Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03908


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m DE 1839 QUINTA E1RA.
27 DE JUNI10 NUMERO I3T;
Tado a~gera depende de nds mctmi; da nossa
Baoderaco, e energa : continuemos como priripeaaoa
serea* acontados obra admiraco entra as Macea me
curtas.
Prociantaco d* Anemblea Ge ral do Brtuil.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTISj
t-iHe da Pi liba Villas de foa pretenefa 3 11
jade de Rk Grande do Norte, e Villas Idea -i 7
de da Fortaleza e Tilias Ideal J 3
i de Goianna ...S>S
CshdedeOlinda 3S3S7?*fffl
VJem de Santo AntSo '.' 7 : ;' 7 3 5 3 *
dcGaranhuns a PovoaeSo do Bonito; 8 7 7 3
fitas do Cabo Serinhaam, Rio Formoao, e Parto Caito
ida* sliioM, ViUadjaHaeaat. d .
[lia de Pe jan de Floree. .' 5 7 3 *3 3 ej
Todos os correios partem ao aaeios da. ,
(Segundase Seitasjfeira.]
Todos ee dias:
Quiutas feiras;
Das io, 2{ de cada mee
"1."' e ai dittediltoJl
Joaa dem.
dem 13, ditas ditto
Subscreve-separa esU fetha a 5|ooo por quartel pagos edU
amados nesta Tipografa, roa das Cruaea D. 3, e na Praca
da Independencia D. .^7 e 38, onde se recbete correspon-
dencias legalisadas, e anauaeioe; insirindo-ae estes gratis
sendo dos proprios assignantet t indos aesigaadee.
DAS DA SEMANA;
a< Segunda )Jc Nascimentode S. Jola Baptista.
a5 Terca S. Guilherme Ab. Re. e audiencia do J. de D. da 1. vara de manh.'
30 Ouirta t>. Joao e Paulo ira. Sesso da T. P.
aZ o00'"1? -S- 4dIria. Reii Rel- do J d O. da a. rara de ninfa.
' !t*f,aJ? De c 8eMSo d* Tbn- ,nd- do '** *J 0ir' d t rara de -J
9 Sabbado iff. S. Pedro e S. Pau|o App.
3o Domingo A Parata de N. S.
Maro obesa i-ra o dia v, da JuW

As 6 horas e 6 minutos da maon. As 6 horas e 3o minutos da Urde;

RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
SENADO.
Sessfo eta 14 de Miio da i83j).
Presidencia do Sr. Diogo Antonio Fe i j.
Aberla a sessio coa 35 Senhores sena-
dores, leo-se e ap-prorou-se a acta da an-
terior.
Remette-se a commisslo de coamercio
um oficio da assemblea provincial de Mi-
nas Geraes, acompanhido da representa-
co da mesan assemblea, solicitando le-
gislacio msis farorarel as coapanhias que
emprehenderem a navegacio por vapor do
Rio de S. Francisco!
A' comnisslo de Assemblea provinci-
arj, um officio do presidente da provincia
d) Rio Grande do Norte remetiendo co-
pias autenticas dos actos legislativos da
mesma provincia promulgados na sessio
do anno prximo pretrito.
A commissio de constituidlo e commer-
cio, um requermento de Conrado Jacob
de Nienuyer e Pedro de Alcntara Belle-
garde, pedindo melhoramento as condi
eces de privilegio que obtiverio para
o ganissrem ama conpanhia com o fim
de effectuar o desmoiunaaento do mor-
ro do Casiello.
A commissio de fasenda, um| requeri-
mento de D. Marianos Emilia de Almeida
Guatimotim, pedindo o augmento da pn-
alo que Ibe foi concedida pelo governo.
A commissio de instruccio publica, ou-
tro requerimento de Luis Jos Ferreira
de Araujo e outros, estudantes do corso
ad-
n
No segoimento da diicusafo he offareci-
da apoiada esta emenda :
c Em lugar das patarras por qaanto
diga-se : aperando se que todo o ter-
ritorio seja em breve livre da ocupa-
co estrangeira. Vergaeiro.
Fica addiada a discaiaio pela hora.
O Sor. presidente da para ordem do
dia a mesma designada para hoja.
Levanta-se a sessio ai duas horas e un
quarto.
-----j T _..--------------7 __ --------- ----------
jurdico de S. Paulo, pedindo serem ai
mitlidos a matricula e exame do 3. ai.
no, obrigando-*e a fszerem exame de bis-
PRNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia ao do correte.
Officio Ao Inspector da Thezouraria,
para remetter sera demora a conta da dea*
peta militar feita nesta Provincia nos me-
ses de Abril e Maio deste anno a fim de
ser enviada a Secretaria d'Estado dos Nego-
cios da Guerra como determina o Impe -
rial Aviso do i& de Setembro do anno pre-
trito. x
Dilo Ao Commandante Geral do Cor-
po de Polica oideoando que pira maior
disciplina e nstruccaS do mesmo Corno,
o chame a exercicio por espseo de 3 horas
todos os dias em que o lempo o parmitlir,
e na occatiaS que Ihe parecer mais conve-
niente.
Dito Ao Director do Arsenal de Guer-
ra para informar que requisices existem
no mesmo Arsensl por cumprir a nature-
aa deltas, a em que lempo fora mandadas
satisfazer.
Dito Ao mesmo respondendo-lhe ,
que a Presidencia approva a nomeaca fti
ta de Antonio Jote* Vicente de Moita para
Fiel do 5* Armaiem. ,
Dito Ao mesmo, para eulregar a dis-
juridico.
Ordem do dia.
Continua a primeira diicnsso do 4*
do discurso a falla do trono, coa a emen-
da do Snr. Lopes Gama, apoida na ses-
sio de honlem.
E' offertcida e nio apoiada a aeguiute
emenda sobslitniliva:
Por qaanto da generalidada desta
cotnmunicacfo eotende o senado, que o
gibinette imperial tem bem fundadas es-
peranzas de que o governo francs atten-
dera' a jusiica de nossas reclamscoes sobre
os limites septentrioaaea do imperio.
Lopes Gama.
O Snr. presidente, querendo tomar
parte na discussio convida o. Sor. pri-
meito secretario para eccupar a presi-
dencia.
Nema mesa o segoinle requerimenlo ,
que depois de ser apoiado nio he appio-
.?do.
Requeiro que este rolle a commis
alo para exprimir mais expliettamente o
pensamento do senado sobre O Ojapork.
?rgaKiro,
de Mari-
w,-----.jy-..Uw .v .. ...v. v_ -.----- _. *^.w .aw uJ.v paia cune.
toria e geografa antes do acto do 5. anno posiciS do Iospector do Arsenal <
jurdico. nha as bombss de apsgar incendio porten-
cenes aquello Araenal, e que haviaS sido
mandadas recolher a sus Repsrtica.
Dito Ao Inspector do Arsenal de Ma-
rinha communicando-lha a ordem au-
pra.
Dito A o mesmo, pprovando a me-
dida adoptada de fazer aemanslmente o pa-
gamento das ferias dos operarios como re-
presenta em seu officio de 17 do correte.
Dito Ao Juis de Diroito do Criae da
Comarca do Rio Formoso Manoel Teixeira
Peixoto,accasando o recebimeoto do seo of-
ficio de a5 de Maio p. p. a que acorapa-
nharaos a aappas dos reos que fora jul-
gados em ambos os Jurys na primeira es-
lo ordinaria que teve lugar oo correte
anno ; e louvando-o pelos novos esclarec
mentos que prestou a Presidencia com os
referidos mappas, nio obstante nio Ihe
lerem recommendadot na ordem de 9 de
Maio do 1838, e subsequentes que Iba fo-
ra expedidas.
Dia ai.
Officio Ao Iospector do Arsenal de
Marmha, respondendo Ihe que pode e-
levsr a superiores classes, o Mancebo t
difTerentes Aprendices do mesmo Arsenal,
a fim de parce berem r* a i ores jornies em
rasio de sena adiantamentos, a bons aer-
vieos como prope em seo officio da 19
do correte.
Dito Ao mesmo, respondendo-lhe,
que pode mandar proceder em pretenca do
Procarador Fiscal da Faieada ao oecessa.
rio termo de consummo dos objectos cons-
tantes da relelo que acompanhoa o seo of-
ficio de 14 do correte, e que te achi
inutilisados.
P.'.10 ~ Ao InPWtr Geral daa Obraa
Publicas, enviando.Ihe um officio da C-
mara Municipal de Goianna em que pro-
pe a constrcelo de um segundo aodar lo*
brea cata da Cades que est conslruindo
em logar do accrescimo que em Dezembro
do anno passado pedio, e que foi auihori-
sada para fuer; a fim de que a vista do
mesmo officio, e do respectivo orcamento
interponba o seo psrecer calculando os pro
fot dot artigos que no dito orcamento vem
em branco.
Dito Ao mesmo para entenderse coa
o Commandante dtt Armat, a examinar oa
reparos qoe necessita o Forte do Buraco,
fatendo o orcamento dot concertos ndit-
pensareis de qoe alie precisa.
Dito Ao mesmo, para examinar. o
mandar concertar a coberta do Qaartel da
Coapaobia de Artfices, qoe amaaca ca-
hir.
Dito; Ao Commandante daa Armis,
comruunieando-lhe as ordena expedidas pe-
los dous antecedentes oficios.
Dito A Cmara Municipal do Recife ,
communcando-lhe, que no |eodo' ella
at o presento dado as providencias que Iha
incumbe a L i, e exigidas pela Presidencia
sobre os tres edificios arrainsdos contiguos
a Meza do Consulado, que ameaca um
proxiao deaabamento com ootavel damno
da Caza daqaella Reparticao a sacrificio
das vidas de seus Em pregados 5 compre
que com a maior brevidade pooba em pra-
lica os meioa a seu alcance, e que obstem a
realiiacio.de algum funesto aconlecimento,
informando o motivo porque assim o nio
ten feito.
Dito Ao Administrador da Meza do
Consulado commaoicando-lhe o cooteudo
no precedente officio. *
Porua Nomeindo ao Cidadio Luis
Francisco de Barros Reg para Sub Prefei-
to da F^eguezia de S. Loorenco da Mata.
Oficio 4,0 Prefeilo da Comarca do
Recita partecipsndo-lhe a nomeafio supra,
e eovisodo-lhe o Titulo do Noaeado- a fia
de o fuer eotrarem exercicio.
Poetara Ao Director do Arsenal de
Guerra para mandar apromplar des repa-
ros para igaal numero da Pecas do Forte
do Buraco que necessit- ser montadas.
banal do Tbeeouro Publico Nacional coa
o Balnco da Receita a Despesa da Tha-
xenraria do mea d'Abril ultime.
Dito Ao Exa. Presidente da Provin-
cia pedindo para transmittir o precedente;
Dito Ao mamo ooa as coodicoens
com que Augusto fiersting como Procu-
rador de Guilherae Da* da Cidada da
Londres obriga-ae a conlractar a Ilumina-
pao desta Cidade por meio de gaz e pon-
derando que estando as mesass eoo-
dicoeos da conforaidade com a Le Pro-
vincial o. 73 da 3o da Abril do cor renta
anno a nao havendo esperanza do qna SO
offerecao outras coa milhores vantageos
parece estarem as circunsta acias da serem
axcitas.
Dito Ao Caaaaodaate das Armas ;
coa oa requerimontos de Jalio Ribeiro
da Silva e Miguel Gomes dos Anioa parn
serem pagos pela forma ea pratict do
venciaeatos qoe Ihe forem devidoa.
Dito _. A Cmara Municipal desta Ci-
dade pedindo novsmente em consequenci*
da repelida Represar.taca do Administra-
dar da Meca do Consulado para dar todaa
aa providencias a fia de ser ja reparada n
ruina dos edificios que se acbi na ex-
tremidade da casa da mesma Repirtici.
Dito Ao Adminilrador da Meaa alo
Consulado commanicindo-lhe a expe-
pedics do precedente oficio.
Dito Ao Collector da Collactoria Ge-
ral de Reodaa Interni Provinciana coa o
oficio por copia do Exa. Presidenta da
Provincia da ao do correnta eaez a fia
;
I
ao sao pa-
THEZORARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia aa da Junbo.
Oficio-, Ao Exa, Protideoie do Tri-
do dar sobra o conteudo do
recer.
Expadieota do dia a5;
Oficio Ao Exa. Presidente da Pro-
vincia daodo os motivos porque a mesma
Thesooraria nao abonoa aoo Officiaes qoe)
servirafi na Guerra de Panellaa a Jacaipn
a gratifiapa de Campanhai
Dito Ao mamo informando o reque-
ritnento da Negociantes data praca ea
que pedem providencias para e vitar o daa
oo que esta aofreodo os gneros da Es-
tiva por falta da armasens aa que amo
seji recolhidos.
Dito Ao Inspector da Thesooraria
da Provincia do Para parteeipande-lba a
reaessa, pela Barca da Vapor Badia-
na da qaaotia da 2o;ooo| da ra. para
sopriaeoto daa dispaaa da mesma Pro-
viocia ea cuapriaaoto ordem do Tri-
buna! do Tbcaooro Publico Nacional de
31 da Maio p. p.
Poitaria Mandando abonar ao Tbe-
xourairo da mesma Tbesouraria a quantia
de qoe trata o precedente officio.
EDITAL.
O Illm. Sur. inspector da Thesouraria
desta Provincia manda faaar publico em
euaprimeoto da Poitaria do Exa. SnrJ
Presideote de 11 do correte, que Ota
dias a4 36, e 27 de Ju ho proxiao fu-
Uro se hado atieiuaiar om basta pukiea a
* f
5
MUTILADO
i


fe


9

fnro das Caixat fechoj d'Atwcar na
conformidade do *?.? *\ L Pro,,n*
cial o. 73 de 3o de Abr! de i*3<}.
As pestoas que se propcsprem es'a ar-
rematabas compareci na Salla das Sesstt
da Thesouraria Provincial nos dias cima
indicados munidas d Fiadores idneo.
E para constar se mandou affixar ^o pre
tfnte e poblical-o pelo prelo.
Contadoria e Thesouraria Provincial =
de Junhode 1839. .
Joa Baptista Pert ira lobo Jnior.
Diversas Reparjcoens
' ti*......~ ~~^~
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
O Brigue Escunm Hwptmhol N'f ,
vindo de Barcallona e MUga entrado em
a5 do corrente Capita Ventura Martinho
consignado a Antonio Joae de Amoriin.
Manifestou o seguinte.
De Barcallona.
13o Pipas com vinho, a8 meias ditas
con dito, i5of;trrafei coa egoatdento,
ao bailas com papel de embrulho.
De Malaga.
10 Quartolas cora azeite, 78 barris com
dito, 2ai barris com vinho, 3 caixas
com sarjas 3i5 ditas con passas.
Fora do Manifest,

'da
u.
i93o. Illa', e Exm. Sr. Prancinco do
Ko Barro* Presidente da Prpvindi.
Franeisro Antonio de S Bar reto Pre-
feito a Comarca.
TRIBUNAL DOS JURADOS.
Da ai. Jury da *.ccuzaco.
>
'(%& do Dr. Promotor oW;
-Ju
niel Antn* dos Reis ,' ex
da F>puesl da Vane por cnme de
poosabilidade 1 o Jury acbou najara pr*
areniaca. *
SnmerWs offiro contra binar Mm-
g'on CapitaSda Birca Ingle" Roowen,
por criroo de'infracoeM de orden*, do por-
to o Jury no achou materia pare acousa-
?* Da a. Jury de Sentenci.
JM I i) *u. Dennncia do Donlor Promotor contra
lose Zafirino Serrino JottV, Birlbol-
meo Jos Gome pelo ssassino praticado
no toldado Ignacio de Soma; fora ab-
solvidot ; o Promotor tppellu.
CONSULADO DE PORTUGAL.
Nodia i. deJuJbo prximo futuro j
10 bofas da manha mpreterivelmente ,
so ha-de faser leila na venda da roa Di-
reita O. l d'armaca e gneros otile *f
deprrtada, que discorreo hontem lar-
ramete tobre esta materia pereceo con-
siderar ttes explicacoes como obngitor.as.
todas asases, *qae forero reclamadas por
Igum membro do'corp legislativo. Sr.
presidente, eu nio concebo os fundamen-
tos de tal obrignclo f antes auponho.qo*
a huojaadrninislraco dissolvida so cabe o
dirpito'da explicar-se obre as canzu, que
influirle njn sua dfssollucio qaindi os
sens mpmhros o julgio convenientes ao ra-
z. Ero todo ocaso, Snrs. e nlocr-
dito que baja di parta da patuda admi
pistraclo obiigacio rigoroa e compMr
de sitisfater a taes exisgencias ; crelo, airo
ue ella tem o di-eito de o faser d,uaodo.
a Caixas com Ipassas. lentas pertencentet ao fallecido tnhdi-
to Pnrtuguez, Maooel Francisco da Silva.
_. to rnriucuei, iwo. ...-*-----.....
A Escuna Americana Shaketpeire, vin- q Inventario se chara patente no acto ao
J n IhmA. antrBftfl otn ii\ An cnr- l .1 .m
da de Baltimor, entrada em 19 do cor-
rente Capiti C.'L. Foxwell consignada
L. G- Ferreira & Mansfield.
Manifestou o segunte.
817 Barricas com farinha 5o meias
ditas com dita 100 caixas com cha.
MEZA DO CONSULADO.
.
_ A Pauta be 1 mesma do num. 120.

CORREIO.
tal
BripBomIto-.rKU.m*l. para o
Rio de Janeiro hojea; as 10 hora da
manlia.
ARSENAL DE WARINHA.
leila.
Consulado de Portugal em Pernambuco,
aot i6 de Junho de i83q.
O Consol..
Joaquina Beptistt Moreira.
AdminittracaS dos Estalecimentot de Ca-
ridade.
Perante a Adm inistracaS dos'Eatabeleci-
tos de Caridade se hade de arrematar
quem por menoa fizar o forneciment da
earne verde paraos meamos estabelecimen-
toi: M peo que > *<> propoeraa
podero comparecer no Grande Hospital
desU Cidade no dia a8 do corrente mez as
4 horas da tarde.
Salla das Sessoens d'Adminittraca dos
Estabelecimentas de Caridade a5 da tJu
O ,Rlm. Snr. Inspetor do Aftenal de Bto da 1839.
Marlnht manda faser publico q*e no dia j, M. da Crui.
1. o do prximo mei de Jolho te pora em Escripturario.
arrematacaS os fornccimentos de agoar- __________________'
.......? w
RIO DE JANEIRO,
n
"ARA DOS DEPUTADOS.
arrematacaS os fornrcimentos de ago
dente e caf pfc as Embarcacoens da Ar-
mada durante todo o anno financpiro que
hado decprrr do referido dia cm diante.
O' mesmo Illna Snr. Inspector convida as
pestoas a quem tes fornecimentos possao
'convf a coa-parcer'em nesta Secretaria no Discurso do Snr. Maciel Monteiro^ ex
indicado dia pelaa n horas di manilla, j
. munidas de seus fiadores e das respect-;
vae propostas.
Secretarla d Inspcca do Arsenal de
Mtxiajti dy Pernamboro aG de Jonbo de
*8V.
O Secretario.
Ah-xandre Rodrigues dos Anjos.

PREFEITURA.
Parte do dia a5 de Junho de 183.9.
Ministro dos Nagocios Estraiigeiros,
pronunciado Bfetelo d 1 \ de Maio. _
Coj|finnacfo do Biepo do Rio de Janeiro
M^upstlo do Oyapock. Media9o
da Inglaterra.
O Snr. Maciel Monteiro: Snr. Pre-
-idente apelar de m M-er fortement agre li-
do, romo membro da transteta adminis-
tranco no voto em aeparado, oflerecido
pur um dos nohres membrot da coffimis-
sio encarregada da ndaccio do voto de
gracat; apear de me ver ecuzado iu-
Illm.eExm. Snr. Tenlio 8 'parteci -Justa e atrozmente perante o^brono'impa-
pir l'V.Ex. que fora presos hontem .nal, por feios crimes e deplorareis erros
miftba ordem, e tivnra o complente, des-! de poltica todava, desistido honvera eu
to*: I-uiz Bizerra de Lucen, pardo da palavra e por ventura consideracoes
pelo Sub Prefeito de Santo Antonio por Lde unja ordem mui superior me ufo far-
ter encontrado era um adjunto de jogado-etsse (ornar plrte neste debate,
re; Antonio Elias, preto e Urbano Pe- O estado penoao da miuha saude, e taes-
reira'da Silva pardo pelo Comroandan- o o respailo queTtoas catite a Ilustra-
te da Guarda do Caes, por ettarem hri- co do nobre aathor do voto separado,
tar-me-biio conservado silencioso se por
ventura (eu o repito) nio julgassn do
meu religioso dever dar a eata augusta c-
mara algomas explicaca. Antes porem
'de principiar, seja-me licito patentear to-
do o meo constrangimento e dissabor por
ter de me levantar neste logar para jus-
tificar-ma deaecusteoes faites por hum no-
bre deputado, a quem em outra circns-
laneia coobe a gloria de defender.
Alguns Ilustres deputados, que (em fal-
lada oeste augusta cmara, teta insistido
em exigir explctcSes acarea da dissolueto
do gabinete de 19 de tetembro ; e hum no-
gando i Vicente preto escravo deAn-
tonio da CunJia da Silva Gnimaraens, pur
Uta toldado de Polica por ter tirado de
urna gaveta em huma taberna urna boceta
com algunas sednlaa as quaet Ihe fora
apprehendidaa, e entregues seo dono ;
Jote tambem preto escravo de Igna-
cio Francisco da Silva por outro soldtdo
de Polica por tel-o encontrado tarde e
auppol-o fgido.
Nada mais consta das parles h'je rtce-
bidas nesta Secretaria.
Deot Guarde a V. Exc I'rc-f-ilura da
y Oaarca do Hccife 5 de Junho de
q
fulgar necess^no.
Para provar a opinio, que combato,
referirQ-se alguna roemhros so exemplo
'de parlamento eir* hque nenhum preeedonta cjnheco, que,a*
bono tal thema ; antea creio, que nuuca
se violentou ministerio alguna demitido, a
fim de patentear as cautas desua dissolu
co, as quaes alias podem ser^ mai nume-
rosas e delica
verem manifestar. Effl fim, Snrs. a cau
za nada ganhaVia com tal publicaco.
Mas, assevero alguna nohres deputados,
q'p ministerio dissolvido affiancou a caraa
ra,q'nio se retirUria do seu posto em quan'
to tivesse a confianca das cmara e do e
leitor dos ministros. Eu nlo'ei exactamen-
te o que a administracl^ afluro'ou neste pin-
to ; mais o que sei he que o principie re-
gulador do sen comparta ment a opinilo
por elle adoptada est hum pouco distan-
ta'nle do que hoje se Ihe attiibue Snrs., o
que a admlnistraefo pastada aflhncava,
que nio existeria no seu posto se por ven-
tara Ihe faltasse a confianca do poder
legislativo, do eleitor dos ministros, e
tal proposico que he a reciproca da que
te bupe he asss difirante delU.
Hum outro reparo Sur. prejidente, te*
nho anda de faser como prefacio do mea
discurso ; eu me refiro a opiniio daquel-
les Snrs., qae exergo no decurso di
thron o pansamento a obra, o ayslema
da transacta adminislracio. tie na verda-
de notavel tal opinio E eunioeon
cebo como se possa reputar acto da admi-
nislracio, que se acahou hum discurso do
throno, que provavelmenle foi re ligido de
baivo das vistas da administracio aclual ;
de maneira a faser-se acreditar o absurdo
eminentemente inconstitucional que o
mesmo acto pode pertencer a dous ministe-
rios, ou que os dous ministerios podem
coexistir em o sistema da governo, que
nos rege. Alem de que,Snrs., deroitiu-
do-se a administracio de 19 de tetembro,
demitrio-se por ventura ai tecretarrae a
estado : ou desolvendo-se o gahinet, ca-
da um dos seos membros levou consigo os
documentos, pecaa ociaea, ospapaii,
\ que exisiem arqui vados as secretarias de
{estado ? Snrs., huma tal opinio he anda
desrespeitota para a coroa ; pois ella tende
a fizar acreditar que o eleitar dos minis-
tros nomeia o primeiro cidadio que en
contra sem ter eonhocroento alum dos se-
us principios polticos su opiates, e
sem pensameirtos sobre as grave necessi-
dadesdo paiz 5 quando, coottitucionalmen-
mente fallando, e de ficto, to O conhe
cimento de taes principios a opioipas tem
regulado 0 eleitor dot mintstrot q*s esco-
tlas, que tem feit3.
Snrs. he preciso fallar com franqoesa ;
se por ventura, ot nobre deputados desco-
brem omis oes na l'aila do tren, a hon-
ra, a galhardia deqae tefasem garbo de-
verilj acoBBelhar-lhe : hum outro systetn
de oposic.i : tais, Snrs., deverioeer mais
francos ; e em logar da dirigir suas ob-
tervscet esuas sensuras a buma admiuis-
tracio, que nio existe, melbor fora en-
raminha las a quem de direito computem,
curtus de que nio faltara na caita quem
procurasse justificar o actual ministerio ,
a quem em tal ciicunstaucia eu prestara u
meu apoi".
Snrs. se eu nao conhecesse o carcter e
boa fe dos illlustres membros, qae profs-
alo tees priucipios eu os argira de pou-
ca sinceridad*, eu dira qae nio se quer
atirar aoalvo, e aim faser tirot de roflexo
(apoiadot). .lt
Turminando aqui esUs observafes pre-
limiaares, eu eucouii-rai na matetia ; e
desde jeprc a indulgoncia, da cmara pe]
la falto tal vez de ligacii das minha* deaf
ero virtude do mea desgrsdavel ettaie di
stu-h. ^
Principiam, Snr. presdeote c->m:
rando os dou tpica correspondeote i
il|intrecorWiii"> edovot pib separadt
dando as raz'w porqoe preHro o di cot
roisso ; dppois d"correrei tabre o pariod"
di voto em separado, que, na verdide |
huma funesta exartia no qual se atigmilif'
s admioU^aC*0 pasada raosranl^
que elle be Tulport1 ni, indecoroso aj thro*-
no, inexato em seus fundamentos, e per i-l
gfto em sea effeitos e emfim passarei
fiser alsum^s- observace sobra algumaa;
nterpellac-js" e censuras, que forio leita
a administracio a que pertenci.
- Da leitura Jas dous tpicos corresponl
dentes (le-os) ficilme- te te deprebende
que cada hum i- l's edroprehende tres pari
tes. Na primura parte dirig'm se feliei-
tacnas ao trono pela existencia das bo*is ra-
laces entre o imperio e t potencias es-
na segunda fllasenos neg.
trangeiras ;
,la, ,Pao ponto de se nio de- oos da Santa S, e na terceir. refere-se a
camsra oocupaci francesa no Rio Oya-
pock. '..
Pelo que respeita ao primeiro ponto,
nenbumi ditT'renca'essencial descubro a
poisso indifftrtnte me parfee qae se do-
te hum ou outro -, mas pelo que -toca au
dous ltimos pontos* | j|f dente me parece
a auperioridade do tpico da Ilustre com-
misssio a respeito do tapico corresponden-
te do voto separado ; por quinto nada su-
ponho mait d-c>r\ deque os termos em
que a commissio concebeo o mesmo tpico,
dizndo que a reroor.o dos obstculo,
que embargavto a cooduzio da miterTa
seria elleetuada tem qaubr* da digoidade
e prarog airas da cjroa : outro tanto y
Snrs. tenio pode diser do voto em sepa-
rado ; por isto que os termos em que ha
elle concebida te redazem a dizer-t ao
trono, que muito folgaria Ja cmara qae
taes du vidas se acpem terminadas; mas que
nao acredita das palavras do trono e s se
convencer de que a commu,picaca ha ex-
acta e fiel quando ve com ot seus olhot os
documentos relativos a tal assumpto.
Snrs., eu sei que a falla do trono ha
hum paya minisUiM; ms ruda julgo mait
contrario a cortezia parlamentar aos estilos
doa corpo legislativos do que assaverar-
te ao trono, que sanio ci em suas pls-
vrat. E se por ventura razio teria de
queixar-sequarquer particular ni vidcom-
mum, solicitar provas documeotaes do
qae elle amrraado houvesse como Snrs.
como se pode tolerar qua se emprqgua
pira com o trono tio inslita a descarta!
lioguagem ?
Passando ao terceiro ponto, o voto em
separado me parece dafjiluoso por isso
que nio hesullicieulemeiite explcito. U
limites, Surs., do imperio nao s-s ach(>
estabelecdoa e.n, virtude de tractado f-
los; pois abe a cmara que tlhto os tn-
t d a da 1750 e 17 >, co no tam5eai o d
177; acha-se rotos, de maneira, qW
algu'masduvida te o occarrdo acerca dos
nos as limites occi'Utos. E nio pensara
o governo, e uo pensara, ajguem que
oocupaco do palmo de trra em que falla
o nobre deputado de S. Paulo se refere in-
teiramente a tal assumpto,) e nio a rs
septentrional do imperio ? ou masmo nao
se acreditar,, que o voto en separado al-
iada a piqueaas duvidas occorrida no limi-
te meridional do imperio? ,
Snrs. a materia he grave Trtia-ie di
occupa^i militar feU pela Franca em a
trra do cabo do Norte, quaai proprie-
dade do imperio \ e a querer a cam
tocar neste objeejo, dave o tasar da hum
modo axpressivo e enrgico a fim de qa
governo imperial conueca quaet "O
sentimantos, queanroaaos representan-
tes da naca, assim como tambero para pe;
teolear-aeao gabiwte das Tulleiias a opf
nao bem manifetlada da /epraaentJ9^ >"
cional Braaileira aiiim posta o govenw
do imperador negociar com mais vi
_._ tena'
Detto carta aoalyte Sr. presidente^ t
concluo que o tpico da w'""
mais expresivo e iulerpteU aellior os s
timentos da cmara em huta assumpto ,
que os uai,nrtea do pairioUsmo Kra
ro deven patentear-w coa decoro, *
MELHOR EXEMP



JLJLUL
m*
) E
-
P
E
R
-
N A M
C
mmmm
O
9
sato, aa illa-1 bro dissidente, da commissa
adoptar |alguma j de ter visto a marcha dos debi
iscussa do ten pois de fisto as nrovas q>la Sfl te
debites da
i o apre-
san'.ado retiras'sa o seu artigo.; mas elle
nao o fjz deixoii-o em discusa5 ; e pz-
aos por isso na rigorosa' necesudade de
.mosli'ar-llie a prolpitacaS con qas' foi es-
cripto.
(Continua.) -

til
Cojwnnnicdo
'T
----
^at cota rgt Eotretaate
re commisa8 se dignaste
odir1ceca6'*o fnico em d
rrqVtb orrsaria bmelter ma can-
deraclo a snbstitoicl seguate ao segun-
o membro do maamo tpico (J) .
"Attm terminando eate uocinto exarne. ,
(-j ptssrei a rfemoattrer que o tpica do
veto ero separado, onde a pastada admi.
ristfacaS se a*ha to awerbamenle censa-
rada Ife inopportuno so he, impbr-
ilinentp a materia enrdiaeussa.
A'pnna SriTS. depurados que tea toma-
n parte no presente debate J.en procu-
ro determinar a verdadeira naluresa do
reno, e tem procurado eslabelewr ai
pras, que devem presidir ,a redacca
i roto degracat. Mas quaesquer que te.
as denicoens apresentadas ; ninguem
pcoVr recOMir a admiuir que a falla
o th'ono lie boma peca ministerial, na
nal o trono confia ao corpo legislativo a
xniicvri em geral do estado do paiz e a
ivlicea das mas mais urgentes utceisida-
def.
Ora nlo se oecupendo o trono em teu
discurso da diasolucaS do gabinete de 19
de setembro poraer ella huma emergen-
cia moi ordinaria na marcha doa governnt
representativo* nao sea inopportuno e
des'ocedo que a cmara falle em tal saces-
so quando metra fundadas frisen as
censaras que se dirigen a dmioistrca5
diisolvida ? E que raalo senhores teria
o trono para mencionar tal acontecimento?
Que circonatanciaa espeoialissma acompa-
nhou dissoluch do ministerio de setem-
bro ? Demais na caa tan sido estillo ao
trono fallar em tal assumpto ? Quantot
ministerios ta tem succedido desde que ae
arha establecido entre nos o systema re-
presentativo; a por ventura aIgurna (vez
fez ao trono tal communicacloP Craio que
ns5. Logo que significa tal menead em o
voto de graca ? Eataa breve conaideraco-
ena senhores, aobra para provar que o
t< pico em queeti he inopportuno e extem-
porneo. O artigo he indecoroso ao tro-
no : porque nlo fallando o trono na dis-
solucaS do gabinete a entendendo a c-
mara que deve faser huma menca espe-
cial de tal acontecimento na6 tem ella por
hnma tal rasaS censurado implcitamente o
trono por hama tal ommissaS; e em ver-
dade como ae pode recusar esta conc'u-
rao julgando acamara que a dissoluco de
hum ministerio he materia de urna ordem
io transcendental que morece ser menci-
onada em o voto de gracH 7
O tpico he aindn indecoroso por ou-
tras rasoens com effeito sendo o gab
nete dissolvido
erros e crimes de diversas especies 4 e nlo | mesins vanlagens sem o oous a que (icaria
sendo hnmina e moralmente que sal gabi- sujeta dapois da extineco do previlegio,
nete de bom e patritico ae transformaste
denla d comnaisia5" depois nera d*e fnr o forufrcimsnto ,
Apesar da copiosissma rhuva do d*i* 19
deste nj,ez ^eyg- l^uear, a reuniib dos Accio-
nistas da Cneapinnia do Bebaribe. O Con-
selho Deliberativo apresento 8 relaiorio
dos seus trabalho* durante os primeirot 6
mezea decorridos depois da' insltlfaclo da
Companlii ,' deu as rass que o deler-
min^raS a abandonar o ene menlo d"
.rio Beberiba, e preferir o de Camaragibe ;
cuj plauta orcfln*n' e esposicij das
obrns palo Rngenheiro Boyer, forao pa-
tentes aos Accionistas. Pelo que podemos
observar parece-nos que os Accionistas a-
provara as medidas adoptadas pelo Cselho
e se most'ar,. sobretu lo mu sitisteitos
com o novo plano de encanamento, por nfo
serpreciso empregar maquims de vapor pa-
ra elevar as ngoas como requera o plano
dispresado. E com efeit > proscindindo
das mais rasSes apresentadas pelo Consellio,
basta consderar 01 nconveniantes a que
taes maquinas esto sujeitaa para justificar
a escolha do novo projecto de encanamen-
to ; e potto que tenha de coatar 6 jo con-
loa de reis, e seja considerare! o augmento
de 5o por 0/0 sobra o orcamento do pri-
meiro plano anda assim preferirel urna
vez que, para compensar etsa differenca ,
a Companhia possa conseguir, c?mo per*
tende, que a Assembla Provincial a des-
oae tuitamente as EstacSes pablieas Qqarteis
a Navios do Estado, e Ihe conceda a in-
demnisaco das Obras no fim do praso con-
tractado. Esta ,conipan9acfio nos parece
tanto mais justa quanto o Conselho Deli-
berativo com a mudanca do plano, tere
principalmente em vistas beneficiar ao pu-
blico pois que induz a Companhia a fa-
zer urna obra solida duradoura e milito
mais dispendiosa para d'ella tirar o mesmo
resultado que podia obter com menos dis-
pendio se perteiidesse tamsomente fazer
ura eslabelepimento lucrativo ; e ae desta
301 ie a Companhia liga a seus ioturesaes o
crdito da obra, e a gloria da faaer ao po
l.lico lodo o betn que elle deve esperar d'es
Fortemante aecusado de sa empresa, e de legar a posteridade as
se nao fossem dispensadas as maquinas d
vapor: nlo h doVida de que nao s ma-
nifesta intencSe patriticas
como a
boa
sabitam'ente em mo e prejudicial; na5
sendo possivel que tantas aberracoens a
tar.tos crimes fossem perpetrados todos de fe! com que deseja levar a etleito ^ empreza
huifca vez \ nao ae reprehenda ala cerlO|'que secornprometteu ; merecen do por ia-
pentoao trono j indicando-lhe trea abusos to toda a coadjuvaclo apoio^ Ora.a dis-
pensa da obrigaclo da dar agoa gratuita
por haver ella conservado hum ministerio
qoe commettendo alguna doa abusos re-
feridos jase devia faser indigao da con-
linnca do mesmo trono? Eu snpponho que
rim. E ns ser pois indecoroso ao tro-
no censura-lo por tal guiza contra todas as
regrs da decanci* parlamentar e contra-
todas as conveniencias parlamentaras i Is
to be senhores indubitavel. .
Sr. presidente, procurarei agora, quan-
to for possivel, mostrar que este artigo he
inezactissimo en seus fundamentos, i-to
he, que os pontos sobre alia ae estriba
nao sh exactos n* sao reri Jicos : que aa
, illegaceens ah contadas carecen grande-
mente de demonstraca e de prova. ,
Ha a administraca pasaada acensada de
btver desperdigado jos dinheiroa pblicos.
Mas basta o enunciado da semeihanie pro
posicaS para ae oonhecer (a precipitaya
com *ue foi redigido. Como sa pode, di-
zer ao trono % romo te pode diaei- mesmo
aqoi na casa que houve desperdicio de
randas publicas quando sa nao tem exa-
cto conhecimento doa balancos das con-
tas que had de ter apresentadas pur essa
druinisiraca P e tai proposicad na boca
de bum particular seria laxada da impru-
dente, de considerada de precipitada,
, que aera enuuciada pala cmara dos Srs.
epatados? u espera va que o nobre mem-
mente muito rasoavel, a nao pode ter
negada sem inju9tica porque oGoverno,
que para assim direr, 'nlo contribue com
coiisa alguma para a factura das*obrat, nao
deve ser mais favorecido que o publico a
se elle at^gor dispende 10 pa fornecer
pessima agoa aa EstacSes (guarais, a Na-
vios porque rtsio nio deveri sujoiUr-se
pelo tempo quts dutaro pravilagio a despen-
der 5 e tal vez monos para fornecer agoa
purae saudavel? Nenhuma raaao ha cer-
tamentd para que elle goze dessa favor em
detrimento da Companhia, .que., tem d
fazir as obras sem o seu auxilio, e de in-
dmnisar os propnetarioa doa terreno e
predios que ,. segundo as ezpressoes da le,
precisar demolir e oceupar : o que Ihe vai
costar pira encaar aa agpaa de Camaragi -
be nlo menos de 8 conloa de reis em ac-
ces alem de outraa condicoes a que se 0-
brigou para com a proprieiaria do Enge-
nho. Oatra raso ha para que a Aaeem-
blea Provincial conceda essa dispensa, se
por ventura tomar inlereese pela Compa-
nhia por censegainte pelo bum que ella
em prebende fazer aos habitantes desta Ci-
dade} e em a ser a de evitar oa abusos que
ae podem seguir do fornecimento d'agoa
gratuita ; pon que, apesar da se ter regu-
lado de alguma lorma no Contracto a ma-
prevenir que waitb em pregados beba a-
j-i* do ?rafca em sata casas, e a distrihoaS
flor seus paren tes amigos, e visinlios : e
ista qoe a primeire vista parece ninharia
vem a redundar em muito na roda de an-
iios. Nio hmenos attendivel a s^nda
coucessio ; pois que de Justina universal ,
que quera em.prega os saus cptPs m u-
ma obra qualquer adquire attitlrerro in-
conteatavel sobre esta obra qu > rica seniio
proiirielade sua e de seus herdeiros em
quanto nao transiere essa direito mediante
urna iodemnisacio. E se isto assim nlo
parece justo qtie a Companhia se des-
lropriada das obras que fizar' sua custa
sam urna ndemnisaclo rasoavel, e nlo st
diga qu o previlegio exclusivo para vender
agoa ao poto desta Cidade por um certo
numero de annos, foi concedido com a
corjdiclo de ceder as ohraa no fina d'esse
praso e que por tanto a Companhia nlo
tem direito a essa ndemnisaclo; porqutn-
tu : em primeiro lugar nlo ae disputa um
direito quando apenas se trsta de pedir o
quejuitoconceder-ae,eem segundo lu-
gar ninguam dir .com raslo qua baseada
em justica urna condico que nio offrrece
reciprocidade entre oque se concade e o
que em troca se exige. E na -verdade o
pravilegio de 35 auno niqcompensa os in-
calculaveis beneficios que a Companhia as-
segura em urna obra que deve dirar secu-
los, e era que tem- de empregar mais de
dois milhes de cruzados contindo com
capital a juros sem que entre em calculaos
incommodo, fadigis e 1 abalhos dos Ac-
cionistas. Omttiremos o mais que pode*
riamos dizer pra provar a justica da com-
pentacio que a Companhia partead; por
que o nosso fim tamsomente o de faser
sentir a possibilidade de se alcancar essa
compensadlo da Assembla Provincitl, que
sendo composta de Pernambucanos amantes
do paiz, e desejosos de promover a-sua
,prosperidade e os commodos de seus ha-
bitantes nao poderlo deixar de annuir a
primeira Companhia que apparece entre
nos; e qua tanto pode contribuir para o
beo material e moral da Provincia urna
Vez protegida e vigorada.
Na reunio dos Accionistas suscitou-sea
questio t ta a obras deviaS comectr agora,
ou depois de se obter a compD.sacio de
que acabamos de fallar, visto restaren an-
da Jo mates para dentro dullos se Ibes dar
principio; e havendo sobre islo alguma
discusso prevaleceu a opinio de se dar
andamento a empresa desde sem receio
de que o empeoho de dar curaorimehto ao
Contracto, e de acreditar a Comp.iuhia pe-
la regularidade a actividade de seus traba-
Ihos, a possa prejudicar no aaimo dos Da-
putados quando pelo contrario se deve
esperar qqa estes Ihe seja5 tanto mais pro-
picios quanto for o iuteressa que alia a-
presentar par o adimtamenlo da urna obra
da tio grande utilidade*
Pcocedeo-sa a eleiclo do Conselho Deli-
berativo e forao realeitos os me.rnos Srs.;
assim como foi nomeada urna Commisso
composta dos Srs. Drs. Jos Bento da Cu-
arta Figuerado Felippa Lopes Neto J-
nior e Simplicio Antonio Ylavignier para
reviso dos Estatuto da Companhia. A-
brio-se a inscripcio de 4000 A ce oes para
completar o capital em que feri oreadas as
obras do encanamento de Ciraarig be e
na mesma reuoio apparecera Accionistas
para carca de 1000 cedes, e constarnos
que tem continuado a inscripcio.
Esperamos que seja publipado o Orca-
mento espoaioib e relaiorio aposenta-
dos na reumo para conhaciment de lodoa
os Accionistas ; a por isso nao seremos mais
extensos a respailo d Compnhi do Bebe-
ribe, cujo bom resultada agoiramos e da
qual esperamos oulfos muitoa beneficios a-
lemdoa que no pode ir immediaUtuenle
d'essa aaapreta de tanto vulto e ,de tio re-
conbecidaa vantagent*
TUEATRO.

Sabbado a a do crranle ter lugar a
7." Representadlo Gymuastica, Da do
Augusto Nomo de S. M. I. C. o Sr. D. Pe-
dro 11.
Reprepreaentar-sa-ba um aparatoso e
patritico Drama, no fio* do qual se cantar
o Hvarae Naeiaaal peante o Ketr/to WeS;
\U I. Suir,a*:ha .rapresni;o da
gran/Je peo ^,2u,'mi" or os Arontes
constantes.-. A Companln'a Cymnaslica
trabalhr pal* manera seguinte. i Mr.
Livrai>ox8cutir urna oova danca que as
intituli,: Xbatiee, dancan lo sobre a cor-
da com amancis d*. pao. i" Mr. Macrala
executan sobre a corda novas e excellenles
psssigans. J O Palhaco repetir a muito
eoaracada daacacom sua avrS. 4o w. L-
vrar depois de ter divertido o publico rom
jocoso pasma dever pular a pessoasadian-
te e atraz Gcando seguro sobre a corda. 5o
O dito dancar sm marimba executanda
os mais dificultosos ejercios aiuda' nlo
ex9Ciado as recila ante. ores. ?.. ar-
te. Mr. Macrala far celebie Viagem
aos Antypodas. Andar cooi os ps pela
taboa do tecto da platea com a cabeca para
baixo.Undo as mios duas bandeiras.
Ultima parte. Grande Columna Giratoria.
O dois Alcidet distinguir.se-liio em va-
rias posicut Hercleas ra grande Columna
Olimpia fszendo alem disso dif<.rcntes e
dificeis forcas; rematando ledo o dircrti-
msnto com o to applaudidj e arriieado
vo de Palas eStturno, o qual consistir
em que o Hercules da maior altura dever
pegar repentinamente no segundo por
ama poota de p Gcando ambos de cabec*
para baixo.
Avisos Diversos.
mm No da ao do corrente pelas 4 horas
da Urde a portn do Sr. Dr. luic de Direito
da primeira Vara se hade arrematar de ren-
da triennala morada de ceae D, 4' >'ta na
ra da Cadea velha do Recife avahada em
800,0000 de renda annual, cuja renda ser
arrematada a quem mais dar, e com fiador
doee.
_ Precisa ae comprar ps de limoeirus
pequeos proprios para cerca : quem os
tiver annuncie.
_ Quem precisar de urna ama para
dentro de casa smente, paia cozinhai ,
dirija se ao atierro dos Afogtdos da parte
da mate pequea passand' a tenda do
Barbeiro a primeira casa junto a venda do
Sr. Campello que achara com quem tra-
tar.
_ Um brasileiro casad > de boa con.'
ducta tem-se proposto a ensinar particu-
larmente a lar, escrever, contar, ram-
matica e termos de cvilidade al o nu-
mero de quinze meninos por menos do
preco que presentemente se acha estipula-
do ; quem de seu presumo se qnizer utili-
sar dirija-tea ra de Saato Amaro ao b-
irro de Sanio Antonio, em a penltima
casa do lado esquerdo, pegada ao ultimo
sobrado, buscando amar pequea que
alii achara com quem tratar
Precia-ae de allugar bum sobrarlo
de dous andares, na Bot vista em qualqucs
parta, sendo com lojas at 600U000 res
e sendo os dous andares s, at 5ooU ret
pouco mais ou menos confirme os modoa
da casa, dando-so 5oUooo reis de lava a
quem fuer o negocio : tamben precisa se
de um ao andar; annuncie a sua mora-
dja,
_ Da-sede 100,000a 1:000,000 de ts1
a juros com piuhores, ou firmase coa-
tento : nesta Tyuografia aa dirl*.
_ Alaga-se a salla do 1. andar da ra
do Vigario numero a; excelente par
esetiptoro quem a pertender dirija sa
a mesma.
_0lferece-3e para Caixeiro de ra de
casa astrangeira hum rapaz brasileiro da
bons costumes a que d fiador a sua con-
ducta : quem o pertender annuncie para
ser procurado.
_ Da-se 5oo,ooo rs. a premie cam bot
firmas ou pinhores vtnde-se hum cor-
reame de lustro com ferragens demudas ,
huma banda de lan duas barretinas ama
de pello e outra de oliado proprUs
para qualquer Batalha6, e lado em bom
ettado e t.mbem se compra colheres de
puta tem feitio para che topa ; na ra
aa Cadeia do Recife a. andar n. 59.
__ Quem annuociou querer vender urna
meza ae meio de sdacom p >ueo uzo ; di*
nja-ie a ru do Quinado na D 5.
i

i

i
!
PLAR ENCONTRADO
L
l


I
A
DIARIO DE PERNAMBUCOJ
i'reeisa-se alugsr un ama do leite ,
forra ou captiva : ni ra da praia no i
andir rio sobrada do Sr. Mandn?.
Arrenda-se o sitio grande do alho
d'agoe, na pana ge m de Olinda % com oais
de 2000 ps de avvoredos de frelo, ex-
tensas baias para no para 13 00 mais traecas de lejte ar-
rendarse com algumss condicSes entre el-
Us o concert da casa de vivenda suposto
I Je esta aeja bstante grande e de pedra e
cal-; quero o pretender dirija se a ra do
crespo D. 11 ou na raa daa Crnxes Deci-
ma 18.
Precisa-se de aoo.ooo a premio de
1 .por cenlo por espseo de 6 metes abs-
tendo-se lo.no os uros e d-se fiador: na
raa. eslreita do Rosario D. 28.
G. H. Beclefelolh Jnior alo Ibe
permeltindo a rapidez de avia visgem pa-
ra o Maranbfo, em o Vapor Babianna ,
pedir-se pessoalmente de todos oa aeos
amigos, que o honrarlo com os seas obse-
quios o fax desta saaneira ; e eso o motivo ponderado o releve de tal falta.
Precisa-se de un rapa* brasileiro ou
portugus que qtieira ser caixeiro na
Villa do Rio Formoso em urna boa loja de
fazendas: aa ima da cadeia velha loja nu-
mero 17.
_ A pessoe qu annuneiou a venda as
cartas de urna m| a aea filbo pare Ibe pro-
?ar a verdade da Religilo Christi dirija
seas 5 ponas onda D. lo.
_ O actual aferidor do Municipio de
Olinda avisa a quem coover que no
dia primeiro de Julho principiar com afe-
rico e revsio pela a estrada de S. Ama-
ro Btflem ifflctos, S. Jos ponte de
Uchoa Crus de almas case forte mon-
teiio ; eapipocos, que podem mindar no
1 ierro da Boa vista lado do norte D. 33
4 lira de serem aferidas suts medidas.
_ Precisa -se alugar urna casa terrea
no bairro de S. Antonio ou Boa vista ,
011 meimo uro andar de um sobrado; quem
liver annuncie.
_ O Sr. que tena annunciado urna ca-
noa aborta de carreira em bom ozo que-
rendo mil e cero lijlos de Nenaria groas
.posto na porto querendo annuncie.
_ Aloga-se urna casa de dois andares
e sotio com a loja mu bem repartida e
toda ella com muitoa commodos pira urna
grande familia com grande quintal mu-
rado com alguna arvoredos e cacimba na
ra da Aurora ; quem o pretender diri-
rija-se a mesma ra no segundo andar da
terceira cass.
_ Quem precisar de urna pessoe pera
dar lif'.s de Istias e primeiras letras em
casas particulares annuncie.
_r'ri ciss-se de urna ama para criar urna
enanca e prefere-se aendo escrava : na
ra da Florentina casa ultima depois do
sob'ado do Sr. Eiras.
A pessoa que annuneiou querer ven-
der uma mesa de meio de asila no sendo
maito grsnde annuncie sua morada.
_ Precisa-se de um estrangeiro, que
quejra ser feitor de um engenho daudo
iiador a sua conducta : nesta Typografia
se dir.
_ Joo Francisco Santos de Siqueira ,
roga ao Sr. ). P. que vai remir amas
obras de prata, sendo uma pequea salva e
um par de esporas que empenhoa ao dia
aa de Malo de 18 {2, isto ao preso de 8
u\iaj, do contrario sarao vendidos.
Piecisi-se de uma ama de leite : no
segundo andar do sobrado de mirante no
pateo do Hospital do paraito.
Precise-se de um criado se enten-
der cozinba melhor: oa praca de Indepen-
dencia a. 37 e 38 se dir.
_ A Direcfio da sociedade Theatral
declara ao Sor. Empreaario do Theatro
Francisco de Frailas Gamboa e parate
o publico que ella reprova altamente a
danca de Babiaao que foi apresenudo
na recita de a5 do crrante Juobo bem
como as palavras que demaia ae repeliiio
.pelo porleiro na afronta da arrematarlo ,
e na (alie do Frederico asque a nio vem
no Drama e com as quaes elteracoes ae
furrio aascar, e avultar equivoeoa inde-
centes e immoraes que por aenbum
principio deven ser tolerados e descul-
pados 3 n*S teade> a dirscaS exigido seme-
baate bahno nem sido pare elle con-
citada.
Justiceira a Direcca em der os devidos
louvores quando merecidos he tambem
agora do seu rigoroso dever estraahar ,
alera do que fica dito o mo deaampeabo
do Drama que se manifeston mai mal
ensatado.
Avisos Martimos
FRETA-SEou veode-sa a Escuna Ame-
ricana Sbakespaare de lote da 800 barricas,
nova muito velleire ; forrada e eevilbada
de cobre e prompta de ludo pera qual
quer viagem ; quem a pretender dirija ae
ao escriptorio de seus consignatarios L.
G. Ferreira & Mansfield.
FRETA-SI', pare Liverpool Londres ,
ou qualquer porto da Euri-pa o Brge
ingle* Traveller de primeire classe fort
rado e encavilhado de cobre e de lote de
169 toneladas, Capillo Pal lo t ; quem
quiser dirjase aos consignatarios Me. Cal-
monte & Companhia.
Lcil o
M O leilfo de taboado a anunciado
para o dia ae do corrente ficou transfe-
rido para Quinta feira 37 do praseate es S
boras da tarde.
chios propries, na ra de Manoel coeo
D. a7 lado de Manoel Pereira por preco
commodo : a tratar na Boa vista detrs
da Matriz lado direite terceira easa D. 3 ,
das duas horss da tarde em diante.
Bichas pretai grandes e muito boas :
nt fabrica de chapeos junto e cadeie.
_ Bodas de Lisboa muito bem fetss ,
e bonitas formas, chegadea prximamente,
e sapatos de todas as qualidades para Se
nhora ,* tudo por preco cimmodo : na
praca da Independencia n. 6.
Manteiga a 3aoee a4o rs., na roa
do Rozario venda da quina D. 15 de-
fronte da Igreja.
Um bom eseravo do servico de cam-
po e ja muito aco'tumadi a trabalhar em
sitio : na ra da aanzala velha padria n.
3t 00 na solidado sitio de Joanna dos
Passos e ama vacos de leite parida de fres-
co e muito lioa de leite.
Um sitio com cata de pedra e cal na
estrada da ponte d'Uchoa com onze quar-
tos tres sslss cosinha fora estribara
para seis carallos, tenfslla ptra negros; a
caza toda envidraeada duas hartas para
capias, bastante terreno para plantelo,
ou vacas de leite arvore de Fracto de tods
a qualidade : quem o pretender dirija-se a
ra Direite D. 9 t ae mesma se arreoda ou-
Compras
_ Tres ou 4 esersvos que sirva para
o servico de enchada: nesta Typografia
se dir.
_. Um eseravo de meie idade que en-
tenda de canoeiro, e do servico de campo:
ne ra da praia em casa de Jlo Thomas
Pereire.
_ Qustro quartos : na camboa do
Carmo casa que tem padaria.
_ Um rnoleque de 8 annos pouco neis
ou menos sem vicios nem achaques, tam-
bem se negocia o vallor do xoesmo a juros
de I por ceoto ficando o dito hypotbo-
cado polo principal e premio : neata Ty-
pografia se dir.
_ Ume obre de Alexandre Pope tra-
dusida em portugus ou francs x quem
liver annuncie.
_ Um braco de balanc grande, e con
chas t na ra do Rangel D. i4-
aoannos; e ontra de manos figura da
idade de aa annos lava de sabio cozi-
nba o diario de orna casa e he boa qui-
tandeira : na ra larga do Rosario D. 7.
__ A posse de 54 palmos de terreno ,
com fondos at abaixa mar, quasi todo
atterrado no fuudo da Igreja dos Marti-
rios e outro dito na estrada de S. Ama-
ro co* aoo palmos da frente, e 56o da
fundos : a tratar na ra eitreila do Roza-
rio D. 3o.
__ Um eseravo de angola que piraca
ser creoulo ,'por ser muito Indino bonita
figura muito fiel e sem vicio cozinba o
diario de ama casa, da idad de 3o aonos,
ao comprador ae d>ra as suas boas habelt-
dades e nio se d menas de 600,000 : na
ra estreita do Rosario D. ao no seguudo
andar.
Um lindo moleqee de necio loends ,
de idade de i5 a 16 naos; dois ditos de
lindas figuras, sem achaque algum, e da
naci loanda de idade de ia a i3 annos,
muito ladinos ; urna' linda moleca d 1 dada
de 15 a 16 annos muito ladina e propria
para mumb inda 5 ama eicrava de 3o a 35
annos propria para todo o servico de urna
cisa por a3o,ooo ; ums diti de idade de
*5 annos engomma liso, cozinba o diario
de uma casa com perfeicio e um eseravo
tro mais pequeo com a caza tambem de de nscii por a8o,ooo, muito forte, e
j_ .1" ___,__... aam mnloatia limnM a urna escrava curo
e n
das
_ Urna escrava do gentio de angola ,
de idade de 5o annos para o Maranhlo
por preco commodo : na roa do fagundea
D,3.
_ A obra da Buff>n em {ronces com
estampas finas: na ra da moeda n. i5i ,
na mesma se alnga um armasem.
_ Um eseravo official de pedreiro o
orna molata : na raa doQaeimado casa de
Antonio da Silva Gusmio.
_ A traducio das Acedes de Pascoal
Jos de Mello Freir : na ra do Queime-
do loja da quina que volu para a raa do
Rozario.
Um taolato de iota si annos pro-
pria para aprender qualquer officio 1a
cadeiras americanas novas: na ra do
crespo D. 11.
Um carrinho de duas rodas quasi
novo com um dos melbores caval oa, ou
separado o cavallo servo pare endar de
parelha : no fondio junto a fabrica,
_ Uma molalinha de aa annos de da-
da com principios de costura cozinba o
diario de ama casa, lava de aabio o
hbil para todo o servico : oa raa Direita
venda que foi de Jos da Penha.
_ Tres moradas de casas terreas ns
ra do INogoeira D. 1a em S. Tberesa
D. 19 e no atierro doa affogodoa entre
Manoel de Jess Prafitas e Joaquim Jos
Ferreira da Penha por preco commodo :
a tratar oa rea do Fagondes com o Reve-
rendo Padre Joaquim Goosalves Rodri-
gues oo com Jote Bauto Man ao pateo
da Ribeira os quaes esli authonsados
para as poder vender.
Urna motada de casa torrea, em
pedra o cal, e terreno para plantac&es,
arvores de frarto.
Um cavallo carregador e esqupa-
dor, por preco commodo : aa padaria da
roa do Peixoto das 5 ponas.
Uma porcas de arcos de ferro, por
preco maito eoeontf : na loja de Antonio
da Cunba Guimaries ra do Crespo De-
cima 5.
Uma canoa de om so pao com to-
do o apparelho preciso pira navegar pe-
ga em 5 caiaa, e he maito boa de vella :
no est ileiro de JoaS Thomas.
Uma casa terrea acabada de edeftear
a 4 mesea aila na ra de Agoas vardes
D. 5 : a tratar aa ra dos Quarteis De-
cima 5.
Uma pretacreoulade idade de a a
annos tem algumas habilidades as quaes
se diro ao -comprador : na ra do Ara-
gao paseando o breo da JoaS Francisco cass
que nao tem calas da.
Uma negra com uma cria de a me-
ses cosioha o lava de sabaS : no atierro
da Boa vista lado dimito ao sahir da pon
te l). 10.
-. Papal almasiojirsneo de primeira
serte, dito de primeira e segundo sorle
azul, dito branco oidioario, milheiros de
penaas deescrever de primeira qoalidade,
caixaa com obreias t na praca da Indepen-
dencia n. 39;
_ Uma molata de 20 annos de idade ,
bonita figura engomma, cose cosinha,
e fas doces
de idade
campo ; .
lava boa compradera e vendedejra de
ra : na ra de agoas verdes D. 37.
. Urna escrava creoula de Loanda de
idade de l5 a 16 annoa engomma liso,
cozinha o diario de uma casa e lava de
sabio : na roa Direira do lado Livramen-
to D. ao.
_ Uma venda sita na ra do palacete
dafronte do sobrado que cabio, com mui-
to poneos fundos : a tratar na mesma.
_ Um carro ingles bastante forte pela
sua constrcelo o qual admiti a caval-
los : nesta Typografia ae dir.
_ Urna borra de ferro para guardar di-
nheiro, de muito boa construccao, tem
4 palmos e meio de eomprido: a Miar na
ra velhe em casa de Joio Francisco San-
tos de Siqueira.
_ Una rica mobilia de jacareada no-
va e do ultimo gosto e um pianno novo
de mogno na ra da praia em casa de
A. Vital de Olivaira.
_ Uma serrsria com 60 palmos de
terreno 0 amelada de uma casa na ra do
Fagundes : a tratar na ra da praia ser-
iara de Joio Antonio Bsptista Monis.
_ A Teles de brilbanle esmeralda e
rub; egaiolas para pasearos do grande
tom : na rna aova loja de relojoeiro Deci-
ma 11.
_ Uma escrava de muito bonita figura,
lava de aabio engomma liso cozinba o
diario de ama casa de idade de desoilo
^ dois pretos de 18 a ao annos
, optamos para todo o servico de
e orna preta moca cozinha e
sem molestia alguese e ama escrava com
uma cria da dois meses com muito bom
leite ,- e ptima cozinheire vende-se por
seu Sr. retirsr-se para fora, a fianca-se nio
terem vicios, tudo com llanca de boas ven-
das : na ra de agoas verdes no primeiro
andar do sobrado D. 38.
_ Una eama, e um sof de Jacaranda,
tudo em muito bom nzo; na ra das laran-
geiras loja de marcineiro do Sr. Salvinio.
-- Uma ngra do gento de angola de
idade de a6 annos boa hmddira e qui-
tandera, e faz todo o mais servico ds uma
casa ao comprador se dir o motivo: ni
solidada estrada que vai pira o manganho
sobrado com mirsnte, oa annuncie sus
morada.
_ Urna escrava de naci, ainde moca,
bonita figura cozinha a lava roupa : aa
ra do Livramento a. ia a fallar com Bar-
calar.
Escravos Fgidos
No dia a3 do corrale fugio da fa-
brici de assocar do porto das canoas um
preto ladino, de noma Francisco, de
nac-> mucambiquo levoa vestido calsaa
camisa de Brim saja e chapeo de pslha ;
quem o pegar leve a aen Sr- Antonio Jos
de Amorim na ra da Crus a. aa que
ser recompensado.
Fugio no dia i5 do corrente om
negro da padaria de Joio Lopes de L raa,
com os signaes seguiotes, levou um pana-
carne uma toalha de algodiocinho cilsa
e camisa de amburgo, cambsdo di peros
direita, quando quer falla desembirassido,
e quando alo bucal bem preto estela-
ra regular j quem o pegar levo a mesma,
que ser recompensado.
_ Roga-ae encarecidamente aos Srs.
Prefe los, e Commissarios essim como
espilles de campo e mais autoridades,
que.viremou souberem de um molato d
nomeF.lis de idade de aopanoe, fugio
de Olinda;noa fins de Novembro p. p-.
caballos crespos, olhos de gato cor d
canella nariz pequeo e tem dois desle
tirados a diante da parte de cima j I06"
pegar leve ao beci do peixe frito D. 4
a fallar a M-noel Fi mino Ferreira q
recompeusar.
_ No dra 3 de do corrente fugio nn
molato de nome Gregorio, trigueiro, al-
tara regular de meu idade com algooi
cabellos brancos na eabeca e na bsrb
meio decorado e quando f*lUc""
tem um signsl no corpo o urna unos ae
dedo grande da um p est qossi gasta,
e nutra de outro p esl nasuda ameladas
novo levou vealido calsa de panno W
preto ja remendada, e camisa de paniobo,
e chapeo de palba foi aaecido e crJ
no mallo ; quem o negar leve a 1"
creapo a seu Sr; Antonio Xavier da o"
que recompensar.
5eITi&?
^ MELHOR EXEMPLAF


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGWUFYRP1_YA1X9Y INGEST_TIME 2013-03-29T17:15:19Z PACKAGE AA00011611_03908
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES