Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03729


This item is only available as the following downloads:


Full Text
****
ifcftO DE i839. SEXTA. FE1R
CAMBIOS;
Fevereiro 7
landres 3e l/i 3o 3/4 Ds. St. por ifooo ced.
Lisboa 8o por i oo premio, por metal. Mona.
Franca 3uo a 3a5 Rj. por franco.
Rio de Janeiro ao par.
Moedas de 6#{oo i4#5ooas velhas notas i <|ooo 8/100 3|joo
Pesos Col uro na rio 1/610 a i!6 Dittos Mexicauos i#58o a 1/600
Pataches Brasileiros 1/610 a 1/640
Premios das Letras, por met 1 a i|4 por 100.
Cobre ao par
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTES. "
Cidade da Paraiba e villas de sua pretenco ....
Cidade do Rio brande do Norte, villas dem )_ ,,, f.sr...
Cidade da borla lera e villas dem....... Segundas ***** .
Villa de Goiatina............ )
Cidade de Olinda............ Todos os das.
Villa de Sanio Aulo........... Quintas feiras.
Dita de Garanuuns e Povoaco do Bonito..... Das 10, e ^4 decada mez.
Dittas do Cabo Serinhaem,' Kio Formoso, e Porto Calvo dem 1 n, e 11 ditto dido
Cidade das A lagoas, e Villa de Macei...... dem idera.
Villa de Paja u-de Flores.......... dem 13, ditto ditte
Todos os correios partem ao racio dia.
6 DE FE VEREIRO. NUMERO W:
Tudo agora depende de nos snesroos; da nossa prudenei
moderar So e energa: continuemos como principia,
e seremos aponudos comadmiracSo entre as Wafes mais cul-
tas.
ProelamacSo da Assemblea Geral do Brasil.
Subsereve-se para esta folha a3/ooo rs. por quartel, pegos adl-
ntados nesla Typografia, rna das Cruxes D. 3, e na Praca
da Independencia D. 37 e 38, onde se reeebem correspon-
dencias legalisadas, e annuncios: insirindo-se estes gratis
sendo dos proprios signantes, e viudos assignadoa.
DAS DA SEMANA:
4 Segunda S. Andr Corsino C. Audiencia do J. d Direito da a. vara de manli.
5 Terca S. gueda V. M. R. de manh e aud. do J. de D. da 1. vara demanda.
6 Quarta As hagasdeCbri&to. Sesso da Thesouraria de manh. Q. ming. as 4 l
minutos da mauh.
7 Quinta S. Romualdo Ab. RelarSo eaud. do J. de D. da 1. vara de manh.
Sexta S. Joo da Alatla Fundador. Se-, da Thes. e ud. do J. de D. da v. de m.
g Sabbado S. Apol na V M. Itel. de manh. e aud. do V. G. de t. em Olinda
10 Domingo da Quinquagesima. S. Escolas ica V-
Mar cheia para o dia 8 de Fevereiro..
As 1 horas e 39 minutos da manh. As 1 horas e 54 minutos da larde.
.0
i
3)S

39
PARTE OFFIGIAL.
PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 1 de Fevereiro de
1839.
Officio Ao Coromnnd ante das Armas,
respondendo-lbe q' pode mandar demetlir,
o a. Cadete. Uibano da Silva Pereira, e
oSoldado A1 lnid Ji-zc Rodrigues ambos do
4- Corpo da Artelheiia de l'osic'> vislo
terem sido julgados incapazes para o servico
de 1.a Linha pela junta de saude.
Dito Ao mesmo communido-lh? que
tendo os lmperes Avisos de 3o de Oulu
bro do auno passado ordenado que se cri-
av.sem nesta Provincia uro Esquadro de
Cavallaria e outro de Arlelheria a cavallo,
e sendo urgente accommodal-os nos CJuar-
teis existentes na Provincia ; cumpre que
examinando o Quartel do Hospicio e o
Edeficio denominado do Coelho informe
com a possivel brevidade se elles tem a ne
cessaria cap cidade para comeremos irien-
cio-iados Esquadides.
Dito Ao Inspector da Thesouraria ,
communicandollie que pelo Aviso da Secre-
taria da JMarinbade \ de Janeiro ultimo o
Goveino Imperial approvou a deliberacio
que tomou a Presidencia de mandar abonar
ao Capitam de Mar e Guerra Fiancisco de
Assis C1br.1l de Teive Inspector Nomeado
para o Arsenal de M .rinha do Maranbao ,
seis mezes d-- sold adiantados alem da juda
de custo que Ibe aibitrou o mesmo Go-
verno.
Dito Ao mesmo communicando Ihe
que deleruiioando o Regente em Nome do
Imperador por Aviso da Secretaria da
Guerra de 5 de Janeiro ultimo que 110 or-
c menlo di despeza com o Presidio da liba
de Fernando se carregue somente ao Minis-
terio da Guerra o que disser respeito no
Dtstacameuto e Fortalezas bem como o que
for de uaiureza pripnam.nl-- militar fa-
zendo-se laucar qualouer nutra nao s de
peseme como de futuro ao Ministro da
Juslica a quem seio enderessxdos os res-
pectivos oicameiiios, e contas de despezas
acluaes e futuras cumpre que neste sen-
tido expida as necessaiias ordena
Dito -- Ao memo communicando-lhe.
que leudo a Prezidencia maiidado eniregai
ao Commandante Geral do Corpo de Pul
ca 5oo Capole dos que foiio mandado
vil de LunUies onii nando-lhe, que en-
tre pia o C< fres Geraes com a importan-
cia dos ailos Capotes cumpre que im -la
inteligencia expeca o mesmo Inspector as
convenientes oidens.
Dito -- Ao Commandante superior da
G. N. do Recife communicando-lhe ,
que a Presidencia approv^u a Proposta He
Atieres para 1. Conipaobia do ,j Ble-
ulba, que acompauhot o seo officio de
3i de Jau-iro ultimo devendo ordenar ao
Promovido, que ."solicito a sai Patente,
mandando -o deslig.ir do Esquadro de Ca-
vallaria a que pertence.
Dito Ao mesmo respondendo-lhe, que
os seis G. N. do 4> Battlhao de que trata o
seo officio de 3o de Janeiro ultimo, e que
foro re-rutados para 1. Linha nao no
dem ter bsixa vislo que o artigo i.do
Decreto de i3 de Outubro de 1HJ7 s
sentado rrcrutamento os G. N. das Ca-
(lilaes que continuaren) a fazer o servico
da Guarnico em cujo naso se nao achio os
seis Guardas em questo.
Portara Ao Director do Arsenal de
Guerra ordenando que receba do Com-
mandante Geral de Polica o armamento ,
eequipamentoarruinado constante do map-
pa que se Ihe remelle, eo faca substituir
por outro em bom estado conpletando as
pees que falta rem.
Officio -- Ao Commandante O ral do
Corpo de Polica communicando-lhe a ex-
pedieco da ordein supra.
Tendo esla Presidencia remedido ao Go-
verno Imperial com officio de g de Novem
bro doanno passado fndo a memoria, que
Vmc. escreveo sobre os meios que se devem
empregar para o melhorameoto do Porto
desta Capital e collegindo-se nao s da
referida memoria mas anda do parecer
de varios cfficiaes Engeiiheiros que forio
incumbidos de examina! o que um dos
meios efficazes e de mais ce rio resultado
para obter to importante fin he de-
kentuIh'T o Porto por via de urna 011 mais
machinas de escavacio, e que convem (plan-
to untes laucar mi deste meio ; cumpre
que Vmc. a presente dentro do mais breve
espasso possivel o dezenbo descripcio ,
d unen en s e forca de urna machina pro-
pria para ser collocjd.i em urna Baica que
se deve construir no Arsenal de Mrmlia
desta Provincia e que sirva para o indica-
do fim, para ser ludo rcmeitido a
Secretaria d'Estado dos Negocios da Mari-
nlii e mandar-se logo vir da Kmop. a
dila maquina e expedirem-se as necessa-
rias ordens para a construcio da respectiva
Barca conforme detei mina o Gove no Im-
perial em Aviso de ao de Desera bro p p.
Dos GuMide a Vine. Palacio do Gover-
node Peruambuco I de Fevereirode 18J9
Fianciscu do Reg Barros Sehor
Eugeubeiro J. Boyer.
Expediente do dia A.
Olficio ~ Ao Commandante das Armas ,
coiiimunicando Ibe que deveudo oCom-
uiaiiiianie (Jo \ ~ Corpo de Arlelbaiia
Joze Mana lliJef. ncu J.icome da Velga
Pessoa tomar o Coromando do Esquadram
de Ailelliana a Cavallo, cumpre que e
Ufa desligar do dito Coipo a fim de que
elle po-.sa votar-se toda Cpmmissio de
que val ser encarregado.
Diio Ao P:tfeito da Comarca do
RtciU'e, oidenando que mande rtCebei
do Cummaudaute da Escuua de Gueria
Piraj seis aeiiteusudos vindos da Piovm-
ca do Ceai a fim de serem enviados para
a Hlia de l'eruaudo.
Portaiia zr Ao Commandante da Escu-
na Piroja para entrrgar a ordem do
Prefeito da Comarca os sentenciados de
quH trata o precedente officio.
DiloAo Commandante Geral do Cor-
po de Polica para fazer marchar para
a Comaica do Biejo com as Pracas que
d'ali comduziro alguna recrutas mais do
ze Soldados para aumentar o Descrnenlo
da referida Comarca cujo Preff.ito re-
presenta sobre a necessidade deste aug-
mento.
Dito-Ao mesmo para mandar apr-
sente um ordenanza bem montado ao
Engenheiro Julio Boyer que tem ds se-
guir para a Villa de I^uarass encarregado
de di ffei entes trabalhos.
DitoAo Engeuheiro J. Boyer com-
municando-lhe a espediccio da or-
dem supra.
Dito--Ao Inspector do Arsenal de Ma-
rinha communicando Ihe que tendo o
Commaudanie da Escuna Piraj repre-
sentando o estado de enfermidade em qu
se aclia o Escrivam da mesma Escuna e
pedindo ordem para se Ibe passar Guia
a fim poder ser recolhido ao Hospilal e
sub-tituido por outro tem a Presidencia
determinado qu.i o referido Eicrivam s*j lu-p cri(ni,.i|,i perante o Inspector pelo
Doutor i. Medico da I unta de S-ude
conjuntamente coro o-. Cerargioei di Ar-
mada Mstenla ueste l'o-lo: pelo que
cumpre que nesta intellg-r.c a expeca o
ln>pec(or as ordens que Ihe COmpettireBB ,
remet ndo a Presidencia o rebultado da
iusptccio para avista delta resolver o que
mais conveniente forao Servico Publico.
l'oitiiii- A o Doutor 1. Medico da
Junta de Siude para fazer a inspeceo de
que trata o prc-dente tfficio.
Olficio--Ao Commandante do Biigue
G 11 tmea para entregar ao Commandante
da Escuna Piraj o Marinheiro Bernardo
Goncalo a fim de ser conduzido pira o
Rio de Janeiro a fim de responder a Con-
selho Poilui.1--A0 Commandante. da Escuna
Piraj para receber a seu bordo e con
dozr paia o Rio de Jmeiro o Marinheiro
de que trata o pr cedente officio.
Uitt Ao mesmo p .1.1 transportar
a seu boido e enliegar na Corle do Rio
de Janeiro a ordem do Exiu. Ministro da
Guerra, as cinco Pr*cas que couduiio
da Provincia do Maranbao.
Dita-- Ao mesmo para se fazer de
vella pata a Lorie do Rio de Janeiro no
du ti do correnle mez logo que tiver re-
cebido os Despachos.
Dita Ao Director do Arsenal de Guer
ra para iazer aprontar dilf -rentes objectos
requizilados pelo Lxm. Presidente do
Ceai.
Olficio- A Cmara Municipal do Recife
approvaudo as arremalaces dos contratos
de suas rendas cujos termos remelleu
por copia com o seu oiicio de -4 de Janeiro
ultimo.
THEZOUR.aiA DA PROVINCIA.
Expediente do da rj de Fevereuo de 1839.
Oicio Ao Commandauta das Arm9|
com as F de Officio dos soldados do 4-
Corpo de Artilheria Joaquim Jos de San-
ta Anna e lose Vicente Neto.
Dito Ao Provedor da Saude disen-
do Ihe em respoata ao seu officio de a5
de J.meiro p p. que fica na intelligencia
dse achirem acabadas as Mez s da mesma
Itcpaincio de Saude imp'>rt^ndo em res
65 s' B > e que logo qu for apreseutada a
(una legalizada e por elle aulhenlicada ,
mandar pagar osen importe.
Portara Ao Th-soureiro da Fasenda
ma dado acceitar e pagar no dia do venci-
mento huma Lelra d- io:ooos' rs. saccada
por o Thesoureiro Geral do Thesouro Pu-
hl co Nacional a favor de Canos Asleley
& C>>mp.
Dita Ao dito para aceitar e pagar ou -
Ira Letra de io:o>os' rs. saccada lambem
pelo I li souro I'uliuo Nacional a favor
dos mismos Cairos AsteW y & Comp.
Dita Ao dito mandando tambero,
acceitar e pagar no dia do vencimento ou-
tra Letra de dez cotilos de reis saccada pe-
lo Thesouro Publico a favor dos ditos
Caiins Asteley & Comp.
Dita Ao Tliesoureiro dos ordenados
mandando pagar ao Almoxanfe aposenta-
do do Arsenal de Guerra Joto Hodrigues
de Miranda a qu nina de 'Sis j J j ieis, im-
portancia da ametdde do seu ordenado do
mez de Juneiio ultimo.
Dita Ao dito mandando pagar ao
Amanuense aposentado do mesmo Arsenal
Jos Joaquina Hunibilino de Miranda e
quantia de 16,066 reis, importancia da
ametade do sed ordenado do referido m.z.
Diversas Reparticoens.
TRIBUNAL DARELLACAO'.
Sesso de 7 de Fevereiro de ltfa.
Na appellaca5 Civel do Juizo de Direito
do Civrl desta Cidade appellante Antonio
Gom^s Villar e appellado Laiz Amavel Du-
buaicq Escriva Bandeira ; foi confirma-
da a senteiica de que se sppellou.
Na apprllaca Liv. 1 do Juiso de Direito
desla idade ?npel|,ute Gnilherme Sttple,
e appellado Joa Rumos da Luz Esciive
Bandeira ; foi julgada pela reforma da
mi.truca apptllada.
Os Embargos de Antonio Perira Pinto
de Faria ao accoidad contra elle proferido
na appellado em que Ihe be paite Gabiiel
Amonio Escrivab Bandeira foio rece-
bidos ejulgados provados somente em par-
le e rtfoi mda ta5 bem em parte a sen-
teuca a ppeliada.
Na appella^S Civel do Juizo de Direiso
desta Cidade appellante D. Antonia No-
bie de Almeida e appellado Joa Anasta-
cio da Cunta scri?a5 Ferreira ; foi a
seuitnca reformada*
MEZA DO CONSULADO.
_ A Paula be a memas do num. aT,


*




DIAEIO
D1PERMAMBUGO
ARSENAL DE GUERRA.
0 Arsenal de Guerra a lodo o mei de
Janeiro prximo passado comptou para
seo trabalho o seguinte :
Aos Snrs. Joaquim Claudio Mon-
teiro a8o meios de la a njl
cada una importando en 56o,ooo
Candido Thomaz Pereira e Comp.
6 caixaa de folha a 221" reia i3a,ooo
dem sete e i|3 arroba* d'estanho
em verguinhas a 700 Ib. 168,000
Me Calmoui & Comp. 160 tonela-
das de carvaSde pedra a toj i:5oo,ooo
Jos L<'pes d'Oliveira ura almo-
Taris de bronze 33,a5o
Francisco A Ivs de Moraes 6 pal-
mas de flores de pennaa a
3faoo 19 aoo
Miguel Arengo 79 alqueires de
"cal pretaa 36o a8,44
Joaquim Jos Pinto Guimaraens
medicamentos importando em 2a,j,Ta5
Jos Severino Lopes 9 travs de
37 palmos a 4 s'5oo 4<5"
dem 280 duzias a 160 44.800
Antonio Dits da Silva Ca-dial 3
duzias de taboaa de forro de lou-
ro de aa palmos a aa' 66,000
dem 3 duzias dem de 3o pal-
mos a a8f 84 000
dem duns t buf.s de costado d'araa-
rello de o palmos a 12.000 a4,ooo
dem 7 ditas de assoalho de ama-
relio de 3o ditos a 6,000 4a<000
dem dous costados de cedro de
5o p.ilmos a 7000 :4 000
dem urna duzia de assculho de
louro de a5 por 38,000
Jos Severino Lopes 28j duzias
de ripas a 16a 44 800
Soma 3:5a,3i8
Manufacturou as suas 4 Oficinas em to-
do o referido mei o se;;u>nte :
Tapa boca de differeotes calibres 8
por 11,600
Soquetes idem 5a por 97,800
Cantis para Cacadores i5 por ag aoo
Mezas grandes de amarello 3 por 90,000
Bandejas de Rancho 31 por 4.9*>"'
Btldes de carregar agoa 6 por 19,200
Caixa para fardamento 1 por >/> 000
Camas de vento 13 por /' ''"'
Cunhetes para cartuxo ao por 3a,3o
Carmino para lixo 1 por 14,000
Punhos de Jacaranda para espadas
19 por 34,oo
Par de molde de missagra do cali-
bre 1 por 3,aoo
Cunhetes aiquiados de ferro ao
por 51,200
Coronhas de granadeiras 9 por 36,000
Belinete de reparo d'Ouofre do
calibre 18 1 por 6,000
Mtzas de amarello para Sargento
3 por 3o,000
B i neis de ebeceira de cama 5 por 26,000
Caixoens de pinbo para condtuir
fardamento 7 por '79ao
P de nivel com sua pianba 1 por 10,000
Brtcadeiras para reparo d'O-
uofre a por a,000
Rodas ferradas para os mesmos re-
paros 34 por 473>000
Metralba para tentar netas arr. 19
por 24 3ao
Machado de carp na 1 por 6,200
Aldrabas gatas 4 por ao 000
t'eichadura de broca a por 16,000
Firragem para uro carro 1 por 5o,ooo
Sacatrapos de granadeiras 70 por 16,800
Biocas para coronha 42 por 7,000
Trados sortidoa 6 por 3o,000
Pares de obra dices de cbumb.tr
a por 5,iao
Ditos de Cruz 1 por 1,920
Pregoscoslaes la por Mo
Bailas do ad. i3 arr. 5a por a66,a4o
Bocaes de bainhas da debaionelas
100 por 32,0011
Ponleiras das ditas too por 24,000
Fenagens de cenlutoens a5o par 100,000
Pares de atacas para grvalas
aoo por 3a,000
Ma de almofarjs 1 por 9,600
Tarugo de bronze 1 por 1,200
Ba i otras de baionetas pro m pas aoo
35.0O0
57,76a
a3,
,0
loo por
Espadas promptas para cornetas
29 por
Lanternetas promptas do calibre 9
174 por
Carnes de chicaras de folha de
flan des 80 por
Pratos Iravessas de dita 10 por
Bandeirolis 112 por
Pares de escamas de birretina 33
por
Cenlurescom ferragens 9 por
M chillas que s- apregara5 as fivel-
las 153 por
Grvalas de sola com atacas de
Istad agi por
Tacos de estopa do calibre la, 460
por
Correiag de patronas 100 por
Bainhas de baionetas 106 por
Cantis que se pintaran ai5 por
Fundas de eamurc.t 3o por
Coocirtos de 61 Armas do Ad. 17 a{5.5oo
3a,000
10.000
44,8oo
n3,5ao
9,000
61, aoo
93,760
58 65
31,000
42,000
ai '(no
38 '4
3984,030
Rellaca dos gneros e sos presaos qu fo
rio remeltidos dn Arsenal d- Guerra
para a Ilha de Fernando de Noronha.
1 Banqueta completa rom urna
Imagem deChristo Encarna-
do por
6 Palmas de fl tres de pennas
para Jarros da dita banqueta
por
a Frootaes um roxo e outro
encarnado por
1 Cirimonial por
r Ritual Romano por
1 Ferro de CMias berto por
1 Bandeira Imperial de flele
com 6 panos por
a Ditas ditas ditas com 5 ditos
por
Dita dita dita
por
com 4 ditos
por
Fivelai par correiu de muchella
324,000
1 Caixa com folha de flandes
por
1 Almofariz de bronze com ma
periodo 09 e i|/| libras por
4o Funiias do lado direito e
esque'doa 1280 por
6 Toneladas Portuguezas de
c.-rv. de pedra a io'000
res por
4o Taboas de amarello por
4o Ditas de louro por
6 Paos de jangada por
l5 Tin ve* de 37 palmos a
45oo por
6 Ditas de 36 ditos a 6000 por
5 Enxameis de 35 ditos por
281) Duzias de ripas a 160 a
duna por
360 Caibros por
1 a Varrumas caibrar a 80 por
ta Ditas caixaes a 61 por
3 Limas mucas meias canas
por
1 Flaina com ferro de dentro
por
5 Trados e a 5Uooo por
3 Caix s com a Botica por
9 Caixesque levarfo os g-
neros a a 56o
24 Boneis de pao azul a 1266
24 J-queis de dito dito a 483o
76 Calcas de brim a 1110
76 Camisas do mesmo a 95o
12a Pares de sspatosa i3oo
n4 Esteiras de Ango'a a 160
i8438 Tijolos de ladiilho a
3af o milheiro
i38o5 Telhas a 36 s o dito
3ooo C a.f o milbeiro
3000 Pregos caibraes a 55oo o
milh> 10
sooo Ditos caixaes a a4oo o dito
2000 Ditos meta cabeca a a4oo
o dito
3000 Ditos ripees do Reino a 1600
o dito
aooo Ditos de guarnica taoo
o dito
6 C-nfialhs a 1000
20 Esteiraa para as ditas a 32o
6 Arrobas de polvera grossa
4 Ditas de dita ua
56Uaoo
JgUaoo
HoUdoo
aU'ioo
1II610
56U"oo
35Uooo
. 60,000
a5Ujoo
a4Uooo
35lf85o
51 Uaoo
6"Uooo
ai3U3ao
16 lU'JOO
80 U 000
67U500
36Uooo
17U900
44U8no
i54Ua4o
U960
U7ao
aUa4o
aU56o
a5Uooo
aa4Uta8
a3Uo4
3.U3o4
11: < l i 11 >- >
4UJ6o
73l)a"0
l58U6oo
i8TJa4o
59r.ll. 16
483Ui75
6U000
11 Uooo
4U800
4U800
3Uaoo
aL'.f'O
!7a8o
4U25o
Soma 3:ai7Uo73
Arsenal desterra 3i de Janeiro de
1839.
Joa5 Arcenio Barboza.
Director interino.
OBRAS PUBLICAS.
Precisa-e de qUatro Serventes para
trabalharem na obra do Quartel das Cinco
Ponas quero como lal se qu gar dirija -se ao Sor. Tenente Joaquim Jo-
ze de Farn Nev no mesmo Quartel para
rhe dar trabalho.
Inspecca dis Obras Publicas 7 de Fe-
veieiro de 1839.
Moraes Ancora.
PREFEITURA.
Parte do dia 7 de Fevereiro da 1839.
Illrn. e Exm. Snr. ForaS presos hon
tjm a miiiha ordem e tiveaS destino :
Francisco Jos Rodrigues pardo e Di-
onisio preco esciavo de Mi.'uel Arcan-
o pelo Sob-Prefeito da Frikauejia de
Santo Antonio este por est ir I^^W < p
ique por se ter feito suspeito ; 'Vlarce
lino Candido da Rocha e Luiz Sotps de
Krvitaa pardos pela 1. patmlha do
districto da Rbeira, poraterem insultado;
Vlanel Muliuho, tamhem p rd-i pula
orimi-ira p.li ullia do districto da Ribeira,
por estar as circunstancia de ser recruta
do ; um preto escravo do Convento do
Carmo, por um soldado do Corpo Policial
por se ter introduzido em uina casa allieia.
se ni o conseriliinnto de seo dorio ; Mi
lia Cesar e Francisca Vlaria da Assun-
nunciaci pardas, por outro soldado do
mesmo Corpo por estar m profferindo
em altas v-ze palavras obscenas m Hlgar'
de publicidad* ; Domingos > J. aquim .
pretos, e-scravos de Jos Das Fernaudes ,
pela primeira patrullia do districto do Pa
cete por a baverem insultado; a Joa-
quim, tambein preto, esr-ravo de Domin-
gos da Costa pelo Sub Prrfreito da Fre-
guezia da Boa-vista por estar fgido.
E' o que consta das partes boje recib
das nenia Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Prefeitma da
Comarca do Recite 7 de Fevereiro de
1839. Illm- e Kxm. Sr- Francisco do Re
*o Barros Presidente da Provincia
Francisco Antonio de S Brrelo Pre-
ieito da Comarca.
RIO DE JANEIRO
Imperial Collegio de Pedro II.
crescer como o Representante da nova
Geracio a qnern os destinos do Brazil
tem de ser entregues.
Principiou o seto por oca Discurso do
Pmfoasor id* Rhetbonca que sentimos
nlo poder trasltdar ; findo o qual o Vice-
Reitor voltando-se para o Ministro do Im-
perio disse ;
" Excellencia / Esto presentes todos os
alumnos que nos seus exames se acharsm
dignos de urna honrosa approvaco e que
pelo deseovofv intento re seus talentos pro-
meit-ro Patria un bnlhante provir ; pa-
ra elles o r.omeal-os ser gloria e o pre-
mial-ossera justica ; m^s V. Exa. se com-
praza maudar o que se deve faier a respei
lo. .,
S. Exi. mandn entio q-ie os premia-
dos fos em chamados por torno*. "ms me-
ninos dirigiam-se Sos alumnos Horneados e
os conduzam perante S. M., a quem sau-
davam Siim coma ho Exm. RegentH e
aos Ministros. Depois d'islo o Sr. Reitor ,
10 da'r-lhes o premio marcado f zia-lhts
a seguinte allooucao :
" .Muito me lisongea o dar vos boje m
solemne testemunho do quamo apprecio
vossos talentos, e do quinto espero de
vussa virtudes. A Patria um dia abencoira
voseos estudos proporco qne experi-
mente os verdadeiros bens que llie procu-
rardes. Recebei este premio que sempre
vos record a ternura de meu corapao
O alumno premiado a'esta recepeo do
premio dirigia-se ao Imperador bei-
javaHit; a mo e rendia-lhe os seus agra-
dec mentos p> lo modo seguinte :
" Agradeqo a V. M. I. a distiucia honra
que me resulta de um acollumento lo alto,
que ao Impeador do Braz I tenh meiecido
Ao Ex tu. R gente a seu Ilustrado Gover-
no e prmcipalmeule ao JN'obre Minstro q'
modera os destinos do Collegio, eu me cou-
fesso de lodo o modo penb>rado "
O premiado voltava para o seu lugar,
no meio de bymnos e eanutas tecebendo
florea em sua passagein e as felicitur-s
los seus paienie. amigse roopanheiro^.
Nada e capaz de igualar o jubilo de queso
mostravam possuidos esse jovens, jubilo q'
como por encanto communicava-se a toda
a massa dos espidadores.
(Do Sete de Abril.)
Verificou-se ante-hont m a dislribuicio
dos Premios no Collegio de Pedro II Foi
esta a primeira vez que se vio na Capital do
Imperio urna solemnidaded'este genero em
um Estabelecimento Nacional. Collegio
de 1'edrn II que ueste pi imeiro aono da
sua (undaco aprsenla ja resultados asss
satisfactorio*, promet um brithante por -
vir, se se proseguir com os mesmos dese
los no si u desemvolvimentos. A distribu
cao dos premios sempre e em todos os
paizes a solemoidade principal d'esta ins
tituicdes, o diade triumpho pa os alum-
nos premiados a occasin das mais vivas
a e;i i s para seus pas: Quanta emulacio
nao susciti n'esses jovens coraces ainda
extremes de outros sentimentos menos can-
didos o premio que Ibes conferido di-J
ante um concuiso numeroso de espectado-
res .' Que poderoso iucesmvo para red brar
de estoicos nos estados a qne se iedioo:
Esta primeia ceremonia da dislribuicio
dos premios foi no Collegio de Pedro II.
tio esplendida e apparatosa quanto poda
ser. A sala achava-se ricamente adornada.
Um doctl e estiato havjam sido preparados
para o Imperador e o Regente Arando
nos lados os Ministros e grande numero
de pessoas de dislinccio que assistiram
ceremonia.
Logo que chegon S. M I., as 11 horas,
todo o Corpo Colhgial o foi esperar por
(ana, d'oude o companliou ate o lugar
6TJ000 que Ibe havia sido destinado. Era um ma-
tU4 gnifico espectculo ver aquella longa fila de
mancebos es'perancas da Patria forma-
rem o acompaubamento o (seu Monarca,
lambem Joven quasi da metma idade que
a mor parte d'ees, e com quem ha-de
4
RECOPILAgAO'.
Academia Imperial de Medicina.
Discurso recitado na Sesso publica da A-
cademia Imperial de Medicina, a 3o de
Junbo de i 38 pelo Sr. Dr. Francisco
de Paula Candido.
Sem nes remonlar-mos, Srs. aos pri-
meiros dias da India aos Cbaldeos, Egyp-
cios, Hebieos, Gregos, e Romanos, pa-
ra acharnios os piimeiros ludimentos da
Hygiene ou arte de oouse var a saude j sem
ir piescrutar o estudo das leis reguladoras
ou protectoras da sSude dos Povos oque
constiliie a Hygiene publica ; sem procurar
mesmo lembiai-vos a iuGiiidade de cou^e-
ihos e leis recommi ruladas para o restabele
cimento o susteutcio da saude publica,
por isso que nada mais seria que abosar de
vossas benignas ai lenco s para vos oceu-
p.rcoin proposic-s emiuidas e provadas
por celebres esc.plores; preferimos cir-
cumscrever noo discurso a objectos do
oosso paiz. 11 .vendo ha 11 m anuo n'este
mesmo lugar tratado das diflerenies causas
das enormidades du Rio de Janeiro, nos
v.iu' s agor vos expor successivamrnte as
molestias que jnlgamos lhas exclusivas
d'essas leis topographicas e o mecanismo
segundo o qual os agentes os produzem ,
emim os meios de nrulralisar mais ou me-
nos completamente esses agentes morbficos.
Ommittimos assim neste pequeo trabalho
um ponto essencal, mas melindroso de
Hygiene publica _. o exereicio da Medici-
na e deveres do Medico que reservamos
para outro lugar.
As febres intermitientes que com as
vtriadas alteraces chronicas visceraes ,
principalmente do abdomen sosa fataes
companheiras, enervam e dspovoam nos-
sos campos e nossas Gdades: aelephanlia-
sis o mais bidioado escolho da Medicina ;
as nossas erisipela! que s lem de coas-
mura cora as eriispllas dos Earspeos o af.
o




DIARIO DE PESNAMCQ

-*rr-
fectarem a pelie ; as nossas erisipelas di-
go que ganham pelo numero o que cdai
em intensidade s duas precedentes ff-c-
cd-s; a opil*cio ou anemia inler-tropicl,
qii> vo o,uidro de nossas molestias; lies sao as
quat i h(F cedes, que nos parecem resulta-
do positivo do grupo de gentes mrbidos
em otitro lugr expendidos, por isso que
nio socommuns em todos os Potos. Fres
cindiudo assim da phisici pulmonar ruja
proporco variando po'uco em << grande
Cidades, exclue as influencias topog apli-
cas ; prescindindo das afivcudes Catharrae
ou mucosas, que, como a que ora reina
nesta Capitil, parece depender da difieren
ca de temperatura sbitamente effectuada
prescindindo emfim de todos aquelles li-
gellos que existindo entre ni como em
outros Povos niodependem de camas pe-
culiares ao Rio de Janeiro cujos meios
preventivos concerne ule* *e acliain alias a
pon lados pelos autores. Para com ma
cl medidas, que nos parecem mais capazes de
destruir as delccterias acides dos agentes
morbficos do Rio de Janeiro entendemos
dever previam -ule discutir a quesiio theo
rica desua manelra de obrar por isso que
a nosso conhecimento inda nio chegou ,
que author algum explicaste da mesma sor
le a arca) de seinelhautes agentes.
A observacio de mil casos de febres in-
termitientes, e muito menos numerosa de
elephintiasis erisipela e opilaco nos
guiaram a concluir., que jamis qualquer
d'estas aeced-s tem lugar sem urna altera-
co no s gue recouhece por causa : i. u-na intensa
e asss prolongada accio solar, que mudan
do o equilibrio de temperatura estabelecido
entre a pelleeos oreaos internos cria no-
vas afinidades, ja entre os elementos do
sangue j entre estes eos difiranles or
gaos, que elle banha: a." a inspiradlo pul-
monar e cutnea dYxhalacdes paludosas e
molculas argilosas, que sbsorvidas, e en-
liadas na torrente circulatoria por estes dous
cniaes, rompein n equilibrio chimico dos
principios sanguneos, dando lugar a no-
vas combinaedes, quer entre este-, quer
cjm o parenchima dos orgios, e entio li-
se as circunstancias do naso precedente :
3 emfim depende esta alteacio da ab-
sorvicao pelos vasos chiliferos e veas I c-
teas de certos alimentos da argla teouis-
sima da dissolucio de putrefacedes vege-
taes e abimaes e miasmas, o que d'rn-
volta com os alimentos e pr ncipalmente
dissolvdo pelas aguas de que nos servimos,
trajecl.5 pelo canal digestivo, formando
dest'arte suecos, que absorvidos vio co
rao nos dous casos precedentes alterar o
Banguee produzir infiammaedes ; nio dei
xando as glndulas mesentericas o ligado,
o baco eocoracio, de serem dos mais
coiumuinmente aflectados nas f-hres inter-
mitientes por isso que sendo dellas a al
sorvico intestina! a causa mais cnmmu
estes oigioa receben) primeiro a influencia
dos agentes que menciono.
Ora o profundado estudo das ronside-
rscdestopographii-as do Rio de Janeiro,
que em seu lugar ficaram expendidas, dei
xa evidenciado que ellas conspirara todas
para a alier-cio do mangue, mediante um
dos tres modos, que aqu agora Acarad dis-
cutidos ou pelo menos enunciados.
Com nT no, a possa posicio geographi-
ca ou antes subtropical onde a elevacio
de temperatura pela intensa accio solar s
vezes extrema, para o que qu es outros
reverberos, muito contiibuem as nossas
montanbas : as vastas planicies por ellas ro-
deadas, ondeo n-nhum declive favorece a
tes qual procedemos : M habitacS's da
indigencia em geni situadas em localida
des para oade affluem miasmas ou pelas
necessidades sociaes, contendo em seu re-
cio ho o foco de fe raeotaedes vegetaes: os
alimentos corrompidos nio sazonados cu-
^a polica idcha entre nos quaai extincta
Taes so os principies agentes que mais
influentes nospareceram noquadrode nos-
sas molestias; e. segundeo que Boa dito ,
todos pod m chegirao resultado finl da al-
teraclo do sangue por qualquer dos tres
mecanismos, ou ramearas oupra indica-
das.
Na pesquisa dos raeios capazes de neutra
lisar a influencia d'rstes agentes alguna se
encontrara meramente tbeoricos, <>u inexe-
quiveis, que nio abonam a experiencia,
como a dessecacio de pantanos: limilar-
nos-bemos enuraeracio dos que nos pare-
cero de fcil execucio, prescindindo mes-
roo de consideraras de hy^iene privada
que viriam para o caso ; mas que se acliaro
expendidas em innumeraveis escritos. N'es
ta exposicio os meios vio na ordem em
que expozemos os agentes morhific *.
A plantario de arvoredos ao longo das
estradas, que abriendo os vi jautos dos
raios solares Ibe offrees um ar oxigenado
e vivificador o mais eficaz meio que te-
mos ffarecer contra a intensa accio so-
lar ; e permitla-se n.s aqui derramar urna
lagiima de cornpaixio por alguna miseras
aleijados do reino vegetal. desinc*(Prs no
campo (Te Smta Auna. E' para lastimar
que no Paix dos gigantas vegetaes se re-
crutero aleijados pigmeos / Mas lies
l estio eda um mudo e quedo, atiestan
o desleixo de quera os planlou, ou os fez
plantar.
as planicies em que a cultura dos gene-
ros p'incipaea da nossa industria agrcola se
nao podesse.effecluar cumpria que o Go-
rei no promovesse a planUco das arvores de
glande porte, destinadas uro novo ramo
('Industria agrcola como por exemplo a
de JXogtieiras cujo fructo disa o oleo e
este o sabio; ou outras arvoies, que deero
anlogos resultados, alijando sempreao in-
lere-8d e industria as medidas sanitarias ,
sera o que ellas cabirio.
Estas arvores dillicultam a potrefaccio ,
diminuindo o calor dos raios solares e
conservando o ar mais tranquillo etc. ;
ellas arremedad emfim o primitivo estado da
vegetacio.
Como a composicio argilosa do oleo e
a mudancada vegetacio primitiva mais no
tas o as n-cessidad es que aponta sio r*oa-'. dentro de casa nio ten vicio e nem a-
veis : oxal que sejam ellas atteudidas.
(dem )
Variedade:
maceacao, e putrefaccio de substancias
vegetarse animaes ; e por este modo a ex-
halado de efluvios paludosos, e alteraco
das agoas n'ellas adormecidas: a composi-
cio argilosa do solo que tambera argilo-
sas loma as agoas e os alimentos como
em seu lugar demonstraremos : a vegetacio
mudada pela industria agrcola fluminense,
do qUe resulta, como litemos ver, aug
ment de temperatura augmento de putre-
faccio e seus miasmas e mudancas meteo-
rolgicas : as agocs alteradas na planicie ,
ou pelo contacto immediato da macerarlo
vegetal, ou pelas commuicaces por Gl-
traces subtei raneas de outras agoas infec-
tadas de dissoluces o gao iras, como de-
nonstramos pela aoalyse de agoas differen-
civasse tornam par alteraren) as aguas ,
oblendo sea purificacio dVstas, deslmidas
se acham as acedes de lete reas das duas pri-
meiras.
Sendo em o nosso modo de pensar as
aguas um dos mais influentes principios de
nossos males, ellas sio entre nos felizmen-
te de fcil purific ci: por meto de filtros
construidos de carvio e rea pode se res-
tabelecer em seu estado cristalino a mais
infectada das aguas de nossas planicies : te-
mos a conviccio ou pelo menos a persua-
sio de que se grandes filtros publicas de-
purjissem as aguas ao menos as de beber ,
do Iguass do Pillar, Mag Micat
etc. > outro seria o colorido do rosto d'es-
ses habitantes ; outros os seus bracos para
o trabalho ; o ferro seria o complemento
do carvio e da rea na constiuccio dos 61
tros ; nio cabe aqui explicar o papel d'es-
tes agentes diversos.
Emquanto aosdefeitos cu antes ine-
vitavel desordem em que temos observa-
do o triste asylo da pobreza fra d esta Ci-
dade, nada resta aconselbar ; roas arpil-
lar para a sollicitude do Governo para o
melhoramento da nossa Lavoura : emquan-
AMOR paternal.
O immortal Reme nunca estava tio
contente como quando padia deixando a
corte, ondesetinba feto necessiro pelo
seu genio, vir passar alguns das com seus
fillios. Em presenta dos eslrangeiros elle
ousava mesmo cumprir com os devores de
pai. Ee assista a todos os brinquedos de
sua familia ; de modo que multas vezes fa-
lia parte das procissSes infants as quaes
suis filbas er.5 o clero ; sens filhos o cura ,
eovigarii; e o autor d'Alhalia levara a
cruz salmiava juntamente com elles.
Voltando elle um dia de Versailles para
g'ixar junto sua esposa e filhos alguns
Hitantes de prazer, um escudeiro de M. >
Duque veio convidal-o parajantar no pa-
lacio de Conde : < Eu nio poaso receber
boje esta honra que se me faz porque a
mais de oilo dias que nio vejo minha mu-
Iher, e meus filhos, que concideraS o de
boje como um lia de grande testa por te
rem de jantar comigo um excedente barbo :
ej vedes, que me nio pnsso disp-nsar
deste banquete. Entio o escudeiro pa-
ra determnalo a accetar o convite, Ibe
fez ver que para ali estava convidada urna
companhia numerosa queso regosijava d
uapresenca, como o objeclo mais neces-
saro para aquella festa. Entio Racine
mandou que Use trouxesscm o barbo, que
te.ra costado uro ecudo quando muito ,
e appresentando lh o disse. Vede v*,
se peixe tio superior comido em tio boa
companhia cousa para despresar-se.
Entio o escudeiro contou fielmente a o
Principe o que se tinha passado ; e o elo-
gi, que Racine havia f-ito do peixe co-
mido rm companhia de sua mulher, e Glhos,
ibe adquiri o seu verdadeiro elogio, emaior
estima para com Sua Alteza Sereoi sima e
todas as pessoas convidadas.
(Traduzido.)
COSMORAMA
Ou Tbeatro Optico-pittoresco.
io noseio ga opulencia ic euiie ufa
valor de urna pilavra, e se sacrifican avul-
tadas somas, familias inteiras urna ou
duas leguas de distancia lutam com a fome
e a miseria.
As medidas relativas alimentos, ou-
tr'ora vigentes sobre o Medcalo, Physica-
tura e Almotacis, nao parecem suficientes
para moderar os perniciosos effeitos, que
boje se observara : eis um regresso ; que
venba condecorado com/que titulo quizer ;
mas valha-noselle. (Revista Medica)
(Do Sele d'Ab.il.)
i Apresentamos este Discurso do Snr.
Dr. Paula Candido por encerrar elle id>s
acerca das causas topographicas de certas
enfermidsdes locaes. As rcflexM lio jus-
O Director proprietario do Cosmorama ,
attendendo as rogativas, que Ihe fora fei<
tas por diversos dos seos Illustres assignan-
tes de que as familias anda estio passan
do as feslas, nio volta senio no fin da
presente semana ou principio da outra ;
vi/.a ao Respeitavel publico e com espe-
cial particularidad as Illustres familias que
se tem dignado assignar subsrripcdes para
a tntalidade das vistas do seu Theatro-opli
no pittoresco; que a i.* mudanc das vistas
que ora se achad expostas, ter logar no
dia Sabbado l6 do coi rente. Em conse-
quencia, as pessoas que quizerem gozar
ilo agradavel espectculo das 12 encantado-
ras vistas que se a> b-5 actualmente ex-
postas ou que qui-erem subscrever para a
totalidade sio convidadas a o fazerem an-
tes do dia 16.
O preco be de mil reis de entrada poi-
cada pessoa, pagando meia entrada as
creancasde menos de t annos; e o da sub-
scripto para totalidade de 6 rail reis
cada pessoa podeodo cada subscriptor vir
todos os dias se quizer.
Oca to de emrada que recebe cada sub-
scriptor lie intransmissivei a outra pes-
soa.
O D. Proprietario approveita a occasiio
para agradecer ao Illustrado a judicioso
Publico Pernamnucano o bom acolhimen
lo que tem dado ao seo eslab lecimento ,
e espera que a belleza e o natural das no-
vas vistas, bao de justificar os louvores
qne todos em geral tem dado as vistas actu
almente expostss.
Avisos Diversos.
_ Quero quiser comprar orna escrava
de naci, a qual serve para todo o seivicu
d'uma catfc, tanto para ra como purs
chaqus alguns ; ao pretenden! se diti o
motivo porque se vende: quero a pertender
dinja-se ao beco do Encantamento caza da
esquina sobrado de um andar.
Deseja-se fallar .os Srs. Alferes Anto-
nio Corte Feo, Ciror.Uo Jo Francis-
co do Saeraoeoto Peixolo, e Jos* Pereira
d Ouveira a negocio de seo grande inters-
se : queino anounciar suas moradas paro
serem procurados.
_ Quem precisar de urna >ma de casa
para o ervico de portas a dentro, dirija-se
a ma da Roda N. a3, que achara com
quem tratar
_ Na ra do Crespo D. 8 lado do sul
ha para vender urna escrava parda, para
fora desta Provincia e vista do compra-
dor se dirio as prendas que tem e os moti-
vos da dita venda.
_ Quera quizer comprar urna venda si-
ta na ra de Mi noel Coco trav sia de S,
Jos que tem poucos fundos e cmodo
para urna familia, dirija-se a mesma ven-
da D. J I a qual o dono a vende por ter
de retirar se para o Ceitio.
No dia Sexta feira i. d Fevereiro
as 6 horas da tarde perdeo se um oculo de
armacio preta dentio Je urna caixa de
roarr-qnim encarnado j velba do Recife
ra Nova, e praciuba do Livramento :
quem oachou quereudo restituir leve o a
ra Nova naloj* de louca que ser recom-
pensado.
Precisa.se de allugar huma casa ter-
rea com cmodos para pequea familia t
lendo quintal e cacimba e ufo exddendo
a iofrs. mensaes : quem a tiver annun-
cie.
_ Precisa-se de um cont de reis a ju-
ros sobre hyptheca em urna caza livre e
desembarcad*, que rende de allufuel dez
mil res mensaes: quem quiser este nego-
cio annuncie.
Mr. Kissel relojoeiro francec no
atierro da Boa vista acba-se proopto a
concertar qualquer relogio que Ihe seja
confiado pelo mais cummodo preco ; elle
obriga-se a restituir o dinheiro que tiver
lecebidoera pagamento de qualquer con-
cert, que nao lor bem executado.
_ Quem precisar de urna pessoa para
Cixeiro de Engenbo para que tem bstan-
le pra tica por ja ter oceupado esse lugar i
annuncie.
Precisa-sede urna ama de leite forra,
ou captiva : em Fora de Portas sorbido do
falecido Sr Asrostinho.
_ Mara Tbeodor Viann de Carvalho
Profeasora de Primciras Letras do Bairro
do Recife faz sciente ao respeitavel Pu-
blico que abri a sua Aula no dia 4 de
Fevereiro, que foi marcado pela Lei.
Quem precisar de um criado de casa
de portas a dentro o qual enlende alguna
couza de cosiuha e d conhecimento de
si : annuncie.
Dezeja.se falar ao Sor. Manoel Si-
queira natural de Villa do Conde, para
negocio de seu inleresse : na ra da Ca.
deia nova, casa de Manoel Cardoxo da
Fonceca.
_ Ha para vender em a ra das
Trinxeiras num. 4 bogias de cera de
carnauba muito b-m feitascomo de Lisboa
a 4 ,PIS a libra.
Quem precisar de urna mulher preta
para o servico interoo de urna casa sen-
di de pequea familia, ou bomem soltis
ro: annuncie.
Um rspaz Brazileiro de idade desano-
ve annos se offerece para Cixeiro de
qualquer arruroac.5 : a pessoa que de sen
presumo se quiser ulilisar : annuncie.
. Que&i precisar ue liuui uiuem para
feitur de igum sitio. o qual tambArn
trabalha .* annuncie para ser procurado ;
adverle que de toda maneira fai nego-
cio.
Veste-se Aojos para a Porcicad de
Sinza pelo gosto de quem o eueommeiidar
e bem infeitados de pedras p r preco com-
m>.do : na ra do Jaidim casa D. a.
Huma pessoa sizuua deseja escrever
n'um Cartorio : quem quiw utilisar-sa do
seo preliino anuncie ou dirija se a casa
de Pasto no beca do Corpo Santo.
_ Precisa se alugar urna prea forra ou
captiva para lodo o servico de urna casa
de pequea familia que saiba cosinhar
nsaboar e que seja de boa conducta s
me das Florea D. 3.
.


-
DURIO DE PER N A M B rCO.
m
m
<
m
_ Ainda se continua aforar Os ter-
reos situados oa estrada da solidado para
o manguinho defronle mesmo da ponte,
e da parte da estrada que segu do nao
guindo para a Igreja dos Afilelos, come
cando logo do fina das casas novas do De-
zembargador Mai-iel Mooteiro, contendoo
fundo de cada palmos que se afora lao pal-
mos ditos, e na razio do 3ao W. cada uno
palmos advertindo porem que un e ou -
tro terreno, be todo enchuto e b neticiado,
e promptot para logo se edificarem proprie
dades indepentente de outro qualquer
trabalho, quando pelo contrari j sucede com
outros terrenos por aquellas immedUces ,
que em la macal se lem aforado pelo mes-
mo preco ; os pretndeme* entendi se
como Escrivio Almeida que est m nidn
de poderes para fazer , Quem precisar de um bomem para
administrador de alguma fazenda de criar ,
ou paia feitor dirija se a ra Direila loja
de bai beiro d> fronte do beco de 5. Pedro.
_ Urna Seuhora de bous rostumes se
eflorece a ser ama de urna casa qu m pro
cisar de seu preslimo dirjase a ra di
Paz casa D. II.
Precisa-se de uma raulhe' que eczi
jibe bem e a fiauce sua conducta : na na
da Ciuz n. 57, na mesma casa se quer um
ftiitor para um sitio distante desta praca
meia legoa com tanto que entenda bem
de plantas tanto do paiz como da turopa,
e d fiador a sua conducta.
__ Prcisa-se fallar a viuva do Sr. Jos
Mara de Albuquerque ou quem suas ve
zej fizer : aununciesua morada.
_ Desapareceo da praia da 1boira 2
pra uches um de louro de 3o palmos, e
outro de sedro de a5 ditos; quem os achar
partecipe na serrara do Cardial na ra
da praia junio ao tanque d'agoa.
I'rtcisa-se alugar seis serventes para
trabalharem oas escavacos qu< se tem de
fazer na fortaleza do Boin Jezus, pagando
se por cada um 64o por da quem tiver
os ditos serventes ou parte d'elles, e os
dirija- si a roa do Livra-
junto a diversas rendas no priaeiro indar',
011 cona o Capitio a bordo.
PAllAO POMO o Brigue Portuguez
Fama do Diuro Capitio Jos Joaquim de
Souir sahir al i5 do corren te por ter
maior darte de sua carga prompta ; quem
quiser carregar ou hir de passagem di
rija se ao seu consignatario Antonio Joa-
quina de Souza Ribetro ouao Capitio
PARA O YIAUANHAO' segu viagero
em poucos das por r
parte de sua carga o Bergantina Brasileiro
Urbano Capitio Manuel Joaquim dos
5.uto. ; quem no mesmo quiser carregar
ou hir de passagem para oque tem os mais
excelieutes commodos dirija se ao mesmo
Capitio, ou aoseu consignatario Manoel
Joaquim Ramo h Silva.
PARVO IVHRANHAO' sahir dentro
em pucos dias a Encuna Brasileira Jovina,
forrada e pregada de cubre, recebe carga,
escravos afrete e passageiros p-rao que
t m exo lenles commodos a tratar cum
Francisco Marques Rodrigues & Irmos ,
ra do trapich- n. 14.
PARA LIVERPOOL o muilo velleiro
B.igue Inglez Tra-veller; quem quiser car-
regar diriji-sea casa de seus cuusignata
ros B. Lasserre & Companhia.
JLe 1 o
quiser alugar 1
ment do lado da roa Dirrila no 3. an-
dar do subrado D. 18.
__ Precisa-se da lugar un andar de so-
biado ou urna casa terrea, qua o seu alu
guel nio exceda de 8,000 a 10,000 no
baiiro de S. Antonio quem liver aunun
ci.
__ Um portuguez ds idade de i5annos
Cbegado proximamenle do Po-lo se offe-
rece para caixeiro de loja de fondas do
que tero bastante pr. tica, e d fidor a sua
conduela ; quem precisar aruiui-cie.
wm O abaixo assiguado previne ao res-
peitavel publico qu-i pessoa alguma contra-
te negocio com .Antonio Manoel Thenorio ,
que diz sersru caixenj visto que oabai-
xo assignado tem tido noticia que o dito
Thenorio tem tomado coisas em seu nom
sem ser por ordem do annunciante e poi
esse motivo o abai.v assignado nao se res-
ponsabelisa por qualquer prejuiso que haja
ou por elle ou outra qualquer pestoa e
por issu fazo presente annuucie. -Jacinto
UeliodoroManyr d'Oliveiro.
_ Em qualquer dos 3 bairros desta C
dade se precisa alugar urna casa lerrea ,
ou mesmo sobrado sendo que seja de um
aandar, nao importa que seja em roa
menos publica, com lano que nao seja
muilo distante das priucipats ras dos re-
feridos bairros, adverte-se que he para
pessoa de pouca lamilia por uso nao im-
porta que seja a casa pequea da-se a
mezet amantados e fiador $ quem liver
ancuncie.
_ A pessoa que Ihe fallar urna vacoa de
leile dinja-se ao campo grande sitio de
Jos de Foules Braga, que dando os signa-
es Ihe aer entregue.
_ Quem a&nunciou querer &m orato-
rio dinja-se a praca da Independencia
loja D. sn
Avisos Martimos
PARA A ILHA DE S. MIGUEC c. -n a
maiur brevidede sahir o muuo veleiro ,
opvo e bonilo Pplacho Portuguez Paque
te da leicc-ira ; quem m-lie quiser carr*.
gar ou hir de passagem para o que Um ex
cellentes commodof, dirija-se Joo da
CoU Lian, O PrV d Gorpo Santo ,
De urna porcio de tadoado e pan
x5 s de pinho e de faia junto com urna
porcio de birricas abalilas viudos na Galera
Aiueiicna Tuscauy, con. oaaberta e ven-
didas por coma do quem perl ncer no
caes da Alfandega sabbidug do crrenle
as 11 horas da manhi.
Compras
_ Urna negra de naci moca que
saiba coser e cozmhar e que nao lenha
vioios nem achaques : naiui do C bu;a
loja le Irancza da quina da ra das irui
cliei'i se dii quem quer.
r
Vendas
_ Historia d<>s Hitados d'America Se
ptentrional e Meridional desde a suh
emancipacio, at ao lecouhecimento de
sua independencia: conlendo alem da par-
le historia Geogrfica e Eituislica dos
referidos estados : a descrico de seus rios,
lagos por los climas minas monta
ribas, volujes commercio, relgs5 for-
ma de seus governos Ao. &c. escripia em
tiespanhol e traduzidaem Poituguez por
Jacuitho Alves lirauco Muniz Brrelo au-
gmentada com varias notas ; um volume
pui,5jo: na praca da Independencia lu-
ja de livios 11. j e 38.
Um cavallo castanho novo gordo,
bem figurado com boas estradas e e-
qmpidor, por prec 1 c mirudo; na ra da
CoNceicio ua Boa vista D. 3o.
I'enlf s de marrafas de muito boa tar-
tmtgae de mmto bonita cor : na Ba vis-
la casa de duas portas e urna janella no
meio no piiucipioda ra da Santa Cruz
dtiioute da venda do Sr. Molla adverte-
se^que quem u.ib-llia he o mesmo que Ira-
baihav no atierro d Boa vista, oqu*l faz
e concerla luda e qualquer obra que for de
tartaruga serviudo com toda brevidade
pussivel.
_ Di muiequcS de nacau uaminnda ,
com idade de 14 anuos de bunitas figu
ras, um escravo de cor parda, boro ser-
tadur e canueuo, cum ai anuos de idade,
irm vicios n. m achaques e vende-se po<
piecisiu ; um dilu de 4 > anuos de idade ,
muito lu le. sabe cozmhar e he muito
fiel] passandoa Igreja dus Martirios uo
1. andar do primeiru sobrado.
Remedio para Erisipela feito na In-
glaterra e aprovado pelos roe liores pro-
tessores de meJecina daquelle paiz; na ra
nova loja de ferragero D 18.
Urna venda sita na ra do Rozario ,
que volt* pra a do Aragio na Boa vista ,
muilo bem al'reguezada e com commodos
para Umilu : a tratar na mesma.
rm escnvi noca d.e afio ango-
la para todo 6 servico ; quem a quiser
annuncie.
Duas moradas de caas terreas acaba-
das de novo do gosto moderno, e bem
lepartidas mais outra inda em cax*5 ,
todas juntas e xios proprios citas na ra
nova do Jumiro que fica por detraz da
Igreja de S. Gonsalo : a tratar ua ra Glo
ria da Boa vista casa D 28.
_ Um corrame de couro de lustro com
ferragens douradas urna barretina e urna
banduleira: na ra docollegio D. 5.
_ Una preta de naci de ao annos de
idade, sabe cozinhar, engomroar,'e lavar
roupa ; e urna moleca de idade de i4 a i5
annos dm bom principio de fazer o ser-
vico de urna cisa : do pateo de S. Pedro
Sobrado de um andar D. 8.
Superiores chapeos prelos de massa ,
ditos de castor branco e pretos, da ulti-
ma moda ditos elsticos, bicha* grand $
de Lisboa ; e na mesma se consertio e pe
se a moda chapeos de castor e de massa
ludo por preco mdico ; assim como se
informio chapeos do Chile: na fabrica jun-
to a cadeia.
m. Urna preta creoula de dade de 3o
anuos bem parecida cose chi engom-
ma liso ensaboa e cozinha sol'rivelinen-
te : na pracinha do Livramento loja De-
cima at.
- Uma escrava creoula de idade ao a
aa anuos, engomma, cose, cozinha o
diario'de uma casa ; na ra larga do Roza
liola-ga venda D. a.
_ Uma escrava de naci, bonita lgu
ra que representa a5 annos cozinha ,
ro/e cha lava de vari ella, e boa quian-
deiraderua; quem a pertender 1lmj4.se
a ruado Vigario n. 17 no te*curo andar;
de m.ilihi t 9 horas e do meio dia al as
3 da tarde, que achai com quem trac-
ur.
Uma bom escravo offcial de ca pina,
a fallar ras 5 puntas com Jos de Barros
Cavalcante mestre da obrada fortaleza.
Um cavallo ruco muito novo com
carrego biixo : ni ra da Cadeia velha D-
cima 3o.
_ A posse de um terreno no fim da
uideS R'ta Nova com 7a palmos de
ftente fundo al abaixa mar to' esta-
quiado com parle atlerrado, e muita pedra
que pode servir para caes o qual sa vende
a pr..s : a tratar na tua das Cruzes D-
cima 18.
. ym cavallo alazo bastante gordo,
bomcarr gador e esquipador : na ra do
Crespo D. 3.
Cera de carnauba e 3 grandes ca
noas de amarello bastantes grossas $ Com
boa fc5 palmos de comprimenlo proprias
para baicacas : a fallar com Minoel Fran
cisco da Silva em sua loja na pracinha do
Livramento.
Um rico faqueiro de caita de angico
conteudoa4 culheies de soupa 12 ditas
de cha uma dita para assucar uma dita
de prjxe, uma dita de aroz, uma dita
gr-ude de soupa uma duzia de facas e
garlos, dente de c.vallo Marinho, uma
diia de sobre mesa dita de dito e um par
de triachaiilc-s : na ra da Cruz n. Cj e
mesma casa compra-se ao b*rrs de mel.
Um sitio no lugar do Gequi com
boacasa de vivenda uma grande estriba-
ra que leva 4o cavallus com 5oo ps de
cuqueros, e mais fructeirrs um grande
iiveiro a casas no porlio boas cacimbas
a5 aa-*
d'-goa e lem ranxo dentro do mesmo si-
tio com grande terreno para planlacSes ,
e o mais que se. patente a v sta do com
prador : a tralar no mesmo sitio.
Uma escrava de angola de idade de
, cuzma* uuiaiiuue uma casa,
lava roupa e he quilandeira : na ra da
ooiiceiyao da Boa vista D. 8.
_ i'ur preco commodo uma canoa de
caneira ja u>.ada : na ra da Madre de
Deus luja de Ju Joaquim da Cosa Leile.
Azeile doce fino engarrafado, em
duzia : ua ruada Ciuz du Recite armasera
de assucar 11. 4a.
-- Uma bonita escrava de 84 a a8 annos
de idade cozinha* diario de uma casa ,
engumma e facWlo o mais servic > : na
rus Dueila do lado da igieja doLiviamen-
lu sobrado D. ao.
Ou aluga-se e iroca-se diariamente
vellas de cera de meia quarta at toucbeie
ro, porjire?! commodo: na ra do Ran-
gei D. 9 sobrado do um andar,
_ Una molata de ao annos de idade
boa costureira engommadeira cozinha
diario de uma casa sendo para fora d
trra : no armasem do Sr. Lobo, roa do
Apolo.
'_ Um sitio na Magdalena com casa
de pedra e cal, cacimba com hoa agoa agoa
cozinha fora estribara para dois cavallos,
quintal murado para galinhas copiar na
trente grande, biixa para capim terre-
no para vacras de leit bistanles arvore-
dos de fructos e a vista do prelendente se
dir o interesse do mesmo sitio metade a
vii ta e metade a praso : na ra da Floren-
tina sobrado novo junto a mar.
_ Estopa de liuho para sacos de assu-
car f na ra d Cruz D. ai.
_ Um bem violio com muito boas voJ
zes : nesta Typr-grafia.
_ Uma escrava de b.mita figura e mu*
lo moca propna para todo o servpo e
com um filho de 3 annos. na ra do Quei-
maduj'-ja de ferragem D. 5.
_ Uma parte de uma casa D 11 na ra
do aljubeem Oliuda em chaos proprios
com o, fundo que vai a 1 ua da ilaresla : a
tratar na iu de,Hjrlas D. 5c.
J, Para fora da Ierra urna escrava mo-
ca de bonita figura muilo fiel e ptima
para o arranjo d.; uma ctsa na praca da
Independencia loja do Sr. Meroz.
Uma cuma d'agoa levissima de co-
ros por preco commodo : em fora de
portas 110 tanque ao p do Filar.
jKscravos Fugidos
Fugirio pela madrugada do dia a5
da passauo do lugar dus apipucos 4 "'-
groa de nomes Gaspar, Miguel Zeferi-
no e Mano-I cornos signaes seguiutes :
Gaspar, baixo e grOsso do carpo bem
preto ; Miguel baixo fulla e pouco
grosso ; Z-feiiuo creoulo bastante alto ,
grosso em porporcio cor muito preta ,
e ollios grandes Manuel a cabralhado es-
tatura 01 diara grosso do eorpu tem a
orelha esquerda partida a mullos annos ,
levou este ultimo 16000 sendo 8000 em co-
bre e 8000 em sedulas e em sua compa-
uhia uma molalinha ; quem os pegar leve
a apipuc. 10 Roma que gratificar.
No dia 21 do p. p fugio um escravo
do gt-ntiode angola, moco sm barba, ca-
ra comp di e despuntada paraos qaeixos,
deules serrados com um delles da parta su-
perior preto por estar apodrecendo ore-
Ihas bem pequeas nariz chato sellado
das verilhas dentro e as uadigas bem fora ,
peritas finos e algum tanto cabeludas com
uma graude marca de fogo em uma das na-
digas que diz elle ter sido uma bexiga que
se queimou qaando leve esta molestia em
angula, a falla desembarazada fugiocom
chapeo branco de palha e m*Cd de couro
de Carneiro ou de caba e nio estando o
cabello corlado ; se acitara junto a croa da
cabeca um molho de caballos brancos ;
quem' o pegar leve a casa de Manoel Buar-
queque gratificar.
Movimento do Porto
NAVIOS SAHIDOS NO DIA 6
GOIANN \ ; Hiale Nac. Gonceifo M.
Aulouio de aUZa Louro, carg varios g.,
passageiros Francisco Manuel de Gu*-
inai. nna iirn nll.rt rneOOr 3'Ji d '<-
ta e Francisco de Paula.
RIO DE JANEIRO ; E.cuna de Guerra
Nc. Piraj Curomaudante o Capitio
Tenente Ricardo H. leva de passagero
do Pai p.-r ordem superior o Capitio
Tenente da Armada Antonio Jos u'An-
drade Pinto, 1. Teueule Manoel Jos
Viena e f)6 prafas do I. Bttalho da
Biigada deala Provincia, leva um Ci-
rurgio Mor da Mariuha .americana por
ordem de S. Exc.
RIOG. DOSULj Brigue Nac. Feliz Des-
tino, Cap Luiz Gomes de Fegueiredo ,
carga s.le vinhos.
Pbrn.uaXxp.oix, r. de 1,- 1839
*
J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1ZR485YG_VON75Z INGEST_TIME 2013-03-29T17:55:23Z PACKAGE AA00011611_03729
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES