Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03732


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE i839. TERCA FFAKA
CAMBIOS;
Fevrreiro 11
Ixmdres 3c l/i 3o 3/4 Di. St. por ifooo ced.
Lisboa 8o por ioo premio, por racial, oflerecido
Franca 3o a 3a5 Rs. por franco.
Rio de Janeiro ao par.
Moeclas de6f4oo Ufano as velhas noval 14/130.
,, 4fooo 8J i oo a Pesos Columna rio 1063) a iff>5o
Ditlos Meiicauos i|6oo a i#6o5
Pataces lirasileiros i#63o a i65o
Premios das Letras, por niez i i|4 a ip por loo.
Cobre ao par
PARTIDAS DOSCORRfclOSTERRESTES.
la DE FEVEREIRO. NUMERO 3.<
Tudo agora dependa de nos mtsmoj ; da ncssa prudencir
modei aco e energa: continuemos como principame*,
e sesmos apontados com admiraco entre as ^aces rr.eiser!-
tas.
Proclamaco da Assemblea Garal do Brasil.
Cidade da Paraiba Tillas de sua pretenco .' *
Cidade do Rio <>ran C:dade da Fortaleza e villas dem.......I Segundas &*t'iras.
Villa de Goianna............. 1
Cidade de Olinda............ Todos os Villa de Santo AntSo........... Quintas feiras.
Dita deGaranbuns e Povoaco do Bonito.....
Dittas do Cabo Serinbaem, Rio hermoso, e Porto Cairo
Cidade das.Alagoas, a Villa de Macei. .....
Villa de Pajau de Flores. *.....
Todos os correios partem ao meio dia.
Das io, e i decada raez.
dem i ii,- ai ditlo dfdo.
dem dem.
dem 13, ditlo ditta
Subscreve-se para esta folha a 3fooo rs. por qumtel, pagos adl-
antados nesta Tvpcgralia, ra das Cruzas D. 3, na Praea
da Independencia D. 37 38, onde se receben, correspon-
dencias legalizadas, eannuncos: insirindo-se esle gratis
sendo dos proprios assignantcs, aviadosassignadot.
DAS DA SEMANA;
11 Segunda S. Lasaro B. Audiencia do J. de Direilo da a. vara de manli.
n Terca S. Eulalia V. M. R. de manli e and. do J de da 1. vara de manli.
13 (Ruarla de Cinza jejiun alea Pa coa excepto os Domingos.) S. Gregorio 2. P. "So lia
4 Quinta S. Valentini Al. Relaro e aud. do J. de D. da a. vaia de inanh. La
lior. e (i minutos da muh.
i5 Sexta S. Faustino e Jovita Mm. Se*, da Tlies. enud. do J. de D. da 1. v. do m.
i(i Sabbado S. Prolirio M. Kel. de manh. eaud. do Y- G. de t. em Uliuda
1; Domingo 1 ,i!a Quaresma. S. Sdviuoli.
Alar cheia para odia 11 de Fevercito.
' As 3 lioras e 4a minutos da manli. As 4 horas e 6 malulos da larde.
desp.
Nova a 1
O B WKKHAM

PARTE OFFIGIAL.
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PR0V4NCIA.
Expediente do dia 5 de Ferereiro de
18J9.
Officio Ao Inspector da Thesouraiia,
ordenando-Ihe que mande pagar so Pre-
feilo da Comarca da Boa vista ou a pessoa
encarregad* por elle a quantia de 196s'
res proveniente da compra que o mesroo
Prefeito fez de huma casa para Cadeia, e
alguna movis para a c isa dos Jurados.
Dito Ao mesroo mandando saptisfa-
ser a Francisco Antonio Xivier, ou ao seu
Lisiante Procurador Manuel Carneiro de
bouza Lacerda a quantia de iagU4c6' is
importancia da despesa feita pelo telendo
Prefeito com os presos pobres da mesma
Comarca.
Dito Ao Prefeito da Comarca do Re
cife, para mandar receber do Commandan-
te da Escuna de Guena Piraj o Paisa-
no Fernando Alaria R.bello d'Andrade ,
que pdo Exm. Presidente do Maranho
fui remeltido preso para esta Provin-
cia.
Dito Ao Tenente Coronel Comrosn-
daute do segundo B.italho da Guarda Na-
rional de Uliuda nomeando-o pna tomar
o Commando da Legiio daquella Cidade
durante o impedimento do respectivo Che-
fe interino, que parlecipa achar-se tafea
1/ito Ao Commandante das Armas,
coramunicaodo-lhe a expeiliccu da ordem
supra.
Dito Ao Chefe da Legiio da Guarda
Nacional de Nasarclh, communicando-lhe
em resposta ao seu officio de i5 de Janeiro
ultimo, em quepartecipi haver falescido o
Tenente Coronel Chefe da mesma I.egio
M inoel l'el Ii rio Marinho Falcio ; que a
Presidencia tem nomeado para tal posto
ao Major do referido Bitalhio. Juse Lopes
Lima, a quem fara' corisUr esta nomeacio
a fim de solicitad a siia ptente e devendo
para o posto de Major qu-j fiea vago, pro-
pora tres Capitaen mais anligos do dilo
Batalhfo.
Dito -- Ao Director do Arsenal de Guer-
ra, communicaudo llie. que 8 Presidencia
convem em que se prehencha a companl.ia
de Artfices convidando-se por meio de
annuncios a quem ntlla quer* servir co-
mo propoem o seu officio de 3o de Ja-
neiro ultimo visto faltirem-lhe 34 pra
C/tS.
Poriaria Ao Inspector do Arsenal de
Marn ha paia ordenar ao Commandante da
Escuna de Guerra Piroja que na inai
dodia 6 do rorrete largue para a CUade
do Rio de Janeiro entregando ao G>-
verno imperial os tffi.-ios que se llie nmel-
le m. >
Expediente do dia 6.
plicada ao pagamento da divida passiva mi-
litar posterior ao auno de lo.iti,
Officio -- Ao Commandante Geral do
Corpo de Pulicia, ordenandu-lhe que faca
augmentar o destacamento de Polica da Co-
marca doLimoeirocom mais r pracas e
l Inferior.
Dito-- Ao mesmn, para informar s-
as Coxias da Compandia montada do C
do seu Commando, podern ser admitida
mais lacavallos.
Dito Ao Inspector Geral das obras
Diversas Reparticoens.
MEZA DO CONSULADO.
_ A Pauta he a mesma do nutn. a7.
ARSENAL DE GUERRA.
O Arsenal de Guerra precisa de enga-
ar homens que tenhio sido Soldados pe-
lo menos 4 anuos eque nao seja milito
Publicas, para entender se com o Com- velhos para seren empreados em limpe.
mandante das Armas, e remelter 0019a- za de arnramenlo : quem esliver nestas cir-
raentodas despesas (|ue se d-vein faser coro cunstancias equiser dirija-se ao mesma
os eonsflrto de huma das casas das com- Ar.-en.il a falar com o Director. Adver-
pinliiag do O 1 uii I do Hospicio para onde tese que devem vir munidos de suas es-
mo.ecm uso de remedios. deve ler consumo antes que s.qa deliora
Dilo--Ao Chefe inteiino da L"gio I da como representa em seu omcio dea do
da Guarda Nacional de Olinda, commum- corrente, cumpre que a mande enlregir ao
Inspector do Arsenal de .M nnia a fim
de ter a conveniente applicacSo.
Dilo Ao Inspector do Arserml de Ma-
rinha, para mand r rereber a cal de que
Iracta u officio precedente, e applicil-a a
obra do C >es de Pilacio.
Dito Ao rnesmo ordenando-llie que
cando-lhe o conteudo no precedente offi-
cio.
Dito Ao Ju?z de Direilo Criminal da
Comarca do lirejo comunicando Ihe em
respokla ao seu Officio de a9 de Janeiro
ultimo, obie os pasos Manoel Jos Mon-
teiro e Pedio Jos M mteiro, e arecu-
za que Uve o Prefeito em cumprir o seu
despacho, em raso de terem pres'ado fi-
aut,a uto obstante ja tel<>s pissado a or-
utm'doJuizo Criminal; que se offiuiou ao
r.ferido- Prefeito, ordenando-lhe qu
p-is>e inleiramente os mencionados presos
a oidem do poder Judiciano a fim de se
i< ni jwlgados na forma das Leis.
fj.to --Ao Inspector do Abertal de Ma-
in.In, ordenando, que mande pagar ao
Piliice da lacinia Victoria, que do por-
to do Ceara' cenjuzio para este porto a
hbCuuW'iiHJa', a quantia de 18 U rs. por
que ajustou esliviagem, sendo iSoUrs.
de soldada, eioU rs. pelo tr.balho de sua
volta.
DitoAo mesmo, communicando-lhe,
que achando-se a bordo da E Guerra Piraj, algumas pra5as de primei-
ta hnha, enfermas, e que necessilio ser
nicllior alimentadas conforme representa
o Commandsnte das Armas ; cumpre que
forneca ao Commandante das referidas
pruets as galiuhas que forem precisas.
deve ser lecolhido o parque do Esijuidio
de Artilheria a Cavallo
Dito-- Ao Dirrctordo Arsenal de Guer-
ra rcsponderido Ihe que deve conside-
rar como desligado da Companhia de Aiti-
fices, o Capiu Joo Nepomuceno d*
Silva Poitella fioando sem ef-.ilo oque
a tal respeito Ihe fui commuoicado em of-
ficio de 3o de Janeiro ultimo.
Dilo -- A Cmara MunicipaLdo Limoei
ro rcitpondendo ao seu tlinio, em que
pede perm'issio pira construir pr cima
do forro da Cadeia que se esta' fasendo
i 11 -s alascom dous quarlos pira as Au-
las de Grammalica Latina, e piimeias
Lelras, i|ue a Presidencia nio pode con
vir em semelhantu obra por Ihe nao pare-
OflL'io Ao Commandante das Armas, cer ullit reunir no mesmo Edificio que se
dentina para a rtcepto dos ciiminosos,
as Aulas que tem por fim a educaco da
mocidade estudiosa.
Para que e-ta Presidencia possa man-
dar fastr as neressari.'s despesas com a
ponte de Piranhiradess Vdla. que se aeha
anuinada, e com a factura de hum assu-
de, que alii ,-e faz preciso para supprir no
veao ag' 11 lo pi-nuiia d'agoa potavel ,
conforme Vms. requesilo nos seus duu
1. ffieios de 1% de Janeiro prximo passado,;
communicando-lhe, que estandn patada a
obra do novo Hospital Regimeutal, e ex-
islindo t.aoo a i,4"0 alqueres decalque
cuzas no caso denlo seren conhecidos
pelo mesmo Director.
Arsenal de Guerra 8 de Fevareiro de
i839.
Jos Carlos Teixeira.
Director.
O Arsenal de Guerra c mpra pregos em
birria ssso da correia pedras de logo
inglt-sas taboai de pinh 1, e lona em pe-
cas : quemlivr e quiser vender dirija-
se ao mesmo Arsenal c.111 as amostras e
preces, que se comprar quem por menos
Iho ou avariado.
Aiseual de Guerra 8 de Fevereiro da
i85y
Jos Carlos Teixeira.
Director.
OBRAS PUBLICAS.
risto nao ler ess 1 Cmara os meios suffici-
entes p faca desembarcar a vista do que represen- 1 mijter Vns. depois de terem feiio levan-
ta em seu otfi'io de 5 do cnenle o E-cri- !|ar a planta, e terem os oi\amenlos dellas,
vio da Escuna de Guerra l'iraj quo se i como Ibes determina oailigo 3. e \. da
ulii infennn como informa a junta de sa- lei de. :>y do Agosto de 1828, cFertctm
ude fasendo-o ieculher..ao Hospital, e sua ctnsliurco a empresarios por va de
noroeando qium o substitua na forma das Edilaes Pblicos pura serem pa;os de suas
Leis. I despes'S pela importancia da taxi imposta
DitoAo me. mo pira faser comprar pelo uzo ila ilm dando a prefer ncia ao
cora a preci>a hrevidade e entregar ao que maioies vnt gens offerecer e esti-
pulando >.s lui.dicioes mata contenientes ao
Precisa se de quatio Serventes para
Irabillianm na obia do Quartel das Cinco
Ponas quem como tal se quiwr empre-
ar dirija-se ao Sur. Tenenle loaqmm Jo-
ze de Furia Neves no mesmo (^uarlel para
Ihe dar tiabalho.
Inspi ceai) das Obras Publicas 7 de Fe-
vereiro de 1839.
Aloris Ancora.
Comm and ai.te da Escuna de Guei 1 a Pira
os vveres oecessarius para j(i pniri-d
primeira linha do Exercilo que na m.
pnMii > na forma dos arligos 5. e t.
da m ma Escuna tem de seguir para a Coi le do t-sgotados isiis meios he ijue as ditas i bras
Rio de Janeiro ficundo na intellig ncia,
de que a despesa cura os ditos 'vveres de-
ver ser paga pela Thesouraria Geral.
Dito Ao Inspector da Thesouraria ,
comunicando Ihe o conteudo 110 preceden-
te officio.
Dilo Ao mesmo transmitindo-lhe a or-
dem do Thesouro publico Nacional : sol
numero t de 8 de Janeiro ultimo man.
dando por a disposicao da presidencia a
quantia de3o:ooooo de reis para ser ap-
se devem faser par coota dos rendimentos
di s o II' es ou d. Faseuda Publica ; co-
mo' be expresso no arligo i5 seguinte.
Dos Guaide a Vms. Palac o do Gover-
no de PernamliUi o t de Fevereiro de 1839
-- Francisco do Reg Barros -- Senhores
Pirsindente e Veieadorts da Cmara Mu-
nicipal do Liuioeiio.
Pela Admiuistraca Fi-eai das ObrasPu-
blicas so arreiida urna casi lene.. m> lugar
do Manguinho para servir d'Armazem pi-
ra recolher os roateriaes e uteusis perten-
ci ntes aos tiubaihos das obras do mesmo
Maiiijuiiho ; a pessoa que a tiver e qui-
7.1 r arrendar pode c lita Adaainislracao para tractar do seo a-
juste j aaigoarot mo d'aneudamento.
amaro i anciseo de Moma.
Adminislr dar Fiscal.
EDITAL.
A Cmara Mun cipal da Cidade do Rrcife
e seo Termo.
Faz saber, que pelo Dr. Jo:z de Direi-
lo interinod.a segunda Vara do Jrime des-
ta Comarca Ihe fora feilo a d- rida par-
tecipafao sob haver designado o dia a 5
de Fevereiro do mtz actual, por as dez
' horas da manhi, p.a dar priiicijiio a
' ..;
,


----__
s
b I* A |1 D fElMAMBCOO

primeira Sesss ordinaria dos Jurados des-
te anno na casa de saas Sesses ; emcon-
sequencia do que tendo-se feito o sortea-
mento na conformids.de do Cdigo do Pro-
cesso Criminal, fora sorteados os 6o Ju-
rado*, que sao oa segualos Smhores.
Joaquim Claudio Monteiro.
Capita Felis Corris da Silva.
Capita Antonio AfTonso Viauna.
Siltador de Souza Braga.
Joad de Araujo Cavalrmte.
Jos Alves Pragana Gu-birab
Francisco Augusto da Costa miflMMnfcaV*.
Capita Boa-ven'ura de Mello CasteUo
Uranco.
Jernimo Ferreira Bustoiffe.
Jos Vieira de Fraga e Silva.
Jos Viricimo.
Joaquim Goncolves do C*bo.
Manuel Francisco Duatte.
Francisco Xivier de Cervalho.
Joa5 Ferr Ira Tavares
Francisco Estanislau da Cosa.
Joa5 dos Santos I'orto.
Francisco X >vier de M Utos.
L'lii Jos da S.lva Guimaranhies
Marcelino Antonio P -reir
Jos Francisco de Paiv- Jnior.
Mi noel Thomar de B rros C Domingos Pires Ferreira.
Antonio Jos da Costa.
Joaquim Goncalves ferreira R.'za
Mane- I Oarneiro Pessoa.
Jos Joaquim da Costa Lete.
Joa Anastacio.
Antonio Jos Teixeira ('astro.
Francisco X.vier Correia Guovf.
Antonio Robeito da Silva.
L urenco Antonio u'A luqucique e Ma'l '.
Vicente Pereira Gurja.
Jos Joaquim L"pes Moreira.
Tenente Antonio Igidio la Si!va.
Jos Oas Moreira.
Antonio Joaquim de Moraese Silva.
Manoel Ignacio de Jeztis
Tenente Alfonso Honorato B Jos Francisco da Costa.
Bernardo Antonio de Vliranda.
Jo Maria Seve.
Onofie Jos da Costa Jnior.
Francisco Xvi J,u;z Candido Pereir de Carvalho.
Padre Luiz Florentino de Almeida Ca-
tan lio.
Antonio Joaquim de Mello Pacheco.
Jjse Francisco Carneiro Monteiro.
Jua Antonio Ribeiro.
Joaquim Sleslino Goncalves.
Atieres Joao Bernardo.
Jos Pinto de OJiveira.
Manoel Jos dos Santos.
Manoel Nao Carueiro Lia5.
Ignacio Jos de Barros.
Francisco Gomes Moreira.
Jos Manuel de J zus da Malla.
Victorino Jos de Souza Trvasso.
Heniique Jorge.
Manoel Lobo de Miranda.
Os quars s5 os que devera servir em
dita Sessa sendo p ra cujo lim em vir-
tude do \rt. a36 do tnrsmo Cdigo con-
vidad >s peTo presente e bein como lodos
os mais interessados coroparecerem no
da e hora designado sob as penas da Le
se faltatem.
Paco da Cmara Municipal da Cidade
do Recife em SessaS Extraordinaria de 9
de Fe ver piro de itSdi)
Joze de Barros FalcaS de Lcenla.
Pro-Presidente.
Francisco Antonio Rab-llo de Carvalho.
Secretario interino.
Diario de Periiaiiibucu
Recebemos jornaes dealgumas Provin
ras do Imperio e delles tiramos o s>-gmn
te resum >.
A Baha at o i.'docorrente goza va de
tranquilhdade. No Legalista n. 07 l se .
que o chefe da polica do* rebeldes, Anto-
nio Jos de S Freir e Mallos linha che-
gado 00 dia 5o de Janeiio, abiolsilo
pelo Jury da Cachoeira para onde havia
appellado. No C'orreio Brasiliense temos o
seguinte artigo: Por pessoa fidedigna,
cliegadi lioutera (10 de Dizembro) do R10-
i^rande litemos sgradavel noticia de ler
sido completamente batida no dia 8 do No
vembroa columna de Benlo Manuel, pe-
las tropas da Bihia, e Pernamboco, fi-
cindo em nosso poder toda a bigagem ; ha-
vendo esta derrota integramente descoro-
coado a os rebeldes passando se mullos
delles para o nosso exercito, eentraiihan-
do-se ocaudilho Bento Goosalves paraos
confus da provincia : as Torcas de subita p 000 homens : tudo augura a
prxima conclusa o desia guena e inlei-
ia parificacio do Brasil A Aurora em
0 n." 83 diz, que por noticias dada pelo
Cirurgiio mor Sibrio chegado B>hi* no
da 11 de e/.embro, tenuo sabido do Rio
(irande no dia i5 de Novembro s'b--se
que no dia deste mesmo mez Coi batida ,
deslice>(Ih completamente a fo'ca dos rj-
bebies com man lada por B*nlo Manoel
deixindo em poder dos Legalistas toda a
I).gem no campo muitos morios, e fe-
udos, grande numero de prisioneros ;
com esta gloriosa victoria para as armas In-
periaes. ficou Porto Aleare, livre do si-
tio; a nossa Tropa seacha bem di ciplina
da e espera-se qualquer dia que se fina
lise a Repblica de Piratinim: os nossos
prsoneros felos em Rio-Pardo pode
r* lugir do poder dos rebeldes j se
ai li.ij encorporados a os seus rmios.
Km Sergipe na Villa do Ligarlo, o
socego publico linha sido perturbado p"r
um grupo de farinorosos, capitaneados por
Jos de Sousa Monteiro, bomem crimino-
so que entrando na d ti Villa fez amis
insulluosa assuada dando tiros, e com-
metiendo oulras acces ci miosas, sem
nue o destacamento que di se achava de
guarnicio fizesso face a taes facinerosos;
mas o Pre idenle linha dado proroptsmente
as ordens para serem capturados e enve-
gues juslica.
No Ce ara, cujas folhas chega a 17 de
Janeiro reina a orden e o socego publi-
co ; mas ainda nao linba sess>do a gueria
dos peridicos ni qual uns defendem a o
Senador o S nitor Alencar e dizem do
Exm. Presidente- o Sr. Manoel Felizardo
quanlo se pode dizer de mal ; e os do par
lulo opposlo faiem tamhem quanto podem,
mas vire versa. O n.* 5^ do Dereteis de
O-zembro traz o artigo de urna carta parti-
1 ul. seguinte : Por aqui corre noticia que
Jj Martiui'iio vi-m para aqui e firme a
estar pelo menos d us mezes e c >ro esta
n dicia o povo est alguma cousa agitado ;
pois a malvprs. co eodiosidade c gratule
contra este monslro, e muitas pessoas esto
resolutas a aurentar-se do lugar, durante a
sua estada. Tambem ha receios de que
Un nio faca algum barulho, oj pelo me-
nos deixe preparado para rebentar, logo
que elle saia para nio ficar comprebendi
do nocrime, como t>m por c siume pra
licar pois o que deseja plantar alguma
desordena para mostrar, <\ no lempo de sua
administracloa Provincia sempre esteveem
socego, e mor mente se o Canuto vier ,
como dizem.
Maranho. Esta Provincia esl tan
quilla ; so na Villa do [guar nove rabias ,
capitaneados por um Raimundo Gomes,
Iimv&o arr< mbado a Cadea soltando os
presos, vociferando contra as aulho ida-
des e levando oseu alrevimento ao ponto
de prenderem alguna romm'ssarios de po-
lica : o que circunstanciadamente verao
os nossos Litores nesle arligo, que copia-
mos do n.* i63, e it.\ do Publicador Of-
ficial.
Pelas pessas Officiaes que deixamos
(nscriplas virio os nossos ro<>cdd'os no
conlierimenlo do que8 pouco bouv na Vil
11 da Manga do Iguar : um insignificante
aveotureito de nome Raimundo Gomes .
unido i outros dasua laia entrou naqu Ha
Villa, eapioveitando-se d<"octasiio de nao
(er 'l nais do que tres praca.s de I Li
nln e estarem destrahidos todos os Cida-
dios por nio lemetem rusgas, pelo esla
do tranquillo que geralmente se goza ,
tentou, e conseguio arrombar a prisio e
soltar os criminosos, chegando o arrojo a
ponto deameacar as Aulboridades, e taser
sediciosas requisices.
Ass m coactas as referidas A ulhotidades,
por tio inesperado are nd cimento traten
o benemrito Coronel Henrique Peteira da
Silva Cuqueiro de logo dar parle ao Go-
verno. A ai do correaje foi recebida s
parlecipaci por S. Exc. que aebando-se
eolio na Cidade de A'cantara para onde
havia pSitido no dia antecedente fez de
l mesnr, e n'esse momento expedir or
dem ao Major Commandanle da Polica ,
para que imiBediata.m/ente fizesse marchar
3o pracas do seo carpo, sob o comtnando
de um digno Oficial ; esta ordem apenas
recebida foi prompame 11 te executnds e
em menos de li huras a tropa seguio o seu
destino, pulo que grandes louvores sej .5
dados ao digno Mejoro Sr. Falcio.
No da seguinte chegou S. Exc. a Ca-
piul e alem das orden que havia dirig
do a 11 aos Sub-IVefeitns do L'.uar, e
lcati, e ao Prefeito do Iiapucuui expe-
dio outras a lodos os pontos por onde
promptamente se podesse soccorrer aquella
parle da Provincia determinando que
parlisse toda a Coica de que se podesse tan-
car mi j 1 mandando convocar paisanos
O Prefeito da C,marca do llapucur
o nosso honrado Patricio o Sr. Joaquim
Jo. Concalves apenas soub, que sim-
Ihantecabilda havia levantado o estandarte
da revolta fez, marchar mais de cem pra-
cas commandadaa pelo Tenente Fortunato
Joi da Costa, sendo 3o da 1. Compa-
ubia de L gen os, e o resto paisanos que
voluntariamente se preslara5 as qu es uni-
das s que d'aqui fjrs fasem um p de
mil desordeiros,
S que se aptnximivu) as nossas forras, lar-
ja rao de mo a Villa da Manga, e retira-
rao-se ero' numero de trinta para a Povoa-
cio da Chapadinha onde tem commettido
glandes altentados prendendo o Juir de
Paz e Commissario de Polica respectivos.
bem como o Juiz de Paz do Burily de Igna-
cia Vaz ; mas a esta hora sem duvida esta
rao de todo dispersos por isso que as tro
pas vio em feu seguimento e estamos
persuadidos que a nossa g nio nao perder
urrasia 1 de os apuihar para lerem o justo
premio qup os espera.
a D parte do F.xm. Sr. Presidente da
P ovincia e do lllm. Prefeito do Iiapuca-
' 11 nao podii ser mais rapid > e a propo-
sito as providencias que den 5 e a rospe
lo s-jar mais. Grabas pois Ihe sej .f dadas ,
po'ijur- com quanto este accontecimento dri
Iguai nio roereca ser encarado pelo lado
poltico todava a demora que houve em
se acabar com tal remio de ratoueiros ,
poda trazer graves damnos aos Cidadios
honestos d'aquelles lugares e mais nos
eustaria a desbaratal a porque creamente
havia de engrossar (visto nio serem t es-
tes os malvados que temos,) medida que
l'osse tardontia a sua anniqullico.
Em cnsequencii do desfalque, que
deixou na Guarnicio da Capital a sabida d s
pracas da Polica S Exc chamnu para o
servico a Guarda Nacional cujos Guardas
eos seus dignos Commandanles e Orfi
caos se ho piestado com a maior alegri. ,
e promplidio sem faltarem respectiva
parada as piacas que sio avisadas, oque
nio era nunos de esperar-se de Cidadios
mants da ordem e da prospr ridsde d'es-
la iniere sanie Provincia onde individuos
aes como Antonio Joao Damasceno, e
Raimundo Gomes devem perder as espe-
rancas de conseguirem eousa alguma a
nio ser o que alcuicou o primeiro e a sor
l que tei o s gundo.
Da nova orgauisacio da nossa Guarda
Nacional nio ha ninguem que j ignore
as vantagens que vamos tendo tropa hui-
da, pumeosa disciplinada; e j nio se
observa, comodantes, os Guardas que
tnliHO de entrar de servico apn s-niarem-
se nas paradas de aquetas e rodaques de
chita alem das faltas que con,t. lilemente
(Oi.meltia de comparecerem por exem
po 5 ou 6 quando um") avisados *j4 i ou
3o. Temos tidoa satisfacao de ver n'estes
das o servico prestado por esta milicia ci-
dadi e Dos qaeira que ella sempre nos
de occasiio de Ihe diugirmos bem mereci-
dos elogios.
Pelo que temos narrado dos succ*ssos do
Ignara pode-ae concluir de quanto pro
veito vai sendo a creacio dos Prefeilos,
providencias rpidas e enrgicas por toda
a parte, sem pposicio u'este ou d'aquelle.
e reciproridade em toda esta Magistratura
Provincial, o que era impo-sivel obter-se
dos Juizes d" Paz que para formarem o
compelente processo, era bastante que
um convocasse gente do destri cto que ni
fosse o da sua jurisdicco embira com
authorisaclo doGoverno, e d'aW segua-
se, quererem todos mandar, e a serem o*
bedecidos e por conseguinte uma desor-
dem as mais das vezes peior do que a qie
se linha em vista acabar.
a Prosiga pois S. Exc. o Sr. PresidenU
conlale aqu que. luda a Provincia Ihe
render os devidos agradpcimentos de que
cerlamente se faz merecedor p 1 energa,
e fac.dde cora que providencia e deci-
de as cousas ainda as mais'complicadas.
Conveniencia e vantagens da Uuii5 dis
Provincias do Brazd.
Bem que no B^azil as ideas de separaci
de uma ou outra poica do Imperio, for-
mando um novo Estado paree im muito
dezaceditadas com as licouns d cia e com os pressos da razad publica, nao
faltam todava homens imprudentes .que,
aproveiando se das circunstancias e das
paixoeus do momento procuran) aban*
donal-as como inuteis, daodo-lhes a cor
que mais agrada ao seu ent usiasmo ou
aoseu nteresse. Convem pulalo, que
se chame a atlenca das Provincias -sobre
certas noces simples em si mesmas, e
qu- apenas enunciadas podem pro duzir
a conviccaO nos nimos bem inlMicionados
mas que o fanatismo p -htico busca multas
vezes oscurecer.
Os homens reuniram-se em ass ciaca,
no intuito de formarem a su* feheidade o
que nao podem obter sem ler hberdade e
segura nca : b neficios estes de tal so re li
galos entte si, que. nao pocemos lormar
idea de uma sem a outra. Modos os me-
ios conducentes a qu-i se consiga a posse-
d ses dous objeclos sao pois de grande
excedencia e devem .ser tilos em muito
preco pelos associ.dos. Ninguem negat
poiem que a consideracaS exterior e pro-
pri.dade interna seja m a melbor bypolheca
o fiador o mais abonado da ti a. quilla p. sse
da liberdadeeseguranc-: oenhu n Paiz de-
ve considerar ee livre se es' merce do
estrangeiro ; ero ai os membros da asso-
cincapodero coniar-se seguros na fruict
dos seus direitos. E sem prosperidade 111-
teiior a fruies d'esles tuesmos direitoa
seria em extremo pecara, Ulvez ropos-
,ir.|.
Ora pelo que respeta consideraca
exterior ninguem bavei que recuzo a
importar cia que ha para bum Estado em
totisliluir-se de modo que Ibe seja fVci', em
caso ue necessidade laucar m* dos me-
oa dequadossua defesa. E' para isso
necessaiio, nio ^ que O seuGoveruo es-
lea regularmente orgioistdu q le as Au-
lboridades tenham ai a forca necessaria pa-
ra se faserem obedecer ; mas ainda que se
Ihe proporcionen! recursos com que possa ,
segundo um calculo razoavel c*u/.ar na
lula ao uzuapador damnos supciiores ao
beneficio que. este houvesse de lirar da u-
/.urp-co. Confiar totalmente na ptlilica
benvola do Governos strangeiros ao
mesmo lempo que a fraqueta do E.tado
respectivo os envida a que intervenliam
.os negocios do Pan, e que pouco a pou-
co ai eslabel-c.no um dominio vergonlioau,
he erro queja tem sido funesto a muitos
Estados pequeos. Qual he comtudo a
Provincia ou grupo d Provincias do
Brszil que sepaiando se da cummunbao
Nacional nio cairia n<>s incoven entes
que li.vemos indicado ? Qual ho a porc 5
do territorio que fr*cc;onada o dei-
xada a si mesma leria em si bi tintes re-
cursos e importancia pata inauter(sem pe-
rigo a sua Independencia contra as vistas
ambiciosas de qualquer Na^io .pudeosa ?
Queremos todava conceder qie uenhuma
d'essas Nacoeus podo os.sacuasse int.rei-
se em apoderar se de uma ou is Piovin-
cias que se houvessem desprendido da U-
ma B azileira. Um Estado quando ae
forma, nio trata s de existir comVenlu-
ra e dig idade ; e quando supp'uzessemos
q' a Independencia desse pequeo Povo re-
cem-consiiluido estiva a abrigo da uzur-
pario estrangeira, cumpriria ver anda qual '
sena provavdmente a sua condica.
Destituido do que Ibe era mist erpara
manter a sua diguidade ser-lhe-ia forco.
zo aceitar a cada passo, quer nos seus aju9.
les conmerciaes quer em outras occorr


DIARIO DE PBRNAMBC
i

cus a Le da Poderoso e pissar cada-
hora pela* forjas oaudinis da hu Eles principios postas nlo redara! ,
por sua intuitiva clares inisextenc de-
ilion tracas; ao menos q>ie te no digs que
a pane he maior que o lodo, que ama Pro-
vilioi descala de uro Tasto Imperio tero
ra lisposicao maioret recursos que o
corp inteiro da Naci a qua partencia.
Mas prosperidade interna de qualquer
I'di (!-()' de mai que ludo da p t queah
se def uta. E' sombra da paz quo a in-
dustria loresse que a cvilisacio extnde
araplamente seus voos. Entre o estimpi lo
das armas calo-se as Leis ; o Coraraercio ,
as Artes a AgricuMna trnam-se de co-
sidei ci i secun-iaria e a p ros per i dad e na-
cin! era vez de crescer definha e an-
niquila-se. E todava manifest qu-
a separacio da* Provincias do Brasil, cons-
liluindo uraou mais Estados, fura d.. com-
muuho geral, altrahiria sobre ellas a mi-
udo o flagello da guerra. Deixando ja de
lado os estoicos que a Naci pudesse ten-
tar para chamar a seu gremio os membros
dissidentes ou proteger a'eaaas Provinci-
as o partido que pelejasse pela Unfo; sup-
poitdo que nada d'isiu exista e que se
na dias n- iallaium com o volver dos
lempos motivos que armassera as diver-
sas frarcoens do Imperio urnas contra as
outras. As rivalidades mil ceuzas de
discordias viriam ben depiessa sacudir ,
entre ellas os seos brand *s accesos. Tan-
tos sao os exeroploa d'esta verdade que
parece ocioso ctalos po cia dos exemuLs quazi sempre mais po-
derosos quo os argumentos nos obriga a
lembrar alguns.
Portugal e Hespanha foram urna s Ni-
ca; foi cora astelhinos que o Conde D
Hennque cuiiquistou parte de. Portugal aos
iMouros ; toiisi.iuindo-se estes Haizes em
Nacoens diflereutes a sua condicSo de
Povos limilrophes ai perpeluou as guerras
reproduzidas por espsco de 700 anuos, sera
embargo de lodos os m* ios que a Poltica
empreguu mullas veses para abalar taes o
dios ligando se aa casas reinantes por la-
gos estrenos de familia que o inleresse ,
o despeno e a ambicio rompiam. Essas
ex-Colomas H spanliolas que nos fico
porta que espectculo apresentsm ? Den-
les de Cadwo dispai sidos os diiferenles
Estados nascidos de uno ventre coramum
Iralam desde ao anuos de mutuaratnle
se hoslitisarem quasi ao ponto do tofl
exterminio. A anarqua popular a ambi-
ca dos chefes o espirito de vinganca ,
mil ssiilimentos'anli-sociaes converteram a
America Meridional fraccionada em huin
ihealro de lulas iiilerruinaveis e horroro-
xas.
Neta se diga que outro tanto se nao re-
alisara no Brasil ; nao ha Povos de nature
za piiviligiada ; as mesraa s cauzas prcdu-
zuiam ai|ui os raesrnos efeilos qualquer
que seja a ndole e a braudura natural dos
habitantes.
Cortamente, urna das grandes venturas
do Brazil ; tal e qual se acha hoje consti-
tuido he que as Potencias que o poderiam
ameacar esU col locadas a consideravel
distancia e que os Povos limilrophes s
separar o que a identidade de coastumes,
de destinos, de origem, de Religiio e a Na
tureza mesma, haviara estreitamete uni-
do.
As forcas runidasda anis sopeara, com
maior ou m -or dirn>ullad a imurreica
qui levanta as sils bar leirasem uo ponto
do territorio. O que resta porem a um
raesquinho estado, dominado, por exem
po por un Vinagre ou por um Benio
Gonsalves? Recebera le do caudilhoven-
cedor e esperar que outro Regulo se le-
vante sobre as ruinas daquelle. Assim as
sedic'S, se tornaran usures, e mu
mais fu instas era seus resultados; se a sa-
nha das facc s o fanatismo poltico,
chegassea arreda- do gremio commum al
gumas Provincias.
Tem-se dito, tem-se exagerado mesmo
no inleresse contrario ao da Unii > a in-
mensa distancia que separa as Provincias,
e as dificultades das eommunicacej. Sem
duvida esleembaraco as relac-s reeipro
cas existe e um obstculo posto mar-
cha regreda do Goveruo e ao desenvolv
m nto dos beneficios que todos deviamos
colher da communidade nacional, trias a
respeito da, maior parte das l'rovinciss .
situadas como esli no litoral do Paz nio
lio grande como se pinta. O vapor, o
melhoraraento das estradas os progressos
da cvilisacio d vem de dia em dia diminuir
este inconveniente, de modo tal, que, por
urna regra infallivel mesmo a este respeito ,
pdese contar que a condicio publica i a
melbor, acaso os B aaileiros presislam uni
doaemcorpo de 1N a ci. De mais disto,
a Reforma Constitucional dando as Provin-
cias recursos dentro d'ellas sobre a mxi-
ma parte dos negocias, lirou s -uas quei-
xas a forca que dantes podiam ler e a
plainou os nicos especiosos obstculos qu**
se erguiam contra a Unidade Nacional
Hoje, que a communidade Brasileira ne-
cessita as Provineias t colhem benefi-
cios em troro dos quaes contribuem para
a accio d G >verno g-ral com ura contin
genle muilo inferior ao qui llie seria indis*
pensavel despender para suslenlarem o
xercicio de. funrces equivalentes. Nos o
haveraos mostrdo anda que em rpido
esboco e por brevid.de, pondo de |mte
varias con^ider-ces que poderiam vir a
juular-se aquellas que enumeramos.
(Jornal do Coinmercio.J
mesmo Collegio para a respectiva Insciip-
cio.
Avisos Diversos.
tem dlmatricular-se poden derigir-sf ao' de fruto e bastantes Ierras para plantar ,
qum o pert^nder dirijvse ao sitio que de-
marca com a dita Ponte ou na ra das
Cruz-s em casa do Sor. Antonio de Lima ,
D. a lado do poente. .
Prerisa-sedo um hornern para traba-
Ibar em hura sitio : no atierro da Bjavis-
ta loja de Fuoileiro] de Geraldo do Ama-
rante.
_ Precisa se de um portu>uez, oa .
Iheo que seja de prximo chegado para
feilor de campo de huma Fazenda de algo-
dio : quem estiver n-stas circunstancias ,
dirija-se a ra do Coelho caza ultima do
Sr. Francisco da Silva.
_ Precisa-se de huma ama de leite cati-
va sem filho e sendo sadia na ra do
Codho caza ultima do Sr. Francisco da Sil-
va*
_ Aluga-se 5 escrayos para todo o ser-
vico excepto o de pedrero ou da olaria *
quem isso Ibe convier annuncie.
_ Precisa-se de urna ama para fazer to-
do o ser vico de urna caza e que saiba en-
gomar : no beco do Sarapatel no sobrado
novo de a andares no i. andar.
_ Guillebert Capillo da Barca Franceza
Ctraelia aviza aos seus passageiros como
aoscarregadores qu.i a sabida do seu Navio
est determinada para o dia a8 do corrate.
_ Quem perdeo no dia 8 do corrente
raez um embrulbo de sdalas na loja de Li-
vros Prsca dn Inpependenencia n37,e 38.
irija-se ao mismo lugar, que, dando oa si*
goaes evid' oles, se Ibe entregar.
Na^Aula de Primeiras Letras da ra
da C ta feira i5 do corren te em diante -as lices
de Escripturacio Mercantil, pratica d'es-
crever em Livros etc. ele. conforme j so
tem praticado ; por tanto os Srs. j eugs-
jad.is, podem comparecer no mesmo da
e boras do costume e os que quiterem se
aplicar a hum lio justo e necessaiio fim ,
derijao-.-e antes do dia indicado a ver os
Estatuios, econdic'S com que a mesma
Aula he regida.
_ Quem kquizer bumal ama] seca da
bons costumes e faz o arranjo de ama
vasa e prefere hornera Estrangeiro e
que seja solteiro : quem quizer dirija-se
na ra da Penha D. 5.
Variedade:
Amor Paternar.
TJra homem tendo por noticia, que seu
Glho conspira va contra seus das comecou
por inquirir de sua mulber, se ella Ihe
tinha sido falsa ; e como, depois de vari-
as instancias fcasse convencido de sua fi
delidade conduzio com sigo este fiho a
um deserto e tirando hum puuhal de-
baixo de seus vestidos : Toma, Ihe dis-
se coro toda a seguranca toma este ferro
salisf. ze ao leu furor; tira a vida quelle
queta deo. O 6II10 ftftido deslas pala-
vras como de hum raio, cahe-lhe aos
ps e Ihta pede que com aquelle mesmo
puiihal o Iraspassasse : enlo o pai rece-
1 beu em seus bracos, consola-o ameiga-o,
lodos mu.fracos para he cauz.rem ^-LBnibosjulos ,0llio par. a cdade..
nos cuidados. Nao ha d estes um s que J f Traduzido. )
se Ibe compare emriquesa em recursos,
em populaca em esiabilidade quaesquer
que sejam os males que o Brasil tenba sol-
ludo. Algum dos seus visinho. poder
incommodai-v em huma ou outra circuns-
tancia ; mas impossivel ha que ameace a
sua exislenc a i-cional ou q'o reduza a acei-
tar um jugo e coudiies umilhantes. Estas
vanlageus inapreciaveis cessam porem ,
para 1 s Brasdeiros nma vez que o Paiz se
despedace que qualquer dassuas parles se
reine da Commuuhio Nacional. Entioa
urna das fraccoens que for mais poderosa,
sa preporcionaia occasia e meios de op-
pi imiraas restantes ; t-nlio enebida a des-
unca que os separa de seus visiohos em
recursos u era popul.ca ficaro aujrtos
a ludo o damno proveniente dos seus desi-
gnios amb ciosos a seria indispensavel a
cada um dos Estados em que o Imperio se
pailisse, estar sempre com as araus na
mi renunciando de urna ves a todas as
idtias lisongeiras de felicidade e de gran-
deza futura so pelo caprixo brbaro de
LOTERA DO SEMINARIO.
Achando-se bastantemente ad-
antada a venda dos bilhetesda Lo-
tera do Seminario Episcopal de
Olinda, o Reitor do mesmo Semi (
liarlo avila) ao respeitavcl Publico,
t|ue com a maior brevidade possi
vel annunciai o dia do andamen-
to das rodas
COLLEGIO PERNAMBCANO.
Boa.Vista, Rua-Nova da Viracio.
Acha-se abeilo o Collegio Pernambucano
desde o dia 4 do correte. Os chefes de fa-
nilia ou coriespondentes dos alumnos que
O S*r. Ramel florista membro da sc-
ciedade real de agricultura de Franca tem
a honra de avisar aos Srs. amadores que el-
le acaba de rhegar a esta capital com um
sortimento de loda a qualidade d'arvores ,
arbustos uns qoe s dio Aires, outros fruc-
tos, como rosas do Japin, ou camelias-,
magnolias, detrs, dapheas Rliodendruro,
Kalmias, jasmins, peonas, aiborea metro
sideros, andromeda, araleas, e roseiras de
mais de aoo variedades, ceblas a flores
como jacinthoa, tulepas, jonquilhos, nar-
cisos, tuberosas, lirios, amarilis dalias
rainunculos e anemonas Sementes de
orlal ices e flores, arvores de fructo, como
pereiras, roacieiras, ameixeiras, persr'guei-
ros, damasnoeiros, ceregeiros, amendoei-
ras groselheiras, ribes preto a velan
zeiros, nogueirss. c stanbeiros (marrn*)
vinhss das melhores especies de Franca, e
ura grande numero de outras plantas cu-
jo delalhe se tornara mu longo, que se-
rio vendidas'ao mais mdico prero.
N. B. O sobredito Ramel roga aos Snr.
amadores de agricultura e botnica de o
nao confundiris com os Charlatana que
lio indignamente abuzara a dias de sua
confanca. \
Alem de qua ella atreve-se a lisongear-
se que merecer' a confanca dos conhe-
cedores pela fresguidio, bom arranjo, *
aparenca de seos vegetaes, e o zelo que
pora' a prehencher os desejos desses se-
nhores.
O Snr. Ramel encarrega se tambera de
mandar vir da Europa as encommendas
qne Ihe fizaren!. Elle se transportara' a
casa das pessoas que Ihe fuerera -a honra de
o mandar chamar. Os eneaixarventos para
o interior far se ln cora toda a caulella q'
exigen as sobreditas mercadnrias. O seu
deposito he na roa Nova n. 17, na livraria
Franceza.
_ Arrenda se hura Vinculo de trras
lavradius e de creacio na liba de S. Mi-
guel no paleo da Magdalena, sitio da viu-
va I). Cal lia ria.
_ O abaixo assgnado previne ao res
paitavel publico que pessoa alguma contra-
te negocio com Antonio Manoel Tbenorio ,
que diz ser seu caixeiro visto que o abai-
xo assignado tem tido noticia que o dito
Tlienoi i" tem tomado coisas em seu nome
sem ser por ordem do annunciante, e por
esse motivo o ubaix assignado nio se res-
ponsabelisa por qmlquer prejuiso que baja
ou por elle ou outra qualquer pessoa, e
por isso faz o presente annuncio. Jacinto
lieliodoro Marlyr d'Oliveira.
_ O Procurador da Cmara Municipal
encarregado da sffericio deste Municipio ,
avisa que no presente mez de Fevereiro
finda-s'- a mesma sffericio.
__ No dia a8 do passado mez desapare-
ceo um quarlo rodado capado as oielhas
eom pintas de pedrez, um casco de ums
das mios principiado a radiar a cauda
coroprida com una reladura de um lado
com cabellos pretos, quem o pfgar e entre-
gar ao Capitio Manoel Thom de Jezus, 00
annunciar, sei gratificado.
__ Quem precisar de um padeiro bom
forneiro de todas as msssss, e que sabe
administrar urna padara mesmo para fo
ra da provincia, dirija-se a ra da roda ca-
sa ao pe da tenda de ferreirc.
_ Roga-se ao Sr. .1 bomaz Joaquina Di-
as quequeira apareeer na ra da cadeia
do Becife junto do Sr. Viera cambista ,
em qualquer dia a tarde a tratar negocio
de stu inleresse.
A pessoa qne precisar de costuraba ,
roupa lavada e engommada com perfei
co dirija-se a Olioda roa de S. Bento
sobrado que fica por cima do buhar.
_. Quem se quiser dedicar a vender pi
com um negro para o mallo pagando-se
Ibe ordenado ou vendagem por palaca .
o queseronvencionar dirija-se a ra Di-
reita padara D. 13.
__ Acha-se um sitio para se arrendar na
estrada dn Santo Amaro para Belesa pas
sando a Ponte no 3.*, do lado direito com
boa cata de vivenda a muilos aivoredus
_ Quem precisar de um Caxeiro Brazi-
leiro para ra o qual d fiador a'sua con-
ducta : annuncie.
__ Nesta fypografia existem duas car-
tas vndas de] um remoto Sertio ; huma
para o Senhor Manoel Ferrera d'Amorinx
morador que foi ou he na Boa-vista em a
tua do Pires e outra mais moderna para
o mesmo Snr. : roga-se ao mesmo que
queira as \ir receber ou pessoa que suas
veses faca ; adverte-se que be urgente in-
leresse a for do dito Senhor Manoel Ferri-
ra d'Amonm, e deseja-se concluir este ne-
gocio.
Quem precisar de um rapaz' Brazi leiro de
idide 18 annos para Caixeiro de loja da
ferragem <>u fasenda e mesmo ra o
qual sabe ler, escrever, e contar, e di
fiador a sua conducta ; annuncie kpera ser
procurado.
_ Quem precisar de ama para casa de
hornera solteiro : annuncie.
Jos F. cbineiti, Italiano Mestre da
Muzica formado nos Collegios de Pars,
Milio e Genova Compositor de Muzica,
autor de varias Operas, tocador de Piano,
e oulros muitos instrumentos, offerece-se
ao Publico Pernambucano, para dar liccfies
tarto de contraponto como de canto e to-
que de qualque instrumento, atsim como
est prompto a compor a msica propria
para qualquer poesa ou para banda mi-
litar, ou festividade de Igreja: quem se
quiser ullisar dos seos prestimos pode-
r' procurar as Boticas dos Senhores Bar-
lolom-u e Ramos na na do Rosario larga,
oa na ra Collegio D. 9, segundo aa-
dar.
As Peisoas que tive 6 pretos e quiserg
alugar para faser um atierro na ma da Pas
ao Carmo velho, dando se 6^0 res diarios
a-sim tambam se convida a qualquer pes-
soa forra para o mesmo st-rvico a di-
rigir se ao arraasem de mide ira defronte
do tanque d'agoa a traclar com Domingos
Jos Rodrigues de Azevedo.
Alguns Senhor, que precisar de um
cixeiro de vonda portuguez, pode procu-
rar na iva do Cano D. i, que achara' con
quem tratar.


DIARIO DE pHnaMBDCo;
Perdeo-seno dia 8 do corrente des-
de a roa da cadeia velha al a Igreja do pi-
lar 7j,ooo em seduhs sendo 3 de ao,ooo
urna de 10,000, e urna de dois ; quem as
tiver acbado e querendo resumir di-
rija se ao atierro da Ba vista loja de sera
e fazendas que recebe r amelada da dita
quantia.
Qualqner propietario de fazendas
de car cu de engenho que precisar de
una hornero capaz para ensinar aos seos fi-
Ibos a ler escrever e contar, aritlime-
tica e coro toda 1 perfeicio do que tem
tido bastante pralica ; aonuncie para ser
procurado, elratar-se do ajuste, adver-
tindo-se que quem a isso se propde nao des-
pensar dar aos seus alumnos as precisas
noces de grammatica da lindos materna ,
e geografa universal e o mais que souber
e-couber no possivel.
_ Aluga-se por preco mui commodo ,
um sobrado com 3 andares e commodos
suficientes para grande familia em cada
um andar cuja casa deita para a ra d
Penha e Direita : a fallar na ra do Li
Trmenlo D. 3,
Quem precisar de um portugus para
caixeiro de venda, oacobranca, dirija-se
ra do Queimado D. 5.
Mr. Kissel relojoeiro francs no
tterro da Boa visla acha-se prompto a
concertar qualquer relogio que ihe seja
confiado pelo mais commodo preco ; lie
dbrijja-se a restituir o dinheiro que tiver
recebidoem pagamento de qualquer con-
cert que nao for bem executado.
"~ Um pernambucano brauco oficial.
de calafate com conhecimenlo de toda e
qualquer obra de seu officio se oFerece
a quem delle precisar tanto nesta praca, co-
mo fora delta por um pieco rusoavel ,
calculando a qualidade das obras; assim
como calafetar sobrados com toda perfeicio
edelicadesa como peder atlestsr os qu*
veleira e forrada de cobre a tri
os seus consignatarios N. O. Bieber,
da Crus.
PARA LOANDA sabir al o dji ao do
corrente o mui velleiro e bem coabecido
Brigua Escuna Portugus Eugenio ; quem
nelle quiser carregar ou bir de passagera ,
para o que tem excellentescominodoti, diri-
ja sea D'Andrade 61 ;Compaliia D. I
ra dos Quarteis ou ao Capito do mes-
mo, Manuel Jo^ da Silva Ramos, na piaya.
PAHA O KIO DE JANEIRO o Brigue
Brasileiro Paquete de Ptrnambuco no da
i8docoirenle tem.'eacelentes commodos
para passsgeiros quem pretender \\r de
passrtgem dirija-se ao forte do malto a
asa que fas quiaa coma ra da Lapa no
segundo andar a tratar com o Capital e
proprietario Leopol Jos da Costa Araujo.
Compras
_ Du*s vaccas paridas, que tenho bas-
tante leite e tejj Gibas do pasto} quem
tiver annuncie. ^
_ Urna canoa que seja leve de coroa.:
no pilar s brado do tanque.
_ As cartas fincas do l'adre Tbeodoro
a Eugt nio novas ou mesmo ja usadas'
na ra da cadeia do RecTe n. 10.
Vendas
se tem servido de seu presiimo tamb^-m
se convida a quem se quiser a aplicar ao
dito officio sem Ihe causar o menor dispen
dio, dirija-se a ra atraz de S. Jos D. la.
_ Desapareceo da) ponte d'Uuhoa do
sitio onde mora oSr. Dr. lneaVz um ao
atraTessado de cor de rap, com algu-
nas mallias brancas nos pt e as mios ;
quem delle tiver noticia dirija-se ao mesmo
sitio, ou no Recife a Manoel Aailotiio c!i
Silva Mota 1 que recebar 4"00 do graiifi
cacao.
Desapareceo no da 10 do corrtntn ,
de entre o sitio dosCoelhosjiara o beco das
barreiras urna vacci grande com os siguae
sepnintes branca toda arroaces gran
des ferrada do lado direito com o ferro
doSe,Telhs, ponas giandes 4 e uma
dellasserradas; quem a liver dirija se a
xnatanca dos Coelbos ou annuncie.
Domingos Tribuci lialiano pro
fessor de desenlio recesntementechegdo
nestaCidade, se offerece para dar hces
de desenlio, edelingoa Italiana, para ti-
rar retratos em miniatura ; os Srs. que se
quiserem servir de si o piestimo o devein
procurar na botica do Sr. Bailliolomeo A
Hamos na ra larga do Rosario ou na ra
do Collegio D. 9 no segundo andar lad.
de trra.
_ Jos Ployon tem a honra de partea
iar ao respeitavel, queaeabade abrir sm
abrica deourives filigraoeiro e esmaltador,
faz tudo concernente ao dilo Micio como
colares cordoes brincos, fiv.llsdecin
tura e cutros ornatos tanto de filagri e
deouro polido, quem do seu presumo te
quisej utilisar dirija se ao.alterro da Ba
Tista D. 75.
_ Na roa Direita padaria D. 33 aluga-
se escravos de ambos os sexos para vtnJe-
rem pao, ajustndose para isso por aluguel
ou vendagem.
Avisos M;t 11 timos
=-
PARA HAM BURGO, tem a meior pa
te de sua carga prorata e sabir tj/fi
do mez o muito velleiro e b.iiilo BrUt
gue
encai
Hamburguez Cms forrado e
Ihado de cobre ; quem qu-ser carregai ou
hir de passagem dnija-Sd aos seus consi-
gnatarios N. O. Bieber ra da Crus nu-
mero 63.
FKEPA SE para qualquer porto da Eu-
opa a Galiota H o lii Harmona muio
O Numero 6 do Carapuceiro: na prn
ca da Independencia loja de livros n. 3j
e38.
_ Um quato muito novo que inda
llie filta urna muda passeiro por pre-
c 1 com moflo : na ra da Conccicio da Boa
vistajoja de fazendas.
_ No armasem de Manoel Fernandes
Guedes por baixndo sobrado era que 310
ia o Sis. Villas} Boas urna pequea por-
cio de cobre de forro e prego*.
_ Umalpivu de naco de bonita fi-
gura, peiU'ita rozinlieira lavadeira, boa
eiigomro.deia mariscadeiro faz doc s
de varias qualid^des refina assucar sabe
vender na iua e liej.propria para todo jo
sei vico de urna casa por ser bastante ajadi-
na : na ra da l'enha no primeiro andar
do sobrado da quina por cima da vend djr
garapa, adverte se que a dita pretil se ven-
de por iio querer sahir para (ora da trra.
_ Um vlindro de aranm ou peneiro :
na ra do Queimado loja de ferragem D-
cima 18.
_ Urna canoa d'agoa levissima de co-
ros : no pil.T sobrado do tan(iue.
Urna Ci us giande de pr.ita propria
para alguma innandade, obra moderna e
muito bem fita cliegid* proxi menle
do l'orto : na la da cadeiado Rtcife nu-
mero (>.
_ Dois meleques de naco cambinda,
com idado de \.\ anuos de bonitas lgu
ras um escravo du cor parda bom str-
rador e Ciinoeiro comal anuos de idade,
sem vicios uem achaques e vende-se poi
precisio ; um dito d 4 annos de idade,
muito foite, sabe cozmbar a be muilo
fiel: passaudoa Igreja dos Martirios no.
i, andar do primeiro sobrado.
5o muios it.-sal, pouco mais ou me-
n .s, e chegido ltimamente de Lisboa :
< traar com N. O. Birber & Comptnhia ,
na ra da Cius D 63.
_ Do s ovalios um ruco e o oulro
mellado ern carregos batxos : ni ra d<
cadeia do Recife D. 3o*
Superioie vinho do porto feiloria em
barris de quarlo -a prtco de 5o,000 : na
ra da Crus defrontu da cacimb n. .i4-
_ Ou Iroca-se por propiiedades de ca-
sas em qualquer dos bairros o sitio deno
minade espiuheiro sito na estrada.de Be
liui bistdiiie grande com casa de lijlo
a cal paia jjm.dc familia dita com aria
minos de facer farinha tem o im smo
mais de 5oo ps de lir.ng^iias que do
I rucio cuquillos, mata de. cajoeiros,
muito pi de anauaseirot man^uenas ,
(lui.uiiieiros jambeiros t m urna qut
ia de. malla queda lenlia para o gasto
da c^sa Buficien le campo para riaciode
tavaccas ti laile e para planUceS de
rocas e outras lavouras; com a vista se moa-
traa ludo quaulo a cima lira dito : a tratai
no mesmo com Silvestre Antonio de Laage.
Ou aluga-se e troca-so diariamente
vellas de cera de meia quarta al tourbeie
ros por prego commodo: na ra do Ran
gel D. 9 sobrado de um andar.
_ l'ara fura da provincia, umaescra-
va de Angola mofo e de bonita figura ,
sabe cozinhar cngomnnr, ens.'b >ar en
sereba, e propiia para lodo o servigo de
urna casa : na ra do Livramento D. 4 in-
do da pracinlia.
_ Um sitio com a5 > bracas de trra ,
com mais de 3od je'- de coqueiros, na liba
de Itam:irsc pet>-nc.-ile a viuva e her
deir< s de Fidelles Jos de Figueiiedo : a
tratar na ra de Agoas verdes sobrado que
fas quina para os Maitirios.
_ Urna prelado naco de ao annos de
idade sabe cosinhar, enjjomroar, e lavar
roupa ; e urna mohea de idade de i4 a i5
anuos com bom principio de faser o ser-
vico de urna casa : na ra de Agoas verdes
D. 37.
-- Uma bonita escrava de a) a 28 annos
dei dade cusinha o diaiio de uma casa,
engomma e fas todo o mais servic> : na
rui Direita do lado da Ig'eja-doLi vi amen-
to sobrado D. ao.
Um ii'gro de naci : na praca da
Independencia n. 11.
O silio grande d'olbo d'agoa na pas*
sagam de Olinda com umita exieuc) de
terreno, e grande baixa para plaot*e5ea^
independente de terreno para sustentael
do 1 a vaccas pelo vero e enverno, com
mais de aooo ps de dilF?reiites arvoredos
productivos o qual se vende a dinheiro,
ou a praso ese trocapor outms predios
na Cidade : a,tiat..r na ra das Cmses Dj
cima 18.
_ Um cavao de carga castanbo por
preco ecmmodo : a ra do Livr-raeiilo
D. 3.
_ Um terreno a murado onde foi res-
tilaco atrados Martirios, com cem pal-
mos de fundo, e 3o de largura e uma por-
ciode madeiras do mesmo armasem uro
oratorio grande tudo por preco commodo ;
pastando a Igr>ja dos Mai tirios no segundo
andar do primeiro sobrado.
_ Um terreno cora (jo palmos de frente
e 3oo de fundo, e lao atlerrados C >m 160
palmo* de a lene eitos defionte da R'.bei-
ra do peixe : a tratar com o Cardiul na na
da praia serrara junto ao tanque d'-goa ;
s.im como locaixas para assucar, feilas
de amartll 1 a 7000 cada uma.
1_ NacasadeFox & Stodart, ha um
bom sortimentode maquinas de vapor de
condensaco ,";e alta||p eo e de forca
de 4 arrobas, e 8 ca vatios tinto para en-
genho de assucar como serraras de madei-
ras, e outros quacs quer Gns a que a> quei-
ro aplicar; igualmente lambeta se vende
-'ssenlamenlos de t xas de ierro lauto coa Jo,
como batido de todos os tamai hos e quali-
dades ; assim como mais um magnifico
soi tmenlo de moeudas de fe ro para os eri-
gen los de todos os tamanhos lauto ver-
licaes como horisont 1, para animaes e
para agoa e da mai superior construco
das fabricas de Inglaterra ; havendo d-
mais a grande vanUgt m d.. se mandar um
engenheiro sendo nccessano faier quulquer
asseqtament das referidas maquinas; ven-
de-su mais bombas de ferro vulgares ,
ditas de patente, chamadas de repudio;
o 1 ulras muita fazendas por preco commo-
do ; os pretendentes dirijo-se o ma da
nzala nova D. 1.
jEscravos Futidos
No dia 4 do corrente sabindo um
lrto a vender fiu:tai e verduras em um
taboleiro nao vuliou mis para a osi
donde se conclu-, qu>- fngio tumo tem de
costume : os signaes d \>u jm us s'guintes:
lie ile angola lena cstilur* ordin>ua, re-
presenta tei 4oai.ucsde idade, ste.-o do
corpo cira d scirnid 1 e un lano na
dienta; levou vestido cdsa e jm|U'U.dt'
ganga amerella ja d>bolada ; ijuem v
pegar leve iih cuiungi no sitio do r. 1'.-
iena uu em tua casa ho pateo do Hos-
pit.d do Paris >.
No da 10 do corrento desaparrceo
das j pira as 8 huras da noite, da ra da
sansulla velha uma negrinha de idade de 7
para 8 annos bonita figura cara redun-
da levou vestido de riscado ; quem a pe
gar leve a boticado Sr. Vicente h de Bri-
to na ra da Cadeia velha que ser re-
compensado.
No dia aexta feira 8 do corrente ,
fugio de um sitio na estrada dos Afilelos
um escravo preto de nome J ao que re-
presenta ler 4' annos de idade de naci
Baca estatura ordinaria, lostocomprid,
naiiz chalocom as ventas regacadas bar-
da serrada com sui-sas denles limados,
peritas finas e as mios mu localejadas do
servico da agrien tura foi vestido de ca-
misa e seroula de algodo e levou chapeo
de palba com aba l.-irga ; quem o pegar le-
ve a casa ao Sr. Manoel Paulo Quntela ,
que giaiili :ai.
No dia i5 de Outubro do anno pas-
sado fugio uma pardo de nome Luisa,
natural da Provincia doCear, com os si
gnaes seguiutes : secca de ccajM ja ve*
llia com a pello das faces a enrugadas ,'
ascosias um lauto corcovadas, ollios pe-
queos e naris muito grosso allando-
llie em uro do cantos da boca um dente-
dos da fenle e do lado de cima cor um
lano trigueira, ja com alguna caballos brao*
eos, uzu de caurina crecida com punte* ,
cuja eterava se rem intitulado forra raV1
da/ido al do nome a toda c>--tpsa andar
pela Cid.idc de Olinda onde se desconfa
achar-se acoilada em a'guma casa roga-
se porlanlu a qualquer Capillo du Campo,
que della liver noticia baja de aprender e
lev.ir a seu Sr em fura de portas osa u. aia
quasi confronta ao arsenal de mirinha, que
sei recompensado.
Fugio no dia 8 do corrente um preto
de nome Jo creouto de S. Thoir de
idada de i8a.ao annos, estatura baixa ,
olhos e Cabeca grande sem Iran ip espanta-
do levou calsa de esloupa e camisa de ris-
cado azul ; quem o pegar le*e a ra da
cadeia velha loja n i5.
_ Fugio no dia 7 do corrente uma
escrava de nome Micoella de idade do
35 annos, estatura ordinaria, ebl do
corpo rosto omprido ja pintando de
alguns cabellos btancos., p-:S grossos
radiados levon vestido de chita com pat
iri3< amarilis, e um panno di coala; qurn
a pegar leve em casad Manoel G nsalves
da Silva ra daCadaia qua sei grati-
ficado.
No dia 9 do corrente fugio um "negro
de nome Francisco reculo represente
ter 4o annos de idade secco do corpo ,
estatura baixa, pucha pela perna direita
qumdo anda'anda que mal se percebe,
chupado do roito com falla de c .bellos
no meio do cabeca de carregar tina de cal ,
levou camisa de algodaoztnho transedo ,
calsa de algodio ja vi Iba foi escravo do
engenho Souza de Goianna ; quem o pt'
gar leve a seu Snr.Luiz Fereira Raposo ,
no pateo da S.Cruz quesera groLicado
de seu trubalho.
Movimeiito do i-*ort
___________a
NAVIOS ENTRADOS NO DIA q

TERRA NOVA ; 43dias, Brigue Inglez
Fany de 19b tonel., Cap. James Medunu
carga baCihiao : a Ccckshoil S Compa-
11 ina.
ENTRADOS NO DIA 10
NOVA HOLANDA ; 116 dias B.rca In-
glesa Kiimaurs de aat tonel., M. Couli,
c.irga la e aseile : ao mesmo Mtstre.
SAHIDOS NO MESMO DIA
MONTEVIDEO ; l'atadio Nac Nuvo Bri-
Ihanlt: Al Jos ernaidio carga as-
sucar o agoa ardente.
GENOVA pela i'arrhiba j Polaca 'Salda
^iltide Meslre N. Cania ara carga as
sucar.
OBSERVAgOENS
No dia g entrn para o Mosqueiro a Barca
Portuguesa Activa.
I'brn. iuTrr. DE n r. vt w. 1839.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAM9DXAM2_CQBEEZ INGEST_TIME 2013-03-29T16:02:24Z PACKAGE AA00011611_03732
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES