Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03745


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V^J
CAMBIOS;
i Fevereiro 36
Londres 5c J/3 3o 3/4 Di. St. por ifooo ced.
Lisboa 8o por ioo premio, por metal, oflerecido
Franca 3io a 3a5 Rs. por franco.
Rio de Janeiroaopar.
Moeda* de 6|4oo 14#700 ai velhat novas i<| 4f 000 8J100 a 8|3oo
Peao Coluro na r 101 1/640 a 1I660
Dittof Mezicauoa ifoo a ifoio
Pataces Brasiteiros i|6 Premio* dai Letras, por mi 1 i|4 1 ip por too;
Cobra o par
PARTIDAS DOSCORREIOSTERRESTES;
27 DE FEVEREIRQ. NUMERO 48-
Todo agora dapanda da 6t metanos j da noaaa pntdewew
moderaco a energa: continuemos como principiamos,
\ a taramos aponudos cora admiraco entra ai Macoes naja eol-
% tas.
ProeUmacio da Asseaablaa Gara i do rJrasa
* Segundea Sextas eiraaj

Cidade da Para iba e villas de sua preteoeSo 3
Cidade do Rio irande do Norte, a villas dem .
Cidade da Fortaleza a Tillas dem .
Villa de Goianna...........
Cidade de Olinda............ Todos os das.
Villa de Santo Antio........... Quintas feiras.
Dita deGaraahuns e Povoaco do Bonito. '. Dias 10, e ^4 de cada mes;
Di lias do Cabo Serinhaem, Rio Formoso, a Poseo Carro dem i n, si ditto dido.
Cidade das Alagoas, Villa de Macei. Idemidem.
Villa da Pajae/de Florea........../ dem 13, ditto ditto
Todos os eorreioa parteas so meio da.
Subscreve-te para asta folha a 3#ooo rs. por quartel, pagos adi-
anUdos nesta Typografia, roa das Crasas O. 3, e na Praea
da Independencia D. $7 a 38, onda se reeebem eorreapon-
dencias legalisadas a annuncios: insirndo-se estes gratis
sendo dos propros assignantes, a Tindoa assignados.
DAS DA SEMANA;
35 Segunda S. Cesario Claudiano M. Audiencia do J. da Direito da 3. Tara de manh;
ib Terca S. Torcato Are. R. de manbl e aud. do J. de D. da i. vara da manh.
Quarta S Leandro Are. Sesteo da Tbesouraria P.
Quieta S. Kom.o Ab. Relaco e aud. do J. de D. da 3. vara de manh. La cheia 6 at
her. e 37 minutos da tarde.
1. de Marco Seita S. Adiio M. Se?, da T. eaud. de J. de D. da 1. t. de m.
a Sabbado S. Simplicio P. Re. de manh. e aud. do V. G. de t. ero Olinda
3 ontiago J. da Quaretma. S. Bemeterio. M.
Mari cheia para o dia 77 da Fevereiro.
Al 3 horas a 42 minutos da manh. As 4 horas e 6 minutos da Urda.
3
aKJfltIO BE PEUftAISBTO
PARTE OFFICIAL.
PERNAMBUCO.
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do da ai de Fevereiro de
1839.
Offirio A o Fura. Presidente envian-
do-lhe a relac-G das Tinte e trez pracas .
que estando gravemente infermss na Char-
ra Amphitnta forio removidas para o
Hospital e addidas ao 4- Corno d'Ar-
tilberia afim de serem convenientemente
tracudas.
Dito. Ao mesmo Ezm. Sur. envan
do-lhe a relaco das pracas do 1.* Bitalho
Expedicionario ao Sul, que deixsvioquan-
do destacadas no Para preslacdes en soc-
corro de anas familias nesta Capital, e que
continua vio M deixar as mesmat prpstaco-
eas sendo augmentad* a do Cirurgiio A -
judante Pimentel de |3 000 reis para a o'.
Dito Ao mesmo lixm. Sur. signifi-
cando Ihe que sendo desligado do 4
Corpo d'Artilheria o Capio J. M. Idel
fonso para se vplar inleiramenle a craco
doEsquadraS d'Artilheria i Cavado para
que lora [torneado Commaodante embra-
va elle como essencial a organisacio do dito
Esquadra a compra de algumas parelhas a
fim de serem adestradas com os respectivo:)
conductores ; que se mandasse vir da Pa>
ralnba osarreiot pertencentes o extincto
5. Corpo d'Artilheria Montada, que ali
existen anda em bom uzo,e que podia5
ser applicados ao servico do Esquadrio ;
que lio bem se maudasse buscar naquella
Provincia ama Peca de bronze de Calibre
6 que estando petfeita, e se.ido temban-
te a dua que fasem parte do Parque do 4
Coipo podiio ser montadas com regula-
ridade e finalmente que se designaste
qul a cor do corrame e forma das es-
padas que ficava competindo ao Esquadrio
por nio ler u figurino tractado destet ob
jectos parecendo-lhe que devia o Esqua-
drio uzar dasespsdas, corrame marca
do para a Cavallara. Que julgando as re
quisicoens que fssia o Capitio J. M. no
caso de serena setisfeitas, as submeitis a sua
consideraca5 afim de promover a vinda da
Pee* e dos arreios designar o numero
de paielh.s que sedevem comprar cor
do corrame,, e mandar vir d fora as es-
podas por nio as baver de venda nesta
Provincia.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. depre-
cando-lbe a expediccio de suas ordent,
para que lossem desembarcadas 6 pracas ,
que por terem agravado abordo d'Amphi-
tule suas inferasidades, nio podiio scom-
panharo Batalbio tem pengo de suas Ti-
dal,
Dito Ao mesmo Exm. Snr., devol-
Teudo-lbe o requerimento dos Alferes Fri-
cuco Marques da Silva e Telesfero Mar-
ques da Siisa e disendo-lhe que outra
lormacio Ihe na5 compela dar, que o&
fosse a de vnte e teis de Janeiro do corren-
te anno dada sobre igual pretencio dos
meamos.
Dito Ao Inspector do Arsenal de Ma~
inha disendo-lhe que tendo d terem
transportados para bordo da Charra va-
rios objectot que ettavio no Arsenal de
Guerra seria conveniente que a mesma
Lmxa que tinha de conduzir para bordo
as Pracas d'Artilheria e do Deposito ,
viesse um < hora antes ao Arsenal reeeber
os referidos objectos, e transporia-los con-
junctamente com os soldados para bordo.
Dito Ao mesmo para fonecer trans-
porte a cinco piscas do Depotito que pe-
las 7 horas da manhia do dia aa se Iheap-
presentario e deviio ser mandadas para
bordo da Chirrua a serem entregues ao
IVlajor Commandante do i. Batalhio.
Dito Ao mesmo para mandar de-
zembarcar e conduzir ao Quartel do H >s
picio 6 pracas que se achsvo doentes na
Charra Ampbtrite, cujos nomes se Ihe
indicara.
DitoAo Major Commandante do 1.
Batalhio pa que fi-esse entrega das 6 pra-
cas doentes e que asincluisse na guia das
17, que pelo mesmo motivo desembarca-
rs e forio addidas ao 4 Corpo d'Ar-
tilheria,
Dito Ao mesmo ordenando-lhn a re-
mesas de urna relaco nominal dos Offici-
aes, e mais prscas que deixacio prestsco-
ens ss suas familias nesta Cidade e con
linuavio a deixar afim dse darem pro-
videncias retpeito.
Dito Ao mesmo communicando-lhe
que nao poda ser sua requisic-5 acerca de
oldus pera os Officiaes do Bitalhio do seo
Commando sstitftita p r estarem os Co-
fres da Provincia disfalcados.
Dito Ao mesmo para que conside-
raste sddidas so Batalhio do seo Comman-
do a duas pracas do 4- Corpo d'Arti-
lheria, ea 5 do Deposito as quaet deviio
ser na Corle apresentadas so Exm. Minis-
tro da Guerra para teiem destino e que
com as prscas d'Artilheria Ihe seria apre-
rentado o Soldado ClaUdino Antonio da
4- Companhia que tendo desembarcado
por doente, fora tractado e se achava
reslsbelecido.
Dito Ao Commandante interino do
4. Corpo d'Artilheria para que desli-
gaste e remetesse com guia para bordo da
Cbanua a dous soldados, cujos nomes se
Ihe indicava.
Dito Ao mesmo para que recebeste
contiderssse addidas e maudasse recolber
ao Hospital Regimental a 6pracas do 1.
Batalbio que por doentea nio podia a-
companha-lo.
Portara Ao Major Commandante*do
Deposito mandando excluir e temelter
com guia para bordo da Charra a cinco
praca cujos nomes se Ihe mdicava de-
vendo ellas birem pagas de sold ato o ul-
timo do corrente mez e d'Etape ate boje.
Dita Ao Commandante interino do
4* Corpo d'Artilheria mandando exclu-
ir e remetter com guia de passagem para a
Companhia d'Artfices o toldada Angelo
Miguel do Espirito Santo por assim o de-
terminar o Exm. Presidente da Provincia
ea oficio de hontem.
THEZOURARIA DA PROVINCIA.
Expediente do dia q5 de Fevereiro de
1839.
Officio Ao Exm. Presidente do Tri-
bunal do Thesouro psrtecipsndo ter a
mesma Tbesouraria remedido em ao do
corrente mez ao Ministro do Brszil em
Londres a importancia de mil e t reten tas
Libras sterlinat na Letra constante da ter-
ceira va inclusa ao mesmo officio psra ter
applicaca do artigo 17 da Le de ao de
Outubro p. p. numero 60.
Dito1 Ao Enviado extraordinario, e
Ministro Plenipotenciario do Imperio de
Brasil em Londres enviando a Letra de
que Irada o precedente officio.
Dito AoExm. Presidente da Provin-
cia pedindo para expedir as suss ordens
para *er postada diariamente das 6 horas
da tarde aa 6 da manhia huma guarda
militar no lugar da Fortalesa do Bom Je
zus das Portas em quanto estiver armada
a bomba para a esgotaruento d'agoa que
lem apparecido naescavacioque s'esl fa-
zendo para aavaliacad daquelle Predio.
Dito Ao Commandante das Armas
com os requerimientos de Antonio Jos Ro-
drigues e Jos Vicente Neto para mandar
pagar-Ibes os vencimentos militaret, que
Ibes forera devidos.
Dito i Ao Administrador Fiscal das
Obras Publicas om a copia do Officio do
Exsn. Pnaidente da Provincia de i5 de
Janeiro p. p- para ficar na intelligei ca de
que em su cumprimento te deve abonar ao
Inspector Geral das Obras Publicas, da
mesma data ea diante, eem quanto nao
for mandado o contrario a grati6caco
mental de 60i reis por conta da consig-
narlo para as metmas obras.
ANNUNCIO.
Tendo-se no Edital de a5 do corrente
mez convidado aos Snrt. Negociantes Na-
cionaes e Estrangeiros que quizessem
saccar sobre a Tbesouraria de Fasenda da
Provincia do Ceai atea quantia de reis
4:oooUooo deve se entender queaThe-
zouraria de Fasenda desta Provincia he
quem pretende s.iccar sobre a do Cear ; e
por issoas Pessoas, que quiterem tomar
letras ate a referida quantia de 4:oooU reis
sobre a dita Tbesouraria do Cear quei-
r|o comparecer no dia, e bora marcada
n'aquelle Edital.
Secretaria da Thezourara da Fasenda
de Pernambuco 16 de Fevereiro de 1839.
Joaquim Francisco Bastos.
Oihcial Maior.
Diversas Reparticoens.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do num. 44*
ARSENAL DE MARINHA.
De ordem do Illm. Snr. Inspector do
Arsenal de Marinba se faz publico que no
dia 1. do prximo mez de Maico se com-
prar para fornecimento do mesmo Arse-
nal os gneros eguintes : arror 4"*" eras,
vinagre 4 pipas, feijo tufo alqueires ne-
vos, e Lirinha 448 alqueires dita medida.
Convida-se por tanto at petsoas que taes
gneros tverem a que compareci no mes-
mo Arsenal no indicab dia pelas 11 horas
da manhia munidas das competentes a-
moslras, afim de que se faca a compra avis-
ta dos precos menores que apretentarem
em carta feixada.
Inspeccio do Arsenal deMaiinha de
Pernambuco a5 de Fevereiro de 1839.
Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Secretario do Arsenal.
ARSENAL DE GUERRA.
O Arsenal de Guerra compra Asto de
Suecia Ferro da Soecia em barras dito
Inglez em Tergalhet, e Pedras de fogo
Inglesas.
Arsenal de Guerra a6 de Fevereiro de
1839.
Jos Carlos Teixeira.
Director.
OBRAS PUBLICAS.
O Administrador Fiscal das Obras Pu-
blicas aviza aos Snrt. Jote Francisco de
Faria Sales ; Manoel Gonsalves da Silva ;
Joze Machado Soares ; Manoel Corris Ma-
ciel ; Gonsalo Francisco Chavier Cavalcan-
ti Ucha ; e Joa Paulo de Andrade que
empreilarao avenda de madeirat para a di-
ta Reparlicio ; os si neo piimeirosSnrs. em
3o de Abril do anno p. p. e o ultimo no
primeiro de Junho d mesmo anno ; obri-
gando-se a dar dita madeira no prazo de
seis meses contados do dia em que assig-
nario o papel de tracto ; que tendo a mul-
to lempo Rodado o dito prazo de 6 meses ;
bajio de remeterse madeirat que tratarlo ,
as quaes se fazem de argente necessidade
para as Obras para que forio encomend.
das ; cuja falta Caz-te muito aprejuaicial
conlinuacio das mesmat Obras.
Amaro Francisco de Mours.
Administrador Fiscal.
Pela AdministracaS Fiscal dat Obras Pu-
blicas compra-se a madeira segainte : a sa-
ber l5 estelos de 48 a 5o palmos de com-
prd e 14 a 16 polegadas de face em qua-
dro de grosso : 3i lu'as de 46 palmos de
comprido; e 3i ditos de 3o palmos de com-
prido e ambos com la polegsdas de face em
quadro de grosso: 8 vasas de 46 palmos
de comprido, e 10 polegadas de face em
qnadro de groso : ss pessoa que a qoze-
1 em vender podem comparecerem na Salla
da dita Administrado todos os dias uteit ,
a horas do Expediente para tractar do seo
juste.
Amaro Francisco de Mours.
Administrador Fiscal.

aaa^a


vt

'"
'isj ww

1
2
Pililo DIPIIN1MBOQO
as>
u.
PREFEITCRA.
Parto do dia a4 da Fevereiro da i83g.
Illm. Exm. Snr. Forio presos boa
tem minha ordena e t vario deslino
John Guau b'anco inglt-x americano e
Ped^o prelo, escravo de Josa Antunes
Guimsraens pelo Sub-Prefeito da Fre-
guesia do Recita esle por ler dado huma
bofada em omcreoulo, e aquello re-
quizicao do respectivo Cnsul por des >b-
diencia seu Capit- de afio ; Bernar-
dino de Sena Lins paido e Ja6 d
Salva semi b'anco, peloSub Prefeitode
Fregue-ia de Snto Antonio este por ser
suspe i lo e aquella por ler sedun'do e
ocrultado no lugar do beeo da bomba urna
creoulinha escrava ; e Antonio Joaquina
do Azevedo branco. e Tbereza Alexan
drina de J-sus ', pelo Sub-Prefeito ds Fre-
guesia de S. Pedro Marty psU por sei
seductora d'escravos pra fugirem de caza
de eos senbores e aquelle requisica da
Primeira Va>a do Crime d'esta Cidade, por
estar denunciado em crime i na (Sansa ve I.
E' o que consa das partea boje recibi-
das neato Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitora da
Comarca do Recife *4 de Fevereiro de
1839. Illm. e Km. Sr- Francisco do Re
go 'Barros Presidente da Provincia
Francisco Antonio de S Brrelo Pre-
feito da Comarca.
Parle do dia a5.
Illm. e Em. Snr. Sou partecipar
V. Exc. que ftnio presea honlero a mi
nha ordem tivero boj* de>tino : Pedro
Alesandrino Ferreirsx, pardo Joio An-
tonio Branco e Jo--6 prelo escravo de
JoseCorreia pe. Sub-Prefeito da Fre-
gus la de Santo Antonio, o i., ea.
por se tren corrido e subido pelas escudas de
urna casa desconhecida para se occulurem
logo que avistarlo o dito Sub-Prefeito,
dando assim mctivo de suspeiU e o u ti
mo por ser fgido da Cumarca de Cimbres
onde mora aeu aenhor ; Narcizo Jos de
Santa Aona, Francisco da Concedi e
Margarida Severioa pretos pela a. pa
trulba do district. do Carmo 01.*, ea.
per serena desordeiros, ea ultima por ser
encontrada tarde da noite -, Francisco Jo-
aquina dos Passos pardo pelo Sub-Pre-
fel da Freguesia da Boa-vista por ter
reincidido em fallas de servico; e Ventura
tamb-ra prelo escravo pt-U Guarda da
Ribeia por ter parteado urna prela ;
e que nada mais consta das partes hoja re-
ceidas nesta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitora da
Comarca de Recife a5 de Kevereito de
18^9 &c.
Parte do dia 26.
illm. eExm. Snr. forio presos bon-
em a minha ord< m pelo Sub-Prefeito da
Fieguesia do R-cil'e, e liveiio buje desli
mo : Francisco e Jos pretos e escr-i
vos de Jos Pereita Grupo* em virtude
de um Mandado da 1. Vara d Juiso Cri-
minal d'esta Cidade por se acbarem cri
minosos; e uada mais consta das paites
boje rrcebidas nesta Secretar ia.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitora da
Comarca do Recife a ti de Fevereiro de
1839, &u
Commumcado
Estou boje de bom humor ; a noite
sombra e silenciosa provoca em mim al-
gumas reflexe sobre esta pobre Baha ;
receio rnuito be verd de cabir 10 de-,
agrado de alguem, mais que faser ? SuflV
carei em meu peito cousideraces, que nel-
le pullulio que se succedem um. aa ou
ta, pondo me no nais melanclica con-
templadlo ? Mi temos nos hberdde d'
piensa ? E se ella tem servido l boje, en
tre nos, de arena para descomposturas, pa-
ra Invectivas so nosto Imperador ao lie
gente, aos Ministros, aos bomens virluo-
a ,s, finalmente, sebe ella quem tem for-
u mente preparado as revoluies no notso
bilis, que ca tenho guardada ha annos
dentro do peito? Nada .' I Embora nlo le
nha eu o habito de eacrever 5 omito embn
ra me falleci os termos pomposos com
que*eatavia a eloquencia falle verdade,
que esta nio carece de eefeitea para ser
comprehendida e aplaudida, E*tou s.
com o meu candieiro meu tinleiro r
minha p-nna ; ninguem me pod respon-
der as perguntas que faco se nfo eu mes
no, e, na verdade, ellas saltlo da mi-
nha boca apenase ultima palavra da per
guata be pronunciada. Ora abi vai e
o leitor que perdoe a franquesa pois
nasci no tempo do rei velbo. com quin-
to nio foese elle o tempo da Liberd.de. d
civilisicio e das luxe*, nunca vi o que
tenho visto no occaso de minha.ida,
Qual he o paiz, (pergunto ea ) onde se
malta, se rouba, e incendaja redunndo-
se miseria tantas familias, e es reos de
taes crines sabem sollos e livres com honras
de her*8 ?
Na Baha.
Qual he o paiz, em que as leia garantin
do as vidas e as propriedade dos cidadios,
io estero brinco do aasassino, do lad'io,
e do malvado que dispoem do seus bens
e em ultimo caso lanpa fogo ao que nio
pode mais desfruclar ?
Na Baha.
Qual he o paiz em que o rebelde, o ho
mem que violn asleis e os juramentos
prestados para com a associscio m que vi-
ve, conspirando contra o' sen Imperador ,
matando sena compatriotas rindo-se da
miseria publica e por fim de cantas, com
alguna m.-ses de prisio sabe gordo, ne-
dio, S'heib, e empavesado, como que
insultando a quanto forio fiis aos seos
deveres expondo suas vidas e fortunas
liara denuhar urna faC(io anarchica e des-
organisadora ?
Na Babia ?
Que paiz ha, onde o rebelde boje sollo ,
a man ha va ser juiz do seu companheiro
em urna mesma revolucio ?
Na Babia.
Que pair. ha onde a virtude e a honra
de nada prestem, e so o malvado o Ira-
traficante de escravos o rusguento fvulgo
patriota ), o ladrio o aasassino ,0 incendi-
ario merecam as compaixoVa de todos
ponto de se chamar crueidade o eu cas-
tigo ?
Na Babia.
Que lucro ou vantagem ha de ser ami-
go da ordem, bom cidada em semelhsn-
le trra ?
Nenbum.
E o malvado, o rusguento, que vanta
gens tem I
Se surte bem seus planos, eil-o um h-
roe, um patnola, finalmente be elle a glo
ra da patria e esta Ihe deve ser grata,
dando-lhe por exemnlo, a presidencia da
repblica com muitos contos de res por
anuo, zumbaras, homenngens rufos de
taixas &c. &c &c. Seos planas falhaS, va
se ludo com o diabo arda o mundo
queime-se, e derrube-se o que be dos ou
los Cnunca odellet.) e viva quem venreu,
poique eu brevemente estou na ra paru
fser oulra toelhor.
E o bom cidada que paitido tem em tal
paiz?
Que partido? oh! excelente! Princi-
pia por nao ler quem o deferida, visto seiero
as aucloridades as primeiras em dar a gam-
bia : a tropa (no geral) ruim e ensinada a
ir para o campo a fim de deitar fora o seu
primeiro Imperador, aquella que untos
bens fez ao Brasil, que elevou miseraves
a cpula da grandesa he ella que se une
as veses a rebeldes a penas estes Ihe pro
mellem mais sold, emaior posto; feito
islo vamas a acta da regeneraco poltica
da patria e loca a fogueleara funeca
pobre do bom cidadaS, depois defeich-i
sus porta, e de observar bqaiaberto ,co
nao, e de que forma se roustilue hu-n po-
vo livre t arranja seus babus, e eil-o que
la vai para ondeeatao as aui0rida mamadas legitimas ( mais que o nio foram.
para ustent beldes) aaquasfa pena se pilh5 la fora
grilio lugo Vei.hlo meo amibos reu-
nam-se a mim,, e debellemoa o monsti'o da
anarqua, que nos quer engolir. O ho
mem honrado* e sempre fiel a huma palrix
Brasil., por que me nio le vira' ella tan- lio ingrato, e lio peijura paria que
bB de defabafo, para vomitar algumajtudo promet*, quaudo no pongo, mas ,
que falto com buma'creanca, la vai, coi-
tado .' eil-o de.arme a^hombro corre da-
qui, eseorrega d'acola', foge hnj, amanha
entra ens fogo, depois leva um tiro, la
vai um braco, una perna (qmniln n*5 Vai
para o ontro mundo) e sempre fi-l a sin
p-tri, depois de mil perigos de inauditas
calamidades, eil-o abi etrpiado cingindo
os loaros de huma victoria, somante glo-
riosa porsr obtida quai sempre sobren
roubo, o aasassino e ltimamente sobre
o incendio. Na6 se poupa meio algtim d*
comnromelter obim cidada; se elle d
um boi, algum carneiro para o expreito ,
erl-o na ordem do da ; se hrilhou em um
attaque viva o hroe, he um hom*m a
quem o governo deve um dia 1-nm.unerar.
e com taes palanfrorios, o pb*e diab-a,
que nunca pegou em arma, se qur pnv
cacar torna -se um Cari quer outro bravo Sossuarana e ootrrs .
vio-se desta para melhor vida, ficand s
mantea pobre viuva e os miseros orfios
com as honras do herosmo do seo eaposo
e do seo pai. D pois de tantas f.vl!g.9 de
tantos perigos; quar.d um tal cidado es-
pera ver punidos os arjthores de suas des-
grspas, eis se abre o codigs, e l di-
um, he crime civil I ontro, fa'iaS
proras, sou juiz de consciencia ahsnlro
o aecusado que he innocente. Este mar-
tyr sabe para a ra e diz comsigo mes
mo_ O-a que bom paiz he este-para se vi-
ver! Fizo diabo, mate, fsfolet, rou-
bei, queimei esta e aquella cass a boje
passo por ella muito tranquillo encaro p.
ra todos esses patelas que l foraS defender
a lega lid,.de, e aenio foase a prisii que aof-
fri, seria o mais feliz dos mortaes. O jo-
go nio he mo : arrisco muito pouco, e
os lucros r-io muito grandes : se o negici
f 'Sse de cima eu se- a presidente chefe
de reparlirio, juiz de direito, ele. ele .
e os oulroa hia para a ra como rus
guentos ; foi debaixo. o negocio e ais me
da novo no maoemprego, onde perjurai
j o Imperador e a Naci onde fiz quan
lo pude para ser trahidor a quem m da-
va o pi para com-r. Que bello nio ha o
ser rusguento! Juro, que me h de m?t
ter em quanta rusga houver n'esta Ierra e
n'alguma irei de cima. O p >bre porm.
que por l andou com risco da sua vida
(quea Constituido easleis garanten );
depois de entrar para a Cidade, e de var
por (erra sua casa, e queintados os seos
trastes ei-lo encolhido n'um canto sera
garantas sera recompensas, e mais infe-
liz que oulr'ora porque, ao menos, ni >
tinha os inimigosque hoje possu, e, a-
lem da pe da de seos b-ns corre o risco
de ser insult tes Hbsolvidos, que n'isso tena ra*io ,
po-queos-eos patricios julgan.5 nos bons
patriotas, bomens innocentes e livres de
culpa e mancha. E ser ato verdade ?
Cieio quesim : qual he pois o paiz em
que ludo isto se v em um s anuo ?
Na B.hia.
A* vista de lodo estearanzel que venlio
de escrever qual a conclusio a tirar ? Eu
mesmo arranco os meos cabellos mordo
me, arrepello ne, e, como nio tenho
outra vinganca no furor de minha justa
colera digo commgo mesmo !
M Iditas instiinic-'S .' Mas que 7 Ellas
siobos, seoshomens, em cujas mi isa
sorle do Brasil tvm parado at boje, nio
fossem os nicos aulhores das desgrapas da
minha Patria/ Esses cdigos, essas leis
io gabadas (nunca por mim) quem aa fez?
Que se uranca me dio eiias a aos outro
que nio vivem de rasgas? Que liberdade
he esta, onde s o malvado he protegido ,
e o hoacem bonr.
Chrislo nio disse quem ci>m ferro mato .
<> m ferro morre ? E entra nso assassino
nio he visitado, M por auihoridadej ?
Nio Ihe vio (fe>recer proteccio tantos ho
mena que s dizem de honra e amig >s da
patria ? Onde e*l a averio para o mal e
o# inleresse pt-lo bem? Quaes as honras que
recebeo o bom cidadio n'eate paiz? Eo
malvado se tem dinheiro, para qu"m se
fazem leis I beraes ? Infern^es aa chamo
eu, poique t no inferno, he que taes
cousrts se podem ver. D sgracas, anortes,
incendios, qu I o resillado? J se vio um
a homem soffrer oc aligo 'xernplar de
>eos altos crim*-s? E qu>- espera de ludo
isto ? Que haja paz. que a patria prospe-
ra, 4U0 o capitoas aflua para as empre-
sas industria ese mareanlis ; que baja con'
fianc< as leis e no governo? Que al-
gum se arrisque mais po t.| pa|i a ? A,je
haja mais defensor s r l** e do justo
n'um paiz onde aquella t protege mal-
vados e onde a idea do justo anda por ora
cem leguas da distancia? Or pois! bas-
ta da jeremiada a la vira o da em que
choramos todos sem ra O tohe grande para me dar vida e s por alguna annos, a fim de ver o fim da
tragedia cujos principies aulhores bem
sei quaes ellas sao.
Vale.
O L.vrsdor do Reconcivo.
. Correio Mercantil da Bthia.J
Correspondencia.
Sen horas Redactores. Como li no seo
Diario de 26 do correte hum art'g > com o
titnl > Resenha do estado e mov intentos
da Europa no qual se (firma que a esqua.
dra Franreza destinada ao Moque i o dos
portos Mexicanos continua a etar vista
da Vera C'Uz ; e'que ainda qu o commaa.
danta tinha ameacado atacar o castelio da
S. Joio de Uloa mais bem informado ,
su penden esta resolucio al ch-gada^do
contra almirante Baudin com novas for-
cas etc. etc. ; tenho a inlo mar aos S Redactores que essa Castelio de S. Joio de
Ulna, guarnecido com 170 pecas, e que
os Mexicanos reputava incouquisiavel fui
tomado, e destru do segundo constadas
gazetas Inglezaa de ia de Janeiro prximo
pretrito >n 5 horas por duas b >fflbar-
deiras e 3 Fragatas F quaes era commandada pelo Priocipe do
Joinville filho de L iiz Filippe ficand o
os Franceses igualmente senbores de Vera-
Cruz etc. Os I11gler.es fazem grande*, elo-
gios bravura dos Franceses e especial*
manta ao bem derigido da sua arlilheria ;
por lano cahira em 5 horas essas fanfarro-
nadas Heapanbolas. Queira os Srs. Re
dadores fazar o obsequio da transcrever es-
tas liniias no seu acreditado Diario para
desengao do publico no que muito obri-
gara a
Hum que leu as gazetas Inglezas.
Variedades..
O Trabalbo, e os Capitae*.
A' proporcio que le for dilatando a ini-
truccio pelas classes inferiores da socieda-
da, o povo se ira' desabusando das falsas
idess que prevalecem entre os operarios,
de que o trabalbo manual he a nica fon-
te da riquesa ; de que elle nio he ade-
quadamente remunerado por combinaco
dos ricos contra os pob es de que o ira-
balho mental nio he valioso; de que a pros
peridada ou riquesa nio deve ser trans-
mitida n m accumnlada ; de que o tirar in-
leresse, ou juro do dinheiro emprestado,
ou do capital empregado be injuslica >
a outras semelhantes Convem que o povo
rod, a quem taes falacias illudem como
verdades conheca que a institoicio ds
sociedade poltica demana da proteccio con
cedida propriedade e que tal sempre
tem sido, e continua a ser o seu principal
fim ; que a ignaldade que apparece boje
viria torosamente a ser desigualdade a-
manbi ; que o trab.lho nio feria appiica-
ci, nern se poderia em movimento tt
nio fossem os meios da liquesa ou oque
ha o mesmo, os espitaes ; donde o traba-
lbo venta ser o resultado do emprego dos
capitaes ; que os ricos sio 1*5 necessanos
aoi> pobica, como estes aos ricos, d->ode
se v que ludo na vida aoci.d he reciproci-
dade ; que nio he injuslica dar aos illu>te*
pintores Rafael ou Ticiano, maiorese-
tipendios do que aos mocos que nn-em as
t-ntas. James W-t, que fez a app agio
di vaporas machinas, foi mais til a so-
ciedade e mais digno de apreco, do que
quinhentos mil bomens ordinarios Sea
classe trabalhadora persistisse em lio ne.ci-
os pensamentos justamente criaiia inimigo
naquelles que alias sero seus amigos ra-
ma vea e uteis
en
gana
r-se-ha mullo
im ginando que a riquesa nio tem meios,
neo dehbeaco para defender a a pfor
_-.
^ -


J
MAIIODE MtNAMiC^
> *

1
pri>dde dos ataque di injustic, o da ig-
norancia. F '
O que Din bom -governo pode faaer he
proporcionar a todos os naeios de adequii
rirem conheermentos uteis e ni*) por
obstculos O progresso da industria do
tiento. > -
QJ estimlo podera' haver para a in-
dustria e frngahdade ae o homem fo>
privado de legar o s<"ts lacres, e prono -
mias abe familia ? Que regulado de aa
lirios onMii-ndi.ts po'lm' estabelecer
se, sp nlo for o voluntario contracto en-
tre qii'-nt pertenee a*r aervido, e qupm
quer servir, apja quai for a natfiresa do
trabslhn? Ja se v que as propiedades ne-
cetsariamertte se a curaulao e qne i u
ga'ldade hp tfo quimrica romo a das
fisionomas ; qup o trabalho he un gene-
ro de permutado e q*te o tea preco ,
como de lodo niai* he reculado pela
competido de merecimento pela necessi
dade da sna applicaclo, epor outras cir
cunstancias.
Ansiares, e os inevtaves incidente
da tociedade teem promovido desigual -
dade que tamben sio inevitaveis. He
necessario que cada do de nos. em nos-
sas relativas posicoes, tranqnilidade se
suhraetta ao que nao pode evitar. Neo os
pobrps ficariao felises por ae apossarem dos
bens dos ricos; porque aa mesmas dis-
putas que exilio antes da inrasio das
propredadea, sauctariio na partllia do
despojo; e entio, ou a desigualdade da
q Helias ae renovara 011 a guerra seria
oontinua. Por tanto a ideia da primitiva
repblica francesa foi nna sonho engao-
so e prejudicial. He nessa profunda
convinccio que semelhante tentativa ne-
nbum esforco, nenhuma unifo. por ma-
is formidavel que teja podera' levar o
cabo.
Alguna advogados da divisan da propri-
edade acons Ihio que, por morte de qusl-
quer membro da sociedade seja abolido o
direito exclusivo da viuva e dos filhos.
e se reparta a herancs por -todos os outros
membroa da sociedad* adulta No Kp
tamo eos afirmar que se tal distribui-
do se ffeituasse dentro em pouco cessarif o
de haver propridade para destribuir.
( Extrado das lic5e$ de economa polti-
ca de Gooper).
(Correio Mercantil).
VIRTUDE.
Perguntava-se aocavalhpiro Bayard que
beosdeveiia um pai deixar a seus filhos.
A vrtude e a sabedora responda el
, le ; rique/ss estas de um preco inestima-
vel; pois ellas nlo ternera nem a cbuva ,
nera o vento nem a tempestada, nema
Viol-nci dos h imens.
O Sulin Mabmoud era mu feo. Um
da seo ptimeiro Visir, tendo notado, que
este principe eslava melanclico, toraou a
liberdadede Ihe perguntar a causa. Sem
pie lenho envido diser respondeo Ihe o
monarcba que a vista do principe deve
alegisr o corado da seos vassallos ; mas o
meo rosto lio feio que temo Ihes nao
"Cause um efifeito contrario. Senhor, tor-
nou Ihe o ministro, a excellencia do ho
mam nu consiste na for momia do rosto :
ulude e as qualdades do espirito sio
* verddeira fon le. d.. bellesa. Entra vos-
sos vassalos apenas baver um sobre mil,
que veja a configurado do voaso rosto;
mas rosaos costura s, e vos-as virtudes sfo
por iodos examinados; por ellas que <5s
devere s ganhar os s< us coraces e vil* a
r o objecto de seu amor.
Em uidi conferencia, pratcada entre
Pu'losophos Gregos e Indios em presenca
" ^bosroes re da Persia, pcrguntou se.
u*l era t neste mundo a cousa tois des-
'davel. Um pblosopho GVego dsse ,
<|Ue era ama avaacada velhice unida
Uma extima pobreta. Um ludio opinou ,
<]Ue era a doenca do carpo, accompanhada
oastffli e5^s do esp rilo. Segundo a
"liba opiniao, dix o Visir Buzurgemibir,
penao, que 0 maior de todos os males que
pode o hornera experimentar neste mundo .
e dp ?er-se j mu prximo ao ultimo
termo da aoa vid< aera ter praticado vir-
tuda alguma. L'maacciamacio geral pro-
vou a Tardado dU opioo.
(Tradusido.)

lotera do seminario.
*
O Reitor do Seminario Episcopal d O-
lindafaz acjenta aoa amantes da Lotera ,
que as rodas da Lotera concedida a favor
Ha init' ucci-i dos Saludantes pobres andaS
impretervelmente .*m o dia rg de Mar?e
no Consistorio da Jgreja da Nosa Senhora
do Rosario.
THEATRO PARTICULAR.
O Empresario parteepa aos ll'ustres So-
co que sabbado a de Marco ten) a honra
He presentar a Snciedide a Peca_Smta
Engracia com ootra nova vista de Glo-
'a_eaFarca Si Martinho exnrcsta _
Huma pessoa vai pela prmeira vex repre
sentar neste Theatro em raalo da ser par-
ticular; o muito desoja agradar a Socieda
de.
A--------
COSMORAMA.
( i |
Mudanea do Vistas.
D*de sabbado passado que existen na
expoaico as vista seguintes, que ser5
impretervelmente mudadas no da sabba
do 1 da Marco ; a saber: Vista do Palacio
de Aranjuezem Hespanha... Combate Na
val da Niviino entre e froto Turca
aa frotas Christans combinadas, v ae hu-
ma nn da frota combioada conbatendo
contra doas naos Turras dasquaes huma
eslrf nteramente desalvorada, outras a pi-
que. V-se as tripolacoes procurando a
sal vaco em cima das ruina* fjuctuantes dos
seos navios espedacados... Vista a mais pit-
toreica e mais romntica a encant dora de
huv dos mais lindos val da 8viata.it
Magnifico palacio, e jardim do Luxembur-
go em "rz... a. m admravri viata da
Cidade de Lisboa milito superior a da ni
timaexposicio... Vista da Cidada deCa
dix tomada da porte da trra firme, v
seoLlhrno, que liga esta>praca ao conti
nenie Hespanhol... Vista da Cidade e por
to de Ma i sel ha em Franca centro do
commerco do Levante... Vista de alguna
monumentos celebre da Toscana em Ita-
lia. Vista da oraca do grfo theatro de
Bruxellas capital da Blgica... Vfsts mages
tosa do palacio, o jardim da Tuillr as
em Par; residencia dos Monarcas Fran-
ceses... Vista do antigo e ateto arruinado
templo de S Vandl em Normandia, Fran-
ca... Vista da grande e magnfica praca de
S. Marcos em Venezia; Italia*
Os Srs. assignantes sio avisado que
cada hum delles pelo importe da sua nica
subscripcia tem a liberdade de tratar
comsigo.a sua Senhora sera pagar mais
segunda ubscripcio. Avisa se tmbemeos
qup anda quiaarem tubscrever, que vis-
ta que \i for*5 expostas, o serlo de novo
no fim a fim.de que cda bum possa go
xar do espectculo completo. As horas sio
Spmpre de 6 as 9 Ha tarde. O preco da en-
trada hedei\>.io rs., e da tubscripcio
para o total de G'ooo res.

Avisos Diversos.

_ Na noite do dia Domingo i\ do
corrente mez no lugar de desembarque n
Ponte da Magdalena e prximo a ca do
Sr. Joaquim Jos* de Oliveira desencami-
nhou-se de uro canoa do Sr. Jos Francis-
ca Ferreira Callo, urna trouxa de roupa
que vinha da lavadeira contendo aa e-
guintes pecas : Y)-i ramizas de hornero de
m-dapol o, epaninho, desoito calpa de
brim trancado duas selouras de pall ati-
lda de linho duas camisas de Senhora de
esguiio fino seis ditas de pallatitha de li-
nho finas e destas urna de lavarnto I com bico um vestido de cambraia com lar-
gos b*bados por b.iixo, e bico de linho nos
lalbos epunhos tm dito de paninho fino
om bico largo, um dito de cambraia bor-
dada j uzado, um dito de casa de lista
axuea tres ditos de chita tres carnizas de
menina de paninho com bicos, urna dita
de esguiio, tres ditas da brefsnha.rl* li-
nho nm vestido da menirra d cambraia
de florea n?a dito d cambraia lisa qaa
tro ditaa de chita vinte duas camisas de
madapolo qaatnrse calainhas de'brim
trancado duas ditas d rfuadros do cor
parda, quatro toalha de atft*dlornho d
mex, ama dita de mo de brim fino om
franja as extremidades, don lancee d
Igodinzinbo um dito do dito trancado j
velho setp ditos de brim novo, om din
de platilhad linho fira om habidos de
cassa duas fronhas pequeas de paninho
combabados He cassa, doas coberMs d"
cassa de arrmca'o de cama sendo ama de
cassa de cordio *m quad>-oa, e ontra- de
riscado de cassa rouxa om tanto deabntada *
urna dita de chita j4 velha cinoSjAnc^s
braneos, quatorze dito* de tabaco cinco
pares de meias cartas finas seta ditos d
ditas comnridas e desfes tres pare aber
to|, dous lencos de lnlio duas toacas
de cambraia, duas cintas de brim um
pao grande de esloupa, ou g'osssria ,
duas najas de chita, dous cabec5s de al -
godlozinho e trex- barretes de meia de al
godo. H j certeza de que a trouxa con-
tendo as pecas cima foi fuad e ha
indicios vehementes de quera foss'eola-
drlo toJavia roga-se a quem souber ond
existe todo ou parte deste furto, que tenha
a b ndalp de avisar ai abaixo assfrntdo, o
qu^l mora nO pateo do C-rmo D. 11 *"
promrtte recompensar generotadente a
quem tal noticia Ihe transmtlir
Recife a5 de Fevereiro de 1839^
Jos Xavier Faustino Ramos.
Precisa -se de um sitio qne tenha boss
terras.de plantarles. e bons arvoredos .
que nlo seje longe da Praca : quem quizer
arrendar derija se a ma da Alegra cazada
viuva de J0I9 Ba-ptiste Branco.
_ No dia s3 do corrente pelas oito ho-
ra da noite desapareceo hum garrete do si-
tio grande da Trempe do Snr. Hirculano
A Ivas da Silva tendo os signaes Seguin-
tes : cor castanho furado nao pohtas dos
chifres, huma parte d homo ofalha cor-
tada outra anu hum taco tirado, com hu-
ma belide n'um olho por cima da coixa di-
reita o ferro he hum qo-dro aborto1, por
cima na parte para a curva fax huma fo<-qu
Iha e para a frente huma cruz: quem
delle tiver noticia o poder levar ao dito
sitio que ser bem recompensado.
fm A pessoa que pereisa de boma pe-
aoa para ens-nar a noite a coo'ar a hum
menino; dirija -se a esta Typ. para sg Ihe
dizer quen a isso se prOpaom.
_ O Procarador da Cmara Munioipal
encarregado daaffericio deate Municipio,
avisa que no presente mez de Fevereiro
finda-se a meama aff^ricio.
_ A pessoa que anouhciou querer ven-
der urna escrava com boas habelidades di
rija-se a roa Direita D. ao.
Huma mulher branca de 4o aonos
propoem-se a aer aras dp casa ,- a qual lava
engoma caznba e fax todo o servido de
casa : quem a pretender dirija se a roa da
Lapa primriio sobado dolado esquerdo
viudo da ra da Madre de Dos segundo
andar.
_ Quem tiver huma negra que saiba
vender Tssendas na ra n a quera alugar ,
recebando 7 >o rs. por di dirija se a lu-
ja de chapeos na praca da Independencia
Ns. a8 e 59
_ Arreuda-se hum Vinculo de trras
lavradi's e de creaclo na llha de S. Mi-
eoel no pateo da Migd*!**na, -to da viij-
va D. Catharina.
_- Precisa-se de um offical de tanoero,
que seja perito e que tenha boa conducta,
para trab'lhar em huma tenda : quem esti-
ver nest-s circunstancias dirija-so roa das
Croxes D n.
Quem afir.nL-uu no Di'-ro de Sabs
hado ii do cornte querer tomar a juro-
ao'i'ooo com bypoihec em urna casi ivr,
dirija se a roa do Queimado loja D. 13.
Compr5 se quartaos de carga nlo
sendo velhos ssm como esersvo postan -
tes para iervico iuHa sendo vicioso; e
tambera precisa-se de hum cfficial de tan
eiro para ir tmbalhar no mato poia d se
Ihe os utenrilios necessario : na caza do
t Samico no Pateo da matriz de Santo
Antonio
Quem tiver para alugar algum so-
brado ou mesmo um andar sendo as
priacipaes ras da S. Antonio : annaocie
ou dirija se a ra do Queimado loja D..^*'
_ Hum Brastlero casado.de boa coo-
dktrta ci^i!,. e mors! e btn: cor.hec;do
oe,si Praca propoem-se a ensnar fora
rfeila as p.rinieras lettrss, Arlhmetca ,
e.Graromalica Portuguesa, o juntamente
sna Senhora ensinar a ler escrever 0
contar coser, e bordar pois j ambos
tem exenitado este magisterio : s pessoa
3ue precisar de seu prest i mo dirija-se a ra
o Araglo no primeiro andar do sobrado
D. 4 que se dii quem he essa pessoa.
_ Preciss se allugar alguna officiaes
de pedreiro, e carpna; c?mpra5-se al-
^u,e* esetavos de 18 a ao annos para serri- .
* de hura engenho perto da praca ; o
igiiilmente se carece de bum Capellao para
este, engenho <" obrgacio de ensinar
Grammatica aos filhos do Senhor do enge-
nho cuja capelania he de seiscentos mil
res annuaes : defronto do Corpo Santo
D. 3.
Derapareceo da Praia junto a Serrara
doCardial d ut paos de Louro, cooi 3o
palmos de comprido c >m as marcas se-
guintes : I S MS quem (lolle tiver no-
ticia os podera'entregar na mesms Serra-
ra, que era' gratificado do seu trabalho.
Na mesma cima ha para vende-r x4 cai-
xss par* anear assocar feta de amalello
e peloprfco de 7,000 rs, cada huma. As- -s,^
sim om terreno coa.,99 Pl'"o de frente /
e 3oo de comprido, comalgiimas bemfeito- >
ras cito na ra da Praia na frente da Rio .Al
beira do peixe. W\
Hum homem que possue ora quarto
e cinc escravoa,, deseja ser admioistrador
de citio 00 fasenda, quem do sea prestimo
precisar, dirija-se,a ra doRjsauo ven-
da de Manoel Pereira Leaos, para tratar
do ajuste. ,,
. A pessoa que pardeo 3 chaves peaue-
nas em urna corrente de prata : dirija-so
a roa do Ligamento no segundo andar da
esa D. 11 ao p da B tica do Snr. Cbagas
para se Ibe restituir. .
_ Quem precisar urna ama para casa do
poocs familia ou mesmo pira um homem
aolteiro.; porem que seja de portas adn*
tro : dirija-se a ra Direita ao.
Quem precisar de urna mulher par-
da capas para ama de ama casa, sendo
de Estudante : quem pertender dirija-se a
Ladeira de S. Pedro casa numero ao.
Precisa e de urna pessoa que quer
oceupar se em r coa pretos vender fasen-
das: na Praca da Indepencia loja da ch-
peos numero a8 e ig.
mm O Snr. Jos Cainiro de Albuqaer-
que Maranhlo, quera por favor anuen-
cia r sua morada que se Ihe quer falar a ne-
gocio de seu interesse.
_ joaojiario de Barros, arrematante
das Afiricoens e Revisad dos pesos, e me-
didas do Municipio de Olinda torna avisar
nutra vez aoa moradores da Cidade Be-
beribe Paulista Fragoso Praia do Rio
Doce, e Mana Farinha que venhs5 afiric
seas pesos medidas Vara Covados ,
e marcos : no Varadoro; al o ultimo des-
te mez de Fevereiro, pois principiad as cor-
ridas no principio de Marco e psra que
ch-gu a noticia de todos e nao se chamem
a ignorancia manda faser preseote annun-
cjo.
' Aluga-se aa sitio na estrada de S.
Jos do Manguinho ao p do sitio que fice
defronte da dita Igreja : quem pertender
dirija-se ao Forte do Mallos Pree de al-
goda numero 35 evende-se ama car-
ros;*. cAin todos eos arreic? }?' ensiso o
conduccoens com cavado.
Agurna senhora professora de pian-
no, q' qu ira vir dar licoea de naoiica e pi<
anno, aalgumas meninas em aua casas,
pode dirigir-sea rus da Cruz numero 39,
on annuuciar a sua moradia psia ser pro-
curado .
Bernardo Fernandes Gama, vende os
terrenos que fica por d tr>z d casss da
iua da Santa Cr s, os propriaUnos de di-
tas casa que qurem dar toaior exienca
a seu quintaes: annuncem saas mora-
dia.
Arrenda-se das Ohrias na ponte de U-
xoa oom barro dentro e duas canoas, ha*
ma de 800 tijollos ootra de /po, e tara-
se vende ao mesmo que arrendar maisde
aoa carros de lenha de mata e tres qnartaos
do irfico da Olaria ; quem a pretender
dirija-se a roa Direila D. 36 para tratar do
do ajuste.


>*
el
DIARIO
i ii
W pfcRNAMBDCO
L
y
_ D-se 4oo,ooo a premio com firmas
acontento: neiU Typografia se dii.
_ Por detrac da Matriz de S. Antonio
no primeiro andar do sobrado que 6ca per-
to do Quarlel do Corpo de Pohcia, ba urna
Senbora que faz vestidos de todas ai fazeu-
dat, e gosto moderno; ataim como lam-
ben faz chapeos de teda, e por preco com-
modo.
_ Quem annunciou querer vender
urna loj* de fazendas na ra do Queimado,
aonuncie ana morada.
__ Troca-se por preco commodo orna
Imagem do Sr. Bom Jeaui dos Passos, per-
l'eita a com todos os seos pertences: oa
ra Direita sobrado defronle do beco da
Penha O 9.
_ Arrenda se nm sobrado de dois anda-
res a solio sito na ra do Rangel D. 30 ,
a quem se quiser propr a fazer o conserto
que o mesmo precisa para descontar no
rrendamenlo : os preteudentes dinjio se
ao Manguinho depois da estrada da capun-
ga segundo sitio contiguo a igreja de S.
3o. :
_ No engenho Itapirema, precisa-se
de uffl bom fetor portugus ou ilbeo : a
tratar no mesmo engenho ou nesla praca
oa ra do Livrameuto em casa de Francis-
co Xavier Martina Bastos.
_ Quem perdeo utn alfinete de peito ,
diriie-a a ra da Cruz armasem n. 33 ,
que dando os aigoaes [he ser entregue.
_. Alnga-se um moleque que coznba o
diario de urna casa ; quem o precisar di
r.ia-teei*TyP6r- .
__ Quem quiser mandar fazer vestidos
ricos de Seuboras de todas as qualidades ,
a moderna caifas, e barretinas, din
ja-se ao beco do Padre L). fj em casa de
Madame Cecilia.
Da-se 100} a premio sobre pinfaores
de ouro: na ra Direita loja de couros De -
cima 18.
_ Precisa-ae deum leitor para nm si-
tio perlo ds praca e prelere-se a algum
que trabalhe, e que eulenda de plantas :
na repatlicio da Saude em lora de ports.
_ Quem precisar da um rapaz biatilei-
ro de iuade de ;6 annos para caueiro de
loia, armasem ou botica dmja-se a es-
ta Irpografia.
Precisa-** alugar urna asa terrea ,
oa sobrado que tenb* 4 quartos cozinha
fora e quintal com cacimba, e que seu
aluguel nioexceda de loa la milrs. men-
sae : nesla Typogmfia.
_ O Secretario da Sociedade Luterp
na"convida os Srs. Socios da mesma para
asssiterem a seasio exiraordinaiia boje 27
do crrente.
suma de grande diversidade de fazendas de
l Imho, e algodo, na quarta feira
.7 do corrente pelas 10 horas da aaanhi,
00 sea armasem da raa da Cruz D. 44-
O Leiloanou ciado para o dia *5 ,
dos pertences da Escuna Americana Sailors
Return naufragada no Rio Grande do or-
te ficou transferido para Quinta feira a8
do corrente no caes
11 horas da manbi.
da alfandega as
Compras
_ Escravos ladinos de 15 a 3o anuos de
dada, com oficio de pedreiro carpa*
e sem etles anudo d- agradavel 6gura ,
para o servico de eugenbo : atrai da Ma-
triz da Ha vista segunda casa, a fallar com
Manoel Elias de Moura de manhf aleas
9 horas, e das duas horas da tarde endi -
ante. < a
Vendas
Avisos Martimos
PABA A BAHA a Escuna Bom Jess de
Camaragibe de primeira viagem ; quem
quiser carregar dinja-se a Manoel Joa-
quina Pereira da Costa na ra ds Cadeia
n. i.
FRETA SE o Hiate S. Sesbatiio Mes-
Ire Joaquim da Costa para Macei Pa
rahiba al Aracaty oa outra qualqaer
parte, os pretendemes podem dingir-se
a casa de Manoel Jos Gousalves Braga, jan
to ao arco de S- Antonio.
PARA RIO DE JANEIRO o Brigue
Constante, forrado de cobre e de ba
maicha asahir com muila brevidade por
ter a maior parle de sua carga prompla ;
qaem quiser carregar ou hir de passagem ,
para o que lem ezcellenles commodos di-
rija-ae a Machado & Santos no forte do
mallos ou ao Capilio Manoel Marciano
Fer reir.
PARAMARSELHA, Livorne, Geno
va, ou oulio qualquer porlo do .VJediterra-
uru a perioa Polaca Espanhola Ejpersn-
9* Cap. D. Raimuodo Malta ; quem qui-
aer carregar, dinja-se a os consiguatanos
Me. Ulmonl & Compaubia.
Lcillo
p. Que azem Alexandre Me. Ksy &
Compauiia por va do Coi retor Pliveira,
de um excellenle lortimenlJ de psninhos ,
inadapoles cassas, chitas e palatilhss
de todas as qoalidades e bom gosto e em
. Hum rico Oratorio comeado algumas
lmagens, e por proco muito commodo
quem o pe> tender derija se a ra dos
curraes D. 4-
Urna negrinha de naci angola, de
dado de la a i3 anuos : na ra do Colle-
gio no segundo andar do sobrsdo D. i 1 do
lado di) mar.
_ a propriedades de cas" terreas : a
primeira na ra da Alegra, bastante gran-
de moderna assoalhada, forrada, com
solios irepeiia na frente com varanda de
ferro a segunda no corlume dos Coelhos ,
junto a olana de M'guelCarnero da Ca-
oba edificad* a moderna de oildei do-
blados com grande quintal que vai at
urna camboa que lem no fi-m d.. dito, e tem
um tercena ao lado para edeficar-se outra
grande asa ; a terceira na solidada junto
ao sobrado da viuva do carpioleiro Marlins
com um grande quintal e com arvores
fructferas cacimba, com terreno a mura
do na frente que se pode ediGcar duas
grandes casas : a tratar no primeiro andar
do 1. sobrado passando a Igreja dos Mar-
tirios.
_ Urna loja na ra nova D. 11 : a tra-
tar na mesma ra D ai.
Animalmente capimde planta a aoo
rs arroba, posto a porta do I reguez; quem
quiser anuuncie.
__ Urna negra de naci de >4 annos
de idade robu la e -ddigenle para lodo o
servico cozinha o diario de urna casa ao
comprador se dir o motivo : na ra do
Rangel no primeiro andar do sobrado da
quina do beco do Liceo.
_ Musirs ltimamente chegadas do
Rio de Janeiro para pianno forte dos
melhoras sulhores : como Rossni, Bolioe,
Pacini e Mercadanli, ludo por preco
commodo : na ra larga do 'Rosario loja
de miudezas D 7.
Um relogio de ouro p de repeticio
por preco commodo : nesla Typogrfia.
Seis pretos ladinos para todo o serv
co, e urna preta creoula boa lavadeira ,
costureira eengommadeira e para todo
o servico de campo : na ruado Vigaro n
15 no piimeiro andar a fallar com Ignacio
Antonio Borges.
fm Um cavallo bom carregador baixo .*
na roa das Cruzes D. 9.
__ Um berco de conduru' novo e de
bom gosto com seus cortinado* decassa ,
que anda nio forio servidos : na roa do
Nogueira n. 710 ao pede um sobrado de
dois andares*
_ Um sobrado de dois andares e solio,
com bom quintal e cacimba, sito na Ira-
vessa de S. Jos : tratar na ra do Cul-
legio D. 3.
_ Urna negrinha de naci Rengnella ,
de idade pouco mais < lem boa figura cozinha o diario de urna
casa muilo hbil para todo o servico de
urna casa e principalmente de porta den-
tro : na taapor detrs dos Martirios De-
cima 29.
Rap princesa de Lisboa em libras e
as "itaas a 4o rs., dito areia prtta da Ba-
ha dito de Pernambuco dito imperial,
rolio fiancez engarrafas de libra, cha isson
de primeira sorte dito parola, dito im-
perial bicoi finos largos e eslreitos ren-
das largas e estreitas, ditos das mesmas
largura mais ordinarios para enfeitas de
vestidos ricas fitas de goarnicio de bom
rosto ditas mais estrellas nenies de tar-
taruga para marrafaa estojos de duas ns-
valhas tisourinhas para unha. ludo fino
e ingles pentes fines de msrfim, dilos de
slisar finos de balheia eseovas para den-
tes ditaspara roupa e cbelo caixinhas
de jogo de lotera chamado vspora tinta
fina de escrever preta e encarnada bo-
tes de vidro para coleta, estrelas e globos
para officiaes de G. N. e inferiores, lira
fogo de varias qu.lidades e urna das qua-
es nunca visto aqu peonas deescrever a
aoo o quarteirio as verdadeiras pilulas de
familia eofrascos de 5o e loo com o seu
competente folbeto, superiores bichas che-
gadas ltimamente tudo se vende a preco
barato : na praca da Independencia D. ao,
a n < ra dos Quarteis D.-3.
Bolins de Lisboa meios ditos sa
patos a botoados de bom bezerro sapato,
de duraque para Senhora a meninos, di-
tos decordavio ditos de duraque setim,
e marroquim irancezes botinzinhos e sa-
patinhos para meninos, chinelas para ho-
rnera sapalos de bezerro francs de sola
finaegrossa, chapeo do Chile de todas as
qualidades e bichas de boa qualidade ,
tudo a preco commodo; na prac da Inde-
pendencia n. 7, e 8.
Superiores chapeos de massa pretos,
ditos de castor branco o pretos, da ulti-
ma moda ditos elsticos bichas grandes
de Lisboa ; e na mesma se coosertio e pe
se a moda chapeos de castor e de massa ,
ludo por preco mdico ; assim como se
iniormio chapeos do Chile: na fabrica jun-
to a cadeia.
Escravos Fgidos
Fugo no dia a de Fevereiro urna
preta de noma Francisca naci costa
idade de 18 annos alta secca macans
do rosto altas he giga, e tem a nema di-
reita zambra quando anda esta negra fot
de Macei, e loi comprada ao 1. Teen
le Adelo Lopes de S. Anna como se-
ja provsvel qde para esse lado ( de Macei)
tuln dirigido sua fuga, rogs-seas Auiho
ridades a quem competir a fiscaiisacio po
licial a este respailo qui alendando a os
sign es que se dio da ti da escrava a fac*
aprehender e temetlio para a Cidsde do
Recife a Joi'i Bsptsta de S morador na
ra de Agoas v* des sobrado D. 3 que
satisfar as desperas da apprehencio ou
unificara a qualquer particular qne desem-
penharesta commissio.
Roga se encarecidamente a todas ss
authoridades tanto policises como civis e
militares assim como espilles de campo e
de navios e pesioss peliculares que vi-
rem um esersvo que desaparejo no dia 10
de Fevereiro, andando carregando arein
da ribeira para a roa Direita com os si-
gnaes seguiotes : naci cambinda aind
um tanto bocal apesar de estar aqui
a lempos alto do corpo e direito del
gado e bem preto ja com alguna cabel-
los braacos 00 alto da cabeca que muito mal
se percebe, tem ambos os ps enchados qae
parece ser grossos de naturess e de nome
Paulo ; quem o pegtr leve a mesma ra ha
padaris D. 13 que ser generosamente
gratificado.
No dia 9 de Fevereiro de i838 fu-
gio um escravo de nome Francisco e as
vezes muda o nome para Elesbio, de naci
cabund cara redonda olhospequeos ,
de idade de ao a aa annos a (atura regu
lar cheio do corpo bem prelo ps pe
quenos : no dia 37 de Abril do mesmo an
no fugirSc 2 esclavos um ds nome Anasla
ci de naci congo, idade de ao a aa
annos, si.tura regular, no he mullo
prelo cara redonda olhos vermelhos ,
e quindo fugio levou urna ferida na perna
esquerda ; e o oulro de nome Antonio,
creoulo de idade de aa annos baixo e
bem reforcado, muito preto olhos ver-
melboi, cara redunda e becos grossos 5
e no dia 7 de Janeiro do correlo auno fu-
gio um escravo de uome Antonio e as ve-
res muda o nome para macaco, naci con
go de idade de a4 a 26 annos bem pre
to baixo 1 reficdo ; olhos vermelhos ,
e qnsndo est em p tem as pernas bastan"
tes volteadas para Iras } quem os pegar la"
ve-os a ra nova sobrado que tem armasem
de capim a fallar com Luis Pires Ferre|*
ra que ser bem recompensado.
No da 2a do corrente fugio a Pedro
Jos Cardoso urna negra maior de 3o ao*
nos cor fulls tem urna grande falta da
cabellos a configuraoio de urna mei la ,
oa cabeca pelo que tras sempre a cabeca
tada tem urna scalriz no. rosto no lado
esquerdo junto ao nariz he bastante ladi-
na bebe cachasss e cachimbo, caja oe-
Sra foi comprada no dia 5 do corrente a
os Fernandes Lima; quem a levar a casa
dosnnunciante, sera* bem recompensado.
No dia ao de Janeiro do corrente fu-
guio um negro de naci S. Thom da
nome Manoel baixo grosso do corpo ,
bracos curtos cabellos uos peitos e as
pernas cabeca grande cara larga ; den-
les bem alvos tem no lornozelo esquerdo
urna costara procedida de urna ferida que
leve levou vestido calsa de estopa, e ca-
misa de algodo de mangas curtas, e um
cobertor de papa ; quem o pegar leve a ca-
sa de Joaquim de Souza Piolo no Recife
que recebla 60,000 de gratifica cao.
__ Em a uoite de la de Jaoeiro do cor-
rente auno fugio um moleque de nome
Luiz de nacao cacange ladino repre-
sente ter 18 annos de idade tem um gran-
de talho no alto da beca de carregar peso,
nerichalo, alguma couza fullo olhos e
orelhas 'pequeuas queixo curio, becos
grossos um denle da fenle partido, e
una marca de lalho entre os peitoa quaa-
do auda fgido muda o nome, e pegado
nao diz quem he aeo Sr. ; qurm o pegar
leve a ra Direita D. 11 no primeiro andar
por cima da botica de Ignacio Neri, qae
ser gratificado.
_ Rogrt-se aos Srs. Sub-prefeitos dests
e mais comaicas e authoridades policiaca,
e pessa. s particulares que soberem ou
virem um escravo de nome Joaquim de
naci cambiuda fgido em a6 de Agosto
do auno passado pelas 8 horas da noiie ,
com os aignaes seguinies : idade de a5 an-
nos rosto redondo olhos e altura rega-
lar bonita figura cheio do corpo, cor
preta camba Iguma coisa do p direito ,
hecaooei'O, entre osae te officio he ape>
lido pjr Joaquim permito levou diversas
mudas de roupa coao seja calsa de pao-
no pela dita de franquelim urna so-
brecasaca de panno cor de vintio calsa e
camisa de biim branco dila de algodio e
de chilla azul, jaqueta de rescaduiho de
cores chapeo de seda pn la urna esleir
fina ; quem o pegar leve a ra da cadeia
loja D. 45 de Joaquim Gonsalves Cascio,
que gratificar.
No dia aa de Fevereiro desapareceo
da casa de seo Sr. um moleque de nome
Dsmiao creoulo, queixo fino, br icos gros-
sos ore has grande e em p a cor nio
Ue preta nem fulla ps apalhetadosj quem
0 pegar leve ao pateo do Livramenio D.
1 a da parte do nisxnte que ser recom-
pensado.
Movimentodo Porto
NAVIOS SABIDOS NO DIA a5
MONTEVIDEO; Patacho Americano No.
colas Btddle M. Samuel Dolby, era
lastro vai de passagem a familia do
Metre.
BOSTON ; Barca Americana Canoder,
M Josbua QuiiSat, carga sacar 6
.cb.
ENTRADOS NO DIA a5
TERRA NOVA ; 4a das Brigue Ingles
Garlanddeiba tonel. M. Jobn Wills
H.yvvard ; carga bacalho: a Rozas 01
Braga ; fundiou no lameirio.
SETTE ; 5a das Brigue Ingles Abnalde
l35 tonel. M. Truquail : a Cnstoph
& Companhia ; fundiou no lameirio.
LIVERlOOL} 33 das, Brigue Ingles
M-diumdeigfl tonel., MestreThoo
Kiay, carga diversos gneros: a Johnston
Paler & Companhia ; fundiou no lamei-
rio.
RIO DE JANEIRO; 39 das, Brigue Ssr-
3 Fortuna e S. Jos de 365 tonel. M.
SimisSardi, em lastro t a Jio Pinto
de Lemos. ____________ __
Pmi. aliF. vh M, 1. Da f. s iP9-
m
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB25GTDJW_4W0XS5 INGEST_TIME 2013-03-29T16:38:55Z PACKAGE AA00011611_03745
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES