Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03764


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r-tf
Anno i*e 1841. Saubado
i
8
5-
>-
i-
Tudo agora dapanda d ns maamos ; da noa*. prudane; moriara^
co, a anargia : continuemos eomo principiamos, a sarainof aponiadtf
*om admiracao ntrc as JNaces m Proclamaeo da Assemhlea Geral doBratlIf
?
i,
SnhMrtva-M para esta foi ha a 3Jooo por eni>rtel pago adtantado*
pasta rypografia roa das Cruel Q.5, ntPr.u da Independan-
ia, n. 37 c 58, on nuncjaa, nsrindo-s astes gratis; Mndo dos proprios ns^ignantf*,
Via do asignados.
PARTIDAS DOS CRREIOS TERRESTRES!
CMad da ParahiHa0 Vi'las da soa pratanco i i % 7 7 5 ?\
Dita do Rio Grande d* iNorte, a Viuaa ld*m ;;;..' 'Jo... c-_i.. ----
Dita da Fortaleza e Villas dem ; .- 3 :;...;...; j3* &OTW* '""J
Cidade da Goianna ^'S? 3/
Calada da Ulinda ..............;..;.-... Todos os das)
\illa deS. Anto .................;.:;. (Quintas feiras.
Dita deGaranhuns c Rovoar.So do Bonito ." 7 ??.":... lo, e ?4 de cada mes
1 lilas do Cabo, Serinhaent, Rio Vormoxo, c Porto Calvo; 1, 11, a ai dito dito
Culada das Alagoas, c de Maeeid.;.; i .;.... dem Idrm
.Villada Paja de Flores. ......... ,i ....... i luana \\ dito dito
Todos os Correio parlan ao meto dio
21 dr AetL. Ntf; 87.
"*m
>> >
,, Ditas dt Ifooo res, K/ .-o. -
PRATA Pate6> Kraiileiros ifWo -
;, Pez*Colai nanos ------ if68o -
Pito* '; !lCIK)S ------- l|)"0 -
-.-*-- |469-
PHASES DA LOA NO MEZ DE ABJ
l.ua Cheia a 5 as n h 8 tn: da tnrd.'
Quart. niing.'a i5-as 7 h. a 4a m. da raan:
Lua Nova a a as 0 h c lo zn* da man;
(uart. cresc. a a8 tas 6 k. e 56 ra. da man.
Mari theia para o din a4 de Abrili
As
As
(> boras 5 mmi'*i d manh]
7 boras a 1 o minutos da Urde*
CAMBIOS. Abril 3 J 3
ondraa.7;^;.- Si d. por l'oooead. f
Lfoboa ...... 80 por o|o premio por ranl' "ffVraaido
^rtnra ...... 31 res por fraoeo. (!om>. Vendas{
OURO Moeda d 6^400 res, vainas Hg-'on l/i^qoo
Ditas IWTS i4|5oo i<700
8*400
1*700
vimm tica nos ------- yi^a goio
MiuJa.-----...#..'..* i|46y Iff48a
Deae. de bilh. da Alfandeya r l|8 por loo a-.- mes. i 0|o
dem de letras deboas tiratas 1 i( 1 |4
Hieda de cobre a por too de diiej ao par
Btulas de iieque.no valor Ija ojo a 1 o\a
das da SEMANA*"
ly Scgtrada N; S.dqs Prateros Audiencia do iuil de Dreito da ^J
vari,
ao Tarea S. ililde^onda. -- Reliarlo e audiencia do Jui de Dreito da 11
vara,
ai QaarU S. Anselmo Are. Audiencia do Jnlzdi O. da 3. vara
aa (^uinu S. Soler e aio Mm< Audiencia do Juis da Dirito da 51
vara.
a3 Sexta S. .Tor^nM. Audiencia do Juis de O da i.'t.
i4 Sabbado S. Fiel de Sigrmringa. Kellaco a au lienoia deJuiJ 4* O'
da 3 vara.
t8 Domingo do bom Pastor S. Marcos Evang.
PERNAMBUGO
TIESOURARIADA FASENDA
Expediente do dia 14 do corrente.
Officio Ao Inspector da Thesoqrarta de
Fasenda da Provincia do Para, acensando a
rscepco do seo offiebde ao de Fnvereiro ul-
timo acompanhando a relagio das notas des-
tinadas para o troco do papel, que Jpor ordem
do Exm. Presidente da rnesma Provincia fo-
rao mandadas por era circulacSo.
dem do dia i5.
fficio Ao Exm. Presidente do Tribu
nal do Thesouro Publico Nacional parleci-
pando a remes^a pelo Bri^ue de guerra
Nacional Nictheroy, de que Commandante o
Capito Tenente Antonio Conrado Sabino ,
da quantia de cincoenta con tos de reis dos
Rendimentos applicado ao resgate do pa-
pel.
. Officio Ao Exm. Presidente da Provin-
cia rogando pora ordenar ao Comandante do
Brigue de Guerra Nictheroy para na vespora
da sua sabida para o Rio de Janeiro, r ber da Thesouraria un embrulho contendo
a quantia de cinecent* contos de reis, de que
trata o precedente officio para entregar no
Tbesouro publico Nacional.
Dito Ao mescio Exm. Presidente infor-
rnando o requrimento de Francisco Xavi-
er Pereira de Brito pedindo o -aibramenlo
do terreno de Marinha que .existe devoluto
ior detraz da sua casa da ra do atierro da
>oa-vista.
Dtyo Ao tnesmo Exm. Presidente com a
conla dos Sidos atrasados que ainda se de-
ven) por esta Provincia aos officiaes com-
prcbendidoB na Resoluco da i3de Setem-
Lrode i83t.
Dito Ao Administrador da Mesa do Con-
sulado disendp-lhe em vista do seo officio de
15 do corren te,en. que partecipou acbar-se no
t Armasem do Campo de Palacio velho huma
jiorco de Pao Brasil que muito convinba
ser embarcada para o mesmo armasem ficar
desembarajado econtinuar-se com o labo-
ratorio-do mais que nelle existe ; que a The-
souraria contratou o afretamento de huma
embarcaco, e que dentro de poucos dias era
provavel que ficasse prometa a receber a
carga.
dem do da 16.
Oicio Ao Exm. Presidente do Tribunal
do Thesouro Publico Nacinal com o ballanco
da Receita e Despeza Geral do mez de Mar-
co passado ; e os da Beceita e Despesa das
Bendas applicadas ao resgate do papel e do
Rendimento de bum por cento de Armasena-
gem addicional applicado ao pagamento da
Jjivida externa, pertencentes ao mesmo mez
Dito Ao Exm. Presidente da Provincia
informando o requerimento de Antonio Bote-
]t\o Pinto de Mcsquita pedindo o aioramento
do terreno de Marinha qu tem de ser nt-
terrado nos fundos das suas casas ns, 11 c 13
da ra do Apollo.
IjIo Ao mesmo Exm. Presidente ponde-
rando, que lendo em cumprimeuto do officio
do Governo cies Provincia de a3 de Marco
prximo passado expedido em cenibrjuida-
de do Aviso da Secretaria de Estado dos le-
rnas que existissem arrecadadas dos servicos
arremattadng dos africanos apprehendidos
nesta Provincia, sendo a guia aompanha-
da de todas as declaraces necesssarias, e que
d'ora em diante continuasse a praticar o mes-
mo com o que novamente se fosse arrecadan-
do pelo menos de 3 em 3 meses; tem o mesmo
Juiz de Dreito avisado agora de que nao no-
de satisfaser a esta requesico sem authori-
saco do Governo desta Provincia ; por isso
ia pedir a S. Ex. se dignasse expedir ao mes-
mo Juiz as suas ordens a este resoeito.
Dito A Isaac Goldsmid King & Tom-
pson de Londres partecipando-lhes, a fim de
mandarem proceder ao compettente seguro ,
que pelo Rrifjue In|lez Ilelen, Capito Taylor
a seguir viajero para o porto da mesma Ci-
dade Ibes remettia a Thesouraria na forma
das anteriores remessas, dous mil equn-
hentos quintaes de Po Brasil.
^ Dito Ao Inspector da A'fandefja para en-
viar a conta do excesso dos Direifos que
mais devilo pagar os objectos pertencentes a
L. A, Dubourcq, que por terem excedido o
tempo determinado no artigo 37a do Ragu-
mpnto f..r;o ..>.i.Jua coi fiaaia publica
Joao de Dos Baptista, e Joo, es-ravo de Ma-
noel Cardos? da Foncnca per Ibeserem ap-
prehendidas differentes armas ; foro o pri-
meiro detento no Calabounn o segundo sol-
t e entregue a sua Senhora o teroeiro reno-
lhido a Cadeia requerimento de sua Senho-
ra i oquarto e quinto solns e entregue? a
seos Snrs. : o Portuguez Rento Gome3 Cal-
deira pelo mesmo motivo diquelles foi de-
tento no Callabouco ; e Jos Alves Correia ,
branco por se faser suspeito negando-se
ao chamado do mesmo Sub-Prefeito ; foi sol-
t; pelo Sub-Prefeito desta Freguesia o pari
Francisco Antonio da? Cbagas. por ter acou-
tado em sua canoa a urna preta esnrava de Jos
Caetano ; foi rcmelido para a Cadeia, e o
preo Antonio Jos Solero por pertencer a
mesma Canoa ; fot sollo por ws Cabo do
Corpo Pccial o pardo Paulino Jos Tava-
res dq Eira, por queixa de Joo Antonio de
o querer assassinar ; foi detento no Caiabou-
50 1 o ^-wjI?. Su!-lVrCi-itu da Fregiesta de Ja-
boato ioro remettidQs os pre'os Joo, escra-
vo, qne foi, do pardo Carlos Francisco Vital,
e Sica plicio, escravo de Joaquim de Almeida
Catauii-j, estf por se suppor estar fgido e lbe
logo passou a Cmara a dar ponsc aos novos
Vareadores da presente Legislatura; Aos '>-
te de Janeiro de 1841 nesta Cidade de Olinda
ere Casa da Cmara em sesslo pan efei'oda
dar posse anovaCamarn, e maisempr^ga-
1U-
e o seu liquido recolbido ao cofre da Tiiesou- |ser aprehendida urna egoa que tambera se
raria, a fim de ser entregue na conformidade
do seu officio da mesma data, ao^Thesoureiro
da mesma Alfandegi.
Portara Mandando abonar ao Thesou-
reiroda Fasen da na sua conta dos Rendimen-
tos applicados ao resgate do papel a quantia
de 5o cooU de reis entregues em Notas corta-
das e arrecadadas com o carimbo de inutili-
sada dentro de um embrulho lacrado com
as Armas do Imperio, ao Capito Tenente
Antonio Conrado Sabino, Commandantedo
Brigue de Guerra Nictheroy para entregar
no Rio de Janeiro ao Thesouro Publico Raci-
onal*
Diversas Repartieres
sunpoz ser furtada cujo preto er.i caminho
?bi recorJiecido pelo proprio que no rege-
nho S. Joo da Varzea assassinou a outro seo
parceiro empurrando-o sobre urna caldeira
de mel a ferver ; e aquello preso as mat-
tas do Engenho BulbOes no dia 17 do cor-
repte por alguns escravos do respectivo Pro-
/nefario por ter cruelmente assassiaado a
seu Senhor o dito pardo Carlos Francisco Vi-
la
CRREIO.
Existe na Administraco do Correio os of-
ficios abaixo.
Carta do Exm. Presidente ao Ministro da
Guerra, interesse de Antonio Mara de Castro
Delgado.
Dita do dito, ao dito dito interesse de Rosa
Mara do Carmo.
Dita dodilo,aodto dito interesse de lo-
o Nepomuceno da Costa Monteiro.
Dita do dito, aodito dito inere sse de Pe-
dro Ivo Veloso da Silveira.
Dito do dito, ao dito dito, interesse de Do-
mingos Carlos de Araujo.
Dito do dito, ao dito dito, interesse de Jo-
o Ricardo da Silva.
Dito do dito;ao do Imperio, interesse d'An-
tonio Dornellas Cmara primeiro Tenente.
Dito do dito, ao dito dito, interese e Ia-
noei Motta Skveira Cavaicanie.
O Brigue Nacional Indiano receba a ma-
la para p Rio Janeiro, boje (14) ao meio
dia.
PREFEITIA.
Parte do dia a2 do corrente.
Ilim. e Exm, Sr. Foro hontem presos
gocios da Juslica de aa de Janeiro do corren- pelo Sub-Prefeito da Freguesia do Recife
le anno
requisitado ao Juiz de Direito da j os pret Jos do Rosario Joo escravo de
iiiimeira vara do crime que fizesse recoiher Joaquina Josefa Lopes, Joaquim, escravo de
ao Coie da Thesouraria quaes quer som-1 Rita Mara da Cooceico |Jose escravo de
I, como no primeiro do presente mez par-
tecipei a V. Ex. j foro remettidos para a
Cadeia.
E' o que consta das partes hoja recebidas
nesta Secretaria.
Parle do dia a3.
llm. e P_xm, Snf. Foro hontem presos
segundo consta das partes hojo recebidas ,
pelo Commissario de polica do Distrito
da ra da praia o pardo Manoel Antonio do
Nascimento, por ter dado urna padrada em um
preto ; foi solt ; e pelo Sub-preieito de O-
linda outro pardo de nome Felsberto Pereira,
por ter insultado a seu respectivo Commis-
sario de Polica em presenca do mesmo Sub-
prefeito e ser de pessimos costumes.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DE
OLINDA.
Anno de i84'. Posse da noya Caaaar e
mais Empregados deste Municipio Sendo
presentes os Sors Vareadores Laag Jnior,
Passos, ('ardim, Padre Pereira o Snr. Pre-
sidente abri a sesso, e o Secretario dando
conta do expediente mencioncu quatro officios
dos Coliegos elieitoraes deste Municipio em
dos abaixo assignadis, o Sr. Presidente b
ve a sesso por aberta,e como se apresentassera
o Snrs. Jos Joaquim de Almeida Guedes ,
Francisco de Paula Souza Leio, Silvestre An-
tonio de Laage Jnior, Manoel Antonio dos
Passos e Silva Filippe Manoel de Christo
Lial, Vigario Joo Jos Pereira, Miguel Jo-
s Texeira, logo o mesmo Snr. Presidente
fes proceder ni forma da Le ecada bum
dos Vereadores presentes prestou Ja^amento
da raaneira segmnte : Juro aos Sintos E-
vangelhos desempenhar ;>s obrigtces de
Vereador desta Cidadej prora ver quinto e-n
mira couoer os recios de sustentar a felicidU-
de Publica, declaro que tomou a Cadeira da
Presideucia o Snr. Vereidor Manoel Antonio
dos Passos e Silva por seremed-io em vjtos.e
fez da mesma forma acim prestar o Jaramen-*
to Snr. Vereador Jos Joaquim de Almri
da Gcedes o qaal exercis a Cadeira di
P.-esidenca e todos a'm'xonssi (aira j, e to-
mariotsseotode Vereau'rej na forma dj es-
ti lo. Nesta mesma sessao lora 1 rio pose os
..uss de Paa e Suplentes dis Freguesia destj
Municipio, menos o da Gapwlla Filial de Mal
ranguapc por nao caraparcer de que sh
lavrou leraode Jaranenvo no 1 i vio campe-
os quaes
os Secretarios dos mesmos remette-
ro os Livros das Actas a Cmara cnu in-
tegrada outro u'cio do Ciiado Loit Go-
mes Ferreira partecipando acbar-se mo-
testo, e por isso deixava de comparecer no
da sete para tomar posse de Juis de Paz
Supplenle da Cpela Filial da Conceico dos
tente de que para constar fu esta acta eaj.
que assigaaiQ. Ea Joo Paulo Ferreira ,
Secretario a escrevi. Guedes, Presidente
Paula Leo Laage Juair Passos Padre
Pereira Cardim Jos Joaquim de Almei-
da Guedes Francisco de Paula Sauza
Leo x Silvestre Antonio de Laage Jnior -
Manoel Antonio dos Passos e Silva Q Pa-
dre Joo Jos Pereira Miguel Jos i'eixeira,
Filippe Manoel de Christp Lial.
PROMOTOR!* DA COVJARCA DO
RECIFE.
O Promotor Publico da Comarca, como
Curador Garal, tem de proceder a arre-
cadacodos salarios devidos pelos arrematan-
tes dos servicos dos Affricanos pira esta Pro-
vincia importados, como Ihe imcumbe pelo
aviso e instruccass de 29 de O ttubro de
1834 5 por isso avisa aos devedores dos ditos
salarios), recolbo o qua estiverem a dever
no prasode oitodias depois dos quaes era-
pregar;! contra os oinmissos os meios, que a
Le Ihe aculta.
Milagros
o que faria logo que Scasse res-
labellecido : a Cmara ficou inteirada j outro
officio do Cid.'do Joaquim Cavaicanie de Ai*
buquerque partecipando acbar-se encom-
uiodado e por isso deixava de comparecer
r.oje sete de Janeiro para prestar o Juramento
de Vereador desta Cmara o que faria em
outra occaso ) a Cmara fieou inteirada. E
Publicarlo pididc.
Na Sesso extraordinaria da 15 do corrate da
Cmara Municipal desta Cidade foian,
presentado oseguinte Regulamento;
U abaixo assignado nomeado ipembro da
Cominisso de eyame das contas apreseatadas*
pelo Procurador, foi-lhe qecessario cara
proceder a esse exame e fundamentar se9
padecer, recorrer aos Livros papis, e
mais documentos, qneexistera nesta Cimara
relativamente a Receita e Despeza e ento
com sordem do archivo se archivo se ps ic chi-
mar (como a todos foi patente na casa da roa
do Cabug) hum montio de papis envolvidos
com o lixo e posto em o canto de um qw-
to da casa sem a raen jr orden e arruma?o
Alem da falta dos Livros de Receita e
pez
a dos de Contas Crranles e d> Livro
-


'1
2
ftlARio DE PENMBBCO
rt

de Maio de iS3o acrece que nenhum dos ou- Cmara juig*r necesario. ^ ------^-----------
IrcsexistenlesseachaScompleUmeateescrip! 4- ^,r 5 "^ SnJho7 nt I Cmara
-turados; o Livro de Regislo das Posturas lngara odos os despacho que a Cmara
IWunicipaes conten apenas reguladas as Pos- houver de dar as peticoes.
. i 1 ojj fii,Jn mHis 5 Tomar todos os das huma nota de ta-
tures promulgadas ale loJJ, tallando lonas
(es mais que desde essa poca se tem seguido
"resultando de semelhante falta ignorar a (Ja-
mara huma prando parte das Posturas que
-existem em vigor ; osdemais Livros de dille-
rentes regislos esto em atraio tai que apenas
-lguns fora es ftos, e depois inteiramente abandonados. Os
: papis mais importantes da Cmara esto aero
a devida seguranca os documentos de despe-
na sem nenhuma diruldade podem ser apra-
eenlados em duplicata e nao se podendo ac-
tualmente fiscalizar e netn existindo ao me-
nos huma ielaco dos papis que devem cons-
tituir o archivo da Munitipaiidade, quera
nos aCancar que os mais importantes nao te-
nhaaido desencaminhados ? JNo existe o
Livro do Tombo e nem to pouco o livro
onde deveria estar inventariados os bens mo-
vis da Cmara resultando desta falla capital
o grave inconveniente de se nao saber o qoe
existe, e possue a Cmara e apenas sahen-
do-se por iradic,o e informages vagas que
a Cmara possuio em tal poca este ou a-
quelle objecto como acontece rom o estandar-
te da Municipalidade, quo s ha noticia de
iiaver custado iooLJ rs. e ter sido empresta-
do ., ignorando-se por quem e a quem. E
muantcs oulros objectos nao se peder desen-
caminiur sem que a Cmara es possa reveo-
dicar ? Extravies tanto mais possiveis quan-
to he deficil previuir e fiscaiisar onde falta
a seguranca, e indispensaveis livros de as-
enlos. Do que ven lio de referir veris Srs.
"Yereadores quaiocabos desleixo, e aban-
dono em que est a escriptui^ao da Munci-
palidadeo que trar como consequencia in-
lallivel o de;auaiJJo de todos os ramos de sua
Administre co
Tcdosesiis motivos impellira oalaixo as-
signado a iniciar huma medida qua tem por
tim arredar, e remediar quanto entes os
nales, que podem tompromeiler a dignidade
desta Cmara entre taulo toma a libstdade de
ofleieier o seguate projtao de Regulamenlo
esperando que se o julgardes objecto de deli-
heacio o i-ij. i)iireisdesuas lacunas,
llegulameoto para a Secretaria da Cmara
Municipal da Cidade do Recife,
Alt. i. L'e emires mezes nomcar o
Prezidente da Camaia huma Commisso de
dois Yereadores. a qual se denominar Com-
misso de Polica, e ter a seo cargo o se-
guinte
5
dos os Empregados que faltarem ao determi-
nado no artigo 7. i remettendo-a assigoada a
Commisso ide Polica (quando nao estiver
presentej e dar huma copia ao Secretario pa-
ra ser laucada no Livro do Ponto, sendo sub-
stituido no seo impedimento pelo Ajudanle
mais antigo,
Art. 5. Os Fiscaes sao obrigados :
1. Ter hura livro para elle se lancar os
nomes, e moradi das pessoas que forera
multadas designando o objecto das iafrac-
ces a quantia da multa e o numero das
reincidencias (quando as houver) esto livro
estar na Secretaria da Cmara e ser es-
cripturado somente pelo respectivo Fiscal do
bairro, cujo lancaraento ser feito no dia im-
mediato ao esa quo impozer a multa.
a. Apresentar no principio da 1. *Sessa
ordinaria de cada anuo nos termos da art. 85
da Le''"*?. deutubro de iBaS hura rel.ito-
rio circunstanciado do estado dos negecios a
seo cargo fazendo especial meuco daidifi-
culdades que encontrar na execuco das Pos-
turas em vigor e o meio de as remover, as-
sim tambem de tudo quanto diz respeilca Po-
lica e economa de suas Freguezias, taes
como lirapeza desempacbamento das ras,
caes, pracas seguranca de edificios, calca-
das pontea fontes pocos tanques, ce-
miterios esgotamento de pantanos equal-
quer estagnaco d'agoas i afectas ace.o dos
curraes nssougues maladouros pblicos ,
depsitos de immuudicies e finalmente so-
bre lodos os raeios que possa melliorar a
sorle dos habitantes de sua Freguezia ou
Deslilo que estiverem ao alcance da Muni-
cipalidades
Art. 6, O Procurador he obrigado
1. A apresentar todos os mezes hura ba-
lancete resumido da fieceila e Desoeza da C-
mara indicando quanto se despendeo de cada
huma das quotas marcadas na Lei do orna-
mento.
2. Entregar ao Secretario todos os mezes
huma relaco nominal do todos os multados ,
cujas multas se realisara e oulra daquel-|
les que fora absolvirtO pelo Juizo fazendo saiubridade da go<
em ambds a devida classiicago dos airros chelos
o cano de sorte que o
e a caixa assira formada ,
fiquera cbeioi com trra forte e secca co-
brindo-se finalmente tudi cora huma carnada
d'alvenaria de lijlo, acabando d'encber o
resto at a altura do terreno natural cora tr-
ra socada cora cuidado.
Em os differentes mangues ou, baixada
que atravessaS o encaitamento ter-se-ho era
vista estas precaucoes levando sempre o en-
canamento mergulhado.
Na pissagera das pontes da Boa Vista e
Recife o meio mais breve he traser o enca-
nameato atracado pelos esteios da ponte a
fira de Ihe str menos sensivel o eleito da tre-
pidaco por meio de gatos de ferro e ar-
rias do mesrao metal, obtendo-se destJ sorte
a maior solidez e duraco possivel cora seme-
lhante methodo advirtilo que todo o sis-
tema nes'.a passagem deve ser bera alcatroado
para evitar que a humidade d'agoa salgada o
nao prejudique. Ao chegar as pontes o en-
canameuto entrando era burai pa d'.in se
ramificar por meio de canos de volta en
dois canos parallelos, que passanda por baixo
das pontes como se disse se tornaro a u-
nirda meuma ur.na no lira das mesrats; des-
le modo quando houver alguraa reparago as
pontes se pode fazer sem que o encanamjnto
padeca pois que era quanto o reparo se fi-
zer de hum lado os tubos do outro esto sera-
pre em actividade.
Tambera se pode faser e talvez convir ,
passar o encanamento pelo fundo djs Ros
nas ditas poates pelo melbodo que passaraos
a expor.
Cravar-se-ho a Macaco pelo fundo do
Rio em altura conveniente alionadas duas or-
dens de esteios juntas e cora iulervallos cur-
tos os quaes ten Jo palrao e meio de testa a-
presentera tres palmos de base para sobre el-
lez atracar cora gatos de ferio o eiuan'tinento ,
de maneira que cada, peca de Cioo ienba dais
pontos de apoio ; po Jeudo tambera pelas difi -
culdades do concert duplicar comoaci:na o
encanamento. le verdade que a aeco des-
tructiva
daagoa
salgada sobre os canos de
ferro apezar de guresquer precau^Ois, he
muito activa patena taes effeitos se poder
atfuuar eraprejaui os canos de cobra pjjs
que se lera provado sete.n mais dilf'ilaeiite
uiucaveis e nao lerera elTeito algura sobre a
quando cuiijtanteinente
em que tivera lugar os respectivos Termos
de acbada observando na mesraa relaco os
motivos ou cauzas que produzira a ab-
solviSo d* multados,
Art. 7. 'lodosos Empregados da Muni-
rIo que Gca dito se ve que a colocado do
encanamento pode ser ell'ecluida era lautas
partes ao inesmo lempo quantos sao os mter-
vatlos entre os pontos culratuauteg ou pas ,
podendo-se cunjunutamenle construir o A94-
i.i Observar e faier executar o presenta
Hegulamento*
a. Fazer organizar o archivo da Cmara ,
edeaccoido toiu o Secretario syslematizar
com clareza, eordem a escripturaco de to-
dos os negocios da ADunicipalidade.
'i, Lar o seo parecer sobre lodoa os reque-
jimentos antes de serem euLmetlidos a consi-
dera 5 so da Cmara
4. Exigir dos Empregados o cumprimento
de tees devtres, c indicar os aieos de fazer
ei'ttlia ba responsabidade.
5. JHuLricar osdccurre::tcs das contas do
Procurador e assignar a folha do pagamento
eos Lm plegados fazendo notar os devidos des-
ceios quando os bou ver e o mais que adi-
ante te Ibe incumbe.
Art. 3, Ao Secretario ra conformidade
do art. 79 da Lei do 1, de Outubro de 1828 ,
1. Jrazer toda a escripturacSo e dar ex*
rediente aos negocios da Municipalidade
a. Ter sub sua respcmnl.itidade todos os
paris livros e mais documentos que
conslitue o archivo da Cmara*
3 Ter um livro onde sedescrevao em
jornia de Inventaro ledos os cbjtatos do ar-
ciuvo tom a devida clareza ordem e me-
thodo,
4* Escripturar o livro Jo Ponto receben-
tic 'o Porteiio a respectiva nota.
Ait. O l'orleiio t seos Ajudantes sao
iuLoilunados ao etietaiic petimdoeste em-
prega-lcs no servico da escripturacio todas as
veres que seja precuo.
Art. 4. O i-oittiro le obrigado, alem
dos mais deteres que lbe to impottOl ueste
llegulanento
j. fctr ics| cnsavel por todos es bens mo-
com u. 1. en. a.
JN. i-
I.
cipalidade a excepeo du Advogado e Fiscal i ie ileservatono Chatarizes &e.
do AUogado devera comparecer pelas 9 ho Alera do Ltialariz do Reservatorio, ou
ras da manh ua Secretaria d* Cmara Mu- Caixa d'agoa, temos projectado mais dois
uicipal todos os dias quo nao forera Domingos modellos que cora mais ou menos modifica-
ou dias Sanios de guarda e feriados e per-i ,o se podera adoptar convenientemente para
manecerahi at as duna horas da tarde a- os diversos lugares com0 pasamos a indicar
quellcs smenle que a Commisso julgar nc-
ceMSlioa para o servico da escripluraco ou
alguna outro objecto do servico Publico, o
l'uileiio porem duver comparecer as oito ho-
ras em ponto.
Art. 8, Os Empregados que deixarem de
comparecer hora marcada sem motivo jus-
tificado j"i*o da Commisso de Polica se
lhes descoutaro dos seos ordenados os dias
que faiurein cujo producto ser repartido
pelos oulros empregados.
Art, Q. Todos os bmpregados sao obri-
gadosa curaprir as determina^Oes da Com-
misso de Polica que forera tendeutes ao
servico Municipal e nao estiverem de en-
contr com as oideus da Cmara e Posturas
em vigor.
Art. 10. Todos os livros seroescritu-
rados cuulorme os modellos que der a Com-
misso de L'olicia
O V'ereador Mello Cavalcanti.
Memoiia e Provecto d'Encanamento de agoas
pota veis para o fornecimenlo da Cidade do
ilecife de Peruambuco.
Continuado N. 85.
Nos lugares salgados ser necessario cobrir
os tubos com huma de mo de alcalro ou
vernizde saik j o fundo deve ser mais bem
guarnecido de trra dura e secca bem co-
mo os lados e parle superior. Se porem a
ierra foi de mangue ou terreno falso em
conveniente faser huma cava larga assentar
twpeitencenlc* Cmara us^uaes sero sobre o fundo huma grussa carnada de trra
ii.vuiiaridos tm um livio to que se ir lorie e areia bem batida e de boa largu-
B(8tdb tiii.itsaivan.tnte touos aqueiies que ra 6obre esta carnada se asseaiara no caso
se loitm com| rendo. do terreno ainda o exigir huma sapata de
a. JNco tntrtgar objeto algum sem man- tijollo com argamassa de cal, e de lai largu-
eado 101 t=c ipto da Cmara fxigrado sem- ra que se possa construir aos lados se lur tao
jeer rttibo para sua desobriija, (bem necesario uas bordaduras de lijlos,
Largo do Carmo,
Largo da p<>aha.
Largo das Cinco-pontas
Kua larga da Cruz no Recife.
a. Solidade.
IiuadoMondego,
Largo do paraizo,
Alterrado Jas Cnco-pontas.
pateo da Sauta Cauz.
Forte do Mallos.
pillar.
Os Chafarizes vo projectados de huma
maneira muito simples e solida como con-
vem a este genero da obras podendo ter ca-
da hum emblema diverso que so colocar
em lanca ou assentado sobre o pedestal do
modelio n. 1 e sobre empea do modello
n. a. Todas as biras tem torneira de registo
para se poupar a ag9a ; em roda e a distancia
de seis palmos do tanque he huma gradara
de ferro com duas eutiadas. Sobre os tanques
se atravessa vergas de brdnze que fazera as-
scnlo para se colocarem os barriz.' Era cada
chafariz ha huma torneira inferior que serve
para limpar a caixa e cuche o lauque era oc-
casies de incendios.
Lis o que mais essoncial nos pareceo diser
acerca do projecto de que a compantiia nos tem
incumbido,e neste irabalho tera sido sempre o
nosso principal objecto desenvolver amanba da
obra, e pezar os seos dados priocipaes em
huma liugoagem ao alcance e iutelligenia de
pessoas pralicas, por ino evitamos entrar era
dedueces tbeoncas que dando apenas mais
aparato ao nosso trabaltio seriaem prejuizo
de sua execugo, quo tera talvez de ser con-
fiada a pessoas menos aptas e quic igno-
rantes em irabalhos thtoricos da notsa prois-
so.
parenos ter prebcudiido a aotti raissio ,
debaixo do ponto de vista que acabamos de
pondetar e sob a coadiego di maior simpli-
cidade compativel cora o objecto. Oxal que
este trab'ilbo mereca a confianza da compa-
n'nia que toraou o patritico empenho da faser
hum to grande beneficio a esta cidades
Cidade do Recife de remambuco 4 de
Marco de 18 ti.
Conrado Jacob de Niemeyerj
Pedro d'Alcantara lielle^arde.'
(Continua.)
RIO DE JANEIRO.
A entrada da Polica 110 Mostero de S. Ben-
to. Cansideracoens sobre as ordens
monsticas no Rrazil.
Por occasio de entrar uraa partida de for-
q* policial no mosteiro de S. Bento desta
corte circulram boatos de urna grave da-
sordera dentro daquella casa religiosa ; e es-
tes boatos junto re<*ordaco de alguns lac-
ios anteriores era outras casas monsticas .
dero segundo nos consta por diversas vias ,
occasio a observaces mu pouco vaatajosas
para aquella respeitavel corporaco, e era ge-
ral para todas as inslituices da mesma na-
tureza. Uns asseguravo que uraa revolta
completa se havia declarado naquelle mosiei-
ro contra as respectivas autoridades ; oulros ,
que alguns jovens merabros da corporaco
Invito conseguido prender os seus clieies ;
outros finalraenle que so havia ebegado a
vias de (acto que o san ;u havia corrido e
que, a nao ser a intervenga j da policia, a
desordem nao teria lerrao. Distas diffjren-
tes verses na maneira de desirever o acn-
tecimento sahia de ordinario da parta da
pessoas menos re.'leclidas acoacluso de q la
as ordens monsticas nao sendo da institui-
go divina, e achtndo-e na pratici abjr-
rantes de suas regras primitivas, sio oscres-
ceuciaes da sociedade que devra ser elimi-
nadas. Uaqui passava-se aosexeraplos : ci-
tava-se cora eraphasa o acto prodigioso do \I.
de Poraba contra a coaapanhia de Jesus o
do augusto fundador deste imperio na ex-
lincclo de todas as ordens monsticas era Por-
tugal ; e assim se ia discorren lo, j lallan-
do-se da soaedade dos frades no Brasil, da
nuliidade de seus servuos em promaver a ct-
thequeze e oculto como faziio os seuj pri-
meiros preducessores nesta parte do mundo j
j nolaiido-se a enormidade de suas posses-
ces sem cultura e aproveitaraento jexa-
gerando-se a immoralidade da escravatura
era seus estabeleciraentos ruraes, &: ; e por
im voltava-ss serapre mesma coocluso de
necessidade da aboligo desses qua dominar
vo asylos da preguiu e da mais alguraa
cousar
Comtudo o facto que deo motivo a esta ex-
citaco publica nao he digraviiade que sa
suppunia ; nao passa de um caso raui ordi-
nario de recurso do chefe de um maslefta ao
braco secular para fazer respeitar sua aa-
loridade ; caso este muitas vezes observado ,
mesrao na Europa nas orden) monstica,
mais respeitaveis. Un diarista infringi ao
menos no juizo do seu superior, a regra mo-
nstica ; o chefe da corporaco quusubmatr
t-lo s penas para tal especie deter niuaJts ;
o diarista resisti ; e pira evitar algura
accidente funesto o superior recorreo po-
lica e com seu auxilio o cliorisU refractario
ioi efectivamente preso, lie isto nicamen-
te o que nos consta se coraraunicra policia ;
e nada mais sabemos a semelianle respeito.
A' vista de um facto to simales e lao ordi-
nario nao podem deixar de se qualificar ds
injustas as exageradas asssrjes qua se pro-
palro sobre o acoutecimento bem como as
illucoesque d'abi se deduziro. Porcra esta
mesma iacilidadc era exagerar u n acoitteci-
mento simplississimo e que era nada cora-
promettia a santidade da iiulituico e o cr-
dito das autoridades do mosteiro prova qual
he a predisposi.o dos espiritas a respailo da
semelhantes instituirles na poca presente ,
e deve servir de advertencia aos superiores
dasdiversas ordens religiosas estabalecidis n)
lirazil, nao s para eviiarem quinto seja pos-
sivel occorreucias da semelhante niturea,
mas tambera e priacipiluaea'e para procura-
rera approxiraar-se de suas regras primitivas,
e tornarem-se uteis, quinto poisaser ti
paiz concorrendo para .ansia er a maiori'
suas necessdades a de fortificar os seati-^
mentos de piedade e a crenca religiosa <[xi
felizmenlo herdaraos de nossos maior es.
He necessario que o directores das ordan?
religiosisno Ura'.il se lambiera do qH9 nesM
pane domuaio^s mas iastitoigoai nas.'
prendera como na outro oeraupb3rio '
abitos invetera los, a iutarosMJ ,)iiu.:ase
valas de partidos mais ou meaos poderosos
sociedadd } qua a utiUiade t esraeute a


r
~%*m~
i
1AR 10 T) E PEfe N
A M B C
lilidade que resulte da sua cooperado paraie
rivilisacao e rnorasaco das diversas popu-
FlacCes espalhadas por este immenso territo-
rio he que pode assegurar-Ihes a existen-
cia. Devem recordar-se de que aquello mes-
Imo que de uro golpe deslruio da outra par-
e do Ocveano todos os troncos de 'jue di-
nano as ordens regulares do Brazil, gover-
iou primeiro este imperio; e assim parece
que a Providencia quiz preservar ero seus ra-
nos transplantados para este terreno essas
ir.esroas instituales, alero destruidas. Porra
este mesrco favor da Providencia lhes revela
urca alia missJo nesta parte do mundo a-
quclla que coube as regi5es examericanas
hespanholas ao venerando padre Las Ca -
sas, eaoutrcs iucansaveis propagadores do
Evangelho, e as teraas Brasilica^ aos res-
pe llaves Fr. Ilenique, Fr. Antonio Ventu-
ra Fr. Melchior de Santa Catharina Fr.
Jco Vianna e outros [fundadores das casas
religiosas neste imperio ; os quaes quasi
ledos principiro por assignalar a sua pre-
senta nesta parte do mundo ,_ por um fervor
indifectivel no auxilio aos ministros do culto ,
e na propagaco da f e da civilisago. Fal-
tando a esta misso divina condico essen-
cial da sua existencia nao poder vigorar
nestas regies segundo o estado e as tenden-
cias daopinio.
( Da Gazeta Corumercial, )
VARIEDADE,
O Jogo do Xadrez.'
Tendo em breve ( talvez ) de apparecer a
luz em lingoa portugueza um tratado analy-
tico deste jogo julgamos dever dizer antes
alga coiiza sobre elle.
A origem do jogo do Xadrez perde-se na
oljscuridade dos lempos e o nome e o paiz
do seo inventor s5o ecusas que al boje tem
ficado cobertos com o veo do misterio. Mui-
tos sabios se tem oceupado em procurar essa
oiigem, e uns o fazem nascer na India, pas-
sar dahi successivumenle China depois a
Persia e desta a Arabia, ajuizando por con-
sequencia que Europa o importaran! os A'-
raLei__outros suslentam que os Romanos o
conbeciam antts e que o seo M Latrunculi4'
nao era outra conza seno o xadrez. O que
fnvdavia ha de bea positivo e em que todos
'concordara he que o Chins nao jogam o xa-
drez com as mesmas regras com que o joga -
nos nos, que as pecas do jogo daquelles tan-
to diilerem do nosso na sua forca como na
Gua marcha.
O Xadrez tendo-se em breve tornado o jo-
co favorito dos grandes passou com rapidez
de nago a nago ; e os escriplores do lempo
fallara delle como um meio de que uzavaro
os ministros privados dos reis, para os ins-
truirem sobre os seos deveres, ao caesmo tera-
po que os diverliam. E o sabio Freret
nuitobem se aproveitou de dar algas ligues
indirectas a Luiz 15 quando em prezenca
deste monarcha ed'uma numerosa ssemblea,
recitou urna dissertaco sobre a origem do jo-
go do Xadrez.
He o xadrez o nico jogo sobre que tanto se
tenba escripto em todos os gneros de lilte-
ratura eem quasi todas as liugoas da Eu-
ropa ; mas na Italia que a todas exceden ,
na fiespanba e Inglaterra loi aonde apparece-
ro as primeiras obras sobre um tal as-
sumplo } teudo de maisa mais neste ul-
timo paiz, urna dellas ( a de Jacobus de Ces-
solis que tem por titulo Dos deveres mo-
raes do hortera extrabidos das combiuacoes
do jogo do xadrez ) levantado a queslo que
anda esl por dicidir, se foi ou nao ella o
primeiro livro que se impremio em Inglater-
ra o que quando mesmo venha a dicidir-se
em sentido contrario moslra sempre o alio
apreco em que de todos os lempos lu lido este
jogo.
Muitos tem sido os Iitferatos que tem es-
cripto sobre o xadrez e longo seria inume-
la-los ytiiin ulartOOB aquelles que sao re-
putados os mais nolauis laes como o Jaco-
bus de que cima la Hamos dom Pietro Car-
rera o dominico Tarsia Berln, Cus-
mignam l'hilidor que compo* um tratado
que passa pelo mais exacto Leibuit Lol-
ly o abbade Cerutti e o abbae Romsm ,
o bispo Jeronymo Vida; odoutor Hyde, sen-
do que esles tres ltimos escreveram varios
poemas em verso -- o doutor Francklin que
tscreveo a beru cenhecida obra intitulada
Amoral do jogo do Xadrez, e o duque de
iiruuswict e sobo nome de Gustavo Selenus.
lie para roagoar que um jogo que com jus-
lica lie chamado o rei dos jugos, um jogo
.o nube, to ingeuboso, to uivertido, um
ogo que ero. si e urna ciencia seja quasc
btsconneeido entre nos 1 banmr-se das
luisas sociedades um jogo que nao canee do
ncitivo do ganho, um jogo a onde o amor da mandar buscar .urna cirta, vinda de Santo
f _.____....... _-_ ..I____I ... -. _- tkntZ-% ^_____._ _- _1_ -. ..-- J- a _.
gloria o amor proprio sao estimulos mais
; que sutncientes para excitaren! o mais vivo in-
! teresse e o praser mais puro ao passo que
se consente essa chusma de jogos que parece
! s foram inventados para ruina da moral pu-
blica, e para desesperacao das familias a
quem as mais das vezes lngaro na mizeria
e no crime enigma quasi indecifravel!
Terminarei esle artigo com a tradcelo de
urna das relexoens moraes do philosopho
Francklin que soube tambero e em ta es-
cassas linhas encerrar todo o ellogio do jogo
do xadrez.
,, Aprendemos no jogo do xadrez diz el-
le a nao nos desanimar-naos coro, ama appa-
rencia dos nossos negocios a esperar urna
sorte favoravel, e a procurar com preserve-
ranca novos recursos ; porque o jogo est to
cheio de acontecimentos, ha nelle tintos e to
variados lances a sua fortuna est to sugei-
ta as vecessitudes que frequenlemente ac-
contece vermos um jogador que se considera
perdido inteiramante, saliir com felicidade
d'um mo passo ou d'uma difhculdade que
| he parecid insuperavel, e desta maneira se
anima a continuar a luta at o ultimo mo-
mento com a esperanca da victoria. ,,
O Bibliopbilo Szamontroi
nmn-ogoi i^i
C0LLEG10 PERNAMBCANO;
ATERRO DA B04.-V1STA H. 6.
O Collegio Pernambucano encerra ero seu
seio todos os preparatorios que a lei exige pa-
ra as Acadomias de Direito e de Medicina do
Imperio assim como para os alumnos que se
dedicara ao commercio a principiar desde
Primeiras Letras.
Muitos dos professores do Lycj e do Col-
lefio das Artes sao proprietarios de diversas
cadeiras no Collegio Pernambucano.
Os Estatutos do Eslabelecimento sao fran-
cos ao publico a qualquer hora.
THEATRCJ.
Primeira recita dos Srs. Assignntesi Do-
mingo 'i5 do corrente a Direccio appresen-
tar aos seus amaveis protectores urna in-
signe pe-;a mva intitulada O* DjU I\i:iioa ,
ou o homem de bem fingido, e o extravagan-
te honrado. ExeeUents carapuca tragou o
insigne author desta peca para desroasca-
rar um sem numero de hypocritas que vivero
no meio da sociedade. Os intervallos ser o
prehenchidos d'excellentes pecas de muzica.
Ho fim da peca urna beissimx Aria re-
matando o riApectaculo com a muito aplaudi-
da Farca denominada A pilula ouo avi-
zo da gazeta. A Direcco espera deixar sa-
tisfeila os seus benignos protectores e em
particular aos seus benemritos Assignantes.
Principiar as horas do costume.
Avisos Diversos.
tssr Pergunta-se ao Encarregado da cons-
trueio da ponte de Santo Amaro se Bara-
b, e Massaranduba sao madeiras proprias
para estelos de pontes ; no caso de afurmativa
louvores sejo dados ao mesmo Encarregado
por urna to importante descoberta.
tsr No dia 22 do corrente mez as 4 ho-
ras da tarde na loja de Caetano Joze da Sil-
va na ra do (^ueimado D. 4 foi apre-
hendida a urna negra urna psssa de chita
encelada e que ter vinte e tantos covados ,
por haver toda prezuropeo de ter sido furta-
da em razo de outro furto que a mesroa
negra acabava de fazer nesta loja e sendo-
Ibe achada mais aquella chita ; e perguntan-
do-se-lhe ( j por desconfianga) em que loja
a tinha comprado e a quantidade dos cova-
dos a nada disto respoudeu a negra com ex-
actido e retirou-se precipitadamente : por
isso quem for dono da dita chita queira ir
buscal-a mesma loja dando os signaes
certos
SSS" Perdeo-se no dia a a do corrente no
bairro do Recife al a ra Nova urna se-
dula de duzentos mil rs. : quero a acliou ,
querendo restituir annuncie que se dar a
melade de gratificarlo.
sssr (uem annunciou querer comprar
caixes de venda fitos a moderna ; dirija-se
a L ora de portas venda a esquerda no
largo do pilar.
k^y O Snr. que annunciou no Diario de
houtero querer comprar urna venia bem a-
fregueuda 3 dirija-se a ra do Cordouiz no
Recife D. 3 esquina que volta para a ruv
do Auiorim procurando a mar que na
njesma achara coro quero tratar
Antj no armazero de cauros do Arantes ,
na ra do Azeite de peite no Recife.
%
pello fallar co n Valentitn Joze Correia ,
com tend no mesmo.
-^ Precisa-se da arrendar uro siti-> psrta
tsr Preciza-sa de(5 contoide rs., a juros da praga, quq tenha arvoredos de fructo,
de 1 portento, pelo tempo que se convenca- boa agoa e que tenha trra para plantace* ,
por lempo da tres anuos: quero o tiver dirija-
se defronte di Ribeira da Bj Viste D. 3o,
venia por biixo de uro sobraciinlit,
Precisa-S3 de trezentos mil
nar sobre bypotliaca em uroa morada de ca-
za de 3 andares, ero uroa das priueipaes ras
do bairro do Recife; quero llie convier,
annuncie.
SSS" Troca-se dois andares da caza da ra
Nova junio a ponte da Boavista C3m mui-
tos cmodos quintal cacimba e estriba-
ra para 4 cavallos por urna caza de um an-
dar e agois-furtadas, que tenha quintal,
sendo as ras do Atierro do Hospicio a-
traz da Mafriz ou praca da Boavista: quem
pretender este negocio j dirija-se a Manoel
Goocalves Pereira Lima na ra Nova. <
139^ No dia t% do corrente, deserocaroi-
nhou-se do poder de urna negra por noroe Ig-
nez desae a ra do Rosario estreita at a
praga da Boavista urna gargantilla d'ouro ,
cujo pezo se ignora ; ella foi feita dn contas
grandes e nao lizas dos anligos Rozaras
d'ouro emgradadas tambero coro ouro :
quero a tiver acbado ou della souber te-
nha a bondade de annuuciar ao abaixo assig -
nado, que ratificar.
%ST O proprietario do meia legoa da tr-
ra na distancia de trez legoas desu Cidade ,
offerece com as condicoes que se contralarero,
para levantar uro engeuho d'agoa de Rodri-
zio : quero preieuder drija-se a esta Ty-
pographia.
k?" Aluja-se o 3. andar e armazero na
ra da praia, coro duas frentes para a ra da
Praia e Fagandes: quero o preieuder diri-
ja-se a ra da Cadeia vellu 35 que a-
char com quem tratar.
CST Preciza-se de um cont de rs. a juros
de a porceoto e paga-se lojo os juros d'um
anno que pelo lempo que se quer ; e da-
se para isso hypotbeca em urna caza terrea na
Freguezia de Santo Antouio do Recife |j_
vre, que essa a primeira vez que se hyp0 .
theca por ess pyeciso ; quem quser dar es-
sa quantia annuncie.
W- A pessoa que annunciou n0 Diario de
5. fera 2a do corrente, querer (ai|ar com
Anua Joaquina de Oliveira j dirj;a.se a pra^.
el;;:;, do UgitmewH D. a; que ahi Ihe
daro as inlormacoens.
tsy Quem precisar de uroa ama de leita ,
dirija-se a ra da Roda O. it
ter No dia quarta feiraai do corrente,
furtrao de urna casa no Hospicio um copo
de prata para menino o qml iem as letras
iniciaes- E. B i83S e mais tres palavras
em francez que se bao de declarar se preci-
zo for: qualquer Sr. ourives a quem for of-
ferecido o dito copo querendo reslituil-o a
seu dono pode o mandar levar na ra do
Trapiche novo D. i3 que se Ihe pagar o
valor da compra.
&_,- Preciza-se de i5o mil rs. por dois me-
zes dando-se por seguranca urna escrava ,
Meando os ber vicos da mesma pelo juro do di-
nheiro : quem este negocio quizer fazer di-
rija-se a ra dos Martyrios sobrado junto a
Igreja, lado do norte a. andar.
t_y Junto ao arco de Santo Antonio, se
ada estabelecido um armazero no qual se
vende excedente pao de tarinha de trigo a 100
rs. a libra fazendo-se os pies de quarta ,
meia libra e urna dita &c., e dos tama-
*_j- O i)ur. Jozu Daulas Kaigel, nueira
nbos que os freguezes pedirem ; assim como
iDobem tero bolaxas bolaxinhas e biscou-
tosde todos os tamanhos e excellentes latas
de pao torrado para cha : por tanto, convida-
se aos amadores do grande pao do sinteio,
queira mandar buscar dito pao de trigo para
suavizar os estmagos que estiverem j em-
pastados do tal senleio por ser muito sujei-
to a enximentos de estmagos.
tzsr Quero annunciou querer cem mil rs.
a juros ue a por cento por uro anno dan-
do urna eeii por banca ; dirija-se a ra do
liivrameuto, lado esquardo, D. 18 no pri-
meiro audai.
t&r Da-to ioo|ooo rs. a juros da a por
cento ao mv.n, sobre penhores d'ouro ou pra-
ia ; ero Fori de portas L>. a a.
isr Quero annunciou no Diario de quarta
feira ai do corrente precizar de cem rail rs.
a premio por tempo de um anno e para
sejuranga uroa caza terrea 5 dirija-se a ira-
vessa de S. Joze casa L>. i5 que se dir
quem os d. Na mesma caza cima se dir
quem d ln.cntos mil rs. a a por cento ao
mez, com penhores de ouro ou prata ou
boas firmas.
iST Quero precisar de um padeiro ; dri-
ja-se a ra dos Quarleis, caza de pasto D. a.
f Quero Uver uro menino forro ou
reu cot
hypotheca ero uro escrava que paga por dia
quinhentos e sessenta danl^-so O ganho do
mesmo pela juro da diuheiro ; uceada o mas-
mo escravo ero paler da bypothecante : queai
quiser dar dirija-sa a ra di Gloria i4.
ssr Quem tiver uro quarlo oa BOtio ,
qua queira alugal-o ; dirija-se ao bacca do
Campello a fallar caro Valcntim Jaza Chor-
rete ; adverte-se que para hornero salleiro.
ey O dono da rifa do forte pianna ds-
sejando ultimar a dita rifa m da 5 da Mai
prximo faz publico que d uro bilhcte
gratis, a quero comprar d^ bilhetes por jun-
to cujos bilhetes su vendaro nos-lugires j
annunciados.
5^ Prciza-so fallar caro o Sr. Joze Ma-
riano Cantanhedos, ou seu procurador; o
mesmo Sr. ou seu procurador annuncie
sua morada para ser procura b, oa iY;5o o
favor de dirijir-sa a ra da Cru., no arme-;
zem da casa n. 42 negocio de i o teresse.
55^. \ pessoa qua ennunciou pelo Di
de a. feir '9 ^a correute querer coa
uro Mapp Geographico ; dirija-se a ru
S. Goncalo, "a Boavista, la Jo direito, 1 -
toal^rea casa *flrre* pintada de verde coa
porta) eilhFg. D- li>-
c^ Qaera annunciou querer comprar a
Historia Sagrad 5 dinja-se ao becco ao pei-
xe frito D 4* ^a ,nesaid cua cima lira
bemsevendem os vros seguate* Diccio-
nario francez por Coua e .i, Arte inglesa
par Jonatlias dita iuliana, Diccionario 1-
taliano-frincei t
e?* Quero <\^li<-'^ loa ou aoosooo rs.
a juros sobre penhore d'ouro, ou boas fir-
mas ; dirija sa ao beca do Ciro pello a i d-
lar com Valenta 3oe Cairea qu dir
quero os di.
tsr Precisa-se da um ma.o portajuez j
que entenda de venda ; q oam pretende- em-,
pregar-se dinja-se rae do Crespo ,
D- ...
ts^ Precisa-se de arrendar uro sitio qua
lenfia arvoredoa J frutas a qua sirva para
plantacoens de ortalice perto desta praca ;
adverte-se qua o arrendamenlo por tres anr
nos : a fallar na venda defronte da hiboira da
Boavista, D. 3o, que tica por baixo de um
sobradinho.
sT Precisa-seLde 4oos,ooo reis aprenio ?
com seguranca ero uroa casa ; quem tiver,
quizer fazer este negocio j dirija-se a ra dj
Amoriro tend* da ferreiro do Sur. Caetano ,
que achara com quero tratar.
ES* Quer se fallar caro a Snr, Anna Joa-,
quina Oliveira a negocio de muito sea in-
teresse pos j se tem procurado esta Sara,
e nao se sabe, e nem do noticias della ; qusm
quer que for annuncie sua morada para ser
procurada,
s^" Quem quiser comprar uro sobrado da
um andar em fora de Portas coro duas roai-
agoas no fundo dafronta do baco da Alois-
ia ; dirija-se a ra do Nogueira O, 19 ,
que acbar coro quem tratar.
s^* precisa-se alugar uro priroeiro ou se-;
gundo andar, que saja no bairro do S tito
Antonio que tenha comrooios pac* uro*
pequea familia e qua seja aro boas ras
quem pretender alujar annuncie,
O Sr. meo ami*o, qua fez-me o faror
de advirtir-me par uro 1 carta quj me botn
na rotula de miniu caza ni rui da i'.-aajj
da Boa-Vista, na noile de 2, feiri i^corrj.i',
cujo avizo me he muiio importante, de-
sejando eu. muito que este Sr. se dirija a miro
para com a vista meluor cjrorou:iicar-no3 e i
assentarmos em o meio de daseobrir-s.' o en-
gao de que me avizi pode livreatanta
procurar-me, que nao faftarei atteneo
que tanto devo a quero S3 interstsa por mi-
nha honra e reputacj e pai t:ularroente o
inclno no numero das meos miis ntimos ami-
gos. Eu espero pois que nio ter duviii em
fazer-me o favor de appare-ef-raa j e casa
o nao laca entadescui J-iri a miaba iiu-'r-
dade em/lizer-lbe ojae no pess o sea avi
zo de alguroi piixo pitculir ou da ser
filbo de um invejoso, ou fino enredador .. 4
O mesmo qu foi avizada.
r- Aluga-se um molequa pora o servico
de urna caza ; na rui dj Santa Ra No-
va D. 18 lado da igreja.
Quem tiver para alugtr uaa casi ter-
nj
captivo quo queira dar para aprender o of- rea para peiueui familia b5iI esca leuda o
licio Ue bartwira } ditija-s ao beco do Cam- l^seu aluuel a ouo mil res measte*; aauoae^
m MUTILADO
>

1





.-*v
s

^mmr
DA
RI
O DE
i
KF* Aluga-se um grande solio com varan-
3a na frente, e muito cmodo por mdico
preco ; na ra de Hortas D. 4f)-
1P& OSerece-se para rcixeiro de loja de ^ v-------
ferra;;ens por ter disto pratica, um rapaz por- intervenco do Corretor Oliveira, de um com-
tueuai, deidade de 17 ennos e chegado I pelo sortimento de faaendas de1 le;, entrando
prximamente de Lisboa ; quem precisar
renle as 10 horas da miaba* no sea armazem
da ra da Cruz. Adverte-se que este leilo
he em continuaco do effectuado np dia 2o.
Que fazem Lalharo fc Habbert, pqr
di-
rija-se as 5 pontas D. 49'
ssy No dia 10 de Maio prximo vindouro
vai a praca perante o Sr. Dr. Juiz de Direito
da segunda vara do Civel por arrendamen'o o
engenho Gongassari ; as pessoas que quise-
rem tancar ccmpareca em casa do dito Juiz
pelas 4 horas da larde.
t9 Quem annunciou querer um sitio
para urna familia grande com bastantes ar-
voredos dirija-se a ra do Rozario da Boa
vista D. p.
tsr Quem quiser tomar /100,00o a juros
a dous por cento sobre pinhores ou hipotheca
em alguma casa no bairro do S. Antonio, que
sirva de moradia ao aununciante ficaudo os
juros pelo aluguel, ou conforme o ajuste ,
annunrie;
C9" Aluga-se um sobrado de um andar e
sollo com janellas para a ra no bairro da
Coa vista na ra Formosa com muitos com-
modos e tem urna coxeira para 3 ou 4 carros;
quem o pretender dirija-se ao atierro da Boa
?isla sobrado I), 16.
ts?" No dia 37 do correte pelas 4 horas da
tarde se ha de arrematar, pur venda pecan-
te o Dr. Juiz do Civel da primeira vara, urna
morada de casa terrea de peska e cal quintal
murado sita na ra do Amparo da Lidade
de Olinda, penhorada por execuco do Te-
nenie Coronel Antonio Joaquim Guedes a
Antonio Jos da S. Cruz e sua mulber ; os
pretendeotes compareci as horas indicadas
na ra da Aurora ; casa da residencia do
mesmo Juiz,
5^" Quem quiser 100,000 a juros sobre
pinhores de onro anuuncie.
KT Traspassa-se i5o palmos de terreno
atrazde S. Francisco por junto ou divi-
de-se em parles j a tratar na ra do mundo
novo sobrado D. aa.
*W O abaixo assignado muito agradece aos
nrs. Prefeitos e Sub-Pre(eitos, e a seus
Amigos o desvello com que se empenharo
em capturar os dous escravos que lhe tinbo
$idoseduzidos ou furtados e tem a salis-
facao de Ibes partecipar para que cessem seus
valiosos trabamos que os mearnos foro ca-
pturados na entrada da matta de panellas de
Miranda segundo fot informado e pelos Ca-
pites de Campo mandados do Bonito em se-
guimeuto delles nos quaes deu a prometida
gratificaco.
Uzando deste meio por mais rpido, e ge-
ral de fazer cbegar seus sentimentos de re-
conhecimenlo e gralido as referidas auto-
ridades e a seus Amigos, Luiz Gomes
Ferrara.
tsr Precisa-se de cargas de limoens azedos
e mangabas tudo bem verde, que sirva pa-
ra docej na praca da Independencia n. ai
e aa.
algumas avariadas terca feira 7 do cor-
rete as 10 horas da manh no seu armazem
da ra da alfandega velha defrorjte da lin-
goeta.
tsr Que fazem Crabtree Heyworth & C.,
por conta dos seguradores e por interven-
cao do Corretor Oliveira, das seguintes fa-
zendas avaridas a saber algodozinhos lisos
de af> e 4 polegadas dilos entrancados de
a8 ditas chitas de ramagem casas de cha-
drez e de listras, ditas transparentes s, ma-
dapoloens finos e entrefinos lencos de casaa ,
e de outras limpas entre ellas rendas bicos,
chillas e &c quarta feira 28 do corrente as
10 horas da man ha no seu armazem da ra
da Cruz.
Conipr
i S
tsr Um molatinho para pagem de idade
de 13 a 15 annos, paga-se bem nao tendo
vicios e urna escrava que coz i n he e engom-
me bem ; na ra de agoas verdes D 38.
SSS" Cargas de maracuj e caja ; no porto
das canoas armazem de Navarro & Champes.
tsr Compendios de nocoens de arithmetica
extrahidas de VI. Bezaut para uzj das es-
colas ; na ra da cadeia db Hecife loja do Sr.
Cardoso A y res.
tsr Por obrado preco de seu valor es-
tando em bom uzo o tratado exame critico
ds extracto de um relatorio a presen lado a S.
Exc, o Ministro Secretario de Estado do in-
terior pela academia real de medecina respei-
to as compusicoens medicinaes, ditas secretas
e especialmente os evacuantes condecidos de- do Piraa com mil bragas de comprimento e
baixo do dome de vomi-purgativo e pur- 1 35o de largura com 4 cazinbas do taipa ,
gativo de Le Roy por C. P. Martin, ex phar- madeiras corladas para levantar um engenho
macio Ajudante Major, e medico dos exer- de 60 palmos casa de caldeira e de purgar ,
citos ex medico adjunto do Hospicio da ca- alem deste terreno tem mais outros anexos a
ridade do seu arrendamento doutor em me- mesma propriedade pertencenles ao
xar Vidros para espelhos de todos os ta-
manhos ; na ra nova D. 3o.
tsr Urna porco de marmore fino para la-
drilho ; na ra do Crespo loja D. 5 de Do-
mingos Gui maraes* .
tsr Urna preta creoula moca e sda ,
engomma cozinha faz doces ensaboa e
cosa alguma causa 5 no fim da ra Augusta
sobrado da quina que tem o oilo e entrada
do lado do viveirq do Munii,
tsr Chapeos de palhinha lavrada, brancos
e de cores para senhora e meninas bem fei-
tos e por preco commodo } as 5 pontas loja
D. 34,
tsr Urna morada de casa terrea na boa
vista na ra da Gloria D. 19 com 3 quar-
tos quintal murado, em chaos proprios.
coziqha meeira ; a tratar no Manguinho com
Manoel Caetano de Souza ou, na ra do Pa-
lacete casa de 3 janellas e urna porta junto a
urnas novas.
O Panno de lnho enfestado finos tre-
molas de linbo de todas as larguras pro-
prias para babados de lences e toalbas Jen- j
eos de seda para grvalas, meias de linbo
curtas linhas de bordar coilas de filo de
linho para senhora chapeos de sol de seda,
botoes de retroz para casacas e urna coleco
de quadros mu ricos tudo por preco commo-
do } na ra do Fagundes D. 5.
er Urna elegante molata recolhida de ida-
de de aa anuos, sabendo perfectamente en-
gommar, cozinhar, e faz lavannto o mo-
tivo da venda se dir ao comprador, urna
mimosa molatinha de idade de 9 annos 4
escravos bons para campo 3 moloques e urna
linda moleca e 3 escravas para todo o ser-
vico ; na ra de agoas verdes D. 38.
tsr Urna propriedade de trras na ribeira
do rio Serigi da comarca de Nazarelh da Ma-
ta ao p do engenho Cangaii no lugar chama-
Bichas grandes da melhor qualidade
6 por prego commodo ; 'na ra estreita do Ilo-j
zarlo botica do Prannos.
ssr Dous escrauos de bonitas figuras,
sadios ; na ra do Vigario armazem de as-
sacar n. 10; f)
tsr Por preco commodo a posse de ni1
terreno no atierro dos affogados, com 5o pal1
mos de frente ; as 5 pontas D. 3$.
Kscravos Fgidos
dicina da faculdade de Pars terceira edico
Paris i8a5 traduzido por um amigo do
bem dos povos com outras pecas da grandes
dono
com esta
tsr -No dia 19 do corrente fugio um escra-
vo moco, de idade de ao annos, de nome Joa-
quim coza officio de alfaiate, trabalhou em
varias tendas baixo do corpo bunda empi-
nada mos pequeas falto de denles da
parte deiqima bonitote andar miado c-
belo pontndq falla baixo e discansado levou
alguma roupa como seja calcas d riscado
branco jaqueta de brim escuro e chapeo de
seda uzado } quem o pegar leve a ra direiu
D. 24 que ser gratificado,'
B- No dia ai do corrente desapareceo uma
negra moca qu andava vendendo azeite
de nome Catharina levou vestido de chil
azul, secca do corpo com sarnas pelas cos-
as ps seceos e grandes, os dedos grandes
dos ps abenas, com argolinbas de ouro as
orelhas com marcas de bechigas por todo o
corpo e levou mais panno da costa ; quem a
pegar leve as 5 ponas D. 5; que ser recom-
pensado.
9 No dia la do corrente fugio ou fur.
tarao da ra da praia um escravo de naci
benguell* de idade de a4 a a8 annos p0u.
co falla de nome Caetano alio bastante
rostocomprido ,; grossura mediana, beijoj
cabidos com a cpela do olho direito cibida
para baixo ,com a marca no peito direito
que he um S com um travessao levou ves-
tido umA calca de brim pardo veluo e suia
camisa de madapolo tambem velha e suja *
chapeo branco de castor velbo ; quem o pe
gar leve a ra da praia serrara do Cardial
que receber 3o,ooo de gratificaco.
tsr Fugio um creoulo de nome Leandro
de idade de 20 anos bem parecido
Avisos Martimos.
PARAOARACATY com brevidade por
'a ter parte de seu carregamento prompto o
'alacho Nacional Laurentina Brasileira for-
rado de cpbre, Capito Antonio Germano
das Neves ; quem no mesmo quiser carregar
ou ir de passagem dirija-se ao eu proprieta-
rio Lourenco Jos das Neves ra da Cruz
n. 32 ou ao Capito do mesmo a bordo con-
fronte ao trapiche novo.
PARA O MARANHAO' sahe em poucos
das o Brigue Escuna S. Jos ; quem quiser
carregar ou ir de passagem dirija-se a Del-
fino Gousalves Pereira Lima, na ra nova
D. aa ou a Firmino Jos Feiis da Boza.
APARA A U All A o bem conhecido Hiate
Flor da Larangeira de pri. eir marcha,
Jorrado de cubre sahe im preter ve 1 mente no
fim do correle ; quem quiser carregar ou
ir de passsgem dirija-se a ra da cadeia do
iiecie loja de fazendas n. 17.
JLeilao
*ar Que fazem Gaskell Johnston & C. ,
por intervenco do Corretor Oliveira do
mais esplendido sortimeoto.de ferragens finas
e dos melLores goslos e mais proprios para
este mercado as quaes se vendero sem li-
mites em quanto a preces sendo esta cir-
cunstancia e a de suas boas qualidades re-
comendaco bastante para animar os compra-
dores principalmente os caivetes, pavaihas
de barha thesouras lindos faqueiros de
nofno con lindo aparelhos de facas e garfos de
cob03 deFata hinfi &c. sabbado 24 do cor- Jma 37.
20 *- hd pareciao coa)
que igualmente se vende juntamente officio de carpina c n.arcneiro filho da Vil.
is ; ns ra do Vigario n. 7. I la de Sobral, escivo de Jos Saboia do mes-
Uma morada de casa terrea sita na mo logar e levar urna carta de seu snr. pa-,
mdicos, que comprovo a excellencia do me- ra dos Martirios D. 9 com 3 portas defrenle, ra entregar na Boa vista e nao o fes j quem
thodo de Le Roy e muitos factos de pratica, duas salas 3 quartos soto e urna meia o pegar leve a ra da Cruz no armazem, de
para ptninsr ns iofinios a aplipsJ-oa si aiosmo agoa no fundo do quintal que hola para ra trastes di Antonio Jos Coeliio do Rozario
sem assistencia de professores ou debaixo das do caldereiro rende 18 000 por mez ; a tra- que ser recompensado. '
vistas de um amigo. Rio de Janareiro na Ty- tar no atierro da boa vista na botica do Snr. %sr Fugio no dia 16 do corrente vindo do
pografia Imperial e Nacional 1897 i na ra Moreira. engenbo Patos em conserva de um comboo
nova ao p da ponte loja dq penltimo sobra- j tsr Um escravo de naco mocambique, de de assucar um molato claro de noma Anu-
do do lado do Norte, bonita figura bom cozmheiro e urna escra- nio de idade de ao annos com officio de
va de idade de ao annos engomma liso co- sapaleiro estatura regular cangulo, quan-
zinha p diario de urna caga 5 na ra direita do falla gagueija lovou vestido calcas par-
D. 20 lado do Livramento* das de casemira jaqueta chapeo e cal-
ISar* Vinhodo champagnhee de Bordeaujj ^ado, este escravo foi nascido na Parabiba
branco e Unto de superior qualidade ; na ra eporissose desconfia que tenha hido para
da Cruz n. 60. esta parte ; quem o pegar leve ao dio enge-
ganhando a vigsima parte dos premios, ca- *** Um capole de barragana verde e todo nho ounoRecifeem casa de Joaquim l>$.
bendo na softe de 6 000,000 tresentos mil ris, forrado de baeta em muito bom uzo e urna reir de Mendonca.
a preep de 60; nesta Typografia na praca espada dourada anda nova i nesta Typogra- j tsr Roga-ae aos Srs. Sub-Prefeitos, e aq-
da Independencia n. 20, na ru* larga do ha se dir. thoridades policiaes desta e mais comarcis ba-
Rozarioloja de miudezas D. 7 na ra do W Duas negras mocas com habelidades jo de empregar as suas vistas sobre un es-
Collegio loja de fazendas D. 2 do Snr. Mene- *lue se d'ri6 ao comprador; na ra da cadeia crayo creoulo de nome Ignacio meio |fulla ,
es e na de relojoeiro. do bairro de S. Antonio casa de i andares por de idade de 36 annos estatura e grossura re-
tsr Urna escrava moca sem vicio sabe cima da h>ja de chapeos: guiar carniceiro denles grandes e limados,
cozinhar, engommar e coser ao compra- r Charutos superiores em caixinbas ; pouca barba tem um caroto em uma canela
dor se dir o motiro ; na pracinha do Liyra- na loja de Jos Antonio Vieira de Souza n% de uma gomma recolhida padece de eraros
ment sobrado por cima da loja que foi do ra da cadeia do Recife. seceos nos ps dos quaes os tem um Uoto
Sr. Herculano; tsr A posse e bem feitoriasde um terreno indiadas ; quem o pegar leve a ra direita
tsr Charutos de Manilha e de Groz j na no aerro i dos affogados da parte do mar caga terrea quasi confronte ao beco do Seriga-
rua do Cabug loja do Bandeir*. i grant*e com 3o pajmos de frente e 1S0 de do que ser recompensado.
Vendas
CF" CAUTELLAS da Sociedade Fortuna
Typogralica, da Lotera da THEATRO, que
corre impreterivelmente no dia 5 de Maio
W .Viui'o boas pilulas da familia re-
centemeutes chegadas por preco commodo ;
no Recife ra da Cruz D. jtj e na de Apolo
D. a e no atierro da Boa vista D. lo.
tsr Urna preta de boa figura cozinha o
diario de uma casa lava roupa e he bas-
tante robusta na ra nova D. 33 no segun-
do apdar.
t7* Essencia de imbro pilulas vegetaes
e universaes do Dr. Brandeth e semen le de
repolho couve e nabos ; pa ra nova bo-
lica D. 29.
ES^m escravo moco sem vicios nem acha-
ques j na ra larga do Rozario botica D. 10.
SS~ Uma secretaria de Jacaranda de veas ,
com 4 gavetoens, duas gavetas e seu com-
petente puebador 5 no paleo da S* Cruz loja
de marcineiro que fas frente para a ra velha,
ou na praca da Boa vista sobrado [de um an-
dar no correr do Coronel A'meida,
t^- 4 pretas mocas de boas figuras com
boas habelidades engommo, cosem e po-
zinho, 3 pretos mocos de boas figuras e um
he bom canoeiro e outro bom cotinheirp
um molato bom cozinhero bom pagem e
bolieiro e um moleque de idade de 10 an-
nos 1 pa ra de agoas verdes casa terrea Deci-
de fundo 1.0m alicerce na frente para se edi-
ficar e paga 160 por palmo de toro; na ra
do Queimado loja de fazendas D. 4*
Kar Urna escreva ds.naci de idade de
18 annos cozinba e engomma liso ; na ra
direita D. 28.
tsr Cbarutos^de superior qualidade po r
preco commodo tanto a retalho como em
porco ; em lora de portas por baixo do so.
brado n. I98.
(jes?" Dous moleques um de idade de a a
4 annos, e o outro de ao a aa annos j na
ra da cadeia velha n. 14 no terceiro andar.
tsr Duas boas escravas vendedeiras de
ra e ptimas para todo o servico 5 na ra
de agoas verdes L). 10.
tsr Uma negra de nacao mocambique, de
idaue de aa annos cozinha engomma e
lava ; na ra da praia armazem de Manoel
de Souza Guimares.
DT Uma casa ierre
le de pedra e cal
Movimento do Porto
taiapa com a fren-
"uno grades com opil-
es para famil
com arvoredos sita
>a, quintal grande
na casa forte ; a tratar
naruadomucodoLivramento casa pinta-
da de verde U. 8 na ,DO
mesma casa precisa-se
NAVIOS SAHIDOSNDAm
TRIESIE ; Brigue Ingle* Doris, Cap. Joba
Falle, carga assucar.
S, CATHARINA ; Brigue Nac. Minerva,
Cap. Francisco Jos Prates carga dille-
rentes gneros.
RIO G. DO SUL ; Barca Portugueza Mara
1. *, Cap, Joaquim Ferreira Leite con-
dar 200 pracas de linha.
DITO i Brgiue Escuna de Guerra Nac. F-
delidade, Commandante o Capito Tenen-
te Felippe Jos pereira Lial, vai comboianr
do a Barca que condui a tropa.
PARA PESCA j Patacho Americano Colum-
bus Cap. C. Holt, carga a mesma que
trouxe.
ENTRADOS NO DIA 22
PORTO 45 das Brigue Portuguez Mar
Feliz Cap. Antonio Luiz Gomes carg
varios gneros j a Manoel J. Ramos c Silva,
LISBOA } 49 das Brigue Portuguez Afri<
cano Cap, Oliverio Manoel dos Pm, car-
ga diversos gneros 5 a Thomax de Aqu:
no Fonseca.
a
ai
ra
v>
i*
a.
e
1l
s
n.
i.
iu
de
on
Pr
ui
Sr
til
oe
lea
fi
V*
UrXlFE NA TKP. DE M. F. DE F, ^.to^t.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQDTKWVIE_X9ABEI INGEST_TIME 2013-03-29T15:55:02Z PACKAGE AA00011611_03764
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES