Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03724


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO D-i83g. SEXTA FEIRA
.a i" ni a i i "i ni
CAMBIOS;
Janeiro 3i
Londres 3o l/i 3o 3/4 Ds. St. por ifooo ced.
Lisboa 8o por ioo premio, por metal. Num.
Franca 3io a 3a5 Rs. por franco.
Rio de Janeiro ao par.
Moedas de 6#*>o 14f5oo ai velhas or ai i4Jaoo.
,, fooo 8|ioo a Sfioo
Pesos Columnariot i|6ao a i|64o
Dittos Mexicauos f 8o a i|6oo
Pataches Brasileiroi ijf6ao a i#6o
i Premios das Letras, por mes i a i|{ por loo.
f Cobre a o par
PARTIDAS DOSCORREIOS TERRESTES.
I Cidade da Paraiba Tillas de ana preteneo ....
I Cidade do Rio Grande do Norte, e villas dem .
Cidade da Fortalera villas dem .......
Villa de Goianna............
Cidade de Olinda _............
Villa de Santo AntSo..........
iDita dearanbuns e Povoaco do Bonito.' ....
Dittas do Cabo Serinhaem, Rio Formoso, e Porto Calvo
Cidade das A lagoas, e Villa do Macelo. .....
.Villa de Pajairde Flore*..........
Todo* os cor reos partera ao meio da.
1. DE FEVEREIRO. HUMERO 27.
Tudo agora depende de n&ijf msanos ;"da nessa prudencia
moderaco e energa: continuemos como principiamos,
e seremos apontados com adniiracM estire as Nacei mais ul-
Proclanaacods A;ss=sl5if Geral do Brasil.
tas.
Subscreve-se para esta folba a 3|ooo rs. por quartel, pagos adl-
antados nesta Typoerafa, ra das Cruces 1). 3, e na Praea
da Independencia D. 37 e 38, onde se recebem correspon-
dencias legalisadas, e annuncios: insirindo-se esle gratis
sendo dos proprios assignantes, e vindos assignadoi.
Segundas Sextas feirai?
Todos os dias.
Quintas feiras.
Dias 10, endcada mes.
dem 1 11, e 21 ditto dido.
dem dem.
dem 13, ditto dille
DIAS DA SEMANA.
a8 Segunda S. Cyrilllo R. Audiencia do J. de Direilo da 3. vara de manhS.
39 Terca S. Fianc. de Salles. It. de maub e aud. do J. de D. da 1. vara demanhl. L.
a 1 lior. e 18 minutos da taiie.
3o Quarta S. JVlartinha V. M. SessSo da Tbesouraria de raanh.
3i Quinta S. Pedro Nolascol' Relaco eaud. do J. de D. da 3. vara de manbJ.
1. de Fevereiro Set Jej S. Ignacio B. M. Sus. da Tlies. e aud. do J. de D. da 1. v. de
a Sabbado fc Purificaco de N. Sra.
3 Domingo da Setusgessima. S. Biaz O.
Maro clieia para odia 1. de Fevmiio.
As 6 horas e 54 minutos da manir. As 7 horas e 3o minutos da Urde.
sheia
m.
PARTE OFFIGIAL.
PERNAMBUCO.
GOVERNQ DA PROVINCIA.
Expediente do dia 28 de Janeiro de
1839.
Officio Ao Commandante das Arma*,
para mandar escusar do servico de prmei-
ra Liaba a Antonio Joaquim da Annuri-
ciacao por ser filho nico de viuva e
individamente ricrulado.
Dito Ao meimo, para mandar demil-
tir o soldado da terceira Companhia do
quarto Coi po de Arlilheria Joaquim Josa de
Santa Anua por lo estar no caso deser-
vir na primeifA Linha.
Diio-Ao Inspector da Thesouraria ,
instando pela nformaco eligida era offi-
cio de s5 de Ju.iho do anuo passado a-
cerca das Fasendas da IIlia da Assump-
c,io.
Dito Ao mesmo, eommunicando lite
que devendo Franciscj Jos Correia Eo-
carregado do fornecimento da Tropa que
o anuo passado seguio para o Rio Grande
do Sul no Patacho Francolina ser obriga-
do a pagar a importancia dos gneros de
que nao aprezeota a competente des-
carga, cumpre que proceda a tste respei-
to como fot de lei, e de maneira que a
Fasenda Publica noseja prejudicada, para
o que se llie remetiera o officio do Inspe-
ctor do Arsenal de Marinha informa-
ces, e mais documentos a elle juntos.
Dito -- Ao Prefeilo da Comirca do Re-
c'tfe. disendo Ihe que para seren forne-
cidos osobjtclos que requisita para a co3i-
nba 6 enfermara da Cadeia cumpre que
s.ilisaca primeiramente a ordem que Ibe
foi derigida em 9 de Julbo do anno passa-
do para enviar u regulamento da mesoa
enfermara.
Dito--Ao Ptefeito da Comarca de Goi-
anna, para informar sea extracio de po-
dra leila na piaia da Povoaco de Punta de
Pedias paiaa ibni da Cadeia de sua Co-
ma, ca. pode causar o damno que os mora-
dor es da dita Povoaco disem fazer a Ca-
pe'la da mesma e se ha em sua Co-
marca algum lugar em que a referida ex
fraco se possa lser sera inconveniente.
Dito Ao Commandante Geral do Cor-
po de Polica,respundeudo ao seu officio em
que rtquesita para as pracas do mesmo
Coipo os 800 Capules de pao alvadio viu-
dos de Londres, que de ve requisilar sumen
te o mmete) que for preciso para a) Pa-
cas existentes.
Dito Ao mesmo enviando Ihe com
despacho a requesico que fez de espadas,
pistolas, e siutuies para as pravas doCorpo
de seu Commando.
Dito Ao Inspector Geral das Obras Pu-
blicas, para informar se por ven-
tura txiste no Archivo Topogrfico al
guma planta da estrada nova do Sul desde
tala Cidade ate a ponte dos Cacvalhos; e
00 caso de afirmativa remetter urna copia ,
ou o[propro original, senda que baja de-
mora maior ele tres 'dias em tira-la.
Dito Ao mesmo, comunicando-lbe
[que tendo sido desligado do quarto Corpo
de Ai lilherieaompaiihia de Artfices e
posta sob o Commando do Director do Ar-
senal de Guerra ; cumpre, que manda re-
colher ao dito Arsenal o segundo Sirgn-
to da dita Companhia Jos de Barros Ca-
valcante que se acba impregadj naso
bras publicas.
DitoAo Directorio Arsenal.de Guerra,
communicaudii-lbe a expedirlo da ordem
supra. te
Dito Ao Tenente Coronel Comman-
dante da liba de Fernando, communican-
do-lhe que no Brigue Boaveutura segu
viagem o preso t Jos Correia de Andrade
cundemnado a quatro anuos de galea par
a releida }iha o qual veio remeltido da
Provincia da Balua.com a Caita de Guia
que se Hie remelle.
Portara Ao Inspector do Arsenal de
Mariuba para faser embarcar a.bjrdo do
Brigue Boaveutura, que segu para a liba
defc Fernando o sentenciado de que tracta
o precedente cfficio, devendo fornecer-
Ihe as necessarias rces de embarque.
Officio Ao Cojjxoandante da Escuna
Ltbro respondendo Ihe .que nSojlhe pode
ser entregue o Grumete Manoel J. que fo-
ra preso pela Polica por ja estar entre-
gue a Juslica sida aprehendido um estoque, e ser indici-
ado de bavtr ferido cruelmente a hum
preto.
Portara Ao Commandante do Brigue
Escuna Nicleroy, para remetter ao Inspec-
tor do Arsenal de iVJarinlia o sentenciado
Jos Corteia de Andrade, que a seu boido
condusio da Provioca da Babia.
resto da prestacio de 3:ooos rs. que se man-
dou dar a mesma Camir pira a condusio
da obra da Cadeia daquolla Villa.
Diversas liepartiyoens*
THEZOURARIA DAPROVINClA.
Expediente,'do dia 3o.
Officio Ao Contador da mesma The-
zouraria para mandar extrahir as coritas
de que se achio devendo Fazenda Publi-
ca as Cmaras do Recita,, Goianna. e O
linda sfim de se degenciar peio Procu-
rador Fiscal a sua cobr.iri?.
Dito Ao Procurando Fiscal a respeito
do eoiiteudo do precedente officio.
Dito Ao Inspector d'Alf do-lhe em respeta do seu officio de 1 3 de
Novembro, que nao podando as 477 Es-
ta id ps obscenas que se (liarlo escond
di no fundo do Baba de hum passageiro
da Bares Francesa Camelia terem desti-
no algum sem decisio judicial devem
ser remeltidas para o Juiso quem se dere-
gio o termo de appn bensa para proce-
der como for de direito.
Dito Ao Administrador Fiscal das 0-
bras Publicas para entregar em cumpri-
mento Ao officio do Exm. Presidente da
Provincia ao Procurador da Cmara Mu-
nicipal da Villa de S. Anta Joze Jernimo
Furuindes Coelho, aquaoiia de 88oj'3ao
TRIBUNAL DA RELLACAO'.
Seiso de 31 de Janeiro de tujj*
Os Embargos de Joio Anastacio da Cu-
riba oppostos ao Accordo contra tile profd-
ferido e a favor de Gregorio e Ji ze da
Silva figo na cauza do Appelaca Civel Es-
crivi Fer reir foro disprezados julgan-
do-se BithsiAite o Accordo embargado.
Na Appelic*o do Civel do Juir.o dos Of-
fas da Viiia de S. J. /..: da Comarca do Na*
t.il, Provincia do Rio Grande do Norte Ap
pellanla Auna Rita do Conceic e Appella-
do Jerouimj Cabral de Macedo ExcrivaS
i'erreira N>5 so tomou conbecmenlo
del la.
Os Embargos de Delfina Roza do Amor
Divino ao Accordo proferido a favor de
iielleua Maria de S. B 'rito na canza de Ap-
pellacaS civel desta < idade Escriva Pos-
thumo -- fore desprezados mmdou-se
cumprro Accordo eraba 1 gado.
Na Appellac.im civel do Ju'zo de Di-
reito desta Cidade Appellante a Fazenda Na-
cional o Appellado Minoel Juze Mendea ,
Esciiva Ferreia ; se julgou pela confir-
maca da Sentenea recorrida.
Na Appellsca civel do Juizode Direito
desta Cidade Appellante Bento Joze da Cos-
ta e Appellado o Exm. Mrquez do Re
cife Escriva5 Ferreira se julgou peldcoufir-
maco da Sentenca recorrida.
Na Afipellacad civel do Juizo de Direito
dest.t Cidade Appellante J.io Ferreira dos
Santos e Appellados Antonio da Silva t C.
EscrivO Chaves j se julgou pela coufirma-
cao da Sentenca appcllada.
Os Embargos de Joaquim Nogueira Fe-
re oppostos ao Acccrda contra elle prefe-
rido na cauza de Appellaci civtl em que
he parte Maaoel Joxa Vas de Oliveira Es-
criVa Rcbello fora desprezados mand-
se cumprir o Accordo embargado.
Os Embargos de Antonio TriaUS de
Serpa Brand<<5 oppostos ao Accordo a fa-
vor de Manoel Tboms de Souza Lean na
cauza da AppeUac crivii Postbumo forr desprezados man.
daiido-sc cumprir o Accorda embargado.
Os Embargos de Antonio Leocadio Paes
Baiieto o||i >sls ao Accord.o contra elle
proferido ea favor do Senador Joze
Carlos Maiink da Silva Ferri.5, a Ap-
pellaco civel do Juizo de Direilo desta Ci-
dade Escriva Feneira fora desprezados
mandndose cumprir o Accordo embar-
S'P0,
Na Appellacao civel do ju'io de Auzen
tes desta Cid id- Appellante Juze de Souza
e Appellado o Juizj Escrivo Rebello foi
julgado nullo o Prcces^o.
Na Appellacao civel do Juizo de Direito
da Cidade da Parihiba. Appcllaote o Juiz
e Appellada D. Maria Jozefa dos Pacos Es-
criva Rebello : se julgou nao tomava co-
uhecimento da Appellacam.
Na Appellacao civel do Juizode Direito
desta Cidade Appellante rsula das Virgen
e Appellada Maria dos Prazeres Escriva
Posthamo,- se julgou pela reforma de
Setttenca^appelUda.
ffiMEZA DO^CONSULADO.
Pauta do Preco corrente do assucar, e al-
godo, e mais gneros, que se despa-
cito na meza do consulado de l'er-
nambuco, na semana de 3i de Jan,a 8 do
diez de Fevereiro de 1839.
Ass. B. N.
M
i,8oo

5

M
I. sorte.......... 3Uioo
* >i ...........3C 100
o. ,, ........... 3U9001
4* ............ aU;5o
o. ........... 3Ulioo
6. ........... aUa>
Dito-velbo 1. sorte.......... aUtioo
,, .......... aiJooo
o* ip ........... 3400
?>
i,3oo

>
M
I*
O.
6.
>
1
Ass.M. N?
i,Soo
Dito velbo
9ao
1. forte
Algodio 1. soi te

1.
><
4\ v....... aUa5o
aUioo
iUg5o
lUgoo
1U800
1
1UJ00
iU3oof
7U800
6U800
1,
3.

sorla
>
3. ,............ 5U8oo
Antonio Bento Fn es.
Francisco Jos Marinho.
Feitores e conferentes.
ARSENAL DE GUERRA.
O Arsenal de Guerra tem de remetter
para a Provincia do Cear 1 ai' 09 bailas do
ad. 17 : as pessoas a quem eoiirisr fazer
em alguma embarcaaa tal couducca ,
nu.-jro cesparcar uu mesmo Arsenal pa-
ra contractar o ajustes, e prefirir-seaquem
por menos frete quizer leval-os.
Arsenal de Guerra 3i de Janeiro
i83g.
Joa Arceno Barbosa.
Director interino.
da
PREFEITURA.
Parte do da 3o de. Janeiro.' de 1839.
Illm. e Exm. Sor. Fora presos bon-
tem a minba ordem e tivera boje dis-
tino : Alexandre preto, escravo da Cse-
tano da Silva Asevedo pela a. Patrulha
do districto do Corpo Santo, por estar fur-
tando vinbo das pipas que esto no Ca-
es d'Alfandeg* Francisco de Paula Si-
queira pardo por um toldado do Cor*
po Policial, por ter futudo tres esleta da


s
I*A R I O DIPERfAMBUGO

brim trancado; Bernardo preto es-
crito de um ul Araujo, por un Inferior
do mesmo Corpo ,' por ter espancado a
um preto emcompanhia do preto Anto-
nio escravo de Rofinodetal, que tam-
bes foi preie t, ^francisco Xavier de Coi-
to branco por meo Ordenanza pur
ser ocioso :, e Maltias, preto, ecravo
do Senhor do Engenho Tapirema pela
primoira Pairulha do deslriclo da Saula
Cruz, por catar fgido.
Participla V. Esa. que, cbegando
bontem a minbs noticia |qui no lugar da
praia das Candeias ae achavao promplos a
embarcar para fora da trra dois pretos es
eraros e fartados pelo pirdo Mrclino
Joze de So^s* ( que j se achara prm >
nndei que o Sub-Prefeilo da Fieguezia
de Santo Antoniocom uro escolla de Ci-
clara de Polica os fossa al apprehen -
der, o que elle fielm-nle executou condu-
aindo presos os ditos pretos da niaie Joze
da Cunha escravo de Be-ato Sebastiio Vi
eirade Lncerda, e Benedicto escravo de
jLuiz CaeUoo e os pardos -- Pedro de Al
cantara da Ora Jos Gjmes Corris e
Marcos Francisco d> Carmo oi.'pjr
aero dopoda Cas em que foiio encon
trados, os reforidos pretos e es dois l-
timos por serem os Jaugideiros que os
deveriaoconduzii em sua jangada,
E'/o que consta das parles hc-je r das. nesta Secretara.
y^eos Guarde a V. Exc. Prefeituia da
Comarca do Recife 3o de Janeiro de
1839. Ulm. e Esm. Sr- Francisco do lle-
go Barros Presidente da Provincia.
Francisco Amonio de S Brrelo Pre-
fito da Comarca.
Interior.
EDITA ES.
A Cmara Municipal da Cidade u'Olinda
em virtude da Le.
Fas ssber que hade ser arrematado
por quem mais der o seguote:
O Contracto das Bllancas de pezarassu-
car em volpmes pequeos nos l'rapixes da
Cidade do Recife por ser ae seo Patrimo-
nio, oreado na quanlia de i:o-Gf6io.
O Contracto da Amlaco ,| e ieviz.5 dis
peros, e medidas desle Municipio, oreado
na quanlia de aifof'aoo.
Quem quizer arrematar companyi no
da b do mez de Ferereiro do correte au-
no munidos de seus Fiadores na f jrma
da Le.
E para que chegue a noticia a quem con-
rier se puaou o presente ; que vai -.asigna-
do pelo Presidente da Cmara.
liada o de Janeiro 1SJ9.
Jote Joaquia d'Almeida Guedes.
Presidente.
Jos Joaquim de Figueredo.
* Secretario.
A Camera Municipal da Cidade d'Oiinda
* em vii lude daLei &.
Fas saler, q' te bsde arrematar 1 or quem
meaos fuer, eupagem do airombj na es-
trada contigua a l'ovoacao dos Arrumbados,
nos diaa (i, 7 e b do mez de Feveieiro do
correle auno cujo O camauro e coodi
ceas sera patentes todos os dias leis na
Casa de suas Sesses.
As pesteas que quizerem arrematar com-
pareci nos das aprazados munidos da se-
as Fiadores na forma da Lei.
E para que chegue a noticia a quem con-
rier se passou o presente, que vai as*ig do pelo Presidente da Camrra.
Oiinda do de Janeiro 1839.
Joze Joaquim d'Almeida Guedes.
Prezidenle.
Joze Joaquim de Figueredo.
Secretario.
ANN UNCI.
O Cnsul da Portugal avisa s petsoas
que tratara quererem ajutar-se para irem
para Angola na qualidade da Aguardeutei -
roa e filealres de Assucar, bajao de compa-
recerem na Chancellara do Consultado pa-
ra tratar-se de difinitiro ajuste, e dos mais
4.raBjos necemrios.
* RIO DE JANEIRO ,
Bernardo Pereira'de Vasconcellos, mi -
nistro e secretario de eslado dos negocios
da justici encarregado interinamente do*
do imperio declara que longo de lurer
a divergencia que parece acreditar o Sote
d'Abril de u8 de dezembro n 65a ,
existe a maior harmona entre elle e seus
collegas que cumpoem o actual ministe-
rio na poltica seguida com os giremos
de Buenos-Arres e Monte-Vid > ; e que ,
nao se considerando superior a n-m um de
srus coilegas em senlimentos amertanos ,
nao Ihe pode caber exclusivamente o elogio
i|ue ali se f-iz huma vez que ro seja ex-
tensivo a todos os oulros Snrs.
( Cbronista de 3 de Janeiro.)
a6 de Dezembro.
O Brigun-escuna Guasca* entrado do Rio
Grande coro trese dias de viagem Iroux"
not nia de que lud continuava no mesmo
-stado. O* partidistas de Silva Tavares
na questio do comnundo das guardas nac
on es, bem como os contrarios espera va o
com impaciencia a decislo do governo im-
perial. Entre os rebeldes tambero con ti -
n v a discordia e constara que al;uns
tinlio abandonado as fileins e emigrad)
para o estado oriental, para esperarem ali
por huma amnista. As reunioes dos lega-
listas continua vio naquelle estado e assegu -
.iva-se qu*aopiniiod* populacio brazilei
a ali es abelecida era de que devia lomar
parte na luta para terminar huma calaini-
lade que tantos males tinha j causado.
( Despertador de 27 de Dezemb )
MUDAHCAS DE PHEZIDBHTES.
D-sde algum lempo falU-se que rio ser
mudados os presidentes de alguroas pro
vincias e at sfo .apontados os que serio
substituidos por oulros. .*.sspgo%>u-nos
mesmo quasi < tfioi .Imenle urna follia dia
ria d'esta capit 1 que sera deraiitid > o pre-
vidente de Santa Catharina por erros, ou
graves erros que lia comroelldo ; mas
que o do Rio Grande do Sul seria conser-
sado; que seria demittido da presidencia
do Para -1 Sr. Andrs, e pare ali trans-
ferido o Sr. Msnoel Felisardo presidente
do Cear.
A' que ponto devem ser acreditados es-
tes boatos nio sabemos; mas o que pode-
mos asegurar aoa nossos I-Nitores que o
Sr. doulor Joo Antonio de Miranda, uiz
de direito de Angra dos Res /o des-
pach do administrador da provincia d<>
tetra;
Esta deliberacio que o governo acaba
de tomar, de d>r aos cearenses um novo
presidente, cheia de prudencia. A op-
posic-o caprichosa e pertinaz que tem so-
Ir ido o Sr. Manuel Felisardo na sua admi-
iiislrtco, j causa va sustos aos amigos
sinceros da paz publica. Embora o Sr. Ma-
nuel Felisardo ten ha sido victima dos odios
injustos e das calumnias dos seos inexo-
ravefs e tenazes adversarios embora mui-
tos ou quazi lodos os seos actos fossem
dictados por um verdadeirn espirito de bem
publico: elle linha contra si o furor a
colera implacavel de um partido poderoso
na assembii provincial, e lalvex poderoso
mesmo fra della .* e desde que semelhanle
luta exista e que nenbumas espsrancas
restava que (rila se extinguira continu
ando na presidencia o mesmo cidadio que
diriga a provincia e antes cada vez se
irritando mais os nimos de um e outro
lado: foi muito consequenle foi rouito
cicumspecto o governo diminuido o pre-
sidente, contra quem se diiigiad todos os
tiros da opposicio ceas er.se.
A prudencia deve ser urna das primeiras
qualidades dos que gorerna as naces A
ciencia gorernatira cortamente difficil,
por nviilo complicada ; por isso os que ad-
miniilri povos devem ncanrpavelmenle es-
tudar suas propenaes e seos hab'ios ;
devem marchar com muito lento na send*
dos de reres que tem contrado para com
a naci que dirigem ; devem sobre lu-
do nio ser perlnszes em todas as suas
medidas. Os gorernsntes derem mesmo
em certos casos nio atacar de frente certas
opiooes, com quanto nio firmadas najus-
lica derem at respeilar alguns prejuizos
populares, queso o lempo, e a illustracio
do poro, promovida por meio'de melho-
ramentos na educacio des classes da socie-
-dade podem ir pouco s p^uco destruin-
^> -i
' Nos vimos -como a assembla provincial
de Minas se nrirespntou hostil dinte do
presideuie o Sr. Io* Cesarlo de Miranda
Ribeiro C*nbeeeo o gorerno supremo
qne assembli mineira era injiMlH : que
'o presideute sef-uia o camir-h 1 das seos de-
reres ; ross nio obstante demtU o ; nio
foi islo fraqueza, nio foi incons"qin'ncia
nogorerno central; foi consumada pru
dencia. O Sr. Bernardo Jacioto da Veifa
foi nomeado para substituir o Sr. Jos Co-
sario e a tempestado que se ia firmando
promptamente dissipou-so. O hbil Sr.
Veiga souhe mitigar a irritacao dos nimos ;
ecom um* poltica firme tem podido des-
truir a influencia d'etse partido que u-
dare aberlamenle apregoara a anarqua na
repiesentacio provincial. Si continnassp
n< presidencia o Sr. Miranda Bibeiro, o
ministerio de 19 de selembro tera conse-
guido tantos triunfos na pr-rincia de Mi
as? Por cerl- que nio ; e devemos antes
crer que sriss.desorden- t-ria appar-cido.
em m.al dos mineiros em mal tal vez mes-
mo do Brasil
O mesmo espectculo, que "nos offjreceo
a assemb'i provinc'-l mineira acabamos
de presenciar na assemb'i provincia cb-
rense : esta seguio o exemplo d'qulla ;
porem foi ainda mai.a audaz mais vebe-
montn em Mi-s 'ggressSes; mais descome-
dida contra o probo cidadio que tero go-
rernado a provincia. O governo central ,
porem comquanlo reconheca toda a in
justica da opposicio cearenso destitue da
presidencia ao Sr. Manoel Felisardo. Pa-
recer muitos que isto condamnara po
liiica seguida por est administrador ; mas
nos diversamente entendemos. O governo
nada mais tem talvez em vista do que arre
dar do Cear a pedra do escndalo do parti-
do alencarino que, nio so pode desconbe-
cer, exerce alguma preponderancia na. pro-
vincia embora a maioria dos cearenses nio
seja favoravel s vistas rancoresas d'esse
partido.
Vae por tanto, administrar o Cear o
Sr. Joao Antonio de Miranda. Nio conhe
cemos de pertoa este cidadio mas pessoas,
em quem depositamos confianca nos as-
-eftura que o governo acertadamente o es-
clheo ; e dicem : O Sr. Miranda lem na
sua comarca vivido sempre tlheio aos par-
tidos extremos que nos tem dividido;
dotado de espirito conciliador recto _
Elle accreecenta essas pessoas cujas
informar/des nos cingimos elle tem sim um
partido ao qual vota verdadeira crtica e
amor sincero; mas esse o partido da
monarqua representativa, e da liberdade ,
moderada pelas leis que nos regen).
Consta-nos mais que o noro presidente
vae disposto a empregar lados os exforcos ,
fim de bsrroonisar entre s lodos os cea-
renes dissidentes; e, qusodo esta tarifa
Ibe seja impossivel, serenar pelo menos a
exalticio dos nimos e nfulndisir quaes-
quer maquinsc-s de espirites atrabiliarios .
contrarias prosperi lade cea.ense, e
paz do imperio. O novo presiden!.', o
que 83 nos diz inda nio est de animo a
ir collocar se debaixo da lulrlla d'estes ou
d'aquelles influentes; quer sim, e est
muito firme em ir governar a provincia
com impircialidade e com independencia.
A tarefa, que ora se ulereco ; ao Sr. dr.
Miranda na rerdade custosa ; mas ios
muito esperamoa de seus talentos nos con-
fiamos que elle saber permanecer as nten-
coes de que se acha possuido. No mo-
mento, ero que o Sr. Miranda desembarcar
as praias cearenses os dois partidos hos-
's s (ario pretsa em corteja!-o em ga-
nhal-o para os seos ioteressea ; mas compre
ao Sr. Miranda que acolhendo lienigna-
menle a todos s escote o grito da pro-
pria consciencia e dos deveres que aca-
ba de contrair.
Deixando oCea' volvamos os olhos
para as margena do Amazonas. Nio sabe-
mos que j se acbe nomeado successor para
o Sr, Andreas. Correo um boato %de que
fora nomeado pea presidencia do Para o
Sr. Jos A. Pi menta Bueno, ex-presiden ti
do Maito Grosso ; mas ouvimosjque elle fij
zera certas exigencias qua o governo nic
anuir. Assegura-se, porem que o gover-l
no est firmemente resolvidoa mandar no-I
vo presidente para a provincia do Para. Ol
Sr. Manuel Felisardo ser com eu-Mlo osuc-l
cessor dor. Andris, como tambero j sel
disse ? E' o que nio podemos responder aosl
nossos leitpres.
Mas po que ser demillid da presiden-I
ciada Babia o Sr. Thomaz Xvier P Incli-I
m monos a crer que o rumor, que n'd-l
(|uella provincia correo, da demissio de seo I
actual presidente falso E' nossa cooric
ci que o Sr. Tliomaz Xi ier t-m sido um
boro administrador <* por isso ptrece nos
que o governo nao o demillir.
Agora chega o momento de pergunlar-
luosaquem nos possa responder quaes sio
ess-s erros graves do presidente| de Sinla1
Catharina os quaea motiva sua demissio,
a qual um uosso collegn j deo por certa '!
Sam que pretendamos defender ao Sr. Par-
dal quem nem sequer'conhecemos sem
que pretendamos louvar todas as medidas
por ella lomadas na direccao da provin-
cia que Ihe lu confiada, dizemos que na
nossa consciencia, o Sr. Pardil nio mere-
ces pecha-de mo presidente ; mas talvez
nos engaemos e pr isso sujeitsmos o
nossojui/o ao de oulros q'ie liverem da-
dos mais seguros para avahar acapacidade
administrativa do actual presidente da San-
la Catharina.
O governo est firmemente resol vido
nio deiniltir o presidente do Rio Grande,
porque nenbuns er'os lem commetiido ,
pelos quaes tenha perdido a confianca da
admiuislracio central. Pouco mais ou
mea s foi islo o que j se nos ssseverou
quasi olHcialmeiite pela imprensa. Largas
refl xes pode ramos islo fazer; mas nos
sobm ludo presamos o bem publico, e nao
queremos passar por promotor pertinaz do
'iescredilo do Sr. Eliziario, d'essa nossa
gloria militar, que tantos triumfos tem
dado s armas imperi tes e causa da na-
ci rio infeliz Rio Gande do Sul. Din -
mos smento que praza aos ceos que a illi-
mitada confianca que na adu'iinislraco
do digno marecbal presidente deposita o
governo nio seja fatal ao Rio Grande e
ao Brasil.
Que triste que realmente acondicio do
governo supremo respeito do Rio Gran-
de! Diremos com o benemrito legalista,
o Sr. Lnireiro: Si o governo emprega fi;
Ihos da provincia na direccio dos seus com-
plicados negocios mal succedido, si em-
prega bratileiros deoutias provincias, nem
assim mais fel'Z. E donde provir islo ? _
W de misler que filiemos com aquella fran-
queza que nos prepria. Quem t boje
mais lem concorrido para os malos de sua
desolada provincia sio nossos proprios r-
meos Rio-Grandenses. Adivisio, as in-
trigas, os*ciuntes, que os tem retalbadu
desde o coraeco da luta T uro xcesso de
amor proprio qu? os faz nio encarar com
olhos verdaderamente fraternacs seos ir-
mios das outrs provincias, que para lber-
tal os da anarqua vio nos campos conluiei.
tinos derramar seo sangue ; a delapidaco ,
que all tem existido em muitos ramos do
serv-ico publico ; todas estas causas tem po-
derosamente concorrido para a conlnuacio
d'essa guerra ful que lem empobrecido
aquella rica provincia e roajbado a vida
tantos de seos filbos e tantos oulros bra-
sileiros.
E' lamentavel um fado lio cruel ; de-
ploravel que um puubado de anarquistas
por tanto lempo se teuha5 sustent do. Ve-
rlo erl Ue-Grshdessf!. es f ff?i*.os fs-
tao de vossos erros ; e ainda mais dos vos*
sos erros, do que talvez mesmo dos trrqr)
do governo central por maiores que elles
ten ha 5 sido. Porque vos nio uns, como
de veis ? porque com verdadeiro exforco ,
com uro patriotismo bem entendido, e bera
r guiado nio trabalbaes pela sil vacio da in-
tegiidade e da monarqua representativa,
e pela rfsa propiia sal vacio ? Qie importa
que o Brasil inleiro se mpenbe em salvar-
rt.s si rossas dissidenrias ros-as intri-
gan continuad e Kssim vio inutilisando
todos os sacrificios de bomens edu>h que a naci faz 1., Mas nos temos Ion
gemente divagado do fim principal d'esle
artigo. Depois.de pedirmoa d'isso desculpa
aos leitorea nos damos pie sa em concluir
-ttkl
*~
Mam


lie ai ligo com ama reflexio que nio deve-
ipo* omit ir.
Venio* que o goverao pan algumas no*
meacdes de presidentes, que ltimamente
tem feilo lena chamado cidadios que
nao por i encero ao carpo legisla tiro nacio-
nal ao mesmo lempo que pira oulras pre
idenci^ iem Horneado depurados. Aquel-
la medid* nos parece preferivel esta por
roais de uno rasio. Primeirameute por-
que nio so no corpo legislativo nacional
que exislem cidadios dignos dos altos era-
pregos da nomeaco do governo ; em se-
gundo lugir porque nio deixi de ser per-
nicioso aos inleresses das provincias terem
novos administradores com curtos interval
los: E' nomeado um depntado no fim de
urna aeasio para urna presidencia ; aind*
bao nio tem elle tomado p nos negocios
da provincia, quelite confiada pira diri-
gir logo obngado a voltar tribuna na
cional, e a provincia fija entregue um
vice presidente, que nen tenipre da con-
fianra do governo central, nem sempre tem
a nec'ssai ia habilidade para dirigir as lia-
funccSes de que se s reve.lido.
Quinto n prudente aeria ir empre-
gando as presidencias e em outros car-
gos importantes cidadios, que nao per-
UjncdS legislatura. K' justo, mesmo
neceesaiio que*e alargue ocircuio dos agra-
ciados e nfe seja sanente os inembros
do corpo legislativo os que lenhad a pusst
exclusiva de toda* as honras de todos os
emptegos de importancia. Esta nosa coo-
sidaraco parece-nos uendivel, eapea
moa que o governo Ihe dar o peso que
11* merece.
Tememos ser fastidioso e p >r isso nos
nao demoramos com oulras coiuideraco-s ,
que viria adecuada, mas que reserva-
mos pira outro artigo.
(Diario do Rio de 27 de Dezembro.)
De V. Ex. obediente subdito muito res-
peitador. Jlo Ventura de veira ,
Juiz de Paz Supplente do sexto Districto
do Municipio da Villa Franca do Impera-
dor.
(Seto du Abril de 17 de Deiembro.)
S. Paulo 11 de Desembro.
No dia 7 do corrente marchnu psra a
Franca hom destacamento de primeira li-
nha, compos'o de 38 soldados, bum cade-
te a Cabos, e a cornetas comniandado pelo
Sor lente coronel Flix Jos da Cunta.
Forio mais os teguintes officises o Sor.
mejor Francisco Alves Alvina, o Snr. l-
ente' Daniel Podro MoJler. os Snrs. Alte-
res Joio Homem Guedes Portilho, e Joo
Jos Moreira o Snr. cirurgiio ajudante
Jos Antonio Pinto Guedes.
(Despertador de i.\ de Dezembro.)
PROVINCIA DE S. PAULO.
Villa Franca do Imperador.
Illa, e Exro. Snr. -- Penetrado do mi
j.% vivo sentimenlo de humanidade levo
*i> couhecimento de V. iix. o doloroso es-
tado decoaccio em que se acha o infeliz
Municipio da Villa Franca do Imperador,
entregue a prepotencia brutal do Capitao
Anselmo Ferreira de Barcellos, chele da
quidrilha deaordei Depuis da ie irada
dos em pregados pblicos, como ja V. Ex
estar' ao. I'acto etitiou na Villa esle
moiitro, acompanbado de parle de sua
quadrilha, e publicamente declarou que
conservara ahi sua guarnicio at que V
Ex. o mande tender fasendo c-er aos in-
cautos que ludo o que tem obrado be com
ordem superior ; e com esle engao tem
conseguido grande partido, alett do que
se Ihe ajunta de ctiminoios de todas as par
tr(, os quaea protege refoicando asiim
sua potente quadrilha. Proclamando aos
seus sequases, declarou lites aasassinado o
Juiz de Paz Manoel Rodrigues Porobo, o
que d j facto fez com a maior traicio e oro
tld.de ; O mesmo prolexlou faser ao Juiz
de Diretto Interino, Presidente da Cmara,
Secretario da mesma. CommsBdant da
Gu rJa Nacin.I. e outros muitos Cida-
dos prcbjs, e Negociantes ealendendo
sua ira brutal contra as innocentes esposas
e filhos dos seus perseguidos as quaea
hmdonando suas casas, se acham disper-
sas e fugitivas aoffrendo as maiores ca-
lamidades e affl c;5es. Esle he, em resu-
mo, o estado prsenle, que ira'moilos-
vnnie se V. Ex. quanto antes, nfo der
as msis t?nur destruir se esta orda do desordeiros ,
que cresom de momento, pois correndo
a noticia do feliz xito de suas campaniles
trozes de todas as partes correm os cri-
minosos, a iiicorporarem-se esto grupo
de malfeitores onde se considerio escs -
i liados e escapos do rigor da JuUica, a
qual ja derribaram, e, porisso, com rasio
sedero temer a devastadora anarqua que
tanto sangue lea auiUdo n** P*w
vincias do Norte
He o que, com bstanle pesar levo, ao
conhecimeoto de V. Ex a quero Dos
Guarde por mullos annos.
Curato de S. Bento do Cajuru', 1 de
Novembro de 1838. -Ulan, e Exm. Snr.
Presidente da Proviicia de S. Paulo.
RIO GRANDE DO SUL.
Temos presente huma carta de Mon-
tevideo de 7 do corrente (dezembro) na
qual encontramos confirmadas muitas no
licias que temos publicado a .respeito dos
actos administrativos dng rebeldes sua
posicio e circunstancias e do e lad.t da
op nio na campsnba ; accrescendo ou
tas particularidades inleressantes. Nio
trancrevemos aqu a dita carta por ser
nimiamente diffusa e trazar muitas das
noticias envolvidas com reflexSes e mes-
mo com outros assumptos particulares ;
mas cxtrahroos o que i**U encontramos
de maior importancia advettindo aos li-
tores que he de pessoa fi ledign' que a-
cbsva de cK'egar a Montevideo de huma
digressio pela nampanha do Rio Grande
do Estado O ntsl onde ntigos co-
nhecmentos e relic5?s commerciaes e a
ostentaco de opioiio neutal Ihe fecil tirio
o ver de perto o estado das couzas.
O autor da carta esteve pel P'cipio
de nov< mbro em Ale,vete, e observou ali,
beso como em todos os outros logares por
onde pasara, que e roanife lintenlo geral de arrependimento de te-
rem tomado parte na rebellifo, ou de nio
se Ihe terem oppos'o ; diz que atlrihuio
a propicio da revolla k falta de forcas
legaes que a coroprimissem no comeen ,
e depoia a excessos daa tropas legalistas e
a errqs dos seus chafes ; qae se desejava
geral nenie o termo da guerra a volt a
do governo legal mas que se recesvio
as perseguices : que se ae pudesse contar
com o pleno esqueciment do psssado ,
ludo cedera primeira epparico de hum
corpo de tropas legalistas.
A noticia que aqu se poblicou de ter o
governo rebelde decretado numerosos e
gravissimoa tributos he verdadeira e ta-
pa medida he a que tem contribuido mais
para o desgosto dos povo* e para a vol-
la das deas d* uniio. O povo da cam
ra, maa tambem por Ihe offerecer hum
porto para levarem a elfeito o decreto do
corso.
Os chefes rebeldes determinarlo por
em movimeoto as sois forcas no dia g
de novembro, para irem acomm< tter o
exereito imperial; e se fossem felizei,
por sitio ao Rio Grande ; mas a m von-
tade da gente armada e a deserc > fieiio
abortar esse plano. S das forcas estacio-
nadas no Arroio das Pedras que nv>n-
tavio a 3:5oo homens desertarlo 700.
O Goedes chamado com ordem de se
reunir s no dia 19 sa1 io do districto
de Algrete com pouco mais de cero ho-
mens. Jio Antonio marchou tambem pa
ra o Arroio das pedras para cooperar no
indicado movimento \ porm antes de
Legar ao acampamento desertou-lhe to
ds a g^nte e e elle achava se em sua ca-
a no dia 5 de novembro.
Em qusnto ao Estado Oriental a po-
pulacio brssileira (que he muilo nume-
rosa principalmente na campanha) es
tava as melbores disposicSes para coope-
rar para a extincelo da resolta ; e muitos
dos principaes proprietarios linha repre-
ssntados a D. Pruoto pars que consentisse
no armamento dos Braileiros naquelle ca-
tado. Jernimo Jacinlho e outros nmciass
que se tindo prestado ao servico daquelle
general com a prom^ssa de que, termina*
ra a sua lucia auxiliara os legalistas no
Rio Grande, anda estsvio em Montevi-
deo, e o Urigadeiro Caldern a a5 'le no-
vembro achava-se as mmediacSes de Bel-
lem.
(Despertador de 3i de Desembro)
panha gnorava a importancia da forca
legal na cidade do Rio Grande Villa do
Norte e Porto Alegre que os agentes e
o peridico do governo rebelde Ihe in-
oulcavlo insignificante e prompta a capi-
tular. Ignorava-ae lambem a restauracio
da B*hia e linha-se feito eapalhar e
persuadir aos povos que as provincias da
Baha e Para estavo indepeodentes ; qu
o mesmo espirito dominava nss oulras
provincias, principalmente as de S. Pan
loe Sinta Catarina ; e nesla ultima, se-
rundo confisiSea de pessoas influentes do
partido, linha-se efectivamente machi-
nui> luui moisi6ri;>>, q j "P"
parecido se nio Ihe tivessem obstado as
enrgicas e providentes medidas do pre-
sidente e das aullioridadcs locaes *, maa
do qual ainda nio desesperavio.
Afirmara se em Algrele naquella da-
ta que Bento Manoel fra chamado a
Piratioy, aonde devia chegar al i5 de
novembro para organsar huma forca e
com ella partir para o norte da provincia,
psra baler as tropas que so (lina devia
vir de S. Paulo ou de Sania Cathanna e
animar os consprsdores nesla ultima pro-
vincia ; os filhos deste liaidor esta vio em
Montevideo na dala carta. A revolla de
Santa Catarina he a paite mais essencial
dos planos do governo de Piratmy, nio
s pelo acrescimo de forca qne Iba da-
NOTICIAS DIVERSSA.
L ae no Jornal doCommercio :
" O Snr. Dr. Joio Antouio de Miran-
da nomeado presidente da provincia do
Cear parte para seu distino no dia 6 do
corrente, no brigue de guerra nacional
Tqez de Mao,
Falla-se ainda na mudanca dos presi-
dentes do Maranha e Para m>is ainda se
i designam seus successores. Parece qu--
o Snr Pimenta ex-presidente de IVlatto-
Grosso nio foi nomeado como se dizia,
para alguma d'essas presidencias. O Snr.
Pimenta por certo digno de administrar
qualquer das provincia* do imperio e cie-
mos quf o governo imperial o empregara
najprimeira occasiio.
Pelo paquete inglez recabemos peri-
dicos das provincias do Norte qee nada tra-
zemintesanle. As provincias g.isam de ao-
ceg.
Campos. Alguns clamores se tero
suscitado n'esta cidade em coosequenca do
abuso que se tem nlrodozido de dar-se di
ploma de vice-consul a cidadio brasileiros,
que por essa forma se livraro do servico da
guarda nacional. Dizem-nos qui ha em
Campos vce cnsules de nscSes que nio
tem all nem um subdido Armam nos
qqe o fpresidente da provincia o digno
Sr. Paulino, tem dado providenciaa ener
gicas a este respeito.
S. Paulo. O Presidente da provin-
cia demiltiu o chefe de legiao da guaida
nacional da capital Francisco Antonio de
Souza Queiroz. Esta demssio tem sido o
motivo de novos clamores contra o presi-
dente. Os peridicos d'aquella provincia,
que temos a vista', nada dizem sobre, os
arcontecimentos da Franca.
Minas. Os peridicos de Minas nio
trszem noticia'slguma de interesse.
(Do ChronisU de 5 de j meiro.)
CAMBIOS.
Rio de Janeiro 3 de Jaueiro de
83$.
Londres...........
Psris.............
Hamburgo.........
Our em barras.....
DobresHespanhoes..
da Patria..
Pesos Hespanhos ....
a da Patria.
Moedas de 6,4<>o velbas
novas
de 4,000 ....
49 effeit.
lio
6.5
nominal.
3o,too a
3o,ioo
1,83o a 1,85o
i,8a5 a i.83o
15 loo a i5,4no
i5,aoo a i5,3oo
8,aooa 8,3 jo
Prata...... ....... *9 ifr P' c*
Apolicesde 6 por c. ?5 e 1/
Ditas de 5 por c.
( D> Despertador.)
Avisos Diversos.
O assionista dss camellas correspon-
dentes as Loleriaa do Seminario, Litra-
melo e B<>a vista, faz sciente aos amadores,
que a do Livraoento corre impreterivel-
mente no da 4 de Fevereiro conforme an-
nunciou o Snr. Thesoureiro pols Ihe rei-
ti > um pequeo numero de caulellas cor-
respondente a dita Lotera por isso avisa
aos apachonados coocorrio comprar an-
tes que se acabem na casa de sua resi-
dencia ra do Nossa Sennora do Terco D.
9 da psrtel do oasceole e nua lugares j
anuoncados.
__ Huma Sen hora propSe-ae a curar ,
mesmo em sua casa, quesilla, 00 molestia
de prelos os quaes a traoem de suas Ier-
ra, advertindo porem que a dita senho-
ra proposta a isto ja tem [curado, e pos-
to bom a muitos pelos porl-eo que esli
moito pralica nos mesmos curativos, op
que a muilofannos labuta neste trafico : aa
prtNoas que da sen prestio se quiserem u-
lilisar podearlo dirigir se a tk df-
reita, vindo das cinco pontas lado es-
querdo, sobrado de Ituaa and Despareceu da cilio da Ponte do
Uxoa, aonde mora o Snr. Doutor lgica,
hum Cadello de c >r de Rip com parte
da* mioa e | b'ancos ; quero o levar ao
mesmo cilio recebers' 4D mil res de gra-
tificaQio, 6u no Recife, em Casa de Ma-
ntel A' Ionio ds Silve Motta<
t9> A pessoa que ti ver lumia fliuta em
bom uzo e a quera vender, procure em a
casa da N--ve na travessa'do Theatro, que
a hi ochsr com quem tratar; na meama ae
p'ecisa de hum bom padeiio a pessoa que
estiver nestas circunstancias pode dirigir-
se para o ajaste.
Joio de Maura Florencio, avisa ao
Thesoureiro da Lotera a favor das Obras
ds Igreja de Nossa Senhora do Livrmen-
to que no caso de sabir premiado hum
meio o bilhele numero 3o 1, so'O pagua
a Clemente Rodrigues de Mello, apreaen-
landoeste aulhorisaco sua por escriplo ,
por i-o que o dito bilheto perdeu-se ; fi*
cando desta sorle privado de cobral-o qual
quer pessoa que o tenha achado e nio
o qneira reslituil-o declara o mesmo an*
nucante que o bilhete tem sus asignatu-
ra'
Deseja-se fallar com o Snr. Joaquim
de Barros maa ignora-se a nioradia o
mesmo queira ter a bondade de aonuocia-
l. por esta folha.
_ Perdeo se no dia 3t de Janeiro pp.
um bilhele da quanli de dezoito mil res
passado por o Cobrador ds Adminislracfo
dosOrphios, que existia em i83a contra
Domin osFernsndes Vianns o como este
precisa do dito bilhele rog p?a achoo de lh'o entregar na rus da Madre de
Deoa ou annuncie do que Ihe liciia as*
saz agradecido.
__ Precisas- fallara viuva do Si. Ma-
noel Ignacio de Albuqaerquo, ou a pessoa,
que as suas veses fizer.
_ De a6 para 77 de Janeiro pp. furia
r5 do primeiio sitio na Cruz de Almas ,
indo para o Arraial lado direito urna va.
calavrada parle do corpo de branco e a-
marello pona* rq;sd 3 qa! foi vis-
ta noesmioho indo para Boberib^, con.
uuzuo por doos iioroens vestidos de couro,
osquaessesup|5: serem ladr s : as pea-
aoas que deicobrirem odilo furto se Ihe da-
r boas alvicaras podeudo dirigir ae ao
referido sitio a fallar com D Margarida
Candida da Cunba; e ao Recife atraz do
torno Santo.
Felippe Neri Colaco avisa aos Sema.
que Ihe lem filiado para aprendern Geo-
metra como tambem aos que anda Ihe
na o fallarlo e desejio entre lano iottru-
ir-se nesta,scienci-i que visto j lite perme-
lir ieu estado de saude, pretende dar pnn-
cii a suas Ic5es no dia 4 de Fevereiro p.
futuro o annunciaule mora na ra de Or-
l s no primeiro and ir do sobrado D '3, o
declira que tatibeja eosini u i ogo ai Frao
ceta e luglczi. .
V
1


r


n
* __
-a.
D 1 A Rl O
BE P fe R N A M B U C O.
g
_ OSr. Fabio Jos da Costa Barros d-
rija-sa a Dunda na ra de S. liento junto
a fgr-ja de S. Pedro velho a fim da t-
ctbtr duas c. ras.
O Sr. Joio Jtteinto Soares queira
annunciar a sua inorada para se tratar ne-
gocio deseu inloresse.
O biixo assignado conforme a dis-
posics dos estatutos do Curso Jurdico ,
participa era falta do proprielario ao
Srs. quo se quiserera utiliaar u'est- anuo
das lip&cs de grammalica latina no Collegio
dis aites que elle abre d'ora em diante a
matricula em casa de sua residencia, ra
nova de Olinda. Pedro Bezerra de Sou-
za BelliSo l'rofessor Substituto.
_ Fugio ou furtaiio da ra da Cruz
no dia a8 do crrente um quarto russo
pedrez grande capado ja velho com
um sobre ervo u mo esquerda anda
de c riego, quem o adiar querendo res-
titu lo o poder fazer no Rcife na
ra da Cruz n. ia ou no engenho Me-
guahipe debaixo freguasia da Murituca ,
quesei recompensado.
Os Srs. que carregaro carga a bar-
do do Biigue Escuna Laura primeira, ou
tem a ca regar escravos no dito navio para
o Mrauho queirio levar os conheci-
nenloj despachos, e passaportes ao for-
te do matos em casa de Firmiuo Jos Felis
da Hoza ; o navio subir impreterivulraen-
te no dia a do corrate.
I'recisa-se saber se existe nesla Ci-
dade o Sr. Joo Antonio Pinheiro natural
de Chaves no Reino de Poilugal a ne-
gocio de sen interresse por is o anuuncie
ua morada.
Precisa-se de urna ama para o servi-
co de urna casa de pequea familia ; quem
tiver tiestas circunstancias annuneie.
__ Aluga se um armasem ua ra da ca
deia de S. Antonio proprio para assucar,
junto ao tanque d'agoa e no mesmo tem
para vender iooo barricas vasias, caixes,
pesos e babanca: a tratar no sobrado por
cima do mesmo armasem.
. Piccisa-se de urna pessoa que. siiln
folear fot/migas, e que leve lodos os a pris-
tes neceisanos por estes tres das a Ta-
lar com o empresario do Theatro.
Na noiledo dia 3o de Janeiro per-
deo-se um bollo do punho de camisa da
Matriz al a ra do Queimado ; quem o
echar leve a Camboa do Caimo U. iu,
que rtctbei o adiado.
__, Quem tiver negros para alugar por
semana para trabalhar em urna obra den-
tro de casa queira dirigir-sa a ra da
sanala nova D. I, que abi se dii quem
Os preci a e paga-se diariamente mais do
que ganbsr emoutra qudquer paite.
__ Deseja-se saber se existe em Per
namhucooSr. JooG-uies da Costa e Sil
va ou pessoa que pelo mesmo Sr. se in-
teresse pois se Ihe deseja falLr podendo
annunciar ou dirija se a ra da sausalla
nova D.i.
_ Piecisa-fe de um hbil padeiro es-
trangeiro ou brasileiro para administrare
tes commodos, dirija-se a D'Aadrade a
Companhia ra dos Quarteis D. i ou
cono o Capitio do mesmo Manoel Jos
da Silva Ramos, na praca.
PAPA A'ILHA DES. MIGUEL a .
Iiir at o fim de Fevereiro, o milito veleiro,
e novo Patacho Porluguez Paquete da Ter-
ce'ua com muito boas bcommodacoes para
passageiros, quem nelle quiser carregar ,
ou ti i r de passagem, dirijar-e ao Consigna
(ario na prac do comraercio junto a Mesa
do Consulado, Joao da Costa Lima Jnior,
no i. andar ou a bordo ao Capilo.
FRETA SE para qualquer porto do Me-
diterrneo a Polaca Sarda Boa lutelligen-
cia do lote de 260 toneladas forrada e
encavilhada de cobre, e bein conhecida pe-
la boa marcha adianlaudo se melado do
valor do carregimeuto a quem quiser car-
reg-i la : a filiar com o consignatario Joo
Pinto de Lemos na praca do Commercio,
ou com o Capito da mesma Joo Gorllero.
.Le i 1 o
No armasem Inglez n. 10 da ra da
Cruz hoje as 10 horas e meia da manh ,
do co&Uudo do mesmo armasem.
C o tu p r a s
_ Viados Pacas e poicos do matto :
na loja de Santos Neves ra do Crespo
D.9.
Yendas
__ Urna venda sita na praca da Boa vis-
ta do lado do poeute com poucos fundos ,
e tem commodos para famila : a tratar na
mesma ti.
_ Um 1 molcca de naci benguella de
idade de 1a anuos, faz todo o servico de
urna ca>4, e ptima para se. Ihe eniiuar
qualquer habelidade : 110 pateo do S. Pe-
dro sobraJo de um andar D. 8.
ij.ti.tii muio boas a arroba a 8 o
rais : na iua d Cruz n. .,.
_ Um. |i:eta de naci angola di idade
de as anuos coziuha diario de urna ca-
sa engomina liso, o he lavideira : na
ra da Alegiia sobrado do Victorino.
_ Enchapes de 21 11 aa palmos, cai-
bros de 5o a 4 ditos : no armasem de ca-
pim da ra do sol.
Remedio para Erisipela feito na In-
glate" e aprovado pelos melhores pro-
fesores de mudecina daquelie paiz: ua ra
nova loja de ferragem D 18.
-. Rji de Lisboa ltimamente chegado
a 5o rs. a oitava bogiis pernambncanas
de cera de carnauba de G libra iguaes
as de Lisboa navJIus de haiba e ca-
ivetes siiprefinos, e oulras muitas miude-
trabilbarem urna fabrica, e ajudar em z-s ludo a prtco commodo : na ra Ur-
que esliver aoseu alcance nv-nos mistura gado Rozario loja de miudezas J
1 forno : na ra dos C)uarltis D. 5.
_ Um pieto c.moeiio adiou urna iluta
na beira do riocapibaribe ja dentro d'a;o.
sobre uns malinbos do rio; quem for sen
don'j dirija-seaocoveuto do S Francisco a
fallar com Maooelde Alburquerque Barros
Ca valcanle que dando os signaes Ihe sei
entregue.
S* O Sr. Manoei Gomes Ribeiro natural
da freguesia do Salvador de Fonteboa con-
9 iito ae esposeode dirija-se a ra do
FaonnrlM D. 1 nara e lbn entr?g.r ss:
caria.
Mr. Kissel relojoeiro francez no
atierro'da Boa vista acha-se prompto a
concertar qualquer relogio que Ihe seja
confiado pelo uiais commodo prtco ,- elle
biiga-se a restituir o dintieiro que tiver
ecebidoem pagamento de quabiuer con-
cert t que nao tor bem execulado.
Avisos Martimos
PARA LOANDA s-tbir al o dia i5 dw
pioximomez de Feveient o bem coas
irudoe veVirp Brigue Saenna Portuguez
Eugenio que nelld qer carregar ou
hir jde paiMS*", P' o que tem excdlen-
Um preto de angola mnito hbil
para todo o servico e bom trohalhador de
enchaJa urna preta e urna rnoUta com
muito boas habelidades ; na ra da praia
sobrado por cima onde moruu um bar-
be i ro.
_ A bordo do Patacho Nac. Bom Jezus,
fundiado defronte do Collegio carne sec-
ci nova do Rio Grande do Sul, por pre-
co commodo, a tratar com o Capitio a
bordo ou btraz do Corpo Santo I). 67.
_ Do;., quaitos uuui mi icg-idures ,
e por pieco muito commodo: na ra da
Ciuz botica n. .!<.
Ou troca-se um sitio na Magdalena
com casa de pedia e cal copiar, o-zinlia
fura, estribaria para dois cavados, quin-
tal mu ado para galinhas, grande baixa pa
ra c;|)im, h preleudeute se tara vera anUgem do sitio
a tratar na ra da {Florentina no sobrado
novo.
_ Bilhetts da Loleria do Livramento ,
pelo seu justo valor ecaulellas da mesma
Lotena : ua ra doLvramenio D. 7.
Pilulas da famdia veidadeiras em
poicoes e a retatho bichas grandes e
pequeas, tliegadas a pouco do Porto : na
ra do Collegio botica de Cypaso Luiz da
Taz.
Tboado de Pinho de toda a largura e
cumprimento : no armasem por detraz da
casa da Opera.
Meios bilheles da Loleria do Livra-
roento : pa ra do Cabug loja de relojoei-
ro junto a loja do Bandeira.
- Um multque de naco cabinda de
mu lida figura tem 1 \ a i5 anuos de
idade sem vicios nem achaques tem (j pal-
mos e meio de altura, duas molici de
naci loanda urna tem 1 5 anuos e a ou
tra ia; e um bomeicravo muito ladino e
fiel de naci rebolo, e de i'\ annos pas
sando a Jgieja dos Martirios no i.ao.
dar do primeiro sobrado.
Um moleque de 1a annos de idade ,
cozinheiro e sem vicios : em Olinda ra
de Malinas Ferreira sobrado n. 11
_ Urna raolata moca de boa figura ,
com algumas habilidades ; no primeiro
andar per cima da venda de garapa da qui
na da ruada Peuha.
_. Muas de seda preta corapridas d.<
miU101 loja do Carioca D. i3.
-- Rap prioceza de Lisboa em libras e
as litavas a 4p rs., dito aris prtla da Ba-
ha dito de Pernambuco lito imperial,
rolo francez engarrafas de libra, cha isson
de primeira sorle dito perola dito n
penal, bicos finos largse eslreilos ren
das largas e estreitas ditos das mesmas
largura mas ordinarios para enfmtas de
vestidos ricas fitas de guarnico de bom
gosto dilas mas estrtilas pentes de tar-
taruga para marrafas eslojos de duas na-
vaiha lisourinhas para unbas ludo fino
e ingltz pentes finia de maifim, ditos de
alijar finos de belheia escovas paia den-
les dilaspara roupa e cbelo caixinhas
de jogo de loleria cham.do vijpora tinta
(ua de esertver preta e encarnada bo-
toes de vidro para culete estrelas e ghbos
paiaofficiaes Je G. N. e inferiores, tira
logo de varias quilidadts e urna dasqua
es nunca vjslo aqu pennas deescrever a
aoo o quartero as verdadeiras pilulas du
lamilla entraseis de 5o e 100 com o seu
competente fulhelp supeiioies bichas che-
gadas ultimamenta ludo se veude a preco
barato; na prar;a da Independencia n. ao,
e ua ra dosQaarteis D 3.
Meios bilhete. da Luleiia o Lvra-
inento : na ra do Cabug loja de miude-
/.as junto a botica.
Na casa de Fox & Stodart ha um
bom sortimento de maquinas de vapor de
cundens;icao e alta p esso H de forca
de 4 arrobas, t> 8~cavallos t^nto para en-
jeubo de assucar como serraras de raadei-
ras, e oulros quaes quer fins a que as quei-
ro aplicar; igualmente lambeiu e vende
assentamentos de taxas de ierro tanto coado,
como batido de todos os tamanhos e quali-
dades ; assim como mus um magnifico
soi lmenlo de moendas de ferro para os en
genhos de todos os tamanhos tanto ver-
licaes como hoiisonl.il, para animaes e
para agoa e da mai superior coustruco
das fabricas de Inglaterra ,- havendo de
mais a grande vanUgem dse mandar um
engenheiro sendo iiecessaiio fazer qualquer
assenlamento das referidas maquinas; ven-
de-se mais bombis de'ferro, vulgares;
ditas de patente chamadas de repudio ,
o oulras muitas fazeudas por preco commo-
do ; os preteudeotes dirijo se a ra da
sanzala nova D. 1.
-- Meios bilheles da Loteria do Livra-
mento : Ua ra do Cabug D. 4 loja de
miudezas.
-- Meios bilhetes da Lotera do Livra-
felto possivel, por ser serrado em vapor .
no armasem novo detraz do theatro ao lado
direito.
Potassa Russiana de primeira sorle ,
embanis grandes e pequeo*, chegados
a pouco de Hamburgo : o esciipl rio do
Coronel Meaezes, na ra do Vgario nu-
meio 1 5.
Escravos Fgidos
Em companhia de umi parda de no-
mo Josefina, desapar- c-u de Olinda ama
iii-grinha de nome Luiz de idade de 14
anuos bastante retinta estatura media ,
denles alvos loico-s regulares noticia
que anda pelo campo grande com a mes-
ma paida e que esta diz ser sua Senho-
ra; quema pegar lev a Olinda no largo
-h-S. Pedro novo casa fionteira a mesma
Igr>ja que sera recompensado.
No dia 28 do Janeiro l'ugio um ne-
gro de nome Pedro creoulo de bonia
figura reprsenla ter a.{ annos de idade ,
steco do corpo, fulla; denles abertos, cilios
grandes, com amb^s as pernas com mar-
cas de feridas; quem o pegar leve a roa
da praia serrara de Constantino Jos Ra-
poso que recompeui-'t.
Fugio no dia ao do p. um preto de
nome Estevo creoulo idade de 4 an-
nos altura regular, corpo reforcado, bem
ladino,' tem um calumbo no pesroco pela
parte de detraz da cabeca ; quemo pegar
le.-e ao forte do mallos a 1/irmino Jos
Felis da Roza quo giatificar.
_ No dia ab do Janeiro fugio um re-
<;io de naco congo levou vestido cu I si
eseroula dealgodo da Ierra idade pouco
mas ou menos ao annos, cara comprida ,
olhoa grandes denles da frente abortos ,
oitllias pequeas haixo he alguraa coi-
sa bucal ; quem O pegar leve em casa do
Luiz Jos Marques, que receuer 5o,ooo
n. de gratificacio.
a No da ai do passado fugio um ne-
gro de nome Manoel haixo e grosso do
corpo, de naci S. Tbom tem a falla
muito vagarosa no p direito junto ao
tornoselo urna grande costura procedida de
urna ferida que leve levou vestido calsa
deestoupa giossa e camisa de algodo de
mingas curtas e levou comsigo um caneco
piulado da verde ; quem o pegar leve a
casa de Joaqum de Souza Pinto que gia-
tificai.
Movimento do Porto
ment a piuco de 3ooo : ms 5 ponas
venda 9, e na ra da sanzala no Rtcife
venda da quinado beco laip.o.
Urna bonila escra va de 34 a a8 annos
de idade cozinha o diario de urna casa ,
engomma e faz todo o mais servico : na
ra Direita do lado da igieja do Livi amen
lo sobrado D. 20.
-- Superiores chapeos pretos de massa.,
ditos de castor braceo e pretos, da ulii-
ma moda ditos elsticos, bicha* grande,
ds Lisboa ; e na mesma se consertao e pde
se a moda chapeos de castor e de massa,
ludo por prtco mdico ; assim como se
inoimao chapeos do Chile: na fabrica jun
lo a cadeia.
Muito bom pinho da Suecia de 9 pol-
gadas de largo e so palmos de compndo
limpodeni, e ja serrado, para forro e
portas de dentro e assoalho,, o mais pe**-
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 3o DO P.
TERRA NOVA j 29 das, Brigue Ame-
ricano Arrmavati Ue 14y lontl., Capilo
Challes Bales carga azeile, veio refres-
car e segu para a America ; acha-se
fundiado no lameir >.
SANTOS; 35 das, Sumaca Nac. Bom
Sucesso de i5 tonel, M. Francisco
G-mes de Figudredo carg geueros
do paiz 1 dono Jos Manoel Fiusa.
RIO DE JANEIRO; ai das, Brigue de
Guerra Nac. 3de .Vlaio, Commandanle
o Capitio da Frata Joo Francisco R;-
gis, paisageiros o Exm. Presidente no-
meado para o Cear Joo Antonio de
Miranda e o Capitio de Engenheiro
Joi Torres de Andrade Parreiros.
SAHiDS NO MESMO DA
HAMBURGO; Brigue Dinamarqus Ce-
les Capitio P. Frellsen carga gene-
unos do Paiz.
Ri DE JANEIRO, Brigue Nac. Pedro
a.(apilSo .Manoel Ignacio Correia ,
em lastro ; passagelros os Hespanho* s
Manoel i loiencio com 4 pessoas de sua
familia Vicente Prieto, sua SeihdVa e
urna filha as portuguezas Baibora Can-
dida e urna sobrinba Joan na Emilia, e
37 colonos.
DITO ; Patacho Nac. Francelica Capilo
Antonio Garca de Miranda carga ia-
rinbac taboado.
Pfittti. hiTyp Dt u. j, ds 'r: 1839


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXLKZNSQO_OSAV7K INGEST_TIME 2013-03-29T18:09:03Z PACKAGE AA00011611_03724
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES