Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03778


This item is only available as the following downloads:


Full Text

^
ANISO DE i839. SEGUNDA J?1RA
n r*.
i
CAMBIOS.

Marco 10 ,
Londres 5o 1/3 a 3i Ds. St. por igooo eed.
Lisboa 8o por 100 premio, por metal. clereci'do
Franca 3io a 3a5 Ra. por franco.
Rio de Janeiro ao par.
Moedasde6f4oo i*f po as velhas novas i^-jat.
40 8iooa 8/5oo
Pesos Coluranarioi ij^SSo a \f-]o
Di tos Mexicanos 1 forjo a t|63o
Pataces Brasileiros ijtjo a iffyo
Premios das Letras, por mes 1 \\ a 1 ip por too.
Cobre ao par
r.C!:'? <:IM-

PARTIDAS DOSCORRElOSTERRSTEf:
Cidade da Paraiba e villas de sua preteneo ....
Cidade do Rio Gratule doVorte, e villas dem ...
Cidade da "Fortaleza e Tillas dem ... .
Villa de Goianaa ............
Cidade de Ulinda .............
Villa de Santo Anto........-...
Dita de Garanhuus e PovoacSo do Bonito.....
Dittas do Cabo Serinhaem, Rio Formoso, e Porto Calvo
Cidade das AlaoaS, e Villa de Macelo......
Villa de Pajau^de Flores..........
lodosos correios partem ao meio da.

11 DE MARCO. NUMERO 58.
Tudo agora depende de nos mesmos ; da nossa prudeiie
moderaco e energa: continenlos como principiar- ''.
e seremos apontados cora admiraco entra as Waces mais tul
tas.
Proclamado da A Segundas Sextas fairas:
Todos os das.
Quintas feiras.
Das, 10, e a4 de cada mez
dem i ii, e 2i ditto dido.
dem dem.
dem 13, ditto ditto
SanscrtTC-se para esta folfta a ofooo rs. por qnartsl, pagos adl-
antados nesta Typogratii, ro das Crasas I.'. 3, oa fraga
da Independencia D. i-j e 38, onde se receben correspon-
dencia legalisadas, eannuncios: insirindo-tc estes gratis
sendo dos proprios assignantes, e vindosassignados.
DAS DA SEMANA.
II Segunda 8, Candido M. Audiencia do J. de Direito da i. vara te manliS.
ia Terca S. Gregorio P. Dr. de ronnh e aud. do J. de D. da i. vara den.auli.
i3 Quarla S. Rodrigo M. "Seiso da Thesouraria P.
14 Quinta S. Malh'ides Rainlia. Relacen e and. iloJ. de D. da i. vara de manh.
i5 Sosia Coenmemoracaode M. S. Jess Cliristo. Ses. da T. eaud. do J. de D. da i. v. de m.
La Nova as il tior. 5n minutos da inaoli.
16 Sabbado S. Cirtaeo M. Re. de, manb. e aud. do V. G. de t. em Olinda
17 Domingo da Paixo S. Patricio Ap. da Irlanda. ,
Mar che para odia 11 le Marro.
As 1 horas e 18 minutos da manh. As 1 horas e 4? minutos da tarde.
T*
PERNAMBUCO.
Continuarlo da Falla com que o Exts.
Sur. Francisco do Rpgo Barros Presi-
dente desta Provincia, abri a Assem-
Jilea Legislativa Provincial no dia pri-
meiro de Marco do correnta auno.
Estabelecimentos de Caridade.
Sobre o Collegio dos Orfos de Olinda
pouco tenho de acresrentar as informacSes
constantes do meu pas.-ado Relatorio. A
Enfermara que era pessima.e se acliav.a mal
collocada eila' bru administrada, em bom
lagar ; e a custa das economas sobre a la-
xa de 200 reis diarios paja os orfios fot
ella prvida de urna pequea am-
bulancia. O rendimento do Patrimonio
nao tem augmentado, como eu esperara, e
-para e-.se fim, aiem das providencias
pedidas no passado Rea torio julga neces-
sario a respectiva Admioistracio, que se
llie anexes) os fundos, que deixario os
extinctos Thereseos eos foros de alguns
bens destes reclamados uus e outros pe-
la Thesouraria visto que a lei, que do-
terminou a Casa dos Tberesecs par gio dos Oifios, nfo Uz menso dis ren-
das que lliesero pertenceutes.
A Casa dos Ex pos tos pesar da consigna-
Cao de Rs. 'i-.oooil que Ihe foi concedida pela
lei Provincial n. 63 sent anda nm dficit de
36oU444 res na sua receita para poder
faser^ face as despesaS ordinarias, segun-
do informa a mesma Administracin
proveniente sem duvida de haverem-se au-
gmentado os vencimentos de alguns Em-
pregados da Casa, ja creados, ou que se de-
viio crear para bem della. Por falta de
rneios necessarios para curar do sen melho-
ramento, e de estatutos que defiuad cla-
ra e minuciosamente as obrigacoes de to-
dos os Empregados, a maneira de educar
as mancas &c a Casa dos Expostos conti-
nua a sentir es inconvenientes referidos
em oulra occasa'o relativamente a mortaii-
dade espantosa das criancas, que cumpre
quanto antes obstar, se queremos que el-
la saptisfaca aos plulaniropicos flus do sua
creaco qual o de cuidar de oles dignos
de compaixo por sua miseria, e fraquesa
dar-lhes urna educacio industrial e religiosa
e fazel-cs assim membms uteis ti e a soci-
edade deque faseui parle. O desejo ea
necessidade de aprseutar-vos um Irabalho
completo sobre os Expostos, objecto por
si importante e que tem ltimamente cha-
mado a attenco de homens muito instru-
idos meobriga a deferir ainda a apresen ta-
cao dos Estatutos, que em oulra occasiao
prometti sugeitar a vossa approvaco.
Posto que tivesseis consignado u impor-
tancia de 3:000 U 000 rs. para remoco do
Grande Hospital continua elle a perma-
necer no Convento do l armo, apesar dos
desejos do Governo emeumprir a lei, pelas
dtfiiculdades que tem apparecido para essa
remoco. Pela itispeccio e vesita que fiz
ao Edificio da Penha,e por informacSes oh-
tidas sobro a antigaCasa Jos Expostos, eo-
nbeci Seuborts que aquelle oioadaiittia
reparos alguns, para poder servir de hos-
pital ; e muito menos com a pequea quin-
til de 3:oooUooo reis sob pena de aug
mentar a das pessoas nelle recolhidas. No
mesmo caso est a Casa, dos, oxpostos. Ora,
como nao me parece urgente a remoco do
Grande Hospital por nao haver Novicos
alguns no Convento do Carmo, e seja
alem disso possivel faser algumas pequeas
divisdes, para, evitar toda acommunicicio
entre as pessoas do Convento,, e as do Hos
pital parecia-me conveniente que se
addiasse por Iguru tempo a execucio da
Le. e que o Hospital cuntiauassea perma-
necer no lugar em que seacha, al que
consignasseis annualmente 09 fundos neces-
sarios para a construccio de urna Casa para
doentes, digna da Provincia. Pelo que res-
peita a receita e despesa assim do chamado
Grande Hospital, como da casa dos Lasaros,
he ella qaase a mesma, que a mencionada
no roen Relatorio do anno passado para o
qual chamo a vossa attenco nesta parto.
Obras Publicas.
Este ramo do servico Publico continua
a reger-ae pela Lei de 9 de Junbode i835e
Regulamento de 10 de Agosto do mesmo an-
no, sem outra alteraco, que a de se achsr
a estrada de Santo Anlio lora da direccSo
do inspector geral das obras Publicas por
me parecer conveniente assim determinal-o
em attenco aos muitos trabalhos, de que
elle esta' encarregido pelo Governo Ge-
ral ou Provincial, e dos quaes nao pode oc
cupar-se seriamente, em quanto nao fo-
rera divididos por outros empregados.
Passarei agora a dar-vos conta das obras,
que se conrluiro depois do meu antece-
dente Relatorio ou que actualmente se
esli fasendo.
0

Obras feitas.
Depois do passado Relatorio, conclu-
i-a-se, e forao entregaes repartictd Ge-
ral das obras publicas a Pont.: grande dos
Carvalhos, a Pqnte da Magdalena : a Pon-
te de Motocolomb, a ponte do Varadonro
de Qlinda : o concert da Capel ja mor da
Matriz de S. Lourenco de Tijucupapo ; 0
da Capella mor de Santa Amaro- de Jtbo-
ata ; a Cadeia do bonito o conserto da
Ponte do Recife : as entradas da ponte dos
Afogados e osmais cpncertos de que neces-
sita va; e o al trro da estrada do Jcqui.
Obras arrematadas.
No meu passado Relatorio yqs decarei,
que nao lendo sido oreadas certas obras
iudispensaveis para a coiiservaco do atier-
ro do Jeqili havia. o Govurrm ordenado
ao Inspector Geral das Obras Publicas que
procedesse ao respectivo orcamento quanto
antes j di-vo agora acciescentar que-estas
obras fora arrematadas pela quantia de
io:6o5'oo5 res e.dcvem ser concluidas
ai o fino do crreme anno.
Os tres leos arremstados da letrada do
Sul esto feitos em mais de metale, eo
quarto que foi oreado em 8.a54s'5'i5 e
comprehende l4vi bragas deexlensio se-
r arrematado logo que o Governo liver arrematado o concert da Capella-mr da
obtido de vos os necessarios rneios para pa- Matriz do Cabo pelo valor de 4:<>78s'g8o.
guinte e a obra do concert da CapllY-
mr de S. Pedro Mrtir de O linda ; e foi
gamenlo das respectivas prestaces. De-
sejando fazer concertar oa lugares mais pe-
rifjosos desla estrada incumb ao Tenente
Joaqum Ignacio Carvalho Mendonca que
a visitasse a Serinhaem e me propo-
zesse os melhoramentos deque carece, e
consta-m, que elle trabalha seriamente
nesta Commissio.
Os trabalhos da Estrada e Ponte do Ru
jary ainda nao tinba sido principiados at
melado de Janeiro deste anno; consta-me
porem que se couduzem para o convenien-
te lugar os precisos materiaes. E como
muido necessario e Casia o concert da
Ponte sobre o Rio Tracuhaem porque sem
esta, intil se tornara a do Bujary de-
|-terminei ao Inspector Geral das Obras Pu-
blicas que fuMxe o seu orcamenlo, e
procedesse a arrematacio que teve lti-
mamente lugar pela quantia 'de Rs.
l:5as'34o. O Capito de Artilheris Joio
Baplista do Amsral e Mello, empregado
presentemente as obras da Provincia a-
cha-se encarregado pelo Governo de exa-
minar a Estrada de Goianna desde Olinda
alea Villa daqoelle nome eos resultados
dos seus trabalhos ser-vos-ho opportuna-
mente apresenlados, quando for preciso
consignar dinheiros sutheientes para em-
prebender as obras, ou pagar aos seus Ar-
rematantes.
A Estrada nova do Pao do Albo que
at Fevereiro do anno pretrito s fazia
por administradlo, foi dividida em Un-
cos conforme o Governo Provincial havia
determinado ao Inspector Geral das Obras
Publicas ', e tres destes fora arrematados
pela quantia de 3c):a4(>i'435 reis e devem
estar concluidos al Marco de 184o.
Obras administradas,
A Ponte da Boavista em que se princi-
piou a traballnr por edmioistracSo- desde
Janeiro do anno passado, acha se em an-
damento. Tero-se despendido nesta obra
al o tina de 0zembro passado a quantia
de Rs. 2o:246(f>i6 ; e segundo o orcamen-
to que me loi presentado pelo Inspector
Geral das Obras Publicfs deve-se ainda
despender a quantia de Rs. 29:000^000.
Por administricio trabalha-se igualmen-
te no Atierro dos T gados ecomo ainda
resino i'ii bracas para atterrar, querendo
leva lo al que a nova di receso encontr 1
do anligo atierro iulorma o Inspector Ge-
ral das Obras Publicas que anda sedes-
pender pouco raais ou men.n a quantia
nao pequea de R*. i5:ooos'ooo.
Na Entrada do Manguinbo refrz-se o at-
ierro que precedo a PoMe; concluios o
atierro no principio da Estrada dos Allie-
tos necessario para .vitar que as agoas,
que por esta correm nao venha para a-
quella, eesi-se ab indo avalla por onde
as roesmas egoas devem despejar para a
Camboa do Manguinho visto ter-se obii-
do judicialmente a ntctssaria faeuldade do
Proprietario do sitio Uom Fim que
impeda essa abertura.
A tentativa para abrirem-se Pocos arte-
sianos com a qual a Provincia j tinha
despendido intilmente grandis sommas ,
frustrou-se iuteiramente com a morte do
Engenheiro engajado para esse fim. O En-
genheiro que se acha va na Provincia do
Ceai, offereceo se ao Governo para abrir
os mencionados Pccos; mas julguei con-
Na Estrada de Santo Antio encarregada veniente recusar os seus serviecs, anteven-
-. a 11^.* _.1.a _.#'.__ rlft .1 111 i a nnre IkiiI.iIiiv vern f?r\ .
.ao Engenheiro A. Hersting ach5-se feitos
os orearaenlos de seis porces com a exten
ci total de 1898 bracas, e na importancia
de ()4:2i7'3o5 Tres destes leos forao
arrematados por 2g:355looo reis e serio
concluidos al Deiembro de 1840; os ou-
tros porem dependem ainda de decisio do
Governo para serem postos em basta pu-
blica e esta lera lugar ha vendo os meios
suficientes. Por ordem da Presidencia foi
examinada esta Estrada at a Villa que
do que as novas tentativas seriad io in-
fructferas como as primeiras e nao de-
sejando.sobrecarregr usCot'es Provinciaes
com inuteis dispendios. A' vossa sabedo-
ria compele decidir se convem consignar
novas quantias para engajamenlo de om
outro En',eiiheiio e suprimento das mais
despezas que elle acarreta.
A.s Cadeias da Santo Antro Go anna e
Brejo incumbidas s respectivas Carearas,
acha-se bstame, adiantadas, segundo as
Ihe empresta o nome e bem assim' o 'ra- j informaces, que tenho lecelxdo. O Go-
mo, que se dirige do Engenho Soccorro no tem mandado abonarlhesasquantias
l'ovoaco da. Freguezia da Escada e da
informacio, que deo o encarregado do ex-
ame, consta que ansiar parte destesca- Formoso, Oimda Nasareth necessitaode
ecessarias para pagamento das despezas.
As Cadeia- de Ganhuns, Plores, Rio
mi ribos tornao-so intransitaveis durante o
invern, ecarecem de obras mais avista-
das do que ordinarios concertos as quaes
nao far gastos excessivos por achar-se
perto todo u material preciso. Pretendo
mandar levantar a plauta e proceder ao
orcamento de. laesobras, e ordenar que
se faca os concertos m cessarios pra faci-
litar o transito.
Finalmente acha-se muito adiantada a
consti necio da Cadei do Limoeiro que
deve fiadsr-sc a 9 de Fevereiro do anno se-
grandes concertos para que possao conler
com seguranca 05 presos nellat recolhidos.
Os coucertos da primera sao oreados em
Rs. i.oiJfJo; os da segunda em 5:33is'
reis, eo*da quarla em 7 5t)(j'79a reis ,
para os quaes he precito que cjusijueis as
precisas soaimas.
Obras parausadas.
Contin.ia anda sem andamento as 0-
bras que mencionei sob esle lilul no
.



Wl
DIARIO D1PFINAMBUGO
aataa

meu antecedente Rratorio, e taea sao a
abertura do Canal da Barreta o restabele -
lmenlo do aqueducto na estrada comecada
para Olinda por Santo Amaro, e o melho-
ramento da Estrada do Parnameirim : a
primeara porque ainda nao foraS conclui-
dos js oreamentos respectivos, que o Go-
verno mande u tiiar em Agosto do anno rin-
do ; a segunda por estar ffecta Garuara
Municipal de Olinda ; e a terecira por
parecer ao Governo pouco impoitante em
compareci de outras obras. O orcaroen
to dt-sta olira importa ero R* -j-.i-jbiii^
Todos os trr Silbos poreru Sniores, e
dispendios que Taremos com as imssas Es-
tradas, serio inuteis seno derdes as ne-
cussurias providencias para as conservar e
obstar assira que a mi do teropo, ou a
perversidade des homens as desluiiS. li-
ma Lei Policial, que regulasse a bmpa pe-
ridica das val'as ; qun-obrigasse os parti-
culares a construir sobre ellas pdntes para
o seu servico para nao estragar as raes mas
vallas que determinaste quaes as pessoas,
que devem vigiar sobre a conservacio das
Entradas, ou faier Ibes pequeo- reparos
etc. me parece de urgente necessidada : e
por i.-so chamo a vossa attenco sobre este
importante objecto.
Como pelos Artigos a5 e 26 da Lei
Provincial n 9 de 10 de Junjio de i836 se
buctorisou com rasio a Presidencia es -
*tl>elecer barreras para a recepcio dos ira
postos de transito, a medida que se com
p'ctasse alguna nova Estrada Provincial ou
Municipal, ou se concertassem as existen-
tes marcando o quantitativo dos impos-
tes, as pessoas que os devem p.igar e a
forma de sua cobranca ; a Presidencia fez
publicar o Regulamento do i,' de Setembro
do anno prximo passado estabelecendo
Barrenas as duas Puntes dos Carvalbos .
e Magdalena o qual vos ser devidamentc
presentado para merecer a vossa appro-
vacio.
Tenboa atisfacfo, Srs., de r.ommuni-
car-voa, que o Governo Provincial contra-
ctou com alguna Cidadios o fornecimento
de agoa potavel para a nossa Cidade por
meio de Chafarizes. segundo o voto da
Lei Provincial n. 46 de 14 de Julho de
1837; epor conseguinte que nao esli1
rouito distante a poca em que gozaremos
de todos os beneficios resultantes de to u-
til medida legislativa. Releva porem di-
zer-vos que muito antea deter-se effectu-
ado o contracto supramencionado, o Go-
verno se havia derigdo ao nosso Ministro
em Londres, sollicitando saber, se ali po-
deria organisnr-se urna Companhia para
fazer o fornecimento d'agoa ; e de sua res-
posta conheci que os Capitalistas Inglezes
considera vao, como muito onerosas, e
teroexemplo nos Contractos de igual natu
reza as Condicoes do Artigo i. 8 e
Art. 3 da Lei citada, e que nio empre-
henderia os Ira lia I ios sem a sua reroga-
cio, aopasso que os Cidadios Brasileiros
comprometiia-se a faze-los somente com as
vantagens que Ibe era concedidas.
Devo igualmente partecipar-vos que ,
em consequencia da auctorisaco que con-
cede ao Governo Provincial o Ai t. 3i da
Li Provincial n. 9 de 10 de Junbo de
1835, encarreguei ao Doutor Luiz de Car-
vallo Paes de Andrade o engajar por tres
a cinco annos na Franca Suissa Blgi-
ca ou Alternan ha urna Companhia de Ar
tifices e trabalhadores ero numero de aoo,
para irabalhar as Estradas emaii Obras
1 abbcas da Provincia, proroettendo-lhes
passagem gratuita, e certos vencimentos
diarios segundo a sua capacidade dos
quaes urna parte devia ser-Ibes entregue
em moeda, e a outra applicada ao seu ves
luano, ealimentos, ou as suas molestias
no cas de adoecer algum dos Engajados.
Segundo as ultimas partecipaces do En-
carregado do engajamento he "de suppr,
que em fina de Maio desembarque neste
Porto a primeira remeisa dos Artfices e
que ceisem os inconvenientes, que actual-
mente sofrea as Obras Publicas quaes os
de ficarem demoradas, serem quaai sempre
imperfeitis, e cuslarem mais dinheiro,
do que deveria gastar, ae fossem feitas
com gente perita, e com bracos sufficieo-
Nio contando com o importe das passa-
gens, e suppondo-se que seja engajados
lodosos 200 artfices etrabalhadores devea
Provincia despender com elles perto de Rs.
5o:ooo,ooo por anno ; mas esta quantia nio
vos deve parecer avallada porquanto s
em jornaes no anno financeiro de 1807
1838 despendoo se pela Repartilo das 0-
bras Publicas a quantia de Rs. 4.1: 19$, 1 {a ,
s-gundoas contas a presentadas pelo Admi-
nistrador Fiscal respectivo ; e h de mais,
reennbecida a vantagam de nio depender em
as Obras Publicas d. vontade dos trabalha-
dores e de nio poderem estes levantar os
seus sailarios, como actualmente acontece.
Tornando se bastante sensfyel ,. S-.,
n'sta rica e populosa Cidade a fafta de um
Tbeatro Publico que offereca aos seos ha-
bitantes urna licita e honesta distraccio .
havendo apenas com esle ame urna Casa
particular to acanhada e pessima que
fiingu,em ella concorre e tendo seme-
Ih'ntes Estabelecinaentos merecido era to-
dos os te m pos a protecco dos G o ver nos pe-
las vihtagens. que dells resallad oivili-
saco, e moralidade dos povos: julguei
conveniente mndar levantar a planta *
fazer o orcimento de um Edificio ', que sir-
va de Theatro Publico nesta Capital e es-
pero, que vos consignareis os necessarios
fundos para esta Obra, ou por meio de
pre*c's marcadas n* L"i do Orcamento
futuro ou por meio de Loteras forma
das segundo o plano das que j forr con-
cedidas Matriz do Sacramente da Boavis-
ta o Igreja do Livramento. Conforme
o dados que me trm sido ministrados peta
pessoa encarregada destea trabaibos prepa
ralorios pan ce-me que a despeza nio
exceder de 100:000 000 reis. e poder ser
indemnisada com os futuros lacros que
as recitas devem prodotir.
pao nio vos deixa como supponbo o
necessario tempe para vigiar sobre o cum-
primento deste dever.
Inclusos acharis o Bataneo da Rereita e
Oespez de todas as Cmaras Muncipaes
da Provincia em o lino financeiro de 1837
i 1838 e o orcaroer.to da mesma Rpceita .
u Despeza no coi rente anno de i838
183,9, accom pan hados um e outro das
respectivas Tabellas demonslrativat.
(Continua.)
Cmaras Muncipaes.
Segundo vos declare! no antecedente R
latoriO, continuad estas Corporaces fi
car reduzidas nullidade, tanto por- falta
de conveniente direccio, como d meios
para pagar os ordenados dos s*u* En prega-
dos as despesas do seu expediente, os
mais gastos com Obras Muncipaes. Atgu
mas at ignorad s-principaes Lis, que
Ihe servem de Regularmente consrguin-
temente as providencias. que ellas tem
posto sua disposicfo. Nio ha' obra ex
elusivamente Municipal, que ellas tentem
fazer, nio digo com os meios pecuniarios
dos seus Cofres, mas por arrematado, e
empresa, na forma decretada pela I/t de
29 de Agosto de i8a8, e Arte. 47 e 66
6 da do 1. de Outubro do mesmo anno;
porque todas recorrem Presidencia e
como impossivel he satisface-las em rudo ,
necessarament, contina o mesmo estado
de cousas com desgosto geral do Cida-
dios.
Para que as Cmaras Municpaes tives-
sem melhor direccio, e maior actividadr
nos seus traba I los ; houveasem um exe-
cutor de soas delib-iracoes, e accordios ; e
se esta estabelecesse erta homogeneidde
entre os Governos Provincial e Municipal ,
parece-meconveniente, qoeosSnb-Prefei
tos dos Municipios, e os Prefeitos as Ca-
becas de Comarcas fossem incumbidos de
convocar, as Cmaras, abrir aa soas Ses-
ses expor-lbes as suas necessidades, r
os meios de remedia-las ele.
As Posturas das Cmaras tem-se tornado
inexequiveis em todos os Municipios, j
pelas difficuldades de arhar pessascapazes,
que queira acceiur o Emprego de Fiscaes
e j pela impericia e desleixo dos que sio
nomeados, resultante sem duvida de nio
terem interese ceno as execuces que
promovem contra os infractores das mesmas
Posturas-
Relativamente s contas, que aa Cmaras
Muncipaes sioobrigadaa prestar annual-
mente ser>vos-hio remettidas as que slgu-
maa deltas enviara por intermedio da Pre-
sidencia. O meu antecessor, o Exm. V.
Presidente da Provincia quereodo uni
formar os Batneos e oreamentos das C-
maras deu estas os convenientes modo-
Ios ; e por este modo ser fcil, Srs., o
organisar oa oreamentos Municpaes e to-
soar contas s Cmaras, conforme vos in-
cumba o Art. 10 do Acto Addicional
Constitaicio. Vero aqu a proposito indi-
car-tos como muito conveniente, deter-
minar que as Cmaras posse ser multadas
pe* Presidencia quando nio remetieren!
as contas no devido lempo; 'poique os
mullos e grandes trabaibos, que vosoecu-
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVIN-
CIAL.
Acta da 6 Sessio ordinaria da Assembles
Legislativa Provincial em 7 de Marco
de 1839.
Presidencia do Sor. Mactel Monten o.
Feila a chamada e achando se presentes
37 Snrs. Deputa dos, faltando com cauza
parle-cipa da os Snrs. M a noel Cavalcanti,
Doutor Cintra Padre Chritovio, Pereira
de Brito e Machado Ros, o Snr. Presi-
dente abri a Sessio e lida approvada a
Acta da antecedente, dea conta o Senhor
1. Secretan) do expediente: hum ofBcio
do Secretario do Governo remettrido ss
posturas das Cmaras Muncipaes de Santo
Antio, Boa-vista, Bonito, e Goianna
Comissio de Exame de postaras. Hum
requer ment de Joio Pereira Damaceno,
Porleiro do Liceo pedindo que o seu or-
denado fosse igualad 1 o do Amanunenso
do mes-no Liceo: Comissio de ordenados.
Outro do Viga rio de S. Pedro Mrtir pe-
dindo 6 (oleras annuaes do mesmo valor,
e segundo o plano das que forio concedidas
a favorda Matriz da Boa-vista,para reparo da
%"bredita Igreja ecompra de alf.ias: Comis-
sio de Petico: mais outro do Joiz eMesarios
da Confrara de S Joio Baptista dos Mi-
litares pedindo huma Lotera da mesma
soma e pelo mesmo lempo que fora con-
cedida Matriz da B >a-vista : Comn-issio
de peticoes ; ama representacio dos Ha-
bitantes da Fregosla da Escada pedindo
que se a Assemblea Provincial criasse huma
Comarca no Cabo fosse a mesma Fre
guesia comprehendida nelta ; Commsso
de Estatictica. O Snr. Nabaco da Ataujo
reqoereo que cada huma das CommilsSes
permanentes avista do Relatorio do Exm.
Presidente convertesse em Projecto de Lei
as medidas indicadas pelo mesmo Presi-
dente e providenciase sobre as necessida-
des publicas por elle expostas ; depois de
alguma discassio foi o requer ment rege-
tado.
trotismo e prudencia da Assemblea Ge.
ral cabe evitar por amor do Brazil de
sua paz, e da segaranca das soas Instita-
icSesjfoi remettida a Commisso de Po-
do resT~~
2.'
parte da ordem do da.
Entrou em dscussio o projecto. numero
37 de 1836 instaurando a Repart ci do
Lastro e foi regtitado. Passoaem 1. disc
depois de longo debate o projecto nido cor.
rente criando a Freguesia do Bonito, sendo
regetados os dous seguntes Requermen-
tos, i. do Sor. Lopes Gama; que o pro-
jecto fique addado ate* tratar-se da Le do
Orcamento ; a- doanr. Rafael; que o pro-
jecto seja remettido ao Reverendo Ordin.
rio para interper o seu parecer. Segoio-se
a segunda discussio do projecto n. a6 de
1837 dispondo que O Presidente da Pro.
vincia na nomeacio, remocio, auspenco,
e demissiodos empregados Provinciaes ex.
erca a mesma autoridade, e pela mesoa
maneira que competa ao Governo Pro.
vincal e ao Geral antes de Reforma da
Contriuclo; o' Snr. N.ibuco de Araa.
jo offereceu o seguate Artigo addittivo ;
A remocio dos Magistrados dorara' de 1
a 4 annos e os Magistrodos removidos ser*
virio com a mesma posee e juramento;
apoado o requermento e depois de ton-
ga discussio, ficou o Projecto adiado
pela hora. O Snr. Presidente levantoa
Sessa dando para ordem do da Leitori
de P rojee tos. ndicaco, e pareceres de Co-
missio, continuacio da ordem do dia ja
designada, primeira discussio dos projectos
ns. 3, e 4 do correte anno segunda dis-
cussio do Projecto n. 6 de i838.
Thomaz Antonio Maciel Monteiro.
Presidente.
Antonio da Costa Reg Monteiro,
i. Secretario.
Joze Thomaz Nabuco de Araujo Jnior,
a. Secretario.
i." parte da ordem do dia.
Foi lidio hum projecto do Snr. Nabaco
de Araujo dispondo que os Sub-Prefeitos
dasCidades do Recife e Olinda a ttulo de
gratifieacio vencssem annualmente a quan
ta de 5ooLooo rs. ; foi jutgudo objec-
to de dehberaoio e mandousse imprimir;
foi tambera lida a seguinte Indicacio dos
Snrs. Doutor Mondes, Peixoto de Brito.
Pauta Cavalcanti, Lopes Gama, Urbano,
Carneiro Leio, Mello Cavalcanti, Padre
Chrislovio, Biserra Cavalcanti Neri Fer-
reira Izidro Mesquista Reg Dantas ,
Joio Francisco Cavalcanti, Reg Monteiro,
Pereira Monteiro, Tiburtino, Meira, Ma-
chado Ros. Havendo pauado em tercei-
ra discos io na Cmara temporaria um pro-
jecto de Lei sobre a intelligencia do Acto
Addicional a Constituido do Imperio qu
be huma verdadadera reforma de alguna
dos seus artigos, he huma inteira derroga-
cio e suspensio das garantas da que o-mes-
mo Acto Addicional revesio as Provincias
e principiando este Projecto de Reforma
com manifest atrpelo das formulas, e
transmites decretados na Coostiluicfo do
Imperio,- Indicamos que comettendo-se
a Commisso de Constituidlo e Pode-
res o exame do indicado Projecto, e
em resultado dos seas trabaibos se dirija
esta Assemblea por huma representacio a
Assemblea Geral do Brasil, fasendo-lhe
sentir a quebra que vio soffrer aa Provin-
cias as suas melhores garanta!, e o ex-
emplo terrivel que com tal reforma se va
dar de poder-ee 'ocar na Constituirn do
Imperio, fetteln perder a esUbalidade
que tbe be garantida por um de seu
artigos ; males estes que a illuslracio, Pa-
THEZODBARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia 7 de Marco de 1839.
Oficio-. Ao Exm..Presidente da Pro-
vincia informando o requermento de Jos*
qum Jos d'Abreu Jnior e outros.
Dito Ao Contador da mesma Tbesou-
raria partee i pando acbarem se nomeados
para Collector da Colleclora de Giranhun
Vicente de Miranda Albuquerque 'Pitara .
e Escrvio Jos Correia Brasil; para Col*
lector da de Igu.arass e tamarac Candi-
do Liberato de Oliveira Maciel, o Escr-
vio JoaO Paulo Maciel Monteiro, pas
Collector da do Cabo Manoel Machado Re-
voredo e Escrvio Joae Joaquim dos Sso-
tos, para Collector da do Rio Formoso
Jos Luiz da Silva Gaimaraens e Escr-
va5 Joa6 do Reg Bizerra e para Colle-
ctor da do Bonito Luiz Caetano Ferreira
Chaves.
Dito Ao Contador da Thezouraris
Provincial fasendo a mesioa partvcipaca
do precedente.
Portara.. AoThesouieiro da Fasenda
mandando entregar a Alexandre de Mello
Pinto a quantia de duzenlos mil res em
Notas valor de urna Letra que accei-
tou a favor da Thesouraria da Provincia
do Rio Grande do Norte a quera be re-
mettida por conta d<>s supprimentos man-
dados abonar pelo Thesouro Publico Naci-
onal.
Dita Ao dito mandando acceitar o
pagar no dia do vencmento huma letra de
aa: 145,1* reis sacada pelo Thesouro Publi-
co Nacional a favor de Manoel Caetano
Soares Carneiro' Monteiro.
Diversas Reparticoens.
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
EDIT AL.
Perante o Inspector da Alfandega Ma-
noel Zefirino dos Santos se hade arrema-
tar em basta publica na porta da mesma no
dia 11 do correle pelas 11 oras da manhi*
54 cadeiras de pao d'oli-i 48 ditas do


-*
DIARIO DE PEB NAMfleO
serdura 3o ditas de Jacaranda a mezas
de jogo de pao d'olio a dita dita de Ja-
caranda a camapes-de dito dito, impug-
nado pelo Ajudante CoDtoreete Caetano
Ptoto de Veras;, no Despacho de Manoel
Joaquim da Costa.
Alfandega 8 de Marco de 1839-
Manoel Zefiriuo dos S-rntos.
MEZA DO CONSULADO.
_ A Pauta, he a raesma do num. 5t>
COLIREIO.
No da 11 do corren!* segae para o Rio
Grande do Sul com escalla pelos Porto* do
Norte o Brigue Nacional Amparo.
ARSENAL DE MARINHA.
D'ordem do Illm. Snr. Inspector do Ar
seal da Marinlia se faz publico que no
di 18 do crvente mez emdiunte se dar
principio a numerado e maicaca das en
barcacoeus miudas empregadas no trafico
do Porto e Rio Na vega veis desta Cidade,
na conformidade do que diapoem o artigo
i. do respectivo Regulamento. O mes
mo Illm. Snr. Inspector ordena poia aos
Capitaes das seasoens que desde o referi-
do dia e.mdiante fp. tracer e depositar
no combro da praia confronte o Arsenal
taea embarcacoena para ah ter lugar se-
melhante trabalho para o qual se marca
urna semana para aa de cada sesso prin-
cipiando pe* i. da Liogoeta L a. do
Fjrto da Canoas 3. do da ra Non
|. do de Olinda e 5. do de B.beribe.
Iuspeceao do Arsenal de Marinba em 9
de Marco de 1839.
Alejandre Rodrigues dos Aojos
Secietario-
PREFEITRA.
Parto do dia 9 de Marco de 1839.
Illm. Exm. Snr. Das partes boje
recebidaa consta aomente que foraS presos
honlera a miaba ordem, para trem desti
no: Jos, preto, eacravode Manoel Cus-
todio pela 1. p.-.trulha do districto do Cor'.
poSanto, por estar espancando a humas
pretas e rebeber-se contra a mesma patru
Iba; Manoel Luiz prdo acaboucolado ,
pelo Sub-prefeito da Freguesia de Santo
Antonio por .ter pisado uso preto, cerran-
do cavall.04 Marianna pela, escrava de
Manoel de tal, pela 1. ptrolha do dis-
tricto da Ribeira por efc,r,t> e sopla
fgida ; e Januario, tambera preto es-
ciavo do Rofino Estoves, por um soldado
do Corpo Policial, por. esur ebrio.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitara da
Comarca do Recife 9 de Marco de
1839. Illm. e Ksm. Sr- Francisco do Re
go Barros Presidente da Provincia.
Francisco Antonio do Si Brrelo Pre-
feito da Comarca.
R' trospecto Poltico.
O jornaes Ingleses trname fallar as
intrigas da llussia para activar a revolta
do Canad. A hoapitalidade cora que fo-
ram acolhidoa em Inglaterra os emigrados
l'olacos irritou vivameola o Imperador Ni-
colau e em consequeneia nao escrupalisa
eQ lancar mi de todos os rneios para ver
se consegue intibiar ao menos o interesse
|ue a Gri-Bretanha maaifesta pela sor te
"os infelices Polacas.
Foi sem duvida rom este objecto que
mandou America hum tal Vao-Sckultz ,
intitulado coronal cora i nst ruceos para
se inculc. Polaco a fim de melhor come
guir o que se propunba. Este individuo
que nio he senlo um Ruaso disfarcado
liaba instalado em Nova Yoil orna espe-
cie de club ou socledade Polaca convo-
cando a todos os refugiado* desta naci
que se acbavam nos Estados Unidos para
deliberar sobre o destino da desgranada pa-
tria. O plano deste Sinon excitar os
oLcos a que ao unam com os insurgentes
do Canad para atacar o Governo Inglez o
este caso o Governo Ruiso nio deixaria
de tomar patente a ingratidio desses pros-
criptos para com a naci que Unto os ha
Patrocinado, ao menos em palavras e bons
tojos.
' Este agente RuisonaS contente de especu-
lar com os Polacos residentes nos Estados
Unidos esereveu directamente para Ingla-
terra aos seos pretendidos compatriotas o-
ferecendo-lhes dinheiro em abandancia
para saldar as despesas da viagem aos Es-
tados Uaidos e um armamento e equipa-
mento completo se quisessem ir reunir-se
aos Canadienses, pintando Ibes acensa da
independencia deste paiz como identificada
com a da liberdade da Polonia. Feliz
mente os Polacos descobriram o ardil, e
evitaram-no cora sagacidade. E' eviden-
te que o Imperador da Rus-ia se propu-
nba por ama parte crear novas difficulda-
des aos Ingleses na America e por oot>a
tirar caoza da Polonia a popularidade
que tem na Gri Bretanha.
Por noticias deConstantinopla se sabia
ter Lord Ponsonby ratificado com os Mi-
nistros Oltomanos o tractado de Commer-
cio entre a Inglaterra e a Porta. As reu-
nidos nocturnas do povo foram prohibidas
em Inglaterra a pretexto de caazarem trans-
tornos ordem publica ; mas os interesa-
dos na reforma parlamentar reunir-se-hlo
de dia o progredirf o em seos esforcos ne-
cessitados pelo estado do paiz. E' real-
mente alarmante o estado das provincias
As|exhortacoens dos partidarios da| violencia
com cara a prodaztr fructo. Os incen-
diarios destruiram ltimamente urna fabri-
ca que em Asthon nnder Lyre ocoopava
4oo operarios : A crtse actual reclama atis
sern attencio de parlamento.
Ja demos noticia da abertura das Canta-
ras Francesas em 17 de Desembro e do
discurso de thronoemo qual S. Mi Luiz
Felippe todo encara sobo aspecto cor de
rosas ole fallando senlo na prosperidade
da Franca e nss acertadas medidas do seo
governo. qoande as imprudentes hosti-
lidades contra as repblicas Americanas
bem como o co tea ment da colonia de Ar-.
gel tem occasionado despeus espantosas que
s a Camera mai* servil poder dixer pas*
sar sem commeatario por occasiaS da dis-
cussio do Bedget.
Os Deputados do centro esquerdo reu-
niram-s* logo no dia immediato em casa
de Mr. Ganneron em numero dlj 90, e
haviam apenas corneoado a eonferencear
quando chegoa Mr. Lacrosse mandado em
coromiaso por os Deputados do lado es-
querdo, reunidos em numero de sroaenta
era casa de Mr. Odilpu Barrpt annuncian-
do que os seus oollegas tinham. resolvido
onanimente appresentar e sustentar a can-
didatara de Mr. Pa*sy Presidencia _
sendo os outros lugares da meza dados a um
membro do cada rr poltica, isto 00
centro direito ao esquerdo e ao lado es
querdo. Nao obstante o resoltado nio
corresponden ao. que se propunbam es
membros alliadca. da aova opposicaS pa-
rece que Mr. Dupip candidato ministerial
conseguir a Presidencia, posto que a Cor-
te encontr desta ves alguma difierenca.na
diposica da Cmara, em virtude des ge-
raes, testemunhos de approvaco qae os
povos dio petica da Guarda Nacional.
O Marechal Gerard havia tomado pone
do posta de. commandante geral da G. N.
do Departamento de Sena qae Ihe foi
devoluto por mprte do marechal Lohau.
Assegura-se que o marechal Molitor subs-
tituir o marechal Gerard ao em prego de
Chancellar mor da 0 Honra. Chegou a Pars ltimamente um
grande numero de judeus emigrados da
Polonia para se escaparen) as extorsi> das.
aui bondades. Annuncia oCoostujcional
que o enviado do Ministerio Francez junto
a conferencia de Londres regressou a Par iz
com a noticia de que aquella reuniio tinha
concedido o prolongamento de praso que
pedia a Franca para q'a Blgica executaas o
Tractado do* a4rligos, e queaasimo ul-
timo convenio sobre a questio Hollando-
Belga s seria eEfectuado em 15 de i/eve-
reiro deste aano.
A Cmara dos representantes da Blgica
Gxou em 11 of horneas oeflectivo do exer-
cito paaa. 1839 e em i2s a reserva cor-
respondente ao mesmoanno. Asstgura se
que o governador da fortaleza de Maestrict
mandi-u recolber grandes partidas de vive-
res 0 forragens e q' se receben naquella ci-
dade a noticia de que os Prussianos hiam
oceupar immediatamente Venloo, liure-
monde, e Weert. N obstante movimen-
to algum se tana observado al agora na
frorte ira nem parece qae a Hollando ten
cione angmentar a gaarnicfo de Maestrict
qae coaita de 5,000 homens. Os milici-
anos qae ebegaram a Bruxellas percorrem
as roas cantando a Brabanzona e a Parisi-
ense ; mostrndose mal contentes por ter
Sido chamados is armas.
E-crevem de S. Petersbargo em data de
a7_da_N0TOmb.ro. qae. o Imperador Nicp-
lau antes de partir, para Mo*kow cora o
sea genro pnblicou _tres_decratp.s .qae da6
urna dea clara do espirito qae domioa o
autcrata. O primeiro determina qae se
d uma recompensa tod<9 os subditos
do Soltad que apprebenderem um desertor
Ruaso* Esta dtsoosicaS nao carece de
oomsoentario ; mostr- qu vel a deisercio no exercito Russo do meio
dia. O segando decreto determina qae
os filhos dos funecionarioscivis o milita-
res seja qual for a ciaste a que pertencam,
depois de servir o Estado dorante quatro
annos consecutivos obterau reipertivamen-
te o grao de oficia I civil ea militar. E'
esta ama. concessa5 feitarem favor do no-
vo qae ate aqu vegeta va sojeiro a hum
rgimen de privilegies. O terceiro decre
to he um acto de poro despotismo pres
creve qae lodos os filhos natura** das clas-
ses inferiores do povo isto he, de todos
os habitantes da Rus*a excepto os oobres,
e os qae tesa o posto de oficial civil ou
militar serlo inscriptos nos padroens dos
servo*, da corea, e quscorao taesficam su-
jeitos a ser destinados pelo Governo aos'
trabalhos de colonisacu ou a- queiquer
o a tres que elle ten ha por eon venientes.
Chegam ate a5. do pasudo as noticias de
Madrid ; a mesma ineclo prevaleca no
quartol general de Espartero_ os iuimigos
nfo eram attacados e vegetaran na. mai
completa segursnea. Por outro lado as
vistas ambiciosas de Espai tero parece qae
bao encontrado ajeuergia^e.decidida opposi
cao le S. M. a Rainha Regente. A parte
do discurso do Rei de Fraliea esa qae ob
serya.ler cumplido religiosa menta as dispo-
zicoes do Tractado de quadrupia allianca
produiiu a maior indignacaem H^ipanha.
Diz-se que he impo*sit*yvsr a maior au-
ge o emboste, sobretodo depois de ter
deixado passar aa escancaras a Princeza da
lieira pelo territorio Francez quando
ninguem ignorara que ella se diriga ao
auartel general de D. Carlos. Na Cmara
os Diputados liaba havido largo debate
acerca d* proposta feta pelo G -verno pa-
ra meller em processo Cordova e Narvaez
resolvendo-se a Gnal qua o Governo ficava
authorisado para eme effeito.
( Do Nacional de Lisboa. )
Avisos Diversos.
-TT-
.i.','?! '.:---------------~
j. Quem estiver nas circunstan-
cias de poder ser ad ni i Mirlo a Novi
J90 da Ordem do Carino compre-
la perante o Patjre Proyiticial rjo
Concento do Cario do Recie..
__ Traspassa-se o arrrendamenlo de um
sitio moitp grande perleocente aoSr. Fran
cisco Goncalveii.da Rocha, situado na rus
d Soledade, tem a frente toda amarada ,
com casa grande de sobrado a qual tem
coromodos para nomerosa familia., e por-
to grande indflpendente da entrada do so-
brado o primeiro sobrado do lado do N
Sonhora da Solidado paasando o> sitio do
Sr. Viejre C**bist% tem grande baixa
plantada de canim., mnlf s Isrsngeiras, ca-
fzeiros, roangoeiras, cajueiros, e muito
bom parreiral ele- MC tres cacimbas de
sgos de beber muito boa, doia tanques pa-
ra lavar roupa e topar banhos, estriba*
ra e coxeira. muilp grande i tratar no
mesmo sitio das 6 horas, da manh ale as
9, e das. 4 da, tarde em vanto nos diaau-
teit; e Domingos eDiw Santos, todo o
dia em qnslquer bora.
_ Quem ti ver para alugar huma caza
terrea, com.qaintalecacimba ,.no bairro
de Santo Antonio, ou no da Boa vista qae
nio seja muito retirada queira anaonciar,
ou dirigir-ae a roa Nova loja de Frederico
Chaves D. 5, que achara com qaem tratar.
_ Ao amaohecer do da 8) do crtenle
fogio um negro por nome Benedicto na-
ci Angola, autora alta e b?m parecido
levou calcas e camisa de esloupa Q qual
alo se sabe bem espcar : quem o achar
poder lvalo no sitio deS. Amaro junto
do sitio de Joaquim do Reg Pereira que
sera' b*m recompensado cujo sitio he em
torras do Veigas na frente da roa da Au-
rora ou na lfindega velbi que se dua'
qaem he o dono.
Quem precisar de um minino Rrasilei-
ro ih idade la annos para Caixeiro de
raja d" fasendas ou ferrsgem o qual d
hum auno gratis para praticir ; annuu-
cie.
_ O abaixoacsignado tendo arredado
por seis anuos huma casa pertenecnte a
o Snr. Bernardo Fernandes Gima, sita
na ra da Santa Cruz do Bairro da Boa-
vista vendo por veses annunciar-so no
Diario peo dito 1 venda de hum chao,
qae faz parle do quintal da mesma casa ,
previne qoalquer pessoa que intente cdto-
pra-lo para que nio ven ha depois allegan-
do ignorancia que este terreno he acces-
sono da casa deque oSeohorionao pode
dispor em quanto pe manecer o contracto
referido, salvo debaixo da condtecad de
que o Comprador deixar ao annunciante
uzar d'tlle pelo lempo conveocionado.

Antonio deScata Raogel.
Na 1 ua do Padre Floriano casa terrea
de uma porta e duas janellas ensina-se
meninas a ler escrever, e contar o to-
da* aa qualidades de costuras por proco
muito commodo e tambem se recebe mi-
ninas gratuitas que suas miis nio tenhio
possessoens para pagar : as pessoas qae
qaiserem podem vir a dita casa qae cha-
rio com quem tratar.
-Joze Joaquim de Oliveira Jnior avisa
ao Sr. M. C. i'., qae est a auzentar-se
desta Cidade, o mais breve ; pelo qae ba-
ja de bir remir seus pinhors, dentro do
termo de 8 das ao cunlrario alem de ver
Cu nomo por extenso nesta folha aquel-
I piuhores serio vendidos para sea paga-
mento.
_ Da-sea premio sobre pinhors de
piala., ou ouro a quantia de 20. Uaoo rs.
na .roa do Qaeimado D. 8.
O Snr. AbiloAlves pinto de Carva-
Iho queira annunciar sua moradia para
negocio de seu interesse.
_ Qaem livor urna preta cativa para -
lugar que saiba bem cos^r e engomar:
dirija-se a Intendencia da Marinha.
. precisa-se de um portugus, que tra-
balhe e entenda de planUcoeos pera to-
mar coala de um sitio : na estrada de S
Jos do Manguinho no sitio que fas quina
Com o beco da Capunga acbai com quem
tractar.
Quem quiser comprar huma cadeira
m bom uzo com todos os seus perteoces;
dirija-se a ra da Cruz n. 39.
mm Frela-separa qualquer porto d'Eu-
ropa 9 bem conhecido Biiga* Iuglez Mdi-
um Cepitad Tboroas key do 198 tonela-
das da primeira classe Consigiulaiioa
Jobnston pator & Comp. : na ra da Ma-
dre de Dos.
_ Quem quiser comprar 2 cavallos hum
lazad outro caslaoho caregadores po
preco commodo : dirija-e a ra do po-
xoto nss Cinco Pontas delronte do assou-
gao casa de Francisco Antonio.
__ O Secretario da Socedade vistor i I,
avisa ao* Socio* da mesma para compare-
cerem boje 11 de Marco as 7 horas da noi-
la na casa de suas Sessoem ; na ra de
Ollas D. a3.
. Perdeo-se uma espora deprata no da
sexta feira doeorrente desde a roa do
Vigario ale ao Arce do Bom Jezus : qaem
a achou queira e entregar dando seo valor
da prata pode-a mandar na ra do Vigario
a entregar a Arcenio Fortunato da Silva,
qae Ihe dar a importancia dita.
_ Um rapa* Porluez de 16 a 18 an-
nos de idade desojando admitr-se a loja
de fasenda ou armasem ppr nio so agra-
dar do negocio em que est oqrigando-se
dar a 3 meses gratis endo dar loja o
qual escrevel e coala sofrivelmente e ja nio
iguora o negocio : qaem de seu presumo
precisar dirija-se ao beco do Potto da*
Canos s segnnda venda antes de chegar
a casa de Pasto, ou anuencia para ser pro-
curado.
_ Quem precisar de uma mulher para
ama de casa do hornero solleiro annun-
cie.


--------

O 1U1
o; DE PfiiNAKBOCO.;
a-

Precisa-te lugir urna preta, que
aaib vender na ra e seja fiel; na ra
da RodaD. 19.
O Hospital de carinada precisa de 4
serventes por 5 dito percebendo cada un
diariamente 7ao rs.
Constando que o Sr. Eogenheiro ne-
cessita de entulho para a praia do Collegio
junto ao novo caes lembra-se-lhe mandar
tirar na ra do Livramento onde o lei-
to da ra est una palmo alen das caUadas,
estagnandoas agoas, pondo em olivel de as
poder calsar com pedras quando Daos qui-
aer.
__ Deseja-se fallar com o Snr. Jos Pe-
dro que veio para esta Crdade no uavio 3
de Fevereiro sobrinho do Capilo do
raesmo navio Antonio Joaquim dos Kes ,
e que cou em casa do Sr. Salasar Dui le ,
aisntente na ra da Cruz, por isso roga-a-
ao mesmo de dirigir-as no beco da lingoet*
na venda do Sr. Joaquim Jos Rebullo
_ Pergunla-se aoSr. J. da S- P. por
que motivo nao fui apresentado no da 17
do p. p. mez cuido fui mateado pela mes
ma S. os novos estatuios se be por h-
ver ura S. que teiu oulro para oiFerecer a
t S. por ter ludo paia a B. o C. dosJ. ou
querem que ludo va debaixo de coberta
enebuta ; e ao Sr. 1. S. porque motivo
nao tem feito reunir a S. para participar
,jaos S. a retirada do Sr. C. para ser nomea
do oulro e apreaentar a conta das dt-spe-
zas que se leve com as rt presen taces.
Q.S. P.
Aluga-se o arma&em debaixo do so-
brado da Senbora D. Izabel Mara Ferrei-
no fundo da loja de Joaquim Gonsalvea
Cascio.; quem o pretender dirija-se a rnes-
ma loja na ra da Cadeia n. 45.
Arrenda-se um sitio junto ao riacho
de agoa fra na estrada de bebiribecom boa
casa de vi venda para familia dita par
feitor, e pretos, estribara para 4 cavallos ,
padaria com os seus pertences baixa para
capim parte desla plantada banheiro de
madeira no mesmo riacho e galiatieiro,
alguraas arvores uefructos e ouiras pro-
porcoes que a vista do pretndanle se dir: a
tratar na mesma estrada no sitio Jacar com
o sen proprietario Antonio Leandro da Sil-
va oo na ra estrella do Rozarlo sobrado
O. Y] a Luiz de Franca da Silva.
.. Quera precisar de um rapiz brasiles*
30 de imanaos de idade e de mailo bja
conducta para caixt-iro de loja de fazeiidas,
ferragem ou mesmo paia praticar em al-
yuma botica dirija*se a esta Typografia ,
que se dir. |
__ Roga-se a qualquer Snr. que lenha
padaria que por engan.* recbe-se duas bar-
ricas com farinha franceza de marca II. W.
n. em 9 de iNovembro do anuo passado ,
ueira ter a bondade de declarar por esta
olha para ser procurado 5 visto que o ne-
gro a quem ellas foio entregues para as
cenduzr ao seu destino nao se acba nesta'
praca.
_ Quem quiser manda lavar, engom-'
mar, e coser tudo com muito asseio, prom
ptido e preco commodo dirjase a ra
do cotovelo O. 37.
Ma Precisa-se de urna mullier de idade ,
para ama de urna casa ; no beco do peixe
frito venda D, 4.
O accionista das cautelas* correspon-
dente as Loteras faz scieute qoe I do Se-
minario corre irapretenveltnxrite no da 18
do corrente conrorme ja anuunciou o Sr.
Tbesoureiro ; por isso avisa ao* amadores
dste jogo que concono a comprar pois
s resta um pepueno numero das ditas na
casadesua residencia, ra do N.t-S. do
Terco D. 9 e nos lugares ja annuupiados,
na mesma cata veade-se meios biffbies a
3,8oo e no beco largo.
_ Ds-se 400,000 a premio do a por con-


solteiio dirija se a r nad# *oa*J4#ie D.
iono segundo andar.
__ Ni tarde do di* 8 do corren te fur-
taro da Matriz do C,Santo ana oaJix todo
dourado pesspa quejiveruotioia deste
furto, < denunciar o l.idrao ser bem re-
compensado
__________1_____i-------------.______!_______
Avisos Martimos
PARA O HAVRE Barca Franceza Ca-
melia i Capilo Guillebert, partir enfa-
li quem quiser hir de passagem para o que
tem osmelhores coro modos possiveis, diri-
ja-*e aoftcensignaiaiios Leooir Besuchet Si
l'uget,
PARA O PORTO o Patacho Portugus
Mara Feliz Capillo. Antonio Lu* Oo*
mes forrado de cobre e muito v-leiro ;
quem no mesmo quiser carregar ou hir de
passagem dirija.se ao dito Capitao na pra-
ca ou a Antonio Joaquim de Sonsa Rib-iro
PAR O RIO DE JANEIRO o velUiro
e bem conhecidu Brigue Nacional Bom Je-
ss do qul he Capilo Joo Rodrigues A-
maro est a seguir com toda brevidade ;
quem no mesmo quiser carregar ou hir
de passagem para o que tem excelientes c5
nodos, dirija-se ao dito Capilo Amaro, a
bordo, ou detraz do Corpo S' PARA O MARANAO'o Pataobo Bom
Fim Fiordo A misado a sabir com loda
brevidade, anda recebe alguma carga ;
quero quiser carregar ou bir da passagem
para o que tem excelientes commodos di-
rija se ao Capitao a bordo oua Joaquim
l'inheiro Jauome na roa do aceite de pe
_ C'pim de planta a arroba iSorv: de nome Luis de idade de 4o annas d
xa 11. 4.
>


----------
y o m p r a 3
na praia docollegio armasem de carne de
Minoel de Sauza-Cuimara ; assim como
se toma.freguoua de invern e veris*, a
posto, a porta do freguez a ano ris, o ca-
pim estar no armase das 8 horas da ma-
nila em diantn.
Urna Secretaria de Jacaranda e urna
ma/queza de angico ambos em bom uzo ,
j>or pretpo cmodo : ni ma do Livramento
sobrado, de tres andares no 1" 10.
, A venda d& ma Direita U. i4 con* os
fundos de um cont de ris, a quem der
desobliga de 5oo,ooo, e o resto com grande
espera ; ,, tratar na mesma.
_ Casticaes da casquiuha de todas as
qualnl.nl >, veos de iinbo brancos a prptos,
bipos de Iinbo preto rendas IUag e bor-
dadas sapatos de raarroquim duraque ,
e, setira para Senbora e meninas chapaos
de seda de lindo gosto para as ditas cha-
peos de sol de seda para homem Senbora,
aparelhos de cb e de mesa da porcelana de
difesentes gostos ,. tinteiros de porcelana ,
edevidrosde muitos padroes, aieias de
seda brancas e pretas lisas e bordadas e
^bertas para, Senbora, ditas curtas das
mesmas quaiidades, a piuladas para liornam
ditas de Iinbo bran o para Senbora, Ai-
res para caheca e vestido para as ditas, leu
eos pretos grandes a de boa sarja para gr-
valas ditas de setim e sarja pretas e de
naco mucambique, estatura regular, q||0
tem um dedo de menos em m p tenj
sido visto no. atierro dos affogados ; a ne-
gra de nome Maria de nacfo angola, Lasi
preta boa figura, dentes abortos fa||,
roca Jevou saia preta, e pane da costa
quem os pegar leve ao trapiche da Compj.
pinina que ser bem recompensado.
Fugio um preto de nome Antonio
natural de angola et>cravo do Padre J.w.
quim Jos da Oliveira Cruz, morador e
capelo do engenho das maltas distante
3 legoase meia da Villa de S. Antio.o
qual bindo ao Racife nodia 18 de Fereiru
levou vestido jaquelada selineta branca, e
calsa parda ja uzadas da estatura ordina-
ria secco do corpo muito rhetorico e
falla algum tanto desembarassado ; quem
o pegar leve ao mencionado lugar, que se-
r recompensado.
__ No da 19 do mez p. desaparecna
e cravo de nome Paulo de naco cambn,
da, alto; bem preto representa ter 3o 1
J4 anos de idade nao falla anda bem
portuguez apeiar de anui estir a tempoi,
tem sobre o alto da cab ca .Iguns cabellos
brancoe que mal se percebam os ps gros-
sos levou camisa de algodio de manga
curta a stroula de estopa he de presu-
mir que ande por alguma parte vagabundo;
quemo pegar levea ra Direita podan! de
qores para homem fil de'iiuho liso preto 3 sobrados D. i3 que recebea 100,000 de
-~ '..: T~-------1
t Urna escruta que seja boa engomma-
di-ira e outra que cozinhe, ou mesmo es-
crt vo que stiblo f co : a Tallar com Antonio da Silva Gusmi-i
ha ra do Queimado.'
' A obra de Direito Natural por Mar-
ti ne na ruadas Cruzes D. 14 em Olin-
ila ruidS. Bento sobrado vesinho ao do
Sr. l)r. Floripes.
4 esravas de 18 a i/\ annos e com
habelidades : na ra.Direita D. 18 loja
de couros.
_ Um ncravo ladino sem vicios : na
ra da Cruz n. 60.
endas


, que con-
, por preco
_ Urna canoa aberta uzada
duz 5oo lijlos da alvenaria
commodo : no estaleiro de Francisco Jos
Maris defronte do convento de Sa5 Fran
cisco.
_ Um negro e urna negra ou. trocase
um dos dois por um molequa de 10 para la
annos, capaz de aprender qualquer officio;
e duas cmodas de boa madeira: na rua da
Penha 00 segundo andar do-sobrado D. 7.
-. Huma escra va de naci de 4 annos
de idade reubusta e deligente para lodoso
ser vico cosinha o diario de huma casa ao
comprador so dir omottrot' na ru-i do
IIngel nO primero andar do sobrado da
quina do beca do Liceo.
Rap presea de Lisboa de superior
qulidade, viudo no Brigue Ofestes Aeo
Je millo, e arroz pilado de vapor: na rua
da alfandega velha casa de Joaquim Leoci-
dio de Oliveira Guimarles.
6 quadros om pintoras finas e em
uto bom estado ; e um violfoja uzado ,
dito liso e bordado beauco de differentes'
larguras franjas de lgodo de todas as
larguras de muito rices padioes bran-
cas e da cores para cortinados de camas,
rdese cadeirinlus e um grande realijo
que toca, a a differentes pecas de mu icas ,
tudo por pi eco commodo na rua novs lo-
ja deFrederico Chaves O. 5.
Va rua nova teoda de ferreiro ca*
pim de planta muito bem pesado, e a pro-
co barato.
Urna escra va moca, cozinha, e en-
gomma : na rua da S. Jos -D. -8,
Um caixa que toca dndose corda,
urna lanlerna mgica, 3 voltas de transelim
com urna moeda encastoada em eiro. 2 di
las de cordo com urna vernica de bom
01ro urna bandeira de prata para Imagem,
um par da esporas de prata dois selins
com arreios, urna chave com correte de
oiro para relogio um relogio de cima de
mesa,, e urna gamela grande para banbo :
na rua da praia sobrado onde as lojas mo
rou.um barbeiro.
Urna escrava da custs de idade de 5
annos engom ma cozinha faz pndelo
e refina assucar 5 e um negro de angola :
nos 4 cantos da Boa vista D. 4**
T" Rap de Lisboa chegado ullimamen-
ta em librase meias libras, dito princeza
da Babia e do arete preta e de massa-
roca do Rio de Janeiro e outros : na rua
do Cbog loja de Sr. Bandeia.
_ a prop ledades de casas terreas a
primtira pa roa da Alegra, bastante gran-
de moderna assoalhada, a forrada, com
solio a trepeira na frente com varanda de
ferro a segunda no cortume dos Coelhos ,
juntos otaria de MiguelCarneiro da Cu-
uha edificada a moderna de oitSes do-
brados cem grande quintal que vsi st
urna camboa que tem no fim do dito, e tem
um terreno ao lado para edeficar-se outra
grande casa ; a terceira na solidada junio
ao sobrado da viuva do carpioteiro Martins
com um grande quintal, e com arvores
fructferas cacimba com terreno a mura-
do na frente que se pode edificar duas
grandes casas : a tratar no primeiro andar
do 1. sobrado passando a lgreja dos Mar-
tirios.
to ao mez com firmas a contento nn pi-1 de muito boas vosee: e um eoixo para se
nhores de oum : uesta Typografia ao dir
quem d. !..-..
Da-se aoo,ooo a premio de 2. por
cento ao mez sobre piuhoree de ouro :
nesta Typografia.
u. R'.ga-se aos Srs. que lecrberio ca-
pas da Irmaudada do D vino Espirito San-
to para acompanhar a prucissao o Cut-
a e que anda as tem um seu poder te*
nhio a bondade de as mandar entregar na
casa do r ser i vio da mesma lrmandade na
rua das Cruzes.
_ A familia que precisar de urna ama
de portas dentro cu mesmo pira homem j
tomar banho : na rua nova sobrado D. 3a.
ui Urna loja no atierro da Boa vista na
quina do bec do ferreiro", onde esleva a
fabrica de chapeos, toda envidrasaada e
propria para lodo o negocio, a dinheiro ou
apraso: a tratar na rua nova em casa de
Antonio Ferrena da Costa Braga.
Presuntos e queijos ingieres chega-
do ltimamente sardiehas em saluior ,
farinha de milho a 6400, algomas vellas
para navios bolaxa ama/icana ama por
pao de moites e cadernais, tintas de di-
versas quaiidades e sapatos iiigiezes : na
ma 4a Cruzo. 4i.
Jscravos Fui>dos
Fugio as q horas da noito do dia 8
da Maico da rua que vai para o Hospicio ,
urna nvgra da nome imisniana represen-
ta ter 3o annos de idade, meia etVitura ,
steca do corpo falta da dantes dtbiixo,
pernal finas cabello intimamente cortado,
levtiu todasua roupa costuma levar panno
da costa azul com lislras encarnadas e bor-
dado com franja branca quema pegar e
levar a rua a cima na 4- casa nova de Jos
Carlos ser recompensado.
No dia *8 ue D zembro fugirio a es-
cravos do lugar do Mooteiro um negro
gralificaco.
c .-*- Fugio nodia ai de Janeiro p. um
prelo de naci congo de nome Jo bai-
xo, meio fullo e alguma coisa barrigudo ,
levou vestido caNa de li eom quadros bran-
cos e pretos camisa branca e j*queta de
chita preta desbotada 5 qnem o pegar leve
v ma da alfandega velha 11. 3 que lera de
gralificaco 5o,000.
Movimento do Porto
NAVIOSNTRADOS NODIA 7.
'
RIO G. DO SUL} 47 diss Sumaca Eme-
Jiana de n5 tonel., M. Manoel dos
Santos Magno carga carne secca : a
Amorim.
MONTEVIDEO*>3q das, Brigue Nac
Pemambucano de ao8 tonel., Capi'.io
Jos Ignacio Pimenta, carga carne secca:
. a M. (i. Pareira Lima.
SAHIDOS NO MESMO DIA
BALTIMORE ; Brigue Escuna America-
no Baltimore Capilo R. C. Chesebre-
gh, carga assucar e couros; passagei-
ros o Hamburgus Luiz Joao Aniouio
Tesch e sua fainilia. .
PH1LADELPHIA; Brigue Americano L-
xingtou Cap. \V. Ball caiga assucar.
ENTRADOS NO DIA 8
MONTEVIDEO} 45 das Patacho Hes-
panhol Anrora de i3o tonel., Capitao
Ignacio Tomens carga carne ao Cn-
sul.
ASSU'i 16 das, Brigue N. Bom Fim de 189
tonal., Capno Manoel da Silva Coul :
ao Capitio 5 fuodiou no lameirio *
segu para o Rio Grande do Sul.
'
OBSERVACOENS
Eotaou a 6 do corente e deo fuudo no -
meiro o Patacho Nac. Aurora Feliz de
14o tonel. ,veio em S das de Maceio,
Cap. Manoel Bslbino de Freitas em
lastro-.- ao Capilo deu a vella para o
Assu'.
No dia 8 fundiou no lameirio a Galara Ba-
lieira Americana Lanizainn da pe'c'
pelo mar pacifico em ao mezes, Cap*
Bakar carga azeite : ao Capilo, segu
para o Norte da America.
PERS. NA TYP. DE M. F. DE F. i83




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ2O70Z8X_XQVU71 INGEST_TIME 2013-03-29T17:17:42Z PACKAGE AA00011611_03778
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES