Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03922


This item is only available as the following downloads:


Full Text
TT- VP


4NNO DR839. Tercj
t Iy-
RIRA
Tudo agora depende de nos mestnoi; da noss prudencia, rr.odera-
fco, e energa : cuntinuemos como principiamos e seremos apontados
feom admiracao entre as Mares mas cultas.
Proclamnco da Assemblea Gcral do Ilrazil.
Suhscreve-separa esta folha a 5ooo por quartekpag.s ndianlailof
tiesta Typogiafia, ru das (.ru/s 1). o, e i a I raca da independencia
t). S7 e 58, onde se receben! coi respoudencias legalisad*, eannuuciosj
nsriiid*-ie esles giatis, sendo di spropnos assignantes, e viudos assig-
narios.
Parlidas dos Coi reos Terrestres.
Cidade da Paraliiha e Villas de sna pretenco...................\
Dita do Itin (i ronde do Norte, e Villas dem...................f ...
r i-,,/.V-" s "i!*... >Seimda Sextas Fciras,
llita oa l'' '',l' za c > uma lutin. ....,.,,.,....1 o
Villa ce oianna................................../
Cidade d Olindu..................................Todos os das.
Villa deS. AnlSo ...............................O linUs fe iras.
Dita deGaranliims e Pov'oaco do Mr. ni lo.....................|),as \0 e a4 dcada mez.
Diiasdo Caio, Scrinliaeoi. Rio Formozo, e Porto Caivo............ dem 1 11, e ai dito dito
Cidade das Alagoas, e Villa de .Macci.........................dem dem
Villa de I'aja de I-lores..............,..................dem l\ dito dito.
Todos os Correios parlm ao meio dia.
l5 DK UUTUflftO.
NunIrbo 225.
CAMRIO^.
tcbio. ?4.
LondFes......34 a 31 e \h por Ifooo ced. nominal.
Lisboa....... 5o por 0/0 prcaio, |>or mcialoderecido.
F(anca.......390 res por franco nom.
hio de Janeiro ao par.
OLHO Moedas de 6#4oo rs., Velbas i4f*oo a
Ditas ,, Novas i4#joo a
Hilas de 4^000 rs., Ufana a
PHATA Pataces Rrazileiros------------f/Ho a
,, Pexus Columnarios--------.. i|5l0 A
n Z)i:os .Mexicanos-----------------i^jio a
Premios das l.elras, por mez 1 1/8 a 1 l|l por loo
Moeda dc cobre 3 a 4 por 100.de disc.
15oo*
1 70o
Das da Semana.
20 Domingo-----S. Jomo Cancio
Mare chela para o dia 1> de Outubro.
As ti horas e 42 mir utos da tarde As 12 horas e O minutos da manli.


s=4
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
SENADO.
Fesso om o de Agosto de i83t.
Presidencia do Sr. Diogo Antonio Feij.
Reunido sulliccntc numero de Snrs. sena-
dores abre-Be a sesso, e lida a acia da ante-
rior, e approvada
Expediente.
O Snr. primeiro secretario l um ofFicio do
ministro interino do imperio, remetiendo os
autgrafo. sanecionados das dnas resol urcs da
assemb ea geral approvando as pensoes con-
cedidas a Antonio Joaquim utiese a Jos Ig-
nacio da Silva Ourives : fica o senado inlelra-
do ^e*manda-se partecipar a cmara dos Snrs.
deputados.
Urna representadlo da cmara municipal da
Villa de S Matheus da provincia do Cear, pc-
dindo a creacao de urna nova provincia, sendo
a sua capital a villa doCralo eonimissao a
% qoc esta airela um projecto sobre semelbantc
materia.
Ordem do dia.
E' appr vado em primeira discussao pa-
ra passar a secunda o projecto de lei do se-
nado que eslahelece as bares para o contracto
de casamento da princeza imperial a Snra.
i). Januaria.
1.' approvada em terceira discussao afim de
ser remmettida outra cmara a resolucao
do senado que app ova a tenca concedida ao
capilo de fragata Antonio Pedro de Carva-
llio. y
Entra em primeira discussao a resolucao do
senadoque annula a lei numero 63 de 1HJ8,
da Assemblea do Varanho, que reuni em
um s magistrado osempregos -re juiz muni-
cipal e de orlaos.
E' o J crecido e apoiado o seguinte requeri-
menlo .
Proponlio que esta resolucao fique adiada
al se lindar a lei da interpreta ao do acto ad-
dicioual Alenear.
A rcqucrinienlo do cnr. Vcrgueiro au-
tor isada a commissao de redac o a mugirs
emendas do senado fixaco da forca de mar,
de maneira que se cutenda que os (apellis da
armada, c da ar.Iberia de marinlia tenho
a nnsiua gratiicaco concedida aos cirur-
giSes.
Tem lugar a discussao do parecer dascdia-
inisscs de commercio e fazenda Z, de 1 h. 8.
que [irojioe a regoicao da resolucao da cmara
uos Snrs. deputados que concede a ooGo-
mes JN'elto o privilegio excluzivo da navegcSo
por vapor em diversos rios da I aliia
Dada a hora, fica adiada a discussao
O Snr. presidente da para a ordem do dia a
continuaco da discussao adiada, a continuaco
ta segunda discussao do proiecio de interpre-
tarlo do acto addicioual edepois do rneiodia,
traballiode commisses.
LevanU-se a sessu as duas horas da tarde.
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sesso em 3i de Agosto.
Presidencia do Snr. Araujo Viauna.
As 10 horas da manli l'az-se a cbamada ,
c lofo que H reunenumero legal de Snrs. de-
ptitados, abrft-sca sesso, le-se cappuna-
6e a m:U da antecedente.
O Sur. primeiro sccrelano da conta do ex-
edicute leudo um officio donumslro do im-
perio, remetiendo o officio de 97 de agosto
prximo findo da cmara municipal da ca-
pital da provincia do Para, parlecipando lia-
ver expedido o competente diploma ao terecim
suplente, o doutor Joo Gandido de Dos e
Silva para lomar assento na presente sesso
como deputado assemblea geral pela dita
provincia vislo nao poder comparecer o dou-
tor Marcellino Jos Cardozo pelas rasocs
constantes do seo officio incluzo por copia.
Fica a cmara inteirada.
Le-se, e approva-se o seguintc parecer:
Jo^e dos Santos Viejas lente coronel de
de addiamento podera' ou nao fallar sobre a
materia, e por isso desejava que o nobre de-
putado que propoz o addiamento se explicasse
melho' a semelbantc respeito. Enlende que
o artigo do parecer da commissao pode ser dis-
cutido antes ou depois do orcamento rela-
tivo a recolta. A commissao propoe que se
insira no'orcameuto o artigo que oTerece
Deseja pois que a cmara rcllita queamate-
ria (' de summa importancia e porisso duvi-
dn muito que acamara na occasio de se dis-
cut ir o orcamento lbe possa prestar toda a
sua altenco. Julga que nao nessa occasio
cavallaria e actualmente reformado reque- que se deve discutlir um objecto'de tanli
reo a esta cmara que leudo batido um enga- | magnilndc como este; mais se a cmara en-
I no na quanlia que (ora designada no decreto, tender que o pode discutir nessa occasio, en-r
de 17 de junbodcsteamii), fossem de novo de- to nao se Qppe ao addiamento, e s lbe
volvidos ao governo o dito decreto e miis do- pede que trate desle objecto com toda a pro-
cumentos a fim de ser dcsfeiio o engao : por j fundidade. Mostra que ainda em parte al-
lanto a commissao de parecer que sejo re- g|ima do mundo se vio que una medida des-
medidos ao governo o sobredilo decreto c
mais papis do pretendente,
Paco da cmara dos deputados 6 de agosto
de 8 "9. Joaqtiim Manoel Carneiro da Cu-
nta. Gomes da Foneeca.
O Snr. (arneiro da Cunba pede a pal a va
pela ordem e depois de motivar o seguinte
projecto o remelle a meza.
A assemblea geral legislativa resol ve :
Artigo 1. O governo fica autorisado a man-
dar um engenbeiro villa da barra na mar-
geni do Rio de S. Francisco, para lirara plan-
ta topogrfica do paiz, afim decrear-seai
urna provincia desmembrando-se de NJinas
Geraea da Babia de Pernambuco e do l e-
ar os territorios precisos
I rtico
tOinalurcsa fosse incluida em urna lei do or-
camento Desoja que sobre esle objecto o go-
verno se expl'npae com toda a franqueza ; ao
orador nao lbe assusto todas cssus dcspi/.us
ol|uelemc(5 o estado da incerteza em que o
governo se tem mostrado. Concluc ptirt.lu-
anlo sendo deopinio, que a cmara de ver
determinar que,o parecer se discuta lora da le'
do orcamento-
A discussao fica addiada.
Acbando-se na sala immediata o Snr. mi-
nistro da guerra c reeebido com as forma-
lidades do estilo e oceupa o competente lu-
gar.
Scgundf parle da ordem do dia.
"ontinua a discusco sobre a emenda do
Lili; o /. O governo calculara' a despeza senado, que manda aerrescentar no artigo 6.
necessaria e pedir' cmara que o decrete da pro pos la a fixaco das torcas, de tena, a
na lei do orcamento no anuo futuro,
Paco da cmara dos deputados < 1 de agosto
de 8 <>. J. M. < arneiro da Cunba
Julg.
[iriinir.
Julga-se objeelo de delibera ,o; e vae a im-
Primeira parte da ordem do dia.
Leilura de projectos e indicaco
I Jul"a-se objecto de deliberaco, e vae a im-
primir um projecto de decreto-do Snr de-
putado Joo Jtlandido de Dos e Silva, para
se crear urna nova provincia na comarca do
Alto Amazona com adenominaco provin-
cia do io Negro- desmembrando-separa is-
so da provincia do Para lodo o territorio coin-
prebendiilo ptda comarca t\o Alto Amazonas.
O Snr. \ launa (pela ordem) abserva que
se vae distribuir na casa o projecto sobre a
compantiia de navegaco por paquetes de va-
por ecomo ocha milito importante este.ob-
jecto, pede ao Sr. presidente que com prefe-
rencia a oulros qualqiier Irababos o de para
; ordem do dia na primeira parte; pede que lome
esle negocio em considrraro, bnibrando o
quanto convem que ocorpo Legislativo pres-
te toda a sua alten o a scnielbante objecto
Patsa-se a discutir o addiamento pro; oslo
1:a sesso anterior pilo Snr. Vianna ao pare-
cer da terceita coinmiu de iuseuda sobre a
erni-.io de bilhetes dotesouro.
O Snr Vianna declara qne o addiamento
que pedir na sesso antecedente lora para
autorisaco para o engajamenlo de estran-
getros nos termos da lei le ao de selembro de
1 i 8.
O Snr. ministro da guerra explica o que da-
se ni sla cmara acerca do engajameuto dees-
trangeiros; e mostra que o governo enlende
que tal engajameuto til em vista das cir-
currslancias em tpie se acha o paiz.
O Snr. Nanea Machado declara que tendo
volado o auno paseado a favor da aulorisa-
co concedida ao governo para engajamenlo le
eslrangeiros, eslava resolvidoeste auno a voto
contra a nova concesso (pie se pretende fa-
zcr ao governo. F] como nao julga licito dar
sobre tal objeelo vol simblico expora' as
- em que se funda. Vota contra a emen-
da viuda do senado, nao porque^ elle orador
nao esteja ainda firme em seos primeirosprin-
cipios, mus porque as circunstancias agora
sao difireme. O orador declara que muito
etnbora um nobre 9 nador a quem rmiilo res-
pcila tenia proclamado no senado que 1 c-
mara dos deputados anatquisa o povo* que a
cmara dos deputados invectiva o governo .
pois que quem assim seexprime nao faz j Au-
ra cmara dos deputados. Mostra que o go-
verno tem encontrado na cmara toda a prote-
c,;i o ,i man decidida : oulros sao, c nao a c-
mara os quti ai.arquiso o novo. ola que
ble nnosaio do seio desla cmara u-
in:i lei sobre ainterprclaco do acte addicio-
nal e Ib i dirigida para, a cmara vitalicia
que se tratasse d'esta materia quaodo se dis-1 e chama a altenco dos Snrs, deputados sobre
cutiste o orcamento na parte relativa a invita, oque se tem dito na discussao desla lei : con-
Observa o arador que si essa medida Coi chiindo que oulros sao, e nao a amara os que
Ilegal, o que elle nao enlende que lora en- ; anar.ui>.o opovo, e desacredite O governo
lo aecuse-se o governo ; sensure-se ogover-etsveneunando as suas inleiuoes. Nao se po-
no ; mais os bilhetes hodeser religiosamen-! der;i poisdizer te pagos. te pela medida do senado, nao que? dar uieios
O Snr. Montcsuma ignora se nesla discussao ao governo para o reslabclecimenlo da ordem.
A cmara dos deputados est disposla a susten-
tar o governo como o tem lei lo al a qui. mas
cumpreq' o governo saiba merecer aconnanca
da cmara Silba declarar-se com tranque,
pois que nao ser de onlra maneira que ello
lia de ganhaf a sua confianga*. Mostra que o go-
verno que competle vir ao corpo legislativo
propor as medidas que julgar convenientes pa-
ra salvar o paiz ; porque todas os veses que
ocorpo legislativo tomar nesla parte adian-
teira ao governo elle sae do seo lugar c po-
de um semelbantc passoaccarrelar consequen-'
cias damnosas ao paiz enlende qtieo bom ou
mao resultado de lodas essas medidas tem por
garante a res;onsabelidade dos ministros.
Depois de fazer dillercnles ohservaees con
clue volando contra a emenda, |ior entender
que a malcra foi inconstilucionalmente ini-
cianda no senado pois que a iniciativa sobre
laes objectos c s dada cmara dos Snrs. de-
putados.
O Snr. Ribeiro de And rada vota contra a
emenda, por entender que ella se opp5e a
coiisliucao do estado pois que sendo a luasii-
tuigo leil.i para nrazileros, a forca armada
de que ella faz menco de\e ser con posta do
brasileiros. e nao de estrangairos. Mostra que
esta medida em vez de ser um bem um mal
para o paiz e que ira arraigar cada vez mais
o odio contra os eslrangeiros. Moslra que nao*
p >r meio de tropas eslrangeiras nern por
medidas crues e de terrror que se bao
de ver acabadas as desordens do brasil : eslas
medidas pelo contrario bao de augmentar a
rcvolla.
Lauca um golpe de vista sobre as revoltas
que tem bavido no imperio, falla das que so
fizero no sentido retrogrado, como as do Ce-
ar as de Pernambuco, e das Alagoas e
nota que nao foi com tropas eslrangeiras
que ellas se extinguiro foi com tropas na-
cionaes.
O Snr. Andrada Machado voto igualmente-
contra a emenda,
O Snr. Voura Magalhaies mostra que o go-
verno pela lei de fixaco de forras do presento
auno que ha de lindar em junbo de l.pi,
est autorisado para o engajamenlo de eslran-
geiros ; logo para que quero goverco esta au-
torisaco para o anuo de i84o a i*jr.
Si o governo n esse tempo julgar que neces-
saria a continuaco de urna semelhante medi-
da que faca a sua proposta. Vola contra a
emenda, nao pelo recelo que tem de que ex-
isla urna br a eslrangeira mas porque en-
teudeque segundo a constituico do miperio
esfa ggdida '> deve ser propoafa p<*lo 'inver-
n e nao por urna emenda de um Snr. de-
putado ou senador. Quando a medida par-
tir do governo nlo nao duvidar.i volar por ella.
IMostra que a medida por semelbantc modo
proposta cantralra a constituico e en-
lende que o mais regular que para o ainjo,
se ascircunslancias do Brasil Ibrem exlraordi-
nai ias o governo que venha fazer nina pro-
posla pedindo essas providencias, pois que o
actual governo est autorisado pela l* para
fazeree engajamenlo Torna a repetir fOO
vota contra a emenda nao pelo receio queleni
de que tres mil eslrangeiros pessfc fazer
grande damno ao paiz, c al c-M persuadido
que elles muito podeni conearrer para a boa
disciplina do exercito, mais parque tem diaiito
de si a eoiisliluio do imperio.
Depois do Snr. ministro, e o Sr. Carneircf
Leodelenderem aen.cn la, da-se a materia
por discutida,
O Snr. Ministro rclira-sccom a mesnu or-
I


^


DIARIO
*
, D E
PERNAMBUCO
malidade com que cnlrou. %
Pe-so a votoi a emenda e rehilada por
K* \olor eoifl i a 18.
As mitras" duas emendas do senado sao ap-
srovadas.
O Sur. Carneiro Leo requer que o projec-
hpseia julgado vanlajoso parase requerer ao
enado a Cuio das duas cmara. Assim se
irenee.
O Snr. presidente nomcia para a commis-
Psao que ten de dirigir ao senado aos Snrs.
F Carneiro Leao, Limpo d A breo, e A adrada
l Machada.
Continua a discussio do addiamento pronos-
r to pelo Sur \ ianua a: parecer sobre a emisso
^de hilhclrs do lesour.
Julga-se discuti o addiamento e posto
f a votos ao se approvu.
Fica cr.i discussao o parecer.
Approva-se um re.inerimentode addiamen-
to doSr Vootesama para que seconvidepa-
ra assislir discussao dcste parecer o Sur. mi-
nislio da fazenda,
O Snr. presidente da para ordem do dia a
mesma materia dada e mais a resolueao nu-
mero 10; desle anuo, sobre paquetes de vapor,
a resolueao numero ^-> desle auno, numero
to, e 151 do anno passado : o orcamenlo das
desperas Jo miis e i) da marinha, e levanta
sesso as duas horas e meia da tarda.
pernaimbuco.
TE^pRARIA DA FAZENDA.
EX r-F. DIENTE O BIA 10 DO C>nF,NTE
Ollicio-Ao Inspector (eral do Thczouro
Publico Nacional pedindo par expedir as su-
as ardeos no caso de ser necessario para
terem odevalo andamento dous autos (te re-
vista em que be recorrale a Fazenda Pu-
blica c recorridos Joaquim G'oncalves Mei-
rclles, e N O. Biabar.
i ito-Ao Exm. Presidente da Provincia in-
formando obre a rpresentarao do Escrivqo e
Ai! ministra don da Meza de Pendas Prnvinriaes
a respetad s rendimenlos que pila Mea d
Consulado rlevem ser entregues ao I bezouiei-
aquella tteparticfo.
Dilo-Ao Commantlante das Armas, como
requer ment de I ami.io Jo/e d\\lbu juerque
pata sobre elle dar o seu parecer.
Dilo-Ao Contador da mesma The/ouraria ,
remcltcniic-llie por copia as ordena1 rio Tribu-
nal u!)lico nacional re i v de
Selembro do corrate anno sob nmeros ).
e oj mandando papar o Subsidio do ultimo
mez ra essao do corrate aaao d'Asscmblea
Geral I ogislativa aos Dcpulados por sl i
Provincia Luiz Carlos Coellio ra Silva, e
". anoel do Monte Rodrigues d'A raujo.
Lito-Ao Inspector do Arsenal de Marraba
coin o equerimenlo de Joze Rodrigues dos
Santos para dar seu paracer a respeta da pre-
tendi do mismo.
o lacia-\o Thezoureiro da Fazenda man-
dando entregar pela l'aixa do rendimentode i
porcealo applicado ao pagamento ra divida
esterna ;i Frederico Saundere Procurado!'
de M Calmonl & Companliia de i~:&f]itb 8
reis, corresponden c a 5 >'libras slerlinas ao
Cambio de Ci dinbeiros por mil reis valor
de huma Letra arada favor do Ministro do
Brasil em Loadles.
*'
i>i\t.^ix Ht'jarrjctn' >.
ALFANDECA DAS FAZENDAS.
O l'rigue Hamhnrguez I olidoro viudo
de Mambiirgo, entrado em i*j rio rorrele
Capitam H. iJuekeld consignado a A. O
Bicber &C Comp
Monifeslon o Seg-uinje.
Y) tslaixas com errajem .o ditas osea la-
teadas -i lardos rom litas 5 cai ..as com
cilios i 3o luiras d a/en 4 c ivas rom
- lonas, "-H 1 peanas de ca! 01 177 bai
com gincl ra 5 Cardos com pape! dito rom
papelo > canas com ^cma lacea a bar-
lij^s com lvaiar!. 7 caixas com pertences
para chapeos, l dilas com carias de ogar ,
'oojparri.l'ii com ginebra, -(,"> barricas com
ac y i.iixas com pelucia > dilas
ni miudezas >) birneas
n a caixas com rap I o fardos
cai.xa em fio 10 gigns
%yo* vm. 'o di les rom oleo de lini.aca 1
s 1 fardo rom l'un o bar-
ia 10 bar m bixas .
S I c ni sifho ,
' : ; I ans rom 1 >
le fumo 1
o i h
, ? a ca das joco garrafos
va.ios, 1,0 caixas cmTqueijos *x dita eftn. lo. Supponhamos que em bum ramo de f**^ f^T^^^^^
velas, .diU com oleoL dita com pi- agricultura jpmp.egam dex lrabalbado.es em edas 01. penat.a com
- um s campo : o doao podena
auno l
dita cortt coaserjiisi "
;anhar aiais
cativaudoejn logar daquelle. oulro.ramo em
que IhebalisseempregaTdois borneas p6r
r;ue leudo de pagarme:) s a 8 liomeni podena
pjupar mais rio que o dfferenca rio valor do
Fructoda primeira coltura ; ou da,segunda.
Os que eattMi distiaad isa viajar sobrea pu-
1 piosprridade, nunca rlevem perder de
vista os diversos ramos de agricultura pois
se bem se reflectir co;ibccer-se-ba que o
rpic parece miude/as de pouca monta ,u;s|c
ramo pode ser origem de vanlajosa itlilida .e
trosgenersdcgficullura ; aem queirodiz. r,
tiue se bata de mudar a cullurar dos lerrenos ,
|OC aao sao mais proprios para oalro genero
o ue para oquedao. Aatcs pelo confrand
digo, holeninguem, que tenha alguns eo-
nbeeimentos de Economa Pohlica o pode ig-
norar que sopor unios braudos se propaga a
agricultura ; medida que as producScs se
multiplican!. O ponto pois esl em lavoiccr-
se indirectamente a cultura ros gneros de
maior nlilidaile ou soja carregando-a de ine-
110* impostos ou dando ao commercio da
^o'Zr rSXfW PO, aes- geaerosPmais nec,s.rios maior W^dade .
V L,!,-n,rir o genero d u' mais lende a aurmentar a massa das pro-; c.sao. <) bomem lem ITWa a repugnancia em
'" mais tenue .1 du ____:' r,.,. ai.lln me obn.am a (uzer e abran-
. lardos com
laboiubas 1 ba nica comib/erros de lustro,
1 lata com eslampas.
Fora do manifest.
3 Gaiolas com \ canarii
- A Pauta be a mesma do numero i83.
MEZA DO CONSULADO.
- A Paula he a mesma do numero i 15.
COUREIO.
O Paquete Inglez Seaguel, recebe as malas
para Bbia e Rio de Janeiro amanbaa 10 as
9tcuna^UE^ran9ar^
mala para o .1 io .Janeiro ,lo dia\ do cor- ro de- bracos proporcionalmen.e a W'^I^J^
reale as 11 horas da maaha.
Pr.EFEITURA.
r-AiiTF, no ni* i3.
Illm. c Exm. Sur Parlecipo ; V. Exc. ,
que das partes boje receladas coaita somonte
i veis que lbe poem em aceo a mola ra vonla-
llaramos de a-ricalu.n que poden aug- de ; por conseguate para obler-se de um bem
ZT^SX a-.naae's de uL tena e con slanle ,;e que nao 7F^
diminuir a de oalra em maior proporporclo. mal mator preciso guiaMo sem violenew.
S^: Iplo tirar partido l um ter- Quando urna Nacao ^J*^"**
reno anillado re qc,s F,l,.w,te --3. K&f ^--1^ rrr^" r;s :;'r:,;,:xr:
que fora preso Imnlem a miaba ordem pelo qne as nevoas que se IcianWm sonre a sua muim e#s
U-^L (OU o ^ Jo:,quim de s,,,,;o, k. *.. .r *^^~SZ f
.Sania Anua por ter entrado em casa de urna muito damno por onde pa-sairm. A evapo- 1
parda, e querer Corcal-a rasganlo-lbe o racao da gaa nao se faz em razao ra sua
vestido cuio preso te ve o com peleo le desli- qnantidade absoluta mais sim ra sua super-
no, ficie. A experiencia nos lem demonstrado,
DU 14. que os paizes hmidos sao muilo mais expostos
I'ImTe Exm. Sur.Foro prezos bontem ; a nevoas, ebuvas. e saraiva dolque os seceos,
minba ordem, e tivero boje deslino J Mala- I aqai aasce a segunda regia sobreest ponto
quias e Joze prelos e escravos este de ,.__nunca preferir o genero de 1 a ,
(lillas, e JOZ.e |HVUW c c.iii>uj, +..,*~ ^ ,r----nunu |nmm ii- ..
Jv.e Frrnandes da Silva, eaquclle re Maaoe 1 possa eauzarm influencia norlima.
Antonio da Silva pela Guarda da \!c/.a do Ha gneros de agrie illura que ao pnnci-
Consulado por brig.i da qual resuliou sair pi moslram ulilidade mas que em se o.ui
o-., ferido na cabeca com urna pedrada que gando, a Ierra faz-se estril, onde pouco
lliedeooi ; Pedro Caelano e Fnincisco prodaclo Nesle c.iso ser o ialeresse geral da
Neri tambein pre.os pelo Sub-Prelei.o de l.aecao opposlo ao dono daqneHa erra Ha culcava "^"^^%
S Antonio, este por sJpei.a de ser desertor mullos le. renos reduzi los boje a esteris arcas na nossos ,l,a, ; e tal be a esrola que appre
llalli ) \*\t\**<-r v#* w ,..-. _--------
leis indirectamente. Porcia (pianlo mais ig-
norancia bouveremuma Nacao, mais pera
contrario sujeedo; istoobram as leis clao
directa e os bomens indirectamente
O Ulindense. A.
Carapuueiro
Forlar, emcnlir, adular, c Repartir.
Tal be a mxima que mai frescamente in-
;i
senla maior, e n ais respeitavel numero re
discpulos. Fuilar! Pois ba cousa mais
bella e proveilosa rio que Curiar i1 Sem fur-
lar quam
poneos enriquecen! Sem birlar
le > arinba eaquelle por acoular em suki- nHeantigamenle se-nndo nos diz a Historia ,
7a escravos a Ibeios ; Temolbeo, lambeni pe- foram abundantes campinal. Talvez que o
Irj escravode Mariade tal pela pilrul a rurso das-aguas banbamlo a carnada vegelaliva
lo armo, por suppol-o fug.t.o: Antonio da Ierra ll.e lenba insensivclm -ule tirado os .
Luirn, e Varia Ant.;ia, pa.dos pela sa s e as parles uncluo-as que consh.uem quan nao cu, a a v,u, Sem furUr,^que
patrnlbadaRibeira, pora terem insultado: a feeundndT.e toteaba deixarlo depois da llic.l aao be ebegar ao lasl.g.o das graneis
Dominaos, nreto escravo de Antonio da ma seria de scalos se nlo um^terreno spu- bqmanas-.
Cuaba" pela ,. palrulba das Ponas, pO| rio. Porem a poli.ica sabia penetra no porvr, \ S,m o lurlo leu, assenlado o seu imperio em
caco traCtarde, c sup ol-o fgido An- c ensina aos povos a na.se enri,,oeere,a ,a todas as ger.rcb.as, em todas as c asses em
tonio.am'em pre.o, escvo (te Uu Joze fc.m,i. cnatad(M seus desee;,denles ser po.s Lalos os rMabelecaaealos sociaes Ouaatos ho-
Sampaio, pr u.n soldado de -oficia pires- a len eha regra geral p'.-epr O genero de mens vemos arada hoalcm I sliluulos de. me.os,
lar espancaadoa ama peta Jo/.e de vlou.a agricultura que melhor convier conserva- ou mar ,rr.nc.p1anles em MU 11 e no,e .la
-, -los, branco, pelo meo O.denania por ,,1(, ,|, i.-, noUe para o d,a cmd.nh,,,aclos m.t.nlo, en
!.ri : el ramisca aria do I o/.ario pela K'fcil de perceber qnanta seja prefeme 1 grossas espceulacoes, **<*** I iverao gmn-
peloSub Preieiloda l'.oa-vista por estarca Urarmosda Ierra o no rdem, e nrollcrindo i.al.-vras obscenas di- primeiroque ludo o mais e quaalo o ali- grande la Eoleria de Londres; 1 aml.em nao.
ante de familias l.onMtM. ment de neressidale Se leva preferir ao de Apparceo-lbes alguma almml.a pu.losa do
E' o me consta das parles boje receladas niro pra/er Se ama rovincia aova em- oalro mando .nd.g.laado-H.cs onde liavui
nesta iecretark. pregasse tolo a terreno de que la/, uso em cal- caixoes de dii.heiro enterrados: JNada: que
livarsomente asnear ( por exea.plo ) fun- ha muilo nao ha alma, queprese para
dada na ra/o le adiar no valor total de sua consas Logo orno l.io rapioaincaler-iinqucc-
FCONOMIA POLTICA.
Observacoens sobre a Ag icallura.
rao esses hxues ? FurUrao aiailo C de pressa;
e eis explicado lodo o my&le io
ile de advirlir que o Untar accom
pan
1a
produccSo maior lacro do q c em semear mi-
lbo 011 mandioca, pas-aria esta provincia
vipservaioens sume 1 nginunuiu ama vida precaria e dependente das outrm5............... ,-- ,
e se estas i/esen: o mesmo ,. muilo maior se-, por via de regia o mentir ; por oalra que a
Where AVcallb and Commcrce lili tbeir gol- ,;, a sua dependencia pus seria precite*- mentira anda ipiasi sempre na garapa do lur- f]
1 >! l-'-ads : farpm-l, ,<* MimitArm o sustento tOJ Ea son por ex. Mercader para im-
pingar gato por lel.re c eaibacar o mea pro-
[ dea he;
An lo'cr 00r labours Liberty and i.a\v ve por lano aquella provincia tirar piinieiio
ImpartUl 5 watch ', tbe wonder of a world qce ludo do sen terreno os alimealos nece. sa-
lbomsoa. Spring. iios? Eis aqu pois teremos por quaal 1 rc-
gra geral preferir aquella ramo de agricultura
1" ic1, l'K'a J a tiiju. in.- 1 i.n.w ..^ .,(j.
Todo ospa o de terca a maleria prima- ,|(. salisfas as pre^zes Hsicas al <
ia da Agricultura : so esta coasliliTC as verta- haja que recear para o luluro /
xinrocaiLM) ler sempre de ausento esobre
mao hama factura ananjada arl boc pormeio
da nal e de mu i la labia fa a ver a os fre-
na------.
deiras riquezas las \acoens pois sem a ag l
cultura nao pode baver commercio aem 1
nnfacturas ; e as verdadeieas riuuezas i:
penden lara til aoSlido poi
dudocs: aquefie porem me as an aun
para oluluro /
Outrosobserva oes se pdem fazer sobre a
agricultura erledu/ir dellas (Mitras re:-.ras
|ue nao gae/.es, que com cues nao ganbo um real,
adeiras riquezas nao le- Persnado-me que seria mais ulil ar>Sla lo (ne
Todo granero de agricul- os rendeiros paga orque multiplica a pre- em gneros que em rliabeiro porque para
(es
porque 1
vc-se mudas
dudiocs; aqnelle porem que as ate,incala oblcr a somma que deve lar. vc-se unid
mais o que deve lera piefereucia. Nam .c- \c/es obligado o readeiro a vender o seu frailo
mes que os aaligo-, aem mesmo os niodei aos de ifog.'ddbo ; e cbtr.o emqaase lod 1 a paile
mes qae os amigo- nem mesiuo os niuuenius ae nioganano ; e como emqna>e ion 1 a pai
Legisladores se tenham dado a Iratarcoia par- acontece baver um tempo ecrlo em q'sepa-a
liculariilade sob:e a cullnra das Ierras: res-! rendas ; milltiplicam-se como diz o erndi
1.......,, .. nnli \A;,\e\ 1 c 1rrv 1-1 *l r I'l.( fl f >i I.'K 'inr Tic i 1 t i"i i> 11 i-n 1 < 11 I ( nfi \ I > 1 h'l' ( I Vi -><
cancam n activtfade dos proprietari s d ellas,
que sempre asa quero lem maior ulerease em
tirar sawor vantaeem possi^eldoseu terne-
no Succedecom ludo as redes qneo aicr. s-
se do Stado nao se coaduna com o dos propri-
Eaia verrlarlc n ani esta porque o
prdpVetaria ten menos ii leresse em que a
mi,is le ras rendam muilo fo qne en aug-
mentar O rendimenlo que elle | < I-
Ins : ora o proprielario pede augaienlar o ren-
dimertlo de duss modos ou miil orando o seu
ti ireaoou diminuindo o numero d#s jornale-
ros (1 interesse dn proprieti o coadun
com orlo Stado, qaaado elle so serve do pri-
meiro modo para augmentar o seu warlimea
lo ; porem er o segundo rcm a ser
E
Polilica qae ascqi;:<;"(
n'i o senij, ios a- tu
rcm por sabrae.-ai. pre l< iaes Deve
turar sempre a accio maior com o maior eci-
ni
.lo
Snr. Dr. Outrn de repente os vendedores, e
os monopolislas se aprovedam desla occasiao
e ciicnnslancMS para acambarcarem os g-
neros Demais disto ica ama scasivel pir-
can de diabeiro em slagnaco que o readeiro
ajusta a nouca e pouco a s imma de que p
e eis-ai|iii paranlo oalra quanlia litada da
iiciua-ao Se elle pagasse ao proprielatio
em oulras produc ocas temos que nao lia -
verian e es nci nveuientcs Tambem c ne-
cessario nolar qu o exeessa bis produccoes
innuaes sobre o consumo inlertor lano mais
fcil de se transferir para fbradopaizi
io menos vi/lr.mo'O Pelo qneduMinos pois
c ve! Iras regras, qne se
edn, :iina an'a-
>'ior.a
Dizendo qne ota mal ra era di na de at-
. e que ba un cullu-
> o m animal a < alie 1 res-
ringir nao de mu'.a ialencao s
antes lenbo algum prejni/.o, Sc -4c lugo
bc-me indispeasavel o mr nlir condilio sine
qua desfecharo em falso as miabas armadi-
Ibas ao Curio: logo a mentira be iaseparavel
deste, e laalo meibor furlar quem melhor
souber mentir.
E ba-er man'' mais propicia, mais asad 1
para furlar-se vonlade do qne sea bum 1
sedicao huma sublevarlo, humarusga? Ab!
Quan tos aindane recorda com leinissima sau-
dade da snela guerra de Panellas la nunca
'squecida Septembrisada &c K quanlos
irlo chora r.io nao baver bum insunei aodo Para eda labia:1 tNessasa-
goas hirvas. nessas enciiarradas be, rprie o
pescador ladino ap'ialia pci\egios-o: abi be,
(ue os bonsispeculad'i:,'- ali;sabciu fa/.ei' pro-
ligios como cerlo gengoie que em huma
das nossas guearas fereio qne por causa da
Independencia) fez O sortimealo dos gados para
sustentara > do Excreto l'.ra- deiro, e em sua
e >nta na ) aparecen al ali lo O \alurd ani so con
ro, de mancir,-, que mil e lanos bois sabia d >
o rulos em carne rva o analm se appre-
sealavao em os nossos acampam'iitos Mes
desordens poRticiis n-uios. iffrcnBh 11 as ga-
los pingados oller6ccra-6 para delemler a
Patria a o.dem a I cgali.lade p.i |lie I 1-
mo lioanwlos cidadaos nanea p yinnali-
/areDin a 4na*qua ; e acal ar9 o lan
lieos, seaboi.s 1 premio e *
ILEGIVEL


D I & B I J
D E
PE R NA M RUCO

*


- "
0
mais nos tollo; que acreditars n.sincerida-
dedo seu- patriotismo ; nanja bu.
Esses desejos lio ardenies cm imiilos de su-
blevadles, o das me m bramen tos de Provincias
U' que fizera c* CorlezSos ? Tomra por nem se veja k>mi-.ora do prximo p:idcrcnuo l=T ja rea Djfeila Padaria I). H projM
da do grande lom trazerem aeabeca alm- (orne por causa da ciueMhde d hum The/.ouro alugar i ou* pelos que entonda descmcoJ
banda para macaquear o Mona relia Ja desumano e arislopcrala que desprc/.a Padaria.
torta
rnodi
ina banda'para macaquear o Monarcha J desumano e arialopcrala T" que despieza Paduia. ^
coniseii pai Felippe litihao feito .mais ; por- ale;>,liinidade do cada hum na pojse do que Da-scal i;oooj'de rs. ai premio O;
nao ten otilro (ii > se nao o turto Ellos ob- que leudo este perdido hum olho em huma 1 he compele. Guarde Dos a Y S,, e por por cenlo ao mes com pinhores d oili ; na ra
c nao forana- batalha e por isso tra/.rndo hum parxe pvelo ist
servan com intensa magoa que
quiuhoados iio#Ik>Io da Patria ; que oulros mais
lelb.es eslo cometido nclle a lar lar 5 que os
que podem vo Inflando sen faslio ; e Urdo
isto nao he para fa/.cr encoges 011 antes mui-1 Corle/tos cuidaran de volumar as suas por
ta inveja no coracao de hum hom patri
Pois ho de comer Iiuns ludo e oulros nada ?
Se a l'alria lie nuii nao dcvpin seretes Hllios,
6 aquelles injeilados. Se huns furlao tanto,
e lio impuneinenle 5 porqueznitros bao deser
ov<-i..iidosdo raido i?,t (duwm dios; he
patrimonio .le certas velhacos : mas o que que-
remos he tamliem termos a nossa ve/. : em
por
d'aqiiclle lado todos os Cortezos scpozcraS,
tanibem de parxes nos ollios O Duque de Sa-
xonia era d huma pansa enorme : logo os sois
isto
V. S. lllm. Sr. Juiz de faiate Joze
Paz conciliativo asslm qui i-
raa Ihe fazer pelo muilo que
R. J.
da Scnzail*, jauto ao beco lari'O em casa do Al-
gozai
summa queremos fumar, queremos
queremos vi ver ;i cusa dos tollos.
E com elidi parece que hum terco do ge-
nero humano he que desunca, e goza dos
trabalhos do todo. Semprc o homem astucio-
so e ousado soube primar entre os oulros,
sempre o ladino, o velhaco fez do simples e
bonaxo besta de carga de sorle que huma
grande paite dos hens desle mundo cabe por
nnfiqiissima usanca a os maisespertos, e prin-
cipalmente a os que tein o grande laiento de
saber l'urtar
De saber furtar sim ; porque d* Curiar a sa-
ber l'urtar vai hum distancia immensa. S
furia segura o proveitosamenle aquello que
sabe repartir Suponhamos que tal ou tal
Ministro despachou a Pedro para hum hom
lugar de fazenda isto i loica de poderosos
padrinhos e anda mais de boas madrinbas
que faz o nosso Pedro ? Luche- se at os olbos ;
deila as nianguiihas de lora entra a palear,
como hum Lord j nao passa sem carro., e
sem partida j troinhej a quem o conheceo
na primitiva 5 ese ha de repartir com quem
o despachou com os padrinhos &c. nada
lisio; es |iioce-sc de lodos; e quando mais
ferrado est na lela a aproveilar a apojadura ,
ouli'u mais moqnenco soube tanger os paosi-
nhos e tira-lhe aniami; porque? Porque
o Sr. Pedro furlou sim ; mas uo soube furtar;
limn sopara si, e nao para repartir por
3uem devora justo he pois que sol'ra a pena
o seu descuido, ou ignorancia.
Aquello venturoso mortal que lem a-
nimo c geilo |iara repartir furia pelo gros-
s>. e sua vulale sem cuso do menor en-
cemmodo. Se he demandado cm jui/o oh!
i\csse elemento he que elle sabe nadar : pa-
ra abi corre elle como cao a boles-, o foro" he
o iheatro de seus cmbales e triumpbos :
ludo est em que dlesaiba e queira repartir
coa o Ad.ogi-.do (a quem lano rende o justo ,
como o injusto) com o Eeorivo que pode fa-
zer niiiilo bem ou muito nial com o Pro-
curador, que na'o se descuida de procurar para
si. e com o Merelissimo Juiz a quem
muilas ve/. s he mislcr esclarecer com provas
tan urcas que nao possa desconbecer a vor-
dade alora as gurgelas que lem de repartir
pelo bando dos aecommoda\es holegins. -'Por-
tar punco e aosboeadinhos he d 'animo taca -
11I10 e iniseravel ; pois que no ponco nio ha
paia repartir cousa que (bgrc o lu/io e
dci.xe iiroveilo : loriar em grando escala sim;
d para repartir por imiilos ,
nicucia
desgranado que mu las vezes por rado e
para remira necessidade (que lem cara d "lie
rege) furia hum cavailinbo ao Sr ou. a o l.aviador protegido he,- ladroznho
remellido preso
meio de enchimenlos de sorte que o ser pan--------------------------------------------------------------
sa era eousa do grande tom. Certo Principe LOTERA DA 110A\ ISTA
fallo de dentes lametando-se disto a hum Quarta feira >fi do correnle lera' principio o
sen ulico, este appresentando-lhe huma so- pagamento dosbilheles premiados da LolerFa
berba dentadura disse lhe Ora ,' meu da Matriz da loavisla no engaiaiprin fa nic*-
'iinqipe, quem luWhi que tenha denles? ma Matriz das nove horas da manh as duas
Oulro perguntando-lhe o Rei, que horas e- da tarde,
rao? Rcspondeo: s que aprouver a V. M
D'aqui com grande acerlo dizia hura Philoso-
pho que a Corle he hum paiz onde
nin-
TIIEATRO PUBLICO.
HojeaS do Correnle.
A Beneficio do Ador Sebaslio Arruda.
Depois da Ouvertura A Festa da Roza.
n papa o que Se reprezentar a sublime Peca
5, ninguem CATHAIUXA HOWARD.
guem diz oque pensa nao sabe o que quer,
nem muitas vezes o que faz ; onde ninguem
fumpre o que promelle nin
deve ninguem pratica o que v .
er o que professa : a Corle em summa he o desneerssario lecer elogios a esta gran
lemplo da Fortuna: o Principe be o dolo os Peca pois o Publico por mais de huma vez lhe
cortezos sao reciprocamente victimas e sa- lem prodigalisado os seus aplauzos
er i Picadores. j Pela grande extencao da Peca nao havera
Mas nao be so as Cortes que tem valor a. Farca rematando o espectculo o gracioso l'u-
a-lulacao: ella be proveilosa onde quer que elo --VOU NA BARCA DE VAPOR,
baja dependencia e quem nao sabe adular, Achao-se ainda a venda qualro Camarotes
pode-sc dizer que nao sabe pescar. Sem is- que restao no mesiuo Tbeatro.
podese dizer que nao sabe pescar
ca he mni dificultosa a pescaria : assim sem
adulaco ser maravilha obter-sc o que se
pretende. Todos gosla d'incenso todos ro-
Iha tudo est em que Ih'a saihao dar.
Uju
i \i
nlonio le Lima.
Quem deseja fulat com
Manoel Ignai
> Colle-io 1-
queinj
1 la-
Avila pode diri^ir-se a ra d.
do nascenle D '1.
i_^- l'rceisa-sc de urna ama de leile
se aehar tiestas circunstancias dirija-se a
ca do l'oa-visla I) 5 em eara do ezembar-
gador 1 amos quesera bem reeomp^sada
ro- Oncm precisar c!c usi hom .,; ;;ra
caixeiro de ra ou l'cilorisar algunia o! 11 ,
o quai d fiador a sua condeca aunando
por esla folha,
C?* Quem percizar de h m rapa/. Rrazi-
leiro para Caxeiro de I adaria venda 00 nu-
tra qualquer oceupaco dirija-se ao beco dos
Martirios caza IJ l que se dir qjiem tT A pessoa que annuncioit precisar de
um ortdguez que cnlenda de ortatice para
um sitio perloda pra a; dirija-se a rita i\)
Queimido loja de lerragem D. 5.
l^r" O I acbarel formado Antonio de An-
drade Luna faz publico que tem o seo e;cr-
plorio de adsocacia no Pateo do Carato D.
onde pode ser procurado etn lodos osdias ufis
as liosas do costume
ipT- Precisa-se dois prclos para vender Pes
na ra pagando-se-lle a vendagem eos tu-
da ; quem os li.cr annuncie.
C5" I recisa-sede urna ama que saiba co-
zinhar o diario de urna cara e bem assim que
e o mais
Adverle-S oue a casa be
1
Joaquim Jos da Cama, actor vindo do Ma-
ranho, tendo de fazer o seu beneficio no dia
. 17, e naq podendo repartir os bilhelcs j -
Finalmente os pontos cardeaea do mundo po- por se adiar encarfegado do cargo de ensaiador, | se encarregtte de tazer as compras .
lilicosao-Furiar, e mentir adular, ere- j por nao ter conhecimentos espera que os necessano na ra A dvtrc-s-que
partir A'quelle, que liver estas habilidades seus lieniflnos protectores sedtgnem concorrer, de mu pouca familia cptelere-,,. cajitna .
Lie, que tem arljado a sua fortuna Me- pagando porta csse numero de bilhe.es que a pessoa que esltver nessj;s ^nstanciaa i,
rito honra saber virtudes sao vocabujos alguns de seus am.gos se tem dignado repartir; nja-se ao sobrado atrs do 1 alatele
bous para enfeitar pipis: oque convm he fieando destta parle apresenlar-lhes o novo dar
saber cada hum lograr os mais; em summa, Expeclaculo com toda a perfeicao e brilhanlis-* l
oegoismo he a divindade do presente seculo : :,rao,
cada hum que faca por ser mais velbaeo ; ----------------
cuide de desfruelar esle mundo que qnanlo COSMORA.MA'
a o oulro a- boa Philosophia despreza-o Novos Paineis.
deivando tal eren ca paraos tollos, e misera- Sabbado pozeram-se em expoztclo os pai-
ris que estao convencidos da existencia de neis seguinles. '
Deas, da inimorlalidade dasu'alma, e das a Paineis: Moteo., bello camponio lar- ^^tfl^S^S^nm^ e
nenas e recomnensas da vida futura. taro v clima da tvrannia d'um senhor Russia- IST O Abat.xo assig ado axisa ao publico, e
,s, ^' [ ,\ j, I) AI) E. '"___:-'" i-c...- amarrn(ln a m ni incDalmcnte..i seus ire,;.:eses que osf-rsa*
no i. an-
t? Prccisa-se alugar alguns pretos pro-
prios para o servico de arma/.etn de assucar .
sendo estes por lemnod/ 5 me/es efTeclivos{
quem os quizer alugar dirija-se a ra do
Crespo D. 7 ladodoSul.
t2T Quem annnnciou querer comprar um
adereco para Senbora: duija-sc a ra do
bosques amarrado a um principalmente a seus fregueses que osSrs
Copia fiel de hum requerimen.o de certo Em- cov.Uo feroz, em casino de ter ouzado el- AugStp HPrd_*-*2|J1 "
pregado do mato feito a o Juiz de Paz do le pobre e servo amar a fill
seu ('estricto para chamar conciliacao a lium painel reprezenla a su
mos
(lia i-
l d'um erando, loixiio do r .. -'-"^ *f^ O
sua passa^em por do corante f,ando assim esle ull.mo te.n ma.s
para etiamar a conentacao ixuw jih vp...-- aoo pa.Sd(,L.u | ulJlAraHrg0 uara robrar d v das.
rl.e,ouraria 'por lhe estar a dever nove urna mala infestada de lobos que o apteacao aulboitsacao para ^ ^ ^^
mezes d ordenado. tragar o segundo a sua chegada a oulra pcrjeu_SP na man|lS Je .o do correnle
llm Sr. Juiz d- Paz Diz F,, que a le mata onde o seo cavallo morro extenuado de P J-JJjJg ^j,, t(i ,,, ,le
da Patria he ij'.ual para todo o Chrislao como tacliga -- ~ Redfe huma Loira da
di, o nosso pacto federal dos Poderes poli.icos Ul* Iunvmmto*& n diT\\Z n. alavor de Thom Ri-
daConsti.uicao; esemesmoS.M I. pode ser le.xandre da Macedn..-ftjenlodd Imlo- golg-J^ ^S? Cm ue.M ,
chamado [.reseca pcificativa de V. S co- ra desle famozo conquistador. rvai-s,, Mendos da ( unha Azoiedo sendo
i nao pode o Su,."pilcante cobrar juridica- A tomada do Louyreom ,9 de Jnnhcde \ffX^ sliluir emlleguem ao
mente o ieu ordenado que lhe deve'o Exm. l83ot pelo povo de Par, depo.s d urna cr- ^^ ou nia das ( ?llie8 ,).
Ha rtvel carnificina d ..6 boras._ ^.^ l5 visl0 n,iedita Letra nao tem vigor para oe.-
suplicado Thezouro do Bprio !
niusliea lo mpalriola e aristocraptica ,
eL injusta, do que gas.a,-se lauta efuzao Esta ilha he dtvtdtda em nopntoj ^^
ata e moeda .apeis s para todos os dias podem considerar como otttras tanta, v .a. e V
n,a,-sc os no.soi conlerrenos e pa- fortalezas separadas entra., -,0 que ludo a-
e dei xa con ve-
de pra
empurraru ns nu.ai tuimuuv^ ~ \-...... .i
trioluos pela barra f... a para ircm se expixa- presenta ^^tJJJ^*, rppre_ iai-os ind.v.duos qt
-n, l por essas religir.es monlanhosas dos _^J^^tJSSSSm- ** qualq-Zomfermidades ; que not
qu se .|.v..------ -i i.
villas e W' annuncianle movido mais do hom do
tudo a- prximo do que de seos emleresses faz^
siente aopubco que elle se propom-c aecu-
_ iar os individuos que morarem lora desta
eald poxh prodit/.r honraras. O teaho lidb no Vocabulario, da folha Grande, i
fomftueiro he logo filado
cm huma escolta d'enconienda v assassSO
cm caminho ; por que resislio ainda (pie elle
(amiiihe mais humilde que hnm cordeiro : e
fl vc/es h. (|iieni dispense todas estas formali-
(la:!es mandando lu/ilarorco immediata-
brir a mulheres", e a filhos do vestuario e
andar com a sua cara limpa e sem sujidade ?
O meu Compadro I lomba me aconselhou ,
mente por sua omnipoteriei.i supra-mag'-stati- que decesso a Pernambuco e me queixasse a i
ca !'.!:e ;..! csse mesme Sr. lion-ge- Sr. Presidente que augura pejo i ongresso
repre-
, reboliJas'de f^^jf^^^^f^ nao'" haverom' facultativos, que lbesadmini-
lupublicas, o oulros suplemenlos ; seguro do ao men.no Leos ouro insenso ^^ salutferos remeJios a cbam por
lenbo lidb no Vocabulario da folha Grande rh.v es(0lhidos da an- mo.rerem o que c m olavor de Teos seram cu-
quecoosliloe a Diaria do Recle de Pcmam- Haverao mats seis paineis escomidos ^^ ^ ^^ ^ ^^ ag prmciias
bjH. l'a. <. a:_______m..___: ^:c ., ip p letra. a os alunos que morarem deslantc das
por isso sam privados de nao
asconcia das premeiras letras ,
nadoscom prefeica'o assim lo.
___________________----------------------- exposlo annuncie ou se dirija ao quarlerao
AVS0S f H V'IXJK. de cazas de Antonio Uiz Ribeiro
colee ao.
O Lrector espera afllucncia, pois que este se
lllm. Sr Juiz de Paz e Meritissimo preo- O L.rector espera amucncia, ,-.,. H --- ", "'
LlL como pode hum saco vazio se por em esmerou osla ^^M SaS i
- como diz a Sagrada Escriplura ? Assim ex oztco para agradar aos subscrtpto.es e ^"j
como pode hum ciiado honrado comer
de comer, ir beber dar de beber ,
e co-
to me.
__ casa contigua a do Padre Luiz <
res- rancbaroos Serlane.-, u>' aui
de Brito
onde se ar-
nho que, tanto se irrita por lhe furlarem
hum ca\allo-, a ponto delirara vida a o seu
srmclhante ; laive/, lenba urlado a desvalidos
orlaos a viuvas desamparadas ten-as coneHe-
raveis e inleiras propriedades Aquelle
be hum malvado, que nao deve existir entre
bomens ; e por isso he inorlo como se fra
hum ligte ou huma cl_ravel ; oslo lio o
lllm. Sr. Capilao Major Coronel, Prel'ei-
lo ou Subpre-ilo ipiu recebe mil zumhaias.
c perlence calbe or. dos I on:ens do bem !
(leerlo be. que esle mundo be 'una fantas-
ma oiia o huma verdad'-ira logracao.
i' o qfbe direi a respdlo da adulaco ? I en-
cjn a Historia do genero humano essa grande
Ira davda, como lhe chama o grande
V.wroTulio Cicero vejo, que adular aos
('..andes e o liosos Ibi sempre o cammbo
,lar ortuna e de conse-
i preteiicfM-s. Alcxandre Magno imba cor-
lo VtMin no u.- lhe
,te de Manoel de Faria Marinho, nalu- annunc.aiite prompto alraclar soSre os pre-
0_^ Roga-se encarecidamente ao corres
lAB/LanM ^^nm^^im^v^^J^m^J^^^ mora(lor (>m A Ia KOtn obieclos
este en, ornado. evol prevtfta ? .. Todava oao da 'difieuldade baja de aun muir *- nrooonlia
acnaram o
he S
por
icifcativa Senbo- sendo porluguc
venda defronle d*l\ibei-
pr
que me eonfere as' lezes (ieraes, que
maisforlo, que essas feilas l mesmo ; por
lauto requeiro a vo a pacificativa Senbo-
ro as reveltas todas da demanda. E no caso n "a
Colovello, caza D. 27, ha
mita a tomar algumas enancas
de nc"*o( 10 1 1 1
tj- iWsa-se^le um caixeiro para venda ja desmamadas para se acabaren! de criar com
para lomar eonla da dil.) por todo o mimo e amor ;
J
do lo
(oolradiloi
ncni lali'c
ina introza Peprecaliva ao Juiz
Ionio que concuhiiiado com o meu pro
curador, a quem lambem lhe la 1,0 |.os?-ao co-.Q*1
I rnr juridiraoient.e sem desalen jo alguna o armazem
niporle das propinas do meu ordenado e
cusas na (orla do Cod<> tanto do lro;e o,
como do (Jiminal para |ue nao pdecao as
parles de qualquer ctupregado do servi-o a
possa proprias pra
,ol -* affcl J5,J_ d AmoLr comiso-
c^n|M n)ra huma familia c bastante IreMo
1 nado com o meu pro- tuieni>-> |>'ia uuu
, o [km tender dena-se. a ra da Cruz
de assucar n. 58.
Airei.ili-se hum pequeo silio com
, a/as .. margem do Rio na ponte d Uchoa
leudo bo:.s comniodos para passar a lesta :
fallai com o nropritlario l'cuto Joz Alvos.
que tivorem ama para se criarem com _lc
na mesma caza lava-se roupa engoma-sc e
coze-se toda a quatidade de costuras^ borda-
dos lavarintos c lambem se nNtfea ludo
com muilo asscio perfeicao e proco comino-
do. t
Nos dias 11, i5ei8 do correnle ,^rnv'
pra a publica do Juiz da primeira vara do Ci
vel, o Sur. Poulor Aires na roa dos se hade arrematar hum famoso o gran-^
le cilio na Estrada dij S Amaro defronle do
Pombal leudo muilas aores de fruto, ex-
celente terreno para planlacao de borla, mc-
os, etc. e Loa frcnle para edificar casis.


DIARIO
DE PERNAMBCCO
+*
-*_*-
f
f O Sur. Vanoe! ICHns ti Mouraffseuzc'* 5y Prroisn-se de urna Casa et# bom na d i a do Vigario, com bom armazem ao lado,
Hese eshafurii ; porque a sua arremata o .dentro doRccife com or commodos neeessa- com lundosde laoocoo liulieiro a vista:
~"llta; c os lenuimentos ptnhorados,a ros para una pequea familia estrangeira; a tratar na mesma.
ssy Urna escrava de angola com bastan^
te piatica de vender, e co/.inba o diario de urna
casa 5 na ra da Florentina D. i)
cy Vinlio da Figueira muito superior a
i i ,o acanada; na ra da senzala velha ar-
ma/.em D. I.
S3f Superiores charutos da Havana e da
Cachoeira 5 na ra do Cabug loja do Sur.
Bandeira.
tW Urna casa na ruada Alegria ; a tratar
com o Sr Antonio Carneiro Machados Rios .
del mulo da ribeira da Boa vista.
tP* Urna estante envernieada eenvidras-
sada e urna carleira de urna s face com
nuiilobons arranjos ludo "de amarello ; no
atierro da Moa vista D t.
CS" Ou troea-se urna negra de idade de
5oannos boa vendedeira de ra, por urna
negrinha ou moleque, e vende-se oulra ric-
annos, co/.inlia
Sla 4l|lUtl ; C OS lOlldillK'IltOS
i niara de Oiinda por execu ,o de sentenr
S'b agora a sor arrematados em prac.i legal-
pni'nle. Esta lie a nica resposta que lite d;
.. .L. V.
O Sr. procurador que cobra os foros
jSfcfiicenlcs a Cmara de Oiinda dirija-se a
dcsQueimado D. 7
t^r" Ojien precisar de uin caixeiro para
1 cogenho que da fiador a sua conduca an-
nuucie.^,
%Zj" lfoga-se ao Snr. A. M. D. queira
maniLr satisfacer a quantia de 45, o. que
hederedor derecetaque su aviario para a
sua casa do contrario ser publicado o' sen
nonie por exlenco
\ Queta nuser trocar 50 taboas de Ion-
io ou pinho ainda que sejo uzadas, per
um milheirode lijlos de alvenaria posto no
porto e-jlfecira-sede mais porio pelo mes-
1110 negocio ; assim comoila-se a milheiros de
lijlos por a,, frexacs de mangue que tctiho 'o
a Ja palmes de comprimeulo c chave e coi-
to de grossura ; annuiicie.
ty recsa-se de irai menino brasileiro ,
011 portuguez que lenba agilidade para ser
admitido em una loja ; na botica de Joaquim
Jos Moreira no alieno ou na ra. da Con-
ceicoda Boa vista 1. 5.
Prccisa-se de um feilor para andar
com urna carioca 5 na ra nova botica D. -fj.
I w Precisa-se de eseravos de ambos os se-
xos para vendercm raes na na, dando osseus
Sis fiadores e pagffhdo-se a vendegem do
COSlUDOe ; qiiem ti ver annuncie.
Z.J- Precisa-se de hum caixeiro
em casa (W Harrisons Lalbam & Hibbert ra
da Alfandega velha n. 9.
E5" No dia 1 f do correnlese hade arrema-
lar por sera ultima praca na porta do Juiz
doCivel da segunda vara no atierro, da l'oa
visti ; o sobrado de dois andares e slao com
terrado puchado lora estribara tudo cons-
Iruido de novo na ra da roda I). 14 f pei-
lencenlos a os herdeiros do fallecido Antonio
JoiTo Feij.
()iicm precisar de um rapas portuguez
de idade de iqajo anuos, para caixeiro de
loja de fu/endas 011 armazem de assucar di-
rija-se a camboa do Carmo estanque de tabaco
U. 11.
ty No dia 16 do correte pelo Juiz do Ci-
vel da segunda vara, em asta publica urna
morada de casa terrea sita na Boa vista na ra
do cotovello D.3, bem construida, salla
forrada e em chaos proprios.
Avisos .Martimos.
pegar leve no" vafadouro em "Oiinda ra do"
Balde i<), que ser recompensado. .
SSF" No dia > do corrente fugio urna n
grade naco calabar cara pequea* olhos.
ditos baixa
sila de sua trra meia c.
com marcas as
va
man-
de nonie
qui-
Ma-
ria do Boza rio apelillada Maa Ca-ueira
gra de idade de a4
na : na ra do collegio 11 9 no lerceiro andar.
tsy Um pequeo sitio no caldereiro com
boa casa de sobrado estribara 'pera 4 cava-
para
PARA O YlARANHAG' segu viagem o los, casa para pelos poco de agoa de beber,
Brigue Brasileiro Mrquez de Pombal de que ] e um grande tanque ; a tratar no mesmo sitio
he Capilo e pralico Fernando Jos de Al-j que fica junio aodo Pfnheiro ou na ra do
meida para carga e passageiros trata-se com Livramento D. ir.
o Capito ou com Jos Ramos de Oliveira,j tsg- Duas pretas engommadeiras ; urna di-
na ra da Cruz. \ la de naco bem gorda com una cria com
! com urna carioca 5 na ra nova botica D. -fj. PARA H.'VVANAe Matanzas a Escuna lies- bom e bstanle leile duas ditas proprias para
panhola Fspcranca Leo; quem na mesma todo o servico ; c um moleque de idade de 10
quiscr carregar ou ir de passagem dirija-se anuos de bonita figurare muito esperta; na
ao Capitao-a bordo ou na ra da Cruz nu- ra larga do Rozario D 7 por cima da loja de
mero .67. i roiudezas. ,
PARA O HAVRE a Barca Camelia, pre-, y^ Um ba'anca grande que pega de urna
tomar conla de urna loja de miudezas e que tende sabir no fim do corrente; quem na mes- vez 120 arrobas com um temo de pezos, ser-
disto enteuda ; na na docabug loja de Ma-1 ma quiser carregar ouirde passagem din- ve para armazeinde assucar; no alterro dos
noel Duarle Feno.
HT* Precisa-se de um menino para andar
em companhia de um preto veiidendo lcen-
las pelas mas e que ih fiador a sua coudu-
el
a ; na ra do Qucimtido I). 3.
tST Aluga-se nina canoa que carregue
a-se a seu consignatario L. A. Dubourcq aogados 11:17.
ra do \ gario 11. ib'.
L e i I & o
t7* Um escravo pardo de idade de 20 an-
uos official de sapateiro e proprio pagem ;
i ao lado do Corpo Santo, no segundo andar
' por cima da loja do Vaduro.
tsyQue fazem Crabtree Heyworth & Com- ts^~ Urna creoula que co/.inba bem em
nove a dez mil rs de agoa estando bem es- panhia,"por inUirvencao do Goretor Olvera, forno refina assucar faz doces, lava de var-
lanque pa;;a-se dois a J mezes adianlados ;' Je uma porcao de chitas e estopas avariadas irla e faz renda; alraz dos Martirios D. a <.
ua ra do Queimado D. 11. iporconlade quem peWncef, e de grande s^r Charutos verdadeiros da Havana, de
S3T s aiiiiuncios do aliaixo assignado pu- variedadede fazendas limpas perlencentes a superior qua I idade em caixinhas de cem e
J.loados nos I arios n. >i5, e >% disacoro- casa, e que sero entregues infalivelmente sevadinba em jarros de ?\ libras; no arma-
'caro sem duvida a seu sogro Joo Carlos Pe- \ |)t.|0 rnaior lause ;.quarta feira ti do correte zem da Alandega zelha n. i.
.: Burgos qiic com laicidades preten | e principiar pelas fazendas avadas as 10 V3~ Uma escrava creoula de idade de ao
la c ircterntealnrta nrocr no hm a ntton- .horas da manhasem falta, no seu armazem anuos, muito boa cozinlieira lava'bem de
ar*o mandado de arresto extorquido contra os j0 forle 0 maios. sabao cose, faz lavarinto refina assucar,
>ens do abaito assignado, contra todas as ^ry Leilo que faz Manoel Joaquim Peilro ao comprador se dir o motivo; no-pateo do
lisposicoens da le c de um Magistrado que da Cosa de .9 sacas com fei|ao de Lisboa in- Hospital do paraso D. 5.
irincipiava o seu tirocinio. Contrariado em da em superior estado por conla de Guilhcr- ^" Ou arrenda-se um bilhar em bom uzo;
uas prclencoens vendo que a inlcireza do i mc pnl0 da Silva no dia i(i do corrente no cm Oiinda na de S Bento sobrado n. 58.
P
iMagislrado que aclualmenle tem de julgar as
cauzas que contra o abaixo assignado move ,
procura aleivosanionle persuadir ao respelia-
vel publico aquillo deque elle seria capaz ,
i'slo he que o abaixo assignado abrir o al-
sapfio de sua loja para recolher as joias que
dc/.ia estajem empenbadas e sacar fazendas,
ou letras quandoa loja loi por elle feixada;
Lassim como o al apo, c que alem de um bom
cadiado e urna boa chave de broca foi pre-
gado com i taboas que o atravessava e lacra-
do com varias lilas icando as chaves deposi-
tadas em mo do Snr. Joo Manoel Peieira de
Abreu pessoa por/flle escollada para depo-
sitario e as pessoas mencionadas no aun ini-
cio publicadas no l.iario n. aaa a podido do
abaixo assignado virao que o alsapao estava
intacto, e o assoalho sem alerlura alguma ,
ou indicio de arronibamento contra o abaixo
signado afirmo positivamente: porque nes-
te caso ser chamado a rcsponsabelidde e no
tiibunal.compclenle se lar patentear 3 ver-
dade. Luiz Ignacio Pessoa de Mello.
py O Secrclario da Socicdade Euterpina
convida aos Srs. Socios para s2 reunirem no
dia 15 do corrente e fin de ser impossada a
nova commisslo c igualmente lembra ocom-
parecimenlo na sessaodc ib para continua-
cao da discusso dos estatutos.
ij- Aluga-se o armazem da casa de 4 a-
ilares pegada com a do Bellem no forle do ma-
tos ; a tratar na inosma.
' t^uem quiser dar um a dois rontos de
res dfiuros de um e meio por cento com se-
('iiraiiv a em uin bom sitio perto da praca ; an-
iiuuce#
Uy (ttem precisar de um parda para ca-
sa de uui lioniem solteiro., para todo o servi-
i ,0 dirte-sc a ra das llores em um sobrado
d^un andar do lado direilo.
j-g" Mr Kissel reiojoeiro Francez no at-
ierro da Boa visla, achf-se prompto a concer-
tar ,-ualquer relogio que iiie seja conHado,
pelo mais commedu preco elle obriga-se ns-
I; tiir o diiitieiro <\uv Uvci recebido < m paga-
mento de quaiquer concert que nao for Um
ejecutado i a-sim como compra e vende relo-
ios de algi;ca-ii de segunda mo*
armazem de Anin* Joaquim Pereira, no ssr \ elhodos para flauta rebeca, violao
caes da alfande*t c lagolet e um lindo sortimento de msica
---------------------------------------------------------para pianno e llanta dos* melhores authores
ly O III P 1* a S tudo por preco commodo ;* na ra nova loja
de Frederico Chaves I) 5-
ssy Cobre velho ; na ra da Cruz nume- j tf~ Um escravo pardo de 10 annos de ida-
roii. de, oficial de pedreiro sem achaques, muito
SST Um negro de id a a 5 annos que seja bonita figura na ruada Madre de Dos nu-
l.oni cozinbeiio ; na ra Cruz n 57. mero n.
ST Urna cabritilla com principios de cos-
tura ; na ra da Cruz n. 61 no primeiro in-
dar.
tSrUm Diccionario trilifigue latino gre- cy Os engenhos canoinha e metade do
Vendas
j_v um diccionario inlmgue latino gre- c?" Os engenhos ca
go e francez, conlendo no fim oulro de ter- cilio de meio, ambos
mos, e modos de falar latinos, e francezes na freguezia de Unna ;
com os noraes das principaes \ illas Provin- proprielarios viuva de (
cas. Reinos, e liios do mundo : quemqui-j OT Uma escrava m
conlendo no fim oulro de ter- cilio de meio ambos moenles e correntes .
a fallar com os seus
Costa e i 1 los.
. moia lavadcira cozi-
zer d.rija-seao Pateo de b. Pedro caza ,' nha o diario de uma casa, he nuilandeira e
lado da \ iracao. oplima para todo Q ^^ nfl }.ua |jq_
*3- Lma boa escrava da costa sem vicio tica I). -,7.
alguna ; no atierro da Boa visla casa do relo-1 c?- Uma boa escrava creou'o ptima pa-
J'. t< 1 u j 1 11 lodo o servico ; narria do Padre Floriano
t^bma molatmha de idade de 7 annos ; D. 7.
ou troca-se por um moleque ou moleca ai.,- _tT Ou arrenda-se uma casa de pedra e
sita no lugar do caldereiro, lugar pcrio
do Monteiro com 4 quartos i sajas cozi-
da que nao seja muito ladinos; na ra da cal
Florentina casa ultima junto ao sobrado do
Eiras.
Um escravo muito moco da costa
, com bonita figura e sem menor acba-
; na rut estreita do Roza rio L). ao no ter-
K3"
o'ooo
En-
alto
que
ceiro andar.
Um Diccionario magnum lexicum por
jjia pracinha do Livramento D. a\.
Cf^Jm sitio no lugar da Piranga povoa-
ao dos alogados com duas inoradas de casas
de pedra e cal sendo uma dellas de soto ,
cozuiha lora estribaria para cavallos e
senzala para pretos um grande viveiro e
bastantes ps de coqueiros larangeiras e
de oulra Inicias; na ra da cadeia velha D.
b ou na mesTna povoaco a tratar com Jos
Kodrigues.
tp- Urna escrava de naco benguella de
bonita figura engomma liso cozinha o di-
ario de uma casa lava bem de varrella e sa-
bao se a banca ao comprador nao ter vicios ;
na ra l ireila U, ao lado do Livramento.
iw' A muio bem couhecida venda do passo
e com nninlal
1 I I>| -..! *\K
nha fora
Manoel coco I). 4.
X^7" Um hora relogio de parede de pndula
real caixa com 2 grandes vidros boa cam-
Ea e que repele oras duas vezes e meias
oras ; na ra de agoas verdes por cima do
assogue.
tZf Sacas baslantes grandes com farellos
chegadas nllimamente da America a preco
de >,voo a saca; no armazem de Antonio Joa-
quim Pereira defronte da escadiuba da alan-
dega.
Eseravos
Fgidos
Nodij
ia a do p. p. fugio de Oiinda ,
o canoeiro de idade de ao annos ,
um
cor fulla, estatura mediana pos largos "le-
vou um chapeo de palha alcalroado e uma
ca Isa parda e oulra branca consta que elle
anda as b ponas carregando areia e tam-
ben na passagem da Magdalena > quem o
lev ando com sigo uma baudei,a comas armas1
do imperio ella no dia 7 foi appreeudida
pela policia sendo encontrada a uma hora
da manh junto com oulras prelas fazendd
barulfio e depois soltou-se dando ella por
desculpa queandava vendendo ; quem a pe-
gar leve a ra da moeda n. 1 1
t^~ No dia t dofcfiorrente fugio do engenho
Maratf ribeira da M^ahiha e perteneente ao
Mosteiro de S. Bento daqnella rorincia o es-
cravo crcou lo de nome Manoel Joaquim, offi-
cial de carpina natural do engenho cajabus-
su' sem barba levando um cavallo ruc,o
pedrez bem conhecido as fregue/.ias do Ca-
bo Santo Amaro de Jaboalo e oseada que
ahi aprendeoofficio com Manoel de tal Frei-
tas pardo julga o abaixo assignado ter-se au-
zenlado para Tipi onde tem mai chamada
Thereza ou para a parles do Cabo onde tem
pai chamado Domingos cujos paes foro es-
eravos do mesmo Mosteiro ; tambera fugio no
dia K e do mesmo engenho o preto Andr ,
de idade de A annos vestido de Vaqueiro,
cu jo em prego lem e levou uma besla casla-
nha ; quem os pegar leve ao dito engenho,
ou em Oiinda no Mosleiro de S Bento que
recompensar. Fr. Galdino de S. Ignez /\ra-
ujo D AbbadedeS. liento da tarabilla.
t^r No dia primeiro do corrente dcsapa-.
receo uma negrniha de noine omingas de
idade de ?o annos levou vestido de chita
verde e camisa de algodaozinbo e saia de
sarja preta as orelbas argolas de ouro re-
dondas c lisas no pescoco urnas mi angas ,
e uma tiga de estatura regujar cheia do
corpo e anda nao falla bem a lingoa do paiz
e tambem levou panno da costa ; quem a pe-
gar leve a ra da roda D. 8 que receber dez
uniris de gralificacaO ; oulro sim sup'e se
que ella foi seduzida e 110 caso que se entre
110 verdadeiro conhecimenlo, se protesta pro-
ceder criminalmente contra quem a liver of-
culta.
sr?" No dia 25 de Agosto fugio ou furta-
eao um preto de nonie Gregorio de naco
rebolo de idade de 45 annos altura regu-
lar olhos pequeos eavermelhados nariz
chato pouca barba grossodo corpo, per-
nas bambas e mete alguma coisa os joelbos
para dentro ps a pal helados tornozclos
grossos falla descansada e pa'avias como
de matulo levou camisa de estopa calsa
velha com lislras desboladas e rotas nos oellies
e amarradas pelas verilhas foi captivo na
Alagoa grande onde era casado com uma
pela forra de quem tem dois ilhos a nao ser
turtado supoe-se ter hido para a companhia
da mulher ; quera o pegar leve a na da Ma-
dre de Dos n -ll\ ou atrazda Matriz da boa
vista casa terrea pegado ao r. sobrado que ser
recompensado.
ST7- Roga-se encarecidamente a todas as
aulhoridades poJiciaes capitaesde campo e
pessoas particulares que virem ou souberem
de um mola lo de nome Francisco Xavier f-
gido em Abril de i8ia de idade de a5 an-
uos bom ollleial de alfaiale estatura baixa ,
cheio do corpo nariz bastante grosso den-
tes desapartados ps grossos e chatos, mui-
to regrista sersiado na pona da lingoa su-
pe-seque boje saber 1er escrever apren-
di o olliciode alfaiale na Joja do Pimenlel ,
junto ao arco de S. Antonio ; o dito tem mi
de nome Ignacia moradora na ponte velha dea-
la Cidade, ja foi visto para as parles de S.
Antao ; quem o pegar leve a Oiinda nos 4
cantos l). iH, ou na ra da Conceico da
Boa visla D. 34 1 que receber 00,000 de
gratificado.
ff^s No mez p. p. fugio do engenho Canoa
termo das Alagoas um escravo de naco an-
gola de nome Joaquim baixo grosso, per-
nas finas pouca barba principiando a pin-
tar osdentes podres na frente, lano cm bai-
xo como em cima com uma argolinha de
pedia na orelha e chapeo branco uzado ha
noticia de que esj^scravo viera para esta pra-
ca onde ja foi anligo assistente elle tonxe
com sigo urna espora de prata, 5 quartas de
cordo de ouro um bacaniarle, e uma pa-
traa velha; quem o pegar leve as 5 pon tas
D. b5 que ser recompensado.
Movimento do Porto
No da l4 fundiou nolameiro o Paquete In-
glezSraCHill Commandantc I. Pactaus ,
ven de Inglaterra e segu para o Rio Ja-
neiro.
U ECHE JNATYP. DE M. F. DE F. ^9



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU3IY6AUS_FGH07S INGEST_TIME 2013-03-29T17:24:27Z PACKAGE AA00011611_03922
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES