Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03896


This item is only available as the following downloads:


Full Text
aNN bE ite ekca fiiU
*
CAMBIOS;
Janlio 10.
Londres 29 por ifooo sed.
Lisboa p5 por loo premio, por metal, oTerecido.
Franca 3o a 3i5 reis por franco.
Hio ce Janeiro 3 por 100 p.
Moedasde 60 H-ioo 8#3oo a 8#4oo.
Pezos Columnarios 1700 a 1 ff"}HO>
Dittos Menicanos 1^661 a 1^670.
Pataces Braziteiros #700 a i#?"o.
Premios das Itlt as, pormez 1 1/8 a 1 1/2 por 100.'
PARTIDAS DOS COHREIOS TERRSTES;
CMade da Pataiba e Villas de sua pretenco B 9 C
Cidade de Rife 'ranrle do Norte, e Villas dem 3
Cidade da Fortaleza e Tillas dem ....
Villa de Goianna ........ .' '.'
Cidade de Olinda ." ; ; '.' .' ;
Villa de Santo AntSo .' .' y S
Dita daG-aranhuns e PovoacSo do Bonito.; '.' '.' V
Dittns do Cabo Serinhaera, Rio Formse-, e Purto CjIto
Cidade das. A lagoas e Villa de Macei. .....
Villa de Pajaurde Flores......3 a K 5
Todos os correios partera ao meios oa.
11 DE HJIUIO NUMER t25.
Tudo agora depende de nos mesmo* ; da noss pradeo"*
BioderacSo, e energa: ontfrvuemos como priucipianiosi
e sereme apontados con admiraeSo enlie as Sacoes ina
cultas.
Procl'tmaco da Asiemblea Geral do iraiiL
Segundaste SxtasTfeira.-;
Todos os dias;
Quintas feiras.
Dias o, e 24 de cada mez
dem 1 11, e ai ditto dilto.',
dem idem.
dem 13, dilto ditto
r Subscreve-se para esta folln a afooo por quartel pagos avi
anlados nesta Typografia, ra das Cru.es I). 3, toa Pre
da Independencia I). 57 e 38, onde se recelan corresu,>i-
dencias legalisadas, e anuuncios; iiibirindo-Se estes ruis-
sendo dos proprios assigoantes e vindos assigoadoi.
DIAS DA [SEMANA.
10 Sequnda S. M=.r>arida Rainha. Ses. da Thez e aud do J. de D. da 2. vara de manb.
li Terra S. Barnaii p.. Re. e audiencia do J. de L). da 1. vara de mauh.
12 Ouarta S. Joo de S. Facundo. Sesso da T. P.
i3 ()'iinta -fft S. Antonio de Lisboa.
i'i Sexta S. liazilij Magao Sesso da Thez. e aud. do Juiz de Dir. da 1. vara de na.
15 Sabbado S. Vito VI. Re. de manh e aud. do J. de D. de 111.
16 Domingo S. Jou Francisco Regis.
Mar ebeia para odia il de Junho.
As 4 horas e 5o minutos da manh. As 4 horas e 54 minutos da Urde.
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS DEPTADOS.
Sessfo em 10 de Malo.
Presidencia do Sr. Araujo Vianna.
Depois das 1 o horas da manh faz-se a
chamada, e achando-se reunidos dipu-
tados em numero legal, abre-se a ses-
so l-se e approva-se a acta da ante-
cedente.
O Sor. primeiro secretario d conta do
expediente, leudo os seguintes oficios.
Da ministro interino do imperio, par-
ticipando que o presidente da provincia de
Goyaz em officio de 16 de nuro passado,
commuoicou nao 'poder comparecer na
presente sesso da assemblea gerai corno
deputado por aquella provincia. Fica a
cmara inteirada.
Do mesmo ministro, em q'partecipa que
O Regente em notne do imperador ficou
rnteirado do officio desta cmara commu-
nicando-lhe aeleico da mesa a que aca-
mara procedeu para o presente mez. Fi-
ta a cmara inteirada.
Do mesmo ministro, remettendo os es-
clarecimentos relativos escola de medi-
cina desta corte, que havia sido extrados
por esta cmara. A quem pedio os esclare-
cimentos,
Do mesmo ministro, remettendo a copia
do officio da cmara municipal desta cor-
te, que companha as contas do rendi
ment, e despesa municipal do anno de
1857 a i838 importando o rendimento
( 15o: 13' U067 reis, e a despesa........
( i5o:455Uo8o res, A commisso de cama-
ras muuicipaes.
*<* Do mesmo ministro, remettendo a copia
do decreto de 18 de margo ultimo pelo
qual foi aposentado o desembargador da
leUgode Pernamhuco Antonio Manoel da !
Rosa Malheiros. A commisso de pensjs
it ordenados.
Do mesmos ministro, devolvondo o re-
querimento de Manoel Jos Ribeiro de Al-
meida com as informacoes do presideote
da Paraiba do Norte, dadas em officio de
12 de marco ultimo. A quem padio as iu
iormacss.
Da mesmo ministro, enviando as infor-
macoes que foro exigidas ao governo a-
cerca da pretenco do paroco da fregu-
sia de S. Jos desta corte. A quemas pe-
dio.
Do^ ministro da justica,participando que
em satislacoaa que foi exigido pelo gover- ;
no em officio d-sta cmara datado de 3 de
tembro do anno passado, remelle um ofia-
o do presidente da provincia da Babia
d.tado de 17 de outuarodo mesmo anno.
e dous do presidente de S. Pedro de 8 do
referido mez, e o da desembro ultimo. A
quem fez a requeaicio.
Faz menco de um officio do Sor. depu-
tado Basilio Quaresma Trrelo, parleci-
pando que contiua a estar doente.
Remette-se a terceira cnmmissa de fa-
senda o requerimento de Maria Joaquina
da Conceicio.
A de petices o da Francisco Xavier Caval-
cante de Albuquerqne.
Adomarinha e guerra o requerimento
do padre Pedro Marinho Falco.
Ordem do dia.
Entra em discusso o seguinte parecer
addiado.
A commisso de poderes tendo de dar
seo parecer sobre a indicaco do Snr. Fer-
rera-de Castro, na qual requer que eja
iharaado o Sor. Joo Candido de Deas e
Silva, como supplent da provincia do
Para', por faltarem dous dos deputados da
dita provincia, a saber ; o Snr. Arcebis-
po da Baha, e o Snr. Bernardo de-Soo-
za Franco examihou a acta gerd da di-
ta provincia, o della coosla ser o priaaei-
ro suplente o Snr. marechal Andrea, eo
segundo o doator Marcelino Jos Cardoso;
porem como da mesma acta consta nao ter
apurado o collegio de Lnsa ; e como a-
pesar de dfser o officio to presidente da
provincia que a villa di Lusea fora to-
mada e distruida pelos rebeldes pode a-
cootecer ter havdo nella votaco, que
altere a ordem dos suplentes, porisso re
quer a commisso que se peca ao governo
a acta do referido oollegio; se por vertura
ella existe.
Paco da cmara em 6 de mao de 1839.
Carneiro Leo, J. C. Perera, Barreto Pe-,
droso.
O Snr. Carneiro Leo observa que este
parecer quandoprimeramente entrou en!
discusso foi combatido pelo Snr. Alvares
Machado, e sustentado pelo Snr. Brrelo
Pedroso que o parecer c fundado no de-
sejo que tem a commisso de querer acr-'
tar. Requereu-se que fosse chamado co-
mo suplente oSor. Joo Candido de D*o3
e Silva, disendo-se qae faltavio dous de-
putados pela provincia do Para a S3ber:
o Sur. Arcebispoda Babia, e o Snr. Sou-
sa Franco; ora baseando-se este requeri-
mento na falta d'esses dt putados, e' justo
que se examine se o Sur. Joo Candido o
primeiro ou o segundo suplente. Pelas
acta3 se v que elle esta' em terceiro lugar.
Observou-se que havia a falta do colbgio
da villa de Lu?a 5 e que esta f lu proci-
dia segundo iuformou o presidente da
provincia, de ter sido esta villa destruida
e tomada peles rebeldes ; porem houve ,
quem dicesse commisso que existia a a-
cta desse collegio logo a commisso nao
se devia recusar a exigir urna informaco
a tal respeiio nao deixar de verificar se
existe ou nao urna semelhanle acta para
entrar no exame da materia. Entre o Sr.
Joo Candido e o Snr. doutor Marcelino
Jos Cardoso pode haver sua difieren? em
o numero de votos pode ser que o Sor.
Candido estando em terceiro suplente ve-
nha a ser o segundo porque a difereaca
entre os dous nao passa de dous, ou tres
votos logo a commisso nao se devia pri-
var de obter todos os muios de informa-
do nonsso requereo qu tiesse essaa-
ctj(. Pode-se dizer de certo que o Snr,
ebispo e o Snr. Souza Franco, uo
tomar sssento ; porem o mesmo no
Upode diser a respeiio do Snr. Augu-to
CuHodio Correia, porque nao consta que
elle nao vem : talvez que venha na primei-
ra embarraco que cliegar 'aquelia pro-
vincia. Fica or tanto claro, que se o Sr.
Joo Candido for o terceiro suplente, nao
Iha compette tomar assento. Em vista pois
do que tem exposto, entende que o reque-
rimento que faz a commisso de constitui-
do sendo um meio de que a casa se tem
servido em outra occasio deve ser ap-
provada.
O Snr. Ramiro diz que nao contesta a
commisso o direito de baver as informa-
coes do governo, mas constesta-lhe a neces-
sidade que diz ter de haver essa acta pa-
ra que o Snr. Joo Candido possa tomar
assento. O ficto que a Provincia da
Para' nao tem nessa cmara um s re-
presentante d is tres que deveria Cer ; e fe
o Snr. Joao Candido nao passa de terceiro
suplente, havende orna vaga de tres de-
putado* nao Ihe cabe o direito de tomar
assento? Dece-Ihe assento e exija-se a
informaco para gradur-se o lugar em que
b 1 de fiear.
Notta o orador a friesa, n indifferenca
que o nobre deputado que acaba de fallar,
tem mostrado u'essa questao quando se
v que a constituido foi ferida pelo mi-
nisteiio transado, nomeando um dos ra- m-
bros decta casa para presidente da pro-
vincia do Para'. Dezeja quea'guns Srs. j
deputados o esclareco sobre os motivos ,
que leve o governo para arrancar desta ca- I
mar um memoro para o empregar o'quel-
la provincia. Em quanto n> ouvir urna
esplicaco que o satisfaca c^utinuara' a
patantear a "sua indignado contra um ta!
procedimento. Eulende pois que o Snr.
Candido, deve lomar, assento, como de-
putado suplente embira depois se ezija
essas informacoes.
O Sar. Carneiro Leo responde ao -
lnstre deputndo que elle nao tem obri-
g cao de se irlimar pelas mesmas cousas '
que elle se ii:li at quando ellequiser, pois q-J'i entndc
que Ibe be licito usar de friesa sempre
Jueo seu seutimento com elle se confor-
mar. Si o nobre deputado continua o
orador, sent uma tal indignado pela no-
meaco do presidente do P.ira' elle nao
sent essa inJignaco, e continuara' na
mesma friesa como dautes. Nunca foi
costuma n'esta casa por um deputado
ordinario demorarse quinze ou viute
das cbamar-se o suplente. Nao se devem
chamar si nj aqueles suplentes, segundo
a ordem em que esto pestos e nunca su
chamfio si nao qiando ha prob belidade de
falta, a qual siuo pode considerar co- ;
rao tal, smao a do Snr. Are. hispo e Sou-
Franco, Sent nao poder annuir a que o
Snr. Joo Candido tome assente ; decla-
ra que seu amigo, que simpatisa com !
elle e que ate fot suu coilega na assein-
blea provincial, mas nao pode prescindir
de seu meio de informaco*
Nao entende, como o nobre deputado
entendeo que o governo haja ferido a cons-
tituido, pois qae na di' aos artiges 33
e 54 da mesma constituido a intelligencia
que elle Ihe deu (leu os artigos e continua);
A prohibido absoluta que aqui ha pa-
ra se nao empregar nenhum membro do
carpo legislativo fora do imperio nos in-
tervalos das sesses -, mas na5 prohi-
bido que seja empreado, dentro do im-
perio. Porem sendo estas nonoeacea para
lugares em que o deputado nao pode vr as-
sisir as sess5s, o governo pedir enta a
dispensa desse deputado. E quem nos
diz a nos que o mini-terio que acab u nao
pedera dispensa a cmara. A adminis-
tracao actual se o nao quise r faser deve
faser retirar esse Snr. deputado.
O Sor. Ramiro explica o que dice, e
declara que nao pode deixar de fallar com
calor nestas conzas. Reforca a sua opi-
niao para que o Snr. Joa5 Candido toma
assento com o exemplo do que se prati-
cou acarea da admissa5 do Snr. Josu
Florindo Figueredo Rocha, e do Snr.
Costa Vianna. Chama a attenca da c-
mara sobre o disposto no artigo 33 da coos-
titucaS que l. Mostra que a nomescao
do Sur. Franco, para presidente do Pa-
ra' fora feita no nter vallo das sesses,
no mezde Janeiro 011 ev^reiro. E cfa
possivel, exclama o orador empregar na
provincia do Para' a um deputado sem
prvalo de concorrer a sessa ordinaria e
extraordinaria?
Uma voz. Foi em marco a nomeacaS.
O Snr. Ramiro. Ainda mais no eaer.
de marco E era isso possivel ? Mas fez-sn.
Deseja pois saber se o estado da provincia
do Para' eslava em perigo : se o?o havia
cidadao hbil para govemar o Para'. En-
terada que nao depois de o havr no-
meado que.o governo devw consultar a
cmara, e sim antes: entende finalmen-
te que a nova adminisiracSo deve cha-
mar ao seio da representado nacional um
membro que foi arredado della.
O Sar. Rodrigues Torres dt (Tendeo pa-
recer da commisso, e deciara q'o govorno
rao violou a constituido em nomear o Sr.
SauzaFranco para presidente do Para'; h
njostra que casos pode haver em que um g >
verti pode empregar membros deata c-
mara quanJo julgar isbo Decenario parr.
a seguranca do paiz. Concorda que aeja
necessaria a lcenqa da cmara mais ntota
que no intervallo das s ss5as nao Ihe
possivel obter essa concesso da camir?,
pois que ella sino acha reunida; porem
logo que se rena pede se essa despensa, o
que tem acontecido. Si o ministerio nao
pedisse dispensa dos deputados, depois
de reunidas as cmaras enta haveri
rasa para se considerar o governo coaso
violador das leis.
O Sr. Andrada Machado raostra qua a
questa hoja he diversa d'aqoelJa em^ qu
se tem ponderado acerca da admissa- dj
suppleutes ; que a representado do Para
i
I MUTILADO


n 5 existe na rattsra e -chu mu r ""?* peejeeins de lei escocime* > por
V'.cado qua &m a repr >pi.Uco i? hxi n i' rpe s erttaS s^ apeienlarUo M1" os Srs
povi ry.H ao a pu-.s. linde que ki
iep fseruifi se i.i'o p r uai de sera ti
Udoi j sp ,.p r puh-flj alas afejeeSe
>.| lin.Vrbs e els os diria quae era*. Betalh-5 ProvWrdde Cacador* atho-
:,;, :r,.'*;.,e. 'D ->, ^s^m-jirse
chindo, ns poJeve reraltar coma boa.
saUjiioMineel Das" dos Sintas.
D U Au Gommndante interino do
o ao.dado mencionado da piacdente Per-
Urrie, devp'ido irfcloP.t) no nu n. dos Ex-
pedicionarios ao MarWrtia.
T.fEZOIlIA DA PROVINCIA.
Expediente do da 4 de Junbo.
Officio Ao Exm. Ministro Plenipo-
tenciario do Brasil en Londi+e remetten-
Quinto a .ufo nnutn da qu si ,5 m< Oiulndo se p s ess*a lea escepeeionnes,
|f q*ea n tiuiicao be muflo ciar* a ess -.r.u ver se ha si .casse*!* d-) apoiar, ou
i.sp-'itn. O ral he < espifiio da ronstitui 'nao vasa administracae eponsso espera
t5? dit o r hist-faar F/ ra ttf q*e 5. Ex. o Sor. presideMo as ce para
nhiim mmib o h> ebrp :::v''va *!* r- fevffMn do da.
lirado da mi&sad que o povo he conferio.! O Sr. presidente declira N-6 aega o geverno o e mpre-j's c siderica a lembranc-i do Sur. depa-
rar quelquer de ni ( membrus da cama (ido.
ra ) : aegaltitoorem sVdiTrto todas es\ O Sr. Alvares Machvdo. Multo cbn-
vesesque trouxer arrapo le deas- g.do. ., sirli-
..I, a seesio qua raembro d'r*a Como tenh* d,do a hora o Sr, pr*si- do-llie huma L*tra de i5a7 J W
cm. SfkftMtf.es ,Wtatfido, id*ftfciem do di e levanta jas a qodias vista dusaqia dame. x*x
------J- nont &Comp. abanado por Manuel Uon-
Cilv s da Silva sobe Vlc. Calmoat Brox &
Comp. da roesm?. Cidade.
Dito_\oConHdor da Thesaurarii a)is
ecpandO'lhe em coosequencia do offieio
(i Kxn, Pifsidenleda Provii.cii de l4 de
Miio [>. p. que ao Arsenal da Marinha sa
teai de foroecaf mensaloient^ cum a quao-
tia de sete contos de res ate o fim do
corrente anno 6nancuiro a fin d? se con-
tinuar o fabrico da Encuna Gararapps.
Dito Ao mesmo partecipndo-lhe em
cose(|u pira S. !'u.o on Santa Cath-rroa sesS depo:s d,s horas da tarde
les podeiiaO vir asisir -s it <- i f.s aaai
irp:egsr no l'ai a u:a dtpufa 'o, he o
mesmo que diset nao qoero qua eoha
'ir as sesseen*. Vloatfa fi-
t.aiininte a9 tegraa q t eiUbt'kce a cons-
tituic pira ettaa nooaeacdfSi
O Sor. Cimente Peteira d f-nde o pa-
recer da comrnissj tg>'
to nao pi.dei ter ra&is que a iJennora de
tr" (iias.
PERNAMBUCO.
COM.V1ANDO DAS ARMAS.
Expediente do da 27 de Maio.
Officio Ao Exro. Presidente, d-
zpndo-lhe que qufpndo d'a!;;u-na sorte
E' tfforecida pelo Sr. R miro a : emenda: nio p^d-ndo a 1. Linha dar mM de um .-!''^- ~- -- -
* PfQt-seao governo sa srtas que f.r- e reeio quartos de guarda, rog>va a S. e da ProvrWa de 11 de Mato p. P- q
tao daseleicoeos dos drtutadoa pa pro- Fxn. houvosse de dsr snu orden! ao CciftJ d^sa que se fre era cora o tr
vincia do P.i dndose no intuito as-, maodante do Ccrpo de Polica pira '
sent ao Snr. JuSo Candido rJe Dtus e S.l- este reandasseanjinhia presentar na
va. '*
Sendo spoisda entra ero discussac.
1 S.
rada 1 Capit-5 pura o F)i a Praca 2 I'i-
, feriores a C-.bos, e ib' soldados entre
que se vai construir defronte do Arsenal
e Guerra e cooi Os canos pira o esgrita-
m*-nto das sgo.-s da dita Ri'part;ca5 devem
ser pag*s por conta da consignacao tnar-
OCli':u puiituti cuna riu uiai.uamu. i ici >ui cj a v.uu> o .< ..-i ^....- i, ni
Julgl-se a mteVU sullicieriternente dii-! tanto que a Coropar.hia d'Artifices coad- da para 's deesas do memo Arsenal,
cutida, e o partcer he pasto a votos, e iuvoria a policia uoctun.a nesles dous dias. I'oruna Ao Tbesoureiro d t.senda
approvado. I Dito- Ao mesmo Exm. Snr. ende- mandando entregar a Me. Ctlmonl a
A primtira parte da ercenda jo!ga-se ressandolhe o requerimer.to qu o Ca- Corop. do ftertd.menfo de urfa por cento
comprehendida no Vencido o a segundi pitao de CaValHria Reformado Antonio app'icado a amoftisac- da divida externa
beregeitJ. Manoel de Moraes da Misquita Pimenrel a quahtib d la.b^,-^ 1 res valor de
O Sr.AlfresMchado obten Jo a pala- diriga"M Governo Imperial, Pupp'lican- i ama Etra d I SaT Libras Sterlmas que
ra pela ordem roarnft-sta o desejo que do-Ihe millioramento da Reforma no Pojlo ; mesmo B^CjJa sobr Wc. CalAont lirox
;m de filiar com conbscimhto dn cusa de M.q'or com a Gndoac-5 de Tenenle & Comp. a favor do Exm. Ministro do
v
lem
Brasii em Londres.
tfB&A DO CONSULADO.
A Ptta be a mesm do oum. lio,
ARSENAL DE MARLNHA.
EDYTAL.
ICUJ UC I Jila! KZ-'ill l*i.-IJ 11 -Ci ilt. tin IMU3I l|r; iWt'iwi *"ui a ui'uuuyu ** .*-'
guando se discutir a fes boa ta a falla do Coronel e informando qua o S'ipplican
trono e por so dtseja tbier rtol pscla- te tidba t'omerit qireit'o ao milhoramento
recitaentos do governo p.ra oqjn man- requerido no Posfc de M-jor por endemni- -^. pM.iS, i-teOrt T (*01 US
da 0 mesa o sejMii-Me riju;rimt-r.i-.): v.aca visto h^vnr sido i8i8 mu4a- Kn.CtwlB V
*' Requeiio que se pee* ao goVerno*p(-1i m reparli(,'a compsltnte tcJa a corfeapoii pelo C*pite5 F. da R P. ti.
dencia entre o roe-mo gjverno h h Crina Dito Ao Comnjndate Superior da
Romana, acerca da questo ir i, rtU- G. -do Monicipio rJisendo-lhe, que
lira a daaeacio do Sor. doutor vloirra pa aaeshoa Giarda liaba, secando o novo
ra bispo do Rio de Janeiro, desde sea ataTbe d- dar a Guarnic.5 um da sioB,
conuco a cociusioque leve pela noto*; c.5 e outro n;5, o que este deulhe dpviria lr
de outro bispo. principio notfia -g de aianeira que da
O iUuitredeputado propoem a urgen- ra gura nos'djas aoj e 3i do corrala
cia para .entrar este requerimento ed da- a 4 6 &l- oaegniot, eassimpordi- M
tus"i.. ,0ie dareodo neata sentid, expedir suas O InsneMor do Arsr-nal d Manilla, au-
tuasao. .... .. pilv.rsado D?l*Exm. Snr. Presrdente para
A urgencia beapoiala e e.-jtra em dis- ordens. cinonsauo peioF-i^*. ^
coio. Dito Ao Major Director do Ar-enal contratar por um o ddus anos com to-
O Sf. Maciel Montefro opp5e-sa a ur- 'd Guerra disendcli^ que a Compa-| das as p-soas qua voluntariamente *w
CfUC;a, e entl 1 que ex- nhia d' Artfices t aba de, coadjuvar a po-iquvirao engijtr n? ertico da^ Lmbarca-
Lnda ebsarra aoillustre depilado cue hcia metuma boje, eamanhia e que por ,coens de Gunm Nciohaea p'8-do
preseotouore que eria me- tanto mandasse apresentar as t hjras da grat.ficc de v.nte a tunta mil res a caaa
Ihorque elSeespc api sse tard^ dos rtenlos das ao respectivo Lo o-
o r elaterio di D es- mandante 2Cabjs,er5 soldados,
tfangeiros a se n'elle alo c for-l Dito Ao CoiO"nod^nia Geral doC^r-
macoens ruie o sal etao poderia po de Pueia cooimu".icaud,-lbt o ex-
ter lugar o seu rfq ermenlo ; que ello posto no anteci djnte olScio.
deputado no ttrla diivida alguma era dar- Dito Ao Comxapdaote interino do
os qu.: fui- Batba6Provisorp He Ganadores, orde-
. Nao dovd ra approva o reqoe- [131100-111-! que nsaesse disc.oatar nos vepei-
iimento sa tTaasa a clausuh de nad se mensos do soldado Jos E!cy a quantia
aaigireo aqaallea doc r, cuj pu- (da 13,440 res qu naria deseocamiiibad'o
blcidade podesse comprouieiter o bom per teneente ao saldado do 1. Batalhio
xito das ucgociaccens entsbuladaai
O Snr. Alvar-.s Machi : sestela a ur-
"encia demonstrando que nao pode baver
neohum ccmprciuc'L'.eito na viren essts
P'-peis porque M e clu ter-
minado segundnos d:a -!a d^ trono,
A urgencia he auproVada e e.itia era
dicui>s;5 o requerimento.
Depois de filuitij esta m t ri > os Srs.
Maciel Monleiro, Cameiro d-- Campos,.-
Rodrigues Torrea, C--uiero Le.5, Nu- 'a mandasse entregar ej! Itanurtca ,
nes Machado e Alvar.:, AUcbd j pe- se athtva dest cida.
J c b PranCseo de VIedeiros a cojo Cora
mandante devia entregar a qontii dis-
c opiada.
Do Ao Com man lanle interino do
3. Boti-lho d'Artbriiia commuairan-
do-lbo o disposto n > precedente officio ,e
cli-eiido-lhe que rtc-ben:l> doComman*
danto do BaUrhlo Pruv.sorio de Ca-^dorej
a qu:ntia de soldado Jscob'Francisco d Medeiros Ihi
cm Marinheiro de prcBca e Mea a quirt
ze mi! reis a cada individuo que pusto
ii-5 sej MaMuhi'ii'o tenha todava de i4
a 2S aiioos de idade e queia applicar'se
a Vida db mar abordo das sobedits Em-
barcicofns ; convida a aquella, a qttm
semelbante con'.racto ou eng-jafn-nto cun-
vier o compueeerem no praso de ao dr*s
na ,'iecetari' da Insp-cca5 do'm'-smo ar-
senal fin de que lavraiio o termo e p*ga
mi nuil (UBE
e vinte reis., coj trluro se reformar gra-
tuitamente todos os seis meses; sendo obrj.
gados igudmente a faser consla^oa rtte.u
da Sacratam qualqur rtuda-nca de ocup.
c., ou inorada, par ser nolaea no res-
pectivo titulo; ficando soliente izenloa
rJV4N *bri*(ft5os .merejos hstr";?"<,
qunaS vieremfesidfr namesnaa Comar-
Recife 5 de Junbo de i83p
Francisco Antonio de S. Bar reto.
Carapuceiro.
da
de
cr.d.
dea-sa votos; e jul; 1 ewlpria dis-
cutida o requeiiuituio bebffeceede a vo-
titC apprvodo.
O Snr. Alvares Machado p> la ordem tem
apnlavra e (Ucia.:i qu vate v.;.} t:a qam
eburnos dia bom. Desea que q.in-
lo antes se aprsente o minis- uj d.;-
cl-re q*ai hw- programa do sao ffoteruo.
Wcsir- q^ ueobum dos in-.mt. ctual adai,.M,trac. tw '-^"t "u **
lira-t lBT*"------- ------ *"* -w *** *y.~-" ---------; ,-------
a pu**auto suria bom que o Sr. eluir da uiesuo com guia de passigena
preaid'cuw aleM p-r- ordem da uia todus foara o Bta'V.. Provisorio de C^adore? 0^
Dito Ao menino remettendo-lhe a
ustificac que pe ooIh o Auditor de
Guerra dera o soldado lo Baulbio do sea
Commando Jco Mariobr Gavajcante d'A|-
buquerque que pretenda s-rvirem qua-
lid. iie a 1. Cadete afirn deque preca-
desse a Cunsho de Dneccaj na faria da
L i.
Portara Ao Coromand~nte interino
da J.' Jjatalha d'Actillreria mandando
a gralificacjS, sigi5 pata o Arsenal
C-te.
Iiisp'icta do Arsenal de TVIariihi
Pernatnbuco emU de Junbo de ttg.
M*aol teSqutia Camptllo.
losptctor.
PRGFEITRA.
O Prefeito da Comarca do Recife,
cumprimenlo do t'ffici > de S. Ex. o Sar.
Prelrildte esta Povincia datado do 17
da mez de Wio pioxiaao passado e m
conformidad* dos Avisas da Secretaria de
Estado d.is Negocios de JuStica da 6, e i5
de Ab:rl d.iJfbr.eiile anuo ; fiz publico,
qu o* E^traageiros que 3' achia u'esta
Co.mnca e os que 'ella chegar^m sio
obligados apprrsentaiem-se nVta Se-
cietiii dasdz boas-Ji manli* at asa
datids, pra leceb^rem o titulo de suas
residencia, depois de trem asignsdo
um Termo, que se lavrar na dita^Secre-
taria emumlivro, par. is:o deitiftado ,
edehavefem pfgo a qoantia de trereirtos
O nao sei que.
Quem haver, que saiba definir o que o
nao sei que? Quem pode'r deiermio^r pre-
cisamente o significado de tema exp^-So 1*0
va^a, e que srve para tanta cousa ? D Fi
lamila por ex., he mea, hebilla, he
eogracida e garbosa : todos esper. qua
sjbum novo Adonis venha a ser merece-
dr do coracio dest no^a d"usa : m*s 1S0
succedeassim. Hum Bariolio, ou hura
SHlyro di nojenta figura, e compamente
desengra9ado merece todo o s mi alfecto :
pergunta-se-ihe de que ae erramorou na
quelleenguic) n'aqnella aborto ? Confes-
as que elle ha ludo qu'.nt dizern con-
vem nos defeilos, q^e Ihe eponta ; mas
conclue que Ihe quer bem por bum na
sei que ,*
Na povo cao dos Afogados existi ha
muilosi.nuos'hum Mratre de primeiras le-
tras que alem de horrorosamtnte feio, era
paralitica dan pernas de maneira que viv.a
lodo odia deitado e lio tolhido das del-
gsdissrmas gambias quemis pereca hura
sen' no tsboleiro., do que oatra cousa. Nis
su ,s horas vagaa mandava-se arrabtrar para
a porta e ah zangarreav* em huma viola^
como para desenfadar-se. Succadeo, que
ddfronta do Sr. Mtstre mor*v a mais Lai-
da amis vicosa, e lou rap^rvga ca-
qn.tle rogar. P*to que esses e.ao hains
lempos seni malicia, lodav.a neo leltarao
gamenbos, que a damejassem, e reque-
bressem porfi. mas oea fciao. ludae-
rdos em suas pelieea, e a nova Vonu *
se rwmorou do V"lcaodos Afogadea, sene
nenhumaoutra raslo se nao o tale nao
sei que a o por fim vero acezar com He,
oflVrecendo a o mondo mais hum oouU-aete-
eapartoto das eetrav.-gramas huma. ai.
Crf^la, qufltmrrs 'u.to^ filbos, e rao
horrendos, que bem pomosmr pa a eu-
rMuecerosroelhores Museos. Eo-vmvou a
monstrengo le.jedo e PtMo segundes
nupeHS com huma m^ina fuiaaosieaime *
a quem deo prefere..,ia de trez tooas bellas^
quen pretenda, e todos est-s fenmenos
provenientes do nao ser que -
E n* rio to vulgrrea ealea examplos i
Multas vezes vemos huma bella seuhora c*-
zndacomhum bruto., com hura jeag.*,
com bum maninelo com bum launu ele i
c,nsta-..r,s. que tazara pr amores e neo
se -p4e explicar a eocrsa ae na recorren- # 1
o Zo fatal nao ser que. E e hti toi l0
he feio, he mal aj.rcdo, ( duem JJ
meninas ); porem tem hum *' te ^
que muito nos atraho nos captiva e pren-
de : o.devinbei lqual be esse naa ser ^
que! Se.elguma dessas quahdades oc-
eultas, de que f.Hava eaub. que Unto
porfiavkd os Peripatticos? era algn
prenda encb'berte algum presumo tao es-
eoitdido, oufe qualquer o nao pjsaa parca-v
ber? Ser alga* m*le6cio algum fettco,
etc., etc.J Nadaseeabe: be o'Ul nJ
sei que que -ludo aceba e ludo decide.
Nao se agostera j as senboras, duendo ,^
que o Garapuceiro s se oceupa em-emacar
baldas e pechas a o bello sexo quandf
pelo contrario teoho -ido o Ryrista : >nfo se aaaitem drgo; porquxlj
nos goslos e opimea dos bomeus Umbem
predo-mioa o imlecifraVel rio aer ^ue. 1
Quem nao est vendo todos o* dios sugei-l
o,ge.,Hz, ebem ape^eondos namor^eurl
sa 1Je-harpa., e comellerem desatiu^siitir^
.mor de huma era*ada que neahuoie gr^
a oerttvum enc*nla osesaceV Quem nao %
ter visto ele iovens do bem lom e tenu-
Sei>a4eeoq4sUdres, qae dpois da.ga-
lautearem a innumerers anocekirws linoar,
esedufcWras vem por ultimo a fien pat^^
a por atrita ee j de ioete ceaonica en-



pyUtaa e ais prep^as para interven -
!crwbi.s del arlas e totfn pedem
J.'ruatitos f<5c tees eovlheiras Ojian,
tos se dt-scalTsS le su*s consort*, alia
. lidias e imar ranam#ite p*r a* apainonarero por f*i>i-
cii'MWS dissolutas puf iridi^ista iaro,
r por sii'is rMinft'is.is escravas ? Pode-se
i.o f-eja o soberano imperio do nao sei
que? Tive um amigo au>- sL-clava
DIARIO DE
Ittil-JYii'iTi'.V-ffl
levantados que padece hoVn frango. moUia_-
awrn
quj
.raada Stotcismo : era rosco, har pareci-
d, linba irstrucco, algunas fortuna, e
at prendas tinha. Entre t -uto inetllcava-
sedespresador do Bello S x >. D.zia que
uo sabia,corao um homaro,qu entietcr-se dfz minutos com huma mulher,
anda qut fosse a pr. nria Venus ; norqu?
todas Ihe deafira-iiv-o e aborrecia : mas
o que acontec.o ? fc,;.. p,,| Sofo c'ibataftD
nJinortiu se de liunn espacie rleCanidia,
quetinha lod 5 estas qmlidade; era j
madura magra que s tinh pelle os-
sos, lcr era assim por modo de viola ve-
Iba e de mais a mais to carao'ha que
nunca se sabia, quando brux* olh .va pa
ra quilijue'r o'^ct j : fez bravuras, e desati-
nos por ella, e leudse ero coma de Adonis
veio a |s,posar-se nao c., com Megera, cu 'IWpboha; eporgan-
tando-se-lhe a rasa: appl|ou para o iro-
penetravel no sei qU f qe descobrio,
oU aforoou n'aquella serpete !
Om nao sei que nio tero apnlicaclo s-
mente a respeitj dos onjectos amatorios,
porero he muilo mais extenso serve pa-
ra innameras slucs das cousas mora' s.
Muitas vezes vemos occupsndo eropregos
emronentes sujeto, cuja noraeacao nos
espanta ; porque tem saber ? (pergunta to-
do o mundo) E responde se-lhe que wo.
Prestou alguna servic a causa publica ?,
Tarahem nao. He fiel, zeloso incoriup-
tlvtl? rada disto. E 'porque o brevet *'o
consideravel despacho ? Nio se s be, e'liifr
ha remedio m \ko recorrer ao no se
que, que descobrira nesse individuo,
te nio sei que que f-upre a otelgenria ,
a capacidad as virtudes e tudo. Por
que foi o Militar'F., alias com, idbneidado,
longos ser vicos preterido por S., que na-
da fez*, em quem n-nhum mrito se co-
nlrece? Nao *la outr.i resposta mais do
que o nio sei que. Porque se deo *st
higar a o menos digno de til oq tal Re-
paHicao t Pf lo seu nio sei que. p Po<*-
(j['ue casto as mesmas eleicSes populares
niuitas vezes se faz guerra a nidada.n de re
conhecido mrito para serena n ornea dos su-
{jeitos indignos e perfitas nulidades po-
lticas? Muitss vezes he em virtud? das in-
trigas das caballas etc. etc. ; m. ^ie meramente pelo mysterioso nio sei
que. Porque l'edro por ex,, pode co-
raetter mil ciimes impuDemente e Pulo
" ne perseguido pela menor f.dta ? Porque
liuru enriquece da noite para o dia e ou -
tro com os raestnos meios e sequo lo os
nresmos passos deteriora-se, e ise perdi-
do? Porque este, qua lem qneimado as
pestaas sobre os livros, nio he conhecido
na Repcblica das Letras, e aquella que
nada esludoa que nad sabe se nao huno
palavreado ce ostentacio passa por orcu-
lo? Tudo est escondido nos impenetraves
cromos >do nio sei que.
mp>;*s i dj mais raontru >so satyro etc,
etc. Entretanto. estBen;jnico he dengoso:
frsja no ultimo rigor da.moda, pia por
nWu/ai de solfa binabj i-sacom ar de co-
re cu t\llasc>m pilavruilus doces que
parece a (-nomendidas as freirs trasca
la o cheiro que seuipre trac d^ perfunes ,
e esseneias aromatic ca fca raais derretido q-e ma^ieigaao
sol, acoda continuamente coro a mi a e-
normn gadnlha para que se Ibe ni) cegu a
estradinha da liberdade, profero exuresis
fastidiosament* amantetiets volve e ie
volvoos olhos suinos, enclavinha asmaos
d'aranha exh tul islo Yy Baclilio ; porqu.i he dt;ngo
so.
A denguice em huma senhora disculpa-
se algu-n tanto e he moca e formosa :
mas denguice em huma velha ou em h'.ma
mulher feia he cjua que prece onjoar
a o piopiio . Ora couciderera bem os
mfus llloitfes e benvolos Leitores e di-
gan sinceramente se h nada mais nojenlo,
Correspondencia
4
, VARIEDADE.
Os dengosos.
Anda as cousas litits, ou indiffriren-
tfcs todo o excesso he vicioso. Enfrilar-se
hum moco, e aind mais huma moca al
eerto ponto nao tem p ra que se extranhe ,
e crimino ; mas a denguice he Teprebensi-
vel e &e rec*hc sobre pesaos feia e desa-
kaihi, nja e morte. Ero verdadequem
li. hi d'dimolio stoico, que passa tolerar
melindres, e requebros em um mono feio,
cunft bm vivo drabo e que hum Eiopo
se queira inculcar por AlcihiadesP Como
he pussrvel tragar de bom humor a visfa de
>um Orangtaogo todo chwroso todo Cu-
pido toda adiando ? ti^ctilio por fex.,
he huma caricatura ambulante : oa olbos
siu de poico, tem hum Ptaalto de .>ri ,
que em caso de neesssidade bem pode aer
tar para t*rara de mancara boca est
quaai pegando d erelha oreika lem
auaia w.iuu, que o*!* J %*-* oo ij S?*
mais nauseosa mais emtico, do que ver,
v. g D Capoeia senhora de ida.de ca-
nnica jeoro a petle eoclbida e com
seusperigalhos etc:, anda mettida a pre-
tndante de corajes toda nsquilha af-
fectando finiquitos, e derreteudo se em
de.'iguicas. D. Tipinha be mais magra ,
que huma l,'grtixa secca o seu coto he
huma f.rtelefa de cssos tem hun svslema
dape-rco, que o faz peitencer a familia
dos patos marrecas, gansos, grous, etc.,
a bocea enormemente rasgada nio parece
de gente, mas de eixorrnho em suman
nio pode ser mais feia : entretanto que
denguice., que ella lem Como he desda-
nhosa erheia de naedeixes l D. Coa
Iheira he obesa ; seu corpo bambo e ba-
loo j. perdeo os graciosos contornos mocidade : na caraca rugosa, e alihadec!
bam se Ihe devisa a cerdi dos anuos ; e
esta empada em ves de abrir mi < das vaida-
des do mundo cuidando em rezar as
suas contas-, em palpar galmhas, cnar
pinatos em levantar e*r>nhi'l*s a partejar,
anda nutre presumpeoea de agradavel e
seductor*, anda se arf eia eom garriqiie ,
aada se apa von a dfc pretendida lindase
rno-.lra casquilha gam^nba e dnngosa :
arias no meio de todas estas soas loucas fa-
tuidades l a assalt'5 a herisip-Ha a go-
ta, a hemorroida, que Ihe quehra gran-
de parle das ternuras e dos dengues. Co-
nbti huma mulber j adiantad* em annos ,
e sofrivelmente feia que lendo a cabeca
toda arrebeutada de hos ellas e por isso
de cabello corlado todava nio tirara da
e.bej.i (que era huma cocadn) hum cravi-
iilio encamado cuja p creio que segura-
va as cascas das bostellas. O-se dengui-
ce oaais porca ? Coucluamos que a den-
guice s h" desculpavel na genio 0109* ,
garbas*. e bem parecida.
ANCDOTAS.
Huma mulher foi a hum couvento mul-
lo da madrugada com o intento de se con-
lessar. Nio eslava a esaa bora na Igreja .
se oio o leigo s*critaj assentada em hum
ios Coufrionn >8 a recitar por eoire den-
tes alguma ortco: s. A boa mulher euviou-
ae logo a elle, e cominunicou-lhe todos os
ieus peccados ; e como o supposto Coufessor
nada Ihe respondase disseliui Padre, te-
nhaa boudadede absoler-meNao poa-
so fzer 5 porque uio sou Sacerdote Ui.
Pois no be P-dre e ouvio os meus pfeC-
cados no Confissionano ?... Parlo ja a
queixar-me a o seu Prelado ao liispo ao
tioverno, e re at uo Papa E eu (rss-
pondeo pachorrentamente o leigaco) con
tenUr-ape-hei de cuntar boas colisas a vosso
marido Foi agoa ua fervur* : retirou-se
a mulber, e cuusla que se nio queixou ao
Prelado, nero ao Bi-po, oem a o Gover-
no, e menos ao l'apa.
___Hum mentiroso de profisso achan-
do-se no pateo' dj(C* o em huma roda de
amigos eg^baodo-aa d* inu.a da sua vis-
ta sMOs olhanda para a torre a La v.-ju
Ui cumula hum raliuho passemdo. Eu ,
r*gpoudeo-Uit luiin dos luaganis n^ ve-
ja o ratiabo ana* ouco-o thiar.
Snrs. R^ ';'clr>res T,i cm sltencs a ti
o Diario de 6 do or.enta a Correspondan-
ci 1 d'imro naciente dos CfincHoa con-
tra o Snr. Francisco An'oni" Rilllo de
C^rvalh Eicriva5 qd" rn n^nopanha
nnsCfrTTTlis qan fe rimo Fowl do
li i'rodaBoi viit*. Priraeiramenta prin-
cipia o Sor. Paciente (mais paciente ha o
novo 3"lle)c3m humo especie de'' p*^
bulo como quer*ndo diser, qm n'hum
paiz clas9'co de liberdade ( a librdade
vendeihonica he a qus anda nos*fa!tava )
dt>va consistir em que cada bu ti poss
livr'mante emb'C'r ao novo ; vendando
por exemplo manteiga cebosa e ranpos ,
tinrinho ondre e rancaso ainda que o
[ parrea palo sal ser tri.oeiro ; vinagre a-
gaado e amargoso ,s milho carannchnso ,
queijo podre ardido ainda que tenha
algumas ro'rdelUs d* rato ,' e outros gene-
r i| propri iroente ". morte de que para
Cevar w s .r.lid a amhicaS do paciente dos
caprichos e para dtiranjGoc*") da Siude
P blica m
talvez ifjrjorando o paciente dos caprichos;
que o^nf^CTarvo'ho nao~pSde mandaran^
car fora genero alguna sea que p'imeiro
o Medico da Siude o repute incapaz para
o i"z>'alimentario : e quando qulze^sa in-
ferir do arlo e actividd do Snr Carva-
Iho esse damaado '.-nio e ventada do
fsr mal rsto mesmo o Pac nte dos ca-
prichos da hurta prova que o Snr. Car-
valho nso capitula com "lie, e ueua com
outros itifreeiores das Po*turaa Munici-
paes (le st propriamente que praticio
aburos aero temerem ajusta puoiea da s-us
criminosos e repetidos actos e i.ao o Sar.
Crvalho que nada manda laucar fora e
sim ea qusndu o Mdico julga os gne-
ros farcifieados ou corrompidos 'pois he
o que determina as Posturas Municipaes,
Titulo a- 3. ; e para desengao do
iacienle dos caprichos abi vai oque el-
is li.em ; os gneros falcificadas ou cor-
rompidos ( olhe bem Sr. Paciente ) aerifl-
cdos pelo termo da fechada (soo qua faz
o '-. .i. \_____-. 1_______1.. ... _,.-
THEATRO PUBLICO. ,
A Companh'i Gyinnasti.-a ero conse-
qaencia da fta e fogo do dia de Santo
Antonio, que na quitina fif, fa 6ci-
rem incomodados parnas-via faira o* te H
amodores pT estas lio just-s ra.s fai o
seo Expectacul no aa^bbaWo 15 do ae|rej||e
em que trabalhar pela prtineira vt a g a-
de Col atona Olmpica.
Avisos Diversos.
_ Na loja nova de alfiate no atterro
da Boavista D. 17 na esquina d-:> be ce,
faze;ro--e todas as obras com a msior bruvi-
dada peifeQo, a preco cmodo.
Da se 800,000 r's. a juros sobra pi-
nhores u firros : annuncieoo drija-ae
a esta Typografias
- OVem precisar de 400,000 rs. a jurn
dando pihhore* ou firmas a contento : di-
a7taV*bArna7 estao su.tidas: rj*-e a eU Ty^ografn, que se di A quem
os d.
__ O ahoixo assignado com venda na ra
de Santa There-ra I>. |3 ftl saber ao Sr.
lo.quii Pereira Xavier d'Oliveira, qua
diz ficaftssgeaodo se por Joaquina Pereira
d'Oliveira, que o seu nonaa mudado he
igul ao do mesmo abaixo assiga-do ; por
isso pede que o dito Sr. baja da mudar para
otro nome por va dste segundo encontr.
Jooquim Pereira ala Oliveirt.
Daseja-se s^berquem be nesta Prac*
o correspondente de Manoel Severianno de
Lima, mo'ador no lugar do riacho da Bri-
zida para se tratar negocio de empenho ;
por isto roga-se a quemo for quaira aun un
ciar por esta folln.
Um Professor de Granmatica Latina,
examinado, eapprovado, e que tem bas-
tante exercicio de ensinar esta Lmgoa o
otterece para ir ensinai em qualquer enge-
nbo, ou mesmo no S-rt5 : quera o per
tnder diTja-se a ra da P*z por ietraz da
das Flores, indo pasa a ponte casa segunda
o Sror.'Carvaiho ) sarao lancados ao" mar ,! depos da FundicaS ou ao pateo de S. Pe -
ou enterrados, salvo se os Peritos da sa-1 dro casa de Jo->5 'Rvbrlla Leita Gunnarics
ude os julgarem em estado de se podoreiu P. 4- '*do da Virsfao.
applicar a qutlquer us externo sem pre-
iuiso da sasvie d.'S povos. ^e o Paciente
chama a isto a^bitrariedade da parle de
Snr. Dr. Medico da saude, qua mandamos
exacularas mesmas Posturas? Sor. Pa-
cianle o Sor. Caivalhob fe aqullo que
eu muida e nada mais. He impo-siv.l ,
que quero nao for taberneiio tanto se
Priieo-se urna C^xorrinha fina pe-
quena com huns eoruzes no pesilo, o
dois cascavs de prata coro os sinei -
gbintes : branca com as tVetfeM pardas ,
mais el ras para as pontas oma manch
de um lado ; foi perdida na qnina do bea
do Marisco, at ao Terco, quem acli
e quirer restituir, dirija-se a ra dosMir-
marda pelo com p.u lamen lo do Sur. Carva- tyrios casa D. 11 que d se de gcaltificaci
Iho por execularas Posturas sero con- 4i'00 rs. ,quantia esta, com que ae pod(a
dt-scendenca, q'taaeudo com
isto ldsomea- comprar 3 ou 4 dos ditos caxorros.
le hum mal .bulta do Sur. Paciente evi-
te u sem duvida muiores males ao povo ,
__ Jco Anlunes Guictara na & C. avi-
jra ao resp.itavel publico(n.; Domiugos Jo-
s Pereira da Costa ja -j5 he noaso cai-
preservan.To-o do uzo de gneros damnifi-
Ciuos : anda sim o Snr. Paciente ua! xeiro desde o dia oito do correte.
eactupaliM cHender a hum Emprendo | Na ra da Cruz D. 61 -a" andar com-
quelungaj do inertcer natia UKafl a pecha pra-se um cavalto forte e de b^os anda-
de aiburario, sem duvida te 'hz cred >r do tes.
epilheto da zeloso e activo: Sars. Reda-I Huma Senhora viuva que a mais
elotes-se eu na5 conhecesse bem de perto de nove annos se dedica s educado de me
o Snr OrvUio''-tfio*8*'T'8"i ao act! ninas particularmente em um caz* no
dasua'conducta eprebidade, eertamenta pateo do Terco I). 4; laz publi o p'lo prt--
eu nao lomaiia a sua d.ffesa e nem en- fente pira inteligenciados Pa.a dfal
chariaquasi urna columna do sr-n Diario que se qu.ze.em utilizar de s,o prest!
com niuba r"""""dia oue s tem "">, edificando o bom rgimen
edificando o bom rgimen da sui
6, Aula e methodo pelo l'.nsino MuLuo ;
m mostrsr ao publico sencato, que o.. ..' *J ...
,, ... i- .. aJ.. b^i a de uadeza no tratamento civil e mor l
bnr. Carva 10 nao he o qua disse o Pac-1 .
.1 u n .,;, ..ha n para com suas A umnas he 11 recomen-
ente doscapruhoN, e Dos queira que o 1
Paciente dos caprichos nao continua com
abuzos criminosos em sua taberna com
geueros corrutos e falcificados, e por isso.
eu n. levo issignar-mts'por extenso.
Boa-vi:u 8 de Jur.ho de 18II9.
Seo aliento venerador.
O Fiscal.
JFranciscode Bjrns Falci de Lacerda.
LOTERA DO LIVRAMENTO.
As rodas da a. parte da 3. Lotera a fa-
vor das Obras da Igreja de Nossa Senhora
do I.ivi.ment, andi mpfeterivelnienle
no dia 2b ocorrenfe oiz no Conshtotio
da Igrej d Nossa Snnbra do Roan.
'dael por tadto as pessoas (|ue coji
a sobredita quizerem Iraclar dirijao-se .1
caza a cima dita.
Offerece-se para raixeiro de hoja ra
ou para qualquer outra oceupacio un ra-
jis! brasiltfiro de bons costumes e'fi 1-
dor a' sua conducta trabalhando lies m"-
zesgTa'tis: quem quis-r diiija-ae ao buco
do qui-bo D. 5 ou annucie.
_ Joa Jcraquim Peteira participa aos
credoresdo falescido Antonio do R^oCou-
to que no da 10 do correte dever com-
paiecer na caza de sin residencia na roa do
Cabug D. 9 para su fazer o dt#iJenrfa
t're os mesmos credores da quuntia que ex-
istu apurada.
_- Precisa-se para alagar um sobrado
d'umirndar, nos bairros deS.nto Ai*jm'
e Boavisla nio se exipimJo prec, qi"
nto sej* m roa* rdinaril w'WW.
MUTILADO


4
DIARIO DE PERNMBCO.
_. Urna mulher creoaU solteira sem 67
liaos p8rila cozinbeira perfeila arran-
jtdeira de qualquer casa offirece-se para
servir em casa de algum hornera solleiro
por mdico preco : a fallar no beco do ca-
labouce n. 9$.
Abrio-se de novo o bolequim da co-
va da onca sito na roa larga do Rozario,
o qual fai al mocos e jantares e toma fre-
guesia para fora ; assim como todos os Do-
mingos e dias Santos ter almoco de mo
de vacca que tudo se far com limpesa
e asseio. .
_ Permite-se a quem quiser cortar le-
nha nos mangues perteocentes ao alagado
do Sr. Majer Nascimento que fica entre
o semitero dos ing'.ezes e o sitio invisi-
vel* _. A pret que no Diario n. iao se one
rece para ama da casa de liomem solteiro ,
dirijas a ra do Queimado D. 8.
_ Na ra estreit do Rozario sobrado
D. 20 abrio-se urna aula de primeiras le-
tras quem quiser mandar ensinar os seiis
pequeos drija-sea dita casa queso di-
ta as condces.
_. Offerece se um rapaz brasileiro pira
caiieiro de ra armasem ou trapiche ,
do que tem pratica, e tarubem se sujeita a
receber algumas dividas pagaudo-se por
rento conlorme o ajuste quem o preten-
der annuncie,
_ A pss>oa que no dia 8 do corrente
Jevou do t da porta da masa do consulado
um chapeo de sol de seda cibo de canoa
p no mesmo marcado de um dos lados J. J.
T. J e do outro as palavras nio he seu--
queira fater o obsequio de o entregar a J.
.1 Tasso Jnior na ra da Cruz Dci-
ma 44'
_ Da-?e 700,000 a juros de 2 por cen-
to ao mez com firmas a contento ; quem
quiser anuuncie.
_ Joaquim Gonsalves Vieira Goima-
rss faz sciente a seus devedores e todas
as pessoas com quem tem negocios a tratar,
que se mudou da praca da Independencia,
para o Recife jnntoao arco da Conceicio
voltando para o caes da alfandega casa n.
31 onde est estabelecido com loja de fa-
zendas e mora no sobrado em cima da
mesma.
_ Aluga-se um negro que saiba cozi-
nbar o diario de urna casa 5 quem o tiver
nnuncie.
_ Aluga-se urna preta cozinbeira, com-
pradeira e boa quitindeira ; na ra das
Flores D. 6.
__ Antonio Joaquim Pacheco mora na
ra da Cruz n. 3o.
_ Roga-se a pessoa que pegou um pa-
pagaio que fugio no dia 9 do corrente ,
levando no pe* urna argola de o mandar
ntregar na ra nova D. 9 que ser gra-
tificado.
_ Aluga-se um grande armasem pro-
prio para recolher ou para socar assucar
na ra do Apolo D. 4 quem o pretender
dirija-se a ra da Madre de Dos u. a4*
Precisase de 1 padeiro que seja perito
rnassero, e forneiro forro ou captivo :
na ra larga do Rozario botica D. 7.
_ Da se um cont de reis a premio so-
bre pinbores de oiro ou prata, ou hypo-
theca em escravos Meando os servicos dos
mesmos pelo os juros do dinheiro: na ra
do Crespo loja de Antonio Xavier da Silva.
_ Precisa-se de uma ama para o serv-
co de portas dentro de urna casa de pouca
familia : as 5 pontas loja D. 34
_ Rebate se nos Coelhos onde foi res-
tilaca do Luctier cobre a 3 dor cento
sobie sedulas.
Quem precisar de um caixeiro por-
Ingoez para qualquer negocio e da fia-
dora boa conduca dirija-sea ra do col-
legio D. 8.
O Sr. Antonio Jos Pereira natural
da freguesia de S. Pedio de FreiUs termo
da Villa de Guimaries qusira annunciar
sua morada.
__ Aluga-se urna grande casa nos Coe-
lhos junto a olana do Snr. Miguel Car
neiro da Cunha rom suficientes com mo-
dos para orna grande familia e com solio,
e porto de desembarque ; quem a preten-
der dirija-se a ra de S. Gousalo D. 11.
_ Um brasileiro casado de boa condu-
cta, tem-so proposto a ensimr o numero
de i5 meninos a ler escrever, contar, gram-
matica portufjurz e termos de civilidade,
com todo zello cuidado aplido e de-
cencia possivel, por menos do preco es-
tipulado ; quem de seu prestimo se quiser
utilisar dirija-se a ra de S. Amaro no
bairro de S. Antonio do lado esquerdo a
penltima casa pegada ao ultimo sobrado
buscando a mar pequea.
Avisos Martimos
PARA O RIO DE JANEIRO o Brigue
Nacional Bom Jezus ja aanunciado para
receber algura carga miuda sabe no dia
ia : para pas>a;;eiros oBVee* boas cora-
modos e trata-secom o Capita Joo R>.
drigues Amaro ou cora Giudino Agosti-
nlio de Barros na pracinha do Corpo San-
to D. 67.
PARA O MARANHAO' segu viagem
nestes das a Escuna Braiileira Jovina ;
quem quiser remeter escravos a frete ou
hir de passngem para o que tem bons cara
modos dirija-se a Francisca Marques Ro-
drigue! & limaos ra dos Tanoiros nu-
mero 12.
Jjelo
m. Que faz o Corretor Oliveira de um
grande sortimento de fazendas inglezas e
francezas entrando urna porcio da chitas,
coromandeis ecadiaz e de riscados pro-
prios para calsas recenteraente despacha-
dos eoutras fazendas avariadas constan-
do de baetas cassasde quadros c. hoje
11 do corrente pelas 10 horas da manh no
seu armasem da ra da Conceicio n. 34 >
i. andar.
Que pretende fazer Joaquim Lopes
de Almeida Terca feira 11 do corrente ,
pelas 10 horas da manh de 85 barricas
com fariuha da Trieste no seu armasem
detraz do Tbeatro.
Que faz Hugers Capitio da Galera
Franceza Athalie de a3 Barris de Man-
leiga 16 ditos de vinagre no arma-
sem defronte da escadinha da alfandega ,
quarta feira 1 a do corrente as 11 horas da
raaob.
Que fazem Crabtree ieyworth &
Companhia por intervenco do Corretor
Oliveira, de um bom sortimento de fa-
zendas limpas e avariadas Quarta feira
12 do corrente pelas lo horas da manh, e
se for da de chuva ficar transferido para
sexta feira immediata 14 do corrente no
seu armasem no forte do Mallos.
Terca feira 11 do corrente de um
porcio de traques em lotes de 5 e 10 cai-
gas a porta do armasem de Antonio Joa-
quim Pereira defronte da escadinha da
alfandega*
C o mpras
_ Urna lonete de oiro e um banhei-
rodefolha, ou mesmo urna tina qua sir-
va para banbo : nesta Typografia.
Um preto moco que seja boca clfi-
pial de sapateiro : na ra da Cadeia em
casa de Jos Pereira da Cunha.
Urna negra moca que saiba bera
coser, engommar e cozinhar j na ra
da cadeia velha venda de Jos Gonsalves
da Fonte.
V e 11 d a s
Urna molata da idade de a3 annos ,
sem vicios nem achaques engomma co-
zinha ecose b-m, e tem muita pratica
de todo arranjo de urna casa, ao compra-
dor se dir o motivo: na praca da Boa vista
botica de Ignacio Jos d-: Couto.
_ Um moleque de idade de l4 annos ,
muito proprio pra qualquer officio : na
ra do Crespo D. 8.
_ 3 t) is muito mansos e ptimos para
carroca : na ra da Gloria D. i4>
ptimos qufijos do serlo, muito
frescaes : na ra das Cruzes D. 4*
Meios bilbates da Loteiia do Livra-
mento, a 3joo ; na ra do cabug leja
junto a botica.
_ Um escravo de naci da cista S
muito boa figura e hbil para todo servi-
coe ptimo pta parelha de plnquim
noque he perito : na ra do Queimado
loja de fazendas D. q.
Urna negra moca cozinbeira, e
engommadeira : na ra Direita D. 22 no
segundo andar.
__ Uma negrada idade de 17 a 18 an-
nos 5 engomma cozinha e lava de sa-
bio : na ra di Cruz n. 5i.
__ Meios bilbetes da Lotera do Livra-
mento a 3200 f na praca da Boa vista De-
cima 16.
_ Um sitio defrontfl do beco do eipi-
nbeiro pela estrada de Belhra cora gran-
de casa de pedra e cal, arvoredos do fm-
clo, bastante trra para plantaces : a tra-
lar na praca da Boa vista botica D. 16.
_ Um moleque ladino ou troca-se
por urna nega sendo moca: natenda de
alfrite de Pedro Alexandrino no atterro
da Boa vista.
_ Urna venda sita na ra Direita D. la
comcommodos nara familia, a qual vende
bastante tanto para a Ierra e como para o
mato: tratar na mesma.
_ Uma molata de idade de 12 annos,
cozinha o diario de uma casa lava cose
cha : na ra Direita venda que fo do fal-
lecido Jos da Penha.
_ Barricas e meias ditas de farinha de
trigo chegadas ul i mmenle da America ;
na ra da Cruz n. 56.
_. Um terreno de propriedade no ater-
ro dos af jgados do lado do nascenta com
aao palmos de frente e mais de 3ooo de
fundos, e tem proporc5js para um grande
viveiro; na ra Direita D. 20.
__ Uma escrava com muitas abelidades,
cosinha sufrivelraente o diario d'uma casa ,
engomma mariscadera e fateira ; es-
la escrava vende-se em primnro logar para
fra da Provincia : nesta Typographia se
dir quem vende.
_. Uma propriedade de casa de um an
pama ra velha : a tratar na ra do cebo
casa junto a do Sr. Lavra.
_ Meios bilh^tes da Lotera do Livra-
rcento : na ra do Cabug loja de relojo-
eiro junto aoSr. Bandera.
__ 37 duzias e meia de pranch5es de
sedro 5 ditas e meia de costadinho de 25
palmos e i5 ditas de costadinho de 20
palmos, 4> ditas de assoalho 24 ditas de
forro todo de sedro e 35 dusias e meia
de assoalho de canella e parcha 95 e meia
de costadinho de ditos : na ra dos Tor-
res em casa de Bernardo Anlomio de Mi-
randa.
_ Uma prelada naci para fora da
provincia de idade de 26 annos, engom
roa ensaboa cozinha e faz renda tu
do com perfeico a vista do comprador
se dir o motivo : junto ao arco da Con-
ceicio na casa que volta para alfandega ,
n. 3i.
Os livros seguintes : guarda livro
moderno, historia de portug! nova
Heloisa manual de cbimica Telemaco
em francs ; diccionario portuguez por
Moraes : na ra da Cruz f\::.
_ Cartas de silabas e nomes em letra
redonda e manuscrito finalisadas cora
algunsconselbos de educacao uteis para
hir dispoudo a mocidade ao bom rgimen.
Taboadas com algumas definices de Be-
zout, e outros ambos os methodos mui-
to bons para quem nao tiver pcjguica de
ensinar ou aprender por elles a 100 rs.
cada esemplar; na ra do Nogueira D. 16
e 3 alqueires de muito boa gomma.
Uraa moLta e urna preta de naci ,
que sabem coser cozinhar, engommar,
e fazem todo o mais servico de um casa ;
uma porcio de taboatlo de amtelo e lou-
ro um herco de condoru', urna parte de
sobrado na ra larga do Rozario D. 7 por
800,000 e ura rica armacao na ra Di-
reita e pa.a 5,000 de aluguel, e 3 volcas
de cordio de oro : na ra da praia D. 26
sobradiiiho defronte das serraras.
Meios biltietes da Luleria do Lfvra-
mento : as 5 pontas n. 9 e na ra do
Crespo D. 5.
_ Um escravo da naci da idade de
ao annos de bonita figura cozinha moi
bem o diario de uma casa) um moleque
de 14 annos de idade de naci banguela,
para todo o servico j duas moleeas de 12 a
i3 anuo. de lidas iguias cosen bem
ch"; uma Scrava parda de aa annos de
muito boa conducta ecom boas habilida-
des ; uma dita de nacaS de idade de 18
annos, cora boas habelidades, uma dita
de a4 annos engomma cozinha cose ,
faz toda qualidade de doces ; e uma mora,
da de casa na ra da Alegria feita com
o melhor gosto possivel tudo cora flanea de
boas vendas.- passandoa Igreja dos Marti-
rios no primeiro andar do primeiro so-
brado.
O Numero a3 do Carapuceiro : na
praca da Independencia tojas de livros n-
meros 37 e 38.
.Escravos Fgidos
_. Iiabel creoiila estatura mediana ,
secca do corpo fu la cabeca Comprida ,
bracos cora carossos, e um dedo de um
mo mais rombudo qua os outros ; quem
a pegar leve a praca da Boa vista casa jun-
to a Botica do fallecido Joio Ferreira qu
ser recompensado.
__ No dia 4 ; do corrente desapareceu
um moleque creoulo de nome Ignacio ,
que reprsenla ler 9 annos de idade, olhos
grandes nariz bastante chato reforeado
do corpo quem o pegar leve a casa de
Joo B. Pereira Lobo, no pateo do Sacra-
mento do Bairro de S. Antonio que sera
recompensado e protesta-se perseguir a
quem o tiver occulio um vez que o nao
restitua.
_. Furtario da fortaleza de Gabu' ao
Capitio reformado Joo Antonio da Silva
na madrugada do dia ai de Dezernbro de
1837 um moleque seu escravo de nome
Gregorio de naci cabund as pernas
corapridas amianto ullo olhos gran-
des e na flor do rosto idade de i3 an-
nos pouco mais ou menos tem no braco
direito um D ; quem o pegar leve ao
dito Capitio morador na ra por detraz da
Penha casa D. 3. a
Roga-se as authordades polici es ,
capities de campo e pessoas particulares,
lansarem suas vistas sobre dos escravos que
fugirio em Dezernbro de i834 os quaes
sio os seguintes : uma negra de naci re-
bolo de nome Mara altura cor, e
corpo regular, bem parecida, olhos gran-
des bruta no fallar peitos compridos ,
magra, s sabe fazer balaios de sap, e tra-
balha de enchada, representa ter 3o annos
de idade e muito cachimbeira e outro
he filho da mesma negra creoulo de no-
me Estanislao quando fugio om a mii
tinha annos, boje ter 10 para 11 anuos,
o rnido de lodo o corpo cbelos muito
torcidos, rosto carnudo olhos grandes^
nariz baixo eno largo tem por dentro
do beico de cima um pequeo carocioho ,
que quando ri-se devulga-se, na barba tem
um talhoa travessado e em um dos de-
dos do p uma unha arrancada, os ps mal
feloi as maos curtas e grossas antea
desta segunda fuga fororatados por um
portuguez o qual foi preso com os escra* c
vos naCidade da Parahiba e agora tal- t
vez se dirigissem para a mesma Cidade ;
quem os prender leve-os a Olinda ra de
S. Bento a entregar a sua Senhora Anna.
Joaquina Thomazia de Torres que gra-
tificar com 60,0000
Moviiiieiito do i^orto
p|
el
el
n
V
i
r
r

t
c
r
t
NAVIO ENTRADO NO DIA 9.
MAR PACIFICO; 37 das, Galera A-
mericaoa Pacific* de 331 tonel., Mes-
tie D. Collins, carga azeite: ao Cnsul,)
veio refrescar e segu para o Norte da
America.
SAHIDO NO MESMO DIA.-
RIO DE JANEIRO com escala por Baha ,'
e Macei; Brca de Vapor Nacioi
Todos os Santos, carga varios gneros*
ARaCATY; Patacho Nae. Maria Luiza ,
M. Ignacio Marques, carga vinos g-
neros.
H AMBURGO Barca Americana Globa ,
Mesire J. B, Annes carga assucar.
P"ERS5 NA TYP. DE M. FajBnPTlM^
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI5WW1BTU_ZBZWTE INGEST_TIME 2013-03-29T17:30:30Z PACKAGE AA00011611_03896
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES