme col.) com sua mulher defunla ,! tsr Faz-se scieiile ao publico, que qumla
que morreo de parlo Maria do Rozado todos fof* de eo.re.ileha de ser arreniataoa em
'- Jiata plMb po Juiz op Civel da segunda
vara, o sobrado de dous andares I). 17 na na
do erforniz. piitenceiile a I). Mara Frau-
,"r;rdHa Torres, nara pagamento das
dividas da mesma Senhora, e muito principal-
mente a divida da que he credora D. Joaqui-
na Maria Pereira Vianna. a cuja aenhora est
bypotecada a meajaia -propriedade.
XST Quem XftT hum prelo para alugar ,
para o seivici de casadepouca familia, di-
rija-sc a na los Baibeiros N, 8.
tay- Qnrm quizer laucar sobre osalugues
de huma casa de taipa no atierro dos A loga-
dos, onde mora Jos Antonio officaldepe-
dUafA feito penbora por I ramisco Xavier
elles, e ellas', patriccas conslilucion desla
Freguezia : e quem souber de alguma indrojl
mina que chama-se impedimeiilo de faati
mal a ouira mullier que eslava prefoil- ,
como sua mi que a pari venha renWta
ciar a o nosso Reverendo Vigario sobe pena em
excomunbo daada como manda o Sagrad^
Concilio treperttino versos folha.
Correspondencias
Snrs. Redactores Como al o prsenle
nSo appareeesse mencionado na parte que
criminoso facto, que pTesenciei na ra do Rom
Sucessoem Olinda ; e en receie que se o te-
iiki abafado apesar da publiridade ,
que lhe deu a I olida daquella cidade; por isso
o exporei ao publico para que se saiba o que
por ahi se passa e possa assim fazer-se me-
Ihor juizode to afamada polica
Pelas tres horas da ttfrde do dia 15 do ror-
rcnle fora acccleradamente algumas peosoas
1
nao appareeesse mem-iuiiu'iu im |wmc, que a u"-"" j i.i* !">" ( -*------ ~-------
Presidencia d diariamente a Prefeihira, o ;ue as outras pracas nos dias qtiarta esa-
l.ado^ti do correnle ;' as |>efsoas que a peitcn-
ro podem comparecer na porte do Juiz de
Paz do laino de Santo Antonio
ty Roga-se encarecidamente ao corres-
pondente de Manoel de Parias Marinho, ou
pessoas que coa elle tenba iranzacoes ha]o
deannundar suas moradas a fim da aa tratar
negocio de urfanda.



4 -
DIARIO DE PfcRNAMBCC


grande
CT Um louro de raca estrangeira m'tiilo
e bonito ptimo para pai de varas-,
no sitio denominado do entercado, a Fallar
Com Vicente Luiz de Souza em urna tasa de
taina junto a estrada nova
O- LIm excellente cavallo de estribara ,
bom passeiro carre.gador muito bonita fi-
gura s com o de'.leilo de estar um pouco
descarnado ; na ra dos Querais D 5 na
mesma casi precisa-sc de um cauoeiro aluja-
do forro ou captivo para andar conduzin-
do lijlos do Remedio para esta praca
H3~ Chapeos brancos de castor da ultima
forma e de superior qualidade chegados re-
centcmenlc de amburgo ; na ra do cotlglo
. a.
O- Biches pretas chegadas ltimamente c
preco commodo no atierro da Boa vista L'e-
ciina ic.
S2T Um cameiro muito manso e grande ,
jaensinado para montara de mallas e cacoaes ; noalterroda Coa vista
venda D. tf).
tST .JCo pecas de coidas de embira pro-
prias para anda mes ou sacas de algodo, a
tST Poz Parisienses-Purgantivos-Anti-
ypliiliticos Anii-dartrosos e Anli-biliosos.
* Estes poz oblivero urna celel>ridadc em to-
> da a Europa c osseus sucessos maravilbosos
' de cada dia Ibes merecer approvaco geni o
que prova que nenbuma preparaco gosa de
; propriedade lio eminentemente depurativas.
Os poz parisienses sao o verdadeiro especi-
i fico as molestias secretas recentes ou inve-
teradas. Como depurativos do sangue sao da
nriaior efflcacia em tedas as molestia entrelidas
dor um virus qualqucr (|uaes as cnlennidi-
desda pelle as empinges* as sarnas anti-
gs ou repercutidas as dores rheumalismaes,
as at'cicoeus escorbticas e escrololosas em
lim em toda acrimonia do sangue auiiunciada
porcomiclioens calores, nodoas amarellas ,
beinoroides, pregos, pstulas no rosto, apbles,
ulceras na boca ou dentro da garganta cor
livida do rosto olhos avermelhados, flores
Lranras humor melanclico pa I idas- cores ,
attaques de ervos idade critica das mulhe-
res. O uzo permanente desles poz entreiem a
frescura do rosto a liberdadeuo venlre. V-
se segundo o exposto que acal>amos de fazer ,.......,-----.......
queestes |H)/sao utilissimosem muilas afee- lio ri cada urna j defronle da nbeira da Boa
coens acrimoniosas deslas que nao lem um vista D 8. > <
carcter suspi lo e de mais sao reconhecidos SST O Hiate S. Schasliao encamado no
com um dos mais poderosos anbiliosos. forte do mallos; a Halar com M a noc Jos
Maneirade fazer uzo delles. O modo de Gonsalves Braga junto ao ano de S. A alo-
mar del les he muito simptes ; toma-sc um nio.
papel que se pe.n dentro de um bules der- ] tr Um terreno no ah.ihamenlo da ra da
rama-se nelle tres chicaras de agoa lervenle Aurora, com t -o palmos defrente e rundo
deixa-se fazer a infusan como para o ach. al a cslrada do Hospicio, com algum bene-
fincara dessi i.ifusao antes de se deilar ou- assim como (i arrobas de doce de caj com
Ira ao levantar e a ultima urna hora e meia calda.
ao depois do almo. onliuua-se assim du- | UT Um Diccionario Magnum Lexicn, por
raniequinzea vinte dias e al "o dias con- 6ooo ; na praeinhado I mmenlo l). ir
secutivosseforainoleslLioueufcrniidade an- cr Dois e meios chaproens de amarcllo ,
tiga. Porem quando un pessoa lem simples- por prego commodo, os qtiaesexislem na ser-
iiintc um efnbarasso gaslrico baila o uzo de raria do Sr. Francisco Vicente yahm \ a tra-
dois ou 3 papis. i ter na ra da Conceicao da Boa vista I. 8.
Eslespoz nao contendo nenhurna prepara- t=T Um cavallo ruco bom carxegador
cao mercurial o resguardo be fcil a obser- bai.xo de idade de i para 5 anuos ; na estri-
bar ; abstem-se de comidas salgadas ; leile baria junto ao Bom Jezus.
eos farinbosos ll.c sao preferidos ; eHes nao c? Oualuga-se urna casa terrea tra vejada
interrompem de doder girar de novo com o palmos de (mido e i-j e meio
Acho-se a venda no deposito gcral ra de largo e com ma.s de a5o palmos quasi at-
da Alegra cm casa de Henrique Amante Cha- terrados obr.gando-se o vendedor alienar o
ve Aim' ra nova leja de Frederico Chaves, restante c fazer a estacada \ esla propneda-
praca da Independencia loia de Justino Me- de olerecc rom local para um trapiche, por
roz relojoeiro sempre pelo mesmo preco de seremum dos melhores lugares da ra da
duas patacas cada papel. praia tambem da-se a praso com boas fir-
As pessoas que se quiserem encombir da mas por lempo de umanoo j a Halar na ra
?enda dos ditos Poz tero *S por cento de da praia senaria do Cardial.
commisso a diminuir sobre a venda e a es- CT n cadenas americanas, urna banca
te fim dovera se entender coro o depositario, de abrir que serve para mcio desala, duas
SST Precisa-se de um homcm portuguez mezinhasde amarello com gavetas c chaves,
para feitor de um silio perto da praca ; na um par de mangas de vidro lisas um par
ruadaeadeiaD. 34. decaslicaes dois espclhos americanos ordi-
tzr Aluga-se um negro para trabalhar em nanos um candieiro Irancez de globo una
nadara, muito robnsto ; quem o pretender noltrona de Jacaranda rica com assenlo de pa-
diriia-sca ra I ireita casa de dois andares, lhinha, urna cadeinuha tamben, de palhinba,
entre duai casas tenas defronte das catacum- e de conduru urna dita de lariaxa para pi-
bas do Livramenlo. anj uma cama (le anS'C0 mJ<-,ra f0"
tS" Nos dias a a e *5 do eorrente, ein ora- os seus preparas novos um par de jar-
ea publica do Juiz da primeira vara do Civei ros Lhinez ludo em bom uzo e por preco
oSr. Dr Aires na ruadoRangel se ha de commodo ; na ra de S. Rita nova B. ib la-
arrematar um grande sitio na estrada de S. do do nascente.
Amaro defronte do Pombal leudo muilas 3" Um logao de ferro com 7 huracos 5 ao
arvores' de fructo excellente terreno para lado do Corpo Santo n. 69.
borla meloens e &c. c com boa frente para p" Manleiga boa a feo a libra, e de lem-
20
bem segura ; na ra de Ilorlas D.
mesma um escravo marcineiro
C^- Por preco commodo
com 4- polgadas de camprido. e rni
ra urna marquesa de condur dois espe-
jos dourados o quadro grandes dourados
da
na'da ra Direilasobradode 3 andares defronte
do becodoSerigado do segundo andar a
duas vidrassaslnegrn he creoula de nome Quiteria boa
fiq de largu-' figura tem estado doenle de glndulas, que
lhe sahiro no pesco o tem uma em um ca-
rosa 1 e uma peo,nena ferida ps inehados
porque tem estado em uzo de remedios, cuj
,a historia de D. J-nezde Ostro : na ra da, porque ,e... *mm*>wm iu uc .~> ^r
S SmD isdefSdoSnr. Tenente Co- negra tem oaunosde idade tem estado e.u
3 l.ru/ U. n ueironicuuoii Rio formo be l.em conhecida nesle luga;
roncl Carneiroj e uma escrava com boas 1
ha-
'*"
belidades.
^ Urna das melhores vendas no alterro
com commodos para familia ,
e com muito poneos fun-
: a tratar na mesma confronte ao sobrado
dos a 'ogados
(iiiintal e cacimba
doSr- Thom
Pcrcira Lagos.
SZT Uma negra creoula de 3o annos de ida-
de cozinba o diario de uma casa, lavadeira,
e oplima compradeira de ra j na ra estrel-
la (lo Rozario O. 33.
t^- Uma canoa de amaVelo que carrega 5
caixas de assucar, em muito bom estado fa-
I cicada de novo e com tallos os seus perten-
ces para seguir viagem ; na ra do Collegio
I). j.
ljm Ou arrenda-se um
Piranga povoaco dos fTogai
sitio no
lugar da
duas
porque esleve l com sen Sur. II. de Araujd
Jurdao por issosuspeilas ter hido para esse
hipar por ler sido encontrado para as bandas
dosalfogados : a muala be bem alta, cheia do
corpo nao e muito pela nem clara, cbelos mui
andados lambem tom tido glndulas no pe -
co o que bem se conhece ter le idas e
ainda algumas sicatrizes ja secas, e outras ain-
da em frulas tem o dedo da mo direita ao
p do polgar sem unba barba roncha le-
von vestido de chila quasi novo, o a negra
vistido de chita azul com flores amarellas, e
panno da costa com tanja* as ponas e le-
varan mais roupa que lurlaro ; quem as pe-
gar leve a dila casa que ser recompensado.
t~T Fugio no dia 1 1 do eorrente do sitio
de Luiz Gorffes Fi rreira um preto de nome
. Thoinaz de naco Nlocambinue iillo ma-
moradas de casas de pedrae cal com cozmlia ^ ^ y^J ^ ^
fora acsala para prefos es.nba.ia para V J ^^^ ^ ^ ^
caval os tendo urna das d.las casas sotao um ^ conhecido por Irabalbar
grande viveiro bastantes pes de coqueiros
larangeiras e oulras fructas, adverlindo que
lem lenle para se edificar mais de so mora-
das de casas ; a tratar na ra da cadeia velba
D. 3{.
t^T A possedecem palmos de terreno no
atierro dos abogados da parle da mar pe-
queo qoedevidecom umaolana pagando
ao reo o palmo por auno de foro tem a mai-
or parte do lerreno allerrado livre de agoa sal-
gada proprio para silio podendo ler vivei-
ro por ter proporcoens para isso ; na ra nova
Id i.
C3" Umaescravadenacao.de idade de "o
anuos, perfeila engommadeira cozinheira
em armazens de assucar ; quem o pegar leve
a casa do Coronel Cliaby no alterro da Boa
vista que sera recompensado.
S2F* Roga-sc a todas as aulboridades poli
ciaes commandanle do registe, e de enilmr-
cacoens mercante todo o cuidado em pesquisar
cm as escravas que forem embarcar h aver
se descobrem urna niinha escrava de nome
Felicia, creoult rosto comprido r hechi-
guento-, corpolenla alia levou vestido de
lila preta panno du cosa mullo fallante,
c sendo que a dila lenba procurado a alguein
para a comprar duvida alguma terei de o fa-
zer podendo me procurar a pessoa em cuja
eoptima'para todo "o servico ; uma muleca \ sa clla se a,ha ?*'* a,,ste '..i,ssirn como
de idade (le. o anuos, cose muito bem, ho- Pro,ps,a *&*< os. ,omos lni,tW |co,1,ra
achaques T11 a t,vcr OCCll!1 > Vmm a. F6ar leve a
ra velba casa de Joao Francio Santos de
figura
nao tem v
una dita de 8 anuos
na So um dito de mi
cos nem
um escravo
a idade
aques ,
u moco de
um molati-. S"1U(,1,a 'le {]'a"nca'M.
nbo de -5 annos de idade ptimo para na- I ** hW'*e as au holad Pol,c' i c
gen,, una linda ...ole.,, de .5 annos, urna rap.taes de campo aprehencao de um escravo
lias melhores moradas de casas terrea constru- crcoolo de nome Pedro Lauque, offic.al de
da a moderna paga de foro 660 por auno a sapate.ro alto rosto comprido and* por
livre e desembarassada sla Cidade e pela deOl.nda ,culcando-se
edificar casas.
Avisos Martimos.
peiro a 200 e em barriz mais enconta vi-
nbo bom a i(ioa garrafa e caada a i iao ,
qneijos bichas 5jo e 4K lrocando-se as
3ue nao pegarem ; na ra do Rozario quina
efronle da Igreja D. i5.
vo Abismo Cupitao Jos da Silva Oliveira X^r Uma lasa, na propria para caca por
salimpreterivelmentenoda3. do eorrente;, 4 ,Goo ; na ra Incita D. u9.
nuemquisercarregar, diriia-se a \m>co cr Bichas Cegadas paox.mamente a
Jos Concia ou a ra da Cruz u. 57 A. preco de ito ^o e 3 o a relalho e a os
P sahe rom toda brevidade o bem conhecida I'a-I W Dois pianos de superior qualidade ,
tacho S>. Jos uipuao -udqut.n -o^ i.ww, ---- --r- .-------------------> ---
quem no mesmo quiser carregar dinja-se ao do Collegio 1) fabricas de chapeos.
mesmo Capilao ni praca do Commemo ou *^ Rape pr.nceza da Baha de muito
na ma da Cruz n 5?. suprior qualidade^ preco de mil rs a libra;
nadara da ra do Peinlo das 5 ponas
%5F Um cavallo por 3oo,ooo preco pelo qual
foi comprado na provincia da Parahiba : he
ruco apalacado bom passeiro carregador ,
e afamado esquipador bem novo e muito
ardiao
tSF Um Diccionario trilinge latino ,
prego e francez conlendo no fim 011 tro de
I termos e modos de (aliar latinos e france-
ses com os nomes das principaes Villas, Pro-
vincias I einos ; e ros do mundo ; no pa-
teo de S. casa D. 1 lado da Viracao.
tST* 6 escravos duas pretas coin boas lia
belidades. cozinhao engommao e coscm ; a
dilas de 1 i a 16 anuos que fezem lodo o ser-
MCO de urna casa ; uma molala com boas ba-
belidades e ptima para lomar conla de urna
casa e um prelo bom eumeno e para todo
o servico; na ra de agoas verdesD. 37.
Escravos Firgidos
.. ,
LeTinr
na na da Cruz do, Ricife n. i| e na praca
da Independencia loja n. 7 e 8.
tST Urna molala de bonita figura, e-bas-
o- One fazem Crabtree Ffcjworth & C. tanle robusta de idade de ai annos, engom-
nnrinter'venco do correlor Oliveira, de um ma cose alguma coisa cha e laz todo o ma.s
Completo sorlimeuto de fazendas inglezas. ter- servido de urna casa ; e urna nei;ra para lora
lu I. -. -1_____1.. m....i>5 .!: nniiiiicia erro., a. de idade de o anuos.
1 leira >i do eorrente. as o horas da manba
no sen armazcm do lorie do maltes cujo lei-
lo he a continuaeo do principiado em 10 do
eorrente.
Vendas
IST Superiores CharuTos da Cacboeira ,
ullimam^le chegados en. caixas de 25o por
,fooo: na rnadoCahug loj. do Sr. bandera
1 8^ Medobhn de Angob em barricas, ou
aretalho. por pre.o rowaaodo ; ra da
Cuu u. 3i.
n
da provincia creoula, de idade de o annos,
com as mesmas hahelidades ; na praca da In-
dependencia n. Jj e se dir.
\rf Um escravo moco, sem vicio ; e um
terreno de propriedade no atierro dos afloga-
dos do lado do asente com aso palmos de
frente e i mil de fundo por preco commo-
do ; na aua ireita sobrado '. 10.
^ Uma escra\a creoula de idade de ifc
annos lv todo o servico de una casa ; na
ra do assogue \elbo na Boa vista em casa de
Joo Asluai l i: u 1 bu rema.
t*g- Uma cadena de % bracos ;
nova
t^ Na larde do dia 15 do eorrente de T-
gipi desencaminhou-se ou fugio de um
comboi que liia para o Brejo da Madre de
I eos um molequede nome Cacemiro de 10
paro 1 anno 'le Wde o!!:os grandes c
sobranceilhas c heicos grossas, nariz compri-
do e pouco chalo embigudo com uma pe-
quea ferida nos escrotos com camisa e se-
roula de panno de algododa tena c chapeo
de pa Iba ; quem o pegar leve ao Padre Luiz
Carlos Cocboda Silva morador no Brejo da
Vadre de Heos na fazenda do oco ou a Jos
Cordeiro de Carvalho Leile morador no Re-
cife.
XSf No dia iP do eorrente pelas 8 horas da
manb dcsapareceo da casa i). 6 defronle da
Matriz, da Boa vista um prelo bucal que
nao sabe dizer o nome de seo Sr. de nome .
Joo estatura regular com barba na pona
doqueixo, cara redonda, pcilos allos com
alguns cabellos brancos na cabe.a e sem
membro por ter sido cortado bem rente a os
escrotos levou vestido camisa e calsa d
Serinhaem de
gralificaco,
SSF" Fm Janeiro de 1836 fugio deste Reci-
te um escravo catira de nome Joo de a-{
annos de idade dizem ter mudado o nome e
com titulo de forro consta andar trabaihan-
dodecarreira nos engenhos do Sul o qual
escravo tem os signaes seguidles ; estatura or-
dinaria, no lempo que fugio conservara uns
pannos pelos rosto at o pescoco que por se-
rem grandes pouco se divisava denles abertos
nao tem quasi barba nenhuma cabe a com-
prida hcapiMxonado na bebida espirituosa ,
e de fumar cachimbo bem (allante, e tra-
balha igualmente de cuchada e fouce ; quem
o pegar leve a ra da Madre de Dos casa n.
igS.
%S3~ Hontem a 1 do eorrente s duas horas
da larde fugio um molcque ire'o ladino, de
idade dedez annos com carniza dexilla, o-
Ihos grandes e nariz xalo quem o achar ,
ou delle t-ver noticia dirijase as Siuco-puuUts
na venda De 46, que sera bem recompensado.
Movimpiito do Porto
iv A vms v v-T'n \ rtr\c
Til* -_
algodo ; quem o pegar leve a casa dila ,
lera 5o,ooo de pratifuacao.
e
que
tz" No Domingo aodo eorrente as 10 ho-
ras da noile fugirao uma negra e uma molala
RIO DE JANEIRO; i3 dias; Biigue Nac.
Pedro ?.de 966 tonel. M. Jos Anto-
nio de Souza equip. |3, carga carne sec-
ca ; ao mesmo IMestre ; passageiros ti bra-
sileiros e6 escravos a entregar.
TERRA NOVA; 4a dias Brigu
Orielde if> lonel M. riller ,
a Harrisons Latham C.
SAHIDOS NO ^ ES O UIA
ARACATY; Patacho Nac. Laurenlina M.
Antonio Germano das Neves carga varios
gneros passageiros 1 brasileiros /\ cria-
dos 5 escravos dos mesmos e um porlu-
carga baralba'o ;
e Inglez
equidp ,
guez.
ARACATY
Patacho Nac. Maria Luiza
M. Ignacio Marques, carga diversos g-
neros ; patageiros 8 brasileiros h criados ,
e 4 escravos dos mesmos e um perluguez.
OBSERN ACOENS
Ao amanhecer lez-se de relia para o sul o Bn-
gue Sardo Oracura Fany
HEC1F NATYP, PE M. F, DE F..-.i839
?


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM1CEZP8X_CI7KP5 INGEST_TIME 2013-03-29T17:20:25Z PACKAGE AA00011611_03928
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES