Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:03717


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo XXVIII
: :
Sabbado 24
deJuIho de 185*2.
0m ;'. _.

N. 163.
DIARIO DE SPERj^AMBLCO.
de90 naaoaipglo.
Paoahknto Aduhtdo.
DA-DA IDMIA, AUDIENCIA-.
f r tilmestre...........
fnt semescre............
Pal inno........i .
PiOODlM.O DUT1IMIITII.
o, ***m.
...i Jde Julho Min.i... 56 deMaio I riob.
.1 ..hio o de Jilo S.P.ulo. 18 de Jnolio 2ISab. S. Cbrisllna.
,""i ti dedico R.deJ.. II de Julho 25 Dom. 8. :. Thl.go
de Julho Babia... M de Julho ap
4/000' i9 Seg.S. Vicente. I Juiodi Orvhae
8/000 20 Tere. S- JcronymO|J, e 5. lOhoras.
I.'yii.n) Emiliano. I. varadocivil-
21 QuartS. Praiedes. 3. e 6. ao mcio-dia.
4/500 22 Quiut. S Mari M.
' 33 jeil. S. Apolloa-
p,irahiba
fallira.
3. e6. aa 10 boras.
2. vara do civel.
4. esabadosao melod.
telacao.
Tercas e .abado..
irumalaii.
Crecente 24; a i bort e 17 miuuCoi da ui.
Chela a II i aoi7 minuto, da inanba.
Hingoance 9, aa 5 boras e 48 minutos da ru.
Hova 17, a I bora 46 minutos da manhaa.
riualsDl boj
Prime-ira ai 10 horas e 6 minutos da manhaa.
Segunda a 10 horas 30 minutos da Carde.
VAH-TIDAI DO. OOBBIIOI,
ATOTICIA1 IITHSKOIIBll.
Golaana e Parahiba, a legundai e sextas- Portugal ilde Junho Austria 2|deJunho
felral Irlespanha Sdedito ISuiasa.... i dedico,
Rio-C-r.'nde-do-llorte Victoria., ou'"'' 'g7c*;:. ?d'dl'to
*" I Italia.... 1 de dito
Bonito, Caruarn.e G.ranbum no le 15 dccad| Alemanha. 2 de dito
Florea,Ouricurj,Exu e Bo.-Vl.ta l3 e 28.
Olinda, todoaoa diaa.
Todos os Correios partem ao meio-dia.
Prusaia ...J dedlto
Suecia... de Maio
Inglaterra 8deJnnho
E.-Unidos 2:1 ,l<- Maio.
Meiico... 0 de dico
California de dilo
Dinamarca 3(1 deMaio Chlll. 10 de Abril
Ruasla... 28 de dito jRuenos-A. 1 de Julho
Turqua. 26 de dito JMontevideo 5de dito
CAMBIO. SI 33 DB JULHO.
Sobre Londres, a 27 27'|, por d. i/000
. Paria, 345
a Llaboa, lOOpor canto.
IT1II.
Ouro.Onc.aheapanbolas............S11/00O
Hoed.a de 6/400 velo.........16/000
. ,1c 6#4(10 novas.........16/000
. de 4/000................ !>/000
Prala.PaCaeeabraalleiroi........... 1/920
Peaos column.rioa............ 1/JiiO
Ditoa meiic.no............... 1/800
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
t.XPEIENTE DO OA 20 DO CBRENTE.
Ollicio Ao Bien. Dr. Antonio Francisco Pe-
rrira de Carvalho, presidente da proviucia do
Klo Grande do Norte, aecusando receblcio o ol-
licio em que S. Exc. coinmunic. haver tomado
pone da adminiatraco da mrsma provincia, c
diiigiiidn-lhe as cortesas do estylo. Igual ao
Exiu. brigadeiro Manoel de Souaa Pinto de .!.-
(.Ibtei por haver tomado poaac da provincia
da proviucia do Marauho, como primeiro vi-
te-presidente.
1 uto A<> coininando das armas, intcirau-
do-o de haver concedido tres ciieze. de liccn-
ca coi mcio sold ao primeiro cadete segundo
argentodo quarlo batalhao de artilhana a p,
Francisco Augusto Alves da Silva, para tratar
de suasaiideiia provincia da Bahia. Commu-
nicu-se thesouraria de fazenda.
Dito Ao iiiesmo, approvando o contrato
que aquellc coinmando eclebrou com o facul-
tativo Joo Domiugues da Silva, por seu procu-
rador Victorino Francisco dos Santos, para con-
tinuara servir por mais seis mezes o emprrgo
de cirurgio do presidio de Fernando, vencen-
1I0 a gralilicacao luensal de 130/000 rs. Iu-
teirou-se ao cuiiimaudaute do mencionado pre-
sidio c a thesouraria de fazenda.
Dito Ao mesmo, inteirando-o de haver
designado o dia sexla-feira. 33 do correte, pa-
ra icunio da junta de juscica, visto j se achar
restabelecido o respectivo relator; c recom-
i, 1,-Jando que nomeie tres otliciaes superiores
para servirem de vogaes na mesma junta, os
quaes devem comparecer no palacio da presi-
dencia no dia iudicado, as dez bor-s da ma-
bia, Eipedlr.m-M as convcuicnt's ordena
respeito.
cas de vapor, para mandar dar passagem para
aa Alagoas. por conta do governo, no vapor S.
Salvador ao furriel J0S0 .Nunes Sarment, cabo
Je esquadra Luis Ignacio doa Prazeres Maciel,
e soldados J.....Fraucisco Pires Bento e Antonio
Luiz de Maltoa, todos da comitiva do brigadei-
ro inspector das tropas Jos Leilc Pacheco'
Coinuiunicou-se ao coinmando das armas.
IDEUOODIA 31.
Ollicio Ao coinmanilo das armas, para man-
dar porex llberdade o recrut. Maooel Marques
llarboia Communicou-se ao chefe de polica
para faier constar ao subdelegado da freguesi.
de S. Jos, que o capturou.
Dito Ao iiiesiiiu aecusando recebida a
guia de asaentameulos do tenente do estado
acredila-l.s com suas virtudes- Encarre-
guei a este veneravel patriota do governo
provisorio de Buenos-Ayres, por estar con-
vencido de que garantirla a ordem e a lbnr-
dsde.
A ordem e a llberdade, que restabelece-
ram em Buonos-Ayres o uso livre da im-
prens, a ponto de faze-la sahir dos seus
limites moderados e tocar n. licenca. A
ordem e llberdade, que deram urna repre-
sentarlo legislativa independente. A or-
dem e a liberdade, que deixaram .0 cida-
dfo o exeteicio maia livre dos seus actos e
pensamentos. E sem me importar com os
aior de 2. cla.se, Bcnedito Jofjc de F.rlas, ataques dirigidos conln meus principios,
a qual val aer enviada ao o Em. ministro d. sem fizer caso das calumnias que se inven-
Todos vos que o desej.is ; todos vos que gentin. resolveu que V. S. prenda aos indi-
nao participis dessts ideas de desordem viduos Dr. D. Dalraacio Velez Sarsfield, I).
propagadas pelo pequono circulo que nSo Bartolom Mitre, Dr. D. Ireneo Portel., Dr.
encontr. abiigD nem em paiz estrangeiro I). Pedro Orliz Velez e D. Manoel del Toro y
nem entre seus comp.triol.s, corrciecol- C.rejo e que emb.rcando-os immedi.U-
locai-vosao lado do governo ; m leu o vir-1 menta bordo do vapor dn guerra Mercedes
Ihes deixoa 11 lenla de de oscolber o destino
que melhor Ihe pareca.
Dos guarde, etc.
Jusio Joie de Urquisa.
Circular ao corpo diplomtico.
Himnos- \\ res, 23 de jinilio de 1852.
vincia pelo voto unnime de seus compa
trilas, otTereci-lhe o .polo da rainha auto-
rid.de e da forca quo commando, a lim de
1 tar.m para pOr em duvid. miubas intenefles que levaute a sua voz e chame .0 redor de
Dito A thesouraria de f.icnda Cransmit- ,. mesmo minar minha reputacao, ouvi s-isi o povo, os cid.dSos honrados, os patrio-
cinJo os avisos de duas lettras na importaocla mente a voz do mfln dever n respond ao |t*s queaborrocem os anarchistas e os sedi-
de 000/OOors. sacadas pela thesouraria de fa- injnuho iln met cnrrrln |nri Brwipn- m-iu
zenda da provincia do Rio Grande do Norte lo- solerDnos compromissos.
'"fi" eVV er,ae "Nohr," *, .rc constituicflo nacional era meu anhelo:
ISE. ^JSSmttpm Prvin- : a eonst,tuia nacional o fim.dos meus es-
cia.
para a t'aranioa, a uespos
pectivo presidente, 13 remos para a galeota do
mesmo presidente, enviando a eonta da despe-
za que se houver de fazer, para solicilar-sc a
coiupetence indeinnisaco.
lto Aocommandaute do hriguc llaparira
dizendo, que, a vista da iiiforinaco, que
remelle poi copia, docirurgliio da enferinaria
de inarinha, deveui seguir para oMaranhoos
cismos ; e conserve a ordem .(i m de accele-
r.ro momento ISo desojado da constituicc.
Eu, Com a mSo nocor.cao e no punho de
minha espada, unirei meus esforcos aos
seus,e renov.rei meus juramentos solem-
nes de nSo nutrir desejo algum que n in so-
ja o de ver constituido o paz, de nSo aspi-
rar a nutra gloria quo nao soja de contri-
buir para a ventura dos Argentinos.
Se ella necessitar de novos sacrilicios, i'i-
los-bei ; se.se apresentarem novos perigos,
arrosta-los-hei; porm 110 meiudellesotTe-
ail.rtlA possede urna carta sublime, onde es-1rocerei tolas as garantas que se Jcvoti ao
t escriplo o seu direito, e que deve ser o, bom cidadSo, ao hornero do ordem, ao na-
paz publica, s devo ter em vista os mous
compromissos.formul.dos no meu program-
m.; nflo consentirei que a meus proprins
olhos, e diante dos meamos soldados que
pelejram em fevereiro pela liberdade da
mclo, sej. esta conculcada por meia duzi.
de individuos. NSo; sabere tn.nter e fa- tuoso l'ortnnbo que desde 1810 nSo des-
zer respeitar a ordem de cousas creadas pe- mentio o sou patriotismo, nllo manchou o
lo voto constitucional. seu nome respeitavel. Segu as inspiracOes
Este procedimento me obrigiu a assu- [de su. prudencia,e licai seguros de que.
mir a posigao que meprescreveo dever. jvossa tranqulli laJe nSo ser alterada.
Colloquei-me ao lado do respeitavel ma- O exercito quo vo-la deu, assegurando
gislrado que preside aos destinos da pro-1 vossas liherdades, est sempre no meio de
vosparagarantiraquoll.se sustentar oslas
Ilesas.
II ilutantes todos da culta cidade de Buo-
nos-Ayres Nao temis que as sctinas que
um da vos enclioram de amargura possaro
ser repetidas. Todoios vossos dir.itosse-
forcos, porqu.nlo se .Iguma gloria ambicio
Dito <= Ao chefe de polica devolvendo os nei, foi a de offerecer minht patria um
papis relativos a despeza fcita comluses par. monumento sublime de institui(0es libe-
o destacamento de Nazareth, i lim de que se- raeg levantado sobre as ruinas da tyranni.
,-,___......4^. iIiiiiILi.,. ...r^.i.a.iioin n 1 1___1 ____Ll!.. .
rao respeitados,e para ataca-las no maia pe-
queo ponto que seja ser preciso passsar
por sobre monteado cadveres quo deix.ra
o exercito quo tenho a honra de mandar, e
que fara sempre a gloria da ConfeiideracSo
Argentina.
Ordem, respeito econlianc. na ulorida-
de nacional ho quanto exige Jo vl aquellu
quo vos deu llberdade.
Ordem, p.z.uniloe liberdadn serio sem-
pre a divisa de vosso compatriota e .migo.
Juso \otidc Vrquiza.
O director provisorio da Confederncilo Argen-
tina ao general D. Manoel Gulllierine finio.
muro impenetravel quo defenda o cid.dSo, cion.le.u estr.ngeiro querespoitam as leis P|anB0 de s BbiU,( 03 de julho de 1852
proteja o estrangeiro, e a ninguem seja da- e no seconlundem com meia duzta de de- __ ______,,...1. ...
do alterar impunemente. m.gogos que depois do lorom compromet-
Par. este fin transportei-me a S. Nicolao, j lido tranquillidade de ontros povo* que os
ondedevia pr-sea primeira pe-Ira da cons- abrigr.m. vom conspirar contra o socego o
1 Z- A" thesouraria de la.enda *^\2ZfotKffSE. ?".." Joi. tUlelOJ O rfovarn.dor de taMm "Wi-alod. .U. %...
lindo os avisos de duas lettras na importancia Maria Vaz Lo'.o, de quetrata o ollicio Je Sinc. todos os governaJores da tonfederacjlol Entre elles e a sorleua repblica nao
de i;s2i(iiM rs., sacadas pela thesouiaru d'de i'J do correncc. Couimunicou-se ao ins- foram teslemunhas do meu procedimento. pode hesitar, e o resultado do lanas ladi
la/.cuda do Rio Grande do Norte sobre essa, e
a favor de Thomaz Gomes da Silva e arroca z
l'inhriro. Coinmuuicou-sc ao Ejm. presi-
dente daquella provincia.
Dito A' inesiiu, dizenjo que, attent. a pe-
quenhet da quanlla, que aquella thesouraria
diz ser necessaria para lechar as contas da dcs-
pectoi do arsenal de mariuha. A's exigencias, as pretonfes que podiam
Dito Ao eugeuheiro encarregado das obras menoscabar um 011 out'O povo, eu me in-
inililares remetiendo, para os filis convenien-
tes, una copia do termo de avaliaco do ter-
reno, que constitue o quintal do antigo hospi-
cio dos Santos-Lugares nesta cidade.
Dito Ao presidente da junta de qualifi-
pezas da rubrica Emprcgados de visita de cai-;lo da freguesia de MuriWca aecusando rece-
sade visto ser insuIHcicnle a Minan de ra.
18jJ00, que resta do crdito tinado para a mes-
illa rubrica no exercicio de l8i i85j, parece
que poder a inesma thesouraria despenJ-la^
sen que seja preciso recorrer ao dec
de maio de IH4V, que alitis nao trata
Ibante especie.
Dito Aojuia relator da junta de _
Iraumitlindo, para ser rclataJo em sessao di
terpuz como mediador equitativo, e, posso
dize-lo com a mSo sobro minha conscieocia
esem temor de ser desmentido, Buenos-Ay-
res teve em tnim o defensor mais olllrioso
dos seus inleresses e das suas convenan-
se
gas
mostrar ao mundo que o homem a quetn .
calumnia apresentou como usurpador lio o
mais firme apuio da libiirda le da repblica
e da ordem ameaesd. do povo de Buenos-
Ay res.
Justo Jos de Urquiza.
O director provisorio da Confedera5o Argn -
lina tos argentinos.
Argentinos! Os agitadores que causram
a ruma ea humilnacSo do povo de Buenos-
quo occasionram tyran-
opprunio toda a Confede-
1 n n 1 tu a erguer a cabefa
bordaje que ihes deu o gran-
cnipiViio'r de t"as"cVsaa~obrrgado"a' utorid.do provisoria quo represente a cen- de exercito alliaJo, e ambicionara substi-
r o cerreno, cuja posse com ellas se tralul.de da repblica. tuirotyr.ono que foi destruido em Caso-
do do qarlo batalhao dcartilharla api, Joa- |)ie irattlfcrCj uein conloa avalia-lo, em con- Mullo antes de Communicar-se esse .CCOr ros.
quim da Silva Gusmao. Communicou-sc ao jurinidadc das instruc(i>ea de 14 de novembro j0 sala dos representantes de Buonos-Ay-
inarechal cuinmaiidante das "">> de 1832, para se Ihe dar titulo de foreiro, c o r(ls |V8ntou.se 0 grito d. demagogia para
Dito-Ao inspector do arsenal de marinha, TCndedor sujcito a satisf.zer o mais que loi semP,ni1o dosconfiancss inspiran-
dlsendo Bear laUirado do, motivos por que foi dcclarado en, despacho de U do correte Com- T^S^Tf^SSS^^SSim^
preciso comprar carvao de pedr. par. o vapor lliuulcuu.5e a lhe,ouraria de fazenda. do recelos e presentando o hornera que
(iottinho, pcz.r de exisiirjiaqucllc arsenal a _______________acab.va de combaler pela llberdade como
hidaacopia. que Bmc rcinetteu, da acta da cas.
qualincucao dos votantes daquella freguesia. A base da constituido est posta, o todos
Portara Conceden,|o Joaquim Ignacio os govern.dores regress.ram s Suas provin-
la.
licando o c
EXTERIOR.
Conf'ederacao Argentina.
porcao de que trata oseu ollicio de II do cor-
rele, eque vai remetler ao governo imperial
o dito olhcio com os papis que o acompanha
rain ; visto ter sido essa despe/a aulorisada pela
presidencia, por nao haver aceitado o referi-
do vapor o carvao do aiseiial. ,
Dilo Ao mesmo, approvando o contrato que
S. me. fez com diversos pralicos que lecm de
levar as cinharcacoe. que seguein para o norte,
.iMiuaes podem sahir aiiiauhaa, visto estarem
promptas, menos o briguc-esciiua ylni/orinna,
queso poder sahir depois que tiver recebido
o preso de juslica Francisco Rodrigues da Pal-
jjo, que Icm de aer remedido para o Rio Gran- vos que 0U llSo recoilheeii outro immigO
de do Norte. Oll'iciou-se ao chele de polica i senSo aquello, e que, vencido este, era mi-
para mandar entregar ao cominandantc dore- nha misso cotistiiuir a repblica. O gene-
lcrido brigue-rscuua o ineuciouado preso. jr,| liosas, derribado em urna batalha, pro-
Dito Ao director das obras publica., diaen- cur, asy|0 u. Europa, eeulanijo os alicer-
Seus planos inii|nos 11 Jo se di-farcam. e a
constituicSo d. repblica, a liberdade de
toda a conredoracao, nada sao para el-
les.
Os planos que abrig.vam lia muitos an-
um usurpador, como um lyranno. nos, manirestar.m-S'i por occasiSo do ac-
Chega o momento lie discusso, e j nito cordo celebrado em S. Nicolao, que eslabe-
he o debate tranquillo, ja no silo as inspi- leceu as bases da organisseau nacional.
racOes do patriotismo as que se raani'estam para instrumento da cello escolheram os
no templo da lei, o sim as insinuarles per- individuos incautos e inesoerlos da cidade
MANIFEST DO DlliECTOIt PROVISORIO fijas, os discursos sediciosos, ludo o que de Buonos-Ayres quo confian) em suas pal-
l)A CONFEDERA!.: \ ARGBSTIdsV A NA- serve par. excitar o tumulto e afog.r a voz vras por nflo conhecerom as intenc/ii-s quu
fAff. dos homens sensstos E emquanlo os es- occullam.
Quando iniciei em Enlre-Rios a cruzad, forros da demagogia exallam os nimos
que tinlia do Jerrocar a dicladur. do gene- com intencOes criminosas, nada se omille
ral I). Joflo Manoel do llosas, uisse aos po- para levar a inquielacflo e o suslo oslares
domsticos Ao cid.dflo honrado aprosen-
(a-sea proximidade de um risco imminen-
do que, para poder resolver acerca do aceres-
cuno Je obra, de que Irata o orcameuto que re-
melle, laz-se iiecessario que 0, me. ouviudoo
arrcinalanCc da obra do segundo laoco da es-
iiada do norte, informe a respeito com o mais
quclhcoccorrer.
Dito Ao mesmo, autorisando-o, a vista Je
ees da constiluicao. Paia a grande recons-
te; ao estrangeiro pacifico intimida-so com
os perigos que ameac.am sua propriedade e
sua vida; e em proveito de um circulo vi-
cioso procura-se lanc.r a socied.de em um
truooOo Jas instiluicOes, para a re.lisacao abysmo do desgr.c.s.
de um pensamento que em resultado devi. '- sera esto o resultado do urna violn.
Irazer as p.ixOes locaes e as ideias mesqui- que custou tantos s.cnlicios? E perder-se-
nhas de proviucia a provincia a um centro ha a palris porque conspira conlra sua Irn-
commum ede ordens, tratei de rodeai-me quilhdade c existencil um punhado de no-
na inlormacao. a maudar faier os reparos de. ,,HS luZes dos conselhos do homens que, mens que se arrogan; o nome do povo de
_______ ~_B Ju A 1*1 a >n ll -1 n,-B a A jais > I I i -. t 1' i.i. 1 -i 11 .I,l,i,,i.l..... : I illll.
psuao cin que tte acna a pane uu iiiosa'iro uc, muauv e oyueM./ic
S. Beulo, que he oceupada pelo curso juridicn
deOliuda. Coiimmuicou-ie ao vicc-dlrectur
d mesmo curo.
Dito A1 tbcsourarla da fazenda provincial,
para que a vista do certilicado pasSddo pelo di-
rector das'obras publicas, mande pagar ao ar-
iiiniiinii' dos coucertos da ponte doi Carva-
llos, Gabriel Germano de Aguiar Moittarroyos,
.1 importancia da ultima prcslaco, que elle
-ni direito, por se acbarem concluidos ditos
toncertos. Communicou-sc ao mencionado
director.
Dito A' inesma, para mandar pagar ao
commandaute do coipo de pulicia, caso e.teja
ims termos legries a couta que remelle, a quau-
na de ?9I2U rs., que se dcq.endeu com as ra-
''s dUrias abonadas aos sentenciados, que se
iiliiin do calabouco daqucllc quartel desde o
primeiro de abril ao uliimo de jnoho dcste au-
no. Cominunicou&c ao marechal commaD-
danie das armas.
Dito Ao segundo tencnlc encarregado da
medican dos terrenos de inariuba, remetiendo,
ciu addilamento ao ofRcio de 1? du corrente,
urna cpia do ollicio da cmara municipal do
Recife, acerca da planta que S. me requisitou
do it i ti.itii< oi<> da puvoaco dos Al'ogado..
Porlaria Ao Agente da compaubi.. das bar-
FOLHETIIif.
OGONDE DE CARHAGNOLA. C)
(por mole GF.NTILIIO.MME.)
PROLOGO.
0 CAPITAO BRAMANTE.
IV.
O Pergaminho.
(.insudo llamante passav. por diante do cal., -
lioiico da duquesa Uealriz, creo ouvir dar des
lindamente du.. pancadas na porta, por isso
lanzando urna vista d' olhos para o lado onde
< -i iv.ni, seus soldados, e vendo-os mais oceu-
pados que nunca em oovir o pequeo Ascauio,
-iproiiiuou-sc desta porta, a qual elle linha
dcixado livre, contentando-se em por sentl-
ncllas as duas extremidades da galeria, e en-
costaudo-se negligentemente a ella, com os
bracos cruzados sobre o pello, disse em voz
lana:
A Sra. duqueza nao baleu ?
Bali, sim, respondeu a presa com voz
trmula, mas quem sois vos?
O capilao tramante.
Ilramantc I oh! Dos ouvio minha suppli-
ca. exclainou a duqueza com transporte. Ca-
pitao, sois bravo e generoso, en o sel, por tan-
to uo recusareis prestar servico a urna pobre
mulher que vai morrer.
Eu vos lastimo de toda minha alma, se-
ubora, respondeu Hramante, e eslou promplo
() VitU Diarion. 157.
nhas solemnes declaraces me ohrigavam a impede de alcaucil- nosso objectu e que tara
nao reconhecer vencedores nem venciJos, a mallonrados untos sacrihcios, Untos tnum-
dar garantas aos povos, o a nao prolongar Pll0s
urna l.lia quo devi. ter tormo, depois de NSo! Nem o grande exercito alliaJo, nem
tanto sanguo o de tantos sacrificios inutois. o chefe quo oconduzio i victoria, ostavam
Quando choguei s portas do Buenos-Ay- animados de outro sentimento senSo o da
res, uma dcpulacSo do cidadaos respeitavels liberdade; do outro desejo, de outro lira
veio propor-mo urna capitularlo. Uma c- senao o de restabelecer oidem, de deix.r
pitulagao! E com quem? Com acidada cimentado o imperio das leis, resolvidos a
de Buenos-Ayres. E quem ple ver por um immolarem-se antes de consentirem que
nomeoto neste povo desgranado cidadaos um ooutros sejam violados. NSo! Os que
vencidos? Considerar meus irmSos de ou-1 comb.teram com denodo a tyr.nnia nos li-
tro molo que nSo fosse como irmSos? vrarSo t.mbem dessa hydra de mil c.be-
Como poda encarar mous compatriotas se- cas que se quiz levantar para nos devorar.
nSo coto compatriotas." Longo do mim Esta lepra fatal, que he o maior inimigo
semelhante ideia Eu nSo va nclles senSo quo tem os povos, croou uma situa(3o lasli-
um povo livre, e nSo su-ipirava senSo pel
gloria de torua-lo venturoso e constituido.
Entre os cidadSos rcspeiUvois que se
apresenliram no meu acampamento estava
o Dr. D. Vicente l.opez, uma das illustra-
cOes mais puras da repblica; o bardo feliz
que na aurora da uossa independencia can-
tou o sol da liberdado, o homem honrado
que ia toniar-s orgao Jas niinhas ideias e
oia^^ssssiissssssssssB^nssSBaHaaasai
par. lazer por vOs ludo o que esliver
poder.
He urna inissao santa que vou conliar-vos,
capilao llmiiautc, e que requer urna grande
resoluco c um corar;.o licl.... posso coutar
com vosco ?
Como com vnsso lilho, se Dos vos livesse
dado um, aeiihora duqueta !
Urna Inspiracao do ceo vos dictou isla
resposta, capilao.... eu uo tenbo lilhos....
mas tive outr'ora urna flba que era toda mi-
nha ,'sjn i ui,,i, toda minha vida, c essa iilti.i,
segredo lerrivel que sci somente ha alguns di-
as, essa filha me foi roubada por Erlcio no
proprio dia de seu nascimeuto.
Mas cutao, senhora doqueza, a princesa
Bianca? ....
He urna tilha natural do duque ... Mi-
guel Urombelli me fez estarevelaco, e paga-a
com a vida ......eacuCai, capilao Hramante:
cu acabo de escrever com o meu sangue sobre
um pergaminho todas as particularidades dessa
mi une subslituicao. Kste pergaminho eu vou
dar-vo-lo por baix i da porta com um. cruz de
coral que trago ao pescoco- Que ser felto da
contiancaque deposito em vos, capilao.' Nada
sem duvida, menos que se de um deases acasos
provldcnciaes que Ueos tem cmsua mao c que
em um dia, em uma hora dados, sem que
ninguem saiba como nem por que, liram a
rd.de das Irevas e confunden] a Impostura I
todava, aconteca o que acontecer, jural-me,
capilao, guardar esles dous ohji'ctos precioso,
at o di. em que aprouver jo eco ilescubrir-
vos ininba filha, echegado esse da, entregar-
Ihe esCes meamos objeetos proehmiaudo em
voz alta sen uascimento e seus direitos ao hro-
no Ja Loiubardia.
Euo juro, senhora, mas o acaso be Cao ce-
g, pela minha parte sou dio uiiscravel, que
mosa na cidade do Buenos-Ayres, tomando
seu ponto de pa'tida do aecordo celebrado
ora S. Nicolao,esahindo franco e luminoso
caminho uma discussSo temperada. Col-
locouelli o paiz n'uma siluacSo perigosa,
e reduzio o governo a nSo poder continuar
Das suas nobres'e prtrioticas tarefas.
Nostes momentos, e quando pJe sosso-
brara ordom e alterar-se profundamente

temo bem que todas estas recoincnJacots se-
j un superlluas.
Oh! nao temis isso I Urna esperanca que
radia no fundo de meu coracao, me diz que o
co viga sobre minha filha c que ihe resti-
tuir o lugar que Ibe foi roubado.
Ignoro quaes sejam os designios da pro-
videncia, sciihor., mas posso assegurar-vos
que cumprirei lettra o que me ordenis. A
attenco de meus soldados est distrahida, o
momento he favoravcl, passai depressa esse
pergaminho e essa cruz....
Uouve um instante de silencio... depois Ura-
mente viu escorregar por lnixo Ja porta um
peigaminho dobrado cin quatro c urna cruzi-
nha vernielha.
Toma!, capilao, Ihe disse a duqueza, co
eco, cijas heneaos agora mesmo vou implo-
rar sobre vossa cabeca, vos recompense como
o merecis I
P ramauc deixou cahir sua gorra e apanhao-
do- a poz destrmenle dentro della os dous ob-
jeetos que Ihe eriio confiados: depois melleo-os
na algibeira co g,bo e apaitiodo-se expedi-
tamente foi tercoui seus soldados.
Enlo, disse elle a Ascanio com umtomde
incuria, parece que te diverles aqui?
Aluito, capilao Hramanlc, mas lembro-
inc que tenho alguna carlinos na algibeira c
que ha dcfronle do prtico da catlieilral, urna
velha harbuJa que venJe bolos deliciosos,
Adeus, capilao ; at outra vez, cantaradas.
O truvesso meiiliio levaulou-se, e de um salto
- ilu da galera.
Elle alravessou duas uu trea salas e penetrou
em urna grande cmara urnada eom o inaioi
luxo. P raccioli estava la com seus snldailos
Vigiando na portado duque Viscontl. Logo que
elle vu Ascauio entrar, chainou-o e lovou-o
par. urna jauella que dava paraa praca, de
Levando a desordem aoseio da ropresen-
tacSo provincial, conretam a liberdade das
suas deliberaQes, querrm impr aos repre-
sent.ntes seus criminosos desejos em vez
d. determin.QSoque devia s>t resultado de
uma discussao prudente e meditada.
Os insultos folios os deputados sensatos,
aos ministros de poder executivo d. provin-
cia, no proprio seio da represcnta(3o pro-
vincial ; as ameacas de ataque as suas pes-
soas, dirigidas conlra ellos ao sahirem da-
quelle sagrado recinto,no deix.m menor
duvida de quo a sal. dos representantes e o
governo eslSo coactos por um grupo de de-
magogos que usurp.ram o nomo do povo
de Buonos-Ayres.
Em tal siluacSo eu faltara as obrigacOes
que contraln antea nacSo inteira, e quoju-
rei ante Ueos e a patria sustoutar, se em mu-
mantos 15o solomnes tolerasse que a von-
tsde nacional fosse desrttendida o quo o pa-
triotismo do povo de Bti-uos-Ayres fosse
posto em duvida pela ma vontade de um
circulo criminoso.
Cooseguintemente assumo doido este mo-
mento iinsicii que me he designada pelo
art. 14 do aecordo de 31 do maio ; o protes-
tando ante Dos e a uaQSo nSu empreg.r es-
sa autoridade seoSoem quinto seja indis-
peos.vel par. obter o rest.belecimenro da
liberdaJe legal e ordenado que nesti pro-
vincia foi alterada pelos demagogos, resig-
nt-la-hei logo que oscu governo so ache
em completa liberJade de .ccSo, o me sub-
metto desde j ao verJict da nacSo no pr-
ximo congresso coDstituinte, sobre detor-
minaQSo que hoje tomo.
Portenhos! Aquello que vos livrou da ty-
r.nnia nSo a f.ra renascer para si mesmo ;
mis tambem nSo tolerara que um partido
anli-nacional a exer(. sobro vos.
O general Urquiza so nonrara sempro e
nicamente com o titulo de amigo o mais
sinc.ro de voss.s libordades e do.vosso bem-
estsr.
0 extraordinario Jas cireumstancias Bea-
ba do aggravar-se eom as milicias que me
Chegam ueslo moinonlo. 0 Sr. gnvuruador
proprielario, lilho Ja vontade Ja sala Jos
representantes, ceilo com a.'olausopor
toda a parte sens-ta Ja populacho desta ca-
pital, apoiado as tniuhas sympathias, vio-
se coarctalo uas pessoas dos seus ininislius
so desempenhar, it pelos simpliecs meios
da persuasSo, func(es que eram da sua al-
tribni^So parlieular, Uma parto do povo
apresentou tioiiiem e hoje symplomas de
de motim, ten torno de representantes fal-
los de circurospeccilo se reuneni elementos
Je desordem, Je desar as autoridades exo-
cutivas, e de Jesgracas a que nSo Jone suli-
meller-so povo algum da CoufederacJo Ar-
gentina.
Tamhem fui informado Je quo a renuncia
do Sr. Dr Vicente Lpez foi accoita pola
sal, e que se acha em sou|lugar, ignoro ea
virtude de quo disposicSo, pessoa do
V. S.
Considero este estado do cousas comple-
tamente anarchico; o nesta persuacSo jul-
go-me complelamuuto autorisado a cuin-
pnr a primeira das minha ohrigaces, que
he salvar a patria Ja demagogia depois de
havo-li libertado ,1a tyranma.
Para esto lim resolv, como primoira me-
dida, assumir provisoriamente o governo
da provincia e declarar dissnlvida a sala dos
representantes, o eslSo prtenlo tomadas a
esl. hora lolas as medidas para que os tx-
membros da depulacS i provincial mo pos-
asen entrar ni casa das sessOes, a qual lica
debaixo da salva-guarda da forca publica,
que he tambem ueste momento a primeira
silvi-guardi da ordem.
Por conseguinto declaro-lhe, sem lodavia
desconhecer as qualidades que distiiigucm
a V. S. como ciladSo, que nem como pre-
sidente da sala, nem como goveruaJor in-
terino ser ordem alguma sua obedecida era
todo o territorio da provincia de lluenos-
Ayres.
Dos guarde, etc.
usto lose de Vrliza.
O secretario do Exm. Sr. director provisorio
da ConfederacL Argentina ao Sr. chefe de
polica cidadUo I). Miguel Ascucnaga.
Paleruio Jo S. Benito, 23 de junho do 1859,
Logo quo V. S. esta rocen, far intimar
aosdonosdo typographia que nSo po Icm
imprimir-so peridicos uem papis do qua-
id.do.igumal 10VS rc20!^C3^ v!v-n,lr,
mandar seliir seus pelos, tudo debaixo da
miis seria responsabilidado dos douos des-
sesestabelecimentos. E como ho nessano
que liquo uma typographia habilitada para
que possam publicar-se os actos governati-
vos, enllocar* V. S. um empregaJo na do
Estado que vige essa impressSo para quo
nSo se publiquem oulros actos Icm dos of-
liciaes.
O que do ordem do Sr. Director provisoria
da Confcder.cSo Argentina cotnmutnco a
V. 8. para a sua devida execusao.
Dos guarde etc. ngel ttias.
O director provisorio da ContederaaSo Argen-
tina ao chefe de polica I). Miguel Ascucnaga.
Palermo de S. Benito, -23 de junho Je 1852.
Considerando quo nos momentos de crise
occasionados pelas sessOes tumultuosas pro-
vocadas por alguns agitadores de dentro e
de fr* Ja sala dos representantes, o poJer
tem o sagrado Jever de restabelecer a tran-
quillidade publica por modidas enrgicas
sim, porm' limitadas no que Cor oecessario, yuando sibiram os representantes, ^.pe
o director provisorio da i;.,.ifec,er.cHo Ar- z-.1.. .xril.menin do pn.n, gira ora eUrf-
O abaixo assignado, io reassumir novi-
mente o cargo honroso cum que o distin-
gui n Kx n. Sr, director provisorio d. Con-
ieJeracSo Argeutina, pondo-o frente da
repartirlo das rol.^Oes exteriores, cumpre
com o grato dovor de elevar s mSos de V.
Ex. um exemplar do convenio celebrado pe-
los mesmos govemos confederados em 31
de maio ultimo, n. cidade de S. Nicolao.
Por elle cotihecer* V. Ex. a Ha mi.-~.i'i
que os povos Iheconfiatam, e os vivos de
sejos que usanimim pela breve orgaoisa-
Cilo da requblica, a dspoto de quaesquer
obslaculos, quo possam oppor-se a esta
grande obra.
Ella por outra parte ser uma garanta so-
lida e positiva do que os interesses da Con-
redcracSo Argentina se hSo do por em me-
llior harmona com os das naces e govor-
nos amigos, os quaes poderSo contar em
toda a poca com os melhores sentimento
do amizade c benevolencia, e cultivar suas
relacOes de paz o boa indiligencia, no sen-
tido mais proficuo a hum.niJ.de.
Por esta occasiSo tem o abaixo assignado
a honra de ofiorecer novaniente a V. Ex. os
senlimeiitos de sua alta concideratSo e a-
prego.
Dos guardo a V. Ex. muitos anuos.mi-
Jos de a Pitia.
ACO.NTEClME.oTOS DE BUE.NOS-AYRKS.
Coretpondencia particular.
Buenos-Ayres, 22 de junho, s 5 horis
da tai ii'.
A sessSo de hoje foi tempestuosa. Os mi-
nistros Cutierres e Lpez empregaram pa-
l.iviii- duras contra o povo. Este ultimo
disso quo o povo de Buenos-Ayres era um
povo degradudo e som honea, o que produzo
a maior agitacSo. II w" perigo de vid. pa-
ra os ministros quando sahiram da sala.
Metleram-se a muito custo n'um coche edi-
rigiram-se pira Palrmo.
Dia 23.
Esta manhSa o governador mandou sua
renuncia a sala, que a acoituu nomeando o
general Pintos govornador interino, como
dispoa lei Ja provincia. E.n quanto a sala
se orcupava com islo, o general Urquizifor
msva suas tropas em Palermo no retiro.
A sessSo terminou s 4 borus, e duas ou
tres horas depois ipparecea a proclimiipio
do Director Provisorio assumindo as attri-
buices quo Ihe concede o art. 14 do tratado
le S. Nicolao, Quasi simultaneaonlo chogou
a policia um olcial com alguns soldados e
,'erguntou dianlo dos cireuinstanles ondn
mora va m os representantes constantes de
urna lista quo trasia o que todos pertenciam
a opposicao. Esta circum-tancia espalhou o
alarma e fez comqu" algumas pessoasso oc-
cultassom. Foram lugo prender Toro y Paro-
ja, collaborador dos Dbales, quo ha va f-
gido de sua casa.
Man larde foi o chef) de polica a do Dr.
Alsina e Ihe intimo i, por parte do soner>l
Urquiza, a ordem dodeixar o paiz no pr.zo
Je 21 horas com sua familia.
Entretanto passava o lempo e nSo appa-
reciara demonstraces hostis da parto do
povo, sem que lall.sse todava grande agi-
larao i: lima tal ou qual disposicHo resis-
tencia. Mas aqui nSu se quiz fazer uma re-
vnl.iclo, nSo houvo au menos combiuacSo
que se saiba. Chamatnento as armas foi con
sa em queso n.i i cuiiou. NSo he occasiSo
de ajuiz.ruios agora da conducta da oppo-
si(So, a qual se larSo talvez accusaees m:-
rias, porque nao recorrou s vas de ficto.
He priciso lembrsr-se dos horres que teria
ancarrctaJo um. lula armad, as ras.
Dia a*.
Tornou a reunir-se a sala dos reprosen-
tants para recober o juramento do general
Pintos. As 11 boras comecaram a ebegar os
representantes. O povo era immonso ; a agi-
tacSoaugmentavaa cada momento, e espe-
rava-se algum acontec ment serio na sal.
Rouniram-se 22 representantes, entre elle
os mais nolaveis da o^posicSo. Mais tarde
appareceu o presidente Pilos e communi-
cou ler recebido uma nota do general Urqui-
za ordenando a dissolucSo da representa-
(3o.
A sala ouvio silanciosa a intimaco, econ-
cordou logo em responder-se ao general que
os representantes do povo de Buenos-Ayres
protestavam, e que, cedeodo forgs, retin-
vam-se. O presidente da sala aconselhou o
povo a quo manlivesse a ordem se conser-
vassosocegado.
modo que sua conversaco nopodcsse aer ou-
via.
l-.uto, Ihe disse elle, descobriste alguina
cousa?
Esta be boa! disse Ascanio dando urna
rizadinha, por vcnCura csprelto jamis sem
descobrir alguma couza ?
De veras! cotofalla, o que foi que viste?
= Vl Sr. bracciolium papel escorregar de
vagarinho por baixoda portado calabouco da
duqueza, vl-o passar depois para as inaos do
capilao hramante c de lcm lim para a algibei-
ra de seu giliao.
Maravillosamente s um menino en-
cantador, toma l, aqui cita um sequim para
comprares algum briuquedo.
UinscqutuW Oh! capilao. bom dial ex-
clamou o menino todo alegre: e agora vou to-
mar lugar para ver a execucao .... jamis nao
me divertirei tanto I
Elle sabio sallando e cantando.
Ah! inestre Uraniaolc'. murmurou Brac-
iir li com ion o sombro, vosse subi capida-
meute, mas ha de de.cer inaisdc pressa anda. .
Vosse levantou a caheca ...ui alto, eu faiel cur-, leudo o cuidado .^ei J*?
vartaobalxo, que ella nao lornaia mais a er- dafalso tatalsobreo qual catatan
1 olbares.
i mi iirir*~**~*n-----------------------
,leixa-la senao ao p do cidafalso e depois de
Ihe ter visto caliir a cabeca? fcslou pols bem
cerlo que al li elle lera com sigo esse precioso
pergaminho, ecomo enlao cu estarc livre, as-
seguro que elle nao me escapar.
A zVjcucJo
Dcixando o capilao liraniante, aintencodo
pastor Fraucesco, bem como elle o havla dito
ac seu novo amigo, era deixar Mllao sem de-
mora c lomar emcdialamentc t caminho do
Picmolili: mas apcuas poz o p lora do palacio,
comprehendeil logo a iuipossibilidadc dse re-
tirar conforme pedia sua impaciencia. A mul-
CiJao que elle tinha atravessado, nao sem cus-
to, algumas horas antea, tiuba crescldo a cal
poni que os inilharca de cabessas (jue ondu-
laro sobre a piafa pareciam nao pcrlenccr se
nao a um s corpo. Francesco reconheceu que
seiia loucura querer romper por entre essa
massa impenetravel; elle reaignou-se por tan-
to a esperar o lim da horrivel solcinnidacle que
atiranta para all lodo Milao, cuma vea lomada
esta resolufao, perdeu-se no uieio da multidao,
hora da execuc.
Elle rellectio aiuda um instante...
balendu na testa, disse i
elle tambem forcado a licar vigiando sobre a De repente, tconvc CoteoUm ;._
duqueza lleauur nao tem elle por .enha n!o | lloresl. viva de c.be5asede bra(o. a
denois Idas em Codos os roslos, e se o duque nao lives-
Ise tomado desde vespera a precaucao Je cer-
car-sede todas ai tropas de que podia dispor,
rlumen le nao estarla seguro em seu palacio.
elle tambem orcad?. Ilc.r vigiando sobre a | De repente bouye como umlre.noroc,
sen hora, deram no relogio da catbedral.
lodosos olhos se voliaram ao inesino lempo
para o palacio; houvc um momento de espera
durante o qual as respirares parecera:u sus-
pensas.
Em lim um murmurio se fes ouvir.
Ei-los! di-los! diziam em vos baixa as mil
boceas do povo !.... seus pulsos anda estuo
machucados pelos cavaletea. .. Oh.' quanCo
nao toltreu '. Airaz della vemOrombelll...
casracadnl alurtura l-lo proferir una men-
tira" Dos se compadefa de sua alma
Jess! como est plido! juulodelle a duqueza
parece Cao calma que se jurara que aahe do
palacio como outr'ora para Ir ouvir luissa ou
soccoireros necessilailos. Dos de lorfa ao.
innocentes !
Pouco a pouco, os murmurio, c lorameu-
fraquecendo, depois um silencio solemne rei-
noii nessa prafa onde dez mllalina. treiulam de
terror ou de lndigna;o. He por que os dous
coudemnados tinbain subido os degraut do
,-.i,laI ilso ; he por que elles eslavam la sos ci-
ma da mullido, sos diaole do algoz, cuju
machado brilhava ao aol com um eapleodoi
sinlstro.
A duuuia faz. signal ao povo, du umavoi
ao lado de Francesco: ella val fallar.
A estas palavras. o pastor voltou-se repeu-
Cinamentc p.ra o cadafalso, o seu olhar en-
controii a iabeca da duqueza, cujas feicoe,
Paludas, chei.sd. nohreza e ur.nca. pareca
Iluminadas por um ralo celeate.
- jess I exelaraou elle, le'"- tend pieda
de_det!,ue"tende..' perguntou-lhe urna mulher
do poo que Ibe licava junto?
_ Nada.. nada!., respondeu F ranele, t
mas esta inulhe. he lo bell.,que senil ocora-
ciofndlr-se de desespero.... E dema.s nJo se


niii, mosl, mi este a maior discrirjSo. JiO i corridos no da anterior faiiam crer que seria
proferio nom um grito nen uma palavra. adiado por Igun dias. Vou dar a raiao de
Mitre foi esDucialuiunle objeclo de de-i lu?0' ,. -
non.tr.s6,, 4.P povo para cornos represo,; .yffM* ^'K^S
lautcs; L.asesle companb.ram mus de preparar-ie este acto com alguma anteceden,
mil |i ssons. cli. para que tenha o ar fesllvo e aolcinnc que
Milro entrou em ca9n (lo utn .triigOG o po- a naturera do ineimo acto exige tanto assim
vi) permanecen na ra aloque Itie suplicas- que assegunm-inc que, no termo respectivo,
som que se retirasse. Nfl9sa momento urna sempre se declara que foi elle assistldo por
unica palavra de exciticSotcria reitoap,.- grande numero de pessoas, c das mals grada.
iccer.fMscaquenouvora producido m.i. Z^^J^^lc'W^'^ZZ,
tarde um incendio ger.l. inclusive os padres, e csc mesmo concurso,
Da 25. com poucas csceprdes, era formado por curio-
A orJem dada no da 23 pura prender al- 909 qUC passavain, e sabeudo o que se faiia
guns representantes foi revogada, assim co- qniieram ver.
mo a que dizis respeito ao Sr. Alsina. Iliz-: He lambem costume que no acto da posse
se que o general cscreveu-lhe urna carta rauito lisongeira oxplicsndo o passo que ol- "> dn 'Po ; e islo nao se fas .gora por-
lotinba querido dar a respeito dello e dos q 1',ldea7ccrem0Ilia flll 0 OTerMdor do
2
outros.
( Commtrcio del Plata.
( Jornal do Commtrcio)
INTERIOR.
bispado acompaubado sua residencia pela ca
bido c pelas poucas pessoas que coucorreram
deliberadamente c coin vistas de obsequio, tan-
to ao novo bispo como ao seu procurador, no-
tando-se que entre estas nao figurava o func-
clouallsino, nem a gente da tiluaeo, e dislio-
guiam-sc varias notabilidades da opposicao
certaiuente por julgarem dever dar este leste-
munho de consideracio ao seu candidato se
ocego he o ouvldo, para o surdo raudo he
avista. Entre estai dual elassea de Infortu-
nios, ambos tao dignos de Interesse, levanta-
se urna queslao de precedencia. Ah para re-
gular o debate ou antes para termina-lo, fra
preciso qne de coiiiinnni accordo, o ceg ou-
vlssc para o surdo eo surdo visse par. o ceg.
tas ella ftaternldade de Inf.licidade, esta lo-
caiilc assistencia nao poderia mesmo eilslir
entre elles. O prlmelro fallarla intilmente
ao segundo, que nao entende seno por signacs,
o seguudo pois que nao falla nao poderla esta-
belecer pela llngeagein dos dedos seno rela-
(5es muilo tardas com o ceg. A soeledade,
a liumauidade verlam com latisfaco que el
les
auxllariam mutuamente; a naturesa os j prlo ar parece corregado
condemna a sollrer separadaineutc seu infor-
tunlo.
Talvez, folie para desejar, que se untadas
elasses er ter superlorldade obre a outra, el-
la nao lirasse vantagein disto. O que se Id na
pagina 15, da brochura, alii to notavel, de
Mr. Fernando Bertbier? O ceg precisa para
conductor de um menino e de um cao, e para
apoio de um basto. O surdo mudo nada
RIO DE JANEIRO 3 DE JULHO DE 1855
Eotrou hontcm do. porto, do Sul o paque.e -JS 3m&U
de vapor Imperador Traz ** *"- "t o?a vou dUer-'ihe'porque n!o ,e e.perava
gueat U, e do Rio t.rande at 25 do pas- l5o depre5,a a poe do'bispo.
Cbegando o governador do bispado no aabbs
sado.
Sr.marquczdc Cax.as cominandante en do 12.bomc(ou,ogo ao presidente do cabido
i>ti> il#\ ni>r(-il Pin niiiinii\i>( i' iii'C lid I"' _.
chefe do exercito em operaces c prcsldenti
da provincia de S. Hedro do Sul, veio de pas
sagein no vapor Imperador. S. Ex., tendo re
gressado com o seu exercito no da i do passa-
do ao territorio do imperio, dirigiu-lhc a se-
gulule proclamaco :
EXERCITO IMPERIAL
arcediago, para que o einpenliasse do governo
llizcinquc os documentos nao estay.un inuito
em regra, ou que nao bavia certido da sagra
Sao do bispo ; o certo he que rcuoio-se o cabi
o nesse mesmo dia, e du>ou tongamente asua
confereucia, porque agitava-se c disculia-se se
.mmuiu luiciuAi,. deviam ou no dar a posse nao opresentando
Quarlcl-gc.icral do comando em chefe do procllr,dor.,guu, documentos que julgavam
rcito na villa de Jaguarao. 4 de julho de '.,. B 6
Jaguaro, 4 de julhc neceari0>.
Resolveu-se afioal devolver no capitular io-
[crino t deciso do negocio ; e nlslo tirn, pas-
sando-se lodo o dia de dumgo c (oda a ma-
nli a de segunda sem que nada transpirase,
observando-se uo cntanto muito bulicio e ute-
a cujo territorio hoJfl pin bravo reasenopub,ico por C9te negocio.
de operares que seul.ua de cominan-, E|f ^gunda-feira, loe
exe
1852
O'U-m do dia n. 01.
" O tcnenle-gcnerat conde de '...\us, com-
inaudanle cin chefe, faltarla a um dever de
justica e gratulo se de volt* ao
da patria,
exercito
dar, Ihc nao desse um publn
m uue accunria-leira, laopinada e impre-
coteMemunbode vislaJcnlC( .f,,^,, 0, sinos, etc. ; e gu?-5e
reconhcctmcnto e considerado pela brilliantc ||a ,c rcfcri<
conducta diKoa dos maioTei cloB.o8. que, JccreiCC||Urci para complemeoto das noti-
ligoa dos maiores elogios, que
dcseuvo,vcraui scus distincin clicles, oluciaes,
c ollciaes inferiores as caiupanhas orientae
e argentinas.
>\u\, bravos do exercito de opera^es! A
poltica militar que vos tracci, ao pisar uo terri-
torio oriental, foi por vos leligiosamenlc segui- vaTerem os documentos que eviou,
da: pelejaste, a par de veteranos aincstrados nos ff^ cm direilo de delegar sua autori
combates; rivaliHasles com elles cm bravura ; ,,, f, o ,r ,tna, ntt ntnn Zfimvi*, itNi.
soubestes granear sua amisade c respcil
cas a este rcscito,que assegurou-mepcssoa que
supponb > bem i til ii m ni i. que o auto de pusse
lavrado peranic o ca'ido he mua peca curiosa ;
porque nclle se declara que lique o governador
lo blspvJogoveriiando. ou como delegado do
e
iii-i i com elles a inais perfea c fraternal
ni.uo. sem que apparecesse a perturba-la esse
mesquinho prejuio de localidade.
- Vossa coragem foi do verdadciio soldado;
nobre, generosa c respeitadora dos priucipio*
le Jiumanidadc.
A propriedade do nacional, do eslrangei-
io, doamigu, como a do iuitnigo, fui por vos
icspeilada.
u Ncii um s acto de insobordiuaco tive de
punir, ni ni um s crime em (im que podesse
.inda de leve niancliar a gloria c reputacao do
exercito.
" Tornou-sc admlravel vossa resiguaco
constancia no meio dos maiores trabalbos, pri
va(dcs c sacrificios .'
Bravos do exercito de operaces voss
conducta foi a todos os respeilos digna dos
inaioreselogios.
- taz hoje nove inezes que pisastes o territo
rio oriental ; neste curto periodo percorrestes
vais de 00 Irgoas ; conseguistes urna gloria
inmortal ; desaggravasles a honra de uossa
patria coutribuistes cfficamente para a pat
de dous estados, para o Uiunipho da mais san-
ta das causas a da liberdade, da liumauidade
e da civilisaco. Kst pois completa a uojsa
missao. Vossos noiues scraopor mira levados
'iiif o throuo augusto do nosso virtuoso mo-
narca, cujo magnnimo coracao os acolher
com a rcconhccida bondade c munificencia
que o caralerisao.
A historia levar vossos nobres feitos
postciidado, que fazendo-vos a jusllca de que
&ois to dignos vos cobrir de bencos.
' lulrepidos c briosos guardas nacanaes .'
Vossos relevautes servicos. vosso patriotismo
foiamsuperiores a todo o elogio. Asgraudcs
esperaucas que sempre em vos depositei ; a
elevada conbanca c sympaihia que sempre me
inerecestes, acbau-su mais que inulto juslili-
cadas pela decidida, leal e franca coadjuvapo
i(uc me prestastes, pelas ficqucntes provas de
iJedieacao que de vos reerbi, e que junis se
riscarao de minha lembranca.
u Ides agora voltar ao seio de vossas virtuo-
sas familias contriliui igualmculc dahi com
todas as vossas forcas para a conservaco das
sabias iuslituifocs que nos regem, da libcrda-
ordeincpaz, ijue feli/.menle goaais : assim ta-
ris a ffllicldaac de vossa frtil c amena pro-
vincia, e a de vossos lilhos ; e satisfaris os ar-
dcnles votos do vosso general, compauliciroe
amigo.
' Conde de Ca.riai. >
Por ordem do dia de 9 do passado, declarou
o Sr. marquedc Caiias terminado no dia i o
i stado de guerra; extingui a repartlcio du
commissariado ; dissulveu as 7a c mi- brigadas,
coiupostas de guardas nacionacs, c dispensou
do servico de destacamento o regiment de
iav.ill.ma da guarda nacional de S. Uorja.
O >r. marquez de Caxias, retirando-so do;
eieffifto pata vir ueeupar sua caeira no sena-
do, rceebeu as mais vivas deinonstra<;oes do
respeito c alie i {fio que Ihc consagran! todos os
uossos bravos. As mesuias manifesUfes da
populayao daquella briosa provincia o acompa-
nharam at eidade do Rio Grande, onde, bem
como em felotas, foi S. Kx. acolbido com ver-
dadeiro eatUusiasino.
dado c tomar posse, ou como vigarlo capitular
e delegado do cabido, quando em direto uao
vallia a posse < a nomeafo do governador.
| Se assim he, mostraram os Rvms. copftutala-
res que sao destros as formulas astuciosas e
dislarcadas coin que se pdc dizer o sim e o
ni\o ao niesiuo lempo, e com as mesmas pala-
vras ; os discpulos de ^anto Ignacio n< fariaui
melhor; e se rcalisar-seo que se espalua so-
brea viuda du Jesutas para esta provincia,
presumo que se elles lerem esse auto ho de
exclamar alegres i nihil mb sulenovum l c en-
contramos a forma dos uossos sapatos I'asse-
mos a outra materia.
A assemWa provincial continua improductiva
nos sens trabolhos: dimlomo o cabalismo; j
uo se passam dous e tres das sem haver casa,
mas vai ludo muilo lentamente.
lia vintc dias mais ou menos oceupa-sc a as-
sciubla exclusivamenie de dous projectos : um
augmentando os empregados eos ordenados da
ilirsoiir.u i.i provincial, outro litando a forcx
policial,
O primeiro projeeto tcm so'rido urna dis-
cusso renhida que o objeclo nio merece ; mas
parece que ha, tanto nos sustentadores como
nnsopposilores, pensamcnlos secretos de amor
e desamor que as palavras da lei uao revelam,
e que as dos discursos mal deixam sorprender.
O interesse publico be a fonte dos argumentos
pro c contra ; mas asscvero-lhe que anda por.
ahi de mistura uiais algum interesse pois o pu-
blico nao costuma inlluii tanta tenacidade e
facundia nos debates.
A discussio de forca lalvcz s amanbaa se en-
cerr ;e tem sido campo aberto para n certa-
men polltC3 ; eleires de senadores, eleifes
de I8-J9 c de 1814 sao os pontos mais feriis ; c
o o fica someiios a queslao oriental.
O certo lie que i :U un apenas oite sesses pa-
a coiicluir-sc o termo da duracao ordinaria
dos tiabalhos, pois deviam cueerrar-sc no dia
prime I ro de julno, a lxaco de forcas nao
passou aiuda em srguuda discussao, e o orca-
mcuto s hoje se distribuio para ser dado para
primeira discussao; e portauto he incviiavel
urna proroj^a^ao que desdeja prevejo que nao
ser menor de 2<> dias, e uao me admirarla se
chrgassc a um DlCZ.
He lambem certo que agora a diarii de 6/f 00,
uarcada na legislatura ultima (o dobro dn que
unto
Ora, ha cousai neste mundo muilo eugraca
das, e que cada re mili me convencem de que
s grandes cousas, os maiores acouteclmentos
tem ordinariamente por origen, occorrenclas
inulto prqueninas, e as vezei tao Insignifican-
tes ou ridiculas que nloguein se atreverla a vul
garlsa-las.
A este respeito lembra-me de duas obras
muilo espirituosas do seculo panado, em que
Vollalre e um Inglcz cujo uouie me nao recor-
d agora, traballiaram por demonstrar, pela ex-
plicado das causas dos grandes successo da-
i|iit-iit- seculo c anteriores, a verdade do pensa-
mento supra; coin a nica dlfferenca de que o
primeiro a cncontrava em certos accidentes da
vida physica dos homens polticos, e o outro na
constante e revolucionarla iniervenco das
trias*
Appllcando a observacao, dlrel que nilosel
que bicho mordeu, de ante-buntem para c, o
deputado Manoel enlo; nao sel d'ondc vlerara
esplnhos as suas relaces, tao cordiaca e fra-
ternas, com o seu colleja da maloria Dr. Sll-
vcira da Motta, pois quede outra sorte nao pos-
so explicar o que hojeoccorreu entre elles, e .
que lera urna influencia decisiva sobre aquello disto precisa, nem parecer. | elle pode bastar a si mesmo e proseguir aeu
Como sabe, anda em discussao o tal projeeto camiouo Bem ter necessldade, como o ceg,
sobre a tbesouraria provincial: o r. Manocl.de um amlpo com o qual Dos sabe se sempre
Bento apresentou a principio algumas repug- slmpatlsara. Se o que v dominar o ceg,
nancias; mas afinal aquietou-se, e pens que que vlr a ser elle ? Um eicravo. Se for pelo
foi a lsso levado por certas conversase combl- contrario, lamentemos o pobre ceg I Kelle
naedes em que cileve com o autor Dr. Sllvelra pode ao primeiro momento de imprudencia
I. Mola, em Tirtude das quacs este acceitarla ser abandonado s na borda de um precipicio.
ou proporia certas modtficaces. O surda mudo circula elle s em uossas
Fosse oque fosse, achou-se a rpposlco s ruas, em nonas pracas, em nossos passelos;
em campo, e anle-hootem o Dr. Manoel Kenlo elle viaja so por trra e por mar, seus olhos
parece que suspeltou que Ihe roiam a corda, c esli sempre alerta, elle ve o menor perigo,
rennungou alguma cousa ; e isto deu lugar a elle ao ineimo tempo por loda a parle; a fre-
nue o Dr. Sllvcira da Motta se espinhasse, e, quencia dos lugares pblicos toruaui-ie para
fallando a respeito, Ihc atlrasse algumas pedri- elle em habito sem perigo. Alm disto o aba-
nhas, cuino, v. g., que aquelle deputado falta- lodo solo avisa ao surdo--mudo que uina
va ao accordo bavldo entre elles, etc. carruagem se aproxima e nao ha excmplo de
Proccdcu-se votaco, c, havendo muitas que um s tenba sido esmagado.
emendas, algumas das quaes tornaran, o pro- Km verdade, deverel dizc-lo .' reconheco ta-
jelo mais econmico, asslgnadas pelo Dr. iM.i- lento no que acabo de 1er, mas no espirito
noel liento, e outras de oulros, aceitas pelos excellente do auclor. Esta pagina he multo
defensores do mesmo projeeto, os dous irmos engenhosa, to engcnbosa tafvez cm prejuizo
Mollas, cahlam todas, e passou o artigo dos or- do ceg que de direito, valeudo-se aindamis
denados (3.*), que pareca condemnado e fra de um laclo citado por Mr. Lenoir em seu cu-
de combate, coin urna nica emenda do Dr. Joa- rioso llvrinho, poderla argumentar em scntl-
qulm Motta. do contrario a respeito do aurdo mudo.
O Dr. Manoel liento encordoou com a volacao, No lempo da ceremonia que conduslo com uina
e hoje, quando se discuta o ultimo artigo, re- pompa guerreira, os restos moriaes doa com-
quereu que se destacasse do projeclo aparte batentes de fererelro para as sepulturas fetas
relativa aos ordenados eao modo do provmeuto iob a columna de julho, o cortejo segua len-
dos artigos, dizendo sobre aii cobras c larga- lamente o boulevard da Magdalena Uasiilua.
ios, e protestando que bavia guerreada toth W- Dous surdo-mudos estavam as jauclas do d-
ribus, porque nao envolva tnteresses da pro- dan Bleu. Descobertos ao passar cada feetro,
vincia, mas sim um individualismo condemna- eutraram a conversar um momento depois
vel e revoltante, etc., Unto assim que, baveu- com o chapeo na cabeca, quando veio a pas-
ito a tratar-se da materia urgente e constitucio* sar o carro da liberdade I'irein o chapcol
nal do parecer sobre o supplente, andava este grltaram-lhe, Tiretn o chapeo l Como poderiam
preterido por este projeeto, que formava uina elles ouvir? Um homem armado fez pontaria
(irricada, etc. para elles e terla Ulvez feito fogo quando um
Kspraiou-se sobre la consistencia em poli- guarda nacional abaixou a espingarda. A
tiea, e usseverou quenasccu saquarema, hesa- inadvertencia fui logo explicada, hila poda
ijiiircm.i, c espera em Dos que saquarema ha custar caro aos conversadores. A surdez tem
de morrer, c que nunca lendo mudado de par- lambem, como ae ve, scus perigos.
lido, nao be desses que vieram para os saqua- Oh nos iiicsmos nao temos tambem os nos-
remas para melhorarcm de situaco. Isto tcm sos, de dia, de uoite, as ras, no theatro,
aresde insinuacao; mas recuso-me a commu- em viagem ? Felizmente para ni nossos pra/.c-
uinar-lhe minhas suspeilas sobre a pessoa a res os sentidos diversos parecem tomar a sua
quem parcela dirigir-se. conla fazer valer um ao outro.
O que, porcm, resulta de ludo islo he a qua- Mas como tudo entre nos est sujeilo dis-
si certeza de que o parecer sobre suppleutcs cusso, um bomem eminente em fazer fallar
nao continuar a ficar abafado; posto que o ascienda e a philosophia, o Sr.Dr. Gcrdy, em
presidente inda hoje o dsse para a ordem de urna memoria multo instructiva, compara de
da em segundo lugar, isto he, depois da tal novo os sentidos entre si, e, contrario a opi-
barrieada, que, a nao passar o requerimento do nio de Lucrecio, c tambem aos versos de De-
Dr. Manoel tfento, ha de continuar a suscitar Hile, colloca a rlsta cima do tacto. He deci-
renhida discussao. dir favor dos surdos mudos contra os cc-
Teinos anda incremento no jornallsmo desta gos. Mr. Cerdy convem entretanto com boin
provincia: publlca-se duas vezes por mez um humor que os senlidos teem alternadamente
folhelo tratando quest es scientificas e Hilera- seus bons momentos < Quera nao sabe, da
ras, intitulado Revista do Ensaio PMtosophiso, elle, que segundo as circunstancias os icali-
c he publicado pela assoclacao deste nome. dos podem prevalecer um ao outro, o tacto
No da lO do correte apparecen n primeiro duraute a uoite, o gusto na mesa, o olfato cm
numero e boutem o segundo do Crepsculo, que um taliolero de llores, o ouvldo em um con-
promette sahir quatro veres por mez, e dedica- certo e a vista cm um passelo campestre ? (te-
se ltteratura, conforme annuneiou uo seu comendo de muito boa vontade aos lellorcs as
programma; mas noto que j no primeiro nu- esperieocias comporativas que ndica o sabio
mero oceupa-sc de poltica c polica municipal, psychologisla.
Ha de especial nesla folha a quarla pagina, Q dSo hc |o|0 s(nda
queheseuiprcoccupada com gravuras carica- no1 cductor> h ue 0 Cego i o surdo-mu-
no primeiro numero vem representado o d sc bcm ^ ^ eja d
dor Rosas antes e depois da batalha de Mo- de _um 8enlidq0i lem cada uin COmoumareve-
layo indirecta do senlido que ihe falla. Ja
tivcmos de fallar no jornal iii Debat das fre-
quentes ohsccrvaccs de Mr. Dufau sobre os
.,-goa.
Oque esperimentaes, diia elle a um ceg
toma c aperU toda comovida a m na. Victorln. por urna vei quer aaber donde
Ihe vem este doce aperto de indo. Procura e
encontr o vestido grosseiro da IrmS. Nao h
duvida 1 Ella sulla um grito deapedacador e
repelle com terror mo que .perla su..
Depois ao mtls violento desespero sueeede um
profundo abatimento. Immovel no aeu al-
iento, .cabeca inclinada no mu pello, (II.pa-
rece um. estatua de marinore. Se lente c
ii ais leve ruido de um vestido, ella contrabe-se
obre si meima; procura restringir anda <
estreito eipeco que ella oceupa, quizera de al
guma sorte anniquflUr-se para melhor sub-
trabir-ie a contagio dos males de que o pro'
No m de algun das as clamas proteclo
ras as quaesvierain ve-la outra vez, acharam-
na no mesmo lugar, na inesina poslco; jul-
gar-se-hia privada de senlimento, semelh.n-
tes lagrimas que de suas palpcbras cerradas
< ni n.un como dous ribelros e sem os suspiros
que de tempes em lempos arfavam com esfor
co o seu peito.
Urna das damas Madame de Chasscleud s
bons cor.coes bemdlgam o seu nome I J. nao
pode conter-se este espetaculo : prometteu
generosamente pagar a peusao de Vfctorfna
nos surdo mudos. Que prezer para a pobre
menina quando na sua vofta sentlo, c torr.ou
a achar o arque ella tanto lempo tiuha respi-
rado I Fila quer reconbecer um. apds outra
as suas companbeiras que se rcunem em tor-
no ilt'ii.i.
Ella faz voltar seus dedos sobre as suas
cabecas, sobre as suas feledes, sobre os scus
bracos: ella apalpa c cbelra as suas mos.
seus vestidos, e chamando a cada una pelo
signal que a caracteriza, apena-a outra vez
em seus bra;os coin a mais viva ternura
Copiel esta narraco que infelizmente lou
obrlgado a abreviar, de um opsculo de Mr
Allonso Lcnolr, surdo mudo. Mr. Ilard te
ria contestado a sensibilidade daquelle que
pinta to vivamente a dor c a aiegria de VI
lu ni i ? Todava cumprc ser justo para com
Mr Itard que nao o be sempre para com o
surdo-mudos no seu Im o. Elle rcconhccc que
01 surdo mudos sao perlectiveis; reconbe-
ce que sua educacao tcm feito inmensos pro
gressos ( tembrai-vos que Mr. iterthier e Mr
l..hu i su professores) ; reconhece que a in-
iclllgcucia mediana se lem engrandecido bal
tanlc depois da ldade de vinte annoa paralo
doi 01 discpulos. Mr. Itard d uina prova
dlito que honra ao mesmo tempo aeu jui
seu gosto. Quem nao sabe que a respeito do
rcconbeciiucnio Massieu disse um dia: He a
memoria do coracao. Quinze annos depois
da sua murte iuterrogavam a um discpulo do
Instituto. O que be palinodia? Ihe pergunta-
ram repentinamente. He, rcspoudeu elle sem
hesitar, um desmentido que alguem da a si
mesmo. i (ue dillercnca ou antes, que dis-
tancia entre estas duas diffiuices .' dis Mr.
Itard. A de Mcasiieu hc urna dessai imagens
brilhanles que aformosentam a llngoageui de
um povo nascente a outra he a expresso de
um esses pensameutos justos rigorosos, pre-
cisos, que uo se cucontraui seno no cume da!
ParieJalla fruan ecmoi wi dedoi, o ,/, yJ"
allemio, o de S.-Plfriburgo o rumano pro"
remos um alpb.beto melbor, ic qulsermos t
todos se emendara. Convdn urna
lingos
'pie
que falle Indiligencia, ao espirito.^rco,.10
yio peloi ollim, da qoal todo o hoinem ir,p"
em si o secreto Instlncto; cuja express30 .!
lela nos olhoi, no. tr.coi do rosto, na MUlJ,
humilde ou altiva, compasslva ou aniesrjdw:
daquelle que a emprega; um. lingoagem ni
qual, sem o auxilio mesmo da voz, nao se p,
sa deiconhecer o accento da supplici. daesne"
raufa, do prazer e do soll'rlmento. Esta ||0
goagem, exclama Mr. Uerthier, he a mlinlc.
He com efl'elto a lingoagem que tem prec,"
dido a todas as outras, a lingoagem de ,c -"
3ue he lulUcienlc par. exprimir as neceiiid,.
es, as impressdes, as paladea, os sentiinentoi
Engenbosas convnceles estenderarn o usodelli
i especulacdes do commerclo, s no^des do
saber, it verdades moraei e menno abstractas. Desapparece a dir&culdade de in-
terprete as viagem. Acab.m-se os engm^
perigosos ou gracejos sobre acomida, ou &Q.
bre o objectos de lervico nai eitalageui. q
Parisiense se lar,i comprebender m Cooiun.
tinopla, e o habitante de Lisboa em Kaiutcbai-
ka. O sabio, o chiiulco, o mecnico, ohoinn
de estado communlcarao com a malor faclidi.
de suas descobertai, leus processos, suas forcu
motriles seus projectos.
Esta lingoagem na verdade poder apresen.
tar algumas dirriculdadei de syntaxe; mas con-
firaos o cuidado desta grammalici gtral a Mr
Fernando Hertbier, porque ninguein jUMiri
melhor que elle o exeinplo ao preceilo. o
mes passado, batein raiuha porta, .ibn-m .,
centrara ; depoii nem o menor ruido. (iuem
he? Um momento dcpoii, o mcu gabinete se
abre c me dizem : Abi est um Sr. que nio
falla, e que deseja fallar a Vuic. para pedlr-ltje
que lela urna carta e duas brochuras. Aquel,
le que se faaia to bem comprebender, sem di-
zer una palavra, era Mr. Fernando Berthier.
Fa. n mu ni
.( Journal del Deban.)
Pul'hcayfio a pedido.
ESTATUTOS
Do coltegio Sanio Affonto.
Dirigido pe.lo abaixo assiguado professor jubi-
lado na cadelra de geograpbia c historia do
l)i i u do reclfe.
Art. I. O t.olleglo-SANTO-AFF0..S0 lem
por Hu a ui.irin tac ,1. mocidade.
Art. 3. rs< II, enslnar-ae-bo os mcsmospu.
paratorios que no collcgo das artes do cursu
juridico.
Art. 3. Para o ensuio das respectiva malc-
ras sero nomcados prolcisorc de lecoahe-
cido mrito.
Arl. 4. O Collegio recebe pensionistas, lucio
pensionistas, c alumnos externos.
Art. 5. Os pensionistas pagarao 2o|oon rs,
mensaes, sempre adicntados; os meio-pensio-
nlstas i,/.....i n. e o externos, de latiui,
4j000rs., e dos outros preparatorios SjOOOn
t:
dictador Rosas antes e depo
ron ; e nao deixa de estar so'rlvelmente des-
cinpenhado o pensaiuento do desenhista; no
segundo vem alguns quadroi do comr/iumtmo
cmacfio; e cm ambos encoulraiu-se enigmas
pitorescos. Maudo-lhc os dous prlinclros n-
meros para que se convenca de que estamos
S. PAULO.
S. Paulo, IR de junbo de iS.,..
Segunda-ekra 14 do correntc comecaram os
.sinos da Se a repicar s i horas da larde : o que
ser T perguntavam o que ludo querem sa-
ber, anda mesmo a raio porque repicara os
tinos.
Nao durou muito a incerteza: alguns mais
soQ'icgos forain cathedral, e de la sabiain
por essas rasannunciando a novidade a pos-
ae do Exiu. bispo diocesano, por seu procura-
dor o itvm. Antonio Marlinlano de Oiivcira,
que, dous dias antes, chegra com a noniciriio
de governador do bispado, c coinmisso para
tomar posse.
Esta noticia nao deixou de causar alguma sor-
preza, j porque nao se esperava que este acto,
lo Mil,-nuil por sua natureza, se pratlcasse tao
.i nucir, el lam facn, como porque lacios oc-
aHsMBa*ms*ttmtmoaMMaatss
porque pareceu-me que suas iei(oes nao uie
i-rain inieiramente dcsconhecidas:
Milaucics! disse a duqueza ao povo que
a escutava era silencio religioso, eu morro ni
nocente do criuic de que rae aecusam.
Ella laucn os olhos em tomo de si, e depois
de una paula bastaute longa, disse, aponan
lo para o ceo com um gesto sublime i
L ein cima ha um Jal. terrivcl diantc do
qual todos havemos vou ver lace face antes mesmo que minha ca
heealcoha lido carregada deste cadafalso. Poia
bem! no momento de ouvir sua sculenea su
prema, repito anda, morro innocente.
Ella callou-sc ; as mulherrs solucavain. o
homens muriiiuravam aineacas contra Vis
canil.
Orombclli i.iimv i para a duqueza, c suai fei
rei deicoradas expnmiaui ao mesmo tempo i
vergouba e admiraco. Iteatriz vollou-sc para
-lie, e eocarando-o, dissc-lhc :
Miguel Oroinhelii, cis-vos chegado a uina
hora que pude ser a de vo.sa vergonba irremis-
sivcl ou de vossa gloria eterna. Olbai para o
ico; l eit Dcoi que vos ve e vosjulga. llave-
ra .inda consideracnci humanas que vos deter-
miuein a deifarcar a verdade ? No meio dos so-
liiincntoiquc lioinens sem t vos faiiam sup-
portar, vs confessastes um crime que nao tl-
nhels coinmettido, naolemestes comprometter
vossa alma para salvar voiso corpo, e vossas
palavras foram mu culpaveii poli ellas man-
chavam ao mesmo tempo que a vossa a honra
leumamuluer que tinheis sempre respeltado.
I.u lori como vos, mais do que vos, Miguel
Ooinbelli, todava bem i.bels ie una io pala-
vra de fraque. saino de minha bocea, l'udem
iiutar-me...mas nao me l'orcaro a calumniar
ra aniesl, ja permute supporlar-s
una prorogico.
Crcio pie conle-llic na mlnlu ultima que o
ir. Joao Mcpouiuccuo apresentou ura diploma
passado pela cmara da capilal, para tomar as-
iento i-iu lugar do Dr. Hp.lyto, que est go-
veruaudo a provincia: a coinmisso deu pare-
aegaudo a entrada, por suppr que o impe-
dimento do Dr. Ilipolyto hc temporario, e pude
i-cssar aquaUjuer momento, c conclue recom-
ni-iiJ ni lo ao governo (ue iiiaode proceder
:onlra a cmara pelo alentado de passar diplo-
na a um supplente quando o impedimento de
|ue se traa nao vera iiieiicionado no artigo da
lei que marca" os casos cm que as cmaras de-
vem expedir diplomas.
Bem Ihc dizia eu, ha dousmezes, quesuspei
lava que esta cmara teria de ser novainentc
suspensa : sc for approvado o parecer nessa
parte, be quasl certo que o governo ha de an-
nuir aos desejos da asseinbla
Digo se passar o parecer, nao porque duvide
qucfaltciu volos para approva-lo, mas porque
semioaprescutadu ha juitw.c dias, collocou-sc
de lal modo na ordem do dia, que nunca (he
chega a vez de ser discutido, calando successi-
vamente cinco ou seis requerimentos da oppo-
sicao para declarar-sc urgente este negocio
nina soluco a um cidado que deve estar as
antes salas espera de decisao sobre o diploma
,lc que foi portador.
Suspcudi hoolcm esta caria por dizerem-me
|ue o corrcio nao parda hoje como suppuuha.
Continuando gora, coinccarei pelo final de
hontcm, dizendo que ha esperanzas de tratar-
se logo do parecer la coinmisso obre o dlplo-
na do aupplente, porque o leu relator (Dr. Ma-
noel liento) boje laucou cm rosto maioria, e
muito ilni um uii a jii i.ii'.M i li ivnl i. c avan-
cou al a declarar que uullocaram urna barrica-
da na ni l. in do da para nuuca ebegar-sc dis-
cussao do parecer.
Dcos"qucnos escuta, a fjlsidarie da confisso
que me perdeu ?
Miguel Orombclli Icvautou os olbos para o
eco, Ter-sc-hia dito que acordava de um
sonho.
-> O mundo me abandona, respondeu a du-
<]ueza; a nica tcstcmunlia de minha innocen-
cia depoc contra iiiim. A ti, pois, invoco o
nuil ueos, pois.su lu, depois de teres querido
jue cu fosse subineltida a to cruel prova(o,
podes ollercccr-me o nico refugio, onde para
diantc acharci repouso.
tlroinbclli, durante este tempo, reuuia toda
sua coragem, c ajunlando as nios, cxclamou
cinlim :
Sim, sim, vos sois innocente, eu o juro
face de Dos c dos homens:... sim '.... juizes in-
fames vos ii ni condemnado, sabendo nein juc
eris to pura como a virgem Maia, c que eu
era um miscravel iudigno do nome de hoiuein,
pois a tortura pude resolverme a inauchar vos-
sa honra
poica mals adianlados: assim essas caricaturas qumdo vosachaei sbitamente diante de um
uo degenercm cm aggrcsso as cousas c pes-
soas de czwi.
Acaba lambem de vera luz outro folhelo mu-
sical intitulado O AcayaOa, que tambem dedi-
ca-sc a di.cussoes scicnlilicas e de litteralura
amena i nao pertence a alguma associaco co-
uhecida, c ou;o attribuir sua pateraldadc a al-
guns acadmicos.
grande luz ? Mepircce, respondeu
passando rpidamente a nio pelos olhos, me
parece que me privam do ar. Um outro di-
zia : de dia tudo me parece mais ligciro ao re-
dor de silln. A vida menno he mais suave,
he o elleito do ar qne de dia he dilTerente lo
ar da noile. Eisaqui pois um dos ctleitos da
luz que pelo tacto hc sensivel ao ceg. Eos
Vou concluir esta, assignalando-lhc um novo urdos-- mudos como seriara sensiveis aos ef-
proeresso cin que ainda nos avanlajamos aos '"l* do son A resonancia dos cios, as dc-
scuhores ahi da corle. tonaeflesda artilbarla, ai crcpctacocs lo ralo
Escuso explicar-lhe que nina grevr em Franja obrara robre ellei pelo abalo do ar ou do solo;
quer dizer coololo entre os operarios para del- elles o percebem, ae assim pode dlzer-se, pe-
xarcm de trabalhar em certas industrial, e que epigastrio c pelo. pea. fclici faiem urna
este recuno heroico costuma aer empregado 'di tao verdadeira do ecito que produiem
sempre que os operarlos desejam augmento de certos mslruinentoi, principalmente o ilnoi
salario. Poli bem: laiba agora que os carrel- que Mr. Oazain, elle engennoio surdo -- mu-
ros dos contorno! da capilal, que costumavam do do qual fallei precedentemente, disse com
forueccr a ienha para o consumo, lizeram grite '"'a jusleza como espirito : A .inion he a por-
ha viuii' dias mais ou menos; e assim zeram l du boca.
que a pouca Ienha que bavia nos depsitos tul Eisaqui urna existencia divenainentc phc
Mi c muda re
Art. (i. O Cullcgio uo d roupa lavada, ucra
ctvilisacao, quando a llngoa esta formad, e as cllu,0iiiada, c aquelles que a quizerein receber
ideas todas .xas ..... J delle, pagirao ...ais :..ooo ,s.
A rcspnsta citada por Mr. Itard, aJUDIarel Arl. 7. 0, pcosionistas tero, rcgularmcnie,
outras pie nao sao couhcdldas e que !.o or-,,-, cb ou caf prci0, po irradoe
chelas de graca ou de senlimento. manleiga ; ao jamar, sopa, cosido, assado c
Os elogios, diz Mr. O.zan, jovem surdo- bif 30CC 0UJ frutas do lempo; e cela o
mudo, de queja falle!, o elogios sao para as meamo que no almoco: havendo feljoada >
bellas acedes oque o orvalho ue para ai plan-j quiula,\irai. c mo de vaca aos dominp.01
,.", ., .. Os meios-penslonislas tero o inclino trau-
Aind. elle diz; O hornera probo, be a hon- ,-.- na parle que ihes diz reipeito.
ra em relevo. Ar, g 0 Colleglo tambem dar luzes de ve.
Oscepteclsino hc un navio lluctuautc do u para o cstudo noite, c banbo aos alumnos
qual a mcertezi be a nica ancora. af' ,jl)ados.
Os olhos da poltica sao a rcligiao c a eco- A'rt. As despezas com molestias, e oulraj
noinla. imprevistas sero por conla doi paes dos aluui-
Finaahnente diz: A esperaoca hc a pro- n0
messa da iuiagioaco. A'r(# ,fl NUl0Ulll peosionista ou meio pen-
Oque he a clemencia/ icrgunlaram a sionista ser conservado no collegio delxandii
Mr. Femando ucrlhier. de agar ,ua, mCnsalidades, segundo o
Umperdap inagnico. cstabclccido no ari. 5, c bem assim ser dcs-
o que hc a a.nbif ao J I'erguularaiu a Mr. pedido aquello alumno de qual quer classe que
Clerc. ... leja, que dentro em trez mczes, ic mostrar
O desejo miraodcrado de 1er anda, depois napi0 para o aprcndlzado, ou de um proce-
de ter tido muilo. diincnlo rcprehensivel e incorregivel.
l-.is- qm o que dizem os surdo-iuudos! Arl. tlm o allumno, una vez matriculado,
Nos ouvimos c fallamos, o. verdade a vacia- eatar .ujelto ao pagamento de suas mensa-
gem he grande, mas peniaremos por ventura dadci, c o collegio nao adinltle descont al-
inelhor? Quem nao ficaria contente l da es- gum sob qual quer pretexto que leja. O mez
peranca de responder taiubeui
Notal que a civilisaco dos sunlo-mudos nao
data lenao de Luis XVI e do abbadc de L'Epc,
Que seria poii ie ella cortasse seculos de exis-
tencia como as sociedades modernas! Suppou
principlano cnteodc-sc vencido para aeu pagi-
nienlo.
Arl. II, Cada pensionista trar seu baln
com roupa sulTicicutc de uso, cama de veulo,
espclho, piules c tesnura de unhai, escova de
do-seque o hornera em vez decinpregar a voz denles e defacto, bacia de rosto,
na in.iiiiii-siac.io das suas paixes, das suas Art. 13. Ncinbuui pensionista poder saliii
ideias, tivesse empregado logo os gestes, be do collegio sem previa liceo;, do director c
provavel que a sociedade nao tivesse marchado seiup.c accon.panbdo por pessoa de la ron-
can um passo menos rpido para o aperfci(oa- fiana.
ment social, a A eicripturaco que tanto o Art. 14. O Collegio Irabalbar todosos dial
tcm favorecido, diz Mr. Itard, teria sido sem uteis de inanh e alarde,
duvida mais promptamcnlc inventada, porque Arl. Jo. Sao feriados no collegio, alein dos
he menor o cslorco da i.naginaco para pintar, domingos c dias santos, os tres dias de entru-
signar. que para ligurar lons. Fitas reilexdes do at* a quarla folia de c-inza inclusive; de
muito justas levam o doutor gradualmente a quarta-feira de trevas at a ultima oitava de
una Idcia da qual a singularidad..-, o inters- paschoa; c os dias 25de marco, 7 de septen
sc vende por iniudo subisse ao quadruplo nominal. Viclorin
relnd. no ettabelecimento da ra de Sao Ja-
Qucr saber a raso? A cmara municipal fez' ques, cegou na idaJc de 13 annos! Que pro-
urna postura, que foi mandada cxecular pelo
presidente Nabuco de Ar-ujo, prohibiudo que
os carros chtasietn, e in.pondo mullas aos con-
traventores.
Tanto bastou para que se conceitasscui os
earreiros das quatro entradas dacldadepara
casligareui, nao a cmara, mas a populaco
com a ceasaco da conduce.io de leuuas c ina-
leiras para o cousu' o: c atjrevc estabeleceu*
te e durou un ts dias.
Nao sel porc'm que santo inetteu-se de per-
ineio; pois que uo sendo aiuda revogada a
postura, reappareccram os carros, c por abi
.ni 11 ni a ciliar coin dobrada furia; lalvcz hou
vas antes de sua cegueira conseguiraui eusi
nar-lhe a 1er e a escrever. Depois poudo-se
a mo na sua ino, fazia-se-lhe sentir as for-
mas que os dedos dam ao alphabeto. Causava
adiniraco ver os conheciinentos que ella lo-
inava de tudo c a habilidade que moitrava
atravez de lanloi obstculos. Reduzida a tres
senlidos, a necessidade linha admiravelinente
desenvolvido nella a finura do tacto c doolfac-
to. Entretanto o tempo da rczidcncla conce-
dida pelos estatutos, tioha ja passado para a
pobre menina ; scui paes cun incgnitos.
t.iiinpria lomar a resoluco de dar-lhc um
niuguem linha tido animo
le ii' no hospicio,
vesscalguin ajuste secreto cm vlrlude do qual \ dpapara-la para isto." Todos estavam cons
hcara em vigor a postura pura c simples, at! ,crni0, cm derredor della, que s eslava
que brevemente seja modificada pela assembla lran(Jullla. Ella obe a con oagein como para
provincial, corao se espera ;c assim ao menos jum dlvertinicul0> ula3 apcria, tmh. passado
se dir que o poder municipal uo cedeu ao
pronunciamento dos refractarios.
B asta por boje e ja uo he pouco.
(Carla particular.)
(jornal do Commercio.)
O
iii.l
grande porla do bespicio, quando a pobre
cega experimenta um ruovlinenlo convulsivo.
Ella foge para junto de urna das damas pro-
tectoras que a conpanbavam : He o hospital!
he o hospital > Seu olfato atiaba prevenido
da iniidaiic.i de ar e seu gesto augincntava
aiod. o horror de que ella eslava possuida.
Conduzirain-na para a sala dos cegos. Che-
SURDO MUDOS. ga a superiora c quer falar-lbc : dizcin-lbc
truclivo, or cxcellencia, nara nue Vicloriua he snrda. A excellente inulbcr
iNMHMs^Hk>a! ~~. _!!-' I- -----;----------:mxi-u>e-: -.-.
ellas tiubaiu despertado suoiaiuenic.bebe excellente viubo a dous passos daqui
VAKIEDADE.
OS
porqu..
cm seu coiacn a lembranca de Michaella um Nao gosto de viuho
momela apagada pelos aconiccimcutoi do He verdade, em vossas montanhas nao se
dia, pois sentir de repente dcsciivolvercin-sc bebe seno agoaou lelle.... mas ah I quando ti-
c crcsccr cm si com Igual forca dous scntiincii- verdes inolliado o beivo em um copo de vin
se, a grandeza me parecem merecer a allcn-
(o das m.ii.- benficas intclligencias.
Seinc alrevesse, dii elle, (diga doutor!)
se rae atravesse a emiltiraqui ura dessc rlso-
nhoi project"! que aiiiiaginai;o produs, quau-
do clevaudo-se aciraa de tidos os obstculos,
ella sc perde em procura de um inelhor ideial,
propozera a reunio cm um mesmo lugar de
todos os surdo-mudos da Franca e menno da
Rnrop. *h.i, debati da autoridad, de urogo
vernador, c sb a direceo de algun mestres
escolhidos dentre os mais instruidos delles, el-
bro, e 2 de dezemhro, e de 20 de dezembro ale
(i de Janeiro de cada anno.
Art. l. Tambera ser feriado o dia 9 de
agosto, dia de Santo-Alfonio, p.droeiro do
collegio.
Art. 17. Os alumnos do cojleglo faro sen,
carnes na academia, depois de vencidas as
materias do ensino.
Reclfe, 5 de junho de I85S.
Kltonso Joz de Otiveira.
Em virtude do art. 46 do regulamcnto de I"
de mnio do anno prximo passado, approvo|os
les formariaui uina colonia organsada como Presentes Ututos Uirecloiia eral da
iriKi ,m publica, 12 de julho de 1852,
Miguel do Sat rameril Lopes (iamn-
Dtrectur geral interino da in^truc^o 1'.
COMMERCIO.
210:910,00b
3;l08,8lj
2I4:0I8,8JI
sociedade. Ter-iue-hla engaado se, em pou-
co tempo se nao houvcssc entre elles bomcos
um ii ii. pelo seu genio c talentos origlnaes, c
se a obscrva[io de scus progressos, a direceo
particular de sua industria, de seu espirito, a
uatureza de suas relaces com nosco, de suas
relaces principalmente com seus lilhos, uns | .
fallando e outros surdos, nao fosse o mais ad- ALFANI1EGA
niravel espectculo que se podesse oQerecer Itunilimunto dodi. 1 22.
me.lltaco do philosopho. \em 0 jja 23.....
O' potencial la trra s vos poderleis reali- [
sar este projeeto! Vos cujas alliancaii teem1
muitas vezes por objeclo a guerra, nao pode-
rleis catender-vos era benchcio de una Idcia
uova c benfica ? A huinauidadc nao poderia
dever um beneficio a poltica?
Os eipiriioidlerem como 01 caracteres. Mr..
Itard particularisa suas visias para fazer dcllas Polaca brasileir. --Sanliisima Irinaait-
a applicaco a mais Imprevista, e lalvcz a mais | gencros dn palz.
uiil, smeute aos scus surdo-mudos. Mr. l-.-i- liii|i(irlii<.ai.
nando llertblcr quer mais. Sua arrente pul- | Rrigue-escuna br.sileitu l.nur., viudo io
lantropia'esieade-sc a todo o genero humano. Maranhao consignado a Jom Ilaplista la
ser este idioma universal? Este idioma nao : 1 picote eslamp... 9 calla. merc.doril
pdc 1er o alphabetomoiiMd/, porque nclle ca- diversas; a Peidel Piulo k (..
d. signal reprsenla uina lelira, de sorte que __^1 caixas clialci 1I1' imsjjjij- li-ncn.s 'I'' '''";
Salve, adoravcl Ucppa! a f que acabo de cuino vos, pessoas de coravo c de intelli-
passar um dia terrivcl. e tanto hecerto que gencia
Dtscarregam hoje 94 rf julho.
Brlgue escuna brasileini Graciola
cadorias.
mcr-
tos opposlos, c que todava seu coracao nao po- de Krioul, pelo qual lenho particular estima, iquellc vmho dourado que me dcstes a
da separar um do outro ; una ardente sym- haveis de mudar de lingoagem. hontcm, e do qual, liavels de citar leu
nathia, uina veneraco profunda pela duqueza Desejo multo, capito, achar-inc no Pie- vos liz o mais pomposo e merecido clogi
| ____W i .....-_______________ M .----|__A__._._._ __. .....I),.,,!,.,!,!!,!.,,,!: !'......Il!l, 11, I.
todo cadafalso onde o tinbain sem duvida le
vado as ondulaces da multido. Alguns lio
nicns deinoliain a marteladas a siui.tia machi-
na, cm balxo da qual a cacada eslava tiucta
de sanguc O mancebo desviou a cabeca coin
desgosto, e ia aparlar-se, quando icutio um.
nao larga apoiar-seiobre sen hombro.
Est bcm, disse a duqueza, agora que a '
Ininua seulcnca dos bomem lem pronunciado Ah! nao roe engao, he o mcu joven pas-
bre nos, resta-nos conhecer lentcnf. de tor, cxclamou ao mesmo lempo uina voz bcm
Dos- partamos conbecida.
Ella aioelhou-se e po. a cabecaiobrc o cepo. Capillo Kr.m.ntc. disse Francesco.
Francesco fechou os olhoi para capar ao Eu vos cria j longc de Mllao.
execravel horror deste espectculo. Elle escu- Nao podendo atravessar a prafa, fui tes-
lou paludo e couslernado ; depoii de doui se- tcmunha bem contra minha vontade....
L'iindos de e ceramum. hora, ouvio um golpe surdo ao! as idelas Iristei, o que esta feito esta feito, eu
nual a multido rcipondeu por um grito de jeremiada! nao reisuscltam os morios. Ora
or, depois, apoi um illenclo de algun minu- bem, meu servico esta rindo, acabo de deipe-
tos.um segundo golpe seguido de imprecaco dir minba gente, e ja que vos encontr, quan-
contiaViscontl... do cria nao vos tornar mais-. ver. quero que
Francesco permaneceu immovel uo mesmo pasiemoi juntos um momento. Viode cumigo
luaar. e como nelrlfic.do pela violencia de sua ao Bloni Pliabus. .........
'""al "i ;n.Tyiruer\Vroml.erir"u'o'di- I raoto. A. feicrte. da duqeza o linhain viva- O que quer dizer Blani Pko*u ?
nVwu^lwWwV*.' p"ante'meoe impreislooado. Seo, que elle soube..e Blond J>*Mn.k.M ..tol.gem onde ,e
il
llca'triz, um odio mol tal," mu desejo de vio'gan- monte, ms sou-vos to obrigado que nao pos
ca iinplacivil contra o duque de Milo. [10 refuzar-mc a passar una hora com vosco.
Quando Franceico saino da cipccic de tor-' Vos partiris noite, o lempo est magui
por era que linha cabido, percebcu que cssa tico, c, visto o calor que faz, nada he to agr
iraca, inda ha pouco, muilo acanbada para con-; davel coino viajar claridade da la
ler o povo que a Invada, eslava agora quasi
deserta; eilc ficou espantado de achar-sc juu-
sois a pcrola daseslalajadciras de Milo, como
he que me veris morrer de sede a vossos ps
se nao me troucerdes j e j uina garrafa da-
provar
morada,
Olhai
l est a tabolcta do Blanie Phabui] Ah I eu vol
rcco.iiineudo a cslalajadcira, be una crcatura
esplendida, c que me vi sera muilo desgosto...
mas calua! cu tenho como isso urna ou duas
cus todas as cidades de alguma importancia na
Italia, eno ha umas quenosaiba que a dis-
crico be minha mais bella virtude!
Elles entraran! ambos cui urna casa lodi chela
de pinturas brilhanles, por cima de cuja porta
havia uina tabolcta que representava o Dos do
dia ein pe em seu carro. Alim Je evitar lodo o
equivoco a respeito dos cabellos de Apollo, o
artista o linha piolado de um vermclho arden-
te, oque, seja dito de passagein, fazia-o pare-
cer mais com um cometa do que com um
Dos.
Depois de ter atravessado um pateo quadra-
do, os dous amigos penetral am em urna sala
grande mediocremente eiclarccida por algu-
mas lampadas suspensas ao longo dai paredei.
Urna uiulher mu. i. belleza enrgica, de olbar
de fogo e de encantos luxunosos, acoilio apres-
ada a voz rclunibadora do capito.
_ llom dia, lignor lir.iin.uiic, disse ella com
um sorrlso que levcl.va claramente toda a ele
gria de su. alma.
A uiulher dcsappareceu concudo, mas voltou
logo com urna garrafa c dous copinos, os quacs
poz sobre a mesa ; fclti isto, ella sc retirou de-
pois de haver trocado um olbar de indiligen-
cia com Kramante.
Ocapilo desatacou o gibo, poz o chapeo o
a espada sobre um dos bancos de pao que bor-
davam as paredes, c depois enchendo os copos,
disse a Francesco:
Provai disso.
O mancebo levou o copo aos belcos, c pondo-
os logo depois sobre a niela com uina caranto-
nbaiigullicaliva, disse:
I-.ste vinho he excellente, eslou convenci-
do disso, mas he preciso estar acostumido coin
elle.
Acaiautonba de Francesco fez rir mullo a
llramante, o qual sc resignou sera difliculdade
a beber por si s todo o conledo da garrafa.
Elle at levou o herosmo ao ponto de esv.siar
um. segunda garrafa, na qual Francesco nao
locou, bcm como nao linha tocado ca prl-
mclra.
Ora, meu charo Francesco, exclamou el-
le emfnu, ento queris decididamente vollar
para vosias montanhas, c passar a vida guar-
dando porcos e ovelhas ?
Sem duvida, respondeu o maucebo. Que
ba nlsso deadiniraco? Nao ha inllbares de ho-
mens que exerccni esta prolisso na llalla ?
Sim, mas estes miniares de huracos nao sao,
Ora! soldado ou pistor, ludo be o mcsiii.
Sim, com esta dlflercuca que o pastor b-
ca pastor, ao passo que o soldado pdc vir >
ser capito como cu, gram-condestavel, c gon-
faloncirn da igreja, como Giacoinuzzo Sforia,
ou mesmo priocipe reinante como Braccio de
Montone! Acaso taes exemplos nao sao feito.
para electrizar o coracao?
Sim, certamente, disse o pastor, hanellcs
de que tentar a ainbicode ura hornera, mas a
minha nao se eleva to alto; ella prope-se eni-
Iiiii mais fcil de atllogir-se, e mais cm rclacao
com meus gostos e cora meu carcter.
Como vos aprouver, baibuciou Hraniaulc
cujas (acuidades se lam entorpecendo deban
da influencia do nctar napolitano, mas po
Santo Uilario, mcu patrono, isso me aflligc
multo.
Elle pronunciou estas palavras com uina ro
enternecida, e tomou a mao de Francesco, a
qual apertou cora elluso, pois os vapores da
embriague! linbain consideravelnientc desen-
volvido sua sensibilidade natural; depois Hn-
vago
srin
(ando cm derredor de si ura olh
expresso, inurmurou avilabas Inlntelligivc.
deixou cahlr a cabeca sobre a mesa c adorme-
ceu profundamente. ,
Francesco mui torpreso leulou inullinicnie
acorda-lo para despedir-se. Vendo cmnm que
era preciso renunciar a isso, e que a noile ti-
nb. j cahido, ba mullo tempo, levaniou-.c e
aahio da lala, esperando bem que desta vez uaua
ic oppm ia ni.us i tua partida.
CCom/iiar--*)-


^A.

brai* d algodo; H. Camsley. ,
5 pecas cabos de linho j Manoel da Silv
Sanio.
2 caixas e t embrulho livros e improssos;
lo consignatario.
1 caixa rap; a Francisco Jos da Costa
Campollo.
1 sacca arroz, t paneiro farinba d agua,
I caisilo louca do barro ; ao Dr. Sabino Ole-
cario Ludgero Pinho.
1 caixa chocolata ; a Manoel Jos do Nas-
ciniento eSilva.
3caixas lencos decambraia de algodao,
} ditas cortes de vestidos de dita dito, 18
hirris banha de porco, I barrica tapioca,
28caitas vaeias de rap, 1,697 saccas arroz ;
l ordem. '
Vapor brasileiro Paraeose, viudo dos por-
tns do sul, consignado a agencia, maiufcs-
los o seguate :
3 caixas; a viuva Pcreira da Cunba.
5 ditas; a Domingos Alves Matbeos.
I caixSo; a Manoel Figueiroa de Karia,
I dito ; a JoSo da Cunha Magalbfics.
I pacote ; a Joaquim Jos de Amorim.
ISrigue inglez M>iy llounscll, vinJo de
Terra Nova, consignado a N. O. Bieber & C,
manifestou 2,034 barricas bacalho; aos
consignatarios.
Patacho brasileiro Dous de Marco, vindo
lo Rio Grande do Sul, cunsignado a iialtbar
Oliveira, manifestuu o seguinto:
1,830 anobis carne, 1 barricas sobo; a
ordem.
CONSULADO GERAL.
Itendimentodo dia 1 a 22.
Mi.in iin da 23......
28:280.667
119,693
28:400,360
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimentododli i a 22
lilemdo dia 23......
1:204,925
54,319
1:259,244
signatarios Novaes & Companhia,
na ra do Trapichen. 34'
Vendo-se a barcada denominada Flu-
minense, que carrega vinte o quatro caixas
regulare.*, cum todos os pertences, e capaz
de viajar: os pretndanles dirijam-se para
examina-U, no Forte do Nato,e para tratar
na ra da Cadeia do Recite, armazem n. 62.
I'ara o Rio de Janeiro.
O brigue escuna nacional Hun-
da, segu no dia 3i do correntc ,
recebe carga e escravosa frete, of-
ferecendo a estes o melhor agasa-
llio possivel: trata-se com os con-
signatarios Machado & Pinheiro ,
na ra do Vigario n. 19, segun-
do andar, ou com o capitSo M. Al.
Ferreira, na praca.
Para o Rio de Janeiro satie rom imita
brevidade, o patacho brasileiro Bella Anui-
ta, anda pode recebor alguna passageiros e
escravos a frete: trata-se cum o consigna-
tario Hanoi] Alves Guerra Jnior, na ra do
Trapiche n. 14, oucom o capitao Manoel Jo-
s de Senna Martina, na prar;a.
Para o Aracaly segu om poucos das o
hiate Ligeiro; para o resto da carga trata-se
na ra do Vigario n. 5.
I'ara a Bahia
Sabe com a presteza do costume a velei-
ra o ja buin condecida escuna brasiloira Ade-
laida : quem nella quizer carregar, queira
dirigir-se a ra da Cadeia do Recite n. 23,
ou a do Trapicho Novo n. 16, segundo an-
dar.

-- Antonio Pereira, lendo o Diario n. 160, -- O abauo assinnalo faz publico que ten
JLeilfto.
llxpOllat'iHl
llio de Jaoi'iio, brigue nacional Flor do
Rio, de 205 toneladas, conduzio 2C0 tone-
ladas de caivSo de podra.
Santa Catharina, briguo nacional Valle,
do 190 toneladas, conduzio o seguinte :
1,662 alqueires sal de Lisboa, 99 arrobas
e-lupa, 8 uigus louta, 1,700 cucos C'im cas-
ra, 100 duzias de ditos paia beber agua, 80
barricas com 618 arrobas e 18 libras de
lasucar, 6 barriquinhas c 25 latas com 69
arrobas o 12 libras de dito.
1.1 '.1 l'.l.lii M'.lA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Hundimenlo do dia 23.....828,582
CONSULADO PROVINCIAL
ReodiDianto do di 83.....735.832
mmmmmiimmmm Mmmmitt
Moviraenio d>porlx
Naviot iahidoi no dia 23.
I'ara e portos intermedios -- vapor brasilei-
ro Paraense, commandante o capitSo de
trgala Costa Pereira. Con lu/ aseu bor-
do, desta provincia, EstcvSo Lopes Cas-
talio Brancoel oscravo, Francisco Ma-
noel dos Martyres, Viconto Mendps Wan-
derley, JoSo Ribeiro de Vasconcelos Pes-
soa.
Aracaly -- hiate brasiloiro Exallacflo, mes-
tro Antonio Manoel Alfonso, carga varios
teneros. Passageiros, JoSo Evangelista
Helio, l.uiz Gomes Silverio e sua scnliora.
Por ordem do senbor doutor juiz mu
nicipal supplonle da sogunda vara do civel
e do commorcio, se far loilSo, a rrqueri-
rnentu dos administradores da massa falli-
da de Marcelino Jos Itibuiro, e por nter
medio do agente Oliveira, do todas as ferra-
gens, miudezas, e de algumas fazendas das
lujas de dita mansa, sitas na ra do Quei-
mado ns. 49 e 65, om um ou mais lulos,
vonlado dos prelondentes : sabbado, 24 do
correle, as 10 horas da mauhSa, as indi-
cadas lujas.
Miguel Carneiro far loilSo no da ter-
ca-feira, 27 do coirente, as 10 horas da nia-
nhSa,no seu armazem na ra do Trapiche n.
38, de diversos trastes novos e usados, ca-
mas do ferro, pianos, prousas para copiar
cartas, bataneas, can lieiros vasos para flo-
res, quadros com estampas, pistolas, bande-
jas, obras de pr .la us iia, e outros muilos
objeclos que valem a pena serom arremata-
das ; assim como ao uieio dia em ponto ir
a loilSo urna porcilo de charutos da Uahia, e
dous cavallns proprios para sela.
quo traz um annuncio em que Francisco Ri-
beiro de Britn lem contratado vender a casa
terrea n. 4, sita na ra da Alegra, e como
elle lem sobredita casa eoutras na mesma
ra de n. 8, 10,16,18,24, e na Glorien. 9s,
queMSo pendente na relacSo, faz o present
aviso para que pessoa alguma faca contrato
sobre ditas casas,
-- O Sr. Jos Cirilio Corroa, morador no
engenho Puta, queira rom brevidade diri-
gir-so a ra do Queimado n. 11.
Aula de primeiras lettras.
O abaixo assignado avisa aos respeilaveis
pais de familias, a quem este possa interes-
sar, que na ra das Agoas Verdes n. 22, se-
gundo andar, entina primeiras ledras com
todo o esmero e perfeicSo, para o que oble-
vedo Exm. presidente da provincia a lcen-
Ca de que trata o aitigo 38 do regulamento
de 12demaio do anno prximo passado,
sendo as materias que leciona leitura, es-
cripturacSo, doutrina chrstSa, arithimetica
em quatro operarles de inteiros, quebra-
dos, decimais, cumplcxos, regrs de tras, ju
ros e campanilla, gramuiatica portuguoza
geometra rectelluea, e noces do geogra-
phia o historia ; assim como se ofTerece pa-
ra lecciunar externamente ditas materias
quem do seu presumo se quizer utilisar,
prometiendo aos illuslres pais, que lho con-
fiaren) a educacSo de sous fillios, esforcar-
sequanlo em si couher, aflm de bem de-
sempeuhara ardua tarefa a quesopropOe.
Simplicio da Cruz Ribeiro.
Na praca da Independencia
n. 13 e 15, loja de calcado do A-
rantes
cife
Avisos diversos.
Declaracoes-
Cartas seguras vindas do Sul pelo va-
por Paraense para Antonio l.uiz dos Santos,
Eduardo Joaquim Pereira Braga, doutor Jo-
s Joaquim dos Santos Jnior, Manoel Joa-
qun! Ramos e Silva, Frei Jos do Santa Ma-
na Magda'ena, Antonio Angosto Ferreira
l.imn, Fernando Antonio do Rozarlo, dou-
tor Jos Goncalvcs da Silva, Francisco de
Paula Silva Lins, Dignameriro Augusto do
llego Itangel, coronel Jos Ferreira de Aze-
vedo, Mannol Pereira l.emos,Jos Pedro Vel-
loso da Silvcira,Leonardo Bezerra de Siquei-
ra Cavalcanli.
REALCOMPANIIIA DE PAQUETES INCLEZES
A VAPOR.
No dia 31 desle mez, espera-
se da Europa o vapor Te-
viot, commandante Onslow,
o qual drpois da aemura do
costume seguir para os portes do Sul: pa-
ra passageiros, trata-se em casa da agen-
cia, na ra do Trapiche Novo n. 42.
i'cla subdegalacia da freguezia deS.
Antonio foi aprehendida urna trocha de
lulipa: quem se julgar com direitn, comp-
rela na mesma subdelegicia,
(Janeo de l'ernambuco.
Os dcscontos da emana que decorre de
19 a 24 de julno, sSo os de seis por cento ao
anno para as letras a vencer ate o lim de 011-
tuliro,e para asa vencer at seis mezes de
oilo por cenlo ao anno.
Pela segunda seccSo da mesa do con-
sulado provincial se faz publico, que do dia
-' do correnle mez so principia a cobrar o
imposto de 20 por cento do consumo das
agoas-ardentes de producto hrasilera do
segundo semestre do anno fiuanceiro do
1851 a 1852.
m ni I'
l'ublicoces litterarias.
ELEMENTOS
? S de" %
iHOMEOPATHIAf
-.' SAMO A I UZ A 3.' E ULTIMA PARTE
. destaobra composlapolo professorde
* liomopatbiaGossel Biraont Gustar "'
v. 5/000 a obra inteira at 30 de junho, J
^ dia em que licar encerrada a assig- 9
* natura. Esta obra be til, tanto para *
* os mdicos que se dedicarem ao es-
W ludo da nova medicina, como para #
*S lodasaspessoas de boa vontade que
* quizerem convencer-so por experen-
"' cas da verdade desta doutrina, por i
t ser ollamuito clara, e a intelligencia t)
A do todos, 4
A No consultorio homcopathico ra >
A dasCruzes o. 28. 4
Avisos maritiuuos.
patacho nacin >1 Valente,
egue com muita brevidade para o
hio de Janeiro, por ter o seu car-
rc^amento quasi completo : para
o resto, escravosa fretc e passagei-
ros, trata-se com os consignata-
rios Novaes & C'ompanhia, na ra
lo Trapichen. 34-
(3 brigue nacional Rio Ave ,
egue impretcrivelmente para o
''"o de Janeiro, no dia 3 deagos-
"' prximo futuro : para escravos
3 Irete e passageiros, trata-se com
' capitao, na praca, ou com os coa-
--Os abaixo assignados fszem sciente, que
ninguem poder contratar negocio com a
mciacSo da casa n. 45 na ra da Gloria, sem
que soentendam com os abaixo assigna-
dos. Bernardiuo deAlmeida Ferreira, Gre-
gorio da Costa Mnnteiro, Jorge da Costa
Monteiro, Joaquim Sutorio do Farias, Sabi- ' no lluiiriques Luiz.
No dia 26 do crrante mez, pelas 4 ho-
ras da tarde, se ha de arrematar perante o
senhor doutor juiz di orphos, no principio
da ra de Dorias, confronte ao beccodeS.
Pedro, urna morada de casa terrea na ra da
l'raia do Caldereiro n. 6, pertoncente a he-
ranra do finado Jos Antonio de Moraes,ava-
linda em 1:200,000 rs. : quem a pretender
dirija-se ao sobredito lugar as horas indi-
cadas.
Oflcrcco-se um linmem quo d liador a
sua conduela para corroio particular, abrir
viveiros, valados, cambes etc. : quem de
seu prestimo se quizer utilisar annuncie
por esto Diario.
No dia 21 do corrento desappareceu do
aterro da Boa-Vista um cachorro inglez to-
du amarellu c lanzuJo, mullas cortadas O
muiln manso quem delle > va-loarua do Crespn. 17, ser gratifi-
cado.
Descja-so saber com urgencia e certe-
za, se anda existo Rosa Mana de Lima, ca-
sada com o portuguez JoSo Francisco Furia-
do, lilha que foi da parda clara, llosa Mara
do Jezusnde Jus Velloso Moutolro, hranen,
solteiro, que dando baixa de soldado appli-
cou-se a cnsinar meninos. Toveella um ir-
111.I11 do nomo Florentino Velloso Monteiro
Accioly llolim de Moura da Fonsoca, e foram
moradoresemNazareth, Cabo de Santo A-
goslinho : quem della souber e der noticia
se poder entender na ra do Vigario, casa
n. 7.
- OH'erece-se um homem para criado, ou
luilm : na ra das Agoas Verdes n. 3.
Roga-se ao senhor Jos Ignacio Perei-
ra, morador no lugar de Mogeiro, que tendo
fallecido 0 8ou presado irmo Antonio Fran-
cisco Pereira, morador em Barra de Naluba,
que be devednr da quantia de 668,000 rs. a
Joaquim Ribeiro Pontos, como mostra nos
seus documentos, por isso roga-se ao mes-
mo senhor Jos Ignacio Pereira que quoira
fazer o favor do vir entender-se com o se-
nhor Ponles no Recife.
-- O lllm. Snr. major Alexandrc Gomes do
Argollo FerrSo tenha a bondado de annun-
ciar sua murada, paraselhe entregar urna
carta da Baha.
Joaquim Jos Pessoa, achando mitro
de igual nome, de boje em diante assigns-
se por Joaquim Jos da Silva.
Jo Rodrigues Sordos o Jos Joaquim
Concalves fazem publioo ao commerco que
te-ii estabelecido urna siciedade na riflnaQo
da rus do Pillar n. 120, e deposito da ra da
Cruz n. 52,sobre a firma Cougalves 41 Rodri-
gues, cuja lirma lica obrigada a todas as
traimofu.'.s commerciaes, comprehendendo
mesmo quollas quo at aqui existiam como
particulares, havida entre os dous socios,
antes do presente trato social.
No da 23 de junho, as iluas horas da
tarde, comprou o abaixo assignado ao sn
nhor Antonio Jos Vieira de Souza, corretor
de escravos, um preto por nome Thomc, e
na mesma larde tomou o dito preto urna be-
bedelra, fez um roubo, e fngio at boje, di-
zendo-me o tal senhor Souza que o preto
nBotinha vicios, que servia rnuito bem para
urna pessoa pobre, fiado ou as cantigas do
tal menino, estou som os meus 500,0ti0 rs.;
o melhor negocio que ha be vender escravos
de-la manoira ; fac,o este aviso para quem
quizer comprar escravos fallar com o sonbor
Souza, quo he borne nSo engaa so estiver
dormindo.
Domingos Jos Pereira da Cosa.
No dia 23 de junho, as oito horas da
noite, desappareceu o escravo Tnom.do lu-
cilo Angola, de idade 40 annos, pouco mais
ou menos, giosso du corpo, meio fula,nariz
chato, o beico do baixo grosso, tem urna
qiicimadura na p do lado esquerdn, poma
fina, os dedos dos pus bastante eatrepiados
dos matos, he um tanto baixo, levou vestido
caifa branca o nada mais ; quem o pegar le-
ve-o em Fra de Portas, ra dos Guararapes,
na offlcna de ferreiro de Domingos Jos Pe-
reira o Costa, que se recompensara.
-- A pessoa que anounciou querer com-
prar urna niolnlia : pude procura-la na loja
do Sr. Vilaca, na ra Nova, que ah existe
urna de Jacaranda com pouco uso.
, e na ruada Cadeia do Re-
n. 4^ 1 loja de miudezas de
Jos Fortunato dos Santos Porto,
foram vendidos os premios seguiu-
Us, a saber: da lotera a favor do
lio. pila! da cidade de Goyaz, em
vigsimos 1166, 10:000,000 du rs..-
ni i|ua 1 lo-. 1 m) 1, 4:000,00ode rs.;
1334j aoo,ooo rs.; i357, 100,000
rs.; 1641 400.000 rs. ; 2^07,
100,000 rs. ; 3o8 200,000 rs
4615, aoo,ooo rs.; 4<)|5, t.-ooos
de rs.; 494> 100,000 rs. ; 55g8 ,
200,000 rs ; 5988, 400,000 rs. Em
oitovase vigsimos 11.28!, 2oo,ooo
rs.; em oitavos 553?, 100,000 rs.
Ha i|u 'i 11 lotera a beneficio di
igreja matriz de S. JoSo Haptista
da Lagoa, meio bilhetc n. 2o53 ,
10.000,000 de rs.; 187G 300,000
rs.; 2459, 100,000 rs.: em quar-
tos 2022, 100,000 rs.; 2i54,20os
rs. ; em oitavos '|N.">.''>, 200,000
rs. Sao pagos as lojas cima men-
cionada, os premios sem descont
algum.
Aluga-*o a loja do sobrado n. 26 do
aterro da Boa Vista : a tratar na ra da Ale-
Aluga-se um negro, quo cosinha, en
gomma e faz todo o servico de urna cisa de
portas a dentro : na 111,1 da Cadeia do Reci-
fe n. 91, terceiro andar.
A senhora I). Mara Lourenca, que mo-
ra nesta cidade, ou em lugar visinbo a ella,
e he seuhora de um escravo do nome Anto-
nio, du iiaufui Gacauge, official desapateiro,
n qual so acba fgido ha 13 para 14 anuos,
annuncio por esle Diario a sua morada,para
se tratar negocio de seu interesse
Prucina-se de urna ama forra ou capti-
va, para o servido de una casa de pouca fa-
milia, que compro c cosinho bem; na ra
Nova n. 5, loja.
precisa-se alugaruma preta quesaiha
vender e que seja diligente e fiel; quem ti-
ver annuncio ou dirija-se a ra da Soledade
n. 42, ou na travessa da Trompe n. 9.
O agente Antunes faz sciente ao res-
peitavcl publico, quu mudouastia cusa de
lu, i'i > para a ra do Trapiche armazem 11.
14, por baixo do oscriplorio do seuhorMa-
noel Alves Guerra Junio;.
Pn cisa-se arrendar um sitio perlo da
praca, quo tenha cacimba o commodilades
para Ires vaccas de lele, anda que a casa
noseja muilo boa,preferindo-se na Estrada
Nova ou Luca : na ra de Hurtas 11. 40; mi
de tambem se vonde um moinbo prompto
para muer milbo.
Cavallo fgido.
Sabbado, 17 do correnle, desappareceu do
sitio do abaixo assignado, na Pcuto de II-
cha, um cavallo rus.o pedrez, faces, o bai-
lante selado, com urna belide n'um olno
quem o livor adiado queira enlroga-lo no
mesmo sitio, ou no Recife, na ra do Amo -
rim n. 35.J. J. Tasso Jnior.
Fugio no dia 21 do correotn, o proto
JoSo, de tdade avanzada, he baixo e gros-
so, tem peritas arqueadas e os ps feios, he
vagaroso quando anda, costuma Irazer as
cal;as regaladas; levou chapeo de palha ve-
lho u lulipa h/iiI ; no mesmo dia fugio um.
molequo de nome Luiz, cor fulla e bonita
figura, tendo no lado direilo do rosto um
taino indelevol, de urna queda; tem olbos
vivse bastanteespertos, ps pequeos; le-
vou camisa de riscado ecalQa de listras; he
rnuito astucioso, pois que j coiumetteu
igual crime e illudio lgumas pessoas cum
o titulo de ser livre; he natural do Gara-
nhuns : portanto, roga-se a todas as auto-
ridades, capitflos de campo e a qualquer
pessoa quo os pegar do os levar na ra lli-
reta a.lt ou 78, venda de Joaquim Antu-
nos da Silva, ou no deposito de assucar do
Jos Francisco de Lima, que ser3o genero-
samente recompensados.
i". 11a do Collcgio n. q
Lotera do ttio de Janeiro,
do alugado no dia 17 do correte um caval-
lo.com cundidlo de voltar no mesmo dia, ao
senhnr Antonio Francisco de Alero, este at
o presente nSo mais Ihe apparecou com dito
cavallo, que pelo presente pede seja resti-
tuido por aquelle senhor com o aluguel, e
mais o que deo causa,sub pena de prooeder-
ae contra elle, com todo o rigor das leis co-
mo protesta.
Manoel Tavares de Aquino.
Ouem precisar de una ama de boa con-
ducta, para casa estrangeira : annuncie.
Serafim Alves da Rocha Bastos e Jos
Lourenco da Cruz, compraran) ao senhor
Antonio Jos Moruna Poetes, a sua loja de
miudezas, sita na ra da Cadeia n. 17.
Desappareceu de urna tenda de sapatei-
ni as Cinco Ponas, um menino, pardo, de
idade do 6 a 7 annos, em camisa, e chinellos
nos ps, o qual tem duus dentes faltos na
frente, e leve sarampo ha poucos das, por
cujo motivo tem o cabello rolado; descon-
lu -su que est oceulto por pessoa que o
quer reduzir a escravidlu, sondo ello livre
desde o berco : quem della souber queira
dar paite na ra dos Assouguinhos n. 1.
-- JoSo Francisco Xavier Paes Barreto.ro-
ga a qualquer pessoa quo tiver recebido ou
receber alguma carta para elle vinda do Rio
ou de outra provincia, o obsequio do man-
da-la entregar ao senhor Gustavo Jos do
Reg, na ra da Aurora.
Desappareceu no dia 24 de junho da
casado abaixo assignado, um oscravo, cre-
oulo, de nomo Domingos, de ida le de 25 a
28 annos; estatura regular, secco do corpo,
cor fula, cara regular, sem barba, ps pe-
quonns e apalhetados, pernss linas, levando
vestido calr;a de algodSosinho branco,cami-
sa do mesmo panno, chapeo de palha, e por
maior signal be rendido de urna venilla, 11
suppOe-se quo o dito fugira para o engonno
Brrjo ou Ululas, por ser lilho desle lugar, e
he bem fallante; por issu roga-so as autori-
dades policiaes e captis de campo que ha-
jam do capturarem, e levarem a seu senhor
Francisco da Rocha, morador na cidade do
Rio-Formoso, ou nesla prac,a ao abaixo as-
signado, morador na ra Nova n. 58, que
sera generosamente recompensado.
JoSo da Rocha Wanderloy Lins.
Gasa de commissSo de escravos.
Na ra Direita, sobrado de 3 an-
dares, defronte do beccodeS. Pe-
dro n. 3, recebe:u-se escravos de
ambos os sexos, para se venderem
de commssao, nao se levando por
esse trabalho mais do que 2 por
cento, esem se levar cousa alguma
de comedorias; offerecendo-se pa-
ra isto toda a seguranca precisa
para os ditos escravos.
Precisa-se de urna roulher para vender
fizendisem companhia de urna preta, pa-
gando-se 10,000 rs. incnsaes,e que d liador
a sua conducta ; na ra Velha n. 39.
Precisa-se de um feitor para engenho:
quom esliver nestas circunstancias, diri-
ja-se a ra do Livramento n. 20.
Precisa-so do 500,000 rs. a premio, com
seguranca em um predio : a quem este ne-
gocio convier, dirija-se atrs da matriz do
vAnioiuun.il, que l so dir quem pre-
cisa.
Lotera de N.Senhora do Rozario-
As roda desta
Desappareceu no dia 21 do
passado mez um cabra de nome
Antonio, que representa ter 3o
annos de idade altura regular,
bem feito do corpo, ps pequeos,
he aleijado do braco direitn ao p
da iiiunliecit, proveniente de feri-
mento d'arma de fogo, ctem todos
os costumes e fala do mato. Este
cabra foi loriado em i83.3, c an-
dou peio sertao em varios lugares,
como fossem Riacho do Saogue,
Brejo de Bananeiras e Catle at
i852, em queveio para esta cida-
de para o poder de seu senhor o
abaixo assignado; roga-se por-
tanto as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo a captura do mes-
mo, e mandar entregar na ra dos
Pites na Boa-Vista u. 28, que se
recompensar generosamente.
Manoel Joaquim Carneiro Leal.
Aluga-se o terceiro andar e solSo da
casa n. 7 da ra da mooda.com muitos com-
modos o bem fresca: a tratar no segundo
andar da mesma casa.
qualidades de ferros velhos e metaos do to-
das as qualidades, assim como ourelos de
pannoa finos, casimiras o todas as quali-
dades de mulambos, que servirem para fa-
zer papel; assim como cabos velbos, lo-
nas, ect.
Compra-se urna mobilia em bom esta-
do ; quem tiver annuncie.
-- Compra-se um escravo mofo e robus-
to, e quo seja de bons costumes ; paga-se
bem; na ra do Amorim n. 41, segundo
andar.
-- Compram-so escravos de ambos os sa-
xos, do bonitas figuras, de 10 a 25 annos.
Unto para a provincia como para fra, pa-
gam-sebem : na ruada Cacimba n. 11,00-
do morou o finado vigario do Recito. '
Compra-se toda a qualidade de metal
velho : na ra Nova defronte da ConceicSo
0. 38.
Compra-se em sogunda mSo, a novulla
intitulada moreninha: na ra das Gruzesn.
18, lorceiro andar.
Vendas.
lotera andam
no da 29 do correnle, o resto dos
bilhetes estao a venda nos lugures
do costume.
Precsa-se alugar um subrado de um
andar ou um sogundo.que tenha solSo oque
seja no 'curro de Sanio Antonio ; quem ti-
ver algum desoecupado ou pa-a se desuecu-
par, dirija-se a ra da Ordem Terceira de S.
I'ranciscu o. C, ou no Manguinho, casa j uni 1
a padaria do senhor Lapa.
Por engao sahio o annuncio quo se
venda rapMeuron na ra da Cadoia do Re-
cife n. 15 a 1,100 rs. a libra,o a 560 rs. meias
libras, Meando de hoje cm diante a 1,120 e
560, e 20 rs. a oitava.
Sentido! 39 A he 00 p do ftozazio
de Santo Antonio.
Quem te mun tou esto doce? Perguntava
em 'ima mesa um huspedo a seu aruigu ; de
tantos amigos, ainda nenhum me mandn,
que se compare com oste, Ihe toruou u ami-
go, em abono da verdado que a ainda o sa-
boriei igual a este, comprado ao J. J. Men-
dos da Silva n. 39 A da ra cstreita do Ro-
zarlo ; amigo, satisfazei o appelite que este
l foi comprado j tambem por me o terern
informado. Carissimos leitores.sundoo hos-
pede meu amigo,communicou-mo o que re-
Jato cima, e ou para que o respeitavel pu-
blico possa apreciar a boa qualidade e dar
crdito a sinceridade com que Ihe fallo, os
convido a que venham anlcs que se acabe,
junlamenloa rnuito acreditada bolacbinl a
do araruta,biscoitinhos,falias, o outras nim-
ias qualidacs, como sejain aineiidoas con-
fetadas na lcrra,bolihhos lranuiv.es e amen-
doas finas de cores, luiio por cummodo pre-
(0, como lio du ccistumo no 39 A.
VfVfV'vt^vfVv'VfvVWVTV1!'
i
>
Publica ram-se ulliuiameute na nnprensa
de u i:- u 1, na ra Bella 11. 28, as seguintes
pegas de msica :um numero do lindas
quadrilhas para piano e flauta a 1,000 rs. ,
para flauta so a 500 rs., a rnuito applaudida
modinhaquer o fado quor a sorlo para
piano a 640 rs., para violilo a 500 rs., modi-
nha abaraada o encontrpara piano a
640 rs., para violSo 1 00 rs., modinha -alta
noite oh que silencio, valsa a sencitiva, pol-
ka a pernambucana, ludo em um tullido,
por 1,000 rs., bella flor, polka, para piano a
500 rs, modinha o meu primeiro beijo
para piano a 1,000 rs., urna linda valsa para
violSo a 400 rs., dnas valsasa madrugada
c o saltopaia piano a 320 rs., a luzeada,
grande vala, para flauta a 320 as
Urna senhora brasileira, com todas as
habilitaces precisas, lano do escripia o
conlabilidade, como du costuras, borda-
dos, laberintbos, etc., se ofTerece para re-
ceber on sua casa, na ra das Larangeiras
n. 25, meninas pura serern educadas; e
mosmo receber alguma escrava, sendo de
boa conducta; c prometi, no desempenho
de suas funredes, dcixar salisfeitas aquel-
las pessoas quo de seu prestimo so quize-
rem utilisar, mediante urna mensalidade
mdica.
l'ublicacoes llomeopathicas.
A 25 DE AGOSTO sabir luz a continua-
So da palhogenesia homeopathica,compos-
la de 12 medicameiilus europeus, trrduzida
do manual do DR. JAllll, e a do 12 iiiu.lic 1-
niunLus ni. \mi.i uns i-xir.iin l.-i da obra iDli-
tillada bouliina da Escola Homcopathicado
RIO DE JANEIRO, pelo DR. MURE. Este vo-
lunte ser augmentado da Theoria da appli-
cacSo das dozes pelo Dr. Muro, lacuoa im-
portantissima deixada por llahnemam ao
cuidado dos seus discpulos. Iteccbom-se
assignaturas a 3,000 rs. pagos na nccasiSo
da entrega, no consultorio do prof. boineo-
palha Gosset Bimoui, ra das Cruzcs n 28.
Prccisa-se de um caixciro quo tenba
pralica de negocio de venda: a tratar na,
ra ila Senzalla Volita, venda n. 15.
'';#*?*?***>
No da 20 de junho do cor-
t, rente anno, desappareceu do ^
fe sitio das rozeiras, do major S*
2 Joanuim Elias de Moura
- Vendem-se toalhas de labyrintho mu
finas e grandes, de bretHiiba,com blco ao re-
dor, obra rnuito boa ; lencos de labyrinthos,
de bretanha, e rondas: na ra da Cadeia do
Recife n. 49, segundo andar.
Vende-se urna trave do louro com cin-
coenta e novo palmos de comprido, um o
meio por urna face o um dito reforjado oor
outra : na ra do Queiinado u 44.
Aviso aos pais do familias.
Na ra do Coliegio 11. 7, acha-so um sorli-
mento de louca do Porto de diversas quali-
dades branca o de cores, a qual se vende por
piuco minio barato e serve para quem tem
pouco diuheiro; a ella antes que se acabe
porque he poebincha, o depois nSo val nada
ose cu soubura vamos, vamos fregu-
zes. Na mesma loja so vendem treze caxas
vazias em queveio a louca.
^* Falitos Feitos. J9
Na ra Nova n. 26, tom para vunder-se pa-
litos do panno verde o prelo,muilo bem fol-
tos,e mais barato do que em outra qualquer
parte; a elles antes quo se acabem.
Na rua Nova n. 26
Vendem-se sapalOes de couro de lustro
pelo diminuto prcro do 2,500 rs. o par, di-
tos virados a 1,600 rs.; a elles antes que se
acabem.
Vemle-se urna cama do armacSo nova,
de amarello, rom os seus competentes col-
xes, anula nSo servida,umeandieiro inglez
muilo rico, o ainda nSo servido, tros pares
de jarros dourados, urna duzia de cadeiras
de moguo o una mesa grande com gaveta :
na rua das Floros, casa 11. 21.
Vende-se para lora da prarja urna es-
clava, creonla, de idade 25 annos, por mo-
tivo que vista do comprador se dir ; coso
alguma cousa, lava do sabSo e varella com
toda a porfeirSo, bem como he perfoitaco-
-iuli ir.i de um ludo, rnuito limpa e desem-
baracada, sem vicio de bebidas o que se af-
Imiic 1 na travessa da Madre de Dos, ven-
da u. 1.
Vendo-se urna escrava de na?So Gosia,
quo representa 35 annos de idade, de boa
conducta, boa lavadeira de varella, e cosi-
nha o diario de urna casa, pelo proco de
400,000 rs. : quem a pretender dnija-so a
rua dos Cupiarcs, sobrado de um andar n.3.
Vende-se, na rua do Amo-
rim n. 36, saccas grandes com la-
rinha, a 2,000 rs., para se con-
cluir, csaccHS de gomma tambem
grandes, a 7,000 rs.
Botica homopathica.
28 RUA DAS CRUKES 28,
Dirigida prum pharmaceutico
approvado.
20:000,000 rs
15." lotera da Caridade.
Pelo vapor inglez Stoern, sahido do Rio
do Janeiro em 16 do correnle, receberam-
se Inlli 'te e cautelas desta lotera, cuja nu-
merario he rnuito sympathica.
Offerece-se urna mullier de idade me-
dia, som vicios nem achaques, para servico
de casa do homomsolteiro ou casado sem
pcnsSo de crianzas, a qual sabe cosiuhar
um ludo, e faz massas e doces ; o tambem
entende de cosinha estrangeira : quem a
pretender dirija se a rua da Guia dentro do
lleulle, casa 11. 7.
-- Troca-se um bom cabriulet usado,rnui-
to maneiro.e com todos os seus apparelhos,
por um piano forte, embora usado, mas que
seja bom : a quem convior este negocio fal-
le com o dono da loja de chapeos de sul, nu
aterro da Roa-Vista n. 22. Na dita loja ha
um globo ou candieiro baixo, pequeo c
moderno, novo traste o bonito para alumar
urna sala ; o qual he para vender.
O abaixo assignado, vendo um annun-
cio no Echo Peroambucano de 20 do correu-
to, sob a epygrapho noticias da patria
emptasa sen autor, a provar urna nica das
asserc,Oes que tove a bondado de dirigir-lhe,
e assignar seu nome ; se o nSo lizer ficar
lido como o mais infame o vil calumniapor.
Gabriel Antonio de Castro Quintaes.
Aluga-se o terceiro andar da rasa da
rua do Queiraado n. 9: a tratar na loja.
:?
* Esteestabolecimento possuo todos <:
2" os medicamentos at agora oxperi- *
mentados, tanto na Europa como no *
Brasil, e preparados pelas machinas J
da invencSo do Dr. Muro. *:
PRECOS. <
dat carlirai homopalhica.
Emcarteiras de 12 tubos grandes 12/ ^
24 20/ <
. 24 pequeos 15/ 9 Tubos escollados (cada um) 1J" *
* Tintura s demedicamentos em
*L frascos de l|2onr,a (cada um] 2'2
gt- Ha mais, aleni destas,outras muitas *j
9. caxas com glbulos c tinturas por ,.
9- presos varinveis, conforme o tama- -ep
3* iilin ea iiuafdade das caixas, e a <^
> quanti lado dos remedios e assuas *" dynamisacOes, etc. <
* AVIA-SE GRATUITAMENTE J
I? para os pobrs, todas as receitas que "
a para ali mandar qualquer professor. *
.^ A A ,s fe s A ft A: ? ft^ft IA A A
Ueos ispoe.
Acaba de chegar do Rio de Janeiro, trsdu-
zido em portuguez, o excellente romance de
Aloxandro lumias,une tem por titulo, D.ios
llispOe, vende-se na livraria da praca da In-
dependencia n. iiu.s, a 8,000rs. constando
de 6 volumes.
Andrade&c Leal
Compram moleques, creoulns, ou mulatos
de 12 a 16 annos do idade, o tambem rece-
hem apreiulizos captivos ou livres para as
diversas ollicinas de sua fabrica ; a tratar na
mesma na rua Imperial ns. 118 o 120, com
Manoel Carneiro Leal, ou no deposito da
mesma na rua Nova n. 27, com Joaquim An-
tonio dos Santos Andrade.
% Alugam-se e vendem-se bixasna 9
9 praca da Independencia n. 10, con- #
fronte a rua das Cruzas.
fe defronie da capella 'lo Ho-
J, zarinho, c seu escravo creou-
te lo, mestre pedreiro, de no-
S] me Silvano, com os signaes
i. deguntes: estatura regu-
I lar secco do corpo bem
if preto, cabeca pequea, olbos
I vivos, pouca barba, jbran-
$ quejando, c com su i cas finas
te e compridas, rnuito falto de #
dentes, s tem na mandibti- S
te la superior um denle canino, M
J peitos cabelludos com al- *
; guns cabellos brancos, tanto 4
/ traballia com a m3o direita, |
t como com a esquerda, com 4
a qual toca mili; pernas li- ^
as, com urna cicatriz ver- *
melha na canella c outra no ?
peito to p da nutra peina J
te levou calca cjaqueta branca, ?
e um lioin'i liranco de ca- *
bello e jialla; tem sido vis- S
to pelas Cinco Ponas e Boa .-
Yista : quem o pegar, 011
^ delle c!er noticia certa, v ao *
te dito sitio, que ser recom-
^ pensado com generosidade. ,
* *.;******* ,*teiite**
Aos dentes.
J. Jam dentista, noticia ao publico que
c mtina a por denlos arliliciaes do porco-
lana incorruptivuis; oannunciaiitoencherta
de um ou lodos se fr preciso, asseverando
atodasas pessoas que se quizerem utilisar do
seu prestimo, que 11S0 exige paga alguma
nSo ticaudo os dentes IJo bom collocados
que nilo se possa d ll'ureiu;ar dos proprios
natnracs,podcndo-so masligar qualquer co-
mida sem sentir a menor dor nem receio
de os quebrar, lnibem calsa os dentes na-
luraes turados da caria com ouro ou prata,
prevenindo assim a conliniiac,5o da caria e
dores e mesmo evitando por essa forma de
passar a caria dos dentes furados para os
outros saos, como bom,alimpa os denles em
geral, tirando as curias ou podras que tanto
os damnifica o coopera para o mo alito da
bocea nSo sendo tirado; lia dez anuos que.
oaniiuncianlo curco sua prulissSo nesla
cidade, e os muitos exemplos que tem dado
nesse longo lempo ser quanto basta para
garantir sua residencia na rua Nova n. 19,
nrinieirn andar._____________
;
Vnndem-se barris do breu, em lotes, a
conteni do comprador: a fallar com lu-
theus Auslin &Compinba, na rua do Tra-
piche 11. 36.
Vende-se um rico piano, novo, de me-
sa do Jacaranda e do excellenlos vozos, o
melhor que podo haver : na rua das Flore,
casa n.2l.
Vendo-so urna preta moja : na rua da
Cadeia, loj n. 50, deCunlia & Amorim.
- Vonde-se sement de coentro a 100 rs.
a garrafa : na rua da Trompo 11. 5. Na mes-
ma casa tambem so vende um berco de an-
gico om bom estado.
Vende-so urna negra de 13114 annos ;
na rua do Coliegio n. 10.
Vende-so cha hysson rnuito novo o o
mais superior que ha no mercado, por preru
commodo,e em lotos a vontade dos compra-
dores : na escriptorio de Malhcus Austiu &
Compariliia, na rua du Trapiche n. 36.
Vende se o verdadeiro rap Paulo Cor-
deiro, pelo proco do 1,440 rs.: 111 praca da
Independencia, loja de miudezas n, 5.
Fazenda da moda.
Vonilem-sc superiores cortes de cmbrala
de salpicos brincos do edr, pelo diminuto
ni eco do 3,500 rs.: na rua do Crespo, loja
n. 6.
vende-so urna oscrava de nacSo, njosa,
de bonita figura, sem vicios nem achaques,
optime cosinbeira, eogomaiajeira, e ludo o
mais tendente ao servico do urna casa; a
tratar na rua do AragSo n. 40.
Vende-se madapolSo com urna peque-
a vana, rnuito largo, a 3,200 e3,500 rs. a
peca; na nu do Queimado o. 23.
Calcado.
Sapatoas do lustro para homem o meni-
nos todos progados, ditos de brim, ditos
do Aracaly : sapatos de lustro o setim dos
melboros para scohorase meninas : no at-
ierro da Bua-Vista loja n. 58, junto ao sel-
leiro.
Vonde-se ou aluga-se um oscravo rnui-
to fiel, som vicios nem achaques : a tratar
na rua do Vigario n, 29, armazem.
um P..11111LHA
DE
As numorosas oxperionciasfoitas como
uso da salsa parrilha om todas as enfermi-
dados,originadas pela impureza dosaogue,
o o bom oxito obtido na corte pelo lllm.
Sr. Iir. Sigaud, presidente da academia im-
perial de medicina, polo lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto om sua clnica, eem
sua afamada casadesaude na Gamboa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino de Oliveira, me-
dico do oxercito e por varios outros mdi-
cos, pern illcm hoje de proclamar al lamento
as virludos eflicazes da
SALSA PARRILHA
DE
Compras.
Nota. Cada garrafa conten duas libras
de liquido, e a salsa parrilha do Bristol be
garantida, puramente vegetal som mercu-
rio, iodo, potatsium.
Vende-sea 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Maria Conexivos Ramos : rua dos
Quarteis nonada ao auarlol de polica.
Tachas de ferro.
Na fundicSo da Aurora em Santo Amaro,
o tambem no deposito na rua do Brum logo
r.a entrada, e defronte do arsenal de mari-
nna ha sempre um grande sortimento do
tachas tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenat, razis efundas; e em ambos os lu-
- garas exislem guindastes, para carregarca-
\
(:
- Na rua da Senzalla Velha, defronte donoas ou carros, livrosidedespeza : os procos
$999te*tetetete*tetetete>#.Sr. Martins, pintor, rompram-se todas asisoos mais commodos.
-*
**fc-f*l
**


Moinhos de vento.
com bombas de repuxo par rearar hortas
ebaixasdocaplm nafundignodeD. W. Row-
man: na ra do Brum na.6,8 e 10.
CHA l'UKTO
Vende-se superior cha preto,
en caixas de 3o libras cada uma :
eiu casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra d<> Amorim n. 35.
J ARADOS AMEIUCANOS. *
J Vendem-se arados ame-
liemos, chegados dos Esta- 9
dos Unidos, pelo barato pre-
50 de 40)<>oors- cadaum: na *
na do Trapiche n. 8. +
I',11 inlia de trigo
SSSF.
Fontana.
No armazem de J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doRecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa ebegada ul lima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Armazem de vinhos.
Na rua da Senzalla Velha n. 48,
vendem-se vinhos de Lisboa e ri-
gueira, dos maissuperiores que ha
no mercado pelo diminuto preco
de 200 e a4 r8> a gai"rala?e i,5oo
a i,8oors. a caada : para confir-
mar d-se a provar, e para ver da-
se a beber ; he baratinho, a elle
freguezes que he bom viuho.
Deposito de cal virgem.
Cunba & Amorim, na rua da Cadeia do
Recite, n. 50, vende-se barra com supe-
rior cal ora pedra, chegada pelo ultimo
navio de Lisboa, por menos prego do que
em outra qualquor parte.
l'otassa americana.
No antigo deposito da cadoia velha, n.
12 existe uma pequea porcSo doputassa
americana, chegada reconternente quepor
superior rivalisa com adaltussia: vnde-
se por preco razoavel.
Agencia de Edwin Alaw.
. .. ,, _....._____ ....
Narua"dc Apollo n. ti, armazem de Mc.Cal-
inoolSi Companhia, acha-ac conslanlemente
hona aortiinenioa de taixa de ferro coado e
batido, tanto raja como futidas, moendas in-
ri raa todaa de ferro para animaea, agoa, ele ,
ditas para armar em inadeira de todoa oa ta-
inauhos e inadelloa o mal moderno, machina
buriaontal para vapor, comlorcadc 4 caval-
loa, coucoa, paitsadciraa de ferro estantiado
para caaa de pulgar, por menoa preco qucoa
de cobre, cacovena para navios, ferro inglez
tautoem barrascomo cin arcosfolhas, eludo
por barato rireco.
WfVVVVWVf9f Vff vvvv w
Familia de mandioca J
y Vende-se, por prego rasoavcl, fa- ^
.. rinha de S. Malhcus a 111 ais nova ^
C que existe nesta mercado : na rua e
e> da Cruz n. 3i, delronte da l.ingoeta. m
AGENCIA
da lundicao Low-Moor.
HUA DA SENZALLA NOVA X. *2;
Neste estabeleeimenlo conti-
na a ha ver un completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para cngcuho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
A 120 rs. cada um.
Na rua do Queimado u. 3. defronte do
becco do Peixe-Krilo, vonJe-so lcncinhos
de cambraia pintados, para iuSos desonho-
ras, pelo baratissimo prego de seis vintens
cada um.
Vendem-se os verdadeiros selins in-
glezos, patente, de molla e sem ella : na
rua da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se marmelada nova, vinda l-
timamente de Lisboa : na rua da Cruz 11.
46, defronte do Sr. Dr. Cosme.
Vendem-se relogios de ou-
ro epr&ta, patente ingiez : na rua
da Senzalla Nova n. \?..
Arados de ferro.
, Natundigoda Aurora, em S. Amaro,
vendem-se aradosde forrode diversos mo-
delos.
Deposito de panno de algodao da
febrica Todos os Santos da Ba-
nhia.
Vende-se por preco commodo
o bem conhecido panno de algo-
A 240 rs. ocovado.
Defronte do becco do Peixe-Frilo, loja n.
3, vende-se caasa chita, cores xas, de lin-
dos padroes, pelo barato preco de dozo vin-
tens o covado; bem como chitas baratas
e outras fazendas ns.
Vendem-se amarras de ferro: na -na da
Senzalla Novan.49.
i>.'iin-.il la fabrica de Torios os
Santos na Huilla.
Vende-se,em casa deN. 0.llieber& .,
na rua da Cruz n. 4, algodfio transado a-
qunlla fabrica, muitoproprio para saccosde
assucareroupa deescravos.porpregocom-
modo.
Vendem-se lonas, brinzSo, brins, o
meias lonas da Russia ; no armazem de N.
O. Biebor & Companhia, na rua da Cruz
n.4.
Na rua do Crespo, loja n. 5, vendem-
se corles de meia-casimira de pura ISa, o
gostos muito bonitos, pelo mdico prego de
2,560 rs. o corte; brim pardo de linho, su-
perior fazenda, a 6(0 rs. a vara.
Algodao para roupa de escravos.
Vende-se algo dSo muito encorpado, pro-
prio para roupa de escravos, com pequeo
toque deavaria.a 146 rs. a jarda; dito
limpo a 180 rs. : na rua do Crespo n. 5.
Sortimentos de panos finos e case-
miras de todas as qualidades.
Na rua do Crespo loja da esquina que vel-
ta para a cadeia,vende-se panos Tinos pretos
a 2,800, 3,200, 3,500,4,000, 5,000 rs., e fran-
cez mullo superior a 6,000 rs., o covado, di-
to verdea 2,800 rs. dito a.ul a 2,880, 3,500,
4,000 o covado, corles de caiga de casemir
prola enfestado a 5,000 e 6,000 rs., dita ran-
ceza elstica a 8,000, 9,000 e 10,000 o corle,
e outras muitss fazendas por prego com-
modo.
Cortes de brim de puro linho.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia, vende-so corles de caiga de
brim de quadros, e listras de puro linho a
1,280 e 2,000 rs.,dilointeiro pardos 1.280e
2,000 rs. o corle, nscado de linho de listra
a 720 rs. o corte.
Cambraias de salpico bianco e de
cor, lencos de cambreia de
linho.
Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ts para acadeia, vende-se corles de cambraia
ACIDADBDEPARIS,
J. Falque, dono da fabrica cima mencio- quali'1"^"8.? ,?ro8sur. Unto em porgSo
nada, participa ao respeitavel
Pernambuco, e principalmente
guezes, que elle recebeu pelos u.uuius na-1 b
vios, vindos d.Fr.nga, um grande o rico,'".T'v'nde-se um lerrde f
sortimento dos molhoies chapeos de sol de
Para latoeiros e funileiros. AO PUBLICO.
Vende-se ni rua Nova n. 38, defronte da j Km mui crescido numero contavavim os
CopceigSocadiohoide n. 1 ale n. 40 a 120 mdicos at agora molestias incoraveis _
rs o numero, sreia de moldar, thezouras 'contra asquaes so era pcrmiiJoao pacien-
grandea, muito boas, viilroa para vid raga, te resignadlo para soltrer um mal deque
tanto em caita Como a retalho, muito bara- j nflo havia e.-parangas de poder llberta-lo,
tos, oleo de linhaga, tezouras pequeas, tro- e ao medies philantropico a dor de ver mui -
las para esporas, roletas para as ditas, ver-,los de seus semelhantes victimas deenfer-
niz copal, folhade flandrcs em caixa, o a ,'midades, contra as quaes se declarava im-
retalho mais barato do que em outra qual-potente, podendo apenas lamentar a fra
quer parte. |queza da inlelligenoia humana. Has, gragas
Folln de (landres. aos P'ogressos da medicina, grasgas ao zelo
Vende-se folha do fiandres de todas as^de onn ncsnsave.s, que, nSu desespe-
rando da perfectibilidade da sciencis, se
Una do Collegio n. 4.
/"IiI.kk"1 il como om fetalho, por prego muito raioav'el:
Sseurr "' rU" *V"- l0ja ,,e ferrBflns 6 ''" -
l ltimos na- ilenlim Sllva Con,P'nh' i e ln.bem se
hostias
teem dedicado invesligagSo de remedios
que possam alliviar a humanidade dealguns
males que a afligen), o numero das moles-
tias reputadas incuraveis vai de dia em dia
diminuindo. Assim, achar depois de lon-
gos trabalhos, de profunda medilagSo e
os mesmos, assim como gloes cs-
didos, he por certo um dosmaiores servi-
gos que se podia prestar humanidade; eis
que eslava reservado i um homem philan-
, : tropo da cidade de Braga, em Portugal,
tos para homem, de ferro e de balea de fSf 2. E?T ftaSPaSSlS cuja scioncia, cujo amor de seus semelhan-
2,000 rs. par. cima ; ditos de junco do 1,500 "j/de 18 an^s deTd.de ..di. o rec. les se leem feito ger.lmente conhecer. Os
rs. para cima; grande e escolhido sortimeo-' P"raa> ae nnos ae idauo, sama o reca-
lo de chamalotes, sednse pannos em pega, I l"(l"' prpn. P" mucamba
para senhoras, de todos os feitios e tama- "'. "" como gaioes es- a
Khos. qun vende muito emeont. ; ditos de ) ?!5Lf, P,r "5?" p,r,,c' ; X
panno "par. meninos de 1,500 a 3.000 rs.; di-1 JtjHS2SnSaZL*ml' "
para cobrir armagOes servidas, baleias de
todas as larguras e tamanhos, para vestidos
e espartilhos para senhora ; fazem-se um-
brllas para Igreja; concerla-se toda e qual-
quer qualidade de chapees de sol, tudo pnr
muito monos prego do que em outra qual-
quor parte. Vende-se em porgSo e a reta-
lho. No mesmo estabelecimento acha-se
um bonito sortimento de bengalas.
Col virgem.
Vende-so cal de Lisboa a mais nova do
mercado: na rua do Vigario n. 19, primei-
andar, escriptorio de T. de Aquino Fonseca
& Filho, ouna rua do Trapiche, amazem de
Antonio Augusto da Fonseca.
Queimado, loja n. 39.
."'remedios que ora offerecemos ao publico,
: o5o eolran na classe d'aquelles quo o vido
e ousado charlatanismo inculca com rou-
Igual pecluncna nunca se vio a Cos o desrompassado brados, e que o cre-
i4o rs. o covado .'
i dulo vulgo por ignorancia recebe na ba f
Vendem-se chitas escarlates muito linas fem discernimento, achando-se depois il-
de ramagons para cobertas a 140rs cada I"11"1; t. porm, de oceupar mu .lis-
ura covado: na rua do Crespn. 14, loja tl"cto luG" entr8 os medicamentos que
de Jos Erancisco Dias. ,maiores beneficios prestara ao homem:
- Na rua da Cadeia do Recife n. 16, exis- I constara ellesda disselugao aquoaa deex-
te vindo de Inglaterra de prximo uma por- tctos de plantas modieinaes, de virtudes
gSo do palitos, caigas o colotes do todas as 'mui 'econhecidas e verificadas. O longo
qualidades de fazeddas e goslos modernos. uso. continuada o severas experiencias
-- Na rua do Collegio o. 7. acaba de abrir-'a ffiff" tnd a P"te t"01 ,l." s"b-
se um pequeo, mas mimosamente sonido, '"""'dos, sem que uma so vez hajam falha-
armazem de louga do Porto, do difTerenlcs Joen>seiis bons effeitoa, e desmentido as
cores e delicados Rostos.e vende-se por me- osperangas que sobre elles havia fundado
nos do que em outra qualquer parte; a elle eu inventor, Ihe teem grangeado cons-
Doiaoua he naehlneha .tantea o repetidos elogios dos mais sabios
NarurNova n. 96. tea para vender-se P 1""^!?lfVNov,es&Cornn.n|., e respeiteveis mdicos, assim na Europa,
pa tos de panno verde e preto multo bem I w escripiuno ne ciotma companiua K ._..... nue unsonos abonam e
feitos, e mais barato do que era outra qual- tenl P,ra ve"ller. Ror. P'W commodo o se- *om,.l\lm.e.rJc_';. "l
guinto panno de linho muito fino, linha de Proclamara sua acgfio sempre certa e benig-
quer parte, a clles antes que se acaHem. | d aeca B(icarn,d onepeoedo "a; Um esles licores he desuado a con-
Tudo s3o pechinchas. | cbe gr,ndeSi jfo pequeDos ordinarios,, b.ater as molestias de olhos, e lera por pnn-
Vendem-so chitas liuss a 120,110,160,180. ditos pequonos muito finos, cera em velas cipal virtude restituir aos orgfios da viso
dVsipico'brauco a 4,000 w., dito de cor a| e200 rs. o covado; pegas de ditas a 5,000, de bom sortimonlo, fechaduras lisas, gran- suas funcgOos; reanimar o fazer reappare-
4.600 TI., lencos de cambraia do linho a 500i 5,500. 6,500, o 7,000 rs.; chitus para cnber- des e pequenas.dilas le broca grandes c pe- cor em sua natural pereigao a vista, qusn-
e 600 rs. cadaum. la do cor lixa a 200 rs. ; corles de caiga do quenas: na rua do Trapiche n. 34. do es" esliver fraca ou auas! exmela;
MOendM luperlorea. I biin de cor a l,00O e l,200 rs. com trese No armazem do caes da alfandega n.7, comanlo, porem, que n3o haja ceguoira
dio desta fabrica ; em pessa, a
vontade do comprador: no escrip-
torio de i\ovaes& Companhia, na
rua do Trapiche n. 34.
__Vendem-se asseguintes sementes:
nabos,rabanos,rabanetesencarnadosebran-
cos, sobla, couve trinxuda alfaco ala-
moa, repulhuda,chicoria, senoulas, fejjSo
carrapalo de tres qualidades, ervilha torta o
direita, fava, coentro de touccira, salga, to-
mates grandes, repolho, couve lombarda,
saboia, e moslarda : na rua da Cruz n. 46,
defronte do Sr. doutor Cosme.
Com toque de mofo.
.Na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia,vende-se chitas escuras com
poqueno toque de mofo a 5.500 rs. a peoa,e o
covado a 160 rs.
a a8o rs. o covado
Defronte do becco do Peixe-Krito, loja n.
3, vonJe-so alpaca de algodSo pelo barato
prego de quatorze vintens o covado; esta
fa/enda torna-se recommendavel nSo so
para vestidos de senhora, como tambem
para palitos e casacas de homem.
Taixas para engenho
Na fundico de ferro de D.
W. Bowman na rua do Brum,
passando o cha Cariz contina a
haver um completo sortimento
de taixas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bocea ,
as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com prompti-
d5o, embarcam-se, 011 carregam-
se em carros, sem despezas ao com-
prador.
Espehos por pouco dinheirq,.
Na ruada Cruz n. 20,casado Avrial Ir-
raSos& Companhia vendem-se ptimos es-
pehos, com moldura, e som ella, chegados
ltimamente da Franca, por prego dimi-
nuto.
Fa rinha de mandioca a 1,600 rs. a
sacca.
No armazem do 1.1. Tasso Jnior;: na rua
do Amorim 11. 35.
Toda altcnc5oao barateiro !
Hua do Crespo n. i4, loja de Jos
Francisco Dias.
Existe um delicado surtimento de fJnissi-
simas chitas do cores com salpicos, os mais
lindos gostos que tem viodo ao mercado a
240 rs. o covado, ditas cores devinho e caf,
muito miudinhasde novusdesenhos ecores
muito fizas a 200 rs. ocovado, ditas de dif-
erentes qualidades a 160 rs. o covado, finis-
simas alpakas de todas as cores a 640 rs. o
covado, dilas com fios Ue seda e de novas
coios a 1,000 rs., ditas prolas com flores
imitando cliamalote de seda a 1,100 rs. o
covado, crtesde casimiras de 15a e algodao
de lindos gostos a 1,600 rs. o corte, os maisl
superiores brins de puro linho e de riquis-
simas cores a 1,280 is. a vara, brins de puro
linho de uuia s cor, fazenda propria para
palitos a 320 rs. o covado, as verdadeiras
brelanhas de rolo de 10 varas a 1,800 rs. a
pega, idera de 5 varas, fazenda muito encor-
pada a 1,000 rs. pega, assim como muilas
outras fazendas que se venderlo por muito
menos prego do que em outra qualquer
paite, ,
Vendem-se osteiras de palha de carnau-
ba, regulares e glandes, de 2 varas de con-
primonto; chapeos de palha a 8,000 rs. o
cenlo; pellos de cabra a 20,000 rs. ocen-
to, chegados agora do Aracaty : na rua da
Cadeia do Recife n. 49, segundo andar.
e zeurs. a vara pi-v ueuuu b x,ouv,.i,vuv, Doa : a iralar no mesmo armazem, ou cora *=" hu.iuwoi i"""-v -
3,400,3,600, 4,000 rs, e multo fino a 5,200 Novaes & Companhia, na rua do Trapiche nelhidao dos olhos. NSo causador, nem
rs. ;algodaotrangado, proprio para lengos n. 34. instimulo na parte
e toalhas a 3,600 is a pega ;e outras muitas Attcncao .0utro llauido rostitue a faculdado de ou-
fazendas por pregos extraordinariamente f vyw i vir os sons aoouvido tocadodesurdez, ain-
baratos: na loja da estrella da rua doDuei- a l mado n. 7, confronto ao becco do Peixei aterro da Boa-Vista n. 29 seja de nascenga, sem causar em lempo al-
"' j j i-i o Recebeu-se um novo e lindo sortimento
Brim trancado de puro linho a J20 de chapeos de sol do ultimo gosto, tanto de
rs. O covado seda como de panninho para homem.o ven-
Na rua do Crespo loja da esquina quo vol-' d.em',',e por menos que em outra parle;ta n-
da vende-se brin trangado par- bom '^ para vender um grande sortimen-
to de sedas de todas as cores a qualidades,
gum o menor incommodo aodoente, esem
priva-lo de cuidar om sous negocios.
INSTKUCCO'ES PARA O USO DOS
REMEDIOS.
O do olho tmprega-se do modo stguinte:
O (lente pela raanhSa, em jejum, uni-
dora pouco mais ou menos depois que era
la para cada vende-se brin trangado p
do de linho puro a 320 rs. o covado.
Chita para coberta, cor lixe a ESSfZtfBiifESSZ VJeon' gUaer-se d0 le"0' T* sobJ,e a palm' d>
' naieas para vestidos e senliora,e se con- mao pequea porgSo d nquella agua ; o com
200 res covado. certa chapeos volhos; ludo isto cima dito ella molhar bem os olhos, fazendo que al-
Na rua do Crespo.loja da esquina que vol- s0 '" Por ""enes P'ego do que om outra gumas gottascaiam sobre o globo oceular:
la para a Cadeia, vende-se chita para cobor- qualquer parte. gein os |, ,, 0s conservar molhados at
la de novos padrOes e cor lixe a 200 rs., o \ 3,000 rs. o corte. que naturalmente enxuguera : ao deitar-se
covado. 1 ,. j noite praticar o raesmo: durante o lem-
A 5,000 rs. I.,?2! ml"c!?e1".rf?.?,r.,.-CaJ?? '! P 1ue Ufar do remedio evitar o calor, a
- Superiores chapeos do sol
zes chegados pelos ltimos
oinulo prego do 5,000
rua lo Ccllegio 11. 4. seus competentes arreios tudo em muito' que tcstguc:
A 1C0 rs. cadaum. bom estado, o o cavado muito bem ensina- O doento pela manhSa, uma hora pouco
Defronte do becco . 1 1 -- Vende-se um bonito relogio para cima em jejum, far derramar dentro dos ouvi-
to, loja n. J, vendem-se lencinhos de mesa de mel de salla, pelo barato prego dos quatro ou cinco gotas do liguido, ta-
de cambraia pintados, para mao de de 5O'00 rs: Da Praa (la Independencia pando-os 'lepis com algodflo em ama;
' l n. 4. noileao deilar-so repetir a mesma opera-
nicninas e senhoras, de muitos Vondom-sa farellos os mais novos que gSo. Durante o uso do remedio evitar
bonitos desenhos, pelo baratissi- ha no mercado, o por prego commodo : na oxpor-se, os ouvidos principalmente, a ac-
travessa doOuoimado, venda n. 3. go do calor e do vento, alim de evitar
Vende-se uma porciio de grande trantpiraefio, baveoda cuidado em
fl..J..> k.at:.. r 1 n!i0 moldar os pos em agua fria ; finalmen-
Handres e botijas que forem de t9devo.bster-se de comidas salgadas, aze-
olcd, por pre<;o commodo: ua rua das e adubadas.
I ii" do lluni id o ^fi i Estes remedios ostSa venda na botica de
Idrg.i do Hozarlo n. 30. Barlholorneu Francisco do Souza, na rua
., .. 1 NoYldades larga do Rozarlo n. 36, nico deposito em
do UCCCO do reixerrito, loja n. J, Vcodem-se lengos do grvala de seda a Pernambuco, polo prego de 2,240 ris cada
vende-se riscadinllO azul, com a 480rs.; chitas a 120, 140 c!60rs.; cam-'Vidro.
mo prego de meia pataca cada um;
dar-se-hao as amostras com o com-'
ptenle penhor. '
A 120 rs. o covado.
Na rua do Queimido, defronte
No Passeio Fublico n. 17, loja de
portas.
Vendcn-se chales de 13a e seda o mclhor
queso tem visto neste mercado pelo barato
progo de 3,200 rs.; ditos de 18a a 1,000 rs.; penJ10r_
laro-nro ,ln lvr< nilmni nal,. Inri '"'aia fraiuvza a 800 rs. a vara ; manteletes, [ .^ttfajr|i#WiMIMW^W^aWW^'- largura de tres palmos pelo bata- cda* brancas, sarjas o outras lazenlas : na (,,,,llois Plilhet &TnmnaWh.
' tissimo preco de seis vintens o co- rua Nova n. 48.
vado; esta fazenda he muito recom-i Panno preto fino a
mendavel aos senhores cheles de
familia; d-se as amostras com
ditos de tarlatana a 1,000 rs., cortes de cas
sa-chita, bonitos padrOes, a 1,800 rs.; chi-
tas para cobertas, cores fixas e bonitos pa-
diOesa 200 rs., o covado; ditas para ves-
tido a 160 e 200 rs. o covado ; meias
croas americanas para homem, duzia
2,200 rs., par 200 rs.; mins de linho pro-
Na loja das 6 partas.
Chitas escuras a seis vintens, seto, meia
pataca e dous tustes,. lengos drancos para
mSo de senhora e meninas a dous tustOes,
longos pequeos para meninos a quatro vm-
t "11-," muitas outras fazendas por pregos ra-
Continua-so a vender no deposito^
geral da rua da Cruz n. 52, o excel-9
lente o bem conceituado rap areia
preta da fabrica deCantois Pailhct (\ U
_ Companhia da Babia, em grandes ol
2,300 rs. o covado : na loja de Si pequetas porgues pelo prego esta be-
Flores & S, na rua da Cadeia do *
Recife.
>, mki rs.
o covado.
Vende-se panno prelo fino, a
nacSo, tem uma perna grossa, um
escroto grande, que estava em cu-
rativo, levou vestido uma calca a-
zul de ganga, camisa branca, cha-
peo de couro, foi escravo do capi-
lozinho : rng-i-.se as autoridades
policiaes e capites de campo, .1
captura do mesmo a entregar a
sen senhor, na rua da Aladre Dos
Joaquim da Silva Lopes.
-- Desappareceu do absixo atsignido um
escravo por nomo Victor, cahra, escuro ,iH
Idede de 20 annos; levou caiga branca ja.
queta escura, be oflcial de sapateiro,altun
regular, bem fallante ; desappareceu desde
o dia lerga-feira 13do correte : quemle,
varna na do Queimado n. 13, ser gratifi.
cado,Antonio Congalves da Silva.
--Andaacha-se fgida anegrtescrava-l*
nome Delfina.que desappareceu no principio
de maio passado.a qual fol comprada ao Si.
ManoelJoaquim Pascoal Ramos, tem os sig.
naes seguintes : idade 50 annos pouco mai,
ou menos, levando um vestido, de chita.
outro de liscado, he alta o magra, ecom
poucos denles n* frente, levou com si^o
um panno da Costa tem do costume a,
vezes andar vondendo agoa e tambem fruc-
tas. Roga-sea todas as autoridades polieiie
o ci pitaes de campo ou qualquer pessoa que
dola tiver noticia a mande apprehender a
levar na rua do Apollo em casa do Sr. Norber-
Joaquim Jos Goedes. Existindo suspeitas
que est nccullada.
No dia 13 do corrente is 7 horas di
noite fugio do engeobo catoeira deSeri-
nbaem o eaeravo Matheot.levou uma argnlla
no pescogo.calga de algodao de listra e cami.
aa de madapoln ; e lem os aignaes seguin-
tea : estatura legular, espsdado,ps seceos
porem achatados com callor de Qagdo.e com
sicatrizes as nadigas ; a tal argolla se elh
ti ver tirado deve ter a marca no pescogo,tem
mais esses signaes: cara curta porem bouiti,
beigos grossos o muito regnsla, roga-seas
authondades policiaes e capites do campo a
captura do dito escravo.- quem o pegar leve
a roa Nova sobrado n. 58, primeiro andar
que ser bem recompensado
100,000 rs. de gratificacao.
Desappareceu no dia 7 de maio prximo
passado, o pardo Leonardo, de UaJe 18 an-
nos, pouco mais ou menos, o tem os signaos
seguintes :baixo,o peito um tanto meltido
para dentro, cabello carapinhado e al o
meio da testa, e falla de vagar. Bste escravo
vinha todos os dias vender leite no Kecile,
de um sitio da Boaviagem, pertencentea
Joanna Maria dos Pasaos, de quem foi escra-
vo : quem o apprehender e levar a rua da
Senzella Velha, defronto o n. 144, segundo
andar, recebera a jraiilicag.lo cima.
50,000 rs. de graticagSo.
Do engenho Santos tiendes, no dia 13 de
junho, ausnntou-se a escrava Maria, de ji
annos, creoula, fula, de boa estatura, e bom
corpo, os ps carnudos, tem alguns cabellos
no bugo, bem ladina, com desembaragu na
falla ; trajos, saia de chita encarnada, cabe-
gao de cusa, chala de 13a rouxo, ple mu-
dar os I rajos; o andar da dita negra lio pisai
duro, e he desfargada, dentes perfoitos, loi
vista na ribeira de Pao-d'Alho : roga-se
apprehengSo da mesma escrava,c sua onlre-
ga no dito engenho, ou nesta cidade na pn-
ga do Coinmercio n. 6, a Manoel Ignacio de
Oliveira.
- Desappareceu a 10 de maio deste anuo,
a negra Joaquina,de naci Cagange, que re-
presenta ter de 35 a 40 annos, ch-ia do cor-
po, altura regular, cor fula, olhos pequeos,
e com carne sobre elles; tem uma costura
de um tallio na cara do lado esquerdo, per-
rera antiga que mal se percebe ; nariz, chal,
falta-lhe alguns dentes da frente sendoile
um e outro lado, e he feia ; lera uma empin-
ge em todo o rosto que parece ser hexigas;
pellos muito pequeos e mrenos; tomal-
guraascicalriaes de reino as costas; tem
as nadegas Idvantadas para traz que mois
mostra quan lo anda;quando fugio linha um
p mais grosso ; levou diversa roupa que se
non sabe de que usara; he bem Talante que
parece ser creoula ; ltimamente rsteveoc-
cupada no servigo de cosinha.e lem por cos-
tume andar suja ; quando foge costuma an-
dar pelos arrobadlos dosta praga quilandan-
do, lavando, offerecendo-se para ama, o in-
titulando-se forra ; qualquer pessoa que es-
teja semiido-.se com ella na boa f.queia
denuuciar-se, e do contrario se usara dos
meios que Ine faculta a lei : roga-se as au-
toridades policiaes, espitaos decampo, ou
qualquer pessoa, que a prendam ou fagam
prender, e levar ao seu senhor Domingos da
Silva Campos, na rua das Cruzes n. 40, que
ser generosamente reuumpeusado'.
A
P>
u
h
c<
Mi
ih
di
re
hi
di
H
di
80
ri'
d-
te
de
so
de
.ir I
IS
ro
lol
vil
jai
co
OS
IO!
Mil
COI
Ul
hra
na
no
ene
ria,
sin
pi jopara palitos, a 240, 0*300 H., o cova-l soaveis.
do;cortesp.r.coletedeiaaescdaa800rs.;:Casadal,.orluna> ng rua ^.^
Vendera-se dous moleques de bonitas
Aiitif-o deposito de rap prince/.a guras, assim como uma negra : na ruada
4- P.... J u: a l Cadeia do Recife n. 7.
de Gasse do Rio de Janeiro __ Vende-se um ptimo piano
grosso me.o grosso e fino n-(le Jacaranda, de autor muito'acre-
rua da Lruz do Kecifc n. 2,5. i;,.j. m..:. 1 1 j
len'giuhos ara m3o de senhora com bico era ^ u" ",lu""' rua "'" Viuva l'ereira da (unha anear- .' """0 Cm acabado- Por
volla a 280, e 320 rs.,e outras muitas fazen-i n. 7. v luva 1 ereira oa unna, enca 'tersi(j0 de encommenda, o moli-
das por pregos cmodos. N,rull cima e na praga da Independen- rcgada deste deposito scientlfica yo ja yenda ,|e tepfdj|ecd
Padaria i cia, loja do senhor Fortunato, est a venda aos consumidores deste rape, que .. _____
lleum. pechincba. um completo sortimento de cautelas e bi- na_a me|hor 8erem servdo' seus'SOa 3 ^Uem. era de8tlna-0 por es-
Vende-scadinheiroouprasoapadariado:lbetes da lotera de Nossa Senhora do Roza- Pra neuior serem servaos seus, (fl rflz3o dlspertJ a attenc3o dag
largo das Cinco Puntas n.i54,assim como se i rio.^ cujas rodas andam no da 29 do cor- pedidos, tem estabelecido ser pro-| pes8oas que deseia rem possuir um
non v'do deposito mensalmcnte com J. a- !' ,m-,' .. .
8,000 r lao lindo, como importante in.stru-
4,000 remessas eitas pelos vapores da ,. j; ; ,,
"{na j r I ment: din am se a rua da Cruz,
2>0U carreira^ e assim poderao seus ir- __-_.,_ -
, r ., armazem
guezes ter rape muito lresco, cir- Kein u,
cumstancia a mais escencial : min-
da o nccessariosuppnmenlo dofarinhas.seo| rente,
comprador dor a necessaria garautia ; lam-
bem se arrenda : a tratar com J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim n. 35.
Vendem-se noves cassas chitas de lin-
Rilbetes
Meios
Quartos
Decimos
Vigsimos
1,000
500
n. 48 : no mesmo tam-
algumas muzicas para
-- Vcndem-sc doze cadeiras do asseoto de
dos gostos a 2,240 rs. o corlo, cassa de qua
dros fina a 280 rs. a vara: na rua do Crespo,! Calcado. cumstancia a mais escencial ; sup- 1 dos melhores m.inrpc
loja da esquina que volt, para a Cadeia. s,p,|os ,|e couro'do lustro, francezes e piido pois regularmente este de-'1
l'alits a 12,000 rs.
Vendem-se palitos feitos.
ciado, polo >aialissimo p
object
loja da rua do Crespo n. 6. os tomantes : os precos sao os de ppr91: vna "l" Ara8Sonl2-
Superiores cortos do ca>sa-cdiia,de novos sen principio estabelecidos de 128o' Vfindem se catecismos roma-
desenhos, a 2,240 e 2,500 ; eambraiis fran- jI____:___:... ____a:j- j. .1 nos, Conlorme o decreto do conci
cadaum: na ruadoQuoim
lirado amarello n 29
Vende-se a excellent typo-
graphia do Diario Novo estando
bem montada, tanto de bons pre-
los, como de lypos : quem a pre-
tender, dirija-se a rua da Praia
n. 55, a tratar com a Viuva liorna.
Ancoras para navios.
Vendcm-se em casa do Ricardo Royle, na
rua da Cadeia Velha n. 37, ancoras de supe-
rior qualidade, e por commodo prego.
Vendem-se superior champagne,vinhos
finos engarrafados de diversas qualidades,
flanella muiloencorpada, o bolachinclia de
ptima lanniia, chegada ltimamente do
Lisboa, por commodos pregos : na rua do
Vigario 11. 19, primeiro andar.
Continua-so a vender batatas de Lis-
boa, novas a 1,000 res a arroba ; na rua da
Callen do Recife II 25.
Vende-se na rua do Pillar 11.113, uma
preta de nagao, propria para o malo ou al-
gn) engenho, por ser rcfnrgada.
- Vende-so ofiectivaoicute cal pela e
bianca muito lina, assim como vende-so e
corta-se vidros de tod.s as dinieusOcs : na
rua do AragSo n. 8.
900 rs. de Lisboa para senhora, a 1 280 rs. o par ; psito com rap as-m fresco, he palhinli, uma cama de armacao, Ires ban-
is, de panno mes- na praga da Independencia, loja do Arantes ffi quiuh.s, un armario ja usado era bom rs-
.ego de 12,000 rs. n. I3ei5. para ainrmai que esta ooa pitada, tl0i poro donu [er de rellrar.se ,U(lo
mado, loja do so- JNovo sortimento de lazendas na se tornara recommendavel a todos 75,000 rs tambem se vende cada objecto de
salpicos, tanto brancos cono decores, a dra caeca ,le clr,ieiro mi ar-lICnJ ^omlngOs Lopes da Costae
4,500 o pega ; lengos de cambraia de linho ura' taV< e carneiro no ar- 1 : j. _,,. ,, mmM
a 480 c 560; pegas de chitas escuras a 5,000 mazem de assucar da Viuva Pe-1 '*"i" na l?l* n? do_ Crespo
cones de brim de listras, depuro linho, a rera daCunha, na rua da Cruz do "' Joaquim l'erreira lla-
2,000 o corle ; dito liso a 1,440 e 1800; ris- i> -r o
Cado da linho a 180 o covado; didudnalgo- KeCllen. O,
d3o, proprio para escravos, a 160 e 18o o -' Vende-sc u.n quadro da rovolug3o do
covado; pannu preto a 3,000 e 4000 o cova- Minho, ricamente encaxilhado, por prego
do: e muitas unirs fazendas, por picgo commodo: na rua do aterro da Roa Vista, lo-
commodo. ja n. 46.
Desenlio. Algodao da trra.
Vende-se tinta de dilleientcs cores muito Vende-se. por preco t. mimo Jo:
lina, crefles, papel de superior qualidade, _, i <> I o
rormato grande, no pateo do Collegio, loja "d rua lj,esP 2-
u. 6 do Joao da Costa Douraiio. Vende-se um forte piano no-
-JoaoDdiii.ellyinglez.onilojadealfaialo exceilentei vnirs h .Ip
ama da Cadeia doRecife o. I6,acda-se cora vo "ceieiui-s vozt.s, e Ue
nm grande sortimento de roupas feitas no UU1 celebre autor : no iirm izoiu do
paizu viudas de Inglaterra da ulti na moda, corretor ral IU. Carneiro
as quaes se vendorao por lodos os pregos a 1 .,, -,,
diniioiro. ra do 1 rapicne n. o.
na
Cruz
n. 23,
mos, e na rua do Kncantamento ar-
mazem n. 11 : adverte-se que o
preco dos cncadernados he de
a,5oo is. e dos de broebura
2,000 rs.
Escravos fgidos.
Desappareceu no dia 8 do
Boa gratiflcagao.
Gratifica-sc com 50,000 rs. a quem appre-
hender um muleque crilo, por nome Mi
guel, de idade de 15 a 16 annos, fgido
desde sexta-teira 28 de maio prximo pau-
sado, de gancho ao pesc.igo.secco do corpo,
cor bem preta, beigo inferior grosso, com
marcas de cnicote pelas costas, vestido da
camisa dealgodSo branco com mangas cur-
tas, caigas de algodSosinho de listras azues;
be bastante ladino, tem falta de cabellas na
caliega por ter andado vndenlo rucli-,
mandioca, macaxeira pela rua ; oslo mole-
que quando Ihe fallan), est sempre com es
olhos inquietos, e fazendo movraentosenm
os dedos das mSos. Ple ser que so intitu-
le do forro, e que d outro nome, como ja
tirou o gancho do pesengo que linha quan-
do fugio de casa. Portanto rogase a ioda
as autoridades policiaes, capites de campo,
o mais pessoas, que fagan) tudas as diligen-
ciaa do capturar esto inolcque, o manda-lo
entregar a seu sonhor, Jos Saporili, mo-
rador no principio da estrada dos Afilelos
Ua fabrica ecaldereiro da rua do Un: 1
u. 28 ausentarara-se, no dia 10 do passiJo,
o preto Antonio de uag3o Cabinda, estatura
regular, cabellos um pouco brancos, chcio
do corpo e muito cabelludo nos pcilos, ros-
to cairegado; costuma em suas fgidas de-
quentar a Solidade, Manquinno o Afoga-
dos, e em sua ultima lugida foi pegado no
engenho Cuca districto do Rio Kormoso: a
no dia 13 do corrente o preto Alexandre, d
nagao S. Thom, alto, corpo reforgado, e
alegre, e ja foi escravo do Sr. Bolly e do
trance/. Mi-lciiiier, morador no Kio DOce, lu-
gar que omesmoescravo costuma Irequen-
tar as diversas fgidas que ha feito:
roga-seas autoridades policiaes e a quem
quer quedellea der noticias, dirijao-se
mesma fabrica quesera recompensado.
50,000 rs. de gratificagSo.
Desappareceu no dia 25 de dezembro Jo
anno prximo passado, do poder do senbor
francisco Ignacio Uendes,do llio de Janeiro,
o seu escravo Alexandre, de nagao Cagange,
estatura regular, o qual tinha .ido aqu do
Recife, do senhor Luiz Carlos Krudenco da ,
Sampaio, que por intermedio dos senDoies
Amorim limaos, o havia remettulo para a- i
quella corte ao senhor Jos Antonio de Fi- i
gueiredo Jnior, que all o vende- em I" d" I
junho de 18(8 ao referido senhor Headel
em poder de quem dilo escravo leve hexi-
gas, que Ihe occasionaran uma belideem
um oiho, naosesahe se no dimito ou BOetj
querdo, ignorndose 1 uiln-in ao ceilu qual
lo-
ari
Bi
rali
s un
arse
mo
expr
lam
selle
mos
Ihan
mes
I cas
nal,
gula
reva
no d
oc
presente inez, um escravo de no-i" id,1(""lUB,representa: quem o po^ai
1 (ve-o a ruado Vigano, rasa u. 7, onde >
me Jos que representa ter 4"!proinP'|a>ente|pago da gratificagau
annos, grosso do corpo bastante j'naic*d-
gordo, meio fulo; nariz cbato, de| pERN.y j,"r
Ojo
paleo
gar i
como
pasaos
tomo
e oh 1
perlgo
bra cs|
coin pi
approi
como
Ules a
E
moa v
- Q
nao be
barriga
"ha, e
IV f
ue M. r. ue Pama. ,sii-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXGJZF66F_2ALCBO INGEST_TIME 2013-03-29T15:13:49Z PACKAGE AA00011611_03717
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES