Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03893


This item is only available as the following downloads:


Full Text
S t
NN DE 18*9 QUINTA FElfrA B
CAMBIOS;
Junho S.
Londres 3Q P ifoco sed. -,.
Lisboa q5 por loo premio, por metal, ofleretiao.
franca'3ao a 3i5reis por franco. .
Hio de Janeiro"3 por loo p.
Moedas .4#ooo 8f3oo a 3f io&.
Pezo Columnarios 1700 a 107^0.
rjittos Mexicano 1^660 a 1^670.
pataces Braiileiros 1^700 a i#i7t>.
Premios das lili as, por mez 1 1/8 a I iji por 100.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTgS.'
Cidade da Pataiba e Villas de soa pretendo 3 3 3
Cidvde da Ra rancie do Norte, e Villas dem -
Cidade da Fortaleza e Tillas dem .....'
Villa de Goianrta ...... .'.'.'.' S
Cidade da Olinda .' J .' ; S '. ; S i 3 2
Villa de Santo Antio '. '.' 'i S V ".' 3
Dita da Garanhnns a Povoaco do Bonito; .' .' .' 2
Dinas do Cabo Sarinhaem, Rio Formoso, e Porto Calvo
Ciclada das Alaeoas, e Villa de Macei. .....
Villa da Pajau de Floras......3 3 S
Todos os correios partcm ao meios di.
DE lUMIO NUMERO \n;
asa-*
Tudo* agora depender de nos mesnaos; da nossa prudencial
moderado, a energa : continuemos cont principiamos
a sceme apontados con admiracio entre as Naces mal
*tt ^
Proclamado &A Assemblea Gemido Brattl.
Shbscreve-se para esta folha i 3^ooo por. quartel pagos adi
amados nesta Typografia, ra das Cruies D. 3, e na Praca
da Independencia D. .^7 o 38, onde se recebera correspon-
dencias legalisadas, e anouncios; insirindo-se
sendo dos proprios assignantes e vindos assigiudos.
D
correspoi
estes gratis
Segnndasje Sextas feira;
Todos os das:
Quintas feiras:
Das 10, a a< de cada mez
dem 1 11, e ai ditto ditloj'
dem dem.
Idam i3, dilto ditto
fAS DA SEMANA;
3 Segunda S. Ovidao B. fies, da Thai e.aud do J. de D. da 1. vara de manh.
* Terca S. Francisco Carecioli. Re. e audiencia do J. de D. da 1. vara de manh.
5 Oua'rta S. Marciano B. Stsso da T. P.
6 Quinta jejum S. Nobrtoi. Sessio da Thez. aud. do Juiz do Dir. da 3. varad* at.
7 Sexta $f O SS. Coraco de Jess.
8 Sabbado S. Salustiano B. Re. de raanh e aud. do J. de D. do m.
9 Domiago S. Primo e Feliciano Mis.
.
Mari cheia para o da 6 de Junho;
As 1 a horas e 3o minutos da manh!. As 11 horas o 54 minutos da tarde.'
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLEA GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sesso em 8 de Maio.
Presidencia do Sr. Araujo Vianna.
Depois das loborss da manh faz-se a
chamada, 0 achando-se reunidos depu-
tados eos numero legal, abre-se a ses-
so l-ss e approva-se a acta da ante-
cedente.
O Sor. primeiro secretario d conta do
expediente, lendo os seguintes oficios.
Do secretario do senado participando que
por oficio do ministro e secretario d'esta-
tlo dos negocios da justica e interino do
imperio, constoo ao senado que o regente
fin nonae do imperador, consente as re-
solucio aprovando a penso annual de aooS
reis concedida a D. Cooatanca Rosa de
Souza e as dispsicoes conteodas em al-
j;uns artigos da resohdo da assemblea de
S. Paulo sobre o privilegio concedido a
Agaisr viuva e filbos. Fica a cantara in>
teirada.
Do mesmo secretario em que partecpa ,
querimento do Sor. Henrique de Resende,
para se nontparetn 6 commissoes mais das
que marca o regiment.
Vae a mesa, e so apoiadas as seguintes
emendas snbstitutivas:
A commissio do orcameoto sera' auxilia-
da pelas seguintes commissoes :
As de instruccio pnblica e commercio
serlo encarregadas de fazer o orcamento das
despesas do ministerio do imperio.
As de justica civil e ecclesiastica as do
ministerio da justica.
A de diplomacia, as do ministerio ex-
trangeiro.
A de marmita e guerra, as do ministe-
rio respectivo.
As de fasenda, e orcamento, as do mi-
nisterio da fasenda e receita publica.
A coromisso de contas ser subdivi-
dida em 3.
Primeira. Examinara' as desposas do
ministerio do imperio, justica, o eatran-
ros.
Segunda, As dos ministerios do marinha
e guerra.
Terceira As do ministerio da fazenda e
receita -publica.
Os relatnos de todos os ministerios se-
rio divididos por todas as commissoes da
casa e cada urna apresentar seo parecer
queconstou ao senado por oficio do mi- sobre os tpicos dos mesmos relatorios ,
mitro da Justica interino do imperio de qUl. ||,es dicerem respeito e as medidas
j8 de outubro dosnno passado, que o re- legislativas que jolgarem precizas. Cas-
ente sanecionou a lei do orcamento para |ro Silva.
Em lugar de seis commissoes, diga-se
trez para examinaren! os relatnos dos mi
o auno de 1839'a 1840. Ftca acamara ta-
rada, .#
Vio a imprimir e depois a commisodas nisterios da justica, imperio, e fazenda.
essembleas proviociaes, os actos legislativos Carneiro da Cunba.
das assembleas das provincias do Ceara 9 e O Sr. Nunes Machado declara que
do Piauhi. nada dir ceca da aecusacio que se fes 5
Remelte-se a commissio de Commercio, mesa taxando-sa o seo parecer de falta
.agricultura, industria e artes, urna repre- de lgica mais que tem de observar ao
sentacio da assemblea legislativa da prov. nobre deputado que emiltio esta d* ,
de Minas Geraes, solicitando do poder le- que o que elle expender na sesso anterior,
slativo geral urna legislacio mais favora- he nao parece muito lgico. Para provar
vel a qualquer companhi que emprehen-
(-
lera navegada por vapor no Rio de S.
Francisco.
Remette-se a commissio de Justica civil
ofJtra representado da mesma assemblea
pedindo alguma modificado na lei de 7
de Dovembro de i83t.
Vai a commissio de ntroecio publica,
o requerimento de Joio Jos Pereira Sar-
ment.
Le-se e approva-se a redaccio da reso-
lucio, que concede, privilegio a compa-
nihia que for organizada por Conrado Ja-
cob de Niemeyer, e Pedro de Alcntara Bal-
logarde para o desraoronamento do morro
doCasiello desta Corte.
Le-ae eapprov-sa o seguinte :
Requeiro que se exija de cada uro dos
'misteriosos ejemplares das leis, e decre-
js del838, qua anda nio foro remet-
idos a casa para sereno distribuidos peles
1 aeus membros como he pratica, preacre-
' ve o decreto do I. do Janeiro desle anno.
Castro e Sil.
Orderd do di.
Continua 1 disctuio ad4ida lobre o
r
que a opiniio da mesa nio deixa de ser
rasoavel mostra que ja um Ilustre de-
putado pela Paraiba seu especial amigo,
reconbeceu os inconvenientes que se se-
guiriio se acaso se adoptasse a medida
proposta, e tanto assim, que elle ol-re-
ceu urna emenda, modificando-a, e que o
proprio autor da indicacio pareceu estar
disposto i annuir a esta modificacio. |
Declara mais o orador) que quando assi-
gnou o parecer da mesa teve em vistas que
alguma couza de approveitavel se poderia
colher da iodicacio, mais da maneirs por-
que ella se acha redigida, nio podia prr>-
duzir resultado algum favoravel e por is-
so entendeo, que entrsndo este negocio em
discassao, alguma couza se podia aprovei-
tar. Entrando na queslio principal, mos-
ta que a commissio que se pretende criar,
segundo a iodicacio seria composta de
3c membros, o que se assemelhs a urna
pequea cmara qoe era mnito provavel
que atesta pequea honvesse alguma oppo-
bicio, e em consequencia grandes discus-
s5es e qoal %fh entio o resultado de j
Indo iato ? Ert nig apwecir o orcamenfe. |

Mostra que os Ilustres deputados que tem
fallado a favor da iodicacio esto n'am
falso sunposto, o depois de expender ou-
tros diferentes argumentos coas qne de*
senvolve toda a materia conche votando
pela modificado qoe ae apresentou.
O Snr. Rodrigues Torres levanta-se nfo
para entrar na discusslo do requerimento
e emendas, porque a elle deputado Ih
indiferente que e'las psem, ou deixern
da passar, urna vez que esta' persuadido
que com ellas nio seconsegue os fias que
se dezeja ; e sir pedir a palavra para
faser ama observacio ao que disse hontem
um nobre deputado pela provincia de Per-
narobuco, (o Snr. Henrique de Resende),
evinhaas-r que no orcamento da mari-
nha havia umt duplicita ; elle orador tem
a honra de Ihe diser que nio ha tal dupli-
cis. Cra que quando o anno passado,
por occasiioda disco si) do orcamento, o
nobre depntado a-aocou esta mesma idea,
o orador nio se recusoa a dar-lhe todas
as nformices necesssrias ; que o nobre
deputado entio nio quiz eotrar no amago
da questo, e hontem ainda insisti,
dice que reconhecia que havia urna d
plicata.
O Sr. Henrique de Resende declara que
nio dice que reconhecia, mais sim que Ihe
parecia que a havia.
O Snr. Rodrigues Torres continua de-
monstrando qual be amaneira, porque
se faz o calculo para as^depesaj e pro-
vando que com eeito nio havia a du-
plcala que o nobre deputado suppSe havar.
O Sor. Henrique de Resende da a expli-
cado dn que avancara, declarando que
Ihe parecia haver urna duplcala, e nio
que a baria na realidade. Nota que o
Snr. ex-ministro tanto se agoniasse por
elle deputado haver avancado aquella pro-
posicio, e observa qjese-isto um pou-
co chocante para o Snr. ex-ministro, que
tenba paciencia porque todos os deputa-(
dos tem o direito de interprellarem os Se-
nbores ministros sobre qualquer ques-
lio.
O Snr. Rodrigues Torres responde ao no-
bre deputado, explicindo, e rectificando o
que ja expender.,
O Snr. Carneiro da Cunha mo:tra s
grande necessidade que tem a cmara de
se oceupar de dois objectos mais essenci-
aes e que reclamio sabias medidas, qoaes
sio as financas, e administrado da justica,
porque sem a boa admini-tracio da justica,
nenhum governo pode progrejir. Seria
por tanto de parecer que a cmara se oceu-
passe eom mais coisa alguma, se nio com
estes dous ramos, declara que a admini
nistracio da justica o peiur mal que ex-
iste no Brasil, porque a corrupdo he geral:
q' o meto circulante esta' no estado em o' to-
dos sabem; pois que o homem q' tem dous
contos de reis, o mesmo que ter um *.
Approva a dea de se nomear entre os de-
putadoa urna commissio permanente, que
pode ser composU dos membros daqueilas
provincias que dio msior numero de de-
putados, a qutl commissio r ao ibesouro,

tome contal, e examine como os dinheiros
pblicos se despendem ; que faca todo
esse trabalho que se jlga necessario, para
o que se Ihe de' mais ordenado para fica-
rem na corte para ver se assim se faz
alguma couza. Diz que nio sabe que f*-
talidade esta ; e que algum sacrificio so
deve faser pelo paiz porque a banca rota
nosamear;a. Conche votando pela sua e-
raenda.
O Sor. O'iveira responde as absevaces
que se tem feito contra a iodicacio, e de-
fende a opiniio daquelle Sor. deputa-
do que tratou de otolgico o parecer da
mesa.
O Snr. Moura Magalhies torna a fallar
sobre amteria e mostra que o parecer d
mesa nio tinha a falta de lgica que na
sessio anterior se dicera ; o que sim se pO-
dera' diser, que a segunda parte do pare-
cer era ociosa. Sustenta a opiniio que na,
sessio antecedente emitir acarea desle ob-
jecto e termina votando pela segunda e-
rlenda ato pela emenda offdrecida pe-
lo Sor. Carneiro da Cunha para que so
nomeem tres commissoes e nio seis.
Anunciada a chegada do Snr. Ministro
interino da fasenda que recebido
com as formalidades do estilo; l a pro-
posta e relatorio da fasenda, e retra-
se com a mesma formalidade com que en-
trn.
A proposta e o relatorio vio commis-
sio do orcamento.
O Snr. Souza Martina como relator da
commissio da resposta a falla do trono -pe-
de a palavra pela ordem a declara que a
commissio tem pronta a resposta porem
que um de seus membros, o Sur. An-
drada Machado nfo concorreo com a o-
piniio dos outros o fizera um voto em se-
parado.
O Ilustre deputado l o seguinte projecto
da resposta :
SENHOU. Nos tivemda a honra de
ser eleitos pila Cmara dos deputados para
vir-mos a qui enunciar as seus sentimen-
los de jubilo por se ver mais urna Vez reu-
nida em roda do trono je V. M. I. na
abertura da segunda sessio da quartalegis-
latura;
A Cmara dos deputados unnime se
congratula com a agradavel tommunicacad
feita pelo trono de que o ceo continua a
favorecer com prospera avade a S. M. o
Impeador esuas augustas irmas : e ella
faz continuos, e fervorosos votos ao Todo
Poderoso, para que nio cesse de outor-
gar-nos um bem em que se funda as
mais solidas esperancas da prosperidade do
nosso imperio.
Convencida a cmara da alta considerad
qoe merece o consorcio da augusta Prin-
cesa herdeira presumptiva da coroa ;
da influencia qua pode elle ter nos) des-
tinos da monarqua pressurosa concor-
rer com tudo o que for necessario para
qoe as sabias intenecens de V. M. I. ve-
ntilo a eflvetuar-se de urna manaira digna
da naca brasileira e aguarda as propea-
. *
t
I'


2
tas que a'eaae intuito Ihe furem .presen
a a f m dWulir-a. ro aquellc a w
e n Huif* que contm Lo obrelev*-
d" S'iroptn.
MuiliMiato olgou a cinara do depura-
rlo S^beudo tfe eonlinuao alterada
roa iinrnao mus """ -------- ."
O... .el.coen. de .misad* romuonir*. da mon.rq.a cont*>tuicia
"t^_l_ :. .__t.;.in na motivos nd elo1a e prosperida/
n.eoen.Vjfobo, ja removido, os iolivos
q'.u.eLrio embarace.com a S*nta $&, pr-
Miadindo-te que urna Uo precios, harmo-
na Dio he cbrida com esquerimento e
mingo, da digaid.de e foros nac.on.es : _
moho se apr.r,m pensar que a mudenca
circouapeccaS do governo imperial, a-
proveitado aa dos sentimentos de inte-
ressa a benevolenei. que as nacoen es-
traogeiraa manifat.6. favor do imperio ,
podar obler evacuaci da tropas fran -
cetas que actualmente oceupio a margara
direiU do rio Ox.pork sem ser preciso al-
terar a boa intelligencia que existe entre
as doas nacoens.
Compongo Senhor essa pertinaz ca-
goeira que fascina orna paite dos habitan-
e coruervar
pjublica.
iiberdade, e propario>de

p parec.t-rn apteress.J
Use. pela wn.olid.ia6 cheg. .* catadas dos s*>s sitio, oa
it'aicinnal ni Brasil, e da. .egund decl.rou a PorUr.a
U*t iuuai<(uia wnj- -*-->---------
pela glo'la e pVnsperioMde* do imperio ;
cora igual s.risfacao oorio que se achv5
removidos 0| motivos q'ie pareciaS aba-
lar raaiOuro*nos a marfet. intelligencia
entre o gab'neie irperal e a Ssata Se';
m*s a cmara o. poner soeegar a *ua
ai.ciedade n qunto vir um palmo
do splo brasiletro occipado por urna- nac5
eslranha em quanto n5 for convencid. ,
peta commjoic.caS da. negoci peito deque as desavenc.s con a Santa
So' torso platinadas sem quebra e mingo,
da dignidade nacional, e sem sacriScio do
poder civil a prelencoens exager.da do
Poder espiritual.
Ouvio a cara/ com profunda magoa a
durado no Rio Grande da lula enearnci-
trneira aue fascina orna pane uos bu nunyn n .-----------
S d. provincia do RioGr.ndedo Sal : Ida entre filho. acamar, deplora lio funesto desvario de: gi,d. ara amb.coen particular*^ fa.ci.
ama potc.6deirmio., abajad, !* do povo e frrt.f.cada pifalM-
regen d* rebeliio ; m. nscia d'alla tos dos governo. do par, e que .0 a fjr-
musao, que Ihe , poje ..segurar o governo de V. M. I. zar cess.r de urna vez Esta mago, no
toda acooper.cao necessari. para dissipar pode .er suavis.*. com Iisong -ira p.rii-
o. bando, rebelde., que a.solio>0t fertei eipaqaS do espirito de ordem msn.fe .do
campos d'aquella desditosa provincia., na. outra. provincias porque a verligera
K.'em .rdu. pendencia esli comprometti
dos a bonra e crdito do goveroo, bem co-
mo aintegridada do imperio, eo povo
brasileiro tem direito a tsperar da admi-
das sedicnens pirece ainda am-acir ou me-
ca de f.cloalgum. d'ellas.
A cmara pesar aex.min.r.' com ma-
dorosa o. objecto. de preferenci. aponi.do.
niitraclo qoe o dirige, asforcos dignos do pelo goveroo para, seo ex.me ; attendera
urna aaca forte, que .abe (u-r respeiur ao teopo elemento ssencial em i-me-
a. leis e sua constituio.6 poltica. E co- Ih.ntes materia e aos tr b.lhos prep.ia-
mo V- M. 1. commonica que as outra. torio. que devem servir de b*ae as
provincia. e divisa espirito d* orden, he ulteriores diiposicoens de que se re-
licito esperar nediante o auxilio da Difi- conbece anecessid.de. Acamara n0
na Providencia, qu os estoica e peneve- fallara* ao qu-< deve a naci qn escj
raneado governo serio racoropHniado com Ibeo e ao governo que recorrea sua
o re.tbelecimento da Iranquitidade publi- coopertca trab.lbando com alineo para
ca o'.quella p.rte de imperio. elevar a n.c.5 aos altos desiinos a qu*
A cmara ntende ser om dos seo. mai. tudo a chama. Antonio Cilios de Aadr.-
solUcitos devere. meditar com todo o es- da Machado Silva.
mero cada um dos relevante, cbjectas que! A respeito dos projclos A* resposla a
V. M. Imperial recomeuda na ullim |>.r- Jalla do trono ma-id-.e obfervaf o que
te'do dscuro do trono; el a aiiendf^i^ se tem pr.licidj nos anuo* anteriores, pa-
narticularmenta aaquellei, que n6 lo- ra depois eat.are-n em discusin.
rTe discutidos n. ultima .cssao; elhes1 Continua a d.*cum5 que h-ou sus-
conwgrar gr.ode parta d. su^s fa-: pens. pila cheg.da do Sur. miniiro .e
disas M.s tn to ponderosas discu6es, tomando pifie fila os bnrs. Aolraia _
neonhtea a aecessioaae de s*r hjudada Machado, Marinho Obvaie. ^ e R-.dn ilo as remesas para Londres levaodo-
nelas km, e txperiancia do governo ,gues Torres .inda 6ca adiad^U hora, se a respectiva importancia ao debito da
L)a elevada postCJqu^ occuai pra-| Cf Sr. P-checocham^ toda a .Heneo do ine^m. Provincia, na confon
SU iocessaote dos negocio deve coa Sr. Presidente e da cmara pr a
odem do Tribunal do Thesour.) Pub'ico
tica iocessaote dos negocio, deve coa &' r reame um u. v....-, ,..... ..- ...-,.-..
mi er justo apreciador de qoantos boas j provincia de Srglp, qie e ach pjr o- nacional de *) de N
___J! I.. 1 I .!____I .. aom ianraunlinl.1 u rn '111HT II (1 (1 11 I n PnrltriB .__ Al Til
e male involvem as medida legislativa I ra sem representte, e requer qus qoan-
qnese proposerem. A cmara Senhor \ lo antes tj trate d'e.te objerlo que jul-
aeseiaempenb.r-secom todo o erdor e ,ga dig*no da maior impjrtaucia.
O piesidente da para drdem do di. a
Dito J^Camara Municipal do Bonito
retoondeado-llip qae^ Como as LcW"-
F-4Zn
|rou u.-...- do Go-
ternoImperi de 15 de Outabro d- i8aa,
dirigid, a Cam'.ra Mun^cip^l d* Villa de
l'ar"tv Ihe orden qoe avista d nfif
macio dada sobre o requei manato d"e _Joa-
qun Jos de S.ota Anua proprietario do
Enzenbo Cibelleira do tormo d seu Muni-
cipio, d as n'eois. providerici. para ser
concertada a Estrada que o dito Santa An-
na fe. abrir p*ra esta Capital d. qual se
s-rvem toda, as pussoas cuja moradias Ihe
fiea prxima-
THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia \J de Junho.
Oficio- Ao Kxm. Presidenta d Pro-
vincia informando o re,qurimnto do Ar-
rematantes do. Dirimo do Gado Vanan,
e Civallar do Municipio deGaranhuns.
Dito Ao.mesmo informando oreque-
rmenlo do Bach.rel Jlo Quirano'Rodri-
g'jes da Silva.
Dito Ao mesmo pedido p.ra trns-
niltir a Thesouraria da Provincia do Ce-
r rjr intermedio do Exm. Presidente da
mesma Provinci. o oficio que partecin o
sque de a6.5jo,ooo rs. sobre, a dita The-
.ourara por conta dai sobrs d* su Re-
cita Geral, e a favor de-Jobuston Patei
& Cimp.
Dito Ao Procurador Fiscal p.ra de-
ligenciar da Cim.ra Muoicip.l de O'iiad.
a cobraoca da qu.nti. de 115,403 rs. do
rendimento das P.ssgen. do Ca'dereiro .
e Cordero do anoo fin.nceiro de 1817
1838 que egundo a diposic*6 da Lei do
oic Dito Ao Inspect>r da ThHsouraria da
Provincia do Cear participando Ihe o
aq>i da qmntia d" j6:5oo,ooo r. pelas
sobras da Receita Geral da mesmar Provin-
vincia e a favor de Johuston P.ter &
Comp.
Pito Ac Inspector da Tbesonrari da
Parabibi respondendo-lhe que a prnpor-
ovembro ultimo.
4dbjv w~j- ------------ r
amaro 00 came do. negocio, publico., de
ano pende a pro.perid.de do estado -, o es -
pera que oa ministros de V, M. Imperial
tonaiad a paito aoxilitl a con todos o.
neiof e ewUiecimenlos riecess.rios ao
iletempeabo de -Uo ardua roo gloiiosa
Urefa.
Paco da cmara dos deputado. aos 8 de
maio da 1839. Francisco de So'uta Mar-
tina. C. Carnio da Campos.
O >nr. Andrad. Machado como men-
bro da commitsa^ le o <(,ni"t- t
Senbor. A caaihia dos d. potados
rbei. de jubilqpor se ver ootra vez reu-
nida em rodado trono de V. M. 1. deque
Jim seguro apoio rende sinceros agrade-
canlos ao Todo Poderoso pela contiou-
c6 da prospera >.uda de V. M. 1., e de
suas augusta, irmia. e de.de ja segura a
V. M. 1. que ella tomar em mai parti-
cular considerado o consorcio de S. A. 1.
e pesar a proposia que Ihe fiser o governo
a e*e retpeito sendo o dito consorcio
rompativel coa. a dignidade do povo bra-
zileiro a com a diguidade do trono e da
augusta familia que entra nos impera.
S cmara bem a seo petar ni o pode
jVsconbecer, qu* o et.perdicio, mo
4 em prego dos dio beiros publico, a negli-
gn( 6xliaaca5 das renda a ra esco
Ra dea agente do poder, o estado cada
vez mai napeior.do do. negocio do p.iz ,
' a ci|6uk robslin.c.q e poltica acinloaa da
adniu .r ^6 passada lornavao iiece.sari.
^ tU% anuj.uca i permita a providencia
ou- nw adninislr.ca oaminhe mai
mesma materia dada par. hoje, e lev
a aeuo depois das horas d. tarde,
Cwuitfi
foi4a* c.J
cerle em adi.ntar ,

PERNAMBCO.
GOVERNO D\ PROVINCIA.
Expediente do dia 4 do correte.
Oficio -- Ao Commandande das Arma,
para mandar tomar conta de dois soldado,
vindo. do Rio Grande do Sul no patacho
_ Rainha dos Anjos perlencent s .0 8
H.tallio de Cacadores de 1. Lioha r. mt-
odos pelo respectivo Commandante de Bri-
gada a fim da que Ibes de o conveniente
destino.
Dito Ao Director do Arsenal de Guer-
ra p.ra fazer receber no mesmo o ferro
com qoe pela Agencia do 3. B-t^Uiao de
Arlilharia se corno a. bomba, dos bnets ,
e mandar que o u.* 4* que ,e,n mesmo
ferro sja mudado para o n* 3a, conforme
requisita o Commandante daa Armas.
Dito Ao Commandante da Arma ,
communicaado-lhe a expedicio da ordem
supr*.
Dito Ao Juiz de Direito Interino d. 1.
Vara do Ci vel, Jo.qnim Aires de Alneid.
Freitas Horneando o para presidir .0 an-
'lamento da. rodas da a. parte da 3. Lotera
do Livramento que tem da efleiluar-se no
dfa 20 do correte no Consistorio d. Igrrj*
Portara Ao ThesoureirA da F*.en-
da mandando receber huma Letra de leis
a5.ooA.ooo in'dossada por Jchnston Pter
& CfJmp. e acceit^ por Jo'se Autn-iio Bai-
lo. passando aquelles outra Letra por
3 vi*, sob e a Thiouraria da Provincia
do Ce&ra da qu.niia de a6.5..'0' r.
Dita Ao dito mandando entregar
dos Rendimento. da Provincia Alagoas
existentes nos (^ofre< d. mesm a The.nura-
ri o Agente da m sma Provi ncia Fran-
cisco Bizerra de Vasconcello. a qu.nti.
de 4(,3 200 res que despend<-u na
compra de diversos artigos encomalenda-
dos pela Thesouraria.
Diversas Repartif;oe;A
TRIBUNAL DA RELLACAO.
Sessiododi 4 de Junho de 1889..
Na .ppe.llacaS Crime do Juiso dos Jura.
dis desta Cidade aopeante o Majar
FrancisCj Jos de Melfd e appl ado o
Advogdo Joa lU'pttsta Sjares E crivo
Chaves ; nao tomar.5 conheciment do
recurso po' nio competir a afe Tribunal.
N. appellaca6 Crine do Juisa de Direi-
to desta Cidade appel'anM Antonio Perei-
ra e apollad* Mnoel Birges de Men-
donca. E>crv Bindeira ; nia tonara
conhecinento da appellac*6 por se n.6ob-
s^rv.ro.rt. ui do Cdigo do Prcesso
Criminal. .
O Embargo, de Felis da Cunh Na-
varro Lins na appelhcaS em qu he appel-
Unte Adelo Jos de Mudenca, El
crivaS Chaves f 'r dispresados.
Os Embargos de Prancisco Antonio Pa-
rtir, ds Silva contra D. Anna Marta Jos
de Mello, Escrivs Postham: fara dis-
prenados nands ndo-se cunprir o Accorda
embargado. #
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.

O Brgie Sueeo Hirraonie viudo de
de Marselln entradJ n 5 da cor-
rente Capitio P Greer causig'iado N.
O. liebar &Conp.
Manif'-.-tou o seguate.
1600 Barrio con farinh. de trg ,
i5 caix.scon pipel 35 fardos con dito,
1 pacote con amostras de papel.
MEZA DO CONSULADO.
_ A Paut. be a ransm. do num. no.
PREFEITURA.
Parte do dia 5 de Junho de 1839.
Illm. Exm. Snr. D partes hoja re-
cebidas cousta rnenle qun fura6 pros
hontena'minha ordem D -mingos, pre-
to escr.vo de Joaquina da Ling-ieta, pe-
la l. p'trulha do districto do Carpo"- Santo
por querer ferir com boma navalba a hum
p.rdo ; e Luil d. Gama pardo pelo
Sob Prefeito daFregesi. da Boa-vist por
nio querer se prestar ao servico d Poli-
ca.
Dos Guarde a V. Exc. Prefulura d
Comarca do Recife 5 de Junho de
1839. Illm. e Exm. S-. Francisco do Re-
g Barro. Presidente
'raaetseo Antonio de S
filo da Comarca.
d Provinci-
B.rreto Pre-
CAMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DE OLINDA.
2.* Sessio Ordinaria1 de 19 de Abril de
i839.

Presidencia do Sor. Guedes.
EBITAL...
I
O Illm. Snr. Inspector da Tbesour.ri
da Rendas Provinciae manda
iciae. manda ^aser pu-
blico que nos di.s 12, i.'\ e 19 de Junho
prximo futuro se ha de arrematar ero asta
Publica por tempode 3 annos costada) do
1. de Jullio de l83g a 3b de Junho de
184^ o imposto de 4o re. por caada de
bebidaa espirituosas do consumo na Pro-
vincia excepto a egoardente 'de fabico
Nacional^ sendo esta arrecadaca feta no.
Municipio, do Recife e Oimda.
As Pe.so.. que se propuserem a esta r-
remat.iQao compareci na Salla das SwssSe
da mesma Thesoiaristno. das indicados
competentemente babe'iladas.
E para constar sa^nandou affixar o pre-
sente e publica|-o pelo "Prca*.
Thesouraria Provlacial da Pernambuco
* o de M io da 1839*41 \ r%
0
Foi .berta a Sessio estando presentes o
nis. Vereadores M.eiel Monteiro La.ge
Jur.ior P.ssos .e Doctor Rozelles ; fal-
lando com causa os mais Seiihjres.
L*ida a arta da antecedente foi approvia.
>Secret.rio dando conl* do expedieo- ,
te menciouou um orficio do Exm Presiden-
te da Provincia enviando a Cmara hura
.-xemplar do Manual do Agricultor recen-
temeiite publicado na Corta do Rio de
Janeiro recommandando que se fagelterxj
.oa leitur. ao lvradorea que o quiseiear
ler e consultar.
Oi-trc cfficio do Fiscal de S. Pedro
Mrtir 'remettendo^a lista dos multado
proveniente d. corriuas qoe tem feit-*
no trimestre passado.
Nesta S'soaS por ser o^.llimo dia d^ l
pjf,9t da casa onde estev/ i*1Vlesa dp Cor
sulado na Cidade do Recife mandov
Cmara que o Porteiro meiesse apre^,
e^dcoois de varios^lauces sobre o seo'1 'u\.
cmi-nto de a55,ooo reis apareceo Joze.
Ranos de Oveira por i>eo Procurador Jo-
to Evangelista da Sosia e Si Iva lanconl
' f .o evangelista ua yoaiB e Jina e lancoil'
" (* O Cbntador. a qoanfta da 134,000 rei. que pref.z* a
Joa Bapti|ta Per eir Lobo Jnior. qu.nli.de 389,000 ra. por ufo h.vetJ
I--------------------U-----------aa---------aVJl---------------------------. m
.
MUTILADO
7;


DIARIO
0 *
EPiJRNAMB U C O
.

t
quem mais Uitfssae mando* a Cantara en
l regar o raspo aodito Procurador da ir-
vpmatante e re Exm. Preside** para su* api-ovasaS.
Hoiiverai> varios requeimentos de par*j
les que se dispaehir nra; Presiden!* Uvantou a, S^ssaS. De
que O* a presente em que assignaraS.9 E
eu Jos Joaquina de'.Figfleiredo Secreta-
rio a escrevi. Guedes Presidente, pas-
01. Liagn < Juuipr. Mci#l Monteiro.
Rozellis. Est conforme.
Joie Joaquina de Kiguiiaiado.
Secretario.
Rendioaanto do Meza da* Rendas fieraes
aternas no mez de Maio p. p.
pwim 'I
sentados oavindo a litio diquetle, que foi
ella cha lido Seji-1,08 permettido dizr
o A. dd*C.'em alto e intelligivel som que
lio falso!. A aga d'Liglez co'mpe-se de
desertores da G. N. *.'! Como prova isso ?
E ldanles d'Inglez fumando janelta,
'
.*Deeiroa de raa mora
I) cama Uibun I
Matricula do Curso Jurdico
Sello de b-rancas e.leg'dos
Dirtoa oyps e velhos
.Ditos d-Chancellara
Dizima da raasma
Sita dos bens de raz
Impostes das l-tras a Juiz idas
Verbas de Chacellara
Impostos sobre as lojas abditai
Sello do papel

j;SS3.ioR
3i.618
76,809
t, 4*i
777,680
9-7n
69 009
4:4'o5 5oo
i,65.
1533,9^0
1: m, 14
9:473,193
R-cebedoria 4 de Junho de iHJcj.
Antonio Furrira Duarte V lioso.
-------------------------.---------------------------_
Coinmifiiicado.
imitando pelas paredes figuras ^obscenas ?
Oh /iiist) he muito abusar da'pacieu
cia do Publico l>Vo he muito offender o
crdito, a fToora illihada do bom Emprea-
do Saibz-se,^ue at o prerente neiibum
emulante do Lyceo ousou ir fumar ja-
nelU d'aula d'inglez estalo e||a em exer-
cicio; saiba-se finalmente q e as Ggaras
obscenas hoje anda conservadas pelas pare
des de dita aula datao urnas de lempos
remotos; outras por se ni 1terem eolio
conservado as aulas feixsdas logo depois de
acabadas a licSes. tsto qj vimos de
dizer desafiamos ao Sr. Amigo'das letras ,
A. doC que desminta ; p*ove a sua as
serclo seo poder fazer- voltcmos ao n-
teressante caso dos uesartores da G.
Qoerera por ventura com a su arenca o
A. do C que, visto o poder concedid>
pela A. P. ao^iosso Exm.- Presidente este
prohiba os cidafiios de matricularen!-se
n'aula d'inglez ? Islo foi, o que jamis al-
gnera tentn, e que s por celebren-a qniz
dizer o sabio Amigo das Letras. Urna
vet, qus (es peisoas curaprao os seos de-
veres, como Exudantes urna vez que
deem ronia das suas licSes, que mostem
uma conducta exemplar, fazer urna tal
lembranc* he de corto excitar o riso dos
L"toras do Diario de Pernarahoco !
Mas porque fallar s em G N. que
exstem u'aula d'Inglej? AdaDazenho, e
Francet tambem, os nSo tem? E porque
dalles nao fallou porque delles nao di t 1
bem sua qu xotada o A. do C ? Por-
que ? Porqua provavelmente Ihe nao veio
lemb-anea ; mas pelo menos parece, que
somonte o od por caso o sabio amigo das leltrs fon-
Ja que felizmente anda em Pernambuco
pxis'tem homens sensatos pois que feliz-
mente anda sa tem em horror o falso, a
calumnia, a perversidad, sej a-nos licito
erguer pela vez primeira nossa dbil voz ,
swja-nos licito dt-F-nder o humera virtuoso,
ovario probo, e, desposando o injusto
agreaaor, ofaminto saswino da honra, e; s jdagar quera er5 mus G. N. d'In-
credito alheto, seja nos licito fazer patente' |M> lch.ri nicamente dous que Ues
ao Publico Pernambucano a falaid-de d'hutn(>meass(,) om f que u f0 estudante do
tnaasaercio, que ujn bomem affouto ou Lyceo em ,836, outro matriculado este
sou aventurar, maculando desl arte
bom Empregado Publico un incancava
mentor da mocidade brazileira !
Fallamos do A. do C. inserto no Diario
de sexta feira a4 do pp, mez ; u\T'nd.>rms
o Sr. Cario* Van N., dignissimo profes-
sor publico da lingoa Ingleza do Lyceo fas-
ta Cidade bomem a todos os respetos dig
no da attenco dos bous Pea-nambuciuos
Depois de ter o A. do C. dirigido seos
lonvores sua caro delouros_ao respei-
tavel Lente de Filosofa depois de ter ues-
um auno, ambos de cooducta exemplar, n
d;os de cumprirera as suas obr'gscnes
scholasticas e ambos por consfquencia
bons cidadaos.
Eis pois quaes sio os desertores da G. N.,
cuja mor parte compoe a aula de Inglez da
Provincia da Pernambuco / Uns loua ,
nicamente dous, nicamente a 5. ou 6.
parte das pvssois que nella vio dar suas
ces I
Hasta ; nao nos damos ao trabalho de re-
' fular mais alguma asserc > do sabio A
tem jim pequeo raneo ou alias se mudon
q.ialqer coma a cor embora seja do sal
por ser trigueiro l vai ao despejo conv>
sa o dono nio tivtjsse o direito d'aprotetr
'o feo dinbeiro *o menos derreteorsio urna ,
e outra cousa para fazer a illuminacio de
sua caza; o vinagre porque tfobem nio tem
aquella cor ou goato que elle rjjner Cpor-
qu assenta. qne vinagre do;Eitreitn, e
d < Lisboa tdd > lie-a mesma cousa) l vio
pipas inteiras para o mero da ra a vazar-
^e ; o milho porque t^m algum Kro Turado,
tem o mestno destino ; os qusiios, porque
tem alguma roedella de ratos tambem ao
despejo. .Emfm, S>a. Redactores, sio
(antas s arbitrariedades praticadas pelo talj
philantropico Escrivio, que he esruzado
publicar atiento o clamor geral da gente
na Roavista at de pessoas que nio tem
vend tal be o escaodalo que se observa
as boas correcd?3. Esperamos (e Dos
queira) que o amigo de despejar gneros ,
(porque nfo os t-m) quando ver as correi-
c5s;', comporte-se d'outra maneira mais
digna d'o acreditar ; e nio como at agora ,
qa'as tem praticado cc5"s de urna alma
vil, e ridicula. E Vms Srs. Redactores,
desct)lper-m>a ter 'ido to exteusd ; e pela
nsersio desta Ihe ser sempre grato
O so muito atiento venerador
tdo fossa assignarlb' em Ierra emsjt#T. do
ser esta cremonia feilaa bordo da sua Fra-
gata.
Em Outro artigo do m$mo Jornal sa diz
que as estipu'acoes da po.vencao assignada,
aiada uo so.r;onhecidas e que nada a tal
respeilo tem transpirado ,^ que pareco cer-
to be que-temhavid muiti moda/aclo e
toagnanimidade da parte da Fraacc O
Almirante Budin concedeo i5diai para
ser rateficado o Tratado. Sa neslo* espaco
de lempo nio se receberem resposlns satis-
f.lirias do Govjrno iVlexicano as hostili-
dades recomecara coro o oaaior vigor.
Un paciente dos capiicii-s.
Exterior.
LOTERA DO LIVRAMENTO f
As rodas da a. oarte da 3. Lotera fa-
vor das Obras da Igreja de Nbssa Senhora
do Li vi amento andaS impreterivtnieutd
nodiaao do crrante mez no Conaialonu
da Ig'eja de Nossa Senbora do Rozarlo.
THEATRO PUBLICO.
Atnanhi 7 docorrente.
Depois que os Professores da 0ches(ra
ti ver m desempenbado a primeira Overln-
ra se representar a insigne Peca do grande
" Mojieri intitulada A E*cola dos Cazados -
rx n 1 o j 1 No fim do primeiro acto tVabalhari a com-
D.Pen^lvan.s. Inqu-rer, de 3o de; ,,- G |c ela BllIier iote .
Ma.co, consta que em 9 do mesmo mez ^ D*0tJd9tOrd Uta. *. Mr. L.vrero
fo, asonado um A'm.st.c.o entre o Alo,,- \ ^ Qma 8cisa __ Dnic,-dM
ranle Francex Maud.n eoG-neral Vicio-^ ^^ t({}rB\ C3r(Ja 3. Q Pall.a9o s.U
r.a, comandante a chafe do exerc.to Ut sobrfl corda uma grande meza de j.-
cujo theor he o sego.nte : |-r com dee ; rfe td,t ra d,.
1 Serio uspend.das as hostil.d. ptr,'r. ficando uro sobre.
desde ambos os lados por, i5 das a con-
Mexicano
Art.
corda. 4. Mr. Macrala, ex-cutara urna-
tar de pgunda teira n do correte: o por- c j., _k,_ ,
. A v r u j w Danca de carcter. 5. A danca solire a cor.
toda Vera Cruz aarajaberlo a lodas N-;d ,% Baromb,. ,,talada O matulo
com semexc^cio dancarioo. a qual se; executada por Mr.
Art. a Sarao admittidas todas as mer- T v o ^ t*^
... -ii 1 r Livrero. Seeuir-se-na o a" clo da Ums-
cadurias decommarcio legal m-i qual tor .. e j -1___ n t?
. .". i- da. nndo o qual continuara a l_ompauia
a sua procedencia, dopois de pagaros dirai- ., ^ .. .___,.j ... .
' K. j i-. Gvmnasuca, distmgumdo-se com a se
los qoe as leis marcao e durante o dito, J. rv .i:. ..i.^,.. _
". .. '., guint"s sorles : i.Osuois puladores exe-
le viva, que be bem c nbecido ', a tem
prestado relevantes servicos mocidade
Pernanobucana qual O ensinar por mus
d'um auno gratis as aulas das lngoas
Franceza e Inglesa deste Lyceo ; ele. etc.
ele.
O Estudanle do Lyceo.
te ponto qusse que mostrado o rsneor o, mig0 da8 |Hrtraf __ p .restarmos asss per-
, rdio, queodevora, pretende, quer fazer jgutdd da sua falsidade e por sabermos ,
persuidir Pernsmbuco que elle s#ffrejque 0 Publico Pernambucano sabe distin-
n'tsena parte seusivel da ua educacio pela j gur pessoas honradas dos vis detracto es
inoapacidade physica do propriaj|rio da ca- do credito e honra slbeia fazendo as-
deira de Inglez! Msa serio por entura 3im justiCJ ao bomem prob, que entre el-
vrdadeiras a poucas oraces, que a este '
respaila ousou mimosear ao Publico o A. do
C. ? Vejamos.
Como? D que modo o Sr. Carlos Van
' Vet tem mostrado sua ineptidio para o ero
prego, que ora oceupa ? E da que modo o
' provou o A. do C. ? Com urna falsidade.
Eodague 6 A. do C.; recorra aos livros dos
ixames do Lyceo; abi ver os nomes de
innmero* jevens plenamente approvados
n lingos Ingleza 5 ah vr emfm a mais
1 completa derrota da sua f-lsa assercio.
Demas, sabe por ventura o A. do C.,
qual foi o P/olfessor do actual Substituto
da dita esdeir de Inglez do mesmo Lyceo ?
Coiihece j Ihe constou por ventura o
quapto sabe esse "X'ino mancebo? Estamos
persuadidos que nao 5 pois que entio cor-
var-ae-da ut da rasio a seria o primeiro
bemdizer a Providencia pey ter conserva-
- do em Pernambuco o bomem incansavel ,
Pernambucanos ,0 bomem emfm, quej
concarreo anda concurre*, a concorrer
coa o seo eoatingmle para um lio louvavel
Sm. '
Sigamos passo o A. do C.
L A maior parte dos seos alumnos diz
elle, sio desertores daG. fi., que vem u-
ma vez por-outra divartirem-te u'aula ou
fumarid* diarulos janella ou pintando
plis paredes figuras obseenas ; entretanto
que o Piofessor suppe, que lados esli
periodo p*gos osdireitos, ellas podem
ser introdazidas no interior do P Art. 3. O General em chafa da 1. divi-
lio promette expedir asnecessarias or-
dens para que os consignatarios*, ou pro-
pietarios Francezes, das mercadorias im-
portadas em Vera-Crac, em viiiude do es-
tipulado no 1. artigo, seja tratados ami-
g suas pessoas e interesses durante o pe
riodo cima no'-ncionao.
Vera Cruz 9 da Marco de 1839.
' CharL-s Baudn.
G. Victoria,
Correspondencia
Srs. Redactores. Nao sei como em um
paiz cUssico uc !:bs>uaiie cuui o sosss, e
mormente em urna Cidade como esta anda
hajaS homens que pratiquem t-.ntos abuzos
sem temerem ajusta punigio deseos cri-
minosos actos. Sim, Srs. Radactores, taes
sio os que tem praticado um tal Carvalbo ,
que para flagelo serve de Escrivio peranle
o Fiscal da Boavists. Vilmente tem-se in-
teiramente declarado contra quem tem ta-
bern-i no mesmo b Medico da Satida fazer as correic8js as
vendas elle' arroga a si a faculdide do me-
dico exarce as funeces Ao mesmo magis-
terio com tanta vootade da multar e man-
dar despejar os generaos na pf%ia s para
nutrir o seo damnaajo genio que parece
nio lr a mais mioima rtjponjajiilidode da
forma que se a manteiga nao tem aquelle
gosto particalar que elleisbe^, vai ao des-
pejo na mir' barra intuiros; #louciuho se
e

No Pensylvania Inqoirer do 1* d'Abril se
le o seguini :
l'or va da N >va Orleans recebemos no-
vos esclarecmenos sobre o tratado entre o
Almiante Baudin e o Ministro Mexica-
no os quaes sio como segu :
O Direito de-megociir a rettlbo recu
sado com tanto afinco petos Mexicanos,
foi garantido aos Francezes pelo dito Tra-
tado, e a tomo de 6 os Dollars sera' paga ao
Governo Prancez, como compensacio palas
antigs rei'l.un-c-s, alem da indSnisaco aos
subditos Fiancezes, q' forao obligados a re-
tirarse do Mxico e estBs pagamentos sio
garantidos pelo Ministro Inglez. Antes de
ftrar ES:t2 E-''Ociacio O Almiran.? U-o-
din exigi urna satisfacto pelo insulto qua
Ib* fz-ra o Geneial Smta Auna e depois
o Presidente Bustamanla, em sua corres-
pondencia por haverem assevarado qu no
attaque que houra em Vnra-Ciuz, o Almi-
rante tinha violado o Armisticio. A satis-
faci exigida foi dad* da maneira mai* so-
lemne e eolio oAlmiranie se julgoa u-
thorisado a obrar generosameatn ao que to-
ca va aos interesses do sso Governo desia-
tiudo da reclamacio pelas dasptizai da guer-
ra por haver sido informado petos l'Uni-
polenciarios Mexicanos, do deoloravel es
lado tos fnaoeas da Repblica, a qual com
milita difie.iildada pagara as iademnis ja* stipuladas pel Tratado.
Finalmente para nio offender o melin-
dre, e digrfldade Nacional j' bastante
ferida o Almirante ejosentio que o Tra
a
gui
cutaro os brinquedos do P..llw >. 2. M-.
MaCTata eMr. Livrero, pular difiieis
e diffarentas obj-ctos que deixar bailan-
te sstsfeitos os benignos ex^ectadures. 3.
O grande salto Equestre ou os quatro ac
valleiros de Rbodes. No fm da- Peca Mr.
L grande subida s varandas mostrando va-
nos equilibrios tanto ao subir, como ao
desear da maior altura ido Theatro.
A Companhia far lodos osesfoicos por
desenvolver suas acuidades em todas as
suas sortes jogos, e equilibrios ; esme-
rndose cada vez mais para agradar aos seos
benemritos protectores. A outra repre-
sentado sara' da de Santo Antonio a i3
'
do coi rente.
Avisos Dversos.j
O Snr. Luiz Antonio Rodrigues .Es-
toves q uejia aparecer em Fora de Portas
na casa 104 a certo a negocio, do con-
trario se publicar qual elle ha isto no
praso de i das.
Quera quizer hum Professor para en-
sinar Primeiras Letras, Grammatica Lat-
Rbslor'^*
n Mii/pj m aliritrn Kri-
o ou mesmo no Sortio : anouncie.
m Apessoa, queesliver as circuns-
tancias de ser caixeiro de ums venda e
della tiver' pratica ; dirjase rua das
Cruses na loja dosebrado D. a qoe .dando
conhecimeuto de aua possoa,- abi achara'
com quem tratar.
__ Aluga-se urna preta hbil para lodo o
ervico de cisa da porta a dentro pelo pre*
po du lo^foo) rs. mansaes : a pessoa qna
precisar dirja-ae a rua Direita D. 37, no
3. andar ou annuucie sua moradia.
Ptecisa-ae de um creado para fora di
Praca peuco distanta mesmo sendo estran.
geiro : a quem convier dirija-te a rua das
Cinco ponas D. aa. *
Dase 800,000 rs. -a juros sob-s p-
nhores ou Grmas : annuncie oa dirija-sa
a eita Tarpografia.
* *


\
n

DIARIO DE
i -
mm
n

-1 Quena precisar (! um topas brasi-
loiro par* criada annuncie.
_. Um moco bwsl!iro de idade de 19
* o annos ae ol-trece pira caixe'no de
i|iialquer enlrangjro pira cobfanca ou
pira loja de fatenffs oq para outro qual
qaer seffioo e da fiador'a sua 'conducta ;
>aquem ifnreciser annuncie. n
t-se a.ooo de luvas a quena seder
ni chaves oq deicobrr nma casa terrea no
largo do Terco at aa 5 ponas; quem a
tiver dirija-se ao forte do mallos D 43.
Como corre impreterivelmente no
da aodo correle a Lotera do Livramen-
lo o accionista da mesma convida aos
apaixonidos a fim de irem comprar as cau-
telas na roa do Lvramento O. 7 a
_ l'reeisa-se de urna pessoa para ama
de ama caaa de pouca familia : na ra lar-
ga do Rotarlo loja D. 7.
Quena precisar de um Tapas portu-
gus para cozinheiro ou outra qualquer
occupacio, annuncie.
O accionista dat cautelles correspon-
denles as 3 loteras,_ que a do Livrameno
corre impretervelmente no da ao do cor-
rente, conforme annuncia o Sr. Thesou-
reiro e por isso avisa aos apaixonadoi de
coneorrerema compra daa cautelas da mes-
ma Lotera nos lugares do costume.
_' Precisa-ae alugar um aitio a margena
-do rio desde o cajoeiro al ponte da Uchoa:
na roa d Cruz n. 9.
* A pestoa que annunciou querer tro*
-car a moradia de urna terrea na ra do Jar
dina pelo de um aobrado no mesmo bair-
ro de S. Antonio dirija-se a ra do Noia
D. 5i.
Urna viuva com pequea familia de J
eeja acommodar se era casa de pessoa ca-
paz pagando amatado da mesma ae este
aluguel nao excder de 4.000 ; quem este
negocio quiser fazer dirija-se a ra do
Noia D. 3i.
_ No dia 9 do correte ter lugar a
primen a discusso do novo compromaso ,
que bada de reger a Irmandade do SS. Si-
famenlo do Bairro de S. Antonio do Re-
cite por cuja cuza roga-ae a todos os Ir-
mioa da dita Irmadande queirSo rompaie-
c#r no consistorio da dita I^rejs aa nove
ikora** da m.nh do indicado dia a fim de
dar* anas opnioes a reipeito.
_ De**r*-se fe'ler a pessoa encarrega-
('1 da combranca das coogruat do Reveren-
do Jos Joaquim da Costa, ex Vigaro in-
terino da Freguesa de Ptpacassa.
__ A Senbora D. Mara filha dn um eu-
ropeo de nome Jos Francisco de Santa e
su. mnlher D. Joaquina de tal que em al-
guna lempo era relojoeira e buje em dia
lito casal be fallecido ; queira aununciar a
su* morada para se ibe restituir urna di|
-vida.
O Sr, Firaioo Jos Fels da Rosa ,
queira anuuncart aua morada.
_ Precisa-ee com eiupenhode umaaaa
da leite parda ou prea que aeja forra ou
captiva para una caaa capaz, diriji-aa ao
tandar do aobrado D. 10, ra de S.
Francisca*
__ fcusina-se grammatica latina e cor-
recta traduccio do idioma francez em fo-
ca de portas na casa que fica defronle do
.lincho ; na mesma casa ha quem se pro-
pcyiha a dar lices de grammatca portu-
guesa e aritbmeiici, mesmo em casas
particulares.
_ Existe urna carta viuda do Porto pa-
ya Jos Joaquim 'bubs ds Abrcu c Rocha
naprata da Independencia n. 9.
a nbite do dia 4 do corrente furia-
rio urna valla de urna barcassa, que eat
no >orlo das -canoas atraz dos Martirios ,
qdem derla souber dirija-se ao mesmo lu-
de Idade de
co de orna e*ia de pouca familia: as 5>if>L *-.m MonsVo de apio de
tas loja D. 34 I ao ,nn(,, a bonita figura coimh mu
A pessoa que Ibe faltar urna taboa de
pinho, que servio em andames dirja-
se ao arraal do Rom Jess casa junto a
venda.
O Sr. que mandou copiar em Setem -
li'o do annUo pasudo as msicas para, a
Socedade Eutarpina queira fazer o favor
de mandar pagar a quem as copiou da
contrario se publicar o seu nome.
_ Na rus do calabouce casa D. 3 tena
nma mnlher creoula que ssbe cozinhar
com perfeicf o e fazer todo arrarijo de ca-
ta, que seofferece para servir em quatquer
casa de homem joltere.
__ Tiburcio Germano Carnero Mon-
tero mora no atierro da Boa vista onde
mora Manoel Caetano Soares Carneiro
Monteiro.
_ A pessoa que quar ser ama de urna
casa de bomem soltero dirija-se a ra
doQueimado 0.8.
Precisa se de urna mulher forra para
ama de nma cata : no ra do Faguodes
D. 91.
_ PeloJoitoda I. Vara do Civel, e
Orfios desta Cidade Eserivo Francisco
Joaquim Pereira de Carvalho anda em
praca asara aer arrematada de renda trienal,
findo osdias da le, a quem mais der urna
morada de casa de sobrado D. 4' s'ta "*
ra da Cadeia velha do Bairro do Recfe ,
avahada no de renda annual em 800,000 ,
pertencentesa vinva e berdeiros de Anto-
nio Jos Qutresma-
Avisos Martimos
PARA ANGOLA o Brigua Escuna Ara-
caty CapitaS Joa Antonio da Silva; tem
a maior parte da carga prompta ; quem
qoiser carregar ou hr de passagem dirja-
se ao mesmo C*pit5 ou a Antonio Joa-
quim de Souza Ribeiro.
PARA O RIO DE JANEIRO o Brieue
Bom Jess Capillo Joio Rodrigues A-
maro aegue no dia 10 e recebe algo ma
carga miuda e paisageras ; quem qui-
ser carrejar ou bir de passagem dirija-se
ao Capillo a bordo ou ttnz do Carpo S.
O.67.
PARA O RIO $E JANEIRO o Brgue
4 de Novembro sahir no dia 10 do cor-
rente para carga -e pustgeros trala-se
com Gaudno Agostinho de Bjrros ou
com o Capilao a bordo.
PARA MACEIO' o Patacho Rainha dos
Amo* sahe com toda brevidade ; quem
quiser carregar dirija-se a Manoel Joaquim
Pedro da Coala tua da cidria n. 1.
Jji 1 IO
_. Qae faz o Corretor Oliveira, de
urna porcio de mobilia do melhor gasto e
em perfeito estado, cousistindo em c.dei-
ras camaps, mesas de meio de sala, e
banquinoasdejogo&c., assim como de a
cor-
punuos quasi novos sabbado 8 do
rente pelas 10 horas da manh no seu ar-
masem na ra da Conceicio n. 34 primei-
ro andar.
Compras
1
-r casa'de 3 rotulaa verdes que receber
0,000 d^gratifieacio. #
O Procurador da Irmandade de S.
Hite doa lmposti*e4 fac sciente aos Sr*.
1 mos da referida Irmandade tanto os
mesarioa como os que dio sio que no
da 7 do cerrante mez hajio de compara-
ren, pelaa 9 hora'a do dia do consistorio da
di! Igrt-j* para s proceder a eteicio da
novo mesa.
j. M-uoei Gaelano Espinla, faz scien-
te aos r**cs de seus alumnos, e a. quem
nvier que. mudou a ana aula para a rnn
dj Rozario l.rga primeara andar do so-
l ado^J. 7 pvr cima da loja do Sf. Lodi. c
_ Prtjciu-K de ama. ama para o serv
_ Urna redoma de vidro para um Ima-
gen) que tetfha de comprido 2 palmos
para Cima e que
tenba em baixo a boca
a trombetada : na ra nova D. 1 a.
_ Urna cama de angico ou de conduru':
quem tiver annuncie.
Vendas
bem o diaria, de urna casa: um moleqoe
de 14 anhos de dade de naci bangfcela,
para todo o servico ; duas molec >s de 13 a
_ Urna escrava com 18 a 19 annos ,
com multa bonita figura engomma liso, e
cose cba cotinha o diario de nma casa:
na ra Diraira do lado do Livramento ao-
brado D. ao pateando a venda do fallecido
Jos da Pei.lu.
_ Urna propriedade de caa de na an
par na roa velhi : a tratar u roa do cebo
cita junte a do Sr. Livra.
i3 annos, de lindas figuras, cosem bem
chi; urna escrava parda de aa annos de
muito bna conducta ecora boas habelida-
dea; urna dita de naca5 de dade de 18
annos, cana boa habilidades, urna dita
de a4 annos engomma co'zinha case ,
faz toda qualidad~ de doces ; e urna mora-
da de casi na ra da Alegra feita com
0 melhor goslo possivel tuda com Manca de
boas vendas.- passandoa Igreja dos Marti-
rios no primeiro andar do primeiro ao-
brado.
_ 3 barra'vasios,t3 livros em branco
e pautados sendo diario razio e rhc-
diro um papagaio muito fallidor 1 re
logo urna quitarra 1 ciiza de tartaruga,
ampentede dito, urna ampulheta : urna
rica agulba de mirir, nm meio de sola ,
nmasundareza com sao bracas, dots'^BB-
zot um de duas libras e um de 8 ditas ,
um plumo com 8 libras, um ditas de chumbo duas pecas de cabode
linho a sedado sendo um de 3 e meia e a
outra de duas polgadis umi peca de dito
arrebem urna dita de lona unaa dita de
linha de barca, 5 ditas de berlina 7 ditas
de 610 de vella a mirrelas a tratos um
serrote dois ferros de califato, e nma por-
cio de prego de cobre para coatado de na
vio : no pateo do Terco D. 67 no a. an
dar.
^. 37 duzias e meia de pranclioes de
sedro 5 ditas e meia de costadinho de a5
palmos e i5 ditas de costadinho de ao
palmos, 4' ditas de assoalho a4 ditas de
forro todo de sedro e 35 dusias e mja
de assoalho de csnella e paraba 95 e meia
de costadinho de ditos : na rui do Tor-
res em casa de Bernardo Antomio de Mi-
randa.
Urna venda com fundos de 5oo a
600,000, sita ni ra do Rozario da Iba
vista com frente para a ra do AragSo e
tem commodos para familia : da-te a pra-
so : a tratar no largo do Terco no primei-
ro andar do sobrado D. 67.
_ lacaderas, nmacamap, ludo de
Jacaranda e 00 asseoto de palinhz urna
cmoda doia tocadores com 3.gavetas ca-
da um urna mesa de meio de sala tara
bemede Jacaranda e em muito bom uzo ,
ludo por 33o,000 : na pataagem da Ma-
gdalena na casa de arcos do sitio de Fran-
cisco Ribeiro de Brito.
_ Methodos de pianno rebeca vio-
lto flageolate ; corneta a pistn, dos me-
1 hores autores col leca o das mais bellas
operas de Rossini Bellni Donizithi ,
Beithovn Mozarde arranjadas para pi-
anno s ou com acompanhamento de II u -
ta ou rebeca doetos cavatinas aiias ,
e modn lias com acompanhamento de pi-
anno overluras ezercicos valaas, the-
mas som varacoes e outros muitos mo-
tivos de differentes aulhores para pianqp ,
e o' mesmo para urna e duas flautis : na
ra nova loja de Frederico Chaves Da-
cima 5.
_ Urna negra de bonita figura case ,
engomma e cozinha e faz todo o mais
servico de urna casa .- na ra da Cruz nu
mero 3a.
_ Urna cabra bicha parida de pouco
tempo propria para criar ; na ra do A-
morim n. 49-
_ boln de Lisboa mu bem feitos p
bonitas formas chegados prxima mate
pelo Brigue Feliz destino ; e sapatos de
todas as qualidades para I Senhora por
preco commodo : na praca da Indepen-
dencia D. 6. I
Bichas prelas de superior qualidade
e por preco commodo : no atterro da Boa
vista D. 19.
_ Urna rlaselo de venda acabada de
novo com pesos eunedidas, sita nos bair-
ros baiios l). l4 a tratar na ra nova
D. 7. t
_ Arroz pilado superior: no beco do
pesa frt venda D. 4.
_ Um vioiio novo e de muito boas To-
tes : quenuiuiser annuncie
daCr
-ar
55?
_ Um cbrinba de idade de fennos :
na ra da Crpz n. 6*1.
~"rna porcio de prata velha : na ra
D. 6a no efundo andar*
'dora de BufifJn : a aja'da woeda
na mesma tasa se alaga ubi armai
tddo
n. 5i
aem.
-. unta barretina anda nova com
o sen aparelho novo'pira o terceiro Batalhfo
da Boa vista por preco commodo : na
travessa de S. Jas as lojts do sobrado De-
cima 17.
__ Urna canoa aberra de carreira em
uzo e por prego commodo : no atterro da
Iba vista sobrado que tem loja de ourives
francs do lado do sul junto ponte, das
6 at as 9 horas da manhi e de tardo das
4 as 6.
_ Um grande sitio na estrada da ponte
de Ucboa com casa de vivenda de 'pedra
ecal, caaa de fazer farinha cavallarice-
para 3 caarallos muitos ervoredoj de fru-
cto muita* tenai para plantacea de ce-
pim e rocas por ler ptimas baixas : a fra-
na ra Direila Da, e na mesma casa se
arrenda outro cara as OMsmiS coraraodida-
d-s na estrada da ponte de Ucboa pa-
ra o arraial.
Jtscravos Fgidos
.--------------------_----------------------------------------------1--------------------------------;---------------
Fugo hontem urna negra de nomo
LiuraiM de nuci Baca bonita figura,
denles largos filia fina levou vestido
da metim preto camisa de algodSozinho,
brincos de pedras oas orelbas 00 ve pes-
soa que vio entrar em certa casa e nao sa-
bir mais, adverte-seao dono da mesma de
entregar a tua Senbora na ra do Livra-
mento sobrado de 3 andares D. i3 do
contrario se uzar dos muios legaes.
_. Desipareceo no da 25 do mez passa-
do nm escravo do engenho Martagipe' na
Villa do Cabo de nome Francisca nao
muito ladino levando vestido camisa.e
seroula dealgodio da Americi cobertor
de algodio grosso estatura regular, cheio
do corpo baffl preto com marcas de
bezigas no rosto ; quem o p?g<*r pode-o
evr o mesmo engenho ou na ra nova
sobrada de 3 andares ao p da ponte por
cima do armasen) de ~*apim a fallar com
Luis Pires Ferreira.
_ Desaparecdo um negro da costa de
nome Bernardo bastante
corpo cara comprda e as
e.
-i
al'o seco do
buchetas com.
bastantes talhos olhos pardos, fasum mes
que fugo e tem sido visto em canosa ti-*
raudo areia; que o pegar leve as 5 pootas
D. 3a.
No da 4 do corrente desipareceo 1
escravo creoulo de nome Bernardo, idade
de aa annos, estatura regular, marcado
de besigas os p apalhetados ; quem o
pegar leve ao beco da peixe frito venda D.
4Jl'ie ser recompensado. ,
Motiuiento do Porto
NAVIO SABIDO NO DIA 4-
CEARA'; Patacho Nac. Lvurentna, Cap.
Antonio Germano das Neves., carga di-
ferentes gneros ; passigeiros Francisco ,
Jos Pacheco de Medeiros QuViroga ,
Luiz Jos Nones de Costo Luiz Vi- '
eir da Costa Delgado Perdigio J ao
Ribeira Pessoa de Mello Monte Negro ,
Jos Francisce Pereira e aua mnlher t
3 filhot menores Francisco Das dos
Santos, Joio Siiafioi J Jua Marques,
e dois escravos e o pardo forro .de no-
me Gregorio.
ENTRADOS NO DIA/' 4?
RIOG. DO SUL ; 3a dat, Patacho Nac. ,
Rainha de 140 tonel. / Mestre Aolpnio
de Souza Picio carga carne : a Viuve
Gonsalvea e Filhos passa^eiros a sol-
dados presos remetidos palo Governador
de armas daquelU provincia. t> ,
BAHA 5 4 das, Barca e Vapor Nicji
Todos os Santos de 153 tonel. Mestro?
Joio dos Santos carga diverso gene-
ros : a Rotas & Braga, passagekos Dou-
tor Joaquim Serapiio de Carvalho,
e nm escravo o Tenenfe Antonio Jo-
.. aquim Veras G. H, Bulefellrear.
PER, NA TYP. DE M. F, DKl83



MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EO83U73VB_QSU0WV INGEST_TIME 2013-03-29T14:59:49Z PACKAGE AA00011611_03893
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES