Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03743


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-


iftTilmo DE i839. SEGUNDA. EEUU.
CAMBIOS;
Fevereiro a
Londres 3o l/i 3o 3/( Ds. St. porifoooced,
Lisboa 8o por i o premio, por metal, offerecido
Franca 3ao a 3a5 Rs. por franco.
Rio de Janeiro ao par.
Iloedasde6#oo 14*700 as velhas novas i{'4*.
'4fooo 8|ioo a 9(300
PesosColumnarios i|)K>4o a if66o
Dittos Mexicauos ifboo a i Joio
Paiaces Brasileiroi i#64o a i#66o
Premios das Letras, por mas i i[4 a i ira por too;
Cobra ao par
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTES.
25 DE FEVEREIRO. NUMERO aI.
Tudo agora dependo de nos mesmos ; da oosa priidencir
oderaco e energa: continuemos como prineipiamoe,
e seremos apontados com adxniraco entre as IVaccs uniseul-
Us.
ProelamacSo da Aiscmblea Geral do Brasil;
Cidade da Piraiba 0 villas de sua pretencao
Cidade do Rio Graude do Norte, e Tillas dem .
Cidade da Fortaleza e Tillas dem .
Villa de Goianna............
Cidade de Olinda............
Villa de Santo Anto .... .......
Dita deiarahbuns e PovoacSo do Bonito. ....
Diltas do Cabo Serinbaem, Rio Forraoso, Porto CalTO
( Segundas Sertas feiras.
Limas uv vouu ^....- ---- --.,------'----------------- .7-----.. '
Cidade das Alagoas, Villa de Maceio...... dem dem.
Todos os das.
Quintas feiras.
Dias 10, e ^4 de cada mei.
Jdera 1 ii, 21 dittodido.
Villa de Pajau' de Florea.
Todos os correios partera ao meio ala.
ldaa i3, dittoditta
Subscreve-se para esta folha a 3ooo rs. por quartel, pagos arlf-
antados nesta Typograh'a, ra das Cruies I). 3, e oa Praea
da Independencia D. 37 e 38, onde se reeebein correspon-
dencias legalisadas, e anuncios: insirindo-se estes gratis
sondo dos propros assignantcs, e Tindos assiguadoi.
DAS da semana.
a5 Segunda S. Cesario Claudiano M. Audiencia do J. de Direito da 3. Tara de manha.
16 Terca S. Torcato Are. R. de snanhi e aud. do J. de D. da 1. vra da nianli.
37 Quarta S. Leandro Are. Sesso da Thesourai a P. jjj
ao Quinta S. Homo Ab. Refaci eaud. do J. de D. da a. vara de raanb. La ebeia as 6
lior. e 37 minutos da tarde.
1. de Marco Sexta S. Adiiio M. Sei. da T.eaud. do J. de D. da 1. t. de m.
a Sabbado* S. Simplicio P. Re. de manh. a aud. do V. G. de t. em Olinda
3 Domingo 3. da Quaresma. S. Hemelerio. M.
Slare cheia para o dia ">S de Fevereiro.
As a horas e 6 minutos da manhi. As a horas e 3o minutos da tarde.
PARTE OFFIGIAL.
PERNAMBUCO.
GOVERKO DA PROVINCIA.
Francisco do Reg Barros, Presidente da
Provincia de Pernambuco para bem se
executar a desposico do Artigo 7. da
Lei Provincial numero 63 de 2 de Maio
de 1838, oidema queso obsrvenlas ius-
irucces seguiotes :
Artigo 1. Na Villa de Garanbuns e em
cada huma das PovoacSes de Agoas Bellas,
Allinho, ePapacags. haTerio Agentes eo-
carregedos de tomar nota do Algodo desta
Provinccia que pelos seus disti icios se
transporlo para outrss proTncias e de
verificar se todo he manifestado estagio
competente no lugar para onde he condu-
zido.
Artigo O Districlo do Agente de Ga-
ranhunt. comprehendeas Povosces do Cor-
rente, Palmeira, Canhoto Quipapa', e S.
Benedicto: o do Agente de Aguas Bellas,
comprehendea Fieguesia 1I0 Biejo da Ma-
die de Dos, Villa de Cimbres, e as Povo-
acSes da Pedra e do Buique : o do A-
gente do Alimlo, comprehende as PovQa-
c5es de Panellas e Capoeiras, e seus ar-
rebaldes ; e o de Papacaca aFreguesia des-
te nome.
Artigo 3. Nenhum algodio producido
nestes districlos, ou em outro qualqaer
pouto desta Provincia e que por elles ba-
ja de pastar podera' ser transportado
para outias Provincias sem que as sacas,
ou volumes em que for cooduzido lerem
nos topos a marca P. Pernambuco e
at'jio accom pandadas de huma guia passa-
da eassignada pelo respectivo Agente na
qual se declare a Fasenda em que he pro-
duzdo o nome do dono, a quantidadede
sacas, ou Totumes, e o lugar do seu des-
tino.
Artigo 4. Estas guias serio impressas
confoime o model n. 1, e lomeadas pe-
la Thesouraria ProTncial depois de ru-
bricadas pelo contador ou por qualquer
Empiegado da Contadoria a quem este der
commissad e cortadas do Livro de tal5es
por duas vias deixando se copia no talo :
huma das vias dever ficar na Afandega
uu Colleclona do lugar em que o algodio
tiver de ser depositado ou despachado e
a oulra sei entregue ao conductor com o
lecibo do Funcionario d'Alfandega ou Col-
Kctoria, afim de que sendo apresentada ao
Agente que a passou este depois de fsser
as convenientes notas no respectivo lilao
desoaere o dono pondo no Terso a sua as-
sigudtura com deelaraco do dia em que
fui apresentada. -
Ai ligo 5. Tadas as sacas de algocio que
se trausportarem dos sobreditos Destrictos
para outras Piovincias sem as formalida
des cima prescridtas, teto consideradas
Como extraviadas sos direitos Prorinciaes
desta Provincia ^ e a*ut iorti obri gados
ao respectivo pagamento.
Artigo 6. No da 5 de cada mez os A-
gentes enviarlo a Thesouraria duas rela-
c5es na forma dos modellos n. a e 3, sen
do huma de todas as sacas que li verem sido
manifestadas no mez antecedente^ a outra
dasqueliverem sido desobrigadas na mesma
poca ; e tres meses depois de findar o an-
uo financeiro, fasendo passar do Livro de
la'.esdo aono antecedente para o de lem-
branca ou tangamente que era escriptura-
do conforme o modelo n. 4 hum extracto
das sacas de algodio que deixarf o de ser
manifestadas,para procederem a arrecadacao
dos direitos devidos, eoviario o mesmo
Livro de la loes para se faserem as necessa-
rias conferencias, _
Artigo 7. Os Agentes procurarlo saber
se ulguma saca de algbdio deixou de ser
marcada e acompanhada de guia ou se tendo
sido marcada e acornpaobadi de guia nio
foi desabrigada dentro do prazo Je 3 meses
e verificando algunas destas faltas exigirlo
do contraventor pelos meios Judiciaes
quando o nio possio faser amigaTelmente ,
os respectivos direitos de 5 por 100, sendo
estes logo calculados na rasia de 3a| 000 rs.
por sai a,
Artigo 8. Os mesaos Agentes teriopor
cada sica de algodio de que tiverem pausado
guia e for competentemente desobrigada
cem reis ptgos pela Thesouraria vista
das relac 's mensaes, e pela arrecadtcio das
imposic5es q' arrecadarem e recolberem ao
Cofre da mesma Thesouraria melado do
valor destas.
Artigo 9. A arrematacio destas imposi-
c5es sera' escripturada em hum Livro
conforme o modelos n. 5, e a sua im-
portancia remettida a Thesouraria a com-
panhada de Guia da mesma forma que se'
pratica com a arrecadacao dos mais impos-
tos.
Artigo 10. Os Agentes prestarlo flanea
idnea ao cumprimento dos seus deveres,
e terio pessoa de suaconfianca que sob a
sua responsabelidade os snbstituo nos
seus impedimentds.
Palacio do Governo de Pernambuco ai
de Fevereiro de i83g. Francisco do Re-
g Burros.
Expediente do dia 19 de Fevereiro de
i839.
Officio Ao xm. Snr. Hispo Deocess-
no, communicaudo-lbe que devendo abrir-
se no dia 1. de Marco prximo furturo a
Sesso da Assemblea Legislativa Provin-
cial, hsja S. Ex. decellebrara Missa votiva
do Espirito Santo na greja Matriz de S
Fr. Pedro Gonsalves, e prehenrher as
mais formalidades que lhe incumbe a
Lei.
Dito Ao Prefeito da Comarca, cons-
municando-lbe, que achando-se recolhi-
dos huma das prisio do Quartel do Coi -
po de Polica os senlenciaaos Ignacio de
Godoes, Simplicio Alves de Brito, Vicen-
te Baptista, eJoaquimJoze de Santa Au-
na viudos da Comarca da Boa vista por
orden* do respectivo Prefeito 5 cumpre q'
os faga recolber as prizios desta Cidade
com toda a seguraoca exigindo do mesmo
Prefeito os necessarios esclarecimentos a
cerca do destino que devem ter os referi-
dos sentenciados, visto nada constar pela
Secretaria da Presidencia.
Portara Ao Commandante Geral do
Corpo de Polica ordenando, que man-
de entregar ao Prefeito da Comarca, os
sentenciados de que trata o precedente of-
ficio.
Oficio-Ao Prefeito da Comarca da
Boavista communicando-lhe que tendo si-
do rem> tndos para esta Cidade os sentenci-
ados de que trata os precedentes offir-io e
Portara, sem a guia que os devia acosnpa
nhar afim de que a competente Autori-
dad coubesse o destino que lhe devia dar,
cumpre que fique na inteiligeicia de que
nenhum preso deve ser remettido de sua
Comarca para esta Cidade sem queacom-
panhe a guia dirigida ao Prefeito respec-.
uto, declarando apena que lhe foi im-
posta e um que igualmente partecipe a
Presidencia aremessa do dito Preso.
Dito A Cmara Municipal do Reci-
fe} communicando-lhe que tendo de abrir-
se a Sessio da Assemblea Legislativa Pro-
Tncial no dia 1. de Margo prximo fue-
turo ; cumpre que a mesma Cmara man-
de preparar a Igreja Matriz de S. Fr.
Pedro Goocalves para a cellebiacio da Mis-
sa votiva do Espirito Sanio e faser tu-
do o mais que for preciso para semelhsnte
acto como lhe incumbe a Lei.
Expediente do dia ao.
Officio Ao Commandante das Armas,
respondendo ao seu officio de 16 do cor-
rente que acompanhou os requerimmitos
dos officiaes do prirneiro Batalhio Expe-
dicionario ao Sul, que nio tem lugar o
pagamento dos sidos que elles pedem,
a vista do estado de deficiencia em que se
achio os Cofres.
Dito -r Ao mesmo ordeusndo-lhe,
que mande dar guia de passsgem para a
Companhia de Artfices ao Soldado do B >-
talbio Provisorio Angelo Miguel do Espi-
rito Santo visto ser elle oficial U Ts
noeiro e convir ao Servico publico pre-
beneber a referida Companhia com sol-
dados que ja tenhio algum officio como
representou o Director do Arsenal de Guer-
ra. .
Dito -- Ao Director do Arsenal de Guer-
ra, comrnumcando-lbe a expediccio da or-
dem supra.
Dito Ao Commandante das Armas,
communicando-lhe que devendo a Char-
ra Ampliitrite largar para o Rio de Ja
neiro no dia aa do corrente cumpre ,
que faga embarcar no dia anterior as pra-
gas que tem de seguir no mesmo Navio,
requisitando ao Inspector do Arsenal de
Marinba as Lanchas que forem precisas.
Portara Ao Inspector do Arsenal de
Marinha para fornecer ao Commandante
das Armas as Lanchas precisas para o em-
barque das pracas de que tracta o prece-
dente officio.
Dita Ao Commandante da Charra.
Ampliitrite para receber a seu bordo e
transportar para a Corte do Rio de Janei-
ro as Pracas que lhe forem remettidas pelo
Commandante das Armas.
Officio Ao Commandante Superior
da Guarda Nacional de Flores, res-
pondendo-lhe, que a vista da terminan-
te disposicio do artigo prirneiro das ins-
treges de i5 de Setembro de 1838, nio
pode o M-'jor Commandante Interino do
prirneiro Batalhio faser propo ta para os
Postos vagos dos Officiaes subalternos, os
quaes serio prehenebidos logo que o res-
pectivo Tenente Coronel Commandante
Radar a Commissio de que esta* encarre-
gado.
Dito Ao Inspector Geral das obras pu-
blicas, com momeando lhe, tersdoappro-
vado o orgamento da despesa com o ar-
co que tem de ser feito no segundo lango
da estrada do Sal no citio do Padre Anto-
nio Thereseo importando na quanta da
i:6a4,f4'''3 res ; cumpre que faca por a
obra em arrematagio. *
Dito Ao Director do Arsenal de Guer-
ra, enviando he os requerimentoa dos se-
gundos Sargentos da Companhia de Art-
fices Luiz .lose di' Franga, e Ignacio de San-
tiago que acompanhario o seu officio de
i5 do corrente, e respondendo !ho que
para elles coulinuarem no servico be pre-
ciso que preceda novo engajamento.
Dito Ao mesmo, respondeudo-lbe que
pode comprar a qaantidade de ferro da
Suecia cm barras que precisa para as o-
brasdo mesmo Arsenal assim como os
mais objectos de que tracta o seu officio de
19 do corrente.
Dito Ao mesmo auctorisando-o pa-
ra comprar a Lona que for ptecisa para
as Camas dos Educandos como reque-
sita.
Portara Ao mefcmo ordenando, que
faca aprompiar com urgencia os medica-
mentos e Dietas constantes das relacts ,
que se lhe remettem para as Pragas do
Batalhio expedicionario remetiendo tudo
para bordo da Charra Amphitritelogo qae
estiverem prontos.
Oficio Ao Commandante das /unas,
communicando-lhe a txpediceao da ordena
supra.
Portara Ao Commandante da Char-
ra Amphitrite, para largar desle por-
to para o do Rio de Janeiro no dia aa do
corrente levando a seu bordo a tropa quo
trouxe do Norte, e recebeodo na vespora de
sua sabida a malla do Correio.
>
COMMANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia ao de Fevereiro de
i839.
Oficio-. AoExm. Presidente, envian-
do-lbe a rellicio nominal das Pragas do
extincto Corpo d'Eugajados que passando
para o Batalhio Provisorio de Caradores
tinbio direito a gratificaes de 60 res,
marcada no Decreto de a de Ne**mbf de


w^m^rqj^y
*
\.D I A R I O D P RRMAMBUCO
n
1835, ermo voluntarias, o p
xfifiifio lo mus onlens para quolsl
fniiei6 fosse peta 'fbeaoraria paga < m
trimestres devenio ser o piim-eiro f rimes-
trr nljafeil' no ulti'i o do corrate mas.
Dito.-. Ao m"sm Exm. Snr. com mu.
j.ic-iiido-ll 1 q" a iowrlrfaHW ras seis piacM do 4 Corpo d'wtiiheria
c Deposito P -emettidas .juta lifido da
Gbarrna An-phlriie, a drela adeudas fio
1. Ritilhao F.xpediccionario ao Su! ; qu
10 respectivo Cnaimandante liuli.i ordena.
( j que cb-gmdo a Corte as prMrW ;|iho. Mmialiodi Guerra para Ibes la.
11 conveni.-nlc de.iti.i p'/d.-iido S. Ex*
i ni viiti dj xoO'l < f r snas coronnioic*-
ciprs ao mi'sitio F.xni. Ministril e puvi-
iiido que O P.n'ruL-i Jos f.rnv 11' gil-
do Monten o de Aibuqu- ique se litaba ai
li.'-i'i.io |iih servir no S U.
Dio A* Exm. Presidente ra 4* Parahibi n qyiii*iido-!J*! o capta
ra do soldado Manoel Jjquia> do 4 '
Co'IV> d'A'l lli"in <|i- aureiilanrir-v '">
di* 16 do correte. < s*ndo n tu >1 'la
V.llidoPiUi hatfia prili biliiUe .le P'" |)il>_ A *- P eliden-e da Pro* n-
ra das 4TgiM > Ji-precando-lh" a pria*fi
,1 n tardados do 4. c Gorp d^ArtiHirrM .
Fuilunalo Jjs e Aml'e J >s. de S.n .
rjueaur.enlando se este* i5, qu !'-
j(i docorrente, lmia qu;.ze ceit"za de que
pira aquelli Provincia se cacaron h>ssem ,
por seiem imliiraes delli.
Dito Ao Inspecloi do Arsenal de Ma-
rinia diz-ndo-lh-*, qae lecido de embtr-
cir para bordo di Charra* Ampliiliil-7
praca pozito e devendoo embirque tis-cluar-
te a niai.hia as 4 horas da laide, houves-
se a b in do servicu de mandar fot n cer o
compelente transporte.
Dito__ Af Jui/de Direito. interino da
1. Vara doCriroe, communicaudo-lhe ero
1 esposta ao seo offieio de boje que ha>via
1 xpedido ordem ao Comraaudanle do Ba'a-
lliio Provisorio de Cassadoies pira Ihe
inindar apresentar no da a3 de m.mbaa as
4 prniMS que devia depor em um sunima-
li anua tiva procedcndo.
)'t> Ao Commaudante interino do
lhldliio P'ovisorio de Cuctdoies dau-
dodbe ordem p'a mandar presentar 1a
rnaiibi do di; a3 ao Juiz de Direito ute-
rino da 1. Vara do Gime as qualro pra-
ca que requisilara.
Dito Ao mesmo rnaudando c. stigai
t'orporatineiit't o soldado Manoel Jartnto ,
qao exceden do se coro o Cummandante da
(iuarda das DIverMI Rendas e >-ndo por
lie preso illudi aos dous soldados que
o conduzia ese Iulou a pri.a aprovei-
lando-se pira esse lim do bartaillo <|ue
c^uzavio as p?s>oas qu^ briuofi o entiu-
do in.s immediacoens da Guirdi, e disen
do-llte. que nao lento eo Sirgento Anto-
nio Djir.iiig> s rebultado culpibilidad'* uu
CouaelKo de Invesligaco que a respeilo ae
pioct-deo o po*esse ero lilierdade.
Di>o AoMijor Commandinle do 1."
iiill.iii Kxpediiri..nario ao Sul auil.o-
r7.indo-o a rect bebers 7 pracns do l\. c
Jipo d'Aitillieria e Deposito, qu" se-
guis pira o Itio de Jineiro eni qu*lidade
il'addidas ao seo li-tdlij a s'rVrn pre-
sentadas ao-Exm Ministro da tjiiTia <
r. mmiiiib-ir.do Ihe qu ellas s-Aio man
(l.idis para bordo as 4 b'i"s da larde do
da 11 ieoaifi-nlud.s da compelentts
tuias.
r>'lo Ao Comroandante interino do
4. Curp> d' \1l1lIiTia remet'ndo-b-
rs finias dua 17 1'cis do 1. Batnlbo
Kxi.edircionano ao Sul, qiu estndo inlVr-
nias forii) desembarcad** recu'bidas ao
i reerber com pasli
ua Poitiiia cima.
I) ih jl. >\o mcimo mindtdo excluir ,
nassar guias e reoftlf midhl a 4
horaada larde prV|>>rd da Crrrrna Aob-
pbitiile a hs soldados } cojos nomes se
iheindtcara di vendo receber do Inrape-
(lor do Arsen.il de Rfisinba o competo-
te Iraiupoile.
ERRATAS.
firrfe^iente do dii 16 OBi'-io din
ga/bvao Co?i i.teriidh.4 Corp"
ing 1 c7 com dou< sida
'l;id' P I cito d>s AQ'jg-tdos l'ia secrrodom sol
dado* (i'1 Pol ci qu- (v>rdor a6 bom de-
r.'rlor ii'mcitido p^lo Sub Prefedo &'-
OHi'-io dni;:ido*o Pr.fi -tto pa. 2 el 1
l'.nh %q manda! coobecer d< if-iirderh,
.;ia s3 mandara conUecer dos ailnres da
fiesordemcjc lxp-dient'' do da tH
pip. i.col. 1. Iinb. 4t- Officio d-l);ido
o UajorCominandaiiiedo 1. Ritalb
lirtltao sido el-virbM leia-ao tnih.iido
levadas. Todj o Exp*d-nle de linios
55 em liante periquee a dti 19, o nio a
o dia 18.
THl-Z'HJRARlA DA PROVINCIA.
Expedteiil- do di aa de Fevereiro de
189.
Oficio Ao Inspector do Arsenal de
Maria respondendo-lbe qun pode maodi'
comprar a bomb> para o esgotamento d'a-
ifoa que t'iu appari'cido na cscavca da
Eortal-si do Rm Jesiis visto nio liver rio
in.smo Arsenul ; porquo ella niosse Faz.
oeessaria para o referid" trabadlo como
piraoulios que (em defs-r-se as For-
lalesas das 5 Puntas e Bum segundo a
mformaca do I. Tenenle d' Aitlh'ria ,
encarregido das medicoes dos Proprios Na-
cionaes.
Dito Ao Administrador Fiscal das
Obras Publicis em addiamento ao de 4 *'
eorrente m-z para foinecer por eropreali-
moaol Teoent Anacleto Lopes de Smta
Anua mas du enchadas eduas p./. ,
que sao prefeisaa para o tmbalho de qu e-
, ei.carregado da medico do* Proprioi
Nacionaes.
Dito Ao Doutor Jos Eustsquio Go
oes para satiifaser requizicio que fazo
Contador da Thesouraria Provincial na
1r.lorm1c.ao riada no requerimeiito de Jja-
quim Jos Pinto Gu.maraens.
Diversas Ileparticoens.
1 "- n n 1 I 'i rrTr -1 1 Vi..
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Barca Porlugueza Tentadora viuda
1I0 l'ort i entrada em aa do corrente C Emigdio Joze de Oiivcira consignada a
Manoel Jo -quin Ramos e Silva.
Maniffslou o seguinte.
17 Caixas com cabido 6 dilas com bis -
coito iTbiriiscom fer'agom ia cunlietes
com ditas 7 caixiscom (litis 16c) aiicoretus
com i-Z'iton.is 5 caixas com rolias la an-
cn tas com figos 44 saccascom feijo 797
cadeiras de|ii preto ipcamapez, 7 so'az
\\ i-nezas 9 cunbitPS rom peas setess si
caixHS ca arebotes 41 ditas com feijo 4
nieas com salitre 18 caixss com chapeos
ai caixas com Usendas 1 caixio com cesli-
ihs a 1 le ni.a de conibcas la cmodas
13 ipas COitl azeile 3 cnx.s com relio?
ja li. com vibo a caixas com xt> cas a se-
111
Co
II ispital e ad lidas ao Coipu do seo inte- critlariw 1 c^ixi com roiudeaas li pipas
uno Comm-indo.
Portara-. Ao Mejor Ccmmandadle do
I) -pililo mandando excluir e pasan 1
i'Uia ao Particular JosErmeaegiida lVicn-
t iro d'Albuquerque que acompinbava o
l.RiUlhiode Lacadores, em qualidade
ueaddirlo, e tiia servii^como voluntario
no Exercito do Sul.
Dita Ao mr-smo, mandando excluir
rom guia de passagem para o 4- Corpo
il'Aililherii O iinula Jos Fnmcijco dai
("hagas remetiendo o ao mp-clivo Com-
nodantr
Oita Ao Commindante inleriito do
. Corno d'Aitibe.ia, Mulborisaudo u'
nailii ma......11 iaai
o 8 ftnmretsa com aa?itonas 1 dit' codt
Pxh a canastras com frutas 1 caixi com
niu:l"sas 1 gaiok ea"n canarios 3 canas
tr;is com s"bolla.'f--HmbpQlho com miudn-
r.is l lat 01a diWs ti cndeles cora caitas
de ppar 1 emb^lb-o (ignori-se) 1 lata ,
(dilo )
MK/.k DO COVSU LA DO.
nerior.
com vinagre g bu ricas com carnes 2 caixas
coro papel a biriis com vinigie (j quaru las
com vinh'> 3 saceos com rohas 5o leixes de
.llios 2 pipaa com vinho 7 caixas com di-
to 16 > cunhelts abatidos; 1 capoeiraj com
goOCO.
Fora do Manifrtto.
i3 Ciixascom pomada 5 bu ricas aba-
lid** 10 caixas com chapaos g ditas com
lamsncos 3 ditas ('gngra-se) 2 burros t
caixas com figos i5 barricas eoai carnrs
i3 cadenas me8s.a ca/nap"?. a 10 caixas
com passas 96 feixes d'alhos a birricas com
ditos 8 sarcos com ditos 8caixai com fes-
_ A acaula lie a mesroa do num. 44
CORREIO.
O R'igu" F.seiina Lnita S(unda de
qiif b-Cipin Fraae.isc.1 F-T-irH Silva
sae pan o Vlftrauuo 110 dia a6 d > orreo-
le m-z.
OHRAS PDIiElCAS.
P.'la Adminislrsca lris<-al das Obras f'n
Micas rompra-se o madeira spgainle : a sa-
br>r i"i i'.siciosd 4^ 5o palmos de com-
tirid e 1 4 a it poleg.das 1I4 face em qtn
drodegrosso: 3i lil' de ^(i palm-s de
eompiid rj e3l ditos re 3o primos de com-
prido niKdscotii 1 a (salegadas de face em
qrjidro de comprido, e 10 potegadas de face em
qoad-o d" grosso : s pssoa que a quiz'.
rern vend-r podem omparecerem na Salla
da dila Adininisiiaca tr.do* a linas do K:.pedient par* traclar do seo
juste.
Amaro Francisco de Moura.
., Administrador biscii.
O Admimslrador Fiscal da Obras P-
blicos aviz os Snrs Jos Fra- cisco de
Faria Sd<-s ; Manoel G msalves da Silva ;
Jone Machado Snare ; Manoel Oorreia M*
ciel ; Gonsalo Fimiicsco Chavier Cavalc.an-
li Urhoa ; e Joa Paulo de Andrsde que
empreiam venda de madeiras para a di
la Reparlicio ; os si neo prinv-iros Snrs. em
3 > de Abril rio anuo p. p. e o ultimo no,
piimeiro de Junho do mesmo anno obri
gando se a Tara ma maiinra no prazo de
seis mezes contados do dia em que assig-
naio o papel de (rxeto que leudo a min-
io lempo lindado o dito prazo de 6 meses ,
h*jo de remeters madeiras qu-t tratario ,
s quaes se fazem de argente necessidade
pira aa Obras para que forio encomenda-
das ; cuja falta la/.-se muilo nprejiiuicial
conliiiuaco das mesmaa Obras.
Amaro Francisco d< Moura.
Administrador Fiscal.
EDITA L.
A Cmara Municipal da Cidade do Rec-
fe e seu teirao, Sic.
Fat s<-ber que pelo Exm. Presidente
da Provincia em virtude do A'izo de ao
de Djzembro do anno prximo passado ,
xpedido pela Secretaria dictado dos Ne-
micios do Imperio fo'Io dadas as conve-
nienles oidens para que no dia 3 de Vlo
prximo fui uro se proceda ti EleicaO d
bum Senador que deve substituir vaga
que na Cmara dos Snrs. Sanadores deixou
pi^o seo lalescimenU', o Marechal Jos Ig-
118C0 Rorges; drvendo rlila Elr-ica ser
dila pelos Eleitores da a dual Legislatura.
e na confoi midade das Instruccoeus de 2
de Marco de i8aj, e De,cr. tus re ap dr
lnllio de j8a8, a8 e 3ode Junho de iH< ;
- sua ultima e eral apuracao no di"
irjde Jonho do cnrrenii* anno em casa dt
suis Sss?s. Pela meitma maneira o 11.
roesma occassfio e proeedcii a Kle 9- dos
Membros para f/va Asrmblea L-gisUn
va Provincial.
P<-lo que Csmsra Municipal em vir-
tude do pnsent Mdital p,i>s* coavocar
us Eleiloies de seo Municipio peilencm
les sobredila L'gislalora pura que ba-
jo de compaiecci no dia designado pe-
anle o Colltgio K.leitoral desta Cidade.
E para que chegue a milicia de todos ,
manda lser o presente que seta' publi-
cado.
Paco da Cmara Municipal da Cidade
do Recife ero Sesso extrautdinaiia di al
de f'eveieirode l83g
Jos de Ra>ros Falcan da Laceida.
Pro-Prezidenle.
Fulgencio luanla d'Albuquerque e Mello.
Sccretst 10.
RIO DE JANEIRO.
O trgicos nconlecimentS de que o ''a,.
ni acata de ser novament* o ihealro e de
que i informamos imssos bilor^s sio
proprios a despertar era 1 i s mais seri^
i>f|exes sobre a prsenle p<>sicin das rep-
blicas d.i Am.-nca Meridional. Fraccitni-
dos por paix5js mi'sqoinbas, es'S peque,
nos estados lera se posto ira gurra un
com outros: os partidos de urna misma
repnblica snpiilmla se illernliv^miiile
para r'iissiar ronslituQ'S e foeiiios qa-
durs um s da e cedeta segj o pateo .1
outroi capriclios das faccf. No Hela
dpstas coniendas nter ipi na veis que tetro,
eedema rivilisaco a dcfinhaO aindustiia,
suagent mil nmiicins'-s com a capada em
punho, e, segundo a ciicnnetanciaa da
lugar ou do momento, prciiuncieo-se 1.11
oela federecio, ou pela unidade, com
tanto qua nveniem cima das leis.
as provincia argentinas onde j
cntutitoicS's leo sido sempre apenas 110-
minaes, os Unitarios orno Ibes cbama-
v*, apniad Rueos Ayres, exeicera grande influen-
cia no destn > publico, soh a direceo de
D Rernardino Rivadavia. Mas bm de.
pressa as necesidades da ultima guerra
como Brasil, que levara a Rueos Mre.
acceitarcondiv'S das provincias e collo-
cars o govainoem serios embaiacos. dera
o triunfo ao partido frderabsla gui.do por
Dorrego. Quandoosunitariosacreditiviq'
os federalistas linlia desappar. c do de li-
ma vez da sema e qun os gritos dos me-
resses locaes bavia siao ahilados no san
gU" de Dorrego foi piecisaioc.nle o rao-
ment da rearcio federalista. A repbli-
ca, que se julfava prxima, depois de
muitascomnaoces chamo'u pua salvsl-a
a dictadura de Rosas ; he pois em no-
me da liberdade, dos direitos da provin-
cias que o general Rosas fusila os seus ad
versarlos, (vrannisa as provincias fedea-
das e suhslitue s bis do estado sua sobe-
rana vontade, a forca biuta da espada.
Mas a guerra civil continua; Sinta re e
Entre Rios a pmseguem contra Rosas e
Buenos Aires. O estado de crise actual da
publica nao lie o derradeiro ; o poivir
encerra sem duvida muitas outras mudan-
cas.
O Mxico nos presenta o reverso desle
quadro. Abifoicom entbusiasmo procla-
mada arepublic- federativa. O exmplo
da America do Norte e o espirito de lo-
caliade seduzio ou anastou os Mexica-
nos. Mas a fedeisciO entre elles cotes-
pondeu na pratica letalseparacio das pio-
vincias. nSo houve meio de fazer maicbar
de acord cetas entidades toda deslinc-
las lodas.nimadas dediveisos nlensses
o espirito. A exagerrcio dos feder-bitas.
suas pnteiicSes illimitadas trouxern o tn-
umpbo, lalvez igualmente f tal dos uni-
tarios ; o nouie s de federalista foi por
longo lempo rasao bastante para a persegu-
cao e o ext- imiiiio. O general Siita Auna,
antes fautor do paitido demcrata, anlis
apoio fimie da federacio, depe s pro.-Um- -
do ebefe da repblica urna e indivisivel ,
subi ao mando com poderes fxlraoidna
nos. O desleixo final desle drama sn(jui-
nolento, que tero icpregcntado as republi-
c.sda lingua hespanhuU, be sempie
diclarlura, sempre o despotismo Millar.
Asss conbi cida h>- a soile ulterior deM
repubbca, batid' nov-menta pelos parti-
dos internos, e por um punbailo de foras-
teros de Texas, sem lo e sem disciplm'-
Aquelles que posefAQ em deirota as pha-
langes finTridas de Morillo mal y.o;euO
deleinier 1 nicgridade do seu terulorio
diiile slf.uus avenlureiius ; fatal < ffeilo da
Iraqueza causada pi las desaveucas civis .
Na costa do Pacifico, o Chile e o Peiu
lambem proclamara constitu'e* fundadas
em principios mais ou menos geneosos
cnnaliluicoes que lem sido rouddas ao *'
e.liio das f^cit 6 ou 7 vezts ou cuito
eSpico de quinta nnnns.
A repblica que Bolvar fundara e a
quem dera o seu nome unindo-a a Lo-
lumbia, srparou se bem dtpresaa dilla,
<, fdquiindoalguma foica sub o domi""'
de Santa Guz, quiz lambem extender
sua iiiflueucia. Aggrdip o l'ei, *ub'


BM5-W5?
mmm*
_
7
T
DIARIO DE MRNAMOC^
-
jil1. 0, e, coro o titulo de confederarlo,
,, ii lio as Repblica chilena,, influida pelo pene-
,,1 llosas <* sob pretexto de porto m-
|> no dij vistas ambiciosas de Santa Cruz .
i.mi'h unna expedicio Sobre costos do
]> i'i para apoiar n nsilido anti-hnhviano,
.< a-er gt*rra aquelle'general.
I'.n quinta navega a expedira Clt-na,
i- h-nlaen L i. Criir. .dirigida psT Olj}; m. fStsprf-a
s o Per da repblica do Bolivia e he
* huido o pinto de I\cria. Cli'^-o os Chi-
1 -unsa C>llao, e Olb-rgo*n qu- lomar
hs -iTinsconra Sinta Cruz, declara ang
Spos alliados que nio consentir no s-n de-
sembarque por leiem epssado hs raso s que
molivaraS aquella expedicio.
Djsembarra5 as tropas clii'enat, a d'i-
p'ilo da ntimaco de. O h-rgoso e os dous
exucitot mig >s qn devia mareharenn-
l:i Sania Ciu, Imem-se spo'lasde Li-
to i; lie derrotada a forca peruana os
Chileno, -podera-te di canil,I e Olber-
I si que se sublevara QftOtrt tolivia pira
sub'tra'hir o seu paiz i]<]qci estrang-i-
ra he substituido por imurra e levido
presidencia pelas bayonetas chilenas.
Todo sto parecera spii davida urna
mar-ivilba se i.o fosse eonhecido o cabos
eiO que esto emmaranbados iodos estes pe-
qu-nos estados que rodeno o 15-asil, tristes
\ii'ii.-asda cobipj de ephemeros lyrannos
Mies exempbs sao de sobejo pira mot
trar as desvamsgens do syslema que rege os
nossoscinterrneos. D-ms estid.is' que se
s"pafo constituem logo dous interesses
distinctps que multas veres se lorns ri-
vtfM. Se estes estado** confrontad 'em ter-
riton'o se entre elles se litiga sobre a di
rucio da Ijana divisoria na fronteiral, so
brea navegaciode un rio, ou sobre van-
lagensooiBiBrrefan, s gaff vem M>ipiB
decidir contestac(Vs>'deste genero e excita
odios que chegao a ser nacime A exis
tencTinim estada fraccionado e pequeo,
alero de outros males que ordinariamente
l ra coro sigo, lie seropre acompaobada ds
maior facdidade de favoravel xito para as
tentativas de un ambicioso ou de um usur
pidor.
Possa o Brasil aprender nos dolorosos
x-mplo* dos seos visinhos! Posta elle,
escalando lava revolucionaria pro-
curar a emenda de suas inslituices f pe-
los meios que o syslema representa(ivo mar-
''>" e segiiiiido a trilba legal, evitar
lio funestas calamidades.
(Jornal ilo Commercio )
Exterior.
HESPANHA.
O Adjectivo Constitucional.
Nao teto existido, nem existe era ex-
istir g>verno elguro legitimo, que nao te-
ja o me-mo lempo constitucional.
Oque constituico? O conjuncto de
lp't, pelas quaes se insliluem as potestades
que ha de liaver n'un estado easaliri
bu*c6>s que ha de ler cada urna. Estas leis
pod' estsr;<>sc:i|)UsJu'iim bvio ou con
M-rvar-tewadicionalmente pelos uzos e cos-
lumes da nielo. O codito esciipto e posto
em ceila onlem mais proprio das naco s
civilisadas ; >.* leis trariiciona-a das que
ainita permanec.em na birbsridade. De io-
los os povos livres da eu>opi o inglet o
"'iico que lem diseminadas em varios do-
cuairDtiis suas leis undirDentses sem ba-
*er anula I .o mulado um cdigo particular ,
'n que t aden todas reunidas ; ms inn
(JU-m dir qu- carece de constituico por
'* possuir um livro que lenba este nome .
i'. _Alt(nia pois a denv.ico tos adiec'.ivos ,
0,,;,iados dos subsUntivus b consiilucio-
"a seiaVinJo o qiift pertence a le fuuda-
m"" "Uiibuic-s que recoubere ellas o gover-
" que st^belece. P'este sentido pode ap-
pl"cr-s esla palavra a todas as autorida-
"*. que u-et existido em todos os pai/es
"mundo, porque todas, sem excepcio
''Bum'a lem sido instiiuilas pela ln lun-
dieiitaj| i.spectiva. O Sullao desptico
de Constantiiiopla e o Imperador qnasi
*os ira uargij crli'MC, ,-.5o monarcas con-
lirotoujfij porque fprqile i le liiuda-
mental dos Oitomanos e dos Cbins com
gra o despotismo.
Mafoma rene as tribus do deserto ; in-
cale Ibes *ui donlrina relgiosi ; proojt-
te-lbes o imperio do mundo, e ns p5,
por desgraca. em ptado d realisir sus
prom'ssi. I'uodou-se o eabfado, com-
posto monstruoso da desrvitismo sobaos
corpoae as almas. 0 califas f >ra6 tpcra -
las cnslitucioneS, porqu nssim b quiza
lei fundamental qu* acofliura os Arabas.
L >go v se qn este adjectivo nem carac
lerisa form de g >vern s nem aindil-
das autoridades pois convem a lodos o*
systemM poiicos e n tod,->s os podpr .
om Unto que s?-6 legitimo*: isto ,
eniif-irme |o. Todava pode mar s
delle rom muit propriedade em dois cato*:
Io para distirgilir'as )xis ou n direilo fun-
damental dos domis corpos de l"gis'a-io :
a* para distinguir o- ict-s conformes ao
estabelecido na.constiluicSo dos que lli
o rontrari is ou ao meh'X esto fo'a circulo que ella demar-a. Atsim se (listn
guetn as leis con-lilin.ionaes das orgnicas
e da ordinarias os actos roo tlucianaes
dfta'anti conslitucionses ou extra coosiitn
eionaes. Applicado aocoverno em geral
ou as autoridades em rVtrlciafair, um d
eMivo inntil, porque rm paa'z nenbnm
p>de|iaver aulorldade ougaverno. qoe
nao seja constitucional: sto conforme
a lei fundamental
Pjr essa rasio temos temnre eslranbado
"sse epibelo applicado o Re coja au-
loridade roais que nenbuma outra, es'
cingldaos limites da |e quer ses mais
eslreilns, quer mais ampios A origem da
denomina(jro hem condecida e por csr-
lo nao a ret-omroenda. Quando a ass-m
bla constiiuinte de Franca promu'gou a
Celebre cbns'tit'cio de 1791 cdigo de
deaconfanca, dedecepcao, filho da inex-
periencia e das paixes e que l-vava em
seo seiotodas ai tempestades polilica* af-
fectou se victorear o infeliz Ijr. 16 com o
titulo de Rei constitucional: verdadeira ir-
is.o, com a qual se Ibe recordava ao
lempo de aclmalo, nlb n superioridade
da lei mas sim o t/iumpbo dos que Iba
hvao dictado. os ootros adoptamos no
anno de i8o lalve mais por om espirito
ridiculo de imitaco que por intencus si-
nistrat, esse mesmo grito de arcla)m*co ,
que niolardouem conve terse em canc's
-angoinarias. injuriosas, e grosseiras.
Tanto Luir. 16 como Fernando 7.* sabia
mui bero que se baviaS estreitado os limi-
tes de seo poder; nao era necetsario recor
d*-ho; poreni julgoust-conveliente dar -
quelle epitbeto, cuja significacio ia;i,
cerla forca mgica que obraste sobre a i-
maginacio do vulgo. O resultado detta
imitaco, assim como de outras liidezta
daquelle lempo j o vimos.
O adjeclivo constitucional desceo desde o
trono, deixando a um lad os depu'ados,
as mismas cortes o? ministros e n tr bu
naes ateos presidentes das municipalida-
des. Confessamos que nunca Invernas po
dido comprebender o motivo porque se deo
a estes o din o de alcaldes constilucionaes,
como ae podesse baver alcdde algum .
nem mesmo nos btirros que nao sej*5
esseucialmente conslitucionaes ; isto ,
que nao deriven) sua autorid-ide da consti
unci. Suria para destinguii os dos do
autigo rgimen '! Mas sufficienlemuiite os
(li(T-renciava5 sua insliluicio suas altri
buic-'S : alem deque nio era tanta a ferenca poit antes procediad de eleicio
popular em qaati todos os povot. S'ria
pordar-llies com aquella palavra vaga cer-
ta di confua de representacio nacional ?
I'.iii'in sti a tinhamui explcitamente de
(luida na lei fundamental, e at no rgi-
men anterior, no que en a"o era potsivel
E, poique nao ae chamaro ttmbem cons-
lilucionaes os regedores e demais officiaes
das cmaras ?
Observemos que os alcaldes (moire-) de
Franca jamis lomara esse titulo durante a
revoluco: que nunca o tivera os de la-
glalerra nem os das provincias vatcongt-
das apesar da extenso liberal de suas *t
Iribuices; e ver-se-ha que nio fcil com
prebender poique se lia dado este epitbeto
aos presidentes das municipalidades ti nao
aos eleitores de grao superior nos depu-
tadot, aos regentes e uvidores dat audi-
encias, aos juizes de primeira iiistincM ,
aos chefes polticos, e s demais Autorida-
des civis e militares, creadas em virtude
da ronslituicio.
Cbamar constitucional ao governo de um
Estado, nao mais do que dizr que (em
sua origen! na constiiuico vigente ; o que
inntil advenir, porqn nio poo% succe-
der seno assim. At diff-renfs f-mss de
governo car^cterisao se de'outra maneira.
As amigas vo*ps democracia aristncra-
oa, emon-rquia, consagradas por Haro-
doto e eonhecidas entre osanti^os: sao
j insumientes, alienta a vaiiedtrje de
formas, que le tomado a administraco
nos povos modernos. Chimamos monar-
qua desptica aquella em que <> Rei gover
na por sii'S vontades ndividuaes e ptsta
geira ; absoluta onde o monarca e supre-
no legislador, mas governa segundo as
leisqmestabslece : democrtica, tquella
em qu! domina a fjrca da povo ; mixta
aquella em que se recanhecem tres ramos
da poder legislativo ; militar aquella que
tero por apoio o exeicito ; aristocracia a.
quella em que predomina a nobreza : elec-
tiva aqo-lh en que o supremo magistrado
de eleicio, ou d is grandes. o do po-
vo etc. Podem existir tambem e tem
existido repblicas democrticas, aristo-
crticas, mixtas, consid-rada* He. |o-
rem note je que nenbum d'estes governos
oode ciraclerisar-se pelo adjectivo constitu
cional; que commum a lodos
Alguemdir qu? se nio deve em'nregar
tanto lempo n'nma questio que 6 de
grammatica. O q'ie fizerem eta objecco,
ignorar sem duvida que cartas votes .
passando para as bocas do povo vena a ser
sybolos de proscripcio desangu, e de
ruina. A palavra constitucional, que pu-
lo seo vago se presta a qalqoer significa-
cao que se Ibquirer dar, foi em Franca,
" tem sido entre n bind-ir de partido.
Ero Franca o mesm partido que a adoptou
ao principio, a abju-nu ainda antes das
ten i veis scenas de 1791, e a troeou pe|o
estandarte da repblica. Em H-'Spanlia
bou vP moilos que debilxo do noroe de con
stitucionaei airope|lava5 abertamente os ar-
tigo* mais importantes da constituicio.
Desde que Condillac demonstrou que as
sciencias dependiad de seos idiomas respec-
tivos, tem se esforc.odo os bomens, que
te tem distinguido nellas, em aperfeicoar
sua nomenclatura. Este cuidado deve ser
tanto maior, quinto urna voz mal applica-
da p'Je produzir a devastacio e at a rui
na dos imperios. O profundo Jeremas
Henlbam tem conhecido a importancia de
fixar nella o valor das palavras.
Concluiremos, pois, dizendo que o e-
pitlieio cjnitiiucional applicado forma de
governo, ou t autoridades de um paiz ,
intil, porque sua mesma generalidade
permute toroal o no sentido que se queira
(Dj Diario do Rio de Janeiro.^
LOTERA DO SEMINARIO.
O ReitordoSninario Episcopal de O-
linda faz sciente aos amantes da Lotera ,
que as rodas da L'i'eria concedida a favor
da nstruec-o dos Estadantes pobres nnda
impreterivclmente eui o dia l de Marco
no Consistorio da Igfej de Nosa Senbora
do Rosario.
aagMNHaaMaetcaanaaaaai
_. Jacinto. Soares Bjtilno, Official dj
fmprentor tendo da deixar o lu,?ar por
motivos demol.'stia convida rqueild Sor.
que se quiser apnltcar a t-aiI arte pira qua o
procur na Typografia Fidedigna croo 3 o
andar dos 4 cantos da ra do (^ ipimadn ,
que ali o achara prompzo a prestar toda a
instruccJo necessiria ; e promeite ceder-
'hefod-is ossns lucros logo qu> o ache ca-
paz d'o substituir: o pretendite devei
ser 'le b ia conducta ,'e de urna cousir urro
forte.
Apettoa que'qu-zer comprac 1 duzia
de cadeir* e 1 camif douradot de pali-
nha 2 banquirilns de abrir de vicele,
loqutdros grand-s, 1 meio aparelbo do
lonca azul 1 globo grande de meio de
sala 3 marquetas, 9 camas de cazado
com colxoens huns baus caixat, ecal-
xoent grandes de louro c de pinbo ta-
boas grandet, e piquenas de costado dejama -
ielo. j ui'dat tima grande (remps de
ferro com dez lugares para porem se pa-
nelas, ludo por preco camodo ero Olinda
defront* do Citroo no-sitio que foi do
Doutor Bernardj
_ Cario* Van Wez Preffe*sor di'lingoa
Inglesa do Liceo d'esta Cidade, tero a hon-
ra de noticiar ao respeitsvrl publico, que
p pela manhaa as tuas casas e de tarde po-
de receber 3 discpulos que se qu-irio de-
dicar aprender as lingoas estrangeiras os
Snrt. estrangeiros que queiro aprender
lingna poriii,Mie*a : os Snrs. que squei-
r5 dedicar tirv5 dirigir-se a sua mora-
da na rus de S. FranciscoJ, defronte do
beco do tanque d'agoa.
Lava-se e engoma-se tonto para S'.
como para bomrro com a maior brevid de
d por preco menos do que em outra qual
ouer pirte : no rmaseos da_ ra Nova
D 34.
_ Precisa-se de 800,000 reis a premio,
por lempo de 1 annos dando se para so-
guranca urna propriedade livre distante
THEATRO PUBLICO.
A Peca Santa Cecilia se representa
para o Publico no dia 11 de Marco annos
deS. A. Imperial, e hum I) ama anlogo.
Avisos Diversos.
__ Hoje a5 do correte be a ultima pra-
ca da casa cita na rui do Colovello D. 3 e
bm construida pelo Juiso do Civel da
a. Vara das 3 par;i as 4 horas da laida.
Mr, Kissel relojoeiro francez no
atierro da,Boa vista acba-se prompto a
concertar qualquer relogio que Ibe seja
confiado pelo mais cnmmodo preco elle
obriga-se a restituir o dioheiro que tiver
recebidoem pagamento de qualquer con-
cert, que nioi'or beaa executado.
_ Alaga-w o segundo andar de om so
b^atto, o Forte do Matos para pequea
familia : na rus do Crespo toja D- 11.
desta praca nove legoasem valor de 3:oooU
qoem quiser^dar annuncie para ser procu-
r.d'.
_ Arrendase hum Vinculo de Ierras
Uvradins, e de creacio na Ilha de S. Mi-
guel.* no pateo da Magdalena, sitio da viu-
va D. Catharina.
_ Arrenda-te por um e mais annos hum
ptimo sitio no R'x-> de. Agoa-fria com
boa casa de vivenda envidracada estriba,
ria para 4 cavallos. padaria galinheiro,'
e banheiro no Riaxo que corre pel mes.
mo sitio, tnuitos arvoredos', nroa grande
baixa eja parte della plantada de capira:
os pe tendentes dirija-se a Joaquim Jos
Esleves na ra da Gloria casa D. 43, que
Cica defronte do po tad .do quintal das
Freirs.
Perden-se um carleira"peqaena de
Marroqu m verde, desde o pateo de Pala-
cio al a mi do Queimado, tendo( dentro
urna sedula deaOooors., um palacio e
um 'lili,ele da Lotera do Seminario n.
1585: qoem a uiver adiado levea a
leja de Livros do Sor. Pinto pateo do Co>
legio que se recompensara' cum generosi*
dade.
_ Qnem[tverequser alujar hum so-
brado de um andar 00 na fifia urna casa
terrea com commodos sumeientes para mo-
rada negocio, ou lejas para este fino
por aluguel, venda ou tr de hum sebrado em ra principal desta
Cidade e sendo algum inquilmo queira tras-
palar a chaves dando se-lhe algumas luvas
e ainda se dever alguns metes >e pagara ,
advertindo que^hade serjda rui Direitaat
oLivramento: annnncie.
_ Aluga-se o armazem por baixo do
sobrado de D. Izbel Mara Ferreira, nos
fundos da leja de Joaquim Goncaives Cas-
cio : quero o prtender dirij-se a mesma
loja na raa da Cadeia n. 45-
Precisa-se de um offlcial de tanociro,
que seja perito e que lenia boa conducta,
para trabalhar em huma tenda : quem esti-
ver nest s circunstancia-, dirija-se ra da
Cruzes D 7.
,Dtteja-se fdaraoSnr. Miguel Lino
Ferreira para negocio que talvez muito
Iho enleresse ; rrga-fe pois o seu compa-
recimenlo na rea da Cruz num. 5*J, por si,
teu Piccurador ou algum seu amigo, do
contrario annuhciahdo-se por esta fullia
sera' qm-lquer e Utas pessoas proaura-
das.


i
\
t
l
C,
plARl DE
PKNAIIBBCO.
r r i.
_ O Doutor em Medicina Manoel Jos
da Rocha Lobo mudou su residencia pa-
ra a ra da Crdt junto a botica do Sr. Luiz
" Pedro das Neves, no segunda e tercero an
dar onde o podum procurar todos o das
de manh al as 8 horas, e de tarde at
as 4*
Precisa se de um caixeiro para tomar
contada urna padaria por bataneo pre-
erindo seaquelle queja tenha pratica des-
te negocio: na ra Direita padaria de 3 so-
brados D. 13.
_ A pessoa que precisar de un rapaz
brasileiro de idade de i5 anuos, de mu
o boa conducta, para qualquer oceupaco
excepto de venda e dando Gad >r di-
rija-se a ra por detrados Martirios casa
de duas rotulas veides de.ronte du una
erca na mesnn casa vende-so urna escra-
va de aoannos de idade boa quitandeira
Pedese a Cmara Municipal que se
digne mandar abrir o cano do pateo do Car-
ino, e ao mesmo t:mpo do pateo para acha-
ntada ra do cano mandar remover todo
o entulhode i ni m un ti ees, que est tornan-
do o lugar intrausitavel e inficionando o
ar, mormenle em um lugar sonde se tem
estabeltcido um hospitflj* publico. Qjem
Tez este annuncio est muiu-simo certo, que
Illm. Cmara levar a effeito esta recomen-
dacio de Hygiena porque nao pude dei-
xar de por em pratica todos os meios a sen
alcance para roellior< paiz : he mais urtt meio de mani.festar-se
o verdadeiro patriotismo
__ Vaprover-se a cadeira de primei-
ras letras do Coliegio Pernambucano. As
pessoasque se julgarem habeliladas para si
militante, magisterio podem dirigir-se ao
tnesmo Colegoste ay do curente, munidos
de documentos que provena a sua apttdio e
nioralidade.
_ O accionista das cautellaa correspon-
des as 3 Loteras, Tac sjente que a do Se-
miiiario corre impretenvelmente no dia iM
de Marco conforme annunciou o Sur.
Thesoureiro e por IS30 avisa a os apaixo-
nados que concorrlo a comprar antes que
se acaben as ditas camellas na ra de N.
S. do Terco D. g, e nos lugaies ja annnn-
ciadoa.
__ Fartario no dia 19 do correte umi
em casa da Silvestre Joaqun do Nasci-
mento.
Quera precisar de um feitor para si-
lio o qual nSoengeita Irabalho de qoali-
de alguma cosa tanto que receba a recom-
pensa do seo servico aununcie.
. Quem precisar de roopa engommada
lisa e cuta pregas, com asseio e perfeicio ,
e por mdico preco: dirija-se a iua da
Paz ou Cano D. 11 junto a fabrica.
Quem quiser dar a5o,ooo a juros
portempo de a mezes coa boa firma ,
annuncie.
Engomma-se com toda perfeicio e
asseio toda qualidade de roopa 5 no beco
da Bomba IX 4 do lado do sul.
Aluga-si ama preta moca creoul 1
e parida de poucos dii& com muito boro
leite lava engomma e trata muito
bem de meninos, pois ja tem criado; quem a
pretender dirija-se a ra do Livrameoto
cjufronta a Igreja, D. 19.
_ Alu;a se urna casa terrea em qual-
quer ra do bairro de S- Autuuio que te-
nha commodos lio someule para pequea
familia e que o seu aluguel nao exceda de
8 a 10,000 : nesta Typografia ou anuun
ci.
O Sr. que mandou offerecer urna ca-
pa da ordem terceira do Carmo por urna
preta baja por favor de mandar declarar
a ra e Decima da casa para ser procurado.
_ A pessoa que annunciou querer ar-
rendar um sitio perto da praca, sendo quei-
ra um com casa devivenda, estribara pa-
ra dois cavallos, ecasa para prelos, com
muitas arvores de fructas, boa agoa de
beber, biixa para rapio verduras rae-
lo, dirija-se a ra do Nogueira sobrado
de um andar D. b.
A pessoa que quer fallar a Jos Gon-
salves 'lorres d>'ija-se a ra da cadeia do
Recife casa n. I.
_ Preciaa-se de um caixeiro portugoez
de menor idade para urna venda ; na ra
do Fagundes D. 1.
Os Srs. Joaqun, Jos Lourenco e
Manoel Correia Loreim, dirjaos* ao becj
da lingoela na venda defronte do beco das
creau^s.
_. Quem precisar de um porlugaet de
1 a anuos de idade dar caixeiro de ioja de
1
do de cobre ssbir uestes 15 dias'; quem
quiser carregar ou hir do passagem diri-
ja-se a Me. Calmont & Companhia.
PARA O HAVRE sahir no dia a8 do
trrenlo meza Barca Franceza Casimir De-
larigne de superior marcha anda pode
receber 100 a 15o sacas de algodao } quem
quiser carregar ou hir de passagem para o
que tero excedentes commodos dirija-se a
os sus coosiguaiarias B. L tsserre & Com-
panhia.
'.--;----
.Leilo
; No dia a. feira a5 do correte por
conta e risco de quem pretencer, no caes da
alfandega nova as 1: oras dos gneros e per
tences, salvados da escuna Americana sailors
Returii naufragados )na costajdo Rio Gran-
de do Norte de muitos differeutes obje-
ctos por ordem do Cnsul Americano.
_ Que fazem Alexandre Me. Kiy &
Compauliia, por via do Corretor Oliveira,
d umjexcellente sortimento de pan .-los
madapoles cassas, chitas, e p.datilhas
de todas as qualidades e boro gosto e em
suma de grande diversidade de fazeodas d
II, linho e algodao, na quarta feira
37 do corrente pelas 10 horas (da manbi ,
no seu armasem da roa da Cruz D. 44-
Compras
jaqueta de pannoa/.ul fiao, com golla de I fazendas de que ja tem bastante pratica
veludo prelo, boluadura amarella com
Igibcira para carteira, e nina camisa de
madapoln fino a dita jaqueta tem o no-
me de Esleves Jos Nicolu ; a quem for
offeiecida a dita jaqueta e camisa tome-a
e leve-a a ra estieila do Roz*rio ao p di
botica que ser recompensado.
_ A pessoa que precisa de um mestre
para ensillar 3 inenioos a ler escrever ,
contar, egrammatiea portuguazs dirija-
u a ra Direita D. 64 do lado do uascente.
_ Alu;a-se um sobradinho com sollo
na ra do caLboucen. 5, os pretendeuie
dirijio se a ra dos Quarteis padaria De-
cima D. 5.
_ Os Snrs. Jos Duarte, natural de
Lisboa; filhode Manoel Duarte, e Jos
Hermano Camino queiio annonciar so-
as moradas paia se tratar negocio de lute-
resse.
_ Deseja-se alugar Uma morada de ca-
sa oas ras seguintes : trincheiras pateo
do Carmo sgoaa verdes hurtas e caru
boa do Carmo que nao exceda o seu alu
guel a mais de ios'ooo e da-se t mezes
diantados; quem tiver annuncie.
_ O Sr. Jos da Cuuiu filho de Jos
da Canha natural do l'oilo Freguesia de
Avinles, queira dirigr-se ao beco da lin-
goela venda de Joaquim Jos Rubello, que
ve deseja fallar.
Quem precisar de um caixeiro para
armasutn de mulbddos ou para cobiancas,
dirija-se ao pateo de S. ledro loja de li-
tros.
Alug-se umcavallo com um par de
eassambvs para qualqu-r servico de pedrei-
10 com os seirs competentes serventes as
pessoas q >e precisart>m dinjao-sea ra Di-
reita D. 3j.
7* Aiuga-ss um preto para o servico de
uma botica da-se o sustento e 8000 por
mez ; quem o tiver, dirija-se a ra tsirei-
ta do Rozario botica de Joo Perira da Stl-
veira.
A luga-se 4 caouas grandes com bons
canoeiros para couduzir qualquer frete pa-
ra bordo dos navios ou para qualquer
obra: no principio doau-rro doi affogades Capillo FlockUatt forrado, eencavFlha-
annuncie.
_ Precisa-se alugar um negro que
saiba cozinbar e fazer o mais servico d
uma caaa : na ra do Crespo D. 3.
_ Um eslrangeiro chegado proximen-
te da Europa com sua Senhora deseja a-
char um proprietario de escravos que te-
nha um palanqnim decente para todos os
Dumigcs condozira dita Senhora at a
Igreja ede l regrecar para sua casa por
um preco estipulado menssl ou annual-
menle sem interrupcao : quem este negocio
quiser faier dirija-e a loja de faiendi.s de-
fronte da Igreja da Conceiclo da Boa vista.
_ Arreuda-se annualmeote uma casa
terrea abarracada de novo acabada si -
gundoo gosto moderno com seu corredor
lavado, sala de vesita forrada, com 3i
palmos em quadro 8 jaoelas de peitoril
envidrassadas 8 quartos saHa de jintar,
cozinha fora com o assentamento do f ogo
inglez com 5 fornalhas e seo respectivo
fui no quintal grande com Cacimba que
tem agoa para beber, sanzalta para t eserr-
vos estribaria para a cavallos com poitao
para a frente da ra ind 'pendente da porta
principal ,< e ludo muito bem pintado e
suficientemente assiado cuja propriedade
li" situada na ra que vai da estrada da so-
lidado para a do Manguinho e junto ao
muro do Dezembargador Maciel Monteiro :
os pretendentes entendi se com o eserivo
Almeida que est munido de poderes pa-
r fazer o arrendamento.
_ Da-se 4o>ooo a premio com firmas
a contento: nesla Typograila se dii.
__ Um braco de batanea para balcio e
duas baUncirilias de ourves e um terno
de medidas de pao do novopadro : em fo-
ra de portas n. ai4 ou annuncie.
Um cavallo que tenha carrego haixo ,
e esquipe : em fora de portas venda nu-
mero ai 5.
_ ma canoa maueira para^fcarregar
barro ; e um escravo para encbada ou ca-
uoeiro : nesta Typograila.
Vendas
Avisos Miuitiios
PARA LIVERPOOL o Brigoe Porto-
guez Josefa asahir com toda brevidade :
trala-secomo Capillo Manoel dos Passos
Gomes eOliveira, ou na ra da Croa nu-
mero 57.
PARA HAMRURGO o superior Brigue
Inglez Fleta novo e de priuieira viagem,
O Numero 90 do Echo da Religo
e do Imperio ; na praca da Independencia
loja de livros n. 37 e 38.
Mu excellenles e superiores bichas
chegadas ltimamente do Porto aos milhei-
ros e a os centos e mesmo em peque
as porc-s : na ra Direita D. ta.
_ Uma negra de naci de a4 annos
de idade robu&tae deligente para todo o
servico cozinha o diario de uma casa ao
comprador se dir o motivo : na ra do
Hangel no primero andar do sobrado da
quina do bsco do Liceo.
Duas cabras bichos, uma ainda d
leite : na ra da Cruz n. 3a.
Umcavallo gordo e csrregador por
55,ooo ; na ra Augusta casa d lampiio.
_ Msicas ltimamente chegadas do
Rio de Janeiro para pianno forte dos
ruelhores authores : como Rossini, Beline,
Pacini e Mercadanti, ludo por preco
commodo : na ra taiga do Rozario loja
de miudezas D. 7.
_ Um lindo moleqne de naci, de ida-
de de i4annos no tem vicios nem acha-
ques, faz todo o servico de uma casa ; uma
escrava da cosa mui fiel tem aa annos ,
paga por dia 480 e uma dita de naci
beuguelia de idade de ao annos : pascan-
do a Igreja dos Martirios 110 primeiro an-
dar do primeiro sobrado.
A bordo da Sumara Fetecidade che
gsda prximamente do AraCty e fundia-
i.i na pra,a do coliegio muito boa carne
secca assim como falo seco e ossos com
carne : a tratar com o Mestre a bordo ou
com Antonio Joaquina de Sotiza Ribeiro ,
ua ra da eadea do Recife.
Uma prensa de fazer perequito pa-
ra abertura de hornero : nesta Tyrtografia.
Uma armaco de venda com todos os
seus per tences e alguna gneros; quem
a quiser annuncie.
Cassas de quadros com toque de a-
varia por preco commodo : na roa do
Crespo 3;
Um viido : parede e meia ao carto-
rio de Manoel Antonio Co- II10.
__ Os Peridicos dos pobres de Lisboa ,
azeite de peixe em poreio e a retal lio n-1
-u' do fino de primeira sorle : na pnc
Roa vista venda D *J
Na loja de etacadernador da
Independencia n. a6, os seguintes
Historia Romana dita da Grecia
de Mallos sonetos de Diniz EzUD0
ema odes d Diniz obrgaces do Jql
Filosofa por amor Annaes de Tcito
decionaria de Philippon Belisario G!
orgicas portuguezaa, Cecilia de Cbiten"
The Entihipnots Songster, Romanorm,'
Pcnlificun amores de Theagens.
Uma casa terrea com cbos proprios
ua quina da ra do Fagundes junto a ribtj
ra que se echa hoje com venda e d i
muris mensae; a tratar namesma ra en
casa do Capillo Felis Correia.
_ Pulseiras rozetas e anes de dia.
mentes, piilceitas brincos, e roselai de
.filagri aneles deouro com diamautet
alfinetes de ouro com ditos cordes finos
e uma commoda de Jacaranda' : na loja H
Jos Esteves Vianna na quina do beco da
Congrrgacio D. ar.
_ Emilio Laroucari, segero, no at-
trro da Boa vista tem a honra de partee!,
par ao publico que na sua cocheira um
carriubo d duas rodas novo e furto por
tile e um dito Inglez tambem de duas ro-
das ratificado de novo
i- Superiores chapeos de massa pretos
ditos de castor branco e pretos, da uli!
ma moda ditos elsticos bichas grandes
de Lisboa ; e na mesma se consertio e pe.
se a moda chapeos de castor de massa
ludo por preco mdico ; assim cobo se
informad chapeos do Chile: na fabrica jun-
to a cadeia.
%- Hamburgos, estopa e bretannside
Kobo em pecas de 6 varas: em casa de
Hermano Mehrtens, na ra da Cruz Dci-
ma a3.
Escravos Fgidos
No dia a8 de Dezemhro do p. p. fugi-
rio dois escravos do lugar do Monteiro 1
negro de nome Luiz de idade de 4<> an-
nos naci mucarobique, estatura regular,
fullo tem um dedo de menes em um pe,
tem sido visto no atierro .dos affogdos; a
negra de ome Mara de afio angola,
bem preta boa figura denles sbertoi,
falla rouca levou saia preta e pauno da
costa; quem os pegar lev ao trapiche da
companhia,, que sera' recompensado.
- Estevio creoulo, de idade de 4o ta*
nos de idade pouco mais ou menos tem
um c.i!ombo no pescoco da parle de detraz,
fugio em Janeiro ultimo ; quem o pegar
leve no forte do mallos em c*sa de Fu ati-
no Jos Felis da Rosa que ser n com-
pensado.
-- No dia qnarta feira ao do correnta
fugio um escravo Joaquim de. naci
mucambque de idade de 3o annos, cor
fulla, estatura, baixa e baslanta robusto,
e alguma coisa talo no fallar ; quem pegar
leve a ra da Cruz n. 41 "o armasen nu-
mero 4', quo gratificar. '
.-----,__________J---------------------
Movimiento do Porto
NAVIO SAHIDO NO DIA a a
LISBOA ; Escuna Portugueza Sao Jos,
Capillo Joaquim Jos de Scuza carga
assucar.
OBSERVACOENS.
Fundiou no lameirio o Brigufe Prucisno
Urauia Capillo Brum Mli vem do
Maranhio, ero lastro : ao Cnsul.
Fundiou no lameirio a Barca Ingle/a Rosa,
Capitio Hall, viuda de Trocodana, car-
gs azeite : ao mesmo Capillo para re-
frescar e segu para H*lifax.
Seguio seu destino a Escuna Nc. Jovids ,
Capillo Joaquim Jos dos Santos car-
ga varios gneros leva 2o escravos de
diversos donos.
Fez-se de velra a Charua Amphitrite para o
Rio de Janeiro Commandante o Pr'*
roeiro Teniente Fortunato Eugenio Ta-
vares.
l'iaaj. KA'TlF, DB 1> D* *. S! lHJ9"
AJ II


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER481K2FL_0LCKOW INGEST_TIME 2013-03-29T16:53:31Z PACKAGE AA00011611_03743
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES