Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03803


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
Anno de 1841. Sabbado
Tudo agora depende d nos meamos ; da noss prudencia, modera-
co, e energa : continuemos como principiamos, e seremos apontaddi
com edmirecio entre ai Nacea mait culta*.
ProelaraacSo da Assemblea Geral do Brasil;
i ni ----------_
Sobsereve-M para esta folha a 5fooo por quartel pagos adiantadov
neeta Typograia ra das Cruces U.5, e na Praca da Independer-
ais, n. 37 e 38, onde se recebem correspondencias legalisadas e au-
uuncios, insirindo-se estes gratis sendo aos proprios asaignantes, e
viudo issgnados.
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES,
V .
Cidade da Parahiba e Villas de sua pretencaa # .
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem. ...
Dita da Fortaleza e Villas dem .
Cidade de Goianna .........
Cidade de Ulinda..........
Villa deS. Anto..........
Dita deGaranhuns e PovoacSo do Bonito......... lo, e ?4 de cada mes *
Ditas do Cabo, Serinhaem, Rio Formara, Porto Cairo. 1, ti, 31 dto dito
Cidade das Alagoas, e de Macelo............dem dem
VUU de Paia de Flores.^...................dem 13, dito dito
Todos osCorreiot partera ao meto dia,
'Se*. t SeUi"fanal.
. Todos os dias)
. Quintas feiras.
PHASES DA LOA NO HEZ. fcg M VIO,
La Ckea a 5 es 11 h. o {1 m. da man.
Quart.ming, a i3- ai 1 b. e Si na. da tard.
La Nora no-ai q b... e ao na, da tard.
Quart. cresc. a 37 as 0 h. e 17 m. da man.
liare eheia para o dia 15 dt Maioi
As 11 horas e i* minutos da tarde.
As li horas e 6 minutos da nimii.
15 de Maio. Num. 105.
CAMBIOS. Mi\o 1/f
Londres...... Ii d. por Ifooo eed.
Lisboa......80 por o|o premio por metal ofTeraeido 1
Franca .... 31o rote por franco. Conap. Venda
OCHO- Moeda de 6#,oo m, velbaa 14'700 14*900
M; Dita* n9 4/5oo 14*700
O Dita* de 4 000 reis, 8 J100 8*400
PHATA Pataces Brasilciros ----- 1I680 1*700
' PezosColumnarios-----------1*680 tijoo
Ditos Mexicanos -----------1*600 1*010
Minea. ............i*46o- i*48o
Dae. de bilb. da Alfandega 1 i|8 por loo ao mu. 1 o|o
dem de letras deboas firma 1 irla. 11|4
Moeda de cobre 1 por 100 de disc ao par
Sedal* de pequeao valor l|i ojo a 1 o|0
DAS da semana.
10 Segundt S. Anttonii Are. -- Anuencia do Juiz dejDireito da a
vara
il Torca S. AnasUcio M.Ilellaoo e audiencia do Juiz de Direito da 1
vara.
li Quarta 3. Joanna Princeo. Audiencia do Juiz da D. da 3. rara.'
15 Quinta S. N. dos Martirios Audiencia do Juis. de Dir 1 toda 3.1
rara. l"
l't Sexta &. Gil Anuencia do Juis de U da 1. y.
i5 Sabbado S. Izil ni I. ivr.i Ijr. -- Rallaco audiencia do Juii de D
da 3 rara.
16 Domingo S. Joo Nepomoceao M.
veo*
PERNA MBUCO
THESOURARIA DE FAZENDA.
Expediente do da 6 do correnle.
Officio ~ Ao Exm. Presidente da Pro-
vincia rogando-lbe para expedir as suas or-
liens ao Juiz de Direito do Ci ve! para autho-
risar ao Tabelio Guilherme Patricio Biserra
Cavalcante, a facilitar ao Collector do Muni-
cipio de Olinda o exame, qne o mesmo pre-
cisa proceder nos Livros das Notas e mais
papis relativos a< imposto da Siza que pas-
earlo dos ex-Taheliies da mesma Cidade Jo-
aquim Jos Cil-iaco e Jos Justiuo Fernan-
des de Souaa para o Cartorio daquelle Ta-
bellio.
, Dito ~ Ao Inspector das obras publicas,
enviando-lhe o requerimenlo de D Geno-
veva Perpetua de Jesuz Caldas com despacho
do Exm. Presidente da Provincia, conce-
dendo-ihe por aforameuto o terreno de Mari.
i'lia existente nos fundos de sua proprieda-
de sita na ra da Gloria a fim de se dig-
nar de mandar proceder a deoiarcaco e a-
valiatjao dos mesmo terreno.
Dito Ao mesmo encamiohando-lhe tam-
bera o requerimenlo de Manoel Pites Ferrei-
ra com despacho do Exm. Presidente da Pro-
vincia concedendo-lhe por aforamenlo o tur-
no de Marinba existente nos fundos de sua
prepriedade sita na ra do Atierro da Boa-
vista ; para o mesmo 6m do precedente offi-
cio.
Dito Ao mesmo enviando-lhe tambera o
requerimenlo de D. iVJaria Marques de Amo-
tina com despacho do Exm. Presidente da
Provincia couiedendo-lhe por aforamenlo o
terreno de Marinba na rna do Apollo, para o
mesmo im do precedente officio.
dem do dia j.
Officio Ao Inspector da Alfandega lemet -
tendo-lhe 16 exemplares da stima parte da
Pauta das Alfmidegas to Imperio para eai
curxpiimento da o'rdem do Tiibunal do The-
souro Publico Nacional de 29 de Marco pr-
ximo passado a mandar observar tendo em
viola as ordens existentes a respeito da exe-
cuco da sobredi la l'aula.
dem o dia 8.
Officio Ao Exm. Preaideuteda Provincia
inturmaudo-lbe o requerimenlo de Pedro
Antonio Veloo da Siiveira.
Dito Ao Inspector das obras Publicas,
enviaudo-lne o requerimenlo de Manoel
ioncolves l'eieira Lima para se dignar de
mandar proceder a demarcado e avaliaco
do terreno de Mariuha, que por aforamenlo
ihe foi concedido.
dem do dia 10.
Officio Ao Addniinistrador da Mesado
Consulado para iniormar em que dia tomou
a mesma fteparticao conta do Armasem que
cedeu Francisco Ulamede de Almeida para o
recolhimento das Caixas de assucar apprean-
didas.
Dito Ao Inspector da Alfandega parle-
cipando-lhe para sua intelligencia e cum-
primento na parte que Ine toca, que o Exm.
Presidente pa Provincia vendo que se ada
sera applicac,o o sallo que fica por cima das
arcadas da casa da mesma Alfandega, e de-
sejando prestar ao Lommercio toda a pussivel
pioteccoecommodidade ollerecco a Asso-
ciacao Commercial desta Cidade o referido sa-
iao para as suas conferencias e reumes,
THESOURARIA PROVINCIAL.
EDITAES
O lllrn. Snr. Inspector das Reodas Pro-
OBRAS PUBLICAS.
Pela Administraco Fiscal |das obras pu-
blicas se avisa a todas as pessoas que se en-
vinciaes manda faser publico que em virtude caf regar9 de apromptar as raaJeiras para o
da Le do orcameuto Provincial, peraute a concerto da ponte do Recife que as traglo
mesma Thesourana nos das 16, 17 a 19 de quant0 antes, na certesa de sereai mediata-
JuhIio prximo vindouro pelas 11 horas da
manh se ho de arretnattar em hasta pu-
blica a quem mais der por tempo de hum
anno contado do 1. de Julbo do corrente as
Rendas seguintes.
i. Furo das Caixas e Fechos de assucar.
> Taxa das passagens dos Ros dos Muni-
cipios do Recife e Olinda.
As pessoas que se proposerem a esta arre
mataco compareci na Salla das Sessdes da
predita Tbesouraria nos dias cima indicados,
munidas de. Fiadores idneos.
E para constar se mandou affixar o presen-
te e publicar pela Imprensa.
Secretaria da Thesonraria das Rendas Pro-
vinciaes de Pernambuco 13 de Maio de 1841.
O Secretario
Luz da Costa Por tocar reiro.
O Ulm. Snr. Inspector da Tbesouraria da
Rendas Provinciaes manda faser publico que,
em virtude da Lei eordem do Exm. Sor.
Presidente da Provincia de 8 e la do corren-
te, perante a mesma Tbesouraria se bao-de
arremattar nos dias 16, \j e 19 de Juoho
prximo vindouro pelas 11 horas da ma-
nh a quem por menos fuer os contractos
da illuminaco do Caes de Palacio e a da *esta Secretaria
Povoago dos Allegados do 1. de Julho do
corrente ; a 3o de Junwo de 1B43
As pessoas que se proposerem a esta arre -
mataco compareci na Sala das Sess5es da
predita The?uraria nos dias cima mencio-
nados munidos de fiadores idoueos.
E oara constar se mandou affixar o presente
e publicar pela Imprensa.
Secretaria da Tbesouraria das Rendas
Provinciaes de Pernambuco i3 de Maio de
84,; '
O Secretario.
Luiz da Costa Porlocarreiro.
quanto
mente pagos ; para o que o Ulna, e Exm. Sr.
Presidente tem dado as necessarias providen-
cias.
Administraco Fiscal das obras publicas 5
de Maio de 181. Moura Administrador
Fiscal.
PREFEITURA.
Parte do dia 14 do corrente.
Ulm. e Exm. Sr. Fora hontem presos
pela primeira patrulba do districto de Fora da
Portas o portuguez Pedro Antonia e Jo%o
Francisco Pardelha branco por estarem
em dasordem ; o primeiro foi remanido ca-
deia passar a disposicio do Juizo Criminal
por ter dado urna bofetada em b segando do
que se proeedeo Corno de delicio a requeri-
menlo do ofendido, o qual foi solt ; e pe-
lo Sub-prefeito da Preguesia do Poco os pre-
tos Manoel Joaquina e Suinuel, escravo de
D. Catbarina das Chagas i o primeiro ficou
detento no Callaboco para averigmeio d
sua conducta visto ter condusido o dito es-
cravo em sua companbia, e o segundo foi re-
mettido a sua Senuora.
E' o que consta das partes boje recebidas
Nao se tendo concluido a arrematarlo dos
Disimos do gado vacum e Cavallar, do Muni-
cipio de Garanhuos conforme o edilal dsla
Tbesouraria de 11 do corrente por eslo no -
vamenie se covidam os licitantes a comparece-
rem na mesma Tbesouraria no dia i5 do cor-
rele a Gm.de se levar a effeito a referida
arrematacio.
Secretaria da Tbesouraria das Rendas pro-
vinciaes de Pernambuco 14 de Maio de 1841
O Secretaria.
Luiz da Costa Portocarreiro
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO
RCIFE.
Sesso Ordinaria em 3o de Marco.
Presidencia do Sr. Sousa*
Diversas Kepartces
ANNUiNCIO.
Pelo Arsenal de Marinba se faz publico,
qne no dia 19 do corrente se proceder a
compra de urna embarcacio de lote de oiten-
ta a cem toneladas, pouco mais ou menos ,
para o servico da Alfandega desta Cidade.
As pessoas a quem este negocio convier ,
sao convidadas pelo Ulm. Snr. Inspector pa-
ra comparecerem com as suas propostaa no
indicado dia pelas 1 horas da manh.
Inspecco do Arsenal de Marinba de Per-
Compirecera os Srs. Mello Givalciuti ,
Neri Ferreira Cintra Rios, Costa Mou-
teiro 11 irroi e Carneiro Monleiro ,
lando com causa partecidada o Snr.
mede.
A berta a Sessao e lida a Acta da antece-
dente foi approvada.
O Secretario dando conta dj expedientes
mencin ju os seguintes ollicios :
L'm do Prefeito desta Comarca, rogaudo
que esta Cmara houvesse de indicar os lu-
gares desta Cidade, e seus suburbios em
que he vedado tirrar rea ; addiado at que o
Secretario informe se ha alguoia disposicio a
respeito
Outro do mesmo Prefeito remetiendo para]
ter adireccao que coavier o termo de a-
chada de um carro perteocente a Francisco
Jos da Costa Guimares cujo Bolieiro in-
fringi o artigo 9 das Posturas addicionaes
desta Cmaras de 16 ue Desembro de 1839 .
remettido ao procurador para User ejfccli-
va a multa.
Uutro do Fiscal da Boa-vista partecipan-
do ter em sessao de 15 do corrente commu-
nicado a esta Cmara que bavia o Exm. Dr.
Pedro Francisco de Paula Cavalcanle de Al-
buquerqu dudo liceuca para abertura da
vala do sitio do Pombai e outras, tendo es-
ta Cmara assim determinado, faz-se preci-
so que o Secretario, por urna portara ,
authorrsado por a Cmara me partecipe a
fim de poder faser a despesa das vallas : re-
solveo a Cmara que revertesse o officio ao
Fiscal at que elle apresentasse um orea-
ra, e limpesa d as valjas.
Outro do Fiscal dos Allogalos partecipan-
do estarem as pontes daquella FregUesia ar-
ruinando-se em rapio do lixo qne existe so-
bre ellas; e assim houvesse esta Ornar de
resolver respeito j resol veo a Camaraque
tivesse o mesmo destino que se deo ao do Fis-
cal da Boa-vista.
O Snr. Vereador Rios apresentou o parecer
como Membro da Comisses de que eslava en-
carregado, sobraos meios de remediar a de-
masiado caristia das carnes verdes, e farinna
o qual depois de discutido foi approvado, vo-
tando contra o Sr. Mello Cavalcante e o Sr.
Costa Monteiro contra a laxa, e contracto
nicamente, e deliberan a Cmara que por
intermedio do Exm, Presidente fosse enviado
a Assemblea Legislativa Provincial.
Despachara-se alguns requerimeotos. V.
por ser dada a hora levantou-$e a Sessao u
mandara5 fazer a presente em que assigoa-
ra. Eu Fulgencio Infante d Albuquerque
e Mello Secretario a osnrevi.
Souza Presidente Mello Cavalcante -
Neri Ferreira Costa Monleiro Rios Cin-
tra Barros Carneiro Monteiro.
EDITAL.
A Cmara Municipal da Cidade do Recife e
seo Termo em virtude da Lei etc,
Faz saber qua por oficio do Excellentissi-
mo Presidente desta provincia de 5 do corren-
te Ihe fora ooramunicadn ter Sa Magestade o
Imperador o Snr. D.Pedro Segundo desig-
nado o dia a 3 de Maio corrente para o acto
solemne da Sua Coroaco, e Sagraca >, segun-
do Ihe bavia sido partecipado pela Sscretarii
de Estado dos Negocios d.- Imperio em Avisa
de 99 de Mrc/o ultim ; deiejabdj a mes-
ma Cmara festejar este dii eora todas as
demonslracesdejnbilo : roga aos habitantes
desta Cidade hajio de Iluminar as frentes
f*l-, de suas oasas asnoites dos dias ai, a5 e t\
Ma- do corrente'moz.
E para que ebegue ao conbecimento ds to -
dos mandju aser o presente que ser publi-
cado pela imprensa. Recife em sessao extra-
ordinaria de j de Mab de 1841. Jos de
Barros f a Icio de Lacerda, pro-Presidente
Francisco Antonio Rabello de Carvalbo, Se-
cretario Interio.

1 I
i
I
uambuco i4 de Maio de 1841.
Alexandra Rodrigues dos Aojos. ment aproximado do tempo que ha de gastar
Secretario. c^u despesa, que tem d faser com aaberiu-
EDITAL.
Luiz Francisco de Mello Cavalcanti, En-
crivio Administrador da Meza de Rendas
Provinciaes etc. Pelo presente faz publico a
todos os possuidores de estabelecimentjs que
pagan imposto* Provinciaes, taus como serra-
ras, olarias, casas de cambio, fabricada
chapeos casas de modas constantes da re-
lacio abaixo transcripta que teado-se findo
o praso marcado para o pagamento de taes
imposigoes, pela ltima vea aviza aos ditos
devedores para virem pagar, e na j o fazendo
passar a proceder executivamente contra os
ditos devedores : e para que chegue a noticia
a todos mandei afixar o prsenle e publi-
ca-lo pela imprensa. Meza de Rendas Pro-
vinciaes 13 do Maio de 1841.
Luiz Francisco de Mello Cavalcaati.
Relaco dos devedores de 4que faz mencio o
Edilal cima,
Antonio Jorge*
Augusto Germer.
Fernando Francisco Tuoker.
Francisco Guilherme Velloso,
j
Si


4-
h I A R O DE PERNAMBICO
/
Antonio Felippe da Silva.
Joaquim de Oliveira llaia.
Honorato S, Martin [& C
Theard (Francez)
Jos Tavares da Gama.
Afonso S. Martin*
Dupret (Frence)
Boberto (dito)
Begor (dito)
Joio Chardon.
Manee! Pacheco de Queiroga,
Jos Caetano.
Manoel da Costa Vrntura.
Martiniapo Jos.
Joio da Costa Ventora*
Joaquim Oltester.
Pedro Holterman.
Jos Faustino de Barros;
fiema rdiro Jos da Fonceca*
Antonio Vieira da Silva iMc-nteiro.
Jos Higino dos Santos*
\iuva de Antonio Joio Fcij.
Joo Francisco de Albuqueique*
Joio Tbomaz Pereira.
Antonio Dias da Silva Cardeal.
fofio da Motta Bolelho.
Manoel Luiz de Mello.
Jos Higino de Miranda,
Jacinto da Silva.
Francisco Vicente Vallim.
Jos Joaquim de Gouvea.
Francisco Caetano Pereira Guimares.
Joaquim d'Assuropto deSiqueira Varejc.
Manoel Jos Soarea de Avilar.
Jacob Bonn.
Adrio Jos dos Santos.
Jco Jos dos Anjos.
Antonio Jos de Almeida.
Jtts de Aroorim Lima.
Warjnho da Silva Costa.
Antonio Carneiro da Cunta
Joaquim Gemido de Medeiros.
Jos Ai-tonio A Ivs da Silva*
Francisco Mara do Carmo
Francisco de Sales da Costa Monteiro,
Manoel Correa Mnriel.
Jos Joaquim Bezerra Cavalcauti*
Amaro Gongalves dos Santos.
Eusebio Pinto.
Jos Duarte Guimares.
Victorino Antonio Martina.
Theofilo de Sousa Jardim.
Fumino Tbeotouio da Cmara S. Tiago,
Francisco Carceiro Machado flios.
Jos Pedro de Parias.
Francisco de Assi Campos Cosdem.
Bento GoncaJves.
Joaquim Jos de Almeida.
Geraldo Antonio da Rosa.
Bernardo Damio Francisco.
Joo lzidro Alves da Fonceca*
Manoel Dasrte R i be iro.
Antonio Alves da Fonceca.
Viuva de Joo Rafael Cordeiro.
\iuva de Maoool lzidro de Miranda*
Joaquim Tavares.
Cario Tavares.
CONSULADO DE PORTUGAL.
Oscredores do falescido JoseCardoso Cu
raes, subdito de S, M. Fidelissima sao con-
vidados para comparecerem .na Chncelar
7*Tvidtste Consulado, no dia segundB feira 17 do
'-coirente pelas 10 horas da manb para bem
' de seus inlercsses.
* Consulado de Portugal em Per namb ico
eos 14 de Maio de 1841.
Joaquim Baplista Mor eir.
Cnsul.
M 181
KOMEACA DE PEJE1TO PAR MlZRMIM.
Por Portara de 14 do corrente foi nomeado
Piieo da Comarca de Nazarelh o Bacharel
Joo Francisco Cavalcanli de Albuquerque.
1 naai mfm i-r .
PROVINCIA DA PARAHIBA.
posse no exm. ta. en. CHAVES
A fausta noticia da demisso des horneas
da orca bruta sucredeu logo a chegada-do
Oi. Sr. Dr. Chaves que se veribcou no
dia 3, como prevemos, pelas '* horas da
tarde. Nao poucos cidedios liverad a honra
de concorrer ao desembarque de S, Ex., e
acrompanha-lo at palacio. O ex Presidente,
que se achava fora da cidade, hara muitos
dias, tendodeixado na Prerdencia seu se-
cretario y que iazia o que quena e maadava
para aer asignado por S. ex. FxeeJlencia U
dignou-se de, acoom|tannaJo
* MI I i,
elles estava tao persuadidos que anda em
seu Constitucional de 3o do passado nns dera
o fatal desengano de que nada esperassemos
da reunioda* Cmaras ,, por isso que anda
que sua maioria fosse da opposico elle ha-
via continuar no poder ; tomaran a resol uco
de cercar o novo Prezidente para ver se ob-
linhao a satisfaco de seus onarcliicos desejos.
- porque, o ex-Cepilo-mor da
huma "njdide nem relacns praticas por
toda a parte urna anarchia e desorden que deia
>m ao arbitrio e aos aburas ampio espaco.
E' necesario e indispensavel conduzir u-
nidade todas estas legislaces contradictorias ,
todos estes costurpe3 incoherentes. Isto nao
imposrivel piis qae ha alguns annos se
projec;ou um eongresso sanitario europeu
omposto de bomens que em cada paiz da
Provincia apezar do choque que recebeu fez Europa, foe a: os mais versados na questo
o sacrificio de ir ao porto (vestido de grande das guaredtens e em sua relacoes com o
Eia
a rasao
f,ala segundo nos intorma) para acooropa-
obar S. Ex esquecendo-se porem de man-
dar urna guarda de honra para o que houve
lempo suficiente.
No dia i inmediato S, Ex. preitou juramen-
to e tomou as redeas da administrar) da
Provincia. Apezar da brevidade com que es-
tas coizas se succedera foi numeroso o con-
curso de cidados que voluntariamente com-
parecerad ao solemne acto da posse, a que
tambera assistio oExm. Prezidente doCear,
o Sr. Brigadeiro Jos Joaquim Coelho. S
Ex. portou-se de urna maneira que nao po-
da deixar de attrahir as simpatbias de todos
aquelles que nao eslivessem prevenida contra
sua poltica de ordem. O respeilo e consi-
dera cao com que Iratou a seu antecessor e
que nao sao mais do que demonstra';ces de
um homem bem educado de urna alma bera
formada e nunca o indicio de uniformidade
de principios polticos, como algue.n ine.;-
cliaamente poder pensar fazem rauilo con-
traste <:on a maneira grosseira e aciutosa ,
com que se portou o successor do digno e e-
nergicoex-PrezidenteoSr. Dr. Neves nao
s para com seu antecessor como para com o
Sr. Dr. Joo Antonio de Miranda ex l're-
zid^medo Para. Oque sentimos porem he
que acedes to nobres que exemplos to to-
cantes seja perdidos para aquelles cuja de-
prava gao e regueira os lera tornado insensi-
vos a todos os seutimeutos de j*istica e de
bonestidaje*
Est pois mudado a administragao da Pro-
vincia novos principios nova poltica vio
goveroar a parahiba que a j annos lutou
com o sistema andradista e limpisU. Que
embaracos vem acbar o novo preiideote ? (^ue
providencias dever elle lomar ? INs tal vez a-
venturemos a este respeilo alguma reilexo.
Entretaulo nao concluiremos esto artigo sem
j desde j declarar que oEnn. Dr. Chaves
acha-se no.meio de um povo dcil e suscep-
tivel de receber com muita facilidade a direc-
co justa e rasoavel, que S. Ex. entender
a bem da monarebia e da slicidade publi-
ca ; em quasi toda a Provincia dominad os
principios de crdeoo e mesm em algum
ponto .. onde o espirito anarchico possa domi-
nar j osanaicbistas j mais poderlo mover as
mastas contra o Goterno : .temos bem recente
o exemplo de 5 de ISovembro ; os aaarcuisUs,
cujas circunstancias ento eri*d faroravei* a-
chara-se sno campo da rusga e enver-
gouhados fugira!
(Do Verdadadeiro Monarchisla. )
JNoticias Jbistrangtjiras.
FRANCA.
Pariz aode Fevereiro". O Monitenr pu-
blicou hontem um decreto em virtude do qual
os navios vindos dos portos de Alegra com
passaporte. sero admittidos para o futuro
immediata e livremente nos diversos partes
do litoral metropolitano,
Uamuitotempo que esta medida era viva-
mente reclamada para o interesse do comroer-
cio evtavegaco. Nenhuma raso salida e
especiosa se oppunba a ella porque a saude
publica he hoje to boa na antiga regencia, e
os regulamentos sanitarios sao all executados
com tanta sotlicitude e regularidade como na
Europa. Tambera a administrago, que, ha
dez annos, fagamos-Ibes justica tein feito
muito para diminuir o rigor dos encargos que
as quare nleiias impunbam navegaco e ao
eommercio, se mostrava disposta a fazer valer
estas pstas reelamaces ; mas ella era con-
trariada pela m vontade das administraedes
sanitarias da Italia. Desagradando-lhe o lios-
so estabelecimento da Cosa d'Africa os go-
vernos italianos combatiam com seus lazare-
tos o desanvolvimento;da nossa potencia ex-
terior* A cada tentativa feita para tornar
mais facis as retardes da Franca com a sua
colonia, elles responden) por a meajas contra
as providencias do nosso proprio litoral.
O governo conaeguio segundo parece des-
em seu sitio dignou-se de 6ccom(annajo truir esta obstinacao. Felicilamo-nos ,. pelo
dc.mesmo secretario, e u ai alguns empre- interesse das nossas relao&es cumaiercaes com
os povo que bordara o Mediterrneo mes
eommercio. Parece-nos chegado o momento
de realisar este pensamento to til e fe-
cundo.
L-se esta manb no Courrier Franpiis. Re-
fere-se urna conversa entre o Ministro dos
Negocios Estrangeiros e o Eajbjixadar di
Russia que pinta maravillosamente a si-
tuaco do gabinete. Parece que Mr, Guizot
dissera a Mr. Pablen. E' necessario qua o
vosso governo faca algumi cousa por nos se
elle for muito exigente elle nos destruir ,
e pensai bem as consecuencias da nossa reti-
rada para a paz do mundo.
M Mr. de Pablen respondeo a Mr. Guizot
Nao nos he possivel tomar em conside-
rago as dimeuldades em que vos achaes por
que se nos nos acbassemos em embaraco a
Franca nao correra em nossa soccorro. "
" Esta conversa de que amaneamos a
authenticidade o typo de lodos os entrete-
nimentos de Mr. Guiot com os representan-
tes das potencias que assignaram o tractado de
i5deJulho) e elle nao pode teroutralin-
goagem. Vindo para fazer urna revoluud de
palacio contra homens que defendan adig-
nidade nacional, preciso necessariameute
que elle se apoie no e3trangeiro. Esta situa-
^o a mesma que a dos Borbons em i8i5 ,
menos a invaso. o ministerio de 39 de Ou-
tubro poz Franca merc do estraugeiro ;
este aproeita-se de suas vantagens. Quando
se poem dejoelhos dia'nte de um immigo ,
em ter combatido deve-se esperar 6er hu-
millado sem piedade.
Lemos na Helveli o ssguinte : Escrevem
de Neuchaiel que sobre a resposta deploma-
tica mas negativa do governo de fazer valer
as reciamages dos cidados relativamente
eutrega de Borel os aggregados destas cor-
porages se reun rara novamente e deci-
dirn unnimemente que protestavam con-
tra a vioiacodosdireitos de que o governo se
tornou culpado ? (Nacional)
(Nacionalde Lisboa.)
qu9 a Franca sha do estada isoladoemquo
se acha e do qnal o desarmamento immedi-
ato ser a consecuencia. A Fraosa dj seu
ladoapressa a negr-iaco pjra p>der recupe-
rar a suaposiqo anterior e se considerara
Isto nao) como um ebefe d'obra da poltica Sault Gui-
zot a obrigaco que seria imposta Russia de
garantir por um tratado a integridade d> im-
perio Ottomano. Segundo rauitas opinies
este tratado nao se verificar.
( Temps. )
( dem. )
gado* da sua Admiiiisliacioue heridas, ir ao
ncontro dobenhor irezideiile. Cea fucos e
aturdides os andiadislas con a medrada
qutd de reus'ideios de cuja t j etuidade
isto nao bastante,
A orgwiisaco da polica sanitaria nos pai-
tes da Europa uto. mdadeiro ddalo j uem
Pars 4 de Marco. Correram roraores de
que o nosso embaixador bavie remettido
Dieta Suissa urna nota concebida no merao
sentido que a do gabinete de Austria. Estes
rumores nao podem ser exactos. Em todos os
casos!, elles coinciden mopportunamenle com
o conliecimento que temos Je fictos cuio re-
sultado a favor da medida tomada peto go-
verno de Argovia a respeilo de seus convec-
tos. Tem'se averiguado alm disso, que os
catbolicos to perseguidos sao em nume-
ro igual aos protestantes no gro-conselho ,
e este gr-couselho tem dado urna immensa
maioria ao poder executivo. De mais o uso
que se faz dos seus conventuaes, independen -
temente das pnses concedidas aos moejos
seguramente digno de elogios pois que
Muri por exemplo foi convertido em hos-
pital e Wethingen ero eschola normal. Di-
zemos mais que por esta revolufo o culto
cotholico ganhar por um lado o que per-
de por outro porque o numero de seus cu-
ras e ministros tem augmentado por toda a
parte.
Escrevem de Cracovia qU? as tro3s aus-
tracas, evacuaran no da ao de Fevereiro,
aquella cidade, e que a milicia nacional, oc-
cupou logo todos os pontos.
L-se no Morning-llerald o seguinte :
'* As potencias signatarias do tratado de i5
deJullio, negociam eclualmenle em Londres,
um novo tratado para regular definitivamen-
te a questo turco-egypcia por um tratado
mais ampio, no qual a Franca tomara urna
parte muito activa. Eis as bises deste novo
tratado. As posices respectivas do sulto e
do Pacb do Egyptoestando fixadas, as gran-
des potencias incluso a Franya garantiro
para o futuro a independencia e uleguda-
de do imperio llomano.
As graudes potencias inclusa a Franca ,
garantirn igualmente a herauca do pacbalito
VARIRDADE.
VISAO.
Sonbei que estava eu no valle de Jozaphat
e como natural, que fiquei dreita de Deus
Padre. O Eterno estava brlhantee terrivel
com a sua espada de fogo quano sua pre-
senca vierara dous illuslres finados com um
dos quaes conversa? muito o doutor Albino.
O primeiro vinha com o seu chapeo grosso de
Braga carniza de linho de Guimares cal-
ca de burlina da Coviih, lenco de seda de
prel em preto da fabrica da loavista do Por-
to collete de velludo da fabrica do Manoel
, bengaila de
itos por raestre
Custodio
marmelleiro
, casaco de saragoca
, e espatos
Crispim Grude : nao tinba outro babiloou
condecoraco seno torre espada. As mos
estavam calijadas de trabalhar a cor cresta-
da do sol um gilvas na cara feilos as guerras
civiz : a perna de pau muito bem feita pelas
nossos torneiros. Parece que fora soldado.
O segundo individuo era alto como o dou-
tor. Esguiarello ; na cara pareca alemo ;
roas falava bem o inglez entenda o c*ste-
Ihano como qualquer metanle da Serra Mo-
rena ou qualquer Mauregalo e no geral
affectava modos estrangeirados anda q' davia
ter nascido em Portugal, trazia chap > do
castor calca de cazemira casaco de temis-
te tudo inglez : colele de selim francez : ca-
rniza de linlio de Iran Ja ; lenco branco dt
cassa da ludia botas tamben inglesas, tud
despachado na alfsndega grande de Lisboa.
Relogio Suisso seu cadeado de ouro fran-
cez ; anneis nos dedos com seus briltiantei
que foram dos extiuclos convenios, o cabello
perneado Inlieu e untado com macassar ,
e todos os vestidos e lengos aspergidos com a
gua de colonia. Era isto pouco mais ou
menos.
O Eterno Sibarita fumes e perfu-
mes ludo sao fumos. Memento homo qui pul*
vis es et in pulverem revertera.
O Peralvilho Ocou um pouco atrapalhado
com o cumprimento e descorou.
O Eterno -- Voltou para o primeiro e disi
se : quera s t ?
Eu senhor sou Setembrismo Portul E-
conomico Patritico do Campo d'Ourique e
Alcntara.
O Eterno E tu ? (voltando-se para o
outro. )
Eu senhor sou o illm. e exm, D. Chalnor-
I rismo Carlista Devorista Britannico Gatego
AustracoGrelo de Nabo Diplomtico Aristo-
crtico MiCto Fachina Foral Jugadas da Tei-
ga d'Abrabo cavalleiro da Jarreteira em
Inglaterra, commendador da ordem do Leo
Belga, gr-Cruz da ordem de Carlos 111. pe-
los servcos feilos Hespanha cavalleiro da
cruz de ferro em Austria condecorado com
as medalhas da Poeira real efi,;ie e papel
moeda e Ututos azues fidalgo improvisado
di casa de S. Magestade Fideussima e sota da
suas reaes cavalbigas e honrado com o Galj
Branco Doutrina Iscariotica.....
Basta basta l ( disse o Eterno em voz da
trovo) vauitas vanitalum etomnii vanitas.
Ento comecau assim o seu nilerro,;uorij.
Qual foi a vossa oceupaco 110 muulo ?
Ambos 'frabithar pela patria.
O Eterno -n Chamorrismo dize ; que fir
zeste pela patria ?
Chamorrismo Contrahi um enorme
divid eslraugeira l por u- ai divilis es-
trangeiras esularecem muito o entendiiuento e
fazem a elicidadu do povo e dos contrata-
dores.
O Eterno Nao quero razoes, quero fac-
tos. I'u impozesle lu patria o pesadJ ''i-
cargo de urna divid de 1 io milhoeus dd cru-
zados 1 i E tu setembrismo ?
Setembrismo Diminu as despez estado coaiecaiido o exemplo peto, iokji fi -
do Egypto a Mehemat-Alli, e a seus herdei-' Ihos dilectos os ministros, que redu'.iram os
ordenados e nao receberam as pensoeus*
Eterno Bom e que mais hzaste tu cha-
morrismo ?
Chamorris.no Abol os conventoi e di-
vid uns pelos meus llios com o expedienta
de mulos aiues e deixei arrumar os outros ,
ros, t-crlas dihculuades poderiam apresen-
tar-se que serum de naiureza a impedir a
concluso de um similhante arranjo e era ,.J
que a Inglaterra nao quizesse, ou que a Rus-
sia nao consentase.
A Aujlua lavoravel a este tratado para


y
5
DIARIO DE PER NA m'b C O
inatei os frades Come que eram inimigos
da patria !
O Eterno -E tu Setembrismo que fizes-
le?
Setembrismo- Fiz o possivpl para que a
os seus benemritos assignantes.
Principiar as horas do costuroe.
^ Como j se acho contratados com a Dire-
co Mr. e Madame Robert, convido an-
da as pessoas amantes dos Espectculos es-
- J;a j l i.'iT" ^-----' pcssu mames nos rxpectaculos es-
nacaodepo.s dos conventos abcl.dos tiraste a traeros, a que veDl.o assigar o restante
dos Camarotes, pela mdica quantia de 1a,ooo,
a primeira ordem e 16,000 a ordem nobre ,
a Gm de terem a preferencia nos Expectacu-
los dos referidos artistas ; visto queja falio
poueos Camarotes pira assignar e que os
protetoresda Corapiuhiti Nacional serao os
primeiros attendidos.
xnaior vantagem, e cuidei em dar urna fatia
de pao aos frades porque eram ministros do
?osso altar, e eram bomens e infelizes e mor-
riam fome. Nao me lembrei se eram ini-
migos da patria I
Eterno E que mais Gzeste chamor-
rismo ?
Cbamorrismo Dei cem contos de reis ao
Saldanha cem ao Terceira, cem ao Palmel-
la e nao dei nada familia do coronel Pa-
checo nem do general Meneies nem do
infeliz Scarnichia que morreu no patbulo.
Eterno E tu setembrismo ?
Setembrismo Nao dei penso nenbuma
aos meus amigos polticos. Mas dei ao meu
implacavel adversario Joze Ferreira Borges ,
porque eslava ceg e infeliz.
tierno- Eque mais Gzestecamorrismo ?
Chamrrenlo Dei muita forca coroa ,
e esplendor ao throno creando as preeiluras e
os provedores de conselho.
Eterno E tu setembrismo ?
Setembrismo- Abol as prefeituras e pro
vedpres de conselho e quiz que o poro fosse
ouvido na nomeac-o dos scus magistrados
municipaes !
Eterno- E que mais fieste tu chamorrismo!
Cbamorrismo- Apesar de um artigo da
carta constitucional em quanto pude nao con-
sent que houvesse liberdade de imprensa por
que a escada da conupso e da impiedade.
Eterno E tu setembrismo ?
Setembrismo- Logo que pude reclamei a
liberdade de imprensa pelo orgo da 1. cma-
ra municipal da cidade do r|orto ; porque a
liberdade de imprensa a guarda da moral e
leFr.0rnFadr5fi C PreVdrica(JrS- *" C' Slarr & Compmhia Engenheiros
fcerno-E que 6zesie mais lu cbamorrismo? Maquinistas e fundidores na fabrica da ra
Cbamorrismo.- P,c o decreto de 3i d'A- da Aurora tem para vender urna maquina
gosto sobre indemnisaces para reduzir m- !( jesperimentada ) de fazer lijlos a ratio
sena mais de 4oc almas porque seus chefes de i5 milheiros por da maquinas de va-
nao nnbam as roinhas ODinim PAtm^ri n,ma .. ... ___ _u!_
COLLEGIO DA BOA-VISTA..*
PARA MEN1WA.S.
Em eonsequencia da afluencia de educan -
das a Directora iransferio este Collegio pa-
ra detra* da Boa-vista caza onde morou a
Senhora viua do fallecido Gervazio onde
continm a receber Pensionistas, meias-Pen-
sionistas e Discipulas exlernas, para serem
instruidas oas linguas Ingleza Franceza e
Portugueza 1er escrever Arilhmetica ,
Geo;;rauha Historia costura e bordar
&c. Os Professores da Grammatica portu-
guesa ^ Arilhmetica Geographia e Hisio-
ra sao pessoas d'abaiizadot conhecimentos.
Alero destes o Collegio tem professores de
iVIuzica Dezeuho e Dinga para aquellas a-
lumnas que quiserem dedicar se agestas artes
de recreio.
A Direcco tem adquirido a coidjuvico
de urna Senhora bastante instruid com ,
que tica o estabelecimento iueiraraente mon-
tado.
Avisos Diversos.
effeito alguna qualquer tranzico que o mes-
mo Penna laca em nmada extinta SanieJaJe,
ncando ale.pidacc desta a cargo do annun-
ante, a quera fica pertencendo a mesma
jenda ; e roga aos credaret a mesma Saeie-
dadequeirao aprezentar suas cantas correales
no praio d'oito das a Gm de serem confe-
ridas,
tsr Urna Snra. branca ja de idide se
ouerece para ama de casa de pouca familia .
para o servido de portas a dentro ; dirja-se
a ra dos Assouguinhos em S. Jos D. 7
que la achara com quem traur. '
or Deieja-ae saber se existe nesta Cida-
de o "jenhor Luis Lucio Monteira da Fran-
ca assira como sua morada ; a Gm de se
r do ceno negocio, que muito Ibe en-
liver anuncia cu dirija-td tu entrada dt
ru do Rangel L>j da cera D. 3?,qli a-
char cora quera tratar,
crQaera prestar de un cosci>o 8*-
leirode dada de at nnuospara qml^ucr ar-
rumaca o qoal est lienta da a-friao Al
Guarda Nacional dirija-se arm da Qjl-
midiD 11 ou na eco d* Virafa U. t f
tambera na mesma vende-sc i'.ra rarretrac dfl
lustro era raeic uza, o por prc^o raaitffca*-
inod).
t9* D-e diabtiro c prensja saJrc pt<
nhores de prati c ouro e brtlliflats do N
brado da ra dn Trinteifai ; D. q,
tar Quera tirer urna esenva siiii qtte ti
tenha vicio era achaqa que saiba bera cj-
aer. enuaaar. eque esteja pjrdi caca !*.'
ma cria que tenl.a t para 7 mecc j nitRUasia
teressa,
ty TV j:. z j t cria que ien.a c
wr7pftm da 4 do corrente apareceo una Ua ser procurado.
l,A?lm,U*nac"a nus,l cora casa de so- Ha precisao de uraa ama deleita
. -1 ^
nao unbam as minhas opinea, e na guerra
civil balalharatn contra mim ?
Eterno E tu setembrismo ?
Setembrismo Combat o decreto de 31 de
por com moendds ou sen ellas taxas de
ferro batido moinbos grandes de caff$ ser-
ras grandes para serraras bombas de feV-
-,ri e nieis da agoa ; e na mesma fabrica
Agosto, fc-loi a 1. cmara municipal do Por- azem-se com toda brevidade e seffuranca
to quem deu o priroeiro exemplo de desoUe.- maquinas de vapor de qualquer forca e ma-
dieucia e resistencia a esse desalmado decreto;' neira moendas de cana de todos os moldes
porque nos roiguelislas nao baseno porlu-' serraras de vapor e de agoa rodas dVua
guezes e no vencidos nao vi senao desgra- de ferro moinbos de vento dito para tr-
Vdosl 'go, guindastes de ferro e de madeira tectos
Eterno-L que roais Gzeste tu chamorrismo? ou coberias de ferro para trapiches ou ar-
Chamorrismo Quiz que a Carta de .' mazens,' barcas de ferro de todos os tama-
rr\ Incae lar carra**.fu *r>nn __J- _l ^ 1 ...
Pedro losse lo sagrada como os manda
mentos da vossa divina.
Eterno E tu SetemLrsmo ?
Setembrismo Eu quiz que a carta ou-
tborgada por um re fosse substituida porou-
nbos tanto de vapor como de vellas barcas
de escavaca5o bombas e canos para agoa
de todas as grossuras e comprimentos, ma-
quinas de gaz para illuminapo publica, ou
particular maquinas de pezar carros carre-
sendo ja destimunhada 111 presenca do Cara-
missano de Polica do mesmo lugar ; quem
for seu douo dirja-se ao mesma sitio a eu-
lender-se cora o rendeiro da mesmo a fim de
pagar a destruico e dando os sigaaes cor-
tos lhe ser entregue : na mesmo sitio se ar-
renda urna loje eontendo tres quartos, duas
sallas, e eozinha; como tambera precisa alu-
gar trabalhaJores de inxada forros, ou
captivos, paganda-se lasoao reis m0ncis
dando-ae o sustento.
sr Aluga-se urna casa de dois andares
sita na ra Nova ; quera a pretender pro-
cure no Recife loja por baxo da casa do Sur.
Corrector Olreira.
ssr Quem quiser comprar um excellente
pianno com muito boas vozes, e anda no-
vo para s'ensin*r a tocar e por mdico
preco ; as 5 ponas, primeiro sobrada d'um
andar, D. 18, passaudo o becco do marisco
lda direito se dir quem o vende,
3^ Tendo no dia 11 do cor rente desapa-
recido da loje D. 5 do Atierro da Boa-
vista urna carteira, eontendo algn papis
de importancia e dois mil reis em duas se.
dulas ; roga-se porlanto a qualquer pessoa q'
achou ou por engao a levou : querendo
restituil-a, dirija-se a Tua do Rozario larga ,
venda D. 4 que ser bem recompencado ,
pois nao Jhe pode serrir de otiliza$o vis-
to os dnos dos referidos papis estarem pre-
venidos.
VST Quem precisar de um servente de pe-
fronte da ra das Laran^eiras,
seguinle
aasegura-se cem mil
dreiro j dirjanse a ra de Orlas D. '1.
--------, __ I..I.UIUI uiuiiuiii.ji ue pecarci
tra diaculida por todos os portugus porque gados e outros volumes grande* pontes de
tcs nao Birles nem re nem vassallos ; mas Ierro tanto de arcos como de suspenso de to-
homens e irmaos, e todos somos Glbos do pri- do o tamanho estradas de ferro da constru-
meiro hornera que vOs labncastes de barro no So mais moderna com maquinas de loco-
campo Damasceno porque mais erra um do j moco carros e todos os mais pertences das
que cem porque as obras dos homens nao ditas e estaleiros de ferro com competentes
Vodem ser justas e eternas como as vossaa. | carros e maquinas para puchar da aftoa com
Eterno- E que mais bzeste tu cbamorrismo? facilidad, qualquer navio que precise de can-
Lliamorcisiuo Lu proclamei a vossj di-leerlo
as" O abaixo assignado avisa ao respeita-
vel Publico que oannuncio inserido no Dia-
rio deit deMaio docorrente, de Joaquim
Jos Tavares um sonhoque o mesmo leve
pos que a casa mencionada do tal annuncio'
sempre foi do abaixo assignado e nunca es-
leve bypolhecada aoannuncianle. Essa casa
he verddde que esleve hypolhecada aos her-
deros do Mecido Jos Fernandes Gama po-
rem ja extinguio-se esta hypotheca a 10 para
. e s se o amiuiiciante nquifino
vina soberana e que os reis eram 'eitos por
vos, e a carta de D. Pedro igual s taboas
dos 10 mandamcnlos.
Eterno E tu Setembrismo.
etembiismo Eu proclamei a vossa divi-
na sabedoria, soberanid e uitiuila clemencia ;
e como \s nao empregaslea mais lempo em
fazer um le que um tai volito, ei todos nos
tuestes traaos e iguacs entend que vos nao
desles a nenburo boniem o dneilo de gover-
narosseus similbantes sem e seu coiiseuli-
. -----J *- -iiiiuiiiiaiiH; II1UUII1II0
ment e appiovacao. ISem elles tem al boje da mema casa qusr consliiuir-se hvpalecaria
mostiado tana >osa para nos regereme op- della
Manoel Gongalves Servina.
tiriairem 1
O Eterno- r^o quero uietaGzicas quero
que diga ca ia tm o que lu. ( e soou um tro-
>o que etarantuu os uous e sus endeu por
um JjoL0 o juio. (U Alhluta. )
(L'o INacionai Ue Lisboa.j
THEATRO.
Amarilla 16 do corrente 5.* Recitados
SnrB Assignantes Os professores da orebes-
tra exeiutaro a bellsima iniuiiia, O
Calila de Bagdad. Sigur-se- a repre-
ztniaco da n.uito aplauuida Peya Tragi-
Comtdia em ires aclos O Conde Genovils e
a consorte Leal. No Gm da Peja se can-
tar o L'uelo Quando Seu Pai loi Carras-
co.-. Rematando lodo o expeolaculo com bum
dos mitrioies paulomiu.os. He este odiver-
iiatnlo que a Lrecco elegeo para olfecer
tST A pessoa que quuer comprar um so-
brado de um andar cora duas meiagois no
lundo ; delionte do Lero da Molela era fura
de Portas ; dirija-se a ra do Sogueira que
achara com quem tratar.
iST" Alejo Covnou 5 relra-se para a Eu-
ropa.
Csr No dia 1 a do corrente mez perdeo se
na ra da Cadeia Uo Recile desde o beca
Largo athe o principio da ra da Cruz li-
ma aedula de -jo.ooo res ; quem aciiou que-
rendo estuir a seu dono drija-se a loje
de Joo Mara heve, que recebera o adiada.
SST iVIauoel Jos Rodrigue* d'Andrado ,
faa hcieule que a bociedade que linna na
\euda cita na esquina do beco do Ouvidor
com Jos Pereira l'euna a qual girava sob a
brma di Rodrigues d'Aiirade & C ",
lu dissolvida em 11 docorrente t uo teudo
iroca-se um moleque de nago de i-
dade de i5 annos bonita hgura bom para
creado sabeodo fazer todo o servico de taza
par urna negra que tenha bonita gura e
que nao tenha defeto algum sabenda en-
gomar e cosinuar eque seja recolliida : a
pessoa a quem tal negocio convier dirija-se
a ra doCabug loja de miudezas junto a
botica.
S5- Quem quiser comprar urna ptima es-
crava mossa cozinheira e sem vicio di-
rija-se a ra estreita do Rosario Ji 1.
andar confronte ao Sr. Bazilio Goncalves
Ferreira.
t^> Quem quiser comprar urna morada
de casa terrea D. a4 cita na ra velha da
oavista : os pretendentes drijo-se a ra
dos Quarleis D. 5 onde se dir com quem
se deve entender.
tsr Ao ajuntamento publica que tiesta
data teve lugar na Sala da Associaco Com-
mercial desta Cidade t
Os abaixo assignadoa negociantes emprea-
dos principalmente 110 Comercio Brtiannico
de Pernambuco, inletramente convencidos da
grande necessidade que ba de se tomarem al-
i;umas medidas tendentes a regular melbor o
sistema dos crditos que se concejera na ven-
da de Fazendas resolera adoptar o plano
quevae encorporado na seguinte sesoluco ,
e para o.eu tnleiio cumprtmento palo pre-
sente se obrigad e concordad :
Que no 1. dia de Julho em diante todas
as vendas a crdito sero feitas por Letras to-
somente. vencendo a9 mesmas o juro de hura
c meio por cento ao mez depois do da do seu
veneimento o que ser declarado no corpo
da Letra e os que se desviarem deste plano,
multados na quantia de hura cont de reis por
cada vez.
Pernambuco la de Maio de 1841.
Me. Calmont & C, Russell Mellors Se C -
Ga.'kell Johnson & C. Smilh e Corbett -
James Cockshol & C. H. Christophers e
Chs. Roope Lailiam e Hibbert Jones Pa-
ter & C- Ueane Youle 6c C- Crablree Hay -
Iforlh & C. Alexandre Mackay & C. A.
dehramm. Johnston P.ter&C.
OT Precisa-se aiu-ar huma casa terrea
na ma direita, ou paleo do C-irmo quem a
s^* Joaquim psreira deOaveira fadl*
ente a quem lhe coiixier que cona ello ten',i*
achado outro de igual n trac, :a-sc asignan-
do de hoje emdUote par Jaaqoioi rarara
de Oliveira e Vacieira.
K?y precisa-se de ura ou dous ncjroa pjra
trahalhar em ura sitio, pagado-ae bcra 0
seu aluguel : quera os quizer allujir ta-
nuncie por esta falha.
tsr Alluga-se o sobrado de dais emliraj,
sotao corrida, e araaazem para eaiatisleciisait-
to recem-editi^ada na rita Au^jiti 1
tractar na ra do Vi3ro 9. la ,' o |e .
gualmente se allu-a o J. andar do sa'aradadt
ra da Moe la.
Aluga-so uraa canoa que carreja il
lijlos de alvenaria grotsa 5 queas a prctoa*
der dirija-se a ra da n>raa i. arra8ra ds
carne viudo da Ribeira.
S^ precisa-se de ura moso de dado de s5
a 20 annos, que saiba-fJier birba, carUf
cabellos e amollar bem ; a pessoa que estivef
nestas circunstancias e quizar ir pjra a ti*
rahiba dirija-se a caza de Joi Gaoejda
Silva ra estreita do Razario 2, aaiarda-
o tracto he o
reis a cent-a o
cmcoanta pelo primeiro anno c depai, a
vista de seu preslimo o agrada 30 Iba far
maior interesse,
sm" Quem quiser comprar um excellente
guarda-roupa de Jacaranda par menoj al-
guma cousada seu justo valor ; napracad
roavista sobrada de um audar, pissautbo
do Coronel AlmeiJa.
ta- Aluga-se a metade de urna casa terrea
muito boa sendo para familia capaz c ni
muito grande; quem a pretender, diriii-so
a aua da Rosario eslreita baca de J03 [>Cm
reir da Silvetra que lhe dir quera alu*a.-
tsr Alug-se ou arrenda-se um sitia'n*
estrada do Vlonteiro cora bastantes arvore-
dos de frutos e perto do bantio ; a tratar nt
ra da Conceico da Boavisia, D. o. N.t
raesma casa se vende um Roquete!
IST Da-se dez mil rs. degrutificaca a
quem descobnr uraa cano aberta do Carresar
700 tijollo* pouco mais ou menos j,i U8iJ.
tendo d'um lado ura rainba e no meio 3 ca-
sas de cavernas juntas, por causa do mesma
rombo} corrida d'alcatrate de inideira da
barab e tem ura pedaco de corrento groua
na poupa : na ra dos Qaarteis paderia D.
5 achara cam quem tratar.
tar Precisa-se de urna casa em qualquef
dos 3 bairros que nao exceda de djoaa rs. .
quem a tiver annuncie pelo Ditria.
C9> Quem precisar d'um ama secca de
portas adentro que sabe lavar, engoanc
e cosinhar -, dirija-se a ra da SenzalU naval
n. 19 que achara cora quera tratar.
W- Quem precisar de urna ama para co-
sinha offerecenda-se tambera para cam trar
de porta tora } dirija-98 a ra do LlangeL n*
loja do sobrado onie mora o Capitia Anaca-
lo, do corpo de artilberia que achara coaa
quem tratar o ajuie.
ssr Roga-se a cartos especuladores qua
tem porcostume de dar dois para raceberc
dez, com o Gto era heran;as qua aind nao
etislem porem que para seguranoa de su u
uzuras recebem escripluras d'uypMbeoai para
se veriGcarem por morle de quera suspirad
que coulinuem a fazer destes negocios par ser
o nico meio da terem herancas, visto o aa'a
terem herdado de seus ptis, porera qua se bao
de engaar no seu calculo vista que quera
nao tem juizo he que faa essea negocios, e par
ter gasto muito t pouca hade receoer para sa-
liafawr a esses especuladores inlernaet qua
pelas suas largas cousciencias, e passima moral
he qua fazem negocios com estes, be con
fortuna destes desgraijadoi que os esp enriqueaera, -- Olnimijoda uzura.


DIAUIOBE P f R N A M B 0 C O
*
Preclsa-se singar urna pre" P;""a
sei vico de ova casa de puca familia e que
saiba vender na ra ; na ra direita D. ia_
do do Livramenlo.
PARA LISBOA com brevidade salnra o
Rrigue Nacional Paquete de Fernambuco ,
forrado e pregado de cobre, e de boa marcha;
quein quiser carregar ou ir de passagem para
,.,,,. i >,,,'.iw i.iii-ii'- bous commodos diiia-se a.,
segura vara se ba de. arrematar a quero ma. <--p. o p ro j^ ^ ^ ^
der, findes os (has da le o ec.goi.ho Of
., mez Ullha tem urna ferida na canela dedos dos
CT ma preta moca panda de um ei o |e ^.^
agoa Araripe de cima por arrenda ment
trienal os licitantes pcderS ver na mo -
porte iro do Juizo o respectivo escriplo
%SW A pessoa que annunciou ler uma casa
tarrea para vender dirija-se a ra das trin-
cheiras sobrado de dous andares D. 2i no
segundo andar.
%s~ Aluga-se urna canoa que carregagoo
lijlos; alraz dos Martirios cata de i portas
verdes.
ssr Precisa-se de urna sma de lete forra
ou captiva rom preferenea nSo leudo Blbo ; na
roa da Gloria defronte do convento sobrado
de grade de Ierro.
^]3 CWm precisar de 3oo,ooo a premio
de dous por rento ao me2 com seguranea ; ni
ra do Livramerito casa do Capital) Antonio
Joaquim de Mello,
C?- A pessoa que annunciou querer ser
administrador irle engenbo dirija-se a ra
das Cruzes D. 7 notercero andar.
C7- A pessoa que annunciou precisar de
4oo,ooo a premio sobre bypotbeca ero predio,
dirija-se t ra do sebo casa terrea com solio
do lado do poente.
Lapa nu segundo andar.
Compras
ssy Um ponteiro de ouro para menino
do escola ; nesta Typografia,
lar" O primeiro lomo do ndice das leis
militares de Cunba Mallos ; na botica do
Sr. Joaquim Jos VIoreira dsfronte da Matriz
da boa vista.
SZT Dous melequesde idade de i| a i5
annos e uma escrava que seiba bem engora-
mar e coser ; na raa de agoas verdes D. 3S.
er Um trancelim um covdo um par
,1,. brincos, um boto de abertura ludo de
boa ouro e sera feitb ; na ra direita D. 4p
no prin "i;o andar.
r Uro miado de filosofa por Laromi-
guiere ; q"**"1 li'er eiinuncie.
Vendas
55T nidias de Ilamburgo grandes, e por
oreco cooimodo ; na ru* do Vigario venda
no poente. 1 00 .... 1
Ouem quiser 4oo;ooo a prendo sobre sjr Umrelogiode pedra para ci na dme-
pinhores de ooro, ou bypoiheta en ura ca~ M, umon.lode armacaodeouro, duasnan-
sa dirija-se a ra direita casa de porta larga cas de angico, uma Una oleada para banbo ;
._ _,: j_ 1 i_ ._i_____ .. ...tt fir>ia D. ,n no nrimeiro andar.
ao p da loja de calungas.
tSS" (^uem precisar de urna ama de leile ,
dirija-se ao paleo do Tere > no segundo an-
ua iua rumia D. 49 no primeiro andar.
OT O Ibetro de Olinda ou os teas per-
lences constando de 4o bancos umitas ta-
uinja-se aj paleo uo tere > n M-gunuu .,,- inno, ^.....-------- -
dar do sobrado D. 08 ; assim como se vende boas de diversas grossuras ,5 encharnela cal-
uma escrava de naco. bros e re. ; a tratar 110 Recile com o impre-
sor A pessoa que Ibe faltar um cavallo ru- zario do tbeatro.
co sujo e descarnado dirija-se a os a (Togados cr Uma negra de naco coznha bem ,
casa de Tboru Pereira lago que dando es lava da varrella engomma liso e he boa
signaes Ibe ser entregue. I quilandeira; na ra da Conceico da boa vis-
t^> Prerisa-sede uma casa terrea ou do
tem bom leite para criar ; na ra doazeite de
peixe armaiem de assucar de Carneiro Mon-
teiro.
tT Tbeatro de Voltaire raestre inglez ,
historia da Grecia por Galdsmilh's arit'iioe-
lica egeome'riade Lacroix elementos de
inalisepor Besont. malheanatica oor Lacaile.
elementos de EclideS, theologa dogmtica
purGazzaniga historia eclesistica oor Ber-
(i direito natural per Felice ; em Olinda na
ra do Balda casa junto aj sobrado do Sur.
Cunh,
tir Nocoens de arithmetiea extrahidas de
VI. Betout para uzo d=is escolus j na rua d
cadeia !oja do Sr. Cardozo Aires,
tss- uas escravas de naco uma de ida-
ile de 16 annos que sabe engommar coser,
ensaboar e cozinbar e a outra de idade
de 1 a coznha e ensaboa ; na pracinha do
Livramenio sobrado por cima da loja que foi
do Sr. Herculano.
P' Uma negra moca cozinba o diario
de urna casa engomma liso e be boa qui-
landeira e uma negrinha creonla de idade
de 10 annos ; na ra da Cruz D. ai,
t3T Vinho de Bordeaux lira neo e tinto^ de
superior qualidade e cbampagnbe da mar-
ca Joly ; na ra da Crui n. 60.
MT Uma preta moca de bonita figura co-
znha o diaiio de uma casa, faz bolinhos e
pao de l cose, engomma e iaz renda ; na
ra velba I). 46.
tar Esteiras de carnauba feitas no Araca-
tY ; na ra do Livramento J. ra.
S3- Uma ferramenla completa de marci-
oeiro e algumas madeiras pertencentes ao
mesmo officio; no teco da vraco D. a8.
Urna morada de casa da sobrado em
ps abertos dentos podres levou camisa de
algodozinbo de njaugas curtas carapuca
azul com viv.es encarnados ceroulas cam-
pridas cufiadas com cordo ; o outro de na-
co angola de nome Jos, bonita figura;
olhos grandes cor prela marcas grande*
de sarnas quebrado do eml>;; > levou dus
Ctmisas uma de algodo e ouira de madapo-
ln velha ; quem os pegyleve a ra da praia
na serrana junto a ribeira que ser recom-
pensado.
ssr Kugio no dia segunda feira pelas 3
horas da tarde uma molatade nome Feliciana,
de idade de ao anuos levou estido de chita
branca a desbotada cheia do corpo, pj
apalbeitados /ara abocetada seio ,a pro-
porcao do corpo tem urna costura no br3go
direito ou esquerdo, nariz chato boca gran-
de tem panos pelos bracos as costas tem
urnas marcas de bechiga ja apagadas ; quem
a pegar leve a travessa de S. Jos D. loque
ser recompensado.
tsr No dia lido crrenle fugio um escra-
vo de nome Manocl treoulo de idade de
20 annos estatura regular ;ura propor-
cionada cor fulla sembiibi com officiu
de sapaieiro levou vestido camisa de riscado
e calcas de la com lislras e levou inais uma
rede branca uada be filbo de Lagoa nova ,
fugio da Paralaba e julga-se a;id.r pelo
Recife onde demorou-se algn das faz
pouco tempo ; quem o^ pegar leve a ra da
Cruz D. 60 quesera recompensada.
ssy Em q do mez passado fugio uma es-
crava de nome Graca de naco benguella ,
baixa bastante feia conhecida por fanhoza,
naris chalo venias e boca grande, desdenta-
da na pane de cima beuos grossos olhos
esbugalhados andar muilo apressado e tem
sobrado para morar uma familia, que o seu
aluguel r.o exceda de 8 a 10,000 mentaes ,
e que seja no bairro de S. Antonio; naiua
da pr.Via no terceiro ou quarlo armazem de
carne vimto da ribeira.
la I). 36.
tsr Cobertores de papa, grandes ; na ra
da cadeia do Recife loja 11. 4'
SST Perfeilas lmagens do Menino Dos
ricamente vestidas e de N. S. da Conceijo,
feitas pelo melhor escultor da Cidade do for-
me viniio ua riueira. icuns y>r ,^.... --------
SST Quem annunciou querer vender um to 5 na praca do Commercio em casa de Uo-
babilo de S. Francisco dirija-se a ra do Kan- mingos Jos Vieira.
gel venda L. 2. I tST Uous escravos pecas de idade de 18 a
tS3- Precisa-se fallar com a Seobora 90 annos, 5 ditos acostumados ao servio de
Rita Mara Theodora de Castro lavares ; na campo 4 molecotes um be bom pagem ,
ra do Rangel venda D. a. urna escrava de idade de aa annos engom-
SSS- Qupm precisar de um menino portu- roa, e cozinba com perleicao duas roota-
ruez para caixero de loja dinja-se a ra do tinhas com habelidades e um pardinbo opti-
Caboe. loiade miudezas n. 5. roo pagem ; na ra de agoas verdes D. do.
____________.______________ 1 fcsr Passas de melhor qualidade que aqu
AVISOS MaritilllOS. tem Chegado em caixinhas de i e 4 **r?
__________________________________________ figados de comadre araeixas de superior
PARA CURURIPE cero escala por Macei qalid'ade e carros de mo para coudaiir
a Sumaca Nacional Carolina, pretende sa- atierro, na ra da alfandega ralba armazem
'iir al o dia 18 do correle : quem quiser n. 3. .__ j
airear diriia-se a Manoel Joaqn.m Pedro da 85"- Na ra da Cruz D. la esenptono de
Cesta na ra da cadeia do Recife. Jo;, Antonio Gomes Jnior continua a ven-
PARA O RIO GKANUE DO SUL segu der-se por preco comroodo, sacas com alquei-
*-. poucos dias o Brigue E. Voador, de boa rede superior farudia de mandioca rouito
archa e com_oodos p.ia possageiros re:e- Una e alva feta na Munbeca e uma pe-
a alguma carga a (rel e esciavos, os pre- quena porgo de barricas de (aiellos cliega-
deules diriio-seaFiroino Jos Felis da das ltimamente de Lisboa.
Mt 6__r A roui apretiavel agoa Iranceza pre-
PARA LOAN DA com escala por benguela servaiiva contra erid.s de cobras e outros
Bergantn brasileiro Temerario, cl.egado animaos venenosos, e senuo o mesmo tem-
xim.menle de Lisboa he a piiraeira vez po o melbor preservativo contra o mal veoe-
te destina a Afinca, sabir com multa reo vulgarmente galno o eu presumo he
* idade } quem quiser carregar ou ir de evidente, vanas pessoasdo centro do seruo
sagea dirija-se a siu Capilo Domingos tena gab-dooseu presumo j na ra do Li-
mcisco da iiva ou a Manuel Francisco Viamento loja de luuca D. 3, a a,000 o Irasco.
les na ra d.-. senzala velba
i'.A AiAHANHAO' shi com muila
'.dae por ter mai'ir parte (.!e sua carga
;pla a Sun ac Nacional Circuieute ;
.u quiser carregar ou ir de passagem di.
y- Uua escravo de naco be padeiro ,
entende lano de massa como de fornO e he
cauoeiro uma uegiiuha de idade de lo an-
nos, (osee Iaz ludoo servico de uma casa ,
. vallas de sebo feius no pais e baos em
,e ao seu Capilo ou a Manuel biancisco maior e menor por^o ; em lora de portas n.
es na uada senzala velba. !a,4
lARAOARACA'lYom bievidade pbr ^.- Um escravo de naco ptimo para to-
acbar ta mtiu carga o bem condecido dooservi?o e tem principios de cozinba e
Leiro Patacho Nocional Laurentina fira- um relogio para cima ue mesa; na ra do
, Capilo Antonio Germano das We- Faguodea 18 defronte do sobrado do Sur.
- quem quiser carregar ou ir oe passagem Antonio Aunes.
iar-------------------
fora de portas da parte da mo direita o ; ^og"ume je uma vez por outra locir romo
qual tem duas meia agoas dentro do quintal j ^ ^^ defluxo no peito bebe fumo e
defronte do beco da mo'efa ; a tratar na ra j^ muiU) \^iai f representa ter 5o annos da
da Florentina velha que faz frente com o mu- .^^ ^Qa veJla0 e par)n0 da costa ja uza-
ro de S. Francisco D. 6. | Q venda banba de manh, e de tarde azei-
> Um escravo de bonita figura de ida- ^ carrapat0 | n0 dia que fugio levou uma
de de ai annos, bom coxinbeiro calador e ieU je o[i,a Com uma caada (de azeile,
socador de assucar ; na ra da cadeia do Re- ^edja e luI,il esla escrava tem sido vista
cife n. 5o. em diCferentes logares desta Cidade e nao
es- luchas pretas muilo boas e por pre- reJ,aduvida ,jUe tem casa onde se recolha e
co comroodo ; no pateo do Carino venda de ^ pQr(Ue foi seduiida e assim a pessoa em
Narciso Jos da Costa. cuia casa for adiada ter de vero seu nome
SS9- Dous negros e duas negras dous dc{arado aQ pUbfico como acoitador de escra-
moleques, e duas negrmhaa de diferentes y()S do e Fagar os da3 de servicos per-
idades uma dita com principios de costura ^ ^ mno3 e acuzado perante a leijquein
e engoromado na ra nova delronte da 1- ^ ^ |a^ ^ casa lerrea que fa quna C(J_ 0
grea da Conceico n. loa. beco de S. Pedro junto ao sobrado em que
T Piannos de vanas qualidades e por ^^ ^ Reveredo Thom da Slva Guma.
preso commodo j na ra da Cruz n. bo. ^ ^ lificad0f
^ Urna loja de couros com algucas m.u- ^ ^ d(j corfen,e f Q u_
dezas, e sua competente armacao, tudo no iio_eJosf de (Jade de 4o
valor de a4o,ooo sita na ra direua U. O ^.^ ^ Qeroults de a;gdo lem Uiua esfo-
iralar na ra do Aragao U. 57. hdura per cima da fon le esquerda tem fal-
BT 61 palmse meio de Ierra em irento ^ ^ J^^ ^ ^^ horrenU, n0
e mais de 5oo de lundo com a gumas arvo- g ^ q
res de ructo com muro em 3 lado, no be- b a ^ i&_
rn das barreiras junto o no para embarque ; 6dr ltve a rud "* ^ ^
co uas uaiiciina j 1 ra recompensado.
na ra do Gloria n. le 19. ,1 _y- Cosraa do gentio de angola, d
,3, Uma casa mea agoa sita na tr.vessa do "^ ^ ^ | > n3 d, cjrreQ.
pocinhodapauella, por ,00,000 na ru de ,g lev()U veslido de duuid desbaUlJa, ar;![ai
agoas verdes casa terrea D. -}. orellias tem os ps torios,
Kscr&vos Futidos
$3~ Roga-se a qualquer aulboridade po-
licial de qualquer provincia comarca ou
destrictO desle Imperio coadjuvem a aprehen-
cao de um molaiinhode nome Andre bem
claro que parece branco cbelo liso e algu-
roa cousacastanho-, de idade de iG a 17 an-
nos secco do corpo iraba'.ua de lanoeiro ,
lisas de ouro ns orellias tem os ps torios ,
uma pequea belida u'olho he secca do cjr-
po e estatura baixa tem sido vista nos 3
bairros : queiu a pegar leve a ra do Amo-
rim no Recite n. 99 no terceiro andar, qua
se gratificar.
4_r Nodia 14 de Dezemlnodo passado fu-
j'io um escravo de nome Antonio toi escra-
vo do Sr. Coronel Leouaado morador na co-
marca de pesjueira o qual escravo lem pai
e mi no logar do saranu o que se julga
estar no mesmo logar e lem os signaes se-
guiutes tsu altura regular groo do corpo,
olhos
barba
-,--------------- 1 u .1.
c que lem bous iou.rcodi.s cuiji e i-o
I .opiietiio Louienco JozdaaNeves, ua
la '.". Cruz 11. 2 ou aodilo Caulao.
A O RIO i>E JANEIRO o Patacho
Jits-.ui ador leiiz itttLe carga e j.iasagti-
pretcndenlea tutendw-be com fc'ir-
. ielw da Roza.
l'/jl.A O CEARA'at o da aS docorren-
c Olinda ainda recebe carga ,
,ii> Mi noel Joaquim i'ed*o Ua C.6!.<
ACEiO' em Idsliu a Suiidia Ca-
o crrente, recebe carga } tra-
u-te lanoei-Joanuioi i'edro da Costa ,
fgr Lroa i.egrinha de naco de idade de
i6 annos to^e cb engomma liso e he
itcolnida t um esciaiode naco roocambi-
nue ambos se uo a conlenio ; assia; cuino
atianca-ae a Loa conducta ; na ra direita D.
20 ludo do Liviaoienio.
i_r Uma pela creoula moca e sadia ,
ensebes engou.ma coaiuha Iaz doces e
(oe aJguma iou2a ; no liro da la Augusta
;,l ;ado da (uma que lem o oilo e enlrada
uo -io o \1veir0U0 Muniz.
tw L* de cana propria para emher col-
xoens c iiaviateiroi j ua ra das Cruzes ven-
ida 4.
lugio no dia 9 do crreme da casa de Jos
Anlonu Gomes Jnior levou calcas de gan-
fa azul camisa de madapolo quarido an- _.
Sa nao senla bem o caicanhar esleve na rosto picado das bechiga. cor fula
manh do da 10 na venda do Sur. Joo lar- grandes com alguns cabros braocus
ules en les defronte da Main da Boa vista j lechada cara compnda ; quem o pegar leve
o qual nao o prenden por ignorar sua luga as 5 ponas D. 4 que sera recompensado,
e Lm sunoe-se andar por aquelle bairro, ssr lioga-se as autt.ondades po .caes e
he bem coni.ec.do nesla praVe por ser acos- capiles de campo pessoas particulares que
tu'i ado a ar-dar comprando barris de 4 em apreheiido por onde or vista a preta de no-
n.a ouem operar leve a ra da Cruz D. j me Mana de idade de 40 auno,, alta, ma-
/auelera recompensado. gra denles abetos lad.ua como creoula ,
S> iu 110 no da 4 do coriente um pre- ievou vestido de chita cor de ganga com do-
lo de naco tongo moco aina bucal de res encarnadas com baados largos toi es-
lime
Jo;e bnixo
arosso do corpo tem ^.r a va de Felippa moradora no loio onde ne
1 ^ 1 *_________ ** ii m
nouca baiba letou oa-.iusa e ceroulas de al-
aodozinbo tudo novo, enagolada cami-
sa do lado esquerdo tem uma ludoa de leub*
de roanga ; quem.o pegar leve ao atierro dos
atfogados -enda deirouteda abnca de tabaco
que seiu gratiiicado.
_^- bu'iroaou> esclavos no da 11 do
passado com ottcio ne serrador um de
nome Manuel de naco moearobi'|ue > a'!o '
grosso cor iulla olhos apilombados com
I marcas de bechiga, comum dedo da mo sem
casada com o prelo Jos cassange e tem um
lilbo de nome Vicente em casa de Joo Paulo
Ferreira a diante do Giqui ; quem a pe-
car leve a ra larga do Rozariocasa de Lraii-
cisco Antonio de Carvalbo Siqueira que re-
compensar protesta ha ver dias de servico,
percas e danos de qualquer pessoa que a tiver
encapada maliciosamente
RECIFE NA TO, DE M. I1'. DE F. a 841


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESHQFLUC8_B2ZGHX INGEST_TIME 2013-03-29T17:49:27Z PACKAGE AA00011611_03803
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES